Você está na página 1de 6

Raciocínio Lógico – Questões

Olá, amigos!
Antes de mais nada, quero apresentar a todos vocês o meu mais sincero pedido de
desculpas, pela minha ausência nas últimas semanas. Infelizmente, as circunstâncias da vida nem
sempre nos favorecem.
Retorno com ainda mais vontade de prestar um bom serviço de apoio a todos os
concursandos que já descobriram essa riqueza, que é o Ponto dos Concursos!
Darei continuidade, hoje, à resolução de questões de Raciocínio Lógico. Encerraremos as
questões do Simulado Esaf, que havíamos começado na aula anterior.
Vamos lá!

Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento. Se Carla não foi ao
casamento, Vanderléia viajou. Se Vanderléia viajou, o navio afundou. Ora, o navio não
afundou. Logo:
a) Vera não viajou e Carla não foi ao casamento.
b) Camile e Carla não foram ao casamento.
c) Carla não foi ao casamento e Vanderléia não viajou.
d) Carla não foi ao casamento ou Vanderléia viajou.
e) Vera e Vanderléia não viajaram.

Sol.: Neste tipo de questão, devemos dispor as proposições, uma a uma, na seqüência em que
foram trazidas no enunciado. Teremos:

Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento.

Se Carla não foi ao casamento, Vanderléia viajou.

Se Vanderléia viajou, o navio afundou.

Ora, o navio não afundou.

Observamos que as três primeiras proposições são do tipo: “Se PREMISSA A, então
PREMISSA B”. Para este tipo de proposição, obedeceremos às regras da lógica matemática,
previstas no quadro-resumo abaixo:

Quadro-Resumo: “Se premissa A, então premissa B”:


Premissa A ----------- Premissa B
(V) (V)
Premissa A ----------- Premissa B
(F) (V) ou (F)
Premissa A Premissa B
(F) (F)
Premissa A Premissa B
(V) ou (F) (V)

Página 1 de 6 Ponto dos Concursos Prof. Sérgio Carvalho


Ora, normalmente, o modelo de questão que estamos resolvendo costuma trazer, ao final
do enunciado, uma “premissa incondicional”. Esta “premissa incondicional” funciona como ponto de
partida da resolução, e será sempre considerada por nós como a “verdade” do enunciado.
Neste nosso caso, a premissa incondicional, a qual consideraremos como “verdade do
enunciado” e ponto de partida da resolução é a seguinte: “ora, o navio não afundou”!
Daí, desenvolveremos o seguinte raciocínio: partiremos da “verdade” e procuraremos nas
proposições acima, qualquer uma delas que fale a respeito do fato de o navio ter afundado ou
não. Onde encontraremos essa premissa? Na terceira proposição! Teremos:

Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento.

Se Carla não foi ao casamento, Vanderléia viajou.

Se Vanderléia viajou, o navio afundou.


(F) (F)

Ora, o navio não afundou.


(V)

Concluímos até aqui que é falsa a premissa que “Vanderléia viajou”. Daí, procuraremos algum
outro lugar que fale acerca do fato de Vanderléia ter ou não viajado. Onde encontraremos? No
segunda proposição. Teremos, portanto:

Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento.

Se Carla não foi ao casamento, Vanderléia viajou.


(F)

Se Vanderléia viajou, o navio afundou.


(F) (F)

Ora, o navio não afundou.


(V)

E, em decorrência disso, de acordo com o quadro-resumo que rege este tipo de estrutura “Se
PREMISSA A, então PREMISSA B”, teremos que:

Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento.

Se Carla não foi ao casamento, Vanderléia viajou.


(F) (F)

Se Vanderléia viajou, o navio afundou.


(F) (F)

Ora, o navio não afundou.


(V)

Página 2 de 6 Ponto dos Concursos Prof. Sérgio Carvalho


Na seqüência, após esta nossa conclusão de que é falsa a premissa que “Carla não foi ao
casamento”, procuraremos alguma outra premissa que diga respeito a esse fato, ou seja, sobre
se a Carla foi ou não foi ao casório! Onde encontraremos isso? Na primeira proposição. Teremos:

Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento.


(F)

Se Carla não foi ao casamento, Vanderléia viajou.


(F) (F)

Se Vanderléia viajou, o navio afundou.


(F) (F)

Ora, o navio não afundou.


(V)

Finalmente, a última conclusão que iremos extrair, com base no nosso quadro-resumo que rege a
estrutura em tela, é a seguinte:

Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento.


(F) (F)

Se Carla não foi ao casamento, Vanderléia viajou.


(F) (F)

Se Vanderléia viajou, o navio afundou.


(F) (F)

Ora, o navio não afundou.


(V)

Pronto! Agora, resta-nos elencar as conclusões todas do nosso raciocínio. Foram as seguintes:

 O navio não afundou. (premissa incondicional, “verdade” do enunciado);


 Vanderléia não viajou. (conclusão da terceira proposição);
 Carla foi ao casamento. (conclusão da segunda proposição);
 Vera não viajou. (conclusão da primeira proposição).

Daí, compararemos nossas conclusões acima com as opções de resposta. E chegamos, enfim, à
resposta da questão, que é a opção E (Vera e Vanderléia não viajaram).

Se Beraldo briga com Beatriz, então Beatriz briga com Bia. Se Beatriz briga com
Bia, então Bia vai ao bar. Se Bia vai ao bar, então Beto briga com Bia. Ora, Beto não
briga com Bia. Logo:
a) Bia não vai ao bar e Beatriz briga com Bia
b) Bia vai ao bar e Beatriz briga com Bia
c) Beatriz não briga com Bia e Beraldo não briga com Beatriz

Página 3 de 6 Ponto dos Concursos Prof. Sérgio Carvalho


d) Beatriz briga com Bia e Beraldo briga com Beatriz
e) Beatriz não briga com Bia e Beraldo briga com Beatriz

Sol.: Iniciemos, dispondo as proposições uma após outra. Teremos:

Se Beraldo briga com Beatriz, então Beatriz briga com Bia.

Se Beatriz briga com Bia, então Bia vai ao bar.

Se Bia vai ao bar, então Beto briga com Bia.

Ora, Beto não briga com Bia.

Já sabemos que esta última premissa (“Beto não briga com Bia”) é a premissa incondicional, a
“verdade” do enunciado e ponto de partida da resolução da questão! Nesta resolução,
saltaremos os saltos intermediários, e apresentaremos já todo o raciocínio desenvolvido. Ok?
Teremos o seguinte:

Se Beraldo briga com Beatriz, então Beatriz briga com Bia.


(F) (F)

Se Beatriz briga com Bia, então Bia vai ao bar.


(F) (F)

Se Bia vai ao bar, então Beto briga com Bia.


(F) (F)

Ora, Beto não briga com Bia.


(V)

Daí, as conclusões que extrairemos do nosso raciocínio são as seguintes:


 Beto não briga com Bia. (“premissa incondicional”);
 Bia não vai ao bar. (conclusão da terceira premissa);
 Beatriz não briga com Bia. (conclusão da segunda premissa);
 Beraldo não briga com Beatriz.

Em comparação com as opções de resposta, concluímos que a resposta correta será o item C
(“Beatriz não briga com Bia e Beraldo não briga com Beatriz”).

08) Se Flávia é filha de Fernanda, então Ana não é filha de Alice. Ou Ana é filha de
Alice, ou Ênia é filha de Elisa. Se Paula não é filha de Paulete, então Flávia é filha de
Fernanda. Ora, nem Ênia é filha de Elisa nem Inês é filha de Isa.
a) Paula é filha de Paulete e Flávia é filha de Fernanda.
b) Paula é filha de Paulete e Ana é filha de Alice.
c) Paula não é filha de Paulete e Ana é filha de Alice.
d) Ênia é filha de Elisa ou Flávia é filha de Fernanda.
e) Se Ana é filha de Alice, Flávia é filha de Fernanda.

Página 4 de 6 Ponto dos Concursos Prof. Sérgio Carvalho


Sol.: Transcrevendo as proposições do enunciado, teremos:

 Se Flávia é filha de Fernanda, então Ana não é filha de Alice.

 Ou Ana é filha de Alice, ou Ênia é filha de Elisa.

 Se Paula não é filha de Paulete, então Flávia é filha de Fernanda.

 Ora, nem Ênia é filha de Elisa nem Inês é filha de Isa.

O ponto de partida da resolução é a nossa premissa incondicional, no caso, a última (“nem Ênia é
filha de Elisa nem Inês é filha de Isa”).

O que há de novidade nesta questão? É justamente a presença de uma nova “estrutura”.


Observaram? É a estrutura presente na segunda proposição (“ou Ana é filha de Alice ou Ênia é
filha de Elisa”). Trata-se da estrutura “ou PREMISSA A, ou PREMISSA B”.

Quando formos analisar essa nova estrutura, teremos que seguir o disposto no seguinte quadro-
resumo abaixo:
Quadro-Resumo: “Ou premissa A, ou premissa B”:
Premissa A ----------- Premissa B
(V) (V) ou (F)
Premissa A ----------- Premissa B
(F) (V)
Premissa A Premissa B
(V) (F)
Premissa A Premissa B
(V) ou (F) (V)

Sabendo disso, passemos ao desenvolvimento do nosso raciocínio. Teremos:

 Se Flávia é filha de Fernanda, então Ana não é filha de Alice.


(F) (F)

 Ou Ana é filha de Alice, ou Ênia é filha de Elisa.


(V) (F)

 Se Paula não é filha de Paulete, então Flávia é filha de Fernanda.


(F) (F)

 Ora, nem Ênia é filha de Elisa nem Inês é filha de Isa.


(V)

Daí, extraímos as seguintes conclusões:


 Ênia não é filha de Elisa; Inês não é filha de Isa. (premissas incondicionais);
 Ana é filha de Alice. (conclusão da segunda proposição);
 Flávia não é filha de Fernanda. (conclusão da primeira proposição);

Página 5 de 6 Ponto dos Concursos Prof. Sérgio Carvalho


 Paula é filha de Paulete (conclusão da terceira proposição).

Comparando nossas conclusões acima com as opções de resposta, chegamos à opção B (“Paula é
filha de Paulete, Ana é filha de Alice”). Resposta da questão!

Quero lembrar que as questões desse tipo das que resolvemos hoje foram minuciosamente
trabalhadas e explicadas na apostila que elaborei, e que está à disposição dos interessados aqui
no Site como um e-produto.

Próxima aula, trarei a conclusão destas questões do Simulado, e trataremos acerca de um outro
tipo muito comumente cobrado nas provas da Esaf, que diz respeito a enunciados de “Verdade &
Mentira”. São questões aparentemente complexas, mas depois que aprendemos a técnica de
resolução, tornam-se muito fáceis! Um exemplo de questão desse modelo (verdades e mentiras)
é o enunciado que se segue:

Cinco colegas foram a um parque de diversões e um deles entrou sem pagar. Apanhados por
um funcionário do parque, que queria saber qual deles entrou sem pagar, eles informaram:
– “Não fui eu, nem o Manuel”, disse Marcos.
– “Foi o Manuel ou a Maria”, disse Mário.
– “Foi a Mara”, disse Manuel.
– “O Mário está mentindo”, disse Mara.
– “Foi a Mara ou o Marcos”, disse Maria.
Sabendo-se que um e somente um dos cinco colegas mentiu, conclui-se logicamente que quem
entrou sem pagar foi:
a) Mário
b) Marcos
c) Mara
d) Manuel
e) Maria

Fica como “dever de casa” essa questão acima, e a resolveremos na próxima aula.

Um abraço a todos! E até breve!

Página 6 de 6 Ponto dos Concursos Prof. Sérgio Carvalho