Você está na página 1de 21

Drenos Cirúrgicos

ENFERMEIRA ESP. EM CENTRO CIRÚRGICO: MARIANA EHMKE DOLCI


Drenos Cirúrgicos - Indicações
São posicionados próximos à incisão cirúrgica ou em cavidades com o objetivo de
drenar exsudato ou ar que eventualmente são colecionadas

Hemático Mais comum


Sero-hemático após
Seroso procedimentos
Purulento cirúrgicos

São utilizados de forma terapêutica ou profilática


Drenos Cirúrgicos - Indicações
Funcionam como estratégia para evitar potenciais complicações, como:

Hematoma Seroma
Drenos Cirúrgicos - Indicações
Funcionam como estratégia para alertar precocemente falha na anastomose de
vasos sanguíneos
Drenos Cirúrgicos - Indicações
Esses dispositivos são utilizados com maior frequência após os procedimentos
cirúrgicos realizados nas regiões:

São associados a Cervical


procedimentos Mamária
com maior perda Axilar
sanguínea Torácica
Abdominal
Drenos Cirúrgicos - Tipos

SISTEMA ABERTO SISTEMA FECHADO

A extremidade externa do dreno é A extremidade externa do dreno é


mantida aberta, apenas ocluída com conectada a uma bolsa coletora, o que
algum curativo (gaze + micropore ou geralmente é associado a menor taxa
bolsa de Karaya) de infecção
Drenos Cirúrgicos - Tipos

SISTEMA PASSIVO SISTEMA ATIVO

Funcionam de acordo com a diferença Funcionam a partir da sucção, de uma


de pressão entre o meio interno e o pressão negativa gerada pelo vácuo da
externo, a gravidade e a capilaridade bolsa coletora ou da régua de gases, a
qual requer uma manutenção especial
Drenos Cirúrgicos - Tipos
PENROSE

Dreno passivo e aberto, de formato laminar e maleável


Drenos Cirúrgicos - Tipos
BLAKE / JACKSON PRATT (JP)
Drenos tubulares, com sistema de drenagem fechada e extensão conectada a um
coletor em formato de pera, a qual promove baixa pressão negativa
Drenos Cirúrgicos - Tipos
SUCÇÃO (Portovac/Hemovac)
Drenos tubulares, com sistema de drenagem fechada e extensão conectada a um
coletor em formato de sanfona ou mola, a qual promove baixa pressão negativa
Drenos Cirúrgicos – Cuidados de Enfermagem
TÓRAX
Dispositivos de drenagem fechada, pleurais ou mediastinais, e tem calibres
variados de 16 a 36 Fr. A extremidade externa do dreno é conectada a uma
unidade de drenagem, podendo ser de um a três frascos (mais antigo) ou a um
sistema de drenagem digital (ex.: Thopaz).
Drenos Cirúrgicos – Cuidados de Enfermagem
TÓRAX
Drenos Cirúrgicos - Tipos
PIGTAIL
Dreno pleural menos calibroso capaz de promover uma drenagem unidirecional,
muito utilizado para o tratamento de pneumotórax, podendo ser ligado a pressão
negativa ou não
Drenos Cirúrgicos – Cuidados de Enfermagem
✓ Atentar-se para a fixação e a permeabilidade do dreno;
✓ Atentar-se ao posicionamento do dreno, e realizar controle radiológico;
✓ Avaliar, mensurar e anotar a característica do débito presente de acordo com a
rotina da unidade;
✓ Avaliar a fixação do dreno (sutura);
✓ Atentar-se para o volume drenado;
✓ Avaliar a pele ao redor da inserção do dreno e atentar-se para sinais
flogísticos;
✓ Atentar-se para a presença de infecção;
Drenos Cirúrgicos – Cuidados de Enfermagem
✓Realizar a troca do curativo com a técnica asséptica;
✓Não deixar o frasco do dreno apoiado no chão;
✓Manter o frasco de drenagem com selo d’água abaixo do nível do tórax do
paciente;
✓ Orientar o paciente e o familiar quanto aos cuidados com o dreno,
principalmente em momentos de deambulação ou movimentação, tendo o
cuidado de não tracionar o dreno;
✓Atentar-se para a presença de dor e proporcionar conforto ao paciente.
Drenos Cirúrgicos - Tipos
DVE/DVP
Derivação Ventricular Externa / Derivação Ventrículo-Peritoneal
Utilizadas para o monitoramento da pressão intracraniana, e para tratamentos,
como de hidrocefalia e hemorragia

Principais cuidados de enfermagem:


Vigilância neurológica, principalmente no pós operatório
Vigilância infecciosa
DVE/DVP
Drenos Cirúrgicos – Continuidade do cuidado
• Significa:
• Garantir a segurança do paciente e a qualidade da assistência prestada;
• Transmitir as informações que direcionam o cuidado do paciente no pós-operatório,
seja em uma unidade crítica ou não.

• Cabe à enfermeira(o) do Centro Cirúrgico registrar as informação necessária


para otimizar a passagem de plantão;
• Cabe à enfermeira(o) da unidade que irá receber o paciente preparar o leito do
mesmo de acordo com as suas necessidades, e se programar nas atividades de
seu turno de trabalho.
Referências
Petrowsky H, Demartines N, Rousson V et al. Evidence-based value of prophylactic drainage in gastrointestinal surgery: A
systematic review and meta-analyses. Ann Surg. 2004;240(6):1074-84.
Durai R, Ng PC. Surgical vacuum drains: types, uses and complications. AORN J. 2010;91(2):266-71.
Andrade Filho Laert Oliveira, Campos José Ribas Milanez de, Haddad Rui. Pneumotórax. J. bras. pneumol. [Internet]. 2006 Aug
[cited 2020 May 27] ; 32( Suppl 4 ): S212-216.
Sousa C, Souza R, Gonçalves M, Diniz T, Cunha A. Comunicação efetiva entre o Centro Cirúrgico e a Unidade de Terapia
Intensiva. Revista SOBECC [Internet]. 2014 Mar 31; [Citado em 2020 Mai 26]; 19(1): 44-50.
Cipriano F, Dessote L. Drenagem pleural. Medicina (Ribeirao Preto Online) [Internet]. 30mar.2011 [citado 26 maio
2020];44(1):70-8.
Almeida, Raquel Constantino de; Souza, Priscilla Alfradique de; Santana, Rosimere Ferreira; Luna, Aline Affonso. Intervenção de
enfermagem: cuidados com dreno torácico em adultos no pós-operatório. Rev Rene (Online) ; 19: e3332, jan. - dez. 2018.
Fagotti Lorenzo, Ejnisman Leandro, Miyahara Helder de Souza, Gurgel Henrique de Melo Campos, Croci Alberto Tesconi, Vicente
Jose Ricardo Negreiros. Uso de drenos de sucção fechada após artroplastia total de quadril primária: um estudo prospectivo,
randomizado e controlado. Rev. bras. ortop. [Internet]. 2018 Apr [cited 2020 May 26] ; 53( 2 ): 236-243.
Brasil. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Boas Práticas – Dreno de Tórax. [Internet]. 2011.

Você também pode gostar