Você está na página 1de 84

PO

RT DE
UG PR
UE IS
SE ION
S N EI
OS RO
CA S
MP
OS

II GUERRA MUNDIAL: 80 ANOS DE PEARL HARBOR

A GUERRA DO PACÍFICO
PERIODICIDADE BIMESTRAL
N.º 68 · DEZEMBRO 2021

• Como o Japão se tornou uma potência militar • 7 de dezembro de 1941,


o “Dia da Infâmia” • O cerco a Macau • A invasão de Timor • A diplomacia
de Salazar • As grandes batalhas • A derrota nipónica
CONHECER O PASSADO
PARA COMPREENDER O PRESENTE

PO
RT DE
UG PR
UE IS
SE ION
S N EI
OS RO
CA S
MP
OS
Campanha válida até 6/01/2022 na versão impressa, salvo erro de digitação.

E POR 1 A
SIN

NO
AS
+OFERTA
Conheça todas as opções em loja.trustinnews.pt.

DE UMA PUBLICAÇÃO
À ESCOLHA

II GUERRA MUNDIAL: 80 ANOS DE PEARL HARBOR

A GUERRA DO PACÍFICO
PERIODICIDADE BIMESTRAL
N.º 68 · DEZEMBRO 2021
CONTINENTE – €5,00

• Como o Japão se tornou uma potência militar • 7 de dezembro de 1941,


o “Dia da Infâmia” • O cerco a Macau • A invasão de Timor • A diplomacia
de Salazar • As grandes batalhas • A derrota nipónica

Dedicada exclusivamente a assuntos históricos, cada número aborda um único tema,


explorando-o de diversos ângulos. A revista é de uma enorme riqueza do ponto de vista gráfico,
apresenta textos, fotografias, mapas e infografias de alta qualidade.

ASSINE POR 1 ANO | 6 REVISTAS


Receba comodamente 25% de desconto Oferta de uma assinatura
em sua casa €22,50 digital à escolha

LOJA.TRUSTINNEWS.PT OU LIGUE 21 870 50 50


Dias úteis das 9h às 19h. Indique o código promocional COCAO
GUERRA DO PACÍFICO // SUMÁRIO

Mapa Pacífico em chamas 4

Cronologia Império
do Sol Nascente 6

Era Meiji O Japão moderno 10

Guerra O Mikado

AUSTRALIAN WAR MEMORIAL/119629


humilha o Czar 16

Era Showa O Japão


entre guerras 18

Expansionismo
A invasão da China 22

Díli O governador de Timor, Ferreira de Carvalho (à esquerda), recebe o comandante Pearl Harbor O 'Dia da Infâmia' 26
das tropas australianas cerca de três semanas após a rendição japonesa
Mapa O ataque 34

Portugueses envolvidos
A luta por Hong Kong 36

A II Guerra Mundial Macau Quando o mundo


desabou 42

em Timor e em Macau Família Memórias


da 'avó espiã' 48

uando se completam 80 anos sobre a data em que as forças aeronavais Timor As duas invasões 50

Q
do Império do Japão desferiram, de surpresa, o seu famoso, fulminante
Prisioneiros Portugueses
e devastador ataque contra Pearl Harbor, a principal base da esquadra
nos campos nipónicos 56
dos Estados Unidos no Pacífico, a VISÃO História volta a debruçar-se
sobre a Segunda Guerra Mundial. Depois de termos dedicado números Diplomacia As manobras
à Batalha do Atlântico, à Frente Leste, aos primórdios do conflito e às de Salazar 60
vicissitudes vividas por Portugal entre 1939 e 1945, decidimos agora abordar o tema
fazendo incidir a tónica numa vertente algo esquecida, embora nos diga direta- Grandes batalhas
mente respeito: o pesadelo vivido nas colónias portuguesas de Macau e de Timor, Porta-aviões ao fundo! 64
apanhadas pela força centrípeta do furacão da guerra. Timor chegou mesmo a sofrer
Código samurai Os 'kamikaze' 70
a ocupação de um exército do Eixo, sendo o único território sob administração por-
tuguesa em que tal sucedeu. Mas o que nestas páginas se conta é a história de todo Aliados O êxito dos submarinos 72
o conflito conhecido na Ásia Oriental por Guerra do Pacífico e que, dotado embora
de individualidade própria, faz parte, em virtude dos tratados assinados pelo Japão EUA Japoneses enclausurados 74
com a Alemanha nazi e a Itália fascista, do todo que foi a Segunda Guerra Mundial.
Prostituição forçada
Contudo, acentue-se, é apenas do tantas vezes injustamente secundarizado teatro de
As escravas de conforto 76
operações oriental que aqui tratamos. Para tal, recuamos aos primórdios do Japão
como potência industrializada, no século XIX, contamos as primeiras guerras em Bombas atómicas
que o Império do Sol Nascente se envolveu na era moderna e fazemos o balanço do Furacão de fogo 80
grande conflito que pôs fim ao seu projeto militarista. Um conjunto de evocação tanto
mais oportuno quanto, atualmente, o centro estratégico e económico do mundo se Esquecidos na selva
deslocou do Atlântico para o Pacífico. Combateram 30 anos 82

Os títulos, subtítulos e destaques dos artigos são da responsabilidade da redação, assim como a escolha das imagens e a sua legendagem
Foto da capa: Pictures From History/AKG Images/Fotobanco

VISÃO H I S T Ó R I A 3
Ma r d e B e r i n g ALASCA

Campanha das Aleutas


(maio a agosto de 1943) G o l fo CANADÁ
A reconquista americana das ilhas do Alasca Mais de um milhão
é difícil e custa muitas vítimas de canadianos combatem
) pelos Aliados durante
A
U a II Guerra Mundial
(E
s
ta
l e u
A
I l h a s
Vancouver

Forças japonesas Entre 1942 e 1945, muitos navios Impasse Diplomático Seattle
ocupam metade mercantes japoneses O fim das conversações Balões incendiários
transportando prisioneiros japoneses caem
de Sacalina (URSS),
de guerra e populações
entre os EUA e o Japão, EUA
as Curilas russas em novembro de 1941, sobre florestas (ESTADOS UNIDOS
e algumas das ilhas deslocadas são atacados conduzirá ao ataque do noroeste dos EUA
e afundados pelos Aliados, DA AMÉRICA)
Aleutas (EUA) nipónico a Pearl Harbour
que ignoram qual é a sua «carga»

Batalha
de Okinawa
Batalha de Midway
(4 a 7 de junho de 1942) Os EUA obtêm
Ataque a Pearl Harbor São Francisco
(1 de abril a 21 de a primeira grande vitória sobre o Japão (7 de dezembro de 1941)
junho de 1945) na maior batalha aeronaval de sempre O Japão ataca de surpresa a base Los Angeles
Os americanos aeronaval e inflige pesadas baixas
vencem a maior Submarinos
batalha anfíbia à Esquadra americana do Pacífico
MIDWAY japoneses
da história desferem alguns
ataques contra MÉXICO
Batalha de Iwo Jima a costa oeste dos EUA
(19 de fevereiro a 26 de março de 1945)
Os japoneses defendem encarniçadamente esta Honolulu
pequena ilha, que os americanos acabam por tomar PEARL
HARBOR Havai
(EUA) O C E A N O PAC Í F I C O

Batalha de Guam O almirante japonês Yamamoto, comandante da frota combinada,


(julho a agosto de 1944) Os EUA retomam afirma em 1940: «Se me pedirem para combater sem olhar às consequências,
ILHAS
MARSHALL uma importante posição no Pacífico Central fá-lo-ei com confiança durante os primeiros seis meses ou um ano,
mas não responderei pelo que possa suceder nos anos seguintes.»
Os factos dar-lhe-iam plena razão
Batalha de Tarawa (20 a 23 de novembro
de 1943) Os americanos iniciam
a reconquista da zona central do Pacífico Os japoneses apresentam-se às populações das regiões conquistadas
Bairiki como «libertadores da opressão colonial», mas a dureza da sua
administração leva ao aparecimento de movimentos de libertação Equador
Yaren
Batalha de Guadalcanal clandestinos em toda a parte
NAURU
TARAWA KIRIBATI (de 1942 a 1943) Durante seis
meses, americanos e japoneses
chacinaram-se mutuamente na
sangrenta «Verdura do Pacífico»
Vaiaku Países aliados
TUVALU
Apia Forças aliadas
VANUATU Ilhas
Cook Grandes batalhas
Port Vila
Suva Papeete
NOVA TONGA Rumos da reconquista aliada
CALEDÓNIA FIJI POLINÉSIA
Nuku'Alota (França) Japão e territórios ocupados
Batalha do Mar de Coral Forças japonesas
(4 a 8 de maio de 1942) A primeira vitória dos Estados Unidos
sobre o Japão é também a primeira batalha aeronaval da História Limite máximo da expansão
em que os navios envolvidos não se avistam uns aos outros japonesa, em meados de 1942 Ilha de
Páscoa
(Chile)
NOVA ZELÂNDIA 1 500 km
140 mil neozelandeses combatem ao lado dos Aliados
INFOGRAFIA Luís Almeida Martins – Álvaro Rosendo / VISÃO
Auckland em diversas campanhas da II Guerra Mundial
VISÃO H I S T Ó R I A 5
GUERRA DO PACÍFICO // CRONOLOGIA

Ascensão e queda do Império do


1872 participa no cerco do porto alemão 4 MAR Franklin
9 NOV O Japão adota o calendário de Tsingtao, na China, Roosevelt toma
gregoriano. posse como
1919 presidente dos
1889 28 JUN Num dos pontos do EUA.
11 FEV É promulgada a Tratado de Versalhes, a Sociedade
Constituição Meiji, que estará em das Nações atribui ao Japão um 19 MAR Em Portugal, num
1854 vigor até 1947; o Japão é uma mandato sobre arquipélagos do referendo em que as abstenções
8 MAR O comodoro americano monarquia quase absoluta, embora Pacífico antigas colónias alemãs. contam como votos a favor,
Matthew Perry, plenipotenciário com representação democrática. é aprovada a Constituição
dos EUA credenciado pelo 1921 fundadora do Estado Novo.
presidente Fillmore, e o xogum 1894-1895 13 NOV É lançado á água o primeiro
(ditador militar) de Tokugawa, Trava-se a Primeira Guerra Sino- porta-aviões japonês, o Hosho. 1936
que governa efetivamente -Japonesa, ganha pelos nipónicos, 25 NOV O Japão assina, com a
o Japão, assinam um tratado que fazem da Coreia num estado 1926 Alemanha, o Pacto Antocomintern,
que estabelece a abertura vassalo. A seguir, o Japão invade e 25 DEZ Hirohito
to dirigido contra a União Soviética.
dos portos do arquipélago anexa a Formosa (Taiwan). sobe ao trono
nipónico ao comércio internacional. imperial, que 1939
Um tratado comercial nipo- 1904 ocupará até à 1 SET Com a invasão da Polónia
-americano é assinado quatro 30 JAN O Japão é o primeiro país sua morte, em pela Alemanha, começa a II Guerra
anos depois. asiático a assinar um pacto de 1989. Mundial.

1854
1863 defesa com um país europeu: o 1931 1940
15-17 AGO Em resposta a Reino Unido. 18 SET A pretexto do 10 MAI Winston Churchill passa a
um incidente, no ano anterior, autofabricado «Incidente de chefiar o governo britânico.
em que cidadãos britânicos 8 FEV Com o ataque a Porto Artur Manchúria» (explosão numa linha
foram atacados, a Royal (hoje Lüshunkou, na Manchúria, férrea propriedade de japoneses), o 22 JUN A França rende-se à
Navy bombardeia a cidade China), começa a Guerra Russo- Japão invade esta região da China. Alemanha; posteriormente, o Reino
de Kagoshima. Neste ano e -Japonesa. Unido continuará a guerra sozinho.
no seguinte, forças inglesas, 1932
francesas, americanas e 1905 18 FEV O Japão proclama o 22 SET Tropas japonesas
holandesas envolvem-se em 5 SET Termina a Guerra Russo- estado-fantoche de Manchuko, na iniciam a ocupação da Indochina
combates contra o xogunato -Japonesa, com a – surpreendente Manchúria, colocando no trono o francesa (atuais Vietname, Laos e
Tokugawa, em Shomoneseki. para o mundo inteiro – vitória nipónica. último imperador chinês, derrubado Cambodja).
pela revolução republicana de
1867 1912 1911-12.
3 FEV Inaugura-se o reinado 30 JUL Sobe ao trono o imperador
do imperador Mutsuhito (ou Yoshihito (Thaisho). 5 JUL Em Portugal, Salazar
Meiji), durante o qual o Japão se toma posse como presidente do
modernizará. 1914 Conselho.
28 JUL
1868-1869 Começa, 1933
Trava-se a Guerra Boshin, entre na Europa, 30 JAN Adolf Hitler torna-se
forças do xogunato Tokugawa o grande chanceler da Alemanha (no
tardio e tropas favoráveis à conflito ano seguinte adotará o título de
restauração do poder imperial; que mais Führer). 27 SET O Japão assina, com a
vencem as segundas. O imperador tarde ficará Alemanha nazi e a Itália fascista,
muda a residência e a capital de conhecido o Pacto Tripartido, ou Pacto do
Quioto para Tóquio. por Primeira Eixo.
Guerra
1871 Mundial. 1941
27 JUN É adotado 17 OUT Toma posse um novo
o iene como 27 AGO-7 NOV Depois de ter governo japonês, favorável ao
moeda nacional declarado guerra à Alemanha, confronto direto com os EUA no
japonesa. o Japão, aliado do Reino Unido, Pacífico.

6 VISÃO H I S T Ó R I A
Durante um século, o Japão viveu uma aventura,

Sol Nascente com componentes de modernização e expansionismo,


que deixou o mundo espantado

afundados por aviões bombardeiros 21 DEZ O Japão e a Tailândia 15 JAN Termina, após mais de
e torpedos japoneses ao tentarem assinam um tratado e combaterão 20 dias de combate, a batalha de
intercetar a força nipónica que se lado a lado, designadamente na Changsha, na China, que envolve
dirige para a Malásia; morrem 840 Birmânia centenas de milhares de soldados
tripulantes. e marca o primeiro grande desaire
japonês na guerra; segundo fontes
14 DEZ Os japoneses invadem a chinesas, perdem a vida pouco
possessão britânica da Birmânia mais de 29 mil chineses e 56 mil
(atual Myanmar). japoneses.

16 DEZ Antecipando-se a uma 22 JAN Com o acordo dos


possível agressão do Japão, tropas Aliados, embarca em Lourenço
australianas (do Império Britânico) Marques (atual Maputo), capital
e holandesas desembarcam no da colónia portuguesa de
Timor Português sem encontrarem Moçambique, rumo a Timor, uma
resistência, mas contra a vontade 23 DEZ Os americanos que força maioritariamente composta
7 DEZ A aviação japonesa lança do governador, que perde os seus defendem desde o dia do ataque por tropas africanas, destinada a
de surpresa, a partir de porta- poderes. a Pearl Harbor a ilha de Wake substituir as forças australianas e
-aviões, um ataque à base aeronaval rendem-se aos japoneses, que neerlandesas ocupantes.
norte-americana de Pearl Harbor, 19 DEZ O Governo português mesmo assim contabilizam mais
nas ilhas Hawai, fazendo 2403 (em que Salazar de mil mortos. 8 FEV Em Portugal, o candidato

1942
mortos e destruindo ou danificando acumula a 25 DEZ No dia de Natal, os único, general Óscar Carmona, é
oito couraçados, três cruzadores, Presidência do Conselho com a britânicos que defendem a colónia reeleito Presidente da República.
três contratorpedeiros e 343 pasta dos Negócios Estrangeiros) de Hong Kong, no sul da China,
aviões; os porta-aviões da esquadra insurge-se contra a ocupação de entregam-se aos japoneses. 15 FEV Naquela que os ingleses
americana do Pacífico não são Timor pelos Aliados, violadora da É respeitada a neutralidade consideram a sua pior derrota de
atingidos por não se encontrarem neutralidade lusa. Em Londres, o do vizinho Macau, território sempre, Singapura, a «Gibraltar do
no porto na ocasião do ataque. No embaixador Armindo Monteiro administrado por Portugal Oriente», rende-se aos japoneses,
mesmo dia, os japoneses invadem manifesta discordância com desde o século XVI, mas quase que a atacam a partir de terra;
a Malásia e a Tailândia e atacam Salazar e alega que é tempo de três centenas de milhares de a cidade, dotada de um enorme
as Filipinas, Singapura, Hong Portugal alinhar com os Aliados; refugiados de Hong Kong acolhem- porto e armada de poderosos
Kong e Xangai. O Canadá declara Monteiro é personna grata dos -se ali; sem espaço nem condições canhões, era considerada
guerra ao Japão e logo depois britânicos, que chegam a encarar para os receber, a possessão inexpugnável a partir do mar.
fá-lo-ão os EUA, o Reino Unido e o a hipótese de fomentar um golpe portuguesa começa a viver os
restante do seu império e a China. militar em Portugal para depor seus dias mais difíceis, com
Por sua vez, a Alemanha, a Itália Salazar e colocá-lo a ele na chefia racionamento alimentar e fome; os
e a Hungria declararão guerra aos do Governo. refugiados apinham-se nas ruas,
EUA. O conflito adquire proporções dormindo ao relento e morrendo
mundiais. 20 DEZ Churchill e Roosevelt em grande número.
encontram-se em Washington,
8 DEZ Forças japonesas desen- numa conferência com o nome de 1942
cadeiam a invasão das Filipinas código de ARCADIA, e definem os 1 JAN A expressão
(defendidas pelos americanos rumos da guerra conjunta contra «Nações Unidas» é usada
comandados pelo general Douglas o Eixo, na qual já vêm colaborando pela primeira vez numa 19 FEV Após bombardeamentos,
MacArthur), desembarcando tropas não oficialmente. declaração contra o Eixo os japoneses desembarcam no
na ilha de Bataan. Seguir-se-ão subscrita por 26 países. Timor Português, que ocupam.
outros desembarques no golfo de Ao ter conhecimento do sucedido,
Lingayen e em Mindanau. A maioria 11 JAN No dia em que as suas em pleno oceano Índico, a força
das forças aliadas render-se-á ou tropas capturam Kuala Lumpur, que partira de Moçambique
será expulsa. capital da Federação Malaia, o altera o rumo e aporta à Índia
Japão declara guerra aos Países Portuguesa. Em Timor, forças
10 DEZ O couraçado Prince of Baixos e desencadeia a invasão das australianas recuam para as
Wales e o cruzador Repulse, Índias Orientais Holandesas, atual montanhas e alimentam uma
da Marinha Real Britânica, são Indonésia. guerrilha contra os nipónicos.

VISÃO H I S T Ó R I A 7
GUERRA DO PACÍFICO

1 2 3

O governador português continua 6 MAI Nas Filipinas, os americanos «Verdun do Pacífico», que durará
a viver no palácio e a ter as rendem-se aos japoneses; até fevereiro do ano seguinte
honras inerentes ao cargo, mas é MacArthur, expulso, promete e terminará com a vitória
destituído de qualquer poder. Nos regressar. Por esta altura, os americana, impeditiva do uso
meses imediatos, a população japoneses e os tailandeses pelos japoneses desta ilha do
suspeita de colaborar com a concluem a ocupação da Birmânia. arquipélago das Salomão como
guerrilha australiana e que escapa base para atacar as linhas de
à ação das «colunas negras» 4-7 JUN Trava-se a Batalha de abastecimento e as rotas de
assassinas é internada em campos Midway, o maior recontro aeronaval comunicação entre os EUA, a
de concentração, onde sofre de de sempre, cujo desfecho é uma Austrália e a Nova Zelândia; os
maus tratos e padece de fome. 14 ABR Uma força de 16 crucial vitória dos EUA sobre o prolongados combates envolvem
Os japoneses bombardeiam bombardeiros B-25 Japão, marcando o ponto de viragem 60 mil americanos e 32 mil
Darwin, mas nunca conseguirão americanos, comandada pelo no conflito; os japoneses perdem japoneses.
desembarcar na Austrália. tenente-coronel James Doolittle quatro porta-aviões (Kaga, Akagi,
(que também planeara a operação), Hiryu e Soryu), dois cruzadores e 1 NOV Em Portugal, a lista única
23 FEV-1 MAR Uma força naval levanta voo do porta-aviões Hornet 275 aviões, além de 4800 homens, da União Nacional é «eleita»
dos Aliados (americanos, ingleses, e bombardeia durante breves dos quais 200 são pilotos navais, para preencher os lugares da
australianos e holandeses) sofre instantes Tóquio e outras cidades Assembleia Nacional.
uma pesada derrota, face à japonesas, num raide sobretudo
marinha japonesa, na batalha do simbólico que faz levantar o moral 21 DEZ Tropas indianas do
mar de Java, travada ao largo das dos EUA e obriga os japoneses a Império Britânico lançam uma

1942
costas da atual Indonésia; contam- transferirem para o seu território na frustrada tentativa de invadir contraofensiva na Birmânia, mas
-se 2300 mortos entre os Aliados, metropolitano aviões e armas e ocupar o atol de Midway; a sua acabarão por ser travadas pelos
do nipónicos.
contra 36 dos que poderiam ser usados noutros capacidade de combate no mar soldados ocupantes japoneses.
teatros de operações; sem e no ar fica permanentemente
31 MAR O Governo combustível para regressar ao comprometida e veem-se 1943
de Salazar
Salaz protesta, Hornet, os aviões aterram na China despojados da capacidade de tomar 9 FEV As forças japonesas de
Londr contra
em Londres, e na URSS e têm sortes diversas. a iniciativa militar ao longo do resto Guadalcanal abandonam a ilha,
b
o bloqueio da guerra; os EUA ficam sem o consumando-se a vitória americana
e
económico 18 ABR O general americano porta-aviões Yorktown. No Japão, a ao fim de múltiplos combates
i
imposto a Douglas MacArthur assume o destruição da esquadra é ocultada terrestres, aéreos e navais. Por
Portugal comando da área do sudoeste do ao público e ao próprio exército, para esta altura, na Birmânia, as tropas
pelos Pacífico. evitar a desmoralização. especiais britânicas conhecidas por
Aliados. chindits, comandadas por Owen
29 ABR Os japoneses cortam 18 JUN Os EUA lançam o Projeto Wingate, lançam na retaguarda das
2 ABR Os japoneses a Estrada da Birmânia, uma Manhattan, destinado a produzir a forças de ocupação nipónicas ações
desembarcam na Nova Guiné rodovia estratégica que permitia bomba atómica. que, não sendo particularmente
administrada pela Austrália (atual o abastecimento por terra, a bem sucedidas, são aproveitadas
Papua). partir da Índia Britânica, da China 25 JUN Num discurso, Salazar pela propaganda.
não ocupada e das forças da critica os regimes liberais britânico
5 ABR A marinha nipónica lança resistência chinesa. e norte-americano e a sua aliança 2-4 MAR Os americanos
ataques a Ceilão (atual Sri Lanka), com a URSS na guerra. enfrentam e derrotam os
a grande ilha englobada na Índia 4-8 MAI Na batalha do mar de japoneses na Batalha do Mar de
Britânica. Coral, travada a sueste da Nova 7 AGO Começa a travar-se a Bismark.
Guiné, os Aliados obtêm pela batalha de Guadalcanal, a
9 ABR Cerca de 75 mil primeira vez algum sucesso 3 ABR Os japoneses atacam com
soldados americanos e filipinos contra os nipónicos, apesar de, êxito as tropas indianas do Império
rendem-se aos japoneses tecnicamente, o embate dever Britânico na Birmânia.
depois da derrota de Bataan e considerar-se como «empatado».
são conduzidos até campos de Diversos navios são afundados ou 18 ABR O avião em que segue o
prisioneiros numa dramática danificados, cerca de centena e meia almirante Yamamoto (arquiteto
«marcha da morte» em que de aviões de ambos os lados são do ataque a Pearl Harbor) é
perderão a vida cerca de 10 mil abatidos e morrem 966 japoneses e abatido pelos americanos, prévios
filipinos e 650 americanos. 656 americanos e australianos. conhecedores da sua rota.

8 VISÃO H I S T Ó R I A
1 Samurais, 1880
2 Propaganda japonesa
3 Propaganda
norte-americana
4 Porta-aviões japonês
Shokaku
5 Família Hirano mostra, no
campo de «realocação»
onde se encontra detida,
RUHWUDWRGHXPGRVõOKRV
que se alistou nas forças
4 5 armadas dos EUA

16 AGO Os Aliados retomam o nove couraçados,


raçados, 12 ABR M Morre o presidente 2 SET O Japão assina a rendição,
controlo das ilhas Aleutas. 20 cruzadores,
dores, Franklin Roosevelt,
R assumindo a bordo do couraçado americano
35 a presidê
presidência dos EUA o vice, Missouri ancorado na baía de Tóquio;
25 AGO Os Aliados assumem o contratorpedeiros
rpedeiros Harry Tru
Truman. termina a II Guerra Mundial.
controlo total da Nova Geórgia, nas e cerca dee
ilhas Salomão. 600 aviões;
es; os 7 MAI A AAlemanha rende-se
nipónicoss perdem aos Aliad
Aliados, terminando na
20-23 NOV Os americanos três dezenas
nas de Europa a II Guerra Mundial, que
vencem a tenaz resistência dos navios, incluindo
cluindo prossegue na Ásia e no Pacífico.
japoneses no atol de Tarawa. os quatroo porta-
Churchill, Roosevelt e Chiang Kai- -aviões, e mais de 300 16 JUL Num teste levado a cabo
-Chek reúnem-se na Conferência aviões, contabilizando
ontabilizando numa zona dedesértica do Novo
do Cairo e definem a estratégia 12 500 mortos
ortos ou México, os EUA fazem explodir a 5 SET Portugal reassume o
para derrotar o Japão. desaparecidos
cidos (contra prim
mei
e ra bomba
primeira bomb atómica. governo de Timor, no único caso,
3 mil aliados).
dos). É o no Extremo Oriente, de restituição
último grande
ande confronto 17 JUL-2 AGO Na Conferência à metrópole de um território no
aeronavall da guerra, pois de Potsdam, T
Truman ocupa o pós-guerra.
na sua sequência
equência o Japão não lugar de Roosevelt
Roose e o trabalhista
conseguirá voltar a fazer alinhar Clement Attlee o de Churchill, 24 OUT A Organização das Nações
uma força naval significativa e os derrotado nas eleições britânicas; Unidas (ONU) é fundada, na
seus navios, sem combustível, no decorrer dos trabalhos, Truman Conferência de São Francisco.

1956
1944 aguardarão o fim do conflito em revela a posse da bomba atómica, 1946
MAR Durante este mês, os águas territoriais; Registam-se mas o líder soviético Estaline não 3 MAI São abertas as sessões
chindits de Wingate lançam pela primeira vez os ataques se mostra impressionado. do Tribunal Militar Internacional
novas operações na Birmânia, suicidas dos aviões kamikaze. para o Extremo Oriente, mais
de apoio ao avanço das tropas conhecido por Julgamento de
chinesas comandadas pelo 1945 Tóquio.
general americano Joseph 16 JAN O Centro de Aviação
Stilwell, ajudante de campo de Naval de Maceu, onde está 1947
Chiang Kai-Chek; um importante depositado combustível destinado 3 MAI O Japão aprova a nova
objetivo dos Aliados é permitir que aos japoneses, é bombardeado Constituição, pacifista e definindo
a República da China continue a por uma esquadrilha de aviões as bases de um sistema político
ser reabastecida a partir da Índia, americanos; tropas portuguesas democrático.
através da Estrada da Birmânia. resistem e há feridos. 6 e 9 AGO Os americanos lançam
bombas atómicas sobre as 1948
17 ABR Os primeiros soldados 28 FEV Os americanos dão por cidades japonesas de Hiroxima 4 NOV Sete dos réus do
americanos desembarcam nas concluída a reconquista das e Nagasáqui, arrasando-as e Julgamento de Tóquio são
Filipinas, dando cumprimento à Filipinas, entre cuja população matando pelo menos 200 mil condenados à forca, 16 a prisão
promessa de MacArthur de que se regista mais de um milhão pessoas; os efeitos das radiações perpétua, um a 20 anos de prisão e
FOTO DO FATO KAMIKAZE: RAA/MUSEU DE ANGRA DO HEROÍSMO

regressaria; seguem-se longos e de mortos durante a ocupação far-se-ão sentir durante anos. outro a sete.
intensos combates. japonesa, muitos deles durante o
chamado Massacre de Manila. 15 AGO O imperador Hirohito 1951
23-26 OUT Nas águas das anuncia pela rádio a rendição 8 SET É assinado por 49 países,
Filipinas, os americanos e os 3 MAR Concluindo uma do Japão; é a primeira vez que em São Francisco, o Tratado de
australianos vencem os japoneses campanha que se arrasta no milhões de súbditos ouvem a voz Paz com o Japão.
na Batalha do Golfo de Leyte, o tempo, os Aliados (Reino Unido, do soberano.
maior recontro aeronaval da guerra Índia Britânica, EUA e China) 1952
e da história contemporânea; os expulsam os japoneses e os 28 AGO Começa a ocupação 28 ABR Entra em vigor o Tratado
Aliados fazem alinhar mais de 300 tailandeses da Birmânia; ao do Japão pelas tropas de Paz de São Francisco e termina
navios, incluindo 34 porta-aviões, lado destes últimos combate o (americanas, britânicas, a ocupação aliada do Japão.
12 couraçados, 24 cruzadores e Exército Nacional Indiano, pró- australianas e neozelandesas)
166 contratorpedeiros, para além -independência do subcontinente do general MacArthur, que 1956
de 1500 aviões; os japoneses indostânico relativamente ao detém o título de Comandante 12 DEZ O Japão é aceite como
mobilizam quatro porta-aviões, Reino Unido. Supremo das Forças Aliadas. membro da ONU.

VISÃO H I S T Ó R I A 9
O NASCIMENTO
DO JAPÃO MODERNO
Para entendermos as guerras em que o Japão se envolveu temos
de recuar à segunda metade do século XIX, quando o país optou pela ambiciosa tarefa
de se equiparar às potências mais avançadas do Ocidente e às suas tecnologias
por VPedro
10 ISÃO H ISTÓRIA
Caldeira Rodrigues
Um líder militar Satsuma
e os seus homens
(c. 1866-67)
Este clã desempenhou papel
importante durante a guerra
que opôs os conservadores
partidários do xogunato
aos inovadores, vindo
a deter cargos importantes
sob o imperador Meiji.
A foto é da autoria
do ítalo-inglês Felice Beato,
que à epoca passou
muito tempo no Japão
e fixou imagens
imperecíveis dessa época

GETTY IMAGES

VISÃO H I S T Ó R I A 11
GUERRA DO PACÍFICO // JAPÃO

JOHN STEVENSON/GETTY IMAGES


Rebelião em Kagoshima Em 1877, um heroi da Restauração Meiji, Saigo Takamori, pegou em armas contra o governo que ajudara a estabelecer

O
reinado do imperador Meiji xogunato), caracterizado pelos fracos po- Os novos líderes políticos vão deparar-se
(1868-1912) foi o período da his- deres atribuídos ao soberano. com formidáveis desafios. Tinham de abolir
tória japonesa mais profícuo em Em 1854, o bakufu assinará um tratado a velha ordem feudal Tokugawa e estabele-
mudanças através de uma deli- preliminar em que aceita relações diretas, cer um governo centralizado. E, para além
berada modernização. Seguiu-se mas não comerciais, com os Estados Unidos, da restauração do poder imperial, impor
isso à abertura do arquipélago ao mas quatro anos depois é concluído um tra- uma profunda reestruturação da socieda-
comércio mundial exigida pela dissuasora tado de amizade, comércio e navegação após de e instituições. O processo foi cauteloso,
esquadra do comodoro norte-americano árduas negociações. Garantias similares serão com a primeira preocupação centrada em
Matthew Perry, no verão de 1853, quando de seguida assinadas com os Países Baixos e impedir que a nação seguisse o destino de
fundeou na baía de Tóquio. outras potências europeias. outros países asiáticos já controladas pelas
Perry levava uma carta do presidente O Japão iniciava uma lenta mas controlada potências ocidentais, através do lema «Nação
Millard Fillmore dirigida ao imperador metamorfose. Com a «Revolução de 1863», o rica, exército forte».
japonês em que pedia o estabelecimen- país assistirá à restauração da autoridade do No início desta era de transformação, os
to de relações comerciais e diplomáticas, imperador e a um processo de modernização principais conselheiros eram membros da
apesar de ainda prevalecer no arquipélago (no sentido de ocidentalização) nos domínios antiga nobreza, mas depressa foram suplan-
o tradicional sistema feudal do bakufu (ou político, militar, económico, social e cultural. tados por um setor dos samurais de origem

1868 1871 1873 1889 1894-1895 1904-1905 1910

Início da era Meiji, Criação do iéne. Serviço militar Promulgação Primeira Guerra Guerra Russo- Anexação
que põe termo Estabelecimento obrigatório. da Constituição Sino-Japonesa, -Japonesa, japonesa
à ascendência de prefeituras O Japão adota Meiji com triunfo com vitória da Coreia
samurai. que substituem o calendário nipónico nipónica
Restauração do os domínios ocidental
poder imperial feudais

12 V I S Ã O H I S T Ó R I A
social média, com os «três grandes» a domi- Visitou também a Inglaterra, e no regresso
nar esta corrente: Okubo Toshimichi (que acabará por substituir o Conselho de Estado
será assassinado), Kido Tadayoshi e Saigo por um sistema de governo de tipo ocidental.
Takamori. Para além destes, diversos homens A Constituição de 1889 concede ao im-
experientes de Choshu e Satsuma, e alguns perador os direitos de soberania, mas que
aristocratas da corte imperial, compunham terão de ser exercidos de acordo com o texto
o círculo da nova elite no poder, com o jura- constitucional, a perspetiva defendida por
mento da Carta de Cinco Artigos a determinar Hirobumi, que em 1909 será assassinado na
que o conhecimento deveria ser transmitido China, por um nacionalista coreano. O rígido
para «revigorar os fundamentos do poder sistema de classes foi outro campo da ordem
imperial». feudal alterado.
A primeira prioridade foi a alteração da Posteriormente, as autoridades do Mei-
ordem política, com a eliminação dos domí- ji (no Japão designam-se os períodos pelo
nios feudais ainda existentes (han) e onde nome do imperador) decidem adotar um
os chefes de clã ainda detinham autoridade sistema legal de tipo ocidental baseado no
GETTY IMAGES

administrativa. Os novos líderes convencem modelo francês. Nas décadas de 1880 e 1890
diversos chefes de clã a cederem voluntaria- são adotados um código penal, um código de
mente os seus domínios ao imperador, o que procedimento criminal, com código comer-
sucede em março de 1869. Em 1870 todos os cial e um código civil. Foi ainda estabelecido
270 domínios han estavam sob controlo do um sistema nacional de polícia na sequência
poder imperial e o governo decretará a sua da ampla reforma militar de 1873 que impôs o
abolição um ano depois, tornando-os em pro- recrutamento universal assente no modelo do
víncias (prefeituras), com os seus governos a exército prussiano, que acabava de derrotar a
serem designados pelo poder central. França na Guerra Franco-Prussiana.
A abolição dos han privou os samurais
dos seus recursos. Alguns juntam-se ao novo O início da industrialização
exército, tornam-se polícias, professores ou O Japão entra num período de reconstru-
funcionários, mas muitos outros são uma po- ção económica, com novos impostos para
tencial fonte de oposição à nova ordem. Saigo os proprietários agrícolas, desenvolvimento
Takamori (1828-1877), um antigo apoiante da capacidade industrial (de início têxteis e
da Restauração Meiji, irá liderar a rebelião produção alimentar), modernização do sis-
Satsuma de 1877, esmagada pelo exército. tema de transportes (caminhos-de-ferro) e
comunicações.
Regime constitucional Uma característica da política económica
Em 1881, na fase final da época das contesta- do governo foi o início da estreita aliança
ções, em particular com o declínio samurai, o entre o poder e empresários privados. Os
GETTY IMAGES

governo anunciará a decisão de elaborar um bancos Mitsui e Mitsubishi emergem no


projeto constitucional. início da era Meiji e vão permanecer com
O período após o assassínio de Toshimichi enorme influência.
O imperador Meiji e o comodoro Perry Duas
foi dominado pela figura política de Ito Hiro- figuras-chave na abertura do Japão ao mundo A primeira fase do crescimento económi-
bumi (1841-1909), que prosseguiu no reforço co (1886-1905) iniciou-se com as fábricas,
do Estado mas aberto à negociação. Empe- negócios empresariais e expansão bancária,
nhado num projeto de Constituição, viajou mas a agricultura permanecerá o setor-chave
para a Europa em 1882, para se inteirar das
A primeira prioridade da economia. Em 1898, vivia em aldeias e
constituições europeias. No país, os defenso- foi a abolição dos pequenas cidades 82% da população. Neste
res de uma Constituição com monarquia forte processo de desenvolvimento, a produção
privilegiavam o exemplo da Alemanha de
domínios feudais e a de arroz e outros produtos agrícolas aumen-
Bismarck. Hirobumi deslocou-se à Alemanha entrega da autoridade tou 40% entre meados de 1880 e meados
e à Áustria, recolheu conselhos e admitiu a de 1910, num contexto de forte crescimento
opção pelo modelo alemão, em detrimento
administrativa ao demográfico, com o arquipélago a caminho
dos sistemas do Reino Unido, EUA e França. imperador (prefeituras) dos 50 milhões de habitantes.

VISÃO H I S T Ó R I A 13
GUERRA DO PACÍFICO // JAPÃO

A seda crua e o chá eram os principais pro-


dutos de exportação. E em 1913, metade do
comércio marítimo mundial já era assegurado
por navios japoneses. No país, o proletariado
industrial nascente, ou os mineiros das mi-
nas de carvão, com crescentes pedidos para
fábricas e caminhos-de-ferro, trabalhavam
em condições extremas, com baixos salários,
muitas vezes na condição de semiescravos.

Prioridade à educação
A Restauração Meiji também dedicou parti-
cular atenção à educação. Em 1872 foi esta-
belecida a instrução primária obrigatória. Em
1880, a inicial abordagem pragmática e liberal
da educação começou a ser contestada pelos
defensores do nacionalismo cultural. Insistiam
estes na introdução de valores tradicionais e
da história nacional nos currículos, com ênfase
no xintoísmo e no confucionismo: lealdade
ao imperador, patriotismo, dever, devoção
familiar aos idosos, propriedade e obediência.
Em 1883 introduz-se um sistema estatal
de certificação dos conteúdos escolares e em
1903 o governo assume a publicação de todos
GEORGE RINHART/GETTY IMAGES

os livros para o ensino primário, na sequência


do Rescrito Imperial sobre Educação de 1890,
onde se determinava que os Antepassados
Imperiais tinham fundado o Império, com a
inquestionável lealdade dos súbditos durante
gerações.
Mas o conhecimento ocidental permane- Um Japão «ocidentalizado» O maquinista e o fogueiro posam diante da locomotiva
cia vigoroso, com um crescente número de
estudantes enviados para o estrangeiro, a tuição e da Dieta (um sistema bicamarário o designado genro (onde tinham lugar os
abertura de numerosas escolas de línguas, composto pela Câmara dos Pares, conser- mais idosos), uma efetiva fonte de autoridade.
convites a professores e especialistas ociden- vadora por natureza, e pela Câmara dos Uma das figuras dominantes da época foi
tais e mesmo a missionários cristãos, após o Representantes) não impediu a prevalência Matsutaka Masayoshi (1835-1924), um gen-
fim da proibição do cristianismo em 1873. do controlo monopolista dos oligarcas, que ro que favoreceu a criação de indústrias e a
A nível interno, o ancestral xintoísmo e mantinham os meios de atuação dentro e emergência dos primeiros grandes grupos
o seu culto à deusa do Sol e ao imperador fora do quadro constitucional. empresariais (zaibatsu). Com os oligarcas
passará a ser privilegiado em detrimento do O imperador, para além de designar os Okubo Toshimichi e Ito Hirobumi, revezou-se
budismo «importado» e dominante. Uma membros da Câmara dos Pares, também apon- no posto de primeiro-ministro sem interrup-
opção dos líderes políticos que exprimia o res- tava o governo, que lhe devia prestar contas, e ção durante 14 anos.
surgimento do nacionalismo cultural a partir não à Dieta. As forças armadas estavam igual- Em contrapartida, os partidos políticos
da década de 1880, e uma reação à decisão de mente fora do controlo dos órgãos constitu- foram inicialmente organizados na base de
«civilizar e iluminar» o país de acordo com cionais. As primeiras eleições decorreram em laços pessoais e regionais, e não por princí-
os conceitos do iluminismo europeu. 1890, mas pouco mais de 1% da população teve pios e objetivos precisos. Desgastavam-se
garantidas condições para votar. em disputas internas e externas, e os líde-
Oligarquia e partidos políticos Os oligarcas mantiveram as posições de res governamentais assumiam a posição de
A nova ordem política racionalizava-se e poder e de conselheiros do imperador, com «permanecer acima dos partidos» e impedir
reforçava-se. Mas a adoção da nova Consti- os seus líderes a formarem uma estrita clique, a presença de líderes partidários no governo.

14 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Contra a China
O Japão superpovoado e dependente de
matérias-primas, que ambicionava instalar-se
no continente asiático, aproveitou o pretexto de
tumultos na Coreia, vassala da China e situada
entre os dois países, para intervir e declarar
guerra em agosto de 1894. Com o arquipélago
já envolvido na era industrial, o poderoso
exército japonês ocupa Seul e de seguida Porto
Artur (hoje Lüshun, na China) enquanto a frota
chinesa será aniquilada em Weihaiwei (1895).
A China imperial da dinastia dos Qing é forçada
a assinar o Tratado de Shimonoseki (abril
de 1895), que consagra o fim desta Primeira
Guerra Sino-Japonesa e a total expulsão do
ORTI//GETTY IMAGES

poder chinês da península coreana.


A Formosa (Taiwan), que recusou submeter-
DEA / G. DAGLI ORTI/GETTY

-se, é ocupada pelo Japão, que também


garante as ilhas Pescadores, «pontes
flutuantes» para avançar sobre o continente.
Isto colide com a política expansionista da
Rússia czarista, que, apoiada por França
e Alemanha, em 1898 repele as forças
Tratado de Shimonoseki De notar os trajos tradicionais dos chineses (à direita) japonesas de Porto Artur e limita as ambições
e as fardas de modelo ocidental dos japoneses coloniais nipónicas.

Os partidos apoiaram o governo durante Os primeiros socialistas Entre os principais ativistas incluía-se
a Guerra Sino-Japonesa (1894-1895) mas Último primeiro-ministro da clique dos Kotoku Shusui (1871-1911), que durante a
não conseguiram chegar ao poder. Com a genro, o influente Ito Hirobumi acabou por sua permanência nos Estados Unidos tinha
oligarquia a aproveitar-se das divisões inter- resignar mas manterá a chefia do conselho mantido contactos com meios anarquistas. No
partidárias, os líderes dos partidos decidem consultivo do imperador (Sumitsu-in). Os regresso ao Japão, tornou-se líder informal
unir-se e em junho de 1898 anunciam o Par- seus sucessores, Kastura Taro (1847-1913) e desta corrente, onde se destacou a militante
tido Constitucional. Saionji Kimmochi (1849-1940), vão dirigir o Kanno Sugako (1881-1911), figura central da
Nesse ano, um líder partidário, Okuma gxecutivo alternadamente durante 12 anos, alegada conspiração para assassinar o im-
Shigenobu (1838-1922), ascende pela pri- num período em que o movimento socialista perador. Apesar de não estar diretamente
meira vez ao cargo de primeiro-ministro, começa a emergir, também dividido entre envolvido, Kokotu foi acusado de alta traição.
prenunciando o fim do governo Meiji. moderados e radicais. O Partido Social Demo- A conspiração, conhecida por Grande Trai-
Apesar de o seu governo ter durado apenas crata é anunciado em 1901, mas de imediato ção, implicou 32 detenções, com 12 execu-
quatro meses, os partidos vão tornar-se a dissolvido pelo governo. tados, incluindo Kotoku e Kanno. Este inci-
base da vida política interna, e um desafio dente afetou temporariamente o movimento
para os genro. socialista, com o reforço da repressão.
Hirobumi (1841-1909, ano em que foi as- O imperador Meiji morre em 1912, pondo
sassinado), definido como «moderado» e
Com a oligarquia termo a uma era que assistiu à transformação
fundador do partido Rikken Seiyukai, que se a aproveitar-se das de uma sociedade feudal fechada num Estado
torna a principal formação do governo, tinha «moderno», mas com a prevalência das tradi-
cooperado com Yamagata Aritomo (1838-
divisões, os líderes ções do antigo Japão. Os princípios verticais
-1922) na liderança do Executivo desde a partidários uniram-se de estatuto e hierarquia vão continuar a domi-
partida de Okubo, Kido e Saigo, os três líderes nar todas as relações – profissionais, pessoais,
da Restauração Meiji. Ambos se alternaram
e fundaram o Partido industriais, políticas – independentemente
no poder, até divergirem em definitivo. Constitucional do ambiente político que as envolve.

VISÃO H I S T Ó R I A 15
GUERRA DO PACÍFICO // JAPÃO

Tropas japonesas
na península de
Liaodong, em 1904
As forças do Mikado
preparam-se para
cercar Porto Artur,
que estava nas mãos
dos russos

GETTY IMAGES
três fases. Uma primeira zona foi, efetiva-

O Mikado mente, evacuada, mas as manobras de um


aventureiro chamado Bezobrazov, ex-oficial
que se tornara homem de negócios, inviabi-

humilha o Czar
Na Guerra Russo-Japonesa de 1904-1905, pela primeira
lizaram a execução da segunda fase de eva-
cuação. O facto é que o almirante Alekseyev,
comandante da esquadra russa do Extremo
Oriente, foi nomeado vice-rei da região. Fo-
vez uma potência europeia foi derrotada em toda ram então enviados reforços para a zona e,
inclusivamente, violadas fronteiras, quando,
a linha por um dinâmico poder asiático emergente
a pretexto de explorar os recursos florestais,
por Luís Almeida Martins cossacos disfarçados de lenhadores penetra-
ram na Coreia, ao longo do rio Ialu.

A
s condições de paz que se se- Os japoneses não perdoaram aos russos a
guiram à guerra entre o Japão sua intervenção, e muito menos a sua insta- Ataque de surpresa
e a China de 1894-95 deixa- lação em Porto Artur, concretizada em 1898. O governo de Tóquio encetou negociações
ram a Rússia inquieta. É que E, a partir de 1901, começaram a encarar a que em nada resultaram, e no dia 5 de fe-
os nipónicos, obtido o domí- hipótese de uma guerra contra a gigantesca vereiro de 1904 acabou por cortar relações
nio sobre a Coreia, a Formosa potência euro-asiática. diplomáticas com o de São Petersburgo (en-
(Taiwan), a península de Liaodong e as ilhas O Japão obtivera da Rússia o reconhe- tão a capital russa). E no dia 8 à tardinha,
Pescadores, ascendiam ao estatuto de potên- cimento do seu ascendente económico na sem declaração de guerra, navios torpedeiros
cia regional. Perante isso, o governo do czar, Coreia, mas na Manchúria o predomínio era japoneses entraram nas águas de Porto Ar-
fazendo coro com a França e a Alemanha, russo. Tinha até sido construída uma linha tur e destruíram uma considerável parte da
exigiu a Tóquio o abandono da península de férrea de ligação ao Transiberiano, e a pro- esquadra russa.
Liaodong. Na extremidade desta situava-se víncia do decadente império chinês estava Os russos, que até então pensavam que o
o porto de Lüshun (Porto Artur), cobiçado ocupada por tropas do czar. Japão estava a fazer bluff, viram que, afinal,
por não gelar no inverno, o que era essencial Os japoneses tanto protestaram que, em era a sério. Mesmo assim, a sua convicção
para a Rússia, lançada na expansão para o abril de 1902, a Rússia comprometeu-se a era de que poderiam vencer a guerra com
Extremo Oriente. evacuar a Manchúria segundo um plano em facilidade. E a generalidade do mundo pen-

16 V I S Ã O H I S T Ó R I A
sava o mesmo. Porém, a realidade era outra.
O russos possuíam apenas 80 mil soldados
no Extremo Oriente, contra 250 mil do Ja-
pão. É certo que a poderosa esquadra russa
podia fazer alinhar o número esmagador de
60 couraçados, mas, destes, apenas 28 se
encontravam no Extremo Oriente. Ora, o
surpreendente Japão possuía 48 e estavam
todos naquelas águas, o que fazia dele senhor
dos mares orientais – pelo menos enquanto a
esquadra russa do mar Báltico não conseguis-
se chegar ao distante teatro das operações.
Tirando proveito desta sua superioridade
naval e em efetivos humanos, os japoneses
cercaram Porto Artur, que tomaram em
dezembro de 1904, e penetraram no sul da
Manchúria. Aí, detiveram uma contraofensiva

GETTY IMAGES
russa na batalha de Cha-Ho, que se prolongou
por três dias, de 9 a 12 de outubro. Uma outra
batalha ainda maior – a de Mukden – que se
arrastou por quinze dias, em março de 1905, Soldados japoneses na Manchúria Uma cozinha de campanha perto do rio Cha-Ho
permitiu-lhes expulsar os russos da Manchúria
meridional. Estes combates de novo tipo im- to espanhol e em declarar guerra à Rússia. decidiu arriscar a passagem pelo estreito da
pressionaram muito o mundo. Estava-se longe O quiproquó acabaria por se resolver graças Coreia, rumo a Vladivostoque. E no dia 27
das batalhas campais fulgurantes, travadas à mediação da França: a esquadra do czar desse mês, nas águas de Tsuxima, a frota japo-
num único dia, que tinham sido características pôde seguir viagem e aceitou a instalação de nesa do almirante Togo aniquilou a esquadra
da forma de fazer a guerra no passado. Pre- uma comissão de inquérito. russa, menos moderna e esgotada pela longa
nunciava-se já o pesadelo tático dos campos Nesta quase meia volta mundo, os navios viagem. Dos 37 navios que a compunham, 19
de trincheiras da Primeira Guerra Mundial. russos tiveram de se reabastecer de carvão foram afundados e cinco capturados.
Uma vez que a linha do Transiberiano, ain- por diversas vezes e, entre outros pontos de Os japoneses, que, por razões financei-
da inconcluída, não permitia o rápido envio escala, tocaram na Baía dos Tigres, na colónia ras, não desejavam prolongar a guerra na
de reforços terrestres, a única esperança da portuguesa de Angola. Em maio de 1905, Manchúria, solicitaram então a mediação
Rússia residia em conseguir reapossar-se do com escassez de combustível, Rojestvensky do presidente dos Estados Unidos, Theo-
domínio do mar e cortar as linhas de abas- dore Roosevelt. A Rússia, a braços com a
tecimento nipónicas. Assim, em outubro de revolução de 1905, prenúncio dos grandes
1904, a esquadra do Báltico, comandada pelo acontecimentos sociais de 1917, resignou-se,
almirante Rojestvensky, recebeu ordem para e um tratado foi assinado em 5 de setembro
rumar ao Extremo Oriente. Mas teria de con- de 1905 em Portsmouth, nos EUA.
tornar a África para evitar a passagem no canal Segundo os termos acordados, o Japão ob-
de Suez, controlado pelos britânicos, aliados tinha a metade sul da ilha Sakalina, o usufruto
dos japoneses embora neutrais no conflito. de Porto Artur, o controlo do caminho de
ferro Sul-Manchuriano e liberdade de ação
Choque de esquadras na Coreia, sobre a qual estabeleceu logo um
Um caricato incidente ficou a assinalar a
A esquadra russa protetorado e que anexou em 1910. Do lado
passagem da esquadra pelo mar do Norte. do Báltico deu quase da Rússia, a derrota destruiu o prestígio do re-
Na noite de 21 para 22 de outubro de 1904, gime czarista e enfraqueceu a imagem do seu
o comandante de um dos navios, que estava
a volta ao mundo para poderio militar, abrindo caminho à revolução
embriagado, julgou ver uma frota japone- chegar ao teatro que se anunciava no horizonte. Pela primeira
sa e deu ordem de bombardear… barcos de vez na História, uma potência europeia era
pesca ingleses. A frota aportou a Vigo e os
de operações, derrotada por um país não-europeu. O século
ingleses pensaram em bloqueá-la nesse por- no Extremo Oriente XX começava efetivamente.

VISÃO H I S T Ó R I A 17
GUERRA DO PACÍFICO // JAPÃO

A emergência
dos militares
Após a I Guerra Mundial, o Japão prossegue
na senda do desenvolvimento e do reforço de uma
democracia mitigada, que termina abruptamente
com tentativas de golpistas e crimes políticos
por Pedro Caldeira Rodrigues

O
imperador Taisho (1879-1926), seus interesses no sul da Manchúria. Com
que sucedeu ao imperador Meiji apreensão por parte dos Estados Unidos, a
em 1912, manteve-se no trono China acabou por ceder.
do Japão até à sua morte, mas As relações EUA-Japão tinham sido rela-
devido a uma saúde débil vai tivamente estáveis no era Meiji. Washington
ceder em 1921 os deveres impe- apoiou os japoneses na guerra contra a Rús-

GETTY IMAGES
riais ao filho Hirohito, que assume a regên- sia e aceitou o controlo da Coreia. Agora, o
cia. No governo, o príncipe-general Katsura principal contencioso residia na imigração
Taro e o aristocrata Saionji Kinmochi alter- nipónica para os EUA. Em 1900, eram 61 mil
navam-se como primeiros-ministros desde os japoneses instalados no Hawai e 24 mil
1901 até 1913. na Califórnia, números sempre a aumentar. das possessões alemãs na península chinesa
Os maiores problemas do país centravam- Este fator fomentou um fervoroso senti- de Shandung e em ilhas do Pacífico, mas
-se na área financeira, com as crescentes exi- mento antijaponês, em particular na Califór- não garantiu uma posição de paridade na
gências do Exército e da Marinha para um nia. A imprensa referia-se ao «perigo amare- emergente Sociedade das Nações (SdN). Após
aumento dos investimentos. Em 1914, Okuma lo» e associações propunham a exclusão dos estas partilhas, as relações do Japão com as
Shigenobu, da oligarquia Meiji, tornou-se imigrantes asiáticos. Em 1906 foi adotado principais potências permanecerão relativa-
primeiro-ministro, mas confrontou-se com o em São Francisco um plano para segregar mente tranquilas, apesar das inquietações
início da Grande Guerra. De imediato, o Ja- as crianças japonesas das escolas públicas, suscitadas pela presença militar nipónica na
pão colocou-se ao lado das potências aliadas. à semelhança do adotado para as de origem Sibéria após a Revolução Russa.
A Aliança Anglo-Japonesa, de 1902, justifica- chinesa. E até 1924 serão aprovadas novas leis Os responsáveis pela política externa, como
va esta posição, mas o verdadeiro motivo era estaduais e federais anti-imigrantes. Shidehara Kijuro, promovem uma política de
apoderar-se das possessões alemãs na China cooperação internacional. Em 1921-22 o Ja-
e em ilhas do Pacífico. Em 1915, Tóquio exige Tempos de cooperação pão participa na Conferência de Washington,
à China a transferência dos domínios alemães No rescaldo da Grande Guerra, a Conferência com a conclusão do Tratado das Quatro Po-
na Ásia para o Japão e o reconhecimento dos de Versalhes legitimou o controlo japonês tências do Pacífico (EUA, França, Reino Uni-

1912 1922 1923 1926 1928 1932 1936

Início da Era Terramoto Morte do Primeiras Assassínio do Tentativa de


Taisho, após arrasa Tóquio, imperador eleições gerais primeiro-ministro golpe de Estado,
a morte do capital desde Taisho, sucedido por sufrágio Inukai Tsuyoshi com diversos
imperador Meiji Fundação do 1868 pelo filho Hirohito universal (à responsáveis
Partido Comunista (Era Showa) exceção das oficiais
Japonês, mulheres) para assassinados
influenciado pela a Câmara dos
Revolução Russa Representantes

18 V I S Ã O H I S T Ó R I A
GETTY IMAGES
Paradas militares e navais Navios com
rodas nas ruas de Tóquio, no 25º aniversário
da vitória de Tsuxima alcançada sobre
os russos (em cima) e o imperador Hirohito
recebendo uma mensagem das mãos
do ministro da Guerra (à esquerda)

do e Japão) e o Tratado das Cinco Potências, nopólios industriais e financeiros Mitsui e nação e resistiu à implementação do sufrá-
um acordo naval que também inclui a Itália Mitsubishi. Em 1918, Yamagata Aritomo, gio universal, exclusivo para os homens. Pe-
e garante a manutenção do status quo nas da elite dos genro com acesso ao palácio rante uma crescente e reivindicativa massa
fortificações e bases navais no Pacífico. Nesta real, concede o cargo de primeiro-ministro operária, restringiu as ações dos sindicatos
conferência também foi concluído o Tratado a Hara Takashi, líder do Seiyukai. e perseguiu grupos de esquerda. Em 1921
das Nove Potências (as cinco anteriores e ain- O novo dirigente conservador aderiu à foi morto por um jovem revolucionário,
da China, Bélgica, Países Baixos e Portugal). política do «enriquecimento e reforço» da tornando-se o primeiro, mas não o último,
Os signatários comprometem-se a respeitar chefe de governo a ser assassinado.
«a soberania, independência e integridade A tarefa de designar o primeiro-ministro
territorial e administrava da China», para será atribuída a Saionji Kinmochi em 1922, na
além de assegurarem iguais oportunidades sequência da morte de Aritomo. Com estatuto
comerciais na China para todas as potências. de príncipe desde 1920, tornava-se o último
A política de cooperação internacional genro, e conselheiro chefe do imperador. De
prossegue até finais da década de 1920 e o 1924 a 1932, sete governos provenientes de
governo direitista do general Tanaka Giichi partidos maioritários na Dieta (o poder le-
assina o Pacto Kellog-Briand, que exclui o re- gislativo bicamarário) sucedem-se no poder.
curso à guerra, apesar da crescente repressão
a nível interno e na Coreia ocupada. ‘Pensamentos perigosos’
e radicalização
Os partidos do sistema Mas será o grande terramoto que atingiu a
Com o fim da era Meiji, os velhos oligarcas Um ativista coreano região de Kanto, a Grande Tóquio, no dia 1
deixaram de estar diretamente envolvidos de setembro de 1923 que servirá de pretexto
nos assuntos de Estado e os partidos polí-
lançou uma bomba para novas e perigosas derivas.
ticos tornaram-se parte integrante do siste- contra a carruagem Um rumor que atribuiu a responsabi-
ma, em particular o Seiyukai e o Kenseito, lidade dos incêndios e outros crimes aos
sucessores do Partido Liberal e do Partido
em que seguia Hirohito, residentes coreanos originou uma histeria
Progressivo e com estreitas ligações aos mo- em 9 de janeiro de 1932 coletiva, com centenas de coreanos mortos.

VISÃO H I S T Ó R I A 19
GUERRA DO PACÍFICO // JAPÃO Greve dos têxteis
Operários e empregados
de uma fábrica de Tóquio
reúnem-se em frente
da sede do sindicato
GETTY IMAGES

GETTY IMAGES
Praia de Yuigahama, 1930 Mulheres jovens escutam discos num gramofone

Nesta atmosfera, as autoridades detiveram incluindo greves, foi ainda bloqueado pelos estendeu-se às universidades, com a prisão
e executaram sumariamente socialistas e interesses empresariais, apesar da permissão de estudantes e a demissão de professores.
líderes sindicais, entre eles o destacado limitada de atividades sindicais.
militante anarquista Osugi Sakae, e a re- A designação do general Tanaka Giichi, Sedução ocidental
volucionária feminista Ito Noe. líder do Seiyukai, como primeiro-ministro, e industrialização
Na sequência desta repressão, o jovem significará o início do ultra-radicalismo em Os anos Taisho também foram assinalados por
Namba Taisuke, influenciado pelo sindica- detrimento da «democracia Taisho». Apesar uma viragem em direção ao «modernismo»
lismo e anarquismo, tentou assassinar, sem de ser chefe de um partido de governo que nas áreas urbanas. Registou-se forte interesse
sucesso, o regente imperial Hirohito. Foi se mantém formalmente no poder até 1932, pelos costumes e a cultura popular do Ocidente,
preso e executado. Este incidente reforçou as suas ideias coincidiam com as dos mili- que seduzem parte importante da juventude,
a vigilância contra os «pensamentos peri- tantes nacionalistas de extrema-direita em enquanto as modernas tecnologias transfor-
gosos» e o ministro da Justiça e futuro pri- ascensão. Torturas, espancamentos e mor- mam os centros urbanos. Proliferam livrarias,
meiro-ministro Hiranuma Kiichi fundou o tes na prisão atingem centenas de pessoas, jornais, iniciativas culturais, que acentuam o
ultraconservador Kokuhonsha (Sociedade incluindo membros de associações feminis- fosso entre os mundos urbano e rural, e surgem
do Fundamento Nacional), destinado a pro- tas, prática que se prolonga pela década de escritores como Yasunari Kawabata (1899-
mover o «espírito nacional». 1930. A purga dos «perigosos pensadores» -1972), Prémio Nobel da Literatura em 1968.
Em 1924, ano em que é banido o Partido
Comunista, as principais forças rivais que
garantiram maioria na Dieta vão cooperar Imperador Taisho
Im
com Kato Komei, líder do efémero parti- O 123º
1 soberano
do Kenseikai, no primeiro e efetivo governo do Japão reinou
entre 1912 e 1926
ent
partidário. A prática de designar um dos dois
maiores partidos para formar o executivo
manteve-se até 1932. Em 1925, Komei tinha
já estabelecido o sufrágio universal, mas só
para os homens com mais de 25 anos. Imperador Hirohito
to
Em paralelo, impôs-se a Lei da Preservação O 124º da lista
ta
da Paz dirigida contra os «pensamentos peri- se
tradicional sentou-se
no trono em 1926,6,
gosos» atribuídos a comunistas, anarquistas
te
mas já era regente
e outras forças revolucionárias. O plano do desde 192121
governo para proteger os direitos laborais,

20 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Terramoto na Grande
Tóquio O sismo
de 1 de setembro de 1923
fez 100 mil mortos
e 500 mil feridos
e destruiu 700 mil casas

Na área económica e social, de de estabelecer um regime


registou-se um importante au- totalitário, com os segundos
mento da produção no setor mais empenhados na expansão
têxtil, metalurgia e maquinaria, pelo continente asiático, e in-
química, cerâmica, eletricidade e surgiam-se contra os «egoístas
gás, quando a população japone- valores ocidentais» que esta-
sa tinha praticamente duplicado vam a descaraterizar o Japão.
desde 1868 (de 34 milhões para São estes setores que planeiam
cerca de 60 milhões). uma série de assassínios de
O número de fábricas equi- altos dirigentes no poder, em
padas com maquinaria elétrica particular a Liga da Irmandade
quintuplicou entre 1909 e 1929, do Sangue, que elabora uma
e o número de operários subiu lista com 30 nomes.
de um milhão para 2,4 milhões. O ponto de viragem para o
Mas os salários permaneciam militarismo extremista ocorreu
muito baixos e as condições de em 15 de maio de 1932, com o
trabalho precárias, em particu- assassínio do primeiro-ministro
lar nos têxteis, onde a maioria da Inukai Tsuyoshi, 76 anos, líder
mão-de-obra integrava raparigas do Seiyukai. O ministro das
adolescentes e mulheres. O se- Finanças e o diretor do con-
tor primário (agricultura, pesca, glomerado Mitsui também são
indústria mineira) continuava a abatidos nesse ano.

GETTY IMAGES
declinar, mas ainda representava Terminava o período dos
51,5% do total em 1930. partidos governamentais.
O almirante Saiko Makoto,
A emergência da direita da direita radical e militaristas, apesar de o apontado como novo chefe do governo, ce-
militarista seu paradigma ser diverso dos movimentos derá à exigência dos militares para a retirada
Os dois anos do governo Tanaka Giichi similares que também se impunham em di- da SdN, em 1933, e o prosseguimento da
(1927-29) podem ser definidos como o fim versos países da Europa. ofensiva na China. Será substituído por outro
de uma democracia nascente e o início do A sacralidade do sistema imperial é almirante, Okada Keisuke. O novo primei-
percurso para o militarismo e a guerra. profundamente enfatizada. Para além de ro-ministro cede às exigências de expansão
Em paralelo, a Grande Depressão origi- diversos ideólogos «fascizantes» que se naval e desvincula-se dos tratados navais de
nava uma queda abrupta nas exportações insurgiam contra os privilégios das elites e Washington e Londres num período em que
japonesas: cerca de 50% entre 1929 e 1931. os zaibatsu (as grandes empresas), grupos se confrontam duas fações militares, o que
Para além da crise económica, o primei- de oficiais também se tinham organizado explica o sangrento e fracassado golpe de Es-
ro-ministro Hamaguchi Osachi também desde a década de 1920. O seu objetivo era tado ultranacionalista de fevereiro de 1936.
se confrontava com crescente pressão dos a instauração de um regime militar e o afas- A glorificação do sistema imperial estava
setores da direita radical, devido à sua po- tamento dos «políticos corruptos». em marcha. Em 1937, o Ministério da Edu-
lítica de cooperação internacional. Estas formações de civis e militares ul- cação divulgará os Fundamentos da Nossa
No início de 1930, as potências reúnem-se tranacionalistas coincidiam na necessida- Política Nacional, que considerava o im-
em Londres, para negociar novas reduções perador descendente de Amaterasu, deusa
dos navios de guerra, mas com a oposição dos xintoísta do Sol. A liberdade de expressão e
líderes da Armada nipónica e do Seiyukai. pensamento estava aniquilada.
Os responsáveis navais que apoiaram o acor-
O período 1927-29 No ano anterior, o governo do diplomata
do de Londres são apontados como alvos a marca o fim da Koki Hirota assinara com a Alemanha nazi
abater. A primeira vítima será Hamaguchi, o Pacto Anti-Comintern, ao qual se juntaria
gravemente ferido a tiro no final de 1930.
democracia nascente a Itália. Um prenúncio da Aliança do Eixo,
Demite-se e morre pouco depois. e o início do caminho que será firmada em setembro de 1940 com
O Japão entra então numa década em que a estes dois países pelo príncipe Fumimaro
evolução política interna e dos assuntos exter-
em direção ao Konoe, que a partir de 1938 tinha reforçado as
nos será determinada por ultranacionalistas militarismo e à guerra tendências ditatoriais do regime nipónico.

VISÃO H I S T Ó R I A 21
GUERRA DO PACÍFICO // JAPÃO

Invasão
e resistência na China
A invasão japonesa da Manchúria, em 1931, deu início
à «Guerra dos Quinze Anos», como veio a ser conhecida
no Japão. O conflito devastou não só a China
como boa parte da Ásia e, no final, o próprio Japão
por Helena F. S. Lopes*

P
ara o imperialismo japonês na jacentes, incluindo o seu policiamento, mas
China, 18 de setembro de 1931 operava também uma série de setores como
foi um ponto de viragem deter- os das indústrias mineira e química, educa-
minante. Nesse dia, soldados do ção ou investigação científica. De veículo de
Kanto-gun (exército de Guan- «imperialismo informal», veio a tornar-se um
dong), a guarnição do exército pilar de uma ocupação colonial megalómana.
imperial japonês estacionada ao longo da
linha férrea da Manchúria do Sul, no nor- Entusiasmo expansionista
deste chinês, simularam um ataque chinês Num contexto de depressão económica, de
por forma a desencadear uma resposta re- alarme perante uma possível ameaça soviéti- GETTY IMAGES

pressiva. A operação, planeada pelo então ca e de medo face à ascensão dos nacionalistas
coronel Ishiwara Kanji e pelo futuro minis- de Chiang Kai-shek, que chegaram ao poder
tro da Guerra, general Itagaki Seishiro, foi na China em 1927, o incidente de setembro de
o pretexto para ocupar toda a Manchúria, 1931 depressa criou um momentum de fervor
região que engloba as províncias chinesas imperialista no Japão, alimentado por dife- Manchúria foi «sonhada» como a solução
de Jilin, Liaoning e Heilongjiang. Não fora rentes atores, estatais e não-governamentais. para vários problemas internos do Japão,
a primeira tentativa do Kanto-gun para Meios de comunicação, como a imprensa ou num cruzamento de interesses militares,
provocar um incidente do género. Em 1928, a rádio, indústrias privadas e grupos de civis, económicos, sociais e culturais.
tinham assassinado o «senhor da guerra» até com interesses contraditórios, confluíram Claro que a Manchúria não estava de modo
local, Zhang Zuolin, embora o atentado não num entusiasmo febril pelas possibilidades algum desabitada. Aliás, havia aqui um enor-
tivesse escalado para uma ocupação. da «expansão» para a China. A Manchúria foi me fluxo migratório interno. Entre as popula-
Região fronteiriça da Rússia, a Manchúria imaginada como um espaço «vazio» pronto ções locais, as respostas imediatas à ocupação
era um território entre impérios. Os inte- a ser ocupado e «civilizado» por japoneses, foram diversas, desde a resistência armada
resses czaristas na região haviam sido pra- fossem eles militares para garantir a à resignação. Na comunidade internacional,
ticamente desmantelados aquando da «segurança nacional», camponeses o governo chinês contestou vigorosamente
derrota na guerra russo-japonesa de pobres ou profissionais qualificados a ocupação. A questão foi discutida na So-
1904-1905. Um deles era uma linha em busca de emprego. Como obser- ciedade das Nações, onde a «crise da Man-
férrea que ficou sob controlo japonês, vou a historiadora Louise Young, a chúria» demonstrou o «fracasso» da SdN
gerida desde 1906 pela South Man- no prenúncio da Segunda Guerra Mundial.
churia Railway Company. A Comissão Lytton, em 1933, não reconheceu
A Mantetsu (abreviatura a ocupação japonesa como legítima. O Japão
do nome japonês, como Chiang Kai-shek saiu da SdN e ficou na Manchúria.
esta companhia públi- Os nacionalistas Ainda o Japão não se tinha retirado da SdN,
por ele liderados
co-privada era conheci- e já continuava o seu avanço na China. Em
chegaram ao poder
da) controlava não só o na China em 1927 janeiro de 1932, aviões japoneses bombardea-
transporte rodoviário ram civis em Xangai, numa resposta militar
como as povoações ad- a boicotes e outros protestos chineses. Meses

22 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Prisioneiros
de guerra Dois
chineses cativos de
soldados japoneses
na Manchúria, em
1931, numa imagem
dos primeiros
tempos do longo
conflito que duraria
até 1945. Em
baixo: O protocolo
assinado em
15 de setembro
de 1932 entre o
Japão e o Estado-
-fantoche de
Manchukuo

depois, a ocupação do nordeste deu lugar a mais liberdade do que no Japão atéé
um estado «fantoche»: Manchukuo. Numa aos anos finais da guerra. A região o
época de crescente ativismo anticolonial, a conheceu também atrocidades, como o
Manchúria não se tornou colónia, mas um as horrendas experiências médicas em m
estado supostamente independente. Puyi, chineses e outros na Unidade 731, queue
o último imperador da China, da dinastia oficialmente se dedicava à prevenção ão
Qing, originária da Manchúria, foi elevado a de epidemias, mas na realidade testava
ava
GETTY IMAGES
soberano, mas o território que «governava» armas biológicas em humanos.
servia os interesses japoneses. Assim, em 1931, uma operação dee al-
A economia de Manchukuo foi planea- guns militares agindo por conta própria – e, defendiam uma resposta mais musculada à
da para formar um bloco com o Japão, com inicialmente, sem o apoio entusiástico do ocupação. De início, a resistência não se fez
investimento na monocultura de soja e em governo japonês civil – depressa veio a ser pelas armas, porque Chiang sabia que a China
indústria pesada, com bastante trabalho for- tratada como fait accompli e o primeiro passo não estava ainda preparada para uma guerra
çado de chineses e coreanos. Obras públicas para uma vasta e dispendiosa ocupação de contra um inimigo mais poderoso.
e muitos negócios privados cimentaram a territórios chineses. Entre 1931 e 1937, forças No final de 1936, Zhang Xueliang – filho
presença japonesa. A imigração de colonos japonesas foram controlando uma extensão e sucessor de Zhang Zuolin – raptou Chiang
japoneses foi incentivada e 250 mil estabele- cada vez maior do norte da China. No Japão, para o convencer a criar uma nova Frente
ceram-se em Manchukuo, encorajados pela vozes críticas foram sendo silenciadas num Unida com os rivais comunistas. Convenci-
propaganda que os considerava superiores clima de crescente militarismo. do de que Estaline apoiaria a China, Chiang
aos restantes habitantes. Como outros es- concordou. Um reforço da capacidade militar
paços coloniais, Manchukuo tinha as suas Rumo ao conflito mundial chinesa (exército e força aérea) já estava em
contradições. Por exemplo, alguns intelec- Os nacionalistas chineses, por seu turno, marcha, tendo sido importantes as parcerias
tuais japoneses de esquerda encontraram ali enfrentaram duras críticas internas. Muitos com a Alemanha, a Itália, os Estados Unidos

VISÃO H I S T Ó R I A 23
GUERRA DO PACÍFICO // JAPÃO

GETTY IMAGES

Bombardeamento de Chungking Uma mãe


e dois filhos deambulam, impotentes, por
entre as ruínas causadas pelo ataque nipónico

e a União Soviética. A China tornou-se tam-


bém palco importante de outras resistências
anticoloniais contra o Japão, nomeadamente
a coreana. Tanto o futuro líder da Coreia do
Norte, Kim Il-sung, como o da futura Coreia
do Sul, Syngman Rhee, operaram a partir de

GETTY IMAGES
território chinês nos anos 1920 e 1930.
Em julho de 1937, perante um novo in-
cidente, na Ponte Marco Polo, em Pequim,
Chiang decidiu finalmente que não suportaria Blindados invasores Forças japonesas entram em Huaiyin-Hsien, em março de 1939
mais avanços japoneses. Começou uma guerra
aberta, inicialmente não declarada. sistema de escravatura sexual: as chama- advogando mesmo a «erradicação» dos na-
Em agosto, abriu-se uma segunda frente das «estações de conforto» onde milhares cionalistas insubmissos. A repressão inter-
em Xangai, e aqui as forças chineses resis- de mulheres – muitas delas coreanas e na no Japão também endureceu, enquanto
tiram até novembro, contrariando todas chinesas, enganadas ou raptadas – eram se promovia uma «nova ordem na Ásia de
as previsões. O regresso das atrocidades regularmente abusadas por soldados. Leste» e se contemplava capturar territórios
de uma guerra moderna à cidade mais A ofensiva militar japonesa seguiu pela sob domínio colonial europeu na Ásia do
cosmopolita da China chocou observadores costa leste até ao sul, ocupando a maioria das Sueste. Os recursos destes eram vistos como
estrangeiros e foi determinante para mu- grandes cidades chinesas, incluindo Cantão, essenciais para o esforço de guerra japonês,
dar a opinião pública mundial a favor da tomada em outubro de 1938. No Japão, o perante a oposição americana e britânica em
China. Após a queda de Xangai, as forças governo do primeiro-ministro Konoe Fu- facilitar a subjugação da China.
japonesas seguiram para Nanjing (Nan- minaro não pôs fim às atrocidades e rejeitou A ocupação representou uma oportunida-
quim), a capital dos nacionalistas. O apa- mediação alemã para uma potencial trégua, de, também, para muitos civis. Em Xangai,
relho governativo foi largamente retirado a população japonesa, já então a maior co-
nas vésperas do ataque, mas a ocupação munidade estrangeira, cresceu exponencial-
não foi pacífica. Mesmo sem enfrentarem mente durante a guerra, chegando a quase
grande resistência, as tropas japonesas Apesar da sua violência, 100 mil pessoas após 1941. Mas, incapazes
demoraram-se num massacre de seis se- de assegurar o domínio total do país ou se-
manas. Os números oficiais chineses são
a invasão japonesa não quer das áreas em torno das cidades que
de 300 mil mortos. Violações de mulheres fez vergar o propósito de controlavam – onde a resistência continuava
estimam-se em 20 mil. Subsequentemen- sob forma de guerrilha –, as forças japone-
te, para satisfazer supostas «carências»
«resistência até ao fim» ses recorreram a colaboracionistas, inter-
dos militares japoneses, foi montado um do governo de Chiang mediários encarregados da administração

24 V I S Ã O H I S T Ó R I A
A marioneta
e os bonecreiros
Wang Jingwei posa
com oficiais japoneses
na sua residência-fortaleza,
em Xangai

local. Tais funções foram aceites por algu-


mas elites chinesas que no passado haviam
rejeitado Chiang Kai-shek, embora muitos
ex-opositores se tenham aliado à resistência.
O historiador Timothy Brook, que estudou a
complexidade e a variedade de experiências
de colaboracionismo, notou que algumas
figuras eram movidas, não por admiração
pelo projeto imperial japonês, mas por um
«nacionalismo colaboracionista» que pro-
curava preservar a nação chinesa de uma
obliteração total pela guerra. O mais im- Wang Jingwei, de herói a traidor
portante desses líderes colaboracionistas Político e poeta, Wang Jingwei (1883- independente de Wang foi reconhecido
foi Wang Jingwei (ver caixa). -1944) liderou o mais importante regime pelo Japão, sendo-o depois pelos seus
Apesar da sua colossal violência, a invasão colaboracionista da China ocupada, o aliados do Eixo, incluindo a Espanha. Para
japonesa não vergou o propósito de «resis- Governo Nacional Reorganizado, que a resistência, Wang era o «traidor número
tência até ao fim» do governo de Chiang, controlava boa parte da China Central um», e a sua capitulação particularmente
e do Sul, incluindo Xangai, Nanjing infame porque ele tinha uma aura de
nisso apoiado pelos comunistas. A capital
(Nanquim) e Cantão. prestígio revolucionário.
chinesa foi relocalizada para Chongqing Wang fora um colaborador próximo As razões para a decisão de Wang
e nesta cidade do sudoeste, protegida por de Sun Yat-sen. Sun tinha sido a figura continuam a ser debatidas: era um
boas defesas naturais, os nacionalistas per- tutelar dos revolucionários republicanos, nacionalista ingénuo que calculou mal
sistiram até ao final da guerra, apesar de primeiro presidente provisório da a força da resistência? Um interesseiro
numerosos bombardeamentos. Lutaram República da China em 1912, e fundador em busca de poder? Um romântico que
inicialmente sem apoios internacionais do Kuomintang (Partido Nacionalista). procurava glória pessoal como «mártir»?
Rival de Chiang Kai-shek, Wang era Ou – como a sua influente mulher, Chen
formais. A globalização da guerra, com o
uma figura proeminente no Kuomintang Bijun, o retratou quando foi julgada por
ataque japonês a Pearl Harbor e às colónias quando a guerra começou, uma voz traição, após a guerra – um patriota
da Ásia do Sueste do Reino Unido, Países firme a favor da resistência. Mas, perante que resgatou território ocupado e o
Baixos e EUA (Filipinas), em dezembro de a violência do conflito, que parecia poupou a bombardeamentos japoneses,
1941, deu novo fôlego à resistência chinesa, expandir a ocupação sem possibilidade procurando preservar a cultura chinesa
agora reconhecida como indispensável para de sucesso, abandonou Chongqing em quanto pôde? Quando Wang morreu, no
o esforço de guerra aliado. 1938 rumo à Indochina, onde, com alguns Japão, em 1944, o regime que fundara
apoiantes, entrou em conversações começou a ruir.
com agentes japoneses com vista a um Mas, ao contrário de outros líderes
A China subvalorizada eventual acordo de paz. Regressou depois nacionalistas asiáticos que colaboraram
A participação da China ao lado dos Aliados à China, onde fracassaram tentativas com o Japão na Ásia do Sueste, a
granjeou ao país um reconhecimento inter- de travar a resistência de Chiang. Só em reputação de traidor de Wang Jingwei
nacional sem paralelo na sua história recente 1940 é que o governo supostamente permanece até aos nossos dias.
até então. Tal é evidente, por exemplo, no
lugar permanente que, depois do conflito,
lhe foi atribuído no Conselho de Seguran- zados, em parte devido à persistência de ram também condicionadas pela complexa
ça da Organização das Nações Unidas. Na preconceitos racistas. Foi sem conhecimento situação do pós-guerra.
Conferência do Cairo, em 1943, Chiang chinês que bombas atómicas foram lançadas Para os nacionalistas, a vitória contra o
Kai-shek obteve de Roosevelt e Churchill o em 1945 e as intenções chinesas de participar Japão foi sofrida, mas efémera, e o desgaste
compromisso de que os territórios ocupados na ocupação do Japão no pós-guerra não se militar e económico que sofreram é um ele-
pelo Japão retornariam ao controlo chinês, materializaram. Mudanças geoestratégicas mento importante para compreender a sua
incluindo Taiwan, a ilha cedida ao Japão ligadas à Guerra Fria que se começava a de- derrota na guerra civil chinesa que se seguiu
em 1895 após a derrota da dinastia Qing na linear fariam do Japão um aliado americano, à Segunda Guerra. No final dos anos 1940,
Primeira Guerra Sino-Japonesa. enquanto a China não contou com um apoio Chiang relocalizou a sua República da China
Apesar de algumas conquistas importan- à sua reconstrução equivalente ao que os para Taiwan, onde a herança do colonialismo
GETTY IMAGES

tes, o contributo chinês para a vitória aliada EUA ofereceram à Europa. Tentativas das japonês era profunda.
e a devastação humana, material e ambiental autoridades chinesas de julgar criminosos * Helena F. S. Lopes é investigadora no Departamento
sofrida pelo país continuaram subvalori- de guerra japoneses e colaboracionistas fo- de História da Universidade de Bristol

VISÃO H I S T Ó R I A 25
GUERRA DO PACÍFICO // PEARL HARBOR
GETTY IMAGES

26 V I S Ã O H I S T Ó R I A
O ‘DIA DA INFÂMIA’
Foi assim que o presidente dos EUA, Franklin Roosevelt,
se referiu ao ataque lançado de surpresa pelo Japão,
em 7 de dezembro de 1941, à base de Pearl Harbor.
Para os norte-americanos começava a guerra que haveria
de terminar, 45 meses depois, com a derrota total dos nipónicos
por Ricardo Silva

Destruição
Numa das imagens
mais icónicas do ataque
a Pearl Harbor veem-se
os couraçados West
Virginia e Tennessee
a serem pasto das
chamas

VISÃO H I S T Ó R I A 27
GUERRA DO PACÍFICO // PEARL HARBOR

Couraçados atingidos
Alvejados pela aviação
japonesa, observam-se,
da esquerda para a
direita, o West Virginia
(severamente danificado),
o Tennessee (danificado)
e o Arizona (afundado)

D
urante décadas o Ocidente assis- o encerramento de todas as comunicações impostas e preparar-se para a entrada do
tiu à ascensão do Japão com um entre a Indochina e a China, além do envio seu exército. A uma hora do fim do prazo o
misto de temor e de espanto. A sua de uma «equipa de inspeção» para a colónia governador cedeu, mas nem assim se evitou
inesperada vitória sobre a Rússia francesa. A 22, a França assinava a rendição a violência. Uma divisão japonesa atravessou
esteve longe de ser celebrada nas em Compiègne, e o Império do Sol Nascente a fronteira e envolveu-se numa troca de tiros
chancelarias europeias, e foi com reivindicou o encerramento total da fronteira com a guarnição de Dong Dang. Entretan-
relutância que os Aliados aceitaram a anexa- com a China e o direito a ancorar navios de to, a marinha nipónica desceu pelo golfo de
ção das colónias alemãs. Contudo, seriam as guerra no porto de Guangzhouwan. A 3 de Tonquim e lançou ataques ao longo da costa,
contínuas agressões à China que causariam julho, nova exigência: a entrega de bases aé- desembarcando uma força em Dong Tac.
uma crescente animosidade face ao seu ex- reas em Hanói e o direito de passagem para A 26, a operação estava concluída e o nor-
pansionismo. Com a invasão da China, em o exército imperial. A França de Vichy pouco te da Indochina em mãos nipónicas, com a
1937, o exército japonês revelou a sua eficácia podia fazer para se opor ao ultimato nipónico, anuência forçada da França. No dia seguinte,
militar, mas também a impiedade com que só lhe restando prolongar as negociações e o Japão assinou o Pacto Tripartido com a Ale-
tratava os prisioneiros e os civis, e o absoluto esperar que a pressão diplomática dos EUA manha nazi e a Itália fascista, reconhecendo
desprezo pela vida dos chineses. fosse suficiente para impedir o pior. os direitos destas ao domínio na Europa a
O início da guerra na Europa, em 1939, Enquanto os diplomatas debatiam nos troco de um reconhecimento similar na Ásia
tornou a situação ainda mais tensa. As vi- salões, os soldados no terreno tomavam a oriental. O 2º artigo do Pacto era esclarece-
tórias da Alemanha despertavam a inveja iniciativa. No dia 6 de setembro, um batalhão dor: «A Alemanha e a Itália reconhecem e
da Itália, desejosa de construir um império japonês atravessou a fronteira junto ao forte respeitam a liderança do Japão no estabeleci-
no Mediterrâneo à custa das colónias dos em Dong Dang, o que levou os franceses a mento de uma nova ordem no Grande Leste
Aliados, e o Japão viu uma oportunidade se- responder com a suspensão das negociações. Asiático.» A nova ordem na Ásia só poderia
melhante no Pacífico. A 19 de junho de 1940, Longe de ser demovido, o general Nishimura ocorrer à custa das potências ocidentais, e
quando a França estava a apenas três dias lançou um ultimato ao governador francês: a Indochina era o primeiro exemplo dessa
de capitular perante os nazis, o Japão exigiu tinha até ao dia 22 para aceitar as condições política. Outros se seguiriam.

28 V I S Ã O H I S T Ó R I A
BIBLIOTECA DO CONGRESSO
YAMAMOTO
O ‘Napoleão
dos mares’
Descendente de uma linhagem de
samurais, Isoruku foi adotado pela
família Yamamoto por falta de um
herdeiro natural e logo em criança
foi destinado à vida militar. Em 1904,
concluiu os estudos na Academia
Naval e passou a servir no cruzador
Nisshin, onde perdeu dois dedos da

GETTY IMAGES
mão esquerda quando o navio foi
BIBLIOTECA DO CONGRESSO

atingido, na batalha de Tsushima.


Fluente em inglês, estudou em
Aviadores japoneses Um grupo de pilotos de bombardeiros Harvard e serviu duas comissões
nipónicos e (em cima) uma vista da base de Pearl Harbor como adido naval em Washington,
fotografada pelos atacantes
tempo que lhe serviu para apreciar a
capacidade industrial e a pujança da
economia dos EUA.
A 22 de junho de 1941, a Alemanha inva- cia média era inaceitável para os militares Após voltar ao Japão opôs-se à
diu a União Soviética e forçou este colosso a que dominavam por completo o governo, só invasão da Manchúria, em 1931.
Mais tarde, já subsecretário da
transferir a maioria das suas divisões para o lhes restando ir para a guerra contra a maior
Marinha, tentou bloquear a adesão
território europeu. Era a oportunidade pela potência mundial na crença de que os japo- ao Pacto Tripartido, o que lhe valeu
qual o Japão aguardava. Com os soviéticos neses eram racial e culturalmente superiores o ódio dos nacionalistas e ameaças
envolvidos numa luta existencial contra os e de que isso seria suficiente para compensar à sua vida. Foi então decidida a sua
nazis e as potências europeias desgastadas a inferioridade material face aos ocidentais. nomeação para Comandante da
por três anos de guerra, só os Estados Uni- Frota Combinada Imperial, função
dos poderiam travar as forças nipónicas no em que revelou ser um dos melhores
estrategos navais da sua geração.
Pacífico e a formação de um império que
Concluiu acertadamente que o poder
dominasse os povos asiáticos. aeronaval era decisivo para vencer
O presidente Roosevelt, dos EUA, tinha ple- um inimigo superior, e apesar de
na consciência dos planos nipónicos e estava vitorioso em Pearl Harbor, estava
decidido a impedir a sua realização, não he- consciente da inevitabilidade da
sitando em responder às agressões japonesas derrota. Em Midway, a marinha
com retaliações económicas. Por isso, quando, japonesa perdeu a iniciativa da
guerra, e em Guadalcanal começou
a 24 de julho, o Japão decidiu acabar com as
a perder território. Em 1943,
aparências e ocupou o resto da Indochina, Crente na superioridade Yamamoto procurava elevar o moral
Roosevelt ordenou um embargo à venda de
petróleo e produtos refinados a partir do dia
dos porta-aviões e da dos seus homens com arriscadas
visitas no terreno que se revelaram
1 de agosto. Como 80% do seu petróleo era sua aviação, Yamamoto fatais. A 14 de abril de 1943, o avião
fornecido pelos EUA, o Japão ficou entre a em que seguia foi abatido por um
espada e a parede. Abdicar dos seus planos
delineou um ataque caça americano quando ia a caminho
imperiais e resignar-se ao estatuto de potên- de surpresa à base de uma base na ilha de Bougainville.

VISÃO H I S T Ó R I A 29
GUERRA DO PACÍFICO // PEARL HARBOR

Inferno no paraíso
A violência do ataque
e as grandes explosões
contrariaram a ideia de
placidez normalmente
associada às ilhas
do Hawai

GETTY IMAGES
A ‘Kido Buntai’ marinheiros e tinha a admiração do corpo de
Enquanto os governos dos Estados Unidos NAGUMO oficiais, acabando por conseguir fazer valer
e do Japão prosseguiam as negociações, o
Estado-Maior da Marinha Imperial Japonesa Do apogeu as suas ideias. A guerra na Europa também
ajudou a confirmar a validade da sua teoria.
debatia qual a estratégia a seguir em caso de ao ‘hara-kiri’ Na noite de 11 para 12 de novembro de 1940,
conflito. A maioria das altas patentes seguia o um único porta-aviões britânico lançara 21
De mentalidade conservadora e
pensamento clássico e acreditava numa bata- com uma carreira feita em navios biplanos Swordfish que atacaram de surpresa
lha decisiva entre as frotas de couraçados das de linha, Chuichi Nagumo tinha a base italiana de Taranto e deixaram três
duas marinhas. Não havia muito de original uma experiência limitada no couraçados fora de combate.
nessa abordagem, semelhante à que dera a que toca a aviação naval e uma Para vencer a marinha americana, Yama-
vitória ao Japão sobre a Rússia na batalha de cautela excessiva que se refletiu moto idealizou um ataque semelhante, mas
Tsushima, em 1905, concedendo a primazia em decisões catastróficas para a numa escala bem superior, e para afinar o
marinha japonesa. Em Pearl Harbor
aos couraçados e aos cruzadores de batalha. seu plano contou com dois oficiais de grande
opôs-se ao lançamento de um
Contudo, havia uma voz dissonante. segundo ataque, o que salvou as capacidade técnica. O comandante Minoru
O almirante Isoruku Yamamoto, coman- instalações portuárias e a base de Genda desenvolveu o plano tático, definindo
dante da Frota Combinada, defendia que só submarinos; em Midway, as suas a rota e os meios navais a utilizar, as direções e
através de um golpe radical seria possível der- ordens contraditórias selaram os tempos do ataque aéreo, e toda uma infini-
rotar a marinha dos EUA de forma decisiva, o destino da Kido Butai com o dade de questões logísticas. Por fim, coube ao
quebrar a moral do povo norte-americano e afundamento de quatro porta- capitão Mitsuo Fuchida ocupar-se do treino
-aviões. Destacado para servir na
obrigar a Casa Branca a uma paz negociada. das tripulações e do desenvolvimento de novas
ilha de Saipan, em 1944, viveu os
Crente na superioridade dos porta-aviões e da seus últimos dias numa caverna técnicas de ataque. Os torpedos foram equi-
sua aviação, Yamamoto delineou um ataque enquanto lá fora os seus homens pados com alhetas de madeira para evitar que
aeronaval contra Pearl Harbor, a principal eram aniquilados. No dia 3 de julho, batessem no fundo das águas pouco profundas
base americana no Pacífico, com o objetivo de suicidou-se
suicidou se ccom
o um tiro na cabeça. do porto, sendo também criadas bombas a
surpreender o adversário em casa e aniquilar partir de granadas de artilharia de 800 quilos,
a sua principal frota. Depois disso seria ne- capazes de perfurar a espessa blindagem dos
cessário ocupar rapidamente as Filipinas e as couraçados e explodir no seu interior.
Índias Orientais Holandesas, para garantir as Na madrugada de 26 de novembro, a Kido
matérias-primas fundamentais para manter Butai – Força Móvel partiu da baía de Hi-
uma economia de guerra, e lançar uma série tokappu rumo ao seu destino. A viagem seguiu
de golpes que forçasse os EUA a aceitar a paz. uma rota muito a norte, onde eram raros os
Era um plano audaz e não foi fácil conven- navios mercantes, e a meteorologia adver-
cer os restantes membros do Estado-Maior, sa ajudava a manter a discrição. No dia 2 de
mas Yamamoto era reverenciado entre os dezembro receberam por rádio a mensagem

30 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Asas cortadas
A maioria
dos aviões
americanos que
se encontravam
em Pearl Harbor
foi destruída em
terra Charles Braga Jr..
O lusodescendente e
perderia a vida no
o
decorrer do ataquee

GETTY IMAGES
GETTY IMAGES

Vala comum Muitos militares americanos mortos


no bombardeamento foram sepultados coletivamente

«Escale o Monte Niitaka 1208». Era a pa- Pennsylvania, e poucos imaginariam a história atacantes, e o porto tornou-se cenário de um
lavra-chave para lançar o ataque ao Hawai, feita de tragédia e resiliência que se escondia mortífero espetáculo de acrobacias e pirotec-
e por volta das seis e um quarto do dia 7 de atrás do seu rosto afável. Filho de açorianos, nia. Entretanto, prosseguia o massacre. Os
dezembro de 1941, o capitão Mitsuo Fuchida ficou órfão aos 3 anos quando a mãe, Rosário, caças Zero metralhavam os aviões americanos
acelerou a fundo o motor do seu Kate e sentiu faleceu; sete anos mais tarde perdeu o irmão perfeitamente alinhados nas pistas, enquanto
a força da gravidade ao descolar do porta- mais velho, vítima de uma hemorragia cere- os Kate largavam os seus torpedos especiais.
-aviões Akagi. Ao ganhar altitude olhou em bral. Apesar de tudo, Charles era um jovem Um deles era pilotado pelo tenente Jinichi
redor e viu a mais potente força aeronaval do cheio de sonhos e esperança. Em outubro tinha Goto, que recordou anos mais tarde a cena
planeta. Junto ao Akagi estava o Kaga, e à completado uma série de testes para ser acei- mais intensa da sua vida. «Eu estava cerca
sua volta encontravam-se o Hiryu, o Soryu, o te no curso de piloto naval e os últimos dias de 20 metros acima da água quando soltei o
Shokaku e o Zuikaku, escoltados por couraça- tinham sido passados no paraíso havaiano. meu torpedo (...) quando o meu avião subiu
dos, cruzadores e contratorpedeiros. A bordo Agora estava prestes a descobrir o que era a após ter largado o torpedo, eu vi que estava
dos seis porta-aviões encontrava-se a fina-flor guerra e ainda não eram 8 da manhã quando abaixo do cesto do grande couraçado.» Era o
da aviação embarcada japonesa, 411 aviões ouviu a primeira explosão: um torpedo tinha USS Oklahoma, que não tardou a ser atingido
divididos entre caças Zero, bombardeiros Val e acabado de rebentar contra o casco do cruza- pelo primeiro de cinco torpedos e a afundar-se
torpedeiros Kate. Os seus tripulantes eram os dor USS Raleigh. Passados alguns minutos, o com a perda de 429 marinheiros.
mais bem treinados do mundo, muitos deles couraçado entrou em ebulição, com todas as Por volta das 8h50 chega a segunda vaga de
veteranos da guerra na China e a maioria com armas disponíveis a disparar na direção dos ataque, com o tenente-comandante Takashige
largas centenas de horas de voo. Liderando os Egusa a surgir aos comandos de um Val e a
187 aviões da primeira vaga na viagem até à ser seguido por outros 170 aviões. Desta vez
ilha de Oahu, Fuchida percebeu que a surpresa a aviação americana, ou o que sobrava dela,
tinha sido conseguida quando vislumbrou a não deixou de reagir. Três caças P-40 levanta-
frota ao longe, perfeitamente alinhada, e o céu ram voo e intercetaram um grupo de Vals que
livre de caças inimigos. Tinham conseguido o se dedicava a metralhar alvos em terra, e foi
mais difícil e não perdeu tempo para ordenar nessa altura que o tenente Taylor se colocou
o ataque; de seguida transmitiu a mensagem no encalço do Val pilotado por Koreyoshi So-
mais aguardada no Akagi: «Tora! Tora! Tora!»
Os caças ‘Zero’ toyama e despachou o bombardeiro japonês
metralhavam os aviões com uma rajada bem colocada. Entretanto, o
Uma manhã de infâmia marinheiro Braga e os seus camaradas conti-
Longe de imaginar o que o esperava, Charles
americanos alinhados nuavam a lutar com tudo o que tinham. O USS
Braga Júnior iniciou aquele domingo fatídico na pista, enquanto os Pennsylvania tinha escapado incólume aos
bem cedo, após uma longa noite a dançar no torpedeiros por se encontrar em doca seca, mas
salão da Legião Americana. O marinheiro
‘Kate’ lançavam os seus a sua sorte chegou ao fim quando um grupo de
de 22 anos servia a bordo do couraçado USS torpedos especiais nove bombardeiros Val começou a mergulhar

VISÃO H I S T Ó R I A 31
GUERRA DO PACÍFICO // PEARL HARBOR

na sua direção. Os artilheiros abriram fogo


pesado sobre os adversários enquanto pelo
ar aumentava o silvo dos aviões japoneses.
Foram momentos de agonia que o marinheiro
Braga viveu e que culminaram com a explosão
de uma bomba de 250 quilos. Morreram 18
homens, incluindo o lusodescendente.
Com a manhã a chegar ao fim, os aviões
japoneses partem, deixando para trás um
rasto de morte e de destruição. A frota de cou-
raçados estava fora de combate, 188 aviões ti-

GETTY IMAGES
nham sido destruídos e 2335 homens tinham
perdido a vida. O preço tinha sido de saldo: 29
aviões e cinco «submarinos anões». A bordo
do Akagi a euforia era contagiante. Contudo, Manchete da imprensa Americanos acorrem a comprar os jornais com a notícia do ataque
os porta-aviões americanos não estavam no
porto e grande parte das instalações permane- ofensiva nipónica. Eram duas e meia da ma- uma ocupação que iria prolongar-se até ao
ciam intactas, e por isso tanto Fuchida como drugada em Manila, quando uma mensagem verão de 1944. Em Wake o cenário foi bem
os restantes oficiais queriam voltar para aca- urgente dava conta do ataque contra Pearl diferente. Os bombardeamentos causaram
bar de vez com a marinha americana. A sua Harbor. Incrivelmente, quando amanheceu extensos estragos em terra e a frota japonesa
pretensão chocou, porém, com o chefe da Kido nas Filipinas as formações de bombardeiros e aproximou-se confiante para desembarcar os
Butai. O almirante Nagumo estava satisfeito caças japoneses voaram sem grande oposição soldados, mas na ilha os marines aguarda-
com os resultados e não queria arriscar uma até alcançarem os aeródromos norte-ameri- ram pacientemente a sua aproximação até
emboscada pelos porta-aviões americanos; canos, onde espalharam o caos. Destruíram ficarem ao alcance das suas armas e nessa
afinal de contas, os couraçados tinham sido mais de uma centena de aviões com a perda altura abriram fogo com tudo o que tinham.
postos fora de combate e a aviação fora des- de apenas sete caças Zero e – o mais impor- O contratorpedeiro Hayate foi atingido nos
truída nas pistas. O seu espírito conservador tante – tinham ganho a iniciativa estratégica. paióis e explodiu, sendo o primeiro navio
e cauteloso sobrepôs-se ao entusiasmo dos Nesse mesmo dia as forças imperais ata- japonês a tombar na Segunda Guerra Mun-
seus subordinados e a frota acabou por dar caram outros dois territórios administrados dial; de seguida foram atacados por quatro
meia volta e regressar ao Japão. pelos EUA. Em Guam, a manhã trouxe os caças Wildcat que tinham sobrevivido aos
inevitáveis bombardeamentos aéreos para os bombardeamentos e, contra todas as expeta-
O assalto imparável quais praticamente não havia defesas; dois tivas, o Wildcat pilotado pelo capitão Henry
Pearl Harbor era apenas o início da grande dias mais tarde ocorreu a invasão e começou Elrod conseguiu atingir o contratorpedeiro
Kisaragi com uma única bomba que fez de-
flagrar as suas cargas de profundidade e o
KIMMEL afundou. Incrédulos perante o sucedido, os

O almirante expiatório japoneses afastaram-se após perderem dois


navios e 407 homens.
Graduado da Academia o ataque, foi exonerado Entretanto, prosseguia a batalha pelas Fi-
Naval de Annapolis, do cargo e sujeito a uma lipinas. Com a superioridade aérea garantida
Husband E. Kimmel teve comissão que lhe apontou logo no primeiro dia, os japoneses desem-
uma carreira fulgurante vários erros de avaliação.
barcados na ilha de Luzon puderam avançar
que culminou na sua Em 1944, foi sujeito
nomeação para o comando d
do a um julgamento que sem grandes riscos. No dia 10 de dezembro
da frota norte-americanaa se revelou brando e de 1941, duas forças foram desembarcadas
do Pacífico, em escapou a novas sanções, em Aparri e Vigan; tratava-se da vanguarda
substituição do almirante
e mas foi uma vitória do 14º Exército do general Homma, e ra-
James Richardson, agridoce: dois dias após pidamente começaram a avançar para sul,
após este se ter oposto o início do julgamento, apesar da forte resistência dos soldados do
à transferência dos navios
o
os o seu filho morreu
general Douglas MacArthur. Dez dias mais
de San Diego para Pearl no afundamento do
Harbor. Dez dias após submarino USS Robalo. tarde começou a invasão da ilha de Davao,
no sul do arquipélago, e o cerco a Manila

32 V I S Ã O H I S T Ó R I A
GETTY IMAGES

Roosevelt no Congresso O presidente dos EUA pediu que fosse declarada guerra ao Japão. A proposta foi aprovada com apenas
um voto contra – da pacifista Jeanette Rankin, eleita pelo Montana

começou a apertar. No dia 23, os japoneses outros planos. A 26 de dezembro, Manila


estavam de volta a Wake e chegavam com foi declarada uma cidade aberta e uma se-
FUCHIDA
reforços. Os porta-aviões Hiryu e Soryu mana mais tarde os japoneses entraram ali
tinham sido destacados da Kido Butai para De samurai sem resistência. A derradeira batalha seria
apoiar a segunda tentativa de desembarque,
e quatro cruzadores pesados juntaram-se à
a evangélico travada na península de Bataan e na ilha de
Corregidor, onde 120 mil soldados se entrin-
frota de invasão e bombardearam a ilha du- Veterano da segunda Guerra cheiraram sabendo que não deveriam esperar
rante a noite. Às 2h35, os japoneses voltaram Sino-Japonesa e perito em ajuda do exterior. A 9 de janeiro, os japoneses
bombardeamento horizontal,
a aproximar-se, desta vez menos confiantes, lançaram os seus primeiros assaltos aos gritos
Mitsuo Fuchida era um líder natural
e os marines americanos voltaram a receber e a primeira opção para chefiar de banzai (literalmente, «dez mil anos de
os seus inimigos com um fogo intenso e pre- as operações mais complexas da vida») e foram recebidos pelo fogo concen-
ciso. Dois barcos patrulha foram atingidos, Kido Butai. Demonstrou toda a sua trado dos seus defensores, que pelos vistos
encalharam e ficaram a arder, enquanto pelo capacidade em Pearl Harbor, e estavam longe de derrotados. Confrontados
ar eram travados duros combates entre os posteriormente nos destrutivos raides com uma resistência inesperada, os japoneses
aviões japoneses, os Wildcat e as antiaéreas, sobre Darwin e Ceilão. Na batalha de recorreram à artilharia pesada e a contínuos
Midway ficou a bordo do Akagi por
que abateram ou danificaram 28 aparelhos ataques aéreos, mas só após três meses de
estar a recuperar de uma cirurgia,
inimigos antes de serem destruídos. Foi acabando por ser ferido com gravidade combates de grande intensidade conseguiram
uma resistência heroica, mas o resultado durante o afundamento do navio. quebrar a resistência de Bataan. Corregidor
final nunca esteve em causa. Ao terminar o Passou
P a resistiria mais um mês, rendendo-se a 6 de
dia os marines eram prisioneiros de guerra desempenhar
d maio, e o Império do Sol Nascente concluía
do Japão. funções
f a campanha mais vitoriosa da sua história.
O Natal nas Filipinas também teve con- administra-
a Era o apogeu, mas duraria pouco tempo. Um
tivas
t e no
tornos sombrios. Com os japoneses a avan- mês depois, a Kido Butai voltou a atravessar o
pós-guerra
p
çar por todos os lados, as unidades filipinas converteu-se
c Pacífico, mas desta vez os americanos estavam
e norte-americanas foram recuando até à ao
a cristianismo à sua espera em Midway e infligiram-lhe uma
capital e os japoneses esperavam travar ali evangélico.
e derrota devastadora que iniciou a decadência
a batalha final; porém, MacArthur tinha do poder aeronaval japonês.

VISÃO H I S T Ó R I A 33
Dos 94 navios de guerra americanos que
i a w de se encontravam no porto, 18 (entre os quais
Wabeira
a
Ri

oito couraçados) foram afundados ou sofreram


graves danos. Cinco seriam totalmente
Lago
Oriental recuperados. Não se encontravam porta-aviões
na base. Dos 394 aviões americanos na ilha,
188 foram destruídos e outros 159 danificados.
Península
de Pearl City Morreram 2 403 americanos (68 dos quais civis)
e sofreram ferimentos 1 178 (35 dos quais civis)
Os japoneses contaram 64 pilotos mortos,
Pearl 29 aviões abatidos, cinco submarinos-anões
City
afundados e um marinheiro capturado
Baía Alea

Raleigh Pearl
Cruzador
Lago
do Meio Utah Ilha Ford Harbor
Navio escola

Curtiss
Cargueiro Nevada
Arizona Couraçado
Couraçado
Vestal Ri
Tenesse Navio oficina oH
Couraçado ala
West Virginia wa
Couraçado
Maryland
Pearl Base Couraçado
Oklahoma
aeronaval Couraçado
Harbor de Pearl Harbor California Lago
Couraçado Sudoeste
Helena
Cruzador Lago da
Cratera
Oglala Aliamano
Navio
mineiro Depósitos
New Orleans Cruzador de combustível
Península San Francisco Cruzador
de Waipi’O St Louis Cruzador
Honolulu
Shaw Pennsylvania Cruzador
Contratorpedeiro Couraçado
Downes Depósitos
Contratorpedeiro Cassin de combustível
Cabo
do Hospital Contratorpedeiro
Depósitos
de combustível
Hickam Field

Navios norteamericanos
atingidos
Cabo Destruídos
Waipi’O
Severamente danificados
Danificados
Helm Trajetos dos aviões japoneses
Cruzador
1ª vaga de assalto
(7h50 às 8h11)
2ª vaga de assalto
Cabo (8h48 às 9h20)
Hiroquois
500 m

INFOGRAFIA Álvaro Rosendo / VISÃO


Entrada Base Aérea
de Pearl
Harbor de Hickam Field
GUERRA DO PACÍFICO // HONG KONG

A luta por Hong Kong


Duas companhias de portugueses e macaenses residentes
na colónia britânica lutaram nos campos e nas ruas
durante o ataque nipónico. Muitos dos sobreviventes
sofreram o cativeiro em campos de prisioneiros
por Ricardo Silva

C
onhecida como a Pérola do Orien- o Club Lusitano e o Club de Recreio, que
te, Hong Kong era um dos símbo- ajudaram a fomentar os seus círculos sociais.
los do outrora poderoso Império Além de britânicos, portugueses e chine-
Britânico; uma colónia cosmopo- ses, Hong Kong também possuía minorias
lita, um poderoso centro finan- das mais diversas proveniências, culturas e
ceiro, uma ponte entre o Oriente religiões: os judeus asquenazes e sefarditas
e o Ocidente que deu origem a uma cultura vindos de Cantão e de Macau; os enigmáticos
única e plena de contradições. parses da Índia, descendentes de iranianos
A sua história como colónia britânica co- e seguidores do profeta Zaratustra; sikhs
meçou em 1841, quando, em plena Primeira do Punjab, hindus do Gujarat e jainistas do
Guerra do Ópio, o imperador chinês foi forçado Rajastão, entre tantos outros povos que da-

GETTY MAGES
a ceder a ilha ao Reino Unido, que dali em vam a Hong Kong um colorido multiétnico e
diante a utilizaria como entreposto comer- multicultural. Contudo, e apesar do relativo
cial. Mas o seu relacionamento com Portugal sucesso, ser «português» em Hong Kong
começara três séculos antes, em 1514, quando não implicava igualdade de oportunidades.
Jorge Álvares – o primeiro europeu a navegar Aos olhos dos britânicos tratava-se de uma e apesar de estar privado de direitos, a vida
nas suas águas – estabeleceu um posto de co- raça intermédia, uma mestiçagem tolerável, era suficientemente agradável. Mas não ple-
mércio em Tamão, uma ilha que faz parte do uma comunidade útil para ajudar a gerir uma namente Na composição da população, eu
atual território de Hong Kong. Sete anos mais base constituída por centenas de milhares estava etnicamente ensanduichado entre
tarde, a dinastia Ming expulsa os portugueses de chineses e servir uma elite composta por a minoria privilegiada de caucasianos, que
da região, mas a história dos nossos compa- alguns milhares de britânicos. Uma realidade detinha o poder, e a maioria dos cidadãos
triotas em Hong Kong estava apenas no início. patente no testemunho de Horatio Ozorio. chineses, que eram oprimidos.»
Logo nos primeiros anos de tutela britâ- «Desde que eu não fosse muito ambicioso, Enquanto a sociedade de Hong Kong con-
nica, em meados do século XIX, surgem as desde que pudesse aceitar o sistema de go- tinua a evoluir com as suas constantes meta-
primeiras famílias com apelidos lusitanos, verno, desde que ‘conhecesse o meu lugar’, morfoses, o território não cessa de aumentar
membros da comunidade luso-chinesa ma- com a constante pressão imperial. Em 1856,
caense em busca de oportunidades numa a dinastia Qing volta a ser derrotada pelos
terra onde o comércio do ópio e do chá geram impérios ocidentais, na Segunda Guerra do
riqueza e emprego. Os portugueses integram- Ópio, e cede novas terras aos britânicos, com a
-se rapidamente no funcionalismo público colónia a ser alargada ao território continental
como escriturários e contabilistas, no setor após anexar a cidade costeira de Kowloon.
privado são fiéis de armazém, bancários e ti- Em 1898, nova expansão, com a cedência dos
pógrafos, posições intermédias que garantiam «Novos Territórios» por um prazo de 99 anos.
alguma estabilidade financeira, sabendo que Há meses que o exército
as posições de topo estavam reservadas aos Ventos do Japão
britânicos. Integrados mas isolados, manti-
japonês preparava a Ficava assim definido o território da colónia,
veram vivas a língua e as tradições, enviando invasão, concentrando que entra no século XX com a confiança de um
os filhos para escolas católicas e mantendo futuro próspero e seguro, até que a ameaça de
os casamentos entre os membros da comu-
tropas em redor da um império emergente vai alterar a relação de
nidade. Também criaram instituições como vizinha Shenzhen forças na Ásia e colocar em risco a sua integri-

36 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Legenda arranque Legenda texto Obis il ipit qui is ut queSimusam

dade territorial. O Japão começa por travar Reich na Europa e no norte de África não lhe 'Banzai!' Soltando o seu grito
guerras contra a China e a Rússia, dois impé- permitiu o envio de grandes reforços, e por de guerra, a infantaria japonesa
lança-se ao assalto da colónia
rios fragilizados que consegue derrotar com isso Hong Kong teria de se defender com uma britânica, em dezembro de 1941
relativa facilidade. Durante a Primeira Guerra guarnição pequena, mas aguerrida, composta
Mundial (1914-1918) aproveita o isolamento por seis batalhões de infantaria. Os escoceses
da Alemanha para conquistar as possessões do 2nd Royal Scots e os ingleses do 1st Mid-
germânicas no Pacífico. O seu oportunismo dlesex, indianos do 5º batalhão do 7º Rajputs o exército japonês preparava a invasão de
fomenta a apetência pelo risco e gera uma e do 2º batalhão do 14º Punjabis, além dos Hong Kong, estacionando forças em redor
sensação de impunidade que aumenta com canadianos do Royal Rifles of Canada e dos da vila de Shenzhen, então pouco mais do
cada sucesso militar. Em 1931, simula um Granadeiros de Winnipeg, que seriam apoia- que um apeadeiro entre Cantão e Kowloon,
incidente para ocupar a Manchúria e instaurar dos por diversas unidades de artilharia e um e deslocando esquadrões de caças e bombar-
ali um regime fantoche. Em 1937, um novo Corpo de Defesa de Voluntários de Hong Kong deiros para Cantão. A 38ª divisão do general
incidente serve de desculpa para escalar a (CDVHK). Os voluntários foram organiza- Sano Tadayoshi, com os regimentos 228, 229
tensão e iniciar a Segunda Guerra Sino-Ja- dos por companhias que refletiam o caldo e 230, iria liderar o ataque com o apoio de
ponesa, que se revelará trágica para o povo de culturas e nacionalidades da colónia: a 2ª um vasto parque de artilharia e da aviação
chinês. Pequim é ocupada em finais de julho, companhia era escocesa, a 3.ª euro-asiática, nipónica, enquanto o mar era dominado por
cinco meses mais tarde os japoneses entram a 4ª chinesa; a 5ª e a 6ª eram portuguesas e uma esquadra composta pelo cruzador Isuzu,
em Nanquim e dão início ao massacre de nela serviam oficiais como o capitão Henrique cinco contratorpedeiros e outros 20 navios.
mais de 200 mil homens, mulheres e crianças. Botelho e o tenente Joaquim Guterres, além Na noite de 7 para 8 de dezembro desse
O seu avanço é constante e em outubro do de dezenas de sargentos, cabos e soldados ano de 1941, a tensão era alta no QG britâni-
ano seguinte começa a batalha por Cantão. com apelidos lusitanos. co. Por volta das 4h45, o major Charles Bo-
que levou centenas de milhares de refugiados xer (que era fluente em japonês) ouviu uma
a procurar abrigo em Hong Kong. Crónica de uma derrota comunicação de Tóquio através da rádio a
Apesar de o Reino Unido estar consciente A apreensão vivida durante o verão de 1941 alertar os cidadãos nipónicos para a iminên-
do grave perigo na Ásia, a guerra contra o III era plenamente justificada. Há meses que cia da guerra; seguiu-se uma madrugada a

VISÃO H I S T Ó R I A 37
GUERRA DO PACÍFICO // HONG KONG

escutar os relatos dos ataques japoneses pelo


Pacífico fora. Às 5h30 a guarnição começou
a fazer rebentar as pontes nos Novos Terri-
tórios e duas horas mais tarde milhares de
soldados japoneses lançaram-se ao ataque
de Hong Kong com a típica impetuosida-
de de que costumavam dar mostra e que
acabou por resultar em alguns dissabores.
Quando um grupo de japoneses avançou

GETTY MAGES
de forma descuidada, caiu na emboscada
preparada pelos punjabis e sofreu cerca de
uma centena de baixas; numa das pontes
armadilhadas, os engenheiros viram um Rumo ao cativeiro Prisioneiros britânicos são conduzidos a um campo de concentração
soldado temerário mostrar o seu valor ao
correr sozinho pelo tabuleiro, até desapa-
recer numa nuvem de fumo e destroços
quando os explosivos foram detonados.
A defesa do território continental era
virtualmente impossível e por isso os bri-
tânicos realizaram uma retirada controlada
para atrasar os japoneses, resistindo durante
quatro dias até se dar a retirada geral. Num
ambiente de medo e de pânico, as águas entre
Kowloon e a ilha de Hong Kong tornaram-se
em palco de uma corrida contra o tempo, com
lanchas carregadas de soldados e civis a esca-
parem sob o fogo da artilharia nipónica. Nes-
sa noite os soldados japoneses espalharam-se
pelas ruas de Kowloon para comemorar a sua
vitória, e a escuridão não abafou os gritos de
terror das mulheres que eram violadas sem
que alguém pudesse acudir-lhes.
Na manhã do dia seguinte, um barco com
dois oficiais japoneses a bordo atravessou as

GETTY MAGES
águas entre Kowloon e Hong Kong para exi-
gir a rendição dos britânicos, prontamente
recusada, começando então um bombardea- Festa da vitória Soldados nipónicos festejam a tomada de uma posição da artilharia britânica
mento intenso que se prolongou durante uma
semana. As baterias de artilharia e as posições
defensivas dos britânicos foram duramente muito treino para isso – exceto o Sequeira. Um meçado a batalha final. Os japoneses tinham
batidas pelos japoneses e acabaram por co- pedaço de bomba atingiu-o sob o queixo e saiu desembarcado nas docas de Tai Koo a cober-
brar as primeiras vítimas portuguesas. Pelas acima da sua têmpora esquerda.» to da noite e milhares de soldados estavam
8 horas da manhã do dia 15, um pelotão da 5ª a caminho da ilha em ferries e lanchas. As
Companhia de voluntários patrulhava o monte O assalto final posições defendidas pelos soldados indianos
Davis. Um desses portugueses era o soldado Era apenas uma questão de tempo até os são rapidamente submergidas e não tardou
Luiz Romano Sequeira, e talvez não tenha es- japoneses atravessarem o canal que separa muito até os artilheiros da 4ª bateria terem
tado muito atento quando um avião nipónico Kowloon da ilha, e essa espera acabou na de lutar corpo-a-corpo, com António João
largou a sua carga mortífera. Foi um momento noite de 18 para 19 de dezembro. Por volta das Rocha e Henry Maria Campos a perderem a
de terror que o soldado Gomes recordaria 8 da noite, os artilheiros da 4ª e 5ª baterias vida nos combates. Momentos mais tarde foi a
anos mais tarde: «Ouvimos a bomba a cair e do CDVHK ouvem um tiroteio nas posições vez de o artilheiro Manuel Heleodoro Ozorio,
todos mergulharam no chão – não era preciso do batalhão Rajput e percebem que tinha co- da 5ª, sofrer o mesmo destino, com os seus

38 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Entre Victoria
e Kowloon, lanchas O massacre da Força Z
carregadas de soldados No verão de 1941, quando a paz no pónicas) com 94 aparelhos dirigiam-se
Pacífico parecia ter os dias contados, o à Força Z, que às 10h15 foi avistada por
e de civis tentavam Gabinete de Guerra britânico decidiu um avião de reconhecimento. O ataque
escapar ao fogo reforçar as suas forças no Oriente e for- começou uma hora mais tarde, com os
mar uma poderosa esquadra, a Força Z, Nell do Mihoro Kokutai a largarem as
da artilharia nipónica com o couraçado HMS Prince of Wales, suas bombas a três mil metros de altitu-
o cruzador de batalha HMS Repulse e de, enquanto os Nell e Betty do Genzan
quatro contratorpedeiros. A chegada e Konoro Kokutai voavam a apenas
últimos momentos a serem de puro horror. da Força Z a Singapura não passou des- 35 metros do mar para lançar os seus
Os japoneses do 229º Regimento tomaram percebida aos serviços de inteligência torpedos. Atacados por todos os lados,
a sua posição de assalto e capturaram 20 japoneses, assim como a sua saída, a os navios britânicos ziguezagueavam de
prisioneiros, que não hesitaram em assassinar 8 de dezembro, para intercetar os forma desesperada enquanto os canhões
a golpes de baioneta. desembarques nipónicos na Malásia. No antiaéreos disparavam sem parar, mas
O avanço nipónico continua oculto pela dia seguinte, a Força Z navegava rumo nada podia evitar o massacre. O HMS
escuridão até alcançar o desfiladeiro de Wong ao golfo de Sião sem saber que tinha sido Repulse foi atingido por uma bomba e
Nai Chung, e enquanto o 230º regimento é detetada por um submarino inimigo e cinco torpedos, afundando-se às 12h32,
lançado através da brecha aberta na defesa e que os japoneses preparavam um ataque com a perda de 508 tripulantes; o HMS
segue para sul, os homens do 228º continuam aéreo massivo que se revelaria fatal. Prince of Wales sofreu o impacto de
a eliminar as bolsas de resistência junto à Ao clarear o dia 10 de dezembro, os céus uma bomba de meia tonelada e quatro
praia e acabam por entrar no emaranhado de Saigão encheram-se com dezenas torpedos, indo ao fundo às 13h23 com
urbano, onde se repetem os episódios de de ruidosos bombardeiros Mitsubishi 327 homens.
crueldade vividos em Kowloon. Zaza Hsieh G3M2 Nell e G4M1 Betty levantando A derrota revelou-se catastrófica para o
era uma estudante universitária e recordou a voo. Três Kokutai (forças aeronavais ni- exército britânico na Malásia e reforçou o
decisão de, juntamente com familiares, irem que Pearl Harbor já tinha demonstrado: a
para a casa da avó em busca de segurança, era dos couraçados tinha chegado ao fim e
mas «na pressa de lá chegar, passámos por a aviação era a nova rainha dos mares.
cima de muitos corpos. Foram baleadas pes-
soas nas ruas, em carros e em camiões, e até
em ambulâncias». Ao chegarem, apercebe-
ram-se de que a restante família tinha tido
toda a mesma ideia e a casa estava repleta
de gente aterrorizada pelos sons que lhes
chegavam do exterior. Era uma questão de
tempo até acontecer o inevitável. A meio da a
noite ouviram-se pancadas fortes na por--
ta, três soldados armados com espingardass
e baionetas entraram na casa para roubar, r,
mas «eles também procuravam mulheres. s.
Quando um soldado se aproximou da mi- i-
nha irmã mais velha, que estava sentada no
chão a segurar no seu bebé de 2 anos, ela la
rapidamente beliscou o bebé e ele começou ou
a chorar. Foi distração suficiente para o queue
o soldado voltasse a sua atenção para outro tro
lugar. Então eles levaram três mulheres paraara Afundamento do 'Repulse' A tripulação
GETTY IMAGES

o andar de cima e violaram-nas». Apesar d da do cruzador lança-se ao mar, em desespero


difícil situação, a guarnição procura resistir e
os portugueses da 6ª Companhia do CDVHK

VISÃO H I S T Ó R I A 39
GUERRA DO PACÍFICO // HONG KONG

Henrique Botelho
O capitão português
que comandava
a 6ª Companhia e a sua
ficha no campo
de prisioneiros japonês
onde foi internado

D.R.
acabam por participar nos confusos combates tónio Marques e o soldado Henrique Alberto quase quatro anos. A maioria dos militares foi
daquela noite e sofrem uma baixa, quando a Alves. Apesar de uma resistência obstinada, transportada em lanchas para Kowloon e dali
explosão de uma granada matou o soldado o 230º regimento continuou a avançar para encaminhados para o campo de Sham Shui
Francisco António Noronha. sul até cortar a ilha em dois, e as elevadas Po, onde as duras condições de vida fizeram
Ao amanhecer, os britânicos contra-ata- baixas sofridas nos dias seguintes ditam um da morte uma constante.
cam, com os canadianos dos Granadeiros de fim que se sabia inevitável. Às 15h30 de 25 Em 1942, o tenente Joaquim Guterres e o
Winnipeg, os ingleses do 1st Middlessex e os de dezembro, a bandeira branca foi içada e soldado Eduardo Ribeiro perderam a vida,
voluntários de Hong Kong a tentarem conter Hong Kong rendeu-se. iniciando uma lista de mortos que só termi-
a avalancha nipónica. Conseguem desacelerar naria a 8 de julho de 1945, com a perda do
o seu avanço para oeste, mas o preço a pagar Um longo cativeiro soldado Ambrósio Silva, numa altura em que
é elevado: meio milhar de soldados aliados Terminada a batalha, milhares de prisioneiros faltava pouco mais de um mês para o fim
perde a vida, incluindo dois portugueses da foram conduzidos para campos de concentra- da guerra. Em Hong Kong foi montado um
6ª Companhia do CDVHK, o cabo Carlos An- ção onde começou um cativeiro que iria durar campo de prisioneiros na península de Stan-
ley, maioritariamente para civis, e ali morreu
George Henriques, em 1942, e Euxico Maria
Desastre em Singapura Ozoria, no ano seguinte. Contudo, nem todos
ficaram nesses campos até ao fim da guerra.
No mesmo dia em que a guarnição de pior desastre e a maior capitulação da Com a mobilização de milhões de japo-
Hong Kong começava a sua defesa, o im- história militar britânica». neses para manter o esforço de guerra, o
pério do Sol Nascente lançava um ataque Concluída a conquista da Malásia e de governo de Tóquio decidiu transferir pri-
generalizado pelo Pacífico que incluiu o Singapura, as forças japonesas inicia-
sioneiros para a metrópole, de modo a com-
desembarque de uma força japonesa na ram a Kakyo Shukusei – a purga dos
pensar a mão-de-obra perdida. Embarcados
Malásia. Era a vanguarda do 25º Exérci- chineses de além-mar, matando dezenas
to do general Yamashita Tomoyuki, que de milhares de malaios de etnia chinesa, nos porões de navios mercantes como car-
numa «blitzkrieg à japonesa» avançou num genocídio que seria replicado na ga humana, os cativos tinham de suportar
rapidamente para sul aniquilando toda a Birmânia e na Tailândia contra indianos condições atrozes que faziam sucumbir os
resistência que encontrou pelo caminho. de etnia tâmil e que levou ao massacre de de saúde mais frágil. Também tinham de
A 31 de janeiro de 1942, as forças britâni- pelo menos 150 mil homens, mulheres e enfrentar os mares infestados de submarinos
cas sobreviventes tinham recuado para crianças. Os combates também pros- norte-americanos, sempre prontos a atacar
Singapura e preparavam-se para viver seguiram com violência na Birmânia, qualquer navio que arvorasse a bandeira
um destino similar ao da ilha de Hong com os aliados a abandonar Rangum a
do Sol Nascente. Quase 20 mil prisioneiros
Kong. Na semana seguinte os japoneses 7 de março e os japoneses a avançarem
morreram quando os navios em que seguiam
começaram a invasão e no dia 15 de na direção da Índia. Acabaram por ser
fevereiro os britânicos renderam-se, com travados junto à fronteira após uma série foram afundados pelos submarinos, e os pri-
cerca de 80 mil homens capturados. de combates ferozes que degeneraram sioneiros de Hong Kong não escaparam a
A importância da derrota não escapou numa longa campanha de atrito que se esse trágico destino. Em setembro de 1942,
a Churchill, que a classificou como «o prolongou até 1945. o Lisbon Maru partiu de Hong Kong com
700 soldados japoneses nos seus conveses

40 V I S Ã O H I S T Ó R I A
D.R.

Portugueses tombados Lápides evocativas de militares com apelidos lusitanos mortos


no cativeiro japonês e a pedra tumular do tenente Joaquim Guterres (na foto à direita)

superiores, enquanto 1816 prisioneiros eram Nagaoka, Mito, Hachioki e Toyama, onde cores incomuns: era o que restava dos ho-
amontados em camarotes onde a diarreia de os portugueses testemunharam um cenário mens, mulheres e crianças que em desespero
centenas de homens não permitia a menor verdadeiramente apocalíptico. Após uma tinham saltado para um rio que fervia com o
higiene. Era uma viagem destinada a acabar vaga ininterrupta de explosões, um mar de calor do incêndio. Cinco dias mais tarde, Hi-
mal, e no dia 1 de outubro, o USS Grouper fogo devastou a cidade e chegou perto da roxima foi arrasada por uma bomba atómica
torpedeou o Lisbon Maru. Os 700 soldados fábrica onde trabalhavam. No dia seguinte e no dia 9 foi a vez de Nagasáqui sofrer um
japoneses foram rapidamente retirados, mas predominava um cheiro a queimado e no rio destino similar. Ameaçado com a destruição
os prisioneiros foram mantidos a bordo en- Jinzu boiavam uns «troncos» com formas e total, o Japão acabou por aceitar a rendição
quanto se tentava salvar o navio e mais de incondicional. Era o ansiado final da guerra,
800 foram ao fundo quando este se afundou. mas nem todos os prisioneiros sobreviveram
Pelo menos uma centena de portugueses e no cemitério de Yokohama são recordados
conseguiu sobreviver à viagem até ao Japão. dois soldados do campo de Sendai: Eduardo
Ali, foram distribuídos por vários campos de Alberto Fernandes, que faleceu a 18 de de-
prisioneiros onde foram sujeitos a trabalhos zembro de 1944, e Eduardo Miguel Franco,
forçados e à violência indiscriminada dos morto a 29 de janeiro de 1945.
guardas. Um grupo de 67 foi destinado ao Duas semanas após a rendição do Japão,
Campo de Sendai, na prefeitura de Fukushi- uma vasta armada britânica de 55 navios
ma, sendo utilizados nas minas da Furukawa, Indianos do 5º batalhão ancorou à vista de Hong Kong para reto-
uma empresa especializada na mineração de
carvão e cobre. Outros 18 portugueses foram
do 7º Rajputs e do mar o controlo da colónia. Tal manifestação
de força destinava-se a passar a mensagem
enviados para um campo nos arredores de 2º batalhão do 14º Punjabis de que os britânicos estavam de volta para
Toyama, uma cidade costeira a cerca de 250
quilómetros de Tóquio com uma vasta indús-
participavam na defesa ficar. Hong Kong retomou a dinâmica eco-
nómica e tornou-se um dos «tigres asiáticos»,
tria metalúrgica. Os 300 prisioneiros nesse do território mas o tempo dos impérios chegaria ao fim
campo tinham sido capturados em Hong e o território foi restituído à China em 1997.
Kong e eram usados no fabrico de caldeiras Mas para a comunidade portuguesa o final
a vapor, um trabalho árduo para homens chegara mais cedo: a II Guerra Mundial foi
debilitados pela fome e por doenças como o o canto do cisne, com muitos a optarem por
beribéri, a disenteria e a sarna. Isolados no buscar refúgio em Macau durante o conflito.
campo e sem contacto com o mundo exterior, Mais tarde começou a grande migração em
a sua rotina de fome e trabalho foi interrom- busca de novas oportunidades em destinos
pida na noite de 1 para 2 de agosto de 1945, como a Austrália, o Brasil, o Canadá, os EUA,
quando o silêncio foi quebrado pelo ruído Portugal e a Venezuela. Em 1961, restavam
GETTY MAGES

de motores no céu e de sirenes na cidade. 9388 portugueses, número que nas décadas
Centenas de bombardeiros B-29 largavam seguintes se reduziria de forma considerável,
a sua carga mortífera sobre as cidades de sendo hoje residual.

VISÃO H I S T Ó R I A 41
GUERRA DO PACÍFICO // MACAU

Presença japonesa
Acompanhado por oficiais
portugueses, o almirante
Soyeshima passa revista
à guarda de honra em
Macau, em meados de
junho de 1941

Quando
o mundo
desabou
em Macau
Na sua longa história, foram
muitas as provações por que
passou o antigo enclave português
encrustado na costa chinesa.
Mas foi durante a Guerra
do Pacífico que o território viveu
o seu período mais dramático
por Hugo Pinto

Q
uatro anos. Foi o tempo durante A começar pela neutralidade oficialmente que a sua vontade fosse cumprida no terri-
o qual Macau esteve isolado do declarada, mas que, na realidade quotidiana tório. Bastava seguir o exemplo ditado pelos
mundo, enquanto decorria um de um território sitiado, se revelava porosa e chineses durante séculos: exercer o poder
conflito que ficou em suspenso permissiva de todas as vontades dos nipóni- de bloquear e libertar a entrada de bens es-
no pequeno território. Numa cos, cujo poderio militar tinha sido deixado senciais. Foi este o cerco que moldou a vida
neutralidade que pouco tinha ao alcance de um passo apenas. Ali, no outro da colónia durante quatro longos anos de
de paz e sossego. lado da fronteira. Pronto para usar. ligações cortadas com o exterior.
Nesta situação-limite, com um mundo em Acima de tudo, a política de neutralida- Esta contagem, que só terminará com a
guerra à porta, ficou exposta como nunca a de do Estado Novo era uma conveniência. rendição japonesa, em agosto de 1945, co-
natureza ambígua de Macau, as suas con- Numa demonstração das peculiaridades meça a 8 de dezembro de 1941. Menos de 24
tradições e contrastes. Porto de abrigo para que faziam desta nesga de terra um lugar de horas depois do ataque a Pearl Harbour, os
milhares de refugiados que fizeram duplicar vocação universal, a alegada imparcialidade japoneses invadem Hong Kong para impedir
a população, conspirava-se, colaborava-se, acomodava todas as partes. a passagem de bens estratégicos para a Chi-
resistia-se. Sobrevivia-se. Era tudo ou nada. Para os japoneses, a preservação dos laços na. A resistência é insuficiente para deter os
Enquanto uns lucravam a vender os bens diplomáticos com Portugal significava pode- nipónicos, que, no dia 12, ocupam os Novos
escassos que todos procuravam, outros mor- rem furar um isolamento profundo, manten- Territórios e a península de Kowloon. Seis
ARQUIVO DA FAMÍLIA ANDRADE E SILVA

riam à fome na rua. E não faltaram cenas do o precioso posto de escuta em Lisboa, de dias depois, alcançam a ilha que dá nome à
de canibalismo. onde podiam seguir os passos dos Aliados; em então colónia britânica. A 25 de dezembro
Na colónia portuguesa, onde funcionavam Macau, estavam à vontade para observar de o governador, Sir Mark Young, rende-se ao
consulados do Japão e do Reino Unido e perto a resistência que lhes opunha o Governo Império do Sol Nascente.
se escondiam agentes chineses e america- Nacionalista da China Livre. Para Macau, as consequências são imedia-
nos, estava montado um teatro de sombras. Nem era preciso ocupar Macau. Os japo- tas. A partir daquele momento, assume uma
Nem sempre as coisas eram o que pareciam. neses não tinham de recorrer à força para posição única numa imensa região assolada

42 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Legenda
Legenda

FOTO RETIRADA DO LIVRO ÁLBUM MACAU 1844-1974


Macau, 1940 O Palácio de Santa Sancha, residência do governador, e o Porto Interior no prelúdio do furacão da guerra

pela guerra: terra de paz. É por isso que ali a providenciar acerca da sua subsistência, não forem resolvidos», mas a resposta não
acorrem milhares de refugiados de Hong o que deu causa a consideráveis despesas era animadora: «Impossível evitar embarque
Kong, muitos com raízes portuguesas em imprevistas». A «inquietação» apoderava- [do] último contingente de refugiados visto
Macau. Vão juntar-se a outros milhares que -se da população, avisava o ministro, que estarem [as] passagens pagas.»
já tinham procurado a cidade quando os ja- sublinhava como os apostadores se tinham Um dia depois deste telegrama, a 7 de se-
poneses invadiram a China, em julho de 1937. afastado das lotarias e das casas de jogos, tembro de 1937, o jornal A Voz de Macau fazia
Foi logo então que o tormento se iniciou. grande fonte de receitas da Administração. manchete com «O conflito sino-japonês em
Machado citava um telegrama do gover- Shanghai», dando conta dos ataques que a
O perigo mora ao lado nador de Macau, Artur Tamagnini Barbosa, aviação nipónica levava a cabo, e de como
No dia 18 de outubro de 1937, o ministro no qual se falava de uma «crise única [na] «todas as fronteiras» dos invasores «foram
das Colónias, Francisco Machado, escreve história [da] colónia». O governador tinha consideravelmente aumentadas».
ao presidente do Conselho e ministro dos mesmo pedido ao cônsul português em Era um avanço implacável rumo ao sul,
Negócios Estrangeiros, António de Olivei- Xangai para «não enviar mais refugiados a Cantão, o principal entreposto comercial
ra Salazar, expressando «preocupações e enquanto [os] assuntos [de] financiamento chinês, na vizinhança de Macau. A aproxi-
apreensões quanto à situação financeira mação do conflito representava uma cres-
de Macau, acrescidas de outras derivadas cente e palpável ameaça. Dali em diante, a
do aspeto político da colónia em face [do] Para o Japão, os laços guerra sino-japonesa vai afetar «grande-
conflito» sino-japonês. A Macau, explica mente a marcha dos negócios públicos de
Machado, «têm afluído, de Cantão e Xangai,
diplomáticos com Macau», como resume, num relatório de
algumas centenas, se não milhares, de re- Portugal permitiam 1952, Joaquim Marques Esparteiro, gover-
fugiados, quer de nacionalidade portuguesa nador de Macau.
quer chineses, quase todos em precárias cir-
manter o valioso posto Dirigindo-se ao ministro do Ultramar, Es-
cunstâncias, obrigando o governo da colónia de escuta de Lisboa parteiro recorda como, «em agosto de 1937, a

VISÃO H I S T Ó R I A 43
GUERRA DO PACÍFICO // MACAU Bombas sobre Macau
O bombardeamento
americano a instalações
portuárias que serviam
os japoneses, conforme
reportado no jornal
A Voz de Macau
de 16 de janeiro de 1945

REVISTA MACAU II SÉRIE Nº 43


FRANCISCO VIEIRA
MACHADO
GABRIEL TEIXEIRA O ministro das Colónias
O governador de exprimiu a Salazar as
Macau, que, segundo suas preocupações
Reeves, era a favor dos quanto à situação de
Aliados, viu-se forçado Macau
a gerir um equilíbrio
instável

província sofria as perturbações resultantes de manter relações com: autoridades navais


das operações militares que de Xangai se japonesas, autoridades do exército japonês,
dirigiam para o sul», tornando-se «difíceis» comando do destacamento japonês em Chin
as relações com as autoridades chinesas. San, governador do distrito de Zhongshan,
Com frequência, os chefes militares japone- general comandante das forças chinesas de
ses faziam «ameaças disfarçadas a Macau, pacificação, comandante das forças chinesas
importunando desta maneira a vida política, da Lapa e de Chin San». Era «fácil», comen-
económica e social da província». tava o governador, «calcular como as relações

ANTT
Com efeito, no início de 1938 sentiram-se políticas entre Macau e estas autoridades
no território português «os primeiros bom- sofriam, pelas incompreensões e incoerências Fim da guerra O alívio
sentido em Macau, numa
bardeamentos na vizinha ilha da Lapa, o que que inevitavelmente suscitavam». notícia de O Século
deu início ao êxodo de grandes massas de de 6 de setembro de 1945
fugitivos para Macau», incluindo dezenas ‘Hábeis enredos mascarados
de escolas de Cantão que transferiram as de ameaças’ los conta como eram constantes as ameaças
suas atividades. Um vívido retrato das complicações de então japonesas de bloqueio caso as autoridades
Os japoneses acabam por dominar o sul da foi deixado por uma figura que, não tendo o portuguesas não colaborassem no plano de
China em outubro de 1938, quando tomam protagonismo de um governador, assumiu «instituir uma nova ordem na Ásia, proibindo

REVISTA MACAU II SÉRIE Nº 43


a cidade de Cantão. Com a ocupação do dis- um papel preponderante em Macau durante a circulação em Macau de notas e moedas do
trito vizinho de Zhongshan, as dificuldades este período, enquanto gerente do Banco Governo do general Chiang Kai-shek [Chi-
para Macau tornam-se diárias. «O agrava- Nacional Ultramarino (BNU) e diretor da na Livre] e expulsando do território certos
mento da situação da província», explicava Comissão Reguladora das Importações. indivíduos desafetos ao Japão».
Esparteiro, «pode avaliar-se pela circuns- Num relatório enviado para Lisboa em Numa apreciação desassombrada, o ge-
tância de, em 1940, o governo de Macau ter agosto de 1939, Carlos Eugénio de Vasconce- rente do BNU denuncia um jogo de «hábeis

4 VISÃO H I S T Ó R I A
44
Desfile militar Desde
a invasão da China
pelo Japão que Macau
vivia no receio de uma
intervenção nipónica

Flag (2014), como «uma grande atmos-


fera de espionagem e contraespionagem,
alguma puramente ópera cómica e outra
seriamente mortal».
No que pode ser lido como um sublinhado
de como as aparências iludiam, de acordo
com Reeves, o governador Teixeira era a favor
dos Aliados, tudo fazendo para tentar restrin-
gir os japoneses; por outro lado, o diploma-

REVISTA MACAU II SÉRIE Nº 43


ta descrevia a atitude dos portugueses em
relação à guerra como «interessante», com
«alguns completamente a favor dos alemães,
mas não dos japoneses», e outros «genuina-
mente pró-Aliados ou pró-britânicos».
Apesar dos subterfúgios, das dissimulações,
enredos mascarados de ameaças» por parte e envoltas em ironias que nos colocam numa a realidade deixava à vista uma posição deli-
dos japoneses, e de disfarces por parte dos posição falsa». cada para as autoridades portuguesas, como
portugueses. «As nossas relações com os A situação era agravada pela «proverbial expunha o gerente do BNU: «Se recusarmos
países em conflito armado e com a vizinha indiscrição dos nacionais aqui residentes, a aceder às exigências japonesas, estamos cer-
colónia de Hong Kong», escreve, «têm sido de incontinência verbal de quase todos, o espí- tos de que as forças navais e terrestres que
estreita neutralidade aparente, mas encobrin- rito de indisciplina de muitos, as rivalida- estacionam aqui perto não hesitarão em dar
do uma certa simpatia para com os japoneses, de, emulações e intrigas, que esquecem ou começo ao bloqueio ou tomar qualquer medi-
simpatia que aos seus representantes tem desrespeitam o bom senso e a compostura da mais violenta e perigosa para nós. Podere-
sido claramente manifestada. Temos, po- necessários». mos contar com o auxílio de Inglaterra através
rém, procurado esconder dos chineses e dos Pairava o que o cônsul britânico em Ma- do governo de Hong Kong? Tudo indica que
britânicos tais intenções. Esta política ma- cau, John P. Reeves, haveria de descrever, não, porquanto os ingleses, assoberbados pela
quiavélica de dois polos tem trazido algumas nas suas memórias deste período, The Lone tensão na Europa, se têm sujeitado a todos
compensações e tem-nos permitido disfrutar os vexames sem reagir e não têm tempo nem
certo bem-estar e sossego, mas é inegável que força para vir em nosso auxílio. Estamos,
é extremamente perigosa e, só recorrendo a pois, encerrados entre os dois polos de um
habilidades, por vezes pouco dignas, vimos Logo no início de 1938 dilema gravíssimo e de difícil ou porventura
navegando neste mar tempestuoso e incerto». impossível solução.»
Afinal, «como, por mais que quisermos dis-
tinham-se sentido
farçar, essa simpatia pelos japoneses tem sido em Macau os primeiros
notada, há descontentamentos por parte dos
chinas e certa má vontade que transparece
bombardeamentos,
nas notícias dos jornais, por vezes agressivas na vizinha ilha da Lapa

VISÃO H I S T Ó R I A 45
45
GUERRA DO PACÍFICO // MACAU

Anuir aos japoneses e proibir a circulação pois era por intermédio daquela cidade que
do dinheiro do governo de Chiang Kai-shek se fazia quase todo o comércio de Macau»,
significava boicotar as principais fontes de explicava Teixeira. Apesar do aperto, a cidade
receitas, o ópio e o jogo, indústrias que depen- não fechava as portas. Dizia o governador:
diam, por sua vez, dos chineses que se deslo- «Dividiremos o que tivermos. Se não hou-
cavam a Macau. «Quanto ao bloqueio, com ver comida, pelo menos daremos a todos a
todo o seu cortejo de horrores, esse dar-se-á tranquilidade que buscam, sem perigo de
sempre, quer acedamos quer não», alertava sentirem as baionetas nipónicas nas costas!»
o gerente do BNU. «Se anuirmos, será feito Mas se não se sentiam as armas japonesas,
pelos chinas, que não deixarão passar os ví- nem por isso se notava a sua ausência. Todas
veres necessários ao sustento da população. as entradas e saídas eram vigiadas pelos ni-
Se não acedermos, far-no-lo-ão os japoneses, pónicos, que, além de impedirem os pescado-
como já disseram, desembarcando aqui perto, res chineses de saírem para o mar, taxavam
cercando-nos, portanto, por terra e por mar. pesadamente os bens que chegavam a Macau.
Melindrosa e difícil se nos afigura a situação Para obter bens essenciais, o governo de
por qualquer lado que a encaremos.» Macau chegou a vender aos japoneses peças
de aviões, barcos, ferro e armas, incluindo os
‘Dividiremos o que tivermos’ históricos canhões que defenderam o terri-
O tempo não demorou a dar razão a Carlos tório do alto das fortalezas.
Eugénio de Vasconcelos. Com a ocupação de Os alimentos eram racionados e havia for-
Hong Kong, no final de 1941, agravou-se o tes restrições ao consumo de água e energia.
isolamento de Macau, uma vez que os canais Especulava-se. Antes da guerra, o arroz, base
de navegação, as ligações terrestres e as co- da alimentação da população chinesa, custava
municações ficavam nas mãos dos japoneses. oito patacas por pico (cerca de 60 kg); em
Com o êxodo dos refugiados de Hong Kong 1943, o preço atingia 320 patacas. «O merca-
e de chineses, de súbito, a população de Ma- do negro medrava à grande», conta Manuel vido ao bloqueio, «os alimentos deixaram de
cau cresce de 250 mil para 450 mil pessoas. Teixeira, padre que viveu este período e foi o chegar a Macau» e «o arroz (...) quase desa-
«Os juncos, em viagens constantes, levavam primeiro a publicar, em 1981, o testemunho pareceu das lojas». Na falta de vinho, conta
para a nossa colónia, todos os dias, milhares em livro, Macau Durante a Guerra. Barros, muitas pessoas começaram a beber
e milhares de chineses que fugiam ao invasor Leonel Barros, macaense que também vi- aguardente chinesa, com um nível de álcool
– alguns com haveres, mas a maior parte, a veu os tempos do conflito, regista nas suas superior a 95 por cento. «Em pouco tempo,
quase totalidade, sem quaisquer recursos», Memórias do Oriente em Guerra como, de- os consumidores deste vinho tornavam-se
contaria, numa entrevista ao jornal O Século, cegos.» O desespero alastrava e «as famílias
em 1946, Gabriel Teixeira, o governador com mais carenciadas viam-se obrigadas a vender
que Macau atravessou a Guerra do Pacífico. os seus filhos e filhas para sobreviver».
Para albergar os refugiados, tudo servia: Entre os refugiados havia mais de 20 mil
armazéns, escolas, teatros, bibliotecas. Até crianças. Quatro mil eram ou ficaram órfãs.
um barco foi convertido em asilo. No geral, «Nos asilos, onde as internámos, era horrível,
as condições eram más ou, simplesmente, emocionante, trágico, o espetáculo que essas
inexistentes. Não havia cozinhas, sanitários, crianças ofereciam», recordou o ex-governa-
ventilação, iluminação, água quente. Entre dor Gabriel Teixeira. «Nem um movimento,
a população que se acanhava na cidade com nem um arremedo de alegria. A fome cravara
a maior densidade populacional do mundo, as suas garras nos pequenos seres.» Só meta-
grassavam doenças como a malária e a cólera.
'Pairava uma atmosfera de sobreviveu a este negro período.
O Hospital de São Januário não chegava para de espionagem e Segundo Gabriel Teixeira, no primeiro
os doentes que precisavam de tratamento, ano da guerra morreram 27 mil pessoas em
nem o pessoal médico, nem os fármacos.
contraespionagem', Macau. Na década anterior, a mortalidade
O principal problema, contudo, era a ali- escreve o cônsul John tinha oscilado entre as 3 mil e as 4 mil anuais.
mentação. Ou a sua falta. «A ocupação de Naquele fatídico ano, mais de 3 mil por mês
Hong Kong afetava profundamente o proble-
P. Reeves no livro sucumbiam à miséria. Os mortos eram tantos
ma da alimentação normal dos habitantes, The Lone Flag que era preciso abrir valas comuns.

46 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Exercícios militares
A guerra foi aproveitada pelas
autoridades portuguesas de
Macau para renovarem a antiga
pretensão de soberania sobre
as vizinhas ilhas da Lapa,
da Montanha e de D. João

se falava de um matadouro clandestino de


carne humana, onde se aliciariam, sobretudo,
raparigas jovens com promessas de emprego,
e que, se apareciam, eram mortas e depois
vendida a sua carne.
Verdade ou ficção, à cautela, como escreveu
Carlos Eugénio de Vasconcelos, o gerente do
BNU, «durante muito tempo, os portugueses
abstinham-se de comprar carne».

Sorte de uns
Fazendo jus à essência paradoxal de uma
cidade nascida nas margens, entre dois im-
périos, em Macau as histórias de horror e
miséria conviviam com o que pareciam au-
tênticos contos de fadas.
Na sua neutralidade comprometida que

REVISTA MACAU II SÉRIE Nº 43


deixava a porta entreaberta, Macau tornara-
-se um paraíso para contrabandistas e espe-
culadores. Portugueses, chineses, japoneses,
todos se envolveram no comércio, na impor-
tação e exportação de mercadorias que eram
bem pagas em Macau ou no outro lado da
fronteira, onde havia a imperiosa necessidade
Alexandre Gomes dos Santos, o médico onde ainda hoje pontifica a sede do BNU. Era de manter viva a resistência contra o invasor.
que dirigiu os Serviços de Saúde de Macau ali que o gerente do banco, Carlos Eugénio «Macau vivia assim inundado em dinheiro
durante este período, afirma num relatório de de Vasconcelos, se deparava diariamente com e abastança, terra a que nada faltava, nem as
1946 que o serviço de remoção de cadáveres um cenário macabro: «Rara era a manhã em lindas mulheres que se vendem a peso de oiro,
aumentou «extraordinariamente no inverno que, nas arcadas do banco, se não viam cadá- ostentando uma vida espetaculosa de prazer
de 1941-42». veres, repugnantes de vermina e de podridão. e alegria, que constituíam indubitavelmente
«Todas as manhãs», descreveu, «a polí- Morriam estoicamente ao lado de tendinhas uma vergonhosa afronta para a Humanidade,
cia e mesmo os particulares solicitavam do com comida, sem um gesto de revolta, sem que suportava a fúria duma guerra feroz e sem
Posto Médico Central a remoção de dezenas uma reação. O cemitério da cidade já não quartel, sofrendo, num mundo alucinado e
de cadáveres encontrados sob as arcadas da chegava para tantos mortos. Diariamente, louco, a miséria mais atroz», regista António
cidade, entre indivíduos famintos que ali se em batelões, eram enviados para a ilha da de Andrade e Silva no livro Eu Estive em
acolhiam à noite, fugidos da China em guer- Taipa, empilhados uns em cima dos outros.» Macau Durante a Guerra, de 1991.
ra. E choviam justas reclamações de vários Na luta pela sobrevivência, continua Vas- Nos faustosos banquetes que nunca dei-
setores contra demoras na execução dessa concelos, «houve casos de antropofagia. E não xaram de se organizar, não faltavam igua-
macabra tarefa que, às vezes, se estendiam foram poucos». Várias pessoas foram detidas rias como sopas de barbatana de tubarão ou
além de 24 horas». Os corpos eram retirados sob a acusação de canibalismo. Abundavam ninhos de andorinha. Tudo acompanhado
recorrendo a macas; para acelerar o processo, as histórias. O padre Manuel Teixeira reve- pelos melhores vinhos franceses, ao som das
segundo Gomes dos Santos, decidiu-se usar laria, já em 1995, num artigo publicado num orquestras formadas pelos músicos filipinos
uma viatura dos Correios para servir de «car- jornal de Macau, que, durante a guerra, um que tinham fugido de Hong Kong.
ro-transporte de mortos». Encontrava-se, hotel do território comprou crianças para as «Tive grandes festas quase todas as noites»,
assim, uma utilidade para um veículo que a cozinhar e serviu a sua carne aos clientes. Se- recordaria muitos anos mais tarde um dos
falta de comunicações entre a cidade e o resto gundo escreveu, era habitual «servir à mesa», homens que souberam agarrar as oportunida-
do mundo deixara imobilizada. em Macau, «o coração, o fígado e os pulmões» des que as estranhas circunstâncias da guerra
Os meses de inverno eram os mais cruéis. arrancados aos cadáveres. fizeram surgir, Stanley Ho. Talvez melhor do
Os mortos espalhavam-se pela cidade, in- Também a antropóloga Ana Maria Amaro, que ninguém, o futuro rei do jogo sabia que
cluindo as principais artérias, como aquela com longa vivência em Macau, contou que a sorte, por vezes, procura-se.

VISÃO H I S T Ó R I A 47
GUERRA DO PACÍFICO // MACAU

Natal de 1941
A família Andrade
e Silva em Macau,
quando a vizinha
Hong Kong era
atacada e ocupada
pelos japoneses

ARQUIVO DA FAMÍLIA ANDRADE E SILVA


As memórias Foi por iniciativa de Sofia que, em 2016, essa
história foi publicada em livro, já muito depois
de Maria Clementina ter falecido, em 1993. Eu

da ‘avó espiã’
De uma família portuguesa que viveu em Macau durante
Também Estive em Macau Durante a Guerra
é a extensão do livro do marido, António An-
drade e Silva, Eu Estive em Macau Durante
a Guerra, editado em 1991 pela mão do filho
(pai de Sofia), também cerca de três décadas
a Guerra do Pacífico saíram dois livros de memórias após a morte do autor, que foi o Capitão dos
publicados sobre este conturbado período Portos de Macau naquela tempestuosa época.
por Hugo Pinto Mas se o relato de António Andrade e
Silva, feito ainda na ditadura salazarista, se

‘N
 
inguém pode dizer com verdade diz Maria Clementina, «e que combinei com pautava pelo cuidado em evitar melindres
que conhece alguém. No fundo o meu marido banir para sempre da nossa – passando por cima de certas ocorrências
de cada um há recantos insus- memória». Durante muito tempo, assim e alterando nomes de algumas personali-
peitados. (...) Convive-se anos e foi. «Nunca mais falámos desses assuntos. dades –, já a versão de Maria Clementina,
anos com alguém e há sempre Era como se nunca tivessem existido. De escrita pouco depois do 25 de Abril de 1974,
coisas que ficam lá dentro, tal- começo, por prudência. Era assunto tabu. é «movida pelo irreprimível desejo de com-
vez esquecidas, talvez escondidas. Nem nós Enterrámo-lo, bem fundo, no nosso ínti- pletar a obra inacabada do marido há muito
próprios sabemos do que somos capazes.» mo.» Lá ficou, mas não para sempre. desaparecido, sem receio de ver o seu escrito
É assim que Maria Clementina de An- Quase três décadas depois dos aconte- censurado ou de ferir a suscetibilidade fosse
drade e Silva começa o relato das suas me- cimentos que viveu numa Macau sitiada de quem fosse», como observa Ricardo Pinto
mórias sobre os cinco anos que passou em pela guerra, «a avó fechou-se num quarto na nota de editor do livro.
Macau, de 1941 a 1946, escrito três décadas durante três dias», conta à VISÃO História «Provavelmente, o meu avô foi escreven-
depois de o marido ter igualmente registado Sofia Norton, neta de Maria Clementina. do com cuidados que a minha avó não teve»,
o seu testemunho. Um período repleto de «Quando saiu, disse: ‘Está aqui. Uma his- admite Sofia Norton, destacando o «registo
«factos que não podia contar a ninguém», tória que nunca contei’». mais direto» que atravessa a narrativa da

48 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Testemunhos do
avó. Mais desprendida, Maria Clementina inferno O livro de Maria
não se contém nas descrições e impres- Clementina completa
sões que aponta sem pruridos, em nítido o relato do falecido
contraste também com a realidade que vai marido, publicado ainda
antes do 25 de Abril e,
expondo numa Macau onde chegou em 1941 portanto, condicionado
acompanhada do marido e dos dois filhos pela censura da ditadura
menores, já a guerra estava em curso. «A
nossa vida era um constante receio depois
de os japoneses tomarem Hong Kong»,
confidencia Maria Clementina. «Conta-
vam-se factos horríveis passados por lá.
Abusavam das mulheres à vista dos pais e
dos maridos, a quem amarravam primeiro. Eram dúvidas justificadas face à proximi- da polícia, pois essas extremidades de mem-
Puro sadismo, de enlouquecer.» dade do perigo e da morte, como quando o bros «estavam a aparecer pelas sarjetas».
filho do casal foi apanhado num raide que a
O ‘Estoril’ dos japoneses aviação americana fez sobre Macau para des- Lutas de ‘gangsters’
Macau não estava ocupada porque os japo- truir os depósitos de combustíveis utilizados Depois, havia também os gangsters que se
neses «não quiseram», mas sentia-se igual- pelos japoneses. «Esteve debaixo de fogo dos matavam nas ruas «com precisão diabólica» –
mente o jugo nipónico: «Faziam tudo o que aviões», lembra Sofia sobre o pai. «Dizia que tiros nas costas direitos ao coração. «Ninguém
queriam e davam as suas ordens.» Num clima nunca correu tanto na vida.» parava quando o homem caía. Ninguém via,
de «quase terror», a então colónia portugue- O modo de torrente com que as memórias de ninguém ouvia. Todos seguiam com as suas
sa «estava cheia de japoneses, arrogantes e Maria Clementina foram vertidas para o papel vidas, como se uma lata, e não um homem,
dominadores. No momento em que quises- sente-se igualmente no ritmo intenso a que os tivesse caído ao chão.»
sem tomar-nos, seria fácil, mas Macau era o acontecimentos, personagens e sensações se Se o mal e a miséria se faziam corriqueiros,
Estoril deles», comenta Maria Clementina. sucedem. De um episódio sobre problemas de o que antes era comum tornava-se excecional.
Com a guerra em pano de fundo, o livro tradução a propósito de umas blusas no alfaia- Como uma dona de casa convertida em agente
serve também de retrato de uma vida co- te, por exemplo, passa-se para as perturbantes secreta. Foi o que aconteceu com Maria Cle-
lonial marcada por intrigas palacianas (o descrições sobre a fome e a galeria de misérias mentina, quando o governador de Macau pe-
governador, Gabriel Teixeira, é apresentado humanas patente na cidade, como as pessoas diu ao Capitão dos Portos que falasse à esposa
como «um vendido, tal como o seu secretário que iam à procura de alimentos mal digeridos de uma missão delicada: estabelecer contacto
e o comandante da polícia», que «faziam nas fezes largadas nos esgotos. com os chineses fornecedores de arroz, pois os
tudo por dinheiro»), relações complexas entre Um dos casos mais impressionantes é o de japoneses ameaçavam cortar o abastecimento
classes e etnias, costumes e culturas que se uma rapariga «apavorada» que revelou à po- deixando a população sem o seu alimento
intrometiam nas relações humanas e sociais lícia ter fugido de uma casa na qual as autori- essencial. A ideia era aproveitar o facto de
como diferenças irreconciliáveis. dades encontraram caldeirões onde «crianças uma figura importante entre os japoneses,
Há ainda uma dimensão íntima. com as estavam sendo cozinhadas». Segundo Maria Hashimoto, ter um fraquinho por Clementina
angústias de Maria Clementina a assumirem Clementina, «só não aproveitavam os pés e as e não lhe fazer mal se ela fosse apanhada.
primeiro plano: não apenas em relação à mãos», o que vinha a confirmar as suspeitas As descrições destes episódios são talvez os
guerra e suas devastadoras consequências, melhores momentos do livro e fazem de Maria
mas também sobre o papel de mãe e esposa. Clementina a protagonista de cenas dignas de
«Os pequenos cresciam num ambiente de thriller. Surpreendentes, sobretudo, para a
insegurança e fazíamos tudo para os fazer família, que só ficou a saber destas histórias,
desembaraçados, sem pieguices. Sabíamos segundo Sofia Norton, depois de a avó ter
perfeitamente que, de um momento para
Uma rapariga fugiu escrito o livro. «Passámos a chamar-lhe, entre
o outro, poderiam matar-nos e eles teriam de uma casa onde eram nós, ‘a avó espiã’», afirma a neta, reconhecendo
de saber desembaraçar-se sozinhos. Doía- «a emoção de pensar como a avó conseguiu
-me a alma vê-los tão afetuosos e ter de os
cozinhadas crianças, transmitir as mensagens» que terão salvo
endurecer, para bem deles. Se a Miuska me cujos pés e mãos, Macau de situações ainda mais dramáticas.
vinha abraçar e beijar, eu afastava-a», con- Era inevitável, diz Sofia Norton, que as his-
fessa Maria Clementina, questionando que
não «aproveitados», tórias da guerra em Macau tivessem acompa-
tipo de pessoas estaria a criar. apareciam nas sarjetas nhado a família «sempre, até hoje».

VISÃO H I S T Ó R I A 49
GUERRA DO PACÍFICO // TIMOR

AUSTRALIAN WAR MEMORIAL/013829


Invasão Guerrilheiros australianos e timorenses incendeiam uma aldeia, em dezembro de 1942, para evitar que seja usada pelo ocupante japonês

A guerra passou
de ideologia anarquista ou comunista. Com o
tempo foram-se integrando e criando raízes,
mergulhados nas suas profissões ou gerindo a

por Timor
mão-de-obra timorense que era forçada a tra-
balhar em obras públicas, contacto estreito de
que surgiram matrimónios e famílias de que
era preciso cuidar, realidades que deixavam
A ocupada e martirizada ilha foi o único território ficar para trás uma juventude revolucionária.
sob administração portuguesa a ter estado diretamente Apesar da sua fama, Timor não era ape-
envolvido na Segunda Guerra Mundial. Lances nas uma colónia penal ou um depósito para
funcionários ostracizados. Embora estando
dramáticos de uma história pouco conhecida
longe de ser o destino desejado pela maioria
por Ricardo Silva dos europeus que lá viviam, nem todos esta-

E
vam em Timor por decreto ou por falta de
ra a colónia mais distante e exótica e, acima de tudo, a pátria de um povo que alternativa: alguns foram por opção. O juiz
do vasto império português, um vivia do que a terra lhe dava, obstinado em José dos Santos escolheu a comarca de Díli
posto onde os militares contavam manter costumes e tradições que a passagem após ouvir histórias sobre a ilha e sentir-se
os dias até voltar à metrópole, uma do tempo não fazia desaparecer. tentado a embarcar numa viagem para um
colocação para funcionários que há Timor também era uma prisão sem muros mundo tão diferente do seu. Com ele seguiram
muito tinham deixado de contá-los. para um elevado número de deportados «so- a mulher e a filha mais nova, enquanto os dois
Durante séculos, o Timor Português (hoje ciais», homens condenados pelo crime de lu- filhos mais velhos ficaram em Portugal por
Timor-Leste) foi destino de missionários tar pela liberdade quando esta era ameaçada. não haver liceu em Díli, e foi por essa razão
em busca de almas para evangelizar e sal- Começaram a chegar durante a Monarquia que João e José Afonso dos Santos, o futuro
var, além de purgatório para as «almas per- Constitucional, ainda que a maioria tenha vin- cantor Zeca Afonso, escaparam ao terrível
didas» de Portugal, degredados por crimes do em 1927 e 1931, após serem esmagadas as cativeiro a que a sua família seria sujeita (ler
violentos com penas longas para cumprir e revoltas do Reviralho que combateram o golpe texto mais adiante, nesta revista).
poucas hipóteses de voltar. Era uma terra de militar que levaria ao Estado Novo. Eram
oportunidades para árabes e chineses que ali homens simples de convicções fortes, estuca- O fim da ilusão
montavam os seus pequenos comércios, para dores e marceneiros, pintores e serralheiros, Foi a um Timor ainda adormecido pelo iso-
negociantes em busca de sândalo e de café, uns «apenas» republicanos, outros (muitos) lamento que chegou a notícia de uma guerra

50 V I S Ã O H I S T Ó R I A
AUSTRALIAN WAR MEMORIAL/P01439.011
AUSTRALIAN WAR MEMORIAL/127991

Em ruínas Na zona costeira de Díli, dezenas de edifícios foram destruídos pelos bombardeamentos

distante na Europa. Corria o ano de 1939 e a tomar face à nova situação no terreno. parqueados em Penfui e abatendo outros dois
na China já se lutava há dois anos, mas tudo O avanço nipónico pelas Filipinas e pela Ma- no ar. Em fevereiro a situação era crítica, com
aquilo parecia ser um cenário longínquo que lásia era fulgurante e não tardaria muito até os japoneses a desembarcar em Samatra e
em nada alterava a rotina da colónia. Dois Timor ficar ao seu alcance. A importância da a ameaçar Java, levando os Aliados a enviar
anos mais tarde a guerra ficou mais próxima, ilha era óbvia, pois constituía a última barreira um comboio naval com o cruzador pesado
quando o Japão atacou Pearl Harbor, mas Por- de defesa da Austrália e os seus aeródromos USS Houston em vanguarda destinado a du-
tugal continuava a declarar a sua neutralidade eram fundamentais para manter a ligação com plicar a guarnição de Timor. Era demasiado
e o Hawai ficava a milhares de quilómetros. Java, que seria o último grande reduto dos alia- tarde: no dia 15, duas vagas de bombardeiros
A guerra em Timor só começa a ser uma dos nas Índias Orientais Holandesas (atual In- atacaram o comboio e forçaram-no a voltar
realidade a 17 de dezembro de 1941, quan- donésia). Razões mais do que suficientes para a Darwin, a base no norte da Austrália que
do uma força de australianos e holandeses a marinha japonesa aparecer na região. No servia de apoio a Timor.
vinda do Timor Holandês (Timor Ociden- dia 20 de janeiro de 1942, o submarino I-124
tal) atravessa a fronteira e ocupa posições tentou torpedear o petroleiro USS Trinity no A invasão japonesa
em Díli. A diminuta guarnição portuguesa, mar de Timor, mas acabou por ser perseguido No início de fevereiro, as ilhas Celebes e Mo-
composta por apenas duas companhias com e afundado por corvetas australianas. Seis dias lucas tombavam após um curto combate e
pouco equipamento, nada poderia fazer para mais tarde os temidos caças Zero fizeram a sua Timor apresentava-se como o próximo alvo.
se opor. Portugal reage como pode, esboçando primeira aparição, destruindo vários aviões Contudo, a marinha imperial do Japão es-
fortes protestos públicos e desenvolvendo
diligências diplomáticas com vista a alterar
a situação. A solução passava pelo envio de Mapa José Eduardo Silva
um contingente militar que garantisse aos Marques, ex-comandante
do posto de Hatu-Udo,
Aliados que Portugal teria condições para
e um oficial da 2/2ª
defender a sua colónia, mas as negociações
941943

Companhia Independente
eram feitas via Reino Unido, devido à ausência australiana, que combateu
AUSTRALIAN WAR MEMORIAL/3

de comunicação entre Portugal, a Austrália no território, confirmam


as posições ocupadas
e a Holanda, e, como seria de se esperar, a pelo inimigo já depois
lentidão instalou-se e prolongou-se. da rendição
Se em Portugal as notícias foram recebidas
com impotência, o mesmo não se pode dizer
do Japão. Em Tóquio discutiu-se o caminho

VISÃO H I S T Ó R I A 51
GUERRA DO PACÍFICO // TIMOR

tava plenamente consciente do perigo que a


aviação em Darwin representava para as suas
forças e por isso foi decidido montar uma
operação de grande envergadura.
A Kido Butai, a principal formação aero-
naval nipónica, que agrupava quatro dos seis
porta-aviões que tinham atacado Pearl Har-
bor, desceu pelo mar de Banda e ao raiar o
dia 19 navegava pelo mar de Timor e a apenas

AUSTRALIAN WAR MEMORIAL/120038


220 milhas de Darwin. Nesse momento lan-
çou 188 aviões de combate em direção a sul.
Por volta das 10 da manhã, Mitsuo Fuchida
liderou os seus homens num ataque sobre
Darwin que espalhou o caos e a destruição,
Uma hora mais tarde chegou a segunda vaga,
com 54 bombardeiros Mitsubishi G3M2 Nell
e G4M1 Betty a descarregarem 531 bombas. Abate de material Acompanhados por um oficial japonês, os militares australianos
Seis navios tinham sido afundados, 27 aviões fazem vistoria a um tanque antes de ser destruído, após a rendição nipónica
abatidos e 236 pessoas tinham perdido a vida.
O objetivo fora alcançado: Darwin tinha sido
anulada e o caminho para Timor ficava aberto. Um herói esquecido
Ao anoitecer, duas forças navais apro- Quando os japoneses chegam a Baucau, Austrália para os que tinham ficado
ximam-se de Timor e a invasão começou instala-se uma violência indiscriminada em Timor, seguindo-se uma semana
com um desembarque nos arredores de Díli que testa as convicções do seu adminis- de viagem em que a apreensão foi uma
quando já passava das 2 horas da madrugada. trador, o tenente Manuel de Jesus Pires, constante, como ficou bem patente
O coronel Doi liderava a força terrestre e a quem fora ordenada uma estrita neu- nas suas memórias. «Continuam as
contava com o segundo batalhão do 228º tralidade que implicaria fechar os olhos insónias a não me largarem, por não
regimento para dominar qualquer resistên- ao rol de crimes a que assiste. A situação me sair do pensamento o que se estará
cia que encontrasse pelo caminho. Eram os não se afigurava fácil para o tenente passando em Timor com todos aqueles
mesmos homens que se tinham coberto de Pires, que após chegar, em 1919, se inte- que só de mim veem poder vir a sal-
glória na conquista de Hong Kong e violado grara facilmente na comunidade e tinha vação (...) o que me tira a vontade de
inúmeras mulheres em Kowloon, que tinham laços de amizade com muitos dos chefes dormir, de pensar e me torna doente,
combatido os luso-chineses do corpo de volun- locais. Era casado com Domingas Pires, pois reconheço que cada hora que
tários daquela colónia britânica e chacinado timorense, que estava grávida quando passa mais e mais se vai apertando o
prisioneiros de guerra. Aproximadamente a guerra chegou a Baucau, mas numa círculo de ferro que os rodeia e eu para
à mesma hora, os outros dois batalhões do luta sem limites não há lugar para a aqui inativo e impotente e na incerteza
regimento e uma companhia de tanques de- neutralidade e o administrador decide de saber se lhes poderei valer ou não.»
sembarcavam em Kupang, na zona ocidental apoiar os australianos e tudo faz para Mal chega à Austrália, o tenente Pires
da ilha, e pela manhã 308 paraquedistas eram retirar o máximo de portugueses para a inicia uma campanha a pedir auxílio
lançados perto do aeroporto de Penfui. Os Austrália, mas também de timorenses, a aos que ficaram em Timor, escreve a
Aliados contra-atacaram em diversas ocasiões, quem considerava de elementar justiça Salazar, a Getúlio Vargas e a MacAr-
mas bastaram alguns dias para os japoneses atribuir os mesmos direitos. thur, mas as respostas que recebe são
dominarem os aeródromos e as principais Em janeiro de 1943 são retiradas 54 vagas e a passagem do tempo aumenta
cidades, capturando a maioria dos soldados pessoas, incluindo a mulher de Pires e a sua ansiedade. Em julho está de volta
australianos e holandeses. a filha Elisa, mas a situação continua à ilha, junta-se a um grupo de portu-
Face à segunda invasão no espaço de ape- a piorar no terreno e no mês seguinte gueses e australianos para prosseguir
nas dois meses, Portugal volta a protestar é a sua vez de embarcar a bordo do a resistência, mas acaba por ser ferido
contra a violação da sua neutralidade e infor- submarino USS Gudgeon com outros numa anca e é capturado, morrendo
ma os japoneses de que uma força naval com 27 companheiros de infortúnio. Partia pouco tempo depois numa prisão
forças a bordo tinha partido de Moçambique na esperança de encontrar ajuda na japonesa.
com destino a Timor. Tóquio, porém, «acon-

52 V I S Ã O H I S T Ó R I A
AUSTRALIAN WAR MEMORIAL/119618

Bandeira lusa Aspeto da receção popular à comitiva australiana enviada a Díli, a 24 setembro de 1945

selha» o governo português a mandar os seus postos de concelho e ao administrador de a ameaça de represálias. Os que se recusavam
navios de volta e a Salazar não resta outra Aileu que fizessem voltar a Díli as prostitutas colaborar ou tentavam protegê-las eram exe-
opção exceto acatar o «conselho». que tinham fugido para o interior. A con- cutados para servir de exemplo.
troversa decisão não agradou a muita gente, A preferência dos japoneses recaía sobre
Vida sob ocupação mas durante algum tempo a situação parecia mulheres extremamente jovens, adolescentes
A fama dos soldados japoneses levou uma ter acalmado e aos poucos voltava-se a uma e até crianças, de preferência virgens, que
boa parte da população de Díli a abandonar normalidade aparente. Foi sol de pouca dura, eram levadas das suas aldeias para bordéis
a cidade e procurar refúgio em Aileu, Ermera já que decorridos alguns meses os japoneses improvisados nas cidades, onde eram viola-
e Liquiçá. Era um temor plenamente justifi- pediram mais mulheres, mas desta vez as das e forçadas a aceitar a sua nova vida de
cado. Várias mulheres chinesas e timorenses autoridades portuguesas não colaboraram e escravas sexuais. Inês de Jesus foi uma delas.
foram violadas por soldados nipónicos que os militares tomaram o assunto nas suas mãos. Sequestrada pelos japoneses em Bobonaro,
vagueavam pela cidade, e a impunidade foi Destacamentos de soldados foram enviados a sua experiência reflete a realidade sofrida
total, ou quase. Numa situação que chegou às aldeias para parlamentar com os chefes, a por inúmeras timorenses às mãos do exército
ao conhecimento do governador refere-se quem ordenavam a entrega de mulheres sob japonês: «Eu ainda era uma criança naquele
o seguinte: «Dois soldados japoneses ten- tempo e os meus seios ainda não se tinham
taram abusar de duas mestiças, filhas de desenvolvido, mas à noite, entre quatro e
um velho colono, mas não o chegaram a oito soldados vinham por turnos ao meu
fazer, pois foram ambos mortos, um por quarto. Eu tinha de fornecer sexo a todos.
um irmão das raparigas e o outro por um Depois disso eu não conseguia sequer ficar
criado indígena. E o castigo foi aplicado de pé, muito menos trabalhar. Só conseguia
com tal limpeza que nunca mais apareceram dormir como se estivesse morta.»
nem os corpos dos soldados nem as armas,
as bicicletas em que iam ou qualquer coisa Os Aliados contra-atacaram, A resistência
que lhes pertencesse, apesar de os japoneses Apesar da facilidade com que os japoneses
terem procurado, por toda a parte e durante
mas bastaram alguns dias ocuparam Timor, controlar o interior da ilha
muitos dias, encontrar qualquer rasto dos para os japoneses dominarem revelou-se uma tarefa inesperadamente dura
dois soldados desaparecidos.» quando as forças australianas sobreviventes
Temendo pelo futuro das mulheres euro-
os aeródromos se refugiaram nas montanhas e deram início
peias, o governador ordenou aos chefes dos e as cidades de Timor a uma guerra de guerrilha. Uma série de

VISÃO H I S T Ó R I A 53
GUERRA DO PACÍFICO // TIMOR

sucessos levou os australianos a executar As colunas negras


um golpe audacioso, quando uma secção Frustrados com as baixas constantes que
que operava no Remexio lançou um raide em a guerrilha estava a causar, os japoneses
pleno centro de Díli para libertar camaradas decidem fomentar a rebelião dos timorenses
que ali se encontravam encarcerados. Apesar contra «o homem branco», aproveitando
de não terem encontrado os presos na casa
assinalada, os australianos eliminaram várias
‘‘Tubarões’
T b õ ’ nas as mesmas divisões internas que os por-
tugueses usavam há séculos para dominar
sentinelas com golpes de arma branca e pro- águas de Timor Timor. Em Atambua, localidade no Timor
varam a incapacidade nipónica de garantir Ocidental junto à fronteira, os timorenses de
Ponto de passagem para o Bornéu,
a segurança até na capital. as Celebes e as Filipinas, era Leste derrotados após a revolta de Manufai
A provocação exigiu uma reação, e o inevitável que as águas em redor da foram facilmente aliciados a lutar contra
comando japonês lançou uma força em ilha de Timor fossem o cenário ideal os portugueses e a acertar contas com os
direção às montanhas em Aileu para per- para os submarinos aliados caçarem timorenses seus aliados.
seguir os atacantes, numa marcha que ficou navios inimigos, mas também para Não tardou muito até entrarem em Ti-
marcada por uma série de emboscadas que resgatar da ilha aqueles que corriam mor-Leste pela circunscrição de Fronteira,
mais perigo. Em abril de 1942, o USS
causaram ainda mais baixas. Pelo caminho do governador Sousa Santos, que tinha a sua
Searaven navegava em direção
cruzaram-se com a casa de Ramos Graça, a Díli quando recebeu ordem para sede em Bobonaro e contava com uma dezena
um deportado que vivia em Timor desde resgatar 33 australianos, membros de postos administrativos para controlar o
1927 e ali tinha formado família. Interro- da força aérea que andavam a monte território a seu cargo. Em abril, uma coluna
gado, o português negou ter conhecimento pelas serras após a destruição dos atravessou a fronteira e começou a incendiar
sobre o paradeiro dos guerrilheiros, e a seus aviões em Penfui. igrejas e a lançar a revolta em vários locais,
força japonesa continuou caminho para O salvamento não foi fácil. A meio mas tinha sido uma ação demasiado preco-
da noite trocaram-se sinais com
voltar a ser emboscada. Talvez tenha sido a ce. Os portugueses responderam da forma
lanternas e foi necessário usar botes
frustração a motivar o seu retorno à casa de de borracha para fazer o transporte tradicional, arregimentando forças entre os
Ramos Graça, mas o resultado foi trágico. entre a praia e o submarino. Era uma timorenses e preparando uma punição exem-
Morto a golpes de baioneta, o seu corpo foi missão perigosa, e quando o último plar. Numa dessas operações, um punhado de
arrastado até uma ravina por uma corda australiano subiu a bordo, o USS oficiais e sargentos lusos formou o núcleo de
amarrada ao pescoço e para ali foi atirado Searaven afastou-se rapidamente e uma força composta por timorenses de Aina-
após ser esquartejado. voltou a Freemantle. ro e Same que partiu para uma razia aos seus
Noutras ocasiões eram os japoneses
Face à violência nipónica, as guerrilhas rivais a norte. Um guerrilheiro australiano
a correr perigo. No dia 24 de
australianas não tardaram a contar com o dezembro, o USS Tautog patrulhava testemunhou os movimentos iniciais e a sua
apoio dos antigos deportados, de funcioná- as águas entre Kupang e Díli quando eficácia: «Quando os preparativos estavam
rios públicos pró-Aliados e de timorenses um vigia encontrou o presente de terminados os portugueses lançaram a partir
que se mantinham leais a Portugal, como Natal por que todos ansiavam: do sul e de leste um ataque convergente sobre
os nobres locais D. Aleixo Corte-Real e apareceu por entre a neblina o Maubisse. Comparado com isto, os esforços
D. Jeremias de Lucas, uma colaboração navio de carga Banshu Maru Nº2, dos japoneses para dominar uma zona não
um pequeno cargueiro de 998
rapidamente descoberta pelos japoneses passavam de brincadeiras de crianças. As
toneladas que ia a caminho de Díli
que motivou uma ameaça velada. No dia 7 com um carregamento de carne. A aldeias e as colheitas foram incendiadas;
de maio, o coronel Doi escreveu um oficio perseguição começou às 12h55 e não mulheres, crianças e gado eram separados e
ao governador português em que acusa a foi fácil. O mau tempo ia encobrindo o consistiam nos despojos dos vencedores. Os
população de colaboração com o inimigo navio e a meio da noite um torpedeiro caminhos naquela zona estavam cheios de
e deixa um alerta para o futuro: «Ultima- da classe Otori apareceu a alta corpos de nativos mortos que apenas tinham
mente foi reconhecido pelas tropas do meu velocidade para escoltar o cargueiro. sido afastados para a berma.» Os australia-
Apesar das dificuldades, às 03h06
NAVAL HISTORY AND HERITAGE COMMAND

comando que os funcionários administra- nos mantiveram-se neutrais, a observar: «Do


o USS Tautog conseguiu alcançar a
dores de Díli, chefe de Laulara, chefe de posição ideal para atacar o seu alvo Comando da Companhia víamos os indíge-
Bazartete e chefe de Nova Óbidos procede- e lançou três torpedos. Após um nas ‘bons’ saírem todos os dias atrás de um
ram e atuaram da maneira que expus (...) minuto e três segundos de espera, nativo transportando a bandeira portuguesa
se os mesmos não forem punidos ou contra duas explosões selaram o fim do e, uma tarde, vimo-los voltar em grandes
os mesmos não for tomada uma decisão Banshu Maru Nº2, que se afundou a demonstrações de alegria. Tinha havido uma
conveniente, reservo o direito de contra 16 milhas náuticas de Díli. carnificina e um grande número deles trazia
eles proceder como entender.» as cabeças dos vencidos.»

54 V I S Ã O H I S T Ó R I A
AANTT

Refugiados A 15 de fevereiro de 1946, desembarcaram em Lisboa 685 passageiros vindos de Timor no navio Angola.
Mais de 170 homens, mulheres e crianças, algumas delas órfãs, foram acolhidas na antiga FNAT (hoje INATEL) da Costa da Caparica

A 7 de agosto de 1942, os norte-americanos ção aliada. A 2 de novembro, bombardeiros implacável. A 7 de dezembro de 1944, um
desembarcaram em Guadalcanal e iniciaram B-26 atacam posições em Díli, repetindo a comboio com dois mercantes escoltados por
uma brutal campanha que alterou por com- missão no dia seguinte. Em janeiro de 1943, um pequeno navio de patrulha parte de Sura-
pleto a estratégia japonesa. A expansão tinha é a vez de os quadrimotores B-24 fazerem baia, na ilha de Java, com destino a Lautém.
chegado ao fim e a prioridade era defender o a sua aparição sobre Díli. Três meses mais Na semana seguinte navegava ao largo de
território conquistado. Timor era a primeira tarde, Vila Salazar é atacada e não haveria Timor, quando foi atacado por bombardeiros
linha de defesa das Índias Orientais Holande- mais descanso para os japoneses, que olhavam B-25 tripulados por holandeses que deixaram
sas de onde obtinham o petróleo fundamental para o céu com temor crescente. o Genmei Maru em chamas e à deriva. Dois
para se manterem na guerra, e por isso era dias mais tarde é a vez do Wakatsu Maru
fundamental eliminar a guerrilha australiana Sob as bombas dos Aliados explodir após ser alvo de Beaufighters aus-
e reforçar as defesas na ilha. A guerra também se fazia no mar, com os tralianos e o comboio desintegrar-se-á. Cada
Para cumprir essa missão foi decidido en- aviões e os submarinos a atacarem de forma vez mais isolada, em 1945 a força japonesa
viar a 48ª divisão, e no dia 5 de setembro o em Timor já não constituía qualquer peri-
47º Regimento do Exército Imperial desem- go para a Austrália. A aviação dos Aliados
barcou em Díli. Também conhecido como o atacava com relativa impunidade, e com a
Regimento Oita, era uma unidade com um rendição nipónica chegou finalmente a força
longo e controverso currículo militar que in- portuguesa que aguardava em Moçambique
cluía a participação na conquista de Nanquim, pela oportunidade de reclamar a soberania
cidade chinesa que se tornaria palco de um portuguesa de Timor Oriental. Terminava
dos maiores crimes contra a humanidade nos a guerra com um pesado tributo do povo
anos 1930. Confrontados com a chegada de timorense: entre 40 e 70 mil tinham per-
reforços e com uma renovada ofensiva das dido a vida, representando mais de 10% da
colunas negras, a maioria dos guerrilheiros Os japoneses fomentaram população. Infelizmente, não tinha sido a
australianos foi forçada a retirar e os portu- última invasão que aquele povo mártir teria
gueses acabaram por ser concentrados num
a rebelião dos timorenses de sofrer no século XX, uma vez que décadas
campo cercado de arame farpado, em Liquiçá. contra «o homem branco», mais tarde um novo invasor, a Indonésia, ocu-
Mas isso não significou o fim dos combates paria Timor-Leste com um rol de massacres
em Timor. Doravante a pressão seria mantida
aliciando-os a lutar contra e opressão que só terminaria em 2002, com
com bombardeamentos constantes pela avia- os portugueses a independência do país.

VISÃO H I S T Ó R I A 55
GUERRA DO PACÍFICO // TIMOR
ARQUIVO DE MARIA AFONSO DOS SANTOS

LUÍS BARRA
Ermera, 1939 Mariazinha (montada no cavalo Liquiçá) com os pais, na casa de férias,
antes da invasão japonesa

Prisioneiros dos japoneses


Foram enormes as atrocidades sofridas por mais de meio milhar de portugueses
em dois campos de concentração nipónicos, durante a ocupação de Timor.
Uma das vítimas, juiz, era pai de Zeca Afonso
por J. Plácido Júnior

S
obre os prisioneiros «pairava a som- Mundial. Pior augúrio era impossível. Mas o renço Marques (hoje Maputo). É aqui que
bra de um simples cabo, um mise- magistrado nunca terá imaginado que viveria, concorre a juiz, sendo aprovado para as fun-
rável de nome Kato, um bandido com a mulher e a filha, entre novembro de ções. E, das comarcas disponíveis, escolheu
de face quadrada e sorriso bestial, 1942 e agosto de 1945, o inferno de um campo Díli, pela curiosidade que aquelas paragens
que foi, por anos, o nosso carrasco de concentração japonês. Mas sobreviveram lhe suscitavam. Mas até um incréu diria que
e não faria má figura em Dachau». e o juiz deixou o memorial a que pertencem essa foi uma hora do Diabo. A ida para Díli
Todos os requintes lhe serviam «para torturar excertos atrás transcritos. obrigava a uma separação da família, que sem-
os portugueses e os levar lentamente à (…) Licenciado em Direito, José Nepomuceno pre acompanhara o patriarca nas andanças
morte». Chegava a pendurar prisioneiros du- seguiu a carreira judicial ultramarina. A uma africanas. Tristes e chorosos, João, 11 anos,
rante horas «por uma corda apenas atada aos progressão mais rápida aliava-se o espírito de e Zeca, 9, partiram de Lourenço Marques,
polegares!» O juiz José Nepomuceno Afonso aventura do pai de João, Zeca (Afonso, esse a 12 de julho de 1939, no vapor João Belo, a
dos Santos, a mulher, Maria das Dores, ambos mesmo, o cantor e compositor que se tornaria caminho da metrópole e ao encontro, respe-
com 38 anos, e a filha do casal, Mariazinha, um ícone da música popular portuguesa) e de tivamente, da beata Avrilete (em Coimbra) e
com 7, desembarcaram no porto de Díli a Mariazinha. Como delegado do procurador da do salazarista João Filomeno (em Belmonte),
1 de setembro de 1939, o dia em que a Alema- República, fez comissões de seis anos (1930-36) tios paternos, enquanto o pai, a mãe e a irmã
nha invadiu a Polónia e começou a II Guerra em Angola e de dois anos (1937-39) em Lou- viajavam para o longínquo Timor.

56 V I S Ã O H I S T Ó R I A
ARQUIVO DE MARIA AFONSO DOS SANTOS
Recordações Mariazinha na
atualidade, a casa onde viviam
no campo de concentração e os
salvo-condutos de pai, mãe e filha

O afável ‘japonês alto’ debandada geral e caótica dos habitantes para uma Lewis e 48 Kropatchek, com 7200 car-
Na irrequietude dos seus 7 anos, Mariazinha as montanhas, sabedores de que não haveria tuchos demasiado velhos.
depressa se adaptou ao novo poiso familiar. resistência dos militares da colónia, pouco Mas quando japoneses se preparavam para
E ficaria maravilhada com o cavalo que o ad- mais de 200 homens, quase todos indígenas saquear a casa de José Nepomuceno e da fa-
ministrador de Díli, Sousa Santos, lhe ofereceu. armados com duas metralhadoras Vickers, mília, em Lahane, a três quilómetros de Díli,
«Até ia nele para a escola», conta hoje, aos 89 surgiu um oficial que acalmou os subordina-
anos. E em Ermera, na montanha, na casa de dos e lhes deu ordem para se dispersarem. Ma-
férias do juiz, acompanhava os pais em passeios O comerciante riazinha reconheceu naquele oficial o mesmo
a cavalo. Mas o nome do equídeo era já uma iro- «japonês alto» que, com simpatia, a abordara
nia do destino infernal que aguardava a família
José Paulo Nogueira antes da invasão «numa festa na Sociedade
e centenas de portugueses: chamava-se Liquiçá. foi o primeiro a morrer Agrícola Pátria e Trabalho [SAPT]» e que,
Aos primeiros minutos de 20 de fevereiro depois, lhe oferecera uma boneca que passou a
de 1942, os japoneses desembarcaram em
de fome no campo de adorar. Para perceber a transformação do afá-
Díli, que saquearam sem piedade. Houve uma concentração de Liquiçá vel «japonês alto» civil em oficial do exército
invasor há que recorrer ao livro Funo – Guerra
em Timor, de Carlos Cal Brandão, publicado
em 1946. Militante antifascista, Cal Brandão
foi deportado para aquela colónia no início dos
ARQUIVO DE MARIA AFONSO DOS SANTOS

anos 1930, por conspirar contra a ditadura


militar de que resultaria o Estado Novo. No
João Afonso
livro, conta que, a partir de 1932, sobretudo
e Zeca Afonso pela queda a pique da cotação do café, a SAPT,
As fotos enviadas «a única força económica séria que comercia-
de Coimbra para va» em Timor, entrou em grave crise. «Viu a
Timor pelos filhos
do casal, irmãos sua salvação num aumento de capital (...) e
de Mariazinha encontrou-o nas grandes empresas do Japão»,

VISÃO H I S T Ó R I A 57
GUERRA DO PACÍFICO // TIMOR

com consentimento ministerial. Entre 1936


e 1941, «muitos japoneses passaram através
de Timor», lê-se. Cal Brandão descreve de
forma eufemística a ação dos evidentes espiões
nipónicos, entre os quais estava o simpático
«japonês alto» que ofereceu a boneca a Ma-
riazinha. Já após o ataque a Pearl Harbor,
«os japoneses mostravam-se mais insolentes
e arrogantes», escreve.

Governador às aranhas
É naquele cenário que, a 17 de dezembro de
1941, tropas australianas e holandesas desem-
barcam em Díli, sem resistência portuguesa.
Os dois comandantes, australiano e holandês,
ANTT

convidaram formalmente o governador, ca-


pitão Ferreira de Carvalho, a solicitar-lhes
auxílio face à ameaça japonesa. Ferreira de cirúrgicos, de bombardeiros australianos. nervosa, que batia o queixo de terror só de
Carvalho recusou, abandonou o seu gabine- Estes também tinham bolsas de guerrilha ouvir o motor de um avião».
te de trabalho em Díli, dirigiu-se para a sua (às quais Cal Brandão se juntou) nas mon- Em novembro de 1942, o governador cedeu
residência em Lahane, e aí, «por livre deter- tanhas, que flagelavam com eficácia posições à «proposta» dos japoneses de reunir os por-
minação», escreve Cal Brandão, «se conside- nipónicas. Entre o final de 1942 e o início de tugueses localizáveis em «Zonas de Proteção»,
rou prisioneiro». Havia que manter, a todo o 1943, o exército australiano proporcionou a eufemismo para campos de concentração,
custo, a neutralidade no conflito imposta por fuga para Darwin de cerca de 600 portugue- em Liquiçá e Maubara. O comerciante José
Salazar. Enquanto australianos e holandeses ses. O juiz, a mulher e a filha ainda tentaram Paulo Nogueira, segundo o memorial de José
se instalavam em Díli, funcionários portugue- essa via, mas as dificuldades que encontra- Nepomuceno, foi o primeiro a morrer de fome
ses sugeriram ao governador a mudança dos ram nas montanhas fizeram-nos desistir. no campo de Liquiçá, onde se amontoavam
serviços públicos para Aileu, no interior, uma Além do mais, Maria das Dores estava muito centenas de portugueses num perímetro mí-
zona não vulnerabilizada pela proximidade debilitada pelo beribéri (doença causada nimo, cercado por arame farpado e vigiado
dos invasores (estes ainda amistosos). Mas pela carência alimentar e vitamínica) e Ma- pela crueldade do cabo Kato e dos militares
Ferreira de Carvalho mostrou-se hesitante, riazinha tornara-se uma «criança bastante às suas ordens. José Nogueira, que deixou sete
depois renitente e foi arrastando esse estado filhos menores, soçobrou em 1943, quando
de espírito ao longo dos meses. Quando por já muitos daqueles portugueses tinham che-
fim se decidiu, escolheu Baucau, já com Timor gado ao limite das suas forças, por miséria e
sob ocupação japonesa. Ou seja, tarde e a más fome, diz o documento do juiz. Nos campos
horas. O juiz José Nepomuceno optaria por de Liquiçá e de Maubara estiveram 521 presos
palmilhar a pé, com a mulher e a filha, atalhos (287 homens e 234 mulheres).
da montanha, para chegar ao refúgio de um
seminário abandonado, em Dare. O sossego, ‘Arroz infecto’ e ‘couve maluca’
porém, durou só uma noite. No dia seguin- A 19 de março de 1944, desembarcou em Díli
te, soldados japoneses ocuparam o pátio do um capitão português, Silva e Costa, do gabi-
edifício, ameaçando a família com baionetas. nete do governador de Macau, transportado
Mas surgiu outra vez o «japonês alto» para num bombardeiro japonês. Mas depressa a
os resgatar. Passou-lhes três salvo-condutos esperança se transformou em frustração, pois
e aconselhou-os a regressarem a casa. E lá O livro de Carlos só gastou um dia, dos seis que passou insta-
voltaram a pé para Lahane. lado na residência oficial de Lahane, a visitar
Com timorenses e javaneses, formou-se
Cal Brandão é um os portugueses moribundos de Liquiçá e de
entretanto a milícia das «colunas negras», testemunho vivo Maubara. E, pelas perguntas que lhes fez, o
que precedia ou acompanhava os destaca- juiz percebeu que procurava identificar os
mentos nipónicos, cometendo atrocidades.
da ocupação supostos «cabecilhas» de uma alegada contes-
A isto juntavam-se os ataques aéreos, nada japonesa de Timor tação às (in)decisões do governador Ferreira

58 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Cais de Alcântara,
15 de fevereiro de 1946
Uma multidão acolhe
os regressados de Timor
no navio Angola

de Carvalho. Seguir-se-ia a única visita que,


naquele tempo todo, o governador fez aos
prisioneiros de Liquiçá e de Maubara.

ARQUIVO DA FAMÍLIA RELVAS


No outono de 1944, na casa da tia Avrilete,
em Coimbra, João e Zeca receberam uma
carta do tio Filomeno, acompanhada do re-
corte de uma notícia do jornal O Século, de
5 de novembro. Dava-se ali conta de uma
relação fornecida pelo Ministério das Co-
Retrato de família José Miranda Relvas com a mulher e os quatro filhos
lónias dos portugueses que, em março an-

Avô-herói
terior, estavam em Timor. João e Zeca logo
encontraram os nomes do pai, da mãe e da
irmã. Mas essa era uma prova de vida falível.
No seu memorial, José Nepomuceno relata
que esses foram os piores tempos vividos em A aventura de José Miranda Relvas evocada
Liquiçá: «Em setembro-outubro de 1944,
os japoneses cortaram-nos completamente
pelo neto, o ex-ministro Miguel Relvas
os víveres.» Os prisioneiros passaram então Em 2012, aproveitando uma visita ofi- e foi colocado no serviço civil (embora
meses sustentados apenas por 200 g de «ar- cial a Timor-Leste, o então ministro dos continuasse a ser militar), como chefe
roz infecto», cozido em água e sal, por dia e Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, de posto. Na primeira licença graciosa na
por cabeça. «Comiam-se pontas de abóbora, saiu uma vez às 4 da manhã do hotel em metrópole, casou-se na terra natal, Por-
folhas de papaeira, ervas que brotavam no Díli para percorrer 30 quilómetros em talegre, com a conterrânea Maria Inês.
campo quando adregava chover, e certa fo- duas horas. Destino: Maubara, onde o avô O casal teria quatro filhos, três dos quais
lha, a ‘couve maluca’, um vegetal tóxico que paterno, José Miranda Relvas, segundo (entre eles João, pai de Miguel Relvas)
faz adormecer.» Os japoneses, conclui o juiz, sargento e administrador da zona, sobre- nascidos em Díli.
«queriam exterminar-nos». vivera a quase três anos de prisão num Quando eclodiu a guerra, em 1939, a
Quando, a 6 e 9 de agosto de 1945, caíram campo de concentração japonês, entre família acolheu-se a Portalegre e José
as bombas atómicas sobre Hiroshima e Na- novembro de 1942 e agosto de 1945. Em- ficou sozinho em Timor. E, quando o Ja-
gasaki (a 2 de setembro o Japão rendeu-se), bora a paisagem fosse vazia e desoladora pão invadiu a colónia, ao ver que o go-
os prisioneiros portugueses, já transferidos (mais de uma dezena de pequenas casas vernador permanecia no território, ele
para Lebo-Meo, na montanha, deixaram de de cimento abandonadas, excetuando decidiu também ficar, embora pudesse
ver militares invasores. Foi ali que receberam a duas, habitadas por famílias timorenses), ter fugido para a Austrália, como muitos
notícia do fim da guerra, com a devida euforia. Miguel Relvas diz que se emocionou ao portugueses. Nove meses depois, entrava
Balanço oficial: cerca de 90 portugueses recordar aquele avô que, desde a infância, no campo de concentração de Maubara.
perderam a vida. As vítimas nativas seriam viu como «uma pessoa austera e asceta». A 15 de fevereiro de 1946, no cais de
ignoradas, mas estimam-se entre 40 mil e José Miranda Relvas «liderava» os Alcântara, em Lisboa, Maria Inês e os
50 mil, perto de 10% da população. A 15 de presos de Maubara, procurando que os filhos viram sair do navio Angola um José
fevereiro de 1946, João, 18 anos, e Zeca, 16, japoneses lhes dessem mais do que «ape- Miranda Relvas irreconhecível – antes
ambos de capa e batina, estavam no cais de nas uma tigela de arroz para três dias». algo obeso, apresentava-se magríssimo.
Alcântara, em Lisboa, à espera que o navio Em 1917, quando os soldados do Corpo Trazia, embrulhada, uma bandeira na-
Angola atracasse. Encontrariam o pai envelhe- Expedicionário Português se aprestavam cional com buracos de balas (em 1996,
cido e muito magro, «mas não alquebrado», a partir para França, com a ilusão de a família doou-a à Sociedade Histórica
recordará João, a mãe doente (foi logo inter- que ainda conheceriam Paris antes de da Independência de Portugal). Refor-
nada numa clínica) e Mariazinha, com quase seguirem para as trincheiras da Grande mou-se logo depois, com promoção a
14 anos, «feita uma adolescente espigada». Guerra, José Miranda Relvas dera logo alferes, mas o casal receberia uma má
José Nepomuceno ainda teria de contestar um passo em frente quando o exército fez notícia do Ministério das Colónias: como
um insólito processo disciplinar que lhe foi saber que era preciso enviar um sargento o marido, afinal, estava vivo, Maria Inês
instaurado, por «abandono de posto», obvia- para o longínquo território de Timor, com tinha de devolver na totalidade a pensão
mente arquivado. E conseguiu que a comissão a tarefa de dominar conflitos tribais na mensal de subsistência que lhe fora paga
de serviço seguinte fosse na aprazível cidade fronteira com o Timor Holandês. Ao che- quando o destino de José Miranda Relvas
moçambicana de Inhambane. gar, os problemas haviam já terminado era uma incógnita.

VISÃO H I S T Ó R I A 59
GUERRA DO PACÍFICO // PORTUGAL
ANTT

Salazar com o embaixador Campbell As relações luso-britânicas estiveram tremidas após o desembarque de forças dos Aliados em Timor

Salazar ligou os Açores


à recuperação de Timor
O Reino Unido e os EUA travaram as pretensões australianas
sobre a colónia portuguesa do Extremo Oriente após a derrota do Japão
por Pedro Vieira

O
desembarque dos australianos e tal não lho permitiam as instruções recebidas. sobre assuntos graves que tem tratado com o
dos holandeses em Timor caiu Na comunicação para Lisboa, o capitão Ma- governo britânico».
como um raio na política de neu- nuel de Abreu Ferreira de Carvalho acrescenta Iniciava-se assim um período turbulento de
tralidade portuguesa no conflito não ser possível uma resistência armada. algumas semanas, ao longo do qual pairou a
mundial e abalou o relaciona- Segundo o diplomata Carlos Teixeira da possibilidade de Lisboa cortar relações com o
mento luso-britânico. Quando Motta, no seu livro O Caso de Timor na II seu secular aliado. Num exercício de funam-
Salazar recebe o embaixador sir Ronald Hugh Guerra Mundial, Salazar registou num apon- bulismo diplomático, Salazar salvaguardou,
Campbell ao fim da tarde do próprio dia 17 tamento «o modo incomodado e ansioso» porém, os equilíbrios mínimos exigidos pela
de dezembro de 1941, «calmamente mas com como o embaixador apresentava desculpas política de neutralidade.
reprimida emoção» (palavras do diplomata), da precipitação que teria havido. E é «seca-
informa-o de que o governador de Timor, mente» que replica que o governo português A velha aliança treme
confrontado com o ultimato para autorizar o desejava «ser tratado com a seriedade que Desde os últimos meses de 1940 que a pres-
desembarque das forças aliadas, responde que punha em todas as negociações e conversações são nipónica em torno de Timor se vinha

60 V I S Ã O H I S T Ó R I A
manifestando de forma crescente. suponho antes que foi também vítima
A colónia portuguesa é vista pelos dele, o que não quer dizer que agora
Aliados como a porta de entrada na não procure cobrir inteiramente as
Austrália, de cuja costa dista pouco responsabilidades locais.»
mais de 700 quilómetros. O tom das Necessidades é di-
A pedido de Camberra, Londres ela- ferente. Teixeira de Sampaio, faz
bora um relatório sobre Timor. A 4 de ARMINDO MONTEIRO notar a Campbell que «o ultimato
novembro de 1941, o ministro dos Es- O embaixador britânico de 1890 ainda não tinha
trangeiros inglês convoca o embaixador português em Londres sido esquecido». O embaixador ad-
Armindo Monteiro para lhe pedir escla- temia uma intervenção mite que, «se não se encontrar uma
da Austrália e dos
recimentos sobre a atitude de Lisboa Países Baixos sem ser ponte, o dr. Salazar pode ir até ao limite
em caso de ataque japonês à ilha. Quer sob o «chapéu» do do corte de relações connosco».
TEIXEIRA DE SAMPAIO
saber se se encararia a possibilidade de Reino Unido
O secretário-geral do Referindo-se ao embaixador Cam-
auxílio externo. MNE acentuou que só pbell, Carlos Teixeira da Motta fala
No início de dezembro, Salazar dá o seu seria pedido auxílio do «receio quase patológico de que dá
acordo a conversações de âmbito militar em aos Aliados em caso provas na sua correspondência para
de ataque efetivo
Singapura com ingleses e australianos sobre à colónia, e nunca Londres, do que supõe ser o espírito
Timor. Em Londres, o embaixador português preventivamente extremamente ardiloso do dr. Salazar».
e sir Ormet Sargent, subsecretário adjunto Tóquio, por sua vez, garante «a inal-
dos Negócios Estrangeiros, concordam em para Londres, Campbell diz que Portugal terabilidade da sua política de colaboração
que seria o Reino Unido a oferecer o auxílio, «tem muito receio» de ser envolvido numa com Portugal». Esperava, no entanto, que o
no entendimento de que esse auxílio seria guerra com a Alemanha e a Itália. Um receio governo português conseguisse a retirada das
efetuado por tropas australianas e holandeses. partilhado: «As potências do Eixo estão a tropas aliadas. Se assim não fosse, «ver-se-ia
Armindo Monteiro diz para Lisboa: «Con- olhar para o dr. Salazar como um gato olha obrigado a destruí-las».
fesso que me aterrava a ideia de ver holandeses para um rato, pronto a saltar se ele dá um
ou australianos, como tais, defender Timor, passo em falso.» Ataque japonês
quer a nosso pedido quer como aceitação de Num despacho de 18 de dezembro, Armin- Em Londres, a crise é levada ao Gabinete de
simples oferta. Receei que nessas condições do Monteiro procura pôr água na fervura: Guerra na presença de Winston Churchill,
nunca mais de lá saíssem.» «Não creio que o Foreign Office tenha tido enquanto se prefigura o envio de tropas por-
Numa reunião com o embaixador
mbaixador Cam- conhecimento prévio do incidente de Timor; tuguesas para Timor e a saída das tropas
pbell, o secretário-geral doo MNE, Luís Tei- aliadas. Para o primeiro-ministro britânico,
xeira de Sampaio, comunica-lhe
a-lhe que o pedido porém, «os portugueses não têm capacidade
de auxílio só será concretizado
zado em caso de para proteger a sua neutralidade e Timor é
«ataque efetivo à nossa parterte da ilha», o que um ponto-chave». Sendo assim, a chegada
excluía qualquer ação preventiva,
ntiva, sendo estas de tropas lusas a Timor não implicaria de
as instruções a enviar ao governador
ernador de Timor. forma automática a retirada de australia-
O ataque japonês a Pearl earl Harbor, em nos e holandeses. No entanto, foi decidido
7 de dezembro, seguido da ocupação de optar pelo «logo se verá», não levantando
Hong-Kong, vai deixar os Aliados em aler- a questão com Lisboa.
ta vermelho. A 15, é detetada
ada a presença de É neste quadro que a força portuguesa
submarinos nipónicos em águas de Timor larga de Lourenço Marques (atual Maputo)
e, a 17, tropas australianas e holandesas in- a 22 de janeiro de 1942. Só que a situação vai
vadem o território, a pretextoxto da ameaça de sofrer uma rotação de 180 graus, quando, a
um ataque japonês. 19 de fevereiro, o dia previsto para a chegada
Para Carlos Teixeira da Motta subsistem
O embaixador destas tropas, uma força japonesa desem-
dúvidas sobre o papel britânico no processo: Morishima Morito barcou em Timor, tanto na parte portuguesa
«O pragmatismo do Foreign Office não se como na parte holandesa.
apercebe, ou não se quer aperceber, da dife-
publicou um livro O embaixador nipónico em Lisboa, Mo-
rença de uma agressão iminente e a suspeita em que se refere rishima Morito, comunica que as forças ja-
de uma ameaça de agressão; ou também vero- ponesas se viram obrigadas em sua própria
similmente está o Foreign Office convencido
à atividade por si defesa a expulsar as forças anglo-holandesas.
da real iminência do ataque.» Em telegrama desenvolvida em Lisboa Ao mesmo tempo, garante a integridade do

VISÃO H I S T Ó R I A 61
GUERRA DO PACÍFICO // PORTUGAL

de forças americanas com a nossa gente nos


Açores durante a outra guerra».
A 1 de dezembro, Salazar recebe uma
proposta para a construção de um aero-
porto na ilha de Santa Maria e é abordada
pela primeira vez a questão da ocupação de
Timor. O assunto entra assim na agenda
luso-americana e continua a ser tratado, nos

MEMÓRIAS E LEMBRANÇAS DA ILHA DE SANTA MARIA NO FACEBOOK


primeiros meses de 1944, agora pelo embai-
xador Raymond Norweb. Há um elemento
novo: os EUA pedem a Portugal para não
declarar guerra ao Japão.
Os contactos prosseguem de forma algo
arrastada até ao início de conversações em
Lisboa entre uma delegação portuguesa e a
delegação conjunta anglo-americana, com o
propósito «de discutir as propostas dos por-
tugueses para a sua participação na operação
de reconquista de Timor». As conversações
duram um mês, de 17 de setembro a 18 de
outubro de 1944.
Aeroporto de Santa Maria As Lajes já não respondiam às necessiddes dos EUA nos Açores «No dia 10 de outubro», escreve Carlos
Teixeira da Motta, «o dr. Salazar recebe o
território e que, enquanto a neutralidade se a sua aspiração de não entrar em guerra. embaixador americano e propõe-lhe um
mantivesse, seria respeitada a neutralidade de A exceção é Timor: «Quando os Aliados tive- acordo mediante o qual os Estados Unidos
Macau. As tropas portuguesas só receberiam rem um plano para libertar Timor, Portugal aceitariam a participação de Portugal nas
ordens para regressar a Lourenço Marques no deseja participar na operação para expulsar operações da retomada de Timor, partici-
início de março de 1942. os japoneses do Timor português.» pação essa que seria efetuada diretamente
Com o novo estado de coisas, Portugal põe O acordo luso-britânico, englobando o através do envio de forças portuguesas de
em cima da mesa a eventual declaração de compromisso de Londres de manutenção da acordo com os arranjos a que se chegara
guerra ao Japão. O tema é debatido com os soberania lusa sobre todas as suas colónias, nas conversações em curso e indiretamente
Aliados e entre os Aliados, que umas vezes seria assinado a 18 de agosto com efeito através da concessão ao governo americano
se mostram favoráveis à sua concretização, a partir de outubro. A coroar este enten- de facilidades para a construção e utilização
outras vezes reticentes ou evasivos. dimento, no início de 1944 Salazar recebe de uma base aérea na ilha de Santa Maria,
Após conversações com o Japão, em março um convite para visitar Londres. Lamenta, destinada a facilitar a passagem das forças
de 1943, Portugal envia a Timor um oficial contudo, não poder aceitá-lo. americanas para o teatro de operações no Pa-
português de Macau, o capitão Silva e Costa, cífico.» A reunião não deve ter sido agradável,
para conhecer melhor a situação do território. Carta de Roosevelt a Salazar pois Salazar dirá do embaixador americano
Regressado a 13 de abril, elabora um relatório Entretanto, como assinala Fernando Lima, que é mais limitado «do que os seus mais
que vai pesar na adoção de uma nova atitude «uma nova situação abrir-se-ia com o in- empedernidos estudantes de Coimbra».
de Lisboa face à ocupação da ilha. «Goradas teresse dos EUA em obter igualmente fa-
as expectativas de qualquer entendimento cilidades nos Açores». O primeiro passo
político com os japoneses, [Salazar] vislum- nesse sentido é dado com uma carta de
brou então uma possibilidade de recuperar Franklin Roosevelt a Salazar. Nessa carta,
A Austrália chegou
Timor, mudando de agulha no sentido dos o Presidente dos EUA evoca a sua visita à a sugerir a Portugal
Aliados», destaca Fernando Lima no seu livro Horta e a Ponta Delgada em 1918, quando
Timor – Da Guerra do Pacífico à Desanexação. era subsecretário da Marinha. Na verdade, o
a possibilidade
Esta viragem torna-se explícita quando, campo da Terceira não chegava e era preciso de arrendamento
a 23 de junho de 1943, o governo dá a sua outro aeródromo. Sem entrar em pontos
«anuência de princípio» ao pedido britânico concretos, Salazar responde «em tom muito
da colónia
de facilidades nos Açores, salvaguardando cordial», recordando «a boa camaradagem de Timor por 99 anos
62 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Tropas para Timorr
O navio João Belo
e a notícia da partida
da
do contingente na
primeira página
de O Século

D.R

era salvaguardar que ass forças japonesas se


ANTT

rendessem a tropas australianas que deve-


riam seguir para Timor. E a Austrália propu-
Sem que haja uma razão à vista, os america- plenipotenciário japonês, Morishima Mo- nha-se manter uma ocupação do território
nos tardam na resposta à proposta portugue- rito, e os funcionários da legação
l só deixam até chegar a um acordo com Portugal.
sa. Até que vem ao de cima que os americanos Lisboa em 19 de janeiro de d 1946, mas sem As pretensões australianas provocaram
não compreendem por que motivo é necessá- interrupção das relações luso-nipónicas uma roda-viva de contactos diplomáticos, até
ria uma contrapartida prévia para obter faci- A 5 de setembro de 1945, o comando japo- que, a 19 de setembro, segundo Carlos Teixeira
lidades em Santa Maria, ao contrário do que nês em Timor entrega-se às autoridades lusas. da Motta, «um telegrama do Ministério dos
se passara com os ingleses. Ao que parece, não De visita a Moçambique, Marcelo Caetano, Negócios Estrangeiros para o embaixador em
foi fácil fazer-lhes entender que as facilidades ministro das Colónias, dá ordens para dois Londres informa que se sabe de fonte absolu-
inglesas tinham por base jurídica a secular navios seguirem para Díli, via Colombo, em tamente fidedigna que o governo americano
aliança com Portugal, sendo o caso americano Ceilão. «Temia-se que holandeses ou austra- se iria manifestar junto do governo inglês no
diferente. Por fim, a 28 de novembro, Norweb lianos ocupassem a ilha antes de nós», observa sentido de considerar inaceitável a hipótese
e Salazar assinam o acordo sobre as facilidades Caetano no seu livro Minhas Memórias de Sa- de desembarque de forças australianas». No
nos Açores. Previamente, no mesmo dia, fora lazar. O ministro ainda admitiu visitar Timor. dia seguinte, por pressão britânica, a Austrália
assinado um acordo estabelecendo a forma Pôs a questão a Salazar, ao mesmo tempo que deixava as pretensões sobre Timor.
de participação de Portugal em operações no perguntava ao Comando Estratégico Aliado A batalha diplomática à volta do retorno
Pacífico e garantindo a soberania sobre Timor. do Índico se podia ser transportado em aviões de Portugal à soberania de Timor ainda terá
britânicos. O plano de viagem chegou pouco mais um lance, O alto comissário australia-
Arrendar Timor por 99 anos? depois. Mais tempo levou a resposta de Lisboa no em Londres, Stanley Melbourne Bruce,
Consumada a derrota do Japão, está à vis- indicando ser desnecessária essa deslocação. sugeriu ao embaixador português o arren-
ta o fim da ocupação nipónica de Timor. Terminou a guerra mas não os receios damento da metade portuguesa de Timor à
A 17 de agosto de 1945, Morishima Morito quanto às aspirações australianas, confir- Austrália por 99 anos. Em resposta, teve de
comunica a Salazar que o seu governo está madas a 28 de agosto, quando Camberra ouvir de Domingos Holstein Beck, duque de
pronto a restituir Timor à soberania por- pede secretamente a Londres para demorar Palmela, que rendera Armindo Monteiro em
tuguesa. Uma solução do agrado de Lisboa, os navios portugueses em Colombo. Segundo 1943, uma longa dissertação sobre a honra
pois põe de lado a Austrália. O ministro Fernando Lima, um dos objetivos do pedido e o prestígio portugueses.

VISÃO H I S T Ó R I A 63
PORTA-AVIÕES
AO FUNDO!
Nos meados do século XX foi moda o jogo
da batalha naval. A grande inspiração
para este «pacífico» entretenimento
tinham sido os grandes recontros
aeronavais da Guerra do Pacífico
– que não foram brincadeira nenhuma
Por Luís Almeida Martins

O 'Yorktown'
sob fogo japonês
Lançado à água em abril de
1936, este grande porta-
-aviões americano, padrinho
da classe com o seu nome,
chegou ao fim dos seus dias
em junho de 1942, na batalha
de Midway. Na foto das
horas de agonia, tirada a três
quartos, não se avalia bem a
dimensão do navio

64 V I S Ã O H I S T Ó R I A
GETTY IMAGES

VISÃO H I S T Ó R I A 65
GUERRA DO PACÍFICO // BATALHAS

N
a primavera de 1942, a expansão
japonesa atingira uma tal ampli-
tude que parecia que nada conse-
guiria travá-la. Depois do ataque
a Pearl Harbor, em dezembro de
1941, e das fulgurantes anexações
nipónicas à custa das possessões britânicas
e holandesas no Oriente, os Estados Unidos
da América estavam desmoralizados, e as
vozes que internamente tinham defendido a
política de isolacionismo passaram a criticar
entredentes a opção pela guerra determinada
pelo corte do fornecimento de petróleo ao
Japão, causa direta do ataque-surpresa à base
aeronaval do arquipélago de Hawai.
Em abril, os porta-aviões japoneses do al-
GETTY IMAGES

mirante Nagumo, que haviam participado no


ataque a Pearl Harbor, efetuaram um raide
nas águas de Ceilão, afundando dois cruza-
dores e um porta-aviões britânicos e desba- O presidente e o heroi Roosevelt condecora James Doolittle, estratego do raide a Tóquio
ratando um importante comboio de navios
de transporte dos Aliados no oceano Índico. glória. Realisticamente, em vez de invadirem no centro, e, no sul, as ilhas Fidji, as Novas
Se, com a cumplicidade do governo francês a Índia, as forças japonesas que ocupavam o Hébridas e a Nova Guiné, o que lhe permi-
de Vichy (colaboracionista com o Eixo), o sul da Birmânia infletiram para a província tiria ameaçar o arquipélago de Hawai e a
Japão ocupasse Madagáscar, o controlo do chinesa de Yunnan, enquanto os seus exérci- Austrália, cortar as linhas de abastecimento
Índico passaria a pertencer-lhe. Por isso, os tos de ocupação da China desciam do norte e americanas destinadas a este país-continente
britânicos decidiram tomar a dianteira e de- penetravam nas províncias de Chekiang e de e reforçar a sua proteção contra os ataques
sembarcar na grande ilha ao largo da costa Fukien para impedir os Aliados de utilizarem aéreos aliados. Ora, foi ao tentarem alcançar
oriental africana, colonizada pela França. os aeródromos ali existentes. Mas os chineses, estes objetivos que os japoneses conhece-
Um rasgo fez, entretanto, elevar o moral combatendo com determinação, travaram os ram os seus primeiros reveses importantes.
americano. Foi quando, em abril desse ano nipónicos em três frentes. A batalha do Mar de Coral estancaria o fluxo
de 1942, uma formação de 16 bombardeiros A principal ofensiva japonesa tendo em nipónico e a de Midway faria girar 180 graus
B-25, comandada pelo tenente-coronel James visto o alargamento do seu perímetro de- a sorte da guerra no Pacífico.
Doolittle, levantou voo da pista do porta- fensivo teve por cenário o oceano Pacífico.
-aviões Hornet e lançou bombas durante cerca O plano do Japão passava por ocupar as ilhas A batalha do Mar de Coral
de meio minuto sobre Tóquio e outras duas Aleutas, no norte, o arquipélago de Midway, Comecemos pela primeira. A batalha do Mar
cidades japonesas. de Coral, travada entre os dias 4 e 8 de maio
Se este raide, conhecido por «30 segun- de 1942, foi um duelo entre porta-aviões com
dos sobre Tóquio», forçou o Japão a fazer desfecho indeciso. Tratou-se do primeiro gran-
recuar forças para proteção da metrópole, de recontro da história naval em que os navios
nem por isso o estado-maior imperial deixou de superfície não trocaram entre si um único
de traçar objetivos que passavam pela defesa tiro. Para sorte dos americanos, os seus serviços
avançada, longe da retaguarda, como, por de informações «Magic» forneceram atempa-
exemplo, ataques, à Índia, à Austrália e ao damente ao almirante Frank Fletcher todos
Hawai. Sem que a opinião pública nipónica A batalha do Mar de os pormenores do plano nipónico. Consistia
disso tomasse conhecimento, a Marinha e o este na ocupação de Tulagi, no sul das ilhas
Exército entraram então em choque, pois este
Coral estancou o fluxo Salomão, e em fazer contornar por uma esqua-
último tinha a consciência de que lhe falta- nipónico e a de Midway dra a ponta leste da Nova Guiné, com vista a
vam efetivos para atacar – e, sobretudo, para ocupar Port Moresby. O desembarque japonês
ocupar – esses territórios, enquanto a Armada
fez girar 180 graus em Tulagi decorreu sem oposição no dia 3 de
vogava nas ondas de um idealizado oceano de a sorte da guerra maio, pois os aviões do Yorktown só chegaram

66 V I S Ã O H I S T Ó R I A
não encorajar o inimigo quer para não des-
moralizar a opinião pública interna.

A batalha de Midway
Já a segunda grande batalha, a de Midway,
travada um mês depois da do Mar de Coral,
marcou uma reviravolta na Guerra do Pacífico
e ditou, a prazo, a derrota japonesa.
No fim de maio, uma armada nipónica de
duas centenas de navios, incluindo 11 cou-
raçados, oito porta-aviões, 22 cruzadores e
65 contratorpedeiros e mobilizando mais
de 700 aviões largou do Japão e das Maria-
nas rumo ao atol de Midway, importante
base de reabastecimento dos EUA e escala
dos voos intercontinentais dos Clippers da

GETTY IMAGES
PanAmerica. Essa frota japonesa estava repar-
tida por uma força de combate, constituída
pelos porta-aviões de Nagumo; por uma força
'Raide de Doolittle’ Um B-25 levanta voo do Hornet, com bombas para lançar sobre Tóquio de ocupação colocada sob as ordens do vice-
-almirante Nobutaka Kondo; pela força das
no dia seguinte, demasiado tarde para atacar batalha do Mar de Coral pode considerar-se Aleutas comandada pelo vice-almirante Boshi-
a esquadra nipónica de escolta, mas mesmo nulo. O comboio de navios nipónicos que ro Hosogaya; e pela força principal às ordens
assim a tempo de bombardear os navios da rumava a Port Moresby teve de voltar para do comandante-chefe da marinha imperial,
marinha imperial do Mikado ancorados ao trás e o desembarque foi cancelado, mas em o almirante Isoroku Yamamoto em pessoa.
largo da ilha. No dia 7, uma força de invasão contrapartida as perdas americanas – so- O plano de Yamamoto era simples. A 3 de
proveniente de Rabaul foi assinalada quando bretudo o Lexington, que foi tão atingido junho, Hosogaya deveria operar uma diversão
singrava rumo a Port Moresby. Os aviões ameri- que teve de ser afundado por um destroyer para as bandas das ilhas Aleutas, enquanto
canos atacaram-na prontamente e afundaram – foram grandes, embora não tanto quando o resto da frota convergiria para Midway. No
o porta-aviões ligeiro Shoho. Por seu turno, os imaginavam os japoneses. Aliás, a perda do dia 4, os aviões de Nagumo bombardeariam
aparelhos japoneses que andavam à procura Lexington foi mantida em segredo, quer para o atol e no dia seguinte Kondo ocupá-lo-ia.
de porta-aviões americanos depararam com
o contratorpedeiro Sims e com o petroleiro
Neosho, que afundaram no mesmo dia.
Mas, nessa primeira abordagem, nenhu-
ma das partes em confronto deparou com
o grosso da esquadra inimiga. Foi só no
dia 8 que um aparelho americano avistou
a força principal nipónica, acabando por
ser seriamente danificado o porta-aviões
Shokaku. O seu navio irmão, o Zuikaku,
escapou incólume, mas perdeu um grande
número de aviões, o que lhe reduziu a efi-
cácia. Entretanto, as aeronaves japonesas
tinham também localizado a posição das
GETTY IMAGES

unidades americanas, tendo o Lexington e o


Yorktown sido bombardeados e torpedeados.
Os japoneses deram-se por satisfeitos com
os resultados alcançados, ainda que não te-
O fim do 'Lexington' Atingido por aviões japoneses durante a batalha do Mar de Coral,
nham atingido os objetivos traçados. Na o grande porta-aviões americano explodiu e acabaria por receber o golpe de misericórdia
verdade, como atrás se disse, o desfecho da dos seus navios de escolta

VISÃO H I S T Ó R I A 67
GUERRA DO PACÍFICO // BATALHAS
GETTY IMAGES

Destroço flutuante Um avião japonês abatido permanece à deriva enquanto se desenrola a batalha do Mar de Coral

Quando a esquadra americana lançasse o


seu contra-ataque, os poderosos e rápidos
couraçados de Yamamoto, que estariam fora
do alcance dos aviões americanos, desferir-
-lhe-iam o golpe de misericórdia. Uma vez
transformado o atol de Midway em base aérea
nipónica, seria fácil manter em xeque os raides
da Armada americana no Pacífico central e
do sul. A ideia era os japoneses servirem-se
posteriormente de Midway como plataforma
de invasão do Hawai.
Para ter sucesso, o plano de Yamamoto
exigia surpresa. Mas, uma vez mais, a deci-
fração «Magic» do código nipónico poria o
almirante Chester Nimitz ao corrente das
GETTY IMAGES

GETTY IMAGES

linhas gerais do plano inimigo, permitin-


do-lhe anulá-lo. Depois de ter enviado para
Midway o máximo de aviões, canhões e ho-
Almirante Isoroku Yamamoto Almirante Chester Nimitz O comandante
mens que o pequeno atol em forma de U Foi o chefe da Armada japonesa o autor da esquadra norte-americana do Pacífico
podia albergar, Nimitz repartiu os seus três do mal sucedido plano da batalha de Midway aponta, num mapa, o alvo final: Tóquio
porta-aviões por duas esquadras de combate.
A chamada Esquadra 16, posta sob o coman- (reparado no tempo recorde de 48 horas no No dia seguinte, os porta-aviões de Nagumo
do do contra-almirante Raymond Spruance, arsenal de Pearl Harbor), dois cruzadores eram localizados 200 milhas a noroeste de
compreendia os porta-aviões Enterprise e e sete contratorpedeiros. Nimitz dispôs as Midway, quando tinham já expedido os seus
Hornet, seis cruzadores e nove destroyers; a duas esquadras a norte de Midway, de onde aviões rumo ao atol. Levantaram logo voo
designada Esquadra 17, confiada ao comando esperava ver surgir Nagumo. bombardeiros e torpedeiros americanos para
(ao mesmo tempo que o comando-geral) do A 3 de junho, a força de diversão de Hoso- intercetar as aeronaves e atacar os navios
contra-amirante Fletcher, incluía o Yorktown gaya bombardeou Dutch Harbor, nas Aleutas. japoneses. A verdade era que os caças ameri-

68 V I S Ã O H I S T Ó R I A
GETTY IMAGES

O 'Shoho' em chamas Foram explosões de torpedos que selaram o destino deste porta-aviões japonês, no mar de Coral

canos não podiam rivalizar em eficácia com os contratorpedeiros japoneses tiveram de lhe A força de diversão japonesa apoderara-se,
rápidos e extremamente manobráveis Zeros desferir o golpe de misericórdia. entretanto, de Attu, Kiska e Adak, nas Aleu-
nipónicos de escolta, acabando os bombardei- Dois dias depois, o Yorktonw, muito da- tas, mas o balanço final da grande batalha
ros japoneses por conseguir alcançar o atol de nificado mas ainda à tona e escoltado pelo de Midway foi o maior desastre da história
Midway e bombardeá-lo. Só por milagre as contratorpedeiro Hamman, foi afundado, jun- naval japonesa. Yamamoto perdeu os seus
instalações essenciais – pistas de aterragem, tamente com este, por um submarino japonês. quatro melhores porta-aviões, os seus pilotos
radar e rádio – não foram atingidas, mas os Ao cabo de três dias e três noites de rijo com- de elite, um cruzador pesado, uns 275 aviões
Zeros derrubaram a maior parte dos aviões bate, durante os quais perdeu os seus porta-a- e mais de 4800 homens. Mas, de acordo com
americanos antes que estes pudesse alvejar, viões, Yamamoto abandonou a luta, ordenando a mentalidade japonesa, o mais penoso para o
uma vez que fosse, os navios inimigos. que a esquadra nipónica desse meia volta. comandante foi ter perdido a face deixando-
No dia 4, de manhã, as esquadras inimi- -se derrotar por uma frota de muito menores
gas localizaram-se mutuamente e largaram dimensões.
os respetivos aviões. Os americanos fizeram Quanto aos EUA, tinham perdido o
descolar primeiro 41 torpedeiros, mas 35 Yorktown, o Hamman, 150 aviões e 307
deles foram abatidos sem que um só torpedo homens, mas mantinham a posse do estra-
atingisse o alvo. Estes aparelhos atraíram, tégico atol de Midway. A ameaça nipónica
contudo, os caças japoneses, deixando o ca- ia-se desvanecendo e dentro em pouco as
minho livre aos bombardeiros do Enterprise, forças dos EUA tomariam a iniciativa das
que puderam assim alcançar a esquadra con- operações.
trária e meter no fundo dois porta-aviões – o O caminho até à vitória final americana
Kaga e o Soryu – enquanto os do Yorktown
Em 1943 o Japão seria ainda longo e difícil de trilhar, mas era
tornavam pasto das chamas o porta-aviões estava já relegado à quase certo que ela seria alcançada graças à
almirante de Nagumo, o Akagi. O último dos superioridade material e – a partir da batalha
porta-aviões de Nagumo, o Hiryu, lançou por
defensiva face a um de Midway – moral dos EUA. Em 1943 o Japão
sua vez os seus aparelhos contra o Yorktown, inimigo superiormente ver-se-ia relegado à defensiva, atitude que, face
que foi atingido por bombas e torpedos. Mas a um inimigo superiormente equipado e com
uma pronta resposta dos aviões do Enter-
equipado e com reservas quase inesgotáveis, não poderia deixar
prise pôs o Hiryu em tão mau estado que os reservas inesgotáveis de significar derrota a prazo.

VISÃO H I S T Ó R I A 69
GUERRA DO PACÍFICO // BATALHAS

As últimas cerejeiras
do ‘kamikaze’
Na fase final do conflito, o Japão fez descolar milhares
de aviões carregados de explosivos destinados
a despenharem-se sobre navios de guerra inimigos.
Alguns dos pilotos suicidas eram adolescentes
por João Pacheco

A
s cerejeiras próximas da base Divino, quando a situação do Japão na
aérea já tinham deixado cair guerra já era tão desesperada que a invasão
todas as flores, quando Hayashi do país parecia quase inevitável. «O nome

ROGER VIOLLET/GETTY IMAGES


se despediu da mãe pela segun- dos pilotos tinha origem no ‘vento divino’
da vez. Mas como o avião conti- (kamikaze ou shinpu) que protegera o Ja-
nuava avariado, a missão voltou pão das invasões dos mongóis, no século
a ser adiada. Foi preciso esperar mais de dez XIII», escreve Kenneth Henshall no livro
dias numa base militar na Coreia, antes de História do Japão (2008).
descolar para o voo sem regresso, a bordo de
um avião carregado de explosivos. O piloto Alguém decidiu por mim
só podia escrever à luz de uma fogueira e São muitas as cartas e as entradas de diário faziam os filósofos antigos. Mas é da morte
aproveitou então o tempo de vida suplemen- do piloto Hayashi Ichizo que estão publicadas. concreta que eu tenho medo, e não sei se serei
tar para escrever à mãe mais três cartas de O hábito de escrever diários era incentivado capaz de vencer o medo.» Com ou sem medo,
despedida. Contou-lhe como na véspera fora nas universidades e mal acabou a guerra – com Hayashi morreu aos 23 anos. No último voo
dar um passeio ao anoitecer, deitando-se a rendição do Japão – alguns familiares de pi- do kamikaze seguiu um exemplar da Bíblia,
num campo de ervilhaca a pensar na casa da lotos kamikaze foram publicando esses diários um livro de hinos, uma fotografia da mãe, o
família. Contou-lhe como se lembrava das em livro. São comuns as entradas de diário livro de Kierkgaard A Doença até à Morte e
flores lá de casa: «Todas as manhãs, quando em que os pilotos comentam livros de Filo- dois presentes oferecidos pela mãe. Um des-
lavo a cara num riacho, penso na nossa casa sofia que leram, sempre à luz do contexto ses dois presentes era um amuleto comprado
no campo com o Hibiscus mutabilis em pessoal em que se encontram. Tentam num santuário xintoísta em Sasebo, que servia
flor e o pequeno ribeiro onde crescem assim encontrar uma explicação ra- para proteger o soldado das balas do inimigo.
os junquilhos.» cional para o sacrifício humano a que O outro presente era uma bandeira do Japão
Em muitas dessas linhas manuscritas, estão destinados, com maior com uma citação da Bíblia escrita pela mãe do
Hayashi Hichizo tentou sobretudo apa- ou menor convicção. Pelo piloto: «Mil cairão ao teu lado, dez mil à tua
ziguar a dor daquela morte anunciada, meio, mandam recados para a direita, mas tu não serás atingido.»
apelando à fé cristã partilhada por família, escrevem poemas, co- Nesses últimos dias já não havia escapató-
mãe e filho. Sem sucesso, por- mentam a situação do Japão na ria possível e nem a força de duas religiões
que no fim da guerra a mãe guerra, lamentam a sua má sorte, o afastou do último voo. Apesar de o fazer
do piloto havia de maldizer o questionam o sentido de morrer sem convicção: «Para ser sincero, não posso
militar de alta patente que deu tão novos e daquela maneira. dizer que o desejo de morrer pelo impera-
luz verde às operações kamikaze, Hayashi formou-se na Univer- dor seja autêntico, vindo do meu coração.
como lhes chamavam os Aliados. sidade Imperial de Quioto e saiu Porém, alguém decidiu por mim que eu vou
Guerreiro
Em japonês, estas missões eram samurai diretamente para integrar a Ope- morrer pelo imperador.»
conhecidas como tokkotai. E foi Um «vento divino» ração Tokkotai. Levava na cabeça
o vice-almirante Onishi Takijiro (kamikaze) muitos livros lidos e escreve por O suicídio ritual
quem criou a Operação Tokkotai, protegera o Japão exemplo sobre a morte: «É fácil Os primeiros pilotos kamikaze entraram
dos mongóis, no
ou Força Especial de Ataque Vento séc. XIII falar da morte em abstrato, como em ação na Batalha do Golfo de Leyte, nas

70 V I S Ã O H I S T Ó R I A
A arma terrível A colisão de dois
kamikaze contra o porta-aviões
Bunker Hill, em 11 de maio de 1945,
foi a causa da morte de 391 homens
(ao lado). Em baixo: Um aparelho
Yokosuka usado nos voos sem
regressso e um piloto kamikaze
colocando na cabeça a faixa ritual
Uma missão sem sentido
Ao contrário do que a propaganda militar ja-
ponesa defendia durante a guerra, era comum
os pilotos kamikaze sentirem que não tinham
escolha. «Quando, em 1944, a operação foi lan-
çada, nem um só dos oficiais que tinham sido
formados nas academias militares se ofereceu
como voluntário para sair como piloto; todos
sabiam que era uma missão sem sentido que
terminava na morte», escreve Emiko Ohnuki-
-Tierney no livro Diário dos Kamikaze: refle-
xões dos soldados-cadetes japoneses (2008).
«Dos cerca de 4 mil pilotos tokkotai, perto de
3 mil eram os chamados pilotos adolescentes,
escolhidos de entre soldados recentemente
recrutados e alistados que eram inscritos num
programa especial destinado a dar formação
a rapazes muito novos. À volta de mil eram
‘soldados-cadetes’, estudantes universitários
que o governo diplomava rapidamente para
os integrar nas fileiras.»
GETTY IMAGES

Numa das últimas cartas para a mãe,


Hayashi Ichizo descreveu a partida dos pi-
lotos para o último voo. «Dê saudades minhas
a todos. Já não tenho tempo de lhes escrever.
Filipinas, em outubro de 1944. «Foi o maior seja qual for a sua classe, é a maneira como Vamos todos lançar-nos sobre os navios ini-
confronto naval da história. Dele resultou vai enfrentar a morte», escreve Taïra Shigé- migos. A indumentária dos pilotos tokkotai
a destruição efetiva da armada japonesa», suké no livro Código de Honra do Samurai. quando partem para a missão final inclui
escreve Henshall. Contra os porta-aviões «Por mais eloquente e inteligente que possas uma fita na cabeça com o sol nascente e um
americanos, passaram então a ser lançados parecer, se perderes todo o sangue-frio no lenço de uma brancura imaculada ao pescoço.
ataques com pequenos submarinos, planado- momento da morte, passando desta para Fazem lembrar os quarenta e sete samurais.»
res e aviões. Os aparelhos seguiam carregados melhor de uma forma indecorosa, terá sido A partida costumava envolver uma canção
de explosivos em direção ao alvo, dirigidos por vã a tua conduta passada, e serás desprezado em honra do imperador. E – pelo menos para
tripulação humana – quase sempre uma pes- pelas pessoas de bem.» que fossem tiradas fotografias de propaganda
soa sozinha. Não se esperava que os homens – terá havido estudantes universitárias a des-
regressassem às bases, nem sequer havia au- pedirem-se dos pilotos no momento da desco-
tonomia de combustível suficiente para isso. lagem, acenando com ramos de cerejeira em
Fazia parte da cultura japonesa a aceitação flor. O imaginário ligado às cerejeiras em flor
do suicídio por motivos de honra. Alguns faz parte da cultura japonesa e foi apropriado
jovens japoneses aprendiam ainda na casa pelos militares japoneses antes e durante a
dos pais a praticar o suicídio ritual. Esse era guerra, escreve Emiko Ohnuki-Tierney. Os
também um ponto inicial da formação mili- próprios aviões muitas vezes eram simples
tar de qualquer soldado, para que soubesse bombas com pequenas asas, desenhados de
matar-se em caso de captura iminente pelo forma a serem pilotados uma só vez em direção
inimigo. Antes de mais nada, os recrutas eram
Fazia parte da cultura a um alvo. Mas tinham na fuselagem uma flor
ensinados a premir o gatilho da própria arma japonesa a aceitação de cerejeira pintada.
com um pé, apontando ao sítio certo para que Quando Hayashi Ichizo estava quase a
conseguissem morrer depressa. E em vários
do suicídio (aprendido partir para o último voo, escreveu à mãe a
momentos da guerra houve muitos desses ritualmente na infância contar que as cerejeiras próximas da base
casos, sendo raros os soldados japoneses que já só tinham folhas verdes, tendo perdido
se rendiam ou que se deixavam capturar vivos.
em casa dos pais) por todas as flores. «Estão lindas, lembram-me
«A primeira preocupação de um guerreiro, motivos de honra a nossa terra.»

VISÃO H I S T Ó R I A 71
GUERRA DO PACÍFICO // BATALHAS

O êxito dos a vingar os seus camaradas, ao surpreender o


submarino I-73 à superfície e lançar três tor-
pedos que o enviaram para o fundo com toda
a tripulação. Era a primeira das 14 vítimas

submarinos
Mais de 5 milhões de toneladas de navios japoneses foram
do Gudgeon, e com o passar dos dias outros
afundamentos começaram a dar o alerta ao
Império do Sol Nascente: os Estados Uni-
dos estavam a ripostar e os seus submarinos
neutralizadas. Ao contrário da luta dos U-Boote alemães eram uma ameaça a ter em conta, ainda que,
no Atlântico, a guerra dos submarinos americanos naqueles primeiros tempos, fossem muitos
e de países aliados no Pacífico foi bem sucedida os problemas que diminuíam a sua eficácia.

Q
uando, em 7 de dezembro de tava intacta e de os tanques de combustível Coragem e frustração
1941, o último avião japonês se permaneciam cheios. Foi um golpe de sorte Um bom exemplo das dificuldades iniciais
afastou de Pearl Harbor, os caças rapidamente aproveitado. Os submarinos ocorreu com o USS Seawolf, um submarino
e os bombardeiros norte-ameri- eram a arma ideal para contra-atacar o Japão, da Frota Asiática que partiu de Cavite, nas
canos eram piras fumegantes e a pois podiam deslocar-se para qualquer ponto Filipinas, com ordens para causar o máximo
outrora poderosa frota de coura- do seu vasto império e afundar os navios de danos às frotas nipónicas que invadiam
çados estava encalhada nas águas do porto. mercantes que transportavam o petróleo e este arquipélago. Comandado por Frederick
É certo que os porta-aviões tinham sobrevi- as matérias-primas cruciais para a economia Warder, conhecido como «Freddie Destemi-
vido, mas eram poucos, estavam dispersos, nipónica. Além disso, eram exímios a embos- do», largou da sua base e navegou para norte,
e afrontar a força Kido Butai – que agrupava car os navios de guerra japoneses e a alertar onde os soldados do general Homma estavam
os poderosos porta-aviões japoneses – teria a marinha norte-americana, evitando assim a desembarcar. Ao aproximar-se de Aparri
sido um suicídio. novas surpresas como a de Pearl Harbor. viu um contratorpedeiro japonês a proteger a
Porém, quando a situação acalmou, o co- Quatro dias após o ataque, o USS Gudgeon entrada do porto, sinal de que o ancoradouro
mando norte-americano apercebeu-se de que partiu de Pearl Harbor rumo ao Japão e em não estaria vazio. Recorrendo ao seu sangue
nenhum dos quatros submarinos que estavam finais de dezembro de 1941 já navegava ao frio e experiência, Warder conseguiu iludir
no porto tinha sido danificado, de que a base largo de Kyushu, a terceira maior ilha do o contratorpedeiro e entrar no porto, onde
de apoio onde se guardavam os torpedos es- arquipélago nipónico. Em janeiro começou deu de caras com um enorme navio de apoio
a hidroaviões – um alvo prioritário que, anco-
rado, era praticamente impossível de falhar.
Warder calculou a solução de tiro e lançou
quatro dos modernos torpedos Mark XIV,
enquanto o submarino rodava para escapar
ao inevitável contra-ataque japonês. Warder
esperou e desesperou, mas nada aconteceu.
Enquanto se dirigia para a saída, lançou ou-
tros quatro torpedos e ficou a observar pelo
periscópio os resultados. Desta vez viu uma
ligeira pluma de água junto ao casco, mas
nenhuma explosão, tendo de conter a fúria
NAVAL HISTORY AND HERITAGE COMMAND

para conseguir escapar ao ataque com cargas


de profundidade de que foi alvo após ter sido
detetada a sua presença.

Pescadores portugueses
O episódio vivido por Warder esteve longe de
ser caso único. Dezenas de relatórios narra-
vam episódios semelhantes, mas o Estado-
Salvamento Prisioneiros britânicos e australianos são resgatados das águas do Pacífico -Maior culpou os comandantes e atribuiu o
depois de o submarino Sealion ter afundado os navios japoneses em que seguiam fenómeno a erros humanos. A situação só

72 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Depois da rendição
Submarinos,
contratorpedeiros e outros
navios da Marinha japonesa
aguardam o abate atracados
em Kure, Hiroshima

rinha japonesa era chacinada. A 19 de junho,


e em plena batalha do mar das Filipinas,
ainda não eram 9 da manhã quando o USS
Albacore torpedeou o porta-aviões Taiho,
terminando a sua curta carreira com uma
brutal explosão que matou 1650 homens.
Três horas mais tarde foi a vez do Shokaku,
um veterano do ataque de Pearl Harbor,
ser afundado pelo USS Cavalla com outros

NAVAL HISTORY AND HERITAGE COMMAND


570 tripulantes a perderem a vida. Naque-
le verão a pressão era de tal ordem que só
os comboios navais fortemente escoltados
conseguiam atravessar o bloqueio, e mesmo
assim, com pesadas perdas.
Já não havia zonas seguras. A 21 de no-
vembro, o USS Sealion ultrapassou a escol-
ta do couraçado Kongo e enviou-o para o
fundo do estreito da Formosa. Uma semana
mudou no ano seguinte, com a nomeação mais tarde foi a vez de o USS Archerfish
do contra-almirante Charles Lockwood para abater o Shinano, que com 65 mil tone-
comandar a força submarina do sudoeste ladas era de longe o maior porta-aviões
do Pacífico. do mundo. A polivalência dos submarinos
Lockwood começou por pedir informações também ficou demonstrada com a varieda-
ao Departamento de Munições acerca dos de de missões que lhes foram atribuídas, e
resultados dos testes feitos com o torpedo. que tanto podiam ir da plantação de campos
Recebeu a resposta de sempre, acusando A produção em massa de minas nas águas costeiras ao largo de
os comandantes de usar o torpedo como
bode expiatório para os seus erros. Longe de
de submarinos criou Honshu como a participar em raides na ilha
de Makin, passando pelo reconhecimento
estar convencido, decidiu ele mesmo testar «alcateias» capazes de portos inimigos, o transporte de armas
o Mark XIV com o auxílio de quatro pes-
cadores portugueses que conceberam uma
de patrulhar em e instrutores para as guerrilhas filipinas, e
o salvamento de quase 400 pilotos abatidos
rede que serviria para medir a profundidade permanência as rotas durantes as intensas batalhas aeronavais
a que o torpedo passava. Após vários testes
ficou provado que o torpedo corria abai-
marítimas japonesas da fase final da guerra. Entre estes homens
estava um jovem tenente chamado George
xo da profundidade oficial, acabando por Bush, futuro presidente dos Estados Unidos
afundar-se sem sequer tocar no alvo. Mais nos radares permitia detetar os seus alvos a que foi salvo de uma morte certa pelo USS
tarde também se verificou que o detonador grandes distâncias e manter o contacto mes- Finback.
magnético tinha graves problemas de fiabi- mo quando a visibilidade era nula e, como se Terminada a guerra, a lista de navios
lidade e que o de contacto tinha um defeito não bastasse, os códigos japoneses tinham afundados era impressionante e incluía
de design que fazia o pino dobrar em vez sido decifrados e os norte-americanos liam as um couraçado, oito porta-aviões, quatro
de percutir, deficiências que tinham salvo comunicações onde muitas vezes se indicava cruzadores pesados e nove ligeiros, além
dezenas e dezenas de navios japoneses de a formação de comboios e as rotas a seguir. de dezenas de contratorpedeiros, fragatas,
uma destruição certa, até que em finais de O Japão não conseguia acompanhar a evo- corvetas e submarinos, num total de 201
1943 a maré começou a mudar. lução tecnológica nem tinha uma indústria navios de guerra a que se somaram 1113
A resolução dos problemas do Mark XIV capaz de produzir navios ao ritmo a que eram mercantes e petroleiros, e um total acumu-
aumentou a letalidade dos ataques. A produ- afundados, pelo que a derrota era uma mera lado de mais de 5 milhões de toneladas. Uma
ção em massa de submarinos da classe Balao questão de tempo. vitória avassaladora com um elevado preço
tornou possível patrulhar em permanência a pagar: 52 submarinos foram afundados
as principais rotas marítimas japonesas e Massacre em alto-mar e 3505 marinheiros perderam a vida, mas
criar «alcateias» semelhantes às que os nazis Em 1944, enquanto no Atlântico a ameaça o seu sacrifício foi decisivo para derrotar o
operavam no Atlântico. A adição de moder- submarina era dominada, no Pacífico a ma- império japonês. Ricardo Silva

VISÃO H I S T Ó R I A 73
GUERRA DO PACÍFICO // EUA
DOROTHEA LANGE/B
IBLIOTECA F. D. ROOSEV
ELT

Le
L
Legenda
ege
gen ndda arranque
arranq
nque Le
Legenda
L ege
g nda texto Obis il ipit
ip
pit q
qui
u
ui
is u
is utt qu
q
queSimusam
ue
eSSim
imus
u am
us m

Família Yanagi No momento da partida, todos –


adultos e crianças – eram obrigados a usar cartões
com a identificação presos às roupas

sublinhando a impossibilidade de perceber

Campos de guerra
Depois de Pearl Harbor, 120 mil homens, mulheres
a diferença entre cidadãos leais e desleais
«olhando apenas para eles, ou para seu nome,
vendo a cor da sua pele ou ouvindo-os falar».
Mas poucos lhe deram atenção.
e crianças de origem japonesa residentes nos EUA
foram detidos e enviados para campos de concentração, Cidadãos de ‘alto risco’
por razões de «segurança nacional» Escassas 24 horas após o ataque, cerca de
1500 membros da comunidade nipo-ame-
por Clara Teixeira
ricana foram considerados de «alto risco»
e levados de suas casas, sem qualquer expli-

N
ascida em 1939 na Califórnia, «internados» em campos de concentração, cação. As autoridades confiscaram rádios,
Jane Yanagi Diamond passou a por razões de «segurança nacional». Na al- câmaras e outros objetos que pudessem ser
maior parte dos anos da II Guer- tura, o encarceramento em massa da comu- utilizados para «ajudar» o inimigo. Muitos,
ra Mundial detida com a família nidade nipo-americana foi justificado pela em pânico, queimaram e destruíram tudo o
num campo de concentração no necessidade de proteger o país de eventuais que pudesse ligá-los ao Japão. O medo, aliado
Utah. Tinha 2 anos e meio quan- atos de «espionagem» e de «sabotagem.» a uma cultura ancestral de obediência e de
do viu os pais enfiarem, à pressa, uns quantos Depois de Pearl Harbor, os americanos respeito, levou-os a aceitar a ordem de en-
objetos pessoais em duas malas de viagem an- temeram que o Império do Sol Nascente carceramento praticamente sem contestação.
tes de serem forçados a partir, com três filhos, pudesse atacar e invadir a Costa Oeste dos Com pouco mais de uma semana de aviso,
para um dos dez campos de «realocação» – na EUA a qualquer momento, com o auxílio dos famílias inteiras viram-se forçadas a vender
terminologia oficial da época – erguidos em imigrantes de origem nipónica radicados nos os seus bens ao desbarato e a deixar para trás
áreas desérticas dos Estados Unidos. estados de Washington, Oregon, Califórnia e casas, lojas, colheitas e animais de estimação,
Dez semanas decorridas sobre o ataque sul do Arizona desde há várias décadas. Mes- levando consigo apenas o que conseguissem
a Pearl Harbor, Franklin D. Roosevelt, um mo sem evidências de que representassem transportar. A angústia foi exacerbada pelo
dos presidentes mais populares de sempre, uma ameaça real, o ataque inflamou e disse- facto de ninguém saber «para onde estava
assinou o decreto presidencial 9066. Esse minou um sentimento racista contra o povo a ser levado, nem por quanto tempo», nas
simples pedaço de papel, datado de 19 de japonês. Um sinal disso terá sido a rejeição palavras de Jane Yanagi Diamond.
fevereiro de 1942, constituiu a base legal para inicial à «realocação» das famílias por parte Com uma capacidade que podia ir de 7 a
que 120 mil homens, mulheres e crianças de do poderoso diretor do FBI, J. Edgar Hoover. 18 mil residentes, os dez campos, instalados
origem japonesa – 80 mil dos quais eram já A primeira-dama, Eleanor Roosevelt, tam- numa área que abrangia o leste da Califórnia,
cidadãos norte-americanos – tivessem sido bém se opôs à decisão de «internamento», Arizona, Utah, Idaho, Wyoming, Colorado

74 V I S Ã O H I S T Ó R I A
DOROTHEA LANGE/BIBLIOTECA F. D. ROOSEVELT
DOROTHEA LANGE/ BIBLIOTECA F. D. ROOSEVELT

Processo de «realocação» A partida e a instalação de milhares de nipo-americanos nos


campos foram documentadas por Dorothea Lange, conhecida pelas suas imagens dramáticas
da Grande Depressão. Ao lado, uma perspetiva do campo de Manzanar, na Califórnia, em 1942

e Arkansas, consistiam em construções de houve revoltas, reprimidas por guardas que detenção foi anulada, permitindo o regresso a
madeira vigiadas por guardas armados e cer- atiravam a matar. Os registos oficiais indicam casa. Mas muitos já não tinham casa. Tinham
cadas com arame farpado. À medida que iam que dezenas de doentes foram diagnosticados sido confiscadas ou simplesmente ocupadas.
chegando, em comboios vigiados, as famílias com problemas psiquiátricos. O número de Só depois da guerra é que muitas famílias
eram alojadas em blocos habitacionais. Al- suicídios foi estimado em quatro vezes supe- puderam reunir-se. Mas, durante décadas,
gumas levaram mobílias e roupas, mas em rior ao do período de pré-encarceramento. pais, filhos e netos mantiveram o silêncio
muitas divisões havia apenas um fogão a As mortes por doença também registaram sobre a humilhação vivida nos campos de
carvão e uma lâmpada no teto. Cada bloco valores elevados, em consequência da má concentração. «Os meus pais e as pessoas da
tinha salas de refeições, balneário comum e nutrição e de doenças como a poliomielite. sua geração nunca falavam sobre o assunto»,
zona de recreio para 275 a 300 pessoas. Os admitiu Jane Yanagi Diamond no 75º ani-
campos tinham escolas, oficinas, pequenas O regresso versário do ataque. «Sentiam uma tremenda
fábricas e lojas. Os residentes participavam Só em 1944, perto do final da guerra, é que vergonha», disse ainda, acrescentando que
no «esforço de guerra», trabalhando na terra o Supremo Tribunal dos EUA proibiu a de- «a geração seguinte – a minha – também
e no fabrico de equipamentos militares, po- tenção de cidadãos «leais». Por essa altura, raramente falava sobre o assunto, a não ser
dendo ganhar um pequeno salário. passou a ser permitida a partida dos «resi- que as crianças perguntassem.» Mas, quando
A vivência nos campos afetou profunda- dentes». O governo federal comparticipou desfiavam memórias, recordavam o calor, o
mente as relações familiares tradicionais ja- as despesas do regresso com 25 dólares, uma frio, o vento, o pó e o isolamento dos campos.
ponesas. As crianças passavam mais tempo quantia que pagava apenas algumas refeições Com o fim da guerra, o drama dos «inter-
a socializar umas com as outras do que com e um bilhete de comboio. No final do ano, nados» foi quase esquecido. Os sobreviventes
a família. O homem deixou de ser o único mais de 40 mil prisioneiros tinham sido li- esperaram décadas por um pedido de des-
ganha-pão quando a mulher passou a ter bertados. A 2 de janeiro de 1945, a ordem de culpas do governo. Em 1983, o Congresso
também uma ocupação. A governação dos concluiu que a detenção de nipo-americanos
campos exigia o domínio do inglês e permi- foi motivada não por uma razão militar, mas
tia que apenas quem detinha a nacionali- sim pelo «preconceito racial, pela histeria de
dade americana participasse em conselhos
O medo, aliado a uma guerra e pelo fracasso da liderança política».
comunitários. Essas regras criaram tensões cultura de obediência, Cinco anos depois, o então presidente Ronald
intergeracionais, quando o jovem adulto Reagan decretou a atribuição de uma indem-
nisei bilingue, pertencente à segunda ge-
levou as famílias a nização de 20 mil dólares a cada sobrevivente.
ração já nascida nos EUA, começou a ter aceitarem a ordem de O presidente seguinte, George Bush, reconhe-
mais poder do que o ancião issei, da primeira ceu, por ocasião do 50º aniversário de Pearl
geração de imigrantes de língua japonesa.
encarceramento quase Harbor, a «grande injustiça» do tratamento
Nem todos lidaram bem com a situação e sem contestação dispensado à comunidade.

VISÃO H I S T Ó R I A 75
GUERRA DO PACÍFICO // CATIVEIRO

Escolhidas Mulheres
e crianças são levadas
à força de Penão,
na Malásia, para as
recém-ocupadas ilhas
Andamão, no oceano
Índico, em 1942

ço de militares nipónicos, detida num dos


muitos bordéis organizados pelo Exército
Imperial Japonês por todo o lado onde havia
homens destacados.

Queria ser freira


Jan queria ser freira e tinha 19 anos em
março de 1942, quando as forças japonesas
invadiram Java. Nessa altura, a Indonésia
era ainda uma colónia holandesa. E Jan foi
enviada para o campo de concentração de
Ambarawa, com a mãe e duas irmãs mais

GETTY IMAGES
novas. Ficaram detidas três anos e meio, até
ao final da guerra.
Mas antes de a guerra acabar, todas as
prisioneiras que tinham entre 17 e 21 anos

As escravas foram alinhadas no campo de concentra-


ção, em fevereiro de 1944. Coube então a
oficiais japoneses a seleção das dez que lhes

de conforto
pareceram mais bonitas. Jan e as outras
nove raparigas escolhidas nunca tinham tido
relações sexuais. E foram levadas do campo
de Ambarawa para a cidade portuária de
A violação de mulheres de territórios ocupados foi Semarang, onde entraram ao serviço nes-
organizada sistematicamente pelo Exército Imperial sa noite, sendo logo violadas na estação de
Japonês. As prisioneiras ficavam à disposição nas conforto onde as instalaram. Logo de início,
chamadas estações de conforto, bordéis com vistorias Jan conseguiu cortar o cabelo para tentar
médicas periódicas, só para militares desinteressar os homens, mas o estratagema
não funcionou.
por João Pacheco
Passou a acumular memórias traumáticas.
Como a de um militar muito gordo que lhe

D
esde que a rebatizaram com o novo, como se conta no obituário publicado rasgou a roupa e lhe passou a espada pelo
nome de uma flor, Jan passou pelo jornal The New York Times. O medo de corpo todo como se a fosse cortar, antes de
a odiar flores para sempre. As médicos nasceu das inspeções periódicas que a violar.
escravas sexuais que viviam lhe faziam na estação de conforto. Nessas altu-
naquela estação de conforto ras, como se fizesse parte do processo, o médi- Uma rede secreta
perdiam o nome próprio, sen- co violava-a à frente de outros homens. Antes O termo «estação de conforto» terá que ver
do atribuído a cada mulher o nome de uma de verificar se Jan tinha doenças venéreas. com o conforto dos militares japoneses, e não
flor. Era mais uma entre várias formas de As violações sistemáticas aconteceram das mulheres, adolescentes e, nalguns casos,
lhes retirarem humanidade. durante os três meses que esta holandesa crianças que ali viviam e que eram escravas
A holandesa Jan Ruff-O’Herne morreu em nascida na Indonésia foi obrigada a servir sexuais disponíveis dia e noite.
2019 com 96 anos e com horror a camas, a como «mulher de conforto», um eufemismo Tratava-se de uma rede secreta e foi ad-
flores, a médicos e ao escuro. Jan relacionava distante da realidade traumática que viveu. mitida pelo Japão como um facto histórico
o anoitecer à certeza de que seria violada de Na prática, Jan foi escrava sexual ao servi- apenas no início dos anos 1990, quase 50

76 V I S Ã O H I S T Ó R I A
GETTY IMAGES
Pesadelo As primeiras estações de conforto foram estabelecidas em 1932, pelo Exército Imperial Japonês na China

anos depois do final da guerra. Nessa altura, depois de décadas a esconderem a história
algumas mulheres coreanas, como a pioneira a familiares e a amigos. Por exemplo, com
Kim Hak-soon, começaram a denunciar o passar dos anos já tinham morrido os
os crimes, contando de forma pública as pais e as mães das antigas mulheres de
histórias dos seus cativeiros. Daí resultaram conforto, deixando de haver o perigo de
processos judiciais e discussões diplomáticas sofrerem com os relatos.
sobre pedidos de desculpas e indemnizações.
A história do cativeiro de Jan Ruff- Arma de guerra
-O’Herne é contada no livro de memórias Os militares japoneses não inventaram a
Fifty Years of Silence (1994), que decidiu prática da violação como arma de guerra,
escrever e publicar 50 anos depois des- nem foram sequer os únicos violadores em
tes crimes de guerra. O que nessa altura série da II Guerra Mundial. Por exemplo, na
a motivou a quebrar o silêncio foi o facto mesma guerra, o avanço das tropas soviéticas
de algumas antigas mulheres de conforto pela Alemanha até Berlim foi acompanhado
coreanas terem decidido começar a contar pela violação generalizada de mulheres ale-
o que lhes tinha sido feito. Jan achou que mãs, tolerado pelas chefias militares russas,
as autoridades japonesas não estavam a dar por considerarem inevitável e natural que
importância a estas denúncias por partirem os soldados violassem mulheres ao con-
de mulheres asiáticas. E pensou que talvez quistarem terreno. Antes, muitos soldados
o impacto internacional fosse diferente se da Alemanha nazi tinham feito o mesmo
aparecesse uma vítima com a pele clara. O A história da holandesa na Rússia, também na II Guerra Mundial.
impacto foi especial e Jan tornou-se uma E ao longo dos séculos têm sido recorrentes
ativista internacional na denúncia destes
Jan Ruff-O’Herne as situações em que combatentes violaram,
crimes, mas de qualquer modo nessa altura é contada no livro torturaram e mataram civis. Fossem ho-
já a bola de neve estava em movimento. As mens, mulheres ou crianças.
vítimas tinham sido muitas e já estavam
de memórias que O que torna especial o caso japonês é
numa idade em que pouco tinham a perder, publicou em 1994 o facto de o abuso sexual das chamadas

VISÃO H I S T Ó R I A 77
GUERRA DO PACÍFICO // CATIVEIRO

mulheres de conforto ter sido fomentado,


programado e gerido pelo Estado – no caso,
pelo Exército. Além de uma logística esta-
tal que envolveu regras escritas e vistorias
médicas periódicas, outras particularida-
des deste sistema de escravatura sexual
foram a escala e a duração desta prática.
Entre 1932 e 1945, terão sido mais de 200
mil as mulheres escravizadas sexualmente
pelo Japão em várias colónias e territórios
ocupados na Ásia.
As primeiras estações de conforto foram
estabelecidas em 1932 pelo Exército Imperial
Japonês na China, para servir os militares
japoneses ali aquartelados. O objetivo era dar

GETTY IMAGES
motivação às tropas e evitar que as violações
acontecessem de forma desorganizada, por ini-
ciativa própria dos soldados e à vista de todos,
por vezes durante as pilhagens que costuma- Libertada Perto do final da guerra, uma jovem chinesa obrigada a prostituir-se na antiga
vam acompanhar a conquista de território. Birmânia conta a sua história a um oficial inglês
Outra utilidade das estações de conforto
era diminuir o risco de os militares japoneses infetadas com uma doença venérea. Em Sobretudo a partir de 1937 e até à rendição
serem infetados por doenças venéreas. As caso de gravidez era feito um aborto. Nal- do Japão, em 1945, as estações de conforto
estações só podiam ser frequentadas por mi- guns casos, os bebés acabaram por nascer e espalharam-se por todos os territórios ocu-
litares, que por outro lado estavam proibidos terão ido para orfanatos. Muitas mulheres pados, escreve Chin Sung Chung no livro
de frequentar bordéis. Para tentar garantir a ficaram estéreis, por lesões e doenças con- True Stories of the Korean Comfort Women
saúde dos homens, as mulheres que ali esta- traídas no cativeiro. Em alguns casos, os (1995), organizado por Keith Howard.
vam eram sujeitas a inspeção médica regular problemas mentais foram outro resultado Houve uma maioria de vítimas coreanas,
por médicos militares, mesmo nos casos em da experiência sofrida. mas entre as mulheres de conforto também
que a gestão corrente da estação era confiada a
civis. E o uso de preservativos era obrigatório,
embora nem todos cumprissem essa regra.
Além da violência sexual, os espanca- Era impossível contá-los
mentos eram regra para quem resistisse ou
«Havia todo o tipo de homens e faltam- -nos. Nos fins-de-semana, apareciam
tentasse fugir. Quase sempre, as mulheres -me as palavras para descrever muito muito mais homens do que nos dias
nunca chegavam a ver nenhum do dinheiro do que me faziam», conta Yun Turi úteis. Quando tinha de servir tantos
que os militares pagavam pelos serviços. no livro True Stories of the Korean homens, ficava maluca. Os homens
A propósito, há relatos de preços diferentes Comfort Women. Aos 16 anos, a entravam no meu quarto um a seguir
para quem escolhia ter relações sexuais com operária coreana nascida em Pusan ao outro e era impossível contá-
escravas japonesas, coreanas ou chinesas. foi levada numa camioneta -los. Depois de servir um
por militares japoneses, soldado, descia do meu
E havia também preços diferentes consoante
numa tarde em que estava quarto para me lavar lá em
as patentes dos militares. a voltar a pé da fábrica onde baixo, com água misturada
Quase sempre, as escravas tinham roupas trabalhava. Passou a viver com creosol. Depois voltava,
miseráveis, mantinham-se ao serviço mes- numa estação de conforto para servir o próximo
mo durante a menstruação e era comum em Pusan. «Servia em média homem. Para reduzir nem
passarem fome. Há relatos de estações de 30 a 40 homens por dia. que fosse em um o número
conforto onde as mulheres eram obrigadas Eram sobretudo marinheiros de homens que servia,
e soldados aquartelados insistia em lavar-me depois
a aprender a tocar instrumentos e a cantar
em Pusan. Quando chegava da cada vez. E tentava
canções para entreter os militares. um navio ao porto, muitos prolongar o tempo que
Quase não havia cuidados médicos, com marinheiros vinham visitar- demorava a lavar-me.»
exceção de uma injeção caso estivessem

78 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Memória
Escultura
evocativa do
cativeiro num
abrigo para antigas
ravas sexuais
escravas
na capital da
Coreia do Sul

GETTY IMAGES
Emoção e revolta
A sul-coreana

Essa nunca
Kim Hak-soon,
antiga mulher

mais voltava
de conforto,
não contém as
lágrimas ao
exigir um pedido Quando foi raptada de casa dos pais,
de desculpas na Coreia, Yi Okpun tinha 12 anos,
público durante embora parecesse mais velha. Eram
um protesto junto as férias de verão e estava cá fora a
da embaixada cantar e a saltar à corda com amigas.
japonesa em Seul Aproximaram-se dois homens e as
amigas fugiram. Os homens disseram-

GETTY IMAGES
-lhe que o pai a tinha chamado e ela
aceitou acompanhá-los até ao sítio
onde era suposto estar o pai. Um dos
raptores era japonês, o outro coreano.
existiram, por exemplo, chinesas, filipinas, No momento da rendição do Japão, mui- Acabaram por vendê-la como escrava
sexual, em Taiwan.
indonésias, holandesas e timorenses. E tam- tas mulheres de conforto foram obrigadas
Por ser muito nova, ficou encarregada
bém havia destas estações no próprio Japão. a suicidar-se ou foram executadas por sol- das limpezas numa estação de
dados japoneses, para que não contassem conforto. Tentou fugir, sem êxito.
Obrigadas a suicidar-se as suas histórias. Outras viram-se aban- Os anos foram passando e Yi Okpun
Os métodos de angariação de escravas fo- donadas nas estações de conforto, tendo tornou-se mulher de conforto.
ram vários. O rapto era comum, fosse ele percebido que o Japão perdera a guerra Instalaram-na numa escola primária
levado a cabo por militares ou por civis que por ouvirem através da rádio a declaração ocupada por militares e que tinha
as antigas salas de aula divididas
depois vendiam as raparigas aos gestores de rendição do imperador. Ou por verem
por tabiques de madeira. Passou
das estações de conforto. Noutros casos, que os soldados iam abandonando os ter- a chamar-se Haruko ou Kohana,
uma oferta de trabalho fictícia serviu para ritórios ocupados, de regresso ao Japão. conforme a preferência dos homens.
levar ao engano muitas raparigas e mulhe- Em muitos casos, as até então mulheres «Aos sábados, os soldados japoneses
res coreanas e de outras nacionalidades, que de conforto estavam deslocadas em territó- formavam longas filas fora da escola.
aceitavam viajar até outros territórios na rios ocupados pelos japoneses que ficavam Às vezes nem dava para ver o fim
ilusão de poderem conseguir um bom tra- muito longe das suas terras de origem. Para da fila», conta Yi Okpun no livro
True Stories of the Korean Comfort
balho. Apesar de algumas exceções, como evitarem ser mal recebidas no regresso,
Women. «Cada mulher tinha de
a da holandesa Jan (que era prisioneira de tornou-se comum omitirem que tinham servir 20 a 30 soldados por dia.
guerra), em geral, as escravas vinham de sido mulheres de conforto. Mas muitas não Já estávamos muito fracas. Mas
famílias com poucos recursos, de territórios conseguiram reintegrar-se nas sociedades quando começou a faltar comida,
ocupados pelas forças japonesas. Quase de onde tinham sido retiradas. E várias servir tantos homens por dia deixava
sempre, eram solteiras. marcas físicas e psicológicas do cativeiro algumas de nós meio mortas. Se
No final da guerra, parte dos documentos ficaram para sempre. alguma estava demasiado fraca para
trabalhar, a rececionista arrastava-a
secretos sobre esta rede de bordéis militares No caso de Jan Ruff-O’Herne, quebrar
para fora e punha uma mulher mais
foi destruída por ordem de militares de alta o silêncio só aconteceu 50 anos depois do saudável nesse cubículo. Por regra,
patente. Estariam preocupados com a pos- fim da guerra. O marido já sabia, era um três a cinco mulheres enfraquecidas
sibilidade de virem a ser responsabilizados antigo militar britânico que participou na eram deixadas num quarto das
por crimes de guerra. libertação do campo de concentração onde traseiras, sem comida. Se achassem
Jan estava detida com a mãe e as irmãs. que alguma dessas mulheres não
Mas quando Jan quis contar às filhas o que conseguiria ficar boa com tónicos de
ervas e medicamentos, carregavam-
Além da violência tinha sofrido cinco décadas antes, sentiu-se
-na para uma camioneta e levavam-na
incapaz de falar sobre o assunto. Escreveu
sexual, os espancamentos tudo num caderno e entregou-o a uma das
para a montanha. Essa nunca mais
voltava. As que morriam também
eram regra para filhas, que estava quase a embarcar para eram levadas para a montanha. Os
uma viagem de avião. A filha de Jan passou corpos ficavam para lá assim, meios
quem resistisse esse voo a ler e a chorar. A seguir, o caderno cobertos com erva.»
ou tentasse fugir deu origem ao livro de memórias da mãe.

VISÃO H I S T Ó R I A 79
GUERRA DO PACÍFICO // O FIM

cortados do auxílio exterior terrestre desde


que os japoneses se tinham apoderado da
estratégica estrada da Birmânia, que ligava
o norte deste país à província de Yunnan,
tornando-se assim necessário ajudá-los por
via aérea, numa rota que sobrevoava os cumes
gelados dos Himalaias.
O plano estratégico definitivo contra o Ja-
pão foi elaborado pelos Aliados em maio de
1943, na Conferência de Washington. Foram
aí contempladas duas ordens de operações:
uma, terrestre, previa uma ofensiva na Bir-
mânia destinada a fazer a junção com as for-
ças chinesas; outra, no Pacífico, comportava
um avanço em tenaz, com o braço sul a sair
da Nova Guiné e voltado para a reconquista
das Filipinas e o braço norte partindo das
Marshall, Carolinas e Marianas e assestado
ao coração do próprio Japão.
O plano foi minuciosamente estudado por
um estado-maior enabeçado pelo general

AKG-IMAGES / FOTOBANCO
Douglas MacArthur e pelo almirante Ches-
ter Nimitz. A tática imposta pela geografia
consistiu na utilização de porta-aviões e em
manobras anfíbias. O avanço seria penoso,
pois a cada desembarque seguir-se-ia uma
Bomba atómica americana sobre Nagasáqui Esta segunda explosão nuclear, em 9 de agosto batalha em espaço reduzido.
de 1945, três dias depois da de Hiroxima, levou à imediata rendição do Japão Tudo foi posto em prática com grande pre-
cisão. No sul do Pacífico, as forças aliadas,

Furacão de fogo
Aos bombardeamentos sistemáticos do Japão
depois de se terem apoderado, em julho de
1944, das bases navais de Biak e de Sansapor,
atingiram em setembro as bases das Palaos e
foi daí que partiu o grande ataque às Filipi-
nas, que se prolongou de outubro desse ano
seguiu-se a explosão das bombas nucleares a fevereiro de 1945. No centro do Pacífico, o
e a inevitável rendição do Mikado. Pearl Harbor outro braço da tenaz saltava de ilha em ilha,
estava «vingada», mas o mundo já não era o mesmo das Gilbert às Marshall e depois às Maria-
por Luís Almeida Martins nas, onde, em Saipan, em julho de 1944, os
bombardeiros americanos dispunham já de

O
s japoneses – como se conta em pados. Nessa situação de semi-impotência, os aeródromos bem localizados.
texto anterior – viram o grosso da anglo-saxónicos empenharam-se em obter ou Mas as duas operações decisivas foram as
sua esquadra aniquilada em junho conservar, no sudoeste do enorme oceano, as de Okinawa, em janeiro de 1945, e de Iwo-
de 1942, na batalha de Midway, bases navais consideradas estrategicamente -Jima, em março seguinte. Estas ilhas ficam
um mês depois de, na do Mar de indispensáveis para manter acesa a chama da a uma distância do Japão que permitia já o
Coral, se terem visto forçados a luta. Foi neste contexto que a pequena baía de lançamento de ataques por bombardeiros
desistir das suas ambições sobre a Austrália e Guadalcanal, onde durou meses uma batalha B-29 (as «Fortalezas Voadoras»). A destruição
a abandonar a Nova Guiné aos americanos e renhida, assumiu uma importância aparente- sistemática da produção japonesa começou
aos australianos. Na Birmânia, foram travados mente desproporcionada. depois da ocupação de Saipan, em julho de
junto da fronteira da Índia, mas os Aliados não A aliada natural dos anglo-saxónicos era a 1944, e intensificou-se quando as bases de
achavam maneira de os expulsar das extensões China, que vinha resistindo desde 1937 aos Okinawa e Iwo-Jima puderam ser utilizadas.
asiáticas e dos arquipélagos do Pacífico ocu- invasores nipónicos. Mas os chineses estavam O que restava da Armada nipónica foi ani-

80 V I S Ã O H I S T Ó R I A
Iwo Jima Marines
celebram a vitória na ilha
junto da bandeira dos EUA
desfraldada no topo de
uma colina

Okinawa Tropas americanas passam junto


de um soldado japonês morto, numa aldeia destruída

quilado no início da batalha


b t lh das Filipinas e a acabar depressa, Truman resolveu usar essa imperador Hirohito. Este falou pela rádio
frota comercial japonesa viu-se imobilizada arma imediatamente, alegando que dessa e, pela primeira vez, 73 milhões de súbditos
pelo domínio absoluto das rotas conquistado forma pouparia vidas – o que não deixa de ser, ouviram o som da sua voz. O Mikado deixava
pelas forças aeronavais dos EUA, com desta- no mínimo, paradoxal, atendendo ao poder de ter um estatuto divino, conforme ficaria
que para a ação dos submarinos. mortífero do novo engenho. estipulado na futura Constituição japonesa.
A guerra continental na Birmânia ia sendo, E assim, a 6 de agosto, a cidade japonesa Uma ala direita do exército ainda tentou dar
entretanto, travada com sucesso pelos Alia- de Hiroxima foi arrasada de um momento um golpe, mas para quê? E foi assim que, a
dos, apesar das dificuldades impostas pela para o outro. Daí a dois dias a União Soviética 2 de setembro, dignitários nipónicos de fra-
geografia e pelo clima, sobretudo na estação declarava guerra ao Japão e, numa campa- que e de cartola assinaram a ata da rendição,
das chuvas. A natureza hostil acabou, no en- nha rápida, ocupou a Manchúria, o norte a bordo do couraçado americano Missouri
tanto, por ser vencida pelo avião. da Coreia e a ilha Sakalina. A 9 de agosto, ancorado na baía de Tóquio.
uma segunda bomba atómica, ainda mais Seguiram-se os julgamentos por crimes de
A bomba potente, foi lançada pelos americanos sobre guerra e uma ocupação americana de meia
Quando, em julho de 1945, depois da ren- o porto nipónico de Nagasáqui, espalhado o dúzia de anos. O tratado de paz propriamente
dição da Alemanha nazi, os «Três Grandes» pânico e mostrando a inutilidade de qualquer dito apenas seria rubricado em 1951, cin-
se reuniram em Potsdam, receberam uma resistência por parte do país do Sol Nascente. co anos antes de o Japão ser acolhido como
notícia escaldante. Já iremos à notícia. Esses No dia 10 o governo japonês pedia a paz nos membro de pleno direito nas Nações Unidas.
«Três Grandes» eram o novo presidente dos termos das condições gerais enunciadas pelos Arrancava por essa altura o «milagre japo-
EUA, Harry Truman (que sucedera a Franklin Aliados em Potsdam: rendição incondicio- nês», que elevou aos píncaros a tecnologia
Roosevelt, falecido em 12 de abril), o primei- nal. Uma única exceção foi requerida: que no país derrotado.
ro-ministro britânico, Winston Churchill (que não fosse tocada ou humilhada a pessoa do Hoje, com as voltas que o mundo deu, o
a meio das reuniões seria substituído pelo tra- fulcro do poder na zona Ásia-Pacífico mu-
balhista Clement Attlee, devido ao desfecho dou-se de Tóquio para Pequim. A presença
das eleições parlamentares no seu país) e o americana, essa, mantém-se, sobretudo como
«eterno» líder soviético Josef Estaline. A no- «escudo protetor» de Taiwan e da Coreia do
tícia que tombou sobre a mesa foi que, numa Sul, e a grande rivalidade comercial e estra-
zona desértica do Novo México, acabava de tégica no mundo é entre a China pós-maoísta
ter sido feita uma experiência literalmente e os EUA e seus aliados. Na Europa, temos
bombástica: a explosão, bem sucedida, de alguma dificuldade em interiorizar que já
um engenho terrificante, que pela primeira não estamos no centro do mundo – o que
vez utilizava o princípio da desintegração No ato da rendição, o ainda sucedia no tempo em que a Guerra
nuclear. O mundo entrava na era atómica, do Pacífico se travava paralelamente a uma
mas Estaline permaneceu impassível, mesmo
imperador Hirohito falou outra no extremo oposto da grande massa
sabendo que os americanos poderiam usar pela rádio e 73 milhões continental eurasiática. Passados quase 80
GETTY IMAGES

a prazo a nova arma contra a – por enquan- anos, a II Guerra Mundial terminou mesmo
to – aliada União Soviética, logo que ficasse
de súbditos ouviram pela e outra realidade de contornos ainda vagos
concluída a guerra contra o Japão. E, para a primeira vez o som da sua voz perfila-se no futuro.

VISÃO H I S T Ó R I A 81
GUERRA DO PACÍFICO // O FIM

Proprietária/Editora: TRUST IN NEWS,


UNIPESSOAL LDA.
Sede: Rua Fonte de Caspolima, Quinta da Fonte,

Combateram 30 anos
Edifício Fernão de Magalhães nº8.
2770-190 Paço de Arcos
NIPC: 514674520.
Gerência da TRUST IN NEWS: Luís Delgado,
Filipe Passadouro e Cláudia Serra Campos.
Composição do Capital da Entidade
Proprietária: 10.000 euros
Principal acionista: Luís Delgado (100%)
Alguns soldados japoneses só se renderam Publisher: Mafalda Anjos

na década de 1970. O mais mediatizado de todos,


Hiroo Onoda, viveria até 2014
Diretora: Cláudia Lobo
Editores: Luís Almeida Martins e Clara Teixeira
Textos: Clara Teixeira, Helena S. Lopes, Hugo Pinto, João
Pacheco, J. Plácido Júnior, Luís Almeida Martins, Pedro
Caldeira Rodrigues, Pedro Vieira e Ricardo Silva
Design: Teresa Sengo (editora)
Pesquisa Fotográfica: Paulo Petronilho
Fotografias: Arquivo da família Andrade e Silva, Arquivo da
família Relvas, Arquivo de Maria Afonso dos Santos, Arquivo
Nacional da Torre do Tombo (ANTT), Australian War Memorial,
Biblioteca do Congresso dos EUA, Biblioteca Franklin D.
Roosevelt/Dorothea Lange, Fotobanco, Getty Images, Luís
Barra, Museu de Angra do Heroísmo/R. A. Açores, Naval History
and Heritage Command
Assistentes editoriais: Ana Paula Figueiredo, Sofia Vicente
e Fernando Negreira (fotografia).
Mapas: Álvaro Rosendo.
Revisão: António Ribeiro

Esta revista foi posta à venda em dezembro de 2021

Redação, Administração e Serviços Comerciais: Rua


Fonte de Caspolima, Quinta da Fonte. Edifício Fernão de
Magalhães, n.º 8. 2770-190 Paço de Arcos – Tel.: 218 705
000; Delegação Norte: Rua Roberto Ivens, 288, 4450-247
Matosinhos. Tel: 220 993 810
MARKETING: Diretora: Marta Silva Carvalho (mscarvalho@
trustinnews.pt); Gestora de marca: Marta Pessanha
(mpessanha@trustinnews.pt)
PUBLICIDADE: Tel.: 218 705 000. Diretora: Vânia Delgado
(vdelgado@trustinnews.pt); Diretora Coordenadora: Maria
João Costa (mjcosta@trustinnews.pt ); Gestores de Marca:
Mariana Jesus (mjesus@trustinnews.pt ), Mónica Ferreira
(mferreira@trustinnews.pt ); Porto: Margarida Vasconcelos
(mvasconcelos@trustinnews.p); Assistentes: Elisabete
Anacleto (eanacleto@visao.pt); Florbela Figueiras (ffigueiras@
visao.pt); Parcerias e Novos Negócios: Diretor: Pedro Oliveira
(poliveira@trustinnews.pt); Branded Content: Diretora: Rita
Ibérico Nogueira (rnogueira@trustinnews.pt)
Tecnologias de Informação: João Mendes (Diretor)
Produção, Circulação: Vasco Fernandez (Diretor)
Pedro Guilhermino (Coordenador de Produção)
Nuno Carvalho, Nuno Gonçalves e Paulo Duarte (Produtores)
Isabel Anton (Coordenadora de Circulação)
GETTY IMAGES

Assinaturas: Helena Matoso (Coordenadora de Assinaturas)


Apoio ao assinante. Tel.: 21 870 50 50 (Dias úteis das 9h às 19h);
apoiocliente@trustinnews.pt
Impressão: Lisgráfica – Casal de Sta. Leopoldina – 2745
Queluz de Baixo. Distribuição: VASP MLP, Media Logistics
Park, Quinta do Grajal. Venda Seca, 2739-511 Agualva-Cacém
Tel.: 214 337 000.
Dia da rendição Para Hiroo Onoda, foi a 9 de março de 1974, nas Filipinas Pontos de Venda: contactcenter@vasp.pt – Tel.: 808 206 545,

P
Fax: 808 206 133

Tiragem média: 16 700 exemplares


Registo na ERC com o n.º 125 643
ara o tenente japonês Hiroo Onoda, valores tradicionais. Emigrou para o Brasil, Depósito Legal n.º 276 678/08

a Guerra do Pacífico só terminou onde foi criador de gado, mas acabou por Estatuto editorial disponível em www.visao.pt
A Trust in News não é responsável pelo conteúdo
em 9 de março de 1974, ou seja, regressar à pátria, onde morreria em 2014, dos anúncios nem pela exatidão das características
e propriedade dos produtos e/ou bens anunciados.
28 anos e meio depois da rendição com 91 anos. A respetiva veracidade e conformidade com a realidade
são da integral e exclusiva responsabilidade dos
do Japão. E, mesmo assim, nessa Onoda não foi, contudo, o único comba- anunciantes e agências ou empresas publicitárias.
data foi preciso o seu antigo supe- tente pelo Império do Japão renitente em Interdita a reprodução, mesmo parcial, de textos,
fotografias ou ilustrações sob quaisquer meios e
rior hierárquico, o major Yoshimi Taniguchi, render-se. Dezenas de retardatários perma- para quaisquer fins.
deslocar-se à ilha de Lubang, nas Filipinas, e neceram durante anos de armas aperradas
dar-lhe ordem para entregar a sua espingarda em zonas remotas da Ásia e do Pacífico, sem
Arisaka 99 (ainda em condições operacionais), admitirem a rendição do Mikado. Dois outros
500 cartuchos, uma adaga e diversas granadas casos dignos de Guinness merecem destaque.
defensivas. Onoda recusava-se a admitir que o Um deles, o sargento Shoichi Yukoi, só se ASSINATURAS
Japão se tivesse rendido em 1945 e continuava rendeu em 1972, na ilha de Guam. O terceiro, Ligue já
21 870 5050
a cumprir as ordens que recebera em 1944: um natural de Taiwan que adotou o nome Dias úteis – 9h às 19h
vá a loja.trustinnews.pt
fazer tudo quanto estivesse ao seu alcance para nipónico de Teruo Nakamura, foi mesmo o
dificultar ataques inimigos à ilha. último de todos a entregar as armas, o que
Regressou depois ao Japão, mas não gostou ocorreu em dezembro de 1974, na ilha indo-
do que viu: um país, no seu entender, sem os nésia de Morotai.

82 V I S Ã O H I S T Ó R I A
A CULTURA
EM APENAS DUAS LETRAS

Ligue 21 870 50 50 ou aceda a loja.trustinnews.pt


Dias
as úteis
út
út d
das
as 9h
9h à
às 19h
9h

Você também pode gostar