Você está na página 1de 2

SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO

Menos de uma quarta parte da energia calorífica desenvolvida num motor de


explosão é convertida em trabalho útil.
O calor restante deve ser dissipado para que nenhum dos componentes do
motor aqueca a ponto de deixar de funcionar.
Os motores de combustão interna, em condições normais, cerca de 36% do
calor desaparece pelo sistema de escapamento, cerca de 7% perdem-se devido a
atritos internos e no aquecimento do óleo de lubrificação e 33% dissipam-se no
sistema de resfriamento, daí a sua grande importância.
A refrigeração é de tão importância para o motor, que dados reais constatam:
se a água a 40ºC, o desgaste do cilindro é seis vezes maior e o consumo de
combustível aumenta 20%, perdendo 8% da potência; com a água fria a 4ºC o
desgaste sobe 24 vezes mais que o normal e a perda de potência é 12% apesar de
consumir uns 35% a mais de combustível.
A maioria dos motores são projetados para operar num regime térmico
definido para manter uma folga correta uma folga correta entre as partes, promover
a vaporização do combustível, respeitar as especificações do lubrificante, etc. Isso
não seria possível sem um sistema de refrigeração eficiente.
Os sistemas de refrigeração podem ser:
1) A AR;
2) À ÁGUA.

SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO A AR

Na refrigeração a ar, também conhecida com refrigeração direta, os cilindros


possuem aletas pelas quais circula o ar que tem como característica principal a
simplicidade, menos peso do motor, maior redimento por litro de combustível
empregado pelo fato do motor trabalhar a maiores temperaturas e melhor
lubrificação. As aletas dos cilindros são projetadas para desenvolver uma maior
dissipação de calor, por esse fator que se tem a existência de aletas mais compridas
nos pontos onde se densenvolve mais calor.
Existem motores refrigerados a ar que necessitam de uma ventilação forçada,
para isso são equipados com ventiladores, estes podem ser acionados por correia ou
diretamente no eixo de manivelas.
Os acionados diretamente no eixo de manivelas, em geral, possuem um
arrefecimento pior que os motores em que o ventilador é acionado por correia. Para
minimizar as altas temperaturas eles recebem a ajuda de defletores para refrigerar
melhor o(s) cabeçote(s) e a(s) parede(s) do(s) cilindro(s), mas mesmo assim acaba
trabalhando com temperaturas mais elevadas que a dos motores que o ventilador é
acionado por correias e polias, pois este com o mesmo tamanho pode ser melhor
posicionado a ponto de distribuir melhor o ar refrigerante.
Os motores refrigerados a ar possuem algumas deficiências como:
# Maior nível de ruído provocado pela inexistência das camisas d’água, que
amortecem os ruídos das explosões e pelo fato das aletas de arrefecimento
formarem uma espécie de amplificador do barulho do motor;
# Regulagem mais delicada;
# Absorção de poeira pela turbina;
# Não tem inércia, refrigera freiando o motor;
# O motor trabalhando em baixa rotação durante tempos prolongados, não
garante uma perfeita refrigeração, provocando superaquecimento do motor.

REFRIGERAÇÃO À ÁGUA

Este processo é mais utilizado que o sistema de refrigeração a ar e possui


várias vantagens como:
# A regulagem é mais fácil de ser executada;
# Permite uma melhor refrigeração nos pontos quentes (cabeçote, tampa,
injetores, cindros, bloco), pois a água refrigerante, através dos condutos, passa nas
partes do motor que que recebem temperaturas altas e as refrigera por contato;
# Pode ter no sistema uma temperatura mais uniforme;
# Motor mais silencioso pela dupla parede da câmara d’água;