Você está na página 1de 8

LAB FÍSICA MODERNA 2FIS027- Turma 2020

QUESTIONÁRIO/RELATÓRIO SIM6 Níveis de energia em


átomos de H
Jackson Takayuki Maeda

22 de Dezembro de 2020

Questão 01 (a) O trabalho realizado pelo campo elétrico entre as placas é :


τ = e.U (1)
na qual e é a carga do elétron e U a diferença de potencial entre as placas. Temos também
que a variação da energia cinética é igual ao trabalho realizado pelo campo(se a única força
que age no sistema é a elétrica ), então:
1 2 1 2
mv + mv = e.U
2 f 2 i
Como no experimento a velocidade inicial do elétron é nula e qual a diferença de potencial
entre os eletrodos é 8V , temos que a energia cinética final Ef ,em elétron-volt é :
Ef = eU
Ef = 8[eV ]
(b) A diferença de potencial entre as duas placas é dada pela seguinte expressão :
Z d
U= F dx (2)
0
Onde d é a distância entre as placas, F a força elétrica. Podemos então escrever a equação
da seguinte forma:
Z d/2 Zd
U= F dx + F dx
0 d/2
Como o campo elétrico entre as duas placas é constante, consequentemente a força elétrica
é constante, as duas integrais do lado direito são iguais, temos que a variação do potencial
do ânodo até o meio das duas placas é:
Z d/2
U =2 eE dx
0
temos então que a diferença de potencial entre o meio da placa e o inicio dela é a metade
da diferença de potencial entre as duas placas.
Z d/2
U
= eE dx = ∆V
2 0
Temos então que a energia cinética Ed/2 do elétron ao chegar ao átomo de Hidrogênio é:
8
Ed/2 = = 4[eV ]
2
(c) Nesta situação não há interação entre o átomo de Hidrogênio e o termoelétron, devido a
insuficiência de energia do termoelétron quando atinge o átomo. Para ocorrer a excita-
ção do elétron do átomo de hidrogênio pelo termoelétron esse, deve possuir uma energia
mínima.

1
(d) Os valores possíveis para a energia do átomo de hidrogênio é dado pela seguinte equação :
mk 2 e4
En =
2~2 n2
Ou simplesmente
E0
En = (3)
n2
Onde que n é um número inteiro e E0 é a energia do primeiro orbital com n=1,(E0 =
13, 6[eV ])
i. para n=1
13, 6
E1 = = 13, 6eV
12
ii. para n=2
13, 6
E2 = = 3, 40eV
22
iii. para n=3
13, 6
E3 = = 1, 51eV
32
iv. para n=4
13, 6
E4 = = 0, 85eV
42
v. para n=5
13, 6
E5 = = 0, 54eV
52
vi. para n=6
13, 6
E6 = = 0, 38eV
62
Questão 2 (a) Ao passar pelo átomo de hidrogênio o termoelétron transfere sua energia para o elétron do
atomo de hidrogênio fazendo com que o elétron passa a ocupar a camada com n=2, após a
excitação o elétron retorna a sua camada original liberando um fóton com mesma energia
que a diferença de energia das orbitas inicial e final.
(b) i. No início do experimento o elétron do átomo de hidrogênio ocupa o primeiro nível de
energia.
ii. No meio do experimento quando o termoelétron atinge o átomo de hidrogênio, ha
uma interação, o elétron do átomo passa a ocupar a camada de n=2.
iii. apos o choque o elétron retorna ao seu estado de energia inicial .

Figura 1: Diagrama dos níveis de energia ocupado pelo elétron de H antes(i), durante(ii) e após (iii)
o choque.

(c) Após a colisão o termoelétron perde energia para o átomo de hidrogênio, como a energia
cinética do termoelétron (instantes antes da colisão) é maior que a enérgica necessária
para a excitação do elétron para a camada de n=2, sua energia cinética após a colisão não
é nula.

2
(d) A energia que o termoelétron atinge o átomo de hidrogênio no centro do experimento é de
11,1 eV
(e) do item 1.d a diferença de energia entre os dois primeiro níveis de energia é :
E2 − E1 = 13, 6 − 3, 40 = 10, 2eV
(f) Vemos que a energia cinética do elétron é maior que a diferença de energia entre os niveis
de energia do átomo de H
(g) Segundo o quarto postulado de Bohr, que diz respeito a emi são de radiação de um átomo
excitado que passa de um estado E2 para um estado de menor energia E1 . A energia
da onda eletromagnética hf é igual a diferença de níveis de energia na qual o elétron
transitou.
hν = E2 − E1 (4)
onde ν é a frequência da radiação emitida. Utilizando a equação para verificar a frequência
da radiação emitida no experimento, temos :
E2 − E1
ν=
h
onde h é a constante de Planck h = 4, 13 × 10−15 [eV .s]
10, 2[eV ]
ν=
4, 13 × 10−15 [eV .s]

ν = 2, 47 × 1015 Hz

temos então que o comprimento de onda λ é:


c
λ=
f

3 × 108 [m.s−1 ]
λ=
2, 47 × 1015 Hz
λ = 121[nm]

Correspondente ao utravioleta extremo.

Questão 3 (a) a interação ocorrida é a mesma do item anteriores. O termoelétron com energia cinética
transfere energia igual a diferença de energia dos níveis n=1 e n=2 e exita o átomo de
hidrogênio.
(b) O átomo de hidrogênio transita para um estado de energia 1 para um nível de energia 2,se
e somente se, o termoelétron possuir energia igual ou maior que o nível 2 não havendo
níveis intermediários, como na simulação efetuada a energia na qual o elétron se choca
com o átomo de hidrogênio é suficiente para que o átomo passe de seu estado natural para
um estado de nível de energia com n=2 e sendo insuficiente para que passe para o estado
com n=3.
(c) A diferença entre essa simulação com ddp de 25 V e a outra de 22,2 V , é que a energia
cinética do termoelétron apos a colisão são diferentes .

Questão 4 (a) O termo elétron é acelerado pela ddp de forma que ao atingir o átomo de hidrogênio
possua energia suficiente para elevar o átomo de hidrogênio para um estado excitado de
n=3 consequentemente podendo ser níveis mais baixos,
(b) No seguinte experimento foi emitido fótons de ultravioleta e visível.
(c) No espectrômetro podemos observar que o fóton emitido possui comprimento de onda
λ = 655 ± 5nm,
3 × 108
f = = 4, 60 × 1014 Hz
(655 ± 5) × 10−9

3
(d) A diferença entre os níveis de energia m=1 e n=3, do item d da questão 1
E3 − E1 = 1, 51 − 13, 6 = −12, 09eV
(e) As transições correspondentes aos fótons emitidos é a transição ente ,H(n2 ) para H(n1 ),
H(n3 ) paraH(n1 ) e de H(n3 ) para H(n1 ).
(f) Das transições acima a que ocorre com mais frequência é a transição entre H(n2 ) para
H(n1 )
(g) a transição que ocorre no vermelho pertence a série de Balmer.

Questão 5 (a) O termo elétron é acelerado pela ddp de forma que ao atingir o átomo de hidrogênio
possua energia suficiente para elevar o átomo de hidrogênio para um estado excitado de
n=6 consequentemente podendo ser níveis mais baixos.
(b)
(c) A baixo temos um tabela com os valores de comprimento de onda de cada fóton emitido
no processo de transição, que foram adquiridos por meio da seguinte expressão:
hc
λ(i → j) =
∆Ei→j
Onde h é a constante de Planck h = 4, 13×10−15 eV .s e c a velocidade da luz c ≈ 3×108 m.s−1 .

Tabela 1: Valores aproximados da variação de energia em cada uma das transições do átomo de
hidrogênio e os comprimentos de ondas de cada fóton emitido nas transições.
Transição entre Diferença de energia [eV] Comprimento de onda do fóton
Lyman
n=2 p/ n=1 ∆E2−→1 = 10, 20 121 [nm]
n=3 p/ n=1 ∆E3−→1 = 12, 09 102 [nm]
n=5 p/ n=1 ∆E5−→1 = 13, 06 94 [nm]
n=6 p/ n=1 ∆E6−→1 = 13, 22 93 [nm]
Balmer
n=3 p/ n=2 ∆E3−→2 = 1, 89[eV ] 655[nm]
n=4 p/ n=2 ∆E4−→2 = 2, 55[eV ] 485[nm]
n=5 p/ n=2 ∆E5−→2 = 2, 86[eV ] 433[nm]
n=6 p/ n=2 ∆E6−→2 = 3, 02[eV ] 410[nm]
Paschen
n=4 p/ n=3 ∆E4−→3 = 0, 66[eV ] 1877[nm]
n=5 p/ n=3 ∆E5−→3 = 0, 96[eV ] 1290[nm]
n=6 p/ n=3 ∆E6−→3 = 1, 13[eV ] 1096[nm]
Brackett
n=5 p/ n=4 ∆E5−→4 = 0, 31[eV ] 3996[nm]
n=6 p/ n=4 ∆E6−→4 = 0, 47[eV ] 2636[nm]

(d) A transição que ocorre com mais frequencia, contiua sendo a transção do nível de energia
n=2 para n=1.

Questão 6 (a) i. Não houve interação no primeiro procedimento


ii. No segundo houve a troca de energia entre o termoelétron e o átomo
iii. No terceiro também houve a troca de energia entre o termoelétron e o átomo
(b) i. No Primeiro procedimento não houve excitação consequentemente não houve fótons
emitidos
ii. No segundo houve a excitação do átomo de hidrogênio de n=1 para n=2, ao retornar
para o nível de energia n=1 foi emitidos fótons UV.

4
iii. No terceiro houve a excitação do átomo de hidrogênio de n=1 para n=2, ao retornar
para o nível de energia n=1 foi emitidos fótons UV.
(c) i. Não ocorreu nada.
ii. No segundo experimento a transição é devida colisão entre o termo elétron, excitando
para o nível de energia n=2 emitindo um fóton com energia igual a diferença entre os
estados.
iii. no terceiro experimento ocorreu o mesmo, houve a troca de energia e o átomo foi
excitado para o nivel de energia n=2 e ao retornar emitiu um fóton com energia igual
a diferença de energia entre os estados.

Questão 7 (a) A interação entre os termoelétrons e o átomo foi ligeiramente diferente, em algumas inte-
rações ha a excitação do átomo de hidrogênio para o nível n=2 ou n=3, já que a energia na
qual o termoelétron colide com o átomo de H é suficiente apenas para excitar o átomo de
H para esses estados, logo após um tempo ha a emissão de fóton devido ao retorno direto
para o nível de energia n=1. Porem em algumas interações na qual ha excitação do átomo
para o nível n=3 não ha o retorno direto do elétron para a camada n=1, sendo assim pas-
sando pelo nível de energia n=2 e liberando um fóton com energia E = E2 − E3 , porem o
termoelétron seguinte se choca com o átomo de H antes que o átomo retorne para o nível
n=1 excitando o átomo para um nível de energia maior ou igual a n=3.
(b) O espectrômetro mediu todos os tipos de fótons, UV, VIS e IR.
(c) Os comprimentos de ondas emitidos no visível são, λ1 = (410±5)nm, λ2 = (435±5)nm,λ3 =
(485 ± 5)nm e λ4 = (655 ± 5)nm.
(d) Os fótons emitidos no visível são referentes as transições n = 6 para n = 2, de n = 5 para
n = 2, de n = 4 para n = 2 e o ultimo de n = 3 para n = 2.
(e) Dentre os fótons emitidos no visível o que possui mair taxa de emissão é referente ao de
comprimento de onda λ4 (Vermelho). Entre todos os fótons emitidos o que ocorre com
maior frequência é o que possui comprimento de onda 121nm que está no UV .
(f) O espectro emitido quando o experimento é efetuado com apena um termoelétron de cada
vez, apresenta apenas as transições entre os níveis de energia n = 1, n = 2 e n = 3. Já
o espectro emitido apartir de um fluxo continuo de termoelétrons, apresenta transições
entre os níveis de energia n = 1,n = 2,n = 3,n = 4,n = 5 e n = 6, isso é devido ao tempo
de emissão de um fótons e a chegada do termoelétron no átomo de H, por exemplo o
átomo é excitado para o nível n = 3 porem ao retornar ao seu estado fundamental o elétron
primeiro ele passa pelo nível de energia n = 2 porem antes de ir para o nível n = 1 o
termoelétron seguinte excita novamente o átomo para um nível superior.

1 EXPERIMENTOS SOB ddp FIXA E PRODUÇÃO VARIÁVEL

O experimento foi feto seguindo rigorosamente o questionário, com a simulação ocorrendo em


slow motion

Questão 8 (a) As emissões que ocorrerão em 20% e 40% após 2 minutos de experimento são os que
possuem comprimento de onda de 102 nm, 121 nm e 655 nm
(b) Na taxa de 48% foram emitidos fótons com 102 nm, 121 nm, 410 nm e 655 nm
(c) i. Na taxa de 72% foi emitidos fótons com 94 nm, 102 nm, 121 nm, 410 nm, 433 nm,
485 nm, 655 nm e 1290 nm
ii. Na taxa de 100% foi emitidos fótons com 94 nm, 410 nm e 1096 nm.
(d) i. Na taxa de 40% foi emitido no visível o fóton de comprimento de onda 655 nm
ii. Na taxa de 48% foram emitidos no visível os fótons com comprimento de onda 655
nm e 410 nm

5
(e) As diferentes emissões variando a taxa de produção de termoelétrons é devido ao fato que
o átomo já excitado pode absorver mais energia devida a chegada repentina de um outro
termoelétron assim adquirindo energia maior do que a energia cinética do termoelétron.
(f) Na Taxa de emissão de 72% foi observado 7 diferentes fótons, com os seguintes compri-
mentos de ondas, 94 nm, 102 nm, 121 nm, 410 nm, 433 nm, 485 nm, 655 nm e 1290
nm.
(g) Na taxa de 100% observamos fótons no IR acima de 900 nm que são devidos as transições
referentes a serie de Paschen, de um nível superior a n=3 para o nível n=3.

Questão 9 (a) A seguir está as imagens do espectrômetro adquirida após o experimento.

Figura 2: Especto obtido a partir da taxa de emissão de 40%

Figura 3: Especto obtido a partir da taxa de emissão de 76%

Figura 4: Espectro obtido a partir da taxa de emissão de 100%

(b) Podemos observar que os três espectros detectaram as três emissões no UV , também as
emissões em 410 nm e 433 nm e no vermelho .
(c) A diferença entre os espectros são as variações dos picos de cada comprimento de onda e
também alguns espectros detectarão um gama de fótons maior, porem isto seja devido a
aleatoriedade das excitações de cada nível.
(d) as transições que podem ser correspondente a emissão de fótons no IR, são as de n = 4
para n = 3, n = 5 para n = 3 e n = 6 para n = 3.

6
2 MULTIPLOS ÀTOMOS

Questão 10 (a) Para o ddp de 11 V houve excitação o átomo di H.]


(b) Os fótons emitidos então no ultra violeta.
(c) Na ddp de 10 V ao longo do percurso o elétron não adiquire energia suficiente para a
excitação de um átomo de hidrogênio. Já na ddp de 11 V o elétron irá adquirir energia
suficiente para excitar um átomo de H apenas no final do percurso logo acima do eletrodo
(d) como já dito os átomos que irão excitar são aqueles que estão colados com o eletrodo. Isso
é devida a energia do termoelétron apenas atingir a energia suficiente perto do eletrodo
final.
(e) Sim a posição vai variar com a variação da ddp, com o aumento da ddp o termoelétron
pode adquirir energia suficiente no meio do percurso, isso é devido a energia potencial
devido a ddp.

Questão 11 (a) i. Para a ddp de 12 V foi obtidos fótons no UV.


ii. Para a ddp de 15 V foi obtido fótons no UV e no VIS.
iii. Para a ddp de 20 V foi obtido dótons no UV, VIS e IV.
(b) Com o aumento da ddp se observa que o percurso que o elétron percorre para poder excitar
um átomo é menor
(c) Um fóton emitido por do átomo de hidrogênio pode excitar um outro átomo de hidrogênio
e assim por diante .
(d) Um termoelétron com energia suficiente para elevar o nivel de energia de um átomo para
um n > 3 se choca com um átomo elevando ele a n > 3, e ao passa pelo estado intermediário
n=2 emite um fóton que pertence ao visível .

Questão 12 Os seguintes espectros foram obtidos .

Figura 5: Especto obtido a partir da taxa de emissão de 50% com ddp de 11 V

Figura 6: Especto obtido a partir da taxa de emissão de 50% com ddp de 20 V

(a) Podemos observar que no segundo experimento com ddp 20 V, não houve emissão de
fótons IR.

7
(b) Com o aumento da ddp ouve mudança de local onde os átomos poderiam ser excitados
pelo termoelétron emitido pelo eletrodo, a ddp de 20 V a excitação do átomo ocorreu
antes do que o experimento na qual a ddp foi 11 V. isso ocorre devido a energia potencial
elétrica, a aceleração aumenta com o aumento da ddp.

Questão 13 (a) i. Com os átomos de sódio foi emitido os seguintes comprimentos de onda no visível
λ = 590mm e λ = 620nm.
ii. Com os átomos de mercúrio foi emitidos os seguintes comprimentos de onda no visívelλ =
405nm, λ = 435nm, λ = 545nm,λ = 575nm e λ = 680nm.
iii. om os átomos de neônio foi emitidos os seguintes comprimentos de onda no visívelλ =
540nm, λ = 585nm, λ = 605nm, λ = 620nm, λ = 635nm, λ = 665nm e λ = 700nm.
(b) Os comprimentos de ondas que ocorre com maior frequência na lampada de :
i. Sódio é o comprimento λ = 620nm
ii. Mércurio é o comprimento λ = 435nm
iii. Neônio é o comprimento λ = 585nm
(c) A luz característica da lampada de Sódio é laranja, a luz característica da lampada de
mercúrio é azul e a cor característica da lampada de neônio é um tom amarelado para o
vermelho. Essas cores características é devida a maior emissão dos fótons que possuem
comprimento de onda que caracterizam essa cores

Você também pode gostar