Você está na página 1de 14

Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers.

FOLHA-DA-FORTUNA
Nome científico: Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers.

Família: Crassulaceae.

Sinônimo botânico: Bryophyllum calycinum Salisb.,


Bryophyllum germinans P. Fr. M. Blanco, Bryophyllum
pinnatum (L. f.) Oken, Bryophyllum pinnatum (Lam.) Kurz,
Cotyledon calycina A.G. Roth, Cotyledon calyculata Solander,
Cotyledon pinnata Lam., Cotyledon rhizophilla Roxb., Crassuvia
floripendia Comm. ex Lam., Crassuvia floripenula Comm.,
Kalanchoe pinnata var. floripendula Pers., Sedum
madagascariense Clus., Verea pinnata (Lam.) Spreng.

Outros nomes populares: coirama, erva-da-costa, folha-da-


costa, folha-da-fortuna, folha-de-pirarucú, folha-grossa, orelha-
de-monge, paratudo, roda-da-fortuna.

Constituintes químicos: mucilagem, taninos, glicosídeos


(quercitina), sais minerais, quercetina 3-0-a-
arabinopiranosil(1®2)-a-L-ramnopiranosídeo, quercitrina,
afzelina, ácidos isocítrico e 1-málico, briofilina.

Propriedades medicinais: analgésica, antialérgica, antiartrítica,


antibacteriana, antidiabética, antifúngica, antiinflamatória
externa tópica, antilítica, anti-séptica, bactericida, calmante
para erisipela, cicatrizante, depurativa, diurética, emoliente,
hemostática, imunosupressiva, imunoestimulante, refrigerante
intestinal, resolutiva, tônica pulmonar, vulnerária.

Indicações: abscesso, afta, afecções respiratórias (xarope),


cálculo renal, calo, cefalalgias, contusões, coqueluche, dor de
cabeça, edemas erisipelosos das pernas, enxaqueca,
estomatite, febre, feridas, flegmão, furúnculos, frieira, gastrites,
impetigo, ingurgitamento linfático, oftalmia congestiva, picada
de insetos, queimadura, tuberculose pulmonar, úlceras
digestivas, verruga.

Parte utilizada: folhas frescas.

Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura


consultada.

Modo de usar:
- cataplasma: aquecer a folha e colocar sobre o local afetado
(furúnculo, dor de cabeça); fazer uma pasta com a folha e
colocar sobre a região machucada (queimaduras, ferimentos,
cicatrizante).
- suco: bater no liqüidificador 1 folha com 1 xícara de água.
Tomar duas vezes ao dia, entre as refeições (úlceras e
gastrites).

Algumas espécies do gênero: Kalanchoe pinnata.

10/12/2006 - Plantas Medicinais


Cientistas descobriram que o saião,conhecido como folha
da fortuna, tem poder medicinal.

                           No mundo e no Brasil, há algumas doenças


que recebem pouca atenção dos grandes laboratórios por
atingirem principalmente populações de pouco poder
aquisitivo. As leishmanioses estão entre elas. O Brasil
está perto de conseguir um ativo de plantas contra a
leishmaniose. Transmitida pela picada de insetos, é uma
doença crônica que pode levar à morte a pessoa
infectada. O tratamento pode chegar à cura total mas,
uma vez infectada, a pessoa pode apresentar até mesmo
anos depois as conseqüências da doença, como feridas na
pele.O saião é popularmente conhecido como folha da
fortuna, coirama e folha-da-costa, e é 
usado popularmente para tratamento de úlceras e como
cicatrizante. É encontrado em vários lugares do Brasil e
nas Américas e também comprado como planta
ornamental. A espécie Kalanchoe Pinnata é originária da
África mas adaptou-se ao Brasil e até é usada em
cerimônias afro-brasileiros como planta medicinal. Tanto
que, pela pesquisa, Bartira Bergmann (da UFRJ) ganhou
o prêmio patrocinado pela Usiminas, para pesquisas
sobre o valor medicinal da flora brasileira.
Segundo a cientista,a planta, apesar de vir de fora já é
considerada pelos pesquisadores como brasileira. No
Instituto de Biofísica da UFRJ - Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Sonia Costa e a pesquisadora Bartira
Bergmann descobriram que esta planta que se
estabeleceu no Brasil há séculos, pode ser a chance de
um tratamento sem dor e mais barato, também para a
leishmaniose. A Kalanchoe pinnata, nome científico do
saião, estimula o sistema de defesa do organismo a
combater o causador da doença. Com o saião, o óxido
nítrico presente no corpo humano é ativado e mata a
leishmania, deixando inativa essa célula que iria evoluir a
doença. Além de deixar inativa, a planta ajuda na
cicatrização das feridas que são conseqüência da doença.
Da descoberta, a pesquisadora fez já um teste clínico em
uma pessoa, o militar Emílio Carlos Torres dos Santos, do
Batalhão de Infantaria paraquedista. Em um treinamento
do exército na Amazônia (Pará), Emílio contraiu a doença
e, depois de detectada, soube das pesquisas na UFRJ e
pediu para fazer o tratamento com a planta. Ele afirma
que as feridas decorrentes da doença diminuíram
consideravelmente com o uso da planta (que ele
mastigava todos os dias, não fazia chás, nada parecido).
Ele relata que quando o saião acabou pela primeira vez,
quando ficou sem comê-lo durante alguns dias, a ferida
evoluiu. Após retomar o uso, ela foi curada. O caso clínico
foi publicado por Bartira. Ela afirma que, apesar do
resultado positivo, ainda há muitos testes clínicos e
toxicológicos a serem feitos para poder comprovar
totalmente a eficácia e ter segurança para a utilização do
saião.

Autor: 
Pauta:Paula Piccin e Maria Zulmira de Souza. Reportagem: Márcia
Bongiovanni. Imagens: Alcides Júnior. Auxiliar de Câmera: Sebastião Avelino.
Edição de Imagens:Olavo Inácio. Edição de Texto: Mariene Pádua. Supervisor
geral do Quadro Biodiversidade: Washington Novaes. Produtor Executivo:
Maurício Silva. Editora-Chefe: Vera Diegoli.
Propriedades
Medicinal

Gastrite Nervosa 
Marta Janete Heringer 
KHouse Família PUC-Rio
Rio de Janeiro - RJ 

Modo de Preparar 
Tomar em jejum duas colheres das de sopa de sumo de saião (sempervivum arboreo) durante 3 mes
evitando temperar com qualquer coisa ácida como vinagre ou limão. 

Utilização

Remédio:
Amasse bem as folha depois de lavadas, seque. Amasse em um pilão. Coe o líquido em filtro

O suco tem cor amarela ou amarelo-róseo, com cheiro próprio, o sabor é ácido, adstringente e aromá

Caso queira se conservar o suco por mais tempo e seja para uso externo coloque 20% de álcool a 80
O suco das folhas frescas esmagadas é remédio para aftas, úlceras, feridas, queimaduras, picadas de

Para uso interno é melhor fazer chá por infusão de folhas frescas nos casos de tosse, afeções do fíg
uma vez ao dia é muito útil nas afecções do pulmão.

O cataplasma feito com farinha de mandioca é bom para furúnculos, abcessos e nas prostatites para
usada sem a película fina ou passada sobre o fogo e aplicadas as fontes.

Composição Química do Suco:


O suco do saião foi analisado quimicamente pelo farmacêutico Virgilio Machado em 1946 e em seu es
redutores, mucilagem e gomas, calanquióside (glucoside), inulina, matérias proteicas, saponinas, ma
potássio, manganês (traços), ferro, alumínio e silica.

Bibliografia: Tese de mestrado - Farmacêutico Virgilio Machado – Faculdade Nacional de Farmácia n

Nome: Kalanchoe, folha da fortuna, Saião, coirama, erva da costa, orelha de monge, folha mila

Família: Crassulaceae

O Calanchoe é popularmente conhecido como saião roxo, coirama vermelha ou folha da fortu
penugem. As suas flores de coloração rósea apresentam-se em cachos no ápice dos ramos, a
frutos são constituídos de pequenas cápsulas contendo sementes.
Em geral apresenta grande durabilidade e por isso é muito utilizada em vasos em ambientes i
também plantada em jardins, preferindo locais bem iluminados, porém com iluminação indire
Por acumular muita água precisa de poucos cuidados com a rega. No verão pode ser regada a
substrado estiver começando a ressecar.
O período de florada vai em geral do início do inverno ao fim da primavera. Pode ser encontra
outras cores.

É usada como uma panacéia (remédio para todos os males) pela população indígena e ribeirin
países ao longo do mundo há centenas de anos.

Curiosidades: A planta se multiplica através das folhas e talos, as folhas brotam com muita fa
Existe uma crença popular que diz que pra saber se a casa tem prosperidade é só prender um
significa que a casa é prospera, por isso Folha da Fortuna.

Origem: África

Uso Terapêutico: como tônica e no tratamento de úlceras, gastrite, asma, tosse, aftas, calos, l
também no tratamento de lesões, abcessos, erisipelas, queimaduras e de osteoporose. Possu

Propriedades medicinais: atividade antimicrobiana, atividade antimigranosa (ação analgésica


na pele, por bloquear substâncias como histaminas, ela atua no processo alérgico, erisipela, a
muscular, diurética e febrífuga.

Parte utilizada: Folhas, geralmente em forma de cataplasma ou batida com água via oral.

Constituintes Químicos: O seu efeito imunossupressor deve-se a presença de ácidos graxos,


propriedade anti-leishimanial (Leishmaniose) é atribuída a ativação de intermediários do óxido
briofilina, um antibiótico natural.
Existem uma diversidade de constituintes químicos que são responsáveis por todas estas pro
auxiliam no processo de cicatrização, cálcio, ácido succcínico, ácido málico, ácido cítrico e ác
cancerígeno e fertilizante; glicina, que reduz a quantidade de ácido úrico no organismo e histi
pinnata promovem uma atividade anti-tumoral; dentre eles destacamos o 12-O-tetradecanoilfo
do tumor mais acentuada entre as combinações testadas.

Conta indicações: Pessoas com Hipotireoidismo e hipotensão (pressão baixa) grave.

http://diariodeumahortamedicinal.blogspot.com/

FOLHA DA FORT
Bryophyllum pinnatu

Descrição : Planta da família das Crassulaceae, Originária da África, planta sublenhosa, per
avermelhados; flores hermafroditas, tubulosas, penduladas, verde-pálidas ou amarelo-averme

Sinonímia popular : FOLHA DA COSTA, COIRAMA, COIRAMABRANCA, COIRAMA-BRAV


PIRARUCU, FOLHA-GROSSA, RODA-DA-FORTUNA, ORELHA-DE-MONGE.

Partes utilizadas : FOLHAS FRESCAS,

Habitat : É nativa da América do Sul.

História : E usada como urna panacéia pela população Indígena e ribeirinha e na medicina tr
mundo há centenas de anos.

Propriedades : emoliente, cicatrizante, antiinflamatória.

Indicações : Coqueluche e demais afecções do aparelho respiratório. Tratamento de úlceras e

Uso pediátrico : As mesmas indicações possíveis

Uso na gestação e na amamentação : Contra-Indicada E estimulante uterina. Não há Informa

Principios Ativo : mucilagens, taninos, ácidos gástricos, sais minerais e glicosídios.

Modo de Usar : cataplasma  - aquecer a folha e colocar sobre o local afetado no caso de furú
folha e colocar sobre a região machucada. Suco - bater no liquidificador 1 folha com 1 xícara

Contra-indicações : Gravidez Para pacientes com deficiência Imunológica.


Posologia: Adultos: Suco de 1 colher de sopa de folhas frescas centrifugado. 2 vezes ao dia em
frescas amassadas em pilão e acrescentadas a 1 xicara de leite morno para tosses. genes até 3
gastrointestinal tomar 1 xícara 2 vezes ao dia, entre as principais refeições: 1 colher de sopa d
colher de sopa de glicerina - pingar 2 a 3 gotas no ouvido dolorido 2 vezes ao dia: ou aplique
de sopa de folhas frescas amassadas em pilão até formar uma pasta, aplicadas topicarnente pa
sopa de folhas frescas em infuso em 1 xícara de agua em Uso Interno para afecções urinárias.
Crianças tomam de 1./3 a I;, dose. de acordo com a Idade

Interação medicamentosa: Pode potencializar o efeito de barblturicos; Pode potencializar o e


potencializar o efeito medicamentos imunossupressores. 
Pode potencializar o efeito dos depressores do SNC

Precauções : Evitar seu uso pôr longos penados. por seu efeito Imunossupressor.

Farmacologia: A planta é muito rica em princípios ativos: A folha contém um grupo de princí
cientistas. São muito semelhantes e estruturam a atividade a outros dois cardiotônicos: digoxi
congestiva e complicações. Eles demonstraram atividade antibacteriana. antitumoral. câncer-
confirmados por pesquisas.O Uso tradicional para infecções internas e externas são comprova
comprovadamente. in vitro. contra Staphylococcus, E. coli. Shigella. Baclllus e Pseudômonas.
Um extrato aquoso de folhas de Kalanchoe em Uso tópico e Interno. preveniu a tratou Leishm
antihistaminica e antialérgica. Justificando seu Uso tradicional em - afecções respira tonas su
demonstrou capacidade de proteger de reações anafiláticas quimicamente induzidas e morte p
estudo In vivo confirmou o Uso do extrato da folha em úlceras gástricas. protegendo cobaias d
confirmação de efeito diaforébco: e efeito analgésico, anti Inflamatório e relaxante muscular:
moduladores e Imuno-supres-sores documentados em pesquisa científica - extratos e suco da f
inflamatória quanto histamínica: Foram demonstrados efeitos sedativos e depressores do SNC
GABA (ácido gama-amnobutírico), neurotransmissor cerebral: Onde cresça planta, há seu Us
pesquisas com cobaias. não é difícil entender o porque: Nas afecções respiratórias superiores
considerada uma "folha milagrosa": As pesquisas conduzidas com ratos provaram que a folha
corporal o que equivaleria a mais de 300g para um adulto com 60Kg Entretanto há alguns rel
ingestão de grande quantidade de folhas e flores, cerca de 2üg!Kg de peso corporal (em torno

Referência :

A Cura pelas Ervas e Plantas Medicinais Brasileiras - Ricardo Lainetti e Nei R. Seabra de Britt
Plantas que Curam - Cheiro de Mato. Sylvio Panizza - IBRASA. 1997.
BALBACH. A. A Flora Nacional na Medicina Doméstica 23~ ed. Itaquaquecetuba: EDEL, 199
CONCEIÇÃO, M. As P/antas Medicnais no Ano 2000 2' ed. revisada .São Paulo: Tao. 1982 
CRAVO. A.S. Frutas e Ervas que Curam. São Paulo: Hemus. 1984 
CRUZ. GL. Dicionário das Plantas Uteis no Brasil. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira
FREISE, F.W Plantas Medicinais Brasilelfas São Paulo: Secretaria de Agricultura, Indústria e C

Você também pode gostar