Você está na página 1de 5

Empório é um estabelecimento comercial onde se vendem víveres, como secos e molhados e demais itens

necessários à manutenção de uma casa. Empórios podem ser finos ou populares, com produtos
nacionais e/ou importados. Dos comércios, são dos mais antigos: encontráveis em praticamente
qualquer aglomerado humano desde tempos imemoriais. Em alguns lugares, pode ser conhecido como
mercado, armazém, mercearia, venda, bodega.

Pitaia
Pitaia é o nome dado ao fruto de várias espécies de cactos epífitos, sobretudo do gênero
Hylocereus mas também Selenicereus, nativas do México e América do Sul e também
cultivadas no Vietnã, Malásia, Israel, China e na cidade de Socorro - SP (Brasil). O termo
pitaia significa fruta escamosa, também sendo chamada de fruta-dragão em algumas
línguas, como o inglês. Como a planta só floresce pela noite (com grandes flores brancas)
são também chamadas de Flor-da-Lua ou Dama da Noite.

Clima e solo
Pode ser cultivada de 0 até 1.800 metros acima do nível do mar, desde que as temperaturas
sejam em média de 18 a 26°C, com chuvas de 1.200 a 1.500 mm/ano, mas se adapta
também a climas mais secos.

Fruta
Existem três variedades, todas com a pele folhosa:

• Hylocereus undatus, branca por dentro com pele rosa


• Hylocereus polyrhizus, vermelha por dentro com pele rosa
• Selenicereus megalanthus, branca por dentro com pele amarela

A fruta pode pesar entre 150-600 gramas e seu interior, que é ingerido cru, é doce e tem
baixo nível de calorias. Da fruta se faz suco ou vinho; as flores podem ser ingeridas ou
usadas para fazer chá. As sementes se assemelham às do gergelim e se encontram dispersas
no fruto cárneo.

Crê-se que a variedade de interior vermelho é rica em antioxidantes.

Utilização
Pode-se consumir a polpa do fruto ao natural ou processado como refresco, geléias ou
doces. É também utilizada em medicina caseira, como tônico cardíaco, seu gosto lembra
um pouco o melão. Apesar de sua aparencia chamativa, o paladar é suave. As sementes têm
efeito laxante. Além do fruto, que tem efeito em gastrites, o talo e as flores são usados para
problemas renais.

Referência Bibliográfica
Livro Frutas Exóticas (Funep, FCAV/Unesp)

Physalis

Usada na medicina popular e consumida in natura ou como ingrediente de receitas


culinárias, a fruta tem potencial para gerar lucro ao pequeno e médio produtor

Num país de enormes proporções como o Brasil, não é de se estranhar que algumas plantas
sejam conhecidas por nomes regionais diferentes. Mas, às vezes, também acontece o
inverso: plantas distintas partilhando um único apelido. Quando isso ocorre, só mesmo o
nome científico para evitar confusões. É assim com o juá, que tanto pode designar a
saborosa Physalis angulata quanto a tóxica Solanum mammosum - não por acaso, também
chamada de juá-bravo. Talvez isso explique o porquê de a primeira ter se imposto no
mercado com sua denominação científica.

A physalis (lê-se fisális) é uma fruta comestível da família das solanáceas, a mesma do
tomate, da beringela, da batata e do pimentão. Ela também é conhecida como camapum,
saco-de-bode, mulaca, joá e joá-de-capote. Pequena, redonda e de cor verde, amarela,
laranja ou vermelha, nasce em arbusto de caule ereto e ramificado - que pode atingir até 2,5
metros de altura quando tutorado. Em seu desenvolvimento, a physalis fica dentro de um
casulo feito de folha fina e em formato de cálice.

Rica em vitaminas A e C, fósforo e ferro, além de conter flavonoides, alcaloides e


fitoesteroides, a physalis tem, ao mesmo tempo, sabor doce e ácido. Mais consumida in
natura, ela também é ingrediente para molhos, compotas, doces, geleias, sorvetes e licores.
Folhas, frutos e raízes são usados na medicina popular para combater diabetes, reumatismo
crônico, doenças de pele, da bexiga e do fígado.

Referência Bibliográfica

http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI149243-18293,00-
PHYSALIS.html
Dekopon

O dekopon (Reticulata dekopon) é um fruto híbrido do cruzamento de tangerina Ponkan


com targor Kiyomi. Pertence à família das rutáceas e pode ser chamada de dekopon,
tangerina dekopon e tangor dekopan.

É uma variedade de tangerina que tem origem japonesa e foi criada em 1972 em Nagasaki.
Não possui sementes, é exótica e suculenta, possui polpa bem doce e cor alaranjada. Sua
casca é levemente enrugada. Tem uma grande protuberância na parte que fica aderida à
planta e um tamanho grande que, na média, pesa aproximadamente 400 gramas, podendo
um de seus maiores frutos atingir mais de um quilo. Possui vitaminas B e C e também
potássio.

No Brasil, o cultivo de dekopon ainda é recente, sendo Pilar do Sul um dos maiores
produtores de dekopon no estado de São Paulo. Chegou ao Brasil na década de 80, trazido
por um produtor do sul de Minas Gerais. Foram utilizadas diferentes técnicas até que se
conseguisse adquirir um fruto com características ideais. No cultivo há também a utilização
de poda para formação rápida da copa e obtenção de maiores frutos.

A colheita ocorre entre os meses de abril e agosto, tendo safras temporãs de setembro a
dezembro. As condições necessárias para o plantio envolvem clima ameno, solo bem
drenado, fértil, solo profundo e boa disponibilidade de água durante o ano. Os frutos são
consumidos in natura, em forma de doces, sucos e geleias.

Referência Bibliográfica

http://www.brasilescola.com/frutas/dekopon.htm
Longan

Longans (Pinyin lóngyǎn, em Cantonês long-ngan, significa "olhos-de-dragão")


(Nephelium longanum Cambess) são frutas usadas frequentemente em sopas, snacks,
sobremesas e comidas agridoces na Ásia Oriental. Os frutos são redondos com uma casca
fina mas dura, de cor castanho-claro. A sua polpa, que envolve um caroço grande e preto, é
branca, macia e suculenta.

As árvores de Longans e Lychees frutificam na mesma época do ano. Longans secos


(conhecidos como Pinyin yuánròu; literalmente: polpa redonda) são usados frequentemente
na culinária e ervanária da Medicina Chinesa. O Longan é considerado um fruto possuidor
de alto valor nutritivo; os Lychees, por outro lado, são reputados como sendo um tipo de
alimento altamente Yang.

Referência Bibliográfica

http://pt.wikipedia.org/wiki/Longan

Rambutão

Rambutão ou rambutã é o fruto da Rambutaneira (Nephelium lappaceum), uma árvore


tropical de tamanho médio, da família das Sapindaceae, que se julga ser nativa do
Arquipélago Malaio. O Rambutão é um fruto comestível, muito abundante no Sudeste
Asiático, sobretudo na Tailândia. É de cor vermelha (podendo raramente apresentar
também cor amarela ou alaranjada), com uma casca dura revestida de espinhos tenros,
assemelhando-se a pequenos ouriços. O seu interior é carnudo, com uma polpa translúcida
de cor rosada, de sabor doce e ligeiramente ácido. Contém apenas uma semente (caroço),
de cor acastanhada, que é tóxica pelo que nunca deve ser consumida com a sua polpa. O
seu interior é muito semelhante aos frutos: Longan e Lichia.

A sua designação deriva da palavra malaia Rambut que significa literalmente Cabelo.

Referência Bibliográfica

http://pt.wikipedia.org/wiki/Rambut%C3%A3o
ABIU - Fruta: Vitaminas do Abiu:

Abiu é uma fruta indicada para benefícios de cura de diversas doenças.

O abiu, ótimo expectorante, combate as complicações pulmonares,


anemia, diarréia, disenteria, dor de ouvido, febre, terçol, inflamações, otite
e é ótimo para limpeza bucal em crianças.

Combate inflamações na gargante, intestinos, orgãos genitais e combate


hemorragias.

Suas propriedades curam várias doenças, são vários os benefícios.

Sua casca é boa para baixar a febre.

O azeite extraido das sementes desta fruta é um bom revigorante para a


pele.

Referência Bibliográfica

http://www.frutasnobrasil.com/abiu.html