Você está na página 1de 30

MUNDO: Principais conflitos da

Atualidade.
(Livro 4)

Turma 91

Geografia – Frente B
Prof. Bruno César
Introdução
A Ásia é o maior continente da Terra, correspondendo a quase um terço das terras
emersas do globo. É também o continente mais populoso. Nele, concentra-se uma
população superior a quatro bilhões de pessoas, o que fez surgir, ao longo do tempo,
uma grande diversidade cultural e étnica.
As características étnicas também variam bastante:
- enquanto a pele amarela predomina no leste.
- grande parte da Ásia Central, as populações da Índia e oeste da Ásia são
majoritariamente de origem branca, e em algumas regiões da Índia e da Indonésia
encontram-se populações de pele escura.
É comum encontrar nas mais diversas mídias notícias sobre os conflitos armados entre
palestinos e israelenses. Geralmente, ocorrem por meio de ataques terroristas,
atentados, homens-bomba, entre outros acontecimentos, sempre marcados por um alto
nível de violência.

Os conflitos entre Israel e Palestina nasceram em tempos remotos, pois se enraízam nos ancestrais confrontos
entre árabes e israelenses.
No Iraque, as divergências estão ligadas às questões religiosas, econômicas,
territoriais e étnicas. O país é protagonista de confrontos com o Irã e o Kuwait, além
da divergência eterna com os Estados Unidos.

Violência no Iraque
✔ As três principais religiões monoteístas, ou seja, crença na
existência de um único Deus, surgiram no Oriente Médio: O
Islamismo, o Cristianismo e o Judaísmo
No Oriente Médio, cerca de 92% da população é muçulmana.
A maioria pertence às seitas sunita e xiita (sugeridas logo
após a morte do profeta Maomé, em 632 d.C.).

Religião

A região abriga ainda cerca de Além disso, também vivem


13 milhões de cristãos, muitos no Oriente Médio cerca de 6
de igrejas árabes, como a copta milhões de judeus, quase
ou a maronita, que estão entre todos em Israel.
as mais antigas do cristianismo.

http://www.brasilescola.com/geografia/oriente-medio.htm
A cidade de Jerusalém é disputada pelas três grandes
religiões. É um local sagrado para o Islamismo, o
Cristianismo e o Judaísmo.

- ISLAMISMO: Domo da Rocha, em Jerusalém, é o


terceiro local mais importante no Islamismo, de onde
Maomé subiu aos céus.

- CRISTIANISMO: Igreja do Santo Sepulcro, localizada


em Jerusalém, assinala o local tradicional da
crucificação, do enterro e da ressurreição de Jesus
Cristo. cidade de Jerusalém

- JUDAÍSMO: Para os judeus, o Muro das Lamentações,


parte do Segundo Templo, localizado na cidade de
Jerusalém, é o local mais sagrado de todos.
Importante destacar . . .

✔ Os conflitos que hoje assolam o Oriente Médio têm diferentes motivos.

O principal deles diz respeito ao território: israelenses e palestinos lutam para


assegurar terras sobre as quais, segundo eles, têm direito milenar.

✔ Outra questão diz respeito à cultura e à imposição de valores ocidentais às


milenares tradições orientais.

✔ Pode-se ainda mencionar o fator econômico - talvez o preponderante: potências


capitalistas desejam estabelecer um ponto estratégico na mais rica região
petrolífera do planeta. E ainda existe a questão política.
A Caxemira é uma região montanhosa ao norte dos dois países. Grande
parte da população da região é muçulmana e quer a anexação ao
Paquistão, que a Índia nega.

Atualmente, dois terços do território


estão sob domínio indiano e o restante
sob controle do Paquistão e da China.
O Paquistão reivindica o controle total da Caxemira sob o argumento
de que lá vive uma população de maioria islâmica a mesma do país.

Já a Índia tem uma população majoritariamente hindu.


Hindu Islamismo
A rivalidade levou a uma corrida armamentista que culminou com a entrada de
Índia e Paquistão, em 1998, no clube dos países detentores de armas
nucleares. Ambos desenvolveram ao máximo sua infraestrutura militar.

Desde então, as hostilidades na Caxemira passaram a ser acompanhadas


com mais atenção pela comunidade internacional.
Síntese . . .
Caxemira e Punjab.
✔ Caxemira: região localizada entre China, Índia e Paquistão com população
majoritariamente muçulmana;

✔ O Paquistão tenta anexar a região por meio de um referendo popular;

✔ Além da questão religiosa, a região concentra vales férteis e nascentes de rios;

✔ Punjab: região ao norte da Índia que vive um conflito devido a reivindicação de


independência da etnia sikh
Politicamente, o estado do Punjab é o
resultado de uma divisão entre Índia e
Paquistão, após a partilha da Índia
britânica em 1947.

O Paquistão recebeu 62% do Punjab. Essa


parte do Punjab se tornou uma das províncias
do Paquistão.

Em 1966, a parcela da Índia do Punjab foi


dividida em três estados: Punjab, Haryana e
Himchal Pradesh.
O estado de Punjab é um dos mais prósperos da Índia e com os menores
índices de fome do país.

Seu crescimento econômico foi em grande parte resultado do


desenvolvimento da agricultura, que atualmente possui alta
produtividade.

Um dos fatores que fazem do Punjab uma área


agrícola produtiva é o seu solo fértil, com uma
extensa superfície plana.
•A Guerra Civil da Síria é um conflito que se estende
desde 2011 entre vários grupos armados. O
Observatório Sírio de Direitos Humanos já estimou
Destaque . . . como consequência do conflito mais de 470 mil
mortos e mais de 11 milhões de refugiados
sírios, dos quais 4,9 milhões migraram para fora do
país.
Causas do conflito

A Síria é governada pela família al-Assad desde a década


de 1970 de maneira ditatorial. Bashar al-Assad só assumiu
o país em 2000, após a morte de seu pai, Hafez al-Assad.

O governo de Bashar sofreu inúmeras críticas pela


corrupção e pela falta de liberdade política. Essas críticas
tomaram novas proporções com a Primavera Árabe
• A Primavera Árabe aconteceu quando a população de inúmeros países árabes manifestou-se
exigindo democracia e melhores condições de vida em seus países.

• Os protestos iniciaram-se no final de 2010, na Tunísia, e espalharam-se por outros países, como
Líbia e Egito.

Na Síria, os protestos iniciaram-se em março de 2011, na


cidade de Deraa, no sul da Síria.

A resposta do governo sírio


foi violenta, o que motivou novas
rebeliões em diferentes partes da Síria,
como na capital, Damasco, e Aleppo, a
maior cidade da Síria.
À medida que a repressão do governo contra os protestos populares aumentava,
formaram-se grupos de resistência.

Esses grupos logo se transformaram em milícias armadas, que partiram ao


ataque na tentativa de expulsar as tropas de Assad de suas regiões e derrubar
o governo sírio.

Esses exércitos rebeldes foram inicialmente formados por civis e militares


desertores.
A principal força rebelde é o Exército Livre da Síria, que surgiu em julho de 2011.

Esse grupo possui características seculares (não está sujeito a nenhuma ordem
religiosa) e, portanto, é considerado um grupo rebelde moderado.

A oposição rebelde, entretanto, passou a contar com grupos extremistas de tendência


jihadista, como o Jabhat Fateh al-Sham, anteriormente conhecida como Frente Al-Nusra.
A partir de 2013, o Estado Islâmico, antigo braço armado iraquiano da Al-Qaeda, aproveitou-se
da instabilidade da Síria e aderiu a grupos rebeldes de jihadistas sunitas.

Entretanto, como o Estado Islâmico cresceu rapidamente,


ele se autoproclamou um Califado em territórios na Síria e
no Iraque.
Mobilização estrangeira

O governo sírio possui o apoio da Rússia e do Irã, que enviam,


além de armas e dinheiro, tropas.

O Exército Livre da Síria e o Exército curdo recebem o apoio


dos Estados Unidos. Além disso, a Turquia também financia o
Exército Livre da Síria, mas luta abertamente contra o Exército
curdo (os curdos são uma minoria perseguida na Turquia).

Você também pode gostar