Você está na página 1de 297

CÓD: OP-131JL-21

7908403508648

IFRJ
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA
E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO

Técnico em assuntos educacionais


EDITAL Nº 0030/2021
• A Opção não está vinculada às organizadoras de Concurso Público. A aquisição do material não garante sua inscrição ou ingresso na
carreira pública,

• Sua apostila aborda os tópicos do Edital de forma prática e esquematizada,

• Alterações e Retificações após a divulgação do Edital estarão disponíveis em Nosso Site na Versão Digital,

• Dúvidas sobre matérias podem ser enviadas através do site: www.apostilasopção.com.br/contatos.php, com retorno do professor
no prazo de até 05 dias úteis.,

• É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila, de acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a Opção certa para a sua realização.


ÍNDICE

Língua Portuguesa
1. Compreensão e interpretação textual, considerando a norma culta da língua portuguesa, quanto à tipologia textual, normas gramati-
cas e ortográficas, coesão e coerência textual, estrutura frasal, pontuação, acentuação e adequação, frente a textos atuais e clássicos
literários. Analisar relações de intertextualidade e interdiscursividade. Identificação de posicionamentos ou de perspectivas. Com-
preensão de paráfrases, paródias e estilizações, entre outras possibilidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ortografia oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3. Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
4. Emprego da crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Emprego das classes de palavras. Emprego/correlação de tempos e modos verbais. Valor semântico das preposições, conjunções,
locuções e advérbios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
6. Sintaxe da oração e do período. Orações coordenadas e subordinadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
7. Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
8. Recursos e variações linguísticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
9. Pronomes e regras pronominais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
10. Regras de formação de palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
11. Concordância e regência nominal e verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
12. Significação das palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
13. Normas para elaboração de redações. Adequação da linguagem ao tipo de documento. Adequação do formato do texto ao gênero.
Práticas de linguagem: oralidade, leitura/ escuta, produção (escrita e multissemiótica) e análise linguística/semiótica (que envolve
conhecimentos linguísticos – sobre o sistema de escrita, o sistema da língua e a norma-padrão –, textuais, discursivos e sobre os mo-
dos de organização e os elementos de outras semioses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Ética
1. Ética no serviço público em todo o seu teor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ética e Moral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
3. Ética, Princípios e Valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
4. Ética e Democracia – Exercício da Cidadania . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
5. Ética e Função Pública . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
6. Princípios do Direito Administrativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06

Informática
1. Conceito de internet e intranet. Conceitos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados
a internet/intranet. Ferramentas e aplicativos de navegação, de correio eletrônico, de grupos de discussão, de busca, de pesquisa e
de redes sociais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Noções de sistema operacional (ambiente Linux e Windows). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3. Acesso à distância a computadores, transferência de informação e arquivos, aplicativos de áudio, vídeo e multimídia. . . . . . . . . 20
4. Edição de textos, planilhas e apresentações (ambientes Microsoft Office e LibreOffice). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
5. Redes de computadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
6. Conceitos de proteção e segurança. Noções de vírus, worms e pragas virtuais. Aplicativos para segurança (antivírus, firewall, antispy-
ware etc.). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
7. Computação na nuvem (cloud computing). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
8. Conceitos de informação, dados, representação de dados, de conhecimentos, segurança e inteligência. Banco de dados. Base de da-
dos, documentação e prototipação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
9. Noções de aprendizado de informática – Software e Hardware. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
10. Redes de comunicação – Redes Sociais e Telecomunicações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
11. Planilhas – elaboração, fórmulas e conceitos ligados ao Excel. Apresentações – Formatos, Designs, Comandos e Conceitos ligados ao
Power Point. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
ÍNDICE
Conhecimentos Específicos
1. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Constituição da República Federativa do Brasil - 1988. (Artigos 205 a 214). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
3. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
4. Plano Nacional de Educação. Brasília, 2014. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Didática. Metodologia do Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
6. Teóricos e Teorias da Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
7. Avaliação Escolar e Avaliação do Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
8. Psicologia da Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
9. Fundamentos da Filosofia da Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
10. Gestão Democrática no Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
11. Instrumentos e Tecnologias de Aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
12. Metodologias Ativas de Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
13. Recursos Tecnológicos aplicados à Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
14. Hierarquia e Estrutura dos Estabelecimentos de Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
15. Projeto Político-Pedagógico – PPP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
16. Conceitos e Fundamentos associados ao Currículo Escolar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
17. Objetivos da Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
18. Educação Transformadora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
19. Plano Nacional de Educação (PNE) – Lei 10.172/01. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
20. Ministério da Educação: finalidade, organização, principais ações/programas; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
21. A Organização da Educação Nacional; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
22. Níveis e das Modalidades de Educação e Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
23. Lei de acessibilidade, Lei 10.098/00. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
24. Educação e cultura afro-brasileira e africana, Resolução CNE/CEB no 1 de 17/07/04. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
25. Diretrizes Curriculares para a Educação Ambiental, Resolução CNE/CP no 2 de 15/06/12. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
26. Diretrizes Curriculares para Educação em Direitos Humanos, Resolução CEB/CP no 1 de 03/06/12. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

Conteúdo Digital Complementar e Exclusivo:

Legislação
1. Constituição da República Federativa do Brasil – Artigos 1º ao 15º . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Lei 8.112 de 11 de dezembro de 1990 - Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, das autarquias e das
fundações públicas federais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
3. Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
4. Lei 8.090 de 13 de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
5. Lei 13.185 de 6 de novembro de 2015 - Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
6. Resolução n.º 16 do Conselho Superior do IFRJ em 10 de agosto de 2011 - REGIMENTO GERAL DO INSTITUTO FEDERAL EDUCAÇÃO,
CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO – IFRJ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
7. Lei 8.027 de 12 de abril de 1990 – Código de Ética dos Servidores Públicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

Prezado Candidato, para estudar o conteúdo digital complementar e exclusivo,


acesse: https://www.apostilasopcao.com.br/retificacoes
LÍNGUA PORTUGUESA
1. Compreensão e interpretação textual, considerando a norma culta da língua portuguesa, quanto à tipologia textual, normas gramati-
cas e ortográficas, coesão e coerência textual, estrutura frasal, pontuação, acentuação e adequação, frente a textos atuais e clássicos
literários. Analisar relações de intertextualidade e interdiscursividade. Identificação de posicionamentos ou de perspectivas. Compre-
ensão de paráfrases, paródias e estilizações, entre outras possibilidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ortografia oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3. Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
4. Emprego da crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Emprego das classes de palavras. Emprego/correlação de tempos e modos verbais. Valor semântico das preposições, conjunções,
locuções e advérbios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
6. Sintaxe da oração e do período. Orações coordenadas e subordinadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
7. Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
8. Recursos e variações linguísticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
9. Pronomes e regras pronominais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
10. Regras de formação de palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
11. Concordância e regência nominal e verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
12. Significação das palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
13. Normas para elaboração de redações. Adequação da linguagem ao tipo de documento. Adequação do formato do texto ao gênero.
Práticas de linguagem: oralidade, leitura/ escuta, produção (escrita e multissemiótica) e análise linguística/semiótica (que envolve co-
nhecimentos linguísticos – sobre o sistema de escrita, o sistema da língua e a norma-padrão –, textuais, discursivos e sobre os modos
de organização e os elementos de outras semioses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
LÍNGUA PORTUGUESA
Tipos textuais
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL, CONSI- A tipologia textual se classifica a partir da estrutura e da
DERANDO A NORMA CULTA DA LÍNGUA PORTUGUE- finalidade do texto, ou seja, está relacionada ao modo como o
SA, QUANTO À TIPOLOGIA TEXTUAL, NORMAS GRA- texto se apresenta. A partir de sua função, é possível estabele-
MATICAS E ORTOGRÁFICAS, COESÃO E COERÊNCIA cer um padrão específico para se fazer a enunciação.
TEXTUAL, ESTRUTURA FRASAL, PONTUAÇÃO, ACEN- Veja, no quadro abaixo, os principais tipos e suas caracte-
TUAÇÃO E ADEQUAÇÃO, FRENTE A TEXTOS ATUAIS
rísticas:
E CLÁSSICOS LITERÁRIOS. ANALISAR RELAÇÕES DE
INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE. IDEN-
TIFICAÇÃO DE POSICIONAMENTOS OU DE PERSPEC- Apresenta um enredo, com ações e
TIVAS. COMPREENSÃO DE PARÁFRASES, PARÓDIAS E relações entre personagens, que ocorre
ESTILIZAÇÕES, ENTRE OUTRAS POSSIBILIDADES TEXTO NARRATIVO
em determinados espaço e tempo. É
contado por um narrador, e se estrutura
da seguinte maneira: apresentação >
Compreender e interpretar textos é essencial para que o
desenvolvimento > clímax > desfecho
objetivo de comunicação seja alcançado satisfatoriamente. Com
isso, é importante saber diferenciar os dois conceitos. Vale lem- Tem o objetivo de defender determinado
brar que o texto pode ser verbal ou não-verbal, desde que tenha TEXTO ponto de vista, persuadindo o leitor a
um sentido completo. DISSERTATIVO partir do uso de argumentos sólidos.
A compreensão se relaciona ao entendimento de um texto ARGUMENTATIVO Sua estrutura comum é: introdução >
e de sua proposta comunicativa, decodificando a mensagem ex- desenvolvimento > conclusão.
plícita. Só depois de compreender o texto que é possível fazer a Procura expor ideias, sem a necessidade
sua interpretação. de defender algum ponto de vista. Para
A interpretação são as conclusões que chegamos a partir isso, usa-se comparações, informações,
TEXTO EXPOSITIVO
do conteúdo do texto, isto é, ela se encontra para além daquilo definições, conceitualizações etc. A
que está escrito ou mostrado. Assim, podemos dizer que a inter- estrutura segue a do texto dissertativo-
pretação é subjetiva, contando com o conhecimento prévio e do argumentativo.
repertório do leitor. Expõe acontecimentos, lugares, pessoas,
Dessa maneira, para compreender e interpretar bem um de modo que sua finalidade é descrever,
texto, é necessário fazer a decodificação de códigos linguísticos TEXTO DESCRITIVO ou seja, caracterizar algo ou alguém. Com
e/ou visuais, isto é, identificar figuras de linguagem, reconhe- isso, é um texto rico em adjetivos e em
cer o sentido de conjunções e preposições, por exemplo, bem verbos de ligação.
como identificar expressões, gestos e cores quando se trata de
imagens. Oferece instruções, com o objetivo de
TEXTO INJUNTIVO orientar o leitor. Sua maior característica
Dicas práticas são os verbos no modo imperativo.
1. Faça um resumo (pode ser uma palavra, uma frase, um
conceito) sobre o assunto e os argumentos apresentados em Gêneros textuais
cada parágrafo, tentando traçar a linha de raciocínio do texto. A classificação dos gêneros textuais se dá a partir do reco-
Se possível, adicione também pensamentos e inferências pró- nhecimento de certos padrões estruturais que se constituem a
prias às anotações. partir da função social do texto. No entanto, sua estrutura e seu
2. Tenha sempre um dicionário ou uma ferramenta de busca estilo não são tão limitados e definidos como ocorre na tipologia
por perto, para poder procurar o significado de palavras desco- textual, podendo se apresentar com uma grande diversidade.
nhecidas. Além disso, o padrão também pode sofrer modificações ao lon-
3. Fique atento aos detalhes oferecidos pelo texto: dados, go do tempo, assim como a própria língua e a comunicação, no
fonte de referências e datas. geral.
4. Sublinhe as informações importantes, separando fatos de Alguns exemplos de gêneros textuais:
opiniões. • Artigo
5. Perceba o enunciado das questões. De um modo geral, • Bilhete
questões que esperam compreensão do texto aparecem com • Bula
as seguintes expressões: o autor afirma/sugere que...; segundo • Carta
o texto...; de acordo com o autor... Já as questões que esperam • Conto
interpretação do texto aparecem com as seguintes expressões: • Crônica
conclui-se do texto que...; o texto permite deduzir que...; qual é a • E-mail
intenção do autor quando afirma que... • Lista
• Manual
Tipologia Textual • Notícia
A partir da estrutura linguística, da função social e da finali- • Poema
dade de um texto, é possível identificar a qual tipo e gênero ele • Propaganda
pertence. Antes, é preciso entender a diferença entre essas duas • Receita culinária
classificações. • Resenha
• Seminário

1
LÍNGUA PORTUGUESA
Vale lembrar que é comum enquadrar os gêneros textuais Admitidos os dois postulados, a conclusão é, obrigatoria-
em determinados tipos textuais. No entanto, nada impede que mente, que C é igual a A.
um texto literário seja feito com a estruturação de uma receita Outro exemplo:
culinária, por exemplo. Então, fique atento quanto às caracte-
rísticas, à finalidade e à função social de cada texto analisado.
Todo ruminante é um mamífero.
ARGUMENTAÇÃO A vaca é um ruminante.
Logo, a vaca é um mamífero.
O ato de comunicação não visa apenas transmitir uma infor-
mação a alguém. Quem comunica pretende criar uma imagem Admitidas como verdadeiras as duas premissas, a conclusão
positiva de si mesmo (por exemplo, a de um sujeito educado, também será verdadeira.
ou inteligente, ou culto), quer ser aceito, deseja que o que diz No domínio da argumentação, as coisas são diferentes.
seja admitido como verdadeiro. Em síntese, tem a intenção de Nele, a conclusão não é necessária, não é obrigatória. Por isso,
convencer, ou seja, tem o desejo de que o ouvinte creia no que deve-se mostrar que ela é a mais desejável, a mais provável, a
o texto diz e faça o que ele propõe. mais plausível. Se o Banco do Brasil fizer uma propaganda di-
Se essa é a finalidade última de todo ato de comunicação, zendo-se mais confiável do que os concorrentes porque existe
todo texto contém um componente argumentativo. A argumen- desde a chegada da família real portuguesa ao Brasil, ele estará
tação é o conjunto de recursos de natureza linguística destina- dizendo-nos que um banco com quase dois séculos de existência
dos a persuadir a pessoa a quem a comunicação se destina. Está é sólido e, por isso, confiável. Embora não haja relação necessá-
presente em todo tipo de texto e visa a promover adesão às ria entre a solidez de uma instituição bancária e sua antiguidade,
teses e aos pontos de vista defendidos. esta tem peso argumentativo na afirmação da confiabilidade de
As pessoas costumam pensar que o argumento seja apenas um banco. Portanto é provável que se creia que um banco mais
uma prova de verdade ou uma razão indiscutível para compro- antigo seja mais confiável do que outro fundado há dois ou três
var a veracidade de um fato. O argumento é mais que isso: como anos.
se disse acima, é um recurso de linguagem utilizado para levar o Enumerar todos os tipos de argumentos é uma tarefa quase
interlocutor a crer naquilo que está sendo dito, a aceitar como impossível, tantas são as formas de que nos valemos para fazer
verdadeiro o que está sendo transmitido. A argumentação per- as pessoas preferirem uma coisa a outra. Por isso, é importante
tence ao domínio da retórica, arte de persuadir as pessoas me- entender bem como eles funcionam.
diante o uso de recursos de linguagem. Já vimos diversas características dos argumentos. É preci-
Para compreender claramente o que é um argumento, é so acrescentar mais uma: o convencimento do interlocutor, o
bom voltar ao que diz Aristóteles, filósofo grego do século IV auditório, que pode ser individual ou coletivo, será tanto mais
a.C., numa obra intitulada “Tópicos: os argumentos são úteis fácil quanto mais os argumentos estiverem de acordo com suas
quando se tem de escolher entre duas ou mais coisas”. crenças, suas expectativas, seus valores. Não se pode convencer
Se tivermos de escolher entre uma coisa vantajosa e uma um auditório pertencente a uma dada cultura enfatizando coisas
desvantajosa, como a saúde e a doença, não precisamos argu- que ele abomina. Será mais fácil convencê-lo valorizando coisas
mentar. Suponhamos, no entanto, que tenhamos de escolher que ele considera positivas. No Brasil, a publicidade da cerveja
entre duas coisas igualmente vantajosas, a riqueza e a saúde. vem com frequência associada ao futebol, ao gol, à paixão nacio-
Nesse caso, precisamos argumentar sobre qual das duas é mais nal. Nos Estados Unidos, essa associação certamente não surti-
desejável. O argumento pode então ser definido como qualquer ria efeito, porque lá o futebol não é valorizado da mesma forma
recurso que torna uma coisa mais desejável que outra. Isso sig- que no Brasil. O poder persuasivo de um argumento está vincu-
nifica que ele atua no domínio do preferível. Ele é utilizado para lado ao que é valorizado ou desvalorizado numa dada cultura.
fazer o interlocutor crer que, entre duas teses, uma é mais pro-
vável que a outra, mais possível que a outra, mais desejável que Tipos de Argumento
a outra, é preferível à outra.
O objetivo da argumentação não é demonstrar a verdade de Já verificamos que qualquer recurso linguístico destinado a
um fato, mas levar o ouvinte a admitir como verdadeiro o que o fazer o interlocutor dar preferência à tese do enunciador é um
enunciador está propondo. argumento. Exemplo:
Há uma diferença entre o raciocínio lógico e a argumenta-
ção. O primeiro opera no domínio do necessário, ou seja, pre- Argumento de Autoridade
tende demonstrar que uma conclusão deriva necessariamente
das premissas propostas, que se deduz obrigatoriamente dos É a citação, no texto, de afirmações de pessoas reconhe-
postulados admitidos. No raciocínio lógico, as conclusões não cidas pelo auditório como autoridades em certo domínio do
dependem de crenças, de uma maneira de ver o mundo, mas saber, para servir de apoio àquilo que o enunciador está pro-
apenas do encadeamento de premissas e conclusões. pondo. Esse recurso produz dois efeitos distintos: revela o co-
Por exemplo, um raciocínio lógico é o seguinte encadea- nhecimento do produtor do texto a respeito do assunto de que
mento: está tratando; dá ao texto a garantia do autor citado. É preciso,
no entanto, não fazer do texto um amontoado de citações. A
A é igual a B. citação precisa ser pertinente e verdadeira. Exemplo:
A é igual a C.
Então: C é igual a A. “A imaginação é mais importante do que o conhecimento.”

2
LÍNGUA PORTUGUESA
Quem disse a frase aí de cima não fui eu... Foi Einstein. Para uma relação de identidade lógica. Entretanto, quando se afirma
ele, uma coisa vem antes da outra: sem imaginação, não há co- “Amigo de amigo meu é meu amigo” não se institui uma identi-
nhecimento. Nunca o inverso. dade lógica, mas uma identidade provável.
Um texto coerente do ponto de vista lógico é mais facilmen-
Alex José Periscinoto. te aceito do que um texto incoerente. Vários são os defeitos que
In: Folha de S. Paulo, 30/8/1993, p. 5-2 concorrem para desqualificar o texto do ponto de vista lógico:
fugir do tema proposto, cair em contradição, tirar conclusões
A tese defendida nesse texto é que a imaginação é mais im- que não se fundamentam nos dados apresentados, ilustrar afir-
portante do que o conhecimento. Para levar o auditório a aderir mações gerais com fatos inadequados, narrar um fato e dele ex-
a ela, o enunciador cita um dos mais célebres cientistas do mun- trair generalizações indevidas.
do. Se um físico de renome mundial disse isso, então as pessoas
devem acreditar que é verdade. Argumento do Atributo

Argumento de Quantidade É aquele que considera melhor o que tem propriedades tí-
picas daquilo que é mais valorizado socialmente, por exemplo,
É aquele que valoriza mais o que é apreciado pelo maior o mais raro é melhor que o comum, o que é mais refinado é
número de pessoas, o que existe em maior número, o que tem melhor que o que é mais grosseiro, etc.
maior duração, o que tem maior número de adeptos, etc. O fun- Por esse motivo, a publicidade usa, com muita frequência,
damento desse tipo de argumento é que mais = melhor. A publi- celebridades recomendando prédios residenciais, produtos de
cidade faz largo uso do argumento de quantidade. beleza, alimentos estéticos, etc., com base no fato de que o con-
sumidor tende a associar o produto anunciado com atributos da
Argumento do Consenso celebridade.
Uma variante do argumento de atributo é o argumento da
É uma variante do argumento de quantidade. Fundamenta- competência linguística. A utilização da variante culta e formal
-se em afirmações que, numa determinada época, são aceitas da língua que o produtor do texto conhece a norma linguística
como verdadeiras e, portanto, dispensam comprovações, a me- socialmente mais valorizada e, por conseguinte, deve produzir
um texto em que se pode confiar. Nesse sentido é que se diz que
nos que o objetivo do texto seja comprovar alguma delas. Parte
o modo de dizer dá confiabilidade ao que se diz.
da ideia de que o consenso, mesmo que equivocado, correspon-
Imagine-se que um médico deva falar sobre o estado de saú-
de ao indiscutível, ao verdadeiro e, portanto, é melhor do que
de de uma personalidade pública. Ele poderia fazê-lo das duas
aquilo que não desfruta dele. Em nossa época, são consensuais,
maneiras indicadas abaixo, mas a primeira seria infinitamente
por exemplo, as afirmações de que o meio ambiente precisa ser
mais adequada para a persuasão do que a segunda, pois esta
protegido e de que as condições de vida são piores nos países
produziria certa estranheza e não criaria uma imagem de com-
subdesenvolvidos. Ao confiar no consenso, porém, corre-se o
petência do médico:
risco de passar dos argumentos válidos para os lugares comuns,
os preconceitos e as frases carentes de qualquer base científica.
- Para aumentar a confiabilidade do diagnóstico e levando
em conta o caráter invasivo de alguns exames, a equipe médica
Argumento de Existência houve por bem determinar o internamento do governador pelo
período de três dias, a partir de hoje, 4 de fevereiro de 2001.
É aquele que se fundamenta no fato de que é mais fácil - Para conseguir fazer exames com mais cuidado e porque
aceitar aquilo que comprovadamente existe do que aquilo que alguns deles são barrapesada, a gente botou o governador no
é apenas provável, que é apenas possível. A sabedoria popular hospital por três dias.
enuncia o argumento de existência no provérbio “Mais vale um
pássaro na mão do que dois voando”. Como dissemos antes, todo texto tem uma função argumen-
Nesse tipo de argumento, incluem-se as provas documen- tativa, porque ninguém fala para não ser levado a sério, para ser
tais (fotos, estatísticas, depoimentos, gravações, etc.) ou provas ridicularizado, para ser desmentido: em todo ato de comunica-
concretas, que tornam mais aceitável uma afirmação genérica. ção deseja-se influenciar alguém. Por mais neutro que pretenda
Durante a invasão do Iraque, por exemplo, os jornais diziam que ser, um texto tem sempre uma orientação argumentativa.
o exército americano era muito mais poderoso do que o iraquia- A orientação argumentativa é uma certa direção que o fa-
no. Essa afirmação, sem ser acompanhada de provas concretas, lante traça para seu texto. Por exemplo, um jornalista, ao falar
poderia ser vista como propagandística. No entanto, quando do- de um homem público, pode ter a intenção de criticá-lo, de ridi-
cumentada pela comparação do número de canhões, de carros cularizá-lo ou, ao contrário, de mostrar sua grandeza.
de combate, de navios, etc., ganhava credibilidade. O enunciador cria a orientação argumentativa de seu texto
dando destaque a uns fatos e não a outros, omitindo certos epi-
Argumento quase lógico sódios e revelando outros, escolhendo determinadas palavras e
não outras, etc. Veja:
É aquele que opera com base nas relações lógicas, como
causa e efeito, analogia, implicação, identidade, etc. Esses ra- “O clima da festa era tão pacífico que até sogras e noras
ciocínios são chamados quase lógicos porque, diversamente dos trocavam abraços afetuosos.”
raciocínios lógicos, eles não pretendem estabelecer relações O enunciador aí pretende ressaltar a ideia geral de que noras
necessárias entre os elementos, mas sim instituir relações pro- e sogras não se toleram. Não fosse assim, não teria escolhido esse
váveis, possíveis, plausíveis. Por exemplo, quando se diz “A é fato para ilustrar o clima da festa nem teria utilizado o termo até,
igual a B”, “B é igual a C”, “então A é igual a C”, estabelece-se que serve para incluir no argumento alguma coisa inesperada.

3
LÍNGUA PORTUGUESA
Além dos defeitos de argumentação mencionados quando cordar parcialmente. A liberdade de questionar é fundamental,
tratamos de alguns tipos de argumentação, vamos citar outros: mas não é suficiente para organizar um texto dissertativo. É ne-
- Uso sem delimitação adequada de palavra de sentido tão cessária também a exposição dos fundamentos, os motivos, os
amplo, que serve de argumento para um ponto de vista e seu porquês da defesa de um ponto de vista.
contrário. São noções confusas, como paz, que, paradoxalmen- Pode-se dizer que o homem vive em permanente atitude
te, pode ser usada pelo agressor e pelo agredido. Essas palavras argumentativa. A argumentação está presente em qualquer tipo
podem ter valor positivo (paz, justiça, honestidade, democracia) de discurso, porém, é no texto dissertativo que ela melhor se
ou vir carregadas de valor negativo (autoritarismo, degradação evidencia.
do meio ambiente, injustiça, corrupção). Para discutir um tema, para confrontar argumentos e po-
- Uso de afirmações tão amplas, que podem ser derrubadas sições, é necessária a capacidade de conhecer outros pontos
por um único contra exemplo. Quando se diz “Todos os políticos de vista e seus respectivos argumentos. Uma discussão impõe,
são ladrões”, basta um único exemplo de político honesto para muitas vezes, a análise de argumentos opostos, antagônicos.
destruir o argumento. Como sempre, essa capacidade aprende-se com a prática. Um
- Emprego de noções científicas sem nenhum rigor, fora do bom exercício para aprender a argumentar e contra-argumentar
contexto adequado, sem o significado apropriado, vulgarizando- consiste em desenvolver as seguintes habilidades:
-as e atribuindo-lhes uma significação subjetiva e grosseira. É o - argumentação: anotar todos os argumentos a favor de
caso, por exemplo, da frase “O imperialismo de certas indústrias uma ideia ou fato; imaginar um interlocutor que adote a posição
não permite que outras crescam”, em que o termo imperialismo totalmente contrária;
é descabido, uma vez que, a rigor, significa “ação de um Estado - contra-argumentação: imaginar um diálogo-debate e
visando a reduzir outros à sua dependência política e econômica”. quais os argumentos que essa pessoa imaginária possivelmente
apresentaria contra a argumentação proposta;
A boa argumentação é aquela que está de acordo com a si- - refutação: argumentos e razões contra a argumentação
tuação concreta do texto, que leva em conta os componentes oposta.
envolvidos na discussão (o tipo de pessoa a quem se dirige a
comunicação, o assunto, etc). A argumentação tem a finalidade de persuadir, portanto,
Convém ainda alertar que não se convence ninguém com argumentar consiste em estabelecer relações para tirar conclu-
manifestações de sinceridade do autor (como eu, que não cos- sões válidas, como se procede no método dialético. O método
tumo mentir...) ou com declarações de certeza expressas em dialético não envolve apenas questões ideológicas, geradoras de
fórmulas feitas (como estou certo, creio firmemente, é claro, é polêmicas. Trata-se de um método de investigação da realidade
óbvio, é evidente, afirmo com toda a certeza, etc). Em vez de pelo estudo de sua ação recíproca, da contradição inerente ao
prometer, em seu texto, sinceridade e certeza, autenticidade e fenômeno em questão e da mudança dialética que ocorre na
verdade, o enunciador deve construir um texto que revele isso. natureza e na sociedade.
Em outros termos, essas qualidades não se prometem, manifes- Descartes (1596-1650), filósofo e pensador francês, criou o
tam-se na ação. método de raciocínio silogístico, baseado na dedução, que par-
A argumentação é a exploração de recursos para fazer pa- te do simples para o complexo. Para ele, verdade e evidência
recer verdadeiro aquilo que se diz num texto e, com isso, levar são a mesma coisa, e pelo raciocínio torna-se possível chegar a
a pessoa a que texto é endereçado a crer naquilo que ele diz. conclusões verdadeiras, desde que o assunto seja pesquisado
Um texto dissertativo tem um assunto ou tema e expressa em partes, começando-se pelas proposições mais simples até
um ponto de vista, acompanhado de certa fundamentação, que alcançar, por meio de deduções, a conclusão final. Para a linha
inclui a argumentação, questionamento, com o objetivo de per- de raciocínio cartesiana, é fundamental determinar o problema,
suadir. Argumentar é o processo pelo qual se estabelecem rela- dividi-lo em partes, ordenar os conceitos, simplificando-os, enu-
ções para chegar à conclusão, com base em premissas. Persuadir merar todos os seus elementos e determinar o lugar de cada um
é um processo de convencimento, por meio da argumentação, no conjunto da dedução.
no qual procura-se convencer os outros, de modo a influenciar A lógica cartesiana, até os nossos dias, é fundamental para
seu pensamento e seu comportamento. a argumentação dos trabalhos acadêmicos. Descartes propôs
A persuasão pode ser válida e não válida. Na persuasão vá- quatro regras básicas que constituem um conjunto de reflexos
lida, expõem-se com clareza os fundamentos de uma ideia ou vitais, uma série de movimentos sucessivos e contínuos do espí-
proposição, e o interlocutor pode questionar cada passo do ra- rito em busca da verdade:
ciocínio empregado na argumentação. A persuasão não válida - evidência;
apoia-se em argumentos subjetivos, apelos subliminares, chan- - divisão ou análise;
tagens sentimentais, com o emprego de “apelações”, como a - ordem ou dedução;
inflexão de voz, a mímica e até o choro. - enumeração.
Alguns autores classificam a dissertação em duas modalida-
des, expositiva e argumentativa. Esta, exige argumentação, ra- A enumeração pode apresentar dois tipos de falhas: a omis-
zões a favor e contra uma ideia, ao passo que a outra é informa- são e a incompreensão. Qualquer erro na enumeração pode
tiva, apresenta dados sem a intenção de convencer. Na verdade, quebrar o encadeamento das ideias, indispensável para o pro-
a escolha dos dados levantados, a maneira de expô-los no texto cesso dedutivo.
já revelam uma “tomada de posição”, a adoção de um ponto de A forma de argumentação mais empregada na redação aca-
vista na dissertação, ainda que sem a apresentação explícita de dêmica é o silogismo, raciocínio baseado nas regras cartesianas,
argumentos. Desse ponto de vista, a dissertação pode ser defi- que contém três proposições: duas premissas, maior e menor, e
nida como discussão, debate, questionamento, o que implica a a conclusão. As três proposições são encadeadas de tal forma,
liberdade de pensamento, a possibilidade de discordar ou con- que a conclusão é deduzida da maior por intermédio da menor.

4
LÍNGUA PORTUGUESA
A premissa maior deve ser universal, emprega todo, nenhum, Redentor. Comete-se erro quando se faz generalizações apres-
pois alguns não caracteriza a universalidade. Há dois métodos sadas ou infundadas. A “simples inspeção” é a ausência de aná-
fundamentais de raciocínio: a dedução (silogística), que parte do lise ou análise superficial dos fatos, que leva a pronunciamentos
geral para o particular, e a indução, que vai do particular para subjetivos, baseados nos sentimentos não ditados pela razão.
o geral. A expressão formal do método dedutivo é o silogismo. Tem-se, ainda, outros métodos, subsidiários ou não funda-
A dedução é o caminho das consequências, baseia-se em uma mentais, que contribuem para a descoberta ou comprovação da
conexão descendente (do geral para o particular) que leva à con- verdade: análise, síntese, classificação e definição. Além desses,
clusão. Segundo esse método, partindo-se de teorias gerais, de existem outros métodos particulares de algumas ciências, que
verdades universais, pode-se chegar à previsão ou determina- adaptam os processos de dedução e indução à natureza de uma
ção de fenômenos particulares. O percurso do raciocínio vai da realidade particular. Pode-se afirmar que cada ciência tem seu
causa para o efeito. Exemplo: método próprio demonstrativo, comparativo, histórico etc. A
Todo homem é mortal (premissa maior = geral, universal) análise, a síntese, a classificação a definição são chamadas mé-
Fulano é homem (premissa menor = particular) todos sistemáticos, porque pela organização e ordenação das
Logo, Fulano é mortal (conclusão) ideias visam sistematizar a pesquisa.
Análise e síntese são dois processos opostos, mas interliga-
A indução percorre o caminho inverso ao da dedução, ba- dos; a análise parte do todo para as partes, a síntese, das partes
seiase em uma conexão ascendente, do particular para o geral. para o todo. A análise precede a síntese, porém, de certo modo,
Nesse caso, as constatações particulares levam às leis gerais, ou uma depende da outra. A análise decompõe o todo em partes,
seja, parte de fatos particulares conhecidos para os fatos gerais, enquanto a síntese recompõe o todo pela reunião das partes.
desconhecidos. O percurso do raciocínio se faz do efeito para a Sabe-se, porém, que o todo não é uma simples justaposição das
causa. Exemplo: partes. Se alguém reunisse todas as peças de um relógio, não sig-
O calor dilata o ferro (particular) nifica que reconstruiu o relógio, pois fez apenas um amontoado
O calor dilata o bronze (particular) de partes. Só reconstruiria todo se as partes estivessem organiza-
O calor dilata o cobre (particular) das, devidamente combinadas, seguida uma ordem de relações
necessárias, funcionais, então, o relógio estaria reconstruído.
O ferro, o bronze, o cobre são metais
Síntese, portanto, é o processo de reconstrução do todo
Logo, o calor dilata metais (geral, universal)
por meio da integração das partes, reunidas e relacionadas num
conjunto. Toda síntese, por ser uma reconstrução, pressupõe a
Quanto a seus aspectos formais, o silogismo pode ser válido
análise, que é a decomposição. A análise, no entanto, exige uma
e verdadeiro; a conclusão será verdadeira se as duas premissas
decomposição organizada, é preciso saber como dividir o todo
também o forem. Se há erro ou equívoco na apreciação dos fa-
em partes. As operações que se realizam na análise e na síntese
tos, pode-se partir de premissas verdadeiras para chegar a uma
podem ser assim relacionadas:
conclusão falsa. Tem-se, desse modo, o sofisma. Uma definição
inexata, uma divisão incompleta, a ignorância da causa, a falsa
Análise: penetrar, decompor, separar, dividir.
analogia são algumas causas do sofisma. O sofisma pressupõe Síntese: integrar, recompor, juntar, reunir.
má fé, intenção deliberada de enganar ou levar ao erro; quando
o sofisma não tem essas intenções propositais, costuma-se cha- A análise tem importância vital no processo de coleta de
mar esse processo de argumentação de paralogismo. Encontra- ideias a respeito do tema proposto, de seu desdobramento e da
-se um exemplo simples de sofisma no seguinte diálogo: criação de abordagens possíveis. A síntese também é importan-
te na escolha dos elementos que farão parte do texto.
- Você concorda que possui uma coisa que não perdeu? Segundo Garcia (1973, p.300), a análise pode ser formal ou
- Lógico, concordo. informal. A análise formal pode ser científica ou experimental;
- Você perdeu um brilhante de 40 quilates? é característica das ciências matemáticas, físico-naturais e ex-
- Claro que não! perimentais. A análise informal é racional ou total, consiste em
- Então você possui um brilhante de 40 quilates... “discernir” por vários atos distintos da atenção os elementos
constitutivos de um todo, os diferentes caracteres de um objeto
Exemplos de sofismas: ou fenômeno.
A análise decompõe o todo em partes, a classificação es-
Dedução tabelece as necessárias relações de dependência e hierarquia
Todo professor tem um diploma (geral, universal) entre as partes. Análise e classificação ligam-se intimamente, a
Fulano tem um diploma (particular) ponto de se confundir uma com a outra, contudo são procedi-
Logo, fulano é professor (geral – conclusão falsa) mentos diversos: análise é decomposição e classificação é hie-
rarquisação.
Indução Nas ciências naturais, classificam-se os seres, fatos e fe-
O Rio de Janeiro tem uma estátua do Cristo Redentor. (par- nômenos por suas diferenças e semelhanças; fora das ciências
ticular) Taubaté (SP) tem uma estátua do Cristo Redentor. (par- naturais, a classificação pode-se efetuar por meio de um pro-
ticular) Rio de Janeiro e Taubaté são cidades. cesso mais ou menos arbitrário, em que os caracteres comuns e
Logo, toda cidade tem uma estátua do Cristo Redentor. (ge- diferenciadores são empregados de modo mais ou menos con-
ral – conclusão falsa) vencional. A classificação, no reino animal, em ramos, classes,
ordens, subordens, gêneros e espécies, é um exemplo de classi-
Nota-se que as premissas são verdadeiras, mas a conclu- ficação natural, pelas características comuns e diferenciadoras.
são pode ser falsa. Nem todas as pessoas que têm diploma são A classificação dos variados itens integrantes de uma lista mais
professores; nem todas as cidades têm uma estátua do Cristo ou menos caótica é artificial.

5
LÍNGUA PORTUGUESA
Exemplo: aquecedor, automóvel, barbeador, batata, cami- - o termo deve realmente pertencer ao gênero ou classe em
nhão, canário, jipe, leite, ônibus, pão, pardal, pintassilgo, queijo, que está incluído: “mesa é um móvel” (classe em que ‘mesa’ está
relógio, sabiá, torradeira. realmente incluída) e não “mesa é um instrumento ou ferramen-
ta ou instalação”;
Aves: Canário, Pardal, Pintassilgo, Sabiá. - o gênero deve ser suficientemente amplo para incluir todos
Alimentos: Batata, Leite, Pão, Queijo. os exemplos específicos da coisa definida, e suficientemente res-
Mecanismos: Aquecedor, Barbeador, Relógio, Torradeira. trito para que a diferença possa ser percebida sem dificuldade;
Veículos: Automóvel, Caminhão, Jipe, Ônibus. - deve ser obrigatoriamente afirmativa: não há, em verdade,
definição, quando se diz que o “triângulo não é um prisma”;
Os elementos desta lista foram classificados por ordem al- - deve ser recíproca: “O homem é um ser vivo” não cons-
fabética e pelas afinidades comuns entre eles. Estabelecer cri- titui definição exata, porque a recíproca, “Todo ser vivo é um
térios de classificação das ideias e argumentos, pela ordem de homem” não é verdadeira (o gato é ser vivo e não é homem);
importância, é uma habilidade indispensável para elaborar o - deve ser breve (contida num só período). Quando a defi-
desenvolvimento de uma redação. Tanto faz que a ordem seja nição, ou o que se pretenda como tal, é muito longa (séries de
crescente, do fato mais importante para o menos importante, períodos ou de parágrafos), chama-se explicação, e também de-
ou decrescente, primeiro o menos importante e, no final, o im- finição expandida;d
pacto do mais importante; é indispensável que haja uma lógica - deve ter uma estrutura gramatical rígida: sujeito (o termo)
na classificação. A elaboração do plano compreende a classifica- + cópula (verbo de ligação ser) + predicativo (o gênero) + adjun-
ção das partes e subdivisões, ou seja, os elementos do plano de- tos (as diferenças).
vem obedecer a uma hierarquização. (Garcia, 1973, p. 302304.)
Para a clareza da dissertação, é indispensável que, logo na As definições dos dicionários de língua são feitas por meio
introdução, os termos e conceitos sejam definidos, pois, para de paráfrases definitórias, ou seja, uma operação metalinguís-
expressar um questionamento, deve-se, de antemão, expor cla- tica que consiste em estabelecer uma relação de equivalência
ra e racionalmente as posições assumidas e os argumentos que entre a palavra e seus significados.
as justificam. É muito importante deixar claro o campo da dis- A força do texto dissertativo está em sua fundamentação.
cussão e a posição adotada, isto é, esclarecer não só o assunto, Sempre é fundamental procurar um porquê, uma razão verda-
mas também os pontos de vista sobre ele. deira e necessária. A verdade de um ponto de vista deve ser
A definição tem por objetivo a exatidão no emprego da lin- demonstrada com argumentos válidos. O ponto de vista mais
guagem e consiste na enumeração das qualidades próprias de lógico e racional do mundo não tem valor, se não estiver acom-
uma ideia, palavra ou objeto. Definir é classificar o elemento con- panhado de uma fundamentação coerente e adequada.
forme a espécie a que pertence, demonstra: a característica que o
diferencia dos outros elementos dessa mesma espécie. Os métodos fundamentais de raciocínio segundo a lógica
Entre os vários processos de exposição de ideias, a definição clássica, que foram abordados anteriormente, auxiliam o julga-
é um dos mais importantes, sobretudo no âmbito das ciências. A mento da validade dos fatos. Às vezes, a argumentação é clara e
definição científica ou didática é denotativa, ou seja, atribui às pa- pode reconhecer-se facilmente seus elementos e suas relações;
lavras seu sentido usual ou consensual, enquanto a conotativa ou outras vezes, as premissas e as conclusões organizam-se de
metafórica emprega palavras de sentido figurado. Segundo a ló- modo livre, misturando-se na estrutura do argumento. Por isso,
gica tradicional aristotélica, a definição consta de três elementos: é preciso aprender a reconhecer os elementos que constituem
- o termo a ser definido; um argumento: premissas/conclusões. Depois de reconhecer,
- o gênero ou espécie; verificar se tais elementos são verdadeiros ou falsos; em segui-
- a diferença específica. da, avaliar se o argumento está expresso corretamente; se há
coerência e adequação entre seus elementos, ou se há contra-
O que distingue o termo definido de outros elementos da dição. Para isso é que se aprende os processos de raciocínio por
mesma espécie. Exemplo: dedução e por indução. Admitindo-se que raciocinar é relacio-
nar, conclui-se que o argumento é um tipo específico de relação
Na frase: O homem é um animal racional classifica-se: entre as premissas e a conclusão.
Procedimentos Argumentativos: Constituem os procedi-
mentos argumentativos mais empregados para comprovar uma
afirmação: exemplificação, explicitação, enumeração, compara-
ção.
Elemento especie diferença Exemplificação: Procura justificar os pontos de vista por
a ser definido específica meio de exemplos, hierarquizar afirmações. São expressões
comuns nesse tipo de procedimento: mais importante que, su-
É muito comum formular definições de maneira defeitu- perior a, de maior relevância que. Empregam-se também dados
osa, por exemplo: Análise é quando a gente decompõe o todo estatísticos, acompanhados de expressões: considerando os da-
em partes. Esse tipo de definição é gramaticalmente incorreto; dos; conforme os dados apresentados. Faz-se a exemplificação,
quando é advérbio de tempo, não representa o gênero, a espé- ainda, pela apresentação de causas e consequências, usando-se
cie, a gente é forma coloquial não adequada à redação acadê- comumente as expressões: porque, porquanto, pois que, uma
mica. Tão importante é saber formular uma definição, que se vez que, visto que, por causa de, em virtude de, em vista de, por
recorre a Garcia (1973, p.306), para determinar os “requisitos da motivo de.
definição denotativa”. Para ser exata, a definição deve apresen-
tar os seguintes requisitos:

6
LÍNGUA PORTUGUESA
Explicitação: O objetivo desse recurso argumentativo é ex- Fatos não se discutem; discutem-se opiniões. As declara-
plicar ou esclarecer os pontos de vista apresentados. Pode-se ções, julgamento, pronunciamentos, apreciações que expres-
alcançar esse objetivo pela definição, pelo testemunho e pela sam opiniões pessoais (não subjetivas) devem ter sua validade
interpretação. Na explicitação por definição, empregam-se ex- comprovada, e só os fatos provam. Em resumo toda afirmação
pressões como: quer dizer, denomina-se, chama-se, na verdade, ou juízo que expresse uma opinião pessoal só terá validade se
isto é, haja vista, ou melhor; nos testemunhos são comuns as ex- fundamentada na evidência dos fatos, ou seja, se acompanhada
pressões: conforme, segundo, na opinião de, no parecer de, con- de provas, validade dos argumentos, porém, pode ser contesta-
soante as ideias de, no entender de, no pensamento de. A explici- da por meio da contra-argumentação ou refutação. São vários os
tação se faz também pela interpretação, em que são comuns as processos de contra-argumentação:
seguintes expressões: parece, assim, desse ponto de vista.
Enumeração: Faz-se pela apresentação de uma sequência Refutação pelo absurdo: refuta-se uma afirmação demons-
de elementos que comprovam uma opinião, tais como a enume- trando o absurdo da consequência. Exemplo clássico é a con-
ração de pormenores, de fatos, em uma sequência de tempo, traargumentação do cordeiro, na conhecida fábula “O lobo e o
em que são frequentes as expressões: primeiro, segundo, por cordeiro”;
último, antes, depois, ainda, em seguida, então, presentemente, Refutação por exclusão: consiste em propor várias hipó-
antigamente, depois de, antes de, atualmente, hoje, no passado, teses para eliminá-las, apresentando-se, então, aquela que se
sucessivamente, respectivamente. Na enumeração de fatos em julga verdadeira;
uma sequência de espaço, empregam-se as seguintes expres- Desqualificação do argumento: atribui-se o argumento à
sões: cá, lá, acolá, ali, aí, além, adiante, perto de, ao redor de, opinião pessoal subjetiva do enunciador, restringindo-se a uni-
no Estado tal, na capital, no interior, nas grandes cidades, no versalidade da afirmação;
sul, no leste... Ataque ao argumento pelo testemunho de autoridade:
Comparação: Analogia e contraste são as duas maneiras de consiste em refutar um argumento empregando os testemunhos
se estabelecer a comparação, com a finalidade de comprovar de autoridade que contrariam a afirmação apresentada;
uma ideia ou opinião. Na analogia, são comuns as expressões: Desqualificar dados concretos apresentados: consiste em
da mesma forma, tal como, tanto quanto, assim como, igual- desautorizar dados reais, demonstrando que o enunciador ba-
mente. Para estabelecer contraste, empregam-se as expressões: seou-se em dados corretos, mas tirou conclusões falsas ou in-
mais que, menos que, melhor que, pior que. consequentes. Por exemplo, se na argumentação afirmou-se,
por meio de dados estatísticos, que “o controle demográfico
Entre outros tipos de argumentos empregados para aumen- produz o desenvolvimento”, afirma-se que a conclusão é incon-
tar o poder de persuasão de um texto dissertativo encontram- sequente, pois baseia-se em uma relação de causa-feito difícil de
-se: ser comprovada. Para contraargumentar, propõese uma relação
inversa: “o desenvolvimento é que gera o controle demográfico”.
Argumento de autoridade: O saber notório de uma auto-
ridade reconhecida em certa área do conhecimento dá apoio a
Apresentam-se aqui sugestões, um dos roteiros possíveis
uma afirmação. Dessa maneira, procura-se trazer para o enun-
para desenvolver um tema, que podem ser analisadas e adapta-
ciado a credibilidade da autoridade citada. Lembre-se que as ci-
das ao desenvolvimento de outros temas. Elege-se um tema, e,
tações literais no corpo de um texto constituem argumentos de
em seguida, sugerem-se os procedimentos que devem ser ado-
autoridade. Ao fazer uma citação, o enunciador situa os enun-
tados para a elaboração de um Plano de Redação.
ciados nela contidos na linha de raciocínio que ele considera
mais adequada para explicar ou justificar um fato ou fenôme-
Tema: O homem e a máquina: necessidade e riscos da evo-
no. Esse tipo de argumento tem mais caráter confirmatório que
lução tecnológica
comprobatório.
Apoio na consensualidade: Certas afirmações dispensam - Questionar o tema, transformá-lo em interrogação, res-
explicação ou comprovação, pois seu conteúdo é aceito como ponder a interrogação (assumir um ponto de vista); dar o por-
válido por consenso, pelo menos em determinado espaço socio- quê da resposta, justificar, criando um argumento básico;
cultural. Nesse caso, incluem-se - Imaginar um ponto de vista oposto ao argumento básico e
- A declaração que expressa uma verdade universal (o ho- construir uma contra-argumentação; pensar a forma de refuta-
mem, mortal, aspira à imortalidade); ção que poderia ser feita ao argumento básico e tentar desqua-
- A declaração que é evidente por si mesma (caso dos pos- lificá-la (rever tipos de argumentação);
tulados e axiomas); - Refletir sobre o contexto, ou seja, fazer uma coleta de
- Quando escapam ao domínio intelectual, ou seja, é de na- ideias que estejam direta ou indiretamente ligadas ao tema (as
tureza subjetiva ou sentimental (o amor tem razões que a pró- ideias podem ser listadas livremente ou organizadas como causa
pria razão desconhece); implica apreciação de ordem estética e consequência);
(gosto não se discute); diz respeito a fé religiosa, aos dogmas - Analisar as ideias anotadas, sua relação com o tema e com
(creio, ainda que parece absurdo). o argumento básico;
- Fazer uma seleção das ideias pertinentes, escolhendo as
Comprovação pela experiência ou observação: A verdade que poderão ser aproveitadas no texto; essas ideias transfor-
de um fato ou afirmação pode ser comprovada por meio de da- mam-se em argumentos auxiliares, que explicam e corroboram
dos concretos, estatísticos ou documentais. a ideia do argumento básico;
- Fazer um esboço do Plano de Redação, organizando uma
Comprovação pela fundamentação lógica: A comprovação sequência na apresentação das ideias selecionadas, obedecendo
se realiza por meio de argumentos racionais, baseados na lógica: às partes principais da estrutura do texto, que poderia ser mais
causa/efeito; consequência/causa; condição/ocorrência. ou menos a seguinte:

7
LÍNGUA PORTUGUESA
Introdução vras, significa ler nas entrelinhas. Sem essa habilidade, o leitor
passará por cima de significados importantes ou, o que é bem
- função social da ciência e da tecnologia; pior, concordará com ideias e pontos de vista que rejeitaria se
- definições de ciência e tecnologia; os percebesse.
- indivíduo e sociedade perante o avanço tecnológico. Os significados implícitos costumam ser classificados em
duas categorias: os pressupostos e os subentendidos.
Desenvolvimento Pressupostos: são ideias implícitas que estão implicadas lo-
gicamente no sentido de certas palavras ou expressões explici-
- apresentação de aspectos positivos e negativos do desen- tadas na superfície da frase. Exemplo:
volvimento tecnológico;
- como o desenvolvimento científico-tecnológico modificou “André tornou-se um antitabagista convicto.”
as condições de vida no mundo atual;
- a tecnocracia: oposição entre uma sociedade tecnologi- A informação explícita é que hoje André é um antitabagis-
camente desenvolvida e a dependência tecnológica dos países ta convicto. Do sentido do verbo tornar-se, que significa “vir a
subdesenvolvidos; ser”, decorre logicamente que antes André não era antitabagista
- enumerar e discutir os fatores de desenvolvimento social; convicto. Essa informação está pressuposta. Ninguém se torna
- comparar a vida de hoje com os diversos tipos de vida do algo que já era antes. Seria muito estranho dizer que a palmeira
passado; apontar semelhanças e diferenças; tornou-se um vegetal.
- analisar as condições atuais de vida nos grandes centros
urbanos; “Eu ainda não conheço a Europa.”
- como se poderia usar a ciência e a tecnologia para huma- A informação explícita é que o enunciador não tem conhe-
nizar mais a sociedade. cimento do continente europeu. O advérbio ainda deixa pressu-
posta a possibilidade de ele um dia conhecê-la.
Conclusão As informações explícitas podem ser questionadas pelo re-
- a tecnologia pode libertar ou escravizar: benefícios/conse- ceptor, que pode ou não concordar com elas. Os pressupostos,
quências maléficas; porém, devem ser verdadeiros ou, pelo menos, admitidos como
- síntese interpretativa dos argumentos e contra-argumen- tais, porque esta é uma condição para garantir a continuidade
tos apresentados. do diálogo e também para fornecer fundamento às afirmações
explícitas. Isso significa que, se o pressuposto é falso, a informa-
Naturalmente esse não é o único, nem o melhor plano de ção explícita não tem cabimento. Assim, por exemplo, se Maria
redação: é um dos possíveis. não falta nunca a aula nenhuma, não tem o menor sentido dizer
“Até Maria compareceu à aula de hoje”. Até estabelece o pres-
Texto: suposto da inclusão de um elemento inesperado.
Na leitura, é muito importante detectar os pressupostos,
“Neto ainda está longe de se igualar a qualquer um desses pois eles são um recurso argumentativo que visa a levar o re-
craques (Rivelino, Ademir da Guia, Pedro Rocha e Pelé), mas ain- ceptor a aceitar a orientação argumentativa do emissor. Ao in-
da tem um longo caminho a trilhar (...).” troduzir uma ideia sob a forma de pressuposto, o enunciador
Veja São Paulo, 26/12/1990, p. 15. pretende transformar seu interlocutor em cúmplice, pois a ideia
implícita não é posta em discussão, e todos os argumentos explí-
Esse texto diz explicitamente que: citos só contribuem para confirmála. O pressusposto aprisiona o
- Rivelino, Ademir da Guia, Pedro Rocha e Pelé são craques; receptor no sistema de pensamento montado pelo enunciador.
- Neto não tem o mesmo nível desses craques; A demonstração disso pode ser feita com as “verdades in-
- Neto tem muito tempo de carreira pela frente. contestáveis” que estão na base de muitos discursos políticos,
O texto deixa implícito que: como o que segue:
- Existe a possibilidade de Neto um dia aproximar-se dos
craques citados; “Quando o curso do rio São Francisco for mudado, será re-
- Esses craques são referência de alto nível em sua especia- solvido o problema da seca no Nordeste.”
lidade esportiva; O enunciador estabelece o pressuposto de que é certa a mu-
- Há uma oposição entre Neto e esses craques no que diz dança do curso do São Francisco e, por consequência, a solução
respeito ao tempo disponível para evoluir. do problema da seca no Nordeste. O diálogo não teria continui-
Todos os textos transmitem explicitamente certas informa- dade se um interlocutor não admitisse ou colocasse sob suspeita
ções, enquanto deixam outras implícitas. Por exemplo, o texto essa certeza. Em outros termos, haveria quebra da continuidade
acima não explicita que existe a possibilidade de Neto se equi- do diálogo se alguém interviesse com uma pergunta deste tipo:
parar aos quatro futebolistas, mas a inclusão do advérbio ainda
estabelece esse implícito. Não diz também com explicitude que “Mas quem disse que é certa a mudança do curso do rio?”
há oposição entre Neto e os outros jogadores, sob o ponto de
vista de contar com tempo para evoluir. A escolha do conector A aceitação do pressuposto estabelecido pelo emissor per-
“mas” entre a segunda e a primeira oração só é possível levando mite levar adiante o debate; sua negação compromete o diálo-
em conta esse dado implícito. Como se vê, há mais significados go, uma vez que destrói a base sobre a qual se constrói a argu-
num texto do que aqueles que aparecem explícitos na sua su- mentação, e daí nenhum argumento tem mais importância ou
perfície. Leitura proficiente é aquela capaz de depreender tanto razão de ser. Com pressupostos distintos, o diálogo não é possí-
um tipo de significado quanto o outro, o que, em outras pala- vel ou não tem sentido.

8
LÍNGUA PORTUGUESA
A mesma pergunta, feita para pessoas diferentes, pode ser No primeiro caso, a oração é explicativa; no segundo, é res-
embaraçosa ou não, dependendo do que está pressuposto em tritiva. As explicativas pressupõem que o que elas expressam se
cada situação. Para alguém que não faz segredo sobre a mu- refere à totalidade dos elementos de um conjunto; as restritivas,
dança de emprego, não causa o menor embaraço uma pergunta que o que elas dizem concerne apenas a parte dos elementos de
como esta: um conjunto. O produtor do texto escreverá uma restritiva ou
uma explicativa segundo o pressuposto que quiser comunicar.
“Como vai você no seu novo emprego?”
Subentendidos: são insinuações contidas em uma frase ou
O efeito da mesma pergunta seria catastrófico se ela se um grupo de frases. Suponhamos que uma pessoa estivesse em
dirigisse a uma pessoa que conseguiu um segundo emprego e visita à casa de outra num dia de frio glacial e que uma janela,
quer manter sigilo até decidir se abandona o anterior. O adjetivo por onde entravam rajadas de vento, estivesse aberta. Se o visi-
novo estabelece o pressuposto de que o interrogado tem um tante dissesse “Que frio terrível”, poderia estar insinuando que
emprego diferente do anterior. a janela deveria ser fechada.
Há uma diferença capital entre o pressuposto e o subenten-
Marcadores de Pressupostos dido. O primeiro é uma informação estabelecida como indiscu-
tível tanto para o emissor quanto para o receptor, uma vez que
- Adjetivos ou palavras similares modificadoras do substan- decorre necessariamente do sentido de algum elemento linguís-
tivo tico colocado na frase. Ele pode ser negado, mas o emissor colo-
Julinha foi minha primeira filha. ca o implicitamente para que não o seja. Já o subentendido é de
“Primeira” pressupõe que tenho outras filhas e que as ou- responsabilidade do receptor. O emissor pode esconder-se atrás
tras nasceram depois de Julinha. do sentido literal das palavras e negar que tenha dito o que o
Destruíram a outra igreja do povoado. receptor depreendeu de suas palavras. Assim, no exemplo dado
“Outra” pressupõe a existência de pelo menos uma igreja acima, se o dono da casa disser que é muito pouco higiênico
além da usada como referência. fechar todas as janelas, o visitante pode dizer que também acha
e que apenas constatou a intensidade do frio.
- Certos verbos O subentendido serve, muitas vezes, para o emissor prote-
gerse, para transmitir a informação que deseja dar a conhecer
Renato continua doente. sem se comprometer. Imaginemos, por exemplo, que um fun-
O verbo “continua” indica que Renato já estava doente no cionário recémpromovido numa empresa ouvisse de um colega
momento anterior ao presente. o seguinte:

Nossos dicionários já aportuguesaram a palavrea copydesk. “Competência e mérito continuam não valendo nada como
O verbo “aportuguesar” estabelece o pressuposto de que critério de promoção nesta empresa...”
copidesque não existia em português.
Esse comentário talvez suscitasse esta suspeita:
- Certos advérbios
“Você está querendo dizer que eu não merecia a promoção?”
A produção automobilística brasileira está totalmente nas
mãos das multinacionais. Ora, o funcionário preterido, tendo recorrido a um suben-
O advérbio totalmente pressupõe que não há no Brasil in- tendido, poderia responder:
dústria automobilística nacional. “Absolutamente! Estou falando em termos gerais.”

- Você conferiu o resultado da loteria? ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO


- Hoje não. DO TEXTO E DOS PARÁGRAFOS
A negação precedida de um advérbio de tempo de âmbito
limitado estabelece o pressuposto de que apenas nesse inter- São três os elementos essenciais para a composição de um
valo (hoje) é que o interrogado não praticou o ato de conferir o texto: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. Vamos
resultado da loteria. estudar cada uma de forma isolada a seguir:

- Orações adjetivas Introdução

Os brasileiros, que não se importam com a coletividade, só É a apresentação direta e objetiva da ideia central do texto.
se preocupam com seu bemestar e, por isso, jogam lixo na rua, A introdução é caracterizada por ser o parágrafo inicial.
fecham os cruzamentos, etc. Desenvolvimento
O pressuposto é que “todos” os brasileiros não se importam
com a coletividade. Quando tratamos de estrutura, é a maior parte do texto.
O desenvolvimento estabelece uma conexão entre a introdução
Os brasileiros que não se importam com a coletividade só e a conclusão, pois é nesta parte que as ideias, argumentos e
se preocupam com seu bemestar e, por isso, jogam lixo na rua, posicionamento do autor vão sendo formados e desenvolvidos
fecham os cruzamentos, etc. com a finalidade de dirigir a atenção do leitor para a conclusão.
Nesse caso, o pressuposto é outro: “alguns” brasileiros não Em um bom desenvolvimento as ideias devem ser claras e
se importam com a coletividade. aptas a fazer com que o leitor anteceda qual será a conclusão.

9
LÍNGUA PORTUGUESA
São três principais erros que podem ser cometidos na elaboração do desenvolvimento:
- Distanciar-se do texto em relação ao tema inicial.
- Focar em apenas um tópico do tema e esquecer dos outros.
- Falar sobre muitas informações e não conseguir organizá-las, dificultando a linha de compreensão do leitor.

Conclusão

Ponto final de todas as argumentações discorridas no desenvolvimento, ou seja, o encerramento do texto e dos questionamen-
tos levantados pelo autor.
Ao fazermos a conclusão devemos evitar expressões como: “Concluindo...”, “Em conclusão, ...”, “Como já dissemos antes...”.

Parágrafo

Se caracteriza como um pequeno recuo em relação à margem esquerda da folha. Conceitualmente, o parágrafo completo deve
conter introdução, desenvolvimento e conclusão.
- Introdução – apresentação da ideia principal, feita de maneira sintética de acordo com os objetivos do autor.
- Desenvolvimento – ampliação do tópico frasal (introdução), atribuído pelas ideias secundárias, a fim de reforçar e dar credi-
bilidade na discussão.
- Conclusão – retomada da ideia central ligada aos pressupostos citados no desenvolvimento, procurando arrematá-los.

Exemplo de um parágrafo bem estruturado (com introdução, desenvolvimento e conclusão):

“Nesse contexto, é um grave erro a liberação da maconha. Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado
perderá o precário controle que ainda exerce sobre as drogas psicotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não
terão estrutura suficiente para atender à demanda. Enfim, viveremos o caos. ”
(Alberto Corazza, Isto É, com adaptações)

Elemento relacionador: Nesse contexto.


Tópico frasal: é um grave erro a liberação da maconha.
Desenvolvimento: Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado perderá o precário controle que ainda exerce
sobre as drogas psicotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não terão estrutura suficiente para atender à de-
manda.
Conclusão: Enfim, viveremos o caos.

A coerência e a coesão são essenciais na escrita e na interpretação de textos. Ambos se referem à relação adequada entre os
componentes do texto, de modo que são independentes entre si. Isso quer dizer que um texto pode estar coeso, porém incoerente,
e vice-versa.
Enquanto a coesão tem foco nas questões gramaticais, ou seja, ligação entre palavras, frases e parágrafos, a coerência diz res-
peito ao conteúdo, isto é, uma sequência lógica entre as ideias.

Coesão
A coesão textual ocorre, normalmente, por meio do uso de conectivos (preposições, conjunções, advérbios). Ela pode ser obti-
da a partir da anáfora (retoma um componente) e da catáfora (antecipa um componente).
Confira, então, as principais regras que garantem a coesão textual:

REGRA CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS


Pessoal (uso de pronomes pessoais ou possessivos) –
João e Maria são crianças. Eles são irmãos.
anafórica
Fiz todas as tarefas, exceto esta: colonização
REFERÊNCIA Demonstrativa (uso de pronomes demonstrativos e
africana.
advérbios) – catafórica
Mais um ano igual aos outros...
Comparativa (uso de comparações por semelhanças)
Substituição de um termo por outro, para evitar Maria está triste. A menina está cansada de ficar
SUBSTITUIÇÃO
repetição em casa.
No quarto, apenas quatro ou cinco convidados.
ELIPSE Omissão de um termo
(omissão do verbo “haver”)
Conexão entre duas orações, estabelecendo relação Eu queria ir ao cinema, mas estamos de
CONJUNÇÃO
entre elas quarentena.
Utilização de sinônimos, hiperônimos, nomes genéricos
A minha casa é clara. Os quartos, a sala e a
COESÃO LEXICAL ou palavras que possuem sentido aproximado e
cozinha têm janelas grandes.
pertencente a um mesmo grupo lexical.

10
LÍNGUA PORTUGUESA
Coerência
Nesse caso, é importante conferir se a mensagem e a conexão de ideias fazem sentido, e seguem uma linha clara de raciocínio.
Existem alguns conceitos básicos que ajudam a garantir a coerência. Veja quais são os principais princípios para um texto coerente:
• Princípio da não contradição: não deve haver ideias contraditórias em diferentes partes do texto.
• Princípio da não tautologia: a ideia não deve estar redundante, ainda que seja expressa com palavras diferentes.
• Princípio da relevância: as ideias devem se relacionar entre si, não sendo fragmentadas nem sem propósito para a argumentação.
• Princípio da continuidade temática: é preciso que o assunto tenha um seguimento em relação ao assunto tratado.
• Princípio da progressão semântica: inserir informações novas, que sejam ordenadas de maneira adequada em relação à
progressão de ideias.

Para atender a todos os princípios, alguns fatores são recomendáveis para garantir a coerência textual, como amplo conhe-
cimento de mundo, isto é, a bagagem de informações que adquirimos ao longo da vida; inferências acerca do conhecimento de
mundo do leitor; e informatividade, ou seja, conhecimentos ricos, interessantes e pouco previsíveis.

ORTOGRAFIA OFICIAL

A ortografia oficial diz respeito às regras gramaticais referentes à escrita correta das palavras. Para melhor entendê-las, é preci-
so analisar caso a caso. Lembre-se de que a melhor maneira de memorizar a ortografia correta de uma língua é por meio da leitura,
que também faz aumentar o vocabulário do leitor.
Neste capítulo serão abordadas regras para dúvidas frequentes entre os falantes do português. No entanto, é importante res-
saltar que existem inúmeras exceções para essas regras, portanto, fique atento!

Alfabeto
O primeiro passo para compreender a ortografia oficial é conhecer o alfabeto (os sinais gráficos e seus sons). No português, o
alfabeto se constitui 26 letras, divididas entre vogais (a, e, i, o, u) e consoantes (restante das letras).
Com o Novo Acordo Ortográfico, as consoantes K, W e Y foram reintroduzidas ao alfabeto oficial da língua portuguesa, de modo
que elas são usadas apenas em duas ocorrências: transcrição de nomes próprios e abreviaturas e símbolos de uso internacional.

Uso do “X”
Algumas dicas são relevantes para saber o momento de usar o X no lugar do CH:
• Depois das sílabas iniciais “me” e “en” (ex: mexerica; enxergar)
• Depois de ditongos (ex: caixa)
• Palavras de origem indígena ou africana (ex: abacaxi; orixá)

Uso do “S” ou “Z”


Algumas regras do uso do “S” com som de “Z” podem ser observadas:
• Depois de ditongos (ex: coisa)
• Em palavras derivadas cuja palavra primitiva já se usa o “S” (ex: casa > casinha)
• Nos sufixos “ês” e “esa”, ao indicarem nacionalidade, título ou origem. (ex: portuguesa)
• Nos sufixos formadores de adjetivos “ense”, “oso” e “osa” (ex: populoso)

Uso do “S”, “SS”, “Ç”


• “S” costuma aparecer entre uma vogal e uma consoante (ex: diversão)
• “SS” costuma aparecer entre duas vogais (ex: processo)
• “Ç” costuma aparecer em palavras estrangeiras que passaram pelo processo de aportuguesamento (ex: muçarela)

Os diferentes porquês

POR QUE Usado para fazer perguntas. Pode ser substituído por “por qual motivo”
PORQUE Usado em respostas e explicações. Pode ser substituído por “pois”
O “que” é acentuado quando aparece como a última palavra da frase, antes da pontuação final (interrogação,
POR QUÊ
exclamação, ponto final)
PORQUÊ É um substantivo, portanto costuma vir acompanhado de um artigo, numeral, adjetivo ou pronome

Parônimos e homônimos
As palavras parônimas são aquelas que possuem grafia e pronúncia semelhantes, porém com significados distintos.
Ex: cumprimento (saudação) X comprimento (extensão); tráfego (trânsito) X tráfico (comércio ilegal).
Já as palavras homônimas são aquelas que possuem a mesma grafia e pronúncia, porém têm significados diferentes. Ex: rio
(verbo “rir”) X rio (curso d’água); manga (blusa) X manga (fruta).

11
LÍNGUA PORTUGUESA

ACENTUAÇÃO GRÁFICA

A acentuação é uma das principais questões relacionadas à Ortografia Oficial, que merece um capítulo a parte. Os acentos uti-
lizados no português são: acento agudo (´); acento grave (`); acento circunflexo (^); cedilha (¸) e til (~).
Depois da reforma do Acordo Ortográfico, a trema foi excluída, de modo que ela só é utilizada na grafia de nomes e suas deri-
vações (ex: Müller, mülleriano).
Esses são sinais gráficos que servem para modificar o som de alguma letra, sendo importantes para marcar a sonoridade e a
intensidade das sílabas, e para diferenciar palavras que possuem a escrita semelhante.
A sílaba mais intensa da palavra é denominada sílaba tônica. A palavra pode ser classificada a partir da localização da sílaba
tônica, como mostrado abaixo:
• OXÍTONA: a última sílaba da palavra é a mais intensa. (Ex: café)
• PAROXÍTONA: a penúltima sílaba da palavra é a mais intensa. (Ex: automóvel)
• PROPAROXÍTONA: a antepenúltima sílaba da palavra é a mais intensa. (Ex: lâmpada)
As demais sílabas, pronunciadas de maneira mais sutil, são denominadas sílabas átonas.

Regras fundamentais

CLASSIFICAÇÃO REGRAS EXEMPLOS


• terminadas em A, E, O, EM, seguidas ou não do
cipó(s), pé(s), armazém
OXÍTONAS plural
respeitá-la, compô-lo, comprometê-los
• seguidas de -LO, -LA, -LOS, -LAS
• terminadas em I, IS, US, UM, UNS, L, N, X, PS, Ã,
ÃS, ÃO, ÃOS
táxi, lápis, vírus, fórum, cadáver, tórax, bíceps, ímã,
• ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido
PAROXÍTONAS órfão, órgãos, água, mágoa, pônei, ideia, geleia,
ou não do plural
paranoico, heroico
(OBS: Os ditongos “EI” e “OI” perderam o acento
com o Novo Acordo Ortográfico)
PROPAROXÍTONAS • todas são acentuadas cólica, analítico, jurídico, hipérbole, último, álibi

Regras especiais

REGRA EXEMPLOS
Acentua-se quando “I” e “U” tônicos formarem hiato com a vogal anterior, acompanhados ou não de “S”,
saída, faísca, baú, país
desde que não sejam seguidos por “NH”
feiura, Bocaiuva, Sauipe
OBS: Não serão mais acentuados “I” e “U” tônicos formando hiato quando vierem depois de ditongo
Acentua-se a 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos “TER” e “VIR” e seus compostos têm, obtêm, contêm, vêm
Não são acentuados hiatos “OO” e “EE” leem, voo, enjoo
Não são acentuadas palavras homógrafas
pelo, pera, para
OBS: A forma verbal “PÔDE” é uma exceção

EMPREGO DA CRASE

Crase é o nome dado à contração de duas letras “A” em uma só: preposição “a” + artigo “a” em palavras femininas. Ela é de-
marcada com o uso do acento grave (à), de modo que crase não é considerada um acento em si, mas sim o fenômeno dessa fusão.
Veja, abaixo, as principais situações em que será correto o emprego da crase:
• Palavras femininas: Peça o material emprestado àquela aluna.
• Indicação de horas, em casos de horas definidas e especificadas: Chegaremos em Belo Horizonte às 7 horas.
• Locuções prepositivas: A aluna foi aprovada à custa de muito estresse.
• Locuções conjuntivas: À medida que crescemos vamos deixando de lado a capacidade de imaginar.
• Locuções adverbiais de tempo, modo e lugar: Vire na próxima à esquerda.

Veja, agora, as principais situações em que não se aplica a crase:


• Palavras masculinas: Ela prefere passear a pé.
• Palavras repetidas (mesmo quando no feminino): Melhor termos uma reunião frente a frente.
• Antes de verbo: Gostaria de aprender a pintar.
• Expressões que sugerem distância ou futuro: A médica vai te atender daqui a pouco.

12
LÍNGUA PORTUGUESA
• Dia de semana (a menos que seja um dia definido): De terça a sexta. / Fecharemos às segundas-feiras.
• Antes de numeral (exceto horas definidas): A casa da vizinha fica a 50 metros da esquina.

Há, ainda, situações em que o uso da crase é facultativo


• Pronomes possessivos femininos: Dei um picolé a minha filha. / Dei um picolé à minha filha.
• Depois da palavra “até”: Levei minha avó até a feira. / Levei minha avó até à feira.
• Nomes próprios femininos (desde que não seja especificado): Enviei o convite a Ana. / Enviei o convite à Ana. / Enviei o convite
à Ana da faculdade.
DICA: Como a crase só ocorre em palavras no feminino, em caso de dúvida, basta substituir por uma palavra equivalente no
masculino. Se aparecer “ao”, deve-se usar a crase: Amanhã iremos à escola / Amanhã iremos ao colégio.

EMPREGO DAS CLASSES DE PALAVRAS. EMPREGO/CORRELAÇÃO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS. VALOR SEMÂNTI-
CO DAS PREPOSIÇÕES, CONJUNÇÕES, LOCUÇÕES E ADVÉRBIOS

Classes de Palavras
Para entender sobre a estrutura das funções sintáticas, é preciso conhecer as classes de palavras, também conhecidas por
classes morfológicas. A gramática tradicional pressupõe 10 classes gramaticais de palavras, sendo elas: adjetivo, advérbio, artigo,
conjunção, interjeição, numeral, pronome, preposição, substantivo e verbo.

Veja, a seguir, as características principais de cada uma delas.

CLASSE CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS


Menina inteligente...
Expressar características, qualidades ou estado dos seres Roupa azul-marinho...
ADJETIVO
Sofre variação em número, gênero e grau Brincadeira de criança...
Povo brasileiro...
A ajuda chegou tarde.
Indica circunstância em que ocorre o fato verbal
ADVÉRBIO A mulher trabalha muito.
Não sofre variação
Ele dirigia mal.
Determina os substantivos (de modo definido ou indefinido) A galinha botou um ovo.
ARTIGO
Varia em gênero e número Uma menina deixou a mochila no ônibus.
Liga ideias e sentenças (conhecida também como conectivos) Não gosto de refrigerante nem de pizza.
CONJUNÇÃO
Não sofre variação Eu vou para a praia ou para a cachoeira?
Exprime reações emotivas e sentimentos Ah! Que calor...
INTERJEIÇÃO
Não sofre variação Escapei por pouco, ufa!
Atribui quantidade e indica posição em alguma sequência Gostei muito do primeiro dia de aula.
NUMERAL
Varia em gênero e número Três é a metade de seis.
Posso ajudar, senhora?
Acompanha, substitui ou faz referência ao substantivo Ela me ajudou muito com o meu trabalho.
PRONOME
Varia em gênero e número Esta é a casa onde eu moro.
Que dia é hoje?
Relaciona dois termos de uma mesma oração Espero por você essa noite.
PREPOSIÇÃO
Não sofre variação Lucas gosta de tocar violão.
Nomeia objetos, pessoas, animais, alimentos, lugares etc. A menina jogou sua boneca no rio.
SUBSTANTIVO
Flexionam em gênero, número e grau. A matilha tinha muita coragem.
Ana se exercita pela manhã.
Indica ação, estado ou fenômenos da natureza
Todos parecem meio bobos.
Sofre variação de acordo com suas flexões de modo, tempo, nú-
VERBO Chove muito em Manaus.
mero, pessoa e voz.
A cidade é muito bonita quando vista do
Verbos não significativos são chamados verbos de ligação
alto.

Substantivo
Tipos de substantivos
Os substantivos podem ter diferentes classificações, de acordo com os conceitos apresentados abaixo:
• Comum: usado para nomear seres e objetos generalizados. Ex: mulher; gato; cidade...
• Próprio: geralmente escrito com letra maiúscula, serve para especificar e particularizar. Ex: Maria; Garfield; Belo Horizonte...
• Coletivo: é um nome no singular que expressa ideia de plural, para designar grupos e conjuntos de seres ou objetos de uma
mesma espécie. Ex: matilha; enxame; cardume...

13
LÍNGUA PORTUGUESA
• Concreto: nomeia algo que existe de modo independente Novo Acordo Ortográfico
de outro ser (objetos, pessoas, animais, lugares etc.). Ex: meni- De acordo com o Novo Acordo Ortográfico da Língua Por-
na; cachorro; praça... tuguesa, as letras maiúsculas devem ser usadas em nomes
• Abstrato: depende de um ser concreto para existir, desig- próprios de pessoas, lugares (cidades, estados, países, rios),
nando sentimentos, estados, qualidades, ações etc. Ex: saudade; animais, acidentes geográficos, instituições, entidades, nomes
sede; imaginação... astronômicos, de festas e festividades, em títulos de periódicos
• Primitivo: substantivo que dá origem a outras palavras. e em siglas, símbolos ou abreviaturas.
Ex: livro; água; noite... Já as letras minúsculas podem ser usadas em dias de sema-
• Derivado: formado a partir de outra(s) palavra(s). Ex: pe- na, meses, estações do ano e em pontos cardeais.
dreiro; livraria; noturno... Existem, ainda, casos em que o uso de maiúscula ou minús-
• Simples: nomes formados por apenas uma palavra (um cula é facultativo, como em título de livros, nomes de áreas do
radical). Ex: casa; pessoa; cheiro... saber, disciplinas e matérias, palavras ligadas a alguma religião
• Composto: nomes formados por mais de uma palavra e em palavras de categorização.
(mais de um radical). Ex: passatempo; guarda-roupa; girassol...
Adjetivo
Flexão de gênero Os adjetivos podem ser simples (vermelho) ou compostos
Na língua portuguesa, todo substantivo é flexionado em um (mal-educado); primitivos (alegre) ou derivados (tristonho). Eles
dos dois gêneros possíveis: feminino e masculino. podem flexionar entre o feminino (estudiosa) e o masculino (en-
O substantivo biforme é aquele que flexiona entre mascu- graçado), e o singular (bonito) e o plural (bonitos).
lino e feminino, mudando a desinência de gênero, isto é, geral- Há, também, os adjetivos pátrios ou gentílicos, sendo aque-
mente o final da palavra sendo -o ou -a, respectivamente (Ex: les que indicam o local de origem de uma pessoa, ou seja, sua
menino / menina). Há, ainda, os que se diferenciam por meio nacionalidade (brasileiro; mineiro).
da pronúncia / acentuação (Ex: avô / avó), e aqueles em que há É possível, ainda, que existam locuções adjetivas, isto é,
ausência ou presença de desinência (Ex: irmão / irmã; cantor / conjunto de duas ou mais palavras usadas para caracterizar o
cantora). substantivo. São formadas, em sua maioria, pela preposição DE
O substantivo uniforme é aquele que possui apenas uma + substantivo:
forma, independente do gênero, podendo ser diferenciados • de criança = infantil
quanto ao gênero a partir da flexão de gênero no artigo ou ad- • de mãe = maternal
jetivo que o acompanha (Ex: a cadeira / o poste). Pode ser clas- • de cabelo = capilar
sificado em epiceno (refere-se aos animais), sobrecomum (re-
fere-se a pessoas) e comum de dois gêneros (identificado por Variação de grau
meio do artigo). Os adjetivos podem se encontrar em grau normal (sem ên-
É preciso ficar atento à mudança semântica que ocorre com fases), ou com intensidade, classificando-se entre comparativo
alguns substantivos quando usados no masculino ou no femini- e superlativo.
no, trazendo alguma especificidade em relação a ele. No exem- • Normal: A Bruna é inteligente.
plo o fruto X a fruta temos significados diferentes: o primeiro • Comparativo de superioridade: A Bruna é mais inteligente
diz respeito ao órgão que protege a semente dos alimentos, en- que o Lucas.
quanto o segundo é o termo popular para um tipo específico de • Comparativo de inferioridade: O Gustavo é menos inteli-
fruto. gente que a Bruna.
• Comparativo de igualdade: A Bruna é tão inteligente quan-
Flexão de número to a Maria.
No português, é possível que o substantivo esteja no singu- • Superlativo relativo de superioridade: A Bruna é a mais
lar, usado para designar apenas uma única coisa, pessoa, lugar inteligente da turma.
(Ex: bola; escada; casa) ou no plural, usado para designar maio- • Superlativo relativo de inferioridade: O Gustavo é o menos
res quantidades (Ex: bolas; escadas; casas) — sendo este último inteligente da turma.
representado, geralmente, com o acréscimo da letra S ao final • Superlativo absoluto analítico: A Bruna é muito inteligen-
da palavra. te.
Há, também, casos em que o substantivo não se altera, de • Superlativo absoluto sintético: A Bruna é inteligentíssima.
modo que o plural ou singular devem estar marcados a partir
do contexto, pelo uso do artigo adequado (Ex: o lápis / os lápis). Adjetivos de relação
São chamados adjetivos de relação aqueles que não podem
Variação de grau sofrer variação de grau, uma vez que possui valor semântico
Usada para marcar diferença na grandeza de um determi- objetivo, isto é, não depende de uma impressão pessoal (sub-
nado substantivo, a variação de grau pode ser classificada em jetiva). Além disso, eles aparecem após o substantivo, sendo
aumentativo e diminutivo. formados por sufixação de um substantivo (Ex: vinho do Chile =
Quando acompanhados de um substantivo que indica gran- vinho chileno).
deza ou pequenez, é considerado analítico (Ex: menino grande
/ menino pequeno). Advérbio
Quando acrescentados sufixos indicadores de aumento ou Os advérbios são palavras que modificam um verbo, um ad-
diminuição, é considerado sintético (Ex: meninão / menininho). jetivo ou um outro advérbio. Eles se classificam de acordo com
a tabela abaixo:

14
LÍNGUA PORTUGUESA

CLASSIFICAÇÃO ADVÉRBIOS LOCUÇÕES ADVERBIAIS


DE MODO bem; mal; assim; melhor; depressa ao contrário; em detalhes
ontem; sempre; afinal; já; agora; doravante; primei- logo mais; em breve; mais tarde, nunca mais, de
DE TEMPO
ramente noite
DE LUGAR aqui; acima; embaixo; longe; fora; embaixo; ali Ao redor de; em frente a; à esquerda; por perto
DE INTENSIDADE muito; tão; demasiado; imenso; tanto; nada em excesso; de todos; muito menos
DE AFIRMAÇÃO sim, indubitavelmente; certo; decerto; deveras com certeza; de fato; sem dúvidas
DE NEGAÇÃO não; nunca; jamais; tampouco; nem nunca mais; de modo algum; de jeito nenhum
DE DÚVIDA Possivelmente; acaso; será; talvez; quiçá Quem sabe

Advérbios interrogativos
São os advérbios ou locuções adverbiais utilizadas para introduzir perguntas, podendo expressar circunstâncias de:
• Lugar: onde, aonde, de onde
• Tempo: quando
• Modo: como
• Causa: por que, por quê

Grau do advérbio
Os advérbios podem ser comparativos ou superlativos.
• Comparativo de igualdade: tão/tanto + advérbio + quanto
• Comparativo de superioridade: mais + advérbio + (do) que
• Comparativo de inferioridade: menos + advérbio + (do) que
• Superlativo analítico: muito cedo
• Superlativo sintético: cedíssimo

Curiosidades
Na linguagem coloquial, algumas variações do superlativo são aceitas, como o diminutivo (cedinho), o aumentativo (cedão) e
o uso de alguns prefixos (supercedo).
Existem advérbios que exprimem ideia de exclusão (somente; salvo; exclusivamente; apenas), inclusão (também; ainda; mes-
mo) e ordem (ultimamente; depois; primeiramente).
Alguns advérbios, além de algumas preposições, aparecem sendo usados como uma palavra denotativa, acrescentando um
sentido próprio ao enunciado, podendo ser elas de inclusão (até, mesmo, inclusive); de exclusão (apenas, senão, salvo); de desig-
nação (eis); de realce (cá, lá, só, é que); de retificação (aliás, ou melhor, isto é) e de situação (afinal, agora, então, e aí).

Pronomes
Os pronomes são palavras que fazem referência aos nomes, isto é, aos substantivos. Assim, dependendo de sua função no
enunciado, ele pode ser classificado da seguinte maneira:
• Pronomes pessoais: indicam as 3 pessoas do discurso, e podem ser retos (eu, tu, ele...) ou oblíquos (mim, me, te, nos, si...).
• Pronomes possessivos: indicam posse (meu, minha, sua, teu, nossos...)
• Pronomes demonstrativos: indicam localização de seres no tempo ou no espaço. (este, isso, essa, aquela, aquilo...)
• Pronomes interrogativos: auxiliam na formação de questionamentos (qual, quem, onde, quando, que, quantas...)
• Pronomes relativos: retomam o substantivo, substituindo-o na oração seguinte (que, quem, onde, cujo, o qual...)
• Pronomes indefinidos: substituem o substantivo de maneira imprecisa (alguma, nenhum, certa, vários, qualquer...)
• Pronomes de tratamento: empregados, geralmente, em situações formais (senhor, Vossa Majestade, Vossa Excelência, você...)

Colocação pronominal
Diz respeito ao conjunto de regras que indicam a posição do pronome oblíquo átono (me, te, se, nos, vos, lhe, lhes, o, a, os, as,
lo, la, no, na...) em relação ao verbo, podendo haver próclise (antes do verbo), ênclise (depois do verbo) ou mesóclise (no meio do
verbo).
Veja, então, quais as principais situações para cada um deles:
• Próclise: expressões negativas; conjunções subordinativas; advérbios sem vírgula; pronomes indefinidos, relativos ou de-
monstrativos; frases exclamativas ou que exprimem desejo; verbos no gerúndio antecedidos por “em”.

Nada me faria mais feliz.

• Ênclise: verbo no imperativo afirmativo; verbo no início da frase (não estando no futuro e nem no pretérito); verbo no gerún-
dio não acompanhado por “em”; verbo no infinitivo pessoal.
Inscreveu-se no concurso para tentar realizar um sonho.

15
LÍNGUA PORTUGUESA
• Mesóclise: verbo no futuro iniciando uma oração.
Orgulhar-me-ei de meus alunos.

DICA: o pronome não deve aparecer no início de frases ou orações, nem após ponto-e-vírgula.

Verbos
Os verbos podem ser flexionados em três tempos: pretérito (passado), presente e futuro, de maneira que o pretérito e o futuro
possuem subdivisões.
Eles também se dividem em três flexões de modo: indicativo (certeza sobre o que é passado), subjuntivo (incerteza sobre o que
é passado) e imperativo (expressar ordem, pedido, comando).
• Tempos simples do modo indicativo: presente, pretérito perfeito, pretérito imperfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do
presente, futuro do pretérito.
• Tempos simples do modo subjuntivo: presente, pretérito imperfeito, futuro.

Os tempos verbais compostos são formados por um verbo auxiliar e um verbo principal, de modo que o verbo auxiliar sofre
flexão em tempo e pessoa, e o verbo principal permanece no particípio. Os verbos auxiliares mais utilizados são “ter” e “haver”.
• Tempos compostos do modo indicativo: pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do presente, futuro do preté-
rito.
• Tempos compostos do modo subjuntivo: pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro.
As formas nominais do verbo são o infinitivo (dar, fazerem, aprender), o particípio (dado, feito, aprendido) e o gerúndio (dando,
fazendo, aprendendo). Eles podem ter função de verbo ou função de nome, atuando como substantivo (infinitivo), adjetivo (parti-
cípio) ou advérbio (gerúndio).

Tipos de verbos
Os verbos se classificam de acordo com a sua flexão verbal. Desse modo, os verbos se dividem em:
Regulares: possuem regras fixas para a flexão (cantar, amar, vender, abrir...)
• Irregulares: possuem alterações nos radicais e nas terminações quando conjugados (medir, fazer, poder, haver...)
• Anômalos: possuem diferentes radicais quando conjugados (ser, ir...)
• Defectivos: não são conjugados em todas as pessoas verbais (falir, banir, colorir, adequar...)
• Impessoais: não apresentam sujeitos, sendo conjugados sempre na 3ª pessoa do singular (chover, nevar, escurecer, anoite-
cer...)
• Unipessoais: apesar de apresentarem sujeitos, são sempre conjugados na 3ª pessoa do singular ou do plural (latir, miar, cus-
tar, acontecer...)
• Abundantes: possuem duas formas no particípio, uma regular e outra irregular (aceitar = aceito, aceitado)
• Pronominais: verbos conjugados com pronomes oblíquos átonos, indicando ação reflexiva (suicidar-se, queixar-se, sentar-se,
pentear-se...)
• Auxiliares: usados em tempos compostos ou em locuções verbais (ser, estar, ter, haver, ir...)
• Principais: transmitem totalidade da ação verbal por si próprios (comer, dançar, nascer, morrer, sorrir...)
• De ligação: indicam um estado, ligando uma característica ao sujeito (ser, estar, parecer, ficar, continuar...)

Vozes verbais
As vozes verbais indicam se o sujeito pratica ou recebe a ação, podendo ser três tipos diferentes:
• Voz ativa: sujeito é o agente da ação (Vi o pássaro)
• Voz passiva: sujeito sofre a ação (O pássaro foi visto)
• Voz reflexiva: sujeito pratica e sofre a ação (Vi-me no reflexo do lago)

Ao passar um discurso para a voz passiva, é comum utilizar a partícula apassivadora “se”, fazendo com o que o pronome seja
equivalente ao verbo “ser”.

Conjugação de verbos
Os tempos verbais são primitivos quando não derivam de outros tempos da língua portuguesa. Já os tempos verbais derivados
são aqueles que se originam a partir de verbos primitivos, de modo que suas conjugações seguem o mesmo padrão do verbo de
origem.
• 1ª conjugação: verbos terminados em “-ar” (aproveitar, imaginar, jogar...)
• 2ª conjugação: verbos terminados em “-er” (beber, correr, erguer...)
• 3ª conjugação: verbos terminados em “-ir” (dormir, agir, ouvir...)

16
LÍNGUA PORTUGUESA
Confira os exemplos de conjugação apresentados abaixo:

Fonte: www.conjugação.com.br/verbo-lutar

17
LÍNGUA PORTUGUESA

Fonte: www.conjugação.com.br/verbo-impor

Preposições
As preposições são palavras invariáveis que servem para ligar dois termos da oração numa relação subordinada, e são divididas
entre essenciais (só funcionam como preposição) e acidentais (palavras de outras classes gramaticais que passam a funcionar como
preposição em determinadas sentenças).

18
LÍNGUA PORTUGUESA
Preposições essenciais: a, ante, após, de, com, em, contra, • Comparativas: como, tal como, assim como.
para, per, perante, por, até, desde, sobre, sobre, trás, sob, sem, • Consecutivas: de forma que, de modo que, de sorte que.
entre. • Finais: a fim de que, para que.
Preposições acidentais: afora, como, conforme, consoante, • Proporcionais: à medida que, ao passo que, à proporção
durante, exceto, mediante, menos, salvo, segundo, visto etc. que.
Locuções prepositivas: abaixo de, afim de, além de, à custa • Temporais: quando, enquanto, agora.
de, defronte a, a par de, perto de, por causa de, em que pese a
etc.

Ao conectar os termos das orações, as preposições estabe- SINTAXE DA ORAÇÃO E DO PERÍODO. ORAÇÕES COOR-
lecem uma relação semântica entre eles, podendo passar ideia DENADAS E SUBORDINADAS
de:
• Causa: Morreu de câncer. A sintaxe estuda o conjunto das relações que as palavras
• Distância: Retorno a 3 quilômetros. estabelecem entre si. Dessa maneira, é preciso ficar atento aos
• Finalidade: A filha retornou para o enterro. enunciados e suas unidades: frase, oração e período.
• Instrumento: Ele cortou a foto com uma tesoura. Frase é qualquer palavra ou conjunto de palavras ordena-
• Modo: Os rebeldes eram colocados em fila. das que apresenta sentido completo em um contexto de comu-
• Lugar: O vírus veio de Portugal. nicação e interação verbal. A frase nominal é aquela que não
• Companhia: Ela saiu com a amiga. contém verbo. Já a frase verbal apresenta um ou mais verbos
• Posse: O carro de Maria é novo. (locução verbal).
• Meio: Viajou de trem. Oração é um enunciado organizado em torno de um único
verbo ou locução verbal, de modo que estes passam a ser o nú-
Combinações e contrações cleo da oração. Assim, o predicativo é obrigatório, enquanto o
Algumas preposições podem aparecer combinadas a outras sujeito é opcional.
palavras de duas maneiras: sem haver perda fonética (combina- Período é uma unidade sintática, de modo que seu enun-
ção) e havendo perda fonética (contração). ciado é organizado por uma oração (período simples) ou mais
• Combinação: ao, aos, aonde orações (período composto). Eles são iniciados com letras mai-
• Contração: de, dum, desta, neste, nisso úsculas e finalizados com a pontuação adequada.

Conjunção Análise sintática


As conjunções se subdividem de acordo com a relação es- A análise sintática serve para estudar a estrutura de um pe-
tabelecida entre as ideias e as orações. Por ter esse papel im- ríodo e de suas orações. Os termos da oração se dividem entre:
portante de conexão, é uma classe de palavras que merece des- • Essenciais (ou fundamentais): sujeito e predicado
taque, pois reconhecer o sentido de cada conjunção ajuda na • Integrantes: completam o sentido (complementos verbais
compreensão e interpretação de textos, além de ser um grande e nominais, agentes da passiva)
diferencial no momento de redigir um texto. • Acessórios: função secundária (adjuntos adnominais e ad-
Elas se dividem em duas opções: conjunções coordenativas verbiais, apostos)
e conjunções subordinativas.
Termos essenciais da oração
Conjunções coordenativas Os termos essenciais da oração são o sujeito e o predicado.
As orações coordenadas não apresentam dependência sin- O sujeito é aquele sobre quem diz o resto da oração, enquanto
tática entre si, servindo também para ligar termos que têm a o predicado é a parte que dá alguma informação sobre o sujeito,
mesma função gramatical. As conjunções coordenativas se sub- logo, onde o verbo está presente.
dividem em cinco grupos:
• Aditivas: e, nem, bem como. O sujeito é classificado em determinado (facilmente identi-
• Adversativas: mas, porém, contudo. ficável, podendo ser simples, composto ou implícito) e indeter-
• Alternativas: ou, ora…ora, quer…quer. minado, podendo, ainda, haver a oração sem sujeito (a mensa-
• Conclusivas: logo, portanto, assim. gem se concentra no verbo impessoal):
• Explicativas: que, porque, porquanto. Lúcio dormiu cedo.
Aluga-se casa para réveillon.
Conjunções subordinativas Choveu bastante em janeiro.
As orações subordinadas são aquelas em que há uma rela-
ção de dependência entre a oração principal e a oração subor- Quando o sujeito aparece no início da oração, dá-se o nome
dinada. Desse modo, a conexão entre elas (bem como o efeito de sujeito direto. Se aparecer depois do predicado, é o caso de
de sentido) se dá pelo uso da conjunção subordinada adequada. sujeito inverso. Há, ainda, a possibilidade de o sujeito aparecer
Elas podem se classificar de dez maneiras diferentes: no meio da oração:
• Integrantes: usadas para introduzir as orações subordina- Lívia se esqueceu da reunião pela manhã.
das substantivas, definidas pelas palavras que e se. Esqueceu-se da reunião pela manhã, Lívia.
• Causais: porque, que, como. Da reunião pela manhã, Lívia se esqueceu.
• Concessivas: embora, ainda que, se bem que.
• Condicionais: e, caso, desde que.
• Conformativas: conforme, segundo, consoante.

19
LÍNGUA PORTUGUESA
Os predicados se classificam em: predicado verbal (núcleo do predicado é um verbo que indica ação, podendo ser transitivo,
intransitivo ou de ligação); predicado nominal (núcleo da oração é um nome, isto é, substantivo ou adjetivo); predicado verbo-no-
minal (apresenta um predicativo do sujeito, além de uma ação mais uma qualidade sua)
As crianças brincaram no salão de festas.
Mariana é inteligente.
Os jogadores venceram a partida. Por isso, estavam felizes.

Termos integrantes da oração


Os complementos verbais são classificados em objetos diretos (não preposicionados) e objetos indiretos (preposicionado).
A menina que possui bolsa vermelha me cumprimentou.
O cão precisa de carinho.

Os complementos nominais podem ser substantivos, adjetivos ou advérbios.


A mãe estava orgulhosa de seus filhos.
Carlos tem inveja de Eduardo.
Bárbara caminhou vagarosamente pelo bosque.

Os agentes da passiva são os termos que tem a função de praticar a ação expressa pelo verbo, quando este se encontra na voz
passiva. Costumam estar acompanhados pelas preposições “por” e “de”.
Os filhos foram motivo de orgulho da mãe.
Eduardo foi alvo de inveja de Carlos.
O bosque foi caminhado vagarosamente por Bárbara.

Termos acessórios da oração


Os termos acessórios não são necessários para dar sentido à oração, funcionando como complementação da informação. Desse
modo, eles têm a função de caracterizar o sujeito, de determinar o substantivo ou de exprimir circunstância, podendo ser adjunto
adverbial (modificam o verbo, adjetivo ou advérbio), adjunto adnominal (especifica o substantivo, com função de adjetivo) e apos-
to (caracteriza o sujeito, especificando-o).
Os irmãos brigam muito.
A brilhante aluna apresentou uma bela pesquisa à banca.
Pelé, o rei do futebol, começou sua carreira no Santos.

Tipos de Orações
Levando em consideração o que foi aprendido anteriormente sobre oração, vamos aprender sobre os dois tipos de oração que
existem na língua portuguesa: oração coordenada e oração subordinada.

Orações coordenadas
São aquelas que não dependem sintaticamente uma da outra, ligando-se apenas pelo sentido. Elas aparecem quando há um
período composto, sendo conectadas por meio do uso de conjunções (sindéticas), ou por meio da vírgula (assindéticas).
No caso das orações coordenadas sindéticas, a classificação depende do sentido entre as orações, representado por um grupo
de conjunções adequadas:

CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICAS CONJUNÇÕES


ADITIVAS Adição da ideia apresentada na oração anterior e, nem, também, bem como, não só, tanto...
Oposição à ideia apresentada na oração anterior (inicia
ADVERSATIVAS mas, porém, todavia, entretanto, contudo...
com vírgula)
Opção / alternância em relação à ideia apresentada na
ALTERNATIVAS ou, já, ora, quer, seja...
oração anterior
CONCLUSIVAS Conclusão da ideia apresentada na oração anterior logo, pois, portanto, assim, por isso, com isso...
EXPLICATIVAS Explicação da ideia apresentada na oração anterior que, porque, porquanto, pois, ou seja...

Orações subordinadas
São aquelas que dependem sintaticamente em relação à oração principal. Elas aparecem quando o período é composto por
duas ou mais orações.
A classificação das orações subordinadas se dá por meio de sua função: orações subordinadas substantivas, quando fazem o
papel de substantivo da oração; orações subordinadas adjetivas, quando modificam o substantivo, exercendo a função do adjetivo;
orações subordinadas adverbiais, quando modificam o advérbio.
Cada uma dessas sofre uma segunda classificação, como pode ser observado nos quadros abaixo.

20
LÍNGUA PORTUGUESA

SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS FUNÇÃO EXEMPLOS


APOSITIVA aposto Esse era meu receio: que ela não discursasse outra vez.
COMPLETIVA NOMINAL complemento nominal Tenho medo de que ela não discurse novamente.
OBJETIVA DIRETA objeto direto Ele me perguntou se ela discursaria outra vez.
OBJETIVA INDIRETA objeto indireto Necessito de que você discurse de novo.
PREDICATIVA predicativo Meu medo é que ela não discurse novamente.
SUBJETIVA sujeito É possível que ela discurse outra vez.

SUBORDINADAS
CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS
ADJETIVAS
Esclarece algum detalhe, adicionando uma informação. O candidato, que é do partido socialista, está sendo
EXPLICATIVAS
Aparece sempre separado por vírgulas. atacado.
Restringe e define o sujeito a que se refere.
As pessoas que são racistas precisam rever seus
RESTRITIVAS Não deve ser retirado sem alterar o sentido.
valores.
Não pode ser separado por vírgula.
Introduzidas por conjunções, pronomes e locuções con-
Ele foi o primeiro presidente que se preocupou com
DESENVOLVIDAS juntivas.
a fome no país.
Apresentam verbo nos modos indicativo ou subjuntivo.
Não são introduzidas por pronomes, conjunções sou lo-
cuções conjuntivas.
REDUZIDAS Assisti ao documentário denunciando a corrupção.
Apresentam o verbo nos modos particípio, gerúndio ou
infinitivo

SUBORDINADAS ADVERBIAIS FUNÇÃO PRINCIPAIS CONJUNÇÕES


CAUSAIS Ideia de causa, motivo, razão de efeito porque, visto que, já que, como...
COMPARATIVAS Ideia de comparação como, tanto quanto, (mais / menos) que, do que...
CONCESSIVAS Ideia de contradição embora, ainda que, se bem que, mesmo...
CONDICIONAIS Ideia de condição caso, se, desde que, contanto que, a menos que...
CONFORMATIVAS Ideia de conformidade como, conforme, segundo...
CONSECUTIVAS Ideia de consequência De modo que, (tal / tão / tanto) que...
FINAIS Ideia de finalidade que, para que, a fim de que...
quanto mais / menos... mais /menos, à medida que,
PROPORCIONAIS Ideia de proporção
na medida em que, à proporção que...
TEMPORAIS Ideia de momento quando, depois que, logo que, antes que...

PONTUAÇÃO

Os sinais de pontuação são recursos gráficos que se encontram na linguagem escrita, e suas funções são demarcar unidades
e sinalizar limites de estruturas sintáticas. É também usado como um recurso estilístico, contribuindo para a coerência e a coesão
dos textos.
São eles: o ponto (.), a vírgula (,), o ponto e vírgula (;), os dois pontos (:), o ponto de exclamação (!), o ponto de interrogação
(?), as reticências (...), as aspas (“”), os parênteses ( ( ) ), o travessão (—), a meia-risca (–), o apóstrofo (‘), o asterisco (*), o hífen (-),
o colchetes ([]) e a barra (/).

21
LÍNGUA PORTUGUESA
Confira, no quadro a seguir, os principais sinais de pontuação e suas regras de uso.

SINAL NOME USO EXEMPLOS


Indicar final da frase declarativa Meu nome é Pedro.
. Ponto Separar períodos Fica mais. Ainda está cedo
Abreviar palavras Sra.
A princesa disse:
Iniciar fala de personagem
- Eu consigo sozinha.
Antes de aposto ou orações apositivas, enumerações
Esse é o problema da pandemia: as
: Dois-pontos ou sequência de palavras para resumir / explicar ideias
pessoas não respeitam a quarentena.
apresentadas anteriormente
Como diz o ditado: “olho por olho,
Antes de citação direta
dente por dente”.
Indicar hesitação
Sabe... não está sendo fácil...
... Reticências Interromper uma frase
Quem sabe depois...
Concluir com a intenção de estender a reflexão
Isolar palavras e datas A Semana de Arte Moderna (1922)
() Parênteses Frases intercaladas na função explicativa (podem substituir Eu estava cansada (trabalhar e estudar
vírgula e travessão) é puxado).
Indicar expressão de emoção Que absurdo!
Ponto de
! Final de frase imperativa Estude para a prova!
Exclamação
Após interjeição Ufa!
Ponto de
? Em perguntas diretas Que horas ela volta?
Interrogação
A professora disse:
Iniciar fala do personagem do discurso direto e indicar — Boas férias!
— Travessão mudança de interloculor no diálogo — Obrigado, professora.
Substituir vírgula em expressões ou frases explicativas O corona vírus — Covid-19 — ainda
está sendo estudado.

Vírgula
A vírgula é um sinal de pontuação com muitas funções, usada para marcar uma pausa no enunciado. Veja, a seguir, as principais
regras de uso obrigatório da vírgula.
• Separar termos coordenados: Fui à feira e comprei abacate, mamão, manga, morango e abacaxi.
• Separar aposto (termo explicativo): Belo Horizonte, capital mineira, só tem uma linha de metrô.
• Isolar vocativo: Boa tarde, Maria.
• Isolar expressões que indicam circunstâncias adverbiais (modo, lugar, tempo etc): Todos os moradores, calmamente, deixa-
ram o prédio.
• Isolar termos explicativos: A educação, a meu ver, é a solução de vários problemas sociais.
• Separar conjunções intercaladas, e antes dos conectivos “mas”, “porém”, “pois”, “contudo”, “logo”: A menina acordou cedo,
mas não conseguiu chegar a tempo na escola. Não explicou, porém, o motivo para a professora.
• Separar o conteúdo pleonástico: A ela, nada mais abala.

No caso da vírgula, é importante saber que, em alguns casos, ela não deve ser usada. Assim, não há vírgula para separar:

• Sujeito de predicado.
• Objeto de verbo.
• Adjunto adnominal de nome.
• Complemento nominal de nome.
• Predicativo do objeto do objeto.
• Oração principal da subordinada substantiva.
• Termos coordenados ligados por “e”, “ou”, “nem”.

RECURSOS E VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS

É possível encontrar no Brasil diversas variações linguísticas, como na linguagem regional. Elas reúnem as variantes da língua
que foram criadas pelos homens e são reinventadas a cada dia.
Delas surgem as variações que envolvem vários aspectos históricos, sociais, culturais, geográficos, entre outros.

22
LÍNGUA PORTUGUESA
Nenhuma língua é usada de maneira uniforme por todos os Variações Sintáticas
seus falantes em todos os lugares e em qualquer situação. Sabe- Correlação entre as palavras da frase. No domínio da sinta-
-se que, numa mesma língua, há formas distintas para traduzir o xe, como no da morfologia, não são tantas as diferenças entre
mesmo significado dentro de um mesmo contexto. uma variante e outra. Como exemplo, podemos citar:
As variações que distinguem uma variante de outra se mani- – a substituição do pronome relativo “cujo” pelo pronome
festam em quatro planos distintos, a saber: fônico, morfológico, “que” no início da frase mais a combinação da preposição “de”
sintático e lexical. com o pronome “ele” (=dele): É um amigo que eu já conhecia a
família dele (em vez de cuja família eu já conhecia).
Variações Morfológicas – a mistura de tratamento entre tu e você, sobretudo quan-
Ocorrem nas formas constituintes da palavra. As diferenças do se trata de verbos no imperativo: Entra, que eu quero falar
entre as variantes não são tantas quanto as de natureza fônica, com você (em vez de contigo); Fala baixo que a sua (em vez de
mas não são desprezíveis. Como exemplos, podemos citar: tua) voz me irrita.
– uso de substantivos masculinos como femininos ou vice- – ausência de concordância do verbo com o sujeito: Eles
-versa: duzentas gramas de presunto (duzentos), a champanha chegou tarde (em grupos de baixa extração social); Faltou na-
(o champanha), tive muita dó dela (muito dó), mistura do cal quela semana muitos alunos; Comentou-se os episódios.
(da cal). – o uso de pronomes do caso reto com outra função que não
– a omissão do “s” como marca de plural de substantivos e a de sujeito: encontrei ele (em vez de encontrei-o) na rua; não
adjetivos (típicos do falar paulistano): os amigo e as amiga, os irão sem você e eu (em vez de mim); nada houve entre tu (em
livro indicado, as noite fria, os caso mais comum. vez de ti) e ele.
– o enfraquecimento do uso do modo subjuntivo: Espero – o uso do pronome lhe como objeto direto: não lhe (em vez
que o Brasil reflete (reflita) sobre o que aconteceu nas últimas de “o”) convidei; eu lhe (em vez de “o”) vi ontem.
eleições; Se eu estava (estivesse) lá, não deixava acontecer; Não – a ausência da preposição adequada antes do pronome re-
é possível que ele esforçou (tenha se esforçado) mais que eu. lativo em função de complemento verbal: são pessoas que (em
– o uso do prefixo hiper- em vez do sufixo -íssimo para criar vez de: de que) eu gosto muito; este é o melhor filme que (em
o superlativo de adjetivos, recurso muito característico da lin- vez de a que) eu assisti; você é a pessoa que (em vez de em que)
guagem jovem urbana: um cara hiper-humano (em vez de hu- eu mais confio.
maníssimo), uma prova hiperdifícil (em vez de dificílima), um
carro hiperpossante (em vez de possantíssimo). Variações Léxicas
– a conjugação de verbos irregulares pelo modelo dos regu- Conjunto de palavras de uma língua. As variantes do plano
lares: ele interviu (interveio), se ele manter (mantiver), se ele ver do léxico, como as do plano fônico, são muito numerosas e ca-
(vir) o recado, quando ele repor (repuser). racterizam com nitidez uma variante em confronto com outra.
– a conjugação de verbos regulares pelo modelo de irregula- São exemplos possíveis de citar:
res: vareia (varia), negoceia (negocia). – as diferenças lexicais entre Brasil e Portugal são tantas e,
às vezes, tão surpreendentes, que têm sido objeto de piada de
Variações Fônicas lado a lado do Oceano. Em Portugal chamam de cueca aquilo
Ocorrem no modo de pronunciar os sons constituintes da que no Brasil chamamos de calcinha; o que chamamos de fila no
palavra. Entre esses casos, podemos citar: Brasil, em Portugal chamam de bicha; café da manhã em Portu-
– a redução de proparoxítonas a paroxítonas: Petrópis (Pe- gal se diz pequeno almoço; camisola em Portugal traduz o mes-
trópolis), fórfi (fósforo), porva (pólvora), todas elas formas típi- mo que chamamos de suéter, malha, camiseta.
cas de pessoas de baixa condição social. – a escolha do adjetivo maior em vez do advérbio muito
– A pronúncia do “l” final de sílaba como “u” (na maioria das para formar o grau superlativo dos adjetivos, características da
regiões do Brasil) ou como “l” (em certas regiões do Rio Gran- linguagem jovem de alguns centros urbanos: maior legal; maior
de do Sul e Santa Catarina) ou ainda como “r” (na linguagem difícil; Esse amigo é um carinha maior esforçado.
caipira): quintau, quintar, quintal; pastéu, paster, pastel; faróu,
farór, farol. Designações das Variantes Lexicais:
– deslocamento do “r” no interior da sílaba: largato, pre- – Arcaísmo: palavras que já caíram de uso. Por exemplo, um
guntar, estrupo, cardeneta, típicos de pessoas de baixa condição bobalhão era chamado de coió ou bocó; em vez de refrigerante
social. usava-se gasosa; algo muito bom, de qualidade excelente, era
– a queda do “r” final dos verbos, muito comum na lingua- supimpa.
gem oral no português: falá, vendê, curti (em vez de curtir), – Neologismo: contrário do arcaísmo. São palavras recém-
compô. -criadas, muitas das quais mal ou nem entraram para os dicio-
– o acréscimo de vogal no início de certas palavras: eu me nários. A na computação tem vários exemplos, como escanear,
alembro, o pássaro avoa, formas comuns na linguagem clássica, deletar, printar.
hoje frequentes na fala caipira. – Estrangeirismo: emprego de palavras emprestadas de ou-
– a queda de sons no início de palavras: ocê, cê, ta, tava, tra língua, que ainda não foram aportuguesadas, preservando
marelo (amarelo), margoso (amargoso), características na lin- a forma de origem. Nesse caso, há muitas expressões latinas,
guagem oral coloquial. sobretudo da linguagem jurídica, tais como: habeas-corpus (li-
teralmente, “tenhas o corpo” ou, mais livremente, “estejas em
liberdade”), ipso facto (“pelo próprio fato de”, “por isso mesmo.

23
LÍNGUA PORTUGUESA
As palavras de origem inglesas são várias: feeling (“sensibi- Pronomes demonstrativos: Aquilo lhe desagrada.
lidade”, capacidade de percepção), briefing (conjunto de infor- Orações interrogativas: Quem lhe disse tal coisa?
mações básicas). Orações optativas (que exprimem desejo), com sujeito ante-
– Jargão: vocabulário típico de um campo profissional posto ao verbo: Deus lhe pague, Senhor!
como a medicina, a engenharia, a publicidade, o jornalismo. Orações exclamativas: Quanta honra nos dá sua visita!
Furo é notícia dada em primeira mão. Quando o furo se revela Orações substantivas, adjetivas e adverbiais, desde que não
falso, foi uma barriga. sejam reduzidas: Percebia que o observavam.
– Gíria: vocabulário especial de um grupo que não deseja Verbo no gerúndio, regido de preposição em: Em se plan-
ser entendido por outros grupos ou que pretende marcar sua tando, tudo dá.
identidade por meio da linguagem. Por exemplo, levar um lero Verbo no infinitivo pessoal precedido de preposição: Seus
(conversar). intentos são para nos prejudicarem.
– Preciosismo: é um léxico excessivamente erudito, muito
raro: procrastinar (em vez de adiar); cinesíforo (em vez de mo- Ênclise
torista). Na ênclise, o pronome é colocado depois do verbo.
– Vulgarismo: o contrário do preciosismo, por exemplo, de
saco cheio (em vez de aborrecido), se ferrou (em vez de se deu Verbo no início da oração, desde que não esteja no futuro
mal, arruinou-se). do indicativo: Trago-te flores.
Verbo no imperativo afirmativo: Amigos, digam-me a ver-
Tipos de Variação dade!
As variações mais importantes, são as seguintes: Verbo no gerúndio, desde que não esteja precedido pela
– Sociocultural: Esse tipo de variação pode ser percebido preposição em: Saí, deixando-a aflita.
com certa facilidade. Verbo no infinitivo impessoal regido da preposição a. Com
– Geográfica: é, no Brasil, bastante grande. Ao conjunto das outras preposições é facultativo o emprego de ênclise ou prócli-
características da pronúncia de uma determinada região dá-se se: Apressei-me a convidá-los.
o nome de sotaque: sotaque mineiro, sotaque nordestino, sota-
que gaúcho etc. Mesóclise
– De Situação: são provocadas pelas alterações das cir- Na mesóclise, o pronome é colocado no meio do verbo.
cunstâncias em que se desenrola o ato de comunicação. Um
modo de falar compatível com determinada situação é incom- É obrigatória somente com verbos no futuro do presente ou
patível com outra no futuro do pretérito que iniciam a oração.
– Histórica: as línguas se alteram com o passar do tempo e Dir-lhe-ei toda a verdade.
com o uso. Muda a forma de falar, mudam as palavras, a grafia e Far-me-ias um favor?
o sentido delas. Essas alterações recebem o nome de variações
históricas. Se o verbo no futuro vier precedido de pronome reto ou de
qualquer outro fator de atração, ocorrerá a próclise.
Eu lhe direi toda a verdade.
Tu me farias um favor?
PRONOMES E REGRAS PRONOMINAIS

A colocação do pronome átono está relacionada à harmonia Colocação do pronome átono nas locuções verbais
da frase. A tendência do português falado no Brasil é o uso do Verbo principal no infinitivo ou gerúndio: Se a locução ver-
pronome antes do verbo – próclise. No entanto, há casos em bal não vier precedida de um fator de próclise, o pronome átono
que a norma culta prescreve o emprego do pronome no meio – deverá ficar depois do auxiliar ou depois do verbo principal.
mesóclise – ou após o verbo – ênclise. Exemplos:
De acordo com a norma culta, no português escrito não se Devo-lhe dizer a verdade.
inicia um período com pronome oblíquo átono. Assim, se na lin- Devo dizer-lhe a verdade.
guagem falada diz-se “Me encontrei com ele”, já na linguagem
escrita, formal, usa-se “Encontrei-me’’ com ele. Havendo fator de próclise, o pronome átono deverá ficar
Sendo a próclise a tendência, é aconselhável que se fixem antes do auxiliar ou depois do principal.
bem as poucas regras de mesóclise e ênclise. Assim, sempre que Exemplos:
estas não forem obrigatórias, deve-se usar a próclise, a menos Não lhe devo dizer a verdade.
que prejudique a eufonia da frase. Não devo dizer-lhe a verdade.

Próclise Verbo principal no particípio: Se não houver fator de prócli-


Na próclise, o pronome é colocado antes do verbo. se, o pronome átono ficará depois do auxiliar.
Exemplo: Havia-lhe dito a verdade.
Palavra de sentido negativo: Não me falou a verdade.
Advérbios sem pausa em relação ao verbo: Aqui te espero Se houver fator de próclise, o pronome átono ficará antes
pacientemente. do auxiliar.
Havendo pausa indicada por vírgula, recomenda-se a êncli- Exemplo: Não lhe havia dito a verdade.
se: Ontem, encontrei-o no ponto do ônibus.
Pronomes indefinidos: Ninguém o chamou aqui.

24
LÍNGUA PORTUGUESA
Haver de e ter de + infinitivo: Pronome átono deve ficar Abreviação
depois do infinitivo. Quando a palavra é reduzida para apenas uma parte de sua
Exemplos: totalidade, passando a existir como uma palavra autônoma. Ex:
Hei de dizer-lhe a verdade. foto (fotografia) / PUC (Pontifícia Universidade Católica).
Tenho de dizer-lhe a verdade.
Hibridismo
Observação Quando há junção de palavras simples ou radicais advindos
Não se deve omitir o hífen nas seguintes construções: de línguas distintas. Ex: sociologia (socio – latim + logia – grego)
Devo-lhe dizer tudo. / binóculo (bi – grego + oculus – latim).
Estava-lhe dizendo tudo.
Havia-lhe dito tudo. Combinação
Quando ocorre junção de partes de outras palavras simples
ou radicais. Ex: portunhol (português + espanhol) / aborrecente
(aborrecer + adolescente).
REGRAS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS
Intensificação
Formação de Palavras Quando há a criação de uma nova palavra a partir do alar-
gamento do sufixo de uma palavra existente. Normalmente é
A formação de palavras se dá a partir de processos morfoló- feita adicionando o sufixo -izar. Ex: inicializar (em vez de iniciar)
gicos, de modo que as palavras se dividem entre: / protocolizar (em vez de protocolar).
• Palavras primitivas: são aquelas que não provêm de outra
palavra. Ex: flor; pedra Neologismo
• Palavras derivadas: são originadas a partir de outras pala- Quando novas palavras surgem devido à necessidade do
vras. Ex: floricultura; pedrada falante em contextos específicos, podendo ser temporárias ou
• Palavra simples: são aquelas que possuem apenas um ra- permanentes. Existem três tipos principais de neologismos:
dical (morfema que contém significado básico da palavra). Ex: • Neologismo semântico: atribui-se novo significado a uma
cabelo; azeite palavra já existente. Ex: amarelar (desistir) / mico (vergonha)
• Palavra composta: são aquelas que possuem dois ou mais • Neologismo sintático: ocorre a combinação de elementos
radicais. Ex: guarda-roupa; couve-flor já existentes no léxico da língua. Ex: dar um bolo (não compare-
Entenda como ocorrem os principais processos de formação cer ao compromisso) / dar a volta por cima (superar).
de palavras: • Neologismo lexical: criação de uma nova palavra, que tem
um novo conceito. Ex: deletar (apagar) / escanear (digitalizar)
Derivação
A formação se dá por derivação quando ocorre a partir de Onomatopeia
uma palavra simples ou de um único radical, juntando-se afixos. Quando uma palavra é formada a partir da reprodução
• Derivação prefixal: adiciona-se um afixo anteriormente à aproximada do seu som. Ex: atchim; zum-zum; tique-taque.
palavra ou radical. Ex: antebraço (ante + braço) / infeliz (in +
feliz)
• Derivação sufixal: adiciona-se um afixo ao final da palavra CONCORDÂNCIA E REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL
ou radical. Ex: friorento (frio + ento) / guloso (gula + oso)
• Derivação parassintética: adiciona-se um afixo antes e Concordância é o efeito gramatical causado por uma relação
outro depois da palavra ou radical. Ex: esfriar (es + frio + ar) / harmônica entre dois ou mais termos. Desse modo, ela pode ser
desgovernado (des + governar + ado) verbal — refere-se ao verbo em relação ao sujeito — ou nominal
• Derivação regressiva (formação deverbal): reduz-se a pa- — refere-se ao substantivo e suas formas relacionadas.
lavra primitiva. Ex: boteco (botequim) / ataque (verbo “atacar”) • Concordância em gênero: flexão em masculino e feminino
• Derivação imprópria (conversão): ocorre mudança na • Concordância em número: flexão em singular e plural
classe gramatical, logo, de sentido, da palavra primitiva. Ex: jan- • Concordância em pessoa: 1ª, 2ª e 3ª pessoa
tar (verbo para substantivo) / Oliveira (substantivo comum para
substantivo próprio – sobrenomes). Concordância nominal
Para que a concordância nominal esteja adequada, adjeti-
Composição vos, artigos, pronomes e numerais devem flexionar em número
A formação por composição ocorre quando uma nova pa- e gênero, de acordo com o substantivo. Há algumas regras prin-
lavra se origina da junção de duas ou mais palavras simples ou cipais que ajudam na hora de empregar a concordância, mas é
radicais. preciso estar atento, também, aos casos específicos.
• Aglutinação: fusão de duas ou mais palavras simples, de Quando há dois ou mais adjetivos para apenas um substan-
modo que ocorre supressão de fonemas, de modo que os ele- tivo, o substantivo permanece no singular se houver um artigo
mentos formadores perdem sua identidade ortográfica e fono- entre os adjetivos. Caso contrário, o substantivo deve estar no
lógica. Ex: aguardente (água + ardente) / planalto (plano + alto) plural:
• Justaposição: fusão de duas ou mais palavras simples, • A comida mexicana e a japonesa. / As comidas mexicana
mantendo a ortografia e a acentuação presente nos elementos e japonesa.
formadores. Em sua maioria, aparecem conectadas com hífen.
Ex: beija-flor / passatempo.

25
LÍNGUA PORTUGUESA
Quando há dois ou mais substantivos para apenas um adjetivo, a concordância depende da posição de cada um deles. Se o
adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo deve concordar com o substantivo mais próximo:
• Linda casa e bairro.

Se o adjetivo vem depois dos substantivos, ele pode concordar tanto com o substantivo mais próximo, ou com todos os subs-
tantivos (sendo usado no plural):
• Casa e apartamento arrumado. / Apartamento e casa arrumada.
• Casa e apartamento arrumados. / Apartamento e casa arrumados.

Quando há a modificação de dois ou mais nomes próprios ou de parentesco, os adjetivos devem ser flexionados no plural:
• As talentosas Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles estão entre os melhores escritores brasileiros.

Quando o adjetivo assume função de predicativo de um sujeito ou objeto, ele deve ser flexionado no plural caso o sujeito ou
objeto seja ocupado por dois substantivos ou mais:
• O operário e sua família estavam preocupados com as consequências do acidente.

CASOS ESPECÍFICOS REGRA EXEMPLO


É PROIBIDO Deve concordar com o substantivo quando há presença
É proibida a entrada.
É PERMITIDO de um artigo. Se não houver essa determinação, deve
É proibido entrada.
É NECESSÁRIO permanecer no singular e no masculino.
Mulheres dizem “obrigada” Homens dizem
OBRIGADO / OBRIGADA Deve concordar com a pessoa que fala.
“obrigado”.
As bastantes crianças ficaram doentes com
a volta às aulas.
Quando tem função de adjetivo para um substantivo,
Bastante criança ficou doente com a volta às
BASTANTE concorda em número com o substantivo.
aulas.
Quando tem função de advérbio, permanece invariável.
O prefeito considerou bastante a respeito da
suspensão das aulas.
É sempre invariável, ou seja, a palavra “menas” não Havia menos mulheres que homens na fila
MENOS
existe na língua portuguesa. para a festa.
As crianças mesmas limparam a sala depois
MESMO Devem concordar em gênero e número com a pessoa a
da aula.
PRÓPRIO que fazem referência.
Eles próprios sugeriram o tema da formatura.
Quando tem função de numeral adjetivo, deve
Adicione meia xícara de leite.
concordar com o substantivo.
MEIO / MEIA Manuela é meio artista, além de ser
Quando tem função de advérbio, modificando um
engenheira.
adjetivo, o termo é invariável.
Segue anexo o orçamento.
Seguem anexas as informações adicionais
ANEXO INCLUSO Devem concordar com o substantivo a que se referem. As professoras estão inclusas na greve.
O material está incluso no valor da
mensalidade.

Concordância verbal
Para que a concordância verbal esteja adequada, é preciso haver flexão do verbo em número e pessoa, a depender do sujeito
com o qual ele se relaciona.

Quando o sujeito composto é colocado anterior ao verbo, o verbo ficará no plural:


• A menina e seu irmão viajaram para a praia nas férias escolares.

Mas, se o sujeito composto aparece depois do verbo, o verbo pode tanto ficar no plural quanto concordar com o sujeito mais
próximo:
• Discutiram marido e mulher. / Discutiu marido e mulher.

Se o sujeito composto for formado por pessoas gramaticais diferentes, o verbo deve ficar no plural e concordando com a pes-
soa que tem prioridade, a nível gramatical — 1ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2ª (tu, vós); a 2ª tem prioridade em
relação à 3ª (ele, eles):
• Eu e vós vamos à festa.

26
LÍNGUA PORTUGUESA
Quando o sujeito apresenta uma expressão partitiva (sugere “parte de algo”), seguida de substantivo ou pronome no plural, o
verbo pode ficar tanto no singular quanto no plural:
• A maioria dos alunos não se preparou para o simulado. / A maioria dos alunos não se prepararam para o simulado.

Quando o sujeito apresenta uma porcentagem, deve concordar com o valor da expressão. No entanto, quanto seguida de um
substantivo (expressão partitiva), o verbo poderá concordar tanto com o numeral quanto com o substantivo:
• 27% deixaram de ir às urnas ano passado. / 1% dos eleitores votou nulo / 1% dos eleitores votaram nulo.

Quando o sujeito apresenta alguma expressão que indique quantidade aproximada, o verbo concorda com o substantivo que
segue a expressão:
• Cerca de duzentas mil pessoas compareceram à manifestação. / Mais de um aluno ficou abaixo da média na prova.

Quando o sujeito é indeterminado, o verbo deve estar sempre na terceira pessoa do singular:
• Precisa-se de balconistas. / Precisa-se de balconista.

Quando o sujeito é coletivo, o verbo permanece no singular, concordando com o coletivo partitivo:
• A multidão delirou com a entrada triunfal dos artistas. / A matilha cansou depois de tanto puxar o trenó.

Quando não existe sujeito na oração, o verbo fica na terceira pessoa do singular (impessoal):
• Faz chuva hoje

Quando o pronome relativo “que” atua como sujeito, o verbo deverá concordar em número e pessoa com o termo da oração
principal ao qual o pronome faz referência:
• Foi Maria que arrumou a casa.

Quando o sujeito da oração é o pronome relativo “quem”, o verbo pode concordar tanto com o antecedente do pronome quan-
to com o próprio nome, na 3ª pessoa do singular:
• Fui eu quem arrumei a casa. / Fui eu quem arrumou a casa.

Quando o pronome indefinido ou interrogativo, atuando como sujeito, estiver no singular, o verbo deve ficar na 3ª pessoa do singular:
• Nenhum de nós merece adoecer.

Quando houver um substantivo que apresenta forma plural, porém com sentido singular, o verbo deve permanecer no singu-
lar. Exceto caso o substantivo vier precedido por determinante:
• Férias é indispensável para qualquer pessoa. / Meus óculos sumiram.

A regência estuda as relações de concordâncias entre os termos que completam o sentido tanto dos verbos quanto dos nomes.
Dessa maneira, há uma relação entre o termo regente (principal) e o termo regido (complemento).
A regência está relacionada à transitividade do verbo ou do nome, isto é, sua complementação necessária, de modo que essa
relação é sempre intermediada com o uso adequado de alguma preposição.

Regência nominal
Na regência nominal, o termo regente é o nome, podendo ser um substantivo, um adjetivo ou um advérbio, e o termo regido é
o complemento nominal, que pode ser um substantivo, um pronome ou um numeral.
Vale lembrar que alguns nomes permitem mais de uma preposição. Veja no quadro abaixo as principais preposições e as pa-
lavras que pedem seu complemento:

PREPOSIÇÃO NOMES
acessível; acostumado; adaptado; adequado; agradável; alusão; análogo; anterior; atento; benefício; comum;
A contrário; desfavorável; devoto; equivalente; fiel; grato; horror; idêntico; imune; indiferente; inferior; leal; necessário;
nocivo; obediente; paralelo; posterior; preferência; propenso; próximo; semelhante; sensível; útil; visível...
amante; amigo; capaz; certo; contemporâneo; convicto; cúmplice; descendente; destituído; devoto; diferente;
DE dotado; escasso; fácil; feliz; imbuído; impossível; incapaz; indigno; inimigo; inseparável; isento; junto; longe; medo;
natural; orgulhoso; passível; possível; seguro; suspeito; temeroso...
SOBRE opinião; discurso; discussão; dúvida; insistência; influência; informação; preponderante; proeminência; triunfo...
acostumado; amoroso; analogia; compatível; cuidadoso; descontente; generoso; impaciente; ingrato; intolerante;
COM
mal; misericordioso; ocupado; parecido; relacionado; satisfeito; severo; solícito; triste...
abundante; bacharel; constante; doutor; erudito; firme; hábil; incansável; inconstante; indeciso; morador; negligente;
EM
perito; prático; residente; versado...
atentado; blasfêmia; combate; conspiração; declaração; fúria; impotência; litígio; luta; protesto; reclamação;
CONTRA
representação...
PARA bom; mau; odioso; próprio; útil...

27
LÍNGUA PORTUGUESA
Regência verbal Polissemia e monossemia
Na regência verbal, o termo regente é o verbo, e o termo As palavras polissêmicas são aquelas que podem apresentar
regido poderá ser tanto um objeto direto (não preposicionado) mais de um significado, a depender do contexto em que ocorre
quanto um objeto indireto (preposicionado), podendo ser carac- a frase. Ex: cabeça (parte do corpo humano; líder de um grupo).
terizado também por adjuntos adverbiais. Já as palavras monossêmicas são aquelas apresentam ape-
Com isso, temos que os verbos podem se classificar entre nas um significado. Ex: eneágono (polígono de nove ângulos).
transitivos e intransitivos. É importante ressaltar que a transiti-
vidade do verbo vai depender do seu contexto. Denotação e conotação
Palavras com sentido denotativo são aquelas que apresen-
Verbos intransitivos: não exigem complemento, de modo tam um sentido objetivo e literal. Ex:Está fazendo frio. / Pé da
que fazem sentido por si só. Em alguns casos, pode estar acom- mulher.
panhado de um adjunto adverbial (modifica o verbo, indicando Palavras com sentido conotativo são aquelas que apresen-
tempo, lugar, modo, intensidade etc.), que, por ser um termo tam um sentido simbólico, figurado. Ex: Você me olha com frie-
acessório, pode ser retirado da frase sem alterar sua estrutura za. / Pé da cadeira.
sintática:
• Viajou para São Paulo. / Choveu forte ontem. Hiperonímia e hiponímia
Esta classificação diz respeito às relações hierárquicas de
Verbos transitivos diretos: exigem complemento (objeto dire- significado entre as palavras.
to), sem preposição, para que o sentido do verbo esteja completo: Desse modo, um hiperônimo é a palavra superior, isto é,
• A aluna entregou o trabalho. / A criança quer bolo. que tem um sentido mais abrangente. Ex: Fruta é hiperônimo
de limão.
Verbos transitivos indiretos: exigem complemento (objeto Já o hipônimo é a palavra que tem o sentido mais restrito,
indireto), de modo que uma preposição é necessária para esta- portanto, inferior, de modo que o hiperônimo engloba o hipôni-
belecer o sentido completo: mo. Ex: Limão é hipônimo de fruta.
• Gostamos da viagem de férias. / O cidadão duvidou da
campanha eleitoral. Formas variantes
São as palavras que permitem mais de uma grafia correta,
Verbos transitivos diretos e indiretos: em algumas situ- sem que ocorra mudança no significado. Ex: loiro – louro / enfar-
ações, o verbo precisa ser acompanhado de um objeto direto te – infarto / gatinhar – engatinhar.
(sem preposição) e de um objeto indireto (com preposição):
• Apresentou a dissertação à banca. / O menino ofereceu Arcaísmo
ajuda à senhora. São palavras antigas, que perderam o uso frequente ao lon-
go do tempo, sendo substituídas por outras mais modernas, mas
que ainda podem ser utilizadas. No entanto, ainda podem ser
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS bastante encontradas em livros antigos, principalmente. Ex: bo-
tica <—> farmácia / franquia <—> sinceridade.
Este é um estudo da semântica, que pretende classificar os
sentidos das palavras, as suas relações de sentido entre si. Co-
nheça as principais relações e suas características: NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE REDAÇÕES. ADE-
QUAÇÃO DA LINGUAGEM AO TIPO DE DOCUMENTO.
Sinonímia e antonímia ADEQUAÇÃO DO FORMATO DO TEXTO AO GÊNERO.
As palavras sinônimas são aquelas que apresentam signi- PRÁTICAS DE LINGUAGEM: ORALIDADE, LEITURA/
ficado semelhante, estabelecendo relação de proximidade. Ex: ESCUTA, PRODUÇÃO (ESCRITA E MULTISSEMIÓTICA) E
inteligente <—> esperto ANÁLISE LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA (QUE ENVOLVE CO-
Já as palavras antônimas são aquelas que apresentam signi- NHECIMENTOS LINGUÍSTICOS – SOBRE O SISTEMA DE
ficados opostos, estabelecendo uma relação de contrariedade. ESCRITA, O SISTEMA DA LÍNGUA E A NORMA-PADRÃO
Ex: forte <—> fraco –, TEXTUAIS, DISCURSIVOS E SOBRE OS MODOS DE OR-
GANIZAÇÃO E OS ELEMENTOS DE OUTRAS SEMIOSES)
Parônimos e homônimos
As palavras parônimas são aquelas que possuem grafia e
pronúncia semelhantes, porém com significados distintos. O que é Redação Oficial1
Ex: cumprimento (saudação) X comprimento (extensão); trá- Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a maneira
fego (trânsito) X tráfico (comércio ilegal). pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunica-
As palavras homônimas são aquelas que possuem a mesma ções. Interessa-nos tratá-la do ponto de vista do Poder Executi-
grafia e pronúncia, porém têm significados diferentes. Ex: rio vo. A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade,
(verbo “rir”) X rio (curso d’água); manga (blusa) X manga (fruta). uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalida-
As palavras homófonas são aquelas que possuem a mesma de e uniformidade. Fundamentalmente esses atributos decor-
pronúncia, mas com escrita e significado diferentes. Ex: cem rem da Constituição, que dispõe, no artigo 37: “A administração
(numeral) X sem (falta); conserto (arrumar) X concerto (musical). pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Pode-
As palavras homógrafas são aquelas que possuem escrita res da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
igual, porém som e significado diferentes. Ex: colher (talher) X obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, mora-
colher (verbo); acerto (substantivo) X acerto (verbo). 1 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

28
LÍNGUA PORTUGUESA
lidade, publicidade e eficiência (...)”. Sendo a publicidade e a No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o
impessoalidade princípios fundamentais de toda administração Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departa-
pública, claro está que devem igualmente nortear a elaboração mento, Divisão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre
dos atos e comunicações oficiais. Não se concebe que um ato algum assunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o
normativo de qualquer natureza seja redigido de forma obscura, destinatário dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos
que dificulte ou impossibilite sua compreensão. A transparência cidadãos, ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros
do sentido dos atos normativos, bem como sua inteligibilidade, Poderes da União. Percebe-se, assim, que o tratamento impes-
são requisitos do próprio Estado de Direito: é inaceitável que soal que deve ser dado aos assuntos que constam das comuni-
um texto legal não seja entendido pelos cidadãos. A publicida- cações oficiais decorre:
de implica, pois, necessariamente, clareza e concisão. Além de a) da ausência de impressões individuais de quem comuni-
atender à disposição constitucional, a forma dos atos normati- ca: embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado
vos obedece a certa tradição. Há normas para sua elaboração por Chefe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço
que remontam ao período de nossa história imperial, como, por Público que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma dese-
exemplo, a obrigatoriedade – estabelecida por decreto imperial jável padronização, que permite que comunicações elaboradas
de 10 de dezembro de 1822 – de que se aponha, ao final desses em diferentes setores da Administração guardem entre si certa
atos, o número de anos transcorridos desde a Independência. uniformidade;
Essa prática foi mantida no período republicano. Esses mesmos b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com
princípios (impessoalidade, clareza, uniformidade, concisão e duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre
uso de linguagem formal) aplicam-se às comunicações oficiais: concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois ca-
elas devem sempre permitir uma única interpretação e ser es- sos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e
tritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso de cer- impessoal;
to nível de linguagem. Nesse quadro, fica claro também que as c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o
comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há universo temático das comunicações oficiais se restringe a ques-
sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor tões que dizem respeito ao interesse público, é natural que
dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso não cabe qualquer tom particular ou pessoal. Desta forma, não
de expedientes dirigidos por um órgão a outro) – ou o conjunto há lugar na redação oficial para impressões pessoais, como as
dos cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o que, por exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de
público). um artigo assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário.
Outros procedimentos rotineiros na redação de comunica- A redação oficial deve ser isenta da interferência da individua-
ções oficiais foram incorporados ao longo do tempo, como as lidade que a elabora. A concisão, a clareza, a objetividade e a
formas de tratamento e de cortesia, certos clichês de redação, formalidade de que nos valemos para elaborar os expedientes
a estrutura dos expedientes, etc. Mencione-se, por exemplo, a oficiais contribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária
fixação dos fechos para comunicações oficiais, regulados pela impessoalidade.
Portaria no 1 do Ministro de Estado da Justiça, de 8 de julho de
1937, que, após mais de meio século de vigência, foi revoga- A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
do pelo Decreto que aprovou a primeira edição deste Manual. A necessidade de empregar determinado nível de linguagem
Acrescente-se, por fim, que a identificação que se buscou fa- nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio
zer das características específicas da forma oficial de redigir não caráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua
deve ensejar o entendimento de que se proponha a criação – ou finalidade. Os atos oficiais, aqui entendidos como atos de cará-
se aceite a existência – de uma forma específica de linguagem ter normativo, ou estabelecem regras para a conduta dos cida-
administrativa, o que coloquialmente e pejorativamente se cha- dãos, ou regulam o funcionamento dos órgãos públicos, o que
ma burocratês. Este é antes uma distorção do que deve ser a só é alcançado se em sua elaboração for empregada a linguagem
redação oficial, e se caracteriza pelo abuso de expressões e cli- adequada. O mesmo se dá com os expedientes oficiais, cuja fi-
chês do jargão burocrático e de formas arcaicas de construção nalidade precípua é a de informar com clareza e objetividade.
de frases. A redação oficial não é, portanto, necessariamente As comunicações que partem dos órgãos públicos federais de-
árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica vem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro.
– comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe cer- Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem
tos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto
daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os
particular, etc. Apresentadas essas características fundamentais regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua com-
da redação oficial, passemos à análise pormenorizada de cada preensão dificultada. Ressalte-se que há necessariamente uma
uma delas. distância entre a língua falada e a escrita. Aquela é extremamen-
te dinâmica, reflete de forma imediata qualquer alteração de
costumes, e pode eventualmente contar com outros elementos
A Impessoalidade que auxiliem a sua compreensão, como os gestos, a entoação,
A finalidade da língua é comunicar, quer pela fala, quer pela etc. Para mencionar apenas alguns dos fatores responsáveis por
escrita. Para que haja comunicação, são necessários: essa distância. Já a língua escrita incorpora mais lentamente as
a) alguém que comunique, transformações, tem maior vocação para a permanência, e vale-
b) algo a ser comunicado, e -se apenas de si mesma para comunicar. A língua escrita, como a
c) alguém que receba essa comunicação. falada, compreende diferentes níveis, de acordo com o uso que
dela se faça. Por exemplo, em uma carta a um amigo, podemos
nos valer de determinado padrão de linguagem que incorpore

29
LÍNGUA PORTUGUESA
expressões extremamente pessoais ou coloquiais; em um pare- Concisão e Clareza
cer jurídico, não se há de estranhar a presença do vocabulário A concisão é antes uma qualidade do que uma característica
técnico correspondente. Nos dois casos, há um padrão de lin- do texto oficial. Conciso é o texto que consegue transmitir um
guagem que atende ao uso que se faz da língua, a finalidade com máximo de informações com um mínimo de palavras. Para que
que a empregamos. O mesmo ocorre com os textos oficiais: por se redija com essa qualidade, é fundamental que se tenha,
seu caráter impessoal, por sua finalidade de informar com o má- além de conhecimento do assunto sobre o qual se escreve, o
ximo de clareza e concisão, eles requerem o uso do padrão culto necessário tempo para revisar o texto depois de pronto. É nessa
da língua. Há consenso de que o padrão culto é aquele em que releitura que muitas vezes se percebem eventuais redundâncias
a) se observam as regras da gramática formal, e b) se emprega ou repetições desnecessárias de ideias. O esforço de sermos
um vocabulário comum ao conjunto dos usuários do idioma. É concisos atende, basicamente ao princípio de economia linguís-
importante ressaltar que a obrigatoriedade do uso do padrão tica, à mencionada fórmula de empregar o mínimo de palavras
culto na redação oficial decorre do fato de que ele está acima para informar o máximo. Não se deve de forma alguma enten-
das diferenças lexicais, morfológicas ou sintáticas regionais, dos dê-la como economia de pensamento, isto é, não se devem eli-
modismos vocabulares, das idiossincrasias linguísticas, permi- minar passagens substanciais do texto no afã de reduzi-lo em
tindo, por essa razão, que se atinja a pretendida compreensão tamanho. Trata-se exclusivamente de cortar palavras inúteis, re-
por todos os cidadãos. dundâncias, passagens que nada acrescentem ao que já foi dito.
Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplici- Procure perceber certa hierarquia de ideias que existe em todo
dade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza texto de alguma complexidade: ideias fundamentais e ideias se-
de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto impli- cundárias. Estas últimas podem esclarecer o sentido daquelas
ca emprego de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos detalhá-las, exemplificá-las; mas existem também ideias secun-
sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária. dárias que não acrescentam informação alguma ao texto, nem
Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um “pa- têm maior relação com as fundamentais, podendo, por isso, ser
drão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto dispensadas. A clareza deve ser a qualidade básica de todo tex-
nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência to oficial, conforme já sublinhado na introdução deste capítulo.
pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata
tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se
necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de atinja por si só: ela depende estritamente das demais caracterís-
linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, ticas da redação oficial. Para ela concorrem:
deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada. a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpreta-
A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações ções que poderia decorrer de um tratamento personalista dado
que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos ao texto;
rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de en-
determinada área, são de difícil entendimento por quem não es- tendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circula-
teja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de ção restrita, como a gíria e o jargão;
explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a im-
administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos. Outras prescindível uniformidade dos textos;
questões sobre a linguagem, como o emprego de neologismo e d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lin-
estrangeirismo, são tratadas em detalhe em 9.3. Semântica. guísticos que nada lhe acrescentam.

Formalidade e Padronização É pela correta observação dessas características que se


As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é, redige com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitura
obedecem a certas regras de forma: além das já mencionadas de todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de tre-
exigências de impessoalidade e uso do padrão culto de lingua- chos obscuros e de erros gramaticais provém principalmente da
gem, é imperativo, ainda, certa formalidade de tratamento. Não falta da releitura que torna possível sua correção. Na revisão de
se trata somente da eterna dúvida quanto ao correto emprego um expediente, deve-se avaliar, ainda, se ele será de fácil com-
deste ou daquele pronome de tratamento para uma autoridade preensão por seu destinatário. O que nos parece óbvio pode ser
de certo nível (v. a esse respeito 2.1.3. Emprego dos Pronomes desconhecido por terceiros. O domínio que adquirimos sobre
de Tratamento); mais do que isso, a formalidade diz respeito à certos assuntos em decorrência de nossa experiência profissio-
polidez, à civilidade no próprio enfoque dado ao assunto do qual nal muitas vezes faz com que os tomemos como de conhecimen-
cuida a comunicação. A formalidade de tratamento vincula-se, to geral, o que nem sempre é verdade. Explicite, desenvolva,
também, à necessária uniformidade das comunicações. Ora, se esclareça, precise os termos técnicos, o significado das siglas e
a administração federal é una, é natural que as comunicações abreviações e os conceitos específicos que não possam ser dis-
que expede sigam um mesmo padrão. O estabelecimento desse pensados. A revisão atenta exige, necessariamente, tempo. A
padrão, uma das metas deste Manual, exige que se atente para pressa com que são elaboradas certas comunicações quase sem-
todas as características da redação oficial e que se cuide, ainda, pre compromete sua clareza. Não se deve proceder à redação de
da apresentação dos textos. A clareza datilográfica, o uso de pa- um texto que não seja seguida por sua revisão. “Não há assuntos
péis uniformes para o texto definitivo e a correta diagramação urgentes, há assuntos atrasados”, diz a máxima. Evite-se, pois, o
do texto são indispensáveis para a padronização. Consulte o Ca- atraso, com sua indesejável repercussão no redigir.
pítulo II, As Comunicações Oficiais, a respeito de normas especí-
ficas para cada tipo de expediente.

30
LÍNGUA PORTUGUESA
As comunicações oficiais Ministros de Estado;
A redação das comunicações oficiais deve, antes de tudo, Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito
seguir os preceitos explicitados no Capítulo I, Aspectos Gerais Federal;
da Redação Oficial. Além disso, há características específicas de Oficiais-Generais das Forças Armadas;
cada tipo de expediente, que serão tratadas em detalhe neste Embaixadores;
capítulo. Antes de passarmos à sua análise, vejamos outros as- Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes
pectos comuns a quase todas as modalidades de comunicação de cargos de natureza especial;
oficial: o emprego dos pronomes de tratamento, a forma dos Secretários de Estado dos Governos Estaduais;
fechos e a identificação do signatário. Prefeitos Municipais.

Pronomes de Tratamento b) do Poder Legislativo:


Deputados Federais e Senadores;
Breve História dos Pronomes de Tratamento Ministro do Tribunal de Contas da União;
O uso de pronomes e locuções pronominais de tratamento Deputados Estaduais e Distritais;
tem larga tradição na língua portuguesa. De acordo com Said Ali, Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;
após serem incorporados ao português os pronomes latinos tu Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.
e vos, “como tratamento direto da pessoa ou pessoas a quem
se dirigia a palavra”, passou-se a empregar, como expediente c) do Poder Judiciário:
linguístico de distinção e de respeito, a segunda pessoa do plural Ministros dos Tribunais Superiores;
no tratamento de pessoas de hierarquia superior. Prossegue o Membros de Tribunais;
autor: “Outro modo de tratamento indireto consistiu em fingir Juízes;
que se dirigia a palavra a um atributo ou qualidade eminente da Auditores da Justiça Militar.
pessoa de categoria superior, e não a ela própria. Assim apro-
ximavam-se os vassalos de seu rei com o tratamento de vossa O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos
mercê, vossa senhoria (...); assim usou-se o tratamento ducal de Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo res-
vossa excelência e adotou-se na hierarquia eclesiástica vossa re- pectivo:
verência, vossa paternidade, vossa eminência, vossa santidade. Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
” A partir do final do século XVI, esse modo de tratamento indi- Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
reto já estava em voga também para os ocupantes de certos car- Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Fe-
gos públicos. Vossa mercê evoluiu para vosmecê, e depois para o deral.
coloquial você. E o pronome vós, com o tempo, caiu em desuso.
É dessa tradição que provém o atual emprego de pronomes de As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Se-
tratamento indireto como forma de dirigirmo-nos às autorida- nhor, seguido do cargo respectivo:
des civis, militares e eclesiásticas. Senhor Senador,
Senhor Juiz,
Concordância com os Pronomes de Tratamento Senhor Ministro,
Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indi- Senhor Governador,
reta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância
verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pes- No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas
soa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte
a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É forma:
que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução
como seu núcleo sintático: “Vossa Senhoria nomeará o substi- A Sua Excelência o Senhor
tuto”; “Vossa Excelência conhece o assunto”. Da mesma forma, Fulano de Tal
os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento Ministro de Estado da Justiça
são sempre os da terceira pessoa: “Vossa Senhoria nomeará seu 70.064-900 – Brasília. DF
substituto” (e não “Vossa... vosso...”). Já quanto aos adjetivos
referidos a esses pronomes, o gênero gramatical deve coincidir A Sua Excelência o Senhor
com o sexo da pessoa a que se refere, e não com o substantivo Senador Fulano de Tal
que compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor for homem, Senado Federal
o correto é “Vossa Excelência está atarefado”, “Vossa Senhoria 70.165-900 – Brasília. DF
deve estar satisfeito”; se for mulher, “Vossa Excelência está ata-
refada”, “Vossa Senhoria deve estar satisfeita”. A Sua Excelência o Senhor
Fulano de Tal
Emprego dos Pronomes de Tratamento Juiz de Direito da 10a Vara Cível
Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obe- Rua ABC, no 123
dece a secular tradição. São de uso consagrado: 01.010-000 – São Paulo. SP
Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:
Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamen-
a) do Poder Executivo; to digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior.
Presidente da República; A dignidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo
Vice-Presidente da República; público, sendo desnecessária sua repetida evocação.

31
LÍNGUA PORTUGUESA
Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e Atenciosamente,
para particulares. O vocativo adequado é:
Senhor Fulano de Tal, Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas
(...) a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição pró-
prios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Mi-
No envelope, deve constar do endereçamento: nistério das Relações Exteriores.
Ao Senhor
Fulano de Tal Identificação do Signatário
Rua ABC, nº 123 Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da Re-
70.123 – Curitiba. PR pública, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o
nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local
Como se depreende do exemplo acima fica dispensado o de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:
emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que re-
cebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É su- (espaço para assinatura)
ficiente o uso do pronome de tratamento Senhor. Acrescente-se NOME
que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Chefe da Secretária-geral da Presidência da República
Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-
-o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal (espaço para assinatura)
grau por terem concluído curso universitário de doutorado. É NOME
costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os Ministro de Estado da Justiça
bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o trata-
mento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações. Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatu-
Mencionemos, ainda, a forma Vossa Magnificência, empregada ra em página isolada do expediente. Transfira para essa página
por força da tradição, em comunicações dirigidas a reitores de ao menos a última frase anterior ao fecho.
universidade. Corresponde-lhe o vocativo:
O Padrão Ofício
Magnífico Reitor, Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela
(...) finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando.
Com o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação
Os pronomes de tratamento para religiosos, de acordo com única, que siga o que chamamos de padrão ofício. As peculiari-
a hierarquia eclesiástica, são: dades de cada um serão tratadas adiante; por ora busquemos as
suas semelhanças.
Vossa Santidade, em comunicações dirigidas ao Papa. O vo-
cativo correspondente é: Partes do documento no Padrão Ofício
Santíssimo Padre, O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes
(...) partes:
a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão
Vossa Eminência ou Vossa Eminência Reverendíssima, em que o expede:
comunicações aos Cardeais. Corresponde-lhe o vocativo: Exemplos:
Eminentíssimo Senhor Cardeal, ou Mem. 123/2002-MF Aviso 123/2002-SG Of. 123/2002-MME
Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal,
(...) b) local e data em que foi assinado, por extenso, com ali-
nhamento à direita:
Vossa Excelência Reverendíssima é usado em comunicações Exemplo:
dirigidas a Arcebispos e Bispos; Vossa Reverendíssima ou Vossa 13
Senhoria Reverendíssima para Monsenhores, Cônegos e superio- Brasília, 15 de março de 1991.
res religiosos. Vossa Reverência é empregado para sacerdotes,
clérigos e demais religiosos. c) assunto: resumo do teor do documento
Exemplos:
Fechos para Comunicações Assunto: Produtividade do órgão em 2002.
O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.
óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os mo-
delos para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é diri-
pela Portaria nº1 do Ministério da Justiça, de 1937, que estabe- gida a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também
lecia quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e uniformizá- o endereço.
-los, este Manual estabelece o emprego de somente dois fechos
diferentes para todas as modalidades de comunicação oficial: e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamento
a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da de documentos, o expediente deve conter a seguinte estrutura:
República: – Introdução, que se confunde com o parágrafo de abertu-
Respeitosamente, ra, na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação.
b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia Evite o uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer de”,
inferior: “Cumpre-me informar que”, empregue a forma direta;

32
LÍNGUA PORTUGUESA
– Desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o tex- h) deve ser utilizado espaçamento simples entre as linhas e
to contiver mais de uma ideia sobre o assunto, elas devem ser de 6 pontos após cada parágrafo, ou, se o editor de texto utiliza-
tratadas em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à do não comportar tal recurso, de uma linha em branco;
exposição; i) não deve haver abuso no uso de negrito, itálico, sublinha-
– Conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente reapre- do, letras maiúsculas, sombreado, sombra, relevo, bordas ou
sentada a posição recomendada sobre o assunto. qualquer outra forma de formatação que afete a elegância e a
sobriedade do documento;
Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos j) a impressão dos textos deve ser feita na cor preta em pa-
casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e pel branco. A impressão colorida deve ser usada apenas para
subtítulos. gráficos e ilustrações;
Já quando se tratar de mero encaminhamento de documen- l) todos os tipos de documentos do Padrão Ofício devem ser
tos a estrutura é a seguinte: impressos em papel de tamanho A-4, ou seja, 29,7 x 21,0 cm;
– Introdução: deve iniciar com referência ao expediente que m) deve ser utilizado, preferencialmente, o formato de ar-
solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não quivo Rich Text nos documentos de texto;
tiver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo n) dentro do possível, todos os documentos elaborados de-
da comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados vem ter o arquivo de texto preservado para consulta posterior
completos do documento encaminhado (tipo, data, origem ou ou aproveitamento de trechos para casos análogos;
signatário, e assunto de que trata), e a razão pela qual está sen- o) para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem
do encaminhado, segundo a seguinte fórmula: ser formados da seguinte maneira: tipo do documento + número
“Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, do documento + palavras-chaves do conteúdo Ex.: “Of. 123 - re-
encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, latório produtividade ano 2002”
do Departamento Geral de Administração, que trata da requi-
sição do servidor Fulano de Tal. ” Ou “Encaminho, para exame Aviso e Ofício
e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de — Definição e Finalidade
fevereiro de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial pra-
Agricultura, a respeito de projeto de modernização de técnicas ticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso
agrícolas na região Nordeste. ” é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para auto-
– Desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fa- ridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido
zer algum comentário a respeito do documento que encaminha, para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o
poderá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração
contrário, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.
ofício de mero encaminhamento.
— Forma e Estrutura
f) fecho (v. 2.2. Fechos para Comunicações); Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do pa-
drão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatá-
g) assinatura do autor da comunicação; e rio (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.
Exemplos:
h) identificação do signatário (v. 2.3. Identificação do Sig- Excelentíssimo Senhor Presidente da República
natário). Senhora Ministra
Senhor Chefe de Gabinete
Forma de diagramação Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as se-
Os documentos do Padrão Ofício5 devem obedecer à se- guintes informações do remetente:
guinte forma de apresentação: – Nome do órgão ou setor;
a) deve ser utilizada fonte do tipo Times New Roman de – Endereço postal;
corpo 12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas notas de – telefone E endereço de correio eletrônico.
rodapé;
b) para símbolos não existentes na fonte Times New Roman Memorando
poder-se-á utilizar as fontes Symbol e Wingdings;
c) é obrigatória constar a partir da segunda página o número — Definição e Finalidade
da página; O memorando é a modalidade de comunicação entre uni-
d) os ofícios, memorandos e anexos destes poderão ser im- dades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar
pressos em ambas as faces do papel. Neste caso, as margens es- hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente. Tra-
querda e direta terão as distâncias invertidas nas páginas pares ta-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemen-
(“margem espelho”); te interna. Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser
e) o início de cada parágrafo do texto deve ter 2,5 cm de empregado para a exposição de projetos, ideias, diretrizes, etc.
distância da margem esquerda; a serem adotados por determinado setor do serviço público.
f) o campo destinado à margem lateral esquerda terá, no Sua característica principal é a agilidade. A tramitação do me-
mínimo, 3,0 cm de largura; morando em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela
g) o campo destinado à margem lateral direita terá 1,5 cm; simplicidade de procedimentos burocráticos. Para evitar desne-
5 O constante neste item aplica-se também à exposição de moti- cessário aumento do número de comunicações, os despachos ao
vos e à mensagem (v. 4. Exposição de Motivos e 5. Mensagem). memorando devem ser dados no próprio documento e, no caso
de falta de espaço, em folha de continuação. Esse procedimento

33
LÍNGUA PORTUGUESA
permite formar uma espécie de processo simplificado, assegu- Anexo à Exposição de Motivos do (indicar nome do Ministé-
rando maior transparência à tomada de decisões, e permitindo rio ou órgão equivalente) nº de 200.
que se historie o andamento da matéria tratada no memorando.
1. Síntese do problema ou da situação que reclama provi-
— Forma e Estrutura dências
Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do pa- 2. Soluções e providências contidas no ato normativo ou na
drão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser medida proposta
mencionado pelo cargo que ocupa. 3. Alternativas existentes às medidas propostas
Exemplos: Mencionar:
Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração Ao Sr. Sub- - Se há outro projeto do Executivo sobre a matéria;
chefe para Assuntos Jurídicos - Se há projetos sobre a matéria no Legislativo;
- Outras possibilidades de resolução do problema.
Exposição de Motivos
4. Custos
— Definição e Finalidade Mencionar:
Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente - Se a despesa decorrente da medida está prevista na lei
da República ou ao Vice-Presidente para: orçamentária anual; se não, quais as alternativas para custeá-la;
a) informá-lo de determinado assunto; - Se é o caso de solicitar-se abertura de crédito extraordiná-
b) propor alguma medida; ou rio, especial ou suplementar;
c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo. - Valor a ser despendido em moeda corrente;

Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da 5. Razões que justificam a urgência (a ser preenchido so-
República por um Ministro de Estado. mente se o ato proposto for medido provisória ou projeto de lei
Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um que deva tramitar em regime de urgência)
Ministério, a exposição de motivos deverá ser assinada por to- Mencionar:
dos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de - Se o problema configura calamidade pública;
interministerial. - Por que é indispensável a vigência imediata;
- Se se trata de problema cuja causa ou agravamento não
tenham sido previstos;
- Se se trata de desenvolvimento extraordinário de situação
— Forma e Estrutura já prevista.
Formalmente, a exposição de motivos tem a apresentação
do padrão ofício (v. 3. O Padrão Ofício). O anexo que acompanha 6. Impacto sobre o meio ambiente (sempre que o ato ou
a exposição de motivos que proponha alguma medida ou apre- medida proposta possa vir a tê-lo)
sente projeto de ato normativo, segue o modelo descrito adian- 7. Alterações propostas
te. A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apre- 8. Síntese do parecer do órgão jurídico
senta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que Com base em avaliação do ato normativo ou da medida pro-
tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que posta à luz das questões levantadas no item 10.4.3.
proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo. A falta ou insuficiência das informações prestadas pode
No primeiro caso, o da exposição de motivos que simples- acarretar, a critério da Subchefia para Assuntos Jurídicos da
mente leva algum assunto ao conhecimento do Presidente da Casa Civil, a devolução do projeto de ato normativo para que
República, sua estrutura segue o modelo antes referido para o se complete o exame ou se reformule a proposta. O preenchi-
padrão ofício. mento obrigatório do anexo para as exposições de motivos que
Já a exposição de motivos que submeta à consideração do proponham a adoção de alguma medida ou a edição de ato nor-
Presidente da República a sugestão de alguma medida a ser ado- mativo tem como finalidade:
tada ou a que lhe apresente projeto de ato normativo – embora a) permitir a adequada reflexão sobre o problema que se
sigam também a estrutura do padrão ofício –, além de outros busca resolver;
comentários julgados pertinentes por seu autor, devem, obriga- b) ensejar mais profunda avaliação das diversas causas do
toriamente, apontar: problema e dos efeitos que pode ter a adoção da medida ou a
a) na introdução: o problema que está a reclamar a adoção edição do ato, em consonância com as questões que devem ser
da medida ou do ato normativo proposto; analisadas na elaboração de proposições normativas no âmbito
b) no desenvolvimento: o porquê de ser aquela medida ou do Poder Executivo (v. 10.4.3.).
aquele ato normativo o ideal para se solucionar o problema, e c) conferir perfeita transparência aos atos propostos.
eventuais alternativas existentes para equacioná-lo;
c) na conclusão, novamente, qual medida deve ser tomada, Dessa forma, ao atender às questões que devem ser ana-
ou qual ato normativo deve ser editado para solucionar o pro- lisadas na elaboração de atos normativos no âmbito do Poder
blema. Executivo, o texto da exposição de motivos e seu anexo comple-
mentam-se e formam um todo coeso: no anexo, encontramos
Deve, ainda, trazer apenso o formulário de anexo à exposi- uma avaliação profunda e direta de toda a situação que está a
ção de motivos, devidamente preenchido, de acordo com o se- reclamar a adoção de certa providência ou a edição de um ato
guinte modelo previsto no Anexo II do Decreto no 4.176, de 28 normativo; o problema a ser enfrentado e suas causas; a solu-
de março de 2002. ção que se propõe, seus efeitos e seus custos; e as alternativas

34
LÍNGUA PORTUGUESA
existentes. O texto da exposição de motivos fica, assim, reser- coroam o processo desenvolvido no âmbito do Poder Executivo,
vado à demonstração da necessidade da providência proposta: que abrange minucioso exame técnico, jurídico e econômico-fi-
por que deve ser adotada e como resolverá o problema. Nos nanceiro das matérias objeto das proposições por elas encami-
casos em que o ato proposto for questão de pessoal (nomea- nhadas. Tais exames materializam-se em pareceres dos diversos
ção, promoção, ascensão, transferência, readaptação, reversão, órgãos interessados no assunto das proposições, entre eles o
aproveitamento, reintegração, recondução, remoção, exonera- da Advocacia-Geral da União. Mas, na origem das propostas, as
ção, demissão, dispensa, disponibilidade, aposentadoria), não é análises necessárias constam da exposição de motivos do órgão
necessário o encaminhamento do formulário de anexo à expo- onde se geraram (v. 3.1. Exposição de Motivos) – exposição que
sição de motivos. acompanhará, por cópia, a mensagem de encaminhamento ao
Ressalte-se que: Congresso.
– A síntese do parecer do órgão de assessoramento jurídico b) encaminhamento de medida provisória.
não dispensa o encaminhamento do parecer completo; Para dar cumprimento ao disposto no art. 62 da Constitui-
– O tamanho dos campos do anexo à exposição de motivos ção, o Presidente da República encaminha mensagem ao Con-
pode ser alterado de acordo com a maior ou menor extensão gresso, dirigida a seus membros, com aviso para o Primeiro
dos comentários a serem ali incluídos. Secretário do Senado Federal, juntando cópia da medida provi-
sória, autenticada pela Coordenação de Documentação da Pre-
Ao elaborar uma exposição de motivos, tenha presente que sidência da República.
a atenção aos requisitos básicos da redação oficial (clareza, con- c) indicação de autoridades.
cisão, impessoalidade, formalidade, padronização e uso do pa- As mensagens que submetem ao Senado Federal a indicação
drão culto de linguagem) deve ser redobrada. A exposição de de pessoas para ocuparem determinados cargos (magistrados
motivos é a principal modalidade de comunicação dirigida ao dos Tribunais Superiores, Ministros do TCU, Presidentes e Dire-
Presidente da República pelos Ministros. Além disso, pode, em tores do Banco Central, Procurador-Geral da República, Chefes
certos casos, ser encaminhada cópia ao Congresso Nacional ou de Missão Diplomática, etc.) têm em vista que a Constituição,
ao Poder Judiciário ou, ainda, ser publicada no Diário Oficial da no seu art. 52, incisos III e IV, atribui àquela Casa do Congresso
União, no todo ou em parte. Nacional competência privativa para aprovar a indicação. O cur-
riculum vitae do indicado, devidamente assinado, acompanha a
Mensagem mensagem.
d) pedido de autorização para o Presidente ou o Vice-Presi-
— Definição e Finalidade dente da República se ausentarem do País por mais de 15 dias.
É o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos Trata-se de exigência constitucional (Constituição, art. 49, III, e
Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas pelo 83), e a autorização é da competência privativa do Congresso
Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar so- Nacional. O Presidente da República, tradicionalmente, por cor-
bre fato da Administração Pública; expor o plano de governo por tesia, quando a ausência é por prazo inferior a 15 dias, faz uma
ocasião da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congres- comunicação a cada Casa do Congresso, enviando-lhes mensa-
so Nacional matérias que dependem de deliberação de suas Ca- gens idênticas.
sas; apresentar veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de e) encaminhamento de atos de concessão e renovação de
tudo quanto seja de interesse dos poderes públicos e da Nação. concessão de emissoras de rádio e TV. A obrigação de submeter
Minuta de mensagem pode ser encaminhada pelos Ministérios tais atos à apreciação do Congresso Nacional consta no inciso
à Presidência da República, a cujas assessorias caberá a redação XII do artigo 49 da Constituição. Somente produzirão efeitos le-
final. As mensagens mais usuais do Poder Executivo ao Congres- gais a outorga ou renovação da concessão após deliberação do
so Nacional têm as seguintes finalidades: Congresso Nacional (Constituição, art. 223, § 3o). Descabe pe-
a) encaminhamento de projeto de lei ordinária, comple- dir na mensagem a urgência prevista no art. 64 da Constituição,
mentar ou financeira. Os projetos de lei ordinária ou comple- porquanto o § 1o do art. 223 já define o prazo da tramitação.
mentar são enviados em regime normal (Constituição, art. 61) Além do ato de outorga ou renovação, acompanha a mensagem
ou de urgência (Constituição, art. 64, §§ 1o a 4o). Cabe lembrar o correspondente processo administrativo.
que o projeto pode ser encaminhado sob o regime normal e f) encaminhamento das contas referentes ao exercício an-
mais tarde ser objeto de nova mensagem, com solicitação de terior. O Presidente da República tem o prazo de sessenta dias
urgência. Em ambos os casos, a mensagem se dirige aos Mem- após a abertura da sessão legislativa para enviar ao Congresso
bros do Congresso Nacional, mas é encaminhada com aviso do Nacional as contas referentes ao exercício anterior (Constitui-
Chefe da Casa Civil da Presidência da República ao Primeiro Se- ção, art. 84, XXIV), para exame e parecer da Comissão Mista per-
cretário da Câmara dos Deputados, para que tenha início sua manente (Constituição, art. 166, § 1o), sob pena de a Câmara
tramitação (Constituição, art. 64, caput). Quanto aos projetos dos Deputados realizar a tomada de contas (Constituição, art.
de lei financeira (que compreendem plano plurianual, diretri- 51, II), em procedimento disciplinado no art. 215 do seu Regi-
zes orçamentárias, orçamentos anuais e créditos adicionais), mento Interno.
as mensagens de encaminhamento dirigem-se aos Membros do g) mensagem de abertura da sessão legislativa.
Congresso Nacional, e os respectivos avisos são endereçados ao Ela deve conter o plano de governo, exposição sobre a situa-
Primeiro Secretário do Senado Federal. A razão é que o art. 166 ção do País e solicitação de providências que julgar necessárias
da Constituição impõe a deliberação congressual sobre as leis fi- (Constituição, art. 84, XI). O portador da mensagem é o Chefe
nanceiras em sessão conjunta, mais precisamente, “na forma do da Casa Civil da Presidência da República. Esta mensagem difere
regimento comum”. E à frente da Mesa do Congresso Nacional das demais porque vai encadernada e é distribuída a todos os
está o Presidente do Senado Federal (Constituição, art. 57, § 5o), Congressistas em forma de livro.
que comanda as sessões conjuntas. As mensagens aqui tratadas

35
LÍNGUA PORTUGUESA
h) comunicação de sanção (com restituição de autógrafos). d) o local e a data, verticalmente a 2 cm do final do texto,
Esta mensagem é dirigida aos Membros do Congresso Na- e horizontalmente fazendo coincidir seu final com a margem di-
cional, encaminhada por Aviso ao Primeiro Secretário da Casa reita.
onde se originaram os autógrafos. Nela se informa o número A mensagem, como os demais atos assinados pelo Presiden-
que tomou a lei e se restituem dois exemplares dos três autógra- te da República, não traz identificação de seu signatário.
fos recebidos, nos quais o Presidente da República terá aposto o
despacho de sanção. Telegrama
i) comunicação de veto.
Dirigida ao Presidente do Senado Federal (Constituição, art. — Definição e Finalidade
66, § 1o), a mensagem informa sobre a decisão de vetar, se o Com o fito de uniformizar a terminologia e simplificar os
veto é parcial, quais as disposições vetadas, e as razões do veto. procedimentos burocráticos, passa a receber o título de telegra-
Seu texto vai publicado na íntegra no Diário Oficial da União (v. ma toda comunicação oficial expedida por meio de telegrafia,
4.2. Forma e Estrutura), ao contrário das demais mensagens, telex, etc. Por tratar-se de forma de comunicação dispendiosa
cuja publicação se restringe à notícia do seu envio ao Poder Le- aos cofres públicos e tecnologicamente superada, deve restrin-
gislativo. (v. 19.6.Veto) gir-se o uso do telegrama apenas àquelas situações que não seja
j) outras mensagens. possível o uso de correio eletrônico ou fax e que a urgência jus-
Também são remetidas ao Legislativo com regular frequên- tifique sua utilização e, também em razão de seu custo elevado,
cia mensagens com: esta forma de comunicação deve pautar-se pela concisão (v. 1.4.
– Encaminhamento de atos internacionais que acarretam Concisão e Clareza).
encargos ou compromissos gravosos (Constituição, art. 49, I);
– Pedido de estabelecimento de alíquotas aplicáveis às ope- — Forma e Estrutura
rações e prestações interestaduais e de exportação Não há padrão rígido, devendo-se seguir a forma e a estru-
(Constituição, art. 155, § 2o, IV); tura dos formulários disponíveis nas agências dos Correios e em
– Proposta de fixação de limites globais para o montante da seu sítio na Internet.
dívida consolidada (Constituição, art. 52, VI);
– Pedido de autorização para operações financeiras exter- Fax
nas (Constituição, art. 52, V); e outros.
Entre as mensagens menos comuns estão as de: — Definição e Finalidade
– Convocação extraordinária do Congresso Nacional (Cons- O fax (forma abreviada já consagrada de fac-símile) é uma
tituição, art. 57, § 6o); forma de comunicação que está sendo menos usada devido ao
– Pedido de autorização para exonerar o Procurador-Geral desenvolvimento da Internet. É utilizado para a transmissão de
da República (art. 52, XI, e 128, § 2o); mensagens urgentes e para o envio antecipado de documentos,
– Pedido de autorização para declarar guerra e decretar mo- de cujo conhecimento há premência, quando não há condições
bilização nacional (Constituição, art. 84, XIX); de envio do documento por meio eletrônico. Quando necessá-
– Pedido de autorização ou referendo para celebrar a paz rio o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de
(Constituição, art. 84, XX); praxe. Se necessário o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia
– Justificativa para decretação do estado de defesa ou de xerox do fax e não com o próprio fax, cujo papel, em certos mo-
sua prorrogação (Constituição, art. 136, § 4o); delos, se deteriora rapidamente.
– Pedido de autorização para decretar o estado de sítio
(Constituição, art. 137); — Forma e Estrutura
– Relato das medidas praticadas na vigência do estado de Os documentos enviados por fax mantêm a forma e a estru-
sítio ou de defesa (Constituição, art. 141, parágrafo único); tura que lhes são inerentes. É conveniente o envio, juntamente
– Proposta de modificação de projetos de leis financeiras com o documento principal, de folha de rosto, i. é., de pequeno
(Constituição, art. 166, § 5o); formulário com os dados de identificação da mensagem a ser
– Pedido de autorização para utilizar recursos que ficarem enviada, conforme exemplo a seguir:
sem despesas correspondentes, em decorrência de veto, emen-
da ou rejeição do projeto de lei orçamentária anual (Constitui- Correio Eletrônico
ção, art. 166, § 8o);
– Pedido de autorização para alienar ou conceder terras pú- — Definição e finalidade
blicas com área superior a 2.500 ha (Constituição, art. 188, § Correio eletrônico (“e-mail”), por seu baixo custo e celeri-
1o); etc. dade, transformou-se na principal forma de comunicação para
transmissão de documentos.
— Forma e Estrutura
As mensagens contêm: — Forma e Estrutura
a) a indicação do tipo de expediente e de seu número, hori- Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é
zontalmente, no início da margem esquerda: sua flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida para
Mensagem no sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem in-
b) vocativo, de acordo com o pronome de tratamento e o compatível com uma comunicação oficial (v. 1.2 A Linguagem
cargo do destinatário, horizontalmente, no início da margem es- dos Atos e Comunicações Oficiais). O campo assunto do formu-
querda; Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal, lário de correio eletrônico mensagem deve ser preenchido de
c) o texto, iniciando a 2 cm do vocativo; modo a facilitar a organização documental tanto do destinatário
quanto do remetente. Para os arquivos anexados à mensagem

36
LÍNGUA PORTUGUESA
deve ser utilizado, preferencialmente, o formato Rich Text. A Do enunciado “O tema da diversidade tem a ver com o tema
mensagem que encaminha algum arquivo deve trazer informa- identidade.” (ref. 1), pode-se inferir que
ções mínimas sobre seu conteúdo. Sempre que disponível, de- I – “Diversidade e identidade” fazem parte do mesmo cam-
ve-se utilizar recurso de confirmação de leitura. Caso não seja po semântico, sendo a palavra “identidade” considerada um hi-
disponível, deve constar na mensagem o pedido de confirmação perônimo, em relação à “diversidade”.
de recebimento. II – há uma relação de intercomplementariedade entre “di-
versidade e identidade”, em função do efeito de sentido que se
—Valor documental instaura no paradigma argumentativo do enunciado.
Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de III – a expressão “tem a ver” pode ser considerada de uso
correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa coloquial e indica nesse contexto um vínculo temático entre “di-
ser aceito como documento original, é necessário existir certi- versidade e identidade”.
ficação digital que ateste a identidade do remetente, na forma
estabelecida em lei. Marque a alternativa abaixo que apresenta a(s) proposi-
ção(ões) verdadeira(s).
(A) I, apenas
(B) II e III
EXERCÍCIOS (C) III, apenas
(D) II, apenas
(E) I e II
1. (FMPA – MG)
Assinale o item em que a palavra destacada está incorreta- 3. (UNIFOR CE – 2006)
mente aplicada: Dia desses, por alguns momentos, a cidade parou. As tele-
(A) Trouxeram-me um ramalhete de flores fragrantes. visões hipnotizaram os espectadores que assistiram, sem piscar,
(B) A justiça infligiu pena merecida aos desordeiros. ao resgate de uma mãe e de uma filha. Seu automóvel caíra em
(C) Promoveram uma festa beneficiente para a creche. um rio. Assisti ao evento em um local público. Ao acabar o no-
(D) Devemos ser fieis aos cumprimentos do dever. ticiário, o silêncio em volta do aparelho se desfez e as pessoas
(E) A cessão de terras compete ao Estado. retomaram as suas ocupações habituais. Os celulares recome-
çaram a tocar. Perguntei-me: indiferença? Se tomarmos a de-
2. (UEPB – 2010) finição ao pé da letra, indiferença é sinônimo de desdém, de
Um debate sobre a diversidade na escola reuniu alguns, insensibilidade, de apatia e de negligência. Mas podemos consi-
dos maiores nomes da educação mundial na atualidade. derá-la também uma forma de ceticismo e desinteresse, um “es-
tado físico que não apresenta nada de particular”; enfim, explica
Carlos Alberto Torres o Aurélio, uma atitude de neutralidade.
1
O tema da diversidade tem a ver com o tema identidade. Conclusão? Impassíveis diante da emoção, imperturbáveis
Portanto, 2quando você discute diversidade, um tema que cabe diante da paixão, imunes à angústia, vamos hoje burilando nos-
muito no 3pensamento pós-modernista, está discutindo o tema sa indiferença. Não nos indignamos mais! À distância de tudo,
da 4diversidade não só em ideias contrapostas, mas também em seguimos surdos ao barulho do mundo lá fora. Dos movimen-
5
identidades que se mexem, que se juntam em uma só pessoa. E tos de massa “quentes” (lembram-se do “Diretas Já”?) onde nos
6
este é um processo de aprendizagem. Uma segunda afirmação fundíamos na igualdade, passamos aos gestos frios, nos quais
é 7que a diversidade está relacionada com a questão da educa- indiferença e distância são fenômenos inseparáveis. Neles, ape-
ção 8e do poder. Se a diversidade fosse a simples descrição 9de- sar de iguais, somos estrangeiros ao destino de nossos seme-
mográfica da realidade e a realidade fosse uma boa articulação lhantes. […]
10
dessa descrição demográfica em termos de constante articula- (Mary Del Priore. Histórias do cotidiano. São Paulo: Contex-
ção 11democrática, você não sentiria muito a presença do tema to, 2001. p.68)
12
diversidade neste instante. Há o termo diversidade porque há
13
uma diversidade que implica o uso e o abuso de poder, de uma Dentre todos os sinônimos apresentados no texto para o
14
perspectiva ética, religiosa, de raça, de classe. vocábulo indiferença, o que melhor se aplica a ele, consideran-
[…] do-se o contexto, é
(A) ceticismo.
Rosa Maria Torres (B) desdém.
15
O tema da diversidade, como tantos outros, hoje em dia, (C) apatia.
abre 16muitas versões possíveis de projeto educativo e de pro- (D) desinteresse.
jeto 17político e social. É uma bandeira pela qual temos que (E) negligência.
reivindicar, 18e pela qual temos reivindicado há muitos anos, a
necessidade 19de reconhecer que há distinções, grupos, valores 4. (CASAN – 2015) Observe as sentenças.
distintos, e 20que a escola deve adequar-se às necessidades de I. Com medo do escuro, a criança ascendeu a luz.
cada grupo. 21Porém, o tema da diversidade também pode dar II. É melhor deixares a vida fluir num ritmo tranquilo.
lugar a uma 22série de coisas indesejadas. III. O tráfico nas grandes cidades torna-se cada dia mais difí-
[…] cil para os carros e os pedestres.
Adaptado da Revista Pátio, Diversidade na educação: limi-
tes e possibilidades. Ano V, nº 20, fev./abr. 2002, p. 29.

37
LÍNGUA PORTUGUESA
Assinale a alternativa correta quanto ao uso adequado de Tais expressões exercem, respectivamente, a função sintá-
homônimos e parônimos. tica de:
(A) objeto indireto e aposto
(A) I e III. (B) objeto indireto e predicativo do sujeito
(B) II e III. (C) complemento nominal e adjunto adverbial de modo
(C) II apenas. (D) complemento nominal e aposto
(D) Todas incorretas. (E) adjunto adnominal e adjunto adverbial de modo

5. (UFMS – 2009) 7. (PUC-SP) Dê a função sintática do termo destacado em:


Leia o artigo abaixo, intitulado “Uma questão de tempo”, de “Depressa esqueci o Quincas Borba”.
Miguel Sanches Neto, extraído da Revista Nova Escola Online, (A) objeto direto
em 30/09/08. Em seguida, responda. (B) sujeito
“Demorei para aprender ortografia. E essa aprendizagem (C) agente da passiva
contou com a ajuda dos editores de texto, no computador. (D) adjunto adverbial
Quando eu cometia uma infração, pequena ou grande, o progra- (E) aposto
ma grifava em vermelho meu deslize. Fui assim me obrigando a
escrever minimamente do jeito correto. 8. (MACK-SP) Aponte a alternativa que expressa a função
Mas de meu tempo de escola trago uma grande descoberta, sintática do termo destacado: “Parece enfermo, seu irmão”.
a do monstro ortográfico. O nome dele era Qüeqüi Güegüi. Sim, (A) Sujeito
esse animal existiu de fato. A professora de Português nos disse (B) Objeto direto
que devíamos usar trema nas sílabas qüe, qüi, güe e güi quando (C) Predicativo do sujeito
o u é pronunciado. Fiquei com essa expressão tão sonora quanto (D) Adjunto adverbial
enigmática na cabeça. (E) Adjunto adnominal
Quando meditava sobre algum problema terrível – pois na
pré-adolescência sempre temos problemas terríveis –, eu tenta- 9. (OSEC-SP) “Ninguém parecia disposto ao trabalho
va me libertar da coisa repetindo em voz alta: “Qüeqüi Güegüi”. naque-la manhã de segunda-feira”.
Se numa prova de Matemática eu não conseguia me lembrar de (A) Predicativo
uma fórmula, lá vinham as palavras mágicas. (B) Complemento nominal
Um desses problemas terríveis, uma namorada, ouvindo mi- (C) Objeto indireto
nha evocação, quis saber o que era esse tal de Qüeqüi Güegüi. (D) Adjunto adverbial
– Você nunca ouviu falar nele? – perguntei. (E) Adjunto adnominal
– Ainda não fomos apresentados – ela disse.
– É o abominável monstro ortográfico – fiz uma falsa voz de 10. (MACK-SP) “Não se fazem motocicletas como
terror. antiga-mente”. O termo destacado funciona como:
– E ele faz o quê? (A) Objeto indireto
– Atrapalha a gente na hora de escrever. (B) Objeto direto
Ela riu e se desinteressou do assunto. Provavelmente não (C) Adjunto adnominal
sabia usar trema nem se lembrava da regrinha. (D) Vocativo
Aos poucos, eu me habituei a colocar as letras e os sinais no (E) Sujeito
lugar certo. Como essa aprendizagem foi demorada, não sei se
conseguirei escrever de outra forma – agora que teremos novas 11. (UFRJ) Esparadrapo
regras. Por isso, peço desde já que perdoem meus futuros erros, Há palavras que parecem exatamente o que querem dizer.
que servirão ao menos para determinar minha idade. “Esparadrapo”, por exemplo. Quem quebrou a cara fica mesmo
– Esse aí é do tempo do trema.” com cara de esparadrapo. No entanto, há outras, aliás de nobre
sentido, que parecem estar insinuando outra coisa. Por exem-
Assinale a alternativa correta. plo, “incunábulo*”.
(A) As expressões “monstro ortográfico” e “abominável mons- QUINTANA, Mário. Da preguiça como método de trabalho.
tro ortográfico” mantêm uma relação hiperonímica entre si. Rio de Janeiro, Globo. 1987. p. 83.
(B) Em “– Atrapalha a gente na hora de escrever”, conforme a *Incunábulo: [do lat. Incunabulu; berço]. Adj. 1- Diz-se do
norma culta do português, a palavra “gente” pode ser substitu- livro impresso até o ano de 1500./ S.m. 2 – Começo, origem.
ída por “nós”.
(C) A frase “Fui-me obrigando a escrever minimamente do jeito A locução “No entanto” tem importante papel na estrutura
correto”, o emprego do pronome oblíquo átono está correto de do texto. Sua função resume-se em:
acordo com a norma culta da língua portuguesa. (A) ligar duas orações que querem dizer exatamente a mesma
(D) De acordo com as explicações do autor, as palavras pregüiça coisa.
e tranqüilo não serão mais grafadas com o trema. (B) separar acontecimentos que se sucedem cronologicamente.
(E) A palavra “evocação” (3° parágrafo) pode ser substituída no (C) ligar duas observações contrárias acerca do mesmo assunto.
texto por “recordação”, mas haverá alteração de sentido. (D) apresentar uma alternativa para a primeira ideia expressa.
(E) introduzir uma conclusão após os argumentos apresentados.
6. (FMU) Leia as expressões destacadas na seguinte passa-
gem: “E comecei a sentir falta das pequenas brigas por causa do
tempero na salada – o meu jeito de querer bem.”

38
LÍNGUA PORTUGUESA
12. (IBFC – 2013) Leia as sentenças: Decidi apenas reunir filhos e amigos mais chegados (tarefa
difícil, escolher), e deixar aquela festona para outra década.”
É preciso que ela se encante por mim! LUFT, 2014, p.104-105
Chegou à conclusão de que saiu no prejuízo.
Leia atentamente a oração destacada no período a seguir:
Assinale abaixo a alternativa que classifica, correta e res- “(...) pois ainda escutava em mim as risadas da menina
pectivamente, as orações subordinadas substantivas (O.S.S.) que queria correr nas lajes do pátio (...)”
destacadas:
(A) O.S.S. objetiva direta e O.S.S. objetiva indireta. Assinale a alternativa em que a oração em negrito e subli-
(B) O.S.S. subjetiva e O.S.S. completiva nominal nhada apresenta a mesma classificação sintática da destacada
(C) O.S.S. subjetiva e O.S.S. objetiva indireta. acima.
(D) O.S.S. objetiva direta e O.S.S. completiva nominal. (A) “A menina que levava castigo na escola porque ria fora
de hora (...)”
13. (ADVISE-2013) Todos os enunciados abaixo correspon- (B) “(...) e deixava cair com estrondo sabendo que os meninos,
dem a orações subordinadas substantivas, exceto: mais que as meninas, se botariam de quatro catando lápis,
(A) Espero sinceramente isto: que vocês não faltem mais. ca-netas, borracha (...)”
(B) Desejo que ela volte. (C) “(...) não queria que soubessem que ela (...)”
(C) Gostaria de que todos me apoiassem. (D) “Logo me dei conta de que hoje setenta é quase banal
(D) Tenho medo de que esses assessores me traiam. (...)”
(E) Os jogadores que foram convocados apresentaram-se ontem. 16. (FUNRIO – 2012) “Todos querem que nós
____________________.”
14. (PUC-SP) “Pode-se dizer que a tarefa é puramente for-
mal.” Apenas uma das alternativas completa coerente e adequa-
No texto acima temos uma oração destacada que é damente a frase acima. Assinale-a.
________e um “se” que é . ________. (A) desfilando pelas passarelas internacionais.
(A) substantiva objetiva direta, partícula apassivadora (B) desista da ação contra aquele salafrário.
(B) substantiva predicativa, índice de indeterminação do sujeito (C) estejamos prontos em breve para o trabalho.
(C) relativa, pronome reflexivo (D) recuperássemos a vaga de motorista da firma.
(D) substantiva subjetiva, partícula apassivadora (E) tentamos aquele emprego novamente.
(E) adverbial consecutiva, índice de indeterminação do sujeito
17. (ITA - 1997) Assinale a opção que completa corretamen-
15. (UEMG) “De repente chegou o dia dos meus setenta te as lacunas do texto a seguir:
anos. “Todas as amigas estavam _______________ ansio-
Fiquei entre surpresa e divertida, setenta, eu? Mas tudo pa- sas _______________ ler os jornais, pois foram informa-
rece ter sido ontem! No século em que a maioria quer ter vinte das de que as críticas foram ______________ indulgentes
anos (trinta a gente ainda aguenta), eu estava fazendo setenta. ______________ rapaz, o qual, embora tivesse mais aptidão
Pior: duvidando disso, pois ainda escutava em mim as risadas da _______________ ciências exatas, demonstrava uma certa pro-
menina que queria correr nas lajes do pátio quando chovia, que pensão _______________ arte.”
pescava lambaris com o pai no laguinho, que chorava em filme (A) meio - para - bastante - para com o - para - para a
do Gordo e Magro, quando a mãe a levava à matinê. (Eu chorava (B) muito - em - bastante - com o - nas - em
alto com pena dos dois, a mãe ficava furiosa.) (C) bastante - por - meias - ao - a - à
A menina que levava castigo na escola porque ria fora de (D) meias - para - muito - pelo - em - por
hora, porque se distraía olhando o céu e nuvens pela janela em (E) bem - por - meio - para o - pelas – na
lugar de prestar atenção, porque devagarinho empurrava o es-
tojo de lápis até a beira da mesa, e deixava cair com estrondo 18. (Mackenzie) Há uma concordância inaceitável de acordo
sabendo que os meninos, mais que as meninas, se botariam de com a gramática:
quatro catando lápis, canetas, borracha – as tediosas regras de I - Os brasileiros somos todos eternos sonhadores.
ordem e quietude seriam rompidas mais uma vez. II - Muito obrigadas! – disseram as moças.
Fazendo a toda hora perguntas loucas, ela aborrecia os pro- III - Sr. Deputado, V. Exa. Está enganada.
fessores e divertia a turma: apenas porque não queria ser di- IV - A pobre senhora ficou meio confusa.
ferente, queria ser amada, queria ser natural, não queria que V - São muito estudiosos os alunos e as alunas deste curso.
soubessem que ela, doze anos, além de histórias em quadrinhos
e novelinhas açucaradas, lia teatro grego – sem entender – e (A) em I e II
achava emocionante. (B) apenas em IV
(E até do futuro namorado, aos quinze anos, esconderia (C) apenas em III
isso.) (D) em II, III e IV
O meu aniversário: primeiro pensei numa grande celebra- (E) apenas em II
ção, eu que sou avessa a badalações e gosto de grupos bem pe-
quenos. Mas pensei, setenta vale a pena! Afinal já é bastante
tempo! Logo me dei conta de que hoje setenta é quase banal,
muita gente com oitenta ainda está ativo e presente.

39
LÍNGUA PORTUGUESA
19. (CESCEM–SP) Já ___ anos, ___ neste local árvores e flo- 25. (TRE-MG) Observe a regência dos verbos das frases
res. Hoje, só ___ ervas daninhas. reescritas nos itens a seguir:
(A) fazem, havia, existe I - Chamaremos os inimigos de hipócritas. Chamaremos aos
(B) fazem, havia, existe inimigos de hipócritas;
(C) fazem, haviam, existem II - Informei-lhe o meu desprezo por tudo. Informei-lhe do
(D) faz, havia, existem meu desprezo por tudo;
(E) faz, havia, existe III - O funcionário esqueceu o importante acontecimento. O
funcionário esqueceu-se do importante acontecimento.
20. (IBGE) Indique a opção correta, no que se refere à con-
cordância verbal, de acordo com a norma culta: A frase reescrita está com a regência correta em:
(A) Haviam muitos candidatos esperando a hora da prova. (A) I apenas
(B) Choveu pedaços de granizo na serra gaúcha. (B) II apenas
(C) Faz muitos anos que a equipe do IBGE não vem aqui. (C) III apenas
(D) Bateu três horas quando o entrevistador chegou. (D) I e III apenas
(E) Fui eu que abriu a porta para o agente do censo. (E) I, II e III

21. (FUVEST – 2001) A única frase que NÃO apresenta des- 26. (INSTITUTO AOCP/2017 – EBSERH) Assinale a alterna-
vio em relação à regência (nominal e verbal) recomendada pela tiva em que todas as palavras estão adequadamente grafadas.
norma culta é: (A) Silhueta, entretenimento, autoestima.
(A) O governador insistia em afirmar que o assunto principal (B) Rítimo, silueta, cérebro, entretenimento.
seria “as grandes questões nacionais”, com o que discorda- (C) Altoestima, entreterimento, memorização, silhueta.
vam líderes pefelistas. (D) Célebro, ansiedade, auto-estima, ritmo.
(B) Enquanto Cuba monopolizava as atenções de um clube, (E) Memorização, anciedade, cérebro, ritmo.
do qual nem sequer pediu para integrar, a situação dos ou-
tros países passou despercebida. 27. (ALTERNATIVE CONCURSOS/2016 – CÂMARA DE BAN-
(C) Em busca da realização pessoal, profissionais escolhem a DEIRANTES-SC) Algumas palavras são usadas no nosso cotidiano
dedo aonde trabalhar, priorizando à empresas com atuação de forma incorreta, ou seja, estão em desacordo com a norma
social. culta padrão. Todas as alternativas abaixo apresentam palavras
(D) Uma família de sem-teto descobriu um sofá deixado por escritas erroneamente, exceto em:
um morador não muito consciente com a limpeza da cidade.
(A) Na bandeija estavam as xícaras antigas da vovó.
(E) O roteiro do filme oferece uma versão de como consegui-
(B) É um privilégio estar aqui hoje.
mos um dia preferir a estrada à casa, a paixão e o sonho à
(C) Fiz a sombrancelha no salão novo da cidade.
regra, a aventura à repetição.
(D) A criança estava com desinteria.
(E) O bebedoro da escola estava estragado.
22. (FUVEST) Assinale a alternativa que preenche correta-
mente as lacunas correspondentes.
28. (SEDUC/SP – 2018) Preencha as lacunas das frases abai-
A arma ___ se feriu desapareceu.
xo com “por que”, “porque”, “por quê” ou “porquê”. Depois,
Estas são as pessoas ___ lhe falei.
assinale a alternativa que apresenta a ordem correta, de cima
Aqui está a foto ___ me referi.
para baixo, de classificação.
Encontrei um amigo de infância ___ nome não me lembrava.
“____________ o céu é azul?”
Passamos por uma fazenda ___ se criam búfalos.
“Meus pais chegaram atrasados, ____________ pegaram
trânsito pelo caminho.”
(A) que, de que, à que, cujo, que.
“Gostaria muito de saber o ____________ de você ter falta-
(B) com que, que, a que, cujo qual, onde.
do ao nosso encontro.”
(C) com que, das quais, a que, de cujo, onde.
“A Alemanha é considerada uma das grandes potências
(D) com a qual, de que, que, do qual, onde.
mundiais. ____________?”
(E) que, cujas, as quais, do cujo, na cuja.
(A) Porque – porquê – por que – Por quê
(B) Porque – porquê – por que – Por quê
23. (FESP) Observe a regência verbal e assinale a opção falsa:
(A) Avisaram-no que chegaríamos logo. (C) Por que – porque – porquê – Por quê
(B) Informei-lhe a nota obtida. (D) Porquê – porque – por quê – Por que
(C) Os motoristas irresponsáveis, em geral, não obedecem (E) Por que – porque – por quê – Porquê
aos sinais de trânsito.
(D) Há bastante tempo que assistimos em São Paulo. 29. (CEITEC – 2012) Os vocábulos Emergir e Imergir são pa-
(E) Muita gordura não implica saúde. rônimos: empregar um pelo outro acarreta grave confusão no
que se quer expressar. Nas alternativas abaixo, só uma apresen-
24. (IBGE) Assinale a opção em que todos os adjetivos de- ta uma frase em que se respeita o devido sentido dos vocábulos,
vem ser seguidos pela mesma preposição: selecionando convenientemente o parônimo adequado à frase
(A) ávido / bom / inconsequente elaborada. Assinale-a.
(B) indigno / odioso / perito (A) A descoberta do plano de conquista era eminente.
(C) leal / limpo / oneroso (B) O infrator foi preso em flagrante.
(D) orgulhoso / rico / sedento (C) O candidato recebeu despensa das duas últimas provas.
(D) O metal delatou ao ser submetido à alta temperatura.
(E) oposto / pálido / sábio
(E) Os culpados espiam suas culpas na prisão.

40
LÍNGUA PORTUGUESA
30. (FMU) Assinale a alternativa em que todas as palavras 36. (IFAL - 2011)
estão grafadas corretamente.
(A) paralisar, pesquisar, ironizar, deslizar Parágrafo do Editorial “Nossas crianças, hoje”.
(B) alteza, empreza, francesa, miudeza
(C) cuscus, chimpazé, encharcar, encher “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão im-
(D) incenso, abcesso, obsessão, luxação portante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos senti-
(E) chineza, marquês, garrucha, meretriz mos na pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimento
da infância mais pobre. Nosso Estado e nossa região padece de
31. (VUNESP/2017 – TJ-SP) Assinale a alternativa em que índices vergonhosos no tocante à mortalidade infantil, à edu-
todas as palavras estão corretamente grafadas, considerando-se cação básica e tantos outros indicadores terríveis.” (Gazeta de
as regras de acentuação da língua padrão. Alagoas, seção Opinião, 12.10.2010)
(A) Remígio era homem de carater, o que surpreendeu D.
Firmina, que aceitou o matrimônio de sua filha. O primeiro período desse parágrafo está corretamente pon-
(B) O consôlo de Fadinha foi ver que Remígio queria despo- tuado na alternativa:
sa-la apesar de sua beleza ter ido embora depois da doença. (A) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão
(C) Com a saúde de Fadinha comprometida, Remígio não importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos,
conseguia se recompôr e viver tranquilo. sentimos na pele e na alma a dor dos mais altos índices de
(D) Com o triúnfo do bem sobre o mal, Fadinha se recupe- sofrimento da infância mais pobre.”
rou, Remígio resolveu pedí-la em casamento. (B) “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão
(E) Fadinha não tinha mágoa por não ser mais tão bela; ago- importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos
ra, interessava-lhe viver no paraíso com Remígio. sentimos, na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de
sofrimento da infância mais pobre.”
32. (PUC-RJ) Aponte a opção em que as duas palavras são (C) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão
acentuadas devido à mesma regra: importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos,
(A) saí – dói sentimos na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de
(B) relógio – própria sofrimento da infância mais pobre.”
(C) só – sóis (D) “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão
(D) dá – custará importante encontro, mas, enquanto nordestinos e alagoanos
(E) até – pé sentimos, na pele e na alma a dor dos mais altos índices de
sofrimento, da infância mais pobre.”
33. (UEPG ADAPTADA) Sobre a acentuação gráfica das pala- (E) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão
vras agradável, automóvel e possível, assinale o que for correto. importante encontro, mas, enquanto nordestinos e alagoa-
(A) Em razão de a letra L no final das palavras transferir a toni- nos, sentimos, na pele e na alma, a dor dos mais altos índices
cidade para a última sílaba, é necessário que se marque grafica- de sofrimento da infância mais pobre.”
mente a sílaba tônica das paroxítonas terminadas em L, se isso
não fosse feito, poderiam ser lidas como palavras oxítonas. 37. (F.E. BAURU) Assinale a alternativa em que há erro de
(B) São acentuadas porque são proparoxítonas terminadas em L. pontuação:
(C) São acentuadas porque são oxítonas terminadas em L. (A) Era do conhecimento de todos a hora da prova, mas, al-
(D) São acentuadas porque terminam em ditongo fonético – eu. guns se atrasaram.
(E) São acentuadas porque são paroxítonas terminadas em L. (B) A hora da prova era do conhecimento de todos; alguns se
atrasaram, porém.
34. (IFAL – 2016 ADAPTADA) Quanto à acentuação das pala- (C) Todos conhecem a hora da prova; não se atrasem, pois.
vras, assinale a afirmação verdadeira. (D) Todos conhecem a hora da prova, portanto não se atra-
(A) A palavra “tendem” deveria ser acentuada graficamente, sem.
como “também” e “porém”. (E) N.D.A
(B) As palavras “saíra”, “destruída” e “aí” acentuam-se pela
mesma razão. 38. (VUNESP – 2020) Assinale a alternativa correta quanto
(C) O nome “Luiz” deveria ser acentuado graficamente, pela à pontuação.
mesma razão que a palavra “país”. (A) Colaboradores da Universidade Federal do Paraná afirma-
(D) Os vocábulos “é”, “já” e “só” recebem acento por consti- ram: “Os cristais de urato podem provocar graves danos nas
tuírem monossílabos tônicos fechados. articulações.”.
(E) Acentuam-se “simpática”, “centímetros”, “simbólica” (B) A prescrição de remédios e a adesão, ao tratamento, por
porque todas as paroxítonas são acentuadas. parte dos pacientes são baixas.
(C) É uma inflamação, que desencadeia a crise de gota; diag-
35. (MACKENZIE) Indique a alternativa em que nenhuma pa- nosticada a partir do reconhecimento de intensa dor, no local.
lavra é acentuada graficamente: (D) A ausência de dor não pode ser motivo para a interrupção
do tratamento conforme o editorial diz: – (é preciso que o
(A) lapis, canoa, abacaxi, jovens
doente confie em seu médico).
(B) ruim, sozinho, aquele, traiu
(E) A qualidade de vida, do paciente, diminui pois a dor no
(C) saudade, onix, grau, orquídea
local da inflamação é bastante intensa!
(D) voo, legua, assim, tênis
(E) flores, açucar, album, virus

41
LÍNGUA PORTUGUESA
39. (ENEM – 2018)

Física com a boca


Por que nossa voz fica tremida ao falar na frente do ventilador?
Além de ventinho, o ventilador gera ondas sonoras. Quando você não tem mais o que fazer e fica falando na frente dele, as
ondas da voz se propagam na direção contrária às do ventilador. Davi Akkerman – presidente da Associação Brasileira para a Quali-
dade Acústica – diz que isso causa o mismatch, nome bacana para o desencontro entre as ondas. “O vento também contribui para
a distorção da voz, pelo fato de ser uma vibração que influencia no som”, diz. Assim, o ruído do ventilador e a influência do vento
na propagação das ondas contribuem para distorcer sua bela voz.
Disponível em: http://super.abril.com.br. Acesso em: 30 jul. 2012 (adaptado).

Sinais de pontuação são símbolos gráficos usados para organizar a escrita e ajudar na compreensão da mensagem. No texto, o
sentido não é alterado em caso de substituição dos travessões por
(A) aspas, para colocar em destaque a informação seguinte
(B) vírgulas, para acrescentar uma caracterização de Davi Akkerman.
(C) reticências, para deixar subetendida a formação do especialista.
(D) dois-pontos, para acrescentar uma informação introduzida anteriormente.
(E) ponto e vírgula, para enumerar informações fundamentais para o desenvolvimento temático.

40. (FCC – 2020)

42
LÍNGUA PORTUGUESA
A supressão da vírgula altera o sentido da seguinte frase: Os pesquisadores irão avaliar o grau de satisfação e felici-
(A) O segundo é o “capitalismo de Estado”, que confia ao gover- dade dos participantes no 33º dia, no 66º e no último dia da
no a tarefa de estabelecer a direção da economia. abstinência.
(B) milhões prosperaram, à medida que empresas abriam Os responsáveis apontam que os usuários do Facebook gas-
mercados. tam em média 17 minutos por dia na rede social. Em 99 dias
(C) Por fim, executivos e investidores começaram a reconhecer sem acesso, a soma média seria equivalente a mais de 28 horas,
que seu sucesso em longo prazo está intimamente ligado ao de 2que poderiam ser utilizadas em “atividades emocionalmente
seus clientes. mais realizadoras”.
(D) De início, um novo indicador de “criação de valor comparti- (http://codigofonte.uol.com.br. Adaptado.)
lhado” deveria incluir metas ecológicas.
(E) Na verdade, esse deveria ser seu propósito definitivo.
Após ler o texto acima, examine as passagens do primeiro
parágrafo: “Uma organização não governamental holandesa
41. (CESGRANRIO - RJ) As palavras esquartejar, desculpa e irre-
está propondo um desafio” “O objetivo é medir o grau de felici-
conhecível foram formadas, respectivamente, pelos processos de:
dade dos usuários longe da rede social.”
(A) sufixação - prefixação – parassíntese
(B) sufixação - derivação regressiva – prefixação
A utilização dos artigos destacados justifica-se em razão:
(C) composição por aglutinação - prefixação – sufixação
(A) da retomada de informações que podem ser facilmente de-
(D) parassíntese - derivação regressiva – prefixação
preendidas pelo contexto, sendo ambas equivalentes seman-
(E) parassíntese - derivação imprópria - parassíntese
ticamente.
(B) de informações conhecidas, nas duas ocorrências, sendo
42. (UFSC) Aponte a alternativa cujas palavras são respecti- possível a troca dos artigos nos enunciados, pois isso não alte-
vamente formadas por justaposição, aglutinação e parassíntese: raria o sentido do texto.
(A) varapau - girassol - enfaixar (C) da generalização, no primeiro caso, com a introdução de
(B) pontapé - anoitecer - ajoelhar informação conhecida, e da especificação, no segundo, com
(C) maldizer - petróleo - embora informação nova.
(D) vaivém - pontiagudo - enfurece (D) da introdução de uma informação nova, no primeiro caso,
(E) penugem - plenilúnio - despedaça e da retomada de uma informação já conhecida, no segundo.
(E) de informações novas, nas duas ocorrências, motivo pelo
43. (CESGRANRIO) Assinale a opção em que nem todas as qual são introduzidas de forma mais generalizada
palavras são de um mesmo radical:
(A) noite, anoitecer, noitada 47. (UFMG-ADAPTADA) As expressões em negrito corres-
(B) luz, luzeiro, alumiar pondem a um adjetivo, exceto em:
(C) incrível, crente, crer (A) João Fanhoso anda amanhecendo sem entusiasmo.
(D) festa, festeiro, festejar (B) Demorava-se de propósito naquele complicado banho.
(E) riqueza, ricaço, enriquecer (C) Os bichos da terra fugiam em desabalada carreira.
(D) Noite fechada sobre aqueles ermos perdidos da caatinga
44. (FUVEST-SP) Foram formadas pelo mesmo processo as sem fim.
seguintes palavras: (E) E ainda me vem com essa conversa de homem da roça.
(A) vendavais, naufrágios, polêmicas
(B) descompõem, desempregados, desejava 48. (UMESP) Na frase “As negociações estariam meio aber-
(C) estendendo, escritório, espírito tas só depois de meio período de trabalho”, as palavras destaca-
(D) quietação, sabonete, nadador das são, respectivamente:
(E) religião, irmão, solidão (A) adjetivo, adjetivo
(B) advérbio, advérbio
45. (FUVEST) Assinale a alternativa em que uma das pala- (C) advérbio, adjetivo
vras não é formada por prefixação: (D) numeral, adjetivo
(A) readquirir, predestinado, propor (E) numeral, advérbio
(B) irregular, amoral, demover
(C) remeter, conter, antegozar 49. (ITA-SP)
(D) irrestrito, antípoda, prever Beber é mal, mas é muito bom.
(E) dever, deter, antever (FERNANDES, Millôr. Mais! Folha de S. Paulo, 5 ago. 2001,
p. 28.)
46. (UNIFESP - 2015) Leia o seguinte texto:
Você conseguiria ficar 99 dias sem o Facebook? A palavra “mal”, no caso específico da frase de Millôr, é:
Uma organização não governamental holandesa está pro- (A) adjetivo
pondo um desafio que muitos poderão considerar impossível: fi- (B) substantivo
car 99 dias sem dar nem uma “olhadinha” no Facebook. O objeti- (C) pronome
vo é medir o grau de felicidade dos usuários longe da rede social. (D) advérbio
O projeto também é uma resposta aos experimentos psi- (E) preposição
cológicos realizados pelo próprio Facebook. A diferença neste
caso é que o teste é completamente voluntário. Ironicamente,
para poder participar, o usuário deve trocar a foto do perfil no
Facebook e postar um contador na rede social.

43
LÍNGUA PORTUGUESA
50. (PUC-SP) “É uma espécie... nova... completamente nova!
36 E
(Mas já) tem nome... Batizei-(a) logo... Vou-(lhe) mostrar...”. Sob
o ponto de vista morfológico, as palavras destacadas correspon- 37 A
dem pela ordem, a: 38 A
(A) conjunção, preposição, artigo, pronome
39 B
(B) advérbio, advérbio, pronome, pronome
(C) conjunção, interjeição, artigo, advérbio 40 A
(D) advérbio, advérbio, substantivo, pronome 41 D
(E) conjunção, advérbio, pronome, pronome
42 D

GABARITO 43 B
44 D
45 E
1 C
46 D
2 B
47 B
3 D
48 B
4 C
49 B
5 C
50 E
6 A
7 D
8 C ANOTAÇÕES
9 B
10 E
______________________________________________________
11 C
12 B ______________________________________________________
13 E
______________________________________________________
14 B
15 A ______________________________________________________
16 C
______________________________________________________
17 A
18 C ______________________________________________________
19 D
______________________________________________________
20 C
21 E ______________________________________________________
22 C
______________________________________________________
23 A
24 D ______________________________________________________
25 E
26 A ______________________________________________________

27 B ______________________________________________________
28 C
29 B ______________________________________________________
30 A
______________________________________________________
31 E
32 B ______________________________________________________
33 E
______________________________________________________
34 B
35 B ______________________________________________________

44
ÉTICA
1. Ética no serviço público em todo o seu teor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ética e Moral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
3. Ética, Princípios e Valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
4. Ética e Democracia – Exercício da Cidadania . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
5. Ética e Função Pública . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
6. Princípios do Direito Administrativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
ÉTICA
vida pública em geral, é que seja fixado um padrão a partir do qual
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO EM TODO O SEU TEOR possamos, em seguida julgar a atuação dos servidores públicos ou
daqueles que estiverem envolvidos na vida pública, entretanto não
Dimensões da qualidade nos deveres dos servidores públicos basta que haja padrão, tão somente, é necessário que esse padrão
Os direitos e deveres dos servidores públicos estão descritos na seja ético, acima de tudo .
Lei 8.112, de 11 de dezembro de 1990. O fundamento que precisa ser compreendido é que os padrões
Entre os deveres (art. 116), há dois que se encaixamno paradig- éticos dos servidores públicos advêm de sua própria natureza, ou
ma do atendimentoe do relacionamento que tem como foco prin- seja, de caráter público, e sua relação com o público. A questão da
cipal o usuário. ética pública está diretamente relacionada aos princípios funda-
São eles: mentais, sendo estes comparados ao que chamamos no Direito, de
- “atender com presteza ao público em geral, prestando as in- “Norma Fundamental”, uma norma hipotética com premissas ideo-
formações requeridas” e lógicas e que deve reger tudo mais o que estiver relacionado ao
- “tratar com urbanidade as pessoas”. comportamento do ser humano em seu meio social, aliás, podemos
invocar a Constituição Federal. Esta ampara os valores morais da
Presteza e urbanidade nem sempre são fáceis de avaliar, uma boa conduta, a boa fé acima de tudo, como princípios básicos e es-
vez que não têm o mesmo sentido para todas as pessoas, como senciais a uma vida equilibrada do cidadão na sociedade, lembran-
demonstram as situações descritas a seguir. do inclusive o tão citado, pelos gregos antigos, “bem viver”.
• Serviços realizados em dois dias úteis, por exemplo, podem Outro ponto bastante controverso é a questão da impessoali-
não corresponder às reais necessidades dos usuários quanto ao dade. Ao contrário do que muitos pensam, o funcionalismo público
e seus servidores devem primar pela questão da “impessoalidade”,
prazo.
deixando claro que o termo é sinônimo de “igualdade”, esta sim é a
• Um atendimento cortês não significa oferecer ao usuário
questão chave e que eleva o serviço público a níveis tão ineficazes,
aquilo que não se pode cumprir. Para minimizar as diferentes inter-
não se preza pela igualdade. No ordenamento jurídico está claro e
pretações para esses procedimentos, uma das opções é a utilização
expresso, “todos são iguais perante a lei”.
do bom senso:
E também a ideia de impessoalidade, supõe uma distinção
• Quanto à presteza, o estabelecimento de prazos para a en-
entre aquilo que é público e aquilo que é privada (no sentido do
trega dos serviços tanto para os usuários internos quanto para os
interesse pessoal), que gera portanto o grande conflito entre os in-
externos pode ajudar a resolver algumas questões. teresses privados acima dos interesses públicos. Podemos verificar
• Quanto à urbanidade, é conveniente que a organização inclua abertamente nos meios de comunicação, seja pelo rádio, televisão,
tal valor entre aqueles que devem ser potencializados nos setores jornais e revistas, que este é um dos principais problemas que cer-
em que os profissionais que ali atuam ainda não se conscientizaram cam o setor público, afetando assim, a ética que deveria estar acima
sobre a importância desse dever. de seus interesses.
Não podemos falar de ética, impessoalidade (sinônimo de
Não é à toa que as organizações estão exigindo habilidades igualdade), sem falar de moralidade. Esta também é um dos prin-
intelectuais e comportamentais dos seus profissionais, além de cipais valores que define a conduta ética, não só dos servidores
apurada determinação estratégica. Entre outros requisitos, essas públicos, mas de qualquer indivíduo. Invocando novamente o or-
habilidades incluem: denamento jurídico podemos identificar que a falta de respeito ao
- atualização constante; padrão moral, implica, portanto, numa violação dos direitos do ci-
- soluções inovadoras em resposta à velocidade das mudanças; dadão, comprometendo inclusive, a existência dos valores dos bons
- decisões criativas, diferenciadas e rápidas; costumes em uma sociedade.
- flexibilidade para mudar hábitos de trabalho; A falta de ética na Administração Publica encontra terreno fértil
- liderança e aptidão para manter relações pessoais e profis- para se reproduzir, pois o comportamento de autoridades públicas
sionais; está longe de se basearem em princípios éticos e isto ocorre devido
- habilidade para lidar com os usuários internos e externos. a falta de preparo dos funcionários, cultura equivocada e especial-
mente, por falta de mecanismos de controle e responsabilização
Encerramos esse tópico com o trecho de um texto de Andrés adequada dos atos antiéticos.
Sanz Mulas: A sociedade por sua vez, tem sua parcela de responsabilidade
“Para desenhar uma ética das Administrações seria necessário nesta situação, pois não se mobilizam para exercer os seus direitos
realizar as seguintes tarefas, entre outras: e impedir estes casos vergonhosos de abuso de poder por parte do
- Definir claramente qual é o fim específico pelo qual se cobra Pode Público.
a legitimidade social; Um dos motivos para esta falta de mobilização social se dá, de-
- Determinar os meios adequados para alcançar esse fim e vido á falta de uma cultura cidadã, ou seja, a sociedade não exerce
quais valores é preciso incorporar para alcançá-lo; sua cidadania. A cidadania Segundo Milton Santos “é como uma lei”,
- Descobrir que hábitos a organização deve adquirir em seu isto é, ela existe, mas precisa ser descoberta, aprendida, utilizada e
conjunto e os membros que a compõem para incorporar esses va- reclamada e só evolui através de processos de luta. Essa evolução
lores e gerar, assim, um caráter que permita tomar decisões acerta- surge quando o cidadão adquire esse status, ou seja, quando passa
damente em relação à meta eleita; a ter direitos sociais. A luta por esses direitos garante um padrão de
- Ter em conta os valores da moral cívica da sociedade em que vida mais decente. O Estado, por sua vez, tenta refrear os impulsos
se está imerso; sociais e desrespeitar os indivíduos, nessas situações a cidadania
- Conhecer quais são os direitos que a sociedade reconhece às deve se valer contra ele, e imperar através de cada pessoa. Porém
pessoas.” Milton Santos questiona se “há cidadão neste país”? Pois para ele
desde o nascimento as pessoas herdam de seus pais e ao longo da
Quando falamos sobre ética pública, logo pensamos em cor- vida e também da sociedade, conceitos morais que vão sendo con-
rupção, extorsão, ineficiência, etc, mas na realidade o que devemos testados posteriormente com a formação de ideias de cada um, po-
ter como ponto de referência em relação ao serviço público, ou na rém a maioria das pessoas não sabe se são ou não cidadãos.

1
ÉTICA
A educação seria o mais forte instrumento na formação de ci- de sua atividade profissional”, ou seja, a manutenção em segredo
dadão consciente para a construção de um futuro melhor. de toda e qualquer informação que tenha valor para a organização
No âmbito Administrativo, funcionários mal capacitados e é responsabilidade do profissional que teve acesso à essa informa-
sem princípios éticos que convivem todos os dias com mandos e ção, podendo esse profissional que ferir esse sigilo responder até
desmandos, atos desonestos, corrupção e falta de ética tendem a mesmo criminalmente.
assimilar por este rol “cultural” de aproveitamento em beneficio
próprio. Uma pessoa é ética quando se orienta por princípios e convic-
ções.

ÉTICA E MORAL
ÉTICA, PRINCÍPIOS E VALORES
São duas ciências de conhecimento que se diferenciam, no en-
tanto, tem muitas interligações entre elas. Princípios, Valores e Virtudes
A moral se baseia em regras que fornecem uma certa previ- Princípios são preceitos, leis ou pressupostos considerados uni-
são sobre os atos humanos. A moral estabelece regras que devem versais que definem as regras pela qual uma sociedade civilizada
ser assumidas pelo homem, como uma maneira de garantia do seu deve se orientar.
bem viver. A moral garante uma identidade entre pessoas que po- Em qualquer lugar do mundo, princípios são incontestáveis,
dem até não se conhecer, mas utilizam uma mesma refêrencia de pois, quando adotados não oferecem resistência alguma. Enten-
Moral entre elas. de-se que a adoção desses princípios está em consonância com o
A Ética já é um estudo amplo do que é bem e do que é mal. pensamento da sociedade e vale tanto para a elaboração da consti-
O objetivo da ética é buscar justificativas para o cumprimento das tuição de um país quanto para acordos políticos entre as nações ou
regras propostas pela Moral. É diferente da Moral, pois não estabe- estatutos de condomínio.
lece regras. A reflexão sobre os atos humanos é que caracterizam o O princípios se aplicam em todas as esferas, pessoa, profissio-
ser humano ético. nal e social, eis alguns exemplos: amor, felicidade, liberdade, paz e
Ter Ética é fazer a coisa certa com base no motivo certo. plenitude são exemplos de princípios considerados universais.
Ter Ética é ter um comportamento que os outros julgam como Como cidadãos – pessoas e profissionais -, esses princípios fa-
correto. zem parte da nossa existência e durante uma vida estaremos lutan-
A noção de Ética é, portanto, muito ampla e inclui vários princí- do para torná-los inabaláveis. Temos direito a todos eles, contudo,
pios básicos e transversais que são: por razões diversas, eles não surgem de graça. A base dos nossos
1. O da Integridade – Devemos agir com base em princípios e princípios é construída no seio da família e, em muitos casos, eles
valores e não em função do que é mais fácil ou do que nos trás mais se perdem no meio do caminho.
benefícios De maneira geral, os princípios regem a nossa existência e são co-
2. O da Confiança/Credibilidade – Devemos agir com coerência muns a todos os povos, culturas, eras e religiões, queiramos ou não.
e consistência, quer na ação, quer na comunicação. Quem age diferente ou em desacordo com os princípios universais aca-
3. O da Responsabilidade – Devemos assumir a responsabilida- ba sendo punido pela sociedade e sofre todas as consequências.
de pelos nossos atos, o que implica, cumprir com todos os nossos Valores são normas ou padrões sociais geralmente aceitos ou
deveres profissionais. mantidos por determinado indivíduo, classe ou sociedade, por-
4. O de Justiça – As nossas decisões devem ser suportadas, tanto, em geral, dependem basicamente da cultura relacionada com o
transparentes e objetivas, tratando da mesma forma, aquilo que é ambiente onde estamos inseridos. É comum existir certa confusão entre
igual ou semelhante. valores e princípios, todavia, os conceitos e as aplicações são diferentes.
5. O da Lealdade – Devemos agir com o mesmo espírito de leal- Diferente dos princípios, os valores são pessoais, subjetivos e,
dade profissional e de transparência, que esperamos dos outros. acima de tudo, contestáveis. O que vale para você não vale neces-
6. O da Competência – Devemos apenas aceitar as funções sariamente para os demais colegas de trabalho. Sua aplicação pode
para as quais tenhamos os conhecimentos e a experiência que o ou não ser ética e depende muito do caráter ou da personalidade
exercício dessas funções requer. da pessoa que os adota.
7. O da Independência – Devemos assegurar, no exercício de Na prática, é muito mais simples ater-se aos valores do que
funções de interesse público, que as nossas opiniões, não são in- aos princípios, pois este último exige muito de nós. Os valores com-
fluenciadas, por fatores alheios a esse interesse público. pletamente equivocados da nossa sociedade – dinheiro, sucesso,
luxo e riqueza – estão na ordem do dia, infelizmente. Todos os dias
Abaixo, alguns Desafios Éticos com que nos defrontamos dia- somos convidados a negligenciar os princípios e adotar os valores
riamente: ditados pela sociedade.
1. Se não é proibido/ilegal, pode ser feito – É óbvio que, exis- Virtudes, segundo o Aurélio, são disposições constantes do es-
tem escolhas, que embora, não estando especificamente referidas, pírito, as quais, por um esforço da vontade, inclinam à prática do
na lei ou nas normas, como proibidas, não devem ser tomadas. bem. Aristóteles afirmava que há duas espécies de virtudes: a inte-
2. Todos os outros fazem isso – Ao longo da história da humani- lectual e a moral. A primeira deve, em grande parte, sua geração e
dade, o homem esforçou-se sempre, para legitimar o seu compor- crescimento ao ensino, e por isso requer experiência e tempo; ao
tamento, mesmo quando, utiliza técnicas eticamente reprováveis. passo que a virtude moral é adquirida com o resultado do hábito.
Segundo Aristóteles, nenhuma das virtudes morais surge em
Nas organizações, é a ética no gerenciamento das informações nós por natureza, visto que nada que existe por natureza pode ser
que vem causando grandes preocupações, devido às consequências alterado pela força do hábito, portanto, virtudes nada mais são do
que esse descuido pode gerar nas operações internas e externas. que hábitos profundamente arraigados que se originam do meio
Pelo Código de Ética do Administrador capítulo I, art. 1°, inc. II, um onde somos criados e condicionados através de exemplos e com-
dos deveres é: “manter sigilo sobre tudo o que souber em função portamentos semelhantes.

2
ÉTICA
Uma pessoa pode ter valores e não ter princípios. Hitler, por agonizava para deliberar sobre decisões de comum acordo). Dentro
exemplo, conhecia os princípios, mas preferiu ignorá-los e adotar desta concepção surge a democracia grega, onde somente 10% da
valores como a supremacia da raça ariana, a aniquilação da oposi- população determinava os destinos de toda a Cidade (eram excluí-
ção e a dominação pela força. dos os escravos, mulheres e artesãos).
No mundo corporativo não é diferente. Embora a convivência Ser cidadão é respeitar e participar das decisões da sociedade
seja, por vezes, insuportável, deparamo-nos com profissionais que para melhorar suas vidas e a de outras pessoas. Ser cidadão é nunca
atropelam os princípios, como se isso fosse algo natural, um meio se esquecer das pessoas que mais necessitam. A cidadania deve ser
de sobrevivência, e adotam valores que nada tem a ver com duas divulgada através de instituições de ensino e meios de comunicação
grandes necessidades corporativas: a convivência pacífica e o espí- para o bem estar e desenvolvimento da nação. A cidadania consiste
rito de equipe. Nesse caso, virtude é uma palavra que não faz parte desde o gesto de não jogar papel na rua, não pichar os muros, res-
do seu vocabulário e, apesar da falta de escrúpulo, leva tempo para peitar os sinais e placas, respeitar os mais velhos (assim como to-
destituí-los do poder. das às outras pessoas), não destruir telefones públicos, saber dizer
Valores e virtudes baseados em princípios universais são inego- obrigado, desculpe, por favor, e bom dia quando necessário... até
ciáveis e, assim como a ética e a lealdade, ou você tem, ou não tem. saber lidar com o abandono e a exclusão das pessoas necessitadas,
Entretanto, conceitos como liberdade, felicidade ou riqueza não o direito das crianças carentes e outros grandes problemas que en-
podem ser definidos com exatidão. Cada pessoa tem recordações, frentamos em nosso mundo.
experiências, imagens internas e sentimentos que dão um sentido “A revolta é o último dos direitos a que deve um povo livre bus-
especial e particular a esses conceitos. car, para garantir os interesses coletivos: mas é também o mais im-
O importante é que você não perca de vista esses conceitos perioso dos deveres impostos aos cidadãos.” (Juarez Távora - Militar
e tenha em mente que a sua contribuição, no universo pessoal e e político brasileiro)
profissional, depende da aplicação mais próxima possível do senso Cidadania é o exercício dos direitos e deveres civis, políticos e
de justiça. E a justiça é uma virtude tão difícil, e tão negligenciada, sociais estabelecidos na constituição. Os direitos e deveres de um
que a própria justiça sente dificuldades em aplicá-la, portanto, lute cidadão devem andar sempre juntos, uma vez que ao cumprirmos
pelos princípios que os valores e as virtudes fluirão naturalmente. nossas obrigações permitimos que o outro exerça também seus
direitos. Exercer a cidadania é ter consciência de seus direitos e
obrigações e lutar para que sejam colocados em prática. Exercer
a cidadania é estar em pleno gozo das disposições constitucionais.
ÉTICA E DEMOCRACIA – EXERCÍCIO DA CIDADANIA Preparar o cidadão para o exercício da cidadania é um dos objetivos
da educação de um país.
Ética e democracia: exercício da cidadania A Constituição da República Federativa do Brasil foi promul-
A ética é construída por uma sociedade com base nos valores gada em 5 de outubro de 1988, pela Assembleia Nacional Consti-
históricos e culturais. Do ponto de vista da Filosofia, a Ética é uma tuinte, composta por 559 congressistas (deputados e senadores).
ciência que estuda os valores e princípios morais de uma sociedade A Constituição consolidou a democracia, após os anos da ditadura
e seus grupos. militar no Brasil.
Cada sociedade e cada grupo possuem seus próprios códigos A cidadania está relacionada com a participação social, porque
de ética. remete para o envolvimento em atividades em associações cultu-
Cidadão é um indivíduo que tem consciência de seus direitos e rais (como escolas) e esportivas.
deveres e participa ativamente de todas as questões da sociedade.
É muito importante entender bem o que é cidadania. Trata-se Deveres do cidadão
de uma palavra usada todos os dias, com vários sentidos. Mas hoje - Votar para escolher os governantes;
significa, em essência, o direito de viver decentemente. - Cumprir as leis;
Cidadania é o direito de ter uma ideia e poder expressá-la. É - Educar e proteger seus semelhantes;
poder votar em quem quiser sem constrangimento. É poder pro- - Proteger a natureza;
cessar um médico que age de negligencia. É devolver um produto - Proteger o patrimônio público e social do País.
estragado e receber o dinheiro de volta. É o direito de ser negro,
índio, homossexual, mulher sem ser descriminado. De praticar uma Direitos do cidadão
religião sem se perseguido. - Direito à saúde, educação, moradia, trabalho, previdência so-
Há detalhes que parecem insignificantes, mas revelam estágios cial, lazer, entre outros;
de cidadania: respeitar o sinal vermelho no transito, não jogar papel - O cidadão é livre para escrever e dizer o que pensa, mas pre-
na rua, não destruir telefones públicos. Por trás desse comporta- cisa assinar o que disse e escreveu;
mento está o respeito ao outro. - Todos são respeitados na sua fé, no seu pensamento e na sua
No sentido etimológico da palavra, cidadão deriva da palavra ação na cidade;
civita, que em latim significa cidade, e que tem seu correlato grego - O cidadão é livre para praticar qualquer trabalho, ofício ou
na palavra politikos – aquele que habita na cidade. profissão, mas a lei pode pedir estudo e diploma para isso;
Segundo o Dicionário Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, “ci- - Só o autor de uma obra tem o direito de usá-la, publicá-la e
dadania é a qualidade ou estado do cidadão”, entende-se por cida- tirar cópia, e esse direito passa para os seus herdeiros;
dão “o indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um estado, - Os bens de uma pessoa, quando ela morrer, passam para seus
ou no desempenho de seus deveres para com este”. herdeiros;
Cidadania é a pertença passiva e ativa de indivíduos em um - Em tempo de paz, qualquer pessoa pode ir de uma cidade
estado - nação com certos direitos e obrigações universais em um para outra, ficar ou sair do país, obedecendo à lei feita para isso.
específico nível de igualdade (Janoski, 1998). No sentido atenien-
se do termo, cidadania é o direito da pessoa em participar das A ética é daquelas coisas que todo mundo sabe o que são, mas
decisões nos destinos da Cidade através da Ekklesia (reunião dos que não são fáceis de explicar, quando alguém pergunta. Tradicio-
chamados de dentro para fora) na Ágora (praça pública, onde se nalmente ela é entendida como um estudo ou uma reflexão, cientí-

3
ÉTICA
fica ou filosófica, e eventualmente até teológica, sobre os costumes - Publicidade - Publicidade é a divulgação oficial do ato para
ou sobre as ações humanas. Mas também chamamos de ética a conhecimento público e início de seus efeitos externos. (...) O prin-
própria vida, quando conforme aos costumes considerados corre- cípio da publicidade dos atos e contratos administrativos, além de
tos. A ética pode ser o estudo das ações ou dos costumes, e pode assegurar seus efeitos externos, visa a propiciar seu conhecimento
ser a própria realização de um tipo de comportamento. e controle pelos interessados diretos e pelo povo em geral, através
Enquanto uma reflexão científica, que tipo de ciência seria a dos meios constitucionais (...)
ética? Tratando de normas de comportamentos, deveria chamar-se - Eficiência – O princípio da eficiência exige que a atividade
uma ciência normativa. Tratando de costumes, pareceria uma ciên- administrativa seja exercida com presteza, perfeição e rendimen-
cia descritiva. Ou seria uma ciência de tipo mais especulativo, que to funcional. É o mais moderno princípio da função administrativa,
tratasse, por exemplo, da questão fundamental da liberdade? que já não se contenta em ser desempenhada apenas com legali-
Que outra ciência estuda a liberdade humana, enquanto tal, e dade, exigindo resultados positivos para o serviço público e satis-
em suas realizações práticas? Onde se situa o estudo que pergunta fatório atendimento das necessidades da comunidade e de seus
se existe a liberdade? E como ele deveria ser definida teoricamente, membros. (...).”
a como deveria ser vivida, praticamente? Ora, ligado ao problema
da liberdade, aparece sempre o problema do bem e do mal, e o Função pública é a competência, atribuição ou encargo para o
problema da consciência moral e da lei, e vários outros problemas exercício de determinada função. Ressalta-se que essa função não
deste tipo. é livre, devendo, portanto, estar o seu exercício sujeito ao interesse
público, da coletividade ou da Administração. Segundo Maria Sylvia
Z. Di Pietro, função “é o conjunto de atribuições às quais não corres-
ponde um cargo ou emprego”.
ÉTICA E FUNÇÃO PÚBLICA No exercício das mais diversas funções públicas, os servidores,
além das normatizações vigentes nos órgão e entidades públicas
E na Administração Pública, qual o papel da ética? que regulamentam e determinam a forma de agir dos agentes pú-
Uma vez que é através das atividades desenvolvidas pela Ad- blicos, devem respeitar os valores éticos e morais que a sociedade
ministração Pública que o Estado alcança seus fins, seus agentes impõe para o convívio em grupo. A não observação desses valores
públicos são os responsáveis pelas decisões governamentais e pela acarreta uma série de erros e problemas no atendimento ao públi-
execução dessas decisões. co e aos usuários do serviço, o que contribui de forma significativa
Para que tais atividades não desvirtuem as finalidades estatais para uma imagem negativa do órgão e do serviço.
a Administração Pública se submete às normas constitucionais e às Um dos fundamentos que precisa ser compreendido é o de que
leis especiais. Todo esse aparato de normas objetiva a um compor- o padrão ético dos servidores públicos no exercício de sua função
tamento ético e moral por parte de todos os agentes públicos que pública advém de sua natureza, ou seja, do caráter público e de sua
servem ao Estado. relação com o público.
O servidor deve estar atento a esse padrão não apenas no exer-
Princípios constitucionais que balizam a atividade administra- cício de suas funções, mas 24 horas por dia durante toda a sua vida.
tiva: O caráter público do seu serviço deve se incorporar à sua vida priva-
Devemos atentar para o fato de que a Administração deve pau- da, a fim de que os valores morais e a boa-fé, amparados constitu-
tar seus atos pelos princípios elencados na Constituição Federal, em cionalmente como princípios básicos e essenciais a uma vida equili-
seu art. 37 que prevê: “A administração pública direta e indireta de brada, se insiram e seja uma constante em seu relacionamento com
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e os colegas e com os usuários do serviço.
dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoali- O Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Po-
dade, moralidade, publicidade e eficiência (...)”. der Executivo Federal estabelece no primeiro capítulo valores que
Quanto aos citados princípios constitucionais, o entendimento vão muito além da legalidade.
do doutrinador pátrio Hely Lopes Meirelles é o seguinte: II – O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento
“- Legalidade - A legalidade, como princípio da administração ético de sua conduta. Assim, não terá que decidir somente entre o
(CF, art. 37, caput), significa que o administrador público está, em legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente,
toda a sua atividade funcional, sujeito aos mandamentos da lei e às o oportuno e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e
exigências do bem comum, e deles não se pode afastar ou desviar, o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37, caput, e§ 4°,
sob pena de praticar ato inválido e expor-se a responsabilidade dis- da Constituição Federal.
ciplinar, civil e criminal, conforme o caso. (...) Cumprir as leis e ser ético em sua função pública. Se ele cum-
- Impessoalidade – O princípio da impessoalidade, (...), nada prir a lei e for antiético, será considerada uma conduta ilegal, ou
mais é que o clássico princípio da finalidade, o qual impõe ao admi- seja, para ser irrepreensível tem que ir além da legalidade.
nistrador público que só pratique o ato para o seu fim legal. E o fim Os princípios constitucionais devem ser observados para que
legal é unicamente aquele que a norma de Direito indica expressa a função pública se integre de forma indissociável ao direito. Esses
ou virtualmente como objetivo do ato, de forma impessoal. Esse princípios são:
princípio também deve ser entendido para excluir a promoção pes- – Legalidade – todo ato administrativo deve seguir fielmente
soal de autoridades ou servidores públicos sobre suas realizações os meandros da lei.
administrativas (...) – Impessoalidade – aqui é aplicado como sinônimo de igualda-
- Moralidade – A moralidade administrativa constitui, hoje em de: todos devem ser tratados de forma igualitária e respeitando o
dia, pressuposto de validade de todo ato da Administração Pública que a lei prevê.
(...). Não se trata – diz Hauriou, o sistematizador de tal conceito – – Moralidade – respeito ao padrão moral para não comprome-
da moral comum, mas sim de uma moral jurídica, entendida como ter os bons costumes da sociedade.
“o conjunto de regras de conduta tiradas da disciplina interior da – Publicidade – refere-se à transparência de todo ato público,
Administração” (...) salvo os casos previstos em lei.

4
ÉTICA
– Eficiência – ser o mais eficiente possível na utilização dos – A atuação pública deve estar guiada pelos princípios da igual-
meios que são postos a sua disposição para a execução do seu tra- dade e não discriminação. Ademais a atuação de acordo com o in-
balho. teresse público deve ser o “normal” sem que seja moral receber
retribuições diferentes da oficial que se recebe no organismo em
A GESTÃO PÚBLICA NA BUSCA DE UMA ATIVIDADE ADMINIS- que se trabalha;
TRATIVA ÉTICA – O funcionário deve atuar sempre como servidor público e
Com a vigência da Carta Constitucional de 1988, a Administra- não deve transmitir informação privilegiada ou confidencial. O fun-
ção Pública em nosso país passou a buscar uma gestão mais eficaz e cionário como qualquer outro profissional, deve guardar o sigilo de
moralmente comprometida com o bem comum, ou seja, uma ges- ofício;
tão ajustada aos princípios constitucionais insculpidos no artigo 37 – O interesse coletivo no Estado social e democrático de Direito
da Carta Magna. existe para ofertar aos cidadãos um conjunto de condições que tor-
Para isso a Administração Pública vem implementando políti- ne possível seu aperfeiçoamento integral e lhes permita um exer-
cas públicas com enfoque em uma gestão mais austera, com revisão cício efetivo de todos os seus direitos fundamentais. Para tanto, os
de métodos e estruturas burocráticas de governabilidade. funcionários devem ser conscientes de sua função promocional dos
Aliado a isto, temos presenciado uma nova gestão preocupada poderes públicos e atuar em consequência disto. (tradução livre).”
com a preparação dos agentes públicos para uma prestação de ser-
viços eficientes que atendam ao interesse público, o que engloba Por outro lado, a nova gestão pública procura colocar à dis-
uma postura governamental com tomada de decisões políticas res- posição do cidadão instrumentos eficientes para possibilitar uma
ponsáveis e práticas profissionais responsáveis por parte de todo o fiscalização dos serviços prestados e das decisões tomadas pelos
funcionalismo público. governantes. As ouvidorias instituídas nos Órgãos da Administração
Neste sentido, Cristina Seijo Suárez e Noel Añez Tellería, em ar- Pública direta e indireta, bem como junto aos Tribunais de Contas
tigo publicado pela URBE, descrevem os princípios da ética pública, e os sistemas de transparência pública que visam a prestar infor-
que, conforme afirmam, devem ser positivos e capazes de atrair ao mações aos cidadãos sobre a gestão pública são exemplos desses
serviço público, pessoas capazes de desempenhar uma gestão vol- instrumentos fiscalizatórios.
tada ao coletivo. São os seguintes os princípios apresentados pelas Tais instrumentos têm possibilitado aos Órgãos Públicos res-
autoras: ponsáveis pela fiscalização e tutela da ética na Administração
– Os processos seletivos para o ingresso na função pública de- apresentar resultados positivos no desempenho de suas funções,
vem estar ancorados no princípio do mérito e da capacidade, e não cobrando atitudes coadunadas com a moralidade pública por parte
só o ingresso como carreira no âmbito da função pública; dos agentes públicos. Ressaltando-se que, no sistema de controle
– A formação continuada que se deve proporcionar aos funcio- atual, a sociedade tem acesso às informações acerca da má gestão
nários públicos deve ser dirigida, entre outras coisas, para transmi- por parte de alguns agentes públicos ímprobos.
tir a ideia de que o trabalho a serviço do setor público deve realizar- Entretanto, para que o sistema funcione de forma eficaz é ne-
-se com perfeição, sobretudo porque se trata de trabalho realizado cessário despertar no cidadão uma consciência política alavancada
em benefícios de “outros”; pelo conhecimento de seus direitos e a busca da ampla democracia.
– A chamada gestão de pessoal e as relações humanas na Ad- Tal objetivo somente será possível através de uma profunda
ministração Pública devem estar presididas pelo bom propósito e mudança na educação, onde os princípios de democracia e as no-
uma educação esmerada. O clima e o ambiente laboral devem ser ções de ética e de cidadania sejam despertados desde a infância,
positivos e os funcionários devem se esforçar para viver no cotidia- antes mesmo de o cidadão estar apto a assumir qualquer função
no esse espírito de serviço para a coletividade que justifica a própria pública ou atingir a plenitude de seus direitos políticos.
existência da Administração Pública; Pode-se dizer que a atual Administração Pública está desper-
– A atitude de serviço e interesse visando ao coletivo deve ser tando para essa realidade, uma vez que tem investido fortemente
o elemento mais importante da cultura administrativa. A mentali- na preparação e aperfeiçoamento de seus agentes públicos para
dade e o talento se encontram na raiz de todas as considerações que os mesmos atuem dentro de princípios éticos e condizentes
sobre a ética pública e explicam por si mesmos, a importância do com o interesse social.
trabalho administrativo; Além, dos investimentos em aprimoramento dos agentes pú-
– Constitui um importante valor deontológico potencializar o blicos, a Administração Pública passou a instituir códigos de ética
orgulho são que provoca a identificação do funcionário com os fins para balizar a atuação de seus agentes. Dessa forma, a cobrança de
do organismo público no qual trabalha. Trata-se da lealdade ins- um comportamento condizente com a moralidade administrativa é
titucional, a qual constitui um elemento capital e uma obrigação mais eficaz e facilitada.
central para uma gestão pública que aspira à manutenção de com- Outra forma eficiente de moralizar a atividade administrativa
portamentos éticos; tem sido a aplicação da Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº
– A formação em ética deve ser um ingrediente imprescindí- 8.429/92) e da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº
vel nos planos de formação dos funcionários públicos. Ademais se 101/00) pelo Poder Judiciário, onde o agente público que desvia sua
devem buscar fórmulas educativas que tornem possível que esta atividade dos princípios constitucionais a que está obrigado respon-
disciplina se incorpore nos programas docentes prévios ao acesso à de pelos seus atos, possibilitando à sociedade resgatar uma gestão
função pública. Embora, deva estar presente na formação contínua sem vícios e voltada ao seu objetivo maior que é o interesse social.
do funcionário. No ensino da ética pública deve-se ter presente que Assim sendo, pode-se dizer que a atual Administração Pública
os conhecimentos teóricos de nada servem se não se interiorizam está caminhando no rumo de quebrar velhos paradigmas consubs-
na práxis do servidor público; tanciados em uma burocracia viciosa eivada de corrupção e desvio
– O comportamento ético deve levar o funcionário público à de finalidade. Atualmente se está avançando para uma gestão pú-
busca das fórmulas mais eficientes e econômicas para levar a cabo blica comprometida com a ética e a eficiência.
sua tarefa;

5
ÉTICA
Para isso, deve-se levar em conta os ensinamentos de Andrés → Supremacia do Interesse Público: Também denominado
Sanz Mulas que em artigo publicado pela Escuela de Relaciones supremacia do interesse público sobre o privado, o supraprincípio
Laborales da Espanha, descreve algumas tarefas importantes que invoca a necessidade da sobreposição dos interesses da coletivida-
devem ser desenvolvidas para se possa atingir ética nas Adminis- de sobre os individuais. A defesa do interesse público confere ao
trações. Estado uma série de prerrogativas (‘‘vantagens’’ atribuídas pelo
“Para desenhar uma ética das Administrações seria necessário Direito Público) que permite uma atuação desigual em relação ao
realizar as seguintes tarefas, entre outras: particular.
– Definir claramente qual é o fim específico pelo qual se cobra São exemplos de prerrogativas da Administração Pública: A
a legitimidade social; imprescritibilidade dos bens públicos, ou seja, a impossibilidade
– Determinar os meios adequados para alcançar esse fim e de aquisição de bens da Administração Pública mediante ação de
quais valores é preciso incorporar para alcançá-lo; usucapião; a possibilidade que a Administração Pública possui de
– Descobrir que hábitos a organização deve adquirir em seu rescindir os contratos administrativos de forma unilateral, ou seja,
conjunto e os membros que a compõem para incorporar esses va- independente da expressão de vontade do particular contratado; a
lores e gerar, assim, um caráter que permita tomar decisões acerta- possibilidade de requisitar os bens dos particulares mediante situa-
damente em relação à meta eleita; ção de iminente perigo para população, entre outros.
– Ter em conta os valores da moral cívica da sociedade em que
se está imerso; → Indisponibilidade do Interesse Público: O supraprincípio da
– Conhecer quais são os direitos que a sociedade reconhece às indisponibilidade do interesse público tem como principal função
pessoas.” orientar a atuação dos agentes públicos, que, no exercício da fun-
ção administrativa, devem atuar em nome e em prol dos interesses
da Administração Pública. Indisponibilidade significa que os agentes
públicos não poderão renunciar poderes (que são também deveres)
PRINCÍPIOS DO DIREITO ADMINISTRATIVO e competências a eles atribuídos em prol da consecução do interes-
se público.
Alexandre Mazza (2017) define princípios como sendo regras Ademais, uma vez que o agente público goza das prerrogativas
condensadoras dos valores fundamentais de um sistema, cuja fun- de atuação conferidas pela supremacia do interesse público, a indis-
ção é informar e enformar o ordenamento jurídico e o modo de ponibilidade do interesse público, a fim de impedir que tais prerro-
atuação dos aplicadores e intérpretes do direito. De acordo com o gativas sejam desvirtuadas e utilizadas para a consecução de inte-
resses privados, impõe limitações à atuação dos agentes públicos.
administrativista, a função de informar deve-se ao fato de que os
São exemplos de limitações impostas aos agentes públicos: A
princípios possuem um núcleo valorativo essencial da ordem jurídi-
necessidade de aprovação em concurso público para o provimen-
ca, ao passo que a função de enformar é caracterizada pelos contor-
to dos cargos públicos e a necessidade do procedimento licitatório
nos que conferem a determinada seara jurídica.
para contratação de serviços e aquisição de bens para Administra-
Mazza (2017) atribui dupla funcionalidade aos princípios, quais
ção Pública.
sejam, a função hermenêutica e a função integrativa. No que toca
a função hermenêutica, os princípios são responsáveis por esclare-
• Princípios Administrativos Clássicos:
cer o conteúdo dos demais dispositivos legais, quando os mesmos O art. 37, caput da Constituição Federal disciplina que a Ad-
se mostrarem obscuros no ato de tutela dos casos concretos. Por ministração Pública direta e indireta, tanto no que diz respeito ao
meio da função integrativa, por sua vez, os princípios cumprem a desempenho do serviço público, quanto no que concerne ao exer-
tarefa de suprir eventuais lacunas legais observadas em matérias cício da função econômica, deverá obedecer aos princípios da Le-
específicas e/ou diante das particularidades que permeiam a apli- galidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência, os
cação das normas aos casos concretos. famigerados princípios do LIMPE.
Legalidade: O princípio da legalidade, no Direito Administrati-
Os princípios possuem papel importantíssimo para o Direito vo, ramo do Direito Público, possui um significado diferente do que
Administrativo. Uma vez que trata-se de ramo jurídico não codifica- apresenta no Direito Privado. Para o Direito Privado, considera-se
do, os princípios, além de exercerem função hermenêutica e inte- legal toda e qualquer conduta do indivíduo que não esteja defesa
grativa, cumprem o papel de alinhavar os dispositivos legais espar- em lei, que não contrarie a lei. Para o Direito Administrativo, legali-
sos que compõe a seara do Direito Administrativo, conferindo-lhe dade significa subordinação à lei, assim, o administrador só poderá
coerência e unicidade. atuar no momento e da maneira que a lei permite. Nesse sentido,
Os princípios do Direito Administrativo podem ser expressos, havendo omissão legislativa (lacuna legal, ausência de previsão le-
ou seja, positivados, escritos na lei, ou implícitos, não positivados, gal) em determinada matéria, o administrador não poderá atuar,
não expressamente escritos na lei. Importa esclarecer que não estará diante de uma vedação.
existe hierarquia (grau de importância ou superioridade) entre os
princípios expressos e implícitos, de forma que os últimos não são Importante! O princípio da legalidade considera a lei em senti-
inferiores aos primeiros. Prova de tal afirmação, é o fato de que os do amplo, assim, compreende-se como lei qualquer espécie norma-
dois princípios (ou supraprincípios) que dão forma o Regime Jurídi- tiva prevista pelo art. 59 da Constituição Federal.
co Administrativo, são implícitos.
Impessoalidade: O princípio da impessoalidade deve ser anali-
• Regime Jurídico Administrativo: O Regime Jurídico Admi- sado sob duas óticas, são elas:
nistrativo é formado por todos os princípios e demais dispositivos a) Impessoalidade sob a ótica da atuação da Administração
legais que compõe o Direito Administrativo. Entretanto, é correta Pública em relação aos administrados: O administrado deve pautar
a afirmação de que as bases desse regime são lançadas por dois sua atuação na não discriminação e na não concessão de privilé-
princípios centrais, ou supraprincípios, são eles: Supremacia do In- gios aos indivíduos que o ato atingirá, o que significa que sua atua-
teresse Público e Indisponibilidade do Interesse Público. ção deverá estar calcada na neutralidade e na objetividade, não na
subjetividade.

6
ÉTICA
Sobre o assunto, Matheus Carvalho (2017) cita o exemplo do Em âmbito administrativo, a ampla defesa, conforme assevera
concurso público para provimento de cargos públicos. Ao nomear Matheus Carvalho (2017), compreende tanto o direito à defesa pré-
indivíduos para ocupação dos cargos em questão, o administrador via, direito de o particular se manifestar antes da decisão adminis-
estará vinculado a lista de aprovados no certame, não podendo se- trativa, a fim de formar o convencimento do administrador, quanto
lecionar qualquer outro sujeito. à defesa técnica, faculdade (possibilidade) que o particular possui
b) Impessoalidade do administrador em relação a sua própria de constituir procurador (advogado).
atuação: A compreensão desse tópico exige a leitura do parágrafo Importante! O processo administrativo admite o duplo grau
primeiro do art. 37 da CF/88. Vejamos: ‘‘A publicidade dos atos, pro- de jurisdição, ou seja, a possibilidade de interpor recursos em face
gramas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá sentença desfavorável.
ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não
podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem Inafastabilidade do Poder Judiciário (art. 5, inciso XXXV da
promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.’’ CF/88): Insatisfeito com decisão proferida em âmbito administrati-
Do dispositivo legal supratranscrito é possível inferir que o uso vo, o particular poderá recorrer ao judiciário. Diz-se que a decisão
da máquina pública para fins de promoção pessoal de autoridades administrativa não forma Coisa Julgada Material, ou seja, não afasta
e agentes públicos constitui violação ao princípio da impessoalida- a apreciação da matéria pelo judiciário, pois, caso o fizesse, consisti-
de. Quando o agente público atua, no exercício da função adminis- ria em violação ao princípio da Inafastabilidade do Poder Judiciário.
trativa, o faz em nome da Administração Pública, e não em nome Ocorre que, de acordo com o princípio ora em análise, qual-
próprio. quer indivíduo que sofra lesão ou ameaça a direito, poderá, sem
Assim, se o Prefeito João do município J, durante a inauguração ressalva, recorrer ao Poder Judiciário.
de uma praça com espaço recreativo voltado para crianças, contrata Autotutela: De acordo com a súmula 473 do STF, por meio da
um carro de som para transmitir a mensagem: ‘‘ A nova praça é um autotutela, a Administração Pública pode rever os atos que pratica.
presente do Prefeito João para a criançada do município J’’, estará A autotutela pode ser provocada pelo particular interessado, por
violando o princípio da impessoalidade. meio do direito de petição, mas também pode ser exercida de ofí-
cio, ou seja, é possível que a Administração Pública reveja os atos
Moralidade: Bom trato com a máquina pública. Atuação admi- que pratica sem que seja necessária qualquer provocação.
nistrativa pautada nos princípios da ética, honestidade, probidade
e boa fé. A moralidade na Administração Pública está intimamente Motivação: É dever da Administração Pública justificar, motivar
ligada a não corrupção, não se confundindo com o conceito de mo- os atos que pratica. Isso ocorre devido ao fato de que a sociedade
ralidade na vida privada. é a real titular do interesse público e, nessa qualidade, tem o direi-
to de conhecer as questões que levaram a Administração Pública a
Publicidade: A publicidade é um mecanismo de controle dos praticar determinado ato em determinado momento. Existem ex-
atos administrativos por parte da sociedade, está associada à pres- ceções ao dever de motivar, exemplo, a nomeação e exoneração de
tação de informação da atuação pública aos administrados. A regra servidores que ocupam cargos em comissão, conforme disciplina o
é que a atuação administrativa seja pública, viabilizando, assim, o art. 40,§13 da CF/88.
controle da sociedade. Entretanto, o princípio em questão não é O princípio da motivação é tratado pelos seguintes dispositivos
absoluto, admitindo exceções previstas em lei. Dessa forma, em legais:
situações em que devam ser preservadas a segurança nacional, Art. 50 da lei 9.784/99 ‘‘ Os atos administrativos deverão ser
relevante interesse coletivo e intimidade, honra e vida privada, o motivados, com indicação dos fatos e dos fundamentos jurídicos.’’
princípio da publicidade será afastado. 50, §1° da lei 9.784/99‘‘A motivação deve ser explícita, clara e
Ademais, cumpre advertir que a publicidade é requisito de efi- congruente, podendo consistir em declaração de concordância com
cácia dos atos administrativos que se voltam para a sociedade, de fundamentos de anteriores pareceres, informações, decisões ou
forma que os mesmos não poderão produzir efeitos enquanto não propostas, que, neste caso, serão parte integrante do ato.’’
publicados. Ex: Proibição de levar animais e andar de bicicleta em O parágrafo primeiro do artigo cinquenta, de acordo com Ma-
praça (bem público) recentemente inaugurada só será eficaz me- theus Carvalho (2017) diz respeito à motivação aliunde, que como
diante placa com o aviso. o próprio dispositivo legal denuncia, ocorre quando o administra-
dor recorre a motivação de atos anteriormente praticados para jus-
Eficiência (Inserido pela Emenda Constitucional 19/98): De tificar o ato que expedirá.
acordo com esse princípio, a Administração Pública deve atingir
os melhores resultados possíveis com o mínimo de gastos, ou seja, Continuidade (Lei 8987/95): De acordo com o princípio da con-
produzir mais utilizando menos. Com a eficiência, deseja-se rapi- tinuidade, a atividade administrativa deve ser contínua e não pode
dez, qualidade, presteza e menos desperdício de recursos possível. sofrer interrupções. A respeito deste princípio, Matheus Carvalho
O princípio da eficiência inspirou, por exemplo, a avaliação pe- (2017) traz alguns questionamentos, vejamos:
riódica de desempenho do servidor público.
→ Se a atividade administrativa deve ser contínua e ininterrup-
• Demais princípios que desempenham papel fundamental ta, o servidor público não possui direito de greve?
no Direito Administrativo ( CARVALHO, 2017) Depende. Servidores militares não possuem direito de greve,
Ampla Defesa e Contraditório (art. 5, LV da CF/88): São os tampouco de sindicalização. Em se tratando dos servidores civis, o
princípios responsáveis por enunciar o direito do particular adquirir direito de greve existe e deve ser exercido nos termos e condições
conhecimento sobre o que se passa em processos nos quais com- da lei específica cabível. Tal lei específica, entretanto, nunca foi edi-
ponha um dos polos (autor ou réu), bem como, de se manifestar tada, de forma que STF decidiu que, diante da omissão, os servido-
acerca dos fatos que lhe são imputados. Contraditório e Ampla res públicos civis poderão fazer greve nos moldes da Lei Geral de
Defesa, portanto, são princípios que se complementam, devendo Greve.
ser observados tanto em processos judiciais, quanto em processos
administrativos.

7
ÉTICA
→ É possível que o particular contratado pela Administração (D) Thomas Hobbes desenvolveu a teoria da atributividade, se-
Pública se valha da exceção de contrato não cumprido? gundo a qual direito e moral estão inter-relacionados, tendo
Primeiramente, se faz necessário esclarecer que exceção de ambos origem no direito natural.
contrato não cumprido é o direito que a parte possui de não cum- (E) Max Scheler preconizava uma espécie de moral pura, condi-
prir com suas obrigações contratuais caso a outra parte também ção para a existência de um comportamento que, guiado pelo
não tenha cumprido com as dela. direito e pela ética, não muda segundo as circunstâncias

Dessa forma, suponhamos que a Administração Pública deixa 2. Considerando as noções de ética e de moral, bem como os
de fazer os pagamentos ao particular contratado, este poderá dei- princípios e valores que conduzem nossa sociedade, julgue os itens
xar de prestar o serviço pactuado? seguintes.
Sim, entretanto só poderá fazê-lo após 90 dias de inadimplên- I- Um indivíduo em situação de miséria que encontrar, caída na
cia, trata-se de garantia conferida pelo princípio da continuidade rua, uma carteira e decidir utilizar o cartão de crédito nela guardado
disciplinada pelo art. 78, XV da Lei 8.666/93. para adquirir medicamentos ao seu filho terá agido de acordo com
as normas éticas, mas não com os princípios morais.
→A interrupção de um serviço público em razão do inadimple- II- Os valores morais variam ao longo do tempo.
mento do usuário fere o princípio da continuidade? III- O campo da filosofia dedicado a estudar os valores e prin-
De acordo com o art. 6, § 3º da Lei 8987/95, a interrupção de cípios que orientam a conduta dos seres humanos em sociedade é
serviço público em virtude do inadimplemento do usuário não fere denominado ética.
o princípio da continuidade desde que haja prévio aviso ou seja
configurada situação de emergência, contanto, ainda, que seja pre- Assinale a opção correta.
servado o interesse coletivo. (A) Apenas os itens I e II estão certos.
(B) Apenas os itens I e III estão certos.
Razoabilidade e Proporcionalidade: A atividade da Administra- (C) Apenas os itens II e III estão certos.
ção Pública deve obedecer a padrões plausíveis, aceitáveis para a (D)Todos os itens estão certos.
sociedade. Diz-se então, que a atuação administrativa deve ser ra-
zoável. No que diz respeito à proporcionalidade, deve-se pensar em 3. Acerca da ética, princípios e valores no serviço público, assi-
adequação entre a finalidade pretendida e os meios utilizados para nale a alternativa correta.
o alcance dessa finalidade, por exemplo, não é razoável e propor- “Note-se que a quase totalidade das sociedades ocidentais
cional que um servidor público que se ausenta de suas atividades tem a dignidade humana como princípio ético, muito embora seus
por apenas um dia seja punido com a sanção de exoneração. códigos morais (suas práticas habituais) sejam tão diferentes, por
que diferentes são os valores por elas eleitos, embora todos eles
Isonomia: O princípio da isonomia consiste no tratamento tenham a dignidade humana como alicerce” (MULLER, 2018)
igual aos indivíduos que se encontram na mesma situação e no tra- (A) Os valores possuem uma perspectiva ética, orientando o ser
tamento diferenciado aos indivíduos que se encontram em situação humano a direcionar suas ações para o bem
de desigualdade. Exemplo: Tratamento diferenciado (‘‘vantagens’’) (B) Os princípios são objetos da escolha moral; ou seja, a quali-
conferido às microempresas e empresas de pequeno porte no pro- dade de algo preferível ou estimável
cedimento de licitação, a fim de que possam competir de forma
(C) A probidade administrativa é escolha moral que deve ser
mais justa junto às empresas detentoras de maior poder econômi-
feita por todo servidor público
co.
(D) A moralidade administrativa faz parte dos valores morais
que regem o comportamento dos servidores públicos, condu-
Segurança Jurídica: Disciplinado pelo art. 2º, parágrafo único,
zindo seu comportamento profissional para o bem comum
XIII da Lei 9784/99 ‘‘ Nos processos administrativos será observada
a interpretação da norma administrativa da forma que melhor ga-
4. Acerca de ética, princípios e valores no serviço público, ana-
ranta o atendimento do fim público a que se dirige, vedada aplica-
ção retroativa de nova interpretação.’’. Do dispositivo legal é possí- lise as afirmativas abaixo.
vel extrair o fato de que não é possível aplicação retroativa de nova I. O princípio é um fundamento ético.
interpretação da norma em âmbito administrativo, visto que tal me- II. O valor é uma escolha moral.
dida, ao ferir legítimas expectativas de direito dos administrados, III. Os princípios são por nós assimilados ao longo de nossa
constituiria lesão ao princípio da Segurança Jurídica. vida, seja por nossas vivências, seja pelos ensinamentos que rece-
bemos. São objetos de escolha moral, a qual torna algo preferível
ou estimável.

EXERCÍCIOS Assinale a alternativa correta.


(A) Apenas as afirmativas I e II estão corretas
1. Considerando os conceitos de direito e de moral, assinale a (B) Apenas a afirmativa III está correta
opção correta à luz da filosofia do direito. (C) As afirmativas I, II e III estão corretas
(A) Kant desenvolveu a teoria do mínimo ético, segundo a qual (D) Apenas as afirmativas I e III estão corretas
o direito representa todo o conteúdo moral obrigatório para
que a sociedade possa sobreviver minimamente. 5. Sobre a ética, democracia e exercício da cidadania, analise as
(B) Hans Kelsen formulou a teoria da bilateralidade atributiva, afirmativas abaixo e dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F).
asseverando que a moral não se distingue do direito, mas o ( ) Exercício da cidadania é o gozo de direitos e desempenho de
complementa por meio da bilateralidade ou intersubjetividade. deveres pelo cidadão.
(C) Christian Thomasius propôs a distinção entre o direito e a ( ) A democracia constitui forma de governo pautada pelo res-
moral, sob a inspiração pufendorfiana, com base na ideia de peito à singularidade, pela defesa da transparência e pela garantia
coação. da perpetuação do exercício do poder.

8
ÉTICA
( ) O exercício da cidadania deve pautar-se por contornos éti- (D) A gestão de ética no serviço público deve abordar o exercí-
cos, de modo que o exercício da cidadania deve materializar-se na cio das seguintes funções: normalização; educação; monitora-
escolha da melhor conduta, tendo em vista o bem comum, resul- mento; e aplicação de sistemas de consequências em caso de
tando em uma ação moral como expressão do bem. atividades antiéticas.
( ) Democracia é o regime político em que a soberania é exer- (E)Todo servidor deve ter estabelecido o conceito do que é
cida pelo povo. ético ou antiético, motivo que leva a instituição de códigos de
ética de servidores públicos a ser desnecessária.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de
cima para baixo. 10. Sobre a ética no setor público, assinale a alternativa cor-
(A) V, V, F, V reta.
(B) V, V, V, F (A) Princípio da diligência se refere a agir com zelo e escrúpulo
(C) F, F, V, F em todas funções
(D) V, F, V, V (B) O princípio da conduta ilibada é o de agir da melhor manei-
ra esperada em sua profissão e fora dela, com técnica, justiça
6. Com relação à ética, à democracia e ao exercício da cidada- e discrição
nia, assinale a alternativa correta. (C) O princípio da correção profissional diz respeito a não acu-
(A) O exercício da cidadania, como uso de direitos e desempe- mular funções incompatíveis
nho de deveres, deve pautar-se por contornos éticos. (D) O princípio da lealdade e da verdade orienta a guardar se-
(B) O exercício da cidadania tem em vista o bem individual, sem gredo sobre as informações que acessa no exercício da profis-
observar a conduta coletiva. são
(C) A cidadania é exercida no campo individual.
(D) As atribuições cívico-políticas do cidadão independem da
forma de governo adotada pelo Estado. GABARITO
(E) A democracia, a transparência e a divergência de ideias não
podem estar associadas.
1 C
7. Acerca da ética e função pública, assinale a alternativa in-
correta. 2 C
(A) É dever do servidor atender com presteza ao público em 3 C
geral, prestando as informações requeridas, ressalvadas as pro-
tegidas por sigilo 4 A
(B) É dever do servidor exercer com zelo e dedicação as atribui- 5 D
ções do cargo
6 A
(C) É dever do servidor participar de gerência ou administração
de sociedade privada, personificada ou não personificada 7 C
(D) É dever do servidor cumprir as ordens superiores, exceto 8 D
quando manifestamente ilegais
9 D
8. Acerca da ética e função pública, assinale a alternativa in- 10 A
correta.
(A) É dever do servidor público exercer com zelo e dedicação as
atribuições do cargo
(B) É dever do servidor levar as irregularidades de que tiver
ciência em razão do cargo ao conhecimento da autoridade su-
perior ou, quando houver suspeita de envolvimento desta, ao
conhecimento de outra autoridade competente para apuração
(C) O descumprimento dos deveres funcionais do servidor, des-
critos no art. 116 da Lei 8.112/1990, ensejará a aplicação da
pena de advertência (art. 129), sendo que a reincidência impli-
cará na pena de suspensão (art. 130)
(D) É direito do servidor promover manifestação de apreço ou
desapreço no recinto da repartição

9. Quanto à ética no Setor Público, assinale a alternativa cor-


reta.
(A) É desnecessário estabelecer um padrão de comportamento
a ser observado pelos servidores, uma vez que o agir ético deve
se basear nas decisões e nos conceitos individuais dos servido-
res públicos.
(B) A promoção da ética no serviço público prescinde da atua-
ção permanente de Conselhos ou Comissões de Ética.
(C) A ética, por tratar-se de elemento subjetivo, torna desne-
cessário fornecer aos servidores públicos diretrizes que afir-
mem o que deve e o que não deve ser feito.

9
ÉTICA

ANOTAÇÕES ANOTAÇÕES

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

_____________________________________________________ _____________________________________________________

_____________________________________________________ _____________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

10
INFORMÁTICA
1. Conceito de internet e intranet. Conceitos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados
a internet/intranet. Ferramentas e aplicativos de navegação, de correio eletrônico, de grupos de discussão, de busca, de pesquisa e
de redes sociais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Noções de sistema operacional (ambiente Linux e Windows). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3. Acesso à distância a computadores, transferência de informação e arquivos, aplicativos de áudio, vídeo e multimídia. . . . . . . . . 20
4. Edição de textos, planilhas e apresentações (ambientes Microsoft Office e LibreOffice). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
5. Redes de computadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
6. Conceitos de proteção e segurança. Noções de vírus, worms e pragas virtuais. Aplicativos para segurança (antivírus, firewall, antis-
pyware etc.). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
7. Computação na nuvem (cloud computing). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
8. Conceitos de informação, dados, representação de dados, de conhecimentos, segurança e inteligência. Banco de dados. Base de da-
dos, documentação e prototipação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
9. Noções de aprendizado de informática – Software e Hardware. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
10. Redes de comunicação – Redes Sociais e Telecomunicações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
11. Planilhas – elaboração, fórmulas e conceitos ligados ao Excel. Apresentações – Formatos, Designs, Comandos e Conceitos ligados ao
Power Point. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
INFORMÁTICA
• WAN: É uma rede com grande abrangência física, maior que
CONCEITO DE INTERNET E INTRANET. CONCEITOS E a MAN, Estado, País; podemos citar até a INTERNET para entender-
MODOS DE UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS, FERRAMEN- mos o conceito.
TAS, APLICATIVOS E PROCEDIMENTOS ASSOCIADOS A
INTERNET/INTRANET. FERRAMENTAS E APLICATIVOS
DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS
DE DISCUSSÃO, DE BUSCA, DE PESQUISA E DE REDES
SOCIAIS

Tipos de rede de computadores


• LAN: Rele Local, abrange somente um perímetro definido.
Exemplos: casa, escritório, etc.

Navegação e navegadores da Internet

• Internet
É conhecida como a rede das redes. A internet é uma coleção
global de computadores, celulares e outros dispositivos que se co-
municam.

• Procedimentos de Internet e intranet


Através desta conexão, usuários podem ter acesso a diversas
informações, para trabalho, laser, bem como para trocar mensa-
gens, compartilhar dados, programas, baixar documentos (down-
load), etc.
• MAN: Rede Metropolitana, abrange uma cidade, por exem-
plo.

• Sites
Uma coleção de páginas associadas a um endereço www. é
chamada web site. Através de navegadores, conseguimos acessar
web sites para operações diversas.

• Links
O link nada mais é que uma referência a um documento, onde
o usuário pode clicar. No caso da internet, o Link geralmente aponta
para uma determinada página, pode apontar para um documento
qualquer para se fazer o download ou simplesmente abrir.

Dentro deste contexto vamos relatar funcionalidades de alguns


dos principais navegadores de internet: Microsoft Internet Explorer,
Mozilla Firefox e Google Chrome.

1
INFORMÁTICA
Internet Explorer 11

• Identificar o ambiente

O Internet Explorer é um navegador desenvolvido pela Microsoft, no qual podemos acessar sites variados. É um navegador simplifi-
cado com muitos recursos novos.
Dentro deste ambiente temos:
– Funções de controle de privacidade: Trata-se de funções que protegem e controlam seus dados pessoais coletados por sites;
– Barra de pesquisas: Esta barra permite que digitemos um endereço do site desejado. Na figura temos como exemplo: https://www.
gov.br/pt-br/
– Guias de navegação: São guias separadas por sites aberto. No exemplo temos duas guias sendo que a do site https://www.gov.br/
pt-br/ está aberta.
– Favoritos: São pastas onde guardamos nossos sites favoritos
– Ferramentas: Permitem realizar diversas funções tais como: imprimir, acessar o histórico de navegação, configurações, dentre ou-
tras.

Desta forma o Internet Explorer 11, torna a navegação da internet muito mais agradável, com textos, elementos gráficos e vídeos que
possibilitam ricas experiências para os usuários.

• Características e componentes da janela principal do Internet Explorer

2
INFORMÁTICA
À primeira vista notamos uma grande área disponível para vi-
Sincronização com a conta FireFox (Vamos
sualização, além de percebemos que a barra de ferramentas fica 8
detalhar adiante)
automaticamente desativada, possibilitando uma maior área de
exibição. 9 Mostra menu de contexto com várias opções

Vamos destacar alguns pontos segundo as indicações da figura:


1. Voltar/Avançar página – Sincronização Firefox: Ato de guardar seus dados pessoais na
Como o próprio nome diz, clicando neste botão voltamos pági- internet, ficando assim disponíveis em qualquer lugar. Seus dados
na visitada anteriormente; como: Favoritos, históricos, Endereços, senhas armazenadas, etc.,
sempre estarão disponíveis em qualquer lugar, basta estar logado
2. Barra de Endereços com o seu e-mail de cadastro. E lembre-se: ao utilizar um computa-
Esta é a área principal, onde digitamos o endereço da página dor público sempre desative a sincronização para manter seus da-
procurada; dos seguros após o uso.

3. Ícones para manipulação do endereço da URL Google Chrome


Estes ícones são pesquisar, atualizar ou fechar, dependendo da
situação pode aparecer fechar ou atualizar.

4. Abas de Conteúdo
São mostradas as abas das páginas carregadas.

5. Página Inicial, favoritos, ferramentas, comentários

6. Adicionar à barra de favoritos

Mozila Firefox O Chrome é o navegador mais popular atualmente e disponi-


biliza inúmeras funções que, por serem ótimas, foram implementa-
das por concorrentes.
Vejamos:

• Sobre as abas
No Chrome temos o conceito de abas que são conhecidas tam-
bém como guias. No exemplo abaixo temos uma aba aberta, se qui-
Vamos falar agora do funcionamento geral do Firefox, objeto sermos abrir outra para digitar ou localizar outro site, temos o sinal
de nosso estudo: (+).
A barra de endereços é o local em que se digita o link da página
visitada. Uma outra função desta barra é a de busca, sendo que ao
digitar palavras-chave na barra, o mecanismo de busca do Google é
acionado e exibe os resultados.

Vejamos de acordo com os símbolos da imagem:

1 Botão Voltar uma página

2 Botão avançar uma página

3 Botão atualizar a página

4 Voltar para a página inicial do Firefox Vejamos de acordo com os símbolos da imagem:

5 Barra de Endereços
1 Botão Voltar uma página
6 Ver históricos e favoritos
2 Botão avançar uma página
Mostra um painel sobre os favoritos (Barra,
7
Menu e outros) 3 Botão atualizar a página

3
INFORMÁTICA
• Pesquisar palavras
4 Barra de Endereço. Muitas vezes ao acessar um determinado site, estamos em
busca de uma palavra ou frase específica. Neste caso, utilizamos
5 Adicionar Favoritos o atalho do teclado Ctrl + F para abrir uma caixa de texto na qual
podemos digitar parte do que procuramos, e será localizado.
6 Usuário Atual
Exibe um menu de contexto que iremos relatar • Salvando Textos e Imagens da Internet
7 Vamos navegar até a imagem desejada e clicar com o botão
seguir.
direito do mouse, em seguida salvá-la em uma pasta.
O que vimos até aqui, são opções que já estamos acostuma-
dos ao navegar na Internet, mesmo estando no Ubuntu, percebe- • Downloads
mos que o Chrome é o mesmo navegador, apenas está instalado Fazer um download é quando se copia um arquivo de algum
em outro sistema operacional. Como o Chrome é o mais comum site direto para o seu computador (texto, músicas, filmes etc.). Nes-
atualmente, a seguir conferimos um pouco mais sobre suas funcio- te caso, o Chrome possui um item no menu, onde podemos ver o
nalidades. progresso e os downloads concluídos.

• Favoritos
No Chrome é possível adicionar sites aos favoritos. Para adi-
cionar uma página aos favoritos, clique na estrela que fica à direita
da barra de endereços, digite um nome ou mantenha o sugerido, e
pronto.
Por padrão, o Chrome salva seus sites favoritos na Barra de Fa-
voritos, mas você pode criar pastas para organizar melhor sua lista.
Para removê-lo, basta clicar em excluir.

• Sincronização
Uma nota importante sobre este tema: A sincronização é im-
portante para manter atualizadas nossas operações, desta forma,
se por algum motivo trocarmos de computador, nossos dados esta-
rão disponíveis na sua conta Google.
• Histórico Por exemplo:
O Histórico no Chrome funciona de maneira semelhante ao – Favoritos, histórico, senhas e outras configurações estarão
Firefox. Ele armazena os endereços dos sites visitados e, para aces- disponíveis.
sá-lo, podemos clicar em Histórico no menu, ou utilizar atalho do – Informações do seu perfil são salvas na sua Conta do Google.
teclado Ctrl + H. Neste caso o histórico irá abrir em uma nova aba,
onde podemos pesquisá-lo por parte do nome do site ou mesmo No canto superior direito, onde está a imagem com a foto do
dia a dia se preferir. usuário, podemos clicar no 1º item abaixo para ativar e desativar.

4
INFORMÁTICA
Safari

O Safari é o navegador da Apple, e disponibiliza inúmeras funções implementadas.


Vejamos:

• Guias

– Para abrirmos outras guias podemos simplesmente teclar CTRL + T ou

Vejamos os comandos principais de acordo com os símbolos da imagem:

1 Botão Voltar uma página

2 Botão avançar uma página

3 Botão atualizar a página

4 Barra de Endereço.

5 Adicionar Favoritos

6 Ajustes Gerais

7 Menus para a página atual.

8 Lista de Leitura

Perceba que o Safari, como os outros, oferece ferramentas bastante comuns.

5
INFORMÁTICA
Vejamos algumas de suas funcionalidades: • Pesquisar palavras
Muitas vezes, ao acessar um determinado site, estamos em
• Lista de Leitura e Favoritos busca de uma palavra ou frase específica. Neste caso utilizamos o
No Safari é possível adicionar sites à lista de leitura para pos- atalho do teclado Ctrl + F, para abrir uma caixa de texto na qual po-
terior consulta, ou aos favoritos, caso deseje salvar seus endere- demos digitar parte do que procuramos, e será localizado.
ços. Para adicionar uma página, clique no “+” a que fica à esquerda
da barra de endereços, digite um nome ou mantenha o sugerido e • Salvando Textos e Imagens da Internet
pronto. Vamos navegar até a imagem desejada e clicar com o botão
Por padrão, o Safari salva seus sites na lista de leitura, mas você direito do mouse, em seguida salvá-la em uma pasta.
pode criar pastas para organizar melhor seus favoritos. Para remo-
vê-lo, basta clicar em excluir. • Downloads
Fazer um download é quando se copia um arquivo de um al-
gum site direto para o seu computador (texto, músicas, filmes etc.).
Neste caso, o Safari possui um item no menu onde podemos ver o
progresso e os downloads concluídos.

Correio Eletrônico
• Histórico e Favoritos O correio eletrônico, também conhecido como e-mail, é um
serviço utilizado para envio e recebimento de mensagens de texto
e outras funções adicionais como anexos junto com a mensagem.

Para envio de mensagens externas o usuário deverá estar co-


nectado a internet, caso contrário ele ficará limitado a sua rede lo-
cal.
Abaixo vamos relatar algumas características básicas sobre o
e-mail
– Nome do Usuário: é o nome de login escolhido pelo usuário
na hora de fazer seu e-mail. Exemplo: joaodasilva, no caso este é
nome do usuário;
– @ : Símbolo padronizado para uso em correios eletrônicos;
– Nome do domínio a que o e-mail pertence, isto é, na maioria
das vezes, a empresa;

Vejamos um exemplo: joaodasilva@gmail.com.br / @hotmail.


com.br / @editora.com.br
– Caixa de Entrada: Onde ficam armazenadas as mensagens
recebidas;
– Caixa de Saída: Onde ficam armazenadas as mensagens ainda
não enviadas;

6
INFORMÁTICA
– E-mails Enviados: Como o próprio nome diz, é onde ficam os • Anexação de arquivos
e-mails que foram enviados;
– Rascunho: Guarda as mensagens que você ainda não termi-
nou de redigir;
– Lixeira: Armazena as mensagens excluídas.

Ao escrever mensagens, temos os seguintes campos:


– Para: é o campo onde será inserido o endereço do destinatá-
rio do e-mail;
– CC: este campo é usado para mandar cópias da mesma men-
sagem. Ao usar esse campo os endereços aparecerão para todos os
destinatários envolvidos;
– CCO: sua funcionalidade é semelhante ao campo anterior, no
entanto os endereços só aparecerão para os respectivos donos da
mensagem; Uma função adicional quando criamos mensagens é de ane-
– Assunto: campo destinado ao assunto da mensagem; xar um documento à mensagem, enviando assim juntamente com
– Anexos: são dados que são anexados à mensagem (imagens, o texto.
programas, música, textos e outros);
– Corpo da Mensagem: espaço onde será escrita a mensagem. • Boas práticas para anexar arquivos à mensagem
– E-mails tem limites de tamanho, não podemos enviar coisas
• Uso do correio eletrônico que excedem o tamanho, estas mensagens irão retornar;
– Inicialmente o usuário deverá ter uma conta de e-mail; – Deveremos evitar arquivos grandes pois além do limite do
– Esta conta poderá ser fornecida pela empresa ou criada atra- e-mail, estes demoram em excesso para serem carregados.
vés de sites que fornecem o serviço. As diretrizes gerais sobre a cria- Computação de nuvem (Cloud Computing)
ção de contas estão no tópico acima;
– Uma vez criada a conta, o usuário poderá utilizar um cliente • Conceito de Nuvem (Cloud)
de e-mail na internet ou um gerenciador de e-mail disponível;
– Atualmente existem vários gerenciadores disponíveis no
mercado, tais como: Microsoft Outlook, Mozila Thunderbird, Opera
Mail, Gmail, etc.;
– O Microsoft outlook é talvez o mais conhecido gerenciador
de e-mail, dentro deste contexto vamos usá-lo como exemplo nos
tópicos adiante, lembrando que todos funcionam de formas bas-
tante parecidas.

• Preparo e envio de mensagens

A “Nuvem”, também referenciada como “Cloud”, são os servi-


ços distribuídos pela INTERNET que atendem as mais variadas de-
mandas de usuários e empresas.

• Boas práticas para criação de mensagens


– Uma mensagem deverá ter um assunto. É possível enviar
mensagem sem o Assunto, porém não é o adequado;
– A mensagem deverá ser clara, evite mensagens grandes ao
extremo dando muitas voltas;
– Verificar com cuidado os destinatários para o envio correto
de e-mails, evitando assim problemas de envios equivocados.

7
INFORMÁTICA
A internet é a base da computação em nuvem, os servidores remotos detêm os aplicativos e serviços para distribuí-los aos usuários
e às empresas.
A computação em nuvem permite que os consumidores aluguem uma infraestrutura física de um data center (provedor de serviços
em nuvem). Com acesso à Internet, os usuários e as empresas usam aplicativos e a infraestrutura alugada para acessarem seus arquivos,
aplicações, etc., a partir de qualquer computador conectado no mundo.
Desta forma todos os dados e aplicações estão localizadas em um local chamado Data Center dentro do provedor.
A computação em nuvem tem inúmeros produtos, e esses produtos são subdivididos de acordo com todos os serviços em nuvem,
mas os principais aplicativos da computação em nuvem estão nas áreas de: Negócios, Indústria, Saúde, Educação, Bancos, Empresas de
TI, Telecomunicações.

• Armazenamento de dados da nuvem (Cloud Storage)

A ideia de armazenamento na nuvem ( Cloud Storage ) é simples. É, basicamente, a gravação de dados na Internet.
Este envio de dados pode ser manual ou automático, e uma vez que os dados estão armazenados na nuvem, eles podem ser acessados
em qualquer lugar do mundo por você ou por outras pessoas que tiverem acesso.
São exemplos de Cloud Storage: DropBox, Google Drive, OneDrive.
As informações são mantidas em grandes Data Centers das empresas que hospedam e são supervisionadas por técnicos responsáveis
por seu funcionamento. Estes Data Centers oferecem relatórios, gráficos e outras formas para seus clientes gerenciarem seus dados e
recursos, podendo modificar conforme a necessidade.
O armazenamento em nuvem tem as mesmas características que a computação em nuvem que vimos anteriormente, em termos de
praticidade, agilidade, escalabilidade e flexibilidade.
Além dos exemplos citados acima, grandes empresas, tais como a IBM, Amazon, Microsoft e Google possuem serviços de nuvem que
podem ser contratados.

OUTLOOK
O Microsoft Outlook é um gerenciador de e-mail usado principalmente para enviar e receber e-mails. O Microsoft Outlook também
pode ser usado para administrar vários tipos de dados pessoais, incluindo compromissos de calendário e entradas, tarefas, contatos e
anotações.

8
INFORMÁTICA
Funcionalidades mais comuns:

PARA FAZER ISTO ATALHO CAMINHOS PARA EXECUÇÃO


1 Entrar na mensagem Enter na mensagem fechada ou click Verificar coluna atalho
2 Fechar Esc na mensagem aberta Verificar coluna atalho
3 Ir para a guia Página Inicial Alt+H Menu página inicial
4 Nova mensagem Ctrl+Shift+M Menu página inicial => Novo e-mail
5 Enviar Alt+S Botão enviar
6 Delete Excluir (quando na mensagem fechada) Verificar coluna atalho
7 Pesquisar Ctrl+E Barra de pesquisa
8 Responder Ctrl+R Barra superior do painel da mensagem
9 Encaminhar Ctrl+F Barra superior do painel da mensagem
10 Responder a todos Ctrl+Shift+R Barra superior do painel da mensagem
11 Copiar Ctrl+C Click direito copiar
12 Colar Ctrl+V Click direito colar
13 Recortar Ctrl+X Click direito recortar
14 Enviar/Receber Ctrl+M Enviar/Receber (Reatualiza tudo)
15 Acessar o calendário Ctrl+2 Canto inferior direito ícone calendário
16 Anexar arquivo ALT+T AX Menu inserir ou painel superior
17 Mostrar campo cco (cópia oculta) ALT +S + B Menu opções CCO

Endereços de e-mail
• Nome do Usuário – é o nome de login escolhido pelo usuário na hora de fazer seu e-mail. Exemplo: joaodasilva, no caso este é nome
do usuário;
• @ – Símbolo padronizado para uso;
• Nome do domínio – domínio a que o e-mail pertence, isto é, na maioria das vezes, a empresa. Vejamos um exemplo real: joaodasil-
va@solucao.com.br;
• Caixa de Entrada – Onde ficam armazenadas as mensagens recebidas;
• Caixa de Saída – Onde ficam armazenadas as mensagens ainda não enviadas;
• E-mails Enviados – Como próprio nome diz, e aonde ficam os e-mails que foram enviados;
• Rascunho – Guarda as mensagens que ainda não terminadas;
• Lixeira – Armazena as mensagens excluídas;

Escrevendo e-mails
Ao escrever uma mensagem, temos os seguintes campos:
• Para – é o campo onde será inserido o endereço do destinatário do e-mail;
• CC – este campo é usado para mandar cópias da mesma mensagem. Ao usar este campo os endereços aparecerão para todos os
destinatários envolvidos.
• CCO – sua funcionalidade é semelhante ao campo anterior, no entanto os endereços só aparecerão para os respectivos donos;
• Assunto – campo destinado ao assunto da mensagem.
• Anexos – são dados que são anexados à mensagem (imagens, programas, música, textos e outros.)
• Corpo da Mensagem – espaço onde será escrita a mensagem.

9
INFORMÁTICA
Contas de e-mail
É um endereço de e-mail vinculado a um domínio, que está
apto a receber e enviar mensagens, ou até mesmo guarda-las con-
forme a necessidade.

Adicionar conta de e-mail


Siga os passos de acordo com as imagens:

Enviar
De acordo com a imagem a seguir, o botão Enviar fica em evi-
dência para o envio de e-mails.

Encaminhar e responder e-mails


A partir daí devemos seguir as diretrizes sobre nomes de e-mail, Funcionalidades importantes no uso diário, você responde a
referida no item “Endereços de e-mail”. e-mail e os encaminha para outros endereços, utilizando os botões
indicados. Quando clicados, tais botões ativam o quadros de texto,
Criar nova mensagem de e-mail para a indicação de endereços e digitação do corpo do e-mail de
resposta ou encaminhamento.

Ao clicar em novo e-mail é aberto uma outra janela para digita-


ção do texto e colocar o destinatário, podemos preencher também
os campos CC (cópia), e o campo CCO (cópia oculta), porém esta
outra pessoa não estará visível aos outros destinatários.

10
INFORMÁTICA
Adicionar, abrir ou salvar anexos
A melhor maneira de anexar e colar o objeto desejado no corpo
do e-mail, para salvar ou abrir, basta clicar no botão corresponden-
te, segundo a figura abaixo:

Adicionar assinatura de e-mail à mensagem


Um recurso interessante, é a possibilidade de adicionarmos
assinaturas personalizadas aos e-mails, deixando assim definida a Imprimir uma mensagem de e-mail
nossa marca ou de nossa empresa, de forma automática em cada Por fim, um recurso importante de ressaltar, é o que nos pos-
mensagem. sibilita imprimir e-mails, integrando-os com a impressora ligada ao
computador. Um recurso que se assemelha aos apresentados pelo
pacote Office e seus aplicativos.

11
INFORMÁTICA

NOÇÕES DE SISTEMA OPERACIONAL (AMBIENTE LINUX E


WINDOWS)

WINDOWS 7

Conceito de pastas e diretórios


Pasta algumas vezes é chamada de diretório, mas o nome “pas-
ta” ilustra melhor o conceito. Pastas servem para organizar, armaze-
nar e organizar os arquivos. Estes arquivos podem ser documentos
de forma geral (textos, fotos, vídeos, aplicativos diversos).
Lembrando sempre que o Windows possui uma pasta com o
nome do usuário onde são armazenados dados pessoais.
Dentro deste contexto temos uma hierarquia de pastas.
Área de trabalho do Windows 7

No caso da figura acima, temos quatro pastas e quatro arqui-


vos.

Arquivos e atalhos
Como vimos anteriormente: pastas servem para organização,
vimos que uma pasta pode conter outras pastas, arquivos e atalhos.
• Arquivo é um item único que contém um determinado dado.
Estes arquivos podem ser documentos de forma geral (textos, fotos, Área de transferência
vídeos e etc..), aplicativos diversos, etc. A área de transferência é muito importante e funciona em se-
• Atalho é um item que permite fácil acesso a uma determina- gundo plano. Ela funciona de forma temporária guardando vários
da pasta ou arquivo propriamente dito. tipos de itens, tais como arquivos, informações etc.
– Quando executamos comandos como “Copiar” ou “Ctrl + C”,
estamos copiando dados para esta área intermediária.

12
INFORMÁTICA
– Quando executamos comandos como “Colar” ou “Ctrl + V”, • Backup e Restore
estamos colando, isto é, estamos pegando o que está gravado na Interação com o conjunto de aplicativos
área de transferência. Vamos separar esta interação do usuário por categoria para en-
tendermos melhor as funções categorizadas.
Manipulação de arquivos e pastas
A caminho mais rápido para acessar e manipular arquivos e Facilidades
pastas e outros objetos é através do “Meu Computador”. Podemos
executar tarefas tais como: copiar, colar, mover arquivos, criar pas-
tas, criar atalhos etc.

O Windows possui um recurso muito interessante que é o Cap-


turador de Tela , simplesmente podemos, com o mouse, recortar a
parte desejada e colar em outro lugar.

Música e Vídeo
Temos o Media Player como player nativo para ouvir músicas
e assistir vídeos. O Windows Media Player é uma excelente expe-
riência de entretenimento, nele pode-se administrar bibliotecas
de música, fotografia, vídeos no seu computador, copiar CDs, criar
playlists e etc., isso também é válido para o media center.

Uso dos menus

Ferramentas do sistema
• A limpeza de disco é uma ferramenta importante, pois o pró-
prio Windows sugere arquivos inúteis e podemos simplesmente
confirmar sua exclusão.

Programas e aplicativos
• Media Player
• Media Center
• Limpeza de disco
• Desfragmentador de disco
• Os jogos do Windows.
• Ferramenta de captura

13
INFORMÁTICA
• O recurso de backup e restauração do Windows é muito im-
portante pois pode ajudar na recuperação do sistema, ou até mes-
mo escolher seus arquivos para serem salvos, tendo assim uma có-
pia de segurança.

WINDOWS 8

• O desfragmentador de disco é uma ferramenta muito impor-


tante, pois conforme vamos utilizando o computador os arquivos
ficam internamente desorganizados, isto faz que o computador fi-
que lento. Utilizando o desfragmentador o Windows se reorganiza
internamente tornando o computador mais rápido e fazendo com
que o Windows acesse os arquivos com maior rapidez.

Conceito de pastas e diretórios


Pasta algumas vezes é chamada de diretório, mas o nome “pas-
ta” ilustra melhor o conceito. Pastas servem para organizar, armaze-
nar e organizar os arquivos. Estes arquivos podem ser documentos
de forma geral (textos, fotos, vídeos, aplicativos diversos).
Lembrando sempre que o Windows possui uma pasta com o
nome do usuário onde são armazenados dados pessoais.

14
INFORMÁTICA
Dentro deste contexto temos uma hierarquia de pastas. Área de trabalho do Windows 8

No caso da figura acima temos quatro pastas e quatro arquivos. Área de transferência
A área de transferência é muito importante e funciona em se-
Arquivos e atalhos gundo plano. Ela funciona de forma temporária guardando vários
Como vimos anteriormente: pastas servem para organização, tipos de itens, tais como arquivos, informações etc.
vimos que uma pasta pode conter outras pastas, arquivos e atalhos. – Quando executamos comandos como “Copiar” ou “Ctrl + C”,
• Arquivo é um item único que contém um determinado dado. estamos copiando dados para esta área intermediária.
Estes arquivos podem ser documentos de forma geral (textos, fotos, – Quando executamos comandos como “Colar” ou “Ctrl + V”,
vídeos e etc..), aplicativos diversos, etc. estamos colando, isto é, estamos pegando o que está gravado na
• Atalho é um item que permite fácil acesso a uma determina- área de transferência.
da pasta ou arquivo propriamente dito. Manipulação de arquivos e pastas
A caminho mais rápido para acessar e manipular arquivos e
pastas e outros objetos é através do “Meu Computador”. Podemos
executar tarefas tais como: copiar, colar, mover arquivos, criar pas-
tas, criar atalhos etc.

Uso dos menus

15
INFORMÁTICA
Programas e aplicativos Jogos
Temos também jogos anexados ao Windows 8.

Transferência
O recurso de transferência fácil do Windows 8 é muito impor-
tante, pois pode ajudar na escolha de seus arquivos para serem sal-
Interação com o conjunto de aplicativos vos, tendo assim uma cópia de segurança.
Vamos separar esta interação do usuário por categoria para en-
tendermos melhor as funções categorizadas.

Facilidades

O Windows possui um recurso muito interessante que é o Cap-


turador de Tela, simplesmente podemos, com o mouse, recortar a
parte desejada e colar em outro lugar.

Música e Vídeo
Temos o Media Player como player nativo para ouvir músicas
e assistir vídeos. O Windows Media Player é uma excelente expe-
riência de entretenimento, nele pode-se administrar bibliotecas
de música, fotografia, vídeos no seu computador, copiar CDs, criar
playlists e etc., isso também é válido para o media center.

A lista de aplicativos é bem intuitiva, talvez somente o Skydrive


mereça uma definição:
• Skydrive é o armazenamento em nuvem da Microsoft, hoje
portanto a Microsoft usa o termo OneDrive para referenciar o ar-
mazenamento na nuvem (As informações podem ficar gravadas na
internet).

WINDOWS 10

Conceito de pastas e diretórios


Pasta algumas vezes é chamada de diretório, mas o nome “pas-
ta” ilustra melhor o conceito. Pastas servem para organizar, armaze-
nar e organizar os arquivos. Estes arquivos podem ser documentos
de forma geral (textos, fotos, vídeos, aplicativos diversos).
Lembrando sempre que o Windows possui uma pasta com o
nome do usuário onde são armazenados dados pessoais.
Dentro deste contexto temos uma hierarquia de pastas.

16
INFORMÁTICA
– Quando executamos comandos como “Colar” ou “Ctrl + V”,
estamos colando, isto é, estamos pegando o que está gravado na
área de transferência.

Manipulação de arquivos e pastas


A caminho mais rápido para acessar e manipular arquivos e
pastas e outros objetos é através do “Meu Computador”. Podemos
executar tarefas tais como: copiar, colar, mover arquivos, criar pas-
tas, criar atalhos etc.

No caso da figura acima temos quatro pastas e quatro arquivos.

Arquivos e atalhos
Como vimos anteriormente: pastas servem para organização,
vimos que uma pasta pode conter outras pastas, arquivos e atalhos.
• Arquivo é um item único que contém um determinado dado.
Estes arquivos podem ser documentos de forma geral (textos, fotos,
vídeos e etc..), aplicativos diversos, etc.
• Atalho é um item que permite fácil acesso a uma determina-
da pasta ou arquivo propriamente dito.

Uso dos menus

Área de trabalho

Programas e aplicativos e interação com o usuário


Vamos separar esta interação do usuário por categoria para en-
tendermos melhor as funções categorizadas.
– Música e Vídeo: Temos o Media Player como player nativo
para ouvir músicas e assistir vídeos. O Windows Media Player é uma
excelente experiência de entretenimento, nele pode-se administrar
bibliotecas de música, fotografia, vídeos no seu computador, copiar
CDs, criar playlists e etc., isso também é válido para o media center.

Área de transferência
A área de transferência é muito importante e funciona em se-
gundo plano. Ela funciona de forma temporária guardando vários
tipos de itens, tais como arquivos, informações etc.
– Quando executamos comandos como “Copiar” ou “Ctrl + C”,
estamos copiando dados para esta área intermediária.

17
INFORMÁTICA
• O recurso de backup e restauração do Windows é muito im-
portante pois pode ajudar na recuperação do sistema, ou até mes-
mo escolher seus arquivos para serem salvos, tendo assim uma có-
pia de segurança.

– Ferramentas do sistema Inicialização e finalização


• A limpeza de disco é uma ferramenta importante, pois o pró-
prio Windows sugere arquivos inúteis e podemos simplesmente
confirmar sua exclusão.

Quando fizermos login no sistema, entraremos direto no Win-


dows, porém para desligá-lo devemos recorrer ao e:

• O desfragmentador de disco é uma ferramenta muito impor-


tante, pois conforme vamos utilizando o computador os arquivos
ficam internamente desorganizados, isto faz que o computador fi-
que lento. Utilizando o desfragmentador o Windows se reorganiza
internamente tornando o computador mais rápido e fazendo com
que o Windows acesse os arquivos com maior rapidez.

LINUX
O Linux não é um ambiente gráfico como o Windows, mas po-
demos carregar um pacote para torná-lo gráfico assumindo assim
uma interface semelhante ao Windows. Neste caso vamos carregar
o pacote Gnome no Linux. Além disso estaremos também usando a
distribuição Linux Ubuntu para demonstração, pois sabemos que o
Linux possui várias distribuições para uso.

Vamos olhar abaixo o

Linux Ubuntu em modo texto:

18
INFORMÁTICA
Linux Ubuntu em modo gráfico (Área de trabalho): No caso do Linux temos que criar um lançador que funciona
como um atalho, isto é, ele vai chamar o item indicado.

Conceito de pastas e diretórios Perceba que usamos um comando para criar um lançador, mas
Pasta algumas vezes é chamada de diretório, mas o nome “pas- nosso objetivo aqui não é detalhar comandos, então a forma mais
ta” ilustra melhor o conceito. Pastas servem para organizar, armaze- rápida de pesquisa de aplicativos, pastas e arquivos é através do
nar e organizar os arquivos. Estes arquivos podem ser documentos botão:
de forma geral (textos, fotos, vídeos, aplicativos diversos).

Dentro deste contexto temos uma hierarquia de pastas.

Desta forma já vamos direto ao item desejado

Área de transferência
Perceba que usando a interface gráfica funciona da mesma for-
ma que o Windows.
A área de transferência é muito importante e funciona em se-
gundo plano. Ela funciona de forma temporária guardando vários
No caso da figura acima temos quatro pastas e quatro arquivos. tipos de itens, tais como arquivos, informações etc.
– Quando executamos comandos como “Copiar” ou “Ctrl + C”,
Arquivos e atalhos estamos copiando dados para esta área intermediária.
Como vimos anteriormente: pastas servem para organização, – Quando executamos comandos como “Colar” ou “Ctrl + V”,
vimos que uma pasta pode conter outras pastas, arquivos e atalhos. estamos colando, isto é, estamos pegando o que está gravado na
• Arquivo é um item único que contém um determinado dado. área de transferência.
Estes arquivos podem ser documentos de forma geral (textos, fotos,
vídeos e etc..), aplicativos diversos, etc. Manipulação de arquivos e pastas
• Atalho é um item que permite fácil acesso a uma determina- No caso da interface gráfica as funcionalidades são semelhan-
da pasta ou arquivo propriamente dito. tes ao Windows como foi dito no tópico acima. Entretanto, pode-
mos usar linha de comando, pois já vimos que o Linux originalmen-
te não foi concebido com interface gráfica.

19
INFORMÁTICA
Na figura acima utilizamos o comando ls e são listadas as pastas
na cor azul e os arquivos na cor branca.

Uso dos menus


Como estamos vendo, para se ter acesso aos itens do Linux são
necessários diversos comandos. Porém, se utilizarmos uma inter-
face gráfica a ação fica mais intuitiva, visto que podemos utilizar o
mouse como no Windows. Estamos utilizando para fins de aprendi-
zado a interface gráfica “GNOME”, mas existem diversas disponíveis
para serem utilizadas.

O acesso remoto geralmente é feito usando uma VPN (virtual


private network). A VPN cria uma rede virtual privada (Túnel) per-
mitindo este acesso utilizando a infraestrutura da Internet. A segu-
Programas e aplicativos rança dos dados é implementada pelo protocolo (normas que esta-
Dependendo da distribuição Linux escolhida, esta já vem com belecem a comunicação) SSL (Secure Sockets Layer).
alguns aplicativos embutidos, por isso que cada distribuição tem
um público alvo. O Linux em si é puro, mas podemos destacar duas Transferência de informações e arquivos
bem comuns: A comunicação entre computadores permite o envio de arqui-
• Firefox (Navegador para internet); vos (Upload) e o recebimento de arquivos (Download).
• Pacote LibreOffice (Pacote de aplicativos semelhante ao Mi- O FTP (File Transfer Protocol), também é utilizado para este
crosoft Office). fim. O FTP depende de uma configuração do administrador para
liberação para um determinado usuário. Geralmente é utilizado por
usuários técnicos que desejam acessar computadores, transferir ar-
ACESSO À DISTÂNCIA A COMPUTADORES, TRANSFERÊN- quivos, etc.
CIA DE INFORMAÇÃO E ARQUIVOS, APLICATIVOS DE
ÁUDIO, VÍDEO E MULTIMÍDIA

O acesso remoto (à distância) conecta computadores que não


estão interligados fisicamente, permitindo assim o intercâmbio de
dados.
O usuário pode utilizar o próprio Windows ou instalar progra-
mas clientes tais como VNC, Team Viewer, LogMelm e outros. É
possível utilizar o Linux, Mac-OS e até o smartphone para acesso
remoto.
Desta forma é possível utilizar um computador que está num
outro local como se estivesse lá presencialmente.

20
INFORMÁTICA
• Iniciando um novo documento
EDIÇÃO DE TEXTOS, PLANILHAS E APRESENTAÇÕES (AM-
BIENTES MICROSOFT OFFICE E LIBREOFFICE)

Microsoft Office

A partir deste botão retornamos para a área de trabalho do


Word, onde podemos digitar nossos textos e aplicar as formatações
desejadas.

• Alinhamentos
Ao digitar um texto, frequentemente temos que alinhá-lo para
atender às necessidades. Na tabela a seguir, verificamos os alinha-
O Microsoft Office é um conjunto de aplicativos essenciais para mentos automáticos disponíveis na plataforma do Word.
uso pessoal e comercial, ele conta com diversas ferramentas, mas
em geral são utilizadas e cobradas em provas o Editor de Textos – GUIA PÁGINA TECLA DE
Word, o Editor de Planilhas – Excel, e o Editor de Apresentações – ALINHAMENTO
INICIAL ATALHO
PowerPoint. A seguir verificamos sua utilização mais comum:
Justificar (arruma a direito
Word e a esquerda de acordo Ctrl + J
O Word é um editor de textos amplamente utilizado. Com ele com a margem
podemos redigir cartas, comunicações, livros, apostilas, etc. Vamos
então apresentar suas principais funcionalidades. Alinhamento à direita Ctrl + G

• Área de trabalho do Word Centralizar o texto Ctrl + E


Nesta área podemos digitar nosso texto e formata-lo de acordo
com a necessidade. Alinhamento à esquerda Ctrl + Q

• Formatação de letras (Tipos e Tamanho)


Presente em Fonte, na área de ferramentas no topo da área de
trabalho, é neste menu que podemos formatar os aspectos básicos
de nosso texto. Bem como: tipo de fonte, tamanho (ou pontuação),
se será maiúscula ou minúscula e outros itens nos recursos auto-
máticos.

GUIA PÁGINA INICIAL FUNÇÃO

Tipo de letra

Tamanho

Aumenta / diminui tamanho

Recursos automáticos de caixa-altas


e baixas

21
INFORMÁTICA

Limpa a formatação

• Marcadores
Muitas vezes queremos organizar um texto em tópicos da se-
guinte forma:

Podemos então utilizar na página inicial os botões para operar


diferentes tipos de marcadores automáticos:
– Podemos também ter o intervalo A1..B3

• Outros Recursos interessantes:

GUIA ÍCONE FUNÇÃO


- Mudar
Forma
Página - Mudar cor
inicial de Fundo
- Mudar cor
do texto – Para inserirmos dados, basta posicionarmos o cursor na cé-
lula, selecionarmos e digitarmos. Assim se dá a iniciação básica de
- Inserir
uma planilha.
Tabelas
Inserir
- Inserir
• Formatação células
Imagens

Verificação e
Revisão correção ortográ-
fica

Arquivo Salvar

Excel
O Excel é um editor que permite a criação de tabelas para cál-
culos automáticos, análise de dados, gráficos, totais automáticos,
dentre outras funcionalidades importantes, que fazem parte do dia
a dia do uso pessoal e empresarial.
São exemplos de planilhas:
– Planilha de vendas;
– Planilha de custos.

Desta forma ao inserirmos dados, os valores são calculados au-


tomaticamente. • Fórmulas básicas

• Mas como é uma planilha de cálculo?


– Quando inseridos em alguma célula da planilha, os dados são ADIÇÃO =SOMA(célulaX;célulaY)
calculados automaticamente mediante a aplicação de fórmulas es- SUBTRAÇÃO =(célulaX-célulaY)
pecíficas do aplicativo. MULTIPLICAÇÃO =(célulaX*célulaY)
– A unidade central do Excel nada mais é que o cruzamento
entre a linha e a coluna. No exemplo coluna A, linha 2 ( A2 ) DIVISÃO =(célulaX/célulaY)

22
INFORMÁTICA
• Fórmulas de comum interesse Especificamente sobre o PowerPoint, um recurso amplamente
utilizado a guia Design. Nela podemos escolher temas que mudam
MÉDIA (em um intervalo de a aparência básica de nossos slides, melhorando a experiência no
=MEDIA(célula X:célulaY) trabalho com o programa.
células)
MÁXIMA (em um intervalo
=MAX(célula X:célulaY)
de células)
MÍNIMA (em um intervalo
=MIN(célula X:célulaY)
de células)

PowerPoint
O PowerPoint é um editor que permite a criação de apresenta-
ções personalizadas para os mais diversos fins. Existem uma série
de recursos avançados para a formatação das apresentações, aqui
veremos os princípios para a utilização do aplicativo.

• Área de Trabalho do PowerPoint

Com o primeiro slide pronto basta duplicá-lo, obtendo vários


no mesmo formato. Assim liberamos uma série de miniaturas, pe-
las quais podemos navegador, alternando entre áreas de trabalho.
A edição em cada uma delas, é feita da mesma maneira, como já
apresentado anteriormente.
Nesta tela já podemos aproveitar a área interna para escre-
ver conteúdos, redimensionar, mover as áreas delimitadas ou até
mesmo excluí-las. No exemplo a seguir, perceba que já movemos as
caixas, colocando um título na superior e um texto na caixa inferior,
também alinhamos cada caixa para ajustá-las melhor.

Percebemos agora que temos uma apresentação com quatro


slides padronizados, bastando agora editá-lo com os textos que se
Perceba que a formatação dos textos é padronizada. O mesmo fizerem necessários. Além de copiar podemos mover cada slide de
tipo de padrão é encontrado para utilizarmos entre o PowerPoint, uma posição para outra utilizando o mouse.
o Word e o Excel, o que faz deles programas bastante parecidos, As Transições são recursos de apresentação bastante utilizados
no que diz respeito à formatação básica de textos. Confira no tópi- no PowerPoint. Servem para criar breves animações automáticas
co referente ao Word, itens de formatação básica de texto como: para passagem entre elementos das apresentações.
alinhamentos, tipos e tamanhos de letras, guias de marcadores e
recursos gerais.

23
INFORMÁTICA
– Estão disponíveis também o recurso de edição colaborativa
de apresentações.

Office 2016
O Office 2016 foi um sistema concebido para trabalhar junta-
mente com o Windows 10. A grande novidade foi o recurso que
permite que várias pessoas trabalhem simultaneamente em um
mesmo projeto. Além disso, tivemos a integração com outras fer-
ramentas, tais como Skype. O pacote Office 2016 também roda em
smartfones de forma geral.

Tendo passado pelos aspectos básicos da criação de uma apre- • Atualizações no Word
sentação, e tendo a nossa pronta, podemos apresentá-la bastando – No Word 2016 vários usuários podem trabalhar ao mesmo
clicar no ícone correspondente no canto inferior direito. tempo, a edição colaborativa já está presente em outros produtos,
mas no Word agora é real, de modo que é possível até acompanhar
quando outro usuário está digitando;
– Integração à nuvem da Microsoft, onde se pode acessar os
documentos em tablets e smartfones;
– É possível interagir diretamente com o Bing (mecanismo de
pesquisa da Microsoft, semelhante ao Google), para utilizar a pes-
quisa inteligente;
– É possível escrever equações como o mouse, caneta de to-
que, ou com o dedo em dispositivos touchscreen, facilitando assim
a digitação de equações.
Um último recurso para chamarmos atenção é a possibilidade
de acrescentar efeitos sonoros e interativos às apresentações, le- • Atualizações no Excel
vando a experiência dos usuários a outro nível. – O Excel do Office 2016 manteve as funcionalidades dos ante-
riores, mas agora com uma maior integração com dispositivos mó-
Office 2013 veis, além de ter aumentado o número de gráficos e melhorado a
A grande novidade do Office 2013 foi o recurso para explorar questão do compartilhamento dos arquivos.
a navegação sensível ao toque (TouchScreen), que está disponível
nas versões 32 e 64. Em equipamentos com telas sensíveis ao toque • Atualizações no PowerPoint
(TouchScreen) pode-se explorar este recurso, mas em equipamen- – O PowerPoint 2016 manteve as funcionalidades dos ante-
tos com telas simples funciona normalmente. riores, agora com uma maior integração com dispositivos moveis,
O Office 2013 conta com uma grande integração com a nuvem, além de ter aumentado o número de templates melhorado a ques-
desta forma documentos, configurações pessoais e aplicativos po- tão do compartilhamento dos arquivos;
dem ser gravados no Skydrive, permitindo acesso através de smar- – O PowerPoint 2016 também permite a inserção de objetos
tfones diversos. 3D na apresentação.

• Atualizações no Word Office 2019


– O visual foi totalmente aprimorado para permitir usuários O OFFICE 2019 manteve a mesma linha da Microsoft, não hou-
trabalhar com o toque na tela (TouchScreen); ve uma mudança tão significativa. Agora temos mais modelos em
– As imagens podem ser editadas dentro do documento; 3D, todos os aplicativos estão integrados como dispositivos sensí-
– O modo leitura foi aprimorado de modo que textos extensos veis ao toque, o que permite que se faça destaque em documentos.
agora ficam disponíveis em colunas, em caso de pausa na leitura;
– Pode-se iniciar do mesmo ponto parado anteriormente; • Atualizações no Word
– Podemos visualizar vídeos dentro do documento, bem como – Houve o acréscimo de ícones, permitindo assim um melhor
editar PDF(s). desenvolvimento de documentos;

• Atualizações no Excel
– Além de ter uma navegação simplificada, um novo conjunto
de gráficos e tabelas dinâmicas estão disponíveis, dando ao usuário
melhores formas de apresentar dados.
– Também está totalmente integrado à nuvem Microsoft.

• Atualizações no PowerPoint
– O visual teve melhorias significativas, o PowerPoint do Offi-
ce2013 tem um grande número de templates para uso de criação
de apresentações profissionais;
– O recurso de uso de múltiplos monitores foi aprimorado;
– Um recurso de zoom de slide foi incorporado, permitindo o
destaque de uma determinada área durante a apresentação;
– No modo apresentador é possível visualizar o próximo slide
antecipadamente;

24
INFORMÁTICA
• Atualizações no PowerPoint
– Foram adicionadas a ferramenta transformar e a ferramenta
de zoom facilitando assim o desenvolvimento de apresentações;
– Inclusão de imagens 3D na apresentação.

– Outro recurso que foi implementado foi o “Ler em voz alta”.


Ao clicar no botão o Word vai ler o texto para você.

Office 365
O Office 365 é uma versão que funciona como uma assinatura
semelhante ao Netflix e Spotif. Desta forma não se faz necessário
sua instalação, basta ter uma conexão com a internet e utilizar o
• Atualizações no Excel Word, Excel e PowerPoint.
– Foram adicionadas novas fórmulas e gráficos. Tendo como
destaque o gráfico de mapas que permite criar uma visualização de Observações importantes:
algum mapa que deseja construir. – Ele é o mais atualizado dos OFFICE(s), portanto todas as me-
lhorias citadas constam nele;
– Sua atualização é frequente, pois a própria Microsoft é res-
ponsável por isso;
– No nosso caso o Word, Excel e PowerPoint estão sempre atu-
alizados.

LIBREOFFICE OU BROFFICE

25
INFORMÁTICA
LibreOffice é uma suíte de aplicativos voltados para atividades GUIA PÁGINA
de escritório semelhantes aos do Microsoft Office (Word, Excel, ALINHAMENTO TECLA DE ATALHO
INCIAL
PowerPoint ...). Vamos verificar então os aplicativos do LibreOffice:
Writer, Calc e o Impress). Alinhamento a
Control + L
O LibreOffice está disponível para Windows, Unix, Solaris, Linux esquerda
e Mac OS X, mas é amplamente utilizado por usuários não Win-
Centralizar o texto Control + E
dows, visto a sua concorrência com o OFFICE.
Abaixo detalharemos seus aplicativos:
Alinhamento a direita Control + R
LibreOffice Writer
Justificar (isto é
O Writer é um editor de texto semelhante ao Word embutido
arruma os dois lados,
na suíte LibreOffice, com ele podemos redigir cartas, livros, aposti-
direita e esquerda Control + J
las e comunicações em geral.
de acordo com as
Vamos então detalhar as principais funcionalidades.
margens.
Área de trabalho do Writer
Formatação de letras (Tipos e Tamanho)
Nesta área podemos digitar nosso texto e formatá-lo de acordo
com a necessidade. Suas configurações são bastante semelhantes
às do conhecido Word, e é nessa área de trabalho que criaremos
nossos documentos.

GUIA PÁGINA INICIAL FUNÇÃO

Tipo de letra

Tamanho da letra

Aumenta / diminui tamanho

Itálico

Sublinhado
Iniciando um novo documento
Taxado

Sobrescrito

Subescrito

Marcadores e listas numeradas


Muitas vezes queremos organizar um texto em tópicos da se-
guinte forma:

OU

Nesse caso podemos utilizar marcadores ou a lista numerada


na barra de ferramentas, escolhendo um ou outro, segundo a nossa
necessidade e estilo que ser aplicado no documento.
Conhecendo a Barra de Ferramentas

Alinhamentos
Ao digitar um texto frequentemente temos que alinhá-lo para
atender as necessidades do documento em que estamos trabalha-
mos, vamos tratar um pouco disso a seguir: Outros Recursos interessantes:

ÍCONE FUNÇÃO
Mudar cor de Fundo
Mudar cor do texto

26
INFORMÁTICA
Inserir Tabelas Outros Recursos interessantes
Inserir Imagens
Inserir Gráficos ÍCONE FUNÇÃO
Inserir Caixa de Texto
Ordenar
Verificação e correção ortográfica Ordenar em ordem
crescente
Auto Filtro
Salvar Inserir Caixa de Texto
Inserir imagem
LibreOffice Calc Inserir gráfico
O Calc é um editor de planilhas semelhante ao Excel embutido
Verificação e correção
na suíte LibreOffice, e com ele podemos redigir tabelas para cálcu-
ortográfica
los, gráficos e estabelecer planilhas para os mais diversos fins.

Área de trabalho do CALC Salvar


Nesta área podemos digitar nossos dados e formatá-los de
acordo com a necessidade, utilizando ferramentas bastante seme-
lhantes às já conhecidas do Office. Cálculos automáticos
Além das organizações básicas de planilha, o Calc permite a
criação de tabelas para cálculos automáticos e análise de dados e
gráficos totais.
São exemplos de planilhas CALC.
— Planilha para cálculos financeiros.
— Planilha de vendas
— Planilha de custos

Desta forma ao inserirmos dados, os valores são calculados au-


tomaticamente. Mas como funciona uma planilha de cálculo? Veja:

Vamos à algumas funcionalidades


— Formatação de letras (Tipos e Tamanho)

GUIA PÁGINA INICIAL FUNÇÃO

Tipo de letra

Tamanho da letra

Aumenta / diminui
tamanho

Itálico

Cor da Fonte

Cor Plano de Fundo

27
INFORMÁTICA
A unidade central de uma planilha eletrônica é a célula que — Apresentação para uma palestra.
nada mais é que o cruzamento entre a linha e a coluna. Neste exem-
plo coluna A, linha 2 ( Célula A2 ) A apresentação é uma excelente forma de abordagem de um
Podemos também ter o intervalo A1..B3 tema, pois podemos resumir e ressaltar os principais assuntos abor-
dados de forma explicativa. As ferramentas que veremos a seguir
facilitam o processo de trabalho com a aplicação. Confira:
Área de trabalho
Ao clicarmos para entrar no LibreOffice Impress vamos nos de-
parar com a tela abaixo. Nesta tela podemos selecionar um modelo
para iniciar a apresentação. O modelo é uma opção interessante
visto que já possui uma formatação prévia facilitando o início e de-
senvolvimento do trabalho.

Para inserirmos dados basta posicionarmos o cursor na célula e


digitarmos, a partir daí iniciamos a criação da planilha.

Formatação células

Neste momento já podemos aproveitar a área interna para es-


crever conteúdos, redimensionar, mover as áreas delimitadas, ou
até mesmo excluí-las.
No exemplo a seguir perceba que já escrevi um título na caixa
superior e um texto na caixa inferior, também movi com o mouse os
quadrados delimitados para adequá-los melhor.

Formatação dos textos:

Fórmulas básicas
— SOMA
A função SOMA faz uma soma de um intervalo de células. Por
exemplo, para somar números de B2 até B6 temos
=SOMA(B2;B6)

— MÉDIA
A função média faz uma média de um intervalo de células. Por
exemplo, para calcular a média de B2 até B6 temos
=MÉDIA(B2;B6)

LibreOffice impress
O IMPRESS é o editor de apresentações semelhante ao Power-
Point na suíte LibreOffice, com ele podemos redigir apresentações
para diversas finalidades.
São exemplos de apresentações IMPRESS.
— Apresentação para uma reunião;
— Apresentação para uma aula;

28
INFORMÁTICA
Itens demarcados na figura acima:
— Texto: Largura, altura, espaçamento, efeitos.
— Caractere: Letra, estilo, tamanho.
— Parágrafo: Antes, depois, alinhamento.
— Marcadores e numerações: Organização dos elementos e
tópicos.

Outros Recursos interessantes:

ÍCONE FUNÇÃO
Inserir Tabelas
Inserir Imagens
Inserir Gráficos
Inserir Caixa de Texto
Verificação e correção
ortográfica

Salvar

Percebemos agora que temos uma apresentação com dois sli-


Com o primeiro slide pronto basta duplicá-lo obtendo vários no
des padronizados, bastando agora alterá-los com os textos corre-
mesmo formato, e podemos apenas alterar o texto e imagens para
tos. Além de copiar podemos movê-los de uma posição para outra,
criar os próximos.
trocando a ordem dos slides ou mesmo excluindo quando se fizer
necessário.

Transições
Um recurso amplamente utilizado é o de inserir as transições,
que é a maneira como os itens dos slides vão surgir na apresenta-
ção. No canto direito, conforme indicado a seguir, podemos selecio-
nar a transição desejada:

A partir daí estamos com a apresentação pronta, bastando cli-


car em F5 para exibirmos o trabalho em tela cheia, também aces-
sível no menu “Apresentação”, conforme indicado na figura abaixo.

29
INFORMÁTICA

Alguns conceitos relacionados à aplicação dos pilares


– Vulnerabilidade: pontos fracos existentes no conteúdo pro-
tegido, com potencial de prejudicar alguns dos pilares de segurança
da informação, ainda que sem intenção
– Ameaça: elemento externo que pode se aproveitar da vulne-
rabilidade existente para atacar a informação sensível ao negócio.
– Probabilidade: se refere à chance de uma vulnerabilidade ser
explorada por uma ameaça.
– Impacto: diz respeito às consequências esperadas caso o con-
teúdo protegido seja exposto de forma não autorizada.
– Risco: estabelece a relação entre probabilidade e impacto,
ajudando a determinar onde concentrar investimentos em seguran-
ça da informação.

Tipos de ataques
Cada tipo de ataque tem um objetivo específico, que são eles3:
– Passivo: envolve ouvir as trocas de comunicações ou gravar
de forma passiva as atividades do computador. Por si só, o ataque
REDES DE COMPUTADORES passivo não é prejudicial, mas a informação coletada durante a ses-
são pode ser extremamente prejudicial quando utilizada (adultera-
Prezado Candidato, o tema acima supracitado, já foi abordado ção, fraude, reprodução, bloqueio).
em tópicos anteriores. – Ativos: neste momento, faz-se a utilização dos dados cole-
tados no ataque passivo para, por exemplo, derrubar um sistema,
infectar o sistema com malwares, realizar novos ataques a partir da
CONCEITOS DE PROTEÇÃO E SEGURANÇA. NOÇÕES DE máquina-alvo ou até mesmo destruir o equipamento (Ex.: intercep-
VÍRUS, WORMS E PRAGAS VIRTUAIS. APLICATIVOS PARA tação, monitoramento, análise de pacotes).
SEGURANÇA (ANTIVÍRUS, FIREWALL, ANTI-SPYWARE
ETC.) Política de Segurança da Informação
Este documento irá auxiliar no gerenciamento da segurança
SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO da organização através de regras de alto nível que representam os
Segurança da informação é o conjunto de ações para proteção princípios básicos que a entidade resolveu adotar de acordo com
de um grupo de dados, protegendo o valor que ele possui, seja para a visão estratégica da mesma, assim como normas (no nível táti-
um indivíduo específico no âmbito pessoal, seja para uma organi- co) e procedimentos (nível operacional). Seu objetivo será manter
zação1. a segurança da informação. Todos os detalhes definidos nelas serão
É essencial para a proteção do conjunto de dados de uma cor- para informar sobre o que pode e o que é proibido, incluindo:
poração, sendo também fundamentais para as atividades do negó- • Política de senhas: define as regras sobre o uso de senhas nos
cio. recursos computacionais, como tamanho mínimo e máximo, regra
Quando bem aplicada, é capaz de blindar a empresa de ata- de formação e periodicidade de troca.
ques digitais, desastres tecnológicos ou falhas humanas. Porém, • Política de backup: define as regras sobre a realização de có-
qualquer tipo de falha, por menor que seja, abre brecha para pro- pias de segurança, como tipo de mídia utilizada, período de reten-
blemas. ção e frequência de execução.
A segurança da informação se baseia nos seguintes pilares2: • Política de privacidade: define como são tratadas as infor-
– Confidencialidade: o conteúdo protegido deve estar disponí- mações pessoais, sejam elas de clientes, usuários ou funcionários.
vel somente a pessoas autorizadas. • Política de confidencialidade: define como são tratadas as
– Disponibilidade: é preciso garantir que os dados estejam informações institucionais, ou seja, se elas podem ser repassadas
acessíveis para uso por tais pessoas quando for necessário, ou seja, a terceiros.
de modo permanente a elas.
– Integridade: a informação protegida deve ser íntegra, ou seja, Mecanismos de segurança
sem sofrer qualquer alteração indevida, não importa por quem e Um mecanismo de segurança da informação é uma ação, técni-
nem em qual etapa, se no processamento ou no envio. ca, método ou ferramenta estabelecida com o objetivo de preservar
– Autenticidade: a ideia aqui é assegurar que a origem e auto- o conteúdo sigiloso e crítico para uma empresa.
ria do conteúdo seja mesmo a anunciada. Ele pode ser aplicado de duas formas:
– Controle físico: é a tradicional fechadura, tranca, porta e
Existem outros termos importantes com os quais um profissio- qualquer outro meio que impeça o contato ou acesso direto à infor-
nal da área trabalha no dia a dia. mação ou infraestrutura que dá suporte a ela
Podemos citar a legalidade, que diz respeito à adequação do
conteúdo protegido à legislação vigente; a privacidade, que se re-
fere ao controle sobre quem acessa as informações; e a auditoria,
que permite examinar o histórico de um evento de segurança da
informação, rastreando as suas etapas e os responsáveis por cada
uma delas.
1 https://ecoit.com.br/seguranca-da-informacao/ 3 https://www.diegomacedo.com.br/modelos-e-mecanismos-de-seguranca-da-
2 https://bit.ly/2E5beRr -informacao/

30
INFORMÁTICA
– Controle lógico: nesse caso, estamos falando de barreiras eletrônicas, nos mais variados formatos existentes, desde um antivírus,
firewall ou filtro anti-spam, o que é de grande valia para evitar infecções por e-mail ou ao navegar na internet, passa por métodos de en-
criptação, que transformam as informações em códigos que terceiros sem autorização não conseguem decifrar e, há ainda, a certificação
e assinatura digital, sobre as quais falamos rapidamente no exemplo antes apresentado da emissão da nota fiscal eletrônica.

Todos são tipos de mecanismos de segurança, escolhidos por profissional habilitado conforme o plano de segurança da informação da
empresa e de acordo com a natureza do conteúdo sigiloso.

Criptografia
É uma maneira de codificar uma informação para que somente o emissor e receptor da informação possa decifrá-la através de uma
chave que é usada tanto para criptografar e descriptografar a informação4.
Tem duas maneiras de criptografar informações:
• Criptografia simétrica (chave secreta): utiliza-se uma chave secreta, que pode ser um número, uma palavra ou apenas uma sequ-
ência de letras aleatórias, é aplicada ao texto de uma mensagem para alterar o conteúdo de uma determinada maneira. Tanto o emissor
quanto o receptor da mensagem devem saber qual é a chave secreta para poder ler a mensagem.
• Criptografia assimétrica (chave pública):tem duas chaves relacionadas. Uma chave pública é disponibilizada para qualquer pessoa
que queira enviar uma mensagem. Uma segunda chave privada é mantida em segredo, para que somente você saiba.

Qualquer mensagem que foi usada a chave púbica só poderá ser descriptografada pela chave privada.
Se a mensagem foi criptografada com a chave privada, ela só poderá ser descriptografada pela chave pública correspondente.
A criptografia assimétrica é mais lenta o processamento para criptografar e descriptografar o conteúdo da mensagem.
Um exemplo de criptografia assimétrica é a assinatura digital.
• Assinatura Digital: é muito usado com chaves públicas e permitem ao destinatário verificar a autenticidade e a integridade da infor-
mação recebida. Além disso, uma assinatura digital não permite o repúdio, isto é, o emitente não pode alegar que não realizou a ação. A
chave é integrada ao documento, com isso se houver alguma alteração de informação invalida o documento.
• Sistemas biométricos: utilizam características físicas da pessoa como os olhos, retina, dedos, digitais, palma da mão ou voz.

Firewall
Firewall ou “parede de fogo” é uma solução de segurança baseada em hardware ou software (mais comum) que, a partir de um con-
junto de regras ou instruções, analisa o tráfego de rede para determinar quais operações de transmissão ou recepção de dados podem
ser executadas. O firewall se enquadra em uma espécie de barreira de defesa. A sua missão, por assim dizer, consiste basicamente em
bloquear tráfego de dados indesejado e liberar acessos bem-vindos.

Representação de um firewall.5

Formas de segurança e proteção


– Controles de acesso através de senhas para quem acessa, com autenticação, ou seja, é a comprovação de que uma pessoa que está
acessando o sistema é quem ela diz ser6.
– Se for empresa e os dados a serem protegidos são extremamente importantes, pode-se colocar uma identificação biométrica como
os olhos ou digital.
– Evitar colocar senhas com dados conhecidos como data de nascimento ou placa do seu carro.
– As senhas ideais devem conter letras minúsculas e maiúsculas, números e caracteres especiais como @ # $ % & *.
– Instalação de antivírus com atualizações constantes.
– Todos os softwares do computador devem sempre estar atualizados, principalmente os softwares de segurança e sistema operacio-
nal. No Windows, a opção recomendada é instalar atualizações automaticamente.
– Dentre as opções disponíveis de configuração qual opção é a recomendada.
– Sempre estar com o firewall ativo.
– Anti-spam instalados.
4 https://centraldefavoritos.com.br/2016/11/19/conceitos-de-protecao-e-seguranca-da-informacao-parte-2/
5 Fonte: https://helpdigitalti.com.br/o-que-e-firewall-conceito-tipos-e-arquiteturas/#:~:text=Firewall%20%C3%A9%20uma%20solu%C3%A7%C3%A3o%20
de,de%20dados%20podem%20ser%20executadas.
6 https://centraldefavoritos.com.br/2016/11/19/conceitos-de-protecao-e-seguranca-da-informacao-parte-3/

31
INFORMÁTICA
– Manter um backup para caso de pane ou ataque. Ou seja, não é preciso instalar aplicativos no seu computador
– Evite sites duvidosos. para tudo, pois pode acessar diferentes serviços on-line para fazer o
– Não abrir e-mails de desconhecidos e principalmente se tiver que precisa, já que os dados não se encontram em um computador
anexos (link). específico, mas sim em uma rede.
– Evite ofertas tentadoras por e-mail ou em publicidades. Uma vez devidamente conectado ao serviço on-line, é possível
– Tenha cuidado quando solicitado dados pessoais. Caso seja desfrutar suas ferramentas e salvar todo o trabalho que for feito
necessário, fornecer somente em sites seguros. para acessá-lo depois de qualquer lugar — é justamente por isso
– Cuidado com informações em redes sociais. que o seu computador estará nas nuvens, pois você poderá acessar
– Instalar um anti-spyware. os aplicativos a partir de qualquer computador que tenha acesso à
– Para se manter bem protegido, além dos procedimentos an- internet.
teriores, deve-se ter um antivírus instalado e sempre atualizado. Basta pensar que, a partir de uma conexão com a internet, você
pode acessar um servidor capaz de executar o aplicativo desejado,
NOÇÕES DE VÍRUS, ANTIVÍRUS que pode ser desde um processador de textos até mesmo um jogo
ou um pesado editor de vídeos. Enquanto os servidores executam
Noções de vírus, worms e pragas virtuais (Malwares) um programa ou acessam uma determinada informação, o seu
– Malwares (Pragas): São programas mal intencionados, isto é, computador precisa apenas do monitor e dos periféricos para que
programas maliciosos que servem pra danificar seu sistema e dimi- você interaja.
nuir o desempenho do computador;
– Vírus: São programas maliciosos que, para serem iniciados, é Vantagens:
necessária uma ação (por exemplo um click por parte do usuário); – Não necessidade de ter uma máquina potente, uma vez que
– Worms: São programas que diminuem o desempenho do tudo é executado em servidores remotos.
sistema, isto é, eles exploram a vulnerabilidade do computador se – Possibilidade de acessar dados, arquivos e aplicativos a partir
instalam e se replicam, não precisam de clique do mouse por parte de qualquer lugar, bastando uma conexão com a internet para tal
do usuário ou ação automática do sistema. — ou seja, não é necessário manter conteúdos importantes em um
único computador.
Aplicativos para segurança (antivírus, firewall, antispyware
etc.) Desvantagens:
– Gera desconfiança, principalmente no que se refere à segu-
• Antivírus rança. Afinal, a proposta é manter informações importantes em
O antivírus é um software que encontra arquivos e programas um ambiente virtual, e não são todas as pessoas que se sentem à
maléficos no computador. Nesse sentido o antivírus exerce um pa- vontade com isso.– Como há a necessidade de acessar servidores
pel fundamental protegendo o computador. O antivírus evita que remotos, é primordial que a conexão com a internet seja estável e
o vírus explore alguma vulnerabilidade do sistema ou até mesmo rápida, principalmente quando se trata de streaming e jogos.
de uma ação inesperada em que o usuário aciona um executável
que contém um vírus. Ele pode executar algumas medidas como Exemplos de computação em nuvem
quarentena, remoção definitiva e reparos.
O antivírus também realiza varreduras procurando arquivos po- Dropbox
tencialmente nocivos advindos da Internet ou de e-mails e toma as O Dropbox é um serviço de hospedagem de arquivos em nu-
medidas de segurança. vem que pode ser usado de forma gratuita, desde que respeitado o
limite de 2 GB de conteúdo. Assim, o usuário poderá guardar com
• Firewall segurança suas fotos, documentos, vídeos, e outros formatos, libe-
Firewall, no caso, funciona como um filtro na rede. Ele deter- rando espaço no PC ou smartphone.
mina o que deve passar em uma rede, seja ela local ou corporativa,
bloqueando entradas indesejáveis e protegendo assim o compu-
tador. Pode ter regras simples ou complexas, dependendo da im-
plementação, isso pode ser limitado a combinações simples de IP /
porta ou fazer verificações completas.

• Antispyware
Spyware é um software espião, que rouba as informações, em
contrário, o antispyware protege o computador funcionando como
o antivírus em todos os sentidos, conforme relatado acima. Muitos
antivírus inclusive já englobam tais funções em sua especificação.

COMPUTAÇÃO NA NUVEM (CLOUD COMPUTING) Além de servir como ferramenta de backup, o Dropbox tam-
bém é uma forma eficiente de ter os arquivos importantes sempre
Quando se fala em computação nas nuvens, fala-se na possi- acessíveis. Deste modo, o usuário consegue abrir suas mídias e do-
bilidade de acessar arquivos e executar diferentes tarefas pela in- cumentos onde quer que esteja, desde que tenha acesso à Internet.
ternet7.

7 https://www.tecmundo.com.br/computacao-em-nuvem/738-o-que-e-com-
putacao-em-nuvens-.htm

32
INFORMÁTICA
OneDrive Google Drive
O OneDrive, que já foi chamado de SkyDrive, é o serviço de ar- Apesar de não disponibilizar gratuitamente o aumento da ca-
mazenamento na nuvem da Microsoft e oferece inicialmente 15 GB pacidade de armazenamento, o Google Drive fornece para os usuá-
de espaço para os usuários8. Mas é possível conseguir ainda mais rios mais espaço do que os concorrentes ao lado do OneDrive. São
espaço gratuitamente indicando amigos e aproveitando diversas 15 GB de espaço para fazer upload de arquivos, documentos, ima-
promoções que a empresa lança regularmente. gens, etc.
Para conseguir espaço ainda maior, o aplicativo oferece planos
pagos com capacidades variadas também.

Uma funcionalidade interessante do Google Drive é o seu ser-


viço de pesquisa e busca de arquivos que promete até mesmo re-
conhecer objetos dentro de imagens e textos escaneados. Mesmo
Para quem gosta de editar documentos como Word, Excel e que o arquivo seja um bloco de notas ou um texto e você queira
PowerPoint diretamente do gerenciador de arquivos do serviço, encontrar algo que esteja dentro dele, é possível utilizar a busca
o OneDrive disponibiliza esse recurso na nuvem para que seja dis- para procurar palavras e expressões.
pensada a necessidade de realizar o download para só então poder Além disso, o serviço do Google disponibiliza que sejam feitas
modificar o conteúdo do arquivo. edições de documentos diretamente do browser, sem precisar fazer
o download do documento e abri-lo em outro aplicativo.
iCloud
O iCloud, serviço de armazenamento da Apple, possuía em um Tipos de implantação de nuvem
passado recente a ideia principal de sincronizar contatos, e-mails, Primeiramente, é preciso determinar o tipo de implantação de
dados e informações de dispositivos iOS. No entanto, recentemente nuvem, ou a arquitetura de computação em nuvem, na qual os ser-
a empresa também adotou para o iCloud a estratégia de utilizá-lo viços cloud contratados serão implementados pela sua gestão de
como um serviço de armazenamento na nuvem para usuários iOS. TI9.
De início, o usuário recebe 5 GB de espaço de maneira gratuita. Há três diferentes maneiras de implantar serviços de nuvem:
Existem planos pagos para maior capacidade de armazena- – Nuvem pública: pertence a um provedor de serviços cloud
mento também. terceirizado pelo qual é administrada. Esse provedor fornece recur-
sos de computação em nuvem, como servidores e armazenamento
via web, ou seja, todo o hardware, software e infraestruturas de su-
porte utilizados são de propriedade e gerenciamento do provedor
de nuvem contratado pela organização.
– Nuvem privada: se refere aos recursos de computação em
nuvem usados exclusivamente por uma única empresa, podendo
estar localizada fisicamente no datacenter local da empresa, ou
seja, uma nuvem privada é aquela em que os serviços e a infra-
estrutura de computação em nuvem utilizados pela empresa são
mantidos em uma rede privada.
No entanto, a grande vantagem do iCloud é que ele possui um – Nuvem híbrida: trata-se da combinação entre a nuvem públi-
sistema muito bem integrado aos seus aparelhos, como o iPhone. ca e a privada, que estão ligadas por uma tecnologia que permite o
A ferramenta “buscar meu iPhone”, por exemplo, possibilita que compartilhamento de dados e aplicativos entre elas. O uso de nu-
o usuário encontre e bloqueie o aparelho remotamente, além de vens híbridas na computação em nuvem ajuda também a otimizar
poder contar com os contatos e outras informações do dispositivo a infraestrutura, segurança e conformidade existentes dentro da
caso você o tenha perdido. empresa.

Tipos de serviços de nuvem


A maioria dos serviços de computação em nuvem se enquadra
em quatro categorias amplas:
– IaaS (infraestrutura como serviço);
– PaaS (plataforma como serviço);
– Sem servidor;
– SaaS (software como serviço).

Esses serviços podem ser chamados algumas vezes de pilha


da computação em nuvem por um se basear teoricamente sobre
o outro.
8 https://canaltech.com.br/computacao-na-nuvem/comparativo-os-principais-
-servicos-de-armazenamento-na-nuvem-22996/ 9 https://ecoit.com.br/computacao-em-nuvem/

33
INFORMÁTICA
IaaS (infraestrutura como serviço)
A IaaS é a categoria mais básica de computação em nuvem. Com ela, você aluga a infraestrutura de TI de um provedor de serviços
cloud, pagando somente pelo seu uso.
A contratação dos serviços de computação em nuvem IaaS (infraestrutura como serviço) envolve a aquisição de servidores e máquinas
virtuais, armazenamento (VMs), redes e sistemas operacionais.

PaaS (plataforma como serviço)


PaaS refere-se aos serviços de computação em nuvem que fornecem um ambiente sob demanda para desenvolvimento, teste, forne-
cimento e gerenciamento de aplicativos de software.
A plataforma como serviço foi criada para facilitar aos desenvolvedores a criação de aplicativos móveis ou web, tornando-a muito
mais rápida.
Além de acabar com a preocupação quanto à configuração ou ao gerenciamento de infraestrutura subjacente de servidores, armaze-
namento, rede e bancos de dados necessários para desenvolvimento.

Computação sem servidor


A computação sem servidor, assim como a PaaS, concentra-se na criação de aplicativos, sem perder tempo com o gerenciamento
contínuo dos servidores e da infraestrutura necessários para isso.
O provedor em nuvem cuida de toda a configuração, planejamento de capacidade e gerenciamento de servidores para você e sua
equipe.
As arquiteturas sem servidor são altamente escalonáveis e controladas por eventos: utilizando recursos apenas quando ocorre uma
função ou um evento que desencadeia tal necessidade.

SaaS (software como serviço)


O SaaS é um método para a distribuição de aplicativos de software pela Internet sob demanda e, normalmente, baseado em assina-
turas.
Com o SaaS, os provedores de computação em nuvem hospedam e gerenciam o aplicativo de software e a infraestrutura subjacente.
Além de realizarem manutenções, como atualizações de software e aplicação de patch de segurança.
Com o software como serviço, os usuários da sua equipe podem conectar o aplicativo pela Internet, normalmente com um navegador
da web em seu telefone, tablet ou PC.

CONCEITOS DE INFORMAÇÃO, DADOS, REPRESENTAÇÃO DE DADOS, DE CONHECIMENTOS, SEGURANÇA E INTELIGÊNCIA.


BANCO DE DADOS. BASE DE DADOS, DOCUMENTAÇÃO E PROTOTIPAÇÃO

Banco de Dados ou Base de Dados é a organização de um determinado assunto, isto é, a separação das entidades e seus relaciona-
mentos. Dentro deste conceito temos os SGBD (Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados), que permitem o controle total do Banco
(Segurança, armazenamento, gestão, etc.)
Vejamos um exemplo do banco de dados NorthWind, que foi disponibilizado pela Microsoft para fins de estudo. Este banco de dados
trata de uma loja comercial.
De acordo com a análise do banco, foram separadas as tabelas (entidades) abaixo:

Essas entidades são chamadas “tabelas” (Categorias, Clientes, Produtos, Pedidos, etc.)
Perceba que este banco de dados é focado na gestão de vendas, portanto através de ferramentas de análise podemos extrair infor-
mações operacionais e gerenciais.

34
INFORMÁTICA
Vejamos um exemplo da tabela de produtos:

Perceba que dentro desta tabela temos várias colunas (campos), isso nos indica que podemos aplicar a mesma analogia do EXCEL para
montagem das tabelas de um banco de dados.

Diagrama MER
O diagrama MER (Modelo entidade relacionamento) nada mais é que a relação entre as entidades. Por exemplo: Percebemos que N
produtos podem pertencer a 1 categoria, segundo a figura do modelo “MER” abaixo:

Exemplo:

COMPUTADOR INFORMÁTICA
Mouse Informática
Teclado Dell Informática

Neste contexto foi feita uma análise funcional e administrativa para a construção deste modelo (MER).

Dados estruturados e não estruturados


Vimos acima que a diagramação “ER” depende dos dados estruturados. Por exemplo: A tabela de produtos foi definida de acordo com
a documentação prévia.
• No caso dos bancos de dados estruturados, temos a tabela e suas colunas definidas conforme a documentação.
• Agora, no caso do banco de dados não estruturados, existe uma certa flexibilidade, visto que não sabemos o teor dos dados, pois
eles são obtidos de fontes distintas.

Atualmente é muito comum empresas que coletam dados da internet de vários entes. Elas trabalham com banco de dados não estru-
turados (MONGODB, CASSANDRA), desta forma dados de fontes diversas são armazenados.

35
INFORMÁTICA
Banco de dados relacionais No Caso na figura acima, temos um índice pelo nome do pro-
Bancos de dados Relacionais são bancos de dados estruturados duto.
conforme planejamento prévio. O banco de dados relacional é pro- A finalidade de um índice é agilizar a busca da informação.
jetado seguindo o modelo conceitual estabelecido. Igualmente um índice de um livro; desta forma ele busca rapida-
Desta forma percebemos que teremos a tabela produto, a ta- mente uma informação específica.
bela categoria e seu relacionamento. Estas tabelas terão colunas, No caso das regras, temos uma regra (Constraint) quanto a co-
índices e regras para a sua implementação. luna “Preço Unitário”, a mesma tem que ser maior ou igual a zero,
Através do diagrama “DER” (diagrama de entidade relaciona- conforme a figura abaixo:
mento), podemos visualizar o relacionamento entre as tabelas:

Podemos nos referir as regras como “Constraint” ou “Restri-


cões”.
Chaves e relacionamentos
Como vimos acima, existe um relacionamento entre a tabela SQL
“produto” e a tabela “categoria”, isto se dá por meio de uma “Pri- SQL é uma linguagem de Consulta de Dados com a qual pode-
mary Key” (PK) e uma Foreign key (FK) segundo a figura acima. mos selecionar, deletar e apagar registros e executar outras funções
• Primary Key (FK) é chamada chave primária. no BD. É um padrão, que todos os bancos de dados utilizam, com
• Foreign Key (PK) é chamada chave estrangeira algumas particularidades próprias relacionadas ao banco de dados
Esta Primary key (PK) deverá ser única para a linha (Registro). em questão.
Ela é um identificador único e não pode ser nula. O SELECT é um dos principais comandos que são utilizados em
SQL, pois com ele é possível selecionar e fazer consultas no banco
CPF NOME de dados. Desta forma podemos pesquisar, por exemplo, todos os
alunos cadastrados, através do comando abaixo:
90980980808080 José SELECT * FROM alunos;
90897979799999 João Ao ser executado, o comando acima irá retornar todos os alu-
nos cadastrados no banco de dados.
Além disso uma tabela pode conter mais regras e outros índi-
ces, vamos olhar as figuras abaixo: Linguagem de Definição de dados
Existe também dentro da SQL os comandos DDL, que são res-
ponsáveis pela criação de objetos de definição de dados.
DDL ou Data Definition Language (Linguagem de Definição de
dados) são os comandos que permitem ao usuário a criação de ob-
jetos e elementos associados.

Cria o Banco de Dados


CREATE DATABASE Escola
Escola
ALTER TABLE Alunos ADD nome
Altera a Tabela Alunos
INT AFTER telefone
Apaga o banco de dados
DROP DATABASE Escola
Escola
DROP TABLE Alunos Apaga a tabela Alunos

Linguagem de Manipulação de Dados


A linguagem DML, é responsável pela manipulação dos dados
em si, por exemplo, temos uma tabela Alunos, responsável por
manter todos os cadastros dos alunos.

36
INFORMÁTICA
Vejamos os comandos abaixo: ORACLE
SQL é a linguagem padrão ANSI para trabalhar com bancos de
• INSERT dados relacionais. Desta forma ela é um padrão aceito pela indús-
INSERT INTO aluno (id, nome, idade) VALUES (1, Jose da Silva, tria e trabalha com vários bancos de dados tais como: Oracle, MYS-
30); QL, Microsoft SQL Server, SQLITE, POSTGRESQL, e IBM DB2.
O comando acima irá criar o aluno Jose, com idade de 30 anos
e ID 1. De acordo com a tabela abaixo, apresentamos as principais
funções das instruções SQL.
• O UPDATE é utilizado para atualizar os dados de uma ou mais
tabelas. INSTRUÇÃO SQL FUNÇÃO
UPDATE aluno SET nome = Jose das Neves’ WHERE id = 1;
Ao executar o comando acima, estaremos alterando o nome do SELECT Recuperação de dados.
usuário que possui o ID 1 para “Jose das Neves”. INSERT UPDATE DELETE Manipulação de dados.

• DELETE, como seu próprio significado já diz, utilizaremos para CREATE ALTER DROP RENAME Definição de objetos.
excluir os dados de uma ou mais tabela em nosso banco de dados. TRUNCATE
DELETE FROM usuario WHERE id = 1 COMMIT ROLLBACK Controle de transações.
Desta forma, ao executar o comando acima, estaremos excluin- SAVEPOINT
do o aluno que possui o ID 1 do nosso banco de dados.
GRANT REVOKE Controle de acesso.
MY-SQL
MYSQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados re- A Linguagem SQL é uma linguagem declarativa, daí a ORACLE
lacional (SGBD) que utiliza a linguagem padrão SQL para a manipu- criou a PLSQL que é uma linguagem mais robusta que na verdade é
lação de seus dados. É um banco de dados multiplaforma que roda uma extensão da linguagem padrão SQL. Sendo assim a PLSQL é um
em Windows, Linux e Mac. padrão exclusivo da ORACLE.

Vantagens do MySQL
• Open source; Diferenças entre as Linguagens SQL e PL/SQL
• Gratuito;
• É um BD multiplataforma roda em Windows, Linux e Mac; SQL PL/SQL
• Possui uma comunidade ativa e extensa; É uma linguagem imperativa.
• Pode usar nos mais variados tipos de aplicação; É uma linguagem declarativa.
Possibilita a criação de
• Facilidade de aprendizado e programação. Não é possível criar programas
programas completos,
inteiros em SQL, por falta de
devido as instruções de
Tipos de dados no MySQL instruções de controle de fluxo.
controle de fluxo, etc.
• Dados Strings: char, varchar, text, entre outros;
• Dados numéricos: bit, smallint, int, float, entre outros; Por ser uma linguagem padrão
Linguagem própria. Exclusiva
• Dados data: datetime, date, time, year, entre outros. ANSI Pode ser usada em
apenas pela Oracle.
qualquer SGBD relacional.
Sabemos que o SQL é a linguagem padrão para os bancos de
dados, desta forma podemos usar os comandos abaixo para traba-
lhar com o banco de dados.
NOÇÕES DE APRENDIZADO DE INFORMÁTICA – SOFTWA-
RE E HARDWARE
CREATE DATABASE Empresa; Criando o banco de dados
Empresa
Hardware
USE Empresa; Colocando o banco de dados Hardware refere-se a parte física do computador, isto é, são os
Empresa em uso dispositivos eletrônicos que necessitamos para usarmos o compu-
CREATE TABLE Funcionario (id Criando a tabela Funcionario tador. Exemplos de hardware são: CPU, teclado, mouse, disco rígi-
INT, nome VARCHAR (255), do, monitor, scanner, etc.
PRIMARY KEY(id));
Software
INSERT INTO Funcionario (id, Inserindo um registro de uma Software, na verdade, são os programas usados para fazer ta-
nome) VALUES (1, ‘Maria’); pessoa na tabela Funcionario refas e para fazer o hardware funcionar. As instruções de software
SELECT * FROM funcionario; Mostrando todos os são programadas em uma linguagem de computador, traduzidas
Funcionarios cadastrados em linguagem de máquina e executadas por computador.
O software pode ser categorizado em dois tipos:
UPDATE usuario SET nome = Atualizando o nome do – Software de sistema operacional
‘Jose Silva’ WHERE ID =1; Funcionario para Jose Silva – Software de aplicativos em geral
cujo ID=1.
DELETE FROM funcionario Apagando o Funcionario cujo
WHERE id =3; ID=3

37
INFORMÁTICA
• Software de sistema operacional
O software de sistema é o responsável pelo funcionamento REDES DE COMUNICAÇÃO – REDES SOCIAIS E TELECO-
do computador, é a plataforma de execução do usuário. Exemplos MUNICAÇÕES
de software do sistema incluem sistemas operacionais como Win-
dows, Linux, Unix , Solaris etc. Redes sociais são estruturas formadas dentro ou fora da inter-
net, por pessoas e organizações que se conectam a partir de inte-
• Software de aplicação resses ou valores comuns10. Muitos confundem com mídias sociais,
O software de aplicação é aquele utilizado pelos usuários para porém as mídias são apenas mais uma forma de criar redes sociais,
execução de tarefas específicas. Exemplos de software de aplicati- inclusive na internet.
vos incluem Microsoft Word, Excel, PowerPoint, Access, etc.
O propósito principal das redes sociais é o de conectar pessoas.
Para não esquecer: Você preenche seu perfil em canais de mídias sociais e interage com
as pessoas com base nos detalhes que elas leem sobre você. Po-
HARDWARE É a parte física do computador de-se dizer que redes sociais são uma categoria das mídias sociais.
Mídia social, por sua vez, é um termo amplo, que abrange
São os programas no computador (de diferentes mídias, como vídeos, blogs e as já mencionadas redes
SOFTWARE
funcionamento e tarefas) sociais. Para entender o conceito, pode-se olhar para o que com-
preendíamos como mídia antes da existência da internet: rádio, TV,
Periféricos jornais, revistas. Quando a mídia se tornou disponível na internet,
Periféricos são os dispositivos externos para serem utilizados ela deixou de ser estática, passando a oferecer a possibilidade de
no computador, ou mesmo para aprimora-lo nas suas funcionali- interagir com outras pessoas.
dades. Os dispositivos podem ser essenciais, como o teclado, ou No coração das mídias sociais estão os relacionamentos, que
aqueles que podem melhorar a experiencia do usuário e até mesmo são comuns nas redes sociais — talvez por isso a confusão. Mídias
melhorar o desempenho do computador, tais como design, qualida- sociais são lugares em que se pode transmitir informações para ou-
de de som, alto falantes, etc. tras pessoas.
Estas redes podem ser de relacionamento, como o Facebook,
Tipos: profissionais, como o Linkedin ou mesmo de assuntos específicos
como o Youtube que compartilha vídeos.
PERIFÉRICOS As principais são: Facebook, WhatsApp, Youtube, Instagram,
Utilizados para a entrada de dados; Twitter, Linkedin, Pinterest, Snapchat, Skype e agora mais recente-
DE ENTRADA
mente, o Tik Tok.
PERIFÉRICOS Utilizados para saída/visualização de da-
DE SAÍDA dos Facebook
Seu foco principal é o compartilhamento de assuntos pessoais
• Periféricos de entrada mais comuns. de seus membros.
– O teclado é o dispositivo de entrada mais popular e é um item
essencial. Hoje em dia temos vários tipos de teclados ergonômicos
para ajudar na digitação e evitar problemas de saúde muscular;
– Na mesma categoria temos o scanner, que digitaliza dados
para uso no computador;
– O mouse também é um dispositivo importante, pois com ele
podemos apontar para um item desejado, facilitando o uso do com-
putador.
O Facebook é uma rede social versátil e abrangente, que reúne
• Periféricos de saída populares mais comuns muitas funcionalidades no mesmo lugar. Serve tanto para gerar ne-
– Monitores, que mostra dados e informações ao usuário; gócios quanto para conhecer pessoas, relacionar-se com amigos e
– Impressoras, que permite a impressão de dados para mate- família, informar-se, dentre outros11.
rial físico;
– Alto-falantes, que permitem a saída de áudio do computador; WhatsApp
– Fones de ouvido. É uma rede para mensagens instantânea. Faz também ligações
telefônicas através da internet gratuitamente.
Sistema Operacional
O software de sistema operacional é o responsável pelo funcio-
namento do computador. É a plataforma de execução do usuário.
Exemplos de software do sistema incluem sistemas operacionais
como Windows, Linux, Unix , Solaris etc.

• Aplicativos e Ferramentas
São softwares utilizados pelos usuários para execução de tare-
fas específicas. Exemplos: Microsoft Word, Excel, PowerPoint, Ac- A maioria das pessoas que têm um smartphone também o têm
cess, além de ferramentas construídas para fins específicos. instalado. Por aqui, aliás, o aplicativo ganhou até o apelido de “zap
zap”.
10 https://resultadosdigitais.com.br/especiais/tudo-sobre-redes-sociais/
11 https://bit.ly/32MhiJ0

38
INFORMÁTICA
Para muitos brasileiros, o WhatsApp é “a internet”. Algumas Nos últimos anos, a rede social acabou voltando a ser mais uti-
operadoras permitem o uso ilimitado do aplicativo, sem debitar do lizada por causa de seu uso por políticos, que divulgam informações
consumo do pacote de dados. Por isso, muita gente se informa atra- em primeira mão por ali.
vés dele.
LinkedIn
YouTube Voltada para negócios. A pessoa que participa desta rede quer
Rede que pertence ao Google e é especializada em vídeos. manter contatos para ter ganhos profissionais no futuro, como um
emprego por exemplo.

O YouTube é a principal rede social de vídeos on-line da atuali-


dade, com mais de 1 bilhão de usuários ativos e mais de 1 bilhão de
horas de vídeos visualizados diariamente. A maior rede social voltada para profissionais tem se tornado
cada vez mais parecida com outros sites do mesmo tipo, como o
Instagram Facebook.
Rede para compartilhamento de fotos e vídeos. A diferença é que o foco são contatos profissionais, ou seja: no
lugar de amigos, temos conexões, e em vez de páginas, temos com-
panhias. Outro grande diferencial são as comunidades, que reúnem
interessados em algum tema, profissão ou mercado específicos.
É usado por muitas empresas para recrutamento de profissio-
nais, para troca de experiências profissionais em comunidades e
outras atividades relacionadas ao mundo corporativo

Pinterest
O Instagram foi uma das primeiras redes sociais exclusivas para Rede social focada em compartilhamento de fotos, mas tam-
acesso por meio do celular. E, embora hoje seja possível visualizar bém compartilha vídeos.
publicações no desktop, seu formato continua sendo voltado para
dispositivos móveis.
É possível postar fotos com proporções diferentes, além de ou-
tros formatos, como vídeos, stories e mais.
Os stories são os principais pontos de inovação do aplicativo.
Já são diversos formatos de post por ali, como perguntas, enquetes,
vídeos em sequência e o uso de GIFs.
Em 2018, foi lançado o IGTV. E em 2019 o Instagram Cenas, O Pinterest é uma rede social de fotos que traz o conceito de
uma espécie de imitação do TikTok: o usuário pode produzir vídeos “mural de referências”. Lá você cria pastas para guardar suas inspi-
de 15 segundos, adicionando música ou áudios retirados de outro rações e também pode fazer upload de imagens assim como colocar
clipezinho. Há ainda efeitos de corte, legendas e sobreposição para links para URLs externas.
transições mais limpas – lembrando que esta é mais uma das fun- Os temas mais populares são:
cionalidades que atuam dentro dos stories. – Moda;
– Maquiagem;
Twitter – Casamento;
Rede social que funciona como um microblog onde você pode – Gastronomia;
seguir ou ser seguido, ou seja, você pode ver em tempo real as atu- – Arquitetura;
alizações que seus contatos fazem e eles as suas. – Faça você mesmo;
– Gadgets;
– Viagem e design.
Seu público é majoritariamente feminino em todo o mundo.

O Twitter atingiu seu auge em meados de 2009 e de lá para cá


está em declínio, mas isso não quer dizer todos os públicos pararam
de usar a rede social.
A rede social é usada principalmente como segunda tela em
que os usuários comentam e debatem o que estão assistindo na
TV, postando comentários sobre noticiários, reality shows, jogos de
futebol e outros programas.

39
INFORMÁTICA
Snapchat Além de vídeos simples, é possível usar o TikTok para postar
Rede para mensagens baseado em imagens. duetos com cantores famosos, criar GIFs, slideshow animado e sin-
cronizar o áudio de suas dublagens preferidas para que pareça que
é você mesmo falando.
O TikTok cresceu graças ao seu apelo para a viralização. Os usu-
ários fazem desafios, reproduzem coreografias, imitam pessoas fa-
mosas, fazem sátiras que instigam o usuário a querer participar da
brincadeira — o que atrai muito o público jovem.

O Snapchat é um aplicativo de compartilhamento de fotos, ví- PLANILHAS – ELABORAÇÃO, FÓRMULAS E CONCEITOS


deos e texto para mobile. Foi considerado o símbolo da pós-moder- LIGADOS AO EXCEL. APRESENTAÇÕES – FORMATOS, DE-
nidade pela sua proposta de conteúdos efêmeros conhecidos como SIGNS, COMANDOS E CONCEITOS LIGADOS AO POWER
snaps, que desaparecem algumas horas após a publicação. POINT
A rede lançou o conceito de “stories”, despertando o interesse
de Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, que diversas vezes tentou Prezado Candidato, o tema acima supracitado, já foi abordado
adquirir a empresa, mas não obteve sucesso. Assim, o CEO lançou em tópicos anteriores.
a funcionalidade nas redes que já haviam sido absorvidas, criando
os concorrentes WhatsApp Status, Facebook Stories e Instagram
Stories.
Apesar de não ser uma rede social de nicho, tem um público EXERCÍCIOS
bem específico, formado por jovens hiperconectados.

Skype 1. (FGV-SEDUC -AM) O dispositivo de hardware que tem como


O Skype é um software da Microsoft com funções de videocon- principal função a digitalização de imagens e textos, convertendo as
ferência, chat, transferência de arquivos e ligações de voz. O serviço versões em papel para o formato digital, é denominado
também opera na modalidade de VoIP, em que é possível efetuar (A) joystick.
uma chamada para um telefone comum, fixo ou celular, por um (B) plotter.
aparelho conectado à internet (C) scanner.
(D) webcam.
(E) pendrive.

2. (CKM-FUNDAÇÃO LIBERATO SALZANO) João comprou um


novo jogo para seu computador e o instalou sem que ocorressem
erros. No entanto, o jogo executou de forma lenta e apresentou
O Skype é uma versão renovada e mais tecnológica do extinto baixa resolução. Considerando esse contexto, selecione a alterna-
MSN Messenger. tiva que contém a placa de expansão que poderá ser trocada ou
Contudo, o usuário também pode contratar mais opções de adicionada para resolver o problema constatado por João.
uso – de forma pré-paga ou por meio de uma assinatura – para (A) Placa de som
realizar chamadas para telefones fixos e chamadas com vídeo em (B) Placa de fax modem
grupo ou até mesmo enviar SMS. (C) Placa usb
É possível, no caso, obter um número de telefone por meio pró- (D) Placa de captura
prio do Skype, seja ele local ou de outra região/país, e fazer ligações (E) Placa de vídeo
a taxas reduzidas.
Tudo isso torna o Skype uma ferramenta válida para o mundo 3. (CKM-FUNDAÇÃO LIBERATO SALZANO) Há vários tipos de pe-
corporativo, sendo muito utilizado por empresas de diversos nichos riféricos utilizados em um computador, como os periféricos de saída
e tamanhos. e os de entrada. Dessa forma, assinale a alternativa que apresenta
um exemplo de periférico somente de entrada.
Tik Tok (A) Monitor
O TikTok, aplicativo de vídeos e dublagens disponível para iOS (B) Impressora
e Android, possui recursos que podem tornar criações de seus usu- (C) Caixa de som
ários mais divertidas e, além disso, aumentar seu número de segui- (D) Headphone
dores12. (E) Mouse

4. (VUNESP-2019 – SEDUC-SP) Na rede mundial de computado-


res, Internet, os serviços de comunicação e informação são disponi-
bilizados por meio de endereços e links com formatos padronizados
URL (Uniform Resource Locator). Um exemplo de formato de ende-
reço válido na Internet é:
(A) http:@site.com.br
(B) HTML:site.estado.gov
(C) html://www.mundo.com
(D) https://meusite.org.br
(E) www.#social.*site.com
12 https://canaltech.com.br/redes-sociais/tiktok-dicas-e-truques/

40
INFORMÁTICA
5. (IBASE PREF. DE LINHARES – ES) Quando locamos servido- 12. (QUADRIX CRN) Nos sistemas operacionais Windows 7 e
res e armazenamento compartilhados, com software disponível e Windows 8, qual, destas funções, a Ferramenta de Captura não exe-
localizados em Data-Centers remotos, aos quais não temos acesso cuta?
presencial, chamamos esse serviço de: (A) Capturar qualquer item da área de trabalho.
(A) Computação On-Line. (B) Capturar uma imagem a partir de um scanner.
(B) Computação na nuvem. (C) Capturar uma janela inteira
(C) Computação em Tempo Real. (D) Capturar uma seção retangular da tela.
(D) Computação em Block Time. (E) Capturar um contorno à mão livre feito com o mouse ou
(E) Computação Visual uma caneta eletrônica

6. (CESPE – SEDF) Com relação aos conceitos básicos e modos 13. (IF-PB) Acerca dos sistemas operacionais Windows 7 e 8,
de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimen- assinale a alternativa INCORRETA:
tos associados à Internet, julgue o próximo item. (A) O Windows 8 é o sucessor do 7, e ambos são desenvolvidos
Embora exista uma série de ferramentas disponíveis na Inter- pela Microsoft.
net para diversas finalidades, ainda não é possível extrair apenas o (B) O Windows 8 apresentou uma grande revolução na interfa-
áudio de um vídeo armazenado na Internet, como, por exemplo, no ce do Windows. Nessa versão, o botão “iniciar” não está sem-
Youtube (http://www.youtube.com). pre visível ao usuário.
( ) Certo (C) É possível executar aplicativos desenvolvidos para Windows
( ) Errado 7 dentro do Windows 8.
(D) O Windows 8 possui um antivírus próprio, denominado
7. (CESP-MEC WEB DESIGNER) Na utilização de um browser, a Kapersky.
execução de JavaScripts ou de programas Java hostis pode provocar (E) O Windows 7 possui versões direcionadas para computado-
danos ao computador do usuário. res x86 e 64 bits.
( ) Certo
( ) Errado 14. (CESPE BANCO DA AMAZÔNIA) O Linux, um sistema multi-
tarefa e multiusuário, é disponível em várias distribuições, entre as
8. (FGV – SEDUC -AM) Um Assistente Técnico recebe um e-mail quais, Debian, Ubuntu, Mandriva e Fedora.
com arquivo anexo em seu computador e o antivírus acusa existên- ( ) Certo
cia de vírus. ( ) Errado
Assinale a opção que indica o procedimento de segurança a ser
adotado no exemplo acima. 15. (FCC – DNOCS) - O comando Linux que lista o conteúdo de
(A) Abrir o e-mail para verificar o conteúdo, antes de enviá-lo um diretório, arquivos ou subdiretórios é o
ao administrador de rede. (A) init 0.
(B) Executar o arquivo anexo, com o objetivo de verificar o tipo (B) init 6.
de vírus. (C) exit
(C) Apagar o e-mail, sem abri-lo. (D) ls.
(D) Armazenar o e-mail na área de backup, para fins de moni- (E) cd.
toramento.
(E) Enviar o e-mail suspeito para a pasta de spam, visando a 16. (SOLUÇÃO) O Linux faz distinção de letras maiúsculas ou
analisá-lo posteriormente. minúsculas
( ) Certo
9. (CESPE – PEFOCE) Entre os sistemas operacionais Windows ( ) Errado
7, Windows Vista e Windows XP, apenas este último não possui ver-
são para processadores de 64 bits. 17. (CESP -UERN) Na suíte Microsoft Office, o aplicativo
( ) Certo (A) Excel é destinado à elaboração de tabelas e planilhas eletrô-
( ) Errado nicas para cálculos numéricos, além de servir para a produção
de textos organizados por linhas e colunas identificadas por nú-
10. (CPCON – PREF, PORTALEGRE) Existem muitas versões do meros e letras.
Microsoft Windows disponíveis para os usuários. No entanto, não é (B) PowerPoint oferece uma gama de tarefas como elaboração
uma versão oficial do Microsoft Windows e gerenciamento de bancos de dados em formatos .PPT.
(A) Windows 7 (C) Word, apesar de ter sido criado para a produção de texto, é
(B) Windows 10 útil na elaboração de planilhas eletrônicas, com mais recursos
(C) Windows 8.1 que o Excel.
(D) Windows 9 (D) FrontPage é usado para o envio e recebimento de mensa-
(E) Windows Server 2012 gens de correio eletrônico.
(E) Outlook é utilizado, por usuários cadastrados, para o envio
11. (MOURA MELO – CAJAMAR) É uma versão inexistente do e recebimento de páginas web.
Windows:
(A) Windows Gold.
(B) Windows 8.
(C) Windows 7.
(D) Windows XP.

41
INFORMÁTICA
18. (FUNDEP – UFVJM-MG) Assinale a alternativa que apresen-
ta uma ação que não pode ser realizada pelas opções da aba “Pági-
ANOTAÇÕES
na Inicial” do Word 2010.
(A) Definir o tipo de fonte a ser usada no documento. ______________________________________________________
(B) Recortar um trecho do texto para incluí-lo em outra parte
do documento. ______________________________________________________
(C) Definir o alinhamento do texto.
(D) Inserir uma tabela no texto ______________________________________________________

19. (CESPE – TRE-AL) Considerando a janela do PowerPoint ______________________________________________________


2002 ilustrada abaixo julgue os itens a seguir, relativos a esse apli-
______________________________________________________
cativo.
A apresentação ilustrada na janela contém 22 slides ?. ______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________
( ) Certo
( ) Errado ______________________________________________________

20. (CESPE – CAIXA) O PowerPoint permite adicionar efeitos so- ______________________________________________________


noros à apresentação em elaboração.
( ) Certo ______________________________________________________
( ) Errado
______________________________________________________

______________________________________________________
GABARITO
______________________________________________________

1 C ______________________________________________________

2 E ______________________________________________________
3 E
______________________________________________________
4 D
______________________________________________________
5 B
6 ERRADO ______________________________________________________
7 CERTO ______________________________________________________
8 C
_____________________________________________________
9 CERTO
10 D _____________________________________________________

11 A ______________________________________________________
12 B ______________________________________________________
13 D
______________________________________________________
14 CERTO
15 D ______________________________________________________
16 CERTO ______________________________________________________
17 A
______________________________________________________
18 D
______________________________________________________
19 CERTO
20 CERTO ______________________________________________________

______________________________________________________

42
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

1. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


2. Constituição da República Federativa do Brasil - 1988. (Artigos 205 a 214). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
3. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
4. Plano Nacional de Educação. Brasília, 2014. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Didática. Metodologia do Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
6. Teóricos e Teorias da Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
7. Avaliação Escolar e Avaliação do Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
8. Psicologia da Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
9. Fundamentos da Filosofia da Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
10. Gestão Democrática no Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
11. Instrumentos e Tecnologias de Aprendizagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
12. Metodologias Ativas de Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
13. Recursos Tecnológicos aplicados à Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
14. Hierarquia e Estrutura dos Estabelecimentos de Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
15. Projeto Político-Pedagógico – PPP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
16. Conceitos e Fundamentos associados ao Currículo Escolar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
17. Objetivos da Educação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
18. Educação Transformadora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
19. Plano Nacional de Educação (PNE) – Lei 10.172/01. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
20. Ministério da Educação: finalidade, organização, principais ações/programas; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
21. A Organização da Educação Nacional; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
22. Níveis e das Modalidades de Educação e Ensino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
23. Lei de acessibilidade, Lei 10.098/00. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
24. Educação e cultura afro-brasileira e africana, Resolução CNE/CEB no 1 de 17/07/04. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
25. Diretrizes Curriculares para a Educação Ambiental, Resolução CNE/CP no 2 de 15/06/12. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
26. Diretrizes Curriculares para Educação em Direitos Humanos, Resolução CEB/CP no 1 de 03/06/12. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Quais as implicações?
BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR – BNCC Implicações curriculares, com flexibilização e aligeiramento da
formação
A Base Nacional Comum Curricular é um documento que de- - Altera o formato de financiamento público com privatização
termina o conjunto de competências gerais que todos os alunos - Atinge a formação docente
devem desenvolver ao longo da Educação Básica — que inclui a - Impacta a docência da rede particular de ensino
Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o Ensino Médio. - Não assegura novos recursos
Esse conhecimento pretende assegurar uma formação humana
integral com foco na construção de uma sociedade inclusiva, justa Implicações Curriculares
e democrática. Para a primeira etapa da Educação Básica, a escola Carga horária do ensino médio será ampliada de forma pro-
deve garantir seis direitos de desenvolvimento e aprendizagem, de gressiva (§ 1º, Art. 24 LDB – nova redação) para mil e quatrocentas
forma que todas as crianças tenham oportunidades de aprender e horas, devendo os sistemas de ensino oferecer, no prazo máximo de
se desenvolver. cinco anos, pelo menos mil horas anuais de carga horária, a partir
Após a aprovação da nova Base Nacional Comum Curricular de 2 de março de 2017.
(BNCC), em dezembro de 2017, começaram as discussões visando a Ou seja, só existe prazo para se chegar às mil horas, ou seja,
melhor forma de implementar as novas diretrizes da BNCC na Edu- uma hora em relação a carga horária atual.
cação Infantil de todo o país. A Lei não faz referência clara como essa expansão irá acontecer
Nessa etapa da Educação Básica, a BNCC define direitos de no ensino médio noturno. Apenas determina que os sistemas de
aprendizagem e os campos de experiências substituem as áreas ensino disporão sobre a oferta de educação de jovens e adultos e
do conhecimento do Ensino Fundamental. Em cada campo existem de ensino noturno regular, adequado às condições do educando,
objetivos de aprendizado e desenvolvimento do aluno, em vez de conforme o inciso VI do art. 4°.”
unidades temáticas, objetos de conhecimento e habilidades. O ensino da arte, especialmente em suas expressões regionais,
É responsabilidade das escolas garantir que seus alunos rece- constituirá componente curricular obrigatório da educação básica,
berão, em sala de aula, as competências gerais estabelecidas pelo mas não especifica se atingirá os itinerários formativos do ensino
documento. Dessa forma, o cenário educacional nacional se torna médio. É provável que não.
mais justo e igualitário para todas as crianças. Obriga a oferta de língua inglesa a partir do sexto ano do ensino
O primeiro texto sugerido no projeto foi discutido e elabora- fundamental.
do em conjunto com 116 especialistas em educação. A proposta foi A Lei dispõe que a integralização curricular poderá incluir, a cri-
aberta à consulta pública até março de 2016, quando foi revisada. tério dos sistemas de ensino, projetos e pesquisas envolvendo os
temas transversais. Portanto, não necessitará de ser tratado para o
Em maio do mesmo ano, a segunda versão do documento foi conjunto dos estudantes.
divulgada. Quase um ano depois, em abril de 2017, a terceira e úl- A inclusão de novos componentes curriculares de caráter obri-
tima versão foi revelada e apresentada ao Conselho Nacional de gatório na Base Nacional Comum Curricular dependerá de aprova-
Educação (CNE). ção do CNE e de homologação pelo Ministro de Estado da Educação.
No mesmo ano, o CNE preparou audiências públicas em cinco A BNCC definirá direitos e objetivos de aprendizagem do ensino
regionais. O objetivo era alcançar colaborações para a elaboração médio, conforme diretrizes do Conselho Nacional de Educação, nas
da norma instituidora da BNCC. No dia 15 de dezembro, o projeto seguintes áreas do conhecimento:
foi homologado e seguiu para a aprovação do Ministério da Educa- I - linguagens e suas tecnologias;
ção (MEC). II - matemática e suas tecnologias;
A resolução que orienta e institui a implementação da BNCC III - ciências da natureza e suas tecnologias;
na Educação Infantil e no Ensino Médio foi publicada no dia 22 de IV - ciências humanas e sociais aplicadas.
dezembro de 2017.
A parte diversificada dos currículos, definida em cada sistema
Qual é o prazo para implementação nas escolas? de ensino, deverá estar harmonizada à BNCC e ser articulada a par-
Existe um comitê especial responsável por acompanhar a im- tir do contexto histórico, econômico, social, ambiental e cultural.
plantação da nova base nas escolas públicas e privadas, que deverá A BNCC referente ao ensino médio incluirá obrigatoriamente
ocorrer até o dia 31 de dezembro de 2020. estudos e práticas de educação física, arte, sociologia e filosofia.
Até lá, o grupo de especialistas deve propor debates, discus- Portanto, não haverá a obrigatoriedade de disciplinas.
sões acerca dos temas referentes aos desafios da implementação e Obrigatoriedade apenas para o ensino da língua portuguesa e
nortear ações a serem tomadas pelo governo para a concretização da matemática nos três anos do ensino médio, assegurada às co-
do novo currículo.1 munidades indígenas, também, a utilização das respectivas línguas
maternas, e de língua inglesa.
A base curricular do ensino brasileiro tem passado por diversas Outras línguas estrangeiras, em caráter optativo, preferencial-
mudanças, dentre elas, temos a lei a seguir. mente o espanhol, poderão ser ofertadas de acordo com a dispo-
nibilidade de oferta, locais e horários definidos pelos sistemas de
Lei nº 13.415/2017 ensino.
- Altera a LDB A carga horária destinada ao cumprimento da BNCC não po-
- Altera o Fundeb derá ser superior a mil e oitocentas horas do total da carga horária
- Altera a CLT do ensino médio. Ou seja, próximo a 69% do total da carga horária.
- Revoga a Lei 11.161/2005
- Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de
Ensino Médio em Tempo Integral.

1 Fonte: www.educacaoinfantil.aix.com.br

1
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Itinerários Formativos § 1º É facultado às universidades admitir professores, técnicos


O currículo do ensino médio será composto pela BNCC e por iti- e cientistas estrangeiros, na forma da lei.
nerários formativos, que deverão ser organizados por meio da ofer- § 2º O disposto neste artigo aplica-se às instituições de pesqui-
ta de diferentes arranjos curriculares, conforme a relevância para sa científica e tecnológica.
o contexto local e a possibilidade dos sistemas de ensino, a saber: Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado
I - linguagens e suas tecnologias; mediante a garantia de:
II - matemática e suas tecnologias; I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17
III - ciências da natureza e suas tecnologias; (dezessete) anos de idade, assegurada inclusive sua oferta gratuita
IV - ciências humanas e sociais aplicadas; para todos os que a ela não tiveram acesso na idade própria;
V - formação técnica e profissional. II - progressiva universalização do ensino médio gratuito;
III - atendimento educacional especializado aos portadores de
Poderá ser composto itinerário formativo integrado, que se deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino;
traduz na composição de componentes curriculares da BNCC e dos IV - educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças até 5
itinerários formativos. (cinco) anos de idade;
Os sistemas de ensino, mediante disponibilidade de vagas na V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da
rede, possibilitarão ao aluno concluinte do ensino médio cursar criação artística, segundo a capacidade de cada um;
mais um itinerário formativo de que trata o caput. VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições
do educando;
Acesse o link a seguir e tenha acesso ao documento na íntegra: VII - atendimento ao educando, em todas as etapas da edu-
http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei - cação básica, por meio de programas suplementares de material
-13415-16-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal-152003-pl. didático escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde.
html § 1º O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito público
subjetivo.
§ 2º O não-oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder Pú-
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRA- blico, ou sua oferta irregular, importa responsabilidade da autorida-
SIL - 1988. (ARTIGOS 205 A 214) de competente.
§ 3º Compete ao Poder Público recensear os educandos no en-
CAPÍTULO III sino fundamental, fazer-lhes a chamada e zelar, junto aos pais ou
DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO responsáveis, pela frequência à escola.
Art. 209. O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as se-
SEÇÃO I guintes condições:
DA EDUCAÇÃO I - cumprimento das normas gerais da educação nacional;
II - autorização e avaliação de qualidade pelo Poder Público.
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da fa- Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fun-
mília, será promovida e incentivada com a colaboração da socieda- damental, de maneira a assegurar formação básica comum e res-
de, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para peito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais.
o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. § 1º O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá dis-
ciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino funda-
Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes prin- mental.
cípios: § 2º O ensino fundamental regular será ministrado em língua
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na es- portuguesa, assegurada às comunidades indígenas também a uti-
cola; lização de suas línguas maternas e processos próprios de aprendi-
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pen- zagem.
samento, a arte e o saber; Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexis- organizarão em regime de colaboração seus sistemas de ensino.
tência de instituições públicas e privadas de ensino; § 1º A União organizará o sistema federal de ensino e o dos
IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; Territórios, financiará as instituições de ensino públicas federais e
V - valorização dos profissionais da educação escolar, garanti- exercerá, em matéria educacional, função redistributiva e supletiva,
dos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso exclusivamen- de forma a garantir equalização de oportunidades educacionais e
te por concurso público de provas e títulos, aos das redes públicas; padrão mínimo de qualidade do ensino mediante assistência téc-
VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei; nica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios;
VII - garantia de padrão de qualidade. § 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino funda-
VIII - piso salarial profissional nacional para os profissionais da mental e na educação infantil.
educação escolar pública, nos termos de lei federal. § 3º Os Estados e o Distrito Federal atuarão prioritariamente no
Parágrafo único. A lei disporá sobre as categorias de traba- ensino fundamental e médio.
lhadores considerados profissionais da educação básica e sobre a § 4º Na organização de seus sistemas de ensino, a União, os
fixação de prazo para a elaboração ou adequação de seus planos Estados, o Distrito Federal e os Municípios definirão formas de co-
de carreira, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e laboração, de modo a assegurar a universalização do ensino obri-
dos Municípios. gatório.
Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-cien- § 5º A educação básica pública atenderá prioritariamente ao
tífica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obe- ensino regular.
decerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e
extensão.

2
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoi- O artigo 6º da Constituição Federal menciona o direito à edu-
to, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios vinte e cinco por cação como um de seus direitos sociais. A educação proporciona o
cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida pleno desenvolvimento da pessoa, não apenas capacitando-a para
a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento o trabalho, mas também para a vida social como um todo. Contudo,
do ensino. a educação tem um custo para o Estado, já que nem todos podem
§ 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida pela arcar com o custeio de ensino privado.
União aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, ou pelos No título VIII, que aborda a ordem social, delimita-se a questão
Estados aos respectivos Municípios, não é considerada, para efeito da obrigação do Estado com relação ao direito à educação, assim
do cálculo previsto neste artigo, receita do governo que a transferir. como menciona-se quais outros agentes responsáveis pela efetiva-
§ 2º Para efeito do cumprimento do disposto no «caput» deste ção deste direito.
artigo, serão considerados os sistemas de ensino federal, estadual e Neste sentido, o artigo 205, CF, prevê: “A educação, direito de
municipal e os recursos aplicados na forma do art. 213. todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada
§ 3º A distribuição dos recursos públicos assegurará prioridade com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimen-
ao atendimento das necessidades do ensino obrigatório, no que se to da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua quali-
refere a universalização, garantia de padrão de qualidade e equida- ficação para o trabalho”.
de, nos termos do plano nacional de educação. Resta claro que a educação não é um dever exclusivo do Esta-
§ 4º Os programas suplementares de alimentação e assistência do, mas da sociedade como um todo e, principalmente, da família.
à saúde previstos no art. 208, VII, serão financiados com recursos Depreende-se que educação vai além do mero aprendizado de con-
provenientes de contribuições sociais e outros recursos orçamen- teúdos e envolve a educação para a cidadania e o comportamento
tários. ético em sociedade – a educação da qual o constituinte fala não é
§ 5º A educação básica pública terá como fonte adicional de apenas a formal, mas também a informal.
financiamento a contribuição social do salário-educação, recolhida Por seu turno, o artigo 206 da Constituição estabelece os prin-
pelas empresas na forma da lei. cípios que devem guiar o ensino:
§ 6º As cotas estaduais e municipais da arrecadação da contri- - “igualdade de condições para o acesso e permanência na es-
buição social do salário-educação serão distribuídas proporcional- cola”, que significa a compreensão de que a educação é um direito
mente ao número de alunos matriculados na educação básica nas de todos e não apenas dos mais favorecidos, cabendo ao Estado
respectivas redes públicas de ensino. investir para que os menos favorecidos ingressem e permaneçam
Art. 213. Os recursos públicos serão destinados às escolas pú- na escola;
blicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias, confessionais - “liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pen-
ou filantrópicas, definidas em lei, que: samento, a arte e o saber”, de forma que o ensino tem um caráter
I - comprovem finalidade não-lucrativa e apliquem seus exce- ativo e passivo, indo além da compreensão de conteúdos dogmáti-
dentes financeiros em educação; co se abrangendo também os processos criativos;
II - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra escola - “pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coe-
comunitária, filantrópica ou confessional, ou ao Poder Público, no xistência de instituições públicas e privadas de ensino”, de modo
caso de encerramento de suas atividades. que não se entende haver um único método de ensino, uma única
§ 1º - Os recursos de que trata este artigo poderão ser desti- maneira de aprender, permitindo a exploração das atividades edu-
nados a bolsas de estudo para o ensino fundamental e médio, na cacionais também por instituições privadas. A respeito das institui-
forma da lei, para os que demonstrarem insuficiência de recursos, ções privadas, o artigo 209, CF prevê que “o ensino é livre à iniciati-
quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede pública va privada, atendidas as seguintes condições: I - cumprimento das
na localidade da residência do educando, ficando o Poder Público normas gerais da educação nacional; II - autorização e avaliação de
obrigado a investir prioritariamente na expansão de sua rede na lo- qualidade pelo Poder Público”;
calidade. - “gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais”,
§ 2º As atividades de pesquisa, de extensão e de estímulo e sendo esta a principal vertente de implementação do direito à edu-
fomento à inovação realizadas por universidades e/ou por institui- cação pelo Estado;
ções de educação profissional e tecnológica poderão receber apoio - “valorização dos profissionais da educação escolar, garanti-
financeiro do Poder Público. dos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso exclusivamen-
Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação, de te por concurso público de provas e títulos, aos das redes públicas”,
duração decenal, com o objetivo de articular o sistema nacional de bem como “piso salarial profissional nacional para os profissionais
educação em regime de colaboração e definir diretrizes, objetivos, da educação escolar pública, nos termos de lei federal”, pois sem a
metas e estratégias de implementação para assegurar a manuten- valorização dos profissionais responsáveis pelo ensino será inatin-
ção e desenvolvimento do ensino em seus diversos níveis, etapas gível o seu aperfeiçoamento. Além disso, “a lei disporá sobre as ca-
e modalidades por meio de ações integradas dos poderes públicos tegorias de trabalhadores considerados profissionais da educação
das diferentes esferas federativas que conduzam a: básica e sobre a fixação de prazo para a elaboração ou adequação
I - erradicação do analfabetismo; de seus planos de carreira, no âmbito da União, dos Estados, do
II - universalização do atendimento escolar; Distrito Federal e dos Municípios” (artigo 206, parágrafo único, CF);
III - melhoria da qualidade do ensino; - “gestão democrática do ensino público, na forma da lei”, re-
IV - formação para o trabalho; metendo ao direito de participação popular na tomada de decisões
V - promoção humanística, científica e tecnológica do País. políticas referentes às atividades de ensino; e
VI - estabelecimento de meta de aplicação de recursos públicos - “garantia de padrão de qualidade”, posto que sem qualidade
em educação como proporção do produto interno bruto. de ensino é impossível atingir uma melhoria na qualificação pessoal
e profissional dos nacionais.

3
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

O ensino universitário encontra respaldo no artigo 207 da Art. 216. Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de
Constituição, tendo autonomia didático-científica, administrativa e natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em con-
de gestão financeira e patrimonial, e sendo baseado na tríade en- junto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos
sino-pesquisa-extensão, disciplina que se estende a instituições de diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se
pesquisa científica e tecnológica. Com vistas ao aperfeiçoamento incluem:
desta tríade, autoriza-se a contratação de profissionais estrangei- I - as formas de expressão;
ros. II - os modos de criar, fazer e viver;
Enquanto que os artigos 205 e 206 da Constituição possuem III - as criações científicas, artísticas e tecnológicas;
uma menor densidade normativa, colacionando princípios direto- IV - as obras, objetos, documentos, edificações e demais espa-
res e ideias basilares, o artigo 208 volta-se à regulamentação do ços destinados às manifestações artístico-culturais;
modo pelo qual o Estado efetivará o direito à educação. V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico,
Interessante notar, em primeira análise, que o Estado se exime artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico.
da obrigatoriedade no fornecimento de educação superior, no art. § 1º O Poder Público, com a colaboração da comunidade, pro-
208, V, quando assegura, apenas, o “acesso” aos níveis mais eleva- moverá e protegerá o patrimônio cultural brasileiro, por meio de
dos de ensino, pesquisa e criação artística. Fica denotada ausência inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropriação, e
de comprometimento orçamentário e infraestrutural estatal com de outras formas de acautelamento e preservação.
um número suficiente de universidades/faculdades públicas aptas § 2º Cabem à administração pública, na forma da lei, a gestão
a recepcionar o maciço contingente de alunos que saem da camada da documentação governamental e as providências para franquear
básica de ensino, sendo, pois, clarividente exemplo de aplicação da sua consulta a quantos dela necessitem.
reserva do possível dentro da Constituição. Ainda, é preciso obser- § 3º A lei estabelecerá incentivos para a produção e o conheci-
var que se utiliza a expressão “segundo a capacidade de cada um”, mento de bens e valores culturais.
de forma que o critério para admissão em universidades/faculda- § 4º Os danos e ameaças ao patrimônio cultural serão punidos,
des públicas é, somente, pelo preparo intelectual do cidadão, a ser na forma da lei.
testado em avaliações com tal fito, como o vestibular e o exame § 5º Ficam tombados todos os documentos e os sítios detento-
nacional do ensino médio. res de reminiscências históricas dos antigos quilombos.
O ensino básico possui conteúdos mínimos, fixados nos moldes § 6º É facultado aos Estados e ao Distrito Federal vincular a fun-
do artigo 210, CF. A menção do ensino religioso como facultativo do estadual de fomento à cultura até cinco décimos por cento de
remete à laicidade do Estado, ao passo que a menção ao ensino de sua receita tributária líquida, para o financiamento de programas
línguas de povos indígenas remete ao pluralismo político, funda- e projetos culturais, vedada a aplicação desses recursos no paga-
mento da República Federativa. mento de:
O artigo 211, CF trabalha com a organização e colaboração dos I - despesas com pessoal e encargos sociais;
sistemas de ensino entre os entes federativos. II - serviço da dívida;
Por sua vez, os artigos 212 e 213 da Constituição trabalham III - qualquer outra despesa corrente não vinculada diretamen-
com aspectos orçamentários: te aos investimentos ou ações apoiados.
Encerrando a disciplina da educação, o artigo 214 trabalha com
o plano nacional de educação, de duração decenal (na atualidade, Art. 216-A. O Sistema Nacional de Cultura, organizado em
estamos no início da implementação do PNE cuja duração se esten- regime de colaboração, de forma descentralizada e participativa,
de até o ano de 20242), que tem metas ali descritas. institui um processo de gestão e promoção conjunta de políticas pú-
blicas de cultura, democráticas e permanentes, pactuadas entre os
SEÇÃO II entes da Federação e a sociedade, tendo por objetivo promover o
DA CULTURA desenvolvimento humano, social e econômico com pleno exercício
dos direitos culturais.
Art. 215. O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos di- § 1º O Sistema Nacional de Cultura fundamenta-se na política
reitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e nacional de cultura e nas suas diretrizes, estabelecidas no Plano Na-
incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais. cional de Cultura, e rege-se pelos seguintes princípios:
§ 1º O Estado protegerá as manifestações das culturas popula- I - diversidade das expressões culturais;
res, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participan- II - universalização do acesso aos bens e serviços culturais;
tes do processo civilizatório nacional. III - fomento à produção, difusão e circulação de conhecimento
2º A lei disporá sobre a fixação de datas comemorativas de alta e bens culturais;
significação para os diferentes segmentos étnicos nacionais. IV - cooperação entre os entes federados, os agentes públicos e
3º A lei estabelecerá o Plano Nacional de Cultura, de duração privados atuantes na área cultural;
plurianual, visando ao desenvolvimento cultural do País e à integra- V - integração e interação na execução das políticas, progra-
ção das ações do poder público que conduzem à: mas, projetos e ações desenvolvidas;
I defesa e valorização do patrimônio cultural brasileiro; VI - complementaridade nos papéis dos agentes culturais;
II produção, promoção e difusão de bens culturais; VII - transversalidade das políticas culturais;
III formação de pessoal qualificado para a gestão da cultura em VIII - autonomia dos entes federados e das instituições da so-
suas múltiplas dimensões; ciedade civil;
IV democratização do acesso aos bens de cultura; IX - transparência e compartilhamento das informações;
V valorização da diversidade étnica e regional. X - democratização dos processos decisórios com participação
e controle social;
XI - descentralização articulada e pactuada da gestão, dos re-
cursos e das ações;
XII - ampliação progressiva dos recursos contidos nos orçamen-
tos públicos para a cultura.
2 http://pne.mec.gov.br/

4
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

§ 2º Constitui a estrutura do Sistema Nacional de Cultura, nas Introdução


respectivas esferas da Federação: O movimento mundial pela educação inclusiva é uma ação
I - órgãos gestores da cultura; política, cultural, social e pedagógica, desencadeada em defesa do
II - conselhos de política cultural; direito de todos os alunos de estarem juntos, aprendendo e parti-
III - conferências de cultura; cipando, sem nenhum tipo de discriminação. A educação inclusiva
IV - comissões intergestores; constitui um paradigma educacional fundamentado na concepção
V - planos de cultura; de direitos humanos, que conjuga igualdade e diferença como va-
VI - sistemas de financiamento à cultura; lores indissociáveis, e que avança em relação à ideia de equidade
VII - sistemas de informações e indicadores culturais; formal ao contextualizar as circunstâncias históricas da produção da
VIII - programas de formação na área da cultura; e exclusão dentro e fora da escola.
IX - sistemas setoriais de cultura. Ao reconhecer que as dificuldades enfrentadas nos sistemas de
§ 3º Lei federal disporá sobre a regulamentação do Sistema ensino evidenciam a necessidade de confrontar as práticas discri-
Nacional de Cultura, bem como de sua articulação com os demais minatórias e criar alternativas para superá-las, a educação inclusiva
sistemas nacionais ou políticas setoriais de governo. assume espaço central no debate acerca da sociedade contempo-
§ 4º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão rânea e do papel da escola na superação da lógica da exclusão. A
seus respectivos sistemas de cultura em leis próprias. partir dos referenciais para a construção de sistemas educacionais
inclusivos, a organização de escolas e classes especiais passa a ser
O capítulo III do título VIII coloca a educação ao lado da cultura, repensada, implicando uma mudança estrutural e cultural da escola
depreendendo-se que o acesso à educação envolve também o aces- para que todos os alunos tenham suas especificidades atendidas.
so à cultura, numa concepção ampla deste direito social. Nesta perspectiva, o Ministério da Educação/Secretaria de Edu-
cação Especial apresenta a Política Nacional de Educação Especial
SEÇÃO III na Perspectiva da Educação Inclusiva, que acompanha os avanços
DO DESPORTO do conhecimento e das lutas sociais, visando constituir políticas
públicas promotoras de uma educação de qualidade para todos os
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas for- alunos.
mais e não-formais, como direito de cada um, observados:
I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e associa- Marcos históricos e normativos
ções, quanto a sua organização e funcionamento; A escola historicamente se caracterizou pela visão da educa-
II - a destinação de recursos públicos para a promoção priori- ção que delimita a escolarização como privilégio de um grupo, uma
tária do desporto educacional e, em casos específicos, para a do exclusão que foi legitimada nas políticas e práticas educacionais
desporto de alto rendimento; reprodutoras da ordem social. A partir do processo de democrati-
III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional e o zação da escola, evidencia-se o paradoxo inclusão/exclusão quando
não- profissional; os sistemas de ensino universalizam o acesso, mas continuam ex-
IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas de cluindo indivíduos e grupos considerados fora dos padrões homo-
criação nacional. geneizadores da escola. Assim, sob formas distintas, a exclusão tem
§ 1º O Poder Judiciário só admitirá ações relativas à disciplina apresentado características comuns nos processos de segregação
e às competições desportivas após esgotarem-se as instâncias da e integração, que pressupõem a seleção, naturalizando o fracasso
justiça desportiva, regulada em lei. escolar.
§ 2º A justiça desportiva terá o prazo máximo de sessenta dias, A partir da visão dos direitos humanos e do conceito de cida-
contados da instauração do processo, para proferir decisão final. dania fundamentado no reconhecimento das diferenças e na par-
§ 3º O Poder Público incentivará o lazer, como forma de pro- ticipação dos sujeitos, decorre uma identificação dos mecanismos
moção social. e processos de hierarquização que operam na regulação e produ-
ção das desigualdades. Essa problematização explicita os processos
A vida não é feita somente de trabalho, toda pessoa precisa normativos de distinção dos alunos em razão de características inte-
desfrutar de momentos de diversão e relaxamento ao lado de ami- lectuais, físicas, culturais, sociais e linguísticas, entre outras, estru-
gos e familiares, razão pela qual o Estado deve propiciar atividades turantes do modelo tradicional de educação escolar.
voltadas a este fim. Neste sentido, as atividades de lazer podem ter A educação especial se organizou tradicionalmente como aten-
naturezas variadas, destacando-se as culturais (direito à cultura, já dimento educacional especializado substitutivo ao ensino comum,
abordado) e desportivas. evidenciando diferentes compreensões, terminologias e modali-
dades que levaram à criação de instituições especializadas, esco-
las especiais e classes especiais. Essa organização, fundamentada
POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA no conceito de normalidade/anormalidade, determina formas de
PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA atendimento clínico-terapêuticos fortemente ancorados nos testes
psicométricos que, por meio de diagnósticos, definem as práticas
POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTI- escolares para os alunos com deficiência.
VA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA No Brasil, o atendimento às pessoas com deficiência teve início
na época do Império, com a criação de duas instituições: o Impe-
Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela rial Instituto dos Meninos Cegos, em 1854, atual Instituto Benjamin
Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Constant – IBC, e o Instituto dos Surdos Mudos, em 1857, hoje de-
Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007. nominado Instituto Nacional da Educação dos Surdos – INES, ambos
no Rio de Janeiro.

5
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

No início do século XX é fundado o Instituto Pestalozzi (1926), A atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº
instituição especializada no atendimento às pessoas com defici- 9.394/96, no artigo 59, preconiza que os sistemas de ensino devem
ência mental; em 1954, é fundada a primeira Associação de Pais e assegurar aos alunos currículo, métodos, recursos e organização
Amigos dos Excepcionais – APAE; e, em 1945, é criado o primeiro específicos para atender às suas necessidades; assegura a termina-
atendimento educacional especializado às pessoas com superdota- lidade específica àqueles que não atingiram o nível exigido para a
ção na Sociedade Pestalozzi, por Helena Antipoff. conclusão do ensino fundamental, em virtude de suas deficiências;
Em 1961, o atendimento educacional às pessoas com deficiên- e assegura a aceleração de estudos aos superdotados para conclu-
cia passa a ser fundamentado pelas disposições da Lei de Diretrizes são do programa escolar. Também define, dentre as normas para
e Bases da Educação Nacional – LDBEN, Lei nº 4.024/61, que aponta a organização da educação básica, a “possibilidade de avanço nos
o direito dos “excepcionais” à educação, preferencialmente dentro cursos e nas séries mediante verificação do aprendizado” (art. 24,
do sistema geral de ensino. inciso V) e “[...] oportunidades educacionais apropriadas, conside-
A Lei nº 5.692/71, que altera a LDBEN de 1961, ao definir “tra- radas as características do alunado, seus interesses, condições de
tamento especial” para os alunos com “deficiências físicas, mentais, vida e de trabalho, mediante cursos e exames” (art. 37).
os que se encontram em atraso considerável quanto à idade regular Em 1999, o Decreto nº 3.298, que regulamenta a Lei nº
de matrícula e os superdotados”, não promove a organização de um 7.853/89, ao dispor sobre a Política Nacional para a Integração da
sistema de ensino capaz de atender às necessidades educacionais Pessoa Portadora de Deficiência, define a educação especial como
especiais e acaba reforçando o encaminhamento dos alunos para as uma modalidade transversal a todos os níveis e modalidades de en-
classes e escolas especiais. sino, enfatizando a atuação complementar da educação especial ao
Em 1973, o MEC cria o Centro Nacional de Educação Especial – ensino regular.
CENESP, responsável pela gerência da educação especial no Brasil, Acompanhando o processo de mudança, as Diretrizes Nacio-
que, sob a égide integracionista, impulsionou ações educacionais nais para a Educação Especial na Educação Básica, Resolução CNE/
voltadas às pessoas com deficiência e às pessoas com superdota- CEB nº 2/2001, no artigo 2º, determinam que:
ção, mas ainda configuradas por campanhas assistenciais e iniciati- “Os sistemas de ensino devem matricular todos os alunos, ca-
vas isoladas do Estado. bendo às escolas organizarem-se para o atendimento aos educan-
Nesse período, não se efetiva uma política pública de acesso dos com necessidades educacionais especiais, assegurando as con-
universal à educação, permanecendo a concepção de “políticas es- dições necessárias para uma educação de qualidade para todos.”
peciais” para tratar da educação de alunos com deficiência. No que As Diretrizes ampliam o caráter da educação especial para re-
se refere aos alunos com superdotação, apesar do acesso ao ensino alizar o atendimento educacional especializado complementar ou
regular, não é organizado um atendimento especializado que consi- suplementar à escolarização, porém, ao admitir a possibilidade de
dere as suas singularidades de aprendizagem. substituir o ensino regular, não potencializam a adoção de uma po-
A Constituição Federal de 1988 traz como um dos seus obje- lítica de educação inclusiva na rede pública de ensino, prevista no
tivos fundamentais “promover o bem de todos, sem preconceitos seu artigo 2º.
de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de dis- O Plano Nacional de Educação – PNE, Lei nº 10.172/2001,
criminação” (art.3º, inciso IV). Define, no artigo 205, a educação destaca que “o grande avanço que a década da educação deveria
como um direito de todos, garantindo o pleno desenvolvimento da produzir seria a construção de uma escola inclusiva que garanta o
pessoa, o exercício da cidadania e a qualificação para o trabalho. atendimento à diversidade humana”. Ao estabelecer objetivos e
No seu artigo 206, inciso I, estabelece a “igualdade de condições metas para que os sistemas de ensino favoreçam o atendimento às
de acesso e permanência na escola” como um dos princípios para necessidades educacionais especiais dos alunos, aponta um déficit
o ensino e garante, como dever do Estado, a oferta do atendimen- referente à oferta de matrículas para alunos com deficiência nas
to educacional especializado, preferencialmente na rede regular de classes comuns do ensino regular, à formação docente, à acessibili-
ensino (art. 208). dade física e ao atendimento educacional especializado.
O Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, Lei nº 8.069/90, A Convenção da Guatemala (1999), promulgada no Brasil pelo
no artigo 55, reforça os dispositivos legais supracitados ao deter- Decreto nº 3.956/2001, afirma que as pessoas com deficiência têm
minar que “os pais ou responsáveis têm a obrigação de matricular os mesmos direitos humanos e liberdades fundamentais que as de-
seus filhos ou pupilos na rede regular de ensino”. Também nessa mais pessoas, definindo como discriminação com base na deficiên-
década, documentos como a Declaração Mundial de Educação para cia toda diferenciação ou exclusão que possa impedir ou anular o
Todos (1990) e a Declaração de Salamanca (1994) passam a influen- exercício dos direitos humanos e de suas liberdades fundamentais.
ciar a formulação das políticas públicas da educação inclusiva. Este Decreto tem importante repercussão na educação, exigindo
Em 1994, é publicada a Política Nacional de Educação Especial, uma reinterpretação da educação especial, compreendida no con-
orientando o processo de “integração instrucional” que condiciona texto da diferenciação, adotado para promover a eliminação das
o acesso às classes comuns do ensino regular àqueles que “(...) pos- barreiras que impedem o acesso à escolarização.
suem condições de acompanhar e desenvolver as atividades curri- Na perspectiva da educação inclusiva, a Resolução CNE/CP nº
culares programadas do ensino comum, no mesmo ritmo que os 1/2002, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a
alunos ditos normais” (p.19). Ao reafirmar os pressupostos constru- Formação de Professores da Educação Básica, define que as insti-
ídos a partir de padrões homogêneos de participação e aprendiza- tuições de ensino superior devem prever, em sua organização curri-
gem, a Política não provoca uma reformulação das práticas educa- cular, formação docente voltada para a atenção à diversidade e que
cionais de maneira que sejam valorizados os diferentes potenciais contemple conhecimentos sobre as especificidades dos alunos com
de aprendizagem no ensino comum, mas mantendo a responsa- necessidades educacionais especiais.
bilidade da educação desses alunos exclusivamente no âmbito da A Lei nº 10.436/02 reconhece a Língua Brasileira de Sinais – Li-
educação especial. bras como meio legal de comunicação e expressão, determinando
que sejam garantidas formas institucionalizadas de apoiar seu uso
e difusão, bem como a inclusão da disciplina de Libras como parte
integrante do currículo nos cursos de formação de professores e de
fonoaudiologia.

6
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

A Portaria nº 2.678/02 do MEC aprova diretrizes e normas para Em 2007, é lançado o Plano de Desenvolvimento da Educação –
o uso, o ensino, a produção e a difusão do sistema Braille em to- PDE, reafirmado pela Agenda Social, tendo como eixos a formação
das as modalidades de ensino, compreendendo o projeto da Grafia de professores para a educação especial, a implantação de salas de
Braille para a Língua Portuguesa e a recomendação para o seu uso recursos multifuncionais, a acessibilidade arquitetônica dos prédios
em todo o território nacional. escolares, acesso e a permanência das pessoas com deficiência na
educação superior e o monitoramento do acesso à escola dos favo-
Em 2003, é implementado pelo MEC o Programa Educação In- recidos pelo Benefício de Prestação Continuada – BPC.
clusiva: direito à diversidade, com vistas a apoiar a transformação
dos sistemas de ensino em sistemas educacionais inclusivos, pro- No documento do MEC, Plano de Desenvolvimento da Educa-
movendo um amplo processo de formação de gestores e educado- ção: razões, princípios e programas é reafirmada a visão que busca
res nos municípios brasileiros para a garantia do direito de acesso superar a oposição entre educação regular e educação especial.
de todos à escolarização, à oferta do atendimento educacional es- Contrariando a concepção sistêmica da transversalidade da
pecializado e à garantia da acessibilidade. educação especial nos diferentes níveis, etapas e modalidades de
Em 2004, o Ministério Público Federal publica o documento O ensino, a educação não se estruturou na perspectiva da inclusão e
Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da do atendimento às necessidades educacionais especiais, limitando,
Rede Regular, com o objetivo de disseminar os conceitos e diretrizes o cumprimento do princípio constitucional que prevê a igualdade
mundiais para a inclusão, reafirmando o direito e os benefícios da de condições para o acesso e permanência na escola e a continui-
escolarização de alunos com e sem deficiência nas turmas comuns dade nos níveis mais elevados de ensino (2007, p. 09).
do ensino regular.
Impulsionando a inclusão educacional e social, o Decreto nº Para a implementação do PDE é publicado o Decreto nº
5.296/04 regulamentou as Leis nº 10.048/00 e nº 10.098/00, es- 6.094/2007, que estabelece nas diretrizes do Compromisso Todos
tabelecendo normas e critérios para a promoção da acessibilida- pela Educação, a garantia do acesso e permanência no ensino re-
de às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. Nesse gular e o atendimento às necessidades educacionais especiais dos
alunos, fortalecendo seu ingresso nas escolas públicas.
contexto, oPrograma Brasil Acessível, do Ministério das Cidades, é
desenvolvido com o objetivo de promover a acessibilidade urbana e
Diagnóstico da Educação Especial
apoiar ações que garantam o acesso universal aos espaços públicos.
O Censo Escolar/MEC/INEP, realizado anualmente em todas
O Decreto nº 5.626/05, que regulamenta a Lei nº 10.436/2002,
as escolas de educação básica, possibilita o acompanhamento
visando ao acesso à escola dos alunos surdos, dispõe sobre a inclu- dos indicadores da educação especial: acesso à educação básica,
são da Libras como disciplina curricular, a formação e a certificação matrícula na rede pública, ingresso nas classes comuns, oferta do
de professor, instrutor e tradutor/intérprete de Libras, o ensino da atendimento educacional especializado, acessibilidade nos prédios
Língua Portuguesa como segunda língua para alunos surdos e a or- escolares, municípios com matrícula de alunos com necessidades
ganização da educação bilíngue no ensino regular. educacionais especiais, escolas com acesso ao ensino regular e for-
Em 2005, com a implantação dos Núcleos de Atividades de Al- mação docente para o atendimento às necessidades educacionais
tas Habilidades/Superdotação – NAAH/S em todos os estados e no especiais dos alunos.
Distrito Federal, são organizados centros de referência na área das Para compor esses indicadores no âmbito da educação espe-
altas habilidades/superdotação para o atendimento educacional cial, o Censo Escolar/MEC/INEP coleta dados referentes ao núme-
especializado, para a orientação às famílias e a formação continua- ro geral de matrículas; à oferta da matrícula nas escolas públicas,
da dos professores, constituindo a organização da política de edu- escolas privadas e privadas sem fins lucrativos; às matrículas em
cação inclusiva de forma a garantir esse atendimento aos alunos da classes especiais, escola especial e classes comuns de ensino regu-
rede pública de ensino. lar; ao número de alunos do ensino regular com atendimento edu-
A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, cacional especializado; às matrículas, conforme tipos de deficiência,
aprovada pela ONU em 2006 e da qual o Brasil é signatário, esta- transtornos do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação;
belece que os Estados-Partes devem assegurar um sistema de edu- à infraestrutura das escolas quanto à acessibilidade arquitetônica, à
cação inclusiva em todos os níveis de ensino, em ambientes que sala de recursos ou aos equipamentos específicos; e à formação dos
maximizem o desenvolvimento acadêmico e social compatível com professores que atuam no atendimento educacional especializado.
a meta da plena participação e inclusão, adotando medidas para A partir de 2004, são efetivadas mudanças no instrumento de
garantir que: pesquisa do Censo, que passa a registrar a série ou ciclo escolar dos
a) As pessoas com deficiência não sejam excluídas do sistema alunos identificados no campo da educação especial, possibilitando
educacional geral sob alegação de deficiência e que as crianças com monitorar o percurso escolar. Em 2007, o formulário impresso do
deficiência não sejam excluídas do ensino fundamental gratuito e Censo Escolar foi transformado em um sistema de informações on-
compulsório, sob alegação de deficiência; -line, o Censo Web, que qualifica o processo de manipulação e tra-
tamento das informações, permite atualização dos dados dentro do
b) As pessoas com deficiência possam ter acesso ao ensino fun-
mesmo ano escolar, bem como possibilita o cruzamento com outros
damental inclusivo, de qualidade e gratuito, em igualdade de condi-
bancos de dados, tais como os das áreas de saúde, assistência e pre-
ções com as demais pessoas na comunidade em que vivem (Art.24).
vidência social. Também são realizadas alterações que ampliam o
Neste mesmo ano, a Secretaria Especial dos Direitos Humanos,
universo da pesquisa, agregando informações individualizadas dos
os Ministérios da Educação e da Justiça, juntamente com a Orga- alunos, das turmas, dos professores e da escola.
nização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Com relação aos dados da educação especial, o Censo Esco-
– UNESCO, lançam o Plano Nacional de Educação em Direitos Hu- lar registra uma evolução nas matrículas, de 337.326 em 1998 para
manos, que objetiva, dentre as suas ações, contemplar, no currículo 700.624 em 2006, expressando um crescimento de 107%. No que
da educação básica, temáticas relativas às pessoas com deficiência se refere ao ingresso em classes comuns do ensino regular, verifica-
e desenvolver ações afirmativas que possibilitem acesso e perma- -se um crescimento de 640%, passando de 43.923 alunos em 1998
nência na educação superior. para 325.316 em 2006.

7
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Quanto à distribuição dessas matrículas nas esferas pública e - Participação da família e da comunidade;
privada, em 1998 registra-se 179.364 (53,2%) alunos na rede públi- - Acessibilidade urbanística, arquitetônica, nos mobiliários e
ca e 157.962 (46,8%) nas escolas privadas, principalmente em ins- equipamentos, nos transportes, na comunicação e informação; e
tituições especializadas filantrópicas. Com o desenvolvimento das - Articulação intersetorial na implementação das políticas pú-
ações e políticas de educação inclusiva nesse período, evidencia-se blicas.
um crescimento de 146% das matrículas nas escolas públicas, que
alcançaram 441.155 (63%) alunos em 2006. Alunos atendidos pela Educação Especial
Por muito tempo perdurou o entendimento de que a educação
Com relação à distribuição das matrículas por etapa de ensi- especial, organizada de forma paralela à educação comum, seria a
no em 2006: 112.988 (16%) estão na educação infantil, 466.155 forma mais apropriada para o atendimento de alunos que apresen-
(66,5%) no ensino fundamental, 14.150 (2%) no ensino médio, tavam deficiência ou que não se adequassem à estrutura rígida dos
58.420 (8,3%) na educação de jovens e adultos, e 48.911 (6,3%) sistemas de ensino.
na educação profissional. No âmbito da educação infantil, há uma Essa concepção exerceu impacto duradouro na história da edu-
concentração de matrículas nas escolas e classes especiais, com o cação especial, resultando em práticas que enfatizavam os aspectos
registro de 89.083 alunos, enquanto apenas 24.005 estão matricu- relacionados à deficiência, em contraposição à sua dimensão pe-
lados em turmas comuns. dagógica. O desenvolvimento de estudos no campo da educação e
O Censo da Educação Especial na educação superior registra dos direitos humanos vêm modificando os conceitos, as legislações,
que, entre 2003 e 2005, o número de alunos passou de 5.078 para as práticas educacionais e de gestão, indicando a necessidade de se
11.999 alunos, representando um crescimento de 136%. A evolu- promover uma reestruturação das escolas de ensino regular e da
ção das ações referentes à educação especial nos últimos anos é educação especial.
expressa no crescimento de 81% do número de municípios com ma- Em 1994, a Declaração de Salamanca proclama que as escolas
trículas, que em 1998 registra 2.738 municípios (49,7%) e, em 2006 regulares com orientação inclusiva constituem os meios mais efica-
alcança 4.953 municípios (89%). zes de combater atitudes discriminatórias e que alunos com neces-
sidades educacionais especiais devem ter acesso à escola regular,
Aponta também o aumento do número de escolas com matrí- tendo como princípio orientador que “as escolas deveriam acomo-
cula, que em 1998 registra apenas 6.557 escolas e, em 2006 passa dar todas as crianças independentemente de suas condições físicas,
a registrar 54.412, representando um crescimento de 730%. Das intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas ou outras”.
escolas com matrícula em 2006, 2.724 são escolas especiais, 4.325 O conceito de necessidades educacionais especiais, que passa
são escolas comuns com classe especial e 50.259 são escolas de a ser amplamente disseminado a partir dessa Declaração, ressalta a
ensino regular com matrículas nas turmas comuns. interação das características individuais dos alunos com o ambien-
O indicador de acessibilidade arquitetônica em prédios esco- te educacional e social. No entanto, mesmo com uma perspectiva
lares, em 1998, aponta que 14% dos 6.557 estabelecimentos de conceitual que aponte para a organização de sistemas educacionais
ensino com matrícula de alunos com necessidades educacionais inclusivos, que garanta o acesso de todos os alunos e os apoios ne-
especiais possuíam sanitários com acessibilidade. cessários para sua participação e aprendizagem, as políticas imple-
Em 2006, das 54.412 escolas com matrículas de alunos atendi- mentadas pelos sistemas de ensino não alcançaram esse objetivo.
dos pela educação especial, 23,3% possuíam sanitários com aces- Na perspectiva da educação inclusiva, a educação especial pas-
sibilidade e 16,3% registraram ter dependências e vias adequadas sa a integrar a proposta pedagógica da escola regular, promovendo
(dado não coletado em 1998). No âmbito geral das escolas de edu- o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos
cação básica, o índice de acessibilidade dos prédios, em 2006, é de com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas ha-
apenas 12%. bilidades/superdotação. Nestes casos e outros, que implicam em
Com relação à formação inicial dos professores que atuam na transtornos funcionais específicos, a educação especial atua de for-
educação especial, o Censo de 1998, indica que 3,2% possui ensino ma articulada com o ensino comum, orientando para o atendimen-
fundamental, 51% ensino médio e 45,7% ensino superior. Em 2006, to às necessidades educacionais especiais desses alunos.
dos 54.625 professores nessa função, 0,62% registram ensino fun-
damental, 24% ensino médio e 75,2% ensino superior. Nesse mes- A educação especial direciona suas ações para o atendimento
mo ano, 77,8% desses professores, declararam ter curso específico às especificidades desses alunos no processo educacional e, no âm-
nessa área de conhecimento. bito de uma atuação mais ampla na escola, orienta a organização de
redes de apoio, a formação continuada, a identificação de recursos,
Objetivo da Política Nacional de Educação Especial na Pers- serviços e o desenvolvimento de práticas colaborativas.
pectiva da Educação Inclusiva Os estudos mais recentes no campo da educação especial en-
A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da fatizam que as definições e uso de classificações devem ser con-
Educação Inclusiva tem como objetivo o acesso, a participação e a textualizados, não se esgotando na mera especificação ou catego-
aprendizagem dos alunos com deficiência, transtornos globais do rização atribuída a um quadro de deficiência, transtorno, distúrbio,
desenvolvimento e altas habilidades/superdotação nas escolas re- síndrome ou aptidão. Considera-se que as pessoas se modificam
gulares, orientando os sistemas de ensino para promover respostas continuamente, transformando o contexto no qual se inserem. Esse
às necessidades educacionais especiais, garantindo: dinamismo exige uma atuação pedagógica voltada para alterar a
- Transversalidade da educação especial desde a educação in- situação de exclusão, reforçando a importância dos ambientes he-
fantil até a educação superior; terogêneos para a promoção da aprendizagem de todos os alunos.
- Atendimento educacional especializado; A partir dessa conceituação, considera-se pessoa com deficiên-
- Continuidade da escolarização nos níveis mais elevados do cia aquela que tem impedimentos de longo prazo, de natureza físi-
ensino; ca, mental ou sensorial que, em interação com diversas barreiras,
- Formação de professores para o atendimento educacional podem ter restringida sua participação plena e efetiva na escola e
especializado e demais profissionais da educação para a inclusão na sociedade.
escolar;

8
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Os alunos com transtornos globais do desenvolvimento são Na educação superior, a educação especial se efetiva por meio
aqueles que apresentam alterações qualitativas das interações so- de ações que promovam o acesso, a permanência e a participação
ciais recíprocas e na comunicação, um repertório de interesses e ati- dos alunos. Estas ações envolvem o planejamento e a organização
vidades restrito, estereotipado e repetitivo. Incluem-se nesse grupo de recursos e serviços para a promoção da acessibilidade arquitetô-
alunos com autismo, síndromes do espectro do autismo e psicose nica, nas comunicações, nos sistemas de informação, nos materiais
infantil. Alunos com altas habilidades/superdotação demonstram didáticos e pedagógicos, que devem ser disponibilizados nos pro-
potencial elevado em qualquer uma das seguintes áreas, isoladas cessos seletivos e no desenvolvimento de todas as atividades que
ou combinadas: intelectual, acadêmica, liderança, psicomotricida- envolvam o ensino, a pesquisa e a extensão.
de e artes, além de apresentar grande criatividade, envolvimento Para o ingresso dos alunos surdos nas escolas comuns, a edu-
na aprendizagem e realização de tarefas em áreas de seu interesse. cação bilíngue – Língua Portuguesa/Libras desenvolve o ensino es-
colar na Língua Portuguesa e na língua de sinais, o ensino da Língua
Diretrizes da Política Nacional de Educação Especial na Pers- Portuguesa como segunda língua na modalidade escrita para alu-
pectiva da Educação Inclusiva nos surdos, os serviços de tradutor/intérprete de Libras e Língua
A educação especial é uma modalidade de ensino que per- Portuguesa e o ensino da Libras para os demais alunos da escola.
passa todos os níveis, etapas e modalidades, realiza o atendimen- O atendimento educacional especializado para esses alunos é ofer-
to educacional especializado, disponibiliza os recursos e serviços e tado tanto na modalidade oral e escrita quanto na língua de sinais.
orienta quanto a sua utilização no processo de ensino e aprendiza- Devido à diferença linguística, orienta-se que o aluno surdo esteja
gem nas turmas comuns do ensino regular. com outros surdos em turmas comuns na escola regular.
O atendimento educacional especializado tem como função O atendimento educacional especializado é realizado mediante
identificar, elaborar e organizar recursos pedagógicos e de acessi- a atuação de profissionais com conhecimentos específicos no ensi-
bilidade que eliminem as barreiras para a plena participação dos no da Língua Brasileira de Sinais, da Língua Portuguesa na modali-
alunos, considerando suas necessidades específicas. As atividades dade escrita como segunda língua, do sistema Braille, do Soroban,
desenvolvidas no atendimento educacional especializado diferen- da orientação e mobilidade, das atividades de vida autônoma, da
ciam-se daquelas realizadas na sala de aula comum, não sendo comunicação alternativa, do desenvolvimento dos processos men-
substitutivas à escolarização. Esse atendimento complementa e/ou tais superiores, dos programas de enriquecimento curricular, da
suplementa a formação dos alunos com vistas à autonomia e inde- adequação e produção de materiais didáticos e pedagógicos, da
pendência na escola e fora dela. utilização de recursos ópticos e não ópticos, da tecnologia assistiva
Dentre as atividades de atendimento educacional especializa- e outros.
do são disponibilizados programas de enriquecimento curricular, o A avaliação pedagógica como processo dinâmico considera
ensino de linguagens e códigos específicos de comunicação e sina- tanto o conhecimento prévio e o nível atual de desenvolvimento
lização e tecnologia assistiva. Ao longo de todo o processo de esco- do aluno quanto às possibilidades de aprendizagem futura, confi-
larização esse atendimento deve estar articulado com a proposta gurando uma ação pedagógica processual e formativa que analisa
pedagógica do ensino comum. O atendimento educacional especia- o desempenho do aluno em relação ao seu progresso individual,
lizado é acompanhado por meio de instrumentos que possibilitem prevalecendo na avaliação os aspectos qualitativos que indiquem as
monitoramento e avaliação da oferta realizada nas escolas da rede intervenções pedagógicas do professor. No processo de avaliação,
pública e nos centros de atendimento educacional especializados o professor deve criar estratégias considerando que alguns alunos
públicos ou conveniados. podem demandar ampliação do tempo para a realização dos traba-
O acesso à educação tem início na educação infantil, na qual lhos e o uso da língua de sinais, de textos em Braille, de informática
se desenvolvem as bases necessárias para a construção do conhe- ou de tecnologia assistiva como uma prática cotidiana.
cimento e desenvolvimento global do aluno. Nessa etapa, o lúdico, Cabe aos sistemas de ensino, ao organizar a educação especial
o acesso às formas diferenciadas de comunicação, a riqueza de es- na perspectiva da educação inclusiva, disponibilizar as funções de
tímulos nos aspectos físicos, emocionais, cognitivos, psicomotores instrutor, tradutor/intérprete de Libras e guia intérprete, bem como
e sociais e a convivência com as diferenças favorecem as relações de monitor ou cuidador dos alunos com necessidade de apoio nas
interpessoais, o respeito e a valorização da criança. atividades de higiene, alimentação, locomoção, entre outras, que
Do nascimento aos três anos, o atendimento educacional espe- exijam auxílio constante no cotidiano escolar.
cializado se expressa por meio de serviços de estimulação precoce, Para atuar na educação especial, o professor deve ter como
que objetivam otimizar o processo de desenvolvimento e aprendi- base da sua formação, inicial e continuada, conhecimentos gerais
zagem em interface com os serviços de saúde e assistência social. para o exercício da docência e conhecimentos específicos da área.
Em todas as etapas e modalidades da educação básica, o atendi- Essa formação possibilita a sua atuação no atendimento educacio-
mento educacional especializado é organizado para apoiar o desen- nal especializado, aprofunda o caráter interativo e interdisciplinar
volvimento dos alunos, constituindo oferta obrigatória dos sistemas da atuação nas salas comuns do ensino regular, nas salas de recur-
de ensino. Deve ser realizado no turno inverso ao da classe comum, sos, nos centros de atendimento educacional especializado, nos nú-
na própria escola ou centro especializado que realize esse serviço cleos de acessibilidade das instituições de educação superior, nas
educacional.
classes hospitalares e nos ambientes domiciliares, para a oferta dos
Desse modo, na modalidade de educação de jovens e adultos
serviços e recursos de educação especial.
e educação profissional, as ações da educação especial possibilitam
Para assegurar a intersetorialidade na implementação das
a ampliação de oportunidades de escolarização, formação para in-
políticas públicas a formação deve contemplar conhecimentos de
gresso no mundo do trabalho e efetiva participação social.
gestão de sistema educacional inclusivo, tendo em vista o desenvol-
A interface da educação especial na educação indígena, do
vimento de projetos em parceria com outras áreas, visando à aces-
campo e quilombola deve assegurar que os recursos, serviços e
sibilidade arquitetônica, aos atendimentos de saúde, à promoção
atendimento educacional especializado estejam presentes nos pro-
de ações de assistência social, trabalho e justiça.
jetos pedagógicos construídos com base nas diferenças sociocultu-
rais desses grupos.

9
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Os sistemas de ensino devem organizar as condições de acesso Em Uma teoria da justiça (2002), Rawls opõe-se às declarações
aos espaços, aos recursos pedagógicos e à comunicação que favo- de direito do mundo moderno, que igualaram os homens em seu
reçam a promoção da aprendizagem e a valorização das diferenças, instante de nascimento e estabeleceram o mérito e o esforço de
de forma a atender as necessidades educacionais de todos os alu- cada um como medida de acesso e uso dos bens, recursos disponí-
nos. A acessibilidade deve ser assegurada mediante a eliminação de veis e mobilidade social.
barreiras arquitetônicas, urbanísticas, na edificação – incluindo ins- Na mesma direção das propostas escolares inclusivas, o referi-
talações, equipamentos e mobiliários – e nos transportes escolares, do autor defende que a distribuição natural de talentos ou a posi-
bem como as barreiras nas comunicações e informações. ção social de cada indivíduo ocupa não são justas nem injustas. O
que as torna justas ou não são as maneiras pelas quais as institui-
Referência: ções fazem uso delas.
http://peei.mec.gov.br/arquivos/politica_nacional_educacao_es- A esse propósito é fundamental a contribuição de Joseph Jaco-
pecial.pdf tot. Ele nos trouxe um olhar original sobre a igualdade. Ele afirmava
INCLUSÃO que a igualdade não seria alcançada a partir da desigualdade, como
Nos debates atuais sobre inclusão, o ensino escolar brasileiro se espera atingi-la, até hoje, nas escolas; acreditava em uma outra
tem diante de si o desafio de encontrar soluções que respondam à igualdade, a igualdade de inteligências.
questão do acesso e da permanência dos alunos nas suas institui- Em outras palavras, a emancipação da inteligência proviria des-
ções educacionais. Algumas escolas públicas e particulares já ado- sa igualdade da capacidade de aprender, que vem antes de tudo e
taram ações nesse sentido, ao proporem mudanças na sua organi- é ponto de partida para qualquer tipo ou nível de aprendizagem.
zação pedagógica, de modo a reconhecer e valorizar as diferenças, Segundo Jacotot, a igualdade não é um objetivo a atingir, mas
sem discriminar os alunos nem segregá-los. um ponto de partida, uma suposição a ser mantida em qualquer
Com a intenção de explorar esse debate sobre inclusão e esco- circunstância.
laridade, mais do que avaliar os argumentos contrários e favoráveis A escola insiste em afirmar que os alunos são diferentes quan-
às políticas educacionais inclusivas, é abordada nesta obra, a com- do se matriculam em uma série escolar, mas o objetivo escolar, no
plexa relação de igualdade- diferenças, que envolve o entendimen- final desse período letivo, é que eles se igualem em conhecimentos
to e a elaboração de tais políticas e de todas as iniciativas visando à a um padrão que é estabelecido para aquela série, caso contrário
transformação das escolas, para se ajustarem aos princípios inclu- serão excluídos por repetência ou passarão a frequentar os grupos
sivos da educação. de reforço e de aceleração da aprendizagem e outros programas
embrutecedores da inteligência. A indiferença às diferenças está
A Questão Igualdade – Diferenças acabando, passando da moda. Nada mais desfocado da realidade
A inclusão escolar está articulada a movimentos sociais mais atual do que ignorá-las. Mas é preciso estar atento, pois combinar
amplos, que exigem maior igualdade e mecanismos mais equitati- igualdade e diferenças no processo escolar é andar no fio da nava-
vos no acesso a bens e serviços. A inclusão propõe a desigualdade lha. O certo, porém, é que os alunos jamais deverão ser desvaloriza-
de tratamento como forma de restituir uma igualdade que foi rom- dos e inferiorizados pelas suas diferenças, seja nas escolas comuns,
pida por formas segregadoras de ensino especial regular. seja nas especiais.
Quando entendemos que não é a universalidade da espécie
que define um sujeito, mas suas peculiaridades, ligadas a sexo, Fazer valer o direito à educação no caso de pessoas com de-
etnia, origem, crenças, tratar as pessoas diferentemente pode en- ficiência
fatizar suas diferenças, assim como tratar igualmente os diferen- O ensino escolar brasileiro continua aberto a poucos. A inclu-
tes pode esconder as suas especificidades e excluí-los do mesmo são escolar tem sido mal compreendida, principalmente no seu
modo; portanto, ser gente é correr sempre o risco de ser diferente. apelo a mudanças nas escolas comuns e especiais.Artigos, livros,
Para instaurar uma condição de igualdade nas escolas não se palestras que tratam devidamente do tema insistem na transforma-
concebe que todos os alunos sejam iguais em tudo, como é o caso ção das práticas de ensino comum e especial para a garantia da in-
do modelo escolar mais reconhecido ainda hoje. Temos de consi-
clusão. Há apoio legal suficiente para mudar, mas só temos tido até
derar as suas desigualdades naturais e sociais, e só estas últimas
agora, muitos entraves nesse sentido: a resistência das instituições
podem e devem ser eliminadas. Se a igualdade trás problemas, as
especializadas a mudanças de qualquer tipo; a neutralização do de-
diferenças podem trazer muito mais.
safio à inclusão por meio de políticas públicas que impedem que as
As políticas educacionais atuais confirmam em muitos momen-
escolas se mobilizem para rever suas práticas homogeneizadoras,
tos o projeto igualitarista e universalista da Modernidade.
meritocráticas, condutistas, subordinadoras e, em consequência,
O discurso da Modernidade estendeu suas precauções contra o
excludentes; o preconceito, o paternalismo em relação aos grupos
imprevisível, à ambiguidade e demais riscos à ordem e a unicidade,
socialmente fragilizados, como o das pessoas com deficiência.A lei
repetindo que todos são iguais, todos são livres, mas um “todo”
de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 96) deixa claro que
padronizado, dentro de seus pressupostos disciplinadores.
Esse discurso sustenta a organização pedagógica escolar e, o ensino especial é uma modalidade e, como tal, deve perpassar o
por seus parâmetros, o aluno diferente desestabiliza o pensamen- ensino comum em todos os seus níveis, da escola básica ao ensino
to moderno da escola, na sua ânsia pelo lógico, pela negação das superior.
condições que produzem diferenças, que são as, atrizes da nossa Se ainda não é do conhecimento geral, é importante que se
identidade. saiba que as escolas especiais complementam e não substituem a
A diferença propõe o conflito, o dissenso e a imprevisibilidade, escola comum. As escolas especiais se destinam ao ensino do que
a impossibilidade do cálculo, da definição, a multiplicidade incon- é diferente da base curricular nacional, mas que garante e possi-
trolável e infinita. Se ela é recusada, negada, desvalorizada, há que bilita ao aluno com deficiência a aprendizagem desses conteúdos
assimilá-la ao igualitarismo essencialista e, se aceita e valorizada, há quando incluídos nas turmas comuns de ensino regular; oferecem
que mudar de lado e romper com os pilares nos quais a escola tem atendimento educacional especializado, que não tem níveis seria-
se firmado até agora. ções, certificações.

10
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Nossa obrigação é fazer valer o direito de todos à educação Princípios, concepções e relações entre inclusão e integração
e não precisamos ser corajosos para defender a inclusão, porque escolar
estamos certos de que não corremos nenhum risco ao propor que É importante salientar que mudanças na educação brasileira,
alunos com e sem deficiência deixem de frequentar ambientes edu- nessa perspectiva, dependem de um conjunto de ações em nível
cacionais à parte, que segregam, discriminam, diferenciam pela de- de sistema de ensino que tem que se movimentar a fim de garantir
ficiência, excluem – como é próprio das escolas especiais. que todas as unidades que o compõem ultrapassem o patamar em
O que falta às escolas especiais é o ambiente apropriado de que se encontram.
formação do cidadão.Se a inclusão for uma das razões fortes de No Brasil, nas décadas de 1960 e 1970, foram estruturadas pro-
mudanças, temos condições de romper com os modelos conser- postas de atendimento educacional para pessoas com deficiência. A
vadores da escola comum brasileira e iniciar um processo gradual, integração escolar tinha como objetivo “ajudar pessoas com defici-
porém firme, de redirecionamento de suas práticas para melhor ência a obter uma existência tão próxima ao normal possível, a elas
qualidade de ensino para todos. disponibilizando padrões e condições de vida cotidiana próximas as
Muitas escolas, tanto comuns como especiais, já estão assegu- normas e padrões da sociedade”.
rando aos alunos com deficiência o atendimento educacional espe- Com o objetivo de contrapor este modelo, a meta na inclu-
cializado, em horário diferente do da escola comum. são escolar é tornar reconhecida e valorizada a diversidade como
O processo de transformação da escola comum é lento, para condição humana favorecedora da aprendizagem. Nesse caso, as
que haja um processo de mudança. Cujo movimento ruma para no-
limitações dos sujeitos devem ser consideradas apenas como uma
vas possibilidades para o ensino comum e especial, há que existir
informação sobre eles que, assim, não pode ser desprezada na ela-
uma ruptura com o modelo antigo da escola.
boração dos planejamentos de ensino. A ênfase deve recair sobre a
Em resumo, a inclusão não pode mais ser ignorada. Ela está
identificação de suas possibilidades, culminando com a construção
tão presente que motiva pressões descabidas, que pretendem nos
desestabilizar a qualquer custo. de alternativas para garantir condições favoráveis à sua autonomia
escolar e social, enfim, para que se tornem cidadãos de iguais di-
Atendimento Escolar de alunos com necessidades educacio- reitos.
nais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação A educação inclusiva tem sido caracterizada como um “novo
no Brasil. paradigma”, que se constitui pelo apreço à diversidade como con-
As instituições escolares, ao reproduzirem constantemente o dição a ser valorizada, pois é benéfica à escolarização de todas as
modelo tradicional, não têm demonstrado condições de responder pessoas, pelo respeito aos diferentes ritmos de aprendizagem e
aos desafios da inclusão social e do acolhimento às diferenças nem pela proposição de outras práticas pedagógicas, o que exige uma
de promover aprendizagens necessárias à vida em sociedade, par- ruptura com o instituído na sociedade e, consequentemente, nos
ticularmente nas sociedades complexas do século XXI. Assim, nes- sistemas de ensino.
te século em que o próprio conhecimento e nossa relação com ele Sem desprezar os embates atuais sobre educação inclusiva a
mudaram radicalmente, não se justifica que por parte expressiva proposta de atender a alunos com necessidades educacionais espe-
da sociedade continue apegada à representação da escola trans- ciais nessas classes implica atentar para mudanças no âmbito dos
missora de conhecimentos e de valores fixos e inquestionáveis. A sistemas de ensino, das unidades escolares, da prática de casa pro-
partir de meados da década de 1990, a escolarização de pessoas fissional da educação em suas diferentes dimensões e respeitando
com necessidades educacionais especiais em classes comuns está suas particularidades.
na pauta da legislação brasileira sobre educação, nos debates e nas Para a implantação do referido atendimento educacional espe-
publicações acadêmicas. No plano ético e político, a defesa de sua cializados, a LDB prevê serviços especializados e serviços de apoio
igualdade de direitos, com destaque para o direito à educação, pa- especializados e assegura “recursos e serviços educacionais espe-
rece constituir-se um consenso. ciais, organizados institucionalmente para apoiar, complementar,
Atualmente coexistem pelo menos duas propostas para a edu- suplementar e, em alguns casos, substituir os serviços educacionais
cação especial: uma, em que os conhecimentos acumulados sobre comuns...”
educação especial, teóricos e práticos, devem estar a serviço dos Se as imagens da educação inclusiva, da educação especial,
sistemas de ensino e, portanto, das escolas, e disponíveis a todos os bem como a população elegível para o atendimento educacional
professores, alunos e demais membros da comunidade escolar; ou-
especializado, os tipos de recursos educacionais especiais e locais
tra, em que se deve configurar um conjunto de recursos e serviços
de atendimento escolar do referido alunado ainda levante questio-
educacionais especializados, dirigidos apenas à população escolar
namento conceitual para que não restem dúvidas quanto às diretri-
que apresente solicitações que o ensino comum não tem consegui-
zes da política educacional brasileira a serem seguidas, é inegável
do contemplar.
O planejamento e a implantação de políticas educacionais para que o atendimento escolar de alunos com necessidades educacio-
atender a alunos com necessidades educacionais especiais reque- nais especiais deve ser universalizado, que os sistemas de ensino
rem domínio conceitual sobre inclusão escolar e sobre as solicita- precisam responder melhor às demandas de aprendizagem desses
ções decorrentes de sua adoção enquanto princípio ético político, alunos, que aos professores deve ser garantida a formação continu-
bem como a clara definição dos princípios e diretrizes nos planos e ada, entre outras ações.
programas elaborados, permitindo a (re) definição dos papéis da
educação especial e do lugar do atendimento deste alunado. As condições de atendimento escolar para os estudantes com
necessidades educacionais especiais no Brasil
A política educacional brasileira tem deslocado progressiva-
mente para os municípios parte da responsabilidade administrativa,
financeira e pedagógica pelo acesso e permanência de alunos com
necessidades educacionais especiais, em decorrência do processo
de municipalização do ensino fundamental. Com isso, em alguns
estudos, tem indicado que a tendência dos municípios brasileiros

11
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

é pela organização de auxílios especiais, sob diferentes denomina- Fonte: MANTOAN, M. T. Egler, PRIETO, R. Gavioli, ARANTES V.
ções e com estrutura e funcionamento distintos. Cabe registrar que Amorim (Org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos, 1ed., São
há ausência de dados sobre quantas pessoas no Brasil apresentam Paulo: Summus, 2006.
de fato necessidades educacionais especiais. Quanto ao apoio pe-
dagógico oferecido a alguns desses alunos matriculados nas classes
comuns, não há declaração sobre o tipo de apoio, sua frequência,
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. BRASÍLIA, 2014
que profissionais prestam esse atendimento e qual sua formação,
divulgados em publicações oficiais atuais. O Plano Nacional de Educação (PNE) consiste em um conjunto
Uma ação que deve marcar as políticas públicas de educação de medidas a serem adotas de forma gradual ao logo dos seus 10
é a formação dos profissionais da educação. Nesse sentido Xavier anos de vigência (de 2014 a 2024). Tais ações foram pensadas de
(2002) considera que: a construção da competência para respon- forma colaborativa entre todas as entidades da federação (União,
der com qualidade as necessidades educacionais especiais de seus Estados, Municípios e Distrito Federal), com o propósito de equa-
alunos em uma escola inclusiva, pela mediação da ética, responde lizar e desenvolver o ensino, especialmente em nível fundamental,
a necessidade social e histórica de superação das práticas pedagó- mas, consequentemente, expandindo-se para os ensinos profissio-
gicas que discriminam, segregam e excluem, e, ao mesmo tempo, nalizante e superior.
As metas previstas no PNE se distribuem em quatro grandes
configura, na ação educativa, o vetor da transformação social para
blocos:
a equidade, a solidariedade, a cidadania.
- O primeiro diz respeito a expansão do ensino básico, garantin-
Todo plano de formação deve servir para que os professores se
do uma expansão do ensino obrigatório e de qualidade;
tornem aptos ao ensino de toda a demanda escolar. Dessa forma,
- O segundo grupo de metas diz respeito à valorização da di-
seu conhecimento deve ultrapassar a aceitação de que a classe co- versidade presente no país, além da diminuição da disparidade da
mum é, para os alunos com necessidades educacionais especiais, educação, visando sempre aumentar a equidade educacional;
um mero espaço de socialização. - O terceiro grupo de metas se refere a uma melhor preparação
“... O primeiro equívoco que pode estar associado a essa idéia e valorização dos profissionais da educação;
é o de que alguns vão para a escola para aprender e outros uni- - O quarto e último grupo se refere às medidas de expansão do
camente para se socializar. Escola é espaço de aprendizagem para ensino superior.
todos...”.
Cabe ressaltar que o conjunto de questionamentos e ideias Objetivos e diretrizes
apresentadas nesta obra reflete algumas das inquietações que A adoção e implementação do PNE em escala nacional pauta-se
podem resultar da análise das normatizações em vigência para a na possibilidade de erradicação do analfabetismo, universalização e
educação brasileira. Essas normatizações, por permitirem, tal como superação das desigualdades educacionais, com foco em erradicar
estão elaboradas, diferentes desdobramentos na sua implantação, toda e qualquer forma de discriminação. Também se prevê melho-
indicam a necessidade de ampliarmos o debate e investirmos em rar a qualidade da formação, inclusive a profissional, a promoção
produções de registros que avaliem o atual perfil das políticas pú- da cultura, a tecnologia e a ciência nacional, mas levando em conta
blicas de atendimentos a alunos com necessidades educacionais o respeito aos direitos humanos, à sustentabilidade e diversidade
especiais. Precisamos de mais estudos sobre os impactos das ações socioambiental.
no âmbito dos sistemas de ensino, e que estes orientem também os A garantia dessas ações se dará pelo estabelecimento de meta
programas de formação continuada de professores. de aplicação do PIB, destinando-se os recursos necessários. Assim,
também seria garantida uma melhor e maior qualificação e valo-
Considerações Finais rização dos profissionais da educação, medida essencial para que
Uma das constatações possíveis neste momento da reflexão todas as outras possam ser concretizadas.
é que nossas tarefas ainda são inúmeras, mas devemos identificar
prioridades, denunciar ações reprodutoras de iguais atitudes so- Execução e fiscalização
ciais para com essas pessoas, acompanhar ações do poder público A elaboração e execução das metas do plano deverão ter como
base os dados do PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicí-
em educação, cobrar compromissos firmados pelos governantes
lios), do senso demográfico e educacional mais recentes, para que
em suas campanhas eleitorais e em seus planos de governo, além
elas reflitam as realidades locais valorizando a particularidades e
de ampliar e sedimentar espaços de participação coletiva e juntar
diferenças inerentes ao território brasileiro.
forças para resistir e avançar na construção de uma sociedade justa,
Além de observar as diferenças e peculiaridades regionais no
cujos valores humanos predominem sobre os de mercado. estabelecimento das metas, também será da alçada de uma sé-
O que se deve evitar é “...o descompromisso do poder públi- rie de organizações – Ministério da Educação (MEC), Comissão de
co com a educação e que a inclusão escolar acabe sendo traduzida Educação das casas do Congresso, Conselho Nacional de Educa-
como mero ingresso de alunos com necessidades educacionais es- ção (CNE) e o Fórum Nacional de Educação – fiscalizar e garantir o
peciais nas classes comuns...”. cumprimento das diretrizes estabelecidas. O sistema de fiscalização
Dois grandes desafios de imediato estão colocados para os sis- mencionado será realizado sempre com um intervalo de dois anos.
temas de ensino e para a sociedade brasileira: No primeiro semestre do nono ano de execução desde plano
1- Fazer que os direitos ultrapassem o plano do meramente ins- (entre janeiro e junho de 2023), o Poder Executivo Federal deverá
tituído legalmente e encaminhar ao Congresso Nacional o projeto de lei que referenciará
2- Construir respostas educacionais que atendam às necessi- o Plano Nacional de Educação a ser aplicado no período subsequen-
dades dos alunos. As mudanças a serem implantadas devem ser te.
assumidas como parte da responsabilidade tanto da sociedade ci-
vil quanto dos representantes do poder público, já que a educação
escolar pode propiciar meios que possibilitem transformações na
busca da melhoria da qualidade de vida da população.

12
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Metas do PNE Em vista de seu caráter de abrangência nacional em todas as


Para fornecer ao candidato uma noção sobre os propósitos do esferas, a execução do PNE demandará uma grande colaboração
PNE, confira resumidamente as 20 metas estabelecidas para a déca- entre União, Estados, Municípios e Distrito Federal, pois estes entes
da. Observe que, por estar o PNE em plena vigência, há metas que federados deverão, na medida do necessário, adaptar suas políticas
mencionam anos já encerrados, tais como 2015 e 2016). locais para que seja possível a execução das metas pré-estabeleci-
1. Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola das pelo plano.
para as crianças de quatro a cinco anos de idade e ampliar a oferta Dentre todas as estratégias de aplicação e execução do PNE,
de educação infantil em creches, de forma a atender, no mínimo, existe um grande enfoque na constituição da Educação Básica e na
50% das crianças de até três anos até o final da vigência do PNE. formação e melhor qualificação dos professores, em todos os ní-
2. Universalizar o ensino fundamental de nove anos para toda veis.3
a população de seis a 14 anos e garantir que pelo menos 95% dos LEI Nº 13.005, DE 25 DE JUNHO DE 2014
alunos concluam essa etapa na idade recomendada, até o último
ano de vigência deste PNE. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras provi-
3. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a dências.
população de 15 a 17 anos e elevar, até o final do período de vigên-
cia deste PNE, a taxa líquida de matrículas no ensino médio para
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Na-
85%.
cional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
4. Universalizar, para a população de quatro a 17 anos com de-
Art. 1o É aprovado o Plano Nacional de Educação - PNE, com vi-
ficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilida-
gência por 10 (dez) anos, a contar da publicação desta Lei, na forma
des ou superdotação, o acesso à educação básica e ao atendimento
educacional especializado. do Anexo, com vistas ao cumprimento do disposto no art. 214 da
5. Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do ter- Constituição Federal.
ceiro ano do ensino fundamental. Art. 2o São diretrizes do PNE:
6. Oferecer educação em tempo integral em, no mínimo, 50% I - erradicação do analfabetismo;
das escolas públicas. II - universalização do atendimento escolar;
7. Fomentar a qualidade da educação básica em todas as eta- III - superação das desigualdades educacionais, com ênfase na
pas e modalidades, com melhoria do fluxo escolar e da aprendiza- promoção da cidadania e na erradicação de todas as formas de dis-
gem de modo a atingir as seguintes médias nacionais para o Ideb. criminação;
8. Elevar a escolaridade média da população de 18 a 29 anos. IV - melhoria da qualidade da educação;
9. Elevar a taxa de alfabetização da população com 15 anos ou V - formação para o trabalho e para a cidadania, com ênfase
mais para 93,5% até 2015. nos valores morais e éticos em que se fundamenta a sociedade;
10. Oferecer, no mínimo, 25% das matrículas de educação de VI - promoção do princípio da gestão democrática da educação
jovens e adultos, nos ensinos fundamental e médio, na forma inte- pública;
grada à educação profissional. VII - promoção humanística, científica, cultural e tecnológica do
11. Triplicar as matrículas da educação profissional técnica de País;
nível médio. VIII - estabelecimento de meta de aplicação de recursos públi-
12. Elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para cos em educação como proporção do Produto Interno Bruto - PIB,
50%. que assegure atendimento às necessidades de expansão, com pa-
13. Elevar a qualidade da educação superior e ampliar a pro- drão de qualidade e equidade;
porção de mestres e doutores do corpo docente em efetivo exer- IX - valorização dos (as) profissionais da educação;
cício. X - promoção dos princípios do respeito aos direitos humanos,
14. Elevar gradualmente o número de matrículas na pós-gradu- à diversidade e à sustentabilidade socioambiental.
ação stricto sensu. Art. 3o As metas previstas no Anexo desta Lei serão cumpridas
15. Garantir, em regime de colaboração entre a União, os Es- no prazo de vigência deste PNE, desde que não haja prazo inferior
tados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de um ano de
definido para metas e estratégias específicas.
vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissionais
Art. 4o As metas previstas no Anexo desta Lei deverão ter como
da educação. Com isso, assegurar-se-á que todos os professores e
referência a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, o
as professoras da educação básica possuam formação específica de
censo demográfico e os censos nacionais da educação básica e su-
nível superior, obtida em curso de licenciatura na área de conheci-
mento em que atuam. perior mais atualizados, disponíveis na data da publicação desta Lei.
16. Formar, em nível de pós-graduação, 50% dos professores da Parágrafo único. O poder público buscará ampliar o escopo das
educação básica, até o último ano de vigência deste PNE. pesquisas com fins estatísticos de forma a incluir informação deta-
17. Valorizar os (as) profissionais do magistério das redes públi- lhada sobre o perfil das populações de 4 (quatro) a 17 (dezessete)
cas de educação básica de forma a equiparar seu rendimento médio anos com deficiência.
ao dos (as) demais profissionais com escolaridade equivalente, até Art. 5o A execução do PNE e o cumprimento de suas metas se-
o final do sexto ano de vigência deste PNE. rão objeto de monitoramento contínuo e de avaliações periódicas,
18. Assegurar, no prazo de dois anos, a existência de planos realizados pelas seguintes instâncias:
de Carreira para os (as) profissionais da educação básica e superior I - Ministério da Educação - MEC;
pública de todos os sistemas de ensino. II - Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e Comis-
19. Assegurar condições, no prazo de dois anos, para a efetiva- são de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal;
ção da gestão democrática da educação. III - Conselho Nacional de Educação - CNE;
20. Ampliar o investimento público em educação pública de IV - Fórum Nacional de Educação.
forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% do PIB do País no quin- § 1o Compete, ainda, às instâncias referidas no caput:
to ano de vigência desta Lei.
3 Fonte: www.concursosnobrasil.com.br

13
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

I - divulgar os resultados do monitoramento e das avaliações § 3o Os sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e
nos respectivos sítios institucionais da internet; dos Municípios criarão mecanismos para o acompanhamento local
II - analisar e propor políticas públicas para assegurar a imple- da consecução das metas deste PNE e dos planos previstos no art.
mentação das estratégias e o cumprimento das metas; 8o.
III - analisar e propor a revisão do percentual de investimento § 4o Haverá regime de colaboração específico para a implemen-
público em educação. tação de modalidades de educação escolar que necessitem consi-
§ 2o A cada 2 (dois) anos, ao longo do período de vigência des- derar territórios étnico-educacionais e a utilização de estratégias
te PNE, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais que levem em conta as identidades e especificidades socioculturais
Anísio Teixeira - INEP publicará estudos para aferir a evolução no e linguísticas de cada comunidade envolvida, assegurada a consulta
cumprimento das metas estabelecidas no Anexo desta Lei, com in- prévia e informada a essa comunidade.
formações organizadas por ente federado e consolidadas em âm- § 5o Será criada uma instância permanente de negociação e
bito nacional, tendo como referência os estudos e as pesquisas de cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Mu-
que trata o art. 4o, sem prejuízo de outras fontes e informações re- nicípios.
levantes. § 6o O fortalecimento do regime de colaboração entre os Esta-
§ 3o A meta progressiva do investimento público em educação dos e respectivos Municípios incluirá a instituição de instâncias per-
será avaliada no quarto ano de vigência do PNE e poderá ser am- manentes de negociação, cooperação e pactuação em cada Estado.
pliada por meio de lei para atender às necessidades financeiras do § 7o O fortalecimento do regime de colaboração entre os Muni-
cumprimento das demais metas. cípios dar-se-á, inclusive, mediante a adoção de arranjos de desen-
§ 4o O investimento público em educação a que se referem o volvimento da educação.
inciso VI do art. 214 da Constituição Federal e a meta 20 do Anexo Art. 8o Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão
desta Lei engloba os recursos aplicados na forma do art. 212 da elaborar seus correspondentes planos de educação, ou adequar os
Constituição Federal e do art. 60 do Ato das Disposições Constitu- planos já aprovados em lei, em consonância com as diretrizes, me-
cionais Transitórias, bem como os recursos aplicados nos progra- tas e estratégias previstas neste PNE, no prazo de 1 (um) ano conta-
mas de expansão da educação profissional e superior, inclusive na do da publicação desta Lei.
forma de incentivo e isenção fiscal, as bolsas de estudos concedidas
§ 1o Os entes federados estabelecerão nos respectivos planos
no Brasil e no exterior, os subsídios concedidos em programas de
de educação estratégias que:
financiamento estudantil e o financiamento de creches, pré-esco-
I - assegurem a articulação das políticas educacionais com as
las e de educação especial na forma do art. 213 da Constituição
demais políticas sociais, particularmente as culturais;
Federal.
II - considerem as necessidades específicas das populações do
§ 5o Será destinada à manutenção e ao desenvolvimento do en-
campo e das comunidades indígenas e quilombolas, asseguradas a
sino, em acréscimo aos recursos vinculados nos termos do art. 212
equidade educacional e a diversidade cultural;
da Constituição Federal, além de outros recursos previstos em lei, a
III - garantam o atendimento das necessidades específicas na
parcela da participação no resultado ou da compensação financeira
educação especial, assegurado o sistema educacional inclusivo em
pela exploração de petróleo e de gás natural, na forma de lei especí-
fica, com a finalidade de assegurar o cumprimento da meta prevista todos os níveis, etapas e modalidades;
no inciso VI do art. 214 da Constituição Federal. IV - promovam a articulação interfederativa na implementação
Art. 6o A União promoverá a realização de pelo menos 2 (duas) das políticas educacionais.
conferências nacionais de educação até o final do decênio, prece- § 2o Os processos de elaboração e adequação dos planos de
didas de conferências distrital, municipais e estaduais, articuladas educação dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de que
e coordenadas pelo Fórum Nacional de Educação, instituído nesta trata o caput deste artigo, serão realizados com ampla participação
Lei, no âmbito do Ministério da Educação. de representantes da comunidade educacional e da sociedade civil.
§ 1o O Fórum Nacional de Educação, além da atribuição referida Art. 9o Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão
no caput: aprovar leis específicas para os seus sistemas de ensino, discipli-
I - acompanhará a execução do PNE e o cumprimento de suas nando a gestão democrática da educação pública nos respectivos
metas; âmbitos de atuação, no prazo de 2 (dois) anos contado da publica-
II - promoverá a articulação das conferências nacionais de edu- ção desta Lei, adequando, quando for o caso, a legislação local já
cação com as conferências regionais, estaduais e municipais que as adotada com essa finalidade.
precederem. Art. 10. O plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e os or-
§ 2o As conferências nacionais de educação realizar-se-ão com çamentos anuais da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
intervalo de até 4 (quatro) anos entre elas, com o objetivo de avaliar Municípios serão formulados de maneira a assegurar a consignação
a execução deste PNE e subsidiar a elaboração do plano nacional de de dotações orçamentárias compatíveis com as diretrizes, metas e
educação para o decênio subsequente. estratégias deste PNE e com os respectivos planos de educação, a
Art. 7o A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios fim de viabilizar sua plena execução.
atuarão em regime de colaboração, visando ao alcance das metas e Art. 11. O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica,
à implementação das estratégias objeto deste Plano. coordenado pela União, em colaboração com os Estados, o Distri-
§ 1o Caberá aos gestores federais, estaduais, municipais e do to Federal e os Municípios, constituirá fonte de informação para a
Distrito Federal a adoção das medidas governamentais necessárias avaliação da qualidade da educação básica e para a orientação das
ao alcance das metas previstas neste PNE. políticas públicas desse nível de ensino.
§ 2o As estratégias definidas no Anexo desta Lei não elidem a § 1o O sistema de avaliação a que se refere o caput produzirá,
adoção de medidas adicionais em âmbito local ou de instrumentos no máximo a cada 2 (dois) anos:
jurídicos que formalizem a cooperação entre os entes federados,
podendo ser complementadas por mecanismos nacionais e locais
de coordenação e colaboração recíproca.

14
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

I - indicadores de rendimento escolar, referentes ao desempe- Estratégias:


nho dos (as) estudantes apurado em exames nacionais de avalia- 1.1) definir, em regime de colaboração entre a União, os Es-
ção, com participação de pelo menos 80% (oitenta por cento) dos tados, o Distrito Federal e os Municípios, metas de expansão das
(as) alunos (as) de cada ano escolar periodicamente avaliado em respectivas redes públicas de educação infantil segundo padrão na-
cada escola, e aos dados pertinentes apurados pelo censo escolar cional de qualidade, considerando as peculiaridades locais;
da educação básica; 1.2) garantir que, ao final da vigência deste PNE, seja inferior a
II - indicadores de avaliação institucional, relativos a caracterís- 10% (dez por cento) a diferença entre as taxas de frequência à edu-
ticas como o perfil do alunado e do corpo dos (as) profissionais da cação infantil das crianças de até 3 (três) anos oriundas do quinto
educação, as relações entre dimensão do corpo docente, do corpo de renda familiar per capita mais elevado e as do quinto de renda
técnico e do corpo discente, a infraestrutura das escolas, os recur- familiar per capita mais baixo;
sos pedagógicos disponíveis e os processos da gestão, entre outras 1.3) realizar, periodicamente, em regime de colaboração, levan-
relevantes. tamento da demanda por creche para a população de até 3 (três)
§ 2o A elaboração e a divulgação de índices para avaliação da anos, como forma de planejar a oferta e verificar o atendimento da
qualidade, como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica demanda manifesta;
- IDEB, que agreguem os indicadores mencionados no inciso I do § 1.4) estabelecer, no primeiro ano de vigência do PNE, normas,
1o não elidem a obrigatoriedade de divulgação, em separado, de procedimentos e prazos para definição de mecanismos de consulta
cada um deles. pública da demanda das famílias por creches;
§ 3o Os indicadores mencionados no § 1o serão estimados por 1.5) manter e ampliar, em regime de colaboração e respeitadas
etapa, estabelecimento de ensino, rede escolar, unidade da Federa- as normas de acessibilidade, programa nacional de construção e re-
ção e em nível agregado nacional, sendo amplamente divulgados, estruturação de escolas, bem como de aquisição de equipamentos,
ressalvada a publicação de resultados individuais e indicadores por visando à expansão e à melhoria da rede física de escolas públicas
turma, que fica admitida exclusivamente para a comunidade do res- de educação infantil;
pectivo estabelecimento e para o órgão gestor da respectiva rede. 1.6) implantar, até o segundo ano de vigência deste PNE, ava-
§ 4o Cabem ao Inep a elaboração e o cálculo do Ideb e dos indi- liação da educação infantil, a ser realizada a cada 2 (dois) anos,
cadores referidos no § 1o. com base em parâmetros nacionais de qualidade, a fim de aferir a
§ 5o A avaliação de desempenho dos (as) estudantes em exa- infraestrutura física, o quadro de pessoal, as condições de gestão,
mes, referida no inciso I do § 1o, poderá ser diretamente realizada os recursos pedagógicos, a situação de acessibilidade, entre outros
pela União ou, mediante acordo de cooperação, pelos Estados e
indicadores relevantes;
pelo Distrito Federal, nos respectivos sistemas de ensino e de seus
1.7) articular a oferta de matrículas gratuitas em creches cer-
Municípios, caso mantenham sistemas próprios de avaliação do
tificadas como entidades beneficentes de assistência social na área
rendimento escolar, assegurada a compatibilidade metodológica
de educação com a expansão da oferta na rede escolar pública;
entre esses sistemas e o nacional, especialmente no que se refere
às escalas de proficiência e ao calendário de aplicação. 1.8) promover a formação inicial e continuada dos (as) profis-
Art. 12. Até o final do primeiro semestre do nono ano de vi- sionais da educação infantil, garantindo, progressivamente, o aten-
gência deste PNE, o Poder Executivo encaminhará ao Congresso dimento por profissionais com formação superior;
Nacional, sem prejuízo das prerrogativas deste Poder, o projeto de 1.9) estimular a articulação entre pós-graduação, núcleos de
lei referente ao Plano Nacional de Educação a vigorar no período pesquisa e cursos de formação para profissionais da educação, de
subsequente, que incluirá diagnóstico, diretrizes, metas e estraté- modo a garantir a elaboração de currículos e propostas pedagógi-
gias para o próximo decênio. cas que incorporem os avanços de pesquisas ligadas ao processo de
Art. 13. O poder público deverá instituir, em lei específica, con- ensino-aprendizagem e às teorias educacionais no atendimento da
tados 2 (dois) anos da publicação desta Lei, o Sistema Nacional de população de 0 (zero) a 5 (cinco) anos;
Educação, responsável pela articulação entre os sistemas de ensino, 1.10) fomentar o atendimento das populações do campo e das
em regime de colaboração, para efetivação das diretrizes, metas e comunidades indígenas e quilombolas na educação infantil nas res-
estratégias do Plano Nacional de Educação. pectivas comunidades, por meio do redimensionamento da distri-
Art. 14. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. buição territorial da oferta, limitando a nucleação de escolas e o
Brasília, 25 de junho de 2014; 193o da Independência e 126o deslocamento de crianças, de forma a atender às especificidades
da República. dessas comunidades, garantido consulta prévia e informada;
DILMA ROUSSEFF 1.11) priorizar o acesso à educação infantil e fomentar a oferta
Guido Mantega do atendimento educacional especializado complementar e suple-
José Henrique Paim Fernandes mentar aos (às) alunos (as) com deficiência, transtornos globais do
Miriam Belchior desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, assegurando
Este texto não substitui o publicado no DOU de 26.6.2014 - Edi- a educação bilíngue para crianças surdas e a transversalidade da
ção extra educação especial nessa etapa da educação básica;
1.12) implementar, em caráter complementar, programas de
ANEXO orientação e apoio às famílias, por meio da articulação das áreas de
METAS E ESTRATÉGIAS educação, saúde e assistência social, com foco no desenvolvimento
integral das crianças de até 3 (três) anos de idade;
Meta 1: universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-esco-
1.13) preservar as especificidades da educação infantil na orga-
la para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar
nização das redes escolares, garantindo o atendimento da criança
a oferta de educação infantil em creches de forma a atender, no
de 0 (zero) a 5 (cinco) anos em estabelecimentos que atendam a
mínimo, 50% (cinquenta por cento) das crianças de até 3 (três) anos
até o final da vigência deste PNE. parâmetros nacionais de qualidade, e a articulação com a etapa es-
colar seguinte, visando ao ingresso do (a) aluno(a) de 6 (seis) anos
de idade no ensino fundamental;

15
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

1.14) fortalecer o acompanhamento e o monitoramento do 2.9) incentivar a participação dos pais ou responsáveis no
acesso e da permanência das crianças na educação infantil, em es- acompanhamento das atividades escolares dos filhos por meio do
pecial dos beneficiários de programas de transferência de renda, estreitamento das relações entre as escolas e as famílias;
em colaboração com as famílias e com os órgãos públicos de assis- 2.10) estimular a oferta do ensino fundamental, em especial
tência social, saúde e proteção à infância; dos anos iniciais, para as populações do campo, indígenas e quilom-
1.15) promover a busca ativa de crianças em idade correspon- bolas, nas próprias comunidades;
dente à educação infantil, em parceria com órgãos públicos de as- 2.11) desenvolver formas alternativas de oferta do ensino fun-
sistência social, saúde e proteção à infância, preservando o direito damental, garantida a qualidade, para atender aos filhos e filhas
de opção da família em relação às crianças de até 3 (três) anos; de profissionais que se dedicam a atividades de caráter itinerante;
1.16) o Distrito Federal e os Municípios, com a colaboração da 2.12) oferecer atividades extracurriculares de incentivo aos (às)
União e dos Estados, realizarão e publicarão, a cada ano, levanta- estudantes e de estímulo a habilidades, inclusive mediante certa-
mento da demanda manifesta por educação infantil em creches e mes e concursos nacionais;
pré-escolas, como forma de planejar e verificar o atendimento; 2.13) promover atividades de desenvolvimento e estímulo a
1.17) estimular o acesso à educação infantil em tempo integral, habilidades esportivas nas escolas, interligadas a um plano de disse-
para todas as crianças de 0 (zero) a 5 (cinco) anos, conforme estabe- minação do desporto educacional e de desenvolvimento esportivo
lecido nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. nacional.

Meta 2: universalizar o ensino fundamental de 9 (nove) anos Meta 3: universalizar, até 2016, o atendimento escolar para
para toda a população de 6 (seis) a 14 (quatorze) anos e garantir toda a população de 15 (quinze) a 17 (dezessete) anos e elevar, até
que pelo menos 95% (noventa e cinco por cento) dos alunos conclu- o final do período de vigência deste PNE, a taxa líquida de matrícu-
am essa etapa na idade recomendada, até o último ano de vigência las no ensino médio para 85% (oitenta e cinco por cento).
deste PNE.
Estratégias:
Estratégias: 3.1) institucionalizar programa nacional de renovação do ensi-
2.1) o Ministério da Educação, em articulação e colaboração no médio, a fim de incentivar práticas pedagógicas com abordagens
com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, deverá, até o interdisciplinares estruturadas pela relação entre teoria e prática,
final do 2o (segundo) ano de vigência deste PNE, elaborar e enca- por meio de currículos escolares que organizem, de maneira flexí-
minhar ao Conselho Nacional de Educação, precedida de consulta vel e diversificada, conteúdos obrigatórios e eletivos articulados em
pública nacional, proposta de direitos e objetivos de aprendizagem dimensões como ciência, trabalho, linguagens, tecnologia, cultura e
e desenvolvimento para os (as) alunos (as) do ensino fundamental; esporte, garantindo-se a aquisição de equipamentos e laboratórios,
2.2) pactuar entre União, Estados, Distrito Federal e Municí- a produção de material didático específico, a formação continuada
pios, no âmbito da instância permanente de que trata o § 5º do art. de professores e a articulação com instituições acadêmicas, espor-
7º desta Lei, a implantação dos direitos e objetivos de aprendiza- tivas e culturais;
gem e desenvolvimento que configurarão a base nacional comum 3.2) o Ministério da Educação, em articulação e colaboração
curricular do ensino fundamental; com os entes federados e ouvida a sociedade mediante consulta
2.3) criar mecanismos para o acompanhamento individualiza- pública nacional, elaborará e encaminhará ao Conselho Nacional
do dos (as) alunos (as) do ensino fundamental; de Educação - CNE, até o 2o (segundo) ano de vigência deste PNE,
2.4) fortalecer o acompanhamento e o monitoramento do proposta de direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimen-
acesso, da permanência e do aproveitamento escolar dos benefici- to para os (as) alunos (as) de ensino médio, a serem atingidos nos
ários de programas de transferência de renda, bem como das situa- tempos e etapas de organização deste nível de ensino, com vistas a
ções de discriminação, preconceitos e violências na escola, visando garantir formação básica comum;
ao estabelecimento de condições adequadas para o sucesso escolar 3.3) pactuar entre União, Estados, Distrito Federal e Municí-
dos (as) alunos (as), em colaboração com as famílias e com órgãos pios, no âmbito da instância permanente de que trata o § 5o do art.
públicos de assistência social, saúde e proteção à infância, adoles- 7o desta Lei, a implantação dos direitos e objetivos de aprendiza-
cência e juventude; gem e desenvolvimento que configurarão a base nacional comum
2.5) promover a busca ativa de crianças e adolescentes fora da curricular do ensino médio;
escola, em parceria com órgãos públicos de assistência social, saú- 3.4) garantir a fruição de bens e espaços culturais, de forma
de e proteção à infância, adolescência e juventude; regular, bem como a ampliação da prática desportiva, integrada ao
2.6) desenvolver tecnologias pedagógicas que combinem, de currículo escolar;
maneira articulada, a organização do tempo e das atividades di- 3.5) manter e ampliar programas e ações de correção de fluxo
dáticas entre a escola e o ambiente comunitário, considerando as do ensino fundamental, por meio do acompanhamento individu-
especificidades da educação especial, das escolas do campo e das alizado do (a) aluno (a) com rendimento escolar defasado e pela
comunidades indígenas e quilombolas; adoção de práticas como aulas de reforço no turno complementar,
2.7) disciplinar, no âmbito dos sistemas de ensino, a organiza- estudos de recuperação e progressão parcial, de forma a reposicio-
ção flexível do trabalho pedagógico, incluindo adequação do calen- ná-lo no ciclo escolar de maneira compatível com sua idade;
dário escolar de acordo com a realidade local, a identidade cultural 3.6) universalizar o Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM,
e as condições climáticas da região; fundamentado em matriz de referência do conteúdo curricular do
2.8) promover a relação das escolas com instituições e movi- ensino médio e em técnicas estatísticas e psicométricas que permi-
mentos culturais, a fim de garantir a oferta regular de atividades tam comparabilidade de resultados, articulando-o com o Sistema
culturais para a livre fruição dos (as) alunos (as) dentro e fora dos Nacional de Avaliação da Educação Básica - SAEB, e promover sua
espaços escolares, assegurando ainda que as escolas se tornem po- utilização como instrumento de avaliação sistêmica, para subsidiar
los de criação e difusão cultural; políticas públicas para a educação básica, de avaliação certificado-

16
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

ra, possibilitando aferição de conhecimentos e habilidades adqui- 4.3) implantar, ao longo deste PNE, salas de recursos multifun-
ridos dentro e fora da escola, e de avaliação classificatória, como cionais e fomentar a formação continuada de professores e profes-
critério de acesso à educação superior; soras para o atendimento educacional especializado nas escolas
3.7) fomentar a expansão das matrículas gratuitas de ensino urbanas, do campo, indígenas e de comunidades quilombolas;
médio integrado à educação profissional, observando-se as pecu- 4.4) garantir atendimento educacional especializado em salas
liaridades das populações do campo, das comunidades indígenas e de recursos multifuncionais, classes, escolas ou serviços especiali-
quilombolas e das pessoas com deficiência; zados, públicos ou conveniados, nas formas complementar e suple-
3.8) estruturar e fortalecer o acompanhamento e o monitora- mentar, a todos (as) alunos (as) com deficiência, transtornos globais
mento do acesso e da permanência dos e das jovens beneficiários do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, matricu-
(as) de programas de transferência de renda, no ensino médio, lados na rede pública de educação básica, conforme necessidade
quanto à frequência, ao aproveitamento escolar e à interação com identificada por meio de avaliação, ouvidos a família e o aluno;
o coletivo, bem como das situações de discriminação, preconceitos 4.5) estimular a criação de centros multidisciplinares de apoio,
e violências, práticas irregulares de exploração do trabalho, consu- pesquisa e assessoria, articulados com instituições acadêmicas e
mo de drogas, gravidez precoce, em colaboração com as famílias e integrados por profissionais das áreas de saúde, assistência social,
com órgãos públicos de assistência social, saúde e proteção à ado- pedagogia e psicologia, para apoiar o trabalho dos (as) professores
lescência e juventude; da educação básica com os (as) alunos (as) com deficiência, trans-
3.9) promover a busca ativa da população de 15 (quinze) a 17 tornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdo-
(dezessete) anos fora da escola, em articulação com os serviços de tação;
assistência social, saúde e proteção à adolescência e à juventude; 4.6) manter e ampliar programas suplementares que promo-
3.10) fomentar programas de educação e de cultura para a po- vam a acessibilidade nas instituições públicas, para garantir o aces-
pulação urbana e do campo de jovens, na faixa etária de 15 (quinze) so e a permanência dos (as) alunos (as) com deficiência por meio
a 17 (dezessete) anos, e de adultos, com qualificação social e pro- da adequação arquitetônica, da oferta de transporte acessível e da
fissional para aqueles que estejam fora da escola e com defasagem disponibilização de material didático próprio e de recursos de tec-
no fluxo escolar; nologia assistiva, assegurando, ainda, no contexto escolar, em todas
3.11) redimensionar a oferta de ensino médio nos turnos diur- as etapas, níveis e modalidades de ensino, a identificação dos (as)
no e noturno, bem como a distribuição territorial das escolas de alunos (as) com altas habilidades ou superdotação;
ensino médio, de forma a atender a toda a demanda, de acordo 4.7) garantir a oferta de educação bilíngue, em Língua Brasileira
com as necessidades específicas dos (as) alunos (as); de Sinais - LIBRAS como primeira língua e na modalidade escrita da
3.12) desenvolver formas alternativas de oferta do ensino mé- Língua Portuguesa como segunda língua, aos (às) alunos (as) surdos
dio, garantida a qualidade, para atender aos filhos e filhas de profis- e com deficiência auditiva de 0 (zero) a 17 (dezessete) anos, em
sionais que se dedicam a atividades de caráter itinerante; escolas e classes bilíngues e em escolas inclusivas, nos termos do
3.13) implementar políticas de prevenção à evasão motivada art. 22 do Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005, e dos arts.
por preconceito ou quaisquer formas de discriminação, criando 24 e 30 da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiên-
rede de proteção contra formas associadas de exclusão; cia, bem como a adoção do Sistema Braille de leitura para cegos e
3.14) estimular a participação dos adolescentes nos cursos das surdos-cegos;
áreas tecnológicas e científicas. 4.8) garantir a oferta de educação inclusiva, vedada a exclusão
do ensino regular sob alegação de deficiência e promovida a articu-
Meta 4: universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (de- lação pedagógica entre o ensino regular e o atendimento educacio-
zessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvi- nal especializado;
mento e altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação 4.9) fortalecer o acompanhamento e o monitoramento do
básica e ao atendimento educacional especializado, preferencial- acesso à escola e ao atendimento educacional especializado, bem
mente na rede regular de ensino, com a garantia de sistema educa- como da permanência e do desenvolvimento escolar dos (as) alu-
cional inclusivo, de salas de recursos multifuncionais, classes, esco-
nos (as) com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e
las ou serviços especializados, públicos ou conveniados.
altas habilidades ou superdotação beneficiários (as) de programas
de transferência de renda, juntamente com o combate às situações
Estratégias:
de discriminação, preconceito e violência, com vistas ao estabele-
4.1) contabilizar, para fins do repasse do Fundo de Manuten-
cimento de condições adequadas para o sucesso educacional, em
ção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos
colaboração com as famílias e com os órgãos públicos de assistência
Profissionais da Educação - FUNDEB, as matrículas dos (as) estudan-
social, saúde e proteção à infância, à adolescência e à juventude;
tes da educação regular da rede pública que recebam atendimento
4.10) fomentar pesquisas voltadas para o desenvolvimento de
educacional especializado complementar e suplementar, sem pre-
metodologias, materiais didáticos, equipamentos e recursos de tec-
juízo do cômputo dessas matrículas na educação básica regular, e
as matrículas efetivadas, conforme o censo escolar mais atualizado, nologia assistiva, com vistas à promoção do ensino e da aprendiza-
na educação especial oferecida em instituições comunitárias, con- gem, bem como das condições de acessibilidade dos (as) estudan-
fessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas com o tes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas
poder público e com atuação exclusiva na modalidade, nos termos habilidades ou superdotação;
da Lei no 11.494, de 20 de junho de 2007; 4.11) promover o desenvolvimento de pesquisas interdiscipli-
4.2) promover, no prazo de vigência deste PNE, a universali- nares para subsidiar a formulação de políticas públicas interseto-
zação do atendimento escolar à demanda manifesta pelas famílias riais que atendam as especificidades educacionais de estudantes
de crianças de 0 (zero) a 3 (três) anos com deficiência, transtornos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas ha-
globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, bilidades ou superdotação que requeiram medidas de atendimento
observado o que dispõe a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, especializado;
que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional;

17
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

4.12) promover a articulação intersetorial entre órgãos e po- 5.2) instituir instrumentos de avaliação nacional periódicos
líticas públicas de saúde, assistência social e direitos humanos, e específicos para aferir a alfabetização das crianças, aplicados a
em parceria com as famílias, com o fim de desenvolver modelos cada ano, bem como estimular os sistemas de ensino e as escolas a
de atendimento voltados à continuidade do atendimento escolar, criarem os respectivos instrumentos de avaliação e monitoramen-
na educação de jovens e adultos, das pessoas com deficiência e to, implementando medidas pedagógicas para alfabetizar todos os
transtornos globais do desenvolvimento com idade superior à faixa alunos e alunas até o final do terceiro ano do ensino fundamental;
etária de escolarização obrigatória, de forma a assegurar a atenção 5.3) selecionar, certificar e divulgar tecnologias educacionais
integral ao longo da vida; para a alfabetização de crianças, assegurada a diversidade de mé-
4.13) apoiar a ampliação das equipes de profissionais da edu- todos e propostas pedagógicas, bem como o acompanhamento dos
cação para atender à demanda do processo de escolarização dos resultados nos sistemas de ensino em que forem aplicadas, deven-
(das) estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvol- do ser disponibilizadas, preferencialmente, como recursos educa-
vimento e altas habilidades ou superdotação, garantindo a oferta cionais abertos;
de professores (as) do atendimento educacional especializado, pro- 5.4) fomentar o desenvolvimento de tecnologias educacionais
fissionais de apoio ou auxiliares, tradutores (as) e intérpretes de e de práticas pedagógicas inovadoras que assegurem a alfabetiza-
Libras, guias-intérpretes para surdos-cegos, professores de Libras, ção e favoreçam a melhoria do fluxo escolar e a aprendizagem dos
prioritariamente surdos, e professores bilíngues; (as) alunos (as), consideradas as diversas abordagens metodológi-
4.14) definir, no segundo ano de vigência deste PNE, indi- cas e sua efetividade;
cadores de qualidade e política de avaliação e supervisão para o 5.5) apoiar a alfabetização de crianças do campo, indígenas,
funcionamento de instituições públicas e privadas que prestam quilombolas e de populações itinerantes, com a produção de
atendimento a alunos com deficiência, transtornos globais do de- materiais didáticos específicos, e desenvolver instrumentos de
senvolvimento e altas habilidades ou superdotação; acompanhamento que considerem o uso da língua materna pelas
4.15) promover, por iniciativa do Ministério da Educação, nos comunidades indígenas e a identidade cultural das comunidades
órgãos de pesquisa, demografia e estatística competentes, a obten- quilombolas;
ção de informação detalhada sobre o perfil das pessoas com defi- 5.6) promover e estimular a formação inicial e continuada de
ciência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades professores (as) para a alfabetização de crianças, com o conheci-
ou superdotação de 0 (zero) a 17 (dezessete) anos; mento de novas tecnologias educacionais e práticas pedagógicas
4.16) incentivar a inclusão nos cursos de licenciatura e nos de- inovadoras, estimulando a articulação entre programas de pós-gra-
mais cursos de formação para profissionais da educação, inclusive duação stricto sensu e ações de formação continuada de professo-
em nível de pós-graduação, observado o disposto no caput do art. res (as) para a alfabetização;
207 da Constituição Federal, dos referenciais teóricos, das teorias 5.7) apoiar a alfabetização das pessoas com deficiência, consi-
de aprendizagem e dos processos de ensino-aprendizagem rela- derando as suas especificidades, inclusive a alfabetização bilíngue
cionados ao atendimento educacional de alunos com deficiência, de pessoas surdas, sem estabelecimento de terminalidade tempo-
transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou su- ral.
perdotação;
Meta 6: oferecer educação em tempo integral em, no mínimo,
4.17) promover parcerias com instituições comunitárias, con-
50% (cinquenta por cento) das escolas públicas, de forma a atender,
fessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas com o
pelo menos, 25% (vinte e cinco por cento) dos (as) alunos (as) da
poder público, visando a ampliar as condições de apoio ao aten-
educação básica.
dimento escolar integral das pessoas com deficiência, transtornos
globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação
Estratégias:
matriculadas nas redes públicas de ensino;
6.1) promover, com o apoio da União, a oferta de educação
4.18) promover parcerias com instituições comunitárias, con-
básica pública em tempo integral, por meio de atividades de acom-
fessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas com o
poder público, visando a ampliar a oferta de formação continuada panhamento pedagógico e multidisciplinares, inclusive culturais e
e a produção de material didático acessível, assim como os servi- esportivas, de forma que o tempo de permanência dos (as) alunos
ços de acessibilidade necessários ao pleno acesso, participação e (as) na escola, ou sob sua responsabilidade, passe a ser igual ou su-
aprendizagem dos estudantes com deficiência, transtornos globais perior a 7 (sete) horas diárias durante todo o ano letivo, com a am-
do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação matricula- pliação progressiva da jornada de professores em uma única escola;
dos na rede pública de ensino; 6.2) instituir, em regime de colaboração, programa de constru-
4.19) promover parcerias com instituições comunitárias, con- ção de escolas com padrão arquitetônico e de mobiliário adequado
fessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas com o para atendimento em tempo integral, prioritariamente em comu-
poder público, a fim de favorecer a participação das famílias e da nidades pobres ou com crianças em situação de vulnerabilidade
sociedade na construção do sistema educacional inclusivo. social;
6.3) institucionalizar e manter, em regime de colaboração, pro-
Meta 5: alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do grama nacional de ampliação e reestruturação das escolas públi-
3o (terceiro) ano do ensino fundamental. cas, por meio da instalação de quadras poliesportivas, laboratórios,
inclusive de informática, espaços para atividades culturais, biblio-
Estratégias: tecas, auditórios, cozinhas, refeitórios, banheiros e outros equipa-
5.1) estruturar os processos pedagógicos de alfabetização, nos mentos, bem como da produção de material didático e da formação
anos iniciais do ensino fundamental, articulando-os com as estra- de recursos humanos para a educação em tempo integral;
tégias desenvolvidas na pré-escola, com qualificação e valorização 6.4) fomentar a articulação da escola com os diferentes espa-
dos (as) professores (as) alfabetizadores e com apoio pedagógico ços educativos, culturais e esportivos e com equipamentos públi-
específico, a fim de garantir a alfabetização plena de todas as crian- cos, como centros comunitários, bibliotecas, praças, parques, mu-
ças; seus, teatros, cinemas e planetários;

18
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

6.5) estimular a oferta de atividades voltadas à ampliação da jornada escolar de alunos (as) matriculados nas escolas da rede pública
de educação básica por parte das entidades privadas de serviço social vinculadas ao sistema sindical, de forma concomitante e em arti-
culação com a rede pública de ensino;
6.6) orientar a aplicação da gratuidade de que trata o art. 13 da Lei no 12.101, de 27 de novembro de 2009, em atividades de amplia-
ção da jornada escolar de alunos (as) das escolas da rede pública de educação básica, de forma concomitante e em articulação com a rede
pública de ensino;
6.7) atender às escolas do campo e de comunidades indígenas e quilombolas na oferta de educação em tempo integral, com base em
consulta prévia e informada, considerando-se as peculiaridades locais;
6.8) garantir a educação em tempo integral para pessoas com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades
ou superdotação na faixa etária de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos, assegurando atendimento educacional especializado complementar e
suplementar ofertado em salas de recursos multifuncionais da própria escola ou em instituições especializadas;
6.9) adotar medidas para otimizar o tempo de permanência dos alunos na escola, direcionando a expansão da jornada para o efetivo
trabalho escolar, combinado com atividades recreativas, esportivas e culturais.

Meta 7: fomentar a qualidade da educação básica em todas as etapas e modalidades, com melhoria do fluxo escolar e da aprendiza-
gem de modo a atingir as seguintes médias nacionais para o Ideb:

IDEB 2015 2017 2019 2021


Anos iniciais do ensino fundamental 5,2 5,5 5,7 6,0
Anos finais do ensino fundamental 4,7 5,0 5,2 5,5
Ensino médio 4,3 4,7 5,0 5,2

Estratégias:
7.1) estabelecer e implantar, mediante pactuação interfederativa, diretrizes pedagógicas para a educação básica e a base nacional
comum dos currículos, com direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento dos (as) alunos (as) para cada ano do ensino funda-
mental e médio, respeitada a diversidade regional, estadual e local;
7.2) assegurar que:
a) no quinto ano de vigência deste PNE, pelo menos 70% (setenta por cento) dos (as) alunos (as) do ensino fundamental e do ensino
médio tenham alcançado nível suficiente de aprendizado em relação aos direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento de seu
ano de estudo, e 50% (cinquenta por cento), pelo menos, o nível desejável;
b) no último ano de vigência deste PNE, todos os (as) estudantes do ensino fundamental e do ensino médio tenham alcançado nível
suficiente de aprendizado em relação aos direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento de seu ano de estudo, e 80% (oitenta
por cento), pelo menos, o nível desejável;
7.3) constituir, em colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, um conjunto nacional de indicadores de
avaliação institucional com base no perfil do alunado e do corpo de profissionais da educação, nas condições de infraestrutura das escolas,
nos recursos pedagógicos disponíveis, nas características da gestão e em outras dimensões relevantes, considerando as especificidades
das modalidades de ensino;
7.4) induzir processo contínuo de autoavaliação das escolas de educação básica, por meio da constituição de instrumentos de avalia-
ção que orientem as dimensões a serem fortalecidas, destacando-se a elaboração de planejamento estratégico, a melhoria contínua da
qualidade educacional, a formação continuada dos (as) profissionais da educação e o aprimoramento da gestão democrática;
7.5) formalizar e executar os planos de ações articuladas dando cumprimento às metas de qualidade estabelecidas para a educação
básica pública e às estratégias de apoio técnico e financeiro voltadas à melhoria da gestão educacional, à formação de professores e pro-
fessoras e profissionais de serviços e apoio escolares, à ampliação e ao desenvolvimento de recursos pedagógicos e à melhoria e expansão
da infraestrutura física da rede escolar;
7.6) associar a prestação de assistência técnica financeira à fixação de metas intermediárias, nos termos estabelecidos conforme pac-
tuação voluntária entre os entes, priorizando sistemas e redes de ensino com Ideb abaixo da média nacional;
7.7) aprimorar continuamente os instrumentos de avaliação da qualidade do ensino fundamental e médio, de forma a englobar o en-
sino de ciências nos exames aplicados nos anos finais do ensino fundamental, e incorporar o Exame Nacional do Ensino Médio, assegurada
a sua universalização, ao sistema de avaliação da educação básica, bem como apoiar o uso dos resultados das avaliações nacionais pelas
escolas e redes de ensino para a melhoria de seus processos e práticas pedagógicas;
7.8) desenvolver indicadores específicos de avaliação da qualidade da educação especial, bem como da qualidade da educação bilín-
gue para surdos;
7.9) orientar as políticas das redes e sistemas de ensino, de forma a buscar atingir as metas do Ideb, diminuindo a diferença entre as
escolas com os menores índices e a média nacional, garantindo equidade da aprendizagem e reduzindo pela metade, até o último ano de
vigência deste PNE, as diferenças entre as médias dos índices dos Estados, inclusive do Distrito Federal, e dos Municípios;
7.10) fixar, acompanhar e divulgar bienalmente os resultados pedagógicos dos indicadores do sistema nacional de avaliação da edu-
cação básica e do Ideb, relativos às escolas, às redes públicas de educação básica e aos sistemas de ensino da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios, assegurando a contextualização desses resultados, com relação a indicadores sociais relevantes, como
os de nível socioeconômico das famílias dos (as) alunos (as), e a transparência e o acesso público às informações técnicas de concepção e
operação do sistema de avaliação;

19
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

7.11) melhorar o desempenho dos alunos da educação básica nas avaliações da aprendizagem no Programa Internacional de Avalia-
ção de Estudantes - PISA, tomado como instrumento externo de referência, internacionalmente reconhecido, de acordo com as seguintes
projeções:

PISA 2015 2018 2021


Média dos resultados em matemática, leitura e ciências 438 455 473

7.12) incentivar o desenvolvimento, selecionar, certificar e divulgar tecnologias educacionais para a educação infantil, o ensino fun-
damental e o ensino médio e incentivar práticas pedagógicas inovadoras que assegurem a melhoria do fluxo escolar e a aprendizagem,
assegurada a diversidade de métodos e propostas pedagógicas, com preferência para softwares livres e recursos educacionais abertos,
bem como o acompanhamento dos resultados nos sistemas de ensino em que forem aplicadas;
7.13) garantir transporte gratuito para todos (as) os (as) estudantes da educação do campo na faixa etária da educação escolar obriga-
tória, mediante renovação e padronização integral da frota de veículos, de acordo com especificações definidas pelo Instituto Nacional de
Metrologia, Qualidade e Tecnologia - INMETRO, e financiamento compartilhado, com participação da União proporcional às necessidades
dos entes federados, visando a reduzir a evasão escolar e o tempo médio de deslocamento a partir de cada situação local;
7.14) desenvolver pesquisas de modelos alternativos de atendimento escolar para a população do campo que considerem as especi-
ficidades locais e as boas práticas nacionais e internacionais;
7.15) universalizar, até o quinto ano de vigência deste PNE, o acesso à rede mundial de computadores em banda larga de alta velo-
cidade e triplicar, até o final da década, a relação computador/aluno (a) nas escolas da rede pública de educação básica, promovendo a
utilização pedagógica das tecnologias da informação e da comunicação;
7.16) apoiar técnica e financeiramente a gestão escolar mediante transferência direta de recursos financeiros à escola, garantindo
a participação da comunidade escolar no planejamento e na aplicação dos recursos, visando à ampliação da transparência e ao efetivo
desenvolvimento da gestão democrática;
7.17) ampliar programas e aprofundar ações de atendimento ao (à) aluno (a), em todas as etapas da educação básica, por meio de
programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde;
7.18) assegurar a todas as escolas públicas de educação básica o acesso a energia elétrica, abastecimento de água tratada, esgotamen-
to sanitário e manejo dos resíduos sólidos, garantir o acesso dos alunos a espaços para a prática esportiva, a bens culturais e artísticos e a
equipamentos e laboratórios de ciências e, em cada edifício escolar, garantir a acessibilidade às pessoas com deficiência;
7.19) institucionalizar e manter, em regime de colaboração, programa nacional de reestruturação e aquisição de equipamentos para
escolas públicas, visando à equalização regional das oportunidades educacionais;
7.20) prover equipamentos e recursos tecnológicos digitais para a utilização pedagógica no ambiente escolar a todas as escolas públi-
cas da educação básica, criando, inclusive, mecanismos para implementação das condições necessárias para a universalização das biblio-
tecas nas instituições educacionais, com acesso a redes digitais de computadores, inclusive a internet;
7.21) a União, em regime de colaboração com os entes federados subnacionais, estabelecerá, no prazo de 2 (dois) anos contados da
publicação desta Lei, parâmetros mínimos de qualidade dos serviços da educação básica, a serem utilizados como referência para infra-
estrutura das escolas, recursos pedagógicos, entre outros insumos relevantes, bem como instrumento para adoção de medidas para a
melhoria da qualidade do ensino;
7.22) informatizar integralmente a gestão das escolas públicas e das secretarias de educação dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios, bem como manter programa nacional de formação inicial e continuada para o pessoal técnico das secretarias de educação;
7.23) garantir políticas de combate à violência na escola, inclusive pelo desenvolvimento de ações destinadas à capacitação de edu-
cadores para detecção dos sinais de suas causas, como a violência doméstica e sexual, favorecendo a adoção das providências adequadas
para promover a construção da cultura de paz e um ambiente escolar dotado de segurança para a comunidade;
7.24) implementar políticas de inclusão e permanência na escola para adolescentes e jovens que se encontram em regime de liberda-
de assistida e em situação de rua, assegurando os princípios da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente;
7.25) garantir nos currículos escolares conteúdos sobre a história e as culturas afro-brasileira e indígenas e implementar ações edu-
cacionais, nos termos das Leis nos 10.639, de 9 de janeiro de 2003, e 11.645, de 10 de março de 2008, assegurando-se a implementação
das respectivas diretrizes curriculares nacionais, por meio de ações colaborativas com fóruns de educação para a diversidade étnico-racial,
conselhos escolares, equipes pedagógicas e a sociedade civil;
7.26) consolidar a educação escolar no campo de populações tradicionais, de populações itinerantes e de comunidades indígenas
e quilombolas, respeitando a articulação entre os ambientes escolares e comunitários e garantindo: o desenvolvimento sustentável e
preservação da identidade cultural; a participação da comunidade na definição do modelo de organização pedagógica e de gestão das ins-
tituições, consideradas as práticas socioculturais e as formas particulares de organização do tempo; a oferta bilíngue na educação infantil
e nos anos iniciais do ensino fundamental, em língua materna das comunidades indígenas e em língua portuguesa; a reestruturação e a
aquisição de equipamentos; a oferta de programa para a formação inicial e continuada de profissionais da educação; e o atendimento em
educação especial;
7.27) desenvolver currículos e propostas pedagógicas específicas para educação escolar para as escolas do campo e para as comuni-
dades indígenas e quilombolas, incluindo os conteúdos culturais correspondentes às respectivas comunidades e considerando o fortale-
cimento das práticas socioculturais e da língua materna de cada comunidade indígena, produzindo e disponibilizando materiais didáticos
específicos, inclusive para os (as) alunos (as) com deficiência;
7.28) mobilizar as famílias e setores da sociedade civil, articulando a educação formal com experiências de educação popular e cidadã,
com os propósitos de que a educação seja assumida como responsabilidade de todos e de ampliar o controle social sobre o cumprimento
das políticas públicas educacionais;

20
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

7.29) promover a articulação dos programas da área da edu- 8.5) promover, em parceria com as áreas de saúde e assistência
cação, de âmbito local e nacional, com os de outras áreas, como social, o acompanhamento e o monitoramento do acesso à escola
saúde, trabalho e emprego, assistência social, esporte e cultura, específicos para os segmentos populacionais considerados, identi-
possibilitando a criação de rede de apoio integral às famílias, como ficar motivos de absenteísmo e colaborar com os Estados, o Distri-
condição para a melhoria da qualidade educacional; to Federal e os Municípios para a garantia de frequência e apoio à
7.30) universalizar, mediante articulação entre os órgãos res- aprendizagem, de maneira a estimular a ampliação do atendimento
ponsáveis pelas áreas da saúde e da educação, o atendimento aos desses (as) estudantes na rede pública regular de ensino;
(às) estudantes da rede escolar pública de educação básica por 8.6) promover busca ativa de jovens fora da escola pertencen-
meio de ações de prevenção, promoção e atenção à saúde; tes aos segmentos populacionais considerados, em parceria com as
7.31) estabelecer ações efetivas especificamente voltadas para áreas de assistência social, saúde e proteção à juventude.
a promoção, prevenção, atenção e atendimento à saúde e à integri-
dade física, mental e emocional dos (das) profissionais da educação, Meta 9: elevar a taxa de alfabetização da população com 15
como condição para a melhoria da qualidade educacional; (quinze) anos ou mais para 93,5% (noventa e três inteiros e cinco
7.32) fortalecer, com a colaboração técnica e financeira da décimos por cento) até 2015 e, até o final da vigência deste PNE, er-
União, em articulação com o sistema nacional de avaliação, os siste- radicar o analfabetismo absoluto e reduzir em 50% (cinquenta por
mas estaduais de avaliação da educação básica, com participação, cento) a taxa de analfabetismo funcional.
por adesão, das redes municipais de ensino, para orientar as polí- Estratégias:
9.1) assegurar a oferta gratuita da educação de jovens e adul-
ticas públicas e as práticas pedagógicas, com o fornecimento das
tos a todos os que não tiveram acesso à educação básica na idade
informações às escolas e à sociedade;
própria;
7.33) promover, com especial ênfase, em consonância com as
9.2) realizar diagnóstico dos jovens e adultos com ensino fun-
diretrizes do Plano Nacional do Livro e da Leitura, a formação de lei-
damental e médio incompletos, para identificar a demanda ativa
tores e leitoras e a capacitação de professores e professoras, biblio- por vagas na educação de jovens e adultos;
tecários e bibliotecárias e agentes da comunidade para atuar como 9.3) implementar ações de alfabetização de jovens e adultos
mediadores e mediadoras da leitura, de acordo com a especificida- com garantia de continuidade da escolarização básica;
de das diferentes etapas do desenvolvimento e da aprendizagem; 9.4) criar benefício adicional no programa nacional de transfe-
7.34) instituir, em articulação com os Estados, os Municípios e rência de renda para jovens e adultos que frequentarem cursos de
o Distrito Federal, programa nacional de formação de professores e alfabetização;
professoras e de alunos e alunas para promover e consolidar políti- 9.5) realizar chamadas públicas regulares para educação de
ca de preservação da memória nacional; jovens e adultos, promovendo-se busca ativa em regime de cola-
7.35) promover a regulação da oferta da educação básica pela boração entre entes federados e em parceria com organizações da
iniciativa privada, de forma a garantir a qualidade e o cumprimento sociedade civil;
da função social da educação; 9.6) realizar avaliação, por meio de exames específicos, que
7.36) estabelecer políticas de estímulo às escolas que melhora- permita aferir o grau de alfabetização de jovens e adultos com mais
rem o desempenho no Ideb, de modo a valorizar o mérito do corpo de 15 (quinze) anos de idade;
docente, da direção e da comunidade escolar. 9.7) executar ações de atendimento ao (à) estudante da educa-
ção de jovens e adultos por meio de programas suplementares de
Meta 8: elevar a escolaridade média da população de 18 (de- transporte, alimentação e saúde, inclusive atendimento oftalmoló-
zoito) a 29 (vinte e nove) anos, de modo a alcançar, no mínimo, 12 gico e fornecimento gratuito de óculos, em articulação com a área
(doze) anos de estudo no último ano de vigência deste Plano, para da saúde;
as populações do campo, da região de menor escolaridade no País 9.8) assegurar a oferta de educação de jovens e adultos, nas
e dos 25% (vinte e cinco por cento) mais pobres, e igualar a esco- etapas de ensino fundamental e médio, às pessoas privadas de li-
laridade média entre negros e não negros declarados à Fundação berdade em todos os estabelecimentos penais, assegurando-se for-
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. mação específica dos professores e das professoras e implementa-
Estratégias: ção de diretrizes nacionais em regime de colaboração;
8.1) institucionalizar programas e desenvolver tecnologias para
9.9) apoiar técnica e financeiramente projetos inovadores na
correção de fluxo, para acompanhamento pedagógico individuali-
educação de jovens e adultos que visem ao desenvolvimento de
zado e para recuperação e progressão parcial, bem como priorizar
modelos adequados às necessidades específicas desses (as) alunos
estudantes com rendimento escolar defasado, considerando as es-
(as);
pecificidades dos segmentos populacionais considerados;
9.10) estabelecer mecanismos e incentivos que integrem os
8.2) implementar programas de educação de jovens e adultos segmentos empregadores, públicos e privados, e os sistemas de en-
para os segmentos populacionais considerados, que estejam fora sino, para promover a compatibilização da jornada de trabalho dos
da escola e com defasagem idade-série, associados a outras estra- empregados e das empregadas com a oferta das ações de alfabeti-
tégias que garantam a continuidade da escolarização, após a alfa- zação e de educação de jovens e adultos;
betização inicial; 9.11) implementar programas de capacitação tecnológica da
8.3) garantir acesso gratuito a exames de certificação da con- população jovem e adulta, direcionados para os segmentos com
clusão dos ensinos fundamental e médio; baixos níveis de escolarização formal e para os (as) alunos (as) com
8.4) expandir a oferta gratuita de educação profissional técnica deficiência, articulando os sistemas de ensino, a Rede Federal de
por parte das entidades privadas de serviço social e de formação Educação Profissional, Científica e Tecnológica, as universidades, as
profissional vinculadas ao sistema sindical, de forma concomitante cooperativas e as associações, por meio de ações de extensão de-
ao ensino ofertado na rede escolar pública, para os segmentos po- senvolvidas em centros vocacionais tecnológicos, com tecnologias
pulacionais considerados; assistivas que favoreçam a efetiva inclusão social e produtiva dessa
população;

21
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

9.12) considerar, nas políticas públicas de jovens e adultos, as 10.11) implementar mecanismos de reconhecimento de sabe-
necessidades dos idosos, com vistas à promoção de políticas de er- res dos jovens e adultos trabalhadores, a serem considerados na
radicação do analfabetismo, ao acesso a tecnologias educacionais e articulação curricular dos cursos de formação inicial e continuada e
atividades recreativas, culturais e esportivas, à implementação de dos cursos técnicos de nível médio.
programas de valorização e compartilhamento dos conhecimentos
e experiência dos idosos e à inclusão dos temas do envelhecimento Meta 11: triplicar as matrículas da educação profissional técni-
e da velhice nas escolas. ca de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos
50% (cinquenta por cento) da expansão no segmento público.
Meta 10: oferecer, no mínimo, 25% (vinte e cinco por cento)
das matrículas de educação de jovens e adultos, nos ensinos funda- Estratégias:
mental e médio, na forma integrada à educação profissional. 11.1) expandir as matrículas de educação profissional técnica
de nível médio na Rede Federal de Educação Profissional, Científi-
Estratégias: ca e Tecnológica, levando em consideração a responsabilidade dos
10.1) manter programa nacional de educação de jovens e adul- Institutos na ordenação territorial, sua vinculação com arranjos pro-
tos voltado à conclusão do ensino fundamental e à formação profis- dutivos, sociais e culturais locais e regionais, bem como a interiori-
sional inicial, de forma a estimular a conclusão da educação básica; zação da educação profissional;
10.2) expandir as matrículas na educação de jovens e adultos, 11.2) fomentar a expansão da oferta de educação profissional
de modo a articular a formação inicial e continuada de trabalhado- técnica de nível médio nas redes públicas estaduais de ensino;
res com a educação profissional, objetivando a elevação do nível de 11.3) fomentar a expansão da oferta de educação profissional
escolaridade do trabalhador e da trabalhadora; técnica de nível médio na modalidade de educação a distância, com
10.3) fomentar a integração da educação de jovens e adultos a finalidade de ampliar a oferta e democratizar o acesso à educação
com a educação profissional, em cursos planejados, de acordo com profissional pública e gratuita, assegurado padrão de qualidade;
as características do público da educação de jovens e adultos e con- 11.4) estimular a expansão do estágio na educação profissional
siderando as especificidades das populações itinerantes e do cam- técnica de nível médio e do ensino médio regular, preservando-se
po e das comunidades indígenas e quilombolas, inclusive na moda- seu caráter pedagógico integrado ao itinerário formativo do aluno,
lidade de educação a distância; visando à formação de qualificações próprias da atividade profis-
10.4) ampliar as oportunidades profissionais dos jovens e sional, à contextualização curricular e ao desenvolvimento da ju-
adultos com deficiência e baixo nível de escolaridade, por meio do ventude;
acesso à educação de jovens e adultos articulada à educação pro- 11.5) ampliar a oferta de programas de reconhecimento de sa-
fissional; beres para fins de certificação profissional em nível técnico;
10.5) implantar programa nacional de reestruturação e aqui- 11.6) ampliar a oferta de matrículas gratuitas de educação pro-
sição de equipamentos voltados à expansão e à melhoria da rede fissional técnica de nível médio pelas entidades privadas de forma-
física de escolas públicas que atuam na educação de jovens e adul- ção profissional vinculadas ao sistema sindical e entidades sem fins
tos integrada à educação profissional, garantindo acessibilidade à lucrativos de atendimento à pessoa com deficiência, com atuação
pessoa com deficiência; exclusiva na modalidade;
10.6) estimular a diversificação curricular da educação de jo- 11.7) expandir a oferta de financiamento estudantil à educação
vens e adultos, articulando a formação básica e a preparação para profissional técnica de nível médio oferecida em instituições priva-
o mundo do trabalho e estabelecendo inter-relações entre teoria e das de educação superior;
prática, nos eixos da ciência, do trabalho, da tecnologia e da cultura 11.8) institucionalizar sistema de avaliação da qualidade da
e cidadania, de forma a organizar o tempo e o espaço pedagógicos educação profissional técnica de nível médio das redes escolares
adequados às características desses alunos e alunas; públicas e privadas;
10.7) fomentar a produção de material didático, o desenvolvi- 11.9) expandir o atendimento do ensino médio gratuito inte-
mento de currículos e metodologias específicas, os instrumentos grado à formação profissional para as populações do campo e para
de avaliação, o acesso a equipamentos e laboratórios e a formação as comunidades indígenas e quilombolas, de acordo com os seus
continuada de docentes das redes públicas que atuam na educação interesses e necessidades;
de jovens e adultos articulada à educação profissional; 11.10) expandir a oferta de educação profissional técnica de
10.8) fomentar a oferta pública de formação inicial e continu- nível médio para as pessoas com deficiência, transtornos globais do
ada para trabalhadores e trabalhadoras articulada à educação de desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação;
jovens e adultos, em regime de colaboração e com apoio de entida- 11.11) elevar gradualmente a taxa de conclusão média dos cur-
des privadas de formação profissional vinculadas ao sistema sindi- sos técnicos de nível médio na Rede Federal de Educação Profissio-
cal e de entidades sem fins lucrativos de atendimento à pessoa com nal, Científica e Tecnológica para 90% (noventa por cento) e elevar,
deficiência, com atuação exclusiva na modalidade; nos cursos presenciais, a relação de alunos (as) por professor para
10.9) institucionalizar programa nacional de assistência ao es- 20 (vinte);
tudante, compreendendo ações de assistência social, financeira e 11.12) elevar gradualmente o investimento em programas de
de apoio psicopedagógico que contribuam para garantir o acesso, a assistência estudantil e mecanismos de mobilidade acadêmica, vi-
permanência, a aprendizagem e a conclusão com êxito da educação sando a garantir as condições necessárias à permanência dos (as)
de jovens e adultos articulada à educação profissional; estudantes e à conclusão dos cursos técnicos de nível médio;
10.10) orientar a expansão da oferta de educação de jovens e 11.13) reduzir as desigualdades étnico-raciais e regionais no
adultos articulada à educação profissional, de modo a atender às acesso e permanência na educação profissional técnica de nível
pessoas privadas de liberdade nos estabelecimentos penais, asse- médio, inclusive mediante a adoção de políticas afirmativas, na for-
gurando-se formação específica dos professores e das professoras e ma da lei;
implementação de diretrizes nacionais em regime de colaboração;

22
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

11.14) estruturar sistema nacional de informação profissional, 12.11) fomentar estudos e pesquisas que analisem a necessi-
articulando a oferta de formação das instituições especializadas em dade de articulação entre formação, currículo, pesquisa e mundo
educação profissional aos dados do mercado de trabalho e a con- do trabalho, considerando as necessidades econômicas, sociais e
sultas promovidas em entidades empresariais e de trabalhadores culturais do País;
12.12) consolidar e ampliar programas e ações de incentivo à
Meta 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior mobilidade estudantil e docente em cursos de graduação e pós-gra-
para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e duação, em âmbito nacional e internacional, tendo em vista o enri-
três por cento) da população de 18 (dezoito) a 24 (vinte e quatro) quecimento da formação de nível superior;
anos, assegurada a qualidade da oferta e expansão para, pelo me- 12.13) expandir atendimento específico a populações do cam-
nos, 40% (quarenta por cento) das novas matrículas, no segmento po e comunidades indígenas e quilombolas, em relação a acesso,
público. permanência, conclusão e formação de profissionais para atuação
nessas populações;
Estratégias: 12.14) mapear a demanda e fomentar a oferta de formação
12.1) otimizar a capacidade instalada da estrutura física e de de pessoal de nível superior, destacadamente a que se refere à
recursos humanos das instituições públicas de educação superior, formação nas áreas de ciências e matemática, considerando as ne-
mediante ações planejadas e coordenadas, de forma a ampliar e cessidades do desenvolvimento do País, a inovação tecnológica e a
interiorizar o acesso à graduação; melhoria da qualidade da educação básica;
12.2) ampliar a oferta de vagas, por meio da expansão e inte- 12.15) institucionalizar programa de composição de acervo di-
riorização da rede federal de educação superior, da Rede Federal de gital de referências bibliográficas e audiovisuais para os cursos de
Educação Profissional, Científica e Tecnológica e do sistema Univer- graduação, assegurada a acessibilidade às pessoas com deficiência;
sidade Aberta do Brasil, considerando a densidade populacional, a 12.16) consolidar processos seletivos nacionais e regionais
oferta de vagas públicas em relação à população na idade de refe- para acesso à educação superior como forma de superar exames
rência e observadas as características regionais das micro e mesor- vestibulares isolados;
regiões definidas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e 12.17) estimular mecanismos para ocupar as vagas ociosas em
Estatística - IBGE, uniformizando a expansão no território nacional; cada período letivo na educação superior pública;
12.3) elevar gradualmente a taxa de conclusão média dos cur- 12.18) estimular a expansão e reestruturação das instituições
sos de graduação presenciais nas universidades públicas para 90% de educação superior estaduais e municipais cujo ensino seja gra-
(noventa por cento), ofertar, no mínimo, um terço das vagas em cur- tuito, por meio de apoio técnico e financeiro do Governo Federal,
sos noturnos e elevar a relação de estudantes por professor (a) para mediante termo de adesão a programa de reestruturação, na forma
18 (dezoito), mediante estratégias de aproveitamento de créditos e de regulamento, que considere a sua contribuição para a amplia-
inovações acadêmicas que valorizem a aquisição de competências ção de vagas, a capacidade fiscal e as necessidades dos sistemas de
de nível superior; ensino dos entes mantenedores na oferta e qualidade da educação
12.4) fomentar a oferta de educação superior pública e gratuita básica;
prioritariamente para a formação de professores e professoras para 12.19) reestruturar com ênfase na melhoria de prazos e qua-
a educação básica, sobretudo nas áreas de ciências e matemática, lidade da decisão, no prazo de 2 (dois) anos, os procedimentos
bem como para atender ao défice de profissionais em áreas espe- adotados na área de avaliação, regulação e supervisão, em relação
cíficas; aos processos de autorização de cursos e instituições, de reconheci-
12.5) ampliar as políticas de inclusão e de assistência estudantil mento ou renovação de reconhecimento de cursos superiores e de
dirigidas aos (às) estudantes de instituições públicas, bolsistas de credenciamento ou recredenciamento de instituições, no âmbito
instituições privadas de educação superior e beneficiários do Fundo do sistema federal de ensino;
de Financiamento Estudantil - FIES, de que trata a Lei no 10.260, 12.20) ampliar, no âmbito do Fundo de Financiamento ao Es-
de 12 de julho de 2001, na educação superior, de modo a reduzir tudante do Ensino Superior - FIES, de que trata a Lei nº 10.260,
as desigualdades étnico-raciais e ampliar as taxas de acesso e per- de 12 de julho de 2001, e do Programa Universidade para Todos -
manência na educação superior de estudantes egressos da escola PROUNI, de que trata a Lei no 11.096, de 13 de janeiro de 2005, os
pública, afrodescendentes e indígenas e de estudantes com defici- benefícios destinados à concessão de financiamento a estudantes
ência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades regularmente matriculados em cursos superiores presenciais ou a
ou superdotação, de forma a apoiar seu sucesso acadêmico; distância, com avaliação positiva, de acordo com regulamentação
12.6) expandir o financiamento estudantil por meio do Fundo
própria, nos processos conduzidos pelo Ministério da Educação;
de Financiamento Estudantil - FIES, de que trata a Lei no 10.260,
12.21) fortalecer as redes físicas de laboratórios multifuncio-
de 12 de julho de 2001, com a constituição de fundo garantidor do
nais das IES e ICTs nas áreas estratégicas definidas pela política e
financiamento, de forma a dispensar progressivamente a exigência
estratégias nacionais de ciência, tecnologia e inovação.
de fiador;
12.7) assegurar, no mínimo, 10% (dez por cento) do total de
Meta 13: elevar a qualidade da educação superior e ampliar
créditos curriculares exigidos para a graduação em programas e
a proporção de mestres e doutores do corpo docente em efetivo
projetos de extensão universitária, orientando sua ação, prioritaria-
exercício no conjunto do sistema de educação superior para 75%
mente, para áreas de grande pertinência social;
(setenta e cinco por cento), sendo, do total, no mínimo, 35% (trinta
12.8) ampliar a oferta de estágio como parte da formação na
educação superior; e cinco por cento) doutores.
12.9) ampliar a participação proporcional de grupos historica-
mente desfavorecidos na educação superior, inclusive mediante a Estratégias:
adoção de políticas afirmativas, na forma da lei; 13.1) aperfeiçoar o Sistema Nacional de Avaliação da Educação
12.10) assegurar condições de acessibilidade nas instituições Superior - SINAES, de que trata a Lei no 10.861, de 14 de abril de
de educação superior, na forma da legislação; 2004, fortalecendo as ações de avaliação, regulação e supervisão;

23
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

13.2) ampliar a cobertura do Exame Nacional de Desempenho 14.5) implementar ações para reduzir as desigualdades étni-
de Estudantes - ENADE, de modo a ampliar o quantitativo de es- co-raciais e regionais e para favorecer o acesso das populações do
tudantes e de áreas avaliadas no que diz respeito à aprendizagem campo e das comunidades indígenas e quilombolas a programas de
resultante da graduação; mestrado e doutorado;
13.3) induzir processo contínuo de autoavaliação das institui- 14.6) ampliar a oferta de programas de pós-graduação stricto
ções de educação superior, fortalecendo a participação das comis- sensu, especialmente os de doutorado, nos campi novos abertos
sões próprias de avaliação, bem como a aplicação de instrumentos em decorrência dos programas de expansão e interiorização das
de avaliação que orientem as dimensões a serem fortalecidas, des- instituições superiores públicas;
tacando-se a qualificação e a dedicação do corpo docente; 14.7) manter e expandir programa de acervo digital de referên-
13.4) promover a melhoria da qualidade dos cursos de pedago- cias bibliográficas para os cursos de pós-graduação, assegurada a
gia e licenciaturas, por meio da aplicação de instrumento próprio de acessibilidade às pessoas com deficiência;
avaliação aprovado pela Comissão Nacional de Avaliação da Educa- 14.8) estimular a participação das mulheres nos cursos de pós-
ção Superior - CONAES, integrando-os às demandas e necessidades -graduação stricto sensu, em particular aqueles ligados às áreas de
das redes de educação básica, de modo a permitir aos graduandos Engenharia, Matemática, Física, Química, Informática e outros no
a aquisição das qualificações necessárias a conduzir o processo pe- campo das ciências;
14.9) consolidar programas, projetos e ações que objetivem
dagógico de seus futuros alunos (as), combinando formação geral
a internacionalização da pesquisa e da pós-graduação brasileiras,
e específica com a prática didática, além da educação para as re-
incentivando a atuação em rede e o fortalecimento de grupos de
lações étnico-raciais, a diversidade e as necessidades das pessoas
pesquisa;
com deficiência;
14.10) promover o intercâmbio científico e tecnológico, na-
13.5) elevar o padrão de qualidade das universidades, direcio- cional e internacional, entre as instituições de ensino, pesquisa e
nando sua atividade, de modo que realizem, efetivamente, pes- extensão;
quisa institucionalizada, articulada a programas de pós-graduação 14.11) ampliar o investimento em pesquisas com foco em de-
stricto sensu; senvolvimento e estímulo à inovação, bem como incrementar a for-
13.6) substituir o Exame Nacional de Desempenho de Estudan- mação de recursos humanos para a inovação, de modo a buscar
tes - ENADE aplicado ao final do primeiro ano do curso de gradua- o aumento da competitividade das empresas de base tecnológica;
ção pelo Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM, a fim de apurar 14.12) ampliar o investimento na formação de doutores de
o valor agregado dos cursos de graduação; modo a atingir a proporção de 4 (quatro) doutores por 1.000 (mil)
13.7) fomentar a formação de consórcios entre instituições pú- habitantes;
blicas de educação superior, com vistas a potencializar a atuação 14.13) aumentar qualitativa e quantitativamente o desempe-
regional, inclusive por meio de plano de desenvolvimento institu- nho científico e tecnológico do País e a competitividade internacio-
cional integrado, assegurando maior visibilidade nacional e interna- nal da pesquisa brasileira, ampliando a cooperação científica com
cional às atividades de ensino, pesquisa e extensão; empresas, Instituições de Educação Superior - IES e demais Institui-
13.8) elevar gradualmente a taxa de conclusão média dos cur- ções Científicas e Tecnológicas - ICTs;
sos de graduação presenciais nas universidades públicas, de modo 14.14) estimular a pesquisa científica e de inovação e promover
a atingir 90% (noventa por cento) e, nas instituições privadas, 75% a formação de recursos humanos que valorize a diversidade regio-
(setenta e cinco por cento), em 2020, e fomentar a melhoria dos nal e a biodiversidade da região amazônica e do cerrado, bem como
resultados de aprendizagem, de modo que, em 5 (cinco) anos, pelo a gestão de recursos hídricos no semiárido para mitigação dos efei-
menos 60% (sessenta por cento) dos estudantes apresentem de- tos da seca e geração de emprego e renda na região;
sempenho positivo igual ou superior a 60% (sessenta por cento) 14.15) estimular a pesquisa aplicada, no âmbito das IES e das
no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes - ENADE e, no ICTs, de modo a incrementar a inovação e a produção e registro de
último ano de vigência, pelo menos 75% (setenta e cinco por cento) patentes.
dos estudantes obtenham desempenho positivo igual ou superior
a 75% (setenta e cinco por cento) nesse exame, em cada área de Meta 15: garantir, em regime de colaboração entre a União, os
Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de 1 (um) ano
formação profissional;
de vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissio-
13.9) promover a formação inicial e continuada dos (as) profis-
nais da educação de que tratam os incisos I, II e III do caput do art.
sionais técnico-administrativos da educação superior.
61 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, assegurado que
todos os professores e as professoras da educação básica possuam
Meta 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós- formação específica de nível superior, obtida em curso de licencia-
-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de tura na área de conhecimento em que atuam.
60.000 (sessenta mil) mestres e 25.000 (vinte e cinco mil) doutores.
Estratégias:
Estratégias: 15.1) atuar, conjuntamente, com base em plano estratégico
14.1) expandir o financiamento da pós-graduação stricto sensu que apresente diagnóstico das necessidades de formação de profis-
por meio das agências oficiais de fomento; sionais da educação e da capacidade de atendimento, por parte de
14.2) estimular a integração e a atuação articulada entre a Co- instituições públicas e comunitárias de educação superior existen-
ordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CA- tes nos Estados, Distrito Federal e Municípios, e defina obrigações
PES e as agências estaduais de fomento à pesquisa; recíprocas entre os partícipes;
14.3) expandir o financiamento estudantil por meio do Fies à
pós-graduação stricto sensu;
14.4) expandir a oferta de cursos de pós-graduação stricto
sensu, utilizando inclusive metodologias, recursos e tecnologias de
educação a distância;

24
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

15.2) consolidar o financiamento estudantil a estudantes ma- Estratégias:


triculados em cursos de licenciatura com avaliação positiva pelo 16.1) realizar, em regime de colaboração, o planejamento es-
Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES, na tratégico para dimensionamento da demanda por formação con-
forma da Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004, inclusive a amor- tinuada e fomentar a respectiva oferta por parte das instituições
tização do saldo devedor pela docência efetiva na rede pública de públicas de educação superior, de forma orgânica e articulada às
educação básica; políticas de formação dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni-
15.3) ampliar programa permanente de iniciação à docência a cípios;
estudantes matriculados em cursos de licenciatura, a fim de apri- 16.2) consolidar política nacional de formação de professores e
morar a formação de profissionais para atuar no magistério da edu- professoras da educação básica, definindo diretrizes nacionais, áre-
cação básica; as prioritárias, instituições formadoras e processos de certificação
15.4) consolidar e ampliar plataforma eletrônica para organizar das atividades formativas;
a oferta e as matrículas em cursos de formação inicial e continuada 16.3) expandir programa de composição de acervo de obras
de profissionais da educação, bem como para divulgar e atualizar didáticas, paradidáticas e de literatura e de dicionários, e programa
seus currículos eletrônicos; específico de acesso a bens culturais, incluindo obras e materiais
15.5) implementar programas específicos para formação de produzidos em Libras e em Braille, sem prejuízo de outros, a serem
profissionais da educação para as escolas do campo e de comunida- disponibilizados para os professores e as professoras da rede públi-
ca de educação básica, favorecendo a construção do conhecimento
des indígenas e quilombolas e para a educação especial;
e a valorização da cultura da investigação;
15.6) promover a reforma curricular dos cursos de licenciatura
16.4) ampliar e consolidar portal eletrônico para subsidiar
e estimular a renovação pedagógica, de forma a assegurar o foco no
a atuação dos professores e das professoras da educação básica,
aprendizado do (a) aluno (a), dividindo a carga horária em formação
disponibilizando gratuitamente materiais didáticos e pedagógicos
geral, formação na área do saber e didática específica e incorpo- suplementares, inclusive aqueles com formato acessível;
rando as modernas tecnologias de informação e comunicação, em 16.5) ampliar a oferta de bolsas de estudo para pós-graduação
articulação com a base nacional comum dos currículos da educação dos professores e das professoras e demais profissionais da educa-
básica, de que tratam as estratégias 2.1, 2.2, 3.2 e 3.3 deste PNE; ção básica;
15.7) garantir, por meio das funções de avaliação, regulação e 16.6) fortalecer a formação dos professores e das professoras
supervisão da educação superior, a plena implementação das res- das escolas públicas de educação básica, por meio da implementa-
pectivas diretrizes curriculares; ção das ações do Plano Nacional do Livro e Leitura e da instituição
15.8) valorizar as práticas de ensino e os estágios nos cursos de de programa nacional de disponibilização de recursos para acesso a
formação de nível médio e superior dos profissionais da educação, bens culturais pelo magistério público.
visando ao trabalho sistemático de articulação entre a formação
acadêmica e as demandas da educação básica; Meta 17: valorizar os (as) profissionais do magistério das redes
15.9) implementar cursos e programas especiais para assegu- públicas de educação básica de forma a equiparar seu rendimento
rar formação específica na educação superior, nas respectivas áreas médio ao dos (as) demais profissionais com escolaridade equivalen-
de atuação, aos docentes com formação de nível médio na modali- te, até o final do sexto ano de vigência deste PNE.
dade normal, não licenciados ou licenciados em área diversa da de
atuação docente, em efetivo exercício; Estratégias:
15.10) fomentar a oferta de cursos técnicos de nível médio e 17.1) constituir, por iniciativa do Ministério da Educação, até
tecnológicos de nível superior destinados à formação, nas respecti- o final do primeiro ano de vigência deste PNE, fórum permanente,
vas áreas de atuação, dos (as) profissionais da educação de outros com representação da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos
segmentos que não os do magistério; Municípios e dos trabalhadores da educação, para acompanhamen-
15.11) implantar, no prazo de 1 (um) ano de vigência desta Lei, to da atualização progressiva do valor do piso salarial nacional para
política nacional de formação continuada para os (as) profissionais os profissionais do magistério público da educação básica;
da educação de outros segmentos que não os do magistério, cons- 17.2) constituir como tarefa do fórum permanente o acompa-
truída em regime de colaboração entre os entes federados; nhamento da evolução salarial por meio de indicadores da Pesquisa
Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, periodicamente divul-
15.12) instituir programa de concessão de bolsas de estudos
gados pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
para que os professores de idiomas das escolas públicas de edu-
- IBGE;
cação básica realizem estudos de imersão e aperfeiçoamento nos
17.3) implementar, no âmbito da União, dos Estados, do Dis-
países que tenham como idioma nativo as línguas que lecionem;
trito Federal e dos Municípios, planos de Carreira para os (as) pro-
15.13) desenvolver modelos de formação docente para a edu- fissionais do magistério das redes públicas de educação básica, ob-
cação profissional que valorizem a experiência prática, por meio da servados os critérios estabelecidos na Lei no 11.738, de 16 de julho
oferta, nas redes federal e estaduais de educação profissional, de de 2008, com implantação gradual do cumprimento da jornada de
cursos voltados à complementação e certificação didático-pedagó- trabalho em um único estabelecimento escolar;
gica de profissionais experientes. 17.4) ampliar a assistência financeira específica da União aos
entes federados para implementação de políticas de valorização
Meta 16: formar, em nível de pós-graduação, 50% (cinquenta dos (as) profissionais do magistério, em particular o piso salarial
por cento) dos professores da educação básica, até o último ano nacional profissional.
de vigência deste PNE, e garantir a todos (as) os (as) profissionais
da educação básica formação continuada em sua área de atuação,
considerando as necessidades, demandas e contextualizações dos
sistemas de ensino.

25
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Meta 18: assegurar, no prazo de 2 (dois) anos, a existência de 19.2) ampliar os programas de apoio e formação aos (às) con-
planos de Carreira para os (as) profissionais da educação básica e selheiros (as) dos conselhos de acompanhamento e controle social
superior pública de todos os sistemas de ensino e, para o plano de do Fundeb, dos conselhos de alimentação escolar, dos conselhos
Carreira dos (as) profissionais da educação básica pública, tomar regionais e de outros e aos (às) representantes educacionais em de-
como referência o piso salarial nacional profissional, definido em mais conselhos de acompanhamento de políticas públicas, garan-
lei federal, nos termos do inciso VIII do art. 206 da Constituição Fe- tindo a esses colegiados recursos financeiros, espaço físico adequa-
deral. do, equipamentos e meios de transporte para visitas à rede escolar,
Estratégias: com vistas ao bom desempenho de suas funções;
18.1) estruturar as redes públicas de educação básica de modo
que, até o início do terceiro ano de vigência deste PNE, 90% (no- 19.3) incentivar os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
venta por cento), no mínimo, dos respectivos profissionais do ma- a constituírem Fóruns Permanentes de Educação, com o intuito de
gistério e 50% (cinquenta por cento), no mínimo, dos respectivos coordenar as conferências municipais, estaduais e distrital bem
profissionais da educação não docentes sejam ocupantes de cargos como efetuar o acompanhamento da execução deste PNE e dos
de provimento efetivo e estejam em exercício nas redes escolares a seus planos de educação;
que se encontrem vinculados; 19.4) estimular, em todas as redes de educação básica, a cons-
18.2) implantar, nas redes públicas de educação básica e supe- tituição e o fortalecimento de grêmios estudantis e associações de
rior, acompanhamento dos profissionais iniciantes, supervisionados pais, assegurando-se-lhes, inclusive, espaços adequados e condi-
por equipe de profissionais experientes, a fim de fundamentar, com ções de funcionamento nas escolas e fomentando a sua articulação
base em avaliação documentada, a decisão pela efetivação após o orgânica com os conselhos escolares, por meio das respectivas re-
estágio probatório e oferecer, durante esse período, curso de apro- presentações;
fundamento de estudos na área de atuação do (a) professor (a), 19.5) estimular a constituição e o fortalecimento de conselhos
com destaque para os conteúdos a serem ensinados e as metodolo- escolares e conselhos municipais de educação, como instrumentos
gias de ensino de cada disciplina; de participação e fiscalização na gestão escolar e educacional, inclu-
18.3) realizar, por iniciativa do Ministério da Educação, a cada sive por meio de programas de formação de conselheiros, assegu-
2 (dois) anos a partir do segundo ano de vigência deste PNE, prova rando-se condições de funcionamento autônomo;
nacional para subsidiar os Estados, o Distrito Federal e os Municí- 19.6) estimular a participação e a consulta de profissionais da
pios, mediante adesão, na realização de concursos públicos de ad- educação, alunos (as) e seus familiares na formulação dos projetos
missão de profissionais do magistério da educação básica pública; político-pedagógicos, currículos escolares, planos de gestão escolar
18.4) prever, nos planos de Carreira dos profissionais da edu- e regimentos escolares, assegurando a participação dos pais na ava-
cação dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, licenças liação de docentes e gestores escolares;
remuneradas e incentivos para qualificação profissional, inclusive 19.7) favorecer processos de autonomia pedagógica, adminis-
em nível de pós-graduação stricto sensu; trativa e de gestão financeira nos estabelecimentos de ensino;
18.5) realizar anualmente, a partir do segundo ano de vigência 19.8) desenvolver programas de formação de diretores e gesto-
deste PNE, por iniciativa do Ministério da Educação, em regime de res escolares, bem como aplicar prova nacional específica, a fim de
colaboração, o censo dos (as) profissionais da educação básica de subsidiar a definição de critérios objetivos para o provimento dos
outros segmentos que não os do magistério; cargos, cujos resultados possam ser utilizados por adesão.
18.6) considerar as especificidades socioculturais das escolas
do campo e das comunidades indígenas e quilombolas no provi- Meta 20: ampliar o investimento público em educação pública
mento de cargos efetivos para essas escolas; de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do
18.7) priorizar o repasse de transferências federais voluntárias, Produto Interno Bruto - PIB do País no 5o (quinto) ano de vigência
na área de educação, para os Estados, o Distrito Federal e os Muni- desta Lei e, no mínimo, o equivalente a 10% (dez por cento) do PIB
cípios que tenham aprovado lei específica estabelecendo planos de ao final do decênio.
Carreira para os (as) profissionais da educação;
18.8) estimular a existência de comissões permanentes de pro- Estratégias:
fissionais da educação de todos os sistemas de ensino, em todas as 20.1) garantir fontes de financiamento permanentes e sus-
instâncias da Federação, para subsidiar os órgãos competentes na tentáveis para todos os níveis, etapas e modalidades da educação
elaboração, reestruturação e implementação dos planos de Carrei- básica, observando-se as políticas de colaboração entre os entes
ra. federados, em especial as decorrentes do art. 60 do Ato das Dis-
posições Constitucionais Transitórias e do § 1o do art. 75 da Lei no
Meta 19: assegurar condições, no prazo de 2 (dois) anos, para a
9.394, de 20 de dezembro de 1996, que tratam da capacidade de
efetivação da gestão democrática da educação, associada a critérios
atendimento e do esforço fiscal de cada ente federado, com vistas a
técnicos de mérito e desempenho e à consulta pública à comuni-
atender suas demandas educacionais à luz do padrão de qualidade
dade escolar, no âmbito das escolas públicas, prevendo recursos e
nacional;
apoio técnico da União para tanto.
20.2) aperfeiçoar e ampliar os mecanismos de acompanha-
mento da arrecadação da contribuição social do salário-educação;
Estratégias:
20.3) destinar à manutenção e desenvolvimento do ensino,
19.1) priorizar o repasse de transferências voluntárias da União
em acréscimo aos recursos vinculados nos termos do art. 212 da
na área da educação para os entes federados que tenham aprova-
Constituição Federal, na forma da lei específica, a parcela da partici-
do legislação específica que regulamente a matéria na área de sua
abrangência, respeitando-se a legislação nacional, e que considere, pação no resultado ou da compensação financeira pela exploração
conjuntamente, para a nomeação dos diretores e diretoras de esco- de petróleo e gás natural e outros recursos, com a finalidade de
la, critérios técnicos de mérito e desempenho, bem como a partici- cumprimento da meta prevista no inciso VI do caput do art. 214 da
pação da comunidade escolar; Constituição Federal;

26
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

20.4) fortalecer os mecanismos e os instrumentos que assegu-


rem, nos termos do parágrafo único do art. 48 da Lei Complementar DIDÁTICA. METODOLOGIA DO ENSINO
no 101, de 4 de maio de 2000, a transparência e o controle social
na utilização dos recursos públicos aplicados em educação, espe- A orientação educacional visa a proporcionar ao aluno com-
cialmente a realização de audiências públicas, a criação de portais pleta integração com a Escola, tanto no âmbito educacional quanto
eletrônicos de transparência e a capacitação dos membros de con- no social.
selhos de acompanhamento e controle social do Fundeb, com a co- Seu objetivo maior é enfatizar o crescimento individual, aju-
laboração entre o Ministério da Educação, as Secretarias de Educa- dando o aluno a construir e assumir sua personalidade, encontran-
ção dos Estados e dos Municípios e os Tribunais de Contas da União, do uma forma de expressá-la socialmente, e possibilitar-lhe um
dos Estados e dos Municípios; clima propício ao seu desenvolvimento. É criar condições para que
o aluno assimile profundamente todas as informações – conside-
20.5) desenvolver, por meio do Instituto Nacional de Estudos e rando-se a necessidade de receber o ensinamento de forma signifi-
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, estudos e acompanha- cativa –, levando-o à especulação, ao confronto.
mento regular dos investimentos e custos por aluno da educação O que se pretende é dar ao aluno condições para uma forma-
básica e superior pública, em todas as suas etapas e modalidades; ção plena: além da informação, da construção e da troca de conhe-
20.6) no prazo de 2 (dois) anos da vigência deste PNE, será im- cimento, o aluno tem oportunidade de participar de atividades cul-
plantado o Custo Aluno-Qualidade inicial - CAQi, referenciado no turais e esportivas, descobrindo sua criatividade, suas tendências,
conjunto de padrões mínimos estabelecidos na legislação educacio- seus gostos e desenvolvendo-os plenamente.
Dessa forma, propicia-se ao aluno – levando-se em conta suas
nal e cujo financiamento será calculado com base nos respectivos
dificuldades e seus anseios – um contato profundo e constante com
insumos indispensáveis ao processo de ensino-aprendizagem e será
o mundo que o cerca, capacitando-o a estabelecer um vínculo signi-
progressivamente reajustado até a implementação plena do Custo
ficativo com a realidade e a transpor barreiras, a fim de preparar-se
Aluno Qualidade - CAQ;
solidamente para a vida futura.
20.7) implementar o Custo Aluno Qualidade - CAQ como pa-
râmetro para o financiamento da educação de todas etapas e Didática
modalidades da educação básica, a partir do cálculo e do acom-
panhamento regular dos indicadores de gastos educacionais com O papel da Didática na formação de professores foi muito bem
investimentos em qualificação e remuneração do pessoal docente e tratado por Cipriano Luckesi e alguns conceitos que seguem são um
dos demais profissionais da educação pública, em aquisição, manu- resumo de seu pensamento sobre o tema.
tenção, construção e conservação de instalações e equipamentos A didática para assumir um papel significativo na formação do
necessários ao ensino e em aquisição de material didático-escolar, educador não poderá reduzir-se e dedicar-se somente ao ensino
alimentação e transporte escolar; de meios e mecanismos pelos quais desenvolver um processo de
20.8) o CAQ será definido no prazo de 3 (três) anos e será conti- ensino -aprendizagem, e sim, deverá ser um modo crítico de de-
nuamente ajustado, com base em metodologia formulada pelo Mi- senvolver uma prática educativa forjadora de um projeto histórico,
nistério da Educação - MEC, e acompanhado pelo Fórum Nacional que não será feito tão somente pelo educador, mas, por ele conjun-
de Educação - FNE, pelo Conselho Nacional de Educação - CNE e tamente com o educando e outros membros dos diversos setores
pelas Comissões de Educação da Câmara dos Deputados e de Edu- da sociedade. A didática deve servir como mecanismo de tradução
cação, Cultura e Esportes do Senado Federal; prática, no exercício educativo, de decisões filosófico- políticas e
20.9) regulamentar o parágrafo único do art. 23 e o art. 211 da epistemológicas de um projeto histórico de desenvolvimento do
Constituição Federal, no prazo de 2 (dois) anos, por lei complemen- povo. Ao exercer seu papel específico estará apresentando-se como
tar, de forma a estabelecer as normas de cooperação entre a União, o mecanismo tradutor de posturas teóricas em práticas educativas.
os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, em matéria educa- Existem alguns erros básicos que alguns professores cometem
cional, e a articulação do sistema nacional de educação em regime ao dar uma aula. Um deles é explicar o assunto dado enquanto os
de colaboração, com equilíbrio na repartição das responsabilidades alunos ainda estão copiando o que está no quadro negro. Esses e
e dos recursos e efetivo cumprimento das funções redistributiva e outros erros são comuns de acontecer e pioram o rendimento ge-
supletiva da União no combate às desigualdades educacionais re- ral da turma. O aluno não consegue assimilar tudo que o professor
passa e aí começam os problemas: aulas muito longas, mal dadas e
gionais, com especial atenção às regiões Norte e Nordeste;
cansativas; cursos que possuem aula no período integral começam
20.10) caberá à União, na forma da lei, a complementação de
a ficar desestimulantes. Professores brilhantes mas, que não conse-
recursos financeiros a todos os Estados, ao Distrito Federal e aos
guem ensinar o conteúdo de uma matéria de maneira clara, rápida
Municípios que não conseguirem atingir o valor do CAQi e, poste-
e simples; os alunos começam a achar a disciplina difícil e, conse-
riormente, do CAQ; quentemente, culpam os professores por não conseguirem acom-
20.11) aprovar, no prazo de 1 (um) ano, Lei de Responsabili- panhar as matérias, tentam estudar por conta própria, deixando de
dade Educacional, assegurando padrão de qualidade na educação lado o diálogo aberto com o mestre. Isso mostra claramente que
básica, em cada sistema e rede de ensino, aferida pelo processo um erro leva a outro. O diálogo pessoal entre professor/aluno, às
de metas de qualidade aferidas por institutos oficiais de avaliação vezes, é mais importante até que o fato do aluno saber de cor uma
educacionais; matéria, pois nada substitui a maior experiência. Idéias e dicas im-
20.12) definir critérios para distribuição dos recursos adicionais portantes podem surgir até mesmo de uma simples conversa e esta
dirigidos à educação ao longo do decênio, que considerem a equali- liquida qualquer tipo de antipatia que possa ser criada em virtude
zação das oportunidades educacionais, a vulnerabilidade socioeco- de aulas ruins.
nômica e o compromisso técnico e de gestão do sistema de ensino,
a serem pactuados na instância prevista no § 5o do art. 7odesta Lei.

27
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Mas isso está mudando, em todos os setores da educação. p.27), “[…] compreendo o educador como um sujeito, que, conjun-
Os professores estão se qualificando cada vez mais e se você for tamente com outros sujeitos, constrói, em seu agir, um projeto his-
um mal professor tome cuidado: quando acabar a burocracia para tórico de desenvolvimento do povo, que se traduz e se executa em
contratação de novos professores no setor público o seu emprego um projeto pedagógico”.
estará por um fio e os alunos pedirão seu afastamento. Deixando claro que o educador e a educação não mudam to-
Para uma aula ser proveitosa para ambos, eis umas dicas: talmente e nem criam um modelo social, ambos se adequam em
- As aulas devem ser curtas e extremamente objetivas. busca de melhorias para alguns problemas existentes no meio, até
- Antes de cada aula, dê uma visão geral do que vai ser ensina- porque nossa sociedade é regida por diretrizes vindas do centro do
do, sem medo de adiantar assuntos que os alunos desconhecem. poder. Já como objeto da história o educador sofre as ações dos
- Faça analogias com outros assuntos, instigando o aluno a movimentos sociais, sem participação efetiva na construção da
pensar antecipadamente. mesma, para Luckesi (1982) esse tipo de professor não desempe-
- Explique os assuntos numa seqüência lógica e didática. nha o seu papel, na sua autenticidade, diríamos que o educador é
- Mostre para a turma qual a utilidade e a freqüência de uso um ser humano envolvido na prática histórica transformadora. A
de cada item, fórmula, lição… explique a finalidade de cada item na partir disso podemos dizer que o professor pode ser um formador
sua vida profissional, para motivá-los. de opiniões e não somente um transmissor de idéias ou conteúdos.
- Utilize os mais variados recursos computacionais, slides, re-
troprojetores, laboratórios, Internet… · Relação professor-aluno
- Programe o que vai ser ensinado, planejando o que vai ser
desenhado, quadro a quadro. Já tratamos das personagens aluno e professor anteriormente.
- Evite aulas técnicas demais. Conduza-a de uma maneira que Entretanto, ambos foram mencionados de forma isolada e peculiar.
os alunos entendam, pois eles, supostamente, nunca viram o as- Este subtema surge com o propósito de levantar uma análise críti-
sunto antes. ca em referência à relação professor-aluno em ambiente didático,
- Evite muita álgebra, exemplos numéricos são mais didáticos estabelecendo conexões histórico-sociais que até hoje semeiam e
que letras. Evite também o excesso de exemplos e exercícios repe- caracterizam a educação brasileira, a maior delas tida como a Pe-
tidos. Faça exercícios variados, que estimulem a criatividade e que dagogia Tradicional, a qual é encarada por Freire (1983) como uma
tenham aplicação na prática. educação de consciência bancária.
- Controle o desempenho e a freqüência de cada um, seja ami- O professor ainda é um ser superior que ensina a ignorantes.
go, saiba o nome deles. Muitos podem ser parceiros no futuro. Isto forma uma consciência bancária. O educando recebe passiva-
- Revise sempre o que foi dado. Revisões rápidas são importan- mente os conhecimentos, tornando-se um depósito do educador.
tes porque mostram a evolução da disciplina. · Procure passar sua Educa-se para arquivar o que se deposita (FREIRE, 1979, p. 38).
experiência prática profissional. Acerca desse questionamento de Freire (1979) está explícita
- Encontre seu jeito pessoal de se expressar. também a relação de submissão dos alunos em relação à autori-
- Procure passar formação humanística. dade do professor, autoridade esta que muitas vezes é confundida
com autoritarismo, e que associada às normas disciplinares rígidas
O aluno no processo educacional é visto como um fator essen- da escola – a qual também possui papel fundamental na formação,
cial para a construção do conhecimento, e não só como um mero uma vez que esta é a instituição que delimita as normas de conduta
recebedor de conteúdos. A busca pelo saber não está ligado ex- na educação – implicam na perda de autonomia por parte do aluno
clusivamente no ato de ouvir, copiar e fazer exercícios, pois nes- no processo ensino-aprendizagem.
te aspecto metodológico os alunos devem permanecer calados e Para ilustrar este fato, recorremos ao baú de nossas memórias,
quietos em suas carteiras, entretanto, é possível realizar vários ti- pois acreditamos que a maioria já deva ter presenciado esta situa-
pos de propostas que pressupõem a participação ativa do aluno e ção bem característica da Pedagogia Tradicional, que consiste em
não se limitar apenas aos aspectos intelectuais ou a memorização descrever um ambiente de sala de aula ocupado pelo professor e
de conteúdos julgados como relevantes, segundo Reznike e Ayres seus respectivos alunos.
(1986 apud CANDAU, 1988, p. 121), “Quando falamos em reavalia- Esta situação é verídica até os dias de hoje em nossas escolas,
ção crítica, estamos atendendo não só para o processo em si do ato inclusive, na maior parte delas, já que nessas classes de aula sem-
educativo, mas também para tudo aquilo que os alunos já trazem pre encontramos as carteiras dos alunos dispostas em colunas e
enquanto vivência, enquanto formação cultural”. bem ao centro da sala fica a mesa do professor, que ocupa o centro
Partindo desse pressuposto podemos dizer que o educando para privilegiar o acesso a uma visão ampla de todo o corpo estu-
pode despertar a sua criticidade a partir do momento em que se dantil, impondo a estes sua disciplina e autoridade, uma das razões
deixa envolver pelas questões políticas, sociais e culturais relevan- que leva o aluno a ver o professor como uma figura detentora do
tes que existem no meio em que vive, e leva essas discussões para conhecimento, conforme argumenta Freire (1983), em suas aná-
dentro da sala de aula, interagindo com os demais, formando inú- lises sobre a consciência bancária, expressão já descrita anterior-
meras opiniões com relação ao contexto social, político e cultural mente no início deste subtema.
no qual está inserido. É necessário refletir acerca deste cenário real, pois que esta-
mos discutindo a didática no processo de ensino-aprendizagem
Professor: sujeito ou objeto da história? e para isto torna-se imprescindível a compreensão dos fatos e a
A priori podemos definir o educador como sujeito da história disposição da sociedade, principalmente os órgãos de ensino a
ou objeto da mesma, onde ele se torna sujeito a partir do momen- repensarem seus métodos de parâmetros educacionais, a fim de
to em que participa da história de desenvolvimento do povo, agin- promover uma educação renovada em aspectos sociais, políticos
do juntamente com os demais, engajado nos movimentos sociais, e culturais concretizados por Freire em seu livro Educação e Mu-
construindo aparatos de ensino como fonte inovadora na busca dança, onde ele afirma que o destino do homem deve ser criar e
pelo conhecimento. Conforme Luckesi (1982 apud CANDAU, 1982, transformar o mundo, sendo o sujeito de sua ação.

28
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

O processo de ensino-aprendizagem Esse processo possibilitará a elas modificarem seus conhecimen-


tos prévios, matizá-los, ampliá-los ou diferenciá-los em função de
Vários são os fatores que afetam o processo de ensino-apren- novas informações, capacitando-as a realizar novas aprendizagens,
dizagem, e a formação dos educadores é um deles e que tem papel tornando-as significativas.
fundamental no que se refere a este processo. É, portanto, função do professor considerar, como ponto de
Essa formação tem passado por um momento de revisão no partida para sua ação educativa, os conhecimentos que as crianças
que se diz respeito ao papel exercido pela educação na sociedade, possuem, advindos das mais variadas experiências sociais, afetivas
pois é percebível a falta de clareza sobre essa função de educador e cognitivas a que estão expostas. Detectar os conhecimentos pré-
(VEIGA, 2005) vios das crianças não é uma tarefa fácil. Implica que o professor
Ainda hoje existem muitos que considerem a educação como estabeleça estratégias didáticas para fazê-lo. Quanto menores são
um elemento de transformação social, e para que esse quadro mo- as crianças, mais difícil é a explicitação de tais conhecimentos, uma
difique-se, faz-se necessário uma reflexão pedagógica, na qual bus- vez que elas não se comunicam verbalmente. A observação acu-
que questionar essa visão tradicional(FREIRE, 1978). rada das crianças é um instrumento essencial nesse processo. Os
Deste modo, fica evidente que a formação dos educadores nes- gestos, movimentos corporais, sons produzidos, expressões faciais,
as brincadeiras e toda forma de expressão, representação e comu-
se contexto é entendida meramente como conservadora e repro-
nicação devem ser consideradas como fonte de conhecimento para
dutora do sistema educacional vigente, ficando notório que esses
o professor sobre o que a criança já sabe. Com relação às crianças
educadores são tidos apenas como aliados à lei da manutenção da
maiores, podem-se também criar situações intencionais nas quais
estrutura social, ou seja, um suporte às ideologias da superestru-
elas sejam capazes de explicitar seus conhecimentos por meio das
tura e não como um elemento mobilizador de sua transformação. diversas linguagens a que têm acesso.
Destas análises emerge com clareza o papel conservador e re-
produtor do sistema educacional, verdadeiro aliado da manuten- Resolução de Problemas
ção da estrutura social, muito mais do que elemento mobilizador
de sua transformação (CANDAU, 1981). Nas situações de aprendizagem o problema adquire um senti-
Muitos desses educadores sentem uma sensação de angústia e do importante quando as crianças buscam soluções e discutem-nas
questionamento da própria razão de ser do engajamento profissio- com as outras crianças. Não se trata de situações que permitam
nal na área educativa, segundo Candau (1981). “aplicar” o que já se sabe, mas sim daquelas que possibilitam pro-
A didática para assumir um papel significativo na formação do duzir novos conhecimentos a partir dos que já se tem e em intera-
educador não poderá reduzir-se e dedicar-se somente ao ensino ção com novos desafios.
de meios e mecanismos pelos quais desenvolvem um processo de Neste processo, o professor deve reconhecer as diferentes so-
ensino-aprendizagem, e sim, deverá ser um modo crítico de desen- luções, socializando os resultados encontrados.
volver uma prática educativa forjadora de um projeto histórico, que
não será feito tão somente pelo educador, mas, por ele conjun- Proximidade com as práticas sociais reais
tamente com o educando e outros membros dos diversos setores
da sociedade. A didática deve servir como mecanismo de tradu- A prática educativa deve buscar situações de aprendizagens
ção prática, no exercício educativo, de decisões filosófico-políticas que reproduzam contextos cotidianos nos quais, por exemplo, es-
e epistemológicas de um projeto histórico de desenvolvimento crever, contar, ler, desenhar, procurar uma informação etc. tenha
do povo. Ao exercer seu papel específico estará apresentando-se uma função real. Isto é, escreve-se para guardar uma informação,
como o mecanismo tradutor de posturas teóricas em práticas edu- para enviar uma mensagem, contam-se tampinhas para fazer uma
cativas. Os métodos avaliativos constituem uma importância do coleção etc.
professor no papel de educador, qualificando seus métodos de for-
ma que o educando tenha seus princípios individuais respeitados, Aprender em situações orientadas
já nem sempre a realidade é igual para todos no que diz respeito
A organização de situações de aprendizagens orientadas ou
ao contexto social (OLIVEIRA, 1998). Portanto, é necessário rede-
que dependem de uma intervenção direta do professor permi-
senhar o educador, tornando-o um indivíduo compromissado com
te que as crianças trabalhem com diversos conhecimentos. Estas
um defensor de uma idéia mais igualitária, pois sabe que o estudan-
aprendizagens devem estar baseadas não apenas nas propostas
te na escola pública nada mais é que o povo na escola. Este novo
dos professores, mas, essencialmente, na escuta das crianças e na
educador seria aquele que encara a educação como uma proble- compreensão do papel que desempenham a experimentação e o
matizarão, que propõem aos homens sua própria vida como um erro na construção do conhecimento.
desafio a ser encarando, buscando a transformação. A intervenção do professor é necessária para que, na institui-
ção de educação infantil, as crianças possam, em situações de inte-
Aprendizagem significativa e conhecimentos prévios ração social ou sozinhas, ampliar suas capacidades de apropriação
dos conceitos, dos códigos sociais e das diferentes linguagens, por
Os assuntos trabalhados com as crianças devem guardar re- meio da expressão e comunicação de sentimentos e ideias, da ex-
lações específicas com os níveis de desenvolvimento das crianças perimentação, da reflexão, da elaboração de perguntas e respos-
em cada grupo e faixa etária e, também, respeitar e propiciar a tas, da construção de objetos e brinquedos etc. Para isso, o profes-
amplitude das mais diversas experiências em relação aos eixos de sor deve conhecer e considerar as singularidades das crianças de
trabalho propostos. diferentes idades, assim como a diversidade de hábitos, costumes,
O processo que permite a construção de aprendizagens signifi- valores, crenças, etnias etc. das crianças com as quais trabalha res-
cativas pelas crianças requer uma intensa atividade interna por par- peitando suas diferenças e ampliando suas pautas de socialização.
te delas. Nessa atividade, as crianças podem estabelecer relações Nessa perspectiva, o professor é mediador entre as crianças e
entre novos conteúdos e os conhecimentos prévios (conhecimen- os objetos de conhecimento, organizando e propiciando espaços e
tos que já possuem), usando para isso os recursos de que dispõem. situações de aprendizagens que articulem os recursos e capacida-

29
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

des afetivas, emocionais, sociais e cognitivas de cada criança aos a socialização de suas descobertas, quando o professor organiza as
seus conhecimentos prévios e aos conteúdos referentes aos dife- situações para que as crianças compartilhem seus percursos indivi-
rentes campos de conhecimento humano. Na instituição de edu- duais na elaboração dos diferentes trabalhos realizados.
cação infantil o professor constitui-se, portanto, no parceiro mais Portanto, é importante frisar que as crianças se desenvolvem
experiente, por excelência, cuja função é propiciar e garantir um em situações de interação social, nas quais conflitos e negociação
ambiente rico, prazeroso, saudável e não discriminatório de experi- de sentimentos, ideias e soluções são elementos indispensáveis.
ências educativas e sociais variadas. O âmbito social oferece, portanto, ocasiões únicas para elabo-
Para que as aprendizagens infantis ocorram com sucesso, é rar estratégias de pensamento e de ação, possibilitando a amplia-
preciso que o professor considere, na organização do trabalho edu- ção das hipóteses infantis. Pode-se estabelecer, nesse processo,
cativo: uma rede de reflexão e construção de conhecimentos na qual tanto
- a interação com crianças da mesma idade e de idades dife- os parceiros mais experientes quanto os menos experientes têm
rentes em situações diversas como fator de promoção da apren- seu papel na interpretação e ensaio de soluções. A interação per-
dizagem e do desenvolvimento e da capacidade de relacionar-se; mite que se crie uma situação de ajuda na qual as crianças avancem
- os conhecimentos prévios de qualquer natureza, que as crian- no seu processo de aprendizagem.
ças já possuem sobre o assunto, já que elas aprendem por meio
de uma construção interna ao relacionar suas ideias com as novas Diversidade e Individualidade
informações de que dispõem e com as interações que estabelece;
- a individualidade e a diversidade; Cabe ao professor a tarefa de individualizar as situações de
- o grau de desafio que as atividades apresentam e o fato de aprendizagens oferecidas às crianças, considerando suas capacida-
que devam ser significativas e apresentadas de maneira integrada des afetivas, emocionais, sociais e cognitivas assim como os conhe-
para as crianças e o mais próximas possíveis das práticas sociais cimentos que possuem dos mais diferentes assuntos e suas origens
reais; socioculturais diversas. Isso significa que o professor deve planejar
- a resolução de problemas como forma de aprendizagem. e oferecer uma gama variada de experiências que responda, simul-
taneamente, às demandas do grupo e às individualidades de cada
Essas considerações podem estruturar-se nas seguintes con- criança.
dições gerais relativas às aprendizagens infantis a serem seguidas Considerar que as crianças são diferentes entre si, implica pro-
pelo professor em sua prática educativa. piciar uma educação baseada em condições de aprendizagem que
respeitem suas necessidades e ritmos individuais, visando a ampliar
e a enriquecer as capacidades de cada criança, considerando as
Interação
como pessoas singulares e com características próprias. Individua-
lizar a educação infantil, ao contrário do que se poderia supor, não
A interação social em situações diversas é uma das estratégias
é marcar e estigmatizar as crianças pelo que diferem, mas levar em
mais importantes do professor para a promoção de aprendizagens
conta suas singularidades, respeitando-as e valorizando-as como
pelas crianças. Assim, cabe ao professor propiciar situações de con-
fator de enriquecimento pessoal e cultural.
versa, brincadeiras ou de aprendizagens orientadas que garantam
a troca entre as crianças, de forma a que possam comunicar-se e
COMPONENTES CURRICULARES
expressar-se, demonstrando seus modos de agir, de pensar e de
sentir, em um ambiente acolhedor e que propicie a confiança e a Objetivos
autoestima. A existência de um ambiente acolhedor, porém, não
significa eliminar os conflitos, disputas e divergências presentes Os objetivos explicitam intenções educativas e estabelecem
nas interações sociais, mas pressupõe que o professor forneça ele- capacidades que as crianças poderão desenvolver como consequ-
mentos afetivos e de linguagem para que as crianças aprendam a ência de ações intencionais do professor. Os objetivos auxiliam na
conviver, buscando as soluções mais adequadas para as situações seleção de conteúdos e meios didáticos.
com as quais se defrontam diariamente. As capacidades de intera- A definição dos objetivos em termos de capacidades — e não
ção, porém, são também desenvolvidas quando as crianças podem de comportamentos — visa a ampliar a possibilidade de concre-
ficar sozinhas, quando elaboram suas descobertas e sentimentos e tização das intenções educativas, uma vez que as capacidades se
constroem um sentido de propriedade para as ações e pensamen- expressam por meio de diversos comportamentos e as aprendiza-
tos já compartilhados com outras crianças e com os adultos, o que gens que convergem para ela podem ser de naturezas diversas. Ao
vai potencializar novas interações. Nas situações de troca, podem estabelecer objetivos nesses termos, o professor amplia suas possi-
desenvolver os conhecimentos e recursos de que dispõem, con- bilidades de atendimento à diversidade apresentada pelas crianças,
frontando-os e reformulando-os. podendo considerar diferentes habilidades, interesses e maneiras
Nessa perspectiva, o professor deve refletir e discutir com de aprender no desenvolvimento de cada capacidade.
seus pares sobre os critérios utilizados na organização dos agrupa- Embora as crianças desenvolvam suas capacidades de manei-
mentos e das situações de interação, mesmo entre bebês, visan- ra heterogênea, a educação tem por função criar condições para
do, sempre que possível, a auxiliar as trocas entre as crianças e, o desenvolvimento integral de todas as crianças, considerando,
ao mesmo tempo, garantir-lhes o espaço da individualidade. Assim, também, as possibilidades de aprendizagem que apresentam nas
em determinadas situações, é aconselhável que crianças com níveis diferentes faixas etárias. Para que isso ocorra, faz-se necessário
de desenvolvimento diferenciados interajam; em outras, deve-se uma atuação que propicia o desenvolvimento de capacidades en-
garantir uma proximidade de crianças com interesses e níveis de volvendo aquelas de ordem física, afetiva, cognitiva, ética, estética,
desenvolvimento semelhantes. Propiciar a interação quer dizer, de relação interpessoal e inserção social.
portanto, considerar que as diferentes formas de sentir, expressar As capacidades de ordem física estão associadas à possibilida-
e comunicar a realidade pelas crianças resultam em respostas di- de de apropriação e conhecimento das potencialidades corporais,
versas que são trocadas entre elas e que garantem parte significati- ao autoconhecimento, ao uso do corpo na expressão das emoções,
va de suas aprendizagens. Uma das formas de propiciar essa troca é ao deslocamento com segurança.

30
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

As capacidades de ordem cognitiva estão associadas ao de- Nos eixos de trabalho, estas categorias de conteúdos estão
senvolvimento dos recursos para pensar, o uso e apropriação de contempladas embora não estejam explicitadas de forma discrimi-
formas de representação e comunicação envolvendo resolução de nada.
problemas. A seguir, as categorias de conteúdos serão melhor explicadas
As capacidades de ordem afetiva estão associadas à constru- de forma a subsidiar a reflexão e o planejamento do professor.
ção da autoestima, às atitudes no convívio social, à compreensão Os conteúdos conceituais referem-se à construção ativa das
de si mesmo e dos outros. capacidades para operar com símbolos, ideias, imagens e represen-
As capacidades de ordem estética estão associadas à possibi- tações que permitem atribuir sentido à realidade.
lidade de produção artística e apreciação desta produção oriundas Desde os conceitos mais simples até os mais complexos, a
de diferentes culturas. aprendizagem se dá por meio de um processo de constantes idas
As capacidades de ordem ética estão associadas à possibilida- e vindas, avanços e recuos nos quais as crianças constroem ideias
de de construção de valores que norteiam a ação das crianças. provisórias, ampliam-nas e modificam-nas, aproximando-se gradu-
As capacidades de relação interpessoal estão associadas à pos- almente de conceitualizações cada vez mais precisas.
sibilidade de estabelecimento de condições para o convívio social. O conceito que uma criança faz do que seja um cachorro, por
Isso implica aprender a conviver com as diferenças de tempera- exemplo, depende das experiências que ela tem que envolvam seu
mentos, de intenções, de hábitos e costumes, de cultura etc. contato com cachorros. Se num primeiro momento, ela pode, por
As capacidades de inserção social estão associadas à possibi- exemplo, designar como “Au-Au” todo animal, fazendo uma gene-
lidade de cada criança perceber-se como membro participante de ralização provisória, o acesso a uma nova informação, por exemplo,
um grupo de uma comunidade e de uma sociedade. o fato de que gatos diferem de cachorros, permite-lhe reorganizar
Para que se possa atingir os objetivos é necessário selecionar o conhecimento que possui e modificar a ideia que tem sobre o que
conteúdos que auxiliem o desenvolvimento destas capacidades. é um cachorro. Esta conceitualização, ainda provisória, será sufi-
ciente por algum tempo — até o momento em que ela entrar em
Conteúdos contato com um novo conhecimento.
Assim, deve-se ter claro que alguns conteúdos conceituais são
As diferentes aprendizagens se dão por meio de sucessivas possíveis de serem apropriados pelas crianças durante o período da
reorganizações do conhecimento, e este processo é protagoniza- educação infantil. Outros não, e estes necessitarão de mais tempo
do pelas crianças quando podem vivenciar experiências que lhes para que possam ser construídos. Isso significa dizer que muitos
forneçam conteúdos apresentados de forma não simplificada e as- conteúdos serão trabalhados com o objetivo apenas de promover
sociados a práticas sociais reais. É importante marcar que não há aproximações a um determinado conhecimento, de colaborar para
aprendizagem sem conteúdos. elaboração de hipóteses e para a manifestação de formas originais
Pesquisas e produções teóricas realizadas, principalmente du- de expressão.
rante a última década, apontam a importância das aprendizagens Os conteúdos procedimentais referem-se ao saber fazer. A
específicas para os processos de desenvolvimento e socialização do aprendizagem de procedimentos está diretamente relacionada à
ser humano, ressignificando o papel dos conteúdos nos processos possibilidade de a criança construir instrumentos e estabelecer ca-
de aprendizagem. minhos que lhes possibilitem a realização de suas ações. Longe de
Muitas das pautas culturais e saberes socialmente constituídos
ser mecânica e destituída de sentido, a aprendizagem de procedi-
são aprendidos por meio do contato direto ou indireto com ativida-
mentos constitui-se em um importante componente para o desen-
des diversas, que ocorrem nas diferentes situações de convívio so-
volvimento das crianças, pois relaciona-se a um percurso de toma-
cial das quais as crianças participam no âmbito familiar e cotidiano.
da de decisões. Desenvolver procedimentos significa apropriar-se
Outras aprendizagens, no entanto, dependem de situações
de “ferramentas” da cultura humana necessárias para viver. No que
educativas criadas especialmente para que ocorram. O planeja-
se refere à educação infantil, saber manipular corretamente os ob-
mento dessas situações envolve a seleção de conteúdos específicos
jetos de uso cotidiano que existem à sua volta, por exemplo, é um
a essas aprendizagens.
procedimento fundamental, que responde às necessidades imedia-
Nessa perspectiva, este Referencial concebe os conteúdos, por
tas para inserção no universo mais próximo. É o caso de vestir-se ou
um lado, como a concretização dos propósitos da instituição e, por
outro, como um meio para que as crianças desenvolvam suas ca- amarrar os sapatos, que constituem-se em ações procedimentais
pacidades e exercitem sua maneira própria de pensar, sentir e ser, importantes no processo de conquista da independência. Dispor-se
ampliando suas hipóteses acerca do mundo ao qual pertencem e a perguntar é uma atitude fundamental para o processo de apren-
constituindo-se em um instrumento para a compreensão da rea- dizagem. Da mesma forma, para que as crianças possam exercer a
lidade. Os conteúdos abrangem, para além de fatos, conceitos e cooperação, a solidariedade e o respeito, por exemplo, é necessá-
princípios, também os conhecimentos relacionados a procedimen- rio que aprendam alguns procedimentos importantes relacionados
tos, atitudes, valores e normas como objetos de aprendizagem. às formas de colaborar com o grupo, de ajudar e pedir ajuda etc.
A explicitação de conteúdos de naturezas diversas aponta para a Deve-se ter em conta que a aprendizagem de procedimentos
necessidade de se trabalhar de forma intencional e integrada com será, muitas vezes, trabalhada de forma articulada com conteúdos
conteúdos que, na maioria das vezes, não são tratados de forma conceituais e atitudinais.
explícita e consciente. Os conteúdos atitudinais tratam dos valores, das normas e das
Esta abordagem é didática e visa a destacar a importância de atitudes. Conceber valores, normas e atitudes como conteúdos
se dar um tratamento apropriado aos diferentes conteúdos, ins- implicam torná-los explícitos e compreendê-los como passíveis de
trumentalizando o planejamento do professor para que possa serem aprendidos e planejados.
contemplar as seguintes categorias: os conteúdos conceituais que
dizem respeito ao conhecimento de conceitos, fatos e princípios;
os conteúdos procedimentais referem-se ao “saber fazer” e os con-
teúdos atitudinais estão associados a valores, atitudes e normas.

31
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

As instituições educativas têm uma função básica de socializa- Deve se ter em conta que o professor, com vistas a desenvolver
ção e, por esse motivo, têm sido sempre um contexto gerador de determinada capacidade, pode priorizar determinados conteúdos;
atitudes. Isso significa dizer que os valores impregnam toda a práti- trabalhá-los em diferentes momentos do ano; voltar a eles diversas
ca educativa e são aprendidos pelas crianças, ainda que não sejam vezes, aprofundando-os a cada vez etc. Como são múltiplas as pos-
considerados como conteúdos a serem trabalhados explicitamen- sibilidades de escolha de conteúdos, os critérios para selecioná-los
te, isto é, ainda que não sejam trabalhados de forma consciente e devem se atrelar ao grau de significado que têm para as crianças.
intencional. A aprendizagem de conteúdos deste tipo implica uma É importante, também, que o professor considere as possibilidades
prática coerente, onde os valores, as atitudes e as normas que se que os conteúdos oferecem para o avanço do processo de aprendi-
pretende trabalhar estejam presentes desde as relações entre as zagem e para a ampliação de conhecimento que possibilita.
pessoas até a seleção dos conteúdos, passando pela própria forma
de organização da instituição. A falta de coerência entre o discurso Integração dos conteúdos
e a prática é um dos fatores que promove o fracasso do trabalho
Os conteúdos são compreendidos, aqui, como instrumentos
com os valores.
para analisar a realidade, não se constituindo um fim em si mes-
Nesse sentido, dar o exemplo evidencia que é possível agir de
mos. Para que as crianças possam compreender a realidade na sua
acordo com valores determinados. Do contrário, os valores tor-
complexidade e enriquecer sua percepção sobre ela, os conteúdos
nam-se vazios de sentido e aproximam-se mais de uma utopia não devem ser trabalhados de forma integrada, relacionados entre si.
realizável do que de uma realidade possível. Essa integração possibilita que a realidade seja analisada por di-
Para que as crianças possam aprender conteúdos atitudinais, ferentes aspectos, sem fragmentá-la. Um passeio pela rua pode
é necessário que o professor e todos os profissionais que integram oferecer elementos referentes à análise das paisagens, à identifi-
a instituição possam refletir sobre os valores que são transmitidos cação de características de diferentes grupos sociais, à presença
cotidianamente e sobre os valores que se quer desenvolver. Isso de animais, fenômenos da natureza, ao contato com a escrita e os
significa um posicionamento claro sobre o quê e o como se aprende números presentes nas casas, placas etc., contextualizando cada
nas instituições de educação infantil. elemento na complexidade do meio.
Deve-se ter em conta que, por mais que se tenha a intenção de O mesmo passeio envolve, também, aprendizagens relativas
trabalhar com atitudes e valores, nunca a instituição dará conta da à socialização, mobilizam sentimentos e emoções constituindo-se
totalidade do que há para ensinar. Isso significa dizer que parte do em uma atividade que pode contribuir para o desenvolvimento das
que as crianças aprendem não é ensinado de forma sistemática e crianças.
consciente e será aprendida de forma incidental. Isso amplia a res-
ponsabilidade de cada um e de todos com os valores e as atitudes Orientações Didáticas
que cultivam.
Os conteúdos estão intrinsecamente relacionados com a forma
Organização dos conteúdos por blocos como são trabalhados com as crianças. Se, de um lado, é verdade
que a concepção de aprendizagem adotada determina o enfoque
Os conteúdos são apresentados nos diversos eixos de traba- didático, é igualmente verdade, de outro lado, que nem sempre
lho, organizados por blocos. Essa organização visa a contemplar as esta relação se explicita de forma imediata. A prática educativa é
dimensões essenciais de cada eixo e situar os diferentes conteúdos bastante complexa e são inúmeras as questões que se apresentam
dentro de um contexto organizador que explicita suas especificida- no cotidiano e que transcendem o planejamento didático e a pró-
des por um lado e aponta para a sua “origem” por outro. Por exem- pria proposta curricular. Na perspectiva de explicitar algumas indi-
plo, é importante que o professor saiba, ao ler uma história para cações sobre o enfoque didático e apoiar o trabalho do professor,
as orientações didáticas situam-se no espaço entre as intenções
as crianças, que está trabalhando não só a leitura, mas também,
educativas e a prática. As orientações didáticas são subsídios que
a fala, a escuta, e a escrita; ou, quando organiza uma atividade de
remetem ao “como fazer”, à intervenção direta do professor na
percurso, que está trabalhando tanto a percepção do espaço, como
promoção de atividades e cuidados alinhados com uma concepção
o equilíbrio e a coordenação da criança.
de criança e de educação.
Esses conhecimentos ajudam o professor a dirigir sua ação de Vale lembrar que estas orientações não representam um mo-
forma mais consciente, ampliando as suas possibilidades de traba- delo fechado que define um padrão único de intervenção. Pelo
lho. contrário, são indicações e sugestões para subsidiar a reflexão e a
Embora estejam elencados por eixos de trabalho, muitos con- prática do professor.
teúdos encontram-se contemplados em mais de um eixo. Essa op- Cada documento de eixo contém orientações didáticas gerais
ção visa a apontar para o tratamento integrado que deve ser dado e as específicas aos diversos blocos de conteúdos. Nas orientações
aos conteúdos. Cabe ao professor organizar seu planejamento de didáticas gerais explicitam-se condições relativas à: princípios ge-
forma a aproveitar as possibilidades que cada conteúdo oferece, rais do eixo; organização do tempo, do espaço e dos materiais; ob-
não restringindo o trabalho a um único eixo, em fragmentando o servação, registro e avaliação.
conhecimento.
Organização do tempo
Seleção de conteúdos
A rotina representa, também, a estrutura sobre a qual será or-
Os conteúdos aqui elencados pretendem oferecer um reper- ganizado o tempo didático, ou seja, o tempo de trabalho educativo
tório que possa auxiliar o desenvolvimento das capacidades colo- realizado com as crianças. A rotina deve envolver os cuidados, as
cadas nos objetivos gerais. No entanto, considerando as caracte- brincadeiras e as situações de aprendizagens orientadas. A apre-
rísticas particulares de cada grupo e suas necessidades, cabe ao sentação de novos conteúdos às crianças requer sempre as mais
professor selecioná-los e adequá-los de forma que sejam significa- diferentes estruturas didáticas, desde contar uma nova história,
tivos para as crianças. propor uma técnica diferente de desenho até situações mais ela-

32
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

boradas, como, por exemplo, o desenvolvimento de um projeto, apresentados sejam possíveis de serem enfrentados pelo grupo de
que requer um planejamento cuidadoso com um encadeamento crianças. Um dos ganhos de se trabalhar com projetos é possibilitar
de ações que visam a desenvolver aprendizagens específicas. Estas às crianças que a partir de um assunto relacionado com um dos
estruturas didáticas contêm múltiplas estratégias que são organiza- eixos de trabalho, possam estabelecer múltiplas relações, amplian-
das em função das intenções educativas expressas no projeto edu- do suas ideias sobre um assunto específico, buscando complemen-
cativo, constituindo-se em um instrumento para o planejamento do tações com conhecimentos pertinentes aos diferentes eixos. Esse
professor. Podem ser agrupadas em três grandes modalidades de aprendizado serve de referência para outras situações, permitindo
organização do tempo. São elas: atividades permanentes, sequên- generalizações de ordens diversas.
cia de atividades e projetos de trabalho. A realização de um projeto depende de várias etapas de traba-
lho que devem ser planejadas e negociadas com as crianças para
Atividades permanentes que elas possam se engajar e acompanhar o percurso até o produto
final. O que se deseja alcançar justifica as etapas de elaboração. O
São aquelas que respondem às necessidades básicas de cui- levantamento dos conhecimentos prévios das crianças sobre o as-
dados, aprendizagem e de prazer para as crianças, cujos conteú- sunto em pauta deve se constituir no primeiro passo. A socialização
dos necessitam de uma constância. A escolha dos conteúdos que do que o grupo já sabe e o levantamento do que desejam saber,
definem o tipo de atividades permanentes a serem realizadas com isto é, as dúvidas que possuem, pode se constituir na outra etapa.
frequência regular, diária ou semanal, em cada grupo de crianças, Onde procurar as informações pode ser uma decisão comparti-
depende das prioridades elencadas a partir da proposta curricular. lhada com crianças, familiares e demais funcionários da instituição.
Consideram-se atividades permanentes, entre outras: Várias fontes de informações poderão ser usadas, como livros, en-
- brincadeiras no espaço interno e externo; ciclopédias, trechos de filmes, análise de imagens, entrevistas com
- roda de história; as mais diferentes pessoas, visitas a recursos da comunidade etc. O
- roda de conversas; registro dos conhecimentos que vão sendo construídos pelas crian-
- ateliês ou oficinas de desenho, pintura, modelagem e música; ças deve permear todo o trabalho, podendo incluir relatos escritos,
- atividades diversificadas ou ambientes organizados por temas fitas gravadas, fotos, produção das crianças, desenhos etc. Os pro-
ou materiais à escolha da criança, incluindo momentos para que as jetos contêm sequências de atividades e pode-se utilizar atividades
crianças possam ficar sozinhas se assim o desejarem; permanentes já em curso.
- cuidados com o corpo. A característica principal dos projetos é a visibilidade final do
produto e a solução do problema compartilhado com as crianças.
Sequência de atividades Ao final de um projeto, pode-se dizer que a criança aprendeu por-
que teve uma intensa participação que envolveu a resolução de
São planejadas e orientadas com o objetivo de promover uma problemas de naturezas diversas. Soma-se a todas essas caracte-
aprendizagem específica e definida. São sequenciadas com inten- rísticas mais uma, ligada ao caráter lúdico que os projetos na edu-
ção de oferecer desafios com graus diferentes de complexidade cação infantil têm. Se o projeto é sobre castelos, reis, rainhas, as
para que as crianças possam ir paulatinamente resolvendo proble- crianças podem incorporar em suas brincadeiras conhecimentos
mas a partir de diferentes proposições. Estas sequências derivam que foram construindo, e o produto final pode ser um baile medie-
de um conteúdo retirado de um dos eixos a serem trabalhados e es- val. Há muitos projetos que envolvem a elaboração de bonecos do
tão necessariamente dentro de um contexto específico. Por exem- tamanho de adultos, outros a construção de circos, de maquetes,
plo: se o objetivo é fazer com que as crianças avancem em relação produtos que por si só já representam criação e diversão para as
à representação da figura humana por meio do desenho, pode-se crianças, sem contar o prazer que lhes dá de conhecer o mundo.
planejar várias etapas de trabalho para ajudá-las a reelaborar e
enriquecer seus conhecimentos prévios sobre esse assunto, como Organização do espaço e seleção dos materiais
observação de pessoas, de desenhos ou pinturas de artistas e de fo-
tografias; atividades de representação a partir destas observações; A organização dos espaços e dos materiais se constitui em um
atividades de representação a partir de interferências previamente instrumento fundamental para a prática educativa com crianças
planejadas pelo educador etc. pequenas. Isso implica que, para cada trabalho realizado com as
crianças, deve-se planejar a forma mais adequada de organizar o
Projetos de trabalho mobiliário dentro da sala, assim como introduzir materiais especí-
ficos para a montagem de ambientes novos, ligados aos projetos
Os projetos são conjuntos de atividades que trabalham com em curso. Além disso, a aprendizagem transcende o espaço da sala,
conhecimentos específicos construídos a partir de um dos eixos de toma conta da área externa e de outros espaços da instituição e
trabalho que se organizam ao redor de um problema para resolver fora dela. A pracinha, o supermercado, a feira, o circo, o zoológico,
ou um produto final que se quer obter. Possui uma duração que a biblioteca, a padaria etc. são mais do que locais para simples pas-
pode variar conforme o objetivo, o desenrolar das várias etapas, o seio, podendo enriquecer e potencializar as aprendizagens.
desejo e o interesse das crianças pelo assunto tratado. Comportam
uma grande dose de imprevisibilidade, podendo ser alterado sem- A educação infantil no Brasil
pre que necessário, tendo inclusive modificações no produto final.
Alguns projetos, como fazer uma horta ou uma coleção, podem du- A educação infantil tem sido desde o século XVIII, foco de estu-
rar um ano inteiro, ao passo que outros, como, por exemplo, elabo- do de diversos estudiosos sobre o assunto, pois segundo o educa-
rar um livro de receitas, podem ter uma duração menor. dor francês Jean-Jacques Rousseau a principal ocupação da criança
Por partirem sempre de questões que necessitam ser respon- deveria ser a brincadeira, pois, para ele melhor seria que receber
didas, possibilitam um contato com as práticas sociais reais. Depen- ensinamentos impróprios. Partindo desse ponto analisaremos
dem, em grande parte, dos interesses das crianças, precisam ser como está sendo tratado esse assunto em pleno século XXI e se de
significativos, representar uma questão comum para todas e par- fato a educação infantil tem conquistado espaço nessa complicada
tir de uma indagação da realidade. É importante que os desafios e desigual política pública voltada para a educação brasileira.

33
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

Segundo Corrêa (2007), as primeiras instituições voltadas para Em virtude dos acontecimentos já mencionados chegamos à
a educação infantil no Brasil surgiu em 1896, na cidade de São Pau- conclusão que apesar dos enormes esforços por parte do gover-
lo e a difusão deste nível de ensino só se deu em meados de 1940, no federal e sociedade civil em prol da melhoria na qualidade do
principalmente na cidade de Porto Alegre capital gaúcha que já ensino infantil, ainda tem muito que se fazer, principalmente na
contava com 40 jardins de infância. Foi a partir de 1970 que cre- formação dos educadores que atuam neste nível de ensino. Não
ches, jardins de infância e pré-escola expandiram-se de maneira precisamos de mais leis que assegure os direitos das crianças e sim
tímida principalmente em função da pressão promovida as autori- de cumprir as que já existem.
dades competentes pela sociedade civil.
Foi somente com a Constituição Federal de 1988, que começou O ensino fundamental
a alargar os horizontes do ensino infantil no Brasil, pois, em seu ar-
tigo 208, inciso IV, afirma que “o dever do Estado com a educação A ideia de escolarização remota desde a reforma protestante,
será efetivado mediante a garantia de: “atendimento em creches e quando Martinho Lutero em seu livro “Aos conselhos de todas as
pré-escolas a crianças de 0 a 5 anos”. cidades da Alemanha, para que criem e mantenham escolas”, de-
Isso significa que o Estado é obrigado pela Constituição Federal fendia a alfabetização das camadas populares com objetivos que
a disponibilizar vagas para este nível de ensino, pois, a família que todos tivessem de fato acesso as escrituras sagradas e para isto,
achar-se lesada por não conseguir matrícula na rede pública para o contaria com os príncipes protestantes da Alemanha.
ensino infantil, pode recorrer à promotoria pública que por sua vez No Brasil a educação obrigatória e gratuita foi introduzida com
acionará judicialmente os órgãos competentes. a Constituição Federal em 1934 e era composto de apenas cinco
Direitos estes conquistados com a Constituição Federal de anos, somente por força da Lei nº 5.692/71 esse ensino obrigatório
1988, principalmente devido à enorme procura de vagas para estendeu-se para oito anos com a nomenclatura de primeiro grau.
crianças de 0 a 6 anos, uma vez que cada vez mais as mulheres Mas foi com a Constituição de 1988 que esta nomenclatura foi alte-
conquistavam de maneira significativa posto no mercado de traba- rada para Ensino Fundamental.
lho não dispondo mais do tempo que outrora tinha para cuidar de Segundo Romualdo (2007) o ensino fundamental é uma eta-
suas crianças. É importante ressaltar que hoje este nível de ensino pa da educação básica destinada a crianças e adolescentes com
por força da Emenda Constitucional nº 53 de 2006, corresponde as duração mínima de nove anos, obrigatório e gratuito a partir dos
crianças de 0 a 5 anos de idade. seis anos de idade, de acordo a Lei nº 11.114/05 e conforme a LDB
Não poderíamos deixar de fazemos comentários a respeito do em seu artigo nº 32 afirma que o Ensino Fundamental terá como
Estatuto da Criança e do Adolescente (E.C. A) Lei federal nº 8.069, objetivo a formação básica do cidadão mediante inciso III: “ o de-
de 1990, que é mais uma conquista da sociedade civil em defesa senvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a
dos direitos da criança, principalmente das de 0 a 5 anos de idade. aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes
Pois, em seu artigo nº 4 afirma: e valores.”
É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do O acesso ao Ensino Fundamental no Brasil vem crescendo des-
poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos de o início do período militar brasileiro (1964-1985), com o aumen-
direitos referente à vida, à saúde, à alimentação, «à educação” *, to no número de vagas, porém, o não investimento orçamentário
ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao necessário para atender as novas matrículas, tornou-se uma das
respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. (BRA- causas das precárias condições da educação básica de hoje, afetan-
SIL, 1990 * grifo nosso). do então o ensino obrigatório (Ensino fundamental).
Ainda em seu artigo nº 53 o Estatuto da Criança e do Adoles- Segundo a o artigo 211 da Constituição Federal alterado pela
cente ( E.C.A), afirma que a criança tem o direito de ser respeitada Emenda Constitucional (E.C) 14/96: O Ensino fundamental é res-
por seus, educadores em razão de suas limitações de autodefesa ponsabilidade do Estado e do município, afirma ainda no parágrafo
por serem de pouca idade. Pois, são comuns muitas instituições de 2º que os municípios atuarão prioritariamente no ensino funda-
ensino infantil praticar castigos de toda natureza inclusive físicos, mental e na educação infantil, e no parágrafo 3º: que os Estados e
além do espaço ser inadequado e a falta de formação própria dos o Distrito Federal atuarão prioritariamente no ensino fundamental
profissionais para este nível de ensino. e médio.
Observamos que tanto a Constituição Federal quanto o Esta- Por se tratar do único nível de ensino obrigatório no Brasil, o
tuto da Criança e do Adolescente (E.C.A), buscam a proteção e a ensino fundamental tem recebido atenção especial por parte de
garantia dos direitos das crianças, garantindo o acesso das mesmas nossos governantes, veja o que afirma o artigo 5º parágrafo 2º da
em instituições de ensino de 0 a 5 anos. Pois no artigo nº 54 da LDB: “Em todas as esferas administrativas o poder público assegu-
(E.C. A) reafirma o dever do Estado em assegurar o atendimento rará em primeiro lugar o acesso ao ensino obrigatório [...]”.
em creches e pré-escolas. Com o Fundo de Desenvolvimento do Ensino Fundamental
Ainda falando a respeito da educação infantil e reforçando este (FUNDEF), implantado no governo Fernando Henrique, houve uma
direito da criança a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional significativa melhoria no ensino fundamental principalmente no
(L.D.B) lei Federal nº 9394 de 1996, afirma em seu artigo nº 29 “que que diz respeito à remuneração dos educadores que atuam neste
a educação infantil é a primeira etapa da educação básica e tem nível de ensino.
como finalidade o seu desenvolvimento físico, psicológico, intelec- Em busca de melhoria no ensino obrigatório o Presidente da
tual e social”. Já no artigo 31 diz que na educação infantil a ava- República sancionou no dia 06/02/2006 a Lei nº 11.274 que regu-
liação não terá o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao lamenta o ensino fundamental de nove anos e altera os artigos 29,
ensino fundamental. Vale ressaltar que em seu artigo nº 30 a LDB, 30, 32 e 87 da LDB, que estabelece as diretrizes da educação na-
subdividem a educação infantil em creches para crianças de até 3 cional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino
anos e pré-escola para as crianças de 4 a 5 anos de idade. fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos
de idade.

34
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

No entanto, devemos estar atentos para o fato de que a inclu- O desafio imposto para a EJA na atualidade se constitui em
são de crianças de seis anos de idade não deverá significar a an- reconhecer o direito do jovem/adulto de ser sujeito; mudar radi-
tecipação dos conteúdos e atividades que tradicionalmente foram calmente a maneira como a EJA é concebida e praticada; buscar
compreendidos como adequados à primeira série. Destacamos, novas metodologias, considerando os interesses dos jovens e adul-
portanto, a necessidade de se construir uma nova estrutura e orga- tos; pensar novas formas de EJA articuladas com o mundo do tra-
nização dos conteúdos em um ensino fundamental, agora de nove balho; investir seriamente na formação de educadores; e renovar
anos. o currículo – interdisciplinar e transversal, entre outras ações, de
Outra inovação da LBD em seu artigo 26 é a obrigatoriedade forma que este passe a constituir um direito, e não um favor pres-
do ensino de Artes na grade curricular do ensino fundamental, po- tado em função da disposição dos governos, da sociedade ou dos
rém, o ensino da educação física compõe a proposta pedagógica empresários.
do estabelecimento de ensino, más, torna-se facultativa aos cursos
noturnos. O Ensino Médio
Toda essa mudança que ocorreu na estrutura do ensino fun-
damental tem melhorado de maneira signifivativa a qualidade do O ensino médio brasileiro era ministrado assim como o fun-
damental pelos padres jesuítas e tinha como principal objetivo a
ensino neste nível de ensino, no entanto há muito que melhorar.
preparação de sacerdotes para a igreja católica que posteriormente
complementaria seus estudos na Europa.
A educação de jovens e adultos (EJA)
Somente com a expulsão destes padres em 1759, do reino por-
tuguês pelo rei influenciado, por seu primeiro ministro Marquês de
A educação de jovens e adultos no Brasil deu-se inicio com a Pombal, é que de fato o governo brasileiro assume a responsabili-
chegada dos jesuítas no período colonial, pois os mesmos com o dade pela educação nacional inclusive o ensino médio que corres-
intuito de impregnar a cultura portuguesa e as doutrinas católicas pondia a sete anos de estudos sendo dividido em 1º etapa compos-
não mediram esforços em prol da alfabetização dos povos primiti- ta de quatro anos o ginásio (hoje fundamental maior) e 2º etapa
vos (indígenas). composta de três anos (hoje ensino médio).
Quase quinhentos anos se passaram e a luta em prol da alfabe- Segundo Pinto (2007), o governo Vargas em 1937, implantou
tização continua, são inúmeras as medidas tomadas pelo governo um sistema de ensino profissionalizante para atender as camadas
federal na tentativa de erradicar o analfabetismo brasileiro que bei- populares com objetivo de preparar Mão de obra para o mercado
ra a casa dos 20 milhões de indivíduos que não sabem ler ou escre- de trabalho, porém, somente o ensino médio propedêutico permi-
ver pequenas frases do dia-dia, pois a modernização, robotização e tia acesso ao ensino superior.
o uso cada vez mais de equipamentos operados através de progra- Mas foi no governo do regime militar em que o ensino mé-
mas de computador, têm feito milhares de pessoas perderem seu dio teve grandes alterações poiso presidente Médici através da Lei
posto de trabalho. nº5692/71, determinou que todas as escolas do país ministrassem
Segundo Kruppa (2007), em1990 ano internacional da Alfabe- um ensino médio de 3 anos estritamente de caráter profissionali-
tização, com Paulo Freire à frente da Secretaria de Educação do zante, tudo indica que era uma tentativa de diminuir a demanda de
Município de São Paulo, organiza-se a Primeira Conferência Bra- vagas nas universidade públicas e barrar as manifestações estudan-
sileira de Alfabetização, no qual representantes do Ministério da tisque ocorria pelo país.
Educação (MEC) se comprometeram em priorizar a alfabetização Porém a grande explosão do ensino médio na rede particular
de adultos. Em 1997 o governo Federal desvincula a EJA do MEC em busca de porta para a educação superior fez com que o po-
e cria o Programa Alfabetização Solidária com o objetivo de redu- lêmico ensino médio profissionalizante fosse revogado pela Lei nº
zir as altas taxas de analfabetismo que ainda vigorava em algumas 7044/82, e tudo voltou como era antes.
regiões do país, programa este preside pela primeira dama do país De acordo com Constituição de 88 em seu artigo nº 211 pa-
e atendendo 1,5 milhão e meio de brasileiros em 1200 municípios rágrafo 3º afirma que o ensino médio deverá ser ministrado pelo
brasileiros de 15 Estados, trabalhando em parcerias, com empre- Estado e pelo Distrito Federal, isso não impede que os municípios
ofereçam este nível de ensino, porém só podem depois de asse-
sas, instituições universitárias, pessoas físicas, prefeituras, e o Mis-
gurarem a demanda pela educação infantil e ensino fundamental
tério da Educação (MEC)
o que está longe de acontecer. Já na LDB em seu artigo 35 inciso
Além das turmas tradicionais da (EJA), em 2003 o governo do
III afirma que o ensino médio tem como uma das finalidades “o
presidente LULA, criou o Programa Brasil Alfabetizado, que priori-
aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a
zou de inicio as instituições filantrópicas, somente a partir do se- formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do
gundo ano as Secretarias estaduais e municipais de educação rece- pensamento crítico”.
beram mais recursos do programa, chegando em 2007 com quase Devemos levamos também em consideração as disparidades
50 % de todos os recursos destinados ao Brasil Alfabetizado. nas remunerações dos educadores do ensino médio nas regiões
Em consonância com a Constituição, a Lei nº 9.394, de 20 de brasileiras, para se ter uma idéia um professor da rede pública do
dezembro de 1996, estabelece que “O dever do Estado com a edu- norte do país tem remuneração em torno de R$ 1200,00 reais a
cação escolar pública será efetivado mediante a garantia de ensino, maior do país, acreditamos que seja pelo motivo de terem pouco
obrigatório e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram aces- quantitativo desses profissionais e a transformação dos antigos ter-
so idade própria”. (Artigo 4) ritórios em Estados, uma vez que o governo Federal arca com uma
No seu artigo 37, refere-se à educação de jovens e adultos de- parcela considerável deste nível de ensino, enquanto, os da região
terminando que “A educação de jovens e adultos será destinada nordeste tem a menor média em torno de R$ 717,00 mensais.
àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos no
ensino fundamental e médio na idade própria”. No inciso 1º, deixa
clara a intenção de assegurar educação gratuita e de qualidade a
esse segmento da população, respeitando a diversidade que nele
se apresenta.

35
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS

A Educação Especial Percebemos ao longo da história e, também na atualidade,


que a maioria dos profissionais envolvidos na educação não sabem
A Carta Magna é a lei maior de uma sociedade política, como ou desconhecem a importância e a diferença da educação especial
o próprio nome nos sugere. Em 1988, a Constituição Federal, de e educação inclusiva. Por essa razão, veio à realização deste item
cunho liberal, prescrevia, no seu artigo 208, inciso III, entre as atri- para o esclarecimento das pessoas envolvidas na educação e inte-
buições do Estado, isto é, do Poder Público, o “atendimento edu- ressados.
cacional especializado aos portadores de deficiência, preferencial-
mente na rede regular de ensino”. No entanto, Muito se tem falado A Educação Profissional no Brasil
sobre as carências do Sistema Educacional Brasileiro, mas, poucas
às vezes é mencionado o seu primo pobre - a Educação Especial. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei 9.394/96, se cons-
Muito menos são reivindicadas melhores condições para esse seg- titui num marco para a educação profissional. As leis de diretrizes e
mento que, ao contrário do que parece a primeira vista abrange um bases anteriores, ou as leis orgânicas para os níveis e modalidades
número significativo de brasileiros. de ensino, sempre trataram da educação profissional apenas par-
Segundo os últimos dados oficiais disponíveis do censo esco- cialmente. Legislaram sobre a vinculação da formação para o traba-
lar, promovido pelo Ministério da Educação, existem milhões de lho a determinados níveis de ensino, como educação formal, quer
crianças e jovens em idade escolar com algum tipo de deficiência. na época dos ginásios comerciais e industriais, quer posteriormen-
Boa parte deles não têm atendimento especializado - estão matri- te através da Lei 5.692/71, com o segundo grau profissionalizante.
culados em escolas regulares ou não estudam. A Educação Espe