Você está na página 1de 45

1a Questão

Em razão de as comunidades ¿primitivas¿ indígenas representarem, no Período Colonial, apenas reservas de


força de trabalho a ser aproveitada no corte e transporte do pau-brasil, entre 1500 e 1530, no Brasil.

a maioria das atividades produtivas concentrava-se na economia informal.


a expansão da pecuária impulsionou a utilização da mão-de-obra escrava africana.
a economia baseou-se essencialmente em atividades agrícolas.
o comércio realizava-se através da troca direta ou escambo.
o extrativismo mineral acabou desenvolvendo um mercado de consumo interno.

Explicação:

Por possuirem culturas distintas, não terem uma moeda para o comércio, o português e o indígena
praticavam o escambo, ou seja, a troca de produtos por produtos, ou a troca de produto por serviços.

2a Questão

As aldeias tupinambás eram divididas em unidades familiares que viviam em até oito malocas. As unidades
familiares, por sua vez, estavam estruturadas pelo parentesco familiar e obedeciam à divisão sexual do
trabalho: grosso modo, aos homens cabia as atividades de caça, pesca e de guerra, e às mulheres o cuidado
com a agricultura e com a casa. Selecione a melhor definição para a agricultura tupinambá:

era itinerante e utilizavam a coivara;


era itinerante e não usava a coivara;
era itinerante, utilizava a coivara e os homens a praticavam.
era sedentária e utilizva a coivara;
era sedentária e não utilizava a coivara;

Explicação:

Dentre os tupi-guaranis, a sociedade tupinambá acabou tornando-se uma das mais conhecidas, graças ao
intenso contato com os portugueses durante os séculos XVI e XVII. O historiador Stuart Schwartz salientou
que os tupinambás viviam em aldeias que possuíam de quatrocentos a oitocentos indivíduos. Tais aldeias
eram divididas em unidades familiares que viviam em até oito malocas. As unidades familiares, por sua vez,
estavam estruturadas pelo parentesco familiar e obedeciam à divisão sexual do trabalho: grosso modo, aos
homens cabia as atividades de caça, pesca e de guerra, e às mulheres o cuidado com a agricultura e com a
casa.

A agricultura era uma prática que diferenciava os tupinambás dos demais povos tupi-guaranis. Para preparar
o solo para a semeadura, os tupinambás desenvolveram uma técnica que rapidamente foi incorporada pelos
colonos portugueses: a coivara .

Por ser um grupo seminômade, praticava a agricultura intinerante.


3a Questão

Entre 1500 e 1530 Portugal não demonstrou muito interesse pelo Brasil, a Carta de Caminha não
mencionava a existência de ouro ou prata. Neste período, chamado de Pré Colonial, como eram as relações
econômicas entre a metrópole e a colônia?

a maioria das atividades produtivas concentrava-se na economia informal;


o extrativismo mineral acabou desenvolvendo um mercado de consumo interno;
o comércio realizava-se através da troca direta ou escambo;
a expansão da pecuária impulsionou a utilização da mão-de-obra escrava africana;
a economia baseou-se essencialmente em atividades agrícolas;

Explicação:

Todavia, durante muitos anos, a diversidade indígena e a própria Ilha de Vera Cruz, pareciam não ter
despertado o interesse da Coroa portuguesa. Como apontou Manuela Carneiro da Cunha: “todo o interesse,
todo o imaginário português se concentra, à época, nas índias, enquanto espanhóis, franceses, holandeses,
ingleses estão fascinados pelo Novo Mundo” (CUNHA, 1990: 92).

“Em 1500, Caminha viu “gente” em Vera Cruz. Falava-se então de homens e mulheres. O escambo povoou a
terra de “brasis” e “brasileiros”. Os engenhos distinguiram o “gentio” insubmisso do “índio” e do “negro da
terra” que trabalhavam. [...] Pelo fim do século, estão consolidadas, na realidade, duas imagens de índios
que só muito tenuamente se recobrem...”

4a Questão

Por que a conversão dos índios ao catolicismo pode ser tida como um importante fator de aculturação?

Porque através dos ensinamentos eles percebiam que a religião católica era mais piedosa do que a
sua própria.
Porque carentes de sentido em suas vidas os índios aceitavam de maneira grata os novos hábitos e
a nova vida.
Porque nos aldeamentos jesuíticos o índio entraria em contato com as famílias européias, podendo
através da observação de seu cotidiano, aprender seus costumes mais facilmente.
Porque dentro dos aldeamentos jesuíticos os castigos eram notoriamente mais severos o que
facilitaria a imposição de suas doutrinas.
Porque através das aulas de catequese o índio recebia instrução não só religiosa, a ele eram
ensinados a língua portuguesa e os valores morais. Ou seja, aprenderam costumes e hábitos
socialmente aceitos.

Explicação:

A questão aponta para a conversão dos indios ao catolicismo como importante fator de
aculturação. Assim que os jesuitas chegaram inciaram as visitas às aldeias a fim de
conhecerum pouco mais a cultura, hábitos e lingua dos índios. Após esse contato inicial, os
jesuítas passaram para o segundo estágio da catequese: a conversão, propriamente dita,
dos índios. Para tanto, os missionários organizaram os povos indígenas em aldeamentos. O
objetivo principal era incutir nesses índios valores e práticas europeias. Desse modo, os
índios aldeados além de batizados, também recebiam os primeiros ensinamentos católicos,
além de ler e escrever.

Portanto, a única resposta que atende ao que pediu a questão é a primeira: "Porque através
das aulas de catequese o índio recebia instrução não só religiosa, a ele eram ensinados a
língua portuguesa e os valores morais. Ou seja, aprenderam costumes e hábitos socialmente
aceitos".

5a Questão

Quando o português chegou debaixo de uma bruta chuva vestiu o índio.Que pena! Fosse uma manhã de sol,
o índio tinha despido o português.(Oswald de Andrade. "Poesias reunidas". 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1972) Sobre o contexto histórico em que se insere o fenômeno que os versos identificam é
correto afirmar que:

apesar de ter tomado posse da terra em nome do rei de Portugal, o interesse da monarquia
estava voltado para o Oriente.
a descoberta de metais preciosos favoreceu o estabelecimento das primeiras relações econômicas
entre portugueses e indígenas.
a agressividade demonstrada pelos nativos despertou o interesse metropolitano pela ocupação
efetiva das novas terras.
a conquista da América pelos portugueses contribuiu para o crescimento demográfico da
população indígena no Brasil.
no chamado período pré-colonial, o plantio e a exploração do pau-brasil incentivaram o tráfico
africano.

Explicação:

Durante muitos anos, a diversidade indígena e a própria Ilha de Vera Cruz, pareciam não ter despertado o
interesse da Coroa portuguesa. Como apontou Manuela Carneiro da Cunha: "todo o interesse, todo o
imaginário português se concentra, à época, nas índias, enquanto espanhóis, franceses, holandeses, ingleses
estão fascinados pelo Novo Mundo" (CUNHA, 1990: 92).

6a Questão

Um dos problemas que a população brasileira enfrentou no período colonial foi a constante escassez de
alimentos. Isto ocorria, entre outros fatores, por que:

A partir de meados do século XIX, o aumento dos preços do café no mercado internacional provocou
uma expansão do cultivo desse grão no Brasil, levando a uma queda na produção de itens de
subsistência.
Em meados do século XVIII, o desenvolvimento da indústria têxtil na Inglaterra estimulou a produção
pernambucana de algodão destinado à exportação, o que resultou na redução da área de plantio de
produtos alimentares.
Quando a exportação de açúcar se encontrava em uma fase ascendente, os esforços se canalizavam
ao máximo para a sua produção, diminuindo o cultivo de outros produtos alimentícios.
Devido à carência de mão de obra, os escravos eram utilizados na exploração mineradora, na
madeireira e na pecuária, o que impediu o desenvolvimento da produção de alimentos e a formação
de um mercado interno nacional.
A transferência da corte portuguesa para o Rio de Janeiro representou um aumento no consumo de
produtos alimentícios, causando um colapso na economia de subsistência do Reino Unido de Brasil e
Portugal.

Explicação:

A principal preocupação em relação à Colônia Brasil era a plantação de cana-de-açúcar, um produto muito
caro na Europa e por esse motivo muito mais importante do que a plantação de alimentos para os donos dos
Engenhos.

7a Questão

A língua de que [os índios] usam, toda pela costa, é uma: ainda que em certos vocábulos difere em algumas
partes; mas não de maneira que se deixem de entender. (...) Carece de três letras, convém a saber, não se
acha nela F, nem L, nem R, coisa digna de espanto, porque assim não tem Fé, nem Lei, nem Rei, e desta
maneira vivem desordenadamente (...). (GANDAVO, Pero de Magalhães, História da Província de Santa Cruz,
1578.). A partir do texto, pode-se afirmar que todas as alternativas expressam a relação dos portugueses
com a cultura indígena, exceto:

A busca de compreensão da cultura indígena era uma preocupação do colonizador.


A língua dos nativos era caracterizada pela limitação vocabular.
A desorganização social dos indígenas se refletia no idioma.
Os signos e símbolos dos nativos da costa marítima eram homogêneos.
A diferença cultural entre nativos e colonos era atribuída à inferioridade do indígena.

Explicação:

Todavia, durante muitos anos, a diversidade indígena e a própria Ilha de Vera Cruz, pareciam não ter
despertado o interesse da Coroa portuguesa. Como apontou Manuela Carneiro da Cunha: ¿todo o interesse,
todo o imaginário português se concentra, à época, nas índias, enquanto espanhóis, franceses, holandeses,
ingleses estão fascinados pelo Novo Mundo¿ (CUNHA, 1990: 92). Foi justamente esse encantamento que
fundamentou a construção das primeiras imagens europeias sobre a nova humanidade que se apresentava.

A inocência e a ausência de elementos fundamentais que ¿ na perspectiva europeia ¿ balizavam a noção de


civilização marcaram os primeiros escritos sobre os índios. A despreocupação com a nudez foi reiterada
diversas vezes na Carta de Pero Vaz de Caminha, indicando que esses homens e mulheres andavam nus por
lhes faltarem a ideia de vergonha. O mesmo Caminha, assim como Vespucci e, mais tarde, Gândavo e
Gabriel Soares de Souza ficaram surpresos com o fato dos tupis não terem em seu alfabeto as letras F, L e
R.

Segundo esses homens, essa ausência era a comprovação de que os índios viviam sem Justiça e na maior
desordem

8a Questão
A colaboração dos indígenas com os europeus baseada na troca de produtos por serviços ficou conhecida sob
o nome de:

permuta
servidão
conluio
escambo
assimilação

Explicação:

Escambo é a troca de produto por produto ou de produto por serviço, quando não há uma moeda ou
instrumento monetário para a troca comercial.

1a Questão

Leia as afirmações abaixo relativas aos primeiros anos de colonização lusa no Brasil e às
relações entre os portugueses e indígenas e, por fim, marque V para verdadeiro e F para
falso.

d) F-F-V

e) V-F-F
( ) A escravização de indígenas se tornou proibida a partir de 1570 com a exceção
das chamadas "Guerras Justas", as quais eram quando os nativos eram acusados de
se rebelar contra a religião católica, como foi o caso da tribo aimoré.

Qual das alternativas abaixo representa a sequencia correta?


a) V-V-V

b) F-V-V

c) F-V-F
( ) O governo-geral foi instituído pela coroa portuguesa em 1548 para centralizar a
administração da América Portuguesa e pôr fim ao fracassado sistema das capitanias
hereditárias.
( ) Tomé de Souza foi o primeiro governador-geral do Brasil e em sua gestão ele
construiu a cidade de Salvador, na capitania da Bahia, a qual foi seria a sede do
governo-geral.

Explicação:

A instituição do governo-geral não pôs fim às capitanias hereditárias, mas coexistiu com a
organização anterior até o século XVIII, quando então foram extintas as capitanias.
2a Questão

Sobre a relação das populações indígenas com os povos europeus que aqui chegavam, pode-se dizer:

Que não hove embates e as realções estabelecidas com francese e portugueses eram totalmente
pacíficas e baseadas no escambo.
Que muitos embates ocorreram levando inclusive as tribos a uma união homogênea que visava se
aliar somente aos colonizadores (portugueses) e combater qualquer outro povo invasor.
Que muitos embates ocorreram com algumas tribos se aliando aos colonizadores (portugueses),
outras a comerciantes e possíveis conquistadores (franceses) e algumas que se recusaram a fazer
alianças com qualquer um dos dois lados.
Que muitos embates ocorreram levando inclusive as tribos indígenas a uma união homogênea que
visava combater os colonizadores (portugueses) buscando alianças com outros povos europeus
(franceses), que rivalizavam com seu dominador.
Que muitos embates ocorreram levando inclusive as tribos indígenas a uma união homogênea que
visava combater todo e qualquer invasor.

Explicação:

Exemplo de aliança

Dentre os tupi-guaranis, a sociedade tupinambá acabou tornando-se uma das mais conhecidas, graças ao
intenso contato com os portugueses durante os séculos XVI e XVII. O historiador Stuart Schwartz salientou
que os tupinambás viviam em aldeias que possuíam de quatrocentos a oitocentos indivíduos. Tais aldeias
eram divididas em unidades familiares que viviam em até oito malocas. As unidades familiares, por sua vez,
estavam estruturadas pelo parentesco familiar e obedeciam à divisão sexual do trabalho: grosso modo, aos
homens cabia as atividades de caça, pesca e de guerra, e às mulheres o cuidado com a agricultura e com a
casa.

Exemplo de resistência

Como sugerido há pouco, traçar padrões culturais e sociais dos tapuias é uma tarefa muito difícil, na medida
em que eles não formavam um grupo que se identificava como tal. Estudos recentes apontam que os
tapuias pertenciam a diferentes troncos linguísticos, ou seja: eles eram os “não-tupis”, o que significa que
eles eram muitas coisas. Um dos povos tapuias mais estudados é o aimoré devido à frequente resistência
imposta ao aldeamento e catequese portuguesa. Pertencentes ao grupo etnográfico jê, os aimorés, também
conhecidos como botocudos, habitavam o que hoje é o estado do Espírito Santo e o Sul da Bahia.

3a Questão

O Termo "negros da terra" empregado na documentação oficial do seculo XVII fazia referência:

Aos índios
aos muçulmanos
Aos negros advindos da África subsaariana.
Aos aborígines australianos
Aos negros da Nigéria

Explicação:
Essa era a forma como o português chamava o índio escravizado.

4a Questão

Como você descreveria as realações entre portugueses e índios durante o período colonial?

violentas porque os índios declararam guerra aos protugueses em 1510;


os portugueses, sentindo-se superiores e necessitando de mão de obra para implementar a
colonização pensaram em escravizá-los mas desistiram por eles serem preguiçosos.
os portugueses, sentindo-se superiores e necessitando de mão de obra para implementar a
colonização escravizaram os índios.
cordiais entre os os dois grupos, afinal o Brasil é uma democracia racial;
os portugueses, sentindo-se superiores e necessitando de mão de obra para implementar a
colonização estabeleceram alianças e relações comerciais com algumas tribos litorâneas;

Explicação:

A inocência e a ausência de elementos fundamentais que – na perspectiva europeia – balizavam a noção de


civilização marcaram os primeiros escritos sobre os índios. A despreocupação com a nudez foi reiterada
diversas vezes na Carta de Pero Vaz de Caminha, indicando que esses homens e mulheres andavam nus por
lhes faltarem a ideia de vergonha. O mesmo Caminha, assim como Vespucci e, mais tarde, Gândavo e
Gabriel Soares de Souza ficaram surpresos com o fato dos tupis não terem em seu alfabeto as letras F, L e
R.

Segundo esses homens, essa ausência era a comprovação de que os índios viviam sem Justiça e na maior
desordem

5a Questão

Escolha a opção que melhor descreve o convívio entre portugueses e índios ao longo de todo o Século XVI.

porque precisavam da mão de obra indígena, primeiro para retirar o Pau Brasil e depois para a
plantation, os europeus praticavam o escambo com os índios das tribos pacíficas e escravizaram os
índios das tribos violentas.
tomando como referência a Carta de Caminha foram amistosas;
porque precisavam da mão de obra indígena, primeiro para retirar o Pau Brasil e depois para a
plantation, os europeus primeiros estabeleceram alianças com algumas tribos e praticaram o
escambo, em um segundo momento escravizaram-nas;
porque precisavam da mão de obra indígena, primeiro para retirar o Pau Brasil e depois para a
plantation, os europeus escravizaram os índios desde o início do contato;
tomando como referência Américo Vespúcio, primeiro a relatar o canibalismo, os europeus evitaram o
contato e/ou mataram todos os índios que deles se aproximaram;

Explicação:
Como foi aprendido nas nossas aulas, a primeira transação comercial com o índio foi através do escambo e
também como estudamos, quando efetivamente tiveram necessidade de colonizar o solo e obter lucros, o
português passou a escravizar o índio.

6a Questão

Monteiro (1994), em sua obra !Negros da terra", diz que todas as expedições dos bandeirantes tinham como
características comuns:

nenhuma riqueza mineral e muita sabedoria


voltavam com muitos cativos e sem nenhuma riqueza mineral
o estabelecimento de uma relação amigável como todos os índios
conseguiam muitos metais preciosos e retorno rápido para São Paulo
contato com colonos de outras regiões e compra de escravos negros.

Explicação:

De acordo com Monteiro, entre os séculos XVI e XVIII era cada vez mais frequente o número de expedições
que assaltavam aldeias indígenas transformando seus habitantes em braços para o “serviço obrigatório”
(MONTEIRO: 1994, 57). Isso porque, diferentemente do que ocorria na região açucareira da colônia, os
paulistas não se inseriram no circuito comercial Atlântico, procurando eles mesmos os braços que iriam
trabalhar em suas lavouras. Ao invés de se lançarem para o mar, os paulistas se embrenharam sertão
adentro.

7a Questão

Durante o período colonial, o Estado português deu suporte legal a guerras contra povos indígenas do Brasil,
sob diversas alegações; derivou daí a guerra justa, que fundamentou:

uma espécie de "limpeza étnica", como se diz hoje em dia, para garantir o predomínio do homem
branco na colônia.
o extermínio dos povos indígenas do sertão quando, no século XVII, a lavoura açucareira aí
penetrou depois de ter ocupado todas as áreas litorâneas.
a criação dos aldeamentos pelos jesuítas em toda a colônia, protegendo os indígenas dos
portugueses.
a escravização dos índios, pois, desde a antigüidade, reconhecia-se o direito de matar o
prisioneiro de guerra, ou escravizá-lo.
o genocídio dos povos indígenas, que era, no fundo, a verdadeira intenção da Igreja, do Estado e
dos colonizadores.

Explicação:
Seguindo as determinações tomadas pela própria Igreja Católica, em 1570, a Coroa portuguesa sancionou a
lei que proibia a escravização do gentio – cujo fragmento vimos no início desta aula. Com exceção feita aos
aimorés – que se recusavam militarmente à conversão católica, os índios ficavam sob a tutela da Companhia
de Jesus, não podendo mais servir como escravos nos engenhos de açúcar.

8a Questão

Os indígenas trabalhavam para os europeus no início da colonização por produtos de pouco valor comercial, mas importantes para
eles. Após certo período de colaboração, várias tribos deixaram de auxiliar o que gerou uma reação violenta por parte dos
colonizadores. A afirmativa que melhor explica a mudança de atitude da população indígena em relação aos portugueses é:

os indígenas resolveram, eles mesmos, comercializar a madeira com outros europeus


conseguindo enormes lucros.
os indigenas resolveram, eles mesmos, transformar aquela matéria prima (madeira) em produto
manufaturado (tecido tingido, navios) e vender para a Europa.
os indígenas perceberam os reais interesses dos europeus e deixaram de colaborar.
os indígenas já estavam abastecidos daqueles produtos trazidos pelos europeus e não viam,
portanto, necessidade de permanecer trabalhando. Sua concepção de trabalho está relacionado
ao uso, não ao valor de venda.
os indígenas perceberam que poderiam conseguir lucros significativos se cobrassem em moeda
por seu trabalho.

Explicação:

Durante séculos os indígenas foram considerados ingênuos por trabalhar em troca de produtos considerados
de pouco valor pelos europeus tais como: anzóis, facas, miçangas. Para os indígenas, contudo, estes produtos
eram valiosos visto que não os conheciam. Desta forma, trocaram sua força de trabalho por eles até o ponto
que era interessante. Abastecidos, deixaram de colaborar com os portugueses o que gerou reação violenta dos
mesmos. A lógica indígena não era sustentada pelo valor mercantil do produto e sim, pelo valor de uso dos
materiais.

1a Questão

Com relação à escravidão houve preferência dos africanos em relação aos indígenas. Identifique dentre as
assertivas abaixo aquela que melhor explica esta opção:

os indígenas se negavam a trabalhar porque em sua cultura o trabalho braçal não era bem aceito.
os africanos, embora se negassem a trabalhar porque em sua cultura o trabalho braçal não era bem
aceito, apresentavam mais resultados que os indígenas.
os africanos sempre foram mais fortes que os indígenas - subnutridos - por isso foram escolhidos em
seu lugar.
os indígenas aceitaram a conversão rapidamente, por isso, passaram a ser defendidos pela Igreja
Católica em detrimento dos africanos.
os africanos traziam mais vantagem para os portgueses que lucravam bastante com seu tráfico.

Explicação:
A mão de obra dos africanos foi preferida em relação aos indígenas porque os traficantes de cativos
lucravam de forma significativa com o tráfico.

2a Questão

Escravo boçal era:

Escravo burro
Escravo nascido na África
Escravo recém-chegado
Escravo nascido no Brasil
Escravo inteligente

Explicação:

O escravo africano reém chegado ao Brasil era conhecido como "boçal". Ele mão conhecia a língua, a
cultura, nem a religião. Com o passar do tempo e e com maior inserção na cultura local este escravo
passava a ser chamado de ladinho. Por outro lado, o escravo nascido no Brasil era conhecido como crioulo.

3a Questão

Entre os motivos da substituição dos escravos indígenas por negros nos engenhos de açúcar, podemos
afirmar que:

A substituição foi feita por que os índios organizavam exércitos contra os engenhos.
A grande circulação de dinheiro promovida pelo tráfico transatlântico de africanos escravizados
A substituição foi feita porque os índios eram preguiçosos
Os negros aceitavam a escravidão
Porque os negros não eram considerados gente, e deveriam ser tratados como animais.

Explicação:

O grande motivo sempre foi o quanto se ganha com um determinado produto atentendo o jogo de interesse
dos envolvidos.

Neste aspecto, isso não significa dizer que os indígena snão foram escravizados. Houve a coexistência dssas
escravidões. Ou seja, os indígenas também foram escravizados, mas o lucro obtido com o tráfico negreiro
dos africanos era muito mais interessantes.
4a Questão

Sobre a rota de tráfico negreiro para o Brasil podemos fazer as assertivas abaixo, EXCETO:

Nesses locais eles recebiam uma alimentação especial para recuperar suas forças o mais rápido
possível.
Assim que estivessem mais fortes, eram levados para os mercados onde seriam comprados. A partir
de então, o destino desses africanos estava atrelado a de seu senhor e, em muitos casos, eles
tinham que continuar a viagem, só que agora pelo interior do Brasil.
Os negros vinham em boas condições , alimentados, para serem vendidos rápido. Mas apesar disso
muitos morriam de banzo, saudade de casa.
Após a longa travessia, quando finalmente desembarcavam nos portos da América portuguesa, a
situação de boa parte dos africanos era péssima.
Os africanos mais fragilizados, principalmente aqueles que haviam contraído escorbuto, passavam
por um processo de quarentena em galpões localizados na região portuária.

Explicação:

Sabe-se que a escravidão e as condições do tráfico negreiro foram extremamente desumanos e insalubres.
Não viam os africanos como sujeitos, mas como objetos, por isso nessa relação os objetos devem estar
fortes para que sejam vendidos. Logo, eles ficavam em quarentena para melhorar, se recuperarem para
que fossem vendidos enquanto produto, represnetando uma grande lucratividade.

5a Questão

À medida que a empresa açucareira se expandia no Brasil, fez-se opção pela mão-de-obra escrava de
origem africana, em substituição ao trabalho indígena. Esta opção pode ser explicada, porque:

O uso de escravos africanos alimenta o tráfico negreiro, tornando-o um dos mais lucrativos setores
do comércio colonial.
Os indígenas eram selvagens e lutavam contra a escravidão, enquanto os negros eram dóceis e
submissos
Os negros dominavam as técnicas do cultivo da cana, enquanto os indígenas não conheciam a
agricultura, portanto, seu trabalho não era produtivo.
Os africanos resistiram ao escravismo através dos quilombos e das revoltas, mas foram mantidos na
agricultura, porque os índios desconheciam essa atividade.
Os indígenas eram frágeis fisicamente e adoeciam com facilidade, já os negros tinham uma
constituição física forte, propícia ao trabalho braçal.

Explicação:

A partir do último quartel do século XVI, a escravidão indígena passou a ser, em parte, substituída pelos
africanos escravizados.

Tal substituição teve uma razão principal: o tráfico negreiro era extremamente rentável.
Além disso, pela fragilidade dos índígeas às epidemias.

6a Questão

Dentre as formas de resistência negra e indígena à escravidão, pode-se destacar:

A prática, entre as escravas negras, de amamentar os filhos dos donos para estreitar assim seus
vínculos com a família.
A recusa em desempenhar algumas das funções dadas pelo senhor, o banzo, as revoltas e a fuga
para quilombos.
O uso de seus conhecimentos medicinais para o auxílio aos senhores em troca de sua alforria.
A conversão de negros e índios ao catolicismo.
A formação de quilombos exclusivamente por escravos negros fugidos, evitando contato com
indígenas, para assim manter suas práticas culturais intactas.

Explicação:

Nem todos os africanos recém-chegados resistiam ao período da quarentena. Por isso, era comum encontrar
cemitérios nas proximidades do porto. Além dos maus tratos e das doenças adquiridas durante a travessia,
muitos escravos boçais, isto é africanos recém-chegados, sofriam de banzo –, uma doença que parecia
atacar a alma de alguns africanos que, tomados por uma tristeza profunda, se deixavam morrer.

Para muitos deles era preferível morrer a trabalhar como escravo, pois acreditavam que a morte significava
o retorno à sua terra natal, junto a seus ancestrais.

Não cumprir a ordem do senhor ou a fuga são exemplos também muito claros de como o escravo resistia à
escravidão.

7a Questão

A escravidão brasileira pode ser considerada:

Violenta
Pouco lucrativa
Cordial
Violenta no campo e cordial na cidade
Amena

Explicação:

A História Social, a partir dos anos 1980, mostrou que a escravidão no Brasil foi bastante violenta, o que
contrariava alguns clássicos como Gilberto Freyre, que apontava a existência de uma relação tranquila entre
senhores e escravos.
8a Questão

No livro "Em Costas Negras" Manolo Florentino aborda a questão do tráfico negreiro como um sistema
complexto de relações econômicas e sociais. A resposta que melhor segue a linha defendida pelo autor é:

A escravidão africana foi uma alternativa econômica a dominação índigena pela dificuldade dos
colonos em manterem os índios capturados e trabalhando.
O sistema colonial buscou a estabilização, possibilitando manifestações e movimentos, mas
mantendo de maneira constante seu controle sobe os mesmos.
Grupos africanos estabeleceram comunidades no Brasil, seguindo o modelo tribal trazido da África.
A resistência negra urbana representou para as elites brasileiras uma barreira quase instransponível
a submissão dos negros.
As sociedades organizadas do norte da África não foram envolvidas no tráfico negreiro, que ficou
restrito ao cone sul do continente.

Explicação:

O historiador Manolo Florentino defende no livro Em costas negras que havia uma estabilização no sistema
colonial, mas que ele permitia as manifestações de escravos, mantendo sempre o controle sobre os
mesmos.

1a Questão

De modo geral, a escravidão nunca se estabeleceu sem ter a resistência do grupo subjugado. No caso do
negro africano é possível identificar as seguintes formas de resistências:

partidária, religiosa e quilombos


jurídica, religiosa e quilombos
religiosa, voluntária, individual
banzo, quilombos e religiosa
quilombos, jurídica, banzo

Explicação:

Banzo

Estado de depressão profunda que pode levar à morte.

Quilombos

Em muitos casos, as fugas coletivas acabam transformando-se em uma outra forma de resistência à
escravidão: os quilombos também conhecidos como mocambos – comunidades formadas por escravos
fugidos. Nessas comunidades, os escravos refaziam suas vidas a margem cativeiro. Lá, construíam famílias,
estabeleciam laços de amizade, plantavam, criavam animais e chegavam a comercializar com povos
indígenas que habitavam as redondezas ou, então, com os vilarejos próximos.

Religiosa

Revolta dos Malês


Esse movimento, que teve a participação de escravos e libertos africanos de diferentes origens, guarda a
particularidade de ter comportado um grande número de africanos nagôs na sua organização. Os nagôs
eram africanos muçulmanos e por isso muitos deles sabiam ler e escrever em uma época em que a maioria
dos homens brancos e livres não sabia assinar o próprio nome. Após diversos encontros e reuniões
marcados em becos ou em casas sublocadas da cidade, a revolta foi marcada para o dia 25 de janeiro de
1835, dia de Nossa Senhora da Guia. A data foi especialmente escolhida porque as festas religiosas
permitiam que os escravos pudessem andar com mais facilidade pelas ruas de Salvador, o que despistaria as
autoridades. No entanto, na noite anterior, a revolta foi delatada para a polícia que imediatamente iniciou a
busca pelos revoltosos: diversas patrulhas foram colocadas nas ruas e depois de algumas buscas os policiais
encontraram sessenta africanos reunidos no porão de um sobrado. Pegos de surpresa, os africanos tiveram
que antecipar o momento da batalha e saíram às ruas chamando os demais escravos para a luta. Embora o
número de escravos que aderiu à luta tivesse sido alto, as autoridades (que estavam preparadas)
conseguiram controlar o levante. Depois do reconhecimento dos principais líderes ― três escravos e dois
libertos, todos africanos ―, os revoltosos receberam diferentes punições. Os líderes do movimento foram
fuzilados, diversos africanos livres foram deportados para a África e a maioria dos escravos foi açoitada em
praça pública e depois entregue aos seus senhores. Mesmo com um desfecho trágico para seus
participantes, o levante dos Malês fez com que as autoridades redobrassem sua atenção e o controle sobre a
população escrava, sobretudo na província da Bahia.

2a Questão

Os membros de uma mesma irmandade criavam laços de amizade, parentesco e, sobretudo, solidariedade:
muitas vezes, o padrinho de um recém-nascido era escolhido dentro da irmandade que os pais da criança
faziam parte. Estas característica permitiam:

O aparecimento de revoltas negras no Brasil, com uma grande confederação negra


O crescimento de associações e movimentos que lutavam contra a escravidão
O entendimento de que a Igreja Católica havia mudado de lado e agora lutava pelo fim da
escravidão
O crescimento de irmandades brancas, criadas para concorrer com as Igrejas dos negros e
querendo manter sua hegemonia.
O aparecimento dos primeiro movimentos de branqueamento, uma vez que as irmandades
promoviam os casamentos de negros e brancos como base de sua política.

Explicação:

Já que os laços de parentesco originais haviam sido rompidos pelo processo de escravização,
muitos cativos encontraram no apadrinhamento uma forma ecaz e legítima (frente os olhos
dos senhores, da Igreja Católica e do Estado) de reconstruírem suas redes de parentesco.
Escravos e libertos batizavam os lhos de seus companheiros sob o juramento de se
responsabilizar pela criança caso algum incidente ocorresse com seus pais. O compadrio
também foi utilizado como uma das estratégias na luta pela liberdade, tendo em vista que
os padrinhos e madrinhas, principalmente os alforriados e livres, se comprometiam em
empenhar-se pela obtenção da liberdade de seus alhados.

3a Questão
As irmandades negras, criadas desde o período colonial, seguiam os mesmos preceitos religiosos das
demais: todos os membros deveriam efetuar o pagamento da taxa anual ― dinheiro que seria revertido em
festas, rituais fúnebres e missas das igrejas. A grande diferença dessas irmandades estava na condição de
seus membros (a maioria eram escravos e/ou libertos) e o fato delas adorarem santos negros. Sobre as
irmandades podemos afirmar que:

Foram o embrião do desenvolvimento da Umbanda.


não funcionaram no auxílio aos negros.
foram importantes formas de resistência.
Eram organizadas nos quilombos.
enriqueceram a custa dos escravos.

Explicação:

Mais do que ampliar as redes de parentesco, as irmandades negras tiveram papel


importante na luta pela liberdade de muitos escravos. Diversos escravos africanos e crioulos
conseguiram obter sua liberdade graças à poupança feita por seus ¿irmãos¿ de credo. Assim
que comprava a alforria de um membro, a irmandade começava uma nova poupança para
ajudar outra pessoa. Donde se conclui, que elas eram importante uma forma de resistência.

Anualmente, cada irmandade fazia a festa para seu santo padroeiro. Esse era o momento
mais importante de cada irmandade. Tal comemoração era composta por uma longa
procissão, missa solene e grande festa com muita música, dança e batuque. Também era
nessa festa que a irmandade coroava seu rei e sua rainha. Para os escolhidos, esse era um
momento de grande prestígio frente a seus companheiros. A devoção de escravos e libertos
fez com que algumas irmandades negras ganhassem muito prestígio e se transformassem
em organizações com muito dinheiro. Um exemplo disto está no fato de que, no Rio de
Janeiro, tanto a Igreja de Nossa Senhora do Rosário como a Igreja de São Elesbão e Santa
Egênia terem sido construídas na região central da cidade.

4a Questão

¿Reconhecem-se todos obedientes a um que se chama o Ganga Zumba, que quer dizer senhor grande; a
este têm por seu Rei e Senhor [...] todos os que chegam a sua presença põem logo o joelho no chão e
batem as palmas das mãos em sinal de seu reconhecimento e protestação de sua excelência; [ a cidade de
Macaco] está fortificada por um cerco de pau-a-pique [...] e pela parte de fora toda se semeia de armadilhas
de ferro e de covas tão ardilosas que perigará nelas a maior vigilância; ocupa esta cidade dilatado espaço,
formado de mais de 1.500 casas.¿

O fragmento acima explica parte do funcionamento do Quilombo de Palmares sobre a autoridade de Ganga
Zumba. Desta citação podemos aferir que:

I - Ganga Zumba era a autoridade local e respeitado por todos.

II - Este fragmento expressa a organização do quilombo baseada, provavelmente, na descrição de um


estrangeiro.

III - O texto apresenta o Quilombo como um espaço organizado e formado por um grupo bem grande.

Apenas I e II estão corretas.


Apenas I está correta.
Apenas III está correta.
Apenas II está correta.
Todas estão corretas.

Explicação:

Não dispomos de descrições sobre os quilombos deixadas pelos próprios habitantes. Sua história foi contada
pelos vencedores, não pelos vencidos. Pela descrição percebemos que a comunidade era bem organizada e
havia uma liderança, Ganga Zumba, identificada com um monarca, um rei.

5a Questão

De que forma o sincretismo religioso pode ser entendido como forma de resistência?

O sincretismo religioso era a forma pela qual os colonizadores obrigavam indígenas e negros a se
converterem ao catolicismo.
O sincretismo religioso foi a maneira que índios e africanos encontraram para manter plenamente
puras suas religiões.
O sincretismo religioso é o processo em que há o total abandono das práticas religiosas e culturais
natais pelas populações escravas, que assumem por completo a religião e a cultura do colonizador.
O sincretismo religioso consiste na introdução de elementos das culturas indígena e negra na religião
oficial católica, uma vez que eram proibidos de praticar sua própria religião abertamente,
mesclavam-na com o catolicismo.
O sincretismo religioso era a forma pela qual os escravos se recusavam a passar pela catequese.

Explicação:

Primeiro é importante conceituar sobre o sincretismo por se tratar de um termo bastante complexo, se
não existir um conhecimento prévio das religiões e elementos que o compõem. Em se tratando da
questão proposta, a resposta sinalizada está correta, pois mostra exatamente o sincretismo
como a fusão de diferentes doutrinas para a formação de uma nova, o sincretismo mantém
características típicas de todas as suas doutrinas-base, sejam rituais, superstições, processos,
ideologias e etc.

6a Questão

Uma das formas de organização estabelecidas entre os escravos era a chamada família extensa. Perdidos os
laços africanos passavam a adotar táticas de criar conjuntos de laços amplos entre seus membros. Uma
destas práticas é o:

Ecumenismo
Apadrinhamento
Clientelismo
Pajelismo
Arrebatamento

Explicação:
Família extensa, foi uma forma muito interessante que desenvolveram em cima de uma
ideia de família muito próxima daquela encontrada em diversas regiões africanas, devido ao
rompimento pelo processo de escravização, encontrando no apadrinhamento e essa foi uma
forma eficaz e legitima frente das autoridades, de reconstruírem a suas redes de parentesco.

A resposta da questão está correta, pois atende ao que foi pedido no enunciado.

7a Questão

Os indígenas causaram muito espanto aos colonizadores por seus hábitos diferentes e considerados
inferiores. Com relação à religião, sobretudo, havia um grande desconforto dos europeus em virtude das
crenças que eles professavam. Sobre a religião dos indígenas é correto afirmar que:

I - Eram politeístas e suas divindades eram representações de forças da natureza.

II - Eram adeptos da poligamia visto que não existia qualquer interdição moral a esta prática.

III - Eram facilmente convertidos pelos jesuítas.

Apenas a opção II está correta.


Apenas a opção I está correta.
Apenas a opção II e III estão corretas.
Apenas a opção III está correta.
Apenas a opção I e II estão corretas.

Explicação:

A aproximação entre portugueses e indígenas foi marcada por muitos confrontos. Uma das principais
questões era a diferença entre as religiões professadas por um e outro. Os portugueses buscavam a
conversão forçada por não respeitar as peculiaridades do outro. São pontos que merecem destaque em
relação ao sistema de crença indígena o politeísmo, onde os deuses eram representados por forças da
natureza e ainda, a inexistência de interdições morais a práticas como a poligamia e, e entre algumas tribos,
à antropofagia.

8a Questão

Tendo como base os estudos relativos à resistência de indígenas, africanos e afrodescendentes


ao sistema escravista através da religião, examine as afirmações abaixo.
I Existiu um numeroso grupo de africanos islamizados que foram trazidos para o Brasil
como escravos e que fizeram o possível para encontrar outros muçulmanos e cultivar suas
tradições e costumes em um ambiente dominado pelo catolicismo.
II Embora os africanos que foram trazidos ao Brasil fossem de diferentes povos e culturas,
no Brasil, as condições de opressão vigentes na colônia permitiu exclusivamente a formação
do Candomblé, religião que congregou as diferentes manifestações culturais originárias na
África.

III As irmandades eram associações religiosas que foram organizadas com frequência no
período colonial da História do Brasil e era dividida entre as chamadas "Terceiras Ordens",
de origem cristã, e as "irmandades de santo", reunidas em torno entidades africanas.

Diante das afirmações acima, marque a alternativa certa.

d) As alternativas II e III estão incorretas


e) Todas as alternativas estão incorretas
c) As alternativas I e III estão incorretas
a) Todas as alternativas estão corretas.
b) As alternativas I e II estão incorretas.

Explicação:

Erro da alternativa II: foram edificadas várias religiões de origem africana, tais como o Vodu
e a Umbanda. Erro da alternativa III: não era possível organizar uma irmandade de
orientação afrodescendente.

1a Questão

Para a grande maioria dos cativos, a resistência ao cativeiro se fazia dia a dia, da hora em que se levantava
para trabalhar até o momento de se recolher para dormir. Onde quer que tenha existido escravidão também
houve resistência escrava. E tal resistência foi experimentada em diferentes níveis durante toda a história da
escravidão no Brasil. Como exemplos de resistência podemos citar:

As Irmandades, as fugas e os quilombos.


Os quilombos, a manutenção de hábitos culturais tais como a língua e a religião e o alto índice de
reprodução entre os escravos;
Fugas, quilombos e os casamentos mistos;
Quilombos, assassinatos de senhores e/ou feitores e casamentos com brancos.
As fugas, os casamentos mistos e as Irmandades;

Explicação:

O enunciado da questão, mostra a resistência ao cativeiro que se fazia dia a dia, desde da
hora em que se levantava para trabalhar até o momento de se recolher para dormir.

Os africanos não aceitaram passivamente sua redução à escravidão. Em reação a isso,


utilizaram diversas estratégias de resistência como a criação das irmandades das quais só
eles fariam parte, a organização de fugas individuais ou coletivas e a formação de
comunidades denominadas quilombos.
2a Questão

Ao longo do século XVII, em especial na região das minas, o quilombo se tornou uma das principais formas
de resistência à escravidão, sendo, por isso, alvo da atenção das autoridades policiais. Entre as opções
abaixo, assinale aquela que melhor apresenta a definição de "quilombo".

Os quilombos eram comunidades formadas por escravos africanos que não apenas resistiam à
escravidão, mas chegavam a desenvolver relações de comércio com pequenas fazendas.
Os quilombos se concentraram apenas na no sul, que era a única região da América Portuguesa
que possuía escravos.
Os quilombos se concentraram apenas na no nordeste açucareiro, que era a única região da
América Portuguesa que possuía escravos.
Os quilombos foram organizados exclusivamente pelos escravos indígenas, já que os negros
africanos não eram capazes de organizar a resistência comunitária.
Os quilombos eram os centros de repressão organizados pelas autoridades policiais, sendo
formados exclusivamente por Capitães do Mato.

Explicação:

Em muitos casos, as fugas coletivas acabam transformando-se em uma outra forma de resistência à
escravidão: os quilombos também conhecidos como mocambos – comunidades formadas por escravos
fugidos. Nessas comunidades, os escravos refaziam suas vidas a margem cativeiro. Lá, construíam famílias,
estabeleciam laços de amizade, plantavam, criavam animais e chegavam a comercializar com povos
indígenas que habitavam as redondezas ou, então, com os vilarejos próximos.

3a Questão

A resistência contra a escravização vem desde o início da colonização, através de formas variadas:

As formas passivas eram fugas isoladas, assassinato de senhores e feitores, formação de


quilombos, revoltas rurais e urbanas
As formas ativas podem ser exemplificadas pela negociação.
A religiosidade nunca foi usada como forma de resistência por índios e afrodescendentes.
O suicídio não pode ser considerado uma forma de resistência.
Os quilombos eram aldeamentos compostos principalmente por negros que fugiam dos
latifúndios, passando a viver comunitariamente.

Explicação:

Em muitos casos, as fugas coletivas acabam transformando-se em uma outra forma de resistência à
escravidão: os quilombos também conhecidos como mocambos – comunidades formadas por escravos
fugidos. Nessas comunidades, os escravos refaziam suas vidas a margem cativeiro. Lá, construíam famílias,
estabeleciam laços de amizade, plantavam, criavam animais e chegavam a comercializar com povos
indígenas que habitavam as redondezas ou, então, com os vilarejos próximos.

4a Questão
A Lei Eusébio de Queirós visava, a partir de 1850:

extinguir o casamento religioso


permitir legalmente a eutanásia
extinguir o tráfico negreiro
implantar o divórcio em substituição ao desquite
regularizar a prática do aborto

Explicação:

Para além da aprovação da lei, a pressão inglesa foi importante para que ela fosse de fato seguida. Os
proprietários – de terras e de escravos – dependiam do tráfico, pois, segundo Boris Fausto, pouco se
preocupavam com a sua reprodução. O mercado interno de escravos era sustentado muito mais pelo tráfico
que pela sua reprodução em terras brasileiras. Desta forma em poucos anos o número de cativos seria
insuficiente para o trabalho nas fazendas – especialmente as de café.

5a Questão

"No início do século XVII, escravos fugidos estabeleceram-se na zona na mata montanhosa e suas aldeias
espalharam-se pelo interior, a sessenta quilômetros da costa e suas usinas, sendo logo conhecidos como
Palmares. A primeira expedição contra Palmares, em 1612, já constatou que o quilombo era grande. O
estado, ou república, como se dizia no século XVII, continuou a crescer e os holandeses chegaram a
considerar Palmares um sério perigo, montando diversas expedições punitivas. Em meados da década de
1640, Palmares já compreendia nove aldeias (...) (FUNARI, Pedro Paulo. HETEROGENEIDADE E CONFLITO
NA INTERPRETAÇÃO DO QUILOMBO DOS PALMARES)"

Sobre o Quilombo de Palmares é correto afirmar que:

I - Reunia indivíduos que escapavam da escravidão e formaram uma comunidade completamente isolada de
outros grupos.

II - A comunidade de Palmares foi fundada por portugueses e depois invadida por escravos fugitivos

III - A comunidade de Palmares se relacionava com as comunidades vizinhas comercializando produtos.

IV - O Quilombo de Palmares foi um dos mais conhecidos da nossa história.

Apenas II e III estão corretas.


Apenas I e II estão corretas.
Apenas III e IV estão corretas.
Apenas I e IV estão corretas.
Apenas II, III e IV estão corretas.

Explicação:

A comunidade de Palmares, surgida na serra da Barriga em Alagoas, foi criada por escravos fugitivos e
alguns homens livres. Esta comunidade se relacionava com os grupos vizinhos comercializando seus
produtos e comprando o que necessitavam para sua sobrevivência. Palmares foi um dos quilombos mais
longevos existentes no Brasil, além de ser dos mais populosos.
6a Questão

Sobre as fugas da escravidão podemos identificar tipos específicos como:

Fugas de índios para as cidades e denunciarem a escravidão ilegal.


Fugas de negros para as florestas, passando a viver em comunidades indígenas.
Fugas para tentar retornar a África, com barcos e que todas fracassaram.
Fugas para as Igrejas, considerados territórios sagrados e quem lá estivesse não podia ser
resgatado.
Fugas que tinham por objetivo a reivindicação escrava por melhores condições.

Explicação:

De forma geral, é possível armar que existiram dois tipos de fuga na história da escravidão
no Brasil: - No primeiro caso, encontram-se as fugas que tinha como objetivo a reivindicação
escrava por melhores condições de vida. Escravos que estivessem trabalhando mais do qual
o habitual poderiam realizar pequenas escapadas e só retornar à propriedade do seu senhor
mediante algum tipo de negociação. Cativos que eram impedidos de festejar ou de visitar
sua família também recorriam a esse tipo de fuga para conseguir estabelecer acordos com
seus senhores;

O segundo tipo de fuga era aquele que pretendia negar a escravidão. Nessas circunstâncias,
os escravos abandonavam a propriedade senhorial e, individualmente ou em grupo, iam
buscar formas alternativas de viver fora do cativeiro. Muitos cativos se embrenhavam no
meio do mato e lá construíam pequenas comunidades que caram conhecidas como
quilombos ou mocambos. Outros preferiam tentar a vida em lugares mais distantes,
principalmente nas grandes cidades, pois nesses espaços o escravo fugido poderia se passar
por um negro liberto.

7a Questão

Como sabemos, a história da escravidão foi marcada pela resistência dos escravos à condição de submissão.
Marque entre as opções abaixo, aquela que melhor define as organizações comunitárias formadas pelos
escravos rebeldes.

Sobrados.
Kizombas.
Favelas.
Quilombos.
Senzalas.

Explicação:

Em muitos casos, as fugas coletivas acabam transformando-se em uma outra forma de resistência à
escravidão: os quilombos também conhecidos como mocambos – comunidades formadas por escravos
fugidos. Nessas comunidades, os escravos refaziam suas vidas a margem cativeiro. Lá, construíam famílias,
estabeleciam laços de amizade, plantavam, criavam animais e chegavam a comercializar com povos
indígenas que habitavam as redondezas ou, então, com os vilarejos próximos. Apesar de ser uma
organização que foi duramente combatida pelos senhores e pelas autoridades governamentais, os quilombos
não eram comunidades isoladas. Os documentos de época mostram que muitos quilombolas faziam trocas
comerciais clandestinas com os engenhos, fazendas e cidades próximas. Em alguns casos, os quilombolas
aproveitaram o cair da noite para visitar familiares e amigos que viviam sob o cativeiro. Em outras situações
era o inverso que ocorreria: os escravos realizavam pequenas fugas e passavam algumas horas, ou até
mesmo dias, nas festas que aconteciam no mocambo. Grande parte dos quilombos que foram identicados
estava localizada próxima a regiões com grande concentração de escravos. Palmares, o mais conhecido
quilombo da história brasileira, se formou durante o século XVII nas adjacências da zona da mata
pernambucana, local de intensa produção de açúcar e, consequentemente, signicativa concentração de
cativos. A região das minas, que possuía a maior concentração de escravos no século XVIII, também foi
palco da formação de muitos quilombos. Além do controle da tributação sobre todo ouro e diamante que era
extraído da província, as autoridades coloniais ainda se viram obrigadas a combater a criação dessas
comunidades que, na maior parte dos casos, estavam muito próximas.
Os quilombos mineiros não só expunham a fragilidade do controle de escravos na região, mas também
causavam grandes transtornos para as vilas e cidades. As autoridades de Vila Rica (que mais tarde seria a
cidade de Outro Preto) recebiam constantes queixas de que quilombolas haviam roubado propriedades ou
então estavam impedindo a passagem em alguma estrada que ligava o perímetro urbano às fazendas
produtoras de gêneros alimentícios. Esses mesmos quilombolas também faziam incursões às fazendas e
pequenas propriedades para resgatar familiares e amigos, e nesse vai e vem construíram redes de comércio
com pequenos negociantes e produtores.

8a Questão

Do ponto de vista do índio e do negro, o que representava ser ou não convertido?

Significava a salvação, pois uma vez entrando em contato com os ensinamentos cristãos puderam
aprimorar suas vidas.
Significava enriquecimento, pois uma vez convertidos passavam a receber ajuda financeira constante
do Vaticano.
Significava que ao converterem-se, índios e negros passavam a gozar de certa proteção por parte da
Igreja, era comum a intervenção de representantes dessa Instituição em castigos tidos como cruéis
ou exagerados e, no caso dos negros, pertencer a uma Irmandade religiosa significava muitas vezes
obter ajuda na compra de alforrias, garantia de funeral e enterro e, auxílio a esposa e/ou filhos
menores após o falecimento do escravo homem.
Significava vingança pois negros e índios podiam aprender os principais pontos do conhecimento do
dominador visando a destituição do mesmo(o dominador).
Significava a garantia de que a Igreja católica negociaria sua alforria.

Explicação:

Mais do que ampliar as redes de parentesco, as irmandades negras tiveram papel importante na luta pela
liberdade de muitos escravos. Diversos escravos africanos e crioulos conseguiram obter sua liberdade graças
à poupança feita por seus ¿irmãos¿ de credo. Assim que comprava a alforria de um membro, a irmandade
começava uma nova poupança para ajudar outra pessoa.
Anualmente, cada irmandade fazia a festa para seu santo padroeiro. Esse era o momento mais importante
de cada irmandade. Tal comemoração era composta por uma longa procissão, missa solene e grande festa
com muita música, dança e batuque. Também era nessa festa que a irmandade coroava seu rei e sua
rainha. Para os escolhidos, esse era um momento de grande prestígio frente a seus companheiros. A
devoção de escravos e libertos fez com que algumas irmandades negras ganhassem muito prestígio e se
transformassem em organizações com muito dinheiro. Um exemplo disto está no fato de que, no Rio de
Janeiro, tanto a Igreja de Nossa Senhora do Rosário como a Igreja de São Elesbão e Santa Egênia terem
sido construídas na região central da cidade.

1a Questão

A definição científica de raça e os ideais igualitários herdados da Revolução Francesa acabou reacendendo os
debates sobre a origem, ou origens da humanidade. O principal embate se dava entre monogenistas e
poligenistas. A vertente poligenista possibilitou, ainda no século XIX, o fortalecimento de disciplinas
baseadas no discurso científico. Assinale a resposta com exemplos desse movimento:
Antropologia criminal - que considerava a criminalidade algo genético; Frenologia e antropometria -
que calculavam a capacidade humana de acordo com o estudo do tamanho do cérebro de indivíduos
dos diferentes grupos humanos; Craniologia ¿ estudo do crânio;
Antropologia cultural - que considerava a criminalidade algo específico; Frenologia e antropometria -
que calculavam a capacidade bélica de acordo com o estudo do tamanho do cérebro de indivíduos
dos diferentes grupos humanos; Craniologia ¿ estudo do crânio.
Antropologia criminal - que considerava a criminalidade algo normal; Frenologia e antropometria -
que calculavam a capacidade de mentir de acordo com o estudo do tamanho do cérebro de indivíduos
dos diferentes grupos humanos; Craniologia ¿ estudo do crânio;
Antropologia criminal - que considerava a criminalidade algo genético; Frenologia e antropometria -
que calculavam a capacidade humana de acordo com o estudo do tamanho do femur de indivíduos
dos diferentes grupos humanos; Craniologia ¿ estudo da caixa toráxica;
Antropologia cultural - que considerava a criminalidade algo genético; Frenologia e antropologia - que
calculavam a capacidade humana de acordo com o estudo do tamanho do cérebro de indivíduos dos
diferentes grupos humanos; Craniologia ¿ estudo do crânio;

2a Questão

Gilberto Freyre em sua obra casa Grande & Senzala procurou:

despertar nos governos republicanos a idéia de criação de reservas indígenas e quilombos.


estimular as imigrações de orientais para o Brasil para o desenvolvimento de atividades rurais.
defender a inexistência da chamada " democracia racial" , combater a idéia de fusão das três
raças.
difundir a eugenia em sua obra, ou seja, um branqueamento racial.
apresentar uma imagem positiva de um Brasil mestiço, como resultado da fusão das três raças.

Explicação:

Freyre apresenta a importância da casa-grande na formação sociocultural brasileira, assim como a da


senzala na complementação da primeira. Além disso, Casa-Grande & Senzala enfatiza a formação da
sociedade brasileira no contexto da miscigenação entre os brancos, principalmente portugueses, dos negros
das várias nações africanas e dos diferentes iindígenas que habitavam o Brasil.

3a Questão

"Com efeito, desde os anos 1870, teorias raciais passam a ser largamente adotadas no país - sobretudo nas
instituições de pesquisa e de ensino brasileiras predominantes na época -, em uma clara demonstração de
que os critérios políticos estavam longe dos parâmetros científicos de análise. Percebe-se, então, uma clara
selecão de modelos, na medida em que, frente a uma variedade de linhas, nota-se uma evidente insistência
na tradução de autores darwinistas sociais que, como vimos, destacavam o caráter essencial das raças e,
sobretudo, o lado nefasto da miscigenação." ( SCHWARCZ, Lilia M. USOS E ABUSOS DA MESTIÇAGEM E DA
RAÇA NO BRASIL uma história das teorias raciais em finais do século XIX.).

Um dos principais nomes defensores das teorias raciais no Brasil foi:

Nina Rodrigues.
Gonçalves Dias.
Camilo Castelo Branco.
Gregório de Matos
José de Alencar.

Explicação:

Nina Rodrigues é considerado o fundador da antropologia criminal brasileira e pioneiro nos estudos sobre
a cultura negra no país. Foi o primeiro estudioso brasileiro a abordar o problema do negro como questão
social relevante para a compreensão da formação racial da população brasileira, apesar de adotar uma
perspectiva racista, nacionalista e cientificista, em seu livro Os Africanos no Brasil (1890-1905).[1]

4a Questão

Como efeito da ideia de democracia racial, podemos apontar;

A elaboração de leis segregacionistas


O nascimento do movimento negro
O não reconhecimento do racismo como um problema estrutural na sociedade brasileira
O desenvolvimento de politicas afirmativas
A inclusão racial plena no pós abolição.

5a Questão

Na literatura brasileira, indianismo é o termo que faz referência à idealização do


indígena, por vezes retratado como um mítico herói nacional. Identifique abaixo a qual
movimento literário pertence esta visão sobre os nativos:

Barroco indianista.
Parnasianismo indianista.
Realismo indianista.
Romantismo indianista.
Simbolismo indianista.

Explicação:

O Romantismo, corrente da literatura difundida no Brasil a partir do século XIX possuía uma vertente de
exaltação da nacionalidade. Nesta vertente o indígena ganhava destaque sendo enaltecido como herói
nacional.

6a Questão
O movimento indianista foi uma adaptação do Romantismo à realidade brasileira, na falta do cavaleiro
medieval, qual figura foi escolhida para representar o herói nacional?

O índio;
O português;
O africano;
O mestiço.
O afrodescendente;

7a Questão

O Brasil é constituído por diversidade étnico-cultural. Contudo, embora reconheçamos esta diversidade,
pode-se pontuar que:

Houve menor contribuição dos povos indígenas.


A contribuição dos povos indígenas e europeus se sobrepõe àquela dos africanos.
Houve maior contribuição e importância dos europeus.
Diferentes povos contribuíram, em diferentes nuances, para a formação da sociedade brasileira.
A contribuição dos povos indígenas e africanos se sobrepõe àquela dos portugueses.

8a Questão

"Enfim, em finais do século XIX , se a primeira vista a noção de evolução surgia como um conceito que parecia
apagar diferenças e oposições, na prática reforçou perspectivas opostas: de um lado os evolucionistas sociais,
que reafirmavam a existência de hierarquias entre os homens, porém acreditavam numa unidade fundamental
entre estes; de outro os darwinistas sociais, que entendiam a diferença entre as raças como uma questão
essencial". Lilia Schwarcz. "Usos e Abusos da Mestiçagem e da Raça no Brasil". Sobre as noções de evolução
humana de fins do século XIX é correto afirmar que:

Todas as teorias desenvolvidas defendiam a existência de raças humanas que haviam evoluído a
partir de uma única matriz.
Todas as teorias desenvolvidas defendiam a existência de raças humanas que ocupavam lugares
distintos da escala evolutiva
Todas as teorias desenvolvidas defendiam a existência de raças humanas com origens múltiplas.
Todas as anteriores.
Todas as teorias desenvolvidas defendiam a existência de uma única raça, composta pos etnias
distintas.

Explicação:

O enunciado da questão traz o texto ". Lilia Schwarcz sinaliza que nos finais do século XIX, se
a primeira vista a noção de evolução surgia como um conceito que parecia apagar diferenças
e oposições, na prática reforçou perspectivas opostas: de um lado os evolucionistas sociais,
que reafirmavam a existência de hierarquias entre os homens, porém acreditavam numa
unidade fundamental entre estes; de outro os darwinistas sociais, que entendiam a
diferença entre as raças como uma questão essencial"

Essa colocação da autora deixa claro no texto, que essa noção de evolução acabaria com a
diferenças e oposições, na prática reforçou a contradição, entre a definição científica de raça
e os ideais herdados da Revolução Francesa.

Fica claro que a terceira proposição é a única que atende ao que propôs a questão: ¿todas as
teorias desenvolvidas defendiam a existência de raças humanas que ocupavam lugares
distintos da escala evolutiva¿.

1a Questão

Sabe ¿se que a sociedade brasileira foi edificada sobre o preconceito racial, o qual tem trazido muitas
exclusões sociais e muitas lutas sociais. Desse modo, ao longo da constituição do povo brasileiro houve um
pensamento paradigmal definido como democracia social, elaborado por:

Gilberto Freyre
Florestan Fernandes
Darcy Ribeiro
Roberto da Matta
Castro Alves

Explicação:

A Democracia Racial foi elaborada pelo Giberto Freyre, a partir do seu livro Casa Grande e Senzala. Tal
cocneito partia do princípio das diferentes raças conviverem harmoniosamente por ter a misceganação como
base da formação do povo brasileiro.

2a Questão

Entre as opções abaixo, assinale aquela que apresenta o nome do autor responsável pela criação do
polêmico argumento que definiu o Brasil como uma "democracia racial".

Artur Ramos Pereira de Araújo


Silvio Romero.
Graça Aranha.
Nina Rodrigues.
Gilberto Freyre.

Explicação:

Gilberto Freyre ao escrever seu livro Casa grande e Senzala define a convivência harmoniosa entre as
distintas raças e por isso haveria uma democracia racial. À forma menos determinista de compreender os
processos sociais, Freyre adicionou as histórias que ouvira quando menino e uma dose cavalar de fontes
documentais pouco exploradas até então. O resultado disso foi uma análise da sociedade e da história
brasileira feita pelo e para o Brasil.
Segundo o autor, o Brasil nascera da tecnologia indígena empregada na produção da mandioca, do leite das
amas negras que alimentaram os meninos das famílias patriarcais, das experiências sexuais desses mesmos
meninos com as mulatas do país. A intimidade brasileira estava impregnada pela mestiçagem e isso não
fazia o Brasil menos civilizado do que os países europeus. Na realidade, a mestiçagem era a brasilidade.
Longe de esgotar as possibilidades de interpretação da polêmica obra clássica de Gilberto Freyre - o que
seria uma tarefa hercúlea -, é importante pontuar o impacto que Casa Grande e Senzala trouxe para o
cenário intelectual brasileiro. Se por um lado Nina Rodrigues foi o primeiro intelectual a fazer um estudo
sistêmico da presença africana no Brasil, Freyre foi o primeiro que apresentou essa herança africana de
forma positiva e em profundo diálogo com as demais esferas formativas do país.

Dito de outra forma, Freyre introduziu uma ideia de civilização genuinamente nacional, na qual as
ascendências indígena e africana compartilhavam com a europeia o protagonismo na trajetória brasileira. Se
difencidis demais autores, das alternativas, e por isso respostas erradas.

3a Questão

A "democracia racial" tem sido um dos conceitos mais importantes do pensamento sócio-
político brasileiro e ele foi desenvolvido pelas reflexões do intelectual Gilberto Freyre a partir
da década de 1920. Esse conceito tem sido objeto de numerosos debates desde o
lançamento do livro "Casa Grande e Senzala" em 1933 e, baseados em seus estudos,
observe as afirmações abaixo.
I O pensamento de Gilberto Freyre minimizou as contradições e conflitos que marcaram
a trajetória social brasileira desde os tempos coloniais porque, entre outros pontos,
considerava que a elevada mestiçagem favoreceu a harmonização dos laços entre as
classes sociais do Brasil.
II No decorrer da década de 1950, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a
Ciência e a Cultura (UNESCO) patrocinou um conjunto de pesquisas sobre as relações
raciais no Brasil com a meta de estudar as raízes as aparente harmonia racial no Brasil
e, em seguida, difundir as razões dessa pretensa harmonia no mundo. Assim, o
resultado de tais pesquisas foi a constatação de que o Brasil não era um país
significativamente racista.
III Em seus estudos, Florestan Fernandes constatou que as desigualdades no Brasil
tinham a origem exclusivamente racial. Desta forma, o racismo no Brasil seria combatido
com o avanço da modernização capitalista, a qual teria um impacto na cultura patriarcal
responsável pela perpetuação do racismo.
IV O sociólogo Oracy Nogueira estudou as relações raciais no Brasil e confluiu que as
desigualdades sociais e desigualdades raciais se complementavam no Brasil.

Marque a opção correta:

c) Apenas as alternativas I e IV estão corretas


a) Apenas as alternativas I e II estão corretas
b) Apenas as alternativas I e III estão corretas
d) Apenas as alternativas II e IV estão corretas
e) Apenas as alternativas III e IV estão corretas

Explicação:

Erro da alternativa II: os estudos vinculados à UNESCO concluíram que o Brasil era
significativamente racista, assim como nos EUA. Erro da alternativa III: em seus estudos,
Florestan Fernandes considerou que outros elementos sem ser o econômico também eram
relevantes na explicação das desigualdades raciais no Brasil.
4a Questão

Esta obra, publicada em 1933, rompe com o discurso racial que dominava as ciências humanas no país e
inaugura um novo olhar sobre a miscigenação e as relações sociais e étnicas no Brasil. Ressalta a
mestiçagem e defende a existência de um equilíbrio nas relações étnicas que caracterizaria o Brasil. Estamos
falando de:

A origem das espécies, de Charles Darwin


O elemento português do Brasil de Silvio Romero
Casa Grande e Senzala de Gilberto Freyre
Os Sertões, de Euclides da Cunha
Cultura do povo brasileiro, de Manoel Bonfim

Explicação:

A democracia racial, parte da ideia que haveria uma harmonia entre as raças no Brasil, devido a
miscegenação e convivência harmoniosa. Tal paradigma surgio a partir do Livro Casa grande e Senzala de
Gilberto Freyre. Por isso que as demais respostas estão incorretas.

5a Questão

Em fins do século XIX e início do século XX, teóricos como Sílvio Romero, Nina Rodrigues e Euclides da
Cunha, estudaram a sociedade brasileira e construíram um discurso que possibilitou o surgimento de teorias
raciais científicas que desvalorizavam/inferiorizavam negros e mestiços. A respeito desses teorias podemos
afirmar que:

Herdeiras do evolucionismo, essas teorias, no Brasil, vigoraram apenas entre o grupo citado pois não
foi possível disseminá-la em amplos setores da sociedade.
Herdeiras do evolucionismo, essas teorias explicaram a diversidade étnica e cultural do Brasil.
Herdeiras do evolucoinismo, essas teorias serviram como base para explicar a colonização brasileira.
Herdeiras do evolucionismo, essas teorias raciais definiram, no Brasil, uma identidade nacional
pautada na superioridade branca, legitimaram o passado escravista recente, e explicaram a não
inserção política e social de determinados grupos, mesmo após a proclamação da República.
Herdeiras do evolucionismo, essas teorias foram logo descartadas pela dificuldade em comprová-las.

Explicação:

O darwinismo social acredita na premissa da existência de sociedades superiores às outras e que, nessa
condição, as que se sobressaem física e intelectualmente devem e acabam por se tornar as governantes,
enquanto as outras - menos aptas - deixariam de existir porque não eram capazes de acompanhar a linha
evolutiva da sociedade; entrariam em extinção acompanhando o princípio de seleção natural da Teoria da
Evolução.
6a Questão

"Nos anos 1930, há um ponto de viragem no pensamento nacional, no qual a temática racial não deixa de
ser central, mas é reconfigurada. (...) A mestiçagem passa a ser eleita como expressão nacional e, nesta
interpretação, a obra Casa-Grande & Senzala de Gilberto Freyre é dotada de importância simbólica
fundamental, valorizando as influências africanas, indígenas e portuguesas na consolidação de uma ideia de
brasilidade singular e positivada." A teoria que se origina nesse momento, baseada na obra de Freyre é:

Eugenia.
Freyrianismo;
Democracia racial;
Democracia plena;
Darwinismo social;

Explicação:

Esta ideologia serviu muito bem aos interesses políticos do governo getulista (marcado pelo nacionalismo e
pelo populismo), que,
embora difundisse a ideia do Brasil como um país desprovido de discriminação racial, deixava muito claro
que cada raça tinha um
lugar determinado a ocupar na sociedade brasileira. Só assim, a harmonia defendida por Freyre continuaria
"reinando".

7a Questão

A miscigenação entre as diversas raças, no território brasileiro, tem sido historicamente usada como
argumento para afirmação de inexistência de preconceito racial no Brasil. Assinale a teoria que melhor
representa a afirmação.

Teoria da Evolução.
Teoria da Democracia Racial;
Teoria Eugênica;
Darwinismo Social;
Teoria do Branqueamento;

Explicação:

Esta ideologia serviu muito bem aos interesses políticos do governo getulista (marcado pelo nacionalismo e
pelo populismo), que,
embora difundisse a ideia do Brasil como um país desprovido de discriminação racial, deixava muito claro
que cada raça tinha um
lugar determinado a ocupar na sociedade brasileira. Só assim, a harmonia defendida por Freyre continuaria
"reinando".

8a Questão

A busca da identidade nacional brasileira foi um dos principais debates acadêmicos das primeiras décadas do
século XX. Grandes intelectuais como Nina Rodrigues, profundamente influenciados por estudos da Biologia,
percebiam na miscigenação das raças os males da sociedade brasileira e o motivo do subdesenvolvimento
do país. Contrário a essas ideias, Manoel Bomfim emerge com novas explicações para o atraso brasileiro fora
das explicações biológicas. Marque a alternativa que contém a explicação de Bomfim para o atraso
brasileiro.

O atraso brasileiro é decorrente da grande riqueza de seu subsolo de suas terras que causou o
parasitismo de toda uma população.
O atraso brasileiro deve-se a falta de investimentos do Governo na educação pública e no
desenvolvimento de todo o conjunto de sua população.
O atraso brasileiro é consequência do clima Tropical, predominante quente e úmido que fez surgir
nos trópicos uma população preguiçosa e pouco inteligente.
O atraso brasileiro reside na economia baseada na agricultura de exportação e na pouca
industrialização do Brasil.
O atraso brasileiro deve-se sobretudo a grande presença de negros e mestiços na sua população.

Explicação:

Médico e educador, em 1905, Bom�m publicou um estudo no qual desvinculava o atraso do Brasil (e do
restante da
América Latina) à ideia de inferioridade racial.
Embora �zesse uso de termos médicos e cientí�cos, o autor propôs uma leitura sociológica da pretensa
inferioridade
do Brasil em relação aos países desenvolvidos da Europa. Era a primeira vez que a "incivilidade" brasileira
não passava
por questões relacionadas à diversidade racial que compunha o país.
De tal forma, Bom�m não só defendia a miscigenação brasileira, como desacreditava na inferioridade das
raças e
assegurava que o Brasil só conseguiria mudar os rumos de sua história caso �zesse uma revolução baseada
na
universalização da educação.

1a Questão

Sobre a influência das culturas afro-descendente e indígena na composição atual da sociedade brasileira, é
correto afirmar:

Que a indígena está presente apenas em nomes de ruas, bairros e cidades e que a africana
exclusivamente na música e nas danças.
Que estas culturas permanecem muito presentes em nossa composição atual. Podendo estas serem
notadas em hábitos culinários, lingüísticos, religiosos, bem como outras formas culturais.
Que ambas foram completamente aniquiladas e completamente apagadas do nosso registro
histórico.
Que a cultura afro-descendente marca com sua influência a nossa sociedade, enquanto a indígena
desapareceu completamente.
Que a cultura indígena marca com sua influencia a nossa sociedade, enquanto a afro-descendente
desapareceu completamente.

Explicação:

O aluno deverá demonstrar que conhece as contribuições culturais dos indígenas e dos afro-
descendentes para a cultura brasileira.

O costume de descansar em redes é outra herança dos povos indígenas


Além da influência indígena na culinária brasileira, herdamos também a crença nas práticas populares de
cura derivadas das plantas. Por isso sempre se recorre ao pó de guaraná, ao boldo, ao óleo de copaíba, à
catuaba, à semente de sucupira, entre outros, para curar alguma enfermidade.
A culinária brasileira herdou vários hábitos e costumes da cultura indígena, como a utilização da mandioca e
seus derivados (farinha de mandioca, beiju, polvilho), o costume de se alimentar com peixes, carne socada
no pilão de madeira (conhecida como paçoca) e pratos derivados da caça (como picadinho de jacaré e pato
ao tucupi), além do costume de comer frutas (principalmente o cupuaçu, bacuri, graviola, caju, açaí e o
buriti).

A bagagem cultural africana marcou profundamente nossa história, além do óbvio, conta Costa e Silva.
¿Devemos aos africanos a forma de construir a casa rústica; importantes técnicas agrícolas e pecuárias; as
forjas de ferro; a maneira de peneirar o ouro nos garimpos; o modo de nos comportarmos, de gostar da rua.
A influência é rural e urbana. Recebemos milhares de africanos de regiões diferentes, em períodos distintos,
e cada povo deixou um legado. O povo da Alta Guiné tinha a cultura do arroz, e quando foi trazido para o
Maranhão, deixou lá essa marca. O forte na Costa do Benin era o inhame, o dendê e a malagueta, e como
eles vieram para a Bahia, o dendê se tornou uma marca da região. Cabe destacar também que a influência
foi recíproca, pois o povo africano herdou de nós a mandioca, a batata-doce, o caju e o abacaxi. Na música
temos o samba, o maracatu, o frevo¿

2a Questão

No tocante a questão indígena, a Constituição Brasileira propôs diversas inovações, dentre as quais podemos
citar:

O reconhecimento da diversidade cultural indígena e do direito a preservação de suas tradições.


A inserção do índio no mercado de trabalho.
A escolha aleatória de terras para a demarcação das reservas indígenas.
A obrigatoriedade do ensino religioso nas terras indígenas
A demarcação de terras indígenas desconsiderando as regiões originais que as tribos habitavam.

Explicação:

A Constituição reconheceu que os grupos indígenas são diversos entre si e que possuem características
culturais que necessitam ser sistematicamente mantidas e preservadas.

3a Questão

O movimento negro unificado sofreu influencias, sobretudo:

Das ideias de assimilação do período Vargas


Do mito da democracia racial
Da Frente Negra Chilena
Do movimento negro norte americano
Do movimento francês anti-apartheid

Explicação:
Essa resposta pode ser vista no slide 4 da aula 8. Movimento Negro Unificado (1978). Influência de
movimentos negros de outros contextos (em especial, norte-americano). Impacto das pesquisas sociológicas
sobre as desigualdades raciais. O MNU apontava o negro como vítima da discriminação no trabalho, na
abordagem policial e em outros âmbitos da sociedade.

4a Questão

Baseados em seus estudos sobre a chamada "questão indígena" no Brasil do final do século
XIX e do século XX, marque a alternativa abaixo correta.

e) A política estatal de demarcar as terras indígenas tem sido uma solução eficiente
para os problemas dos nativos brasileiros e o processo de para uma terra ser
reconhecida e demarcada como indígena requer um acordo entre os nativos e os
funcionários de Estado.
a) A partir da proibição da lei portuguesa que proibiu a escravização dos nativos dos
brasileiros em 1570, os indígenas passaram a viver de forma autônoma e paralela à
história do Brasil, situação que mudou a partir do século XX e das viagens dos
chamados "sertanistas".
d) A Fundação nacional do Índio (FUNAI), criada em 1967, teve como principal objetivo
era servir como tutora dos índios brasileiros e tal instituição representou uma mudança
no padrão de relacionamento entre indígenas e o Estado brasileiro uma vez que os
primeiros passaram a direcionar as políticas públicas voltadas às suas demandas.
c) Antropólogos importantes como Heloísa Alberto Torres, Darcy Ribeiro, Roberto
Cardoso de Oliveira, Eduardo Galvão fizeram parte do Serviço de Proteção aos Índios
(SPI) e trabalharam para estimular a integração dos índios à sociedade nacional.
b) O militar Cândido Rondon foi um dos organizadores do Serviço de Proteção aos
Índios (SPI), órgão fundado em 1910, e essa instituição federal tinha como meta
proteger os índios frente à escravização que estava ocorrendo no norte do país e a
promoção à integração dos nativos, a fim de torna-los um proletário rural ou urbano.

Explicação:

O equívoco da alternativa A está no fato da ideia que os indígenas permaneceram


autônomos e paralelos. Na verdade, os nativos permaneceram agentes ativos da sociedade
brasileira através de movimentos políticos, trabalhando em iniciativas como o extrativismo
vegetal e no pensamento dos românticos. O equívoco da alternativa C: os antropólogos
citados criticaram a postura de SPI de buscar a integração dos índios ao modo de vida
ocidental. O equívoco da alternativa D: FUNAI manteve a política tradicional do estado
brasileiro de manter uma tutela autoritária e com pouco diálogo com as comunidades
nativas. O equívoco da alternativa E: o o processo de para uma terra ser reconhecida e
demarcada como indígena é longo e cheia de tramites burocráticos. Além disso, interesses
do empresariado rural se fazem valer para dificultar tal processo.

5a Questão

O que a ECO-92 representou para as populações indígenas no que diz respeito à sua relação com questões
da modernidade?
Dentro do contexto do meio ambiente também foram incluídas temáticas relativas a saneamento
básico, tratamento de esgoto, despoluição de rios, lagoas, baías e oceanos, reciclagem de lixo etc.,
ou seja medidas que possibilitassem não só a proteção do meio ambiente mas também
melhorassem a qualidade de vida, inclusive de populações indígenas que estivessem alijadas
desses serviços.
A ECO-92 ensinou às populações indígenas como lidar com o meio-ambiente de uma maneira
contemporânea, desconstruindo velhos hábitos que se mostravam predatórios.
Reconheceu as práticas de cultivo indígenas como preservadoras da biodiversidade e determinou a
aplicação das mesmas fora das reservas.
Representou maiores ofertas de trabalho para os indígenas, já que incentivou a transferência de
empresas para regiões das reservas.
Representou uma série de incentivos financeiros constantes às populações indígenas de áreas
preservadas, das quais se tornaram então responsáveis e cuidadoras.

Explicação:

A contextualização da questão sinaliza que a ECO 92, representou para as populações


indígenas no que diz respeito à sua relação com questões da modernidade. Ela trouxe
temáticas pertinentes para toda população mundial e que também tornaram-se demandas
para os grupos indígenas como despoliução dos rios, saneamento e preservação. O intuito
seria melhor as condições de sobrevivência destes grupos.

6a Questão

Podemos dizer que a influência da cultura indígena pode ser percebida de forma mais claro em algumas
regiões do Brasil, como por exemplo:

o norte e o sul.
o norte e o nordeste.
o sul e o sudeste.
o norte e o centro-oeste.
o centro-oeste e o sudeste.

Explicação:

A população indígena, ao longo da colonização, tendeu a migrar para áreas mais interiorizadas com o
propósito de escapar do assédio europeu. Desta forma, as regiões Centro-Oeste e Norte mantiveram mais
traços e costumes indígenas em comparação com as demais.

7a Questão

Sobre a participação das comunidades indígenas na ECO-92, é correto afirmar:

Sua participação não se limitou a apenas este evento. Os povos indígenas realizaram ações e
eventos paralelos para definir estratégias de lutas e de apresentação de suas propostas. Não
desejavam ser considerados vítimas, mas sim, assumir responsabilidades sobre suas ações, assim
como ser consultados quanto a políticas públicas e decisões que venham a interferir em seu território
e sua cultura.
Sua participação não foi permitida, uma vez que a organização do evento não acreditava que
poderiam contribuir com o mesmo.
Houve uma participação massiva de indígenas de todas as regiões do país, que viam na Conferência
o único canal de negociação possível e legítimo para suas questões.
A eco-92 nada acrestou sobre os direitos indígenas e os referentes à terra.
Não houve participação alguma de indígenas na Conferência, pois eles não reconheciam aquele
espaço como legítimo para debater suas questões.

Explicação:

A população indígena não restringiu sua atuação a este evento. Várias lideranças buscam alterar o papel de
vitimismo a eles atribuído, configurando também sua responsabilidade como atores da História.

8a Questão

Assinale a opção que indica corretamente quais foram os principais motivos que levaram à extinção do
Serviço de Proteção aos Índios (SPI) em 1967, dando lugar à Fundação Nacional do Índio (FUNAI):

I - Má gestão e falta de recursos

II - corrupção funcional e vulnerabilidade do órgão.

III - A necessidade de uma renovação nos quadros burocráticos do Estado.

IV - necessidade de um órgão mais enérgico para implantar as políticas indigienistas.

Apenas III e IV estão corretas.


Apenas I e II estão corretas.
Todas estão corretas.
Apenas II, III e IV estão corretas.
Apenas II e III estão corretas.

Explicação:

O SPI foi extinto no ano de 1967 e substituído pela FUNAI. Os motivos que teriam levado a esta extinção
são; falta de recursos, mau gerenciamento dos recursos existentes, fragilidade do órgão e ainda, mudança
na política em relação aos indígenas, eliminando a prática de assimilação cultural.

1a Questão

Leia a afirmativa a seguir: "A população pobre frequenta escola pobre, os negros pobres frequentam escolas
ainda mais pobres (...) toda vez que o ensino propicia uma diferenciação de qualidade, nas piores soluções
encontramos uma maior proporção de alunos negros." (ROSEMBERG, apud SCHWARCZ, 2012, p. 90). Ela
comprova que::
a luta contra a discriminação no Brasil está longe de terminar;
no Brasil há igualdade de oportunidades para brancos, negros e mestiços;
graças à luta do Movimento Negro, não há mais discriminação racial no Brasil;
não há discriminação racial no Brasil.
no Brasil, a discriminação é econômica e não racial;

Explicação:

A resposta esta relacionada a pergunta feita. Mostrando que a desigualdade e o preconceito existem até os
dias de hoje.

2a Questão

A Lei Áurea não garantiu a cidadania e o fim das discriminações aos afro-brasileiros. Selecione abaixo o
melhor exemplo para essa afirmação.

Quilombo dos Palmares.


Revolta da Armada.
Confederação do Equador.
Revolta dos Malês.
Revolta da Chibata.

Explicação:

A Lei Áurea, assinada em 1888, não garantiu os direitos iguais entre brancos e negros no Brasil, em fins do
século XIX, nem no XX. A Revolta da Chibata, por exemplo, ocorrida no início do século XX, representa a
luta dos negros contra os castigos físicos sofridos por essa população na Marinha. A historiografia mostra
que esses castigos estão ligados ao racismo e ao preconceito.

3a Questão

Em 1978 as escadarias do Teatrro Municipal de São Paulo foi palco de ato público que convocava homens e
mulheres negras a reagir à violência racial, a qual eram submetidos. Naquele momento a sociedade
brasileira era apresentada:

ao primeiro órgão público voltado para o apoio dos movimentos sociais brasileiros, o Conselho de
Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra.
a uma legislação anti-racista, como por exemplo a Lei Caó , a tipificação do racismo como crime.
ao Movimento Negro contra a Discriminação Racial (MNU) . Foi um marco para a esperança de
negros e negras brasileiras na luta contra o racismo e o preconceito.
a mudanças nas estruturas curriculares das escolas brasileiras com a obrigatoriedade da Disciplina
Cultura Negra no Brasil.
a inúmeros projetos que beneficiaram a população negra, como por exemplo cotas para negros nas
universidades públicas.

Explicação:
O MNU aparece trazendo propostas . Criado em 07 de julho de 78 , em ato público com cerca de duas mil
pessoas, em frente ao Teatro Municipal de São Paulo, se propunha a "ser uma organização de lutas e
denúncias em todos os campos onde haja opressão e perseguição do negro, ou seja, um órgão de forte
representatividade da população negra em sua luta pela liberdade".

4a Questão

Analise as assertivas abaixo tendo como referência o movimento Abolicionista do Brasil:

I - O movimento abolicionista foi obra de intelectuais, jornalistas, políticos e escritores, restringindo-se aos
teatros e salões elegantes, ou seja, não atingiu as camadas mais populares da sociedade.

II - A Abolição, apesar de obtido a liberdade dos escravos, foi limitada. Não houve mudança de estruturas e
não trabalhou para a eliinação do racismo.

III - Após a Abolição da escravidão, a maioria dos ex escravos passou a desempenhar inferiores.

Apenas II e III estão corretas.


Apenas I e II estão corretas.
Apenas II está correta.
Apenas III está correta.
Todas estão corretas.

Explicação:

O abolicionismo organizou-se como conjunto de ideias entre grupos intelectualizados da sociedade. Não
permaneceu, contudo, restrito a estes segmentos. Obtive vitórias significativas como a definitiva liberdade
de escravos, entretanto, não mudou as estruturas que mantinham excluídos os ex-cativos. A inserção destes
na sociedade e no mercado de trabalho não foi bem sucedida, o que manteve seu papel de subalternos na
República nascente.

5a Questão

Segundo a Lei do Ventre Livre:

Todos os senhores deveriam escolher se queriam ou não ficar com os recém-nascidos até eles
completarem dezoito anos de idade;
Todos os senhores deveriam ficar com os recém-nascidos até eles completarem oito anos de idade;
Todos os senhores deveriam ficar com os recém-nascidos até eles completarem vinte e um anos de
idade;
Todos os senhores deveriam escolher se queriam ou não ficar com os recém-nascidos até eles
completarem oito anos de idade;
Todos os senhores deveriam ficar com os recém-nascidos até eles completarem dezoito anos de
idade;

Explicação:

Para garantir que receberiam bons cuidados e que não seriam separados das mães, todos os senhores
deveriam �car
com os recém-nascidos até eles completarem oito anos de idade. Depois disso, o senhor de sua mãe poderia
escolher
receber 600 mil réis do governo e dar a liberdade total para a criança ou então utilizar os serviços dessa
criança até ela
completar vinte e um anos.

6a Questão

Leia as assertivas abaixo sobre a escravidão e o movimento abolicionista e, a seguir, responda:

I - O escravo africano era propriedade exclusiva dos senhores no período anterior à Abolição.

II - O trabalho escravo foi extinto no Brasil a partir da criação da Lei Áurea.

III - O Abolicionismo foi de extrema importância para o fim da escravidão no Brasil.

Todas as opções estão corretas.


Apenas I e III estão corretas.
Apenas I está correta.
Apenas II e III estão corretas.
Apenas I e II estão corretas.

Explicação:

O movimento abolicionista foi determinante para a concretização do fim da escravidão. Várias leis foram
criadas a partir da segunda metade do século XIX e aquela que concretizou o fim da escravidão denominou-
se Lei Áurea. Neste interim, todos os escravos eram reconhecidos como propriedade exclusiva dos seus
senhores.

7a Questão

A escravidão foi abolida em 1888, mas anos depois, no inicio da república, seu legado ainda se fazia
presente. Em 1910 eclode uma revolta na Armada, e dentre seus principais motivos podemos destacar:

A proibição dos negros de ingressarem no exército


O impedimento dos negros de atuar em combate
A manutenção da proibição de casamentos inter-raciais
A prática de castigos corporais na marinha
A luta pelo voto negro

Explicação:

O movimento negro referido é a Revolta da Chibata, que foi motivada pelos castigos físicos que os negros
recebiam na marinha. João Cândido, líder do movimento, descendente de escravos, denunciou os maus
tratos que os negros sofriam na marinha.
8a Questão

No clássico O Abolicionismo, Joaquim Nabuco, ao citar Eusébio de Queirós, autor da lei que pôs fim ao tráfico
negreiro intercontinental, afirma que "as nações como os homens devem prezar a sua reputação" e
acrescenta: "... mas, a respeito do Tráfico, a verdade é que não salvamos um fio sequer da nossa. O crime
nacional não podia ter sido mais escandaloso, e a reparação não começou ainda. No processo do Brasil um
milhão de testemunhas hão de levantar-se contra nós, dos sertões da África, do fundo do oceano, dos
barracões da praia, dos cemitérios das fazendas, e esse depoimento mudo há de ser mil vezes mais valioso
para a história do que todos os protestos de generosidade e nobreza d´alma da Nação inteira."

(NABUCO, Joaquim. O Abolicionismo. Petrópolis: Vozes, 1977. p. 120.)

A respeito desse movimento, assinale a alternativa INCORRETA:

os abolicionistas brasileiros conquistaram importantes apoios internacionais para a causa, facilitados


pelas ligações de Joaquim Nabuco, que desde 1882 havia se tornado membro efetivo da British and
Foreign Anti-Slavery Society;
na concepção de Joaquim Nabuco, um dos líderes do movimento, este restringiu-se a abolir o cativeiro,
sem pensar medidas efetivas e complementares para a população a ser libertada.
um dos marcos importantes desse movimento foi a fundação, por Joaquim Nabuco e André Rebouças,
da Sociedade Brasileira contra a Escravidão, que lançou um jornal de divulgação intitulado ¿O
Abolicionista¿;
segundo Joaquim Nabuco, um dos líderes do movimento, este em sua primeira fase não contou com o
apoio político dos dois tradicionais partidos, o Liberal e o Conservador;
O movimento abolicionista teve início imediatamente após a promulgação da lei Eusébio de Queirós e
ganha força durante a Guerra do Paraguai, conquistando adeptos entre a elite política do Partido Liberal
e líderes há muito identificados com a causa como Luís Gama;

Explicação:

A COMPREENSÃO DOS IDEQAIS ABOLICIONISTAS TRAZEM JOAQUIM NABUCO COMO UM DOS GRANDES
EXPOENTES QUE BUSCOU POLÍTICAS VOLTADAS PARA A INCLUSÃO DO NEGRO NA SOCIEDADE BRASILEIRA.

1a Questão

Sobre a formação social brasileira, é correto afirmar:

A constituição da sociedade brasileira por diversos grupos formadores favoreceu a sua natureza
multiétnica, ainda que de forma desigual: o Norte essencialmente índio e caboclo; o Sul Branco e
europeizado; o Nordeste, Negro e africanizado.
A diversidade dos grupos formadores da sociedade brasileira, ao longo do período colonial, deixou de
existir com a independência, tornado o Brasil uma autêntica democracial racial.
A diversidade dos grupos formadores da sociedade brasileira, ao longo do período colonial, deixou de
existir com a independência, dado o isolamento das nações indígenas e a extinção do tráfico
negreiro, sendo ingressos no Brasil apenas brancos europeus.
A constituição de uma sociedade brasileira mestiça e multiétnica foi resultado das relações
estabelecidas entre índios, africanos e brancos e, posteriormente, asiáticos, ao longo da história do
Brasil.
A constituição de uma sociedade mestiça no Brasil foi atenuada pelo fluxo imigratório europeu, de
fins do século XIX e início do XX, fazendo com que o Brasil viesse a ser um país de população branca
com minorias étnicas negras e índias.

Explicação:

O enuciado da questão, aponta para a formação cultural do povo brasileiro. Não resta
dúvida, de que inicialmente a sociedade brasileira teve a contribuição cultural, africana,
indígena e europeia. E, mais tarde, com a imigração também podemos afirmar que
a cultura asiática passou a interagir na sociedade brasileira.

A única opção é a quarta que atende ao que pediu a questão: "A constituição de uma
sociedade brasileira mestiça e multiétnica foi resultado das relações estabelecidas entre
índios, africanos e brancos e, posteriormente, asiáticos, ao longo da história do Brasil"

2a Questão

Quando se fala em uma comida tipicamente brasileira, qual a primeira palavra que vem à cabeça? E um
ritmo musical? E o esporte?

Feijoada, samba e capoeira;


Pipoca, samba e capoeira;
Feijoada, funk e capoeira;
Tapioca, frevo e capoeira;
Feijoada, samba e natação.

Explicação:

A questão se refere a uma comida tipicamente brasileira, e com certeza, se trata de mais herança vindas
dos africanos. Constata-se que além da mistura de ritmos africanos, herança trazidas pelos escravos, uma
das coisas mais preciosas dessa cultura são: a feijoada, o sambae a capoeira, lembrando que a capoeira
no passado foi responsável pela prisão de muitos escravos e libertos, hoje se transformou em sinônimo de
esporte brasileiro.

A única resposta que atende a questão: a feijoada, o samba e a capoeira.

3a Questão

Entre as opções abaixo, assinale aquela que apresenta corretamente um exemplo de herança africana na
cultura brasileira.

Ópera.
Macarronada.
Dança Flamenga.
Música erudita.
Samba.

Explicação:
O samba (palavra que também tem origem africana e signi�ca divertir-se) talvez seja o maior exemplo
disso.

Visto em nossa aula online 10

4a Questão

Entre as opções abaixo, assinale aquela que melhor apresenta exemplos de práticas culturais que a
sociedade brasileira herdou da cultura africana.

Samba e Capoeira.
Futebol e Carnaval.
Capoeira e Futebol.
Samba e Futebol.
Carnaval e Samba.

Explicação:

A contribuição africana é evidente, principalmente, na culinária, dança, religião, música e


língua, essa matriz africana teve um papel importante na formação da identidade cultural
afro-brasileira, pois eles possuíam uma grande diversidade cultural por pertencerem a
diversas etnias com idiomas e tradições distintas, pois, eram oriundos de diversas regiões
do continente africano. Lembrando por exemplo que o samba originou dos antigos batuques
trazidos pelos africanos que vieram como escravos para o Brasil.

Entre as opções que responde à questão proposta: é o samba e a capoeira.

5a Questão

"(...) A Anistia internacional afirma que, com a Constituição de 1988, 'o Brasil adotou as leis mais
progressistas para a proteção dos direitos humanos na América latina', No entanto persiste um enorme fosso
entre o espírito dessas leis e sua implementação, diz a organização." (Folha de São Paulo, 27/02/2008)
Tomando como base a afirmação acima, assinale a alternativa que melhor a explica.

Práticas discriminatórias e/ou racistas estão extintas ou pelo menos são punidas pelas autoridades
que, desde 1988, têm como ferramenta a Constituição Brasileira;
Práticas discriminatórias e/ou racistas nunca existiram no Brasil;
Práticas discriminatórias e/ou racistas estão extintas no Brasil;
Práticas discriminatórias e/ou racistas deveriam estar extintas ou pelo menos punidas pelas
autoridades que, desde 1988, têm como ferramenta a Constituição Brasileira;
A Constituição de 1988 extinguiu todas as práticas discriminatórias ou racistas no Brasil.

Explicação:
"(...) A Anistia internacional afirma que, com a Constituição de 1988, 'o Brasil adotou as leis mais
progressistas para a proteção dos direitos humanos na América latina', No entanto persiste um enorme fosso
entre o espírito dessas leis e sua implementação, diz a organização." (Folha de São Paulo, 27/02/2008)

Demonstra que atos de disciminação e de racismo deveriam ser punidos, entretanto demonstra que as leis
não são efetivas

6a Questão

Os africanos trouxeram diferentes tipos de tambores e outros tantos instrumentos musicais que permitiram
que a música brasileira se tornasse tão diversificada. Assinale a opção que contenha APENAS exemplos de
instrumento musicais afro-brasileiros.

Cuíca, berimbau e flauta.


Berimbau, agogô e fagote;
Oboé, pandeiro e cuíca;
Atabaque, fagote e pandeiro;
Atabaque, agogô e cuíca;

Explicação:

O fagote é um instrumento musical da família dos sopros.

O oboé é um instrumento musical de sopro

Agogô instrumento idiofone afro-brasileiro com duas campânulas de ferro percutidas por vareta de metal; gã, gongom.

A cuíca ou puíta (em Angola pwita) é um instrumento musical, semelhante a um tambor, com uma haste de madeira presa
no centro da membrana de couro

Atabaque é um instrumento musical de percussão afro-brasileiro

O berimbau ou hungo é um instrumento de corda de origem angolana

A flauta é instrumento musical de sopro feito de diversos tipos de madeiras com formato de um tubo oco com orifícios

7a Questão

A políitica adotada no Brasil e em vários países do mundo com o propósito de compensar grupos
prejudicados ao longo da história é denominada de:

Ação afirmativa.
Ação de reparação.
Política de reparação de danos.
Ação compensatória.
Política de recompensas.

Explicação:
Ações afirmativas são atos ou medidas especiais e temporárias, tomadas ou determinadas pelo estado,
espontânea ou compulsoriamente, com os objetivos de eliminar desigualdades historicamente acumuladas,
garantir a igualdade de oportunidades e tratamento, compensar perdas provocadas pela discriminação e
marginalização ...

8a Questão

Ao retratar a trajetória do samba no Brasil, o cantor e compositor Cartola mostrou que o ritmo musical que
nasceu com as quitandeiras baianas na Praça Onze conseguiu vencer os preconceitos e ganhar o
estrangeiro. Hoje, o samba é uma das marcas do Brasil. Cite outros exemplos do legado afrodescendente:

Capoeira e pato ao tucupi;


Jongo e cuscuz;
Taioba e vatapá;
Maracás e feijoada;
Acarajé e atabaques.

Explicação:

O contexto da questão, sinaliza a trajetória do samba no Brasil; o compositor


e cantor Cartola sinalizou que o ritmo musical nasceu com as quitandeiras
baianas na Praça Onze conseguiu vencer os preconceitos e ganhar o
estrangeiro.

Hoje, esse legado da cultura brasileira foi graças aos frutos da herança
africana, por exemplo o acarajé é um dos quitutes mais tradicionais da
culinária baiana e é um prato típico africano que pode ser oferecido à orixás. Já
o Atabaque no Candomblé é um tambor usado nas festas religiosas dos negros
de origem Gege, Ketu e Angola. Portanto, a única opção de resposta e a última
proposição:Acarajé e atabaques.

1a Questão (Ref.:201502541817) Acerto: 1,0 / 1,0

Quem era responsável pela catequese?

os padres carmelitas.
os padres jesuítas;
os padres beneditinos;
a coroa portuguesa;
a adminstração colonial;
2a Questão (Ref.:201503048341) Acerto: 1,0 / 1,0

Eram Pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. Nas mãos
traziam arcos com suas setas. Ali veríeis galantes, pintados de preto e vermelho e quartejados,
assim nos corpos, como nas pernas, que certo pareciam bem assim. (Carta de Pero Vaz de
Caminha dirigida a D. Manuel - Porto Seguro, Ilha de Vera Cruz, 1º de Maio de 1500). Nos
relatos dos portugueses era notório a diversidade dos povos indígenas. Contudo, esse foram
agrupados em dois grandes grupos linguísticos. são eles:

Guajarás e Tikunas.
Tupi-Guarani e Tapuias.
Tupi-Guanani e Tikunas.
Tapuias e Tikunas.
Juruna e Tapuias.

Gabarito Coment.

3a Questão (Ref.:201502484546) Acerto: 1,0 / 1,0

Fruto de uma importante discussão teológica em 1570 a Coroa Portuguesa:

Criava o sistema assalariado para o trabalho dos indígenas


Criou a proibição de escravização de escravos negros
Proibiu a escravização dos gentios
Impôs a obrigatoriedade de todos os indígenas cumprirem jornada de trabalho
compulsório
Impôs um registro de escravos indígenas, limitando o número por propriedades

Gabarito Coment.

4a Questão (Ref.:201502583507) Acerto: 1,0 / 1,0

O sistema de capitanias hereditárias mostrou-se ineficiente e foi substituído, como modelo


administrativo, em 1548,por qual outra estrutura?

Vice-reino
Governo Central
Feitoria
Ouvidoria
Governo Geral

Gabarito Coment.
5a Questão (Ref.:201505270976) Acerto: 1,0 / 1,0

Escravo boçal era:

Escravo nascido na África


Escravo nascido no Brasil
Escravo burro
Escravo inteligente
Escravo recém-chegado

6a Questão (Ref.:201502484545) Acerto: 1,0 / 1,0

A produção açucareira no Brasil se concentrou mais na região nordeste e o seu trabalho no


século XVI era principalmente indígena. Sobre o regime de trabalho podemos afirmar que era:

Corveia
Comunitário
Escravista
Assalariado
Misto

7a Questão (Ref.:201502449959) Acerto: 1,0 / 1,0

Os africanos possuíam uma forma de religiosidade bastante distinta da imposta pelos colonos
europeus. Para preservar alguns elementos dessa religiosidade eles empregaram uma forma de
"camuflá-la" denominada:

aderentismo.
mutualismo
conversionismo.
hibridismo
sincretismo

Gabarito Coment.

8a Questão (Ref.:201503256859) Acerto: 1,0 / 1,0

O filme Cafundó (2004) de Paulo Betti e Clóvis Bueno é baseado em fatos reais e trata sobre uma
experiência de sincretismo religioso desenvolvida em Sorocaba, estado de São Paulo, durante o
século XIX. Cafundó é inspirado em um personagem real saído das senzalas do século XIX. Um
tropeiro, ex-escravo, deslumbrado com o mundo em transformação e desesperado para viver
nele. Este choque leva-o ao fundo do poço. Derrotado, ele se abandona nos braços da inspiração,
alucina-se, ilumina-se, é capaz de ver Deus. Uma visão em que se misturam a magia de suas
raízes negras com a glória da civilização judaico-cristã. Sua missão é ajudar o próximo. Ele se
crê capaz de curar, e acaba curando. O triunfo da loucura da fé. Sua morte, nos anos 40,
transforma-o numa das lendas que formou a alma brasileira e, até hoje, nas lojas de produtos
religiosos, encontramos sua imagem, O Preto Velho João de Camargo.

Sobre o sincretismo religioso, qual das afirmativas abaixo está correta:

No processo de sincretismo religioso ocorre a introdução de elementos das culturas


indígena e negra na religião oficial católica. Assim proibidos de praticar sua própria
religião abertamente, os escravos mesclavam sua religião com o catolicismo.
Com o sincretismo religioso os colonizadores obrigavam indígenas e negros a se
converterem ao catolicismo.
Por conta do sincretismo religioso os escravos se recusavam a passar pela catequese.
No sincretismo religioso existe o abandono total das práticas religiosas e culturais
natais das populações escravas e indígenas.
O sincretismo religioso significa manter plenamente puras suas religiões.

9a Questão (Ref.:201502976040) Acerto: 1,0 / 1,0

Como sabemos, a história da escravidão foi marcada pela resistência dos escravos à condição
de submissão. Marque entre as opções abaixo, aquela que melhor define as organizações
comunitárias formadas pelos escravos rebeldes.

Senzalas.
Sobrados.
Favelas.
Kizombas.
Quilombos.

10a Questão (Ref.:201502400072) Acerto: 1,0 / 1,0

Do ponto de vista do índio e do negro, o que representava ser ou não convertido?

Significava a salvação, pois uma vez entrando em contato com os ensinamentos cristãos
puderam aprimorar suas vidas.
Significava a garantia de que a Igreja católica negociaria sua alforria.
Significava que ao converterem-se, índios e negros passavam a gozar de certa proteção
por parte da Igreja, era comum a intervenção de representantes dessa Instituição em
castigos tidos como cruéis ou exagerados e, no caso dos negros, pertencer a uma
Irmandade religiosa significava muitas vezes obter ajuda na compra de alforrias,
garantia de funeral e enterro e, auxílio a esposa e/ou filhos menores após o falecimento
do escravo homem.
Significava vingança pois negros e índios podiam aprender os principais pontos do
conhecimento do dominador visando a destituição do mesmo(o dominador).
Significava enriquecimento, pois uma vez convertidos passavam a receber ajuda
financeira constante do Vaticano.

Você também pode gostar