Você está na página 1de 20

3

TRATAMENTO DA CERVICOBRAQUIALGIA ATRAVÉS DA TÉCNICA DE


MOBILIZAÇÃO NEURAL

TREATMENT OF CERVICOBRAQUIALGIA THROUGH TECHNICAL OF NEURAL


MOBILIZATION

PRZYVARA, Letícia W.1; REZENDE, Mario José de2.

1
Acadêmica do curso de Fisioterapia da Faculdade Assis Gurgacz. E-mail:
leticia_przyvara@hotmail.com;
2
Mestre em Engenharia Biomédica pela UNIVAP em São Jose dos Campos/SP, Graduação em
Fisioterapia pela FUNEC/FISA em Santa Fé so Sul/SP, docente da UNIOESTE e da Faculdade
Assis Gurgacz (FAG) e orientador deste trabalho. mrezende7@yahoo.com.br
Instituição: Faculdade Assis Gurgacz – FAG.
Endereço para correspondência: Av. Rio Grande do Sul, 963 – Planalto / PR.
4

RESUMO

Frente à grande incidência de cervicobraquilagia (12 a 34% da população) e às conseqüências que esta pode gerar ao
indivíduo, buscou-se saber se a técnica de mobilização neural é eficaz para os pacientes com cervicobraquialgia,
recuperando a função mecânica quanto fisiológica do sistema nervoso. Realizou-se um estudo duplo-cego, do tipo
qualiquantitativo, tipo causa efeito, de corte longitudinal. A amostra foi composta por 10 pacientes, selecionados a
partir dos critérios de inclusão e exclusão, onde primeiramente fez-se uma avaliação inicial, seguida pela aplicação
da técnica de mobilização neural do nervo mediano e radial, durante dez minutos cada, no membro superior
sintomático. Teve-se como parâmetros de melhora a evolução do quadro álgico, analisada através da Escala Visual
Análoga da dor, e evolução das amplitudes de movimento (ADM) da coluna cervical, mensuradas através do
inclinômetro cervical CROM, e do membro superior sintomático, mensurado através do inclinômetro digital
Baseline. Após a coleta dos dados foi realizado teste t-student para comparação de médias dependente do nível de
5% de probabilidade. Notou-se melhora significativa em todas as ADM’s mensuradas, onde o maior ganho de ADM
da coluna cervical foi no movimento de rotação (83%), e adução (30%) para o membro superior, bem como melhora
significativa do quadro álgico presente. Conclui-se então que a mobilização neural é eficaz para a redução do quadro
doloroso e evolução das ADM’s tanto da coluna cervical quanto do membro superior sintomático, dentro da amostra
delimitada.

PALAVRAS-CHAVE: Cervicobraquialgia, Mobilização Neural, Amplitude de movimento.

ABSTRACT

Forefront at the ample incidence as of cervicobraquilagia (12 the one 34% from the population ) and to the than it is
to this one can bring forth to the chap , he picked - in case that knowledge in case that the technique as of
mobilization neural is effective for the patients along cervicobraquialgia , recovering the function mechanics
quantum fisiológica from the nervous system. Attained - in case that um I study double - stock blind , of type
qualiquantitativo , guy he causes effect , as of hack longitudinal. The merchandise he went built up from By 10
patients , selected from the of the criteria as of encapsulation and exclusion , where first of all has made - in case that
an evaluation he initiates , he follows pela application from the know-how as of mobilization neural from the nerve
median and radial , When ten minutes each , at the upper limb symptomatic. He had - in case that as a control
information as of he improves the development from the blackboard álgico , evaluated via the He climbs Visual Akin
from the ache , and development of the amplitudes as of bandwagon ADM ) from the column cervical mensuradas
via the inclinômetro cervical CROM , and from the upper limb symptomatic mensurado via the inclinômetro digital
Baseline. After the one vest of data he went paid-up test t student for comparison as of averages dependent from the
class as of Apr 5 % likelihood. He noted - in case that he improves significativa at every the ADM’s mensuradas ,
where the biggest gained as of ADM from the column cervical he went at the bandwagon as of rotation (83%), and
adução (30%) for its upper limb , as well as he improves significativa from the blackboard álgico actual. Completes -
in case that then than it is to the mobilizing neural is effective for the abatement from the blackboard achy and
development of the ADM’s so much from the column cervical quantum from the upper limb symptomatic , within
doors from the merchandise delimited.

KEYWORDS: Cervicobrachialgia, Neural Mobilization, Ampleness as of bandwagon


5

INTRODUÇÃO

Emergem da coluna cervical pelos forames intervertebrais, oito pares de nervos espinhais,

os quais contêm fibras sensoriais, motoras e simpáticas. Os componentes sensórios do nervo que

fornecem sensibilidade para a região cutânea da extremidade superior são chamados de

dermátomos. As raízes motoras que inervam os músculos da extremidade superior são chamadas

de miótomos1. Segundo Cailliet1, todas as raízes cervicais referem-se à extremidade superior,

estejam elas na medula cervical, nos forames cervicais, no plexo braquial ou nas raízes nervosas

em sua passagem pela extremidade superior. A sensibilidade e a função motora de todos os

miótomos e dermátomos das extremidades superiores são normais quando não há nem um

comprometimento da raiz nervosa.

Responsável pela inervação de todo o membro superior, o plexo braquial está formado

pelas raízes anteriores da quinta vértebra cervical até a primeira vértebra torácica2,3,4.

O sistema nervoso é composto por axônios, mielina e as células de Schwann, o que

confere ao mesmo a excitabilidade e condutibilidade. Sendo responsável pelo suporte e proteção

dos tecidos de condução tem-se a neuroglia, as meninges e o perineuro5. Assim, estes dois tecidos

agem em conjunto, garantindo boa funcionalidade do sistema nervos6. As células de Schwann

ainda fornecem proteção, suportando forças de tensão e compressão, o que se dá através do

endoneuro, do perineuro (o qual mantém boa integridade do nervo sob tensão) e do epineuro (que

mantém os fascículos unidos e permite mobilidade ao nervo)6.

Segundo Butler6 e Marinzeck7 o sistema nervoso possui propriedades elásticas, podendo

se encurtar ou alongar em resposta a movimentos dos segmentos corporais. O sistema nervoso

central e periférico é considerado como único e contínuo, sendo que este sistema apresenta-se em

três dimensões, que são a continuidade mecânica, podendo ser vista através da transmissão das
6

forças e movimentos gerados pelos envoltórios conjuntivos presentes nas células nervosas; a

continuidade elétrica, sendo mantida pelos neurônios e assim podendo ser transmitida de um

ponto do corpo até o outro; e a continuidade química, mantida pelos neurotransmissores centrais

e periféricos, contando também com o fluxo axoplasmático, o qual tem como função garantir que

substâncias nutritivas do sistema nervoso estão sendo conduzidas dentro do axônio6,7,8.

Assim, o funcionamento adequado do sistema nervoso depende de sua integridade. Uma

vez o sistema nervoso sendo lesado, isto leva à deformações mecânicas das fibras nervosas e

isquemia local, ocorrendo então diminuição do fluxo axoplasmático, e consequentemente

alteração da função nervosa, gerando má condução elétrica, e provocando distúrbios sensoriais

(dor, parestesias), motores (fraqueza), e autonômicas (vasomotoras) 3,9,10. Alterações do fluxo

axoplasmático geram disfunções tróficas e inflamação dos tecidos inervados por este7.

Cervicobraquialgia é a presença da dor cervical que se irradia à uma das extremidades

superiores através do território correspondente a uma raiz nervosa cervical baixa, podendo então

gerar alterações na condução elétrica e alterações do fluxo axoplasmático 11,12. Frequentemente, o

quadro clínico das cervicobraquialgias é unilateral, sendo que a dor inicia-se na região cervical

baixa e irradia-se para o membro superior, com topografia radicular usualmente associada a

parestesias de um ou mais dedos13.

Frente às conseqüências que as disfunções neurais provindas da cervicobraquialgia podem

gerar ao indivíduo, busca-se recuperar a função mecânica quanto fisiológica do sistema nervoso,

restaurando comprimento e mobilidade do mesmo, e as disfunções em estruturas músculo-

esqueléticas que recebem sua inervação, e segundo Marinzeck7 e Santos14 isto é possível através

da técnica de mobilização neural, a qual trata-se de movimentos passivos impostos ao tecido

neural. Segundo Butler6, a mobilização do sistema nervoso é aplicada para sinais e sintomas cujas

origens podem ter comprometimento biomecânico ou uma reação inflamatória.


7

São diversas as formas de aplicação da mobilização neural, podendo esta ser dividida em

mobilização direta onde os nervos periféricos e/ou medula são colocados em tensão e

movimentos oscilatórios e/ou movimentos brevemente mantidos que são aplicados a eles através

das articulações que compõem o trajeto do trato neural. A mobilização indireta onde os nervos

periféricos e/ou medula são colocados em tensão e movimentos oscilatórios que são aplicados às

estruturas adjacentes ao tecido neural comprometido. A mobilização tensionante é quando

mobiliza-se aumentando e diminuindo a tensão no trato neural. E a mobilização deslizante, onde

mobiliza-se deslizando o trato neural sem aumento de tensão7.

A técnica de mobilização neural apresenta algumas contra-indicações absolutas, dentre

elas tumores, lesões do sistema nervoso central, lesões medulares ou da cauda eqüina, problemas

agudos com recente agravamento dos sinais neurológicos. Dentre as contra indicações relativas,

tem-se a presença de vertigens, problemas circulatórios, presença de patologias associadas,

deteriorização rápida de um problema, situações de irritabilidade importante6.

Tendo em vista a complexidade do sistema nervoso e sua capacidade de adaptação,

buscou-se através deste estudo verificar a viabilidade do uso da técnica de mobilização neural na

cervicobraquialgia de origem cervical, sendo que este foi analisado através da evolução das

variáveis propostas, como mensuração das amplitudes de movimento da coluna cervical e do

membro superior sintomático, bem como pela quantidade de dor presente antes e após o

tratamento proposto.
8

METODOLOGIA

A presente pesquisa foi encaminhada ao COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM

SERES HUMANOS da Faculdade Assis Gurgacz (FAG), da cidade de Cascavel - PR em

08/04/2008 e aprovada pelo mesmo em 30/04/2008.

Foi realizado um estudo duplo-cego, sendo que este caracteriza-se por ser uma pesquisa

do tipo qualiquantitativa, tipo causa efeito, de corte longitudinal. A amostra foi composta por dez

pacientes portadores de cervicobraquialgia, sendo sete mulheres e três homens, os quais foram

selecionados de forma aleatória a partir de critérios de inclusão, sendo eles: pacientes que

apresentassem os sinais clínicos da cervicobraquialgia de origem cervical, que segundo Cyriax10

são, fraqueza dos músculos inervados pela raiz comprometida, diminuição ou ausência dos

reflexos tendinosos, dor e/ou parestesia distal no final do dermátomo, que apresentassem

limitação da amplitude de movimento da coluna cervical e do membro superior sintomátio, que

se encontravam na fila de espera de atendimentos da Clínica de Fisioterapia da FAG, pacientes

que não estavam recebendo qualquer outro tipo de tratamento, mesmo medicamentoso, durante o

tempo de participação na pesquisa; que tinham entre 40 e 60 anos, independente de raça e sexo;

que tiveram disponibilidade de tempo e que aceitaram assinar o termo de consentimento livre e

esclarecido. Seriam excluídos pacientes portadores de patologias associadas que poderiam vir a

interferir no tratamento proposto; pacientes que sofressem agudização do quadro; pacientes

portadores de qualquer contra-indicação da técnica utilizada.

No primeiro atendimento fez-se a coleta dos dados pessoais, e em seguida os pacientes

foram submetidos a uma avaliação inicial realizada pelo pesquisador responsável para

confirmação dos sinais clínicos da cervicobraquialgia de origem cervical. Foram realizados testes

ortopédicos específicos para confirmação do diagnóstico, como o Teste de Valsalva; o Teste de


9

Spurling; o Teste de Distração; e o Teste de compressão e compressão foraminal máxima, todos

descritos por Cipriano15. Avaliou-se também a força muscular nos músculos inervados pelas

raízes comprometidas, a qual foi testada através do Teste de força muscular adotada pela

Academia Americana de cirurgiões Ortopédicos, o qual gradua-se a força de 5 a 0, descrita em

Cipriano15; avaliou-se diminuição ou ausência dos reflexos tendinosos , os quais foram testados

através do martelo de reflexo onde realizou-se a percussão sobre o tendão dos músculos

inervados por C6 e C7 e analisou-se o reflexo, e parestesia distal no final do dermátomo a qual

foi testada por um pincel, onde o mesmo foi passado sobre a pele do paciente e analisou-se o grau

de sensibilidade sobre o respectivo dermátomo está normal, diminuído ou ausente. Realizou-se

também o teste de tensão neural do nervo mediano e radial, o qual é realizado igualmente ao

tratamento dos mesmos, descrito abaixo. A quantidade de dor presente e o nível da amplitude do

movimento da coluna cervical e do membro superior sintomático foram verificados durante todos

os atendimentos realizados, antes e após o tratamento proposto, para que se pudesse verificar a

evolução destes. Em seguida, durante os dez atendimentos, os pacientes foram submetidos ao

tratamento de mobilização neural do nervo mediano e radial no membro acometido do nervo

mediano (ULNT1) e para o nervo radial (ULNT 2), o qual foi realizado pelo colaborador do

trabalho, totalizando dez atendimentos, realizados em média 2 vezes por semana, sendo 10

minutos de mobilização do nervo mediano e 10 minutos de mobilização do nervo radial.

Para a realização da mobilização neural do nervo mediano (ULNT 1) o paciente

permaneceu em decúbito dorsal, fisioterapeuta do lado acometido. O fisioterapeuta ficou de

frente para o paciente, com uma das mãos envolvendo a mão do paciente assegurando controle

para baixo do polegar e dedos. Exerceu-se uma força constante de depressão sobre a cintura

escapular durante o movimento. Em seguida foi realizada uma abdução do braço do paciente de

aproximadamente 110°, seguida da supinação do antebraço e extensão do punho e dedos. O


10

ombro foi rodado lateralmente e o cotovelo foi estendido. Em seguida instruiu-se ao paciente que

mantivesse olhando para cima e levasse a orelha até o ombro oposto ao lado acometido. Nesta

posição realizou-se movimentos de flexão e extensão do punho e dedos lentos e rítmicos durante

10 minutos.

Para a realização da mobilização neural do nervo radial (ULNT 2) o paciente permaneceu

em decúbito dorsal, deitado em diagonal na maca deixando sua escápula do lado acometido livre;

fisioterapeuta permaneceu do lado acometido ao lado da cabeça do paciente. Com uma das mãos

a fisioterapeuta segurou o cotovelo do paciente e a outra segurou o punho. Com a coxa o

fisioterapeuta realizou a depressão da cintura escapular, abduziu o braço aproximadamente 10° e

estendeu o cotovelo do paciente. Em seguida o ombro e todo o braço foram medialmente

rotacionados. Com a mão que estava segurando o punho o fisioterapeuta realizou flexão e

extensão do mesmo juntamente com os dedos de forma lenta e rítmica, durante 10 minutos.

Durante todos os dez atendimentos verificou-se no início e no final do tratamento a

quantidade de dor presente através da Escala Visual Análoga de dor (EVA), onde os pacientes

assinalaram a quantidade de dor presente de 0 a 10, correspondendo 0 sem dor e 10 o máximo de

dor. Verificou-se também a amplitude de movimento ativo da coluna cervical através do

inclinômetro cervical CROM (Cervical Range Of Motion) nos movimentos de flexão, extensão,

rotação e inclinação lateral, o qual se dá através de três inclinômetros (2 gravitacionais e 1

magnético) fixados em uma haste colocada como óculos no rosto do paciente. Assim, o mesmo

permaneceu sentado, com os pés apoiados no chão, tornozelos, joelhos e quadris a 90° de flexão,

sem calçado. Orientou-se que o paciente realizasse a movimentação ativa em sua maior

amplitude, sendo que o fisioterapeuta evitava compensações, estabilizando então os ombros do

paciente. Comandos verbais como “encoste o queixo no peito” para flexão, “olhe para o teto”

para extensão, “olhe para o lado apenas com a cabeça” para rotações, e “encoste sua orelha no
11

seu ombro sem elevá-lo” para inclinação lateral, foram utilizados para melhor entendimento dos

movimentos a serem realizados.

Inclinometria cervical. Fonte: Do autor.

Para avaliação das amplitudes de movimento do membro superior sintomático, fez-se a

utilização do Inclinômetro digital marca Baseline. Para mensuração destas amplitudes o paciente

permaneceu sentado para impedir grandes compensações, e então fez-se a colocação do

inclinômentro sobre o braço do paciente, sendo solicitado que o mesmo elevasse o braço

anteriormente (flexão), lateralmente (abdução), que estendesse o braço para trás sem inclinar

anteriormente o tronco (extensão), e então a adução horizontal, demonstrada pela fisioterapeuta,

sem realizar a rotação de todo o tronco.

Inclinômetria membro superior.


Fonte: Do autor
12

A coleta dos dados deu-se nas dependências da Clínica de Fisioterapia da Faculdade Assis

Gurgacz (FAG), onde todos os pacientes foram avaliados e tratados de maneira igual. Os

resultados obtidos na mensuração das amplitudes de movimento tanto da coluna cervical como do

membro superior sintomático, e o nível de dor presente durante cada atendimento foram

tabulados após cada sessão, para que ao término da coleta dos dados os mesmos pudessem ser

comparados. Após a coleta dos dados, os mesmos foram tabulados no programa Microsoft Excel

2003 e em seguida foi realizado teste t-student para comparação de médias dependente do nível

de 5% de probabilidade.

RESULTADOS

A amostra foi composta por 10 pacientes, sendo sete do sexo feminino (70%) e três do sexo

masculino (30%), com idade média de 49,5 anos. Todos os pacientes selecionados para a amostra

foram inclusos na pesquisa, não ocorrendo desistências ou exclusão pelos pesquisadores.

Na tabela 1 pode-se observar que através da mobilização neural do nervo mediano e radial

teve-se aumento significativo das amplitudes de movimento da coluna cervical, ao nível de 5%,

entre o início e o final do tratamento. Nos movimento rotacional e de inclinação lateral da coluna

cervical foram realizados as médias bilaterais para melhor tabulação dos dados.

TABELA 1: Comparação das amplitudes de movimento antes e após o tratamento da mobilização


neural (coluna cervical)
Rotação Inclinação Flexão Extensão
Antes Depois Antes Depois Antes Depois Antes Depois
Média 33,0 60,4 25,1 41,8 56,9 75,5 39,5 62,9
Desvio padrão 6,5 2,1 6,3 1,4 3,0 3,4 4,7 3,0
p-valor 0,00* 0,00* 0,00* 0,00*
13

GRÁFICO 1: Grau das amplitudes de movimento da coluna cervical

70 50

45
60
40
50
Rotação (graus)

35

Inclinação (graus)
40 30

25
30
20
20 15
10
10
5
0
0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Pacientes Pacientes
Antes Depois Antes Depois

90 80

80 70

70
60
60
Extensão (graus)
Flexão (graus)

50
50
40
40
30
30
20
20

10 10

0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Pacientes Pacientes
Antes Depois Antes Depois

A tabela 2 mostra a comparação, entre o início e o final do tratamento, das amplitudes de

movimento do membro superior sintomático, notando-se diferença significativa ao nível de 5%

entre a primeira e a décima avaliação.

TABELA 2: Comparação das amplitudes de movimento antes e após o tratamento da mobilização


neural (membro superior)
Flexão Extensão Adução Abdução
Antes Depois Antes Depois Antes Depois Antes Depois
Média 167,3 178,4 37,4 43,6 31,2 40,7 164,1 177,8
Desvio padrão 3,8 1,9 2,5 1,4 1,5 1,6 3,8 2,6
p-valor 0,00* 0,00* 0,00* 0,00*
14

GRÁFICO 2: Grau das amplitudes de movimento do membro superior acometido

185 50

180 45
40
175
35

Extensão (graus)
Flexão (graus)

170
30

165 25

20
160
15
155
10
150 5

145 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Pacientes Pacientes
Antes Depois Antes Depois

50 185

45
180
40
175
35
Abdução (graus)
Adução (graus)

30 170

25 165

20
160
15
155
10
5 150

0 145
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Pacientes Pacientes
Antes Depois Antes Depois

Em relação à dor presente no início e no final do tratamento, nota-se diferença

significativa, ao nível de 5%, entre a primeira e a décima avaliação, sendo que 100% do pacientes

chegaram ao décimo atendimento com 0 de dor na EVA.

TABELA 3: Comparação da escala EVA


entre a 1ª avaliação e a 10ª avaliação
Estatística Antes Depois
Média 8,8 0,0
Desvio padrão 0,8 0,0
p-valor 0,00*
15

GRÁFICO 3: Média da quantidade de dor presente em cada atendimento antes e após a

mobilização neural

8,8
8,0 8,2
Escala média de dor EVA

6,1
5,1
antes
após
3,0
2,3

1,2
0,8
0,3 0,4
0,1 0,0 0,0 0,0 0,0

1° At. 2° At. 3° At. 4° At. 5° At. 6° At. 7° At. 8° At. 9° At. 10° At.

A tabela 4 apresenta a porcentagem média das variações das amplitudes de movimento da

coluna cervical e do membro superior sintomático, antes e após a mobilização neural, sendo que a

maior variação de amplitude de movimento da coluna cervical ocorreu no movimento de rotação,

e no membro superior no movimento de adução.

TABELA 4: Porcentagem média de variação entre antes e depois para as amplitudes de


movimento
ADM Porcentagem média de variação
Coluna Cervical Rotação 83%
Inclinação 67%
Flexão 33%
Extensão 59%
Membro superior Flexão 7%
Extensão 17%
Adução 30%
Abdução 8%
16

DISCUSSÃO

As raízes nervosas são mais suscetíveis às lesões por não apresentarem capas de tecido

conjuntivo, ou quando apresentam, estas são muito frágeis6, o que justifica a grande incidência de

cervicobraquialgia (de 12 a 34% da população)16,17. No nosso estudo notou-se que disfunções

cervicais acometendo a extremidade superior apresentam maior incidência em mulheres, sendo a

amostra comporta por sete mulheres e três homens, o que também foi um achado condizente com

a pesquisa realizada por Alisson11 e Mellado5. Segundo Yoshinari e Bonfá13, a maioria dos casos

de dor da neuralgia cervicobraquial ocorre nos níveis de C6, C7 e C8, o que justifica a escolha da

mobilização neural do nervo medial e radial.

No presente estudo não se levou em consideração as causas da cervicobraquialgia de

origem cervical, mas Guelfi18 relata que as causas das anormalidades do movimento do nervo

podem ser de origem mecânica, como protusões discais e osteófitos, química ou inflamatória, o

que gera fibrose e consequentemente, redução da elasticidade e do aumento de tensão. Em

relação aos sinais clínicos encontrados na cervicobraquialgia, Marinzeck7, Cyriax10 e Yoshinari e

Bonfá13 relatam que a redução da condução nervosa provoca distúrbios sensoriais, como a dor e

parestesias, distúrbios motores como a fraqueza muscular nos músculos inervados pela raiz

nervosa comprometida, diminuição ou ausência dos reflexos tendinosos e parestesia distal no

final do dermátomo, e distúrbios autonômicos, bem como disfunções tróficas e inflamação dos

tecidos inervados por este quando há comprometimento do fluxo axoplasmático, podendo ocorrer

então limitações da mobilidade do segmento acometido, onde em nosso estudo os distúrbios

sensoriais e motores foram achados freqüentes, pois os pacientes foram inclusos no trabalho

através destes.
17

Butler6 afirma que através da mobilização neural consegue-se garantir o funcionamento

adequado do sistema nervoso, pois esta técnica leva à manutenção do transporte axonal, o qual é

dependente do fluxo sangüíneo constante. O mesmo autor ainda afirma que vários estudos

buscam comprovar a influência da mobilização neural sobre o sistema nervoso, garantindo

melhora do fluxo sanguíneo, axoplasmático, com o objetivo de então devolver suas capacidades

fisiológicas e funcionais. Cita que os criadores do teste de tensão neural acreditam que os

movimentos corpóreos não só produzem aumento da tensão, mas também são capazes de mover o

nervo com relação a seus tecidos vizinhos. Através disso, o presente estudo teve como objetivo

verificar se a técnica de mobilização neural do nervo mediano e radial é efetiva no tratamento da

cervicobraquialgia de origem cervical, o que pode-se comprovar a partir dos resultados obtidos,

onde o nível de dor teve redução significativa, e as amplitudes de movimento tanto da coluna

cervical, quanto do membro superior sintomático sofreram aumento significativo. Segundo

Butler6, Marinzeck7 e Beleski8 isso só é possível devido ao sistema nervoso ser considerado como

único e contínuo, o que vem sendo considerado por Butler desde 1991. Marinzeck7 afirma que o

sistema nervoso contém propriedades elásticas capazes de se alongar e encurtar conforme as

tensões impostas a ele. Estudo como de Beleski8, comprova a presença de tensão neural nos testes

de tensão neural do nervo mediano e radial em pacientes com cervicobraquialgias, o que passa a

justificar a teoria criada pelos criadores da técnica de tensão neural.

No presente estudo notou-se efeito significativo em relação às amplitudes de movimento

tanto da coluna cervical como do membro superior sintomático após a mobilização neural do

nervo mediano e radial. Todas as amplitudes de movimento da coluna cervical encontraram-se

dentro da normalidade após o tratamento proposto, seguindo como referencia os valores

propostos por Kapandji19, sendo 100° a 110° para o movimento de flexão-extensão, 45° para

inclinação lateral, e 80° a 90° para rotações. Após a mobilização neural, todas as amplitudes de
18

movimento do membro superior sintomático também apresentaram-se dentro da normalidade,

sendo 180° para a flexão, 45 a 50° para extensão, 30 a 45° para a adução, e 180° para a abdução,

sendo valores de bases para Kapandji20 . Tendo em vista estes resultados, é importante ressaltar

que mesmo a amostra contendo um paciente que apresentava importante limitação das amplitudes

de movimento, sendo do sexo feminino, tendo 52 anos (paciente 5), pode-se obter resultados

significativos, chegando a alcançar os valor de normalidade de todas as amplitudes de

movimento, bem como todos os outros pacientes da amostra. Smaniotto et all21 propôs a técnica

de mobilização neural com o objetivo de avaliar o ganho na amplitude de movimento da flexão

do quadril, o qual obteve-se aumento significativo do mesmo, o que vai ao encontro com este

trabalho. Vasconcelos22 aplicou a técnica de mobilização neural em pacientes com

lombociatalgia, e observou melhora gradual das amplitudes de movimento, já para Boeing23 não

houve resultado significativo em relação a ganho de mobilidade da coluna lombar.

Neste estudo, notou-se maior variância da amplitude de movimento da coluna cervical na

rotação, seguida pela inclinação, extensão e por último a flexão. Já em estudo realizado por

Pereira24 notou-se maior ganho nos movimentos de flexão (2,3%) seguido de rotação (1,3%),

porém o mesmo relata que a paciente apresentava importante encurtamento muscular de

esternocleidomastóide. Em relação a variação da amplitude de movimento do membro superior

sintomático, a maior variação foi para a adução, seguida pela extensão, abdução e por último a

flexão.

A dor cervical, associada a irradiação ao membro superior pode ser devido a irritação das

raízes cervicais, diminuição do aporte vascular à estas raízes ou estreitamento cervical medular25.

Estudo realizado por Ogata e Naito 26 comprovam que compressões induzidas de 30 mmHg

reduzem o fluxo sanguíneo intraneural em 73% do fluxo inicial, e pressões entre 50 – 70 mmHg

podem bloquear por completo o fluxo sanguíneo.


19

Em relação ao quadro álgico presente nos pacientes deste estudo, 100% dos pacientes

chegaram ao último atendimento sem dor (0 na EVA), dado estatisticamente significativo, sendo

que 50% dos pacientes chegaram a partir do sexto atendimento relatando não sentir mais dores,

podendo então observar que foi necessário, em média, 5 atendimentos para alívio total das dores

presente. A amostra deste estudo teve a presença de dois pacientes que apresentavam dor inicial

10 na EVA, sendo o máximo de dor, e através do tratamento proposto chegaram ao fim do estudo

relatando alívio total das dores (0 na EVA). Estudo como o de Guelfi18 mostra a influência da

mobilização neural sobre o quadro álgico em pacientes portadores de siringomiela, sendo que o

mesmo obteve resultados significativos quanto ao quadro álgico, o que vai de acordo com este

estudo. Já Pereira24 realizou um estudo comparando a manipulação cervical e o auto-tratamento

neural em pacientes com cervicobraquialgia, e obteve melhora da dor classificada pela EVA de

50% após o tratamento de manipulação cervical, e nenhuma diminuição após o auto-tratamento

neural, não sendo compatível aos resultados obtidos neste estudo, porém o autor relata que

obteve-se este resultado por falta de colaboração da paciente durante a realização do mesmo, pois

o procedimento deveria ser realizado em casa pela própria paciente. Vasconcelos22 e Boing23

utilizaram da técnica de mobilização neural para pacientes com lombociatalgia, e obtiveram

resultados significativos na redução do quadro doloroso.

Marinzeck7 justifica a redução do quadro álgico, relatando que a mobilização neural

procura restaurar o movimento e elasticidade ao sistema nervoso, o que promove o retorno as

suas funções normais. Portanto, a técnica parte do princípio que se houver um comprometimento

da mecânica/fisiologia do sistema nervoso (movimento, elasticidade, condução, fluxo

axoplasmático) isso pode resultar em outras disfunções no próprio Sistema Nervoso ou em

estruturas músculo-esqueléticas que recebem sua inervação. O restabelecimento de sua

biomecânica/fisiologia (neurodinâmica) adequada através do movimento e/ou tensão permite


20

recuperar a função normal do Sistema Nervoso assim como das estruturas comprometidas. Esse

restabelecimento se dá através de movimentos oscilatórios e/ou brevemente mantidos

direcionados aos nervos periféricos e/ou medula.

CONCLUSÃO

Os resultados obtidos por este estudo condizem com os objetivos traçados, constatando-se

então, que a mobilização neural realizada no membro superior acometido (sintomático) é eficaz

para a redução do quadro doloroso e evolução das amplitudes de movimento tanto da coluna

cervical quanto do membro superior sintomático, dentro da amostra delimitada.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 Cailliet R. Dor no ombro. São Paulo: Artes Médicas Sul, 1991.

2 Miranda E. Bases de anatomia e cinesiologia. Rio de Janeiro: Sprint, 2001.

3 Cailliet R. Dor cervical e no braço. São Paulo: Artmed, 2003.

4 Dângelo JG, Fattini CA. Anatomia humana sistêmica e segmentar. São Paulo: Atheneu, 2000.

5 Machado ABM. Neuroanatomia funcional. 2°ed. São Paulo, 2002.

6 Butler DS. Mobilização do sistema nervoso. São Paulo: Manole, 2003.

7 Marinzeck S. Mobilização neural - aspectos gerias. São paulo, 2000. Disponível em < > Acesso
em: 17 nov. 2007.

8 Beleski RC. Verificação da presença de tensão neural nas cervicobraquialgias através dos testes
de tensão neural para nervo mediano e radial. Revista Terapia Manual. v.2, n.4, p. 182-185,
abril 2004.

9 Salgado A.S.I. Escola de terapia manual e postural: neuromeningea, craniomandibular e


otorrinolaringologia. Londrina: Leal, 2004.
21

10 Cyriax JH, Cyriax PJ. Manual ilustrado de medicina ortopédica de cyriax. São Paulo: Manole,
2001.

11 Zazpe I, Beaumont C, Vázquez A. Cervicalgia y cervicobraquialgia. Disponível em


<http://www.cfnavarra.es/salud/PUBLICACIONES/Libro%20electronico%20de%20temas%20d
e%20Urgencia/19.Traumatologia%20y%20Neurocirugia/Cervicalgia%20y%20cervicobraquialgi
a.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2008.

12 Vallée JN, Feydy A, Carlier RY, Mutschler C, Mompoint D, Vallée CA. Chronic Cervical
Radiculopathy: Lateral-Approach Periradicular Corticosteroid Injection. Radiology. França, n. 3.
vol. 218, p.886-892, março. 2001.

13 Yoshinari NH, Bonfá ESD. Reumatologia para o clínico. São Paulo: Roca, 2000.

14 SANTOS, V. A influencia da mobilização do sistema nervoso na câimbra do escrivão.


Revista Terapia Manual. v. 2, n. 4, p. 166-171, abril 2004.

15 Cipriano, J.J. Manual fotográfico de testes ortopédicos e neurológicos. São Paulo: Manole,
2005.

16 Mellado DJP, Pino JRdel, Ruiz SH, Melgar MC, Alvarez EE. Traumatologia del raquis:
cervicalgia y lumbalgias. Disponível em <http://www.medynet.com/usuarios/jraguilar/Manual
%20de%20urgencias%20y%20Emergencias/cervilum.pdf>. Acesso em: 03 jun. 2008.

17 Alisson GT, Nagy BM, Hall T. A randomized clinical trial of manual therapy for cervico-
brachial pain syndrome – a pilot study. Manual Therapy. v 7, n. 2, p.95-102, maio 2002.

18 GUELFI, M. D. A influencia da mobilização do sistema nervoso em um individuo portador de


siringomiela. Revista terapia manual. v.2, n.4, 2004. pág. 158-161.

19 Kapandji AI. Fisiologia articular: tronco e coluna vertebral. Rio de Janeiro, Guanabara
Koogan, 2000.

20 Kapandji AI. Fisiologia articular: membro superior. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2000.

21 Smaniotto CG; Fonteque MA. A influencia da mobilização do sistema nervoso na amplitude


de movimento da flexão do quadril. Revista terapia manual. v.2, n.4, p. 154-157. abril 2004.

22 Vasconcelos B. A eficácia da mobilização neural no tratamento do quadro álgico em pacientes


com lombociatalgia [Trabalho de conclusão de curso]. Cascavel: Faculdade Assis Gurgacz; 2007.

23 Boeing M. Análise da eficácia de técnicas de mobilização neural para pacientes com


lombociatalgia [Trabalho de conclusão de curso]. Cascavel: Universidade estadual do oeste do
paraná; 2004.
22

24 Pereira AG. Os efeitos clínicos de técnicas de terapia manual na cervicobraquialgia (CBO) –


um estudo de caso [Trabalho de conclusão de curso]. Santa Catarina: Universidade do Sul de
Santa Catarina, 2005.

25 Novo, JP, Llerena, GAR, Martin RS, Toledano, MG. Síndrome cervical doloroso: aspectos
clínicos-terapêuticos. Revista Cubana de Reumatologia. v. 3, n. 2, 2001.

26 Ogata, K.; Naito, M. Blood Flow of peripheral nerve effects of dissection, stretching and
compression. The Journal oh Hand Sugery, Califórnia, 11(1): 10-14, 1986.