Você está na página 1de 28

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 01

VOCÊ PODE MUDAR BIBLICAMENTE

Embora a vida eterna seja um presente, muitos a rejeitam(Mateus 7.13-14; João


1.9-12; 3.16-21; Romanos 6.23)

I. Se você ainda não estabeleceu um relacionamento pessoal sincero


(honesto, puro e genuíno) com o Senhor Jesus Cristo, você tem um problema
espiritual que somente Deus pode resolver. Fora desse relacionamento com
Jesus, você está:
A. Irremediavelmente separado de Deus (Rm 3.23)
B. Espiritualmente morto em seu pecado (Ef 2.1-3)
C. Cegado por Satanás (2Co 4.3-4)
D. Incapacitado para entender as coisas de Deus (1Co 2.14)

II. A resposta para o seu problema espiritual encontra-se no Filho de Deus,


Jesus Cristo
A. Pelo Seu amor gracioso e misericordioso, Deus deu o Seu Filho unigênito,
Jesus, como a única resposta para a sua condição espiritual de perdido (Jo 3.16).
B. Por meio de Jesus você pode :
1. Experimentar um novo nascimento espiritual (Jo 3.3)
2. Ter acesso a Deus (Jo 14.6)
3. Entender as coisas de Deus (Jo 14.26)
4. Tornar-se capacitado para viver de maneira diferente (Fp 4.13)

III. Deus lhe dá poder para você escolher a solução bíblica para o seu
problema espiritual
A. Arrepender-se do seu pecado (Mc 1.15)
B. Crer de todo o coração (Rm 10.9)
C. Estabelecer um relacionamento sincero (Jo 17.3)

O PROCESSO DE MUDANÇA BÍBLICA


O processo de mudança bíblica, conforme explicado na Palavra de Deus, tem
1
início quando você se arrepende do seu pecado e crê no Senhor Jesus Cristo. À
medida que você obedecer a Palavra de Deus, ocorrerão mudanças na sua vida em
direção à maturidade, até o dia em que você estará face a face com Jesus (João
1.12; Atos 26.20; Romanos 8.28-39).

I. O processo de mudança bíblica permanente tem início quando você se


converte ao Senhor Jesus Cristo. Veja a segurança que você tem:
A. Você é declarado justo por meio de Jesus Cristo, pela fé (Romanos 3.21-
22).
B. Você tem paz com Deus, pois foi reconciliado com Ele por meio de
Jesus.
C. Você não está mais separado de Deus, nem é estranho à Ele (Efésios 2.12-
13)
D. Como filho de Deus você é uma nova criatura (2Corítios 5.17).
E. Você pode andar seguro, pois Jesus nunca o abandonará (Mateus 28.20).

II. A suficiência de Deus e os recursos que você possui:


A. O Espírito de Deus habita em você (1Coríntios 6.19).
B. A Palavra de Deus é suficiente para transformá-lo (2Timóteo 3.16-17).
C. O Senhor Jesus estará sempre do seu lado (Hebreus 13.5).

III. O plano de Deus e a sua obediência à Ele


A. A mudança bíblica que Deus inicia, sustenta e completa de modo soberano
na sua vida (Filipenses 1.6).
B. Um compromisso de agradar a Deus tem início com a Autoconfrontação
bíblica (Mateus 7.1-5).

BASE BÍBLICA PARA DEVOCIONAIS DIÁRIAS EMEMORIZAÇÃO DAS


ESCRITURAS
As devocionais diárias (tempo gasto cada dia em oração, estudo da Palavra de
Deus e auto-avaliação bíblica) e a memorização das Escrituras são vitais para o seu
desenvolvimento espiritual (Salmos 1.1-4; 119.9-11).

2
DEVOCIONAIS DIÁRIAS
Desenvolver o hábito de fazer devocionais diárias ajudará você a:
A. Estar equipado para a batalha espiritual (Efésios 6.10-18) e permanecer alerta
quanto ao adversário, Satanás (1Pedro 5.8).
B. Ter a sua vida dirigida inteiramente pela Palavra de Deus (Salmo 19.7-11).
C. Examinar a si mesmo à luz da Palavra de Deus (Hebreus 4.12), confessar seus
pecados (1João 1.9) e praticar auto-disciplina (1Timóteo 4.7-8), evitando a
necessidade de ser disciplinado por Deus (Hebreus 12.5-11).

MEMORIZAÇÃO DAS ESCRITURAS


Memorizar as Escrituras traz benefícios porque:
A. Segue o exemplo de Jesus Cristo (Mateus 4.1-10).
B. Prepara-o para o uso das Escrituras em situações da vida diária (1Coríntios
10.13).
C. Estabelece o fundamento para vencer a tentação (Salmo 119.9-11).

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 02
AS ESCRITURAS SÃO AUTORIDADE NA SUA VIDA
A Palavra de Deus é imutável, e ela se aplica de forma tão poderosa e atual às suas
circunstâncias de vida como se aplicou às daqueles que viveram a milhares de anos
atrás (Js 1.8; Sl 19.7-11; Is 55.11; IPe 1.24-25; Hb 4.12).

A Palavra de Deus é:
A. Permanente e eterna Is 40.8
Ela será totalmente cumprida. Ela permanecerá para sempre. Ela dura para
sempre

B. Inspirada por Deus para nos treinar e equipar 2Tm 3.16-17


1. Ela o ensina (mandamentos e orientações)
2. Ela o repreende (identificação do erro)
3. Ela o corrige (mudança/arrependimento)
4. Ela o educa na justiça (estabilidade por meio da prática)
5. Ela vai equipá-lo para toda boa obra (usado por Deus nesse mundo)

3
C. Testemunha da própria suficiência 2Pe 1.3-4
1. Ela é vergonha para aqueles que não a ouvem (Jr 6.10)
2. Distorção das Escrituras traz destruição (2Pe 3.16)
3. Ela é loucura para os que se perdem (1Co 1.18)
4. Sempre eficaz em cumprir os propósitos de Deus (Is 55.11)

D. Deve ser obedecida e não apenas ouvida Mt 7.24-27


1. Você deve ser um praticante e não apenas um ouvinte (Tg 1.22-24)
2. Você é abençoado quando pratica a Palavra de Deus (Tg 1.25).

O ESPÍRITO SANTO O CAPACITA PARA RESOLVER OS SEUS PROBLEMAS

O Espírito Santo é o Guia, Instrutor e Conselheiro que revela a você a sabedoria de


Deus (Jo 14.16, 26; 16.7-13; 1Co 2.6-13).
Na vida do crente o Espírito Santo:
A. É o poder regenerador para o seu novo nascimento espiritual (Jo 3.5-8)
B. Batiza-o no Corpo de Cristo (1Co 12.13)
C. Sela-o em Jesus Cristo (Ef 1.13; 4.30)
D. Concede pelo menos um dom espiritual (1Co 12.7-11).

A ORAÇÃO PROPORCIONA COMUNICAÇÃO COM DEUS


A oração permite glorificar o Nome de Deus e ela também abre caminho para que
a sua alegria seja completa (Mt 7.7; Jo 14.13; Tg 1.5; 1Jo 5.14-15).
Verdades bíblicas sobre a oração
A. Ele ouve a oração daqueles que O temem (Sl 145.19)
B. Ele não ouve quando você nutre um pecado no coração (Sl 66.18)
C. Ele responde SIM quando você pede de acordo com a Sua vontade (1Jo 5.14-
15)
D. Ele também responde NÃO (2Co 12.7-10)
E. Ele simplesmente não responderá nada quando você pede duvidando (Tg 1.6-
7)
F. Nem sempre você sabe orar como convém (Rm 8.26) (seja específico) (Senhor,

4
continua conosco Mt 28.20; entramos em Sua presença Hb 13.5; me ajuda a amar o
próximo Rm 5.5...)

O MODELO BÍBLICO DO FRACASSO HUMANO


A Palavra de Deus é a única fonte de informação e autoridade verdadeira para o
seu viver (2Tm 3.16-17). Ela revela o fracasso do homem, as conseqüências
decorrentes do pecado original e os seus efeitos no mundo de hoje (Gn 1.26-27;
3.1-4.12; Rm 5.12).
I. O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus Gn 1.26-27

II. O homem pecou e carrega as diversas conseqüências desse pecado até os


dias de hoje
A. Espiritualmente (advertência de uma separação de Deus) Gn 2.17
B. Mentalmente (medo, preocupação, ansiedade, engano) Gn 3.8-10
C. Socialmente - Homem (transferência de culpa, descontentamento com o
casamento) Gn 3.12 – Mulher (transferência de culpa, tentativa de justificar o
pecado) Gn 3.13
D. Na esfera interpessoal (ira, negou a solução de Deus) Gn 4.5,7
E. Perpetuamente Gn 5.3
F. Universalmente (nascido em pecado) Rm 5.12

III. A necessidade principal do homem é ser justificado (declarado justo) por


Deus e gozar de reconciliação pela fé no Senhor Jesus Cristo (Romanos 5).

PONTO DE VISTA BÍBLICO SOBRE O EU


A sabedoria do mundo ensina enganosamente que acreditar na bondade inerente
do eu é fundamental para uma vida plena. Todavia, esta perspectiva errada
desconsidera os resultados devastadores do fracasso de Adão e Eva em obedecer
a Deus. As Escrituras ensinam que uma vida plena não depende de uma “boa auto-
imagem” ou uma “auto-estima elevada”. Uma vida realizada depende do seu
relacionamento com Deus e de uma resposta bíblica ao problema do “eu” (Pv 14.12;
Tg 4.14-17; 1Pe 4.11).
I. As Escrituras falam da importância que o homem natural atribui a si

5
mesmo
A. Visto que nada do que existe no mundo pode ser comparado a Deus (Jr 10.6-
10), somente Ele deve ser exaltado. Você não deve de forma alguma exaltar a si
mesmo (Pv 30.32). Comparado ao Deus Criador, o homem natural é:
a. Como pó (Sl 103.14)
b. Como um mero sopro (Sl 144.4)
c. Como a erva (Is 40.6-8)
d. Estúpido e sem conhecimento (Jr 51.17a)
e. Considerado um nada, sem sentido (Is 40.17).

B. Quando o homem decide não responder biblicamente ao plano de Deus para


a salvação conforme revelado por meio do Senhor Jesus Cristo, aos olhos de
Deus ele é:
1. Sem valor (depravado, desaprovado) (Jr 13.10)
2. Corrupto, injusto e inútil (Rm 3.10-18)
3. Morto em seus pecados (Ef 2.1,5).

II. Somente Deus pode capacitar uma pessoa para readquirir a perfeita
imagem divina (restauração após a queda do homem).
A. Para seguir a Jesus, você precisa negar a si mesmo (Lc 9.23-24).
Você deve:
1. Ser um servo à semelhança de Jesus Cristo
2. Agradar a Deus em todas as coisas
3. Dar Glória a Deus em tudo o que você faz.

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 03
A ESPIRAL DESCENDENTE: DESPREZANDO OU
REJEITANDO O CAMINHO DE DEUS

Se você desprezar ou rejeitar a orientação de Deus para a sua vida e escolher


andar pelo caminho mais fácil (os seus sentimentos, os seus desejos ou aquilo que
lhe parece bom no momento), você seguirá em direção à derrota e perdição (Sl 1.4-
6; Pv 1.22-32; 16.25; Mt 7.13; Gl 5.17).
6
Os problemas têm início no coração (Jr 17.9-10; Mt 15.18-19). Problemas no
coração levam a:
Atos em desacordo com a bíblia (pensamentos, palavras, ações) (Rm 1.18-32).
Atos em desacordo com a Bíblia levam a sentimentos maus (Gn 4.5-7).

EXEMPLO DE UM ESTUDANTE EMARANHADO NA ESPIRAL DESCENDENTE.


A. Nível do coração Foco voltado para si mesmo (Lc 9.23-24)

B. Nível do agir (atos em desacordo com a Bíblia) Tentado a seguir os desejos


da carne em vez de se comprometer com Deus (pensamentos) Preguiçoso – não
quer estudar (pensamentos) Não estuda (ações) Anda em más companhias
(ações) Preocupa-se com a reprovação (pensamentos) Mente aos pais
(palavras) Cola nos exames (ações)

C. Nível dos sentimentos - Depressão, desespero, sentimentos de culpa (Sl 38.4-8)

PRIMEIROS PASSOS EM DIREÇÃO À MUDANÇA BÍBLICA


As “soluções” do homem para as suas dificuldades vão no final fracassar porque
elas não tratam da fonte dos problemas: o coração humano. As soluções de Deus,
conforme reveladas nas Escrituras, vão ao centro da questão para que ocorra
mudança permanente (Jr 17.9-10; 2Tm 3.16).
I. Entregue-se à soberania de Deus
II. Reconheça maneiras específicas como você tem pecado contra Deus
III. Peça a Deus sabedoria para saber como executar as mudanças (Tg 1.5)
IV. Estude a Palavra de Deus com diligência e regularidade
V. Faça o que Deus ordena em Sua Palavra.

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 04
OS TRÊS NÍVEIS DE CADA PROBLEMA

Embora você possa estar ciente dos seus problemas apenas em um ou dois níveis,
todos os problemas possuem três níveis: sentimentos, ação e coração. Geralmente,
você percebe os problemas apenas nos níveis do sentir e do agir. Visto que com

7
freqüência você não compreende a plena extensão dos seus problemas, é
importante examinar as suas percepções à luz da Palavra de Deus (Gn 4:7; Sl 38;
Jr 17:9; Mt 7:1-5; I Co 11:31; Gl 5:17)

I. Nível dos sentimentos


A. Os seus sentimentos abrangem uma ampla variedade de emoções e não
refletem sempre com precisão a condição do seu coração.
B. À semelhança do povo de Israel, você pode, as vezes, estar alegre
ou exultante como resultado da prática de ações injustas que desagradam
a Deus e prejudicam outros (Ex 32.2-6; 17-19).
A. Sentimentos fortes podem indicar que existe um problema na sua vida.

II. Nível do agir


Os seus problemas também envolvem pensamentos, palavras e ações.
VIDA EGOCÊNTRICA AGIR EGOCÊNTRICO
Arrogância Demonstrada por: Falar duramente, ser crítico.
Engano Demonstrado por: Mentir, usar de
manipulação.
Ira Demonstrada por: Agredir, bater portas, gritar.
Falta de disciplina Demonstrada por: Falta de prática devocional.
Ansiedade Demonstrada por: Culpar outros ou circunstancias.

III. Nível do coração


A. O “coração” refere-se ao caráter da pessoa; onde o homem real
reside (1Sm16.7)
B. É impossível compreender plenamente o coração (Jr 17:9)
C. O coração revela-se por meio do seu agir: pensamentos (Mt 15:19), palavras
(Lc 6:45) e ações (Mc 7:20-23).

ESPERANÇA BÍBLICA
A esperança que Deus dá a você não é um mero desejo de que algo aconteça. A
sua eficácia não depende de outras pessoas, de bens matérias ou de
circunstâncias. Ao lado da fé e do amor, a esperança é parte das características

8
permanentes da vida do crente, (Sl 39:7; Rm 5:1-5; I Co 13:13; Hb 11:1, 13:6).
I. A base da esperança bíblica
A. Ter esperança bíblica significa você permanecer firme enquanto espera
ansiosamente e com expectativa segura pela ação divina.
B. “Esperança” baseada em qualquer outro fundamento falhará (Jó 8.13; 27.8)
II. Características daqueles que mostram esperança
A. São alegres (Rm 5:2; 12:12)
B. Possuem Paz (Rm 15:13)
C. Perseveram em qualquer situação (Rm 8:24-25;5.3-4)
D. Dependem de Deus (II Co 1:8-10)
E. São disciplinados e fiéis (1Tm 4.7-10)
A. Confiam nas promessas de Deus (Hb 6.17-20).
III. A base bíblica da paz e alegria - A paz e a alegria de Deus caracterizam a
vida cheia do Espírito (Gl 5.22) e não dependem de:
A. Outras pessoas
B. Circunstâncias
C. Coisas materiais Muitos filhos de Deus não estão experimentando a paz e a
alegria que há em Cristo Jesus (Jo 14.27;15.11;16.33), embora estas sejam
características da vida abundante prometida na Palavra de Deus (Jo 10.10)

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 05
MUDANÇA BÍBLICA É UM PROCESSO

Você pode experimentar um conflito interno diante da necessidade constante de


escolher entre o bem e o mal ou entre fazer o que você quer e o que Deus quer. O
seu anseio deve estar em agradar a Deus e não a si mesmo (Rm 7.19-25; 8.5-9;
2Co 5.15; Gl 5.17; Fp 3.12-14).
I. Despojar-se e revestir-se
Para mudar os seus pensamentos, palavras e ações e seguir a Cristo, você precisa
aprender a obedecer a Palavra de Deus. Ela menciona várias transgressões de
que você deve se despojar para se revestir de obras à semelhança de Cristo (Ef
4:22-32; Cl 3:5-17).
Para cada “despojar-se”, mencionado nas Escrituras, com freqüência há um

9
“revestir-se” correspondente citado na mesma passagem.
Por exemplo:
Despojar-se Revestir-se
Falsidade Efésios 4:25 Falar a verdade
Roubo Efésios 4:28 Trabalhar e dar ao necessitado
Palavras torpes Efésios 4:29 Palavras que edificam, de acordo com a
necessidade do momento
Amargura, raiva, ira Efésios 4:31-32 Benignidade, compaixão, perdão

II. Oração e ação


A oração é vital para o crente (Fp 4:6-7; ITs 5:17). Você também precisa agir de
maneira bíblica em obediência a Palavra (Mt 7:24-27), despojando de
pensamentos, palavras e ações que desonram o nome de Cristo e revestindo,
substituindo-os por novas maneiras de pensar, falar e agir (Ef 4:29; Cl 3:1-15, 4:5-
6).

III. Fracasso e confissão Se você fracassar, é possível agradar novamente a


Deus mediante uma reação bíblica, reconhecendo os seus pecados perante Ele,
arrependendo-se e confessando-os (I Jo 1:9). Confessando devidamente os seus
pecados diante das pessoas que você ofendeu, você estará incentivando
relacionamentos harmoniosos (Rm 12.18).

OS EFEITOS DE PENSAMENTOS PALAVRAS E AÇÕES EM DESACORDO COM


A BÍBLIA
Viver para Jesus Cristo requer que você dê ima nova direção aos seus
pensamentos, orientando-os para que agradem ao Senhor e não a você mesmo
(Rm 12.2; 2Co 10.5; Ef 4.22-24).
Resultado de focalizar os seus pensamentos em si mesmo
Ódio (1Jo 3.15)
Ciúmes/Inveja (Gl 5.20-21)
Medo (1Jo 4.18)
Rebelião (1Sm 15.23)
Orgulho (Pv 6.18, 29.23)

10
Lascívia (Mt 5.28)
Ressentimento/Amargura
Ira (Pv 16.32, 29.11)
Dúvida (Tg 1.6-8) (Ef 4.31-32)
Egoísmo (Fp 2.3-4)
Ansiedade (Fp 4.6-7)
Engano (Pv 12.20a)

Palavras e ações não bíblicas


Mentira, Contendas, Preocupação, Impaciência, Traição, Calúnia, Insensibilidade,
Intolerância, Murmuração, Adultério, Assassinato, Homossexualismo

RENOVANDO A SUA MENTE


A salvação é o primeiro passo desse processo, e uma vida compromissada em
obedecer à Palavra de Deus garantirá que a sua mente seja continuamente
renovada à semelhança da mente de Cristo (Gl 5:17; Fp 2.5-8; Rm 12.1-2).
I. A renovação da sua mente e o seu crescimento em Cristo
A. A renovação da sua mente é o processo pelo qual os seus pensamentos e a
sua vontade vão se tornar mais e mais semelhantes aos de Cristo. A renovação
da sua mente revela-se por meio de uma resposta cada vez maias fiel e
obediente à Palavra de Deus (Rm 12:1-2; Ef 4:22-32; Cl 3:10-17).
B. A renovação consistente da sua mente é parte integral do seu
desenvolvimento Espiritual (Rm 12:2; Ef 4:23; Cl 3:10).
II. A renovação da sua mente e as suas responsabilidades pessoais
A. Capacitado pela graça de Deus (Jo 15:4-5; Fp 2:13), você deve praticar um
pensar bíblico (II Co 10:5; Fp 4:8-9; Cl 3:1-2).
B. A sua obediência às Escrituras favorece o desenvolvimento da sua mente à
semelhança de Cristo (Hb 5:14; Tg 1:22-25). As Escrituras nos recomendam:
1. Ouvir a Palavra (pregação e ensino) (Rm 10:17).
2. Ler a Palavra (Fazer devocionais diárias) (I Tm 4:13; Ap 1:3).
3. Estudar a Palavra (investigar para aprender princípios bíblicos de vida) (II Tm
2:15).
4. Memorizar a Palavra (Sl 119:11).

11
5. Meditar na Palavra (pensar em aplicações pessoais das promessas de
Deus) (Js 1:8; Sl 1:2)

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 06
PONTO DE VISTA BÍBLICO SOBRE PROVAÇÕES E
TENTAÇÕES
Todos, inclusive você, enfrentarão provações ao longo da vida neste mundo.
Satanás procura enganá-lo, tentando-o para que você confie na sua sabedoria, viva
de acordo com os seus sentimentos egocêntricos e satisfaça os desejos da carne. A
vontade de Deus, porém, é que você seja mais que vencedor em todas as
provações, para a honra e glória dEle (Gn 3:1-6; Pv 14:12; Mt 5:45;Rm 8:31-39).

I. A diferença entre provações e tentações


A. A provação é uma oportunidade para que você se torne mais semelhante a
Cristo, obedecendo a Palavra de Deus e honrando a Jesus Cristo (I Pe 1:6-7;
4:12).
B. A tentação é uma solicitação para fazê-lo desobedecer a Palavra de Deus e
satisfazer os desejos da carne. Ela nunca tem origem em Deus (1Co 10.13; Tg
1:13-14).

II. Três níveis de tentação


A. Como príncipe deste mundo (Jo 12.31), Satanás usa as três atrações
do mundo para incitá-lo ao mal: Concupiscência da carne (satisfação dos desejos
pessoais e viver dirigido pelos próprios sentimentos), a concupiscência dos olhos
(cobiça, ganância, desejo de possuir mais) e a soberba da vida (viver egocêntrico)
(1Jo 2.16).
B. Eva foi tentada pela concupiscência da carne (vendo que a árvore era boa para
se comer), pela concupiscência dos olhos (agradável aos olhos) e pela soberba
da vida (desejável para dar entendimento) (Gn 3.6).
C. Jesus foi tentado nos três níveis:
1. Concupiscência da carne (transformar pedras em pães)
2. Concupiscência dos olhos (Tudo te darei se me adorar)
3. Soberba da vida (Se atira daqui abaixo)
12
NOTA – Jesus, no firme alvo de agradar ao Pai, não deu lugar aos sentimentos,
mas foi vitorioso no nível do agir, usando a Palavra de Deus, revelando sua pureza
no nível do coração.

PASSOS PRÁTICOS PARA ALCANÇAR MUDANÇA BÍBLICA

Efetuar mudança bíblica na própria vida requer oração e ação com propósito
definido (Mt 7:24-25; Tg 1:22-25).
I. Desenvolvendo um plano básico
Você deve alistar passos específicos mediante os quais você vai “se despojar” de
um agir pecaminoso e “se revestir” de uma agir bíblico.
A. Oração (Fp 4.6-7)
B. Estudo da Escrituras (2Tm 2.15)
C. Memorização (Sl 119.11)
D. Obediência a Deus em tudo (Jo 14.15)
E. Auto avaliação bíblica (Mt7.1-5)
a. É proveitoso? (1Co 6.12; 10.23a)
b. Está me controlando? (1Co 6.12)
c. Pode levar outro ao tropeço? (Rm 14.13)
d. Edifica o outro? (Fp 2.3-4)
e. Glorifica a Deus? (1Co 10.31)
II. Desenvolvendo um plano de emergência
É o plano para lidar de imediato com a tentação quando ela ocorrer. O plano de
emergência deve incluir:
A. Oração por sabedoria (Tg 1.5)
B. Pensamentos bíblicos (Fp 4.8)
C. Um falar bíblico (Cl 4.6)
D. Um modo de agir bíblico (2Tm 2.22a)

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 07
AUTODEPRECIAÇÃO, EXALTAÇÃO DO EU E
AUTOCOMISERAÇÃO

13
A atenção excessiva voltada para o eu, opõe-se ao mandamento de Deus que lhe
ordena amar a Ele e aos outros. A ênfase no eu também impede o desenvolvimento
de uma atitude de servo à semelhança de Jesus Cristo (Mt 10:34-39; 22:37-40).
I. A perspectiva do homem
A sabedoria do mundo ensina que muitos dos nossos problemas têm origem numa
“auto-estima baixa”, ou uma “auto-imagem negativa”. Todos estes pontos de
vista são errados e contrários à verdade da Palavra de Deus.

II. Explicações do homem para a “auto-estima baixa”


Ambiente desfavorável Falta de dinheiro Trabalho
não realizador Falta de instrução Defeitos
físicos Desrespeito de outros Depreciação
por parte de outros Incompreensão de outros Rejeição pelos
pais Dificuldade para aprender

III. Maneiras fúteis para se valorizar (auto-estima elevada)


Aceite a si mesmo Descubra o deus interior Se você
gosta, então faça Perdoe a si mesmo Supra suas
necessidades Seja você mesmo Ame a si
mesmo Transfira a sua culpa

IV. Pontos de vista não-bíblicos ensinados em muitas igrejas


A. Você deve amar a si mesmo antes de amar aos outros (Ignora Jo 15:12-13;
IJo 4:7-8)
B. Você tem um infinito valor aos olhos de Deus (Ignora Rm 5:8; I Co 1:26-
31)
C. Para realizar algo significativo, é necessário pensar positivamente a respeito de
si (Ignora Jo 15:4-5).
INVEJA, CIÚME, COBIÇA E GANÂNCIA

Inveja, ciúme, cobiça e ganância são pecados que revelam uma ênfase no eu,
duvidando da atuação e provisão de Deus em sua vida. Baseado em seu

14
compromisso de viver para Jesus Cristo, você deve se “despojar” desses pecados
(Rm 6:3-4; 13-14; Gl 5:19-21; Cl 3:5-11).

I. Características da inveja, do ciúme, da cobiça e da ganância


A. Quando você desdenha de outros em pensamentos ou palavras, você
desobedece a mandamentos específicos da Palavra de Deus (Ef 4:29; Fp 4:8;Tg
4:11).
1. Você não deve pensar ou falar das realizações ou habilidades de outros de
modo que os rebaixe;
2. Você não deve pensar ou falar da vida ou das ações dos outros colocando em
dúvida os seus motivos ou o seu caráter;
3. Você não deve falar, pensar ou agir dando a entender que outros sejam
egoístas porque possuem bens materiais.
B.Se você comparar a si mesmo com os outros (circunstâncias de vida
também),você estará duvidando da soberania de Deus (Mt 20:1-16) e pecando por:
1. Desejar ou exigir vantagens iguais às que outros possuem;
2. Queixar-se em pensamentos da sua situação atual de vida, ou
3. Lutar para acumular maiores riquezas, honra ou poder do que outros.

II. Pensamentos, palavras e ações que revelam inveja, ciúme, cobiça ou


ganância
A. “Bem, esta é mais uma de ele pode se orgulhar. Aposto que ele pisou em
algumas pessoas para chegar naquele cargo.” (depreciar realizações)
B. “Oh, qualquer um que tenha o mínimo de inteligência poderia ter feito aquilo! Ela
foi a primeira por mero acaso.” (depreciar habilidades)
C. “Claro, eles são ricos. Mas você já imaginou como eles conseguiram ganhar
todo aquele dinheiro? Será que eles dão ofertas como nós fazemos?” (depreciar o
modo de agir; comparar-se com outros)
D. “Você a considera bonita? Você sabe quanto tempo ela gasta cada manhã para
ficar daquele jeito?” (depreciar a aparência física).

III. Diferença entre o zelo piedoso e o ciúme pecaminoso


A. Enquanto o ciúme de Deus (zelo) focaliza a Sua Santidade, a Sua honra, a

15
adoração devida ao Seu nome e a pureza do Seu povo (Ex 34.14; 20.4-5; Js
24.16-21), o ciúme pecaminoso concentra-se em agradar a si mesmo (1Co 3.1-3).
B. Quando os servos de Deus evidenciaram um zelo piedoso, os fatos mostram
que estavam preocupados com agradar a Deus e abençoar outros, e não com
prejudicar o próximo ou alcançar satisfação pessoal (Nm 25.11; 2Co 11.2).

IV. A perspectiva de Deus


A. Inveja – Ressentimento ou desagrado diante das conquistas de outros e dos
seus bens materiais.
B. Ciúme – Um desejo egoísta acompanhado de e de suspeita ou medo de que
outra pessoa esteja procurando roubar aquilo que você considera seu.
C. Cobiça – Um desejo errado de possuir aquilo que Deus não lhe concedeu,
normalmente dirigido para aquilo que pertence a outros.
D. Ganância – Dar liberdade de ação a um desejo desenfreado de possuir além
daquilo que faz parte da vontade de Deus para a sua vida.

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 08
RESPOSTAS NÃO-BÍBLICAS À IRA E À AMARGURA

Você pode, às vezes, tentar justificar a sua ira dizendo: “Deus ficou irado (Nm 25:4),
Jesus ficou irado (Mc 3:5) e, então, eu posso ficar irado também. Todavia, Deus é
perfeitamente santo e você não o é (Tg 1.20).

I. Atos não-bíblicos resultantes da ira e da amargura


A. Caim, irado, matou o seu irmão, tornando-se um homem fugitivo (Gn 4:5-8; 1-
12).
B. Saul ficou irado e tentou matar o seu filho mais velho (ISm 20:30-33).
C. Jonas ficou desgostoso e irado com a compaixão do Senhor em Nínive (Jn 4:1-
11).

II. Maneiras não-bíblicas de lidar com a ira e a amargura


A. Explodir em raiva ou mau humor, agredir pessoas ou objetos, física
ou verbalmente (desconsidera Pv 16:32; Mt 7:12; Rm 14:19; ICo 13:4-5; Gl 5:19-20,

16
22-23).
B. Expressar externamente a ira batendo num travesseiro (ou outro objeto)
enquanto pensa (ou fala) na pessoa com quem está irado (desconsidera Sl 19:14;
IICo 10:5; Fp 2:3-4).
C. Controlar o mau humor no emprego ou igreja, mas em casa ser diferente
(desconsidera Pv 25.28; Mt 5.13-16).
III. Justificativas não-bíblicas para a ira e a amargura
A. Responsabilizar outros e/ou as suas ações pela própria ira (desconsidera Ez
18:20).
B. Alegar que circunstâncias passadas, presentes ou ainda futuras o levaram à
ira (desconsidera Mt 15:18-19).

PONTO DE VISTA BÍBLICO SOBRE A IRA


Os recursos abundantes e as promessas de Deus o capacitam para ser mais que
vencedor se você lidar biblicamente com o problema da ira em sua vida (Jo 16.3,23-
24; Rm 8.31-39).
I. A ira de Deus
A. Ainda que as Escrituras descrevam a ira de Deus, Ele permanece Santo e
isento de pecado (Ex 4:14; Lv 11:45; Jó 34:10).
B. A ira de Deus dirige-se sempre contra a rebeldia ou desobediência às
Suas ordens santas e justas (Sl 72.21-22; Rm 2.5; Hb3.7-11).

II. A ira que não é pecaminosa


A. Se as Escrituras afirmam ser possível para um filho de Deus irar-se e não pecar
(Ef 4:26-27), então é possível fazê-lo.
A. Para “ficar irado e não pecar” você deve obedecer à Palavra sem nenhuma
exceção (2Tm 3.16-17) e seguir integralmente o exemplo de Deus (Mt 5.48; Ef
5.1).

III. A ira e o homem interior


A. O seu coração se revela por meio dos seus pensamentos, palavras e ações (Mt
12.34-35; Lc 6.35)
B. O sábio desvia a ira (Pv 29.8) e a reprime (Pv 29.11).

17
IV. Conclusões sobre a ira
A. Seguindo o exemplo de Deus Pai e do seu Filho Jesus, a ira é justa apenas
quando despertada por uma transgressão específica da Palavra de Deus e
permanece justa apenas se levada a efeito com um espírito compassivo.
B. Por ser constantemente tentado a viver para si mesmo e não para Deus, você
deve obedecer à Bíblia, ter o hábito de orar, depender constantemente do Espírito
Santo e colocar sempre em prática a Palavra para lidar biblicamente com a ira.

PONTO DE VISTA BÍBLICO SOBRE A AMARGURA


A amargura impede o seu crescimento espiritual e prejudica os seus
relacionamentos (Ef 4.31-32).
I. A amargura resulta de uma vida voltada para agradar a si mesmo. Com
Freqüência ela caminha em direção a ferir outras pessoas, resultando
em maiores pecados, por exemplo:
A. Carece (lit. dar as costas) da graça de Deus (Hb 12:15a);
B. Causa problemas à outros (Hb 12:15b);
C. Contamina muitos (Hb 12:15b);
D. Finalmente, vai uni-lo a pessoas não piedosas (não compromissadas
com Deus) e imorais (Hb 12:15-17).
II. Seguindo o caminho de Deus, você pode vencer estas práticas
pecaminosas do homem natural, ainda que a ira e a amargura tenham
dominado a sua vida durante anos.
A. Pronto para ouvir
B. Tardio para falar
C. Tardio para se irar

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 09
PROBLEMAS INTERPESSOAIS (PARTE UM)
CONCEDENDO PERDÃO AOS OUTROS
Para praticar o perdão bíblico, você precisa entender e aceitar o perdão
que Deus lhe concedeu pela Sua graça e também seguir o exemplo divino

18
em conceder perdão aos outros (2Sm 12:13; Rm 5:8).

I. Entendendo o perdão de Deus


A. A natureza de Deus é perdoadora (Ne 9.16-17; Sl 86.5; Is 43.22-25)
B. Quando Deus lhe concede perdão, Ele o faz de modo completo (Sl
103:10; Rm 8:1; 1Jo1:9).
C. Quando Deus lhe concede perdão, Ele remove o seu pecado e o
afasta da presença dEle (Is 38.17) e promete não o levantar nunca
mais contra você (Hb 10.17).
A. O perdão de Deus não custa nada a você, mas custou muito caro a
Deus.

II. Respondendo ao perdão de Deus


A. Você deve conceder perdão aos outros assim como Deus em Cristo
concedeu a você (Ef 4:32); conceda perdão em seu coração (mente)
ainda antes que eles lhe peçam perdão (Mc 11:25).
B. Perdoe qualquer tipo de pecado, independentemente de quão severo
ou devastador ele pareça ser.
C. Crie expectativa de um relacionamento renovado com a pessoa que
foi perdoada.

III. Revendo princípios sobre o perdão


O perdão é o amor de Jesus Cristo em ação e um compromisso
de:
A. Não guardar um registro das ofensas sofridas (1Co 13.5)
B. Não fofocar com outros sobre os pecados do ofensor (Ef 4.29)
C. Não fixar seu pensamento na ofensa (Fp 4.8)

IV. Recusando-se a perdoar


A. Visto que conceder perdão aos outros é uma ordem (Ef 4.32), você
peca quando se recusa a perdoar (Tg 4.17).
B. Quando não concede perdão aos outros, você revela uma ingratidão
19
egoísta diante do perdão misericordioso que Deus lhe concedeu
(Mt18:21-35).

RECONCILIAÇÃO
Pedir perdão a outras pessoas de modo bíblico envolve reconhecer que
você pecou contra elas e deseja misericórdia e graça (não receber o que
você merece).

I. Arrependimento
A. Resulta na mudança do comportamento desobediente para o
biblicamente obediente (Mt 3:8; At 26:20).
B. O arrependimento bíblico é resultado de uma tristeza pelos
pecados cometidos contra Deus e contra outras pessoas (Sl 38-1-18;
2Co 7.9-10)
A. O resultado do arrependimento bíblico é um coração quebrado (triste
pelo pecado) e contrito (eliminando por completo qualquer confiança
anteriormente depositada em si mesmo) (Sl 51.16-17).

II. Confissão
A. Você deve confessar a Deus os seus pecados (pensamentos,
palavras e ações) e àqueles contra quem você pecou (Pv 28:13; 1Jo
1:9; Tg 5:16).
B. Não acuse, não julgue e nem traga à tona as falhas da outra pessoa
(Mt 7.1- 5)
C. Não queira se desculpar. Lembre-se de que não há justificativa ou
desculpa para pecar contra alguém (1Co 10.13).

III. Reconciliação
A. A reconciliação bíblica com outros é tão importante que deve preceder
a sua adoração e o seu serviço ao Senhor (Mt 5:23-24).
B. A pessoa ofendida pode não perdoar. Lembre-se que você é
responsável apenas por aquilo que Deus o instrui a fazer; a resposta da
20
outra pessoa é uma questão entre ela e Deus (Ez 18.20)
C. Como crente obediente, dar início ao processo de reconciliação é
sua responsabilidade, independente de você ser a parte faltosa ou não
(Mt 18.15).

AUTOCONFRONTAÇÃO - Lição 10
PROBLEMAS INTERPESSOAIS (PARTE DOIS)
O SIGNIFICADO DO AMOR BÍBLICO
A palavra “amor” nas Escrituras significa um compromisso sólido de agir
sacrificialmente para com outra pessoa. As emoções podem mudar, mas o
compromisso de amar biblicamente perdura e distingue um legítimo
discípulo de Cristo, ICo 13:4-8a.

A. Todas as instruções divinas para o viver diário têm por base o amor
bíblico a Deus e aos outros, (Mt 22:36-40).

B. Amar é dar
1. Deus deu o Seu Filho (Jo 3.16)
2. O Senhor Jesus Cristo deu a Si mesmo por amor a você (Gl 1.4;2.20)
3. O Senhor Jesus deu a Si mesmo para te resgatar (1Tm 2.6)

C. O amor possui características específicas demonstradas por um agir


piedoso (pensamentos, palavras e ações) (ICo 13:4-8a).

D. O amor caracteriza a vida de um discípulo de Cristo (1Jo 4.7-


8)
1. Você deve e pode praticar o amor bíblico mesmo quando não sente
vontade 1Jo 3.16-18)
2. Você deve praticar o amor bíblico mesmo quando a necessidade de se
manter firme em princípios bíblicos pode resultar em mal-entendido ou
retaliação (Ef 4.25)
21
E. O amor bíblico deve ser praticado mesmo na presença de situações
difíceis, que não podem ser ignoradas.
1. Admoestar um irmão que está pecando
2. Disciplinar os seus filhos

COMUNICAÇÃO BÍBLICA
As suas palavras e o seu modo de falar são cruciais para cultivar
relacionamentos harmoniosos. À medida que você aprende a falar a
verdade em amor, você deve também determinar quando falar, como
falar de maneira edificante e a quem falar (Pv 18:21; Ef 4:29; Cl 4:6).

I. O que as suas palavras revelam?


A. As suas palavras são indicadores da sua condição (maturidade)
espiritual no momento (Tg 3:1-6).

II. A quem você deve se dirigir?


A. Fale primeiro com o Senhor para adquirir a perspectiva dEle (Tg
1.5)
B. Fale consigo mesmo (Mt 7.1-5)
C. Fale a quem é receptivo e não ao que contende (Pv 17:14; 20:3).

III. Quando você deve falar?


A. Depois de colher os fatos (Pv18.13; 29.20)
B. Depois de pensar (Pv 13.3)
C. No momento certo (Pv 15.23; 25.11)

IV. Como você deve falar?


A. Fale com amor (Ef 4.15)
B. Fale mantendo o controle sobre as emoções (Pv 15.1; 16.32;
17.27)
C. Fale com doçura, mansidão, graça e respeito (Cl 4.6)
22
V. O que você deve falar?
A. As Palavras de Deus (Is 55.8-11). Não recorra à própria autoridade
dizendo “Eu penso que”, “Eu acredito que” etc.
B. Use somente palavras sadias que transmitam graça aos que ouvem
(Ef 4.29)

AUTOCONFRONTAÇÃO - Lição 11
O RELACIONAMENTO CONJUGAL (PARTE UM)

 Deus espera que o casamento seja um compromisso entre um homem


e uma mulher, baseado nos princípios do amor bíblico e com duração
para o restante da vida. O relacionamento entre Jesus Cristo e a Sua
Igreja é o exemplo supremo de amor e compromisso que deve ser
seguido pelo marido e pela esposa em seu relacionamento mútuo
(baseado em Eclesiastes 9.9; Malaquias 2.14; Mateus 19.3-6; Marcos
10.6-9; 1Coríntios 13.4-8a; Efésios 5.21-33)

O MODELO BÍBLICO PARA O CASAMENTO


 Embora sejam poucas as passagens da Palavra de Deus que abordam
especificamente o relacionamento conjugal, elas providenciam TUDO
quanto é necessário para entendermos a perspectiva sublime que Deus
tem do casamento (Gênesis 1.27-28, 2.18-25; Mateus 19.3-6; 1Pedro
3.1-9)

I. DEUS ORDENOU O CASAMENTO


No ato do casamento, você se compromete diante de Deus numa aliança
de companheirismo com o seu cônjuge para o restante da vida (Marcos
10.6-9)
Apenas o pecado e a dureza de coração de um cônjuge pode levar à
quebra da aliança matrimonial (Marcos 10.4-5)

23
O seu relacionamento conjugal deve ter como modelo o relacionamento
do Senhor Jesus Cristo com a Sua Igreja (Efésios 5.21;24-27)

II. DEUS ESTABELECEU O CARÁTER DO CASAMENTO


O amor bíblico para com o seu cônjuge deve ter por fundamento o amor
de Deus para com você e deve ser praticado com base no desejo de
agradar ao Senhor (1Jo 4.7-11; Lc 14.26)
O casamento deve ser um relacionamento de uma só carne, não apenas
no aspecto físico, mas em questão de mente e propósitos (Gn 2.24; Mt
19.5-6)
Aos olhos de Deus, os cônjuges têm o mesmo valor (Gl 3.28), mas
responsabilidades diferentes (Ef 5.23-25; 1Pe 3.1-7)
Os cônjuges devem buscar a unidade no pensar e no julgar (1Co 1.10)
Todas as decisões devem ter por base os princípios da Palavra de Deus
(Sl 19.7-11)
Ceder ao seu cônjuge em questão de preferência ou opinião é ser amável
(Rm 12.10)

III. CASAMENTO COMO FUNDAMENTO PARA A SOCIEDADE


 O casamento dá estabilidade social aos relacionamentos e
responsabilidades (Gn 1.28; 2.18,23-24)
 O casamento dá estabilidade necessária para gerar e criar filhos (Gn
1.28a; Sl 127.3)
 Um relacionamento conjugal em moldes bíblicos serve de critério
para avaliação da maturidade e do desenvolvimento de possíveis
líderes da igreja (Tt 1.5-6)

IV. DEUS DESIGNOU ALGUNS PARA RECEBEREM A BÊNÇÃO DE


FICAREM SOLTEIROS
 Se você for solteiro, esta é uma ótima oportunidade para ministrar
na vida da igreja local, visto que você não tem as responsabilidades
ou possíveis distrações, próprias das pessoas casadas (1Co 7.32-34)
24
CONFLITOS CONJUGAIS:
O CAMINHO DO HOMEM X O CAMINHO DE DEUS
 Muitos dos conflitos conjugais resultam de uma vida cujo propósito
é agradar a si mesmo e não ao Senhor. Tais conflitos podem ser
resolvidos e, quando tratados biblicamente, são verdadeiras
oportunidades para o crescimento espiritual (Mateus 5.3-16; Rm 5.3-5,
8.28-29; 2 Coríntios 4.7-10)

I. SE O SEU PROPÓSITO DE VIDA FOR A SATISFAÇÃO PESSOAL, CADA


CÔNJUGE CULPARÁ O OUTRO PELOS PROBLEMAS E DIFICULDADES,
EMBORA AMBOS ESTEJAM PECANDO II. QUANDO O CASAL TEM COMO
PROPÓSITO DE VIDA A SATISFAÇÃO PESSOAL, A TENDÊNCIA SERÁ
RESOLVER OS CONFLITOS CONJUGAIS À MANEIRA DO HOMEM
A. Comprometer princípios bíblicos para resolver os conflitos
B. Trocas e barganhas para conseguirem o que querem
C. Basear as decisões na auto-imagem positiva
D. Procurar alguém “mais compatível”
E. Procurar razões para abandonar o lar
F. Deixar que “sentimentos” e “emoções” determinem as suas ações

III. DEUS DESEJA QUE OS PROBLEMAS CONJUGAIS SEJAM RESOLVIDOS


PARA O BEM DOS CÔNJUGES, À MEDIDA QUE CADA UM DELES PROCURA
AGRADAR AO SENHOR NO RELACIONAMENTO CONJUGAL
 Deus ordena que o cônjuge crente O ame e obedeça à Sua Palavra
(Mt 22.37-38)
 Se um crente considerar o seu cônjuge superior a si mesmo, ele
lidará com todas as dificuldades de modo agradável ao Senhor.

IV. OS CÔNJUGES DEVEM SE APROXIMAR MAIS DE DEUS,


ESPECIALMENTE EM ÉPOCAS DE CONFLITO
 À medida que ambos os cônjuges crentes se aproximam
individualmente de Deus, eles se aproximam um do outro (Ef 4.1-3;
25
5.1-2,21-33)
 Ainda que apenas um dos cônjuges se aproxime de Deus, esta
comunhão é o melhor incentivo para conduzir o outro cônjuge ao
Senhor (1Pe 3.1,7)
UM CRENTE PODE AMAR O SEU CÔNJUGE MESMO QUE NA
SITUAÇÃO ADVERSA ELE PAREÇA SEU INIMIGO, POIS O AMOR DE
DEUS NÃO DEPENDE DOS SENTIMENTOS.

AUTOCONFRONTAÇÃO: Lição 12
ENTENDENDO A DEPRESSÃO

Sentir-se deprimido não é um fenômeno novo, pois os sintomas


atualmente definidos como “depressão” caracterizaram a experiência de
algumas personagens bíblicas. A Palavra de Deus não apenas o ajuda a
enfrentar o problema da depressão, mas também mostra como você pode
ser mais que vencedor mesmo em meio a sentimentos depressivos (IITm
3:16-17; 2Pe 1.2-10; 1Jo 5.4-5)
I. O que é a “depressão”?
A. Muitos definem “depressão’ como uma condição caracterizada
porsentimentos de desalento e/ou culpa, resultando em falta de
esperança. Algunsmédicos até definem como sendo uma doença muito
comum hoje em dia,onde sua causa é desconhecida.
B. Nas Escrituras, os sentimentos associados à depressão são descritos
como um semblante descaído (Gn 4.6), um espírito abatido (Pv
17.22), tristeza (Pv15.13), desespero (Sl 42.11), fardos pesados de
iniqüidade (Sl 38.4), pesoque faz encurvar (Sl 38.6).
II. Quem está sujeito a experimentar sentimentos depressivos?
A. Ninguém esta completamente imune aos sentimentos depressivos
(1Co10.12)
B. Davi pecou, não se arrependeu e, então perdeu a esperança (Sl 38)
C. Descontente com a obra soberana de Deus, Jonas irou-se contra Ele e

26
desejoua morte (Jn 4.1-11)

III. Quais os possíveis fatores que levam à “depressão”?


A. Fatores físicos: doença, parto, cirurgia, desequilíbrios hormonais
ouquímicos
B. Respostas contrárias à bíblia diante de certas situações da vida:
deficiências físicas, perda do emprego, divórcio, perda de alguémquerido.
C. Pensamentos e hábitos mentais não-bíblicos: amargura, preocupação,
ansiedade, inveja, impaciência, orgulho, ira.

NOTA: A Palavra de Deus nunca ordena que você mude os seus


sentimentos, mas que mude a sua maneira de agir (pensamentos,
palavras e ações).

VENCENDO A DEPRESSÃO
Independentemente dos fatores envolvidos no seu caso de depressão,
você não deve basear o seu agir (pensamentos, palavras e ações) em
sentimentos, mas disciplinar a si mesmo em direção à piedade (Ef 5:15-
16; ITm 4:7-8).
A. Pense biblicamente: Lembre-se que Deus prometeu cuidar de você
em qualquer situação, mesmo ela pareça incerta (Sl 23:1-6; ICo 10:13;
Fp 4:8.)
B. Fale biblicamente: Não se detenha em difamação, mexerico,
discussão, nem use palavras que não sejam para a edificação de outros
(Ef 4:29; Cl 3:8).
C. Aja biblicamente: Conceda perdão aos outros assim como deus
concedeu a você (Ef4:32; Cl 3:13).
NOTA: A Palavra de Deus nunca ordena que você mude os seus
sentimentos, mas que mude a sua maneira de agir (pensamentos,
palavras e ações) pela obediência às Escrituras. Os mandamentos de
Deus não são penosos (1Jo 5.). A sua obediência à Palavra de Deus
fundamenta-se no seu amor pelo Senhor Jesus Cristo e não na
27
instabilidade dos seus sentimentos.
D. Esteja particularmente atento aos seguintes aspectos:
1. Confissão habitual dos pecados ao Senhor (1Jo 1.9)
2. Fidelidade na oração (1Te 5.17)
3. Estudo da Palavra de Deus (2Tm 3.16-17
4. Comunhão com outros irmãos em Cristo (Hb 10.23-25).

28