Você está na página 1de 198

Simulados e

Prova da
DPE-RJ
Cargo: Defensor(a)
Com Gabaritos
1º SIMULADO GRATUITO DA PROVA OBJETIVA
DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE
JANEIRO – FESUDEPRJ

BANCA I
QUESTÃO 01

Júlio, casado pelo regime da comunhão parcial de bens com Alice, tem duas filhas
deste casamento: Lúcia e Maria. No dia 20 de dezembro de 2020, Júlio e Lúcia
faleceram em razão de acidente automobilístico, sem que tenha sido possível
provar o exato momento da morte de cada um. Considerando que Lúcia faleceu no
estado civil de casada pelo regime da comunhão universal de bens com Jorge e não
deixou descendentes, assinale a alternativa correta:

a) Caso Júlio tenha deixado apenas bens particulares, sua herança será partilhada
entre Alice, Lúcia e Maria, sendo certo que Jorge fará jus ao recebimento da cota-parte
de Lúcia, na qualidade de único herdeiro da mesma.
b) Caso Júlio tenha deixado apenas bens comuns de sua união com Alice, sua
herança será entregue apenas a Maria.
c) Alice será única herdeira de Lúcia no recebimento da herança desta, já que Jorge
não é herdeiro em concorrência com o ascendente em razão do regime de bens do
casamento.
d) A herança de Lúcia será repartida em 3 partes: a Alice caberá 1/3; a Jorge caberá
1/3 e Maria representará o pai no recebimento de seu quinhão hereditário
correspondente a 1/3 da herança.
e) Lúcia é considerada herdeira de Júlio e sua cota-parte será partilhada entre Jorge
e Alice, seus únicos herdeiros.
Gabarito comentado

ALTERNATIVA CORRETA: B

a) Errada. Não há transmissão de herança entre comorientes (art. 8ª, Código Civil),
de modo que Lucia não herda de seu pai.
b) Certa. Conforme art. 1829, I do Código Civil, no regime da comunhão parcial de
bens, o cônjuge sobrevivente é herdeiro, sendo certo que tal sucessão ocorre apenas em
relação aos bens particulares deixados pelo falecido. Se Júlio deixou apenas bens
comuns, a herança é entregue apenas à filha sobrevivente, Maria.
c) Errada. O cônjuge sobrevivente concorre com os ascendentes
independentemente do regime de bens do casamento (art. 1829, II, Código Civil).
d) Errada. Não há transmissão de herança entre Lúcia e Júlio. Ainda que se adote a
corrente doutrinária que admite direito de representação na hipótese de comoriência,
não existe direito de representação na linha ascendente (art. 1852).
e) Errada. Não há transmissão de herança entre comorientes (art. 8ª, Código Civil).
Ainda que se adote a corrente doutrinária que admite direito de representação na
hipótese de comoriência, tal direito existiria apenas para os descendentes de Lúcia, caso
tivesse deixado.

QUESTÃO 02

Sobre a responsabilidade civil estabelecida no âmbito da Lei Geral de Proteção de


Dados, assinale a alternativa incorreta:

a) As hipóteses de violação do direito do titular no âmbito das relações de consumo


permanecem sujeitas às regras de responsabilidade previstas no Código de Defesa do
Consumidor.

b) O operador responde solidariamente pelos danos causados pelo tratamento


quando descumprir as obrigações da legislação de proteção de dados ou quando não
tiver seguido as instruções lícitas do controlador.

c) Os agentes de tratamento não serão responsabilizados quando provarem que não


realizaram o tratamento de dados pessoais que lhes é atribuído.
d) O tratamento de dados pessoais será irregular quando deixar de observar a
legislação ou quando não fornecer a segurança que o titular dele pode esperar,
consideradas as circunstâncias relevantes.

e) Os agentes de tratamento de dados são responsabilizados ainda que provem que


o dano é decorrente de culpa exclusiva de terceiro.

Gabarito comentado

ALTERNATIVA CORRETA: E

a) Certa. Art. 45, Lei 13709/18: As hipóteses de violação do direito do titular no âmbito
das relações de consumo permanecem sujeitas às regras de responsabilidade previstas
na legislação pertinente.

b) Certa. Art. 42, § 1º, inciso I Lei 13709/18 : o operador responde solidariamente
pelos danos causados pelo tratamento quando descumprir as obrigações da legislação
de proteção de dados ou quando não tiver seguido as instruções lícitas do controlador,
hipótese em que o operador equipara-se ao controlador, salvo nos casos de exclusão
previstos no art. 43 desta Lei;

c) Certa. Art. 43, Lei 13709/18: Os agentes de tratamento só não serão


responsabilizados quando: inciso I- provarem que não realizaram o tratamento de
dados pessoais que lhes é atribuído.

d) Certa. Art. 44, Lei 13709/18: O tratamento de dados pessoais será irregular quando
deixar de observar a legislação ou quando não fornecer a segurança que o titular dele
pode esperar, consideradas as circunstâncias relevantes (...).

e) Errada. Art. 43. Os agentes de tratamento só não serão responsabilizados quando


provarem: inciso III - que o dano é decorrente de culpa exclusiva do titular dos dados
ou de terceiro.

QUESTÃO 03

A respeito das chamadas obrigações propter rem, assinale a alternativa correta:


a) Segundo entendimento recentemente adotado pelo STJ, o pagamento devido
pelas despesas relativas à guarda e conservação de veículo alienado
fiduciariamente em pátio privado em virtude de cumprimento de decisão judicial
em ação movida pelo credor, é de responsabilidade do devedor fiduciante, já que
não se trata de obrigação propter rem.
b) Segundo entendimento do STJ, o acordo firmado entre o ocupante do imóvel,
promissário comprador, e o Condomínio, responsabilizando-se aquele pelo pagamento
da dívida condominial, libera o proprietário, promitente vendedor, de responsabilidade
pelo pagamento do referido débito.
c) A existência de associação, a fim de reunir moradores com o objetivo de defesa
e preservação de interesses comuns em área habitacional, possui o caráter de
condomínio e, portanto, possui natureza de dívida propter rem.
d) As despesas condominiais são de natureza propter rem e, tendo constado do
edital de praça a existência de ônus sobre o imóvel, é de responsabilidade do
arrematante o pagamento de tais dívidas, ainda que anteriores à arrematação.
e) Havendo mais de um proprietário do imóvel, a responsabilidade pelo
adimplemento das cotas condominiais é solidária, entendendo o STJ pela existência de
litisconsórcio necessário entre os coproprietários.

Gabarito comentado

ALTERNATIVA CORRETA: D

a) Errada. “(...) O pagamento devido pelas despesas relativas à guarda e


conservação de veículo alienado fiduciariamente em pátio privado em virtude de
cumprimento de decisão judicial em ação movida pelo credor, por se tratar de
obrigação propter rem, é de responsabilidade do credor fiduciário, quem detém a
propriedade do automóvel objeto de contrato garantido por alienação fiduciária.
(AgInt no REsp 1817294/SP, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA
TURMA, julgado em 19/04/2021, DJe 26/04/2021)

b) Errada. “(...) O acordo firmado entre o mutuário e o Condomínio - não


cumprido em sua integralidade -, não acarreta a alteração da natureza da dívida, que
mantém-se propter rem” (REsp 1696704/PR, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI,
TERCEIRA TURMA, julgado em 08/09/2020, DJe 16/09/2020).

c) Errada. “(...) A existência de associação, a fim de reunir moradores com o


objetivo de defesa e preservação de interesses comuns em área habitacional, não possui
o caráter de condomínio e, portanto, não possui natureza de dívida propter rem. (...)”
(AgInt nos EDcl no REsp 1866272/SP, Rel. Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE,
TERCEIRA TURMA, julgado em 31/08/2020, DJe 08/09/2020).

d) Certa. “1. As despesas condominiais são de natureza propter rem e, tendo


constado do edital de praça a existência de ônus sobre o imóvel, é de responsabilidade
do arrematante o pagamento de tais dívidas, ainda que anteriores à arrematação.
Precedentes” (AgInt nos EDcl no REsp 1864944/PR, Rel. Ministro LUIS FELIPE
SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 31/08/2020, DJe 09/09/2020).

e) Errada. “Em havendo mais de um proprietário do imóvel, como ordinariamente


ocorre entre cônjuges ou companheiros, a responsabilidade pelo adimplemento das
cotas condominiais é solidária, o que, todavia, não implica a existência de
litisconsórcio necessário entre os coproprietários, podendo o condomínio demandar
contra qualquer um deles ou contra todos em conjunto, conforme melhor lhe aprouver.
Precedente”. (REsp 1683419/RJ, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA
TURMA, julgado em 20/02/2020, DJe 26/02/2020)

QUESTÃO 04

A respeito dos direitos da personalidade, assinale a alternativa incorreta:

a) É possível compelir pessoa consciente a se submeter, contra sua vontade, a


tratamento médico ou a intervenção cirúrgica, desde que haja risco de vida.

b) A recusa terapêutica à submissão a tratamento médico é um direito do paciente a


ser respeitado pelo médico, desde que esse o informe dos riscos e das consequências
previsíveis de sua decisão.

c) Independe de prova do prejuízo a indenização pela publicação não autorizada de


imagem de pessoa com fins econômicos ou comerciais.
d) O titular pode consentir, de forma gratuita ou remunera, com a utilização de sua
imagem, sendo certo que o desvio de finalidade do uso enseja reparação civil por dano
moral.

e) A vontade dos absolutamente incapazes é juridicamente relevante na


concretização de situações existenciais a eles concernentes, desde que demonstrem
discernimento bastante para tanto.

Gabarito comentado

ALTERNATIVA CORRETA: A

a) Errada. A pessoa consciente não pode ser compelida a se submeter, contra sua
vontade, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica, com ou sem risco de vida. O
artigo 15 do Código Civil determina que ninguém pode ser compelido a se submeter a
tratamento médico ou intervenção cirúrgica contra sua vontade se houver risco de vida.
Porém, ainda que não haja risco de vida, não se admite o tratamento médico
compulsório se o paciente está consciente e foi devidamente informado de todos os
riscos do procedimento. A recusa terapêutica é regulamentada pela Resolução
2232/2019 do CFM.

b) Certa. Resolução 2232/2019 do CFM, Art. 1º: A recusa terapêutica é, nos


termos da legislação vigente e na forma desta Resolução, um direito do paciente a ser
respeitado pelo médico, desde que esse o informe dos riscos e das consequências
previsíveis de sua decisão”.

c) Certa. Súmula 403/STJ: “independe de prova do prejuízo a indenização pela


publicação não autorizada de imagem de pessoa com fins econômicos ou comerciais”.

d) Certa. A autorização para uso de imagem do titular recebe interpretação


restritiva, sendo limitada à finalidade específica. O uso para outras finalidades
representa violação do direito de imagem a ensejar reparação civil por danos morais.
“Hipótese em que os pais autorizam a veiculação da imagem dos filhos no sítio da
escola dos filhos. Indexada e recuperada pelo serviço Google Imagens, a fotografia foi
utilizada pela municipalidade em comunicação institucional. 2. O dano pelo uso
indevido da imagem é presumido, sendo descabido discutir-se a concretude do prejuízo
moral ou material”. (REsp 1818972/RS, Rel. Ministro OG FERNANDES, SEGUNDA
TURMA, julgado em 18/08/2020, DJe 27/08/2020)

e) Certa. Conforme entendimento doutrinário firmado pelo Enunciado 138, da III


Jornada de Direito Civil do CJF, “a vontade dos absolutamente incapazes, na hipótese
do inc. I do art. 3º é juridicamente relevante na concretização de situações existenciais
a eles concernentes, desde que demonstrem discernimento bastante para tanto”.

QUESTÃO 05

Assinale a alternativa incorreta a respeito dos contratos bancários, segundo


entendimento do STJ:

a) O prazo prescricional para as ações revisionais de contrato bancário, nas quais se


pede o reconhecimento da existência de cláusulas contratuais abusivas e a consequente
restituição das quantias pagas a maior, é decenal, na vigência do Código Civil de 2002.

b) As instituições financeiras se sujeitam à limitação dos juros remuneratórios


estipulada na Lei de Usura.

c) É admitida a revisão das taxas de juros remuneratórios em situações


excepcionais, desde que caracterizada a relação de consumo e que a abusividade capaz
de colocar o consumidor em desvantagem exagerada fique cabalmente demonstrada.

d) A capitalização dos juros em periodicidade inferior à anual deve vir pactuada de


forma expressa e clara.

e) Nos contratos bancários, a mora do devedor é descaracterizada quando houver


cobrança abusiva dos chamados encargos do “período da normalidade”, juros
remuneratórios e capitalização dos juros.

Gabarito comentado

ALTERNATIVA CORRETA: B

a) Certa. “1. A jurisprudência desta Corte é firme no sentido de que o prazo


prescricional para as ações revisionais de contrato bancário, nas quais se pede o
reconhecimento da existência de cláusulas contratuais abusivas e a consequente
restituição das quantias pagas a maior, é vintenário (sob a égide do Código Civil de
1916) ou decenal (na vigência do Código Civil de 2002), porquanto fundadas em
direito pessoal”. (AgInt no AREsp 1678611/PR, Rel. Ministro MARCO BUZZI,
QUARTA TURMA, julgado em 16/11/2020, DJe 23/11/2020).

b) Errada. “A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento do REsp


nº 1.061.530/RS, submetido ao rito dos recursos repetitivos, firmou posicionamento do
sentido de que: a) as instituições financeiras não se sujeitam à limitação dos juros
remuneratórios estipulada na Lei de Usura (Decreto nº 22.626/1933) - Súmula nº
596/STF”.(AgInt no AREsp 1539213/MS, Rel. Ministro RICARDO VILLAS BÔAS
CUEVA, TERCEIRA TURMA, julgado em 16/11/2020, DJe 24/11/2020).

c) Certa. “A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento do REsp nº


1.061.530/RS, submetido ao rito dos recursos repetitivos, firmou posicionamento do
sentido de que: (...) d) é admitida a revisão das taxas de juros remuneratórios em
situações excepcionais, desde que caracterizada a relação de consumo e que a
abusividade (capaz de colocar o consumidor em desvantagem exagerada - art. 51, § 1º,
do Código de Defesa do Consumidor) fique cabalmente demonstrada, haja vista as
peculiaridades do julgamento em concreto”. (AgInt no AREsp 1539213/MS, Rel.
Ministro RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA, TERCEIRA TURMA, julgado em
16/11/2020, DJe 24/11/2020).

d) Certa. “A capitalização dos juros em periodicidade inferior à anual deve vir


pactuada de forma expressa e clara” (AgInt no AREsp 1595931/RS, Rel. Ministra
MARIA ISABEL GALLOTTI, QUARTA TURMA, julgado em 30/11/2020, DJe
07/12/2020).

e) Certa. “A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento do REsp


1.061.530/RS, submetido ao regime dos recursos repetitivos, firmou posicionamento de
que "O reconhecimento da abusividade nos encargos exigidos no período da
normalidade contratual (juros remuneratórios e capitalização) descaracteriza a mora"
(AgInt nos EDcl no REsp 1854274/SC, Rel. Ministro RAUL ARAÚJO, QUARTA
TURMA, julgado em 28/09/2020, DJe 20/10/2020).
QUESTÃO 06

A respeito da obrigação alimentar e do cumprimento de sentença que reconhece


exigibilidade da obrigação de pagar alimentos, assinale a alternativa incorreta:

a) O débito alimentar que autoriza a prisão civil do alimentante é o que


compreende as três prestações anteriores ao ajuizamento da execução e as que se
vencerem no curso do processo.
b) O cancelamento de pensão alimentícia de filho que atingiu a maioridade está
sujeito à decisão judicial, mediante contraditório, ainda que nos próprios autos.
c) A obrigação alimentar dos avós tem natureza complementar e subsidiária,
somente se configurando no caso de impossibilidade total ou parcial de seu
cumprimento pelos pais.
d) A sentença que reduz, majora ou exonera o alimentante do pagamento produz
efeitos a partir do seu trânsito em julgado.
e) Julgada procedente a investigação de paternidade, os alimentos são devidos a
partir da citação.

Gabarito comentado
ALTERNATIVA CORRETA: D

a) Certa. Art. 528, § 7º, CPC: O débito alimentar que autoriza a prisão civil do
alimentante é o que compreende até as 3 (três) prestações anteriores ao ajuizamento da
execução e as que se vencerem no curso do processo.
b) Certa. Súmula 358/STJ: “O cancelamento de pensão alimentícia de filho que atingiu
a maioridade está sujeito à decisão judicial, mediante contraditório, ainda que nos
próprios autos”.
c) Certa. Súmula 596/STJ: “A obrigação alimentar dos avós tem natureza
complementar e subsidiária, somente se configurando no caso de impossibilidade total
ou parcial de seu cumprimento pelos pais”.
d) Errada. Súmula 621/STJ: “Os efeitos da sentença que reduz, majora ou exonera o
alimentante do pagamento retroagem à data da citação, vedadas a compensação e a
repetibilidade”.
e) Certa. Súmula 277/STJ: “Julgada procedente a investigação de paternidade, os
alimentos são devidos a partir da citação”.

QUESTÃO 07

Assinale a opção que não representa o posicionamento do STJ sobre


reconhecimento de direitos do consumidor:

a) A responsabilidade do hospital é objetiva quanto à atividade de seu profissional


plantonista, de modo que dispensada demonstração da culpa do hospital relativamente a
atos lesivos decorrentes de culpa de médico integrante de seu corpo clínico no
atendimento.

b) Gera dano moral indenizável a conduta do hospital que exige cheque caução
para o atendimento emergencial de familiar, pois evidenciada a situação de
vulnerabilidade do consumidor submetido a coação psicológica.

c) A operadora do plano de saúde responde de forma objetiva e solidária perante o


consumidor pelos defeitos em sua prestação, seja quando os fornece por meio de
hospital próprio e médicos contratados ou por meio de médicos e hospitais
credenciados.

d) A vedação à denunciação da lide estabelecida no artigo 88 do CDC se limita à


responsabilidade por fato do produto, não sendo aplicável nas demais hipóteses de
responsabilidade por acidentes de consumo.

e) As instituições financeiras respondem objetivamente pelos danos gerados por


fortuito interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito de
operações bancárias.

Gabarito comentado

ALTERNATIVA CORRETA: D

a) Certa. “1. A responsabilidade do hospital é objetiva quanto à atividade de seu


profissional plantonista (CDC, art. 14), de modo que dispensada demonstração da
culpa do hospital relativamente a atos lesivos decorrentes de culpa de médico
integrante de seu corpo clínico no atendimento”. (AgInt no AREsp 1649072/RJ, Rel.
Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 10/08/2020).

b) Certa. “2. O entendimento do Superior Tribunal de Justiça é no sentido de que gera


dano moral indenizável a conduta do hospital que exige cheque caução para o
atendimento emergencial de familiar, pois evidenciada a situação de vulnerabilidade
do consumidor submetido a coação psicológica”. (AgInt no AREsp 1569918/CE, Rel.
Ministro RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA, TERCEIRA TURMA, julgado em
15/06/2020)

c) Certa. “2. A operadora do plano de saúde, na condição de fornecedora de serviço,


responde perante o consumidor pelos defeitos em sua prestação, seja quando os fornece
por meio de hospital próprio e médicos contratados ou por meio de médicos e hospitais
credenciados, nos termos dos arts. 2º, 3º, 14 e 34 do Código de Defesa do Consumidor,
art. 1.521, III, do Código Civil de 1916 e art. 932, III, do Código Civil de 2002”. (AgInt
no AREsp 1414776/SP, Rel. Ministro RAUL ARAÚJO, QUARTA TURMA, julgado
em 11/02/2020).

d) Errada. “2. O Superior Tribunal de Justiça entende que a vedação à denunciação da


lide estabelecida no artigo 88 do CDC não se limita à responsabilidade por fato do
produto (art. 13 do CDC), sendo aplicável também nas demais hipóteses de
responsabilidade por acidentes de consumo (arts. 12 e 14 do CDC)” (AgInt no AREsp
1148774/RS, Rel. Ministro RAUL ARAÚJO, QUARTA TURMA, julgado em
19/11/2019).

e) Certa. Súmula 479/STJ: “As instituições financeiras respondem objetivamente pelos


danos gerados por fortuito interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros
no âmbito de operações bancárias”. (SÚMULA 479, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em
27/06/2012, DJe 01/08/2012)

QUESTÃO 08

Assinale a alternativa incorreta a respeito da prescrição:


a) O devedor pode renunciar à prescrição, expressa ou tacitamente, após o fim do
prazo.

b) A prescrição pode ser alegada a qualquer tempo e grau de jurisdição, embora


não possa ser reconhecida de ofício pelo juiz.

c) Pela teoria da actio nata, a prescrição flui a partir do conhecimento inequívoco


da lesão ou violação do direito pelo seu titular.

d) Nas controvérsias relacionadas à responsabilidade civil contratual, aplica-se a


regra geral que prevê o prazo de dez anos de prazo prescricional.

e) Não corre prazo prescricional ou decadencial contra os absolutamente incapazes.

Gabarito comentado:

ALTERNATIVA CORRETA: B

a) Certa. Art. 191, Código Civil: A renúncia da prescrição pode ser expressa ou tácita,
e só valerá, sendo feita, sem prejuízo de terceiro, depois que a prescrição se consumar;
tácita é a renúncia quando se presume de fatos do interessado, incompatíveis com a
prescrição.

b) Errada. Art. 332, § 1º, CPC: O juiz também poderá julgar liminarmente
improcedente o pedido se verificar, desde logo, a ocorrência de decadência ou de
prescrição. Art. 487, II, CPC: Haverá resolução de mérito quando o juiz: I - decidir, de
ofício ou a requerimento, sobre a ocorrência de decadência ou prescrição.

c) Certa. Nos termos da teoria da actio nata, o prazo prescricional começa a fluir a partir
do conhecimento da violação ou lesão ao direito subjetivo, como forma de prestígio da
boa-fé e proteção ao titular do direito subjetivo violado. Neste sentido: REsp
694.287/RJ; AgRg no REsp 931.896/ES; REsp 1645746/BA.

d) Certa. “Nas controvérsias relacionadas à responsabilidade contratual, aplica-se a


regra geral (art. 205 CC/02) que prevê dez anos de prazo prescricional e, quando se
tratar de responsabilidade extracontratual, aplica-se o disposto no art. 206, § 3º, V, do
CC/02, com prazo de três anos”. (EREsp 1280825/RJ, Rel. Ministra NANCY
ANDRIGHI, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 27/06/2018, DJe 02/08/2018)
e) Certa. Art. 208 do Código Civil: Aplica-se à decadência o disposto nos arts. 195 e
198, inciso I. Art. 198. Também não corre a prescrição: I - contra os incapazes de que
trata o art. 3º.

QUESTÃO 09

Sobre os defeitos dos negócios jurídicos, assinale a alternativa incorreta:

a) A falsa noção em relação a uma pessoa, ao objeto ou a um direito que acomete a


vontade conduz à anulabilidade do negócio jurídico.
b) O falso motivo pode levar à anulação quando é a causa ou motivo principal do
negócio.
c) O dolo que não recai sobre circunstâncias elementares do negócio não leva à
anulação mas pode ensejar reparação por perdas e danos.
d) Os excessos genéricos de linguagem de propaganda publicitária são tolerados
juridicamente e não tornam o negócio anulável, desde que não remetam a elemento que
possa ser aferido de forma objetiva.
e) A coação, ainda que praticada por terceiro, sempre invalida o negócio jurídico.

Gabarito comentado:
ALTERNATIVA CORRETA: E

a) Certa. CC/02, art. 171: “além dos casos expressamente declarados na lei, é anulável
o negócio jurídico: II - por vício resultante de erro, dolo, coação, estado de perigo,
lesão ou fraude contra credores”. O erro, enquanto defeito do negócio jurídico,
representa a falsa noção em relação a uma pessoa, ao objeto ou a um direito que
acomete a vontade.
b) Certa. Art. 140, Código Civil: “o falso motivo só vicia a declaração de vontade
quando expresso como razão determinante”.
c) Certa. Trata-se do dolo acidental, previsto no artigo 146 do Código Civil. O negócio
seria praticado pela parte, embora de outro modo. Não gera anulabilidade, apenas
perdas e danos.
d) Certa. Trata-se da estratégia publicitária denominada dolus bônus, tolerada
juridicamente, desde que não represente um vício do consentimento. Caso não contenha
informações objetivas que possam induzir o outro negociante a erro e se restrinja a
elogios genéricos ao produto, de forma evidentemente exagerada, não enseja a anulação
do negócio. Caso a estratégia represente propaganda enganosa no âmbito das relações
de consumo, será proibida, nos termos do artigo 37 do CDC.
e) Errada. Se praticada coação por terceiro com ciência do negociante beneficiado, o
negócio é anulável, havendo solidariedade nas perdas e danos. Por outro lado, se
praticada sem ciência do negociante beneficiado, o negócio é válido, mas coator deve
perdas e danos ao prejudicado (arts. 154 e 155 do Código Civil).

QUESTÃO 10

A respeito dos direitos da personalidade, assinale a alternativa incorreta:

a) Os direitos da personalidade são regulados de maneira não-exaustiva pelo


Código Civil.

b) A pessoa jurídica também possui direitos da personalidade, aplicando-se a ela


toda a proteção que a Lei dispensa aos direitos da personalidade da pessoa humana.

c) A tutela dos direitos da personalidade pelo ordenamento jurídico é feita por meio
de prevenção e reparação integral.

d) A lesão a direito da personalidade configura o dano moral.

e) A compensação pecuniária não é o único modo de reparar o dano


extrapatrimonial.

Gabarito comentado:
ALTERNATIVA CORRETA: B

a) Certa. Conforme entendimento adotado no Enunciado 274, da IV Jornada de Direito


Civil: “Os direitos da personalidade, regulados de maneira não-exaustiva pelo Código
Civil, são expressões da cláusula geral de tutela da pessoa humana, contida no art. 1º,
inc. III, da Constituição (princípio da dignidade da pessoa humana)”.
b) Errada. A pessoa jurídica não possui direitos da personalidade, eis que estes são
expressões da dignidade da pessoa humana. Porém, o ordenamento jurídico admite a
aplicação à pessoa jurídica, no que couber, “a proteção dos direitos da personalidade”
(art. 52, Código Civil).
c) Certa. O artigo 12 do Código Civil prevê, em sua primeira parte, as técnicas de tutela
específica para prevenção e repressão e, ao final, a reparação por danos decorrentes de
violação aos direitos da personalidade.
d) Certa. O dano moral representa a lesão a direito de natureza existencial, ou seja,
extrapatrimonial. Assim, a violação a qualquer aspecto da dignidade humana configura
o dano moral.
e) Certa. Conforme entendimento adotado no Enunciado 589, da VII Jornada de Direito
Civil do CJF: “A compensação pecuniária não é o único modo de reparar o dano
extrapatrimonial, sendo admitida a reparação in natura, na forma de retratação
pública ou outro meio”. Neste sentido: TJRJ – APELAÇÃO CÍVEL 0047635-
36.2004.8.19.0000; Des(a). GILBERTO DUTRA MOREIRA.

QUESTÃO 11

A Lei 12965/14, conhecida como Marco Civil da Internet, estabelece princípios,


garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. A respeito das
regras trazidas pela normativa e do entendimento do STJ a respeito de sua
aplicação, assinale a alternativa incorreta:

a) Segundo entendimento fixado pelo STJ, a Lei se aplica mesmo a casos ocorridos
antes de sua entrada em vigor.

b) Segundo entendimento do STJ, a exposição não consentida de imagens com


conteúdo sexual, ainda que não haja ato sexual com conjunção carnal, enseja
responsabilidade civil subsidiária do provedor se, após o recebimento de notificação
pelo participante ou seu representante legal, não tornar o conteúdo indisponível, de
forma diligente, no âmbito e nos limites técnicos do seu serviço.
c) Salvo hipóteses excepcionais previstas na própria Lei, havendo divulgação da
imagem de alguém sem autorização, o provedor de aplicações só é responsabilizado
civilmente pelos danos causados se, após ordem judicial específica, não tomar as
providências para, no âmbito e nos limites técnicos do seu serviço e dentro do prazo
assinalado, tornar indisponível o conteúdo.

d) Até a entrada em vigor da referida Lei, o STJ adotava a tese da responsabilidade


subjetiva dos provedores de aplicações, decorrente da inércia em retirar o conteúdo
lesivo após simples comunicação da vítima.

e) O provedor de conexão à internet não será responsabilizado civilmente por


danos decorrentes de conteúdo gerado por terceiros.

Gabarito comentado:
ALTERNATIVA CORRETA: A

a) Errada. “3. A regra a ser utilizada para a resolução de controvérsias deve levar em
consideração o momento de ocorrência do ato lesivo ou, em outras palavras, quando
foram publicados os conteúdos infringentes: (i) para fatos ocorridos antes da entrada
em vigor do Marco Civil da Internet, deve ser obedecida a jurisprudência desta corte”
(REsp 1735712/SP, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado
em 19/05/2020, DJe 27/05/2020).
b) Certa. “O art. 21 do Marco Civil da Internet não abarca somente a nudez total e
completa da vítima, tampouco os "atos sexuais" devem ser interpretados como somente
aqueles que envolvam conjunção carnal”. (REsp 1735712/SP, Rel. Ministra NANCY
ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 19/05/2020, DJe 27/05/2020).
c) Certa. Lei 12965/14, art. 19: “Com o intuito de assegurar a liberdade de expressão e
impedir a censura, o provedor de aplicações de internet somente poderá ser
responsabilizado civilmente por danos decorrentes de conteúdo gerado por terceiros se,
após ordem judicial específica, não tomar as providências para, no âmbito e nos limites
técnicos do seu serviço e dentro do prazo assinalado, tornar indisponível o conteúdo
apontado como infringente, ressalvadas as disposições legais em contrário”.
d) Certa. “Com relação a fatos pretéritos à edição da Lei n. 12.965/2014, comprovado
nos autos que houve prévia comunicação aos provedores de internet, ainda que não por
meio de ordem judicial especifica, acerca de conteúdo violador de direito postado por
terceiro e, desidiosamente, nada foi feito, são eles responsáveis civilmente pelos danos
daí advindos”. (AgRg no AREsp 712.456/RJ, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE
NORONHA, TERCEIRA TURMA, julgado em 17/03/2016, DJe 28/03/2016).
e) Certa. Lei 12965/14, art. 18: “O provedor de conexão à internet não será
responsabilizado civilmente por danos decorrentes de conteúdo gerado por terceiros”.

QUESTÃO 12

Assinale a alternativa incorreta a respeito da sucessão causa mortis:

a) Com a abertura da sucessão, há transmissão imediata da herança aos herdeiros


legítimos e testamentários.

b) O legatário adquire a propriedade, mas não a posse imediata dos bens com o
falecimento do autor da herança.

c) Se o testador tiver deixado ascendente, descendente, cônjuge, companheiro ou


colateral até o quarto grau, denominados herdeiros necessários, deve respeitar a legítima
dos mesmos.

d) É ineficaz a cessão de bem pelo coerdeiro do seu direito hereditário sobre


qualquer bem da herança considerado singularmente.

e) Segundo entendimento do STJ, o prazo de 180 dias para coerdeiro exercer seu
direito de preferência na aquisição da cota-parte do cedente começa a fluir a partir da
ciência efetiva da cessão dos direitos hereditários e não da transmissão do quinhão.

Gabarito comentado:

ALTERNATIVA CORRETA: C

a) Certa. Trata-se do direito de saisine, previsto no artigo 1784 do Código Civil:


“Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e
testamentários”.
b) Certa. O legatário adquire de imediato a propriedade, mas não a posse do bem. Art.
1.923, Código Civil: “Desde a abertura da sucessão, pertence ao legatário a coisa
certa, existente no acervo, salvo se o legado estiver sob condição suspensiva. § 1 o Não
se defere de imediato a posse da coisa, nem nela pode o legatário entrar por autoridade
própria”.

c) Errada. Os colaterais não são herdeiros necessários. A legítima existe para proteção
dos herdeiros necessários, não sendo protegidos pela legítima os colaterais, ainda que
sejam também herdeiros legítimos previstos na ordem de vocação hereditária. Art.
1.789, Código Civil: “Havendo herdeiros necessários, o testador só poderá dispor da
metade da herança”.

d) Certa. Art. 1793, § 2º, Código Civil: “É ineficaz a cessão, pelo co-herdeiro, de seu
direito hereditário sobre qualquer bem da herança considerado singularmente”.

e) Certa. “O termo inicial do prazo decadencial para terceiro/credor ajuizar ação


objetivando a anulação de cessão de direitos hereditários deve coincidir com o
momento em que este teve ou podia ter ciência inequívoca da existência de contrato a
ser invalidado. Precedentes”. (AgInt nos EDcl no AREsp 1190491/PR, Rel. Ministro
LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 15/03/2018, DJe
23/03/2018)

QUESTÃO 13
Sobre o fim da personalidade jurídica, assinale a alternativa correta:

a) A morte da pessoa natural pode ser real ou presumida, a qual depende


necessariamente de prévio processo de declaração de ausência.
b) A ausência é um procedimento que visa proteger os bens do ausente e tem como
consequência a transmissão da propriedade aos herdeiros a partir do trânsito em julgado
da sentença que declara a ausência.
c) Caso o ausente retorne após 2 anos da sucessão definitiva, recebe os bens no
estado em que os deixou, fazendo jus à indenização caso tenham se perdido ou
deteriorado.
d) O ausente é considerado relativamente incapaz enquanto perdurar a situação de
ausência.
e) Com a sucessão provisória, os herdeiros podem ser imitidos na posse dos bens,
desde que prestem caução, salvo herdeiros necessários, não podendo alienar os bens
sem autorização judicial.

Gabarito comentado:
ALTERNATIVA CORRETA: E

a) Errada. A morte presumida sem prévia declaração de ausência pode ser reconhecida
nas hipóteses do artigo 7º do Código Civil: “Pode ser declarada a morte presumida,
sem decretação de ausência: I - se for extremamente provável a morte de quem estava
em perigo de vida; II - se alguém, desaparecido em campanha ou feito prisioneiro, não
for encontrado até dois anos após o término da guerra”.
b) Errada. A ausência é um procedimento que visa proteger os bens do ausente e tem
como consequência a transmissão da propriedade aos herdeiros apenas 10 (dez) anos
depois do trânsito em julgado da sentença que concede a abertura da sucessão provisória
(art. 37, Código Civil).
c) Errada. Conforme artigo 39 do Código Civil, caso o ausente retorne nos dez anos
seguintes à abertura da sucessão definitiva, ou algum de seus descendentes ou
ascendentes, receberá os bens no estado em que se encontram, os sub-rogados em seu
lugar ou o preço que os herdeiros e demais interessados houverem recebido pelos bens
alienados depois daquele tempo.
d) Errada. A ausência não gera incapacidade do ausente onde quer que ele se encontre.
e) Certa. Art. 30, Código Civil: “Os herdeiros, para se imitirem na posse dos bens do
ausente, darão garantias da restituição deles, mediante penhores ou hipotecas
equivalentes aos quinhões respectivos. § 2 o Os ascendentes, os descendentes e o
cônjuge, uma vez provada a sua qualidade de herdeiros, poderão, independentemente
de garantia, entrar na posse dos bens do ausente. Art. 31. Os imóveis do ausente só se
poderão alienar, não sendo por desapropriação, ou hipotecar, quando o ordene o juiz,
para lhes evitar a ruína”.

QUESTÃO 14
Sobre as regras atinentes à capacidade do agente e à validade dos negócios
jurídicos, assinale a alternativa incorreta:

a) Incapacidade relativa é exceção pessoal que só pode ser alegada em benefício


próprio, nem aproveita aos cointeressados capazes, salvo indivisibilidade do objeto da
obrigação ou do direito.
b) O menor, entre dezesseis e dezoito anos, não pode, para eximir-se de uma
obrigação, invocar a sua idade se dolosamente a ocultou quando inquirido pela outra
parte.
c) O negócio jurídico celebrado por pessoa relativamente incapaz é anulável no
prazo decadencial de 4 (quatro) anos, contado do dia em que cessar a sua incapacidade.
d) A doutrina majoritária admite, excepcionalmente, a validade dos pequenos
negócios jurídicos celebrados por absolutamente incapazes sem representante, desde
que dotados de ampla aceitação social.
e) As pessoas com deficiência submetidas à curatela só podem praticar validamente
atos da vida civil, relacionados a direitos de qualquer natureza, por meio de curador.

Gabarito comentado:

ALTERNATIVA CORRETA: E

a) Certa. Art. 105, Código Civil: A incapacidade relativa de uma das partes não pode
ser invocada pela outra em benefício próprio, nem aproveita aos co-interessados
capazes, salvo se, neste caso, for indivisível o objeto do direito ou da obrigação
comum.

b) Certa. Art. 180, Código Civil: O menor, entre dezesseis e dezoito anos, não pode,
para eximir-se de uma obrigação, invocar a sua idade se dolosamente a ocultou
quando inquirido pela outra parte, ou se, no ato de obrigar-se, declarou-se maior.

c) Certa. O prazo para anulação em razão de incapacidade relativa é de 4 (quatro) anos,


contado do dia em que cessar a incapacidade, conforme artigo 178 do Código Civil.

d) Certa. Segundo corrente majoritária em sede de doutrina, a hipótese é tratada como


ato-fato jurídico, categoria dos fatos jurídicos que representa um ato humano,
materialmente considerado, que produz efeitos jurídicos independentemente de controle
quanto à formação da vontade que o originou.

e) Errada. Conforme previsto no Estatuto da Pessoa com Deficiência, art. 85, “a


curatela afetará tão somente os atos relacionados aos direitos de natureza patrimonial
e negocial”. A pessoa com deficiência tem sua plena capacidade preservada para prática
de atos relacionados a direitos existenciais.

QUESTÃO 15

Assinale a alternativa correta a respeito do direito real de habitação:

a) É reconhecido ao cônjuge sobrevivente em qualquer regime de bens, salvo no


regime da separação total.

b) Segundo entendimento do STJ, a copropriedade anterior à abertura da sucessão


não impede o reconhecimento do direito real de habitação.

c) Seu reconhecimento independe de o cônjuge sobrevivente possuir outro bem de


qualquer natureza.

d) Segundo entendimento do STJ, o direito real de habitação pode ser invocado em


demanda possessória pelo companheiro sobrevivente, desde que se tenha buscado em
ação declaratória própria o reconhecimento de união estável.

e) Aos herdeiros é autorizado exigir a extinção do condomínio e a alienação do


bem imóvel comum enquanto perdurar o direito real de habitação.

Gabarito comentado:

ALTERNATIVA CORRETA: C

a) Errada. Conforme artigo 1831 do Código Civil, o direito real de habitação é


reconhecido ao Cônjuge sobrevivente independentemente do regime de bens.
b) Errada. “A copropriedade anterior à abertura da sucessão impede o
reconhecimento do direito real de habitação” (EREsp 1.520.294- SP, julgado em
26/08/2020).

c) Certa. “A lei não impõe como requisito para o reconhecimento do direito real de
habitação a inexistência de outros bens, seja de que natureza for, no patrimônio
próprio do cônjuge sobrevivente. Precedentes”. (AgInt no REsp 1554976/RS, Rel.
Ministro RAUL ARAÚJO, QUARTA TURMA, julgado em 25/05/2020, DJe
04/06/2020).

d) Errada. Premissa 9, Edição 50, Jurisprudência em teses, STJ: “o direito real de


habitação pode ser invocado em demanda possessória pelo companheiro sobrevivente,
ainda que não se tenha buscado em ação declaratória própria o reconhecimento de
união estável”.

e) Errada. “Aos herdeiros não é autorizado exigir a extinção do condomínio e a


alienação do bem imóvel comum enquanto perdurar o direito real de habitação” (REsp
1846167/SP, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em
09/02/2021, DJe 11/02/2021).

QUESTÃO 16
De acordo com a Constituição Federal e a jurisprudência dos tribunais superiores,
marque a assertiva correta:

A) A Defensoria Pública do DF pende de previsão constitucional quanto a sua


autonomia administrativa;
B) O Governador do Estado deve submeter o nome do Defensor Público Geral
escolhido em lista tríplice a sabatina na Assembleia Legislativa;
C) Os Defensores Públicos possuem foro por prerrogativa de função previsto na
Constituição Federal;
D) A Defensoria Pública e advocacia são tratadas na mesma seção constitucional;
E) A Defensoria Pública não está vinculada a estrutura do Poder Executivo.
Gabarito:
A) Desde a Emenda Constitucional n. 69/2012 a Defensoria Pública do DF dispõe de
autonomia funcional, administrativa e iniciativa orçamentária, nos termos do art. 2º da
emenda.
B) Inexiste previsão na Lei Nacional de sabatina para o Defensor Público Geral do
Estado. Na ADI 2167 o STF afastou essa possibilidade, restrita apenas ao Defensor
Público Geral Federal.
C) A CRFB é omissa em relação ao foro para defensores públicos, sendo certo que os
precedentes mais recentes do STF são no sentido de inconstitucionalidade de foros
previstos em normas estaduais.
D) Desde a EC 80/2014 a advocacia e Defensoria Pública são tratadas em seções
constitucionais distintas.
E) Diante da autonomia administrativa da Defensoria Pública, a instituição não
está vinculada a estrutura do Poder Executivo.

QUESTÃO 17
De acordo com a estrutura de órgãos da Defensoria Pública, marque a assertiva
correta:

A) A Subcorregedoria Geral é órgão da administração superior;


B) O Ouvidor Geral é órgão de suporte e assessoramento;
C) O Defensor Público é órgão de atuação;
D) O Conselho Superior é órgão da administração superior;
E) Os núcleos são órgãos de execução.

Gabarito:
A) De acordo com o art. 98 da LC n. 80/94 inexiste enquadramento da Subcorregedoria
como órgão da administração superior.
B) De acordo com o art. 98, IV da LC n. 80/94 a Ouvidoria Geral é órgão auxiliar.
C) De acordo com o art. 98, III da LC n. 80/94 o Defensor Publico é órgão de execução.
D) De acordo com o art. 98, I da LC n. 80/94 o Conselho Supeiror é órgão da
administração superior.
E) De acordo com o art. 98, III da LC n. 80/94 os núcleos são órgãos de atuação.
QUESTÃO 18
De acordo com o rol de funções institucionais da Defensoria Pública, marque a
assertiva incorreta:

A) Apenas a Lei Nacional da Defensoria Pública concentra a legitimidade para a tutela


coletiva;
B) A Defensoria Pública pode atuar nos sistemas internacionais de proteção de direitos
humanos, postulando em seus órgãos;
C) A execução das verbas sucumbenciais não possui nenhuma limitação financeira
prevista na lei nacional;
D) A condição econômica não é avaliada para atuação enquanto curador especial;
E) A Defensoria Pública pode utilizar a arbitragem como método de solução de
conflitos.

Gabarito:
A) A Lei de Ação Civil Pública (art. 5º, II da 7.347/85) e a CRFB (art. 134)
contemplam legitimidade da Defensoria Pública para a tutela coletiva.
B) Trata-se de função institucional prevista no art. 4º, VI da LC n. 80/94.
C) Trata-se de função institucional prevista no art. 4º, XXI da LC n. 80/94 sem qualquer
limitação financeira.
D) A curadoria especial independe da condição econômica, diante da vulnerabilidade
processual tutelada.
E) Trata-se de função institucional prevista no art. 4º, II da LC n. 80/94.

QUESTÃO 19
De acordo com o rol de impedimentos e suspeições previstos na lei nacional e
estadual, marque a assertiva correta:

A) O impedimento pode ser reconhecido fora das hipóteses previstas em lei, por
convenção das partes;
B) A suspeição por foro íntimo não depende da indicação dos motivos ao Defensor
Público Geral;
C) O impedimento pode ser arguido pelas partes, caso o Defensor Público se quede
inerte;
D) O defensor que acompanha a parte em primeiro grau fica impedido de tutelar seus
interesses em grau recursal;
E) A arguição de impedimento não constitui dever dos membros da instituição.

Gabarito:
A) As hipóteses de impedimento dependem de previsão legal, nos termos do art. 131,
VII da LC n. 80/94.
B) De acordo com o art. 136 da LCE n. 06/77, o defensor público deve indicar, em
expediente reservado, a razão da sua suspeição.
C) O impedimento pode ser suscitado pela parte caso o Defensor Público
permaneça inerte.
D) Inexiste previsão legal de impedimento desta natureza. A atribuição do defensor
pode corresponder a atuação em mais de um grau de jurisdição.
E) Trata-se de dever previsto no art. 129, VI da LC n. 80/94.

QUESTÃO 20
Sobre a evolução constitucional da Defensoria Pública, marque a assertiva correta:

A) A Constituição de 1988 foi a primeira a mencionar o termo assistência judiciária;


B) O conceito de assistência jurídica foi introduzido pela Carta de 1967;
C) A autonomia da Defensoria Pública veio consolidada desde o texto originário da
Constituição de 1988;
D) A Constituição de 1937 foi omissa em relação à assistência judiciária;
E) A Constituição de 1946 foi expressa ao eleger o modelo dativo como o dedicado à
prestação da assistência jurídica aos necessitados.

Gabarito:
A) A CRFB 1988 não trata da assistência judiciária, mas sim da assistência jurídica,
tendo sido a primeira constituição a prever essa expressão.
B) A primeira Constituição a prever a assistência judiciária foi a Carta de 1934.
C) As Emendas n. 45/2004, 69/2012 e 74/2013 consolidaram as autonomias das DPEs,
DPDF e DPU, respectivamente, nos textos da Carta de 1988.
D) Em verdadeiro retrocesso, a Carta de 1937 não reproduziu o direito à
assistência judiciária previsto na Carta antecedente.
E) A Carta de 1946 não adotou o modelo dativo para atendimento, assegurando apenas
o direito à assistência judiciária.

QUESTÃO 21
Sobre a apresentação da resposta do réu, marque a assertiva correta:

A) O Ministério Público detém a prerrogativa de contestação por negativa geral;


B) A reconvenção deve ser apresentada em petição separada, enquanto o pedido de
contraposto deve constar do corpo da contestação;
C) O prazo para contestar no processo civil é de 15 dias contado da data da juntada do
mandado, em qualquer hipótese.
D) Nas ações de família, o ato de citação não será acompanhado da cópia da petição
inicial;
E) No âmbito dos Juizados Especiais Cíveis a contestação deve ser apresentada de
forma escrita.

Gabarito:
A) Diversamente do CPC/73, o CPC/15 não estendeu ao Ministério Público a
possibilidade de contestar por negativa geral.
B) O CPC/15 concentra toda a matéria de defesa na contestação, na forma do art. 343.
Apesar de não haver pedido contraposto no CPC, a Lei n. 9.099/95 também preserva o
instituto, no art. 31.
C) O art. 335 do CPC prevê diversos marcos para a apresentação da contestação, sendo
um deles a juntada do mandado.
D) Trata-se de previsão contida no art. 695, §1º do CPC.
E) O art. 30 da Lei n. 9.099/95 permite que a contestação possa ser apresentada de
forma escrita ou oral.

QUESTÃO 22
De acordo com as hipóteses de recorribilidade no processo civil, marque a
assertiva correta:
A) O juízo de admissibilidade da apelação é realizado pelo próprio órgão de primeiro
grau de jurisdição;
B) Inexiste efeito regressivo no recurso de apelação;
C) Os prazos dos recursos no processo civil, excetuados os embargos de declaração, são
de 15 dias.
D) O agravo retido é cabível sempre que a decisão atacada não oferecer risco ao
perecimento em direito ou quando a decisão for proferida em audiência;
E) Não se admite sustentação oral em agravo de instrumento.

Gabarito:
A) De acordo com o art. 1.010, §3º do CPC a admissibilidade da apelação é realizada
pela instância superior ainda que interposta no primeiro grau de jurisdição.
B) Nos casos de apelação contra decisão de indeferimento da petição inicial (art. 331) e
improcedência liminar (art. 332, §3º) faculta-se ao juiz retratar-se da decisão.
C) De acordo com o art. 1003, §5º do CPC, exceção dos Embargos de Declaração,
todos os recursos serão interpostos no prazo de 15 dias.
D) Inexiste previsão de agravo retido no Código de Processo Civil.
E) De acordo com o art. 937, VIII do CPC, cabível a sustentação oral no Agravo de
Instrumento interposto contra a decisão que aprecia tutelas provisórias de urgência ou
da evidência.

QUESTÃO 23
De acordo com o regime de capacidade das partes no processo civil, marque a
assertiva incorreta:

A) O réu sem representante legal será patrocinado pelo Ministério Público e curadoria
especial;
B) A procuração outorga ao advogado os poderes para o foro em geral, sendo necessária
a menção aos poderes especiais;
C) A incapacidade processual, por si só, não leva à concessão da gratuidade de justiça
de forma automática;
D) O curador é responsável pela representação da herança jacente;
E) Certificada a incapacidade processual e expirado o prazo para regularização, caberá
ao juiz determinar a extinção do processo, caso o vício não seja sanado pelo autor.
Gabarito:
A) De acordo com o art. 72, I do CPC, apenas a curadoria especial é quem
representa a parte incapaz sem representante legal.
B) De acordo com o art. 105 do CPC a procuração deve mencionar os poderes especiais
lá arrolados.
C) O deferimento da gratuidade de justiça depende da afirmação da insuficiência de
recursos, nos termos do art. 98 do CPC.
D) Trata-se de previsão do art. 75, VI do CPC.
E) Trata-se de previsão do art. 76, §1º, I do CPC.

QUESTÃO 24
Sobre a Defensoria Pública no Código de Processo Civil, marque a assertiva
correta:

A) O Defensor Público não detém prerrogativa de prazo em dobro prevista no código;


B) A legitimidade para a instauração do IRDR restringe-se à Defensoria Pública da
União;
C) É vedado à Defensoria Pública instaurar procedimentos de jurisdição voluntária;
D) Onde não houver Defensoria Pública, o Código de Processo Civil determina que as
Procuradorias dos Estados e Municípios atuem em favor dos necessitados;
E) A função de curador especial é exercida pela Defensoria Pública.

Gabarito:
A) A prerrogativa de dobra de prazos está prevista no art. 186, caput do CPC.
B) De acordo com o art. 977, III do CPC qualquer Defensoria Pública é legitimada para
instaurar o IRDR.
C) De acordo com o art. 720 a Defensoria Pública pode propor procedimentos de
jurisdição voluntária.
D) Inexiste regra nesse sentido no Código de Processo Civil. A função das
procuradorias é de representação das pessoas jurídicas de direito público, na forma do
art. 182.
E) Trata-se de previsão do art. 72, parágrafo único do CPC.
QUESTÃO 25
Sobre a gratuidade de justiça, marque a assertiva que não indica uma isenção
abrangida pelo benefício:

A) O pagamento do ITD no inventário;


B) Os selos postais;
C) As taxas ou as custas judiciais;
D) O custo com a elaboração da memória de cálculo, quando exigida para a instauração
da execução;
E) Os honorários do perito.

Gabarito:
A) Inexiste isenção para ITD prevista no CPC. É possível que a legislação estadual
conceda isenção.
B) Trata-se de isenção prevista no art. 98, §1º, II do CPC.
C) Trata-se de isenção prevista no art. 98, §1º, I do CPC.
D) Trata-se de isenção prevista no art. 98, §1º, VII do CPC.
E) Trata-se de isenção prevista no art. 98, §1º, VI do CPC.

QUESTÃO 26
Sobre o termo de ajustamento de conduta, marque a assertiva correta:

A) Ainda que homologado pelo juiz, o termo de ajustamento de conduta detém natureza
de título executivo extrajudicial;
B) Por força de previsão legal expressa, as associações podem firmar termo de
ajustamento de conduta;
C) O termo de ajustamento de conduta firmado por um legitimado pode ser executado
pelo co-legitimado;
D) A legitimidade da Defensoria Pública para a tutela coletiva não a autoriza a firmar
termo de ajustamento de conduta;
E) O Ministério Público não pode celebrar termo de ajustamento de conduta na
condução inquérito civil.
Gabarito:
A) Apesar de o TAC deter natureza de título executivo extrajudicial (art. 5º, §6º da Lei
n 7.347/85), quando homologado por decisão judicial assume natureza de título
executivo judicial.
B) Inexiste previsão judicial de TAC firmado por associação. Na ADPF n. 165 o STF
admitiu a celebração de acordo, cuja natureza não se confunde com o TAC.
C) De acordo com entendimento doutrinário, o TAC firmado por um legitimado
pode ser executado pelos demais co-legitimados.
D) A doutrina e jurisprudência admitem que a Defensoria Pública, enquanto legitimada
extraordinária e instituição pública possa firmar TAC.
E) Durante a condução do inquérito civil não existe restrição à possibilidade de se
firmar TAC.

QUESTÃO 27
Sobre o microssistema da tutela coletiva, marque a assertiva correta:

A) A ação de improbidade administrativa não é considerada modalidade de ação civil


pública;
B) O Código de Defesa do Consumidor não contém disposições sobre tutela coletiva;
C) O Código de Processo Civil permite a conversão da ação individual em ação
coletiva;
D) O Habeas Corpus, conforme entendimento jurisprudencial, pode ser impetrado em
favor de coletividade determinada;
E) A migração pendular das partes nas ações coletivas não possui previsão legal, sendo
fruto de construção jurisprudencial.

Gabarito:
A) Para a majoritária doutrina a Lei n. 8.429/1992 integra o sistema da tutela coletiva,
sendo a ação de improbidade administrativa uma espécie de ação coletiva.
B) O CDC destina um capítulo próprio para a tutela coletiva.
C) O capítulo do CPC que trata da conversão da ação individual em ação coletiva foi
vetado.
D) De acordo com entendimento do STF é possível a utilização do HC com vertente
coletiva (HC 143.641).
E) A migração pendular está prevista no art. 6º, §3º da Lei n. 4.717/65 e art. 17,§3º da
Lei n. 8.429/1992.

QUESTÃO 28
De acordo com a atuação da Defensoria Pública na tutela coletiva, marque a
assertiva correta.

A) A legitimidade da Defensoria Pública surge na alteração da Lei n. 7.347/85,


inexistindo previsão anterior em outro diploma;
B) A Defensoria Pública não pode patrocinar ações coletivas para interesses difusos;
C) O STF entende que a execução individual do título executivo coletivo depende da
demonstração da hipossuficiência econômica da parte.
D) A Constituição Federal não reconhece a legitimidade da Defensoria Pública para a
tutela coletiva;
E) Ao atuar no polo ativo de uma ação coletiva, a Defensoria Pública não pode atuar em
favor da parte que ocupa o polo passivo, ainda que seja hipossuficiente econômica.

Gabarito:
A) O CDC admitia o ajuizamento de ação coletiva pela Defensoria Pública, a partir da
previsão do art. 82, III.
B) Após o julgamento da ADI n. 3943 pelo STF, reconhece-se a legitimidade da
Defensoria Pública para direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos.
C) No julgamento de Embargos de Declaração na ADI n. 3943 o STF entendeu que
a execução individual do título executivo coletivo depende da demonstração da
hipossuficiência econômica da parte.
D) Após a EC n. 80/2014, a Defensoria Pública possui sua legitimidade para a tutela
coletiva prevista no art. 134 da CRFB.
E) De acordo com o art. 4º-A, V da LC n. 80/94, a Defensoria Pública pode participar
de ações em favor de partes com interesses antagônicos.

QUESTÃO 29
Marque a assertiva que contém uma parte não legitimada para a Ação Civil
Pública:
A) Distrito Federal;
B) Associações constituídas há pelo menos 1 ano;
C) Defensoria Pública;
D) Cidadão portador de título eleitoral;
E) Ministério Público.

Gabarito:
A) Trata-se de legitimidade prevista no art. 5º, III da Lei n. 7.347/1985.
B) Trata-se de legitimidade prevista no art. 5º, V da Lei n. 7.347/1985.
C) Trata-se de legitimidade prevista no art. 5º, II da Lei n. 7.347/1985.
D) O cidadão portador de título eleitor tem legitimidade para a ação popular
apenas.
E) Trata-se de legitimidade prevista no art. 5º, I da Lei n. 7.347/1985.

QUESTÃO 30
Sobe o regime processual das ações civis públicas, marque a assertiva correta:

A) Nas ações coletivas as custas devem ser adiantadas pela associação autora e em caso
de improcedência do pedido, será o autor condenado ao pagamento de honorários;
B) O Código de Processo Civil tem aplicação subsidiária nos processos coletivos;
C) A coisa julgada está limitada aos limites territoriais do órgão prolator, conforme
decisão recente do STF;
D) Transitada em julgado a ação coletiva se, em 30 dias, a associação não promover a
execução, poderá o Ministério Público ou os demais legitimados a promover;
E) Admite-se ação coletiva para veicular matéria tributária por expressa previsão legal.

Gabarito:
A) A regra do art. 18 da Lei n. 7.347/1985 afasta o adiantamento de despesas e
condiciona o pagamento de honorários à demonstração de má-fé processual.
B) Trata-se de previsão contida no art. 19 da Lei n. 7.347/1985.
C) De acordo com a decisão do STF no RE 1.101.937 é inconstitucional a limitação
territorial contida no art. 16 da Lei n. 7.347/1985
D) De acordo com o art. 15 da Lei n. 7.347/1985, o prazo para os demais legitimados
assumirem a execução é de 60 dias.
E) O art. 1º parágrafo único da Lei n. 7.347/1985 veda a ação civil pública em matéria
tributária.
BANCA II

QUESTÃO 01
A respeito dos princípios fundamentais do Direito Penal, assinale a opção
incorreta:

a) De acordo com a jurisprudência dos Tribunais Superiores, o princípio da


insignificância afasta a tipicidade do fato.
b) O princípio da intervenção mínima no Direito Penal encontra reflexo nos princípios
da subsidiariedade e da fragmentariedade.
c) Constituem funções do princípio da lesividade, proibir a incriminação de atitudes
internas, de condutas que não excedam a do próprio autor do fato, de simples estados e
condições existenciais e de condutas moralmente desviadas que não afetem qualquer
bem jurídico.
d) Segundo o princípio da legalidade (nullum crimen nulla poena sine lege certa), a
taxatividade penal admite que os tipos penais sejam abertos ou vagos,
possibilitando, assim, todas as formas de integração da lei, como a analogia.
e) O princípio da culpabilidade impede a chamada responsabilização penal objetiva.

Gabarito:

Segundo o princípio da legalidade (nullum crimen nulla poena sine lege certa), a
taxatividade penal decorrente da lex certa exige que os tipos sejam precisos, fechados,
justamente para conferir ao cidadão a garantia de saber, de forma clara, quais
comportamentos estão sendo proibidos pela lei penal. Desse modo, evita-se a
variabilidade subjetiva na aplicação da lei penal e a utilização da analogia (in malam
partem), igualmente vedada pelo princípio da legalidade (nullum crimen nulla poena
sine lege stricta).
QUESTÃO 02
Analise as afirmativas a seguir sobre aplicação da lei penal tempo e assinale com V
as opções verdadeiras e (F) para opções falsas.
( ) De acordo com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a lei posterior mais
gravosa se aplica ao crime permanente e ao crime continuado, desde que não tenha
cessado a permanência ou a continuidade delitiva.
( ) Segundo o Código Penal, as leis temporárias e as leis excepcionais podem ser
consideradas hipóteses de ultra atividade da lei penal.
( ) Com relação ao tempo do crime, o Código Penal adotou a teoria da ubiquidade,
considerando praticado o crime no momento da ação ou omissão, assim como no
momento da produção do resultado, no todo ou em parte.
( ) A chamada novatio legis in mellius possui aplicação retroativa, visto que a
Constituição da República admite a retroatividade da lei penal apenas em benefício do
réu.
( ) A lei posterior que deixa de considerar determinado fato como crime (abolitio
criminis) é causa extintiva da punibilidade, extinguindo em virtude dela os efeitos
penais e extrapenais da sentença condenatória.
Assinale a sequência correta.
a) V V F F F
b) F F V V V
c) V V F F V
d) F F V V F
e) V V F V F

Gabarito:

Com relação ao tempo do crime, o Código Penal (art. 4º) adotou a teoria da ação ou
atividade, considerando praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que
outro seja o momento do resultado.

A abolitio criminis (art. 2ºdo CP) é causa extintiva da punibilidade (art. 107, inciso III
do CP), cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença
condenatória.
Desta forma, os efeitos extrapenais (como por exemplo tornar certa a obrigação de
indenizar o dano causado pelo crime) não são atingidos pela abolitio criminis.

QUESTÃO 03
CAIO, com o desejo de matar seu inimigo MÉVIO, se dirige a residência deste
carregando um revólver calibre .38 devidamente municiado. CAIO ao chegar na
residência de MÉVIO, se depara com ele dormindo, deitado no sofá. Neste
momento, agindo com animus necandi, CAIO efetua disparos com o revólver,
atingindo MÉVIO seis vezes. Posteriormente, a perícia médico legal veio concluir
que MÉVIO havia falecido horas antes dos disparos sofridos, em decorrência de
uma intoxicação exógena, provocada pela ingestão prévia de veneno, assim como a
perícia de local localizou uma carta de despedida de MÉVIO, que explicava os
motivos pelos quais ele decidiu tirar a própria vida. Considerando apenas as
informações acima, podemos afirmar que CAIO deverá responder criminalmente
por:

a) Homicídio qualificado pelo recurso que dificultou a defesa da vítima, na forma


consumada.
b) Homicídio qualificado pelo recurso que dificultou a defesa da vítima, na forma
tentada, uma vez a ingestão prévia de veneno pela vítima deve ser considerada como
causa preexistente absolutamente independente, nos termos do art. 13 do Código Penal,
que por si só produziu o resultado, não podendo CAIO ser responsabilizado pelo evento
morte.
c) Homicídio qualificado pelo recurso que dificultou a defesa da vítima, na forma
tentada, uma vez que a ingestão prévia de veneno pela vítima deve ser considerada
como causa preexistente relativamente independente, não podendo CAIO ser
responsabilizado pelo resultado morte.
d) Crime de vilipêndio a cadáver, uma vez que a ingestão prévia de veneno pela vítima
deve ser considerada como causa preexistente relativamente independente, não podendo
CAIO ser responsabilizado pelo resultado morte.
e) Nenhum crime, haja vista a ocorrência de crime impossível pela absoluta
impropriedade do objeto.
Gabarito:

CAIO quando efetuou disparos contra MÉVIO, este já se encontrava morto (em razão
do suicídio), inexistindo o necessário objeto material do delito de homicídio, o que
caracteriza o chamado crime impossível, nos termos do art. 16 do CP. A teoria objetiva
(temperada) adotada pelo Código Penal brasileiro, impede que haja punição de CAIO
apenas pelo seu elemento subjetivo (Não se pune a tentativa quando, por ineficácia
absoluta do meio ou por absoluta impropriedade do objeto, é impossível consumar-se o
crime). Caso CAIO tivesse efetuado disparos contra MÉVIO, enquanto este ainda
estava vivo, teríamos ao menos a tentativa de homicídio.

QUESTÃO 04
De acordo com a jurisprudência do STF e STJ, assinale a alternativa incorreta:

a) Para a incidência da majorante prevista no art. 40, inciso V, da Lei 11.343/2006, é


desnecessária a efetiva transposição de fronteiras entre estados da Federação, sendo
suficiente a demonstração inequívoca da intenção de realizar o tráfico interestadual.
b) A superveniência da maioridade penal não interfere na apuração de ato infracional
nem na aplicabilidade de medida socioeducativa em curso, inclusive na liberdade
assistida, enquanto não atingida a idade de 21 anos.
c) A incidência da atenuante da confissão espontânea no crime de tráfico ilícito de
entorpecentes exige o reconhecimento da traficância pelo acusado, não bastando a mera
admissão da posse ou propriedade para uso próprio.
d) É admissível a fixação de pena substitutiva (art. 44 do CP) como condição
especial ao regime aberto.
e) Não é possível o reconhecimento do privilégio previsto no § 2º do art. 155 do CP nos
casos de crime de furto qualificado, salvo se estiverem presentes os requisitos e a
qualificadora for de ordem objetiva.

Gabarito:

De acordo com o entendimento do STJ (Súmula 493), é inadmissível a fixação de pena


substitutiva (art. 44 do CP) como condição especial ao regime aberto.

A Lei de Execução Penal (Lei 7.210/84), em seu art. 115, estabelece quais são as
condições gerais e obrigatórias do regime aberto e permite ao juiz estabelecer condições
especiais. O que não se admite é a imposição de uma nova pena, como é o caso das
penas restritivas de direitos (autônomas e substitutivas – art. 44 do CP), como condição
especial ao regime aberto, caracterizando uma ilegal acumulação de penas.

QUESTÃO 05
CAIO, em 21/09/2020, praticou um crime de furto qualificado pelo emprego de
chave falsa. Após a apuração dos fatos em sede policial e o recebimento da
denúncia ministerial, CAIO passou a figurar como réu na ação penal deflagrada
junto à 6ª Vara Criminal da Comarca da Capital. No dia 07/12/2020 CAIO volta a
delinquir, praticando agora um delito de estelionato que originou outra ação penal,
distribuída para a 9ª Vara Criminal da Comarca da Capital. Certo é que o juízo da
6ª Vara Criminal da Comarca da Capital condenou CAIO a uma pena de 02 (dois)
anos de reclusão em regime aberto, substituída por duas penas restritivas de
direito, cujo trânsito em julgado ocorreu no dia 07/02/2021. Por conseguinte,
CAIO foi preso em flagrante no dia 10/02/2021 ao praticar um roubo simples, com
a respectiva ação penal distribuída para 11ª Vara Criminal da Comarca da
Capital. Considerando as situações narradas acima, assim como o fato do Juízo da
9ª Vara Criminal da Comarca da Capital, no dia 20/04/2021, ter proferido
sentença condenatória, assinale a afirmativa correta.

a) CAIO foi considerado primário na ação penal da 6ª Vara Criminal da Comarca da


Capital e será considerado reincidente na ação penal em trâmite na 9ª Vara Criminal da
Comarca da Capital.
b) CAIO foi considerado primário na ação penal da 6ª Vara Criminal da Comarca da
Capital e será considerado reincidente nas ações penais perante a 9ª Vara Criminal e 11ª
Vara Criminal da Comarca da Capital.
c) CAIO foi considerado primário na ação penal da 6ª Vara Criminal da Comarca da
Capital e será considerado portador de maus antecedentes nas ações penais perante a 9ª
Vara Criminal e 11ª Vara Criminal da Comarca da Capital.
d) CAIO foi considerado primário na ação penal da 6ª Vara Criminal da Comarca
da Capital, será considerado portador de maus antecedentes na ação penal perante
a 9ª Vara Criminal da Comarca da Capital e será considerado reincidente na ação
penal perante a 11ª Vara Criminal da Comarca da Capital.
e) CAIO é tecnicamente primário nas três ações penais em curso.

Gabarito:

A definição legal da reincidência está prevista no art. 63 do CP. Já os maus


antecedentes, diante da inexistência de previsão na lei, passaram a ser considerados pela
doutrina e jurisprudência do STJ e STF, nos casos em que há sentença penal
condenatória transitada em julgado que não gere os efeitos da reincidência.

Desta forma, no primeiro crime CAIO foi condenado a uma pena de 02 anos de reclusão
em regime aberto, substituída por duas PRDs, com trânsito em julgado em 07/02/2021.
No segundo crime, praticado por CAIO em 07/12/2020, não houve a caracterização da
reincidência, visto que o segundo crime foi praticado antes do trânsito em julgado do
primeiro crime (ocorrido em 07/02/2021). Mas por ocasião da sentença penal
condenatória do segundo crime, em 20/04/2021, já havia sentença penal condenatória
transitada em julgado pelo primeiro crime, o que caracteriza os maus antecedentes.
Quando CAIO pratica o terceiro crime, em 10/02/2021, já existia sentença penal
condenatória transitada em julgado pelo segundo crime, o que caracteriza a reincidência
dele neste terceiro crime.

QUESTÃO 06
Julgue os itens abaixo, assinalando a alternativa incorreta:

a) Os prazos prescricionais são reduzidos pela metade, quando o agente, ao tempo do


crime, possuía menos de vinte e um anos de idade.
b) Antes de passar em julgado a sentença final, a prescrição não corre na pendência de
embargos de declaração ou de recursos aos Tribunais Superiores, quando inadmissíveis.
c) A prescrição da pretensão executória, no caso de evasão do condenado, regula-se
pelo tempo que resta da pena.
d) Nos casos de prescrição da pretensão punitiva, os prazos são aumentados em um
terço se o condenado é reincidente.
e) A prescrição da pena de multa ocorrerá no mesmo prazo estabelecido para prescrição
da pena privativa de liberdade, quando a multa for alternativa ou cumulativamente
cominada ou cumulativamente aplicada.

Gabarito:

O aumento de 1/3 (um terço) no prazo prescricional do réu reincidente, previsto no art.
110 do CP, é dirigido à prescrição penal depois de transitar em julgado a sentença
condenatória, isto é, a prescrição da pretensão executória.

Nesse sentido é a Súmula 220 do STJ (A reincidência não influi no prazo da prescrição
da

pretensão punitiva).

QUESTÃO 07
MÉVIO, primário e de bons antecedentes, no dia 25/01/2020 praticou um delito de
roubo, vindo a ser condenado a reprimenda de 06 (seis) anos de reclusão, em razão
do aumento de metade da pena pelo emprego de arma branca e concurso de
pessoas, sendo estabelecido o regime fechado de cumprimento de pena, nos termos
do art. 2º, §1º da Lei 8.072/90 (A pena por crime previsto neste artigo será cumprida
inicialmente em regime fechado). Diante da referida condenação, é possível alegar:

a) Apenas o afastamento da majorante do emprego de arma branca, tendo em vista a


novatio legis in mellius operada pela Lei 13.654/2018, que suprimiu essa causa de
aumento.
b) Apenas o estabelecimento do regime semiaberto por força da declaração de
inconstitucionalidade do art. 2º, §1º da Lei 8.072/90 pelo Supremo Tribunal Federal.
c) O afastamento da majorante do emprego de arma branca, tendo em vista a novatio
legis in mellius operada pela Lei 13.654/2018 que suprimiu essa causa de aumento; e o
estabelecimento do regime semiaberto por força da declaração de inconstitucionalidade
do art. 2º, §1º da Lei 8.072/90 pelo Supremo Tribunal Federal.
d) A aplicação de uma só causa aumento, diante do concurso de causas de aumento
previstas na parte especial, prevalecendo, todavia, a causa que mais aumente e o
estabelecimento do regime semiaberto por força da declaração de inconstitucionalidade
do art. 2º, §1º da Lei 8.072/90 pelo Supremo Tribunal Federal.
e) A aplicação de uma só causa aumento, diante do concurso de causas de aumento
previstas na parte especial, prevalecendo, todavia, a causa que mais aumente e o
estabelecimento do regime semiaberto, uma vez que tal delito não é considerado
hediondo, assim como o aumento na terceira fase de aplicação da pena no crime de
roubo circunstanciado exige fundamentação concreta, não sendo suficiente para a
sua exasperação a mera indicação do número de majorantes.

Gabarito:

O delito foi praticado em 25/01/2020, ou seja, depois da reinserção do emprego de arma


branca como causa de aumento de pena no delito de roubo, estabelecida pela Lei
13.964/2019. Desta forma, não há que se falar em novatio legis in mellius.

O delito de roubo majorado pelo concurso de pessoas e emprego de arma branca não
passou a ser considerado hediondo, sem embargo das inserções promovidas pela Lei
13.964/2019 na Lei 8.072/90.

Deve ser alegada a aplicação de uma só causa aumento, diante do concurso de causas de
aumento previstas na parte especial, prevalecendo, todavia, a causa que mais aumente
(art. 68, parágrafo único do CP) e o estabelecimento do regime semiaberto, uma vez que
tal delito não é considerado hediondo (art. 1º, inciso II da Lei 8.072/90), assim como o
aumento na terceira fase de aplicação da pena no crime de roubo circunstanciado exige
fundamentação concreta, não sendo suficiente para a sua exasperação a mera indicação
do número de majorantes (Súmula 443 do STJ).

QUESTÃO 08
A respeito da Lei 13.964/2019 (Pacote Anticrime), assinale a opção correta.

a) A Lei 13.964/2019 (Pacote Anticrime), modificou a Lei 10.826/2003 (Estatuto do


Desarmamento), ao deixar de considerar como crime a posse e o porte de arma de uso
permitido, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais de eventual sentença
condenatória.
b) A Lei 13.964/2019 (Pacote Anticrime), modificou a Lei 8.072/90 (Lei dos Crimes
Hediondos), passando a considerar o delito de roubo, em todas as suas modalidades,
como crime hediondo, sendo tal modificação irretroativa por força do princípio da
legalidade.
c) A Lei 13.964/2019 (Pacote Anticrime), modificou a Lei 10.826/2003 (Estatuto do
Desarmamento), passando a considerar como criminosa a conduta de quem vende ou
entrega arma de fogo, acessório ou munição, sem autorização ou em desacordo com a
determinação legal ou regulamentar, a agente policial disfarçado, independentemente de
elementos probatórios de conduta criminal preexistente.
d) A Lei 13.964/2019 (Pacote Anticrime), modificou a Lei 8.072/90 (Lei dos Crimes
Hediondos), deixando de considerar como hediondo os delitos de porte e posse de
arma de uso restrito.
e) A Lei 13.964/2019 (Pacote Anticrime), modificou a Lei 11.343/06 (Lei Antidrogas),
passando a considerar como criminosa a conduta daquele que vende ou entrega drogas a
agente policial disfarçado, independentemente de elementos probatórios de conduta
criminal preexistente.

Gabarito:

A Lei 13.964/2019 modificou a Lei 10.826/2003 (Estatuto do Desarmamento), mas não


deixou de considerar como crime a posse e o porte de arma de uso permitido.

A Lei 13.964/2019 modificou a Lei 8.072/90 (Lei dos Crimes Hediondos), passando a
considerar como crime hediondo, em seu art. 1º, inciso II, o delito de roubo
circunstanciado pela restrição de liberdade da vítima (art. 157, § 2º, inciso V) ou pelo
emprego de arma de fogo (art. 157, § 2º-A, inciso I) ou pelo emprego de arma de fogo
de uso proibido ou restrito (art. 157, § 2º-B), assim como o roubo qualificado pelo
resultado lesão corporal grave ou morte (art. 157, § 3º), sendo tais modificações
irretroativas por força do princípio da legalidade.

A Lei 13.964/2019 modificou a Lei 10.826/2003 (Estatuto do Desarmamento), passando


a considerar como criminosa, no parágrafo único do art. 17, a conduta de quem vende
ou entrega arma de fogo, acessório ou munição, sem autorização ou em desacordo com
a determinação legal ou regulamentar, a agente policial disfarçado, mas apenas quando
presentes elementos probatórios razoáveis de conduta criminal preexistente. Da mesma
forma a Lei 13.964/2019 modificou a Lei 11.343/06 (Lei Antidrogas), passando a
considerar igualmente como criminosa, no inciso IV do §1º do art. 33, a conduta
daquele que vende ou entrega drogas a agente policial disfarçado, quando presentes
elementos probatórios razoáveis de conduta criminal preexistente.

QUESTÃO 09
Julgue os itens abaixo, assinalando a alternativa incorreta:

a) O princípio da legalidade previsto expressamente na Lei de Execução Penal (Lei


7.210/84), determina que não haverá falta nem sanção disciplinar sem expressa e
anterior previsão legal ou regulamentar.
b) De acordo com a jurisprudência do STF, é possível afastar o prévio procedimento
administrativo disciplinar ou suprir sua eventual deficiência técnica, na hipótese de
oitiva do condenado em audiência de justificação no juízo da execução penal, realizada
na presença do Ministério Público e defesa técnica.
c) O princípio da humanidade das penas encontra-se espraiado em diversos dispositivos
constitucionais, dentre eles, o que assegura aos presos o respeito à integridade física e
moral, assim como o que garante às presidiárias condições para que possam permanecer
com seus filhos durante o período de amamentação.
d) O princípio da intranscendência da pena determina que nenhuma pena passará
da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e a pena
pecuniária ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles
executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido.
e) Segundo a jurisprudência do STJ, a falta disciplinar de natureza grave prescreve em
três anos.

Gabarito:

O princípio da intranscendência ou pessoalidade da pena, previsto no art. 5º, inciso


XLV da CRFB/88 determina que nenhuma pena passará da pessoa do condenado,
podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de bens ser, nos
termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor
do patrimônio transferido. A pena pecuniária (pena de multa), enquanto modalidade de
pena (art. 32, inciso III do CP) não se transmite aos herdeiros, devendo ser extinta nos
termos do art. 107, I do CP.

QUESTÃO 10
Sobre o sistema disciplinar na execução penal é correto afirmar que:

a) O cumprimento de sanção disciplinar em cela escura tem o prazo máximo de duração


de trinta dias.
b) O descumprimento do dever de executar tarefas e ordens recebidas pelo preso não
configura falta disciplinar de natureza grave, conforme a Lei de Execução Penal.
c) Destina-se apenas às penas privativas de liberdade, não existindo faltas disciplinares
de natureza grave na execução de pena restritiva de direitos.
d) A condenação em falta disciplinar de natureza grave implica na perda automática de
um terço do tempo remido pelo trabalho ou estudo.
e) Constitui falta disciplinar de natureza grave a recusa do condenado em
submeter-se ao procedimento de identificação do perfil genético.

Gabarito:

O cumprimento de sanção disciplinar em cela escura é vedado pelo art. 45, §2º da LEP.
O descumprimento do dever de executar tarefas e ordens recebidas pelo preso configura
falta disciplinar de natureza grave, conforme o disposto no art. 39, inciso V e art. 50,
inciso VI, todos da Lei de Execução Penal.

O sistema disciplinar é aplicado às penas privativas de liberdade, assim como às penas


restritivas de direitos (e aos presos provisórios), conforme o parágrafo único do art. 44
da LEP. Vale ressaltar o rol das faltas disciplinares de natureza grave no cumprimento
da PPL (art. 50 da LEP) e no cumprimento da PRD (art. 51 da LEP).

Segundo o art. 127 da LEP, em caso de falta grave, o juiz poderá revogar até 1/3 (um
terço) do tempo remido, observado o disposto no art. 57 da LEP, recomeçando a
contagem a partir da data da infração disciplinar. Desta forma, não há que se falar em
perda automática de tempo remido pelo trabalho ou estudo, devendo a decisão judicial
que eventualmente determine a perda dos dias remidos, ser devidamente fundamentada.

QUESTÃO 11
Sobre a progressão de regime de cumprimento de pena, é incorreto afirmar que:

a) O cometimento de falta grave durante a execução da pena privativa de liberdade


interrompe o prazo para a obtenção da progressão no regime de cumprimento da pena,
caso em que o reinício da contagem do requisito objetivo terá como base a pena
remanescente.
b) No caso de condenada responsável por pessoas com deficiência, o requisito temporal
para progressão de regime será de 1/8 (um oitavo) da pena no regime anterior, além de
outros requisitos legais que não foram modificados pela Lei 13.964/2019.
c) A Lei 13.964/2019, ao dar nova redação ao art. 112 da LEP, vedou a concessão
da progressão de regime ao condenado por crime hediondo com resultado morte.
d) A Lei 13.964/2019 passou a exigir o cumprimento de 50% (cinquenta por cento) da
pena para progressão de regime dos condenados por exercer o comando, individual ou
coletivo, de organização criminosa estruturada para a prática de crime hediondo ou
equiparado.
e) A Lei 13.964/2019 passou a exigir que o condenado expressamente em sentença por
integrar organização criminosa ou por crime praticado por meio de organização
criminosa somente obtenha a progressão de regime se houver elementos probatórios que
indiquem o rompimento do vínculo associativo.

Gabarito:

A Lei 13.964/2019, embora tenha dado nova redação ao art. 112 da LEP, no caso de
condenados por crimes hediondos com resultado morte vedou apenas o livramento
condicional (incisos VI, alínea a e inciso VII), estabelecendo para tais crimes, como
requisito temporal para progressão de regime, o cumprimento de 50% (cinquenta por
cento) da pena se o condenado for primário e 70% (setenta por cento) da pena se o
apenado for reincidente.

QUESTÃO 12
A respeito das Autorizações de Saída previstas na Lei de Execução Penal, assinale
a alternativa correta.

a) A permissão de saída não pode ser concedida pelo diretor do estabelecimento


prisional para os condenados do regime fechado, pois nesse caso deverá haver
autorização judicial.
b) A saída temporária pode ser concedida pelo diretor do estabelecimento onde se
encontra o preso, mediante escolta, para frequência a curso supletivo profissionalizante,
bem como de instrução do 2º grau ou superior, na Comarca do Juízo da Execução.
c) Os condenados que cumprem pena em regime fechado ou semiaberto e os presos
provisórios poderão obter permissão para sair do estabelecimento, concedida pelo
diretor da unidade prisional, sem vigilância direta, nas hipóteses de falecimento ou
doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão, por prazo
não superior a 7 (sete) dias.
d) A saída temporária exige como requisito objetivo temporal o cumprimento de
1/6 (um sexto) da pena, se o condenado for primário, e 1/4 (um quarto), se
reincidente, sendo computado para tais frações o tempo de cumprimento da pena
no regime fechado.
e) O condenado por crime hediondo com resultado morte, praticado a partir da Lei
13.964/2019 (Pacote Anticrime), precisará cumprir 50% (cinquenta por cento) da pena
se for primário, e 70% (setenta por cento) da pena para obter a autorização de saída
temporária.

Gabarito:

De acordo com o art. 120 da LEP e seu parágrafo único, a permissão de saída será
concedida pelo diretor do estabelecimento onde se encontra o preso (condenados em
regime fechado ou semiaberto e os presos provisórios), mediante escolta, quando
ocorrer um dos seguintes fatos: i) falecimento ou doença grave do cônjuge,
companheira, ascendente, descendente ou irmão; ii) necessidade de tratamento médico
(parágrafo único do artigo 14 da LEP), sendo verdadeiro ato administrativo.

As saídas temporárias são destinadas aos condenados em regime semiaberto, concedida


por ato motivado do Juiz da execução, ouvidos o Ministério Público e a administração
penitenciária, sem vigilância direta, nas hipóteses: i) visita à família; ii) frequência a
curso supletivo profissionalizante, bem como de instrução do 2º grau ou superior, na
Comarca do Juízo da Execução; iii) participação em atividades que concorram para o
retorno ao convívio social, conforme art. 122 e 123 da LEP.

De acordo com a Súmula 40 do STJ, “para obtenção dos benefícios de saída temporária
e trabalho externo, considera-se o tempo de cumprimento da pena no regime fechado”.

A Lei 13.964/2019 passou a vedar a concessão da autorização de saída temporária aos


condenados por crimes hediondos com resultado morte, com a inclusão do §2º no art.
122 da LEP.

QUESTÃO 13
Analise as afirmativas a seguir sobre remição de pena e assinale com V as opções
verdadeiras e (F) para opções falsas.

( ) De acordo com a Lei 7.210/84 (Lei de Execução Penal), o condenado em regime


aberto poderá remir parte de sua pena pelo trabalho, mas não pelo estudo.
( ) De acordo com a Lei 7.210/84 (Lei de Execução Penal), o condenado em
livramento condicional poderá remir parte de sua pena pelo estudo, mas não pelo
trabalho.
( ) A remição não modifica a pena em execução, que permanece a mesma, o tempo
remido será computado como pena cumprida, para todos os efeitos.
( ) A remição pela leitura, segundo a Lei de Execução Penal, será feita à razão de 1
(um) dia de pena a cada 12 (doze) horas de leitura.
( ) O tempo a remir em função das horas de estudo será acrescido de 1/3 (um terço) no
caso de conclusão do ensino fundamental, médio ou superior durante o cumprimento da
pena, desde que certificada pelo órgão competente do sistema de educação.
Assinale a sequência correta.
a) V V F V F
b) F F V V V
c) V F F F V
d) F V V F V

Gabarito:

O condenado em cumprimento de pena em regime aberto (assim como o egresso em


livramento condicional) poderá remir parte de sua pena apenas pelo estudo (Art. 126,
§6ºda LEP).

A remição pela leitura, diferentemente da remição pelo estudo, não foi regulamentada
pela Lei de Execução Penal. A remição pela leitura é regulamentada no âmbito do
Direito Penitenciário, em determinados estados da federação por meio de leis, em outros
através de portarias e resoluções das respectivas Secretarias. No Rio de Janeiro é
regulado pela Resolução 621 da Secretaria de Estado e Administração Penitenciária
(SEAP), que atribui 04 dias de remição por livro lido, após a respectiva resenha ser
aprovada pela banca julgadora, respeitado o limite máximo de 01 livro por mês.

QUESTÃO 14
MÉVIO foi preso em flagrante no dia 15/02/2020, ante a prática do crime de
roubo. Mantida sua custódia cautelar, MÉVIO restou condenado nos seguintes
termos: pena base de 04 (quatro) anos de reclusão, compensada a agravante da
reincidência (por outro delito de roubo) com a atenuante da confissão espontânea,
aumentada em 2/3 (dois terços) pelo emprego de arma de fogo de uso permitido,
totalizando uma reprimenda de 06 (seis) anos e 08 (oito) meses de reclusão em
regime fechado. Diante da referida condenação, é possível afirmar que:

a) MÉVIO terá direito a progressão de regime com o cumprimento de 1/6 (um sexto) da
pena, e livramento condicional com mais da 1/2 (metade) da pena em razão da
reincidência em crime doloso.
b) MÉVIO terá direito a progressão de regime com o cumprimento de 30% (trinta por
cento) da pena, haja vista a reincidência em crime cometido com violência à pessoa ou
grave ameaça, e livramento condicional com mais da 1/2 (metade) da pena em razão da
reincidência em crime doloso.
c) MÉVIO terá direito a progressão de regime com o cumprimento de 40%
(quarenta por cento) da pena, haja vista a condenação por crime hediondo e a
reincidência não específica em crimes desta natureza, e livramento condicional
com mais de 2/3 (dois terços) da pena.
d) MÉVIO terá direito a progressão de regime com o cumprimento 60% (sessenta por
cento) da pena, haja vista a reincidência específica na prática de crime hediondo, e
livramento condicional com mais de 2/3 (dois terços) da pena.
e) MÉVIO terá direito a progressão de regime com o cumprimento 60% (sessenta por
cento) da pena, sendo vedado o livramento condicional pela reincidência específica na
prática de crime hediondo ou equiparado.

Gabarito:

MÉVIO praticou o crime de roubo circunstanciado pelo emprego de arma de fogo, já


sob a égide da Lei 13.964/2019, sendo, portanto, considerado como crime hediondo nos
termos do art. 1º, inciso II da Lei 8.072/90 (Lei dos Crimes Hediondos). Desta forma,
considerando que a reincidência de MÉVIO não é uma reincidência específica em
crimes hediondos para imposição do requisito de cumprimento de 60% (sessenta por
cento) da pena (art. 112, inciso VII da LEP), o mesmo precisará cumprir 40% (quarenta
por cento) da pena para obter a progressão de regime (art. 112, inciso V da LEP). No
tocante ao livramento condicional, o mesmo precisará cumprir mais de 2/3 (dois terços)
da pena, nos termos do art. 83, inciso V do CP.

QUESTÃO 15
CAIO, não-reincidente em crime doloso, obteve livramento condicional numa
condenação de 06 (seis) anos de reclusão por violação ao art. 157, §2º, I e II do CP.
Durante o cumprimento do livramento condicional, este revogado pelo juiz da
VEP, diante do trânsito em julgado de uma sentença penal condenatória que impôs
nova pena de 06 (seis) anos de reclusão por violação ao art. 157, §2º, I e II, CP,
crime este praticado antes do início do período de prova, que CAIO respondia na
qualidade de réu solto. Diante de tal situação, assinale a opção correta:

a) CAIO não terá descontado na pena o tempo em que esteve liberado, nem poderá obter
novo livramento condicional, tendo em vista a sua revogação pela sentença penal
condenatória irrecorrível. Com relação a nova condenação, CAIO precisará cumprir
mais de 1/2 (metade) da pena.
b) CAIO não terá descontado na pena o tempo em que esteve liberado, nem poderá
obter novo livramento condicional, tendo em vista a sua revogação pela sentença penal
condenatória irrecorrível. Com relação a nova condenação, CAIO precisará cumprir
mais de 1/3 (um terço) da pena.
c) CAIO terá descontado na pena o tempo em que esteve liberado, mas não poderá obter
novo livramento condicional, tendo em vista a sua revogação pela sentença penal
condenatória irrecorrível. Com relação a nova condenação, CAIO precisará cumprir
mais de 1/2 (metade) da pena.
d) CAIO terá descontado na pena o tempo em que esteve liberado e poderá obter
novo livramento condicional com a soma das condenações. Para concessão do novo
livramento, CAIO precisará cumprir mais de 1/3 (um terço) da pena.
e) CAIO terá descontado na pena o tempo em que esteve liberado e poderá obter novo
livramento condicional com a soma das condenações. Para concessão do novo
livramento, CAIO precisará cumprir mais de 1/2 (metade) da pena.

Gabarito:

CAIO teve o livramento condicional revogado em razão da condenação à pena privativa


de liberdade, em sentença irrecorrível, por crime praticado antes do início do período de
prova (art. 86, inciso II do CP). Desta forma, como efeitos da revogação, previstos nos
art. 88 do CP e art. 141 da LEP, computa-se como tempo de cumprimento da pena o
período de prova, sendo permitida, para a concessão de novo livramento, a soma do
tempo das 2 (duas) penas (art. 84 do CP). Com relação a nova condenação, CAIO não
se tornou reincidente, visto que obteve o livramento como não reincidente em crime
doloso e a nova condenação é por crime anterior a este, que transitou em julgado agora,
mantendo-o como primário. Desta forma, não sendo reincidente em crime doloso, fará
jus ao livramento condicional após o cumprimento de mais de 1/3 (um terço) da pena,
nos termos do art. 83, inciso I do CP.

QUESTÃO 16
Assinale a alternativa correta sobre o Acordo de Não Persecução Penal:

a) A prestação de serviços à comunidade estabelecida como condição para celebração


do Acordo de Não Persecução Penal tem prazo máximo de duração idêntico ao da pena
mínima cominada ao delito.

b) Nos crimes praticados sem violência ou grave ameaça em que a pena mínima
cominada for inferior a quatro anos, o Ministério Público poderá propor Acordo de Não
Persecução Penal, desde que necessário e suficiente para reprovação e prevenção do
crime.

c) É cabível a celebração de Acordo de Não Persecução Penal em crime de ameaça


praticado no âmbito de violência doméstica ou familiar contra a mulher.

d) O Acordo de Não Persecução Penal poderá ser entabulado diretamente entre o


acusado e o membro do Ministério Público, sendo facultativa a presença de defensor ou
advogado;

e) Não se exige a intimação da vítima acerca da homologação do Acordo Não


Persecução Penal.

Resposta:

a) Errada. O prazo máximo de duração da prestação de serviços à comunidade deve


corresponder à pena mínima cominada ao delito diminuída de 1/3 a 2/3 (CPP, art. 28-A,
III: “prestar serviço à comunidade ou a entidades públicas por período correspondente à
pena mínima cominada ao delito diminuída de um a dois terços, em local a ser indicado
pelo juízo da execução, na forma do art. 46 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro
de 1940 (Código Penal)”;

b) Correta. Art. 28-A do CPP: “Não sendo caso de arquivamento e tendo o investigado
confessado formal e circunstancialmente a prática de infração penal sem violência ou
grave ameaça e com pena mínima inferior a 4 (quatro) anos, o Ministério Público
poderá propor acordo de não persecução penal, desde que necessário e suficiente para
reprovação e prevenção do crime, mediante as seguintes condições ajustadas cumulativa
e alternativamente [...]”

c) Errada. É incabível a celebração de ANPP em crimes envolvendo violência


doméstica e familiar contra a mulher, ainda que praticados sem violência ou grave
ameaça. Art. 28-A, §2º, IV do CPP: “O disposto no caput deste artigo não se aplica nas
seguintes hipóteses: [...] IV - nos crimes praticados no âmbito de violência doméstica
ou familiar, ou praticados contra a mulher por razões da condição de sexo feminino, em
favor do agressor”.

d) Errada. Para a celebração do ANPP, a presença de defesa técnica é indispensável.


Art. 28-A, § 3º, do CPP: “O acordo de não persecução penal será formalizado por
escrito e será firmado pelo membro do Ministério Público, pelo investigado e por seu
defensor”.

e) Errada. Há determinação expressa no CPP acerca da necessidade de intimação da


vítima sobre a homologação do ANPP. Art. 28-A, §9º, CPP: “A vítima será intimada da
homologação do acordo de não persecução penal e de seu descumprimento.”

QUESTÃO 17
Sobre o rito do Tribunal do Júri, considere as assertivas abaixo:

I. Da decisão de pronúncia, caberá apelação.

II. O Ministério Público poderá apresentar rol de até 8 (oito) testemunhas para depor em
plenário.

III. O desaforamento poderá ser determinado em razão do interesse da ordem pública ou


de comprovado excesso de serviço.

IV. Tratando-se de crime de grande repercussão midiática, o Ministério Público só


poderá fazer a leitura de artigos de jornais ou exibir vídeos sobre os fatos submetidos a
julgamento, se o documento tiver sido juntado aos autos com 3 (três) dias úteis de
antecedência, dando-se ciência à outra parte.

Estão corretas, apenas:

a) I e III;
b) II e III;

c) I e IV;

d) III e IV;

e) II e IV;

Resposta:

a) Errada. A alternativa I está incorreta: da decisão de pronúncia, caberá recurso em


sentido estrito. Art. 581, IV, CPP.

b) Errada. A alternativa II está incorreta: em plenário, o Ministério Público poderá


apresentar rol com até 5 testemunhas, nos termos no art. 422 do CPP. “Ao receber os
autos, o presidente do Tribunal do Júri determinará a intimação do órgão do Ministério
Público ou do querelante, no caso de queixa, e do defensor, para, no prazo de 5 (cinco)
dias, apresentarem rol de testemunhas que irão depor em plenário, até o máximo de 5
(cinco), oportunidade em que poderão juntar documentos e requerer diligência”.

c) Errada. A alternativa I está incorreta, conforme explicitado no item anterior.

d) Correta. A alternativa III está certa: essas duas hipóteses de desaforamento estão
previstas nos artigos 427 e 428 do CPP. A alternativa IV também está correta, nos
termos do art. 479 do CPP: “Durante o julgamento não será permitida a leitura de
documento ou a exibição de objeto que não tiver sido juntado aos autos com a
antecedência mínima de 3 (três) dias úteis, dando-se ciência à outra parte. Parágrafo
único. Compreende-se na proibição deste artigo a leitura de jornais ou qualquer outro
escrito, bem como a exibição de vídeos, gravações, fotografias, laudos, quadros, croqui
ou qualquer outro meio assemelhado, cujo conteúdo versar sobre a matéria de fato
submetida à apreciação e julgamento dos jurados”.

e) Errada. A alternativa II está incorreta, conforme explicitado acima.


QUESTÃO 18
De acordo com o entendimento sumulado dos Tribunais Superiores:

a) O efeito devolutivo da apelação contra decisões do Júri é adstrito aos fundamentos da


sua interposição.

b) A Justiça Militar é competente para julgar oficiais e praças das milícias dos Estados
no exercício de função policial civil.

c) No processo penal, a deficiência da defesa técnica constitui nulidade absoluta.

d) A homologação da transação penal faz coisa julgada material.

e) A competência para o processo e julgamento do crime de latrocínio é do Tribunal do


Júri.

Resposta:

a) Correta. Redação literal da súmula 713 do STF: “O efeito devolutivo da apelação


contra decisões do Júri é adstrito aos fundamentos da sua interposição.”

b) Errada. Súmula 297, STF: “Oficiais e praças das milícias dos Estados, no exercício
de função policial civil, não são considerados militares para efeitos penais, sendo
competente a Justiça comum para julgar os crimes cometidos por ou contra eles.”

c) Errada. Súmula 523 do STF: “No processo penal, a falta da defesa constitui nulidade
absoluta, mas a sua deficiência só o anulará se houver prova de prejuízo para o réu.”

d) Errada. Súmula 35 STF: “A homologação da transação penal prevista no art. 76 da lei


9099/1995, não faz coisa julgada material, descumpridas suas clausulas, retorna-se a
situação anterior possibilitando o Ministério Público a continuidade da persecução penal
mediante oferecimento da denúncia ou requisição de inquérito policial

e) Errada. Súmula 603 do STF: “A competência para o processo e julgamento de


latrocínio é do Juiz singular e não do Tribunal do Júri”.
QUESTÃO 19
Com relação à lei nº 13.964/2019 (“pacote anticrime”), assinale a opção correta:

a) De acordo com entendimento do STF, a inobservância do prazo de revisão periódica


da prisão preventiva acarreta o relaxamento da segregação cautelar.

b) O poder geral de cautela autoriza que o juízo da custódia converta o flagrante em


prisão preventiva de ofício se presentes os requisitos do art. 312 do CPP.

c) Considera-se fundamentada a decisão que decreta a prisão preventiva utilizando


conceitos jurídicos indeterminados.

d) A necessidade de preservação da cadeia de custódia da prova consiste em construção


doutrinária e jurisprudencial, não encontrando expressa previsão legal.

e) Antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória, o juiz poderá autorizar,


constatado o interesse público, a utilização de bem sequestrado ou apreendido pelos
órgãos de segurança pública para o desempenho de suas atividades.

Resposta:

a) Errada. “A inobservância do prazo nonagesimal do art. 316 do Código de Processo


Penal não implica automática revogação da prisão preventiva, devendo o juízo
competente ser instado a reavaliar a legalidade e a atualidade de seus fundamentos”
(STF. Plenário. SL 1395 MC Ref/SP, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 14 e 15/10/2020
(Info 995).

b) Errada. A Lei nº 13.964/2019, ao suprimir a expressão “de ofício” que constava do


art. 282, § 2º, e do art. 311, ambos do CPP, vedou, de forma absoluta, a decretação da
prisão preventiva sem o prévio requerimento das partes ou representação da autoridade
policial. Havia divergência entre a 5ª e a 6ª Turmas do STJ, devidamente pacificada em
2021 (STJ. 3ª seção. RHC 131.263, julgado em 24/02/2021; STF. 2ª Turma. HC
188888/MG, julgado em 6/10/2020 - Info 994)

c) Errada. O art. 315, §2º, II expressamente aduz que “Não se considera fundamentada
qualquer decisão judicial, seja ela interlocutória, sentença ou acórdão, que: empregar
conceitos jurídicos indeterminados, sem explicar o motivo concreto de sua incidência
no caso”.

d) Errada. A cadeia de custódia da prova encontrou expressa previsão legal no CPP após
o advento do pacote “anticrime” (artigos 158-A e seguintes).

e) Correta. Trata-se de previsão contida no novel art. 133-A, caput e parágrafo 4º: “O
juiz poderá autorizar, constatado o interesse público, a utilização de bem sequestrado,
apreendido ou sujeito a qualquer medida assecuratória pelos órgãos de segurança
pública previstos no art. 144 da Constituição Federal, do sistema prisional, do sistema
socioeducativo, da Força Nacional de Segurança Pública e do Instituto Geral de Perícia,
para o desempenho de suas atividades [...] § 4ºTransitada em julgado a sentença penal
condenatória com a decretação de perdimento dos bens, ressalvado o direito do lesado
ou terceiro de boa-fé, o juiz poderá determinar a transferência definitiva da propriedade
ao órgão público beneficiário ao qual foi custodiado o bem.”

QUESTÃO 20
Qual o recurso cabível em face de decisão denegatória de Habeas Corpus,
proferida por maioria, em Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do
Rio de Janeiro?

a) Recurso em Sentido Estrito

b) Agravo Interno

c) Embargos Infringentes

d) Recurso Ordinário Constitucional

e) Recurso Especial

Resposta:

a) Errada. As hipóteses de cabimento do Recurso em Sentido Estrito encontram-se


taxativamente previstas no art. 581 do CPP.

b) Errada. A decisão não foi proferida por relator, e sim pelo Colegiado.
c) Errada. O parágrafo único do art. 609 do CPP, ao consignar que “Quando não for
unânime a decisão de segunda instância, desfavorável ao réu, admitem-se embargos
infringentes e de nulidade, que poderão ser opostos dentro de 10 (dez) dias”, refere-se a
julgamento de apelação, RESE ou agravo em execução. Não cabem embargos
infringentes contra decisão proferidas em sede de Habeas Corpus

d) Correta. A previsão encontra-se no art. 105, II, “a” da CF: “Compete ao Superior
Tribunal de Justiça: julgar, em recurso ordinário: os habeas corpus decididos em única
ou última instância pelos Tribunais Regionais Federais ou pelos tribunais dos Estados,
do Distrito Federal e Territórios, quando a decisão for denegatória;

e) Errado. Não se trata de quaisquer das hipóteses previstas no art. 105, III, da
Constituição Federal.

QUESTÃO 21
Marque a assertiva correta sobre a lei nº 11.340/2006 (“Lei Maria da Penha”):

a) Aplica-se a suspensão condicional da pena aos crimes envolvendo violência


doméstica e familiar contra a mulher;

b) Aplica-se a suspensão condicional do processo aos crimes envolvendo violência


doméstica e familiar contra a mulher;

c) Aplica-se a transação penal aos crimes envolvendo violência doméstica e familiar


contra a mulher;

d) É possível substituir a pena privativa de liberdade por pena restritiva de direitos em


crimes envolvendo violência doméstica e familiar contra a mulher, desde que atendidos
os requisitos do art. 44 do Código Penal.

e) Aplica-se o princípio da insignificância aos crimes envolvendo violência doméstica e


familiar contra a mulher;

Resposta:

a) Correta. A suspensão condicional da pena encontra assento no Código Penal e a lei


Maria da Penha não exclui sua aplicação.
b) Errado. A suspensão condicional do processo encontra previsão no art. 89 da lei nº
9.099/95 – e o art. 41 da lei nº 11.340/2006 expressamente exclui a aplicação da lei nº
9.099/95 aos crimes praticados com violência doméstica e familiar contra a mulher. No
mesmo sentido, dispõe a Súmula 536 do STJ: “A suspensão condicional do processo e a
transação penal não se aplicam na hipótese de delitos sujeitos ao rito da Lei Maria da
Penha”.

c) A suspensão condicional do processo encontra previsão no art. 76 da lei nº 9.099/95 –


e o art. 41 da lei nº 11.340/2006 expressamente exclui a aplicação da lei nº 9.099/95 aos
crimes praticados com violência doméstica e familiar contra a mulher. No mesmo
sentido, dispõe a Súmula 536 do STJ: “A suspensão condicional do processo e a
transação penal não se aplicam na hipótese de delitos sujeitos ao rito da Lei Maria da
Penha”.

d) Errado. A súmula 588 do STJ é cristalina ao consignar que “a prática de crime ou


contravenção penal contra a mulher com violência ou grave ameaça no ambiente
doméstico impossibilita a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de
direitos.”

e) Errado. A súmula 589 do STJ veda a aplicação da bagatela em crimes envolvendo


violência doméstica e familiar contra mulher: “É inaplicável o princípio da
insignificância nos crimes ou contravenções penais praticados contra a mulher no
âmbito das relações domésticas.”

QUESTÃO 22
Sobre o incidente de insanidade mental, infere-se da disciplina prevista no Código
de Processo Penal que:

a) Caso a Autoridade Policial verifique, no curso do inquérito, que o investigado possui


doença mental, deverá requisitar ao setor de perícias a realização de exame médico-
legal de insanidade mental.

b) O incidente de insanidade mental poderá ser instaurado a qualquer tempo, desde que
antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória.

c) O incidente de insanidade mental processar-se-á no interior dos autos principais.


d) A instauração de incidente de insanidade mental suspende o processo e o curso do
prazo prescricional.

e) Quando houver dúvida sobre a integridade mental do acusado, o juiz poderá ordenar,
de ofício, seja este submetido a exame médico-legal.

Resposta:

a) Errado. Trata-se de prova submetida à reserva de jurisdição, razão pela qual exige-se
a representação da Autoridade Policial ao Juízo competente (Art. 149, §1º, CPP: “O
exame poderá ser ordenado ainda na fase do inquérito, mediante representação da
autoridade policial ao juiz competente”).

b) Errado. Em caso de superveniência de doença mental, o exame pode ser instaurado


na fase de execução da pena (CPP, art. 154).

c) Errado. O incidente da insanidade mental processar-se-á em auto apartado, que só


depois da apresentação do laudo, será apenso ao processo principal.

d) Errado. A instauração do incidente de insanidade mental suspende somente o


processo, não o curso do prazo prescricional.

e) Correta. Inobstante parte da doutrina defenda tratar-se de prova exclusiva da defesa, o


art. 149 do CPP estabelece que o incidente pode ser instaurado de ofício pelo
magistrado.

QUESTÃO 23
Garrincha foi condenado em primeira instância à pena de 4 anos de reclusão, em
regime inicialmente semiaberto, pela prática de crime de roubo tentado. A
sentença transitou em julgado para o Ministério Público e a Defesa interpôs
recurso de apelação para impugnar, exclusivamente, a primeira fase da dosimetria
da pena, eis que o juiz aumentou a pena base em decorrência dos maus
antecedentes, e o regime de cumprimento de pena. Sobre o caso narrado, marque a
alternativa correta:
a) O Tribunal de Justiça não poderá absolver o réu com fundamento na fragilidade
probatória, ficando limitado aos tópicos impugnados pela defesa, em decorrência do
efeito devolutivo do recurso.

b) O Tribunal de Justiça poderá aumentar a pena intermediária em razão do


reconhecimento da agravante de reincidência omitida pela r. sentença, desde que tenha
sido descrita na denúncia, com fulcro no efeito translativo do recurso.

c) O Ministério Público poderá interpor recurso adesivo requerendo que o órgão ad


quem agrave a pena em decorrência da reincidência.

d) O Tribunal de Justiça poderá determinar que o acusado cumpra a pena em regime


inicialmente fechado, uma vez que a matéria foi levada ao conhecimento do órgão ad
quem pela defesa.

e) De acordo com a jurisprudência majoritária do STJ, a defesa poderá impetrar Habeas


Corpus concomitantemente à apelação para postular a revogação da prisão preventiva.

Resposta:

a) Errada. No processo penal, o efeito devolutivo dos recursos é cingido pelo princípio
da reformatio in mellius.

b) Errada. O processo penal é regido pelo princípio da vedação da reformatio in pejus


(art. 617 do CPP). Significa que a situação do réu não pode ser agravada em razão de
recurso interposto exclusivamente pela defesa.

c) Errada. Em matéria criminal, não deve ser conhecido o recurso adesivo interposto
pelo Ministério Púbico em desfavor do réu. Isso porque, em última análise,
considerando a relação de subordinação existente entre o recurso ministerial e o recurso
defensivo, estar-se-ia diante de reformatio in pejus indireta.

d) Errada. Tratar-se-ia de reformatio in pejus, vedada pelo art. 617 do CPP: a situação
do réu não pode ser agravada em recurso exclusivo da defesa.

e) Correta. A 3ª Seção do STJ pacificou entendimento para admitir a impetração de


concomitante de Habeas Corpus ao recurso de apelação para tutelar, de forma direta, a
liberdade de locomoção do paciente: “Sob essa perspectiva, a interposição do recurso
cabível contra o ato impugnado e a contemporânea impetração de habeas corpus para
igual pretensão somente permitirá o exame do writ se for este destinado à tutela direta
da liberdade de locomoção ou se traduzir pedido diverso em relação ao que é objeto do
recurso próprio e reflita mediatamente na liberdade do paciente” (HC 482.549).

QUESTÃO 24
Sobre a lei nº 9296/1996 (“lei de interceptações telefônicas), assinale a resposta
incorreta:

a) A decretação de interceptação telefônica poderá ser determinada pela Autoridade


Policial no curso da investigação criminal.

b) Não se admite a interceptação das comunicações telefônicas quando a prova puder


ser feita por outros meios disponíveis.

c) Para que seja decretada a interceptação telefônica, o fato investigado deve constituir
infração penal punida com pena de reclusão.

d) O Ministério Público poderá formular oralmente pedido de decretação de


interceptação telefônica ao magistrado no curso da instrução processual penal.

e) A decisão que determinar a interceptação telefônica será fundamentada, sob pena de


nulidade, indicando também a forma de execução da diligência, que não poderá exceder
o prazo de quinze dias, renovável por igual tempo uma vez comprovada a
indispensabilidade do meio de prova.

Resposta:

a) Assertiva correta. A decretação da interceptação telefônica não pode ser determinada


pelo Delegado, eis que se trata de matéria sujeita à reserva de jurisdição (art. 1º e 3º da
lei 9296/96).

b) Errada. O excerto está correto: a lei 9296/96 é expressa ao afirmar a


excepcionalidade da interceptação enquanto meio de prova no art. 2º, II: “Não será
admitida a interceptação de comunicações telefônicas quando [...] a prova puder ser
feita por outros meios disponíveis”.
c) Errada. O excerto está correto: lei 9296/96 não será admitida a interceptação de
comunicações telefônicas fato investigado constituir infração penal punida, no máximo,
com pena de detenção (art. 2º, III).

d) Errada. O excerto está correto: o art. 4º, §1º, da lei 9296/96 estabelece que
“Excepcionalmente, o juiz poderá admitir que o pedido seja formulado verbalmente,
desde que estejam presentes os pressupostos que autorizem a interceptação, , caso em
que a concessão será condicionada à sua redução a termo.”

e) Errada. O excerto está correto: trata-se da literalidade do disposto no art. 5º da lei


9296/96

QUESTÃO 25
Assinale a assertiva correta sobre o inquérito policial:

a) O inquérito policial poderá ser iniciado de ofício nos crimes de ação penal pública
condicionada à representação. Exige-se a manifestação do ofendido, porém, para a
deflagração da ação penal.

b) O despacho que indeferir o requerimento de abertura de inquérito policial é


irrecorrível.

c) Nos crimes hediondos, o inquérito policial é indispensável para o oferecimento de


denúncia.

d) O ofendido poderá requerer a realização de diligências diretamente à Autoridade


Policial, sendo despicienda a presença de defesa técnica para tal mister.

e) Para verificar a possibilidade de haver a infração sido praticada de determinado


modo, a autoridade policial poderá representar ao juiz competente, solicitando
autorização para realizar a reprodução simulada dos fatos.

Resposta:

a) Errada. Nos crimes de ação privada, a autoridade policial somente poderá proceder a
inquérito a requerimento de quem tenha qualidade para intentá-la (art. 5º, §5º, CPP).
b) Errada. “Do despacho que indeferir o requerimento de abertura de inquérito caberá
recurso para o chefe de Polícia” (art. 5º, §2º, CPP).

c) Errada. O inquérito policial não é indispensável ao oferecimento da ação penal.

d) Correta. Art. 14, CPP: “O ofendido, ou seu representante legal, e o indiciado poderão
requerer qualquer diligência, que será realizada, ou não, a juízo da autoridade.”

e) Errada. Não se exige autorização judicial para realização de reprodução simulada dos
fatos: “Para verificar a possibilidade de haver a infração sido praticada de determinado
modo, a autoridade policial poderá proceder à reprodução simulada dos fatos, desde que
esta não contrarie a moralidade ou a ordem pública.”

QUESTÃO 26
Acerca do interrogatório do réu, assinale a alternativa que se encontra em
consonância com a legislação pátria e a jurisprudência dos Tribunais Superiores:

a) A confissão será irretratável, sem prejuízo do livre convencimento do juiz, fundado


no exame das provas em conjunto.

b) Havendo mais de um acusado, serão interrogados conjuntamente.

c) Se o acusado não atender à intimação para o interrogatório, reconhecimento ou


qualquer outro ato que, sem ele, não possa ser realizado, a autoridade poderá mandar
conduzi-lo à sua presença

d) O interrogatório do réu deve ser pessoal, não sendo admitida a sua realização por
videoconferência.

e) É crime previsto na lei de abuso de autoridade prosseguir no interrogatório de pessoa


que tenha decidido exercer o direito ao silêncio.

Resposta:

a) Errada. A confissão é retratável, nos termos do art. 200 do CPP.


b) Errada. Havendo mais de um acusado, serão interrogados separadamente (art. 191 do
CPP).

c) Errada. No julgamento das ADPFs 395 e 444, o STF entendeu que a parte final do
art. 260 do CPP não foi recepcionada pela Constituição Federal. Assim, o acusado não
poderá ser conduzido coercitivamente para fins de interrogatório, mormente em razão
da garantia ao direito ao silêncio.

d) Errada. O art. 186, §2º do CPP admite, de forma excepcional, a realização do


interrogatório por videoconferência, desde que atendidos os requisitos elencados
naquele dispositivo, a saber: prevenir risco à segurança pública, quando exista fundada
suspeita de que o preso integre organização criminosa ou de que, por outra razão, possa
fugir durante o deslocamento; viabilizar a participação do réu no referido ato
processual, quando haja relevante dificuldade para seu comparecimento em juízo, por
enfermidade ou outra circunstância pessoal; impedir a influência do réu no ânimo de
testemunha ou da vítima, desde que não seja possível colher o depoimento destas por
videoconferência, nos termos do art. 217 deste Código; responder à gravíssima questão
de ordem pública.

e) Correta. O art. 15, parágrafo único, I, da lei de abuso de autoridade assim consigna:
“Constranger a depor, sob ameaça de prisão, pessoa que, em razão de função,
ministério, ofício ou profissão, deva guardar segredo ou resguardar sigilo: Pena -
detenção, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa. Parágrafo único. Incorre na mesma pena
quem prossegue com o interrogatório: I -de pessoa que tenha decidido exercer o direito
ao silêncio”.

QUESTÃO 27
Assinale a alternativa correta sobre a lei nº 9.099/95 (lei dos juizados especiais):

a) A competência do Juizado Especial Criminal será determinada pelo local de


residência da vítima.

b) Não sendo encontrado o acusado, o juiz suspenderá o processo e o curso do prazo


prescricional.
c) Nos crimes em que a pena mínima cominada for igual ou inferior a um ano, o
Ministério Público poderá propor a suspensão condicional do processo, por dois a
quatro anos, desde que o acusado não esteja sendo processado ou não tenha sido
condenado por outro crime

d) Da decisão de rejeição da denúncia ou queixa e da sentença caberá Recurso em


Sentido Estrito.

e) Se, no curso do período de prova da suspensão condicional do processo, o


beneficiário vier a ser processado por outro crime, a suspensão poderá ser revogada pelo
juiz.

Respostas:

a) Errada. A competência do Juizado será determinada pelo lugar em que foi praticada a
infração penal (art. 63, lei 90999/95).

b) Errada. Não encontrado o acusado para ser citado, o Juiz encaminhará as peças
existentes ao Juízo comum para adoção do procedimento previsto em lei (art. 66,
parágrafo único, da lei 9099/95).

c) Correta. Redação do art. 89 da lei 9099/95.

d) Errada. Da decisão de rejeição da denúncia ou queixa e da sentença caberá apelação


(art. 82, lei 9099/95).

e) Errada. Trata-se de causa obrigatória de revogação da suspensão condicional do


processo, e não facultativa: “A suspensão será revogada se, no curso do prazo, o
beneficiário vier a ser processado por outro crime ou não efetuar, sem motivo
justificado, a reparação do dano” (art. 89, §3º, lei 9099/95).

QUESTÃO 28
“Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a história, resistiu até ao
esgotamento completo... [Sobre o cadáver de Antonio Conselheiro] Trouxeram
depois para o litoral, onde deliravam multidões em festa, aquele crânio. Que a
ciência dissesse a última palavra. Ali estavam, no relevo de circunvoluções
expressivas, as linhas essenciais do crime e da loucura” (CUNHA, Euclides da. Os
Sertões. São Paulo: Cultrix, 1973, p. 392).

Sobre o positivismo criminológico, observe as assertivas a seguir:

I. Trata-se de saber que se constituiu a serviço da colonização e do escravismo: os


conceitos de degenerescência, atavismo e eugenia eram utilizados como justificativa
para os genocídios.

II. O delito é um ente natural.

III. A pena é uma importante estratégia de controle social.

IV.A questão criminal é atravessada pela ideia de livre-arbítrio e pelo consenso


conduzido pelo contrato social.

Estão corretas, apenas:

a) I e II

b) I e III

c) I, III e IV

d) I, II e III

e) I, II, III e IV

Resposta:

a) Errado. O item I está correto: a partir do século XIX, o racismo se tornou um discurso
científico. O conceito de degenerescência é fundamental para que se compreenda que a
“mestiçagem” ocupa os andares inferiores no conceito de “evolucionismo” social. O
item II também está correto: o determinismo biológico se contrapõe à ideia liberal de
responsabilidade moral. No entanto, o item III também está certo: a pena encontra
várias razões para se expandir, eis que a punição se reveste de estratégias
correcionalistas, curativas, reeducativas, e ressocializadoras.

b) Errado. O item II também está correto.

c) Errado. O item II está correto e o item IV se refere à denominada escola “clássica” da


criminologia.
d) Correta.

e) Errado. O item IV está incorreto, como exposto acima.

QUESTÃO 29
Assinale a alternativa incorreta sobre a macrossociologia do pensamento
criminológico:

a) As teorias do consenso partem da premissa de que a finalidade da sociedade é


atingida quando os indivíduos compartilham objetivos comuns, aceitando e
compartilhando as regras vigentes.

b) Para a teoria do conflito, a coesão social é obtida a partir da imposição de coerção.

c) A teoria das subculturas parte de uma visão consensual de sociedade.

d) A escola de Chicago parte de uma visão conflitiva de sociedade.

e) A criminologia crítica parte de uma visão conflitiva de sociedade.

Resposta:

a) Assertiva errada. O excerto está correto: segundo a perspectiva da teoria do consenso,


a coesão da sociedade é fundada na cooperação voluntária.

b) Assertiva errada. O excerto está correto: para a teoria do conflito, a coesão da


sociedade se baseia na dominação de alguns sujeitos e na sujeição de outros indivíduos.

c) Assertiva errada. O excerto está correto: a teoria das subculturas se erige sob os
pilares da teoria do consenso.

d) Assertiva certa. A escola de Chicago integra as teorias do consenso, e não do


conflito.

e) Assertiva errada. O excerto está correto: para a criminologia crítica, a história das
sociedades é a história das lutas de classe.
QUESTÃO 30
“Uma em cada quatro mulheres é mantida presa sem necessidade. O relatório
"Mulheres nas audiências de custódia no Rio de Janeiro" será apresentado
durante o evento virtual "Encarceramento feminino em perspectiva: 10 anos das
regras de Bangkok" da Defensoria Pública do Rio, nos dias 11 e 12 de março. O
documento busca traçar um perfil completo das mulheres que foram entrevistadas
pela Defensoria Pública em razão da realização das audiências de custódia, no
período de janeiro de 2019 a janeiro de 2020. Considerando os 533 casos das
mulheres que, no momento da audiência de custódia, atendiam aos critérios
objetivos para prisão domiciliar, é possível observar que 25% delas, apesar de
cumprir os requisitos legais, permaneceram presas preventivamente.” (Matéria
veiculada no sítio da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro em
11/03/2021. Disponível em: < https://defensoria.rj.def.br/noticia/detalhes/11123-
Uma-em-cada-quatro-mulheres-e-mantida-presa-sem-necessidade>).

Sobre o tema, assinale a assertiva correta:

a) A lei 11343/2006, ao permitir a redução de pena em 2/3 para os casos de agentes


primários e portadores de bons antecedentes (tráfico privilegiado), apresenta importante
instrumento para a redução da população carcerária feminina.

b) O aprisionamento feminino, ao contrário do masculino, não possui marcadores


significativos de raça e classe, refletindo a heterogeneidade social.

c) Hodiernamente, as prisões femininas encontram-se adaptadas às necessidades das


mulheres presas.

d) A substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar de gestantes ou mães de


crianças, nos casos em que o crime não tenha sido praticado com violência ou grave
ameaça, consiste em norma de caráter cogente.

e) Por tratar-se de fato constitutivo de seu direito, incumbe à acusada e à sua defesa
técnica a comprovação da existência de prole para fins de substituição de prisão
preventiva por domiciliar.

Respostas:
a) Errada. De acordo com Soraia Mendes, em 2018 havia 42 mil mulheres presas em
decorrência dos crimes previstos na lei de drogas, “o que representa em torno de 656% a
mais em relação ao total existente no início dos anos 2000” (antes da lei 11434/2006).
(MENDES, Soraia. Ibis. P.152).

b) Errada. A vida institucionalizada dos corpos femininos aprisionados reflete a


realidade social: a maioria é preta, pobre e possui baixa escolaridade. “Em síntese, o
rosto do encarceramento feminino é o de mães, negras, pobres, acusadas de crimes
envolvendo o tráfico de drogas de forma absolutamente coadjuvante” (MENDES,
Soraia. Ibis. P.152).

c) Errada. A prisão consiste em universo primordialmente androcêntrico, pensado e


estruturalmente arquitetado para o aprisionamento masculino.

d) Correta. O art. 318-A do CPP é peremptório ao explicitar que, atendidos os requisitos


legais, “a prisão preventiva [...] será substituída por prisão domiciliar”. Não se trata de
faculdade do juiz, mas de obrigatoriedade,

e) Errada. O STF, quando do julgamento do Habeas Corpus Coletivo 143.641 decidiu


que “para apurar a situação de guardiã dos filhos da mulher presa, dever-se-á dar
credibilidade à palavra da mãe. Faculta-se ao juiz, sem prejuízo de cumprir, desde logo,
a presente determinação, requisitar a elaboração de laudo social para eventual reanálise
do benefício”.
BANCA III

QUESTÃO 01
O Estatuto da Criança e do Adolescente corresponde a uma guinada no
tratamento deste público vulnerável, trazendo questões essencialmente
humanizantes para dentro da legislação nacional. Importante notar que se trata de
um diploma normativo modificado por legislações outras em inúmeros
dispositivos. Sobre o ECA e suas Leis Modificadoras, é correto dizer que

a) O Eca se trata de instrumento normativo fruto de intenso debate social e técnico,


havendo, desde o seu nascedouro, a contemplação de terminologias escorreitas
na perspectiva jurídica e sociológica, como é o caso da expressão poder
familiar. Neste sentido, verifica-se que enquanto outros diplomas normativos
brasileiros precisaram ser alterados para extirparem a expressão pátrio poder, no
ECA tal alteração sequer chegou a se fazer necessária.
b) O corpo normativo do ECA a respeito de seu sistema recursal contempla as
alterações promovidas pela edição do Novo Código de Processo Civil de 2015.
c) A Lei 13.509/2017 veio a estabelecer no ECA o prazo máximo para conclusão
do procedimento de habilitação, que será de 120 (cento e vinte) dias, prorrogável
por igual período, mediante decisão fundamentada da autoridade judiciária.
d) Pode-se dizer que apesar de a Lei 12.010/2009 ter alto impacto e importância no
aperfeiçoamento da sistemática prevista para garantia do direito à convivência
familiar, ela permanece entre nós como diploma normativo autônomo, ou seja,
que não propiciou alterações no texto do ECA.
e) A revogação do art. 248 do ECA é duramente criticada na doutrina, abolindo-se
hipótese salutar de desenvolvimento de trabalho por parte da criança e do
adolescente em tempos de crescente desemprego no país.
COMENTÁRIOS
Gabarito letra “c”
Pessoal, claro que a questão é ingrata. Trata-se de uma cobrança que pode parece
excessiva contra vocês. No entanto, ela tem um efeito pedagógico para cobrar de todos
uma leitura da legislação que seja antenada com sua coesão de propósitos.
É sempre interessante avaliar diplomas normativos de grande destaque como o ECA e
visualizar, verdadeiramente, a manutenção ou não de sua proposta original.
Percebermos efetivamente se as alterações legislativas robustecem ou desfiguram a
legislação atinente às crianças e adolescentes. Esta foi a preocupação da questão.
Acionar esta reflexão em vocês.
A letra “a” está errada porque o ECA, inicialmente, sim, possuía a expressão pátrio
poder como símbolo do patriarcado, o que foi alterado em 2009 com a Lei 12.010, mas
que deixou ainda sua reminiscência da Lei de Registros Públicos, Lei 6,015/73, ao se
contemplar no art. 102 a averbação da “perda e a suspensão do pátrio poder”.
A letra “b” está equivocada por si mesma. Estas alterações não estão previstas
textualmente a partir do art. 198 e seguintes do ECA.
A letra “c” está correta e ela traz a previsão perfeita do art. 197-F, ECA.
A letra “d”, por sua vez, é uma opção equivocada. A Lei 12010 foi uma das principais
alterações que mais impactou o ECA.
Finalmente, a letra “e”, o efeito é contrário ao enunciado na hipótese. Ou seja, há de se
comemorar a revogação do artigo, não o contrário, vedando-se qualquer resquício
legislativo que contemple o trabalho de criança ou adolescente da forma pejorativa
como se anunciava no art. 248, ECA.

QUESTÃO 02
Sobre a escuta especializada e o depoimento especial, está incorreto afirmar que

a) Escuta especializada é o procedimento de entrevista sobre situação de violência


com criança ou adolescente perante órgão da rede de proteção, limitado o relato
estritamente ao necessário para o cumprimento de sua finalidade.
b) Depoimento especial é o procedimento de oitiva de criança ou adolescente
vítima ou testemunha de violência perante autoridade policial ou judiciária.
c) A criança ou o adolescente será resguardado de qualquer contato, ainda que
visual, com o suposto autor ou acusado, ou com outra pessoa que represente
ameaça, coação ou constrangimento.
d) O depoimento especial reger-se-á por protocolos e, sempre que possível, será
realizado uma única vez, em sede de produção antecipada de prova judicial,
garantida a ampla defesa do investigado.
e) Não será admitida a tomada de novo depoimento especial, salvo quando
justificada a sua imprescindibilidade pela autoridade competente.
COMENTÁRIOS
Gabarito letra “e”
Aqui temos a reprodução de textos legais contemplados nos artigos 07, 08, 09, 11, caput
e §2º, todos do ECA. A propósito, verifica-se o equívoco da assertiva “e” justamente
por faltar-lhe requisito fundamental referente à tomada de novo depoimento especial,
qual seja, a concordância da vítima ou testemunha, ou de seu representante legal.

QUESTÃO 03
No julgamento do emblemático HC 143.988/ES, o Min. Edson Fachin, STF,
intentou evitar a superlotação do sistema socioeducativo e implementar medidas
mínimas em prol de caros direitos dos adolescentes. Na oportunidade, a turma
indicou critérios e parâmetros que deveriam ser observados pelos magistrados nas
unidades de internação. Dentre tais critérios, é incorreto dizer que se indicou:

a) A adoção do princípio numerus clausus como estratégia de gestão, com a


liberação de nova vaga na hipótese de ingresso.
b) A reavaliação dos adolescentes internados exclusivamente em razão da
reiteração em infrações cometidas sem violência ou grave ameaça à pessoa, com
a designação de audiência e oitiva da equipe técnica para o mister.
c) Proceder-se à transferência dos adolescentes sobressalentes para outras unidades
que não estejam com capacidade de ocupação superior ao limite projetado do
estabelecimento, contanto que em localidade próxima à residência dos seus
familiares.
d) Na hipótese de impossibilidade de adoção das medidas supra, que haja
conversão de medidas de internação em internações domiciliares, suspendendo-
se o cumprimento do plano individual de atendimento – podendo ser adotadas
diligências adicionais de modo a viabilizar o seu adequado acompanhamento e
execução.
e) Que a internação domiciliar poderá ser cumulada com a imposição de medidas
protetivas e/ou acompanhada da advertências ao adolescente infrator para
cumprimento de outras condições, sob pena de retorno ao estabelecimento de
origem.
COMENTÁRIOS
Gabarito letra “d”
O caso retrata habeas corpus de fundamental importância em seu trajeto de preparação
para a prova da Defensoria Pública.
Eis o ementado:
Decisão: A Turma, por unanimidade, concedeu a ordem para determinar que as
unidades de execução de medida socioeducativa de internação de adolescentes não
ultrapassem a capacidade projetada de internação prevista para cada unidade, nos
termos da impetração e extensões. Propõe-se, ainda, a observância dos seguintes
critérios e parâmetros, a serem observados pelos Magistrados nas unidades de
internação que operam com a taxa de ocupação dos adolescentes superior à capacidade
projetada: i) adoção do princípio numerus clausus como estratégia de gestão, com a
liberação de nova vaga na hipótese de ingresso; ii) reavaliação dos adolescentes
internados exclusivamente em razão da reiteração em infrações cometidas sem violência
ou grave ameaça à pessoa, com a designação de audiência e oitiva da equipe técnica
para o mister; iii) proceder-se à transferência dos adolescentes sobressalentes para
outras unidades que não estejam com capacidade de ocupação superior ao limite
projetado do estabelecimento, contanto que em localidade próxima à residência dos seus
familiares; iv) subsidiariamente, caso as medidas propostas sejam insuficientes e essa
transferência não seja possível, o Magistrado deverá atender ao parâmetro fixado no art.
49, II, da Lei 12.594/2012, até que seja atingido o limite máximo de ocupação; v) na
hipótese de impossibilidade de adoção das medidas supra, que haja conversão de
medidas de internação em internações domiciliares, sem qualquer prejuízo ao escorreito
cumprimento do plano individual de atendimento – podendo ser adotadas diligências
adicionais de modo a viabilizar o seu adequado acompanhamento e execução; vi) a
internação domiciliar poderá ser cumulada com a imposição de medidas protetivas e/ou
acompanhada da advertência ao adolescente infrator de que o descumprimento
injustificado do plano individual de atendimento ou a reiteração em atos infracionais
poderá acarretar a volta ao estabelecimento de origem; vii) a fiscalização da internação
domiciliar poderá ser deprecada à respectiva Comarca, nos casos em que o local da
residência do interno não coincida com o da execução da medida de internação,
respeitadas as regras de competência e organização judiciária; viii) alternativamente, a
adoção justificada pelo magistrado de outras diretrizes que entenda adequadas e
condizentes com os postulados constitucionais e demais instrumentos normativos. Nas
hipóteses de descumprimento, o instrumento é o recurso, conforme assentado, no ponto,
à unanimidade, no HC 143.641, de relatoria do Min. Ricardo Lewandowski. E por
derradeiro, em face do interesse público relevante, por entender necessária, inclusive no
âmbito do STF, propor à Turma, por analogia ao inciso V do artigo 7º do RISTF, a
criação de um Observatório Judicial sobre o cumprimento das internações
socioeducativas na forma de comissão temporária, a ser designada pelo Presidente do
Supremo Tribunal Federal, para o fim de, à luz do inciso III do artigo 30 do RISTF,
acompanhar os efeitos da deliberação deste Tribunal neste caso, especialmente em
relação aos dados estatísticos sobre o cumprimento das medidas estabelecidas e o
percentual de lotação das unidades de internação, fazendo uso dos relevantes dados
coligidos no âmbito do CNJ e dos Tribunais de Justiça estaduais, nos termo do voto do
Relator. Não participou deste julgamento o Ministro Celso de Mello. Falaram pelos
pacientes: Dr. Gabriel Sampaio, Dr. Pedro Carriello, Dra. Mônica Barroso, Dra.
Andreza Tavares Almeida Rolim, Dr. Hugo Fernandes Matias, Dra. Mayara Silva de
Souza, Dr. Carlos Nicodemos Oliveira Silva e Dra. Mariana Chies Santiago Santos.
Segunda Turma, Sessão Virtual de 14.8.2020 a 21.8.2020.

QUESTÃO 04
Sobre o instituto da adoção regulado no ECA e as manifestações do Superior
Tribunal de Justiça a respeito, aponte a alternativa que está incorreta.

a) É em tese possível que adoção avoenga ocorra para se afastar o lastro criminal
dos pais biológicos.
b) É requisito da adoção avoenga, quando admitida, que o adotando seja pessoa
menor de idade.
c) Ante a ausência de restrição legal, descabe a imposição de limite de idade para o
menor ser adotado por pessoa homoafetiva.
d) Em que pese o art. 42, § 6º, do ECA estabelecer ser possível a adoção ao
adotante que, após inequívoca manifestação de vontade, vier a falecer no curso
do procedimento de adoção, a jurisprudência evoluiu progressivamente para, em
situações excepcionais, reconhecer a possibilidade jurídica do pedido de adoção
póstuma, quando, embora não tenha ajuizado a ação em vida, ficar
demonstrado, de forma inequívoca, que, diante de longa relação de afetividade,
o falecido pretendia realizar o procedimento.
e) Para a adoção conjunta, nos termos do § 4° do art. 42 do Estatuto da Criança e
do Adolescente, é dispensável que os adotantes sejam casados civilmente ou
mantenham união estável.
COMENTÁRIO
Gabarito letra “e”
Sobre a alternativa “a”, esta foi a linha decisória do Min. Salomão, afastando, pois, a
regra constante do art. 42, §1º, ECA. A letra “b” também é respondida no julgado
abaixo.
RECURSO ESPECIAL. ADOÇÃO DE MENOR PLEITEADA PELA AVÓ
PATERNA E SEU COMPANHEIRO (AVÔ POR AFINIDADE). MITIGAÇÃO DA
VEDAÇÃO PREVISTA NO § 1º DO ARTIGO 42 DO ECA. POSSIBILIDADE.
1. A Constituição da República de 1988 consagrou a doutrina da proteção integral e
prioritária das crianças e dos adolescentes, segundo a qual tais "pessoas em
desenvolvimento" devem receber total amparo e proteção das normas jurídicas, da
doutrina, jurisprudência, enfim de todo o sistema jurídico.
2. Em cumprimento ao comando constitucional, sobreveio a Lei 8.069/90 - reconhecida
internacionalmente como um dos textos normativos mais avançados do mundo -, que
adotou a doutrina da proteção integral e prioritária como vetor hermenêutico para
aplicação de suas normas jurídicas, a qual, sabidamente, guarda relação com o princípio
do melhor interesse da criança e do adolescente, que significa a opção por medidas que,
concretamente, venham a preservar sua saúde mental, estrutura emocional e convívio
social.
3. O princípio do melhor interesse da criança e do adolescente tem por escopo
salvaguardar "uma decisão judicial do maniqueísmo ou do dogmatismo da regra, que
traz sempre consigo a ideia do tudo ou nada" (PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Dicionário
de direito de família e sucessões. São Paulo: Saraiva, 2015, p. 588/589).
4. É certo que o § 1º do artigo 42 do ECA estabeleceu, como regra, a impossibilidade da
adoção dos netos pelos avós, a fim de evitar inversões e confusões (tumulto) nas
relações familiares - em decorrência da alteração dos graus de parentesco -, bem como a
utilização do instituto com finalidade meramente patrimonial.
5. Nada obstante, sem descurar do relevante escopo social da norma proibitiva da
chamada adoção avoenga, revela-se cabida sua mitigação excepcional quando: (i) o
pretenso adotando seja menor de idade;
(ii) os avós (pretensos adotantes) exerçam, com exclusividade, as funções de mãe e pai
do neto desde o seu nascimento; (iii) a parentalidade socioafetiva tenha sido
devidamente atestada por estudo psicossocial; (iv) o adotando reconheça os - adotantes
como seus genitores e seu pai (ou sua mãe) como irmão; (v) inexista conflito familiar a
respeito da adoção; (vi) não se constate perigo de confusão mental e emocional a ser
gerada no adotando; (vii) não se funde a pretensão de adoção em motivos ilegítimos, a
exemplo da predominância de interesses econômicos; e (viii) a adoção apresente reais
vantagens para o adotando. Precedentes da Terceira Turma.
6. Na hipótese dos autos, consoante devidamente delineado pelo Tribunal de origem: (i)
cuida-se de pedido de adoção de criança nascida em 17.3.2012, contando, atualmente,
com sete anos de idade;
(ii) a pretensão é deduzida por sua avó paterna e seu avô por afinidade (companheiro da
avó há mais de trinta anos); (iii) os adotantes detém a guarda do adotando desde o seu
décimo dia de vida, exercendo, com exclusividade, as funções de mãe e pai da criança;
(iv) a mãe biológica padece com o vício de drogas, encontrando-se presa em razão da
prática do crime de tráfico de entorpecentes, não tendo contato com o filho desde sua
tenra idade; (v) há estudo psicossocial nos autos, atestando a parentalidade socioafetiva
entre os adotantes e o adotando; (vi) o lar construído pelos adotantes reúne as condições
necessárias ao pleno desenvolvimento do menor;
(vii) o adotando reconhece os autores como seus genitores e seu pai (filho da
avó/adotante) como irmão; (viii) inexiste conflito familiar a respeito da adoção, contra
qual se insurge apenas o Ministério Público estadual (ora recorrente); (ix) o menor
encontra-se perfeitamente adaptado à relação de filiação de fato com seus avós; (x) a
pretensão de adoção funda-se em motivo mais que legítimo, qual seja, desvincular a
criança da família materna, notoriamente envolvida em criminalidade na comarca
apontada, o que já resultou nos homicídios de seu irmão biológico de apenas nove anos
de idade e de primos adolescentes na guerra do tráfico de entorpecentes; e (xi) a adoção
apresenta reais vantagens para o adotando, que poderá se ver livre de crimes de
delinquentes rivais de seus parentes maternos.
7. Recurso especial a que se nega provimento.
(REsp 1587477/SC, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA,
julgado em 10/03/2020, DJe 27/08/2020)

Sobre a alternativa “c”


RECURSO ESPECIAL. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (ARTS
29 E 50, §§ 1º E 2º). HABILITAÇÃO PARA FINS DE ADOÇÃO DE MENOR. FASE
DE NATUREZA JURISDICIONAL. CABIMENTO DO ESPECIAL. INSCRIÇÃO DE
PESSOA HOMOAFETIVA NO CADASTRO. POSSIBILIDADE. LIMITE MÍNIMO
DE IDADE DO ADOTANDO. IMPOSIÇÃO DESCABIDA. AUSÊNCIA DE
PREVISÃO LEGAL. RECURSO DESPROVIDO.
1. É viável a inscrição de pessoa homoafetiva no cadastro de interessados em adoção de
menor, cabendo a verificação do preenchimento dos requisitos estabelecidos nos arts. 29
e 50, §§ 1º e 2º, da Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente).
2. Ante a ausência de restrição legal, descabe a imposição de limite de idade para o
menor ser adotado por pessoa homoafetiva.
3. Recurso especial desprovido.
(REsp 1525714/PR, Rel. Ministro RAUL ARAÚJO, QUARTA TURMA, julgado em
16/03/2017, DJe 04/05/2017)

Sobre a alternativa “d”


AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DECLARATÓRIA.
RECONHECIMENTO DE FILIAÇÃO SOCIOAFETIVA. ADOÇÃO PÓSTUMA.
POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. INEQUÍVOCA MANIFESTAÇÃO DE
VONTADE DO ADOTANTE FALECIDO. AGRAVO INTERNO PROVIDO PARA
DAR PROVIMENTO AO RECURSO ESPECIAL.
1. Em que pese o art. 42, § 6º, do ECA estabelecer ser possível a adoção ao adotante
que, após inequívoca manifestação de vontade, vier a falecer no curso do procedimento
de adoção, a jurisprudência evoluiu progressivamente para, em situações excepcionais,
reconhecer a possibilidade jurídica do pedido de adoção póstuma, quando, embora não
tenha ajuizado a ação em vida, ficar demonstrado, de forma inequívoca, que, diante de
longa relação de afetividade, o falecido pretendia realizar o procedimento. 2. Segundo
os precedentes desta Corte, a comprovação da inequívoca vontade do falecido em adotar
segue as mesmas regras que comprovam a filiação socioafetiva: o tratamento do
adotando como se filho fosse e o conhecimento público dessa condição. Nesse sentido:
REsp 1.663.137/MG, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, Terceira Turma, julgado em
15/08/2017, DJe de 22/08/2017; REsp 1.500.999/RJ, Rel. Ministro RICARDO VILLAS
BÔAS CUEVA, Terceira Turma, julgado em 12/04/2016, DJe de 19/04/2016.
3. A posse do estado de filho, que consiste no desfrute público e contínuo da condição
de filho legítimo, foi atestada pelo Tribunal de origem diante das inúmeras fotos de
família e eventos sociais, boletins escolares, convites de formatura e casamento, além da
robusta prova testemunhal, cujos relatos foram uníssonos em demonstrar que os
adotandos eram reconhecidos como filhos, tanto no tratamento como no sobrenome que
ostentavam, e assim eram apresentados ao meio social.
4. Afastada a impossibilidade jurídica do pedido, na situação concreta o pedido de
adoção post mortem deve ser apreciado, mesmo na ausência de expresso início de
formalização do processo em vida, já que é possível extrair dos autos, dentro do
contexto de uma sólida relação socioafetiva construída, que a real intenção do de cujus
era assumir os adotandos como filhos.
5. Agravo interno provido para dar provimento ao recurso especial.
(AgInt no REsp 1520454/RS, Rel. Ministro LÁZARO GUIMARÃES
(DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TRF 5ª REGIÃO), QUARTA TURMA,
julgado em 22/03/2018, DJe 16/04/2018)
No caso da letra “e”, que é o gabarito, este ampara-se no ECA e, também, no julgado a
seguir:
RECURSO ESPECIAL. ADOÇÃO EM CONJUNTO. MORTE DE UM DOS
CÔNJUGES.
DESISTÊNCIA PELO SUPÉRSTITE. ADOÇÃO POST MORTEM.
DEMONSTRAÇÃO DA VONTADE CLARA E INEQUÍVOCA. NÃO
OCORRÊNCIA. ADOÇÃO ISOLADA.
1. A adoção de pessoa maior e plenamente capaz é questão que envolve interesse
individual e disponível, não dependente do consentimento dos pais biológicos do
adotando.
2. Para a adoção conjunta, nos termos do § 4° do art. 42 do Estatuto da Criança e do
Adolescente, é indispensável que os adotantes sejam casados civilmente ou mantenham
união estável, comprovada a estabilidade da família.
Se um dos interessados (candidatos a pai/mãe) desiste da ação, a adoção deve ser
indeferida, mormente se o outro vem a morrer antes de manifestar-se sobre a
desistência.
3. Recurso especial conhecido e provido.
(REsp 1421409/DF, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, TERCEIRA
TURMA, julgado em 18/08/2016, DJe 25/08/2016)

QUESTÃO 05
Marque a alternativa incorreta sobre a extinção das medidas socioeducativas:

a) A medida socioeducativa será extinta quando o adolescente, no decurso de seu


cumprimento, for preso cautelarmente pela prática de crime.
b) Ao completar 21 anos, a extinção da medida é peremptória.
c) A qualquer tempo, quando ela realizar sua finalidade.
d) Quando acometido de grave doença que o torne incapaz de submeter-se ao
cumprimento da medida.
e) Quanto, atingida a maioridade, estiver em cumprimento de liberdade assistida.

COMENTÁRIO
Gabarito “a”

As hipóteses encontram-se no artigo 46 da Lei do Sinase. A alternativa 01 está


equivocada, uma vez que a extinção nesta hipótese é colocada como faculdade
do juiz, diga-se, tal como contemplado na Lei.
QUESTÃO 06
Imagine a hipótese em que a genitora, por ser usuária de drogas, confiou a
criança a um casal de "padrinhos" (terceiros sem vínculo de parentesco),
procedimento que, embora tenha se dado de maneira irregular, foi acompanhado
posteriormente pelo Conselho Tutelar. Diante desta narrativa, assinale a
alternativa correta.

a) No caso, se, na residência dos padrinhos, foi proporcionado um ambiente


acolhedor, seguro e familiar, em que a criança recebeu cuidados médicos,
assistenciais e afetivos, constando do relatório psicossocial elaborado
pelo Setor Técnico da Vara da Infância e da Juventude, não há porque
reverter tal estado de coisas e institucionalizar a criança.
b) Há, invariavelmente, de se avaliar o prévio cadastro para que se faça
legalmente a colocação em família substituta.
c) No caso de a criança ser de tenra idade, seu melhor interesse se confunde
com o melhor interesse daqueles que detêm a sua guarda.
d) No caso narrado no enunciado, a hipótese mais adequada seria o
ajuizamento, por parte do Ministério Público, de ação de aplicação de
medida protetiva, com pedido de busca e apreensão, para promover seu
acolhimento institucional.
e) Não há medida adequada à hipótese nas alternativas formuladas
anteriormente.

COMENTÁRIO
Gabarito Letra “a”
O caso trazido representa uma solução tomada pelo STJ, em que se discutiu, entre
outras questões, a ordem de cadastro das famílias substitutas, o receio da “entrega” de
crianças, bem assim a possibilidade de utilização de habeas corpus na ocasião. Trago
abaixo a ementa com a solução de resposta para vocês e recomendo a leitura do inteiro
teor do acórdão. É importante.

HABEAS CORPUS. AÇÃO PARA APLICAÇÃO DE MEDIDA DE PROTEÇÃO C.C.


BUSCA E APREENSÃO AJUIZADA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO. ENTREGA
IRREGULAR DE CRIANÇA PELA MÃE BIOLÓGICA A TERCEIROS
("PADRINHOS"), COM O POSTERIOR ACOMPANHAMENTO DO CONSELHO
TUTELAR. DEFERIMENTO LIMINAR DA MEDIDA PROTETIVA DE
ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. FLAGRANTE ILEGALIDADE. MENOR QUE
SE ENCONTRAVA EM AMBIENTE ACOLHEDOR, SEGURO E FAMILIAR,
RECEBENDO CUIDADOS MÉDICOS, ASSISTENCIAIS E AFETIVOS,
CONFORME CONSTOU DO RELATÓRIO PSICOSSOCIAL ELABORADO POR
PSICÓLOGA E ASSISTENTE SOCIAL DO PODER JUDICIÁRIO. NECESSIDADE
DE OBSERVÂNCIA AO PRINCÍPIO DO MELHOR INTERESSE DO MENOR.
HABEAS CORPUS CONCEDIDO DE OFÍCIO PARA RESTABELECER A
DECISÃO DO JUÍZO DE PRIMEIRO GRAU. 1.
Quando for verificada flagrante ilegalidade ou abuso de poder na decisão atacada,
revela-se possível a concessão da ordem de habeas corpus de ofício, mitigando, assim, o
óbice da Súmula 691/STF.
2. Em demandas envolvendo interesse de criança ou adolescente, a solução da
controvérsia deve sempre observar o princípio do melhor interesse do menor,
introduzido em nosso sistema jurídico como corolário da doutrina da proteção integral,
consagrada pelo art. 227 da Constituição Federal, o qual deve orientar a atuação tanto
do legislador quanto do aplicador da norma jurídica, vinculando-se o ordenamento
infraconstitucional aos seus contornos.
3. Na hipótese, a genitora do menor/paciente, por ser usuária de drogas, confiou a
criança a um casal de "padrinhos" (terceiros sem vínculo de parentesco), procedimento
que, embora tenha se dado de maneira irregular, foi acompanhado posteriormente pelo
Conselho Tutelar. Na residência dos padrinhos, foi proporcionado um ambiente
acolhedor, seguro e familiar, em que o menor recebeu cuidados médicos, assistenciais e
afetivos, constando do relatório psicossocial elaborado pelo Setor Técnico da Vara da
Infância e da Juventude que a criança estava sendo muito bem cuidada e apresentava
"forte vinculação com os cuidadores", reconhecendo-os como "figuras de segurança e
cuidado".
4. Assim sendo, não havendo nem sequer indício de risco à integridade física ou
psíquica do infante, evidencia-se manifesta ilegalidade na decisão que determinou, em
caráter liminar, o acolhimento institucional do paciente, contrariando o princípio do
melhor interesse da criança e do adolescente, razão pela qual deve ser restabelecida a
decisão do Juízo de primeiro grau que, analisando todas as particularidades do caso em
apreço e estando mais próximo dos fatos, permitiu que o menor permanecesse sob a
guarda de G. C. de S. V. e G. V. dos S. ("padrinhos"), ao menos até o julgamento de
mérito da respectiva ação.
5. Habeas corpus concedido de ofício.
(HC 504.743/SP, Rel. Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, TERCEIRA TURMA,
julgado em 10/09/2019, DJe 17/09/2019)

QUESTÃO 07
Sobre a Convenção sobre os Direitos da Criança, julgue as alternativas a seguir
indicando a opção correta.

a) Embora tenha ampla aceitação internacional, a Convenção sobre os Direitos da


Criança ainda não foi promulgada pelo Brasil.
b) Independente de ter sido promulgada ou não pelo Brasil, fato é que no corpo da
Convenção sobre os Direitos da Criança conta um mecanismo de petições que
permite que qualquer cidadão envie a um Comitê criado denúncias sobre
violações aos direitos humanos das crianças.
c) A Convenção sobre os Direitos da Criança trabalha com a dicotomia “crianças e
adolescentes”, sendo aquelas os menores de 12 anos e estes as pessoas com
idade entre 12 e menores de 18 anos.
d) Nas justificativas e discussões que antecederam o projeto da Convenção sobre os
Direitos da Criança, explicou-se a razão pela qual o tema “liberdade de
expressão” das crianças deixou de ser tratado na Convenção, diante
especialmente de seus contornos típicos relacionados à livre criação por seus
pais.
e) Nota-se que os Estados Partes reconhecem os direitos da criança à liberdade de
associação e à liberdade de realizar reuniões pacíficas.

COMENTÁRIO
Gabarito letra “e”
A letra “a” está errada já que a Convenção sobre os Direitos da Criança está plenamente
vigente no Brasil, tendo sido assinada, deliberada internamente, ratificada e promulgada
pelo Decreto 99.710 de 1990.
A letra “b” encontra-se errada porque o mecanismo de petições individuais conta de um
protocolo facultativo não integrante originariamente da Convenção sobre os Direitos da
Criança, devendo ser anotado que tal protocolo ainda não foi promulgado pelo Brasil.
Errada está a letra “c” porque o termo adolescente não é mencionado na CDC.
A liberdade de expressão é tratada no art. 13 da CDC, logo, a alternativa “d” está errada.
Por último, a letra “e” está correta e estampa o artigo 15 da Convenção.

QUESTÃO 08
A respeito dos juízes da Corte Interamericana de Direitos Humanos, compreende-
se a ideia de que integram um verdadeiro Tribunal Transnacional de Direitos
Humanos. Nestes termos, formam um grupo coeso de 07 de julgadores, sobre os
quais é correto dizer que

a) Pode-se afirmar que os Estados Unidos podem ter um juiz na Corte IDH,
destacando-se que não há necessidade de que tais pessoas que integrem a Corte
Interamericana de Direitos Humanos sejam efetivamente juízes em seus países
de origem, bastando que reúnam alta autoridade moral e reconhecida
competência em matéria de direitos humanos.
b) Em tese, é possível haver mais de um juiz da mesma nacionalidade na Corte
IDH, até mesmo porque eles são eleitos a título pessoal, o que significa que, uma
vez presentes na estrutura da Corte IDH, não mais representam suas
nacionalidades.
c) Tal como ocorre na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, os juízes
são eleitos para um mandato de 04 anos, sendo possível reeleições.
d) É notório que a Corte IDH exerce dupla função, uma consultiva e uma
contenciosa, sendo certo que os juízes do órgão formam dois grupos distintos
para o exercício de cada uma destas atribuições.
e) O término dos mandatos é um termo peremptório, ou seja, os juízes que
estiverem a julgar um caso, durante o qual advenha o implemento do prazo
respectivo, deve deixar a Corte e ser, naturalmente, substituído por outro.
Comentários
Gabarito Letra “a”
Olá pessoal, esta primeira questão não é considerada uma questão de alta complexidade.
Como vocês farão uma prova objetiva, é imprescindível vocês conhecerem as
normativas básicas da Corte Interamericana de Direitos Humanos.
Portanto, a questão representa este recado em primeira linha!
Neste caso específico, todas as respostas estão na Convenção Americana de Direitos
Humanos e também no Estatuto da Corte IDH. Não deixem de ler.
Nestes termos, Antonio Augusto Cançado Trindade, um dos maiores representantes
brasileiros no campo dos Direitos Humanos, ex-Juiz da Corte IDH e atual Juiz da Corte
Internacional de Justiça, não é juiz, em sentido estrito brasileiro, ou seja, integrante da
magistratura nacional. Logo, é falsa a afirmação de que um juiz da Corte IDH deve,
necessariamente, ser juiz de direito no plano interno para alcançar aquele cargo.
Gosto muito de trabalhar com associações para gravar as questões que nos são
colocadas. Lembrem-se deste exemplo.
Sobre os demais tópicos, chamo a atenção de vocês para os seguintes artigos da
Convenção Americana de Direitos Humanos, que respondem as questões por si sós:

Artigo 52

1. A Corte compor-se-á de sete juízes, nacionais dos Estados membros da


Organização, eleitos a título pessoal dentre juristas da mais alta autoridade moral, de
reconhecida competência em matéria de direitos humanos, que reúnam as condições
requeridas para o exercício das mais elevadas funções judiciais, de acordo com a lei do
Estado do qual sejam nacionais, ou do Estado que os propuser como candidatos.
2. Não deve haver dois juízes da mesma nacionalidade.
Artigo 53
1. Os juízes da Corte serão eleitos, em votação secreta e pelo voto da
maioria absoluta dos Estados Partes na Convenção, na Assembléia Geral da
Organização, de uma lista de candidatos propostos pelos mesmos Estados.
2. Cada um dos Estados Partes pode propor até três candidatos, nacionais
do Estado que os propuser ou de qualquer outro Estado membro da Organização dos
Estados Americanos. Quando se propuser uma lista de três candidatos, pelo menos um
deles deverá ser nacional de Estado diferente do proponente.
Artigo 54
1. Os juízes da Corte serão eleitos por um período de seis anos e só
poderão ser reeleitos uma vez. O mandato de três dos juízes designados na primeira
eleição expirará ao cabo de três anos. Imediatamente depois da referida eleição,
determinar-se-ão por sorteio, na Assembléia Geral, os nomes desses três juízes.
2. O juiz eleito para substituir outro cujo mandato não haja expirado,
completará o período deste.
3. Os juízes permanecerão em funções até o término dos seus mandatos.
Entretanto, continuarão funcionando nos casos de que já houverem tomado
conhecimento e que se encontrem em fase de sentença e, para tais efeitos, não serão
substituídos pelos novos juízes eleitos.

QUESTÃO 09
A Comissão Interamericana de Direitos Humanos exerce uma função híbrida ou
dupla no Sistema Interamericano de Direitos Humanos. Sobre a amplitude de tal
expressão, vale dizer que ela está representada na seguinte assertiva:

a) A função híbrida da CIDH quer significar a possibilidade de acusar e julgar, em


sentido estrito, um país que se tem como violador de Direitos Humanos,
equiparando-se, neste particular, à Corte IDH.
b) A função híbrida da CIDH quer significar, em verdade, a possibilidade de o
órgão atuar nos respectivos cenários de direito interno, em tribunais nacionais,
portanto, de países que se subordinem à sua jurisdição facultativa.
c) A função híbrida da CIDH representa uma verdadeira flexibilidade de seu atuar,
levando-se em conta que a partir do momento em que determina uma medida
provisória contra determinado país integrante da Convenção Americana de
Direitos Humanos, pode executar seus próprios comandos no direito interno
deste país.
d) A função híbrida da CIDH permite sua atuação internacional e, também, nos
cenários jurídicos internos dos países submetidos a sua jurisdição, especialmente
no que se refere ao pagamento das condenações que prolata, embora sua
sistemática não se submeta ao sistema de precatórios.
e) A função híbrida da CIDH pode ser verificada no Sistema Interamericano como
a possibilidade de atuar como órgão persecutor da Corte IDH, no sistema da
Convenção Americana de Direitos Humanos, e, também, como órgão político e
de monitoramento de todos os países membros da OEA a respeito dos Direitos
Humanos, mesmo que não tenham ratificado a Convenção Americana de
Direitos Humanos.

Comentários
Gabarito letra “e”

Naturalmente, a questão tenta empurrar vocês ao erro. A Comissão


Interamericana de Direitos Humanos é o principal órgão de monitoramento e
promoção dos Direitos Humanos no cenário interamericano. Ela é responsável
pela “fiscalização da situação dos direitos humanos” em todos os países membro
da OEA, independentemente de serem ou não signatários ou de terem ou não
ratificado a Convenção Americana de Direitos Humanos.

Trata-se de um órgão encarregado da promoção e proteção dos direitos humanos


no continente americano. É integrada por sete membros independentes que
atuam de forma pessoal e tem sua sede em Washington, D.C. Foi criada pela
OEA em 1959 e, juntamente com a Corte Interamericana de Direitos Humanos
(CorteIDH), instalada em 1979, é uma instituição do Sistema Interamericano de
proteção dos direitos humanos (SIDH).
A Carta da OEA estabelece a Comissão como órgão principal da OEA, que tem
como função promover a observância e a defesa dos direitos humanos e servir
como órgão consultivo da OEA nesta matéria.
A CIDH realiza seu trabalho com base em três pilares:
 o Sistema de Petição Individual;
 o monitoramento da situação dos direitos humanos nos Estados Membros, e
 a atenção a linhas temáticas prioritárias.
Através dessa estrutura, a Comissão considera que, no contexto da proteção dos
direitos de toda pessoa sob jurisdição dos Estados americanos, é fundamental
dar atenção as populações, comunidades e grupos historicamente submetidos à
discriminação. De forma complementar, outros conceitos formam seu trabalho:
o princípio pro homine - segundo o qual a interpretação de uma norma deve ser
feita da maneira mais favorável ao ser humano -, a necessidade de acesso à
justiça, e a incorporação da perspectiva de gênero em todas suas atividades.
Com o advento da Convenção Americana foram criadas novas atribuições para a
Comissão, que adquiriu um papel dúplice: além de suas funções anteriores
desempenhadas junto à OEA, passou a analisar petições individuais e
interestatais e a interpor, perante a Corte IDH, ações de responsabilidade
internacional contra os Estados-partes que violarem direitos tutelados pela
Convenção Americana.
Sobre a função dupla da Comissão, Ramos ensina que “a atuação da Comissão é
idêntica nos dois âmbitos, entretanto, apenas no âmbito da Convenção há
possibilidade de processar o Estado infrator perante a Corte IDH”.[6] Só é
possível interpor esse tipo de ação em face dos Estados reconheceram a
jurisdição obrigatória da Corte, nos casos dos demais Estados, a Comissão pode
apenas acionar a Assembleia Geral da OEA.[7] Nesse sentido, esclarece
Piovesan:
A competência da Comissão Interamericana de Direitos Humanos alcança todos
os Estados-partes da Convenção Americana em relação aos direitos humanos
nela cosagrados. Alcança ainda todos os Estados-membros da Organização dos
Estados Americanos, em relação aos direitos consagrados na Declaração
Americana de 1948.

QUESTÃO 10
Durante o último período de sessões ordinárias, a Corte Interamericana de
Direitos Humanos realizou audiência pública acerca do caso Damião Ximenes
Lopes vs. Brasil. O caso marca a Reforma Psiquiátrica no Brasil que, a propósito,
faz, neste mês, o vigésimo aniversário da Lei 10.216/2001. A respeito do assunto, é
verdadeira a afirmação no sentido de que

a) Mencionada Lei institui um programa para implementar melhorias nos locais de


internação das pessoas com incapacidades, realçando, sobretudo, prazos
determinados para os tratamentos manicomiais, atualmente marcados pelos
princípios da brevidade e necessidade.
b) A partir da audiência pública realizada, ficou demarcada a responsabilidade do
Estado brasileiro, que, a partir de tal evento, finalmente, encontra-se apto,
interna e internacionalmente, a desenvolver políticas públicas mais efetivas em
prol da saúde mental.
c) Embora a audiência pública tenha se realizado no âmbito da Corte IDH, verifica-
se que a realização deste ato em si não se traduz em uma etapa processual
propriamente dita, mas um espaço de deliberação da sociedade civil. Nestes
termos, vale assentar que, tal como ocorreu no famoso caso Maria da Penha,
com peso inequívoco no cenário nacional contrário às violências de todas as
ordens cometidas contra as mulheres, o caso Damião Ximenes Lopes também
não chegou a ser alçado ao sentenciamento pela Corte IDH por conta de sua
competência ratione temporis.
d) Dentre os comandos atribuídos no desfecho do caso, ocorrido há 15 anos,
ponderou-se a necessidade, ainda pendente, de o Estado continuar a desenvolver
um programa de formação e capacitação para o pessoal médico, de psiquiatria e
psicologia, de enfermagem e auxiliares de enfermagem e para todas as pessoas
vinculadas ao atendimento de saúde mental, em especial sobre os princípios que
devem reger o trato das pessoas portadoras de deficiência mental, conforme os
padrões internacionais sobre a matéria.
e) É equivocado afirmar-se que, na ocasião do desfecho do caso, ponderou-se que,
quanto ao recebimento e valoração da prova, os procedimentos seguidos perante
órgãos internacionais não estão sujeitos às mesmas formalidades que as atuações
judiciais internas. Em razão de tal realidade, não se pode asseverar que os órgãos
internacionais têm o poder de apreciar e avaliar as provas segundo as normas da
crítica sã, o que implica na premência de fixação de maneira rígida do quantum
da prova necessário para fundamentar uma sentença.
COMENTÁRIOS
Gabarito Letra “d”
Pessoal, a questão, apesar de possuir assertivas grandes, trata de um assunto que
obrigatoriamente deve ser do conhecimento de vocês. Assim explico porque a
implementação efetiva da Lei da Reforma Psiquiátrica, que volta e meia sofre com
tentativas de retrocesso, é uma das bandeiras da Defensoria Pública.
O marco legal da decisão da Corte IDH, em 2006, sobre o caso Damião Ximenes Lopes,
se trata de um elemento sinérgico de uma luta antimanicomial que tem, como outro
parceiro, a edição da Lei 10216/2001, chamada de Lei Paulo Delgado.
Portanto, o ambiente restaurador da dignidade do tratamento de saúde mental no Brasil
é simplesmente uma luta ainda vigente e presente. E vejam: a audiência pública
realizada pela Corte IDH, na verdade, traduziu-se em um ato relacionado ao tópico 08
do dispositivo da sentença prolatada em 2006. Ocorreu durante a fase que chamamos de
supervisão do cumprimento de sentenças.
Por conta destes contornos, deixo sobressaltado para vocês que o caso foi sim julgado
pela Corte IDH, ao contrário do famoso caso Maria da Penha, que, sem perder qualquer
protagonismo, teve seu desfecho, se assim se pode dizer, no seio da Comissão
Interamericana de Direitos Humanos, não chegando a ser judicializado
internacionalmente.
Daí que defluem as nossas conclusões para responder a estas propostas. A letra “a” está
errada porque a lei e o propósito de tratamento são antimanicomiais. Por assim serem,
melhores em locais de manicômios e a colocação de prazos certos para tratamento
violam o espírito da intenção, que é contrário a estes tratamentos. Tomem nota que a
intenção é propor às pessoas que carecem de tratamentos de saúde mental, notadamente,
reinserção familiar, desinstitucionalização e retomada de convívio na cidade.
A letra “b” está errada porque a responsabilidade do estado brasileiro, decididamente,
não ficou demarcada quando da realização da audiência pública. Pelo contrário. Ela já
havia sido demarcada, nesta ambiência, desde 2006.
A colocação feita na letra “c” está errada pelo que vocês próprios já podem concluir
como decorrência dos esclarecimentos prestados acima.
A letra “d” está correta. É justamente esta a lógica de realização da audiência pública,
ou seja, revisitar os encaminhamentos tomados para cumprimento do item 08 da parte
dispositiva da sentença antes prolatada. Naqueles exatos termos colocados na afirmação
desta letra.
Já a letra “e” se trata de uma forma de provocação e de confusão que propositadamente
se tenta fazer com vocês. A partir de uma redação que aparentemente é razoável, se
você não é um bom conhecedor do sistema interamericano, você pode escorregar nos
detalhes ali lançados sobre a gestão e análise da prova. Vejam aqui abaixo o excerto da
sentença do Caso Damião Ximenes Lopes que foi colocado de maneira modificada.
Esclarece-se: aqui temos o excerto exatamente como consta da sentença:
“44. A Corte salientou, quanto ao recebimento e valoração da prova, que os
procedimentos seguidos perante ela não estão sujeitos às mesmas formalidades que as
atuações judiciais internas e que a incorporação de determinados elementos ao acervo
probatório deve ser efetuada dispensando-se especial atenção às circunstâncias do caso
concreto e tendo presentes os limites que impõe o respeito à segurança jurídica e ao
equilíbrio processual das partes. A Corte tem considerado, ademais, que a
jurisprudência internacional, ao considerar que os tribunais internacionais têm o poder
de apreciar e avaliar as provas segundo as normas da crítica sã, não fixou de maneira
rígida o quantum da prova necessária para fundamentar uma sentença. Este critério é
especialmente válido com relação aos tribunais internacionais de direitos humanos, os
quais dispõem, para efeitos da determinação da responsabilidade internacional de um
Estado pela violação de direitos da pessoa, de ampla flexibilidade na avaliação da prova
a eles apresentada sobre os fatos pertinentes, de acordo com as regras da lógica e com
base na experiência.
45. Com fundamento no acima exposto, a Corte procederá a examinar e valorar os
elementos probatórios documentais enviados pela Comissão, pelos representantes e pelo
Estado, em diversas oportunidades processuais ou como prova para melhor resolver, a
eles solicitados pelo Presidente, que constituem em seu todo o acervo probatório deste
caso. Para essa finalidade, o Tribunal se aterá aos princípios da crítica sã, dentro do
marco legal correspondente.”

QUESTÃO 11
Sobre a Convenção de Belém do Pará, marque a alternativa correta.

a) Embora se trate de uma normatização exemplar, não há nela espaço para tratar-
se da violência institucional de gênero, uma vez que a preocupação incisiva nela
presente diz respeito a qualquer ato ou conduta baseada no gênero, que cause
morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, na esfera
privada, já que confeccionada em 1994.
b) Destaca-se que se trata de um documento reconhecidamente programático na
repressão à violência de gênero sem a enunciação de direitos individuais de
forma ostensiva e direta.
c) O caso Alyne Pimentel se trata da primeira condenação sofrida pelo Estado
Brasileiro decorrente deste sistema onusiano de proteção dos Direitos Humanos.
d) Apesar de ser possível fazê-lo, já que a competência consultiva da Corte IDH
assim o permite, não há cláusula expressa na Convenção de Belém a respeito do
exercício da atividade interpretativa a ser solicitada à Corte IDH.
e) Apesar de se tratar de uma Convenção de 1994, nela há a previsão de
mecanismos de proteção, inclusive, de petições individuais a serem dirigidas à
Comissão Interamericana de Direitos Humanos, anote-se, em período anterior
àquele de adesão brasileira à jurisdição da Corte Interamericana de Direitos
Humanos.
COMENTÁRIOS
Gabarito letra “e”.
A intenção da questão é explorar o melhor conhecimento de vocês a respeito da
Convenção de Belém do Pará – Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e
Erradicar a Violência contra a Mulher.
Trata-se de uma Convenção de tamanho tímido, logo, dada a sua importância,
definitivamente estudem-na atenciosamente.
É fundamental que saibamos lidar bem com os tratados mais emblemáticos do SIDH.
Vamos lá: o grande erro da proposição “a” é a inferência que se tenta fazer com o fato
de que, por ser uma Convenção de 1994, estaríamos a lidar com uma Convenção
“ultrapassada”. Não. Ela é bastante atual. Há nítido espaço para tratarmos, a partir dela,
da violência institucional, não só por conta da leitura que se deve fazer de seu artigo 1º (
Para os efeitos desta Convenção, entender-se-á por violência contra a mulher qualquer
ato ou conduta baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual
ou psicológico à mulher, tanto na esfera pública como na esfera privada.), como
também por obra do artigo 2º, alínea “c” (Entende-se que a violência contra a mulher
abrange a violência física, sexual e psicológica: c. perpetrada ou tolerada pelo Estado ou
seus agentes, onde quer que ocorra.).
A letra “b”, por sua vez, está categoricamente equivocada, até porque um dos mais
conhecidos artigos desta Convenção é o art. 4º, sendo nele empreendidos relevantes
direitos individuais:
“Toda mulher tem direito ao reconhecimento, desfrute, exercício e proteção de todos os
direitos humanos e liberdades consagrados em todos os instrumentos regionais e
internacionais relativos aos direitos humanos. Estes direitos abrangem, entre outros:

a. direito a que se respeite sua vida;

b. direito a que se respeite sua integridade física, mental e moral;

c. direito à liberdade e à segurança pessoais;

d. direito a não ser submetida a tortura;

e. direito a que se respeite a dignidade inerente à sua pessoa e a que se proteja


sua família;

f. direito a igual proteção perante a lei e da lei;

g. direito a recurso simples e rápido perante tribunal competente que a proteja


contra atos que violem seus direitos;
h. direito de livre associação;

i. direito à liberdade de professar a própria religião e as próprias crenças, de


acordo com a lei; e

j. direito a ter igualdade de acesso às funções públicas de seu país e a


participar nos assuntos públicos, inclusive na tomada de decisões.”

A letra “c”, por sua vez, está incorreta porque ela tenta apenas confundir a aluna ou o
aluno inseguro (a), uma vez que o caso Alyne Pimentel é sim enviado ao sistema
onusiano, contudo não a partir da Convenção de Belém como atriz principal, mas
provocando o sistema da CONVENÇÃO SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS
FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER.
A letra “d” está é “letra de lei”, ou seja, a possibilidade erradamente negada na hipótese
está prevista no artigo 11 (Os Estados Partes nesta Convenção e a Comissão
Interamericana de Mulheres poderão solicitar à Corte Interamericana de Direitos
Humanos parecer sobre a interpretação desta Convenção.).
Correta, portanto, a alternativa contemplada na letra “e”.

QUESTÃO 12
Sobre o Caso Artavia Murillo vs. Costa Rica, muito se discutiu a respeito da FIV
(fertilização in vitro) e da liberdade da mulher em levar ou não a efeito seu
planejamento familiar. Tratou-se, na verdade, de uma grande oportunidade para a
Corte Interamericana de Direitos Humanos lidar com vários e importantes
conceitos e temáticas no decurso da sentença que envolvem questões reprodutivas e
bioéticas. A respeito das abordagens e conclusões feitas pela Corte IDH, é
incorreto afirmar que:

a) A FIV é “um procedimento no qual os óvulos de uma mulher são removidos


de seus ovários, e são então fertilizados com esperma em um procedimento
de laboratório. Uma vez concluído isso, o óvulo fertilizado (embrião) é
devolvido ao útero da mulher”. Esta técnica é aplicada quando a
infertilidade se deve à ausência ou bloqueio das trompas de Falópio da
mulher, ou seja, quando um óvulo não pode passar para as trompas de
Falópio para ser fertilizado e posteriormente implantado no útero, ou em
casos onde a infertilidade recai no parceiro de sexo masculino, bem como
nos casos em que a causa da infertilidade é desconhecida.
b) A Corte toma nota que a Organização Mundial da Saúde não definiu a
infertilidade como “uma doença do sistema reprodutivo”. Desta feita, por
mais que efetivamente reconheça hipóteses de discriminação indireta em seu
decisum, que admite que a ofensa ou violação ao direito parta de forma
neutra do pretenso agressor (que pode sequer se conceber como tal), a
hipótese julgada no caso não seria apta a configurá-la neste particular.
c) O Estado da Costa Rica alegou que “a Declaração Universal dos Direitos
Humanos […] protege o ser humano desde […] o momento da união do
óvulo e do espermatozoide”. Por sua vez, a Corte IDH considera que, de
acordo com os trabalhos preparatórios deste instrumento, o termo “nascem”
foi utilizado precisamente para excluir o não nascido dos direitos que
consagra a Declaração. Extrai-se da manifestação da Corte IDH que os
redatores rejeitaram expressamente a ideia de eliminar tal termo, de modo
que o texto resultante expressa a plena intenção de que os direitos
consagrados na Declaração são “inerentes desde o momento de nascer”.
Portanto, a expressão “ser humano”, utilizada na Declaração Universal dos
Direitos Humanos, não foi entendida no sentido de incluir o não nascido.
d) A Corte observa que as tendências de regulamentação no Direito
Internacional não levam à conclusão de que o embrião seja tratado de
maneira igual a uma pessoa ou que tenha um direito à vida.
e) Segundo a Corte IDH, quando do julgamento do caso, a Costa Rica era o
único Estado no mundo que proibia, à época ao menos, de maneira expressa
a FIV.

COMENTÁRIOS
Gabarito letra “b”.

O equívoco da letra “b” está, inicialmente, na falsa afirmação de que não se está
a lidar com uma doença do sistema reprodutivo reconhecida pela OMS. Sim. Há
tal reconhecimento. Este, a propósito, não é o único, mas um dos motivos que
podem acarretar a discriminação indireta.
A Corte afirmou que o princípio de direito imperativo de proteção igualitária e
efetiva da lei e não discriminação determina que os Estados devem se abster de
produzir regulamentações discriminatórias ou que tenham efeitos
discriminatórios nos diferentes grupos de uma população no momento de
exercer seus direitos. O Comitê de Direitos Humanos, o Comitê contra a
Discriminação Racial, o Comitê para a Eliminação da Discriminação contra a
Mulher e o Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais reconheceram
o conceito da discriminação indireta. Este conceito implica que uma norma ou
prática aparentemente neutra tem repercussões particularmente negativas em
uma pessoa ou grupo com algumas características determinadas. É possível que
quem tenha estabelecido esta norma ou prática não seja consciente dessas
consequências práticas e, em tal caso, a intenção de discriminar não é o essencial
e procede uma inversão do ônus da prova. A esse respeito, o Comitê das Pessoas
com Deficiência afirmou que “uma lei que se aplique com imparcialidade pode
ter um efeito discriminatório se não são levadas em consideração as
circunstâncias particulares das pessoas às que se aplique”.
E como muito bem ponderou a Corte, a discriminação indireta pode se dar,
inclusive, em relação à situação econômica. É o que ocorreu, na hipótese,
quando a proibição da FIV teve um impacto desproporcional nos casais inférteis
que não contavam com os recursos econômicos para realizar a FIV no exterior.
As demais assertivas estão corretas e foram extraídas da própria decisão da
Corte a respeito do caso.
QUESTÃO 13
Sobre o Direito de Resistência, é correto asseverar que

a) A Declaração Universal dos Direitos Humanos não o contempla.


b) Em sua ótica histórica, não contempla seu exercício pelo uso da violência.
c) Atualmente, ainda que não previsto em documento, é titularizado pelo povo.
d) O Supremo Tribunal Federal possui decisões recentes referendando-o.
e) Seguindo a relatoria de Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de
Direitos Humanos, sua utilização circunscreve-se a manifestações orais ou
escritas.
COMENTÁRIO
Gabarito Letra “c”
Todos os instrumentos internacionais relativos à matéria, e entre eles, em
primeiro lugar, as declarações da Assembléia Geral das Nações Unidas, reconhecem, tal
como o documento agora mesmo citado, aos povos que lutam pela própria
Autodeterminação um direito de resistência que se pode traduzir, em última instância,
em recurso ao uso da força como aplicação do direito de legítima defesa. Na
interpretação dos atos em questão, se faz comumente valer sua vinculação com o art. 51
da Carta da ONU, para se vir a reconhecer, com base em tal disposição, um direito, se
não um dever, de intervir ao lado dos povos oprimidos, imposto a todos os membros das
Nações Unidas.
Em sentido próprio, a Desobediência civil é apenas uma das situações em
que a violação da lei é considerada como eticamente justificada por quem a cumpre ou
dela faz propaganda. Trata-se de situações que habitualmente são compreendidas pela
tradição dominante da filosofia política sob a categoria do direito à resistência.
A ideia de resistir contra o ignóbil atuar de autoridades pertence a nós e a
qualquer pessoa. Há a ideia de que o Direito de Resistência é o direito, afirmado de
diferentes formas ao longo da história, que qualquer pessoa tem de resistir ou insurgir
contra qualquer fator que ameace sua sobrevivência ou que represente uma violência a
valores éticos ou morais humanistas.
Vejam aqui, por exemplo, o direito de resistência presente na Declaração
Universal dos Direitos Humanos: “CONSIDERANDO ser essencial que os direitos do
homem sejam protegidos pelo império da lei, para que o homem não seja compelido,
como último recurso, à rebelião contra a tirania e a opressão,”
Sim! Logo no preâmbulo da DUDH o verificamos.
No Brasil, numa busca ao site do STF, o direito de resistência aparece uma
vez indexado e outro no corpo de uma decisão de Habeas Corpus Preventivo. Veja-se:
Habeas Corpus Preventivo. Ausência de demonstração dos requisitos
necessarios (constrangimento ilegal iminente). Impetração que visa a assegurar a
continuidade do exercício do cargo de Governador de Território, do qual o paciente foi
exonerado e, assim, a resistir ao cumprimento do decreto presidencial respectivo.
Direito de resistencia incompativel com o princípio constitucional segundo o qual as
controversias surgidas no meio nacional, especialmente entre os poderes públicos e as
pessoas juridicas de direito público interno devem ser submetidas ao Poder Judiciario.
Pendência de ação mandamental na qual o Supremo Tribunal Federal decidira quanto a
exoneração do paciente. Além disso, ja havendo o paciente deixado o exercício do
cargo, o habeas corpus não mais se justifica. Pedido conhecido mas julgado
prejudicado.
(HC 68067, Relator(a): CELIO BORJA, Segunda Turma, julgado em
06/12/1990, DJ 15-03-1991 PP-02647 EMENT VOL-01612-01 PP-00181)

Decisão, como se verifica, bem antiga, de 1990.


Sobre a letra “e”, tem-se que ela é de todo impertinente.

QUESTÃO 14
Sobre os Povos Originários e as Comunidades Tradicionais, pode-se dizer que:

a) É correto afirmar-se que o povo originário no Brasil é uma comunidade


tradicional, mas que nem toda comunidade tradicional brasileira é um povo
originário.
b) Sobre os quilombolas, apesar de só ter havido um reconhecimento formal de
sua condição de povo tribal anos depois da abolição da escravatura, com a
promulgação da Constituição de 1946, esse reconhecimento não resultou em
sua inclusão socioeconômica efetiva nem reparação integral a essas
comunidades.
c) A Constituição Federal de 1988 atribuiu aos indígenas e aos quilombolas a
propriedade de suas terras por ocasião de sua promulgação.
d) A OIT 169 regulamenta a titulação das terras quilombolas, mas, ao menos
até a presente data, não chegou a ser internalizada pelo Brasil.
e) No caso do Povo Indígena Xucuru, a Corte Interamericana de Direitos
Humanos declarou em seu dispositivo o descumprimento do Estado
brasileiro da Convenção 169 da OIT, o que não tem relação com a
internalização ou não do tratado.
COMENTÁRIO
Gabarito Letra “a”

QUESTÃO 15
O crime de tortura é internacionalmente atrelado a algum tipo de ação ou omissão
estatal. A respeito de seu tratamento na órbita nacional e internacional, é errado
dizer que

a) A Convenção Contra a Tortura da ONU, por sua vez, traz a hipótese em que o
crime tortura é tratado como crime próprio.
b) No cenário internacional, o crime de tortura é imprescritível, ao contrário do que
vigora no direito interno brasileiro, ressalvando-se o contido no Decreto
4388/2002.
c) Racismo e Tortura, numa visão conformadora sobre o tratamento dos Direitos
Humanos, são crimes imprescritíveis.
d) O crime de tortura no Brasil, segundo o Superior Tribunal de Justiça, é um
crime comum.
e) O que diferencia o crime de tortura em relação ao crime de maus tratos, segundo
a ótica da Corte IDH, é a intensidade do sofrimento impingido na vítima.
COMENTÁRIO
Gabarito letra “d”
Pessoal, recomendo a todos a leitura deste julgado do Superior Tribunal de Justiça, que
é bem didático a respeito do tema e que ilumina a solução da questão trazida.

RECURSO ESPECIAL. ACÓRDÃO A QUO QUE DESCLASSIFICOU A


CONDUTA PERPETRADA PELOS RECORRIDOS DE CRIME DE TORTURA-
CASTIGO (ART. 1º, II, DA LEI N. 9.455/1997) PARA O CRIME DE LESÃO
CORPORAL GRAVE.
VIOLAÇÃO DO ART. 1º, II, DA LEI N. 9.455/1997. RECURSO QUE
OBJETIVA O RESTABELECIMENTO DA CONDENAÇÃO. IMPROCEDÊNCIA.
CRIME PRÓPRIO, QUE SÓ PODE SER PERPETRADO POR AGENTE QUE
OSTENTE POSIÇÃO DE GARANTE (OBRIGAÇÃO DE CUIDADO, PROTEÇÃO
OU VIGILÂNCIA) COM RELAÇÃO À VÍTIMA.
1. O conceito de tortura, tomado a partir dos instrumentos de direito
internacional, tem um viés estatal, implicando que o crime só poderia ser praticado por
agente estatal (funcionário público) ou por um particular no exercício de função pública,
consubstanciando, assim, crime próprio.
2. O legislador pátrio, ao tratar do tema na Lei n. 9.455/1997, foi além da
concepção estabelecida nos instrumentos internacionais, na medida em que, ao menos
no art. 1º, I, ampliou o conceito de tortura para além da violência perpetrada por
servidor público ou por particular que lhe faça as vezes, dando ao tipo o tratamento de
crime comum.
3. A adoção de uma concepção mais ampla do tipo, tal como estabelecida na
Lei n. 9.455/1997, encontra guarida na Convenção contra a Tortura e outros
Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes, que ao tratar do conceito de
tortura estabeleceu -, em seu art. 1º, II -, que: o presente artigo não será interpretado de
maneira a restringir qualquer instrumento internacional ou legislação nacional que
contenha ou possa conter dispositivos de alcance mais amplo; não há, pois, antinomia
entre a concepção adotada no art. 1º, I, da Lei n. 9.455/1997 - tortura como crime
comum - e aquela estatuída a partir do instrumento internacional referenciado.
4. O crime de tortura, na forma do art. 1º, II, da Lei n. 9.455/1997 (tortura-
castigo), ao contrário da figura típica do inciso anterior, não pode ser perpetrado por
qualquer pessoa, na medida em que exige atributos específicos do agente ativo, somente
cometendo essa forma de tortura quem detiver outra pessoa sob sua guarda, poder ou
autoridade (crime próprio).
5. A expressão guarda, poder ou autoridade denota um vínculo preexistente,
de natureza pública, entre o agente ativo e o agente passivo do crime. Logo, o delito até
pode ser perpetrado por um particular, mas ele deve ocupar posição de garante
(obrigação de cuidado, proteção ou vigilância) com relação à vitima, seja em virtude da
lei ou de outra relação jurídica.
6. Ampliar a abrangência da norma, de forma a admitir que o crime possa
ser perpetrado por particular que não ocupe a posição de garante, seja em decorrência da
lei ou de prévia relação jurídica, implicaria uma interpretação desarrazoada e
desproporcional, também não consentânea com os instrumentos internacionais que
versam sobre o tema.
7. No caso, embora a vítima estivesse subjugada de fato, ou seja, sob poder
dos recorridos, inexistia uma prévia relação jurídica apta a firmar a posição de garante
dos autores com relação à vítima, circunstância que obsta a tipificação da conduta como
crime de tortura, na forma do art. 1º, II, da Lei n. 9.455/1997.
8. Recurso especial improvido.
(REsp 1738264/DF, Rel. Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR, SEXTA
TURMA, julgado em 23/08/2018, DJe 14/09/2018)
QUESTÃO 16
Poder Constituinte é o poder de criar uma constituição e inaugurar, assim, uma
nova ordem jurídica, criando também, por consequência, um novo Estado; ou de
alterar uma constituição existente, respeitando as regras de procedimento, ou
mesmo de conteúdo, por ela definidas. Acerca das especificidades do Poder
Constituinte Originário (PCO), e atento à doutrina e jurisprudência dominantes,
assinale a alternativa INCORRETA:

A) O Poder Constituinte Originário deve ser tido como sinônimo de poder de primeiro
grau, primário ou genuíno.
B) Em que pese divergente na doutrina, prevalece que o PCO é um poder de natureza
jurídica.
C) De acordo com o entendimento dominante, o PCO tem, dentre suas principais
características, as seguintes: inicial, autônomo, ilimitado e incondicionado.
D) A jurisprudência do STF não adota a tese de Otto Bachof de que seria possível
reconhecer a existência de normas constitucionais originárias inconstitucionais.
E) No caso A Última Tentação de Cristo, a Corte IDH entendeu que é possível o
controle internacional de convencionalidade, inclusive em face de normas
constitucionais originárias.

A) CORRETA: a alternativa A está CORRETA e NÃO deveria ser marcada. O Poder


Constituinte Originário (PCO) é o poder de criar uma nova constituição, inaugurando
um novo ordenamento jurídico e um novo Estado. Neste contexto, a doutrina costuma,
de fato, valer-se de sinônimos, o que inclui os mencionados na alternativa: poder de
primeiro grau, primário ou genuíno.
B) INCORRETA: a alternativa B está INCORRETA e deveria ser marcada. Numa
concepção jusnaturalista, em que se defende a existência de um direito universal do
ponto de vista geográfico, além de atemporal, este poder (o PCO) seria um poder
jurídico ou de direito, porque o poder constituinte originário, ao editar esta nova
constituição, deveria respeitar as regras do direito natural. Contudo, não prevalece uma
perspectiva jusnaturalista em nossa doutrina e jurisprudência. Em que pese o
jusnaturalismo tenha contribuído para o desenvolvimento do Direito Internacional dos
Direitos Humanos, prevalece a perspectiva positivista, em que o PCO é tido como um
poder político, extrajurídico ou de fato. Isso porque ele não deve respeitar qualquer
ordenamento jurídico a ele superior ou anterior, pois está rompendo com qualquer
ordem existente, inaugurando uma nova.
C) CORRETA: a alternativa C é mais uma CORRETA e também NÃO deveria ser
marcada. A resposta decorre do desenvolvido acima. Numa perspectiva jusnaturalista,
se o poder constituinte originário é um poder de direito, ele NÃO é ilimitado, porque
deve respeitar o direito natural. Mas não será esta a posição exigida em provas
objetivas. Por isso, para além da concepção positivista, é preciso decorar suas
características: o fato deste PCO ser inicial, autônomo, ilimitado e incondicionado.
D) CORRETA: a alternativa D está igualmente CORRETA e, uma vez mais, NÃO
deveria ser marcada. Qual é a consequência prática de se afirmar que o poder
constituinte originário é inicial, ilimitado, incondicionado e absoluto? A principal
consequência prática é que se ele é um poder político e tem todas essas características,
não podem os poderes constituídos, como, por exemplo, o Supremo Tribunal Federal,
controlar a obra de seu criador. Por isso, prevalece na doutrina e jurisprudência que
NÃO adotamos a tese de Otto Bachof de que seria possível reconhecer a existência de
normas constitucionais originárias inconstitucionais. Primeiro, em decorrência do
princípio hermenêutico da unidade da constituição, pelo qual a constituição deve ser
interpretada como um todo: um sistema harmônico e indissociável. Não havendo
hierarquia entre as normas constitucionais, não seria possível permitir aos poderes
constituídos controlar a obra do seu criador. Prevalece, inclusive, no âmbito do
Supremo Tribunal Federal, que não é possível a declaração de inconstitucionalidade de
uma norma constitucional originária.
E) CORRETA: por fim, a alternativa E também está CORRETA e exigia o
conhecimento da jurisprudência da Corte IDH, em importante diálogo entre o Direito
Constitucional e o Direito Internacional dos Direitos Humanos (DIDH). Embora o caso
A Última Tentação de Cristo não esteja expresso no edital, deve ser conhecido pelos
alunos-candidatos, pois envolve temas relevantes, como Poder Constituinte, Controle de
Convencionalidade e Liberdade de Expressão. Na ocasião, a Corte entendeu que é
possível o controle internacional de convencionalidade, inclusive em face de normas
constitucionais originárias. Isso porque, qualquer ato interno, seja norma constitucional,
legal ou ato administrativo, diante do controle de convencionalidade internacional, é
considerado um mero fato, independentemente da hierarquia interna.
GABARITO: B

QUESTÃO 17
“Se um indivíduo estivesse disposto a vender a sua força de
trabalho, submetendo-se a uma jornada diária de 16 horas
por um salário que mal permitisse a aquisição de alimentos,
e outro se dispusesse a comprá-la nesses termos, não caberia
ao Estado se imiscuir no negócio privado.
O constitucionalismo liberal-burguês afirmava o valor da
igualdade, mas essa era vista a partir de uma perspectiva
formal. Ele combateu os privilégios estamentais do Antigo
Regime e a concepção organicista de sociedade, que tornava
os direitos e os deveres, de cada um, dependentes da
respectiva posição na estrutura social. Porém, ignorava a
opressão que se manifestava no âmbito das relações sociais e
econômicas, que permitiam ao mais forte explorar o mais
fraco. O constitucionalismo liberal-burguês não
incorporava, dentre suas funções, a promoção da igualdade
material entre as pessoas.” (SOUZA NETO, Cláudio Pereira
de; SARMENTO, Daniel. Direito Constitucional: teoria,
história e métodos de trabalho. Belo Horizonte: Fórum,
2019, p. 80)
Sobre o Constitucionalismo Moderno e suas correntes, aponte a alternativa
CORRETA:

A) O marco histórico do Constitucionalismo Moderno são as revoluções liberais


burguesas.
B) Os marcos normativos do Constitucionalismo Liberal são as constituições
estadunidense de 1787 e a francesa de 1791. Nelas, foram consagrados os direitos tidos
como de 2ª geração.
C) A primeira Constituição da América Latina a consagrar um Estado Social foi a
brasileira de 1934.
D) O valor consagrado no âmbito do Constitucionalismo Social é a solidariedade ou
fraternidade.
E) O Constitucionalismo Social é a perspectiva dominante até os dias atuais.

A) CORRETA: a alternativa A está CORRETA e deveria ser marcada. O


constitucionalismo, nos moldes que conhecemos, surge com as revoluções liberais
burguesas, em especial as revoluções inglesa, estadunidense e francesa. Este
constitucionalismo moderno pode ser liberal (a primeira fase dele), ou social (uma
segunda fase que surge no começo do século XX). Constitucionalismo Moderno,
portanto, é gênero que abarca 2 espécies: liberal e social.
B) INCORRETA: a alternativa B está INCORRETA e NÃO deveria ser marcada. De
fato, os marcos normativos do Constitucionalismo (Moderno) Liberal são as
constituições estadunidense de 1787 e a francesa de 1791. Contudo, o Estado aqui
consagrado era o Estado de Direito (ou Estado Liberal), que buscava promover os
direitos fundamentais denominados de 1ª geração, que tinham como valor a liberdade,
dentro dos lemas da revolução francesa. O erro na assertiva, portanto, estava na menção
aos direitos de 2ª geração.
C) INCORRETA: a alternativa C também está INCORRETA e NÃO deveria ser
marcada. O denominado constitucionalismo moderno social tem como marcos
históricos as revoluções mexicana, russa e o fim da primeira guerra mundial. Os grandes
marcos normativos são as constituições mexicana de 1917 e a de Weimar (alemã) de
1919, as primeiras constituições a prever com muita força em seu texto os direitos
denominados de 2ª geração, que tinham o valor igualdade (material) como norte. Para
além da memorização destes marcos, que DESPENCAM em provas objetivas, era
preciso conhecimento de geografia dos tempos da tia Maricotinha. Realmente, a
Constituição brasileira de 1934 era uma Constituição Social (a primeira em nosso país).
Mas nossos amigos mexicanos chegaram muito antes neste estágio.
D) INCORRETA: a alternativa D é mais uma INCORRETA. Conforme visto nos
comentários anteriores, se, no Constitucionalismo Liberal, o valor primordial era a
liberdade, no Constitucionalismo Social, o valor central era a igualdade (de fato, e não
apenas formal). A fraternidade (ou solidariedade) são valores inerentes à 3ª geração de
direitos fundamentais, que surgem em momento posterior.
E) INCORRETA: por fim, a alternativa E também está INCORRETA. Ora, hoje, fala-se
em neoconstitucionalismo (ou constitucionalismo contemporâneo), que tem como
marco histórico o fim da Segunda Guerra Mundial. Consagra-se, aqui, o Estado
Democrático de Direito. Para professora Di Pietro, o Estado Democrático de Direito
busca o meio termo entre a absoluta abstenção estatal do estado liberal e o excesso
intervencionista do estado social.

GABARITO: A

QUESTÃO 18
A classificação de José Afonso da Silva quanto à eficácia das normas
constitucionais, em que pese tenha sua relevância teórica, até os dias atuais é
utilizada pela Fazenda Pública como tese defensiva em ações que envolvam a
judicialização dos direitos prestacionais. Diante disto, e considerando o
entendimento que melhor se coaduna com os interesses dos beneficiários dos
serviços da Instituição, assinale a alternativa CORRETA:

A) Embora criticável, prevalece na jurisprudência do STF que as normas constitucionais


de eficácia limitada são normas não autoaplicáveis.
B) Em que pese as normas constitucionais de eficácia limitada não tenham eficácia
positiva de incidência direta, têm, ao menos, uma eficácia negativa. Por exemplo,
legislação infraconstitucional com elas conflitantes serão tidas como inconstitucionais.
C) O art. 5º, §1o, da Constituição, dispõe que “As normas definidoras dos direitos e
garantias individuais têm aplicação imediata”. Nada obstante sua literalidade, à luz da
máxima efetividade das normas constitucionais e que envolvem direitos fundamentais,
deve o Defensor Público utilizá-lo por analogia para defender a aplicabilidade direta e
imediata também dos direitos sociais.
D) Se a Constituição é, toda ela, norma jurídica, todos os direitos nela contemplados
têm aplicabilidade direta, vinculando tanto o Judiciário, quanto o Executivo e o
Legislativo. Assim, as normas de princípio institutivo, sobretudo as atributivas de
direitos sociais, devem ser entendidas como diretamente aplicáveis e imediatamente
vinculantes de todos os órgãos do Poder.
E) O entendimento de que as normas de direitos sociais, por terem caráter meramente
programático, são insuscetíveis de conferir direitos subjetivos adjudicáveis, encontra-se
superado. No contexto constitucional contemporâneo, a controvérsia não gira em torno
da possibilidade de adjudicação, mas dos limites a serem observados por órgãos do
Sistema de Justiça quando da implementação desses direitos.

A) INCORRETA: a alternativa A está INCORRETA e NÃO deveria ser marcada. De


fato, a classificação de José Afonso da Silva, em que pese sua relevância, é criticável
por diversos motivos. Para ele, as normas constitucionais podem ser de eficácia
limitada, que são normas não autoaplicáveis. Por isso, o aplicador do direito não poderia
fazer incidir esta norma diretamente a casos concretos e processos subjetivos. Elas
exigiriam uma intermediação legislativa ou administrativa para tanto. Por isso, são, para
o autor, normas de aplicabilidade indireta, mediata e reduzida.
Não é esta, contudo, a posição do STF. As normas de eficácia limitada podem ser de
princípio institutivo ou programáticas. Quanto a estas, a Corte possui farta
jurisprudência pelo “Caráter cogente e vinculante das normas constitucionais, inclusive
daquelas de conteúdo programático, que veiculam diretrizes de políticas públicas” (STA
223 AgR, rel. min. Celso de Mello, j. 14-4-2008, P, DJE de 9-4-2014). Afinal, a
“interpretação da norma programática não pode transformá-la em promessa
constitucional inconsequente” (RE 271.286 AgR, rel. min. Celso de Mello, j. 12-9-
2000, 2ª T, DJ de 24-11-2000).
B) INCORRETA: a alternativa B também está INCORRETA e NÃO deveria ser
marcada. Realmente, de acordo com o entendimento clássico, embora as normas
constitucionais de eficácia limitada sejam não autoaplicáveis (de aplicabilidade indireta,
mediata e reduzida), isso não significa que elas não tenham qualquer eficácia. Elas
podem não ter uma eficácia positiva de incidência direta, mas têm, ao menos, uma
eficácia negativa. Por exemplo, legislação infraconstitucional com elas conflitantes
serão tidas como inconstitucionais. Se anteriores a elas, serão não recepcionadas.
Contudo, trata-se de entendimento cada vez mais superado e, definitivamente, não é o
“entendimento que melhor se coaduna com os interesses dos beneficiários dos serviços
da Instituição”, exigido na questão.
C) INCORRETA: a alternativa C é mais uma INCORRETA e que NÃO deveria ser
marcada. Primeiro, é preciso se atentar para a própria literalidade do artigo 5º, §1º, da
CRFB, que dispõe: “As normas definidoras dos direitos e garantias FUNDAMENTAIS
têm aplicação imediata.” O artigo menciona os direitos fundamentais como gênero,
expressão que abarca os direitos individuais (como a vida, as liberdades e a
propriedade), mas também os direitos sociais. Portanto, a própria Constituição é
expressa ao afirmar que estes direitos (os sociais) têm aplicabilidade direta e imediata e,
como consequência, o Defensor Público pode defender sua aplicabilidade em processos
subjetivos, diante de casos concretos. Considerando isto, sequer é preciso se valer da
analogia. O artigo exigido já abarca em seu campo semântico e normativo os direitos
sociais.
D) INCORRETA: a alternativa D está INCORRETA e também NÃO deveria ser
marcada, pois troca a expressão “normas programáticas” por “normas de princípio
institutivo”. Conforme vimos, as normas de eficácia limitada se dividem em duas
espécies: normas de princípio institutivo e normas programáticas. As normas de
princípio institutivo são aquelas que facultam aos poderes constituídos ou impõem
(portanto, podem ser facultativas ou impositivas) a implementação de uma instituição,
de um órgão ou de um instituto jurídico. Contudo, as normas que consagram os direitos
sociais, como regra, são justamente as normas tidas como programáticas. É este o sútil
erro na assertiva, que exigia leitura atenta.
E) CORRETA: finalmente, a alternativa E está CORRETA e deveria ser marcada.
Trata-se de trecho que extraí da obra de Marcelo Novelino: “O entendimento de que as
normas de direitos sociais, por terem caráter meramente programático, são insuscetíveis
de conferir direitos subjetivos adjudicáveis encontra-se superado. No contexto
constitucional contemporâneo, a controvérsia não gira em torno da possibilidade de
adjudicação, mas dos limites a serem observados por órgãos judiciais quando da
implementação desses direitos.” (NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito
Constitucional. Salvador: Editora Juspodivm, 2019, p. 520). A afirmação está
absolutamente CORRETA e é a posição mais compatível com a institucional.

GABARITO: E

QUESTÃO 19
Recentemente, a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro atuou na
qualidade de “amigo da corte” em audiência pública no âmbito da ADPF 635, a
chamada ADPF das Favelas. Sobre o instituto do amigo da corte, assinale a
alternativa INCORRETA:

A) De acordo com o conceito de sociedade aberta dos intérpretes, fomentado pelo


instituto do amigo da corte, todos aqueles que recebem a incidência da norma
constitucional devem ser igualmente legítimos intérpretes ou, ao menos, cointérpretes.
B) Em decorrência do art. 138 do CPC, para o STF, a pessoa física não pode ser amicus
curiae em ação de controle concentrado-abstrato de constitucionalidade.
C) De acordo com o entendimento mais recente da Corte, caso o Ministro relator do
STF inadmita a participação da DPERJ em ação na qualidade de amigo da corte, a
decisão é recorrível.
D) É possível, de forma excepcional, a intervenção de amigo da corte em processos
subjetivos, quando a multiplicidade de demandas similares indicar a generalização do
julgado a ser proferido.
E) De acordo com o CPC, as hipóteses recursais em que terá o amigo da corte
legitimidade para recorrer serão os embargos de declaração, assim como no caso de
decisão que julgar o incidente de resolução de demandas repetitivas.

A) CORRETA: a alternativa A está CORRETA e NÃO deveria ser marcada. A


sociedade fechada dos intérpretes é aquela em que apenas um órgão ou instituição seria
o legítimo intérprete do texto constitucional. Mas, do ponto de vista democrático, Peter
Haberle (autor do conceito) defende uma sociedade aberta, ou seja, todos aqueles que
recebem a incidência da norma constitucional devem ser igualmente legítimos
intérpretes ou, ao menos, cointérpretes. Todas as instituições, órgãos, sociedade civil,
indivíduos, etc., devem ser intérpretes do texto constitucional. No nosso ordenamento
jurídico, institutos como o amigo da corte e as audiências públicas fomentam a
sociedade aberta dos intérpretes.
B) INCORRETA: a alternativa B está INCORRETA e, como consequência, deveria ser
marcada. O art. 138 do CPC é de leitura OBRIGATÓRIA e pode ser exigido em
questões envolvendo processo civil ou controle de constitucionalidade:
Art. 138. O juiz ou o relator, considerando a relevância da
matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a
repercussão social da controvérsia, poderá, por decisão
irrecorrível, de ofício ou a requerimento das partes ou de quem
pretenda manifestar-se, solicitar ou admitir a participação de
pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, com
representatividade adequada, no prazo de 15 (quinze) dias de
sua intimação.
§ 1º A intervenção de que trata o caput não implica alteração de
competência nem autoriza a interposição de recursos,
ressalvadas a oposição de embargos de declaração e a hipótese
do § 3º.
§ 2º Caberá ao juiz ou ao relator, na decisão que solicitar ou
admitir a intervenção, definir os poderes do amicus curiae .
§ 3º O amicus curiae pode recorrer da decisão que julgar o
incidente de resolução de demandas repetitivas.
O Supremo Tribunal Federal, de fato, em decisão publicada no Informativo n. 985,
definiu que pessoa física NÃO pode ser amicus curiae em ação de controle concentrado-
abstrato de constitucionalidade (STF. Plenário. ADI 3396 AgR/DF, Rel. Min. Celso de
Mello, julgado em 6/8/2020 - Info 985). Ocorre que se percebe que o art. 138 do CPC
faz sim menção à PESSOA NATURAL. Em verdade, para o STF, o dispositivo não se
aplica para ações de controle concentrado-abstrato de constitucionalidade.
C) CORRETA: a alternativa C está CORRETA e NÃO deveria ser marcada. De acordo
com o entendimento mais recente do STF, em decisão publicada no Informativo n. 985,
é recorrível a decisão denegatória de ingresso no feito como amicus curiae (STF.
Plenário. ADI 3396 AgR/DF, Rel. Min. Celso de Mello, julgado em 6/8/2020 - Info
985). No entanto, fiquem atentos ao fato de que a Corte já decidiu de forma diversa em
decisão publicada no Informativo n. 920. Em provas objetivas, em que pese a
divergência, fiquem com a posição mais recente.
D) CORRETA: a alternativa D é mais uma CORRETA e que NÃO deveria ser marcada.
Diante da leitura do art. 138 do CPC, percebe-se que a intervenção do amigo da corte,
em tese, é possível em todo e qualquer processo e não apenas em processos objetivos
(ex: ADI ou ADC). Nada obstante, os Tribunais Superiores vêm se manifestando no
sentido de que o seu atuar em processos subjetivos (ex: um recurso especial ou
extraordinário) é excepcional e exige, dentre outros elementos, que a multiplicidade de
demandas similares indique a generalização do julgado a ser proferido. Por todos: STJ.
4ª Turma. EDcl no REsp 1733013/PR, Rel. Min. Luís Felipe Salomão, julgado em
29/06/2020.
E) CORRETA: por fim, a alternativa E também está CORRETA. Conciliando a leitura
dos §1º e 3º do art. 138, percebe-se que pode o amigo da corte: 1) interpor embargos de
declaração (§1º); 2) assim como recorrer da decisão que julgar IRDR (§3º). Além destas
duas hipóteses, caso se reconheça a possibilidade de o amigo da corte recorrer da
decisão que inadmite sua participação, deve-se acrescer a possibilidade de agravo
interno.

GABARITO: B

QUESTÃO 20
Volta Redonda, Município do Estado do Rio de Janeiro, instituiu, por meio de lei
local de iniciativa da Vereadora Maísa, o programa “Escola Sem Partido”, em
combate à “doutrinação política e ideológica”, proibindo a utilização da expressão
a “ideologia de gênero” nos estabelecimentos municipais de ensino. Diante disso,
um grupo de cidadãos procurou a Defensoria Pública do Rio Janeiro da Comarca
para tomar providências judiciais contra a lei. Você, na qualidade de Defensor(a)
Público(a), o que faria?

A) Ajuizaria ação pelo procedimento comum, com pedido liminar, para suspender a
eficácia da lei, diante de sua inconstitucionalidade formal e material.
B) Ajuizaria ação civil pública, com pedido liminar, para suspender a eficácia da lei,
diante de sua inconstitucionalidade formal e material.
C) Ajuizaria mandado de segurança coletivo, com pedido liminar, para suspender a
eficácia da lei, diante de sua inconstitucionalidade formal e material.
D) Ajuizaria ação popular, com pedido liminar, para suspender a eficácia da lei, diante
de sua inconstitucionalidade formal e material.
E) Oficiaria o Defensor Público-Geral do Estado para que este, legitimado para a
Representação de Inconstitucionalidade, caso entenda cabível, ajuíze ação de controle-
concentrado-abstrato, tendo como parâmetro a Constituição do Estado do Rio de
Janeiro.
A) INCORRETA: a alternativa A está INCORRETA e NÃO deveria ser marcada. De
fato, a mencionada Lei é inconstitucional do ponto de vista formal e material. É este o
entendimento do Plenário do STF (STF. Plenário. ADPF 457, Rel. Alexandre de
Moraes, julgado em 27/04/2020). O cerne da questão, contudo, era a medida
impugnativa. A prova DPERJ, definitivamente, é uma prova “prática”. O que você, na
qualidade de Defensor Público, faria? Ora, em que pese todo e qualquer juiz ou Tribunal
possa realizar o controle difuso-concreto de constitucionalidade, não é dado neste
âmbito o pedido e, tampouco, a apreciação judicial, de declaração de invalidade em
abstrato de ato normativo genérico e abstrato. Ademais, considerando os efeitos inter
partes inerentes aos processos subjetivos em geral, pouca ou nenhuma efetividade teria
a mencionada medida. Por isso, a ação pelo procedimento comum não seria uma medida
pertinente ou mesmo cabível.
B) INCORRETA: a alternativa B também está INCORRETA. Embora não haja mais
dúvidas quanto à legitimidade da Defensoria Pública para as ações coletivas, estas não
podem ser utilizadas como sucedâneo do controle concentrado-abstrato de
constitucionalidade, ou seja, como substitutivo de uma ADI ou ADPF. Em outras
palavras: o questionamento da validade da norma em abstrato jamais poderá ser o
pedido. “Se, contudo, o ajuizamento da ação civil pública visar, não à apreciação da
validade constitucional de lei em tese, mas objetivar o julgamento de uma específica e
concreta relação jurídica, aí, então, tornar-se-á lícito promover, incidenter tantum, o
controle difuso de constitucionalidade de qualquer ato emanado do poder público. (...) É
por essa razão que o magistério jurisprudencial dos tribunais – inclusive o do STF (Rcl
554/MG, rel. min. Maurício Corrêa – Rcl 611/PE, rel. min. Sydney Sanches, v.g.) – tem
reconhecido a legitimidade da utilização da ação civil pública como instrumento idôneo
de fiscalização incidental de constitucionalidade, desde que, nesse processo coletivo, a
controvérsia constitucional, longe de identificar-se como objeto único da demanda,
qualifique-se como simples questão prejudicial, indispensável à resolução do litígio
principal (...).” (RE 411.156, rel. min. Celso de Mello, j. 19-11-2009, dec. monocrática,
DJE de 3-12-2009).
C) INCORRETA: a alternativa C é mais uma INCORRETA. Há divergência doutrinária
e jurisprudencial sobre a legitimidade da Defensoria Pública para o mandando de
segurança coletivo, o que já tornaria temerária tal medida. Ademais, “Não cabe
mandado de segurança contra lei em tese” (Súmula n. 266 do STF). Portanto, “O
mandado de segurança não pode ser utilizado como mecanismo de controle abstrato da
validade constitucional das leis e dos atos normativos em geral, posto não ser sucedâneo
da ação direta de inconstitucionalidade” (MS 34432 AgR, rel. min. Luiz Fux, P, j. 07-
03-2017, DJE 56 de 23-03-2017).
D) INCORRETA: a alternativa D também está INCORRETA. Assim como as ações
mencionadas acima, “A ação popular (...) não pode ser utilizada como alternativa à não
propositura de uma ação direta de inconstitucionalidade (...). Tal instrumento processual
tem como objetivo anular atos administrativos lesivos ao Estado, e não a anulação de
atos normativos genéricos.” (AO 1.725 AgR, rel. min. Luiz Fux, j. 24-2-2015, 1ª T, DJE
de 11-3-2015). Ademais, a Defensoria Pública NÃO tem legitimidade para ajuizar ação
popular. Isso não significa que não possa ajuizá-la, mas desde que na qualidade de
representante da parte autora e não como substituto processual. Isso porque somente o
cidadão tem legitimidade para tanto (art. 5º, inciso LXXIII, da CRFB).
E) CORRETA: finalmente, a alternativa E está CORRETA e deveria ser marcada. A
questão que se coloca é: o art. 103 da Constituição (e seu respectivo rol de legitimados
para a propositura de ADI, ADC, ADPF e ADO – pare tudo e leia o art. 103 agora!) é
de observância obrigatória pelos Estados? É preciso que o rol de legitimados ativos para
a Representação de Inconstitucionalidade guarde simetria com o disposto no art. 103?
Segundo entendimento amplamente dominante no STF e na doutrina, a Constituição de
1988 apenas expressa que a legitimidade não pode ser atribuída a um único órgão. Com
isso, respeitado esse parâmetro (mínimo), fica a cargo dos Estados sua delimitação.
Nesses termos, os Estados podem ou não observar o paradigma da Constituição da
República, não sendo obrigados a normatizar de acordo com uma lógica simétrica (uso
do princípio da simetria), embora os Estados, em larga escala, tenham atribuído
legitimidade a órgãos dotados de simetria em relação aos órgãos legitimados a propor a
ADI genérica.
Tanto é assim que o art. 162 da Constituição do Estado do Rio de Janeiro dispõe que “A
representação de inconstitucionalidade de leis ou de atos normativos estaduais ou
municipais, em face desta Constituição, pode ser proposta pelo Governador do Estado,
pela Mesa, por Comissão Permanente ou pelos membros da Assembléia Legislativa,
pelo Procurador-Geral da Justiça, pelo Procurador-Geral do Estado, pelo Defensor
Público Geral do Estado, por Prefeito Municipal, por Mesa de Câmara de Vereadores,
pelo Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil, por partido político com
representação na Assembléia Legislativa ou em Câmara de Vereadores, e por federação
sindical ou entidade de classe de âmbito estadual.” Percebam que, no âmbito
fluminense, o Defensor Público-Geral é legitimado para a ação de controle concentrado-
abstrato (ADI Estadual). Por isso, e diante das potencialidades de uma ação de controle
concentrado-abstrato, deveria o aluno-candidato indicar a provocação do Chefe da
Instituição Fluminense para que, caso entenda cabível, ajuíze a Representação de
Inconstitucionalidade.
Aliás, em 2016, a DPERJ ajuizou representação de inconstitucionalidade (n. 0007584-
60.2016.8.19.0000) em face da Lei 5.165/2015 de Volta Redonda, que vedava “a
implantação da política de ideologia de gênero nos estabelecimentos de ensino do
Município de Volta Redonda.” O pedido foi julgado procedente pelo TJ/RJ para
declarar a Lei Municipal inconstitucional.

GABARITO: E

QUESTÃO 21
Considerando o status normativo dos Tratados Internacionais de Direitos
Humanos, o seu procedimento de internalização, bem como o controle de
convencionalidade das normas, à luz da doutrina e jurisprudência majoritárias,
assinale a alternativa CORRETA:

A) Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem


aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por dois terços dos
votos dos respectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais.
B) A Convenção Interamericana Contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas
Correlatas de Intolerância foi internalizada na ordem jurídica brasileira com o status
formal de emenda à Constituição, hoje, com plena aptidão para produção de seus efeitos
externos e internos.
C) Por falta de previsão constitucional e regimental, as Comissões de Constituição e
Justiça (CCJs) não podem realizar o controle prévio de convencionalidade das normas.
D) De acordo com o entendimento institucional, os Tratados Internacionais de Direitos
Humanos devem sempre se sobrepor à ordem jurídica interna, inclusive às normas
constitucionais.
E) No âmbito do controle difuso-concreto de convencionalidade, não se exige a
observância da cláusula de reserva de plenário.

A) INCORRETA: a alternativa A está INCORRETA, pois altera indevidamente o


quórum de deliberação exigido no art. 5º, §3º, da CRFB: “Os tratados e convenções
internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do
Congresso Nacional, em dois turnos, por TRÊS QUINTOS dos votos dos respectivos
membros, serão equivalentes às emendas constitucionais.” O quórum, como se percebe,
é de 3/5 e NÃO de 2/3.
B) INCORRETA: a alternativa B também está INCORRETA. A Convenção
Interamericana contra o Racismo, expressa no edital e recentemente aprovada pelo
Congresso Nacional pelo rito qualificado do artigo 5º, §3º, da CRFB, está pendente de
decreto presidencial para que seja internalizado em nossa ordem jurídica. Editado o
decreto, ela terá o status inclusive formal de emenda à constituição. Antes disso, de
acordo com o entendimento ainda dominante, não tem aptidão para produção de seus
efeitos internos. Sobre a questão da exigência do decreto presidencial, eu recomendo
uma live que eu gravei com o professor Henrique Guelber, que está no meu canal do
Youtube.
C) INCORRETA: a alternativa C também está INCORRETA. Um dos grandes aspectos
jurídicos envolvendo o Caso Gelman vs. Uruguai foi o reconhecimento pela Corte IDH
do controle de convencionalidade de matriz nacional não jurisdicional, ou seja, toda
autoridade pública tem o poder-dever de exercer o controle de convencionalidade. Além
de juízes, é possível que o controle de convencionalidade nacional seja feito pelas
autoridades administrativas, membros do Ministério Público e Defensoria Pública (no
exercício de suas atribuições) e haja, inclusive, o controle preventivo de
convencionalidade na análise de projetos de lei no Poder Legislativo. Portanto, as CCJs
não só podem, como devem, realizar controle prévio de constitucionalidade e de
convencionalidade.
Aliás, na prova oral da Defensoria Pública do Rio de Janeiro realizada em 2019, em
mais de uma oportunidade, foi perguntado aos candidatos se “É possível controle de
convencionalidade realizado por um defensor público?”. A resposta, evidentemente
afirmativa, exigia a citação do referido precedente.
D) INCORRETA: a alternativa D é mais uma INCORRETA. Em havendo duas normas
protetivas, uma interna e outra internacional, não deve haver hierarquia entre elas. Deve
prevalecer aquela que mais protege o indivíduo. Fala-se em princípio pro persona.
E) CORRETA: finalmente, a alternativa E está CORRETA e deveria ser marcada.
Dispõe o art. 97 da Constituição que “Somente pelo voto da maioria absoluta de seus
membros ou dos membros do respectivo órgão especial poderão os tribunais declarar a
inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder Público.” Ademais, “Viola a
cláusula de reserva de plenário (CF, art. 97) a decisão de órgão fracionário de tribunal
que, embora não declare expressamente a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo
do poder público, afasta sua incidência, no todo ou em parte” (Súmula Vinculante n.
10). Estas disposições positivam a cláusula de reserva de plenário no âmbito do controle
difuso-concreto nos Tribunais. Contudo, prevalece na doutrina e na jurisprudência que
NÃO há necessidade de respeito à cláusula de reserva de plenário para o exercício do
controle difuso-concreto de convencionalidade, aplicando-se apenas ao controle de
constitucionalidade.

GABARITO: E

QUESTÃO 22
Itaperuna, Município do Noroeste Fluminense, em decorrência da Pandemia e do
alto índice de contaminação e óbitos, edita decreto que, dentre as medidas
restritivas, determina a suspensão das aulas presenciais nas instituições de ensino
municipais. Trata-se, contudo, de região pobre, em que muitas das crianças fazem
suas únicas refeições do dia na escola. Você, na qualidade de Defensor(a)
Público(a) com atribuição para a tutela coletiva na região, com a finalidade de
garantir o direito à alimentação, o que faria?

A) Ajuizaria ação civil pública contra o Município de Itaperuna, exigindo a plena


retomada das aulas presenciais, para que se garanta o direito à educação e à alimentação
das crianças prejudicadas pelas medidas restritivas.
B) Ajuizaria ação civil pública contra o Município de Itaperuna, exigindo que o ente
político forneça merenda escolar aos alunos da rede municipal de ensino em suas
residências, garantindo o direito à alimentação e o mínimo existencial daqueles que
devem ser tratados com absoluta prioridade.
C) Expediria recomendação para o Município, pleiteando que o ente político forneça
merenda escolar aos alunos da rede municipal de ensino em suas residências, garantindo
o direito à alimentação e o mínimo existencial daqueles que devem ser tratados com
absoluta prioridade. Em caso de negativa, ajuizaria ação de improbidade administrativa
em face do Prefeito e do Secretário Municipal de Educação.
D) Em havendo Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) celebrado entre a DPERJ e o
Município sobre o tema, em caso de descumprimento, será o caso de ajuizamento de
ação de execução.
E) Ajuizaria ação de improbidade administrativa em face do Prefeito e do Secretário
Municipal de Educação.

A) INCORRETA: a alternativa A está INCORRETA e NÃO deveria ser marcada. O


aluno-candidato deve SEMPRE se atentar para a primazia da solução extrajudicial das
controvérsias (art. 4º, inciso II, da LC n. 80/94). Por isso, em regra, a judicialização será
a última opção. Se não bastasse isto, considerando os tempos de Pandemia e o quadro
fático narrado no enunciado, é, no mínimo, temerária a exigência de “plena retomada
das aulas presenciais”.
B) INCORRETA: a alternativa B também está INCORRETA e, uma vez mais, o ERRO
decorre da inobservância da primazia da solução extrajudicial das controvérsias (art. 4º,
inciso II, da LC n. 80/94).
C) INCORRETA: a alternativa C é mais uma INCORRETA. A assertiva começa bem
quando indica a tentativa de solução extrajudicial da controvérsia por meio de
recomendação. Foi o que a Defensoria Pública fez com relação a TODOS os Municípios
do Estado no começo da Pandemia. Aliás, o art. 29 da DELIBERAÇÃO CS/DPGE Nº
125 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2017 (de leitura OBRIGATÓRIA) dispõe que os
Defensores “deverão zelar pela solução extrajudicial do conflito coletivo, podendo para
tanto expedir recomendações, a fim de que sejam implantadas melhorias nos serviços
públicos e de relevância pública, bem como observados os direitos e interesses que lhes
incumba defender.” O ERRO está na menção à ação de improbidade administrativa
como segundo passo, em caso de não observância da recomendação. Em que pese a
doutrina institucional defenda a legitimidade da Defensoria para tanto, a mencionada
ação tem caráter preponderantemente sancionatório e o foco do membro da Instituição
deve ser, antes de mais nada, garantir os direitos fundamentais dos beneficiários dos
serviços.
D) CORRETA: finalmente, a alternativa D está CORRETA. Ela traz um dado novo: a
existência de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Isso significa que já se havia
tentado, anteriormente, a solução extrajudicial da controvérsia. No caso de
descumprimento do acordo, o TAC servirá como título executivo extrajudicial (art. 5º,
§6º, da LACP) e, portanto, instrumento hábil a dispensar a fase cognitiva, com o
ajuizamento direto de execução. O atuar da DPERJ neste ponto está regulamentado no
art. 30 e seguintes da Deliberação.
E) INCORRETA: a alternativa E está INCORRETA. Além de não observar a primazia
da solução extrajudicial da controvérsia, uma vez mais, foca em uma ação sancionatória
que nada resguarda os direitos fundamentais das crianças prejudicadas pela suspensão
das atividades presenciais. A sanção civil, administrativa ou penal em face dos
responsáveis não coloca comida na panela.

GABARITO: D

QUESTÃO 23
Com base no entendimento dominante do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de
Janeiro, assinale a alternativa INCORRETA:

A) Deriva-se dos mandamentos dos artigos 6º e 196 da Constituição e da Lei do SUS a


responsabilidade solidária da União, Estados e Municípios, garantindo o fundamental
direito à saúde e consequente antecipação da respectiva tutela.
B) A solidariedade dos entes públicos, no dever de assegurar o direito à saúde, não
implica na admissão do chamamento do processo.
C) No âmbito judicial, a responsabilidade pelo fornecimento de remédios é solidária
entre o Estado e o Município, ainda que não seja este de residência do Assistido.
D) Compreende-se na prestação unificada de saúde a obrigação de ente público de
fornecer produtos complementares ou acessórios aos medicamentos, como os
alimentícios e higiênicos, desde que diretamente relacionados ao tratamento da
moléstia, assim declarado por médico que assista o paciente.
E) O princípio da dignidade da pessoa humana e o direito à saúde asseguram a
concessão de passe-livre ao necessitado, com custeio por ente público, desde que
demonstradas a doença e o tratamento através de laudo médico.

A) CORRETA: a alternativa A está CORRETA e decorre da literalidade da Súmula n.


65 do TJ/RJ: “Deriva-se dos mandamentos dos artigos 6º e 196 da Constituição Federal
de 1988 e da Lei nº 8080/90, a responsabilidade solidária da União, Estados e
Municípios, garantindo o fundamental direito à saúde e conseqüênte antecipação da
respectiva tutela.”
B) CORRETA: a alternativa B também está CORRETA e decorre do teor da Súmula n.
115 do TJ/RJ: “A solidariedade dos entes públicos, no dever de assegurar o direito à
saúde, não implica na admissão do chamamento do processo.”
C) INCORRETA: a alternativa C está INCORRETA. Nos termos do Enunciado n. 7 do
Aviso n. 33 do TJ/RJ: “A responsabilidade pelo fornecimento de remédios é solidária
entre o Estado e o Município onde reside o autor.” Trata-se, portanto, do entendimento
absolutamente dominante no âmbito do TJ/RJ.
D) CORRETA: a alternativa D está CORRETA e decorre da literalidade da Súmula n.
179 e o Enunciado n. 3 do Aviso n. 94, ambos do TJ/RJ: “Compreende-se na prestação
unificada de saúde a obrigação de ente público de fornecer produtos complementares ou
acessórios aos medicamentos, como os alimentícios e higiênicos, desde que diretamente
relacionados ao tratamento da moléstia, assim declarado por médico que assista o
paciente.”
E) CORRETA: por fim, a alternativa E também está CORRETA. Neste sentido, a
Súmula n. 183 do TJ/RJ: “O princípio da dignidade da pessoa humana e o direito à
saúde asseguram a concessão de passe-livre ao necessitado, com custeio por ente
público, desde que demonstradas a doença e o tratamento através de laudo médico.”

GABARITO: C

QUESTÃO 24
À luz do texto constitucional e da jurisprudência do STF, assinale a alternativa
CORRETA sobre o processo legislativo:
A) Admite-se novo veto por parte do Chefe do Poder Executivo, com republicação da
lei, em caso de necessidade de retificação da versão original.
B) A Constituição poderá ser emendada mediante proposta de mais da metade das
Assembleias Legislativas das unidades da Federação, manifestando-se, cada uma delas,
pela maioria absoluta de seus membros.
C) É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria relativa a direito penal e
processual penal, direito civil e processual civil.
D) A Constituição estadual só pode exigir lei complementar para tratar das matérias que
a Constituição Federal também exigiu lei complementar.
E) Em que pese a ausência de previsão na Constituição Estadual, em decorrência do
princípio da simetria, a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, por meio de
seu Defensor Público-Geral, tem legitimidade para iniciativa de lei.

A) INCORRETA: a alternativa A está INCORRETA e NÃO deveria ser marcada.


Recentemente, o STF decidiu que não se admite “novo veto” em lei já promulgada e
publicada. Manifestada a aquiescência do Poder Executivo com projeto de lei, pela
aposição de sanção, evidencia-se a ocorrência de preclusão entre as etapas do processo
legislativo, sendo incabível eventual retratação (STF. Plenário. ADPF 714/DF, ADPF
715/DF e ADPF 718/DF, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 13/2/2021 - Info 1005).
B) INCORRETA: a alternativa B também está INCORRETA e exigia memorização do
art. 60, caput e incisos, da Constituição: “A Constituição poderá ser emendada mediante
proposta: I - de um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do
Senado Federal; II - do Presidente da República; III - de mais da metade das
Assembléias Legislativas das unidades da Federação, manifestando-se, cada uma delas,
pela maioria relativa de seus membros.” Percebe-se que o ERRO da assertiva foi alterar
o quórum de maioria relativa por de maioria absoluta.
C) INCORRETA: a alternativa C está igualmente INCORRETA. Medida provisória
pode SIM dispor sobre Direito Civil. Nos termos do art. 62, §1º, inciso I, alínea b, da
Constituição, a vedação abarca “direito penal, processual penal e processual civil”. Não
há qualquer menção (ou vedação) ao Direito Civil.
D) CORRETA: a alternativa D está CORRETA e deveria ser marcada. Isso porque, em
decisão publicada no Informativo n. 962, decidiu o STF que a Constituição Estadual não
pode ampliar as hipóteses de reserva de lei complementar, ou seja, não pode criar outras
hipóteses em que é exigida lei complementar, além daquelas que já são previstas na
Constituição Federal. Se a Constituição Estadual amplia o rol de matérias que deve ser
tratada por meio de lei complementar, isso restringe indevidamente o “arranjo
democrático-representativo desenhado pela Constituição Federal” (STF. Plenário. ADI
5003/SC, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 5/12/2019 - Info 962).
E) INCORRETA: a alternativa E, por fim, também está INCORRETA. Em 2019, a
CERJ foi emendada por meio da EC n. 79 para prever a legitimidade institucional para
deflagar o processo legislativo: “A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe
a qualquer membro ou Comissão da Assembleia Legislativa, ao Governador do Estado,
ao Tribunal de Justiça, ao Ministério Público, a Defensoria Pública e aos cidadãos, na
forma e nos casos previstos nesta Constituição” (art. 112 da CERJ). Também dispõe o
art. 181-A da CERJ que “Compete à Defensoria Pública, dentro de sua autonomia
funcional, administrativa e financeira, nos limites dispostos no artigo 213 desta
Constituição, propor à Assembleia Legislativa a criação e extinção de seus cargos e
serviços auxiliares, bem como a fixação de vencimentos de seus membros e servidores.”
Contudo, independentemente de previsão expressa nas constituições estaduais, de fato,
tal iniciativa deve ser tida como norma de observância obrigatória e decorrente da
Constituição Federal.

GABARITO: D

QUESTÃO 25
Sobre a organização político-administrativa da República Federativa do Brasil e o
tema da Defensoria Pública na Constituição, assinale a alternativa CORRETA:
A) É inconstitucional foro por prerrogativa de função para Defensores Públicos.
B) Os Defensores Públicos, assim como os Magistrados e Membros do Ministério
Público, possuem as garantias da irredutibilidade dos subsídios, da inamovibilidade e da
vitaliciedade.
C) Até 2022, a União, os Estados e o Distrito Federal deverão contar com defensores
públicos em todas as unidades jurisdicionais. Por isso mesmo, e diante a proximidade
com o marco, a exigibilidade judicial para a implantação de unidades da Defensoria
Pública não se encontra condicionada ao término do prazo estabelecido na EC n. 80/14.
D) O Defensor Público no Estado do Rio de Janeiro possui poder de requisição em face
de entidades públicas ou particulares.
E) As normas da Lei Complementar n. 80/94 de natureza nacional são um importante
referencial para os Estados-membros. Contudo, podem estes dispor de forma diversa,
desde que reforcem a autonomia da instituição ou a independência de seus membros.

A) CORRETA: a alternativa A está CORRETA e deveria ser marcada. A Constituição


do Estado do Rio de Janeiro (art. 161, inciso IV, alínea d, 2), assim como outras tantas
constituições estaduais, consagram o foro por prerrogativa de função de Defensores
Públicos. Contudo, o STF vem sistematicamente decidindo que é inconstitucional
dispositivo de Constituição Estadual que confere foro por prerrogativa de função para
Defensores Públicos. Isso porque a Constituição estadual não pode atribuir foro por
prerrogativa de função a autoridades diversas daquelas arroladas na Constituição
Federal (STF. Plenário. ADI 6501 Ref-MC/PA, ADI 6508 Ref-MC/RO, ADI 6515 Ref-
MC/AM e ADI 6516 Ref-MC/AL, Rel. Min. Roberto Barroso, julgados em 20/11/2020
- Info 1000).
B) INCORRETA: a alternativa B está INCORRETA. Os Defensores Públicos NÃO
possuem a garantia da vitaliciedade, mas apenas a estabilidade, inerente aos servidores
públicos em geral. O art. 134, §4º, quando faz remissão aos artigos 93 e 96 da
Constituição, que tratam da Magistratura, não abarcam o dispositivo que garante à
vitaliciedade aos Magistrados. É possível criticar do ponto de vista político tal ausência
de equiparação, mas foi esta a escolha do constituinte derivado brasileiro.
C) INCORRETA: a alternativa C está INCORRETA. De fato, dispõe o art. 98, §1º, do
ADCT, que até 2022, a União, os Estados e o Distrito Federal deverão contar com
defensores públicos em todas as unidades jurisdicionais. Ocorre que os Tribunais
Superiores vêm decidindo no sentido de que a exigibilidade judicial para a implantação
de unidades da Defensoria Pública encontra-se condicionada ao término do prazo
estabelecido na EC n. 80/14 (ano de 2022). Por todos: STF. Decisão monocrática. RE
810.883, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 30/11/2017.
D) INCORRETA: a alternativa D também está INCORRETA. A Constituição do
Estado do Rio de Janeiro, em seu art. 181, inciso IV, alínea a, previa o poder do
Defensor Público de “requisitar, administrativamente, de autoridade pública e dos seus
agentes ou de entidade particular: certidões, exames, perícias, vistorias, diligências,
processos, documentos, informações, esclarecimentos e providências, necessários ao
exercício de suas atribuições”. Ocorre que tal dispositivo foi declarado inválido pelo
STF, que afirmou ser “inconstitucional a requisição por defensores públicos a
autoridade pública, a seus agentes e a entidade particular de certidões, exames, perícias,
vistorias, diligências, processos, documentos, informações, esclarecimentos e
providências, necessários ao exercício de suas atribuições: exacerbação das
prerrogativas asseguradas aos demais advogados” (ADI 230, rel. min. Cármen Lúcia, j.
1º-2-2010, P, DJE de 30-10-2014). Tal posição, que parte da equiparação entre
Defensores e advogados, contudo, pode e deve ser criticada em provas discursivas.
E) INCORRETA: por fim, a alternativa E também está INCORRETA. A LC n. 80/94,
em sua maior parte, deve ser tida como uma Lei Nacional, ou seja, que vincula todos os
entes da federação, dispondo sobre normas gerais. Por isso, é pacífica a jurisprudência
do STF no sentido de que “Se é certo, de um lado, que, nas hipóteses referidas no art. 24
da Constituição, a União Federal não dispõe de poderes ilimitados que lhe permitam
transpor o âmbito das normas gerais, para, assim, invadir, de modo inconstitucional, a
esfera de competência normativa dos Estados-membros, não é menos exato, de outro,
que o Estado-membro, em existindo normas gerais veiculadas em leis nacionais (como a
Lei Orgânica Nacional da Defensoria Pública, consubstanciada na LC 80/1994), não
pode ultrapassar os limites da competência meramente suplementar, pois, se tal ocorrer,
o diploma legislativo estadual incidirá, diretamente, no vício da inconstitucionalidade.”
(ADI 2.903, rel. min. Celso de Mello, j. 1º-12-2005, P, DJE de 19-9-2008). Ou seja, nos
termos do art. 24, inciso XIII, da Constituição, compete à União e aos Estados legislar
concorrentemente sobre assistência jurídica e Defensoria Pública. No âmbito da
legislação concorrente, a competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais
(art. 24, §1º, da CRFB). A competência da União para legislar sobre normas gerais não
exclui a competência suplementar dos Estados (art. 24, §2º, da CRFB), respeitados os
parâmetros nacionais gerais.

GABARITO: A

QUESTÃO 26
Klein procura o núcleo de 1º atendimento da DPERJ e deseja ajuizar uma ação em
desfavor da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE). Alega que é a
legítima possuidora de 2 casas construídas em determinado terreno. Ocorre que há
uma 3ª casa no terreno que não lhe pertence, mas a medição do consumo dos
serviços da CEDAE é realizada por 1 único hidrômetro para as 3 casas, o que tem
causado grandes transtornos. Por isso, gostaria que fosse instalado 1 hidrômetro
separado para as casas 1 e 2.
Em sede extrajudicial, afirma a concessionária que existe viabilidade para
separação. Contudo, não antes da realização de obras internas que são
responsabilidade da Assistida. Isso porque, segundo a concessionária, os custos
com a instalação do hidrômetro são atribuídos ao consumidor. À luz do caso
concreto, aponte a assertiva compatível com a jurisprudência do TJ/RJ.

A) A razão está com a CEDAE. Embora incida o CDC nesta relação, entende o TJ/RJ
que exigir da concessionária o custeio de obras internas seria irrazoável. Tal
entendimento, contudo, deve ser criticado pelo Defensor Público e combatido na defesa
dos interesses de Klein.
B) A razão está com a CEDAE. Por não incidir o CDC nesta relação, entende o TJ/RJ
que exigir da concessionária o custeio de obras internas seria irrazoável. Tal
entendimento, contudo, deve ser criticado pelo Defensor Público e combatido na defesa
dos interesses de Klein.
C) Embora incida o CDC nesta relação, entende o TJ/RJ que devem consumidor e
concessionária ratear as despesas das obras internas. Tal entendimento, contudo, deve
ser criticado pelo Defensor Público e combatido na defesa dos interesses de Klein.
D) O CDC deve incidir nesta relação. Por isso, incumbe à CEDAE a instalação de
aparelhos medidores ou limitadores do consumo, sem ônus para os usuários. Até que a
instalação seja realizada, Klein não pode ser cobrada por qualquer valor.
E) O CDC deve incidir nesta relação. Por isso, incumbe à CEDAE a instalação de
aparelhos medidores ou limitadores do consumo, sem ônus para os usuários. Até a
implementação da cobrança individualizada, esta deve ser feita pela tarifa mínima,
sendo vedada a cobrança por estimativa.

A) INCORRETA: optarei nestes comentários por abordar, de pronto, as questões


jurídicas que envolvem o caso concreto, muito comum na prática defensorial e por mim
enfrentado em Vara Cível da Jacarepaguá (Regional da Capital). Aqui, a jurisprudência
do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro está do lado do beneficiário dos
serviços. Nos termos do entendimento consagrado na Súmula 254 do TJ/RJ: “Aplica-se
o Código de Defesa do Consumidor à relação jurídica contraída entre usuário e
concessionária.” Em seguida, dispõe a Súmula 315 do TJ/RJ que "Incumbe às empresas
delegatárias de serviços de abastecimento de água e esgotamento a instalação de
aparelhos medidores ou limitadores do consumo, sem ônus para os usuários." A
instalação de hidrômetro individualizado consiste em medida fundamental para
consubstanciar o direito básico do consumidor, com base nas disposições do CDC,
inclusive sem ônus para o Assistido. Por fim, até a implementação da cobrança
individualizada, esta deve ser feita pela tarifa mínima, sendo vedada a cobrança por
estimativa (Súmula 152 do TJ/RJ). Fica claro que a única alternativa CORRETA é a E.
B) INCORRETA: a alternativa B está INCORRETA pelos fundamentos supra.
C) INCORRETA: a alternativa C está INCORRETA pelos fundamentos supra.
D) INCORRETA: a alternativa D está INCORRETA pelos fundamentos supra.
E) CORRETA: a alternativa E está CORRETA pelos fundamentos supra.

GABARITO: E

QUESTÃO 27
Assinale a alternativa incompatível com a jurisprudência do STJ e do STF:

A) É inconstitucional lei estadual que estabeleça prazo decadencial de 10 anos para


anulação de atos administrativos reputados inválidos pela Administração Pública
estadual.
B) O pagamento indevido feito ao servidor público e que decorreu de erro
administrativo está sujeito à devolução, salvo se o servidor, no caso concreto,
comprovar a sua boa-fé objetiva.
C) São imprescritíveis as ações indenizatórias por danos morais e materiais decorrentes
de atos de perseguição política com violação de direitos fundamentais ocorridos durante
o regime militar.
D) É possível que o candidato a concurso público consiga a alteração das datas e
horários previstos no edital por motivos religiosos.
E) É inconstitucional a delegação do poder de polícia, ainda que por meio de lei, a
pessoas jurídicas de direito privado, mesmo que integrantes da Administração Pública
indireta.

A) CORRETA: a alternativa A está CORRETA e NÃO deveria ser marcada.


Recentemente, o STF decidiu que, em regra, o prazo decadencial para que a
Administração Pública anule atos administrativos inválidos é de 5 anos, aplicável a
todos os entes federativos, por força do princípio da isonomia (STF. Plenário. ADI
6019/SP, Rel. Min. Marco Aurélio, redator do acórdão Min. Roberto Barroso, julgado
em 12/4/2021 - Info 1012).
B) CORRETA: a alternativa B também está CORRETA. Em decisão publicada no
Informativo n. 699, o STJ decidiu que os pagamentos indevidos aos servidores públicos
decorrentes de erro administrativo (operacional ou de cálculo), não embasado em
interpretação errônea ou equivocada da lei pela Administração, estão sujeitos à
devolução, ressalvadas as hipóteses em que o servidor, diante do caso concreto,
comprova sua boa-fé objetiva, sobretudo com demonstração de que não lhe era possível
constatar o pagamento indevido (STJ. 1ª Seção. REsp 1769306/AL, Rel. Min. Benedito
Gonçalves, julgado em 10/03/2021 - Recurso Repetitivo – Tema 1009 - Info 688).
C) CORRETA: a alternativa C é mais uma CORRETA e consiste na transcrição da
recente Súmula n. 647 do STJ: “São imprescritíveis as ações indenizatórias por danos
morais e materiais decorrentes de atos de perseguição política com violação de direitos
fundamentais ocorridos durante o regime militar.”
D) CORRETA: a alternativa D está CORRETA. Nos termos do art. 5º, inciso VIII, da
Constituição, é possível a realização de etapas de concurso público em datas e horários
distintos dos previstos em edital, por candidato que invoca escusa de consciência por
motivo de crença religiosa, desde que presentes a razoabilidade da alteração, a
preservação da igualdade entre todos os candidatos e que não acarrete ônus
desproporcional à Administração Pública, que deverá decidir de maneira fundamentada
(STF. Plenário. RE 611874/DF, rel. orig. Min. Dias Toffoli, red. p/ o ac. Min. Edson
Fachin, julgado em 19/11, 25/11 e 26/11/2020 - Repercussão Geral – Tema 386 - Info
1000).
E) INCORRETA: finalmente, a alternativa E está INCORRETA e, por isso mesmo,
deveria ser marcada. Em que pese haja divergência doutrinária, em decisão publicada no
Informativo n. 996, o STF decidiu que é constitucional a delegação do poder de polícia,
por meio de lei, a pessoas jurídicas de direito privado integrantes da Administração
Pública indireta de capital social majoritariamente público que prestem exclusivamente
serviço público de atuação própria do Estado e em regime não concorrencial (STF.
Plenário. RE 633782/MG, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 23/10/2020 - Repercussão
Geral – Tema 532 - Info 996).

GABARITO: E

QUESTÃO 28
Lucas Sant, Policial em Volta Redonda, foi preso em grande operação na região
que, dentre as inúmeras diligências investigativas, contou com interceptações
telefônicas. Segundo a Denúncia ofertada pelo Ministério Público, diversos agentes
de segurança do Sul Fluminense garantiam, em decorrência do pagamento de
propina, o funcionamento de determinada facção criminosa. No processo criminal,
Lucas foi absolvido por insuficiência probatória. Contudo, em processo
administrativo que correu em paralelo, foi condenado à perda do cargo. O feito se
valeu de provas emprestadas do processo criminal. Ademais, Lucas se defendeu no
âmbito administrativo sem o suporte de defesa técnica. Com base no caso
apresentado e na jurisprudência dominante, aponte a alternativa CORRETA:

A) Diante da absolvição de Lucas no feito criminal e da maior qualidade da valoração


da prova neste âmbito, não poderia ter sido condenado no processo administrativo. Em
qualquer caso, é possível se valer do mandado de segurança para questionar a análise
probatória pelo órgão julgador administrativo, não apenas quanto à suficiência
probatória para a condenação, como também para sustentar a ilegalidade da prova
emprestada extraída do processo criminal. Por fim, a judicialização também é medida
necessária para se anular o processo administrativo por ausência de defesa técnica e
consequente violação à ampla defesa.
B) Diante da absolvição de Lucas no feito criminal e da maior qualidade da valoração
da prova neste âmbito, não poderia ter sido condenado no processo administrativo. Em
qualquer caso, é possível se valer de ação pelo procedimento comum para questionar a
análise probatória pelo órgão julgador administrativo, não apenas quanto à suficiência
probatória para a condenação, como também para sustentar a ilegalidade da prova
emprestada extraída do processo criminal. Por fim, a judicialização também é medida
necessária para se anular o processo administrativo por ausência de defesa técnica e
consequente violação à ampla defesa.
C) A absolvição de Lucas por insuficiência probatória no processo criminal não impede
sua condenação no âmbito administrativo. Contudo, é possível se valer de ação pelo
procedimento comum para questionar a análise probatória pelo órgão julgador
administrativo, não apenas quanto à suficiência probatória para a condenação, como
também para sustentar a ilegalidade da prova emprestada extraída do processo criminal.
Por fim, a judicialização também é medida necessária para se anular o processo
administrativo por ausência de defesa técnica e consequente violação à ampla defesa.
D) A absolvição de Lucas por insuficiência probatória no processo criminal não impede
sua condenação no âmbito administrativo. Ademais, não pode o Poder Judiciário
reapreciar o mérito administrativo, mas somente a regularidade e legalidade do
procedimento. Ainda, admite-se a prova emprestada no processo administrativo, com
algumas condições. Por fim, prevalece que a ausência de defesa técnica em processo
administrativo disciplinar não enseja, por si, a nulidade do feito.
E) A absolvição de Lucas por insuficiência probatória no processo criminal não impede
sua condenação no âmbito administrativo. Ademais, não pode o Poder Judiciário
reapreciar o mérito administrativo, mas somente a regularidade e legalidade do
procedimento. Nada obstante, prevalece que a ausência de defesa técnica em processo
administrativo disciplinar enseja a nulidade do feito.

A) INCORRETA: também aqui optarei por, nestes comentários, abordar, de pronto, as


questões jurídicas que envolvem o caso concreto. A resposta se dará, primordialmente,
com base na jurisprudência do STJ. Para a Corte, as instâncias administrativa e penal
são independentes entre si, salvo quando reconhecida a inexistência do fato ou a
negativa de autoria na esfera criminal (AgInt no RMS 62007/SC). Ora, Lucas foi
absolvido criminalmente por falta de provas. Por isso, poderia, ainda assim, ser
condenado no âmbito administrativo.
Ademais, o controle judicial no processo administrativo disciplinar (PAD) restringe-se
ao exame da regularidade do procedimento e da legalidade do ato, à luz dos princípios
do contraditório, da ampla defesa e do devido processo legal, não sendo possível
nenhuma incursão no mérito administrativo (AgInt no RMS 58438/RS). Por isso, não
poderia o Poder Judiciário rever a suficiência probatória para condenação de Lucas no
feito administrativo.
Em qualquer caso, o mandado de segurança NÃO é a via adequada para o exame da
suficiência do conjunto fático-probatório constante do PAD (MS 17807/DF).
Ainda, em que pese deva ser combatida pelo aluno-candidato em provas discursivas,
para o STJ, é permitida a prova emprestada no processo administrativo disciplinar,
desde que devidamente autorizada pelo juízo competente e respeitados o contraditório e
a ampla defesa (Súmula n. 591 do STJ).
Por fim, em mais um criticável entendimento, a falta de defesa técnica por advogado no
processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. É o que dispõe a Súmula
Vinculante n. 5, além de farta jurisprudência do STJ.
B) INCORRETA: a alternativa B está INCORRETA, conforme comentários supra.
C) INCORRETA: a alternativa C está INCORRETA, conforme comentários supra.
D) CORRETA: a alternativa D é a única CORRETA, pois compatível com a
jurisprudência superior, conforme comentários supra.
E) INCORRETA: a alternativa E está INCORRETA, conforme comentários supra.

GABARITO: D

QUESTÃO 29
Lis, mãe de 4 filhos, negra, e pessoa em situação de rua, dirige-se à maternidade
municipal Alyne Pimentel, pois em trabalho de parto. Sem maiores explicações, o
médico Gibrail optou por realizar cesárea. Ademais, considerando a situação de
vulnerabilidade de Lis, bem como o fato de dar a luz ao seu 5º filho, sem que tenha
condições financeiras de mantê-los, Gibrail opta, ainda, por, realizar laqueadura.
Isto sem que Lis fosse previamente informada e/ou questionada. Sentindo-se
violada em seus direitos mais básicos, diante da notória violência obstétrica
perpetrada, Lis procura você. Considerando a jurisprudência dos Tribunais
Superiores quanto à responsabilidade civil do Estado e na busca por reparação
devida pelos danos causados a Lis, na qualidade de Defensor(a) Público(a), o que
faria?
A) Ajuizaria ação em face do Município e do médico Gibrail. Em que pese a
responsabilidade civil do Estado seja objetiva, diante dos transtornos decorrentes do
pagamento por meio de precatório, a jurisprudência do STF admite seja colocado o
agente público no polo passivo da demanda ao lado do ente político, medida que facilita
a concretização do direito do beneficiário dos serviços.
B) Ajuizaria ação em face do médico Gibrail. Em que pese a responsabilidade civil do
Estado seja objetiva, diante dos transtornos decorrentes do pagamento por meio de
precatório, a jurisprudência do STF admite seja colocado exclusivamente o agente
público no polo passivo da demanda, medida que facilita a concretização do direito do
beneficiário dos serviços.
C) Ajuizaria ação em face do Município. Isso porque a jurisprudência do STF não
admite seja colocado o agente público no polo passivo da demanda, pois o art. 37, §6º,
da Constituição, traz uma “dupla garantia”. Contudo, poderá o ente político denunciar à
lide o servidor supostamente responsável.
D) Ajuizaria ação em face do Município. Isso porque a jurisprudência do STF não
admite seja colocado o agente público no polo passivo da demanda, pois o art. 37, §6º,
da Constituição, traz uma “dupla garantia”. Ademais, não poderá o ente político
denunciar à lide o servidor supostamente responsável.
E) Ajuizaria ação em face do Município e do médico Gibrail. Em se tratando de
responsabilidade civil decorrente de atuar médico, a responsabilidade civil do Estado
será subjetiva, permitindo, assim que o profissional de saúde conste do polo passivo da
demanda.

A) INCORRETA: a alternativa A está INCORRETA. Em que pese o enunciado narre


um episódio (recorrente) de violência obstétrica, exigia-se, sobretudo, conhecimento
jurisprudencial sobre o tema responsabilidade civil do Estado (em sentido amplo).
Após anos de divergência, o Plenário do STF fixou tese no sentido de que “A teor do
disposto no artigo 37, parágrafo 6º, da Constituição Federal, a ação por danos causados
por agente público deve ser ajuizada contra o Estado ou a pessoa jurídica de direito
privado, prestadora de serviço público, sendo parte ilegítima o autor do ato, assegurado
o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa” (STF. Plenário.
RE 1027633/SP, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 14/8/2019 - repercussão geral -
Info 947).
Isso porque o referido “dispositivo constitucional consagra, ainda, dupla garantia: uma,
em favor do particular, possibilitando-lhe ação indenizatória contra a pessoa jurídica de
direito público, ou de direito privado que preste serviço público, dado que bem maior,
praticamente certa, a possibilidade de pagamento do dano objetivamente sofrido. Outra
garantia, no entanto, em prol do servidor estatal, que somente responde administrativa e
civilmente perante a pessoa jurídica a cujo quadro funcional se vincular” (STF. 1ª
Turma. RE 327904, Rel. Min. Carlos Britto, julgado em 15/08/2006). Descartada,
portanto, a possibilidade de Gibrail constar isolada ou conjuntamente no polo passivo da
demanda.
Ademais, prevalece na jurisprudência, conforme se extrai da Súmula n. 50 do TJ/RJ,
que "Em ação de indenização ajuizada em face de pessoa jurídica de Direito Público,
não se admite a denunciação da lide ao seu agente ou a terceiro ( art. 37, § 6º, CF/88)."
Na justificativa do verbete, afirma-se que “A responsabilidade do Estado e dos
prestadores de serviços públicos é objetiva enquanto que a do funcionário é subjetiva,
de sorte que a denunciação, se admitida, importará na introdução de novo thema
decidendum na causa, o que a jurisprudência do Egrégio Superior Tribunal de Justiça
não vem admitindo, sem se falar no indiscutível prejuízo que a denunciação trará ao
autor. Se não bastasse, a denunciação acarreta para a Administração Pública uma
situação processual contraditória, pois, se para excluir a sua responsabilidade na ação
principal terá que provar que o dano não foi causado pelo seu servidor, para ser
vitorioso na denunciação terá que provar a culpa desse mesmo servidor. Daí resulta que
a defesa da Administração na ação de indenização é incompatível com a tese que terá
que sustentar e provar na denunciação da lide ao seu funcionário. A toda evidência, se
provar a culpa do seu servidor estará reconhecendo o pedido do autor. Logo, a
denunciação tem por finalidade específica retardar a solução da demanda.”
Ademais, a responsabilidade do Estado por atos comissivos é objetiva (decorrência da
teoria do risco administrativo) e pouco importa se decorre de ato médico ou não (AI
455.846, rel. min. Celso de Mello, j. 11-10-2004, dec. monocrática, DJ de 21-10-2004).
Esta diferenciação apresentada ao longo da questão não existe na jurisprudência.
B) INCORRETA: a alternativa B está INCORRETA, conforme comentários supra.
C) INCORRETA: a alternativa C está INCORRETA, conforme comentários supra.
D) CORRETA: a alternativa D está CORRETA, diante dos comentários supra.
E) INCORRETA: a alternativa E está INCORRETA conforme comentários supra.
GABARITO: D

QUESTÃO 30
Nos termos da Lei Estadual/RJ n. 6.043/11, assinale a alternativa CORRETA:

A) O Poder Executivo poderá qualificar como organização social pessoas jurídicas de


direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos, cujas atividades sejam dirigidas à
saúde, incluindo a área da assistência, ensino e pesquisa. Em nenhuma hipótese será
permitida a qualificação de pessoa jurídica de direito privado como organização social
por ato monocrático do Chefe do Poder Executivo ou de qualquer autoridade estadual.
B) Para obter a qualificação de que trata a Lei, a pessoa jurídica de direito privado
deverá apresentar certidões negativas referentes a feitos trabalhistas ou criminais e a
débitos junto às fazendas estadual e municipal, dispensada com relação aos débitos
federais, além de não ter sido punida em razão de contratação com o Poder Público.
C) Para que as entidades privadas se habilitem à qualificação como organização social,
exige-se a comprovação do registro de seus atos constitutivos dispondo sobre, dentre
outros aspectos, limitações à distribuição entre os seus sócios, embora seja esta
permitida.
D) A Organização Social da Saúde está dispensada da observância dos princípios do
Sistema Único de Saúde previstos na Lei do SUS.
E) O Estado não poderá assumir a execução dos serviços que foram transferidos à
Organização Social.

A) CORRETA: a alternativa A está CORRETA. É o que se extrai do art. 1º, caput e §3º,
da Lei Estadual/RJ n. 6.043/11 (expressa no edital de Direito Administrativo), com as
alterações realizadas pela Lei Estadual/RJ n. 8.986/20. O Poder Executivo poderá
qualificar como organização social pessoas jurídicas de direito privado, sem fins
econômicos ou lucrativos, cujas atividades sejam dirigidas à saúde, incluindo a área da
assistência, ensino e pesquisa. Em nenhuma hipótese será permitida a qualificação de
pessoa jurídica de direito privado como organização social por ato monocrático do
Chefe do Poder Executivo ou de qualquer autoridade estadual.
B) INCORRETA: a alternativa B está INCORRETA. Dispõe o art. 1º, §4º, da Lei,
também alterado pela Lei Estadual/RJ n. 8.986/20, que “Para obter a qualificação de que
trata o caput deste artigo, a pessoa jurídica de direito privado deverá apresentar
certidões negativas referentes a feitos trabalhistas ou criminais e a débitos junto às
fazendas federal, estadual e municipal, além de não ter sido punida em razão de
contratação com o Poder Público.” Exige-se, portanto, também certidões negativas junto
à fazenda federal.
C) INCORRETA: a alternativa C também está INCORRETA. O art. 2º, inciso II, da
Lei, exige a “finalidade não-lucrativa, com a obrigatoriedade de investimento de seus
excedentes financeiros no desenvolvimento das próprias atividades, vedada a sua
distribuição entre os seus sócios, associados, conselheiros, diretores ou doadores”.
D) INCORRETA: trata-se de mais uma alternativa INCORRETA. O art. 9º, §1º, da Lei
afirma categoricamente que “A Organização Social da Saúde deverá observar os
princípios do Sistema Único de Saúde, expressos na Constituição Federal e na Lei nº
8.080, de 19 de setembro de 1990”.
E) INCORRETA: por fim, a alternativa E também está INCORRETA. Dispõe o art. 24
da Lei que “Na hipótese de risco quanto ao regular cumprimento das obrigações
assumidas no contrato de gestão, o Estado poderá assumir a execução dos serviços que
foram transferidos, a fim de manter a sua continuidade.”

GABARITO: A
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO
DO RIO DE JANEIRO
TARDE T
A
CLASSE INICIAL DA CARREIRA R
DA DEFENSORIA PÚBLICA DO D
ESTADO DO RIO DE JANEIRO E
Prova Preliminar Objetiva - Nível SUPERIOR Tipo 1 – BRANCA

SUA PROVA INFORMAÇÕES GERAIS


1
Além deste caderno de provas, contendo noventa  As questões objetivas têm cinco alternativas de
questões objetivas, você receberá do fiscal de resposta (A, B, C, D, E) e somente uma delas está
sala: correta
 uma folha de respostas das questões objetivas  Verifique se seu caderno está completo, sem
repetição de questões ou falhas. Caso contrário,
notifique imediatamente o fiscal da sala, para que
 sejam tomadas as devidas providências
TEMPO
 Confira seus dados pessoais, especialmente nome,
número de inscrição e documento de identidade, e
 5 horas é o período disponível para a leia atentamente as instruções para preencher a
realização da prova, já incluído o tempo para folha de respostas
a marcação da folha de respostas da prova  Use somente caneta esferográfica, fabricada em
objetiva material transparente, com tinta azul
 3 horas após o início da prova é possível  Assine seu nome apenas no(s) espaço(s)
retirar-se da sala, sem levar o caderno de reservado(s)
provas  Confira a cor e o tipo do caderno de provas. Caso
tenha recebido caderno de cor ou tipo diferente do
 1 hora antes do término do período de
prova é possível retirar-se da sala levando impresso em sua folha de respostas, o fiscal deve
o caderno de provas ser obrigatoriamente informado para o devido
registro na ata da sala
 O preenchimento das respostas da prova objetiva é
NÃO SERÁ PERMITIDO de sua responsabilidade e não será permitida a
troca da folha de respostas em caso de erro
 Qualquer tipo de comunicação entre os  Para fins de avaliação, serão levadas em
candidatos durante a aplicação da prova consideração apenas as marcações realizadas na
folha de respostas da prova objetiva, não sendo
 Usar o sanitário ao término da prova, após permitido anotar informações relativas às respostas
deixar a sala
em qualquer outro meio que não seja o caderno de
provas
 Os candidatos serão submetidos ao sistema de
detecção de metais quando do ingresso e da saída
de sanitários durante a realização das provas
Boa sorte!
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

Banca 1 - Direito Civil, Direito Processual 3


Civil, Direito Empresarial, Tutela Coletiva João, inconformado com o término do relacionamento amoroso,
decide publicar em sua rede social vídeos de cenas de nudez e
e Princípios Institucionais da Defensoria atos sexuais com Maria, que haviam sido gravados na constância
do relacionamento e com o consentimento dela. João publicou
Pública tais vídeos com o objetivo de chantagear Maria para que ela
permanecesse relacionando-se com ele. Maria não consentiu tal
1 publicação e, visando à remoção imediata do conteúdo, notifica
2 extrajudicialmente a rede social. A notificação foi recebida pelos
Em 2003, Francisco adquiriu de Pedro lote de terreno de 330 m , administradores da rede social e continha todos os elementos
em área urbana, através de contrato particular de compra e que permitiam a identificação específica do material apontado
venda, contrato esse não levado a registro. No contrato estava como violador da intimidade.
previsto o pagamento de 30 parcelas de R$ 300,00. Francisco
Considerando o caso concreto, é correto afirmar que:
reside no local desde 2003 e não possui qualquer outro imóvel
urbano ou rural. Em janeiro de 2021, Francisco procura o(a) (A) o provedor de aplicações de internet somente poderá ser
Defensor(a) Público(a) da Comarca em que reside para regularizar responsabilizado civilmente por danos decorrentes de
a situação imobiliária do imóvel. O(A) Defensor(a) Público(a), ao conteúdo gerado por João se descumprir ordem judicial
analisar a documentação, verifica o seguinte: a parte apresentou específica, de modo que o conteúdo sob exame só pode ser
comprovante de pagamento de todas as parcelas, o contrato não removido mediante decisão judicial, sendo ineficaz a
está assinado por Pedro e o lote em questão não é registrado no notificação de Maria para fins de responsabilização do
Registro de Imóveis competente. provedor;
O(A) Defensor(a) Público(a) deverá: (B) não haverá responsabilidade civil do provedor de aplicações
de internet pelo fato de o conteúdo ter sido gerado por
(A) ajuizar ação de usucapião ordinário;
terceiro, incidindo o fato de terceiro como excludente do
(B) ajuizar ação de adjudicação compulsória;
nexo de causalidade;
(C) ajuizar ação de usucapião constitucional urbano;
(C) somente João, autor da conduta de postar, pode ser
(D) informar que não é possível o ajuizamento de qualquer
responsabilizado civilmente pelos danos causados a Maria,
demanda, oficiando para a Corregedoria-Geral da Defensoria
respondendo mediante o regime objetivo de
Pública;
responsabilidade civil, considerando o grave dano à dignidade
(E) encaminhar as partes para o cartório do Registro Geral de da pessoa humana e seus aspectos da personalidade,
Imóveis (RGI) competente para lavratura de escritura de sobrelevando-se a importância de ampliação da tutela da
usucapião extrajudicial. mulher vítima do assédio sexual online;
(D) o provedor de aplicações de internet será responsabilizado
subsidiariamente pelos danos sofridos por Maria quando,
após o recebimento de notificação, deixar de promover a
2 indisponibilização do conteúdo de forma diligente, no âmbito
A respeito dos direitos da personalidade, é correto afirmar que: e nos limites técnicos do seu serviço;
(A) o exercício dos direitos da personalidade pode sofrer (E) o provedor de aplicações de internet responderá
limitação voluntária, ainda que permanente e geral; objetivamente pelos danos causados a Maria e, ainda,
(B) as partes destacadas e recuperáveis do corpo humano – solidariamente com João, deflagrando-se o dever de
como fio de cabelo, saliva, sêmen – merecem a mesma indenizar a partir do imediato momento em que João postou
proteção recebida pelas partes não recuperáveis do corpo; o material ofensivo.
(C) a disposição do próprio corpo, ainda que gratuita, com
objetivos exclusivamente científicos, é autorizada;
(D) a substituição de um dos patronímicos por ocasião do
matrimônio não poderá ser revertida ainda na constância do
matrimônio, sob alegação de que o sobrenome adotado
assumiu posição de protagonismo em detrimento do
sobrenome familiar;
(E) o uso não autorizado da imagem de torcedor inserido no
contexto de uma torcida pode induzir a reparação de danos
morais, ainda que não configurada a projeção e a
individualização da pessoa nela representada.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 3
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

4 6
A respeito do princípio da reparação integral, contido no Código Ângelo, médico, pai de Fernando, vê-se em uma emergência
Civil Brasileiro, é correto afirmar que: médica com seu filho, que sofreu grave acidente doméstico.
(A) o ordenamento jurídico brasileiro, de lege lata, não admite a Imediatamente leva seu filho ao pronto-atendimento de unidade
condenação a verba punitiva, seja como parcela do dano hospitalar particular. Fernando não possui plano de saúde e
moral, seja como verba autônoma; Ângelo vai arcar diretamente com as despesas do tratamento.
(B) a gradação da culpa tem relevância para a configuração do Diagnosticou-se, na triagem, que o paciente deveria ser
ato ilícito na esfera civil, assim como no direito penal, cujo imediatamente internado, pois corre risco de morte. Na recepção
caráter punitivo recomenda a análise da intensidade do do hospital, Ângelo é surpreendido com a cobrança da diária de
desvio cometido pelo agente; internação em altíssimo valor, mas, para salvar seu filho, não
(C) o ordenamento jurídico brasileiro autoriza que o julgador fixe hesita e assina autorização de internação, obrigando-se ao
uma parcela autônoma de danos punitivos, que se somarão pagamento. Posteriormente, Ângelo descobre que a diária
às outras parcelas de danos verificados no caso concreto, cobrada, na ocasião, estava dez vezes superior à média dos
para punir o ofensor nas hipóteses de danos causados por hospitais daquele porte e naquela época.
culpa grave; A respeito dos direitos de Ângelo, é correto afirmar que:
(D) o ordenamento jurídico brasileiro autoriza que o julgador fixe (A) por ter sido praticado sob premente necessidade, o negócio
uma parcela autônoma de danos punitivos, que se somarão jurídico é nulo, desde seu nascedouro, podendo a nulidade
às outras parcelas de danos verificados no caso concreto, ser suscitada por qualquer interessado ou pelo Ministério
para punir o ofensor nas hipóteses de danos causados por Público, quando lhe couber intervir;
dolo; (B) Ângelo, em situação imprevisível e inevitável, obrigou-se a
(E) a cumulação da função punitiva da responsabilidade civil com prestação manifestamente desproporcional ao valor da
a função indenizatória é admissível, segundo o Código Civil, prestação oposta, podendo suscitar a anulabilidade do
desde que as parcelas indenizatórias sejam quantificadas de negócio em até cinco anos a contar de sua celebração;
modo autônomo e individual. (C) Ângelo, sob premente necessidade, obrigou-se a prestação
manifestamente desproporcional ao valor da prestação
oposta, podendo suscitar a anulabilidade do negócio em até
5 quatro anos a contar de sua celebração;
Henrique, motorista cauteloso, conduzindo seu veículo automotor (D) Ângelo, por ser médico, tem experiência e conhecimento das
dentro do limite de velocidade e devidamente habilitado, para regras de mercado e teria condições plenas de avaliar,
consciente e livremente, as condições no momento da
evitar o atropelamento de João, que atravessava a rua fora da faixa
de pedestres, desvia de João e colide com Maria. Maria tem danos contratação, não podendo reclamar indenização posterior;
materiais e estéticos em razão do acidente. (E) Ângelo e o hospital não podem, em razão da anulabilidade
que recai sobre o negócio, celebrar acordo posterior para
Nesse contexto, é correto afirmar que Henrique:
confirmar o conteúdo do negócio, nos seus termos iniciais,
(A) não praticou ato ilícito, considerando ter atuado em estado limitando-se a autonomia privada das partes para essa
de necessidade e, portanto, não deverá indenizar Maria;
transação, em razão de norma de ordem pública.
(B) responde objetivamente pelos danos a que der causa,
ressarcindo integralmente Maria dos danos estéticos, morais
e materiais;
(C) cometeu ato ilícito, causando dano material, moral e estético
a Maria e, portanto, deve regularmente indenizá-la em razão
do princípio da reparação integral;
(D) não responde pelos danos a que der causa por ter praticado
ato lícito na forma do exercício regular do direito, estando
habilitado e dentro do limite de velocidade permitido na via;
(E) não praticou ato ilícito, considerando ter atuado em estado
de necessidade, mas, ainda que não tenha cometido ato
ilícito, assistirá direito a Maria de ser indenizada por
Henrique.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 4
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

7 8
Vinícius é dirigente sindical dos servidores da concessionária de Eduarda e Júlio se casaram em 2010 pelo regime de comunhão
água e esgoto Água Limpa do Estado X. A concessionária Água parcial de bens. Júlio é professor em uma escola privada e em
Limpa oferece aos seus servidores telefones celulares e linha escola municipal, e Eduarda trabalha em uma fábrica como
telefônica com a LigueJá para o desempenho de suas funções. Ao auxiliar de escritório. No curso da união, começaram a construir
adquirir cada linha telefônica, Água Limpa celebra contrato de uma casa no terreno do pai de Júlio, que autorizou a construção.
adesão com a LigueJá e, em paralelo, o servidor preenche Júlio já possuía um veículo popular, antes de casar, que fora
formulário de informações pessoais para a LigueJá, informando, trocado por outro, durante a união, e Eduarda juntou, após o
dentre elas, o exercício de função sindical. Vinícius descobre que casamento, algumas economias para contratar um plano de
a LigueJá comercializou a informação para empresas de cobrança previdência privada, na modalidade VGBL, para que no futuro
e recuperação de créditos. Vinícius, notando tal fato, notifica a pudesse complementar a sua renda. No curso da união, a mãe de
LigueJá e a Água Limpa pedindo esclarecimentos sobre a cessão Eduarda faleceu, deixando de herança um imóvel a ser partilhado
das informações. A LigueJá responde afirmando que, no contrato com mais dois irmãos de Eduarda. O casal adotou, também, um
de adesão assinado com Água Limpa e no formulário assinado cachorro, chamado Max. Em 2021 decidiram terminar a relação.
por Vinícius, constava autorização de uso geral e irrestrito dos No caso em pauta, é correto afirmar que:
dados por LigueJá, e que essa disposição, por si só, autorizava a (A) a questão relativa à guarda de Max e ao auxílio com as
cessão dos dados pessoais. despesas de manutenção não pode ser discutida na ação de
Nesse contexto, é correto afirmar que: divórcio, devendo ser veiculada em demanda específica no
(A) a aposição da cláusula que autorizou o uso dos dados para juízo cível;
quaisquer finalidades, por LigueJá, é legítimo exercício de (B) Eduarda deverá dividir com Júlio os valores da previdência
autonomia privada e, portanto, em respeito ao princípio da privada, pois, no entendimento do STJ, enquanto não
força vinculante dos contratos, tem-se por regular a cessão implementado o benefício previdenciário, a sua natureza é de
dos dados pessoais por LigueJá; fruto civil;
(B) por tratar-se de uso pela administração pública, o uso dos (C) as verbas trabalhistas percebidas, no curso da união, não
dados pessoais poderá dar-se na forma supracitada, devem ser partilhadas, eis que pertencem ao patrimônio
considerando a prevalência do interesse público sobre os exclusivo de cada cônjuge;
demais interesses em jogo; (D) Eduarda não tem o direito de permanecer na casa, eis que o
(C) a responsabilidade civil do tratador de dados pessoais dá-se imóvel foi construído no terreno de terceiro;
por meio de culpa presumida, de modo que o uso e a cessão (E) o imóvel recebido por herança da mãe de Eduarda deverá ser
dos dados pessoais poderão ser feitos na forma supracitada, partilhado com Júlio, o qual passa a ter o direito a 1/6 do
apurando-se a responsabilidade civil posteriormente; imóvel.
(D) tendo sido Vinícius informado do uso de seus dados pessoais
na forma apresentada, inexiste ato ilícito praticado por
LigueJá, constituindo sua conduta exercício regular de direito; 9
(E) a informação de Vinícius constitui dado pessoal sensível, por Eduardo é casado com Josefa, pelo regime de comunhão parcial
dizer respeito à filiação a sindicato e, portanto, seu de bens. Eduardo trabalhou com carteira assinada até se
tratamento dependeria de consentimento expresso do aposentar, em janeiro de 2018. Da união nasceram Lúcio e Nádia,
titular, requerendo-se a indicação da finalidade do uso. maiores, casados e com filhos. Antes do casamento, Eduardo já
possuía um imóvel de sua propriedade e adquiriu mais um após o
matrimônio. Em fevereiro de 2021, Eduardo começou a se sentir
mal e foi levado para a emergência, ocasião em que foi
constatada uma doença cardíaca. Eduardo ficou preocupado,
pois, além de Lúcio e Nádia, criou sua enteada, Cecília, e optou
por realizar um testamento particular no próprio hospital, eis que
Cecília não era sua herdeira legítima. Contudo, por estar
acamado, Eduardo não conseguiu redigir o testamento de
próprio punho, e o ditou para a enfermeira do hospital, tendo
aposto sua digital no documento. O testamento foi feito na
presença de três técnicos de enfermagem, que o subscreveram.
Horas depois, Eduardo faleceu em razão de infarto fulminante.
Diante da situação, é correto afirmar que:
(A) tratando-se de circunstância excepcional, o testamento feito
por Eduardo poderia ser confirmado pelo juiz,
independentemente da presença de testemunhas;
(B) esse testamento pode ser validado, mesmo sem a assinatura
do testador, em razão do princípio da prevalência da vontade
do testador;
(C) Josefa não é herdeira de Eduardo, eis que já é meeira,
possuindo, no entanto, direito real de habitação;
(D) na hipótese de um dos filhos de Eduardo renunciar à herança,
os netos dele sucedem por cabeça;
(E) Cecília não poderá receber quinhão maior do que os filhos
biológicos de Eduardo, eis que herdeira testamentária.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 5
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

10 12
Josefa, 36 anos, conhece Felipe, 42 anos, e decidem, após um Ao participar de um processo seletivo, Renata recebe a
período de namoro, residir juntos. Josefa possui dois filhos de outros informação de que seu CPF se encontra suspenso em razão de
relacionamentos, Carla, 14 anos, e Lúcio, 12 anos, e está com a determinação da Secretaria da Receita Federal. Assim, procura o
guarda exclusiva de Carla. Já Felipe, por sua vez, também possui referido órgão público para tentar resolver a questão e descobre
outra filha de anterior relacionamento, Paula, 15 anos, que reside que consta como sócia da empresa XX Ltda. que se localiza no
com Felipe, que possui sua guarda compartilhada com a mãe da interior do Estado, empresa essa que figurava como executada
adolescente. O pai registral de Carla é falecido, e Lúcio não possui a em diversas execuções fiscais relativas a tributos federais.
informação do pai registral. Renata nunca ouviu falar dessa empresa. Ela trabalha como caixa
Nesse contexto, é correto afirmar que: de supermercado, recebendo a quantia de 1 salário mínimo por
(A) o reconhecimento de paternidade socioafetiva somente mês, e procura o Núcleo da Defensoria Pública da Comarca em
poderá ser realizado por meio de ação judicial; que reside. O(A) Defensor(a) Público(a) que lá atua obtém o
(B) o reconhecimento de maternidade socioafetiva de Paula por contrato social da empresa XX Ltda. e verifica que Renata consta
Josefa, caso realizado no Cartório de Registro Civil, como sócia, junto com Marcos, Henrique e Guilherme (pessoas
independe da concordância da mãe registral, mas Paula que também não conhece), havendo, inclusive, uma assinatura
deverá ser ouvida; não reconhecida por Renata no contrato social. A Comarca em
(C) havendo discussão judicial acerca da paternidade de Lúcio, questão é de juízo único e não há sede da Justiça Federal na
Felipe pode reconhecer pela via administrativa a paternidade localidade, somente a 50 quilômetros de distância.
socioafetiva, havendo extinção do processo sem resolução do Para solucionar a questão relativa à suspensão do CPF de Renata,
mérito por falta superveniente de objeto; o(a) Defensor(a) Público(a) deverá ajuizar ação:
(D) o princípio do melhor interesse da criança permite que Felipe (A) sob o procedimento comum, perante a Justiça Estadual, em
possa reconhecer sua paternidade socioafetiva em relação a face da empresa XX Ltda., objetivando que seja declarada a
Carla, junto ao Registrador Civil, com a concordância de inexistência de relação jurídica entre Renata e a empresa;
Josefa e de Carla, mantendo-se o nome do pai registral; (B) sob o procedimento especial, perante a Justiça Estadual, em
(E) é possível a retratação do reconhecimento de paternidade face de Marcos, Henrique e Guilherme, objetivando a
socioafetiva junto ao Registrador Civil, hipótese em que o dissolução da sociedade;
Registrador, suspeitando da má-fé do requerente, poderá (C) sob o procedimento comum, perante a Justiça Federal,
suscitar dúvida junto ao juízo de registros públicos. objetivando a declaração de inexistência de débito entre
Renata e a União Federal;
(D) sob o procedimento comum, perante a Justiça Estadual,
objetivando que Marcos, Henrique e Guilherme sejam
11 condenados ao pagamento do tributo em questão;
Sobre o entendimento do Superior Tribunal de Justiça em relação (E) perante o Juizado Especial Cível na Justiça Estadual, em face
às execuções cíveis, é correto afirmar que: da empresa XX Ltda., objetivando que seja declarada a
(A) as quantias depositadas em conta-corrente em valor inferior nulidade do contrato social da empresa em razão de
a quarenta salários mínimos são penhoráveis; manifesta fraude.
(B) é cabível a penhora de salário para pagamento de honorários
advocatícios, eis que se trata de verba alimentar;
(C) os valores depositados em fundo de previdência
complementar são impenhoráveis, se forem considerados de
natureza alimentar;
(D) no caso de cumprimento de sentença de obrigação de fazer,
não é necessária a intimação pessoal da parte, apenas do(a)
advogado(a) ou do(a) Defensor(a) Público(a);
(E) o executado beneficiário de gratuidade de justiça está
dispensado de penhora, depósito ou caução para obtenção
de efeito suspensivo nos embargos do devedor.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 6
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

13 14
A sociedade Crescer Ltda., proprietária de um grande terreno na Bruno possui um pequeno supermercado na Comarca de
Comarca de Japeri, ajuizou, em 2003, ação reivindicatória em Resende. O supermercado funciona em um imóvel de
face de 15 famílias que ocupavam o terreno, transitando em propriedade de Marcela, que o alugou a Bruno pelo prazo
julgado a sentença de procedência em julho de 2019. Em virtude de cinco anos, sendo que o valor mensal do aluguel era de
da morte do seu principal sócio, somente em fevereiro de 2021 a R$ 1.500,00. Bruno pediu a seu primo Tiago para ser seu
sociedade deu início ao cumprimento de sentença, percebendo fiador, tendo Tiago concordado e assinado o contrato de
então que, além dos réus originais, várias outras famílias haviam locação nessa qualidade e se obrigando como devedor
se estabelecido no local. A requerimento da empresa, o juiz solidário. Em razão de dificuldades financeiras, Bruno não
determinou a expedição de mandado para que todos conseguiu mais pagar o valor dos aluguéis. Marcela, então,
desocupassem o imóvel, inclusive os que não residiam no local na ajuizou ação de despejo c/c cobrança, em Resende, em
época do ajuizamento da demanda. Marcos, um desses face de Bruno e Tiago, cujo pedido foi julgado procedente
moradores, recebeu ordem para sair do imóvel em 10 dias, sob em fevereiro de 2020, determinando-se o despejo e o
pena de desalijo forçado. Muito assustado, ele compareceu à pagamento dos valores em atraso. Não houve o pagamento
Defensoria com a intimação e também com cópia da sentença do débito no prazo legal na fase de cumprimento de
criminal, proferida em janeiro de 2020, que reconhecia a sentença, tendo sido negativa a busca de bens de Bruno.
falsidade do título de propriedade apresentado pela sociedade Foi, contudo, encontrado um único imóvel no nome de
Crescer Ltda. para fundamentar a demanda reivindicatória. Tiago, no qual ele reside com sua família, na Comarca de
Em relação à situação descrita, é correto afirmar que: Volta Redonda.
(A) Marcos não possui legitimidade para interpor agravo de Analisando-se a situação e levando-se em conta a jurisprudência
instrumento, eis que não foi parte no processo anterior; dos Tribunais Superiores, é correto afirmar que:
(B) a Defensoria Pública poderá ajuizar, em nome próprio, ação (A) mesmo que seja celebrado acordo entre Marcela e Bruno, a
de usucapião coletivo para a defesa do direito dos dívida de Tiago persiste, eis que se trata de obrigação
moradores; independente da principal;
(C) a sentença é nula em relação às novas famílias que foram (B) o imóvel de Tiago não pode ser objeto de penhora, eis que se
residir no local, sendo cabível ação rescisória; trata de locação empresarial;
(D) é cabível a oposição de embargos de terceiro em favor de (C) a penhora do imóvel de Tiago só seria válida se antes
Marcos; tivessem sido esgotadas todas as medidas típicas e atípicas
(E) em caso de litígios coletivos pela posse ou propriedade de em face de Bruno;
imóvel, quando o esbulho ou turbação tiver ocorrido há (D) na hipótese de Tiago ser casado pelo regime legal de bens,
menos de ano e dia, o juiz, antes de apreciar o pedido de não é necessária a outorga uxória, se o imóvel foi adquirido
concessão da liminar, deverá marcar audiência de mediação. após a data do casamento;
(E) como Tiago é um dos réus, a demanda deveria ser ajuizada na
Comarca de Volta Redonda.

15
Carla e Rafael se casaram em 2015, com 68 e 72 anos,
respectivamente, e Carla se mudou para a casa de Rafael em
Petrópolis. Em janeiro de 2021, Rafael faleceu ab intestato,
deixando dois filhos maiores. Carla continuou a residir no imóvel
e foi surpreendida ao receber citação postal em ação de
reintegração de posse proposta pelo espólio de Rafael e
distribuída na Comarca da Capital. Carla procurou o(a)
Defensor(a) Público(a) da Comarca em que reside, informando
que não tem onde morar e que seu único bem é um automóvel.
Considerando a situação descrita, é correto afirmar que:
(A) Carla não faz jus ao direito real de habitação, pois possui
outro bem;
(B) Carla, como titular do direito real de habitação, não pode ser
condenada ao pagamento de aluguel por ocupação exclusiva
do bem;
(C) a petição inicial da demanda de reintegração deveria ter sido
indeferida, eis que a legitimidade é dos herdeiros;
(D) além da condição de titular do direito real de habitação, Carla
pode alegar, para permanecer no imóvel, a sua condição de
meeira de Rafael;
(E) a ação não poderia ter sido proposta na Comarca da Capital,
o que deve ser alegado através de exceção de incompetência
relativa.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 7
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

16 17
Foi ajuizada ação de investigação de paternidade por um menor Edivânia, usufrutuária da unidade de nº 202, de um edifício
impúbere em face do suposto pai, que, citado por oficial de localizado no bairro da Pavuna, Rio de Janeiro, ajuíza uma ação
justiça em janeiro de 2019, apresentou contestação, alegando de obrigação de fazer em face dos proprietários – antigos e atual
dúvida acerca da paternidade. Diante do teor da contestação, o – da unidade de nº 102 do mesmo edifício. Alega a autora que os
juiz, acolhendo requerimento das partes, designou a realização réus Humberto e Leonardo, antigos proprietários do imóvel,
de exame de DNA. Sobrevindo o resultado do exame em março fizeram, entre os anos de 1996 e 2005, obras indevidas,
de 2020, foi definido que haveria mais de 99% de chance de ser o invadindo área de ventilação e iluminação do prédio, devendo
réu o pai do autor. Após a intimação das partes acerca do laudo, estas serem demolidas. Em relação à terceira ré, Graziela, requer
o juiz, em julgamento parcial do mérito, declarou a paternidade que sejam demolidas as obras realizadas, bem como se abstenha
do réu e fixou alimentos provisórios, a despeito da inexistência de realizar outras construções no local, e churrascos e festas
de pedido a respeito na petição inicial, designando audiência de barulhentas, especialmente após as 22h. Os réus foram citados e
instrução e julgamento para a fixação de alimentos definitivos. apresentaram contestação. Após a réplica autoral, foi proferida a
Diante do caso hipotético, é correto afirmar que: seguinte decisão:
(A) ao despachar a petição inicial, é vedado ao juiz designar “Trata-se de ação proposta por Edivânia em face de Graziela,
audiência de conciliação ou mediação, já que a filiação é Humberto e Leonardo. Pretende a parte autora:
direito que não admite autocomposição; 1. ‘que os réus DESFAÇAM A OBRA IRREGULAR COMPOSTA POR
(B) do pronunciamento judicial que fixou os alimentos SALA, LAVANDERIA E QUARTO, BEM COMO QUALQUER OUTRA
provisórios, poderá ser conhecido e provido recurso de CONSTRUÇÃO EM ÁREA ‘non aedificandi’, destinada ao prisma de
agravo de instrumento alegando que a decisão é extra petita; ventilação e iluminação do prédio (só havia autorização para
(C) a prova da capacidade econômica do réu pode ser feita, construção de uma marquise), sob pena de multa diária de R$
também, por meio de publicações obtidas através de redes 200,00, BEM COMO SE ABSTENHAM DE EFETUAR QUALQUER
sociais, documentadas por ata notarial; NOVA CONSTRUÇÃO’;
(D) os alimentos provisórios são devidos desde a citação e 2. ‘que os réus SE ABSTENHAM DE UTILIZAR A ÁREA EXTERNA,
poderão ser objeto de cumprimento de sentença pelo rito da SUB JUDICE, ou ao menos que se ABSTENHAM, especificamente,
prisão civil (Art. 528, do CPC), admitindo-se a cobrança do de promover CHURRASCOS E FESTAS no local, tendo em vista o
valor integral; risco e o incômodo causado aos demais moradores, bem como se
(E) se o julgamento do agravo de instrumento acerca dos ABSTENHAM DE FAZER barulho após as 22 horas, sob pena de
alimentos provisórios perante o Tribunal de Justiça confirmar aplicação de multa de R$ 200,00 por ato violador’.
a decisão por maioria de votos, o julgamento deverá
O PRIMEIRO RÉU HUMBERTO apresenta manifestação alegando
prosseguir em sessão seguinte com a presença de mais dois
que não é proprietário do imóvel, requerendo a sua exclusão do
desembargadores.
polo passivo. O SEGUNDO RÉU LEONARDO apresenta
contestação, alegando preliminarmente a sua ilegitimidade para
figurar no polo passivo, ao argumento de que não era
proprietário do imóvel na época da obra, tampouco é o atual
proprietário. Frisa que sequer é morador da unidade de nº 102,
em que reside a primeira ré. Como prejudicial de mérito, sustenta
a ocorrência de decadência do direito de desfazimento da
construção em relação ao direito de vizinhança. E, ainda, a
prescrição da pretensão de desfazimento da construção em
relação à limitação administrativa. A TERCEIRA RÉ GRAZIELA
apresentou sua resposta suscitando a ilegitimidade da autora
para propor a demanda, haja vista sua qualidade de usufrutuária.
Defende a decadência do direito de demolição da obra e a
prescrição da pretensão pelo tempo decorrido entre a legalização
da obra junto à municipalidade e a data da propositura da
presente demanda. Réplica apresentada. É o breve relatório.
DECIDO.
1. Primeiramente, acolho o pedido do primeiro réu Humberto e
determino a sua exclusão do polo passivo, ante a sua patente
ilegitimidade, haja vista que não é o atual proprietário do imóvel.
Dessa forma, em relação a Humberto, JULGO EXTINTO O FEITO sem
resolução de mérito, nos termos do Art. 485, inciso VI, do CPC.
Deixo de condenar a autora ao pagamento de honorários, haja
vista que não houve apresentação de contestação pelo primeiro
réu.
2. Acolho, ainda, a preliminar de ilegitimidade passiva suscitada
pelo segundo réu Leonardo, posto que também não é
proprietário do bem, não podendo responder pelas obrigações
de fazer/não fazer pretendidas pela autora. Em relação a
Leonardo, JULGO EXTINTO O FEITO sem resolução de mérito, nos
termos do Art. 485, inciso VI, do CPC. Deixo de condenar a autora
ao pagamento de honorários, haja vista a renúncia da patrona do
segundo réu logo após a apresentação da peça defensiva.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 8
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

3. Anote-se a exclusão do primeiro e do segundo réus do polo 19


passivo.
Papel Feliz Papelaria Ltda. possui em seu quadro social três
4. Rejeito a preliminar de ilegitimidade ativa. A autora é sócios: José, que é também sócio administrador; Edivânia, mulher
condômina e, nesta qualidade, tem legitimidade para propor a de José; e Elias, que é cunhado de José. Com o advento da
presente demanda em face de outro condômino que afeta área pandemia de COVID-19 não foi possível manter os negócios,
comum. Da mesma forma, possui legitimidade para o exercício diante do baixíssimo movimento do empreendimento. Os
do direito de vizinhança. negócios já estavam fracos desde meados de 2018, agravando-se
5. As prejudiciais de decadência e de prescrição serão apreciadas diante do quadro econômico que acompanhou a pandemia. Em
quando do julgamento do mérito, eis que sua análise depende de abril de 2021, foi apresentado o pedido de falência por um de
maior dilação probatória. seus credores.
6. Fixo como ponto controvertido da demanda se a obra é Nesse contexto, é correto afirmar que:
irregular, se a área é ‘non aedificandi’, se causa prejuízo à (A) no curso do processo de falência, é possível estabelecer
estrutura do edifício e aos moradores. negócios processuais entre os credores e o falido, desde que
7. Defiro a produção de prova pericial, facultando às partes a a decisão seja tomada pela deliberação de credores que
apresentação de quesitos e a indicação de assistentes técnicos, representem mais da metade do valor total dos créditos;
no prazo de 15 dias. (B) Elias pode ser responsabilizado pessoalmente por dívidas do
8. Defiro o acautelamento da mídia em cartório, em pen-drive, falido, após haver a desconsideração da personalidade
sendo certo que a irresignação da ré não se sustenta, na medida jurídica, hipótese em que o processo de falência fica
em que somente as partes e este magistrado possuem acesso ao suspenso até a decisão do incidente;
seu conteúdo. (C) a decisão que decreta a falência é passível de impugnação
9. Indefiro a oitiva de testemunhas, eis que desnecessária ao por recurso de agravo de instrumento, no prazo de quinze
deslinde do feito. Rio de Janeiro, 21/05/2021.” dias úteis, contando-se em dobro para a parte assistida pela
Defensoria Pública;
Considerando o contexto, é correto afirmar que:
(D) o juiz pode decretar a falência da sociedade mesmo que na
(A) a prova produzida pela parte autora – gravações das festas da
notificação do respectivo protesto não seja identificada a
parte ré – é ilícita pois realizada sem autorização desta;
pessoa que recebeu a intimação;
(B) caso o juiz tivesse acolhido a alegação de prescrição ou (E) havendo a decretação da falência, eventual procedimento
decadência do direito em relação ao pedido demolitório, não arbitral já instaurado deverá ser extinto, diante do juízo
seria cabível a interposição de agravo de instrumento; universal da falência.
(C) as partes podem apresentar pedido de esclarecimento da
decisão, no prazo de dez dias úteis, o qual possui natureza de
recurso; 20
(D) a rejeição da preliminar de ilegitimidade ativa não enseja o
Luciana trabalhou por vinte anos em uma empresa, possuindo
cabimento de agravo de instrumento;
plano de saúde na modalidade coletiva. Em outubro de 2020,
(E) conforme entende o STJ, o indeferimento da prova
Luciana descobriu que estava com câncer de mama, iniciando o
testemunhal pode ser impugnado por meio de agravo de
tratamento médico adequado. Em janeiro de 2021, como já havia
instrumento, sob pena de preclusão.
completado o prazo para aposentadoria por tempo de serviço,
optou por requerê-la junto ao INSS, tendo se aposentado em
março de 2021. No início de abril de 2021, Luciana compareceu à
18 clínica em que fazia o tratamento, ocasião em que lhe foi
Edvaldo contratou o serviço de Buffet Boa Festa EIRELI, de informado que o plano havia sido cancelado em razão da
titularidade de Ana, para a comemoração dos dois anos de sua aposentadoria, eis que se tratava de plano empresa. Luciana
filha Jéssica. No dia da festa, o serviço de buffet não entregou o procura então a Defensoria Pública para resolver a questão.
contratado, frustrando as expectativas com o evento. Edvaldo O(A) Defensor(a) Público(a) deve orientar Luciana no sentido de
pretende ser indenizado no valor pago e, ainda, pelos danos que:
morais causados, totalizando o valor de R$ 15.000,00. A ação foi (A) não possui direito de continuar como beneficiária do plano
ajuizada junto ao Juizado Especial Cível, sem patrocínio por em razão da aposentadoria, eis que se trata de plano coletivo
advogado(a) ou Defensor(a) Público(a). empresarial;
Considerando a situação acima descrita, é correto afirmar que: (B) pode continuar como beneficiária, efetuando o pagamento
(A) na hipótese de ser condenada, Ana poderá ter seus bens nos mesmos valores que pagava na modalidade de plano
pessoais penhorados caso o valor do patrimônio social da empresarial;
empresa seja insuficiente para o pagamento do débito, o que (C) pode continuar como beneficiária do plano, eis que a
poderá ser determinado de ofício pelo juiz; hipótese é de urgência, sendo a carência de 24 horas, nos
(B) proferida a sentença, o recurso cabível é o recurso termos da lei;
inominado, no prazo de dez dias corridos, devendo ser (D) não terá direito à indenização por dano moral, pois a negativa
subscrito por Defensor(a) Público(a) ou advogado(a); de cobertura de tratamento configura mero aborrecimento;
(C) Ana deverá comparecer pessoalmente à audiência de (E) pode continuar como beneficiária do plano de saúde, desde
conciliação, não se admitindo representação, sob pena de que assuma seu pagamento integral.
revelia e julgamento antecipado do mérito da demanda;
(D) caso a decisão da Turma Recursal viole precedente
obrigatório do STJ, é cabível reclamação dirigida ao Tribunal
de Justiça do Estado;
(E) o juiz deve determinar a regularização da petição inicial, por
falta de capacidade postulatória.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 9
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

21 24
Rafaela procurou Diego, celebrando um contrato de empréstimo De acordo com o regime da coisa julgada coletiva no sistema
de R$ 30.000,00. Diego emprestou o dinheiro, mas exigiu que brasileiro:
Rafaela emitisse uma nota promissória, como forma de garantir o (A) a coisa julgada, nas ações concernentes a direitos difusos,
recebimento do crédito, com vencimento em 10/04/2021. Diego coletivos e individuais homogêneos, opera-se secundum
endossou para Roberto a nota promissória, sendo que, além eventum probationis;
disso, consta na face a assinatura de Beatriz. (B) para que não se forme a coisa julgada material coletiva, a
Considerando a situação narrada, é correto afirmar que: decisão de improcedência deve indicar de forma expressa a
(A) Roberto possui o prazo de um ano, após o protesto, para insuficiência probatória;
executar a nota em face de Diego; (C) quando se trata de ações de direitos individuais homogêneos,
(B) em eventual demanda ajuizada por Roberto em face de o sistema coletivo brasileiro estimula a intervenção de
Rafaela, poderá ser discutida a existência do contrato; litisconsortes;
(C) ajuizada a execução em face de Beatriz, esta poderia, em (D) na hipótese de tutela dos direitos coletivos por meio de ação
sede de embargos à execução, chamar Rafaela ao processo; penal, dá-se o transporte in utilibus da sentença penal
(D) é possível o ajuizamento da ação de execução em face de condenatória em prol de vítimas e sucessores, considerados
Beatriz até cinco anos após o vencimento da nota individualmente;
promissória; (E) no caso da improcedência por falta de provas, qualquer outro
(E) é vedado a Roberto ajuizar ação monitória, ainda que no legitimado, com exceção do que foi autor no pleito julgado
prazo de três anos do vencimento da nota promissória. improcedente, pode pleitear, trazendo prova nova, a rescisão
da coisa julgada formada.

22 25
Entre as características e contornos do processo estrutural, estão: Sobre a evolução da tutela coletiva no Brasil, é correto afirmar
(A) predomínio de protagonismo judicial, com pouco espaço para que:
o consensualismo, dada a indisponibilidade dos interesses em (A) a ação civil pública brasileira inspirou-se no sistema de
jogo; legitimação ad causam da class action americana;
(B) utilização de técnicas processuais flexibilizadoras, sem (B) a Lei nº 4.717/1965 (Lei da Ação Popular), não obstante o seu
prejuízo do respeito a garantias básicas, como a estabilização modelo de legitimação individual, integra o microssistema de
do pedido e a congruência entre pedido e sentença; tutela coletiva do direito brasileiro;
(C) existência de decisões “em cascata”, estabelecimento de (C) a Lei nº 7.347/1985 consiste em marco fundamental na
planos e atenção a regimes de transição; evolução da tutela coletiva no país, tendo criado a ação civil
(D) preocupação com a eficiência do procedimento, a efetividade pública e introduzido a figura do termo de ajustamento de
da prestação jurisdicional e a celeridade da atividade conduta;
satisfativa; (D) a Lei nº 8.078/1990 (Código de Defesa do Consumidor) trouxe
(E) utilização constante de precedentes vinculantes, proliferação muitos avanços para o microssistema pátrio de tutela
de negócios jurídicos processuais e incentivo à atuação de coletiva, mas recebeu críticas por não ter ampliado o rol de
amici curiae. legitimados para as ações coletivas;
(E) mecanismos de tratamento das demandas de massa trazidos
pelo Código de Processo Civil de 2015, notadamente o
23 incidente de resolução de demandas repetitivas, acabam por
Sobre a legitimidade ativa para ações coletivas no direito esvaziar a ação civil pública.
brasileiro, é correto afirmar que:
(A) as empresas públicas e as sociedades de economia mista têm
legitimidade ativa para a ação civil pública;
(B) no que se refere à legitimidade ativa das associações, o
requisito da pré-constituição (seis meses) pode ser
dispensado quando se tratar de ação de direitos individuais
homogêneos;
(C) têm legitimidade ativa os partidos políticos que elejam em
cada eleição ao menos nove deputados federais, distribuídos
em, no mínimo, um terço das unidades da federação;
(D) a Defensoria tem ampla legitimidade para a defesa de
direitos coletivos em senso lato, mas as pessoas que não são
hipossuficientes não podem aproveitar-se do resultado das
demandas vencidas pela instituição;
(E) o Ministério Público não tem legitimidade para propor ação
civil pública em defesa do patrimônio público.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 10
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

26 28
Em pleito indenizatório, Joana, bem-sucedida empresária, foi Arlindo recebe salário elevado, mas está superendividado. Pela
citada com hora certa, tendo sido nomeada, para a sua defesa, a Defensoria Pública, intenta ação buscando a revisão de parte dos
curadoria especial, que apresentou contestação por negação seus débitos, requerendo gratuidade de justiça.
geral. A sentença deu procedência integral ao pedido, em Nessa demanda:
desfavor de Joana. (A) à vista do salário de Arlindo e do perfil das suas despesas, o
Quanto ao capítulo dos honorários, é correto afirmar que: juízo poderá indeferir de plano a gratuidade requerida, ou
(A) devem ser fixados honorários para a Defensoria Pública em concedê-la apenas parcialmente, cabendo agravo de
decorrência da atuação da curadoria especial, a serem instrumento em ambos os casos;
adiantados pelo autor da demanda, seguindo-se o regime dos (B) caso a gratuidade seja concedida e Arlindo não obtenha a
honorários do perito; procedência do seu pleito revisional, a sentença não poderá
(B) embora os honorários decorrentes da atuação da curadoria condená-lo ao pagamento de despesas processuais e
especial sigam o regime dos honorários do perito, no caso honorários da parte contrária;
concreto não deve haver fixação em favor da Defensoria, (C) caso haja indeferimento liminar da gratuidade, caberá agravo
tendo-se em vista que a contestação foi por mera negação de instrumento, ficando Arlindo dispensado do recolhimento
geral; de custas pelo menos até decisão, sobre a questão, do relator
(C) embora os honorários decorrentes da atuação da curadoria do recurso;
especial sigam o regime dos honorários do perito, no caso (D) ainda que tenha obtido a gratuidade, Arlindo poderá
concreto não deve haver fixação em favor da Defensoria, eventualmente ser condenado a pagar multa à parte
tendo-se em vista a condição econômica de Joana, pessoa contrária por litigância de má-fé, mas a obrigação ficará sob
não necessitada; condição suspensiva de exigibilidade por cinco anos;
(D) não deve haver fixação de honorários em favor da Defensoria (E) caso haja indeferimento liminar da gratuidade, o agravo de
quando a curadoria especial oficia, tendo-se em vista que a instrumento a ser interposto visará à concessão da
atuação se insere no âmbito das funções institucionais da gratuidade e, subsidiariamente, ao reconhecimento de que a
Defensoria e os Defensores são remunerados mediante Defensoria pode seguir na defesa de Arlindo, mesmo que sem
subsídio; gratuidade.
(E) não deve haver fixação de honorários em favor da Defensoria
no caso concreto, tendo-se em vista a sucumbência integral
da pessoa cujos interesses foram defendidos pela curadoria 29
especial.
Sobre a prerrogativa do prazo em dobro deferida aos(às)
Defensores(as) Públicos(as), é correto afirmar que:
27 (A) a prerrogativa não se estende nem a advogados dativos nem
a escritórios de prática jurídica das faculdades de Direito;
Sobre a longa evolução da Defensoria Pública e do direito (B) não deve ser contado em dobro o prazo de dez dias referente
fundamental à assistência jurídica no ordenamento brasileiro, é à intimação tácita dos atos processuais eletrônicos;
correto afirmar que:
(C) não devem ser contados em dobro os prazos relativos à
(A) a Constituição Federal de 1937, chamada de “polaca”, chegou oposição de embargos à execução e à impetração de
a prever a prestação de assistência judiciária aos pobres por mandado de segurança;
órgãos públicos, mas não teve efetividade prática; (D) não devem ser contados em dobro os prazos quando a
(B) à luz do regime constitucional de 1988, não se admite a Defensoria Pública, em atribuição atípica, estiver atuando na
constituição de uma entidade de advogados(as) voltada defesa de pessoas economicamente ricas;
exclusivamente à prestação de advocacia pro bono; (E) dado o fortalecimento constitucional da Defensoria, não deve
(C) a aquisição da legitimidade ativa para a ação civil pública, mais ser aplicada, no tocante ao prazo em dobro, a tese da
graças à Lei nº 11.448/2007, que viabilizou a atuação coletiva inconstitucionalidade progressiva.
da instituição, pode ser considerada um importante marco na
evolução da Defensoria Pública;
(D) a Lei nº 1.060/1950 concebeu um sistema misto de
assistência judiciária, atribuindo a tarefa prioritariamente ao
poder público, com a participação subsidiária da Ordem dos
Advogados do Brasil;
(E) embora limitada ao âmbito penal, a previsão da Assistência
Judiciária do Distrito Federal, pelo Decreto nº 2.457/1897,
lançou as bases para a ampliação do serviço no país.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 11
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

30 Banca 2 - Direito Penal, Direito


Bernardo procura a Defensoria Pública narrando profundo Processual Penal, Direito de Execução
incômodo com barulhos provenientes do apartamento do seu
vizinho, que tem filhos pequenos. Dizendo ser impossível Penal e Criminologia
qualquer solução conciliatória, Bernardo quer que o(a)
Defensor(a) intente ação de obrigação de não fazer c/c danos
morais. O(A) Defensor(a), depois de conversar bastante com 31
Bernardo, conclui que as reclamações são exageradas e que a Sobre a prescrição, de acordo com a legislação vigente e o
ação, acaso proposta, poderia revelar-se temerária e frívola, entendimento das Cortes Superiores, é correto afirmar que:
sobretudo no que diz respeito ao pedido de danos morais. (A) a reincidência não influi no prazo da prescrição da pretensão
Nessa situação: executória;
(A) a prerrogativa de deixar de patrocinar a ação não poderia ter (B) a data do julgamento dos embargos de declaração acolhidos,
sido utilizada, vez que o pleito de Bernardo não afrontava ainda que altere a situação jurídica do acusado, não pode ser
dispositivo de lei ou precedente vinculante; considerada marco interruptivo da prescrição;
(B) cabe ao(à) Defensor(a) comunicar o fato ao Conselho (C) para efeito de reconhecimento da prescrição, pode ser
Superior da Defensoria Pública, que, entendendo haver contado o termo inicial em data anterior à da denúncia ou
denegação de justiça, poderá indicar outro(a) Defensor(a) queixa, se observada a pena máxima do crime em abstrato;
para ajuizar a demanda em nome de Bernardo; (D) na aplicação da medida socioeducativa sem termo final, deve
(C) cabe ao(à) Defensor(a) comunicar o fato ao(à) Defensor(a) ser considerado, para o cálculo do prazo prescricional da
Público(a)-Geral, que, entendendo ter o pleito chances de pretensão socioeducativa, o limite máximo de dois anos
êxito, deverá, ele(a) próprio(a), ajuizar a demanda em nome previsto para a duração da medida de internação;
de Bernardo; (E) a suspensão do processo e do curso do prazo prescricional
(D) cabe ao(à) Defensor(a) comunicar o fato à Corregedoria-Geral para o acusado, citado por edital, que não comparecer em
da Defensoria Pública, podendo Bernardo apresentar recurso juízo e não constituir advogado, não possui limitação
administrativo, a ser apreciado pelo Conselho Superior da temporal, de modo que o processo e o prazo prescricional
Defensoria Pública; ficam suspensos até que compareça em juízo ou constitua
(E) caso não seja revista a recusa de atuação, Bernardo poderá advogado.
retornar, posteriormente, alegando fatos novos que
justifiquem a propositura da demanda, cumprindo à
Defensoria examinar novamente a situação. 32
Lúcia foi denunciada pela suposta prática do crime de ameaça
(Art. 147 do Código Penal), pois teria prometido matar sua
vizinha Nina. A denúncia foi rejeitada por falta de justa causa
ante a ausência de elementos mínimos confirmatórios da
ameaça. Inconformado, o Ministério Público recorreu,
postulando a reforma da decisão. No dia seguinte, o juiz recebeu
o recurso em seus regulares e legais efeitos, determinando a
imediata remessa à Turma Recursal, que proveu o recurso
ministerial para reformar a decisão, ordenando o regular
desenvolvimento do processo.
Analisando o caso de acordo com o entendimento das Cortes
Superiores, é correto afirmar que:
(A) não há necessidade de intimação de Lúcia para oferecer
contrarrazões ao recurso interposto pelo Ministério Público,
uma vez que ela ainda não integra a relação processual;
(B) não há nulidade processual a ser arguida em razão da
ausência de intimação de Lúcia se nomeado(a) Defensor(a)
Público(a) para apresentar contrarrazões ao recurso
interposto pelo Ministério Público;
(C) deve ser nomeado(a) Defensor(a) Público(a) para oferecer
contrarrazões ao recurso interposto pelo Ministério Público
concomitantemente à intimação de Lúcia, sob pena de
nulidade;
(D) deve ser postulada pelo(a) Defensor(a) Público(a) a
declaração de nulidade do julgamento do recurso,
considerando a ausência de intimação de Lúcia para oferecer
contrarrazões ao recurso interposto pelo Ministério Público;
(E) considerando os princípios que norteiam o Juizado Especial
Criminal, torna-se desnecessária a intimação de Lúcia para
oferecer contrarrazões ao recurso interposto pelo Ministério
Público.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 12
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

33 34
O juízo da Vara de Execuções de Medidas Socioeducativas, por O Estatuto do Desarmamento, Lei nº 10.826/2003, no seu
ocasião da reavaliação de medida de internação aplicada ao capítulo IV, define crimes relacionados a armas de fogo e
adolescente, deixou de substituí-la por liberdade assistida, apesar munições.
dos relatórios da equipe técnica sugerirem medida mais branda. Considerando casos concretos de réus denunciados por esses
Para tanto, considerou o juízo que se tratava de ato infracional delitos e conforme entendimento das Cortes Superiores, é
análogo ao crime de roubo majorado pelo concurso de agentes, o correto afirmar que:
fato de o adolescente possuir dois antecedentes infracionais e (A) em hipóteses de apreensão de armas de fogo e/ou munições
que eventual progressão per saltum feriria a individualização da de uso permitido e restrito, num mesmo contexto fático, há
medida aplicada, além de não atender ao objetivo da crime único, aplicado o princípio da consunção, e não
ressocialização e proteção do adolescente. concurso de crimes, uma vez que se trata de condutas que
Sobre o tema, de acordo com a legislação vigente e o entendimento tutelam o mesmo bem jurídico;
do Superior Tribunal de Justiça, é correto afirmar que: (B) deve ser reconhecida a atipicidade material da conduta em
(A) o recurso cabível da decisão é o agravo de instrumento, prazo situações específicas de ínfima quantidade de munição
de dez dias, em dobro, contado em dias corridos, sendo certo apreendida na posse do agente, de uso permitido ou restrito,
que é descabida a manutenção de medida de internação com aliada à ausência de artefato capaz de disparar o projétil;
fulcro na reiteração infracional e na gravidade do ato (C) aplica-se o princípio da insignificância e se reconhece a
infracional praticado, sem lastro no cumprimento da medida atipicidade material do crime de posse de ínfima quantidade
socioeducativa; de munição de uso permitido, ainda que a moldura fática do
(B) o recurso cabível da decisão é a apelação, prazo de dez dias, caso revele a apreensão de arma de fogo e drogas com o
em dobro, contado em dias úteis, sendo certo que o juiz não agente;
está adstrito aos laudos elaborados pelas equipes técnicas, já (D) apreendido armamento que passou a ser considerado de uso
que os relatórios consubstanciam apenas um dos elementos permitido após a entrada em vigor de decreto, a norma penal
de convicção, sem caráter vinculante; posterior deve incidir de forma imediata a fato anterior,
(C) o recurso cabível da decisão é o agravo de instrumento, prazo desde que não decidido por sentença transitada em julgado,
de quinze dias, em dobro, contado em dias úteis, sendo certo porque favorece o agente, em harmonia com o princípio da
que inexiste vedação legal expressa à progressão de medida retroatividade da lei penal mais benéfica;
socioeducativa per saltum, admitida ante a prevalência (E) o legislador, ao elaborar a lei que alterou a Lei de Crimes
absoluta do superior interesse do adolescente; Hediondos, quis conferir tratamento mais gravoso ao crime
(D) o recurso cabível da decisão é a apelação, prazo de quinze de posse ou porte de arma de fogo, acessório ou munição,
dias, em dobro, contado em dias corridos, sendo certo que o não importando se de uso proibido/restrito ou de uso
afastamento das conclusões da equipe técnica pelo juízo permitido, de modo que a natureza hedionda se reconhece
demanda fundamentação plausível e idônea, considerando a também aos crimes de posse ou porte de arma de fogo de
situação do adolescente, e não apenas a gravidade do ato uso permitido com numeração raspada, suprimida ou
infracional ou as passagens anteriores pela Vara da Infância e adulterada.
Juventude;
(E) o recurso cabível da decisão é o agravo de instrumento, prazo
de dez dias, simples, contado em dias corridos, sendo certo
que a lesividade do ato cometido e os antecedentes do
adolescente são circunstâncias que não devem ser sopesadas
na fase executiva.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 13
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

35 36
Bruno foi condenado em primeira instância pela prática do crime Ricardo e Elias foram condenados por tráfico de drogas, agravado
de roubo circunstanciado pelo concurso de agentes e emprego de por emprego de arma de fogo, às penas, respectivamente, de
arma de fogo (Art. 157, §2º, II e §2º-A, I do Código Penal) em 7 anos de reclusão e 7 anos, 9 meses e 10 dias de reclusão, em
concurso material com o crime de corrupção de menores (Art. regime fechado. Ricardo teve a pena base fixada acima do
244-B da Lei nº 8.069/1990), cometido em 2019. O magistrado mínimo legal, em 6 anos (1/5 de aumento), por força de duas
fixou a pena base do crime de roubo no mínimo legal, procedeu condenações com trânsito em julgado anterior, valoradas
ao aumento de 1/3 pelo concurso de duas pessoas e, em seguida, negativamente como maus antecedentes. Na segunda fase, o juiz
aumentou em 2/3 pelo emprego de arma de fogo. Por fim, deixou de agravar a pena pela reincidência, uma vez que esta já
aplicou a regra do concurso material entre os crimes de roubo e fora levada em conta para visualização de maus antecedentes na
corrupção de menores, porquanto o acusado, mediante mais de primeira fase. Na terceira fase, o aumento se deu na fração de
uma ação, praticou dois crimes de espécies distintas, que 1/6 pelo emprego de arma de fogo. Elias teve a pena base fixada
ofenderam bens jurídicos diversos, revelando desígnios acima do mínimo legal, em 6 anos e 8 meses (1/3 de aumento),
autônomos nas ações de subtrair coisa alheia móvel e corromper em razão de sua má conduta social e personalidade voltada para
menor de 18 anos. a prática de crimes. Na terceira fase, o aumento se deu na fração
Analisando o caso à luz da atual jurisprudência do Superior de 1/6 pelo emprego de arma de fogo. Apenas a defesa dos
Tribunal de Justiça, é correto afirmar que: acusados apelou. A Câmara Criminal deu parcial provimento aos
(A) a incidência cumulativa das causas de aumento do crime de recursos. Para ambos, afastou a causa de aumento de pena por
roubo decorre de previsão legal, de modo que deve ser arma de fogo. Para Ricardo, retirou a negativa de maus
aplicada conforme a sentença; quanto ao concurso de crimes, antecedentes e fixou sua pena base no mínimo legal. Na fase
deve ser reconhecido o crime único, eis que num mesmo seguinte, considerou as duas condenações definitivas
contexto fático, com unidade de conduta e fim, só se configuradoras de reincidência e majorou a pena base em 1/3,
vislumbra uma ação punível; tornada pena definitiva em 6 anos e 8 meses. Para Elias, afastou
(B) a incidência cumulativa das causas de aumento do crime de as circunstâncias relativas à má conduta social e à personalidade
roubo não é possível se a fundamentação do julgador fizer negativa, mas reconheceu dois maus antecedentes, mantendo a
remissão à descrição típica das majorantes e à afirmação de pena base, tornada definitiva, em 6 anos e 8 meses.
serem circunstâncias distintas; quanto ao concurso de crimes, Analisando o caso e considerando o atual entendimento dos
deve ser reconhecido o concurso formal entre os de roubo e Tribunais Superiores, é correto afirmar que:
corrupção de menores porque este independe da (A) não incidiu o Tribunal em indevida reformatio in pejus ao
comprovação da efetiva corrupção do menor envolvido; agravar a pena de Ricardo, em virtude da reincidência, pois
(C) a incidência cumulativa das causas de aumento do crime de sua pena final ficou estabelecida em patamar inferior à
roubo, conforme a sentença, não é possível porque caberia estabelecida na sentença condenatória;
ao juiz fundamentar concretamente a opção pela cumulação; (B) não incidiu o Tribunal em indevida reformatio in pejus no
quanto ao concurso de crimes, deve ser reconhecido o caso de Elias, uma vez que, em recurso exclusivo da defesa,
concurso formal entre os de roubo e corrupção de menores reviu e alterou fundamento embasador da dosimetria penal,
porque, mediante uma única ação, o acusado praticou ambos mas manteve a pena base imposta na sentença condenatória;
os delitos, tendo a corrupção se dado em razão da prática do (C) incidiu o Tribunal em indevida reformatio in pejus no caso de
delito patrimonial; Elias, ao afastar circunstância indevidamente valorada, em
(D) a incidência cumulativa das causas de aumento do crime de recurso exclusivo da defesa, mantendo o apenamento
roubo, conforme a sentença, é possível, eis que o disposto no inicialmente fixado pelo sentenciante, com fundamento em
parágrafo único do Art. 68 do Código Penal (“No concurso de circunstância desfavorável remanescente;
causas de aumento ou diminuição previstas na parte especial, (D) não incidiu o Tribunal em indevida reformatio in pejus na
pode o juiz limitar-se a um só aumento ou a uma só dosimetria da pena de Ricardo, uma vez que a inteligência do
diminuição, prevalecendo, todavia, a causa que mais Art. 617 do Código de Processo Penal, que proíbe ao Tribunal
aumente ou diminua”) constitui uma faculdade do julgador e agravar a pena quando somente o acusado houver apelado
não um dever legal; quanto ao concurso de crimes, deve ser da sentença, aplica-se apenas à pena final ou global, e não a
reconhecido o concurso formal entre os de roubo e cada uma das etapas da dosimetria tomadas isoladamente;
corrupção de menores porque este é crime formal; (E) a proibição da reformatio in pejus garante ao acusado, em
(E) a incidência cumulativa das causas de aumento do crime de recurso exclusivo da defesa, o direito de não ter sua situação
roubo, conforme a sentença, não é possível porque, na agravada direta ou indiretamente. Isso obsta, portanto, que o
hipótese de concurso homogêneo de causas de aumento de Tribunal, para dizer o direito, encontre motivação própria,
pena da Parte Especial do Código Penal, devem elas refletir- como fez na dosimetria da pena de Elias, desrespeitando a
se, separadamente, sobre a pena base, como se não existisse extensão cognitiva da sentença e os limites da condenação
anterior causa de aumento; quanto ao concurso de crimes, imposta.
deve ser reconhecido o concurso formal entre os de roubo e
corrupção de menores, eis que o juiz não fundamentou de
forma concreta a autonomia das condutas ou a precedência
de uma em relação à outra.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 14
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

37 38
Laura, idosa de 69 anos, em 02/02/2020, foi vítima de estelionato Sobre o crime de furto, previsto no Art. 155, caput, do Código
praticado por Mário, quando ambos estavam em uma festa. O Penal, sua causa de aumento de pena se praticado durante o
crime foi testemunhado por Carla e José, amigos de Laura que, repouso noturno (§1º), sua forma privilegiada (§2º) bem como
no dia seguinte, compareceram à Delegacia, ocasião em que sua forma qualificada do §4º, incisos I (destruição ou rompimento
foram ouvidos na qualidade de testemunhas. Laura, apesar de ter de obstáculo), II (abuso de confiança, fraude, escalada ou
ciência da autoria do crime, preferiu não ir à Delegacia, deixando destreza), III (emprego de chave falsa) e IV (concurso de duas ou
de ser ouvida em sede extrajudicial. Passados sete meses da data mais pessoas), é correto afirmar, segundo consolidada
do crime, o Ministério Público denunciou Mário pelo crime de jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, que:
estelionato perpetrado contra Laura. (A) é viável a incidência do privilégio do Art. 155, §2º, do Código
De acordo com a situação exposta e considerando as inovações Penal, em hipóteses de furto qualificado, sejam as
trazidas pela Lei nº 13.964/2019 (Pacote Anticrime) sobre a qualificadoras de caráter objetivo ou subjetivo;
natureza da ação penal nos crimes de estelionato, é correto (B) a causa de aumento de pena relativa à prática do crime de
afirmar que: furto durante o repouso noturno (Art. 155, §1º, do Código
(A) a ação penal deverá ser suspensa e a vítima notificada para, Penal) é aplicável ao furto qualificado, mas não ao furto
em trinta dias, contados da notificação, dizer se deseja simples;
representar contra o acusado, sob pena de decadência; (C) a causa de aumento de pena relativa à prática do crime de
(B) a denúncia deverá ser rejeitada, ante a decadência, eis que, furto durante o repouso noturno (Art. 155, §1º, do Código
com a nova lei, a ação penal do crime de estelionato passou a Penal) não se configura quando o crime é cometido em
ser pública condicionada à representação do ofendido em estabelecimento comercial ou residência desabitada;
todos os casos; (D) para o reconhecimento da qualificadora do rompimento de
(C) a denúncia deverá ser rejeitada, eis que, embora idosa, não obstáculo/arrombamento e escalada no crime de furto, se
sendo a vítima pessoa maior de 70 anos, a ação penal no prescinde da realização de exame pericial, ainda que fosse
crime de estelionato, com a mudança legislativa, passou a ser possível fazê-lo à época, desde que sua substituição possa se
pública condicionada à representação do ofendido; dar por outros meios probatórios;
(D) a denúncia deverá ser rejeitada, ante a ilegitimidade do (E) no furto simples, o reconhecimento do privilégio do Art. 155,
Ministério Público para propor a ação penal, eis que, com a §2º, do Código Penal, é um direito subjetivo do acusado, de
nova lei, a ação penal no crime de estelionato passou a ser de modo que se exige à sua configuração dois únicos requisitos
natureza privada; de natureza objetiva, consubstanciados na primariedade do
(E) é cabível a suspensão condicional do processo, já que, acusado e no pequeno valor da coisa furtada.
embora a nova lei não tenha alterado a natureza da ação
penal quando a vítima for pessoa idosa, que continua sendo
pública incondicionada, o crime possui pena mínima igual a
um ano.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 15
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

39 40
“A garantia da defesa consiste precisamente na institucionalização Fusco foi denunciado e processado pelo crime de tráfico de
do poder de refutação da acusação por parte do acusado. De drogas. Após longo debate probatório e processual,
conformidade com ela, para que uma hipótese acusatória seja especialmente no que tange ao momento de realização do
aceita como verdadeira, não basta que seja compatível com vários interrogatório do acusado, havendo múltiplos registros em ata,
dados probatórios, mas também é necessário que não seja Fusco restou condenado à pena de sete anos no regime fechado.
contraditada por nenhum dos dados virtualmente disponíveis.” Insatisfeita, a defesa interpôs recurso de apelação, alegando
(FERRAJOLI, Luigi. Direito e Razão. Teoria do Garantismo Penal. diversas nulidades processuais, bem como a incorreta aplicação
trad. Ana Paula Zomer e outros. São Paulo: Revista dos Tribunais, da pena e regime prisional.
2002, p. 121). Considerando o recurso defensivo e as matérias a serem
Em relação à produção de prova penal lícita, é correto afirmar que: analisadas pelo Tribunal, é correto afirmar que:
(A) o aprimoramento tecnológico cria possibilidades de (A) o interrogatório do réu por carta precatória pode ocorrer
atividades investigatórias contra crimes cibernéticos. Nesse antes da oitiva das testemunhas, já que a expedição da carta
contexto, diante da prática do crime de invasão de dispositivo precatória não suspende a instrução criminal;
informático alheio (Art. 154-A, CP), como o fato se dá em (B) a inversão da ordem do interrogatório, como primeiro ato da
âmbito virtual e de forma extremamente dinâmica, os instrução probatória, acarreta nulidade absoluta, sendo
agentes policiais poderão, sem autorização judicial, atuar desnecessária a demonstração do prejuízo, bem como o
como agentes infiltrados nas atividades criminais registro em ata de audiência;
cibernéticas; (C) viola o princípio do contraditório a possibilidade de o acusado
(B) tendo em vista a apreensão de maconha, droga ilícita notória ficar em silêncio nas perguntas realizadas pela acusação. Caso
por sua consistência e cheiro, a prova da materialidade, exerça o direito constitucional ao silêncio, deverá ser total,
quanto ao crime de tráfico, pode ocorrer a partir de laudo de não sendo cabível silêncio parcial;
constatação realizado por agente da polícia investigativa, (D) a ausência do interrogatório do acusado preso não viola o
tornando, inclusive, desnecessário o exame pericial definitivo; devido processo legal, quando for condenado à pena mínima
(C) o exame de corpo de delito indireto serve como comprovação e substituído o regime prisional por pena restritiva de
da materialidade delitiva do crime de distribuição, por meio direitos, caracterizada, portanto, como mera irregularidade;
de sistema de informática, de cena de sexo explícito (E) tendo em vista a alteração do rito processual instituído pela
envolvendo adolescente, fixando, inclusive, a competência Lei nº 11.719/2008 e fixado o momento próprio para o
estadual para processar e julgar esse crime; exercício do interrogatório, não será possível nova realização
(D) após decisão homologatória do acordo de colaboração perante o Tribunal, caso haja recurso defensivo.
premiada, identificadas eventuais omissões dolosas sobre os
fatos pelo réu colaborador, deverão as partes, em Alegações
Finais, discorrer sobre a ausência de credibilidade do ato, não
sendo, no entanto, motivo de rescisão do acordo ou
interferência no quantum da pena;
(E) para apuração de fato criminoso, somente será lícita a
captação, por agentes policiais, de sinais oriundos de rádio
transmissores através de autorização judicial fundamentada,
devendo o requerimento indicar o local e a forma de
instalação do dispositivo eletrônico específico para a
captação.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 16
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

41 42
Crézio, mediante esbarrão na vítima, subtraiu seu celular. Logo “Chega um momento em que o litígio é resolvido definitivamente,
após a subtração, policiais militares que viram os fatos correram sem possibilidade de ser novamente proposto à consideração de
no encalço de Crézio e efetivaram a sua prisão em flagrante. qualquer juiz e a decisão se torna imutável. Desde então deve-se
Em sede de audiência de custódia, Crézio informou que praticou dizer que a coisa está julgada (res iudicata est)”. (TORNAGHI, Hélio.
o fato em virtude da necessidade imposta pela perda do Instituições de Processo Penal. Vol. I. Rio de Janeiro: Forense, 1959,
emprego, bem como para sustentar seu filho que possui 3 anos e p. 447).
é portador de deficiência. Um amigo de Crézio entregou ao(à) Em relação aos efeitos da coisa julgada penal, é correto afirmar que:
Defensor(a) Público(a) a certidão de nascimento do filho de (A) a decisão absolutória transitada em julgado impede nova
Crézio e uma declaração de que apenas este cuida do seu filho, já discussão processual sobre os mesmos fatos, havendo a
que a mãe da criança se encontra em local incerto. possibilidade, no entanto, de decretação de medidas
Na audiência de custódia, o julgador, após constatar a legalidade cautelares pessoais, contra a mesma pessoa, em relação aos
prisional, converteu a prisão em flagrante em preventiva, em mesmos fatos;
virtude dos antecedentes de Crézio, ainda que tecnicamente (B) ainda que o conteúdo decisório esteja adstrito aos fatos
primário. imputados, será possível, no processo penal brasileiro, haver
Considerando o caso narrado, é correto afirmar que: momento distinto para a coisa julgada correspondente à
(A) não será cabível a substituição da prisão preventiva pela mesma acusação;
domiciliar, já que se trata de medida cautelar excepcional, (C) objetivando o reconhecimento da atipicidade da conduta,
aplicada apenas nos casos de crimes sem violência ou grave que reflete efeitos extrapenais, será possível ajuizamento de
ameaça à pessoa; revisão criminal para rediscutir decisão que absolveu o
(B) para que haja substituição da prisão preventiva pela acusado por ausência de provas suficientes para a
domiciliar, será imprescindível a fiscalização através de condenação;
monitoração eletrônica; (D) em decorrência da extensão dos limites subjetivos da coisa
(C) a decisão proferida no Habeas Corpus coletivo nº 143.641/SP, julgada, caso haja absolvição por ausência de provas quanto à
julgado pelo Supremo Tribunal Federal, que dispõe sobre a responsabilidade do autor imediato, a decisão aproveitará o
prisão domiciliar para mulheres, é extensiva aos homens, autor mediato, ainda que o processo contra ele esteja
desde que cumpridos os requisitos da medida cautelar de suspenso;
prisão domiciliar e outras condicionantes; (E) na hipótese de concurso de pessoas, a decisão concessiva de
(D) é cabível a substituição da prisão preventiva pela domiciliar, habeas corpus impetrado por um dos réus, quando não
desde que o crime não tenha sido praticado com violência ou fundada em motivos de caráter exclusivamente pessoal,
grave ameaça à pessoa e o réu não possua antecedentes; impede o aproveitamento dos efeitos para o outro réu, já que
(E) como a prisão domiciliar não possui natureza cautelar de não se trata de decisão em sede de recurso.
privação de liberdade, não será aplicável a detração da pena,
caso haja decisão condenatória definitiva.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 17
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

43 44
Mel foi denunciada porque, em novembro de 2019, teria Sobre as alterações trazidas pela Lei nº 13.964/2019 (Pacote
praticado tentativa de furto de cinco máscaras em uma famosa Anticrime), é correto afirmar que:
loja de roupas, mediante fraude. O juízo da 49ª Vara Criminal, ao (A) seguindo o anseio legislativo de maior recrudescimento
aplicar o princípio da insignificância, a absolvera sumariamente, penal, o limite de cumprimento das penas privativas de
nos termos do Art. 397, III, CPP, mesmo reconhecendo sua liberdade poderá alcançar o patamar de quarenta anos,
reincidência. Após recurso da acusação, o Tribunal, por maioria, independentemente do momento da prática do delito;
manteve a absolvição por fundamento diverso. Entendeu que (B) ainda que surtam efeitos na execução da pena e, portanto,
naquela época já se iniciava a preocupação por conta da no sistema carcerário, o crime de roubo circunstanciado pelo
quarentena em alguns Municípios e, diante da ausência de emprego de arma de fogo (Art. 157, §2º-A, I, do Código Penal)
máscaras protetoras nas farmácias, houve estado de passou a ser considerado hediondo;
necessidade. Diante de Recurso Especial interposto pelo (C) o juiz não poderá receber a denúncia apenas com
Ministério Público, o Superior Tribunal de Justiça reformou a fundamento nas informações das declarações do réu que
decisão para condenar a acusada pela prática do crime previsto realizou a colaboração premiada, mas poderá decretar
no Art. 155, §4º, II, CP e, consequentemente, determinou a baixa medidas cautelares reais;
dos autos para que o juízo da 49ª Vara Criminal cominasse a pena
(D) a exclusão dos perfis genéticos dos bancos de dados ocorrerá
não superior a três anos de reclusão através de decisão
após dez anos do término do cumprimento da pena dos
fundamentada. Insatisfeita com a decisão, a defesa impetrou
crimes graves contra a pessoa;
habeas corpus perante o Supremo Tribunal Federal, uma vez que
(E) o cumprimento e/ou rescisão do acordo de não persecução
não foram apresentadas as contrarrazões do Recurso Especial.
penal é/são causa(s) interruptiva(s) da prescrição.
Considerando a situação em questão, é correto afirmar que:
(A) não cabe Recurso Especial perante o STJ sem que haja o
exaurimento da questão perante o Tribunal local. Deveria, 45
portanto, a acusação opor embargos infringentes contra a
decisão que confirmou a absolvição, já que prolatada por Carlos foi vítima de calúnia perpetrada por João, quando ambos
maioria; estavam comemorando o aniversário de Patrícia em uma casa de
(B) a decisão do STJ está correta, na medida em que a ausência festas em Nova Iguaçu. Quatro meses após os fatos, Carlos, que
das razões e contrarrazões de Recurso Especial gera mera mora em Niterói, registrou a ocorrência e apresentou queixa-
irregularidade, quando a defesa técnica é intimada para crime na Comarca de Volta Redonda, local onde reside João.
apresentá-las e não o faz; De acordo com as informações acima apresentadas, o juízo de
(C) o juízo da 49ª Vara Criminal poderá condenar Mel à pena de Volta Redonda deverá:
quatro anos, haja vista que o princípio da proibição da (A) rejeitar a queixa-crime, eis que a competência é exclusiva do
reformatio in pejus não se aplica à ação de habeas corpus, juízo da Comarca de Nova Iguaçu, local onde a infração
sendo exclusiva para efeitos de recursos; aconteceu;
(D) a decisão do STJ está equivocada, face à violação ao devido (B) rejeitar liminarmente a queixa-crime, eis que a natureza da
processo legal e contraditório, uma vez que não poderá ação penal referente ao delito praticado por João é pública
condenar a acusada sem que haja a produção das provas e o condicionada à representação;
exercício da defesa perante o juízo da 49ª Vara Criminal; (C) receber a queixa-crime, eis que, em se tratando de ação
(E) em decorrência da ausência de recurso defensivo, seria penal exclusivamente privada, a competência regula-se
cabível, perante o STJ, a inclusão da causa de aumento de exclusivamente pelo domicílio ou residência do réu;
pena pelo fato ter ocorrido durante o repouso noturno, na (D) rejeitar a queixa-crime, eis que, em se tratando de ação penal
medida em que apenas a acusação impugnou a decisão. privada, a competência é do juízo da Comarca do local onde a
infração ocorreu ou da Comarca onde o querelante reside;
(E) receber a queixa-crime, eis que, em se tratando de ação
penal exclusivamente privada, o querelante pode preferir
distribuir a ação penal no foro de domicílio ou residência do
réu, ainda quando conhecido o lugar da infração.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 18
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

46 48
No dia 15 de janeiro do corrente ano, Célia Regina foi presa em Jorge foi preso em flagrante e condenado à pena de 5 anos e
flagrante em seu domicílio. Na ocasião, policiais militares, em 6 meses de reclusão, por infração ao Art. 157, §2º, I e II, do CP
verificação na Rua do Trabalhador, após receberem informações (roubo circunstanciado pelo uso de arma de fogo e concurso de
de que haveria traficância de drogas ilícitas no local, perceberam agentes), iniciando o cumprimento da pena privativa de liberdade
que um homem estava parado e no aguardo de Célia Regina em em 10/04/2014. Durante o cumprimento da pena, foi punido por
frente à sua residência. Com a aproximação dos policiais, o falta disciplinar de natureza grave datada de 05/01/2015. Em
referido homem saiu do local, não sendo mais encontrado. Em 10/02/2016, após cumprir os requisitos legais, foi-lhe concedido
ato contínuo, adentraram a residência de Célia Regina e o livramento condicional, sendo posto em liberdade no dia
constataram a existência de dois quilos de Cannabis Sativa tipo L 13/02/2016, após participação na respectiva cerimônia. Jorge
(conhecida como maconha). cumpriu regularmente todas as condições do livramento
Por esse motivo, Célia Regina foi presa em flagrante delito e condicional estabelecidas até o término de sua pena. Em
indiciada pelo crime de tráfico de drogas ilícitas. 12/11/2019, foi declarada extinta a pena por integral
Observando os fatos narrados, é correto afirmar que: cumprimento. Em 01/03/2021, Jorge foi preso em flagrante e
condenado à pena de 6 anos e 8 meses de reclusão, por infração
(A) a presunção de que haja entorpecentes em residência
ao Art. 157, §2º-A, I, do CP (roubo circunstanciado pelo emprego
próxima ao local da venda de drogas autoriza a polícia
de arma de fogo).
ostensiva a adentrar o domicílio da suspeita, sem que haja
autorização judicial, para buscar e apreender materiais que Iniciada a execução da pena, é correto afirmar que Jorge é:
tenham relação com o fato; (A) reincidente e deverá cumprir 1/2 da pena para fins de
(B) caso os policiais adentrem a casa de qualquer pessoa, ainda livramento condicional;
que não tenha relação direta com o fato (venda de drogas) e (B) reincidente e deverá cumprir 2/3 da pena para fins de
encontre material proveniente de crime, a prova será livramento condicional;
considerada válida, haja vista tratar-se de crimes (C) reincidente específico, vedado o livramento condicional;
permanentes; (D) primário e deverá cumprir 1/3 da pena para fins de
(C) em havendo indicação da existência de venda de drogas, por livramento condicional;
meio de informações anônimas, será lícita a entrada na (E) primário e deverá cumprir 2/3 da pena para fins de
residência de todas as pessoas que estejam no local de venda livramento condicional.
de drogas;
(D) é ilícita a entrada no domicílio da indiciada sem mandado
judicial e os atos praticados serão considerados nulos quando
não estiver amparada em fundadas razões devidamente
justificadas, que indiquem a existência no interior da
residência de drogas configuradoras de flagrante delito;
(E) quando a abordagem é motivada por atitude suspeita, bem
como demonstração de nervosismo, entende a jurisprudência
dos Tribunais Superiores que é autorizada a entrada na casa
da indiciada, tornando a busca e apreensão lícita.

47
Caio, primário, foi preso e condenado à pena privativa de
liberdade de 5 anos e 4 meses, em regime semiaberto, por
infração ao Art. 157, §2º, II, do CP (roubo circunstanciado pelo
concurso de pessoas). Cumpriu 3 anos da pena quando sobreveio
nova condenação, por fato praticado anteriormente, por infração
ao Art. 157, §2º, II, do CP (roubo circunstanciado pelo concurso
de pessoas), à pena de 5 anos e 4 meses de reclusão, em regime
semiaberto.
Em atenção às regras previstas na Lei de Execução Penal, bem
como no Código Penal, que dispõem sobre a unificação das penas
e fixação do regime de cumprimento de pena (Art. 111 e
parágrafo único, da LEP e Art. 33, §2º, do CP, respectivamente),
o(a) Defensor(a) Público(a) deverá requerer a unificação das
penas e a fixação do regime:
(A) integralmente fechado de cumprimento de pena;
(B) fechado de cumprimento de pena;
(C) semiaberto de cumprimento de pena;
(D) aberto de cumprimento de pena;
(E) aberto de cumprimento de pena, sob a modalidade da prisão
albergue domiciliar.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 19
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

49 51
Paulo foi condenado por infração ao Art. 217-A, do CP, n/f Art. Marcos iniciou o cumprimento da pena privativa de liberdade em
71, do CP (estupro de vulnerável em continuidade delitiva) à pena 30/06/1992, com pena total de 84 anos e 2 meses de reclusão,
de 13 anos e 4 meses de reclusão e, após cumprir 2/3 da pena, em regime fechado, por infração a diversos delitos (homicídio
foi-lhe concedido o livramento condicional. Paulo estava qualificado por motivo fútil e com emprego de veneno, estupro e
cumprindo regularmente o período de prova do livramento cinco roubos circunstanciados pelo concurso de agentes), todos
condicional quando foi preso por cumprimento de mandado de cometidos no ano de 1992. Em 16/12/2004, foi flagrado portando
prisão referente à nova condenação transitada em julgado, por entorpecente dentro da unidade prisional, tendo sido condenado
fato cometido anteriormente à concessão do livramento à pena de 10 meses de detenção, em regime aberto, por infração
condicional, à pena de 5 anos e 4 meses de reclusão, por infração ao Art. 16, c/c Art. 18, IV, da Lei nº 6.368/1976 (porte de
ao Art. 157, §2º, II, do CP (roubo circunstanciado pelo concurso entorpecentes para uso próprio em estabelecimento prisional –
de pessoas). antiga Lei de drogas). Com o advento da Lei nº 11.343/2006, o
Considerando a situação apresentada, a nova condenação por juiz da execução penal excluiu a pena privativa de liberdade
fato praticado anteriormente à concessão do livramento referente ao porte de drogas para consumo próprio,
condicional (LC) é causa de: considerando a não previsão da referida pena pelo Art. 28, da
(A) revogação facultativa do LC, devendo o juiz unificar as penas nova Lei, aplicando ao apenado a pena de advertência sobre os
e determinar a manutenção do livramento condicional; efeitos da droga.
(B) revogação do LC e, em relação à condenação por estupro, Considerando a situação apresentada, é correto afirmar que o
após a unificação das penas e cumprimento dos requisitos, tempo máximo de cumprimento da pena é de:
não poderá ser o livramento condicional novamente (A) 30 anos, computados a partir de 30/06/1992, sendo os
concedido, computando-se como tempo de cumprimento de benefícios legais calculados sobre a pena máxima de 30 anos;
pena o período de prova; (B) 30 anos, computados a partir de 16/12/2004, desprezando-se
(C) revogação do LC e, em relação à condenação por estupro, o período de pena já cumprido, em razão de nova unificação
após a unificação das penas e cumprimento dos requisitos, por condenação por fato posterior ao início da execução,
não poderá ser o livramento condicional novamente sendo os benefícios legais calculados sobre a pena máxima de
concedido, não se computando como tempo de cumprimento 30 anos;
de pena o período de prova; (C) 30 anos, computados a partir de 30/06/1992, sendo os
(D) revogação do LC e, em relação à condenação por estupro, benefícios legais calculados sobre a pena de 84 anos e
após a unificação das penas e cumprimento dos requisitos, 2 meses;
poderá ser o livramento condicional novamente concedido, (D) 30 anos, computados a partir de 16/12/2004, desprezando-se
não se computando como tempo de cumprimento de pena o o período de pena já cumprido, em razão de nova unificação
período de prova; por condenação por fato posterior ao início da execução,
(E) revogação do LC e, em relação à condenação por estupro, sendo os benefícios legais calculados sobre a pena de 84 anos
após a unificação das penas e cumprimento dos requisitos, e 2 meses;
poderá ser o livramento condicional novamente concedido, (E) 40 anos, computados a partir de 16/12/2004, desprezando-se
computando-se como tempo de cumprimento de pena o o período de pena já cumprido, em razão de nova unificação
período de prova. por condenação por fato posterior ao início da execução,
sendo os benefícios legais calculados sobre a pena máxima de
40 anos.
50
Ana, primária, mãe solo de filhos gêmeos de 2 anos, foi presa em
flagrante em 21/06/2020, restando condenada à pena de 5 anos
de reclusão por infração ao Art. 33, caput, da Lei nº 11.343/2006
(tráfico de drogas) e à pena de 2 anos de reclusão por infração ao
Art. 333, do CP (corrupção ativa), tendo sido fixado o regime
semiaberto. Ana encontra-se cumprindo regularmente a pena
imposta, sem qualquer falta disciplinar praticada e com bom
comportamento carcerário.
Para fins de progressão de regime, Ana deverá cumprir:
(A) 40% da pena em relação à condenação pelo tráfico de drogas
e 16% da pena em relação à condenação pela corrupção
ativa;
(B) 40% da pena em relação à condenação pelo tráfico de drogas
e 1/8 da pena em relação à condenação pela corrupção ativa;
(C) 3/5 da pena em relação à condenação pelo tráfico de drogas
e 1/6 da pena em relação à condenação pela corrupção ativa;
(D) 1/8 da pena total imposta;
(E) 40% da pena total imposta.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 20
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

52 54
“As pulgas sonham com comprar um cão, e os ninguéns com “Predomina, segundo se conclui pelo conteúdo dos decretos
deixar a pobreza, que em algum dia mágico a sorte chova de presidenciais, a preocupação em se reduzir os prazos de
repente, que chova a boa sorte a cântaros; mas a boa sorte não encarceramento e o contingente carcerário e, além disso,
chove ontem, nem hoje, nem amanhã, nem nunca, nem uma proporcionar condições de reinserção social do condenado,
chuvinha cai do céu da boa sorte, por mais que os ninguéns a evitando lesão aos direitos fundamentais pela deterioração das
chamem e mesmo que a mão esquerda coce, ou se levantem com condições de encarceramento decorrente de superpopulação.”
o pé direito, ou comecem o ano mudando de vassoura.” (O livro (Ferreira, Ana Lúcia Tavares. Indulto e sistema penal: limites,
dos abraços, de Eduardo Galeano) finalidades e propostas. São Paulo. LiberArs, 2017)
Sobre a execução da pena de multa, considerando a legislação e Sobre indulto e comutação de pena, é correto afirmar que:
o entendimento atualizado das Cortes Superiores, é correto (A) cumpridos todos os requisitos do decreto presidencial, não
afirmar que: há possibilidade de ser indeferida a concessão do indulto ou
(A) o réu preso, cumprindo pena privativa de liberdade, poderá da comutação de pena ao apenado, considerando a natureza
impugnar o valor da pena de multa pela via do habeas corpus; declaratória da sentença que concede esses benefícios;
(B) na hipótese de condenação concomitante à pena privativa de (B) nos decretos mais recentes, verificou-se a vedação à
liberdade e multa, o inadimplemento da sanção pecuniária concessão da comutação de pena aos condenados por crime
obsta o reconhecimento da extinção de punibilidade; comum praticado em concurso com crime de natureza
(C) o prazo prescricional da pena de multa aplicada hedionda;
cumulativamente à pena privativa de liberdade é de 2 anos; (C) a concessão do indulto extingue os efeitos primários e
(D) a legitimidade prioritária para executar a pena de multa, secundários da condenação, não subsistindo a condenação
considerando ser dívida de valor, é da Fazenda Pública; extinta para efeitos de reconhecimento de reincidência
(E) ao apenado comprovadamente hipossuficiente é dada a futura;
possibilidade de requerer a isenção do pagamento da pena (D) o cometimento de falta disciplinar de natureza grave fora do
de multa. período previsto no decreto presidencial justifica o
indeferimento do indulto e da comutação de pena, por
ausência de requisito subjetivo;
53 (E) a prática de falta disciplinar de natureza grave interrompe a
Sobre a saída temporária de visita à família, prevista no Art. 122, contagem do prazo para fins de indulto e da comutação de
da Lei de Execução Penal, é correto afirmar que: pena.
(A) pode ser concedida por prazo não superior a sete dias, com a
possibilidade de ser renovada por mais quatro vezes ao ano;
(B) pode ser autorizada a presos que cumprem pena no regime
55
fechado e no regime semiaberto;
(C) o juiz não poderá impor a fiscalização por meio de “O recrudescimento cautelar do sistema de controle brasileiro
equipamento de monitoração eletrônica; refletiu os objetivos reais e ideais de um país racista que tinha como
(D) para a concessão, o apenado primário deverá cumprir pelo problema maior a questão negra, calcada em termos genocidas
menos 1/4 da pena, e o apenado reincidente, pelo menos 1/3 como condição de sobrevivência da sua falsa branquidade. Contexto
da pena; que impôs uma cisão em nosso Direito Penal: ao lado do Direito
(E) após a concessão, a prática de falta disciplinar de natureza Penal declarado para os cidadãos, alicerçado no Direito Penal do fato
média revoga automaticamente o benefício. construído às luzes do Classicismo, o Direito Penal paralelo para os
“subcidadãos”, legitimado no Direito Penal do autor consolidado pela
tradução marginal do paradigma racial-etiológico, que, por sua vez,
situa seu fundamento na periculosidade que exala dos corpos
negros, um sistema outrora identificado por Lola Aniyar de Castro
(2005, p. 96) como “subterrâneo” que aqui jamais se ocultou, sendo
operacionado sob os olhos de quem quiser enxergar.” (GÓES,
Luciano. Abolicionismo penal? Mas qual abolicionismo, “cara
pálida”?. Revista InSURgência. Brasília. Ano 3. v.3. n.2. 2017. Pg. 98).
Considerando a afirmativa acima, é possível compreender o
fenômeno do encarceramento em massa no Brasil, sob o ponto
de vista empírico e teórico, a partir da correlação entre:
(A) o racismo individualista e o minimalismo penal;
(B) o racismo estrutural e o direito penal do inimigo;
(C) o racismo institucional e o minimalismo penal;
(D) o racismo estrutural e o abolicionismo penal;
(E) o racismo individualista e o direito penal do inimigo.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 21
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

56 57
“Em março de 2021, foi tornado público o Relatório ‘Mulheres “(...) a (re)produção sócio-individual da necessidade de controle
nas audiências de custódia no Rio de Janeiro’, com os dados penal-psiquiátrico no Brasil pautou-se em três eixos básicos:
referentes ao ano de 2019 recolhidos e analisados pela criminalidade/anormalidade (a aproximação entre crime e
Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro”. doença entendida pelo viés da antropologia criminal
“De acordo com a pesquisa, considerando os 533 casos das desenvolvida e modificada ao longo dos anos), periculosidade
mulheres que, no momento da audiência de custódia, atendiam (associada diretamente ao ‘louco-criminoso’) e
aos critérios objetivos para prisão domiciliar, foi possível observar medo/insegurança (conceito intrínseco à doença mental e às
que 25% das mulheres, apesar de cumprir os requisitos legais, relações sociais modernas).” (CASTELO BRANCO, Thayara. O
permaneceram presas preventivamente. Verificou-se também Estado penal-psiquiátrico e a negação do ser humano
que, em decisões judiciais que aplicaram prisão preventiva para (presumidamente) perigoso. Revista de Criminologias e Políticas
mulheres que atendiam aos critérios objetivos para prisão Criminais | e-ISSN: 2526-0065 | Maranhão | v. 3 | n. 2 | p. 19–
domiciliar, aproximadamente 65,5% contêm alguma referência à 32| Jul/Dez 2017).
prisão domiciliar. Ou seja, essa questão foi de alguma forma Considerados os três pilares apresentados pela autora, é correto
introduzida no curso da audiência de custódia e, mesmo assim, afirmar que o modelo de controle penal-psiquiátrico no Brasil se
essas custodiadas continuaram presas.” identifica como uma expressão do(a):
Fonte: Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, Diretoria (A) direito penal do fato;
de Estudos e Pesquisas de Acesso à Justiça, Relatório “Mulheres (B) garantismo humanizador;
nas audiências de custódia no Rio de Janeiro”, (C) direito penal de tratamento;
2019. Disponível em: https://www.defensoria.rj.def.br/uploads/a (D) positivismo correicionalista;
rquivos/153960d0ac82483580bc117104cac177.pdf (E) antipsiquiatria.
Em linha com o pensamento criminológico feminista brasileiro
contemporâneo, é correto afirmar que o lastro epistemológico
para análise do processo de criminalização de mulheres parte: 58
(A) da constatação de que existem crimes próprios das mulheres, O reconhecimento de que a categoria “mulher” não é (e não
tais quais o infanticídio, o aborto, os envenenamentos, que pode ser) tomada como um sujeito universal na medida em que
ficaram sempre impunes, por serem ignorados ou abre espaço para assimetrias entre as próprias mulheres que se
desconhecidos, já que mais presentes na esfera doméstica (A. desdobram em silenciamento, colonização e assimilação de umas
Peixoto); pelas outras, levou à construção de diferentes perspectivas
(B) das reflexões teóricas segundo as quais as oportunidades, as criminológicas, dentre as quais é possível identificar:
habilidades e as redes sociais historicamente contribuíram (A) a criminologia queer e a criminologia feminista negra;
para o predomínio da criminalidade masculina, enquanto (B) a criminologia feminista negra e a criminologia crítica;
esses mesmos fatores limitaram as oportunidades das (C) a criminologia queer e a criminologia da libertação;
mulheres nesse campo (R. Simon); (D) a criminologia dos direitos humanos e a criminologia da
(C) da conclusão de que a criminalidade feminina é largamente libertação;
mascarada, pois não há interesse da polícia em investigar (E) a criminologia clínica e a criminologia feminista negra.
mulheres que praticam crimes, e, além disso, em grande
parte dos crimes, elas funcionam como cúmplices ou
receptadoras de bens, fazendo com que as mulheres fiquem 59
ocultas e não sejam punidas. (O. Pollak); “Essa violência [do sistema penal] e esse desprezo por outros
(D) da ideia de que a masculinização do comportamento de seres humanos seriam teorizados desde os anos 1970 por
mulheres em razão do paradigma de gênero do mundo aqueles que pretendiam acabar expressamente com o que
ocidental as libertou de seguirem o padrão atribuído ao denominavam domínio dos especialistas especialmente brandos
feminino e de agirem como homens e participarem cada vez com os delinquentes. Para eles era necessário abandonar as
mais de espaços até então tipicamente masculinos, dentre os grandes teorizações e voltar ao básico, ao que as pessoas comuns
quais está também a criminalidade (F. Adler); entendem por bem e mal.” (ANITUA, Gabriel Ignácio. Histórias
(E) da impossibilidade de uma etiologia criminal, pois cada caso dos Pensamentos Criminológicos. Rio de Janeiro: Editora Revan:
traz consigo as peculiaridades das histórias de vida e das Instituto Carioca de Criminologia, 2008. Pg. 779).
experiências das mulheres e, com estas, as razões que
Essa “criminologia da vida cotidiana” identifica-se com o
impulsionaram as práticas criminosas, que podem tanto ser
pensamento de defensores e defensoras:
relativas à subsistência da mulher e de sua família ou a
situações específicas de violências das mais diversas ordens. (A) do realismo criminológico das esquerdas;
(E. Pimentel). (B) de políticas de lei e ordem;
(C) de práticas restaurativas;
(D) do direito penal mínimo;
(E) do realismo marginal.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 22
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

60 Banca 3 - Direito Constitucional, Direito


Considerando os postulados da Criminologia Crítica, a partir do Administrativo, Direitos Humanos das
pensamento de Alessandro Baratta, é correto afirmar que:
(A) a Escola Clássica e a Escola Positiva partem do paradigma de Pessoas em Situação de Vulnerabilidade,
uma ciência penal integrada na qual está abarcada tanto a Direito da Criança e do Adolescente
ciência jurídica propriamente dita, quanto a concepção geral
do ser humano em sociedade, o que conflui para o que se
chama de ideologia da defesa social; TEXTO 1
(B) a teoria das técnicas de neutralização encontra-se em posição Em 16 de fevereiro de 2018, o então Presidente da República
diametralmente oposta à teoria das subculturas criminais na Michel Temer decretou intervenção federal no Rio de Janeiro.
medida em que a primeira explica o crime a partir de suas Durante a intervenção, Militares do Exército exigiam RG e
causas e a segunda, a partir de seus efeitos; tiravam fotos individuais de moradores de diferentes favelas,
(C) a mudança promovida no sentido de considerar o direito supostamente enviadas por um aplicativo para um setor de
penal como um sistema estático de normas, e não dinâmico inteligência, que avaliava eventual existência de anotação
de funções, permitiu desmascarar o direito penal como um criminal. A ampla cobertura da imprensa foi impedida ao exigir-se
sistema que supostamente protege a todas e todos de que a equipe de jornalistas ficasse a uma distância de 300 metros
maneira igual; do local das abordagens. Em uma dessas ações, um morador da
(D) teria por missão a construção de uma teoria ideológica do Vila Kennedy foi obrigado a voltar para casa quando tentava se
desvio, dos comportamentos socialmente negativos e da dirigir para o seu emprego como pedreiro, tendo perdido o dia de
criminalização, e a elaboração das linhas de uma política trabalho em razão disso. Por ter saído para o serviço sem os
criminal alternativa, de uma política das classes subalternas documentos, levando consigo apenas a marmita, os soldados o
no setor do desvio; fotografaram com e sem boné e o mandaram de volta para casa.
(E) acerca das teorias do conflito, dentro de uma visão pluralista
e mecanicista da concorrência entre grupos, o autor as toma
61
como explicativas da criminalização primária (fase de O morador da comunidade que saía de casa para trabalhar e que
formação da lei) e da criminalização secundária (fase de perdeu o dia de serviço por ter sido obrigado a retornar para casa
aplicação da lei). pela ausência de documentos (texto 1) procurou a associação de
moradores para saber qual medida judicial poderia ser tomada.
A medida judicial mais adequada a ser movida pela associação,
para garantir prontamente a liberdade atacada pelo ato dos
militares, é:
(A) mandado de segurança coletivo;
(B) ação civil pública;
(C) habeas corpus coletivo;
(D) ação popular;
(E) habeas corpus preventivo.

62
Para os profissionais de imprensa que foram obrigados a ficar a
uma distância mínima de 300 metros dos locais de abordagem
dos moradores (texto 1), a ação constitucional mais adequada
para garantir a liberdade atacada pelo ato é:
(A) mandado de segurança;
(B) mandado de injunção;
(C) habeas corpus;
(D) habeas data;
(E) ação popular.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 23
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

63 65
O Decreto interventivo nº 9.288, de 16/02/2018, trazia as O Movimento de Mães e Familiares de Vítimas do Estado procura
seguintes informações: a Defensoria Pública para ingressar como amicus curiae na ADPF
“Art. 1º Fica decretada intervenção federal no Estado do Rio de 635 (texto 2). O Relator da ação nega o pedido dizendo que o
Janeiro até 31 de dezembro de 2018. grupo não possui personalidade jurídica.
§ 1º A intervenção de que trata o caput se limita à área de Com relação à existência de medida cabível para viabilizar a
segurança pública, conforme o disposto no Capítulo III do Título V participação do Movimento de Mães e Familiares de Vítimas do
da Constituição da República de 1988 e no Título V da Estado na ação, conclui-se que:
Constituição do Estado do Rio de Janeiro. (A) diante da negativa de ingresso como amicus curiae, pode ser
§ 2º O objetivo da intervenção é pôr termo a grave suscitado o ingresso na ação na condição de custos
comprometimento da ordem pública no Estado do Rio de Janeiro. vulnerabilis;
Art. 2º Fica nomeado para o cargo de Interventor o General de (B) não pode ser tomada nenhuma medida porque a
Exército Walter Souza Braga Netto. personalidade jurídica é condição sine qua non para ser
admitido como amicus curiae;
Parágrafo único. O cargo de Interventor é de natureza militar.
(C) não pode ser tomada nenhuma medida porque falta
Art. 3º As atribuições do Interventor são aquelas previstas no Art. atribuição à Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro
145 da Constituição do Estado do Rio de Janeiro necessárias às para figurar como representante de amicus curiae no
ações de segurança pública, previstas no Título V da Constituição Supremo Tribunal Federal;
do Estado do Rio de Janeiro. [...]
(D) diante da negativa, pode a Defensoria Pública do Estado do
Art. 4º Poderão ser requisitados, durante o período da Rio de Janeiro requerer, em nome próprio, a sua admissão
intervenção, os bens, serviços e servidores afetos às áreas da como amicus curiae para defesa dos interesses do
Secretaria de Estado de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, Movimento de Mães e Familiares de Vítimas do Estado;
da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de (E) diante da negativa, deverá apresentar petição requerendo a
Janeiro e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de reconsideração da decisão que negou a admissão como
Janeiro, para emprego nas ações de segurança pública amicus curiae, para garantia do acesso à justiça, que exige a
determinadas pelo Interventor.” ampla participação das familiares em todas as etapas da
O parágrafo primeiro do Art. 36 da Constituição da República de investigação ou ação penal, notadamente em casos de
1988 disciplina os requisitos constitucionais do decreto privação arbitrária do direito à vida que impliquem agentes
interventivo. estatais.
Diante do trecho acima descrito, NÃO consta do Decreto nº
9.288, de 16/02/2018, o seguinte requisito constitucional:
(A) prazo;
(B) condições de execução;
(C) amplitude;
(D) nomeação do interventor;
(E) motivação.

TEXTO 2
No âmbito da ADPF 635 se questionam a política de segurança
pública do governo do Estado do Rio de Janeiro, os índices
injustificáveis de letalidade promovida pelas intervenções
policiais nas favelas e o uso desproporcional da força por parte
dos agentes de segurança contra a população negra e pobre.

64
Diante de dados que comprovam que os efeitos de determinadas
políticas públicas violam desproporcionalmente os direitos
fundamentais de grupos vulneráveis identificáveis, é correto
afirmar que tais políticas podem ser questionadas com
fundamento no(a):
(A) princípio da moralidade administrativa;
(B) princípio da igualdade formal;
(C) teoria da discriminação indireta;
(D) princípio da legalidade;
(E) princípio da impessoalidade.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 24
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

66 67
Após várias tentativas de diálogo com o Estado brasileiro para Sobre a Representação de Inconstitucionalidade da Lei nº
assegurar assistência à população quilombola no enfrentamento 5.165/2015 do Município de Volta Redonda, que veda a
da pandemia de COVID-19, a Coordenação Nacional de implantação da “ideologia de gênero” nos estabelecimentos de
Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas ensino municipais, é correto afirmar que:
(CONAQ) constatou que não houve a elaboração e a (A) a representação de inconstitucionalidade de leis ou de atos
implementação de um “Plano Nacional de Combate aos Efeitos normativos estaduais ou municipais, em face da Constituição
da Pandemia de COVID-19 nas Comunidades Quilombolas”, Estadual, pode ser proposta somente pelo Governador do
garantindo acesso às medidas de proteção recomendadas pela Estado, pela Mesa, por Comissão Permanente ou pelos
Organização Mundial de Saúde (OMS) às comunidades membros da Assembleia Legislativa;
quilombolas, tais como itens de higiene, álcool em gel, (B) as leis que disponham sobre criação, estruturação e
equipamentos de segurança individual, acesso à água potável e atribuições das Secretarias do Município e dos órgãos do
segurança alimentar. A omissão em assegurar essas medidas Poder Executivo são de iniciativa concorrente entre Prefeito e
acaba por inviabilizar o isolamento social para a população Câmara de Vereadores;
quilombola. (C) a Lei Municipal nº 5.165/2015 de Volta Redonda, ao vedar a
Em relação à omissão indicada pela CONAQ, considera-se que: discussão dos conceitos de gênero e sexualidade no âmbito
(A) cabe mandado de injunção, à medida que a falta de norma da escola, possibilita o enfrentamento da violência contra as
regulamentadora vem tornando inviável o exercício dos mulheres, contra pessoas homossexuais e outros grupos
direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas estigmatizados socialmente, no campo da injustiça cultural ou
inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania; simbólica;
(B) cabe a propositura de Arguição de Descumprimento de (D) o Tribunal de Justiça decidiu que a vedação à divulgação e ao
Preceito Fundamental, pois a violação a direitos estudo da “ideologia de gênero” não oferece qualquer
fundamentais só pode ser suscitada no controle concentrado censura e ofensa à liberdade de aprender, ensinar, pesquisar
por esta via; e divulgar o pensamento e o saber, o que se mostra
(C) cabe Ação Direta de Inconstitucionalidade para sanar todas as inadmissível no âmbito plural e isonômico do Estado
violações que por ação ou omissão do poder público se Democrático de Direito;
concretizem contra a máxima efetividade da Constituição da (E) o Tribunal de Justiça decidiu que, na formulação da política
República de 1988; educacional, devem ser respeitadas as diversidades de
(D) cabe Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão para valores, crenças e comportamentos existentes na sociedade,
tornar efetiva norma constitucional em razão de omissão de razão pela qual a proibição pura e simples de determinado
qualquer dos Poderes; conteúdo pode comprometer a missão institucional da escola
(E) cabe a propositura de Arguição de Descumprimento de de se constituir como espaço de formação da pessoa
Preceito Fundamental, por se tratar de impugnação de humana.
comportamento concreto da Administração Pública.

68
Sobre a Repercussão Geral, é correto afirmar que:
(A) é um requisito de admissibilidade do Recurso Extraordinário
criado pela jurisprudência dos Tribunais Superiores para
impedir o prosseguimento dos recursos sem relevância
constitucional;
(B) a relevância constitucional do tema e sua aptidão para
repercutir em sujeitos além do processo são elementos da
Repercussão Geral;
(C) o recorrente sempre deverá demonstrar os requisitos de
relevância e transcendência através de uma preliminar
formal, garantindo à parte a oportunidade de retificação;
(D) a negativa de Repercussão Geral pelo STF no recurso piloto
não necessariamente afetará os recursos superiores que
versem sobre a mesma matéria;
(E) decidida a Repercussão Geral, o STF deverá julgar o mérito,
fixando a tese jurídica e determinando o seu alcance
territorial.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 25
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

69 70
Considerando as disposições sobre a assistência social na Denise procura a Defensoria Pública alegando que ocupa, desde
ordem constitucional brasileira e a Lei nº 8.742/1993, é julho de 2011, um pequeno terreno abandonado situado na zona
2
correto afirmar que: urbana de Itaguaí. Ali ergueu uma casa de 200m , que lhe serve
(A) os Estados devem efetuar o pagamento dos auxílios de moradia. Seu sustento é proveniente da venda de sanduíches,
natalidade e funeral, além de prestar os serviços produzidos num imóvel que aluga no centro daquela cidade.
socioassistenciais cujos custos ou ausência de demanda Contou que recebeu notificação do Estado do Rio de Janeiro para
justifiquem uma rede regional e desconcentrada; que desocupasse o local em trinta dias, pois o imóvel era de sua
(B) lei federal que aumentar o universo de beneficiários do propriedade, como constava da certidão de ônus reais obtida.
benefício de prestação continuada (BPC), sem indicar a Desesperada, sem ter outro lugar para morar, ela solicita
correspondente fonte de custeio, é inconstitucional e, assistência jurídica.
portanto, inválida e nula de pleno direito; Sobre a situação em questão e o regime jurídico dos bens
(C) o STF proclamou a inconstitucionalidade da limitação do públicos, é correto afirmar que:
pagamento do benefício de prestação continuada às famílias (A) considerando que o direito à moradia goza de assento
com renda per capita inferior a 1/4 do salário mínimo, constitucional, e que Denise desconhecia a origem pública do
assinalando prazo ao Congresso Nacional para corrigir a bem, o qual não está afetado à consecução de nenhuma
omissão; finalidade pública, é cabível o ajuizamento de ação de
(D) ainda que sem previsão na legislação municipal, os usucapião;
Municípios devem arcar com o pagamento de aluguel social (B) considerando a boa-fé de Denise, muito embora não seja
aos jovens de 18 a 21 anos, desligados dos serviços de cabível usucapir o imóvel, pois de titularidade do Estado do
acolhimento para adolescentes, caso não tenham instalada Rio de Janeiro, é possível que ela permaneça na coisa até que
no território uma república para jovens; o Estado-membro indenize a acessão que ela construiu no
(E) a regra constitucional que assegura o pagamento de terreno;
benefício mensal no valor de um salário mínimo (Art. 203, V, (C) o(a) Defensor(a) Público(a) deverá oficiar às Secretarias de
da CRFB/1988) não é autoaplicável, havendo ampla Assistência Social e Habitação do Município para inscrição de
discricionariedade legislativa na sua regulamentação. Desse Denise em programas de moradia e, até que seja
modo, é constitucional a norma legal que afasta do cálculo da contemplada com uma casa, deve passar a receber o aluguel
renda per capita familiar o valor de outro BPC pago a idoso, social, pois a pretensão jurídica de Denise em permanecer no
mas não de benefício previdenciário com igual valor. local é inviável, afinal a jurisprudência sumulada do STJ é no
sentido de que a ocupação indevida de bem público configura
mera detenção, de natureza precária, insuscetível de
retenção ou indenização por acessões e benfeitorias;
(D) deve ser ajuizada ação possessória em favor de Denise, pois
ela preenche os requisitos para o reconhecimento da
concessão especial de uso para fins de moradia, previsto na
MP nº 2.220/2001, sendo certo que a notificação
empreendida configura ameaça ao citado direito;
(E) tendo em conta que a notificação não indicou os motivos
pelos quais o ente público precisava reaver o bem, o direito à
moradia constitucionalmente consagrado, e a atribuição dos
Estados em promover a melhoria das condições
habitacionais, deve o(a) Defensor(a) Público(a) oficiar ao
Estado do Rio de Janeiro para que este celebre com Denise
contrato de concessão de direito real de uso.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 26
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

71 72
Nos últimos meses, os meios de comunicação divulgaram Em agosto de 2020, após conseguirem um empréstimo, Seu João
amplamente que a versão preliminar do relatório da PEC e Dona Maria conseguiram realizar o sonho da casa própria.
(Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial previa a Adquiriram um imóvel no Município Y e lavraram a escritura de
extinção dos valores mínimos a serem aplicados em saúde e compra e venda no cartório desse Município. No ato, os
educação pela União, Estados e Municípios. proprietários do terreno, vendedores, foram representados por
Sobre o financiamento da saúde e a jurisprudência aplicável procuração pública outorgada no mesmo cartório. Meses depois,
sobre o tema, é correto afirmar que: após a realização de benfeitorias no imóvel, Seu João e Dona
(A) os planos de saúde são a base das atividades e programações Maria foram surpreendidos com a propositura de uma ação
de cada nível de direção do SUS, e seu financiamento será anulatória ajuizada pelos proprietários do imóvel, alegando que a
previsto na respectiva proposta orçamentária. É vedada a compra e venda era nula, pois a procuração pública era falsa. Os
transferência de recursos para o financiamento de ações não fatos também foram objeto de registro de ocorrência na
previstas nos planos de saúde, exceto em situações Delegacia de Polícia local, desdobrando-se em um processo
emergenciais ou de calamidade pública, na área da saúde; criminal. Em janeiro de 2021, o juízo da Comarca do Município Y
(B) os recursos destinados ao custeio de ações e serviços anulou a compra e venda, em razão da comprovação de fraude
públicos de saúde transferidos pela União aos Estados, ao grosseira na procuração pública lavrada no cartório daquele
Distrito Federal e aos Municípios, e pelos Estados a seus Município. Inconformados com a perda do imóvel e de todos os
respectivos Municípios, são considerados transferência gastos ali realizados, Seu João e Dona Maria procuraram a
obrigatória. Por isso, é vedado o condicionamento dessas Defensoria Pública da Comarca do Município Y, solicitando
transferências à instituição e ao funcionamento do Fundo e assistência jurídica.
do Conselho de Saúde no âmbito do ente da Federação e à À luz do caso concreto e da jurisprudência do Supremo Tribunal
elaboração do Plano de Saúde; Federal sobre a responsabilidade civil do Estado, é correto
(C) não atenta contra a Constituição da República de 1988, a afirmar que:
emenda à Constituição que, objetivando adequar o texto (A) os tabeliães e registradores exercem função pública,
constitucional às variações ocorridas nos campos político, mediante aprovação em concurso público e se enquadram no
econômico e social, retire os pisos mínimos de custeio das conceito de agente público. Portanto, o Estado responde
ações e serviços públicos de saúde, uma vez que permanece direta e subjetivamente pelos danos que seus tabeliães,
hígida a previsão constitucional (artigos 5º, 6º e 196) do notários e registradores causarem a terceiros, com base na
dever do Estado de proteção ao direito fundamental à saúde teoria da culpa do serviço (faute du service);
e à vida; (B) os tabeliães e registradores atuam na condição de
(D) a União aplicará, anualmente, em ações e serviços públicos delegatários do Estado e se equiparam às pessoas jurídicas de
de saúde no mínimo 15% da receita corrente líquida do direito privado prestadoras de serviço público. Nesse passo, e
respectivo recurso financeiro. Os Estados e os Municípios, por com base na teoria do risco administrativo, respondem
sua vez, aplicarão, anualmente, em ações e serviços públicos direta, pessoal e objetivamente pelos danos causados a
de saúde, 12% e 25%, respectivamente, da receita vinculada terceiros na prestação do serviço delegado. A
prevista na Constituição da República de 1988, deduzidas, no responsabilidade civil do Estado é subsidiária;
primeiro caso, as parcelas que forem transferidas aos (C) como os danos incorridos por João e Maria resultaram de
Municípios. O repasse dos recursos correspondentes ao piso fraude praticada por terceiros, há exclusão do nexo causal e,
mínimo de custeio das ações e serviços públicos de saúde portanto, da responsabilidade civil objetiva do Estado;
será feito diretamente ao Fundo de Saúde do respectivo ente (D) como os tabeliães e registradores se enquadram no conceito
da Federação e, no caso da União, também às demais de agente público, o Estado responde direta e objetivamente
unidades orçamentárias do Ministério da Saúde; pelos danos que eles causem a terceiros no exercício de suas
(E) com esteio no modelo de determinação social do processo funções (teoria do risco administrativo). Como a Constituição
saúde-doença e para fins de apuração da aplicação dos da República de 1988 almeja ampliar o acesso à justiça e a
recursos mínimos em saúde, considerar-se-ão como despesas proteção da vítima, João e Maria podem optar por acionar
com ações e serviços públicos de saúde aquelas (i) destinadas diretamente o Estado ou diretamente os tabeliães e
às ações e serviços públicos de acesso universal, igualitário e registradores em litisconsórcio passivo com o Estado;
gratuito; (ii) que estejam em conformidade com objetivos e (E) os tabeliães e registradores atuam na condição de
metas explicitados nos Planos de Saúde de cada ente da particulares em colaboração com o Poder Público e se
Federação; e (iii) que sejam de responsabilidade do setor de amoldam à categoria ampla de agente público. Logo, a teor
saúde, incluindo as despesas relacionadas a outras políticas da teoria do risco administrativo, o Estado responde direta e
públicas que atuam sobre determinantes sociais e objetivamente pelos atos dos tabeliães e registradores, com o
econômicas incidentes sobre as condições de saúde da dever de regresso obrigatório contra o responsável no caso
população. de dolo ou culpa.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 27
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

73 74
Após constatar ilegalidades envolvendo a concessão pelo Estado João, acometido de doença grave, necessita fazer uso contínuo
do Rio de Janeiro do benefício da gratuidade no transporte dos medicamentos X e Y sob risco de agravamento do seu quadro
intermunicipal (ônibus intermunicipal, barcas, metrô e trem) de saúde e óbito. Sem condições de arcar com a compra dos
concedido há cerca de quatro anos aos estudantes do ensino referidos medicamentos, João procura o Núcleo de Primeiro
fundamental e médio das redes municipal e federal no Atendimento da Defensoria Pública de Italva, município de sua
deslocamento casa-escola-casa, o Estado do Rio de Janeiro residência, munido de prescrição médica que atestava a
decidiu, em 04/05/2017, quinta-feira, interromper a concessão imprescindibilidade do uso contínuo de tais medicamentos em
do benefício a partir da segunda-feira, 08/05/2017. O(A) face da gravidade do seu quadro de saúde. Assistido pela
Defensor(a) Público(a) do Núcleo Especializado e Tutela Coletiva Defensoria Pública, João ingressou com ação judicial na Justiça
de Fazenda Pública da Defensoria Pública do Estado do Rio de Estadual, postulando a condenação do Município de Italva e do
Janeiro é procurado(a), na sexta-feira, 05/05/2017, por um Estado do Rio de Janeiro ao fornecimento dos medicamentos X e
coletivo de alunos que se viram impedidos de exercer o seu Y, indispensáveis à manutenção de sua saúde e própria vida. O
direito fundamental à educação. pedido liminar foi acolhido em 2017, e em 2020 foi prolatada
À luz do caso concreto e da teoria do ato administrativo, é sentença confirmando a decisão que antecipou os efeitos da
correto afirmar que o Estado do Rio de Janeiro: tutela. Inconformado, o Estado do Rio de Janeiro recorreu
(A) poderia ter interrompido a concessão do benefício, uma vez alegando ilegitimidade passiva no tocante ao medicamento X,
que não decorreu o prazo decadencial para a Administração pois que ele integra a Relação Municipal de Medicamentos de
Pública Estadual anular os seus atos, houve tempo hábil para Italva, e a improcedência do pedido em relação ao medicamento
o exercício prévio da ampla defesa e do contraditório e os Y, pois que ele não é incorporado ao SUS, e João não comprovou
alunos podiam ainda exercer o contraditório diferido. no bojo da instrução processual a ineficácia da alternativa
Ademais, a teor dos princípios da legalidade, da autotutela terapêutica existente na Relação Estadual de Medicamentos.
administrativa e da supremacia do interesse público, À luz da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e do
consideradas, ainda, as graves consequências econômicas Superior Tribunal de Justiça sobre o tema, é correto afirmar que o
que adviriam da manutenção do benefício, era dever do apelo do Estado:
Estado restaurar o status de legalidade; (A) não pode ser provido em relação ao pleito de fornecimento
(B) não poderia, em atenção aos princípios constitucionais do do medicamento Y, porque o autor apresentou prescrição
devido processo legal, segurança jurídica e proteção à médica comprovando a necessidade do seu uso contínuo
confiança, ter cassado o benefício de forma abrupta, pois que para a manutenção de sua saúde e própria vida e, no caso, tal
ele é fruído há anos pelos alunos e, como o transporte documentação era suficiente;
viabilizava o acesso ao direito fundamental à educação, a (B) deve ser provido, em parte, apenas no tocante ao pedido de
cassação do benefício importaria em odioso retrocesso no fornecimento do medicamento X, pois que o Supremo
âmbito da implementação de relevante política pública social; Tribunal Federal consolidou o entendimento de que compete
(C) poderia ter anulado o benefício de tal forma, desde que o ato à autoridade judiciária direcionar o cumprimento da
fosse devidamente motivado, com a indicação expressa de obrigação conforme as regras de repartição de competências
suas consequências jurídicas e administrativas e, ainda, as administrativas no SUS;
condições para que a regularização ocorresse de modo (C) não pode ser provido em relação ao pleito de fornecimento
proporcional e equânime, sem prejuízo aos interesses gerais; do medicamento X, porque a responsabilidade nas demandas
(D) não poderia ter anulado o benefício pois que, em função das prestacionais na área da saúde é solidária. Mas o
peculiaridades do caso, relacionado com a garantia do direito cumprimento da sentença, segundo o novo posicionamento
fundamental à educação, a interrupção do benefício imporia do Supremo Tribunal Federal, deve ser direcionado ao
aos alunos ônus ou perdas excessivos; Município de Italva, não podendo o Estado arcar com tal ônus
(E) não poderia ter anulado o benefício porque a sua interrupção financeiro;
inviabiliza o acesso ao direito fundamental à educação. (D) deve ser provido, pois que, de fato, em relação ao
Ademais, compete aos Municípios (e não ao Estado) atuar medicamento Y, era necessária a comprovação da ineficácia
prioritariamente no ensino fundamental. da alternativa terapêutica existente na Relação Estadual de
Medicamentos para o tratamento da moléstia e, com relação
ao medicamento X, o Supremo Tribunal Federal consolidou o
entendimento vinculante de que, nas demandas
prestacionais na área da saúde, o juiz deve observar as regras
de repartição de competências administrativas no SUS;
(E) deve ser provido, em parte, apenas no tocante ao pedido de
fornecimento do medicamento Y, pois o Superior Tribunal de
Justiça consolidou o entendimento de que a concessão
judicial de medicamentos não incorporados ao SUS exige a
comprovação, pelo autor, por meio de laudo fundamentado e
circunstanciado expedido por médico que assiste o paciente,
da imprescindibilidade ou necessidade do medicamento,
assim como da ineficácia, para o tratamento da moléstia, dos
fármacos fornecidos pelo SUS.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 28
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

75 76
Valéria, agente comunitária de saúde do Município de Angra dos “Em 30/01/2020, a Organização Mundial de Saúde (OMS)
Reis, foi contratada após sucesso em processo seletivo realizado declarou que o surto de COVID-19 constitui uma emergência de
em abril de 2009. Em maio de 2018, o Município informou-a ter saúde de importância internacional – o mais alto nível de alerta
recebido comunicação do Tribunal de Contas do Estado da Organização. Em 11/03/2020, a OMS anunciou que uma nova
recusando o registro de sua admissão, em razão de um vício doença com alto poder de contágio e de grande velocidade de
relacionado à autoridade competente, determinando então o seu transmissão havia se espalhado pelo mundo. E criou, para todos
desligamento. Até então, Valéria vinha exercendo com primor nós, um novo vocabulário. Nós, hoje em dia, já sabemos o que é
suas atividades e nunca fora notificada a respeito do processo de COVID-19, pandemia, isolamento horizontal e vertical,
registro de sua nomeação. Valéria observou que, no final de achatamento da curva, imunidade de rebanho etc. Há um novo
2009, chegou à Corte de Contas a notícia, encaminhada pelo vocabulário com palavras que, até ontem, ou nós não
Município, de sua admissão e início do exercício de suas funções. conhecíamos, ou nunca tínhamos usado, e agora se tornaram
O julgamento recusando o registro ocorrera em 2015. correntes na nossa vida” (trecho do voto do Min. Luís Roberto
À luz do caso concreto e da jurisprudência do Supremo Tribunal Barroso no julgamento da ADI 6421 pelo Supremo Tribunal
Federal sobre o tema, é correto afirmar que: Federal).
(A) motivada a ilegalidade em vício de incompetência, poderá Ao longo do ano de 2020, várias questões relacionadas ao
haver a convalidação do ato de admissão, já que dela não enfrentamento da pandemia chegaram, em sede de Jurisdição
decorrerá prejuízo a terceiros ou ao erário público; Constitucional, ao conhecimento do Supremo Tribunal Federal,
(B) como a eficácia do ato de admissão de Valéria estava sujeita à gerando inúmeras decisões sobre o tema.
condição resolutiva da análise de sua legalidade e registro À luz dessa jurisprudência, que delineou a correta interpretação e
pelo Tribunal de Contas do Estado, no exercício legítimo do aplicação do regime jurídico relativo ao enfrentamento da
controle externo, é cabível a devolução dos valores recebidos pandemia, é correto afirmar que:
até o momento, por Valéria, a título de remuneração; (A) o SUS é a materialização do que no Direito Alemão se chama
(C) Valéria deve permanecer no exercício de sua função pública federalismo cooperativo. Por isso, compete ao Estado
pois, no caso, decorreu o prazo decadencial de cinco anos verificar e determinar se em certo Município é necessário ou
entre o ato administrativo que a admitiu na função pública de não interditar bares e restaurantes locais em virtude da
agente comunitária de saúde e o posterior julgamento de sua proliferação do vírus;
legalidade e registro pelo Tribunal de Contas do Estado; (B) as regras de repartição de competências administrativas e
(D) compete aos Tribunais de Contas dos Estados auxiliar o Poder legislativas deverão ser respeitadas na interpretação e
Legislativo no controle externo da Administração Pública, o aplicação da Lei nº 13.979/2020. Tal condomínio legislativo
que inclui a apreciação da legalidade dos atos de admissão de deve ser interpretado à luz do princípio da preponderância
pessoal, excetuadas as nomeações para cargos de dos interesses. Por isso, um Estado YY que esteja em fase de
provimento em comissão e para cargos da administração Risco Máximo para COVID-19, com elevado índice de casos,
pública municipal, em observância ao princípio federativo; óbitos e taxa de internação hospitalar de COVID-19 em seu
(E) como, in casu, o controle do Tribunal de Contas do Estado território, não poderá determinar medidas mais restritivas de
ocorreu sobre a legalidade do ato inicial de admissão de contenção da mobilidade social sem prévia pactuação dos
agente público, hipótese em que o registro no órgão de Municípios na Comissão Intergestores Bipartite (CIB);
controle integra a formação de ato administrativo complexo e (C) a fiel observância ao princípio da separação de poderes e da
não configura processo administrativo com a presença de forma federal de organização do Estado, assim como às
litigantes, não havia, a rigor, necessidade de prévia intimação diretrizes constitucionais da descentralização e
de Valéria para se manifestar acerca da ilegalidade de sua hierarquização do Sistema Único de Saúde, é essencial na
admissão à função pública de agente comunitária de saúde. interpretação da Lei nº 13.979/2020. Nesse passo, um
Município XX que apresente em seu território Risco Alto para
COVID-19, com elevado índice de casos, óbitos e taxa de
internação hospitalar de COVID-19, não necessita de
autorização do Estado do qual faz parte para adotar medidas
mais rígidas de contenção da mobilidade social, ainda que
integre Região de Saúde que, segundo o Plano Estadual de
Retomada, esteja em situação de Risco Moderado;

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 29
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

(D) a Lei nº 13.979/2020 configura norma geral em matéria de 77


proteção e defesa da saúde (Art. 24, §1º, CRFB/1988). E é
Maria Joana é uma mulher de 44 anos, nascida no Paraguai, que
ínsito ao regime das competências concorrentes que a União
vive na Cidade de Duque de Caxias há quatro anos, com seu
Federal, ao editar normas gerais, limite o espaço de atuação
companheiro Edivaldo. Dessa união nasceram dois filhos: Maria
dos demais entes federativos, o que é condizente com o
papel da União de coordenar o sistema nacional de saúde de Angel e Edivaldo Junior. Maria Joana trabalhava como vendedora
de “chipás” e outros produtos da culinária Paraguaia na Estação
vigilância sanitária e epidemiológica (Art. 16, III, c) e d), da Lei
de Trem de Saracuruna, onde era conhecida como “A Paraguaia”.
nº 8.080/1990). Nessa ordem de ideias, previsto pela União
Dali, tirava o sustento de sua casa, já que Edivaldo, depois de
Federal que o serviço X é essencial e, portanto, não poderá
perder o emprego como segurança, nunca mais conseguiu outro.
ser impactado pelas medidas de enfrentamento à pandemia
O relacionamento entre os dois já estava muito deteriorado,
da COVID-19, o Município YY não poderá dispor ao contrário
especialmente depois que Maria Joana tornou-se a única
no exercício da competência legislativa suplementar para
provedora do lar. Ela acostumou-se com uma rotina que a fazia
atender interesse local. É absolutamente inviável que cada
acordar às 4h para preparar a comida da barraca e seguir depois
Estado ou Município defina o que são serviços essenciais e,
portanto, conforme sua conveniência e oportunidade, até a estação de trem, onde vendia as suas coisas até umas 10h.
Terminado o alvoroço do embarque no trem, ela voltava para o
interfira gravemente no abastecimento nacional, no
seu lar a fim de “ajeitar” o almoço e a casa. Assim que as crianças
fornecimento de medicamentos e na circulação necessária de
saíam para a escola, ela retornava para a barraca, de onde só
pessoas e bens;
sairia às 20h. Sábados e domingos Maria Joana estava livre, mas,
(E) a Constituição da República de 1988 confere ênfase à
de uns anos pra cá, eram os seus dias de pesadelo. Tudo porque
autonomia local ao mencionar os Municípios como
Edivaldo pegava o dinheiro que ela conseguia juntar, ia até o bar
integrantes do sistema federativo (Art. 1º, da CRFB/1988) e
e só voltava à noite. Bêbado, agredia ela e os filhos. Esse fato
ao fixá-la junto com a autonomia dos Estados e do Distrito
piorou com a pandemia, especialmente porque ela deixou de ter
Federal (Art. 18, da CRFB/1988). A essência da autonomia
o dinheiro “do bar”. Bruna, estagiária da Defensoria Pública, é
contém primordialmente (i) autoadministração, que implica
vizinha de Maria Joana e acompanha todo o seu drama de longe.
capacidade decisória quanto aos interesses locais, sem
Um dia, Bruna, cansada de ouvir os gritos de Edivaldo, vai até a
delegação ou aprovação hierárquica; e (ii) autogoverno, que
porta da casa e ameaça chamar a polícia. Maria Joana sai de casa
preceitua que os entes possuem diploma constitutivo e
e pede desesperadamente que não chame, dizendo que “tudo
competências legislativas próprias. Em alguns casos, como o
isso vai se ajeitar”. Sem entender nada, Bruna obedece. Mas, no
das regiões metropolitanas, há interesses comuns entre
dia seguinte, sem a presença de Edivaldo, questiona Maria Joana.
Municípios do agrupamento urbano que podem configurar
E ela responde que, se a polícia vier, será presa e perderá a
um interesse regional. Nessa lógica, pode o Poder Público
guarda de seus filhos, pois está em condição irregular no Brasil.
estadual estabelecer medidas mais rígidas de contenção da
Bruna leva o caso até o(a) Defensor(a) Público(a) da Comarca de
mobilidade social para uma determinada Região de Saúde
Duque de Caxias.
que apresente risco elevado de casos, óbitos e taxa de
internação hospitalar, ainda que algum Município integrante Nesse contexto, analise as afirmativas a seguir.
da referida Região de Saúde esteja em situação de Risco I. Segundo o direito internacional dos direitos humanos, é dever
Moderado para COVID-19. dos Estados assegurar em todas as suas jurisdições o acesso
igualitário dos imigrantes e suas famílias nas mesmas condições
de proteção e amparo que gozam os nacionais, em particular, o
acesso ao serviço social, à saúde, à educação, à justiça, ao
trabalho e emprego e à seguridade social. Considera-se imigrante
para tal fim toda pessoa que, devido a temor de perseguição de
qualquer tipo, se encontra fora do país de sua nacionalidade e
não pode retornar.
II. O(A) Defensor(a) Público(a) poderá, independentemente da
situação migratória, entrar com pedido de medida protetiva,
inclusive para afastar Edivaldo do lar, com base na Lei Maria da
Penha.
III. O(A) Defensor(a) Público(a) deverá encaminhar Maria Joana
para a Defensoria Pública da União e, uma vez que tenha a
situação regularizada, entrar com o pedido de medida protetiva.
Está correto o que se afirma em:
(A) somente I;
(B) somente II;
(C) somente I e II;
(D) somente II e III;
(E) I, II e III.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 30
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

78 80
Segundo a jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Sobre violência obstétrica, analise as afirmativas a seguir.
Humanos, reforçada no “Caso Ximenes Lopes vs. Brasil”, são I. São condutas praticadas por qualquer profissional de saúde,
fundamentos da responsabilidade internacional do Estado: que, de forma verbal, física ou psicológica afetem a mulher
(A) as ações atribuíveis aos órgãos ou funcionários do Estado; durante a gestação, o parto, o pré-parto, o período do puerpério
(B) somente as ações dos particulares, desde que atribuíveis às ou ainda em situação de abortamento.
omissões do Estado; II. Segundo o Ministério da Saúde, em pronunciamento oficial, o
(C) as ações dos particulares que violem qualquer direito termo “violência obstétrica” tem conotação inadequada, não
consagrado na Convenção Americana de Direitos Humanos; agrega valor e prejudica a busca do cuidado humanizado
no continuum gestação-parto-puerpério, pois acredita-se que,
(D) as ações de qualquer pessoa ou órgão estatal que esteja
tanto o profissional de saúde quanto os de outras áreas, não têm
autorizado pela legislação do Estado a exercer autoridade
a intencionalidade de prejudicar ou causar dano.
governamental, seja pessoa física ou jurídica, sempre e
III. O caráter psicológico da violência obstétrica se expressa em
quando estiver atuando na referida competência;
qualquer ação verbal ou comportamental que causa na mulher
(E) tanto as ações ou omissões atribuíveis aos órgãos ou
sentimento de inferioridade, de vulnerabilidade, de abandono, de
funcionários do Estado, como a omissão do Estado em
instabilidade e de coação.
prevenir que terceiros vulnerem os bens jurídicos que
Está correto o que se afirma em:
protegem os direitos humanos consagrados na Convenção
(A) somente II;
Americana de Direitos Humanos.
(B) somente III;
(C) somente I e II;
79 (D) somente II e III;
O(A) Defensor(a) Público(a) da Comarca XX recebeu assistente (E) I, II e III.
social que atua com pessoas em situação de rua, a qual informou,
em condição anônima, que tem recebido muitos pedidos de
documentação e ouvido diversos relatos de operações feitas pela
81
Guarda Municipal, expulsando as pessoas que dormem na Praça Sobre o “Caso Favela Nova Brasília”, é correto afirmar que:
Central, pela madrugada, com violência. Contou que eles (A) os representantes reclamaram que, se a investigação dos
chegam, jogam água fria para acordar as pessoas e queimam seus fatos tivesse sido registrada como “auto de resistência”, teria
pertences. Ela disse que, com a pandemia, o número de pessoas sido diligente e efetiva;
em situação de rua aumentou consideravelmente. Elas ficam (B) para a Corte Interamericana de Direitos Humanos, o dever de
perambulando pelo centro da cidade e há muita reclamação dos investigar é uma obrigação de resultado que corresponde ao
lojistas. Relatou também que as operações começaram há mais direito das vítimas à justiça e à punição dos perpetradores;
ou menos três meses, e que há relatos de desaparecimento de (C) para a Corte Interamericana de Direitos Humanos, o
jovens, crianças e bebês. Tendo em vista essas informações, ela cumprimento da obrigação de empreender uma investigação
pede que a Defensoria Pública tome providências. séria, imparcial e efetiva do ocorrido, no âmbito das garantias
De acordo com o que foi narrado, a estratégia mais adequada a do devido processo, implica também um exame do prazo da
ser adotada pela Defensoria Pública é: referida investigação e independe da participação dos
(A) encaminhar a informante para o Ministério Público, vez que familiares da vítima durante essa primeira fase;
não há atuação possível pela Defensoria Pública; (D) a Comissão Interamericana de Direitos Humanos ressaltou
(B) realizar visita “in loco” para ouvir os relatos das pessoas em que as investigações policiais foram realizadas pelas mesmas
situação de rua e colher provas; delegacias da Polícia Civil que haviam realizado as operações,
(C) requisitar a Delegacia de Polícia, a instauração de uma o que gerou a falta de independência das autoridades
investigação séria, independente e imparcial sobre o encarregadas pelas investigações, violando os artigos 7.1 e
desaparecimento dos jovens e eventuais sequestros de 25.1, em relação ao artigo 1.1 da Convenção Americana de
crianças e bebês; Direitos Humanos;
(D) oficiar a Guarda Municipal, a fim de que pare com esse tipo (E) a Corte Interamericana de Direitos Humanos considera
de abordagem, esclarecendo que, além de ferir direitos e essencial, em uma investigação penal sobre morte
garantias individuais da pessoa em situação de rua, viola os decorrente de intervenção policial, a garantia de que o órgão
princípios da Política Nacional para a População em Situação investigador seja independente dos funcionários envolvidos
de Rua previstos no Decreto nº 7.053/2009; no incidente. Essa independência implica a ausência de
(E) oficiar a Prefeitura Municipal, para que tome ciência de que relação institucional ou hierárquica, bem como sua
está descumprindo as normas do Decreto nº 7.053/2009, em independência na prática.
especial do Art. 5º, I (respeito à dignidade da pessoa
humana), II (direito à convivência familiar e comunitária) e IV
(atendimento humanizado e universalizado).

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 31
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

82 84
O Rio de Janeiro tem assistido ao incremento da violência e da Sobre a organização e o funcionamento dos Conselhos de
intensidade de ataques a terreiros/casas religiosas de matrizes Direitos da Criança e do Adolescente, e considerando a
africanas. Além da violência física e psicológica contra os jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e do Superior
religiosos, as casas têm sido invadidas, incendiadas, os artefatos Tribunal de Justiça, é correto afirmar que:
sagrados quebrados e, em alguns casos, os membros são (A) integram o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da
expulsos de suas casas e impedidos de retornar. Quando muito, Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro representantes do
as vítimas conseguem registrar as violências como violação de Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública,
domicílio, constrangimento ilegal, dano e furto. Ordem dos Advogados do Brasil, órgãos públicos
Para garantir maior proteção junto ao sistema interno e encarregados da execução da política de atendimento à
internacional de direitos humanos: infância e à juventude, assim como, em igual número,
(A) não pode ser mobilizada a Convenção 169 da OIT que se representantes de organizações populares de defesa dos
destina à proteção de povos indígenas e tribais; direitos da criança e do adolescente;
(B) não pode ser mobilizada a Convenção 169 da OIT, uma vez (B) considerando que compete ao chefe do Poder Executivo
que o entendimento acerca de povos tribais no Brasil se organizar o funcionamento da Administração Pública, não
refere a comunidades quilombolas, ribeirinhas, de viola a Constituição da República de 1988 norma que institui
pescadores e marisqueiras; processo seletivo, conduzido pela Secretaria/Ministério a cujo
(C) só pode ser aplicada a Convenção 169 da OIT para os casos Conselho é vinculado, para a escolha dos representantes da
envolvendo terreiros que se localizem em comunidades sociedade civil;
quilombolas; (C) levando em conta a situação de crise financeira por que passa
(D) só pode ser aplicada a Convenção 169 da OIT para os casos o Estado do Rio de Janeiro, é constitucional lei estadual que
envolvendo terreiros cujas lideranças religiosas sejam de dispõe sobre a incorporação, ao Tesouro Geral do Estado, do
descendência africana, conforme mobilização do conceito de saldo positivo do fundo dos direitos da criança e do
Comunidades Tradicionais de Matrizes Africanas; adolescente, uma vez findo o exercício financeiro;
(E) pode ser mobilizada a Convenção 169 da OIT, pois os (D) a Administração Pública não está vinculada às deliberações
terreiros possuem formas próprias de organização social, dos Conselhos de Direito, uma vez que poderá,
ocupando e usando territórios e recursos naturais como discricionariamente e à vista dos recursos disponíveis, decidir
condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, por não implementá-las;
ancestral e econômica. (E) embora devam possuir composição paritária, não é ilegal
norma que estabelece voto de qualidade ao Presidente do
Conselho de Direitos da Criança e do Adolescente.
83
No caso Simone André Diniz, uma empregada doméstica teve
recusada a sua candidatura ao emprego por ser negra. O caso
levado à justiça brasileira foi arquivado. Ao analisar o tema, a
Comissão Interamericana de Direitos Humanos entendeu que:
(A) o caso não configura violação de direitos humanos, na
medida em que sua apuração seguiu o que preceitua a
legislação brasileira. Houve instauração de inquérito policial,
e o arquivamento se deu pela autoridade judiciária
competente com base em parecer do Ministério Público, após
terem sido ouvidos os depoimentos das pessoas envolvidas;
(B) o fato de não ter sido aberta ação penal para apuração de
denúncia de discriminação racial viola o direito à não
discriminação e ao acesso à justiça;
(C) o Estado brasileiro assumiu oficialmente a existência do
racismo e não pode ser condenado com base em um caso
isolado, pois isso macularia uma série de iniciativas que vêm
sendo tomadas para superação do racismo, como a Lei nº
7.716/1989, a Lei nº 10.639/2003, o Estatuto da Igualdade
Racial, a criação de Secretarias de Promoção da Igualdade
Racial em todos os níveis da federação, etc.;
(D) toda vítima de violação de direitos humanos deve ter
assegurada uma investigação diligente e imparcial. A
vulnerabilidade das vítimas exige que o caso seja
apurado/processado a partir da presunção relativa de
ocorrência da violação;
(E) o reconhecimento da dimensão do problema racial no Brasil
não admite violação de normas processuais, como a que
impede recurso da sentença que determina o arquivamento
do inquérito policial.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 32
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

85 86
Populares localizaram um bebê dentro de uma caixa de papelão, Conforme dados da UNICEF (https://www.unicef.org/brazil/homi
no centro da cidade de Duque de Caxias, em 05/02/2021. cidios-de-criancas-e-adolescentes): “Nas últimas décadas, o Brasil
Acionado o Conselho Tutelar da área, o órgão, certificando-se do alcançou avanços importantes na redução da mortalidade
bom estado de saúde da criança, providenciou o seu acolhimento infantil. Essas conquistas permitiram que o País salvasse 827 mil
institucional. Considerando a escassez de profissionais da equipe crianças entre 1996 e 2017. No entanto, muitas dessas crianças
técnica que poderiam elaborar um estudo psicossocial, a Vara de não chegaram à idade adulta. No mesmo período (1996 a 2017),
Infância e Juventude, com base em portaria expedida, determina 191 mil crianças e adolescentes de 10 a 19 anos foram vítimas de
que o Conselho Tutelar proceda ao referido estudo. homicídio no Brasil. Ou seja: as vidas salvas na primeira infância
A respeito da situação acima, e também da atuação, atribuição, foram perdidas na segunda década por causa da violência
organização e funcionamento dos Conselhos Tutelares, é correto (DATASUS)”.
afirmar que: Sobre o sistema de garantia de direitos da criança e do
(A) se até o prazo máximo para a primeira reavaliação da medida adolescente vítima ou testemunha de violência, tendo em conta
de acolhimento nenhuma pessoa da família procurar o bebê, as decisões do Supremo Tribunal Federal, é correto afirmar que:
este será cadastrado para adoção; (A) lei estadual de iniciativa parlamentar que determina o
(B) o Conselho Tutelar deveria ter encaminhado a criança a uma encaminhamento, à Defensoria Pública e ao Conselho
família acolhedora, considerando que o acolhimento familiar Estadual de Direitos da Criança e do Adolescente, de registros
é preferencial ao institucional; de ocorrência envolvendo crianças vítimas de violência, desde
(C) o Conselho Tutelar não poderia ter realizado o acolhimento que observado o necessário sigilo de dados, não ofende a
do bebê, pois a medida importa o afastamento da criança do Constituição da República de 1988;
convívio familiar e, portanto, de competência exclusiva da (B) o depoimento especial é o procedimento realizado com o
autoridade judiciária; objetivo de assegurar o acompanhamento da vítima ou da
(D) constatada uma irregularidade na entidade de acolhimento testemunha de violência, para a superação das
que recebeu o bebê, o Conselho Tutelar deverá comunicar o consequências da violação sofrida, limitado ao estritamente
fato ao Ministério Público, pois não tem legitimidade para necessário ao cumprimento da finalidade de proteção social e
iniciar procedimento judicial destinado a corrigi-la; provimento de cuidados;
(E) considerando que as atribuições dos Conselhos Tutelares são (C) considerando o especial valor probatório atribuído à palavra
aquelas previstas exaustivamente na Lei nº 8.069/1990, não da criança vítima nos crimes contra a dignidade sexual, uma
podendo ser criadas novas por atos de quaisquer outras vez comprovada a autoria, a partir de seu depoimento
autoridades do Poder Judiciário, Legislativo local ou estadual, especial, não há necessidade de a polícia judiciária
deve o Conselho Tutelar devolver os autos sem apresentação empreender outros esforços investigativos;
do estudo. (D) a colheita do depoimento especial, por limitar os direitos de
defesa, é facultativa, de modo que, havendo acordo entre
acusação e defesa, a criança vítima será inquirida pelos
métodos tradicionalmente previstos no CPP;
(E) nos processos penais em que a única prova acusatória é o
testemunho da criança vítima, esta deverá prestar as
declarações, não podendo se recusar a falar sobre a violência
sofrida.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 33
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

87 88
“Há dias neste 2021 em que Simone Souza Bernardes, de 49 “’Nada por nós sem nós’ é um mantra provavelmente criado por
anos, deixa de comer para alimentar os filhos pequenos. Tem movimentos e grupos sul-africanos pela implementação de
quinze. Mora com nove. Já estava enquadrada na linha de direitos das pessoas com deficiência. Desde a sua criação, tem
extrema pobreza antes da pandemia. Mas vive agora o medo sido utilizado mundialmente para se referir à ideia de que
maior: o de que um de seus filhos ou ela própria morra de fome. pessoas com deficiência devem estar a frente de qualquer
Quando come, é uma vez por dia.” decisão a respeito das políticas públicas que afetem as suas
(https://oglobo.globo.com/economia/sem-auxilio-emergencial- vidas.”
nova-pobreza-aqui-pandemia-que-gente-vive-a-da-fome-1- Franits, L. E. (2005). The Issue is – Nothing about us without us:
24891545) Searching for the narrative of disability. American Journal of
Tendo por base o Comentário Geral nº 12 do Comitê sobre Occupational Therapy.
Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, sobre o direito humano à Tendo em conta o Comentário Geral nº 4 do Comitê sobre
alimentação adequada; bem como o atendimento da Direitos das Pessoas com Deficiência e a Educação Especial, é
alimentação escolar, é correto afirmar que: correto afirmar que:
(A) dentre os três tipos de obrigações dos Estados Partes na (A) considera-se inclusivo o sistema educacional que coloca
garantia do direito humano à alimentação adequada, a pessoas com deficiência nas instituições educacionais já
obrigação de “proteger” significa o compromisso de o Estado existentes;
envolver-se proativamente em atividades destinadas a (B) a manutenção de dois sistemas de ensino, um regular e outro
fortalecer o acesso de pessoas a recursos e meios, e a sua segregado ou especial, não é mais compatível com o bloco de
utilização, de forma a garantir o seu modo de vida, inclusive a constitucionalidade, razão pela qual a expressão
sua segurança alimentar e a utilização desses recursos e “preferencialmente na rede regular”, contida nas Leis nº
meios por estas pessoas; 8.069/1990 e nº 9.394/1996, está em trânsito para a
(B) considerando que o direito à alimentação adequada é de inconstitucionalidade;
caráter progressivo, podem os Estados e Municípios, em vista (C) o dever de promover adaptações razoáveis, dentre eles a
dos recursos orçamentários disponíveis, limitar o contratação de profissional de apoio escolar ao estudante da
fornecimento da alimentação escolar apenas aos alunos da educação especial, por envolver custos econômicos, pode
educação básica com maior vulnerabilidade, tais como os gerar a cobrança de valor adicional do aluno, tendo em conta
inseridos no CadÚnico; o princípio da livre iniciativa que regula o funcionamento dos
(C) apesar de os programas suplementares de alimentação estabelecimentos privados de ensino;
escolar terem por objetivo contribuir para a aprendizagem e (D) os Estados devem eliminar as barreiras e promover a
o rendimento escolar, as despesas daí advindas não são acessibilidade e a disponibilidade de oportunidades inclusivas
consideradas como de manutenção e desenvolvimento do para que os estudantes realizem atividades lúdicas e
ensino; desportivas, no âmbito do sistema escolar. Entretanto, essa
(D) se o Estado brasileiro demonstrar concretamente a limitação obrigação não é extensível às atividades extraescolares que
de recursos, restará afastada a sua responsabilidade se realizam em outros entornos educativos;
internacional por não assegurar a disponibilidade e a (E) o direito à educação inclusiva possui quatro características
acessibilidade aos alimentos necessários à proteção contra a essenciais e inter-relacionadas, que são: disponibilidade,
fome; acessibilidade, aceitabilidade e adaptabilidade. Esta última
(E) o direito à alimentação adequada é considerado satisfeito está relacionada à obrigação de todas as instalações, bens e
quando um pacote mínimo de calorias, proteínas e outros serviços relacionados com a educação se estruturarem e
nutrientes específicos é fornecido à pessoa. utilizarem formas que tenham plenamente em conta as
necessidades, as culturas, as opiniões e as linguagens das
pessoas com deficiência.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 34
DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FGV Conhecimento

89 90
Tendo em conta a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e Ao longo do ano de 2016, a Coordenadoria de Saúde e Tutela
a Resolução CONANDA nº 119/2006, sobre o sistema Coletiva (COSAU) e a Coordenadoria de Defesa dos Direitos da
socioeducativo brasileiro, é correto afirmar que: Criança e do Adolescente (CDEDICA) da Defensoria Pública do
(A) considerando que os agentes socioeducativos exercem Estado do Rio de Janeiro vistoriaram todas as unidades de
função semelhante à dos agentes penitenciários, lei estadual internação de adolescentes do Estado do Rio de Janeiro e
pode lhes atribuir o direito de portar armas, desde que fora verificaram a existência de inúmeras irregularidades que
dos limites das unidades; colocavam em risco a saúde das pessoas ali privadas de
(B) tendo em conta a autonomia federativa e o poder de auto- liberdade.
organização, podem as Constituições dos Estados-membros Sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde de
incluir, dentre os órgãos da segurança pública, aqueles Adolescentes em Conflito com a Lei (PNAISARI) e o Sistema
gestores do sistema socioeducativo; Nacional de Atendimento Socioeducativo, é correto afirmar que:
(C) os centros socioeducativos de semiliberdade não precisam (A) o Plano Operativo é um importante instrumento de
contar com espaço para a profissionalização ou salas de aula, planejamento da PNAISARI que tem por objetivo estabelecer
considerando que é da essência da citada medida a utilização diretrizes para a implantação e a implementação de ações de
de recursos existentes na comunidade; saúde nos três níveis de complexidade, descrevendo as
(D) para assegurar que os centros socioeducativos não atribuições e compromissos entre as esferas municipal e
permaneçam superlotados, o STF admitiu a substituição das estadual de saúde e da gestão do sistema socioeducativo
“internações provisórias” por “semiliberdade provisória” nos estadual na provisão dos cuidados em saúde dos
casos em que o ato praticado não for dotado de violência ou adolescentes. Em regra, ele é elaborado pelos Municípios e
grave ameaça à pessoa; deve integrar o Plano de Atendimento Socioeducativo;
(E) para manter a ordem e a disciplina, e assim assegurar a (B) identificado que um adolescente em cumprimento de medida
integridade física dos adolescentes, as unidades de privação socioeducativa em regime fechado apresenta indícios de
de liberdade não devem ter suas arquiteturas concebidas transtorno mental ou sofrimento psíquico, o juiz poderá
como espaços que permitam a visão de um processo excepcionalmente suspender a execução da medida, de
indicativo de liberdade. modo que o adolescente possa receber integral atenção à sua
saúde em unidade de internação hospitalar do Sistema Único
de Saúde (SUS);
(C) ao adolescente em conflito com a lei, em cumprimento de
medida socioeducativa em meio fechado, será garantida a
atenção integral à saúde no SUS, devendo o Poder Público
estruturar as unidades de internação para atendimento das
necessidades de atenção básica, de média e de alta
complexidade;
(D) com exceção das medidas específicas de atenção à saúde
mental, que são prestadas e integram o projeto terapêutico
individual elaborado pelas equipes de saúde da Rede de
Atenção Psicossocial, todas as demais condições clínicas e de
saúde dos adolescentes devem ser registradas no Plano
Individual de Atendimento (PIA);
(E) por ocasião da reavaliação da medida socioeducativa, é
recomendável a apresentação pela direção do programa de
atendimento de relatório da equipe técnica sobre a evolução
do adolescente no cumprimento do plano individual.

CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  Tipo 1 – Cor BRANCA – Página 35
Realização
DESDE 25 DE NOVEMBRO DE 2019

Edição N.º 111 / 2021 Publicação: Terça-Feira, 22 de Junho de 2021

Id: 202100959 - Protocolo: 0603923

Referência: Processo nº E-20/11067/2002 - Interessado(a): FABIO DE SOUZA SCHWARTZ, matrícula: 8607715

Diante do requerido, ACOLHO o pedido de CANCELAMENTO de férias nos períodos de 08.09.2021 a 17.09.2021, 03.11.2021 a 12.011.2021
e 07.12.2021 a 16.12.2021, e excluo o Requerente da tabela de afastamentos no mencionado, podendo gozá-las oportunamente.

Id: 202100959 - Protocolo: 0603887

Referência: Processo nº E-20/10884/1995 - Interessado(a): LUCIO MACHADO CAMPINHO, matrícula: 8179137

Considerando a titularidade do Interessado, bem como a ausência de dificuldades na elaboração do mapa de movimentação, além da ausência de
prejuízo para o serviço público, notadamente em razão da indicação e concordância expressa de quem acumulará o órgão, DEFIRO o gozo de
férias antigas nos períodos dde 08.09.2021 a 17.09.2021 e 06.12.2021 a 17.12.2021.

Id: 202100959 - Protocolo: 0603866

Referência: Processo nº E-20/10760/2012 - Interessado(a): JULIA CHAVES DE FIGUEIREDO, matrícula: 9695800

Considerando que a Requerente se encontra exercendo função administrativa, não havendo prejuízo para o serviço público, nem para a
elaboração do mapa de movimentação, DEFIRO o gozo de férias pelo período compreendido entre 26.07.2021 a 30.07.2021.

Id: 202100963 - Protocolo: 0603981

Subcoordenação de Concurso - SUBCON


Aviso Geral

| De 21.06.2021

Referência: Processo nº E-20/001.004406/2021

COORDENAÇÃO DO XXVII CONCURSO PARA INGRESSO NA CLASSE INICIAL DA CARREIRA DA DEFENSORIA PÚBLICA
DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

A COORDENAÇÃO DO XXVII CONCURSO, no uso de suas atribuições legais, considerando o que dispõe o §1º do Art. 51 da Deliberação
140 de 16 de novembro de 2020, torna público o gabarito preliminar da prova preliminar objetiva realizada no dia 20 de junho de 2021.

Classe Inicial da Carreira da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro – Tipo 1

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

A B D A E C E B B D C A D B B C D D A E

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40

A C A D B E D C B E C D A B C B C E E B

41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

C B D B E D C E E D C B A A B E C A B A

61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80

C A B C E E E B D D A E D A A C B E B E

8
DESDE 25 DE NOVEMBRO DE 2019

Edição N.º 111 / 2021 Publicação: Terça-Feira, 22 de Junho de 2021

81 82 83 84 85 86 87 88 89 90

E E B E E A C B C A

Classe Inicial da Carreira da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro – Tipo 2

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

A A E C E D B D B B A C B B D C D D E A

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40

A D C B A E E D B C B E C A C B D C B B

41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

B C E D D E C A A D C B E E B A A E B C

61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80

E C A B C E E B D D D A A E C A B E E E

81 82 83 84 85 86 87 88 89 90

B E B B E C C A E A

Classe Inicial da Carreira da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro – Tipo 3

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

A E A B E C D B B D B B C A D D C D A A

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40

E D B A C B D E C E B D B C E C A C C E

41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

D D B B B E D C E A E C A B A B C B E A

61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80

C A B C E E E B D D A C E D A A B B E E

9
DESDE 25 DE NOVEMBRO DE 2019

Edição N.º 111 / 2021 Publicação: Terça-Feira, 22 de Junho de 2021

81 82 83 84 85 86 87 88 89 90

E E B E B E C A C A

Classe Inicial da Carreira da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro – Tipo 4

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

A D B E A E C B B D B B A D C D C D E A

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40

A B A D C E C D E B B B E D C A C C B E

41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

D B C E B D E A E A B D C C B A E B C A

61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80

E C A B C E E B D D E A A D A C E E B E

81 82 83 84 85 86 87 88 89 90

B E B C E C E A B A

Id: 202100966 - Protocolo: 0603956

10
1
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

1º Simulado Especial
1º Simulado TJ-RO Cartórios
Nome:
___________________________________________________________________________________
2
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

INFORMAÇÕES SOBRE O SIMULADO EXCLUSIVO


1 – Este simulado conta com questões focadas no concurso para Defensor Público do Estado do Rio de Janeiro;
2 – A prova contém 100 questões que abordam conhecimentos cobrados no edital do concurso;
3 – As questões são inéditas e foram elaboradas pelos nossos professores com base no perfil da banca organizadora, com
questões A, B, C, D.
4 – Este PDF foi enviado por e-mail, disponibilizado na área do aluno e em um artigo publicado no blog do Estratégia
Concursos;
5 – Os participantes têm das 8:30 às 13:00 para responder às questões e preencher o Gabarito Eletrônico;
6 – O link para preencher o formulário com seu gabarito está localizado na última página deste PDF;
7 – O Gabarito do Simulado e o Ranking Classificatório com nota serão divulgados no blog do Estratégia Concursos.
8 – Esse simulado é uma auto avaliação! Você mesmo (a) vai corrigir, a partir do padrão de respostas disponível na área do aluno.

PREENCHA SEU GABARITO NO LINK - http://bit.ly/Simulado-DPERJ-08-11-20


3
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

DIREITO CIVIL
Paulo Sousa d) o requerimento por um Delegado dos documentos
01. De acordo com o Código Civil, não é de um cidadão em uma abordagem aleatória para
considerada parte interessada para requerer a fins de intimidação;
sucessão provisória: e) a publicação de matéria jornalística que, de alguma
a) o cônjuge não separado judicialmente; forma, ainda que noticiando fatos, macule a imagem
de um político.
b) os herdeiros presumidos, legítimos ou
testamentários;

c) os que tiverem sobre os bens do ausente direito 04. Em relação ao condomínio edilício e às
dependente de sua morte; obrigações relativas aos condôminos, é correto
afirmar que:
d) os credores de obrigações vencidas e não pagas;
a) o imóvel gerador dos débitos condominiais
e) o Ministério Público. pode ser objeto de penhora em cumprimento de
sentença, ainda que somente o ex-companheiro
tenha figurado no polo passivo da ação de
conhecimento;
02. Em relação à posse, é correto afirmar que:
b) é direito do condômino contribuir para as
a) o locatário tem a posse direta do imóvel e o locador
despesas do condomínio na proporção das suas
a indireta;
frações ideais;
b) o possuidor de boa-fé não responde pela perda da
c) apesar das limitações legais às alterações
coisa, ainda que tenha dado causa ao fato;
estéticas da edificação, é permitido que o
c) o possuidor direto não poderá defender a sua posse condômino altere a forma da fachada, não sendo
contra o indireto, quando o último for o proprietário; permitido que altere a sua cor;

d) o empregado que realiza as entregas no carro da d) as despesas relativas a partes comuns de uso
empresa e o guarda diariamente em sua garagem, exclusivo de um condômino devem ser incluídas
ainda que por ordem do empregador, terá direito a no cálculo da taxa condominial, já que é custo
usucapir o referido bem; distribuído entre todos;

e) o possuidor de má-fé tem direito aos frutos e) o prazo prescricional para cobrar taxas
percebidos durante a posse. condominiais é de dez anos, pois não há previsão
específica no Código Civil.

03. Constitui ato ilícito:


05. A anulabilidade não tem efeito antes de julgada
a) a compra de um refrigerante em um supermercado por sentença, nem se pronuncia de ofício; só os
realizada por uma criança de 12 anos; interessados a podem alegar, e aproveita
exclusivamente aos que a alegarem, salvo o caso
b) a reação da vítima a um assalto resultando em um
de solidariedade ou indivisibilidade. Quanto a
dano ao veículo do assaltante;
isso, é correto afirmar que:
c) a lesão a um agressor para defender uma outra
pessoa que está sendo agredida por ele;
4
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

a) no caso de coação, é de dois anos o prazo de 07. Há solidariedade, quando na mesma obrigação
decadência para pleitear-se a anulação do concorre mais de um credor, ou mais de um
negócio jurídico, contando-se do dia em que ela devedor, cada um com direito, ou obrigado, à
iniciar; dívida toda. Em relação a referido instituto, é
correto afirmar que:
b) no caso de coação, é de quatro anos o prazo de
decadência para pleitear-se a anulação do a) a depender do contexto fático do negócio
negócio jurídico, contando-se do dia em que ela jurídico firmado, é possível presumir a
iniciar; solidariedade entre as partes de um dos polos;

c) no caso de coação, é de dois anos o prazo de b) na obrigação solidária, as partes estarão


decadência para pleitear-se a anulação do sujeitas às mesmas condições sempre, a exemplo
negócio jurídico, contando-se do dia em que ela do local de pagamento;
cessar;
c) enquanto alguns dos credores solidários não
d) no caso de coação, é de quatro anos o prazo de demandarem o devedor comum, a qualquer
decadência para pleitear-se a anulação do daqueles poderá este pagar;
negócio jurídico, contando-se do dia em que ela
cessar; d) o devedor poderá opor a um credor solidário as
exceções pessoais oponíveis aos demais
e) no caso de coação, é de dois anos o prazo de credores;
prescrição para pleitear-se a anulação do
negócio jurídico, contando-se do dia em que ela e) caso o credor solidário decida renunciar à
cessar. solidariedade passiva, apenas poderá fazer se
esta aproveitar todos os devedores.

06. Em relação à prescrição, é correto afirmar que:


08. Estará impedida, suspensa ou interrompida a
a) ela pode ocorrer incidentalmente no processo decadência:
judicial, podendo também ser interrompida a
qualquer tempo por até duas vezes; a) quando pender condição suspensiva;

b) ela pode ocorrer incidentalmente no processo b) quando não estiver vencido o prazo;
judicial, podendo também ser interrompida a c) quando for direito relacionado ao menor de
qualquer tempo por quantas vezes couber; dezesseis anos;
c) ela somente pode ser alegada como matéria d) quando se referir a relação entre ascendentes e
preliminar em ação judicial, não ocorrendo descendentes, durante o poder familiar;
durante o trâmite processual;
e) contra os que se acharem servindo nas Forças
d) a sua interrupção poderá ocorrer uma única Armadas, em tempo de guerra;
vez, sendo vedada a sua repetição para além
dessa única vez, conforme previsão legal
expressa;
09. Em relação à mora, é correto afirmar que:
e) apenas o despacho do juiz competente é capaz
de interromper a prescrição. a) apenas o devedor poderá estar em mora;
5
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

b) apenas o credor poderá estar em mora; 11. Assinale a alternativa incorreta a respeito da
Defensoria Pública:
c) não havendo fato ou omissão imputável ao devedor,
não incorre este em mora; a) O ônus da impugnação especificada dos fatos não se
aplica ao defensor público, ao advogado dativo e ao
d) nas obrigações provenientes de ato ilícito, curador especial.
considera-se o devedor em mora, desde a
b) A requerimento da Defensoria Pública, o juiz
interpelação judicial ou extrajudicial;
determinará a intimação pessoal da parte
e) não havendo termo, a mora se constitui patrocinada quando o ato processual depender de
exclusivamente mediante interpelação judicial. providência ou informação que somente por ela
possa ser realizada ou prestada.

c) A Defensoria Pública exercerá a orientação jurídica,


10. Em relação à usucapião, assinale a alternativa a promoção dos direitos humanos e a defesa dos
incorreta: direitos individuais e coletivos dos necessitados, em
todos os graus, de forma integral e gratuita.
a) a existência de contrato de arrendamento
d) A Defensoria Pública gozará de prazo em dobro
mercantil do bem móvel impede a aquisição de
para todas as suas manifestações processuais.
sua propriedade pela usucapião, contudo,
verificada a prescrição da dívida, inexiste óbice e) O membro da Defensoria Pública será responsável
legal para prescrição aquisitiva; apenas quando agir com dolo no exercício de suas
funções.
b) o bem imóvel público não está sujeito a
usucapião;

c) aquele que possuir, como sua, área urbana de 12. Sobre a denunciação da lide no Código de
até duzentos e cinquenta metros quadrados, por Processo Civil 2015, é correto afirmar:
cinco anos ininterruptamente e sem oposição, a)A denunciação da lide é obrigatória apenas no caso
utilizando-a para sua moradia ou de sua família, de evicção.
adquirir-lhe-á o domínio, desde que não seja
proprietário de outro imóvel urbano ou rural; b) Permite-se uma única denunciação sucessiva,
promovida pelo denunciado, contra qualquer
d) aquele que, por dez anos, sem interrupção, nem antecessor na cadeia dominial ou contra quem seja
oposição, possuir como seu um imóvel, adquire- responsável por indenizá-lo.
lhe a propriedade, independentemente de título
c) Se o denunciante for vencedor na ação principal, o
e boa-fé; podendo requerer ao juiz que assim o
juiz passará ao julgamento da denunciação da lide
declare por sentença, a qual servirá de título para
para aferir eventual responsabilidade regressiva do
o registro no Cartório de Registro de Imóveis; denunciado.
e) a usucapião pode ser alegada como matéria de d) Procedente o pedido da ação principal, descabe
defesa em ações que discutam a propriedade e a requerimento do autor para cumprimento da
posse. sentença também contra o denunciado pelo réu,
dado que o denunciado só responde
regressivamente perante o denunciante.
DIREITO PROCESSUAL CIVIL
Rodrigo Valslin e) A denunciação da lide é sempre facultativa porque
o direito de regresso poderá ser exercido por ação
6
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

autônoma quando a denunciação for indeferida, 15. Deverá o juiz, na decisão de saneamento do
deixar de ser promovida ou não for permitida. processo:

a) Caso tenha sido determinada a produção de prova


testemunhal, o juiz fixará prazo sucessivo não
13. No que diz respeito ao julgamento antecipado superior a 15 (quinze) dias para que as partes
parcial do mérito, assinale a alternativa correta. apresentem rol de testemunhas.
a) A decisão proferida com base em julgamento b) designar, quando pertinente, nova audiência de
antecipado parcial do mérito não é impugnável por conciliação e mediação (art. 334, do CPC).
agravo de instrumento.
c)delimitar as questões de direito sobre as quais
b) A decisão que julgar parcialmente o mérito não recairá a atividade probatória, especificando os
poderá reconhecer a existência de obrigação meios de prova admitidos.
ilíquida.
d) definir a distribuição do ônus da prova, invertendo
c) A liquidação e o cumprimento da decisão que julgar tal ônus se for o caso.
parcialmente o mérito deverão ser processados nos
mesmos autos. e) O número de testemunhas arroladas não pode ser
superior a 6 (seis), sendo 3 (três), no máximo, para a
d) O juiz decidirá parcialmente o mérito quando um prova de cada fato.
ou mais dos pedidos formulados ou parcela deles se
mostrar incontroverso e não houver necessidade de
produção de outras provas.
16. Em relação ao cumprimento de sentença, é correto
e) A parte poderá liquidar desde logo a obrigação afirmar:
reconhecida na decisão que julgar parcialmente o
mérito, desde que prestada caução. a) O cumprimento provisório da sentença impugnada
por recurso desprovido de efeito suspensivo não
poderá em nenhuma situação admitir o
levantamento de depósito em dinheiro ou a prática
14. De acordo com o Código Processual Civil (CPC) em de atos que importem transferência de posse ou
vigor, o juiz julgará antecipadamente o pedido, domínio, pela possibilidade de irreversibilidade dos
proferindo sentença com resolução de mérito, efeitos de tais atos.
quando:
b) A intimação em cumprimento de sentença será
a) O réu for revel e ocorrer o efeito previsto no art. 344 somente por meio eletrônico ou carta.
e não houver requerimento de prova na forma do art.
349, ambos do CPC. c) O cumprimento de sentença não pode ser efetuado
perante os tribunais de Justiça.
b) Um ou mais dos pedidos formulados ou parcela
deles mostrar-se controverso. d) O cumprimento da sentença não poderá ser
promovido em face do fiador, do coobrigado ou do
c) O pedido for indeterminado, ressalvadas as corresponsável que não tiver participado da fase de
hipóteses legais em que se permite o pedido conhecimento.
genérico.
e) A sentença arbitral não é considerada como título
d) A parte for manifestamente ilegítima. executivo para fins de cumprimento de sentença.
e) O autor carecer de interesse processual.

17. Assinale a alternativa incorreta:


7
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

a) Considera-se julgamento de casos repetitivos a d) O acórdão proferido em assunção de competência


decisão proferida em incidente de resolução de vinculará todos os juízes e órgãos fracionários,
demandas repetitivas e em recursos especial e exceto se houver revisão de tese.
extraordinário repetitivos.
e) É incabível o IAC quando houver relevante questão
b) O julgamento de casos repetitivos tem por objeto de direito a respeito da qual seja conveniente a
questão de direito material ou processual. prevenção ou a composição de divergência entre
câmaras ou turmas do tribunal.
c) A alteração de tese jurídica adotada em enunciado
de súmula ou em julgamento de casos repetitivos
poderá ser precedida de audiências públicas e da
participação de pessoas, órgãos ou entidades que 19. Marque a alternativa errada relacionada à ação
possam contribuir para a rediscussão da tese. rescisória:

d) A modificação de enunciado de súmula, de a) A decisão de mérito, transitada em julgado, pode ser


jurisprudência pacificada ou de tese adotada em rescindida quando for proferida por juiz impedido,
julgamento de casos repetitivos observará a suspeito ou por juízo absolutamente incompetente;
necessidade de fundamentação adequada e
b) A ação rescisória pode ter por objeto apenas 1 (um)
específica, considerando os princípios da segurança
capítulo da decisão.
jurídica, da proteção da confiança e da isonomia.
c) O Ministério Público tem legitimidade para a ação
e) Na hipótese de alteração de jurisprudência
quando não foi ouvido no processo em que lhe era
dominante do Supremo Tribunal Federal e dos
obrigatória a intervenção; quando a decisão
tribunais superiores ou daquela oriunda de
rescindenda é o efeito de simulação ou de colusão
julgamento de casos repetitivos, deve haver
das partes, a fim de fraudar a lei; e em outros casos
modulação.
em que se imponha sua atuação.

d) A propositura da ação rescisória não impede o


18. Sobre o Incidente de Assunção de Competência, cumprimento da decisão rescindenda, ressalvada a
marque a alternativa correta: concessão de tutela provisória

a) É admissível a assunção de competência quando o e) Os atos de disposição de direitos, praticados pelas


julgamento de recurso, de remessa necessária ou de partes ou por outros participantes do processo e
processo de competência originária envolver homologados pelo juízo, bem como os atos
relevante questão de direito, com grande homologatórios praticados no curso da execução,
repercussão social, com repetição em múltiplos estão sujeitos à anulação, nos termos da lei.
processos.

b) Ocorrendo a hipótese de assunção de competência,


20. Sobre a reclamação, marque a alternativa
sempre o relator deverá propor, de ofício, que seja o
incorreta:
recurso, a remessa necessária ou o processo de
competência originária julgado pelo órgão colegiado a) A reclamação pode ser proposta perante qualquer
que o regimento indicar. tribunal, e seu julgamento compete ao órgão
jurisdicional cuja competência se busca preservar ou
c) O órgão colegiado julgará o recurso, a remessa
cuja autoridade se pretenda garantir.
necessária ou o processo de competência originária
se reconhecer interesse jurídico ou econômico na b) A inadmissibilidade ou o julgamento do recurso
assunção de competência. interposto contra a decisão proferida pelo órgão
reclamado prejudica a reclamação.
8
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

c) Qualquer interessado poderá impugnar o pedido do


sido suspenso, em determinada cidade, em virtude da
reclamante.
pandemia do Covid19.
d) Julgando procedente a reclamação, o tribunal
cassará a decisão exorbitante de seu julgado ou
V – Atuou apenas de forma judicial no sentido de
determinará medida adequada à solução da
controvérsia. contestar regulamentação que buscava flexibilizar

e) Ao despachar a reclamação, o relator determinará a normas de arquitetura de prisões e abrigar detentos


citação do beneficiário da decisão impugnada, que doentes e idosos em contêineres durante a crise da
terá prazo de 15 (quinze) dias para apresentar a sua
contestação. Covid-19.

PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DA Estão corretas as assertivas:


DEFENSORIA PÚBLICA
Marcos Gomes
a) I, II, III, IV e V.
21. A Defensoria Pública é a Instituição com atribuição
constitucional para a tutela dos direitos humanos. b) I e III.

Na defesa dos vulneráveis durante a pandemia do


c) I, II, III e IV.
Covid19:
d) II, III e IV.
I – Buscou garantir o direito fundamental à
alimentação para alunos da rede pública de ensino, e) I, II, III e V.

em virtude de as aulas estarem suspensas por causa


da pandemia do coronavírus.
22. Acerca das prerrogativas dos membros da DPERJ,
II – Realizou programas de educação em direitos para
assinale a alternativa INCORRETA, nos termos da Lei
cuidados especiais de crianças e adolescentes com
Complementar n. 06/77. É prerrogativa do defensor
deficiência, por meio da comunicação de matérias,
público:
sites e aplicativos que podem contribuir com a
construção da rotina e compartilhamento do tempo a) possuir carteira de identidade e funcional,

em família neste período, a partir de materiais conforme modelo aprovado pelo Defensor Público

culturais e educativos. Geral, sendo-lhes assegurado o porte de arma e


podendo solicitar, se necessário, o auxílio e a
III - A Defensoria lançou guia sobre os direitos das
colaboração das autoridades públicas para o
mulheres no contexto da pandemia do coronavírus.
desempenho de suas funções.

IV – Obteve decisão favorável para garantir a


b) ingressar nos recintos das sessões e audiências,
gratuidade no transporte público coletivo às pessoas
neles permanecer e, deles sair, independentemente
idosas e aposentadas, uma vez que tal direito teria
de autorização, salvo nos casos de segredo de justiça.
9
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

c) ter vista dos processos fora dos cartórios e públicos ou destinados ao público no exercício de suas
secretarias, ressalvadas as vedações legais. funções.

d) usar da palavra, pela ordem, falando sentado ou em d) De acordo com o STJ, é desnecessária a inscrição do
pé, durante a realização de audiência ou sessão, em defensor público na ordem dos advogados do brasil
qualquer Juízo ou Tribunal. para o exercício de suas atividades.

e) examinar, em qualquer repartição policial ou e) A renúncia do réu ao direito de apelação,


judiciária, autos de flagrante, inquéritos e processos, manifestada sem a assistência do defensor, não
quando necessitar de prova ou de informações úteis impede o conhecimento da apelação por este
ao exercício de suas funções. interposta.

23. Acerca das decisões envolvendo Defensoria 24. Nos termos da Lei Complementar n. 80/94,
Pública nos Tribunais Superiores, assinale a assinale a alternativa INCORRETA:
alternativa INCORRETA:
a) É atribuição da Defensoria Pública convocar
a) A intimação da Defensoria Pública, a despeito da audiências públicas para discutir matérias
presença do defensor na audiência de leitura da relacionadas às suas funções institucionais.
sentença condenatória, se perfaz com a intimação
b) Se o Defensor Público entender inexistir hipótese
pessoal mediante remessa dos autos.
de atuação institucional, dará imediata ciência ao
b) Para que tenha a prerrogativa do prazo em dobro, Defensor Público-Geral, que decidirá a controvérsia,
o membro da Defensoria tem que realizar indicando, se for o caso, outro Defensor Público para
comunicação prévia ao juízo, dentro do prazo legal, atuar.
evitando-se eventual tumulto processual, uma vez
c) A Ouvidoria-Geral é órgão auxiliar.
que não há como o Poder Judiciário saber, em caso
de ausência de comunicação, se a parte está ou não d) É objetivo da Defensoria Pública a garantia dos
sendo atendida pela Defensoria. princípios constitucionais da ampla defesa e do
contraditório.
c) Não contraria a Constituição da República o direito
de os defensores públicos se comunicarem pessoal e e) Os órgãos de execução compreendem as
reservadamente com seus assistidos, mesmo os que Defensorias Públicas do Estado e os Núcleos da
estiverem presos, detidos ou incomunicáveis, e o de Defensoria Pública do Estado.
terem livre acesso e trânsito aos estabelecimentos
10
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

Levando em consideração o caso em tela apresentado,


25. Sobre o tema acesso à justiça, assinale a
marque a alternativa correta:
alternativa CORRETA:
a) Christian poderá riscar o nome do banco indicado
entre os traços paralelos, hipótese em que o
a) Existe projeto em andamento denominado “Global
cruzamento especial ficará convertido em
Access to Justice Project”, o qual busca revisitar cruzamento geral.
algumas premissas do Projeto de Florença, sendo b) O cruzamento do cheque tem o efeito legal de
certo que diversos defensores públicos brasileiros impedir que o título seja endossado.

estão capitaneando a iniciativa, diferentemente do c) O banco sacado deverá se recusar a pagar o cheque
se apresentado para pagamento antes da data de
que ocorreu no Projeto de Florença, no qual não
emissão dele constante.
tivemos a participação de brasileiros.
d) Se Christian apresentar o cheque para pagamento
antes da data de emissão constante do título, ficará
b) A quarta onda foca sua análise em questões
sujeito ao pagamento de indenização por danos
processuais/procedimentais. morais a Flávio

c) A segunda onda pressupõe minimizar os obstáculos


econômicos, garantindo-se, por exemplo, a 27. Sobre a falência, é possível dizer que:
a) A decretação da falência implica a suspensão de
gratuidade de justiça. todas as ações propostas contra o devedor, inclusive
as que demandarem quantia ilíquida.
d) A terceira onda está intimamente ligada a
b) Contra o ato judicial que decreta a falência cabe
sociedade de massa, na qual busca-se minimizar os apelação, que possui efeitos devolutivo e suspensivo.
obstáculos do acesso a justiça por meio da tutela
c) A falência do locador não resolve o contrato de
coletiva. locação; falindo o locatário, o administrador judicial
poderá denunciar o contrato a qualquer tempo.
e) A primeira onda de acesso à justiça está relacionada
d) A inabilitação imposta ao empresário falido tem
à um modelo multiportas de acesso à justiça, caráter perpétuo.
direcionando-se para a solução dos conflitos por
meio de métodos adequados.
28. Tem-se que registro do empresário é considerado
constitutivo, requisito da atividade empresarial.
DIREITO EMPRESAIAL Além disso inscrição do empresário, no que se refere
Alessandro Sanchez ao tempo, deve ser requerida no Registro Público de
26. Em pagamento do preço acordado pela venda de Empresas Mercantis da respectiva sede:
uma moto, Flávio emitiu um cheque em favor de a) Antes do início de sua atividade.
Christian no dia 20 de julho de 2017. Porém, anotou
b) Logo após o início de sua atividade.
o dia 30 de novembro de 2017 como sendo a data de
emissão do cheque, ajustando com Felipe que o título c) Antes ou logo após o início de sua atividade.
somente deveria ser apresentado para pagamento
depois dessa data. Cabe o destaque, ainda, que Flávio d) Antes ou durante o exercício de sua atividade.
cruzou o instrumento.
11
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

29. Assinale a alternativa que não prospera:


a) No decorrer do contrato, o devedor fiduciante pode defensor com formação jurídica, o qual deverá sempre
usar do bem conforme sua destinação, porém deixa ser bacharel em direito.
de ser titular do domínio.
c) a garantia processual do contraditório impede que
b) A propriedade fiduciária tem por objeto coisa o acusado não seja intimado a se manifestar antes de
fungível. toda e qualquer decisão, especialmente quando se
tratar de aplicação de medidas cautelares.
c) O credor fiduciário adquire o direito de propriedade
resolúvel e a posse indireta do bem. d) aos atos processuais deve ser aplicado o princípio
d) Reconhecida a nulidade do contrato de mútuo da publicidade, salvo exceções, tal como quando a
destinado à aquisição de bem, extingue-se a presença do réu puder causar humilhação, temor, ou
alienação fiduciária. sério constrangimento à testemunha ou ao ofendido,
sendo ainda, nesse caso, determinada a sua retirada
e a do seu defensor.
30. A convolação da recuperação judicial em falência: e) o direito de autodefesa consiste na possibilidade
a) decorre do inadimplemento de obrigação não que se deve dar, ao réu, de se manifestar por meio de
sujeita à recuperação judicial.
defensor nos autos, sempre de forma fundamentada.
b) implica na invalidação de atos de administração,
endividamento, oneração e de alienação praticados
durante a recuperação judicial. 42. A respeito das provas ilícitas, é possível afirmar-se
c) decorre da apresentação do plano de recuperação. que

d) ocorre pelo descumprimento de qualquer a) são consideradas ilícitas as provas obtidas em


obrigação assumida no plano de recuperação. violação a normas legais e constitucionais, estando
entre elas, como pondera parte da doutrina, aquelas
obtidas após a quebra da cadeia de custódia da prova
DIREITO PENAL penal.
CANCELADO
b) todas e quaisquer provas obtidas em violação a
normas constitucionais ou legais deverão ser
desentranhadas do processo.
DIREITO PROCESSUAL PENAL
Leonardo Tavares
c) todas as teorias de exceção à regra de exclusão do
Direito norte americano são aceitas e acolhidas na
41. Em relação aos princípios e garantias aplicáveis ao jurisprudência brasileira.
direito processual penal brasileiro, é correto
afirmar: d) são também inadmissíveis no processo as provas
derivadas das ilícitas, quando houver nexo de
a) segundo o princípio da não culpabilidade, a causalidade entre umas e outras e quando a fonte
restrição à liberdade do acusado antes da sentença pela qual a prova derivada foi obtida for considerada
definitiva é medida excepcional, admitida apenas independente da primeira.
após o recebimento da denúncia ou queixa.
e) considera-se serendipidade a obtenção de provas
b) o princípio da ampla defesa garante ao acusado o do fato objeto de investigação mesmo sem mandado
direito se ser acompanhado no processo por de busca e apreensão, quando presentes os
12
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020
requisitos indicados pela doutrina para sua b) Farão coisa julgada material os arquivamentos de
admissibilidade. inquérito policial com base da atipicidade da
conduta ou ausência de pressupostos processuais ou
condições para o exercício da ação penal.
43. No curso de investigação policial, foi determinada c) A incomunicabilidade do indiciado dependerá
a quebra do sigilo telefônico do indiciado, iniciando- sempre de despacho nos autos e somente será
se a oitiva de suas conversas telefônicas com permitida quando o interesse da sociedade ou a
objetivo de obtenção de provas do delito de tráfico conveniência da investigação o exigir, não devendo
de drogas do qual era suspeito. Nesse caso, o ultrapassar o prazo de quinze dias e se garantindo,
defensor do investigado em qualquer caso, a entrevista reservada com o
a) poderá acessar os autos do inquérito policial, desde defensor.
que já determinada a quebra do sigilo telefônico, d) Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal
estando autorizado, ainda, a pleitear a cessação da Federal, não é admitido o arquivamento implícito do
medida. inquérito policial.
b) deverá aguardar até que a medida seja e) O juiz poderá fundamentar sua decisão apenas com
integralmente cumprida, uma vez que o acesso aos base nos elementos colhidos no inquérito policial,
autos do inquérito policial somente é permitido considerando o sistema do livre convencimento
quando houver fundado receio de consequências motivado adotado em nosso país.
graves à defesa.

c) somente poderá ter acesso aos autos do inquérito


policial, enquanto perdurar o cumprimento da 45. A respeito da ação penal, assinale a opção correta.
medida, mediante expressa autorização da
autoridade policial, que irá aferir a necessidade de se a) A representação será irretratável, depois de
aguardar ou não o término da diligência. recebida a denúncia.

d) não poderá ter acesso ao inquérito policial nem b) Para a homologação do acordo de não persecução
mesmo mediante autorização da autoridade policial, penal, será realizada audiência na qual o juiz deverá
já que o procedimento é sigiloso até o oferecimento verificar a sua voluntariedade, por meio da oitiva do
da denúncia. investigado na presença do seu defensor.

e) poderá ter acesso aos autos de inquérito policial, c) O perdão é ato personalíssimo e não pode ser aceito
independentemente de autorização, somente após o por representante ou procurador.
cumprimento e a documentação da medida. d) Nos casos em que somente se procede mediante
queixa, considerar-se-á perempta a ação penal
quando o acusado recusar o perdão concedido pela
44. No tocante ao inquérito policial, assinale a vítima.
alternativa correta.
e) A queixa é ato divisível e deve ser oferecida no
a) Em nosso ordenamento jurídico não existe a figura prazo decadencial de seis meses.
do desarquivamento do inquérito policial, ante a
necessidade de se garantir a segurança jurídica em
relação aos procedimentos estatais de persecução
penal.
46. De acordo com a jurisprudência do Supremo
Tribunal Federal,
13
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

I – É ilegal entrevista realizada por autoridade policial e) Compete à Justiça Federal processar e julgar
no interior da residência do investigado, durante Prefeito Municipal por desvio de verba sujeita a
o cumprimento de mandado de busca e apreensão e prestação de contas perante órgão federal.
sem advertência do seu direito de permanecer em
silêncio.

II – Não se mostra imprescindível a participação da 48. No tocante às provas no processo penal, assinale a
defesa técnica do réu em interrogatório de corréu alternativa correta.
em colaboração premiada. a) A recusa injustificada em permitir ao corréu a
III – É relativa a nulidade do processo criminal por formulação de reperguntas é causa geradora de
falta de intimação da expedição de precatória para nulidade processual relativa, por implicar
inquirição de testemunha. transgressão ao estatuto constitucional do direito de
defesa.
IV – É nula a decisão que determina o desaforamento
de processo da competência do júri sem audiência da b) A confissão ou a prova testemunhal não poderão
defesa. suprir a falta do exame de corpo de delito,
imprescindível para comprovação da materialidade
Estão corretas as assertivas dos delitos que deixam vestígios.

a) I e III. c) É permitido às partes, quanto à perícia, requerer a


oitiva dos peritos para esclarecerem a prova ou para
b) I, II e IV. responderem a quesitos, desde que o mandado de
c) I, III e IV. intimação e os quesitos ou questões a serem
esclarecidas sejam encaminhados com antecedência
d) I, II, III e IV. mínima de 10 (dez) dias.

e) I, II e III. d) As perguntas serão formuladas às testemunhas


diretamente pelas partes, podendo o juiz indeferir
qualquer uma delas.
47. Sobre a competência no processo penal, assinale a e) O interrogatório do acusado preso poderá ser
alternativa correta. realizado por videoconferência, a critério do juiz, em
qualquer caso.
a) No Juizado Especial Criminal, a competência é
determinada pelo local em que foi consumada a
infração penal.
49. A respeito dos recursos, é correto afirmar que
b) A competência será determinada pela conexão
quando duas ou mais pessoas forem acusadas pela a) em caso de recurso exclusivo da defesa, a pena do
mesma infração. acusado não poderá ser aumentada nem sua
situação agravada. Essa garantia deriva do princípio
c) Tratando-se de infração continuada ou permanente, da unirrecorribilidade.
praticada em território de duas ou mais jurisdições,
a competência firmar-se-á pelo local em que b) em regra, os recursos terão efeito suspensivo no
praticado o último ato de execução. processo penal.

d) Compete à Justiça Federal o processo e o c) a fungibilidade recursal será aplicável quando o


julgamento dos crimes relativos a entorpecentes. defensor houver interposto um recurso ao invés de
14
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

outro, excetuando-se os casos de erro grosseiro ou DIREITO DE EXECUÇÃO PENAL


não observância do prazo legal para o recurso Ivan Marques
adequado.
51. Aponte a alternativa correta que apresenta
d) se trata de hipótese de cabimento de recurso de hipótese legal de cabimento da monitoração
ofício a decisão que denegar o habeas corpus ao réu. eletrônica durante o cumprimento de pena:

a) para o regime aberto, no período noturno e nos


e) o Ministério Público, aduzindo justa causa, poderá
dias de folga.
desistir do recurso interposto contra a sentença
absolutória. b) para fiscalizar o cumprimento da pena restritiva
de direitos fixada.

c) para fiscalizar a proibição de frequentar


50. De acordo com entendimento dos tribunais determinados lugares e a limitação de final de
superiores e o disposto no Código de Processo Penal, semana.
a citação do réu será considerada nula sempre que
d) para as hipóteses de livramento condicional.
I - ocorrer por hora certa, considerando a ausência de
previsão legal para tal modalidade no processo e) para autorizar a saída temporária no regime
semiaberto ou determinar a prisão domiciliar.
penal.

II - for realizada por edital, não obstante o réu se


encontre preso em estabelecimento localizado em 52. Faz parte dos requisitos especiais para a
jurisdição de outro Estado. progressão de regime de mulher gestante ou que
for mãe ou responsável por crianças ou pessoas
III - for realizada por edital e não indicar o dispositivo com deficiência, exceto:
legal da lei penal infringido nem mesmo transcrever
a denúncia ou queixa. a) não ter cometido crime com violência ou grave
ameaça a pessoa.
IV – ocorrer via correios e for caracterizada a revelia,
uma vez que o Código de Processo Penal determina b) não ter cometido o crime contra seu filho ou
dependente.
que a citação seja realizada por oficial de justiça.
c) ser primária e ter bom comportamento carcerário,
Estão corretas as assertivas
comprovado pelo diretor do estabelecimento.
a) I e IV. d) ter cumprido ao menos 16% da pena no regime
b) I e III. anterior.

e) não ter integrado organização criminosa.


c) I e II.

d) III e IV.
53. Qual dos institutos abaixo é admitido para o
e) IV, apenas. condenado por crime hediondo ou equiparado,
durante a execução de sua pena:

a) indulto

b) fiança
15
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

c) graça d) 60%

d) monitoração eletrônica e) 70%

e) anistia CRIMINOLOGIA
Flávio Milhomem
56. A respeito do conceito, objeto e método da
54. Indique qual das alternativas abaixo encontra-se criminologia, pode-se afirmar, exceto:
compatível com as disposições legais referentes ao a) A Criminologia é definida como uma ciência causal-
tratamento do perfil genético do criminoso: explicativa da criminalidade, isto é, que investiga as
a) O condenado por crime hediondo somente será causas da criminalidade, segundo o método
submetido à identificação do perfil genético se experimental.
resultar morte da vítima. b) A criminologia é uma ciência dogmática que se
b) O condenado por crime hediondo que não tiver preocupa com o ser e o dever ser e parte do fato para
sido submetido à identificação do perfil genético analisar suas causas e buscar definir parâmetros de
por ocasião do ingresso no estabelecimento coerção punitiva e preventiva.
prisional, somente será submetido a esse tipo de c) A criminologia utiliza um método analítico para
identificação se praticar novo delito. desenvolver uma análise indutiva.
c) Deve ser viabilizado ao titular de dados genéticos o d) A criminologia moderna ocupa-se com a pesquisa
acesso aos seus dados constantes nos bancos de científica do fenômeno criminal que vai além da
perfis genéticos, bem como a todos os documentos identificação de suas causas; tendo por objeto
da cadeia de custódia que gerou esse dado, de também a prevenção do fato criminoso e o controle
maneira que possa ser contraditado pela defesa. de sua incidência.
d) A autoridade policial poderá requerer, no caso de e) A análise criminológica do crime diferencia-se da
inquérito instaurado, o acesso ao banco de dados de análise jurídica pois, neste, o jurista parte de
identificação de perfil genético, independentemente premissas corretas para deduzir delas as oportunas
de autorização judicial. consequências (método dedutivo).
e) A recusa em submeter-se ao procedimento de
identificação do perfil genético caracteriza falta
grave, por interpretação jurisprudencial. 57. No que toca às teorias sociológicas da
criminologia, pode-se afirmar, salvo:

a) Na perspectiva macrossociológica, o pensamento


55. Com as alterações decorrentes da Lei Anticrime, criminológico moderno é influenciado por duas
caso o agente que é reincidente no crime de adotar visões: a das teorias de consenso e a das teorias de
medidas destinadas a impedir os nascimentos no conflito.
seio do grupo com a intenção de destruir, no todo
ou em parte, grupo nacional, poderá progredir de b) As teorias sociológicas de consenso consideram que
regime com a seguinte porcentagem de sua pena os objetivos da sociedade são atingidos quando as
cumprida: instituições funcionam e os indivíduos, que dividem
os mesmos valores, concordam com as regras de
a) 30% convívio.
b) 40% c) As teorias sociológicas do conflito consideram que
c) 50% a harmonia social advém da coerção e do uso da
16
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

força, pois as sociedades estão sujeitas a mudanças b) Para a criminologia feminista, é o patriarcado que
contínuas e são predispostas à dissolução. divide a sociedade em “esfera pública” e “esfera
privada”, sendo que esta é a esfera em que
d) São exemplos de teorias do consenso a Escola de majoritariamente são perpetuadas as diferentes
Chicago, a teoria de associação diferencial, a teoria violências masculinas contra mulheres (violências
da subcultura do delinquente e a teoria do patriarcais), decorrentes da ideia de que mulheres
etiquetamento. são inferiores aos homens.
e) São exemplos de teorias do consenso a Escola de c) A principal contribuição teórica das criminólogas
Chicago, a teoria de associação diferencial, a teoria feministas foi identificar que a tese da seletividade
da anomia e a teoria da subcultura do delinquente. não contemplava, em sua origem, a desigualdade de
gênero nos diversos grupos sociais.

d) Para a criminologia feminista, a criminologia crítica


58. A respeito da interação entre criminologia, política
falha em explicar a violência masculina contra as
criminal e direito penal, assinale a alternativa
mulheres e a criminalidade feminina porque parte
incorreta:
do pressuposto de que a opressão feminina possui
a) A criminologia, a política criminal e o Direito Penal sua origem no capitalismo, ignorando a estrutura do
são três pilares do sistema das ciências criminais, patriarcado.
inseparáveis e interdependentes.
e) Segundo a criminologia feminista, o Direito Penal
b) Em relação ao conceito de ciência penal total, a não pode beneficiar um gênero de uma pessoa da
criminologia representa o momento mesma forma que uma classe social em detrimento
de outra.
decisional; a política criminal, o explicativo-empírico;
e o Direito Penal, o normativo.

c) A política criminal deve se incumbir de transformar 60. A respeito do realismo criminológico de esquerda,
a experiência criminológica em opções e estratégias assinale a alternativa que não corresponde à teoria:
concretas assumíveis pelo legislador e pelos poderes
a) Surgiu na América Latina como forma de contrapor
públicos.
o pensamento criminológico eurocêntrico e destacar
d) A política criminal constitui a sistematização de os problemas da realidade local.
estratégias, táticas e meios de controle social da
b) Intitula-se realista em reação aos Idealistas que nos
criminalidade, com o propósito de sugerir e orientar
anos oitenta do século passado lideraram a pregação
reformas na legislação positivada.
da filosofia sustentada pela Criminologia Crítica em
e) A Política Criminal é uma disciplina que estuda oposição à Criminologia Tradicional.
estratégias estatais para atuação preventiva sobre a
c) É uma vertente do abolicionismo penal que defende
criminalidade, e que tem como uma das principais
a superação do direito penal na sociedade atual por
finalidades o estabelecimento de uma ponte eficaz
meio de uma política criminal pacifista.
entre a criminologia, enquanto ciência empírica, e o
direito penal, enquanto ciência axiológica. d) Busca reduzir a vitimização dos grupos mais
vulneráveis economicamente, que vivem em zonas
com alta criminalidade.
59. Em relação à criminologia feminista, assinale a
e) Traz propostas para a redução da criminalidade dos
alternativa INCORRETA:
mais vulneráveis, tais como: implementação de
a) É tema central na criminologia feminista o conceito programas sociais nas comunidades, redução das
de patriarcado e suas formas de manifestação.
17
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020
penas nas prisões; e controle de práticas policiais ação direta de inconstitucionalidade, sob alegação de
abusivas, dentre outras. que a medida provisória não atende aos requisitos
relevância e urgência. A respeito do tema, nos
DIREITO CONSTITUCIONAL
Nelma Fontana termos da jurisprudência do Supremo Tribunal
61. Por iniciativa parlamentar, foi editada lei para Federal, aponte a assertiva correta.
autorizar o uso da substância fosfoetanolamina
a) O partido político não tinha legitimidade para
sintética por pacientes diagnosticados com
ingressar com ação direta de inconstitucionalidade,
neoplasia maligna, independentemente de registro
uma vez que é pressuposto indispensável a
sanitário, em caráter excepcional, enquanto
representação na Câmara dos Deputados e no
estiverem em curso estudos clínicos acerca da
Senado Federal.
substância. A respeito do assunto, nos termos da
jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, aponte b) Medidas provisórias não são leis e não podem ser
a alternativa correta. combatidas por meio da ação direta de
inconstitucionalidade.
a) O Congresso Nacional não tem poderes para
autorizar, de forma abstrata e genérica, a c) É vedada a edição de medida provisória sobre
distribuição de medicamento. educação e ensino.

b) A lei sob análise é constitucional, uma vez que os d) Inexistindo comprovação da ausência de urgência,
pacientes diagnosticados com neoplasia maligna não há espaço para atuação do Poder Judiciário no
dela poderão fazer uso por vontade livre e controle dos requisitos de edição de medida
consciente e não por imposição estatal. provisória pelo chefe do Poder Executivo.

c) Conquanto seja da competência da Agência e) Não cabe ao Judiciário a análise da urgência da


Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) permitir a medida provisória, de modo que apenas ao
distribuição de substâncias químicas, a sua omissão Presidente da República foi atribuída a prerrogativa
injustificada permite o Congresso Nacional, de verificar a necessidade ou não de fazer uso da
mediante lei, autorizar a utilização da espécie normativa, conforme as prioridades de seu
fosfoetanolamina, substância já aplicada em estados governo.
estrangeiros.

d) A lei federal é constitucional, uma vez que compete


à União editar normas gerais sobre saúde. 63. A respeito da legitimidade ativa das confederações
sindicais e das entidades de classe de âmbito
e) A lei é inconstitucional, por vício formal, porque é nacional nas ações do controle objetivo de
da competência privativa do Presidente da constitucionalidade, nos termos da jurisprudência
República a iniciativa das leis a respeito da do Supremo Tribunal Federal, indique a assertiva
distribuição de medicamento. incorreta.

a) A entidade que não representa a totalidade de sua


categoria profissional não possui legitimidade ativa
62. O Presidente da República editou medida
para ajuizamento de ações de controle concentrado
provisória para reformulação do ensino médio. A
de constitucionalidade.
Rede Sustentabilidade, partido político com
representação no Senado Federal, ingressou com
18
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

b) Associações diversas, independentemente de d) A emenda é inconstitucional, porque compete


representação profissional ou empresarial, desde privativamente à União legislar sobre contratos,
que legalmente constituídas e de âmbito nacional, indústria e comércio.
têm legitimidade ativa para ajuizamento das ações
do controle objetivo de constitucionalidade. e) É inconstitucional norma estadual que dispõe sobre
a implantação de instalações industriais destinadas
c) As entidades de classe, para configuração do âmbito à produção de energia nuclear no âmbito espacial do
nacional, deverão ter representatividade em pelo território estadual.
menos nove estados brasileiros.

d) A legitimação ativa das entidades de classe para


ajuizamento das ações do controle objetivo de 65. A respeito dos direitos políticos, nos termos
constitucionalidade depende da demonstração de fixados pela Constituição Federal e pela
pertinência temática. jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, julgue
as assertivas abaixo e, em seguida, indique a
e) Para ajuizamento das ações do controle objetivo de alternativa correta.
constitucionalidade, as entidades de classe de
âmbito nacional precisarão constituir advogado, que I. Conquanto não se admita no Brasil o sufrágio
deverá juntar procuração aos autos. censitário, o capacitário é permitido pela
Constituição Federal.

II. O alistamento eleitoral e o voto são obrigatórios


64. O estado do Rio Grande do Sul emendou a sua para todos os brasileiros alfabetizados maiores de
Constituição, para vedar o transporte e o depósito ou 18 anos de idade.
qualquer outra forma de disposição de resíduos que
tenham sua origem na utilização de energia nuclear III. A condenação por improbidade administrativa
e de resíduos tóxicos ou radioativos, quando provoca a perda dos direitos políticos.
provenientes de outros estados ou países. A respeito IV. A lei que alterar o processo eleitoral só entrará em
do assunto, aponte a alternativa correta, segundo vigor um ano após a sua publicação.
posicionamento do Supremo Tribunal Federal.
a) Todas as assertivas estão corretas.
a) A emenda é constitucional, uma vez que cabe aos
estados privativamente legislar sobre meio b) Apenas as assertivas II e III estão corretas.
ambiente.
c) Todas as assertivas estão incorretas.
b) A emenda é constitucional, porque a competência
d) Apenas a assertiva IV está correta.
para legislar sobre meio ambiente é concorrente, de
forma que sobre o tema, a União apenas fixa as e) Apenas as assertivas I e IV estão corretas.
normas gerais e os estados legislam sobre as normas
específicas.

c) A emenda é inconstitucional, porque feriu a 66. O Congresso Nacional aprovou proposta de


competência dos municípios para legislar sobre emenda à Constituição, de iniciativa de um terço do
assunto de interesse local. Senado, para modificar o efetivo das Forças Armadas
e o regime jurídico dos militares. A respeito do caso
19
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

narrado, de acordo com as normas constitucionais b) Da decisão proferida pelo Tribunal de Justiça, cabe
referentes ao processo legislativo, aponte a a interposição de recurso extraordinário, porque o
alternativa correta. fundamento da decisão é preceito contido na
Constituição Federal.
a) A emenda é inconstitucional, por vício de iniciativa,
uma vez que proposta de emenda a respeito do c) Da decisão, não cabe recurso extraordinário,
efetivo das Forças Armadas e do regime jurídico dos porque o controle de constitucionalidade de leis
militares é de iniciativa privativa do Presidente da municipais não é da competência do Supremo
República. Tribunal Federal, mas do Tribunal de Justiça.

b) O vício de iniciativa no processo legislativo tanto d) A decisão do Tribunal de Justiça possui eficácia
das leis quanto das emendas à Constituição Federal contra todos e efeito vinculante.
poderá ser sanado pela sanção presidencial.
e) A decisão do Tribunal de Justiça, quer seja pela
c) No processo legislativo das emendas à Constituição constitucionalidade ou pela inconstitucionalidade da
Federal, diferente do que ocorre no processo lei municipal, por forca do Princípio da Reserva de
legislativo ordinário, não há sanção e nem veto. A Plenário, depende da maioria absoluta do Tribunal
única participação do Presidente da República e na ou de seu órgão especial.
iniciativa.

d) A emenda é formalmente inconstitucional, uma vez


que não foi apresentada por nenhum dos 68. O deputado federal João Pereira (PPX-DF),
legitimados descritos na Constituição Federal. defensor da reforma tributária, em mensagem de
WhatsApp trocada com um jornalista, referiu-se ao
e) A Proposta de emenda deveria ter sido enviada ao deputado Marquinho Piauí (PPY-PI), parlamentar
Presidente da República para, no prazo de 15 dias contrário à reforma, como “deputado do mal”,
úteis, manifestar-se sancionando ou vetando. corrupto, covarde e frouxo. Essas ofensas foram
repetidas durante entrevista concedida a um
programa de rádio. Inconformado, Marquinho Piauí
67. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro julgou o apresentou queixa-crime contra João Pereira, por
mérito de representação de inconstitucionalidade crime de calúnia e injúria, além de ter ingressado
proposta contra lei do município de Petrópolis, por com pedido de indenização por dano moral. A
violação exclusiva de norma de reprodução respeito do caso narrado, considerando o disposto
obrigatória constante da Constituição estadual. A na Constituição Federal e conforme a jurisprudência
respeito do caso narrado, indique a assertiva do Supremo Tribunal Federal, indique a alternativa
correta. correta.

a) O Tribunal de Justiça, ao julgar a causa, invadiu a a) João Pereira não está acobertado por imunidade
competência do Supremo Tribunal Federal sobre a material, uma vez que as ofensas foram proferidas
matéria, uma vez que o controle de fora do recinto da Câmara dos Deputados e por meio
constitucionalidade tem por parâmetro exclusivo a virtual.
Constituição Federal. b) Pelo dano moral causado a Marquinho Piauí, o
deputado federal somente poderá ser
responsabilizado civilmente.
20
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

c) Conquanto João Pereira não possa ser e) A competência para julgar dissídio de greve de
responsabilizado civilmente, poderá ser processado servidores públicos celetistas é da Justiça do
e julgado, durante o mandato, por crime contra a Trabalho, ao passo que a competência para julgar
honra. dissídio de greve de servidores públicos estatutários
é da Justiça Comum.
d) João Pereira é inviolável civil e penalmente pelas
palavras ditas, ainda que por meio virtual, uma vez
que suas declarações estão relacionadas ao mandato
de deputado. 70. O artigo 134, § 1º, da Constituição Federal dispõe
que lei complementar organizará a Defensoria
e) João Pereira somente poderá ser responsabilizado Pública da União e do Distrito Federal e dos
penalmente após o término de seu mandato Territórios e prescreverá normas gerais para sua
parlamentar. organização nos Estados, em cargos de carreira,
providos, na classe inicial, mediante concurso
público de provas e títulos. Essa norma
69. O Ministério Público do Trabalho, com o objetivo constitucional, conforme doutrina clássica, é de
de solucionar impasse existente entre os eficácia
trabalhadores da Guarda Civil Municipal e a a) limitada, declaratória de princípio institutivo.
Administração do Município de São Bernardo do
Campo que culminou na greve dos servidores b) contida e aplicabilidade diferida.
públicos, opôs dissídio coletivo perante a Justiça do
Trabalho, uma vez que os servidores públicos são c) limitada, declaratória de princípio programático.
celetistas. A respeito do caso narrado, indique a d) contida e aplicabilidade imediata.
alternativa correta, nos termos da jurisprudência do
Supremo Tribunal Federal. e) plena e aplicabilidade direta e imediata.

a) É competência da justiça comum, federal ou DIREITO ADMINISTRATIVO


estadual, conforme o caso, o julgamento de dissídio Rodolfo Penna
de greve promovida por servidores públicos 71. Considerando o regime jurídico administrativo e
celetistas. os princípios que regem a atividade administrativa,
assinale a alternativa correta
b) A Guarda Municipal não é órgão de segurança
pública, de modo que os seus servidores fazem jus ao a) O princípio da impessoalidade limita-se ao dever de
direito de greve, diferentemente do que se aplica aos isonomia da Administração Pública.
policiais civis e federais. b) Conforme o caput do artigo 37 da Constituição
Federal de 1988, a Administração Pública direta e
c) Compete à Justiça do Trabalho processar e julgar o indireta de qualquer dos Poderes da União, dos
dissídio de greve promovida por servidores públicos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
celetistas. obedecerá aos princípios da legalidade,
impessoalidade, motivação, publicidade e eficiência.
d) De decisão denegatória proferida pelo Tribunal
Superior do Trabalho, em única ou última instância, c) O princípio da eficiência, dada a sua natureza
finalística, é prevalente em face do princípio da
cabe recurso ordinário ao Supremo Tribunal
legalidade.
Federal.
21
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

d) Por força do princípio da intranscendência realização de concurso público para admissão de


subjetiva das sanções, irregularidades praticadas pessoal.
pelos Poderes Legislativo e Judiciário não impõem
sanções ao Poder Executivo. b) O contrato de rateio é o único instrumento jurídico
que permite que os Entes consorciados
e) O princípio da publicidade decorre do direito dos compartilhem recursos financeiros com o Consórcio
administrados em ter acesso a informações de Público.
interesse particular ou coletivo e, por essa razão, não
admite a existência de informações públicas c) A gestão associada de serviço público envolve
sigilosas. atividades de planejamento, regulação ou
fiscalização de serviços públicos por meio de
consórcio público ou de convênio de cooperação
entre entes federados, sempre acompanhadas da
72. Relativamente à organização da Administração prestação de serviços públicos pelo consórcio ou
Pública, assinale a alternativa correta convênio.
a) Lei que crie sociedade de economia mista d) É vedada a subscrição parcial do protocolo de
controlada pela União pode conter cláusula genérica intenções.
que permita àquela sociedade adquirir participação
em outras empresas. e) Quando possuir personalidade jurídica de direito
público, será uma espécie de autarquia, integrando a
b) É admitida a criação de autarquia por iniciativa de Administração Indireta de todos os entes federados
deputado federal, desde que este encaminhe o consorciados, bem como, os agentes públicos
respectivo projeto de lei à Câmara dos Deputados e contratados serão regidos pelo regime estatutário.
que a matéria verse estritamente sobre a criação da
entidade.

c) A distribuição de competências a órgãos 74. Com relação aos atos administrativos, assinale a
subalternos despersonalizados, como as secretarias- alternativa correta
gerais, é modalidade de descentralização de poder.
a) O parecer, por se tratar de uma opinião, um juízo de
d) Nas hipóteses de descentralização, em que a União valor, uma sugestão ou uma recomendação, consiste
crie por lei autarquia vinculada a um ministério, em um ato normativo da Administração Pública.
haverá relação hierárquica entre o ente autárquico e
o órgão ministerial, porém não o controle político. b) Atos negociais são atos bilaterais da Administração
Pública, como, por exemplo, os contratos
e) Agências reguladoras são instituídas para administrativos.
disciplinar e fiscalizar a prestação de serviços
públicos e, apesar de deterem poder normativo, não c) O parecer facultativo é o parecer que não é exigido
dispõem de legitimidade para impor sanções. por lei para formulação da decisão da autoridade
competente, mas esta decide solicitar o parecer para
auxiliar na tomada de decisão. Uma vez emitido, o
parecer não vincula a decisão da autoridade.
73. Acerca dos consórcios públicos e da lei
11.107/2005, assinale a alternativa correta d) Os atos negociais decorrem do exercício de
competência discricionária da Administração
a) Quando criado com personalidade jurídica de Pública porque têm como pressuposto de existência,
direito privado, estará dispensado da realização de validade e eficácia, a verificação do preenchimento
licitação para contratação e obras, serviços, dos requisitos legais que autorizam sua edição, não
aquisição de bens e alienação, bem como, da suscetíveis de controle externo.
22
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

e) O ato administrativo vinculado pode ser revogado d) É vedado incluir no objeto da licitação a obtenção
por motivo de oportunidade e conveniência. de recursos financeiros para sua execução, exceto
nos casos de empreendimentos executados e
explorados sob o regime de concessão.
75. Em relação aos contratos administrativos, é e) É vedado estipular que o projeto executivo seja
possível afirmar que desenvolvido concomitantemente com a execução
das obras e serviços.
a) A inadimplência do contratado, com referência aos
encargos previdenciários não transfere à
Administração Pública a responsabilidade por seu
pagamento. 77. Determinada categoria de servidores públicos do
Estado X entrou em greve exigindo melhorias
b) O ordenamento jurídico pátrio admite a celebração salariais e melhores condições de trabalho. Acerca
de contratos administrativos não escritos. dessa situação, assinale a alternativa correta.
c) É possível a exigência de garantia em casos de a) No caso de a categoria grevista ser a polícia civil, a
alienações de bens por parte da Administração greve deve ser considerada legal, tendo em vista que
Pública. a Constituição Federal prevê expressamente o
direito de greve dos servidores públicos civis e
d) A Administração deve exigir garantia dos
apenas veda a greve aos militares.
contratados, sendo certo que a exigência da garantia
é ato vinculado em virtude da indisponibilidade do b) Embora a Constituição Federal tenha previsto
interesse público. expressamente o direito à greve para os Servidores
Públicos, trata-se de norma constitucional de
e) Para o STJ, o ente público não poderá deixar de
eficácia limitada, sendo vedado o exercício deste
efetuar o pagamento pelos serviços
direito até que o Legislador edite norma o
comprovadamente prestados, ainda que o contrato
regulamentando.
administrativo celebrado seja nulo por ausência de
licitação ou que o contratado tenha concorrido para c) Em qualquer caso, a Administração Pública poderá
a nulidade contratual. descontar os vencimentos dos servidores grevistas
relativamente aos dias de paralisação.

d) Embora o STF tenha decidido pela aplicação da lei


76. Quanto às licitações públicas, assinale a
a lei 7.783/79 aos servidores públicos, até que o
alternativa correta
legislador edite lei de greve específica, não se
a) A realização de licitação sem que haja projeto aplicam as suas restrições à greve em serviços
básico aprovado acarreta a revogação dos atos ou essenciais.
contratos decorrentes.
e) Determinado o desconto do vencimento dos
b) Ao final da licitação na sistemática do Sistema de servidores públicos grevistas relativamente aos dias
Registro de Preços, é elaborada uma ata de registro de paralisação, poderá haver compensação de
de preços, documento no qual se registram os preços horários por parte dos servidores públicos em caso
e se obrigam a contratar os fornecedores e a de acordo com a autoridade responsável, evitando-
administração. se o desconto nos vencimentos.

c) Convite é a modalidade entre interessados


devidamente cadastrados ou que atendam às
78. Acerca da improbidade administrativa, é correto
condições do edital até três dias antes da data do
dizer:
recebimento das propostas, observada a necessária
qualificação.
23
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

a) As ações civis públicas de improbidade e) O Estado responde pelos atos praticados pelos
administrativa admitem a celebração de acordo de foragidos do sistema penitenciário, tendo em vista a
não persecução cível, nos termos da Lei. sua conduta culposa relativamente ao seu dever de
guarda.
b) Havendo a possibilidade de solução consensual,
poderão as partes requerer ao juiz a suspensão do
processo, por prazo não superior a 90 (noventa)
dias. 80. Quanto à desapropriação (Decreto-lei nº 3.365),
assinale a alternativa incorreta:
c) Estando a inicial em devida forma, o juiz receberá a
petição inicial e ordenará a citação do requerido a) O poder público deverá notificar o proprietário e
para oferecer contestação. apresentar-lhe oferta de indenização. Somente após
rejeitada a oferta ou transcorrido o prazo para
d) Da decisão que receber a petição inicial, caberá manifestação do proprietário o poder público
apelação. poderá propor ação judicial de desapropriação.

e) Qualquer pessoa poderá representar à autoridade b) Feita a opção pela mediação ou pela via arbitral, o
administrativa competente para que seja instaurada poder público indicará um dos órgãos ou instituições
investigação destinada a apurar a prática de ato de especializados em mediação ou arbitragem
improbidade. A representação, que somente poderá previamente cadastrados pelo órgão responsável
ser apresentada de forma escrita, conterá a pela desapropriação.
qualificação do representante, salvo se este requerer
o anonimato, e as informações sobre o fato e sua c) Apresentada a oferta de indenização pelo poder
autoria e a indicação das provas de que tenha público, o particular possui o prazo de 15 (quinze)
conhecimento. dias para aceitar ou rejeitar a oferta e o silêncio será
considerado rejeição.

d) As partes poderão optar pela mediação ou


79. Sobre a responsabilidade civil do Estado, arbitragem para a definição do valor de indenização
responda nas desapropriações por utilidade pública.

a) É subjetiva a responsabilidade civil do Estado pelas e) Os juros compensatórios destinam-se, apenas, a


lesões sofridas por vítima baleada em razão de compensar a perda de renda comprovadamente
tiroteio ocorrido entre policiais e assaltantes. sofrida pelo proprietário. Desta forma, não serão
devidos juros compensatórios quando o imóvel
b) A Administração Pública não responde civilmente possuir graus de utilização da terra e de eficiência na
pelos danos causados por seus agentes, quando estes exploração iguais a zero.
estejam amparados por causa excludente de ilicitude
penal.
DIREITOS HUMANOS DAS PESSOAS EM
c) É objetiva a responsabilidade da administração por SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE
morte de detento pois se trata de omissão específica, Lúcia Reinert
podendo o Estado excluir a sua responsabilidade ao
comprovar que não havia possibilidade de evitar a 81- A extensão de discriminação em razão de gênero
morte. admitiu que fossem postuladas medidas de
promoção, proteção e efetivação dos direitos das
d) O Estado não será responsável pelo suicídio do pessoas Trans. Neste cenário, o Brasil, no caso Luiza
preso, uma vez que não é possível ao Ente Pública Melinho vs Brasil, já foi responsabilizado perante o
evitar essa conduta do presidiário. sistema interamericano de Direitos Humanos. Em
24
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

relação a esse caso assinale a única alternativa Sustentável (ODS). A Agenda 2030 e os ODS afirmam
correta: que para pôr o mundo em um caminho sustentável é
urgentemente necessário tomar medidas ousadas e
I- O caso emvolveu cirurgia de transgenitalização e foi transformadoras. Entre os temas indicados abaixo,
admitido perante a Comissão Interamericana, em assinale aquele que não integra um dos objetivos do
razão de inércia do Estado Brasileiro em assegurar desenvolvimento sustentável:
em tempo hábil a realização de cirurgia de afirmação
sexual. a) Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em
todos os lugares, bem como acabar com a fome,
II- De acordo com a Comissão Interamericana, o alcançar a segurança alimentar e melhoria da
Estado do Brasil teria violado os direitos humanos ao nutrição e promover a agricultura sustentável.
negar a realização de uma cirurgia de afirmação
b) Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de
sexual através do sistema público de saúde e negado
qualidade, e promover oportunidades de
a pagar-lhe a realização da cirurgia em um hospital
particular aprendizagem ao longo da vida para todos.
III- No caso Luiza Melinho ocorreram a violação dos c) Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas
seguintes direitos: integridade pessoal, proteção da as mulheres e meninas.
honra e dignidade, igualdade perante a lei, entre d) Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da
outros direitos previstos na CADH. água e saneamento para todos que puderam arcar
IV- A Corte Interamericana no caso Luiza Melinho vs com o custo do serviço. No mais, deve ser assegurado
Brasil estabeleceu que a orientação sexual, a o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço
identidade de gênero e a não discriminação por acessível à energia para todos.
motivos de gênero são componentes fundamentais e) Tornar as cidades e os assentamentos humanos
da vida privada das pessoas. inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.
V- A Corte Interamericana reconheceu que o direito à
vida privada garante esferas da intimidade que o
Estado ou ninguém pode invadir, tais como a 83- Em relação as “100 Regras Mínimas de Brasília”
assinale a alternativa incorreta:
capacidade para desenvolver a própria
personalidade e aspirações e determinar sua própria a) No entendimento consensual das Corte Ibero-
identidade, campos de atividade das pessoas que são Americanas, o conceito de hipossuficiência não se
próprios e autônomos de cada um, tais como suas restringe ao viés econômico.
decisões, suas relações interpessoais e familiares e
seu domicílio bem como b) De acordo com o documento aprovado na XIV
a) Todas estão corretas Cúpula Judicial Iberoamericana, a pobreza é apenas
b) Apenas a I, II, III estão corretas. uma das causas de vulnerabilidade, porém não a
c) Apenas a I, II, III e IV estão corretas. única.
d) Apenas uma está incorreta.
c) As 100 Regras de Brasília foram difundidas pelos
e) Apenas duas afirmações estão corretas.
países envolvidos, de modo que o MERCOSUL editou
recomendação reconhecendo a importância da
82. Em setembro de 2015, líderes mundiais reuniram- autonomia e independência da Defensoria Pública
se na sede da ONU, em Nova York, e decidiram um como garantia do acesso à justiça das pessoas
plano de ação para erradicar a pobreza, proteger o vulneráveis.
planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a
prosperidade: a Agenda 2030 para o d) A mediação, a conciliação, a arbitragem e outros
Desenvolvimento Sustentável, a qual contém o meios que não impliquem a resolução do conflito por
conjunto de 17 Objetivos de Desenvolvimento um tribunal, podem contribuir para melhorar as
25
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

d) Os Estados devem avançar promovendo medidas


condições de acesso à justiça de determinados grupos afirmativas que atendam especificamente as
de pessoas em condição de vulnerabilidade, assim necessidades das pessoas trans, e procurem superar
como para descongestionar o funcionamento dos as barreiras estruturais e históricas enfrentadas por
serviços formais de justiça. estas pessoas para o exercício de seus direitos
e) O documento estabelece um rol taxativo de pessoas e) É essencial que os Estados adotem medidas eficazes
vulneráveis, a fim de que os Estados-partes possam visando a transformação cultural, a fim de erradicar
estabelecer políticas e medidas que visem a a violência e a discriminação contra as pessoas trans,
promoção, proteção e efetivação dos direitos dos com base na cláusula de não igualdade e proibição da
grupos vulneráveis. discriminação, que é um princípio fundamental,
requisito e condição essencial para o pleno exercício
dos direitos humanos
84. Em maio de 2018, a CIDH registrou a primeira
decisão judicial da região que reconheceu a figura 85. Em relação a Convenção Interamericana contra
jurídica do transfemicídio agravado por ódio à toda foram de discriminação e intolerância, assinale
identidade de gênero da vítima na sentença a alternativa correta:
condenatória do acusado pela morte da ativista I)Trata-se do primeiro documento internacional
social trans Diana Sacayán, na Argentina. Também juridicamente vinculante que, de forma expressa,
pela primeira vez, na Colômbia, em dezembro de condena a discriminação baseada em orientação
2018, a Vara Criminal de Huila condenou o autor do sexual, identidade e expressão de gênero
homicídio de uma mulher trans pelo crime de II) A Convenção Interamericana contra Toda Forma de
feminicídio, sendo a primeira vez naquele país que a Discriminação e Intolerância traz os conceitos de a)
figura penal do feminicídio foi aplicada em relação a discriminação e b)discriminação indireta
uma mulher trans. Diante desse contexto, de III)Reafirma o princípio da igualdade e da não-
violência e discriminação, assinale a alternativa discriminação e que todo ser humano goza do direito
incorreta: ao reconhecimento, exercício e proteção, em
condições de igualdade, individual e coletivamente,
a) A Comissão Interamericana de Direitos Humanos de seus direitos humanos e liberdades fundamentais
ressalta as altas cifras de violência e discriminação previstos na legislação interna e nos instrumentos
contra as pessoas trans e de gênero diverso nos internacionais aplicáveis aos Estados-parte.
estados americanos, e reitera a importância de IV) Não foi assinada pelo Brasil, que ao contrário dos
prevenir, investigar com a devida diligência, países da Argentina, Equador e Uruguai assinaram o
sancionar e reparar os atos de violência e documento no mesmo dia da aprovação.
discriminação cometidos contra elas. a) Todas estão corretas
b) A Comissão Interamericana de Direitos Humanos b) Apenas duas afirmações estão incorretas.
reconhece as medidas adotadas por alguns Estados c) Apenas uma está incorreta
que, diante da falta de uma legislação sobre d) Todas estão incorretas
identidade de gênero, procuram garantir o pleno e) Apenas duas estão corretas.
acesso ao direito a voto das pessoas trans,
removendo obstáculos ou discriminação em razão 86. As mulheres são reconhecidas como um grupo
da sua identidade e/ou expressão de gênero. vulnerável de extrema fragilidade e que sofre
c) Na opinião da Comissão Interamericana de Direitos constantes violações de direitos humanos. Por conta
Humanos, os Estados devem assegurar que o acesso disso, foram editados inúmeros documentos
aos direitos econômicos, sociais e culturais não seja internacionais visando a promoção, proteção e
negado a pessoas trans com base em discriminação efetivação desse grupo. Assinale a alternativa
ou preconceitos correta em relação a Convenção de Belém do Pará.
26
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

a) O Brasil não ratificou a Convenção de Belém do d) Qualquer pessoa ou grupo de pessoas, ou qualquer
Pará, por entender que os direitos e garantias nela entidade não-governamental juridicamente
propostos, não estavam relacionadas as violações de reconhecida em um ou mais Estados membros da
direitos sofridas pelas mulheres no nosso país. Organização, poderá apresentar à Comissão
b) Foi reconhecido que a violência contra a mulher se Interamericana de Direitos Humanos petições
restringia ao espaço público, eis que o domínio referentes a denúncias ou queixas de violação dos
privado não era espaço de interferência do Estado, direitos e garantias assegurados na Convenção de
sob risco de violar a privacidade e intimidade dos Belém do Pará.
seios familiares. e) Os Estados Partes da Convenção de Belém do Pará
c) Foi o primeiro tratado internacional a reconhecer e a Comissão Interamericana de Mulheres poderão
de forma enfática a violência contra a mulher como solicitar à Corte Interamericana de Direitos
um fenômeno generalizado. (independentemente de Humanos parecer sobre a interpretação desta
idade, classe social, raça, etc.) Convenção
d) Por descumprir a referida convenção, o Brasil foi
responsabilizado perante a Corte Interamericana no 88. O Direito à moradia é internacionalmente
caso Maria da Penha vs. Brasil. reconhecido como direito humano fundamental.
e) O primeiro caso de violência contra a mulher Sabe-se ainda que as pessoas não podem ser
encaminhado à Comissão Interamericana e submetidas a despejos coletivos forçados sem
relacionado ao Brasil envolvia a Sra. Maria da Penha, respeito a parâmetros mínimos de observância
obrigatória de direitos e garantias fundamentais. Em
tanto que culminou na responsabilização pelo
relação a esses direitos, assinale a alternativa que
estado brasileiro.
não corresponda ao direito internacional dos
direitos humanos.
87. Em relação a Convenção de Belém do Pará, a) A Comissão da ONU para Direitos Econômicos,
assinale a alternativa incorreta:
Sociais e Culturais, identificou uma série de
a) Toda mulher poderá exercer livre e plenamente
elementos básicos no que diz respeito à moradia,
seus direitos civis, políticos, econômicos, sociais e
entre eles a segurança jurídica para a posse, a
culturais, e contará com a total proteção desses
disponibilidade de infra-estrutura básica para a
direitos consagrados nos instrumentos regionais e
garantia da saúde, segurança, conforto e nutrição
internacionais sobre direitos humano. Os Estados
dos titulares do direito.
Partes reconhecem que a violência contra a mulher
b) De acordo com a Declaração Universal dos Direitos
impede e anula o exercício desses direitos
Humanos todo ser humano tem direito a um padrão
b) Para a Convenção de Belém do Pará, entender-se-á
de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde
por violência contra a mulher qualquer ato ou
e bem estar, inclusive alimentação, vestuário,
conduta baseada no gênero, que cause morte, dano
habitação.
ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher,
c) De acordo com Pacto Internacional de Direitos Civis
tanto na esfera pública como na esfera privada.
e Políticos, ninguém poderá ser objeto de
c) A fim de proteger o direito de toda mulher a uma
ingerências arbitrárias ou ilegais em sua vida
vida livre de violência, os Estados Partes deverão
privada, em sua família, em seu domicílio.
incluir nos relatórios nacionais à Corte
d) O Pacto Internacional de Direitos Econômicos,
Interamericana sobre as medidas adotadas para
Sociais e Culturais estabelece o reconhecimento de
prevenir e erradicar a violência contra a mulher,
uma moradia adequada a todas as pessoas.
para prestar assistência à mulher afetada pela
e) Por não ser prioridade internacional dos Direitos
violência, bem como sobre as dificuldades que
Humanos, o Comitê de Direitos Econômicos, Sociais
observarem na aplicação das mesmas e os fatores
e Culturais da ONU deixou de tecer comentários
que contribuam para a violência contra a mulher.
específicos sobre a segurança e limites da posse.
27
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

89. O Brasil foi condenado no sistema interamericano em 2050 e 3100 milhões no ano 2100. Diante desse
de Direitos Humanos, por violação de direitos das cenário, assinale a alternativa incorreta:
pessoas com deficiência no Caso Damião Ximenes a) O Plano Internacional de Ação de Viena sobre o
Lopes. O caso Ximenes Lopes foi de grande envelhecimento, teve como base documentos
importância para o Brasil, pois fixou-se a fundamentais para sua elaboração, tais como a
necessidade de zelar pela investigação criminal Declaração Universal dos Direitos Humanos, a
eficaz e isenta, além de incumbir o Estado brasileiro Recomendação 162 da Organização Internacional do
da capacitação de profissionais que atendam Trabalho (OIT) sobre Trabalhadores Idosos, do ano
pessoas com transtorno mental. Assinale, portanto, a de 1980, a Convenção 128(6) da Organização
alternativa INCORRETA, em relação aos principais Internacional do Trabalho sobre Invalidez, Velhice e
pontos da sentença: benefícios de sobreviventes, de 1967. No mais, a
a) A Corte Interamericana além de atestar que o Brasil principal motivação foi a preocupação com o
foi responsável pela violação dos direitos à vida e à crescimento e envelhecimento da população.
integridade física de Damião, enfatizou que os atos b) Entre os objetivos esboçados pela Declaração de
imputados aos funcionários da Casa de Repouso de Viena estão o incentivo ao desenvolvimento da
Guararapes eram de inegável responsabilidade do educação, formação e pesquisa para responder ao
Estado brasileiro, uma vez que aquele ente estava envelhecimento da população mundial e promover
sendo pago e supervisionado, então, pelas verbas um intercâmbio internacional de habilidades e
públicas do Sistema Único de Saúde. conhecimentos.
b) A Corte reconheceu que o Estado Brasileiro é livre c) Na Declaração de Brasília, ficou reconhecido que o
para delegar a execução dos serviços de saúde envelhecimento é uma das maiores realizações da
pública, mas tal delegação aos entes privados não humanidade seja na América Latina ou no Caribe,
elide a responsabilidade primária sobre eventuais onde a população tem envelhecido de maneira
abusos ou negligências. homogênea e que em alguns países o processo está
c) A Corte Interamericana reconheceu que as pessoas mais avançado do que em outros.
com deficiência, por sua extrema vulnerabilidade, d) A Organização dos Estados Americanos (OEA)
exigem do Estado maior zelo e prestações positivas cuida da questão
de promoção de seus direitos. do envelhecimento humano de modo ainda tímido.
d) A Corte reconheceu que a sentença proferida no Observa-se que no Protocolo de San Salvador o
Caso Damião Ximenes Lopes vs. Brasil, foi a primeira envelhecimento foi desmembrado
de mérito contra o Brasil, mas não foi a primeira na em quatro garantias relacionadas a proteção
qual a corte analisou violações de direitos humanos diferenciada, quais sejam oportunidades de
de pessoa com doença mental. trabalho, criação de um ambiente acessível e
e) A corte determinou que não basta que os Estados se participação social.
abstenham de violar os direitos, mas que é essencial e) A Convenção Interamericana sobe a Proteção dos
que implementem "medidas positivas", que devem Direitos Humanos das Pessoas Idosas reconhece a
ser adotadas em função das necessidades importância da participação da sociedade civil na
particulares de proteção do indivíduo. elaboração, aplicação e controle de políticas públicas
destinadas as pessoas idosas.
90. A Declaração Universal dos Direitos Humanos
reconhece o direito à uma velhice digna. No mais, o TUTELA COLETIVA
envelhecimento social tem se transformado em um Henrique da Rosa
dos maiores desafios da atualidade, eis que de
acordo com o relatório sobre Perspectivas da 91. Assinale a alternativa incorreta em relação à lei
População Mundial da Organização das Nações 7.347/1985:
Unidas, estima-se que até o ano 2050 o número de
a) Se, no exercício de suas funções, os juízes e
pessoas com mais de 60 anos de idade dobrará e
triplicará até 2100, quando a população crescerá de tribunais tiverem conhecimento de fatos que
962 milhões de pessoas em 2017 para 2100 milhões possam ensejar a propositura da ação civil,
28
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

remeterão peças ao Ministério Público para as natureza divisível, de que sejam titulares pessoas
providências cabíveis. indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato.

b) A propositura da ação prevenirá a jurisdição do c) Interesses ou direitos coletivos, assim entendidos,


juízo para todas as ações posteriormente intentadas para efeitos da lei 8.078/90, os transindividuais, de
que possuam a mesma causa de pedir ou o mesmo natureza indivisível de que seja titular grupo,
objeto. categoria ou classe de pessoas ligadas por
circunstâncias de fato.
c) Qualquer pessoa poderá e o servidor público deverá
provocar a iniciativa do Ministério Público, d) Interesses individuais homogêneos são os
ministrando-lhe informações sobre fatos que decorrentes de relação jurídica comum.
constituam objeto da ação civil e indicando-lhe os
elementos de convicção. e) Interesses ou direitos difusos, assim entendidos,
para efeitos da lei 8.078/90, os transindividuais, de
d) O direito à saúde consta expressamente no rol de natureza indivisível, de que sejam titulares pessoas
bens jurídicos tuteláveis pela lei 7.347/85, previsto determinadas e ligadas por circunstâncias de fato.
no art. 1º da respectiva lei.

e) A ordem econômica consta expressamente no rol de


bens jurídicos tuteláveis pela lei 7.347/85, previsto 94. Assinale a alternativa correta de acordo com a lei
no art. 1º da respectiva lei. da ação civil pública (7.347/85)

a) Se o órgão do Ministério Público, esgotadas todas


as diligências, se convencer da inexistência de
92. Assinale a alternativa onde não há parte legítima fundamento para a propositura da ação civil,
para propositura de ação coletiva, no microssistema promoverá o arquivamento dos autos do inquérito
processual coletivo: civil ou das peças informativas, fazendo-o
fundamentadamente.
a) Ordem dos Advogados do Brasil
b) A ação civil pública poderá ter por objeto a
b) Movimento Social regularmente constituído condenação em prestação de serviços ou o
c) Autarquia cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer.

d) Fundação c) O Ministério Público, se não intervier no processo


como parte, poderá atuar como fiscal da lei.
e) Sociedade de Economia Mista
d) Ordem dos Advogados do Brasil pode ajuizar ação
civil pública.

93. Assinale a alternativa correta em relação aos e) Condomínio fechado pode ajuizar ação civil pública.
direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos
previstos na lei 8.078/90

a) Os direitos difusos e coletivos são chamados de 95. Assinale a alternativa incorreta em relação a
essencialmente coletivos. atuação da Defensoria Pública no processo coletivo

b) Interesses ou direitos difusos, assim entendidos, a) A Defensa Pública possui legitimidade plena para
para efeitos da lei 8.078/90, os transindividuais, de tutelar direitos e interesses difusos de que são
titulares pessoas necessitadas.
29
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

b) Incumbe à Defensoria Pública exercer a defesa dos assistência material, moral e educacional por parte do
direitos e interesses individuais, difusos, coletivos e detentor.
individuais homogêneos e dos direitos do
e) Em hipótese alguma o deferimento da guarda de
consumidor, na forma do inciso LXXIV do art. 5º da criança ou adolescente a terceiros tem o condão de
Constituição Federal. impedir o exercício do direito de visitas pelos pais.
c) A Defensoria Pública tem legitimidade para a
propositura da ação civil pública em ordem a
promover a tutela judicial de direitos difusos e
97. A adoção, assim como a guarda, é modalidade de
coletivos de que sejam titulares, em tese, pessoas
necessitadas. colocação em família substituta e apresenta
regramento no Estatuto da Criança e do Adolescente.
d) Incumbe à Defensoria Pública promover ação civil
pública e todas as espécies de ações capazes de Sobre o tema, é correto afirmar:
propiciar a adequada tutela dos direitos difusos,
a) A adoção é medida excepcional e irrevogável e
coletivos ou individuais homogêneos quando o poderá ocorrer ainda que presentes recursos de
resultado da demanda puder beneficiar grupo de manutenção da criança ou adolescente na família
pessoas hipossuficientes. natural.
e) A teor do art. 82 da lei 8.078/90 a Defensoria b) O Estatuto da Criança e do Adolescente permite que
Pública é legitimada para a defesa coletiva do o adotando conte com mais de dezoito anos à época
consumidor. do pedido de adoção.

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE c) O ECA admite que, em casos excepcionais, a adoção


Ricardo Torques seja realizada por procuração.

96. A colocação em família substituta far-se-á d) Em caso de conflito entre direitos e interesses do
adotando e de outras pessoas, inclusive seus pais
mediante guarda, tutela ou adoção, biológicos, deverão prevalecer os interesses dos
independentemente da situação jurídica da criança genitores.
ou adolescente. Sobre a guarda, pode-se afirmar: e) Ao ser adotado, a criança ou adolescente terá a
a) A guarda confere ao detentor o direito de opor-se condição de filho, com os mesmos direitos e deveres,
apenas a terceiros visando o melhor interesse da inclusive sucessórios, resguardados os vínculos com
criança ou adolescente. seus pais e parentes.

b) A guarda poderá ser deferida, liminar ou


incidentalmente, nos procedimentos de tutela e
adoção por nacionais ou estrangeiros. 98. As entidades de atendimento são responsáveis
c) A criança ou adolescente sob guarda serão pela manutenção das próprias unidades, assim como
consideradas como dependentes do detentor para pelo planejamento e execução de programas de
todos os fins e efeitos de direito, exceto os
previdenciários. proteção e socioeducativos destinados a crianças e
adolescentes. Tendo o Estatuto da Criança e do
d) Concedida a guarda de criança ou adolescente a
terceiro, os pais continuarão obrigados a prestar Adolescente por base, assinale a alternativa correta:
alimentos, ainda que a guarda obrigue a prestação de a) As entidades de atendimento são responsáveis
unicamente por programas de acolhimento
30
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

institucional, liberdade assistida, semiliberdade e e) Em caso de reiteradas infrações cometidas por


internação. entidades de atendimento, que coloquem em risco os
direitos assegurados no ECA, deverá ser o fato
b) As entidades de atendimento governamentais são comunicado ao Ministério Público ou representado
dispensadas da inscrição de seus programas, sendo perante a autoridade judiciária competente para as
exigida tal medida apenas das entidades não providências cabíveis, sendo vedada a dissolução da
governamentais. entidade de atendimento governamental.
c) A implementação e manutenção dos programas
desenvolvidos pelas entidades de atendimento
ocorrerá com recursos advindos exclusivamente de
órgãos das áreas de assistência social. 100. Em relação aos direitos individuais garantidos
diante da prática de ato infracional, o Estatuto da
d) Os programas em execução serão reavaliados pelo
Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Criança e do Adolescente prevê que:
Adolescente anualmente.
a) O adolescente só será privado de sua liberdade em
e) As entidades de atendimento não governamentais caso de flagrante de ato infracional ou em razão de
só poderão funcionar após seu registro no Conselho ordem escrita e fundamentada da autoridade
Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente judiciária competente.
que, por sua vez, comunicará o registro ao Conselho
Tutelar e à autoridade judiciária competente. b) A identificação dos responsáveis pela apreensão do
adolescente deverá ser feita de imediato aos seus
pais.

c) A apreensão de qualquer adolescente e o local onde


99. As entidades de atendimento governamentais e se encontra recolhido serão incontinenti
não governamentais estão sujeitas a fiscalização. comunicados ao Ministério Público e à família do
apreendido.
Sobre o tema, é correto afirmar:
d) A internação provisória poderá ser determinada
a) A fiscalização das entidades de atendimento pelo prazo de quarenta e cinco dias, prorrogável por
compete exclusivamente ao Judiciário e ao igual período, desde que mediante decisão
Ministério Público. fundamentada.
b) Os planos de aplicação e as prestações de contas e) Ainda que haja fundada dúvida, o adolescente
serão apresentados ao Conselho Municipal dos civilmente identificado não será submetido à
Direitos da Criança d do Adolescente. identificação compulsória.
c) As pessoas jurídicas de direito público e as
organizações não governamentais responderão
pelos danos que seus agentes causarem às crianças e
aos adolescentes, caracterizado o descumprimento
dos princípios norteadores das atividades de
proteção específica.

d) Em caso de descumprimento das obrigações


previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente, as
entidades governamentais e não governamentais
estarão sujeitas a advertência, afastamento
provisório ou definitivo dos dirigentes e, inclusive,
cassação do registro.
31
1º Simulado DPE-RJ – Defensor – 08/11/2020

Preencha o Gabarito!

http://bit.ly/Simulado-DPERJ-08-11-20

Conheça nossa assinatura


http://bit.ly/Assinatura-ECJ

Conheça nosso sistema de questões!

https://bit.ly/Sistemas-de-Questões

CONFIRA: CURSOS PARA DPE-RJ


1º Simulado – DPE-RJ - 08/11/2020

GABARITO

Confira sua nota e posição no Ranking! http://bit.ly/Ranking-DPERJ-08-11-20

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

E A D A D D C C C D

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

E E D A D D E D A B

21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

C B B E A D C A B D

31 32 33 34 35 36 37 38 39 40

X X X X X X X X X X

41 42 43 44 45 46 47 48 49 50

B A E D B C E C C D

51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

E D D C D B D B E C

61 62 63 64 65 66 67 68 69 70

A D B E C C B D A A

71 72 73 74 75 76 77 78 79 80

D A B C B D E A C B

81 82 83 84 85 86 87 88 89 90

B D E E C C C E D C

91 92 93 94 95 96 97 98 99 100

D B A A E D B E C A

1
2
2º Simulado – Juiz do TRF 1 - 24/10/2020

Conheça nossa assinatura


http://bit.ly/Assinatura-ECJ

Conheça nosso sistema de questões!

https://bit.ly/Sistemas-de-Questões

CONFIRA: CURSOS PARA DPE-RJ

2
2

Você também pode gostar