Você está na página 1de 4

CARBOIDRATOS

Alimentos ricos em energia:


 Cereais (arroz, aveia, trigo)
 Raízes e tubérculos (cenoura, beterraba)
 Leguminosas (feijão, ervilha, soja)
 Frutas (banana, manga, maçã)
 Mel
 Açúcar comum, retirado da cana

 A energia que o ser vivo utiliza em suas atividades provém da oxidação de


alimentos, através da respiração celular.
 Os carboidratos são oxidados mais facilmente e também são os que
liberam mais energia.
 Também formam a membrana celular e são encontrados nos ácidos
nucléicos.
 Carbono, Hidrogênio e Oxigênio numa razão de 1 : 2 : 1, o que dá uma
formula geral de:
 (CH2O)n

 Podem ser classificados em:
 Monossacarídios: glicose, ribose, frutose e galactose.
 Dissacarídios: Maltose, sacarose, lactose
 Polissacarídios: Amido (amilo), glicogênio e celulose

Monossacarídeo

 Classificadas em:
 Trioses (3 átomos de C)
 Tetroses (4 átomos de C)
 Pentoses (5 átomos de C)
 Hexoses (6 átomos de C)
 A glicose é uma hexose.
 É o glicídio mais usado pelos seres vivos como fonte de energia.
 É fabricada pelos vegetais através da fotossíntese.
 É armazenada na forma de polissacarídeos.

Dissacarídeo

São moléculas formadas pela união de dois monossacarídeos.


Ex.: Maltose, sacarose e lactose

Polissacarídeo

Um polímero formado pela união de vários monômeros. Celulose possui 10 mil


moléculas de glicose. São insolúveis em água.
Ex.: Celulose, amido e glicogênio.
Amido  Mais usado pelas plantas como reserva energética; sua digestão é
feita pela enzima amilase, resultando em muitas moléculas de maltose, depois
quebradas em glicose.
Glicogênio  Reserva energética dos animais; encontrado em músculos e
fígado.
Celulose  Glicídio mais abundante da natureza, forma a estrutura dos
vegetais; só é digerida pela enzima celulase, produzida por bactérias e
protozoários.

LIPÍDIOS

 Importante reserva energética.


 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato.
 Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os
carboidratos.
 O excesso do consumo de carboidratos e a ingestão de gordura
aumentam as quantidades corpóreas de lipídios.
Quantidades:
Carboidratos: 0,5kg que podem ser usadas em único dia
Lipídios: 16kg, que podem ser usadas em vários dias.
 São armazenados nas células de gordura, os adipócitos, que
possuem distribuições características em homens e mulheres.
 Atua como isolante térmico.
 Atuam na formação da membrana plasmática
 Atuam como isolante elétrico do impulso nervoso.
 Formam hormônios e vitaminas

Glicerídios
 Encontrados em maior quantidade nos alimentos.
 Os lipídios ricos em ácidos graxos insaturados são líquidos – óleos
 Os ricos em ácidos graxos saturados são sólidos
 Os lipídios saturados são mais danosos ao coração.

 Cerídios
 Formam as ceras (abelha, ouvido e plantas)

 Fosfolipídios
 Formam as membranas plasmáticas

 Esteróides
 Não são ésteres de ácidos graxos, mas apresentam cadeias
associadas a lipídios.
 Ex.: hormônios sexuais, colesterol, vitamina D.
PROTEÍNAS
As proteínas são macromoléculas orgânicas formadas pela seqüência de vários
aminoácidos, unidos por ligações peptídicas (cadeia polipeptídica).

Uma proteína pode conter milhares de aminoácidos, com seqüência destas


unidades determinada pela informação genética contida no gene, um seguimento
da molécula cromossômica. Portanto, todo o funcionamento de um organismo é
conduzido pelo controle das moléculas de DNA.

a. Funções das proteínas:

a. Função estrutural: participam da estrutura dos tecidos


b. Função enzimática: as enzimas são fundamentais como moléculas
reguladoras das reações biológicas. Ex.: lipases
c. Função hormonal: os hormônios estimulam ou inibem a atividade de
certos órgãos. Ex.: insulina.
d. Função de defesa: os anticorpos são produzidos por certas células do
corpo a partir de proteínas denominadas gamaglobulinas.
e. Função nutritiva: as proteínas servem como fontes de aminoácidos,
incluindo os essenciais requeridos pelo homem e outros animais.
f. Coagulação sangüínea: coagulação. Ex.: fibrinogênio, globulinas anti-
hemofílicas, etc.
g. Transporte: hemoglobina. Transporte de gases no sangue.

Enzimas: atuam como biocatalizador de diversas reações químicas no


organismo.

- Catalisadores: são substâncias, que quando presentes, facilitam a ocorrência de


uma reação química.

- Substratos: são os compostos sobre os quais as enzimas atuam.

As enzimas aceleram as reações biológicas.

Cada reação química necessita de uma certa energia de ativação (Ea) para
ocorrer. As enzimas atuam sobre um substrato específico, diminuindo a (Ea)
necessária para que a reação inicie.

a. Características da reação enzimática:

- É específica – cada enzima age sobre um substrato específico. Funciona


como chave e fechadura. O local da enzima, onde o substrato se encaixa,
denomina-se centro ativo.
- É reversível – uma mesma enzima que transforma um substrato no
produto, também transforma o produto e o substrato.

- A enzima não se gasta – uma mesma enzima pode catalisar uma mesma
reação química n vezes, pois que ela não faz parte do produto.

b. Nomenclatura das enzimas: nome do substrato + o sufixo ase.

Ex.: lactose – lactase; sacarose – sacarase; amido – amilase; ácidos nucleicos


– nuclease.

c. Fatores que modificam a velocidade das reações enzimáticas:

- Temperatura: cada enzima atua melhor em uma dada temperatura que


chamamos de ótima. À medida que a temperatura aumenta, a atividade
enzimática cresce e quando ela se eleva acima de 45o C produz-se a
desnaturação enzimática. A atividade catalítica da proteína enzimática
diminui e a velocidade da reação decresce. Em temperaturas elevadas,
provoca a deformação de suas moléculas e impede o encaixe no substrato
e as reações não podem mais ser catalisadas.

- pH – as modificações no pH do meio modificarão suas propriedades


catalíticas. O valor do pH pode variar de enzima para enzima. O pH
máximo da pepsina é 2,5; o da tripsina é 9; outras funcionam com 7.

- Concentração de substrato – quanto maior a concentração do substrato,


maior será a velocidade da reação enzimática para uma mesma
concentração.

- Ponto de saturação: é quando cada enzima já está ocupada por um


substrato.

- Ativadores e Inibidores enzimáticos – existem substâncias cuja presença


ativa ou inibe a enzima.