Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP

INSTITUTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGIA – ICET


CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA

Artigo Técnico
Motores elétricos

ABNER MARQUES PELODAN DA SILVA


TURMA: WA0948 - RA: C2583J0

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP


2021
1.Introdução a motores elétricos. ................................................................
2. Tipos de motores elétricos.......................................................................
2.1 Motores elétricos de corrente contínua (CC) e suas classificacoes.
2.1.1 Vantagens..........................................................................................
2.1.2 Desvatagens......................................................................................
2.2 Motores de corrente alternada e suas classificacoes.........................
2.2.1 Vantagens e desvantagens dos motores eletricos.......................
2.3.1 Outros tipos de motores....................................................................
3.1 Manutenção em motores eletricos......................................................
4.1 Padrões de eficiência energética dos motores elétricos.................
5. Conclusao ..............................................................................................
6. BIBLIOGRAFIA........................................................................................
1.Introdução a motores elétricos.
Motores elétricos são máquinas elétricas rotativas que tem como objetivo transformar
energia elétrica em energia mecânica, essas máquinas foram concebidas para suprir
as necessidades e demandas do cotidiano da humanidade, sendo extremamente
usadas em todos os setores de produção. Desde a invenção dos primeiros protótipos
de motores elétricos por volta do sec. XIX, temos estudos focados em melhorar
performance e eficiência desta máquinas, diminuindo custos de produção e de
consumo nos locais onde são empregados.
Temos diferentes concepções de motores elétricos e cada tipo compatível com a
aplicação e o local que este será instalado. Dimensionamento em relação a carga que
este sera instalado é muito importante, pois um motor instalado em cuja a mesma é
imcompativel com sua potencia vai trabalhar sobrecarrecado e provavelmente ira
danifica-lo.
Com o passar dos anos e com avanço da tecnologia os acionamentos destas máquinas
(motores) também foram aperfeiçoados. Hoje temos no mercado inversores e
conversores, que são utilizados para controle preciso de velocidade e torque, estes
aperfeiçoamentos permitiram aumentar a qualidade do processo, eficiência energética
e tempo de vida útil dos motores.
Hoje em dia devido a preocupação com a poluição do meio ambiente, práticas
sustentáveis estão cada vez mais sendo empregadas no mundo. Destas praticas, a
diminuição da emissão e de carbono tem sido a pauta principal nos encontros entre
líderes globais. A utilização de energia limpa é a principal arma para a redução de
emissão de carbono.
O grande vilão da poluição é o petróleo, utilizado principalmente para a produção de
combustíveis para carros a combustão. Alguns países comprometidos com a redução
ou a eliminação da emissão de carbono estão estipulando data para acabar com a
produção de carros a combustão e substituindo por carros com motores elétricos, com
isso os motores elétricos ganham mais espaço no mercado mundial.
2. Tipos de motores elétricos
2.1 Motores elétricos de corrente contínua (CC) e suas classificacoes.

 Motor série
O motor em série possui esta definição pois os enrolamentos do indutor e da armadura
são ligados em série, se destacando por conter um alto torque e rápida aceleração.
Devido às suas características o motor série é muito usado em aplicações onde é
necessário maior tração como por exemplo, trens elétricos, bondes elétricos e guinchos
elétricos.
 Motor paralelo
Também conhecido como motor de derivação ou motor shunt, o motor paralelo este
nome porque o indutor e os enrolamentos induzidos são ligados em paralelo. Ele tem
como característica a fácil regulagem de sua velocidade e é um tipo de motor muito
utilizado em máquinas, ferramentas, elevadores, esteiras etc.
 Motor composto
Conhecido por alguns como motor misto, o motor composto apresenta as
características dos motores série e dos motores paralelos. Ele possui dois
enrolamentos de indutor, um em série com o enrolamento induzido e o outro em
paralelo.
Este motor tem como característica manter firme a sua velocidade ao estar operando
com carga, por isso o motor composto é muito usado em acionamento de máquinas
que são submetidas à bruscas variações de cargas, como prensas e tesouras
mecânicas.
 Motor de excitação independente
O motor de excitação independente recebe este nome pelo fato do seu indutor e a sua
armadura serem alimentados por duas fontes de energia independentes. Os motores
CC com excitação independente são utilizados normalmente em acionamentos de
máquinas operatrizes como por exemplo, ferramentas de avanço, bombas a pistão,
compressores, entre outras aplicações que é necessário um torque constante em toda
a faixa de rotação.

 Motores de corrente contínua: Vantagens e desvantagens


2.1.1 Vantagens
 São muitas as vantagens dos motores de corrente contínua, dentre elas
podemos citar:
 Controle de velocidade para uma ampla faixa de valores acima e abaixo do valor
nominal;
 É possível acelerar, frear e reverter o sentido de rotação de forma rápida;
 Não está sujeito à harmônicos e não possui consumo de potência reativa;
 Permite variar a sua velocidade mantendo seu torque constante;
 Possui um alto conjugado de partida, que também conhecido como torque ou
força de arranque;
 Os conversores necessários para o seu controle são menos volumosos.
2.1.2 Desvatagens
 Apesar das vantagens os motores de corrente contínua também apresentam
algumas desvantagens, tais como:
 Possui maior manutenção devido aos desgastes entre as escovas com o
comutador, exceto para os motores brushless;
 Em relação aos motores de indução CA de mesma potência possuem um preço
e tamanho maiores;
 Por causa da centelha que ocorre entre suas escovas e os comutadores, com
exceção dos motores brushless, os motores de corrente contínua não podem operar
em ambientes explosivos.
 Custo de manutenção Alto

2.2 Motores de corrente alternada e suas classificacoes.


 Monofásicos
Os motores monofásicos são aqueles motores alimentados apenas por um condutor de
fase e que geralmente são usados quando não há uma rede trifásica disponível na
instalação. Por esse motivo que eles são amplamente utilizados para fins domésticos,
comerciais e em poucas situações eles são usados na indústria. Normalmente os
motores elétricos monofásicos são utilizados em aplicações que exigem menores
potências, geralmente inferiores a 3KW.
A construção dos motores monofásicos é relativamente simples, pois possuem um
menor custo e são fáceis de reparar se comparados com os motores trifásicos. Por
causa dessa e outras vantagens, o motor monofásico possui muitas aplicação, sendo
usados em aspiradores de pó, ventiladores, máquinas de lavar, geladeiras, algumas
bombas centrífugas, etc.

É importante destacar que os motores monofásicos não conseguem dar partida por
conta própria como acontece com os motores trifásicos, então é necessário um
componente auxiliar que permita com que o motor inicie a. sua operação. Este
componente que auxilia o motor monofásico a dar partida é o capacitor, sendo que
alguns motores possuem um capacitor permanente e outros usam um capacitor
exclusivo na partida. Podemos citar como exemplo os motores que possuem uma
chave centrífuga, que retira o capacitor após o motor atingir uma determinada
velocidade.

 Trifásicos
O motor de corrente alternada (AC) que também é conhecido como motor de indução é
o mais utilizado devido as suas diversas vantagens como por exemplo, o baixo custo
em manutenção, montagem, fabricação e simplicidade em relação aos motores de
corrente contínua.
O funcionamento do motor de indução se baseia na criação de um campo magnético
rotativo, ou campo girante. Uma tensão alternada aplicada ao estator do motor cria um
campo girante, que a partir de então produz um campo magnético rotativo que
atravessa os condutores do rotor. Este campo magnético girante criado pelo rotor tenta
se alinhar com o campo girante do estator, que produz um movimento de rotação no
rotor.
Os motores elétricos trifásicos podem ser facilmente encontrados nas indústrias para
as mais variadas aplicações como em torno, fresa, esteiras rolantes, além de outras
aplicações fora das indústrias, como em elevadores e escadas rolantes.

 Síncronos
Os motores de corrente alternada também podem ser classificados em motores
síncronos e motores assíncronos, além de monofásicos ou trifásicos. A principal
diferença entre eles é que um motor síncrono gira em uma velocidade constante,
independente da variação de cargas. Essa velocidade é conhecida como velocidade
síncrona, e isso ocorre porque a velocidade do campo magnético girante depende da
frequência da rede alternada (CA).
Devido a frequência da rede ser constante, os motores síncronos são na prática
motores de uma única velocidade e se observarmos um motor síncrono, não há força
eletromotriz (fem) induzida no rotor do motor, porque não existe movimento relativo
entre o campo girante e o rotor.
É importante destacar que uma das desvantagens do motor síncrono puro é que ele
não pode partir de uma posição de repouso apenas aplicando uma tensão CA trifásica
ao estator. Pelo fato do motor síncrono não ter partida própria, ele necessita de algum
dispositivo que faça o rotor girar até atingir a velocidade síncrona.
A maneira mais simples de dar partida em um motor síncrono é usando um outro
motor, que pode ser de corrente alternada (CA) ou corrente contínua (CC). Este outro
motor auxiliar é acoplado ao eixo do motor assíncrono para que ele o arraste até
chegar na velocidade síncrona.
 Assíncronos
Ao contrário do motor síncrono, o motor assíncrono gira em uma velocidade
ligeiramente menor que a velocidade de rotação do campo girante do estator. Sendo
assim o rotor não está sincronizado com esse campo girante, por isso ele recebe o
nome de motor assíncrono. Essa diferença entre a velocidade do rotor e a velocidade
do campo magnético é denominada de, escorregamento do motor. Para entender
melhor o funcionamento e as aplicação dos motores assíncronos, aqui no site Mundo
da Elétrica temos um artigo completo sobre o motor de indução trifásico. Abaixo temos
um exemplo de motor CA.
 Motor Dahlander
O Motor Dahlander é um tipo de motor elétrico trifásico assíncrono. Ele possui duas
velocidades distintas e pode ser utilizado em diversas situações dentro da indústria
como por exemplo, guindastes, guinchos, transportadoras, máquinas e equipamentos
que necessitem de um motor assíncrono. Neste tipo de motor quanto maior a
quantidade de polos menor é a velocidade, e quanto menor a quantidade de polos
maior é a sua velocidade.
2.2.1 Vantagens e desvantagens dos motores eletricos.
No geral cquando se fala em motores de corrente alternada hoje em dia sao os mais
indicados paratodo tipo de aplicacao pois tem um bom custo beneficio para quem os
ultiliza.
Nao ha desvantagens em relacaoa a seus pares.

2.3.1 Outros tipos de motores


 Motor de passo
Os motores de passo são de corrente contínua e possuem várias bobinas, que quando
são energizadas de acordo com uma sequência, fazem com que o seu eixo se mova de
acordo com ângulos exatos, submúltiplos de 360.
Os motores de passo são usados em aplicações que exigem uma alta precisão, como
exemplo de aplicação podemos citar as impressoras tradicionais, impressoras 3D e em
muitos outros sistemas de controle de posição. Apesar do motor de passo ter uma alta
precisão, ele possui um torque muito baixo, sendo que quanto maior sua precisão
menor será o seu torque.
 Servo motor
Conhecidos como servo, o servo motor é muito utilizado em aplicações de robótica. 
Ele é basicamente um motor que podemos controlar a sua posição angular através de
um sinal PWM, utilizado para posicionar e manter um objeto em uma determinada
posição. Diferentemente dos motores de passo que podem ser rotacionados
livremente, o eixo de um servo motor não costuma ter tanta liberdade em seus
movimentos, que geralmente é de apenas 180º.
 Motor brushless
Motor brushless significa motor sem escova, ou seja, este é um tipo de motor que não
precisa de escovas para funcionar. Os motores brushless são similares aos motores de
corrente contínua (CC) tradicionais com escova, porém são comutados eletronicamente
(ESM), de modo que podem ser alimentados por uma fonte de corrente contínua.
Por possui uma comutação sem escovas (brushless) o motor brushless é mais
eficiente, necessita de menos manutenção, menor geração de ruídos, possui uma
maior densidade de potência e faixa de velocidade comparando com os motores de
comutação por escovas. Devido às diversas vantagens do motor brushless, ele é muito
usado em drones e aeromodelos, além de ser leve e ter grande velocidade de rotação
Como nem tudo é perfeito, o motor brushless contém uma eletrônica que contribui para
um maior custo de aquisição, além de normalmente ser mais complexo que os motores
de comutação por escovas.
 Motor Universal (CA e CC)
Esse tipo de motor foi projetado para operar quando alimentado por uma fonte de
corrente alternada ou por uma fonte de corrente contínua. Os motores universais são
motores do tipo série, são relativamente pequenos e que podem alcançar velocidades
de até 30.000 RPM. São muitas as suas aplicações, podendo ser usado em
aspiradores, liquidificadores, alguns ventiladores, furadeiras e etc.
3.1 Manutenção em motores eletricos.

 Carregamento conviniente dos motores


Um motor elétrico é dimensionado para fornecer um conjugado nominal Cn, a uma
velocidade nominal Nn. Isto é, para uma potência nominal Pn, temos: Pn = Cn x Nn As
perdas elétricas (ou perdas térmicas) variam com o quadrado do conjugado resistente
(carga). Num motor bem dimensionado, o conjugado resistente deve ser menor que o
conjugado nominal. Se for igual ou ligeiramente superior, o aquecimento resultante
será considerável.

 Ventilacao adequada
Nos motores auto-ventilados, o ar de resfriamento é fornecido por um ventilador
interno ou externo acionado pelo eixo do motor. O fluxo de ar arrasta consigo poeira e
materiais leves que obstruem aos poucos as aberturas ou canais e impedem a
passagem do ar e a dispersão normal de calor, o que aumenta fortemente o
aquecimento do motor. Por outro lado, é comum encontrar nas indústrias motores
instalados em espaços exíguos que limitam a circulação do ar, provocando
aquecimentos excessivos.
 Controle da temperatura ambiente
De forma geral, a temperatura limite suportada pelos isolantes do motor é calculada
para o funcionamento num ambiente com temperatura de 40ºC. Portanto, é importante
verificar e controlar a temperatura ambiente para não ultrapassar os valores para os
quais o motor foi projetado.
 Cuidado com variacoes de tensao
O equilíbrio térmico de um motor é modificado quando a tensão de alimentação varia.
Uma queda de tensão limita o fluxo do circuito magnético, reduzindo as perdas no ferro
e a corrente em vazio. Porém, o conjugado motor deve superar o conjugado resistente,
para impedir o aumento excessivo do escorregamento. Como o conjugado motor é
função do produto entre o fluxo e a intensidade da corrente absorvida, se o fluxo
diminui a intensidade da corrente aumenta. Com a corrente em carga aumentada pela
queda de tensão, o motor se aquecerá, aumentando as perdas. Um aumento de tensão
de alimentação terá efeitos mais limitados, uma vez que a corrente em vazio aumenta
enquanto a corrente em carga diminui.
 Operacao com partidas e paradas bem equilibradas
Devem ser evitadas as partidas muito demoradas que ocorrem quando o conjugado
motor é apenas ligeiramente superior ao conjugado resistente: a sobreintensidade de
corrente absorvida, enquanto a velocidade nominal não é atingida, aquece
perigosamente o motor. Da mesma forma, uma frenagem por contra-corrente, ou seja,
através de inversão do motor, representa, a grosso modo, o custo equivalente a três
partidas.
 Partidas muito frequentes
Quando o processo industrial exige partidas freqüentes, essa característica deve ser
prevista no projeto do equipamento e o motor deve estar adaptado para trabalhar desta
forma. Porém, em conseqüência de reguladores de algumas máquinas, pode ser
necessário proceder a várias partidas num tempo relativamente curto, não permitindo
que o motor esfrie adequadamente.
 Degradacao dos isolantes termicos
A vida útil de um isolante pode ser drasticamente reduzida se houver um
sobreaquecimento representativo do motor. As principais causas da degradação dos
isolantes são: sobretensão de linha, sobreintensidade de corrente nas partidas,
depósito de poeira formando pontes condutoras, ataque por vapores ácidos ou gases
arrastados pela ventilação.
 Fixacao correta dos motres e eliminacao de vibracoes
O motor standard é construído para funcionar com eixo horizontal. Para funcionamento
com eixo vertical ou outras inclinações, o motor deve ser construído para esse fim,
geralmente equipado com um mancal de encosto. Em poucas palavras, um motor
nunca deve ser fixado numa inclinação qualquer de seu eixo sem que se tenha certeza
de suas características próprias. Vibrações anormais causam uma reduçào no
rendimento do motor: elas podem ser consequencia de uma falha no alinhamento, de
uma fixação insuficiente ou defeituosa do motor em sua base, de folgas excessivas dos
mancais, ou ainda de um balanceamento inadequado nas partes giratórias.
 Lubrificacao correta dos mancais
É importante saber que a uma temperatura de 40ºC, a vida útil de um rolamento de
esferas em funcionamento contínuo pode ser de 3 a 4 anos ou mais. No entanto, para
cada 10ºC de elevação da temperatura de trabalho a vida útil diminui, em média, 50%.
A correta lubrificação dos rolamentos, além de permitir um melhoria de rendimento,
evita a elevação da temperatura que prejudica a vida útil desses equipamentos. A
lubrificação dos rolamentos é feita geralmente com graxa mineral. Quando as
temperaturas de operação forem elevadas (de 120ºC a 150ºC) ou as velocidades de
rotação forem acima de 1.500 rpm, usa-se óleo mineral para a lubrificação. Esses óleos
devem ter características lubrificantes adequadas às condições de trabalho.

4.1 Padrões de eficiência energética dos motores elétricos.

Os industriais estão cada vez mais atentos à questão da eficiência energética. Uma


economia mais verde, que respeite o ambiente, é uma das metas da COP21, que
muitos países se comprometeram a alcançar. Mas é sobretudo para poupar nas
despesas com o consumo de energia que, nos últimos anos, a indústria tem vindo a
adquirir equipamentos mais eficientes em termos energéticos. Segundo um estudo da
Comissão Europeia, os motores são responsáveis por 65% do consumo total de
energia elétrica da indústria na Europa. É, portanto, fundamental aperfeiçoar os
motores a fim de reduzir as emissões de CO2. A Comissão prevê mesmo que seja
possível aumentar de 20% a 30% a eficiência energética dos motores fabricados na
Europa até 2020. O resultado seria uma redução de 63 milhões de toneladas de CO2
na atmosfera e uma poupança equivalente a 135 mil milhões de kWh.
Se pretende integrar no seu sistema motores que consumam menos energia para
poupar e, ao mesmo tempo, contribuir para a preservação do planeta, deverá primeiro
consultar as normas de eficiência energética para motores em vigor no seu país ou
área geográfica. Note-se que estas normas dizem respeito apenas aos motores AC
assíncronos.
 As normas internacionais
 A IEC (Comissão Eletrotécnica Internacional) definiu classes de eficiência
energética para os motores elétricos disponíveis no mercado, conhecidas pelo código
IE, que estão resumidas na norma internacional IEC.
 A IEC identificou quatro níveis de eficiência energética que definem os limites
mínimos de rendimento dos motores, consoante as suas características:
 A IE1 corresponde a um rendimento de nível STANDARD
 A IE2 corresponde a um rendimento de nível ELEVADO
 A IE3 corresponde a um rendimento de nível PREMIUM
 A IE4, ainda em fase de estudo, corresponde a um rendimento de nível SUPER
PREMIUM
 A IEC publicou ainda a norma IEC 60034-2-1:2014, que define métodos de teste
para motores elétricos. A par desta norma internacional, muitos países utilizam também
normas de teste nacionais.
4.1.2 Na Europa
A UE já adotou várias diretivas que visam reduzir o consumo de energia dos motores e
que estipulam, nomeadamente, a obrigação para os fabricantes de produzirem motores
com níveis de rendimento mais elevados:
 A classe IE2 é, pois, obrigatória para todos os motores desde 2011.
 A classe IE3 é obrigatória desde janeiro de 2015 para os motores com uma
potência entre 7,5 kW e 375 kW (ou a IE2, se estes motores tiverem um conversor de
frequência).
 A classe IE3 é obrigatória desde o dia 1 de janeiro de 2017 para os motores com
uma potência entre 0,75 kW e 375 kW.
4.1.3 Nos Estados Unidos
Nos EUA, aplicam-se as normas da associação americana NEMA (National Electrical
Manufacturers Association). Desde 2007, o nível mínimo de eficiência exigido
corresponde à classe IE2.
Esta é também a classificação aplicável à Austrália e à Nova Zelândia.

4.1.4 Na Ásia
Na China, são as normas coreanas MEPS (Minimum Energy Performance Standard)
que se aplicam aos motores assíncronos trifásicos de pequenas e médias dimensões
desde 2002 (GB 18693). Em 2012, as normas MEPS foram harmonizadas com as
normas IEC, tendo passado de IE1 para IE2 e, mais recentemente, para IE3.
O Japão harmonizou as suas regulamentações nacionais com as classes de eficiência
IEC e, em 2014, incluiu os motores elétricos das classes IE2 e IE3 no programa Top-
Runner. Implementado em 1998, o programa Top-Runner obriga os fabricantes
japoneses a produzir modelos que consumam menos energia que os anteriores,
estimulando assim a competição e a inovação tecnológica em matéria de eficiência
energética.
A Índia tem um rótulo de eficiência comparativa desde 2009 e uma norma nacional
equivalente ao nível IE2 desde 2012.

5. Conclusao
Durante o estudo para realizacao deste artigo pude notar que devido a busca
incessante para obter meios produtivos que nao agridam o meio ambiente a industria
cada vez mais investe em novas tecnologias que possibilite atingir metas relativas a
sustentabiliidade, contribuindo assim para contrucao de motores mais eficientes e com
melhores custos beneficios.
Os motores eletricos sao responsaveis por fornecer a energia mecanica necessaria
para realizacao de atividades de producao industrial, tendo uma parcela consideravel
no consumo de energia eletrica e nos custos de producao e manutencao dos
ambientes fabris. Por este motivo, é fundamental a especializacao e conhecimento
aprofundado nestes tipos de maquinas.
6. BIBLIOGRAFIA.
https://www.mundodaeletrica.com.br/
http://www.dee.ufrn.br/
https://guide.directindustry.com/pt/que-motor-eletrico-escolher/

Você também pode gostar