Você está na página 1de 15

Aida José Nhavene

Ébano Adelino Zuluca

Isabel Sebastião Ngovene

Jerónia Sansão Chimene

Raufa Sandra Uamusse

Sofrimento Paulo

Factores de formação do solo

Processo de formação do solo

Propriedade dos solos

Licenciatura em Ensino de Geografia

1˚ Ano Laboral

Universidade Pedagógica de Maputo

Maputo

2021

1
2
3
Aida José Nhavene

Ébano Adelino Zuluca

Isabel Sebastião Ngovene

Jerónia Sansão Chimene

Raufa Sandra Uamusse

Sofrimento Paulo

Licenciatura em ensino de geografia

Trabalho a ser entregue na


FCTA, no Departamento de
ensino a Geografia na
disciplina de Pedogeografia
para efeitos de avaliação
Docente: Dr. Francisco
Jorge Manso

Universidade Pedagógica de Maputo

Maputo

2021

4
Índice

1 Introdução................................................................................................................................................4
Objectivo geral............................................................................................................................................4
1.2 Objectivo específico...............................................................................................................................4

5
2 Factores de formação do solo..................................................................................................................5
2.1 Processo de formação do solo...............................................................................................................6
2.2 Processos gerais de formação do solo...................................................................................................6
2.3 Processos específicos de formação do solo...........................................................................................7
2.4 Propriedades do solo.............................................................................................................................8
Anexos.......................................................................................................................................................10
Conclusão..................................................................................................................................................11
Referencias bibliográficas.........................................................................................................................12

1 Introdução

No presente trabalho o grupo ira abordar sobre processo e formação dos solos e suas
propriedades. O solo é a base do ser humano e outras espécies por isso, o solo resulta da acção
simultânea e integrada do clima e organismos que actuam sobre um material de origem, que
ocupa determinada paisagem ou relevo, durante certo período de tempo. Esses elementos (rocha,
clima, organismo, relevo e tempo) são chamados de factores de formação do solo.

6
A formação do solo se processa, inicialmente, sob acção de processos químicos e físicos
operados nos materiais de origem, e tem seu começo real quando for possível a acumulação de
matéria orgânica sobre e dentro da camada superficial.

1.1 Objectivo geral

Objectivo principal do trabalho e analisar as diferentes formas de formação do solo a partir do


seu desenvolvimento ate sofre acção de vários processos do solo.

1.2 Objectivo específico

Formação e processo do solo;

Propriedades dos solos.

2 Factores de formação do solo

São elementos que estabelecem condições ou estado do sistema, utilizando conceitos da unidade.
A caracterizam a esfera (litosfera, atmosfera e biosfera) existente na génese de determinado solo.

Os principais factores de formação de solo são:

7
Material de origem É a matéria - prima a partir da qual os solos se desenvolvem, podendo ser
de natureza mineral (rochas ou sedimentos) ou orgânico (resíduos vegetais).

Os sedimentos são outro grande grupo de material de origem do solo. São formados a partir da
intermperização das rochas e actuação de processos erosivos, sendo muitas vezes transportados e
depositados ao longo da paisagem. É importante salientar que a mesma rocha poderá originar
solos muito diferentes, dependendo da variação dos demais factores de formação. Por exemplo,
um granito em uma região de clima seco e quente origina solos rasos e pedregosos em virtude da
reduzida quantidade de chuvas.

Relevo – É considerado um importante factor na formação do solo, pois é responsável pelo


controle de toda dinâmica dos fluxos de agua na paisagem como lixiviação de solutos e
condições de drenagem. Também o relevo afecto a formação do solo por redistribuição a energia
advinda da radiação solar e os materiais da água (movimento transportado por gravidade).

A influência do relevo ocorre em duas escalas: para grandes regiões o relevo pode afectar o
clima, para áreas menores a importância do relevo ocorre através da redistribuição da água no
corpo do solo, a qual é fundamental para a evolução dos solos.

Dependo do tipo de relevo (plana, inclinado ou abaciado) a agua da chuva pode entrar no solo
(infiltração) escoar pela superfície (ocasionando erosão) ou se acumulando (formando
banhados).

Nos relevos planos, praticamente toda água da chuva entra no solo (solos profundos);

Nos relevos inclinada parte da água escorre pela superfície (erosao), dificulta formação do solo
(solos rasos);

Nos relevos abaciados a água acumula surge os banhados (solos com excesso de agua).

Clima – actuação do clima na pedogênese esta associada principalmente aos atributos da


precipitação pluviómetricas, a taxa de evaporação e a temperatura, tendo em vista a influência do
mesmo no intempérismo e evolução do solo. O clima é muito importante para o processo de
desenvolvimento do solo actuando desde o processo de decomposição de rochas.

Exerce influência na formação do solo através da precipitação e temperatura;

A precipitação e temperatura lavadas favorecem os processos de formação do solo;

Em ambientes extremos, como desertos frios ou quentes, agua esta em estado sólido (gelo) que
dificultam ou mesmo impede a formação do solo;

Climas húmidos e quentes (regiões tropicais) são factores favoráveis a formação de solos muito
intemperizados (atrelados em relação a rocha).

8
Organismo – os organismos na formação do solo possuem relação íntima com o factor clima
considerando a adaptabilidade da fauna e flora as condições de humidade e temperatura de um
determinado ambiente. Os organismos são fundamentais para o processo de formação do solos e
considerados condicionalmente para a pedogenese, a acção dos organismos no substrato
representa a diferença entre os processos de pedogenese e intemperismo. Os solos não deve ser
considerado apenas um produto de distribuição das rochas, porque a acção dos organismos cria e
destrói feições propriedades e características desses materiais dependendo de sua acção no
tempo.

Tempo - para a formação do solo, é necessário determinado tempo para actuação dos processos
que levam a sua formação. O tempo que um solo leva para se formar depende do tipo de rocha,
do clima e do relevo, protanto como factor de formação do solo o tempo se refere ao período em
que os factores activos (clima e organismo) actuam sobre o material de origem condicionado
pelo relevo.

Dentre os factores de formação o tempo é o mais passivo não exporta material, nem gera energia
que possa acelerar os fenómenos de intempérismo físico e químico.

2.1 Processo de formação do solo

2.2 Processos gerais de formação do solo

Os processos pedogeniticos indicam a direcção e a intensidade das transformações e são


condicionados pela combinação dos factores de formação do solo. Esses processos podem
imprimir determinadas feições aos solos, observáveis em um perfil ou corte e descritas na
morfologia do solo.

Os processos gerais de formação do solo são:

Adição – refere-se aparte de material do exterior do perfil ou horizonte do solo. E tudo que é
incorporado ao solo em desenvolvimento é considerado como adição.

Perdas – durante o seu desenvolvimento os solos perdem materiais na forma sólida (erosão) e
em solução (lixiviacao). Como por exemplo: Perdas em profundidade: são as migrações da
solução do solo, que ocorrem sob o efeito da gravidade em direcção ao lençol freático. É uma
continuação do processo de transporte selectivo;
Perdas pelo vento: este fenómeno se dá com maior intensidade nas áreas com fracas coberturas
Vegetais e assoladas por ventos fortes.

Transformações são denominadas transformações de processo que ocorrem durante formação


do solo produzindo alterações químicas, físicas e biológicas. A transformação ocorre quando o
material existente no perfil ou horizonte muda sua natureza química e mineralógica, nesse
sentido há a transformação do material orgânico em matéria orgânica e dos minerais primários
(que faziam parte da rocha) em novos minerais secundários e outras transformações químicas,

9
como a precipitação e a dissolução química. Como por exemplo as transformações que ocorridas
durante todos os estágios de desenvolvimento dos solos são mais intensas em regiões húmidas e
quentes (zonas tropicais). O processo de transformação é o mais sedutor e complexo do
processos pedogenéticos, sendo sua acção organizadora de horizontes de grande importância.

Transportes em decorrência da gravidade e da evaporação (perda da agua das plantas e do solo


pela acção do calor) pode ocorrer translocação de matéria orgânicos e minerais dentro do próprio
solo, esse movimento pode se dar em dois sentidos de cima para baixo e de baixo para cima.

2.3 Processos específicos de formação do solo

A combinação dos diferentes processos gerais, em intensidades variadas, resulta na formação de


solos com características típicas de cada combinação. Com base nesse princípio, alguns
processos serão descritos, mas deve-se sempre ter em mente que sua ocorrência pode se dar de
forma associada.

São vários os processos específicos, incluindo-se a latolização, podzolização, gleização,


laterização, salinização, sodificação ou solonização e outros processos de formação de solos de
ocorrência mais localizada (paludização, carbonatação, turbação, ferrólise, etc.).

Latolização

A latolização é caracterizada pelo intemperismo químico (especialmente a hidrólise e a


oxidação) e lixiviação muito intensos ou que actuaram durante um período bastante longo,
gerando dessilicação média a forte, com formação de um horizonte B latossólico (Bw).

Os factores de formação típicos para Latossolos são: material de origem capaz de formar argila
(basalto, por exemplo), clima chuvoso e temperaturas mais altas, relevo plano e com boa
drenagem interna, organismos vivos anaeróbios e tempo longo de acção do intemperismo.

lessivagem

A lessivagem é um processo caracterizado pela transferência vertical de colóides (principalmente


inorgânicos, mas também orgânicos em associação) e sua deposição em horizontes
subsuperficiais. Esse transporte ocorre, geralmente, em três fases: dispersão, transporte e
deposição. Pode produzir gradiente textural no perfil (B textural,Bt) e o aparecimento do
horizonte E, de perda mais intensa de material.

Gleização

A gleização é um processo típico de ambiente com condições de redução, o que ocorre quando
há saturação por água na maior parte do tempo. Quando as condições são aeróbicas, o aceptor
final da cadeia respiratória dos microrganismos do solo é o oxigênio, e sua eficiência na
decomposição de materiais orgânicos pode chegar à decomposição completa em gás carbônico.

10
2.4 Propriedades do solo

Propriedades físicas
As propriedades físicas relacionadas à qualidade do solo referem-se às condições, que permitem
a infiltração, a retenção e a disponibilização de água para as plantas, proporcionando as trocas de
calor e de gases com a atmosfera e as raízes das plantas e possibilitando o crescimento das raízes
(REICHERT; REINERT;BRAIDA, 2003).
As propriedades físicas do solo são as que merecem maior importância, pois influenciam a
produtividade, através do desenvolvimento das plantas. Muitas dessas propriedades físicas têm
sido utilizadas para quantificar as alterações provocadas pelos diferentes sistemas de manejo ou
até mesmo como indicadores da sua qualidade.(NEVES et al., 2007).

A textura do solo é estudada pela análise granulométrica, a qual permite classificar os


componentes sólidos do solo em classes de acordo com os seus diâmetros, sendo divididos em
areia, silte e argila.

A Estrutura refere se ao arranjo de agregados e poros do solo. Os solos bem estruturados


suportam melhor precipitação e a acção de maquinas e implementação agrícola e também
permite uma maior produção das culturas, estrutura do solo relaciona-se com a densidade e
porosidade do solo, a aeracão etc.

A Densidade do solo é uma propriedade que avalia a massa de sólidos pelo volume e é afetada
pelos cultivos que alteram a estrutura do solo. Dessa forma, descrevendo o estado da estrutura do
solo (KLEIN, 2008).

A porosidade do solo é dividida em duas classes: macro- poros e micro-poros (BRADY, 1989).
Segundo o autor, os micro-poros são conhecidos como os poros capilares responsáveis pela
retenção da água no solo. No entanto, os macro-poros representam os poros responsáveis pela
drenagem e aeração do solo. A porosidade do solo interfere na aeração, condução e retenção de
água, resistência à penetração e à ramificação de raízes.

Outra propriedade física do solo, directamente relacionada ao sistema de manejo empregado e ao


uso, é a agregação do solo, propriedade correlacionada com a matéria orgânica e com o carbono
e que tem sido bastante utilizada em avaliações dos sistemas de manejo.

Propriedades químicas

As propriedades químicas dos solos (pH,teor de nurientes ,capacidade de troca iónica, )

O pH do solo, propriedade correlacionada com a acidez, é um importante indicador de suas


condições químicas, pois possui capacidade de interferir na disposição de vários elementos
químicos essenciais ao desenvolvimento vegetal, favorecendo ou não suas liberações
(BRANDÃO; LIMA, 2002).

11
O Teor de matéria orgânica presente em um solo florestal tem implicações com a fertilização,
pois para Gonçalves; Benedetti (2005) as recomendações de fertilizações com nitrogénio
ocorrem em função dos teores de matéria orgânica do solo, das quais, quanto maior esses teores,
menor será a dose de fertilizante aplicada.

O movimento de nutrientes nos povoamentos florestais ocorre com a sua absorção pelas plantas,
em camadas mais profundas do solo e o seu retorno à superfície pela lavagem da parte aérea e
pelo ciclo biogeoquímicos, liberando nutrientes do material vegetal depositado na superfície do
solo, por meio da decomposição microbiana.

Existem correlações entre o conteúdo de nutrientes no solo e nas plantas Dessa forma, a adoção
de espaçamentos menores reduz a disponibilidade dos nutrientes no solo.

Anexos

A figura 1 monstra factores de formação do solo

12
Figura 2 representação de processo de formação do solo

Conclusão

No presente trabalho o grupo conclui que os solos são essencial para todos os organismos da
superfície terrestre são de fundamental importância o estudo da suas propriedades físicas e

13
químicas do solos são determinadas pelo processo geológico de sua formação, dando origem dos
minerais, e sua evolução de acordo o clima e relevo.

Referências bibliográficas

LIMA, V.C. Fundamentos de pedologia. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, Setor de


Ciências Agrárias, Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, 2001. 343p.

14
DEPARTAMENTO DE SOLOS. Apostila de morfologia e gênese do solo. Santa Maria: UFSM,
sem data. 152p.

GONÇALVES, J. L. de M. Propriedades físico-químicas dos solos vs. Exigências nutricionais de


espécies florestais de rápido crescimento. Piracicaba: IPEF, 1988, 16 p. (Circular Técnica,n.154).

BRADY, N.C; WEIL, R.R. Elementos da Natureza e Propriedades dos Solos. 3ª ed. Tradução

técnica: Igo Fernando Lepsch. Editora Bookman, Porto Alegre, RS, 2013. 685 p.

15

Você também pode gostar