Você está na página 1de 3

c 

       
cLucas 24.13-35
A história contida nestes versículos não se encontra em nenhum outro dos evangelhos.
Das onze aparições de nosso Senhor depois de sua ressurreição, nenhuma parece ser
tão interessante quanto à descrita nesta passagem.
Vemos inicialmente uma caminhada de on ze quilometros entre Jerusalém e [ 
 
  
Dois discípulos iam pelo camInho conversando sobre [   
(14).
Certamente Jesus era o tema dessa conversa.
Então, lemos no vs.15: [
            
    
A conversa sobre as coisas espirituais é um dos mais importantes ³meios da graça´.
Assim como o ferro com o ferro se afia (Pv.27:17), assim também a troca de
pensamentos espirituais aperfeiçoa a alma de um crente.
Produz uma bênção especial para todos os que a praticam.
Aprendamos uma lição dos dois viajantes de Emaús, citados nesta passagem.
- Se cremos que estamos viajando em direção ao céu, onde Cristo será o objeto central
de todos os pensamentos, aprendamos o comportamento dos céus, enquanto estamos
vivendo na terra.
oAo mesmo tempo vemos no texto quão fraco/frágil era o conhecimento que alguns
discípulos tinha m de Jesus.
Os dois discípulos de Emaús confessaram sinceramente que suas expectativas sobre
Jesus foram desapontadas pela crucificação .
Afirmaram:         (21)
Eles esperavam uma ³redenção temporal´ dos judeus realizada por um conquistador .
oOma ³redenção espiritual´ por meio de uma ³morte sacrificial´ era uma ideia que suas
mentes não podiam assimilar completamente.
E Jesus os repreende severamente por isso:[  
 (25).
No entanto, podemos aprender algo da ignorância deles !
- Muitos ao nosso redor ignoram o significado dos sofrimentos de Cristo, assim como
esses viajantes de Emaús.
 c   lugar, devemos observar nestes versículos que o Antigo Testamento
está repleto de ensinos sobre a pessoa de Cristo. |

Jesus,   ! "       #   $     


     
   (27)
De que maneira Jesus [ $  a seu respeito nas Escrituras?
A resposta é simples e curta.
- Cristo era a essência de todos os sacrifícios ordenados na lei de Moisés.
- Cristo era o verdadeiro Libertador e Rei, do qual todos os juízes e libertador es da
história de Israel eram apenas figura;
- Ele era o Profeta que estava por vir, maior do que Moisés;sua vinda enchia as páginas
dos profetas.
- Cristo era a verdadeira semente da mulher, que pisaria a cabeça da serpente;
- Ele era o verdadeiro descendente em quem todas as nações seriam benditas.
- Cristo era o verdadeiro Sumo Sacerdote, de quem todos os descendentes de Arão
eram apenas figuras.
oEsses fatos e outros semelhantes, com certeza, foram alguns dentre os fatos que
Jesus explicou no caminho para Emaús.
oAo ler a Bíblia, devemos ter em nossa mente o firme princípio de que Cristo é o assunto
central de todas as Escrituras.
oEnquanto O mantemos diante de nossos olhos, jamais cometeremos grandes erros em
nossa busca por conhecimento espiritual.
oSe O perdermos de vista, acharemos a Bíblia inteira um livro obscuro e cheio de
dificuldades.
oJesus Cristo é a chave do conhecimento bíblico.

 !c, no final da caminhada(28) [ #    


[!     %&   '('
   #.
 #   "#
Observe que Jesus espera que eles $ %&'(% )%*'(% ´.
Há alguns acontecimentos semelhantes registrados nas Escrituras :
- Deus agiu dessa maneira com Jacó: "Deixa-me ir", Ele disse, "pois já rompeu o dia".
Em seguida,temos aquela nobre declara ção dos lábios de Jacó: "Não te deixarei ir se
me não abençoares" (Gn 32.26).
- A história da mãe cananéia ...(Mt.15:22)
- A história da cura de dois cegos de Jericó ...(Mt.20:29)
Todos estes momentos têm o propósito de nos ensinar a mesma lição ...
Todas demonstram que Jesusaprecia muito ser solicitado e gosta de ser incomodado.
Devemos agir de acordo com esse princípio quando oramos.

 !+,
Tudo isso está acontecendo sem que percebam diante de quem estão.
- A descrença quanto a tudo que já conheciam sobre Jesus, tornara aqueles homens
incapazes de perceber que Jesus estava o tempo todo com eles.
Jesus já lhes havia dito tudo que estava por vir ± ouviram, mas não creram, por isso, não
cogitaram que Aquele que com eles andava era Jesus.
Somente quando Jesus os serviu a mesa é que [    #) 
  (31).
Depois então, Jesus [      
Este encontro termina com um questionamento entre eles:
[     # 
    
  * (32)
Nossa tendência é romantizar este momento ± mas pense comigo?
- Quantas vezes já sentimos ³esse calor no peito´ enquanto ouvimos a Palavra de Deus,
e assim que a mensagem acabou, tudo ficou por isso mesmo.
- Olhe o nível da incredulidade: Jesus precisou servi-los á mesa, como na última
ceia(porém agora com as marcas dos cravos nas mãos), depois de andarem juntos por onze
quilômetros.
Não é a toa que Jesus no vs.25: [  
   # #+ 
Depois dessa enorme ³cara de pau´, eles se levantam e foram para Jerusalém onde
testificaram aos Onze que ³é verdade´ que Jesus ressuscitou. (33 -35)
oLouvado seja nosso Senhor Jesus Cristo, que ressuscitou dentre os morto, que pelo
Seu amor e Sua paciência, tem andado conosco, apesar de nossa lentidão em crer.