Você está na página 1de 9

Informática e Sociedade: a questão dos Impactos na Economia

Matheus Avila, Hyago Assis e Estevão Arbex

Universidade Federal de Juiz de Fora


Instituto de Ciências Exatas
Departamento de Ciência da Computação
Curso ciência da computação

1 INTRODUÇÃO

A pandemia do Sars-Cov-2, ou COVID-19, e, consequentemente, as medidas de isolamento


social afetaram e continuam afetando a forma como as pessoas se comunicam, trabalham,
estudam, consomem e compram as mais diversas coisas, ou seja, alterou a forma de
funcionamento da sociedade. Esta adaptação às novas necessidades só foi possível devido às
tecnologias para permitir a comunicação, compra de mercadorias, ensino etc. Entre elas
podemos citar: celulares, computadores, internet e programas e sites como Zoom, google
meeting, moodle, Ifood, Hotmart e sites de eCommerce. Essas tecnologias se mostraram
extremamente úteis para permitir que as pessoas continuassem trabalhando, fazendo compras,
estudando, criando e consumindo cursos. Mesmo com estas tecnologias a economia mundial
foi extremamente afetada durante a pandemia. Dentre os diversos impactos na economia
podemos citar o turismo, as compras presenciais em shoppings e viagens aéreas. Estas áreas
afetadas são parcialmente responsáveis pelo aumento no desemprego no Brasil e no mundo
(Jones, Lora et al, 2021).
Existem diversas leis de incentivos fiscais para empresas da área da tecnologia da informação.
Entre elas podemos citar nº 8.248/91, nº 8.387/91, Lei nº 10.176/01, Lei nº 13.674/18 e Lei
nº 13.969/19 e Decreto 5.906/06. A Lei n°16.674/18 prevê os benefícios da Lei n° 8.191/91
para todas as empresas de desenvolvimento e produção de bens e serviços de tecnologia de
informação que, entre outras obrigações, investirem ao menos 5% de seus lucros em
inovações e pesquisas na área da tecnologia. Entre os benefícios previstos estão diversas
isenções de impostos em todas as etapas de produção e distribuição dos bens segundo a Lei n°
8.191/91. Esses incentivos fiscais são atrativos para grandes empresas do exterior abrirem
filiais no Brasil e também permitem que empresas nacionais cresçam mais rapidamente. A
consequência desses incentivos é o crescimento científico e tecnológico do país atrelado a
geração de empregos e redução do preço dos produtos dentro do Brasil, aumentando assim, o
poder de compra da população. Levando em conta um acontecimento recente, em 2020 entrou
em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei n° 13.709) que busca repensar a forma como
é armazenado e identificado usuários, sendo aplicada em empresas de todos os setores da
economia. E a partir de agosto de 2021, empresas que não cumpram os novos requisitos da lei
poderão sofrer sanções administrativas como também multas em dinheiro.
(Fonseca, Mariana, 2021)
O principal motivo da criação de projetos para regulamentação do profissional de informática
é ter a busca da garantia da melhora de serviços, trazendo uma qualificação acadêmica para
esses profissionais e reduzindo assim problemas comuns da área, contribuindo também para o
aumento do salário do próprio profissional, pois aumentaria a valorização da área. Mas por
outro lado, quando se diz que a regulamentação traria profissionais mais qualificados, não
podemos ter essa garantia, pois o profissional só ganhará a prática quando estiver inserido no
mercado de trabalho e tendo contato com as tecnologias, tendo um curso ou não. Também,
com a regulamentação, a quantidade de profissionais diminuiria significativamente, visto que
perderiam seu direito de atuação no ramo, trazendo um déficit de profissionais na área
(França, César).
Atrelado a isso, vale-se destacar o período que o país exerceu a política de reserva de mercado
da informática, em 1984, foi instituída pela PNI (política nacional da informática) a Lei
Federal nº 7.232/84, que se baseava em fomentar a indústria tecnológica nacional através da
reserva do mercado interno às empresas de capital nacional, visando promover, a reserva do
mercado interno de componentes de informática e eletrônicos, a partir da restrição da
importação de "tecnologia estrangeira" de modo a propiciar o desenvolvimento nacional de
TI.
Na prática, a dinâmica gerada pela PNI não foi de sucesso, se assemelhando aos possíveis
prejuízos que os projetos de regulamentação para profissionais de TI podem trazer. O
desfecho pode sair de uma forma diferente proposto no papel, prejudicando o crescimento do
mercado tecnológico no Brasil, no caso da Lei Federal nº 7.232/84, pensava-se que, uma vez
livres da acirrada concorrência com as empresas multinacionais, as desenvolvedoras
brasileiras teriam mais espaço para desenvolver a própria tecnologia nacional. O que ocorreu
na verdade é que livres dos concorrentes externos os fabricantes nacionais acabaram se
acomodando, limitando-se basicamente a lançar clones das tecnologias do exterior, ao invés
de buscarem um desenvolvimento tecnológico pelo pioneirismo, as empresas brasileiras
acabaram tornando-se especialistas em engenharia reversa. Isto acarretou inúmeros protestos
na comunidade internacional pelas contínuas quebras de patentes. (Rigo, Michael)
A principal relação entre economia e desenvolvimento sustentável é o chamado Tripé da
Sustentabilidade. Este tripé relaciona a proteção ao meio ambiente, o crescimento econômico
e a cultura da sustentabilidade. A utilização de práticas sustentáveis tem como retorno
redução de custos, redução de consumo de energia, redução na emissão de CO2, entre outros
(Nascimento). Quando existe uma demanda social, por parte dos consumidores, por produtos
sustentáveis, as empresas que adotam medidas sustentáveis podem observar um aumento na
venda de seus produtos devido a identificação dos mesmos interesses entre as empresas e os
consumidores (TECNICON). Na França, por exemplo, os produtos possuem um ‘eco-score’.
Esse escore define o quanto determinado produto impactou no meio ambiente para ser
produzido, transportado, embalado e diversos outros critérios. Dessa forma, um consumidor
pode escanear o produto e utilizar o escore do produto como fator decisivo na hora de
comprar ou não um produto (beefpoint). Tomando consciência desse critério, as empresas
podem buscar a sustentabilidade tanto como uma forma de ajudar o meio ambiente como de
se tornarem mais competitivas no mercado.
Relatório de pesquisa realizado pela Intel e pela Lenovo, revela que a tecnologia
desempenhará um papel muito importante para a diversidade e inclusão no ambiente de
trabalho futuro. Pois aumentará a acessibilidade, conectará pessoas que estariam separadas e
expandirá programas de qualificação de desenvolvimento e competências, sendo possível
trabalhar de forma mais dinâmica e flexível. A tecnologia tem um importante papel pois
ampliará o acesso dos profissionais a promoções e crescimento (Barbosa, Rafael). A tecnologia
pode ser muito útil desde o processo de recrutamento, através da Inteligência Artificial,
podendo identificar preconceitos de cargos e criar cargos mais inclusivos. (Bravo, Luiza)
2 A QUESTÃO DOS IMPACTOS NA ECONOMIA
A economia tem como principais questionamentos definir o que deve ser produzido, como
deve ser produzido(linha de produção) para quem deve ser produzido(público alvo) e como
deve ser vendido(marketing). Em todas as etapas a tecnologia é capaz de ajudar de forma
surpreendente. Por exemplo, as ferramentas de mineração de dados podem ser utilizadas para
avaliar tendências de consumo de determinados produtos e definir o público alvo através de
dados em redes sociais. As próprias redes sociais permitem o crescimento de diversas
microempresas devido a sua gratuidade e poder de divulgação. Além disso, as postagens
sugeridas pelas redes sociais apresentam os seus produtos aos usuários que possuem maior
chance de gostarem dos seus produtos. A pesquisa operacional é uma área que possui
profundo impacto nos processos dentro das empresas (THE OPERATIONAL SYSTEM
RESEARCH SOCIETY). Ela aplica métodos analíticos para melhorar as tomadas de
decisões, como por exemplo, decidir onde abrir uma nova filial, qual o melhor caminho para
fazer o transporte de mercadorias, entre outros. Todas essas práticas relacionadas à
informática tem profundo impacto na sociedade e na economia, pois muda a forma com que
os consumidores escolhem produtos e serviços, pagam por esses serviços e como consomem
esses serviços. Além disso, empresas que fazem uso das melhores tecnologias têm vantagens
pois são capazes de alcançar as pessoas que possuem maior potencial de serem clientes além
de serem capazes de otimizar os seus processos de forma a maximizar a satisfação dos
clientes e ou lucros.
Outro grande exemplo de como a informática afeta a economia e as vidas das pessoas foi
vivido, e continua sendo, devido a pandemia de COVID-19. Durante a pandemia diversas
empresas que não tinham suporte tecnológico para operarem à distância fecharam e as
empresas que conseguiram organizar seus processos para continuarem funcionando a
distância se sobressaíram. Por exemplo, as aulas na UFJF só puderam ser retomadas devido a
utilização de plataformas online como, moodle, googlemeeting e classroom. Essas
plataformas permitiram que os alunos voltassem a ter aulas, os professores voltassem a dar
aulas e dessa forma minimizar os atrasos na capacitação de novos profissionais.
Outro impacto da informática na economia e na sociedade é o home broker. O home broker é
uma plataforma dentro das corretoras de investimentos que permite aos usuários fazer
movimentações financeiras, e compras e vendas de ações através de navegadores de internet
comumente utilizados pela população em geral. A maioria das contas em corretoras é gratuita,
o que permite que todos que tenham o devido conhecimento possam operar na bolsa de
valores.
Nos últimos 5 anos, as empresas mais valiosas no mundo passaram a ser aquelas que
trabalham com dados e ativos, no mundo de hoje, o dado chega a ser mais valioso que um
bem físico. Levando em conta o processo tecnológico, a taxa de mudança está ficando cada
vez mais rápida, e não estando conectado a esse processo tecnológico pode deixar empresas
para trás. Hoje, no ranking de grandes empresas a nível mundial não estão aquelas de
consumo tangíveis (Nike, Coca-Cola…) e sim grandes empresas de tecnologia como Amazon
e Google. Sendo assim, para empresas novas e já existentes precisam se diferenciar nessa
nova economia para manter seus negócios no mercado. Dando exemplo de grandes varejistas
de lojas físicas, que ao longo do tempo se tornaram obrigados a se adaptarem e abrir
E-Commerce’s e Marketplace’s.
Um grande impacto do avanço da tecnologia foi a transformação digital de bancos e aparição
de bancos totalmente digitais, dando exemplo de Nubank e Banco Inter. Essa transformação
trouxe vários pontos positivos, como exemplo: Menos burocracia e taxas mais baratas, melhor
atendimento ao cliente e processos mais transparentes.
Hoje, com o aparecimento de fintechs, que são empresas da área financeira que fazem uso da
tecnologia e inovação para otimizar seus processos, a maneira como nos relacionamos com o
dinheiro está se diversificando. Não é preciso ficar preso a fila de um banco com seus altos
juros e taxas sobre todas as operações. Essas empresas tem competindo com grandes bancos
embora não ainda a pé de igualdade. O impacto das fintechs é tão grande, que grandes bancos
vão se tornando obrigados a se adaptarem à tecnologia e à inovação, como também a redução
de taxas e juros, ou também contas totalmente digitais que até então eram somente físicas.
Dando um exemplo, a criação do Next, do Bradesco.
Graças a tecnologia, as fintechs conseguem trabalhar com uma estrutura bem menor,
totalmente ou parcialmente online, e traz a praticidade de fazer tudo pelo celular sem precisar
ir à uma agência.
Com a aparição de novas empresas e a barreira de entrada ser relativamente menor, e com
grandes bancos se adaptando a essa nova realidade, se torna muito promissor para o
consumidor, porque se aumenta a competitividade entre bancos por ter um números maior de
fornecedores de serviços financeiros e fazem bancos a se adaptarem e prestarem serviços
melhores.
Quando o assunto é analisar e debater os novos impactos e mudanças que a tecnologia
vem trazendo e virá trazer nos próximos anos, o METAVERSO, é o centro das atenções.

Antes de refletir seus propósitos e detalhes, entender qual o pilar desta tecnologia e no
que se baseia, é essencial. O modelo enfatizado nas novas dinâmicas de Mark Zuckerberg,
descreve um mundo não físico no qual os indivíduos podem interagir por meio de diferentes
tipos de tecnologias virtuais. Porém, o Metaverso é diferente da realidade virtual de hoje, na
qual os dispositivos oferecem experiências isoladas e chances limitadas de jogar com pessoas
que possuem outros dispositivos. Em vez disso, o Metaverso será um enorme ciberespaço
comunitário, ligando a realidade aumentada e a realidade virtual.

Com o mundo econômico se curvando cada vez mais para o escopo da tecnologia, a
pergunta é: como esse novo ecossistema digital irá impactar no cenário econômico?
precisamos começar a ter consciência de que dentro do contexto dos Metaversos teremos, por
exemplo, outras “moedas” sendo usadas no futuro. As pessoas vão investir em “assets”
digitais da mesma forma que investem em não digitais. Logo, será possível comprar uma casa
em um jogo e esperar ela se valorizar.

Tendo em vista uma nova dinâmica digital se aproximando, como desfecho do


assunto, é de grande coerência citar a reflexão de Thomas Frey, “Ao mudarmos a visão de
alguma pessoa sobre o futuro, nós também mudamos a forma como ela toma suas decisões
hoje”.
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Enfim podemos concluir vários aspectos que hoje a tecnologia tem impacto. Mesmo
direcionando suas interferências para área da economia, podemos ver como cada vez mais a
tecnologia vem se fazendo necessária e que todos nós precisamos nos adequar, ainda mais
empresas grandes, caso queiram continuar no mercado.
Podemos ver que a tecnologia veio para ficar e cada vez mais vai surgir maneiras totalmente
digitais para realizar tarefas que até algum tempo atrás eram somente físicas, como ir ao
banco por exemplo.
E no momento em que vivemos podemos notar claramente como a tecnologia foi um escape
para muitas tarefas, e como ela é altamente necessária para nosso futuro.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
A LEI DE INFORMÁTICA. A lei da informática, 2021. Disponível em:
https://www.leidainformatica.com/a-lei-de-informatica/. Acesso em: 10 Nov. de 2021.
A tecnologia e seu impacto na economia do futuro. ACIUB. Disponível em:
https://www.aciub.org.br/2020/02/18/a-tecnologia-e-seu-impacto-no-futuro-da-economia/.
Acesso em: 06 Dez. de 2021.
Acesso em: 22 Nov. de 2021.
Barbosa, Rafael. Tecnologia é essencial para promover diversidade e inclusão no mundo,
revela pesquisa. tudocelular, 2020. Disponível em:
https://www.tudocelular.com/tech/noticias/n160912/tecnologia-essencial-diversidade-inclusao
-pesquisa.html. Acesso em: 01 Dez. de 2021.
beefpoint, 2021. Novo ‘eco-score’ na França pode afetar produtos brasileiros. Disponível em:
https://www.beefpoint.com.br/novo-eco-score-na-franca-pode-afetar-produtos-brasileiros/
Boeira, Pablo. A relação do metaverso com o consumo na Nova Economia. Negócios.
Disponível em:
https://epocanegocios.globo.com/colunas/Changemaker/noticia/2021/09/relacao-do-metavers
o-com-o-consumo-na-nova-economia.html. Acesso em: 13 Dez. de 2021.
Bravo, Luiza. Como a tecnologia pode fomentar a diversidade no mercado de trabalho.
Whow, 2020. Disponível em:
https://www.whow.com.br/tecnologia/como-tecnologia-pode-fomentar-diversidade-trabalho/.
Acesso em: 01 Dez. de 2021.
Diniz, Janguiê. O impacto das fintechs no mercado financeiro do Brasil. Diário do Comércio.
Disponível em:
https://diariodocomercio.com.br/opiniao/o-impacto-das-fintechs-no-mercado-financeiro-do-br
asil/. Acesso em: 06 Dez de 2021.
Fonseca, Mariana. LGPD: multas começam a ser aplicadas neste mês e chegam a R$50
milhões; saiba quantas empresas estão preparadas. InfoMoney, 2021. Disponível em:
https://www.infomoney.com.br/negocios/lgpd-multas-comecam-a-ser-aplicadas-neste-mes-e-c
hegam-a-r-50-mil-saiba-quantas-empresas-estao-preparadas/. Acesso em: 10 Nov. de 2021.
França, César. Os Prós e Contras da Regulamentação dos Profissionais de TI. Medium, 2019.
Disponível em:
https://medium.com/aspectos-humanos-e-sociais-na-computa%C3%A7%C3%A3o/os-pr%C3
%B3s-e-contras-da-regulamenta%C3%A7%C3%A3o-dos-profissionais-de-ti-3de87ce2c098.
Acesso em: 16 Nov. de 2021.
Jones, Lora et al. CORONAVIRUS: How the pandemic has changed the world economy.
BBC, 2021.Disponível em: https://www.bbc.com/news/business-51706225. Acesso em: 02
Nov. de 2021.
Melani, Rafaella. Transformação digital nos bancos: conheça seus principais desafios,
benefícios e exemplos. Unico. Disponível em:
https://unico.io/unicocheck/blog/transformacao-digital-bancos/. Acesso em: 06 Dez. de 2021.
Nascimento, Rafael Jullian Oliveira. TI Sustentável: conceito, soluções e consequências.
DEVMEDIA, 2013. Disponível em:
https://www.devmedia.com.br/ti-sustentavel-conceito-solucoes-e-consequencias/29394
Acesso em: 22 Nov. de 2021.
Rigo, Michael. Vivendo na época da Reserva de Mercado de Informática. Blog do Michael ,
2014. Disponível em:
https://www.michaelrigo.com/2014/05/vivendo-na-epoca-da-reserva-de-mercado.html.
Acesso em: 16 Nov. de 2021.
TECNICON, 2021. O que é o Tripé da Sustentabilidade e como abordar o tema na sua
empresa. Disponível em:
https://www.tecnicon.com.br/blog/309-O_que_e_o_Tripe_da_Sustentabilidade_e_como_abor
dar_o_tema_na_empresa. Acesso em 22 Nov. de 2021.
THE OPERATIONAL SYSTEM RESEARCH SOCIETY, o que é a pesquisa operacional.
Disponível em: https://www.theorsociety.com/. Acesso em 06 Dez. de 2021.

Você também pode gostar