Você está na página 1de 15

Economia do café no Brasil

Prof. Paulo Júnior


Introdução
• Por volta do ano 525, um pastor de cabras da Etiópia
chamado Kaldi, observou que seu rebanho, ao comer
determinados arbustos (de café), apresentava maior
disposição para subir as montanhas.
• Os etíopes consumiam os grãos de café em forma de
pasta ou misturados em banha.
• Por volta do ano 1000 da Era Cristã houve o
primeiro registro do consumo do café com fins
medicinais.
• No século XIV, quando o café atravessou o mar
Vermelho e foi levado para a península Arábica,
iniciou-se o consumo do café como conhecemos.
• Foram eles os responsáveis por disseminar seu consumo
pela Europa.

• Em 1762, com o declínio da produção aurífera, as


dificuldades comerciais do açúcar e a necessidade de
novos empreendimentos, as primeiras mudas de café
foram plantadas no Rio de Janeiro.
Do Vale do Paraíba ao Oeste paulista
• No começo do Segundo Reinado, a produção do
café no Brasil já era a principal atividade
agroexportadora do país.
• 40 % das exportações
• A produção se iniciou no Vale do Paraíba, no Rio de
janeiro, seguindo para São Paulo e Minas Gerais.
• Na década de 1860, a cultura cafeeira começou a dar
sinais de decadência.
• As lavouras de café migraram para a região Oeste de São
Paulo.
• Segunda fase da produção cafeeira, na qual começa a
troca da mão de obra escrava pela dos imigrantes
europeus.
Transformações provocadas pelo café
• Em poucos anos, o Sudeste do Brasil havia se
tornado a região mais próspera e moderna do
país.
• Surgimento de uma nova elite social, os barões do
café.
• Investiram em novas técnicas para a produção do
café
• Criaram uma rede de indústrias e bancos
• Financiarem a construção de ferrovias e
melhorias urbanas, como iluminação e transporte
públicos.
Transformações provocadas pelo café
• Em 1859 foi inaugurada a primeira estrada de ferro do país, foi construída no
Rio de Janeiro e recebeu o nome de Estrada de Ferro Dom Pedro II – a atual
Central do Brasil.

• A companhia inglesa São Paulo Railway Company passou a investir na


construção de novas estradas de ferro.
• 1867: ligou a cidade de Jundiaí ao porto de Santos, no litoral paulista.
• Mogiana e a Sorocabana, com o propósito de interligar o interior paulista aos portos da
província.
• A expansão das ferrovias e os interesses dos cafeicultores nos negócios urbanos
favoreceram o crescimento das cidades e indústrias.
Os trilhos do café
• A malha ferroviária diminuiu muito com
o passar do tempo.
• Década de 1950: mais de 37 mil
quilômetros de ferrovias, que
transportavam carga e passageiros.
• Hoje, ela não passa de 30 mil quilômetros,
sendo usada mais para o transporte de
mercadorias.

• Projeto trem-bala, que deverá ligar São


Paulo ao Rio de Janeiro, no entanto, não
existe data para início da obra.
Industrialização durante o Segundo Reinado

• Com o desenvolvimento da economia do


café as exportações de café cresceram
muito, principalmente para os Estados
Unidos, e a economia brasileira passou a
não ser tão dependente da Inglaterra.

• O Brasil passou a importar vários gêneros


industrializados da França, dos Estados
Unidos e de alguns reinos germânicos
Industrialização durante o Segundo Reinado
• Em 1842, os tratados de comércio e navegação negociados com a Inglaterra
ainda na década de 1810 chegaram ao fim.
• Brasil decidiu não os renovar, já que passava por dificuldades financeiras
• O aumento dos impostos sobre os produtos importados poderia ser uma grande
contribuição para conseguir se livrar da crise.

• Em 1844, a Tarifa Alves Branco foi colocada em prática.


• Produtos importados similares aos brasileiros seriam taxados em 60%
• Produtos importados não similares seriam taxados em 30%
• Valorização dos produtos brasileiros.
Industrialização durante o Segundo Reinado
• O fim do tráfico de escravos, imposto pela Inglaterra, fez com que mais
recursos financeiros, que geralmente eram empregados no comércio de seres
humanos em condição de escravos, fossem também direcionados às indústrias.

• Os grandes líderes políticos, a Inglaterra e a aristocracia tradicional


promoveram forte oposição às políticas progressistas. Assim, não houve
alteração nas estruturas sociais, econômicas e políticas vigentes nem a tão
visada modernização do país.
Imigração no Brasil
• Alguns países e reinos europeus, como a Espanha, a Itália e a Alemanha
passaram por um intenso processo de industrialização durante o século XIX.
• Industrialização
• Transformações no campo
• Crescimento populacional
• Urbanização
• Desemprego e emigração para a América
Imigração no Brasil
• No Brasil, as primeiras experiências de
imigração se deram no início do século XIX,
ainda no governo de D. João VI, que promoveu
a instalação de suíços e alemães no Rio de
Janeiro e no Espírito Santo.

• No Sul do Brasil se formaram núcleos de


povoamento em áreas cedidas pelo governo, as
chamadas terras devolutas, geralmente terras
indígenas.
• Branqueamento
Primeiras imigrações no Segundo Reinado
• Na década de 1840, Nicolau Pereira de Campos
Vergueiro deu início às primeiras experiências
com a imigração europeia no trabalho com o
café.
• Em 1846, cerca de 360 famílias suíças e alemãs foram
instaladas em sua fazenda.
• Criou a empresa Vergueiro e Cia., dedicada à
produção de café e vinculada ao encaminhamento de
imigrantes ao trabalho nas fazendas cafeeiras.
• Criou o sistema de parceria: adiantava o dinheiro
necessário para o imigrante poder vir ao Brasil e
oferecia-lhe uma parte dos lucros.
Imigração subvencionada
• com o avanço das políticas abolicionistas, solução foi retomar a imigração,
porém agora com outro formato.
• O governo que, por meio de associações e entidades, passou a financiar a vinda de
europeus.
• Os fazendeiros, por sua vez, passaram a pagar salários pelo trabalho deles na
agricultura.
Lei de Terras de 1850
• Segundo essa lei, era proibido que qualquer pessoa
pudesse adquirir terras, mesmo sendo públicas, que não
fosse por meio de compra.
• As propriedades ilegais seriam reconhecidas mediante
demarcação dos limites e pagamento de um imposto
territorial.
• Os imigrantes só poderiam comprar terras após três anos de
residência no Brasil.
• Libertos, pobres em geral e imigrantes eram impedidos de
ter acesso fácil à terra.
• Resultou no abandono pelo governo de tentar criar no as
colônias de imigrantes.

Você também pode gostar