Você está na página 1de 8

Mistura & Soluções

Mistura: Definição e classificação

Soluções: Definição, classificação, mecanismo de dissolução de sólido (S) em


liquido (L) e liquido (L) em (L).

1. Mistura

Def. Mistura: Conjunto / sistema constituído por duas ou mais substâncias unidas
em qualquer proporção em que cada uma delas mantêm as suas propriedades.
A maior parte das amostras de matéria na natureza são misturas complexas. Em
alguns casos é fácil ver os vários componentes numa mistura como por exemplo
numa mistura constituída por areia e pedras, e noutras não é fácil ver por exemplo o
ar.
Quando numa mistura são totalmente separados os seus componentes, os
componentes da mistura dizem-se purificados.

A purificação é feita através de variadas técnicas de separação tais como:

- Filtração - Extracção - Sublimação


- Destilação - Recristalização - Cromatografia etc..

Estas técnicas obedecem e deferem fundamentalmente nos seus princípios fisico-


químicos.
Informe-se sobre esses princípios!
Ex. .A filtração baseia-se na diferença do tamanho das partículas

Tipos de Misturas:
Basicamente distinguem-se dois tipos de misturas: Misturas heterogéneas e
homogéneas

Misturas heterogéneas:
- São um conjunto ou sistema que apresenta mais do que uma fase.
As propriedades da mistura são uma combinação das propriedades individuais de
seus componentes.
Na mistura as fases diferentes podem ser vistas a olho nu ou por meio de um
microscópio óptico.

Mistura Homogénea:
É um conjunto ou sistema que apresenta apenas uma fase.
As propriedades da mistura podem não estar relacionados simplesmente com
aquelas dos seus componentes individuais. Ex. Ponto de congelamento de agua
salgada é menor que aquele do sal e da agua. (propriedades coligativas)

- As misturas homogéneas são genericamente designadas por soluções.


2. Soluções
São sistemas homogéneos constituídos no mínimo por dois componentes.
Designa-se genericamente por solvente o componente em maior proporção
(base de distribuição) e de soluto, o de menor proporção.

Classificação de soluções

Em função do estado de agregação

Soluções sólidas

Nas soluções sólidas o solvente é sólido podendo ser:

Solução sólida substituinte


— Apresentam uma estrutura cristalina com regularidade estrutural, mas na qual
a estrutura foi feita ao acaso (solução sólida substituinte) ou pela existência de
partículas diferentes ocupando os pontos do retículo.

Solução sólida intersticial - No segundo tipo de solução sólido, (solução sólida


intersticial), átomos diferentes, iões ou moléculas ocupam os vértices e fissuras
ou interstícios no retículo hospedeiro.

Nas soluções sólidas diferenciam-se:

+ Soluto sólido: Ligas Ex. Bronze (Cu dissolvido em Ni)

+ Soluto liquido: Amalgamas Ex. Hg dissolvido Au

+ Soluto Gás : H2 dissolvido em Pd

Soluções liquidas

Soluções líquidas possuem arranjo molecular típico de um líquido puro. As


partículas estão dispostas próximas umas das outras, ainda apresentando certa
ordem. Difere de um líquido puro, por ser compostos por partículas diferentes.

Ex.
O solvente sendo líquido o soluto pode:
- Sólido Ex, Sólido (NaCl / H2O )
- Liquido Ex. (CH3COOH / H2O)
- Gás Ex. (NH3 / H2O )

Soluções gasosas

Os gases são miscíveis em todas as proporções.


As moléculas dos gases dispõem-se relativamente distantes umas das outras e
encontram-se em movimento caótico, colidindo frequentemente entre si e com as
paredes do recipiente,
A única diferença entre uma solução gasosa e um gás puro é o facto de que em
solução as moléculas não são todas iguais.
Sendo o solvente gás podemos ter:

- Gás dissolvido em gás : Ex, O2 dissolvido em N2


- Liquido dissolvido em gás Ex. CCl4 dissolvido em N2
- Solído dissolvido em gás Ex. Gelo seco dissolvido em N2

2.1.2 Quanto a natureza do soluto

Quanto a natureza do soluto as soluções são classificadas genericamente em


dois tipos: Moleculares e iónicos

Soluções Moleculares: São aquelas nas quais o soluto é formado por


moléculas ”covalentes”.
Ex. NH3 / H2O

Soluções iónicas: O soluto é constituído por iões


Ex. Nacl / H2O

2.1.3 Quanto ao poder de condução da corrente

Soluções electrolíticas
O físico Sueco ARRHENIUS (1887) observou que soluções líquidas têm a
capacidade de conduzir a corrente eléctrica; tais soluções segundo Faraday são
electrólitos.
-As soluções electrolíticas (Ácidos; Hidróxidos; Sais) em soluções aquosas
dissociam-se em iões. Os iões possibilitam a condução da corrente eléctrica.

Assim temos: Soluções electrolíticas, que são aquelas que conduzem a corrente
eléctrica
Soluções não electrolíticas, quando elas não transportam a corrente eléctrica.

2.1.4 Quanto ao tamanho das partículas.

Soluções verdadeiras:
Nas soluções verdadeiras o diâmetro das partículas é inferior a 0,001 . Estas
soluções são homogéneas a vista desarmada e ao microscópio óptico.

Pseudo Soluções: São aquelas em que o diâmetro das partículas esta


compreendido entre 0,01 e 0,1.
São as dispersões coloidais homogéneas a vista desarmada, mas heterogenias
ao microscópio.

2.1.5 Quanto a concentração.


Numa solução raras vezes os componentes encontram-se em quantidades
iguais. O solvente encontra-se geralmente em considerável excesso.
- A medida que estabelece a relação proporcional entre o soluto e o solvente é
designado por concentração.
Os termos concentrados e diluído são comummente usados para dar uma
indicação qualitativa da concentração do soluto em uma solução.

“Concentrado” implica uma concentração relativamente alta do soluto e


“Diluído” uma concentração relativamente baixa de soluto na solução.

Assim referenciamos qualitativamente soluções concentradas e diluídas.

Qualitativamente temos ainda:


-Soluções saturadas:
São aquelas que contêm a quantidade máxima de soluto que a solução em
condições normais pode comportar.
O excesso de soluto encontra-se em equilíbrio com a solução

Uma solução insaturada é aquela que tem uma concentração de soluto menor
que uma solução saturada, isto é inferior ao valor máximo que a solução pode
comportar em condições normais.
Ao adicionar soluto nesta solução este continua a dissolver-se.

Uma solução supersaturada é aquela em que a concentração do soluto é


maior do que a da solução saturada.
A solução super saturada é instável e o seu soluto tende eventualmente a se
cristalizar.

2.1.4 Unidades de concentração

Quantitativamente a solução e descrita especificando as proporções dos seus


componentes.

1- Fracção Molar (X)

É a razão do número de moles de um determinado componente pelo número


total de moles do sistema. Tomemos como exemplo o sistema constituído pelos
componentes A e B
Ex. Sistema (A e B)

nA e nB = numero de moles de A e B
nt = nA + nB

nA nB
XA = ----------- XB = ------------
nA + nB nA + nB

X A + XB = 1
2. Percentagem molar

O número de moles do componente e expresso percentagem (como parte de


100 partes do total do sistema) do número total de moles presentes.
É uma unidade de concentração relativa a fracção molar.

nA
% em mol de A = ----------- x 100 = XA x 100%
nA + nB

XA x 100% = XA x 102 %

Para B : XB x 102 %

3. Molaridade (M)

Expresso o número de moles de soluto dissolvidos em um litro (1L) de solução.

nA
molaridade de A = ----------- AM = nA / l
V.sol.L

4. Molalidade (m)

Expresso o número de moles de soluto dissolvidos por quilograma de solvente.

nA nA
molalidade = ----------------------------------- = mo (m) = ---------- x 1000
massa do solvente x Kg m1

5. Normalidade (N)

Expresso o número de equivalente grama por litro de solução


neq. A Ex. H2SO4
N = --------------- H2SO4  2 H+ + SO42-
V.sol. L 98 / 2 = 49 g

6. Percentagem em Massa

Ou massa percentual é a quantidade de um componente de uma solução


expressa como uma percentagem de massa total.

massa A
% em massa de A = --------------------------- x 100
massa A + massa B

7. Concentração percentual
Expressos os números de partes do soluto em 100 partes da solução
2.1.5 Mecanismo de dissolução
Quando um soluto sólido é adicionado a um solvente líquido, imediatamente
após a adição o estado sólido da estrutura começa a desintegrar-se e, pouco a
pouco, moléculas do solvente atacam a superfície do retículo cristalino
removendo partículas do soluto, rodeando-as e, finalmente, dispersando-as.
Para que isto aconteça depende das intensidades relativas de três forças
atractivas:
1- As forças entre as partículas do soluto anteriores á sua dissolução (forças
soluto-soluto)
2- As forças entre as moléculas dos solvente antes da dissolução (forças
solvente – solvente) e
3- As forças que são formadas entre partículas de soluto e solvente (soluto –
solvente)
Quando a dissolução se realiza, forças soluto -soluto e solvente -solvente são
substituídos por forças soluto – solvente.
Em geral, a alta solubilidade de um sólido em um líquido é favorecida pelas
fracas forças soluto-soluto (medido em sólido pela energia – reticular) e pelas
fortes forças soluto – solvente medidos pela energia de solvatação.
(Genericamente: semelhante dissolve semelhante. Geralmente solventes polares
tendem a dissolver solutos iónicos e polares e solventes não polares dissolvem
solutos não polares).

Outros factores que influenciam a solubilidade:


- Energia reticular
Quanto mais alta a energia reticular da substância menor a sua solubilidade Ex.
Iões de Ba2+ , SO42-

- Ligações hidrogénio.
A formação de pontes de hidrogénio entre partículas do soluto e solvente
aumenta a solubilidade

- A constante dieléctrica:
Medida de possessibilidade de uma molécula, isto é a sua capacidade de se
orientar de tal modo a neutralizar uma determinada carga nas suas
proximidades. (A força entre duas partículas é reduzida se entre elas estiver um
meio de alta constante dieléctrica.)

2.1.6 Calor de Solução

Algumas substâncias dissolvem-se com libertação de calor (H  0), e outras


com absorção de calor (H 0). O aumento de entalpia em um processo de
dissolução é conhecido como calor de solução, ou entalpia de solução, Hsol.
comummente especificado por mol de soluto.

Factores que influenciam a solubilidade

1- Solubilidade e Temperatura
Os processos que ocorrem com libertação de calor são designados processos
exotérmicos. (H  0), Decorrem segundo o modelo:
Soluto + Solvente  Solução + Calor (H  0 );

Processos que ocorrem com absorção de energia são designados processos


endotérmicos (H  0 ).
Calor + Soluto + Solvente  Solução (H  0 ).

Segundo Le Châtelier, podemos alterar o equilíbrio pela mudança de


temperatura.
No caso de um processo endotérmico, um aumento de temperatura muda o
equilíbrio para a direita (como esta formulado na equação) favorecendo a
solução e assim aumentando a solubilidade.
No caso exotérmico, um aumento de temperatura altera o equilíbrio para a
esquerda favorecendo o soluto não dissolvido, assim diminuindo a solubilidade.

2 - Solubilidade e Pressão

A solubilidade de sólidos e líquidas em solventes líquidos é praticamente


independente da pressão. Isto deve-se ao facto de a variação do volume dos
sólidos e líquidos ser neste negligenciável.
No caso dos gases esta obedece a lei de Henry : A solubilidade de um gás
dissolvido em um líquido é proporcional a pressão parcial do gás acima do
líquido.
X = KP
X = Fração Molar
K = Constante da lei de Henry
P = Pressão parcial do gás

A lei de Henry aplica-se somente quando a concentração do soluto e a sua


pressão parcial são baixos, isto é, quando o gás e a sua solução são
essencialmente ideais e quando o soluto não interage fortemente de nenhuma
maneira com o solvente.

Lei de Raoult
A pressão parcial do vapor de um componente na solução líquida é proporcional
a fracção molar do componente multiplicado pela sua pressão de vapor quando
puro.

P1 = X1 . P01

X1 = 1 – X2

P1 = (1 – X2) P01

P01 - P1
X2 = --------------
P01
Trabalho de pesquisa.

Informe-se na literatura sobre os seguintes conceitos:

- Solubilidade

- Solução ideal

- Temperatura crítica de dissolução

- Lei da distribuição.

Bom trabalho!

Você também pode gostar