Você está na página 1de 218

Ano VI - n: 68 - Macapá, AP, 14 de Abril de 2014 - 214 páginas

Signature Not Verified


Digitally signed by ENEIDA MARIA
GALEAO QUINTAS:1902
Date: 2014.04.14 14:56:56 ACT
Reason: Diário da Justiça Eletrônico
Location: Tribunal de Justiça do
Estado do Amapá

Presidente
LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS
Vice-Presidente
CARMO ANTONIO DE SOUZA
Corregedor-Geral
CONSTANTINO AUGUSTO TORK BRAHUNA
Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

SUMÁRIO:

ADMINISTRATIVO
1
TJAP ADMINISTRATIVO

L
GABINETE DA PRESIDÊNCIA 1
COMISSÃO DE LICITAÇÃO E CADASTRO 4

IA
DIRETORIA GERAL 5
DIVISÃO DE CONTRATOS 5
DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS 6

IC
JUDICIAL - 2ª INSTÂNCIA
7

OF
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
DEPARTAMENTO JUDICIÁRIO 7
TRIBUNAL PLENO 11
SECÇÃO ÚNICA 15
CÂMARA ÚNICA 19
TRIBUNAL PLENO ADMINISTRATIVO 40
O
SECRETARIA ESPECIAL DE PRECATÓRIOS 44
ÇÃ

JUDICIAL - 1ª INSTÂNCIA
44
AMAPÁ
VARA ÚNICA DE AMAPÁ 44
POSTO AVANÇADO DE PRACUÚBA 44
CA

45
CALÇOENE
VARA ÚNICA DE CALÇOENE 45
50
FERREIRA GOMES
LI

VARA ÚNICA DE FERREIRA GOMES 50


POSTO AVANÇADO DE CUTIAS 52
B

POSTO AVANÇADO DE ITAUBAL 52


52
LARANJAL DO JARI
PU

1ª VARA DE LARANJAL DO JARI 52


52
MACAPÁ
DIRETORIA DO FÓRUM - MCP 53
2ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ 84
3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ 93
4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ 95
5ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ 98
6ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ 108
2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ 113
3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR 114
4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ 115
Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

JUI INF JUV - ÁREA CÍVEL E ADMINISTRATIVA 115


1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ 115
3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ 116
4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ 119
1ª VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DE MACAPÁ 122

L
EXECUÇÃO PENAL 122
1ª VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL CENTRAL 128

IA
2ª VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL CENTRAL 131
3ª VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL CENTRAL 150
JUIZADO MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE 153
JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA 157

IC
JUIZADO ESPECIAL SUL 159
JUIZADO ESPECIAL CIVEL UNIFAP 167
JUIZADO ESPECIAL NORTE 169

OF
JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP 174
174
MAZAGÃO
VARA UNICA DE MAZAGAO 174
176
O
OIAPOQUE
1ª VARA DA COMARCA DE OIAPOQUE 176
2ª VARA DA COMARCA DE OIAPOQUE 178
ÇÃ

180
PORTO GRANDE
VARA ÚNICA DE PORTO GRANDE 180
181
CA

SANTANA
DIRETORIA DO FÓRUM - STN 181
3ª VARA CÍVEL DE SANTANA 185
1ª VARA CRIMINAL DE SANTANA 187
2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA 188
LI

JUIZADO ESPECIAL CIVEL E CRIMINAL 190


JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN 202
202
B

SERRA DO NAVIO
VARA ÚNICA DE SERRA DO NAVIO 202
PU

202
TARTARUGALZINHO
VARA ÚNICA DE TARTARUGALZINHO 202
203
VITÓRIA DO JARI
VARA ÚNICA DE VITÓRIA DO JARI 203

EDITAIS E LEILÕES
204
LARANJAL DO JARI
1ª VARA DE LARANJAL DO JARI 204
204
MACAPÁ
Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ 204


1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ 206
3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ 207
4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ 207
EXECUÇÃO PENAL 208

L
VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS 209
210
OIAPOQUE

IA
1ª VARA DA COMARCA DE OIAPOQUE 210
213
PORTO GRANDE

IC
VARA ÚNICA DE PORTO GRANDE 213
214
SANTANA

OF
3ª VARA CÍVEL DE SANTANA O 214
ÇÃ
CA
B LI
PU
Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

ADMINISTRATIVO

TJAP ADMINISTRATIVO

GABINETE DA PRESIDÊNCIA

L
RESOLUÇÃO Nº 0870/2014-TJAP

IA
Altera o artigo 485 do Regimento Interno do Tribunal para disciplinar as remoções dos juízes de 1º Grau.

O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das
atribuições que são conferidas pelo artigo 26, incisos XLI e XLII, do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá
(Resolução n.º 006/2003-TJAP);

IC
CONSIDERANDO a necessidade de nova disciplina para as remoções dos juízes de 1º Grau;

CONSIDERANDO finalmente o que restou decidido na 628ª (Sexcentésima Vigésima Oitava) Sessão Ordinária do Pleno

OF
Administrativo, de 09/04/2014, nos autos do Processo nº 001891/2014-SG,

R E S O L V E:

Art. 1º. O artigo 485 do Regimento Interno do Tribunal [Resolução nº 006/2003], passa a viger com a seguinte redação:

"Art. 485. Os Juízes de Direito serão promovidos:


O
I - de Juiz de Direito Substituto para Juiz de Direito de Entrância Inicial;

II - de Juiz de Direito de Entrância Inicial para Juiz de Direito de Entrância Final.


ÇÃ

§ 1º. As promoções serão precedidas de oportunidade para remoções, a pedido, na entrância da vaga a prover, pelos critérios
alternados de antiguidade e merecimento, na forma da legislação de regência.

§ 2º. Os juízes interessados poderão indicar outras Unidades Judiciárias de suas preferências, em ordem de prioridade, para a hipótese
de vagas decorrentes de outras remoções que vierem a ser realizadas simultaneamente.
CA

§ 3º. Em caso de remoções simultâneas e sucessivas, o critério indicado no edital será comum a todas elas."

Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação no Diário da Justiça Eletrônico.

Macapá, 11 de abril de 2014.


LI

Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS


Presidente do TJAP
B

PORTARIA N.º 40860/2014-GP


PU

O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das
atribuições que lhe confere o artigo 26, Inciso IX, do Regimento Interno, e tendo em vista o contido no P.A.N.º 003657/2014 - SG,

RESOLVE:

ALTERAR parcialmente a PORTARIA nº 40835/2014-GP, de 08/04/2014, publicada no DJE nº 64/2014, com data da divulgação em
08/04/2014, nos seguintes termos:

Onde se lê: ... "no Elemento de Despesa 3390.30 - Material de Consumo, o valor de R$ 2.268,00 (Dois mil duzentos e sessenta e oito
reais)."

Leia-se: ... "no Elemento de Despesa 3390.30 - Material de Consumo, o valor de R$ 900,00 (novecentos reais) e no Elemento de
Despesa 3390.36 - Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física, o valor de R$ 100,00 (cem reais)."

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 1


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Publique-se.
Dê-se ciência.
Cumpra-se.

Macapá, 9 de abril de 2014.

L
Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS
Presidente

IA
IC
PORTARIA Nº 40889/2014-GP.

O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das
atribuições que lhe confere o artigo 26, inciso IX, do Regimento Interno, e tendo em vista o contido no Protocolo N.º 003118/2014,

OF
RESOLVE:

AUTORIZAR os servidores TIAGO WANZELER PINTO e FRANCIELTON ARAÚJO AMADOR, Técnicos Judiciários, lotados no
Departamento de Informática e Telecomunicações, a conduzirem a serviço e em horário de expediente, o veículo da marca FIAT,
modelo DOBLÔ, para realização de suporte e manutenção na área de informática nas unidades do Poder Judiciário do Amapá,
conforme Memorando nº 033/2014-DEINTEL, de 26/03/2014 à fls. 03, nos termos da Instrução nº 174/2014-SELEG/DEGESP/TJAP
(FLS)11).
O
Publique-se.
Dê-se ciência.
ÇÃ

Cumpra-se.

Macapá, em 11 de abril de 2014.

Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS


CA

Presidente

ORDEM DE SERVIÇO N º 032/2014-GP/TJAP

Dispõe sobre os critérios e procedimentos para a emissão e recebimento de atestados de capacidade técnica no âmbito do Tribunal de
Justiça do Estado do Amapá.
LI

O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das
atribuições que lhe são conferidas pelo art. 26, inciso XXII, da Resolução nº 006/2003-TJAP (Regimento Interno do Tribunal de Justiça
do Amapá),
B

Considerando as disposições previstas para as Metas Nacionais do Poder Judiciário, no exercício de 2013, expedidas pelo Conselho
Nacional de Justiça;
PU

Considerando o requisito da Meta 17 de que o Tribunal deve fixar parâmetros de exigência para emissão e recebimento dos atestados
de capacidade técnica,

RESOLVE:

Art. 1º A emissão e o recebimento de atestados de capacidade técnica, no âmbito deste Tribunal, observarão os critérios e os
procedimentos estabelecidos nesta Ordem de Serviço.

Art. 2º O atestado deverá ser solicitado à Diretoria Geral por meio de requerimento formal, do qual deve constar a razão social da
contratada, o número da inscrição no CNPJ, o objeto contratado e o número do contrato se houver.

Art. 3º O processo será encaminhado ao titular do Departamento de Contratos e Convênios, que se responsabilizará pela emissão do
atestado de capacidade técnica, conforme informações prestadas pelo fiscal do contrato, devendo ser assinado pela Direção do referido
Departamento e pelo fiscal do contrato.

Art. 4º O atestado de capacidade técnica emitido pelo Tribunal deverá contemplar as seguintes informações:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 2


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

a) número do processo administrativo que deu origem à contratação;

b) modalidade de licitação ou fundamento da dispensa/inexigibilidade de licitação;

c) número do instrumento do contrato e/ou protocolo do pedido de compra/serviço;

d) identificação do contratado, acompanhada do número de inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou no Cadastro
de Pessoas Físicas (CPF), conforme o caso;

L
e) objeto do contrato e/ou pedido de compra/serviço;

IA
f) prazo contratual;

g) valor do contrato;

IC
h)atuação do contratado durante a execução do contrato, declarando se a prestação foi satisfatória ou inadequada, com o registro da
ocorrência de eventual cláusula contratual descumprida e/ou de aplicação de penalidades.

Art. 5º Os atestados somente serão emitidos após a necessária manifestação das respectivas áreas técnicas responsáveis pelo

OF
recebimento e/ou acompanhamento da execução do contrato e/ou pedido de compra.

§ 1º A emissão observará o modelo padrão, em 2 (duas) vias, de maneira que as informações específicas necessárias ao fornecedor e
mencionadas em seu pleito, somente serão objeto do documento se pertinentes e adequados à execução do contrato e/ou pedido de
compra que se pretende atestar.

§ 2º Caso a expedição ocorra antes do término da execução do contrato, somente serão certificadas as parcelas já realizadas e
avaliadas.
O
§ 3º Só serão expedidos atestados para empresas que tenham executado pelo menos 50% (cinquenta por cento) do quantitativo total
do respectivo contrato;
ÇÃ

§ 4º Para obras de construção civil e para serviços de engenharia, os atestados só serão emitidos após a conclusão e entrega definitiva
do objeto da contratação.

Art. 6º O Departamento de Contratos e Convênios expedirá o atestado no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis, a contar da data de
recebimento do pedido naquela unidade.
CA

Art. 7º Após a emissão do Atestado, o fornecedor requerente será comunicado para que providencie sua retirada junto ao
Departamento.

Parágrafo único. No ato de entrega, o emissor juntará ao processo principal de contratação uma das vias do atestado, com atesto de
recebimento pelo fornecedor.
LI

Art. 8º O Atestado recebido por este Tribunal deve comprovar a prestação dos serviços ou entrega de material semelhante em
características e quantidades de no mínimo 50% (cinquenta por cento) do quantitativo relacionado ao objeto da licitação;

Art. 9º A empresa deve disponibilizar todas as informações necessárias à comprovação da legitimidade dos atestados entregues,
B

apresentando, quando solicitado, dentre outros documentos, cópia do contrato e dos documentos do responsável técnico pela
execução do contrato, com registro no Conselho de Classe, conforme o caso.

Art. 10. Somente serão aceitos atestados expedidos após a conclusão do contrato ou que comprovem a execução de pelo menos 50%
PU

(cinquenta por cento) do contrato.

Parágrafo Único. Nas contratações relativas a Obras de construção civil e serviços de engenharia, só serão aceitos atestados emitidos
após a conclusão e entrega definitiva do objeto contratado.

Art. 11. Nas contratações deste Tribunal, os Atestados de Capacidade Técnica recebidos deverão conter, no mínimo, as informações
previstas nas alíneas do art. 4º desta Ordem.

§1º. As disposições deste artigo não se aplicam nas contratações de obras de construção civil e serviços de engenharia, quando o
atestado vier acompanhado da respectiva Certidão de Acervo Técnico - CAT, emitida pelo CREA de qualquer jurisdição.

§2º. Nas licitações para contratações de pequeno vulto, quando o valor estimado da licitação não ultrapassar a R$ 150.000,00 (cento e
cinquenta mil reais), as disposições deste artigo poderão ser dispensadas no todo ou em parte pela Comissão de Licitação e Cadastro.

§3º. Relativamente aos atestados emitidos por instituições privadas, as disposições deste artigo serão aplicadas apenas no que couber,
dispensando-se, entre outras, as informações referentes a processo administrativo, modalidade de licitação, número de contrato e etc.

Art. 12. Os casos omissos serão regulados por despacho fundamentado do Diretor Geral.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 3


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Art. 13. Esta Ordem de Serviço entrará em vigor na data de sua publicação.

Art. 14. Revogam-se as disposições em contrário, em especial a ORDEM DE SERVIÇO Nº 027/2013-GP/TJAP.

Publique-se.
Registre-se.
Dê-se ciência e cumpra-se.

L
Macapá-AP, 11 de abril de 2014.

IA
Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS
Presidente

IC
COMISSÃO DE LICITAÇÃO E CADASTRO
EXTRATO DA JUSTIFICATIVA Nº 069/2014-CLC/TJAP
PROCESSO ADMINISTRATIVO: Nº 001533/2014-SG. OBJETO: DESPESA COM FORNECIMENTO DE COMBUSTÍVEL PARA OS
VEÍCULOS DA COMARCA DE VITÓRIA DO JARI, NO MÊS DE JANEIRO DE 2014. JUSTIFICATIVA: pagamento dos valores devido a

OF
título de indenização a Empresa J. HAROLDO SOARES – ME. RATIFICAÇÃO: 14/04/2014 Des. Luiz Carlos Gomes dos Santos -
Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Art. 60, Parágrafo Único, c/c Art. 59, Parágrafo
Único, da Lei nº 8.666/93, com redação da Lei nº 9.648/98. ADJUDICATÁRIA: J. HAROLDO SOARES – ME. VALOR TOTAL:
R$823,65 (oitocentos e vinte e três reais e sessenta e cinco centavos)
Macapá-AP, 14 de abril de 2014.
GLÁUCIO MACIEL BEZERRA
Presidente da CLC/TJAP
O
EXTRATO DA JUSTIFICATIVA Nº 070/2014-CLC/TJAP
PROCESSO ADMINISTRATIVO: Nº 002489/2014-SG. OBJETO: SERVIÇOS DE EXAME DE DETERMINAÇÃO DE
PATERNIDADE/MATERNIDADE ATRAVÉS DE DNA, NOS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO DE 2014. JUSTIFICATIVA:
Pagamento dos valores devido a título de indenização a Empresa BIOGENETICS TECNOLOGIA MOLECULAR LTDA.
ÇÃ

RATIFICAÇÃO: 14/04/2014 Des. Luiz Carlos Gomes dos Santos - Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá.
FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Art. 60, Parágrafo Único, c/c Art. 59, Parágrafo Único, da Lei nº 8.666/93, com redação da Lei nº
9.648/98. ADJUDICATÁRIA: BIOGENETICS TECNOLOGIA MOLECULAR LTDA. VALOR TOTAL: R$6.300,88 (seis mil trezentos
reais e oitenta e oito centavos).
Macapá-AP, 14 de abril de 2014
GLÁUCIO MACIEL BEZERRA
CA

Presidente da CLC/TJAP

AVISO DE ADIAMENTO DE LICITAÇÃO


PREGÃO – ELETRÔNICO Nº 005/2014-TJAP - PA Nº 011587/2013
A Presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, e este Pregoeiro, designado através da Portaria nº 39696/2013-GAB/PRES,
LI

levam ao conhecimento dos interessados que, na forma da Lei n° 10.520, de 17 de julho de 2002, Decreto Federal nº 7.892, de 23 de
janeiro de 2013, Resolução nº 048/2005 e Decreto Estadual nº 2.648, de 18 de junho de 2007, com aplicação subsidiária da Lei Federal
nº 8.666/93 e suas alterações posteriores informa que a licitação que aconteceria no dia 30 de abril de 2014, às 10 horas, na
modalidade Pregão Eletrônico do tipo menor preço, que tem por objeto registro de preços para eventual aquisição de material
B

permanente (microcomputador, impressora, scanner de mesa, No Break entre outros) destinados a atualização do parque
computacional de informática para o exercício de 2014, conforme especificações e quantitativos do Anexo I deste edital, foi ADIADA
abertura para o dia 09/05/2014, às 10 horas, em razão de acolhimento da impugnação do edital. OBTENÇÃO DO EDITAL: no
PU

endereço eletrônico: http://www.licitacoes-e.com.br. INFORMAÇÕES pelo telefone (0xx96) 3312 -3338, das 07:30h às 13:30h e das
15:30 h às 17:30h.
Macapá-AP, 14 de abril de 2014.
ANTERO DA GAMA MACHADO

Pregoeiro

EXTRATO DA JUSTIFICATIVA Nº 071/2014-CLC/TJAP


PROCESSO ADMINISTRATIVO: Nº 003257/2014-SG. OBJETO: FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES PARA O TRIBUNAL DO JÚRI DA
COMARCA DE LARANJAL DO JARI NOS MESES DE FEVEREIRO E MARÇO DE 2014. JUSTIFICATIVA: pagamento dos valores
devido a título de indenização a Empresa MARVULLE & MARVULLE COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA. RATIFICAÇÃO: 14/04/2014
Des. Luiz Carlos Gomes dos Santos - Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Art. 60,
Parágrafo Único, c/c Art. 59, Parágrafo Único, da Lei nº 8.666/93, com redação da Lei nº 9.648/98. ADJUDICATÁRIA: MARVULLE &
MARVULLE COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME. VALOR TOTAL: R$3.100,00 (três mil e cem reais).
Macapá-AP, 14 de abril de 2014
GLÁUCIO MACIEL BEZERRA
Presidente da CLC/TJAP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 4


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

DIRETORIA GERAL
Processo Administrativo nº 009756/2013
Assunto: Homologação de licitação deserta/Autorização para Contratação Direta - Pregão Presencial nº 012/2014 - Registro de
Preços para aquisição de divisórias e ferragens.

L
DECISÃO

IA
HOMOLOGO a licitação do tipo Pregão Presencial nº 012/2014, que tem como objeto "o registro de preços para eventual aquisição de
divisórias e ferragens", tendo cumprido todos os requisitos e pressupostos legais, declarada DESERTA.
O presente certame é repetição do Pregão Presencial nº 026/2013, que restou deserto. A aquisição de divisórias e ferragens é
necessária para atender as solicitações das diversas unidades administrativas e jurisdicionais deste Tribunal de Justiça e proceder a

IC
uma nova repetição do certame licitatório causaria prejuízos para a Administração Pública.
Diante do exposto, AUTORIZO os procedimentos com vistas a Contratação Direta de Empresa para o fornecimento do material ora
licitado, com fulcro no art. 24, V da Lei Federal 8.666/93.
Cumpra-se.
Macapá/AP, 11 de abril de 2014.

OF
Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS
Presidente

DIVISÃO DE CONTRATOS
O
EXTRATO DA CARTA CONTRATO Nº 003/2014-TJAP
ÇÃ

I - INSTRUMENTO PRINCIPAL:
CARTA CONTRATO Nº 003/2014-TJAP
II - PARTES DA AÇÃO CONTRATUAL:
CONTRATANTE: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ
CONTRATADA: MONTE & FILHOS LTDA
III - OBJETO:
Aquisição de combustíveis e lubrificantes automotivos para Comarca de Santana e Juizado Itinerante Fluvial, Estado do Amapá.
CA

IV - DA VIGÊNCIA:
O presente Contrato terá a duração a partir da data da sua assinatura até 31 de dezembro de 2014, com validade e eficácia legal
após a publicação do seu extrato no Diário da Justiça Eletrônico - DJE, adstrita à vigência dos respectivos créditos orçamentários, ou
até atingir o limite estipulado no Anexo I deste Instrumento, prevalecendo a data do fato que primeiro ocorrer.
V - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E VALOR:
Para custear as despesas com o fornecimento dos combustíveis e lubrificantes objeto deste Instrumento, fica empenhada à conta do
LI

Orçamento do TJAP, para o exercício de 2014, a importância de R$ 76.455,00 (setenta e seis mil, quatrocentos e cinquenta e cinco
reais), na Atividade sob o código 02.061.0172.2633 - Fundo de Manutenção e Reaparelhamento da Justiça, Natureza de Despesa
3390.30 - Material de Consumo, conforme Nota de Empenho nº 345, de 25/03/2014.
VI - FUNDAMENTO LEGAL:
B

Processo Administrativo nº 12.086/2013-SG; Pregão Presencial nº 007/2014-CPL/TJAP; Lei nº 8.666/93 e alterações; Proposta da
Empresa de 20/02/2014.

Macapá-AP, 25 de março de 2014


PU

Desembargador CARMO ANTONIO DE SOUZA


- Vice-Presidente do TJAP -

EXTRATO DE CONTRATO PÚBLICO

I - INSTRUMENTO PRINCIPAL:
CONTRATO Nº 009/2014-TJAP
II - PARTES DA AÇÃO CONTRATUAL:
CONTRATANTE: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ
CONTRATADO: JACOB RODRIGUES DE MORAIS FILHO
III - OBJETO:
O presente Contrato tem por objeto a PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONDUÇÃO DE VEÍCULO NÁUTICO MOTORIZADO PARA
ATENDER A COMARCA INTERIORANA DE MAZAGÃO/TJAP, segundo as especificações constantes do Termo de Referência,
Anexo II do Pregão Presencial nº 002/2014.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 5


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

IV - VIGÊNCIA:
O Contrato terá vigência pelo período de 12 (doze) meses, com início a partir de 1º de maio de 2014, com validade e eficácia legal
após a publicação do seu extrato no Diário da Justiça Eletrônico-DJE, podendo ser prorrogado por iguais e sucessivos períodos até o
limite de 60 (sessenta) meses, desde que os preços e condições se mantenham vantajosas para a Administração, nos termos da Lei nº
8.666/93 e suas alterações.
V - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA:
Os recursos para custear o presente Instrumento correrão à conta do orçamento próprio do CONTRATANTE, no valor global de R$
23.040,00 (vinte e três mil e quarenta reais), a ser empenhado no Orçamento do CONTRATANTE, na forma abaixo:

L
No exercício de 2014:
a) R$ 12.800,00 (doze mil e oitocentos reais) para o CONTRATADO, pela efetiva prestação dos serviços, sob o Código Atividade nº

IA
02.061.1001.2460 - Manutenção de Serviços Administrativos, Elemento de Despesa 3390.36 - Serviços de Terceiros - Pessoa Física,
conforme Nota de Empenho nº 346, de 26/03/2014;
b) R$ 2.560,00 (dois mil, quinhentos e sessenta reais) ao INSS, por imperativo da norma legal, insculpida no artigo 22, inciso III, da
Lei Federal 8.212, de 24/06/1991, com redação da Lei Federal nº 9.876, de 26/11/1999, Natureza de Despesa 3390.47 - Obrigações
Tributárias e Contributivas, conforme Nota de Empenho nº 17, de 20/01/2014;

IC
No exercício de 2015:
a) R$ 6.400,00 (seis mil e quatrocentos reais) para o CONTRATADO, pela efetiva prestação dos serviços, após a publicação da Lei
Orçamentária Anual-LOA/2015, conforme Cronograma de Desembolso Financeiro.
b) R$ 1.280,00 (um mil duzentos e oitenta reais) ao INSS, por imperativo da norma legal, insculpida no artigo 22, inciso III, da Lei

OF
Federal 8.212, de 24/06/1991, com redação da Lei Federal nº 9.876, de 26/11/1999, após a publicação da Lei Orçamentária Anual-
LOA/2015, conforme Cronograma de Desembolso Financeiro.
VI - FUNDAMENTO LEGAL:
Lei Complementar 101, de 04 de maio de 2000; Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964; Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e
alterações posteriores; Instrução Normativa IN/INSS/DC nº 100, de 18 de dezembro de 2003, do Instituto Nacional de Seguridade
Social; Pregão Presencial nº 0002/2014-CLC/TJAP; Processo Administrativo nº 9824/2013-SG.
Macapá-AP, 14 de abril de 2014
O
Desembargado LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS
Presidente
ÇÃ

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS

PORTARIA N.º 40909/2014-GP


CA

O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das
atribuições que lhe confere o artigo 26, Inciso XXII, do Regimento Interno, e tendo em vista o contido no Protocolo N.º 004186/2014,
LI

RESOLVE:
B

PRORROGAR, a pedido, até 9/5/2014, o prazo para a posse da candidata VERANILDA TENÓRIO CERQUEIRA, aprovada em 180º
lugar para o cargo de TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA, no Concurso Público objeto do Edital nº 001/2009 das Comarcas de
Macapá e Santana, nomeada por meio da Portaria nº 40492/2014-GP, publicada no DJE nº 48/2014, de 14/3/2014, nos termos do Art.
PU

29 da Lei nº 066/93.

Publique-se.
Dê-se ciência.
Cumpra-se.

Macapá, 11 de abril de 2014.

Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS


Presidente

PORTARIA N.º 40910/2014-GP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 6


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das
atribuições que lhe confere o artigo 26, Inciso , do Regimento Interno, e tendo em vista o contido no P.A.N.º 004020/2014 - GP,

RESOLVE:

L
IA
PRORROGAR, a pedido, até 9/5/2014, o prazo para a posse do candidato NALDTON MARVERSON MENESES CRUZ DE CASTRO
LIMA, aprovado em 137º lugar para o cargo de ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA, no Concurso Público objeto do Edital nº
001/2009 das Comarcas de Macapá e Santana, nomeado por meio da Portaria nº 40593/2014-GP, publicada no DJE nº 48/2014, de
14/3/2014, nos termos do Art. 29 da Lei nº 066/93.

IC
Publique-se.
Dê-se ciência.

OF
Cumpra-se.

Macapá, 11 de abril de 2014.

Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS


Presidente
O
JUDICIAL - 2ª INSTÂNCIA
ÇÃ

TRIBUNAL DE JUSTIÇA
CA

DEPARTAMENTO JUDICIÁRIO

Ao(s) 10 dias do mês de abril do ano de 2014, realizou-se a Distribuição e/ou Redistribuição dos Processos abaixo relacionados,
conforme normas do Regimento Interno.
DISTRIBUIÇÃO
LI

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0000727-08.2013.8.03.0013
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
B

Origem: VARA ÚNICA DE PEDRA BRANCA DO AMAPARI

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


PU

Apelante: MUNICÍPIO DE PEDRA BRANCA DO AMAPARI


Advogado(a): ALEXANDRE BATTAGLIN ALMEIDA - 211451SP
Apelado: JANETE DA SILVA PINTO
Advogado(a): VANESSA MONTEIRO MALCHER - 1159AP
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

DISTRIBUIÇÃO

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0010332-14.2013.8.03.0001
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
Origem: 1ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: ANDRE ROCHA - 1660BAP
Apelado: JUSSARA DOS ANJOS SARGES

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 7


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): JACYARA DOS ANJOS SARGES - 16743PA


Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI

DISTRIBUIÇÃO

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0001471-39.2013.8.03.0001

L
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
Origem: CÂMARA ÚNICA

IA
RECURSO EM SENTIDO ESTRITO Tipo: CRIMINAL
Recorrente: EDINEI DE JESUS FEIO RODRIGUES
Advogado(a): ANTONIO AUGUSTO COSTA SOARES - 1612AP
Recorrido: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

IC
Interessado: JOSÉLIA S. BARBOSA DA SILVA
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO

DISTRIBUIÇÃO

OF
CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0003283-19.2013.8.03.0001
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
Origem: CÂMARA ÚNICA

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO(RSE) Tipo: CRIMINAL


O
Recorrente: JEFFERSON RODRIGUES DE SOUZA
Defensor(a): PAULO JOSÉ DA SILVA RAMOS - 101AP
Recorrido: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
ÇÃ

Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI

DISTRIBUIÇÃO

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0032380-35.2011.8.03.0001
CA

Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA


Origem: CÂMARA ÚNICA

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: JOAO PEDRO MENDES CANUTO
Defensor(a): PAULO JOSÉ DA SILVA RAMOS - 101AP
LI

Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


Relator: Desembargadora STELLA SIMONNE RAMOS

DISTRIBUIÇÃO
B

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0037550-85.2011.8.03.0001
PU

Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA


Origem: CÂMARA ÚNICA

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: FRANCISCO JOCÉLIO SAMPAIO PEREIRA
Advogado(a): ALEXANDRE DUARTE DE LIMA - 1377AAP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador CARLOS TORK

PEDRO CORREIA DA SILVA JUNIOR


DISTRIBUIDOR(A)

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 8


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Desembargador LUIZ CARLOS


Presidente

Ao(s) 11 dias do mês de abril do ano de 2014, realizou-se a Distribuição e/ou Redistribuição dos Processos abaixo relacionados,
conforme normas do Regimento Interno.
DISTRIBUIÇÃO

L
CÂMARA ÚNICA

IA
Nº do processo: 0000518-03.2012.8.03.0004
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

REMESSA EX-OFICIO(REO) Tipo: CÍVEL

IC
Parte Autora: IRACILDA FERREIRA DOS SANTOS
Advogado(a): CLEIDE ROCHA DA COSTA - 434AP
Parte Ré: MUNICIPIO DE AMAPA
Advogado(a): MARCUS BATISTA BARROS - 1744AP

OF
Representante Legal: CARLOS CEZAR DA SILVA
Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI

DISTRIBUIÇÃO

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0034625-82.2012.8.03.0001
O
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
Origem: 6ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ
ÇÃ

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: FABIO RODRIGUES DE CARVALHO - 1546BAP
Apelado: MUNICÍPIO DE MACAPÁ
Advogado(a): ADIEL DE SOUSA DINIZ - 680AAP
Relator: Desembargador RAIMUNDO VALES
CA

DISTRIBUIÇÃO

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0000858-16.2013.8.03.0002
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
LI

Origem: 1ª VARA CRIMINAL DE SANTANA

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: NOBERTO MORAES MACIEL
B

Advogado(a): WILIANE DA SILVA FAVACHO - 1620AP


Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO
PU

DISTRIBUIÇÃO

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0001948-59.2013.8.03.0002
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
Origem: CÂMARA ÚNICA

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Apelado: SAMUEL LOBATO PAES
Advogado(a): ROGERIO BAIA DE SOUSA - 1547AP
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO

DISTRIBUIÇÃO

SECÇÃO ÚNICA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 9


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0000404-08.2014.8.03.0000
REVISÃO CRIMINAL CRIMINAL
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA

Parte Autora: RAIMUNDO NELI BRITO DA COSTA


Advogado(a): LUCI MEIRE SILVA DO NASCIMENTO MIRANDA - 102AP
Parte Ré: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

L
DISTRIBUIÇÃO

IA
TRIBUNAL PLENO

Nº do processo: 0000403-23.2014.8.03.0000
MANDADO DE SEGURANÇA CÍVEL

IC
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA

Impetrante: LK EMPREENDIMENTOS LTDA - ME


Advogado(a): ADAMOR DE SOUSA OLIVEIRA - 59AP

OF
Impetrado: SECRETARIO DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DO ESTADO DO AMAPÁ
Interessado: ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO

DISTRIBUIÇÃO

TRIBUNAL PLENO
O
Nº do processo: 0018999-52.2014.8.03.0001
MANDADO DE SEGURANÇA CÍVEL
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA
ÇÃ

Impetrante: ROBSON DOS SANTOS SANTOS


Advogado(a): VERA DE JESUS PINHEIRO - 65AP
Impetrado: SECRETÁRIO DE SAUDE DO ESTADO DO AMAPA
Interessado: ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO
CA

DISTRIBUIÇÃO

SECRETARIA ESPECIAL DE PRECATÓRIOS

Nº do processo: 0000401-53.2014.8.03.0000
PRECATORIO(PREC) CÍVEL
LI

Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO DIRECIONADA

Credor: MARILEIDE RODRIGUES CAMELO


Advogado(a): DILERMANDO BATISTA SIROTHEAU - 746AP
B

Devedor: MUNICÍPIO DE MACAPÁ


Advogado(a): JOÃO DE LIMA GUERREIRO SOUZA - 390AP

DISTRIBUIÇÃO
PU

SECRETARIA ESPECIAL DE PRECATÓRIOS

Nº do processo: 0000402-38.2014.8.03.0000
PRECATORIO(PREC) CÍVEL
Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO DIRECIONADA

Credor: ALDENISE MONTEIRO VIEGAS


Advogado(a): ADIEL DE SOUSA DINIZ - 680AAP
Devedor: INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): ALEXANDRE VILLACORTA PAUXIS - 1730AP

REDISTRIBUIÇÃO

TRIBUNAL PLENO

MANDADO DE SEGURANÇA CÍVEL


Tipo Distribuição : DISTRIBUIÇÃO ALEATÓRIA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 10


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Impetrante: ROBSON DOS SANTOS SANTOS


Advogado(a): VERA DE JESUS PINHEIRO - 65AP
Impetrado: SECRETÁRIO DE SAUDE DO ESTADO DO AMAPA
Interessado: ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

L
IA
PEDRO CORREIA DA SILVA JUNIOR
DISTRIBUIDOR(A)

IC
Desembargador LUIZ CARLOS
Presidente

OF
TRIBUNAL PLENO

Nº do processo: 0000132-14.2014.8.03.0000
MANDADO DE SEGURANÇA CÍVEL

Impetrante: ANTONIO SOARES DE ARAUJO


Advogado(a): ANDRE COELHO MIRANDA - 2400AP
O
Impetrado: SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO AMAPÁ
Litisconsorte passivo: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: JIMMY NEGRAO MACIEL - 1590AP
Relator: Desembargador CONSTANTINO BRAHUNA
ÇÃ

Acórdão:
CONSTITUCIONAL - ADMINISTRATIVO - MANDADO DE SEGURANÇA - GRATIFICAÇÃO POR APERFEIÇOAMENTO - MÉDICO
ESPECIALISTA - TITULAÇÃO COMPROVADA - CONDIÇÃO RESTRITIVA NÃO PREVISTA EM LEI - DIREITO LÍQUIDO E CERTO
CONFIGURADO - SEGURANÇA CONCEDIDA. 1) Nos termos da Lei Estadual nº 1.059/2006 (art. 23, II, c/c § 1º, b), é devida, aos
integrantes da carreira de profissionais de saúde do Estado do Amapá, no percentual de 30% do vencimento básico do padrão em que
estiver enquadrado o servidor, gratificação por aperfeiçoamento em razão da comprovação de cursos de capacitação e/ou titulação com
CA

conteúdo programático e áreas compatíveis com a função exercida pelo profissional, por titulação nos graus de doutor ou especialista
em regime de residência médica com carga horária igual ou superior a 4.000 horas; 2) não tendo a lei estabelecido condição restritiva
de natureza alguma à percepção dessa gratificação senão o preenchimento dos requisitos ali previstos, o que logrou o impetrante
comprovar, não há como deixar de assegurar-lhe direito ao recebimento da referida gratificação; 3) mandado de segurança conhecido à
unanimidade e, pelo mesmo quorum, concedido, nos termos do voto do relator.

ACÓRDÃO
LI

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, o Tribunal Pleno do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, à unanimidade,
conheceu do mandado de segurança, rejeitou a preliminar suscitada e, no mérito, pelo mesmo quorum, concedeu a ordem, nos termos
do voto proferido pelo Relator.
Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Desembargador CONSTANTINO BRAHUNA (Relator), Desembargadora
B

SUELI PINI (1ª Vogal), Desembargadora CARLOS TORK (2º Vogal), Juiz Convocado EDUARDO CONTRERAS (3º Vogal),
Desembargador GILBERTO PINHEIRO (4º Vogal), Desembargador CARMO ANTÔNIO (5º Vogal), RAIMUNDO VALES (6º Vogal),
Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO (7º Vogal) e o Desembargador LUIZ CARLOS (Presidente).
PU

Macapá-AP, 09 de abril de 2014.

Nº do processo: 0018999-52.2014.8.03.0001
MANDADO DE SEGURANÇA CÍVEL

Impetrante: ROBSON DOS SANTOS SANTOS


Advogado(a): VERA DE JESUS PINHEIRO - 65AP
Impetrado: SECRETÁRIO DE SAUDE DO ESTADO DO AMAPA
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO
Decisão: ROBSON DOS SANTOS SANTOS, menor, representado por seu genitor Geremias Balieiro dos Santos e por intermédio de
advogada habilitada, impetrou mandado de segurança, com expresso pedido liminar, contra ato supostamente ilegal emanado do
SECRETÁRIO DE SAÚDE DO ESTADO DO AMAPÁ.

Afirmou-se na inicial que o menor ROBSON DOS SANTOS SANTOS, acometido de grave infecção respiratória e urinária causada por
tumor cerebral, já em estado de coma e necessitando de ventilação mecânica, foi transferido ao Hospital São José do Avaí, em
Itaperuna, Rio de Janeiro, em janeiro deste ano, local onde foi submetido a cirurgia de exerese tumoral e a cuidados pós-operatórios.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 11


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

No entanto, o impetrante já recebeu alta há mais de 20 (vinte) dias e foi liberado, mesmo em estado grave, para voltar ao Estado do
Amapá para que a continuidade de seu tratamento se dê no Centro de Terapia Intensiva do hospital local, posto que seu leito já está
para ser ocupado por outro paciente em estado grave e ele precisa ser transferido para Macapá.

Ocorre que o impetrante teve seu pedido negado pela autoridade impetrada, sob a alegação de que não há leito disponível na rede
pública local, e mesmo passados mais de 20 (vinte) dias do contato inicial, até a presente data o leito não foi disponibilizado.

Assim, após fazer invocações às garantias constitucionais acerca do direito à saúde, bem como à Lei nº 8.080/1990, que dispõe sobre

L
as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes,
sustentou a presença do fumus boni iuris e do periculum in mora e requereu a concessão da liminar, inaudita altera pars, para que seja

IA
determinado à autoridade impetrada que forneça imediatamente o leito em CTI necessário ao tratamento do impetrante, seja na rede
pública, seja na rede privada. No mérito, pleiteou a confirmação da liminar com a concessão da ordem em definitivo.

Instruiu a inicial com cópia dos seguintes documentos: a) procuração; b) documentos de identificação pessoal do impetrante e seu
representante; c) laudos e receituários médicos; e d) comprovante de recolhimento do preparo (fls. 13/25).

IC
Impetrado o feito perante o Juízo singular de 1º grau, este, em decisão à fl. 24, deu-se por incompetente em razão da competência
originária desta Corte para processamento e julgamento de mandado de segurança contra ato de Secretário de Estado, nos termos do
art. 133, II, c, da Constituição do Estado do Amapá.

OF
É o relatório.

Decido quanto ao pedido liminar.

Segundo a Constituição Federal de 1988, a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e
econômicas que visem à redução do risco de doença e o acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção,
proteção e recuperação (art. 196).
O
Desta feita, cabe ao poder público adotar as medidas tendentes a viabilizar tal direito, fornecendo às pessoas carentes de recursos os
procedimentos e medicamentos indispensáveis ao tratamento de moléstias graves, como forma de prestações positivas.
ÇÃ

O Superior Tribunal de Justiça tem reconhecido aos portadores de moléstias graves, sem disponibilidade financeira, o direito de receber
gratuitamente do Estado o tratamento médico necessário a enfermidade (STJ - RMS 28338/MG - Rel. Min. Eliana Calmon, Segunda
Turma, j. em 02.06.2009 - publ. DJe de 17.06.2009).

Nesse sentido, somente caberia a intervenção do Poder Judiciário, de plano, caso a situação do impetrante se revelasse grave o
suficiente ao ponto de por em risco a sua saúde ou a sua vida e, nesse momento, não houvesse alternativa senão a de obrigar o
CA

Administrador Público a tomar providências imediatamente.

No caso, verifica-se, mesmo em sede de cognição sumária, que o estado de saúde do impetrante inspira cuidados e é digno de maior
empenho dos agentes públicos locais para o atendimento de suas necessidades. Contudo, apesar de já ter ocorrido a alta no hospital
fluminense, mesmo sem condições clínicas para tanto, ele ainda está sob os cuidados de que necessita, o que, pelo menos neste
momento, salvaguarda seu delicado estado de saúde, sendo certo que os documentos de fls. 22/24 demonstram que o risco de morte
LI

na transferência do impetrante para Macapá é altíssimo.

Oportuno destacar que é notório o caos da saúde pública no Estado do Amapá, onde cotidianamente ocorrem casos graves de
flagrante desrespeito aos mais comezinhos direitos dos pacientes e da população demandante em geral.
B

Não se deve olvidar que o mínimo existencial deve ser garantido, contudo, sem descuidar da reserva do possível. Por semelhante
modo, não é crível, pelo menos nesse momento, que a vaga solicitada não tenha sido disponibilizada por ato de mera indisposição ou
negligência da autoridade impetrada, mas, sim, por não estar disponível em função da superlotação que acomete os nosocômios locais.
PU

Apesar de comprovado o delicado estado de saúde do impetrante, os autos não trouxeram elementos suficientes, pelo menos nessa
análise prelibatória, a ponto de demonstrar de plano qualquer ilegalidade praticada pela autoridade impetrada ou, pelo menos, sua
omissão em tomar medidas objetivando uma solução para a demanda do impetrante, até porque nenhum documento existe no feito
para confirmar os fatos narrados na inicial, em especial quanto à requisição de leito já ter sido formulada há mais de 20 (vinte) dias.

Assim, não verifico, por hora, a presença do fumus boni iuris alegado, bem como entendo que as informações da autoridade coatora,
sobre a possibilidade de disponibilizar ao impetrante leito de CTI na rede pública ou na rede privada conveniada, poderão trazer
ulteriores elementos para se analisar adequadamente a questão.

Destarte, INDEFIRO, nesse momento, o pedido liminar, sem deixar de ressaltar que, após a vinda das informações e,
consequentemente, de maiores subsídios aos autos, a decisão poderá ser revista.

Notifique-se imediatamente a autoridade impetrada do teor desta decisão, requisitando-lhe, no prazo legal, as informações sobre o
caso, inclusive quanto à possibilidade de disponibilização de leito de CTI na rede privada conveniada.

Dê-se ciência deste writ ao representante judicial do Estado do Amapá, enviando-lhe cópia da inicial, para que, querendo, ingresse no
feito no prazo legal.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 12


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Após, ouça-se a Procuradoria-Geral de Justiça.

Publique-se.

Intimem-se.

Cumpra-se.

L
IA
MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0001638-59.2013.8.03.0000
Impetrante: JOÃO ADEMIR COSTA SÁ
Advogada: LAINA MARQUES GAIA
Impetrado: SECRETÁRIO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DO AMAPÁ
Despacho: Autorizo ..., digo, o desarquivamento, porém, com pagamento das custas. Mcp. 07.04.14. Des. Luiz Carlos Gomes dos

IC
Santos - Presidente.

OF
Nº do processo: 0000210-08.2014.8.03.0000
MANDADO DE SEGURANÇA CÍVEL

Impetrante: PAULO FABRICIO OLIVEIRA RAMOS


Advogado(a): AULO CAYO DE LACERDA MIRA - 923AP
Impetrado: SECRETARIO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ
Interessado: ESTADO DO AMAPÁ
O
Relator: Desembargador RAIMUNDO VALES
Decisão:
LIMINAR
ÇÃ

Vistos, etc.

1. PAULO FABRÍCIO OLIVEIRA RAMOS, através de advogado, impetrou Mandado de Segurança, com expresso pedido de liminar,
contra ato atribuído ao SECRETÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ, nos termos da Lei nº 12.016/09.

2. Alegou que possui direito líquido e certo de exercício acumulado de dois cargos públicos privativos de profissionais de saúde
CA

[Odontólogo] e que a autoridade impetrada se nega em permitir o exercício de tal direito.

3. Informou que o impedimento em questão se deve apenas ao fato do cargo a ser exercido no Instituto de Administração Penitenciária
do Amapá [IAPEN] possuir nomenclatura de "Educador Social Penitenciário - Odontólogo" [de nível superior e de habilitações médicas
específicas], daí porque a Administração considera que o autor não exerceria funções de profissionais de saúde a justificar o acúmulo
de funções pretendidas.
LI

4. Sustentou que o exercício do cargo previamente denominado "Educador Social Penitenciário" que ocupará no IAPEN possui como
pré-requisito a formação específica em Odontólogo, daí que a mera nomenclatura do cargo não retira a essência da função de
profissional de saúde que lhe é peculiar, ainda mais quando suas atividades não envolvem educação de detentos.
B

5. Assegurou que o ato impugnado, portanto, contraria a Constituição Federal [art. 37, XVI, "c"], que permite acúmulo de dois cargos de
profissionais de saúde, vez que o impetrante preenche essa condição excepcional para o acúmulo de cargos em questão.
PU

6. Afirmou, no mais, que também resta preenchido o requisito da compatibilidade de horários entre os cargos que detêm, vez que, como
profissional da área de saúde, tem carga horária semanal de apenas 30 horas em cada um deles, daí a possibilidade do exercício
acumulado das funções.

7. Por tais razões, aduzindo presentes os pressupostos autorizadores, pediu a concessão de liminar que afaste o impedimento ilegal
impugnado e possibilite o exercício acumulado dos cargos públicos para os quais nomeado e empossado. Por fim, o julgamento de
procedência do mandamus, confirmando a liminar e garantindo o direito de acúmulo dos cargos em questão.

8. A inicial veio instruída com procuração judicial, documentos pessoais e diversos outros que interessam à lide, bem como
comprovante de recolhimento de custas processuais (f. 10/83).

9. Notificada, a autoridade impetrada prestou informações às fls. 85/93.

10. Estes os fatos e fundamentos jurídicos do mandamus, passo a analisar e decidir quanto ao pedido liminar.

11. Dos autos tem-se que, no concurso público para o Grupo Penitenciário objeto do Edital nº 001/2010-IAPEN, promovido pela
Secretaria de Administração do Estado do Amapá, o autor logrou aprovação para o cargo de Educador Social Penitenciário -
Odontólogo. Contudo, embora nomeado e empossado nesse cargo, foi impedidas de entrar no seu exercício, sob a justificativa de

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 13


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

haver vedação constitucional de acúmulo com outro cargo privativo de Odontólogo que já ocupa no Grupo Saúde do Estado do Amapá.

12. Entendo manifestamente presentes os pressupostos legais à concessão da liminar pleiteada neste mandamus, adianto, até porque
esta Corte de Justiça já analisou situação análoga por ocasião do MS nº 155-91.2013, também de minha relatoria, cuja conclusão
restou assim ementada:

"CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. ACÚMULO DE CARGOS PÚBLICOS PRIVATIVOS DE


PROFISSIONAIS DA SAÚDE. PERMISSÃO CONSTITUCIONAL. 1) A jurisprudência deste Tribunal e das Cortes Superiores deste País

L
é no sentido uníssono de que, havendo compatibilidade de horários, possível a acumulação de dois cargos ou empregos privativos de
profissionais da saúde, porque exceção prevista no art. 37, XVI, "c", da Constituição Federal; 2) Apesar da nomenclatura prévia de

IA
"EDUCADOR SOCIAL PENITENCIÁRIO - NÍVEL SUPERIOR", os cargos exercidos por Odontólogos e Enfermeiros no Instituto de
Administração Penitenciária do Amapá - IAPEN são manifestamente privativos de profissionais da saúde, com profissões
regulamentadas, daí a autorização constitucional para acúmulo com outros cargos também privativos de profissionais de saúde da
estrutura da Administração Estadual; 3) Segurança concedida."

IC
13. Sem dúvida, a jurisprudência deste Tribunal e das Cortes Superiores deste País é no sentido uníssono de que, havendo
compatibilidade de horários, possível a acumulação de dois cargos ou empregos privativos de profissionais da saúde, porque exceção
prevista no art. 37, XVI, "c", da Constituição Federal.

OF
14. No caso em apreço, outra vez a Administração do Estado do Amapá se recusa a permitir o exercício acumulado de cargos da área
médica apenas pelo fato de um deles deter nomenclatura de "EDUCADOR SOCIAL PENITENCIÁRIO" antes da função específica do
cargo de nível superior em questão, no caso Odontólogo.

15. A regra constitucional acima mencionada é clara ao estabelecer que é possível o acúmulo de dois cargos ou empregos
PRIVATIVOS de profissionais de saúde, com profissões regulamentadas. E isso é exatamente o que ocorre com o cargo que o autor
pretende ocupar no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá - IAPEN, visto que o Edital nº 001/2010-GRUPO
PENITENCIÁRIO [concurso do IAPEN - fl. 61] é claro em estabelecer, como PRÉ-REQUISITO para o exercício do cargo de
O
"EDUCADOR SOCIAL PENITENCIÁRIO - ODONTÓLOGO", formação superior específica em ODONTOLOGIA. Ou seja, as atribuições
do referido cargo da estrutura do IAPEN somente podem ser exercidas por quem detém formação superior específica em Odontologia,
inquestionáveis profissionais de saúde, nos termos da legislação própria.
ÇÃ

16. Logo, apesar da nomenclatura prévia de "EDUCADOR SOCIAL PENITENCIÁRIO", o cargo a ser exercido pelo autor é
manifestamente privativo de profissionais da saúde, com profissões regulamentadas, daí a autorização constitucional para acúmulo
com outro cargo também privativo de profissionais de saúde, como aquele de Odontólogo que o autor já exerce no Grupo Saúde do
Quadro de Pessoal do Poder Executivo do Estado do Amapá.

17. A par de tais argumentos, também é certo que os dois cargos que o autor logrou aprovação em concurso público, nomeação e
CA

posse possuem carga horária de 30 horas semanais, por força dos editais do concurso constantes dos autos e de lei estadual,
constatação essa que supera a tese apresentada na defesa estatal de impossibilidade de acumulação dos cargos por excesso de
jornada de trabalho, tese essa que, aliás, essa relatoria, bem como as Cortes Superior e Suprema deste País, não adotam, já que a
regra constitucional veda apenas o acúmulo dos cargos permitidos quando entre eles não há compatibilidade [superposição] de
horários, que nada tem a ver com extenuante jornada diária de trabalho.
LI

18. Ainda nesta linha, a alegada incompatibilidade de horários que veda o exercício acumulado de cargos públicos, nos termos do art.
37, XVI, "c", da Constituição Federal, não restou demonstrada pela autoridade coatora em suas informações.

19. Além do mais, o impedimento que se constitui no manifesto ato arbitrário e ilegal, violador do direito líquido e certo do impetrante,
B

impugnado nesta impetração, em nenhum momento se referiu à carga horária de trabalho, mas sim em relação aos próprios cargos
públicos em questão, se poderiam ou não ser objeto de acumulação.

20. Manifesta, portanto, a presença do pressuposto legal do fumus boni juris indispensável para concessão da liminar buscada pelo
PU

autor.

21. No mais, presente o periculum in mora, pois o impedimento do exercício dos cargos em questão conduz à privação de verba de
caráter alimentar, situação essa cuja manutenção põe o impetrante em risco de dano grave ou de difícil reparação a justificar a
concessão da liminar postulada.

22. Pelo exposto, não se tratando de matéria vedada pelo art. 7º, § 2º, da Lei nº 12.016/2009, concedo a liminar postulada e determino
à autoridade impetrada que proceda, sob pena de responsabilidade, à imediata entrega da Carta de Apresentação que possibilite ao
autor entrar no exercício do cargo público de Educador Social Penitenciário - Odontólogo para o qual devidamente nomeado e
regularmente empossado, tudo em função da aprovação no concurso público objeto do Edital nº 001/2010-IAPEN.

23. Intime-se a Procuradoria do Estado do Amapá para, querendo, apresentar defesa do ato impugnado, no prazo de dez dias.

24. Após, ao Ministério Público para suas manifestações, no prazo de 10 dias.

25. Intimem-se.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 14


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

SECÇÃO ÚNICA

Nº do processo: 0000125-22.2014.8.03.0000
HABEAS CORPUS CRIMINAL

Impetrante: MAURICIO SILVA PEREIRA


Advogado(a): MAURICIO SILVA PEREIRA - 979AP

L
Autoridade Coatora: JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CRIMINAL E DO TRIBUNAL DO JURI DA COMARCA DE SANTANA
Paciente: BENEDITO BATISTA DE SOUZA, RAIMUNDO AGUIAR DE SOUZA
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

IA
Acórdão:
PENAL E PROCESSUAL PENAL. HABEAS CORPUS. TRÁFICO DE DROGAS. PRISÃO EM FLAGRANTE CONVERTIDA EM
PREVENTIVA. GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA. MEDIDAS CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO. RESIDÊNCIA NO DISTRITO DA
CULPA E OCUPAÇÃO LÍCITA. 1) É legal a custódia preventiva decretada para garantir a ordem pública e a conveniência da instrução

IC
criminal se o delito cometido pelo paciente causa sérios abalos sociais e há risco concreto de que sua soltura prejudique o regular
andamento do feito, não se mostrando possível nem adequada a aplicação de medidas cautelares diversas da prisão. 2) O fato de o
paciente possuir residência, exercer trabalho lícito e ser réu primário não obriga o juiz a conceder a liberdade provisória, ainda mais
quando verificada a presença dos elementos autorizadores da segregação cautelar. 3) Ordem denegada.

ACÓRDÃO

OF
Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, a SECÇÃO ÚNICA DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
AMAPÁ, à unanimidade, conheceu do habeas corpus e, no mérito, pelo mesmo quorum, denegou a ordem, nos termos do voto
proferido pelo Relator.
O
Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Desembargador CARMO ANTÔNIO (Presidente e Relator), Desembargador
CONSTANTINO BRAHUNA (1º Vogal), Desembargadora SUELI PINI (2ª Vogal), Juiz Convocado MÁRIO MAZUREK (3º Vogal) e o Juiz
Convocado EDUARDO CONTRERAS (4º Vogal).
ÇÃ

Macapá (AP), 27 de março de 2014.

Nº do processo: 0000356-49.2014.8.03.0000
AÇÃO RESCISÓRIA CÍVEL
CA

Parte Autora: ESTADO DO AMAPÁ


Procurador(a) de Estado: VICTOR MORAIS CARVALHO BARRETO - 1572BAP
Parte Ré: MINERACAO VILA NOVA LTDA
Advogado(a): JUPIARA ARAUJO RIBEIRO JUNIOR - 883AP
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO
Decisão: Trata-se de ação rescisória ajuizada pelo Estado do Amapá em desfavor de Mineração Vila Nova Ltda. buscando desconstituir
sentença proferida pelo Juízo de Direito da 1º Vara Cível da Comarca de Santana-Ap que extinguiu a execução fiscal com julgamento
LI

do mérito em razão de requerimento formulado pelo exeqüente (Estado do Amapá).

Afirma que a execução fiscal foi proposta com o objetivo de quitar débito oriundo do Auto de Infração nº 033/2000-STN, no montante de
R$ 252.171,32 (duzentos e cinqüenta e dois mil, cento e setenta e um reais e trinta e dois centavos), valor que, acrescido de juros e
B

multa, totalizava, à época, R$ 1.170.461,23 (um milhão, cento e setenta mil, quatrocentos e sessenta e um reais e vinte e três
centavos). Destarte, em razão de alegação de prescrição feita pela contribuinte, ora ré, protocolizou pedido de desistência. Destarte, o
magistrado, ao contrário do que ocorreu, deveria ter extinto o processo sem julgamento.
PU

Sustenta que o decisum rescindendo teria gerado prejuízos, na medida em que foi proposta nova demanda com lastro no mesmo auto
de infração e a demandada argüiu preliminarmente, em exceção de pré-executividade, coisa julgada material, colocando em risco a
cobrança do crédito tributário existente seu favor.

Continua aduzindo que a sentença teria sido proferida em literal violação da lei, na medida em que foi aplicada previsão legal que
somente poderia ser utilizada para dívidas que tenham sido objeto de pagamento, o que não ocorreu.

Após dissertar acerca do cabimento da ação rescisória, bem como da alegada violação a dispositivo legal, na medida em que
inexistente julgamento de mérito e, consequentemente, formação de coisa julgada material, requereu, ao final, a concessão de liminar
com vistas a determinar a suspensão da execução fiscal relativa aos autos do processo nº 0010094-89.2013.8.03.0002 até julgamento
da ação rescisória, com o fim de evitar julgamentos contraditórios. No mérito, a rescisão da sentença impugnada com a determinação
para que seja dado seguimento àquela execução ajuizada.

Relatados, passo a fundamentar e decidir.

Cabe, inicialmente, salientar que a ação rescisória é instrumento hábil a rescindir decisões de mérito, com trânsito em julgado e deverá
ter como fundamento:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 15


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

- verificação de decisão dada por prevaricação, concussão ou corrupção do juiz;

- impedimento ou incompetência absoluta do juiz;

- dolo da parte vencedora em detrimento da parte vencida, ou de colusão entre as partes com o objetivo de fraudar a lei;

- ofensa a coisa julgada;

L
- violação literal da lei;

IA
- prova cuja falsidade tenha sido apurada em processo criminal, ou seja, provada na própria ação rescisória;

- documento novo obtido após a sentença e cuja a existência a parte ignorava ou de que não pode fazer uso, capaz, por si só, de lhe
assegurar pronunciamento favorável;

IC
- invalidação de confissão, desistência ou transação na qual se baseou a sentença; e

- erro de fato, resultante de atos ou de documentos da causa.

OF
As hipóteses elencadas acima são previstas no artigo 485, do Código de Processo Civil e o rol é taxativo, não se admitindo, ainda que
através de manobras hermenêuticas, sua ampliação, posto que se assim procedêssemos acabariam os por ferir a coisa julgada e
abalar a segurança jurídica que deve nortear as relações em sociedade.

No presente caso, a autora busca rescindir acórdão que denegou a ordem em Mandado de Segurança. Funda a pretensão no
argumento de restar configurada a violação literal de dispositivo previsto na Constituição Federal.
O
Compulsando os autos verifica-se que o autor ajuizou execução fiscal em desfavor da empresa Mineradora Vila Nova e, após argüição
de prescrição inserta no bojo da peça de defesa, foi requerida e deferida pelo juízo singular a extinção do processo. Neste sentido, o
argumento do Estado baseia-se no fato da decisão ter sido proferida com julgamento do mérito, ao passo que deveria ter sido, no seu
ÇÃ

entendimento, sem análise meritória.

Feito tal esclarecimento. Passo a análise da questão levantada pela autora no sentido da decisão ter violado literal disposição de lei,
porquanto ausente comprovação do pagamento do crédito executado.

Urge salientar que a violação de literal dispositivo legal ocorrerá quando infringir a tese jurídica nela contida, pois se viola o conteúdo
normativo do direito escrito na materialidade do texto. Deverá ser levada em conta nessa hipótese a inteligência dada ao dispositivo
CA

legal aplicável ao caso concreto, sendo que o interesse da rescisória deve se restringir a fazer prevalecer a literalidade da disposição da
lei.

Acerca do assunto Amaral Santos pontifica:

"não é aquela que apenas ofende letra escrita de um diploma legal, é aquela que ofende flagrantemente a lei, tanto quando a decisão é
LI

repulsiva à Lei (error in judicando), como quando proferida com absoluto menosprezo ao modo e forma estabelecidos em Lei para a sua
prolação (error in procedendo)". (Primeiras Linhas de Direito Processual Civil", 4a. ed., v. III, n°962, p.455)

É elucidativa a lição dos doutrinadores Wilson de Souza Campos Batalha e Pontes de Miranda, in Tratado de Direito Processual do
B

Trabalho, 2ª ed., Ed. LTr, in verbis:

"É indispensável que exista literal disposição infringida, não bastando haver o julgado rescindendo adotado interpretação razoável do
texto, embora possa divergir o juiz do juízo rescindente.
PU

A violação pode ser expressa, consciente, confessada, declarada ou inexpressa, inconsciente, dissimulada, ocultada, velada,
disfarçada. Não importa como seja ela. O que é preciso, para que se componha o pressuposto da rescisão, é a violação em si, na
negação do direito, conforme foi definido. O direito há que ser expresso; e não a violação, que pode ser implícita".

Nesta mesma direção assenta-se a jurisprudência pátria. Vejamos:

"Para ser julgado procedente, o pedido rescindendo deduzido em ação rescisória fulcrada no inc. V, do art. 485, do CPC depende,
necessariamente, da existência de violação, pelo v. acórdão rescindendo, a literal disposição de lei. A afronta deve ser direta - contra a
literalidade da norma jurídica - e não deduzível a partir de interpretações possíveis, restritivas ou extensivas, ou mesmo integração
analógica". (STJ, 2ª Seção, AR 720-PR-EI, rel. Min. Nancy Andrighi, j. 9.10.02, rejeitaram os embs., v.u., DJU 17.2.03, p. 214).

AÇÃO RESCISÓRIA. ALEGADA VIOLAÇÃO À LITERAL DISPOSIÇÃO DE LEI. INCABIMENTO. I - Por decisão prolatada em violação
de preceito legal, deve-se entender aquela que se configura pela simples leitura do texto, que contraria o comando legal de forma
cristalina. II - Não se admite, dessa forma, rescisória com fundamento no inciso V, do art. 485, do CPC, quando não indicada
corretamente a violação ocorrida nas normas mencionadas, com a existência na decisão rescindenda de uma lesão a norma alegada.
(PROCESSO TRT AR-043/99, Julgamento: 25.09.00, Publicação: DJE/RO em 08.02.01).

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 16


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Viola-se a lei tanto quando se lhe nega vigência, afrontando diretamente seu preceito, quando se decide em sentido oposto ao que nela
está expresso e claro.

Na hipótese concreta dos autos não vislumbro a presença de quaisquer dos fundamentos elencados no art. 485 do Código de Processo
Civil, eis que a autora busca, de forma clara, apenas reanálise do conteúdo da decisão rescindenda.

Ademais, cumpre destacar, ainda, ser pouco crível que o Estado do Amapá, em uma execução fiscal, protocolize requerimento de
extinção do processo apenas em razão da parte ex adversa ter argüido a prescrição, mesmo porque em anterior manifestação, aforada

L
contra a exceção de pré-executividade, refutou tal argumento.

IA
São inúmeros os recursos analisados por esta Corte de Justiça onde se verifica que o Estado, mesmo diante da inequívoca prova do
direito da outra parte e se discutam valores ínfimos, interpõe agravo de instrumento ou apelação. In casu, como salientado linhas
acima, não se mostra razoável que a simples argüição de prescrição, em se tratando de débito fiscal em valor superior a um milhão de
reais a Fazenda Pública, conduza à desistência da lide.

IC
Depreende-se, pois, ausente a existência do pressuposto específico que autoriza o cabimento da ação rescisória consistente na
violação a literal dispositivo de lei, carecendo, assim, o autor, de interesse de agir.

Tratando da matéria, pontifica Antonio Carlos Marcato e outros:

OF
"(...) A utilidade do provimento pode ser aferida pela necessidade da atividade jurisdicional e pela adequação do procedimento e do
provimento desejados.

(...)

O Estado prevê medidas processuais adequadas para cada situação de direito material. Para verificar a presença do interesse, indaga-
se, à luz dos fatos narrados pelo autor e com dados da relação material, se o provimento judicial pleiteado será útil para o fim do
O
processo, se a medida requerida é necessária e adequada aos objetivos jurídicos, políticos e sociais do processo, estes também
exteriores à relação processual. Todo esse exame, portanto, é feito com os olhos voltados para fora do processo, para a situação da
vida trazida à apreciação do juiz. Verifica-se se o instrumento escolhido é útil, necessário, adequado ao seu objeto.
ÇÃ

Quando se fala em legítimo interesse processual, lava-se em conta não só a efetiva necessidade da tutela pleiteada, como também sua
adequação à situação da vida exposta." (Código de Processo Civil Interpretado, São Paulo: Atlas S.A, 2004, p. 42)

Posto isto, e por tudo o mais que dos autos consta, indefiro liminarmente a inicial e extingo o processo sem julgamento do mérito com
fundamento no art. 267, IV, do Código de Processo Civil.
CA

Intime-se.

Nº do processo: 0000355-64.2014.8.03.0000
HABEAS CORPUS CRIMINAL
LI

Impetrante: FLAVIO JOSE DE ALENCAR CUNHA MEDEIROS


Advogado(a): FLAVIO JOSE DE ALENCAR CUNHA MEDEIROS - 2365AP
Autoridade Coatora: JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CRIMINAL E DO TRIBUNAL DO JURI DA COMARCA DE SANTANA
Paciente: SANDRESON MORAES PEREIRA
B

Relator: Desembargador CARLOS TORK


Decisão: FLÁVIO JOSÉ DE ALENCAR CUNHA MEDEIROS impetrou ordem de habeas corpus com pedido liminar em favor de
Sandreson Moraes Pereira contra ato ilegal por parte do Juízo de Direito da 1.ª Vara Criminal da Comarca de Santana, nos autos do
processo nº 002396-95.2014.8.03.0002.
PU

Em suas razões aduz que o paciente responde a uma ação penal na 1.ª Vara Criminal da Comarca de Santana em razão da suposta
prática de um homicídio qualificado e uma tentativa de homicídio, porém durante a persecução policial nunca tentou interferir no
andamento do feito, tendo sempre tentado contribuir.

Alega que possui família e vínculo no Município, exerce atividade laborativa lícita, possui residência fixa, além de não responder a
outras ações, inexistindo qualquer razão para que seja decretada a prisão preventiva.

Narra que a preventiva foi decretada em 27/12/2013, no processo 10747-91.2013 e mantida no despacho proferido no processo 2396-
95.2014.

Sustenta que no processo 195-33.2014 foi recebida uma denúncia em 16/01/2014, porém, passados 70 (setenta) dias não foi sequer
expedido o mandado de citação para possibilitar a defesa do paciente, caracterizando excesso de prazo.

Aduz que a decretação da prisão preventiva deve estar devidamente fundamentada, sendo aplicada apenas se não foram cabíveis
nenhuma das nove medidas cautelares enumeradas no art. 319, CPP.

Argumenta que a definição de ordem pública enseja o debate, destacando que os tribunais superiores têm mantido o entendimento de

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 17


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

que a intranquilidade social decorrente de crimes graves e a falta de confiança no Judiciário não servem para embasar um decreto de
prisão preventiva.

Assevera que não se concretizou até o momento qualquer fato que leve à ilação de que o paciente poderá atentar contra a ordem
pública, a conveniência da instrução criminal ou burlar a aplicação da lei penal ou que justifique a manutenção da prisão preventiva
imposta ao paciente.

Com fundamento na doutrina e na jurisprudência trazidas nos autos, face à ausência de motivos para a preventiva e excesso de prazo,

L
requer a concessão liminar da ordem, determinando a soltura imediata do paciente. E, no mérito, a confirmação da ordem.

IA
Antes de apreciação do pedido liminar, foram requisitadas as informações, as quais foram juntadas às fls. 23/30.

É o relatório.

O habeas corpus se qualifica como ação constitucionalmente prevista, cuja finalidade se traduz na tutela do direito de locomoção,

IC
garantindo, assim, a qualquer pessoa a defesa do bem jurídico liberdade.

Cabível, pois, a concessão da ordem quando o paciente "sofrer ou se achar na eminência de sofrer violência ou coação ilegal na sua
liberdade de ir e vir", consoante preconiza o artigo 647, do CPP, ou seja, quando o direito a liberdade ambulatorial for violado por

OF
ilegalidade ou abuso de poder.

Nesse caso, o habeas corpus foi impetrado em razão do constrangimento ilegal sofrido pelo paciente face à decisão motivada de forma
genérica e presumida.

Em suas razões depreende-se que o impetrante, apesar de mencionar três processos diferentes, manejou o presente remédio em
razão da ausência de fatos concretos que justifiquem a manutenção da prisão preventiva imposta ao paciente (fl. 06), razão pela qual,
sem seu pedido, requer "liminarmente a ordem de habeas corpus liberatório, nos termos da legislação evocada, para fazer cessar a
O
coação de estar o paciente preso cautelarmente privado de sua liberdade de ir e vir".

Vieram-me as informações, nas quais a autoridade apontada coatora informou, em fl. 23:
ÇÃ

em que pese o impetrante narre a situação fática como se o paciente Sandreson estivesse preso, esclareço que o paciente está solto,
havendo, contudo, ordem de prisão preventiva contra sua pessoa exarada no procedimento n. 00010747-91.2013.8.03.0002 - Pedido
de Prisão Preventiva.

Ademais, em consulta ao sistema Tucujuris aferi que houve expedição do mandado de prisão preventiva no processo 10747-91.2013,
como afirmado nas informações, mas não há notícias de que teria sido preso. Assim sendo, parece-me que o paciente está solto,
CA

embora o impetrante sustente a sua prisão.

Ressalto, por fim, que o mandado de citação já foi expedido no processo195-33.2014, sanando o excesso de prazo alegado.

Com esses fundamentos, indefiro o pedido de concessão liminar da ordem. Após, à Procuradoria de Justiça.
LI

Cumpra-se.

PAUTA DE JULGAMENTO
B

De ordem do Excelentíssimo Senhor Desembargador CARMO ANTÔNIO, Presidente da SECÇÃO ÚNICA, faço ciente a todos os
interessados e aos que virem o presente EDITAL, ou dele conhecimento tiverem, que no dia 24 de abril de 2014, (quinta-feira) às 08:00
horas ou em sessão subsequente, na Sala de Sessões do Plenário do Edifício Sede do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá,
situado na Rua General Rondon nº.1295, Bairro Central, realizar-se-á a 331ª Sessão para julgamento de processos adiados constantes
PU

de pautas já publicadas, os apresentados em mesa que independem de publicação, e mais os seguintes processos:

Nº do processo: 0000265-56.2014.8.03.0000
HABEAS CORPUS CRIMINAL

Impetrante: MANOEL DA COSTA MACIEL


Advogado(a): MANOEL DA COSTA MACIEL - 675AP
Autoridade Coatora: JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DE COMPETÊNCIA GERAL DA COMARCA DE LARANJAL DO JARI
Paciente: LUANDERSON TEIXEIRA PINTO
Relator: Desembargadora STELLA SIMONNE RAMOS

Nº do processo: 0000285-47.2014.8.03.0000
HABEAS CORPUS CRIMINAL

Impetrante: ELITON SOARES DO NASCIMENTO


Advogado(a): ELITON SOARES DO NASCIMENTO - 1502AP
Autoridade Coatora: JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE SANTANA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 18


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Paciente: JOSE ALFREDO DA SILVA MONTEIRO


Relator: Desembargadora STELLA SIMONNE RAMOS

Nº do processo: 0000570-74.2013.8.03.0000
AÇÃO RESCISÓRIA CÍVEL

Parte Autora: LUIZ RODRIGUES DA SILVA JUNIOR, RISOLEIDE DE OLIVEIRA RODRIGUES

L
Advogado(a): MAURICIO BRAGA DE NOVOA - 878AP
Parte Ré: JOSAFA ANANIAS DE PONTES

IA
Advogado(a): EDIELSON DOS SANTOS SOARES - 496BAP
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO

Nº do processo: 0000325-29.2014.8.03.0000

IC
HABEAS CORPUS CRIMINAL

Impetrante: AURINEY UCHOA DE BRITO


Advogado(a): AURINEY UCHÔA DE BRITO - 1348AP

OF
Autoridade Coatora: JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE MACAPÁ
Paciente: MARCOS ROBERTO LIMA DE CARVALHO SANTOS
Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI

Nº do processo: 0000154-43.2012.8.03.0000
AÇÃO RESCISÓRIA CÍVEL
O
Parte Autora: JOAO ALBERTO RODRIGUES CAPIBERIBE
Advogado(a): SIMONE SOUSA DOS SANTOS CONTENTE - 1233AP
Parte Ré: ERNANDES LOPES PEREIRA, ESTADO DO AMAPÁ
ÇÃ

Advogado(a): DIEGO BONILLA AGUIAR DO NASCIMENTO - 1533BAP, ERNANDES LOPES PEREIRA - 4725CE
Relator: Desembargador LUIZ CARLOS

Nº do processo: 0000338-28.2014.8.03.0000
HABEAS CORPUS CRIMINAL
CA

Impetrante: MAURICIO SILVA PEREIRA


Advogado(a): MAURICIO SILVA PEREIRA - 979AP
Autoridade Coatora: JUIZ DE DIREITO DA 3ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE MACAPÁ E DE AUDITORIA MILITAR DO ESTADO
DO AMAPÁ
Paciente: FABRYCIO DE OLIVEIRA SILVA
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO
LI

Nº do processo: 0000346-05.2014.8.03.0000
HABEAS CORPUS CRIMINAL
B

Impetrante: ADOLPHO EUGENIO DE OLIVEIRA NERY FILHO


Advogado(a): ADOLPHO EUGENIO DE OLIVEIRA NERY FILHO - 1370AP
Autoridade Coatora: JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE MACAPÁ
PU

Paciente: JONEY PICANÇO MOREIRA


Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

Nº do processo: 0000274-18.2014.8.03.0000
PEDIDO DE DESAFORAMENTO CRIMINAL

Requerente: CARLOS MENDES ARAÚJO, ROSIVANDO DAMASCENO PEREIRA, SAIMON BATISTA SILVA
Advogado(a): MAURICIO SILVA PEREIRA - 979AP
Requerido: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

CÂMARA ÚNICA

Nº do processo: 0025442-87.2012.8.03.0001
Origem: 2ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 19


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: MAGALY BEZERRA RIBEIRO
Defensor(a): FRANÇOISE HELENA RODRIGUES DE OLIVEIRA - 663BAP
Apelado: FAMAP - FACULDADE DO AMAPÁ-SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ
Advogado(a): CARLOS ROBERTO SIQUEIRA CASTRO - 2215AAP
Relator: Desembargador CARLOS TORK
Acórdão:
CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. AUSÊNCIA NO ENADE. PARTICIPAÇÃO NA

L
CERIMÔNIA DE COLAÇÃO DE GRAU. DANO MATERIAL E MORAL AUSENTES. 1) Amparada por decisão judicial, a apelante
participou da cerimônia de colação de grau, afastando a necessidade de ressarcimento dos valores gastos com a cerimônia. 2) O dano

IA
moral não se satisfaz com meros aborrecimentos ou constrangimentos, sendo necessária a ocorrência de dor e humilhação que afetem
o comportamento psicológico da pessoa e agridam sua dignidade. 3) Apelo não provido.
ACÓRDÃO
Vistos e relatados os autos, a CÂMARA ÚNICA DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ, à unanimidade,
conheceu do recurso e, no mérito, negou-lhe provimento, nos termos do voto proferido pelo Relator.

IC
Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Desembargador CARLOS TORK (Relator), Juiz convocado EDUARDO
CONTRERAS (Revisor) e o Desembargador CARMO ANTÔNIO (Presidente e Vogal).
Macapá (AP), 08 de abril de 2014.

OF
Nº do processo: 0000305-38.2014.8.03.0000
AGRAVO DE INSTRUMENTO CÍVEL

Agravante: COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO - UNIMED MACAPÁ


Advogado(a): ELEN FABRICIA SANTOS MONTEIRO - 1044AP
Agravado: RUTELUCIA FERREIRA DAS NEVES
Advogado(a): JUSELMA NEGRY E SILVA - 890AP
O
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO
Despacho:
COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO - UNIMED MACAPÁ, por intermédio de advogado, interpôs agravo de instrumento com
ÇÃ

pedido liminar de atribuição de efeito suspensivo e ativo contra decisão proferida pelo MM. Juiz de Direito da 3ª Vara Cível e de
Fazenda Pública da Comarca de Macapá, que indeferiu o pedido de gratuidade judiciária formulado pela agravante.

Em suas razões recursais, a agravante discorreu sobre o garantia constitucional de assistência jurídica, integral e gratuita, bem como
os requisitos para sua concessão, previstos no art. 4º da Lei nº 1.060/50. Ressaltou que o Supremo Tribunal Federal reconheceu o
direito à concessão da garantia a pessoa jurídica, desde que demonstrada a necessidade.
CA

Afirmou que se encontra com dificuldades econômico-financeiras, que não lhe permitem efetuar o pagamento de despesas processuais.
Para tanto, juntou perante o Juízo a quo, e no presente recurso, balancete contábil demonstrado as somas relativas ao patrimônio
existente, à folha de pagamento, aos débitos fiscais, entre outros aspectos. Acrescentou, ainda, que a Resolução Operacional nº 1.399,
de 27.03.2013 suspendeu sua autorização para comercializar novos planos.

Ao final, requereu a atribuição de efeito suspensivo ao presente agravo e, no mérito, a reforma da decisão agravada para que seja
LI

concedida a gratuidade de justiça à agravante na ação originária. Ademais, a agravante também requereu a concessão de gratuidade
judiciária no presente agravo, deixando assim de juntar o preparo.

Em análise ao pedido, o Presidente desta Eg. Corte indeferiu o benefício e determinou que a parte juntasse o comprovante de preparo
B

em 30 (trinta) dias, sob pena de cancelamento da distribuição (fl. 56). Da referida decisão, a agravante interpôs agravo regimental,
reiterando os fundamentos expostos na inicial (fls. 57/65).

Em decisão proferida à fl. 92, o Presidente determinou a remessa dos autos ao Relator em face da Resolução nº 0862/2014-TJAP,
PU

publicada no DJE nº 063/2014 de 07.04.2014, que regulamentou ser competência do Relator a apreciação dos pedidos de gratuidade
judiciária.

É o relatório.

De início, cabe observar que o agravo regimental deve vir acompanhado do comprovante do pagamento das custas, sob pena de
deserção.

Aliás, o Supremo Tribunal Federal (AI-AgR 642626 - DF - 1ª T. - Rel. Min. Ricardo Lewandowski - DJU de 22.06.2007), o Superior
Tribunal de Justiça (AgRg no Ag nº 861897/MG, Rel. Min. Herman Benjamin, publ. no DJe de 17.10.2008) e também esta Eg. Corte
(AgReg n.º 0021592-35.2006.8.03.00/01, Rel. Des. Edinardo Souza, v. unânime, publ. no DOE nº 43, de 10.03.2010) já possuem
precedentes considerando a necessidade do preparo recursal para a interposição do agravo regimental, sob pena de deserção.

No presente caso, o presente agravo regimental não foi acompanhado do devido preparo no ato de sua interposição, mesmo após ter
sido negado o benefício de gratuidade judiciária, o que prejudica a admissibilidade do recurso em razão do instituto da deserção
recursal. Contudo, dada as circunstâncias do caso, no qual o pedido foi analisado pelo Presidente desta Eg. Corte, recebo a petição de
fls. 57/65 como pedido de reconsideração.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 20


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Assim, passo a análise do pedido de gratuidade judiciária formulado para o presente agravo de instrumento.

De fato, consoante estabelece a Súmula nº 481 do Superior Tribunal de Justiça: "Faz jus ao benefício da justiça gratuita a pessoa
jurídica com ou sem fins lucrativos que demonstrar sua impossibilidade de arcar com os encargos processuais". Desta feita, compete à
pessoa jurídica o ônus de demonstrar necessidade capaz de justificar a concessão do benefício.

No presente caso, a agravante juntou aos autos tão somente balancete contábil realizado por ela (fls. 18/54), ou seja, documento
unilateral elaborado pela própria parte que, apresentado sozinho, não se reveste da certeza necessária para comprovar a atual situação

L
econômica da Cooperativa. Isto porque, referido documento pode trazer dados não compatíveis com os dados efetivos, podendo ser
objeto de manipulação.

IA
Nesse passo, referido balancete contábil, desacompanhado de outros documentos comprobatórios sobre a real situação econômica da
pessoa jurídica, não é capaz de demonstrar a impossibilidade da parte de arcar com os encargos processuais.

Desta feita, não tendo a agravante se desincumbido de demonstrar sua hipossuficiência econômica, indefiro o pedido de gratuidade

IC
judiciária e determino que junte o comprovante de pagamento do preparo recursal no prazo legal, sob pena de cancelamento da
distribuição.

Publique-se.

OF
Intime-se.

Nº do processo: 0002710-49.2011.8.03.0001
APELAÇÃO CRIMINAL
Origem: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ
O
Apelante: OLIZETE DO SOCORRO CAVALCANTE NUNES
Advogado(a): ANTONIO AUGUSTO COSTA SOARES - 1612AP
Apelado: FRANCISCA DAS GRAÇAS CAVALCANTE CARDOSO, MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
ÇÃ

Defensor(a): SOPHIA NOEME SOUZA DE OLIVEIRA - 1109AP


Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO
Decisão:
OLIZETE DO SOCORRO CAVALCANTE NUNES interpôs RECURSO ESPECIAL, com fundamento no artigo 105, inciso III, alínea "a",
da Constituição Federal, contra acórdão unânime da Câmara Única do Egrégio Tribunal de Justiça do Amapá, assim ementado:

"PENAL E PROCESSUAL PENAL. APELAÇÃO. TRÁFICO DE DROGAS. MATERIALIDADE E AUTORIA. PALAVRA DOS POLICIAIS.
CA

1) O depoimento testemunhal de policiais, especialmente quando prestado em Juízo, sob a garantia do contraditório, reveste-se de
eficácia probatória suficiente para eventual condenação. Precedentes do STJ. 2) Apelação à qual se nega provimento." (TJAP - Câmara
Única - Apelação Criminal. Acórdão nº 48955. Rel. Des. Luiz Carlos. Julgado em 3.12.2013. Publicado no DJE nº230, de 17.12.2013).

Em razões recursais (fls. 173-184), a recorrente alegou que o acórdão impugnado violou o art. 386, inciso IV, do Código de Processo
Penal, ao manter sentença condenatória proferida com base no depoimento testemunhal de policiais, desconsiderando o conjunto de
LI

provas em favor da defesa.

Argumentou que, embora os depoimentos dos agentes de polícia apontassem a participação da outra denunciada no delito apurado, o
juiz de primeiro grau "optou" (fl. 183) por absolver esta última, acatando a tese acusatória somente em relação a ela (recorrente).
B

Requereu, ao final, o conhecimento e o provimento do presente recurso, com a consequente absolvição.

Intimado, o Ministério Público apresentou contrarrazões às fls. 189-196 e pugnou, em síntese, pela não admissão do recurso por faltar o
PU

requisito do prequestionamento e por pretender apenas o reexame de provas ou, caso contrário, pelo não provimento.

É o relatório.

Passo agora ao exame dos pressupostos e da admissibilidade.

O recurso é cabível, haja vista ter sido interposto contra acórdão unânime deste Tribunal de Justiça, tendo por fundamento o art. 105,
inciso III, alínea "a", da Constituição Federal e, uma vez que se trata de decisão contrária à pretensão da recorrente, constata-se a
presença da legitimidade e do interesse recursais.

A peça recursal contém a exposição dos fatos e do direito, bem como está subscrita por advogado com poderes processuais (fl. 15),
atendendo, dessa forma, ao requisito da regularidade formal. O recurso é, também, tempestivo, pois o acórdão foi publicado no D.J.E.
nº 230, de 17.12.2013, e a interposição se deu no dia 20.1.2014, estando dispensado do preparo por se tratar de recurso em ação
penal pública.

Contudo, verifica-se impedimento intransponível ao seguimento do recurso.

Consta nas razões do especial que o acórdão enfrentado violou o art. 386, inciso IV, do Código de Processo Penal. Ocorre que a

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 21


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

matéria tratada pelo referido dispositivo não foi examinada na decisão da Câmara Única, caracterizando, dessa forma, a ausência de
prequestionamento, mesmo de modo implícito, conforme admitido pelo Superior Tribunal de Justiça, fato que obsta em absoluto a
análise do recurso especial.

Esse entendimento é firme no âmbito do Superior Tribunal de Justiça:

"AGRAVO REGIMENTAL. AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PROCESSUAL CIVIL. PLURALIDADE DE ADVOGADOS. DUAS
INTIMAÇÕES. CONTAGEM DO PRAZO. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO DA MATÉRIA PELO COLEGIADO. SÚMULA 282 E

L
356/STF. PEDIDO DE PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA. INEXISTÊNCIA. INTIMAÇÃO EM NOME DE QUALQUER DELES. VALIDADE.
INCIDÊNCIA DA SÚMULA 83/STJ. RECURSO DESPROVIDO. 1. Para que se configure o prequestionamento, há que se extrair do

IA
acórdão recorrido pronunciamento sobre as teses jurídicas em torno dos dispositivos legais tidos como violados, a fim de que se possa,
na instância especial, abrir discussão sobre determinada questão de direito, definindo-se, por conseguinte, a correta interpretação da
legislação federal. 2. [...] 3. Agravo regimental não provido" (AgRg no AREsp 374.266/CE, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO,
QUARTA TURMA, julgado em 17/12/2013, DJe 03/02/2014).

IC
Conclui-se, portanto, que a tese levantada pela recorrente não foi prequestionada, tornando inviável a admissão do recurso especial,
nos termos dos enunciados das Súmulas nº 282 e nº 356 do Supremo Tribunal Federal.

No mais, as alegações apresentadas pela recorrente demonstram apenas insatisfação com o acórdão confrontado, buscando com o

OF
recurso aviado apenas o reexame das provas constantes dos autos.

Nesse contexto, em análise às razões recursais, nota-se que os questionamentos se restringem a questões exaustivamente resolvidas
por esta Corte Estadual, conforme se extrai do seguinte excerto:

"No caso, a materialidade do crime de tráfico restou comprovada pelo auto de apresentação e apreensão (fl. 16 dos autos do inquérito
anexo), laudo de constatação (fl. 20 dos autos do inquérito anexo) e laudo de exame pericial toxicológico (fls. 210/216 dos autos do
inquérito anexo) indicando que as substâncias apreendidas tratam-se de maconha e cocaína, nas respectivas quantidades de 165,3g
O
(cento e sessenta e cinco gramas e três decigramas) e 803,7g (oitocentos e três gramas e sete decigramas).

Juntamente com a droga foi apreendida a quantia de R$ 4.701,50 (quatro mil, setecentos e um reais e cinquenta centavos), conforme
ÇÃ

guia de depósito judicial à fl. 218 dos autos do inquérito anexo.

A autoria do delito restou suficientemente definida, apesar da apelante negá-la (fl. 99)." (fls. 172).

Com esses fundamentos, nego seguimento ao presente recurso especial.

Publique-se.
CA

Intimem-se.

Nº do processo: 0038282-66.2011.8.03.0001
Origem: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ
LI

REMESSA EX-OFICIO(REO) Tipo: CÍVEL


Parte Autora: ARLAN ERICK BARROSO ASSUNCAO
Advogado(a): ERICK FRANCK NOGUEIRA DA PAIXAO - 1491AP
B

Parte Ré: MUNICÍPIO DE MACAPÁ


Advogado(a): VANIA LUCIA CAVALCANTE MAGALHAES - 308AP
Relator: Desembargador CONSTANTINO BRAHUNA
Acórdão:
PU

REMESSA EX OFFICIO - ADMINISTRATIVO - SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL - SINDICÂNCIA - PENA DE DEMISSÃO -


ILEGALIDADE - INOBSERVÂNCIA DO DEVIDO PROCESSO LEGAL E AMPLA DEFESA - ABANDONO DE CARGO NÃO
CARACTERIZADO - REINTEGRAÇÃO AO CARGO E DANOS MORAIS - DESPROVIMENTO DA REMESSA. 1) A sindicância não é
meio adequado e suficiente à aplicação da pena de demissão a servidor público municipal, não só porque a imposição desse tipo de
sanção não se contenta com prova precariamente formada no sentido do abandono do cargo, senão também porque a lei
complementar municipal nº 014/2000-PMM expressamente exigiu, nesses casos e para isso, a instauração de processo administrativo
com vistas à comprovação do animus abandonandi, providência que não foi adotada pela autoridade administrativa que determinou a
apuração da conduta tida como infração administrativa passível de aplicação daquela pena; 2) é imprescindível, para tipificação do
ilícito administrativo do abandono de cargo, punível com demissão, o animus abandonandi, não caracterizado quando o servidor
justifica suas ausências pelo fato de encontrar-se acometido de grave depressão, trazendo atestados médicos e laudo psicológico que
cabalmente a comprovaram, fato diante do qual cumpriria à administração, em procedimento administrativo mais exauriente, apurar o
alegado estado depressivo estampado nos atestados e laudos médicos apresentados, nomeando, para isso, junta médica oficial cujo
laudo haveria de confirmar ou não a moléstia por que teria passado o servidor, tudo em incidente conexo com o processo administrativo
instaurado para a imposição da pena de demissão por abandono do cargo, na forma do art. 165 daquela lei complementar que instituiu
o regime jurídico único dos servidores públicos do município de Macapá; 3) correta a decisão a quo determinando a reintegração do

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 22


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

autor ao cargo originalmente por ele ocupado junto à Guarda Municipal de Macapá, com o ressarcimento de todas as vantagens, como
se em atividade estivesse, devidamente atualizadas desde a expedição do ato demissório e com acréscimo de juros moratórios desde a
citação, na forma do art. 1º-F da Lei Federal nº 9.494/97, com a redação que lhe deu a Lei Federal nº 11.960/09; 4) restando
comprovado nexo de causalidade entre o ato ilícito consistente em indevida imposição de sanção disciplinar ao servidor e falta de justa
causa para isso, impõe-se à administração o dever de correspondente reparação indenizatória pelos danos morais sofridos em razão
da injusta expiação da pena aplicada; 5) tendo o valor da indenização arbitrada em ressarcimento ao dano moral sofrido pelo servidor
sido condizente com a ofensa por ele sofrida, com sua representação social, com o grau de culpa do agente da administração que o
demitiu sem justa causa, com a extensão do dano, com a capacidade estatal reparadora à ofensa infligida e com o suficiente a evitar

L
eventual repetição de idêntico fato, não merece a sentença condenatória, ainda nesse particular, nenhum reparo; 6) remessa oficial
desprovida.

IA
ACÓRDÃO

IC
Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, a Câmara Única do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Amapá à unanimidade
conheceu da remessa e, no mérito, por maioria, negou-lhe provimento, vencido o 1º Vogal que lhe dava provimento parcial, nos termos
dos votos proferidos.
Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Desembargador CONSTANTINO BRAHUNA (Relator), Desembargador

OF
CARLOS TORK (1ª Vogal), Juiz Convocado EDUARDO CONTRERAS (2º Vogal) e Desembargador CARMO ANTÔNIO (Presidente).
Macapá-AP, 08 de abril de 2014.

Nº do processo: 0001382-29.2012.8.03.0008
Origem: 1ª VARA DE LARANJAL DO JARI

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


O
Apelante: CLAUDIO JOSÉ BISPO PEREIRA
Advogado(a): ERLIENE GONCALVES LIMA NO - 6574PA
Apelado: ESTADO DO AMAPÁ
ÇÃ

Procurador(a) de Estado: JANAINA DA SILVA ABREU - 1658AP


Relator: Desembargador CARLOS TORK
Acórdão:
DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. AUSÊNCIA DE EXCESSO OU ABUSO DE
PODER DOS AGENTES PÚBLICOS. DANO MATERIAL E MORAL NÃO CONFIGURADOS. 1) Não há que se falar em
responsabilidade civil do Estado quando ausente excesso ou abusividade na atuação dos agentes públicos, não se configurando o
dever de indenizar. 2) Apelo não provido.
CA

ACÓRDÃO

Vistos e relatados os autos, a CÂMARA ÚNICA DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ, à unanimidade,
conheceu do recurso e, no mérito, negou-lhe provimento, nos termos do voto proferido pelo Relator.
Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Desembargador CARLOS TORK (Relator), Juiz convocado EDUARDO
CONTRERAS (Revisor) e o Desembargador CARMO ANTÔNIO (Presidente e Vogal).
LI

Macapá (AP), 08 de abril de 2014.


B

Nº do processo: 0026108-88.2012.8.03.0001
APELAÇÃO CÍVEL
Origem: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ
PU

Apelante: JORGE INGLES NEPONUCENO


Advogado(a): DOUGLAS LUZZATTO - 1771AP
Apelado: REGINALDO BORGES
Advogado(a): MARCELO DA SILVA LEITE - 999AP
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO
Despacho:
Intime-se JORGE INGLES NEPONUCENO para, no prazo legal, apresentar contrarrazões ao recurso especial interposto por
REGINALDO BORGES.

Cumpra-se.

Nº do processo: 0030191-21.2010.8.03.0001
Origem: 1ª VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DE MACAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Apelado: PAULO SÉRGIO DO CARMO FERREIRA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 23


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): CHARLLES SALES BORDALO - 438AP


RelatorDesignado: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI
Acórdão:

PENAL E PROCESSO PENAL - TRIBUNAL DO JÚRI - SOBERANIA DOS VEREDICTOS - RECONHECIMENTO DAS EXCLUDENTES
DA LEGÍTIMA DEFESA E ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL - ABSOLVIÇÃO MANTIDA - APELO DESPROVIDO. 1) O
princípio constitucional da soberania do Tribunal do Júri o autoriza a abraçar a versão que lhe pareça mais verossímil dentre as
propiciadas pela prova produzida nos autos. 2) Na hipótese, o repertório probatório mostrou evidente que o acusado agiu amparado

L
pelas excludentes de ilicitude, quando, na qualidade de Policial Militar, reagiu a uma agressão injusta, defendendo a si próprio e a
terceiros, dentro dos limites juridicamente admitidos, cumprindo seu dever legal. 3) Estando a decisão do júri lastreada em versão

IA
sustentada em plenário, inadmissível a anulação do julgamento por decisão manifestamente contrária às provas dos autos, ex vi da
soberania dos veredictos do conselho de sentença. 4) Recurso desprovido.

ACÓRDÃO

IC
Vistos e relatados os autos, a Câmara Única do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, à unanimidade conheceu do recurso,

OF
e, no mérito, por maioria, negou provimento ao recurso, vencido o Desembargador Constantino Brahuna que lhe dava provimento, nos
termos dos votos proferidos. Redigirá o acórdão a Desembargadora Sueli Pini.

Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Desembargador CONSTANTINO BRAHUNA (Relator), Desembargadora


SUELI PINI (Revisora), Juiz convocado MÁRIO MAZUREK (Vogal) e Desembargador CARMO ANTÔNIO (Presidente).
Macapá (AP), 01 de abril de 2014.
O
Nº do processo: 0000399-83.2014.8.03.0000
AGRAVO DE INSTRUMENTO CÍVEL
ÇÃ

Agravante: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO


Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Agravado: MARIA ALVINA OLIVEIRA PINTO
Advogado(a): CLEIDE ROCHA DA COSTA - 434AP
Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI
Decisão: BV FINANCEIRA S/A CFI, através de Advogado regularmente constituído, interpôs recurso de Agravo de Instrumento com
CA

pedido de tutela liminar em desafio à decisão proferida pelo MM. Juiz de Direito MARCO MIRANDA, titular da 1ª Vara Cível da Comarca
de Santana/AP, nos autos da AÇÃO DESCONSTITUTIVA DE DÉBITO C/C DANOS MORAIS E PEDIDO DE REINTEGRAÇÃO DE
POSSE COM PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA Nº 0006146-76.2012.8.03.0002, em fase de cumprimento de sentença, medida
judicial essa ajuizada, na origem, pela agravada.
Consta dos autos que o magistrado de primeiro grau rejeitou impugnação à execução (cumprimento de sentença) oposta pela
agravante, sob a alegação de diversos argumentos, em síntese, de: a) suspensão da execução por excesso, além do que foi garantido
LI

o Juízo; b) inexigibilidade da multa astreinte, pois há necessidade de intimação pessoal da executada para cumprimento da decisão,
além disso foi concedido prazo exíguo para cumprir a obrigação; c) inexistência de inadimplemento, devendo ser anulada a execução;
d) desnecessidade de imposição de multa diária, uma vez que o Juízo poderia de ofício determinar as medidas necessárias, sem a
fixação de astreintes; e) as astreintes fixadas, não obedeceram aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, pois, foram fixadas
B

com valor em excesso, requerendo que sejam reduzidas.


Em sede deste agravo, reproduz as mesmas argumentações utilizadas na impugnação.
Diante disso, requer concessão de tutela liminar, atribuindo efeito suspensivo ao agravo em vista da ocorrência de danos de difícil e
incerta reparação, suspendendo a eficácia da decisão interlocutória combatida.
PU

No mérito, pugna pelo provimento do agravo de instrumento, confirmação da tutela liminar, caso seja deferida, a fim de evitar o
levantamento de quantias pelo exequente, bem como a suspensão do procedimento executório.
É, no essencial, o relatório.
DECIDO.
A análise nesse exame preliminar restringe-se à decisão combatida, avaliando-se seu acerto ou não, bem assim da presença do fumus
boni iuris e do periculum in mora ensejadores da tutela liminar pleiteada neste agravo.
Em regra o agravo de instrumento possui apenas efeito devolutivo, salvo nas hipóteses do art. 558 do CPC, do tipo prisão civil,
adjudicação, remição de bens, levantamento de dinheiro sem caução idônea e em outros casos dos quais possa resultar lesão grave e
de difícil reparação, sendo relevante a fundamentação.
A questão aqui se refere a um processo já na fase de cumprimento de sentença, cujo procedimento foi seguido nos moldes legais,
tendo sido juntada a planilha de cálculo da condenação e determinada a intimação para pagamento voluntário (decisão do dia
27/06/2013, publicada no DJE 000118/2013). Intimada a parte devedora para pagamento, através de Carta de Intimação expedida em
10/07/2013 (juntada do AR 27/08/2013), ante a sua inércia (certidão de decurso de prazo em 12/09/2013) foi acrescida a multa de 10%
(dez por cento), nos termos do art. 475-J do CPC.
Quanto as demais questões suscitadas, como por exemplo, a multa astreinte, sequer é objeto da execução neste momento processual,
eis que está no aguardo de confirmação de seu descumprimento. Em verdade, a execução, em princípio, segue somente do valor da
condenação por danos morais o que aliás foi muito bem fundamentado na decisão que rejeitou a impugnação.
Nesse contexto, não havendo nenhuma ilegalidade ou abuso na decisão guerreada, forçosa é conclusão de que, pelo menos a priori,

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 24


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

se mostra acertada, mormente considerando que não resultará em grave lesão ou prejuízo de difícil reparação ao agravante, pois
seguiu seu regular trâmite.
Portanto, não há como atender ao pleito de atribuição de efeito suspensivo a este agravo.
As outras questões aventadas confundem-se com o próprio mérito e deverão ser enfrentadas em momento posterior.
Ex positis, indefiro a tutela liminar pleiteada.
Solicitem-se informações ao juiz da causa, fazendo-as acompanhar de cópias dos atos e documentos necessários ao exame da
questão sob julgamento.
Intimem-se a agravada para apresentação das contrarrazões, no prazo legal.

L
Com ou sem resposta da agravada e vindas as informações, conclusos para elaboração do voto de mérito.

IA
Nº do processo: 0008996-14.2009.8.03.0001
APELAÇÃO CRIMINAL
Origem: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR

IC
Apelante: C. L. N.
Advogado(a): CHARLLES SALES BORDALO - 438AP
Apelado: M. P. DO E. DO A.
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

OF
Decisão:
CLAUDINEY LOBO NUNES interpôs RECURSO ESPECIAL, com fundamento no artigo 105, inciso III, alínea "c", da Constituição
Federal, contra acórdão unânime da Câmara Única do Egrégio Tribunal de Justiça do Amapá, assim ementado:

"APELAÇÃO CRIMINAL. CRIME CONTRA LIBERDADE SEXUAL. ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR, COM VIOLÊNCIA
PRESUMIDA - EM CONTINUIDADE DELITIVA. RÉU QUE MANTINHA RELACIONAMENTO SEXUAL MEDIANTE CONSENTIMENTO
DA VÍTIMA, QUE POSSUÍA, À ÉPOCA DOS FATOS, 12 ANOS DE IDADE. RECURSO MINISTERIAL. POSTULADA CONDENAÇÃO.
NECESSIDADE. INDÍCIOS E CIRCUNSTÂNCIAS QUE CONVENCEM ACERCA DA MATERIALIDADE E DA AUTORIA DELITIVA.
O
IRRELEVÂNCIA DO CONSENTIMENTO. DEPOIMENTOS EM HARMONIA COM AS PROVAS DOS AUTOS. REFORMA PARCIAL DA
SENTENÇA. 1) Nos crimes contra os costumes, geralmente cometidos na clandestinidade, as provas técnicas e testemunhais
produzidas nos autos, quando claros, coerentes e harmônicos, são bastantes para embasar o decreto condenatório,
ÇÃ

independentemente da presença de vestígios recente no exame pericial. 2) Não há, portanto, que se perquirir acerca do consentimento
ou relativização da presunção de violência quando o acusado tem conhecimento da idade da ofendida. 3) A regra que prevalece é no
sentido de que a menor de quatorze anos não é capaz de consentir com o ato sexual (innocentia consilii). TJAP - Apelação Criminal -
Processo Nº 0008996-14.2009.8.03.0001 - Relator: Desembargador Agostino Silvério - Data do julgamento: 19/11/2013." (TJAP -
Câmara Única - Apelação Criminal. Acórdão nº 49776. Rel. Des. Agostino Silvério. Julgado em 19.11.2013. Publicado no DJE nº 17, de
27.1.2014).
CA

Em razões recursais (fls. 136-147), o recorrente alegou que o acórdão impugnado divergiu das decisões de outros tribunais quanto à
aplicação do art. 213 do Código Penal, ao desconsiderar as condições e o comportamento da vítima e, em consequência, manter
condenação pelo crime de estupro de vulnerável.

Afirmou que a vítima atuou de modo ativo, seduzindo-o para manter com ela relacionamento amoroso e sexual.
LI

Sustentou que é cultura dos municípios deste Estado o casamento prematuro, consequência do apetite sexual desenvolvimento antes
do tempo.

Discorreu sobre as mudanças no comportamento social dos adolescentes, enfatizando o fato de manterem relações sexuais ainda no
B

início da puberdade.

Citou várias ementas de acórdãos para fundamentar a tese de relativização da vulnerabilidade da vítima para o fim de configuração do
delito de estupro de vulnerável. Nesse ponto, aduziu que a presunção de violência deve ser excluída porquanto ficou comprovado nos
PU

autos que a vítima, além de aquiescer no ato sexual, possui compleição física de pessoa já desenvolvida.

Assinalou que o acórdão divergiu do entendimento sedimentado em decisões do Superior Tribunal de Justiça e de outros tribunais de
justiça do país, citando como paradigmas duas ementas de acórdãos proferidos pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e uma
prolatada pelo Superior Tribunal de Justiça no HC nº 88.664 - GO

Requereu, ao final, o conhecimento e o provimento do presente recurso, com a consequente absolvição.

Intimado, o recorrido apresentou contrarrazões às fls. 164, verso-147 e pugnou, em síntese, pela não admissão do recurso diante da
falta de regularidade formal (ausência de procuração), bem como por não haver comprovado do dissídio jurisprudencial, ou, caso
contrário, pelo não provimento.

É o relatório.

Passo agora ao exame dos pressupostos e da admissibilidade.

O recurso é cabível, haja vista ter sido interposto contra acórdão unânime deste Tribunal de Justiça, tendo por fundamento o art. 105,
inciso III, alínea "c", da Constituição Federal e, uma vez que se trata de decisão contrária à pretensão do recorrente, constata-se a

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 25


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

presença da legitimidade e do interesse recursais.

A peça recursal contém a exposição dos fatos e do direito. O recurso é tempestivo, pois o acórdão foi publicado no D.J.E. nº 17, de
27.1.2014, e a interposição se deu no dia 11.2.2014, estando dispensado do preparo por se tratar de recurso em ação penal pública.

A matéria infraconstitucional, por sua vez, encontra-se prequestionada.

Contudo, verifica-se impedimento intransponível ao seguimento do recurso.

L
Com efeito, a lei processual civil exige que o advogado subscritor do recurso tenha procuração (mandato) nos autos ou regularize a

IA
representação processual no ato da interposição do recurso especial.

A capacidade postulatória do profissional é exigência inarredável à regularidade formal necessária para a admissão e seguimento dos
recursos excepcionais, sob pena de considerar-se inexistente o recurso apresentado.

IC
Aliás, esse entendimento consta do enunciado da Súmula nº 115 do Superior Tribunal de Justiça, o qual dispõe: "na instância especial
é inexistente recurso interposto por advogado sem procuração nos autos".

Nesse sentido, veja-se o seguinte julgado:

OF
"PENAL E PROCESSO PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PETIÇÃO ELETRÔNICA.
ADVOGADA TITULAR DO CERTIFICADO DIGITAL UTILIZADO PARA ASSINAR A TRANSMISSÃO ELETRÔNICA DA PETIÇÃO SEM
PROCURAÇÃO NOS AUTOS. SÚMULA N. 115/STJ. AGRAVO NÃO CONHECIDO. 1. "Na instância especial é inexistente recurso
interposto por advogado sem procuração nos autos" (Súmula n. 115/STJ). 2. "No momento da interposição do recurso a representação
processual deve estar formalmente perfeita, uma vez que é inaplicável a regra do art. 13 do CPC na via extraordinária" (AgRg no AgRg
nos EREsp 1081098/DF, Rel. Min. FELIX FISCHER, Corte Especial, DJe de 28.10.2010). 3. Agravo regimental não conhecido." (AgRg
no AREsp 291.213/SP, Rel. Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA, SEXTA TURMA, julgado em 05/09/2013, DJe 19/09/2013).
O
No presente caso, não há nos autos habilitação do advogado do recorrente por meio de instrumento procuratório. A referida situação
não foi regularizada nem mesmo na peça de interposição do recurso especial, motivo pelo qual este não pode prosperar.
ÇÃ

Por outro lado, quanto à alegação de divergência jurisprudencial, o recorrente limitou-se a transcrever a ementa dos julgados utilizados
como paradigmas, sem, entretanto, realizar o necessário cotejo analítico entre os arestos divergentes.

Nesse sentido:

"PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. ART. 535 DO CPC. VIOLAÇÃO NÃO CARACTERIZADA. REENQUADRAMENTO DE
CA

PROFESSOR. REPERCUSSÃO NA ESFERA FINANCEIRA. AUSÊNCIA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO. NULIDADE DO ATO.


DANO MORAL. CONFIGURAÇÃO. CONTRARIEDADE A SÚMULA. INADMISSIBILIDADE. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL NÃO
DEMONSTRADO. 1. [...] 2. Não se pode conhecer do recurso pela alínea "c" do permissivo constitucional, quando o recorrente não
realiza o necessário cotejo analítico, bem como não apresenta, adequadamente, o dissídio jurisprudencial. Apesar da transcrição de
ementa, não foram demonstradas as circunstâncias identificadoras da divergência entre o caso confrontado e o aresto paradigma. 3.
Ainda que a divergência fosse notória, esta Corte tem entendimento pacífico de que não há dispensa do cotejo analítico, a fim de
LI

demonstrar a divergência entre os arestos confrontados. 4. O apelo não pode ser conhecido quanto à alegação de violação da Súmulas
98/STJ, tendo em vista que súmula não pode ser enquadrada no conceito de lei federal para que seja objeto do estreito recurso
especial. Agravo regimental improvido." (AgRg no AREsp 474.146/ES, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA,
julgado em 01/04/2014, DJe 07/04/2014).
B

Registre-se, por fim, que as ementas inseridas no corpo das razões recursais dizem respeito a julgados do Tribunal de Justiça do
Estado de São Paulo, enquanto que os anexos, relativos à comprovação exigida pelo art. 541, parágrafo único, do CPC, são dos
tribunais dos Estados do Acre e de Alagoas.
PU

Além disso, o aresto do Superior Tribunal de Justiça, também utilizado para o fim de demonstrar a alegada divergência, trata-se de
acórdão prolatado em habeas corpus. É firme a orientação daquela Corte Especial no sentido de que decisões em habeas corpus não
servirem à comprovação pretendida, conforme se extrai do seguinte julgado:

"PENAL E PROCESSO PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NOS EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. 1.
ACÓRDÃO PARADIGMA PROFERIDO EM HABEAS CORPUS. NÃO CABIMENTO. ALEGADA INCONSTITUCIONALIDADE DO ART.
266 DO RISTJ. PEDIDO DE REMESSA À CORTE ESPECIAL. TEMA JÁ APRECIADO NAQUELE ÓRGÃO. EAG N. 1.404.093/SP. 2.
AGRAVO QUE NÃO ADMITIU O RECURSO ESPECIAL. NÃO CABIMENTO DOS EMBARGOS. ÓBICE DA SÚMULA 315/STJ. 3.
INCIDÊNCIA DA SÚMULA 7/STJ. JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE. REGRA TÉCNICA DE CONHECIMENTO. 4. AGRAVO
REGIMENTAL IMPROVIDO. 1. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é pacífica no sentido de que o acórdão proferido em
habeas corpus não serve como paradigma para fins de comprovação do dissídio jurisprudencial, a fim de viabilizar o cabimento dos
embargos de divergência. Tema já assentado pela Corte Especial no julgamento dos Embargos de Divergência no Agravo de
Instrumento n. 1.404.093/SP. [...] 4. Agravo regimental a que se nega provimento." (AgRg nos EAg 1384194/RJ, Rel. Ministro MARCO
AURÉLIO BELLIZZE, TERCEIRA SEÇÃO, julgado em 26/03/2014, DJe 02/04/2014).

Com esses fundamentos, nego seguimento ao presente recurso especial.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 26


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Publique-se.

Intimem-se.

Nº do processo: 0015675-25.2012.8.03.0001
APELAÇÃO CRIMINAL
Origem: 1ª VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DE MACAPÁ

L
Apelante: JOSE RICARDO MACIEL DOS SANTOS

IA
Advogado(a): MARCIO ANDREY SERRA PINHEIRO DA SILVA - 2299AP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
ASSISTÊNCIA DE ACUSAÇÃO: ANDERSON GOMES DOS SANTOS
Advogado(a): ADRIANO FONSECA DOS REIS - 2301AP
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

IC
Decisão: JOSÉ RICARDO MACIEL DOS SANTOS interpôs RECURSO ESPECIAL, com fundamento no artigo 105, inciso III, alínea "a",
da Constituição Federal, contra acórdão unânime da Câmara Única do Egrégio Tribunal de Justiça do Amapá, o qual possui a seguinte
ementa:

OF
"PENAL E PROCESSO PENAL - APELAÇÃO CRIMINAL - HOMÍCIDIO QUALIFICADO - TRIBUNAL DO JÚRI - TESES
APRESENTADAS EM PLENÁRIO - OPÇÃO DOS JURADOS - VEROSSIMILHANÇA - DECISÃO CONTRÁRIA AO CONJUNTO
PROBATÓRIO - INOCORRÊNCIA. 1) A opção do Conselho de Sentença por uma das teses apresentadas em plenário é soberana,
máxime quando está em harmonia com os elementos de prova carreados aos autos. Assim, não há falar-se em decisão
manifestamente contrária à prova dos autos quando ela encontra eco no conjunto probatório produzido durante a instrução processual.
2) Apelo não provido." (TJAP - Câmara Única - Acórdão nº 50871 - Rel. Des. Gilberto Pinheiro - Julgado em 21.01.2014 - Publicado no
DJE nº 34, de 20.02.2014)
O
Em razões recursais (fls. 313/314), o recorrente alegou que o acórdão confrontado negou vigência ao art. 129, §4º, do Código Penal, ao
deixar de aplicar a causa de diminuição de pena.
ÇÃ

Apresentou a tese de negativa de autoria e aduziu que o crime foi praticado sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida à
injusta provocação da vítima.

Requereu, assim, o conhecimento e o provimento do presente recurso para absolvê-lo da acusação, desclassificar o delito para lesão
corporal ou para reduzir em um terço a sanção imposta.

Intimada, a Procuradoria de Justiça apresentou contrarrazões às fls. 323/332 e pugnou pela não admissão da insurgência, por
CA

encontrar óbice na Súmula nº 07 do Superior Tribunal de Justiça, ou, sucessivamente, pelo improvimento do recurso.

É o relatório.

Passo agora ao exame dos pressupostos e da admissibilidade.


LI

O recurso é cabível, haja vista ter sido interposto contra acórdão unânime deste Tribunal de Justiça, tendo por fundamento o art. 105,
inciso III, alínea "a", da Constituição Federal e, uma vez que se trata de decisão contrária à pretensão do recorrente, constata-se a
presença da legitimidade e do interesse recursais.
B

A peça recursal contém exposição dos fatos e do direito, bem como está subscrita por advogado com poderes processuais (procuração
à fl. 316), atendendo, dessa forma, ao requisito da regularidade formal. O recurso é, também, tempestivo, pois o acórdão foi publicado
no D.J.E. nº 34, de 20.02.2014, e a interposição se deu no dia 25.02.14, estando dispensado do preparo por se tratar de recurso em
ação penal pública.
PU

A matéria infraconstitucional, por sua vez, encontra-se parcialmente prequestionada.

Contudo, verifica-se impedimento intransponível ao seguimento do recurso.

O recurso especial tem por finalidade propiciar a uniformização jurisprudencial mediante a correta interpretação e aplicação da
legislação infraconstitucional, sendo, por isso, incabível para o reexame de provas. Caracteriza-se por ser uma via excepcional de
impugnação às decisões judiciais e possui fundamento no art. 105, inciso III, da Constituição Federal, conforme enunciado que adiante
se transcreve:

"Art. 105. Compete ao Superior Tribunal de Justiça:


[...]
III - julgar, em recurso especial, as causas decididas em única ou última instância, pelos Tribunais Regionais Federais ou pelos tribunais
dos Estados, do Distrito Federal e Territórios, quando a decisão recorrida:
a) contrariar tratado ou lei federal, ou negar-lhes vigência;
b) julgar válido ato de governo local contestado em face de lei federal;
c) der a lei federal interpretação divergente da que lhe haja atribuído outro tribunal."

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 27


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

O manejo do recurso teve por fundamento a alínea "a", inciso III, daquele dispositivo, razão pela qual a admissibilidade ficou vinculada
à demonstração de ter havido, no acórdão impugnado, incorreta aplicação de tratado ou lei federal, escopo normativo não alcançado
pelo recorrente ao longo das razões recursais.

No presente caso, o recorrente indicou apenas o art. 129, §4º, do Código Penal, como aquele que teve a sua vigência negada. Todavia,
no pedido, requereu também a sua absolvição e a desclassificação do delito para lesão corporal, sem justificar a sua pretensão.

Desse modo, a deficiência na fundamentação impede o seguimento do recurso, pois não permite a exata compreensão da controvérsia.

L
Tal fato enseja a aplicação, por analogia, do enunciado da Súmula nº 284 do Supremo Tribunal Federal, conforme decidido no seguinte

IA
julgado:

"PROCESSUAL PENAL. RECURSO ESPECIAL INTERPOSTO PELA ALÍNEA 'C' DO INCISO III DO ART. 105 DA CARTA MAGNA.
ACÓRDÃO PARADIGMA PROFERIDO EM SEDE DE HABEAS CORPUS. IMPOSSIBILIDADE. DISSÍDIO PRETORIANO NÃO
DEMONSTRADO. PRECEDENTES. INDICAÇÃO DO DISPOSITIVO LEGAL OBJETO DA DIVERGÊNCIA. AUSÊNCIA. DEFICIÊNCIA

IC
NA FUNDAMENTAÇÃO. INDICAÇÃO NO REGIMENTAL DO ART. 118, I, DA LEI N.º 7.210/84. INOVAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE.
AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO. 1. Não se prestam para o conhecimento do apelo nobre pela alínea "c" do inciso III do art. 105
da Constituição Nacional, os julgamentos proferidos em mandado de segurança, recurso ordinário em mandado de segurança e habeas
corpus, pois nestes, é possível a apreciação de normas de direito local e constitucional, cujo exame é vedado no âmbito do recurso

OF
especial. Precedentes. 2. O apelo especial interposto com espeque apenas na alínea "c" do inciso III do art. 105 da Carta Magna,
também requer a indicação do dispositivo de lei a que se teria dado interpretação divergente, importando referida ausência em
deficiência na fundamentação do reclamo nobre. Exegese do enunciado sumular n.º 284/STF. Precedentes. 3. Inviável a
particularização do artigo de lei federal objeto do suposto dissídio pretoriano apenas em sede de agravo regimental, eis que tal medida
importa em inovação de fundamento, o que é vedado. 4. Agravo regimental a que se nega provimento." (STJ - Quinta Turma - AgRg no
REsp 1347090/SP - Rel. Ministro Jorge Mussi - Julgado em 18.12.2012 - DJe 01.02.2013).

E, no tocante à citada negativa de vigência ao art. 129, §4º, do Código Penal, a alegação de haver praticado o crime sob o domínio de
O
violenta emoção, logo após injusta provocação da vítima, trata-se, na verdade, de inovação do recorrente, porquanto não permeou as
decisões proferidas no bojo dos presentes autos, uma vez que não foi objetivo de quesitação no julgamento do Tribunal do Júri e que
não constou das razões de apelação.
ÇÃ

Dessa forma, a ausência de prequestionamento obsta em absoluto a análise do recurso especial.

Esse entendimento é firme no âmbito do Superior Tribunal de Justiça:

"AGRAVO REGIMENTAL. AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PROCESSUAL CIVIL. PLURALIDADE DE ADVOGADOS. DUAS
INTIMAÇÕES. CONTAGEM DO PRAZO. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO DA MATÉRIA PELO COLEGIADO. SÚMULA 282 E
CA

356/STF. PEDIDO DE PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA. INEXISTÊNCIA. INTIMAÇÃO EM NOME DE QUALQUER DELES. VALIDADE.
INCIDÊNCIA DA SÚMULA 83/STJ. RECURSO DESPROVIDO. 1. Para que se configure o prequestionamento, há que se extrair do
acórdão recorrido pronunciamento sobre as teses jurídicas em torno dos dispositivos legais tidos como violados, a fim de que se possa,
na instância especial, abrir discussão sobre determinada questão de direito, definindo-se, por conseguinte, a correta interpretação da
legislação federal. 2. [...] 3. Agravo regimental não provido" (AgRg no AREsp 374.266/CE, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO,
QUARTA TURMA, julgado em 17/12/2013, DJe 03/02/2014).
LI

Com efeito, o que realmente deseja o recorrente é a reanálise do conjunto de provas constante dos autos, pretensão vedada pelo
enunciado da Súmula nº 07 do Superior Tribunal de Justiça.
B

Portanto, como exposto, os questionamentos apontados pela parte demonstram apenas insatisfação com o resultado do julgamento,
sendo tal análise vedada em sede de recurso especial.

Com esses fundamentos, nego seguimento ao recurso especial.


PU

Publique-se.

Intimem-se.

Nº do processo: 0010728-30.2009.8.03.0001
APELAÇÃO CRIMINAL
Origem: 1ª VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DE MACAPÁ

Apelante: JEAN FERREIRA DE ATAÍDE, JOSINILDO FERREIRA DE ATAÍDE


Defensor(a): IVANCI MAGNO DE OLIVEIRA - 1004AP, ROGERIO BAIA DE SOUSA - 1547AP
Apelado: JOÃO FRANCISCO DAS CHAGAS FURTADO, MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): ALENSON MARLON TAVARES LAMEIRA - 1626AP, JOAQUIM RAIMUNDO GIBSON MACHADO - 1332AP
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO
Decisão:
JEAN FERREIRA DE ATAÍDE e JOSINILDO FERREIRA DE ATAÍDE interpuseram RECURSO ESPECIAL, com fundamento no artigo
105, inciso III, alínea "a", da Constituição Federal, contra acórdão unânime da Câmara Única do Egrégio Tribunal de Justiça do Amapá,

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 28


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

o qual possui a seguinte ementa:

"PENAL E PROCESSUAL PENAL - ART. 121, § 2º, II e IV, 29 DO CÓDIGO PENAL - ABSOLVIÇÃO - LEGÍTIMA DEFESA - DECISÃO
MANIFESTAMENTE CONTRÁRIA À PROVA DOS AUTOS - SOBERANIA DOS VEREDICTOS MACULADA. 1) A decisão do Conselho
de Sentença, manifestamente contrária à prova dos autos, deve ser cassada pelo Tribunal de Justiça, sem que isto signifique violação
da soberania dos veredictos. 2) Demonstrado de forma suficientemente e fundamentada que a decisão absolutória proferida pelo
Tribunal do Júri se divorciou da prova dos autos, quanto à tese de legítima defesa, correta sua cassação para que outro julgamento se
realize. 3) Apelação do Ministério Público provida e apelo dos réus desprovido." (TJAP - Câmara Única - Acórdão nº 47986 - Rel. Des.

L
Agostino Silvério - Julgado em 15.10.2013 - Publicado no DJE nº 223, de 06.12.2013)

IA
Em razões recursais (fls. 381/388), os recorrentes alegaram que o acórdão confrontado violou os arts. 155 e 593, III, "a", do Código de
Processo Penal.

Argumentaram, em síntese, que as suas condenações consistem em julgamento manifestamente contrário à prova dos autos e que a
decisão impugnada, a qual determinou a submissão do corréu que fora absolvido pelo Júri popular a novo julgamento, deveria

IC
contemplá-los, uma vez que a denúncia os indicou apenas como apoiadores morais daquele agente durante a prática criminosa.

Requereram, assim, o conhecimento e o provimento do presente recurso para reformar a decisão recorrida e levá-los a novo
julgamento.

OF
Intimada, a Procuradoria de Justiça apresentou contrarrazões às fls. 394/403 e pugnou pela não admissão do recurso, por não haver
contrariedade ou negativa de vigência à lei federal no acórdão guerreado.

É o relatório.

Passo agora ao exame dos pressupostos e da admissibilidade.


O
O recurso é cabível, haja vista ter sido interposto contra acórdão unânime deste Tribunal de Justiça, tendo por fundamento o art. 105,
inciso III, alínea "a", da Constituição Federal e, uma vez que se trata de decisão contrária à pretensão dos recorrentes, constata-se a
presença da legitimidade e do interesse recursais.
ÇÃ

A peça recursal contém exposição dos fatos e do direito, bem como está subscrita por Defensor Público com poderes processuais
(nomeação à fl. 170), atendendo, dessa forma, ao requisito da regularidade formal. O recurso é, também, tempestivo, pois o acórdão foi
publicado no D.J.E. nº 223, de 06.12.2013, e a interposição se deu no dia 03.02.2013, estando dispensado do preparo por se tratar de
recurso em ação penal pública.

A matéria infraconstitucional, por sua vez, encontra-se prequestionada.


CA

Contudo, verifica-se impedimento intransponível ao seguimento do recurso.

O recurso especial tem por finalidade propiciar a uniformização jurisprudencial mediante a correta interpretação e aplicação da
legislação infraconstitucional, sendo, por isso, incabível para o reexame de provas. Caracteriza-se por ser uma via excepcional de
impugnação às decisões judiciais e possui fundamento no art. 105, inciso III, da Constituição Federal, conforme enunciado que adiante
LI

se transcreve:

"Art. 105. Compete ao Superior Tribunal de Justiça:


[...]
B

III - julgar, em recurso especial, as causas decididas em única ou última instância, pelos Tribunais Regionais Federais ou pelos tribunais
dos Estados, do Distrito Federal e Territórios, quando a decisão recorrida:
a) contrariar tratado ou lei federal, ou negar-lhes vigência;
b) julgar válido ato de governo local contestado em face de lei federal;
PU

c) der a lei federal interpretação divergente da que lhe haja atribuído outro tribunal."

O manejo do recurso teve por fundamento a alínea "a", inciso III, daquele dispositivo, razão pela qual a admissibilidade ficou vinculada
à demonstração de ter havido, no acórdão impugnado, incorreta aplicação de tratado ou lei federal, escopo normativo não alcançado
pelos recorrentes ao longo das razões recursais.

Com efeito, o que realmente desejam os recorrentes é a reanálise do conjunto de provas constante dos autos, pretensão vedada pelo
enunciado da Súmula nº 7 do Superior Tribunal de Justiça.

Nesse sentido, conforme assentado pelo Superior Tribunal de Justiça:

"AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. CRIME DE HOMICÍDIO DOLOSO SUBMETIDO A JULGAMENTO
PELO TRIBUNAL DO JÚRI. DECRETO ABSOLUTÓRIO. ALEGAÇÃO MINISTERIAL DE QUE A DECISÃO É MANIFESTAMENTE
CONTRÁRIA À PROVA DOS AUTOS AFASTADA PELO TRIBUNAL DE ORIGEM. REEXAME DO CONJUNTO FÁTICO-
PROBATÓRIO. IMPOSSIBILIDADE. SÚM. 07/STJ. I- Não é possível, na via especial, desconstituir a conclusão a que chegou o
Tribunal de origem - soberano na análise de fatos e provas - de que o decreto absolutório proferido pelo Conselho de Sentença não é
manifestamente contrário à prova dos autos. Óbice da Súmula 07/STJ. Precedentes. II- Agravo improvido." (STJ - Quinta Turma - AgRg
no AREsp 97656/ES - Rel. Min. Regina Helena Costa - Julgado em 10.12.2013 - DJe de 13.12.2013)

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 29


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Ademais, em análise às razões recursais, percebe-se que os argumentos apresentados limitam-se a questões resolvidas por esta Corte
Estadual, conforme demonstra o seguinte excerto do acórdão ora enfrentado:

"Pois bem, adianto, desde logo, que assiste razão ao Parquet, haja vista que o Conselho de Sentença julgou de forma cabalmente
contrária à prova dos autos quando absolveu o réu João Francisco da Chagas Furtado denunciado como autor do ilícito penal,
conforme restará claro na motivação que passo a expender.

L
Nesse passo, antecipo também, que não merece guarida o recurso interposto pelos coréus JEAN E JOSENILDO, pois sobejamente

IA
demonstrado que participaram do evento criminoso, que se iniciou com a briga de gangues rivais, e culminou na morte da vítima
Rosinaldo Carmelino, vulgo " ROSÃO".

[...]

IC
Portanto, consoante as declarações acima transcritas, além dos depoimentos em juízo (CD de áudio fls. 217), e em Plenário (CD de
áudio às fls. 301), não há controvérsia quanto à presença do apelado JOÃO FRANCISCO DAS CHAGAS FURTADO, bem como dos
apelantes JEAN FERREIRA DE ATAÍDE e JOSENILDO FERREIRA DE ATAÍDE na cena do crime, restando cristalino o animus necandi
dos envolvidos."

OF
Portanto, como exposto, os questionamentos apontados pelas partes demonstram apenas insatisfação com o resultado do julgamento,
sendo tal análise vedada em sede de recurso especial.

Com esses fundamentos, nego seguimento ao recurso especial.

Nº do processo: 0022247-60.2013.8.03.0001
O
APELAÇÃO CRIMINAL
Origem: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ
ÇÃ

Apelante: PAULO BRANDAO DA SILVA


Advogado(a): MAURICIO SILVA PEREIRA - 979AP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO
Decisão: PAULO BRANDÃO DA SILVA interpôs RECURSO ESPECIAL, com fundamento no artigo 105, inciso III, alínea "a", da
Constituição Federal, contra acórdão unânime da Câmara Única do Egrégio Tribunal de Justiça do Amapá, o qual possui a seguinte
ementa:
CA

"PENAL E PROCESSO PENAL - APELAÇÃO CRIMINAL - TRÁFICO DE DROGAS E ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO -
INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA - PRORROGAÇÃO - DECISÃO FUDAMENTADA - AUSÊNCIA DE ILEGALIDADE -
MATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADAS - DEPOIMENTO POLICIAIS - CREDIBILIDADE - APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO IN
DUBIO PRO REO - IMPOSSIBILIDADE - QUANTUM PENAL - REDUÇÃO. 1) Não há que falar em nulidade do processo em razão do
deferimento de prorrogação de interceptação telefônica quando as decisões que a autorizam são devidamente fundamentadas,
LI

demonstrando a necessidade de continuidade do ato. 2) Correta é a decisão monocrática que o condena o acusado pela prática do
delito de associação para o tráfico quando evidenciado pelo conjunto probatório a associação de duas ou mais pessoas para o fim de
praticar, reiteradamente o tipo penal previsto no artigo 33, da Lei de Tóxicos. 3) O depoimento dos policiais que efetuam a prisão
reveste-se de credibilidade, nomeadamente quando em harmonia com os demais elementos de prova constantes dos autos. 4) Ausente
B

possibilidade de aplicação do princípio in dubio pro reo quando o conjunto probatório encartado nos autos, é farto em demonstrar a
conduta delitiva praticado pelo acusado. 5) Impõe-se a redução da sanção aplicada ao réu, quando fixada em patamar acima do que
seria necessário para prevenção e repressão do delito. 6) Apelo parcialmente provido." (TJAP - Câmara Única - Apelação Criminal -
Acórdão nº 49421 - Rel. Des. Gilberto Pinheiro - Julgado em 29.10.2013 - Publicado no DJE nº 08, de 14.01.2014).
PU

Em razões recursais (fls. 380/387), o recorrente alegou que o acórdão confrontado contrariou e negou vigência aos arts. 5º e 6º da Lei
nº 9.296/1996, e 59 do Código Penal.

Argumentou que o procedimento seria nulo por haver utilizado prova decorrente de interceptação telefônica eivada de vícios, em razão
de ter superado o prazo de 30 (trinta) dias e da ausência de degravação integral da medida.

Ademais, aduziu que a fixação das penas-base acima do mínimo legal seria desproporcional, uma vez que as circunstâncias judiciais
eram preponderantemente favoráveis.

Requereu, assim, o conhecimento e o provimento do presente recurso para reformar a decisão guerreada.

Intimada, a Procuradoria de Justiça apresentou contrarrazões às fls. 403/412, pugnando pela não admissão da insurgência, por
encontrar óbice na Súmula nº 07 do Superior Tribunal de Justiça, ou, sucessivamente, pelo improvimento do recurso.

É o relatório.

Passo agora ao exame dos pressupostos e da admissibilidade.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 30


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

O recurso é cabível, haja vista ter sido interposto contra acórdão unânime deste Tribunal de Justiça, tendo por fundamento o art. 105,
inciso III, alínea "a", da Constituição Federal e, uma vez que se trata de decisão contrária à pretensão do recorrente, constata-se a
presença da legitimidade e do interesse recursais.

A peça recursal contém exposição dos fatos e do direito, bem como está subscrita por advogado com poderes processuais (procuração
à fl. 98), atendendo, dessa forma, ao requisito da regularidade formal. O recurso é, também, tempestivo, pois o acórdão foi publicado no
D.J.E. nº 08, de 14.01.2014, e a interposição se deu no dia 29.01.2014, estando dispensado do preparo por se tratar de recurso em

L
ação penal pública.

IA
A matéria infraconstitucional, por sua vez, encontra-se prequestionada.

Contudo, verifica-se impedimento intransponível ao seguimento do recurso.

O recurso especial tem por finalidade propiciar a uniformização jurisprudencial mediante a correta interpretação e aplicação da

IC
legislação infraconstitucional, sendo, por isso, incabível para o reexame de provas. Caracteriza-se por ser uma via excepcional de
impugnação às decisões judiciais e possui fundamento no art. 105, inciso III, da Constituição Federal, conforme enunciado que adiante
se transcreve:

OF
"Art. 105. Compete ao Superior Tribunal de Justiça:
[...]
III - julgar, em recurso especial, as causas decididas, em única ou última instância, pelos Tribunais Regionais Federais ou pelos
tribunais dos Estados, do Distrito Federal e Territórios, quando a decisão recorrida:
a) contrariar tratado ou lei federal, ou negar-lhes vigência;
b) julgar válido ato de governo local contestado em face de lei federal;
c) der a lei federal interpretação divergente da que lhe haja atribuído outro tribunal."
O
O manejo do recurso teve por fundamento a alínea "a", inciso III, daquele dispositivo, razão pela qual a admissibilidade ficou vinculada
à demonstração de ter havido, no acórdão impugnado, incorreta aplicação de tratado ou lei federal, escopo normativo não alcançado
pelo recorrente ao longo das razões recursais.
ÇÃ

Com efeito, o que realmente deseja o recorrente é a reanálise do conjunto de provas constante dos autos, pretensão vedada pelo
enunciado da Súmula nº 7 do Superior Tribunal de Justiça.

Nesse sentindo, conforme assentado pelo Tribunal de Justiça:

"AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. CRIME DO ART. 305 DO CÓDIGO PENAL (SUPRESSÃO DE DOCUMENTO
CA

PÚBLICO). ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO À LEI FEDERAL. ART. 564, I, DO CPP. INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA. FASE
INQUISITORIAL. JUÍZO INICIALMENTE COMPETENTE. POSTERIOR DESLOCAMENTO DA COMPETÊNCIA POR PRERROGATIVA
DE FORO DE CORRÉU. [...]. 1. Não há falar em ilegalidade das provas obtidas por meio das interceptações telefônicas, notadamente
em razão das considerações lançadas no acórdão recorrido, que rechaçam as alegações do Agravante acerca das datas do
ajuizamento da medida cautelar e da quebra do sigilo telefônico, sendo imprópria a arguição de suposto "erro material" na via especial,
que não admite reexame do acervo probatório, a teor da Súmula n.º 07 desta Corte. 2. [...]" (STJ - Quinta Turma - AgRg no REsp
LI

1252203/RJ - Rel. Min. Laurita Vaz - Julgado em 04.02.2014 - DJe de 17.02.2014)

"AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. MOEDA FALSA. AFRONTA AO ART. 59 DO CP. DOSIMETRIA. REEXAME DO
ACERVO FÁTICO-PROBATÓRIO. SÚMULA 7, STJ. ELEMENTOS. AGRAVO REGIMENTAL NÃO PROVIDO. 1. O Eg. Tribunal a quo,
B

com base no acervo fático-probatório, entendeu que o Juízo singular aplicou a pena-base ao condenado com base nas circunstâncias
judiciais do caso concreto, sendo considerada negativa a vetorial atinente à conduta social do réu, fazendo incidir o óbice da Súmula 7,
STJ a desconstituição de tal entendimento. 2. Agravo regimental não provido." (STJ - Quinta Turma - AgRg no REsp 1402277/PR - Rel.
Min. Moura Ribeiro - Julgado em 20.03.2014 - DJe de 28.03.2014)
PU

Além disso, em análise às razões recursais, percebe-se que os argumentos apresentados limitam-se a questões exaustivamente
resolvidas pela Corte Estadual, conforme demonstra o seguinte excerto do acórdão ora enfrentado:

"Paulo Brandão da Silva arguiu, preliminarmente, a ilegalidade da prova produzida, nomeadamente a interceptação telefônica, aduzindo
para tanto que ela somente poderia ser válida se presentes indícios razoáveis de autoria ou participação em infração penal, além de ter
se prolongado por prazo superior àquele previsto em lei (15 dias).

Diversamente do que afirma o requerente, as interceptações telefônicas solicitadas pela Polícia Federal foram deferidas por serem
imprescindíveis para prosseguimento das investigações policiais, tendo o magistrado fundamentado às autorizações em indícios de
autoria.

No que pertine à arguição de extensão das interceptações por prazo superior ao previsto em lei, esta também não prospera, porquanto,
apesar do art. 5º, da Lei nº 9.296/96, estabelecer o limite de 15 (quinze) dias para tal interceptação, assegura que termo poderá ser
renovado, bastando que fique comprovada a indispensabilidade do meio de prova.

[...]

No caso em tela, não houve qualquer ilegalidade nas prorrogações do prazo da interceptação telefônica, pois a cada solicitação a

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 31


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

autoridade policial apresentava relatórios que demonstrava a necessidade da reiteração do pedido.

[...]

Superada a questão relativa a autoria e materialidade delitivas, passo a análise das sanções fixadas.

Em relação ao delito de tráfico, o magistrado, seguindo o sistema trifásico de aplicação da pena, fixou à pena-base, em 07 (sete) anos
de reclusão e 750 (setecentos e cinqüenta) dias multa, em razão da existência de circunstâncias judiciais desfavoráveis (maus

L
antecedentes, personalidade e conseqüências). Em seguida, agravou a sanção, em face à reincidência, para 08 (oito) anos e 02 (dois)
meses de reclusão e 875 (oitocentos e setenta e cinco) dias. Por fim, diante da causa de aumento prevista no art. 40, V da Lei de

IA
Tóxico, majorou, em 1/3 (um terço), fixando-a à míngua de qualquer outra causa modificativa, em 10 (dez) anos de reclusão e 1.167
(mil cento e sessenta e sete) dias multa.

Nesta última fase, entendo necessário apenas um pequeno reparo, devendo ser majorada a sanção em apenas 1/6 (um sexto),
restando definitiva em 09 (nove) anos e 06 (seis) meses e 10 (dez) dias de reclusão, além de 1.021 (mil e vinte e um) dias multa.

IC
Em relação ao crime de associação para o tráfico, seguindo sistema trifásico de aplicação da pena, fixou à pena-base, em 04 (quatro)
anos de reclusão e 850 (oitocentos e cinqüenta) dias multa, em razão da existência de circunstâncias judiciais desfavoráveis (maus
antecedentes, personalidade e conseqüências). Em seguida, agravou a sanção, em face à reincidência, para 04 (quatro) anos e 08

OF
(oito) meses de reclusão e 992 (novecentos e noventa e dois) dias. Por fim, diante da causa de aumento prevista no art. 40, V da Lei de
Tóxico, majorou, em 1/3 (um terço), fixando-a a míngua de qualquer outra causa modificativa, em 06 (seis) anos de reclusão e 1.323
(mil trezentos e vinte e três) dias multa.

De igual forma, nesta última fase, entendo necessário apenas um pequeno reparo, devendo ser majorada a sanção em apenas 1/6 (um
sexto), restando definitiva em 05 (cinco) anos e 05 (cinco) meses e 10 (dez) dias de reclusão, além de 1.157 (mil cento e cinquenta e
sete) dias-multa."
O
Portanto, como exposto, os questionamentos apontados pela parte demonstram apenas insatisfação com o resultado do julgamento,
sendo tal análise vedada em sede de recurso especial.
ÇÃ

Com esses fundamentos, nego seguimento ao recurso especial.

Publique-se.

Intimem-se.
CA

Nº do processo: 0022247-60.2013.8.03.0001
APELAÇÃO CRIMINAL
Origem: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ

Apelante: PAULO BRANDAO DA SILVA


Advogado(a): MAURICIO SILVA PEREIRA - 979AP
LI

Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO
Decisão:
PAULO BRANDÃO DA SILVA interpôs RECURSO EXTRAORDINÁRIO, com fundamento no artigo 102, inciso III, alínea "a", da
B

Constituição Federal, contra acórdão unânime da Câmara Única do Egrégio Tribunal de Justiça do Amapá, o qual possui a seguinte
ementa:

"PENAL E PROCESSO PENAL - APELAÇÃO CRIMINAL - TRÁFICO DE DROGAS E ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO -
PU

INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA - PRORROGAÇÃO - DECISÃO FUDAMENTADA - AUSÊNCIA DE ILEGALIDADE -


MATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADAS - DEPOIMENTO POLICIAIS - CREDIBILIDADE - APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO IN
DUBIO PRO REO - IMPOSSIBILIDADE - QUANTUM PENAL - REDUÇÃO. 1) Não há que falar em nulidade do processo em razão do
deferimento de prorrogação de interceptação telefônica quando as decisões que a autorizam são devidamente fundamentadas,
demonstrando a necessidade de continuidade do ato. 2) Correta é a decisão monocrática que o condena o acusado pela prática do
delito de associação para o tráfico quando evidenciado pelo conjunto probatório a associação de duas ou mais pessoas para o fim de
praticar, reiteradamente o tipo penal previsto no artigo 33, da Lei de Tóxicos. 3) O depoimento dos policiais que efetuam a prisão
reveste-se de credibilidade, nomeadamente quando em harmonia com os demais elementos de prova constantes dos autos. 4) Ausente
possibilidade de aplicação do princípio in dubio pro reo quando o conjunto probatório encartado nos autos, é farto em demonstrar a
conduta delitiva praticado pelo acusado. 5) Impõe-se a redução da sanção aplicada ao réu, quando fixada em patamar acima do que
seria necessário para prevenção e repressão do delito. 6) Apelo parcialmente provido." (TJAP - Câmara Única - Apelação Criminal -
Acórdão nº 49421 - Rel. Des. Gilberto Pinheiro - Julgado em 29.10.2013 - Publicado no DJE nº 08, de 14.01.2014).

Em razões recursais (fls. 390/397), o recorrente alegou que o acórdão confrontado violou o art. 5º, inciso LVI, da Constituição Federal,
ao rejeitar a preliminar de nulidade do processo.

Argumentou que o procedimento seria nulo por haver utilizado prova decorrente de interceptação telefônica eivada de vícios, em razão
de ter superado o prazo de 30 (trinta) dias e da ausência de degravação integral da medida.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 32


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Afirmou, ainda, que a inobservância dos arts. 563 e 566, do Código de Processo Penal, ofendeu o contraditório e a ampla defesa.

Assim, requereu o conhecimento e o provimento do presente recurso para cassar a decisão impugnada e declarar a nulidade do
processo.

Intimada, a Procuradoria de Justiça apresentou contrarrazões às fls. 413/416, pugnando pela não admissão da insurgência, por
encontrar óbice na Súmula nº 279 do Supremo Tribunal Federal, ou, sucessivamente, pelo improvimento do recurso.

L
É o relatório.

IA
Passo agora ao exame dos pressupostos e da admissibilidade.

O recurso é cabível, haja vista ter sido interposto contra acórdão unânime deste Tribunal de Justiça, tendo por fundamento o art. 105,
inciso III, alínea "a", da Constituição Federal e, uma vez que se trata de decisão contrária à pretensão do recorrente, constata-se a

IC
presença da legitimidade e do interesse recursais.

A peça recursal contém exposição dos fatos e do direito, bem como está subscrita por advogado com poderes processuais (procuração
à fl. 98), atendendo, dessa forma, ao requisito da regularidade formal. O recurso é, também, tempestivo, pois o acórdão foi publicado no

OF
D.J.E. nº 08, de 14.01.2014, e a interposição se deu no dia 29.01.2014, estando dispensado do preparo por se tratar de recurso em
ação penal pública.

A matéria constitucional, por sua vez, encontra-se prequestionada.

Registre-se que a preliminar de repercussão geral foi formalmente arguida pelo recorrente, na forma do art. 543-A, §2º, do Código de
Processo Civil.
O
Contudo, verifica-se impedimento intransponível ao seguimento do recurso.

O recurso extraordinário é instrumento processual de competência do Supremo Tribunal Federal que visa manter a hegemonia e a
ÇÃ

autoridade da Constituição da República. Caracteriza-se por ser uma via excepcional de impugnação às decisões judiciais, possuindo
fundamento no art. 102, inciso III, da Constituição Federal, de onde se extraem suas hipóteses de cabimento:

"Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal:


[...]
III - julgar, mediante recurso extraordinário, as causas decididas, em única ou última instância, quando a decisão recorrida:
a) contrariar dispositivo desta Constituição;
CA

b) declarar inconstitucionalidade de tratado ou lei federal;


c) julgar válida lei ou ato de governo local contestado em face desta Constituição;
d) julgar válida lei local contestada em face de lei federal."

No presente caso, a interposição do recurso teve fundamento no permissivo constitucional da alínea "a" daquele dispositivo, razão pela
qual sua admissibilidade ficou vinculada à demonstração de que ter havido contrariedade a dispositivo constitucional, escopo normativo
LI

não alcançado pela recorrente ao longo de suas razões.

Com efeito, consta nas razões do extraordinário que o acórdão recorrido teria violado o art. 5º, LVI, da Constituição Federal. Todavia, o
recorrente sustenta, adiante, que a inobservância dos preceitos dos arts. 563 e 566, ambos do Código de Processo Penal, acarretou
B

prejuízos à sua defesa.

Assim, a verificação da alegada ofensa praticada pela decisão enfrentada demanda necessariamente a análise da legislação
infraconstitucional, qual seja, o Código de Processo Penal.
PU

Bem por isso, não se pode admitir recurso extraordinário quando a alegada lesão à Constituição Federal for reflexa, isto é, quando
houver a necessidade do exame da legislação infraconstitucional para o deslinde da questão.

Nesse sentido, o Supremo Tribunal Federal esposou entendimento na linha do raciocínio aqui seguido:

"AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. ALEGADA EXISTÊNCIA DE OFENSA DIRETA A NORMAS


CONSTITUCIONAIS, A PERMITIR O CONHECIMENTO DO RECURSO. DECISÃO ATACADA QUE APRECIOU ADEQUADA E
EXAUSTIVAMENTE AS QUESTÕES EM DEBATE NOS AUTOS. EVENTUAIS OFENSAS QUE SE REFEREM AO PLANO
INFRACONSTITUCIONAL. PRECEDENTES. 1. Se a análise das alegadas violações das normas constitucionais em que fundamentado
o recurso extraordinário depende, para sua verificação, da apreciação de normas infraconstitucionais e dos fatos em debate nos autos,
tal como aqui ocorre, cuida-se de ofensa meramente reflexa, de insuscetível constatação na via extraordinária. 2. Eventuais vícios
procedimentais ocorridos durante o transcurso do feito, por cuidarem de matéria de direito processual, tampouco podem ser
rediscutidos no apelo extremo. 3. Agravo regimental não provido." (STF - Primeira Turma - AI 696375 AgR - Rel. Min. Dias Toffoli -
Julgado em 17.09.2013 - DJe nº 228, 20.11.2013).

Do mesmo modo, a Suprema Corte pacificou entendimento no sentido de que os princípios da legalidade, do devido processo legal e
da ampla defesa podem configurar, quando muito, situações de ofensa meramente reflexa ao texto constitucional, circunstância que

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 33


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

não viabiliza o acesso à instância extraordinária, conforme se verifica no julgado a seguir:

"AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO. PROCESSUAL CIVIL. ALEGADA VIOLAÇÃO AO ART.
5º, LIV E LV, DA CONSTITUIÇÃO. OFENSA REFLEXA. AGRAVO IMPROVIDO. I - A jurisprudência desta Corte firmou-se no sentido
de que, em regra, a alegação de ofensa aos princípios do devido processo legal, da ampla defesa, do contraditório e da prestação
jurisdicional, quando dependente de exame prévio de normas infraconstitucionais, configura situação de ofensa reflexa ao texto
constitucional, o que inviabiliza o conhecimento do recurso extraordinário. Precedentes. II - Agravo regimental improvido." (STF -
Segunda Turma -ARE 774619 AgR - Rel. Min. Ricardo Lewandowski - Julgado em 03.12.2013 - DJe nº 248, 16.12.2013).

L
Portanto, analisando a argumentação apresentada, verifica-se apenas o inconformismo com o resultado da controvérsia e,

IA
consequentemente, o anseio de rediscutir as questões enfrentadas e decididas por esta Corte de Justiça, pretensão inviável nesta
estreita via recursal, consoante o enunciado da Súmula nº 279 do Supremo Tribunal Federal, a teor do qual "para simples reexame de
prova não cabe recurso extraordinário".

Com esses fundamentos, nego seguimento ao recurso extraordinário.

IC
Publique-se.

Intimem-se.

Nº do processo: 0000294-09.2014.8.03.0000
AGRAVO DE INSTRUMENTO CÍVEL

Agravante: ESTADO DO AMAPÁ


Procurador(a) de Estado: HÉLIO RIOS FERREIRA - 1495BAP
Agravado: ORDENILDO VILHENA ALVES
OF
O
Advogado(a): FAUSTA MELINA VALE DOS SANTOS - 1789AP
Relator: Desembargador RAIMUNDO VALES
Decisão:
ÇÃ

LIMINAR

Vistos, etc.

1. ESTADO DO AMAPÁ, nos autos de Mandado de Segurança que ORDENILDO VILHENA ALVES impetrou contra alegado ato ilegal
atribuído ao COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ [Processo nº 8392-77.2014.8.03.0001 - 6ª Vara
Cível da Comarca de Macapá], interpôs AGRAVO DE INSTRUMENTO em face da decisão [fls. 25/27 - Juiz Paulo Madeira] que deferiu
CA

o pedido liminar formulado na mandamental e garantiu matrícula e frequência do agravado na turma de 2014 do curso de formação de
sargento.

2. Sustentou que a decisão recorrida não pode prevalecer, porquanto:

a] o agravado não trouxe prova pré-constituída de seu alegado direito;


LI

b] a jurisprudência do STF e STJ é unânime em afirmar a impossibilidade de candidato reprovado em prova física se submeter a outro
exame, tendo e vista a proibição expressa no edital;
B

c] uma vez reprovado no exame físico, a decisão recorrida garante ao recorrido tratamento diferenciado em violação ao princípio da
isonomia;

d] o ato impugnado, por obedecer aos parâmetros do edital, encontra-se acobertado pelo princípio da legalidade; e
PU

f] o Judiciário não pode adentrar e revisar o mérito administrativo.

3. Por tais razões, colacionando jurisprudência que entende sustentar sua tese, pugnou, em sede liminar recursal, pela atribuição de
efeito suspensivo ao recurso de agravo, com vistas à sustação da eficácia da decisão agravada. No mérito, sua reforma para que seja
indeferida a tutela postulada na inicial do mandado de segurança impetrado na origem.

4. O recurso foi instruído com as peças obrigatórias exigidas pelo art. 525, I, do CPC [fls. 24/52].

5. É o breve relatório. Passo a fundamentar e decidir quanto ao pedido liminar.

6. Em que pesem os relevantes fundamentos do recurso, falta à concessão do efeito suspensivo pleiteado o segundo dos requisitos
exigidos pelo art. 558 do CPC, qual seja o perigo na demora da prestação jurisdicional.

7. Na verdade, sequer o recorrente se deu ao trabalho de discorrer sobre possíveis prejuízos que a decisão lhe venha a causar. Assim
é que, por ora, não vejo que a liminar agravada se mostra capaz de causar ao Estado do Amapá dano irreparável ou de difícil
reparação.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 34


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

8. Demais disso, em sendo provido o agravo pelo mérito, a decisão desta Corte não terá como ser inócua, visto que a liminar agravada
apenas autoriza participação do recorrido em fase posterior do certame, autorização essa que pode a qualquer momento ser revista.

9. Por fim, em tendo a liminar determinado a realização de novo teste físico no prazo de trinta dias, e não informando o Estado
agravante acerca do seu cumprimento, com muito mais razão não se cogita em perigo na demora da prestação jurisdicional recursal
justificador da suspensão da decisão agravada, pois os efeitos da liminar já podem ter se exaurido.

10. Pelo exposto, ausente o pressuposto do perigo na demora, nego o pedido liminar de atribuição de efeito suspensivo ao presente

L
recurso.

IA
11. Abra-se vista ao agravado para, querendo, ofertar contrarrazões no prazo legal.

12. Em seguida, ao Ministério Público para se manifestar no prazo de lei.

13. Intimem-se.

IC
Nº do processo: 0025635-05.2012.8.03.0001
Origem: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ

OF
APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL
Apelante: MARIO SERGIO TAVARES CARVALHO
Advogado(a): LUIZ MAGNO DO ROSARIO PICANCO - 1643AAP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Juiz Convocado EDUARDO FREIRE CONTRERAS
Acórdão:
PENAL. APELAÇÃO. CRIME DE TRÂNSITO. MATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADA. EMBRIAGUEZ AO VOLANTE. LESÃO
O
CORPORAL. OMISSÃO DE SOCORRO. EXASPERAÇÃO DA PENA. INOCORRÊNCIA. PRINCÍPIO DA CONSUNÇÃO.
APLICABILIDADE. APELO DESPROVIDO. 1) Cabalmente provado nos autos a materialidade e autoria de que o apelante conduzia o
veículo de maneira culposa atropelando e causando lesão corporal na vítima, bem como fugiu do local do acidente sem prestar-lhes o
ÇÃ

devido socorro, a manutenção da sentença condenatória é medida que se impõe. 2) Por se tratar o caso de crime progressivo (deixar
de prestar socorro e fuga do local do acidente), cujo resultado final consistiu na lesão corporal culposa imposta à vítima, correta é a
sentença que, consoante o princípio da consunção, aplica a pena mais grave com o aumento previsto em lei. 3) Apelo desprovido.

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, a CÂMARA ÚNICA do EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ,
CA

à unanimidade, conheceu do recurso e, no mérito, pelo mesmo quorum, negou-lhe provimento, nos termos do voto proferido pelo
Relator.

Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores Juiz Convocado EDUARDO CONTRERAS (Relator), CARMO ANTÔNIO
(Presidente e Revisor) e RAIMUNDO VALES (Vogal).
LI

Macapá, 08 de abril de 2014.


B

Nº do processo: 0000206-68.2014.8.03.0000
AGRAVO REGIMENTAL Tipo: CÍVEL
PU

Agravante: DIONE DAVID BRITO, IRIVAN MARQUES VALENTE, JOSE MARCELO DA SILVA BARROS, JOSE MAURO DOS
SANTOS HAUSSLER, MARCIA SUELI VILHENA CANTO CRUZ, OSVALDINA DE ABREU SANTIAGO, RAIMUNDO BARROS
ALMEIDA, ROMERO CEZAR MONTEIRO CASTELO, ROSINEIDE COSTA DA SILVA, SHIRLEY MONTEIRO MARQUES, WILMAR
CELSO GOES DA TRINDADE
Advogado(a): JANE NAIRA TEIXEIRA ATAIDE - 1432AP, JANE SELMA ALMEIDA DE SOUZA - 2360AP
Agravado: ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Juiz Convocado EDUARDO FREIRE CONTRERAS
Acórdão:
PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO DO RELATOR QUE INDEFERE
PEDIDO DE LIMINAR DE EFEITO SUSPENSIVO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO. INADMISSIBILIDADE. ART. 527, PARÁGRAFO
ÚNICO, DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. 1) Nos termos do art. 527, parágrafo único, do Código de Processo Civil, a decisão que
concede ou denega a atribuição de efeito suspensivo ao agravo de instrumento somente é passível de reforma no momento do
julgamento, salvo se o próprio Relator a reconsiderar, o que não ocorreu na espécie, sendo incabível, portanto, sua impugnação por
qualquer modalidade recursal. 2) Agravo Regimental não conhecido.

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, a CÂMARA ÚNICA do EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ,

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 35


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

à unanimidade, não conheceu do Agravo Regimental, nos termos do voto proferido pelo Relator.

Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Juiz Convocado EDUARDO CONTRERAS (Relator), Desembargadores
CARMO ANTÔNIO (Presidente e Vogal) e RAIMUNDO VALES (Vogal).

Macapá, 08 de abril de 2014.

L
Nº do processo: 0023872-03.2011.8.03.0001

IA
Origem: 6ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

REMESSA EX-OFICIO(REO) Tipo: CÍVEL


Parte Autora: ECT-EMPRESA DE CONSTRUCAO E TERRAPLANAGEM LTDA
Advogado(a): FERNANDO JORGE ARAUJO DOS SANTOS - 420BAP

IC
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: HÉLIO RIOS FERREIRA - 1495BAP
APELAÇÃO Tipo: CÍVEL
Apelante: ESTADO DO AMAPÁ

OF
Procurador(a) de Estado: HÉLIO RIOS FERREIRA - 1495BAP
Apelado: ECT-EMPRESA DE CONSTRUCAO E TERRAPLANAGEM LTDA
Advogado(a): FERNANDO JORGE ARAUJO DOS SANTOS - 420BAP
Relator: Juiz Convocado EDUARDO FREIRE CONTRERAS
Acórdão:
PROCESSUAL CIVIL. REMESSA OFICIAL E APELO VOLUNTÁRIO. AÇÃO DE COBRANÇA. CONDENAÇÃO CONTRA A FAZENDA
PÚBLICA. PRESCRIÇÃO DE PRETENSÃO AUTORAL. REQUERIMENTO ADMINISTRATIVO. ASUÊNCIA DE RESPOSTA OFICIAL.
SUSPENSÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. CAUSA EM QUE VENCIDA A FAZENDA PÚBLICA.
O
APRECIAÇÃO EQUITATIVA DO JULGADOR. JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA. ART. 1º-F DA LEI N. 11.960/2009. ÍNDICE DE
CORREÇÃO APLICÁVEL: IPCA. 1) O requerimento administrativo suspende a contagem do prazo prescricional previsto no Decreto n.
20.901/32 e somente reinicia esta contagem na data da decisão final da Administração. 2) In casu, tendo a empresa credora
ÇÃ

protocolizado, dentro do prazo de cinco anos após o surgimento de seu direito, requerimento administrativo pleiteando o pagamento de
seu crédito, ao qual a Administração não apresentou resposta oficial, não há que se falar em prescrição da pretensão autoral. 3)
Tratando-se de causa em que restou vencida a Fazenda Pública Estadual, os honorários advocatícios devem ser arbitrados pelo
julgador por apreciação equitativa, nos termos do art. 20, §4º, do Código de Processo Civil, verba que, na espécie, atendendo ao
comando legal, revela razoabilidade e proporcionalidade com as particularidades do caso concreto, além de remunerar condignamente
o causídico. 4) O Superior Tribunal de Justiça, no julgamento do Recurso Especial n. 1.270.439/PR, sob a sistemática dos recursos
repetitivos, após a declaração de inconstitucionalidade parcial do art. 5º da Lei n. 11.960/2209, pelo Supremo Tribunal Federal, na ADI
CA

n. 4357/DF, decidiu que, tratando-se de dívidas fazendárias, de natureza não tributária, os juros moratórios devem ser calculados com
base no índice oficial de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança, nos termos da regra do art. 1º-F da Lei
9.494/97, com redação da Lei 11.960/09, enquanto a correção monetária, por força da declaração de inconstitucionalidade parcial, deve
ser calculada com base no IPCA, índice que melhor reflete a inflação acumulada do período. 5) Remessa oficial parcialmente provida.
Apelo voluntário prejudicado.
LI

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, a CÂMARA ÚNICA do EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ,
à unanimidade, conheceu da remessa e do apelo e, no mérito, pelo mesmo quorum, deu provimento parcial à remessa e julgou
B

prejudicado o recurso voluntário, nos termos do voto proferido pelo Relator.

Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Juiz Convocado EDUARDO CONTRERAS (Relator), Desembargadores
CARMO ANTÔNIO (Presidente e Revisor) e RAIMUNDO VALES (Vogal).
PU

Macapá, 08 de abril de 2014.

Nº do processo: 0009011-12.2011.8.03.0001
Origem: 1ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: ACHILES EDUARDO PONTES CAMPOS
Advogado(a): CLEIDE ROCHA DA COSTA - 434AP
Apelado: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: JANAINA DA SILVA ABREU - 1658AP
Relator: Juiz Convocado EDUARDO FREIRE CONTRERAS
Acórdão:
CIVIL E ADMINISTRATIVO. APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE COBRANÇA. ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. MÉDICO
RADIOLOGISTA. GRAU DE EXPOSIÇÃO MÁXIMO. PERÍCIA NÃO CONCLUSIVA. MANUTENÇÃO DA SENTENÇA. 1) O adicional de
insalubridade devido aos servidores estaduais encontra-se contemplado nos artigos 75 a 79, da Lei n. 066/1993 (Estatuto dos
Servidores Públicos). Não por outro motivo, o apelado já realiza o pagamento de 10% (dez por cento) ao apelante, considerando

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 36


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

exposição ao grau médio de insalubridade, conforme comprovam as fichas financeiras acostadas aos autos. 2) Se a perícia não pode
corroborar com o alegado pelo apelante, não há como condenar o apelado a pagar o percentual máximo de insalubridade, em especial
porque, em havendo risco de exposição a agentes químicos, biológicos ou até indiretamente a radiação ionizante, a Administração
Pública já compensa o recorrente com o pagamento do adicional de insalubridade no grau médio, ou seja, 10% (dez por cento) sobre o
vencimento do cargo efetivo. 3) Apelação desprovida.

ACÓRDÃO

L
Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, a CÂMARA ÚNICA do EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ,
à unanimidade, conheceu do recurso e, no mérito, pelo mesmo quorum, negou-lhe provimento, nos termos do voto proferido pelo

IA
Relator.

Participaram do julgamento os Excelentíssimos Senhores: Juiz Convocado EDUARDO CONTRERAS (Relator), Desembargadores
CARMO ANTÔNIO (Presidente e Revisor) e RAIMUNDO VALES (Vogal).

IC
Macapá, 08 de abril de 2014.

Nº do processo: 0036271-98.2010.8.03.0001

OF
Origem: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: EMPRESA FOLHA DA MANHÃ S.A.
Advogado(a): HAGEU LOURENCO RODRIGUES - 860AP
Apelado: GILBERTO DE PAULA PINHEIRO
Advogado(a): FERNANDA TAYANNE DA LUZ PIMENTEL COSTA - 1886AP
Relator: Desembargador CONSTANTINO BRAHUNA
O
Despacho: O adiamento de atos processuais a pedido de quaisquer das partes litigantes pressupõe existência de comprovado justo
motivo capaz de causar-lhes prejuízo no exercício do direito à ampla defesa e ao contraditório, - única relevante circunstância a admitir
mitigação ao princípio da razoável duração do processo.
ÇÃ

O pleito de remarcação da data de julgamento do recurso de apelação interposto, além de não forrado de prova alguma de causa
impeditiva ao comparecimento da procuradora da empresa apelante para apresentação de sustentação oral, - nesse ponto em nada
ofendendo a garantia constitucional à ampla defesa e contraditório, - afronta o princípio da celeridade processual como premissa
decorrente daquele outro já citado postulado ainda maior, que é o da razoável duração do processo.
Indefiro o pedido. Mantenha-se em pauta de julgamento na data que já se encontra agendada.
Publique-se. Intime-se.
CA

PAUTA DE JULGAMENTO
De ordem do Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça e do Presidente da Câmara e Secção Únicas,
Desembargadores Luiz Carlos Gomes dos Santos e Carmo Antônio de Souza , faço ciente a todos os interessados e aos que virem o
presente EDITAL, ou dele conhecimento tiverem, que no dia 25 de abril de 2014, (sexta-feira), às 09:00 horas ou em sessão
subsequente, no Fórum da Comarca de Amapá, endereço: Praça Barão do Rio Branco, nº 64, Centro, Amapá/AP, CEP: 68.950-000,
LI

telefone/fax (96) 3421.1271, realizar-se-á a 117ª Sessão Extraordinária Câmara Única, 13ª Sessão Itinerante do Tribunal de Justiça do
Estado Amapá, para julgamento de processos das Comarcas de Amapá, Tartarugalzinho e Calçoene, adiados constantes de pautas já
publicadas, os apresentados em mesa que independam de publicação e mais os seguintes processos:
B

Nº do processo: 0000778-43.2013.8.03.0005
Origem: VARA ÚNICA DE TARTARUGALZINHO

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO(RSE) Tipo: CRIMINAL


PU

Recorrente: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


Recorrido: JACO MARTINS DIAS
Advogado(a): MAURICIO SILVA PEREIRA - 979AP
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO

Nº do processo: 0000865-32.2009.8.03.0007
Origem: VARA ÚNICA DE CALÇOENE

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ, OSÉAS LOPES TORRES
Advogado(a): ALEXANDRE BATTAGLIN ALMEIDA - 211451SP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ, OSÉAS LOPES TORRES
Advogado(a): ALEXANDRE BATTAGLIN ALMEIDA - 211451SP
Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI

Nº do processo: 0001091-12.2010.8.03.0004

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 37


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Apelado: ALDAIR JOSÉ DE ABREU LOBATO
Defensor(a): IVANCI MAGNO DE OLIVEIRA - 1004AP
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO

L
Nº do processo: 0000567-78.2011.8.03.0004

IA
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: LUIZ CARLOS SANTANA DO VALE
Defensor(a): JOAO FERREIRA DOS SANTOS - 187AP

IC
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador CARMO ANTÔNIO

OF
Nº do processo: 0001441-63.2011.8.03.0004
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: ADANILSON FERREIRA VAZ
Advogado(a): EDIELSON DOS SANTOS SOARES - 496BAP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI
O
Nº do processo: 0000245-58.2011.8.03.0004
ÇÃ

Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Apelado: ADANILSON FERREIRA VAZ, EDIL FERREIRA DE OLIVEIRA
Advogado(a): EDIELSON DOS SANTOS SOARES - 8393PA, JOAO FERREIRA DOS SANTOS - 187AP
Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI
CA

Nº do processo: 0000748-79.2011.8.03.0004
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


LI

Apelante: LEODIVAN RAMOS FIGUEIREDO


Advogado(a): EDIELSON DOS SANTOS SOARES - 496BAP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO
B

Nº do processo: 0000113-55.2012.8.03.0007
Origem: VARA ÚNICA DE CALÇOENE
PU

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Apelado: JORGE AUGUSTO SENA MATOS
Advogado(a): FRANCK JOSÉ SARAIVA DE ALMEIDA - 648AP
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO

Nº do processo: 0001039-45.2012.8.03.0004
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Apelado: EMIDIO DE MORAIS SANTANA
Defensor(a): JOAO FERREIRA DOS SANTOS - 187AP
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 38


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0000502-40.2012.8.03.0007
Origem: VARA ÚNICA DE CALÇOENE

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Apelado: ABIMAEL NUNES QUEIROZ, ANTONIO JOSE TADEU BARROS FILHO, EMERSON DEL CASTILLO MARQUES
Defensor(a): LINDOVAL SANTOS DO ROSARIO - 1622AP
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO

L
IA
Nº do processo: 0001278-49.2012.8.03.0004
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: MANOEL FARIAS SANTOS

IC
Advogado(a): MORENO DE OLIVEIRA TAVORA - 1742BAP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Representante Legal: DENIZE DA SILVA MARTINS, IVONETE DOS SANTOS
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO

Nº do processo: 0000248-33.2013.8.03.0007
Origem: VARA ÚNICA DE CALÇOENE

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: ISAIAS BARBOSA DA SILVA
Defensor(a): LINDOVAL SANTOS DO ROSARIO - 1622AP
OF
O
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO
ÇÃ

Nº do processo: 0000832-12.2013.8.03.0004
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CRIMINAL


Apelante: RAIMUNDO CARLOS SILVA CARVALHO
Defensor(a): JOAO FERREIRA DOS SANTOS - 187AP
CA

Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI

Nº do processo: 0001186-42.2010.8.03.0004
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ
LI

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): FABIO CARVALHO VERZOLA - 1270AP
B

Apelado: MARCOS ABREU LOPES


Advogado(a): EDUARDO PANTOJA DOS SANTOS - 1485AP
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO
PU

Nº do processo: 0001075-24.2011.8.03.0004
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: ADANILSON FERREIRA VAZ
Advogado(a): EDIELSON DOS SANTOS SOARES - 496BAP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargadora SUELI PEREIRA PINI

Nº do processo: 0001027-56.2011.8.03.0007
Origem: VARA ÚNICA DE CALÇOENE

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: MUNICÍPIO DE CALÇOENE
Advogado(a): ANTONIO PEREIRA BATISTA - 550AP
Apelado: DIRETOR - PRESIDENTE DO INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE E ORDENAMENTO TERRITORIAL, ESTADO DO AMAPÁ,

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 39


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

SARGENTO PM CLAYTON ALAN S. DE ARAÚJO, TENENTE - CORONEL AILTON SILVA DE SOUTO


Procurador(a) de Estado: NARSON DE SÁ GALENO - 417AP
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO

Nº do processo: 0000472-14.2012.8.03.0004
Origem: VARA ÚNICA DE AMAPÁ

L
APELAÇÃO Tipo: CÍVEL
Apelante: JOCINEI DE SOUZA FIGUEIREDO DIAS

IA
Advogado(a): EIDE CARLA MACHADO DE OLIVEIRA FIGUEIRA - 1209AP
Apelado: IRAÍDE COSTA DA SILVA
Advogado(a): JOAO FERREIRA DOS SANTOS - 187AP
Responsável: OSVALDO PIMENTA DA SILVA
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO

IC
Nº do processo: 0000623-74.2012.8.03.0005
Origem: VARA ÚNICA DE TARTARUGALZINHO

OF
APELAÇÃO Tipo: CÍVEL
Apelante: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: RAUL SOUSA SILVA JUNIOR - 1456AP
Apelado: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Relator: Desembargador RAIMUNDO VALES
O
Nº do processo: 0000151-39.2013.8.03.0005
Origem: VARA ÚNICA DE TARTARUGALZINHO
ÇÃ

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: NEUZENIR SOUZA DA SILVA
Advogado(a): JAMISON NEY MONTEIRO - 606AP
Apelado: MUNICÍPIO DE TARTARUGALZINHO
Advogado(a): BRASILINO BRASIL LOBATO NETO - 1807BAP
Representante Legal: ALMIR REZENDE
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO
CA

Nº do processo: 0000490-89.2013.8.03.0007
Origem: VARA ÚNICA DE CALÇOENE

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


LI

Apelante: MUNICÍPIO DE CALÇOENE


Advogado(a): MAX GONÇALVES ALVES JUNIOR - 1185AP
Apelado: JULIO CESAR BUSCARONS
Advogado(a): AGORD DE MATOS PINTO - 1131AP
B

Relator: Desembargadora STELLA SIMONNE RAMOS

Nº do processo: 0000269-09.2013.8.03.0007
PU

Origem: VARA ÚNICA DE CALÇOENE

APELAÇÃO Tipo: CÍVEL


Apelante: GRAÇA MARIA FURTADO CHAGAS
Defensor(a): LINDOVAL SANTOS DO ROSARIO - 1622AP
Apelado: FRANCISCA ANTONIA DA COSTA OLIVEIRA
Advogado(a): MAX GONÇALVES ALVES JUNIOR - 1185AP
Interessado: MUNICÍPIO DE CALÇOENE
Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO

TRIBUNAL PLENO ADMINISTRATIVO

RESOLUÇÃO Nº 0867/2014-TJAP

Oficializa a indicação de Membro da Egrégia Corte de Justiça do Amapá para ocupar a vaga de 1º Suplente de Juiz Membro do
Tribunal Regional Eleitoral do Amapá.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 40


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das
atribuições que são conferidas pelo artigo 26, inciso XLI, do Regimento Interno deste Tribunal de Justiça, e;

Considerando o que restou decidido na Sexcentésima Vigésima Oitava (628ª) Sessão Extraordinária do Pleno Administrativo do
Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, realizada em 09 de abril de 2014;

RESOLVE:

L
IA
OFICIALIZAR a indicação do Desembargador CARLOS AUGUSTO TORK DE OLIVEIRA, Membro do Tribunal de Justiça do Estado
do Amapá, para ocupar a vaga de 1º Suplente de Juiz Membro do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá, pelo período de 02 (dois)
anos, a partir de 10 de abril de 2014.

IC
Publique-se.
Registre-se.
Cumpra-se.

OF
Macapá/AP, 09 de abril de 2014.

Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS


Presidente do TJAP
O
RESOLUÇÃO Nº 0868/2014-TJAP
ÇÃ

Dispensa o Juiz de Direito EDUARDO NAVARRO MACHADO da função de Membro Suplente do cargo de representante do Tribunal de
Justiça do Estado do Amapá junto ao Conselho Estadual de Previdência da Amapá Previdência - AMPREV e designa a Doutora KEILA
CHRISTINE BANHA BASTOS UTZIG para a referida função.

O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das
CA

atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26, inciso XLI, do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá -
RITJAP (Resolução n.º 006/2003-TJAP e alterações posteriores);

CONSIDERANDO o pedido formulado pelo Juiz de Direito EDUARDO NAVARRO MACHADO, em relação à dispensa da função de
Membro Suplente do representante deste Tribunal de Justiça junto ao Conselho Estadual de Previdência da Amapá Previdência -
AMPREV;
LI

CONSIDERANDO a necessidade urgente de escolha de novo Membro Suplente do representante da Magistratura do Poder Judiciário
do Estado do Amapá para atuar no Conselho Estadual de Previdência da Amapá Previdência - AMPREV;

CONSIDERANDO, finalmente, o que restou decidido, à unanimidade, na 628ª (Sexcentésima Vigésima Oitava) Sessão Ordinária do
B

Egrégio Pleno Administrativo deste Tribunal realizado no dia 09 de abril de 2014, ao apreciar o Processo Administrativo nº
000564/2013-SG;
PU

R E S O L V E:

Art. 1º DISPENSAR o Doutor EDUARDO NAVARRO MACHADO, Juiz de Direito de Entrância Final, Titular da 2ª Vara Criminal da
Comarca de Santana, da função de Membro Suplente do representante do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá junto ao Conselho
Estadual de Previdência da Amapá Previdência - AMPREV, a contar do dia 10 de abril de 2014.

Art. 2º DESIGNAR a Excelentíssima Doutora KEILA CHRISTINE BANHA BASTOS UTZIG para compor o Conselho Estadual de
Previdência da Amapá Previdência - AMPREV, como Membro Suplente do representante do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, a
contar de 10 de abril de 2014, para o período remanescente do exercício de 2014, em substituição ao Juiz de Direito Doutor EDUARDO
NAVARRO MACHADO.

Art. 3º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação no Diário da Justiça Eletrônico.

Publique-se. Registre-se. Cumpra-se.

Macapá (AP), 10 de abril de 2014.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 41


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS


Presidente

L
RESOLUÇÃO Nº 0869/2014-TJAP

IA
Torna pública a Lista de Antiguidade dos Magistrados do Poder Judiciário do Estado do Amapá.

IC
O Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, no uso das

atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26, incisos XIII e XLI, do Regimento Interno deste Tribunal de Justiça do Estado do

Amapá - RITJAP (Resolução n.º 006/2003-TJAP e alterações posteriores),

OF
RESOLVE:

Art. 1º Tornar pública a Lista de Antiguidade de Desembargadores, de Juízes de Direito de Entrância Final, de Juízes de Direito de

Entrância Inicial e de Juízes de Direito Substitutos do Poder Judiciário do Estado do Amapá, conforme Anexo I desta Resolução.
O
Art. 2º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação no Diário da Justiça Eletrônico, revogadas as disposições em
contrário.
ÇÃ

Publique-se. Registre-se. Cumpra-se e Dê-se ciência.

Macapá (AP), 10 de abril de 2014.


CA

Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS


Presidente
LI

DESEMBARGADORES

1º - Gilberto de Paula Pinheiro


B

2º - Luiz Carlos Gomes dos Santos


3º - Carmo Antônio de Souza
4º - Raimundo Nonato Fonseca Vales
PU

5º - Agostino Silvério Junior


6º - Constantino Augusto Tork Brahuna
7º - Sueli Pereira Pini
8º - Carlos Augusto Tork de Oliveira
9º - Stella Simonne Ramos

JUÍZES DE DIREITO DE ENTRÂNCIA FINAL

1º - César Augusto Souza Pereira


2º - Eduardo Freire Contreras
3º - Rommel Araújo de Oliveira
4º - Mário Euzébio Mazurek
5º - João Guilherme Lages Mendes
6º - Alaíde Maria de Paula
7º - Antônio Ernesto Amoras Collares
8º - José Luciano de Assis

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 42


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

9º - César Augusto Scapin


10º - Décio José Santos Rufino
11º - Reginaldo Gomes de Andrade
12º - Adão Joel Gomes de Carvalho
13º - Elayne da Silva Ramos Cantuária Koressawa
14º - Marconi Marinho Pimenta
15º - Eleusa da Silva Muniz
16º - Carlos Alberto Canezin

L
17º - Marcus Vinícius Gouvêa Quintas
18º - Rogério Bueno da Costa Funfas

IA
19º - Marco Antônio Miranda da Encarnação
20º - Augusto César Gomes Leite
21º - Luiz Nazareno Borges Hausseler
22º - Matias Pires Neto
23º - José Bonifácio Lima da Mata

IC
24º - Paulo César do Vale Madeira
25º - Keila Christine Banha Bastos Utzig
26º - Liége Cristina de Vasconcelos Ramos Gomes
27º - Thina Luiza D'Almeida Gomes dos Santos Sousa

OF
28º - Normandes Antônio de Sousa
29º - Eduardo Navarro Machado
30º - Fábio Santana dos Santos
31º - Nilton Bianquini Filho
32º - Carlos Fernando Silva Ramos
33º - Aline Conceicão Cardoso de Almeida Perez
34º - Gelcinete da Rocha Lopes
35º - Nelba de Souza Siqueira Almeida
O
36º - Naif José Maués Naif Daibes
37º - Lívia Simone Oliveira de Freitas Cardoso
38º - Michelle Costa Farias
ÇÃ

39º - Eliana Nunes do Nascimento Pingarilho


40º - Joenilda Lobato Silva Lenzi
41º - Larissa Noronha Antunes
42º - Carline Regina de Negreiros Cabral Nunes

JUÍZES DE DIREITO DE ENTRÂNCIA INICIAL


CA

1º - Saloé Ferreira da Silva


2º - Luiz Carlos Kopes Brandão
3º - Heraldo Nascimento da Costa
4º - João Teixeira de Matos Júnior
5º - Ailton Marcelo Mota Vidal
LI

6º - Priscylla da Silva Peixoto


7º - Esclepíades de Oliveira Neto
8º - Diego Moura de Araújo
9º - Délia Silva Ramos
B

10º - Zeeber Lopes Ferreira


11º - Laura Costeira Araújo de Oliveira
12º - José Castellões Menezes Neto
13º - Marina Lorena Lustosa Vidal
PU

14º - Almiro do Socorro Avelar Deniur


15º - Marcella Peixoto Smith

JUÍZES DE DIREITO SUBSTITUTOS

1º - Julle Anderson de Souza Mota


2º - Davi Schwab Kohls
3º - Ilana Kabacznik Luongo
4º - Fábio Silveira Gurgel do Amaral
5º - Erick Siebel Conti
6º - Fabiana da Silva Oliveira
7º - Marck William Madureira da Costa
8º - Roberval Pantoja Pacheco
9º - Antônio José de Menezes

Macapá (AP), 10 de abril de 2014.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 43


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS


Presidente

SECRETARIA ESPECIAL DE PRECATÓRIOS

L
Nº do processo: 0001264-82.2009.8.03.0000
PRECATORIO(PREC) CÍVEL

IA
Credor: EULALIO GONCALVES FERREIRA
Advogado(a): CARLOS NELSON NUNES PICANCO - 634AP
Devedor: MUNICÍPIO DE SANTANA

IC
Advogado(a): ELÁDIO BRUNO LOBATO TEIXEIRA - 14123PA
Relator: Desembargadora STELLA SIMONNE RAMOS
Rotinas processuais: Promovo a intimação do advogado CARLOS NELSON NUNES PICANÇO, 634AP, para que compareça, no prazo
de 05 (cinco) dias, na Secretaria Especial de Precatórios, localizada na Sede do Tribunal de Justiça, com o fito de receber o Alvará de
Levantamento que se encontra à disposição mediante apresentação de documento de identificação pessoal, bem como assinar termo

OF
de quitação do crédito a que faz jus.

Nº do processo: 0000194-30.2009.8.03.0000
PRECATORIO(PREC) CÍVEL

Credor: JOSÉ COSTA MARTINS SOUSA


O
Advogado(a): RAUL ARTEMIDAN MORALES DA SILVEIRA - 415AP
Devedor: ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): ANA CELIA DOHO MARTINS - 473AP
Relator: Desembargador AGOSTINO SILVÉRIO
ÇÃ

Rotinas processuais: Promovo a intimação do advogado RAUL ARTEMIDAN MORALES DA SILVEIRA, 415/AP, para que compareça,
no prazo de 05 (cinco) dias, na Secretaria Especial de Precatórios, localizada na Sede do Tribunal de Justiça, com o fito de receber o
Alvará de Levantamento que se encontra à disposição mediante apresentação de documento de identificação pessoal, bem como
assinar termo de quitação do crédito a que faz jus.

JUDICIAL - 1ª INSTÂNCIA
CA

AMAPÁ
LI

VARA ÚNICA DE AMAPÁ

Nº do processo: 0000028-44.2013.8.03.0004
B

Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


Parte Ré: JAISON TAVARES DA MATTA SANTOS
Advogado(a): RALFE STENIO SUSSUARANA DE PAULA - 1401AAP
PU

Rotinas processuais: Em cumprimento ao disposto na portaria nº 01/2013, promovo a intimação da parte ré, por meio de seu patrono
constituído, para apresentar alegações finais no prazo de 05 (cinco) dias.

POSTO AVANÇADO DE PRACUÚBA

Nº do processo: 0000526-43.2013.8.03.0004
Parte Autora: JOÃO CARMELINO DOS PASSOS, MARIA NILZA DE OLIVEIRA
Advogado(a): CHRISTOPHER CAMARÃO MOTA - 1250AP
Parte Ré: COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): ALFREDO ALEIXO DE SOUZA FILHO - 1018BAP
Decisão: Ante tais considerações, INDEFIRO A DENUNCIAÇÃO DA LIDE.

No mais, o processo está em ordem. As partes são legítimas e estão bem representadas, demonstrando interesse na causa, nada
havendo a sanear, além do acima esposado.
Fixo como pontos controvertidos a comprovação dos danos alegados, sua extensão e responsabilidade.
Defiro as provas requeridas, consistentes na documental e testemunhal, devendo as partes e testemunhas serem intimadas para
audiência de instrução e julgamento a ser designada pela Secretaria em itinerante.
Intimem-se.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 44


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

CALÇOENE

L
VARA ÚNICA DE CALÇOENE

Nº do processo: 0001095-06.2011.8.03.0007

IA
Parte Autora: MARIA ROSILDA BARBOSA MARTINS
Advogado(a): CARLOS HENRIQUE PENNA REGINA - 198938SP
Parte Ré: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS
Decisão: Vistos etc.

IC
Inicialmente, registro, a par do entendimento em sentido contrário manifestado pelo Juízo Federal de primeiro grau da Subseção
Judiciária de Oiapoque, que o declínio anteriormente suscitado por este Juízo retrata, efetivamente, questão de competência absoluta,
passível de declaração de ofício, nos termos dos inúmeros precedentes jurisprudenciais pátrios, entre os quais transcrevo abaixo os
seguintes:

OF
CONFLITO DE COMPETÊNCIA - INTERIORIZAÇÃO DA JUSTIÇA FEDERAL - COMPETÊNCIA TERRITORIAL/FUNCIONAL -
NATUREZA ABSOLUTA - DECLINAÇÃO DE OFÍCIO - POSSIBILIDADE - RESOLUÇÃO Nº 22, DE 28/10/2010. 1 - A competência de
juízo ou funcional adquire, excepcionalmente, natureza de competência absoluta, podendo ser declarada de ofício, vez que os fatores
motivadores são de ordem pública, razão por que prepondera sobre o interesse das partes. 2 - A interiorização da Justiça Federal, com
a criação de novas Varas, tem como escopo, entre outras questões, uma maior possibilidade de o cidadão ter acesso ao Poder
Judiciário, garantindo-lhe uma melhor prestação jurisdicional, evitando um deslocamento, na maioria das vezes, com muita dificuldade,
O
quiçá impossibilidade, em decorrência da idade e saúde do jurisdicionado, para a satisfação do seu direito. 3 - A divisão da Seção
Judiciária em várias localidades atende à exigência de se prestar jurisdição de forma mais ágil e fácil, com base em imperativo de
ordem pública, razão pela qual a competência é absoluta, podendo, pois, ser declarada de ofício. 4 - Impõe-se ressaltar, ainda, que a
criação de novas Varas e a interiorização da Justiça Federal são providências administrativas destinadas a aumentar a eficiência da
ÇÃ

prestação jurisdicional. 5 - Precedentes: CC 2009.02.01.018127-0/RJ, 8ª TE, Rel. Des. Federal Raldênio Bonifácio Costa, DJU
02/02/2010; CC 2010.02.01.005736-6/RJ, 6ª TE, Rel. Des. Guilherme Calmon, E-DJF2R 23/06/2010); CC 2011.02.01.002215-0/RJ, 5ª
TE, Rel. Juiz Federal Convocado Marcelo Pereira da Silva, E-DJF2R 25/05/2011; entre outros. 6 - Conflito conhecido para declarar a
competência do Juízo Federal da 1ª Vara de Serra-Es, Suscitante (TRF-2 - CC: 201202010061275 , Relator: Desembargadora Federal
CARMEN SILVIA LIMA DE ARRUDA, Data de Julgamento: 27/08/2012, SEXTA TURMA ESPECIALIZADA, Data de Publicação:
06/09/2012).
CA

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. INTERIORIZAÇÃO DA JUSTIÇA FEDERAL. COMPETÊNCIA ABSOLUTA. 1. A


criação e instalação de varas no interior (juízos), mas na mesma seção judiciária (foro), bem como a fixação de suas competências por
Resolução do Tribunal Regional Federal, amparada na Lei nº 5.010/66, tem ?por objetivo atender ao interesse público da boa
administração da Justiça, permitindo a ?descentralização e a rapidez da Justiça, por meio da melhor divisão do trabalho, e não ao
simples interesse privado das partes, tratando-se, por conseguinte, de competência absoluta. 2. Agravo de instrumento desprovido
(TRF-2 - AG: 200902010041666, Relator: Desembargador Federal Fernando Marques, Data de Julgamento: 15/9/2010, Quinta Turma
LI

Especializada, Data de Publicação: 4/10/2010).

De outro lado, considerando que esta ação foi ajuizada quando ainda não havia sido redefinida a jurisdição das Varas Federais das
Seções e Subseções Judiciárias da 1ª Região, unicamente por esta razão, deixo de devolver o presente processo ao Juízo Federal de
B

primeiro grau da Subseção Judiciária de Oiapoque no intuito de que o mesmo adote o regular procedimento de suscitação de conflito
de competência, para, revendo o meu posicionamento anterior, adotar recente entendimento manifestado pelo Tribunal Regional
Federal, e determinar, neste caso específico, que o presente processo siga o seu trâmite nesta Vara Única de Calçoene-AP, eis que
PU

existente e em trâmite desde antes da ampliação da competência da Subseção Judiciária Federal de Oiapoque-AP.

Em razão, contudo, de ter tomado conhecimento, por intermédio do Defensor Público desta Comarca, que a grande maioria das
pessoas que compõem o polo ativo das ações em que houve declínio de competência para a Justiça Federal já tiveram os seus pleitos
judicialmente atendidos, pelo fato de os terem diretamente postulado perante o Juizado Federal de Oiapoque, determino que a parte
autora seja INTIMADA, via DJE na pessoa de seu advogado, para dizer se ainda possui interesse no prosseguimento deste feito, no
prazo de cinco (5) dias.

Caso decorrido o referido tempo sem manifestação, INTIME-SE pessoalmente a parte autora para, querendo, impulsionar o feito, no
prazo de 48 horas, sob pena de extinção.

Nº do processo: 0001055-24.2011.8.03.0007
Parte Autora: LUDINALVA DE ARAUJO BARBOSA
Advogado(a): CARLOS HENRIQUE PENNA REGINA - 198938SP
Parte Ré: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS
Decisão: Vistos etc.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 45


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Inicialmente, registro, a par do entendimento em sentido contrário manifestado pelo Juízo Federal de primeiro grau da Subseção
Judiciária de Oiapoque, que o declínio anteriormente suscitado por este Juízo retrata, efetivamente, questão de competência absoluta,
passível de declaração de ofício, nos termos dos inúmeros precedentes jurisprudenciais pátrios, entre os quais transcrevo abaixo os
seguintes:

CONFLITO DE COMPETÊNCIA - INTERIORIZAÇÃO DA JUSTIÇA FEDERAL - COMPETÊNCIA TERRITORIAL/FUNCIONAL -


NATUREZA ABSOLUTA - DECLINAÇÃO DE OFÍCIO - POSSIBILIDADE - RESOLUÇÃO Nº 22, DE 28/10/2010. 1 - A competência de
juízo ou funcional adquire, excepcionalmente, natureza de competência absoluta, podendo ser declarada de ofício, vez que os fatores

L
motivadores são de ordem pública, razão por que prepondera sobre o interesse das partes. 2 - A interiorização da Justiça Federal, com
a criação de novas Varas, tem como escopo, entre outras questões, uma maior possibilidade de o cidadão ter acesso ao Poder

IA
Judiciário, garantindo-lhe uma melhor prestação jurisdicional, evitando um deslocamento, na maioria das vezes, com muita dificuldade,
quiçá impossibilidade, em decorrência da idade e saúde do jurisdicionado, para a satisfação do seu direito. 3 - A divisão da Seção
Judiciária em várias localidades atende à exigência de se prestar jurisdição de forma mais ágil e fácil, com base em imperativo de
ordem pública, razão pela qual a competência é absoluta, podendo, pois, ser declarada de ofício. 4 - Impõe-se ressaltar, ainda, que a
criação de novas Varas e a interiorização da Justiça Federal são providências administrativas destinadas a aumentar a eficiência da

IC
prestação jurisdicional. 5 - Precedentes: CC 2009.02.01.018127-0/RJ, 8ª TE, Rel. Des. Federal Raldênio Bonifácio Costa, DJU
02/02/2010; CC 2010.02.01.005736-6/RJ, 6ª TE, Rel. Des. Guilherme Calmon, E-DJF2R 23/06/2010); CC 2011.02.01.002215-0/RJ, 5ª
TE, Rel. Juiz Federal Convocado Marcelo Pereira da Silva, E-DJF2R 25/05/2011; entre outros. 6 - Conflito conhecido para declarar a
competência do Juízo Federal da 1ª Vara de Serra-Es, Suscitante (TRF-2 - CC: 201202010061275 , Relator: Desembargadora Federal

OF
CARMEN SILVIA LIMA DE ARRUDA, Data de Julgamento: 27/08/2012, SEXTA TURMA ESPECIALIZADA, Data de Publicação:
06/09/2012).

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. INTERIORIZAÇÃO DA JUSTIÇA FEDERAL. COMPETÊNCIA ABSOLUTA. 1. A


criação e instalação de varas no interior (juízos), mas na mesma seção judiciária (foro), bem como a fixação de suas competências por
Resolução do Tribunal Regional Federal, amparada na Lei nº 5.010/66, tem ?por objetivo atender ao interesse público da boa
administração da Justiça, permitindo a ?descentralização e a rapidez da Justiça, por meio da melhor divisão do trabalho, e não ao
simples interesse privado das partes, tratando-se, por conseguinte, de competência absoluta. 2. Agravo de instrumento desprovido
O
(TRF-2 - AG: 200902010041666, Relator: Desembargador Federal Fernando Marques, Data de Julgamento: 15/9/2010, Quinta Turma
Especializada, Data de Publicação: 4/10/2010).
ÇÃ

De outro lado, considerando que esta ação foi ajuizada quando ainda não havia sido redefinida a jurisdição das Varas Federais das
Seções e Subseções Judiciárias da 1ª Região, unicamente por esta razão, deixo de devolver o presente processo ao Juízo Federal de
primeiro grau da Subseção Judiciária de Oiapoque no intuito de que o mesmo adote o regular procedimento de suscitação de conflito
de competência, para, revendo o meu posicionamento anterior, adotar recente entendimento manifestado pelo Tribunal Regional
Federal, e determinar, neste caso específico, que o presente processo siga o seu trâmite nesta Vara Única de Calçoene-AP, eis que
existente e em trâmite desde antes da ampliação da competência da Subseção Judiciária Federal de Oiapoque-AP.
CA

Em razão, contudo, de ter tomado conhecimento, por intermédio do Defensor Público desta Comarca, que a grande maioria das
pessoas que compõem o polo ativo das ações em que houve declínio de competência para a Justiça Federal já tiveram os seus pleitos
judicialmente atendidos, pelo fato de os terem diretamente postulado perante o Juizado Federal de Oiapoque, determino que a parte
autora seja INTIMADA, via DJE na pessoa de seu advogado, para dizer se ainda possui interesse no prosseguimento deste feito, no
prazo de cinco (5) dias.
LI

Caso decorrido o referido tempo sem manifestação, INTIME-SE pessoalmente a parte autora para, querendo, impulsionar o feito, no
prazo de 48 horas, sob pena de extinção.
B

Nº do processo: 0000141-86.2013.8.03.0007
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: GRACIELE DE OLIVEIRA GUEDES
Advogado(a): MARINALVA DO CARMO LACERDA - 1577AP
PU

Representante Legal: ANTONIA DA COSTA FREITAS


Sentença:
I - RELATÓRIO

Com a Denúncia de fls. 02-04, o Ministério Público do Estado do Amapá pretende um edito condenatório contra GRACIELE DE
OLIVEIRA GUEDES, já qualificada nos autos, nas penas do art. 33, caput, da Lei nº 11.343/2006, por suposto tráfico ilícito de
substância entorpecente, na modalidade transporte.

Segundo a peça acusatória, no dia 1º de fevereiro de 2013, a Denunciada foi presa em flagrante delito por transportar droga ilícita do
tipo cocaína em uma van que fazia a linha Tartarugalzinho/Lourenço, quando foi abordada por Policiais Militares e revistada.

No auto de prisão em flagrante nº 016/2013-DPCAL, consta o auto de exibição e apreensão de 42 porções de substância
supostamente entorpecente e mais duas porções grandes da mesma substância (fl. 34), e o laudo de constatação toxicológica foi
positivo para 36g de cocaína (fl. 33).

A Ré foi notificada para oferecer defesa preliminar nos termos do art. 55 da lei de regência (fl. 21), o que fez por meio de advogada
particular nas fls. 54-62, arrolando três testemunhas.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 46


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Recebida a Denúncia com a decisão de fl. 63 em 22.04.2013, a Ré não foi regularmente citada, mas somente intimada para
comparecer à audiência de instrução e julgamento, ocorrida em 27.05.2013 (fls. 74-78), onde foram ouvidas as testemunhas de
acusação ADERVAN DIAS LACERDA JÚNIOR e JOSÉ ROBSON DE SOUZA PIRES, além das de defesa DIRCELMA PEREIRA
MATOS e SILVANA DE OLIVEIRA GUEDES. O Ministério Público desistiu da oitiva de SÁVIO DA COSTA DE ARAÚJO, mas a defesa
não desistiu de ouvir IRENE BATISTA DOS SANTOS, pelo que a Ré não foi interrogada na oportunidade.

A referida testemunha de defesa IRENE foi ouvida na Comarca de Tartarugalzinho/AP em 24.07.2013 (fl. 83). A audiência de
interrogatório foi marcada para 25.09.2013, mas a advogada da Ré requereu a redesignação (fls. 84-87). Nesse meio tempo, foi juntado

L
aos autos novo termo de depoimento da mesma testemunha de defesa IRENE (fls. 92-93), este tomado em 23.09.2013, sabe-se-lá por
que razão em duplicidade.

IA
Feito isso, finalmente interroguei a Denunciada em 11.10.2013 (fls. 94-95v.), e requisitei a juntada do laudo toxicológico definitivo,
novamente positivo para cocaína (fls. 99-100), mas agora atestando apenas 18g no total.

Com sua chegada e sem necessidade da produção de outras provas, em alegações finais de fls. 100-102 o MP requereu a

IC
procedência da peça de acusação, e a defesa, por sua vez, requereu a desclassificação do delito para uso, ou o reconhecimento das
circunstâncias mais benéficas à Ré (fls. 103-110).

É o relatório.

OF
II - FUNDAMENTAÇÃO

A materialidade de crime está devidamente comprovada nos autos por meio do termo de exibição e apreensão de fl. 34 dos autos do
APF 016/2013, em que se constata a apreensão de substância aparentemente entorpecente, e posteriormente comprovada como tal
(cocaína) pelo laudo de exame toxicológico definitivo de fls. 99-100, evidenciando tratar-se de substância entorpecente ilícita elencada
na Resolução ANVISA nº 40/2009.
O
Quanto à autoria, ao ser interrogada em Juízo, a Ré não negou, sob o crivo do contraditório e da ampla defesa que lhe foi assegurada,
que transportava substância entorpecente, tampouco alegou que iria fazer consumo próprio da droga, como invocou a Defesa como
tese de desclassificação do delito; o que ela deu como justificativa foi que "se arrependeu antes de vender a droga ainda no caminho
ÇÃ

para o Lourenço", porque pensou em seus três filhos.

Ocorre que esta não é a versão mais condizente com as provas que foram produzidas pelo Ministério Público nestes autos, e mesmo
que fosse, o arrependimento não foi EFICAZ, pelo que não incide na hipótese o art. 15 do Código Penal. Ela poderia muito bem ter
descartado a droga que transportava após a primeira abordagem policial que não a encontrou quando da revista, mas não o fez.
Preferiu, ultrapassada aquela situação inicial de stress, acreditar que o pior já havia passado e continuar transportando o crack até o
Lourenço, para onde não levava, além daquela grande quantidade de substância entorpecente (42 pedras e duas porções de 18g cada
CA

uma), sequer uma muda de roupa. Pretendia consumir essa droga toda em um único dia e retornar a Tartarugalzinho? Dificilmente,
convenhamos.

E como se isso não bastasse, ficou provado nos autos pelo depoimento da própria testemunha de defesa IRENY que o ex-
companheiro da Ré é o traficante condenado "CARIOCA", pelo que muito mais crível é a versão que ela, a Ré, deu quando da
abordagem policial, de que iria introduzir a droga em circulação "a mando de alguém do IAPEN" - ora, muito provavelmente o Carioca,
LI

seu ex-companheiro. Belíssimo casal!

Vale destacar que a testemunha SGT PM ADERVAN DIAS LACERDA confirmou seu depoimento de fl. 24, onde afirmou que recebera
notícia anônima de que uma passageira de uma van que fazia a linha Tartarugalzinho/Lourenço estaria transportando drogas, pelo que
B

a Ré fora abordada pela guarnição e revistada, mas nada foi encontrado nesta primeira oportunidade; decidiram, então, seguir a van, e
quando a Ré saltou, recebeu do motorista uma sacola, momento em que se encontrou a droga com ela. Imediatamente, então, fora
presa em flagrante delito. Disse ele ainda que ela confessou que iria distribuir a droga entre os "boqueiros" do Lourenço.
PU

A testemunha SD PM JOSÉ ROBSON DE SOUZA PIRES confirmou o depoimento do Sargento, acrescentando ainda perante a
Magistrada que presidiu aquele ato que a abordagem fora realizada na porta da casa da tia da acusada, e que ela recebera a droga de
algum detento do IAPEN, e que aquela era a segunda vez que distribuía drogas no Distrito do Lourenço.

As três testemunhas de defesa DIRCELMA, SILVANA e IRENY apenas atestaram a conduta supostamente exemplar da Ré até então,
e o sofrimento dela após a prisão de seu marido, notadamente para criar os seus três filhos, mas nada souberam dizer acerca dos fatos
em si ora aqui tratados.

Assim, hei por bem rejeitar as teses levantadas pela Denunciada de arrependimento e desclassificação do delito, haja vista que não
produziu nenhuma prova neste sentido. Alegar e não provar é quase não alegar, diz o brocardo latino.

III - DISPOSITIVO

Diante do exposto, julgo PROCEDENTE o pedido contido na Denúncia, para CONDENAR a Ré GRACIELE DE OLIVEIRA GUEDES
nas penas do art. 33, caput, da Lei nº 11.343/2006, na modalidade transporte.

3.1. INDIVIDUALIZAÇÃO DA PENA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 47


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Passo à dosimetria a pena, de acordo com o critério trifásico do art. 68 do Código Penal.

3.1.1. Primeira fase - circunstâncias judiciais (art. 42 da Lei nº 11.343/2006 e art. 59, caput, do Código Penal)
A natureza e quantidade da substância apreendida não devem pesar desfavoravelmente ao Réu, tendo em vista que infelizmente crack
é droga considerada comum atualmente, e 42 cabeças e 18g (ou 36, não está muito bem claro) representam apenas o suficiente para a
configuração do crime.

Não existem dados técnicos concretos que permitam ao Juízo aferir com segurança sobre sua personalidade.

L
Tampouco ela pode ser considerada como tendo má conduta social, já que suas testemunhas comprovaram seu papel de pessoa até

IA
então devotada à família.

Os antecedentes criminais não podem ser interpretados contra a Ré, porque a Secretaria não os juntou.

Não ficou comprovado que o motivo do crime tenha sido obter lucro fácil e sem esforço, em detrimento da saúde pública, sem qualquer

IC
objetivo subjacente justificável. Pelo que constou dos autos, o objetivo era sustentar os filhos após a prisão do ex-companheiro da Ré.

As circunstâncias do crime não influenciam negativamente na fixação da pena-base, porque inerentes ao tipo penal.

OF
As consequências dele não foram especialmente nefastas, porque a apreensão do entorpecente se deu antes de sua circulação em
sociedade.

A vítima neste caso é o Estado, que não contribuiu diretamente para o cometimento do crime.

Por tudo isso, quanto à culpabilidade, atento a todas estas circunstâncias judiciais descritas pelo art. 59 do CP, com a preponderância
estatuída pelo art. 42 da Lei nº 11.343/2006, entendo que a reprovabilidade social da conduta da Ré não é mais gravosa e censurável
do que a comum para o delito, devendo ser fixada a pena-base no mínimo legal, em 05 (cinco) anos de reclusão, e 500 (quinhentos)
O
dias-multa.

3.1.2. Segunda fase - circunstâncias atenuantes e agravantes (arts. 61 a 67 do Código Penal)


ÇÃ

Incide favoravelmente à Ré a ATENUANTE da confissão (art. 65, III, "d" CP), conforme destacado na fundamentação. Entrementes,
deixo de aplicá-la neste caso, porquanto a pena-base não poder ser fixada em patamar aquém do mínimo legal, conforme orienta a
Súmula n. 231 do STJ, nos seguintes termos: "A incidência da circunstância atenuante não pode conduzir à redução da pena abaixo do
mínimo legal".

Não existem circunstâncias para agravar a pena.


CA

Destarte, na segunda fase, a pena mantém-se no mínimo acima referido.

3.1.3. Terceira fase - causas de diminuição e aumento da pena

Considerando a primariedade e os bons antecedentes, além do fato de a Ré não se dedicar a atividades ilícitas nem integrar
LI

organização criminosa, circunstâncias não evidenciadas nos autos; faço incidir a causa especial de diminuição prevista pelo § 4º do art.
33 da Lei nº 11.343/2006, REDUZINDO em 2/3 (dois terços) a pena, ou 03 (três) anos e 04 (quatro) meses, e 334 dias-multa,
redundando em condenação de 01 (um) ano e 08 (oito) meses de reclusão, e 166 (cento e sessenta e seis) dias-multa.
B

Por outro lado, não há causa de aumento de pena.

3.1.4. Pena definitiva


PU

Assim, torno a pena definitiva em 01 (um) ano e 08 (oito) meses de reclusão, e 166 (cento e sessenta e seis) dias-multa, estes na razão
unitária de um trigésimo do valor de um salário mínimo vigente à época dos fatos, levando em conta as condições econômicas da Ré
demonstradas nos autos (manicure) e os critérios prevalentes estabelecidos pelo art. 43 da Lei nº 11.343/2006, combinado com o
disposto no art. 60 do CP, destinados ao Fundo Nacional Antidrogas - FUNAD (art. 29, parágrafo único, da Lei nº 11.343/2006).

3.2. REGIME INICIAL DE CUMPRIMENTO DA PENA

A pena não deverá ser cumprida em regime inicialmente fechado, nos termos do art. 2º, § 1º, da Lei nº 8.072/90, mas em regime
inicialmente aberto, pois o STF vem decidindo que aquela norma conflita com o princípio constitucional da individualização da pena (art.
5º, inciso XLVI, da Constituição Federal).

3.3. SUBSTITUIÇÃO DA PENA

Diante da declaração incidental pelo STF de inconstitucionalidade da vedação contida no § 4º do art. 33 da lei de regência (HC
97.256/RS), assim ementada: "HABEAS CORPUS. TRÁFICO DE DROGAS. ART. 44 DA LEI 11.343/2006: IMPOSSIBILIDADE DE
CONVERSÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE EM PENA RESTRITIVA DE DIREITOS. DECLARAÇÃO INCIDENTAL DE
INCONSTITUCIONALIDADE. OFENSA À GARANTIA CONSTITUCIONAL DA INDIVIDUALIZAÇÃO DA PENA (INCISO XLVI DO ART.
5º DA CF/88). ORDEM PARCIALMENTE CONCEDIDA.", e considerando as circunstâncias do caso, hei por bem, com fulcro no art. 44

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 48


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

do CP, deferir a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, preenchidos os requisitos de ordem subjetiva
capazes de recomendá-los como medidas suficientes para a reprovação e prevenção da conduta infracional no caso concreto, pois
tudo leva a crer que a pena alternativa contribuirá para a função reeducativa que a sanção penal deve ter, encorajando o agente a
seguir pelo caminho da ordem e da Justiça, aplicando-lhe uma pena restritiva de direitos consistente na prestação de serviços à
comunidade pelo prazo da condenação, de acordo com sua aptidão, em local a ser designado pelo Juízo da Execução Penal.

3.4. DETERMINAÇÕES FINAIS

L
Custas pela Ré.

IA
Publique-se e intimem-se as partes.

Concedo à Ré o direito de recorrer desta Sentença em liberdade, dado o regime de cumprimento da pena in concreto ora aplicada.

Com o trânsito em julgado, lance-se o nome da condenada no rol dos culpados, e proceda a Secretaria da Vara as comunicações de

IC
estilo, notadamente ao TRE para os fins do art. 15, inciso III, da Constituição Federal, extraindo carta de sentença para cumprimento na
VEP.

Já em relação à droga, determino sua incineração, conforme art. 32, §1º, da Lei de Drogas.

OF
Expeça-se alvará de soltura, devendo ser posta imediatamente em liberdade salvo se por outro motivo além deste feito dever
permanecer presa.

Nº do processo: 0000248-96.2014.8.03.0007
Parte Autora: BANCO FIAT SA
Advogado(a): CELSO MARCON - 10990ES
O
Parte Ré: MARLENE MONTEIRO MENDES
Despacho: Diante da comprovação do inadimplemento contratual e da mora, defiro liminarmente o pedido de busca e apreensão do
bem descrito na petição inicial. O mandado só será expedido quando indicado depositário fiel, e este comparecer em juízo, pois não há
ÇÃ

na comarca depósito judicial.


Feito o depósito, cite-se a ré para, querendo: a) no prazo de cinco (05) dias, pagar a integralidade da dívida, segundo os valores
apresentados pelo autor, hipótese em que o bem lhe será imediatamente restituído; ou b) responder aos termos da ação em quinze (15)
dias, contados da juntada do mandado nos autos.
Intimem-se.
CA

Nº do processo: 0000799-13.2013.8.03.0007
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: WILSON COSTA DA SILVA
Advogado(a): JOYSON FELIPE BARBOSA MONTEIRO - 2447AP
Rotinas processuais: Certifico que os autos aguardam manifestação da parte ré - alegações finais.
LI

Nº do processo: 0001090-81.2011.8.03.0007
Parte Autora: LUZIA FERREIRA DA COSTA
Advogado(a): CARLOS HENRIQUE PENNA REGINA - 198938SP
B

Parte Ré: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS


Decisão: Vistos etc.

Inicialmente, registro, a par do entendimento em sentido contrário manifestado pelo Juízo Federal de primeiro grau da Subseção
PU

Judiciária de Oiapoque, que o declínio anteriormente suscitado por este Juízo retrata, efetivamente, questão de competência absoluta,
passível de declaração de ofício, nos termos dos inúmeros precedentes jurisprudenciais pátrios, entre os quais transcrevo abaixo os
seguintes:

CONFLITO DE COMPETÊNCIA - INTERIORIZAÇÃO DA JUSTIÇA FEDERAL - COMPETÊNCIA TERRITORIAL/FUNCIONAL -


NATUREZA ABSOLUTA - DECLINAÇÃO DE OFÍCIO - POSSIBILIDADE - RESOLUÇÃO Nº 22, DE 28/10/2010. 1 - A competência de
juízo ou funcional adquire, excepcionalmente, natureza de competência absoluta, podendo ser declarada de ofício, vez que os fatores
motivadores são de ordem pública, razão por que prepondera sobre o interesse das partes. 2 - A interiorização da Justiça Federal, com
a criação de novas Varas, tem como escopo, entre outras questões, uma maior possibilidade de o cidadão ter acesso ao Poder
Judiciário, garantindo-lhe uma melhor prestação jurisdicional, evitando um deslocamento, na maioria das vezes, com muita dificuldade,
quiçá impossibilidade, em decorrência da idade e saúde do jurisdicionado, para a satisfação do seu direito. 3 - A divisão da Seção
Judiciária em várias localidades atende à exigência de se prestar jurisdição de forma mais ágil e fácil, com base em imperativo de
ordem pública, razão pela qual a competência é absoluta, podendo, pois, ser declarada de ofício. 4 - Impõe-se ressaltar, ainda, que a
criação de novas Varas e a interiorização da Justiça Federal são providências administrativas destinadas a aumentar a eficiência da
prestação jurisdicional. 5 - Precedentes: CC 2009.02.01.018127-0/RJ, 8ª TE, Rel. Des. Federal Raldênio Bonifácio Costa, DJU
02/02/2010; CC 2010.02.01.005736-6/RJ, 6ª TE, Rel. Des. Guilherme Calmon, E-DJF2R 23/06/2010); CC 2011.02.01.002215-0/RJ, 5ª
TE, Rel. Juiz Federal Convocado Marcelo Pereira da Silva, E-DJF2R 25/05/2011; entre outros. 6 - Conflito conhecido para declarar a
competência do Juízo Federal da 1ª Vara de Serra-Es, Suscitante (TRF-2 - CC: 201202010061275 , Relator: Desembargadora Federal

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 49


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

CARMEN SILVIA LIMA DE ARRUDA, Data de Julgamento: 27/08/2012, SEXTA TURMA ESPECIALIZADA, Data de Publicação:
06/09/2012).

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. INTERIORIZAÇÃO DA JUSTIÇA FEDERAL. COMPETÊNCIA ABSOLUTA. 1. A


criação e instalação de varas no interior (juízos), mas na mesma seção judiciária (foro), bem como a fixação de suas competências por
Resolução do Tribunal Regional Federal, amparada na Lei nº 5.010/66, tem ?por objetivo atender ao interesse público da boa
administração da Justiça, permitindo a ?descentralização e a rapidez da Justiça, por meio da melhor divisão do trabalho, e não ao
simples interesse privado das partes, tratando-se, por conseguinte, de competência absoluta. 2. Agravo de instrumento desprovido

L
(TRF-2 - AG: 200902010041666, Relator: Desembargador Federal Fernando Marques, Data de Julgamento: 15/9/2010, Quinta Turma
Especializada, Data de Publicação: 4/10/2010).

IA
De outro lado, considerando que esta ação foi ajuizada quando ainda não havia sido redefinida a jurisdição das Varas Federais das
Seções e Subseções Judiciárias da 1ª Região, unicamente por esta razão, deixo de devolver o presente processo ao Juízo Federal de
primeiro grau da Subseção Judiciária de Oiapoque no intuito de que o mesmo adote o regular procedimento de suscitação de conflito
de competência, para, revendo o meu posicionamento anterior, adotar recente entendimento manifestado pelo Tribunal Regional

IC
Federal, e determinar, neste caso específico, que o presente processo siga o seu trâmite nesta Vara Única de Calçoene-AP, eis que
existente e em trâmite desde antes da ampliação da competência da Subseção Judiciária Federal de Oiapoque-AP.

Em razão, contudo, de ter tomado conhecimento, por intermédio do Defensor Público desta Comarca, que a grande maioria das

OF
pessoas que compõem o polo ativo das ações em que houve declínio de competência para a Justiça Federal já tiveram os seus pleitos
judicialmente atendidos, pelo fato de os terem diretamente postulado perante o Juizado Federal de Oiapoque, determino que a parte
autora seja INTIMADA, via DJE na pessoa de seu advogado, para dizer se ainda possui interesse no prosseguimento deste feito, no
prazo de cinco (5) dias.

Caso decorrido o referido tempo sem manifestação, INTIME-SE pessoalmente a parte autora para, querendo, impulsionar o feito, no
prazo de 48 horas, sob pena de extinção.
O
ÇÃ

FERREIRA GOMES

VARA ÚNICA DE FERREIRA GOMES

Nº do processo: 0001395-68.2011.8.03.0006
CA

Parte Autora: SONI DE JESUS DOS SANTOS SERRA


Advogado(a): ROBERTA SERRA DE JESUS - 1527AP
Parte Ré: BANCO GMAC S.A.
Advogado(a): HIRAN LEÃO DUARTE - 10422CE
Rotinas processuais: Proceda-se à atualização do valor das custas devidas, intimando-se a ré a pagá-las no prazo de 10 (dez) dias,
dando-lhe ciência, no mesmo prazo, da certidão do movimento de ordem nº 77.
Após, retornem os autos conclusos para apreciação do pedido de fl. 145.
LI

Certifico que o feito aguarda manifestação da parte ré para pagamento das custas processuais.

Nº do processo: 0000851-12.2013.8.03.0006
B

Parte Autora: MARIA PAULA DOS SANTOS AGUIAR


Advogado(a): IVANILDO MONTEIRO VITOR DE SOUZA - 447AP
Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A, MUNICIPIO DE FERREIRA GOMES
PU

Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 01/2014, Certifico que a parte autora reside neste Município e consequentemente as
audiências acontecem aqui e diante do despacho de fls.44 foi redesignada em audiência de conciliação para o dia 24/04/2014 que será
realizada a jornada itinerante em Cutias do Araguarí. Diante disso, desígno o dia 13/05/2014, às 09:45 e expeço o necessário para
realização da referida audiência.

Nº do processo: 0000457-10.2010.8.03.0006
Parte Autora: EDENILTON LIMA PEREIRA
Advogado(a): IVANILDO MONTEIRO VITOR DE SOUZA - 447AP
Parte Ré: MARILEIDE AMORAS FURTADO, MUNICIPIO DE FERREIRA GOMES, RAIMUNDO RODRIGUES DA SILVA, VALDO
ISACKSSON MONTEIRO
Advogado(a): LUIZ FERNANDO RIBEIRO VIANA - 1481AP, MARINILSON AMORAS FURTADO - 1702AP
Rotinas processuais: Tendo em vista que a Apelação está tempestiva, nos termos da Portaria 001/2014 - VUFG, às contrarrazões.

Nº do processo: 0001498-07.2013.8.03.0006
Parte Autora: FERREIRA GOMES ENERGIA S/A
Advogado(a): PAULO GUILHERME DE MENDONÇA LOPES - 98709SP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 50


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: RILTON DE CASTRO TEIXEIRA


Rotinas processuais:

Nº do processo: 0000850-27.2013.8.03.0006
Parte Autora: KARLA ALESSANDRA RAMOS SANTOS
Advogado(a): IVANILDO MONTEIRO VITOR DE SOUZA - 447AP
Parte Ré: BANCO DO BRASIL SA- AGÊNCIA 3851-2, MUNICIPIO DE FERREIRA GOMES

L
Advogado(a): GILFER LOPES FERNANDES - 1353AP, MILTON PEREIRA NETO - 2083AP
Rotinas processuais: Certifico que os autos retornaram da turma recursal. Ficam as partes as partes intimadas para, no prazo de 10

IA
dias, requerer o que entender de direito sob pena de arquivamento do feito.

Nº do processo: 0000347-69.2014.8.03.0006
Parte Autora: ALVES DA SILVA - ME

IC
Advogado(a): IVANILDO MONTEIRO VITOR DE SOUZA - 447AP
Parte Ré: SHALON COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA
Responsável: ANTONIO ALVES DA SILVA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 11/06/2014 às 10:30

Nº do processo: 0000840-17.2012.8.03.0006
Parte Autora: JOSENILDES DA COSTA SENA
Advogado(a): CLEIDE ROCHA DA COSTA - 434AP OF
Parte Ré: ANTONIO RIBAMAR SALES SANTOS, IMESP INSTITUTO METROPOLITANO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARÁ
LTDA
Sentença: Não foi promovido o regular andamento do processo, mesmo diante da intimação pessoal para impulsão em 48 (quarenta e
O
oito) horas, sob pena de extinção.
Ante a inércia aqui constatada, outra alternativa não há senão extinguir o processo, o que faço com suporte no art. 267, III, do CPC.
Sem custas nem honorários, face ao deferimento da assistência judiciária gratuita.
ÇÃ

Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos.

Nº do processo: 0000841-02.2012.8.03.0006
Parte Autora: SONIA MARIA SERRA DOS SANTOS
Advogado(a): CLEIDE ROCHA DA COSTA - 434AP
Parte Ré: ANTONIO RIBAMAR SALES SANTOS, IMESP INSTITUTO METROPOLITANO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARÁ
CA

LTDA
Sentença: Não foi promovido o regular andamento do processo, mesmo diante da intimação pessoal para impulsão em 48 (quarenta e
oito) horas, sob pena de extinção.
Ante a inércia aqui constatada, outra alternativa não há senão extinguir o processo, o que faço com suporte no art. 267, III, do CPC.
Sem custas nem honorários, face ao deferimento da assistência judiciária gratuita.
Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos.
LI

Nº do processo: 0000947-27.2013.8.03.0006
Parte Autora: MANOELSON FERREIRA BRITO
B

Advogado(a): IVANILDO MONTEIRO VITOR DE SOUZA - 447AP


Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A
Advogado(a): GUSTAVO AMATO PISSINI - 261030SP
Rotinas processuais: Faço juntada a estes autos do ofício do Banco do Brasil, em resposta ao ofício de ordem 63, às fls. 105,
PU

informando que a conta fornecida pelo requerido não existe. Assim, nos termos da Portaria 01/2014 e ofício circular 10/2013-CGJ, fica a
parte requerida intimada para fornecer nova conta para transferência de valores em seu favor, no prazo de 10 dia, sob pena de
perdimento dos valores em favor do Estado.

Nº do processo: 0000908-30.2013.8.03.0006
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: VALDO ISACKSSON MONTEIRO
Advogado(a): LUIZ FERNANDO RIBEIRO VIANA - 1481AP
Despacho: Vista às partes para manifestação sobre os documentos juntados e para alegações finais.

Nº do processo: 0000928-26.2010.8.03.0006
Parte Autora: AMAPA FLORESTAL E CELULOSE S/A - AMCEL
Advogado(a): ROBERVAL CARLOS VIANA HOLANDA - 1297AP
Parte Ré: MANOEL MOREIRA DA SILVA
Advogado(a): ASTOR NUNES BARROS - 1559AAP
Assistente: ROGERIO DOS SANTOS CARDOSO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 51


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2014-VUFG, INTIMO a parte ré, através de seu patrono, para oferecer
ALEGAÇÕES FINAIS, no prazo legal.

Nº do processo: 0001472-09.2013.8.03.0006
Parte Autora: CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS
Advogado(a): MICHELLE PINTERICH - 21918PR
Parte Ré: MUNICIPIO DE FERREIRA GOMES

L
Advogado(a): MILTON PEREIRA NETO - 2083AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 28/05/2014 às 09:00

IA
POSTO AVANÇADO DE CUTIAS

Nº do processo: 0000224-71.2014.8.03.0006

IC
Parte Autora: MUNICÍPIO DE CUTIAS DO ARAGUARI
Advogado(a): PAULO LEANDRO BARROS PEREIRA - 2131AP
Sentença: Diante do exposto, extingo os embargos, pela ausência de interesse; e determino que, diante da inércia das partes, cada
uma arque com os honorários de seu próprio procurador.
Certifique-se nos autos principais a suspensão do processo pelo prazo requerido pela exequente.

Nº do processo: 0000344-51.2013.8.03.0006

BARBOSA FERREIRA
Advogado(a): MARIA ORLANDINA FERREIRA TELES - 519AP
Parte Ré: MUNICÍPIO DE CUTIAS DO ARAGUARI
OF
Parte Autora: ADEMILTON RAMOS FIGUEREDO, DINAMAR COELHO MACIEL, MARA RUBIA MORAES TEIXEIRA, MARIA ILMA
O
Rotinas processuais: Certifico que a patrona dos autores Drª. Maria Orlandina Teles, compareceu nesta secretaria e efetuou o
levantamento da quantia devida, conforme o alvará de levantamento à fl. 80.
ÇÃ

Nº do processo: 0000168-72.2013.8.03.0006
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: MANOEL RAIMUNDO DE LIMA RODRIGUES
Advogado(a): MARCELO FERREIRA LEAL - 370AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 29/05/2014 às 11:00
CA

POSTO AVANÇADO DE ITAUBAL

Nº do processo: 0000225-56.2014.8.03.0006
Parte Autora: ORIEL DA SILVA SANTOS
Advogado(a): JOSE MARIA DA SILVA FILHO - 414AP
Parte Ré: MUNICÍPIO DE ITAUBAL DO PIRIRIM
LI

Advogado(a): CHARLLES SALES BORDALO - 438AP


Despacho: Suspendo o curso da execução. Intime-se o exequente a, querendo, apresentar impugnação.
B

LARANJAL DO JARI
PU

1ª VARA DE LARANJAL DO JARI

Nº do processo: 0003911-84.2013.8.03.0008
Parte Autora: BANCO VOLKSWAGEN S.A
Advogado(a): CARLA SIQUEIRA BARBOSA - 6686PA
Parte Ré: ELIAS BRAGA DE ALMEIDA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 002/2011 - 1ª VCCLJ, nos termos do item 11, intime-se a parte autora, para, no prazo de
05 (cinco) dias, manifestar-se sobre a devolução de mandado cuja diligência restou totalmente infrutífera, em virtude do réu não se
encontrar residindo em Calçoene e não ter informado o atual endereço, tendo, inclusive negado-se a informar ao Sr.Oficial de Justiça.

MACAPÁ

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 52


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

DIRETORIA DO FÓRUM - MCP

ATA DE DISTRIBUIÇÃO 11/04/2014


PROCESSO CÍVEL

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0000199-64.2014.8.03.0004

L
AÇÃO: GUARDA E RESPONSABILIDADE
PARTE AUTORA: J. P. S. DE O.
PARTE RÉ: N. DOS S. T.

IA
VALOR CAUSA: 724

VARA: 5ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019425-64.2014.8.03.0001

IC
AÇÃO: AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO COM LIMINAR
PARTE AUTORA: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A
PARTE RÉ: SANDRA DO SOCORRO DO CARMO OLIVEIRA MARTINS
VALOR CAUSA: 43884,06

OF
VARA: 6ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019426-49.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO C/ LIMINAR
PARTE AUTORA: BANCO YAMAHA MOTOR DO BRASIL S/A
PARTE RÉ: JONATHAN SOUZA DOS SANTOS
VALOR CAUSA: 21586,56
O
VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019430-86.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE INVESTIÇÃO DE PATERNIDADE C/C ALIMENTOS
PARTE AUTORA: A. S. C. DA S.
ÇÃ

PARTE RÉ: U. A. G.
VALOR CAUSA: 4776

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019434-26.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS
CA

PARTE AUTORA: A. DA S. S.
PARTE RÉ: A. S. C.
VALOR CAUSA: 1992

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019435-11.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO EM EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
LI

PARTE AUTORA: K. V. S. DE S. e outros


PARTE RÉ: O. S. DE S.
VALOR CAUSA: 0
B

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019436-93.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE OFERTA DE ALIMENTOS
PU

PARTE AUTORA: L. DA C. DAS M.


PARTE RÉ: E. C. D. DAS M.
VALOR CAUSA: 1806,24

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019438-63.2014.8.03.0001
AÇÃO: ALIMENTOS
PARTE AUTORA: W. K. DOS S. B.
PARTE RÉ: N. B. C.
VALOR CAUSA: 3475,2

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019439-48.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE GUARDA E RESPONSABILIDADE DO MENOR
PARTE AUTORA: M. DE J. DA S. S.
PARTE RÉ: E. L. DA C. L.
VALOR CAUSA: 724

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 53


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019440-33.2014.8.03.0001
AÇÃO: REVISÃO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA
PARTE AUTORA: J. L. DOS S. B. J.
PARTE RÉ: J. V. A. B.
VALOR CAUSA: 868,8

VARA: 1ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

L
Nº JUSTIÇA: 0019442-03.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REGISTRO TARDIO DE ÓBITO

IA
PARTE AUTORA: DAGUIMAR AMADOR DA SILVA
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 724

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ

IC
Nº JUSTIÇA: 0019443-85.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: J. V. S. R.
PARTE RÉ: A. R. B.

OF
VALOR CAUSA: 8136

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019444-70.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE RECONHECIMENTO E POSTERIOR DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL C/C PARTILHA DE BENS E ALIMENTOS
PARTE AUTORA: I. DA S. C.
PARTE RÉ: J. C. N. DA S.
VALOR CAUSA: 50000
O
VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019446-40.2014.8.03.0001
ÇÃ

AÇÃO: INVENTÁRIO
PARTE AUTORA: MARIA ANTONIA GOMES DE OLIVEIRA MAGALHAES
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 10000

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019447-25.2014.8.03.0001
CA

AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA


PARTE AUTORA: U. R. A. DOS S.
PARTE RÉ: F. M. DOS S.
VALOR CAUSA: 0

VARA: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


LI

Nº JUSTIÇA: 0019449-92.2014.8.03.0001
AÇÃO: BUSCA E APREENSÃO C/ LIMINAR
PARTE AUTORA: BANCO YAMAHA MOTOR DO BRASIL S/A
PARTE RÉ: MARIA HELENA DE ALMEIDA MENDES
B

VALOR CAUSA: 16863,39

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019455-02.2014.8.03.0001
PU

AÇÃO: ABERTURA DE INVENTÁRIO


PARTE AUTORA: PAULO JORGE MARQUES CARDOSO
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 1500000

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019456-84.2014.8.03.0001
AÇÃO: ALVARÁ JUDICIAL
PARTE AUTORA: I. V. M. L.
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 724

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019458-54.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA, CUMULADA COM RESSARCIMENTO DE PERDAS E
DANOS
PARTE AUTORA: JEAN CARLOS GONÇALVES CARDOSO
PARTE RÉ: GIOVANA DE PADUA DIAS SANTANGELO e outros

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 54


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VALOR CAUSA: 62000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019459-39.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: JONIVALDO RAIMUNDO BRABO DOS SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724

L
VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ

IA
Nº JUSTIÇA: 0019460-24.2014.8.03.0001
AÇÃO: ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. M. A.
PARTE RÉ: N. A. S.
VALOR CAUSA: 2606

IC
VARA: 1ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019469-83.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO MONITÓRIA

OF
PARTE AUTORA: COMERCIAL NORTE LTDA
PARTE RÉ: VERA LUCIA RIBEIRO LIMA DE FREITAS
VALOR CAUSA: 12732,32

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019474-08.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE
PARTE AUTORA: A. S. N. A.
O
PARTE RÉ: M. E. S. A.
VALOR CAUSA: 724
ÇÃ

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019475-90.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: MARIA DOS REMEDIOS ALVES DOS SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 6000
CA

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019478-45.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DECLARATÓRIA DE NEGATIVA DE PATERNIDADE
PARTE AUTORA: B. DA C. M.
PARTE RÉ: A. C. DA S. M.
VALOR CAUSA: 724
LI

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019479-30.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
B

PARTE AUTORA: RAMONA FERREIRA DE SANTANA


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 6000
PU

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019480-15.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: G. M. C.
PARTE RÉ: J. L. D. C.
VALOR CAUSA: 1057,29

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019482-82.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MARISA ARAÚJO CASTELO
PARTE RÉ: ALCILENE CASTELO MONTEIRO
VALOR CAUSA: 0

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019484-52.2014.8.03.0001
AÇÃO: HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE ALIMENTOS, GUARDA DE MENOR E DIREITO DE VISITAS
PARTE AUTORA: S. R.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 55


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE RÉ: W. L. DA S.
VALOR CAUSA: 2424

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019485-37.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: K. G. P.
PARTE RÉ: G. A. DA C. P.

L
VALOR CAUSA: 2229,67

IA
VARA: 5ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019486-22.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO MONITÓRIA
PARTE AUTORA: COMERCIAL NORTE LTDA
PARTE RÉ: J. B. FREITAS DA SILVA - ME

IC
VALOR CAUSA: 22919,19

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019487-07.2014.8.03.0001

OF
AÇÃO: AÇÃO DE RECONHECIMENTO E POSTERIOR DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL C/C PARTILHA DE BENS
PARTE AUTORA: A. DE S. C.
PARTE RÉ: M. C. DOS S.
VALOR CAUSA: 0

VARA: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019489-74.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
O
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MAQUIDOVIO DE SOUZA RAMOS e outros
VALOR CAUSA: 0
ÇÃ

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019491-44.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: D. M. M. R.
PARTE RÉ: J. E. R. L.
VALOR CAUSA: 389,61
CA

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019493-14.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE RECONHECIMENTO E POSTERIOR DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL C/C PARTILHA DE BENS
PARTE AUTORA: D. M. DE S.
PARTE RÉ: L. F. V. DE O.
LI

VALOR CAUSA: 20000

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019494-96.2014.8.03.0001
B

AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS


PARTE AUTORA: A. M. R. S.
PARTE RÉ: M. A. S.
VALOR CAUSA: 3040,8
PU

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019497-51.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE DIVÓRCIO LITIGIOSO
PARTE AUTORA: J. A. DA S. F.
PARTE RÉ: N. C. DA S.
VALOR CAUSA: 724

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019498-36.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: M. L. A. C.
PARTE RÉ: O. J. DA C. C.
VALOR CAUSA: 2034

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019508-80.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE GUARDA E RESPONSABILIDADE

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 56


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE AUTORA: M. DAS G. DOS S.


PARTE RÉ: P. P. M.
VALOR CAUSA: 724

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019510-50.2014.8.03.0001
AÇÃO: HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE ALIMENTOS E GUARDA DE MENOR
PARTE AUTORA: J. B. DOS S. e outros

L
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 724

IA
VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019511-35.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: G. V. C.

IC
PARTE RÉ: R. G. C.
VALOR CAUSA: 3408,59

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ

OF
Nº JUSTIÇA: 0019516-57.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. R. DOS S. C.
PARTE RÉ: S. L. L. C.
VALOR CAUSA: 546,82

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019517-42.2014.8.03.0001
O
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. R. DOS S. C.
PARTE RÉ: S. L. L. C.
ÇÃ

VALOR CAUSA: 2132,17

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019522-64.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: I. DE O. M.
PARTE RÉ: E. DE D. DA C. M.
CA

VALOR CAUSA: 0

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019533-93.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO CIVIL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
LI

PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ e outros


VALOR CAUSA: 1000

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


B

Nº JUSTIÇA: 0019535-63.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE GUARDA E RESPONSABILIDADE C/C ALIMENTOS COM PEDIDO LIMINAR
PARTE AUTORA: N. O.
PARTE RÉ: J. A. M. DE O.
PU

VALOR CAUSA: 7500

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019537-33.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: V. M. DE A.
PARTE RÉ: W. H. M. DA S.
VALOR CAUSA: 668,9

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019538-18.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ISRAEL REIS RIBEIRO
VALOR CAUSA: 0

VARA: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019541-70.2014.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 57


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

AÇÃO: AÇÃO ORDINÁRIA DE COBRANÇA


PARTE AUTORA: GUARANI CONSTRUÇOES LTDA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 500

VARA: 2ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019542-55.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA

L
PARTE AUTORA: ALTENES DA SILVA ALVES
PARTE RÉ: EUZELE MARIA MARTINS DA COSTA

IA
VALOR CAUSA: 0

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019543-40.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO MONITÓRIA

IC
PARTE AUTORA: GETNET TECNOLOGIA EM CAPTURA E PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES H.U.A.H. LTDA.
PARTE RÉ: BRASIL NET SERVIÇOS LTDA-ME
VALOR CAUSA: 48466,96

OF
VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019544-25.2014.8.03.0001
AÇÃO: ALVARÁ JUDICIAL
PARTE AUTORA: C. E. C. P.
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 724

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


O
Nº JUSTIÇA: 0019545-10.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO ANULATÓRIA DE SENTENÇA HOMOLOGATÓRIA
PARTE AUTORA: J. U. A. DA S.
ÇÃ

PARTE RÉ: G. K. M. DA P.
VALOR CAUSA: 100000

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019546-92.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE RECONHECIMENTO E POSTERIOR DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE FAMILIAR POST MORTEM
PARTE AUTORA: L. DA S. B.
CA

PARTE RÉ: J. DA C. N.
VALOR CAUSA: 724

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019547-77.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
LI

PARTE AUTORA: ADRIANA TARCIA DE SOUZA OLIVEIRA


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000
B

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019548-62.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: MARCILENE RODRIGUES AMARAL
PU

PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ


VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019549-47.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: MARISETE DO CARMO DOS SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 4578,31

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019550-32.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ROSEMARY DE SOUSA SILVA SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 58


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº JUSTIÇA: 0019551-17.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: EDILAMAR QUARESMA DA SILVA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019552-02.2014.8.03.0001

L
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: PEDRO PAULO ALEXANDRIA LIVRAMENTO

IA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019553-84.2014.8.03.0001

IC
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ELISANGELA ROSA VIEIRA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 30000

OF
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019554-69.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ANA TEREZA HOMOBONO BALIEIRO
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000
O
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019555-54.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
ÇÃ

PARTE AUTORA: ROSECLEIA MENDONÇA MALCHER


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019556-39.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
CA

PARTE AUTORA: LUIZ ARMANDO NUNES RAMOS


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 377,5

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019557-24.2014.8.03.0001
LI

AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO


PARTE AUTORA: OTAVIO ROSARIO DO NASCIMENTO
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000
B

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019559-91.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PU

PARTE AUTORA: CARLOS RAMOS DOS SANTOS


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019560-76.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: EDNA LUCIA OLIVEIRA DA COSTA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019561-61.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ALAN MACIEL FERREIRA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 59


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019562-46.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: WELINGTON NUNES DE SOUZA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 15000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA

L
Nº JUSTIÇA: 0019563-31.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO

IA
PARTE AUTORA: ALAN MACIEL FERREIRA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA

IC
Nº JUSTIÇA: 0019564-16.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ELVIS PRESLEY NASCIMENTO RIBEIRO
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ

OF
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019565-98.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: REGIANE SOUZA CRUZ
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 15000
O
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019566-83.2014.8.03.0001
ÇÃ

AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO


PARTE AUTORA: DAYNA FILOCREAO MALHEIROS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019567-68.2014.8.03.0001
CA

AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO


PARTE AUTORA: FRANCISCO ROBERTO FERREIRA MARTINS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


LI

Nº JUSTIÇA: 0019568-53.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: FRANCISCO ROBERTO FERREIRA MARTINS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
B

VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019569-38.2014.8.03.0001
PU

AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO


PARTE AUTORA: IRACEMA TORRES PATRÍCIO
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 27000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019570-23.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: SAMILY MIKELY LOBATO CORREA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019571-08.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: JOSÉ MARTINS BARBOSA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 60


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019572-90.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: LUCIA COSTA DA SILVA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724

L
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019573-75.2014.8.03.0001

IA
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ELIANE CHRISTINA DE BRITO PAIXÃO MELAZZI
PARTE RÉ: PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPA
VALOR CAUSA: 25000

IC
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019574-60.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ANDRE DIAS MARTINS

OF
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019575-45.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ANDRE DIAS MARTINS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
O
VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


ÇÃ

Nº JUSTIÇA: 0019576-30.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: NUBIA DE LIRA SILVA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


CA

Nº JUSTIÇA: 0019605-80.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE DIVÓRCIO DIRETO LITIGIOSO
PARTE AUTORA: C. A. P. DOS S.
PARTE RÉ: M. P. DOS S.
VALOR CAUSA: 2800
LI

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019607-50.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ANNA ELYZA MORAES DOS SANTOS
B

PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ


VALOR CAUSA: 10000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


PU

Nº JUSTIÇA: 0019623-04.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: PATRICK COSTA ROCHA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724

PROCESSO CRIMINAL

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019428-19.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MARIO DA SILVA DIAS
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV-ÁREA POL.PÚB.EXEC.MEDIDA SÓCIO EDUC.


Nº JUSTIÇA: 0019431-71.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE MEDIDA SÓCIO-EDUCATIVA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 61


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: M. H. DA S. V.
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019432-56.2014.8.03.0001
AÇÃO: DILIGÊNCIA JUDICIAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

L
PARTE RÉ: FABRYCIO DE OLIVEIRA SILVA e outros
VALOR CAUSA:

IA
VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP
Nº JUSTIÇA: 0019433-41.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REVOGAÇÃO DE PRISÃO PREVENTIVA
PARTE AUTORA: CELIO ALBERTO DA SILVA SOUTO

IC
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL

OF
Nº JUSTIÇA: 0019441-18.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: WASHINGTON KENNEDY TENORIO DE SOUZA
VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019445-55.2014.8.03.0001
O
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: DANIEL SOUZA DOS SANTOS
ÇÃ

VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019448-10.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: DELEGACIA ESPECIALIZADA EM CRIMES CONTRA A MULHER - DCCM
PARTE RÉ: ALIEL PINTO DOS SANTOS
CA

VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019453-32.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
LI

PARTE RÉ: MAURICIO BAIA DE ALFAIA


VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV-ÁREA POL.PÚB.EXEC.MEDIDA SÓCIO EDUC.


B

Nº JUSTIÇA: 0019462-91.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE MEDIDA SÓCIO-EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: A. N. N.
PU

VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019465-46.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: JOSINEY PIMENTEL EVANGELISTA
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019466-31.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: JOAO PANTOJA DE SOUZA
VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019470-68.2014.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 62


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA


PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: UENDERSON DE SOUZA SALES
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019471-53.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE

L
PARTE AUTORA: CF/CIOSP/PACOVAL
PARTE RÉ: FERNANDO KAKA PEREIRA DA COSTA

IA
VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP


Nº JUSTIÇA: 0019472-38.2014.8.03.0001
AÇÃO: MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA

IC
PARTE AUTORA: IVETE MACIEL DOS SANTOS
PARTE RÉ: JESSICA DE SOUSA RODRIGUES e outros
VALOR CAUSA:

OF
VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS
Nº JUSTIÇA: 0019473-23.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DE SAO PAULO
PARTE RÉ: MARCELO BONFIM MARIANA
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV-ÁREA POL.PÚB.EXEC.MEDIDA SÓCIO EDUC.


O
Nº JUSTIÇA: 0019476-75.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE MEDIDA SÓCIO-EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
ÇÃ

PARTE RÉ: F. C. DE S.
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019481-97.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
CA

PARTE RÉ: CLAUDINEI PIRES DE OLIVEIRA


VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019483-67.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
LI

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: DIEGO SANTOS DA FONSECA
VALOR CAUSA:
B

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019488-89.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PU

PARTE RÉ: RICHARDSON COSTA BARATA


VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP


Nº JUSTIÇA: 0019496-66.2014.8.03.0001
AÇÃO: MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA
PARTE AUTORA: ANA LUCIA DE TRAVASSOS AVIS
PARTE RÉ: JOSE REINALDO SANDIM DA COSTA
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019499-21.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: EDANIELLY ANDREA SILVA VIEIRA e outros
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 63


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº JUSTIÇA: 0019501-88.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ANDREALIS DE SOUSA SILVA
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019502-73.2014.8.03.0001

L
AÇÃO: PEDIDO DE ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO POLICIAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

IA
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019503-58.2014.8.03.0001

IC
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: CF/CIOSP/CONGÓS
PARTE RÉ: IRIS SILVA SANTOS
VALOR CAUSA:

OF
VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR
Nº JUSTIÇA: 0019505-28.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: PEDRO CARLOS ROSA DA SILVA
VALOR CAUSA:
O
VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP
Nº JUSTIÇA: 0019509-65.2014.8.03.0001
AÇÃO: ANÁLISE DE INQUÉRITO POLICIAL
ÇÃ

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: MANOEL PEREIRA NETO
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019513-05.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
CA

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: DIRLON TAVARES MONTEIRO
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019514-87.2014.8.03.0001
LI

AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA


PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MOISES PALMERIM RAMOS
VALOR CAUSA:
B

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019515-72.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PU

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: ADEVAN BULHOSA DE MORAES
VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019518-27.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO POLICIAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019519-12.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: LANDRY DOS SANTOS MENDES
VALOR CAUSA:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 64


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019521-79.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ZILOMAR FLEXA MAIA
VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ

L
Nº JUSTIÇA: 0019523-49.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA

IA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO
PARTE RÉ: SAMUEL FERREIRA MIÑO
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ

IC
Nº JUSTIÇA: 0019534-78.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO POLICIAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ:

OF
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019536-48.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: UBIRATAN DO CARMO FRAGOSO
VALOR CAUSA:
O
VARA: EXECUÇÃO PENAL
Nº JUSTIÇA: 0019577-15.2014.8.03.0001
ÇÃ

AÇÃO: HABEAS CORPUS


PARTE AUTORA: ANA MARGARIDA MARQUES FASCIO
PARTE RÉ: NIXON KENEDY MONTEIRO
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019579-82.2014.8.03.0001
CA

AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA


PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: EDIVALDO DE OLIVEIRA SOUZA
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


LI

Nº JUSTIÇA: 0019580-67.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: KARYNA SUELEM ALVES MIRANDA
B

VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019581-52.2014.8.03.0001
PU

AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA


PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ALEXANDRE JULIO DA SILVA MARECO
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019582-37.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ANTONIO ELIANO ABARALDO DA SILVA
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019583-22.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: NELSON AMORIM COELHO
VALOR CAUSA:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 65


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019584-07.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: JOYCEKELLY MONTEIRO DA PAIXÃO
VALOR CAUSA:

L
VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS
Nº JUSTIÇA: 0019585-89.2014.8.03.0001

IA
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ALBERTO SA DOS SANTOS
VALOR CAUSA:

IC
VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS
Nº JUSTIÇA: 0019586-74.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

OF
PARTE RÉ: ANTONIO CLAUDIO BARROSO LIMA JUNIOR
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019587-59.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: LUIZ SOARES CORREIA FILHO
O
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


ÇÃ

Nº JUSTIÇA: 0019588-44.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MANOEL OLEGÁRIO DA SILVA
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


CA

Nº JUSTIÇA: 0019589-29.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: JONATHAS DE ARAUJO HIPPOLYTE
VALOR CAUSA:
LI

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019590-14.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
B

PARTE RÉ: ALAN MIRANDA COIMBRA


VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


PU

Nº JUSTIÇA: 0019591-96.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: SILZOMAR DE MORAES SANTOS
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019594-51.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO DE COISA APREENDIDA
PARTE AUTORA: JOÃO LUÍS PULGATTI
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019596-21.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REVOGAÇÃO DE PRISÃO PREVENTIVA
PARTE AUTORA: KARYNA SUELEM ALVES MIRANDA
PARTE RÉ:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 66


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019597-06.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: CIOSP - CONGÓS
PARTE RÉ: VALDENICE SOUZA TRINDADE
VALOR CAUSA:

L
VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR

IA
Nº JUSTIÇA: 0019600-58.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE RELAXAMENTO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: JHON MAYK DA COSTA RAMOS
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

IC
VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR
Nº JUSTIÇA: 0019608-35.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA

OF
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: VENILSON VERAS LEITE LEAL
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019616-12.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
O
PARTE RÉ: DANIEL PERES DE MATTOS
VALOR CAUSA:
ÇÃ

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019622-19.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MESSIAS GOMES DE FREITAS
VALOR CAUSA:
CA

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019625-71.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE BUSCA E APREENSÃO
PARTE AUTORA: DTE-DELEGACIA DE TOXICOS E ENTORPECENTES
PARTE RÉ: FERNANDO SILVA LOBATO
VALOR CAUSA:
LI

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP


Nº JUSTIÇA: 0019628-26.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE PRISÃO PREVENTIVA
B

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: MAX MILLER FARIAS ARAUJO
VALOR CAUSA:
PU

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0021825-56.2011.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ADEVAN BULHOSA DE MORAES
VALOR CAUSA:

PROCESSO INFÂNCIA

VARA: JUI INF JUV - ÁREA CÍVEL E ADMINISTRATIVA


Nº JUSTIÇA: 0019450-77.2014.8.03.0001
AÇÃO: PROVIDÊNCIA JUDICIAL
PARTE AUTORA: C. T. DE M. Z. S.
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA CÍVEL E ADMINISTRATIVA


Nº JUSTIÇA: 0019461-09.2014.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 67


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

AÇÃO: AÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA VIAGEM AO EXTERIOR


PARTE AUTORA: L. R. C. K. e outros
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA CÍVEL E ADMINISTRATIVA


Nº JUSTIÇA: 0019492-29.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE DESTITUIÇÃO DE PODER FAMILIAR C/C ADOÇÃO, PRECEDIDA DA LIMINAR DE GUARDA

L
PARTE AUTORA: K. G. DOS S. R. e outros
PARTE RÉ:

IA
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS


Nº JUSTIÇA: 0019532-11.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO SÓCIO EDUCATIVA

IC
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: L. S. DE O.
VALOR CAUSA:

OF
VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS
Nº JUSTIÇA: 0019539-03.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO SÓCIO EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: A. DE S. D.
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS


O
Nº JUSTIÇA: 0019626-56.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REVOGAÇÃO DE CUSTÓDIA
PARTE AUTORA: M. G. M.
ÇÃ

PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS


Nº JUSTIÇA: 0019627-41.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REVOGAÇÃO DE CUSTÓDIA
PARTE AUTORA: W. R. B. DOS S.
CA

PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS


Nº JUSTIÇA: 0019629-11.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE APREENSÃO EM FLAGRANTE
LI

PARTE AUTORA: D. D. E. N. I. DE A. I.
PARTE RÉ: A. J. A. DA C.
VALOR CAUSA:
B

_____________________________
REGIA CLAUDIA SILVA DE MOURA
Distribuidor(a)
PU

_____________________________
STELLA SIMONNE RAMOS
MM Juiz(a) Distribuidor
ATA DE DISTRIBUIÇÃO 11/04/2014

PROCESSO CÍVEL

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0000199-64.2014.8.03.0004
AÇÃO: GUARDA E RESPONSABILIDADE
PARTE AUTORA: J. P. S. DE O.
PARTE RÉ: N. DOS S. T.
VALOR CAUSA: 724

VARA: 5ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019425-64.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO COM LIMINAR

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 68


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE AUTORA: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A


PARTE RÉ: SANDRA DO SOCORRO DO CARMO OLIVEIRA MARTINS
VALOR CAUSA: 43884,06

VARA: 6ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019426-49.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO C/ LIMINAR
PARTE AUTORA: BANCO YAMAHA MOTOR DO BRASIL S/A

L
PARTE RÉ: JONATHAN SOUZA DOS SANTOS
VALOR CAUSA: 21586,56

IA
VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019430-86.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE INVESTIÇÃO DE PATERNIDADE C/C ALIMENTOS
PARTE AUTORA: A. S. C. DA S.

IC
PARTE RÉ: U. A. G.
VALOR CAUSA: 4776

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ

OF
Nº JUSTIÇA: 0019434-26.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: A. DA S. S.
PARTE RÉ: A. S. C.
VALOR CAUSA: 1992

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019435-11.2014.8.03.0001
O
AÇÃO: AÇÃO DE HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO EM EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: K. V. S. DE S. e outros
PARTE RÉ: O. S. DE S.
ÇÃ

VALOR CAUSA: 0

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019436-93.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE OFERTA DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: L. DA C. DAS M.
PARTE RÉ: E. C. D. DAS M.
CA

VALOR CAUSA: 1806,24

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019438-63.2014.8.03.0001
AÇÃO: ALIMENTOS
PARTE AUTORA: W. K. DOS S. B.
LI

PARTE RÉ: N. B. C.
VALOR CAUSA: 3475,2

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


B

Nº JUSTIÇA: 0019439-48.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE GUARDA E RESPONSABILIDADE DO MENOR
PARTE AUTORA: M. DE J. DA S. S.
PARTE RÉ: E. L. DA C. L.
PU

VALOR CAUSA: 724

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019440-33.2014.8.03.0001
AÇÃO: REVISÃO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA
PARTE AUTORA: J. L. DOS S. B. J.
PARTE RÉ: J. V. A. B.
VALOR CAUSA: 868,8

VARA: 1ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019442-03.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REGISTRO TARDIO DE ÓBITO
PARTE AUTORA: DAGUIMAR AMADOR DA SILVA
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 724

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019443-85.2014.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 69


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS


PARTE AUTORA: J. V. S. R.
PARTE RÉ: A. R. B.
VALOR CAUSA: 8136

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019444-70.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE RECONHECIMENTO E POSTERIOR DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL C/C PARTILHA DE BENS E ALIMENTOS

L
PARTE AUTORA: I. DA S. C.
PARTE RÉ: J. C. N. DA S.

IA
VALOR CAUSA: 50000

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019446-40.2014.8.03.0001
AÇÃO: INVENTÁRIO

IC
PARTE AUTORA: MARIA ANTONIA GOMES DE OLIVEIRA MAGALHAES
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 10000

OF
VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019447-25.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: U. R. A. DOS S.
PARTE RÉ: F. M. DOS S.
VALOR CAUSA: 0

VARA: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


O
Nº JUSTIÇA: 0019449-92.2014.8.03.0001
AÇÃO: BUSCA E APREENSÃO C/ LIMINAR
PARTE AUTORA: BANCO YAMAHA MOTOR DO BRASIL S/A
ÇÃ

PARTE RÉ: MARIA HELENA DE ALMEIDA MENDES


VALOR CAUSA: 16863,39

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019455-02.2014.8.03.0001
AÇÃO: ABERTURA DE INVENTÁRIO
PARTE AUTORA: PAULO JORGE MARQUES CARDOSO
CA

PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 1500000

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019456-84.2014.8.03.0001
AÇÃO: ALVARÁ JUDICIAL
LI

PARTE AUTORA: I. V. M. L.
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 724
B

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019458-54.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA, CUMULADA COM RESSARCIMENTO DE PERDAS E
DANOS
PU

PARTE AUTORA: JEAN CARLOS GONÇALVES CARDOSO


PARTE RÉ: GIOVANA DE PADUA DIAS SANTANGELO e outros
VALOR CAUSA: 62000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019459-39.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: JONIVALDO RAIMUNDO BRABO DOS SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019460-24.2014.8.03.0001
AÇÃO: ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. M. A.
PARTE RÉ: N. A. S.
VALOR CAUSA: 2606

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 70


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: 1ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019469-83.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO MONITÓRIA
PARTE AUTORA: COMERCIAL NORTE LTDA
PARTE RÉ: VERA LUCIA RIBEIRO LIMA DE FREITAS
VALOR CAUSA: 12732,32

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ

L
Nº JUSTIÇA: 0019474-08.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE

IA
PARTE AUTORA: A. S. N. A.
PARTE RÉ: M. E. S. A.
VALOR CAUSA: 724

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA

IC
Nº JUSTIÇA: 0019475-90.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: MARIA DOS REMEDIOS ALVES DOS SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ

OF
VALOR CAUSA: 6000

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019478-45.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DECLARATÓRIA DE NEGATIVA DE PATERNIDADE
PARTE AUTORA: B. DA C. M.
PARTE RÉ: A. C. DA S. M.
VALOR CAUSA: 724
O
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019479-30.2014.8.03.0001
ÇÃ

AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO


PARTE AUTORA: RAMONA FERREIRA DE SANTANA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 6000

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019480-15.2014.8.03.0001
CA

AÇÃO: EXECUÇÃO DE ALIMENTOS


PARTE AUTORA: G. M. C.
PARTE RÉ: J. L. D. C.
VALOR CAUSA: 1057,29

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


LI

Nº JUSTIÇA: 0019482-82.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MARISA ARAÚJO CASTELO
PARTE RÉ: ALCILENE CASTELO MONTEIRO
B

VALOR CAUSA: 0

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019484-52.2014.8.03.0001
PU

AÇÃO: HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE ALIMENTOS, GUARDA DE MENOR E DIREITO DE VISITAS


PARTE AUTORA: S. R.
PARTE RÉ: W. L. DA S.
VALOR CAUSA: 2424

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019485-37.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: K. G. P.
PARTE RÉ: G. A. DA C. P.
VALOR CAUSA: 2229,67

VARA: 5ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019486-22.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO MONITÓRIA
PARTE AUTORA: COMERCIAL NORTE LTDA
PARTE RÉ: J. B. FREITAS DA SILVA - ME
VALOR CAUSA: 22919,19

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 71


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019487-07.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE RECONHECIMENTO E POSTERIOR DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL C/C PARTILHA DE BENS
PARTE AUTORA: A. DE S. C.
PARTE RÉ: M. C. DOS S.
VALOR CAUSA: 0

L
VARA: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019489-74.2014.8.03.0001

IA
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MAQUIDOVIO DE SOUZA RAMOS e outros
VALOR CAUSA: 0

IC
VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019491-44.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: D. M. M. R.

OF
PARTE RÉ: J. E. R. L.
VALOR CAUSA: 389,61

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019493-14.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE RECONHECIMENTO E POSTERIOR DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL C/C PARTILHA DE BENS
PARTE AUTORA: D. M. DE S.
PARTE RÉ: L. F. V. DE O.
O
VALOR CAUSA: 20000

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


ÇÃ

Nº JUSTIÇA: 0019494-96.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: A. M. R. S.
PARTE RÉ: M. A. S.
VALOR CAUSA: 3040,8

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


CA

Nº JUSTIÇA: 0019497-51.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE DIVÓRCIO LITIGIOSO
PARTE AUTORA: J. A. DA S. F.
PARTE RÉ: N. C. DA S.
VALOR CAUSA: 724
LI

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019498-36.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: M. L. A. C.
B

PARTE RÉ: O. J. DA C. C.
VALOR CAUSA: 2034

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


PU

Nº JUSTIÇA: 0019508-80.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE GUARDA E RESPONSABILIDADE
PARTE AUTORA: M. DAS G. DOS S.
PARTE RÉ: P. P. M.
VALOR CAUSA: 724

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019510-50.2014.8.03.0001
AÇÃO: HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE ALIMENTOS E GUARDA DE MENOR
PARTE AUTORA: J. B. DOS S. e outros
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 724

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019511-35.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: G. V. C.
PARTE RÉ: R. G. C.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 72


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VALOR CAUSA: 3408,59

VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019516-57.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. R. DOS S. C.
PARTE RÉ: S. L. L. C.
VALOR CAUSA: 546,82

L
VARA: 2ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ

IA
Nº JUSTIÇA: 0019517-42.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. R. DOS S. C.
PARTE RÉ: S. L. L. C.
VALOR CAUSA: 2132,17

IC
VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019522-64.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA

OF
PARTE AUTORA: I. DE O. M.
PARTE RÉ: E. DE D. DA C. M.
VALOR CAUSA: 0

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019533-93.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO CIVIL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
O
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ e outros
VALOR CAUSA: 1000
ÇÃ

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019535-63.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE GUARDA E RESPONSABILIDADE C/C ALIMENTOS COM PEDIDO LIMINAR
PARTE AUTORA: N. O.
PARTE RÉ: J. A. M. DE O.
VALOR CAUSA: 7500
CA

VARA: 4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019537-33.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: V. M. DE A.
PARTE RÉ: W. H. M. DA S.
VALOR CAUSA: 668,9
LI

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019538-18.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
B

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: ISRAEL REIS RIBEIRO
VALOR CAUSA: 0
PU

VARA: 4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019541-70.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO ORDINÁRIA DE COBRANÇA
PARTE AUTORA: GUARANI CONSTRUÇOES LTDA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 500

VARA: 2ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019542-55.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: ALTENES DA SILVA ALVES
PARTE RÉ: EUZELE MARIA MARTINS DA COSTA
VALOR CAUSA: 0

VARA: 3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019543-40.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO MONITÓRIA
PARTE AUTORA: GETNET TECNOLOGIA EM CAPTURA E PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES H.U.A.H. LTDA.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 73


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE RÉ: BRASIL NET SERVIÇOS LTDA-ME


VALOR CAUSA: 48466,96

VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019544-25.2014.8.03.0001
AÇÃO: ALVARÁ JUDICIAL
PARTE AUTORA: C. E. C. P.
PARTE RÉ:

L
VALOR CAUSA: 724

IA
VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019545-10.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO ANULATÓRIA DE SENTENÇA HOMOLOGATÓRIA
PARTE AUTORA: J. U. A. DA S.
PARTE RÉ: G. K. M. DA P.

IC
VALOR CAUSA: 100000

VARA: 1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019546-92.2014.8.03.0001

OF
AÇÃO: AÇÃO DE RECONHECIMENTO E POSTERIOR DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE FAMILIAR POST MORTEM
PARTE AUTORA: L. DA S. B.
PARTE RÉ: J. DA C. N.
VALOR CAUSA: 724

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019547-77.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
O
PARTE AUTORA: ADRIANA TARCIA DE SOUZA OLIVEIRA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000
ÇÃ

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019548-62.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: MARCILENE RODRIGUES AMARAL
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000
CA

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019549-47.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: MARISETE DO CARMO DOS SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
LI

VALOR CAUSA: 4578,31

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019550-32.2014.8.03.0001
B

AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO


PARTE AUTORA: ROSEMARY DE SOUSA SILVA SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000
PU

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019551-17.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: EDILAMAR QUARESMA DA SILVA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019552-02.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: PEDRO PAULO ALEXANDRIA LIVRAMENTO
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019553-84.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 74


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE AUTORA: ELISANGELA ROSA VIEIRA


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 30000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019554-69.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ANA TEREZA HOMOBONO BALIEIRO

L
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

IA
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019555-54.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ROSECLEIA MENDONÇA MALCHER

IC
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA

OF
Nº JUSTIÇA: 0019556-39.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: LUIZ ARMANDO NUNES RAMOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 377,5

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019557-24.2014.8.03.0001
O
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: OTAVIO ROSARIO DO NASCIMENTO
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
ÇÃ

VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019559-91.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: CARLOS RAMOS DOS SANTOS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
CA

VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019560-76.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: EDNA LUCIA OLIVEIRA DA COSTA
LI

PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ


VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


B

Nº JUSTIÇA: 0019561-61.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ALAN MACIEL FERREIRA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
PU

VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019562-46.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: WELINGTON NUNES DE SOUZA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 15000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019563-31.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ALAN MACIEL FERREIRA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019564-16.2014.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 75


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO


PARTE AUTORA: ELVIS PRESLEY NASCIMENTO RIBEIRO
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019565-98.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO

L
PARTE AUTORA: REGIANE SOUZA CRUZ
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ

IA
VALOR CAUSA: 15000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019566-83.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO

IC
PARTE AUTORA: DAYNA FILOCREAO MALHEIROS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

OF
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019567-68.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: FRANCISCO ROBERTO FERREIRA MARTINS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


O
Nº JUSTIÇA: 0019568-53.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: FRANCISCO ROBERTO FERREIRA MARTINS
ÇÃ

PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ


VALOR CAUSA: 1000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019569-38.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: IRACEMA TORRES PATRÍCIO
CA

PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ


VALOR CAUSA: 27000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019570-23.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
LI

PARTE AUTORA: SAMILY MIKELY LOBATO CORREA


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724
B

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019571-08.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: JOSÉ MARTINS BARBOSA
PU

PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ


VALOR CAUSA: 724

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019572-90.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: LUCIA COSTA DA SILVA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019573-75.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ELIANE CHRISTINA DE BRITO PAIXÃO MELAZZI
PARTE RÉ: PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPA
VALOR CAUSA: 25000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 76


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº JUSTIÇA: 0019574-60.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ANDRE DIAS MARTINS
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019575-45.2014.8.03.0001

L
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: ANDRE DIAS MARTINS

IA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 20000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019576-30.2014.8.03.0001

IC
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
PARTE AUTORA: NUBIA DE LIRA SILVA
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

OF
VARA: 3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019605-80.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE DIVÓRCIO DIRETO LITIGIOSO
PARTE AUTORA: C. A. P. DOS S.
PARTE RÉ: M. P. DOS S.
VALOR CAUSA: 2800
O
VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA
Nº JUSTIÇA: 0019607-50.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
ÇÃ

PARTE AUTORA: ANNA ELYZA MORAES DOS SANTOS


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 10000

VARA: JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA


Nº JUSTIÇA: 0019623-04.2014.8.03.0001
AÇÃO: RECLAMAÇÃO CÍVEL - CONHECIMENTO
CA

PARTE AUTORA: PATRICK COSTA ROCHA


PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 724

PROCESSO CRIMINAL
LI

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019428-19.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
B

PARTE RÉ: MARIO DA SILVA DIAS


VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV-ÁREA POL.PÚB.EXEC.MEDIDA SÓCIO EDUC.


PU

Nº JUSTIÇA: 0019431-71.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE MEDIDA SÓCIO-EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: M. H. DA S. V.
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019432-56.2014.8.03.0001
AÇÃO: DILIGÊNCIA JUDICIAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: FABRYCIO DE OLIVEIRA SILVA e outros
VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP


Nº JUSTIÇA: 0019433-41.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REVOGAÇÃO DE PRISÃO PREVENTIVA
PARTE AUTORA: CELIO ALBERTO DA SILVA SOUTO
PARTE RÉ:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 77


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019441-18.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: WASHINGTON KENNEDY TENORIO DE SOUZA
VALOR CAUSA:

L
VARA: EXECUÇÃO PENAL

IA
Nº JUSTIÇA: 0019445-55.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: DANIEL SOUZA DOS SANTOS
VALOR CAUSA:

IC
VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019448-10.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE

OF
PARTE AUTORA: DELEGACIA ESPECIALIZADA EM CRIMES CONTRA A MULHER - DCCM
PARTE RÉ: ALIEL PINTO DOS SANTOS
VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019453-32.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
O
PARTE RÉ: MAURICIO BAIA DE ALFAIA
VALOR CAUSA:
ÇÃ

VARA: JUI INF JUV-ÁREA POL.PÚB.EXEC.MEDIDA SÓCIO EDUC.


Nº JUSTIÇA: 0019462-91.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE MEDIDA SÓCIO-EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: A. N. N.
VALOR CAUSA:
CA

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019465-46.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: JOSINEY PIMENTEL EVANGELISTA
VALOR CAUSA:
LI

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019466-31.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
B

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: JOAO PANTOJA DE SOUZA
VALOR CAUSA:
PU

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019470-68.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: UENDERSON DE SOUZA SALES
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019471-53.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: CF/CIOSP/PACOVAL
PARTE RÉ: FERNANDO KAKA PEREIRA DA COSTA
VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP


Nº JUSTIÇA: 0019472-38.2014.8.03.0001
AÇÃO: MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA
PARTE AUTORA: IVETE MACIEL DOS SANTOS

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 78


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE RÉ: JESSICA DE SOUSA RODRIGUES e outros


VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019473-23.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DE SAO PAULO
PARTE RÉ: MARCELO BONFIM MARIANA

L
VALOR CAUSA:

IA
VARA: JUI INF JUV-ÁREA POL.PÚB.EXEC.MEDIDA SÓCIO EDUC.
Nº JUSTIÇA: 0019476-75.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE MEDIDA SÓCIO-EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: F. C. DE S.

IC
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019481-97.2014.8.03.0001

OF
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: CLAUDINEI PIRES DE OLIVEIRA
VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019483-67.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
O
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: DIEGO SANTOS DA FONSECA
VALOR CAUSA:
ÇÃ

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019488-89.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: RICHARDSON COSTA BARATA
VALOR CAUSA:
CA

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP


Nº JUSTIÇA: 0019496-66.2014.8.03.0001
AÇÃO: MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA
PARTE AUTORA: ANA LUCIA DE TRAVASSOS AVIS
PARTE RÉ: JOSE REINALDO SANDIM DA COSTA
LI

VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019499-21.2014.8.03.0001
B

AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA


PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: EDANIELLY ANDREA SILVA VIEIRA e outros
VALOR CAUSA:
PU

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019501-88.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ANDREALIS DE SOUSA SILVA
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019502-73.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO POLICIAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019503-58.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 79


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE AUTORA: CF/CIOSP/CONGÓS


PARTE RÉ: IRIS SILVA SANTOS
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019505-28.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

L
PARTE RÉ: PEDRO CARLOS ROSA DA SILVA
VALOR CAUSA:

IA
VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP
Nº JUSTIÇA: 0019509-65.2014.8.03.0001
AÇÃO: ANÁLISE DE INQUÉRITO POLICIAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

IC
PARTE RÉ: MANOEL PEREIRA NETO
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR

OF
Nº JUSTIÇA: 0019513-05.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: DIRLON TAVARES MONTEIRO
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019514-87.2014.8.03.0001
O
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MOISES PALMERIM RAMOS
ÇÃ

VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019515-72.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ADEVAN BULHOSA DE MORAES
CA

VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019518-27.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO POLICIAL
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
LI

PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


B

Nº JUSTIÇA: 0019519-12.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: LANDRY DOS SANTOS MENDES
PU

VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019521-79.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ZILOMAR FLEXA MAIA
VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019523-49.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO
PARTE RÉ: SAMUEL FERREIRA MIÑO
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019534-78.2014.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 80


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

AÇÃO: PEDIDO DE ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO POLICIAL


PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019536-48.2014.8.03.0001
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA

L
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: UBIRATAN DO CARMO FRAGOSO

IA
VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0019577-15.2014.8.03.0001
AÇÃO: HABEAS CORPUS

IC
PARTE AUTORA: ANA MARGARIDA MARQUES FASCIO
PARTE RÉ: NIXON KENEDY MONTEIRO
VALOR CAUSA:

OF
VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ
Nº JUSTIÇA: 0019579-82.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: EDIVALDO DE OLIVEIRA SOUZA
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


O
Nº JUSTIÇA: 0019580-67.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
ÇÃ

PARTE RÉ: KARYNA SUELEM ALVES MIRANDA


VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019581-52.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
CA

PARTE RÉ: ALEXANDRE JULIO DA SILVA MARECO


VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019582-37.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
LI

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: ANTONIO ELIANO ABARALDO DA SILVA
VALOR CAUSA:
B

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019583-22.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PU

PARTE RÉ: NELSON AMORIM COELHO


VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019584-07.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: JOYCEKELLY MONTEIRO DA PAIXÃO
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019585-89.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ALBERTO SA DOS SANTOS
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 81


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº JUSTIÇA: 0019586-74.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ANTONIO CLAUDIO BARROSO LIMA JUNIOR
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019587-59.2014.8.03.0001

L
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

IA
PARTE RÉ: LUIZ SOARES CORREIA FILHO
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019588-44.2014.8.03.0001

IC
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MANOEL OLEGÁRIO DA SILVA
VALOR CAUSA:

OF
VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS
Nº JUSTIÇA: 0019589-29.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: JONATHAS DE ARAUJO HIPPOLYTE
VALOR CAUSA:
O
VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS
Nº JUSTIÇA: 0019590-14.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
ÇÃ

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: ALAN MIRANDA COIMBRA
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS


Nº JUSTIÇA: 0019591-96.2014.8.03.0001
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
CA

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: SILZOMAR DE MORAES SANTOS
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019594-51.2014.8.03.0001
LI

AÇÃO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO DE COISA APREENDIDA


PARTE AUTORA: JOÃO LUÍS PULGATTI
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:
B

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019596-21.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REVOGAÇÃO DE PRISÃO PREVENTIVA
PU

PARTE AUTORA: KARYNA SUELEM ALVES MIRANDA


PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: 4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019597-06.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: CIOSP - CONGÓS
PARTE RÉ: VALDENICE SOUZA TRINDADE
VALOR CAUSA:

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019600-58.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE RELAXAMENTO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: JHON MAYK DA COSTA RAMOS
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 82


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: 3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR


Nº JUSTIÇA: 0019608-35.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: VENILSON VERAS LEITE LEAL
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ

L
Nº JUSTIÇA: 0019616-12.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA

IA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: DANIEL PERES DE MATTOS
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ

IC
Nº JUSTIÇA: 0019622-19.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MESSIAS GOMES DE FREITAS

OF
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ


Nº JUSTIÇA: 0019625-71.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE BUSCA E APREENSÃO
PARTE AUTORA: DTE-DELEGACIA DE TOXICOS E ENTORPECENTES
PARTE RÉ: FERNANDO SILVA LOBATO
VALOR CAUSA:
O
VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP
Nº JUSTIÇA: 0019628-26.2014.8.03.0001
ÇÃ

AÇÃO: PEDIDO DE PRISÃO PREVENTIVA


PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: MAX MILLER FARIAS ARAUJO
VALOR CAUSA:

VARA: EXECUÇÃO PENAL


Nº JUSTIÇA: 0021825-56.2011.8.03.0001
CA

AÇÃO: AÇÃO DE EXECUÇÃO PENAL


PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ADEVAN BULHOSA DE MORAES
VALOR CAUSA:

PROCESSO INFÂNCIA
LI

VARA: JUI INF JUV - ÁREA CÍVEL E ADMINISTRATIVA


Nº JUSTIÇA: 0019450-77.2014.8.03.0001
AÇÃO: PROVIDÊNCIA JUDICIAL
B

PARTE AUTORA: C. T. DE M. Z. S.
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:
PU

VARA: JUI INF JUV - ÁREA CÍVEL E ADMINISTRATIVA


Nº JUSTIÇA: 0019461-09.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA VIAGEM AO EXTERIOR
PARTE AUTORA: L. R. C. K. e outros
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA CÍVEL E ADMINISTRATIVA


Nº JUSTIÇA: 0019492-29.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO DE DESTITUIÇÃO DE PODER FAMILIAR C/C ADOÇÃO, PRECEDIDA DA LIMINAR DE GUARDA
PARTE AUTORA: K. G. DOS S. R. e outros
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS


Nº JUSTIÇA: 0019532-11.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO SÓCIO EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 83


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE RÉ: L. S. DE O.
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS


Nº JUSTIÇA: 0019539-03.2014.8.03.0001
AÇÃO: AÇÃO SÓCIO EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: A. DE S. D.

L
VALOR CAUSA:

IA
VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS
Nº JUSTIÇA: 0019626-56.2014.8.03.0001
AÇÃO: PEDIDO DE REVOGAÇÃO DE CUSTÓDIA
PARTE AUTORA: M. G. M.
PARTE RÉ:

IC
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS


Nº JUSTIÇA: 0019627-41.2014.8.03.0001

OF
AÇÃO: PEDIDO DE REVOGAÇÃO DE CUSTÓDIA
PARTE AUTORA: W. R. B. DOS S.
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA:

VARA: JUI INF JUV - ÁREA DE ATOS INFRACIONAIS


Nº JUSTIÇA: 0019629-11.2014.8.03.0001
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE APREENSÃO EM FLAGRANTE
O
PARTE AUTORA: D. D. E. N. I. DE A. I.
PARTE RÉ: A. J. A. DA C.
VALOR CAUSA:
ÇÃ

_____________________________
REGIA CLAUDIA SILVA DE MOURA
Distribuidor(a)

_____________________________
CA

STELLA SIMONNE RAMOS


MM Juiz(a) Distribuidor

2ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

Nº do processo: 0028204-42.2013.8.03.0001
LI

Parte Autora: WAGNER ADVOGADOS ASSOCIADOS


Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Sentença: O Estado do Amapá adimpliu a obrigação representada pelo título executivo judicial, conforme se depreende do documento
B

de f. 32.
Ante o exposto, extingo o processo, na forma do art. 794, I, do Código de Processo Civil.
Sem custas.
PU

Expeça-se alvará de levantamento em favor da parte credora.


Publique-se. Registro eletrônico. Intimem-se. Arquivem-se

Nº do processo: 0035245-60.2013.8.03.0001
Parte Autora: WAGNER ADVOGADOS ASSOCIADOS
Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Sentença: O Estado do Amapá adimpliu a obrigação representada pelo título executivo judicial, conforme se depreende dos
documentos de f. 30.
Ante o exposto, extingo o processo, na forma do art. 794, I, do Código de Processo Civil.
Sem custas.
Expeça-se alvará de levantamento em favor da parte autora.
Publique-se. Registro eletrônico. Intimem-se. Arquivem-se.

Nº do processo: 0000104-53.2008.8.03.0001
Parte Autora: BANCO FINASA S/A

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 84


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): JOSÉ ANTONIO LEAL DA CUNHA - 617AAP


Parte Ré: BENEDITO SOCORRO OLIVEIRA DIAS
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Decisão: Examinando-se os Autos, verifica-se que a sentença de fls. 182-194 foi publicada no Diário Judicial Eletrônico nº 000225/2010
em 16/12/2010, abrindo-se prazo para interposição de recurso até 18/1/2011. A Apelação só foi protocolada em 18/2/2014, fora,
portanto, do prazo de quinze (15) dias, previsto no artigo 508 do Código de Processo Civil.
Ausente qualquer causa interruptiva ou suspensiva do prazo recursal, deixo de receber o recurso interposto pela parte autora, em razão
da sua intempestividade.

L
Cumpra-se o despacho de f. 308.

IA
Intime-se.

Nº do processo: 0047828-14.2012.8.03.0001
Parte Autora: JOSIANE PONTES PEREIRA

IC
Defensor(a): EVENI MILHOMEM ALVES TEIXEIRA - 2200AP
Parte Ré: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL
Advogado(a): FELIPE CAVALCANTE E SILVA - 26204PE
Decisão: Trata-se de ação processada pelo rito sumário, pela qual a parte autora requereu o restabelecimento de auxílio-doença, bem

OF
como o pagamento retroativo.
Como a pretensão da autora reclama a produção de prova pericial, foi nomeado perito, tendo o profissional apresentado proposta de
honorários de R$1.192,46 que corresponde ao teto máximo estabelecido pela Resolução nº 127, do CNJ. Nesse valor incluiu os custos
com a realização do exame termográfico, como se pode observar da proposta de f. 44: "... faço como proposta de honorários de
R$1.192,46 já que será ajuntada exame termográfico junto ao mesmo".
O valor foi impugnado pelo INSS, sob o argumento de que o "exame termográfico" não é necessário, já que é utilizado para
diagnosticar dores crônicas, quando a causa for desconhecida. O que não seria o caso dos autos, porque a causa da lesão já é
conhecida e a pericia seria apenas para apurar se a requerente tem ou não condições de retornar ao trabalho. Requereu
O
esclarecimentos do perito sobre a influência que o exame teria no resultado da pericia.
Em suas manifestação, o perito informou que a pericia é complexa e requer dedicação, assim como a proposta está de acordo com
Resolução do CNJ, nº 127. Ainda, que o custo do exame termográfico (R$ 650,00) não estava incluso na proposta e só seria juntado
ÇÃ

para sustentação jurídica.


O réu requereu a fixação de valores razoáveis para a realização da pericia, já que o perito não esclareceu a necessidade da realização
do exame proposto e informou que só poderá adiantar R$ 350,00 do valor fixado, ficando o remanescente para pagamento pela parte
vencida, após o transito em julgado da sentença.

Pois bem.
CA

A pericia foi deferida para verificar se a autora está ou não em condições de retornar as suas atividades laborativas. O réu sustenta que
o valor pedido pelo perito é exagerado, incompatível com a natureza e extensão do trabalho a ser realizado.
O código de Processo Civil, ao dispor (artigos 420 a 439) sobre a prova pericial não estabelece critérios objetivos para a fixação dos
honorários do perito, de modo que o arbitramento ou homologação segue o critério da razoabilidade, que assegura tanto a realização
da perícia quanto uma justa remuneração ao perito, condizente com o trabalho desenvolvido pelo profissional, a complexidade, o
tempo demandado, a necessidade de deslocamento e, outros aspectos relevantes.
LI

A Resolução nº 127, do CNJ, invocada pelo perito e réu, para justificar a proposta e a recusa em pagar o valor pedido, recomenda aos
tribunais que destinem orçamento para o pagamento de honorários e estabelece um teto mínimo e máximo para cada tipo de pericia.
Ocorre que a resolução ainda não foi regulamentada no âmbito do TJAP.
Nesse contexto, inexistindo previsão orçamentária para o pagamento da perícia e nem o cargo e/ou função de perito judicial, nos
B

quadros de servidores do judiciário, fica inaplicável a resolução do CNJ. Consequentemente, uma das partes teria que assumir o ônus,
uma vez que a perícia é necessária para a solução da lide e o profissional nomeado não está obrigado a fazer o trabalho sem
remuneração.
Por outro lado, o beneficiário da justiça gratuita não está obrigado ao depósito prévio das despesas da perícia. Por isso, entendo que
PU

deve o ente público acionado arcar com os custos respectivos para o exercício do direito de ação, afinal, as disposições do art. 3º da
Lei 1.060/50 não foram revogadas com a edição da resolução e nem a recomendação do CNJ acatada/regulamentada pelo TJAP.
Contudo, no que diz respeito ao valor dos honorários, assiste razão ao réu. Pelo que se observa, o profissional simplesmente indicou o
teto máximo recomendado pelo CNJ, para pericia na área de saúde.
Diga-se bem superior aos valores pedidos em outros processos, para pericias similiares. Cito como exemplo os processo de nº
25.092/2007 e nº 7.468/2009, nos quais os honorários não ultrapassou o valor de R$ 250,00. Não esclareceu também, a real
necessidade da autora ser submetida ao exame termográfico, a um custo de R$ 650,00.
Por isso, como na proposta há indicação de que o valor do exame está inclusos nos honorários, faz-se necessário a redução.
Ante o exposto, fixo o valor dos os honorários periciais em R$ 600,00 (seiscentos reais), por entender que esse valor encontra-se em
consonância com a natureza da pericia - esclarecimento sobre possível lesão/doença decorrente de acidente de trabalho e se a mesma
incapacita a autora para desenvolver suas atividades laborativas.
A despesa com a perícia técnica ficará às expensas do réu, na sua integralidade, conforme prevê textualmente o 2º, do art. 8º, da Lei.
8620/93: "O INSS antecipará os honorários periciais nas ações de acidente do trabalho."
Afinal, a parte é beneficiária da justiça gratuita e a recomendação do CNJ ainda não é aplicada no âmbito do TJAP, de forma que o
perito nomeado não pode trabalhar gratuitamente ou receber apenas parte de seus honorários.
Intime-se o perito se aceita realizar a pericia técnica, pelo valor arbitrado pelo Juízo.
Intime-se o INSS desta decisão, bem como do prazo de 10 dias, para efetuar o depósito dos honorários, na sua integralidade.
Intimem-se.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 85


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0031647-98.2013.8.03.0001
Parte Autora: HC PNEUS S/A
Advogado(a): JÂMISON NEI MENDES MONTEIRO - 1060AP
Parte Ré: ENGEMAQ CONSTRUÇOES TERRAPLENAGEM LTDA - EPP
Sentença: I.

L
Verifica-se nos autos que a autora foi intimada a promover o andamento do feito, por duas vezes. A primeira, através do advogado
constituído, via Diário Judicial Eletrônico (DJE nº 000152/2013 em 22/08/2013.). A segunda, nos termos das disposições do § 1º, do art.

IA
267, do CPC, via postal, cujo prazo decorreu, sem que a determinação tenha sido atendida.

II.

Em se tratando de pessoa jurídica, o entendimento jurisprudencial, com fulcro na teoria da aparência, é de que a intimação pessoal

IC
efetuada por intermédio de carta com AR entregue no endereço declinado na petição inicial e ali recebida por um de seus funcionários,
é perfeitamente possível, pois a legislação não faz qualquer distinção quanto à forma da diligência, revelando-se desnecessária, que
sua efetivação se dê na pessoa de seu representante legal e nem que a diligência seja realizada por oficial de justiça.

OF
Ou seja, muito embora realizada a intimação mediante carta postal, reputa-se plenamente satisfeita a pessoalidade do ato processual.

O entendimento do STJ é nesse sentido:

"PROCESSO CIVIL. AÇÃO DE EXECUÇÃO. ABANDONO DA CAUSA. INTIMAÇÃO PESSOAL DO EXEQÜENTE VIA AR.
ATUALIZAÇÃO DO ENDEREÇO. ÔNUS DA PARTE. ART. 39, INC. II E PAR. ÚNICO, DO CPC. EXTINÇÃO DO PROCESSO SEM
JULGAMENTO DE MÉRITO. ART. 267, INC. III, CPC. CABIMENTO. APELO IMPROVIDO. 1.Impõe-se o improvimento do apelo,
interposto em sede de ação de execução, tendo em vista que o exeqüente, intimado pessoalmente via AR e advertido na forma da lei,
O
deixou de dar o devido impulso ao feito. 2. A intimação pessoal feita pelo correio, embora tenha sido devolvido o AR em face de
mudança de endereço, reputa-se válida, nos termos do parágrafo único do art. 39 do CPC, porquanto é ônus da parte a atualização do
seu endereço. Não se desincumbindo o exeqüente de empreender a movimentação da causa, decorre a extinção do processo sem
ÇÃ

julgamento de mérito, com fulcro no art. 267, inc. III, do CPC. 4. Apelo improvido." (AC n. 2000 01 5 001257-8 - DJ 31/10/2000 - pg. 23-
Rel. Des. Jeronymo de Souza).

Ainda, se o se o exequente deixa o processo paralisado por mais de trinta dias, sem diligenciar a citação, a realização de penhora ou
qualquer ato do seu interesse, deve-se entender que tacitamente renunciou ao seu direito:

"CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO. EXTINÇÃO. INÉRCIA DO AUTOR. INTIMAÇÃO PESSOAL NÃO APERFEIÇOADA EM
CA

FACE DA INEXISTÊNCIA DA ATUALIZAÇÃO DO ENDEREÇO NOS AUTOS. MANUTENÇÃO DA EXTINÇÃO. RECURSO


IMPROVIDO. I - SE O EXEQÜENTE DEIXA O PROCESSO PARALISADO POR MAIS DE TRINTA DIAS, SEM DILIGENCIAR A
CITAÇÃO, A REALIZAÇÃO DE PENHORA OU QUALQUER ATO DO SEU INTERESSE, DEVE-SE ENTENDER QUE TACITAMENTE
RENUNCIOU AO SEU DIREITO, DEVENDO, NA HIPÓTESE, HAVER A INTIMAÇÃO PESSOAL PARA DAR O DEVIDO ANDAMENTO,
E SE NÃO O FIZER PODERÁ SER DECLARADO EXTINTO PROCESSO DE EXECUÇÃO. II - NÃO HÁ QUE SE FALAR EM
NULIDADE DA SENTENÇA POR AUSÊNCIA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DO AUTOR, POSTO QUE ESTA NÃO SE APERFEIÇOOU
LI

POR CULPA EXCLUSIVA DO MESMO. III - RECURSO CONHECIDO E IMPROVIDO. (AC 20030150092971APC DF. Acórdão:
185002. Órgão Julgador : 1ª Turma Cível - Relator: NÍVIO GONÇALVES - Publicação no DJU: 11/02/2004 Pág. : 51).

Verifica-se, também, que a parte ré não foi citada. Tal particularidade, afasta, segundo o entendimento do STJ, a aplicação da súmula
B

240 do STJ:

AGRAVO REGIMENTAL - AGRAVO DE INSTRUMENTO - EXTINÇÃO DO PROCESSO - ABANDONO DA CAUSA - ARTIGO 267, III,
DO CPC - INAPLICABILIDADE DA SÚMULA 240/STJ AO CASO - DECISÃO AGRAVADA MANTIDA - IMPROVIMENTO. I - Não há que
PU

se falar, in casu, em necessidade de requerimento do réu, bem como em impossibilidade de resolução ex officio, para que se possibilite
a extinção do processo com fundamento no art, 267, III, do Código de processo Civil. II - Cumpre destacar que é inaplicável, nessa
hipótese, a Súmula 240 do Superior Tribunal de Justiça, haja vista que não houve sequer a instauração da relação processual. Agravo
Regimental improvido. (AgRg no AREsp 34/RS - Relator: Min. SIDNEI BENETI - Terceira Turma - j. 12/04/2011 - p. DJe, de
26/04/2011).

Assim, patente está a desídia do autor em dar seguimento à lide, uma vez, que, embora intimado por duas vezes, não apresentou
qualquer manifestação nos autos. Não cabe ao Judiciário diligenciar pela parte ou ficar procurando a parte para lembrá-la de que existe
um processo de seu interesse e que é seu dever fazer com que o mesmo tenha seguimento, bem como não se concebe que os autos
permaneçam indefinidamente em tramitação, tumultuando a conturbada rotina cartorária, no aguardo da parte, para requerer que o
mesmo prossiga.

No caso, os autos encontram-se paralisados desde outubro de 2013.

III.

Ante o exposto, EXTINGO o feito, sem resolução de mérito, nos termos do art. 267, III, do Código de Processo Civil, eis que a parte
autora, ainda que regularmente intimada, deixou de promover os atos e diligências que lhe competiam, abandonando a causa por mais

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 86


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

de trinta dias (30) dias.

Publique-se. Registro eletrônico. Intime-se. Arquivem-se.

Nº do processo: 0019296-69.2008.8.03.0001
Parte Autora: UNIAO DE FACULDADES DO AMAPA LTDA
Advogado(a): JOSÉ ROBERTO FRANCO DE CAMPOS - 1470BAP

L
Parte Ré: HIGO RODRIGUES DE OLIVEIRA
Sentença: I.

IA
UNIÃO DE FACULDADES DO AMAPÁ LTDA - FAMA, ajuizou a presente ação de execução contra HIGO RODRIGUES DE OLIVEIRA
objetivando o recebimento de valores provenientes de títulos de crédito extrajudicial.
Instruiu a inicial com os documentos de fls. 5/18.
O réu não foi encontrada para citação, ao que, após diversas diligências na busca de endereço atualizado, o autor requereu a

IC
expedição de carta precatória.

II.

OF
Analisando os autos, verifica-se que a extinção do processo é medida que se impõe.
Vejamos.
O título que lastreia a ação executiva teve seu vencimento em 12 de setembro de 2007, marco inicial do prazo prescricional. É certo
que a ação foi proposta em 14/7/2008, contudo, até esta data, cinco anos após o vencimento do título, a parte Ré não foi citada,
ocorrendo, portanto, o fenômeno da prescrição, inclusive, para eventual ação de conhecimento (cobrança ou monitória).
Isto porque a pretensão de cobrança formulada em ação monitória está subordinada ao prazo prescricional de 5 (cinco) anos previstos
no artigo 206, § 5º, I, do Código Civil (RECURSO ESPECIAL Nº 1.038.104/SP. 2008/0052059-9. Rel. Ministro Sidnei Beneti).
O
Esse, inclusive é o entendimento do STJ: EMENTA: CIVIL E PROCESSO CIVIL. CHEQUE PRESCRITO.AÇÃO MONITÓRIA. PRAZO
PRESCRICIONAL. A ação monitória fundada em cheque prescrito está subordinada ao prazo prescricional de 5 (cinco) anos previstos
no artigo 206, § 5º, I, do Código Civil. Recurso Especial Improvido. ( RECURSO ESPECIAL Nº 1.038.104/SP. 2008/0052059-9. Rel.
ÇÃ

Ministro Sidnei Beneti).

No caso concreto, mais de cinco anos após a emissão dos títulos, o réu não foi citado, não incidindo o efeito interruptivo previsto no art.
219 do CPC, mesmo tendo a parte autora tenha diligenciado no sentido de efetivar a citação, não obtendo êxito.
Ora, no caso em exame, a demora pela citação não pode ser atribuída à burocracia do Judiciário, visto que no endereço informado pelo
autor, a ré não residia, o que impediu a aplicação do art. 219 do CPC. Portanto, o prazo prescricional não sofreu interrupção.
As condições da ação são matérias de ordem pública e, ocorrendo a prescrição, o juiz deve pronunciá-la de ofício, em homenagem a
CA

segurança jurídica, nos termos do § 5º, do art. 219, do CPC.


A orientação do STJ e do TJAP segue nessa direção, conforme julgados que trago à colação:

"PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. VIOLAÇÃO AO ART. 535 DO CPC. DEFICIÊNCIA RECURSAL.
SÚMULA 284 DO STF. PRESCRIÇÃO. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. SÚMULA 211/STJ. MATÉRIA CONSTITUCIONAL.
NÃO CONHECIMENTO. PRESCRIÇÃO. DECRETAÇÃO DE OFÍCIO. ART. 219, § 5º, DO CPC. VIABILIDADE. PRECEDENTES.
LI

RECURSO ESPECIAL PARCIALMENTE CONHECIDO E, NESSA PARTE, IMPROVIDO". (REsp 1094874/RO, Rel. Ministro Teori
Albino Zavascki, Primeira Turma, julgado em 09/12/2008, DJe 17/12/2008).

"TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL - AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO - PRESCRIÇÃO


B

INTERCORRENTE - LEI 11.280/06 - DECRETAÇÃO DE OFÍCIO - POSSIBILIDADE.1. Com o advento da Lei 11.280/06, tornou-se
possível ao juiz decretar de ofício a prescrição. 2. ...omissis.... .3. Agravo regimental não provido. (AgRg no Ag 1033755/MG, Rel.
Ministra Eliana Calmon, Segunda Turma, julgado em 19/08/2008, DJe 22/09/2008)".
PU

PROCESSO CIVIL - AÇÃO MONITÓRIA - PRESCRIÇÃO - RECONHECIMENTO DE OFÍCIO - AUSÊNCIA DE CITAÇÃO VÁLIDA -
NÃO INTERRUPÇÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL. 1) A teor do preceito contido na norma do artigo 219, §1º, do Código de Processo
Civil, o marco interruptivo do prazo prescricional é a citação válida e não o despacho que a ordena. Assim, correta é a decisão
monocrática que reconhece a prescrição quando decorridos mais de dez anos entre o vencimento do título, momento em que surge
para o credor a pretensão ao manejo de ação monitória, e a prolação da sentença, vez que não implementado o ato citatório. 2) Apelo
não provido. (TJAP AC/0001203-10.1998.8.03.0001 Relator: Desembargador GILBERTO PINHEIRO. j. 10.08.2010. p: DJE N.º 149,
17.08.2010 ).

III.

Ante o exposto, reconheço a prescrição da pretensão do autor e extingo o processo, com resolução do mérito, nos termos do art. 269,
IV, c/c o art. 219, § 5º, do Código de Processo Civil.
Condeno a parte autora nas custas processuais.
Sem honorários.
Publique-se. Registro eletrônico. Intimem-se.

Nº do processo: 0020787-72.2012.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 87


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Autora: MONTE & CIA LTDA


Advogado(a): JOSIANE GONCALVES DA SILVA - 1629AP
Parte Ré: KAIO RIBEIRO OLIVEIRA
Despacho: Promova a parte autora o prosseguimento do prazo de 10 dias, sob pena de arquivamento (art. 475, § 5º, do CPC).

Nº do processo: 0013966-81.2014.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚCARD S/A

L
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Parte Ré: A N G C E SERVIÇOS - ME

IA
Despacho: Para concessão do pedido de liminar pleiteado imprescindível se faz a comprovação da constituição em mora do réu, a teor
do disposto no § 2º, do art. 2º, do Dec. Lei nº 911/69.
Entretanto, a mora poderá ser comprovada através de notificação extrajudicial por meio de carta registrada expedida por intermédio de
Cartório de Títulos e Documentos ou pelo protesto do título, a critério do Credor.
O credor optou pela notificação extrajudicial realizada por meio de aviso recebimento, porém, foi enviada pelo credor diretamente, via

IC
Correios (EBCT) à devedora/ré (fl. 14).
Assim, faculto à parte autora comprovar a mora da requerida, através da notificação extrajudicial realizada por intermédio do Cartório de
Títulos e Documentos, no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de indeferimento da inicial.

OF
Nº do processo: 0017246-02.2010.8.03.0001
Parte Autora: D. ARAUJO COMERCIO DE UTILIDADES LTDA
Advogado(a): FABIO LOBATO GARCIA - 1406AP
Parte Ré: MARIA JOSÉ TELLES MIRANDA
Decisão: Requer o credor a remoção do aparelho de ar condicionado descrito à f. 54 e a penhora dos créditos que a executada tem a
receber, na ação de execução nº 0002137-45.2013.4.01.3100, que tramita na 2ª Vara Federal da seção Judiciária do Estado do
Amapá, no valor de R$ 4.062,69.
O
Pois bem.
Na certidão do oficial de justiça à f. 54 consta que foram penhorados um aparelho de ar condicionado, modelo SPRINGER, de 7.000
BTUs, avaliado em R$ 300,00 e um aparelho de DVD, modelo Premier, avaliado em R$ 100,00.
ÇÃ

Tais bens, segundo o entendimento do STJ, encontram-se protegidos pela lei da impenhorabilidade:
"IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMÍLIA - MICROONDAS - TV - AR CONDICIONADO - LINHA TELEFÔNICA - ABRANGÊNCIA.
O manto da impenhorabilidade do bem de família se estende aos móveis que o guarnecem, com exceção àqueles de caráter supérfluo
ou suntuoso. (REsp 277.976/RJ, Rel. Ministro HUMBERTO GOMES DE BARROS, TERCEIRA TURMA, julgado em 08/03/2005, DJ
04/04/2005, p. 298)".
Por isso, a penhora lançadas sobre os aparelhos de ar condicionado e de DVD deve ser desconstituída.
Quanto aos créditos que a autor tem a receber perante a Justiça Federal. Tenho que também não podem ser penhorados.
CA

Conforme se estrai do movimento processual juntado às fls. 75-82, o crédito refere-se a gratificação de incentivo, que compõe o
sistema remuneratório do servidor público. E, sendo crédito de natureza salarial, reveste-se da impenhorabilidade prevista no inciso IV
do art. 649 do Código de Processo Civil.
Ante o exposto, indefiro os pedido de f. 74.
Desconstituo a penhora de f. 54.
LI

Nº do processo: 0034567-45.2013.8.03.0001
Impetrante: RN COMÉRCIO VAREJISTA S/A
Advogado(a): CINTHYA JORDANA DA SILVA PICANÇO - 916AP
B

Impetrado: CHEFE DA COORDENADORIA DE ARRECADAÇÃO DA SECRETARIA DA RECEITA ESTADUAL DO AMAPÁ


Terceiro Interessado: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: ORISLAN DE SOUSA LIMA - 1657AP
Decisão: Recebo o recurso de Apelação interposto pelo réu, apenas no efeito devolutivo (art. 520, V, do CPC).
PU

À parte apelada para as contrarrazões, no prazo de 15 dias.


Após, remetam-se os autos ao Egrégio tribunal de Justiça.

Nº do processo: 0013310-27.2014.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚCARD S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Parte Ré: RICARDO CORREA DE OLIVEIRA
Advogado(a): EDNICE PENHA DE OLIVEIRA - 892AP
Despacho: Quanto ao pedido de revogação da liminar e documentos apresentados pelo requerido (movimento de ordem 5), manifeste-
se a parte autora, no prazo de 10 (dez) dias.
Intime-se.

Nº do processo: 0054591-94.2013.8.03.0001
Parte Autora: MONICA REGINA CARVALHO DE MACEDO
Advogado(a): LEIVO RODRIGUES DOS SANTOS - 1621AP
Parte Ré: B & S MODULADOS E DESIGN DE INTERIORES LTDA, CELMARTHE INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 88


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): RALFE STENIO SUSSUARANA DE PAULA - 1401AAP


Decisão: Assiste razão a ré CELMARTHE.
Verifica-se que ré B&S Modulados retirou os autos com carga em 10/02/2014 e somente o devolveu em 11/03/2014, ficando os autos
em seu poder por 30 dias, impedindo o acesso da outra requerida ao processo.
É certo que artigo 191 do Código de Processo Civil, possibilita aos réus, com procuradores diferentes, terem contado em dobro, seus
prazos para contestar, recorrer e, de modo geral, falar nos autos. Entretanto, esse prazo é comum, e a retirada com carga, somente
mediante ajuste prévio com a outra parte (art. 40, § 2º, do CPC). O que não ocorreu.
Ficando a peticionante impedida de consulta os autos, o prazo deve ser restabelecido para a parte prejudicada.

L
Assim:
1). Devolvo o prazo de 15 dias para ré CELMARTHE INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA, apresentar sua defesa, cujo prazo começa a

IA
fluir da publicação desta decisão;
2). consigne-se nos registros o nome dos advogados indicados pelas partes (fls. 87, 104) ;
3). retifique-se o polo passivo, com relação a ré·CELMARTHE, eis que foi qualificada de forma equivocada.
4). contestada a ação, intime-se a parte autora para manifestar-se sobre as contestações, no prazo de 10 dias.
Intimem-se. Cumpra-se.

IC
Nº do processo: 0013850-75.2014.8.03.0001
Parte Autora: BEATRIZ MELO DE LIMA

OF
Advogado(a): ANDREZA MELO DE LIMA - 1292AP
Parte Ré: BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A
Decisão: Cabe às partes prover as despesas dos atos processuais por elas requeridos, conforme a regra do art. 19 do CPC, salvo no
caso de beneficiário de justiça gratuita.
O art. 5º, inciso LXXIV, da Constituição Federal assegura a assistência jurídica gratuita aos comprovadamente pobres.
Por sua vez, a Lei nº 1.060/50 estabelece normas para a concessão de assistência judiciária gratuita aos necessitados que, para
obtenção do benefício, deverão fazer prova de sua situação de penúria.
No presente caso, a Autora se diz proprietária de um restaurante, o que pressupõe ser possuidora de recursos financeiros. Embora
O
alegue, não juntou nenhum documento que comprove não possuir condições financeiras de arcar com as custas judiciais.
Assim, indefiro o pedido de gratuidade da Justiça e faculto à parte autora o recolhimento das custas processuais, no prazo de 30
(trinta) dias, sob pena de cancelamento da distribuição, nos termos do art. 257, do CPC, ou comprovação, de modo satisfatório, da
ÇÃ

impossibilidade de arcar com os encargos processuais.


Intimem-se.

Nº do processo: 0014291-56.2014.8.03.0001
Parte Autora: ELMA TELES TEIXEIRA
Advogado(a): ULISSES TRASEL - 696AP
CA

Parte Ré: ALBERNI DE SOUSA ALMEIDA


Decisão: Considerando que não há prova nos autos, da alegada falta de condições financeiras da autora para arcar com as custas
judiciais, indefiro o pedido de gratuidade da justiça.
Faculto-lhe recolher as custas processuais, no prazo de 30 (trinta) dias, sob pena de indeferimento da inicial.
Intimem-se.
LI

Nº do processo: 0015891-49.2013.8.03.0001
Parte Autora: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DA AMAZONIA
Advogado(a): JOAO HENRIQUE SCAPIN - 584BAP
B

Parte Ré: MONIQUE EVANY PENHA PEREIRA


Decisão: I.
A executada opôs exceção de pré-executividade, arguindo a prescrição do título executivo, eis que a dívida foi constituída em 21 de
novembro de 2007, ao que o exequente teria até 21 de novembro de 2012 para cobrar a dívida.
PU

O exequente manifestou-se pela continuidade da execução.

II.

A exceção de Pré-executividade, como é sabido, é destinada a arguição de matérias que podem ser conhecidas de ofício pelo
magistrado e mediante prova inequívoca e pré-constituída do fato impeditivo ou extintivo do direito.

Pois bem.

Tratando-se de ação executiva em que a instituição educacional busca receber valores decorrentes de contrato educacional, o prazo
prescricional é de cinco anos, a teor do disposto no art. 206 , § 5º , do Código Civil. Sendo que o marco inicial vem a ser o vencimento
de cada parcela, por tratar-se de obrigação de trato sucessivo, onde a prescrição só atinge as parcelas anteriores ao quinquênio que
precede o ajuizamento da ação.

No caso, é certo que o contrato foi firmado em 21 de novembro de 2007, para o 1º semestre de 2008, mas, para efeito de prescrição, a
contagem só começa a fluir do vencimento de cada mensalidade e não da assinatura do contrato, como arguiu a executada.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 89


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

As parcelas vindicadas pelo Exequente venceram no período de 25/3 a 26/6 de 2008. Sendo que a ação teria que ser proposta até
25/3/2013. O que de fato ocorreu, como se observa do documento de f. 12.

Foi portanto, respeitado o prazo prescricional de cinco anos previsto no artigo 206, § 5º, do CC.

De mais a mais, embora a executada tenha sido citada após o limite do prazo de cinco anos, a citação válida e eficaz interrompe a
prescrição e retroage à data do ajuizamento da ação, consoante disposição do art. 219 do CPC.

L
Dai porque não há falar em prescrição.

IA
Sendo incontroversa a inadimplência das parcelas do contrato objeto da execução, legítima se mostra a execução dos valores
respectivos, pelo que deve ser rejeitada a exceção de pré-executividade.

Os honorários advocatícios pleiteados pela exequente também serão rejeitados eis que a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça
entende não ser cabível a condenação em honorários advocatícios em exceção de pré-executividade rejeitada:

IC
"AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. PROCESSO CIVIL. EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE REJEITADA.
HONORÁRIOS DE SUCUMBÊNCIA. NÃO INCIDÊNCIA. AGRAVO IMPROVIDO. 1. Esta Corte possui o entendimento de que a
exceção de pré-executividade rejeitada não impõe ao excipiente condenação em ônus sucumbenciais, pois, nesse caso, há o

OF
prosseguimento da execução. 2. Agravo regimental improvido." (AgRg no REsp 1097822/RS, Rel. Ministra MARIA THEREZA DE
ASSIS MOURA, SEXTA TURMA, julgado em 14/04/2009, DJe 04/05/2009).

Ante o exposto, REJEITO a exceção oposta e a fixação de honorários advocatícios.

Diga o exequente sobre o prosseguimento do feito, no prazo de 10 dias.

Publique-se. Intimem-se. Cumpra-se.


O
Nº do processo: 0035991-25.2013.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: MARIA HAIDEE MORAIS BARRETO


Advogado(a): ADIEL DE SOUSA DINIZ - 8402PA
Parte Ré: ALCIDES AMARAL PINGARILHO, COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO - UNIMED MACAPÁ, ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): CARLOS AUGUSTO M PINGARILHO - 1075AP, JORGE FRANCISCO BACK - 2478AAP, LUCIANA LIMA MARIALVES
DE MELO - 377AP
Decisão: Interpôs a parte ré, embargos de declaração, alegando omissão na decisão que indeferiu o pedido de gratuidade de justiça,
arguindo que o balancete contábil e a resolução operacional nº 1.399, de 27/3/2013 são documentos hábeis a comprovar a delicada
CA

situação por que passa a Cooperativa. Requereu a modificação da decisão para acolher o pedido de justiça gratuita.
Adianto que a não há obscuridade e nem contradição na decisão que indeferiu o benefício de justiça gratuita.
Em que pese em outros processos, tenha sido concedido o benefício, entendo que os saldos de caixa e faturamentos líquidos baixos,
por si só, não caracterizam a incapacidade da cooperativa em arcar com as despesas processuais, até mesmo porque a Resolução
Operacional nº 1.399, de 27 de março de 2013, não chegou a ser aplicada, pois a cooperativa continua em plena atividade.
Logo, possui porte econômico capaz de suportar as despesas do processo.
LI

Rejeito os embargos e mantenho a decisão que indeferiu o benefício da gratuidade.


Aguarde-se a audiência já designada.
Intime-se.
B

Nº do processo: 0041801-83.2010.8.03.0001
Parte Autora: LEITURA DINAMICA DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA - EPP
Advogado(a): NILDO JOSUE PONTES LEITE - 118AP
PU

Parte Ré: A. C. S. COSTA - ME


Advogado(a): CLÁUDIO JOSÉ DA FONSECA LIMA - 1593AP
Decisão: Defiro os pedidos consignados à f. 96.
Suspendo o curso do processo pelo prazo de 30 dias. Em igual prazo a parte autora deverá juntar o substabelecimento.
Decorrido o prazo sem manifestação, intime-se a autora, para dar prosseguimento ao feito, no prazo de 10 dias.
Permanecendo a parte silente, cumpra-se com as disposições do art. 267, § 1º, do CPC.
Intime-se. Cumpra-se.

Nº do processo: 0041950-74.2013.8.03.0001
Parte Autora: ELIVALDO BARBOSA COSTA
Advogado(a): KELLEN CRISTINA SANTOS DA COSTA - 1189AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: THIAGO LIMA ALBUQUERQUE - 1676BAP
Sentença: I.

ELIVALDO BARBOSA COSTA, ajuizou a presente ação de indenização por ato ilícito em face do ESTADO DO AMAPÁ.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 90


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Arguiu que na madrugada do dia 28/1/2007 sua residência foi arrombada e invadida por policiais militares, tendo sido alvejado por
disparo de arma de fogo, desferido pelo policial RILSON BELO GIBSON DOS SANTOS, vindo a sofrer danos estéticos e morais.

Afirmou que o policial militar foi condenado na ação 0015592-48.2008.8.03.0001, por tentativa de homicídio duplamente qualificado,
cuja sentença foi proferida em 15/5/2013, pelo juízo da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Macapá.

Requereu reparação pelo dano estéticos sofrido, no valor de 30 salários mínimos; e por danos morais, também o valor de 30 salários
mínimos.

L
Instruiu a inicial com os documentos de fls. 7/15.

IA
Seguindo o rito sumário, foi designada audiência de conciliação, sendo que as partes não transigiram. Em contestação, o Estado
alegou, como prejudicial de mérito, a prescrição; no mérito, que não há comprovação do dano estético ou moral. Requereu o
reconhecimento da prescrição ou a improcedência do pedido.

IC
Dada a ausência da advogada do autor, devidamente intimada, restou precluso o direito de se manifestar em réplica. Não foi requerida
a produção de outras provas.

Os autos vieram conclusos para sentença.

OF
II.

Trata-se de ação de indenização em que pretende o autor ser ressarcido pelos danos estéticos e morais, que teria sofrido em
decorrência de ato ilícito praticado por agente do Estado.

Antes de adentrar no mérito, analiso a alegação de que o pedido do autor encontra-se prescrito, em razão do transcurso de mais de 5
(cinco) anos entre a data do fato danoso ( 28/1/2007) e a propositura da ação (28/8/2013).
O
Adianto que não assiste razão ao réu.
ÇÃ

É certo que de acordo com o Decreto Federal nº 20.910/32, o prazo para interpor da ação de indenização contra pessoa jurídica de
direito público é de cinco anos. Contudo, para efeito de indenização por ato ilícito penal praticado por agente do Estado, o entendimento
sedimentado é que a contagem do prazo prescricional somente se inicia do trânsito em julgado da ação penal condenatória, e não da
data da ocorrência do ilícito

Essa é a posição do STJ e TJAP, nos termos dos julgados que coleciono:
CA

ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. RESPONSABILIDADE CIVIL


DO ESTADO. ACIDENTE DE TRÂNSITO. DANOS MORAIS E MATERIAIS. PRESCRIÇÃO. NÃO OCORRÊNCIA. TERMO INICIAL.
TRÂNSITO EM JULGADO DA SENTENÇA PENAL CONDENATÓRIA. PRECEDENTES DO STJ. SÚMULA 83/STJ. AGRAVO
REGIMENTAL NÃO PROVIDO. 1. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é assente no sentido de que, "em se tratando de
ação civil ex delicto , com o objetivo de reparação de danos, o termo a quo para ajuizamento da ação somente começa a fluir a partir do
trânsito em julgado da ação penal" (AgRg no Ag 951.232/RN, Rel. Min. ELIANA CALMON, Segunda Turma, DJe de 5/9/08).
LI

" Por segurança jurídica e em observância ao disposto no art. 63 do Código de Processo Penal, para efeito de reparação de dano, o
dies a quo para contagem do prazo prescricional é aquele do trânsito em julgado da sentença criminal. (...) (AC e REO. Processo Nº
3065/07, Relator Desembargador DÔGLAS EVANGELISTA RAMOS, CÂMARA ÚNICA, julgado em 06 de Maio de 2008, publicado no
B

DOE Nº 4286 na(s) página(s) 12 em 08 de Julho de 2008)".

No caso dos autos, a sentença condenatória foi proferida na data de 15/5/2013. Portanto, o direito do autor ainda não está prescrito.
PU

Diante do exposto, rejeito a preliminar de prescrição.

A responsabilidade do ente público é objetiva, fundada na teoria do risco administrativo, prevista no art. 37, § 6º, da CF e no art. 927,
parágrafo único do CC. Por essa teoria, sempre que a conduta do agente contribuir de algum modo para o evento danoso, gera a
obrigação de ressarcir, independentemente da existência de dolo ou culpa do agente público na prática do ato.

É certo que existem determinadas situações em que o ente público, apesar de responder objetivamente pelos danos causados por seus
agentes, não será obrigado a indenizar a vítima. Essas situações ocorrem quando presentes o caso fortuito, a força maior ou a culpa
exclusiva da vítima, causas excludentes da responsabilidade estatal.

Entretanto não é o caso dos autos.

Constatado está o ato ilícito e o nexo de causalidade: o autor foi vítima de disparo de arma de fogo desferido por agente do réu, que
veio a ser condenado na esfera penal, por tentativa de homicídio duplamente qualificado, em decorrência dos fatos narrados na inicial.

Tendo o agente público extrapolado os limites do estrito cumprimento do seu dever funcional, nasceu a obrigação estatal de indenizar o
autor pelos danos efetivamente sofridos.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 91


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Os danos estéticos não ficaram comprovados. Nenhuma prova nesse sentido foi produzida. Inclusive, no termo de audiência realizada
na data de 25/2/2014, foi consignando que, aparentemente, o autor não apresenta nenhuma sequela de ordem estética.

Por outro lado, a existência do dano moral é indiscutível.

É assente na jurisprudência que os danos morais não necessitam de provas, basta a ocorrência de fato capaz de ensejar a sua
caracterização. E o fato ocorreu - a residência do autor foi arrombada e invadida em plena madrugada, por policiais militares que
praticaram a conduta dolosa.

L
A configuração está ínsita na ilicitude do ato praticado, e decorre da gravidade do delito em si, sendo desnecessária a sua efetiva

IA
demonstração.

Quanto ao valor, a compensação deve ser suficientemente alta para servir como penalização do ofensor e de fator de inibição à
repetição de condutas que ferem a honra alheia, mas não pode prestar-se ao enriquecimento sem causa, conforme entendimento das
Cortes Superiores e Tribunais.

IC
Coleciono um julgado do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá:

"A reparação dos danos morais tem duas finalidades: indenizar pecuniariamente o ofendido, alcançando-lhe a oportunidade de obter

OF
meios de amenizar a dor experimentada em função da agressão moral, em um misto de compensação e satisfação; punir o causador
do dano moral, inibindo novos episódios lesivos, nefastos ao convívio social. Nesse contexto e considerando os critérios específicos do
caso sub examine, correta é a fixação do quantum indenizatório em 100 (cem) salários mínimos, mostrando-se justo e razoável para
reparar a agressão moral sofrida, pois proporcional à gravidade do dano e às repercussões da ofensa". (TJAP- Relator: Desembargador
MELLO CASTRO - APELAÇÃO CÍVEL N.º 1.064/01- Publ. no DOE: 3087, Páginas: 16).

Diante das circunstâncias, não há dúvida de que o Réu, como Estado membro da Federação, ostenta boa capacidade de pagamento
de qualquer condenação. O autor, por sua vez, não consignou sua profissão, mas o valor pedido, equivalente a trinta salários mínimos,
O
ou seja, R$ 21.700,00 (vinte e um mil e setecentos reais), não é excessivo. Tenho como justo.

III.
ÇÃ

Ante o exposto, julgo improcedente o pedido de compensação por danos estéticos; e procedente o pedido de compensação por danos
morais. Condeno o Estado do Amapá a pagar ao Autor, o valor de R$ 21.700,00 (vinte e um mil e setecentos reais), que deverá sofrer
incidência de juros aplicados à caderneta de poupança, nos termos da regra do art. 1º-F da Lei 9.494/97, com redação da Lei
11.960/09, a contar da citação e correção monetária, por força da declaração de inconstitucionalidade parcial do art. 5º da Lei
11.960/09, calculada com base no IPCA", incidindo da publicação da sentença.
CA

Condeno o réu, por ônus de sucumbência, ao pagamento de honorários advocatícios ao procurador do autor, que fixo, nos termos do
art. 20, § 4º, do CPC, em R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos reais).

Por ter decaído de parte de seu pedido - danos estéticos, condeno a parte ré no pagamento de honorários advocatícios ao Fundo
PROG, que fixo em R$ 1.000, 00, nos termos do art. 20, § 4º, do CPC, cuja cobrança ficará suspensa, como determina o art. 12, da Lei
1050/60.
LI

Publique-se. Registro eletrônico. Intimem-se.


B

Nº do processo: 0001500-55.2014.8.03.0001
Parte Autora: AYMORÉ CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A
Advogado(a): CRISTIANE BELINATI GARCIA LOPES - 1765AAP
Parte Ré: MANOEL LUZ DE BRITO
PU

Sentença:
Por manifestação expressa nos autos, a parte autora requereu a desistência da ação.
Inaplicável o disposto no § 4º, do art. 267 do CPC, uma vez que a parte ré não chegou a ser citada.
Ante o exposto, revogo a liminar concedida e homologo, por sentença, o pedido formulado, extinguindo o processo sem resolução do
mérito, nos termos do art. 267, VIII do CPC.
Indefiro o pedido de expedição de ofício aos órgãos indicado, eis que não consta nos autos nenhuma restrição judicial sobre o veículo
objeto da lide.
Custas satisfeitas.
Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Arquive-se.

Nº do processo: 0000110-53.2014.8.03.0000
Impetrante: ROBSON DOS SANTOS DA SILVA
Advogado(a): JOSÉ AUGUSTO PEREIRA CARDOSO - 376AP
Impetrado: COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ
Interessado: ESTADO DO AMAPÁ
Decisão: Nos presentes autos de mandado de segurança, o impetrante se insurge contra o ato que o preteriu à promoção de capitão.
Verifico que tramitou na 4ª Vara Cível e de Fazenda Pública desta Comarca o processo anterior de nº 0015972-95.2013.8.03.000, o

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 92


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

qual foi extinto sem resolução de mérito, tendo as mesmas partes e causa de pedir, por isso aquele Juízo é o competente para
processar e julgar o presente Mandado de Segurança, a teor do art. 253, inciso II do CPC.
Assim, declino da competência em favor daquele Juízo.
Ao Distribuidor.
Intimem-se.

Nº do processo: 0007297-12.2014.8.03.0001

L
Parte Autora: LUIZ CARLOS FERREIRA DE CASTRO
Advogado(a): PAULO RONALDO SANTOS BRASILIENSE - 2087AP

IA
Parte Ré: BANCO CRUZEIRO DO SUL S/A, BANCO DAYCOVAL S/A, BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A
Advogado(a): CARLA DA PRATO CAMPOS - 156844SP
Decisão: O Autor requer a reconsideração da decisão que indeferiu a antecipação da tutela jurisdicional, na qual pretende a limitação
dos descontos consignados em folha de pagamento acima do limite de 30% dos seus vencimentos, cujos empréstimos foram
contraídos junto a três instituições financeiras.

IC
Ocorre que, pelo que se deprrende da inicial, os contratos foram firmados em datas próximas e o valor das parcelas somadas às
demais deduções ocorrentes em sua folha de pagamento ultrapassam em pouco mais de 70% dos seus rendimentos brutos, o que é
permitido por lei.
Demais a mais, un dos réus já ofertou contestação, estando o prazo de constestção próximo ao seu término.

OF
Por tais razões indefiro o pedido de reconsideração da decição anterior e a mantenho integralmente.

Nº do processo: 0010128-72.2010.8.03.0001
Parte Autora: MUNICÍPIO DE MACAPÁ
Advogado(a): JOÃO DE LIMA GUERREIRO SOUZA - 390AP
Parte Ré: LIDIA DE KASSIA PEDRADA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2012-2ª VC/MCP, Art. 3º , inciso XV e considerando o teor da petição juntada no dia
O
11/04/2014 - ordem 115, suspendo o curso do processo pelo prazo de 60 (sessenta) dias, conforme requerido em referida petição.
ÇÃ

Nº do processo: 0002595-23.2014.8.03.0001
Parte Autora: SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI - DR/AP
Advogado(a): GILMÁRIO DE AGUIAR BEZERRA - 170047RJ
Parte Ré: RAQUEL DO SOCORRO DA SILVA BORGES
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2012-2ª VC/MCP, art. 3º, X e considerando o teor da Certidão do Oficial de Justiça
exarada no Sistema no dia 27/02/2014 - ordem 6, intimo a parte Autora para manifestar-se, no prazo de 5 (cinco) dias, sobre referida
certidão, requerendo o que entender de direito.
CA

Nº do processo: 0017285-38.2006.8.03.0001
Parte Autora: COLUMBIA COMERCIAL LTDA
Advogado(a): JONAS DOUGLAS FERREIRA DE OLIVEIRA FILHO - 1666AP
Parte Ré: LIMA & YARED LTDA
LI

Representante Legal: ALAN CARLOS YARED LIMA, JAMILE GAZEL YARED LIMA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2012-2ª VC/MCP, Art. 3º , inciso XV e considerando o teor da petição juntada no dia
11/04/2014 - ordem 252, suspendo o curso do processo pelo prazo de 30(trinta) dias, conforme requerido em referida petição.
B

3ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

Nº do processo: 0012487-24.2012.8.03.0001
PU

Parte Autora: JOSELIA DO SOCORRO BARBOSA DA SILVA


Advogado(a): CARLOS AUGUSTO PEREIRA JUNIOR - 742AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: DIEGO BONILLA AGUIAR DO NASCIMENTO - 1533BAP
Despacho: Após, intime-se a parte devedora para, querendo, oferecer impugnação no prazo de 15 dias.

Nº do processo: 0028017-68.2012.8.03.0001
Parte Autora: FRANK BENJAMIN COSTA
Advogado(a): RALFE STENIO SUSSUARANA DE PAULA - 1401AAP
Parte Ré: ASSOCIACAO AMAPAENSE DE ENSINO E CULTURA
Advogado(a): GILVAN FERREIRA DIAS - 973AP
Despacho: intimando-se a parte devedora para, querendo, oferecer impugnação no prazo de 15 dias.

Nº do processo: 0046240-74.2009.8.03.0001
Parte Autora: DOMINGOS NOBRE LAMARÃO
Advogado(a): TIAGO STAUDT WAGNER - 1234AAP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 93


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ


Advogado(a): JULHIANO CESAR AVELAR - 1659AAP
Despacho: Diante da certidão de fl. 239, indefiro o pedido de devolução de prazo.
Manifeste-se o exequente, requerendo o que entender de direito.
Intimem-se as partes.

Nº do processo: 0004030-66.2013.8.03.0001

L
Parte Autora: BANCO BRADESCO S.A.
Advogado(a): OLINTO JOSE DE OLIVEIRA AMORIM - 876AAP

IA
Parte Ré: THAYRINNE PINHEIRO SILVA
Despacho: Intime-se o autor para apresentar demonstrativo do débito atualizado.

Nº do processo: 0033509-07.2013.8.03.0001

IC
Parte Autora: RICARDO COSTA DE CASTRO
Advogado(a): RENATA COSTA CABRAL DE CASTRO - 17906PA
Parte Ré: ANTONIO LINDOLFO DE AGUIAR
Advogado(a): ALESSANDRO DE JESUS UCHOA DE BRITO - 1045AP

OF
Interessado: JOSE MARRA DE CASTRO NETO
Despacho: Modifico a decisão de fls. 138 para ORDENAR e DETERMINAR seja o réu intimado (AR e DJE) para, no przo de 15 dias,
pagar o total da dívida vencida, apurada na planilha de fls. 154/155, sob pena de restabelecimento da liminar de reintegração de posse.

Nº do processo: 0010675-83.2008.8.03.0001
Parte Autora: ALEXNARA ANDREA DA COSTA SOARES CORREA, CLAUDIA ATHAYDE CAMPELO E SILVA, DARK ANA
CARVALHO MOTA, DIOVANA DE SENA ALBERTO, JOAO ANTONIO PEDROSA DA COSTA, LUIS HENRIQUE CIRINO GAMA,
O
MANOEL ELIVALDO NUNES VIANA, MARCELO CLEY DE LIMA FURTADO, MARIA MARILENE LEAO PANTOJA, MARLICE LEARTE
MARECO, ROBERTO RANGEL CHAVES SILVA
Advogado(a): LUCIVALDO DA SILVA COSTA - 735AP
ÇÃ

Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ


Advogado(a): ANTONIO CLÉSIO CUNHA DOS SANTOS - 1583AP
Despacho: II- Após, em razão do decurso de tempo entre o cálculo do crédido e a data atual, intime-se o credor para atualização;

Nº do processo: 0012408-74.2014.8.03.0001
Parte Autora: MARIA JOSÉ LIMA DOS SANTOS
CA

Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP


Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: HÉLIO RIOS FERREIRA - 1495BAP
Despacho: Manifeste-se a parte autora sobre a contestação, no prazo de dez (10) dias.
LI

Nº do processo: 0007720-16.2007.8.03.0001
Parte Autora: C. P. A. - COMPANHIA DE PRODUTOS DO AMAPA LTDA
Advogado(a): DANIELLE XAVIER RIBEIRO DE OLIVEIRA - 1574AP
Parte Ré: CIMENTO POTY S/A
B

Advogado(a): DILERMANDO BATISTA SIROTHEAU - 746AP


Despacho: intime-se a parte devedora para, querendo, impugnar no prazo de 15 dias.
PU

Nº do processo: 0020735-81.2009.8.03.0001
Parte Autora: CENTER KENNEDY COMÉRCIO LTDA
Advogado(a): SIMONE SOUSA DOS SANTOS CONTENTE - 1233AP
Parte Ré: NATALINA MELO DA SILVA
Advogado(a): JET PEREIRA ISACKSSON - 1028AP
Despacho: Manifeste-se a parte autora, em 10 (dez) dias, sobre a petição/embargos de f.73/74.

Nº do processo: 0013528-55.2014.8.03.0001
Parte Autora: MARIA ROSA SOARES DA SILVA DO NASCIMENTO
Advogado(a): CAROLINE MORALES DE ANDRADE - 2051AP
Despacho: Faculto à parte autora emenda a inicial para incluir no pólo passivo o filho herdeiro do falecido.

Nº do processo: 0029569-73.2009.8.03.0001
Parte Autora: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Advogado(a): ALEXANDRE ROMANI PATUSSI - 242085SP
Parte Ré: MARIA DE FÁTIMA MACHADO FERREIRA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 94


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Despacho: Intime-se a parte autora por DJE para impulsionar o feito no prazo de 48 horas, sob pena de extinção.

Nº do processo: 0057501-94.2013.8.03.0001
Parte Autora: JOAO WILLIAM MACIEL DE CANTUARIA
Advogado(a): MARINALVA DO CARMO LACERDA - 1577AP
Parte Ré: INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): ALEXANDRE VILLACORTA PAUXIS - 1730AP

L
Despacho: Digam as partes se têm outras provas a requerer, especificando-as.

IA
Nº do processo: 0007429-06.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A
Advogado(a): MAURÍCIO PEREIRA DE LIMA - 10219PA
Parte Ré: FRANCK DE ASSUNCAO GURJAO

IC
Despacho: Manifeste-se a parte autora sobre a certidão do Oficial de Justiça.

Nº do processo: 0012477-09.2014.8.03.0001

OF
Parte Autora: MARIA DO ROSARIO DE FATIMA ANCHIETA FREITAS
Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Despacho: Manifeste-se a parte autora sobre a contestação, no prazo de dez (10) dias.

Nº do processo: 0037316-06.2011.8.03.0001
Parte Autora: AGROINDUSTRIAL SANTANA S.A.
O
Advogado(a): ALZENIR SOUZA SANTOS - 662BAP
Parte Ré: F. G. ARAÚJO DA SILVA - ME, OZAILDO LUIS BARBALHO
Advogado(a): CHARLLES SALES BORDALO - 438AP
ÇÃ

Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 30/04/2014 às 09:00

4ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

Nº do processo: 0013622-37.2013.8.03.0001
Parte Autora: CREDIFIBRA S/A
CA

Advogado(a): RAFAEL DE SOUSA BRITO - 14089PA


Parte Ré: ILDEMIR PINTO NUNES
Despacho: Pretende a parte autora renovação do mandado de busca e apreensão no endereço fornecido na consulta do INFOJUD
(f.38). Acontece que referido endereço é o mesmo contante da inicial, onde já houve diligência negativa.
Intime-se para requerer outra diligência, no prazo de 10 dias.
Publique-se.
Cumpra-se.
LI

Nº do processo: 0057382-36.2013.8.03.0001
Parte Autora: FABIO DA SILVA OLIVEIRA
B

Advogado(a): WLADIMIR RIBEIRO FONSECA VALES - 1539AP


Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Despacho: Intime-se a parte autora para se manifestar sobre a contestação,no prazo de 10 dias.
PU

Publique-se.

Nº do processo: 0015991-67.2014.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚCARD S/A
Advogado(a): JOSÉ DOS SANTOS DE OLIVEIRA - 1170AP
Parte Ré: CLEONICE ALVES DA SILVA
Despacho: Defiro. Concedo o prazo suplementar de 30 dias para o autor apresentar notificação enviada ao endereço da parte ré para
constituí-la em mora.
Intime-se.

Nº do processo: 0017718-37.2009.8.03.0001
Parte Autora: CENTER KENNEDY COMÉRCIO LTDA
Advogado(a): ANTONIO KLEBER DE SOUZA DOS SANTOS - 897AP
Parte Ré: WAGNER DA SILVA CAMELO
Sentença: Portanto, este juízo reconhece a prescrição da pretensão da autora.
DIANTE DO EXPOSTO, e considerando tudo o mais que dos autos consta, reconheço estar prescrito o direito da autora, razão pela

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 95


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

qual julgo o processo, com resolução do mérito, nos termos do art. 269, inc. IV, do Código de Processo Civil.
Condeno a autora no pagamento das custas processuais. Deixo de condenar a autora ao pagamento de honorários advocatícios em
face da ré não ter sido citada e assim não ter atuado nos autos patrono da ré.
Publique-se.
Registro eletrônico.
Intime-se.
Certificado o trânsito em julgado, arquive-se.

L
Nº do processo: 0032788-55.2013.8.03.0001

IA
Parte Autora: BETRAL VEICULOS LTDA
Advogado(a): JOÃO AMÉRICO NUNES DINIZ - 194AP
Parte Ré: KLEVERTON PICANCO DA SILVA
Decisão: Indefiro o pedido de penhora do veículo, pois conforme informações do RENAJUD trata-se de veículo alienado
fiduciariamente, onde a parte requerida somente tem a posse do veículo. Sendo assim, o veículo não pertence ao patrimônio do

IC
mesmo, não podendo sofrer constrição judicial, pois são impenhoráveis os direitos aquisitivos do bem alienado fiduciariamente.

AGRAVO DE INSTRUMENTO - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA - PENHORA - VEÍCULO - DIREITOS
DECORRENTES DO CONTRATO - IMPOSSIBILIDADE 1. A PENHORA SÓ PODE INCIDIR SOBRE OS BENS INTEGRANTES DO

OF
PATRIMÔNIO DO DEVEDOR, NÃO SOBRE AQUELES QUE, OBJETO DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA EM GARANTIA, SOMENTE SE
ENCONTRAM EM SUA POSSE, SENDO DE PROPRIEDADE DO CREDOR FIDUCIÁRIO. 2. SÃO IMPENHORÁVEIS OS DIREITOS
AQUISITIVOS DO BEM ALIENADO FIDUCIARIAMENTE, EIS QUE OS EVENTUAIS CRÉDITOS DO DEVEDOR DECORRENTES DO
CONTRATO DE ALIENAÇÃO, QUE CONSISTEM NO DIREITO À DEVOLUÇÃO DE PARCELAS PAGAS, NÃO SÃO LIVREMENTE
SUSCETÍVEIS DE CESSÃO. SENDO CERTO QUE SOMENTE PODEM SOFRER CONSTRIÇÃO JUDICIAL OS DIREITOS QUE
PODEM SER LIVREMENTE CEDIDOS. 3. A PENHORA DOS DIREITOS AQUISITIVOS DO BEM ALIENADO FIDUCIARIAMENTE
NÃO SE ENCONTRA EM CONSONÂNCIA COM O PRINCÍPIO DA EFETIVIDADE, EIS QUE O OBJETIVO DOS PROCEDIMENTOS
EXECUTÓRIOS É EXPROPRIAR BENS DO DEVEDOR PARA GARANTIR O ADIMPLEMENTO DA DÍVIDA, NOS TERMOS DA LEI
O
PROCESSUAL, HAVENDO ÓBICE A EVENTUAL PRAÇA, ARREMATAÇÃO OU ADJUDICAÇÃO. 4. ENTRETANTO, A FIM DE SE
EVITAR O PERPETUAMENTO DO PROCESSO, É DE SE DEFERIR TÃO SOMENTE A INSERÇÃO DE RESTRIÇÃO DE
TRANSFERÊNCIA DO VEÍCULO ATRAVÉS DO SISTEMA RENAJUD, PARA OBSTAR QUE O DEVEDOR SE DESFAÇA DO BEM
ÇÃ

APÓS O TÉRMINO DO CONTRATO DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA, CASO A DÍVIDA OBJETO DO CUMPRIMENTO DE SENTENÇA
NÃO TENHA SIDO QUITADA. 5. AGRAVO CONHECIDO E PARCIALMENTE PROVIDO. (63675420128070000 DF 0006367-
54.2012.807.0000, Relator: ANA CANTARINO, Data de Julgamento: 30/05/2012, 1ª Turma Cível, Data de Publicação: 13/06/2012, DJ-e
Pág. 75)

Número Acordao: 2183 Relator: Desembargador LUIZ CARLOS Secretaria: CÂMARA ÚNICA Ementa: PROCESSUAL CIVIL -
CA

EXECUÇÃO - PENHORA - INCIDÊNCIA SOBRE VEÍCULO ALIENADO FIDUCIARIAMENTE - ILEGALIDADE - INTELIGÊNCIA DA


SÚMULA 242 DO TRF - CONDIÇÃO DE PROCEDIBILIDADE - MATÉRIA DE ORDEM PÚBLICA - PRELIMINAR ACOLHIDA - VÍCIO
INSANÁVEL. 1) - É ilegal a penhora de bem alienado fiduciariamente, pois não se pode olvidar que seu proprietário é o credor
fiduciário, tendo o executado apenas a sua posse. 2) - Sendo a prévia segurança do juízo uma condição de procedibilidade dos
embargos do devedor, carente é ele de ação, vez que a penhora ilegal de um bem fiduciariamente alienado torna seu pedido
juridicamente impossível. 4) - Matéria de ordem pública que deve ser reconhecida até de ofício. 5) - Preliminar de nulidade acolhida. 6) -
LI

Feito anulado. Publicado no DOE N.º 1740 em 02/02/1998

Intime-se a parte autora para indicar outro bem, passível de penhora ou requerer o que entender de direito, no prazo de 10 dias.
B

Publique-se.
Cumpra-se.
PU

Nº do processo: 0021891-65.2013.8.03.0001
Parte Autora: PAIVA & RODRIGUES LTDA
Advogado(a): NILDO JOSUE PONTES LEITE - 118AP
Parte Ré: NILCEIA MAGALI PICANÇO NERI
Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP
Despacho: Tendo em vista o trânsito em julgado da sentença que desconstituiu a penhora dos bens descritos no auto de penhora,
intime-se o exequente para requerer o que entender de direito,no prazo de 10 dias.
Desapensem-se os autos.
Publique-se.
Cumpra-se.

Nº do processo: 0038092-69.2012.8.03.0001
Parte Autora: BANCO HSBC BANK BRASIL S.A
Advogado(a): MAURICIO COIMBRA GUILHERME FERREIRA - 91811MG
Parte Ré: JOSE REINALDO BARBOSA DA SILVA
Defensor(a): EVERSON MARCON - 2347AP
Despacho: Intime-se a parte autora para se manifestar sobre a petiçaõ de f. 86/87, no prazo de 10 dias.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 96


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0056355-18.2013.8.03.0001
Parte Autora: ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIO NACIONAL HONDA LTDA
Advogado(a): MARIA LUCILIA GOMES - 1115AAP
Parte Ré: ROSANGELA DE OLIVEIRA COSTA
Despacho: A parte autora indicou fiel depositário por meio da advogada Talita Maria Carmona dos Santos Estácio, porém, a mesma
não está habilitada no feito.

L
Intime-se o autor para regularizar sua representação judicial, no prazo de 15 dias.

IA
Nº do processo: 0049174-63.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A
Advogado(a): ALLAN RODRIGUES FERREIRA - 7248MA
Parte Ré: ONEIDE FERNANDES DOS SANTOS

IC
Sentença: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S.A., através de seu advogads legalmente constituído, ingressou com AÇÃO DE
BUSCA E APREENSÃO, em desfavor de ONEIDE FERNANDES DOS SANTOS, porém não trouxe aos autos prova da mora da parte
ré por meio de comprovante de envio de notificação extrajudicial.
Concedido o prazo de 10 dias para emendar a inicial de acordo com as disposições do art. 283, do Código de Processo Civil, pena de

OF
indeferimento da inicial, e ainda prazo suplementar de 30 dias, deixou o prazo transcorrer, sem tomar a providência devida no prazo
assinalado.
Decido.
Não sanou o determinado nos despachos de f. 25 e 28 dos autos, deixando de apresentar prova da mora da parte ré por meio de
comprovante de envio de notificação extrajudicial.

Ex positis, com fundamento nas disposições do artigo 284 e parágrafo único, do CPC, indefiro a petição inicial e julgo extinto o processo
sem apreciação do mérito, ex vi do art. 267, I, do CPC.
O
Custas processuais satisfeitas.
Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Após o trânsito em julgado, arquivem-se.
ÇÃ

Nº do processo: 0017167-81.2014.8.03.0001
Parte Autora: ANTONIO ROBERTO RODRIGUES GOES DA SILVA
Advogado(a): GLAUCIA COSTA OLIVEIRA - 1364AP
Parte Ré: OSEAS MARQUES DOS SANTOS
Advogado(a): HADAMILTON SALOMÃO ALMEIDA - 1655AP
Despacho: Os autos foram devidamente apensados aos principais 5785/10.
CA

Cite-se o embargado, por meio de seu patrono, via DJE para, no prazo de dez (10) dias, oferecer contestação aos embargos, com as
advertências do art. 803 do CPC.

Nº do processo: 0014771-34.2014.8.03.0001
Parte Autora: BENOLIEL & MAIA LTDA
LI

Advogado(a): SIMONE SOUSA DOS SANTOS CONTENTE - 1233AP


Parte Ré: GOLLOG SERVIÇOS DE CARGAS AÉREAS
Despacho: Verifica-se da petição inicial, que o título da Ação diverge dos pedidos , bem como diverge da contra-fé apresentada. Assim,
determino a emenda da inicial, no prazo de 10 dias.
B

Intime-se.

Nº do processo: 0009711-80.2014.8.03.0001
PU

Parte Autora: M & M LTDA


Advogado(a): VIRGINIA RUFINO BORGES AGRA - 2509AP
Parte Ré: G. R. DOS SANTOS - ME
Despacho: Recebo a emenda da inicial.
Os documentos que instruem a petição inicial comprovam a relação creditícia existente entre as partes, de modo a autorizar a
instauração do procedimento monitório.
Expeça-se Carta de Pagamento, citando-se a parte ré para, no prazo de quinze dias, satisfazer a obrigação reclamada ou oferecer
embargos.
Encaminhe-se cópia da petição inicial e cópia da petição de emenda.

Nº do processo: 0023005-73.2012.8.03.0001
Parte Autora: ANTONIA OLIVEIRA DE JESUS
Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: JIMMY NEGRAO MACIEL - 1590AP
Despacho: Intimem-se as partes para manifestarem-se sobre o laudo Pericial de fls. 104/116, no prazo de 10 dias, sucessivamente.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 97


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0015764-14.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚCARD S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Parte Ré: MANOEL SENA RAMOS
Despacho: Indefiro o pedido de fls. 63, em razão da certidão do Oficial de Justiça à ordem 39.
Intime-se a parte autora para fornecer novo endereço, no prazo de 10 dias.

L
Nº do processo: 0014541-89.2014.8.03.0001

IA
Parte Autora: TATIANA MARA DE SOUZA
Advogado(a): ERIKA CRUZ MONTEIRO - 1603BAP
Parte Ré: HEMERSON DE SOUZA DIAS
Despacho: Trata-se de Ação proposta por Tatiana Mara de Souza Dias. No entanto, verifica-se da documentação que no nome da
autora não consta o sobrenome Dias.

IC
Assim, faz-se necessária a correção da inicial e da procuração, no prazo de 10 dias.
Intime-se.

OF
Nº do processo: 0044938-68.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARIA CELIA CAVALCANTE DA SILVA
Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: PEDRO MONTEIRO DÓRIA - 1845BAP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/03-4ªVC, PROMOVO a intimação das partes para tomar ciência da data e local da
perícia: Perícia técnica, relativa à condição insalubridade do local de trabalho da reclamante a ser realizada em duas etapas, sendo a
primeira no dia 20 de maio de 2014 as 11 horas e 30 minutos (terça-feira), no endereço profissional do perito, Dr. Walter Raick Maués,
O
av Fab nº 2309 centro Macapá, contato pelo telefone 9114-8080 e a segunda etapa será no mesmo dia as 16 horas e 30 minutos no
local de trabalho da reclamante. Facultando as partes para, no prazo de 5 dias, a formulação de quesitos e indicação de assistentes
técnicos.
ÇÃ

Nº do processo: 0001545-30.2012.8.03.0001
Parte Autora: ASSOCIACAO BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA SECCAO AMAPA
Advogado(a): FRANCISCO PYTTER QUEIROZ LEITE - 1840AP
Parte Ré: ANTÔNIO ALVINO ARAGÃO PANTALEÃO
Advogado(a): WALDENES BARBOSA DA SILVA - 1249AP
CA

Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/03 - 4ª VCFP, promovo o presente feito para intimar parte autora para fornecer
endereço atualizado da parte ré, no prazo de 10 dias, em razão da devolução da correspondência do correio, fls. 67.

Nº do processo: 0046015-49.2012.8.03.0001
Parte Autora: AGASSIS LUIZ DOS SANTOS PANTALEÃO, FRANCISCO CARLOS VILHENA DA SILVA, HELIO ARILSON SILVA DE
LI

CARVALHO, PEDRO FERREIRA DE ALMEIDA


Advogado(a): GRACE KELLY LIMA MONTEIRO - 2198AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: THAIS RODRIGUES COELHO TERRA - 1784BAP
B

Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/03 - 4ª VCFP, promovo o presente feito para intimar parte RÉ para requerer o que
entender de direito, no prazo de 10 dias.
PU

5ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

Nº do processo: 0002297-56.1999.8.03.0001
Parte Autora: BANCO DA AMAZONIA S.A
Advogado(a): FABRICIO DOS REIS BRANDÃO - 11471PA
Parte Ré: EDIVALDO FERNANDES DOS REIS
Advogado(a): GLAUCIA SOUSA CONCEICAO - 1243BAP
Despacho: Intimar o exequente para que indique bens do executado passíveis de penhora.

Nº do processo: 0002776-49.1999.8.03.0001
Parte Autora: BANCO DA AMAZONIA S.A
Advogado(a): FABRICIO DOS REIS BRANDÃO - 11471PA
Parte Ré: JOSE RONALDO PELAES DA SILVA, M. S. INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA, ROBSON LUIZ BARBOSA DA SILVA
Advogado(a): ANGELO BRAZIL DA SILVA - 9581PA, JOSÉ AUGUSTO DA SILVA ADRIÃO - 5378PA
Despacho: Comprove o exequente o registro da penhora fl.116, conforme despacho de fl. 302.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 98


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0007974-76.2013.8.03.0001
Parte Autora: JORGE GERALDO DO NASCIMENTO PRINCE, JULIA HELENA LIMA FERRAZ
Advogado(a): RODRIGO DO PRADO LIMA FERRAZ - 1514AP
Parte Ré: COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO - UNIMED MACAPÁ
Advogado(a): JORGE FRANCISCO BACK - 2478AAP
Sentença: JULIA HELENA LIMA FERRAZ e JORGE GERALDO DO NASCIMENTO PRINCE, ajuizaram Ação de Indenização por
Danos Morais em face da UNIMED Macapá - Cooperativa de Trabalho Médico, alegando, em síntese, que no dia 01/09/2012 a primeira
requerente deu entrada no hospital da UNIMED com quadro de distensão abdominal e dificuldade de locomoção, que por volta das

L
15:30hs, ao serem encaminhados ao apartamento notaram que este estava repleto de pernilongos, tendo o segundo requerente ainda
tentado matá-los sem êxito. Afirmam que a primeira requerida foi diagnosticada com um quadro de ascite e seus ovários estavam hiper

IA
estimulados, devido a procedimento de fertilização, que necessitou fazer punção para aliviar a dor em 02/09/2012. Afirma que como
não apresentava melhoras, e com medo de não poder engravidar procurou tratamento fora do Estado em 04/09/2012, e que por ser
militar procurou o Hospital das Forças Armadas em Brasília, onde obteve o mesmo diagnóstico e iniciou o tratamento. Que no dia
05/09/2012 o segundo requerente, que estava acompanhando a primeira requerente, ficou doente sendo internado no mesmo hospital.
Que apesar do tratamento da primeira requerente ,após 03(três) dias começou a ter febre e dor no corpo, tendo os médicos no dia

IC
07/09/2012 realizado exame de sangue para dengue na requerente que deu positivo. Prossegue narrando que em face a dengue a
primeira requerente teve o seu tratamento para ascite suspenso, com aplicação de soro para hidratação, procedimento inverso ao
tratamento da ascite, que visa a retirada de líquido do corpo, o que causou a piora no seu quadro, tendo tido derrame pleural, e
dificuldade de locomoção, ficando internado no hospital por mais de 10(dez) dias em estado grave. Requereram ao final indenização

OF
por dano moral. Com a inicial vieram os documentos de fls. 15/163.

A Unimed apresentou contestação,fls.167/171, alegando que disponibilizou todos os procedimentos necessários para o tratamento da
requerente e que realiza dedetização periódica nas suas dependências, e que o contágio pode ter ocorrido na casa dos requerentes,
não havendo prova do nexo de causalidade. Também impugnou o valor pleiteado a título de danos morais. Juntou docs de fls.172/233.

Réplica,fls.238/243.
Audiência de conciliação infrutífera, fl.252, e instrução fls.256/262.
O
Alegações finais dos requerentes,fls.273/283.

É o que importa relatar.


ÇÃ

Decido.

Não havendo preliminares, passo a análise do mérito.

Os autores afirmam que adquiriram dengue no período que a primeira requerente esteve internada no hospital da requerida, tendo o
segundo requerente como acompanhante. Por outro lado, a requerida defende que os requerente adquiriram a doença em outro local.
CA

No presente caso não há dúvidas que a relação havida entre as partes é de natureza consumerista, porquanto nela possam ser
identificadas a figura do consumidor, do fornecedor e da prestação de serviços, relação esta que gera a aplicabilidade das medidas
protetivas do direito do consumidor.

Não há divergência de que a requerente foi atendida no hospital da requerida em razão de possuir o plano de saúde da UNIMED, assim
quanto ao fato do segundo requerente ter ficado no hospital como acompanhante. Da mesma forma as partes não divergem quanto a
LI

doença que motivou a internação da requerente.

Quanto a dengue, verifico que a requerente foi internada no dia 01/09/2012,fl.21, e saiu no dia 04/09/2012,fl.25, sendo que no exame
de sangue de fl.36/38, realizado em 01/09/2012, não apresentou nenhuma anormalidade o que demonstra que a requerente ainda não
B

estava com dengue quando da internação no hospital da requerida.

A autora foi internada no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, no mesmo dia em que saiu do Hospital da UNIMED, ou seja, no dia
04/09/2012, sendo que no dia 07/09/2012 foi realizado exame de sangue na requerente, tendo sido positivo para dengue, resultado em
PU

15/09/2012, conforme consta no relatório médico de fl.63.

A requerida alega que os autores não adquiriram a doença durante a internação da primeira requerente, contudo, pesquisando sobre
incubação da dengue, encontrei no site Dengue.org.br a seguinte informação: "O tempo médio do ciclo é de 5 a 6 dias, e o intervalo
entre a picada e a manifestação da doença chama-se período de incubação. É só depois desse período que os sintomas aparecem.
Geralmente os sintomas se manifestam a partir do 3° dia depois da picada do mosquitos.".

Em que pese as alegações em sentido contrário, as provas elencadas aos autos atestam, de forma cabal, que a autora esteve
internada no Hospital da requerida desde o dia 01/09/2012, tendo saído no dia 04/09/2012 e internada no mesmo dia no Hospital de
Brasília, sendo que o exame que constatou a dengue só foi realizado no dia 07/09/2012 com resultado no dia 15/09/2012.

A apreciação do caso concreto não pode passar ao largo da lógica, de modo a imaginar que a autora tenha contraído a dengue em
outro local, pois se estava internada desde o dia 01/09 e veio a ter os sintomas em 06/09, fica claro que adquiriu a doença durante a
internação no Hospital da UNIMED, da mesma forma o segundo requerente que a acompanhou durante a internação no referido
Hospital, em face ao período de incubação da doença.

Além do que no relatório da empresa dedetizadora referente ao mês de setembro,fl.205, consta que foram verificados carapanãs na
área externa do Hospital, sendo que o serviço realizado foi o seguinte:"Como solicitado pelo acompanhante o serviço de desinsetização

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 99


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

foi realizado somente na área externa como o tratamento na caixa de gordura, sistema de esgoto e no banheiro, bem como, no vaso,
pia e ralo deste setor. O serviço de desratização geral foi realizado com a troca de alguns parafinados preventivamente para manter
controle no ambiente", ou seja, o serviço realizado pela dedetizadora restringiu-se a área externa do setor onde fica localizada a caixa
de gordura e sistema de esgoto, não tendo havido a aplicação de produto químico no patio interno dos quartos,local onde cai a água do
ar condicionado fls.150/151, e onde está localizado o quarto onde a requerente ficou internada,apesar de ter sido constatado carapanã
na área externa em geral.

Ressalto que também foram detectados carapanã nos meses de novembro,fl.207 e dezembro,fl.208 no Hospital da requerida.

L
O dano moral e a possibilidade de reparação estão satisfatoriamente demonstrados no decorrer deste processo. Isto porque, a autora

IA
enfrentou profunda aflição, pois não há dúvidas que o fato da autora ter contraído dengue representou uma piora no seu quadro, tanto
que houve a necessidade de suspensão do tratamento da ascite, conforme relatório médico de fl.63, sendo que a mesma estava
realizando tratamento de fertilização.

O médico da autora, em seu depoimento informou :

IC
"QUE não era o médico principal que estava cuidado oda autora; QUE ajudou em alguns momentos; QUE esteve várias vezes no
quarto que a autora ficou internada; QUE a autora teve uma hiper estimulação ovariana, na tentativa de fertilização, que isso provoca
alguns sintomas com o excesso de liquido no abdome ASCITE; QUE não lembra que se no quarto onde a autora se encontrava tinha

OF
mosquito; QUE frequenta muito pouco a UNIMED, por isso não sabe informar se na sua área interna tinha mosquitos; QUE na época
que a autora estava internada não havia diagnostico de dengue; QUE não sabe dizer que no período em que a autora esteve internada
existiu na cidade muitos casos de dengue. Dada a palavra ao advogado dos autores. Às perguntas respondeu: QUE um mosquito pode
contaminar mais de uma pessoa; QUE o diagnostico da dengue dó pode ser feito de 3 a 4 dias após a infecção;QUE o fato da autora
ter adquirido dengue aumentou o risco com relação a doença anterior a ASCITE; QUE normalmente a ASCITE é alto resolutiva, ou
seja, não há necessidade de intervenção para que ocorra a cura; QUE no caso da autora houve a punção para a retirada do liquido;
QUE a dengue aumenta a chance de hemorragia e qualquer procedimento pode causar a hemorragia; QUE a dengue não vai interferir
diretamente na doença mas haverá uma piora no quadro geral aumentando o risco da paciente. Dada a palavra ao advogado do
O
requerido. Às perguntas respondeu: QUE a especialidade do depoente e ginecologia e mastologia; QUE não trata paciente com
dengue; QUE encaminha para um clínico; QUE por não ser especialista as suas respostas não tem mesmo grau de certeza que um
especialista teria; QUE pode afirmar que a dengue agravou o quadro geral da paciente; QUE a tal afirmação é com base no seu
ÇÃ

conhecimento técnico. Sem mais perguntas."

Com relação ao segundo requerente, marido da primeira requerente, além da doença sofreu junto com a primeira requerente a
angústia da suspensão do tratamento da mesma, pois não sabiam as consequências que poderiam advim da referida suspensão.

Passemos ao arbitramento do valor a indenizar. Esta quantia deve levar em consideração os seguintes critérios: a) gravidade do dano;
CA

b) grau de culpa do ofensor; c) a situação econômica do ofendido; d) a situação econômica do ofensor; e) os benefícios advindos para o
ofendido. Deve ser observado ainda que este montante não pode servir como meio de enriquecimento ilícito e nem em penalidade
excessiva ao ofensor; por outro lado, deve ser capaz de desestimular a conduta ilícita do ofendido.

O fato dos autores terem adquiridos dengue dentro do hospital da requerida, onde foram procurar ajuda em razão de outra doença que
acometia a autora, se reveste de acentuada gravidade, principalmente pelo estado de saúde da mesma,sendo que precisou suspender
LI

o seu tratamento da ascite para tratar a dengue, cujo tratamento é o inverso ao da ascite, ou seja na ascite a autora tinha que eliminar
líquido enquanto que o tratamento da dengue exige a ingestão de muito líquido. Soma-se o fato que a autora estava realizando um
tratamento de fertilização,tendo os autores sofrido notadamente grande aflição, angústia e abalo psicológico com o fato.
B

Os autores são Militares, recebendo salário de ente público. Quanto a requerida, trata-se, empresa de grande porte, não se tendo
notícia do seu faturamento mas sabendo-se que aufere ganhos com plano de saúde.

Sopesando estes parâmetros, entendo que o valor cobrado na petição inicial não atende ao objetivo da norma, o enunciado 06 da EJAP
PU

com relação a dano moral por serviço de terceiro, recomenda o arbitramento de no mínimo 10 e no máximo 100 salários mínimos. Por
todos estes motivos, entendo cabível a indenização no valor R$ 30.000,00(trinta mil reais) à primeira requerente e de R$ 20.000,00
(vinte mil reais) ao segundo requerente.

Isso posto, com base no livre convencimento motivado que formo, julgo procedente o pedido constante na petição inicial, para condenar
a UNIMED Macapá a indenização por danos morais aos autores no valor de R$ 30.000,00(trinta mil reais) à primeira requerente e de
R$20.000,00 (vinte mil reais) ao segundo requerente,correção monetária a contar da sentença, nos termos da Súmula 362 do STJ, e
juros a contar da citação.

Arcará a requerida com custas e outras eventuais despesas processuais, e com os honorários do advogado da autor, fixados, segundo
o art. 20, § 3º, do CPC, em 10% (dez por cento) do valor da condenação.

R.I.

Nº do processo: 0002788-09.2012.8.03.0001
Parte Autora: BANCO VOLKSWAGEN S.A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 100


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: AMADEU MORAES CORTES


Advogado(a): LINDOVAL SANTOS DO ROSARIO - 1622AP
Despacho: Intime-se o autor para, querendo, manifestar-se sobre os depósitos realizados pelo requerido, no prazo de 15 dias.

Nº do processo: 0010148-24.2014.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚCARD S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP

L
Parte Ré: RONILDO DELSON SILVA DE SOUZA
Despacho: Suspendo o cumprimento da decisão proferida anteriormente.

IA
Intime-se o autor para se manifestar sobre os documento juntados pelo requerido, em dez dias.

Nº do processo: 0038467-75.2009.8.03.0001
Parte Autora: SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI - DR/AP

IC
Advogado(a): GILMÁRIO DE AGUIAR BEZERRA - 170047RJ
Parte Ré: SIMONE DA SILVA
Sentença: A parte autora trouxe, às fls.78-79 , acordo mediante o qual a parte ré pagará à autora a quantia de R$ 4.000,00, com a
primeira parcela paga 17/12/2013, no importe de R$ 1.000,00 e o restante em 12 parcelas mensais e sucessivas depositadas na Caixa

OF
Econômica Federal, Ag. 0658 e C/C 3567-2. Tendo em vista o acordo entabulado propiciar o pagamento uniforme da dívida,
HOMOLOGO o acordo convolado entre as partes para que se produzam os seus legais efeitos e, por conseguinte, extingo o processo
com fundamento no art. 269, III, do Código de Processo Civil.
Custas, se houver, pela parte ré.
Com o trânsito em julgado, arquivem-se.
Publique-se. Intimem-se.
O
Nº do processo: 0051387-42.2013.8.03.0001
Parte Autora: EDSON FERREIRA DE BARROS
Advogado(a): ALBETHANIA ARAUJO DE OLIVEIRA - 1252AP
ÇÃ

Parte Ré: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A


Advogado(a): MARCO ANDRÉ HONDA FLORES - 6171MS
Despacho: Intimar o autor para se manifestar sobre os contratos juntados pelo requerido.

Nº do processo: 0035189-61.2012.8.03.0001
Parte Autora: JOSÉ FRANCISCO RIBEIRO
CA

Advogado(a): EDWARD SANTOS JUAREZ - 508AP


Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: ALEXANDRE MARTINS SAMPAIO - 1662BAP
Sentença: Pelo exposto, o que mais constam dos autos e do livre convencimento que formo, JULGO PROCEDENTE os Embargos de
Terceiro, e determino a retirada da restrição RENAJUD do veículo Gol, ano 2008, cor prata, placa NEW 5009,
LI

Condeno a embargada, por ônus da sucumbência em verba honorária que, fixo em R$ 500,00( quinhentos reais).
Sem custas.
Transitada esta em julgado e juntada cópia dela no processo da Execução, desapensem-se os autos, com baixa.R.I.
B

Nº do processo: 0032072-96.2011.8.03.0001
Parte Autora: ESCRITÓRIO CENTRAL DE ARRECADAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO - ECAD
Advogado(a): FABRICIO BENTES CARVALHO - 11215PA
PU

Parte Ré: Z SISTEMA EQUATORIAL DE COMUNICAÇÕES LTDA


Advogado(a): ARACI LOURDES DE MORAES FAVACHO INSABATO - 77441RJ
Despacho: Intimem-se as partes sobre o retorno dos autos, requerendo o que for de direito no prazo de trinta dias.

Nº do processo: 0025193-73.2011.8.03.0001
Parte Autora: JOSÉ BENEDITO ALVES PEREIRA
Advogado(a): JOSÉ HENRIQUE DE MENDONÇA DIAS - 427AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): DIEGO BONILLA AGUIAR DO NASCIMENTO - 1533BAP
Terceiro Interessado: PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): GUILHERMINA IZABEL SERRA TAVARES - 199AP
Despacho: Intimem-se as partes sobre o retorno dos autos, requerendo o que for de direito no prazo de trinta dias.

Nº do processo: 0030228-14.2011.8.03.0001
Parte Autora: TUDO AZUL INFORMÁTICA E TECNOLOGIA LTDA
Advogado(a): NILDO JOSUE PONTES LEITE - 118AP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 101


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: GLEYCIANE GOMES CHAGAS


Despacho: Verifico que a parte autora não foi devidamente intimada para proceder à retirada do edital de citação. Por essa razão,
expeça-se novo edital. Prazo (20 dias), intimando o autor para, no prazo de 10 (dez) dias, comparecer nesta secretaria para retirar o
referido edital de citação, a fim de providenciar a sua publicação.
Defiro o pedido de f. 79, autorizando Vitória Braga de Souza a receber o competente edital de citação.

Nº do processo: 0008220-38.2014.8.03.0001

L
Parte Autora: NEY KENED VIEIRA DE ARAUJO
Advogado(a): JOSIANE GONCALVES DA SILVA - 1629AP

IA
Parte Ré: DEHMISSON PAULA DA SILVA, FLAVIO MARCELO BARREIROS
Decisão: Intimar o autor para recolher as custas complementares.

Nº do processo: 0008576-33.2014.8.03.0001

IC
Impugnante: ANTONIO VIEIRA DOS SANTOS - ME
Advogado(a): HAGEU LOURENCO RODRIGUES - 860AP
Impugnado: TIBURCIO MOREIRA ARAUJO
Advogado(a): EDUARDO MONTEIRO CARDOSO - 2064AP

OF
Despacho: Apensar.
Intimar o impugnado para se manifestar.

Nº do processo: 0039742-20.2013.8.03.0001
Parte Autora: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Advogado(a): FERNANDA BUSKO VALIM - 47841PR
Parte Ré: ANA PAULA FREITAS DOS SANTOS
O
Despacho: Aguarde-se por trinta dias o requerimento para cumprimento da sentença. Após, se não houver manifestação, encaminhem-
se os autos ao arquivo. Deixo aqui registrado que o pedido de desarquivamento, no prazo de seis meses, independerá de pagamento
de custas.
ÇÃ

Nº do processo: 0003773-41.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO BRADESCO S.A.
Advogado(a): OLINTO JOSE DE OLIVEIRA AMORIM - 876AAP
Parte Ré: LUCILENE VIEIRA OLIVEIRA
Despacho: Indefiro o pedido constante de fl.63/64, eis que o sistema BACENJUD não é o apropriado para a obtenção de endereços de
CA

pessoas.
Assim, intime-se o autor para, no prazo de 15 (quinze) dias, informar endereço atualizado da requerida ou requerer o que entender de
direito.

Nº do processo: 0030913-50.2013.8.03.0001
LI

Parte Autora: OSCARINA DE OLIVEIRA MAGINA


Advogado(a): JOAQUIM HERBERT CARDOSO DA COSTA - 405AP
Parte Ré: E. C. DE SOUSA - ME
Advogado(a): JÂMISON NEI MENDES MONTEIRO - 1060AP
B

Despacho: Intime-se o subscritor da contestação para regularizar sua representação nos autos, sob pena de desentranhamento da
contestação apresentada, no prazo de dez dias.
PU

Nº do processo: 0004883-41.2014.8.03.0001
Parte Autora: BETRAL VEICULOS LTDA
Advogado(a): JOÃO AMÉRICO NUNES DINIZ - 194AP
Parte Ré: PAULO JOSÉ DA SILVA RAMOS
Despacho: Ante o acordo celebrado entre as partes constante às f. 16/17, SUSPENDO a execução até o dia 28/09/2014, data em que o
Exequente deverá comparecer na Secretaria deste Juízo, independente de intimação, para informar nos autos sobre o cumprimento ou
não do acordo, que caso descumprido implicará em sua quebra e o conseguinte prosseguimento da execução.
Intimem-se.

Nº do processo: 0037332-86.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO BRADESCO S.A.
Advogado(a): OLINTO JOSE DE OLIVEIRA AMORIM - 876AAP
Parte Ré: MANOEL DO ESPÍRITO SANTO PANTOJA VILHENA, M. DO E. S. P. VILHENA - ME
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, dar
prosseguimento ao feito, pena de extinção.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 102


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0002896-67.2014.8.03.0001
Parte Autora: BANCO VOLKSWAGEN S.A
Advogado(a): JOSÉ DOS SANTOS DE OLIVEIRA - 1170AP
Parte Ré: EDGAR GRANGEIRO MORAES
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, manifestar-
se sobre a seguinte certidão do Sr. Oficial de Justiça: Certifico e dou fé que: DEIXEI DE CITAR, EDGAR GRANGEIRO MORAES, em
face de não ter localizado ninguém na residência, pois estava fechada, sem ninguém para dar informações. Mandado nº 1834811 -
Arquivado na Central de Mandados na caixa Nº 26

L
IA
Nº do processo: 0024767-71.2005.8.03.0001
Parte Autora: CENTER KENNEDY COMERCIO LTDA
Advogado(a): SIMONE SOUSA DOS SANTOS CONTENTE - 1233AP
Parte Ré: MARIA CREUZA BORGES
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, manifestar-

IC
se sobre a seguinte certidão do Sr. Oficial de Justiça: Certifico e dou fé que: No endereço não reside mais ninguém. Vizinhos disseram
que a ré Maria Creuza Borges mudou para o bairro Vale Verde, porém, não souberam informar seu endereço. Assim, o mandado não
foi cumprido. Mandado nº 1852558 - Arquivado na Central de Mandados na caixa Nº 26

OF
Nº do processo: 0017167-23.2010.8.03.0001
Parte Autora: NILTON FERREIRA GOMES
Advogado(a): MARIA JOZINEIDE LEITE DE ARAUJO - 1841AP
Parte Ré: AMAPA FLORESTAL E CELULOSE S/A - AMCEL
Advogado(a): ROBERVAL CARLOS VIANA HOLANDA - 1297AP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intimem-se as partes para, no prazo de 10 (dez) dias, manifestarem-
se sobre o documento de f. 116-128 ( sentença do processo 2005.31.00.000097-0).
O
Nº do processo: 0001150-67.2014.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: BANCO BRADESCO S.A.


Advogado(a): HAGEU LOURENCO RODRIGUES - 860AP
Parte Ré: IVANDERSON SOUZA DOS SANTOS
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2001-5ªVCFP, intime-se o autor para que se manifeste sobre o A.r de fls.96, onde se
informa mudança de endereço do requerido.
CA

Nº do processo: 0035791-18.2013.8.03.0001
Parte Autora: EVANDRO LOBATO FERREIRA
Advogado(a): LAYANA NUNES JUNG - 1893AP
Parte Ré: BANCO CRUZEIRO DO SUL S/A
Advogado(a): CARLA DA PRATO CAMPOS - 156844SP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para que se manifeste, em dez dias, sobre a
LI

petição da parte requerida, às f. 45-47.

Nº do processo: 0039233-60.2011.8.03.0001
B

Parte Autora: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO


Advogado(a): ALEXANDRE ROMANI PATUSSI - 242085SP
Parte Ré: DIONE DO NASCIMENTO REIS
Advogado(a): ODILENE NASCIMENTO REIS - 2065AP
PU

Despacho: Intime-se o autor para juntar nos autos, no prazo de dez dias, o termo de cessão de crédito devidamente registrado no órgão
competente, para substituição do polo ativo da ação.

Nº do processo: 0044001-97.2009.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DE CASTRO TEIXEIRA
Advogado(a): WALDELI GOUVEIA RODRIGUES - 245AP
Parte Ré: COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO - UNIMED MACAPÁ
Advogado(a): RAMON BATISTA DO RÊGO - 1453AP
Despacho: Intimem-se as partes sobre o retorno dos autos do Tribunal de Justiça, ciente a parte credora de que no prazo de 30 (trinta)
dias, poderá requerer o cumprimento de sentença, ou o que entender de direito.

Nº do processo: 0038931-94.2012.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚCARD S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Parte Ré: KÁTIA CILENE GAMA DE MORAES
Advogado(a): ANA REGINA BRITO NUNES - 1312BAP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 103


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Despacho: Intimem-se as partes sobre o retorno dos autos do Tribunal de Justiça, ciente a parte credora de que no prazo de 30 (trinta)
dias, poderá requerer o cumprimento de sentença, ou o que entender de direito.

Nº do processo: 0043612-78.2010.8.03.0001
Parte Autora: ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA SOUZA
Advogado(a): RILDO VALENTE FREIRE - 1242AP
Parte Ré: MUNICÍPIO DE MACAPÁ

L
Advogado(a): ADIEL DE SOUZA DINIZ - 680AP
Despacho: Dê-se ciência ao credor.

IA
Após, determino o arquivamento dos presentes autos, considerando que o pagamento dos precatórios é de no mínimo 12 meses e
será feito diretamente ao favorecido na Secretaria Especial de Precatórios do TJAP; assim, desnecessário manter o processo nos
escaninhos da Secretaria considerando que a grande maioria desses processos são volumosos e ficarão paralisados por muito tempo.

IC
Nº do processo: 0001811-80.2013.8.03.0001
Parte Autora: CARLOS CAMILO GOES CAPIBERIBE
Advogado(a): SIMONE SOUSA DOS SANTOS CONTENTE - 1233AP
Parte Ré: RÁDIO 102 FM, TV TARUMÃ, TV TUCUJU

OF
Advogado(a): MARCELO DA SILVA LEITE - 999AP
Despacho: Intimem-se as partes sobre o retorno dos autos do Tribunal de Justiça, ciente a parte credora de que no prazo de 30 (trinta)
dias, poderá requerer o cumprimento de sentença, ou o que entender de direito.

Nº do processo: 0030351-75.2012.8.03.0001
Parte Autora: ANNA ROSA BRITO SILVA MALCHER, ARANILCE DOS SANTOS BRITO, JEAN TRINDADE DO NASCIMENTO,
LINCOLIN SILVA AMERICO
O
Advogado(a): ALESSANDRO DE JESUS UCHOA DE BRITO - 1045AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: HENDERSOM HENRIQUE DE MOURA CUTRIM - 1661AP
ÇÃ

Despacho: Intimem-se as partes sobre o retorno dos autos do Tribunal de Justiça, ciente a parte credora de que no prazo de 30 (trinta)
dias, poderá requerer o cumprimento de sentença, ou o que entender de direito.

Nº do processo: 0024973-07.2013.8.03.0001
Parte Autora: ANANIAS NASCIMENTO DE SOUZA
Advogado(a): ANANIAS NASCIMENTO DE SOUZA - 616AAP
CA

Parte Ré: RAIMUNDO DA SILVA BARRIGA


Advogado(a): ROBSON ANTONIO DE PÁDUA - 2027AAP
Despacho: Concedo o novo prazo requerido pelo autor à fl. 232.

Nº do processo: 0044869-36.2013.8.03.0001
LI

Parte Autora: ALTAIR FURTADO CORREA DE MORAES


Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: PEDRO MONTEIRO DÓRIA - 1845BAP
B

Despacho: Intimar o Estado do Amapá para que se manifeste sobre a impugnação de fls. 69, em dez dias.
Cancele-se o Ofício nº 151/2014, expedido em 21/03/2014.
PU

Nº do processo: 0047570-67.2013.8.03.0001
Parte Autora: RADIO TV DO AMAZONAS LTDA - TV AMAPÁ
Advogado(a): ELIAS SALVIANO FARIAS - 400AP
Parte Ré: KA LOK FUK LTDA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2001-5ª VCFP, intime-se o autor para que se manifeste, em dez dias, sobre a certidão
do oficial de justiça do dia 07/04/2014.

Nº do processo: 0001933-16.2001.8.03.0001
Parte Autora: NUNES & CIA LTDA - DOMESTILAR
Advogado(a): HUGO EDGARD RODRIGUES LEITE - 1579AP
Parte Ré: RENATO CESAR VIEIRA DA SILVA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, dar
prosseguimento ao feito, pena de extinção.

Nº do processo: 0002233-94.2009.8.03.0001
Parte Autora: A D JUNIOR - EPP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 104


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): JOSE CLAUDIO DA SILVA - 933AP


Parte Ré: KEMBEL MAGALHAES DE ASSIS
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, dar
prosseguimento ao feito.

Nº do processo: 0004691-60.2004.8.03.0001
Parte Autora: SANAVE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS E LOGISTICA LTDA

L
Advogado(a): CARLOS ROBERTO SIQUEIRA CASTRO - 20015DF
Parte Ré: TATIANA DO SOCORRO ANDRADE GOMES - ME

IA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, efetuar a
retirada do alvará de levantamento expedido em 10/04/2014.

Nº do processo: 0029347-66.2013.8.03.0001

IC
Parte Autora: REVOLUTION COMUNICACAO E MARKETING LTDA EPP
Advogado(a): FABRICIO BORGES OLIVEIRA - 1790AP
Parte Ré: Z SISTEMA EQUATORIAL DE COMUNICAÇÕES LTDA
Advogado(a): ARACI LOURDES DE MORAES FAVACHO INSABATO - 717AAP

OF
Despacho: Defiro o pedido de redesignação de audiência.
Retire-se de pauta a audiência agendada para 23/04/2014.
Intimem-se.

Nº do processo: 0011763-54.2011.8.03.0001
Parte Autora: MARINHO BARBOSA DA COSTA
Advogado(a): FRANCISCO JANUARIO DE SOUZA NETO - 378AP
O
Parte Ré: PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS
Advogado(a): JANILCE ARAGAO DA ROCHA - 805AP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 01/01-5ª VCFP manifeste-se o autor, no prazo de dez dias, sobre o comprovante de
ÇÃ

depósito efetuado pela ré às fls. 252, requerendo o que for de direito.

Nº do processo: 0010022-08.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A
Advogado(a): MAURÍCIO COIMBRA GUILHERME FERREIRA - 151056RJ
Parte Ré: D B DE OLIVEIRA MOREIRA-ME, DIANA BATISTA DE OLIVEIRA MOREIRA
CA

Despacho: Defiro o pedido de fls. 70. Concedo o no prazo de 10 (dez) dias, dar prosseguimento ao feito, pena de extinção.

Nº do processo: 0001617-46.2014.8.03.0001
Parte Autora: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DA AMAZONIA
Advogado(a): JOAO HENRIQUE SCAPIN - 584BAP
LI

Parte Ré: JOCINETE AMADOR


Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, certifico que este processo permanecerá suspenso pelo prazo de 78
(setenta e oito) dias, como requerido à f. 18, contados a partir da intimação.
B

Nº do processo: 0008594-88.2013.8.03.0001
Parte Autora: MAYKON MAURICIO PINHEIRO PICANÇO
Defensor(a): CASSIA RACHEL DOS SANTOS RODRIGUES - 2118AP
PU

Representante Legal: ROSANGELA PINHEIRO DE SOUZA PICANCO


Defensor(a): CASSIA RACHEL DOS SANTOS RODRIGUES - 2118AP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 01/01-5a VCFP, intime-se a parte autora para comparecer à Secretaria do Juízo e retirar a
Certidão de Nascimento que se encontra nos autos.

Nº do processo: 0029286-50.2009.8.03.0001
Parte Autora: ASSOCIACAO CULTURAL NOSSA SENHORA MENINA
Advogado(a): FRANCISCO FABIANO DIAS DE ANDRADE - 510AP
Parte Ré: MÁRCIO HÉLIO DE SOUSA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, dar
prosseguimento ao feito, pena de extinção.

Nº do processo: 0026976-08.2008.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚCARD S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Parte Ré: BRIGITE DA SILVA SANTANA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 105


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, manifestar-
se sobre o Ofício nº 000060/2014-Vara Única de Amapá-Posto Avançado de Pracuúba, que devolveu sem cumprimento a carta
precatória expedida, em face do não recolhimento das custas judiciais.

Nº do processo: 0007177-03.2013.8.03.0001
Parte Autora: ANAZELIA DE SOUSA SANTOS
Advogado(a): ELIEL SILVA DE MIRANDA - 2278AP

L
Parte Ré: ARIELTON MARCOS PONTES MORAES, ARIELTON MARCOS PONTES MORAES FILHO, MARIA MARLEI DE OLIVEIRA
PONTES

IA
Advogado(a): ARACI LOURDES DE MORAES FAVACHO INSABATO - 77441RJ
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, manifestar-
se sobre a contestação apresentada pelo requerido ARIELTON MARCOS PONTES MORAES e os documentos a ela juntados, assim
como informar o endereço da Seguradora Azul Seguros S/A para fins de citação.

IC
Nº do processo: 0012712-10.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A
Advogado(a): FREDERICO SOUZA DE CASTRO - 1222AP

OF
Parte Ré: ROSANGELA ALENCAR DE OLIVEIRA
Advogado(a): WEBER MENDES FERNANDES - 1175AP
Despacho: Aguarde-se o recebimento da peça original do pedido de homologação de acordo de fl. 100/101.
Após, nova conclusão.

Nº do processo: 0031533-62.2013.8.03.0001
Parte Autora: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DA AMAZONIA
O
Advogado(a): JOAO HENRIQUE SCAPIN - 584BAP
Parte Ré: CARMEM RAIMUNDA DA SILVA ROSAS, ERIKA REGIANE OLIVEIRA SIQUEIRA
Despacho: Ante o acordo celebrado entre as partes constante às f.30/33, SUSPENDO a execução até o dia 05/05/2018, data em que o
ÇÃ

Exequente deverá comparecer na Secretaria deste Juízo, independente de intimação, para informar nos autos sobre o cumprimento ou
não do acordo, que caso descumprido implicará em sua quebra e o conseguinte prosseguimento da execução.
Intimem-se.

Nº do processo: 0029883-19.2009.8.03.0001
Parte Autora: BANCO DO BRASIL S/A
CA

Advogado(a): ISANA SILVA GUEDES - 12679PA


Parte Ré: JOSE LENIVALDO DA SILVA PEREIRA
Despacho: Defiro o pedido de fl. 110. Concedo o prazo de 30 dias para cumprimento das diligências requeridas.

Nº do processo: 0015902-78.2013.8.03.0001
LI

Parte Autora: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DA AMAZONIA


Advogado(a): JOAO HENRIQUE SCAPIN - 584BAP
Parte Ré: MICHELLE ROCHA DIAS
Advogado(a): HELENA FERREIRA DOS SANTOS - 1435AP
B

Despacho: Defiro o pedido do autor formulado à fl. 45. Suspenda-se a tramitação do feito pelo prazo requerido.

Nº do processo: 0024630-21.2007.8.03.0001
PU

Parte Autora: PATRICIA PERES DE SOUZA CUNHA, WALCIR SERGIO SOUZA CUNHA
Advogado(a): PAULO CELSO DA SILVA E SOUSA - 700AP
Parte Ré: COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO - UNIMED MACAPÁ
Advogado(a): JORGE FRANCISCO BACK - 2478AAP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2001-5ªVCFP, intime-se o autor para que, em dez dias, informe sobre a satisfação da
dívida ou requeira o que de direito.

Nº do processo: 0045411-54.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO BRADESCO S.A.
Advogado(a): OLINTO JOSE DE OLIVEIRA AMORIM - 876AAP
Parte Ré: GILMAR ALVES DE OLIVEIRA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para que se manifeste, no prazo de 15
(quinze) dias, sobre a certidão do Oficial de Justiça contida na movimentação eletrônica processual sob o número de ordem 20,
Certifico e dou fé que: CITEI E INTIMEI: GILMAR ALVES DE OLIVEIRA, EM: 01/04/2014. Recebeu a contrafé, inicial e exarou seu
ciente no anverso do mandado. Passado p prazo legal, o devedor não pagou e nem nomeou bens a penhora, tendo retornado a seu
endereço sito a rua Eliezer Levy, esquina com a Av. Ataide Teive - Trem e não localizado bens seus passíveis de penhora. Assim,
solicito que a parte autora indique bens do devedor.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 106


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0004367-70.2004.8.03.0001
Parte Autora: BANCO DA AMAZONIA S.A
Advogado(a): GISELE COUTINHO BESERRA PINGARILHO - 1168BAP
Parte Ré: FRANCISCO CANINDÉ DA SILVA
Advogado(a): ALESSANDRO DE JESUS UCHOA DE BRITO - 1045AP
Representante Legal: FRANCISCO ODILON FILHO

L
Terceiro Interessado: MARLENE RABELO MOURAO DA SILVA
Advogado(a): NICOLAU TORK RODRIGUES - 632AP

IA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, intime-se a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, dar
prosseguimento ao feito, pena de extinção.

Nº do processo: 0039544-22.2009.8.03.0001

IC
Parte Autora: EDNA MARIA RODRIGUES MAGALHAES
Advogado(a): WALDENES BARBOSA DA SILVA - 1249AP
Parte Ré: PAULO HENRIQUE GONCALVES DE BRITO
Advogado(a): JANE NAIRA TEIXEIRA ATAIDE - 1432AP

OF
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 01/01-5a VCFP, intime-se a parte ré para comparecer à Secretaria do Juízo e receber o
Alvará de levantamento de valores disponível nos autos.

Nº do processo: 0001928-91.2001.8.03.0001
Parte Autora: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DA AMAZONIA
Advogado(a): JOAO HENRIQUE SCAPIN - 584BAP
Parte Ré: JOAQUIM GOMES
O
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, certifico que este processo permanecerá suspenso até o dia
30/06/2014, como requerido à f. 184, contados a partir da intimação.
ÇÃ

Nº do processo: 0002578-70.2003.8.03.0001
Parte Autora: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DA AMAZONIA
Advogado(a): JOAO HENRIQUE SCAPIN - 584BAP
Parte Ré: JACQUELINE MAIRA FARIAS LIMA, JOSÉ EDSON CARDOZO DE SOUZA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, certifico que este processo permanecerá suspenso até o dia
30/06/2014, como requerido à f. 155, contados a partir da intimação.
CA

Nº do processo: 0014940-55.2013.8.03.0001
Parte Autora: DAERSON FRANCISCO NETO
Advogado(a): ADALBERTO AZEVEDO BARBOSA - 1795AP
Parte Ré: BETRAL VEICULOS LTDA
LI

Advogado(a): SAMEA SANTOS AMORAS - 1294AP


Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2001-5ªVCFP, intime-se a requerida para que se manifeste sobre a proposta de
honorários juntada aos autos pelo perito, às fls. 134-135, devendo proceder ao depósito de 50% do valor proposto, em caso de
concordância, nos temos da decisão proferida em 25/02/2014
B

Nº do processo: 0033645-04.2013.8.03.0001
Parte Autora: R NONATO COMERCIO
PU

Advogado(a): NILDO JOSUE PONTES LEITE - 118AP


Parte Ré: ADONIAS DE FREITAS TRAJANO DE SOUZA FILHO
Rotinas processuais:

Nº do processo: 0018708-86.2013.8.03.0001
Parte Autora: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DA AMAZONIA
Advogado(a): JOAO HENRIQUE SCAPIN - 584BAP
Parte Ré: MAGDA COELHO PALMEIRIM
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2001-5ªVCFP, certifico que este processo permanecerá suspenso até o dia
30/06/2014, como requerido à f. 28, contados a partir da intimação.

Nº do processo: 0009861-61.2014.8.03.0001
Parte Autora: C.R.S. TORRES
Advogado(a): ALEXANDRE DUARTE DE LIMA - 1377AAP
Parte Ré: HELOISA HELENA FURTADO DE MENEZES
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 23/04/2014 às 09:15

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 107


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0019988-63.2011.8.03.0001
Parte Autora: MARILENE CAMPOS DE SOUZA
Advogado(a): JEAN E SILVA DIAS - 928AP
Parte Ré: EMPRESA MUNICIPAL DE TRANSPORTES URBANOS - EMTU
Advogado(a): CHRISTIANE DE SOUSA BRAGA LISBOA - 1169BAP
Representante Legal: HELDER JOSÉ CARNEIRO DE SOUZA

L
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 23/06/2014 às 09:00

IA
6ª VARA CÍVEL E DE FAZENDA PÚBLICA DE MACAPÁ

Nº do processo: 0032614-17.2011.8.03.0001
Parte Autora: ELDORADO VEICULOS E PEÇAS LTDA

IC
Advogado(a): NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES - 1551AAP
Parte Ré: CARMINDA HOMOBONO BALIEIRO NETA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2009 - 6ª VCFP, promova a parte autora o andamento do feito, no prazo de 10 (dez)
dias.

Nº do processo: 0009539-41.2014.8.03.0001
Parte Autora: NÚBIA AZEVEDO DA SILVA
Defensor(a): ERALDO DA SILVA TRINDADE - 2163AP
Parte Ré: MODERNO - CENTRO DE ENSINO EDUCAÇÃO E CULTURA
Advogado(a): NILDO JOSUE PONTES LEITE - 118AP
OF
Despacho: Intimem-se os embargados para, no prazo de quinze dias, querendo, impugnar os embargos, com as advertências do art.
O
319 do CPC.

Nº do processo: 0010347-46.2014.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: ESTADO DO AMAPÁ


Advogado(a): HÉLIO RIOS FERREIRA - 1495BAP
Parte Ré: NUTRIAMA INTERMEDIACAO E COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA
Advogado(a): MONICA PATRICIA DE SOUZA NEVES - 2141AP
Despacho: Intime-se os embargados para, no prazo de quinze dias, querendo, impugnar os embargos, com as advertências do art. 319
do CPC.
CA

Nº do processo: 0016714-23.2013.8.03.0001
Parte Autora: AYMORÉ CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A
Advogado(a): ALLAN RODRIGUES FERREIRA - 7248MA
Parte Ré: RAIMUNDO PEREIRA
Despacho: Intime-se pessoalmente a parte autora para se manifestar em 48 (quarenta e oito) horas sobre o prosseguimento do feito,
LI

sob pena de extinção por abandono da causa.

Nº do processo: 0043548-63.2013.8.03.0001
B

Parte Autora: FERREIRA GOMES ENERGIA S/A


Advogado(a): SINYA SIMONE GURGEL JUAREZ - 535AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ, EVANDRO CARNEIRO COELHO
PU

Advogado(a): ANDRE ROCHA - 1660BAP, ELIAS SALVIANO FARIAS - 400AP


Despacho: Manifestem-se as partes acerca da proposta de honorários à f. 158.

Nº do processo: 0031325-49.2011.8.03.0001
Parte Autora: R. ESPINDOLA E CIA LTDA EPP
Advogado(a): ALINNE NAUANE ESPÍNDOLA BRAGA - 2047AP
Parte Ré: MBZ PRODUÇOES LTDA
Advogado(a): GILVAN FERREIRA DIAS - 973AP
Despacho: Intimem-se as partes acerca do retorno dos autos do TJAP.

Nº do processo: 0004843-30.2012.8.03.0001
Parte Autora: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Parte Ré: MARIA DE JESUS RODRIGUES DOS SANTOS
Despacho: Defiro o pedido do autor para que sejam efetuadas pesquisas junto ao SISBACEN e SIEL objetivando encontrar atual
endereço da parte requerida.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 108


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Indefiro o pedido de expedição de ofício às Empresas de Telefonia, considerando que é de competência da parte diligenciar neste
sentido.
Intime-se.

Nº do processo: 0025403-90.2012.8.03.0001
Parte Autora: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Advogado(a): CRISTIANE BELINATI GARCIA LOPES - 19937PR

L
Parte Ré: SANDRO VIEIRA DE SOUSA
Despacho: Aguarde-se por 30 (trinta) dias manifestação voluntária do interessado, sendo que, ao final deste prazo, sem manifestação,

IA
intime-o para impulsionar o feito em 48 horas, sob pena de extinção do processo por abandono da causa.

Nº do processo: 0021042-30.2012.8.03.0001
Parte Autora: BANCO HSBC BANK BRASIL S.A

IC
Advogado(a): MAURÍCIO COIMBRA GUILHERME FERREIRA - 151056RJ
Parte Ré: ARLINDO DE MENDONÇA SILVA
Despacho: Aguarde-se por 30 (trinta) dias manifestação voluntária do interessado, sendo que, ao final deste prazo, sem manifestação,
intime-o para impulsionar o feito em 48 horas, sob pena de extinção do processo por abandono da causa.

Nº do processo: 0036842-64.2013.8.03.0001

Advogado(a): FERNANDA BUSKO VALIM - 47841PR


Parte Ré: ISMAEL MARQUES DA SILVA
OF
Parte Autora: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

Despacho: Aguarde-se por 30 (trinta) dias manifestação voluntária do interessado, sendo que, ao final deste prazo, sem manifestação,
intime-o para impulsionar o feito em 48 horas, sob pena de extinção do processo por abandono da causa.
O
Nº do processo: 0018847-38.2013.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: ANTONIO LUIZ CARDOSO NETO, DEOCI FRANCO DE MONTALVERNE, DILSON FERREIRA DA SILVA, JARBAS
CORDOVIL DE ATAIDE, JOÃO CARRERA BAHIA, MARIA AMÉLIA VAZ CAVALCANTE, MARIA IZABEL QUEIROZ DOS SANTOS
Advogado(a): ALESSANDRO DE JESUS UCHOA DE BRITO - 1045AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: DIEGO BONILLA AGUIAR DO NASCIMENTO - 1533BAP
Sentença: Com as razões expostas, levando em conta que o veto do Governador foi derrubado, para que o parágrafo único do Art.1º,
da Lei 1575/2011, fosse devidamente promulgado e publicado, e com suporte no Art.333,I, do CPC, JULGO PROCEDENTES os
CA

pedidos iniciais, para condenar o Estado do Amapá a pagar os valores dos plantões efetivamente tirados, a contar da entrada em vigor
da Lei.

condeno o Estado no ressarcimento das custas e a pagar honorários em favor do Advogado dos Autores, que arbitro em R$ 5.000,00
(cinco mil reais), com suporte no Art.20, §4o, do CPC.
LI

Nº do processo: 0035287-46.2012.8.03.0001
Parte Autora: MARIA APARECIDA NOBRE LOPES
Advogado(a): ELIANE DIAS FERREIRA - 2016AP
B

Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A


Advogado(a): GILFER LOPES FERNANDES - 1353AP
Sentença: Com as razões expostas, e tendo em vista que o Banco não trouxe as provas de que os descontos são devidos, sou por
JULGAR PROCEDENTE o pedido, para determinar a suspensão de todos os empréstimos cujas operações foram indicadas na inicial
PU

(Operações 735148506, 766201459, 766059249, 728033499 e 728793844), devendo a suspensão permanecer até o trânsito em
julgado da sentença, salvo julgamento diverso na Ação Principal, que deve ser intentada no prazo do Art.806 do CPC.
Condeno o Banco Requerido no pagamento das custas processuais e em honorários de Advogado, que arbitro em 10% sobre o valor
da causa.

P . I .

Nº do processo: 0018190-62.2014.8.03.0001
Parte Autora: J. F. SILVA FILHO - ME (MADEREIRA JS)
Advogado(a): PABLO HILDEBAR LEAL VIEIRA - 2359AP
Parte Ré: CONSTRUTORA TEMPO EIRELI
Despacho: Com base na Lei Federal nº 1060/50 e na Resolução 862/2014-TJAP, sou por indeferir o pedido de gratuidade. Dessa
forma, intime-se a parte autora, no prazo de 30 (trinta) dias, para recolher as custas iniciais, sob pena de cancelamento da distribuição.

Nº do processo: 0001800-71.2001.8.03.0001
Parte Autora: J & J - EMPREDIMENTOS E PARTICIPACOES S/S LTDA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 109


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): KATIANE MARINHO CARVALHO - 17710CE


Parte Ré: ALLENK MENEZES FIGUEIREDO
Rotinas processuais: Certifico e dou fé que:
NÃO INTIMEI: ALLENK MENEZES FIGUEIREDO.
O réu não foi encontrado no endereço residencial indicado no r. mandado. A moradora Rosângela informou que mora de aluguel no
local e que não conhece o réu. Diligenciei ao IESAP, que seria o local de trabalho do réu, conforme indicado no r. mandado e, lá
estando, a recepcionista Juce afirmou que o réu não trabalha no local, mesmo assim, ela interfonou para a Sra. Patrícia, do setor de
Recursos Humanos, que ratificou que o réu não trabalha no IESAP.

L
Mandado nº 1856789

IA
Nº do processo: 0003550-06.2004.8.03.0001
Parte Autora: AMAPÁ PREVIDÊNCIA
Advogado(a): EDUARDO EDSON GUIMARAES LOPES - 392AP
Parte Ré: ANTÔNIO DOS SANTOS., FRANCISCO ODILON FILHO, LUIZ JORGE AZEVEDO MONDEGO, LUK COMÉRCIO E

IC
REPRESENTAÇÕES LTDA, MARIA DE NAZARÉ PICANÇO MARINHO
Advogado(a): FRANÇOISE HELENA RODRIGUES DE OLIVEIRA - 663BAP, JOAO SOARES DE ALMEIDA - 254AP, MARCELO
PORPINO NUNES - 409AP, PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA MARTINS - 581AP
Responsável: MARIA LUCIMAR DA SILVA LIMA

OF
Assistente: PAULO DE LIMA CHUCRE
Rotinas processuais: Certifico e dou fé que:
NÃO INTIMEI: ALAIR MARIANO DE OLIVEIRA.
em razão de diligenciar no endereço indicado e identificar que há dois apartamentos com a numeração 103, tanto no Bloco I quanto no
Bloco II. Desta forma, notifiquei os dois apartamento, sendo que recebi informação do morador do Bloco I que o requerido lá não
residia. Quanto ao Bloco II não houve resposta, tampouco há alguém no apartamento, pois adentrei no condomínio e o apartamento
está fechado, e os moradores que encontrei não souberam afirmar se o morador é o SR. ALAIR MARIANO, assim sendo, dado a
intempestividade do cumprimento, DEIXO DE PROCEDER COM A INTIMAÇÃO do Sr. ALAIR MARIANO DE OLIVEIRA, e devolvo o r.
O
mandado para as ulteriores providências legais.
Mandado nº 1837597
ÇÃ

Nº do processo: 0046046-06.2011.8.03.0001
Parte Autora: JORGE LUIZ PEREIRA CAMPOS
Advogado(a): MARINILSON AMORAS FURTADO - 1702AP
Parte Ré: BANCO BRADESCO S.A, ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): GEORGE SILVA VIANA ARAÚJO - 9354PA, RAUL SOUSA SILVA JUNIOR - 1456AP
Sentença: JORGE LUIZ PEREIRA CAMPOS, por advogado regularmente constituído, ingressou em Juízo com a presente Reclamação
CA

Cível c/c pedido de indenização por danos morais em desfavor do ESTADO DO AMAPÁ e do BANCO BRADESCO S.A, aduzindo, em
suma, que realizou empréstimo consignado junto ao referido Banco, cujos pagamentos se realizariam por meio de desconto em folha
de pagamento do seu órgão empregador, o Estado do Amapá.
Alega que embora tenha o réu descontado em seu contracheque as parcelas referentes ao empréstimo consignado, o Estado não
providenciou o repasse dos valores à instituição financeira, totalizando a época uma dívida no valor de R$ 19.616,96 (dezenove mil
seiscentos e dezesseis reais e noventa e seis centavos), o que levou o seu nome e CPF a ser incluído no rol de inadimplentes do SCP
LI

e SERASA.
Por tal razão, pugna pela condenação do Estado do Amapá a repassar imediatamente a instituição financeira, ora ré, os valores
descontados em folha e indevidamente retidos, além de indenização por danos morais no valor de R$ 32.700,00 (trinta e dois mil e
setecentos reais).
B

Juntou aos autos os documentos indispensáveis a lide.


O pedido de tutela antecipada foi deferido a fls. 54
Regularmente citados, o Estado do Amapá apresentou contestação às fls. 60/68. Aduziu, em sede de preliminar, a sua ilegitimidade
passiva ad causam, sob o fundamento de que, no que tange a obrigação de fazer (repasse dos valores) e quando a inscrição da autora
PU

no rol de inadimplentes. No mérito, aduz que não houve violação do direito da parte autora e muito menos comprovação dos alegados
danos morais, motivo pelo qual assenta que não merece procedência o pedido inicial.
O Banco Bradesco ofertou contestação a fls. 91/104, refutando as alegações d aparte autora e pugnado pela improcedência do pedido
formulado na inicial.
Decisão suspendendo a medida liminar a fls. 131, ante a notícia de que o Estado estava providenciando a regularização dos repasses
ao banco réu.
Replica a fls. 132 e seguintes.
Por não ter havido acordo entre as partes, e em sendo a matéria apenas de mérito, vieram-me os autos conclusos para sentença.

É O RELATÓRIO.

FUNDAMENTO E DECIDO.

DA PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM DO ESTADO DO AMAPÁ.

O Estado do Amapá sustenta ilegitimidade passiva para o feito, quanto a indenização pleiteada, invocando que, no atinente a obrigação
de fazer (repasse dos valores), não mantém nenhum contrato com o requerente, senão, apenas como as instituições financeiras, e que
a ausência de repasse poderá até ensejar cobrança por parte da instituição bancária, mas não gera direito semelhante ao requerente,

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 110


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

nem responsabilidade do Ente Público em face deste.


A legitimidade para a causa, conforme a teoria da asserção é focada na verificação da pertinência abstrata das partes envolvidas no
processo com direito material controvertido. Isso importa em dizer que, se em uma análise preliminar da quizila verificado que o pedido
do autor deve ser dirigido ao réu em razão dos fatos e fundamentos deduzidos na inicial, haverá pertinência subjetiva para o feito.
Isso não foge a teoria eclética anunciada por Liebam, haja vista que eventualmente, caso venha a ser demonstrado que o direito
alegado na inicial inexiste, ter-se-á a improcedência do feito.
No caso retratado aos autos, o requerente dirige-se contra o réu, imputando a ele o ato de ter deixado de repassar às instituições
financeiras os descontos que realizara nos seus pagamentos, tendo sido esta a origem do suposto dano que sofrera.

L
Constata-se, pois, que está presente a pertinência subjetiva tanto do autor como também do requerido para o feito, independentemente
de que o pedido formulado na inicial seja julgado procedente ou improcedente ao final.

IA
Ante tais razões, rejeito a preliminar.

DO MÉRITO

Primeiramente, cumpre-me afirmar que não vejo nulidades a sanar ou irregularidades a suprir, asseverando, por outro lado, que se

IC
encontram atendidos os pressupostos processuais e presentes as condições da ação, tendo em vista que a preliminar arguida pela
parte ré foi rejeitada nesta decisão.
Ressalto que o ônus da prova repousa na obrigação que incumbe àquele que proferiu a afirmação, e a quem aproveita o fato alegado, o
encargo de exibir provas que denotem a veracidade de suas afirmações aduzidas em juízo, conforme preceitua o artigo 333, do Código

OF
de Processo Civil.
O saudoso mestre José Frederico Marques, in Manual de Direito Processual Civil, Ed. Saraiva, p. 194, ensina que "a necessidade de
provar para vencer diz WILHELM KISCHI tem o nome de ônus da prova, não se trata de um direito ou de uma obrigação, e sim de
ônus, uma vez que a parte a quem incumbe fazer a prova do fato suportará as conseqüências e prejuízos de sua falta e omissão."
Seguindo essa esteira Humberto Theodoro Júnior, pontifica que "às partes não basta simplesmente alegar os fatos. Para que a
sentença declare o direito, isto é, para que a relação de direito litigioso fique definitivamente garantida pela regra de direito
correspondentes, preciso é, antes de tudo, que o juiz se certifique da verdade do fato alegado, o que se dá através das provas." (Curso
de Direito Processual Civil, Vol. I, Ed. Forense, p. 411).
O
Através dos trechos doutrinários colacionados percebe-se que, em Juízo, a alegação feita pela parte deverá ser provada, e somente
após ser reconhecida e aceita judicialmente poderá ser considerada como fato extintivo ou modificativo da pretensão do autor, que no
caso concreto, diz respeito à inexistência de repasse, por parte do Estado, dos valores atinentes aos empréstimos consignados
ÇÃ

contraídos pelo autor.


Faz-se necessário, para que a relação de direito litigiosa fique definitivamente garantida pela regra de direito correspondente, que o
magistrado se convença da verdade dos fatos alegados, e isso somente ocorrerá por meio da juntada de provas eficientes.
Cumpria, pois, ao Estado do Amapá, demonstrar de forma clara, extreme de dúvidas, que repassou, efetivamente, às instituições
financeiras os valores descontados do contracheque do autor. Pelo contrário, há a confissão por parte do estado de que este deixou de
repassar os valores devidos aos Banco, conforme se extrai do documento de fls. 170/171, e que só não entra em acordo direto com a
instituição financeira por que prefere ser condenado a pagar por meio de precatório.
CA

Assim, entendo que merece acolhimento o pedido inicial em relação à condenação do Estado do Amapá para repassar imediatamente
o referido valor ao Banco Bradesco.
Passo, a partir de agora, a analisar o pedido atinente ao suposto dano moral, adiantando que o referido pleito não merece procedência.
O cerne da controvérsia consiste na análise da existência de responsabilidade civil, com a consequente obrigação, por parte do Estado
do Amapá, de indenizar a parte autora, em razão da conduta de não repassar os valores referentes ao pagamento do empréstimo
consignado em folha de pagamento, bem como pelo fato de ter tido seu nome e CPF incluído na lista de maus pagadores (SERASA e
LI

SPC).
Quanto à alegação de que a parte ré cometeu ato ilícito, ao não realizar os repasses, à financeira, dos valores descontados nos seus
vencimentos, o que implica o arbitramento de indenização, por danos morais, não se vislumbra tal possibilidade, na medida em que,
embora ilegítima tal conduta, a parte autora não suportou maiores prejuízos, inclusive quanto teve a sua inscrição negativa, eis que pelo
B

que se extrai do documento coligido à fl. 15/16, emitida por um site de consultas aos órgãos de proteção ao crédito, a parte autora
consta com pelo menos outras quatro diferentes inscrições por débitos distintos do discutido na lide.
Assim, no caso em concreto ainda que o dano seja in re ipsa, isto é, que não necessita da apresentação de provas que demonstrem a
ofensa moral da pessoa, por o próprio fato já configura o dano.
PU

No entanto, o dano, não gera dever de indenizar quando a vítima do erro que já possuir registros anteriores, e legítimos, em cadastro
de inadimplentes. Neste caso, diz a Súmula 385 do STJ que a pessoa não pode se sentir ofendida pela nova inscrição, ainda que
equivocada.
Assim, indefiro o pedido no que se refere aos danos morais.
ANTE AO EXPOSTO, pelo livre convencimento que formo e por tudo mais que dos autos consta, rejeito a preliminar de ilegitimidade
passiva arguida pelo Estado do Amapá e, no mérito, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido inicial, tornando definitiva a
antecipação de tutela, para condenar o ESTADO DO AMAPÁ a repassar imediatamente os valores descontados da folha de pagamento
da parte autora, referente às parcelas descontadas em seu contracheque e não repassadas à instituições financeiras no período
descrito na inicial, bem como, providenciar que o nome e o CPF do autor seja definitivamente excluído do rol de inadimplentes do SPC
e SERASA.
O valor será atualizado monetariamente desde a data em que ocorreram os descontos, na forma estabelecida no artigo 1º-F, da Lei
9.494/97.
Condeno, ainda, o ESTADO DO AMAPÁ, ao pagamento de honorários advocatícios, em favor do advogado da autora, que, com
fundamento no §4º, do art. 20 do CPC, considerando o trabalho exercido pela profissional que subscreveu a inicial, réplica à
contestação e petições, arbitro em R$ 1.800,00 (um mil e oitocentos reais), acrescidos de juros legais e correção monetária, ambos
incidentes a partir do trânsito em julgado desta sentença.
Custas na forma da lei.
P.I. Registre-se eletronicamente.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 111


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0001542-75.2012.8.03.0001
Parte Autora: GUILHERME SERGIO MAGALHÃES MAIA
Advogado(a): LUCIVALDO DA SILVA COSTA - 735AP
Parte Ré: MUNICÍPIO DE MACAPÁ
Advogado(a): ALBA LUCIA COLARES CALDAS - 270AP
Despacho: O prazo para opor embargos transcorreu em 29/11/2013, pois conforme consta da certidão do oficial de justiça no Sistema

L
de Gestão Judiciária, sua citação deu-se em 30/10/2013. E como constou no mandado era pra opor embargos no prazo de 30 (trinta)
dias, ou seria expedida a RPV.

IA
Portanto não há qualquer razão para reconsideração de despacho proferido.
Expeça-se a RPV para pagamento do valor relativo aos honorários.
Quanto ao valor principal, observo que o Município não chegou a ser citado, expeça-se, portanto o respectivo mandado.

IC
Nº do processo: 0018329-14.2014.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DE FÁTIMA PANTOJA, RAIMUNDO ANDRADE PANTOJA
Advogado(a): JANE NAIRA TEIXEIRA ATAIDE - 1432AP
Parte Ré: BANCO BRADESCO S.A., PROSEGUR BRASIL S/A TRANSPORTADORA DE VAL E SEGURANCA

OF
Despacho: Custas ao final pela parte sucumbente. Cite-se o réu para os termos da presente ação e para, querendo, contestar o(s)
pedido(s), no prazo de quinze dias, com as advertências do art. 319 do CPC.

Nº do processo: 0049721-06.2013.8.03.0001
Parte Autora: LUCIDEA DO ROSARIO PEREIRA DOS SANTOS
Defensor(a): EVERSON MARCON - 2347AP
Sentença: À vista do contido nos autos, determino que se oficie ao Oficial do Cartório do 2º Ofício de Registro Civil desta Comarca -
O
Cartório Cristiane Passos, a fim de que proceda à retificação do registro de Óbito de LUCILENE DO ROSÁRIO PEREIRA DOS
SANTOS, constante da matrícula 005074 01 55 2013 4 00014 125 0004025 23, alterando o local de sepultamento, a fim de que passe a
constar como sendo no Cemitério Municipal São Francisco de Assis, nesta capital, conforme declaração de fls.10, mantendo-se
ÇÃ

inalterados os demais dados.


Expeça-se o respectivo mandado de averbação ao Cartório do 2º Ofício de Registro Civil - Cartório Cristiane Passos, nos termos do art.
109, §, 4º da LRP.
Publique-se.
Registre-se.
Intimem-se.
CA

Nº do processo: 0014826-82.2014.8.03.0001
Parte Autora: JOAQUIM RAIMUNDO DA SILVA NETO
Advogado(a): GERSON GERALDO DOS SANTOS SOUSA - 1739AP
Parte Ré: CAMILA FIALHO DA SILVA NEVES, MARIA AMÉLIA FIALHO DA SILVA NEVES
Despacho: Indefiro o pedido de gratuidade. Intime-se a parte autora, no prazo de 30 (trinta) dias, para recolher as custas iniciais, sob
LI

pena de cancelamento da distribuição.


Após a juntada do comprovante de recolhimento de custas, cite-se a parte executada para, no prazo de 03 (três) dias, pagar a dívida
exeqüenda. Arbitro honorários em R$ 5.000,00 (cinco mil reais), salvo embargos.
B

Nº do processo: 0021634-40.2013.8.03.0001
Parte Autora: BANCO BRADESCO S.A.
Advogado(a): OLINTO JOSE DE OLIVEIRA AMORIM - 876AAP
PU

Parte Ré: ANTONIA MARIA MAGALHÃES PICANÇO


Advogado(a): PAULO CÉSAR SILVA MENESES - 1869BAP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2009 - 6ª VCFP, intimo a parte autora para que, no prazo de 5 (cinco) dias,
compareça nesta secretaria e receba o Alvará de Levantamento.

Nº do processo: 0001402-56.2003.8.03.0001
Parte Autora: VANDE BRASIL DOS SANTOS BITENCOURT
Advogado(a): LUCI MEIRE SILVA DO NASCIMENTO MIRANDA - 102AP
Parte Ré: GISELE COUTINHO BEZERRA PINGARILHO
Advogado(a): GISELE COUTINHO BESERRA PINGARILHO - 1168BAP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 01/2009-6ªVCFP, intime-se a parte credora para, no prazo de dez dias, manifestar-se
sobre o BACENJUD não ter encontrado crédito pertencente à parte devedora para ser bloqueado.

Nº do processo: 0001943-40.2013.8.03.0001
Parte Autora: COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): FABIO CARVALHO VERZOLA - 1270AP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 112


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: MARCIA VALÉRIA DA COSTA SILVA


Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2009 promovo a intimação da parte autora para comparecer em secretaria e receber
Edital de Citação para seus devidos fins.

2ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ

Nº do processo: 0018621-33.2013.8.03.0001

L
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: MANOEL ALVES DE LIMA TRINDADE, RAFAEL PRATA DE OLIVEIRA
Defensor(a): ALCIMAR FERREIRA MOREIRA - 795AP, RUBENS BOULHOSA PINA - 269036SP

IA
Sentença: QUANTO AO 2º DENUNCIADO

Através da certidão de óbito de fl. 08, este Juízo foi informado do falecimento do réu RAFAEL PRATA DE OLIVEIRA.
Pelo exposto, nos termos do art. 107, inciso I do Código Penal Brasileiro, DECLARO EXTINTA A PUNIBILIDADE pela morte do agente

IC
RAFAEL PRATA DE OLIVEIRA.
Proceda a Secretaria às baixas, comunicações e anotações de estilo.
Publique-se. Registre-se. Intimem-se.
Após, prossiga-se quanto ao 1º réu, como já determinado anteriormente.

Nº do processo: 0013142-93.2012.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: EDIVALDO PASCOAL OLIVEIRA PEREIRA FILHO
Advogado(a): SANDRO EMILIO DE SOUSA GOMES - 539AP
Decisão: Vistos.
OF
O
Firmo a competência deste Juízo para processar e julgar o feito.
Compulsando os autos, restou confirmado que existem duas denúncias, distribuídas à Varas criminais distintas e em períodos distintos,
que tratam do mesmo fato, cuja autoria é atribuída ao réu EDVALDO PASCOAL OLIVEIRA PEREIRA FILHO, pela prática, em tese, do
crime de homicídio culposo na direção de veículo automotor, art. 302 do CTB.
ÇÃ

Analisando a denúncia, constante na ação penal nº 34881/2011, recebida por este Juízo em 07/11/2011, que teve por suporte o IP nº
086/2011, verifica-se que os fatos nela narrados são os mesmos constantes desta ação penal, cuja denúncia foi recebida pelo Juízo da
3ª Vara Criminal em 24/04/2012, que em decisão de f. 154, declinou a competência do feito à este Juízo.
O que se percebe é que o réu foi denunciado, na segunda ação penal nº 13142/2012, por fato sobre o qual já havia causa idêntica em
andamento neste Juízo, pois muito embora tenham se iniciado por Portarias distintas, uma expedida pela DEATRAN enquanto que
outra pelo Comando Geral da Polícia Militar, tratam da apuração de um único ilícito penal e embasadas pelo mesmo Laudo de exame
CA

pericial em local de crime de trânsito, sob o nº 1185/11-GAPT/DC, f. 104/126 (IPM 036/2011) e f. 15/37 (IP 086/2011 DEATRAN).
Assim, está claro que ambos processos tratam de causa idêntica, configurando a litispendência.
Pelo exposto, reconheço a litispendência, em relação ao réu e determino a extinção deste feito, mais recente, nos termos da legislação
vigente.
Certifique-se esta decisão, com juntada de cópia, nos autos 34881/2011.
Intime-se.
LI

Nº do processo: 0021149-50.2007.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: DELSON PANTOJA FURTADO, OLINTO CESAR DA COSTA OLIVEIRA, WESLEN BARBOSA NEGRAO
B

Advogado(a): SANDRO EMILIO DE SOUSA GOMES - 539AP


Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 05/05/2014 às 12:00
PU

Nº do processo: 0009495-90.2012.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: FÁBIO ROGÉRIO DE OLIVEIRA SILVA
Advogado(a): LUIZ AUGUSTO DOS SANTOS PINHEIRO - 525AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 06/05/2014 às 10:00

Nº do processo: 0016957-69.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: EDER COSTA LOBATO
Advogado(a): EDWARD SANTOS JUAREZ - 508AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 06/05/2014 às 12:00

Nº do processo: 0021574-72.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: ADSON DINIZ AZEVEDO, ANALDO DOS SANTOS MACIEL, LUSIVALDO FERREIRA RAMOS, MARLON PALHETA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 113


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

AMARAL, SILVAN FERREIRA GOMES


Advogado(a): LUIZ AUGUSTO DOS SANTOS PINHEIRO - 525AP, MANUEL NORBERTO VALENTE CANTAO - 766AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 08/05/2014 às 10:00

Nº do processo: 0020715-51.2013.8.03.0001
Parte Autora: M. P. DO E. DO A.
Parte Ré: C. A. DA S. B.

L
Advogado(a): JUSELMA NEGRY E SILVA - 890AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 09/05/2014 às 11:30

IA
Nº do processo: 0004366-75.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: RILDER DINIZ DA CRUZ

IC
Advogado(a): MARA SILVA GÓES - 927AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 13/05/2014 às 08:30

OF
Nº do processo: 0031308-47.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: EVALDO VASCONCELOS DA SILVA, MARCOS VINÍCIUS MAIA NUNES
Advogado(a): MAURICIO SILVA PEREIRA - 979AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 14/05/2014 às 12:00

Nº do processo: 0020970-09.2013.8.03.0001
O
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: ALDILON TEIXEIRA BARROS, MAYCON PEREIRA DOS SANTOS, WELLINGTON DOS SANTOS SACRAMENTO
Advogado(a): ALCIMAR FERREIRA MOREIRA - 795AP, ORLANDO NUNES DE ABREU NETO - 2244AP, RAFAEL MAURICIO
ÇÃ

FERREIRA NERI - 2049AP


Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 15/05/2014 às 08:00

3ª VARA CRIMINAL E DE AUDITORIA MILITAR

Nº do processo: 0014896-07.2011.8.03.0001
CA

Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


Parte Ré: ANTONIO CARLOS FRANCA DA COSTA, JOSÉ MARIA FONSECA DA SILVA, NOA DA SILVA FERNANDES
Advogado(a): EVERALDO CARNEIRO RIBEIRO - 523AP, MARCIO ANDREY SERRA PINHEIRO DA SILVA - 2299AP
Despacho: Vista às partes para os fins do artigo 417, § 2º, do Código de Processo Penal Militar.

Nº do processo: 0007640-47.2010.8.03.0001
LI

Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


Parte Ré: JOAO SOARES DE ALMEIDA
Advogado(a): JOAO SOARES DE ALMEIDA - 254AP
Decisão: RECEBO O RECURSO de folha 133, eis que preeenchidos os pressupostos processuais objetivos e subjetivos.
B

Vista ao recorrente para oferecimento das razões recursais.


Após, vista ao recorrido para oferecimento das contra-razões recursais, no prazo legal.
Ao final, encaminhem-se os autos ao Egrégio TJAP.
PU

Nº do processo: 0024333-04.2013.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: NEY DOS ANJOS ALFAIA
Advogado(a): SANDRO EMILIO DE SOUSA GOMES - 539AP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 01/2012 3ª VCAM intimo o Dr. Sandro Emílio de Souza Gomes OAB-AP 539 para que se
manifeste na fase do art. 417, § 2º do CPPM.

Nº do processo: 0014257-52.2012.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: NELSON CASTOR CORDEIRO
Advogado(a): SANDRO EMILIO DE SOUSA GOMES - 539AP
Rotinas processuais: INTIMAÇÃO do advogado do acusado SGT NELSON CASTOR CORDEIRO para apresentar Alegações Finais
nos termos do art. 428 do CCPM, no prazo legal.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 114


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

4ª VARA CRIMINAL DE MACAPÁ

Nº do processo: 0038864-66.2011.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: ANTONIO WALDEZ GOES DA SILVA, HAROLDO VITOR DE AZEVEDO SANTOS, NELSON AMERICO DE MORAIS,
PEDRO PAULO DIAS DE CARVALHO, SEBASTIAO ROSA MAXIMO
Advogado(a): ALESSANDRO DE CARVALHO AGRA - 2052AP, AULO CAYO DE LACERDA MIRA - 923AP, GERONIMO ACACIO DA

L
SILVA - 524AP, MIGUEL ROBERTO NOGUEIRA ANDRADE - 1253AP, OSMARINO MAGNO BARROSO - 1423AP
Despacho: 2 - Concedo o prazo de 10 (dez) dias para cada uma das defesas dos réus a fim de formularem suas alegações finais em
forma de memoriais, com prazos sucessivos, seguindo a ordem da denúncia.

IA
Nº do processo: 0016579-16.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

IC
Parte Ré: HUDSON DA SILVA BENEVIDES
Advogado(a): ANGELA DEBORA BRAZAO NUNES - 1368BAP
Sentença: Assim, com fundamento no art. 89, § 5º da Lei Nº 9.099/95, combinado com art. 66, inciso II, da Lei 7.210/84, DECLARO, por
sentença, EXTINTA a PUNIBILIDADE dos fatos imputados ao réu HUDSON DA SILVA BENEVIDES no presente feito.

Nº do processo: 0047660-75.2013.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

OF
Parte Ré: ELDER DOS SANTOS CARDOSO, FABIANO GEMAQUE VALENTE ANDRADE, JOSENILDO DA SILVA FREITAS
Advogado(a): AULO CAYO DE LACERDA MIRA - 923AP, JAMIL DAVI VALENTE DOS SANTOS - 614AP, RODIVAL ISACKSSON
ALMEIDA - 1014AP
Despacho: Cite-se o réu Elder dos Santos Cardoso no seguinte endereço: AV. JOSÉ ANTONIO SIQUEIRA, 779 -LAGUINHO, bem
O
como intime-se, via DJE, o advogado por ele constituído para que apresente resposta à acusação.

Nº do processo: 0000662-15.2014.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


Parte Ré: ALEX LUAN PEREIRA DE BRITO, FRANCISCO MARQUES DA SILVA, JAILSON ALVES NUNES DE SOUZA, LEANDRO
DOS SANTOS LEAO
Advogado(a): RAIMUNDO RODRIGUES DOS SANTOS - 2285AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 30/04/2014 às 08:00
CA

JUI INF JUV - ÁREA CÍVEL E ADMINISTRATIVA

Nº do processo: 0023301-61.2013.8.03.0001
Parte Autora: A. I. P. S., E. DA S. T.
Defensor(a): NEUSA ANTONIA XAVIER MORAES - 887BAP
Despacho: Intimação, pessoal, dos REQTES para promoção, regular, do Processo, no prazo de 5 dias, sob pena de
LI

Extinção/Arquivamento sem julgamento do mérito, nos termos da lei.

Nº do processo: 0008526-07.2014.8.03.0001
B

Parte Autora: C. DA I. E J. DE M.
Parte Ré: A. A. DO B. DO B. A.
Sentença: Posto isso, hei por bem julgar PROCEDENTE o Auto de Infração confeccionado em desfavor do estabelecimento autuado,
PU

aplicando a MULTA de 05 (CINCO) Salários Mínimos, considerando que o autuado é reincidente, que deverá ser depositado na Conta
Corrente nº 10.419-1, Agência 0261-5, Banco do Brasil, do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, facultando,
outrossim, a conversão do valor em cestas básicas em prol dos projetos sociais deste Juízo.
Após o trânsito em julgado da decisão, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo, intimando a seguir o Infrator, para pagamento da
multa no prazo de 15 (QUINZE) dias, pena de execução judicial.

P.R.I.

1ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ

Nº do processo: 0014270-80.2014.8.03.0001
Parte Autora: E. M. P. B. M.
Advogado(a): JORCYANNE FRANCISCA COLARES DE ANDRADE - 926AP
Parte Ré: M. Z. P. B. S.
Despacho:
Intime-se a parte autora para emendar a inicial, no prazo de 10 (dez) dias, esclarecendo a relação de parentesco entre os requeridos e
o falecido.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 115


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0003930-77.2014.8.03.0001
Parte Autora: R. DA S. M.
Defensor(a): HUGO EDGARD RODRIGUES LEITE - 1579AP
Parte Ré: F. S. DE O.
Advogado(a): JOÃO EDUARDO DE CAMPOS VASCONCELOS - 1476BAP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2013, promovo os autos ao advogado da parte requerida para que se manifeste
quanto ao pedido de extinção do feito formulado pela parte autora.

L
IA
Nº do processo: 0008796-65.2013.8.03.0001
Parte Autora: I. F. V.
Advogado(a): NIELSEN SOBRINHO AMARAL - 781AP
Parte Ré: O. H. M. A.
Advogado(a): PATRÍCIA BEZERRA TOCANTINS - 978AP

IC
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 17/06/2014 às 09:00

Nº do processo: 0027823-68.2012.8.03.0001

OF
Parte Autora: S. DE J. S. B.
Advogado(a): ANDRE COELHO MIRANDA - 2400AP
Parte Ré: E. DE S. B.
Advogado(a): JANE NAIRA TEIXEIRA ATAIDE - 1432AP
Despacho:
Observo que à f. 10 foi concedida a gratuidade de justiça à requerente. Assim, as custas só serão cobradas caso configurada a
hipótese prevista no art. 12 da Lei nº 1.060/1950.
O
Quanto ao pedido de reconsideração de f. 109/111, indefiro o pedido de gratuidade ao requerido, uma vez que em nenhuma momento,
antes da sentença, foi peticionado pelo requerido a concessão da gratuidade de justiça.
ÇÃ

Intimem-se.

Cumpridas todas as determinações da sentença, encaminhem-se os autos ao arquivo.

3ª VARA DE FAMÍLIA, ÓRFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ


CA

Nº do processo: 0014447-78.2013.8.03.0001
Parte Autora: M. J. DA C.
Advogado(a): ADEMIR DE SOUZA ALVES - 1827AP
Parte Ré: A. DE J. DOS S., D. W. O. DOS S.
Despacho: Compulsando os autos, verifico que na certidão de óbito do Sr. Edson Raimundo Picanço consta que o mesmo deixou três
filhos. Entretanto, a parte autora não arrolou a filha Lorena.
Portanto, concedo novo prazo de 10 (dez) dias, para que a parte autora emenda a inicial, retificando o polo passivo da lide.
LI

Nº do processo: 0028508-41.2013.8.03.0001
Parte Autora: J. W. R. DA S.
B

Advogado(a): CÍCERO BORGES BORDALO NETO - 871AP


Parte Ré: J. C. DE N.
Sentença: DIANTE DO EXPOSTO, e considerando tudo o mais que dos autos consta, extinguindo o processo, sem julgamento do
PU

mérito, nos termos do Art. 267, inc. XI, c/c o Parágrafo Único do Art. 284, ambos do Código de Processo Civil.
Sem custas e honorários.
Certifique a Secretaria o trânsito em julgado e Arquivem-se.
Registre-se e Cumpra-se.

Nº do processo: 0001264-06.2014.8.03.0001
Parte Autora: R. D. DA C.
Advogado(a): VERA DE JESUS PINHEIRO - 65AP
Parte Ré: W. O. DA C.
Despacho: À parte autora para se manifestar sobre a contestação, no prazo de 10 (dez) dias.

Nº do processo: 0014093-19.2014.8.03.0001
Parte Autora: GIVALDO CAVALCANTI DE MELO JÚNIOR
Advogado(a): JOSINETE MARIA DA SILVA COSTA - 708AAP
Despacho: Vistos etc.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 116


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

1. Nomeio Inventariante o autor, Givaldo Cavalcanti de Melo Júnior. Tome-se Compromisso do Encargo.

2. Venham as primeiras Declarações, no prazo legal de 20 (vinte) dias do compromisso, procedendo-se às devidas qualificações
completas de todos os interessados, lembrando que os casados deverão juntar as respectivas certidões de casamento, assim como os
separados judicialmente ou divorciados deverão comparecer com as respectivas certidões de casamento averbadas. Se o feito versar
sobre imóveis, deverá ser mencionando seus respectivos valores, juntando documentação atualizada de todos os bens, juntar as
certidões negativas das fazendas Municipal, Estadual e Federal.

L
OBSERVAÇÃO: - Em caso de pessoas não alfabetizadas, os instrumentos deverão ser lavrados por Tabelião (Público); as Certidões de
Nascimento, e as de Casamento, quando for o caso, NÃO poderão ter mais de 6 (seis) meses de emissão.

IA
3. Todos os bens deverão ser devidamente elencados, discriminados, individualizados e com seus respectivos valores.

4. Recolher custas sobre o valor real da causa.

IC
5. Recolher o Imposto Causa Mortis.

Intime-se via DJE.

OF
Após a apresentação das primeiras declarações, citem-se os interessados.

Nº do processo: 0015948-33.2014.8.03.0001
Parte Autora: A. A. T.
Advogado(a): JORGE LUÍS SANCHES DA SILVA - 2330AP
Parte Ré: W. B. T.
Despacho: Intrime-se a parte autora para efetuar o pagamento das custas processuais, no prazo de 10 (dez) dias.
O
Nº do processo: 0015355-04.2014.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: N. P. B.
Advogado(a): MANOEL RAIMUNDO LOPES DOS REIS - 666BAP
Parte Ré: C. DOS S. F.
Despacho:
Vistos etc.

Atento à Instrução Normativa nº 072/2004- Gabinete da Presidência, abro vista à parte autora para recolhimento das custas iniciais no
CA

prazo de 10 dias.

Publique-se.

Nº do processo: 0014222-24.2014.8.03.0001
LI

Parte Autora: S. C. DE S. M.
Advogado(a): HAMILTON DA CRUZ CARDOSO - 715AP
Parte Ré: A. C. M. DA C., S. C. DE S. M. J.
Despacho: Intime-se a parte autora para efetuar o pagamento das custas processuais, no prazo de 10 (dez) dias, em conformidade com
B

a IN do TJAP nº 072/2014.

Nº do processo: 0014142-60.2014.8.03.0001
PU

Parte Autora: R. L. A.
Advogado(a): DANIELLE APOLLARO REGO - 1008AP
Despacho:
Vistos etc.

Atento à Instrução Normativa nº 072/2014 do Gabinete da Presidência do TJ/AP, abro vista à parte autora para recolhimento das
custas processuais no prazo de 10 dias.

Publique-se via DJE.

Nº do processo: 0007316-18.2014.8.03.0001
Parte Autora: R. C. P. R.
Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP
Parte Ré: L. W. C. C.
Advogado(a): AGORD DE MATOS PINTO - 1131AP
Despacho:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 117


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Vistos etc.

Considerando que ocorrerá audiência de conciliação no 22 de abril de 2014 às 08:00 horas neste Juízo, reservo-me em apreciar o
pedido do advogado do requerido na presença das partes e do membro do Ministério Público.

Publique-se via DJE.

L
Nº do processo: 0015813-21.2014.8.03.0001
Parte Autora: R. S. DOS S.

IA
Advogado(a): NILSON MONTORIL - 530AP
Parte Ré: A. P. A. DOS S., R. S. DOS S. J.
Sentença: Atento à declaração acostada aos autos, HOMOLOGO por sentença, para que surta seus jurídicos e legais efeitos, o acordo
celebrado entre partes, constante às fls.29 dos presentes autos, declarando, por via de conseqüência, EXTINTO o processo com a
resolução com fundamento no art. 269, III do Código de Processo Civil.

IC
Nº do processo: 0050698-95.2013.8.03.0001
Parte Autora: P. R. N. DOS S.

OF
Advogado(a): AULO CAYO DE LACERDA MIRA - 923AP
Parte Ré: M. C. DE F.
Advogado(a): EDUARDO AUGUSTO SOARES DE SOUZA - 1499AP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº.001/05, de ordem do MM Juiz Titular da 3ª VFOS: à parte autora para que se pronuncie
quanto a Contestação juntada aos autos, requerendo o que entender de direito.

Nº do processo: 0004703-93.2012.8.03.0001
O
Parte Autora: J. DE S. G.
Advogado(a): LEANDRO ABDON BEZERRA - 1610AP
Parte Ré: K. S. G.
ÇÃ

Sentença: HOMOLOGO por sentença, para que surta seus jurídicos e legais efeitos, o acordo celebrado entre partes, constante às fls.
43 dos presentes autos, declarando, por via de conseqüência, EXTINTO o processo com a resolução com fundamento no art. 269, III
do Código de Processo Civil.

Oficie-se imediatamente ao Comando do Corpo de Bombeiro Militar do Estado do Amapá


CA

Nº do processo: 0041561-89.2013.8.03.0001
Parte Autora: J. B. DOS S.
Advogado(a): CARLOS ALBERTO ALVES GOMES - 1573AP
Parte Ré: C. V. F. DOS S., M. R. F. DOS S.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 28/05/2014 às 08:30
LI

Nº do processo: 0046257-08.2012.8.03.0001
Parte Autora: R. F. DE A.
Advogado(a): TELMA LUCIA MIRANDA DA SILVA - 1898AP
B

Parte Ré: A. DE M. S.
Advogado(a): OSCAR RODOLFO SERIQUE GATO - 1154AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 17/07/2014 às 09:00
PU

Nº do processo: 0029614-72.2012.8.03.0001
Parte Autora: A. D. T., A. M. N. T., C. D. T. F., F. P. A. T., J. D. T., M. DAS D. T. P., T. DE B.
Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Representante Legal: A. M. V. DA S.
Advogado(a): EDEN PAULO SOUZA DE ALMEIDA - 602AP
Despacho: Defiro o pedido de desentranhamento das peças acostadas à inicial mediante cópia nos autos.
Após, ao arquivo.

Nº do processo: 0036032-89.2013.8.03.0001
Parte Autora: E. L. DE A. W., M. L. DE A. W.
Advogado(a): RAQUEL SOUZA DE LIMA - 1238AP
Sentença: Isto Posto,

E mais o que dos autos consta, pelos fatos e fundamentos acima, JULGO PROCEDENTE o presente feito, acolhendo ao pedido da
Autora, para afinal:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 118


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

a) Autorizar a venda do veículo da marca Volkswagem, modelo Spacefox, 1.6, 4p, cor vermelha, ano 2009/2010 (f. 14);

b) Determinar a expedição de Alvará Judicial, a fim de que a propriedade do veículo em questão seja transferida para o nome do
comprador a ser indicado pelos requerentes;

Nº do processo: 0024337-41.2013.8.03.0001
Parte Autora: L. S. D.

L
Advogado(a): VERA DE JESUS PINHEIRO - 65AP
Parte Ré: W. L. DE S. D.

IA
Advogado(a): WALBER LUIZ DE SOUZA DIAS - 282AP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2005, à parte autora para se manifestar sobre a certidão de fls. 31, no prazo de 10
(dez) dias. Dra Vera De Jesus Pinheiro.

IC
Nº do processo: 0024337-41.2013.8.03.0001
Parte Autora: L. S. D.
Advogado(a): VERA DE JESUS PINHEIRO - 65AP
Parte Ré: W. L. DE S. D.

OF
Advogado(a): WALBER LUIZ DE SOUZA DIAS - 282AP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2005, à parte autora para receber a peça processual de fls. 32-34 (impugnação de
embargos).

Nº do processo: 0050461-61.2013.8.03.0001
Parte Autora: M. F. R.
Advogado(a): DOUGLAS LUZZATTO - 1771AP
O
Parte Ré: E. R. R.
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001 à parte autora para manifestar-se a respeito da certidão do Sr. Oficial de Justiça.
ÇÃ

Nº do processo: 0009678-61.2012.8.03.0001
Parte Autora: P. H. G. R.
Advogado(a): AMANDA CAROLINE MELO DE MELO - 16566PA
Parte Ré: U. B. F.
Representante Legal: A. DE N. G. C. R.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 26/05/2014 às 09:00
CA

4ª VARA DE FAMÍLIA, ORFÃOS E SUCESSÕES DE MACAPÁ

Nº do processo: 0047786-62.2012.8.03.0001
Parte Autora: F. B. M., F. DO S. P. B., F. P. M.
Advogado(a): EIDE CARLA MACHADO DE OLIVEIRA FIGUEIRA - 1209AP
LI

Parte Ré: E. G. M.
Defensor(a): FÁBIO GÓES JUAREZ - 1410AP
Despacho: No caso de veículos automotores, os credores deverão informar sua localização, a fim de permtir a penhora por oficial de
justiça.
B

Nº do processo: 0047178-64.2012.8.03.0001
PU

Parte Autora: A. C. H. V. G.
Advogado(a): GEANY GUIMARAES DA COSTA - 678AP
Parte Ré: J. DOS S. R. F.
Advogado(a): ELTON CAIO BARBOSA COSTA - 2520AP
Despacho: Defiro o pedido de f. 33-34. Assim, exepeça-se nova carta de sentença, acompanhada do mandado de averbação do
divórcio, intimando-se o requerente, via Dje, para recebimento.
Após, voltem os autos ao arquivo.

Nº do processo: 0050892-95.2013.8.03.0001
Parte Autora: J. DA S. B.
Advogado(a): ALCIMAR FERREIRA MOREIRA - 795AP
Parte Ré: J. DE N. S. M.
Sentença: De acordo com o art. 284, caput e parágrafo único, do Código de Processo Civil, verificando o juiz que a petição inicial não
preenche os requisitos exigidos nos arts. 282 e 283 ou que apresenta defeitos ou irregularidades capazes de dificultar o julgamento de
mérito, determinará que o autor a emende ou complete, no prazo de 10 dias, sob pena de indeferimento.
Nestes autos, intimado a emendar a inicial, via Dje, a fim de indicar o rito no qual pretenderia seguir com a execução, o exeque ficou
inerte, configurando a situação acima referida.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 119


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Diante do exposto, indefiro a petição inicial, declarando extinto o processo com suporte no art. 267, I, do CPC.
Publicação e registro eletrônicos. Intime-se.
Custas pela parte autora nos termos do art. 12 da lei 1060/1950.
Cumpridas as formalidades legais, dê-se baixa e arquive-se.

Nº do processo: 0036992-79.2012.8.03.0001
Parte Autora: C. M. F., E. M. F., H. M. F., N. S. M. F.

L
Advogado(a): ROSELY ALENCAR DE CAMPOS - 694AP
Decisão: Em razão da requerente ter realizado Reclamação ao CNJ, conforme petição e documentos de f. 120-122, suspendo o curso

IA
do processo por 90 dias ou até a vinda da resposta da referida Reclamação.

Nº do processo: 0004487-64.2014.8.03.0001
Parte Autora: EDILENE DO SOCORRO LOUREIRO PICANCO

IC
Advogado(a): ADEMIR DE SOUZA ALVES - 1827AP
Despacho: Ação de inventário. Rito especial (CPC, art. 982 e ss.).
Defiro a gratuidade judicial.
Declaro aberto o inventário de Benedito do Livramento Picanço.

OF
Nomeio inventariante a mãe do "de cujus", Sra. Edilene do Socorro Picanço, que prestará compromisso em 5 (cinco) dias e as primeiras
declarações nos 20 (vinte) dias subseqüentes, com a qualificação completa dos herdeiros e descrição pormenorizada dos bens,
haveres de dívidas do espólio, acompanhada da documentação pertinente, inclusive certidões negativas de tributos junto às Fazendas
Federal, Estadual e Municipal.
Intime-se.

Nº do processo: 0040455-92.2013.8.03.0001
O
Parte Autora: M. M. DOS S.
Defensor(a): CARMEM VERÔNICA GATO DE MELO - 998BAP
Parte Ré: M. C. I. S.
ÇÃ

Advogado(a): JOSE CALANDRINI SIDONIO JUNIOR - 1705AP


Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 001/2012 4ª VFOS/MCP, art. 3º, inciso XII, intimo o advogado da parte ré, Dr. Jose
Calandrinî para restituir os autos, em 48 (quarenta e oito) horas.

Nº do processo: 0015474-96.2013.8.03.0001
Parte Autora: A. G. M.
CA

Advogado(a): WALDELI GOUVEIA RODRIGUES - 245AP


Parte Ré: N. G. DA S.
Sentença: Diante do exposto, julgo procedente o pedido inicial, e decreto o divórcio do casal.
A ré voltará a usar o nome de solteira.
Em razão da sucumbência, condeno a ré no pagamento das custas e dos honorários da advogada da autora, arbitrando estes em 10%
(dez por cento) sobre o valor da causa.
LI

Expeça-se mandado de registro e averbação do divórcio ao cartório em que efetuado o registro do casamento.
Publicação e registro eletrônicos. Intimem-se. Não há necessidade de intimar a ré, considerando que é revel e não tem advogado
constituído nos autos. A intimação do autor se dará por meio de sua advogada, via DJe.
Após o trânsito em julgado e o cumprimento das determinações acima, arquivem-se os autos.
B

Nº do processo: 0006072-11.2001.8.03.0001
Parte Autora: LUIS AFONSO MACHADO SANTANA
PU

Advogado(a): SUELEN MONTEIRO PENAFORT - 1503AP


Parte Ré: CLEODON JOSE BARBOSA SANTANA-DE CUJUS, HELDER JOSE AMARAL BARBOSA SANTANA
Advogado(a): ANDERSON MARCIO LOBATO FAVACHO - 1102AP
Fazenda Pública: ESTADO DO AMAPÁ, FAZENDA PÚBLICA DA UNIÃO, FAZENDA PÚBLICA DO MUNICIPIO DE AMAPA
Herdeiro: EVELINE MARIA CAVALCANTE SANTANA, MARCUS VINICIUS SOUZA SANTANA
Inventariante: LUIS OTÁVIO MACHADO DE SOUZA
Despacho: Os documentos apresentados às f. 394-396 não comprovam o direito de posse sobre o bem imóvel localizado na rua
Joaquim Gouvêa, s/n, nesta capital, tendo em vista que estão em nome de terceira pessoa, e não do "de cujus". Náo foi apresentado
qualquer documento capaz de comprovar a propriedade do falecido sobre o veículo GOL, placa IE-0234.
Assim, intime-se o inventariante a suprir a omissão no prazo de 10 dias.

Nº do processo: 0011854-76.2013.8.03.0001
Parte Autora: A. F. DOS S., J. B. F. DOS S., P. F. DOS S., S. F. DOS S.
Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2012, art.3º, V, promovo a intimação das partes, por meio de seu advogado, para se
manifestarem, acerca de expedição de alvará.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 120


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0011854-76.2013.8.03.0001
Parte Autora: A. F. DOS S., J. B. F. DOS S., P. F. DOS S., S. F. DOS S.
Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2012, art.3º, V, promovo a intimação das partes, por meio de seus advogados, para
ciência e requerimento do que entender de direito, acerca da reforma da sentença por erro material.

L
Nº do processo: 0015528-96.2012.8.03.0001
Parte Autora: M. Y. Q. R.

IA
Advogado(a): TATIELE AMORAS DE AZEVEDO - 1469AP
Parte Ré: D. R. DA T.
Assistente: M. DE N. G. Q.
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 0001/2009, abro vista a parte autora para manifestação.

IC
Nº do processo: 0047861-67.2013.8.03.0001
Parte Autora: M. V. DA S.
Advogado(a): TIAGO GOMES DE MELO - 1528AP

OF
Despacho: Ainda não nforam incluídos no polo passivo da demanda os pais do falecido, que são seus herdeiros.
Desta forma, intime-se a requerente, via Dje, para corrigir o polo passivo da demanda, em 5 dias, sob pena de indeferimento.

Nº do processo: 0046328-73.2013.8.03.0001
Parte Autora: J. M. DO N. B.
Advogado(a): SMITHSON EMANUEL FERNANDES MEDEIROS - 2773RN
Parte Ré: N. DO E. S. G. G.
O
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 0001/2009, abro vista a parte autora para que, no prazo de 5 dias, informe a qualificação
completa e dos requeridos Romario e Gilmara do Espirito Santo Barbosa.
ÇÃ

Nº do processo: 0048724-23.2013.8.03.0001
Parte Autora: T. R. P. DA C. S.
Advogado(a): DANIELLE XAVIER RIBEIRO DE OLIVEIRA - 1574AP
Parte Ré: C. M. S.
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2012, art.3º, V, promovo a intimação da parte autora, por meio de seu advogado,
para se manifestar no prazo de 10 (dez) dias, acerca de contestação.
CA

Nº do processo: 0011338-61.2010.8.03.0001
Parte Autora: A. DE S. F., E. S. DA S.
Advogado(a): CARMEM VERÔNICA GATO DE MELO - 998BAP, NILZA MARIA MAGALHAES CORREA - 416AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 01/07/2014 às 09:30
LI

Nº do processo: 0043020-63.2012.8.03.0001
Parte Autora: E. N. C. L. N.
B

Advogado(a): RAIMUNDO CESAR RIBEIRO CALDAS - 886BAP


Parte Ré: S. B. DE S. L.
Advogado(a): JOSE ENOILTON CARNEIRO LEITE - 1255AP
Representante Legal: I. O. DE S.
PU

Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 02/07/2014 às 10:00

Nº do processo: 0013118-94.2014.8.03.0001
Parte Autora: D. S. DE C.
Advogado(a): JOAO FABIO MACEDO DE MESCOUTO - 1190AP
Parte Ré: L. E. B. DE C.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 03/07/2014 às 08:30

Nº do processo: 0034592-68.2007.8.03.0001
Parte Autora: J. DE S. S.
Advogado(a): ARACI LOURDES DE MORAES FAVACHO INSABATO - 717AAP
Parte Ré: J. A. F. DA S.
Representante Legal: C. DE S. S.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 07/07/2014 às 09:30

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 121


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0046328-73.2013.8.03.0001
Parte Autora: J. M. DO N. B.
Advogado(a): SMITHSON EMANUEL FERNANDES MEDEIROS - 2773RN
Parte Ré: N. DO E. S. G. G.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 15/09/2014 às 08:30

1ª VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DE MACAPÁ

L
Nº do processo: 0014611-09.2014.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

IA
Parte Ré: IAN SOARES FERNANDES, IGOR SOARES FERNANDES
Advogado(a): ASTOR NUNES BARROS - 248044SP
Despacho:

IC
Defiro a carga por 24h, sem prejuízo do prazo para resposta à acusação, que correrá em cartório, considerando a pluralidade de partes
no pólo passivo.
Intime-se.

OF
EXECUÇÃO PENAL

Nº do processo: 0009079-93.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: DANIEL DA SILVA COELHO
Advogado(a): CARLA MARINHO PIMENTA LIMA - 1894AP
Sentença: POSTO ISSO, nos termos do art. 66, III, "b", c/c art. 112 da Lei nº 7.210/84, concedo-lhe a progressão do regime,
O
transferindo-o para o regime SEMIABERTO, desde que não haja qualquer nova inaptidão. Ressalte-se que o reeducando é reincidente
e só atingirá o lapso temporal para a obtenção da saída temporária a partir de 30/7/2014, momento em que poderá fazer jus a tal
benefício.
ÇÃ

Encaminhe-se a liquidação das penas incontinenti ao IAPEN-AP, com cópia desta decisão para execução da pena imposta em local
adequado, na forma da lei, remetendo ainda atestado de penas a cumprir ao reeducando.

Considerando que a sindicância apensada aos autos já fopra objeto de avaliação por este Juízo, determino o seu desapensamento e
envio ao Conselho Disciplinar, com cópia desta.
CA

Quanto a autuação, proceda a Secretaria de acordo com a Ordem de Serviço 001/2011.

Intimem-se.

Nº do processo: 0007840-54.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
LI

Parte Ré: RENAN CONCEICAO BORGES


Advogado(a): EDIR BENEDITO NOBRE CARDOSO JUNIOR - 1273AP
Responsável: JOÃO ROSENILDO DA COSTA DIAS
Terceiro Interessado: COORDENADOR (A) DO TRATAMENTO PENAL, DIRETOR DO IAPEN, POLITEC - POLÍCIA TÉCNICO
B

CIENTÍFICA
Decisão: Trata-se de pedido de extensão de horário de recolhimento ao seu domicílio, formulado à fls. 283/284, devidamente instruído
com declaração da EE. PROFESSA RAIMUNDA VIRGOLINO, que informa estar o reeducando está regularmente matriculado na
PU

instituição, cursando a 1ª Etapa do Ensino Médio - EJA, no 3º TURNO.

Manifestação ministerial a ordem 405, opinando pelo deferimento do pleito.

Constato que não que a declaração não informa os horários de entrada e saída das aulas.

POSTO ISSO, intime-se a defesa a fim de que instrua o pedido com a declaração da instituição de ensino que informe os horários de
entrada e saída, a fim de se delimitar o horário de recolhimento do reeducando em seu domícilio.
Com a instrução do pedido, autos conclusos.
Publique-se. Intime-se.

Nº do processo: 0046241-54.2012.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: PAULO SERGIO DE ARAUJO MONTEIRO
Advogado(a): JOSE CALANDRINI SIDONIO JUNIOR - 1705AP
Sentença: I - RELATÓRIO.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 122


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Trata-se de análise individual de indulto a PAULO SÉRGIO DE ARAÚJO MONTEIRO, fundamentado nos termos do Decreto
Presidencial nº 8.172 de 24 de dezembro de 2013.
O Conselho Penitenciário, após às razões de fls. 51/52, decidiu recomendar o deferimento do pedido, em face de ter o reeducando
preenchido os requisitos legais para obtenção do benefício do indulto natalino.
O reeducando cumpre pena no regime aberto desde 28/10/2013, nos termos da sentença de progressão.
O d. órgão do Ministério Público pugnou pela concessão do indulto ao reeducando (ordem 104).
Não há registros de que responde a outros processos neste Estado, bem como a faltas disciplinares na Administração Penitenciária.

L
II - FUNDAMENTAÇÃO.

IA
O indulto é o perdão da pena imposta ao sentenciado que se enquadre nas normas pré-estabelecidas em um dos Decretos Natalinos
anualmente expedidos pelo Poder Executivo Federal.
No caso em apreço, o reeducando preencheu os requisitos objetivos previstos no art. 1º, XV, do Decreto Presidencial nº 8.172 de 24
de dezembro de 2013, o qual vale a pena ser destacado:

IC
"É concedido INDULTO às pessoas: XV - condenadas a pena privativa de liberdade, que estejam em livramento condicional ou
cumprindo pena em regime aberto, cujas penas remanescentes, em 25 de dezembro de 2013, não sejam superiores a oito anos, se não
reincidentes, e a seis anos, se reincidentes, desde que tenham cumprido um quarto da pena, se não reincidentes, ou um terço, se
reincidentes;"

OF
Em relação ao requisito subjetivo previsto, constato que o apenado preencheu a condição, pois, não se evidencia nos autos, no período
compreendido entre 26/12/2012 a 26/12/2013, a notícia de cometimento de falta disciplinar de natureza grave que pudesse impedir a
concessão do benefício.
Desta forma, a manifestação do d. Conselho Penitenciário e do parquet merecem acolhida, sobretudo sendo o reeducando primário, e
tendo cumprido mais de 1/4 de sua pena antes de 25/12/2013, preenchendo, assim, os requisitos exigidos pela Norma de Regência.

III - DISPOSITIVO.
O
POSTO ISSO, com base no art. 1º, XV, do Decreto de 8.172 de 24 de dezembro de 2013, acolhendo a recomendação do Conselho
Penitenciário, DECLARO a concessão do INDULTO NATALINO requerido, por preencher o reeducando os requisitos exigidos pela
ÇÃ

mencionada norma.
Junte-se aos autos cópia do referido Decreto.
Por conseguinte, declaro, nos termos do art. 192, extinta a pena imposta ao reeducando.
Revogo os mandados de prisão anteriormente expedidos por este Juízo nestes autos e nos autos incidentes, devendo a Secretaria
promover a baixa de tais mandados junto ao Banco Nacional de Mandados de Prisão - BNMP.
Expeça-se alvará de soltura referente a estes autos.
Após, promovidas as necessárias baixas e comunicações, arquivem-se os autos, tendo em vista a preclusão lógica diante da
CA

manifestação do parquet, e da ausência de prejuízo à defesa.

Nº do processo: 0027039-62.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: FRANCINELIO DOS SANTOS QUARESMA
LI

Advogado(a): ASTOR NUNES BARROS - 1559AAP


Rotinas processuais: Certifico que os autos estão à disposição da defesa para ciência do o Of. 430/2014, fls. 136-154, encaminhando
cópia de acórdão referente à apelação criminal, recurso especial e certidão de trânsito em julgado.
B

Nº do processo: 0039735-33.2010.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: KATIA DE ARAUJO OLIVEIRA
PU

Advogado(a): EDUARDO DOS SANTOS TAVARES - 27421DF


Decisão: O documento de fl. 52 informa o cumprimento, na comarca de Marabá/PA, do mandado de prisão expedido por este juízo em
desfavor da reeducanda KATIA DE ARAUJO OLIVEIRA.

O Ministério Público, em parecer sistemático de ordem 38, pugnou pelo recambiamento da reeducanda, como forma de cumprir o
restante de sua pena neste Estado.

POSTO ISSO, com fulcro no art. 103 da Lei 7.210/84, expeça-se MANDADO DE RECAMBIAMENTO, a fim de que se promova a
transferência da reeducanda para o IAPEN - Instituto de Administração Penitenciária do Amapá.

Intimem-se.

Nº do processo: 0007235-26.2001.8.03.0001
Parte Autora: CASA MILITAR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: CARLOS EDIVALDO ATAIDE MATOS
Advogado(a): MARINALDO ROBERTO DE BARROS - 5115PB
Sentença: III- DISPOSITIVO.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 123


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

POSTO ISSO, não há ainda que se falar em prescrição, vez que a prescrição referente a pena de 5 anos e 4 meses destes autos,
ocorrerá somente em 20/6/2016 ou seja, 12 anos após a data do trânsito em julgado da sentença penal condenatória.

Publique-se. Intime-se.

Nº do processo: 0033776-81.2010.8.03.0001

L
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: GIAN DE SOUZA DIAS

IA
Advogado(a): ASTOR NUNES BARROS - 1559AAP
Sentença:
I - RELATÓRIO.

Trata-se de análise individual de indulto a GIAN DE SOUZA DIAS, fundamentado nos termos do Decreto Presidencial nº 8.172 de 24 de

IC
dezembro de 2013.
O Conselho Penitenciário, após às razões de fls. 99/100, decidiu recomendar o deferimento do pedido, em face de ter o reeducando
preenchido os requisitos legais para obtenção do benefício do indulto natalino.
O reeducando cumpre pena no regime aberto desde 10/4/2013, nos termos da sentença de progressão, fls. 91/92.

OF
O d. órgão do Ministério Público pugnou pela concessão do indulto ao reeducando (ordem 227).
Não há registros de que responde a outros processos neste Estado, bem como a faltas disciplinares na Administração Penitenciária.

II - FUNDAMENTAÇÃO.

O indulto é o perdão da pena imposta ao sentenciado que se enquadre nas normas pré-estabelecidas em um dos Decretos Natalinos
anualmente expedidos pelo Poder Executivo Federal.
No caso em apreço, o reeducando preencheu os requisitos objetivos previstos no art. 1º, XV, do Decreto Presidencial nº 8.172 de 24
O
de dezembro de 2013, o qual vale a pena ser destacado:

"É concedido INDULTO às pessoas: XV - condenadas a pena privativa de liberdade, que estejam em livramento condicional ou
ÇÃ

cumprindo pena em regime aberto, cujas penas remanescentes, em 25 de dezembro de 2013, não sejam superiores a oito anos, se não
reincidentes, e a seis anos, se reincidentes, desde que tenham cumprido um quarto da pena, se não reincidentes, ou um terço, se
reincidentes;"

Em relação ao requisito subjetivo previsto, constato que o apenado preencheu a condição, pois, não se evidencia nos autos, no período
compreendido entre 26/12/2012 a 24/12/2013, a notícia de cometimento de falta disciplinar de natureza grave que pudesse impedir a
concessão do benefício.
CA

Desta forma, a manifestação do d. Conselho Penitenciário e do parquet merecem acolhida, sobretudo sendo o reeducando primário, e
tendo cumprido mais de 1/4 de sua pena antes de 24/12/2013, preenchendo, assim, os requisitos exigidos pela Norma de Regência.

III - DISPOSITIVO.

POSTO ISSO, com base no art. 1º, XV, do Decreto de 8.172 de 24 de dezembro de 2013, acolhendo a recomendação do Conselho
LI

Penitenciário, DECLARO a concessão do INDULTO NATALINO requerido, por preencher o reeducando os requisitos exigidos pela
mencionada norma.
Junte-se aos autos cópia do referido Decreto.
Por conseguinte, nos termos do art. 192, DECLARO EXTINTA A PUNIBILIDADE imposta ao reeducando.
B

Revogo os mandados de prisão anteriormente expedidos por este Juízo nestes autos, devendo a Secretaria promover a baixa de tais
mandados junto ao Banco Nacional de Mandados de Prisão - BNMP.
Expeça-se alvará de soltura referente a estes autos.
Após, promovidas as necessárias baixas e comunicações, arquivem-se os autos, tendo em vista a preclusão lógica diante da
PU

manifestação do parquet, e da ausência de prejuízo à defesa.

Nº do processo: 0007306-42.2012.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: PHILIPE BARBOSA LOPES
Advogado(a): CARLA MARINHO PIMENTA LIMA - 1894AP
Sentença: I - RELATÓRIO.

Trata-se de análise individual de indulto a PHILIPE BARBOSA LOPES, fundamentado nos termos do Decreto Presidencial nº 8.172 de
24 de dezembro de 2013.
O Conselho Penitenciário, após às razões de fls. 21/23, decidiu recomendar o deferimento do pedido, em face de ter o reeducando
preenchido os requisitos legais para obtenção do benefício do indulto natalino.
O reeducando cumpre pena no regime aberto desde 06/3/2013, nos termos da sentença de progressão, fls. 16/17.
O d. órgão do Ministério Público pugnou pela concessão do indulto ao reeducando (ordem 120).
Não há registros de que responde a outros processos neste Estado, bem como a faltas disciplinares na Administração Penitenciária.

II - FUNDAMENTAÇÃO.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 124


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

O indulto é o perdão da pena imposta ao sentenciado que se enquadre nas normas pré-estabelecidas em um dos Decretos Natalinos
anualmente expedidos pelo Poder Executivo Federal.
No caso em apreço, o reeducando preencheu os requisitos objetivos previstos no art. 1º, XV, do Decreto Presidencial nº 8.172 de 24
de dezembro de 2013, o qual vale a pena ser destacado:

"É concedido INDULTO às pessoas: XV - condenadas a pena privativa de liberdade, que estejam em livramento condicional ou
cumprindo pena em regime aberto, cujas penas remanescentes, em 25 de dezembro de 2013, não sejam superiores a oito anos, se não

L
reincidentes, e a seis anos, se reincidentes, desde que tenham cumprido um quarto da pena, se não reincidentes, ou um terço, se
reincidentes;"

IA
Em relação ao requisito subjetivo previsto, constato que o apenado preencheu a condição, pois, não se evidencia nos autos, no período
compreendido entre 26/12/2012 a 24/12/2013, a notícia de cometimento de falta disciplinar de natureza grave que pudesse impedir a
concessão do benefício.
Desta forma, a manifestação do d. Conselho Penitenciário e do parquet merecem acolhida, sobretudo sendo o reeducando primário, e

IC
tendo cumprido mais de 1/4 de sua pena antes de 24/12/2013, preenchendo, assim, os requisitos exigidos pela Norma de Regência.

III - DISPOSITIVO.

OF
POSTO ISSO, com base no art. 1º, XV, do Decreto de 8.172 de 24 de dezembro de 2013, acolhendo a recomendação do Conselho
Penitenciário, DECLARO a concessão do INDULTO NATALINO requerido, por preencher o reeducando os requisitos exigidos pela
mencionada norma.
Junte-se aos autos cópia do referido Decreto.
Por conseguinte, nos termos do art. 192, DECLARO EXTINTA A PUNIBILIDADE imposta ao reeducando.
Revogo os mandados de prisão anteriormente expedidos por este Juízo nestes autos, devendo a Secretaria promover a baixa de tais
mandados junto ao Banco Nacional de Mandados de Prisão - BNMP.
Expeça-se alvará de soltura referente a estes autos.
O
Após, promovidas as necessárias baixas e comunicações, arquivem-se os autos, tendo em vista a preclusão lógica diante da
manifestação do parquet, e da ausência de prejuízo à defesa.
ÇÃ

Nº do processo: 0045226-84.2011.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: JOSINALDO BRITO AMANAJAS
Advogado(a): CARLA MARINHO PIMENTA LIMA - 1894AP
Sentença: I - RELATÓRIO.
CA

Trata-se de análise individual de indulto a JOSINALDO BRITO AMANAJÁS, fundamentado nos termos do Decreto Presidencial nº 8.172
de 24 de dezembro de 2013.
O Conselho Penitenciário, após às razões de fls. 44/46 decidiu recomendar o deferimento do pedido no que se refere ao crime não
impeditivo, em face de ter o reeducando preenchido os requisitos legais para obtenção do benefício do indulto natalino.
O reeducando cumpre pena no regime aberto desde 27/05/2013, nos termos da sentença de progressão, fls. 38/41.
O d. órgão do Ministério Público pugnou pela concessão do indulto ao reeducando (ordem 405).
LI

Não há registros de que responde a outros processos neste Estado, bem como a faltas disciplinares na Administração Penitenciária.

II - FUNDAMENTAÇÃO.
B

O indulto é o perdão da pena imposta ao sentenciado que se enquadre nas normas pré-estabelecidas em um dos Decretos Natalinos
anualmente expedidos pelo Poder Executivo Federal.
No caso em apreço, o reeducando preencheu os requisitos objetivos previstos no art. 1º, I; e do art. 8º, parágrafo único, ambos do
Decreto Presidencial nº 8.172 de 24 de dezembro de 2013, o qual vale a pena ser destacado:
PU

"É concedido INDULTO às pessoas: I - condenadas a pena privativa de liberdade não superior a oito anos, não substituída por
restritivas de direitos ou multa, e não beneficiadas com a suspensão condicional da pena que, até 25 de dezembro de 2013, tenham
cumprido um terço da pena, se não reincidentes, ou metade, se reincidentes;"
Art. 8º ...
Parágrafo único. Na hipótese de haver concurso com crime descrito no art. 9º, não será declarado o indulto ou a comutação da pena
correspondente ao crime não impeditivo, enquanto a pessoa condenada não cumprir dois terços da pena, correspondente ao crime
impeditivo dos benefícios.

Em relação ao requisito subjetivo previsto, constato que o apenado preencheu a condição, pois, não se evidencia nos autos, no período
compreendido entre 26/12/2012 a 26/12/2013, a notícia de cometimento de falta disciplinar de natureza grave que pudesse impedir a
concessão do benefício.
Desta forma, constato que a manifestação do d. Conselho Penitenciário não merece reparo, eis que de integral juridicidade, sobretudo
sendo o reeducando primário, tendo cumprido 2 anos, 9 meses e 27 dias de pena e mais de 1/3 de sua pena antes de 24/12/2013,
preenchendo, assim, os requisitos exigidos pela Norma de Regência.
De igual modo, o reeducando também preencheu o lapso temporal de 2/3 (dois terços) de cumprimento de pena dos crimes impeditivos
até o dia 24/12/2013, conforme preceitua o art. 8º, parágrafo único, do referido Decreto.

III - DISPOSITIVO.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 125


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

POSTO ISSO, com base no art. 1º, I, c/c art. 8º, parágrafo único, do Decreto de 8.172 de 24 de dezembro de 2013, acolhendo a
recomendação do Conselho Penitenciário, DECLARO a concessão do INDULTO NATALINO requerido, por preencher o reeducando os
requisitos exigidos pela mencionada norma.
Junte-se aos autos cópia do referido Decreto.
Por conseguinte, declaro, nos termos do art. 192 da Lei de Execuções Penais, extinta a pena corporal e acessórias impostas ao
reeducando no que concerne unicamente a condenação do crime não impeditivo (1 ano de reclusão pelo crime previsto no art. 12 da
Lei 10.826/2003.)

L
Diante do cumprimento integral da pena de 3 (três) anos imposta pelo delito do art. 33 da Lei 11.343/2006, conforme preceitua o art. 66,
II, e 109 da Lei nº° 7.210/84, DECLARO, por esta, EXTINTA A PUNIBILIDADE da pena corporal imposta pelo Estado do Amapá, nos

IA
termos da r. sentença exequenda.
Expeça-se alvará de soltura.
Intimem-se.
Após, promovidas as necessárias baixas e comunicações, arquivem-se os autos

IC
Nº do processo: 0042256-77.2012.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: WANDERLÉIA TOSCANO DOS SANTOS

OF
Defensor(a): SILVIA TORRES FEITOSA - 69546193291
Sentença: I - RELATÓRIO.

Trata-se de análise individual de indulto a WANDERLÉIA TOSCANO DOS SANTOS, fundamentado nos termos do Decreto Presidencial
nº 8.172 de 24 de dezembro de 2013.
O Conselho Penitenciário, após às razões de fls. 33/34, decidiu recomendar o deferimento do pedido, em face de ter o reeducando
preenchido os requisitos legais para obtenção do benefício do indulto natalino.
A reeducanda cumpre pena no regime aberto desde 06/12/2012, nos termos da sentença de progressão, fls. 16/17.
O
O d. órgão do Ministério Público pugnou pela concessão do indulto à reeducanda (ordem 116).
Não há registros de que responde a outros processos neste Estado, bem como a faltas disciplinares na Administração Penitenciária.
ÇÃ

II - FUNDAMENTAÇÃO.

O indulto é o perdão da pena imposta ao sentenciado que se enquadre nas normas pré-estabelecidas em um dos Decretos Natalinos
anualmente expedidos pelo Poder Executivo Federal.
No caso em apreço, a reeducanda preencheu os requisitos objetivos previstos no art. 1º, XV, do Decreto Presidencial nº 8.172 de 24
de dezembro de 2013, o qual vale a pena ser destacado:
CA

"É concedido INDULTO às pessoas: XV - condenadas a pena privativa de liberdade, que estejam em livramento condicional ou
cumprindo pena em regime aberto, cujas penas remanescentes, em 25 de dezembro de 2013, não sejam superiores a oito anos, se não
reincidentes, e a seis anos, se reincidentes, desde que tenham cumprido um quarto da pena, se não reincidentes, ou um terço, se
reincidentes;"

Em relação ao requisito subjetivo previsto, constato que a apenada preencheu a condição, pois, não se evidencia nos autos, no período
LI

compreendido entre 26/12/2012 a 24/12/2013, a notícia de cometimento de falta disciplinar de natureza grave que pudesse impedir a
concessão do benefício.
Desta forma, a manifestação do d. Conselho Penitenciário e do parquet merecem acolhida, sobretudo sendo a reeducanda primária, e
tendo cumprido mais de 1/4 de sua pena antes de 24/12/2013, preenchendo, assim, os requisitos exigidos pela Norma de Regência.
B

III - DISPOSITIVO.

POSTO ISSO, com base no art. 1º, XV, do Decreto de 8.172 de 24 de dezembro de 2013, acolhendo a recomendação do Conselho
PU

Penitenciário, DECLARO a concessão do INDULTO NATALINO requerido, por preencher a reeducanda os requisitos exigidos pela
mencionada norma.
Junte-se aos autos cópia do referido Decreto.
Por conseguinte, nos termos do art. 192, DECLARO EXTINTA A PUNIBILIDADE imposta ao reeducando.
Revogo os mandados de prisão anteriormente expedidos por este Juízo nestes autos, devendo a Secretaria promover a baixa de tais
mandados junto ao Banco Nacional de Mandados de Prisão - BNMP.
Expeça-se alvará de soltura referente a estes autos.
Após, promovidas as necessárias baixas e comunicações, arquivem-se os autos, tendo em vista a preclusão lógica diante da
manifestação do parquet, e da ausência de prejuízo à defesa.

Nº do processo: 0054915-84.2013.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: MICHERLAN FERREIRA PANTOJA
Advogado(a): WILKER DE JESUS LIRA - 1711AP
Rotinas processuais: Certifico que os autos estão à disposição da defesa para ciência da planilha de soma e atestado de pena a
cumprir.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 126


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0004784-08.2013.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: RENATO CORREA SENA
Advogado(a): EDEN PAULO SOUZA DE ALMEIDA - 602AP
Decisão: Considerando que há nos autos a notícia de descumprimento das condições do regime aberto pelo reeducando, designo
audiência de justificação para o dia 3/6/2014, às 11h40.
Publique-se. Intime-se.

L
IA
Nº do processo: 0008728-81.2014.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: BENEDITO TAVARES DO NASCIMENTO
Defensor(a): CARLOS EDUARDO SANTOS MIDÕES - 1810AAP
Decisão: Trata-se de carta de sentença para execução de condenação imposta ao reeducando BENEDITO TAVARES DO

IC
NASCIMENTO, por infração ao art. 33 da Lei 11.343/2006, da pena de 8 anos de reclusão a serem cumpridas em regime
SEMIABERTO, nos termos da carta de sentença de fls. 2 e verso.

Compulsando os presentes autos, verifico que a sentença penal condenatória concedeu ao apenado o direito de recorrer em liberdade,

OF
razão pela qual não há titulo executório para o cumprimento da pena.

Prescindi da oitiva prévia do Ministério Público por ausência de prejuízo.

POSTO ISSO, determino o cancelamento desta distribuição.

Após as anotações e comunicações necessárias, encaminhem-se estes autos à Vara de origem.


O
Publique-se. Intime-se.
ÇÃ

Nº do processo: 0008750-42.2014.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: GEREMIAS TAVARES DA SILVA
Advogado(a): MARLUCIA DE FARIAS BARRIGA - 1479AP
Rotinas processuais: Faço juntada a estes autos da planilha de liquidação e atestado de pena a cumprir, à fl. 3
CA

Nº do processo: 0007954-51.2014.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: JOSE HENRIQUE AZEVEDO PINHEIRO
Advogado(a): ANTONIO AUGUSTO COSTA SOARES - 1612AP
Rotinas processuais: Faço juntada a estes autos da planilha de liquidação e atestado de pena a cumprir, à fl. 3
LI

Nº do processo: 0004647-89.2014.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: ALCIVAM SILVA DOS SANTOS
B

Defensor(a): IRNA TAVARES LIMA - 2062AP


Rotinas processuais: Faço juntada a estes autos da planilha de liquidação e atestado de pena a cumprir, à fl. 9
PU

Nº do processo: 0005380-89.2013.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: RONIERE COELHO ANDRADE
Advogado(a): LEILIANE DE CASSIA NAVARRO CARDOSO ARAUJO - 2312AP
Decisão: Trata-se de pedido de autorização de saída temporária [fls. 16/17].

Manifestação do Órgão do Ministério Público pugnando pela saída temporária [ordem 85].

Analisando os autos, constato que o apenado preenche os requisitos legais para a concessão do benefício, eis que já cumpriu o lapso
temporal exigido pela lei, apresentou adequado comportamento, conforme certidão de comportamento e informações prisionais [ordem
78], e forneceu endereço em que poderá ser encontrado durante o gozo do benefício [fls. 19/20].

POSTO ISSO, nos termos do art. 66, VI, primeira parte e art. 122, I e 123, I, II, III, da Lei de Execução Penal, defiro-lhe o benefício da
saída temporária por 4 [QUATRO] dias para visita a seus familiares. Expeça-se autorização.

Publique-se. Intimem-se.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 127


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0059093-76.2013.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: BENEVALDO CHARLES AMANAJAS BORGES
Advogado(a): CHARLLES SALES BORDALO - 438AP
Rotinas processuais: Certifico que em cumprimento às determinações contidas na Ordem de Serviço Nº 005/2012-VEP, faço VISTA dos
autos ao Advogado constituído pelo reeducando, que cumpre pena nestes autos, para ciência e manifestação sobre o teor da planilha
de liquidação de penas, juntada eletronicamente em modo integralmente digital, conforme arquivo eletrônico inviolável anexo no
formato pdf, do dia 10.3.2014, bem como requerer o que entender de direito, no prazo legal, contado a partir da intimação.

L
IA
Nº do processo: 0032286-29.2007.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: FRANCISCO DE ASSIS FARIAS DO NASCIMENTO
Advogado(a): JOSE CALANDRINI SIDONIO JUNIOR - 1705AP
Rotinas processuais: Certifico que os autos estão à disposição da Defesa, para manifestar-se sobre o Parecer do Ministério Público,

IC
juntado eletronicamente na ordem 291.

Nº do processo: 0019381-16.2012.8.03.0001

OF
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): ALCIMAR FERREIRA MOREIRA - 795AP
Parte Ré: BENEDITO SACRAMENTO
Rotinas processuais: Certifico que os autos aguardam a presença do Advogado para manifestar-se da planilha de soma e unificação de
penas de fls. 13.

Nº do processo: 0001695-46.1991.8.03.0001
O
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: DELOURDES OLIVEIRA BARBOSA, RAIMUNDO DA SILVA NASCIMENTO
Advogado(a): JOAO FERREIRA DOS SANTOS - 187AP, MARCOS VINICIUS GOUVEA QUINTAS - 190AP
ÇÃ

Sentença: III - DISPOSITIVO.

POSTO ISSO, nos termos do art. 109, I, vigente à época dos fatos, do Código Penal Brasileiro, DECLARO, por sentença, a extinção da
punibilidade da penas corporal e acessórias impostas pelo Estado, eis que decorrido o lapso temporal para a execução determinada
sem que este promovesse a captura da reeducanda, quedando-se inerte em lhe fazer cumprir as penas impostas.

Revogo os mandados de prisão anteriormente expedidos por este Juízo nestes autos, devendo a Secretaria promover a baixa de tais
CA

mandados junto ao Banco Nacional de Mandados de Prisão.

Após, promovidas as necessárias baixas e comunicações, arquivem-se os autos, tendo em vista a preclusão lógica diante da
manifestação do Parquet, e da ausência de prejuízo à defesa.
LI

Nº do processo: 0013905-26.2014.8.03.0001
Agravante: ROSANI RODRIGUES DE VILHENA
Agravado: VARA DE EXECUÇOES PENAIS DE MACAPÁ
Decisão: Trata-se de agravo de execução nos autos de execução penal referenciado, da reeducanda ROSANI RODRIGUES VILHENA,
B

condenada por crime descrito no art. 155, § 4º, I e IV, e outros, do Código Penal, cujas penas somadas alcançaram o montante de 2
anos e 9 meses de reclusão no regime fechado.
O agravo de execução fora interposto contra a sentença de fls. 79-80, que determinou a regressão de regime da reeducanda pelo
descumprimento das condições do regime aberto e alternativamente requereu a concessão da progressão de regime e o benefício de
PU

saída temporária à reeducanda.


Ocorre que em 28/03/2014, após preencher o mesmo os requisitos legais, foram concedidos os benefícios da progressão de regime,
bem como deferida a saída temporária, sendo que a audiência admonitória para progressão ao regime aberto está atermada para o dia
02/04/2014.
Assim, restou prejudicado o objeto do agravo.
O órgão do Ministério Público opinou pelo conhecimento e improvimento do agravo (ordem 10).
ISSO POSTO, indefiro o prosseguimento do agravo, por perda de objeto.
Decorrido o prazo recursal, desapensem-se os autos da guia de recolhimento, arquivando-os.
Publique-se. Intimem-se.

1ª VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL CENTRAL

Nº do processo: 0037064-32.2013.8.03.0001
Parte Autora: ENILSON COSTA FAVACHO, MARIA DO SOCORRO MENEZES DE FREITAS FAVACHO
Parte Ré: BANCO DO BRASIL SA AGÊNCIA 5929-3
Advogado(a): GUSTAVO AMATO PISSINI - 1768AAP
Sentença: Diante do exposto, e por tudo o mais que consta dos autos, JULGO PROCEDENTE o pedido inicial para:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 128


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

a) DETERMINAR o desbloqueio do cartão de crédito e débito nº 4984 XXXX XXXX 0123 e 4984 XXXX XXXX 9551 pertencente aos
autores;
b) CONDENAR o BANCO DO BRASIL a pagar aos Requerentes, a título de danos morais, a importância de R$ 4.000,00 (quatro mil
reais) corrigida monetariamente desde o arbitramento e acrescida de juros legais de 1% (um por cento) ao mês desde a citação;
Deixo de condenar as partes nas custas e nos honorários advocatícios, na forma prevista pelo art. 55, caput, da Lei n° 9.099/95.
Após o trânsito em julgado, a parte reclamada disporá de quinze (15) dias para o adimplemento voluntário da obrigação, sob pena de
incidir a multa de 10% do art. 475-J do CPC.
Registro eletrônico. Publique-se. Intimem-se.

L
IA
Nº do processo: 0006910-94.2014.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DE NAZARE NASCIMENTO BRAZ
Advogado(a): JORGE JOSÉ ANAICE DA SILVA - 540AP
Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A
Advogado(a): GUSTAVO AMATO PISSINI - 1768AAP

IC
Sentença: Vistos, etc.

Relatório dispensado, na forma do art. 38 da Lei nº9.099/95.


Trata-se de Reclamação Cível proposta por MARIA DE NAZARÉ NASCIMENTO BRÁZ em face de BANCO DO BRASIL, na qual

OF
pleiteia o fornecimento do contrato de empréstimo financeiro firmado com o banco requerido.
Em contestação, o banco requerido arguiu preliminarmente da inadequação do rito, por necessidade de ser ajuizada ação de exibição
de documento. E, no mérito, requereu a improcedência dos pedidos iniciais.
Em relação à preliminar de inadequação do rito, também entendo por indeferi-la. É que não se trata, nestes autos, de mera condenação
da parte ré em exibir documento de que tem posse, mas de prestar informações contratuais a que o consumidor tem direito ao acesso,
razão porque não acolho a preliminar suscitada.
Ultrapassadas a questão preliminar e presentes os pressupostos processuais e condições da ação, passo à análise do mérito.
O extrato bancário juntado à ordem 00 demonstra que a autora efetivou contrato de empréstimo financeiro com o banco réu, para
O
pagamento em 72 (setenta e duas) parcelas de R$ 1445,53. Todavia, apesar de solicitar o contrato firmado, o banco requerido
permaneceu inerte.
Adianto que razão assiste à requerente.
ÇÃ

Isso porque é direito do consumidor o acesso a informações relativas à situação contratual, bem como a indicação de parcelas
adimplidas, de parcelas pendentes de pagamento, saldo devedor atualizado e indicação dos descontos concedidos para liquidação
antecipada do contrato.
No caso dos autos, a requerente pretende, essencialmente, o acesso a tais informações, direito esse previsto no art. 6º, III, do Código
de Defesa do Consumidor. E a tal obrigação não pode se recusar a instituição financeira que concedeu o crédito.
Destaco, por oportuno, que o consumidor não pode ser tolhido de seu direito de informações a documentos por ela elaborados, desta
forma, por tal razão rejeito a preliminar de ausência de interesse processual
CA

Assim, deve a instituição requerida fornecer à consumidora requerente o contrato de empréstimo financeiro firmado para viabilizar à
consumidora as informações pertinentes a seus futuros requerimentos.
Ante o exposto, REJEITO as preliminares arguidas e, no mérito, JULGO PROCEDENTE o pedido inicial para condenar o requerido
BANCO DO BRASIL a apresentar à requerente o contrato de empréstimo financeiro por ela firmado, cuja parcela mensal é na ordem de
R$ 1.445,53, no prazo de quinze dias, pena de aplicação de multa e conversão em perdas e danos.
Sem custas, nem honorários.
LI

Publique-se. Registro eletrônico. Intimem-se.

Nº do processo: 0056786-52.2013.8.03.0001
B

Parte Autora: CARMEM LUCIA SILVA PEREIRA


Defensor(a): MARIA NAYARA FARIAS NASCIMENTO - 1772AP
Parte Ré: GOL LINHAS ÁEREAS INTELIGENTES
Advogado(a): MÁRCIO VINICIUS COSTA PEREIRA - 84367RJ
PU

Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2012 da 1ª Vara do Juizado Especial Cível Central da Comarca de Macapá, em seu
item 22, procederei a intimação da parte requerida para o pagamento do valor da condenação em 15 dias, sob pena de multa prevista
no art. 475-J do CPC.

Nº do processo: 0003264-76.2014.8.03.0001
Parte Autora: DAIANE NASCIMENTO MELO
Advogado(a): RAFAELLA LEAO DE MOURA - 2485AP
Parte Ré: TAM LINHAS AÉREAS S/A
Advogado(a): JULIANE FIGUEIREDO PEREIRA - 1320AP
Rotinas processuais: Certifico que, nos termos do art. 22 da Portaria 001/2012-1ª VJCC, INTIMO a parte ré para, no prazo de 15
(quinze) dias, cumprir voluntariamente a obrigação imposta na sentença, sob pena de inclusão da multa a que se refere o art. 475-J do
CPC.

Nº do processo: 0019169-24.2014.8.03.0001
Parte Autora: ERICLAUDIO ALENCAR ROCHA
Advogado(a): LUCIVALDO DA SILVA COSTA - 735AP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 129


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: BETRAL VEICULOS LTDA


Despacho: Vistos, etc.

Analisando a petição inicial observo que o requerente formulou os seguintes pedidos principais: a) substituição do veículo; b)
compensação por dano moral no valor de R$ 3.620,00.
Considerando que o veículo que o autor pretende ver substituído tem o valor de R$ 29.400,00 (vinte e nove mil e quatrocentos reais),
conforme nota fiscal anexada, tenho que o valor atribuído à causa não corresponde à efetiva pretensão econômica do autor, pois
computou tão somente o pedido de indenização por dano moral, sem considerar o bem da vida que se pretende substituir. Ademais, a

L
pretensão do autor supera o teto de alçada dos Juizados Especiais.
Diante de tais circunstâncias, oportunizo o autor a emendar a inicial, sanando as irregularidades quanto ao valor da causa e à alçada do

IA
Juizado Especial, no prazo de dez dias, sob pena de indeferimento.

Nº do processo: 0008337-29.2014.8.03.0001
Parte Autora: JOSÉ NILDO SANCHE GOES

IC
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: ITAÚ UNIBANCO BANCO MÚLTIPLO S/A
Despacho: Vistos, etc.

OF
Melhor compulsando os autos, observo que foi invertido o ônus da prova para que o requerido juntasse planilha de cálculos que
especifique os encargos moratórios cobrados em razão do atraso no pagamento das parcelas.
Entretanto, a causa de pedir desta demanda é tão somente a cobrança de tarifas bancárias previstas em contrato, em nada se referindo
aos aludidos encargos.
Diante disso, CHAMO O FEITO À ORDEM para revogar a decisão de ordem eletrônica nº 14 e indefiro o pedido de ordem nº 16.
Intimem-se, para ciência e manifestação, no prazo de cinco dias.
Após, venham os autos conclusos para sentença.
O
Nº do processo: 0022752-51.2013.8.03.0001
Parte Autora: JACINTO OLIVEIRA DA SILVA
ÇÃ

Advogado(a): PAULO ROBERTO MIRA MARTEL - 2259AP


Parte Ré: CESPAP - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E PROFISSIONAL DO AMAPÁ - LTDA
Advogado(a): NILSON MONTORIL - 530AP
Sentença: Dispensado o relatório na forma do art. 38 da Lei 9.099/95.
A preliminar de ilegitimidade passiva não merece acolhimento deste juízo em vista da comprovação da relação comercial entre as
partes demonstrada através das folhas de cheques juntados aos autos que informam que os mesmos foram repassados pelo autor à
empresa ré. Da mesma forma, a preliminar de carência de ação confunde-se com o mérito e será analisado a diante. Em relação à
CA

prejudicial de mérito, prescrição, não há como ser acolhida, posto que o prazo de pleitear a reparação civil prevista no art 206, §3º,
inciso I, do Código Civil perdura enquanto encontrar seu nome negativado junto aos órgãos cadastrais. Tem-se que a negativação
somente fora excluída com a decisão de tutela antecipada de ordem 04 em maio de 2013, razão porque, a meu ver, não há como
acolher o pleito da parte ré.
Presentes os demais pressupostos processuais, passo a analisar o mérito.
Trata-se de reclamação cível na qual afirma o autor ter efetuado o pagamento de uma dívida com a empresa ré decorrente da emissão
LI

de sois cheques sem provisões de fundos, não hou a retirada de seu nome dos órgãos cadastrais. Requereu ao final a exclusão de seu
nome e danos morais.
Em sede de contestação, a empresa ré declarou que a exclusão foi determinada por outro credor, Banco Santander, razão pela qual
não merecem proceder os pedidos iniciais.
B

Em que pese tais informações, entendo que razão assiste ao autor.


No caso dos autos, tem-se que o requerente possuía um débito com a empresa requerida decorrente de duas emissões de folhas de
cheques e que, embora o autor tenha efetuado o pagamento dos valores, conforme se verifica no documento juntado com à exordial à
ordem 00, a empresa ré não solicitou a devolução dos mesmos, e nem procedeu à exclusão de seu nome dos órgãos cadastrais.
PU

Os pagamentos encontram-se comprovados nos autos, não sendo contestado pela requerida.
É fato a inclusão do nome do Requerente foi efetivada pela instituição financeira Banco Santander S/A conforme se verifica nos ofícios
juntados aos autos.
Todavia, é fato que se trata de dívida decorrente de uma relação comercial entre o Requerente e a empresa requerida, que deveria,
diante do pagamento efetivado e comprovado nos autos, requerer junto ao banco Santander S/A a exclusão do nome do Requerente
naqueles órgãos cadastrais. Na verdade, a empresa requerida, apesar de receber o pagamento da dívida, quedou-se inerte, deixando o
autor à própria sorte, deixando de agir com a boa-fé contratual que se espera nas relações comerciais, razão porque rejeito a preliminar
de carência de ação.
Assim, a partir do pagamento da dívida, em 06/08/2009, a manutenção do nome do Requerente nos órgãos de proteção ao crédito
mostra-se indevida.
Comprovada a responsabilidade, deve a instituição ré responder aos danos causados ao Requerente.
É sabido que da inclusão indevida de nome no cadastro de inadimplência é presumido o dano à moral da pessoa, independentemente
de prova do prejuízo, conforme entende a jurisprudência pátria, inclusive da Turma Recursal deste Estado, conforme julgado a seguir:
"CIVIL. DIREITO DO CONSUMIDOR. MANUTENÇÃO DE RESTRIÇÃO CREDITÍCIA. omissis. RESPONSABILIDADE OBJETIVA.
DANO MORAL PRESUMIDO. FIXAÇÃO DO QUANTUM COM CRITÉRIO. RECURSO IMPROVIDO. 1) omissis 2) A manutenção de
restrição creditícia após quitado o título, por si só, legitima indenização a título de dano moral, não sendo necessário que o prejudicado
tenha que comprovar prejuízo, eis que este emerge da simples restrição creditícia, conforme vem proclamando a jurisprudência pátria.
3) Indenização, cujo valor tenha sido moderadamente arbitrado (R$ 1.500,00), não reclama revisão. 4) Recurso improvido. Sentença

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 130


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos. Turma Recursal do Estado do Amapá. RECURSO INOMINADO Tipo: CÍVEL.
Relator: MARCONI MARINHO PIMENTA Acórdão: Recurso conhecido e improvido. Processo nº 0033640-50.2011.8.03.0001. Julgado
em 21.08.2012.".
No entanto, verifica-se que o Requerente possui outras negativações, de outros credores, anteriores e concomitantes a inclusão em
exame, tais como Banco Itaucard que perdurou até 13/09/2011 e Atlântico perdurando até 06/08/2012. Assim, há de ser considerado a
manutenção após essa data, perdurando até 06/2013 quando foi determinada a sua exclusão.
Sabe-se que na indenização por dano moral, cabe ao Juízo a fixação do valor, todavia deve se pautar com moderação, levando-se em
consideração não apenas a situação econômica das partes, mas a intensidade do dano sofrido, bem como sua repercussão na vida

L
pessoal e profissional. E, nesse ponto, não se encontra totalmente demonstrado que o dano causou grande repercussão em sua vida
pessoal e profissional que pudesse causar demasiada dor e sofrimento. A fixação ainda deve se pautar em valor razoável para se evitar

IA
o enriquecimento ilícito. Assim, atento às peculiaridades do caso, entendo como razoável a fixação do dano moral no valor de R$
1.500,00, uma vez que até 2012 existiam outras restrições em nome do Requerente.
No que se refere à cobrança indevida de valores pela empresa ré, não logrou êxito em demonstrar o autor que a cobranças dos juros
fora indevida. Não havendo como ser acolhido tal pleito.
Ante o exposto, confirmo a tutela antecipada concedida e JULGO PROCEDENTE em parte o pedido inicial para declarar ilegal a

IC
cobrança da dívida em questão, determinando que a empresa requerida pague ao requerente o valor de R$ 1.500,00 (um mil e
quinhentos reais), referente aos danos morais causados por tal situação, atualizados monetariamente e acrescidos de juros de 1% ao
mês a partir da publicação desta decisão, até a data do efetivo pagamento.
Sem custas e sem honorários.

OF
Registro eletrônico. Publique-se e intimem-se.

Nº do processo: 0056182-91.2013.8.03.0001
Parte Autora: NELSON NONATO RICHENE RODRIGUES
Advogado(a): ANGELO SOTAO MONTEIRO - 480AP
Parte Ré: BANCO BRADESCO S.A.
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
O
Rotinas processuais: Nos termo da Portaria 01/2012, intimo a parte autora para impulsionar o feito, em cinco dias, sob pena de
arquivamento.
ÇÃ

Nº do processo: 0047482-29.2013.8.03.0001
Parte Autora: LUCICLEIDE DO CARMO PINTO
Advogado(a): MARCELO FERREIRA LEAL - 370AP
Parte Ré: LENIO DA SILVA MONT´ALVERNE
Rotinas processuais: Nos termo da Portaria 01/2012 do 1ª JECC, intimo a parte autora para impulsionar o feito, em cinco dias, sob pena
de extinção.
CA

Nº do processo: 0019593-66.2014.8.03.0001
Parte Autora: FRANCISCO LIMA TEIXEIRA DOS SANTOS
Advogado(a): RICARDO GONCALVES SANTOS - 421AAP
Parte Ré: BANCO BRADESCO S.A
LI

Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 15/05/2014 às 09:30

2ª VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL CENTRAL


B

Nº do processo: 0007102-27.2014.8.03.0001
Parte Autora: RAIMUNDA GRACINETE ASSUNCAO ESPINDOLA BRAGA
Advogado(a): ALINNE NAUANE ESPÍNDOLA BRAGA - 2047AP
PU

Parte Ré: CREFISA SA - CREDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO


Sentença: HOMOLOGO a desistência da ação, para os fins do art. 158, § único, do CPC. Julgo, em consequência, EXTINTO o
processo, com fundamento no art. 267, inc. VIII, do CPC. Deixo de condenar a parte reclamante nas custas processuais e honorários
advocatícios em observância ao previsto no art. 54 e 55 da Lei 9.099/95.
PUBLIQUE-SE.
INTIMEM-SE.
Arquivem-se os autos após o trânsito em julgado.

Nº do processo: 0008172-79.2014.8.03.0001
Parte Autora: MARCELO ALMEIDA CARDOSO
Advogado(a): CESAR FARIAS DA ROSA - 1462AAP
Parte Ré: BANCO CRUZEIRO DO SUL S/A
Despacho: Por derradeiro, determino nova intimação da parte autora para emendar a inicial consoante a determinação anterior, no
prazo de dez dias, sob pena de indeferimento.

Nº do processo: 0027312-36.2013.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 131


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Autora: MARIA DAS DORES MACIEL DA SILVA


Advogado(a): JOSÉ RAIMUNDO COUTINHO PEREIRA - 1407AP
Parte Ré: J. P. MATERIAIS DE CONSTRUCAO LTDA, SAINT - GOBAIN DO BRASIL PRODUTOS INDUSTRIAIS E PARA
CONSTRUÇÃO LTDA
Advogado(a): FERNANDO RUDGE LEITE NETO - 84786SP, JOÃO AMÉRICO NUNES DINIZ - 194AP
Despacho: Intime-se a ré J. P. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA para se manifestar nos autos, no prazo de cinco dias, ante a
inércia da autora quanto à obrigação de fazer.

L
Nº do processo: 0046749-63.2013.8.03.0001

IA
Parte Autora: SORAYA OLIVEIRA DE LACERDA BITENCOURT
Advogado(a): KAMILA MAIA NOGUEIRA FERNANDES - 2353AP
Parte Ré: BANCO ITAÚCARD S/A
Advogado(a): JOSÉ EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO - 1717AAP
Despacho: Intime-se a credora para que informe, no prazo de cinco dias, se houve o pagamento integral do débito, ressaltando que, se

IC
permanecer inerente, o feito será extinto com fulcro no art. 794, I, CPC.

Nº do processo: 0048688-15.2012.8.03.0001

OF
Parte Autora: TOMÉ ANTONIO DA SILVA
Advogado(a): FRANCK JOSÉ SARAIVA DE ALMEIDA - 648AP
Parte Ré: TAM AGENCIA AEROPORTO DE MACAPA
Advogado(a): FERNANDA RIVÉ MACHADO - 62828RS
Despacho: Intime-se, novamente, o credor para recebimento do Alvará e para requerer o que entender de direito, no prazo de cinco
dias, ressaltando que, se permanecer inerte, o feito será extinto com fulcro no art. 794, I, CPC.
O
Nº do processo: 0047699-09.2012.8.03.0001
Parte Autora: JOSE SENA BASTOS JUNIOR
Advogado(a): VALDECI DE FREITAS FERREIRA - 560AP
ÇÃ

Parte Ré: BANCO DO BRASIL AG. 0261-5


Advogado(a): GUSTAVO AMATO PISSINI - 261030SP
Decisão: Em regra os Recursos Inominados de sentenças proferidas em sede de Juizado Especial são recebidos apenas no efeito
devolutivo, ao contrário do que dispõe o art. 520 do CPC, podendo o juiz conceder o efeito suspensivo no caso concreto, em situações
excepcionalíssimas, caso verifique a possibilidade de dano irreparável à parte.
No caso em exame, há simples pedido de efeito suspensivo, desprovido de qualquer fundamentação e não vislumbrando nenhuma das
hipóteses de dano irreparável, recebo o recurso no efeito meramente devolutivo, nos termos do art. 43, primeira parte, da Lei 9.099/99,
CA

vez que tempestivo e regularmente preparado.


Destarte, determino:
1. Intime-se a parte autora para, querendo, ofertar contrarrazões recursais, no prazo de dez dias.
2. Decorrido o prazo com ou sem contrarrazões, remetam-se os autos à Turma Recursal dos Juizados Especiais.
LI

Nº do processo: 0017458-81.2014.8.03.0001
Parte Autora: JONAS DUARTE MORAIS
Advogado(a): AMANDA DOS SANTOS MORAIS - 1510BAP
Parte Ré: CLEIA DA SILVA GUEDES
B

Sentença: Relatório dispensado.

II -
PU

Em análise detida dos autos, verifico ser este Juízo incompetente para apreciar e julgar a presente demanda, eis que, a ação de
reintegração de posse de veículo desafia rito especial. Vejamos o pedido principal da autora formulado na exordial: (...) Seja aceita e
processada a presente Ação de Reintegração de Posse, determinando-se, inaudita altera pars, a expedição de mandado liminar do
bem arrendado, observando-se o disposto pelo Código de Processo Civil, elegendo-se o arrendante como depositário dos bens
anteriormente objeto do arrendamento e se entendido necessária audiência de justificação prévia sejam ouvidas testemunhas, que
comparecerão através de intimação. (...)
Embora o art. 3º da Lei n. 9.099/1995, que trata da competência material desse órgão jurisdicional, não tenha excluído expressamente
dela as ações submetidas a rito especial, a interpretação sistemática leva inexoravelmente a essa conclusão.
Nos incisos I do "caput" do referido artigo, está prevista a regra geral para a determinação da competência dos juizados especiais
cíveis: o valor da causa, que não pode exceder 40 salários mínimos. Nos incisos II, III e IV, estão enumerados casos específicos de
competência, como o das causas enumerados no art. 275, II, do CPC, a ação de despejo para uso próprio e a ações possessórias de
valor não superior ao limite da alçada. Como se vê, as ações de rito especial passíveis de processamento no juizado especial cível são
enumeradas taxativamente, em rol que não pode ser ampliado para incluir outras ações semelhantes.
Esse é entendimento adotado no âmbito do FONAJE, que, por meio do enunciado 8, assentou que "As ações cíveis sujeitas aos
procedimentos especiais não são admissíveis nos Juizados Especiais". À mesma conclusão chegou o 2º Encontro Estadual de Juízes
Supervisores de Especiais do Estado Paraná, nos seguintes termos: "Com exceção da ação de despejo para uso próprio e ações
possessórias de valor não excedente a 40 vezes o salário mínimo, as demais ações com procedimento especial de jurisdição
contenciosa são incompatíveis com o procedimento sumaríssimo dos Juizados Especiais" (CHIMENTI, Ricardo Cunha. Teoria e Prática

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 132


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

dos Juizados Especiais Cíveis Estaduais e Federais. 10ª ed. São Paulo: Saraiva, 2008, p. 51).

III -

Ante o exposto, portanto, não sendo possível o prosseguimento do feito, declaro a incompetência deste Juízo e EXTINGO O
PRESENTE PROCESSO SEM AFERIÇÃO DO MÉRITO, nos termos do art. 51, II, da Lei n. 9.099/1995 c/c art. 267, IV, CPC.

Sem custas e honorários, nos termos do art. 55 da Lei n. 9099/95.

L
Publicação e registro eletrônico.
Intime-se o autor.

IA
Após o trânsito, arquivem-se.

Nº do processo: 0019029-24.2013.8.03.0001
Parte Autora: EVALDO SILVA CORREA

IC
Advogado(a): EVALDO SILVA CORREA - 1355AP
Parte Ré: BANCO VOLKSWAGEN S.A
Advogado(a): SERGIO RENATO FREITAS DE OLIVEIRA JUNIOR - 15837PA
Sentença: I -

OF
Relatório dispensado, nos termos do art. 38 da Lei nº 9.099/95.

II -

Trata-se de Reclamação Cível proposta por EVALDO SILVA CORREA contra BANCO VOLKSWAGEN S/A, em que o reclamante alega
ter sofrido cobrança indevida, embutida no contrato que firmou com o requerido, cuja nomenclatura dada foi: tarifa de cadastro e
serviços de terceiros.
O
Da prescrição.
Na contestação, aduziu o requerido a prescrição da pretensão autoral para reclamar pelos vícios na prestação de serviço, com
ÇÃ

fundamento no art. 206, §3º, IV, do Código Civil.


Todavia, conforme entendimento da Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, ao qual me filio, o prazo prescricional
para as ações em que se discute a abusividade de cláusula contratual é a disposta no art. 205 do Código Civil, ou seja, de 10 anos.
Nesse sentido:
"CIVIL. PROCESSO CIVIL. PRESCRIÇÃO. NÃO OCORRÊNCIA. APLICAÇÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL DE 10 ANOS ÀS
AÇÕES EM QUE SE DISCUTA A ABUSIVIDADE DE CLÁUSULA CONTRATUAL. PRECEDENTES STJ. MÉRITO. CAUSA MADURA.
ARTIGO 515, §3º DO CPC. BANCO. "TARIFA DE CADASTRO". ABUSIVIDADE. RESTITUIÇÃO DEVIDA, NOS TERMOS DO ART. 42,
CA

PARÁGRAFO ÚNICO, DO CDC. IMPROCEDÊNCIA DO PEDIDO QUANTO AOS VALORES ALEGADAMENTE PAGOS A MAIOR NAS
PARCELAS DO CONTRATO DE FINANCIAMENTO. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO EM PARTE. SENTENÇA REFORMADA.
1) Conforme entendimento jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça, o prazo prescricional para as ações onde se discute
abusividade de cláusula contratual é de dez (10) anos, com afinco no art. 205, do CC, ante a omissão do Código de Defesa do
Consumidor. Precedentes: REsp 1261469/RJ e REsp 995995/DF. 2) Nos casos de extinção do processo sem julgamento do mérito (art.
267), o tribunal pode julgar desde logo a lide, se a causa versar questão exclusivamente de direito e estiver em condições de imediato
LI

julgamento, conforme disposição do art. 515, §3º do CPC. 3) Omissis. 4) Omissis 5) Omissis. 6) Recurso conhecido e provido em parte,
para reconhecer a não ocorrência de prescrição do direito de ação da parte reclamante e, no mérito julgar parcialmente procedente o
pedido inicial. 7) Sentença reformada. (Processo nº 0035880-75.2012.8.03.0001. Turma Recursal do Estado do Amapá, Relator Juiz
Cesar Augusto Scapin. Julgado em 11/04/2013)."
B

Desta forma, firmado o contrato em 14.09.2010, não há que se falar em prescrição.

Presentes os pressupostos processuais e as condições da ação, passo à análise do mérito.


PU

Disse a parte autora, na petição inicial, que o réu cobrou-lhe diversos encargos indevidos, quais sejam:

a) "tarifa de cadastro"

Combate o requerente a taxa relativa à tarifa de cadastro cobrada no ato da celebração do contrato.

Revendo meu posicionamento antes sustentado, dobro-me agora ao entendimento do Superior Tribunal de Justiça, esposado no
julgamento do Resp 1.251.331/RS, cujo entendimento é o adotado pela Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Amapá,
que infere pela legalidade da cobrança de referida tarifa, porquanto não vedada pelas resoluções do Conselho Monetário Nacional, e
desde que ocorra somente no início do relacionamento entre o consumidor e o banco, cabendo ao consumidor o ônus de provar
vantagem exagerada pelo agente financeiro.

Nesse sentido o entendimento da Turma Recursal do Estado do Amapá:

"CIVIL. PROCESSO CIVIL. DIREITO DO CONSUMIDOR. COBRANÇA DE TARIFA DENOMINADA "SERVIÇOS DE TERCEIROS".
TARIFA INESPECÍFICA. ABUSIVIDADE VERIFICADA. RESTITUIÇÃO DOS VALORES COMPROVADAMENTE PAGOS
INDEVIDAMENTE. OBSERVÂNCIA AO ART. 42, PARÁGRAFO ÚNICO DO CDC. COBRANÇA DE REGISTRO DE CONTRATO.
RESOLUÇÃO Nº 3.518/2007. NÃO PROIBIÇÃO. ABUSIVIDADE NÃO COMPROVADA. COBRANÇA DE TARIFA DE CADASTRO.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 133


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

LEGALIDADE, DESDE QUE OCORRA SOMENTE NO INÍCIO DO RELACIONAMENTO ENTRE CONSUMIDOR E INSTITUIÇÃO
FINANCEIRA. STJ: Resp 1.251.331/RS AFETO AO PROCEDIMENTO DE RECURSO REPETITIVO. NÃO COMPROVAÇÃO DA
ABUSIVIDADE. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO EM PARTE. 1) As cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e
serviços que estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou
sejam incompatíveis com a boa-fé ou a equidade, são nulas de pleno direito, conforme estabelece o art. 51, IV, do Código de Defesa do
Consumidor. Assim, é de se concluir pela abusividade da cobrança da tarifa denominada "serviços de terceiros", no valor de R$
1.970,86, impondo-se o seu afastamento do cálculo do valor devido pela parte autora, sob pena de favorecer o enriquecimento ilícito
por parte do Banco réu e desvantagem exagerada em relação ao consumidor, tratando-se ainda de cobranças inespecíficas, eis que

L
não resta claro quais os serviços executados que as justificam. 2) Restando comprovado a cobrança indevida, impõe-se a devolução
em dobro dos valores comprovadamente pagos, na forma do art. 42, parágrafo único, do CDC. 3) Não havendo proibição pelas

IA
disposições da Resolução nº 3.518 de 06.12.2007 do Conselho Monetário Nacional, para a instituição financeira cobrar valor em
remuneração à registro de contrato no valor de R$ 39,67, válida é sua cobrança, eis que não há comprovação da alegada abusividade,
estando as referidas tarifas expressamente previstas em contrato. 4) Em recente decisão, julgada em 28/08/2013, da lavra da Ministra
Maria Isabel Gallotti, o Superior Tribunal de Justiça, no REsp 1.251.331/RS, submetido à sistemática dos Recursos Repetitivos do art.
543-C do CPC, pacificou a orientação jurisprudencial em relação à Tarifa de Abertura de Crédito e Tarifa de Emissão de Carnê, bem

IC
como à Tarifa de Cadastro. Extrai-se da referida decisão que "Nos contratos bancários celebrados até 30.04.2008 (fim da vigência da
Resolução CMN 2.303/96) era válida a pactuação das tarifas de abertura de crédito (TAC) e de emissão de carnê (TEC), ou outra
denominação para o mesmo fato gerador, ressalvado o exame de abusividade em cada caso concreto. Com a vigência da Resolução
CMN 3.518/2007, em 30.04.2008, não mais tem respaldo legal a contratação da Tarifa de Emissão de Carnê (TEC) e da Tarifa de

OF
Abertura de Crédito (TAC), ou outra denominação para o mesmo fato gerador. Permanece válida a Tarifa de Cadastro expressamente
tipificada em ato normativo padronizador da autoridade monetária, a qual somente pode ser cobrada no início do relacionamento entre
o consumidor e a instituição financeira". 5) In casu, também fora cobrado do consumidor a "tarifa de cadastro", que segundo dicção da
referida decisão, é válida, desde que ocorra somente no início do relacionamento entre o consumidor e o banco. Não havendo prova
nos autos de que a referida tarifa já havia sido cobrada do consumidor, é válida a sua cobrança. De mais a mais a abusividade deverá
ser objetivamente demonstrada no caso concreto, "não bastando a mera remissão a conceitos jurídicos abstratos ou à convicção
subjetiva do magistrado" (Resp 1.251.331/RS). 6) Recurso conhecido e provido em parte. 7) Sentença parcialmente reformada,
excluindo-se da condenação a quantia referente à "registro de contrato" e "tarifa de cadastro", mantendo-a em seus demais termos.
O
(TJAP. Turma Recursal do Estado do Amapá. Recurso Inominado nº 0008828- 04.2012.8.03.0001. Relator MM. Juiz Rommel Araújo.
Julgado em 12/11/2013)"
ÇÃ

Assim, não demonstrada a ocorrência de cobrança anterior da tarifa de cadastro, bem como sua abusividade, incabível sua devolução.

b) "serviços de terceiros"

Insurge-se a parte autora contra a cobrança da tarifa denominada "despesas com serviços de terceiros", quando da celebração do
contrato de financiamento.
CA

Inicialmente, reputo que tal cobrança se desdobra em duas, quais sejam, a referente a "registro de contrato" e outra refente a "serviços
prestados pela revenda".

Com relação à tarifa de "registro de contrato", adoto o entendimento seguido pela Turma Recursal do Tribunal de Justiça, que a
entende legal, eis que expressamente prevista no contrato, não encontrando vedação pelas Resoluções do Conselho Monetário
Nacional e que, de fato, não se revestem em favor da instituição financeira, constituindo uma efetiva contraprestação em favor do
LI

consumidor.
Nesse sentido colaciono a seguinte decisão da Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá:
"CIVIL. CONSUMIDOR. CONTRATO DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULO. PREJUDICIAL DE MÉRITO. DECADÊNCIA. REJEIÇÃO.
COBRANÇA DE TARIFA DE ABERTURA DE CADASTRO (TAC). NÃO OCORRÊNCIA DE ABUSIVIDADE. VALOR INFERIOR A UM
B

SALÁRIO MÍNIMO. COBRANÇA DE TARIFA DE REGISTRO DE CONTRATO. PREVISÃO CONTRATUAL. LEGALIDADE.


PAGAMENTO DE SERVIÇOS TERCEIROS. ENCARGO IMOTIVADO. ILEGALIDADE. RESTITUIÇÃO EM DOBRO. PRECEDENTES
DO COLÉGIO RECURSAL. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO PARCIALMENTE. SENTENÇA REFORMADA. 1) A relação é de
trato sucessivo se renovando mês a mês, logo, não há que se falar em decadência. Além disso, a questão versa sobre reparação de
PU

dano incindindo o prazo prescricional quinquenal do CDC e não o instituto da decadência. 2) Omissis. 3) Omissis. 4) A "Tarifa de
Registro de Contrato" cobrada pela instituição financeira, no importe de R$ 257,13 não se reveste em favor da instituição financeira,
mas serve para registro do contrato em cartório extrajudicial e órgãos de trânsito, a fim de dar publicidade do evento jurídico perante
terceiros. Assim, estando expressamente pactuado e não revelando-se abusiva não há qualquer nulidade. 5) Omissis 6) À luz dos
precedentes desta Turma Recursal, mantém-se a restituição em dobro dos valores cobrados de forma indevida. 7) Recurso conhecido e
provido parcialmente. Sentença reformada. (Processo nº 0036365-75.2012.8.03.0001. Turma Recursal do Estado do Amapá, Relatora
Juíza Sueli Pereira Pini. Julgado em 04/04/2013)"

Assim, não reputo ilegalidade na cobrança da tarifa denominada "registro de contrato".

Com relação à tarifa "serviços prestados pela revenda", a Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, possui
entendimento segundo o qual as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que estabeleçam obrigações
consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a
equidade, são nulas de pleno direito, conforme estabelece o art. 51, IV do Código de Defesa do Consumidor. Assim, é de se concluir
pela abusividade da cobrança da tarifa denominada "serviços prestados pela revenda", impondo-se o seu afastamento do cálculo do
valor devido pela parte autora, sob pena de favorecer o enriquecimento ilícito por parte do Banco réu e desavantagem exagerada em

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 134


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

relação ao consumidor, tratando-se, ainda, de cobranças inespecíficas, eis que não resta claro quais os serviços executados que as
justificam.

Veja-se o entendimento da Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá:

"PROCESSUAL CIVIL. CIVIL. CONSUMIDOR. BANCO. CONTRATO DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULO. COBRANÇA DE TAXAS
DENOMINADAS "CORRESPONDENTE BANCÁRIO" E "SERVIÇOS DE TERCEIROS". ENCARGOS IMOTIVADOS. ABUSIVIDADE
CONFIGURADA. CUMULAÇÃO DE COMISSÃO DE PERMANÊNCIA COM JUROS MORATÓRIOS E MULTA MORATÓRIA. BIS IN

L
IDEM. ILEGALIDADE. VALOR LÍQUIDO CONTIDO NA PLANILHA DE CÁLCULOS. RESTITUIÇÃO DOS VALORES PAGOS EM
DOBRO. PRECEDENTES DO COLÉGIO RECURSAL. TAXA DENOMINADA "OUTRAS DESPESAS" NÃO COMPROVADA.

IA
RESTITUIÇÃO INDEVIDA. RECURSOS CONHECIDOS. IMPROVIDO O APELO DA PARTE RÉ E PACIALMENTE
PROVIDO O DA PARTE AUTORA. 1) A "Taxa de Correspondente Bancário" e a "Taxa de Serviços de Terceiros" nos valores de R$
700,00 (setecentos e reais) e R$ 2.424,99 (dois mil, quatrocentos e vinte e quatro reais e noventa e nove centavos), respectivamente,
restam pactuadas no contrato, porém, a finalidade é omissa, ensejando o enriquecimento ilícito por parte do Banco réu e desvantagem
exagerada para o consumidor, o que é vedado em nosso ordenamento jurídico, nos termos do art. 51, inciso IV, do CDC c/c art. 884 do

IC
CC. 2) Consoante reiterada jurisprudência do Egrégio Superior Tribunal de Justiça, em contrato bancário não se admite a cumulação de
comissão de permanência com juros moratórios e multa moratória, por caracterizar bis in idem . Inteligência das Súmulas 30 e 296 do
STJ. O valor a ser restituído será a quantia líquida e certa constante na planilha apresentada pela parte Autora que compreende as 24
parcelas, num total de R$ 1.397,89 (mil, trezentos e noventa e sete reais e oitenta e nove centavos), em dobro. 3) À luz dos

OF
precedentes desta Turma Recursal, mantém-se a restituição em dobro dos valores cobrados de forma indevida. 4) Quanto ao valor
referente à "Taxa de Outras Despesas", no total de R$ 226,53 (duzentos e vinte e seis reais e cinqüenta e três centavos), não há prova
de sua existência no contrato, não sendo possível aferir com precisão sua existência. O simples cálculo realizado na Calculadora do
Cidadão não dá a certeza da cobrança, uma vez que os parâmetros para a confecção do cálculo é simples, não contemplando todas as
variáveis do cálculo originário. 5) Recursos conhecidos. Improvido o apelo da parte Ré e parcialmente provido o da parte Autora.
(Processo Nº 0016014-81.2012.8.03.0001, Turma Recursal do Estado do Amapá, Relatora Juíza Sueli Pereira Pini. Julgado em
05/03/2013)."
O
Assim, devida a devolução do valor de R$840,06 (oitocentos e quarenta reais e seis centavos).
ÇÃ

Por fim, filiando-me ao entendimento da Turma Recursal, comprovado ter o réu efetuado a cobrança de tarifa abusiva, impõe-se o
ressarcimento dos valores pagos indevidamente pelo autor. Não evidenciada a hipótese de engano justificável, deve a restituição dos
valores cobrados ilicitamente pelo requerido ser feita em dobro, nos termos do art. 42, parágrafo único, do CDC.

III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, rejeito a preliminar suscitada e, no mérito, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o
CA

pedido e em consequência:
1) Condeno o requerido BANCO VOLKSWAGEN S/A a devolver os valores, em dobro, que o autor EVALDO SILVA CORREA pagou a
título de "serviços prestados pela revenda", que perfazem a quantia de R$1.680,12 (um mil, seiscentos e oitenta reais e doze centavos),
já em dobro, acrescidos de correção monetária pelo INPC desde a data da contratação (14.09.2010), e juros legais desde a citação;
2) Julgo improcedente o pedido de devolução da tarifa de cadastro e do registro de contrato.
Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.
LI

Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.
Publique-se.
Intimem-se.
B

Nº do processo: 0043788-86.2012.8.03.0001
Parte Autora: LOUISE WILMA CORREA ARAUJO
Advogado(a): KARINA TORRES LIMA - 1134AP
PU

Parte Ré: BANCO FINASA S/A


Advogado(a): GEORGE SILVA VIANA ARAÚJO - 9354PA
Sentença: I -

Relatório dispensado, nos termos do art. 38, "caput", da Lei nº 9.099/95.

II -

Presentes os pressupostos processuais, condições da ação e estando o juízo seguro, passo à análise do mérito.
O embargante se insurge à execução, fundamentando inicialmente seu pedido sob a alegação de que houve o pagamento tempestivo
do preparo para interposição do Recurso Inominado apresentado.
Todavia, conforme já decidido através do despacho de ordem 45, o recurso inominado fora interposto no dia 29/07/2013, às 17h12min,
encerrando o prazo para a efetivação do preparo 48 horas após, ou seja, dia 31/07/2013 no mesmo horário. Entretanto, o preparo só
fora efetuado no dia 01/08/2013, portanto, fora do prazo, o que ensejou a declaração de deserção do recurso interposto pelo requerido.
Outrossim, a juntada do preparo recursal é ato complexo que reúne não só o recolhimento, como também a juntada ao processo, que,
no caso, se deu somente no dia 02/08/2013, conforme jurisprudência:

"RECURSO INOMINADO. PRAZO DE PREPARO. CONTAGEM. DESERÇÃO. O preparo do recurso inominado, no sistema dos

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 135


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Juizados Especiais Cíveis, será feito nas 48 horas seguintes à interposição, prazo que se conta de minuto a minuto,
independentemente de intimação. Inteligência dos artigos 42, § 1º, da Lei 9.099/95, e 132, § 4º, do CC. O preparo é ato complexo, que
compreende não só o recolhimento em si, mas também a respectiva comprovação nos autos. Recurso não conhecido. Unânime."
(Recurso Cível Nº 71001816883, Terceira Turma Recursal Cível/RS, Turmas Recursais, Relator: João Pedro Cavalli Junior, julgado em
19/02/2009)

Portanto, correta a decisão que declarou deserto o Recurso Inominado interposto.

L
Sustenta o embargante, ainda, que não houve a intimação pessoal para o pagamento do valor da condenação.

IA
Todavia, transitada em julgado a sentença, e tendo a parte embargada requerido o cumprimento de sentença, fora o embargante
intimado, no dia 17/02/2014, a fazer o pagamento no prazo de 15 dias, sob pena de incidência da multa de 10%. Entretanto, dentro do
referido prazo, o embargante interpôs os presentes embargos à execução, efetuando, para tanto, o depósito judicial do valor da
condenação, de modo que não deve, de fato, incidir a multa prevista no art. 475-J do CPC.

IC
De se ressaltar, neste aspecto, que basta a intimação do advogado, sendo desnecessária a intimação pessoal da parte, conforme
entendimento jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça:

"AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO ESPECIAL. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. MULTA DO ART. 475-J DO CPC. INTIMAÇÃO

OF
DO ADVOGADO DO DEVEDOR, MEDIANTE PUBLICAÇÃO NA IMPRENSA OFICIAL. NECESSIDADE. AGRAVO REGIMENTAL NÃO
PROVIDO. 1. A Corte Especial deste STJ, por maioria, no julgamento do Recurso Especial n. 940.274/MS, ocorrido em 7/4/2010,
decidiu que o prazo de quinze dias previsto no art. 475-J do CPC passa a correr após o trânsito em julgado da sentença condenatória e
com a aposição do "cumpra-se" pelo magistrado de primeira instância, concluindo, também, que a intimação desta decisão deve ser
feita na pessoa do advogado do devedor, mediante publicação na imprensa oficial. 2. Agravo regimental a que se nega provimento,
com aplicação de multa." (STJ - AgRg no REsp: 1273314 SP 2011/0144337-9, Relator: Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, Data de
Julgamento: 09/04/2013, T4 - QUARTA TURMA, Data de Publicação: DJe 17/04/2013)
O
Alega o embargante, por fim, o excesso na execução. Todavia, não vislumbro tal hipótese estar configurada, eis que lhe competia a
apresentação da respectiva memória de cálculo do valor que entende correto, produzindo argumentação capaz de demonstrar o erro do
ÇÃ

exequente, o que, in casu, inexistiu.

Outrossim, não basta a afirmação genérica de excesso de execução, devendo o excesso ser cabalmente demonstrado, o que, repito,
não ocorreu.

III -
CA

Ante o exposto, pelos motivos acima, JULGO IMPROCEDENTES OS EMBARGOS.


Custas pelo embargante.
Após o trânsito em julgado, expeça-se alvará de levantamento da quantia depositada em favor do exequente.
Demais procedimentos devem ser realizados nos termos da Portaria n. 001/2013 - 2º JECC.
Publique-se.
Intimem-se.
LI

Nº do processo: 0044039-70.2013.8.03.0001
Parte Autora: EDGAR NETO VIEIRA BARBOSA, MAYCON LOBATO PICANÇO
B

Advogado(a): ADEMIR DE SOUZA ALVES - 1827AP


Parte Ré: DAIZ DA S. NUNES -ME (ORTOCLINICA)
Advogado(a): ANDRE COELHO MIRANDA - 2400AP
Sentença: I -
PU

Relatório dispensado, nos termos do art. 38 da Lei 9.099/95.

II -

Trata-se de Reclamação Cível proposta por EDGAR NETO VIEIRA BARBOSA e MAYCON LOBATO PICANÇO contra DAIZ DA S.
NUNES - ME (ORTOCLÍNICA), sob a alegação de que estavam estacionados em frente ao endereço da requerida, quando foram
abordados por uma viatura da polícia militar, acionada por seus funcionários, tendo estes informado que havia um veículo suspeito na
frente da clínica. Afirmam que foi efetuada a revista, fato este que constrangeu os requerentes, eis que todos os meses frequentam a
clínica a fim de realizar tratamento dentário. Alegam ainda que na revista nada foi constatado e que, ao tentar entrar na clínica, passou
por mais humilhação e sofrimento, eis que uma funcionária se negou a abrir a porta, só sendo possível por conta de outra paciente que
presenciou o ocorrido e destrancou a porta. Requerem indenização por danos morais.

Presentes os pressupostos processuais e as condições da ação, passo à análise do mérito, adiantando, de logo, que a pretensão dos
autores não merece guarida.

O artigo 186 do Código Civil estabelece que "Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e
causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito."

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 136


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Acerca do dano e da responsabilidade civil, Silvio Rodrigues leciona:

"(...) para a configuração da responsabilidade civil, é necessária a composição dos seguintes pressupostos: I) ação ou omissão do
agente; II) culpa do agente; III) relação de causalidade; IV) dano experimentado pela vítima. (...) Ordinariamente, para que a vítima
obtenha a indenização, deverá provar entre outras coisas que o agente causador do dano agiu culposamente" (direito civil:
responsabilidade civil. 24.ed.,São Paulo: Saraiva, 1994, p. 14/17).

L
No presente caso, com base na legislação pátria, ainda deverá ser demonstrada a culpa, materializada no dolo ou na culpa em sentido
estrito quanto à intenção de provocar o dano, pois a responsabilidade civil é subjetiva e extracontratual, possuindo como fundamento o

IA
Código Civil.

O ônus da prova, desta feita, se distribui de acordo com o art. 333 do Código de Processo Civil, cabendo aos autores provarem o fato
constitutivo de seu direito.

IC
Entretanto, os requerentes não se desincumbiram deste ônus, não logrando êxito em comprovar, além da ocorrência dos danos morais
descritos na inicial, a existência de nexo de causalidade entre a conduta da requerida e o dano supostamente sofrido, eis que fizeram
apenas alegações genéricas, sequer juntado o alegado Boletim de Ocorrência registrado, não trazendo aos autos nenhuma prova do
alegado.

OF
Por sua vez, a única testemunha apresentada em juízo teve seu depoimento indeferido, eis que menor de idade e irmã de um dos
autores.

Desta forma, não cumpriram com o ônus que sobre si recaía.

De se ressaltar, por certo, que a atuação da Polícia Militar é de responsabilidade estatal, ou seja, a pretensão de reparação de qualquer
abuso ou excesso em seu mister deve ser direcionada contra o Estado. Outrossim, ainda que seja fato incontroverso a ocorrência da
O
abordagem policial em frente à clínica requerida, tal fato, por si, não possui o condão de gerar a indenização moral pretendida.

Nesse aspecto, tem a jurisprudência caminhado, conforme decisão que colaciono:


ÇÃ

"ADMINISTRATIVO E CONSTITUCIONAL - INDENIZAÇÃO DE DANOS MORAIS - RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO -


ABORDAGEM POLICIAL - REVISTA DE PESSOAS E AUTOMÓVEL - EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO E ESTRITO
CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL - FALTA DE COMPROVAÇÃO DE ABUSO DA POLÍCIA MILITAR - ÔNUS DA PROVA - ART.
333, I, DO CPC - DANO MORAL INEXISTENTE - IMPROCEDÊNCIA DA PRETENSÃO INDENIZATÓRIA. Não obstante a regra do art.
37, § 6º, da Constituição Federal de 1988, sobre a responsabilidade civil objetiva do Poder Público pela reparação dos danos que seus
agentes, nessa qualidade, causarem a terceiro, não cabe ao Estado indenizar dano que possa ter advindo da ação policial que abordou
CA

pessoas que circulavam de madrugada por região em que ocorre o tráfico de drogas, mormente porque a atividade estatal se deu no
estrito cumprimento do dever legal dos agentes policiais. É do autor o ônus de provar o fato constitutivo do seu direito, a teor do
disposto no art. 333, I, do Código de Processo Civil. A ele cabe comprovar o abuso cometido por agente público no estrito cumprimento
do dever legal." (TJ-SC - AC: 205776 SC 2011.020577-6, Relator: Jaime Ramos, Data de Julgamento: 15/09/2011, Quarta Câmara de
Direito Público, Data de Publicação: Apelação Cível n. , de Tubarão)
LI

Isto posto, diante da inexistência dos requisitos necessários, não há que se perquirir sobre os danos e, consequentemente, da
obrigação de reparação.

III -
B

Ante o exposto, pelos motivos, razões e fundamentos, e pelo livre convencimento que formo, JULGO IMPROCEDENTE o pedido
autoral.
PU

Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.

Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.

Publique-se.

Intimem-se.

Nº do processo: 0045748-43.2013.8.03.0001
Parte Autora: TATIANA FONSECA REZENDE TATSH
Advogado(a): JOAS SILVA DE MEDEIROS - 1569AP
Parte Ré: ANGELO MARCOS TAVARES DOS SANTOS
Sentença: Trata-se de reclamação cível proposta por TATIANA FONSECA REZENDE TATSCH contra ANGELO MARCOS TAVARES
DOS SANTOS, sob a alegação de que emprestou 09 cheques para o requerido quitar um débito junto à empresa Center Kennedy, com
a promessa de que tais cheques seriam cobertos pelo mesmo nas datas de vencimento. Todavia, relata que nenhum dos cheques
foram pagos pelo requerido, tendo a autora arcar com todo o débito que não era seu. Aduz ainda que os oito primeiros cheques foram
regularmente descontados de sua conta, entretanto, como não possuía saldo para a quitação do último, o mesmo fora devolvido e seu

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 137


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

nome inscrito nos órgãos de proteção ao crédito, somente sendo retirado após o pagamento diretamente à Center Kennedy. Requer,
assim, indenização por danos materiais e morais.

Verificando a presença de todos os pressupostos de constituição e de desenvolvimento valido e regular do processo, bem como das
condições da ação, passo a analise de seu mérito, adiantando desde logo que o mesmo reclama procedência, consoante irei
demonstrar.

O requerido, apesar de devidamente citado e intimado, não compareceu à audiência de conciliação, instrução e julgamento, ocorrida

L
em 12.03.2014.
Pela Lei 9.099/95, o reclamado deve comparecer, pessoalmente ou representado por preposto credenciado, à audiência de conciliação,

IA
instrução e julgamento, sob pena de serem considerados verdadeiros os fatos alegados na inicial, nos termos do art. 20, abaixo
transcrito:
"Art. 20. Não comparecendo o demandado à sessão de conciliação ou à audiência de instrução e julgamento, reputar-se-ão verdadeiros
os fatos alegados no pedido inicial, salvo se o contrário resultar da convicção do Juiz."
Ricardo Cunha Chimenti, ao fazer a comparação da Lei 9.099/95 com o Código de Processo Civil, prescreveu o seguinte: "O art. 20 da

IC
lei especial dita que a revelia é decorrente da ausência do demandado a qualquer das audiências, enquanto o art. 319 do CPC
estabelece que a revelia decorre da não-apresentação de resposta ao pedido inicial"(In Teoria e Prática dos juizados especiais cíveis.
13ªed. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 172).

OF
O Código de Processo Civil, por sua vez, em seu art. 320, relaciona os casos em que a revelia não produz os efeitos relacionados
alhures. In casu, não verifico a presença de nenhuma das hipóteses que teriam o condão de afastar a presunção de veracidade
estatuída pelo art. 20 da lei em tela.

Os principais efeitos da revelia são a presunção de veracidade dos fatos alegados na inicial (Lei nº 9.099/95, art. 20 c/c CPC, art. 319) e
a desnecessidade de o revel ser intimado dos atos processuais subsequentes (CPC, art. 322).

Decerto que a presunção decorrente da decretação da revelia é relativa, assim como bem observa Nelson Nery Júnior e Rosa Maria
O
Andrade Nery (In código de processo civil comentado e legislação processual civil extravagante em vigor. 4º ed. ver. e amp. - São
Paulo: editora Revista dos Tribunais, 1999, p. 818), mesmo não podendo o réu fazer prova de fato sobre o qual pesa a presunção de
veracidade, como esta é relativa, pelo conjunto probatório pode resultar a comprovação da prova em contrário à aquele fato,
ÇÃ

derrubando a presunção que favorecia o autor. Este entendimento está em consonância com o estatuído no art. 277, § 2º do estatuto
processual em tela.

Em face a confissão ficta aplicada à parte reclamada, assim como em virtude da coerência entre os fatos articulados na inicial e a
documentação juntada aos autos, convenci-me da veracidade do alegado pela reclamante, pelo que o pedido inicial reclama
procedência.
CA

Corroborando com isto, a autora juntou aos autos cópia dos cheques emitidos, bem como a quitação da dívida junto à empresa Center
Kennedy.

Desta feita, deve o requerido pagar à autora o valor pleiteado na inicial, no importe de R$13.849,92 (treze mil, oitocentos e quarenta e
nove reais e noventa e dois centavos), devidamente atualizado e corrigido.
LI

Com relação aos requisitos ensejadores à caracterização da responsabilidade civil, estabelece o Código Civil, em seu art. 116, que
"aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que
exclusivamente moral, comete ato ilícito".
Todavia, in casu, a autora não se desincumbiu do ônus da prova do fato constitutivo de seu direito, consoante dicção do art. 333, I, do
B

Código de Processo Civil, eis que não demonstrou quais seriam esses danos sofridos, limitando-se a pleiteá-los de forma genérica, não
fazendo nenhum tipo de evidência de suas alegações, sequer trazendo aos autos a prova de que seu nome fora inscrito nos cadastros
de proteção ao crédito, impossibilitando a verificação de ocorrência de qualquer tipo de abalo psíquico a ser indenizável.
PU

III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido inicial para:

a) condenar o requerido a pagar à autora, a título de indenização por danos materiais, a quantia de R$13.849,92 (treze mil, oitocentos e
quarenta e nove reais e noventa e dois centavos), devidamente atualizada pelo INPC, a partir do ajuizamento da ação e de juros de
mora, de 1% ao mês, desde a citação;
b) julgar improcedente o pedido de indenização por danos morais.

Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.
Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.
Publique-se.
Intimem-se.

Nº do processo: 0048759-80.2013.8.03.0001
Parte Autora: JOSE FERREIRA LIMA FILHO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 138


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP


Parte Ré: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A
Advogado(a): CARLOS MAXIMIANO MAFRA DE LAET - 15311RJ
Sentença: I -

Relatório dispensado, nos termos do art. 38 da Lei nº 9.099/95.

II -

L
Trata-se de Reclamação Cível em que o Reclamante alega ter sofrido cobrança indevida, embutida no contrato que firmou com o

IA
requerido, cuja nomenclatura dada foi "serviço correspondente prestado a financeira".

Presentes os pressupostos processuais e as condições da ação, passo à análise do mérito.

Combate a parte autora a cobrança de uma tarifa denominada "serviço correspondente prestado a financeira", por ocasião do contrato

IC
de financiamento.

A Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, possui entendimento segundo o qual as cláusulas contratuais relativas
ao fornecimento de produtos e serviços que estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em

OF
desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a equidade, são nulas de pleno direito, conforme estabelece o art.
51, IV do Código de Defesa do Consumidor. Assim, é de se concluir pela abusividade da cobrança da tarifa denominada "serviço
correspondente prestado a financeira", impondo-se o seu afastamento do cálculo do valor devido pela parte autora, sob pena de
favorecer o enriquecimento ilícito por parte do Banco réu e desavantagem exagerada em relação ao consumidor, tratando-se, ainda, de
cobrança inespecífica, eis que não resta claro quais os serviços executados que a justifica.

Veja-se o entendimento da Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá:


O
"CIVIL. PROCESSO CIVIL. DIREITO DO CONSUMIDOR. FINANCIAMENTO DE VEÍCULO. DANO MATERIAL. COBRANÇA
INDEVIDA DE TARIFA DENOMINADA "SERVIÇOS CORRESPONDENTE NÃO BANCÁRIO" E "PAGAMENTO SERVIÇOS
TERCEIROS". ABUSIVIDADE. RESTITUIÇÃO EM DOBRO. OBSERVÂNCIA AO ART. 42, § ÚNICO DO CDC. RECURSO
ÇÃ

CONHECIDO E NÃO PROVIDO. 1) É nulo o conteúdo da cláusula que estabelece despesa excessiva em desfavor do consumidor,
como é o caso da tarifa denominada "serviços correspondente não bancário", no valor de R$ 560,00 (quinhentos e sessenta reais) e
"pagamento serviços terceiros", no valor de R$ 676,61 (seiscentos e setenta e seis reais e sessenta e um centavos), sob pena de
favorecer o enriquecimento ilícito por parte do Banco réu, impondo desvantagem exagerada ao consumidor. 2) Restando comprovado a
cobrança indevida, impõe-se a devolução em dobro, na forma do art. 42, parágrafo único, do CDC. 3) Recurso conhecido e não provido.
(Processo nº 0049612-26.2012.8.03.0001. Turma Recursal do Estado do Amapá, Relator Juiz Rommel Araújo de Oliveira. Julgado em
25/04/2013)"
CA

Assim, devida a devolução do valor de R$2.160,00 (dois mil cento e sessenta reais).

Por fim, filiando-me ao entendimento da Turma Recursal, comprovado ter o réu efetuado a cobrança de tarifas abusivas, impõe-se o
ressarcimento dos valores pagos indevidamente pelo autor. Não evidenciada a hipótese de engano justificável, deve a restituição dos
valores cobrados ilicitamente pelo requerido ser feita em dobro, nos termos do art. 42, parágrafo único, do CDC.
LI

III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, JULGO PROCEDENTE o pedido e em consequência condeno o requerido BANCO
B

SANTANDER BRASIL S/A a devolver os valores, em dobro, que o autor JOSÉ FERREIRA LIMA FILHO pagou a título de "serviço
correspondente prestado a financeira", que perfazem a quantia de R$4.320,00 (quatro mil, trezentos e vinte reais), já em dobro,
acrescidos de correção monetária pelo INPC desde a data da contratação (16.09.2009), e juros legais desde a citação;
PU

Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.
Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.
Publique-se.
Intimem-se.

Nº do processo: 0049052-50.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARCO ANTONIO CAMPOS SOARES CRAVEIRO
Parte Ré: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A
Advogado(a): CARLOS MAXIMIANO MAFRA DE LAET - 15311RJ
Sentença: I -

Relatório dispensado, nos termos do art. 38 da Lei 9.099/95.

II -

Trata-se de ação proposta por MARCO ANTONIO CAMPOS SOARES CRAVEIRO contra BANCO SANTANDER BRASIL S.A, sob a
alegação de que efetuou um empréstimo junto ao requerido para pagamento em 42 parcelas de R$450,00, mediante desconto em folha

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 139


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

de pagamento. Afirma que o desconto iniciou no mês de abril de 2009 e terminou em setembro de 2012. Todavia, após a quitação do
empréstimo passou a receber ligações e cobranças de uma parcela em atraso no contrato, com vencimento em fevereiro de 2009,
anterior ao início do contrato. Aduz que por conta disso teve seu nome inscrito indevidamente nos órgãos de proteção ao crédito.
Requereu, pois, a exclusão de seu nome dos cadastros de inadimplentes e indenização por danos morais.

Da preliminar de ilegitimidade passiva.

Alega o requerido a ilegitimidade para figurar no polo passivo da lide, sob a fundamentação de que fora seu órgão empregador quem

L
dera causa à presente demanda.

IA
Tal argumentação não merece prosperar. Com efeito, o autor firmou contrato de empréstimo com o requerido, que, por isso, é parte
legítima para compor o polo passivo em demanda que discuta eventual cobrança irregular decorrente do contrato.

Rejeito, pois, referida preliminar.

IC
Presentes os pressupostos processuais e as condições da ação, passo à análise do mérito.

O requerido, em contestação, afirma que apenas agiu como intermediário na relação jurídica oriunda do crédito consignado, atribuindo

OF
a responsabilidade para o órgão empregador do autor, alegando, ainda, que não praticou nenhum ato ensejador dos supostos danos
morais pleiteados pela autora.

De acordo com os artigos 308 a 312 do Código Civil, na Seção "Daqueles a quem se deve pagar", o devedor deve pagar ao credor ou a
quem este o represente. O artigo 309 vai mais além, instituindo a figura do credor putativo, sendo certo que igualmente é forma de
adimplemento da obrigação o pagamento a quem aparentemente se apresente como credor.

No presente caso, o réu optou por eleger o Estado do Amapá como agente arrecadador, ou seja, imputou ao Estado do Amapá o poder
O
de receber a quantia do autor para depois repassá-lo.

Conforme se infere pelos documentos juntados aos autos, é fato incontroverso que os descontos foram efetuados na folha de
ÇÃ

pagamento do autor. Ou seja, o autor adimpliu nos estritos termos da prestação pela qual se obrigou, não havendo qualquer tipo de
mora ou vício no tempo, modo e/ou forma de pagamento.

O ônus da falha do agente arrecadador e eventual falta de repasse é ônus que deve arcar o credor, pela culpa in eligendo, assumindo
os riscos de não optar por receber diretamente a prestação junto ao devedor, que cumpriu à risca suas obrigações contratuais.

O que não se pode admitir é a absurda situação de o funcionário ter o valor recolhido de seu salário e ao mesmo ser cobrado por uma
CA

falha no repasse pelo agente arrecadador, ou seja, tendo de pagar duas vezes pela prestação devida.

Essa prática é reprovável e abusiva, nos termos do inciso V do artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, por exigir uma vantagem
manifestamente excessiva do consumidor, qual seja, ter de pagar duplamente pela prestação devida somente para garantir ao credor
receber a quantia, mesmo o credor tendo elegido o recebedor da quantia.
LI

O ônus da escolha do agente arrecadador e eventual falha deste deve recair unicamente sobre o credor, já que esta foi a via de
pagamento escolhida pelo próprio credor. Nunca o ônus da falha na operação pode ser imputada ao devedor, notadamente quando é
fato incontroverso que todos os descontos foram efetuados a contento.
B

O réu, como prestador de serviços, é civilmente responsável por dispor ao consumidor/cliente serviço adequado e com segurança, o
que no presente caso não ocorreu.

Assim provada a inscrição indevida do nome do Requerente nos órgão de proteção ao crédito, gera este fato o direito de pleitear
PU

indenização pelo dano moral experimentado.

É pacífico em nossa doutrina e jurisprudência que a só inserção ou permanência do nome da pessoa no cadastro dos órgãos de
proteção ao crédito por si só já se configura dano moral, não sendo necessária outra prova, sendo o dano moral presumido nestes
casos.

Cabe à empresa que negativar o nome de alguém, o ônus da prova de existência do débito, conforme artigo 333, do CPC - Código de
Processo Civil. A negativação indevida, por si só, caracteriza dano de natureza moral, com dispensa de qualquer prova específica a
respeito, operando-se a responsabilização do agente por força do simples fato da violação. A propósito, o E. Superior Tribunal de
Justiça assim já decidiu:

"Dano moral, exatamente porque moral, não se demonstra nem se comprova, mas se afere segundo o senso comum do homem médio.
Resulta por si mesmo da ação ou omissão culposa, in re ipsa, porque se traduz em dor, física ou psicológica, em constrangimento, em
sentimento de reprovação, em lesão e em ofensa ao conceito social, à honra, à dignidade. Por isso mesmo, "não há que se falar em
prova do dano moral, mas, sim, na prova do fato que gerou a dor, o sofrimento, sentimentos íntimos que o ensejam. Provado assim o
fato, impõe-se a ordenação" (RESp. 86.271-SP, rel. Min./ Carlos Alberto Menezes Direito).

A reparação dos danos morais atua com a dupla finalidade de, por um lado, amenizar a ofensa perpetrada à vítima, satisfazendo-a, e

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 140


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

de, por outro lado, punir o autor da lesão, sob uma ótica educacional. Assim, a indenização deve ser fixada em termos razoáveis, não
se justificando que a reparação venha a constituir-se em enriquecimento indevido. Por outro lado, não pode ser tão pequena a ponto de
não provocar qualquer efeito significativo no patrimônio do agressor.

O STJ e o STF utilizam, na aplicação do dano moral, a função punitiva compensatória. De, por um lado, buscar compensar a dor da
vítima; de outro, punir o ofensor, de modo a servir de desestímulo a práticas semelhantes.

Eis o entendimento do STJ:

L
"O valor do dano moral tem sido enfrentado no STJ com o escopo de atender a sua dupla função: reparar o dano buscando minimizar a

IA
dor da vítima e punir o ofensor, para que não volte a reincidir". (STJ, Resp. 715320/SC. Relª Min.ª Eliana Calmon, DJ 11/09/2007).

Também o STF: "necessária correlação entre o caráter punitivo da obrigação de indenizar e a natureza compensatória para a vítima"
(STF, Rel Min. Celso de Mello, Ag. Nº 455846).

IC
Tendo em vista a jusrisprudência dos nossos Tribunais Superiores, utilizo-as para estimar o dano moral, as peculiaridades do caso, o
grau de culpa, a situação socioeconômica da requerente bem como a força econômica do requerido.

Estabeleço o valor da indenização, atenta às peculiaridades do caso aqui comprovadas, principalmente, ao valor cobrado

OF
indevidamente da requerente.

Assim, entendendo ser razoável, fixo a indenização por danos morais em R$4.000,00 (quatro mil reais), valor este que não considero
fator de enriquecimento ilícito.

III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, confirmo os efeitos da tutela antecipada concedida e, no mérito, JULGO PROCEDENTE o
O
pedido inicial para condenar o requerido a pagar ao autor, a título de indenização por danos morais, a quantia de R$4.000,00 (quatro
mil reais), a ser corrigido por juros de 1% ao mês, contados da citação e correção monetária pelo INPC, contada da data da sentença.
Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.
ÇÃ

Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.
Publique-se.
Registre-se.
Intimem-se.

Nº do processo: 0056768-31.2013.8.03.0001
CA

Parte Autora: ELENILZE GÓES JUAREZ


Advogado(a): EDWARD SANTOS JUAREZ - 508AP
Parte Ré: BANCO HSBC BANK BRASIL S.A
Advogado(a): RODRIGO MONTEIRO PEDRO - 1634BAP
Sentença: I -
LI

Relatório dispensado, nos termos do art. 38 da Lei nº 9.099/95.

II -
B

Trata-se de Reclamação Cível proposta por ELENILZE GÓES JUAREZ contra HSBC BANK BRASIL S/A, em que a reclamante alega
ter sofrido cobrança indevida, embutida no contrato que firmou com o requerido, cuja nomenclatura dada foi "outras despesas"

Da prescrição.
PU

Na contestação, aduziu o requerido a prescrição da pretensão autoral para reclamar pelos vícios na prestação de serviço, com
fundamento primeiramente no art. 26, II, do Código de Defesa do Consumidor e posteriormente no art. 206, §3º, IV, do Código Civil.
Todavia, conforme entendimento da Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, ao qual me filio, o prazo prescricional
para as ações em que se discute a abusividade de cláusula contratual é a disposta no art. 205 do Código Civil, ou seja, de 10 anos.
Nesse sentido:
"CIVIL. PROCESSO CIVIL. PRESCRIÇÃO. NÃO OCORRÊNCIA. APLICAÇÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL DE 10 ANOS ÀS
AÇÕES EM QUE SE DISCUTA A ABUSIVIDADE DE CLÁUSULA CONTRATUAL. PRECEDENTES STJ. MÉRITO. CAUSA MADURA.
ARTIGO 515, §3º DO CPC. BANCO. "TARIFA DE CADASTRO". ABUSIVIDADE. RESTITUIÇÃO DEVIDA, NOS TERMOS DO ART. 42,
PARÁGRAFO ÚNICO, DO CDC. IMPROCEDÊNCIA DO PEDIDO QUANTO AOS VALORES ALEGADAMENTE PAGOS A MAIOR NAS
PARCELAS DO CONTRATO DE FINANCIAMENTO. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO EM PARTE. SENTENÇA REFORMADA.
1) Conforme entendimento jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça, o prazo prescricional para as ações onde se discute
abusividade de cláusula contratual é de dez (10) anos, com afinco no art. 205, do CC, ante a omissão do Código de Defesa do
Consumidor. Precedentes: REsp 1261469/RJ e REsp 995995/DF. 2) Nos casos de extinção do processo sem julgamento do mérito (art.
267), o tribunal pode julgar desde logo a lide, se a causa versar questão exclusivamente de direito e estiver em condições de imediato
julgamento, conforme disposição do art. 515, §3º do CPC. 3) Omissis. 4) Omissis 5) Omissis. 6) Recurso conhecido e provido em parte,
para reconhecer a não ocorrência de prescrição do direito de ação da parte reclamante e, no mérito julgar parcialmente procedente o
pedido inicial. 7) Sentença reformada. (Processo nº 0035880-75.2012.8.03.0001. Turma Recursal do Estado do Amapá, Relator Juiz
Cesar Augusto Scapin. Julgado em 11/04/2013)."

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 141


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Desta forma, firmado o contrato em 26.09.2008, não há que se falar em prescrição.

Presentes os pressupostos processuais e as condições da ação, passo à análise do mérito.

Insurge-se a parte autora contra a cobrança de uma tarifa denominada "outras despesas", quando da celebração do contrato de
financiamento.

A Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, possui entendimento segundo o qual as cláusulas contratuais relativas

L
ao fornecimento de produtos e serviços que estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em
desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a equidade, são nulas de pleno direito, conforme estabelece o art.

IA
51, IV do Código de Defesa do Consumidor. Assim, é de se concluir pela abusividade da cobrança da tarifa denominada "outras
despesas", impondo-se o seu afastamento do cálculo do valor devido pela parte autora, sob pena de favorecer o enriquecimento ilícito
por parte do Banco réu e desavantagem exagerada em relação ao consumidor, tratando-se, ainda, de cobranças inespecíficas, eis que
não resta claro quais os serviços executados que as justificam.

IC
Veja-se o entendimento da Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá:

"CIVIL. PROCESSO CIVIL. DIREITO DO CONSUMIDOR. FINANCIAMENTO. COBRANÇA DE "TAXA DE CADASTRO".


ABUSIVIDADE RECONHECIDA EM SENTENÇA. INEXISTÊNCIA DE RECURSO DA PARTE RÉ. APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DO

OF
NON REFORMATIO IN PEJUS. RESTITUIÇÃO DE FORMA SIMPLES. TARIFA DENOMINADA "OUTRAS DESPESAS".
RESTITUIÇÃO EM DOBRO. APLICAÇÃO DO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 42 DO CDC. RECURSO CONHECIDO E
PARCIALMENTE PROVIDO. SENTENÇA REFORMADA EM PARTE. 1) O processo civil brasileiro consagra o princípio do non
reformatio in pejus, de modo que, embora a Turma Recursal não considere ilegal a cobrança de tarifa de cadastro no valor de R$600,00
(seiscentos reais), o caso é que não houve recurso manejado pela ré, não se podendo modificar o que restou decidido no juízo a quo.
2) A autora/recorrente pleiteia a restituição em dobro dos valores considerados indevidos na sentença. Seu pedido deve ser acolhido
em parte, eis que é pacífico o entendimento nesta Turma de que a tarifa sob a rubrica "outras despesas" no valor de R$ 500,00
(quinhentos reais) é abusiva, eis que inespecífica, devendo ser restituída em dobro. Quanto à tarifa de cadastro, a restituição deve
O
ocorrer de forma simples, conforme estabelecido no decisum. 3) Recurso conhecido e provido em parte para reformar parcialmente a
sentença de primeiro grau, determinando a restituição em dobro da tarifa sob a rubrica "outras despesas" e a restituição de forma
simples da tarifa sob a rubrica "tarifa de cadastro". Todos os valores com juros de mora de 1% a.m desde a citação e correção
ÇÃ

monetária, pelo INPC, a contar da data do efetivo desembolso dos valores. (Processo nº 0006683-72.2012.8.03.0002, Turma Recursal
do Estado do Amapá, Relator Juiz Rommel Araújo de Oliveira. Julgado em 05/03/2013)"

Assim, devida a devolução do valor de R$2.904,00 (dois mil, novecentos e quatro reais).

Por fim, filiando-me ao entendimento da Turma Recursal, comprovado ter o réu efetuado a cobrança de tarifa abusiva, impõe-se o
ressarcimento dos valores pagos indevidamente pelo autor. Não evidenciada a hipótese de engano justificável, deve a restituição dos
CA

valores cobrados ilicitamente pelo requerido ser feita em dobro, nos termos do art. 42, parágrafo único, do CDC.

III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, JULGO PROCEDENTE o pedido e em consequência condeno o requerido HSBC BANK
BRASIL S/A a devolver os valores, em dobro, que a autora ELENILZE GÓES JUAREZ pagou a título de "outras despesas", que
LI

perfazem a quantia de R$5.808,00 (cinco mil, oitocentos e oito reais), já em dobro, acrescidos de correção monetária pelo INPC desde
a data da contratação (26.09.2008), e juros legais desde a citação.
Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.
Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.
B

Publique-se.
Intimem-se.
PU

Nº do processo: 0000308-24.2013.8.03.0001
Parte Autora: ODETE FREITAS RAMOS
Advogado(a): FRANCISCO LOBATO ALENCAR - 2040AP
Parte Ré: SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL
Advogado(a): RODRIGO MONTEIRO PEDRO - 1634BAP
Decisão: Inclua-se no cadastro do requerido, como advogado principal, o causídico mencionado ao final da peça recursal.
Recebo o recurso interposto, eis que tempestivo e acompanhado do comprovante do pagamento do preparo.
Intime-se a parte recorrida para oferecer contrarrazões.
Vindas ou não as contrarrazões, subam os autos à E. Turma Recursal.

Nº do processo: 0042349-06.2013.8.03.0001
Parte Autora: RENATO GEREP MELO ANDRADE
Advogado(a): FREDERICO FONSECA DE OLIVEIRA VALES - 1993AP
Parte Ré: QUALITY DO BRASIL INDUSTRIA LTDA - JORNAL A GAZETA
Advogado(a): ANTÔNIO FERNANDO DA SILVA E SILVA - 143AP
Decisão: Recebo o recurso interposto, eis que tempestivo e acompanhado do preparo.
Intime-se a parte recorrida para oferecer contrarrazões.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 142


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Vindas ou não as contrarrazões, subam os autos à E. Turma Recursal.

Nº do processo: 0042979-62.2013.8.03.0001
Parte Autora: MANUELLA PAULINA DE SOUZA SANTOS
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP

L
Despacho: Defiro a juntada do documento apresentado pela autora.
Intimem-se as partes para que informem se possuem outras provas a produzir, no prazo de cinco dias.

IA
Nº do processo: 0043088-76.2013.8.03.0001
Parte Autora: EDSON CANUTO DE SOUSA
Advogado(a): JAMILE FERREIRA BARBOSA - 2437AP

IC
Parte Ré: OI - TNL PCS S/A
Advogado(a): ELADIO MIRANDA LIMA - 86235RJ
Sentença: Ante o silêncio da parte credora, declaro a quitação da dívida, motivo por que EXTINGO a execução, tal como prevê o artigo
794, I do CPC.

OF
Sem custas e honorários.
Publicação e registro eletrônicos.
Intimem-se, devendo ser renovada a intimação do credor para recebimento do Alvará.
Transitada em julgado, arquivem-se.

Nº do processo: 0043809-28.2013.8.03.0001
Parte Autora: WALDEMAR DA SILVA NEVES
O
Advogado(a): MARLON NERY DA COSTA - 2018AP
Parte Ré: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Sentença: I -
ÇÃ

Relatório dispensado, nos termos do art. 38 da Lei nº 9.099/95.

II -

Trata-se de Reclamação Cível em que o Reclamante alega ter sofrido cobrança indevida, embutida no contrato que firmou com a
requerida, cuja nomenclatura dada foi: "IOF", "serviços de terceiros", "tarifa de cadastro", "registro de contrato" e "tarifa de avaliação do
CA

bem". Requereu, ainda, indenização por danos morais.

A requerida, apesar de devidamente citada e intimada, não compareceu à audiência de conciliação, instrução e julgamento, ocorrida em
07/11/2013.
Pela Lei 9.099/95, o reclamado deve comparecer, pessoalmente ou representado por preposto credenciado, à audiência de conciliação,
instrução e julgamento, sob pena de serem considerados verdadeiros os fatos alegados na inicial, nos termos do art. 20, abaixo
LI

transcrito:
"Art. 20. Não comparecendo o demandado à sessão de conciliação ou à audiência de instrução e julgamento, reputar-se-ão verdadeiros
os fatos alegados no pedido inicial, salvo se o contrário resultar da convicção do Juiz."
Ricardo Cunha Chimenti, ao fazer a comparação da Lei 9.099/95 com o Código de Processo Civil, prescreveu o seguinte: "O art. 20 da
B

lei especial dita que a revelia é decorrente da ausência do demandado a qualquer das audiências, enquanto o art. 319 do CPC
estabelece que a revelia decorre da não-apresentação de resposta ao pedido inicial"(In Teoria e Prática dos juizados especiais cíveis.
13ªed. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 172).
PU

O Código de Processo Civil, por sua vez, em seu art. 320, relaciona os casos em que a revelia não produz os efeitos relacionados
alhures. In casu, não verifico a presença de nenhuma das hipóteses que teriam o condão de afastar a presunção de veracidade
estatuída pelo art. 20 da lei em tela.

Os principais efeitos da revelia são a presunção de veracidade dos fatos alegados na inicial (Lei nº 9.099/95, art. 20 c/c CPC, art. 319) e
a desnecessidade de o revel ser intimado dos atos processuais subsequentes (CPC, art. 322).

Decerto que a presunção decorrente da decretação da revelia é relativa, assim como bem observa Nelson Nery Júnior e Rosa Maria
Andrade Nery (In código de processo civil comentado e legislação processual civil extravagante em vigor. 4º ed. ver. e amp. - São
Paulo: editora Revista dos Tribunais, 1999, p. 818), mesmo não podendo o réu fazer prova de fato sobre o qual pesa a presunção de
veracidade, como esta é relativa, pelo conjunto probatório pode resultar a comprovação da prova em contrário à aquele fato,
derrubando a presunção que favorecia o autor. Este entendimento está em consonância com o estatuído no art. 277, § 2º do estatuto
processual em tela.

Entretanto, mesmo que se admita a veracidade fática sobre a matéria apresentada pelo autor, deve este juízo, por óbvio, verificar o
direito aplicável à espécie.

Disse a parte autora, na petição inicial, que o réu cobrou-lhe diversos encargos indevidos, quais sejam:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 143


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

a) "IOF"

O autor se insurge contra a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras, por ocasião da celebração do contrato de
financiamento.

Todavia, entendo não haver razão à sua irresignação, eis que se trata de imposto instituído pela União, incidente sobre operações de
crédito, tendo como contribuinte do imposto, nos termos do art. 2º do Decreto-Lei 1.783/1980, os tomadores de crédito, os segurados,

L
os compradores de moeda estrangeira e os adquirentes de títulos e valores imobiliários, enquanto o art. 3º do mesmo diploma legal
estabelece que a responsabilidade pela cobrança e pelo seu recolhimento, nas operações de crédito, é da instituição financeira.

IA
Indevida, pois, a devolução do IOF.

b) "Serviços de terceiros"

IC
Combate a parte autora a cobrança de uma tarifa denominada "serviços de terceiros", por ocasião do contrato de financiamento.

A Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, possui entendimento segundo o qual as cláusulas contratuais relativas
ao fornecimento de produtos e serviços que estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em

OF
desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a equidade, são nulas de pleno direito, conforme estabelece o art.
51, IV do Código de Defesa do Consumidor. Assim, é de se concluir pela abusividade da cobrança da tarifa denominada "serviços de
terceiros", impondo-se o seu afastamento do cálculo do valor devido pela parte autora, sob pena de favorecer o enriquecimento ilícito
por parte do Banco réu e desavantagem exagerada em relação ao consumidor, tratando-se, ainda, de cobranças inespecíficas, eis que
não resta claro quais os serviços executados que as justificam.

Veja-se o entendimento da Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá:


O
CIVIL. CONSUMIDOR. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA. CONTRATO DE FINANCIAMENTO. " TARIFA DE CADASTRO" . LEGALIDADE.
STJ. RESP 1.251.331/RS. "SERVIÇOS DE TERCEIROS" E " PROMOTORA DE VENDA" . COBRANÇAS INESPECÍFICAS.
IMPOSSIBILIDADE. RESTITUIÇÃO DEVIDA. " SEGURO DE PROTEÇÃO FINANCEIRA" E " GRAVAME ELETRÔNICO" .
ÇÃ

LEGALIDADE DAS COBRANÇAS. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO EM PARTE. 1) Omissis. 2) Omissis 3) Omissis. 4) Tem-se
por abusiva a cobrança das tarifas denominadas " SERVIÇOS DE TERCEIRO" (R$ 2.455,00) e " PROMOTORA DE VENDA" (R$
181,00), vez que não restou especificado o tipo de serviço executado, não restando justificada, pois, a sua cobrança, o que ensejaria o
enriquecimento ilícito por parte do Banco réu e desvantagem exagerada para o consumidor, o que é vedado em nosso ordenamento
jurídico. Assim, devida se mostra a restituição em dobro dos valores cobrados indevidamente, na forma do art. 42, parágrafo único, do
CDC. 5) Omissis 6) Omissis 7) Recurso conhecido e provido em parte, para excluir da condenação o ressarcimento dos valores
cobrados a título de " TARIFA DE CADASTRO", " SEGURO DE PROTEÇÃO FINANCEIRA" e " GRAVAME ELETRÔNICO" . 8)
CA

Sentença parcialmente reformada. (Processo Nº 0003456-40.2013.8.03.0002, Relator CESAR AUGUSTO SCAPIN, TURMA
RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS, julgado em 09 de Dezembro de 2013, publicado no DJE Nº 229/2013 em 16 de Dezembro
de 2013)

Assim, devida a devolução do valor de R$3.293,97 (três mil, duzentos e noventa e três reais e noventa e sete centavos).
LI

c) "Tarifa de cadastro"

Insurge-se a parte autora contra a cobrança da "tarifa de cadastro", quando da celebração do contrato.
B

Revendo meu posicionamento antes sustentado, dobro-me agora ao entendimento do Superior Tribunal de Justiça, esposado no
julgamento do Resp 1.251.331/RS, cujo entendimento é o adotado pela Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Amapá,
que infere pela legalidade da cobrança de referida tarifa, porquanto não vedada pelas resoluções do Conselho Monetário Nacional, e
desde que ocorra somente no início do relacionamento entre o consumidor e o banco, cabendo ao consumidor o ônus de provar
PU

vantagem exagerada pelo agente financeiro.


Nesse sentido a seguinte decisão:
"CIVIL. CONSUMIDOR. BANCO. COBRANÇA DE "TARIFA DE CADASTRO" . LEGALIDADE DA COBRANÇA. STJ. RESP
1.251.331/RS. RESTITUIÇÃO INCABÍVEL. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO. 1) No julgamento do REsp 1.251.331/RS,
submetido à sistemática dos Recursos Repetitivos (art. 543-C do CPC), o Superior Tribunal de Justiça pacificou a orientação
jurisprudencial em relação à Tarifa de Abertura de Crédito e Tarifa de Emissão de Carnê, bem como à Tarifa de Cadastro. Extrai-se da
referida decisão que " Nos contratos bancários celebrados até 30.04.2008 (fim da vigência da Resolução CMN 2.303/96) era válida a
pactuação das tarifas de abertura de crédito (TAC) e de emissão de carnê (TEC), ou outra denominação para o mesmo fato gerador,
ressalvado o exame de abusividade em cada caso concreto. Com a vigência da Resolução CMN 3.518/2007, em 30.04.2008, não mais
tem respaldo legal a contratação da Tarifa de Emissão de Carnê (TEC) e da Tarifa de Abertura de Crédito (TAC), ou outra denominação
para o mesmo fato gerador. Permanece válida a tarifa de cadastro expressamente tipificada em ato normativo padronizador da
autoridade monetária, a qual somente pode ser cobrada no início do relacionamento entre o consumidor e a instituição financeira" . 2) In
casu, a parte autora pleiteia a restituição do valor cobrado a título de TARIFA DE CADASTRO, no valor de R$ 550,00 (quinhentos e
cinquenta reais), cuja cobrança, segundo o entendimento firmado pelo STJ, é válida, desde que ocorra somente no início do
relacionamento entre o consumidor e o banco. Não havendo prova nos autos de que a referida tarifa já havia sido paga pelo
reclamante, a sua cobrança, no presente caso, deve ser considerada legal, sendo certo que o ônus de provar vantagem exagerada pelo
agente financeiro é do consumidor. 3) Segundo o STJ, havendo pactuação expressa, há de ser demonstrada de forma objetiva e cabal
a vantagem exagerada extraída por parte da instituição financeira que redundaria no desequilíbrio da relação jurídica, e por

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 144


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

consequência, na ilegalidade da sua cobrança, o que não ocorreu no presente caso. Ainda segundo o STJ: " esse abuso há de ser
objetivamente demonstrada, por meio da invocação de parâmetros objetivos de mercado e circunstâncias do caso concreto, não
bastando a mera remissão a conceitos jurídicos abstratos ou à convicção subjetiva do magistrado". 4) Recurso conhecido e provido
para julgar improcedente o pedido inicial. 5) Sentença reformada." (Processo Nº 0009356-04.2013.8.03.0002, Relator PAULO CÉSAR
DO VALE MADEIRA, TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS, julgado em 20 de Março de 2014, publicado no DJE Nº
56/2014 em 28 de Março de 2014)
Assim, não demonstrada a abusividade na cobrança da tarifa de cadastro, incabível sua devolução.
d) "registro de contrato" e "tarifa de avaliação do bem"

L
Combate o autor a cobrança de tarifa de registro de contrato e de avaliação do bem, no ato da contratação.

IA
Novamente revendo meu posicionamento e adotando o entendimento da Turma Recursal, hei por bem considerar a cobrança de
referidas tarifas legais, eis que expressamente previstas no contrato, não encontrando vedação pelas Resoluções do Conselho
Monetário Nacional e que, de fato, não se revestem em favor da instituição financeira, constituindo uma efetiva contraprestação em
favor do consumidor.
Nesse sentido colaciono a seguinte decisão da Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá:

IC
"CIVIL. CDC. BANCO. CONTRATO DE FINANCIAMENTO. " TARIFA DE CADASTRO" . LEGALIDADE. STJ. RESP 1.251.331/RS. "
SEGURO" . VENDA CASADA. VEDAÇÃO. RESTITUIÇÃO DEVIDA. " TARIFA DE AVALIAÇÃO DE VEÍCULO USADO" E " REGISTRO
DO CONTRATO/GRAVAME" . LEGALIDADE DAS COBRANÇAS. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO EM PARTE. 1) Omissis 2)
Omissis. 3) Omissis 4) Omissis 5) Quanto a cobrança das tarifas denominadas " TARIFA DE AVALIAÇÃO DE VEÍCULO USADO" (R$

OF
205,00) e " REGISTRO DO CONTRATO/GRAVAME" (R$ 113,50), não se configura a alegada abusividade ou desvantagem exagerada
sofrida pelo consumidor, tratando-se de cobranças legais, razão pela qual não há que se falar em ressarcimento dos respectivos
valores, estando previstas no contrato entabulado entre as partes. Ademais, verifica-se que o veículo adquirido pela autora é seminovo,
razão pela qual mantém-se a cobrança da citada tarifa de avaliação. 6) Recurso conhecido e provido em parte, para excluir da
condenação o ressarcimento dos valores cobrados a título de " TARIFA DE CADASTRO", "TARIFA DE AVALIAÇÃO DE VEÍCULO
USADO" e " REGISTRO DO CONTRATO/GRAVAME". 7) Sentença parcialmente reformada." (Processo Nº 0003998-
58.2013.8.03.0002, Relator CESAR AUGUSTO SCAPIN, TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS, julgado em 09 de
Dezembro de 2013, publicado no DJE Nº 229/2013 em 16 de Dezembro de 2013)
O
Assim, não reputo ilegalidade na cobrança da tarifa denominada "registro de contrato" e "tarifa de avaliação do bem".
ÇÃ

Com relação aos danos morais, a cobrança de valores declarados indevidos não é suficiente a ensejar a indenização pretendida. Isso
porque o dano moral se traduz no abalo à honra, à imagem, em que se verificam situações capazes de gerar no indivíduo sentimentos
negativos extremos, tais como vergonha, humilhação, inquietudes e abalos psicológicos. O fato de a autora ter pagado valores
contratuais em excesso, não é evento hábil a causar tais sentimentos.
Assim, improcede o pedido de reparação por danos morais.

Filiando-me ao entendimento da Turma Recursal, comprovado ter o réu efetuado a cobrança de tarifas abusivas, impõe-se o
CA

ressarcimento dos valores pagos indevidamente pelo autor. Não evidenciada a hipótese de engano justificável, deve a restituição dos
valores cobrados ilicitamente pelo requerido ser feita em dobro, nos termos do art. 42, parágrafo único, do CDC.

III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido e em consequência:
LI

1) Condeno a requerida BV FINANCEIRA S/A a devolver os valores, em dobro, que o autor WALDEMAR DA SILVA NEVES pagou a
título de "serviços de terceiros", que perfazem a quantia de R$6.586,54 (seis mil, quinhentos e oitenta e seis reais e cinquenta e quatro
centavos), já em dobro, acrescidos de correção monetária pelo INPC desde a data da contratação, e juros legais desde a citação;
2) Julgo improcedente o pedido de devolução do "IOF", "tarifa de cadastro", "registro de contrato" e "tarifa de avaliação do bem", além
B

do pedido de indenização por danos morais.


Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.
Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.
Publique-se.
PU

Intimem-se.

Nº do processo: 0056698-14.2013.8.03.0001
Parte Autora: THALLS RAMON DA SILVA E SILVA
Advogado(a): JORGE BALBINO DE ALMEIDA JUNIOR - 1822AP
Parte Ré: AYMORÉ CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A
Advogado(a): RODRIGO MONTEIRO PEDRO - 1634BAP
Sentença: I -

Relatório dispensado, nos termos do art. 38 da Lei nº 9.099/95.

II -

Trata-se de Reclamação Cível em que o Reclamante alega ter sofrido cobrança indevida, embutida no contrato que firmou com o
requerido, cuja nomenclatura dada foi: "tarifa de cadastro".

Presentes os pressupostos processuais e as condições da ação, passo à análise do mérito.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 145


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Insurge-se a parte autora contra a cobrança da "tarifa de cadastro", quando da celebração do contrato.

Revendo meu posicionamento antes sustentado, dobro-me agora ao entendimento do Superior Tribunal de Justiça, esposado no
julgamento do Resp 1.251.331/RS, cujo entendimento é o adotado pela Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Amapá,
que infere pela legalidade da cobrança de referida tarifa, porquanto não vedada pelas resoluções do Conselho Monetário Nacional, e
desde que ocorra somente no início do relacionamento entre o consumidor e o banco, cabendo ao consumidor o ônus de provar
vantagem exagerada pelo agente financeiro.

L
Nesse sentido a seguinte decisão:
"CIVIL. CONSUMIDOR. BANCO. COBRANÇA DE "TARIFA DE CADASTRO" . LEGALIDADE DA COBRANÇA. STJ. RESP

IA
1.251.331/RS. RESTITUIÇÃO INCABÍVEL. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO. 1) No julgamento do REsp 1.251.331/RS,
submetido à sistemática dos Recursos Repetitivos (art. 543-C do CPC), o Superior Tribunal de Justiça pacificou a orientação
jurisprudencial em relação à Tarifa de Abertura de Crédito e Tarifa de Emissão de Carnê, bem como à Tarifa de Cadastro. Extrai-se da
referida decisão que " Nos contratos bancários celebrados até 30.04.2008 (fim da vigência da Resolução CMN 2.303/96) era válida a
pactuação das tarifas de abertura de crédito (TAC) e de emissão de carnê (TEC), ou outra denominação para o mesmo fato gerador,

IC
ressalvado o exame de abusividade em cada caso concreto. Com a vigência da Resolução CMN 3.518/2007, em 30.04.2008, não mais
tem respaldo legal a contratação da Tarifa de Emissão de Carnê (TEC) e da Tarifa de Abertura de Crédito (TAC), ou outra denominação
para o mesmo fato gerador. Permanece válida a tarifa de cadastro expressamente tipificada em ato normativo padronizador da
autoridade monetária, a qual somente pode ser cobrada no início do relacionamento entre o consumidor e a instituição financeira" . 2) In

OF
casu, a parte autora pleiteia a restituição do valor cobrado a título de TARIFA DE CADASTRO, no valor de R$ 550,00 (quinhentos e
cinquenta reais), cuja cobrança, segundo o entendimento firmado pelo STJ, é válida, desde que ocorra somente no início do
relacionamento entre o consumidor e o banco. Não havendo prova nos autos de que a referida tarifa já havia sido paga pelo
reclamante, a sua cobrança, no presente caso, deve ser considerada legal, sendo certo que o ônus de provar vantagem exagerada pelo
agente financeiro é do consumidor. 3) Segundo o STJ, havendo pactuação expressa, há de ser demonstrada de forma objetiva e cabal
a vantagem exagerada extraída por parte da instituição financeira que redundaria no desequilíbrio da relação jurídica, e por
consequência, na ilegalidade da sua cobrança, o que não ocorreu no presente caso. Ainda segundo o STJ: " esse abuso há de ser
objetivamente demonstrada, por meio da invocação de parâmetros objetivos de mercado e circunstâncias do caso concreto, não
O
bastando a mera remissão a conceitos jurídicos abstratos ou à convicção subjetiva do magistrado". 4) Recurso conhecido e provido
para julgar improcedente o pedido inicial. 5) Sentença reformada." (Processo Nº 0009356-04.2013.8.03.0002, Relator PAULO CÉSAR
DO VALE MADEIRA, TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS, julgado em 20 de Março de 2014, publicado no DJE Nº
ÇÃ

56/2014 em 28 de Março de 2014)


Assim, incabível sua devolução, eis que a abusividade há que ser objetivamente demonstrada, "não bastando a mera remissão a
conceitos jurídicos abstratos ou à convicção subjetiva do magistrado", consoante decisão supratranscrita, o que, in casu, não ocorreu.

III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, rejeito a preliminar suscitada e, no mérito, JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial.
CA

Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.

Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.

Publique-se.
LI

Intimem-se.
B

Nº do processo: 0000304-84.2013.8.03.0001
Parte Autora: ANA DO SOCORRO MACHADO FERREIRA
Advogado(a): ANDRYO MACHADO FERREIRA - 2035AP
Parte Ré: DIBENS LEASING S.A - ARRENDAMENTO MERCANTIL
PU

Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP


Sentença: III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial.

Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.

Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.

Publique-se.

Intimem-se.

Nº do processo: 0019164-02.2014.8.03.0001
Parte Autora: EDUARDO SÁ GONÇALVES
Advogado(a): DANIELLE XAVIER RIBEIRO DE OLIVEIRA - 1574AP
Parte Ré: H. L. MOREIRA - ME

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 146


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Despacho: Inclua-se no cadastro do autor os nomes de suas patronas.


Determino a intimação do autor para emendar a inicial, nos termos a seguir:
1) Especificar nos pedidos c e d a que se referem os valores a ser devolvidos, uma vez que tal discriminação somente constou na
causa de pedir;
2) Juntar aos autos o comprovante de endereço do autor.
Fixo o prazo de dez dias para resposta, sob pena de indeferimento.

L
Nº do processo: 0006345-33.2014.8.03.0001
Parte Autora: JAIRO SAVIO RAMOS DE MEDEIROS

IA
Defensor(a): SINYA SIMONE GURGEL JUAREZ - 535AP
Parte Ré: TELEFONICA BRASIL S/A
Rotinas processuais: Conciliação, Instrução e Julgamento agendada para 28/05/2014 às 08:01h. OBS: A REFERIDA AUDIÊNCIA
OCORRERÁ NO PRIMEIRO ANDAR, SALA 6.

IC
Nº do processo: 0010293-51.2012.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DE JESUS MARTINS PINTO
Advogado(a): MARCUS MILLER MACHADO SASSIM - 1797AAP

OF
Parte Ré: COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO AMAPÁ- CEA
Advogado(a): ALFREDO ALEIXO DE SOUZA FILHO - 1018BAP
Rotinas processuais: intimação do autor para se manifestar, no prazo de 5(cinco) dias, acerca da petição do requerido de ordem 113.

Nº do processo: 0018573-40.2014.8.03.0001
Parte Autora: MARCIVALDO GODINHO FERNANDES
Advogado(a): PEDRO ROGÉRIO SALVIANO TABOSA - 1663AP
O
Parte Ré: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A
Rotinas processuais: intimação da parte autora para comparecer à audiência designada para o dia 15/05/2014, às 08:01 horas, na sala
de audiência localizada no 1º andar, sala 6.
ÇÃ

Nº do processo: 0058975-03.2013.8.03.0001
Parte Autora: JORGE BALIEIRO ALFAIA JUNIOR
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: BANCO HSBC BANK BRASIL S.A
Advogado(a): RODRIGO MONTEIRO PEDRO - 1634BAP
CA

Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2013 - 2º-JECC-MCP, promovo a intimação da parte Autora, a fim de manifestar-se
acerca da petição juntada pela parte ré, no prazo de 05 (cinco) dias.

Nº do processo: 0018653-04.2014.8.03.0001
Parte Autora: ARLINDO DA SILVA SANTOS
LI

Advogado(a): MANOEL RAIMUNDO LOPES DOS REIS - 666BAP


Parte Ré: BANCO HONDA S/A
Rotinas processuais: intimação do autor para comparecer à audiência designada para o dia 15/05/2014, às 10:01 horas, na sala de
audiência localizada no 1º andar, sala 6.
B

Nº do processo: 0018663-48.2014.8.03.0001
Parte Autora: TARSIA DE PAULA NUNES
PU

Advogado(a): KLEBER NASCIMENTO ASSIS - 1111BAP


Parte Ré: LOJAS AMERICANAS S/A
Rotinas processuais: intimação do autor para comparecer à audiência designada para o dia 15/05/2014, às 11:01 horas, na sala de
audiência localizada no 1º andar, sala 6.

Nº do processo: 0019191-82.2014.8.03.0001
Parte Autora: SAVIO ROGERIO MENDONCA NASCIMENTO
Advogado(a): JOAO VICTOR NASCIMENTO DA SILVA - 2355AP
Parte Ré: BANCO ITAÚ S/A
Rotinas processuais: Certifico que gero esta rotina para intimar a parte autora, via DJE da audiência de Conciliação, Instrução e
Julgamento agendada para 16/05/2014 às 10:01h, que ocorrerá no primeiro andar da sede dos Juizados Especiais Centrais, na sala n.
06.

Nº do processo: 0016593-58.2014.8.03.0001
Parte Autora: MÁRCIA MARQUES MARTINS DINIZ, RENATA DEL CASTILO GOES MIRANDA
Advogado(a): JOÃO AMÉRICO NUNES DINIZ - 194AP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 147


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: CLARABELES CONFECÇÕES LTDA ME


Rotinas processuais: intimação do autor para comparecer à sala de audiência, localizada no 1º andar, sala 6, para participar de
audiência designada para o dia 16/05/2014, às 10:31 horas

Nº do processo: 0042929-36.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARIA RAIMUNDA MOREIRA DA SILVA
Advogado(a): ROBERTO MONTEIRO DE SOUZA - 812AP

L
Parte Ré: MARIA VALDIRENE PENA DE ANDRADE
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2013 - 2º JECC, promovo a intimação do credor para tomar ciência da diligência

IA
negativa junto ao BACENJUD, bem como para indicar bens passíveis de penhora da devedora, bem como o seu endereço atualizado
no prazo de 05 (cinco) dias.

Nº do processo: 0010729-73.2013.8.03.0001

IC
Parte Autora: ALBERTO MAGNO DA SILVA GUEDES
Advogado(a): SABRINA SUELLE DA SILVA MORAES - 2238AP
Parte Ré: BANCO ITAULEASING S.A.
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP

OF
Rotinas processuais: Certifico que gero esta rotina com a finalidade de INTIMAR o réu para dar cumprimento à condenação lhe imposta
pela sentença de mérito, confirmada pelo acórdão recursal, no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de incidência da penalidade
estabelecida no art. 475-J do CPC.

Nº do processo: 0029321-68.2013.8.03.0001
Parte Autora: ALEX GEMAQUE DA SILVA
Parte Ré: VESPERTINA DE OLIVEIRA MORAES
O
Advogado(a): JOAQUIM HERBERT CARDOSO DA COSTA - 405AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 27/05/2014 às 08:31
ÇÃ

Nº do processo: 0000442-17.2014.8.03.0001
Parte Autora: DIELLY CATRINA FAVACHO LOPES
Advogado(a): CARMEM CRISTINA FONSECA PINTO - 2287AP
Parte Ré: BANCO DO BRASIL S.A.
Advogado(a): GUSTAVO AMATO PISSINI - 1768AAP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 27/05/2014 às 09:01
CA

Nº do processo: 0022007-71.2013.8.03.0001
Parte Autora: CLAUBERT DA SILVA BARBOSA CASTELO
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: ITAÚ UNIBANCO BANCO MÚLTIPLO S/A
LI

Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP


Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 11/06/2014 às 09:45
B

Nº do processo: 0042972-70.2013.8.03.0001
Parte Autora: WALDENIO DE SOUZA NUNES
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: BANCO PANAMERICANO S/A
PU

Advogado(a): SÉRGIO RENATO DE SOUZA SECRON - 253984SP


Sentença:
III -

Ante o exposto, e pela fundamentação supra, rejeito a preliminar suscitada e, no mérito, JULGO PROCEDENTE o pedido e em
consequência condeno o requerido BANCO PANAMERICANO S/A a devolver os valores, em dobro, que o autor WALDENIO DE
SOUZA NUNES pagou a título de encargos moratórios excessivos, que perfazem a quantia de R$1.885,38 (um mil, oitocentos e oitenta
e cinco reais e trinta e oito centavos, já em dobro, acrescidos de correção monetária pelo INPC a partir do efetivo desembolso, e juros
legais desde a citação.
Deixo de condenar a parte vencida em custas e honorários advocatícios, nos termos do artigo 55 da Lei 9.099/95.
Resolvo o processo nos termos do art. 269, inc. I, do Código de Processo Civil.
Publique-se.
Intimem-se.

Nº do processo: 0034242-70.2013.8.03.0001
Parte Autora: JOSÉ SERAFIM PICANÇO FILHO
Advogado(a): ELIANE BARBOSA DE MORAES - 2243AP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 148


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: H L MOREIRA - ME


Advogado(a): JUVENIL DOS SANTOS FERREIRA - 1339AP
Despacho: Decorrido este prazo sem nenhuma manifestação, deverá a parte autora apresentar apresentar planilha concernente ao
débito atualizado, uma vez que tal ato é ônus seu, nos termos do art. 614, II, c/c art. 475-J, ambos do CPC, aplicado subsidiariamente.

Nº do processo: 0043072-25.2013.8.03.0001
Parte Autora: LUCIANA DOS SANTOS INOCENTE

L
Advogado(a): WILKER DE JESUS LIRA - 1711AP
Parte Ré: MARILENE OLIVEIRA DO CARMO

IA
Despacho: Intime-se a exequente deste despacho e para que requeira o que entender de direito, no prazo de cinco dias.

Nº do processo: 0056269-47.2013.8.03.0001
Parte Autora: PAULO AFONSO DE OLIVEIRA

IC
Advogado(a): JOAO VICTOR NASCIMENTO DA SILVA - 2355AP
Parte Ré: BANCO SOFISA S/A
Despacho: Por derradeiro, intime-se a parte autora para impulsionar o feito no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, sob pena de
indeferimento da exordial.

Nº do processo: 0042352-58.2013.8.03.0001
Parte Autora: BERNARDO CARRANO MACHADO
Advogado(a): FREDERICO FONSECA DE OLIVEIRA VALES - 1993AP
Parte Ré: QUALITY DO BRASIL INDUSTRIA LTDA - JORNAL A GAZETA
Advogado(a): ANTÔNIO FERNANDO DA SILVA E SILVA - 143AP
Decisão: Intime-se a parte recorrida para oferecer contrarrazões.
OF
O
Nº do processo: 0019377-08.2014.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: EDUARDO ALFAIA CARDOSO


Advogado(a): MICHEL NASCIMENTO DE OLIVEIRA - 1152BAP
Parte Ré: SONNILDO ROCHA CAJADO
Rotinas processuais: Certifico que gero esta rotina para intimar a parte autora, via DJE da audiência de Conciliação, Instrução e
Julgamento agendada para 16/05/2014 às 11:01h, que ocorrerá no primeiro andar da sede dos Juizados Especiais Centrais, na sala n.
06.
CA

Nº do processo: 0047712-71.2013.8.03.0001
Parte Autora: LUIZ CARLOS DE SOUZA PALMERIM
Parte Ré: FEDERAL VIDA E PREVIDÊNCIA S/A
Advogado(a): CASSIUS CLAY LEMOS CARVALHO - 521AAP
Rotinas processuais: intimação da parte devedora para pagar voluntariamente o valor da condenação, no prazo de 15(quinze) dias, sob
LI

pena de aplicação da multa de 10% que trata o art. 475-J do CPC.

Nº do processo: 0011872-63.2014.8.03.0001
B

Parte Autora: ELIEL DOS SANTOS


Advogado(a): FABRICIO BORGES OLIVEIRA - 1790AP
Parte Ré: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A
Rotinas processuais: Conciliação, Instrução e Julgamento agendada para 29/05/2014 às 09:31h. OBS: A REFERIDA AUDIÊNCIA
PU

OCORRERÁ NO PRIMEIRO ANDAR, SALA 6.

Nº do processo: 0015946-34.2012.8.03.0001
Parte Autora: RITA DE CÁSSIA PAULA DA SILVA
Advogado(a): JOAO FABIO MACEDO DE MESCOUTO - 1190AP
Parte Ré: UNIAO DE FACULDADES DO AMAPA LTDA
Advogado(a): TAISA MARA MORAIS MENDONCA - 1067AP
Sentença: Não foi promovido o regular andamento do processo.
Ante a inércia aqui constatada, outra alternativa não há senão extinguir o processo, o que faço com suporte no art. 267, III, do CPC.
Publique-se.
Registre-se.
Intimem-se.

Nº do processo: 0007156-90.2014.8.03.0001
Parte Autora: RICARDO REIS FERREIRA
Advogado(a): LUCIANY LIMA FERREIRA - 1992AP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 149


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: ALCIVANDRO FERREIRA PARANHOS, JOAO PIMENTEL DOS REIS


Rotinas processuais: Conciliação, Instrução e Julgamento agendada para 29/05/2014 às 11:01h. OBS: A REFERIDA AUDIÊNCIA
OCORRERÁ NO PRIMEIRO ANDAR, SALA 6.

3ª VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL CENTRAL

Nº do processo: 0010057-65.2013.8.03.0001

L
Parte Autora: ROSA MARIA FERREIRA
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: ITAÚ UNIBANCO BANCO MÚLTIPLO S/A

IA
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Despacho: Com a juntada da planilha, intimem-se as parte para manifestação, no prazo comum de 05(cinco) dias.
Não havendo divergência em relação a planilha apresentada, expeça-se os alvarás das quantias correspondentes a cada uma das
partes, intimando-os para recebimento, bem como para, no prazo de 05(cinco) dias, requererem o que entender de direito.

IC
Sem nova manifestação, conclusos para extinção.

Nº do processo: 0024457-55.2011.8.03.0001
Parte Autora: MARILENE CAMPOS DE SOUZA

OF
Advogado(a): OSCAR RODOLFO SERIQUE GATO - 1154AP
Parte Ré: CIA DE CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RENAULT DO BRASIL
Advogado(a): ALINE CRISTIANE MIRANDA DE LIMA - 1624AP
Despacho: Considerando o teor do peticionamento do réu registrado no movimento 118 anexando o comprovante de pagamento,
expeça-se alvará de levantamento intimado a parte autora para recebimento, bem como requerer o que entender de direito, no prazo de
05 (cinco) dias.
Decorrido o prazo sem manifestação, retornem os autos ao arquivo.
O
Nº do processo: 0009686-67.2014.8.03.0001
Parte Autora: OCEMIR DAS NEVES ARAÚJO NUNES
ÇÃ

Advogado(a): KENNIA PINHEIRO DA SILVA - 1012AP


Parte Ré: ELDORADO VEICULOS E PEÇAS LTDA
Advogado(a): NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES - 1551AAP
Sentença: Isso posto, declaro extinto o processo sem apreciação do mérito, nos termos do art. 267, V do CPC.
Sem custas e honorários advocatícios.
Publique-se e Intimem-se.
CA

Arquivem-se após o trânsito em julgado.

Nº do processo: 0018894-75.2014.8.03.0001
Parte Autora: EVANDRO MOURA BARATA JUNIOR
Advogado(a): EVANDRO MOURA BARATA JUNIOR - 2222AP
Parte Ré: TAM LINHAS AÉREAS S/A
LI

Despacho: Diante disso, intime-se a parte autora para que emende a inicial em 10 (dez) dias, apresentando nesta secretaria um
comprovante de residência em seu nome e/ou declaração que comprove a sua moradia no endereço informado aos autos, sob pena de
indeferimento da inicial e consequente extinção, sem resolução do mérito (CPC, arts 267, I e 284).
B

Nº do processo: 0007415-22.2013.8.03.0001
Parte Autora: CHARLOTTE MARQUES STUDIER
PU

Advogado(a): CHARLOTTE MARQUES STUDIER - 551AP


Parte Ré: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A
Advogado(a): RODRIGO MONTEIRO PEDRO - 1634BAP
Sentença: Isso posto, com fulcro no art. 269, I do CPC, JULGO IMPROCEDENTE os embargos.

Custas pelo embargante nos termos do artigo 55, parágrafo único, II, da Lei 9.099/95.

Certificado o trânsito em julgado, expeça-se alvará de levantamento do valor constrito em favor da embargada.

Publique-se.
Registre-se.
Intimem-se.

Nº do processo: 0036460-08.2012.8.03.0001
Parte Autora: JOSÉ RAIMUNDO ALVES SANTARÉM
Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A
Advogado(a): GUSTAVO AMATO PISSINI - 1768AAP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 150


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Despacho: Expeça-se o alvará fazendo constar o conteúdo descrito no peticionamento registrado no evento 112.
Após, arquivem-se os autos.

Nº do processo: 0056350-93.2013.8.03.0001
Parte Autora: EDINAMAR DIAS DE ARAUJO
Advogado(a): JOANA PAULA ARAUJO DOS SANTOS - 2043AP
Parte Ré: CETELEM BRASIL S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

L
Advogado(a): FELIPE GAZOLA VIEIRA MARQUES - 76696MG
Despacho: Considerando a comprovação do pagamento pelo réu, expeça-se alvará de levantamento intimado a parte autora para

IA
recebimento, bem como requerer o que entender de direito, no prazo de 05 (cinco) dias.

Nº do processo: 0042632-29.2013.8.03.0001
Parte Autora: ALVIN CEZAR DE OLIVEIRA CORREA

IC
Advogado(a): JUAREZ GONÇALVES RIBEIRO - 609AP
Parte Ré: DOMESTILAR LTDA
Advogado(a): HUGO EDGARD RODRIGUES LEITE - 1579AP
Despacho: Indefiro o pedido formulado pelo réu no peticionamento anexado no movimento 19.

OF
Nos termos do acordo realizado entre os litigantes não ficou estabelecida qualquer obrigação a ser cumprida pelo autor. A única
obrigação elencada já foi cumprida pelo réu, fato comprovado nos autos.
Ressalto a anuência das partes quanto ao teor do acordo homologado por este Juízo, consoante assinaturas do preposto e advogado
da parte ré registradas no termo juntado eletronicamente no movimento 14.
Intimem-se.
Após, retornem os autos ao arquivo.
O
Nº do processo: 0002968-54.2014.8.03.0001
Parte Autora: ROSICLER MONTEIRO MAGALHÃES
Advogado(a): JOAO FABIO MACEDO DE MESCOUTO - 1190AP
ÇÃ

Parte Ré: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A


Advogado(a): HENRIQUE JOSÉ PARADA SIMÃO - 221386SP
Despacho: Manifeste-se a parte Autora, no prazo de 05 dias, a respeito do peticionamento do réu anexado no evento 46 atestando o
cumprimento da obrigação.
Decorrido o prazo sem manifestação, conclusos para extinção.
CA

Nº do processo: 0036459-91.2010.8.03.0001
Parte Autora: FELICIO LAURIANO ROMANO
Advogado(a): LANA PATRICIA MONTEIRO DE SOUZA - 1260AP
Parte Ré: ESTEVES CORRETORA E EMPRÉSTIMO, FUTURO - PREVIDÊNCIA PRIVADA, PECÚLIO UNIÃO PREVIDÊNCIA
PRIVADA, SABEMI BANCO MATONE
Advogado(a): CINTHYA JORDANA DA SILVA PICANÇO - 916AP, SAMEA SANTOS AMORAS - 1294AP
LI

Despacho: Intime-se a parte autora, via DJE, do teor da certidão registrada no movimento 136.
Após, retornem os autos ao arquivo.
B

Nº do processo: 0004953-58.2014.8.03.0001
Parte Autora: SAIMON CARDOSO DE MELO
Parte Ré: BANCO SANTANDER, BOA VISTA SERVIÇOS S A
Advogado(a): CARLOS MAXIMIANO MAFRA DE LAET - 15311RJ, MARCEL DAVIDMAN PAPADOPOL - 2241AAP
PU

Rotinas processuais: Certifico que em cumprimento ao art. 14 da Portaria nº 002/2012 3ª VJCC, INTIMO a parte ré para, no prazo de
15 (quinze) dias, cumprir voluntariamente a obrigação imposta na sentença, sob pena de inclusão da multa a que se refere o art. 475-J
do CPC.

Nº do processo: 0056188-98.2013.8.03.0001
Parte Autora: ISMAEL BRASIL CORDOVIL
Advogado(a): NATAN ROCHA BATISTA - 2345AP
Parte Ré: BANCO CRUZEIRO DO SUL S/A
Advogado(a): TAYLISE CATARINA ROGÉRIO SEIXAS - 182694SP
Rotinas processuais: Certifico que em cumprimento ao art. 15 Portaria nº 002/2012 3ª VJCC, INTIMO a parte autora, por meio de seu
advogado, a requerer, no prazo de 10 (dez) dias, o que bem entender de direito, sob pena de arquivamento.

Nº do processo: 0034570-34.2012.8.03.0001
Parte Autora: MARIA ANSELMA GUEDES PASTANA
Advogado(a): CHRISTOPHER SERRANO DE ANDRADE - 2086AP
Parte Ré: B2W COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 151


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): VINÍCIUS IDESES - 98749RJ


Rotinas processuais: Certifico que, em cumprimento ao art.14 da Portaria 002/2012 - 3ºVJCC/MCP, intimo a parte autora para no prazo
de 05(cinco) dias juntar aos autos planilha de atualização do débito.

Nº do processo: 0030119-29.2013.8.03.0001
Parte Autora: CAMILA PEREIRA COSTA
Advogado(a): JOSE ELIVALDO COUTINHO - 763AP

L
Parte Ré: ELETROMOTOS
Sentença: ISSO POSTO, julgo extinto o processo, e o faço com fulcro no artigo acima mencionada.

IA
Sem custas e honorários.
Certificado o Trânsito, ARQUIVE-SE com as cautelas de praxe.
Tão logo encontre bem, o exequente poderá pedir o desarquivamento do feito.
Publique-se.
Registre-se.

IC
Intimem-se.

Nº do processo: 0025480-65.2013.8.03.0001

OF
Parte Autora: MARIA DO SOCORRO SAMPAIO FIGUEIRA
Advogado(a): JEAN EVERSON COÊLHO DA SILVA - 912AP
Parte Ré: BFB LEASING S.A. - ARRENDAMENTO MERCANTIL
Advogado(a): JOSE MARTINS - 84314SP
Sentença: III - Isso posto:

1 - EXTINGO o processo sem julgamento do mérito, quanto à pretensão de ressarcimento de valores pagos a titulo de encargos
excessivos, segundo arts. 3º e 51, inciso II, ambos da Lei 9.099/95, nos termos da fundamenta supra;
O
2 - Com fulcro no art. 269, I do CPC, DECLARO a ilegalidade da cobrança exigida a título de SERVIÇOS DE TERCEIROS e
CONDENO o réu DIBENS LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL a ressarcir à parte autora MARIA DO SOCORRO SAMPAIO
ÇÃ

FIGUEIRA a importância de R$1.189,20 (mil cento e oitenta e nove reais e vinte centavos), referente aos valores exigidos a título da
tarifa supramencionada, devendo incidir atualização monetária pelo INPC, partir da celebração do contrato (janeiro/2009) e juros de
mora no importe de 1% a.m., a partir da citação. Sobre o resultado determino a incidência da DOBRA legal, nos termos do art. 42,
parágrafo único, do CDC.
3 - JULGO IMPROCEDENTE o pedido de dano moral.

Sem custas e honorários advocatícios (art. 55 da LJE).


CA

Certificado o trânsito, proceder nos termos da portaria nº002/2012-3ºJECC.


Altere-se o polo passivo da demanda para constar no sistema Tucujuris, no lugar de BFB LEASING S.A. - ARRENDAMENTO
MERCANTIL, a denominação DIBENS LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL.
Publique-se.
Registre-se.
Intimem-se.
LI

Nº do processo: 0015631-69.2013.8.03.0001
Parte Autora: VANEZA DO NASCIMENTO LEMOS
B

Advogado(a): LUIZ GONZAGA PEREIRA DA SILVA - 971AP


Parte Ré: IRANILDE DOS SANTOS SARMENTO
Despacho: Manifeste-se a parte Autora, no prazo de 05 dias, a respeito do documento anexado pelo ré no evento 102.
PU

Nº do processo: 0005551-12.2014.8.03.0001
Parte Autora: ANA DO SOCORRO MACHADO FERREIRA
Advogado(a): ANDRYO MACHADO FERREIRA - 2035AP
Parte Ré: BANCO FINASA S/A
Advogado(a): GEORGE SILVA VIANA ARAÚJO - 9354PA
Decisão: Intime-se a parte recorrida para, querendo, ofertar contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias.

Nº do processo: 0018595-98.2014.8.03.0001
Parte Autora: LEONEY PATRICK DE ARAÚJO SOUZA
Advogado(a): MONIQUE LOBATO ABDON - 1654AP
Parte Ré: BANCO FINASA BMC S.A.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 12/06/2014 às 09:00

Nº do processo: 0018645-27.2014.8.03.0001
Parte Autora: RENI DA SILVA FERNANDES MELO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 152


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): EDINALDO FERNANDES MELO - 2281AP


Parte Ré: BANCO ITAÚCARD S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 12/06/2014 às 10:00

Nº do processo: 0018897-30.2014.8.03.0001
Parte Autora: EDNA SELMA SILVA DE SENA
Advogado(a): RUANE BARRETO DO CARMO - 2218AP

L
Parte Ré: CONSORCIO NACIONAL VOLKSWAGEN LTDA - ADM. DE CONSÓRCIO LTDA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 12/06/2014 às 10:30

IA
Nº do processo: 0055299-47.2013.8.03.0001
Parte Autora: SANDRA MOREIRA MAGALHAES
Advogado(a): WALQUIRIA DAS DORES DA GAMA - 598AP

IC
Parte Ré: BANCO DO BRASIL, EXPRESSO CRED PAG
Advogado(a): GUSTAVO AMATO PISSINI - 1768AAP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 15/07/2014 às 09:30

OF
JUIZADO MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

Nº do processo: 0017284-09.2013.8.03.0001
Parte Autora: M. A. DE SÁ - ME
Advogado(a): JOAO FABIO MACEDO DE MESCOUTO - 1190AP
Parte Ré: BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A
Advogado(a): JOSÉ DOS SANTOS DE OLIVEIRA - 1170AP
O
Despacho: Defiro o pedido (evento 56).
Intime-se a parte Reclamada, através de seu Advogado, para cumprir a Sentença espontaneamente, pagando o valor de R$ 1.803,06
(mil, oitocentos e três reais e seis centavos), no prazo de 15(quinze) dias, sob pena de incidência da multa de 10% (dez por cento),
prevista no art. 475-J do CPC e o prosseguimento do feito em Execução.
ÇÃ

Nº do processo: 0045425-72.2012.8.03.0001
Parte Autora: COUROCAFE INDUSTRIA E COMERCIO DE ARTEFATOS DE COUROS LTDA-ME
Advogado(a): ALDER DOS SANTOS COSTA - 2136AP
Parte Ré: FABRICIA ALMEIDA DE SOUZA
CA

Advogado(a): TATIANE DANIELLE SOUZA DE OLIVEIRA - 1787AP


Despacho: Em Atos do Juiz. Defiro o pedido (evento 85).
Expeça-se Mandado de Penhora/Avaliação/Remoção/Intimação para a Executada, observando-se os endereços indicados no evento
85. Intime-se a representante legal da Exequente para acompanhar o Oficial de Justiça na diligência.
Intimem-se.
LI

Nº do processo: 0049076-78.2013.8.03.0001
Parte Autora: ISMAR DOS SANTOS MATOS - EPP
Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP
Parte Ré: LEICA DE SOUZA SANTANA
B

Despacho: devendo a parte Exequente ser intimada, por meio de sua Advogada, para auxiliar o Oficial de Justiça, fornecendo os meios
necessários para o cumprimento da diligência.
PU

Nº do processo: 0056162-03.2013.8.03.0001
Parte Autora: ISMAR DOS SANTOS MATOS - EPP
Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP
Parte Ré: FRANCISCO SILVA PINHEIRO, GERLANE MELO CARVALHO
Despacho: DESPACHO: Tendo em vista a ausência injustificada da Exequente à Audiência, intime-se-a para se manifestar sobre seu
interesse no prosseguimento do feito, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, sob pena de extinção do processo nos termos do art.267,
III, do CPC.

Nº do processo: 0006224-05.2014.8.03.0001
Parte Autora: F. REIS DOS SANTOS - ME
Advogado(a): PAULO VICTOR OLIVEIRA DOS SANTOS - 1363AP
Parte Ré: FERREIRA SILVA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA
Despacho: Para solicitar pesquisa de endereço, a parte Autora deve antes comprovar, nos autos, que esgotou todos os esforços extra-
autos, até porque dispõe do direito constitucional de petição para requerer, junto às repartições públicas, informações indispensáveis ao
exercício de seus direitos. Comprovando essas tentativas iniciais, fica demonstrado a imprescindibilidade da atuação judicial.
Vejamos o que diz a jurisprudência nesse sentido:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 153


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

"É dever do autor da ação diligenciar na busca pelo endereço do réu, somente sendo possível a intervenção judicial quando
demonstrado o exaurimento de todos os meios possíveis empreendidos na localizção do demandado. Precedentes desta
Corte.Cív.,Ag.Inst.nº 70019272301, Rel.Des.MarioRocha Lopes Filho, julg. 13.04.2007)"
Assim sendo, indefiro, por ora, o pedido do evento 14, devendo a Autora informar o endereço da Ré, no prazo de 15 (quinze) dias, sob
pena de arquivamento, nos termos do artigo 20, § 4º da Resolução 001/96 do Conselho Superior dos Juizados Especiais do TJAP.
Intime-se.

L
Nº do processo: 0038480-11.2008.8.03.0001
Parte Autora: MARLÚCIA & RONALDO ANDRADE LTDA

IA
Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP
Parte Ré: PATRICIA MARIA FURTADO GUEDES
Despacho: Defiro o pedido do evento 201.
Removam-se os bens penhorados no evento 181, para poder e guarda da exequente, a qual deverá fornecer ao Oficial de Justiça os
meios necessários para o cumprimento da diligência.

IC
Intime-se.

Nº do processo: 0032178-24.2012.8.03.0001

OF
Parte Autora: M.I. PANTOJA RODRIGUES - ME
Advogado(a): ALBETHANIA ARAUJO DE OLIVEIRA - 1252AP
Parte Ré: VALERIA CRISTINA DA SILVA DIAS
Despacho: Intime-se a Exequente, por meio de sua Advogada para, no prazo de 15 (quinze) dias, indicar bens da Executada passíveis
de penhora, sob pena de extinção nos termos do art. 53, § 4º da lei 9.099/95, tendo em vista que as pesquisas via Bacenjud e Renajud,
foram negativas.
O
Nº do processo: 0019035-94.2014.8.03.0001
Parte Autora: DECOPLAST LTDA
Advogado(a): DANIELLE XAVIER RIBEIRO DE OLIVEIRA - 1574AP
ÇÃ

Parte Ré: ERALDO DA SILVA TRINDADE


Despacho: Verifica-se que a parte Autora ingressou com Processo de Conhecimento em 07.04.2014, anexando aos autos 01 (um)
cheque datado de 30.10.2013.
Nos termos dos arts. 47 e 59 da Lei 7.357/85, prescrevem em 06 (seis) meses os cheques, contados da expiração do prazo para
apresentação, para o Autor ajuizar ação de execução.
No presente caso este prazo não transcorreu ainda, tendo, portanto, o cheque, força executiva.
Assim sendo, intime-se a Autora, através de sua Advogada para, no prazo de 10 (dez) dias, emendar a Inicial para adequar o pedido
CA

ao rito próprio, ou seja, Processo de Execução, sob pena de indeferimento da Inicial.

Nº do processo: 0045425-72.2012.8.03.0001
Parte Autora: COUROCAFE INDUSTRIA E COMERCIO DE ARTEFATOS DE COUROS LTDA-ME
Advogado(a): ALDER DOS SANTOS COSTA - 2136AP
LI

Parte Ré: FABRICIA ALMEIDA DE SOUZA


Advogado(a): TATIANE DANIELLE SOUZA DE OLIVEIRA - 1787AP
Rotinas processuais: Comparecer à Central de Mandados (Anexo do Fórum - Rua Manoel Eudóxio Pereira esquina com Avenida FAB,
Centro, Macapá-AP) para auxiliar o Sr. Oficial de Justiça na diligência de Remoção de bens.
B

Nº do processo: 0034836-84.2013.8.03.0001
Parte Autora: F. REIS DOS SANTOS - ME
PU

Advogado(a): PAULO VICTOR OLIVEIRA DOS SANTOS - 1363AP


Parte Ré: ESPECIFICA COMERCIO & SERVICOS LTDA-EPP
Responsável: DENIS COSTA MENDES
Despacho: Intime-se a Requerente, por meio de seu Advogado para, no prazo de 05 (cinco) dias, manifestar-se sobre o teor da
Certidão do Sr. Oficial de Justiça (evento 53), requerendo o que for de direito.
Decorrido o prazo, sem manifestação, arquive-se.

Nº do processo: 0020543-12.2013.8.03.0001
Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP
Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP
Parte Ré: ITACAUASSU VIANA MACEDO, IV MACEDO ME
Despacho: Tendo em vista a existência de bens penhorados no evento 10, cujo auto foi anexado no evento 18, intime-se a Exequente,
através de sua Advogada para, no prazo de 05 (cinco) dias, manifestar-se sobre seu interesse em adjudicar os referidos bens, ou
requerer o que for de direito.

Nº do processo: 0021416-12.2013.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 154


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP


Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP
Parte Ré: FRANCICLEIDE QUEIROZ DA SILVA, MARIA IRACIMAR COSTA COELHO, NATÁLIAROCHELLE DOS REIS XAVIER
Despacho: Intime-se a Exequente, por meio de sua Advogada para, no prazo de 15 (quinze) dias, indicar bens das Executadas
Francicleide Queiroz da Silva e Natãlia Rochelle dos Reis Xavier passíveis de penhora, sob pena de extinção nos termos do art. 53, §
4º da lei 9.099/95, tendo em vista que a pesquisa via BACENJUD foi negativa, como também para manifestar-se sobre a informação de
endereço da Executada MARIA IRACIMAR COSTA COELHO no evento 56, requerendo o que for de direito.

L
Nº do processo: 0013939-35.2013.8.03.0001

IA
Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP
Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP
Parte Ré: ELIAS NUNES DA SILVA, GILSON FRANCISCO PASTANA RIBEIRO, PAULO COSTA MOREIRA
Despacho: Intime-se a parte Exequente, por meio de sua Advogada para, no prazo de 05 (cinco) dias, manifestar-se sobre o bem
penhorado no evento 30, requerendo o que for de direito, sob pena de arquivamento.

IC
Nº do processo: 0041887-49.2013.8.03.0001
Parte Autora: E. S. M E DIAS LTDA - EPP

OF
Advogado(a): HAGEU LOURENCO RODRIGUES - 860AP
Parte Ré: ELDENISE N. OLIVEIRA - ME
Despacho: Tendo em vista as consultas BACENJUD e RENAJUD (eventos 21 e 31) infrutíferas, intime-se a Exequente, através de seu
Advogado para, no prazo de 15 (quinze) dias, indicar bens passíveis de penhora, pertencentes à Executada, sob pena de extinção, nos
termos do art. 53, § 4º, da Lei 9.099/95.

Nº do processo: 0016500-03.2011.8.03.0001
O
Parte Autora: P.J.B. DE SOUSA -EPP
Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP
Parte Ré: EDIVANE DE ALMEIDA SOBRINHO
ÇÃ

Despacho: Indefiro o pedido (evento 169), tendo em vista as informações contidas nos (eventos 126 e 148).
Intime-se a Exequente, através de sua Advogada para, no prazo de 48 (quarenta e oito horas), informar o endereço atual da Executada,
sob pena de arquivamento, haja vista as inúmeras diligências infrutíferas.

Nº do processo: 0001677-19.2014.8.03.0001
Parte Autora: SILVA PIRES E NASCIEMNTO LTDA (ESCOLA META)
CA

Advogado(a): ROMANTI EZER MORAIS COSTA RAMOS - 2402AP


Parte Ré: ADREIZIANE BISPO DA CRUZ
Despacho: Tendo em vista a Certidão do evento 14, intime-se a Exequente, através de seu Advogado para, no prazo de 05 (cinco) dias
manifestar-se sobre seu interesse no prosseguimento do feito, sob pena de arquivamento.
LI

Nº do processo: 0033126-97.2011.8.03.0001
Parte Autora: ATITUDE AGENCIA DE VIAGEM E TURISMO LTDA-ME
Advogado(a): ANNA PAOLA DE SOUSA MORAES AMARAL - 2206AP
Parte Ré: ALBERONE PICANCO LACERDA
B

Despacho: Defiro o pedido da parte Exequente (evento 154).


Expeça-se Carta de Adjudicação do bem penhorado nos autos (evento 128), repassando-a à Exequente, pois o bem já se encontra com
ela, conforme consta no evento 143.
Suspenda-se o andamento do feito pelo prazo de 30 (trinta) dias, salientando que decorrido o prazo sem manifestação, os autos serão
PU

arquivados.
Intime-se.

Nº do processo: 0019027-20.2014.8.03.0001
Parte Autora: COMPANHIA DE RODEIO RL LTDA-EPP
Advogado(a): JOSE DOS SANTOS PEREIRA NETO - 2204AP
Parte Ré: JEAN ALEX DE SOUSA NUNES
Despacho: Intime-se a Autora, por meio de seu Advogado, mais uma vez, para que anexe aos autos Declaração de Microempresa ou
Empresa de Pequeno Porte atualizada, fornecida pela Junta Comercial do Amapá, no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de
indeferimento da Petição Inicial.

Nº do processo: 0017977-95.2010.8.03.0001
Parte Autora: J. R. ALMEIDA LTDA - ME
Advogado(a): DENIZ CHAVES ALMEIDA - 856AP
Parte Ré: ARAÚNA INDUSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA, CASIMIRO ANTONIO DO OUTEIRO
CARDANHA, NELCY MOREIRA DO OUTEIRO CARDANHA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 155


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Despacho: Tendo em vista que na pesquisa através da Receita Federal ficou constatado a existência de bens, intime-se a Exequente,
através de seu Advogado, para que compareça nesta Secretaria, no prazo de 05 dias, para manifestar-se, requerendo o que for de
direito, sob pena de arquivamento.

Nº do processo: 0006259-62.2014.8.03.0001
Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP
Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP

L
Parte Ré: MARCOS ROBERTO PALMERIM MAIA, M R PALMERIM - ME, NEUTON SANTANA DA SILVA
Rotinas processuais: Certifico que foi expedido mandado de remoção e intimação. Deverá a parte Autora auxiliar o Oficial de Justiça na

IA
diligência.

Nº do processo: 0038480-11.2008.8.03.0001
Parte Autora: MARLÚCIA & RONALDO ANDRADE LTDA

IC
Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP
Parte Ré: PATRICIA MARIA FURTADO GUEDES
Rotinas processuais: Certifico que foi expedido mandado de remoção e intimação. Deverá a parte Autora comparecer à Central de
Mandados para auxiliar o Oficial de Justiça na diligência.

Nº do processo: 0048306-85.2013.8.03.0001
Parte Autora: ISMAR DOS SANTOS MATOS - EPP
Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP
Parte Ré: R M F DA COSTA EMPREENDIMENTOS LTDA-EPP
OF
Rotinas processuais: Certifico que foi expedido mandado de penhora, avaliação, remoção e intimação. Deverá a parte Autora
comparecer à Central de Mandados para auxiliar o Oficial de Justiça na diligência.
O
Nº do processo: 0019039-34.2014.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP


Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP
Parte Ré: RAIMUNDO SILVA DOS SANTOS
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 14/05/2014 às 09:30

Nº do processo: 0019047-11.2014.8.03.0001
CA

Parte Autora: J R DA SILVA MATERIAS DE CONSTRUÇÃO


Advogado(a): GLAUCIA COSTA OLIVEIRA - 1364AP
Parte Ré: CONSTRUFLEX, CONSTRUCOES COMERCIO E SERVICOS LTDA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 14/05/2014 às 09:30
LI

Nº do processo: 0019048-93.2014.8.03.0001
Parte Autora: MADEREIRA J. P. LTDA
Advogado(a): ROBERTO JOSE NERY MORAES - 491AP
Parte Ré: R. A. MACEDO-ME
B

Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 14/05/2014 às 10:30

Nº do processo: 0019040-19.2014.8.03.0001
PU

Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP


Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP
Parte Ré: RAIMUNDO AZIEL NAHUM DA SILVA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 14/05/2014 às 11:30

Nº do processo: 0019041-04.2014.8.03.0001
Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP
Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP
Parte Ré: DILENE GONÇALVES DE FREITAS
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 15/05/2014 às 10:30

Nº do processo: 0019043-71.2014.8.03.0001
Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP
Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP
Parte Ré: CLEIO DIAS DE FREITAS, IZAQUIEL SILVA PEREIRA, SARA SILVA PEREIRA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 15/05/2014 às 11:30

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 156


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0019657-76.2014.8.03.0001
Parte Autora: AGENCIA DE FOMENTO DO AMAPA SA - AFAP
Advogado(a): DANIELA DO CARMO AMANAJÁS - 2009AP
Parte Ré: FRANCISCO SOARES BATISTA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 19/05/2014 às 08:30

L
Nº do processo: 0019660-31.2014.8.03.0001

IA
Parte Autora: M.V.B. PRODUTOS E SERVIÇOS LTDA EPP
Advogado(a): AULO CAYO DE LACERDA MIRA - 923AP
Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 19/05/2014 às 08:30

IC
Nº do processo: 0019683-74.2014.8.03.0001
Parte Autora: ALTAIR PEREIRA IMÓVEIS
Advogado(a): ARIANE VALERIA PICANCO RAMOS - 2168AP

OF
Parte Ré: ODILENE BASTOS DE OLIVEIRA VITAL, PERCILIANO GOMES VITAL
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 19/05/2014 às 10:30

Nº do processo: 0009146-19.2014.8.03.0001
Parte Autora: R H S MOURA - ME
Advogado(a): AUMIL TERRA JÚNIOR - 1825AAP
Parte Ré: BANCO BRADESCO S/A - AGÊNCIA 1300
O
Advogado(a): GEORGE SILVA VIANA ARAÚJO - 9354PA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 10/06/2014 às 09:30
ÇÃ

JUIZADO ESPECIAL DE FAZENDA PÚBLICA

Nº do processo: 0025215-97.2012.8.03.0001
Parte Autora: ANA LUIZA JACARANDA DA CONCEIÇÃO
Advogado(a): HADAMILTON SALOMÃO ALMEIDA - 1655AP
Parte Ré: MUNICÍPIO DE MACAPÁ
CA

Advogado(a): NILZELENE DE SA GALENO - 644AP


Despacho: Vindos os memoriais, intime-se incontinenti o ente requerido para, em 30 dias, sobre eles se manifestar, bem como para
informar acerca da existência de débitos de titularidade da parte exequente, para fins de possível compensação de créditos.
Ressalto que o silêncio da parte requerida incidirá em presunção da inexistência de débitos, como também em aquiescência aos
cálculos, ensejando a expedição de requisição de valores, de acordo com o art. 13, I ou II, da Lei nº 12.153/09, conforme o valor do
crédito exequendo.
LI

Nº do processo: 0055213-76.2013.8.03.0001
Parte Autora: ALEXANDRE FLÁVIO MEDEIROS MONTEIRO
Advogado(a): JOAO FABIO MACEDO DE MESCOUTO - 1190AP
B

Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ


Procurador(a) de Estado: ALEXANDRE MARTINS SAMPAIO - 1662BAP
Sentença: 4. Dispositivo. Pelo exposto, Julgo PROCEDENTES os pedidos deduzidos na inicial para condenar o ESTADO DO AMAPÁ a
PU

se abster de efetuar descontos de IRPF sobre o abono de férias da parte autora, bem como a restituir à parte reclamante o valor
retroativo pleiteado, com a ressalva das parcelas prescritas, considerando que o recurso administrativo da AMPAP, protocolado em
04/09/2012, suspendeu o prazo prescricional (art. 1º, parágrafo único, do Decreto nº 20.910/1932).
Os índices de correção aplicáveis são os do artigo 1º-F da Lei 9.494/97, devendo a parte autora, por intermédio de seu patrono,
apresentar respectiva planilha na oportunidade de cumprimento de sentença.
Com isso, resolvo o mérito da causa, com fundamento no art. 269, inciso I, do Código de Processo Civil.
Sem custas e honorários no âmbito do 1º grau, em razão de isenção legal (arts. 54 e 55 da Lei nº 9.099/95, também aplicáveis ao
Juizado Especial de Fazenda Pública).
Por fim, retire-se de pauta a audiência aprazada.
Publique-se. Registro eletrônico. Intimem-se.

Nº do processo: 0023008-28.2012.8.03.0001
Parte Autora: RAIMUNDO NONATO BORGES DE ARAUJO
Advogado(a): RISOLETE NUNES DE OLIVEIRA ARAUJO - 2002AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: THIAGO LIMA ALBUQUERQUE - 1676BAP
Despacho:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 157


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Diante da ocorrência certificada no evento nº 45, e, ante a analise aos atos praticados no processo, observa-se que o valor bloqueado
R$ 801,54 - oitocentos e um reais e cinquenta e quatro centavos - evento 32, fora objeto do alvará, expedido em 03/12/2012, vinculado
a conta judicial 4700130687797. Não há registro de que houve juntada de comprovante de depósito voluntário, no valor alhures
mencionado. Assim, determino que seja oficiado ao Banco do Brasil - agência Setor Público, para que, em 10 dias, identifique a conta
judicial 2400130421048, eventualmente gerada, decorrente de depósito voluntário, e, em caso positivo, informe se há valores alí
depositados descrevendo as partes envolvidas.

Concomitante intime-se o requerido da certidão, evento 45, para que traga ao feito, se existir, comprovante de depósito voluntário do

L
valor já informado, no prazo de 10 dias.

IA
Cumpra-se.

Nº do processo: 0041596-49.2013.8.03.0001
Parte Autora: ANTONIO DUARTE BRITO FILHO

IC
Parte Ré: MUNICÍPIO DE MACAPÁ
Advogado(a): EVANDRO LUL RODRIGUES - 1868BAP
Sentença: Aguarde-se a apresentação da planilha no prazo de 10 dias. Com a apresentação, manifeste-se o Município no mesmo
prazo.

Nº do processo: 0013739-28.2013.8.03.0001
Parte Autora: FREDSON WILLIAM GOMES GARCIA
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: THAIS RODRIGUES COELHO TERRA - 1784BAP
Despacho:
OF
Ante o decurso do prazo legalmente previsto para pagamento da Requisição de Pequeno Valor sem qualquer notícia no processo
O
judicial relativa ao fato, intime-se o requerido, para que comprove o cumprimento da obrigação, no prazo de 72h, sob pena de sequestro
de numerários, a teor do art. 13, § 1º, da Lei nº 12.153/2009 via BACENJUD.
ÇÃ

Havendo bloqueio de verbas ou comprovado adimplemento, expeça-se alvará de levantamento em favor da parte credora.

Após o recebimento do documento, não havendo manifestação, arquive-se o processo judicial eletrônico, com as cautelas de praxe.

Nº do processo: 0048822-08.2013.8.03.0001
Parte Autora: COARACY BRITO PENA
CA

Parte Ré: MUNICÍPIO DE MACAPÁ


Advogado(a): EVANDRO LUL RODRIGUES - 1868BAP
Despacho: Ante o decurso do prazo legalmente previsto para pagamento da Requisição de Pequeno Valor sem qualquer notícia no
processo judicial relativa ao fato, intime-se o requerido, para que comprove o cumprimento da obrigação, no prazo de 72h, sob pena de
sequestro de numerários, a teor do art. 13, § 1º, da Lei nº 12.153/2009 via BACENJUD.
LI

Nº do processo: 0036589-13.2012.8.03.0001
Parte Autora: JOSE DA CONCEICAO VAZ
Defensor(a): MICHAEL ANDRE DA SILVA FEITOSA - 2046AP
B

Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ


Procurador(a) de Estado: FRANCISCO DAS CHAGAS FERREIRA FEIJO - 518AP
Despacho: Conforme conteúdo do Ofício nº 3907/2013-GAB/SESA, a cirurgia bariátrica, objeto da presente ação, foi fornecida à parte
autora por intermédio de auxílio financeiro disponibilizado pela Secretaria de Estado da Saúde.
PU

No entanto, antes do arquivamento do feito, como de praxe, intime-se a parte requerente para prestação de contas da referida ajuda de
custo em até 05 (cinco) dias, por meio da apresentação do orçamento e nota fiscal correspondente.
Cumpra-se.

Nº do processo: 0054088-73.2013.8.03.0001
Parte Autora: SEBASTIÃO BRANDÃO
Advogado(a): DANIELLE XAVIER RIBEIRO DE OLIVEIRA - 1574AP
Parte Ré: MUNICIPIO DE CHAVES-PMC
Sentença: Trata-se de ação em que figura como parte ré o Município de Chaves-PA fugindo, portanto, à competência deste Juízo a
análise do feito, com fulcro na Lei regente dos juizados especiais de Fazenda Pública (Lei nº 12.153/2009), devendo a presente
demanda ser ajuizada naquela comarca.
Nesse sentido, por ser a competência pressuposto processual de validade, cujo vício da ausência é insanável, EXTINGO o feito, sem
resolução de mérito, com fulcro no art. 267, IV, do CPC.
Sem custas nem honorários.
Publique-se. Registro eletrônico. Intime-se.
Após, arquive-se.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 158


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0036438-13.2013.8.03.0001
Parte Autora: ALUIZIO QUEIROZ PASTANA
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: RAUL SOUSA SILVA JUNIOR - 1456AP
Despacho: Intime-se o Estado do Amapá para, no prazo de 05 dias se manifestar sobre cumprimento do acordo.

L
Nº do processo: 0045255-66.2013.8.03.0001
Parte Autora: HELOIZA RODRIGUES ALVES BRANDAO

IA
Advogado(a): JOAO FABIO MACEDO DE MESCOUTO - 1190AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: PEDRO MONTEIRO DÓRIA - 1845BAP
Rotinas processuais: FICA INTIMADO o ente Requerido para se manifestar, no prazo de 30 (trinta) dias, sobre os cálculos
apresentados, bem como acerca da eventual existência de débitos em nome da parte Autora para fins de compensação (§§ 9º e 10º do

IC
art. 1º da EC 62/2009), ressaltando que o silêncio da parte requerida incidirá em presunção da aquiescência aos cálculos apresentados
pela parte Autora e da inexistência de débitos, ensejando a expedição de ofício requisitório de precatório ou de RPV.

OF
Nº do processo: 0054485-35.2013.8.03.0001
Parte Autora: ERALDO AFONSO ZAMPA
Advogado(a): JOAO FABIO MACEDO DE MESCOUTO - 1190AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: ALEXANDRE MARTINS SAMPAIO - 1662BAP
Rotinas processuais: FICA INTIMADO o ente Requerido para se manifestar, no prazo de 30 (trinta) dias, sobre os cálculos
apresentados, bem como acerca da eventual existência de débitos em nome da parte Autora para fins de compensação (§§ 9º e 10º do
art. 1º da EC 62/2009), ressaltando que o silêncio da parte requerida incidirá em presunção da aquiescência aos cálculos apresentados
O
pela parte Autora e da inexistência de débitos, ensejando a expedição de ofício requisitório de precatório ou de RPV.
ÇÃ

Nº do processo: 0055134-97.2013.8.03.0001
Parte Autora: ASPLENIO DA COSTA RIBEIRO
Advogado(a): ADRYELLY PATRÍCIA TAVARES BATISTA - 2072AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 02/06/2014 às 09:40
CA

Nº do processo: 0055174-79.2013.8.03.0001
Parte Autora: ANDERSON ROBERTO MELO SENA
Advogado(a): JANE NAIRA TEIXEIRA ATAIDE - 1432AP
Parte Ré: ESTADO DO AMAPÁ
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 02/06/2014 às 10:00
LI

JUIZADO ESPECIAL SUL

Nº do processo: 0049930-72.2013.8.03.0001
Parte Autora: JOSÉ DA SILVA NASCIMENTO
B

Parte Ré: BANCO ITAÚ (BRASIL) ITAÚ


Advogado(a): GIOVANNY MICHAEL VIEIRA NAVARRO - 12479PA
Despacho: Expeça-se alvará de levantamento, conforme solicitado pelo credor.
PU

Restitua-se ao réu o valor bloqueado pelo Bacenjud, conforme notícia de fl. 26.
Intimem-se.

Nº do processo: 0017271-73.2014.8.03.0001
Parte Autora: NAZARÉ ALMEIDA BARROS
Advogado(a): MARLO ALMEIDA SALVADOR - 35966SC
Parte Ré: SERASA S.A.
Decisão: Em decisão liminar proferida no REsp nº 1419697 / RS (2013/0386285-0) ao qual atribuído o rito dos recursos repetitivos, o
Superior Tribunal de Justiça, sob a relatoria do Ministro Paulo de Tarso Sanseverino, ordenou o sobrestamento de todos os feitos que
versem acerca da natureza dos sistemas de scoring e a possibilidade de violação a princípios e regras do Código de Defesa do
Consumidor capazes de gerar indenização por dano moral, inclusive nos juizados especiais cíveis e as respectivas Turmas ou Colégios
Recursais.

Assim, determino a suspensão do feito até ulterior decisão.

Considerando que a decisão da instância ad quem não pode penalizar este Juízo, sobretudo no que concerne ao cumprimento dos
seus prazos, metas do Conselho Nacional de Justiça e análise da taxa de congestionamento, determino que a presente ação seja

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 159


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

arquivada provisoriamente mediante controle que permita seu imediato prosseguimento tão logo cessado o óbice que impede seu
julgamento.

Intimem-se.

Nº do processo: 0017238-83.2014.8.03.0001
Parte Autora: JOSE RAYLLAN ASSUNCAO BARBOSA

L
Advogado(a): SAMUEL ALVES SENA - 28733SC
Parte Ré: SERASA S.A.

IA
Decisão: Revogo a decisão anterior.

Considerando a decisão liminar proferida no REsp nº 1419697 / RS (2013/0386285-0) ao qual foi atribuído o rito dos recursos
repetitivos, o Superior Tribunal de Justiça, sob a relatoria do Ministro Paulo de Tarso Sanseverino, ordenou o sobrestamento de todos
os feitos que versem acerca da natureza dos sistemas de scoring e a possibilidade de violação a princípios e regras do Código de

IC
Defesa do Consumidor capazes de gerar indenização por dano moral, inclusive nos juizados especiais cíveis e as respectivas Turmas
ou Colégios Recursais.

Assim, determino a suspensão do feito até ulterior decisão.

OF
Considerando que a decisão da instância ad quem não pode penalizar este Juízo, sobretudo no que concerne ao cumprimento dos
seus prazos, metas do Conselho Nacional de Justiça e análise da taxa de congestionamento, determino que a presente ação seja
arquivada provisoriamente mediante controle que permita seu imediato prosseguimento tão logo cessado o óbice que impede seu
julgamento.

Intimem-se.
O
Nº do processo: 0017685-71.2014.8.03.0001
Parte Autora: OTAVIO BRAZAO DOS REIS
ÇÃ

Advogado(a): FABRICIO BORGES OLIVEIRA - 1790AP


Parte Ré: BANCO FIBRA S/A
Decisão: O caso revelado nos autos não indica hipossuficiência que justifique a inversão do ônus da prova. A demanda se presta a
questionar cobrança de obrigação cuja prova está nos autos, portanto, a lide foi apresentada de forma clara e objetiva, apta ao
exercício do contraditório e da ampla defesa.
Indefiro o pedido de inversão do ônus.
Designe-se audiência.
CA

Cite-se e intimem-se.

Nº do processo: 0001347-22.2014.8.03.0001
Parte Autora: JOSE NILSON SANTOS CARDOSO
Advogado(a): CLELIO ROBERTO DE OLIVEIRA MONTEIRO - 513AP
LI

Parte Ré: BANCO FIAT S/A.


Advogado(a): WILSON SALES BELCHIOR - 17314CE
Sentença: DIANTE DO EXPOSTO, indefiro a questão prejudicial e no mérito e JULGO PROCEDENTE a pretensão consubstanciada na
inicial, para a) declarar nulas as cláusulas contratuais que preveem a cobrança de ressarcimento de serviços de terceiros e promotora
B

de venda; b) Condenar o réu ao pagamento de R$ 7.963,86 (sete mil, novecentos e sessenta e três reais e oitenta e seis centavos),
correspondente ao dobro do que foi cobrado de forma abusiva relativamente a serviços de terceiros e promotor de vendas. A quantia a
ser restituída deverá ser atualizada monetariamente, com base no INPC, a partir da data do contrato (Súmula 43 do STJ), e acrescida
de juros 1% ao mês, desde a citação (CPC, art. 219 e CC, art. 405).
PU

Deixo de condenar a parte vencida no pagamento das custas e honorários de advogado, nos termos do art. 55, primeira parte, da Lei nº
9.099/95.
Extingo o processo, com resolução do mérito, nos termos do art. 269, I, do CPC.
Publique-se e intimem-se.
Após o trânsito em julgado, em cumprimento de sentença, o Réu disporá de 15 (quinze) dias após ser intimado para cumprir
voluntariamente o julgado, sob pena de execução forçada acrescida de multa de 10% (dez por cento) do valor da condenação, nos
termos do art. 475-J do CPC, c/c o art. 52, IV, da lei de regência.

Nº do processo: 0055681-40.2013.8.03.0001
Parte Autora: OLAVO RIBEIRO SANTANA
Advogado(a): ROMANTI EZER MORAIS COSTA RAMOS - 2402AP
Parte Ré: BANCO BMG S/A
Advogado(a): MARCELO TOSTES DE CASTRO MAIA - 63440MG
Decisão: Intime-se a parte recorrida para oferecer contrarrazões no prazo legal.

Nº do processo: 0000208-69.2013.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 160


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Autora: MILTON MOURA ABRONHERO


Advogado(a): MARA SILVA GÓES - 927AP
Parte Ré: CLAUDINEI DOS SANTOS ROCHA
Sentença: Indefiro o pedido de designação de audiência porque a fase de cumprimento de sentença visa liquidar a obrigação
regularmente constituída pela coisa julgada.
Assim e considerando o teor da certificação constante dos autos de falta de indicação pelo credor de seus bens passíveis de penhora,
EXTINGO A EXECUÇÃO, sem análise do mérito, nos termos do art. 53, § 4º, da Lei 9.099/95.
Intimação dispensada na forma do art. 51, § 1º, da LJE.

L
Após, arquive-se independentemente de trânsito em julgado em face dos princípios da informalidade e celeridade, orientadores dos
Juizados Especiais.

IA
Nº do processo: 0016365-20.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DELCI FLEXA DE OLIVEIRA
Parte Ré: DIOMEDIO DE SOUZA MACIEL NETO

IC
Sentença: Considerando que a dívida foi quitada, EXTINGO o processo, tal como prevê o artigo 794, I do CPC.
Intimem-se.
Após, arquive-se independentemente de trânsito em julgado em face dos princípios da informalidade e celeridade, orientadores dos
Juizados Especiais.

Nº do processo: 0033566-25.2013.8.03.0001
Parte Autora: CARLA PATRICIA CAMBRAIA DOS SANTOS
Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A - AG. 2825-8
Advogado(a): LOUISE RAINER PEREIRA GIONÉDIS - 8123PR
OF
Sentença: Considerando que a dívida foi quitada, EXTINGO o processo, tal como prevê o artigo 794, I do CPC.
Intimem-se.
O
Após, arquive-se independentemente de trânsito em julgado em face dos princípios da informalidade e celeridade, orientadores dos
Juizados Especiais.
ÇÃ

Nº do processo: 0051983-26.2013.8.03.0001
Parte Autora: CLONZIVALDO DOS SANTOS SANTOS
Parte Ré: TIM CELULAR S/A
Advogado(a): KARLA PATRICIA PEREIRA BORDALO - 987AAP
Sentença: Considerando que a dívida foi quitada, EXTINGO o processo, tal como prevê o artigo 794, I do CPC.
Intimem-se.
CA

Após, arquive-se independentemente de trânsito em julgado em face dos princípios da informalidade e celeridade, orientadores dos
Juizados Especiais.

Nº do processo: 0025984-71.2013.8.03.0001
Parte Autora: MANOEL DAS GRAÇAS ARAUJO DE ALMEIDA
LI

Parte Ré: ECAP - ENGENHARIA LTDA


Sentença: Considerando que a dívida foi quitada, EXTINGO o processo, tal como prevê o artigo 794, I do CPC.
Intimem-se.
Após, arquive-se independentemente de trânsito em julgado em face dos princípios da informalidade e celeridade, orientadores dos
B

Juizados Especiais.

Nº do processo: 0000127-91.2011.8.03.0001
PU

Parte Autora: RENIZE DE SOUZA CASTRO


Advogado(a): JORGE JOSÉ ANAICE DA SILVA - 540AP
Parte Ré: SABEMI SEGURADORA S/A
Advogado(a): PABLO BERGER - 61011RS
Decisão: Indefiro o pedido de fl. 144.
Não há indicação de crédito excedente que justifique a diligência solicitada.
Se há bloqueio ou valor cujo recebimento faça jus ao réu, este deve apontar objetivamente a justa causa para o pedido, sob pena de o
juízo ter de solicitar informação desnecessária à casa bancária.
Intime-se o réu para apontar em cinco (5) dias, a justa causa para o pedido de informação solicitada.
Se decorrido o prazo não houver manifestação, retornem os autos ao arquivo.

Nº do processo: 0050867-82.2013.8.03.0001
Parte Autora: GERUSA DA SILVA AMORAS
Advogado(a): ROGERIO COSTA DE ALMEIDA - 698AP
Parte Ré: WALTER ASSUNCAO SILVA
Advogado(a): ROBERTO MONTEIRO DE SOUZA - 812AP
Decisão: Manifeste-se a parte credora sobre as alegações de fl. 16/19.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 161


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0011289-15.2013.8.03.0001
Parte Autora: ELIAS NASCIMENTO DE MORAES
Advogado(a): CARLOS NELSON NUNES PICANCO - 634AP
Parte Ré: FAMÍLIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA
Advogado(a): FELIPE GAZOLA VIEIRA MARQUES - 76696MG
Decisão: 2. Intime-se o devedor para, no prazo de quinze (15) dias, cumprir a condenação relativamente aos honorários sucumbenciais,

L
pena de multa de 10%.

IA
Nº do processo: 0053625-34.2013.8.03.0001
Parte Autora: RITANGELA DE BRITO RIBEIRO
Advogado(a): ALEXANDRE VILLACORTA PAUXIS - 1730AP
Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A - AGÊNCIA DE AMAPÁ

IC
Advogado(a): LOUISE RAINER PEREIRA GIONÉDIS - 8123PR
Decisão: Considerando as informações da parte autora de que entre a decisão que concedeu os efeitos da tutela antecipada e a efetiva
intimação do réu, este procedeu a novo desconto que devia se abster em face da decisão proferida por este juízo, defiro o pedido da
parte autora para que o réu seja intimado a devolver para a conta da autora, em 48 horas, o valor de R$ 5.758,36 por extensão da

OF
decisão de fl. 26.
Tendo em vista que o réu desobedeceu a ordem proferida por este juízo ao realizar desconto que tinha o dever de abstenção porque
agiu após ser regularmente intimado, determino que seja procedido ao bloqueio do valor de R$ 7.000,00, via bacenjud, relativamente à
multa estabelecida pela decisão que antecipou os efeitos da tutela jurisdicional pretendida.
Cumpra-se e aguarde-se a audiência designada.
Intimem-se.
O
Nº do processo: 0016736-47.2014.8.03.0001
Parte Autora: PABLO RAONI MOTA DOS SANTOS
Advogado(a): JOSE ANTUNES BOGEA NETO - 14286PA
ÇÃ

Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A, INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR S.S LTDA
Sentença: Ante o exposto INDEFIRO A INICIAL, nos termos do 267, I, do CPC c/c art. 51, I, da Lei nº 9.099/95.
Sem custas, autorizando a devolução dos documentos apresentados com a inicial.
Intime-se.
Após, arquivem-se os autos.
CA

Nº do processo: 0009730-23.2013.8.03.0001
Parte Autora: OSMAR MIRANDA PELAES
Advogado(a): WILSON TOLOZA COSTA - 9631PA
Parte Ré: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A
Advogado(a): RUBENS GASPAR SERRA - 119859SP
Despacho: Intime-se o autor, por meio de seu patrono, a impulsionar o feito, requerendo o cumprimento da sentença com a juntada da
LI

respectiva memória de cálculo (art. 614, II, do CPC), pena de arquivamento do feito nos termos do art. 475-J, § 5º, do CPC.

Nº do processo: 0013195-40.2013.8.03.0001
B

Parte Autora: GERALDO FILHO PINHEIRO MONTEIRO


Advogado(a): ANA DE NAZARE SEMBLANO PINHEIRO - 2220AP
Parte Ré: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
PU

Despacho: 1. Prossiga-se para o cumprimento da sentença (art. 475-N, I, CPC). Intime-se o autor, por meio de seu patrono, a
impulsionar o feito, requerendo o cumprimento da sentença com a juntada da respectiva memória de cálculo (art. 614, II, do CPC), pena
de arquivamento do feito nos termos do art. 475-J, § 5º, do CPC.

Nº do processo: 0015240-17.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARIA BERNADETH DA COSTA GONCALVES BARRETO
Advogado(a): HELENA FERREIRA DOS SANTOS - 1435AP
Parte Ré: ASSOCIACAO AMAPAENSE DE ENSINO E CULTURA
Advogado(a): GILVAN FERREIRA DIAS - 973AP
Despacho: Intime-se o autor, por meio de seu patrono, a impulsionar o feito, requerendo o cumprimento da sentença com a juntada da
respectiva memória de cálculo (art. 614, II, do CPC), pena de arquivamento do feito nos termos do art. 475-J, § 5º, do CPC.

Nº do processo: 0019066-51.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DAS GRAÇAS RODRIGUES MOURAO
Advogado(a): FRANCISCO LOBATO ALENCAR - 2040AP
Parte Ré: FIAT LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 162


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP


Despacho: Intime-se o autor, por meio de seu patrono, a impulsionar o feito, requerendo o cumprimento da sentença com a juntada da
respectiva memória de cálculo (art. 614, II, do CPC), pena de arquivamento do feito nos termos do art. 475-J, § 5º, do CPC.

Nº do processo: 0018520-59.2014.8.03.0001
Parte Autora: EVANIRA LIMA DE OLIVEIRA
Advogado(a): LUIZ OTAVIO DE ASSIS DIAS - 1582AP

L
Parte Ré: BANCO BRADESCO S.A.
Decisão:

IA
As alegações da Reclamante estão desconstituídas de provas inequívocas que lhe dêem sustentação, pois embora as declarações
possam ter repercussão jurídica, manifestadas de modo unilateral não tem a força probante necessária ao atendimento do pedido
antecipatório.
O caso carece de instrução orientada pelo princípio do contraditório e ampla defesa porque não há demonstração de vinculação das
mensagens com o réu, nem comprovação de inscrição em órgãos de proteção ao crédito. Além disso, se a eventual inscrição estiver

IC
relacionada com os autos do processo nº 0028481-58.2013.8.03.0001, é nesse feito que deverá ser perseguida a satisfação.
Indefiro o pedido de tutela antecipada, por não cumprimento dos requisitos legais do art. 273, do CPC.
Designe-se audiência.
Cite-se e intimem-se.

Nº do processo: 0009137-91.2013.8.03.0001
Parte Autora: ESTEVES RODRIGUES DOS REIS
Advogado(a): LIDIANE LIMA FROTA - 2122AP
Parte Ré: ABENOR PENA AMANAJAS
Advogado(a): ABENOR PENA AMANAJAS - 144AP
OF
Decisão: O processo certificou o direito de crédito do autor estando atualmente na fase de cumprimento de sentença, portanto indefiro o
O
pedido de nova citação do réu, dispensada que é nesta fase.
Indefiro o pedido de nova diligência no bacenjud porque esta já foi realizada.
Manifeste-se o credor em cinco (5) dias sobre a penhora, sob pena de arquivamento do feito.
ÇÃ

Nº do processo: 0006142-08.2013.8.03.0001
Parte Autora: LUIZ AUGUSTO DOS SANTOS PINHEIRO
Advogado(a): LUIZ AUGUSTO DOS SANTOS PINHEIRO - 525AP
Parte Ré: FÁBIO ROGÉRIO DE OLIVEIRA SILVA
Rotinas processuais: Certifico que o BACENJUD não encontrou crédito pertencente à parte devedora para ser bloqueado.
CA

Nº do processo: 0007331-84.2014.8.03.0001
Parte Autora: ERICKSON MICHEL SANTOS DUARTE
Advogado(a): ROGERIO COSTA DE ALMEIDA - 698AP
Parte Ré: ELETRO MOTOS COMERCIO VAREJISTA LTDA ME
LI

Rotinas processuais: Faço juntada a estes autos às fls. 13-V do AR da carta de citação/intimação, com a informação de que a ré
mudou-se.
B

Nº do processo: 0018044-55.2013.8.03.0001
Parte Autora: PAULO SANDRO NUNES TRINDADE
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: BANCO VOLKSWAGEN S.A
PU

Advogado(a): CARLA SIQUEIRA BARBOSA - 6686PA


Rotinas processuais: Finalidade: INTIMAR o patrono da parte autora para retirar o alvará de levantamento correspondentes aos seus
créditos, no prazo de 10 (dez) dias.

Nº do processo: 0018698-42.2013.8.03.0001
Parte Autora: ERINALDO GAMA MARQUES
Advogado(a): ROBERTO GAMA DOS SANTOS - 2231AP
Parte Ré: DIBENS LEASING S.A - ARRENDAMENTO MERCANTIL
Advogado(a): JOSÉ EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO - 1717AAP
Rotinas processuais: Finalidade: INTIMAR a parte auroa, por meio de seu patrono, para retirar os alvarás de levantamento
correspondentes aos seus créditos, no prazo de 10 (dez) dias.

Nº do processo: 0036375-85.2013.8.03.0001
Parte Autora: VANDERLEI CAMERA
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: BANCO BMG S/A

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 163


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): ÉRIKA HIKISHIMA FRAGA - 26204PR


Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 003/2013, art. 18, intime-se a parte autora para impulsionar o feito, no prazo de cinco dias,
requerendo o que entender de direito.

Nº do processo: 0037723-41.2013.8.03.0001
Parte Autora: PAULO MARCONI FREIRE GOMES
Advogado(a): LUIZ MAGNO DO ROSARIO PICANCO - 1643AAP

L
Parte Ré: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A
Advogado(a): RODRIGO MONTEIRO PEDRO - 1634BAP

IA
Rotinas processuais: FINALIDADE: Após o trânsito em julgado, o Réu deverá ser intimado de que dispõe do prazo de 15 (quinze) dias
para cumprir a sentença, sob pena de execução forçada acrescida de multa de 10% (dez por cento) do valor da condenação nos
termos do art. 475-J do CPC combinado com o Enunciado 105 do Fórum Nacional dos Juizados Especiais - FONAJE.

IC
Nº do processo: 0037936-81.2012.8.03.0001
Parte Autora: NILZA DA GAMA CARMONA
Advogado(a): ARIANE VALERIA PICANCO RAMOS - 2168AP
Parte Ré: JOAO PAULO PANTOJA FARIAS

OF
Rotinas processuais: FINALIDADE: De ordem, INTIME-SE a parte credora, por meio de seu patrono para no prazo de dez (10) dias,
levantar o valor depositado pelo devedor.

Nº do processo: 0057112-12.2013.8.03.0001
Parte Autora: PAULO ROBERTO MOUTINHO DE VILHENA
Advogado(a): CLERISTON MUBARAK TEIXEIRA DE VILHENA - 2269AP
Parte Ré: TSI TECNOLOGIA E SOLUÇÕES EM INFORMATICA ME
O
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 003/2013-JES, promovo a intimação do autor para impulsionar o feito no prazo de 5
(cinco) dias.
ÇÃ

Nº do processo: 0016761-60.2014.8.03.0001
Parte Autora: ADRIANA MENDES CARDOSO
Advogado(a): FABRICIO BORGES OLIVEIRA - 1790AP
Parte Ré: ITAU UNIBANCO HOLDING S.A.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 07/05/2014 às 09:45
CA

Nº do processo: 0011824-07.2014.8.03.0001
Parte Autora: REGINALDO SILVA DE SOUZA
Advogado(a): NATAN ROCHA BATISTA - 2345AP
Parte Ré: BANCO CRUZEIRO DO SUL S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 07/05/2014 às 10:00
LI

Nº do processo: 0018520-59.2014.8.03.0001
Parte Autora: EVANIRA LIMA DE OLIVEIRA
B

Advogado(a): LUIZ OTAVIO DE ASSIS DIAS - 1582AP


Parte Ré: BANCO BRADESCO S.A.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 15/05/2014 às 10:30
PU

Nº do processo: 0016078-23.2014.8.03.0001
Parte Autora: DORALICE MARTINS LOBATO DA SILVA
Advogado(a): KLEBER NASCIMENTO ASSIS - 1111BAP
Parte Ré: BANCO PANAMERICANO S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 20/05/2014 às 08:00

Nº do processo: 0016418-64.2014.8.03.0001
Parte Autora: TEREZA GORETE DE ARAUJO LOPES
Advogado(a): AULO CAYO DE LACERDA MIRA - 923AP
Parte Ré: BANCO BRADESCO S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 20/05/2014 às 08:00

Nº do processo: 0015863-47.2014.8.03.0001
Parte Autora: EDNO NEGRAO GOMES
Advogado(a): HAROLDO DA SILVA OLIVEIRA - 980BAP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 164


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A


Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 20/05/2014 às 08:30

Nº do processo: 0014998-24.2014.8.03.0001
Parte Autora: TADEU ANTONIO PEDROSA DA COSTA
Advogado(a): JULIERME SIQUEIRA DE SOUZA - 636AP
Parte Ré: SABEMI SEGURADORA S/A

L
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 21/05/2014 às 08:00

IA
Nº do processo: 0017685-71.2014.8.03.0001
Parte Autora: OTAVIO BRAZAO DOS REIS
Advogado(a): FABRICIO BORGES OLIVEIRA - 1790AP
Parte Ré: BANCO FIBRA S/A

IC
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 26/05/2014 às 08:00

Nº do processo: 0019646-81.2013.8.03.0001

OF
Parte Autora: GILBERTO ALBANO BRITO PIMENTEL
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: ITAÚ UNIBANCO BANCO MÚLTIPLO S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Despacho: 2. Vindo os cálculos, intime-se o devedor para, no prazo de quinze (15) dias, cumprir a condenação, pena de multa de 10%.
3. Decorrido o prazo sem manifestação da parte Devedora, inclua-se a multa de 10% nos termos do art. 475-J, do CPC e proceda-se à
pesquisa, bloqueio e transferência do valor para conta deste Juízo, via BACENJUD.
O
Nº do processo: 0013170-27.2013.8.03.0001
Parte Autora: GERALDO FILHO PINHEIRO MONTEIRO
ÇÃ

Advogado(a): ANA DE NAZARE SEMBLANO PINHEIRO - 2220AP


Parte Ré: BANCO VOLKSWAGEN S.A
Advogado(a): SERGIO RENATO FREITAS DE OLIVEIRA JUNIOR - 15837PA
Despacho: 2. Vindo os cálculos, intime-se o devedor para, no prazo de quinze (15) dias, cumprir a condenação, pena de multa de 10%.
3. Decorrido o prazo sem manifestação da parte Devedora, inclua-se a multa de 10% nos termos do art. 475-J, do CPC e proceda-se à
pesquisa, bloqueio e transferência do valor para conta deste Juízo, via BACENJUD.
CA

Nº do processo: 0036667-07.2012.8.03.0001
Parte Autora: CELSO MONÇÃO DIAS
Advogado(a): FRANCISCO LOBATO ALENCAR - 2040AP
Parte Ré: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
LI

Despacho: 2. Vindo os cálculos, intime-se o devedor para, no prazo de quinze (15) dias, cumprir a condenação, pena de multa de 10%.
3. Decorrido o prazo sem manifestação da parte Devedora, inclua-se a multa de 10% nos termos do art. 475-J, do CPC e proceda-se à
pesquisa, bloqueio e transferência do valor para conta deste Juízo, via BACENJUD.
B

Nº do processo: 0016438-89.2013.8.03.0001
Parte Autora: NICOMEDES DOS SANTOS CORDEIRO
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
PU

Parte Ré: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO


Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Decisão: 1. Prossiga-se para o cumprimento da sentença (art. 475-N, I, CPC).
2. Intime-se o devedor para, no prazo de quinze (15) dias, cumprir a condenação, pena de multa de 10%.

Nº do processo: 0030079-18.2011.8.03.0001
Parte Autora: JANY KZAM DE OLIVEIRA
Advogado(a): VERA DE JESUS PINHEIRO - 65AP
Parte Ré: VIAÇAO POLICARPOS LTDA - EPP
Advogado(a): ALEXANDRE OLIVEIRA KOCH - 1816AP
Despacho: Intime-se a parte autora a recolher a integralidade das custas a que fora condenada (fl. 123), conforme apuração da
contadoria (fl.132), no prazo de dez (10) dias.

Nº do processo: 0002166-56.2014.8.03.0001
Parte Autora: MARCIO DE OLIVEIRA DOS SANTOS
Parte Ré: IMPORT EXPRESS COMERCIAL IMPORTADORA LTDA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 165


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Sentença: Ante o exposto, bem como pelo livre convencimento que formo:
a) JULGO PROCEDENTE o pedido de restituição para condenar a ré a pagar ao autor a quantia de R$ 597,60 (quinhentos e noventa e
sete reais e sessenta centavos), corrigida monetariamente pelo INPC desde a data de propositura da ação e acrescida de juros à taxa
legal de 1% ao mês, estes devidos a partir da citação.
b) JULGO PROCEDENTE o pedido de indenização por danos morais para condenar a ré a pagar ao autor a quantia de R$ 1.000,00
(hum mil reais), corrigida monetariamente pelo INPC e acrescida de juros à taxa de 1% ao mês, ambos devidos a partir desta data.
Sem custas ou honorários, pois ausente má-fé.
Publique-se.

L
Registre-se.
Intime-se o autor, observando quanto a ré o disposto no art. 322 do CPC.

IA
Transitada em julgado e havendo requerimento do interessado, intime-se a ré a cumprir o julgado no prazo de 15 dias, pena do
montante da condenação ser acrescido de multa de 10%, nos termos do art. 485-J, do CPC.

Nº do processo: 0026491-32.2013.8.03.0001

IC
Parte Autora: ANTONIA BARBOSA DOS SANTOS
Parte Ré: TELEFONICA BRASIL S.A.
Advogado(a): JOSE MILTON GOMES DOS SANTOS JUNIOR - 2012AP
Sentença: Ante o exposto, bem como pelo livre convencimento que formo, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido inicial

OF
para declarar a inexistência de débito da autora junto a ré em relação ao prefixo telefônico (96) 9154-9724, determinando que a ré
cancele eventual débito constante de seus sistemas no prazo de dez dias e se abstenha de continuar a cobrar a autora, restando
indeferido o pedido de danos morais.

Sem custas ou honorários, pois ausente má-fé.

Publique-se e intimem-se.
O
Transitada em julgado, ARQUIVE-SE.
ÇÃ

Nº do processo: 0036954-33.2013.8.03.0001
Parte Autora: NEIZIA RANIERE DE OLIVEIRA
Parte Ré: CLEUDIMAR RODRIGUES ADIODATO
Advogado(a): OTONIEL DOS SANTOS LIMA - 2104AP
Sentença: Ante o exposto, bem como pelo livre convencimento que formo, JULGO IMPROCEDENTES os pedidos iniciais.
Sem custas ou honorários, pois ausente má-fé.
Publique-se e intimem-se.
CA

Transitada em julgado, ARQUIVE-SE.

Nº do processo: 0006238-57.2012.8.03.0001
Parte Autora: RAIMUNDO EDIOILSON DE SOUSA LEITE
Advogado(a): RAFAEL UCHOA RIBEIRO - 1568AP
LI

Parte Ré: MARIA CASTELO COSTA, M. CASTELO COSTA - ME REP. P/ SRA. LUIZA
Rotinas processuais: Certifico que, em função da certidão eletrônica do Oficial de Justiça do dia 09/04/2014, com a diligência sendo
negativa e, nos temos da portaria 003/2013, intime-se a parte autora para, em cinco dias, manifestar-se.
B

Nº do processo: 0042032-42.2012.8.03.0001
Parte Autora: VALÉRIA CARDOSO OLIVEIRA DE LIMA
Advogado(a): LILIANE MONTEIRO DOS SANTOS - 2156AP
PU

Parte Ré: PAULO PEREIRA DE MELO NETO


Rotinas processuais: Finalidade: Parte autora impulsionar o feito no prazo de 05 dias.

Nº do processo: 0043615-62.2012.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DE JESUS NOBRE DE BRITO
Advogado(a): CARLOS NELSON NUNES PICANCO - 634AP
Parte Ré: FAMÍLIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA
Advogado(a): FELIPE GAZOLA VIEIRA MARQUES - 76696MG
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 003/2013-JES, promovo a intimação da parte autora acerca da expedição de alvará de
levantamento de forma virtual em seu favor.

Nº do processo: 0000260-31.2014.8.03.0001
Parte Autora: EUNICE NEVES CAMARA
Advogado(a): RONALDO SANTOS AMARAL - 651AP
Parte Ré: JOSE AFONSO CARVALHO DA FONSECA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 14/05/2014 às 09:30

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 166


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0019790-21.2014.8.03.0001
Parte Autora: ALESSANDRA DA SILVA ALMEIDA
Advogado(a): WILSON VILHENA BORGES FILHO - 1061AP
Parte Ré: CENTER KENNEDY COMERCIO LTDA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 26/05/2014 às 09:30

L
Nº do processo: 0023536-28.2013.8.03.0001

IA
Parte Autora: PERICLES BATISTA GUERRA
Advogado(a): SAMEA SANTOS AMORAS - 1294AP
Parte Ré: BANCO FINASA S/A, JOSE LENIVALDO DA SILVA PEREIRA
Advogado(a): ALEXANDRE VILLACORTA PAUXIS - 1730AP, RUBENS GASPAR SERRA - 119859SP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 13/08/2014 às 12:05

IC
JUIZADO ESPECIAL CIVEL UNIFAP

Nº do processo: 0015587-50.2013.8.03.0001

OF
Parte Autora: GILVANDRO MARCOS MONTEIRO DE OLIVEIRA
Parte Ré: BANCO CRUZEIRO DO SUL S/A
Advogado(a): NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES - 128341SP
Sentença: Dispositivo. Por todo os exposto e consoante o livre convencimento que formo, julgo procedente o pedido consubstanciado
na inicial para:
(a) declarar a inexigível os débitos referentes ao contrato posto em litígio, cobrados pela requerida, determinando o cancelamento dos
descontos incidentes sobre o benefício previdenciário da parte autora sob a rubrica "Reserva de Margem Consignável para Cartão de
O
Crédito", relativamente ao Banco reclamado;
(b) declarar extinto o contrato pactuado entre as parte e determinar o cancelamento definitivo do cartão de crédito oriundo dessa
relação;
(c) condenar a parte requerida à restituição, em dobro, dos valores comprovadamente pago pela parte autora, referentes aos cinco
ÇÃ

últimos anos anteriores ao ajuizamento da ação, incidindo sobre eles juros de mora de 1% ao mês a partir da data da citação e
corrigidos monetariamente pelo INPC a partir da data da sentença. Para isso, determino a secretaria que proceda com o referido
cálculo de natureza meramente aritmética.
(d) Em razão do resultado do processo, caso haja nova dedução decorrente de dívida do cartão de crédito, objeto da presente
demanda, em nome da autora, o Reclamante fará jus a devolução em dobro, atualizado monetariamente e acrescido de juros de 1% ao
mês desde a dedução, bem assim o Reclamado incidirá em multa no valor de R$ 500,00 por cada dedução que desatender a presente
CA

sentença.
(e) Oficie-se ao Órgão pagador da autora para que cesse com os descontos de forma definitiva da folha de pagamento da autora.
Com isso, resolvo o mérito da causa com fundamento no art. 269, inciso I, do Código de Processo Civil.
Sem custas e honorários no âmbito do 1º grau, em razão da isenção legal (arts. 54 e 55 da Lei nº 9.099/95).
Com o trânsito em julgado, intime-se a parte Ré para cumprir voluntariamente o julgado, no prazo de 15 dias, sob pena de inclusão da
multa de 10% nos termos do art. 475-J, do CPC. Decorrido o prazo, sem o pagamento voluntário, proceda-se a atualização da dívida, o
bloqueio via BACENJUD, a lavratura da penhora e intimação da parte Ré. Sem impugnação desta no prazo legal, expeça-se Alvará de
LI

Levantamento e havendo a quitação da dívida, arquivem-se os autos.


Publique-se. Registre-se. Intimem-se.
B

Nº do processo: 0010187-55.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARIA ONILDA DOS SANTOS DIAS CALVALCANTE
Advogado(a): MILTON PEREIRA NETO - 2083AP
PU

Parte Ré: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A, SABEMI SEGURADORA S/A


Advogado(a): ALEXANDRE DE ALMEIDA - 43621RS, WLADIMIR RIBEIRO FONSECA VALES - 1539AP
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2013 JUNIFAP, intimo a parte autor a para fazer o levantamento do alvará no prazo
de 05(cinco). Informando a este Juízo sobre o levantamento do mesmo para providências cabíveis.

Nº do processo: 0034067-76.2013.8.03.0001
Parte Autora: JOELMA RODRIGUES NOBRE DA SILVA
Advogado(a): ROSILENE FURTADO DAMASCENO - 913AP
Parte Ré: H MARTINS DE OLIVEIRA
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria 001/2013 JUNIFAP, intimo a parte autor a para fazer o levantamento do alvará no prazo
de 05(cinco). Informando a este Juízo sobre o levantamento do mesmo para providências cabíveis.

Nº do processo: 0017405-37.2013.8.03.0001
Parte Autora: CLEOMAR DA SILVA MOURA
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 167


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP


Rotinas processuais: intimo o requerente para, no prazo de 15 dias, responder a Exceção de Preexecutividade.

Nº do processo: 0019653-39.2014.8.03.0001
Parte Autora: RAMON AMORAS MICCIONE
Advogado(a): THAMYRES SCHNEIDER MICCIONE - 2032AP
Parte Ré: TAM LINHAS AÉREAS S/A

L
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 15/05/2014 às 10:30

IA
Nº do processo: 0019654-24.2014.8.03.0001
Parte Autora: ENI BARROS DA SILVA
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: BANCO GENERAL MOTORS DO BRASIL S/A

IC
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 19/05/2014 às 10:30

Nº do processo: 0019669-90.2014.8.03.0001

OF
Parte Autora: JOSE ALTINO DE OLIVEIRA
Advogado(a): INALDO COSTA PANTOJA - 2153AP
Parte Ré: COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO AMAPÁ- CEA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 26/05/2014 às 08:30

Nº do processo: 0019645-62.2014.8.03.0001
Parte Autora: ALUIZIO DA ASSUNÇÃO LOPES
O
Advogado(a): ADALBERTO AZEVEDO BARBOSA - 1795AP
Parte Ré: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTO S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 26/05/2014 às 09:40
ÇÃ

Nº do processo: 0019635-18.2014.8.03.0001
Parte Autora: CILENE CRISTINA BARBOSA CASTRO
Advogado(a): ALANA E SILVA DIAS - 1773AP
Parte Ré: MANOEL D. SILVA EIRELI - EPP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 28/05/2014 às 09:30
CA

Nº do processo: 0019632-63.2014.8.03.0001
Parte Autora: ELIZETH DE SOUZA CHAVES
Advogado(a): CLEIDE ROCHA DA COSTA - 434AP
Parte Ré: BENEDITO DA SILVA SANTIAGO
LI

Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 29/05/2014 às 09:30

Nº do processo: 0019631-78.2014.8.03.0001
B

Parte Autora: RAIMUNDO PEREIRA DA SILVA


Advogado(a): ALEX SAMPAIO DO NASCIMENTO - 770AP
Parte Ré: BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 29/05/2014 às 10:30
PU

Nº do processo: 0019732-18.2014.8.03.0001
Parte Autora: LAUDIMAR SANTA BRÍGIDA MARTINS
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 02/06/2014 às 09:00

Nº do processo: 0019716-64.2014.8.03.0001
Parte Autora: ALEXANDRE MERCES DA CONCEICAO
Advogado(a): MANOEL RAIMUNDO LOPES DOS REIS - 666BAP
Parte Ré: BANCO PANAMERICANO S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 02/06/2014 às 09:30

Nº do processo: 0019691-51.2014.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DO SOCORRO DE OLIVEIRA DA CONCEICAO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 168


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP


Parte Ré: HSBC BANK BRASIL S.A.
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 03/06/2014 às 09:30

Nº do processo: 0019682-89.2014.8.03.0001
Parte Autora: ARTEMIO ALBUQUERQUE LEAO
Advogado(a): MARLOS DANIEL ALVARES GONCALVES - 1704AP

L
Parte Ré: JOSE RONALDO BAGUNDES JUNIOR
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 03/06/2014 às 10:30

IA
Nº do processo: 0019672-45.2014.8.03.0001
Parte Autora: FRANCISCO PEDROSO FILHO
Advogado(a): GLENDA DOS SANTOS ARAÚJO - 919AP

IC
Parte Ré: GENIVALDO LIMA SILVA, TEMA MARIA OLEASTRO SOTELO
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 03/06/2014 às 11:00

OF
Nº do processo: 0019658-61.2014.8.03.0001
Parte Autora: AELSON GOMES DA SILVA, HELEN CRISTINA PENNA TORRES, RIALDO VALENTE FREIRE
Advogado(a): RILDO VALENTE FREIRE - 1242AP
Parte Ré: AMAPÁ GARDEN SHOPPING S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 03/06/2014 às 11:30

Nº do processo: 0019808-42.2014.8.03.0001
O
Parte Autora: ELIZETH DE SOUZA CHAVES
Advogado(a): CLEIDE ROCHA DA COSTA - 434AP
Parte Ré: SEGURADORA SUSEP
ÇÃ

Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 04/06/2014 às 08:30

Nº do processo: 0019679-37.2014.8.03.0001
Parte Autora: JONAS TEOTONIO DA PAIXAO
Advogado(a): JUAREZ GONÇALVES RIBEIRO - 609AP
Parte Ré: VIVO S/A
CA

Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 04/06/2014 às 10:30

Nº do processo: 0019650-84.2014.8.03.0001
Parte Autora: THAMYRES SCHNEIDER MICCIONE
Advogado(a): THAMYRES SCHNEIDER MICCIONE - 2032AP
LI

Parte Ré: TAM LINHAS AÉREAS S/A


Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 05/06/2014 às 09:30
B

Nº do processo: 0019648-17.2014.8.03.0001
Parte Autora: GRINUALDO NUNES DOS SANTOS
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: CREFISA SA - CREDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
PU

Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 05/06/2014 às 10:00

Nº do processo: 0018648-79.2014.8.03.0001
Parte Autora: MAXIMA MAIA MOREIRA
Advogado(a): LORENA ANDRADE DE CARVALHO - 1124AP
Parte Ré: BANCO ITAÚCARD S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 26/06/2014 às 09:35

JUIZADO ESPECIAL NORTE

Nº do processo: 0013629-29.2013.8.03.0001
Parte Autora: ELZA MARIA ARRUDA SOARES
Parte Ré: BANCO SANTANDER S/A
Advogado(a): RODRIGO MONTEIRO PEDRO - 1634BAP
Sentença: III - Dispositivo:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 169


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Por todo o acima exposto, JULGO PROCEDENTE o pedido formulado na inicial, para:

a) DECLARAR o cancelamento dos contratos 000092540767 e 669994896008 e a inexistência do contrato 3191010008054..

b) CONDENAR a ré ao pagamento ao autor, a título de reparação pelos danos morais que lhe causou, a importância R$ 6.780,00 (seis
mil, setecentos e oitenta reais), valor atualizado monetariamente a partir da publicação da sentença e juros moratórios, à taxa de 1%
(um por cento) ao mês, a contar da citação.

L
Sem custas e honorários advocatícios, em observância ao disposto nos artigos 54 e 55 da Lei nº 9.099/95.

IA
Publique-se. Registre-se e Intimem-se.

Após o trânsito em julgado e demais cautelas legais, arquivem-se os autos.

IC
Nº do processo: 0031235-70.2013.8.03.0001
Parte Autora: RODOLFO LUCIANO ALEXANDRE DE SIQUEIRA
Parte Ré: SANDRA OHANA DE LIMA NERY BARCELLOS
Advogado(a): CICERO BORGES BORDALO JUNIOR - 152AP

OF
Sentença: 3 - DISPOSITIVO

Ex positis, com base na fundamentação acima e pelo livre convencimento que formo, JULGO IMPROCEDENTE o pedido
consubstanciado na peça vestibular.
Decido o processo nos termos do at. 269, inc. I do Código de Processo Civil.
Sem custas e honorários advocatícios, em observância ao disposto nos artigos 54 e 55 da Lei nº 9.099/95.
Após o trânsito em julgado e demais cautelas legais, arquivem-se os autos.
Publique-se, Intimem-se.
O
Nº do processo: 0026217-39.2011.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: DANIELA MALCHER PINHEIRO


Advogado(a): RONEIDO RICHENE OEIRAS - 1448AP
Parte Ré: BV LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL S/A
Advogado(a): JOSÉ DOS SANTOS DE OLIVEIRA - 1170AP
Decisão: Os embargos à execução de f. 91/126 é uma simples cópia reprográfica (xérox), em que não consta a assinatura original do
advogado. Ocorre que, conforme assenta a jurisprudência pacífica do STJ, o ajuizamento por cópia reprográfica não tem previsão legal,
nem se assemelha ao fax, para efeito de possibilitar a juntada posterior do original. A peça processual é, assim, manifestamente
CA

inadmissível, por irregularidade formal.


No recurso apresentado em fotocópia (xérox), a assinatura do advogado não é considerada autêntica e original, salvo se lançada
diretamente na cópia apresentada ao juízo, o que não foi o caso dos autos.
Nesse sentido, confira-se este julgado do STJ, in verbis:
"PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. APRESENTAÇÃO DA PETIÇÃO POR MEIO DE CÓPIA REPROGRÁFICA.
POSSIBILIDADE, DESDE QUE NELA SE APONHA ASSINATURA ORIGINAL DO SUBSCRITOR. INOCORRÊNCIA, NO CASO
LI

CONCRETO. RECURSO ESPECIAL A QUE SE NEGA SEGUIMENTO.


Trata-se de recurso especial interposto por Agnaldo Novato Curato Filho com fundamento na alínea "c" do permissivo constitucional
contra acórdão do TJDFT que recebeu a seguinte ementa (fls. 235/236):
[...]
B

É o relatório.
Decido.
Verifica-se da leitura da petição do recurso especial, que a mesma é cópia reprográfica da petição original, a qual não foi juntada aos
autos.
PU

A orientação predominante no STJ é no sentido da admissão de petições recursais apresentadas em cópia reprográfica, desde que
dela se faça constar assinatura original do subscritor [grifei].
Nesse sentido, os seguintes julgados:
PROCESSUAL CIVIL. RECURSO POR FAX. POSTERIOR E TEMPESTIVA JUNTADA DA XEROX DO ORIGINAL ASSINADA PELO
ADVOGADO. A XEROX DO FAX ANTERIOR INTERPOSTO, DESDE QUE NELA MESMA TENHA O ADVOGADO ORIGINALMENTE
FIRMADO A SUA ASSINATURA, TEM A MESMA VALIA DE PETIÇÃO ORIGINAL. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO. (RESP
99.826/MS, 4ª Turma, Min. Rel. César Asfor Rocha, DJU de 29.09.1997)
RECURSO. CONFIGURAÇÃO DE PETIÇÃO ORIGINAL. ART. 525 DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL.
1. Se há assinatura do advogado, deixa o documento de ser configurado como cópia, não sendo razoável deixar de admitir o recurso. A
regra do art. 525 do Código de Processo Civil não chega ao limite da exigência posta no Acórdão recorrido.
2. Recurso especial conhecido e provido. (RESP 180.582/SP, 3ª Turma, Min. Rel. Carlos Alberto Menezes Direito, DJU de 09.08.1999)
PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. APRESENTAÇÃO DA PETIÇÃO POR MEIO DE CÓPIA REPROGRÁFICA.
POSSIBILIDADE, DESDE QUE NELA SE APONHA ASSINATURA ORIGINAL DO SUBSCRITOR. INOCORRÊNCIA, NO CASO
CONCRETO. RECURSOS ESPECIAL E ESPECIAL ADESIVO NÃO CONHECIDOS. (REsp 696745/CE, 1ª Turma, Min. Rel. Luiz Fux,
DJU 07/06/2005)
Destarte, somente a cópia da petição do recurso especial devidamente assinada originalmente pelo advogado, é que tem ela valia nos
autos.
No presente caso, não há assinatura do advogado, o que retira a validade do documento.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 170


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Pelo exposto, nego seguimento ao recurso especial."


(REsp 519.302, Rel.: Ministra JANE SILVA (Desembargadora convocada do TJ/MG), decisão monocrática proferida em 21.05.08,
publicada no DJe de 06/06/2008)

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL ENVIADO VIA FAX. INEXISTÊNCIA NOS AUTOS DA PETIÇÃO ORIGINAL. NÃO
CONHECIMENTO DO RECURSO.
POSSIBILIDADE DE DECISÃO MONOCRÁTICA.
I - É impossível conhecer de recurso em que apresentada somente cópia reprográfica sem autenticação ou assinatura original do

L
advogado, conforme entendimento desta Corte. Precedentes: AgRg no REsp nº 1.015.787/RS, Rel. Min. FELIX FISCHER, DJe de
18/08/2008 e AgRg no Ag nº 1.014.245/SP, Rel. Min. NANCY ANDRIGHI, DJe de 23/05/2008.

IA
II - As alegações do agravante não podem ser acolhidas, tendo em vista não constar dos autos petição original relativa à enviada por
fax.
III - Sobre a suposta impossibilidade de conhecimento e julgamento do agravo regimental antecedente pela via monocrática, salvo caso
de retratação do relator, ressalta-se que essa hipótese é prevista no art. 557 do CPC, bem como no art. 34, XVIII, do RISTJ quando se
tratar de recurso manifestamente intempestivo, incabível, improcedente, contrário a Súmula do Tribunal ou quando evidente a

IC
incompetência deste. Portanto, inexistente qualquer irregularidade quanto ao ponto.
IV - Agravo regimental improvido.
(AgRg nos EDcl no AgRg no REsp 1080697/SP, Rel. Ministro FRANCISCO FALCÃO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 17/02/2009, DJe
09/03/2009)

OF
A peça pode até ser xerocopiada, digitalizada ou obtida por outro meio, contanto que o advogado a assine diretamente, em caráter
primário, não se admitindo que a assinatura já esteja lançada na via original, que venha a ser xerocopiada.
A assinatura é a atestação, por excelência, da idoneidade, autenticidade e veracidade dos atos praticados por aqueles que intervêm no
processo, seja parte, advogado, auxiliares ou juiz.
Não é por outra razão é que a Lei do Fax somente admite a apresentação das petições por aparelho de fac-símile se depois vier o
original, que deverá corresponder perfeitamente com a via enviada pelo fax. Pela mesma razão, a utilização de xérox não prevalece
sem a assinatura original.
O defeito decorrente da inobservância desses preceitos acarreta a invalidade do ato e torna apócrifo o documento, como bem menciona
O
a Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA, no precedente acima transcrito. A lei merece ser observada. A parte não pode tentar
driblar os preceitos normativos, mas velar pela observância deles.
Em suma, a interposição de Embargos à Execução por xérox sem a assinatura original do advogado atenta contra a regularidade formal
ÇÃ

que norteia a prática dos atos processuais, a exigir o não conhecimento do inconformismo, por defeito de admissibilidade.
Diante de todas essas circunstâncias, deixo de receber os embargos.
Expeça-se alvará em favor do exequente do valor de f. 90.

Nº do processo: 0044436-03.2011.8.03.0001
Parte Autora: ROSINETE SILVA PANTOJA
CA

Advogado(a): SANDRA REGINA MARTINS MACIEL ALCANTARA - 599AP


Parte Ré: BANCO ITAU S/A
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Decisão: Após, intime-se a parte ré para comprovar o pagamento do valor calculado, no prazo de quinze dias, sob pena de incidência
da multa de 10% (dez por cento) prevista no art. 475-J do CPC.
LI

Nº do processo: 0007455-04.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARLILSON LOBATO DE SOUZA
Advogado(a): FABRICIO BORGES OLIVEIRA - 1790AP
B

Parte Ré: BANCO VOLKSWAGEN S.A


Advogado(a): CARLA SIQUEIRA BARBOSA - 6686PA
Sentença: 3 - Dispositivo
PU

Isto posto, por tudo mais que dos autos constam e do livre convencimento que formo, julgo procedente o pedido para condenar a
requerida a ressarcir ao requerente o valor de R$ 2.700,22 (dois mil e setecentos reais e vinte e dois centavos), referente ao dobro do
valor a título de Tarifa de cadastro, devendo o referido valor, ser acrescido de juros legais de mora de 1% ao mês a partir da citação e
correção monetária pelo INPC/IBGE a contar do efetivo desembolso.
Consequentemente extingo o processo com julgamento de mérito.
Sem custas e honorários advocatícios, em observância ao disposto nos artigos 54 e 55 da Lei nº 9.099/95.
Sentença publicada em audiência dela saindo as partes intimadas.

Nº do processo: 0038007-83.2012.8.03.0001
Parte Autora: RÔMULO BARRIGA FONSECA
Advogado(a): GRACE KELLY LIMA MONTEIRO - 2198AP
Parte Ré: COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO AMAPÁ- CEA
Advogado(a): CASSIUS CLAY LEMOS CARVALHO - 9062CE
Despacho: Intime-se a parte ré para, em até 10 (dez) dias, se manifestar sobre a petição de f. 76/77.

Nº do processo: 0047733-81.2012.8.03.0001

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 171


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Autora: MARIA DE LIMA CASTRO


Advogado(a): NICOLAU TORK RODRIGUES - 632AP
Parte Ré: FAMÍLIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA
Advogado(a): FELIPE GAZOLA VIEIRA MARQUES - 76696MG
Despacho: Intime-se a parte autora para recebimento, oportunidade em que deverá requerer o que entender de direito.

Nº do processo: 0046458-97.2012.8.03.0001

L
Parte Autora: MANUEL TIAGO DE QUEIROZ SAMPAIO
Advogado(a): ALEX SAMPAIO DO NASCIMENTO - 770AP

IA
Parte Ré: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Sentença: Vistos etc.
Partes e processo identificados acima.
Trata-se de Embargos à Execução onde a parte embargante alega, em síntese, que realizou o pagamento voluntário no valor de R$

IC
2.711,73 (dois mil, setecentos e onze reais e setenta e três centavos), razão pela qual entende como indevida a execução no valor de
R$ 4.687, 27 (quatro mil, seiscentos e oitenta e sete reais e vinte e sete centavos).
Pois bem.
Sem delongas, verifico que o embargante em sua peça esgrimiu impugnação genérica, sem explicitar qualquer nulidade específica no

OF
valor apresentado pelo exequente à f. 85.
DIANTE DO EXPOSTO, e considerando tudo o mais que dos autos consta, JULGO IMPROCEDENTE a pretensão consubstanciada
nos embargos à execução.
Publique-se, Intimem-se.

Nº do processo: 0051615-17.2013.8.03.0001
Parte Autora: JAEL NEVES GONÇALVES AMORIM
O
Advogado(a): FABRICIO BORGES OLIVEIRA - 1790AP
Parte Ré: BANCO FIAT S/A.
Rotinas processuais: FINALIDADE: INTIMAR a parte recorrida para apresentar contrarrazões no prazo de 10 (dez) dias.
ÇÃ

Nº do processo: 0003038-08.2013.8.03.0001
Parte Autora: ARLEM FERREIRA RAMOS
Advogado(a): MANOEL RAIMUNDO LOPES DOS REIS - 8688PA
Parte Ré: TELEMAR NORTE LESTE SA
Advogado(a): ELADIO MIRANDA LIMA - 86235RJ
CA

Rotinas processuais: Fica vossa senhoria intimado para, no prazo de 05 dias , receber alvará de levantamento conforme despacha á f.
73 dos autos.

Nº do processo: 0023790-06.2010.8.03.0001
Parte Autora: JOSÉ DA CRUZ
LI

Advogado(a): JOSEMIR COSTA DOS SANTOS - 1132AP


Parte Ré: BANCO DO BRASIL S/A - AG. 2825-8, CASPEB - CENTRO ASSISTENCIAL DOS SERVIDORES PUBLICOS DO BRASIL
Advogado(a): KAREN DANIELLE TOMÉ DA SILVA SILVA - 1542AP, NERIVALDO LIRA ALVES - 111386RJ
Rotinas processuais: FINALIDADE: INTIMAR a parte Executada da penhora, conforme termo lavrado à fl101. , para querendo, oferecer
B

impugnação no para de 15(quinze) dias.

Nº do processo: 0043189-16.2013.8.03.0001
PU

Parte Autora: MARIA JOSE RODRIGUES DA SILVA UCHOA


Advogado(a): JOSINEI MOREIRA AMANAJAS - 1261AP
Parte Ré: BANCO ITAÚCARD S/A
Rotinas processuais: FINALIDADE: Intimar a parte recorrida para apresentar contrarrazões

Nº do processo: 0052235-29.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARIA DO SOCORRO SILVA DO NASCIMENTO DA SILVA
Advogado(a): JOSINEI MOREIRA AMANAJAS - 1261AP
Parte Ré: BV FINANCEIRA S/A - CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO
Rotinas processuais: FINALIDADE: INTIMAR a parte recorrida para apresentar contrarrazões no prazo de 10 (dez) dias.

Nº do processo: 0014079-69.2013.8.03.0001
Parte Autora: MARIA FRANCISCA SOUZA DOS SANTOS
Advogado(a): ROSIMARY ARAUJO DE OLIVEIRA - 1756AP
Parte Ré: E V & CARTAZ PRESTADORA DE SERVICOS LTDA, SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE S/A
Advogado(a): RENATO TADEU RONDINA MANDALITI - 115762SP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 172


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Rotinas processuais: Certifico que intimar a parte recorrida para apresentar contrarrazões

Nº do processo: 0032817-08.2013.8.03.0001
Parte Autora: REGIANNE FERREIRA BARRIGA
Advogado(a): JEAN ERICKSSON EVANGELISTA DE MOURA - 2084AP
Parte Ré: AQUAFISIO LTDA
Advogado(a): CASSIUS CLAY LEMOS CARVALHO - 521AAP

L
Rotinas processuais: Nos termos da O.S 05/2012, Intimo o requerido para efetivar o pagamento voluntário da condenação, no prazo de
15 dias, sob pena de incidência de multa de 10%, conforme art. 475 J do CPC.

IA
Nº do processo: 0044176-52.2013.8.03.0001
Parte Autora: LUIZ CARLOS DA SILVA NASCIMENTO
Advogado(a): JOSINEI MOREIRA AMANAJAS - 1261AP

IC
Parte Ré: BANCO VOLKSWAGEN S.A
Advogado(a): MANOEL ARCHANJO DAMA FILHO - 2305AAP
Sentença: LUIZ CARLOS DA SILVA NASCIMENTO ajuizou Reclamação Cível em face de BANCO VOKSWAGEM S/A, alegando que
celebrou um contrato de financiamento para aquisição de um bem, tendo sido cobrado tarifas ilegais.

OF
A sentença prolatada apenas julgou procedente os pedidos deduzidos na inicial para determinar a devolução em dobro dos valores
cobrados ilegalmente, já reconhecimentos pela Egrégia Turma Recursal Dos Juizados Especiais do Amapá.

Não há omissão ou contradição a declarar, inclusive decisão amparada na mais recente jurisprudência nacional.

Data vênia, mas trata-se de uma peça meramente procrastinatória.


O
Isto posto, entendo que não há nada para declarar, mantendo a sentença de fls. 16/19 por seus próprios e jurídicos fundamentos.

Publique-se.
ÇÃ

Registre-se.

Intime-se.

Nº do processo: 0036213-90.2013.8.03.0001
CA

Parte Autora: PAULA GEOVANA SOUSA BARATA


Advogado(a): NÁRITON ALBERTO FERREIRA SOARES - 2254AP
Parte Ré: ODETE LIMA GASTRONOMIA SAUDAVEL
Advogado(a): ORLANDO NUNES DE ABREU NETO - 2244AP
Rotinas processuais: FINALIDADE: Intime-se a parte autora para querendo apresenta contrarrzões recursais, no prazo de 10 (dez) dias.
LI

Nº do processo: 0037356-17.2013.8.03.0001
Parte Autora: PETRONILO DA SILVA SERGIO FILHO
Advogado(a): MANOEL RAIMUNDO LOPES DOS REIS - 666BAP
B

Parte Ré: BANCO ITAÚCARD S/A


Advogado(a): JOSÉ EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO - 126504SP
Rotinas processuais: FINALIDADE: INTIMAR a parte recorrida para apresentar contrarrazões no prazo de 10 (dez) dias.
PU

Nº do processo: 0044536-55.2011.8.03.0001
Parte Autora: ALESSANDRA FURTADO DE SOUZA
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP
Parte Ré: ITAU UNIBANCO HOLDING S.A.
Advogado(a): CELSO MARCON - 10990ES
Rotinas processuais:

Nº do processo: 0014104-19.2012.8.03.0001
Parte Autora: RUBENICIO CORREA MARTINS
Advogado(a): JEAN ERICKSSON EVANGELISTA DE MOURA - 2084AP
Parte Ré: DIBENS LEASING S.A - ARRENDAMENTO MERCANTIL
Advogado(a): CELSO MARCON - 1445AAP
Rotinas processuais: FINALIDADE: Intime-se a parte autora, para manifestar-se quanto a inexistência de crédito, no prazo de 10 dez)
dias.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 173


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº do processo: 0016737-66.2013.8.03.0001
Parte Autora: JESSYCA SOUZA MOURAO
Advogado(a): PAULO RONALDO SANTOS BRASILIENSE - 2087AP
Parte Ré: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DA AMAZONIA, UNIVERSIDADE ESTACIO DE SA
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 30/05/2014 às 09:10

Nº do processo: 0044716-03.2013.8.03.0001

L
Parte Autora: REINALDO MIRANDA DA FONSECA
Advogado(a): JOAO PAULO VAZ CAVALCANTE - 1171AP

IA
Parte Ré: BANCO FINASA S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 11/06/2014 às 10:00

Nº do processo: 0016014-13.2014.8.03.0001

IC
Parte Autora: CLEITON COUTINHO DE AZEVEDO
Advogado(a): FERNANDO ANTONIO HORA MENEZES JUNIOR - 1223AP
Parte Ré: BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 18/06/2014 às 10:40

Nº do processo: 0021306-47.2012.8.03.0001
Parte Autora: PAULO RUBENS ABREU COSTA
Advogado(a): CAMECRAN JOSE DA SILVA - 538AP
Parte Ré: JOAO ISAIAS DOS SANTOS
Advogado(a): MARIA RAIMUNDA DA COSTA CONCEICAO - 10225PA
OF
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 02/07/2014 às 08:40
O
Nº do processo: 0035546-07.2013.8.03.0001
ÇÃ

Parte Autora: PAULO CARLOS DA SILVA


Advogado(a): JEAN ERICKSSON EVANGELISTA DE MOURA - 2084AP
Parte Ré: DIBENS LEASING S.A - ARRENDAMENTO MERCANTIL
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 02/07/2014 às 08:50

JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - MCP


CA

Nº do processo: 0049465-97.2012.8.03.0001
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: SIDNEY JUCA TELES
Advogado(a): BRUNO DA COSTA NASCIMENTO - 1265AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 08/05/2014 às 09:00
LI

Nº do processo: 0057269-82.2013.8.03.0001
Requerente: ANA LUCIA RODRIGUES
Defensor(a): EMMANNUELLE AGUIAR DE OLIVEIRA - 1529AP
B

Requerido: WASHIGTON LUIZ PEREIRA DIAS


Advogado(a): OCINEIA CRISTINA DE SOUSA PEREIRA - 691BAP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 18/06/2014 às 10:00
PU

Nº do processo: 0055702-16.2013.8.03.0001
Requerente: JESSICA PAULA SOARES FERREIRA
Requerido: ROBSON PEREIRA BORRALHO
Advogado(a): RILDO RODRIGUES AMANAJÁS - 2270AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 07/05/2014 às 10:30

MAZAGÃO

VARA UNICA DE MAZAGAO

Nº do processo: 0000526-51.2010.8.03.0003

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 174


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Autora: MANOEL ELIAS BARBOSA DE MATOS


Advogado(a): GEANY GUIMARAES DA COSTA - 678AP
Parte Ré: MUNICIPIO DE MAZAGÃO
Advogado(a): DANIEL DOS SANTOS DIAS - 1054AP
Rotinas processuais: Nos termos do art. 58, III, da Portaria nº 01/2013 GAB/MZG, promovo a intimação da parte executada para,
querendo, apresentar embargos no prazo de 15 (quinze) dias.

L
Nº do processo: 0000499-34.2011.8.03.0003
Parte Autora: STHEFANI DE AZEVEDO VIANA

IA
Advogado(a): CARLOS HENRIQUE PENNA REGINA - 198938SP
Parte Ré: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS
Representante Legal: LUCILEIDE FERREIRA DE AZEVEDO
Rotinas processuais: Nos termos da Portaria nº 01/2013-GABJUIZ/VUMZG - Art. 53º. Conceder vistas à parte contrária para
contrarrazoar o recurso em sentido estrito ou de apelação interposto;

IC
Nº do processo: 0000790-34.2011.8.03.0003
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

OF
Parte Ré: GENESIO BASILIO DA LUZ
Advogado(a): JOSÉ AUGUSTO PEREIRA CARDOSO - 376AP
Decisão: RECEBO O RECURSO, eis que preeenchidos os pressupostos processuais objetivos e subjetivos.
Vista ao recorrente, para apresentação das razões recursais.
Após, vista ao recorrido para oferecimento das contra-razões recursais, no prazo legal.
Ao final, encaminhem-se os autos ao Egrégio TJAP.
O
Nº do processo: 0000812-58.2012.8.03.0003
Parte Autora: CLAUDIO AIRES DA SILVA FILHO
Advogado(a): RENATO MUNHOZ MACHADO DE OLIVEIRA - 1318BAP
ÇÃ

Parte Ré: MUNICIPIO DE MAZAGÃO


Advogado(a): EVELINE BARBOSA DE AZEVEDO - 1193AP
Sentença:
CLAUDIO AIRES DA SILVA FILHO, devidamente qualificado, por meio de advogado constituído, aforou em face do MUNICÍPIO DE
MAZAGÃO, ação de cobrança.

Conforme narra a peça preambular de fls. 02-04, o autor laborou para a ré na função de servente pelo período de 02/02/1987 a
CA

05/09/2010, percebendo salário mensal de 01 (um) salário mínimo. Aduz que no final da relação contratual, a ré deixou de pagar as
verbas referentes a FGTS e multa de 40% sobre o FGTS. Requereu o benefício da gratuidade judiciária. Carreou aos autos os
documentos constantes às fls. 05-136.

Em sua peça de defesa a ré alegou, em apartada síntese, que o vínculo jurídico existente entre as partes era administrativo/estatutário
e não empregatício nos moldes da CLT, não fazendo jus às verbas indenizatórias, tais como depósito de FGTS e respectiva multa de
LI

40%, colacionou aos autos julgados neste sentido. Ao final, requereu a improcedência dos pedidos da inicial e condenação da autora
em custas processuais e honorários advocatícios.

Audiência de conciliação transcorreu na forma noticiada às fls.160, restando infrutífera. As partes afirmaram não ter outras provas a
B

produzir. A autora, em sede de alegações finais às fls. 88-91, ratifica o pedido constante na inicial e requer condenação do réu nas
despesas sucumbenciais processuais. O réu, ratificou sua peça defensiva.

É o relatório. Decido.
PU

Não há questões preliminares a serem enfrentadas. Presentes as condições da ação e pressupostos processuais, passo ao exame do
mérito.

Tratam os autos de ação de cobrança pretendendo receber verba rescisória decorrente de relação jurídica laboral, consistente no FGTS
e respectiva multa de 40%. Dúvidas não há acerca da existência da relação jurídica laboral, eis que não controvertido.

Reclama o autor recebimento de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço-FGTS e respectiva multa de 40% não-pagos por ocasião do
distrato do vínculo laboral (contrato por prazo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público) que
mantinha com o poder público municipal. Adianto desde já que o pleito não merece guarida. E explico.

A contratação temporária de trabalho, nos termos do art. 37, IX, da CF, tem natureza nitidamente administrativa. A EC 19/98 que
permitia a pluralidade de regimes jurídicos pela administração foi suspensa neste ponto pelo Supremo Tribunal Federal,
impossibilitando a contratação de servidor público pelo regime trabalhista (ADI 2.135-MC/DF). Ainda, convém mencionar, a Suprema
Corte adotou o entendimento de que nem a mera prorrogação do prazo de contratação do servidor temporário tem o condão de
transmudar o vínculo administrativo que este mantinha com o poder público em relação de natureza trabalhista (RE 573.202/AM, Rel.
Min. Ricardo Lewandowski).

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 175


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Em razão de decisão da Suprema Corte, não podem as entidades estatais adotar regimes jurídicos distintos para os seus servidores
públicos. Assim, com o restabelecimento da originária dicção normativa do caput do art. 39, da Carta Magna, a União, os Estados, o
Distrito Federal e os Municípios devem instituir, no âmbito de sua competência, regime jurídico único e planos de carreira para os seus
servidores. Não podem, portanto, adotar o regime de emprego público, sujeito à CLT, ao lado do regime de cargo público, submetido
aos estatutos jurídicos.

Despiciendo é dizer da aplicabilidade do preceito, a Constituição Federal em seu §3º, art. 39, previu expressamente a extensão dos
direitos a que farão jus os servidores públicos dentre aqueles previstos no art. 7º da Magna Carta (inc. IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI,

L
XVII, XVIII, XIX, XX, XXII e XXX). Vê-se portanto, que nítidas são os contornos sob o ângulo dos direitos e deveres que diferenciam os
servidores públicos, e não poderia ser diferente. Celso Antonio Bandeira de Mello (in Curso de Direito Administrativo. 12ª edição, pg.

IA
260), bem evidencia: "...o regime normal dos servidores públicos teria mesmo de ser o estatutário, pois este (ao contrário do regime
trabalhista) é o concebido para atender a peculiaridades de um vínculo no qual não estão em causa tão-só interesses empregatícios,
mas onde avultam interesses públicos básicos, visto que os servidores públicos são o próprio instrumento de atuação do Estado."

Ainda, é pertinente ao deslinde da causa asseverar, o STF, no julgamento da ADI-3608/DF, fixou, por maioria, o entendimento de que a

IC
Constituição Federal autoriza contratações de servidores, sem concurso público, quer para o desempenho de atividades de caráter
eventual, temporário ou excepcional, quer para o desempenho de atividades de caráter regular e permanente, desde que
indispensáveis ao atendimento de necessidade temporária de excepcional interesse público, quando pendente realização de concurso
público, pelo princípio da continuidade da atividade estatal.

OF
Assim, somente a contingência fática evidencia o que será considerado situação de emergência de modo a não causar dano ao
interesse público, com a falta de prestação dos serviços essenciais. É claro que, com limitações, vez que a contratação de servidores
temporários é exceção que não pode ser utilizada para burlar a regra do concurso público.

Assim sendo, deve ser indeferida a pretensão da autora objetivando o recebimento de valores referentes a FGTS, pois estes direitos só
são devidos nas relações laborais regidas pela CLT. O FGTS é sistema garantido e exclusivo do regime celetista. É incompatível a
aplicação de suas regras às que compõe o regime estatutário. Ademais, não se pode considerar o FGTS como uma verba
O
remuneratória disponibilizada ao trabalhador, vez que ele tem ingerência restrita sobre ela, dado que o saque depende do
preenchimento dos requisitos legais aplicáveis.
ÇÃ

Tendo a relação laboral se dado sob o pálio de lei municipal, o regime é estatutário, o vínculo jurídico assente foi externado por
normativo municipal próprio. Descabida qualquer pertinência do referido instituto ao caso "sub judice".

Posto isso, pelo livre convencimento que formo e pelas razões expendidas, JULGO IMPROCEDENTE o pedido deduzido na petição
inicial, e, em consequência EXTINGO o feito, com resolução do mérito (art. 269, I, do CPC).

Sem custas e honorários advocatícios por estar a autora sob o pálio da gratuidade judiciária.
CA

P. Registro eletrônico. Intimem-se.

Nº do processo: 0001114-24.2011.8.03.0003
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
LI

Parte Ré: DORIVALDO DOS SANTOS DANTAS, JOSÉ NILDO DOS SANTOS DANTAS
Advogado(a): ELVA FATIMA DE SOUZA GOMES - 349AP, JOYSON FELIPE BARBOSA MONTEIRO - 2447AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 09/05/2014 às 08:30
B
PU

OIAPOQUE

1ª VARA DA COMARCA DE OIAPOQUE

Nº do processo: 0001126-83.2012.8.03.0009
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Advogado(a): LUIZ AUGUSTO DOS SANTOS PINHEIRO - 525AP
Parte Ré: WILLIAMS PANTOJA RIBEIRO
Representante Legal: MARY GEORGINA DE AMORIM DINIZ
Despacho: Diante da ausência injustificada do patrono do réu, arbitro honorários em favor do advogado nomeado ad hoc no valor de
um salário mínimo. Defiro o pedido das partes e faculto a apresentação de memoriais no prazo sucessivo de 05 dias.

Nº do processo: 0001582-67.2011.8.03.0009
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: FRANCISCO RENATO SALES FERREIRA
Defensor(a): SANDRO CONCEICAO RODRIGUES DA SILVA - 1059AP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 176


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Sentença: I. RELATÓRIO

O Ministério Público do Estado do Amapá ofereceu denúncia contra FRANCISCO RENATO SALES FERREIRA pela prática dos crimes
previstos nos art. 171 e 297, ambos do Código Penal, por ter, nos anos de 2009 e 2010, apresentando-se como proprietário da Escola
Superior de Filosofia e Ciências Humanas do Amapá - ESFICHAP ou ESFECHAP, instituição de ensino não credenciada e sem
autorização do Ministério da Educação - MEC para oferecer cursos na educação superior, obtido para si vantagem ilícita em prejuízo
alheio, mantendo em erro, por meio fraudulento, várias pessoas no município de Oiapoque que desejavam obter graduação em cursos
de ensino superior, bem como professores que lá ministravam aulas. Ainda, segunda a inicial, falsificou documentos públicos quando

L
expediu certificados de conclusão do curso de bacharel e licenciatura plena e filosofia.
Instruiu a inicial o Inquérito Policial 0052/2010 (fls. 6/340 e apenso I e II).

IA
A denúncia foi recebida em 16/12/2011 (fls. 341), e o réu citado (fls. 379), apresentou resposta preliminar às fls. 382, sem arguir
elementos que levasse a absolvição sumária (fls. 383).
Durante a instrução criminal, foram ouvidas oito testemunhas da acusação e uma de defesa, bem como interrogado o réu, que negou a
prática do crime (fls. 394/395; 411/419 e 423/427).
Em alegações finais, o Ministério Público pugnou pela procedência da denúncia por entender provada materialidade e autoria (fls.

IC
429/434).
A defesa, por seu turno, requereu a absolvição do réu, argumentando insuficiência de provas (fls. 435/437).

II. FUNDAMENTAÇÃO

OF
Trata-se de ação penal na qual se busca a apuração dos crimes de estelionato e falsificação de documento público imputado ao réu
Francisco Renato Sales Ferreira.
Ao exame dos autos, verifico estarem presentes os pressupostos processuais e as condições da ação penal. Não foram arguidas
questões preliminares ou prejudiciais, nem vislumbro qualquer nulidade que deva ser pronunciada de ofício. Desta feita, examinarei o
mérito.
O art. 171 do CP tipifica como crime a conduta de "obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou
mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou outro qualquer outro meio fraudulento".
O
Sobre tal dispositivo, ensina Guilherme de Souza Nucci, em seu Código de Penal Comentado, que:
"a conduta é sempre composta. Obter vantagem indevida induzindo ou mantendo alguém em erro. Significa conseguir um benefício ou
um lucro ilícito em razão do engano provocado na vítima. Esta colabora com o agente sem perceber que está se despojando de seus
ÇÃ

pertences. Induzir quer dizer incutir ou persuadir e manter significa fazer permanecer ou conservar. Portanto, a obtenção da vantagem
indevida deve-se ao fato de o agente conduzir o ofendido ao engano ou quando deixa que a vítima permaneça na situação de erro na
qual se envolveu sozinha." (2008, pág. 785).
Feito esses esclarecimentos, e ainda, analisando o conjunto probatório produzido, verifico que toda razão assiste à acusação quando
pede a condenação do acusado, por restar suficientemente provada a ocorrência do delito. Justifico.
A materialidade está provada pelo contratos firmados com os alunos da instituição, conforme se depreende das cópias de fls. 79/83,
136/140 e 281/287, onde consta que se trata de contratação para curso superior; também degravação das propagandas na rádio local
CA

(fls. 269/270), onde também se fala em curso superior; e por fim, a cópia dos pagamentos de mensalidades pelos alunos (70/75; 98/103
e 130/135).
Quanto a autoria, entendo que também pesa contra o réu diante da prova documental somada com a prova oral colhida.
Os documentos acima referidos constam o nome do réu como responsável pela instituição de ensino.
Ainda, os depoimentos colhidos na fase instrutória. Vejamos:
"(...) QUE na época dos fatos lesionava da escola Municipal Maria Leopoldina; QUE tomou conhecimento dos cursos oferecidos pela
LI

ESFECHAP pelos meio de comunicação; QUE os cursos oferecidos, salvo engano, eram na área de filosofia e teologia; QUE se
interessou pelos cursos e se matriculou na referida instituição;QUE frequentando as aulas foi afirmado pelo próprio acusado que o
curso frequentado pela depoente, na área de teologia, garantiria graduação em nível superior, e como a depoente já lesionava há
algum tempo poderia acelerar a graduação do curso; QUE os pagamentos era mensais, mas a depoente permaneceu apenas cinco
B

meses; QUE um dos motivos pelos quais a depoente deixou de frequentar o curso foi devido ao comentários "não era legal", inclusive
porque "estava dando problema" em Laranjal do Jari; QUE não chegou a verificar se os cursos oferecidos pelo MEC, mas pode afirmar
que a instituição informava que tinha tal reconhecimento; QUE durante o curso a depoente foi informada de que, em razão de já
lesionar a mais de 10 anos, poderia sofrer um processo de aceleração para conclusão do curso;QUE o acusado expediu um atestado
PU

em favor da depoente para que apresentasse na Secretaria de educação do município dando conta de que estava cursando graduação
de nível superior e em processo de aceleração, apenas aguardando a expedição do diploma; QUE a depoente deu entrada no
documento, mas ele não passou pelo jurídico da Secretaria. (...)". (Alessandra da Silva Oliveira, às fls. 414).
"(...) QUE foi aluna da ESFECHAP durante um ano e seis meses, matriculando-se no curso de filosofia; QUE tomou conhecimento do
curso por intermédio de um colega de trabalho; QUE chegou a fazer a matrícula no último dia; QUE os cursos oferecidos garantiriam
graduação em nível superior e reconhecidos pleo MEC, fato confirmado a depoente pelo próprio acusado; QUE a instituição expedia
carteira de estudante aos alunos onde constava um número de registro supostamente do MEC, para dar credibilidade aos cursos; QUE
o valor da mensalidade era de R$ 165,00 reais; QUE em razão de vários comentários a respeito da validade dos cursos da instituição, a
depoente e várias colegas foram até o MP para relatar o acontecido pedindo providências,; QUE foram solicitadas informações ao MEC
quanto a validade dos cursos e com a chegada da resposta ficou constatado que os cursos não tinham validade de graduação em nível
superior, porquanto não eram reconhecidos, tratando-se de cursos livres; QUE após isso não conseguiram contato com o acusado, pois
o acusado viajou para Macapá nem mesmo a Secretaria sabia de informações do acusado; QUE depois da acontecido os cursos
pararam. ÀS PERGUNTAS DA DEFESA, RESPONDEU: QUE foi celebrado o contrato com a instituição, cuja cópia foi entregue a
depoente que não leu o seu conteúdo, pois confiou nas informações prestadas pelo acusado; QUE não sabe informar se no contrato
constava que os curso eram livres (...)". ( Rosenilza Marques, às fls. 415).
"(...) QUE trabalhou durante dois anos na ESFECHAP como Coordenadora; QUE foi contratada diretamente pelo acusado; QUE
referida instituição oferecia cursos de licenciatura nas áreas de filosofia, letras, história, pedagogia e outros; QUE a promessa de que os
cursos eram reconhecidos pelo MEC e em nível superior; QUE também eram ministrados cursos de pós-graduação; QUE o próprio

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 177


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

acusado afirmava que os cursos em nível superior reconhecidos, mesmo quando questionados por alunos; QUE a instituição não
expediu diplomas, mas chegou a expedir declaração, cujo conteúdo eram de que estava cursando determinada área do conhecimento
ministrada na instituição; QUE tomou conhecimento de que os cursos não eram reconhecidos quando começaram a chegar "intimações
da Promotoria" para comparecer a fim de prestar esclarecimentos; QUE sabe o acusado tinha uma sociedade chamada CEUSD, mas
não se recorda o nome do responsável pela instituição; QUE era informada à depoente que os cursos eram superiores e amparados
pela CEUSD; QUE esclarece que alguns dias antes da depoente prestar depoimento da Policia Federal entrou em contato com o
acusado onde ele afirmou que era para a depoente ficar despreocupada porque os advogados cuidariam do caso, chegando a afirma a
depoente que o curso de teologia era livre e os restante era respaldado pela CEUSD; QUE havia divulgação dos cursos oferecidos na

L
instituição na rádios locais onde era informado ao potenciais alunos que se tratavam de cursos de licenciaturas e que apenas o curso
de teologia era livre. ÀS PERGUNTAS DA DEFESA, RESPONDEU: QUE a depoente fazia a matrícula do alunos, os quais assinavam

IA
os contratos, cujo o conteúdo a respeito dos cursos a depoente não recorda; (...)". (Gerbiane Cardoso Ferreira, às fls. 416).
Dito tudo isso, entendo que, em que o réu obteve vantagem indevida ao receber o valor das mensalidades, e para tanto, induziu ou
manteve as vítimas (alunos) em erro por meio fraudulento, ao oferecer curso não credenciado ou autorizado pelo MEC.
Assim, em decorrência da fraude no oferecimento dos cursos, possíveis diplomas em consequência expedidos também seriam
fraudulentos, falsos.

IC
O art. 297 tipifica a conduta de quem falsifica, no todo ou parte, documento público, ou altera documento público verdadeiro. No
primeiro caso, o documento inexiste, sendo criado pelo agente, enquanto na segunda figura há um documento verdadeiro, atuando o
agente para modificar-lhe o aspecto original.
In casu, a denúncia afirma que o réu falsificou o diplomas de conclusão de curso.

OF
Ocorre que os diplomas juntados às fls. 41 e 428 foram firmados nas cidades de Macapá e Cutias do Araguari, não tendo referência ao
estelionato aqui praticado. No entanto, vejo que o réu emitiu declaração de conclusão de curso oferecido nesta Comarca, consoante a
acostada às fls. 42, fato inclusive confirmado pela testemunha Gerbiane Cardoso Ferreira, às fls. 416.
Entretanto, entendo que se o falso foi endereçado à obtenção de indevida vantagem econômica, o falso constituiu-se em crime-meio,
que fica absorvido pelo crime-fim, no caso o estelionato. Ou seja, para dar cabo ao estelionato, mantendo as vítimas em erro, a
confecção de declarações, falsificando-as, trata-se do meio necessário para a finalidade pretendida pelo agente. Isto é, a finalidade do
réu não era expedir diplomas ou declarações falsas, mas cometer o estelionato ao oferecer cursos não autorizados, induzindo as
vítimas em erro, e obtendo vantagem ilícita com o pagamento das mensalidade.
O
Nesse sentido:
"Manter curso de teologia, sem autorização do Conselho Federal de Educação, oferecendo-o ao público como se fosse de nível
superior, realizando vestibular, recebendo matrículas e expedindo diplomas completamente inválidos, tipifica estelionato, pois o agente
ÇÃ

obtém vantagem ilícita em prejuízo dos alunos, que são mantidos em erro (TRF da 1ª R., RT 768/700)". (in Código Penal Comentado,
Celso Delmanto, pág. 624).
Portanto, o crime de falsificação funciona como post factum impunível, aplicando-se o princípio da consunção na denominada
progressão criminosa.
Assim, pelo que restou apurado, deve o acusado ser condenado pela prática do crime previsto no art. 171, do CP.

III. DISPOSITIVO
CA

Pelo exposto, JULGO PROCEDENTE EM PARTE o pedido formulado na denúncia para CONDENAR Francisco Renato Sales Ferreira
pela infração ao art. 171, do CP, e absolve-lo do delito previsto no art. 297, do CP, com espeque no art. 386, III, do CPP.
Passo a dosar e individualizar a pena.
O acusado agiu com dolo comum à espécie; não registra maus antecedentes; sem elementos para apreciar sua conduta social e
personalidade; o motivo e as circunstâncias do crime são inerentes ao tipo; as consequências são graves em razão do prejuízo sofrido
LI

pelas vítimas, mas que é própria do crime; e as vítimas em nada contribuíram para o crime.
Desta forma, por considerar necessária e suficiente, objetivando a prevenção e reprovação do crime, considerando especialmente o
número de vítimas, entendo por bem fixar a pena-base acima do mínimo legal, em 03 (três) anos de reclusão, bem como ao pagamento
de 30 (trinta) dias-multa, pena que torno definitiva por ausência de atenuantes, agravantes, causas de aumento ou de diminuição.
B

O regime inicial para cumprimento da pena será o aberto e o valor do dia-multa será à razão unitária de 1/30 (um trigésimo) do valor do
salário mínimo vigente ao tempo do fato.
Substituo a pena privativa de liberdade por uma restritiva de direito, consistente em multa, no valor de 05 (cinco) salários mínimos,
considerando o número de vítimas, a ser destinado a Escola Municipal Educandário ABC, para reforma ou aquisição de bens.
PU

Custas pelo condenado.


O réu poderá apelar em liberdade em razão da pena aplicada.
Após o trânsito em julgado, façam-se as devidas anotações e comunicações, expeça-se carta de sentença e arquivem-se.
Publicação e Registro eletrônico. Intimem-se.

Nº do processo: 0001723-18.2013.8.03.0009
Parte Autora: ALESSANDRA SAMARA RAMOS BRITO, ROSILENE DE SOUZA SOUSA
Advogado(a): REJANE COSTA DE DEUS - 1338AP
Parte Ré: ANIBAL DOS SANTOS DIAS, MARCIANA CARVALHO DE OLIVEIRA DIAS
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 26/05/2014 às 11:30

2ª VARA DA COMARCA DE OIAPOQUE

Nº do processo: 0002190-94.2013.8.03.0009
Parte Autora: BRADESCO ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIO LTDA
Advogado(a): MARIA LUCILIA GOMES - 84206XSP

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 178


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Parte Ré: FRANCISCO EVANDRO DO VALE SOUSA


Rotinas processuais: Nos termos do art. 6º da Portaria 005/2013 2ª VCO, manifeste-se a parte autora em 05 (cinco) dias sobre a
diligência infrutífera certificada no movimento eletrônico de ordem (12), oportunidade na qual deverá apresentar informações úteis ao
cumprimento da diligência.

Nº do processo: 0001806-34.2013.8.03.0009
Parte Autora: ESTADO DO AMAPÁ

L
Procurador(a) de Estado: PLINIO REGIS BAIMA DE ALMEIDA - 1496BAP
Parte Ré: K. R. M. DE SOUSA - ME

IA
Representante Legal: KATIA REGINA MARTINS DE SOUSA
Decisão:
Vistos.

Como o exequente não logrou êxito na localização do executado e, também, encontra-se inerte, DETERMINO o arquivamento destes

IC
autos, sem prejuízo de posterior desarquivamento, caso seja informado a este Juízo novas informações sobre seu paradeiro.

Cientifique-se o exequente eletronicamente.

OF
Publique-se via DJE.

Nº do processo: 0001787-28.2013.8.03.0009
Parte Autora: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: FABIO RODRIGUES DE CARVALHO - 1546BAP
Parte Ré: M. N. FERREIRA EXPORTAÇÃO - ME
Responsável: MARIA NILZA FERREIRA
O
Decisão:
Vistos.
ÇÃ

Como o exequente não logrou êxito na localização do executado e, também, encontra-se inerte, DETERMINO o arquivamento destes
autos, sem prejuízo de posterior desarquivamento, caso seja informado a este Juízo novas informações sobre seu paradeiro.

Cientifique-se o exequente eletronicamente.

Publique-se via DJE.


CA

Nº do processo: 0000267-96.2014.8.03.0009
Parte Autora: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: PLINIO REGIS BAIMA DE ALMEIDA - 1496BAP
Parte Ré: VALDEMAR F DE SOUZA
Responsável: OSCAR GISLAEL VIEIRA SILVA
LI

Sentença:
Vistos etc.

Intimado a emendar a inicial, visando trazer aos autos a qualificação completa do responsável legal da executada, para fins de
B

tramitação regular no sistema Tucujuris (Provimento 216/2011 - CGJ), o exequente quedou-se inerte.

Assim, não suprida essa falta, não há outro caminho senão o indeferimento da inicial, nos termos do art. 284, parágrafo único, e 295,
VI, todos do CPC c/c art. 1º da Lei 6.830/80.
PU

Posto isso, declaro EXTINTO o presente processo sem julgamento do mérito, nos termos do art. 267, inciso I, do Código de Processo
Civil brasileiro.

Sem custas e honorários, ante a isenção legal.

Publique-se. Intime-se. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos.

Nº do processo: 0000145-83.2014.8.03.0009
Parte Autora: R. B. DE S.
Defensor(a): LEIRIDIANE DE OLIVEIRA GOMES - 1600AP
Parte Ré: E. G. C., J. DOS S. C., J. G. C., M. DOS S. C., R. G. C.
Decisão:
Vistos.

Compulsando os autos e em análise a petição de f. 11, constatei que o feito não reclamava a sua extinção prematura, pois possuía
elementos capazes de mantê-lo regular, já que um herdeiro possui domicílio nesta Comarca e os outros podem ser citados por edital.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 179


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nesse sentido, em analogia ao art. 296 do CPC, reformo a decisão proferida à f. 12, uma vez que ao magistrado é dada essa
faculdade, embora neste caso não tenha sido protocolado o recurso. Ademais, a mencionada sentença ainda não foi publicada,
ninguém dela foi intimado e por via de consequência não houve trânsito em julgado.

Ante tais esclarecimentos, recebo a emenda à inicial de f. 11.

Tramite-se em segredo de justiça.

L
Concedo os benefícios da Justiça gratuita, em face do patrocínio da Defensoria Pública.

IA
Citem-se os réus. Para o réu que possui domicílio nessa comarca, expeça-se mandado judicial e para os demais, expeça-se edital,
observando-se os preceitos legais do art. 232 do CPC.

Dê-se ciência desta decisão ao Ministério Público e a Defensoria Pública.

IC
Nº do processo: 0001803-79.2013.8.03.0009
Parte Autora: ESTADO DO AMAPÁ
Procurador(a) de Estado: ALEXANDRE MARTINS SAMPAIO - 1662BAP

OF
Parte Ré: J. V. CAITANO DA SILVA
Representante Legal: JOSE VALDI CAITANO DA SILVA
Decisão:
Como o exequente não logrou êxito na localização do executado e, também, encontra-se inerte, DETERMINO o arquivamento destes
autos, sem prejuízo de posterior desarquivamento, caso seja informado a este Juízo novas informações sobre seu paradeiro.

Cientifique-se o exequente eletronicamente.


O
Publique-se via DJE.
ÇÃ

Nº do processo: 0000467-06.2014.8.03.0009
Parte Autora: E. R. S. M.
Defensor(a): SANDRO CONCEICAO RODRIGUES DA SILVA - 1059AP
Parte Ré: E. U. M. DE S.
Representante Legal: M. S. S. Q.
Defensor(a): SANDRO CONCEICAO RODRIGUES DA SILVA - 1059AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 17/07/2014 às 08:00
CA

PORTO GRANDE
LI

VARA ÚNICA DE PORTO GRANDE

Nº do processo: 0000280-26.2013.8.03.0011
B

Requerente: ALAN PEREIRA DE SOUZA


Defensor(a): MARY CÉLIA RAMOS DE ALMEIDA - 1.000AP
Sentença: Diante do exposto, DEFIRO o pedido de registro de nascimento tardio encaminhado ao Juízo, de forma que AUTORIZO o
PU

Cartório de Registro civil da comarca de Porto Grande a proceder ao Assento de Nascimento do registrando - ALAN PEREIRA DO
NASCIMENTO-, observando-se os dados constantes na declaração prestada às fls.03, ressalvando que o nome correto da genitora é
ALBENIZA PEREIRA DE SOUZA.
Sem custas e sem honorários advocatícios.
Encaminhe-se as peças dos autos ao Cartório COMPETENTE para as providências pertinentes, ficando cópia dos autos.
Independente de trânsito, arquive-se.
Publique-se no DJe. Registro Eletrônico. Intime-se, dando-se ciência ao Ministério Público.

Nº do processo: 0000719-37.2013.8.03.0011
Parte Autora: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
Parte Ré: JOSÉ MARIA BESSA DE OLIVEIRA
Advogado(a): ARNALDO SANTOS FILHO - 620AP
Interessado: MUNICÍPIO DE PORTO GRANDE
Advogado(a): JEFFEMANOEL PICANÇO COSTA - 1487AP
Agendamento de audiência: Audiência agendada para o dia 07/07/2014 às 11:40

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 180


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

SANTANA

DIRETORIA DO FÓRUM - STN

L
ATA DE DISTRIBUIÇÃO 11/04/2014
PROCESSO CÍVEL

IA
VARA: 1ª VARA CÍVEL DE SANTANA
Nº JUSTIÇA: 0002881-95.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE ALIMENTOS

IC
PARTE AUTORA: B. G. R. e outros
PARTE RÉ: E. B. R.
VALOR CAUSA: 651,6

VARA: 2ª VARA CÍVEL DE SANTANA

OF
Nº JUSTIÇA: 0002882-80.2014.8.03.0002
AÇÃO: HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. R. DA S. e outros
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 6720

VARA: 2ª VARA CÍVEL DE SANTANA


O
Nº JUSTIÇA: 0002883-65.2014.8.03.0002
AÇÃO: HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE REVISIONAL DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. R. DA S. e outros
PARTE RÉ:
ÇÃ

VALOR CAUSA: 6720

VARA: 2ª VARA CÍVEL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002909-63.2014.8.03.0002
AÇÃO: CIVIL PÚBLICA C/C OBRIGAÇÃO DE FAZER COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA INAUDITA ALTERA PARS
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
CA

PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ


VALOR CAUSA: 1000

VARA: 3ª VARA CÍVEL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002911-33.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS.
PARTE AUTORA: A. C. DE S. C.
LI

PARTE RÉ: E. M. C.
VALOR CAUSA: 26064

VARA: 3ª VARA CÍVEL DE SANTANA


B

Nº JUSTIÇA: 0002912-18.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO FISCAL.
PARTE AUTORA: UNIÃO
PU

PARTE RÉ: FACULDADE E ESCOLA MADRE TEREZA LTDA - EPP


VALOR CAUSA: 45281,97

PROCESSO CRIMINAL

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002880-13.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: OTAVIO JORDAO DA SILVA CARDOSO
VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN


Nº JUSTIÇA: 0002884-50.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: CARLOS ALEXANDRE DA CRUZ CAMPOS
VALOR CAUSA:

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 181


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN


Nº JUSTIÇA: 0002892-27.2014.8.03.0002
AÇÃO: MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA
PARTE AUTORA: MAÚRICIO PELAES DA SILVA
PARTE RÉ: EMERSON PELAES DA SILVA
VALOR CAUSA:

L
VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN
Nº JUSTIÇA: 0002893-12.2014.8.03.0002

IA
AÇÃO: MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA
PARTE AUTORA: ALCINETE ALMEIDA MONTEIRO
PARTE RÉ: JAIRO SAMPAIO DOS SANTOS
VALOR CAUSA:

IC
VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN
Nº JUSTIÇA: 0002895-79.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

OF
PARTE RÉ: VALDIR LOBATO DA ROCHA
VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN


Nº JUSTIÇA: 0002900-04.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: JOSÉ RONALDO LOBATO MIRANDA
O
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


ÇÃ

Nº JUSTIÇA: 0002902-71.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ODAIR JOSE VIEIRA PONTES
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


CA

Nº JUSTIÇA: 0002904-41.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ROMULO DOS SANTOS GOMES e outros
VALOR CAUSA:
LI

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002905-26.2014.8.03.0002
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: PRIMEIRA DELEGACIA DE POLICIA DE SANTANA
B

PARTE RÉ: ELIAN DA COSTA NUNES


VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


PU

Nº JUSTIÇA: 0002907-93.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: CHARLES DA SILVA FREITAS
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002908-78.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: RAULIAN CRISTIAN CORREA CARDOZO
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002910-48.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: RAULIAN CRISTIAN CORREA CARDOZO

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 182


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

VALOR CAUSA:

PROCESSO INFÂNCIA

VARA: VARA DE INFANCIA E JUVENTUDE DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002885-35.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO SÓCIO EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.

L
PARTE RÉ: D. DOS S. S. e outros
VALOR CAUSA:

IA
VARA: VARA DE INFANCIA E JUVENTUDE DE SANTANA
Nº JUSTIÇA: 0002887-05.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO SÓCIO EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.

IC
PARTE RÉ: R. DOS S. G. e outros
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE INFANCIA E JUVENTUDE DE SANTANA

OF
Nº JUSTIÇA: 0002898-34.2014.8.03.0002
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: D. F. DE S.
VALOR CAUSA:

_____________________________
O
AMARO DANIEL DE BARROS
Distribuidor(a)
ÇÃ

_____________________________
JOSE BONIFACIO LIMA DA MATA
MM Juiz(a) Distribuidor
ATA DE DISTRIBUIÇÃO 11/04/2014

PROCESSO CÍVEL
CA

VARA: 1ª VARA CÍVEL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002881-95.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: B. G. R. e outros
PARTE RÉ: E. B. R.
VALOR CAUSA: 651,6
LI

VARA: 2ª VARA CÍVEL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002882-80.2014.8.03.0002
AÇÃO: HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE ALIMENTOS
B

PARTE AUTORA: R. R. DA S. e outros


PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 6720
PU

VARA: 2ª VARA CÍVEL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002883-65.2014.8.03.0002
AÇÃO: HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO DE REVISIONAL DE ALIMENTOS
PARTE AUTORA: R. R. DA S. e outros
PARTE RÉ:
VALOR CAUSA: 6720

VARA: 2ª VARA CÍVEL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002909-63.2014.8.03.0002
AÇÃO: CIVIL PÚBLICA C/C OBRIGAÇÃO DE FAZER COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA INAUDITA ALTERA PARS
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ESTADO DO AMAPÁ
VALOR CAUSA: 1000

VARA: 3ª VARA CÍVEL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002911-33.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO DE ALIMENTOS.
PARTE AUTORA: A. C. DE S. C.

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 183


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

PARTE RÉ: E. M. C.
VALOR CAUSA: 26064

VARA: 3ª VARA CÍVEL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002912-18.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO FISCAL.
PARTE AUTORA: UNIÃO
PARTE RÉ: FACULDADE E ESCOLA MADRE TEREZA LTDA - EPP

L
VALOR CAUSA: 45281,97

IA
PROCESSO CRIMINAL

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002880-13.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA

IC
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: OTAVIO JORDAO DA SILVA CARDOSO
VALOR CAUSA:

OF
VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN
Nº JUSTIÇA: 0002884-50.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: CARLOS ALEXANDRE DA CRUZ CAMPOS
VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN


O
Nº JUSTIÇA: 0002892-27.2014.8.03.0002
AÇÃO: MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA
PARTE AUTORA: MAÚRICIO PELAES DA SILVA
ÇÃ

PARTE RÉ: EMERSON PELAES DA SILVA


VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN


Nº JUSTIÇA: 0002893-12.2014.8.03.0002
AÇÃO: MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA
PARTE AUTORA: ALCINETE ALMEIDA MONTEIRO
CA

PARTE RÉ: JAIRO SAMPAIO DOS SANTOS


VALOR CAUSA:

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN


Nº JUSTIÇA: 0002895-79.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
LI

PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ


PARTE RÉ: VALDIR LOBATO DA ROCHA
VALOR CAUSA:
B

VARA: JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - STN


Nº JUSTIÇA: 0002900-04.2014.8.03.0002
AÇÃO: EXECUÇÃO DE PENA E DE MEDIDA ALTERNATIVA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PU

PARTE RÉ: JOSÉ RONALDO LOBATO MIRANDA


VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002902-71.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ODAIR JOSE VIEIRA PONTES
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002904-41.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: ROMULO DOS SANTOS GOMES e outros
VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE SANTANA

___________________________ Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá ___________________________ 184


Amapá - Macapá, 14 de Abril de 2014 | Diário da Justiça Nº 68/2014

Nº JUSTIÇA: 0002905-26.2014.8.03.0002
AÇÃO: COMUNICAÇÃO DE PRISÃO EM FLAGRANTE
PARTE AUTORA: PRIMEIRA DELEGACIA DE POLICIA DE SANTANA
PARTE RÉ: ELIAN DA COSTA NUNES
VALOR CAUSA:

VARA: 1ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002907-93.2014.8.03.0002

L
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ

IA
PARTE RÉ: CHARLES DA SILVA FREITAS
VALOR CAUSA:

VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002908-78.2014.8.03.0002

IC
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: RAULIAN CRISTIAN CORREA CARDOZO
VALOR CAUSA:

OF
VARA: 2ª VARA CRIMINAL DE SANTANA
Nº JUSTIÇA: 0002910-48.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO PENAL PÚBLICA
PARTE AUTORA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ
PARTE RÉ: RAULIAN CRISTIAN CORREA CARDOZO
VALOR CAUSA:
O
PROCESSO INFÂNCIA

VARA: VARA DE INFANCIA E JUVENTUDE DE SANTANA


ÇÃ

Nº JUSTIÇA: 0002885-35.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO SÓCIO EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: D. DOS S. S. e outros
VALOR CAUSA:

VARA: VARA DE INFANCIA E JUVENTUDE DE SANTANA


CA

Nº JUSTIÇA: 0002887-05.2014.8.03.0002
AÇÃO: AÇÃO SÓCIO EDUCATIVA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
PARTE RÉ: R. DOS S. G. e outros
VALOR CAUSA:
LI

VARA: VARA DE INFANCIA E JUVENTUDE DE SANTANA


Nº JUSTIÇA: 0002898-34.2014.8.03.0002
AÇÃO: CARTA PRECATÓRIA
PARTE AUTORA: M. P. DO E. DO A.
B

PARTE RÉ: D. F. DE S.
VALOR CAUSA:
PU

_____________________________
AMARO DANIEL DE BARROS
Distribuidor(a)

_____________________________
JOSE BONIFACIO LIMA DA MATA
MM Juiz(a) Distribuidor

3ª VARA CÍVEL DE SANTANA

Nº do processo: 0007878-29.2011.8.03.0002
Parte Autora: BV LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL S/A
Advogado(a): CRISTIANE BELINATI GARCIA LOPES - 13846APA
Parte Ré: JOSE IVONEIS LOPES DA SILVA
Despacho: O pedido da parte autora está em descompasso processual, haja vista que através do despacho de f.42, o pedido da
requerente foi deferido e a ação originária fora convertida.
Sendo assim, manifeste-se o autor requerendo o que entender de direito, com observância dos movimentos de ordem 20