Você está na página 1de 20

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/319653565

A CRIANÇA É FEITA DE CEM: AS LINGUAGENS EM MALAGUZZI

Chapter · January 2014

CITATIONS READS

0 48,423

1 author:

Paulo Sérgio Fochi


Universidade do Vale do Rio dos Sinos
59 PUBLICATIONS   83 CITATIONS   

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Artigo fruto de projeto de investigação sobre linguagens e infância View project

Livro elaborado para o projeto de Pedagogia EAD da Unisinos. View project

All content following this page was uploaded by Paulo Sérgio Fochi on 12 September 2017.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


1
2
SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO ................................................................................................................ 4

A CRIANÇA É FEITA DE CEM: AS LINGUAGENS EM MALAGUZZI .................................. 6

CRIAR INFÂNCIA CRIADORA ........................................................................................... 22

OS ESPAÇOS COMO LUGARES ...................................................................................... 28

A IMPORTÂNCIA DAS VIVÊNCIAS JUNTO À NATUREZA NA EDUCAÇÃO INFANTIL .. 38

EXPLORAR E INTERAGIR COM O MUNDO: OS MATERIAIS NA EDUCAÇÃO


INFANTIL............................................................................................................................ 51

DESENHAR – MUITO MAIS DO QUE UMA EXPERIÊNCIA GRÁFICA............................. 65

3
CAPÍTULO 1

A CRIANÇA É FEITA DE CEM1: AS LINGUAGENS EM MALAGUZZI

Paulo Sergio Fochi

Este primeiro texto apresenta um dos autores que se ocupou do tema das
linguagens nos últimos tempos e traz, como cenário reflexivo, a escola contemporânea e
suas crianças em seus processos de elaboração e criação de conhecimento. Destaca,
através do pedagogo Loris Malaguzzi, as “cem linguagens” que as crianças utilizam para
simbolizar e comunicar-se com o seu contexto. Além disso, aborda ainda questões relativas
à escuta e à imagem das crianças, tema que este autor se ocupou para criar o argumento
das diversas linguagens.

Um pouco da história de Loris Malaguzzi

Começamos falando sobre Malaguzzi, que, na região de Emilia Romagna, na Itália,


difunde uma ideia revolucionária a cerda das crianças e da Pedagogia. Malaguzzi (1999a,
p. 71) ensinou ao mundo que, para construir uma Pedagogia voltada à pequena infância,
deve-se estar consciente de “que as coisas relativas às crianças e para as crianças somente
são aprendidas através das próprias crianças”. O autor nunca se preocupou em dogmatizar
os princípios pedagógicos que acreditava, pelo contrário, sua obra é como um quebra-
cabeça, na qual os autores que o pedagogo estudava eram como peças que ele “encaixava
e desencaixava [...] em diversas composições que ajustava e desajustava com relações e
combinações inesperadas” (HOYUELOS, 2004a, p. 32).

Durante o fascismo não dispúnhamos de autores estrangeiros [...]. Depois viemos a


conhecer Dewey, Washburne, Dalton, Kilpatrick e Perice, dos Estados Unidos, [...] e
Susan Isaacs, da Inglaterra, Wallon e Freinet, da França [...]. Nos primeiros anos, a
Montessori nos foi de grande ajuda como referencial cultural e histórico, nunca como
modelo; ainda hoje mantemos uma atitude crítica em relação a ela [...] a abordagem

1Trecho da poesia de Loris Malaguzzi “As cem linguagens”, cujo título também foi utilizado em uma das suas
exposições de documentações pedagógicas dasexperiências das crianças.

6
dela é confortante, porém simplista [...][o que] pode ser perigoso [...]. Depois,
Makarenko e Vygostsky, que ainda são muito importantes pra nós [...]. Piaget e os
neopiagetianos [...]. A psicologia social, tanto americana como europeia, Erikson [...].
Depois David Hawkins, que é muito importante [...] e, naturalmente, a psicanálise,
embora dela mantenhamos uma certa distância, com Freud, Jung, Melanie Klein [...].
Ultimamente, a teoria da complexidade, com Morin [...], Maturana e Varela, dois
pesquisadores chilenos que se especializaram em Biologia na Universidade de
Harward [...]. Depois Bronfebrenner, Bruner, sobretudo o último Bruner que está
resgatando uma solidariedade mais explícita nos recursos das crianças [...] que fala
em sinergia entre o lado direito e o lado esquerdo do cérebro. (MALAGUZZI apud
RABITTI, 1999, p. 61-62)

Além da presença dos distintos nomes de pedagogos, psicólogos, filósofos,


antropólogos e linguistas, Malaguzzi também trazia para compor seu quebra-cabeça
artistas, poetas, arquitetos, designers e profissionais de tantas outras áreas que ele
acreditava serem importantes para auxiliar a pensar sobre a criança. Conforme lembra
Hoyuelos (2004a, p. 32), Malaguzzi “atualizava e metabolizava os autores em cada
momento e fazia com eles uma operação de cuidado sacrilégio, sabendo que o único
sagrado – para ele – era o respeito aos direitos das crianças”.

Nas quase cinco décadas do trabalho de Malaguzzi, ele sistematizou sua crença
sobre as crianças e a Pedagogia por meio da documentação pedagógica das experiências
de meninos e meninas em creches e escolas infantis. Malaguzzi (1992, p. 19 apud FARIA,
2007, p. 278) explica em uma entrevista dada ao jornalista Peter Ambeck-Madsen que:

Há séculos que as crianças esperam ter credibilidade. Credibilidade nos seus


talentos nas suas sensibilidades, nas suas inteligências criativas, no desejo de
entender o mundo. É necessário que se entenda que isso que elas querem é
demonstrar aquilo que sabem fazer. A paixão pelo conhecimento é intrínseca a elas.

Através da documentação pedagógica, Malaguzzi tornou visível outra imagem de


criança, diferente daquelas que até então eram encontradas nos livros de pedagogia e de
psicologia. Assim, revelou uma criança capaz, portadora do inédito, “uma declaração contra
a traição do potencial das crianças, e um alerta de que elas, antes de tudo, precisavam ser
levadas a sério” (MALAGUZZI, 1999a, p. 67). Com seu poema, “As cem linguagens”, o
pedagogo deu nome a uma exposição que girou o mundo, compartilhando documentações
sobre as crianças de Reggio Emilia. Seu poema, além de reivindicar que as crianças são
“feitas de cem”, alerta sobre o papel da escola e da sociedade.

Esse tema da documentação pedagógica surge para Malaguzzi (HOYUELOS,


2004b, 2006) no final da década de 1960, quando assessorava em Reggio Emilia e Modena.

7
Obstinado pela ideia de tornar público o trabalho realizado nas escolas infantis, o autor
solicitava aos professores que incorporassem em sua prática o hábito da escrita, e que a
partir desta refletissem sobre o trabalho pedagógico. Naquela época, Malaguzzi incentivava
“os professores a ter um caderno de bolso para escrever as coisas importantes”
(HOYUELOS, 2004b, p. 65), como falas das crianças, observações do cotidiano, hipóteses
que as crianças lançavam sobre os temas de estudo, enfim, tudo aquilo que pudesse compor
como elementos importantes a serem considerados na construção e na atualização dos
projetos educativos das escolas, e o que pudessem acrescentar algo na intensa jornada do
adulto em conhecer as crianças.

Além disso, o pedagogo italiano e os professores das escolas se instrumentalizavam


com cadernos que chamavam de “diários” ou de “fatos e reflexões”.

Se trata de cadernos grandes, pautados ou quadriculados, escritos com certa


elegância [...] na primeira página, se indica o nome da escola e o grupo, os nomes
dos professores que os acompanham no ano escolar de referência; na segunda,
registra o nome de todas as crianças, suas datas de nascimento e as respectivas
datas de ingresso [...]. (BORGHI, 1998, p. 189 apud HOYUELOS, 2006, p. 195)

A organização dos registros exigida por Malaguzzi parece se compor como um dos
elementos necessários para que a vida da escola não fosse perdida nem automatizada.
Trata-se de um testemunho ético (MALAGUZZI, 2001), no qual se declara publicamente a
importância da escola infantil para as crianças, para as famílias e para a comunidade, assim
como visibilizava a valorização do trabalho que professores e professoras realizavam nos
interiores das escolas. No entanto, isso só se tornaria possível se os professores se
comprometessem ao hábito do registro diário.

Malaguzzi se preocupava pela ausência de uma cultura de registrar os percursos


das crianças, ficava incomodado por a escola não “dar testemunho cultural ou pedagógico
de sua profissão” (HOYUELOS, 2006, p. 194). Além disso, acreditava ser necessário investir
em uma mudança em relação ao pensamento a cerca do trabalho dos professores e das
escolas:

É mais fácil que um caracol deixe rastros do seu próprio caminho, de seu trabalho,
que uma escola ou uma professora deixe rastro escrito de seu caminho, do seu
trabalho. [...] Em alguns países ocidentais se considera uma interferência inoportuna
ou lesiva aos direitos de alguém. Nós fazemos [a documentação] porque nos dá um
conhecimento mais próximo e reflexivo de nosso próprio trabalho. (MALAGUZZI,
1989 apud HOYUELOS, 2006, p. 195).

8
A partir das anotações que as professoras realizavam, o pedagogo investia tempo,
analisando o material e, em seguida, organizando encontros para debater publicamente
sobre as anotações feitas. Malaguzzi pedia para que as professoras “não se centrassem em
uma criança sem levar em conta o contexto em que está desenvolvendo suas atuações”
(HOYUELOS, 2006, p. 196).

Isso nos leva a crer que as influências teóricas de Malaguzzi (1999a, 2001), como
nesse caso, as de Vygotsky, impulsionavam sua argumentação e davam a ele subsídios
para fazer da escola, do professor e das crianças sujeitos que tanto marcam quanto são
marcados por uma cultura e por uma história.

Malaguzzi sempre se preocupou com uma criança “concreta”, que não seria
possível de ser encaixada em quadros predeterminados. Conforme o pedagogo, “é
importante [...] nos esforçarmos para encontrar as expressões certas para não encerrarmos
as possibilidades da infância. [...] A criança sempre é um sujeito desconhecido e em contínua
troca” (HOYUELOS, 2004a, p. 58).

Nesse sentido, é por isso que, ao ler e acompanhar as anotações que eram feitas
pelas professoras sobre as crianças, Malaguzzi chamava atenção sobre a forma do
exercício de observação e reflexão que o adulto deveria fazer sobre as crianças, o contexto
e o conhecimento.

Desse modo, vieram a adotar uma perspectiva social construtora, na qual o


conhecimento é visto como parte de um contexto dentro de um processo de
produção de significados em encontros contínuos com os outros e com o mundo, e
a criança e o educador são compreendidos como coconstrutores do conhecimento
e da cultura (DAHLBERG; MOSS, 2012, p. 27-28)

A escrita das experiências das crianças sempre foi um aspecto importante na


perspectiva malaguzziana. Narrar é uma forma de produzir conhecimento. Assim, “para
Malaguzzi, é tão importante observar ou investigar sobre os processos de conhecimento da
criança como, posteriormente, saber narrá-los” (HOYUELOS, 2006, p. 179). Através da
narrativa é que se constrói sentido à criança, mas também, ao narrar, os professores
“estarão contando suas próprias biografias profissionais e pessoais, nos confiam suas
perspectivas, expectativas e impressões acerca do que consideram o papel da escola na
sociedade contemporânea” (SUAREZ apud HOYUELOS, 2006, p. 183).

9
As dimensões narrativas postuladas por Malaguzzi, já no início do trabalho com as
escolas infantis, apontam para um legado importante da Pedagogia, que é, até hoje,
cultivado nos diversos lugares que se inspiram no pensamento desse pedagogo. Talvez por
sua paixão pelo teatro, as narrativas produzidas pelo autor sejam histórias que nos levam a
conhecer um universo profundo do conhecimento e das crianças, ou de como as crianças
aprendem e se relacionam com o mundo. A poesia das palavras de Malaguzzi não perde
força no rigor e no protesto ao respeito pelas crianças, e também não se distancia da
dimensão prática do cotidiano da escola, nem da mais alta teoria já produzida. Ao contrário,
com belas narrativas, o pedagogo consegue reivindicar uma escola de qualidade e torna
visíveis as belezas que emergem no “mundo da vida cotidiana”2 (MELICH, 1996), ao mesmo
tempo que protesta por condições melhores para os meninos, as meninas e os adultos que
compartilham daquele lugar.

Se até aquele momento a escrita era a principal ferramenta para documentar


pedagogicamente a vida da escola, mais adiante, na década de 1970, com a abertura da
emblemática Escola Diana, Malaguzzi desafia a atelierista3 Vea Vecchi a construir painéis
de documentação, explorando uma nova narrativa “que graças a profissionalidade de Vea,
torna-se uma documentação de qualidade visual” (HOYUELOS, 2004b, p. 72). Em outras
palavras, a partir disso, as educadoras descobrem a máquina fotográfica e, com ela, “uma
forma de testemunhar e contar acontecimentos extraordinários” (HOYUELOS, 2006, p. 199).
Também com apoio de Vea, nasce a exposição “Il piccione”4, sendo esta a primeira vez que
utilizam a fotografia como uma linguagem comunicativa.

Vea Vecchi, com sua sensibilidade e capacidade artística, consegue convencer


Malaguzzi que, por meio da imagem, é possível narrar as histórias das crianças e dos

2Mélich (1996, p. 38) irá registrar que “o mundo da vida cotidiana é intersubjetivo; não só está habitado por
objetos, por coisas, como também por semelhantes comquem estabeleço ações e relações”.
3 A terminologia atelierista é utilizada em Reggio Emilia e em outras cidades que utilizam a abordagem de
Malaguzzi para nomear os profissionais, geralmente com formação em artes visuais, que “trabalham com os
professores nas escolas municipais de Reggio, normalmente num ateliê (oficina) [...], onde apoiam e ajudam
a desenvolver as linguagens visuais de adultos e crianças, como parte de um complexo processo de
construção do conhecimento” (RINALDI, 2012, p. 12). Também é importante registrar que não se trata de um
professor de artes que fará aulas sobre o assunto, mas sim de outro profissional que atua junto ao professor
das turmas nos projetos e trabalhos das crianças. O atelierista também é responsável por realizar os registros
das experiências das crianças e documentá-las através dos painéis, folhetos, folders, ou seja, também atua
na documentação pedagógica.
4II piccione”, o pombo, é o nome da primeira exposição documental fotográfica realizada por Malaguzzi, Vea
Vechi e as educadoras da escola Diana. A exposição é sobre uma pesquisa de observação de pombos de
verdade (HOYUELOS, 2004b).

10
adultos. Em seguida, o pedagogo italiano “começa a perceber que esses elementos podem
ser usados para comunicar qualquer coisa a alguém que não esteja presente diretamente
ao realizar a experiência” (HOYUELOS, 2004b, p. 72).

Esse fato tem uma importância muito grande não só pela forma como foi entendida
a documentação pedagógica nas escolas infantis italianas, mas também por ter sido a maior
fonte da produção de Loris Malaguzzi, e que depois deu origem às “narrações em imagem
da revista Zerosei” (HOYUELOS, 2006, p. 201), esta também dirigida pelo pedagogo.

Como já foi registrado, Malaguzzi (HOYUELOS, 2006) ainda subverteu a forma da


produção de conhecimento e fez da documentação pedagógica a sua maior produção de
revisões teóricas aliadas à prática – in vivo5. Essa relação entre os livros (a teoria) e a escola
(a prática) se fundia nas produções que Malaguzzi, e seus companheiros de trabalho
registravam-nas e tornavam-nas públicas como fonte de debate e de cultura pedagógica.

Esse é um elemento importante deste estudo, no qual se indica a eminência de


pararmos para refletir a experiência educativa, da mesma forma como o fez Malaguzzi ao
longo de seus anos de trabalho voltados à documentação pedagógica, na qual ele criou
formas de interromper qualquer possibilidade do pensamento e do conhecimento ficarem
parados apenas em discursos e teorias. Ao contrário, o pedagogo preferiu percorrer
caminhos difíceis e de incertezas, o que colocava ele e todos aqueles que com ele
compartilhavam daquele projeto educativo em um pulsante movimento da vida, do
conhecimento e da construção de ideias pedagógicas.

É por isso que o tema das linguagens, das cem, foi entoado por Malaguzzi. Por meio
das documentações pedagógicas das experiências das crianças nas escolas, o pedagogo
italiano compartilhava das inúmeras formas que aqueles meninos e meninas utilizavam para
organizar, estruturar, empreender, produzir e experimentar o conhecimento. Desta forma,
falar nas linguagens, em Malaguzzi, implica em uma mudança, tema sobre o qual nos
debruçaremos neste texto.

5 Além das narrações em imagens feitas por Malaguzzi na revista Zerosei, alguns importantes projetos foram
publicados e podem ser vistos, como Tutto há um’ombra meno le formiche, 1995; Scarpa e metro, 1997, e da
exposição I centro linguaggi dei bambini, que percorreu diversos países e também foi publicada em um
catálogo.

11
Portanto, se as linguagens são expressas de “cem formas” (MALAGUZZI, 1999a),
se elas estão no corpo inteiro, se somos constituídos por elas, e, portanto, não podemos
viver fora delas, é interessante observar que a partir das linguagens interpelamos o mundo,
nos constituímos e constituímos novas maneiras de conhecer e descobrir sobre os
sentimentos, sobre as emoções e sobre a natureza humana (PARKER-REES, 2010).

Da metáfora das cem linguagens, cem formas de pensar as experiências das


crianças

Ao contrário, as cem existem / A criança / é feita de cem. / A criança tem / cem


linguagens/ cem mãos / cem pensamentos / cem modos de pensar / de jogar e de
falar /cem sempre cem / modos de escutar / as maravilhas de amar / cem alegrias /
para cantar e compreender /cem mundos / para descobrir / cem mundos / para
inventar / cem mundos / para sonhar. / A criança tem cem linguagens / (e depois cem
cem cem) / mas roubaram-lhe noventa e nove. / A escola e a cultura / lhe separam
a cabeça do corpo. / Dizem-lhe: / de pensar sem mãos / de fazer sem a cabeça / de
escutar e de não falar / de compreender sem alegrias / de amar e maravilhar-se / só
na Páscoa e no Natal. / Dizem-lhe: que descubra o mundo que já existe / e de cem
roubam-lhe noventa e nove. / Dizem lhe: / que o jogo e o trabalho / a realidade e a
fantasia / a ciência e a imaginação / o céu e a terra / a razão e o sonho / são coisas
que não estão juntas. / E lhes dizem / que as cem não existem. / A criança diz: / ao
contrário, as cem existem. (MALAGUZZI, 1999)

O pedagogo italiano Loris Malaguzzi organizou seu pensamento sobre as crianças,


as infâncias, as linguagens e a pedagogia a partir de metáforas, pois ele sugere que o
repertório pedagógico de sua época – iniciado na década de 1950 – não era suficiente para
compreender e nomear as experiências vividas pelas crianças. Com seu poema, “As cem
linguagens”, deu nome a uma exposição que girou o mundo, compartilhando
documentações sobre as crianças de Reggio Emilia. Seu poema, além de reivindicar que as
crianças são “feitas de cem”, alerta sobre o papel da escola e da sociedade.

De acordo com Hoyuelos6 (2006), Malaguzzi se utiliza da metáfora como narrativa


para expor seu pensamento, “a metáfora como uma transgressão linguística e simbólica que
permite estabelecer uma nova interpretação” (HOYUELOS, 2006, p. 174), criando uma nova
realidade e estabelecendo novas relações com a mesma. Loris “[...] supõe poder expressar

6Alfredo Hoyuelos foi quem sistematizou a obra de Loris Malaguzzi. Durante anos, Hoyuelos trabalhou e
conviveu com Malaguzzi e, como tema de sua tese dedoutorado, Hoyuelos defendeu sobre a complexidade
da pedagogia do pedagogo italiano. Em função da pouca produção escrita de Malaguzzi, muitas das citações
utilizadas são extraídas a partir dos livros de Hoyuelos, resultado de sua tese.

12
em termos concretos sua forma de ver o mundo infantil. As metáforas enchem esse oco que
a linguagem normal deixa e se faz incapaz de alcançar com expressões habituais”
(HOYUELOS, 2006, p. 174), e é por isso que Malaguzzi buscou falar da infância de outro
modo. Assim, para o pedagogo italiano, o tema das linguagens tornou-se o grande desafio
da escola da infância, já que para o autor as crianças aprendem e relacionam-se com o
mundo por meio de diferentes formas utilizadas para simbolizar. Elas utilizam cem formas
de se comunicar com o mundo (MALAGUZZI, 1999, p. 322).

[...] cem sinais potentes e vitais que as crianças da escola infantil enviam ao mundo
dos adultos, para que esse mundo aprenda a não corrompêlos, aprenda a entender
quais são os códigos de suas próprias linguagens, que convergem em uma paixão
muito forte de viver e de conhecer.

Malaguzzi destaca a necessidade de não reduzirmos os conceitos e as


possibilidades da infância. Por isso ele fala das cem linguagens, exaltando a complexidade
do que é ser criança, já que elas estão imersas em um universo de descoberta, de espanto,
de curiosidade, de fantasia, enfim, de relações e experiência com a vida. Desta forma, é
importante estar ciente de que jamais será possível traduzir totalmente as experiências das
crianças, uma vez que os modos de ser criança são mutáveis e que elas são sujeitos em
transformação, e, portanto, desconhecidos. A criança é “[...] inteligente, exigente, tenaz,
persistente, inconformista, perturbadora da ordem estabelecida e revolucionária”
(HOYUELLOS, 2006, p. 324).

Para este autor, o tema das linguagens vincula-se ao desejo e curiosidade da


criança em interpelar o mundo, em agir, características que a acompanham desde o seu
nascimento, Assim, podemos compreender que as linguagens das crianças configuram-se
de um modo de ação no mundo que ocorre de diversas formas, corrompendo a ideia de que
somente a partir do momento da aquisição da fala é que se começa a comunicar-se. Seria
o “linguagear” que Maturana e Varela (2001) afirmam e Dahlberg e Moss (2012) destacam:
“da linguagem como abstrato, um nome, para a linguagem como um ato, um verbo” (p. 38).

É neste aspecto que reside um dos principais elementos na obra malaguzziana, pois
o autor convoca a refletir que, mesmo não falando, as crianças dizem, convocam, anunciam.

A espécie humana pode expressar-se em uma variedade de linguagens. Todas as


línguas são construídas em posição de reciprocidade e se desenvolvem através da
experiência. Todas as línguas têm o poder de criar outras línguas, nova lógica e
potencial criativo. São as linguagens das milhares de representações que as

13
crianças devem questionar como uma extensão do próprio eu. (HOYUELLOS, 2004,
p. 123)

Nesse sentido, Malaguzzi auxilia a refletir as pedagogias, especialmente as


referentes a crianças pequenas, destacando que a linguagem se traduz na forma como cada
ser humano busca relacionar-se com o mundo, ou seja, que a dimensão cultural na qual
cada sujeito está inserido traduz-se em formas de linguagens expressas através de
diferentes formas e materialidades. Isto posto, a pintura, a modelagem, a palavra escrita e
falada, a composição com diferentes materiais, assim como os gestos, a força do olhar e os
balbucios dos bebês, configuram-se uma complexa antologia da linguagem que estão, como
o próprio pedagogo italiano considera, “a espera de ser expressadas através de uma
intervenção coerente que possa solicitar a atividade das mãos, dos cérebro, da surpresa, do
interesse, da atenção, da concentração da criança” (HOYUELOS, 2006, p. 141).

Essa antologia da linguagem, em outras palavras, torna-se uma coleção de formas


de se expressar, traduzidas muitas vezes nos materiais e ambientes criados para as
crianças, já que as “linguagens devem compor o conhecimento da história de todas as
crianças, sem que ninguém possa tolher a oportunidade de construir uma experiência
pessoal e coletiva” (PLANILO, 2004, p. 96).

Malaguzzi fala sobre a antologia da linguagem: a linguagem gráfica da argila, da


pintura, do desenho e da colagem, a linguagem verbal de vozes e silêncios, a
linguagem matemática de classificação, a linguagem musical de ruídos, ritmos e
sons, a linguagem científica e da observação, da análise e de relações, e a fantástica
linguagem da invenção lúdica. (PLANILO, 2004, p. 96)

A antologia prenunciada por Malaguzzi possibilita compreender que dentro de uma


linguagem residem outras; que a experiência possibilita conhecer e descobrir novas
linguagens, em outras palavras, a linguagem da palavra deriva, também, da linguagem da
não palavra – a não palavra tem, dentro de si, muitas palavras, sensações e pensamentos,
muitos desejos e meios para conhecer, comunicar e expressar (HOYUELLOS, 2006). Não
há hierarquia entre uma linguagem e outra, tampouco devemos supervalorizar esta ou
aquela, “todas as expressões se constroem em reciprocidade, e possibilitam gerar outras
linguagens que nascem e se desenvolvem na experiência” (HOYUELOS, 2006. p.148).

Nesse sentido, é necessário destacar a ideia que Malaguzzi postula sobre as


possibilidades da criança construir teorias provisórias sobre o patrimônio de conhecimento
que a humanidade produziu nas experiências das cem linguagens, fruto de uma forma

14
particular de estabelecer-se e expressar-se por meio das distintas linguagens, promovendo
constantemente conhecimento e, também, ressignificando as experiências. Ademais, é
importante evidenciar que, para o autor italiano, as linguagens são construídas social e
culturalmente, estruturadas por signos e, por tais razões, em constante modificação, ou seja,
a natureza da constituição das linguagens são intrinsecamente humanas. Por isso, para
Loris, “[...] o significado linguístico das palavras vem condicionado pelas experiências extra-
linguísticas” (HOYUELOS, 2006, p. 153).

Em outras palavras,

[...] diz Malaguzzi, a linguagem da garatuja, deve ser apreciada porque é já uma
linguagem: são palavras e frases que a criança pronuncia – precocemente – sobre
um papel. Desta maneira, para Loris, a eleição das palavras das crianças, das frases,
a capacidade de ordem gramatical dependem, em grande parte, de um processo de
potencialidades linguísticas, mas também das experiências de caráter geral que a
criança vive. (HOYUELLOS, 2006, p. 153)

Convém dizer que a partir da pedagogia malaguzziana, escutar a criança é uma


forma ética de estar e de relacionar-se com ela. A escuta, também enquanto metáfora, é a
forma como – simbólica e eticamente – tornamos visível as cem linguagens. Para Malaguzzi,
esta escuta é uma possibilidade dos adultos perceberem e tornarem-se conscientes das
tantas riquezas e potencialidades das crianças. A escuta é o pano de fundo das relações,
pois diz respeito à forma como buscamos nos comunicar e nos relacionar com os outros. É,
portanto, “a estratégia ética para dar voz às crianças e à infância” (HOYUELOS, 2006 p.
197).

Loris nos provoca a pensar a escuta numa perspectiva que deixa de considerar as
coisas como naturais e óbvias, abrindo portas ao inesperado, que neste caso ocupa um
espaço importante, e convoca o resgate da evidência trivial e extraordinária que há nas
palavras, nos gestos, nos desenhos e nos olhares de cada criança (HOYUELOS, 2006).
Novamente, Loris chama atenção para a profundidade dos acontecimentos e destaca o
quanto importante é “desconfiar do evidente” para encontrar os significados mais complexos
e sensíveis daquilo que nos parece banal.

As cem linguagens das crianças ganharão força se aprendermos a escutá-las, pois

[...] se não aprendermos a escutar as crianças, será difícil aprender a arte de estar
e conversar com elas (de conversar em um sentido físico, formal, ético e simbólico).
Será também difícil, acaso impossível, compreender como e porque pensam e falam
as crianças; compreender o que fazem, pedem, planejam, teorizam ou desejam;

15
compreender qual mensagem preferem, quais procedimentos exploram ou elegem
para influenciar seu entorno ou obter conhecimento. (HOYUELOS, 2006, p. 131).

Articulando com a prática

Não existem crianças idênticas, não existe desenvolvimento uniforme e regular. A


aprendizagem é um fator complexo, que depende de diversas relações. A troca entre os
pares, os semelhantes e os diferentes enriquece o grupo e o sujeito. Crianças podem formar
grupos para atividades em comum ou que contenham problemas correlatos, mas os grupos
se organizarão em diferentes combinações à medida que as atividades mudarem. Crianças
podem agir individualmente, aprendendo a se desenvolver de forma autônoma, sem perder
de vista a relação com o grupo. Logo, tentar entender as crianças com as quais lidamos é
fundamental para uma prática pedagógica significativa. Nada substitui a percepção sensível
às necessidades, aos desejos e às expectativas delas em torno das propostas.

É fundamental saber olhar, ouvir, acompanhar o caminho que elas percorrem.


Tentar apreciar as aquisições individuais das crianças, assim como seus processos de
descoberta e de desenvolvimento, é uma atitude que demonstra que o educador as conhece
e as respeita; dar visibilidade à suas descobertas amplia o repertório e as leva a novas
perguntas ou percursos.

Além de “escutar” todas as linguagens das crianças, o educador precisa estar


preparado para potencializar essas linguagens. Isso só será possível se ele possuir
sensibilidade estética, ou se tiver experiências que o afetem, que o movam em direção à
novidade da infância, à capacidade de se deparar com o inusitado. Mas também requer um
conhecimento da arte e das inúmeras linguagens por ela utilizadas.

REFERÊNCIAS

BÁRCENA, Fernando; MÈLICH, Joan-Carles. La educación como acontecimiento


ético: natalidade, narración y hospitalidad. Barcelona: Paidós, 2000.

BRUNER, Jerome. El habla del niño. Barcelona: Paidós, 1995.

16
______. La educación, puerta de la cultura. Madrid: Aprendizaje Visor, 1997.

______. Savoir faire, savoir dire. Paris: Presses Universitaries de France, 1983.

DAHLBERG, Gunilla; MOSS, Peter. Introdução. In: RINALDI, Carla. Diálogos com
Reggio Emilia: escutar, investigar aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

______; ______; PENCE, Alan. Qualidade na Educação da Primeira Infância:


perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: Artmed, 2003.

EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella (orgs.). Bambini: a abordagem italiana á


educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

______; ______. A pesquisa como parceira para a aprendizagem em conjunto:


estudando o crescimento dos relacionamentos no interior da creche. In: EDWARDS, Carolyn
GANDINI, Lella (orgs.). Bambini: a abordagem italiana á educação infantil. Porto Alegre:
Artmed, 2002.

______; ______; FORMAN, George. As cem linguagens da criança. Porto Alegre:


Artmed, 1999.

______; ______; ______. I cento linguaggi dei bambini. Bergamo: Edizioni Junior,
1995.

FARIA, Ana Lúcia Goulart. Loris Malaguzzi e os direitos das crianças pequenas. In:
OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia; KISHIMOTO, Tizuko Morchida; PINAZZA, Mônica
Appezzato. Pedagogia(s) da Infância: Dialogando com o Passado – Construindo o Futuro.
Porto Alegre: Artmed, 2007.

FORTUNATI, Aldo. A Educação Infantil Como Projeto da Comunidade: crianças,


educadores e pais nos novos serviços para a infância e a família: a experiência de San
Miniato. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GANDINI, Lella; GOLDHABER, Jeanne. Duas reflexões sobre a documentação.


In:EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella (orgs.). Bambini: A abordagem italiana à Educação
Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

______; MANTOVANI, Susanna; EDWARDS, Carolyn Pope. Il nido per uma cultura
dell’infanzia. Azzano San Paolo: Edizioni Junior, 2003.

17
GOLDSCHMIED, Elionor; JACKSON, Sonia. Educação de 0 a 3 anos: o
atendimento em creche. Porto Alegre: Artmed, 2007.

HOYUELOS, Alfredo. A abordagem da documentação pedagógica na obra de Loris


Malaguzzi. Pamplona, 22 mai. 2012. Entrevista concedida a Paulo Sergio Fochi.

______. La complejidad en el pensamento y obra pedagógica de Loris Malaguzzi.


Mexico: Multimedios, 2003.

______. La estética en el pensamiento y obra pedagógica de loris Malaguzzi.


Barcelona: Octaedro, 2006.

______. La ética en el pensamiento y obra pedagógica de Loris Malaguzzi.


Barcelona: Octaedro, 2004a.

______. Loris Malaguzzi: biografia pedagogica. Azzano San Paolo: Edizioni Junior,
2004b.

______. Prólogo. In: CABANELLAS, Isabel et al. Ritmos infantiles: tejidos de um


paisaje interior. Barcelona: Octaedro, 2007.

INFANCIA EM EU-RO-PA. Jugar em el exterior: ¿por qué es importante? Barcelona:


Asociaciòn de Maestros Rosa Sensat, n. 10, out. 2010.

IN-FAN-CIA: educar de 0 a 6 años. Barcelona: Asociaciòn de Maestros Rosa


Sensat, n. 118, nov./dez. 2009.

IN-FAN-CIA: educar de 0 a 6 años. Barcelona: Asociaciòn de Maestros Rosa


Sensat, n. 126, mar./abr. 2011.

IN-FAN-CIA: educar de 0 a 6 años. Barcelona: Asociaciòn de Maestros Rosa


Sensat, n. 133, mai./jun. 2012.

IN-FAN-CIA: educar de 0 a 6 años. Barcelona: Asociaciòn de Maestros Rosa


Sensat, n. 134, jul./ago. 2012.

IN-FAN-CIA: educar de 0 a 6 años. Barcelona: Asociaciòn de Maestros Rosa


Sensat, n. 175, jul./ago. 2010.

18
LALLY, Ronald J. Prefazione. In: GANDINI, Lella; MANTOVANI, Susanna;
EDWARDS, Carolyn Pope. Il nido per uma cultura dell’infanzia. Azzano San Paolo: Edizioni
Junior, 2003.

MALAGUZZI, Loris. L’occhio se salta il muro. Barcelona: Global Media, 1985. Vídeo
(14 minutos 22 segundos), son., col.

______. El zapato y el metro. In: REGGIO CHILDREN. Zapato y metro: los niños y
la medida. Reggio Emilia: Reggio Children, 1997.

______. Histórias ideias e filosofia básica. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella;
FORMAN, George. As cem linguagens da criança. Porto Alegre: Artes Médica, 1999a.

______. L’ombra e il pallottoliere dei bambini. In: REGGIO CHILDREN. Tutto há


un’ombra, meno le formiche. Reggio Emilia: Reggio Children, 1999b.

______. La educación infantil em Reggio Emilia. Barcelona: Octaedro, 2001.

______. La storia, le idee, la cultura. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella;


FORMAN, George. I cento linguaggi dei bambini. Bergamo: Edizioni Junior, 1995a.

______; FORGHIERI, Eluccia. La escuela maternal va por buen camino. In:


MINISTERIO DE EDUCACION Y CIENCIA. La inteligencia se construye usándola. Madrid:
Ediciones Morata, 1995b.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases


biológicas da compreensão humana. São Paulo: Palas Athena, 2001.

MÈLICH, Joan-Carles. Antropología simbólica y acción educativa. Barcelona:


Paidós, 1996.

MORIN, Edgar. A necessidade de um pensamento complexo. In: MENDES, Candido


(org.). Representação e complexidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2003.

______ et al. Educar na era planetária: o pensamento complexo como Método de


aprendizagem no erro e na incerteza humana. São Paulo: Cortez, 2003.

______. Il método. Ordine, disordine, organizzacione. Milano: Feltrinelli, 1987.

______. Introducción al pensamento complejo. Barcelona: Ed. Gedisa, 1994.

19
PARKES-REES, Rod. Comunicação primária: o que os adultos podem aprender
com os bebês? In: MOYLOES, Janet. Fundamentos da educação infantil: enfrentando o
desafio. Porto Alegre: Artmed, 2010.

RABITTI, Giordana. À procura da dimensão perdida: uma escola de infância de


Reggio Emilia. Porto Alegre: Artmed, 1999.

RECHILD. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 0, abr.


1996.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 1, jun.


1997.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 2, abr.


1998.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 3, jan.


1999.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 4, mai.


2000.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 5, out.


2001.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 6, dez.


2004.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 7, dez.


2005.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 8, abr.


2007.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 9, fev.


2009.

______. Reggio Children Newsletter. Reggio Emilia: Reggio Children, n. 10, dez.
2010.

20
REGGIO CHILDREN. Tutto há un’ombra, meno le formiche. Reggio Emilia: Reggio
Children, 1999.

______. Zapato y metro: los niños y la medida. Reggio Emilia: Reggio Children,
1997.

RINALDI, Carla. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar aprender. São
Paulo: Paz e Terra, 2012.

______. Prólogo. In: HOYUELOS, Alfredo. La ética en el pensamiento y obra


pedagógica de Loris Malaguzzi. Barcelona: Octaedro, 2004.

______. Reggio Emilia: a imagem da criança e o ambiente em que ela vive como
princípio fundamental. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella (orgs.). Bambini: a
abordagem italiana á educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

VECCHI, Vea. Prólogo. In: HOYUELOS, Alfredo. La estética en el pensamiento y


obra pedagógica de loris Malaguzzi. Barcelona: Octaedro, 2006.

21

View publication stats

Você também pode gostar