Você está na página 1de 4

O ecossistema é a unidade principal de estudo da ecologia.

Pode ser definido como um sistema composto pelos seres vivos (meio biótico) e o
local onde eles vivem (meio abiótico, onde estão inseridos todos os componentes
não vivos do ecossistema como os minerais, as pedras, o clima, a própria luz solar,
e etc.) e todas as relações destes com o meio e entre si.

Fatores Bióticos, que são os componentes básicos do ecossistema; os seres


autótrofos, geralmente as plantas verdes, capazes de produzir seu próprio alimento
através da síntese de substâncias inorgânicas simples; os consumidores,
heterotróficos – que não são capazes de produzir seu próprio alimento, ou seja, os
animais que se alimentam das plantas ou de outros animais; e os decompositores,
também heterotróficos, mas que se alimentam de matéria morta.

Fatores Abióticos, que são todos os componentes não vivos que influenciam a
vida dos seres presentes no ecossistema. Através dos fatores abióticos os seres
vivos fazem adaptações para seu desenvolvimento. Como esses fatores são muito
variáveis, determinam também uma grande variedade de ambientes e
conseqüentemente de ecossistemas.

A totalidade destes organismos interagindo em um determinado local de forma a


criar um ciclo de energia (do meio abiótico para os seres autótrofos, destes para os
heterótrofos e destes para o meio abiótico novamente) caracterizando os níveis
tróficos da cadeia alimentar constitui um sistema ecológico ou ecossistema,
independentemente da dimensão do local onde ocorrem essas relações.

As dimensões de um ecossistema podem variar consideravelmente desde uma poça


de água até a totalidade do planeta terra que pode ser considerado como um
imenso ecossistema composto por todos os ecossistemas existentes (ecosfera).

Podemos definir bioma como um conjunto de ecossistemas que funcionam de forma


estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo
bioma podem existir diversos tipos de vegetação). Os seres vivos de um bioma
vivem de forma adaptada as condições da natureza (vegetação, umidade, calor,
etc) existentes. Os biomas brasileiros caracterizam-se, no geral, por uma grande
diversidade de animais e vegetais (biodiversidade).

Mas não se deve confundir “ecossistema” com “BIOMA”. O bioma é


geograficamente mais abrangente e é predominantemente definido de acordo com
um conjunto de vegetações com características semelhantes além de outros
requisitos.

Entretanto, como o ecossistema pode ser considerado em grande escala, as


definições ficam um pouco confusas. Mas, geralmente para grandes extensões
de território (de dimensões regionais) usa-se a denominação “bioma”.

Os ecossistemas são classificados de duas formas: em ecossistemas terrestres e


ecossistemas aquáticos. Ambos possuem o funcionamento parecido com apenas
a diferença óbvia da quantidade de água entre um e outro o que faz com que
comportem formas de vida completamente diferentes embora algumas possam
compartilhar ou migrar de um meio para o outro. Aos locais onde os dois tipos de
ecossistemas se encontram dá-se o nome de “wetlands”, no termo em inglês, que
podemos chamar de “terras alagadas”. São regiões como o Pantanal Mato-
grossense e as regiões alagadas da Amazônia.

Dois grandes ambientes aquáticos podem ser definidos: os de água doce e os de


água salgada.
Ecossistemas Marinhos: os mares e oceanos cobrem cerca de 2/3 da superfície da
Terra. A distribuição de seres vivos neste ambiente está condicionada a alguns
fatores: iluminação, pressão, temperatura da água, nutrientes minerais.

A iluminação varia com a profundidade, podendo se distinguir três zonas:

Zona eufótica: 30 a 100 m de profundidade, bem iluminada, densamente povoada


por algas unicelular3s e por diversos consumidores.

Zona disfótica:30-100 a 500 m, iluminação fraca, ausência do comprimento de luz


vermelha, região fria, só ocorrem consumidores.

Zona afótica: abaixo de 500m, região escura e muito fria, são encontrados
detrívoros, carnívoros e decompositores.

O ambiente marinho pode também ser dividido nos seguintes sub-ambientes:

Zona litorânea: praias, ou costas baixas e os costões rochosos ou costas altas.

Zona nerítica: mar raso.

Zona pelágica: alto mar.

Zona abissal: grandes profundidades.

A flora e a fauna dessas regiões são classificadas em três tipos:

Plâncton: organismos que vivem em suspensão na água, deslocando-se com a


mesma, pelas ondas e correntes marinhas; compreendem os autótrofos
(fitoplâncton) e os heterótrofos (zooplâncton).

Nécton: organismos que conseguem se deslocar ativamente na água, sem


depender dos movimentos desta; incluem os peixes, crustáceos, moluscos,
mamíferos aquáticos.

Bênton: organismos que habitam o leito do mar, podendo ser fixos ao fundo ou
locomoverem-se sobre o mesmo; destacam-se as algas multicelulares, mexilhões,
estrelas-do-mar, crustáceos.

As zonas mais ricas em organismos vivos são as que se localizam nas proximidades
da costa, onde grandes quantidades de nutrientes são transportados pelos rios e a
profundidade permite a atividade fotossintética. Em zonas de elevada
profundidade, podem ocorrer movimentos verticais ascendentes de grande massa
d’água, levando sais minerais do fundo para regiões superiores, onde há
penetração de luz solar. Esse fenômeno é chamado de ressurgência.

Ecossistemas de água doce: são também denominados ecossistemas límnicos.


Podem ser classificados de dois tipos: lóticos, ou de águas correntes; lênticos, ou de
águas paradas.

Um ecossistema de água doce compreende o rio ou lago, mais a bacia de


drenagem, constituindo o que se denomina de bacia hidrográfica.

Nesses ambientes são encontrados organismos plncotônicos, flutuando no meio,


assim como os nectônicos deslocando-se na água, e os bectônicos no fundo.
Em termos de macro vegetação, um lago ou rio pode conter macrófitas flutuantes,
macrófitas emergentes e a mata ciliar.

Ambientes Lóticos: as comunidades desse ambiente variam com a velocidade das


águas. Águas correntes, agitadas, são ricas em oxigênio, mas pobres em plâncton.
Em ambientes de grande velocidade e temperatura baixa, o teor de oxigênio
dissolvido das águas é maior.

Ambientes Lênticos: em ecossistemas de águas paradas, a produção primária


depende de vários fatores: natureza química da bacia hidrográfica; tipos de aportes
vindos dos rios afluentes e dos ambientes terrestres; profundidade; tamanho.

A profundidade influi no grau de iluminação e temperatura da massa d’água e no


teor de oxigênio dissolvido.

Durante o verão, o calor é mais absorvido na camada superficial do que nas mais
profundas, formando uma estratificação térmica. A camada superior, mais quente, é
denominada de epilímnio, e a mais profunda, mais fria, de hipolímnio. Entre as
duas, há uma camada de transição chamada de metalímnio.

Quanto à produtividade, os reservatórios podem ser classificados como:

Oligotróficos: com baixa produtividade.

Mesotróficos: com produtividade intermediária.

Eutróficos: com alta produtividade.

Fundamentos de Ecologia

Aluno: Alexandre Alves Batista

Estudo Dirigido 2

1. De acordo com o texto, responda:

a. O que é Ecossistema

Unidade funcional básica, composta de uma BIOCENOSE - conjunto de seres vivos - e


um BIÓTOPO - lugar que abriga uma biocenose e da interação entre a comunidade
(biocenose) e o meio físico (biótopo).

b. O que são fatores bióticos e abióticos


Denomina-se fatores bióticos o conjunto de seres vivos, sendo divididos em:

1- Autótrofos. Seres capazes de produzir seu próprio alimento a partir da fixação de


dióxido de carbono, por meio de fotossíntese ou quimiossíntese.

2- Heterotróficos. Não são capazes de produzir seu próprio alimento, se subdivide


em consumidores e decompositores.

c. Qual o papel destes fatores no desenvolvimento da biodiversidade do planeta.

A relação entre seres bióticos constitui um modelo de interdependência possibilitado


pelo meio abióico.

d. Qual a diferença entre ecossistema e bioma

Bioma deve ser entendido como uma unidade biótica de grande extensão, geralmente
caracterizado por uma vegetação predominante como por exemplo a caatinga, mata
atlântica, a zona marinha; enquanto um ecossistema se insere como a totalidade de
organismos vivos que habitam determinado biótopo. Estes podendo variar de uma
poça d`água (que pode ser extremamente complexo) até ambiente maiores não tão
complexos quanto.