Você está na página 1de 6

Relação entre amamentação,

desenvolvimento motor bucal e


hábitos bucais - revisão de literatura
Relationship among breastfeeding, oral motor development and oral
habits - literature review

Juliane Bervian *
Marilea Fontana **
Bruna Caus ***

Introdução
Atualmente, tem-se enfatizado a importância do aleita- O aleitamento materno, além dos benefícios nu-
mento materno, principalmente no que diz respeito aos
tricionais, imunológicos e emocionais amplamente
aspectos nutricionais e de desenvolvimento da criança.
No entanto, nesta revisão de literatura objetivou-se de- divulgados na literatura, também tem efeito positi-
monstrar que o aleitamento natural é mais que nutrição. vo para a fonoaudiologia, uma vez que se encontra
A amamentação é o fator decisivo e primordial para a intimamente relacionada ao crescimento e desen-
correta maturação e crescimento craniofacial em nível volvimento do sistema estomatognático.
ósseo, muscular e funcional, mantendo essas estruturas O seio materno funciona como aparelho orto-
aptas para exercerem o desenvolvimento da musculatu- dôntico natural. Ao sugar, o bebê coloca a língua na
ra orofacial, que guiará e estimulará o desenvolvimento posição correta dentro da boca e faz uma verdadeira
das funções fisiológicas, garantindo não somente a so- “ordenha” do bico do seio. As arcadas (ainda sem
brevivência, mas também uma melhor qualidade de
dentes), bochechas e língua movimentam-se harmo-
vida. Por este motivo, procura-se enfatizar a amamenta-
ção materna como uma forma de prevenção a proble- niosamente e toda a função neuromuscular da boca
mas futuros da criança, por proporcionar o preparo e o desenvolve-se de forma equilibrada.
aprimoramento da condição neuromuscular das estru- Sabendo-se, então, da importância do aleita-
turas bucais para funções mais complexas. mento materno para o desenvolvimento infantil,
procurou-se realizar uma revisão de literatura so-
Palavras-chave: Aleitamento materno. Sistema estoma- bre aspectos preventivos da amamentação quanto
tognático. Hábitos orais. Fonoaudiologia. a hábitos bucais deletérios e a um adequado desen-
volvimento das funções e elementos do sistema es-
tomatognático.

* Mestre e especialista em Odontopediatria, professora do curso de Fonoaudiologia da Universidade de Passo Fundo.


** Mestre em Educação, especialista em Motricidade Orofacial, Educação Especial, coordenadora e professora do curso de Fonoaudiologia da Universidade de
Passo Fundo, professora do curso de Pós-Graduação em Ortodontia da UPF e dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Jornalismo da UPF.
*** Acadêmica do curso de Fonoaudiologia da UPF.

76 RFO, v. 13, n. 2, p. 76-81, maio/agosto 2008


registrada como uma pressão intrabucal negativa;
Revisão da literatura a compressão do mamilo movendo periodicamente
a língua desde a base até a ponta do mamilo. Es-
Mecanismo de sucção ses três componentes estão usualmente combinados
numa única variável coletiva quando o bebê está
O feto apresenta reflexo de sucção a partir da com fome no início da mamada. Com a satisfação
trigésima segunda semana de gestação, estando parcial da fome, o bebê, desperto, continua a mamar
preparado neurologicamente para o sucesso da ama- apenas pela compressão periódica do mamilo, pois
mentação. A sucção é a primeira função do sistema os outros componentes desaparecem, contudo a fre-
estomatognático, sendo uma ação neuromuscular. qüência média dos movimentos de sucção mantém-
Qualquer problema no sistema nervoso central e se a mesma. Alterações espontâneas ou provocadas
nas vias de transmissão pode acarretar anomalias do estado de alerta levam ao reaparecimento dos
de sucção com conseqüente desnutrição1. outros componentes, sem alterar a freqüência mé-
A fisiologia da sucção envolve desde a sensibili- dia da sucção3,4.
dade do bebê em sentir com os lábios o mamilo da
mãe até o momento de deglutição do leite materno.
Os receptores táteis dos lábios do bebê detectam o Amamentação x desenvolvimento do
bico e levam os músculos labiais (orbicular dos lá- sistema estomatognático
bios e controladores da comissura) a se contraírem
firmemente em torno do mamilo, caracterizando um A região bucal caracteriza-se por ser a primeira
selamento hermético. O colo do mamilo é o primeiro fonte de prazer e uma das primeiras de comunica-
a ser comprimido, entre o rebordo gengival superior ção, uma vez que inicia o contato do recém-nascido
e a ponta da língua, cobrindo o rebordo gengival in- com o mundo. O ato de sugar é uma forma encontra-
ferior com uma depressão da mandíbula e da lín- da pelo recém-nascido para acalmar-se e satisfazer-
gua, o que requer o trabalho dos músculos linguais. se6,7 .
Esses fenômenos criam uma pressão negativa na O aleitamento materno permite o exercício ne-
boca do lactente2. cessário ao desenvolvimento do sistema estomatog-
Junto a esses eventos ocorre a movimentação nático. Alguns dos músculos mastigatórios (tempo-
mandibular. Quando a mandíbula desce, o mamilo ral, pterigóideo lateral, milohioídeo) iniciam assim
atinge um comprimento três vezes maior, momento sua maturação e posicionamento. A língua estimula
em que a sucção é exercida por diminuição da pres- o palato, evitando alguma perturbação que possa
são intrabucal, que se torna negativa. Na sucção a ser exercida pelos bucinadores. O orbicular dos lá-
língua apresenta ondulações rítmicas em sua super- bios orienta o crescimento e o desenvolvimento da
fície, do sentido anterior para o posterior. A pressão região anterior do sistema estomatognático3,8.
intrabucal não é suficiente para a descida do leite; Junto com o movimento muscular ocorre o de-
por isso, é necessária a contração dos ácinos mamá- senvolvimento ósseo; assim, o retrognatismo man-
rios, que são estruturas glandulares localizadas no dibular que os bebês apresentam ao nascer deve
final dos ductos (ou canais) onde será produzido e ser corrigido até a época da erupção dos primeiros
armazenado o leite. Assim, os reflexos de sucção e dentes decíduos para que sua oclusão possa ser cor-
de aleitamento, independentes e simultâneos, cor- reta. Constata-se, portanto, que a amamentação é
roboram o fenômeno de sucção do leite materno. A estímulo a todas as estruturas bucais, como lábios,
deglutição pode acontecer em ciclos variáveis, após língua, bochechas, ossos e músculos da face9-11.
uma, duas ou três sucções, sendo essa ritmicidade A importância do aleitamento materno para a
controlada pelos centros reticulares (sistema nervo- fonoaudiologia justifica-se porque visa ao preparo e
so central). Quando o leite se acumula no dorso da ao aprimoramento da condição neuromuscular das
língua, eleva-se o palato mole, de modo que a úvula estruturas bucais. A anatomia e a funcionabilidade
se projeta no sentido da parede posterior da faringe das estrututas bucais desenvolvem-se quando exer-
e a superfície superior contata os nódulos linfóides cidas pela amamentação, o que aprimora as demais
da faringe posterior. O bolo lácteo é orientado para a funções, como mastigação, deglutição, respiração
faringe inferior pelas amígdalas palatinas, as quais e fonoarticulação6. O aleitamento materno é mais
modulam o fluxo de deglutição2-5. vantajoso para a criança em razão do esforço rea-
Destaca-se que os recém-nascidos saudáveis têm lizado para a obtenção do alimento, bem como do
três mecanismos motores bucais separados para re- exercício das regiões peri e intrabucais12.
tirar leite da mama, os quais incluem: a extração O sistema estomatognático desempenha as fun-
do leite pela contração e relaxamento rítmicos dos ções de respiração, mastigação, deglutição e fala e
músculos da boca; a criação de um vácuo parcial as estruturas que o compõem agem de forma con-
dentro da boca, ou sucção propriamente dita, que é junta, não individualizada, para determinada fun-

RFO, v. 13, n. 2, p. 76-81, maio/agosto 2008 77


ção. Por isso, qualquer alteração numa dessas es- volvimento do tônus muscular necessário à utiliza-
truturas orofaciais pode resultar num desequilíbrio ção quando da chegada da primeira dentição, pro-
generalizado13. movendo o crescimento ântero-posterior dos ramos
Assim, durante o aleitamento um intenso traba- mandibulares e a modelação do ângulo mandibu-
lho muscular é realizado pelos pterigóideos mediais lar23.
e laterais, masseteres e temporais, os quais estarão A partir do sétimo mês de vida surgem os movi-
preparados para exercer futuramente uma boa fun- mentos da mastigação, que são comparados com os
ção mastigatória dos alimentos duros14. movimentos iniciais de marcha, mal coordenados e
Além disso, considera-se a amamentação como a dirigidos. Nesta etapa, ocorrem os movimentos de
primeira lição preventiva da adequada respiração, aproximação e distanciamento da mandíbula em
pois durante o processo as funções orofaciais são relação à maxila e, a partir de um ano, aproximada-
perfeitas: lábios fechados, postura correta da língua, mente, a mastigação torna-se mais efetiva, especial-
padrão respiratório (nasal), o que mantém corretas mente em razão do início da erupção dentária24. O
as funções do sistema estomatognático4,5,15-17. exercício mastigatório mostra-se, dessa forma, im-
As alterações miofuncionais decorrentes do des- portantíssimo na manutenção da saúde bucal como
vio das funções respiração e deglutição foram rela- um todo. Logo, o sistema estomatognático poderá
cionadas à amamentação em estudo que salienta a não se desenvolver adequadamente caso a criança
importância do aleitamento natural na prevenção não mastigue25,26.
das alterações miofuncionais e ortodônticas. Foi Observa-se na articulação dos sons dois aspec-
aplicado um questionário aos pais de 180 crianças tos: o desenvolvimento e maturação do sistema
na faixa etária de quatro a seis anos, matriculadas miofuncional bucal e as demais funções neurove-
em escolas da rede pública da cidade de Bauru - SP. getativas (respiração, sucção, deglutição e masti-
As crianças pesquisadas passaram por uma avalia- gação). Diante disso, qualquer alteração fonética
ção respiratória, articulatória e fonoarticulatória. estaria associada a desvios dos aspectos apontados
Concluiu-se que não há relação direta entre as fun- acima8,18. A fonoarticulação necessita, pois, que as
ções estomatognáticas e o tipo de aleitamento, mas demais funções do sistema estomatognático estejam
há uma diminuição das alterações quando utilizada equilibradas para um bom processo de fala. O dia-
a amamentação natural, comprovando que o aleita- fragma, os músculos da laringe e as várias partes
mento materno favorece o correto desenvolvimento da boca vão produzir sons e expressões denomina-
da face e da cavidade bucal18. das “linguagem”. O som produzido pela pressão dos
A mastigação, outra função vital, mostra-se como pulmões, pregas vocais, diafragma e músculos coor-
um estímulo para que os músculos, as articulações e denados com a glote resulta na voz; e o palato mole,
o periodonto continuem com boa saúde, em razão do a língua, a ressonância nasal e bucal, a faringe e
exercício realizado19. Os movimentos mastigatórios os articuladores determinam a produção de uma
precisos e coordenados são fatores necessários para fala inteligível. Dessa forma, a linguagem revela-se
a deglutição normal e para a adequada produção como um processo imprescindível para o aprendiza-
dos sons da fala20. A mastigação também é uma ati- do do homem1.
vidade neuromuscular, envolvida com o sistema en- Um estudo investigou a possível relação do dis-
dócrino, definida como a pega, trituração e moagem túrbio de fala com a história de aleitamento e há-
dos alimentos. A eficiência da mastigação depende bitos de sucção, interferindo no crescimento e no
do tamanho dos alimentos, dos movimentos mandi- desenvolvimento dos componentes do sistema esto-
bulares e da força da mordida. Deve ser alternada matognático e nas condições miofuncionais bucais.
com ciclos de um lado para o outro, evitando o pre- Foram entrevistadas cinqüenta crianças na média
juízo de desequilíbrio e disfunções1. etária de 6,5 anos e seus responsáveis, procuran-
Há uma evolução gradativa na mastigação, que do identificar as possíveis dificuldades em relação
depende dos padrões de crescimento, desenvolvi- à fala dessas crianças. Também foram enfocados os
mento e amadurecimento do complexo craniofa- métodos de aleitamento e os hábitos de sucção não
cial21. Na realização de uma mastigação eficiente nutritiva. As crianças passaram por uma avaliação
e bilateral, com ciclos adequados, verifica-se equi- das suas estruturas estomatognáticas e das funções
líbrio da musculatura orofacial e dentoesquelética, bucais, além da fala. Concluiu-se que o distúrbio da
por alternar o lado de trabalho mantendo maior fala está associado à maior duração do aleitamento
contato dentário durante os ciclos mastigatórios e, artificial e da sucção não nutritiva. Compreende-se,
conseqüentemente, determinando correto desenvol- assim, que o prolongamento da sucção pode modi-
vimento da mandíbula e maxila e uma provável si- ficar o ambiente bucal, dentre outros, provocando
metria facial22. desordens miofuncionais bucais; conseqüentemen-
O aleitamento materno, do ponto de vista odon- te, haverá dificuldade nos ajustes motores finos ne-
tológico e da função mastigatória, favorece o desen- cessários para a articulação da fala27.

78 RFO, v. 13, n. 2, p. 76-81, maio/agosto 2008


O desenvolvimento do sistema estomatognático
infantil foi estudado e documentado no intuito de se
Discussão
transmitir aos profissionais de saúde a importância Da revisão de literatura realizada, é importante
da amamentação natural nesse contexto. Observou- fazer uma síntese no que se refere aos benefícios do
se, então, que é vital para o neonato que esse alei- aleitamento materno para o adequado desenvolvi-
tamento seja exclusivo até o sexto mês de vida, vis- mento e maturação dos elementos e funções do sis-
to que há uma forte correlação entre a presença de tema estomatognático, bem como para a prevenção
hábitos bucais26,28 nocivos e a amamentação insufi- de instalação de hábitos bucais deletérios.
ciente, constituindo-se num dos principais fatores Dentre os autores pesquisados, observou-se que
etiológicos das más oclusões dentárias. Do mesmo o aleitamento materno proporciona, além dos bene-
modo, a deglutição, fonação e respiração podem ser fícios nutricionais, imunológicos e emocionais, pro-
afetadas quando a mamadeira é logo introduzida moção da saúde do sistema estomatognático3,8,12,29.
nos hábitos do bebê28. Da mesma forma, a literatura mostra benefícios do
aleitamento relacionados a aspectos que vão desde o
Amamentação X Hábitos de sucção econômico até a melhor acuidade visual e melhor pa-
drão cardiorrespiratório durante a alimentação33.
A criança que não é amamentada ao seio tem a A sucção no peito é um estímulo que propicia o
tendência de introduzir o dedo na boca, pois neces- correto estabelecimento da respiração nasal, visto
sita exercitar a musculatura, já que a satisfação nu- que no aleitamento as funções orofaciais são per-
tricional é mais rápida. Todo bebê possui ao nascer feitas: lábios fechados, postura correta da língua,
dois estados de fome: fome neural e fome fisiológica. padrão respiratório (nasal); proporciona a automa-
A fome fisiológica mostra saciedade rápida, ao passo tização do padrão correto de deglutição, que ocorre
que a fome neural tem necessidade de sucção maior, quando os dentes se encontram em oclusão, a man-
justificada pelo tempo maior junto ao seio, mesmo díbula apresenta-se estabilizada, a ponta da lín-
com a fome fisiológica satisfeita29. gua se coloca acima e atrás dos incisivos no palato,
As crianças amamentadas tendem a não desen- havendo apenas um selamento passivo dos lábios.
volver hábitos bucais deletérios no decorrer de suas Mais do que isso, o aleitamento materno permite o
vidas em razão de um intenso trabalho muscular exercício necessário ao desenvolvimento do sistema
realizado para a sucção do leite materno, o que gera estomatognático, visto que alguns dos músculos
uma musculatura perioral fatigada. Evita-se, as- mastigatórios (temporal, pterigóideo lateral, milo-
sim, que busquem outro tipo de sucção (como dedo, hioídeo) iniciam sua maturação e posicionamento.
chupeta ou objetos) a fim de se satisfazerem nutri- Dessa forma, do ponto de vista odontológico, desen-
cional e/ou emocionalmente30. volve-se o tônus muscular necessário para a função
A sucção no seio materno promove uma ativi- mastigatória quando da chegada dos primeiros den-
dade muscular correta, ao passo que a mamadeira tes decíduos23.
propicia o trabalho apenas dos músculos bucinado- Os movimentos de mastigação surgem, aproxi-
res e orbicular da boca, não estimulando os demais. madamente, no sétimo mês de vida e são compa-
O excessivo trabalho dos orbiculares induz a alte- rados com os movimentos iniciais de marcha, mal
rações na mastigação, deglutição e articulação dos coordenados e dirigidos. Nesta etapa, ocorrem os
sons da fala3. Ainda, o aleitamento artificial interfe- movimentos de aproximação e distanciamento da
re na realização das funções de mastigação, sucção mandíbula em relação à maxila. A partir de um ano,
e deglutição e pode levar a alterações na muscula- a mastigação torna-se mais efetiva em razão do de-
tura orofacial e na postura de repouso dos lábios e senvolvimento muscular e pela erupção de maior
língua31. número de dentes decíduos. Além disso, aproxima-
Outro estudo, ainda enfocando o efeito provoca- damente aos 18 meses de idade ocorre a erupção dos
do por hábito vicioso na fala, investigou a opinião primeiros molares decíduos, que farão o primeiro le-
e atitude dos pais diante da freqüência com que vante de mordida e a noção de oclusão24-26, 34.
permitem que os filhos desenvolvam tais hábitos Salienta-se a função da fonoarticulação, uma
nocivos. Concluiu-se que a maioria dos pais revela das principais características que define o ser hu-
um certo comodismo e que muitos, apesar de esta- mano, o qual não possui órgão específico para este
rem cientes da utilização prolongada, desconhecem fim. Assim, a fala é uma função que se apropriou de
as alterações causadas. Logo, a prevenção continua órgãos já existentes, destinados às funções biológi-
sendo primordial. Dessa forma, as diversas anoma- cas vitais; por isso, relaciona-se ao desenvolvimento
lias na articulação das palavras podem ser evita- e à maturação do sistema miofuncional oral e às de-
das, uma vez que a ciência fonoaudiológica dispõe mais funções neurovegetativas (respiração, sucção,
de recursos para estabelecer a normalidade32. deglutição e mastigação)4,8-11,17,18.

RFO, v. 13, n. 2, p. 76-81, maio/agosto 2008 79


Além de todos os benefícios mencionados do 4. Carvalho GD. O recém-nascido não necessita de mamadei-
ras e chupetas. Rev Secret Saúde 1997; 1(27):6-9.
aleitamento materno, verifica-se na literatura que
as crianças amamentadas naturalmente tendem a 5. Motta WR. A importância do aleitamento materno. Brasília:
Cons Fed de Fonoaudiologia; 1997.
não desenvolver hábitos bucais deletérios em ra-
6. Sies M, Carvalho M. Uma visão fonoaudiológica em pedia-
zão de um intenso trabalho muscular na sucção tria na primeira infância. In: Corrêa MSP. Odontopediatria
do leite materno, o que gera uma musculatura pe- na primeira infância. São Paulo: Santos; 2001.
rioral fatigada, evitando outro tipo de sucção não 7. Panhoca I, Paffaro AC, Mello JS. Chupeta e mamadeira, um
nutritiva3,4,10, 28,29. tema da fonoaudiologia. São Paulo: Rev Fono Atual 1999;
3(7):17.
8. Marchesan IQ. Fundamentos em fonoaudiologia: aspectos
Considerações finais clínicos da motricidade oral. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan; 1998.
O sistema estomatognático desempenha as fun- 9. Tollara MN, Corrêa MSN, Bonecker MJS, Carvalho GD.
ções de respiração, deglutição, mastigação e fala, e Aleitamento natural. In: Corrêa MSP. Odontopediatria na
as estruturas que o compõem agem de forma con- primeira infância. São Paulo: Santos; 1998.
junta para uma determinada função. Logo, qual- 10. Junqueira P. Amamentação, hábitos orais e mastigação:
orientações, cuidados e dicas. Rio de Janeiro: Revinter;
quer alteração numa dessas estruturas orofaciais 1999.
pode resultar num desequilíbrio generalizado.
11. Gava-Simioni LR, Jacinto SR, Gaväo MRD, Pippin-Rontani
A sucção é a primeira função do sistema esto- RM. Amamentação e odontologia. J Bras Odontopediatr
matognático, à qual está relacionado o desenvol- Odontol Bebê 2001; 4(18):125-31.
vimento das outras funções interligadas. O aleita- 12. Proença EMG. Sistema sensório motor oral. In: Guimarães
mento materno oferece ao bebê um adequado desen- ML, Juliani RC, Lins L, Marcondes E, Moriyama L, Mitie A
et al. Fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional em
volvimento ósseo e muscular, garantindo, assim, o pediatria. 2. ed. São Paulo: Sarvier; 1994.
perfeito funcionamento e possibilitando saúde geral 13. Bianchini EMG. A cefalometria nas alterações miofuncio-
à criança em virtude das inter-relações existentes nais orais: diagnóstico e tratamento fonoaudiológico. 2. ed.
entre o sistema estomatognático e os demais órgãos São Paulo: Pró-Fono; 1994.
e funções. 14. Van Der Laan T. A importância da amamentação no desen-
volvimento facial infantil. Pró-fono 1995; 7(1):3-5.

Abstract 15. Planas P. Terapêutica durante o primeiro ano. São Paulo:


Medsi; 1988.

The importance of breastfeeding has been emphasized 16. Segóvia ML. Interrelaciones entre la odontoestomatologia y
la fonoaudiologia: la deglución atípica. Buenos Aires: Pana-
mainly concerning the development and the nutritional mericana; 1977.
aspects of the child. However, the objective of this study
17. Pinheiro NL. O Sangue branco. Rev Bras Med Soc 1996;
was to demonstrate that natural breastfeeding is some- (127):12-3.
thing more than nutrition only. Breast-feeding is the
18. Fernandez FBU. Pensando no bebê: benefícios, técnicas e
decisive and primordial factor for correct maturation
dificuldades do aleitamento materno [Monografia de Es-
and craniofacial growth in bone, muscular and func- pecialização em Motricidade Oral]. Rio de Janeiro: CEFAC
tional level, keeping these structures able to perform the - Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica e Mo-
development of the orofacial musculature, which will tricidade Oral; 2000.
direct and stimulate the development of physiological 19. Felício CM. Sistema Estomatognático e Funções. In: Felício
functions, guaranteeing not only the survival, but a bet- CM. Fonoaudiologia aplicada a casos odontológicos: motrici-
ter quality of life as well. For this reason, it is necessary dade oral e audiologia. São Paulo: Pancast; 1999. p. 17-48.
to emphasize breastfeeding as a form of prevention of 20. Junqueira P. Avaliação Miofuncional. In: Marchesan IQ.
future problems for children, once it provides prepara- Fundamentos em fonoaudiologia: aspectos clínicos da mo-
tion and the improvement of neuromuscular condition tricidade oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1998. p.
13-21.
of oral structures for more complex functions.
21. Silva MAP. Início do processo de mastigação – O que pen-
sam mães e cuidadores [Monografia de Especialização em
Key words: Breastfeeding. Stomatognathic system. Oral
Motricidade Oral]. Itajaí: CEFAC - Centro de Especializa-
habits. Language and hearing sciences. ção em Fonoaudiologia Clínica e Motricidade Oral; 2001.
22. Pizzol KEDC. Influência da mastigação unilateral no desen-
volvimento da assimetria facial. Rev Uniara 2004; 15:215-
Referências 22.
1. Carvalho GD. S.O.S. respirador bucal: uma visão funcional 23. OMS - Site com as recomendações da Organização Mundial
e clínica da amamentação. São Paulo: Lovise; 2003. da Saúde (OMS) a respeito de aleitamento materno. Aces-
so em 05/09/07. Disponível em URL: http://www.unicef.org/
2. Douglas CR. Patofisiologia oral: fisiologia normal e pato- programme/breastfeeding/baby.htm.
lógica aplicada à odontologia e fonoaudiologia. São Paulo:
Pancast; 1998. 24. Bianchini EMG. Mastigação e ATM: avaliação e terapia. In:
Marchesan IQ. Fundamentos em Fonoaudiologia – Aspec-
3. Carvalho GD. A amamentação sob a visão funcional e clíni- tos Clínicos da Motricidade Oral. Rio de Janeiro: Guanaba-
ca da odontologia. Rev Secret de Saúde 1995; 2(10):12-3. ra Koogan; 1998. p. 37-49.

80 RFO, v. 13, n. 2, p. 76-81, maio/agosto 2008


25. Moscardi AA. A importância do aleitamento materno para 32. Balbrighi SEZM, Pinzan A, Zwicker CVD, Michelini CRS,
a fonoaudiologia [Monografia de Especialização em Motrici- Barros DR, Elias F. A importância do aleitamento natural
dade Oral]. Itajaí: Centro de Especialização em Fonoaudio- na prevenção de alterações miofuncionais e ortodônticas.
logia Clínica e Motricidade Oral; 2001. Rev Dent Press Ortodon Ortop Facial 2001; 6(5):111-21.
26. Marques RFSV, Lopez FA, Braga JAP. O crescimento de 33. Rego JD. Aleitamento Materno. São Paulo: Atheneu; 2006.
crianças alimentadas com leite materno exclusivo nos pri-
34. Bernardes SR, Barbosa GAS, Castro AM de, Neves FD das,
meiros 6 meses de vida. J Pediatr 2004; 80(2).
Neto AJF. Odontologia para bebês na prevenção das disfun-
27. Felício CM, Ferreira-Jeronymo RR, Ferriolli BHVM, Frei- ções têmporo-mandibulares. Rev Ibero-Am Odontopediatr
tas RLRG. Análise da associação entre sucção, condições Odontol Bebê 2006; 9(51/52):392-9.
miofuncionais orais e fala. Pró-Fono Rev Atualiz Cient Ba-
rueri 2003; 15(1):31-9.
28. Wertzner HF. Articulação, aquisição do sistema fonológico
dos três aos sete anos [Tese de Doutorado]. São Paulo: Fa- Endereço para correspondência
culdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Univer-
sidade de São Paulo; 1992 . Juliane Bervian
UPF/Curso de Fonoaudiologia
29. Kudo AM, Marcondes E. Fisioterapia, Fonoaudiologia e
Terapia Ocupacional em Pediatria (Monografias Médicas). Campus I, BR 285 - Bairro São José
Série Pediatria. São Paulo: Sarvier; 1990. 99001-970 Passo Fundo - RS
Fone: (54) 3316-8494
30. Moresca CA, Feres MA. Hábitos viciosos bucais. In: Petrelli
E-mail: jbervian@.upf.br
E. Ortodontia para fonoaudiologia. Curitiba: Lovise; 1992.
31. Straub WJ. Malfunction of the tongue. Part II. Am J Orthod
1961; 45:596-617.
Recebido: 20/12/2006 Aceito: 05/11/2007

RFO, v. 13, n. 2, p. 76-81, maio/agosto 2008 81