Você está na página 1de 5

PREPARATÓRIO PARA OAB

DISCIPLINA: DIREITO PENAL


Professora: Dra. Waléria Garcelan Loma Garcia

Capítulo 7 Aula 1
DOS CRIMES CONTRA A PESSOA

Coordenação: Dr. Ivan Agostinho


Aula 1

Parte Especial do Código Penal Introdução.


Título I Dos Crimes Contra a Pessoa. Dos Crimes Contra a Vida
(Capítulo I) Noções Gerais. Homicídio art. 121.

Legislação Criminal - conjunto de textos em forma de lei - composta de textos básicos ou legislação comum
(Código Penal e Lei das Contravenções Penais) e outros textos ou legislação especial (leis que surgem à
margem do CP e da LCP).

O TÍTULO I da Parte Especial do Código Penal cuida DOS CRIMES CONTRA A PESSOA. Esse Título vem
dividido em 6 Capítulos. O Capítulo I, com 8 artigos, cuida Dos Crimes Contra a Vida (artigos 121 a 128).
Os crimes contra a vida são: Homicídio (artigo 121); Auxílio, induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio
(artigo 122); Infanticídio(artigo 123) e Aborto (artigos 124 a 128).

VIDA! O Bem Jurídico protegido é a VIDA HUMANA, a VITALIDADE. A Lei protege a existência de vida, não
importando a maior ou menor VIABILIDADE dessa vida.

O nosso legislador penal considera a VIDA de duas formas:

1) extra-uterina (vida fora do útero materno).

2) Intra-uterina (vida dentro do útero materno).

Particularidade dos crimes DOLOSOS contra a vida no aspecto processual = Nos termos do que dispõe o
artigo 5º, XXXVIII, "d" da C.F., os crimes contra a vida dolosos, consumados ou tentados, são julgados pelo
Tribunal do Júri.

HOMICÍDIO é a eliminação da vida de uma pessoa praticada por outra pessoa.

O Homicídio pode ser Doloso ou Culposo, conforme o elemento subjetivo.

O Homicídio Doloso, onde há a presença do animus necandi, pode se apresentar de quatro formas:

Homicídio Simples ( "caput" do artigo 121 do CP); Homicídio conhecido como "Privilegiado" (parágrafo 1º
do Art. 121 do CP); Homicídio Qualificado (parágrafo 2º do Art. 121 do CP); Homicídio Circunstanciado
(parágrafo 4º do artigo 121, em sua parte final - prevê causa de aumento de pena).

HOMICÍDIO SIMPLES

Sujeito Passivo - qualquer pessoa com vida após o nascimento, não importando a maior ou menor
viabilidade dessa vida.

Sujeito Ativo - É um crime comum, que pode ser praticado por qualquer pessoa.

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”
www.r2direito.com.br

01
Consumação do Homicídio - no momento da morte da vítima.

Tentativa de Homicídio É crime material. Admite a tentativa.

O Homicídio Simples, conforme dispõe o artigo 1º, Inciso I, da Lei 8.072/90 pode ser considerado hediondo
"quando praticado em atividade típica de grupo de extermínio, ainda que cometido por um só agente".

HOMICÍDIO PRIVILEGIADO (Art. 121, § 1º CP)

Caso de diminuição de pena são causas especiais de diminuição de pena.


A denominação Homicídio Privilegiado, contudo, é tradicional na doutrina e na jurisprudência.

Se reconhecido o privilégio, deve o juiz aplicar a diminuição de pena. Apesar do Código se utilizar da
palavra "pode" entende-se que a redução é obrigatória se os jurados responderem afirmativamente ao
privilégio. Trata-se de direito subjetivo do réu, pois caso contrário o juiz estaria desrespeitando o princípio
constitucional da soberania dos veredictos do Júri.

Causas de diminuição de pena: I - Motivo de Relevante Valor Moral; II - Relevante Valor Social; III - Quando o
crime é praticado sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a uma injusta provocação da vítima.

No dizer de Euclides Custódio da Silveira: "São motivos de relevante valor moral e social, aqueles que a
consciência ética de um povo, num dado momento, aprova".

Na atenuante genérica basta que o crime seja cometido sob a influência de violenta emoção provocada por
ato injusto da vítima. No privilégio, é necessário domínio de violenta emoção logo em seguida a injusta
provocação da vítima. Observe-se que no privilégio é necessário a reação imediata do agente, já na
atenuante não.

HOMICÍDIO QUALIFICADO - Art. 121, § 2º do CP

Há um autêntico crime qualificado, posto que em face das circunstâncias que se agregam à conduta típica
básica, a pena abstratamente prevista é maior que a pena prevista para a figura do homicídio simples (pena
própria).
O crime de homicídio qualificado é considerado hediondo.

Classificação do Homicídio Qualificado


a) Quanto aos motivos do crime - Incisos I e II (circunstâncias de natureza subjetiva).

b) Quanto ao meio empregado - Inciso III (circunstância de natureza objetiva).

c) Quanto ao Modo de Execução - Inciso IV (circunstância de natureza objetiva).

d) Quanto a finalidade - Inciso V (circunstância de natureza subjetiva).

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”
www.r2direito.com.br

02
BIBLIOGRAFIA

BITENCOURT, Cezar Roberto. Manual de Direito Penal. São Paulo: Saraiva.

CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal Parte especial. Volume 2. São Paulo: Saraiva.

COSTA JÚNIOR, Paulo José. Curso de Direito Penal. São Paulo: Editora Saraiva.

DELMANTO, Celso. Código Penal Comentado. Rio de Janeiro: Editora Renovar.

HUNGRIA, Nelson. Comentários ao Código Penal. Volume V. Rio de Janeiro: Forense.

JESUS, Damásio Evangelista. Código Penal Comentado. São Paulo: Editora Saraiva.

MIRABETE, Júlio Fabbrini. Manual de Direito Penal. Volume 2. São Paulo: Saraiva.

NORONHA, E. Magalhães. Direito Penal. Volume 2. São Paulo: Saraiva.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. São Paulo: Revista dos Tribunais.

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”
www.r2direito.com.br

03