Você está na página 1de 10

Petição - Reiteração Petição Sugestão FMP FGTS virar Carteira de

Investimentos
Casa Civil da Presidência da República
Palácio do Planalto - 4º Andar
70150-900 - Brasília – DF
Carta Registrada postada em 04/09/2008 - RC413351219BR

Excelentíssimo Presidente da República Federativa do Brasil.

Com Base na CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988,


TÍTULO II - Dos Direitos e Garantias Fundamentais, CAPÍTULO I - DOS DIREITOS E
DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS, Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem
distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros
residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à
segurança e à propriedade, nos termos seguintes: XXXIV - são a todos assegurados,
independentemente do pagamento de taxas: a) o direito de petição aos Poderes
Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder.

Venho, MUI RESPEITOSAMENTE, SUGERIR, que a Presidência da República


Federativa do Brasil envida TODOS os esforços, utilizando de TODOS os meios que
dispõe, para alinhar a remuneração dos Usuários do FGTS, que aplicam recursos do
FGTS em ações, através dos Fundos Mútuos de Privatizações – FGTS, ao seu Perfil
de Investidor não especulativo, de forma a lhes garantir. o Direito Universal e
Constituído, ao maior e adequado, ganho possível.

1ª. Premissa Motivacional da Sugestão:


Enviei esta Petição ao Ministério da Fazenda, através da carta registrada
RC317750580BR, por entender que o objeto da mesma estaria sob sua plausível
avaliação, porem, como a mesma foi diretamente encaminhada à Caixa Econômica
Federal, Órgão Institucional de Execução das Políticas de Fomento, cuja Resposta é
o Anexo I. Por concordar que à CEF não cabe qualquer questionamento ao Legal
Constituído, sinto ser necessário que a Presidência da República, através de algum
de seus Órgãos de Assessoramento Político e Técnico, avalie, e se achar pertinente,
que provoque as alterações legais, que entendo serem prementes e necessárias.

2ª. Premissa Motivacional da Sugestão:


Entendo que as características básicas entre o Governo que implementou estes
procedimentos e o atual Governo são, por demais, diferentes, onde o primeiro era
"entreguista" e o segundo é "nacionalista", razão pela qual, acredito que as
mudanças propostas tenham embasamento nas características Sócio-Políticas-
Econômicas deste último.

3ª. Premissa Motivacional da Sugestão:


O Sistema Internacional esta sendo afetado pela “crise norte-americana”, de tal
forma, que verificamos variações significativas, e de rapidez extremada, nas cotações
das ações da Vale do Rio Doce e da Petrobrás. O que coloca em questão a forma com
que se implementou tão importante instrumento de Justiça Social, que é, em síntese, a
busca de uma melhor remuneração para o depósito no FGTS.

4ª. Premissa Motivacional da Sugestão:


Empresas de capital aberto perdem R$ 373 bi em dois meses, constante da página
http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u428598.shtml

Chamo a atenção para : Somente a Petrobras perdeu R$ 116,8 bilhões nos dois
meses em valor de mercado, enquanto a Vale do Rio Doce viu seu valor de
mercado reduzido em R$ 60,1 bilhões. As duas empresas respondem por 47,4%
da perda total calculada para o período.

5ª. Premissa Motivacional da Sugestão:


Trabalhador perderá se o capital da Petrobras subir, constante da página
http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u439576.shtml

Chamo a atenção para: A idéia do governo de aumentar o capital que detém na


Petrobras para elevar sua parte na divisão do lucro das reservas do pré-sal que já
foram leiloadas e são exploradas em parceria com empresas privadas prejudicará
os trabalhadores que compraram ações da empresa com o FGTS. Eles terão
diluídas suas participações, já que não podem usar mais dinheiro do fundo para
acompanhar a capitalização do controlador da estatal. Com isso, ficarão com
participação menor dos ganhos esperados com a nova reserva.

1ª. Premissa da Sugestão – Característica do Investimento


Atual - Ao efetivar as aplicações através de Fundos de Investimentos, onde a base da
remuneração esta calcada, única e exclusivamente, na variação das cotações em
Bolsa, de forma contundente, atrela ao Investidor um perfil de um mero “especulador”,
que apenas e tão somente, obterá ganhos, caso as ações tenham sofrido valorização.
Quando então, ressalto que eventos, como a “crise norte-americana”, impactarão esta
situação, de tal forma, que as variações, por serem significativas e de rapidez
extremada, tenderão a prejudicar o Investidor (Cotista) no momento de seu resgate.
Possível - Caso as aplicações estivessem sendo efetivadas através de Carteira de
Investimentos, a base da remuneração estaria calcada nas Bonificações, nos
Dividendos e nas possíveis Subscrições, uma vez que, estes são de fato, os
mecanismos naturais de remuneração dos Investimentos INDIVIDUAIS, não
especulativos, e de médio ou longo prazo, em ações (Acionistas), que é, na verdade. O
Perfil destes Investidores.

2ª. Premissa da Sugestão – Agente Financeiro


Atual – Muito embora a Caixa Econômica Federal seja a Única Responsável, por
Gerir e Administrar o FGTS, a implementação de tais Fundos de Investimentos, de
forma contundente, transferiram para outros Agentes Financeiros, inclusos particulares,
e até multinacionais, tal Responsabilidade, quando então, verificamos, que um
mecanismo, com origem e objetivos SOCIAIS, tem um leque de preços, onde
privilégios descaracterizam tais NOBRES objetivos. Vale ressaltar, que tal situação,
exige que a CEF atue como Administrador do FGTS, fornecendo informações, e como
Fiscalizador, controlando o cumprimento das normas estabelecidas, sem nenhuma
receita adicional por isso.
Possível - Caso as aplicações estivessem sendo efetivadas através de Carteira de
Investimentos, a Caixa Econômica Federal poderia ser a Única Administradora, a
implementar este mecanismo, com origem e objetivos SOCIAIS, de tal forma, que seu
preço fosse ÚNICO, sem privilegiar qualquer um, por qualquer motivo. Como também,
poderia ser possível à CEF, exercer direitos à subscrição, em nome e benefício do
Acionista, através de saque do FGTS para este fim. Claro que, deverá ser dada esta
autonomia à CEF, bem como, deverá existir Saldo no FGTS para isso, e
principalmente, desde que não haja contra-ordem do Usuário do FGTS.

3ª. Premissa da Sugestão – Pulverização


Atual – Ao efetivar as aplicações através de Fundos de Investimentos, em hipótese
alguma, se alcançou à apregoada e irreal pulverização (se é que realmente foi
pretendida), pois, nenhum cotista é, de fato, Acionista, isto é, o Administrador, por ser,
o Representante Natural e Legal, conceitualmente é o Acionista. Estamos na realidade,
centralizando PODER, nas mãos de quem, não tem nenhuma Responsabilidade, com
os REAIS Interesses, dos Cotistas, uma vez que, apesar destes não opinarem, e nem
se manifestarem, caso o Fundo seja mau administrado, as conseqüências serão
arcadas, apenas e tão somente, por Eles. Quando então, ressalto, que Este
Administrador, dependendo da situação, poderá exercer, em nome dos Cotistas, mas
sem nenhuma preocupação com seus interesses, de forma significativa, este poder nas
Assembléias destas Empresas.
Possível - Caso as aplicações estivessem sendo efetivadas através de Carteira de
Investimentos, a Caixa Econômica Federal poderia ser a Única Administradora, com a
automática, ou mesmo opcional, Representação, de tal forma, que sua
Responsabilidade em Preservar os Interesses dos usuários do FGTS, estaria mantida.
Ressalto que o Governo Federal teria sua participação Inalterada, uma vez que,
haveria a continuidade da representação centralizada, pela CEF, ou parcial
pulverização das participações, dos Acionistas (Usuários do FGTS).
4ª. Premissa da Sugestão – Comentário sobre o artigo abaixo
Democratização do Mercado Acionário: A Utilização de Recursos do FGTS na
Compra de Ações da Petrobrás
Revista do BNDES, Rio de Janeiro, V.9, N.15, P.3-20, JUN 2001
http://www.bndes.gov.br/conhecimento/revista/rev1501.pdf

Este artigo estaria correto se os Usuários do FGTS não fossem Cotistas de Fundos
de Investimentos, bem como, não sofressem discriminações, onde privilégios pela
condição financeira e relação trabalhista não fosse tão palpável, através das taxas
de administração praticadas pelas mesmas Instituições Controladoras.

Não concordamos com a afirmativa de que : “O sucesso da operação Petrobrás-FGTS


que a venda pulverizada é um caminho válido para o governo alienar ações que detém
em Empresas Estatais”, uma vez que, embora a venda seja pulverizada, a
representação é centralizada, na figura do Administrador do Fundo, o que,
certamente, coloca em questão, a própria menção da pulverização, uma vez que a
mesma, relaciona-se a controle acionário.

5ª. Premissa da Sugestão – Uma pergunta que não quer se calar...


Será que os Cotistas destes Fundos, já não foram, de alguma forma, prejudicados
por não terem exercido alguns dos Direitos de Bonificação, de Dividendos, ou de
possível Subscrição ?

Sugestão
Reunir os Patrimônios de todos os Fundos Mútuos de privatização – FGTS, sob a
Responsabilidade da Caixa Econômica Federal, em uma estrutura similar à
Administração de Carteira de Investimento, onde cada Investidor será um Acionista
Individual, de tal forma que TODOS os Direitos lhe sejam garantidos, com a
representação automática pela CEF no usufruto destes.
Deverá ser permitido à CEF reinvestir em ações, dividendos recebidos em espécie,
bem como, sacar do Saldo do FGTS importâncias necessárias ao usufruto de
possíveis Subscrições, desde que haja Saldo e de que não haja contra-ordem do
Acionista, quando então, ressalto ser esta, a única possibilidade de se extrapolar o
percentual máximo permitido de aplicação do FGTS.

Atenciosamente,

Plinio Marcos Moreira da Rocha


Rua Gustavo Sampaio no.112 apto. 603
LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil CEP 22010-010
Tel.(21) 25542-7710 ou 2295-7208
Analista de Sistemas

ANEXO I - Resposta Oficial da CEF da Sugestão enviada ao Ministério da


Fazenda
ANEXO II - Agradecimento à CEF da Resposta à Sugestão enviada ao
Ministério da Fazenda

Rio de Janeiro, 04 de setembro de 2008

À Superintendência Nacional de Desenvolvimento de Produtos de Ativos de teceiros


Av. Paulista, no 2300 11o. andar
01.310-300 - São Paulo - SP
Carta simples postada em 04/09/2008

ASSUNTO: Ofício no. 037/2008/SUPOT/GEPOT

Cumpre-me informar, em Respeito, e em Consideração, compatíveis ao


Reconhecimento do tratamento dispensado, que acuso o recebimento do Ofício em
epígrafe.

Em relação ao mesmo, devo confessar minha inteira concordância, com os


Senhores Celso Zanin - Superintendente Nacional e Alessandro Toledo Cruzolini -
Gerente Nacional, uma vez que, reconheço ser a Caixa Econômica Federal um Braço
Institucional de EXECUÇÃO de Políticas de Fomento, razão pela qual, esperava que o
Ministério da Fazenda, através de um de seus Órgãos de Assessoramento Político,
avaliasse a questão e, se assim entendesse, promovesse a necessária discussão
política da questão, de forma a provocar alterações legais, que entendo serem
prementes e necessárias, quando então, estarei reendereçando as Sugestões ao
Excelentíssimo Presidente da República Federativa do Brasil.

Agradeço a atenção dispensada, quando então, manifesto meus protestos de


Estima, Respeito e Consideração à Caixa Econômica Federal, em especial a Esta
Superintendência e a Esta Gerência.

Atenciosamente,

Plinio Marcos Moreira da Rocha


Analista de Sistemas
Rua Gustavo Samapio no. 112 apto. 603
LEME - Rio de Janeiro - RJ CEP 22010-010
Tel. (21) 2542-7710