Você está na página 1de 34

SIMULADOS

Avaliação mediadora: uma prática da construção da pré-escola a universidade - Jussara Hoffman

1 - Numa concepção mediadora de avaliação, de acordo com Hoffmann, a(s):

(A) subjetividade tanto na elaboração quanto na correção de tarefas avaliativas constitui um problema que tem de
ser solucionado urgentemente.
(B) tarefas avaliativas cumprem seu papel quando os erros do aluno e as dúvidas do professor são eliminados
definitivamente da sala de aula.
(C) avaliação na escola, em função de seu caráter seletivo e constatativo, precisa ser aplicada em um momento
terminal.
(D)tarefas avaliativas deveriam ter o caráter problematizador e dialógico, proporcionando momentos de troca de
ideias.
(E) atividade avaliativa, quando bem elaborada, permite ao professor atribuir pontos às tarefas realizadas pelos
alunos, a partir do número de acertos.

2. Na perspectiva da avaliação mediadora, de acordo com Hoffmann, avaliar é, dentre outras coisas,

(A)corrigir tarefas e provas do aluno para verificar respostas certas e erradas, a fim de garantir a evolução contí-
nua dele.
(B) analisar teoricamente as manifestações dos alunos em situações de aprendizagem, para acompanhar suas
hipóteses acerca de determinados assuntos.
(C)aplicar verificações periódicas para deliberar sobre a aprovação ou reprovação do aluno em cada série ou
nível de ensino.
(D) verificar as tarefas feitas no caderno pelo aluno, a fim de se atribuir uma nota em cada momento ou etapa do
processo de ensino-•aprendizagem.
(E) diagnosticar, em momentos pontuais e determinados, o nível de desempenho em relação aos conteúdos
transmitidos pelo professor.

3 - A avaliação numa perspectiva mediadora, conforme entende Jussara Hoffmann (2004), tem a finalidade de:

a) Estabelecer a classificação entre os alunos capazes e incapazes, comparar diferenças, definir padrões homogê-
neos de sucesso e fracasso.
b) Acompanhar e favorecer a progressão contínua do aluno, através das etapas de mobilização, experiência edu-
cativa e expressão do conhecimento.
c) Possibilitar a tomada de decisões de classificação com relação ao aluno, e decisões referentes à promoção e
certificação pelo sistema educacional.
d) Manter o controle de cada passo do processo de aprendizagem dos alunos, para classificá-los.
e) Favorecer o exercício da função burocrática, com base em regras neutras, objetivas e supostamente justas.

4 - Acerca da avaliação mediadora, descrito por Jussara Hoffmann, é correto afirmar:


a) A avaliação deve ser como um controle permanente exercido sobre o aluno para que ele demostre comporta-
mentos definidos como ideais pelo professor.
b) Somente o sistema de avaliação tradicional e classificatório assegura um ensino de qualidade.
c) A manutenção das provas e notas é a garantia do sucesso do processo de ensino/aprendizagem.
d) A avaliação deve ser como uma ação provocativa do professor, desafiando o aluno a refletir sobre as situações
vividas, a formular e reformular hipóteses encaminhando-se a um saber enriquecido.
e) A avaliação deve ser classificatória, pois somente dessa forma o aluno se tornará capaz de enfrentar a socieda-
de competitiva.

5 - De acordo com Jussara Hoffmann (2000), os fundamentos de uma ação avaliativa mediadora

a) ultrapassam os estudos sobre teorias de avaliação e demandam o aprofundamento em teorias do conhecimen-


to e áreas específicas de trabalho dos professores.
b) repousam no estudo das teorias de medidas educacionais e tratamentos estatísticos.
c) priorizam a elaboração de instrumentos e registros de avaliação que devem ser o ponto de partida dessa dis-
cussão.
d) valorizam o significado da avaliação que ocorre nas escolas em detrimento da avaliação que se processa em
nosso dia a dia, dos atos diários.
e) apontam a necessidade de separar o tempo de agir (dar aulas, explicações, exercícios) do tempo de pensar,
refletir, julgar resultados.

6 - Segundo Jussara Hoffmann a avaliação mediadora consiste na ação educativa decorrente da análise dos seus
entendimentos, de modo a favorecer ao aluno:

a) O senso comum, fundamental na escola pública.


b) Informações generalistas sobre o rendimento de cada aluno.
c) A uniformidade na aprendizagem da turma.
d) A classificação e distribuição dos alunos, critério que contribui para a evolução dos mais capacitados.
e) O alcance de um saber competente e a aproximação com os conceitos científicos.

7 - Numa concepção mediadora de avaliação, de acordo com Hoffmann, a(s)

a) subjetividade tanto na elaboração quanto na correção de tarefas avaliativas constitui um problema que tem de
ser solucionado urgentemente.
b) tarefas avaliativas cumprem seu papel quando os erros do aluno e as dúvidas do professor são eliminados defi-
nitivamente da sala de aula.
c) avaliação na escola, em função de seu caráter seletivo e constatativo, precisa ser aplicada em um momento
terminal.
d)tarefas avaliativas deveriam ter o caráter problematizador e dialógico, proporcionando momentos de troca de
ideias.
e) atividade avaliativa, quando bem elaborada, permite ao professor atribuir pontos às tarefas realizadas pelos
alunos, a partir do número de acertos.

8 - A avaliação é um dos eixos centrais da didática. De acordo com a concepção da avaliação mediadora, é COR-
RETO afirmar que ela
a) privilegia estratégias didáticas ativas que desenvolvem a zona proximal de conhecimento.
b) considera que a mensuração da aprendizagem é obtida a partir de avaliações externas, capazes de evidenciar a
média do desempeno de determinado grupo de estudantes.
c) salienta a importância do papel do professor como sujeito capaz de selecionar as melhores estratégias pedagó-
gicas para promover a aprendizagem dos alunos.
d) concebe o conhecimento como apropriação do saber pelo aluno e também pelo professor, como ação-
reflexão-ação em busca de um saber carregado de significados.
e) verifica se o aluno aprendeu adequadamente os conteúdos propostos, com base no currículo oficial da escola.

9 - Ao discorrer sobre avaliação mediadora, Hoffmann (2000) destaca que os trabalhos em grupo

a) constituem-se em eficientes elementos de avaliação individual.


b) demandam sempre a atribuição de notas e conceitos, pelos professores.
c) devem ser utilizados para a avaliação dos alunos, podendo prescindir do acompanhamento pelo professor.
d) não favorecem a reflexão de cada aluno, portanto, devem ser evitados.
e) podem ensejar momentos em que dificuldades individuais deixam de ser observadas e orientadas pelo profes-
sor.

10 - Jussara Hoffman aponta que a avaliação se configura em mito ou desafio. Em conformidade com a visão da
autora é correto afirmar que se constitui mito quando o professor:

a) valoriza as manifestações e os interesses dos alunos.


b) confia na possibilidade de os alunos construírem suas verdades.
c) utiliza a avaliação como instrumento de controle e autoritarismo.
d) valoriza a reciprocidade neste processo.
e) valoriza a cooperação e o diálogo com os alunos.

11 - Alice, uma professora de educação básica adjunta, auxilia Cleide, professora titular da classe de 2o ano do
ensino fundamental, no acompanhamento dos alunos durante a produção de textos em duplas, atenta aos tipos de
erros que os estudantes cometem, aplicando a concepção mediadora de avaliação de Hoffmann (2000), se- gundo
a qual o momento de correção passa a existir como um momento de

a) reflexão sobre as hipóteses que vêm sendo construí- das pelo aluno.
b) apuração das hipóteses como definitivamente certas ou erradas.
c) percepção dos erros reais do aluno.
d) coleta de informações para avaliar o aluno e selecioná-lo.
e) classificação do aluno a partir de seus erros e acertos.

12 - Considerando a avaliação mediadora e o fragmento do texto anterior, assinale a afirmativa INCORRETA.

a) Nessa concepção de avaliação, a subjetividade na elaboração das perguntas é positiva, uma vez que permite no
momento da correção uma reflexão sobre as hipóteses construídas pelos alunos, pois quanto maior a empatia
entre professor e o aluno, maior será o aprendizado.
b) Na concepção de avaliação mediadora, a qualidade se refere a padrões preestabelecidos, em bases comparati-
vas: critérios de promoção, gabaritos de respostas às tarefas, padrões de comportamento ideal, proporcionando
um pelo sistema de médias, estatísticas e índices numéricos de qualidade.
c) A avaliação mediadora exige prestar muita atenção no aluno, conhecê‐lo, ouvir seus argumentos, propor‐lhe
questões novas e desafiadoras, guiando‐o por um caminho voltado à autonomia moral e intelectual, pois se vive
um momento caracterizado por uma infinidade de fontes de informação.
d) Nesta concepção de avaliação, necessita‐se de um currículo centrado no desenvolvimento, na construção, na
experiência da igualdade e da democracia, que valorize os conhecimentos prévios do aluno, pois, neste sentido,
avaliação é o ato de subsidiar a construção de resultados satisfatórios.

13 - Em seu livro, Avaliação Mediadora, Jussara Hoffman (2001) aborda a questão da subjetividade no processo
de construção do conhecimento e na prática da avaliação. Com base na visão da autora, analise as afirmativas a
seguir.

I. Quando as questões sugerem uma resposta pessoal do aluno, opiniões, considerações, dissertações sobre de-
terminado assunto, o professor terá de interpretar (subjetivamente) a resposta para considerá-la certa ou erra- da...
a subjetividade é inerente, também, à interpretação da questão pelo aluno.

II. Na prática da Avaliação Mediadora, as tarefas são elementos essenciais para a observação das hipóteses cons-
truídas pelos alunos ao longo do processo. Através delas, professores de todos os graus de ensino puderam esta-
belecer o diálogo com os educandos, no sentido de debruçar-se sobre sua produção de conhecimento para com-
preender em que momento se encontra, qual a dimensão do seu entendimento.

III.O trabalho em grupo permite uma melhor avaliação da aprendizagem, uma vez que é possível observar se o
aluno compreendeu e desenvolveu o seu conhecimento, defendendo seus pontos de vista no grupo, com base em
suas experiências e descobertas, sendo esta uma excelente forma para o professor avaliar seus alunos, observan-
do o seu desenvolvimento individual e coletivo.
Assinale a alternativa correta.
A)Apenas a I está correta.
B) Apenas a II está correta.
C) Apenas a I e a II estão corretas.
D) II e III estão corretas.
E) I, II e III estão corretas.

GABARITO

1-D 2-B 3-B 4-D 5-A 6-E 7-D 8-D 9-E 10-C 11-A 12-B 13-C

LER E ESCREVER NA ESCOLA. O REAL, O POSSÍVEL E O NECESSÁRIO (DÉLIA LERNER – 2002).


1- Segundo Lerner (2002), a leitura, na escola, é antes de qualquer coisa um objeto de ensino e que precisa ser
transformada também num objeto de aprendizagem. Para tanto é necessário que:

(A)A leitura tenha sentido do ponto de vista do aluno, ou seja, que esteja atrelada à realização de um propósito que
o aluno conheça e valorize.
(B)A leitura seja ensinada de forma fragmentada, começando por textos mais curtos e fáceis de serem assimilados.
(C)Sejam adaptados os textos escolhidos para a leitura em sala de aula, de modo que possam atender ao nível de
desenvolvimento da turma.
(D)A leitura seja feita em voz alta com maior frequência em sala de aula, a fim de que os alunos possam ouvir a si
mesmos e aprender melhor.

2- Uma atividade bem conhecida na escola é a Roda de Leitura, que consiste em cada aluno escolher um livro na
biblioteca, lê-lo e depois numa grande roda, contar oralmente a história. Sob a ótica de Lerner (2002) é uma prática
que visa difundir a leitura, no entanto NÃO está presente em:

(A)Fornecer matéria-prima para a escrita.


(B)Formar leitores e escritores competentes.
(C)Estimular o leitor a construir o significado do texto.
(D)Envolver os alunos nos diferentes significados que o texto oferece exceto os que leem com fluência.

3- Considere a prática da professora Helena de solicitar que seus alunos copiem os textos do livro didático, para
que aprendam a ler e a escrever, memorizando palavras e expressões novas. Segundo LENER, Delia (Ler e
escrever na escola: o real, o possível e o necessário – 2002), a professora.

(A)Está errada, pois essa prática garante apenas a aprendizagem da leitura.


(B)Está errada, ao supor que copiar de forma mecânica os textos seja garantia de aprendizagem da leitura e da
escrita.
(C)Comete um erro, pois essa prática garante aprendizagem da escrita.
(D)Está certa ao propor a aprendizagem da leitura e da escrita por meio da cópia de textos.

4- Aprender a ler e escrever na escola deve transcender a decodificação do código escrito, deve fazer sentido e estar
vinculado à vida do sujeito, deve possibilitar a sua inserção no meio cultural, tornando-o capaz de produzir e
interpretar textos que fazem parte do entorno. A ideia de Lenner, Délia (2002) saliente que:
(A)Ler e escrever vai além dos registros dos códigos quando os leitores entenderem que podem registrar o que
leram.
(B)Ler e escrever vai além dos registros dos códigos, pois será um leitor aquele que conseguir ampliar o processo
de codificação/decodificação e se capaz de entender as questões sociais.
(C)Ler e escrever vai além dos registros de codificação/decodificação das mensagens sobre as questões culturais.
(D)Ler e escrever vai além dos registros dos códigos quando os alunos copiam textos e ampliam as frases.

5- Lerner afirma que mudanças profundas são necessárias para transformar o ensino, entre elas, introduzir
modificações no currículo. Para que isso ocorra, há que se considerar as seguintes questões, EXCETO:

(A)a necessidade de estabelecer objetivos por ciclo, em vez de estabelecê-los por graus, não só porque isto diminui
o risco de fracasso explícito na aprendizagem da leitura e da escrita, como também porque permite elevar a
qualidade da alfabetização.
(B) a importância de atribuir aos objetivos gerais prioridade absoluta sobre os objetivos específicos;
(C) a necessidade de evitar o estabelecimento de uma correspondência termo a termo entre objetivos e atividades,
correspondência que leva certamente ao parcelamento da língua escrita e à fragmentação indevida de atos tão
complexos como a leitura e a escrita.
(D)a necessidade de superar a tradicional separação entre „alfabetização em sentido estrito ‟ e alfabetização em
sentido amplo‟ ou, para dizê-lo com nossas palavras, entre „apropriação do sistema de escrita‟ e „desenvolvimento
da leitura e da escrita‟.
(E)a necessidade de o manejo do sistema alfabético ser um requisito prévio para a utilização da linguagem escrita
como tal, para a interpretação e produção de textos escritos correspondentes aos diferentes gêneros que circulam na
sociedade.

6- Segundo a autora em “Ler e Escrever na escola: o real, o possível e o necessário” aprender a ler e escrever na
escola deve transcender a decodificação do código escrito, deve fazer sentido e estar vinculado à vida do sujeito,
deve possibilitar a sua inserção no a qual pertence,
tornando-o capaz de produzir e interpretar textos que fazem parte de seu entorno.

(A)meio linguístico.
(B)meio cultural.
(C)meio semântico.
(D)meio estrutural.

7- Segundo a autora em “Ler e Escrever na escola: o real, o possível e o necessário”, a versão escolar da leitura e
da escrita não deve afastar-se demasiado da:

(A)versão formal não-escolar.


(B)versão social não-escolar.
(C)versão cognitiva não-escolar.
(D)versão disciplinar não-escolar.

8- Delia Lerner, em “Ler e escrever na escola: O real, o possível e o necessário” afirma que ensinar e ler e escrever
faz parte do núcleo fundamental da instituição escolar, está nas suas raízes, constitui a sua missão:

(A)alfabetizadora e sua função social, portanto, é a que mais apresenta resistência a mudanças. Além disso, nos
últimos anos, foi a área de que mais sofreu com a invasão de inovações baseadas apenas em modismos.
(B)alfabetizadora e sua função moral, portanto, é a que mais apresenta resistência a mudanças. Além disso, nos
últimos anos, foi a área de que mais sofreu com a invasão de inovações baseadas apenas em modismos.
(C)alfabetizadora e sua função ética, portanto, é a que mais apresenta resistência a mudanças. Além disso, nos
últimos anos, foi a área de que mais sofreu com a invasão de inovações baseadas apenas em modismos.
(D) alfabetizadora e sua função estética, portanto, é a que mais apresenta resistência a mudanças. Além disso, nos
últimos anos, foi a área de que mais sofreu com a invasão de inovações baseadas apenas em modismos.

9- Para Delia Lerner, em “Ler e escrever na escola: O real, o possível e o necessário”, o saber didático é:

I- construído para resolver problemas próprios da comunicação do conhecimento, é o resultado do estudo


sistemático das interações que se produzem entre o professor, a coordenação e o objeto de ensino;
II- produto da análise das relações entre o ensino e a aprendizagem de cada conteúdo específico; III-elaborado
através da investigação rigorosa do funcionamento das situações didáticas.

(A)Apenas as afirmativas I e II estão corretas.


(B)Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
(C)Apenas as afirmativas II e III estão corretas.
(D)Todas as afirmativas estão corretas.

10- De acordo com Delia Lerner, em “Ler e escrever na escola: O real, o possível e o necessário”, a escolarização
possibilita práticas sociais da leitura e escrita e assim os professores podem programar suas aulas para ensinar,
deve se deixar muito claro a relação do projeto curricular entre os aspectos da prática, ou seja aqueles que hoje em
dia são disponíveis favorecido pelo estudo:

(A)histórico, estético, sociolinguístico e psicolinguístico.


(B)histórico, antropológico, estético e psicolinguístico.
(C)estético, antropológico, sociolinguístico e psicolinguístico.
(D)histórico, antropológico, sociolinguístico e psicolinguístico.
11- Conforme Délia Lerner, o desafio da leitura e da escrita na escola consiste em:

(A)combater a discriminação que impede a alfabetização de muitos e, ao mesmo tempo, não negar aos que
aparentemente não fracassam a oportunidade de serem leitores e produtores de textos competentes e autônomos.
(B) formar sujeitos que possam decifrar com competência o sistema de escrita, tornando-se capazes de fazer leitura
oral de textos selecionados por outras pessoas.
(C) preparar os alunos para se tornarem especialistas em suas redações ou composições, com eficácia e autonomia,
conscientes da pertinência e da importância de emitir certas mensagens.
(D)promover a descoberta e a utilização da escrita de forma que os alunos percebam que esta constitui um objeto
de avaliação eficaz e profícuo.

12- No que se refere a situações de escrita, Délia Lerner propõe que:

(A) a coerência do texto, desde que viabilizada por meio da leitura, dispensa sucessivas revisões.
(B) a escolha do texto a ser produzido pelas crianças deve estar prevista no planejamento concebido pelo professor
e discutida nas reuniões de coordenação pedagógica.
(C) o processo de elaboração de texto deve ser realizado por meio de um ditado das crianças para o professor,
quando se tratar de produção de texto único.
(D) a produção de texto construído coletivamente dispensa a revisão final, já que esse texto já foi lido diversas
vezes.

13- LERNER (2002) faz uma discussão sobre o real, o possível e o necessário para “Ler e Escrever na Escola”.
Essa autora entende que hoje a escola enfrenta o desafio de “incorporar todos os alunos à cultura do escrito”, de
“conseguir que todos seus ex-alunos cheguem a ser membros plenos da comunidade de leitores e escritores”.
Afirma que isso “supõe apropriar-se de uma tradição de leitura e escrita, supõe assumir uma herança cultural...” e
argumenta que, para concretizar o propósito de formar todos os alunos como praticantes da cultura escrita, é
necessário que a escola:

(A)seja objeto de uma política educacional que ouse dar um “choque de tecnologia” nas salas de aula e um
“choque construtivista” nos manuais para alfabetizadores.
(B)integre-se aos programas culturais de lazer, de educação ambiental e de saúde, colocando a leitura e a escrita
como instrumentos de informação para a cidadania.
(C)respeite a tradição do ensino por meio de cartilhas, cujo sucesso foi comprovado na história dos sistemas
públicos de ensino, por muitas gerações de professores.
(D) reconceitualize o objeto de ensino, preserve o sentido das práticas sociais de leitura e de escrita e funcione
como uma microcomunidade de leitores e escritores.
(E)integre a família, mas principalmente as mães, à proposta de ensino, alfabetizando-as, se for o caso, pois a ajuda
delas pode garantir até 30% do êxito em ler e escrever.

14- Em suas aulas, a professora Bernadete exige de seus alunos que copiem trechos de textos que constam no livro
didático que utilizam em sala de aula. Segundo ela, ao copiar, os alunos aprendem a ler e a escrever, memorizando
palavras e expressões novas.

Analisando essa prática, é correto afirmar que, segundo Lerner (2002), a professora Bernadete:

(A)comete um erro, pois essa prática garante apenas a aprendizagem da escrita.


(B)está certa ao propor a aprendizagem da leitura e da escrita por meio da cópia de textos.
(C)deveria propor essa prática aos professores dos demais componentes curriculares, pois ela é bastante eficaz.
(D)está errada, pois essa prática garante apenas a aprendizagem da leitura.
(E)equivoca-se ao supor que copiar de forma mecânica os textos seja garantia de aprendizagem da leitura e da
escrita.

15- Segundo Lerner (2002):


(A) o ensino da leitura nas escolas deve acontecer de forma sistematizada, informando os alunos sobre as
especificidades da literatura, disponibilizando textos escolares produzidos com o intuito de ensinar a ler e
atribuindo o rela sentido da leitura.
(B) a leitura compreensiva vem ao final de uma série de diferentes etapas hierarquizadas – primeiro preparação,
depois decodificação, depois compreensão leitora e se configura em um conjunto de mecanismos que envolvem a
percepção e a memória.
(C) ler é um produto de reprodução de formas, de uma identificação de sons, de suas combinações, e de uma
memorização que se adquire por meio de exercícios. Quem lê procura soletrar palavras que serão juntadas
linearmente, chegando pouco a pouco a uma compreensão elaborada do texto.
(D) ler é uma atividade simples e corriqueira que envolve várias informações por parte da inteligência e o leitor
busca, inicialmente, o sentido do texto, e para construí-lo coordena várias informações disponibilizadas por ele.
(E)a leitura é um processo dinâmico de construção cognitiva, ligada à necessidade de atuar, na qual intervêm
também a afetividade e as relações sociais. Para que esta seja efetivamente compreensiva, é preciso que se
configure em uma enérgica busca de sentido do texto em situação de uso.

GABARITO

1 2 3 4 5 6 7 8 1 9 1 1 1 1 1
0 1 2 3 4 5
A A B B E B B A C D A C D E E

SIMULADO
WEISZ, T. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem.

1 - WEISZ (2000) faz um depoimento sobre as primeiras experiências como professora dos anos iniciais que a
marcaram profundamente, fazendo com que, depois de “fugir” da educação por doze anos, voltasse a ela e bus-
casse entender o porquê do fracasso escolar na escola pública. Nessa busca, estudou o trabalho da dra. Emilia
Ferreiro, “que abriu uma perspectiva extraordinária nessa área e teve uma importância enorme na mudança da
compreensão do papel do professor”.
Odete, que prestou concurso para PEB I em um município do interior paulista, acertou a questão que perguntava
qual concepção de formação do professor é coerente com o entendimento de aprendizagem que resultou de
pesquisas das últimas décadas do século XX. Apoiando-se na leitura de WEISZ (2000), Odete escolheu a
afirmação de que a formação docente

(A) deve privilegiar a formação em serviço, pois ela torna possível aos professores formadores prover aos
docentes o que se constatou faltar a eles, em conteúdos e em métodos, para bem ensinar todo tipo de aluno.

(B)é uma habilitação profissional e, como tal, deve acompanhar as demandas da clientela que lhe é específica, no
caso crianças e jovens, preponderantemente, o que exige atualização tecnológica das estratégias de ensino para
fazer os alunos aprenderem.

(C) deve anteceder e acompanhar o exercício do magistério, por meio do estudo, da problematização da prática de
sala de aula, da reflexão e do diálogo com os pares sobre essa prática, organizando situações de aprendizagem
adequadas a seus alunos.

(D) precisa apoiar-se na vocação para a profissão e, ainda na formação inicial, municiar o estudante dos con-
teúdos teóricos e práticos que farão dele um bom professor em diferentes contextos, tratando também de atuali-
zá-lo de quando em quando.

(E) exige, legalmente e pela sua própria natureza de tarefa intelectual, curso de nível universitário, não sendo
suficiente apenas a graduação, mas havendo necessidade de especialização em pós-graduação, prevista e valo-
rizada na carreira do magistério.

2 - Weisz (2002), em O diálogo entre ensino e aprendizagem, afirma que o conhecimento avança quando o a-
prendiz enfrenta questões sobre as quais ainda não havia parado para pensar. A consequência didática dessa
afirmativa é que o professor deve

(A) garantir a máxima circulação de informações em sala de aula, apresentando situações e materiais diversos,
promovendo interação entre os alunos e situações que favoreçam a ação do aprendiz sobre aquilo que é seu ob-
jeto de conhecimento.

(B) propor questionários individuais nos quais os alunos possam mostrar aquilo que já sabem, situando os conte-
údos que ainda não aprenderam, para posteriormente perguntar ao professor, sem atrapalhar o aprendizado dos
demais colegas.
(C)manter um clima de ordem e silêncio na sala de aula, com pouca interação entre os alunos, para que não haja
interferência de ideias e cada um possa pensar sobre temas novos, a partir dos saberes que tem e da ajuda do
professor.

(D) impedir que os alunos misturem as experiências que possuem fora da escola com os conteúdos organizados
didaticamente em sala de aula, para assim poderem pensar de uma forma diferente da que aprenderam na vida em
sociedade.

(E)preparar-•se bem quanto ao conteúdo a ser ensinado, antes de propor novas questões para a reflexão do alu-
no, de modo a não ficar vulnerável frente a dúvidas dos estudantes, já que se espera dele a orientação sobre a
forma correta de pensar.

Leia o texto para responder às questões de números 03 e 04.

Como as crianças constroem hipóteses sobre a escrita e seus usos a partir da participação em situações nas quais
os textos têm uma função social de fato, freqüentemente as mais pobres são as que têm as hipóteses mais sim-
ples, pois vivem poucas situações desse tipo. Para elas a oportunidade de pensar e construir ideias sobre a escrita
é menor do que para as que vivem em famílias típicas de classe média ou alta, nas quais as crianças ouvem fre-
quentemente a leitura de bons textos, ganham livros e gibis, observam os adultos manusearem jornais para bus-
car informações, receberem correspondência, fazerem anotações, etc. É comum, por exemplo, crianças de famí-
lias que fazem uso cotidiano da escrita pedirem desde bem pequeninas – e por razões muitas vezes puramente
afetivas – para que alguém escreva seu nome e dos outros parentes por escrito. São situações que lhe permitem
perceber que têm um nome e que esse nome se escreve, que as outras pessoas da família têm nomes e que esses
nomes também se escrevem. Além disso, costumam ter contato significativo com marcas de produtos, títulos de
histórias, escritos de placas... Assim, essas crianças, antes mesmo de entrarem na escola, passam a ter um reper-
tório de palavras conhecidas, isto é, sabem o que elas querem dizer e conhecem a forma convencional de sua
escrita. Esse repertório de palavras dá sustentação à sua reflexão, ajuda-as a pensar sobre características do sis-
tema de escrita e representa uma enorme vantagem quando elas são oficialmente iniciadas na alfabetização.
Isso não significa que as crianças pobres não tenham acesso à escrita ou não possam refletir sobre seu funciona-
mento fora da escola. No entanto, como essas práticas habitualmente não fazem parte do cotidiano do seu grupo
social de origem, costumam iniciar a escolarização em condições muito menos vantajosas do que aquelas que
participam de práticas sociais letradas desde pequenas.
Mas, vindas de famílias pobres ou não, hoje – como no passado – é muito comum que, mesmo tendo o professor
cuidadosamente ensinado a escrever moleque, elas escrevam muleci. O que o professor vai fazer a partir desse
momento – a ação pedagógica que vai desencadear – dependerá, fundamentalmente, de sua concepção de a-
prendizagem. Porque, tendo consciência disso ou não, todo ensino se apoia em uma concepção de aprendizagem.
Se o professor imagina o conhecimento como algo que, pela ação do ensino, é oferecido às crianças para que o
absorvam tal como ele está dado, obviamente o menino que escreveu muleci não terá aprendido o que ele ensi-
nou. A ideia de que é possível ensinar uma coisa e o aluno aprender outra é completamente estranha a quem
concebe o conhecimento dessa forma.
(WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem.
São Paulo: Ática, 2002)

3 - De acordo com o texto, ao se iniciar oficialmente a alfabetização,


(A) somente as crianças de classes mais favorecidas podem desenvolver hipóteses de escrita, visto que podem
comprar livros e cedo ter acesso ao mundo da cultura letrada.

(B) as crianças mais pobres, por não terem tido qualquer contato com textos escritos de boa qualidade antes de
entrar na escola, certamente apresentarão maior dificuldade ao serem alfabetizadas.

(C)as reflexões e as hipóteses de escrita desenvolvidas pelas crianças mais pobres são do mesmo tipo que as de-
senvolvidas pelas crianças que têm contato com livros antes de entrar na escola.

(D) as crianças que, na família, criam um bom repertório de escrita de palavras conhecidas antes de entrar na
escola não apresentam qualquer vantagem em relação às demais crianças.

(E)as crianças pobres, por não terem geralmente acesso à escrita em seu grupo social, apresentam desvantagens
em relação às crianças provenientes de ambientes letrados.

4 - Depreende-•se do texto lido uma crítica

(A) aos que adotam uma concepção de aprendizagem escolar concebida como memorização e reprodução do
conhecimento.

(B)aos professores que ainda alfabetizam os alunos ensinando a escrever palavras soltas, não textos completos e
interessantes.

(C)às famílias mais pobres que não se preocupam em fornecer materiais escritos aos seus filhos para que enten-
dam a escrita antes de entrar na escola.

(D) à escola que adota métodos de alfabetização que aceitam que o aluno escreva palavras sem obedecer às con-
venções gráficas.

(E) ao aluno que, apesar de o professor ter-•lhe ensinado a escrever convencionalmente uma palavra, escreve-•a
de modo errado.

5 - Todas as ações e relações que compõem o processo educativo escolar correspondem a objetivos gerais e es-
pecíficos. São eles que guiam o planejamento dessas ações e relações. Eles dependem delas para serem alcança-
dos, parcial ou plenamente. Isso acontece em diversos níveis: o nacional, o regional/local, o da unidade escolar e
o do professor. No caso do nível de planejamento, que corresponde ao trabalho de cada professor com seus alu-
nos, no cotidiano da sala de aula e da escola, pela natureza dialogal da relação entre o ensino e a aprendizagem,
entre sujeitos que constroem conhecimento, podemos concordar com Weisz (2002) que é impossível ensinar algo
a alguém sem saber o que essa pessoa já sabe sobre determinado objeto de estudo, ou seja, é impossível ensinar
sem

(A)livro didático.

(B)poder reprovar.
(C)vocação.

(D)avaliar.
(E)internet.

6 - Para Telma Weisz, em “ Diálogo entre o ensino e aprendizagem” , é verdadeira a alternativa:

A)Ponto de vista “ adulto cêntrico” é a forma pela qual se costuma conceber a aprendizagem das crianças a partir
da própria perspectiva do adulto que já domina o conteúdo que quer ensinar.
B) Do ponto de vista adulto cêntrico, o professor, do lugar de quem já sabe, define o que é mais fácil e o que é
mais difícil para os alunos e quais os caminhos que eles devem percorrer para realizar as aprendizagens deseja-
das.
C) Em uma sociedade letrada as crianças constroem conhecimentos sobre a escrita desde muito cedo, a partir do
que podem observar e das reflexões que fazem a esse respeito.
D)Todas as alternativas são verdadeiras.

7 - O professor, segundo Telma Weisz, em O diálogo entre o ensino e a aprendizagem, desenvolve dois tipos de
ação pedagógica: o planejamento da situação de aprendizagem e a intervenção no processo. Uma das interven-
ções é a correção. Numa concepção construtivista de aprendizagem, o professor deve

(A)corrigir os erros da criança, pois aprender é substituir respostas erradas por certas.
(B)marcar no trabalho do aluno o que ele errou para que o erro seja corrigido.
(C)desconsiderar os conhecimentos do aluno, assinalando os seus erros.
(D)deixar que a própria criança vá identificando e corrigindo os seus erros.
(E)atuar para ajudar a criança a transformar suas ideias sobre a escrita.

8 - Texto 2

Ao reescrever a versão pessoal de uma história conhecida ou com alterações solicitadas pelo professor, como a
mudança de cenário, de tempo ou de narrador, o aluno pode realizar um grande esforço criativo para conseguir
reconstruir a mesma história e não perder a coerência. Esse processo, baseado em diferentes maneiras de rees-
crever um texto-fonte, é parte integrante do percurso de autoria, que pode ser construída com muita prática e
reflexão.

WEISZ, Telma. O Diálogo entre o Ensino e a Aprendizagem. http://revistaescola.abril.com.br/producao-de-


texto/telma- weisz -avaliacao.shtml Acesso em 5 de abril de 2010. Adaptado.

No texto 2, a palavra construída mantém uma relação sintática de concordância com

a) parte.
b) autoria.
c) prática.
d) reflexão.
e) texto-fonte.

9 – O professor, segundo Telma Weisz, em “ O diálogo entre o ensino e a aprendizagem” , desenvolve dois tipos
de ação pedagógica: o planejamento da situação de aprendizagem e a intervenção no processo. Uma das inter-
venções é a correção. Numa concepção construtivista de aprendizagem, o professor deve:

a) corrigir os erros da criança, pois aprender é substituir respostas erradas por certas.
b) marcar no trabalho do aluno o que ele errou para que o erro seja
corrigido. c)desconsiderar os conhecimentos do aluno, assinalando os seus
erros. d)atuar para ajudar a criança a transformar suas idéias sobre a escrita.

10 - De acordo com o livro “O diálogo entre o ensino e a aprendizagem” da autora Telma Weisz, o modelo de
ensino atualmente relacionado com o construtivismo chama-se:
a) curiosidade epistemológica
b) raciocínio lógico-matemático.
c) aprendizagem pela resolução de problemas.
d) aprendizagem pela descoberta.
e) lógica interna.

GABARITO

1-C 2-A 3-E 4-A 5-D 6-D 7-E 8-B 9-D 10-C

AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
----------

1) A avaliação escolar, para Libâneo (1992) é uma tarefa didática necessária e permanente do trabalho docente e
oportuniza o acompanhamento dos resultados de aprendizagem obtidos no decorrer do trabalho conjunto de
professores e estudantes. Nessa perspectiva, a avaliação cumpre as seguintes funções:

a) Pedagógico-didática diagnóstica e de controle.


b) Pedagógica-didática.
c) Diagnóstica.
d) De controle.
e) Nenhuma alternativa está correta.

2) As opções a seguir apresentam características da avaliação educacional, à exceção de uma. Assinale-a.

a) Ultrapassa as questões da aprendizagem individual e busca compreender as relações e as estruturas.


b) Deve ter caráter esporádico e sempre ser realizada por um agente externo à escola.
c) Pode ser diagnóstica, formativa ou de resultados.
d) Torna-se importante estratégia para o processo de tomada de decisão.
e) Torna-se importante estratégia para o processo de tomada de decisão.

3) Segundo Luckesi (2002), “a avaliação da aprendizagem existe propriamente para garantir a qualidade da a-
prendizagem do aluno. Ela tem a função de possibilitar uma qualificação da aprendizagem, do educando”. Para o
autor, em relação aos elementos constitutivos de um processo de avaliação, devem ser consideradas três variá- veis
significativas. São elas:

a) Conteúdo trabalhado, acertos e erros e a trajetória do aluno.


b) Juízo de qualidade, dados relevantes e tomada de decisão.
c) Escala de valores, desempenho do aluno e o desempenho da turma.
d) Critérios, instrumentos e periodicidade.
e) O que será avaliado, como será avaliado e quando será avaliado.

4) Luckesi (2007) define avaliação como um julgamento qualitativo sobre o processo de ensino-aprendizagem. Esse
julgamento deve existir para:

a) medir as informações que o aluno foi capaz de reter


b) decidir o grau de dificuldade de testes e provas.
c) auxiliar o professor na tomada de decisão quanto ao seu trabalho.
d) atribuir notas aos alunos.
e) revelar o nível de aprovação/reprovação de uma escola.

5) O professor é o gestor das progressões de aprendizagens e deve realizar, constantemente, avaliações do d e-


senvolvimento dos alunos em relação às competências enfocadas em suas aulas.
A) Certo.
B)Errado.

6) No ambiente educacional a avaliação compreende três dimensões básicas: avaliação da aprendizagem; avalia- ção
institucional interna e externa; avaliação de redes de Educação Básica. Para a operacionalização da avaliação da
aprendizagem, a escola deve ter como referência:
a) o conjunto de habilidades, conhecimentos, princípios e valores que os sujeitos do processo educativo projetam para
si de modo integrado e articulado com aqueles princípios e valores definidos para a Educação Básica, redi-
mensionados para cada uma de suas etapas.
b) o conjunto de objetivos e metas, mediante ação dos diversos segmentos da comunidade educativa, o que pres-
supõe delimitação de indicadores compatíveis com a natureza e a finalidade institucional, além de clareza quanto à
qualidade social das aprendizagens e da escola.
c) o que define o Conselho Nacional de Educação, através de pareceres em que a avaliação da aprendizagem es-
colar é analisada, recomendada aos sistemas de ensino e às escolas públicas e particulares.
d) as ações pedagógicas que priorizem aprendizagens através da operacionalidade de linguagens visando à trans-
formação dos conteúdos em modos de pensar, aproximando mundo, escola, sociedade, ciência, tecnologia, traba- lho,
cultura e vida.
e) a forma de gestão da escola, de organização curricular, dos materiais didáticos, na relação professores, estu- dante
- conhecimento-escola, pois, na medida em que o percurso escolar é marcado por diferentes etapas de aprendizagem, a
escola precisará, também, organizar espaços e formas diferenciadas de atendimento.

7) No que diz respeito à avaliação da aprendizagem, assinale a alternativa INCORRETA.

a) É importante que se categorize o desempenho escolar dos alunos, por meio de medidas e instrumentos quanti-
tativos de avaliação estabelecidos pela escola.
b) A avaliação deve permitir que o aluno acompanhe suas conquistas, suas dificuldades e suas possibilidades ao
longo de seu processo de aprendizagem.
c) Sugere-se que, dentre as maneiras de avaliar a aprendizagem, o professor elimine a utilização de notas, ado- tando
uma proposta qualitativa de avaliação.
d) Na avaliação da escola inclusiva, os alunos com deficiência devem ser avaliados pelos progressos que alcança- ram
nas diversas áreas do conhecimento, evidenciando suas potencialidades, suas conquistas e habilidades em relação à
aprendizagem.

8) Sobre a avaliação na prática educativa, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998), assinale a
afirmativa incorreta.

a) A avaliação deve ser compreendida como conjunto de ações organizadas com a finalidade de obter inform a- ções
sobre o que o aluno aprendeu, de que forma e em quais condições.
b) A avaliação deve funcionar, por um lado, como instrumento que possibilite ao professor analisar criticamente sua
prática educativa; e, por outro, como instrumento que apresente ao aluno a possibilidade de saber sobre seus
avanços, dificuldades e possibilidades.
c) A avaliação deve ocorrer apenas em momentos específicos caracterizados como fechamento de grandes etapas de
trabalho.
d) A avaliação deve ser compreendida como constitutiva da prática educativa, dado que é a análise das inform a-
ções obtidas ao longo do processo de aprendizagem – o que os alunos sabem e como – que possibilita ao profes- sor
a organização de sua ação de maneira adequada e com melhor qualidade.
e) Por caracterizar-se como uma resposta à compreensão que o aluno tem sobre os aspectos do conhecimento a serem
trabalhados, a avaliação é, também, responsiva, atuando como elemento balizador das pautas internacio- nais e das
intervenções pedagógicas, sendo dialeticamente constitutiva dos sujeitos envolvidos no processo de aprendizagem.

9) É uma característica da avaliação formativa:

a) ocorre, principalmente, no final do processo.


b) objetiva atribuir notas.
c) considera apenas os conteúdos principais.
d) preocupa-se em analisar os processos mais complexos da aprendizagem.
e) tem caráter classificatório.
10) Vygotsky traz grande contribuição para a avaliação da aprendizagem. Para ele, todas as crianças têm possibi-
lidades intrínsecas de progresso intelectual e, assim, na perspectiva da avaliação para promover a aprendizagem, deve-
se procurar analisar:

a) O que a criança já faz sozinha e não o seu potencial, visando a reforçar esses conceitos já construídos para
programar novos passos e processos de domínio de saberes. O seu registro tem por finalidade informar a família
visando ao seu processo de acompanhamento dos estudos.
b) Se os alunos alcançaram ou não os resultados esperados pelo professor ao termino de determinada sequência
didática. É fundamental registrar os resultados de desempenho escolar alcançados pelos alunos para informar aos
pais e à direção da escola sobre o trabalho desenvolvido em sala de aula.
c) O seu potencial de aprendizagem, e não determinar suas capacidades em algum momento para simplesmente
apontá-la. É tarefa do avaliador é desenvolver estratégias desafiadoras para que a criança, a partir dos conceitos que já
construiu, alcance formas mais elaboradas de compreensão da realidade. As avaliações para a aprendiza- gem servem
também para subsidiar a ação educativa dos professores.
d) O já construído pelos alunos a partir da assimilação do ensinado. Todo conteúdo ensinado deve-se transfor- mar
em conteúdo aprendido. A Avaliação escolar é um procedimento para medir esta aprendizagem, o seu regis- tro visa
a informar o aluno e seus familiares.
e) Os resultados de desempenho escolar obtidos pelos alunos nos testes aplicados pelo governo (as avaliações
externas). Trata-se de uma prova de múltipla escolha elaborada a partir das expectativas de aprendizagem insti-
tucional e os seus resultados informam se o aluno está no patamar insuficiente, satisfatório ou plenamente satis-
fatório para o componente e série ou ano escolar.

GABARITO:

1.A; 2.B; 3.B; 4.C; 5.CERTO; 6.A; 7.A; 8.C; 9.D; 10.C

SIMULADO
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

1) A educação para o trânsito é uma atividade complexa que requer articulação com o Projeto Político- Pedagógico
(PPP) das instituições educativas. Se o PPP for fundamentado nas teorias críticas, ele se configura como:

a) um agrupamento de planos de ensino e de atividades pedagógicas elaborados por professores individualmen- te.
b) um projeto de educação produzido coletivamente para expressar finalidades, organização e dinâmica do trab a- lho
pedagógico realizado pelas instituições educativas.
c) um projeto de educação que expressa intencionalidades e proposições técnicas definidas pelas instâncias ofici- ais
que regulam os sistemas de ensino.
d) um documento que, pela própria denominação, expressa estritamente finalidades e proposições da política de

e) educação nacional e da política definida por organismos multilaterais para orientar a educação no âmbito inter-
nacional.

2) A elaboração de projeto pedagógico objetiva à eficácia educacional, obtida por meio da realização de ativid a- des
coletivas de planejamento que dão origem a um documento programático.

a) Certo.
b) Errado.

3) O projeto educacional é, respectivamente, político e pedagógico, porque:

a) perpetua valores da cultura da sociedade a que atende e impõe as opções pedagógicas da unidade de ensino
b) reproduz os valores sociais e culturais e propõe opções educativas que levam à construção de ideais pedagóg i- cos.
c) favorece a formação dos sujeitos para um tipo de sociedade que se deseja e define as ações para que a escola
cumpra suas intenções educativas.
d) responde às demandas da sociedade e organizam as estratégias pedagógicas traçadas pela direção e coordena-
ção pedagógicas escola.
e) repete as estruturas sociais e especifica o trabalho pedagógico em linhas científicas, acadêmicas e educativas.

4) Sobre cidadania e Projeto Político ‐Pedagógico, assinale a afirmativa INCORRETA.


a) A escola é o lugar de entrecruzamento do projeto coletivo da sociedade com os projetos existenciais de alunos e
professores.
b) A construção da cidadania envolve um processo ideológico de formação de consciência pessoal e social e de
reconhecimento desse processo em termos de direitos e deveres.
c) A educação como instrumento social básico possibilita ao indivíduo a transposição da marginalidade para a
materialidade da cidadania; contudo, é possível pensar sua conquista sem educação.
d) A escola é o lugar institucional do projeto educacional. Deve instaurar‐se como espaço ‐ tempo, como instância
social mediadora e articuladora de dois projetos: o projeto político da sociedade envolvente e o projeto pessoal dos
sujeitos envolvidos na educação.

5) Para que o projeto político-pedagógico institucional seja uma construção coletiva é necessário:

a) controlar hierarquicamente as tarefas e centralizar os papéis.


b) democratizar os papéis e instalar um processo coletivo de avaliação classificatória.
c) descentralizar os papéis e democratizar o processo de tomada de decisões.
d) descentralizar as ações e realizar tomadas de decisões num âmbito restrito.
e) descontinuar ações passadas e instalar processos individuais de avaliação emancipatória.

6) Para a elaboração de um projeto político-pedagógico que se torne instituinte, ou seja, que proponha mudan- ças
na instituição escolar deve-se considerar o instituído, o que já existe na cultura organizacional da escola: a sua
história, os seus currículos, os seus métodos, o conjunto dos seus atores internos e externos e o seu modo de vida.

a) Certo.
b) Errado.

7) O projeto político-pedagógico é uma ação intencional, com sentido explícito, compromisso sociopolítico e in-
teresses reais e coletivos da população majoritária definido coletivamente.

a) Certa.
b) Errada.

8) Toda escola precisa ter um projeto político pedagógico (PPP). Esse documento deve explicitar as características
que gestores, professores, funcionários, pais e alunos pretendem construir na unidade escolar e qual formação querem
para quem ali estuda. A sua elaboração deve contemplar os seguintes tópicos:

a) identificação, objetivos, conteúdo, séries, desenvolvimento, recursos, estratégias, avaliação.


b) apresentação, princípios e fundamentos, objetivos, conteúdos, avaliação, orientações didáticas, estrutura or-
ganizacional.
c) missão, clientela, dados sobre a aprendizagem, relação com as famílias, recursos, diretrizes pedagógicas, plano de
ação.
d) introdução, estrutura organizacional, princípios da aprendizagem, organização do tempo, organização do espa- ço,
seleção de materiais, considerações finais.
e) identificação, objetivos, conteúdo, séries, desenvolvimento, recursos, diretrizes pedagógicas, plano de ação.

9) (Em relação ao Projeto Político – Pedagógico (PPP), pode-se afirmar que:

I. Para a construção do PPP, é necessário conhecer a realidade social, econômica e política em que a escola está
inserida.
II. O PPP deve ser construído pelos professores com capacitação em Educação inclusiva e pela equipe diretiva da
escola.
III.A construção do PPP deve ser coletiva e contínua.
IV.O PPP pode ser considerado um instrumento teórico-metodológico para a intervenção e mudança da realida- de.
V. O PPP pode ser considerado um projeto conclusivo, visto que sua sistematização é definitiva e deve ser produ- to
de um processo de planejamento participativo.
Assinale a alternativa em que todas as afirmativas são CORRETAS.
a) I, III, V.
b) I, III, IV
c) II, IV, V.
d) I, III, IV, V.
e) I, II, III, IV.

10) Veiga (2002) destaca alguns princípios norteadores que devem fundamentar o projeto político pedagógico da
escola. Considerando esses princípios, numere corretamente a coluna da esquerda de acordo com a da direita.
( ) Constitui um dos princípios consagrados pela Constituição vigente e abrange as dimensões pedagógica, admi-
nistrativa e financeira.
( ) Está associado à idéia de autonomia.
( ) Esse princípio possibilita o acesso e a permanência na escola.
( ) Não pode ser privilégio de minorias econômicas e sociais.
( ) Relacionam-se às condições de trabalho e à formação inicial e continuada dos professores.

1. Gestão Democrática.
2. Qualidade.
3. Igualdade de Condições.
4. Valorização do Magistério.
5. Liberdade.

A ordem CORRETA de associação, de cima para baixo,

é: a) 1, 5, 3, 4, 2.
b) 3, 1, 2, 5, 4
c) 1, 5, 3, 2, 4.
d) 2, 5, 1, 3, 4.
e) 3, 4, 1, 2, 5.

GABARITO:

1.B; 2.CERTO; 3.C; 4.C; 5.C; 6.CERTO; 7.CERTO; 8.A; 9.C; 10.C.
SIMULADO
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
----------

1) O Manifesto dos Pioneiros a Educação teve grande importância para o desenvolvimento da educação no país.
Assinado por Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, Lourenço Filho,dentre outros, o pensamento pedagógico
brasileiro passa a ter influências

a) da Pedagogia Libertária.
b) do Movimento por uma Educação Popular.
c) das Teorias da Escola Nova.
d) dos movimentos políticos e sindicais

2) Em cada uma das abordagens apresentadas por Mizukami (1986), a avaliação da aprendizagem apresenta dife-
rentes características.

a) que a abordagem humanista nega qualquer padronização de estratégias e procedimentos avaliativos, provas,
exames e notas, defendendo a auto-avaliação.
b) que, na abordagem tradicional, a avaliação visa à exatidão da reprodução do conteúdo comunicado em sala de aula
por meio de provas, exames, chamadas orais.
c) que, na abordagem cognitivista, se busca verificar se o aluno já adquiriu noções, realizou operações, relações etc.
por meio de produções livres e expressões próprias.
d) que, na abordagem comportamentalista, a avaliação ocorre apenas ao final do processo, com o intuito de saber se
os comportamentos desejados foram atingidos.

3) Os pressupostos e teorias pedagógicas que estão presentes nas atividades de ensino e aprendizagem sempre dizem
respeito à compreensão dos papéis do professor e do aluno, da metodologia, da função social da escola e dos
conteúdos trabalhados. Em relação à pedagogia crítico-social dos conteúdos, é correto afirmar que:

a) é uma proposta de educação centrada no professor.


b) assegura a função social e política da escola.
c) valoriza o indivíduo como ser livre, ativo e social.
d) é uma prática altamente controlada e dirigida pelo professor.
e) a atividade escolar pauta-se em discussões de temas sociais e políticos.

4) A pedagogia crítico-social dos conteúdos pressupõe uma prática metodológica que:

a) relaciona a prática dos alunos com os conteúdos propostos.


b) seleciona e transmite os conteúdos necessários.
c) tem como base a exposição oral acompanhada de demonstração.
d) tem como objetivo a preparação de mão de obra para a sociedade.
e) atribui ao professor a função exclusiva de ajudar o aluno a se organizar.

5) Sobre a pedagogia tecnicista, na visão de Dermeval Saviani, considere as afirmativas:

I. Advoga a reordenação do processo educativo de maneira a torná-lo objetivo e operacional.


II. O elemento principal é a organização racional dos meios e o professor e os alunos ocupam posição secundária no
processo.
III.Os professores e os alunos decidem se utilizam ou não determinados meios.
IV. Ao transpor para a escola a forma de funcionamento do sistema fabril, a pedagogia tecnicista não perde de vista a
especificidade da educação, sem ignorar que a articulação entre escola e processo produtivo se dá de mo- do indireto.
Estão corretas somente as afirmativas:

a) I e III.
b) I, II e IV.
c) I e IV.
d) I e II.
e) II, III e IV.

6) A perspectiva progressista, sustentando as finalidades sociopolíticas da educação, define que a escola tem a função
social de formar o cidadão mediante um processo de construção de conhecimento, de atitudes e de valores que o
tomem um sujeito solidário, crítico, ético e participativo.

a) Certo.
b) Errado.

7) NÃO é uma característica correspondente às tendências pedagógicas:

a) A pedagogia tradicional centra‐se na mera transmissão de conteúdos e na autoridade do professor


b) A pedagogia tecnicista está associada à transmissão de conteúdos, mas põe um peso forte no desenvolvimento de
habilidades práticas, no saber fazer.
c) A pedagogia da escola nova não se exclui a transmissão de conhecimentos, mas se considera mais importante a
organização do ambiente de aprendizagem para que o aluno possa desenvolver sua própria atividade de apren- der.
d) As pedagogias sócio‐críticas consistem na formulação de conteúdos por especialistas nas disciplinas e a utilização
de técnicas mais refinadas de transmissão, incluindo o computador e as mídias, em geral, o que resulta em um alto
nível de ensino.

8) Considerando as tendências pedagógicas, é correto afirmar:


a) Pedagogia Tradicional – foco sobre o conhecimento e valores sociais acumulados pela humanidade e na exposi-
ção e demonstração verbal da matéria
b) Renovadora Progressiva – adequação das necessidades individuais ao meio social por meio da instrução pro-
gramada.
c) Renovadora não-diretiva - Educação centralizada no professor, que garantirá um relacionamento de respeito.
d) Tecnicista - modeladora do comportamento humano através de técnicas autogestionárias específicas.
e) Crítico social dos conteúdos - Difusão dos conteúdos culturais universais que são incorporados pela humanida- de.

9) Em relação à obra “Escola e Democracia”, de Dermeval Saviani, é correto afirmar que:

a) As teorias crítico-reprodutivistas entendem ser a educação um instrumento de equalização social, portanto, de


superação da marginalidade.
b) As teorias não-críticas compreendem a educação como um instrumento de marginalização social, mas não
apresentam uma proposta pedagógica para a organização da escola.
c) Para a pedagogia tecnicista, a escola tem como função difundir a instrução e transmitir conhecimentos.
d) Saviani denuncia o caráter reacionário da pedagogia tradicional, que proclama a democracia, mas se restringe
a um grupo privilegiado, legitimando as desigualdades.
e) Saviani defende o trabalho com os conteúdos culturais como elemento de construção de uma pedagogia ver-
dadeiramente revolucionária.

10) A tendência pedagógica tradicional, considerando-se o ensino-aprendizagem em artes, é:


a) definida como pedagogia escolanovista, pois rompe com as cópias de modelos e parte para a criatividade e a
livre-expressão. Nesse sentido, a estética moderna privilegia a inspiração e a sensibilidade, acentuando o respeito à
individualidade do aluno.
b) marcada pela concepção do homem em sua essência. Nesse contexto, o treino intensivo, a repetição e a m
emorização são formas pelas quais o professor, elemento principal desse processo, transmite o acervo de informa- ções
aos seus alunos.
c) definida como prática escolar que tem como função especial adequar o sistema educacional à proposta eco- nômica
e política do regime militar, preparando, dessa forma, a mão-de-obra para que ela seja aproveitada pelo mercado de
trabalho.
d) pedagogia que dá ênfase aos conteúdos, confrontando-os com a realidade social. Nesse sentido, cabe ao pro-
fessor escolher conteúdos significativos, que contribuam para a formação profissional do aluno, com o objetivo de
inseri-lo no contexto social, porque não basta que os conteúdos sejam bem ensinados, é preciso que tenham
significação humana e social.
e) caracterizada por tratar a arte como conhecimento, o que constitui ponto fundamental e condição indispensá- vel
para o novo enfoque da pedagogia do ensino da arte.

GABARITO:

1.C; 2.D; 3.B; 4.A; 5.D; 6.CERTA; 7.D; 8.A; 9.E; 10.B

Teorias psicogenéticas em discussão

1) Na psicogenética de Henri Walon, a dimensão afetiva ocupa lugar central, tanto do ponto de vista da constru-
ção da pessoa quanto do conhecimento. Ambos se iniciam num período que se estende ao longo do primeiro ano
de vida e que o autor denomina de

(A)cognitivo-emocional.
(B)afetivo-compulsivo.
(C)impulsivo-cognitivo.
(D)impulsivo-emocional.
(E)afetivo-cognitivo.
2) De acordo com Heloysa Dantas in La Taille (1992), a afetividade não é apenas uma das dimensões da pessoa,
ela prepondera em uma fase do desenvolvimento. Para Wallon, em qual momento do desenvolvimento humano a
afetividade prevalece em relação à razão?

(A)Na fase adulta, quando a pessoa necessita usar a afetividade para tomar decisões sobre seu futuro e
suas relações.
(B)No seu momento inicial, logo que o indivíduo sai da vida puramente orgânica, e que suas ações
são puramente emocionais.
(C)No início da adolescência, quando o sujeito utiliza a afetividade como instrumento para lidar com
as diferenças.
(D)Na etapa em que, já idoso, o indivíduo passa a usar mais afetividade recordando fatos do passado.
(E)Na fase final da infância, quando a criança usa da afetividade para conseguir atenção de pais
e professores.

3) Segundo La Taille, Oliveira e Dantas (1992):


– para Wallon, “a consciência afetiva é a forma pela qual o psiquismo emerge da vida orgânica: corresponde à
sua primeira manifestação. Pelo vínculo imediato que instaura com o ambiente social, ela garante o acesso ao
univer- so simbólico da cultura, elaborado e acumulado pelos homens ao longo da sua história”;
– a partir da diferenciação entre afetividade e inteligência, “a história da construção da pessoa será constituída
por uma sucessão pendular de momentos dominantemente afetivos ou dominantemente Cognitivos, não
paralelos, mas integrados”.
Segundo Fiorin (2006), para Bakhtin, “a subjetividade é constituída pelo conjunto de relações sociais de que parti-
cipa o sujeito. (...) O princípio geral do agir é que o sujeito age em relação aos outros; o indivíduo se constitui em
relação ao outro”.
Graças a estudos, como os mencionados acima, podemos entender o desenvolvimento humano como

(A)resultado, sempre provisório, das relações afetivas que se originam na primeira infância e que tendem a desa-
parecer com o surgimento do juízo moral.
(B) maturidade emocional produzida pelo desenvolvimento da inteligência em situações de conflito nas relações
interpessoais.
(C) capacidade de estabelecer relações lógico-formais, desenvolvida pelas relações afetivas na primeira infância
e pela escola a partir dos seis, sete anos.
(D) síntese das relações sociais na família, na escola e nos contextos sociais mais amplos do trabalho e da partici-
pação política.
(E) síntese das relações entre cognição e afeto, no contexto das relações dos indivíduos entre si e o seu meio
físico, social e cultural.
4) Em uma reunião pedagógica, os docentes da EEEFM “Governador Sebastião Mendonça” discutiam algumas
atividades desenvolvidas por alunos do 5.º ano do ensino fundamental. No calor da discussão, a professora Tere-
sa Cristina teceu críticas a Piaget, dizendo que este pensador, embora de valor, desprezara o papel dos fatores
sociais no desenvolvimento humano. Pedro Paulo, um dos colegas que lera a obra Piaget, Vygotsky, Wallon: teo-
rias psicogenéticas em discussão (La Taille; Dantas; Oliveira, 1992), aparteou-a e disse-lhe que, segundo a obra
lida,

(A)Piaget costuma ser criticado por “desprezar” o papel dos fatores sociais no desenvolvimento humano. Nada
mais injusto, pois tal desprezo nunca existiu. O máximo que se pode dizer é que Piaget não se deteve longamente
sobre a questão, tendo apenas situado as influências e determinações da interação social sobre o desenvolvimento
da inteligência.

(B) La Taille afirma que Piaget em nenhum momento omitiu de sua teoria os fatores sociais, muito pelo
contrário, eles estão presentes em toda a sua obra, pois ele acreditava que todas as relações sociais são sem- pre
favorecedoras do desenvolvimento. Jean Piaget não somente era adepto como também defendia esse oti- mismo
social.

(C) para Piaget, o homem não é social da mesma maneira aos seis meses ou aos vinte anos de idade. A so-
cialização efetiva da inteligência só tem início por volta dos doze anos, quando a criança está no estágio operató-
rio formal. Nos estágios anteriores, a inteligência é essencialmente individual, não há socialização.

(D) na teoria piagetiana, a cooperação é o tipo de relação interindividual que representa o mais baixo nível
de socialização; é ela a responsável pelo desenvolvimento infantil. A cooperação necessária a esse desenvol-
vimento tem seu início nas relações entre crianças pequenas, daí a importância de se promoverem brincadeiras em
grupo.

(E) para La Taille, o postulado de Wallon de que o homem é “geneticamente social” (impossível de ser
pensado fora do contexto da sociedade), não é válido para a teoria de Piaget, pois para este, desde
o nascimento, o desenvolvimento intelectual resulta, exclusivamente, da interação entre o sujeito e os objetos
materiais com os quais convive.

5) Leia as afirmativas a seguir, extraídas do livro “Piaget, Vygostky e Wallon: teorias psicogenéticas em
discussão" (LA TAILLE, Y.; DANTAS, H.; OLIVEIRA, M. K.,1992).

I. “A linguagem humana, sistema simbólico fundamental na mediação entre sujeito e objeto de conhecimento,
tem duas funções básicas: a de intercâmbio social e a de pensamento generalizante."

II. “Vê-se portanto que não se trata de traçar uma fronteira entre o social e o não social, mas sim de, a partir de
uma característica importante das relações possíveis entre pessoas de nível operatório - que representa o grau
mínimo de socialização do pensamento -, comparar graus anteriores de socialização."

III.“No antagonismo entre motor e mental, ao longo do processo de fortalecimento deste último, por ocasião da
aquisição crescente do domínio dos signos culturais, a motricidade em sua dimensão cinética tende a se reduzir, a
se virtualizar em ato mental."

Assinale a alternativa que apresenta, na ordem correta, os teóricos a que cada uma das afirmativas faz referência.

a) I - Vygotsky; II- Piaget; III- Wallon.


b) I - Piaget; II- Wallon; III- Vygotsky
c) I - Wallon; II- Vygotsky; III- Piaget.
d) I- Vygotsky; II- Wallon; III- Piaget.
e) I - Piaget; II - Vygotsky; III- Wallon.

6) Considerando as concepções piagetianas trazidas na obra “Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas
em discussão” (1992). Marque a segunda coluna de acordo com a primeira: (LA TAILLE, Y.; OLIVEIRA, M.
K.; DANTAS,
H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão)

1ª Coluna
– Personalidade
– Autonomia
–Heteronomia –
Anomia
– Reversibilidade

2ª Coluna
(III) Crianças nesta etapa têm interesse em participar de atividades coletivas e regradas. Há duas características
importantes sobre essa participação. Primeiro, a criança desta fase não concebe tais regras como um contrato
firmado entre jogadores, mas sim como algo sagrado e imutável, pois imposto pela "tradição". Segundo, a crian-
ça, quando joga, ainda se mostra bastante "liberal" no que tange à aplicação das regras.

(II) Significa ser capaz de se situar consciente e competentemente na rede dos diversos pontos de vista e conflitos
presentes numa sociedade.

(V) Quando a operação deixa de ter um sentido unidirecional. Seria a capacidade de voltar, de retorno ao ponto de
partida. Aparece portanto como uma propriedade das ações do sujeito, possível de se exercerem em pensamento
ou interiormente.
(I) É o indivíduo se submetendo voluntariamente às normas de reciprocidade e de universalidade. Longe de estar à
margem da sociedade, constitui o produto mais refinado da socialização.

(IV) Crianças nesta etapa não seguem regras coletivas. Interessam-se, por exemplo, por bolas de gude, mas antes
para satisfazerem seus interesses motores ou suas fantasias simbólicas, e não tanto para participarem de uma
atividade coletiva.

Assinale a alternativa que apresenta a seqüência CORRETA de cima para baixo:

a) III – I – V – II – IV.
b) III – II – IV – I – V.
c) I – III – V – II – IV.
d) I – III – IV – II – V.
e) III – II – V – I – IV.

7) Observe o texto abaixo:


"Uma ideia central para a compreensão das concepções de Vygotsky sobre o desenvolvimento humano como
processo sócio-histórico é a ideia de _. Enquanto sujeito de conhecimento o homem não tem
acesso direto aos objetos, mas um acesso _, isto é, feito através dos recortes do real operados
pelos sistemas simbólicos de que dispõe. O conceito de _ inclui dois aspectos complementares.
Por um lado refere-se ao processo de representação mental: a própria ideia de que o homem é capaz de operar
men- talmente sobre o mundo supõe, necessariamente, a existência de algum tipo de conteúdo mental de natureza
simbólica, isto é, que representa os objetos, situações e eventos do mundo real no universo psicológico do indiví-
duo. Essa capacidade de lidar com representações que substituem o real é que possibilita que o ser humano faça
relações mentais na ausência dos referentes concretos, imagine coisas jamais vivenciadas, faça planos para um
tempo futuro, enfim, transcenda o espaço e o tempo presentes, libertando-se dos limites dados pelo mundo fisi-
camente perceptível e pelas ações motoras abertas. A operação com sistemas simbólicos - e o conseqüente de-
senvolvimento da abstração e da generalização - permite a realização de formas de pensamento que não seriam
passíveis sem esses processos de representação e define o salto para os chamados processos psicológicos
superiores, tipicamente humanos. O desenvolvimento da linguagem - sistema simbólico básico de todos os grupos
h manos – representa, pois, um salto qualitativo na evolução da espécie e do indivíduo."
(LA TAILLE, Yves de; OLIVEIRA, Marta Kohl de; DANTAS, Heloysa. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias
psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992)

Assinale a alternativa que apresenta as palavras que preenchem CORRETAMENTE as lacunas, na ordem em que
aparecem no texto.

a) representação – representado – representação


b) mediação – mediado – mediação
c) abstração – abstrato – abstração
d) subjetivação – subjetivo – subjetivação
e) apreensão – apreendido – apreensão

8) É CORRETO afirmar a respeito das concepções de Vygotsky apresentadas na obra “Piaget, Vygotsky,
Wallon: teorias psicogenéticas em discussão” (1992), sobre o desenvolvimento humano: (LA TAILLE, Y.;
OLIVEIRA, M. K.; DANTAS, H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão.)

a) Vygotsky rejeitou a ideia de funções mentais fixas e imutáveis, trabalhando com a noção do cérebro como um
sistema aberto, de grande plasticidade, cuja estrutura e modos de funcionamento são moldados ao longo da his-
tória da espécie e do desenvolvimento individual.
b) Vygotsky tem como um de seus pressupostos básicos a ideia de que o ser humano constitui-se enquanto tal a
partir do inconsciente coletivo.
c) As proposições de Vygostky contemplam a natureza do ser humano, membro de uma espécie determinada
biologicamente.
d) As possibilidades de funcionamento cerebral são efetivamente concretizadas ao longo do desenvolvimento
num mecanismo denominado por Vygostky de assimilação.
e) O percurso do desenvolvimento do pensamento conceitual proposto por Vygostky segue uma direção linear, já
que Vygostky trabalha com a ideia de primeiro, segundo e terceiro estágios para o desenvolvimento do pensa-
mento conceitual.

9) A respeito do papel da interação social no desenvolvimento e nas capacidades da inteligência humana, a troca
intelectual equilibrada entre indivíduos expressa o grau ótimo de sua socialização. Referenciado em contribuições
de Piaget, La Taille ressalta que é possível efetivar esse tipo de troca a partir

(A)do estágio pré-operatório, quando a criança consegue se colocar no lugar do outro.


(B) do estágio operatório, quando o indivíduo consegue se submeter voluntariamente às regras da reciprocidade e
da universalidade.
(C)da aquisição da linguagem, por volta dos dois anos de idade, condição necessária ao diálogo.
(D)do nascimento, desde que a criança seja estimulada intelectual e socialmente.
(E)do terceiro ou quarto ano de vida, quando a criança já é capaz de ouvir e entender o que o outro fala.

10) A relação entre aprendizagem e desenvolvimento está presente em diferentes teorias psicológicas que buscam
estudar como o ser humano se desenvolve e as construções cognitivas da criança em desenvolvimento. Con-
siderando as perspectivas teóricas de Jean Piaget e Lev Vygotsky, analise as proposições abaixo:

I. Vygotsky defendia que as posssibilidades de aprendizagem estão na dependência do nível de desenvolvimento


alcançado pelas crianças.

II. Piaget defendia que o nível de desenvolvimento cognitivo determina aquilo que pode ser aprendido. Vygotsky
considerou que a aprendizagem possibilita e movimenta o processo de desenvolvimento.

III. De acordo com Piaget, o processo de aprendizagem é subjugado ao processo de desenvolvimento.

IV. Piaget e Vygotsky não divergem quanto ao pressuposto de que o desenvolvimento antecede a aprendizagem.

Estão corretas, apenas:


(A)II e IV
(B)I, II e III
(C)II e III
(D) I, II e IV
(E) I, III e IV

GABARITO

1-D 2-B 3-E 4-A 5-A 6-E 7-B 8-A 9-B 10-C
SIMULADO – ECA –

1. (2017/IBADE) A relação dos alunos que apresentem quantidade de faltas acima de cinquenta por cento do
percentual permitido em lei deve ser notificada ao(s):

a) pais e ao Conselho Tutelar do Município.


b) Conselho Tutelar do Município, ao juiz competente da Comarca e ao respectivo representante do Ministério
Público.
c) Prefeito do Município e ao juiz competente da Comarca.
d) Supervisor escolar, Coordenações e pais.
e) Serviço de Orientação Educacional, pais e respectivo representante do Ministério Público.

2. (2017/IBADE) Em se tratando de ato infracional com reflexos patrimoniais, a autoridade poderá determinar, se
for o caso, que o adolescente:

a) preste, durante um ano, serviços comunitários que consistem na realização de tarefas gratuitas de interesse geral.
b) responda criminalmente por seus atos infracionais.
c) seja encaminhado a um sistema prisional comum.
d) restitua a coisa, promova o ressarcimento do dano, ou, por outra forma, compense o prejuízo da vítima.
e) seja obrigado a prestar trabalho forçado, no período proporcional à gravidade do delito.

3. (2017/IBADE). Sobre adoção de criança e de adolescentes, leia as afirmativas.

I. Se um dos cônjuges ou concubinos adota o filho do outro, mantêm-se os vínculos de filiação entre o adotado e o
cônjuge ou concubino do adotante e os respectivos parentes.
II. O adotando deve contar com, nomáximo, dezoito anos à data do pedido, salvo se já estiver sob a guarda ou tutela
dos adotantes.
III. Os divorciados e os judicialmente separados não poderão adotar conjuntamente, independente de qualquer
condição.

Está correto apenas o que se afirma em:

a) II.
b) I.
c) I e II.
d) II e III.
e) I e III.

4. (2017/IBADE) Em relação ao Direito à Profissionalização e à Proteção no Trabalho, é correto afirmar que:


a) não há legislação especial a respeito do trabalho dos adolescentes.
b) ao adolescente em pregado, aprendiz, é permitido realizar seu trabalho entre as vinte e duas horas de um dia e as
cinco horas do dia seguinte.
c) ao adolescente até quatorze anos de idade é assegurada bolsa de aprendizagem.
d) na formação técnico-profissional, a frequência não é obrigatória.
e) estabelecer inter-relação entre organização do currículo, do trabalho pedagógico e da jornada de trabalho do
professor, tendo como objetivo cumprira legislação.

5. (2017/IBADE) É dever do Estado assegurar à criança e ao adolescente:

1. progressiva extensão da obrigatoriedade e gratuidade ao ensino médio.


2. atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência.
3. atendimento em creche e pré-escola às crianças de seis anos de idade.
4. oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do adolescente trabalhador.

Estão corretos apenas os itens:

a) 1, 3 e 4.
b) 1, 2 e 4.
c) 1 e 3.
d) 1 e 4.
e) 2 ,3 e 4.

6. (2017/Big Advice).

“O grande avanço que a década da educação deveria produzir seria a construção de uma escola inclusiva que
garanta o atendimento à diversidade humana. Ao estabelecer objetivos e metas para que os sistemas de ensino
favoreçam o atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos, aponta um déficit referente à oferta de
matrículas para alunos com deficiência nas classes comuns do ensino regular, à formação docente, à acessibilidade
física e ao atendimento educacional especializado.” Estamos falando de qual grande documento da Educação?

a) Plano Nacional de Educação – PNE, Lei nº 10.172/2001.


b) Estatuto da Criança e do Adolescente.
c) Convenção da Guatemala.
d) Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.
e) Declaração de Salamanca.

7. (2017/Instituto Excelência). Na formação do educador nada é visto sobre a história da criança e do adolescente.
A falta de uma visão histórica/ da realidade de crianças e adolescentes, entre outros fatores, dificulta a
compreensão dos educadores com relação à cidadania de crianças e adolescentes. O Brasil deu um passo
importante na conquista da cidadania infanto-adolescente,ao promulgar em 13 de julho de1990 a Lei conhecida
como Estatuto da Criança e do Adolescente
- ECA. O Estatuto representou um novo paradigma com relação ao tratamento dispensado à infância e adolescência.
Assinale a alternativa que indica qual é essa Lei:

a) Lei 9394/1996.
b) Emenda Constitucional 14 de 12/09/1996.
c) Lei 8.069/90.
d) Nenhuma das alternativas.

8. (2016/AMAUC) Segundo a. Lei Federal nº 8.069, de 13/07/90 que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do
Adolescente e dá outras providências, o direito à liberdade compreende os seguintes aspectos:

I. ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitários, ressalvadas as restrições legais;
II.optar por não frequentar instituição de ensino;
III. participar da vida política, na forma da lei;
IV. buscar refúgio, auxílio e orientação;
V.praticar atos de vandalismo sem necessidade de punição;
VI. brincar, praticar esportes e divertir-se;
VII. participar da vida familiar e comunitária, sem discriminação; VIII.frequentar
bares, boates e similares diuturnamente.

Assinale a alternativa que apresenta a resposta CORRETA quanto aos aspectos relacionados à liberdade da criança e
do adolescente:

a) São corretas apenas as alternativas pares;


b) São corretas apenas as alternativas ímpares;
c) São corretas apenas as alternativas I,II e III;
d) São corretas apenas as alternativas I,III,IV,VI e VII ;
e) São corretas apenas as alternativas I,IV,VI e VII;

9. (2016/AMAUC) O Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, lei 8060/90, no Capítulo IV, dispõe sobre o
Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer. O art. 56 estabelece que os casos de suspeita ou confirmação
de maus-tratos contra criança ou adolescente serão, obrigatoriamente comunicados:

a) à Delegacia de Polícia mais próxima.


b) ao Conselho Tutelar.
c) ao Ministério Público.
d) à autoridade policial competente.
e) a um programa específico de atendimento.

10. (2016/IF Sertão – PE). Sobre as políticas públicas para o surdo no Brasil, analise as seguintes sentenças:

I-O Estatuto da Criança e do Adolescente assegura a educação aos deficientes como obrigação do Estado e ao se
considerar também o inciso IV, nota-se que esta educação deve se iniciar logo após o nascimento. No que se refere
à criança surda é primordial às que nascem em lar de ouvintes em que os pais não têm a Libras como sua segunda
língua, que iniciem a vida escolar ainda na sua tenra idade em escolas que ofertem a elas a língua de sinais como
primeira língua e a Língua Portuguesa, na modalidade escrita, como segunda língua.

II-A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, em seu artigo 58, define a educação especial e especifica
como deve ser esse atendimento e, reforça, também, o fato de que ele deve acontecer desde a mais tenra idade da
criança; e, em seu artigo 59 estipula métodos e técnicas para esse atendimento.

III- Os Parâmetros Curriculares Nacionais, ao longo de seu texto, faz menção à inclusão de alunos com
necessidades especiais e define as adaptações curriculares. Referente ao aluno surdo as adequações são inúmeras,
sendo de suma importância a que se refere à dificuldade de comunicação e à importância da utilização da língua de
sinais. Há a específica observância quanto às singularidades linguísticas que o aluno surdo possui para a
comunicação e expressão, sendo, para tanto, necessários métodos diferenciados e direcionados para seu ensino e
aprendizagem.

IV-A lei de nº 11.796, de 29 de outubro de 2008, institui o dia 26 de setembro como o Dia Nacional dos Surdos,
data em que foi criada, no Brasil, a primeira escola para surdos, o Imperial Instituto de Surdos Mudos, hoje,
Instituto Nacional de Educação para Surdos – INES.
Estão corretas as sentenças:

a) Apenas a I e II.
b) I, II e III.
c) II, III e IV.
d) Apenas a III e IV.
e) Todas estão corretas.

11. (2016/IF-PE). Um gestor de uma escola pública, ao passar pelo pátio, observou um grupo significativo de
estudantes debatendo e criticando as condições de estudo e de ensino, além da necessária melhoria da alimentação
fornecida. Diante desse cenário, o gestor determinou o fim da reunião e proibiu futuras manifestações.

De acordo com a Lei 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre a Estatuto da Criança e do Adolescente
(ECA), o gestor deveria:

a) informar aos estudantes que não será permitido a utilização do tempo pedagógico de aula em reuniões estudantis
que pouco ou nada contribuirá para a melhoria das condições da escola.
b) identificar os estudantes e comunicar aos pais a participação desses discentes no movimento, solicitando a
tomada de providências para que não ocorram futuras manifestações.
c) estimular os estudantes a exercerem o direito de organização e participação no Grêmio Estudantil, de forma a
sistematizar o diálogo com a gestão sobre suas reivindicações.
d) lembrar aos professores que, como responsáveis pelo cumprimento da carga horária, compete a eles a gestão da
sala de aula, não devendo permitir a saída de estudantes para reuniões.
e) advertir os estudantes de que a escola não constitui fórum adequado às suas reivindicações, devendo os mesmos
se dirigirem à Secretaria de Educação, único órgão capaz de atende-las.

12. (2016/Instituto Excelência). Sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente Capítulo IV Do Direito à


Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer Art. 54. É dever do Estado assegurar à criança e ao adolescente:
Analise os incisos abaixo:

I - ensino fundamental, obrigatório e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram acesso na idade própria;
II- direito de ser respeitado por seus educadores;
III - atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de
ensino;
IV – atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero a cinco anos de idade; V - acesso à
escola pública e gratuita próxima de sua residência;
VI - participar da vida política, na forma da lei;
VII- atendimento no ensino fundamental, através de programas suplementares de material didáticoescolar,
transporte, alimentação e assistência à saúde;

De acordo com o Art. 54 estão CORRETOS os incisos:

a) Incisos I- III- V e VII.


b) Incisos I- III- IV e VII.
c) Incisos II- IV- V e VII.
d) Incisos I- II- V e VI.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0
B D C C B A C D B E C B A D D C C E A A

SIMULADO – LEI Nº 9.394/96

01.(2018/ UFMG) Segundo o Artigo 1º da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, a educação:


a) aborda os processos formativos que se desenvolvem na vida escolar, na convivência humana, no trabalho, nas
instituições de pesquisa, nos movimentos sociais organizados da sociedade civil e nas manifestações culturais.
b) corresponde aos processos formativos que se desenvolvem na vida escolar, na convivência social, no trabalho,
nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas
manifestações culturais.
c) relaciona-se aos processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência social, no trabalho,
nas instituições de ensino, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações
culturais.
d) abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho,
nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas
manifestações culturais.
02.(2018/ UFMG) Segundo o Artigo 3º da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, o ensino será ministrado com
base nos seguintes princípios, EXCETO:
a) Consideração com a diversidade étnico-racial.

b) Garantia de padrão de qualidade.

c) Igualdade de condições para o acesso e permanência na escola.

d) Vinculação entre educação social, o trabalho e as práticas escolares.

03.(2018/ UFMG) Sobre o Capítulo II da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, é INCORRETO afirmar que
a) será objetivo permanente das autoridades responsáveis alcançar relação adequada entre o número de alunos e o
professor, a carga horária e as condições materiais do estabelecimento.
b) a educação básica tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável
para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores.
c) nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio públicos, tornam-se obrigatórios o estudo e o
ensino da religião, da história e da cultura indígena e afro- brasileira.
d) na oferta de educação básica para a população rural, os sistemas de ensino promoverão as adaptações
necessárias à sua adequação às peculiaridades da vida rural e de cada região.
04.(2018/ UECE-CEV) A Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017 no seu artigo 4º, altera o artigo 36 da Lei nº
9.394, de 20 de dezembro de 1996, e afirma que o currículo do ensino médio será composto pela Base Nacional
Comum Curricular e por itinerários formativos, que deverão ser organizados por meio da oferta de diferentes
arranjos curriculares. Os itinerários formativos propostos são:
a) linguagens e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências
humanas e sociais aplicadas; formação política e moral.
b) linguagens e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e sociais aplicadas;
formação técnica e profissional e educação em informática e tecnologia.
c) linguagens e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias;
alfabetização científica e tecnológica e formação técnica e profissional
d) linguagens e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências
humanas e sociais aplicadas; formação técnica e profissional.
05.(2018/ SELECON) A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) define que a “educação, dever da
família e do Estado, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da
cidadania e sua qualificação para o trabalho”. No artigo 3°, tem-se os princípios que basearão o ensino. O princípio
do artigo 3° que se refere ao aspecto “ideais da solidariedade humana” é:
a) condições de permanência na escola

b) respeito à liberdade e apreço à tolerância

c) garantia de padrão de qualidade

d) valorização da experiência extraescolar

06.(2018/ SELECON) O Artigo 13 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional


- LDB, no Título IV - Da Organização da Educação Nacional, trata das incumbências dos docentes. Dentre estas,
estão:
a) colaborar com as atividades de articulação da escola com a Secretaria de ensino fundamental do MEC; baixar
normas complementares para o seu sistema de ensino
b) zelar pela conservação do patrimônio público e conscientizar a comunidade; administrar recursos materiais e
financeiros do seu município
c) elaborar e executar políticas e planos educacionais nacionais; coletar e analisar informações sobre educação
superior
d) participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; zelar pela aprendizagem dos
alunos
07.(2018/ SELECON) A Lei de Diretrizes Bases da Educação Nacional brasileira (Lei 9394/96) aponta que a
avaliação na Educação Infantil:
a) não prevê a necessidade de registros sobre o desenvolvimento das crianças e o acompanhamento do trabalho
desenvolvido pelas famílias
b) não deve ser classificatória nem dar margem à exclusão das crianças na Educação Infantil, sendo efetivada
através de acompanhamento contínuo e registro do desenvolvimento das crianças
c) deve ocorrer ao final do ano, com o objetivo de promoção das crianças de acordo com seu desempenho
d) deve contemplar os conhecimentos mínimos necessários para a seleção dos alunos da pré-escola para o
primeiro ano do Ensino Fundamental
08.(2017/ CPCON) Em 1996, a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da educação nacional foi aprovada no Congresso
Nacional e sancionada pela presidência da República com o objetivo de disciplinar a educação escolar e o ensino
que se desenvolve em instituições próprias.
Analise as afirmações abaixo, de modo a classifica-las como verdadeiras ou falsas.

( ) Em seu Título II, Dos Princípios e Fins da Educação Nacional, a LDB mostra que deve haver respeito à
liberdade e apreço à tolerância, igualdade de condições para o acesso e permanência na escola e a coexistência de
instituições públicas e privadas de ensino.
( ) A LDB não possui um único artigo que assegure processos nacionais de avaliação das Instituições de Ensino
Superior, pois considerou-se que elas devem ter seus próprios mecanismos de controle, já que a Constituição
Federal lhes garante autonomia didático- científica.
( ) Sendo a LDB uma lei federal, e lembrando-se do pacto federativo brasileiro, preferiu-se não estabelecer
quaisquer incumbências aos Estados (Unidades da Federação) e aos Municípios no tocante ao ensino fundamental e
médio entendendo-se, também, que os Estados possuem suas próprias Constituições.
( ) Em seu Capítulo IV, a LDB define finalidades do Ensino Superior, dentre as quais podemos destacar: estímulo
ao conhecimento dos problemas do mundo presente; promoção e divulgação de conhecimentos culturais, científicos
e técnicos; incentivo ao trabalho de pesquisa e investigação científica.
( ) Conforme a LDB, os recursos destinados à educação se originam, dentre outros, da receita de impostos próprios
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; de transferências constitucionais; da receita do
salário-educação e outras contribuições sociais.
A alternativa CORRETA é:

a) V F V V F.

b) F F V F V.

c) V V F V F.

d) F V V F V.

e) V F F V V

09.(2017/ CPCON) Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a Educação Superior promoverá os
seguintes cursos e/ou programas
a) cursos sequenciais e independentes do campo de saber, desde que sejam dos mesmos níveis de abrangência,
abertos a candidatos que tenham interesse em aprimorar ou iniciar seus estudos na área.
b) de pós-graduação, compreendendo programas de mestrado e doutorado, cursos de especialização,
aperfeiçoamento e outros, abertos a candidatos graduados ou não, desde que demonstrem notório saber.
c) de extensão, abertos a candidatos que tenham interesse naquela área de conhecimento.
d) de graduação, abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido
classificados em processo seletivo.
e) livres, compreendidos como aqueles cujo programa é estabelecido pelos próprios alunos e a Universidade
oferece a estrutura e a formação.

10.(2017/ CPCON) Criada em 1996, a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da educação nacional orienta-se pelo
propósito de disciplinar a educação escolar, que se vincula ao mundo do trabalho e à prática social. Analise as
proposições abaixo relacionadas e classifique-as como verdadeiras (V) ou falsas (F):
( ) A LDB não permite que universidades mantidas pelo Poder Público tenham estatuto jurídico especial que atenda
as especificidades relativas à estrutura, organização e financiamento delas. Também não admite que as
universidades definam a carreira e o regime jurídico do seu pessoal.
( ) É na LDB que se determina o processo que autoriza e reconhece os cursos de nível superior e das próprias
Instituições de Ensino Superior, sejam públicas ou privadas, com a ressalva de que a autorização e o
reconhecimento têm prazos limitados, com renovação periódica.
( ) A LDB estabelece que, no caso das Instituições de Ensino Superior públicas (a exemplo da Universidade
Estadual da Paraíba), o Poder Executivo, responsável por sua manutenção, deve acompanhar o saneamento
financeiro e fornecer recursos adicionais para superação de deficiências.
( ) Considerando que as Universidade devem exercer a autonomia, a LDB lhes assegura criar, organizar e extinguir
cursos e programas de educação superior e fixar os currículos dos seus cursos e programas, desde que sejam
observadas as diretrizes gerais da própria LDB.
( ) ALDB avançou nos procedimentos democráticos quando garantiu às instituições públicas de educação superior
princípios de gestão democrática, como a existência de órgãos colegiados deliberativos dos quais os segmentos da
comunidade acadêmica e institucional participam.
A alternativa CORRETA é

a) V, F, F, F, V

b) F, F, F, V, V

c) V, V, F, V, V

d) F, V, V, V, F

e) F, V, V, V, V
11.(2017/ CPCON) De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB 9.394/96, Art. 43, a
educação superior tem por finalidade
I- estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito cientifico e do pensamento reflexivo.
II- formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para
a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua.
III- incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência e da
tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em
que ele vive.
Está(ão) CORRETA(S) apenas a(s) afirmações apresentadas em:

a) III

b) I e II.

c) I e III.

d) II

e) I, II e III.

12. (2017/IBADE) A Lei de Diretrizes e Bases, Lei n° 9.394/1996, em seu artigo 4° enfatiza que o dever do Estado
com educação escolar pública será efetivado mediante a garantia de:
1. Educação Básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade.
2. Educação Infantil gratuita às crianças de até 5 (cinco) anos de idade.

3. acesso público e gratuito aos Ensinos Fundamental e Médio para todos os que não os concluíram na idade
própria.
4. oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando.

5. oferta de educação escolar regular para jovens e adultos, com características e modalidades adequadas às suas
necessidades e disponibilidades.
6. vaga na escola pública de Educação Infantil ou de Ensino Fundamental mais próxima de sua residência a toda
criança a partir do dia em que completar 3 (três) anos de idade.
Estão corretos apenas os itens:

a) 3, 4, 5 e 6.

b) 2, 3, 4 e 5.

c) 1, 2, 3, 4 e 5.

d) 1, 2, 4, 5 e 6.

e) 1, 2, 3 e 6.

13.(2017/ IBADE) No início de 2003, após debates em âmbito nacional, houve alteração da Lei de Diretrizes e
Bases da Educação com a sanção da conhecida Lei n° 10.639, determinando que:
a) os conceitos de ancestralidade. luta. sedução, jogo e território devem ser evitados como pilares de uma ciência
africana.
b) os conteúdos referentes à história e cultura afro-brasileira sejam ministrados no âmbito do Ensino Médio nas
áreas de educação artística.
c) fique a cargo de cada estabelecimento a inclusão do 20 de novembro como “Dia Nacional da Consciência
Negra.
d) seja obrigatório o ensino sobre história e cultura afro-brasileira nos estabelecimentos oficiais de ensino
fundamental.
e) nos estabelecimentos de Ensino Fundamental e Médio, oficiais e particulares, seja obrigatório o ensino sobre
história e cultura afro-brasileira.
14.(2017/IBADE) A Lei de Diretrizes e Bases, Lei n° 9.394/1996, em seu artigo 4o enfatiza que o dever do
Estado com educação escolar pública será efetivado mediante a garantia de:
1. Educação Básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade.
2. Educação Infantil gratuita às crianças de até 5 (cinco) anos de idade.

3. acesso público e gratuito aos Ensinos Fundamental e Médio para todos os que não os concluíram na idade
própria.
4. oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando.

5. oferta de educação escolar regular para jovens e adultos, com características e modalidades adequadas às suas
necessidades e disponibilidades.
6. vaga na escola pública de Educação Infantil ou de Ensino Fundamental mais próxima de sua residência a toda
criança a partir do dia em que completar 3 (três) anos de idade.
Estão corretos apenas os itens:
a) 1, 2, 4, 5 e 6
b) 3, 4, 5 e 6.

c) 1, 2, 3 e 6.

d) 1, 2, 3, 4 e 5.

e) 2, 3, 4 e 5.

15.(2017/PR-4 UFRJ) A redação do artigo 32 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, dispõe que o ensino
fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de
idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão. Este artigo é composto por quatro itens. A partir desta
informação, marque a opção que NÃO faz parte do artigo 32.
a) A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que
se fundamenta a sociedade.
b) Os conhecimentos e habilidades adquiridos pelos educandos por meios informais serão aferidos e
reconhecidos mediante exames.
c) O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e
habilidades e a formação de atitudes e valores.
d) O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que
se assenta a vida social.
e) O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da
escrita e do cálculo.
GABARITO

1-D 2-D 3-C 4-D 5-B 6-D 7-B 8-E 9-D 10-D
11-E 12-C 13-E 14-D 15-B

SIMULADO
REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

1 - Nos termos dos Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, Vol. 3, é CORRETO:

A) Na reflexão acerca das possibilidades posturais e motoras oferecidas no conjunto das atividades, é desnecessá-
rio planejar situações de trabalho voltadas para aspectos mais específicos do desenvolvimento corporal e motor,
considerando que as crianças pequenas estão sempre mudando de postura.
B) O professor de crianças pequenas não precisa avaliar constantemente o tempo de contenção motora ou de ma-
nutenção de uma mesma postura. A própria criança já o faz instintivamente.
C) As diferentes atividades que ocorrem nas instituições requerem das crianças posturas corporais distintas. Cabe
ao professor organizar o ambiente de forma a garantir a postura mais adequada para cada atividade, não as res-
tringindo a modelos estereotipados.
D) Durante o processo de definição da lateralidade, o professor deve intervir, constantemente, corrigindo quando
alguma criança manifestar a preferência pelo uso da mão esquerda, definindo-se como canhota.

2 - De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil – RCNEI (BRASIL, 1998, p.22), o
brin- car:

A)É uma das atividades que atrapalham o desenvolvimento e as aprendizagens infantis porque ao brincar a
criança perde muito tempo.
B)É uma das atividades que atrapalham a atenção, a memória e a imaginação da criança porque tira a sua atenção
da realidade e impede que ela aprenda o que é importante.
C) Promove o amadurecimento de algumas capacidades de socialização, por meio da interação e da utilização e
experimentação de regras e papeis sociais.
D)Desenvolve a imaginação infantil, mas atrapalha a aprendizagem dos conteúdos importantes.

3 - De acordo com o Referencial Curricular (vol. 1), para que as aprendizagens infantis ocorram com sucesso, é
preciso que o professor considere, na organização do trabalho educativo:

I – A individualidade e a diversidade;
II– A resolução de problemas como forma de aprendizagem;
III – A interação com crianças da mesma idade em situações de equivalência de forma a ampliar a socialização
e a capacidade de relacionar-se.

a) Apenas I e III estão corretas;


b) Apenas II está correta;
c) Apenas I e II estão corretas;
d) Todas as assertivas estão corretas.

4 - De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (Vol. 1), considerando-se as
especifici- dades afetivas, emocionais, sociais e cognitivas das crianças de zero a seis anos, a qualidade das
experiências ofe- recidas que podem contribuir para o exercício da cidadania devem estar embasadas em alguns
princípios. Analise os princípios abaixo e indique o que não faz parte desse rol:
a) O atendimento aos cuidados essenciais associados à sobrevivência e ao desenvolvimento de sua identidade;
b) O direito das crianças a brincar, como forma particular de expressão, pensamento, interação e comunicação
infantil;
c) O respeito à dignidade e aos direitos das crianças, consideradas nas suas diferenças individuais, sociais, econô-
micas, culturais, étnicas, religiosas, etc.;
d) O direito das crianças a brincar, separando-as de acordo com a idade, desenvolvimento intelectual e físico de
forma a promover a socialização das com o mesmo nível intelectual e de idade.

5 - De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, em se tratando de crianças de zero
a três anos, a instituição deve criar um ambiente de acolhimento que dê segurança e confiança às crianças,
garantin- do oportunidades para que sejam capazes de, exceto:

a) Familiarizar-se com a imagem do próprio corpo, conhecendo progressivamente seus limites, sua unidade e as
sensações que ele produz;
b) Brincar;
c) Adotar hábitos de autocuidado, valorizando as atitudes relacionadas com a higiene, alimentação, conforto,
segu- rança, proteção ao corpo e cuidados com a aparência;
d) Relacionar-se progressivamente com mais crianças, com seus professores e com demais profissionais da
institui- ção, demonstrando suas necessidades e interesses.

6 - De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil é importante que os profissionais
das instituições sejam capazes de ouvir, observar e aprender com as famílias e suas crianças. Estas habilidades:

a) são possibilitadas quando há promoção de comemorações festivas e danças típicas pois somente o respeito à
diversidade leva ao desenvolvimento dessas habilidades.
b) devem pressupor uma adesão incondicional aos valores dessas famílias propiciando apoio real e efetivo às
crian- ças.
c) podem ser adquiridas se os profissionais forem submetidos a cuidados psicológicos o que deve ser prática obri-
gatória nas instituições de ensino.
d) podem ser adquiridas informalmente não sendo necessário estabelecer projetos para tal.
e) contribuem para o estabelecimento de atitudes pautadas na ética e no acolhimento que tornam gratificantes e
enriquecedoras as relações humanas.

7 - Analise as afirmativas concernentes à organização do tempo, segundo o Referencial Curricular Nacional para
Educação Infantil e marque V para as verdadeiras e F para as falsas.

( ) Todas as atividades permanentes do grupo contribuem para a dependência da vivência com outras crianças e
propiciam o desenvolvimento de sua heteronomia.
( ) Considerar o tempo final de cada atividade dedicado para a arrumação é uma boa oportunidade para que as
crianças possam aprender a cooperar e perceber que a arrumação é responsabilidade de todos.
( ) Tomar o banho, lavar as mãos e escovar os dentes. auxiliam a independência das crianças, contribuindo para a
sua autoestima.
( ) A oferta permanente de atividades diversificadas em um mesmo tempo e espaço é uma oportunidade de propi-
ciar a escolha pelas crianças.
( ) Não se deve esquecer que a organização da instituição deve estar a serviço da ação educativa e não o contrário.
A seqüência está correta em:

A)V, F, F, V, F.
B)F, V, V, F, V.
C)V, V, V, V, V.
D)F, F, F, V, V.
E)F, V, V, V, V.

8 - Todas as afirmativas estão de acordo com Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil (RCNEI),
EXCE- TO:

A) Os conteúdos abrangem para além de fatos, conceitos e princípios, também os conhecimentos relacionados a
procedimentos, atitudes, valores e normas como objetos de aprendizagem.
B) Os conteúdos conceituais referem-se à construção ativa das capacidades para operar com símbolos, ideias,
ima- gens e representações que permitem atribuir sentido à realidade.
C)Os conteúdos procedimentais referem-se ao saber fazer.
D) Para que as crianças possam compreender a realidade na sua complexidade e enriquecer sua percepção sobre
ela, os conteúdos devem ser trabalhados de forma fragmentada.
E)Os conteúdos atitudinais tratam dos valores, das normas e das atitudes.

9 - Conforme o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, na faixa de zero a seis anos, os
cuidados essenciais assumem um caráter prioritário na educação institucional das crianças, a saber:

I - O ato de alimentar ou trocar uma criança pequena envolve apenas o cuidado com a alimentação e a higiene.
II- A relação afetiva estabelecida entre a criança e o professor de Educação Infantil possibilita às crianças
aprende- rem sobre si mesmas e estabelecerem uma confiança básica no outro e em suas próprias competências.

a) Os itens I e II estão corretos.


b) Somente o item I está correto.
c) Somente o item II está correto.
d) Os itens I e II estão incorretos.

10 - Em conformidade com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, sobre a linguagem oral e
escrita na Educação Infantil, assinalar a alternativa INCORRETA:

a) Diz respeito à aquisição dos significados culturais e dos modos pelos quais as pessoas do seu meio
sociocultural entendem, interpretam e representam a realidade.
b) Envolve somente o aprendizado das palavras e da forma como as crianças captam os aspectos gráficos e
sonoros da língua.
c) Constitui um dos eixos básicos para a formação do sujeito, a interação com as outras pessoas e o desenvolvi-
mento do pensamento.
d) É um dos elementos importantes para as crianças ampliarem suas possibilidades de inserção e participação nas
diversas práticas sociais.
11 - Em relação ao Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, numerar a 2ª coluna de acordo com
a 1ª e, após, assinalar a alternativa que apresenta a seqüência CORRETA:

(1) Avaliação formativa.


(2) Observação.
(3) Registro.

(---) Instrumento para que o professor possa avaliar o processo de construção da linguagem pelas crianças.
(---) Devolução do processo de aprendizagem à criança, isto é, o retorno que o professor dá para as crianças a res-
peito de suas conquistas e daquilo que já aprenderam.
(---) Levantamento inicial para obterem-se as informações necessárias sobre o conhecimento prévio que as crian-
ças possuem sobre a escrita, a leitura e a linguagem oral, para que, com isso, possa-se planejar a prática, selecionar
conteúdos e materiais, propor atividades e definir objetivos com uma melhor adequação didática.

a) 1 - 2 - 3.
b) 3 - 2 - 1.
c) 2 - 3 - 1.
d) 2 - 1 - 3.

12 - Nos termos dos Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (vol. 3), é CORRETO afirmar:

A) Materiais que rolem pelo chão, como cilindros e bolas de diversos tamanhos, não devem ser apresentados às
crianças pequenas, pois sugerem que se arrastem, engatinhem ou caminhem atrás deles ou, ainda, que rolem so-
bre eles, o que acarreta perigo.
B)Quanto menor a criança, maior é a responsabilidade do adulto de lhe proporcionar experiências posturais e
mo- toras variadas. Para isso, ele deve modificar as posições das crianças quando sentadas ou deitadas.
C) Almofadas organizadas num ambiente com livros ou gibis e brinquedos convidam as crianças a sentarem ou
deitarem, concentradas nas suas atividades e essa atividade é prejudicial ao desenvolvimento motor.
D) Algumas brincadeiras tradicionais como, por exemplo, a brincadeira de estátua, cuja regra principal é a de que
as crianças fiquem paradas como estátua a um sinal, não são adequadas por promoverem a manutenção do tônus
muscular durante algum tempo.

13 - Analise o texto abaixo, retirado do Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil:

Educar significa, portanto, propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens orientadas de for-
ma e que possam contribuir para o desenvolvimento das infantis de
relação interpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica de aceitação, respeito e confiança, e o
acesso, pelas crianças, aos conhecimentos mais amplos da realidade social e .
Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do texto.

A.integrada; capacidades; cultural


B.integrada; linguagens; geográfica
C.diferenciada; aprendizagens; política
D. organizada ; práticas ; humana
E. Igualitária; culturas; nacional
14 - O volume I dos Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil orienta que: “A organização
de situações de aprendizagens orientadas ou que dependem de uma intervenção direta do professor permite que as
crianças trabalhem com diversos conhecimentos. Essas aprendizagens devem estar baseadas não apenas nas pro-
postas dos professores, mas, essencialmente, na escuta das crianças e na compreensão do papel que desempe-
nham a experimentação e o erro na construção do conhecimento.”

Nessa perspectiva, é CORRETO afirmar:

A)Na Educação Infantil, os erros cometidos pelas crianças devem ser ignorados.
B) O professor não deve se preocupar com as singularidades das crianças de diferentes idades, pois, na Educação
Infantil, sua principal função é propiciar e garantir um ambiente de cuidado que deve ser igual para todos os alu-
nos, independentemente da idade.
C) O professor de Educação Infantil não deve ser considerado mediador entre as crianças e os objetos de conheci-
mento, mas sim e tão somente organizador das atividades a serem realizadas.
D) As crianças podem, em situações de interação social ou sozinhas, ampliar suas capacidades de apropriação dos
conceitos, dos códigos sociais e das diferentes linguagens, por meio da expressão e comunicação de sentimentos
e ideias, da experimentação, da reflexão, da elaboração de perguntas e respostas, da construção de objetos e brin-
quedos etc.

15 - Em 1998, o MEC publicou o Referencial Curricular para a Educação Infantil/RCNEI. O documento é


composto de três volumes que apresentam propostas curriculares para a educação infantil.
Relacione a 1ª coluna com a 2ª de acordo com as características de cada volume.
( 1 ) Volume 01
( 2 ) Volume 02
( 3 ) Volume 03
( ) Trata sobre os eixos e temas que podem ser trabalhados na educação infantil.
( ) Trata dos processos de construção da identidade e da autonomia das crianças.
( ) Trata sobre as reflexões sobre as creches e pré- escolas brasileira, a infância e a profissionalização dos educado-
res.

Depois da relação entre as colunas, marque a alternativa correta:

A) 3, 2, 1
B) 1, 2, 3
C) 2, 1, 3
D) 1, 3, 2

16 - Em conformidade com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, quanto ao trabalho com
música na educação infantil, marcar C para as afirmativas Certas, E para as Erradas e, após, assinalar a
alternativa que apresenta a seqüência CORRETA:

(---) Deve estar desassociado das outras áreas do conhecimento, deve ser trabalhado em um momento próprio, para
que não se deixe de lado o exercício das questões especificamente musicais.
(---) Deve considerar que a música é um meio de expressão e uma forma de conhecimento acessível aos bebês e às
crianças, exceto para aquelas que apresentem necessidades especiais.
(---) É um excelente meio para o desenvolvimento da expressão, do equilíbrio, da autoestima e do autoconheci-
mento, além de um poderoso meio de integração social.

a) C - C - E.
b) E - E - C.
c) C - E - E.
d) E - C – C

17 - Em conformidade com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, quanto à formação
continu- ada dos professores, analisar os itens abaixo:

I - É um elemento do projeto institucional e deve ocorrer de forma esporádica.


II - Cabe à instituição proporcionar condições para que todos os profissionais participem de momentos de forma-
ção de naturezas diversas como reuniões, palestras etc.
III- Os professores devem contar com hora e lugar especialmente destinados à formação para troca de ideias a
respeito da prática, dos estudos sobre os mais variados temas pertinentes ao trabalho, da organização e do plane-
jamento de rotina, tempo e atividades, bem como de outras questões relativas ao projeto educativo.

Estão CORRETOS:

a) Somente os itens I e II.


b) Somente os itens I e III.
c) Somente os itens II e III.
d) Todos os itens.

18 - Os referenciais curriculares nacionais para a Educação Infantil entendem que todas as crianças precisam ter
disponíveis dados da cultura que ampliem e enriqueçam o seu desenvolvimento e sua inserção na sociedade.
Desse modo, os referenciais indicam a ideia de que:
A.Há uma visão restritamente única de cultura, cujas relações sociais ocorrem de forma imparcial.
B. A prática curricular na Educação Infantil depende dos parâmetros indicados pelo Ensino Fundamental.
C. O currículo permite compartilhar um conjunto de significados construídos, ensinados e aprendidos nas práticas
sociais por meio das múltiplas linguagens
D. Todas as alternativas estão corretas

19 - Na perspectiva curricular do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998), o


reconhecimento progressivo do próprio corpo e das diferentes sensações e ritmos que produz:

(A)Devem ser estimulados apenas nas séries iniciais do Ensino Fundamental.


(B)Constituem conteúdos a serem desenvolvidos com crianças de quatro a seis anos.
(C)Representam objetivos específicos a serem alcançados por crianças de cinco a sete anos.
(D)Constituem conteúdos a serem desenvolvidos com crianças de zero a três anos.
20 - O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil apresenta os objetivos gerais que a Educação
Infantil deve ter. É correto afirmar que:

a) Na Educação Infantil pública é importante que se tenha presente os princípios do assistencialismo a fim de
aten- der as necessidades de crianças de baixa renda.
b) Para a Educação Infantil se tornar significativa para as crianças é indispensável que os conteúdos sejam
transmi- tidos somente por meio
de brincadeiras e jogos. Tornando assim, o ensino lúdico.
c) A Educação Infantil deve ter como princípio de trabalho à Formação Pessoal e Social e Conhecimento de Mundo.
d) Nenhuma das alternativas.

GABARITO

1 – C 2 – C 3 – C 4 – D 5 – C 6 – E 7 –E 8 – D 9 – C 10 – B 11 – D 12 – B 13 – A 14 – D 15 – A
16 – B 17 – C 18 – C 19 – D 20 – C

Você também pode gostar