Você está na página 1de 4

Atividade Prática 2 – Administração de Servidores e Serviços de Rede

OBS.1: Utilize uma Máquina Virtual para auxiliá-lo nas respostas.


OBS.2: Consulte os SLIDES e os Vídeos para auxiliá-lo nas respostas.
OBS.3: Em caso de dúvidas, por favor me envie PRINTS!!!

PARTE 1 – SERVIDOR DNS GNU/LINUX – BIND 9.


1 – Verifique se você possui conexão com a internet para instalação do pacote BIND (mais instruções no vídeo de
preparação do laboratório).
 Faça backup do arquivo de configuração!

2 – Configure um domínio com o seu nome, seguindo as definições abaixo (mais informações a partir do slide 46 –
exemplos nos slides 54 e 55):

 Nome do Domínio/Zona: “nome.test” (Ex.: guilherme.test);


 Arquivo de zona primário (master);
 Nome do arquivo “nome.test.zone” (Ex.: guilherme.test.zone);

Após definir o novo domínio, crie o arquivo de zona (Conceitos nos slides 33 ao 37 – Exemplo no slide 57):

 Registro SOA com as seguintes informações:


o Serial = “Seguir padrão RFC – Data atual”;
o Refresh = 28800 (8 Horas);
o Retry = 14400 (4 Horas);
o Expire = 86400 (1 Dia);
o Minimum TTL = 600 (10 Minutos);
 Insira os seguintes registros NS:
o Host “ns1” (Ex.: @ IN NS ns1.guilherme.test);
 Insira os seguintes registros A, sendo:
o ns1 – IP do próprio servidor DNS Master;
o www – IP do Servidor DNS Slave (Contido na planilha, caso esteja no lab);
 Insira um registro CNAME, sendo:
o Intranet  apontando para o host “www”;

3 – Crie uma zona reversa para a rede que está sendo utilizada (XX.XX.XX.0), conforme abaixo:

OBS.: Substituir o “XX” de acordo com o IP que está sendo utilizado em sua VM.

 Nome da zona: “XX.XX.XX.in-addr.arpa”;


 Arquivo de zona primário (master);
 Nome do arquivo “XX.XX.XX.in-addr.arpa”;

PROFESSOR: GUILHERME RODRIGUES


ADMINISTRAÇÃO DE SERVIDORES E SERVIÇOS DE REDE
Após definir o novo domínio, crie o arquivo de zona (Conceitos nos slides 33 ao 37 – Exemplo no slide 58):

 Registro SOA com as seguintes informações:


o Serial = “Seguir padrão RFC – Data atual”;
o Refresh = 28800 (8 Horas);
o Retry = 14400 (4 Horas);
o Expire = 86400 (1 Dia);
o Minimum TTL = 600 (10 Minutos);
 Inserir registros PTR para todos os endereços IP cadastrados no exercício anterior.

4 – Reinicie o Servidor DNS para iniciar a publicação dos arquivos de zona configurados.

5 – Verifique se a porta padrão do DNS está aberta (aguardando “DNS Queries” para qualquer endereço). Cole um
PRINT a seguir com o comando utilizado.

PRINT =

6 – Verifique nos Logs se os arquivos de zona criados nas questões 2 e 3 foram carregados corretamente
(“/var/log/messages” no Cent OS, ou “/var/log/syslog” no DEBIAN). Cole um PRINT a seguir com o comando
utilizado e as informações do carregamento do arquivo de zona no LOG.

PRINT =

7 – Realize testes com o NSLOOKUP para verificar:

 Os registros NS do seu domínio;


 O registro SOA do seu domínio;
 Cada um dos registros A configurados no arquivo de zona direta.

Cole um PRINT a seguir com os comandos utilizados para consultar os registros de recurso criados.

PRINT =

8 – Insira um registro MX no arquivo de zona do seu domínio.

(ATENÇÃO, após adicionar o registro MX, devemos adicionar um registro do tipo A com o nome do Host configurado
no registro MX). Cole um PRINT a seguir com o comando utilizado.

PRINT =

PROFESSOR: GUILHERME RODRIGUES


ADMINISTRAÇÃO DE SERVIDORES E SERVIÇOS DE REDE
9 – Reinicie o DNS para publicar as alterações.

10 – Verifique nos Logs se o arquivo de zona foi carregado corretamente (“/var/log/messages” no Cent OS, ou
“/var/log/syslog” no DEBIAN). Cole um PRINT a seguir com o comando utilizado e as informações do carregamento
do arquivo de zona no LOG.

PRINT =

11 – Realize testes consultando os novos registros inseridos na questão 8 com o NSLOOKUP. Cole um PRINT a seguir
com o comando utilizado.

PRINT =

PARTE 2 – SERVIDOR DNS MICROSOFT.


12 – Inicie sua VM do Windows Server, verifique a conectividade com o Servidor Linux e faça um teste de resolução
de um registro DNS configurado no servidor Linux. Funcionou? Caso não funcione, identifique o problema.

13 – Instale a função de DNS e Configure um domínio com o seu nome, seguindo as definições abaixo:

 Nome do Domínio/Zona: “nome.test” (Ex.: guilherme.test);


 Arquivo de zona primário (master);
 Nome do arquivo “nome.test.zone” (Ex.: guilherme.test.zone)
 O Registro SOA já é pré-definido, apenas localize-o no console de administração do DNS.
 Insira os seguintes registros NS:
o Host “ns1” (Ex.: @ IN NS ns1.guilherme.test);
 Insira os seguintes registros A, sendo:
o ns1 – IP do próprio servidor DNS Master;
o www – IP do Servidor DNS Slave (Contido na planilha);
 Insira um registro CNAME, sendo:
o Intranet  apontando para o host “www”;

14 – Crie uma zona reversa para a rede que está sendo utilizada (10.XX.XX.0), conforme abaixo:

OBS.: Substituir o “XX” de acordo com o IP que está sendo utilizado em sua VM.

 Nome da zona: “XX.XX.10.in-addr.arpa”;


 Arquivo de zona primário (master);
 Nome do arquivo “XX.XX.10.in-addr.arpa”;
 O Registro SOA já é pré-definido, apenas localize-o no console de administração do DNS.
 Inserir registros PTR para todos os Hosts cadastrados no exercício anterior.

PROFESSOR: GUILHERME RODRIGUES


ADMINISTRAÇÃO DE SERVIDORES E SERVIÇOS DE REDE
15 – Verifique se a porta padrão do DNS está aberta (aguardando “DNS Queries” para qualquer endereço).

16 – Realize testes com o NSLOOKUP para verificar:

 Os registros NS do domínio;
 O registro SOA do domínio;
 Cada um dos registros A configurados no arquivo de zona direta.

17 – Insira um registro MX no arquivo de zona do seu domínio.

(ATENÇÃO, após adicionar o registro MX, devemos adicionar um registro do tipo A com o nome do Host configurado
no registro MX).

18 – Realize testes consultando os novos registros inseridos na questão 17 com o NSLOOKUP.

# Bons estudos! Em caso de dúvidas, por favor, não deixe de entrar em contato (se for o caso, envie prints).

# LEMBRE-SE, apenas a prática possibilita a consolidação do conhecimento!

PROFESSOR: GUILHERME RODRIGUES


ADMINISTRAÇÃO DE SERVIDORES E SERVIÇOS DE REDE

Você também pode gostar