Você está na página 1de 4

Ficha Informativa 1 IMP 96/ 1

EPPS Obtenção de matéria

Disciplina: Biologia Módulo: A2 Professor: Cláudia Matias

Obtenção de matéria pelos seres heterotróficos

Dependendo da forma como os seres vivos obtêm a energia química de que necessitam para
sobreviver, são classificados em duas classes distintas:

 Seres autotróficos: seres que conseguem sintetizar a sua própria matéria orgânica a partir
de matéria inorgânica, utilizando uma fonte de energia externa, pelo processo de fotossíntese.
São exemplos as plantas, as algas e algumas bactérias.

 Seres heterotróficos: seres vivos que apenas conseguem sintetizar a sua matéria orgânica a
partir de outra matéria orgânica que lhe é fornecida pelo meio ambiente. São, portanto,
dependentes da matéria orgânica produzida pelos seres autotróficos.
 

MEMBRANA PLASMÁTICA, CELULAR OU PLASMALEMA

Todas as células possuem esta estrutura, ela é a responsável por garantir a obtenção de matéria
para a célula.

A membrana delimita a célula,  garante a manutenção do meio intracelular da célula e separa-


o do meio extracelular, e controla a entrada e a saída de substâncias.

É uma estrutura muito pequena, não visível a microscópio óptico, apenas se consegue observar no
microscópio eletrónico.

http://www.biomania.com.br/

Desde há muito que se estuda a membrana celular e ao longo do tempo foram surgindo variados
modelos explicativos da membrana, o que é aceite, atualmente, para a explicação do funcionamento
da membrana é o MODELO DO MOSAICO FLUIDO, desenvolvida por Singer e Nicholson em 1972.

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO QUÍMICA

A membrana é constituída por Proteínas (25%), Lípidos (bicamada fosfolípidica, pode conter
colesterol - 40%), e glúcidos (10%). A proporção existente depende do tipo de célula.

Pág. 1 de 4
Ficha Informativa 1 IMP 96/ 1
EPPS Obtenção de matéria

Lípidos da membrana

Os lípidos da membrana são essencialmente os fosfolípidos e o colesterol (só em células animais, dá


estrutura).

Proteínas da membrana

Encontram-se "presas" à bicamada de fosfolípidos, podem ser INTRÍNSECAS ou INTEGRADAS,


quando se encontram intimamente ligadas à bicamada, e podem ser EXTRÍNSECAS ou
PERIFÉRICAS quando se encontram, fracamente ligadas à parte mais externa de ambas as
camadas dos fosfolípidos. Se a proteína Intrínseca atravessar toda a membrana designa-se por
TRANSMEMBRANAR

As proteínas Intrínsecas são moléculas ANFIPÁTICAS, ou seja têm uma parte hidrofílica (parte
externa da camada) e outra hidrofóbica (parte interna da camada)

Função: podem ser estruturais, intervir no transporte de substâncias, recetoras de estímulos


químicos, ou enzimas. Os tipos de proteínas que aparecem na membrana dependem de célula para
célula.

Glícidos da membrana

Nem todas as membranas têm estas moléculas. São recetores de informação de certas substâncias
e localizam-se na parte externa da membrana.

Quando os glúcidos se ligam às proteínas formam-se as GLICOPROTEÍNAS e quando se ligam aos


lípidos, formam-se os GLICOLÍPIDOS.

Pág. 2 de 4
Ficha Informativa 1 IMP 96/ 1
EPPS Obtenção de matéria


http://fisicoquimicaexpermimentalcordero.blogspot.pt/

Modelo do Mosaico Fluido

Chama-se assim porque a membrana não é uma estrutura rígida, pois existe movimentos laterais
(fosfolípidos) e  também podem ocorrer transversais (movimentos flip-flop), das moléculas que as
constituem (fosfolípidos e algumas proteínas).

Mobilidade lateral -frequente

Movimentos transversais (flipflop) –


pouco frequente

Pág. 3 de 4
Ficha Informativa 1 IMP 96/ 1
EPPS Obtenção de matéria

TRANSPORTE ATRAVÉS DAS MEMBRANAS

http://fisicoquimicaexpermimentalcordero.blogspot.pt/

O transporte das substâncias pela membrana é feito por diversos processos em que uns são
meramente físicos - TRANSPORTE NÃO MEDIADO, e outros as proteínas que constituem na
membrana intervém TRANSPORTE  MEDIADO.

Pág. 4 de 4

Você também pode gostar