Você está na página 1de 10

A METAFÍSICA DE

ARISTÓTELES
Visão geral
■ Muitos autores defendem a ideia de que Aristóteles deve
ser considerado o pai da metafísica porque esta começa de
fato a se separar da teoria do conhecimento apenas no
momento em que ele compõe a sua filosofia primeira.
■ No entanto, a metafísica aristotélica está espalhada por
todas as suas obra, mesclada com a ética, politica e lógica,
carecendo de uma exposição mais detalhada.
■ É sem dúvida uma modificação da teoria das ideias de seu
antigo professor Platão, uma tentativa de distinguir o
universal e uma forma particular, estabelecendo uma
distinção entre três substâncias diferentes que formariam a
realidade cada uma com sua essência.
■ Para Aristóteles, a metafísica não seria uma filosofia
que viria depois de todas as outras, tal como pensado
contemporaneamente, mas uma filosofia primeira e,
portanto, anterior a todas as outras.
■ A sua metafísica é a ciência do ser como ser, por isto,
tudo é dito ser; ou ainda dos princípios e das causas do
ser e dos seus atributos essenciais.
■ Abrangendo o ser imóvel e incorpóreo, princípio dos
movimentos e das formas do mundo; bem como do
mundo mutável e material, em seus aspectos universais
e necessários.
■ No conjunto de obras denominado Metafísica,
Aristóteles buscou investigar o “ser enquanto ser”.
Significa que buscou compreender o que tornava as
coisas o que elas são. Nesse sentido, as características
das coisas apenas nos mostram como as coisas estão,
mas não definem ou determinam o que elas são.
■ É preciso investigar as condições que fazem as coisas
existirem, aquilo que determina “o que” elas são e
aquilo que determina “como” são.
■ Em sua metafísica, Aristóteles fala acerca dos primeiros
princípios. Os primeiros princípios dizem respeito aos princípios
lógicos, a saber:
■ o princípio de identidade, da não contradição e do terceiro
excluído. O princípio de identidade é autoevidente e determina
que uma proposição é sempre igual a ela. Disto pode-se
pode afirmar
que A=A.
■ O princípio da não contradição afirma que uma proposição não
pode, ao mesmo tempo, ser falsa e verdadeira. Não se pode
propor que um triângulo possui e não possui três lados, por
exemplo.
■ O princípio do terceiro excluído afirma que ou uma proposição é
verdadeira ou é falsa, e não há uma terceira opção viável. Tais
princípios, deste modo, garantem as condições que asseguram
a realidade das coisas.
■ Além dos princípios, de acordo com Aristóteles, existem
quatro causas fundamentais que também são
condições necessárias para que as coisas existam. As
causas são: material, formal, eficiente e final.
■ A causa material é a matéria da qual é feita a essência
das coisas.
■ A causa formal diz respeito à forma da essência.
■ A causa eficiente é aquela que explica como a matéria
recebeu determinada forma.
■ A causa final é aquela que determina a finalidade das
coisas existirem e serem como são.
■ Para compreender a conceituação das causas, pode-se
pode
pensar numa pedra que rola a montanha. A causa
material é o minério da pedra, a causa formal é a
inclinação da montanha, a causa eficiente é o
empurrão feito na pedra e a causa final é a vontade da
pedra de atingir o nível mais baixo. Assim, os primeiros
princípios e as quatro causas são as condições básicas
para que as coisas existam e possam ser conhecidas.
■ Aristóteles investiga sobre “o que” as coisas são. Nesse
ponto, visa superar a ideia de seus antecessores,
principalmente Platão, que afirmava que a essência das
coisas está num mundo inteligível.
■ Para Aristóteles, a essência das coisas está nas
próprias coisas e não separada num mundo das formas
e ideias perfeitas, isto é, a essência está na substância.
substância
■ A substância,, para ele, é a fusão da matéria com a
forma. Uma escultura de madeira, por exemplo, é a
fusão da madeira (matéria) com o projeto do artesão
(forma).
■ A partir dessa concepção, era ainda necessário que Aristóteles
desse conta do problema do movimento, pois a substância
possui a matéria – que está em constante movimento
(transformação) – e a forma (que é imóvel). Para superar tal
problema, ele usa a ideia de potência e ato.
■ As substâncias possuem potencial para aquilo que ocorre com
elas. Pode-se
se dizer que a gasolina, por exemplo, é inflamável.
Significa afirmar que ela possui potencial para pegar fogo,
porém é preciso pelo menos uma faísca para que a potência se
torne realidade, ato.
■ Com isto, a metafísica de Aristóteles visa mostrar que o Estar
em movimento possui mais importância do que o Ser imóvel de
Platão.
■ URL – Aristóteles
://www.youtube.com/watch?v=cyDjEH5qewM>
1. <https://www.youtube.com/watch?v=cyDjEH5qewM>
2. <https://www.youtube.com/watch?v=LVkalt_fhyk>.
://www.youtube.com/watch?v=LVkalt_fhyk>.

■ ... Próximos passos...Metafísica: Livros V e VII

Você também pode gostar