Você está na página 1de 53

LÍNGUA

PORTUGUESA

NOÇÕES
GRAMATI
CAIS
Aula 03 – Concordância e Regência

Sumário
Apresentação.......................................................................................................................................4
Objetivo...............................................................................................................................................4
01 - Concordância Nominal e Verbal: primeiras palavras.............................................................5
02 - Concordância Nominal...............................................................................................................7
02.1 - Concordância de palavra para palavra................................................................................12
02.1.1 - Há apenas uma só palavra determinada............................................................................12
02.1.2 - Há mais de uma palavra determinada...............................................................................12
02.1.3 - Há uma só palavra determinada e mais de uma determinante..........................................14
02.2 - Concordância de palavra para sentido (inferência)............................................................14
02.2.1 - As expressões de tratamento do tipo V. Exa., V.Sa. etc....................................................15
02.2.2 - A expressão a gente aplicada a uma ou mais pessoas com inclusão da que fala:.............15
02.2.3 - O termo determinado é um coletivo seguido de determinante em gênero ou número (ou
ambos) diferentes...........................................................................................................................16
02.2.4 - A palavra determinada aparece no singular e mais adiante o determinante no plural em
virtude de se submeter aquela no plural.........................................................................................16
02.3 - Outros casos de concordância nominal................................................................................16
02.3.1. Um e outro, nem um nem outro.........................................................................................16
02.3.2 - Mesmo, próprio, só...........................................................................................................17
02.3.3 - Menos e somenos.............................................................................................................17
02.3.4 - Leso..................................................................................................................................18
02.3.5 - Anexo, apenso e incluso...................................................................................................18
02.3.6 - Dado e visto......................................................................................................................19
02.3.7 - Meio..................................................................................................................................19
02.3.8 - Pseudo e todo....................................................................................................................19
02.3.9 - Tal e qual..........................................................................................................................20
02.3.10 - Possível...........................................................................................................................20
02.3.11 - A olhos vistos..................................................................................................................21
02.3.12 - É necessário paciência....................................................................................................21
02.3.13 - Adjetivo composto..........................................................................................................22
02.3.14 - Alguma coisa boa ou alguma coisa de bom....................................................................22
02.3.15 - A concordância com numerais........................................................................................23
02.3.16 - A concordância com os adjetivos designativos de nomes de cores................................24
03 - Concordância Verbal................................................................................................................24
03.1 - Concordância de palavra para palavra................................................................................26
03.1.1 - Há um só sujeito...............................................................................................................26
03.1.2 - Há mais de um sujeito......................................................................................................27
03.2 - Concordância de palavra para sentido (inferência)............................................................27
03.3 - Outros casos de concordância verbal...................................................................................28
03.3.1 - Sujeito constituído por pronomes pessoais.......................................................................28
03.3.2 - Sujeito ligado por série aditiva enfática...........................................................................29
03.3.3 - Sujeito ligado por “com”..................................................................................................29
03.3.4 - Sujeito ligado por “nem… nem”......................................................................................30
03.3.5 - Sujeito ligado por “ou”.....................................................................................................30
03.3.6 - Sujeito representado por expressão como “a maioria de”................................................31
03.3.7 - Sujeito representado por “cada um de + plural”...............................................................31
03.3.8 - Concordância do verbo ser...............................................................................................31

2
Aula 03 – Concordância e Regência

03.3.9 - A concordância com "mais de um"...................................................................................34


03.3.10 - A concordância com os pronomes relativos...................................................................34
03.3.11 - A concordância com os verbos impessoais.....................................................................35
03.3.12 - A concordância com "dar" (e sinônimos) aplicada a horas............................................36
03.3.13 - A concordância com o verbo na voz passiva pronominal...............................................36
03.3.14 - A concordância na locução verbal..................................................................................37
03.3.15 - A concordância com a expressão “não (nunca)… senão”..............................................37
03.3.16 - A concordância com títulos no plural.............................................................................37
03.3.17 - A concordância com “haja vista”....................................................................................38
03.3.18 - A concordância do verbo com sujeito oracional.............................................................38
03.3.19 - Concordância nas expressões de porcentagem...............................................................38
04 - Regência Nominal......................................................................................................................39
05 - Regência Verbal.........................................................................................................................42
05.1 - Intransitivos............................................................................................................................44
05.2 - Verbos Transitivos Diretos.....................................................................................................45
05.3 - Verbos Transitivos Indiretos..................................................................................................46
05.4 - Verbos bitransitivos................................................................................................................50
Referências........................................................................................................................................53

3
Aula 03 – Concordância e Regência

Apresentação

Prezado aluno, esta aula tratará de dois assuntos de grande importância


para o desenvolvimento das habilidades de escrita e de leitura, no uso da língua
como meio de inserção social, principalmente em contextos linguísticos mais
formais. A compreensão desses conceitos é indispensável para quem deseja
escrever adequadamente, respeitando a sintaxe da língua portuguesa. Os
tópicos aqui relacionados focam a relação de interdependência entre os termos
da oração, os quais são construídos para dar sentido às mensagens elaboradas
por nós nas situações comunicativas mais diversas. A concordância vem do
verbo concordar, ou seja, é um acordo estabelecido entre os termos. Já a
Regência trata da relação de complementação entre esses termos na oração.

Objetivo
O objetivo desta aula é fazer com que você reconheça a importância tanto
da concordância nominal como da concordância verbal tanto para a produção
escrita quanto oral. Contribuirá também para que você conheça e compreenda
as possibilidades de uso das concordâncias nominal e verbal, conforme a
situação de comunicação em que esteja envolvido, seja por meio da fala ou da
escrita.

4
Aula 03 – Concordância e Regência

Curso: Língua Portuguesa

Autoria: Karine Alves David

Aula: 03
01 - Concordância Nominal e Verbal: primeiras
palavras
OBJETIVO: Apresentar a você as definições de concordância nominal e
verbal para, em seguida, discutirmos, nos tópicos 2 e 3, cada uma
separadamente.
Nosso intuito é sanar qualquer dúvida no que concerne ao que seja
uma concordância, uma palavra determinada, uma palavra determinante e a
combinação de palavras em uma frase.

Leia o texto a seguir:

Só aprendemos nos divertindo. A arte de ensinar não é outra


senão a arte de despertar a curiosidade das almas jovens para depois
satisfazê-la: e a curiosidade é viva apenas nas almas felizes. O
conhecimento que se faz entrar na mente pela força sufoca-a. Para
digerir o saber é necessário que ele seja devorado com apetite
(Anatole France, escritor francês).

Imagem 01 - Menino 


Fonte: https://br.images.search.yahoo.com

5
Aula 03 – Concordância e Regência

Pratique

1. A que palavras do texto se referem, respectivamente, os pronomes “la” e


“a”, que acompanham os verbos “satisfazer” e “sufocar”?
2. Na frase “a curiosidade é viva apenas nas almas felizes”:
a) Por que o verbo “ser” está na 3ª pessoa do singular?
b) O adjetivo “felizes” refere-se à palavra "almas".
- A que classe de palavras pertence "almas"?
- Por que o adjetivo "felizes" está no plural?

RESPOSTA:
1.
RESPOSTA:
RESPOSTA:
O 1.
1. O
O pronome
pronome
pronome “la”
“la” refere-se
refere-se
“la” refere-se aa curiosidade
curiosidade
a curiosidade ee oo pronome
e o pronome "a", à"a",
pronome "a", àà "mente".
"mente". "mente".
2.
2.
2. a)
a) Porque
Porque se se refere
refere àà expressão
expressão àà “curiosidade”
“curiosidade” que
que éé oo sujeito
sujeito da
da
a) Porque se refere à expressão à “curiosidade” que é o sujeito da forma verbal
forma
forma verbal
verbal “é”;
“é”; como
como sese trata
trata de
de um
um sujeito
sujeito na
na 3ª
3ª pessoa
pessoa dodo singular,
singular,
“é”; como se trata de um sujeito na 3ª pessoa do singular, o verbo também fica
oo verbo também fica nessa
verbo também fica nessa pessoa. pessoa.
nessa pessoa.
b) b)
b) -- ÀÀ classe
classe dos
dos substantivos.
substantivos.
-- Porque
- À classe concorda
concorda com
dos substantivos.
Porque com oo substantivo
substantivo pural
pural aa que
que se
se refere
refere almas.
almas.
- Porque concorda com o substantivo pural a que se refere almas.

Vamos conceituar?
Ao responder às questões, você observou que o fato de a curiosidade
constituir um sujeito na 3ª pessoa do singular determina o emprego da
forma verbal "é", também na 3ª pessoa do singular. Assim, o verbo concorda
com o sujeito em número e pessoa.

Por outro lado, o fato de o substantivo almas estar no plural determina


o emprego do adjetivo felizes no plural. Assim, o adjetivo concorda com o
substantivo em número.

6
Aula 03 – Concordância e Regência

Em ambos os casos, há concordância, um princípio linguístico que


orienta a combinação das palavras na frase. (CEREJA; MAGALHÃES, 2005).

Concordância nominal é a concordância em gênero e número entre o


adjetivo e o pronome (adjetivo), o artigo, o numeral ou o particípio (palavras
determinantes) e o substantivo ou pronome (palavras determinadas) a que
se referem.

Concordância verbal é a concordância em número e pessoa entre o


sujeito (e, às vezes, o predicativo) e o verbo da oração.

Importante

Em português, a concordância consiste em se adaptar a palavra


determinante ao gênero número e pessoa da palavra determinada.

a) As bondosas freiras são distraídas.


Exemplo Palavra determinada: freiras.
Palavras determinantes: as, bondosas, distraídas.

02 - Concordância Nominal
OBJETIVO: Nosso objetivo neste tópico é fazer com que você reconheça a
importância da concordância nominal tanto para a produção escrita quanto
oral, bem como, para que você conheça e compreenda as possibilidades de
uso da concordância nominal, conforme a situação de comunicação em que
estejam envolvido, seja por meio da fala ou da escrita.

Vamos relembrar o conceito de Concordância Nominal que vimos


no tópico 1 desta aula?

7
Aula 03 – Concordância e Regência

Concordância Nominal é a concordância em gênero e número


entre o adjetivo e o pronome (adjetivo), o artigo, o numeral ou o particípio
(palavras determinantes) e o substantivo ou pronome (palavras
determinadas) a que se referem.

 Imagem
02 -

Concordância nominal 
Fonte: http://slideplayer.com.br/slide/1705391/

8
Aula 03 – Concordância e Regência

Pratique
Complete corretamente
A arquiteta
A arquiteta gostaria
De projetar mil casas
Por dia,
_______ (aéreo), __________ (subterrâneo)
casas de vidro e de paina,
________ (redondo), de _________ (esvoaçante)
telhados.
Em frente à prancheta
A arquiteta sonha
O ________ (justo) sonho
De todo mundo ter
Onde morar.
(Roseana Murray. Artes e ofícios. São Paulo: FTD,1991, p.16)

RESPOSTA:
RESPOSTA: Aêreas,
Aêreas, subterrâneas,
subterrâneas, redondas,
redondas, esvoaçantes,
esvoaçantes, justo
justo

Se você aceitou o nosso pequeno desafio, você conferiu, ao final, o


que já dissemos anteriormente: que irá existir uma relação de concordância,
de combinação entre uma palavra determinada (como se fosse a principal, a
que manda!) e uma determinante (a que obedece à determinada!). O
principal é você encontrar a determinada, para, depois, fazer as devidas
concordâncias.

Por exemplo, no texto acima, você viu que aéreas e subterrâneas são
as palavras determinantes da determinada casas, e que elas devem
concordar com esta em gênero e número. Você observou aqui também que,
ao contrário do que é mais comum na fala, a determinada veio após as
determinantes, isto significa que temos determinantes antepostas à

9
Aula 03 – Concordância e Regência

determinada, eis o motivo de estarmos atentos, para não “errarmos” a


concordância. Lembramos ainda a vocês, que esse processo aparece muito
na escrita. Na fala costumamos pôr, primeiramente, na frente, a palavra
determinada. Viu como é fácil?

Já a determinante redondas vem posposta à determinada casa, e fica


mais fácil fazermos a concordância. Logo em seguida, vem mais uma palavra
determinante, só que desta vez, referente à determinada telhados, então já
muda a concordância: pois telhados é masculino, plural, e esvoaçantes segue
a regra de sua determinada.

Por fim, temos a determinante justo que também está anteposta a sua
determinada sonho, concordando com ela em gênero e número.

Importante

Concordância nominal regular é aquela em que o adjetivo e os


determinantes (artigo, numeral e pronome adjetivo) concordam em
gênero e número com o substantivo ao qual se referem.

Concordância nominal irregular é a que se dá por atração ou


por silepse de gênero ou de número (também chamada de
concordância ideológica). (MARTINS; ZILBERKNOP, 2015, p. 384).

Vejamos alguns exemplos sobre o que tecemos acima:

10
Aula 03 – Concordância e Regência

a) A maior parte dos sócios deste clube são ricos.


➔ ricos concorda, por atração, com sócios, que não é
o núcleo do sujeito.

b) Vossa Excelência será notificado.


➔ neste caso, há um silepse de gênero, notificado
não concorda com Vossa Excelência, mas com o
Exemplo
sexo do ouvinte, no caso, em questão, masculino.

c) Coisa curiosa é criança em dia de chuva: como ficam


irrequietos!
➔ já nesse caso, há uma silepse de número,
irrequietos não concorda com criança e sim com a
ideia coletiva: eles ficam irrequietos.

Atenção

Para esta aula, organizaremos algumas regras de concordância


nominal em três partes:

A.Concordância de palavra para palavra;

B.Concordância de palavra para sentido (inferência);

C.Outros casos de concordância nominal.

Vamos começar?

11
Aula 03 – Concordância e Regência

02.1 - Concordância de palavra para palavra

02.1.1 - Há apenas uma só palavra determinada


A palavra determinante irá para gênero e número da determinada.
(Como já vimos acima!):

a)Os bons exemplos dos pais são as melhores


lições e a melhor herança para os filhos.

Exemplo b)Eu amo a noite solitária e muda.

c)Eu estou quite com você. Nós estamos quites


com você.

02.1.2 - Há mais de uma palavra determinada


Se as palavras determinadas forem do mesmo gênero, a palavra
determinante irá para o plural e para o gênero comum, ou poderá
concordar, principalmente, se vier anteposta, em gênero e número com a
mais próxima:

a)A língua e a literatura portuguesa/ portuguesas.

b)Amava as virtudes e a lealdade nunca


desmentidas.
Exemplo c)O tom e gesto amável, com que falava, não me
convenceu.

d)E os nossos Pedro e Paulo continuavam a


caminhada.

12
Aula 03 – Concordância e Regência

Importante

1. Se as palavras determinadas se referirem a uma só pessoa ou


coisa, impõe-se o singular do determinante:

a. Eu sou seu fiel amigo e servidor

2.Precedendo um substantivo (título ou prenome), ocorre o plural:

a. Os irmãos João e José.

b. Os apóstolos Pedro e Simão.

Se as palavras determinadas forem de gêneros diferentes, a palavra


determinante irá para o plural masculino ou concordará em gênero e
número com a mais próxima:
a)Enviamos jornais e revistas ilustrados.
(reciprocidade, ou seja, ambos são ilustrados)
b)Enviamos jornais e revistas ilustradas. (apenas as
revistas são ilustradas)
c)Ele tem um carro e casa bons. (reciprocidade,
Exemplo ambos são bons)
d)Ele tem um carro e casa boa. (somente a casa é
boa)
e)Ele tem casa e carro bom. (somente o carro é
bom)

13
Aula 03 – Concordância e Regência

02.1.3 - Há uma só palavra determinada e mais de uma


determinante

A palavra determinada irá para o plural ou ficará no singular, sendo,


nesse último caso, facultativa a repetição do artigo. Em geral, isso ocorre
com adjetivos de nacionalidade:

a)As literaturas brasileira e portuguesa.

b)A literatura brasileira e portuguesa (maneira


menos frequente e, com exagero de lógica
gramatical, considerada errônea por muitos
Exemplo autores).

c)A literatura brasileira e a portuguesa.

d)As séries quinta e sexta.

e)A quinta e sexta série (ou séries).

02.2 - Concordância de palavra para sentido


(inferência)
A palavra determinante pode deixar de concordar em gênero e número
com a forma da palavra determinada para levar em consideração, apenas, a
referência a que esta alude: o (vinho) champanha, o (rio) Amazonas.

Entre os diversos casos dessa concordância pelo sentido aparecem os


seguintes:

14
Aula 03 – Concordância e Regência

02.2.1 - As expressões de tratamento do tipo V. Exa., V.Sa.


etc.

a)V. Exa. é atencioso. (referindo-se a homem)


Exemplo
b)V.Exa. é atenciosa. (referindo-se à mulher)

Importante

Quando se junta um adjetivo a tais formas de tratamento, o


adjetivo fica no gênero da forma de tratamento.

a) Sua Majestade fidelíssima foi contrariado pelos


Exemplo
representantes diplomáticos.

02.2.2 - A expressão a gente aplicada a uma ou mais


pessoas com inclusão da que fala:

a)A gente pergunta muito a si próprio: (nesse caso,


refere-se à pessoa do sexo masculino) - Será que
Exemplo nosso país tem salvação?

b)A mulher sempre diz: - A gente está muito


cansada desse sofrimento!

15
Aula 03 – Concordância e Regência

02.2.3 - O termo determinado é um coletivo seguido de


determinante em gênero ou número (ou ambos) diferentes

a)Agachada embaixo da mesa, nus, a criançada


miúda, de dois a cinco anos…

Exemplo b)Veja que agachada e miúda concordam com a


forma gramatical criançada, enquanto nus o faz
levando-se em conta seu sentido (grupo de
meninos de dois a cinco anos).

02.2.4 - A palavra determinada aparece no singular e mais


adiante o determinante no plural em virtude de se submeter
aquela no plural

a)Amigo, não compre livro pelo título: ainda que


pareçam ser muito bons, às vezes, são péssimos.
Exemplo
b)Ela nunca me disse em que ano começou esse
namoro e nem quantos ficou com ele.

02.3 - Outros casos de concordância nominal

02.3.1. Um e outro, nem um nem outro


Um e outro / Nem um nem outro + Substantivo
Quando as expressões "um e outro", "nem um nem outro" são seguidas de
um substantivo, este permanece no singular.

16
Aula 03 – Concordância e Regência

a)Um e outro aspecto.

Exemplo b)Nem um nem outro argumento.

c)De um e outro lado.

Um e outro + Substantivo + Adjetivo


Quando um substantivo e um adjetivo vêm depois da expressão "um e
outro", o substantivo vai para o singular e o adjetivo para o plural.

a)Uma e outra causa juntas.


Exemplo
b)Um e outro aspecto obscuros.

02.3.2 - Mesmo, próprio, só

Concordam com a palavra determinada em gênero e número:

a)Ele mesmo disse a verdade. Ela mesma disse a


verdade.
Exemplo b)Elas próprias foram ao local.
c)Nós não estamos sós.
d)Eles sós podem resolver essa questão.

02.3.3 - Menos e somenos


É preciso prestar bastante atenção para não fazer a concordância de
"menos" com o substantivo seguinte.

17
Aula 03 – Concordância e Regência

a) Mais amores e menos vaidade. (e não menas)

b) Quanto menos gente, melhor! (e não menas)


Exemplo
O mesmo vale para somenos. (de menor valor)
c) Há neles coisas boas e más e somenos. (e não
somenas)

02.3.4 - Leso

Leso é um adjetivo e não uma forma do verbo "lesar". Assim há de


concordar com o seu determinante em gênero e número.

a)Trata-se de um crime de leso-gosto e lesa-


seriedade.
Exemplo
b)Existem crimes de lesa-pátria ou leso-
patriotismo.

02.3.5 - Anexo, apenso e incluso

Enquanto adjetivos concordam com a palavra determinada em gênero


e número.
a) Correm anexos (conclusos, apensos) ao processo
vários documentos.
Exemplo
b) Vai anexa (inclusa, apensa) a declaração.

18
Aula 03 – Concordância e Regência

Importante

Usa-se invariável em anexo, em apensa.

a)Vai em anexo (em apenso) a declaração.


Exemplo
b)Vão em anexo ( em apenso) as declarações.

02.3.6 - Dado e visto


Se usados adjetivamente, concordam em gênero e número com o
substantivo determinado.
a) Dado (visto) o problema, desistimos de comprar a

Exemplo casa.

b) Dadas (vistas) as circunstâncias, fomos embora.

02.3.7 - Meio
Com o valor de metade, usado adjetivamente, concorda em gênero e
número com o termo determinado, claro ou oculto:
a) Era meio-dia e meia (e meia hora).
Exemplo
b) Rodamos cerca de oito e meio quilômetros.

02.3.8 - Pseudo e todo


Usados em termos compostos ficam invariáveis.
a) A pseudo-harmonia do universo o intrigava.
Exemplo
b) A fé todo-poderosa que me guia é minha salvação.

19
Aula 03 – Concordância e Regência

02.3.9 - Tal e qual


Tal, como todo determinante, concorda em gênero e número com o
determinado.
a) Tal ideia é absurda.
Exemplo
b) Tais razões não me convencem.

Em correlação, tal qual também procedem à mesma concordância:

a) Ele não era tal quais seus primos.


Exemplo
b) Os filhos são tais quais os pais.

Importante
1.Em lugar de tal qual, podem aparecer: tal e qual, tal ou qual.
2.Não confundir tal qual flexionáveis com tal qual, tal qual como
invariáveis que equivalem “como”:

a) Ouvia-se um barulho a noite inteira, tal qual


Exemplo
como fogos de artifício a estourar.

02.3.10 - Possível
Com o mais possível, o menos possível, o melhor possível, o pior possível,
quanto possível, o adjetivo possível fica invariável, ainda que se afaste da
palavra mais:
a)Paisagens o mais possível belas.
Exemplo b)Paisagens o mais belas possível.
c)Paisagens quanto possível belas.

20
Aula 03 – Concordância e Regência

Com o plural os mais, os menos, os piores, os melhores, o adjetivo


possível vai ao plural:

Exemplo a) Paisagens as mais belas possíveis.

Estão erradas as concordâncias:

Exemplo a) Paisagens as mais belas possível.

Fora esses casos, a concordância de possível se processa normalmente:

Exemplo a) Todos os detalhes possíveis que você imaginar…

02.3.11 - A olhos vistos


É tradicional o emprego da expressão a olhos vistos no sentido de
claramente, visivelmente, em referência a nomes femininos ou masculinos:

Exemplo a) As coisas permaneciam piores a olhos vistos.

Mais rara, porém correta, é a concordância de visto com a pessoa ou


coisa que se vê:

a) As minhas forças acabavam a olhos vistos a cada dia.


Exemplo b) Ela engordou a olhos vista. (Seria o mesmo que dizer:
Ela engordou vista a olhos.)

02.3.12 - É necessário paciência


Com as expressões do tipo é necessário, é bom, é preciso, significando “é
necessário ter”, o adjetivo pode ficar invariável, qualquer que seja o gênero

21
Aula 03 – Concordância e Regência

e o número do termo determinado, quando se deseja fazer uma referência


de modo vago ou geral. Poder-se-á também fazer, normalmente, a
concordância:

a)É necessário paciência.

b)É necessária muita paciência.


Exemplo
c)Foi precisa a explicação.

d)Eram precisos todos estes homens.

Importante

A flexão de necessária (s) é mais frequente que a de precisa.

02.3.13 - Adjetivo composto

Nos adjetivos compostos de dois ou mais elementos referidos a


nacionalidades, a concordância em gênero e número com o determinado só
ocorrerá no último adjetivo composto.

a)Acordo luso-brasileiro.

Exemplo b)Amizade luso-brasileira.

c)Lideranças luso-brasileiras.

02.3.14 - Alguma coisa boa ou alguma coisa de bom


Em "alguma coisa boa", e semelhantes, o adjetivo concorda com o
termo determinado.

a) Pela sua cabeça passava alguma coisa


Exemplo
extraordinária.

22
Aula 03 – Concordância e Regência

Em "alguma coisa de bom", e semelhantes, o adjetivo não concorda


com coisa, sendo empregado neutramente (como algo de novo, nada de
extraordinário, nada de trágico etc.).

Por atração, pode-se fazer a concordância do adjetivo com o termo


determinado que funciona como sujeito da oração.

a)A sua infância nada tinha de engenhosa.


Exemplo b)Se os homens não tivessem alguma coisa de
loucos seriam incapazes de heroísmo.

02.3.15 - A concordância com numerais

Quando se empregam os cardinais pelos ordinais, não ocorre a flexão.

Exemplo a) Página um. Figura vinte e um.

Importante
Na linguagem jurídica diz-se: A folhas vinte e uma. A folhas
quarenta e duas.
1.Embora se tenha usado o substantivo no singular precedido de
numeral combinado com um, uma, a preferência atual é pô-lo no
plural: vinte e um dias, as mil e uma noites etc.
2.Milhar e milhão são masculinos e, portanto, não admitem seus
adjuntos postos no feminino a concordar com o núcleo substantivo
feminino.

a) Os milhares de pessoas (e não as milhares).


Exemplo
b) Os milhões de crianças (e não as milhões).

23
Aula 03 – Concordância e Regência

02.3.16 - A concordância com os adjetivos designativos de


nomes de cores

Surgem as incertezas quando o nome de cor é constituído de dois


adjetivos. Nesse caso, a prática tem sido deixar o primeiro invariável na
forma do masculino e fazer a concordância do segundo com o substantivo
determinado.

a) bolsa amarelo-clara;
b) calças verde-escuras;
Exemplo
c) olhos verde-claros;
d) onda azul-esverdeada.

a) azul-marinho e azul-celeste, como adjetivo,


ficam invariáveis.
Exceção
b) jaquetas azul-marinho.
c) olhos azul-celeste.

Ambos os elementos ficam invariáveis nos adjetivos compostos que


designam cores quando o segundo elemento é um substantivo.

a)olhos verde-água;
b)lençol azul-turquesa;
Exemplo
c)uniformes verde-oliva;

d)bolsa amarelo-limão.

03 - Concordância Verbal
OBJETIVO: Nosso objetivo neste tópico é fazer com que você reconheça a
importância da concordância verbal tanto para a produção escrita quanto
oral, e ainda que você conheça e compreenda as possibilidades de uso da
concordância verbal, conforme a situação de comunicação em que estejam
envolvido, seja por meio da fala ou da escrita.

24
Aula 03 – Concordância e Regência

Vamos começar?
Leia o texto a seguir que é uma música do grupo Ultraje a Rigor.
Assista ao vídeo, também, se quiser no link:(https://youtu.be/aHCZza8Vcp8 )
Inútil (Ultraje a Rigor) A gente somos inútil
A gente não sabemos escolher Inútil!
presidente A gente somos inútil
A gente não sabemos tomar conta da Inútil!
gente A gente somos inútil
A gente não sabemos nem escovar os Inútil!
dente A gente somos inútil
Tem gringo pensando que nóis é A gente faz música e não consegue
indigente gravar
Inútil! A gente escreve livro e não consegue
A gente somos inútil publicar
Inútil! A gente escreve peça e não consegue
A gente somos inútil encenar
Inútil! A gente joga bola e não consegue
A gente somos inútil ganhar
Inútil! Inútil!
A gente somos inútil A gente somos inútil
A gente faz carro e não sabe guiar Inútil! A gente somos inútil
A gente faz trilho e não tem trem pra Inútil!
botar A gente somos inútil
A gente faz filho e não consegue criar Inútil!
A gente pede grana e não consegue A gente somos inútil
pagar Fonte: https://www.letras.mus.br/ultraje-
Inútil! a-rigor/49189/

Agora, responda:
a. No aspecto sintático da concordância verbal existe regularidade?
Justifique sua resposta.

b. Que expressões denotam a variedade informal da língua? Essas


expressões circulam na sociedade?

c. Apresente exemplos de frases diferentes usando "a gente".

25
Aula 03 – Concordância e Regência

Vamos relembrar o conceito de Concordância Verbal, que


vimos no tópico 1 desta aula?

Concordância verbal é a concordância em número e pessoa entre o


sujeito (e, às vezes, o predicativo) e o verbo da oração. Ela pode ser
regular ou irregular.

a)Tu tinhas razão quando falaste.

Exemplo b)Carlos e João saíram juntos.

c)A maior parte das pessoas aqui é rica.

Do mesmo modo que na aula sobre Concordância Nominal,


organizaremos algumas regras de concordância verbal em três partes:
Concordância de palavra para palavra;
Concordância de palavra para sentido (inferência);
Outros casos de concordância verbal.

Vamos começar?

03.1 - Concordância de palavra para palavra

03.1.1 - Há um só sujeito
Às vezes, um só sujeito simples, referido a uma só pessoa ou coisa,
desdobra-se em dois, dando a aparência formal de um sujeito composto:

a) Meu pai e melhor amigo soube me ensinar o que


Exemplo
é certo.

26
Aula 03 – Concordância e Regência

Se o sujeito for simples e singular, o verbo irá para o singular,


ainda que seja um coletivo.

a)A vida é cheia de surpresas.


Exemplo
b)Povo sem lealdade não alcança estabilidade.

Se o sujeito for simples e plural, o verbo irá para o plural.

a) Os bons conselhos não devem ser desprezados.


Exemplo
b) Os vícios corrompem qualquer ser humano.

03.1.2 - Há mais de um sujeito


Se o sujeito for composto, o verbo irá, normalmente, para o plural,
qualquer que seja a sua posição em relação ao verbo.

a)Os ódios civis, as ambições, a ousadia dos


bandos e a corrupção dos costumes haviam feito
Exemplo
incríveis progressos.
b)Estavam sempre doentes, mãe, pai e filho.

03.2 - Concordância de palavra para sentido


(inferência)

Quando o sujeito simples é constituído de nome ou pronome no


singular que se aplica a uma coleção ou grupo, o verbo irá para o singular.

27
Aula 03 – Concordância e Regência

Se houver uma certa distância entre o sujeito e o


verbo e se quiser acentuar a ideia de plural do coletivo,
não há problema em pôr o verbo no plural.
a.O povo começou a se lamentar, e o arrastaram
Exemplo até o meio do campo, o assassinaram e o
queimaram sem deixar pistas.
b.A gente vai sempre negar que a situação não
melhorou, mas daqui a pouco, não temos mais
como negar isso.

03.3 - Outros casos de concordância verbal

03.3.1 - Sujeito constituído por pronomes pessoais


Se o sujeito composto é constituído por diferentes pronomes pessoais
em que entra eu ou nós, o verbo irá para a 1ª pessoa do plural:

Exemplo a) Vínhamos da missa ela, o pai e eu.

Se na série entra tu ou vós e nenhum pronome de 1ª pessoa, o verbo


irá, normalmente, para a 2ª pessoa do plural:

b) Pois te digo que teu irmão voltará e tereis (isto


Exemplo
é, tu e ele) muitas alegrias juntos.

28
Aula 03 – Concordância e Regência

Importante

Na língua contemporânea, foi desaparecendo o tratamento com o


pronome vós. Desse modo, a norma consagrou o verbo na 3ª pessoa
do plural.

a) Pois te digo que teu irmão voltará e terão (isto é,


Exemplo
tu e ele) muitas alegrias juntos.

03.3.2 - Sujeito ligado por série aditiva enfática


Se o sujeito composto tem os seus núcleos ligados por série aditiva
enfática (não só… mas, tanto… quanto, não só… como etc.), o verbo concorda
com o mais próximo ou vai ao plural (o que é mais comum quando o verbo
vem depois do sujeito).

a) Tanto o proprietário como o inquilino havia


concordado que a casa precisaria de reformas.
Exemplo
b)Não só a mãe, mas também o pai decidiram
mudar o filho de escola.

03.3.3 - Sujeito ligado por “com”


Se o sujeito no singular é seguido imediatamente de outro no singular
ou no plural mediante a preposição "com", ou locução equivalente, o verbo
pode ficar no singular, ou ir ao plural para realçar a participação simultânea
na ação:
a)O professor, com todos os seus alunos, estava fora
da escola em uma aula de campo.
Exemplo
b)Os avisos não evitaram que o menino, com os dois
cães, sujassem todo o tapete da sala.

29
Aula 03 – Concordância e Regência

03.3.4 - Sujeito ligado por “nem… nem”


O sujeito composto ligado pela série aditiva negativa "nem… nem"
leva o verbo normalmente ao plural e, às vezes, ao singular:

a) Nem o cansaço do trabalho, nem o hábito dormir


Exemplo
cedo puderam impedi-la de ir à festa.

Atenção

Quando o sujeito é formado pela série "nem um… nem outro", o


verbo, geralmente, fica no singular, embora o plural também seja
praticado.

a)Nem um nem outro compareceu ao exame.


Exemplo
b)Nem um nem outro saíram da escola.

03.3.5 - Sujeito ligado por “ou”


O verbo concordará com o sujeito mais próximo se a conjunção indicar
exclusão ou equivalência.
a)A doença ou a idade impossibilitou-o de ganhar seu
próprio sustento. (Por exclusão)
Exemplo
b)O professor ou o nosso segundo pai merece o
respeito da pátria identidade (Por equivalência).

Importante

Se a ideia expressa pelo predicado puder referir-se a toda a série


do sujeito composto, o verbo irá, geralmente, para o plural.

30
Aula 03 – Concordância e Regência

a)A nulidade ou a validade do contrato eram


assunto de direito civil.
Exemplo
b)A ignorância ou errada compreensão da lei
não o livraram da pena.

03.3.6 - Sujeito representado por expressão como “a


maioria de”
Se o sujeito é representado por expressões do tipo a maioria de, a
maior parte de, grande parte de, parte de e um nome no plural, o verbo irá
para o singular ou plural.

a)A maior parte dos alunos recusou a mudança de


horário das aulas.
Exemplo
b)Grande parte dos comerciantes resolveram
fechar as portas mais cedo.

03.3.7 - Sujeito representado por “cada um de + plural”


Nesse caso, o verbo fica no singular.

a) Cada um dos concorrentes deve preencher


Exemplo corretamente as fichas de inscrição (e não: devem
preencher!).

03.3.8 - Concordância do verbo ser


Tal como ocorre com os demais verbos, a relação sintática mais comum
com o verbo “ser” é que sujeito e verbo concordem em número.

31
Aula 03 – Concordância e Regência

a)José era um aluno aplicado.


Exemplo b)Os dias de inverno são menores que os de
verão.

Atenção
Em alguns casos, o verbo “ser” se acomoda à flexão do predicativo,
especialmente quando está no plural.

Vamos a esses casos?

I. Quando o sujeito do verbo ser é um dos pronomes: isto, isso, aquilo,


tudo, ninguém, nenhum ou expressão de valor coletivodo tipo: de o
resto, o mais etc.

Exemplo a) Tudo eram alegrias e cânticos.

II. Quando o sujeito do verbo ser é constituído pelos pronomes


interrogativos quem, que, o que.

a) O que são comédias?


Exemplo b) Quem eram os convidados?
c) Não sei quem são os vencedores.

III. Quando o verbo ser é empregado impessoalmente, isto é, sem sujeito,


nas designações de horas, datas, distâncias.

a)São dez horas? Ainda não o são.


Exemplo b)Hoje são 15 de agosto.
c)Da estação à fazenda são três léguas a cavalo.

32
Aula 03 – Concordância e Regência

Curiosidade
Nas datas, admitem-se as seguintes construções.

a) Hoje é quinze de janeiro.

Exemplo b) Hoje são quinze de janeiro.


c) Hoje é dia quinze de janeiro.

Importante

Se o predicativo plural vier precedido da expressão perto de, o


verbo poderá vir no singular.

Exemplo a) Era perto de duas horas quando saiu da janela.

IV. Quando o verbo “ser” aparece nas expressões é muito, é pouco, é mais
de, é tanto e o sujeito é representado por termo no plural que denota
preço, medida ou quantidade.

a)Sessenta homens é muita gente para uma casa


Exemplo tão pequena.
b)Dez reais é pouco.

33
Aula 03 – Concordância e Regência

Dica

Se o sujeito está representado por pronome pessoal, o verbo


“ser” concorda com o sujeito, qualquer que seja o número do termo
que funciona como predicativo.

Exemplo a) Ela era as preocupações do pai.

03.3.9 - A concordância com "mais de um"


Depois de mais de um o verbo é em geral empregado no singular,
sendo raro o aparecimento de verbo no plural.

a)Mais de um funcionário tem reclamado do


horário.
Exemplo
b)Sei que há mais de um que não se
envergonham dela.

03.3.10 - A concordância com os pronomes relativos


I. Se o sujeito da oração é o pronome relativo “que”, o verbo concorda
com o antecedente, desde que este não funcione como predicativo de outra
oração.

a)Ele sempre economizava as quantias de dinheiro


Exemplo que sobravam dos leilões.
b)O medo que tens hoje não te deixará amanhã.

II. Se o antecedente do sujeito "que" for um pronome demonstrativo, o


verbo da oração adjetiva vai para a 3ª pessoa.

34
Aula 03 – Concordância e Regência

a) Aquele que trabalha acredita num futuro melhor.


Exemplo b) Aqueles que trabalham acreditam num futuro
melhor.

III. Se o antecedente do pronome relativo funciona como predicativo, o


verbo da oração adjetiva pode concordar com o sujeito de sua principal ou
ir para a 3ª pessoa.

a)Sou eu o primeiro que não sei classificar este


livro?
Exemplo
b)Fui o aluno que conseguiu classificação para as
Olimpíadas de Matemática.

Atenção

É de forte rigor a concordância do verbo "ser" com o sujeito nas


expressões de tipo: sou eu que, és tu que, foste tu que etc.

a)Não fui eu que o assassinei.


Exemplo
b)Foste tu que me buscaste?

Se ocorrer o pronome "quem", o verbo da oração subordinada vai para


a 3ª pessoa do singular.

Exemplo a) És tu quem me dá força diante das dificuldades.

03.3.11 - A concordância com os verbos impessoais


Nas orações sem sujeito, o verbo assume a forma de 3ª pessoa do
singular:

35
Aula 03 – Concordância e Regência

a)Há vários nomes aqui.


b)Deve haver cinco premiados.
Exemplo
c)Não o vejo há três meses.

d)Não o vejo faz três meses.

03.3.12 - A concordância com "dar" (e sinônimos) aplicada a


horas
Se aparece o sujeito "relógio", com ele concorda o verbo da oração:

Exemplo a) O relógio deu duas horas.

Não havendo o sujeito "relógio", o verbo concorda com o sujeito


expresso pela expressão numérica.

Exemplo a) No relógio deram duas horas.

03.3.13 - A concordância com o verbo na voz passiva


pronominal
A língua padrão pede que o verbo concorde com o termo que a
gramática aponta como sujeito.

a)Alugam-se casas.

Exemplo b)Vendem-se apartamentos.

c)Fazem-se chaves.

36
Aula 03 – Concordância e Regência

03.3.14 - A concordância na locução verbal


Havendo locução verbal, cabe ao verbo auxiliar concordar com o
sujeito.

a) Em reuniões, algumas objeções costumam-se


Exemplo fazer.
b) As estrelas parecem brilhar.

03.3.15 - A concordância com a expressão “não (nunca)…


senão”

O verbo concorda com o sujeito que se interpõe na expressão


exceptiva “não… senão” (ou mais que).

a) Ninguém votou contra o projeto senão nós três.


Exemplo
b) Não haveria outro culpado senão tu.

03.3.16 - A concordância com títulos no plural


Geralmente, se usa o verbo no plural.

a) Os Lusíadas pressupõem a redenção do povo


Exemplo
português.

Com o verbo ser e predicativo no singular pode ocorrer o singular:

Exemplo a) As Cartas Persas é um livro genial.

37
Aula 03 – Concordância e Regência

03.3.17 - A concordância com “haja vista”


A construção mais natural e frequente da expressão “haja vista”, com o
valor de “veja”, é ter invariável o verbo, qualquer que seja o número do
substantivo seguinte:

a) Haja vista os exemplos disso na obra de


Exemplo
Saramago.

Pode-se construir com o verbo no singular e substantivo seguinte à


expressão precedido das preposições "a" ou "de":

Exemplo a) Haja vista dos elos que eles representam.

03.3.18 - A concordância do verbo com sujeito oracional


Fica no singular o verbo que tem por sujeito uma oração, que, tomada
materialmente, vale por um substantivo do número singular e do gênero
masculino.

a) Parece que tudo vai bem.


Exemplo
b) É bom que compreendas estas razões.

03.3.19 - Concordância nas expressões de porcentagem

Nas linguagens modernas em que entram expressões numéricas de


porcentagem, a tendência é fazer concordar o verbo com o termo
preposicionado que especifica a referência numérica:

38
Aula 03 – Concordância e Regência

a) Trinta por cento do Brasil assistiu à transmissão


dos jogos da Copa.
b) Trinta por cento dos brasileiros assistiram aos
Exemplo jogos da Copa.
c) Dois por cento da assistência detestou o filme.
d) Dois por cento dos espectadores detestaram o
filme.

Pratique

Após o estudo das principais regras de Concordância Verbal, identifique


as incorreções nas orações abaixo.

a.Pela rua deserta, caminhavam ela, o marido e eu.


b.Era cerca de seis homens.
c.Vende-se picolés.
d.Fazem três anos que não vejo meus pais.

A-______________

B-______________

C-______________

D-______________

RESPOSTA:
RESPOSTA: a)
a) caminhávamos;
caminhávamos; b)
b) eram;
eram; c)vendem-se;
c)vendem-se; d)faz
d)faz

04 - Regência Nominal
OBJETIVO: Esperamos que, ao final do estudo deste tópico, você esteja
apto a:

39
Aula 03 – Concordância e Regência

compreender a relação de dependência que se estabelece entre


alguns nomes – substantivos, adjetivos e advérbios – e seus complementos;
reconhecer que um mesmo nome pode apresentar diferentes
regências em diferentes contextos;
reconhecer e usar os principais mecanismos de regência nominal, de
forma produtiva e autônoma;
compreender as normas de regência nominal, de acordo com a
variedade padrão da língua portuguesa;
verificar, por meio de atividades propostas, a função semântico-
discursiva da regência nominal na construção do texto.

Pratique

No fragmento de frase do primeiro quadrinho “... papai era o homem certo


pra você?”

1. Qual é o termo regente do termo destacado?


2. Que tipo de regência ocorre, nesse caso?
3. Na oração “Eu estava em frente a uma catedral”, qual é a regência
nominal?
1 -_____________
2 -_____________
3 -_____________

RESPOSTA:1-
RESPOSTA:1- certo;
certo; 2-
2- regência
regência nominal;
nominal; 3-em
3-em frente
frente uma
uma catedral
catedral
RESPOSTA: 1- certo; 2- regência nominal; 3-em frente uma catedral

40
Aula 03 – Concordância e Regência

Após observarmos como se dá a ocorrência de regência no


âmbito textual, passamos agora a aprofundar o conceito de
Regência Nominal. Vamos nessa?

Na língua portuguesa, alguns nomes (substantivos, adjetivos ou


advérbios) não encerram o sentido em si mesmos e, portanto, precisam de
elementos que os complementem, o que chamamos de Complemento
Nominal.
Segundo Bechara (2015, p. 581), a regência, em seu sentido mais
restrito, trata-se de um processo sintático em que uma palavra
(determinante) subordina outra palavra (determinada), em construções
analíticas, marcadas pela preposição.

Vejamos a seguir alguns casos:

a)Ele tinha fortes lembranças das brincadeiras de


infância.
Exemplo
b)As argolas do caixão foram seguras pelos cinco
familiares.

Apresentamos a seguir vários nomes acompanhados da preposição ou


preposições que os regem.

Substantivos
Admiração a, por Devoção a, para, com, por Medo de
Aversão a, para, por Doutor em Obediência a
Dúvida acerca de, em,
Atentado a, contra Ojeriza a, por
sobre
Bacharel em Horror a Proeminência sobre

Impaciência com Respeito a, com, para com,


Capacidade de, para
por

41
Aula 03 – Concordância e Regência

Adjetivos
Acessível a Entendido em Necessário a
Acostumado a, com Equivalente a Nocivo a
Agradável a Escasso de Paralelo a
Alheio a, de Essencial a, para Passível de
Análogo a Fácil de Preferível a
Ansioso de, para, por Fanático por Prejudicial a
Apto a, para Favorável a Prestes a
Ávido de Generoso com Propício a
Benéfico a Grato a, por Próximo a
Capaz de, para Hábil em Relacionado com
Compatível com Habituado a Relativo a
Contemporâneo a, de Idêntico a Satisfeito com, de, em, por
Contíguo a Impróprio para Semelhante a
Contrário a Indeciso em Sensível a
Descontente com Insensível a Sito em
Desejoso de Liberal com Suspeito de
Diferente de Natural de Vazio de

Adjetivos
Longe de
Perto de

Disponível em:(http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/sint71.php )

05 - Regência Verbal
OBJETIVO: Esperamos que, ao final do estudo deste tópico, você esteja
apto a:

42
Aula 03 – Concordância e Regência

reconhecer a estrutura dos períodos;


reconhecer conceitos de predicação e de transitividade verbal;
reconhecer diferenças entre a norma padrão e o uso não padrão de
regência verbal em diferentes textos;
relacionar aspectos do sentido das formas verbais aos aspectos de
regência verbal.

Pratique
A outra noite - Rubem Braga
Outro dia fui a São Paulo e resolvi voltar à noite, uma noite de vento sul e chuva,
tanto lá como aqui. Quando vinha para casa de táxi, encontrei um amigo e o
trouxe até Copacabana; e contei a ele que lá em cima, além das nuvens, estava um
luar lindo, de lua cheia; e que as nuvens feias que cobriam a cidade eram, vistas de
cima, enluaradas, colchões de sonho, alvas, uma paisagem irreal.

Depois que o meu amigo desceu do carro, o chofer aproveitou o sinal fechado
para voltar-se para mim:

__ O senhor vai desculpar, eu estava aqui a ouvir sua conversa. Mas, tem mesmo
luar lá em cima?

Confirmei: sim, acima da nossa noite preta e enlamaçada e torpe havia uma outra -
pura, perfeita e linda.

__ Mas, que coisa...

Ele chegou a pôr a cabeça fora do carro para olhar o céu fechado de chuva. Depois
continuou guiando mais lentamente. Não sei se sonhava em ser aviador ou
pensava em outra coisa.

__ Ora, sim senhor... E, quando saltei e paguei a corrida, ele me disse um "boa
noite" e um "muito obrigado ao senhor" tão sinceros, tão veementes, como se eu
lhe tivesse feito um presente de rei.

Disponível em: http://www.eeagorajose.kit.net/estilos/croanoitebraga.htm

1.Qual é a outra noite referida pelo narrador?

43
Aula 03 – Concordância e Regência

2.O taxista duvidou da possibilidade de existir uma outra noite?

3.Qual foi o "presente de rei" do narrador ao taxista?

4.Qual a regência verbal dos verbos destacados?

Reflita

Qual a importância da regência verbal na construção dos textos?

Agora, conheceremos melhor alguns processos de Regência


Verbal! Vamos lá?

Já vimos acima que a Regência Verbal é a relação de subordinação


que ocorre entre um verbo e seus complementos.

Geralmente, ouvimos as pessoas falando: “A rua que eu moro”, “Os


países que eu fui”, “A comida que eu mais gosto”. Pela norma culta da
Língua Portuguesa, o correto seria dizer “A rua em que moro”, “Os países a
que fui” e “A comida de que mais gosto.

Para fins de estudo de Regência, devemos nos voltar à classificação


sintática dos verbos em Língua Portuguesa, os quais podem ser:

05.1 - Intransitivos
São os verbos que não necessitam ser completados. Esses verbos
sozinhos indicam a ação ou o fato.
I. Verbos como: comparecer, chegar, ir, vir, voltar, cair e dirigir-se, apesar
de serem considerados intransitivos, aparentam ter
complemento:“Quem vai, vai a algum lugar, no entanto a indicação de
lugar é circunstância, não complementação. A regência desses verbos

44
Aula 03 – Concordância e Regência

exige a preposição "a" na indicação de destino e "de" na indicação de


procedência.

a)Irei a Fortaleza.
b)Vou a São Paulo.
Exemplo
c)Jesus dirigiu-se aos apóstolos.
d)Cheguei de Curitiba há meia hora.

Atenção

A crase ocorrerá quando houver um verbo intransitivo regendo a


preposição a, seguido de um substantivo feminino, que exija o artigo
"a".

II. Morar, residir e situar-se são intransitivos, mas costumam estar


acompanhados de adjunto adverbial, regendo a preposição em.

a)Moro em Maceió.
Exemplo
b)Minha loja situa-se na avenida principal.

05.2 - Verbos Transitivos Diretos


São verbos que indicam que o sujeito pratica a ação, sofrida por outro
termo, denominado objeto direto.

I. Desfrutar, usufruir e compartilhar são verbos transitivos diretos muito


usados com a preposição de.

a) Usufrui dos bens deixados por meu pai.


Exemplo b)Desfrutaremos da aposentadoria na velhice.
c)Ele compartilhou do meu sofrimento.

45
Aula 03 – Concordância e Regência

05.3 - Verbos Transitivos Indiretos


São verbos que se ligam ao complemento por meio de uma preposição.
Seu complemento é chamado de objeto indireto. O objeto indireto pode ser
representado por substantivo, oração subordinada substantiva objetiva
indireta ou pronome oblíquo.

Obedeceu ao chefe

Exemplo Obedeceu a ele


Obedeceu-lhe.

I. Alguns verbos como por exemplo, assistir, aludir, referir-se, aspirar,


recorrer e depender apresentam modos particulares de Regência
Verbal.
a)Todos falam desse filme, mas eu não assisti (ver)
a ele ainda.
Exemplo b)Ele aspira (desejar) a um cargo melhor na
empresa.
c)Manoel referiu-se à vizinha com desdém.

Curiosidade
O verbo assistir é majoritariamente usado com o sentido de ver.
Como vimos, ele é regido pela preposição “a”. No entanto, na
linguagem do dia a dia (ou coloquial), há uma forte tendência à
omissão da preposição “a”.

A tirinha que segue, ilustra o uso da norma culta e da linguagem


coloquial. Nos dois primeiros quadrinhos, há o uso com a preposição
“a+o= ao“ (transitivo indireto), mas no terceiro quadrinho notamos o uso
sem a preposição “a” (transitivo direto).

46
Aula 03 – Concordância e Regência

II. O verbo constar com o sentido de “estar registrado” ou “incluir-se”,


emprega a regência Verbal com o uso das preposições de e em.

a) Seu nome consta da lista de aprovados.


Exemplo
b) Consta nos autos que a ré confessou o crime.

Já quando "constar" tem o significado de “ser composto”, usa-se


apenas a preposição de.

47
Aula 03 – Concordância e Regência

Exemplo c) Seu relatório constava de 50 páginas.

III. Obedecer e Desobedecer a

Exemplo a) Obedeço a todas as regras da empresa.

IV. Revidar a

Exemplo a) Ele revidou ao ataque instintivamente.

V. Responder a

Exemplo a) Respondeu aos testes rapidamente.

VI.Simpatizar e Antipatizar com

Exemplo a) Sempre simpatizei com ele, mas antipatizo com


seu irmão.

Veja a seguir uma lista de exemplos de verbos transitivos indiretos e


observem que preposições exigem.

Verbo abdicar: abdicar de.


Verbo advertir: advertir a.
Verbo agradar: agradar a.
Verbo agradecer: agradecer a.
Verbo aspirar: aspirar a.

48
Aula 03 – Concordância e Regência

Verbo assistir: assistir a, assistir em.


Verbo avisar: avisar a, avisar de.
Verbo chegar: chegar a, chegar de, chegar para.
Verbo comparecer: comparecer a, comparecer em.
Verbo comunicar: comunicar a.
Verbo dedicar: dedicar a.
Verbo desagradar: desagradar a.
Verbo desdenhar: desdenhar de.
Verbo empatar: empatar em, empatar por, empatar com.
Verbo emprestar: emprestar a, emprestar de, emprestar para.
Verbo esquecer: esquecer de.
Verbo gostar: gostar de.
Verbo impedir: impedir de, impedir que.
Verbo implicar: implicar com.
Verbo informar: informar de.
Verbo ingressar: ingressar em.
Verbo ir: ir a, ir de, ir para.
Verbo lembrar: lembrar de.
Verbo mexer: mexer em, mexer com, mexer de.
Verbo namorar: namorar com.
Verbo necessitar: necessitar de.
Verbo obedecer: obedecer a.
Verbo pagar: pagar a.
Verbo pedir: pedir a.
Verbo perdoar: perdoar a.
Verbo precisar: precisar de.

49
Aula 03 – Concordância e Regência

Verbo preferir: preferir a.


Verbo prevenir: prevenir a.
Verbo proceder: proceder a.
Verbo querer: querer a.
Verbo residir: residir em.
Verbo responder: responde a.
Verbo sentar: senta a, sentar em.
Verbo simpatizar: simpatizar com.
Verbo suceder: suceder a.
Verbo tratar: tratar de.
Verbo usufruir: usufruir de.
Verbo visar: visar a.
Verbo voltar: voltar a, voltar de, voltar para.
Verbo morar: morar em.
Disponível em: (https://www.conjugacao.com.br/regencia-verbal/)

05.4 - Verbos bitransitivos


Também chamados de transitivos diretos e indiretos, são os verbos
que possuem os dois complementos – um objeto direto e um objeto
indireto.
I. Agradecer, pagar e perdoar são verbos transitivos diretos e indiretos,
regidos pela preposição "a". O objeto direto sempre será a coisa, e o
objeto indireto, a pessoa.

a)Agradeceu a gentileza ao cavalheiro.


Exemplo
b)Pagou o cheque ao proprietário do imóvel.

II. O verbo pedir rege as preposições a ou para.

50
Aula 03 – Concordância e Regência

Exemplo a) Pedimos a todos que trouxessem os livros.

O verbo pedir pede objeto direto de coisa e indireto de pessoa a quem


se pede:

Exemplo a) Pedi-lhe (objeto indireto) um favor (objeto direto).

Se o objeto direto é licença (ou equivalente), pode-se acrescentar uma


oração adverbial de fim que indique o objetivo do pedido:

Exemplo a) Pediu-lhe licença para sair (ou para que saísse).

Atenção

É inadequado à norma culta da língua: "Pedir para que alguém faça


algo".

III. O verbo "preferir" é verbo transitivo direto e indireto e rege a


preposição "a", e não admite, na modalidade culta da língua,
expressões de ênfase, como: mais, muito mais, mil vezes.
a) Prefiro estar só a ficar mal acompanhado.
Exemplo
b) Prefiro cinema a teatro.

IV. Os verbos: informar, avisar, advertir, certificar, comunicar, lembrar,


noticiar, notificar e prevenir são verbos transitivos diretos e indiretos,
admitindo duas construções:
“Quem informa, informa algo a alguém”.

“Quem informa, informa alguém de/sobre algo.”

51
Aula 03 – Concordância e Regência

a)Avisamos aos usuários sobre as novas datas do


cadastramento.
Exemplo
b)Informamos as novas datas do cadastramento
aos usuários.

52
Aula 03 – Concordância e Regência

Referências
BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa: nova edição
revista e ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015
LIMA, Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa . 49.ed. Rio de
Janeiro: José Olympio, 2011.
MARTINS, D.; ZILBERKNOP, L. Português Instrumental. São Paulo: Atlas,
2010.

SITES CONSULTADOS
https://www.conjugacao.com.br/regencia-verbal/ 
https://www.normaculta.com.br/regencia-nominal/
http://www.eeagorajose.kit.net/estilos/croanoitebraga.htm
http://www.educador.brasilescola.uol.com.br
http://www.portaldoprofessor.mec.gov.br

53

Você também pode gostar