Você está na página 1de 8

Maurício César Araújo Fortes

Abel Escórcio Filho

Frederico de Freitas Mendes

PROPOSTA DE SERVIÇOS

XXXXX
Ref.: Proposta de Prestação de Serviços

Prezados,

Atendendo à solicitação formulada, vimos através da presente carta, apresentar


proposta de contrato de prestação de serviços jurídicos.

CONTRATANTE: XXXX.

CONTRATADO: FREDERICO DE FREITAS MENDES, inscrito na OAB/PI sob nº


2.512, MAURÍCIO CEZAR ARAÚJO FORTES, inscrito na OAB/PI sob nº 16.150, e
ABEL ESCÓRCIO FILHO inscrito na OAB/PI sob nº 13.408, ambos com escritório
profissional localizado na Rua Deputado Sousa Santos, 853, São Cristóvão, Teresina-PI,
CEP 64.052-370.

DO OBJETO DO CONTRATO:

Cláusula 1ª. Assim, em atenção ao segmento de atuação da empresa, salientamos que


os serviços abrangidos por esta proposta englobam a interposição das seguintes ações:

OBJETO DA AÇÃO

A - Garantir a não incidência da Contribuição Previdenciária Patronal, RAT e


Contribuições devidas a Terceiros sobre os valores descontados da folha de salários a
título de assistência médica (plano de saúde) em coparticipação com o empregado, bem
como declarar o direito da Impetrante à compensação dos valores recolhidos
indevidamente nos últimos cinco anos.

B - Garantir a não incidência da Contribuição Previdenciária Patronal, RAT e


Contribuições devidas a Terceiros sobre os valores descontados da folha de salários a
título de vale-alimentação (em até 20%) em coparticipação com o empregado, bem
como declarar o direito da Impetrante à compensação dos valores recolhidos
indevidamente nos últimos cinco anos.

C - Garantir a não incidência da Contribuição Previdenciária Patronal, RAT e


Contribuições devidas a Terceiros sobre os valores descontados da folha de salários a
título de vale-transporte (acima de 6% como determina a legislação) em coparticipação
com o empregado, bem como declarar o direito da Impetrante à compensação dos

Rua Deputado Sousa Santos, 853. Teresina, PI. CEP: 64052-370. Telefone: (86) 3232-6392
Maurício César Araújo Fortes

Abel Escórcio Filho

Frederico de Freitas Mendes

valores recolhidos indevidamente nos últimos cinco anos. Documentos necessários:


folha de salários dos últimos 05 anos.

D – Ademais, para cada ação buscar-se-á o reconhecimento quanto ao direito de


proceder à compensação, na esfera administrativa, dos valores recolhidos
indevidamente a esses títulos, com contribuições futuras, nos termos do artigo 66 da Lei
8.383/91 e art. 74 da Lei nº 9.430/96 e posteriores modificações, reconhecendo-se que
todo crédito deve ser corrigido pela Taxa de Juros SELIC ou por outro índice que vier a
substituí-la, desde o respectivo recolhimento, ressalvado o direito da Autoridade
Impetrada à fiscalização e homologação do procedimento na esfera administrativa.

BASE LEGAL - ASSISTÊNCIA MÉDICA:

Os serviços médicos, odontológicos e similares poderão ser oferecidos pelo empregador


aos empregados e dirigentes e serão prestados pela própria empresa ou por terceiro a ela
conveniada, sendo lícito, inclusive, que despesas médicas suportadas por seus
colaboradores sejam reembolsadas pelo empregador. Muitas vezes o custeio integral da
assistência médica oferecida aos trabalhadores fica a cargo da empresa. Entretanto, em
muitos outros casos, também é possível que haja a coparticipação do empregado, de
forma que uma parte será por ele custeada enquanto outra será subsidiada pelo
empregador.

O artigo 281, §9º, da Lei nº 8.212/91, neste sentido, determina que as importâncias
destinadas ao custeio de plano de saúde não integram o salário-de-contribuição.

Não obstante a existência de dispositivo legal de isenção, o fisco reconhece como base
de cálculo das contribuições previdenciárias da empresa e do empregado os valores
deduzidos do salário base do trabalhador que se destinam ao custeio do plano de saúde
em coparticipação, integrando-o naquela base à revelia da legislação previdenciária de
regência.

JURISPRUDÊNCIA:

REMESSA NECESSÁRIA. MANDADO DE SEGURANÇA.


TRIBUTÁRIO. NÃO INCIDÊNCIA DA CONTRIBUIÇÃO
PREVIDENCIÁRIA, DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O
SISTEMA "S" E DO SALÁRIO EDUCAÇÃO SOBRE OS
VALORES DESCONTADOS DO SALÁRIO DO
EMPREGADO A TÍTULO DE ASSISTÊNCIA
MÉDICA/PLANO DE SAÚDE EM COPARTICIPAÇÃO. 1. Nos
1
Art. 28. Entende-se por salá rio-de-contribuiçã o: (...) §9º Nã o integram o salá rio-de-contribuiçã o
para os fins desta Lei, exclusivamente: q) o valor relativo à assistência prestada por serviço médico
ou odontoló gico, pró prio da empresa ou por ela conveniado, inclusive o reembolso de despesas com
medicamentos, ó culos, aparelhos ortopédicos, pró teses, ó rteses, despesas médico-hospitalares e
outras similares; (Redaçã o dada pela Lei nº 13.467, de 2017)

Rua Deputado Sousa Santos, 853. Teresina, PI. CEP: 64052-370. Telefone: (86) 3232-6392
Maurício César Araújo Fortes

Abel Escórcio Filho

Frederico de Freitas Mendes

termos da alínea q do § 9º do art. 28 da Lei nº 8.212/1991 não


integram o salário de contribuição " o valor relativo à assistência
prestada por serviço médico ou odontológico, próprio da empresa
ou por ela conveniado, inclusive o reembolso de despesas com
medicamentos, óculos, aparelhos ortopédicos, próteses, órteses,
despesas médico-hospitalares e outras similares ". No mais,
havendo participação financeira do empregado beneficiado,
mediante desconto sobre seu vencimento, tal parcela não pode ser
utilizada como base para a incidência de contribuição
previdenciária, por ostentar natureza indenizatória . A Autoridade
impetrada, ao seu turno, apresentou a objeção no sentido de que a
lei de regência estabelece a condição de que a empresa
disponibilize a todos os seus empregados e dirigentes a mesma
cobertura de saúde, facultando-lhes aderir a ela ou não (Ev. 14).
Nada obstante, diante da nova redação do artigo 28, §9º, da Lei nº
8.212/91, foi suprimida a exigência de cobertura que abranja a
totalidade dos empregados e dirigentes da empresa . Assim, não
merece reparo a sentença que concedeu o mandado de segurança.
2. Remessa necessária desprovida. TRF 2ª R.; Ap-RN 5032219-
45.2019.4.02.5101; Terceira Turma; Rel. Des. Theophilo Antonio
Miguel Filho; Julgado em 16/10/2019.

TRF 1ª R.; Ap-RN 0031466-27.2003.4.01.3400; Oitava Turma;


Rel. Juiz Fed. Conv. Miguel Ângelo de Alvarenga Lopes; DJF1
22/06/2018

TRF 3ª R.; AC 0086865-56.1995.4.03.9999; Segunda Turma; Rel.


Des. Fed. Souza Ribeiro; Julg. 06/09/2016; DEJF 16/09/2016

BASE LEGAL – VALE-ALIMENTAÇÃO

É sabido que o empregado tem direito de perceber, além de seu salário base, a rubrica
de vale-alimentação, a qual possui caráter indenizatório, para fins de custear gastos com
alimentos e proventos de subsistência alimentar. Este valor pago ao empregado é
custeado pelo empregador, que pode deter até 20% do salário de seu funcionário, vez
que arcou com os custos do referido benefício no mês anterior, nos termos do artigo
4582, §3º, da Consolidação das Leis do Trabalho.

2
Art. 458 - Além do pagamento em dinheiro, compreende-se no salá rio, para todos os efeitos legais,
a alimentaçã o, habitaçã o, vestuá rio ou outras prestaçõ es "in natura" que a empresa, por força do
contrato ou do costume, fornecer habitualmente ao empregado. Em caso algum será permitido o
pagamento com bebidas alcoó licas ou drogas nocivas. [...] § 3º - A habitaçã o e a alimentaçã o
fornecidas como salá rio-utilidade deverã o atender aos fins a que se destinam e nã o poderã o
exceder, respectivamente, a 25% (vinte e cinco por cento) e 20% (vinte por cento) do salá rio-
contratual (g. n.)

Rua Deputado Sousa Santos, 853. Teresina, PI. CEP: 64052-370. Telefone: (86) 3232-6392
Maurício César Araújo Fortes

Abel Escórcio Filho

Frederico de Freitas Mendes

O referido dispositivo é claro quanto à porcentagem descontada do salário do


empregado, de modo que este valor é restituído ao empregador, que, em momento
anterior, arcou com o pagamento integral do vale-alimentação de seu funcionário. É,
pois, evidente que o vale-alimentação, quando descontado do empregado, não se soma à
remuneração, vez que a própria legislação permite o empregador retirar a rubrica do
pagamento realizado3.

JURISPRUDÊNCIA:

AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA.


AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO. NATUREZA JURÍDICA.
COPARTICIPAÇÃO DO EMPREGADO NO CUSTEIO .
Caracterizada a existência de dissenso pretoriano, dá-se
provimento ao agravo de instrumento para destrancar o recurso de
revista. Agravo de instrumento conhecido e provido. B)
RECURSO DE REVISTA. AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO.
NATUREZA JURÍDICA. COPARTICIPAÇÃO DO
EMPREGADO NO CUSTEIO. Cinge-se a controvérsia à
natureza jurídica do auxílio-alimentação fornecido ao longo da
contratualidade, mediante coparticipação do empregado no
custeio do benefício. A controvérsia não comporta maiores
debates, consoante o entendimento jurisprudencial firmado no
âmbito deste Tribunal Superior, no sentido de que a alimentação
fornecida de forma não gratuita pelo empregador, mediante
contribuição do empregado no custeio da parcela, descaracteriza a
sua natureza salarial. Precedentes. Recurso de revista conhecido e
provido. (ARR - 20925-70.2016.5.04.0664 , Relatora Ministra:
Dora Maria da Costa, Data de Julgamento: 13/03/2019, 8ª Turma,
Data de Publicação: DEJT 15/03/2019)

TRF 2ª R.; Ap-RN 0002478-94.2009.4.02.5101; Quarta Turma


Especializada; Relª Desª Fed. Letícia Mello; DEJF 20/06/2017

TRF 2ª R.; AC 0011469-05.2008.4.02.5001; Terceira Turma


Especializada; Relª Desª Claudia Neiva; Julg. 01/12/2015; DEJF
14/12/2015

BASE LEGAL - VALE-TRANSPORTE:

3
Para fins de mera explanaçã o, a Empresa paga R$ 1.000,00 de salá rio para um funcioná rio, o qual
percebe vale-alimentaçã o. Assim, no intuito de cumprir com a legislaçã o, a Empresa desconta 20%
do salá rio, o qual integrará a quantia total do benefício, de modo que sua remuneraçã o efetiva passa
a ser mil reais, diminuídos vinte por cento, que dá o valor de R$ 800,00. Ora, é sobre esta quantia de
R$ 800,00, paga efetivamente ao empregado, que a Empresa, no exemplo em comento, deve pagar
as Contribuiçõ es Previdenciá rias e Sociais discutidas.

Rua Deputado Sousa Santos, 853. Teresina, PI. CEP: 64052-370. Telefone: (86) 3232-6392
Maurício César Araújo Fortes

Abel Escórcio Filho

Frederico de Freitas Mendes

É sabido que o empregado tem direito de perceber, além de seu salário base, a rubrica
de vale-transporte, a qual possui caráter indenizatório, para fins de custear gastos
necessários de locomoção. Este valor pago ao empregado é custeado pelo empregador,
que pode deter até 6% de seu funcionário, vez que arcou com os custos do referido
benefício no mês anterior, nos termos do artigo 4º, da Lei 7.418/854.

Com efeito, pretende-se delinear o salário efetivo do empregado, vez que o desconto de
6% (seis por cento) a título de vale-transporte é quantia que não integra sua
remuneração mensal. Assim, a porcentagem de 6% consiste em integralização de
pagamento do benefício do vale-transporte, o qual, por expressa disposição legal, não
incide as Contribuições em comento.

JURISPRUDÊNCIA E SÚMULA:

SÚMULA CARF nº 89: A contribuição social previdenciária não


incide sobre valores pagos a título de vale-transporte, mesmo que
em pecúnia. VALE TRANSPORTE. NATUREZA
INDENIZATÓRIA . O pagamento ou desconto de valores
referentes ao benefício do Vale Transporte não é integrante da
remuneração do segurado, nítida a sua natureza indenizatória.
(16327.001887/200876 - Acordão 2301003.143 - 3ª Câmara / 1ª
Turma Ordinária) (g. n.)

RECURSO EXTRORDINÁRIO. CONTRIBUIÇÃO


PREVIDENCIÁRIA. INCIDÊNCIA. VALE-TRANSPORTE .
MOEDA. CURSO LEGAL E CURSO FORÇADO. CARÁTER
NÃO SALARIAL DO BENEFÍCIO . ARTIGO 150, I, DA
CONSTITUIÇÃO DO BRASIL. CONSTITUIÇÃO COMO
TOTALIDADE NORMATIVA. 1. Pago o benefício de que se
cuida neste recurso extraordinário em vale-transporte ou em
moeda, isso não afeta o caráter não salarial do benefício. 2. A
admitirmos não possa esse benefício ser pago em dinheiro sem
que seu caráter seja afetado, estaríamos a relativizar o curso legal
da moeda nacional. 3. A funcionalidade do conceito de moeda
revela-se em sua utilização no plano das relações jurídicas. O
instrumento monetário válido é padrão de valor, enquanto
instrumento de pagamento sendo dotado de poder liberatório: sua
entrega ao credor libera o devedor. Poder liberatório é qualidade,
da moeda enquanto instrumento de pagamento, que se manifesta
4
Art. 4º - A concessã o do benefício ora instituído implica a aquisiçã o pelo empregador dos Vales-
Transportes necessá rios aos deslocamentos do trabalhador no percurso residência-trabalho e vice-
versa, no serviço de transporte que melhor se adequar. Pará grafo ú nico - O empregador participará
dos gastos de deslocamento do trabalhador com a ajuda de custo equivalente à parcela que exceder
a 6% (seis por cento) de seu salá rio bá sico (g. n.)

Rua Deputado Sousa Santos, 853. Teresina, PI. CEP: 64052-370. Telefone: (86) 3232-6392
Maurício César Araújo Fortes

Abel Escórcio Filho

Frederico de Freitas Mendes

exclusivamente no plano jurídico: somente ela permite essa


liberação indiscriminada, a todo sujeito de direito, no que tange a
débitos de caráter patrimonial. 4. A aptidão da moeda para o
cumprimento dessas funções decorre da circunstância de ser ela
tocada pelos atributos do curso legal e do curso forçado. 5. A
exclusividade de circulação da moeda está relacionada ao curso
legal, que respeita ao instrumento monetário enquanto em
circulação; não decorre do curso forçado, dado que este atinge o
instrumento monetário enquanto valor e a sua instituição [do
curso forçado] importa apenas em que não possa ser exigida do
poder emissor sua conversão em outro valor. 6. A cobrança de
contribuição previdenciária sobre o valor pago, em dinheiro, a
título de vale-transporte, pelo recorrente aos seus empregados
afronta a Constituição, sim, em sua totalidade normativa. Recurso
Extraordinário a que se dá provimento. (RE 478410, Relator(a):
Min. EROS GRAU, Tribunal Pleno, julgado em 10/03/2010, DJe-
086 DIVULG 13-05-2010 PUBLIC 14-05-2010 EMENT VOL-
02401-04 PP-00822 RDECTRAB v. 17, n. 192, 2010, p. 145-166)
(g. n.)

16327.001454/200900 - Acórdão 2302002.874 - 3ª Câmara / 2ª


Turma Ordinária - CARF

Parágrafo primeiro: Todas as ações listadas serão interpostas no Poder Judiciário via
mandado de segurança, uma vez que esse instrumento processual dispensa o pagamento
de honorários advocatícios para o Fisco, na hipótese de os CONTRATADOS não
lograrem êxito em seus pedidos.

Parágrafo segundo: A CONTRATADA fica ciente de que os CONTRATANTES não


recomendam o manuseio das medidas liminares requeridas e concedidas pelo Poder
Judiciário, orientando a CONTRATADA aguardar o trânsito em julgado das ações para
a tomada de decisão em relação ao direito de repetição e/ou compensação dos créditos
tributários reconhecidos em juízo.

DAS OBRIGAÇÕES DOS CONTRATADOS:

Cláusula 2ª. Devem os CONTRATADOS proceder com diligência, nos termos do


Estatuto da OAB (Lei n. 8.906/94).

Cláusula 3ª. Cabe aos CONTRATADOS fornecer informações sobre o andamento da


ação, inclusive com relatórios técnicos para auditoria do CONTRATANTE, na
periodicidade e forma previamente ajustadas.

Rua Deputado Sousa Santos, 853. Teresina, PI. CEP: 64052-370. Telefone: (86) 3232-6392
Maurício César Araújo Fortes

Abel Escórcio Filho

Frederico de Freitas Mendes

Cláusula 4ª. Orientar a CONTRATANTE nos procedimentos necessários à


homologação administrativa de decisão judicial transitada em julgado, assim como nos
procedimentos administrativos de compensação ou restituição dos créditos decorrentes
deste contrato.

DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATANTE

Cláusula 5ª. A CONTRATANTE deverá reunir e manter sob sua guarda toda a
documentação pertinente aos objetivos aqui convencionados, referente ao período que
compreende os cinco anos anteriores à propositura da medida judicial até o seu trânsito
em julgado e pedido de compensação e/ou ressarcimento dos créditos.

Cláusula 6ª. A CONTRATANTE responsabilizar-se-á pelo pagamento de taxas


judiciais e administrativas necessárias ao ingresso e regular prosseguimento da medida
judicial, bem como, facultativamente, das demais despesas relacionadas à execução do
serviço, desde que previamente aprovadas.

DA CONTRAPRESTAÇÃO:

Cláusula 7ª. Pela execução do serviço objeto deste instrumento contratual, os


CONTRATADOS receberão a título de honorários finais (êxito) o percentual de 15%,
do montante total reconhecido como devido pelo Poder Judiciário, com os valores
referentes a juros, correção monetária e outros encargos legais cabíveis.

Parágrafo único. O pagamento previsto nesta cláusula será feito de forma a não
comprometer o fluxo de caixa da CONTRATANTE, e será compatível com o montante
dos impostos federais devido a cada mês, ressalvada a possibilidade de fruição imediata
dos créditos, como, por exemplo, pela quitação de débitos.

DA DURAÇÃO:

Cláusula 8ª. O presente instrumento contratual tem validade a partir da data de sua
assinatura até o cumprimento do objeto, que se dará com a utilização dos créditos e o
respectivo pagamento dos honorários de êxito, após o trânsito em julgado da ação.

DA RESCISÃO:

Cláusula 9ª. Este contrato poderá ser rescindido por qualquer uma das partes, mediante
notificação por escrito à outra, com prazo mínimo de 30 (trinta) dias de antecedência.
Caso a revogação seja feita pela parte CONTRATANTE, fica assegurado aos
CONTRATADOS a integralidade dos honorários de êxito previstos na Cláusula 7ª,
igualmente sem prejuízo da parcela fixa e inicial, desde que a medida judicial tenha sido

Rua Deputado Sousa Santos, 853. Teresina, PI. CEP: 64052-370. Telefone: (86) 3232-6392
Maurício César Araújo Fortes

Abel Escórcio Filho

Frederico de Freitas Mendes

proposta.

DISPOSIÇÕES GERAIS:

Cláusula 10ª. Nenhum dos sujeitos contratuais poderá transferir a outrem os direitos ou
deveres decorrentes do presente contrato, posto que o vínculo entre as partes é
personalíssimo, salvo o substabelecimento do instrumento procuratório com reserva de
poderes, quando necessário para o acompanhamento do processo, assegurada a
responsabilidade dos CONTRATADOS

Clausula 11ª. Os CONTRATADOS deverão manter rigorosa confidencialidade diante


das informações fornecidas pela CONTRATENTE, ressalvadas aquelas que constarão
no processo judicial ou requerimento administrativo.

Cláusula 12ª. Para dirimir quaisquer controvérsias oriundas do contrato, as partes


elegem o foro da comarca de Teresina/PI.

E por estarem justas e contratadas, na melhor forma de direito, as partes assinam o


presente instrumento em 03 (três) vias originais e de igual teor e forma, na presença das
testemunhas que também o assinam:

Teresina, 06 de setembro de 2021.

__________________________
CONTRATANTE
__________________________
CONTRATADO

TESTEMUNHAS:
__________________________
Nome/CPF
__________________________
Nome/CPF

Rua Deputado Sousa Santos, 853. Teresina, PI. CEP: 64052-370. Telefone: (86) 3232-6392

Você também pode gostar