Você está na página 1de 8

8

Prontuário Médico
Eletrônico de Pacientes:
Uma Proposta Ten.-Cel.-Int. Sérgio Antônio de Moura

Rev. UNIFA, Rio de Janeiro, 14 (16): dez 2001


9

1 - Introdução de maior complexidade técnica e espaço físico,


uso das tecnologias de informação o HCA, o HFAG e o HFAB.

O em Medicina é, hoje, um tema-alvo


de atenção em todos os países mais
desenvolvidos mundialmente.
Atualmente, estão incluídos na base de
dados da SARAM cerca de 284.000 usuá-
rios e por volta de 38% dos mesmos encon-
tram-se na área do III COMAR. Esses dados
O conhecimento, por parte dos médicos,
explicam a dimensão do arquivo ativo dos
do passado clínico de seus pacientes pode salvar
hospitais de 4º escalão, que estão na faixa de
uma vida. Assim, aumentam-se o conforto e
80.000 a 90.000 prontuários, bem como a
segurança das pessoas, melhorando a eficácia
do arquivo inativo, visto que possui de 50% a
dos serviços de saúde e reduzindo custos.
80% deste número, variando em função da
Pela própria natureza, a saúde produz
quantidades enormes de dados. Estes, que são antiguidade do hospital. Explica-se, então, o
a chave para o sucesso do tratamento médico, porquê de os registros de atendimento de
pacientes estarem sempre mantidos: há
também representam um problema ao serem
armazenados e recuperados. Porém, na era da permanente possibilidade de serem solici-
tados. Os hospitais de área possuem, em
tecnologia da informação, não existem mais
média, de 20.000 a 35.000 prontuários ativos.
justificativas para não se obter o histórico
A necessidade de agilização de procedi-
clínico do paciente no momento do
mentos administrativos dentro de cada
atendimento.
Organização de Saúde da Aeronáutica (OSA),
É necessário que o hospital se organize
subordinada técnica e administrativamente à
administrativamente, a fim de poder fornecer
DIRSA, levou à criação de um sistema
ao médico e a todo o corpo clínico, a qualquer
informatizado que pudesse efetuar um
hora, os dados de que precisarem para atender
controle desses procedimentos de forma
aos pacientes com a maior presteza e eficiência.
muito mais eficiente e eficaz. Tal controle
Sabe-se também que tantas e tão impor-
envolve uma série de procedimentos
tantes são as informações fornecidas pelo do- específicos para cada atividade médico-
ente ao hospital, muitas vezes até de caráter hospitalar que se deseja gerenciar.
sigiloso. Torna-se impossível, portanto, manter, O Sistema de Gestão Hospitalar (SGH)
em condições apropriadas de consulta, os não é completo e necessita do desenvolvi-
dados coletados e registrados por escrito por mento do módulo do Prontuário Médico
toda a equipe responsável pela saúde do Eletrônico de Pacientes (PMEP), que visa,
paciente, a não ser que um serviço -como o sobremaneira, a possibilitar a utilização plena
da Subdivisão de Arquivo Médico e Estatística da informatização das unidades de saúde da
(SAME) - seja especialmente criado com Aeronáutica.
as finalidades de ordenação, guarda e Para mostrar a importância e necessidade
conservação dos dados reunidos no pron- do PMEP nas OSA, é necessário, primei-
tuário médico. ramente, conhecer o atual SGH da DIRSA,
Considerando os hospitais da Aero- que será visto a seguir.
náutica, o arquivo de prontuários médicos terá
um tamanho variável em função da popu- 2 - Sistema de Gestão Hospitalar
lação-alvo a ser atendida e do escalão funcional 2.1 Histórico
de atendimento de saúde. São classificados O SGH, destinado ao controle do
como de 4º escalão de atendimento, ou seja, funcionamento dos hospitais e dos postos

Rev. UNIFA, Rio de Janeiro, 14 (16): 8-15 dez 2001


10

médicos do Sistema de Saúde da Aeronáutica, até então, permitia apenas o faturamento


foi desenvolvido de forma modular nas ambulatorial.
instalações da Unidade de Informática da 2.2 Redes Locais
DIRSA. O Sistema de Gestão Hospitalar foi
Em meados de 1995, o primeiro módulo desenvolvido para ser implementado em
do SGH, Cadastro de Prontuários, ficou microcomputadores isolados ou naqueles
pronto e foi instalado no HCA, para os pri- ligados em rede dentro da filosofia Cliente/
meiros testes e treinamento dos seus usuários. Servidor com “software” gerenciador de rede
Em janeiro de 1996, dentro do crono- NOVELL 4.12, por ser o mais compatível
grama estabelecido, ficou pronto o módulo com o produto em que o sistema foi
Agenda de Consultas e Procedimentos. desenvolvido: FOX PRO 2.5 for DOS.
O mesmo exigia para o seu funcionamento Não há necessidade de pessoal espe-
pleno que o primeiro estivesse implantado. cializado para operar o sistema. Os usuários
Em meados de 1996, começaram os são os funcionários diretamente engajados nos
testes com o módulo Faturamento Am- processos a serem automatizados, tais como
bulatorial. Foram dadas ao HCA condições enfermeiros, pessoal administrativo, médicos,
de efetuar um controle mais preciso do entre outros, desde que tenham um treina-
faturamento, aumentando a arrecadação de mento prévio nas atividades a que lhes dizem
recursos próprios de maneira considerável. respeito.
Em 1997, iniciou-se a implantação do 2.3 Prontuário Médico
módulo Internação no terceiro andar do O prontuário médico é o conjunto de
HCA, para servir de modelo para os demais informações do paciente coletadas pelos
andares, além de permitir o treinamento dos médicos e pelos outros profissionais de saúde
usuários, ou seja, a própria enfermagem do que cuidaram do mesmo. São utilizadas nos
hospital. hospitais as fichas de ambulatório para o
Em 1998, foi replicada a base de dados registro médico do indivíduo, que contêm
do Fundo de Saúde no HCA, adicionando toda a informação referente à saúde, do
ao SGH mais uma forma de controle para nascimento à morte, e o acompanhamento
impedir cadastramentos indevidos na do bem-estar do indivíduo, bem como dados
Assistência Médico Hospitalar Complementar sobre assistência médica, fatores de risco,
(AMHC) ou na Assistência Médico Hospitalar exercícios, perfil psicológico, anamnese (relato
(AMH). clínico informado pelo paciente), resultados
Nesse mesmo ano, foi implantado o de exames, diagnósticos, tratamento, nutrição
módulo Controle do Material de Saúde e e cirurgias.
Gestão das Guias de Apresentação de Os objetivos do prontuário médico
Benefício (GAB). são:
Com a introdução do módulo Controle • facilitar e documentar a atenção ao
de Material, todo o material utilizado nos paciente, assegurando a continuação da
pacientes passou a ser lançado nos terminais atenção médica a um paciente individual;
dos postos de enfermagem, no do Setor de • suporte para pesquisa clínica, estudos
Emergência e no do Centro Cirúrgico. Assim, epidemiológicos, controle de qualidade,
foi complementado o ciclo necessário à auditoria e estudo de drogas;
implantação do faturamento hospitalar que, • suporte para o ensino médico;

Rev. UNIFA, Rio de Janeiro, 14 (16): 8-15 dez 2001


11

• prover registros legal e ético no numeração incorreta, pode acarretar até horas
acompanhamento do atendimento; e de procura para sua localização, desviando
• prover informações para o gerencia- mão-de-obra na SAME para executar tal
mento do serviço, fechamento de contas, serviço;
reembolso, controle de custos e para a solução b) muitos prontuários médicos são
de questões operacionais, organizacionais e constituídos de muitas folhas, formando
estratégicas da administração. documento volumoso que, aos poucos, vai
O prontuário médico tradicional é deteriorando-se pela manipulação;
mantido: c) por força de lei, o prontuário médico
• em papel; tem de ser mantido arquivado, pois pode
• armazenado em grandes arquivos ser solicitado por decisão judicial, para a
hospitalares; e obtenção de informações médicas, ne-
• manuseado por vários profissionais no cessitando, então, de grandes áreas para
serviço. armazenamento, mesmo aqueles inativos; e
d) a prescrição médica incompleta ou de
Vantagens do prontuário médico
difícil compreensão e interpretação por quem
tradicional:
necessita analisar e obter informações sobre
• manuseio mais fácil;
• forma de escrituração livre; o paciente é um dos maiores problemas en-
• não exige treinamento especial para contrados no Prontuário Médico Manuscrito
(PMM).
manuseá-lo; e
Para ser dada solução a todos os
• nunca “sai do ar”.
problemas encontrados no PMM, será apre-
Com a implantação do Sistema de Gestão
Hospitalar Informatizado da DIRSA, sentada a seguir uma proposta para sua subs-
observa-se a complexidade de ações que são tituição pelo prontuário médico eletrônico.
desenvolvidas na SAME, cujo objeto de 4 - Prontuário Médico Eletrônico
trabalho principal é o prontuário médico, que
4.1 Generalidades
apresenta também suas deficiências de
utilização e controle. As vantagens proporcionadas pela
substituição do prontuário de papel pelo seu
3 - Prontuário Médico Manuscrito equivalente eletrônico são similares às de
As principais desvantagens do pron- informatização em outras áreas, quais sejam:
tuário médico em papel são: • acessibilidade de informações: direta,
• falta de sistematização de sua com- simultânea, atual, legível e rápida;
posição; • suporte à tomada de decisão;
• inconsistência de formato e localização; • sistematização em ordem cronológica,
• falta de estruturação interna; hierárquica e por problemas;
• ilegibilidade; • estruturação por categorização interna,
• sua forma em papel; diversidade e flexibilidade de exibição de telas
• armazenados em grandes arquivos e emissão automática de relatórios;
hospitalares; • facilidade na recuperação da informação
• manuseado por vários profissionais no (permite pesquisa rápida); e
serviço; • compactação (ocupa pouco espaço).
• problemas burocráticos, tais como: O prontuário médico eletrônico de
a) quando arquivado na seqüência de paciente apresenta os seguintes benefícios:

Rev. UNIFA, Rio de Janeiro, 14 (16): 8-15 dez 2001


12

• rapidez na assistência ao paciente; Módulos do Sistema


• controle de qualidade no atendimento; Agenda de atendimentos, fichário de
• resultados uniformes nas pesquisas; pacientes, gerador de documentos, estatísticas
• estudos multicêntricos de casos médicos; médicas, controle financeiro, controle de
• manuseio de protocolos padronizados estoques, relatórios gerenciais, correio
no preenchimento dos campos disponíveis; eletrônico, fichário de medicamentos, fichário
• descoberta de conhecimento relatado de bibliografias, agenda de telefones, agenda
pelos médicos; de compromissos e módulo do adminis-
• pesquisa rápida; e trador.
• planejamento e gerenciamento de
atendimento hospitalar. Características Diferenciais
Resumidamente, a informatização do Arquitetura cliente-servidor; critério de
prontuário de pacientes trará enormes busca-difusa para localização de pacientes;
benefícios para os médicos durante a estrutura do prontuário eletrônico definida
assistência aos pacientes. Não obstante, serão pelo próprio usuário; modelos de pron-
proporcionados benefícios aos pesquisadores, tuários pré-elaborados para diversas
que terão uma enorme quantidade de material especialidades; controle de acesso ao
eletrônico para realizar suas pesquisas, aos prontuário por usuário ou setor; com-
alunos, que poderão simular casos de posição automática de documentos, como
pacientes virtuais, e aos administradores, que receitas e laudos médicos; geração de
poderão ter fotografias instantâneas dos diversos tipos de gráficos estatísticos a partir
processos que estão ocorrendo em tempo de qualquer campo do prontuário; agen-
real no complexo hospitalar. damento integrado por médico, serviço ou
equipamento; cadastro do Código de
4.2 Proposta de Implantação Endereçamento Postal do Brasil para
O sistema que melhor se apresentou para preenchimento rápido de endereços; diversos
atender às necessidades de implantação de tipos de relatórios de análise de faturamento;
prontuário médico eletrônico de paciente no módulo financeiro multimoeda; emissão de
HCA foi o Easy Doctor. Desenvolvido pela contas por paciente ou convênio, com
empr esa INFOPAR Informática Ltda, mecanismo para controle de glosas; utilitários
sediada em Vitória – ES, é um “software” para exportação e importação de dados em
próprio para o ambiente “Windows”, que diversos formatos.
objetiva a automação de clínicas e hospitais.
Plataforma Operacional: Servidor
O sistema oferece aos seus usuários módulos
destinados ao suporte das rotinas médicas, DOS, Windows 3.xx, Windows 95, Windows
além de diversas facilidades voltadas, NT, Novel Netware, OS/2.
exclusivamente, ao controle das atividades Cliente
administrativas.
Windows 3.xx, Windows 95, Windows NT.
Apresenta-se, pois, o seguinte resumo
técnico do Sistema Easy Doctor. Requisitos Computacionais: Servidor
Objetivo do Sistema PC 486 ou superior, 8 MB RAM (32 MB
RAM recomendado).
Informatização de clínicas médicas e hospitais.
Atende às necessidades do médico e às Cliente
administrativas de clínica médica e hospitais. PC 486 ou superior, 8 MB RAM (16 MB

Rev. UNIFA, Rio de Janeiro, 14 (16): 8-15 dez 2001


13

RAM recomendado), placa de som para A extensão do Sistema a outras OSA


execução dos tutoriais. também é viável, pois, assim como no HCA,
Dos módulos do Sistema Easy Doctor serão aproveitados a rede, o servidor e os
apresentados, o que pode complementar o microcomputadores já existentes. Assim,
Sistema de Gestão Hospitalar é o fichário de necessitará do licenciamento do Sistema da
pacientes ou prontuário médico eletrônico de complementação de equipamentos, cujos
paciente, cujo acesso pela equipe médica será recursos financeiros poderão ser oriundos da
controlado por senhas nos prontuários própria OSA ou acrescidos pela DIRSA.
previamente cadastrados.
4.4 Roteiro de Implantação
O Sistema possui um fichário que permite
a localização rápida do prontuário de qualquer Para a implantação do Sistema de
paciente a partir de múltiplos critérios de Prontuário Médico Eletrônico de Paciente no
pesquisa. Para cada paciente, o sistema HCA, deve-se observar o seguinte roteiro:
mantém um prontuário médico eletrônico a) estender a rede lógica de microcom-
multimídia e de estrutura flexível, capaz de putadores a todos consultórios do prédio da
ser modelado e adaptado às necessidades de Unidade de Pacientes Externos e ao prédio
cada usuário. Ao configurar o sistema, cada
principal e seus anexos, totalizando 80 pontos,
usuário pode determinar as páginas e os
no prazo de 60 dias;
campos que farão parte do prontuário, de
b) instalar microcomputadores e im-
acordo com a sua especialidade médica. No
pressoras em todos os consultórios, postos
sistema, diversos prontuários podem ser
de atendimento e enfermagem que, com os
visualizados na tela simultaneamente.
já existentes, totalizarão 120 pontos, no prazo
O prontuário eletrônico do sistema está
de 45 dias;
subdividido em páginas, que podem ser
c) instalar componentes do Sistema no
agrupadas em seções, a critério do usuário.
Servidor e nas estações dos usuários; e
As seções que contêm uma ou mais páginas
d) treinar os usuários na utilização do
são identificadas por orelhas na janela do
prontuário eletrônico. As páginas do Sistema Consultoria na configuração das
prontuário eletrônico podem ser básicas e páginas do PMEP; suporte à migração de
disponibilizadas pelo sistema ou páginas dados do paciente do sistema atualmente em
criadas pelo próprio usuário. As dispo- uso para o novo sistema; suporte técnico e
nibilizadas são as seguintes: página de acompanhamento do usuário na utilização do
identificação do paciente (seção Identi- sistema.
ficação), página do histórico de doenças O prazo de execução é de três meses após
(seção Doenças), página do histórico de a instalação completa da rede e de equipamentos.
atendimentos (seção Agenda), página de lista O prazo total para a implantação de todo
de matrículas (seção Matrícula) e página dos o sistema é de cinco meses, após a liberação
documentos vinculados (seção Resumo). de recursos financeiros para a emissão de
empenho de despesa, bem como a contra-
4.3 Custos para a Implantação tação dos serviços.
O custo total para a implantação do
4.5 Legalidade para Utilização do PMEP
Sistema no HCA em 120 terminais é de R$
327.148,00, que pode ser totalmente absor- O amparo legal para a utilização do
vido pelos recursos da Diretoria de Saúde prontuário médico eletrônico de pacientes é
ou do próprio Hospital. evidenciado por pareceres do Conselho

Rev. UNIFA, Rio de Janeiro, 14 (16): 8-15 dez 2001


14

Regional de Medicina –SP e do Conselho e impressoras) em cada OSA, com recursos


Federal de Medicina, os quais, resumidamente, financeiros da própria OM ou descen-
concluem que: tralizados pela DIRSA.
a) inexiste exigência de manter arquivo Essa implantação poderá ser feita em até
escrito no Código de Ética Médica; 12 meses, primeiramente nos hospitais de 4º
b) mesmo que houvessem exigências Escalão e, a seguir, estendida aos de 3º
assim formuladas, estas não especificariam Escalão, que aproveitarão a experiência de
que os arquivos deveriam estar escritos em utilização do PMEP. Esta trará benefícios não
papel, ficando claro, portanto, que poderiam só na rotina da SAME como a todo corpo
estar registrados em qualquer meio, até clínico, que terá uma ferramenta importante
mesmo eletrônico; e a seu dispor, o prontuário médico eletrônico
c) o que importa, efetivamente, é o sigilo de pacientes, dado que disponibilizará
das infor mações pelo emprego de senhas informações rápidas, claras e precisas de cada
registradas, facilmente obtidas pela limitação paciente.
de acesso, bem como sua recuperabilidade A proposta de implantação do PMEP é
para atendimento às necessidades de várias viável e a relação custo-benefício que ela
naturezas, até mesmo de ordem legal, exigindo apresenta justifica qualquer investimento que
rigoroso sistema de cópias de segurança. as unidades de saúde farão, face estarem
dentro da realidade econômico-financeira da
5 - Conclusão Diretoria de Saúde. Após a sua implantação,
Durante as últimas décadas, a saúde se os custos de manutenção do sistema serão
expandiu para um sistema de largo espectro cobertos pelos utilizados no Sistema de
de serviços e comodidades. Gestão Hospitalar, visto que está ligado à sua
As tarefas associadas a ela são produtos rede lógica.
de diversas profissões, hospitais e instituições. Com a evolução do Sistema de Gestão
Milhões de pessoas fazem uso de serviços de Hospitalar da DIRSA, o modelo do PMEP
saúde diariamente. A sua demanda é tão poderá, no período de um a três anos, ser
extensa e diversa que controlá-los e orga- aperfeiçoado, em concomitância aos avanços
nizá-los pode parecer uma missão virtual- tecnológicos e da experiência de sua utilização
mente insuperável. A complexidade do pelo corpo clínico dos hospitais. Desse modo,
sistema, o enorme número de pessoas adequar-se-á às necessidades de utilização que
oferecendo e recebendo serviços, os valores serão propostas.
envolvidos e, especialmente, a variedade de Os equipamentos médicos e a infor-
situações críticas dos cuidados médicos criam mática evoluem juntamente numa velocidade
uma busca pela excelência da organização de espantosa. No período de quatro a cinco
saúde. anos, é esperada a integração do sistema
Os benefícios esperados com a implan- informatizado desses equipamentos médi-
tação do PMEP em todos os hospitais da cos com os de controle administrativo dos
Aeronáutica serão plenamente alcançados, hospitais. Os resultados de exames médicos
posto que o sistema será padronizado para serão gerados eletronicamente e transmi-
todas as unidades, utilizando a rede infor- tidos diretamente para o PMEP de cada
matizada e os equipamentos em operação. paciente. Certamente o sistema de gestão
Será necessária a aquisição do “software” e hospitalar existente, assim como o apre-
de alguns equipamentos (microcomputadores sentado neste trabalho, poderá evoluir em

Rev. UNIFA, Rio de Janeiro, 14 (16): 8-15 dez 2001


15

suas configurações, visando sempre


REFERÊNCIAS
beneficiar o produto final da razão de
existência dos hospitais que é o atendimen-
to ao paciente. 1. BRASIL, Escola de Pós-Graduação em
Finalizando, pode-se assegurar que o Economia da Fundação Economia da
Fundação Getúlio Vargas – Implantação de
PMEP é realmente algo prático, viável, útil e
um Sistema de Informação de Saúde no
necessário para o Sistema de Saúde da Sistema de Saúde da Aeronáutica. 1999.
Aeronáutica.

2. BRASIL. Ministério da Aeronáutica. Sistema


de Gestão Hospitalar da DIRSA . 1996.

3. CARVALHO, Lourdes de Freit as. SAME-


Serviço de Arquivo Médico e Estatística de
LISTA DE DEFINIÇÕES um Hospital. São Paulo: Ed. MEC, 2ª ed.,
1970.

Assistência Médico-Hospitalar: ocorre 4. CHINELATO FILHO, João. O&M Integrados à


quando pacientes indenizam os 100% da Informática. Rio de Janeiro: LTC – Livros
despesa efetuada na OSA (tabela EMFA). A Técnicos Científicos, 3ª ed., 1989.
SARAM não se responsabiliza por nenhum tipo
de indenização para esse caso. 5. LTDA, Docpro. Digitalização de p apéis.
Disponível: h t t p / / w w w. d o c p r o . c o m . b r
[capturado em 10 de outubro de 1998].

Assistência Médico-Hospitalar Comple-


6. LTDA, Infop ar Informática. Sistema Easy
mentar: é dada quando os pacientes res-
Doctor. Disponível: http//www/easydoctor.com.br
sarcem 20% do total da despesa efetuada e os [capturado em 7 de outubro de 1998].
80% restantes são indenizados pela SARAM
(tabela EMFA).
7. LTDA, Statin Informática. O cartão de saúde
Smart Card . Disponível: http//www/
statin.com.br [capturado em 8 de outubro de
1998].
Guia de Apresentação de Beneficiário:
documento que autoriza o atendimento do
beneficiário SARAM na rede médico-hospitalar 8. NOVAES, Maddala de Araújo. Prontuário
conveniada. Eletrônico de Paciente ( PEP). Disponível:
http//www/cesar.org.br/stis/pep/index/htn
[capturado em 08 de outubro de 1998].

Sistema de Gestão Hospitalar da DIRSA: 9. PRONTUÁRIOS MÉDICOS – Sigilo em Perigo.


sistema informatizado das unidades hos- Jornal do Conselho Federal de Medicina. Set
pitalares da Aeronáutica. 1998, nº 97, p.1.

Rev. UNIFA, Rio de Janeiro, 14 (16): 8-15 dez 2001

Você também pode gostar