Você está na página 1de 2

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

Disciplina CAD046 - Empreendedorismo


Professor: Francisco Vidal Barbosa

Aluna: Ana Carolina Felix Campos – Matrícula: 2018435811


RESENHA

Empreendedorismo: Conceitos e Definições


Autores: Adelar Francisco Baggio e Daniel Knebel Baggio (2014)

O artigo e Baggio e Baggio (2014) compila informações sobre o


tema do empreendedorismo abordando aspectos relevantes relacionados com a origem
da terminologia, conceitos, teorias, importância na sociedade moderna, entre outros.
Também trata dos tipos, características, habilidades e competências dos
empreendedores e responde perguntas comuns relacionadas ao tema como a diferença
entre investidor e empreendedor e quais as habilidades e competências um
empreendedor deve ter.
A palavra em empreender é derivada da palavra imprehendere do latim. A
palavra surgiu na língua portuguesa no século XV. Já a expressão “empreendedor”
surgiu no século XVI. Todavia, a expressão “empreendedorismo” foi originada da
tradução da expressão entrepreneurship da língua inglesa que, por sua vez, é composta
da palavra
francesa entrepreneur e do sufixo inglês ship. O sufixo ship indica posição, grau,
relação, estado ou qualidade. O sufixo pode ainda significar uma habilidade ou perícia
ou, ainda, uma combinação de todos esses significados como em leadership
(liderança=perícia ou habilidade de liderar).
Segundo os autores, os economistas percebem que o empreendedor é essencial
ao processo de desenvolvimento econômico, e em seus modelos estão levando em conta
os sistemas de valores da sociedade, em que são fundamentais os comportamentos
individuais dos seus integrantes. Em outras palavras, não haverá desenvolvimento
econômico sem que na sua base existam líderes empreendedores. Para Chagas (2000)
citado por Baggio e Baggio (2014), é preciso que saibamos aprender. Sozinhos e
sempre. Como realiza o empreendedor na vida real: fazendo, errando, aprendendo.
Para Baggio e Baggio (2014), o empreendedorismo traduz-se num conjunto de
práticas capazes de garantir a geração de riqueza e uma melhor performance àquelas
sociedades que o apoiam e o praticam e pode ser compreendido como a arte de fazer
acontecer com criatividade e motivação e consiste no prazer de realizar com sinergismo
e inovação qualquer projeto pessoal ou organizacional, em desafio permanente às
oportunidades e riscos. É, portanto, assumir um comportamento proativo diante de
questões que precisam ser resolvidas.
As principais teorias que abordam o empreendedorismo são: a teoria econômica
e a teoria comportamentalista.
A teoria econômica, também conhecida como schumpeteriana, demonstra que os
primeiros a perceberem a importância do empreendedorismo foram os economistas que
estavam primordialmente interessados em compreender o papel do empreendedor e o
impacto da sua atuação na economia. Já a teoria comportamentalista, refere-se a
especialistas do comportamento humano: psicólogos, psicanalistas, sociólogos, entre
outros. O objetivo desta abordagem do empreendedorismo foi de ampliar o
conhecimento sobre motivação e o comportamento humano.
Para Dornelas (2008) citado por Baggio e Baggio (2014) as características de
empreendedores de sucesso são: visionários; sabem tomar decisões; são indivíduos que
fazem a diferença; sabem explorar ao máximo as oportunidades; são determinados e
dinâmicos; são dedicados; são otimistas e apaixonados pelo que fazem; são
independentes e constroem o próprio destino; ficam ricos; são líderes e formadores de
equipes; são bem relacionados (networking); são organizados; planejam; possuem
conhecimento; assumem riscos calculados; criam valor para a sociedade (DORNELAS,
2008).
Os autores fazem um comparativo entre habilidades técnicas, administrativas e
pessoais. Como exemplo, podemos dizer que para habilidades técnicas os
empreendedores têm administração comercial técnica e tecnológica. Para habilidades
administrativas apresentam habilidade em Marketing e finanças. Por fim em habilidades
pessoais os administradores são orientados para mudanças e são persistentes.
Baggio e Baggio (2014), afirmam que para ser empreendedor não basta possuir
habilidades técnicas e administrativas. É necessário ter, também, habilidades
empreendedoras que se relacionam com a gestão de mudanças, liderança, inovação,
controle pessoal, capacidade de correr riscos e visão de futuro.
Podemos dizer que o texto analisou o tema do empreendedorismo e respondeu
questionamentos sobre o que é ser empreendedor, o que motiva os empreendedores,
diferenças entre inventor, gestor e empreendedor e etc. O estudo contribuiu para a teoria
do empreendedorismo, trazendo uma discussão sobre o assunto.
O empreendedor por ser visto como o indivíduo que detecta uma oportunidade e
cria um negócio para capitalizar sobre ela, assumindo riscos calculados. Os fatores que
podem contribuir na motivação dos empreendedores são: pessoais, ambientais e
sociológicos. Um inventor corresponde ao indivíduo que cria algo novo, isto é, alguém
altamente motivado por seu próprio trabalho e ideias pessoais. Enquanto o
empreendedor se apaixona pela organização (o novo empreendimento) e faz quase tudo
para garantir sua sobrevivência e crescimento. Os gerentes perseguem os objetivos
fazendo uso efetivo e eficiente dos recursos. Eles normalmente trabalham dentro de
estruturas previamente definidas por outra pessoa. Já o líder é a pessoa que conduz a
equipe, com ideias e mantendo as pessoas motivadas. As figuras do líder e do
empreendedor se confundem, pois, normalmente andam juntas. No entanto, nem sempre
o empreendedor precisa ser líder

Você também pode gostar