Você está na página 1de 16

RESUMO

Capitulo VII

Carlos Henrique Duarte de Oliveira – 2° A

ETEC JK - 2018

PORÍFEROS OU ESPONJAS
❖ Geral:
● Animais mais premitivos;
● Ablásticos (sem folhetos);
● Capacidade de regeneração;
● Algumas possuem simetria radial;
● A maioria tem poucos centímetros de tamanho, mas alguns chegam a
atingir 1 m e 2 m de altura;
● Sésseis na fase adulta (fixados a um substrato).
❖ Estrutura:
● Sua consistência pode ser mole e frágil ou duro como uma rocha;
● Maioria assimétrica, porém, algumas tem simetria radial (onde diversos
planos que passarem sobre seu corpo dividiram-na em partes iguais);
● Podem ter coloração: Cinza, vermelha, amarela, laranja e violeta.
● Filtradores:
▪ Na superfície interna temos os coanócitos, que ao baterem o
flagelo, eles fazem com que a água entre pelos poros, ela cai na
espongiocela/átrio e sai pelo ósculo (abertura em cima da
esponja) sempre nessa direção. Nesse processo as células da
esponja absorvem os nutrientes da água e distribuem para o
resto da esponja;
▪ Digestão intracelular (dentro do coanócito).

❖ Células:
● Coanócitos: Células responsáveis pelo impulso que faz com que a
água circule na esponja, fazem também a digestão e o revestimento
interno;
● Porócitos: onde se localizam os poros da parede do corpo;
● Pinacócitos: revestem a externamente o corpo do animal;
● Amebócitos/arqueócitos: Tem a capacidade de se tornar qualquer
célula que seja da esponja, completam a digestão iniciada nos
coanócitos, distribuindo nutrientes para a esponja. Recolhem as
excretas e levam para a espongiocela;
● Espongioblastos e escleroblastos: Formam elementos de
sustentação esquelética da esponja: fibras e espículas.
❖ Classificação:
● Calcária (pequenas, espiculas de carbonato de cálcio);
● Demospongi (até 2m de diâmetro, espicula sílica, ou seja temos possibilidade de fazer
esponja de banho com ela. Também tem a meso-hilo espessa);
● Hexactinellida.

❖ Reprodução:
● Assexuada: Brotamento, regeneração ou gêmula;
● Sexuada: Interna ou externa (maioria), o espermatozoide produzido por uma esponja, no
momento considerada macho, esse espermatozoide sai e entra pelo poro de uma outra
esponja, esse espermatozoide encontra o gameta feminino, ocorre a fecundação e
formação da anfiblástula (larva ciliada) que sai e se fixa em um substrato, desenvolvendo-se
nele, e originando um novo porífero.

CNIDADERIA (CNIDÁRIOS)
❖ Gerais:
● Representantes: Anêmona – do – mar, coral, medusa etc.
● Marinhas(maioria) ou dulcícolas
● Diblástico (único)– 2 tecidos verdadeiros: Gastroderme e epiderme
● Acelomados
● Possuem tentáculos
● Sistema nervoso difuso (aqui surge o sistema nervoso)
● Sistema digestório incompleto (digestão intra e extracelular)
● Simetria radial
● Sistemas ausentes: Excretor, circulatório, respiratório
● Cnidócito: inocula veneno, que é usado para defesa e captura de presas.

❖ Estruturas:
● Pólipo
● tentáculos para baixo
● Sesseis
● Medusa
● tentáculo para cima
● livre
● Extremidade oral (boca) e extremidade aboral (oposta à boca)
● Esqueleto hidrostático
❖ Células:
● Epiderme
● Mioepiteliais: Revestimento e contração.
● Intersticiais: Podem se diferenciar em outras, regeneração e crescimento.
● Sensoriais: Passam estímulo.
● Glandulares: Fazem secreção e formam a mesogleia.
● Condócitos ou cnidoblasto: Defesa e captura.
● Gatroderme:
● Mioepiteliais: Auxilia na digestão (muscular digestiva) fazendo o corpo da medusa
contrair, o que faz com que o alimento ingerido se misture com as enzimas, tem dois
flagelos
● Glandulares: Enzimas digestivas.
● Sensoriais e intestinais: na mesma função da epiderme.
● Mesogleia: Suporte, e por ela passam as células nervosas (sistema nervoso
difuso) que recebe informações das células sensoriais.

❖ Ciclo de vida:
● Pode ocorrer alternância de geração: Metagênese
● As medusas constituem a fase sexuada do ciclo, produzindo gametas e gerando por
meio da fecundação. Os pólipos são a fase assexuada do ciclo e originam medusas
por brotamentos ou estrobilização.
● Reprodução: desenvolvimento indireto (larva planula)
● Sexuada: Medusas – Troca de gametas – fecundação pode ser interna e externa.

OBS: As células que se transformarão em gametas serão as células intersticiais.

● Assexuadas: Pólipos (existem exceções) – Brotamento

❖ Diversidade (Classificação):
● Hydrozoa: Marinhas ou dulcícolas (somente eles de todos estes são dulcícolas).
Reprodução:
● Scyphozoa: Alternância de geração (medusa dominante), pólipo reduzido. Reprodução:

● Anthozoa: Anêmonas e corais, apenas pólipos (reprodução sexuada), os corais e os atóis


produzem carbonato de cálcio, formando bases para recifes e corais.
● Cubozoa: Forma de cubo, predominantemente medusa, umas espécies mais tóxicas do
mundo, por exemplo a vespa do mar.

PLATYHELMINTEHES (PLATELMINTOS)
❖ Geral:
● Triblásticos
● Acelomados
● Com sistema digestivo incompleto

❖ Classificação:

Turbelários

● Vida livre
● Habita em ambientes úmidos de terra firme ou aquáticos, sendo estes marinhos e de água
doce
● Seus cílios epidérmicos, em conjunto com os músculos (que surgem aqui) permitem que
ela ande por uma trilha de muco secretado por ela mesma.
● Exemplo: planárias

Trematódeos

● Platelmintos parasitas
● Tem duas ventosas musculosas para se fixar no hospedeiro
● A maioria das espécies é monoica (hermafrodita)
● Fecundação interna e desenvolvimento indireto
● A maioria usa animais vertebrados como hospedeiros definitivos (onde vivem
trematódeos adultos que se reproduzem sexuadamente, e animais invertebrados (caramujo)
como hospedeiro intermediário (aqui e desenvolvem as fazes larvais do verme)
● Ciclo de vida (Schistosoma mansoni)
● O casal de esquistossomos, vivem nas veias do fígado humano
● O ser humano elimina fezes, com ovos da espécie
● O ovo se desenvolve e vira miracídeo (larva), que vai rapidamente a procura do seu
hospedeiro intermediário
● A larva entra no caramujo e origina de modo assexuado larvas dotadas de cauda, as
cercárias

OBS: Um único miracídeo que penetra no caramujo, origina cerca de 200 mil cercárias.

● As cercárias libertam-se, e logo depois penetram na pele do hospedeiro, depois se


transformarão em esquistossomos adultos.

Cestoides

● Platelmintos parasitas, exemplo: Tênia


● Não tem sistema digestivo, absorvem seus nutrientes diretamente da cavidade intestinal do
hospedeiro
● Hospedeiro definitivo: Ser humano
● Hospedeiro intermediário: Porco
● A ponta anterior do corpo do verme, é afilada e termina no escólex, estrutura que permite a
fixação do parasita.
● O corpo da tênia é formado por centenas, ou milhares de partes iguais (proglótides), que
se originam por divisão transversal, e vão amadurecendo à medida que se distanciam do
escólex.
● Autofecundação, Proglótides que já estão adultas, são fecundadas por espermatozoides de
outra proglótide próxima
● Ciclo de vida (Taenia solium)
● O Hospedeiro definitivo elimina, junto com as fezes, a(s) proglótide(s) grávida(s)
● O ovo é liberado pela proglótide
● O hospedeiro intermediário: ingere os ovos de tênia
● No corpo do hospedeiro cada ovo libera uma larva oncosfera
● A oncosfera perfura a pele intestinal do suíno e segue pelo sangue até a
musculatura
● Na musculatura suína forma-se o cistocerco.
● O ser humano come carne suína, malcozida,e ingere o cisticerco, que se
desenvolverá e formará no intestino um pequeno, originando uma nova tênia

NEMATODA (NEMATÓDEOS)
❖ Geral:
● Animais de corpo cilíndrico, alongado e afilado nas extremidades
● Maioria: 2,5 mm, mas alguns chegam a passar de 1 metro
● 30% das espécies desse filo são parasitas de animais e plantas (problemas à agricultura e à
pecuária)
● As espécies de vida livre vivem em locais como solos úmidos e ricos em matéria orgânica,
rios, lagos e oceanos.

❖ Estruturas:
● O corpo de um nematódeo é um tubo, com outro dentro. O tubo externo é a parte corporal,
e o tubo interno é o trato digestório (completo). Entre eles está o pseudoceloma.
● Eles conseguem fazer movimentos simples de flexão, graças a células musculares com
fibras contráteis, que estão sob a epiderme, orientadas apenas no sentido longitudinal.

❖ Principais classes:
● Adenophorea
● Secernentea

❖ Reprodução e ciclo de vida:


● Espermatozoides sem flagelo
● Dimorfismo sexual (diferenças nas características morfológicas entre macho e fêmea)
● Macho: Elimina espermatozoides pela cloaca, onde também desemboca o intestino,
para garantir a fixação dos parceiros até a passagem dos espermatozoides o macho
tem as espiculas, estruturas parecidas com espinhos que são introduzidos no orifício
genital da fêmea
● Fêmea: Orifício genital na porção mediana do corpo, onde sem encontra o final do
aparelho reprodutor, a vagina
● No útero da fêmea os espermatozoides encontram os óvulos e ocorre aa fecundação, pode
ocorrer da fêmea tanto eliminar os ovos, quanto dos ovos ficarem dentro dela, fazendo um
desenvolvimento embrionário.
● Ciclo de vida de Ascaris lumbricoides
● A fêmea liberará seus ovos, que serão liberados nas fezes, e as vezes por falta de
saneamento básico esses ovos são ingeridos com água e comidas contaminadas.
No tubo digestório o ovo é digerido e dali sai uma larva filamentosa, que irá migrar
para a circulação sanguínea furando a parede intestinal, e chegado aos pulmões da
pessoa infectada. Depois que chegam aos pulmões a larva perfura os alvéolos
pulmonares, chegando à traqueia, isso pode causar tosse que faz com que a larva
seja lançada na faringe, e enfim engolida.
● Ciclo de vida de Wuchereria bancrofti
● Conhecidos como filárias, os vermes machos e fêmeas acasalam-se no interior dos
vasos linfáticos, causando um terrível inchaço, as fêmeas retêm os ovos no corpo
até a eclosão de larvas, quase microscópicas, as microfilárias, que migram para os
capilares, para serem sugadas por fêmeas do mosquito do gênero Culex, e em
algumas regiões também do gênero Anopheles. A microfilária perfura o intestino do
mosquito e se aloja na musculatura torácica, onde se desenvolve para uma forma
larval infectante, logo depois disso o a forma larval está pronta para serem
transmitidas para uma pessoa sadia através do mosquito, e nessa pessoa se
desenvolver para forma adulta e enfim começar o ciclo novamente.

OBS: É um tanto quanto interessante o comportamento das microfilárias quando


migram para os capilares da pele, elas fazem isso apenas no período da noite, onde,
será mais fácil de serem sugadas pelos mosquitos.

MOLLUSCA (MOLUSCOS)
❖ Geral:
● Animais de corpo mole
● Segmentados
● Geralmente possuem concha calcária, secretada pelo próprio animal (exoesqueletos
incompletos)
● Alguns exemplos: ostras, mexilhões, caramujos, lulas e polvos
● Mais de 100 mil espécies atuais
● Maioria marinha (águas rasas litorâneas), porém, há também algumas espécies de água
doce e terra firme.
● Existem espécies carnívoras, herbívoras e filtradoras

❖ Estruturas: (principais em negrito)


● Cabeça:
● Bem desenvolvida nos gastrópodes, porém bem reduzida ou praticamente
inexistente nos bivalves
● A presença da cabeça de gastrópodes e cefalópodes, facilita a busca ativa por
alimentos, e concentra órgãos sensoriais. Já que os bivalves são sésseis e
filtradores o desenvolvimento da cabeça não faria muita diferença.

● Pé:
● Estrutura musculosa
● Função variada dependendo do molusco
▪ Gastrópodes – locomoção por deslizamento
▪ Cefalópodes – permite nadar, caminhar e capturar presas (pé dividido em
tentáculos)
▪ Bivalves – cavar ou fixar o animal a um substrato

● Saco visceral:
● Aloja os órgãos internos (vísceras), delimitado pelo manto/pálio (epitélio dorsal)
● O manto:
▪ Pode prolongar-se até o saco visceral em forma de cavidade, na qual se
abrem os ânus e os poros excretores
▪ Apresenta glândulas produtoras de muco e de secreções calcárias, que
formam a concha, que é basicamente (CaCO3)

● Rádula: Estrutura em forma de fita, com fileiras de pequenos dentes de quitina, que podem
variar entre 16 e 750 mil. Músculos ligados à rádula permitem executar movimentos de vai e
vem transformando o alimento em pequenos pedaços.
● Glândulas salivares: que secretam muco sobre o alimento
● Hepatopâncreas: Um par de glândulas digestivas, com função igual à do fígado e pâncreas
em nós cordados. Ainda armazena proteínas, lipídeos, glicogênio e sais de cálcio e produz
excreções.
❖ Reprodução e ciclo de vida:
● Sexuada
● A maioria dos bivalves e alguns gastrópodes são dioicos e eliminam os gametas na água,
● O zigoto desenvolve-se em uma larva ciliada chamada trocófora, que nada ativamente.
● Na maioria das espécies há uma segunda fase larval, o véliger, onde se formam o pé e a
concha.
● Os cefalópodes são dioicos, o macho usa tentáculos especializados para introduzir os
espermatozoides na cavidade do manto da fêmea ou em uma saliência que ela tem sob a
boca. Os ovos são fecundados internamente, e antes de serem liberados na água ou
fixados a um objeto submerso, são envoltos por uma capsula gelatinosa. Seu
desenvolvimento é direto.
● A maioria dos gastrópodes é monoica, por exemplo caracóis de jardim, que têm uma
gônada única, hermafrodita (ovoteste), que produz tanto óvulos como espermatozoides

❖ Principais classes:
● Gastrópodes
● Cefalópodes
● Bivalves

ANNELIDA (ANELÍDEOS)
❖ Geral
● Animais de corpo alongado
● Estruturado em segmentos dispostos em sequência
● Cerca de 16,5 mil espécies descritas

❖ Principais classes:
● Poliquetos:
● Dotados de cerdas (projeções rígidas de quitina), implantadas em expansões
laterais de cada parápode
● Parápodes: cada segmento do corpo
● Têm cabeça diferenciada com palpos, olhos, antenas e etc.
● Bentônicos
● Habitam desde praias e costões rochosos até as profundezas abissais, alguns ainda
rastejam no fundo do mar à procura de um animal para se alimentarem
● Alguns são sésseis, vivendo em tubos que eles mesmos constroem com grãos de
areia ou material calcário secretado por eles.
● A alimentação deles se baseia em micro crustáceos filtrados do mar microrganismos
e larvas diversas

● Oligoquetos:
● Anelídeos
● Presença de poucas cerdas, exemplo: minhocas
● Vivem em solos úmidos ou em ambientes de água doce
● Há exemplares de poucos milímetros de comprimento, até espécies de 2m
(supõe-se em extinção)
● A presença do anelídeo Tubifex nos rios, é um indicador positivo de poluição da
água por detritos orgânicos
● Estrutura: O corpo da minhoca é revestido externamente por uma cutícula fina e
transparente, secretada pela epiderme. Sob elas está a musculatura circular, em
pacotes de fibras longitudinais e oblíquas, que possibilitam o movimento do animal.
● Minhocas sexualmente maduras apresentam o ditelo, segmentos que secretam
muco para formação de um casulo externo ao corpo do animal, dentro do qual
ocorre a fecundação.
● São importantes para a fertilização do solo, pois:
▪ Escavam túneis, que permitem a aeração da terra
▪ Ao se alimentar ajudam na decomposição
▪ Produzem fezes e urina ricas em nutrientes

● Hirudíneos:
● Sem cerdas nem parápodes
● Achatados dorsoversalmente
● Vivem em água doce e meio marinho, até em brejos e pântanos
● Representantes: Sanguessugas
▪ Tem duas ventosas para se fixar no corpo do hospedeiro, a ventosa oral e a
posterior
▪ Sugam o sangue sem causar dor
▪ O sangue é sugado graças à sua forte musculatura da faringe
▪ Elas liberam uma substância anticoagulante produzida por suas glândulas
salivares
▪ Curiosidade: até hoje sangue sugas são usadas para remover hematomas
em ferimentos traumáticos ou cirúrgicos

❖ Reprodução e ciclo de vida:


● Poliquetos: dioicos, fecundação externa, e desenvolvimento direto, com larva trócofora
● Oligoquetos e Hirudíneos: monoicos, desenvolvimento direto, sem estágio larval
● Na região ventral do clitelo, formado pelos segmentos 14,15 e 16, estão um par de poros
vaginais femininos, que se conectam aos ovidutos, que capitam os óvulos liberados por um
par de ovários e o levam ao poro genital feminino
● Os espermatozoides produzidos pelos testículos migram para as vesículas seminais, onde
ficam armazenados. Logo depois eles seguem pelos dutos espermáticos e se misturam com
a secreção da próstata, formando um gameta que será, durante a cópula, liberado pelos
poros genitais masculinos
● Durante a noite as minhocas sexualmente maduras saem para se reproduzir, unindo suas
superfícies ventrais através das papilas copulatórias, e trocam, gametas, o fluido com os
gametas masculinos é expelido e armazenado no receptáculo seminais do parceiro,
forma-se um casulo mucoso (externo) em volta do corpo da minhoca onde ela elimina os
óvulos, esse casulo será liberado/solto da minhoca com os ovos, e dali surgirão novas
minhocas jovens

OBS: esse exemplo de reprodução é de um oligoqueto.

ARTHROPODA (ARTRÓPODES)
❖ Geral:
● Corpos metamerizados
● Existem miccrocrustáceos
● Exoesqueleto quitinoso
● Dotados de apêndices articulados
● Metâmeros: grupos de segmentos corporais
● Tagmas: diferentes partes do corpo, formadas pela fundição dos metâmeros no
desenvolvimento embrionário
● Cefalotórax: Fusão dos metâmeros da cabeça e do tórax, o cefalotórax está presente em
diversos crustáceos
● Exoesqueleto: composto de quitina e pode conter Carbonato de Cálcio
OBS: O exoesqueleto impossibilita o crescimento corporal, por isso alguns artrópodes o trocam
periodicamente (ecdise)

❖ Principais classes:

Crustáceos

● Dois pares de antenas


● Dois tagmas: Cefalotórax e abdome, ambos com apêndices locomotoras
● Aquáticos: marinhos ou de água doce
● Há espécies sésseis (cracas) e não sésseis (siri, tatuzinhos-de-jardim)
● Alimentação
● Cracas: Filtradoras
● Caranguejos: Herbívoros, carnívoros ou comem animais mortos
● Camarões, siris, e alguns caranguejos, são detritívoros
● A maioria dos crustáceos é dioica, os machos tem apêndices especializados em introduzir
pacotes de espermatozoides para o receptáculo seminal da fêmea, onde eles vão encontra
os óvulos, ali liberados pelos poros genitais, e permanecem aderidos ao abdome da fêmea,
passando por um ou mais estágios larvais

Quelicerados

● Aranhas, escorpiões, carrapatos etc.


● Quatro pares de pernas
● Sem antenas
● Presença de quelíceras, para captura de alimento e ingestão de veneno
● Maioria tem o corpo divido em cefalotórax e opistossoma
● Maior grupo: Aracnídeos
● Matas, pântanos desertos e casas
● Escorpiões passam o dia escondidos em tocas e saem a noite pra caçar
● Alguns são peçonhentos
● Aracnideos são dioicos
● Nas aranhas o macho tece um saquinho de seda onde coloca seus
espermatozoides, após os rituais de acasalamento ele coloca o pacote no poro
genital feminino, com auxílio dos pedipalocapos. A fecundação é interna e a fêmea
coloca os ovos dentro de um casulo de seda tecido por ela, o ovissaco. Algumas
aranhas carregam o ovivasco consigo, enquanto outras o deixam preso a teia ou
ramos de arvore, o ovo eclode e o desenvolvimento é direto.
Miriápodes

● Corpo alongado
● Muitas pernas e um par de antenas
● Divididos em:
▪ Quilópodes: Centopeias e lacraias, possuem dois tagmas: cabeça e tronco
(constituído de metâmeros torácicos e abdomnais) e cada metâmero
apresenta um par de pernas
▪ Diplópodes: Piolhos-de-cobra ou embuás, possuem três tagmas: Cabeça
tórax e abdome, a cabeça tem um par de grandes mandíbulas, e um par de
olhos e ainda um de antenas

Hexápodes

● Três pares de perna e um de antenas


● Maioria: insetos
● Insetos
▪ Adaptados à terra firme
▪ Únicos invertebrados capazes de voar
▪ Estruturas:

● Os insetos são dioicos, O macho introduz o pênis na vagina da fêmea, onde ele
elimina os espermatozoides, esses vão para a espermateca, onde encontrarão os
óvulos que percorreram os ovidutos, e são fecundados, os ovos desenvolvem casca
e ocorre a postura
● Podem ser:
▪ Ametábolos: insetos com desenvolvimento larval
▪ Metábolos: insetos com estagio larval, esse grupo se divide ainda em
Hemimetábolos (passam por uma metamorfose incompleta ou gradual) ou
holometábolos (eclode do ovo um vermiforme, segmentado, sem asas e que
pode ou não ter pernas, ele se transformará dentro de uma pupa, virando um
imago – metamorfose completa)

ECHINODERMATA (EQUINODERMOS)
❖ Geral:
● Estrelas do mar, ouriços-do-mar, bolachas-de-praia, e etc.
● Alimentação:
● Ouriços-do-mar: Algas marinhas, pequenos animais e detritos orgânicos
▪ Esses alimentos serão triturados pela Lanterna de Aristóteles, o alimento
passa pelo estômago e o intestino onde é digerido por ensimas secretadas
pelas células da parede intestinal. Digestão extracelular
● Estrela-do-mar: Carnivoras, comem também corais, anêmonas e outros
equinodermos e moluscos
▪ Capazes de abrir conchas bivalves. O estomago das estrelas-do-mar saem
delas e entram em contato direto com a presa, a estrela também secreta
muco e enzimas nela, após um tempo o estomago é recolhido, depois de
completa a digestão a estrela-do-mar joga os resíduos pela boca, pois seu
intestino e seu ânus são pouco funcionais
● O corpo dos equinodermos é revestido por uma epiderme fina
● Presença de endoesqueleto de uma matriz de proteína impregnada de cristais de
carbonado de cálcio
● Pedicelárias: remover detritos e pequenos animais que aderem o corpo do equinodermo,
matendo-o sempre limpo
● Pés ambulacionais: estruturas tubulares finas e flexíveis, para auxiliar no movimento e na
captura do alimento
● Sistema hidrovascular (EXCLUSIVO NOS EQUINODEROS): Formado por um conjunto de
tubos e ampolas de paredes musculares internos ao corpo, atuando na locomoção,
respiração, captura de alimentos e percepção do ambiente através de terminações
nervosas
● Placa madrepórica: Placa que permite que através de seus poros entre água no sistema
hidrovascular. Essa placa fica na parte aboral do animal
● Os poros da placa madrepórica abrem-se internamente para o canal madrepórico, que se
liga ao canal circular (que fica em volta do entorno do tubo digestivo), nesse canal há 5
vesículas de Poli, e cinco canais radiais que percorrem o corpo do animal, com a face
interna das zonas ambulacrais. De cada canal radial pertencem centenas de Pés
ambulacrais ligados a ampolas

❖ Reprodução e ciclo de vida:


● Dioicos
● Gônadas de ambos os sexos estão na cavidade celômica
● Ouriços-do-mar: 5
● Estrelas-do-mar: 10
● Holotúrias: 1
● As gônadas se abrem pelos poros genitais e liberam os gametas na água
● Fecundação externa
● Desenvolvimento indireto, com uma ou mais formas larvais
● Ouriços-do-mar – 1 forma larval livre-nadante, e com simetria bilateral
● Estrelas do mar - Dois estágios larvais bilateralmente simétricos. A larva que emerge
do ovo chama-se bipinária depois se transforma em braquiolária. A branquiolária
afunda e sofre metamorfose e vira uma estrela-do-mar jovem.

❖ Principais classes:
● Perischoechinoidea
● Euechinoidea
● Irregularia

Você também pode gostar