Você está na página 1de 122

Corporeidade e

Motricidade Humana
Autores: Prof. André De Fillipis
Prof. Gil Oliveira da Silva Junior
Profa. Cássia Regina Palermo Moreira
Colaboradoras: Profa. Vanessa Santhiago
Profa. Tânia Sandroni
Professores conteudistas: André De Fillipis / Gil Oliveira da Silva Junior /
Cássia Regina Palermo Moreira

André De Fillipis

Graduado em educação física pela Universidade Metodista de Piracicaba (2007), especialista em educação física
Escolar pela Universidade Nove de Julho (2011), mestre em educação física pela Universidade Metodista de Piracicaba
(Unimep), com trabalho desenvolvido na linha de pesquisa: Lazer, Educação e Movimento Humano. Atualmente é
docente da Universidade Paulista (UNIP) no curso de educação física licenciatura e bacharelado. Professor de educação
física do Ensino Médio do Colégio Madre Alix. Ministrou o módulo de recreação e lazer para o curso de técnico em
hotelaria no Senac/Piracicaba. Experiência na área de educação física, atuando principalmente nos seguintes temas:
recreação, lazer, educação física, motricidade humana e formação profissional, experiência na área de hotelaria e
turismo com viagens de estudo do meio e cruzeiros.

Gil Oliveira da Silva Junior

Formou-se em educação física pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Fez mestrado em Treino Desportivo para
Crianças e Jovens na Universidade de Coimbra, em Portugal, tendo o título reconhecido pela Escola de Educação Física
e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFE-USP). Trabalha com treinamento esportivo com pessoas com deficiência
e alto rendimento na modalidade remo. Desde 2012, é professor no Ensino Superior, atuando, principalmente, com
ensino do esporte, aprendizagem e desenvolvimento motor, crescimento e desenvolvimento humano.

Cássia Regina Palermo Moreira

Bacharel em educação física (1996). Mestre em educação física (2002), com bolsa Capes, pela Escola de Educação Física
e Esporte da Universidade de São Paulo (USP). Doutora em Ciências (2011), com bolsa CNPq, pelo Instituto de Psicologia
(USP). Graduanda em direito pelas Faculdades Integradas de Guarulhos (FIG – Unimesp). Docente no Ensino Superior em nível
de graduação desde 2003. Pesquisadora nas áreas de: aspectos psicológicos e filosóficos da educação física e do esporte –
formação e intervenção profissional; ética e direitos humanos: questões sobre dignidade e corporeidade.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

D278c De Fillipis, André

Corporeidade e Motricidade Humana / André De Filipis, Gil


Oliveira da Silva Junior, Cássia Regina Palermo Moreira. São Paulo:
Editora Sol, 2020.

120 p., il.

Nota: este volume está publicado nos Cadernos de Estudos e


Pesquisas da UNIP, Série Didática, ISSN 1517-9230.

1. Corporeidade. 2. Qualidade de vida. 3. Educação física. I. Silva


Junior, Gil Oliveira da. II. Moreira, Cássia Regina Palermo. III. Título.

CDU 796

U504.20 – 20

© Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou transmitida por qualquer forma e/ou
quaisquer meios (eletrônico, incluindo fotocópia e gravação) ou arquivada em qualquer sistema ou banco de dados sem
permissão escrita da Universidade Paulista.
Prof. Dr. João Carlos Di Genio
Reitor

Prof. Fábio Romeu de Carvalho


Vice-Reitor de Planejamento, Administração e Finanças

Profa. Melânia Dalla Torre


Vice-Reitora de Unidades Universitárias

Prof. Dr. Yugo Okida


Vice-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa

Profa. Dra. Marília Ancona-Lopez


Vice-Reitora de Graduação

Unip Interativa – EaD

Profa. Elisabete Brihy


Prof. Marcelo Souza
Prof. Dr. Luiz Felipe Scabar
Prof. Ivan Daliberto Frugoli

Material Didático – EaD

Comissão editorial:
Dra. Angélica L. Carlini (UNIP)
Dra. Divane Alves da Silva (UNIP)
Dr. Ivan Dias da Motta (CESUMAR)
Dra. Kátia Mosorov Alonso (UFMT)
Dra. Valéria de Carvalho (UNIP)

Apoio:
Profa. Cláudia Regina Baptista – EaD
Profa. Betisa Malaman – Comissão de Qualificação e Avaliação de Cursos

Projeto gráfico:
Prof. Alexandre Ponzetto

Revisão:
Marcilia Brito
Vitor Andrade
Sumário
Corporeidade e Motricidade Humana

APRESENTAÇÃO.......................................................................................................................................................7
INTRODUÇÃO............................................................................................................................................................7

Unidade I
1 CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA............................................................................................9
1.1 A corporeidade na história da humanidade..................................................................................9
1.1.1 O pensamento do corpo da Grécia Antiga à Idade Moderna................................................ 10
1.1.2 O corpo – do Renascimento a uma nova concepção, com o capitalismo....................... 20
1.1.3 A corporeidade contemporânea........................................................................................................ 28
2 A MOTRICIDADE HUMANA NA EDUCAÇÃO FÍSICA E NA FISIOTERAPIA.................................... 37
3 A CORPOREIDADE NA EDUCAÇÃO FÍSICA E NA FISIOTERAPIA...................................................... 40
4 O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, A FISIOTERAPIA E A CORPOREIDADE..................... 46

Unidade II
5 QUALIDADE DE VIDA E CORPOREIDADE................................................................................................. 55
5.1 A percepção objetiva da qualidade de vida................................................................................ 59
5.2 A percepção subjetiva da qualidade de vida.............................................................................. 63
5.3 A relação entre as esferas das percepções objetiva e subjetiva......................................... 65
6 INSTRUMENTO PARA MEDIÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA.............................................................. 68
6.1 Índice de Desenvolvimento Humano – IDH............................................................................... 69
6.2 Os instrumentos WHOQOL - 100 e WHOQOL - bref............................................................... 70
7 QUALIDADE DE VIDA E CORPOREIDADE................................................................................................. 77
8 EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E QUALIDADE DE VIDA.............................................................. 81
8.1 Esporte e qualidade de vida.............................................................................................................. 90
APRESENTAÇÃO

Esta disciplina tem a finalidade de analisar as vivências da corporeidade ao longo da história, mediante
a identificação dos paradigmas científicos e das teorias que influenciam suas diversas concepções de
corpo, trazendo à tona o discurso da corporalidade, e a vivência das possibilidades de identificar o corpo,
de modo sensível e reflexivo, nas relações consigo mesmo, com o outro e com o mundo, bem como o
corpo enquanto lugar de construção de saberes e abrigo de múltiplas inteligências, sensações, emoções
e inciativas crítico-criativas.

Os objetivos desta disciplina são: estabelecer a compreensão da corporeidade e da motricidade, como


também suas relações em diferentes esferas e épocas da vida humana; ademais, discutir acerca dos
desdobramentos em concepções atuais, oportunizando assim uma análise das principais características
dessas tendências, de acordo com pressupostos que embasam a intervenção profissional na área.

Ao fim desta disciplina, com o auxílio deste livro-texto, você será capaz de:

• Conhecer os paradigmas emergentes na ciência – e diversas áreas do conhecimento – e relacioná‑los


à corporeidade.
• Analisar algumas das diferentes correntes de pensamento sobre o corpo.
• Refletir sobre o fenômeno da corporeidade e motricidade humana como fundamento para uma
melhor atuação profissional.
• Ter como auxílio em seu trabalho teórico-prático a dimensão da corporeidade como dinamizadora
de aprendizagem, valores e princípios, os quais reagem para uma atuação mais humanizada nas
inúmeras possibilidades de trabalho com o corpo.

INTRODUÇÃO

Hoje em dia, o corpo pode ser estudado por diversas formas e contextos, principalmente dentro
da educação física e da fisioterapia, em que as áreas de estudos podem ser divididas em contextos
biológico, psicológico e social. Contudo, a observação do corpo deve ser vista e reconhecida como
uma totalidade de aspectos, que se interligam e interagem criando uma reflexão de sensações que
constituem esse corpo.

Contudo, para entendermos essa totalidade, é necessário colocar em evidência “esse corpo”, o qual
pertence a uma (ou mais) cultura(s) e com ela(s) se relaciona e se altera, havendo diversas ideias e objetos de
interação, em especial, mediante o movimento. Assim, a corporeidade é caracterizada pelo preenchimento
do espaço pela ação do corpo em movimento, criando um homem como o ser no mundo, resgatando a
ideia de interação do sujeito influenciado pela cultura, e a cultura sendo modificada pelo sujeito.

Com isso, é imprescindível compreender como ocorreu a transformação da conceituação de corpo


ao longo dos diversos anos de história da humanidade – da concepção grega de corpo até chegar à Era
Contemporânea –, e como a criação do trabalho mecanizado substituiu o trabalho manual, alterando o
modo de como o corpo se relaciona com a vida em sociedade, assim como os produtos que ele produz.
7
No que tange à abordagem contemporânea, há de se compreender como a mídia altera e coloca
padrões corporais em relação à cultura a ser seguida e reproduzida, divulgando os padrões de beleza e
a corpolatria, ou seja, a adoração/idolatria do corpo.

Ainda, é preciso refletir como a corporeidade e sua relação com a cultura em que o corpo está
inserido afetam, juntamente com a motricidade, a qualidade de vida do indivíduo.

8
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Unidade I
1 CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Os estudos sobre as ações do corpo do ser humano são divididos em diversas áreas de pesquisa.
As investigações sobre o corpo humano são divididas em áreas como a Psicologia, a Anatomia, a
Biologia, a Fisiologia Humana e do Exercício, dentre outras.

Todavia, essa segregação do corpo humano em partes não é capaz de retratar o corpo em
sua totalidade, especialmente o diálogo entre as diversas áreas de estudos, pois são inúmeras
as vertentes de entendimento, seja na segregação entre corpo e mente e as influências que o
mundo exerce sobre ambos, seja no inverso, isto é, corpo e mente alterando o mundo em que estão
inseridos (SCORSOLINI-COMIM; AMORIM, 2008).

Essa separação do corpo em partes, principalmente a relação do corpo com a mente (SCORSOLINI-COMIM;
AMORIM, 2008), não é algo contemporâneo. Ela vem desde os primeiros pensadores, que são os filósofos
da Grécia Antiga, em suas reflexões acerca da existência e função do ser humano no mundo.

Com o passar dos anos, ao longo da Idade Média e no período renascentista, também ocorreu uma
mudança na concepção de como o corpo era entendido. A Revolução Industrial, que se iniciou na
Inglaterra, alterou completamente a forma como o corpo é tratado, principalmente sua relação com o
trabalho. Contemporaneamente, o corpo passa a sofrer um processo controverso, de submissão e poder.

Como pode ser observada nos parágrafos anteriores, a forma como o homem lida com sua corporeidade
é resultado de construções sociais, as quais são consequência de um extenso processo histórico, em que o
contexto social interage de uma forma extremamente dinâmica, direcionando e modificando como o corpo se
expressa. Com isso, o corpo do ser humano carrega a história acumulada de uma sociedade que contém seus
valores, suas leis, suas crenças, ou seja, sua base para uma construção social.

1.1 A corporeidade na história da humanidade

O homem, ao longo de toda a sua história, apresenta diversas formas e variações de como ele
entende e trata seu corpo, o qual se comporta e se apresenta de formas distintas, de acordo com
determinados contextos sociais. Nesse sentido, Gonçalves (2012) retrata que os corpos, em diferentes
contextos sociais, apresentam diversas técnicas em relação aos seguintes aspectos:

• Controle de estruturas, funções e necessidades corporais básicas para sobrevivência do ser


humano, como autonomia na obtenção de alimentos, higiene pessoal etc.
• Habilidades motoras fundamentais, como andar, correr e saltar, as quais estão diretamente
associadas a atividades da vida diária.
9
Unidade I

• Movimentos corporais expressivos (exemplos: gestos, posturas, expressões faciais), que são formas
de expressão não verbais.
• Ética corporal, que contempla as ideias, os conceitos e os sentimentos sobre a aparência do próprio
corpo e do corpo de outrem (exemplo: pudor e ideal de beleza).

Apesar de se constituírem como elementos identificados e presentes em diversas culturas, há uma


gama considerável de técnicas corporais que podem se diferenciar quanto à ordenação e interação
entre elas, assim como alterar a forma como se manifestam em cada sociedade e dentro de uma mesma
sociedade, conforme características sociais próprias, como sexo, idade, religião, ofício, classe social e
outros fatores socioculturais (RIGO et al., 2007).

1.1.1 O pensamento do corpo da Grécia Antiga à Idade Moderna

Os primeiros pensadores da Era Antiga, como os filósofos Heráclito de Éfeso (540‑470 a.C.),
Parmênides de Eleia (530-460 a.C.) e Empédocles de Agrigento (490‑435 a.C.), mais precisamente
da Grécia Antiga – que é considerada como o berço do pensamento ocidental (CESTARI, 2002) –,
não tinham a preocupação ou não colocavam em questão uma separação entre corpo e alma –
entendida como mente (CARDIM, 2009).

Essa ideia de separação não existia, pois o corpo e a mente eram concebidos de modo harmônico,
compondo um ser único, indivisível e visível. O corpo do ser humano, para os gregos, apresentava uma
grande abrangência de estruturas em sua constituição. Primeiramente se tinha o soma, que é o corpo
composto de uma matéria; em seguida se tinha a psique, que é considerada a alma ou a inteligência do
ser humano, e, por último, mas sem uma ordem hierárquica, tinha-se a pneuma, que era considerado o
sopro que daria a vida a essa quantidade definida de matéria (GALLO, 2006).

Para exemplificar como o corpo não era visto de uma maneira segregada da mente (alma), na obra
Ilíada, de Homero (séc. VIII a.C.), e Antígona, de Sófocles (496-406 a.C.), ocorrem dois episódios de
morte, nos quais fica claro que o corpo na sociedade grega tinha muita importância, pois era necessário
enterrá-lo para que a alma pudesse se separar desse ser humano que perdera a vida para se juntar ao
reino das sombras ou dos mortos.

Além disso, as obras gregas apresentam uma representação do corpo nas pinturas, nos afrescos e nas
esculturas com grande detalhe e fidelidade às formas do ser humano (CARDIM, 2009).

Com isso, soma e psique, ou seja, corpo e alma não eram realidades segregadas ou separadas, mas
ao contrário, se completavam, ou seja, um dependia do outro (GALLO, 2006).

Porém o filósofo grego Platão (429-347 a.C.) dá início ao Platonismo, com o gesto teórico de
fundação da oposição entre corpo e alma, ao considerar um contrário ao outro, obtendo, dessa forma,
um dualismo (CARDIM, 2009; CAVALCANTI, 2005).

Platão trouxe essa concepção de separação entre o corpo e a alma do ser humano a partir do
desenvolvimento de uma noção de divisão do mundo em duas realidades: uma realidade real e uma
10
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

realidade ideal (GALLO, 2006). Assim, há dois mundos: o mundo sensível e o mundo inteligível (ou
mundo das ideias), a saber:

• Mundo sensível: é conhecido por meio dos sentidos, em que os corpos nascem e morrem, sendo
esta uma realidade sensível, captada pelos sentidos, compostos de matéria, que são dados à
corrupção e à mentira. Os objetos produzidos nesse mundo são cópias das ideias (mundo ideal)
perfeitas, porém a matéria é corroída pelo tempo e está fadada ao desaparecimento.
• Mundo inteligível: só poderia ser conhecido por meio do pensamento e da alma, sendo esta uma
realidade ideal, captada somente pelo intelecto – a última verdade de todas as coisas –, intelecto
que é perfeito e eterno, sem transformações, pois as coisas sempre serão como elas são, não sendo
possível o desaparecimento e a destruição pelo tempo.

O ser humano é composto de: um corpo, porção de matéria que habita o mundo real ou sensível,
portanto, corruptível e que tende à morte; uma alma, que é pertencente ao mundo ideal, logo, perfeita,
eterna e imortal. Com isso, tudo o que o homem percebe e entende do mundo em que vive não passa
de uma cópia malfeita do mundo inteligível.

O mundo das ideias


Para Platão, o conhecimento
verdadeiro é dividido

O mundo inteligível O mundo sensível


• Eterno e imutável • Percebido pelos sentidos
• Onde reside a verdade • Universo material
• Perfeito • Cópias físicas do inteligível

Mundo da razão = causa de Prevalecem as aparências =


tudo o que existe enganosas

Verdade absoluta Reflete a opinião

Figura 1 – Representação dos mundos, segundo Platão

O homem, por ser composto de um corpo material e também ter uma alma, acaba por participar ou
pertencer aos dois mundos, porém o corpo material torna-se um obstáculo para que a alma possa atingir a
verdade. A alma somente conseguiria atingir a verdade absoluta se conseguisse dominar o corpo, com isso o
corpo se tornava um túmulo que aprisionava a alma, impedindo ela de conhecer a plena verdade.

Para Platão, a alma comandava e polarizava todas as ações do corpo, ou seja, movia o corpo do seu
interior, sendo ela o princípio do movimento. E o corpo, que é movido pela alma, é ao mesmo tempo a
prisão da alma. Mesmo com essa afirmação, o homem não é somente corpo físico ou somente alma, mas
necessariamente uma junção dessas duas realidades (GALLO, 2006).

Com essa separação, a alma acaba assumindo um papel de uma “quase divindade”, apresentando
imortalidade, tendo a capacidade de pensar, denotando, assim, um ser único e com identidade. Por
11
Unidade I

outro lado, o corpo é tido como mortal, assumindo várias formas, desprovido de inteligência, sujeito ao
processo de decomposição, por isso nunca permanecerá idêntico (CARDIM, 2009).

Com isso, o homem acaba apresentando três tipos de alma, que, segundo Platão, são distintos, sendo
duas almas de natureza inferior, totalmente ligadas ao corpo e suas sensações enganadoras, portanto,
imperfeitas e mortais, e a terceira alma ligada a uma natureza superior, ao mundo ideal, ou seja, perfeita
e imortal (GALLO, 2006).

Corpo

Alma superior

Alma inferior Alma irascível

Figura 2 – Separação dos tipos de alma, segundo Platão

A alma superior está ligada à racionalidade e é responsável pelos pensamentos, que são sua principal
virtude. Segundo Platão, essa alma está localizada na cabeça do ser humano.

A alma inferior está ligada aos bens materiais e à luxúria, que são responsáveis pelos desejos e
necessidades básicas; sua localização é a região abaixo do abdômen. Por fim, a alma irascível, que é
responsável pelas emoções e paixões, dando ao homem o ânimo necessário para enfrentar os problemas
e os conflitos, e que se encontra no peito do ser humano (GONÇALVES, 2012).

Observação
Alma: identificação de diversas faculdades, das mais simples para as
mais complexas.
Faculdade sensitiva: função de sentir dor e prazer.

Figura 3 – Platão

12
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Com essa ideia de separação entre o corpo e a alma, proposta por Platão, é interessante observar,
conforme dito anteriormente, a noção de imortalidade da alma e a relação do homem com as divindades
gregas, pois é mediante a alma que os homens se relacionavam com os deuses e estes os influenciavam.
Assim, “por intermédio do corpo, a alma dá expressão ao que quer manifestar” (CARDIM, 2009, p. 25).

Tendo essa ideia de corpo sendo controlado pela alma, Platão afirma que existem três tipos de
temperamentos (ou caráter) que advêm dessas almas, os quais determinavam a ordem social e
educacional da Grécia Antiga (GALLO, 2006):

• Caráter concupiscível: a alma inferior é predominante e faz tomar decisões com base nos desejos.
• Caráter irascível: a alma que predomina marca as decisões do ser humano baseadas nas emoções.
• Caráter racional: a alma superior predomina, e as decisões são baseadas na racionalidade ou no
uso da razão.

Alma racional
ou intelectual

Alma irascível

Alma concupiscente

Figura 4 – Localização das almas, segundo Platão

Na obra República, Platão (2000) descreve que os tipos de caráter determinam como seria a educação
das crianças e de toda a população, a partir da identificação da alma predominante, e essa identificação
iria direcionar o lugar de cada pessoa na sociedade.

Para as pessoas com caráter concupiscível, eram destinados trabalhos como artesanato e agricultura.
Pessoas com essas funções eram submissas às outras duas “classes sociais” consideradas superiores,
as quais tinham função de manutenção e conservação econômica do Estado. Pessoas dessas classes
superiores eram educadas até os 20 anos de idade.

Para os indivíduos que apresentavam uma predominância de caráter irascível, lhes era conferida
a função de guerreiros e guardiões das cidades, pois eles representavam a força de servir do direito,
recebendo educação até os 30 anos de idade.

E por último, os cargos de filósofos, magistrados e governantes das cidades, eram ocupados pelas
pessoas com predominância de caráter racional, constituindo a classe social mais elevada e que, por
conseguinte, exercia o domínio sobre as outras classes. Para Platão, quem apresentava um caráter
13
Unidade I

racional, conhecia a realidade das coisas, a ordem ideal do mundo e da sociedade, e por isso estavam
aptos a orientar racionalmente o homem e a sociedade para o caminho da verdade. Esses indivíduos
recebiam educação até os 50 anos de idade.

Para Platão, o corpo era algo tão insignificante que ele considerava que a alma de um filósofo deveria
se afastar do corpo, pois atrapalhava o raciocínio e os impedia de perceber a verdadeira realidade. Esse
obstáculo para perceber a verdadeira realidade era causado pelos sentidos e sensações do corpo, como
a visão, a audição ou a dor (QUEIROZ, 2008).

Os olhos e os ouvidos transmitem alguma verdade ou os poetas têm razão


em repetir sem cessar que nada ouvimos ou vemos? Visto que, se estes dois
sentidos são inseguros, então os outros o serão ainda mais, uma vez que são
inferiores a eles [...] quando não é perturbada pela vista, nem pela audição,
nem pela dor, nem pela volúpia e, encerrada em si mesma, deixe que o corpo
lide com essas coisas sozinho [...] (PLATÃO, 1999, p. 126).

1º: 20 anos – pessoas com


O Estado assume o papel caráter concupiscível –
Estado ideal – segundo

da educação trabalhos de artesão

2º: 30 anos – pessoas


Platão

Educação para todos até os com caráter irascível –


20 anos de idade guardiões e guerreiros

3º: 50 anos – pessoas com


O Estado orienta a eugenia caráter racional – governo
(reprodução humana) da cidade

Figura 5 – Separação dos indivíduos na sociedade, segundo os tipos de alma

O corpo, na óptica platônica, acaba causando guerras, sendo corrupto, e a inteligência ou a alma é
a única esfera que deve ser investida a respeito de se ter um conhecimento total do mundo em que se
vive (QUEIROZ, 2008; CARDIM, 2009).

Figura 6 – Escola de Atenas

14
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

É importante deixar claro que essa relação que Platão impõe, da alma sobre o corpo, está estreitamente
ligada a um entendimento de que existe uma compreensão total do mundo e da humanidade.

Essa concepção filosófica, principalmente no que se refere ao aspecto da imortalidade da alma,


advém de uma forte relação do homem com questões religiosas e divinas, no caso, os deuses da Antiga
Grécia, uma vez que, por intermédio da alma, os deuses influenciavam os homens, os quais deveriam
ser justos e dominar a si mesmos, suscitando assim uma harmonia do corpo e fornecendo à alma uma
boa qualidade (CARDIM, 2009).

Esse dualismo foi desenvolvido por Platão, com base na ideia de que corpo e alma possuem realidades
completamente distintas, porém necessariamente relacionadas. Se o corpo é mortal e imperfeito, se faz
necessário que a alma seja exercitada, para que o indivíduo se aproxime cada vez mais da perfeição que
está muito distante do mundo físico (GONÇALVES, 2012).

Dentro do pensamento a respeito dessa relação entre o corpo e a alma, também na Grécia Antiga, deve-se
citar o filosofo Aristóteles, que sustenta um pensamento diferente do platonismo, uma vez que coloca a alma
como uma forma interior da vida, mas que está inteiramente ligada ao corpo (CARDIM, 2009).

Figura 7 – Aristóteles

De acordo com Aristóteles, o homem deve investigar a realidade da natureza, e esse corpo (humano)
pertencente à natureza, contemplar essa realidade, em um mundo que já é o ideal. E a alma deve ser entendida
como um princípio vital de todo ser vivo, e ainda mais, é o ato do corpo organizado (CARDIM, 2009).

Aristóteles responderia a Sócrates: Percebemos com ambos, alma e corpo,


pois a percepção é certa afecção e há apenas uma substância que pode ser

15
Unidade I

afetada: o sujeito que percebe. [...] o sujeito que percebe é composto de


corpo e alma, mas não de uma substância corpórea separável da substância
psíquica (AGGIO, 2009, p. 63).

Como retratado no trecho descrito anteriormente, Aristóteles considerava que a percepção da alma
se dá através da capacidade do corpo de ser sensível aos diversos estímulos presentes no mundo. Essa
ação de receber um determinado estímulo acaba por desenvolver um processo em que cada órgão
responsável em receber os diversos estímulos irá interpretá-los de uma forma diferente. Portanto, essa
interpretação indica um componente cognitivo (AGGIO, 2009).

Observação

O termo “cognitivo” origina-se do termo cognição, que vem da expressão


em latim cognoscere, a qual significa conhecer. Em ciência, atualmente,
quando se fala de aspectos cognitivos do ser humano está-se tratando de
todos os processos associados ao cérebro – ainda que não exclusivos desse
órgão –, por exemplo: interpretação de informações advindas do ambiente,
memória, tomada de decisão, linguagens (atribuição de significados a
símbolos), raciocínio lógico etc. De certa forma, tudo o que se identifica
como “pensamento” ou relativo à “mente” pode ser identificado como
aspecto cognitivo.

Aristóteles também criou a teoria Hilemorfismo, a qual considera que toda a realidade se fundamenta
em dois princípios: a matéria e a forma. O filósofo entende que esses dois princípios são distintos
e absolutamente complementares. Nesse sentido, ele considera que o conteúdo (alma) não poderia
ser separado da forma (corpo), pois um fazia parte do outro, ou seja, o corpo era uma extensão, uma
realidade física limitada por uma superfície (MOREIRA, 2006). Portanto, corpo e alma são dois aspectos
distintos, porém inseparáveis, de uma mesma realidade.

A alma era responsável por conservar e reproduzir a vida, e apresentaria três funções distintas – o que
levava Aristóteles a falar da alma constituída por três partes. A primeira parte com função vegetativa,
ou faculdades anímicas, tendo como finalidade a regulação das funções biológicas do corpo, e estava
presente em todos os seres vivos do planeta. Ela era a responsável pelos instintos, impulsos, crescimento,
reprodução e nutrição (GALLO, 2006).

A segunda parte da alma exercia função ou faculdade sensitiva, sendo responsável pelos sentidos,
sensações e percepções dos objetos, e ainda, por coordenar os movimentos corporais.

A última parte é a alma intelectiva ou pensante, exclusiva do ser humano. Ela determina a capacidade
de pensar, elaborar teorias e formular juízos sobre a realidade (GALLO, 2006).

Como mencionado anteriormente, para Aristóteles era inconcebível uma visão dualista de separação
entre corpo e alma, pois as ações das faculdades anímicas são possíveis somente por meio de uma
16
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

relação entre corpo e alma, logo, é impossível haver pensamento sem uma atividade coordenada entre
corpo e a alma (GALLO, 2006).

Observação

Faculdade anímica: nutrição, reprodução, sensação, imaginação –


movimentos que tornam a vida dinâmica.

Mediante esta relação colocada por Aristóteles, a alma é aquilo que anima o corpo, gerando, assim,
o movimento. Qualquer movimento físico somente é realizado por intermédio da alma e também só é
realizado o pensamento, que é uma faculdade da alma, porque temos o corpo, estabelecendo assim uma
relação de dependência entre o corpo e a alma.

A preocupação desse filósofo com o corpo fica clara quando ele faz recomendações às mulheres
para que, durante o período da gravidez, não fiquem ociosas, que se alimentem bem, exercitem
o corpo e mantenham o equilíbrio espiritual para um bom desenvolvimento de suas crianças
(MOREIRA, 2006).

Para Aristóteles é importante que o corpo se mantenha ativo e seja educado desde a infância,
porém sem excessos e esgotamentos físicos, evitando problemas e, inclusive, danos físicos
(GALLO, 2006).

Já na Idade Média, período que é compreendido do século V ao século XV, o corpo do ser
humano acaba por sofrer um processo de descorporalização, em razão de uma evolução ou uma
importância contínua da racionalização ou processo racional – ideia muito semelhante à de Platão
(GONÇALVES, 2012).

Para se compreender esse processo de descorporalização, é necessária certa noção a respeito de


como o corpo humano era tratado na Idade Média. A maioria das ações do homem, em sua vida
cotidiana, estava ligada a atividades corporais, sendo o seu corpo instrumento de trabalho, sustento e
comunicação com a sociedade. Segundo Gonçalves (2012), o corpo tinha características relacionadas à
noção temporal, de personalidade e de economia.

As ações humanas em relação à noção temporal estão ligadas ao desenrolar natural do tempo, por
exemplo, trabalhar durante o dia e descansar no período noturno, assim como as estações do ano, que
irão determinar os períodos de plantar e de colher o que se plantou, ainda, ao crescimento das plantas
e ao ritmo de reprodução dos animais. Assim, todas as ações humanas são determinadas por uma
demanda temporal, seja qual for o referencial de tempo.

A ideia de personalidade se relaciona com as ações do corpo do homem ao sistema de castas, sistema
esse imposto durante a Idade Média, em que o indivíduo nascia “dentro ou fora dos muros”, e ele não
poderia sair desta condição. Esses muros são referência ao espaço delimitado por altas paredes; em
seu interior, era comum haver um castelo e algum comércio (como se vê em filmes que retratam essa
17
Unidade I

época, por exemplo), constituindo uma cidadela (pequena cidade). Essa era uma estrutura típica do
sistema feudal: um modo de produção de economia em que as terras pertenciam a um dono, o senhor
feudal, que cobrava altos impostos das pessoas que moravam em suas terras. Normalmente o senhor
feudal vivia nesses grandes castelos, ao passo que o restante da população desenvolvia sua vida ao
redor – ou dos muros deste castelo (em especial, os artesãos e comerciantes), ou em locais um pouco
mais afastados (como as próprias áreas agrícolas pertencentes ao senhor feudal, ou em áreas florestais
razoavelmente próximas).

A economia da Idade Média era orientada para a subsistência, ou seja, os indivíduos tinham atividades
como agricultura, criação de animais, caça e pesca, para o seu sustento e de sua família. As sensações
de fome e sede regiam a relação econômica, em que quase não se conhecia a necessidade de haver
um planejamento e cálculos com ideias monetárias, logo, a economia estava ligada à satisfação das
necessidades básicas (HUIZINGA, s/d).

A personalidade das pessoas, sobretudo as que moravam fora dos castelos, eram renegadas,
ou seja, a individualidade não era reconhecida e, portanto, não era valorizada; reconhecia-se
apenas a classe social à qual a pessoa pertencia. O sistema feudal, que era fundamentado no
trabalho braçal forçado das classes sociais mais baixas, sendo a nobreza e o clero (Igreja Católica)
dominante sobre as demais pessoas.

Figura 8 – Representação da sociedade feudal, durante a Idade Média, com separação em classes
sociais, que determinava a forma como seu corpo e suas ideias iriam se comportar

Assim, no sistema feudal, que ocorreu em grande parte da Idade Média, o corpo era
compreendido a partir das ideias de subsistência, conformismo e submissão em relação às suas
condições de vida e desenvolvimento do indivíduo e da população. Com isso inicia-se o processo
18
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

de descorporalização, liderado por uma instituição que tinha grande poder e influência, social,
econômica e religiosa nessa época.

Essa descorporalização se dá principalmente por questões religiosas impostas na Idade Média, uma
vez que a Igreja Católica tinha grande influência no sistema social, comercial e político nessa época
(DUBY, 2011). Um dos responsáveis pela concepção de corpo dentro dessa Igreja foi Santo Agostinho,
que o definiu como um cárcere da alma, sendo uma parte orgânica, concebida ao homem, como forma
de punição (SILVA, 2013).

Essas ideias vão ao encontro do conceito platônico e acabaram por se constituir um dos
fundamentos da Igreja, aplicando esse dualismo de oposição entre: bem e mal, graça e pecado,
alma (etérea) e corpo (matéria), Deus e homem e, principalmente, luz divina e trevas eternas
(ALMEIDA; PETRAGLIA, 2008).

Com essa fundamentação, Agostinho defende uma superioridade da alma, em que o espírito deve se
sobrepor ao corpo, pois a alma é uma criação divina que deveria reinar e guiar o corpo a praticar o bem.

Agostinho tinha um pessimismo em relação ao corpo do ser humano, em razão das sensações que
ele produzia e das criações terrenas, que poderiam ser belas e atraentes, mas que não passavam de
objetos sem qualquer valor (AGOSTINHO, 1996).

Além das sensações, o homem, considerado pecador, apresenta o livre-arbítrio, que é o poder
de escolher se quer ou não seguir determinada religião ou ordem de fé, e este livre‑arbítrio
costuma inverter a chamada “ordem ideal” defendida por Agostinho. O corpo passa a ter um
controle sobre a alma, provocando assim uma submissão do espírito em relação ao corpo,
trazendo uma vida de pecado, luxúria e prazer, considerada uma vida de “escravidão” em relação
ao pecado (CONTRIM, 2000).

O homem somente conseguiria abandonar a vida de escravo do pecado e retornar aos caminhos
divinos se houvesse a salvação por intermédio da combinação de um esforço pessoal e a vontade de
Deus. Sem essa vontade, o homem não teria forças para conseguir realizar tal tarefa. Além do mais,
segundo Agostinho, nem todas as pessoas são dignas de receber a graça divina, e sim apenas uma
parcela da população (CONTRIM, 2000).

Mediante essa concepção, a alma deveria governar e manter vigilância constante sobre o
corpo e seus sentidos, para que esses não impedissem que se conhecesse a verdade divina e que
somente a alma pudesse salvar o corpo, colocando-o no caminho da verdade divina (AGOSTINHO,
1996; QUEIROZ, 2008).

Essa visão dualista e negativa do corpo, primeiramente colocada por Platão e incorporada aos
ensinamentos da Igreja, teria reflexos sociais, políticos e educacionais por muitos séculos seguintes
(ALMEIDA; PETRAGLIA, 2008).

19
Unidade I

1.1.2 O corpo – do Renascimento a uma nova concepção, com o capitalismo

Com o advento do Renascimento, que ocorreu aproximadamente entre os anos de 1300 a


1600 d.C., a racionalidade ou razão foi favorecida por causa de uma série de avanços técnicos
e científicos; houve uma valorização do trabalho, principalmente do intelecto, da capacidade
de criação, transformação e modificação do mundo conforme as necessidades dos homens
(NASCIMENTO; BAUAB, 2010; GONÇALVES, 2012). Isso trouxe a ideia de que o homem era um
animal racional (aquele que pensa), juntamente com um esquema mecanicista, que era utilizado
em todas as experiências (CARDIM, 2009).

No campo do pensamento e reflexão a respeito do local ou lugar em que o corpo e a alma ocupam,
o filosofo francês René Descartes (1596-1650) apresenta na base de seu pensamento a importância do
método como ponto principal para a construção do conhecimento (CARDIM, 2009).

• Não aceitar uma verdade cuja evidência


Evidência não se conheça.

• Dividir as possibilidades em quantas partes


Análise forem possíveis.

• Conduzir os pensamentos por ordem, em


Síntese etapas – do simples para o composto.

• Fazer enumerações completas e revisões


Exaustivo para não se omitir nada.

Figura 9 – O ordenamento do método, segundo Descartes

O método era dividido em quatro partes, que são a evidência, a análise, a síntese e a última parte,
o exaustivo.

A evidência diz respeito a não aceitar uma verdade antes que se conheçam todas as evidências e as
condições que a fizeram se tornar uma verdade.

A segunda etapa, após se conhecer as evidências, envolve dividi-las e analisá-las em quantas partes
ou unidades de análises fossem possíveis.

A síntese, terceira etapa do método, consiste em refletir a respeito das análises realizadas sobre
as evidências e conferir uma ordem cronológica ou hierárquica aos pensamentos realizados, sempre
partindo dos pensamentos mais simples para os pensamentos com maiores complexidades.

E a última etapa é fazer uma revisão completa de todo o processo realizado anteriormente, para ter
certeza de que todas as anteriores foram contempladas e assim conseguir justificar ou verificar se dada
informação ou conhecimento é realmente verdadeiro.
20
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Esse método desenvolvido por Descartes (2009) é considerado a única maneira de obter o
entendimento do conhecimento e da ciência, aplicando-se a todas as perspectivas da sociedade, até
mesmo para o próprio corpo, ao considerar “um pensamento puro, a correspondência ou adequação da
ideia ao ideado, do sujeito e objeto, a existência e a veracidade divinas [...] e a distinção real entre alma
e corpo” (CARDIM, 2009, p. 30).

Lembrete

Método: instrumento que ajuda a controlar cada um dos passos


dados e deduzir algo desconhecido a partir de algo conhecido. Em
sentido amplo, método refere-se a meios para se chegar a um
determinado fim. Em ciência e em filosofia, os métodos de investigação
e reflexão são previamente determinados, isto é, são estabelecidos
antes de se iniciar um estudo.

Figura 10 – René Descartes

Como mencionado anteriormente, o que está em pauta é uma busca pela verdade, porém essa
procura é de difícil realização, uma vez que as informações são oferecidas pelos cinco sentidos
(visão, audição, tato, paladar, olfato), e isso não é considerado por Descartes como uma fonte
segura de informação.

Por causa dessa desconfiança do filósofo a respeito dos sentidos do corpo humano, a solução foi
criar o processo de duvidar de tudo, resultando na formulação da expressão cogito ergo sum, que
significa “penso, logo existo”, trazendo a ideia de racionalidade como verdade inquestionável (SILVA;
HENNING, 2011).

21
Unidade I

Descartes estabelece a subjetividade entre o que ele chama de coisa-pensamento – o sujeito –,


em oposição radical ao corpo – objeto –, separando assim o sujeito do objeto, o espírito da matéria,
estabelecendo a oposição entre o homem e a natureza, e todo o pensamento posterior sobre corpo e
corporeidade com uma concepção separatista e redutora (QUEIROZ, 2008; GONÇALVES, 2012).

Essa separação proposta por René Descartes pode parecer semelhante ao proposto por Platão, que
também apresentava uma separação entre o que é sensível (corpo) e o que é inteligível (alma/mente).
Entretanto, nessa nova forma de se separar corpo e alma coloca-se uma concepção cartesiana, quase
que matemática, em que a alma é o pensamento, e o corpo é somente uma extensão da alma, sendo
ambos independentes um do outro (CARDIM, 2009).

Sob essas circunstâncias, o corpo-máquina é manipulado e dominado


tendo em vista o modelo mecanicista: é o modelo da máquina que torna
possível a compreensão do corpo. [...] por um lado, o homem sabe usar
as palavras, por outro, ele age tendo em vista o conhecimento (CARDIM,
2009, p. 32).

O ser humano é composto de duas substâncias: o corpo é a substância extensa ou a coisa extensa, e
a alma é a substância pensante, ou a coisa pensante. Assim, Descartes (2009) confere ao corpo e à alma
uma autonomia completa e independente; apesar de a alma estar inserida no corpo, o pensamento
(alma) e a extensão (corpo) não estão ligados.

Espírito

Corpo

Figura 11 – Mesmo tendo passado muito anos, ainda existe o dualismo corpo e mente

Com essa divisão proposta pelo filósofo tem-se a construção do dualismo cartesiano na ideia
de formação do ser humano. De acordo com essa interpretação, o homem passou a ser “dividido”,
“recortado”, o que levou a uma série de conhecimentos segregados (separados) a respeito do ser humano.

Para esse filósofo, fica claro que é o pensamento que controla a extensão, ou seja, o corpo não é
capaz de se movimentar, sentir, pensar, mas é movido por algo que lhe é tocado; no caso, o que move
o corpo é a alma (GALLO, 2006).

Logo, o corpo é movido, porém não por si mesmo, trazendo a ideia de corpo-máquina, que é
manipulado e dominado, com base em um modelo mecanicista (GALLO, 2006; CARDIM, 2009).

22
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Quadro 1

Mente Corpo

Consciência pura Sensações

Pensamento Movimentos

Vontade Emoções e paixões

Não biológica Biológico

Compreensão/vontade
Áreas confusas entre mente e corpo
(emoções e percepções)
Julgamento

A filosofia cartesiana proposta por Descartes toma como verdade a alma em detrimento do
copo por causa da busca do conhecimento verdadeiro. A razão – única forma de obter e produzir
esse conhecimento – constitui-se em uma faculdade da alma; o corpo, mediante os sentidos e
sensações (como sede, fome, desejos sexuais etc.), é capaz de enganar o ser humano.

Com esse pensamento, Descartes foi um dos precursores da Era Moderna com o paradigma
cartesiano (VILELA; MENDES, 2003), pelo qual se julgava que a única forma de obtenção de
conhecimento era por meio da razão e do pensamento intelectual.

O pensamento científico acelerou o surgimento de diversas áreas da ciência, mudou a forma


como o trabalho era executado, principalmente a partir da Revolução Industrial na Inglaterra, em
meados do século XVIII, onde ocorreu a mecanização do trabalho e da mão de obra, e, com isso, o
corpo foi reduzido a um mero instrumento da alma; contudo, o corpo deveria ser exercitado para
cumprir as ordens da alma (GONÇALVES, 2012).

Além da racionalidade, a crescente ideia do capitalismo mudou a forma como o corpo é visto e
encarado, pois se perde a ideia de proibição que era proposta pela Igreja na Idade Média, em que
não era permitida a sua manipulação (CAVALCANTI, 2005).

Na perspectiva científica o corpo passa a ser um objeto de estudo por diversas áreas,
principalmente pela medicina, em estudos da anatomia, chegando ao ponto de submeter pessoas
ainda vivas a estudos anatômicos para tentar compreender como acontecia o comportamento do
corpo junto com a alma, pois a vida estava ligada à presença de uma alma (CAVALCANTI, 2005;
CARDIM, 2009).

Com o surgimento de uma nova visão a respeito do corpo como um objeto científico, o capitalismo
encerra uma nova percepção sobre a forma como o corpo é encarado dentro da sociedade; por
outro lado, a religião não mais apresenta tanta legitimidade sobre essa nova perspectiva.

No entanto, em oposição à forma como o corpo era tratado e encarado, e principalmente


contrário aos pensamentos cartesianos de separação (fragmentação) do corpo, o filósofo alemão

23
Unidade I

Friedrich Nietzsche (1844-1900) descarta a ideia de que o corpo é mera extensão controlável da
alma (GALLO, 2006).

Figura 12 – Friedrich Nietzsche

Nietzsche trata o corpo vivo como uma perspectiva ambiente, ou seja, o corpo inserido em um
contexto social, diferente da visão platônica e da visão religiosa, que despreza o corpo e o mundo
em que ele está presente. O filósofo investiga o estado de saúde e doença, bem como a vida afetiva e
fisiológica que dominam as experiências de um homem vivo.

O corpo humano, no qual tanto o passado mais longínquo quanto o mais


próximo de todo o devir orgânico torna-se de novo vivo e corporal, por meio
do qual, sobre o qual e no qual e para além do qual parece fluir uma torrente
imensa e inaudível: o corpo é um pensamento mais espantoso que a antiga
alma (NIETZSCHE, 2011, p. 202).

Com essas palavras, o filósofo inverte as concepções anteriores segundo as quais a alma não somente
se sobrepõe ao corpo, como também o substitui – conforme era abordado pela religião.

A partir dessa perspectiva de corpo vivo, Nietzsche reconhece que é necessário interpretar o que o
corpo faz, decifrando as linguagens que ele transmite, pois é por meio do corpo que se conhece a alma,
e não o inverso (CARDIM, 2009).

O corpo é uma grande razão, uma mesma multiplicidade com um único


sentido, uma grande guerra e uma paz, um rebanho e um pastor. Instrumento
do teu corpo também a tua pequena razão [...]. Há mais razão no teu corpo
do que na tua pequena sabedoria (NIETZSCHE, 1987, p. 51).

24
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Lembrete

As ideias de um corpo único promovem uma nova visão sobre o


entendimento do corpo e de suas relações internas e externas.

Na mesma concepção de um corpo interagindo com o meio em que vive, o filósofo Karl Marx
(1818‑1883) entende que os sentidos são recursos tão importantes quanto o pensamento. Com base nesse
referencial, ele observa que o trabalho é a ideia central para se entender o homem e sua corporeidade.
Para esse filósofo, no trabalho o homem exerce movimentos que pertencem à sua corporalidade –
braços e pernas, entre outras partes – com o objetivo de alterar e utilizar a matéria natural para sua
utilidade; assim, o corpo torna-se humano por sua atividade produtiva (GONÇALVES, 2012).

Figura 13 – Karl Marx

No entanto, com a concepção capitalista de linhas de produção industrial em massa, o processo de


criação e produção humana passou a tornar o corpo alienado, sendo somente um mero reprodutor de
movimentos produtivos, tratando o trabalhador como uma mercadoria (GONÇALVES, 2012).

No livro Manifesto Comunista, os autores Marx e Engels condenam com veemência esse fundamento
capitalista de exploração do corpo do trabalhador, de sua força de trabalho. No trabalho, conforme
ocorria na época em que esses autores teciam sua crítica, as características corporais do ser humano,
como idade e sexo, não têm qualquer tipo de valor ou significado, ou seja, “diferenças de sexo e idade
não têm qualquer relevância social para a classe trabalhadora. Só instrumento de trabalho, cujo preço
varia conforme a idade e o sexo” (MARX; ENGELS, 1998, p. 15).

Aquele corpo vivo, participante do processo de criação, produção e transformação da matéria natural,
tornou-se um corpo mecanizado, diferente da ideia de Descartes, principalmente após a Revolução
25
Unidade I

Industrial, na qual é inserida a mecanização e a automatização das tarefas, sendo mínima a participação
criativa e de expressão corporal do homem.

O corpo do trabalhador não é somente alienado, mas é um corpo deformado


pela mecanização e pelas condições precárias de realização de movimentos.
Enquanto o trabalho com máquinas agride o sistema nervoso ao máximo,
ele reprime o jogo polivalente dos músculos e confisca toda a livre atividade
corpórea e espiritual (GONÇALVES, 2012, p. 63).

Figura 14

Figura 15 – Revolução Industrial na Inglaterra, no século XVIII, onde se iniciou a


automatização e a mecanização do processo produtivo

Saiba mais

Para entender um pouco mais como a Revolução Industrial, que, além


de transformar a economia da época, alterou a forma do corpo de se
relacionar com o trabalho e a sociedade, assista ao filme:

TEMPOS modernos. Direção: Charles Chaplin, Estados Unidos: 1936.


89 minutos.

26
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Figura 16 – Cena do filme Tempos Modernos

O quadro a seguir apresenta, de forma sucinta, as ideias dos principais filósofos mencionados
neste texto, ao quais se dedicaram (entre outros assuntos) a estabelecer relações entre os constructos
(conceitos) de corpo e de alma (mente/espírito).

Quadro 2 – Os filósofos e suas concepções a respeito do corpo

Filósofo Concepção sobre o corpo


Platão baseava suas reflexões na concepção de dois mundos, o mundo
inteligível e o mundo real, cujo corpo fazia parte do mundo real, sendo
Platão este imperfeito, corruptível e suscetível a erros. Já a alma pertencia ao
mundo inteligível, perfeito, sem erros e imortal. Traçando assim uma
divisão entre corpo e alma, renegando a vida que ocorre no mundo real,
em detrimento da busca do mundo perfeito ou inteligível.
Diferentemente de Platão, não considerava corpo e alma dois seres
Aristóteles distintos, mas que a alma era a vida do corpo, sendo observado
como um complemento do outro, tendo como pensamento-chave a
observação da vida.
O corpo era o cárcere ou a prisão da alma, o qual levava a alma, que era
Santo Agostinho pura e perfeita, ao pecado e, consequentemente, à morte, sendo um
dos preceitos da Igreja como forma de controle e doutrinamento na
Idade Média.
O corpo era formado por duas substâncias, uma material e outra
pensante, na qual a alma, que é a substância pensante, controla
Descartes o corpo. A razão era a única forma de se adquirir conhecimento,
implementando, assim, o pensamento ou a ideia cartesiana de que a
razão sempre será a razão e controlará o corpo.
Contrário à ideia cartesiana de Descartes, não acreditava que o corpo
fosse somente um máquina controlada pela alma, e o conhecimento,
Nietzsche adquirido apenas pela razão, mas que o corpo interagisse com o
ambiente, a sociedade em que ele está inserido. Só seria possível
entender a alma conhecendo o corpo primeiramente, e não o contrário.
O trabalho era a ideia-chave para entender como a corporeidade do
homem se expressava, pois o seu corpo era utilizado para construir e
Karl Marx alterar a natureza para o seu uso, porém o ideal capitalista deforma
e desfigura o corpo, tornando-o totalmente alheio à produção e ao
processo criativo.

27
Unidade I

1.1.3 A corporeidade contemporânea

A visão dualista, desenvolvida principalmente pelos filósofos Platão e René Descartes, é antiga,
porém permanece fortemente no homem e principalmente na sociedade.

Pensadores como Nietzsche e Marx mudam a forma de compreender o homem e, particularmente, a


maneira como o corpo é observado – em contraposição ao pensamento dualístico e cartesiano do corpo,
sempre oprimido pela alma ou pela razão.

As novas concepções de corpo de Nietzsche e Marx suscitaram modificações no pensamento


contemporâneo, atribuindo-se especial atenção para a importância do corpo dentro de uma
visão mais complexa do que é o ser humano e de suas relações com o mundo em que ele vive e
se desenvolve.

Michel Foucault (1924-1984) e Maurice Merleau-Ponty (1908-1961), pensadores contemporâneos,


podem ser destacados por terem essa visão mais complexa e abrangente das relações do corpo com o
mundo, corpo esse que altera a si mesmo e o próprio mundo.

Figura 17 – Maurice Merleau-Ponty

O filósofo Merleau-Ponty traz em seus trabalhos a ideia totalmente contrária ao dualismo, visão
cartesiana e mecanicista introduzida por Descartes, ao afirmar que o homem é um ser vivo, inserido
em um meio definido, que parte de um desenvolvimento de projetos e atua na mudança desse meio
(QUEIROZ, 2008).

28
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Figura 18 – Michel Foucault

Michel Foucault trata o corpo como manifestação da esfera política, sendo alvo de relações de
poderes dentro da sociedade moderna. Essa percepção de manipular o corpo de acordo com interesses
políticos é utilizada desde a Idade Média, mediante castigos corporais e torturas, os quais se estendem
até a Idade Moderna e Pós-Moderna (Contemporânea), sendo o corpo treinável, submisso e “dócil”,
passível de controle e manipulação (QUEIROZ, 2008).

1.1.3.1 O corpo segundo Merleau-Ponty

O filósofo francês Maurice Merleau-Ponty dá início a uma nova época, em uma filosofia para a vida,
considerando-se de forma imprescindível a historicidade, a subjetividade, a cultura e a sociedade, que
interferem no desenvolvimento individual, na formação da pessoa.

A partir desta perspectiva mais ampla e complexa (pois se considera vários fatores em interação), o
sujeito tem sua plenitude em subjetividade, sendo este recortado pela história, em que o corpo é o elo
entre o indivíduo e a sua história. Entende-se que isso irá refletir em diversas decisões teóricas e práticas
de sua vida e do seu conhecimento (NÓBREGA, 2007).

Saiba mais

Leia o artigo a seguir para compreender a trajetória de Merleau-Ponty:

NÓBREGA, T. P. Merleau-Ponty: o filósofo, o corpo e o mundo de toda


a gente! CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 15., 2007,
Recife. Anais eletrônicos... Recife: Conbrace, 2007. Disponível em: http://
www.cbce.org.br/docs/cd/resumos/129.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

29
Unidade I

O ponto marcante da concepção de Merleau-Ponty sobre o corpo é exclusão da ideia cartesiana


e da separação, ao eliminar os pensamentos do empirismo e do racionalismo, em que se precisava
escolher um dos lados, o racional, e tem como julgamento o saber ou a coisa como consciência
(GONÇALVES, 2012; CARDIM, 2009).

Observação

O racionalismo reduz todos os fenômenos do mundo a uma validação do


conhecimento racional. Ao passo que o pensamento empírico, ou empirismo,
toma o mundo como realidade em si mesmo, sem qualquer reflexão.

A ciência, com uma visão positivista, entende a percepção como algo distinto das sensações, mesmo
sendo uma casualidade na questão de uma resposta condizente com um estímulo dado pelo mundo
(NÓBREGA, 2008). Com isso a percepção é um ato pelo qual a consciência compreende um determinado
objeto, utilizando as sensações como instrumento.

Para Merleau-Ponty, a sensação não é um estado de consciência nem uma qualidade – como é
definido por diversas correntes intelectuais –, e sim uma compreensão em movimento (NÓBREGA,
2008). Portanto, para esse filósofo, a percepção é uma atitude corpórea.

Essa mudança de paradigma realizada por Merleau-Ponty a respeito das sensações modifica
a forma como a percepção pode ser interpretada, ou seja, diferentemente de como é adotada pela
razão, pelo intelectualismo, que descrevem a percepção somente como uma “causalidade linear de
estímulo‑resposta” (NÓBREGA, 2008, p. 142).

Segundo Merleau-Ponty, a percepção é a apreensão do sentido ou dos sentidos que se faz através
do corpo, pelo corpo, sendo essa uma expressão criadora, com diferentes formas de observar e interagir
com o mundo (NÓBREGA, 2007; 2008).

Esse pensamento tem como objetivo buscar a compreensão do homem de uma forma
integral, desenvolvendo a ideia de um “ser-no-mundo”, o qual recebe um caráter ambíguo, sem
a separação de corpo e alma, nem de corpo e objeto, e sim de pensar no corpo sob a experiência
do próprio corpo, em uma relação com o mundo ou com outros corpos (GONÇALVES, 2012;
CARDIM 2009).

O corpo é tratado como um campo criador de sentidos, porque a percepção não é uma
representação da mente, mas sim um acontecimento da corporeidade. O corpo sensível, que é
feito da mesma matéria que o mundo, pode assim interagir com ele, dando ao mundo um sentido
aos seus acontecimentos, e ao mesmo tempo tem a difícil tarefa de escolher e tomar decisões
(NÓBREGA, 2007; 2008).

Dessa forma, é interessante observar um ponto primordial: o corpo tem uma intencionalidade.
Essa intencionalidade é refletida pelo movimento, que é a concepção principal dessa
30
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

intencionalidade; na falta de movimento, a percepção do corpo é confusa, pois lhe falta


intencionalidade, própria do movimento.

Portanto, com essa nova realidade do corpo, a sua intencionalidade é refletida pelos movimentos,
que permitem ao corpo sentir e perceber o mundo, os objetos e os outros corpos, e ainda, possibilita
ao indivíduo imaginar, sonhar, desejar e pensar em outras características do corpo e do sujeito. Esse
comportamento é reconhecido como exercício da corporeidade, sendo esse um aspecto da consciência
e da relação do olhar com o “espírito” que vem do mundo (MERLEAU-PONTY, 2006; NÓBREGA, 2007;
2008; MACHADO, 2010).

Tenho consciência de meu corpo através do mundo e tenho consciência


do mundo devido a meu corpo [...]. O corpo é o veículo do ser do mundo,
e ter o corpo é, para uma pessoa viva, juntar-se a um meio definido,
confundir-se com alguns projetos e engajar-se continuamente neles.
O corpo é o lugar onde transcendência do sujeito articula-se com o mundo
(GONÇALVES, 2012, p. 66).

Essa realidade e intencionalidade, ou seja, a subjetividade proposta por Merleau-Ponty, está ligada
à noção de liberdade, em que o mundo existe independentemente das formulações individuais do
homem a respeito dos fatos, porém o mundo não está totalmente constituído e essa construção
depende de ações individuais e coletivas.

Logo, a liberdade é a interação entre o interior e exterior do ser humano, e as escolhas são feitas em
determinadas situações. Essas escolhas são resultado de uma estrutura psicológica e histórica, tendo
uma mistura entre o tempo natural, o tempo afetivo e o tempo histórico.

Merleau-Ponty também considera o que ele denomina campo da subjetividade: o contexto histórico,
as relações sociais, o diálogo em relação à afetividade do sujeito, já que é uma experiência corporal e
não intelectual, e que é conquistada pelo movimento e pela percepção:

A percepção sinestésica é regra, e, se não percebemos isso, é porque o saber


científico desloca a experiência e porque desaprendemos a ver, ouvir e, em
geral, a sentir para deduzir de nossa organização corporal e do mundo tal
como concebe o físico aquilo que devemos ver, ouvir e sentir (MERLEAU-
PONTY, 1994, p. 308).

Considerando desta forma, o homem desaprendeu a conviver com a realidade do corpo e a experiência
que os sentidos trazem, sempre privilegiando a razão ou o intelecto (NÓBREGA, 2008).

31
Unidade I

Saiba mais

A respeito da relação entre a corporeidade e a subjetividade desenvolvida


por Merleau-Ponty, leia:

DENTZ, R. A. Corporeidade e subjetividade em Merleau-Ponty. Intuitio,


v. 1, n. 2, p. 298-307, 2008. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.
br/ojs/index.php/intuitio/article/view/4238/3356. Acesso em: 3 nov. 2016.

Merleau-Ponty não concebe o corpo em partes, ou um conjunto de órgãos dos sentidos com
funções e atitudes passivas de somente captar os estímulos, mas o corpo de um indivíduo/sujeito
que olha, observa e sente. Essa experiência faz com que o corpo reconheça o espaço como
expressivo e simbólico. Esse comportamento é o potencial da atividade do ser humano criativo,
sendo o principal constructo da capacidade de superar e criar estruturas nas experiências vividas
pela percepção (MACHADO, 2010; NÓBREGA, 2008).

Os significados trazidos pela percepção do mundo expressam realidades estruturais que são
manifestadas na corporeidade. Pelo corpo do ser humano de forma sensível, ele se efetiva no mundo, o
qual envolve toda a percepção do ser humano, e também cuja percepção é envolvida pelo corpo.

Cardim (2009, p. 89) relata que “não podemos abrir mão nem do ponto de vista subjetivo, nem
do objetivo. O homem é simultaneamente sujeito e objeto, ativo e passivo”, em uma tensão dialética
(GONÇALVES, 2012).

A experiência do corpo com si mesmo é fundamental para o entendimento na relação do homem-


mundo, pois que nessa experiência existe a ambiguidade do corpo ser, ao mesmo tempo, vidente e
visível, sentiente e sensível. Como, por exemplo, a mão quando toca algum objeto é, ao mesmo tempo,
tocada pelo objeto, ou seja, tem-se a existência de uma exploração do mundo juntamente com um
conhecimento do corpo.

A reflexão não é constituída por uma consciência pura, mas, sim, enraíza-se na
experiência sensível, na qual se encontram a gênese do sentido e o fundamento
do mundo cultural [...]. A reflexão nunca abarca a realidade em sua totalidade,
mas permanece aberta para novas significações (GONÇALVES, 2012, p. 68).

A vivência na percepção e na motricidade é a intencionalidade do corpo pelo movimento, o


pensamento e as relações do homem com os outros e o mundo que o cerca. Tal vivência ocorre bem
antes do que a dicotomia ou a separação entre o mundo e o ser humano, sujeito e objeto, como foi
proposto por Platão e Descartes.

As experiências corporais só podem ser devidamente compreendidas quando forem superadas as


separações entre o sujeito e o objeto, aceitando-se que o corpo sinérgico não é mero objeto, mas sim
32
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

composto de partes com receptores sensíveis, como olhos e mãos, ou seja, uma estrutura reflexiva do
corpo. Não se pode cometer o erro de pensar que o corpo é somente corpo nem somente “espírito”, e
sim a união dessas estruturas contrárias.

O pensamento de Merleau-Ponty é composto da ambiguidade de um ser humano com uma


intencionalidade – não somente uma máquina de representação da alma, mas também com consciência
e corpo –, tendo uma unidade de raiz sensível, corpórea e da experiência original de ser-no-mundo.

1.1.3.2 O corpo segundo Foucault

A constituição do trabalho de Michael Foucault na concepção do homem moderno está ligada ao


estudo das relações entre o poder, o saber e o corpo (SILVEIRA; FURLAN, 2003).

A história dos seres humanos é criada por diversos meios, e esse corpo reflete a cultura em que ele
está inserido, tornando-se sujeito e apresentando três linhas conceituais (ALMEIDA; BELLO, 2015):

• Objetivação do sujeito produtivo, do sujeito que trabalha, na análise de riquezas e economia.

• O modo como o sujeito se constitui ao longo da vida, por questões internas e externas.

• A forma pela qual o ser humano torna-se sujeito.

O corpo sofre os efeitos do poder e os principais procedimentos de como o poder é manifestado


sobre o corpo são a disciplina e a regulamentação (CARDIM, 2009). O poder intervém no indivíduo
materialmente, refletindo no sujeito, em seu corpo, ou seja, em sua corporeidade, seus hábitos,
sentimentos, emoções e ações (SILVEIRA; FURLAN, 2003).

Esse poder que interfere materialmente na realidade mais concreta do sujeito – o seu corpo, o corpo
social, adentrando sua vida cotidiana, é caracterizado como micropoder ou subpoder (SILVEIRA, 2007).

O controle que Foucault retrata em seus trabalhos não está relacionado ao poder político
governamental, como disseminado pela filosofia marxista, mas em todos os locais, como as esferas
sociais e as diversas classes sociais, atingindo todas as pessoas no processo de instalação das relações,
nas ações (ou conjuntos de ações) de um indivíduo sobre o outro.

De acordo com esse entendimento, é estabelecido não um poder único, mas diversas práticas de um
poder cotidiano, o qual abrange todas as estruturas socais, por algum mecanismo de poder, do qual se
destaca a disciplina.

Essa disciplina, por sua vez, instaura uma política no corpo humano mediante uma série de intervenções
e controles reguladores, sendo denominada biopolítica da população, ou seja, um controle de massa – e
não individual, como era realizado na Antiguidade – por meio de penitências e suplícios, portanto, em uma
microestrutura e uma macroestrutura (ALMEIDA; BELLO, 2015; CARDIM, 2009).

O poder disciplinar é fruto de transformação de uma sociedade burguesa, que desloca o poder soberano
para o corpo social, e com isso o poder é exercido na forma de micropoderes ou uma micropolítica.
33
Unidade I

O poder é aplicado sobre os corpos individualmente, por meio de exercícios direcionados para a
ampliação de suas forças, criando assim o adestramento e corpos docilizados (SOUZA; MENESES, 2010).

Dentre as principais práticas disciplinares, pode-se ilustrar e enumerar a imposição de gestos, a


quantificação do tempo, o espaço medido e determinado, o corpo do operário, o espaço do aluno, do
soldado e os sistemas disciplinadores – como prisões, hospitais e escolas –, que são formas de como o
poder se constitui sobre o corpo na Idade Contemporânea.

Figura 19 – Ambiente escolar onde os corpos são disciplinados

Figura 20 – A escola tradicional moldando a corporeidade pelo uso da disciplina

34
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Figura 21 – O sistema prisional é utilizado para uma doutrinação, por meio de uma disciplina punitiva,
para os sujeitos que não têm ações condizentes com as estruturas sociais vigentes

Figura 22 – A cultura de uma pessoa perpassa pelo corpo

Um corpo disciplinado significa um corpo mantido sob um controle – controle que o mantém
“introjetado”, ou seja, sem a consciência de questionamento por parte do indivíduo. Essa disciplina
acaba por levar a um autocontrole, portanto, sem necessitar de comandos externos (GALLO, 2006).

Os dispositivos de poder disciplinar são caracterizados pelo detalhe, no sentido de que o corpo
sofrerá uma forma de poder que irá separar e desmontá-lo para, em seguida, corrigi-lo por meio de uma
nova mecânica de poder (SOUZA; MENESES, 2010).

35
Unidade I

Com isso as práticas disciplinares vão permitir o controle das diversas operações do corpo e a
subordinação constante de suas forças, impondo-lhe docilidade e utilidade.

Esse corpo dócil está relacionado a uma política de controle da energia produtiva individual, cuja
disciplina se baseia em quatro elementos (ALMEIDA; BELLO, 2015):

• A distribuição dos corpos em função predeterminada.

• O controle da atividade individual pela reconstrução do corpo como portador de forças dirigidas.

• Organização da formação pela internalização e aprendizagem de funções.

• Composição de forças, pela articulação funcional das forças corporais em aparelhos eficientes.

Segundo Foucault (1987), a origem da disciplina se configura por meio de três formas de adestramento
do corpo: a vigilância hierárquica, as sanções normalizadoras e o exame.

Vigilância hierárquica

Um sistema de controle sobre o corpo que integra uma rede de controle vertical (hierarquia),
utilizando-se de meio de observação e conferindo o efeito de fiscalização de produção, principalmente
em sistemas produtivos, tendo como objetivo o lucro (por exemplo, as fábricas).

Figura 23 – Os sistemas produtivos utilizam-se da hierarquização da disciplina,


para a fiscalização do processo de produção, otimizando os lucros

Sanção normalizadora

Um sistema duplo de recompensa e punição, com o objetivo de corrigir e minimizar os desvios


do sujeito na sociedade onde vive, tendo como premissa a micropenalidade baseada em tempo e
comportamento, fundamentando-se em leis, programas e regulamentos.

36
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Figura 24 – Caso o indivíduo não tenha atitudes condizentes com as


normas e as lei sociais, ele acaba marginalizado e punido

Exame

O exame está relacionado às duas técnicas anteriores (vigilância e sanção) cujas relações de poder
constroem o saber e constituem o sujeito de relações de poder e saber.

Esses são mecanismos disciplinares com os quais o poder é utilizado sobre o corpo, que o torna
objeto e alvo de submissão. Por isso a disciplina tem como objetivo fabricar corpos exercitados para
desempenhos e tarefas específicas, aumentando, assim, a força dos corpos, em questões econômicas de
utilidade e, ao mesmo tempo, diminuindo o corpo em sentidos políticos de obediência (ALMEIDA; BELLO,
2015; MOREIRA, 2008; SANTIN, 2008).

Foucault compreende o fenômeno corpóreo como um ponto de vista bélico, um jogo de forças,
mediante o disciplinamento do corpo por uma força política, em que a disciplina estabelece novas
relações nos meios em que ela ocorre.

Assim, o corpo é educado com relação a sua expressividade, sensibilidade e criatividade, havendo
uma reflexão sobre os poderes e as práticas que moldam esse corpo na idade atual.

O corpo até hoje não alcançou uma libertação, pois sempre esteve preso a esquemas que o
controlassem, desde um corpo “manchado”, que continha uma alma purificada, até um corpo objeto de
poder, que perpassa a docilidade proposta por Foucault. Hoje o corpo esportivizado pode ser a última
forma de uma imagem corporal – belo e forte – pela qual se pode ter a ideia de mente sã em corpo são,
criando os padrões de beleza atuais.

2 A MOTRICIDADE HUMANA NA EDUCAÇÃO FÍSICA E NA FISIOTERAPIA

O corpo humano em movimento sempre foi um dos “encantos” para a educação física e a fisioterapia,
independentemente de em qual contexto esse movimento está sendo executado, por exemplo, em um
jogo recreativo, um ambiente escolar, uma dança, um programa de reabilitação ou de intervenção
ergonômica, ou em esportes de alto rendimento.
37
Unidade I

No entanto, se a compreensão desse movimento for realizada de uma maneira segregada – por
exemplo, somente nos aspectos fisiológicos, como a via energética utilizada, ou nos aspectos psicológicos
como a aferição dos níveis de estresse ou ansiedade –, será que os resultados dessas variáveis irão
expressar de maneira geral e completa a complexidade do movimento?

Em muitos casos, a educação física e a fisioterapia acabam por ter uma visão reducionista do homem
em movimento, sem o entendimento das necessidades do corpo ou do ser humano em movimento,
excluindo a complexidade de um ser e reduzindo-o apenas a um corpo físico, desconsiderando os aspectos
psicológico, cultural, econômico e político, ou seja, sem uma interação complexa e interdependente
desses elementos (ZOBOLI; BARRETO, 2011).

Tojal (2011) tem como base o trabalho e a obra do filósofo português Manuel Sérgio, intitulada
Motricidade Humana: uma Ciência do Homem, livro em que a motricidade emerge como um sinal da
corporeidade de quem está no mundo para algum objetivo. Com esse pensamento, o movimento está
relacionado ao entendimento de uma interação com o mundo, assim como o mundo interage com o
corpo/sujeito, que é um ser complexo.

A motricidade representa a vocação de abertura do homem aos outros e ao


mundo, funcionando, em certo sentido, como provocação (pro-vocação) que
o liberta da solidão, para inseri-lo no plano da convivência. É ela também a
verdade da percepção, entendendo este perceber com o sentido de tornar
presente qualquer coisa com ajuda do corpo (TOJAL, 2011, p. 27).

Sérgio (1986, p. 11) relata que “não estou diante do meu corpo, estou no meu corpo, sou o meu
corpo”. Com isso, tem-se a ideia de uma linha complexa entre componentes internos, por exemplo, o
sistema nervoso; e componentes externos, como a cultura, que é captada a partir das experiências do
sujeito, conferindo, desse modo, uma intencionalidade a esse indivíduo.

História Sociologia

Filosofia Epistemologia Psicologia

Antropologia Fisiologia Biomecânica Etc.

Áreas científicas
Motricidade Humana
(objeto de estudo)

Domínios de atividade e de estudo


Educação
Desporto Dança Reabilitação
Física

Ergonomia Circo Etc.

Figura 25 – A motricidade humana envolve diversos aspectos e áreas de estudos do ser humano

38
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Com isso a motricidade revela a intencionalidade operante do homem ao se movimentar –


com sentido e conteúdo – relacionada à existência do ser humano, que tem como objetivo sempre
se superar, e não apenas se submeter a uma mera reprodução de movimentos preestabelecidos
(TOJAL, 2011).

Com esse pressuposto, a motricidade irá evidenciar a busca pela superação de algo que interessa o
sujeito, que é particular de cada indivíduo, sendo a busca por um rendimento máximo (físico, motor etc.)
apenas um dos seus possíveis focos (TOJAL, 2011).

A educação física e a fisioterapia não podem observar o corpo somente como uma estrutura
composta de músculos, esqueleto e articulações, que compõem o sistema locomotor, portanto, não
devem se preocupar exclusivamente com o movimento produzido, mas com o sujeito, o ser humano que
produz o movimento (MOREIRA; NÓBREGA, 2008).

A motricidade, partindo do próprio corpo, tem um significado para esse corpo, pois apresenta
uma intencionalidade, um sentido, refletindo e manifestando, assim, a intenção do próprio corpo,
aumentando o entendimento da percepção, sendo essa a ligação entre o corpo e o mundo (MOREIRA;
NÓBREGA, 2008).

Dessa forma, motricidade é muito mais que um organismo, composto de um conjunto de conceitos;
ela é o homem integral em movimento, expressando sua corporeidade nos belos movimentos corporais,
sempre com intencionalidade, em consonância com o mundo, se relacionando com as coisas e inserindo
o ser humano em um processo construtivo.

Pela motricidade, o homem tem suas primeiras experiências de exploração do mundo pelo
movimento, constituindo um processo de humanização, pois a aprendizagem de cada indivíduo ocorre
em sua relação com o meio social.

A motricidade humana é um fenômeno com extrema complexidade, pois ela não nasce pronta, não
tem uma ordem cronológica nem um determinado estágio para ocorrer, pois é influenciada pelo meio
social, dependendo de uma interação entre o ser humano e esse meio.

Apesar de se observar o ser humano como uma única expressão, esse ser unitário apresenta múltiplas
dimensões que vão influenciar a sua motricidade, e, em decorrência disso, a construção pode ser feita
por uma infinidade de possibilidades.

Lembrete

A motricidade é a corporeidade sendo representada pela intencionalidade


de movimento.

39
Unidade I

3 A CORPOREIDADE NA EDUCAÇÃO FÍSICA E NA FISIOTERAPIA

O principal objetivo dos estudos da educação física e da fisioterapia é a compreensão do corpo do


ser humano, estudado de uma maneira segregada e esquadrinhada em diversas áreas de atuação, como
anatomia, fisiologia humana, biologia e psicologia.

Existe uma tendência a uma visão dualista do homem, principalmente pelas pesquisas realizadas,
cuja procura estava relacionada a constatações de corpos medidos, comparados, desmembrados em
variáveis e tipologias (GONÇALVES, 2012).

Essa separação em áreas de investigação e de conhecimento é ruim para a compreensão do corpo


do ser humano? Depende. Como foi discorrido até agora, percebe-se que a separação acaba por não
entender o corpo como um ser único e indivisível, porém para um pensamento racional e científico é
interessante essa divisão, a fim de que ocorra um aprofundamento no conhecimento específico de cada
área, e isso é muito válido. Entretanto, é necessário que os especialistas, em suas visões particulares, não
percam o sujeito inteiro e complexo.

[...] é fundamental que os especialistas não percam de vista a totalidade


do ser humano. [...] as diferentes áreas do saber são apenas perspectivas,
parcialização do homem que, embora cooperem para o seu conhecimento,
não desvelam seu ser total, mascarando muitas vezes sua essência
(GONÇALVES, 2012, p. 140).

A educação física e a fisioterapia estão relacionadas à corporeidade e ao movimento do ser


humano, ou seja, na intencionalidade do homem de um ser corpóreo e de força motriz, abrangendo as
diversas formas de atividades físicas, por exemplo, as ginásticas em geral, os jogos, as manifestações
rítmicas (que incluem diversos tipos de danças) a reabilitação física, a ergonomia e os esportes em
geral (GONÇALVES, 2012).

Essas formas de atividades físicas representam a cultura ou fenômenos culturais de uma determinada
região ou sociedade; isso corresponde a uma apropriação pelo sujeito ou pelo homem, integrando assim
a sua história, sendo uma realidade socio-histórica pertencente ao processo de formação da história da
humanidade.

Por conseguinte, é preciso tratar da modificação do entendimento de corpo‑objeto para o


entendimento de corpo-sujeito, sendo o corpo-sujeito o que apresenta uma intencionalidade,
caracterizando a corporeidade, como apresentado nas ideias de Merleau-Ponty (MOREIRA;
SIMÕES, 2013).

Diferentes discussões envolvendo a corporeidade, mediante diversas perspectivas teóricas, têm como
objetivo restabelecer a relação entre o corpo e a mente, ou seja, a corporeidade se apresenta como uma
proposta de superar a visão mecanicista ou a dicotomia fragmentadora da unidade do ser humano.
Nesse sentido, o movimento passa a ser o reflexo ou a intencionalidade de um corpo com dimensões
indissociáveis na constituição do sujeito (JOÃO; BRITO, 2004).
40
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Mesmo por meio da ciência, na tentativa de compreensão do ser humano em suas diversas facetas,
ele, sendo um “ser-no-mundo”, necessita ter o seu relacionamento com o meio em que se desenvolve,
para que lhe confira um significado.

Na educação física e na fisioterapia, ainda se desenvolve uma abordagem em que o corpo é tratado
como uma máquina de reprodução de movimentos preestabelecidos e determinados, muitas vezes
chamados de técnicas, retratando assim um ser mecanizado (RECHINELI, PORTO, MOREIRA, 2008;
CONDRADE et al., 2010).

É importante retomar que a ideia de corpo-máquina – ou corpo objetivo – foi desenvolvida por
Descartes. De acordo com sua perspectiva, o corpo é concebido como o cárcere da alma ou da mente, e
só se movimenta pela ação da mente sem qualquer tipo de reflexão ou intencionalidade.

Descartes relaciona o corpo-máquina ao um relógio, que realiza um trabalho mecânico sem


qualquer reflexão, intencionalidade; relógio esse que se apresentar qualquer tipo de defeito pode
ser consertado, ou suas peças substituídas e assim voltar a funcionar corretamente (MOREIRA;
SIMÕES, 2013).

Figura 26 – Corpo-máquina: o corpo é tratado como um objeto, que pode ser reparado
e modificado, sem considerar o contexto individual e cultural no qual foi desenvolvido

Esse conceito de corpo-objeto pode ser observado em elementos estéticos das sociedades modernas,
em que se tem um padrão a ser seguido na questão corporal, segundo um modelo preestabelecido;
por exemplo: se está faltando volume nas mamas ou nas nádegas, implantam-se organismos não
pertencentes ao corpo, tratando-o como um objeto passível de manipulação, em busca de uma beleza
padronizada (MOREIRA; SIMÕES, 2013).

O corpo-objeto participa de um mundo objetivo de trocas, e a sua realidade é determinada pelos


interesses de um sistema social, uma vez que sua divisão possibilita ao corpo transformar-se em um
objeto, uma mercadoria, que irá obedecer a uma lógica de determinado sistema político-social.

Logo, o corpo nunca será real, mas haverá modelos corporais, e a eles a realidade corporal
deverá ajustar-se ou reajustar-se, por meio de transições e mudanças corporais. Segundo Melani
41
Unidade I

(2011), esses modelos instigam e forçam o consumo de bens do corpo real para se atingir o
corpo ideal; porém os modelos normalmente são inatingíveis, gerando um fracasso pessoal e,
consequentemente, uma angústia.

Desse modo, o corpo-máquina ou corpo-objeto é conhecido e trabalhado em seus mínimos detalhes


e “mecanismos”, manipulando suas partes, ajustando, moldando e ditando seu funcionamento.

Outra vertente da educação física e da fisioterapia situam-se no aspecto de algumas de suas


abordagens estarem atreladas a características biológicas do ser humano, cujo foco é a preocupação
com a manutenção da saúde corporal e do máximo desempenho, ou seja, a conquista de aptidão física
e funcionalidade que estão relacionadas a desenvolvimento de capacidades físicas, aprimoramento de
habilidades motoras e desempenho esportivo (GONÇALVES, 2012).

Qual a função ou os objetivos de se realizar ações sem a reflexão acerca dos motivos que
estão envolvidos nessa prática? Por exemplo: correr em volta da quadra, ou realizar movimentos
preestabelecidos de alongamento, sem saber o motivo e as funções desses movimentos, em
processos repetitivos e, em alguns casos, até a exaustão. E quando não se consegue obter os
resultados esperados, apela-se para o uso de anabolizantes com o intuito de passar o limite
imposto pelo corpo (MOREIRA; SIMÕES, 2013).

É o corpo-máquina, por isso mesmo acrítico, que busca, nas academias de


ginásticas – templos modernos de adoração ao corpo –, modelar a massa
muscular, espelhado em “Rambos” ou em atrizes e modelos famosos
(MOREIRA; SIMÕES, 2013, p. 99).

Como foi apontado e criticado por Foucault, na concepção de corpo-máquina há ideias do corpo
como um corpo dócil, um objeto de poder de outra pessoa, pois esse corpo pode ser manipulado,
modelado, treinado, sendo o homem passivo perante o mundo real, e o ato de se obter conhecimento é
uma mera adequação à realidade vivente, ou seja, um conformismo.

Perante isso, se traz a ideia de um corpo-mercadoria, um corpo que pode ser comprado, modificado
e trocado, de acordo com “ondas de modismos” da cultura social vigente, em estreita relação com o ideal
capitalista atual, que leva as pessoas ao consumo exagerado e desenfreado. Isso pode ser observado
em diversas ações de marketing para padrões e expressões corporais da atualidade, que apresentam
resultado econômico extremamente vantajoso para quem controla as tendências, porém vendendo
ideias distorcidas (MORAIS, 2008).

A noção de um corpo-mercadoria, que vive de ideais e padrões preestabelecidos pela cultura


social em voga, tem afetado o corpo e a corporeidade dos indivíduos de uma maneira danosa e
prejudicial. Segundo Saikali et al. (2004), as questões culturais que determinam as normas sociais
de relacionamento com o corpo, ditando práticas de beleza, a manipulação e a mutilação têm um
significado superficial e simbólico.

42
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

O formato, o tamanho e a aparência do corpo desempenham papéis importantes nas funções sociais,
pois podem fornecer informações, por exemplo, sobre a posição/classe social à que o sujeito pertence,
seu modo de vida etc.

No decorrer do século XX, principalmente após 1960, o padrão vem se alterando. Busca-se um
corpo magro com formas musculares bem-definidas, adotadas como um padrão de beleza e com boa
aceitação pela sociedade, que passa a constituir um corpo-objeto de consumo, tendo em vista um
mercado crescente (BOSI et al., 2006; SAIKALI et al., 2004).

Tal busca pelo padrão de corpo ditado pela sociedade pode acarretar alguns problemas, como uma
visão deturpada da imagem corporal, que consiste na figura do próprio corpo construída na mente da
pessoa, em relação ao tamanho, à imagem e às formas corporais. Essa construção inclui processos que
podem ser influenciados por vários fatores, entre eles, crenças e valores inseridos pela cultura (RIBEIRO;
VEIGA, 2010; SCHERER et al., 2010).

De acordo com Saikali et al. (2004), o conceito de autoimagem ou imagem corporal envolve três
componentes:

• Perceptivo: relacionado à forma precisa da aparência física, que envolve estimativa do tamanho e
do peso corporal.

• Subjetivo: relacionado à satisfação da aparência, associado à preocupação e à ansiedade.

• Comportamental: relacionado a situações de fuga pelo indivíduo, por ter momentos de desconforto
ligado à aparência corporal.

Essa construção da autoimagem e, principalmente, os comportamentos relacionados a ela são


intensificados por meio de reforço social, que é o processo de internalização de atitudes e comportamentos,
mediante a aprovação dos outros e a modelagem em que se observa o comportamento de outras
pessoas e, a partir disso, o indivíduo tenta reproduzi-lo ou imitá-lo.

Buscando essa afirmação pela sociedade, acaba-se gerando uma insatisfação com o próprio corpo,
“frequentemente associada a uma discrepância da percepção e o desejo relativo a um tamanho e uma
forma corporal” (BOSI et al., 2006, p. 109).

Com essa percepção deturpada da autoimagem podem ocorrer os transtornos de conduta alimentares,
como a anorexia nervosa e a bulimia, que têm nas mulheres as principais vítimas, acarretando problemas
clínicos de comprometimento da saúde, levando ao afastamento de atividades profissionais e, em casos
extremos, à morte (RIBEIRO; VEIGA, 2010).

A anorexia ou autoinanição pode ser fatal, e os indivíduos acometidos por esse transtorno apresentam
uma imagem corporal distorcida, porque embora, geralmente, estejam abaixo do peso ideal, acreditam
que estão gordos ou obesos.

43
Unidade I

Figura 27 – A anorexia leva o indivíduo a ter uma imagem corporal distorcida

Os primeiros sinais da anorexia estão relacionados à realização de dietas determinadas e secretas,


à insatisfação após perda de peso, às metas de peso mais baixo após atingir o peso inicial desejado, ao
excesso de exercício e, nas mulheres, à interrupção da menstruação (PAPALIA; FELDMAN, 2013).

Já a bulimia consiste no consumo elevado de uma grande quantidade de alimento em um curto


período de tempo (às vezes em poucos minutos) e à eliminação desse alimento ingerido, principalmente
pela indução do vômito, dietas hipocalóricas rigorosas ou jejum, exercícios de altíssima intensidade,
laxantes e diuréticos. As pessoas com bulimia geralmente não estão acima do peso, porém têm uma
preocupação com a boa forma e a sua manutenção (PAPALIA; FELDMAN, 2013).

Figura 28 – Apesar de ser um transtorno alimentar, uma pessoa que tem anorexia não necessariamente terá bulimia

44
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Apesar de as mulheres serem mais suscetíveis à anorexia e à bulimia, os homens também estão
passíveis de apresentar algum tipo de transtorno de imagem corporal.

Ocorre uma grande pressão principalmente por parte da mídia e da sociedade em relação ao
aprimoramento corporal, vinculando o corpo perfeito à prática de atividade física como uma promoção
da saúde e credibilidade social. Todavia, o excesso de atividade física pode acarretar riscos à saúde e
desenvolver o transtorno de imagem corporal, como a disformia muscular (LIMA; MORAES; KIRSTEN,
2010; DEZAN; MACHADO, 2011).

A disformia muscular é um tipo de transtorno de imagem corporal no qual o indivíduo tem a


percepção de que é fraco e pequeno em relação à quantidade ou ao tamanho de sua massa muscular,
mas na verdade apresenta uma musculatura desenvolvida em níveis acima da média populacional
(FEITOSA FILHO, 2008).

A partir desse tipo de transtorno, se desenvolve a vigorexia, em que os indivíduos demonstram a


descrição anteriormente relatada, manifestando uma preocupação anormal com a massa muscular,
que pode levar ao excesso de atividades de força (musculação), práticas de dietas hiperproteicas
(quantidades elevadas de proteínas), hiperglicídicas (quantidade elevada de carboidratos), hipolipídicas
(pouca quantidade de lipídios e gorduras), uso de suplementos proteicos e, em casos extremos, consumo
de esteroides anabolizantes (CAMARGO et al., 2008).

Ademais, pessoas com vigorexia não tendem a fazer atividades com características aeróbias, pois
acreditam que esse tipo de atividade acarreta perda de massa muscular, além de evitar a exposição de
seus corpos por sentirem vergonha (CAMARGO et al., 2008; DEZAN; MACHADO, 2011).

Para homens, a principal faixa etária acometida pela vigorexia é entre 18 a 35 anos, porém as
mulheres que realizam atividades esportivas, principalmente musculação de forma intensa e contínua,
sem respeitar as características de descanso e recuperação, com a intensão de aumentar a massa
muscular e ter maior definição muscular possível, não se importam com as consequências da rotina de
atividade ao sacrificar a vida social, os relacionamentos e o emprego, não estão isentas de apresentarem
esse quadro (DEZAN; MACHADO, 2011).

Pope Júnior, Phillips e Olivardia (2000) listam uma série de sinais de uma pessoa com vigorexia, como:

• Preocupação frequente de que seu corpo não seja magro, e sim musculoso.

• Perda de oportunidades sociais que teria usufruído em outras circunstâncias, porque prefere estar
na academia.

• Gastar muito dinheiro em alimentos especiais ou suplementos dietéticos para aumentar a


musculatura.

• Evitar a exposição de seu corpo, principalmente em situação em que outras pessoas possam vê-lo,
como piscina, praia e vestiários.
45
Unidade I

• Realizar atividades físicas em situações de restrição médica e/ou lesionada.

• Ingerir drogas, como anabolizantes.

As principais causas na alteração da percepção da imagem corporal é uma imposição pela mídia,
sociedade e meio esportivo, de um padrão considerado ideal e que sem ele o indivíduo não terá sucesso
e felicidade, tornando o corpo prisioneiro de um sistema de poder, ditado e modificado por regras,
afetando a corporeidade de um indivíduo e até mesmo de uma parte da população.

Falar de corporeidade, ou um conceito de corporeidade, é complexo e enganador, pois representa


a superação da ideia ou ideal de um corpo mutilado, que foi esquadrinhado observacional e
laboratorialmente e tem o foco no ser humano integral e completo – o corpo que é vivo e também
complexo e existente (MORAIS, 2008; MOREIRA; SIMÕES; CARBINATTO, 2010).

O corpo carrega regras sociais, por isso é importante que, durante o processo de educação, ou reabilitação,
o profissional tenha que conhecer como o corpo do indivíduo funciona (os sistemas corporais), porém
considerando que o movimento humano é mais do que uma mera junção ou resultado de aspectos fisiológicos
ou biomecânicos ou de um processo de aprendizagem motora (GONÇALVES, 2012).

A corporeidade implica vida e existência do ser que pensa no mundo em que está inserido, pensa no
outro e em si, com o intuito de perceber e entender as relações. Assim, reaprende a todo o momento a ver
a vida e o mundo. Buscar a existencialidade, ver os objetos tendo a perspectiva de entendê-los e, assim,
aprender ou incorporar os mais variados significados com o maior número possível de perspectivas.

A concepção do homem como uma unidade que se relaciona com o mundo permite uma visão e
um entendimento mais amplo do ser humano, que pode se tornar um facilitador, trazendo um sentido
teórico-prático às diversas especializações ocasionadas pela racionalidade (mutilação), juntamente com
uma conexão entre as diversas ciências que compõem a educação física e a fisioterapia.

Portanto, corporeidade é um conceito aberto, que requer compromisso com a existência. É


imprescindível conceber, perceber, viver e conhecer o corpo, de forma individual e coletiva.

4 O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, A FISIOTERAPIA E A CORPOREIDADE

Tanto o profissional de educação física quanto o profissional de fisioterapia podem apresentar


dificuldades em perceber a corporeidade dentro de sua atuação profissional, tanto pela característica do
meio acadêmico (processo científico) quanto pela divisão mediante a qual o ser humano em movimento
é estudado, para que haja um aprofundamento em diversas áreas.

Contudo, cada indivíduo deve formular uma concepção diferenciada em relação ao corpo humano,
porém sem ter a ideia de que o corpo é uma máquina perfeita ou a ser melhorada nas questões de
rendimento, mas sim procurar observar e refletir acerca de uma corporeidade viva, existencial, racional
e sensível (MOREIRA et al., 2006).

46
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Ao mesmo tempo em que a corporeidade considera o sujeito um ser biológico, ela o considera um
ser social, relacionado ao seu contexto social, o que muitas vezes não é entendido ou concebido por
algumas áreas de conhecimento, principalmente por causa das ideias de divisão do ser humano.
Os profissionais de educação física e de fisioterapia devem ser capazes de compreender o homem em
sua totalidade e produzir uma intervenção condizendo com essa realidade de um novo homem.

Conseguir aplicar essa concepção em sua atuação irá exigir do profissional a busca por um corpo
possível em um tratamento fisioterapêutico ou na prática de atividade e exercícios físicos sistematizados,
deixando de lado a ideia de um corpo ideal ou perfeito, ou seja, abandonando o modismo que acontece
sazonalmente na sociedade.

A corporeidade está relacionada a uma interação do ser humano com o mundo em que vive, e isso
é representado pelo movimento, ou seja, pela motricidade, que é a intencionalidade, ocasionando a
superação. O sujeito, por intermédio da prática de atividades físicas ou tratamento fisioterapeutico, tem
de buscar a superação e ir além das possibilidades. No entanto, é preciso considerar as características e
limitações de cada pessoa, e não se utilizar exclusivamente tabelas e referências gerais de desempenho
de aptidões físicas.

Além disso, os profissionais têm de buscar a inclusão de diversos tipos de corpos nos exercícios
físicos, e não somente aqueles que apresentam um suposto potencial para atingir a perfeição estética e
performática (RECHINELI, PORTO, MOREIRA, 2008).

Como dito anteriormente, o corpo não é uma junção de diversas partes ou diversos órgãos com
funções distintas, como se fosse uma máquina, nem é um ser que sobrevive baseado em meras relações
de causa e efeito, por exemplo, que recebe um estímulo e apresenta uma resposta adequada a esse
estímulo, sem qualquer tipo de reflexão ou pensamento. O corpo é uma unidade integrada e complexa,
com sentidos, razões e diversas experiências com o mundo, com o qual mantém relações complexas de
dependência e individualidade.

O profissional não pode desprezar as experiências do sujeito e o sistema social ou a cultura em que
ele está inserido, por isso sempre deve procurar contribuir para o desenvolvimento desse corpo real ou
existencial que, quando se movimenta, busca a constante superação.

Isso faz com que o profissional utilize do corpo do sujeito, o qual ele é o autor de toda a sua história
e sua cultura, que saiba trabalhar com o “sujeito relacional, criativo, dependente de conhecimento de si,
dos outros e do mundo” (MOREIRA et al., 2006). Sendo assim:

Viver é conviver, ou seja, viver com o outro, seja esse outro homem, mulher, criança,
idoso, corpo escultural pelos padrões da moda, corpo dotado de restrições, mas
todos, indistintamente buscando superação (MOREIRA et al., 2006, p. 121).

Se os profissionais de educação física e de fisioterapia compreenderem essa concepção de um


corpo-sujeito, um corpo dotado de uma percepção do mundo, ele agregará diversos valores que
darão suporte à sua atuação (RECHINELI, PORTO, MOREIRA, 2008; CANTO, SIMÃO, 2009).
47
Unidade I

Essa corporeidade exigirá um trabalho amplo do profissional, pois ele irá atuar com uma gama de
sujeitos em diversos contextos socioculturais, ou seja, não apenas com aquele que apresenta dificuldades
em suas habilidades, mas também com dificuldade em conseguir uma nova concepção no que diz
respeito ao corpo, principalmente pelas mensagens vinculadas em diversos meios de comunicação em
relação aos padrões estéticos e tipos de corpos aceitos pela sociedade e até mesmo as atividades que
devem ser realizadas para atingir esse corpo.

O profissional deve valorizar o sentido de humanidade, do entendimento de corpo do sujeito-autor,


ao mesmo tempo, modificador de seu destino, e com isso produzir uma história e uma cultura da qual
também possa alterá-las.

Resumo

O estudo da educação física e da fisioterapia é divido em áreas para


uma compreensão mais aprofundada de cada aspecto do ser humano,
porém isso pode resultar em não contemplar o ser integral, trazendo uma
corporeidade limitada e não realista.

Desde a Grécia Antiga, o corpo do homem é objeto de estudos e


reflexões, principalmente pelos filósofos em diversos tipos de contexto,
como no dia a dia, em condições de trabalho e criações de projetos.
A concepção dos primeiros filósofos era de um corpo integral e belo,
porém alguns outros filósofos começaram a criar a ideia de divisão –
dicotomia entre o corpo (soma) e a alma (psique), que está relacionada
com a mente.

O filósofo Platão é o precursor dessa separação e oposição radical


entre corpo e alma do ser humano, obtendo assim um dualismo de
realidade. Também concebeu o ideal de duas realidades ou mundos,
quais sejam o mundo real e mundo das ideias. O mundo real, segundo
Platão, é uma realidade sensível, captada pelos sentidos e composta
de matéria, que é dada à corrupção. Os objetos produzidos nesse
mundo são cópias das ideias (mundo ideal) perfeitas, mas que nunca
será perfeito, pois a matéria é corroída pelo tempo e está fadada ao
desaparecimento. Já o mundo das ideias é uma realidade ideal, captada
somente pelo intelecto, que seria a última verdade de todas as coisas,
sendo essa perfeita e eterna, sem transformações, movimento, pois as
coisas sempre serão como elas são.

E com essa concepção – de um mundo imperfeito e outro perfeito –,


Platão considera que o corpo é algo pertencente ao mundo real, pois é
feito de matéria, imperfeito, sempre tendendo a erros e mortal. Já a alma
é pertencente ao mundo ideal, perfeita e imortal. Com isso, o corpo
48
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

é concebido como o cárcere – a prisão da alma –, dando a ela uma


característica quase divina; o corpo é matéria desprovida de inteligência.

Outro filósofo com extrema importância na Grécia Antiga foi Aristóteles,


que tinha uma concepção diferente da visão de Platão. Para Aristóteles
ainda havia uma separação entre o corpo e a alma, porém não renegava
ou rebaixava o corpo comparativamente à alma. Ele considerava a alma
uma porção interior de vida e que estava inteiramente ligada ao corpo,
concebendo a ideia de um corpo real (mundo real), diferentemente de
Platão, que tinha seu pensamento no mundo ideal. A alma era responsável
por conservar e reproduzir a vida, considerando que o corpo tinha de ser
forte e saudável. Aristóteles recomendava a prática de atividades físicas e
exercícios, pois, em sua visão, a alma não sobrevivia sem o corpo.

Na Idade Média, o corpo era fundamental e principal instrumento de


sobrevivência do ser humano, pois estava envolvido em todas as atividades
de subsistência e comunicação com a sociedade. Todas as ações humanas
estão ligadas à noção de tempo, como as estações do ano, período de
semear e colheita e ao ritmo de reprodução dos animais.

Mas todas as ações dos indivíduos também estavam ligadas aos aspectos
sociais da Idade Média, no caso, ao sistema de castas, ou seja, quem
nascia em determinada classe social não tinha a possibilidade de mudar
e melhorar suas condições sociais. A Idade Média também é marcada por
um processo de descorporalização, principalmente por questões religiosas
cujas instituições tinham o controle sobre diversas questões da ordem
social vigentes.

Um dos responsáveis por esse processo é Santo Agostinho, que definiu


o corpo como a prisão da alma, isto é, o corpo concebido como forma de
punição. Esse ideal está ligado ao platonismo, ou seja, à dicotomia entre
corpo e alma, em que alma se sobressai em depreciação ao corpo. Para
Santo Agostinho a função da alma é de vigilância sobre o corpo, pois este
tende a cometer pecados, impedindo-a de conhecer a verdade divina. Tal
conceito perdurou por muitos séculos.

Entrando na era do descobrimento científico, o filosofo francês René


Descartes, um dos precursores da sistematização do conhecimento científico,
atribuiu à razão uma importância primordial no desenvolvimento do ser
humano, formado por duas substâncias: uma substância material, que é o
corpo, e outra pensante, que é a alma e que controla o corpo. Esse pensamento
coloca a denominada divisão cartesiana, segundo a qual o corpo é somente
uma simples máquina controlada pelo pensamento.

49
Unidade I

O pensamento cartesiano perdura até os dias atuais, em que as


características do pensamento e das questões intelectuais sobressaem-se
em relação às questões corporais, como as sensações e a relação com o
meio em que o sujeito está inserido.

Com uma visão oposta à de Descartes, Nietzsche não acreditava que


o corpo era somente uma máquina controlada pelo pensamento, não
tendo esse filósofo, portanto, a concepção mecanicista. Ele considera que
o conhecimento é adquirido pela razão, quando o corpo interage com o
ambiente no qual o sujeito está inserido, e que só é possível entender a
alma quando se compreende o corpo.

Em concordância com essa aproximação do corpo e da razão


proposta por Nietzsche, tem-se o pensamento a respeito do corpo de
Karl Marx, cuja ideia-chave é compreender a corporeidade humana,
no tocante de como o corpo consegue alterar o meio em que vive,
tendo benefícios para seu uso, pelo trabalho. Porém a ideia capitalista
deforma e, assim, corrompe o corpo, tornando-o alheio às alterações
pelo processo produtivo e criativo.

Já na Idade Contemporânea, a concepção de um corpo integral é


formulada principalmente por dois filósofos: Michel Foucault e Maurice
Merleau-Ponty, ambos com um pensamento mais complexo e abrangente
sobre a relação do corpo com o mundo.

Merleau-Ponty apresenta uma visão diferente em relação ao corpo,


por meio da percepção. Assim, ele diverge da visão do positivismo, que
encara a percepção como algo distinto das sensações. Esse pensamento
tem como objetivo buscar a compreensão do homem de uma forma
integral, considerando o homem como “ser-no-mundo”, no qual o homem
apresenta um caráter ambíguo, sem a separação de corpo e alma, nem
sujeito e objeto; a ideia é pensar no corpo sob a experiência do próprio
corpo, em uma relação com o mundo ou com outro corpo.

A constituição do trabalho de Michael Foucault na concepção do homem


moderno está ligada ao estudo das relações entre o poder, o saber e o
corpo, em que o corpo sofre os efeitos do poder, tendo como procedimento
principal de como o poder é manifestado sobre o corpo, a disciplina e a
regulamentação. O poder intervém materialmente no indivíduo, e esse
poder é refletido no sujeito e seu corpo, interferindo e refletindo em sua
corporeidade, hábitos, sentimentos, emoções e ações.

Os pensamentos de Foucault e Merleau-Ponty conduziram as ideias


a respeito da corporeidade e da motricidade atualmente, trazendo a
50
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

ideia de uma observação e estudos de um ser integral, inserido em seu


contexto social.

A motricidade humana representa a intencionalidade da


corporeidade, uma compreensão do mundo em que o ser humano
está inserido, considerando sempre as características biológicas
juntamente com os aspectos socioculturais, os quais são inerentes
tanto ao ambiente quanto ao próprio indivíduo. Pela motricidade,
o homem tem suas primeiras experiências de exploração do mundo
pelo movimento, constituindo um processo de humanização, pois
a aprendizagem de cada indivíduo ocorre em sua relação com o
meio social. Ela é um fenômeno complexo, pois observa o indivíduo
como um ser unitário, que apresenta diversas dimensões que irão
influenciar seu desenvolvimento e sua interação no meio.

A educação física e a fisioterapia estão relacionadas à corporeidade


e ao movimento do ser humano, ou seja, à intencionalidade do homem,
um ser corpóreo e motriz, tendo abrangência nas diversas formas de
atividades físicas, reabilitação física e motora e a ergonomia. Essas
formas de atividades físicas representam a cultura ou os fenômenos
culturais de uma determinada região ou sociedade, e a isso corresponde
uma apropriação pelo sujeito, integrando a sua história, isto é, uma
realidade sócio-histórica, pertencente ao processo de formação da
história da humanidade.

No entanto, mesmo tendo essa concepção de um ser integral, o


corpo atualmente é tratado como um objeto ou uma máquina, com
a ideia de corpo-objeto, que é capaz de manipular, mudar e trabalhar
como uma máquina, da qual é possível trocar peças quebradas
como se fossem de um relógio. O corpo-objeto, juntamente com as
características do consumismo e a busca por um corpo ideal, acaba
por trazer consequências de como os indivíduos se relacionam com seu
corpo ou as ideias com que concebem seu corpo. Isso pode acarretar
alguns transtornos psíquicos relacionados à autoimagem corporal e
à ingestão (ou não) de alimentos – sendo recorrentes os seguintes
transtornos: anorexia, bulimia e vigorexia.

Tanto o profissional de educação física quanto o profissional de


fisioterapia devem compreender seu trabalho com o ser humano, que está
em constante modificação e adaptação, mediante sua interação com o
meio. Dessa forma, o entendimento da corporeidade e da motricidade dará
suporte para esse profissional saber lidar com as características internas do
indivíduo na relação com o meio.

51
Unidade I

Exercícios

Questão 1. (Enade 2007)

“- Culto obsessivo ao corpo pode provocar distúrbios.”

“- A gente prefere estar bonito a cuidar da saúde.”

A busca exagerada pelo físico perfeito atinge jovens que estão cada dia mais preocupados
com a aparência. O problema acontece quando isso se torna uma doença e eles passam a praticar
exercícios físicos em excesso e fazem uso de anabolizantes, ignorando efeitos e complicações
ocasionados por tal procedimento.

Folha de S. Paulo, Caderno de Saúde, 4/9/2005 (com adaptações).

Considerando o fragmento de reportagem apresentado anteriormente e a intervenção adequada do


profissional de educação física, em termos éticos, é correto afirmar que, para promover um estilo de vida
saudável entre os jovens na instituição em que trabalha, o profissional de educação física deve:

A) Proibir que esses jovens façam qualquer menção ou tirem dúvidas acerca do uso de esteroides
anabolizantes, de modo a não dar publicidade a esse tema.

B) Fiscalizar a venda e o consumo de substâncias ergogênicas farmacológicas no local de trabalho,


para reduzir o uso indiscriminado desses produtos.

C) Criar um selo que ateste a autenticidade dos esteroides anabolizantes para impedir a
comercialização e o uso de produtos falsificados.

D) Estimular a prática de exercícios físicos para uma vida saudável e esclarecer as finalidades e os
riscos do emprego dos esteroides anabolizantes.

E) Divulgar, entre esses jovens, casos de uso dos esteroides anabolizantes com fins estéticos que
priorizam o culto ao corpo idealizado.

Resposta correta: alternativa D.

Análise das alternativas

A) Alternativa incorreta.

Justificativa: pois também é responsabilidade do profissional de educação física informar quais são
os malefícios do uso de esteroides anabolizantes e, assim, criar uma consciência sobre os danos desse
uso no corpo humano.
52
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

B) Alternativa incorreta.

Justificativa: uma vez que a fiscalização sobre a venda de tais produtos cabe à Federação, aos estados
e aos municípios, e essas substâncias ergogênicas só podem ser receitadas por médicos e dentistas, de
acordo com a Lei nº 9.965, de 27 de abril de 2000.

C) Alternativa incorreta.

Justificativa: está incorreta, pois quem libera e atesta se um produto é verdadeiro e confiável para
o uso em seres humanos é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os profissionais de
educação física não têm essa autonomia.

D) Alternativa correta.

Justificativa: essa abordagem cria uma consciência a respeito do uso de recursos ergogênicos,
principalmente o uso em tempo prolongado, e também dos motivos que levam um indivíduo a usar
essas substâncias para a obtenção de um corpo aceito por uma sociedade padronizada.

E) Alternativa incorreta.

Justificativa: em partes. É correto divulgar casos do uso de esteroides anabolizantes, porém não
com o viés de que o seu uso seja a única forma de se obter um corpo idealizado por uma cultura que
manipula o corpo para determinado estereótipo.

Questão 2. (Enade 2007) Um profissional de educação física, no âmbito em que trabalha, diagnostica
o grande interesse dos jovens pelas práticas corporais divulgadas pelas mídias impressas e nos programas
de televisão que indicam dietas, medicamentos, cremes, peças de vestuário, calçados e aparelhos de
musculação de última geração, que prometem que a pessoa atinja, em tempo reduzido, um corpo nos
padrões divulgados como ideais pela mídia.

O profissional, então, sente-se desafiado a satisfazer essa demanda e, ao mesmo tempo, promover a
capacidade crítica desses jovens.

Considerando-se as alternativas de fazer pedagógico diante do desafio dessa situação hipotética,


como um profissional de educação física pode favorecer o desenvolvimento da crítica dos jovens às
relações ideológicas entre corpo, subjetividade e cultura de consumo?

A) Comparando as principais vantagens dos métodos de emagrecimento comumente divulgados nas


revistas de grande circulação.

B) Identificando as barreiras que impedem os jovens de experimentar as práticas corporais que


sempre apresentam na televisão.

53
Unidade I

C) Comentando as características de novos equipamentos esportivos destacadas pelas propagandas


para prática de exercícios.

D) Reconhecendo os conflitos de interesse existentes dentro do grupo em relação ao corpo e


verificando a melhor maneira de harmonizá-los.

E) Debatendo vantagens e desvantagens das atividades corporais associadas com o conhecimento


de si e de sua realidade social.

Resposta correta: alternativa E.

Análise das alternativas

A) Alternativa incorreta.

Visto que, normalmente, as dietas são publicadas em revistas sem qualquer tipo de embasamento
científico, sem fazer a relação das privações nutricionais que elas trazem, mas sempre com o objetivo de
perder massa corporal para atingir o padrão corporal tido como “ideal”.

B) Alternativa incorreta.

Pois as práticas corporais têm de ser realizadas de uma forma intencional pelos indivíduos, no entanto
nem todas as práticas podem ser realizadas por todas as pessoas, observando, sempre, os diversos tipos
de características, não somente a “modalidade da moda”.

C) Alternativa incorreta.

Pelo fato de serem divulgadas apenas as características positivas, uma vez que as propagandas têm
como função a venda e o consumo dos equipamentos esportivos. Por exemplo: “com esse tênis, você faz
o que o jogador faz”, porém as características individuais nem sempre condizem com as especificações
mostradas pela propaganda, levando, muitas vezes, a práticas corporais danosas ao corpo.

D) Alternativa incorreta.

A carga cultural que cada pessoa carrega em seu corpo faz com que ela enxergue e observe os demais
corpos que se relacionam de formas diferentes, além do que a influência da mídia pode gerar distorções
a respeito da concepção que se tem sobre o próprio corpo. Assim, é necessário ter uma discussão, não
para criar uma harmonia entre os jovens, mas, sim, para que conheçam e sejam críticos às tendências
impostas por diversas formas de poder.

E) Alternativa correta.

Com isso, os jovens passam a ter consciência e a refletir sobre as práticas corporais que são inseridas
pela cultura, proporcionando conhecimento sobre seu próprio corpo e o mundo em que ele se relaciona.
54
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Unidade II
Quando alguém é questionado ou algum indivíduo indaga: “você considera ter qualidade de vida?”
“estou em busca de mais qualidade de vida?”, quais são os aspectos e as características que estão
envolvidos na expressão qualidade de vida?

Ao se falar em “qualidade de vida”, essa expressão pode ter diferentes significados e conceitos,
pois irá retratar diversos conhecimentos, experiências e valores individuais e coletivos, os quais irão
refletir o momento histórico, a classe social e a cultura pertencentes aos indivíduos (DANTAS; SAWADA;
MALERBO, 2003).

Como dito, a qualidade de vida exprime características pertencentes à corporeidade e à motricidade


humana. Logo, a qualidade de vida e a corporeidade estão estreitamente ligadas entre si, pois são as
formas, as condições e as possibilidades do ser humano se relacionar com o meio em que ele está inserido.

5 QUALIDADE DE VIDA E CORPOREIDADE

O universo relacionado à qualidade de vida se manifesta em diferentes áreas, ou seja, apresenta


abordagem multidisciplinar de conhecimentos científicos e populares referentes à vida dos indivíduos.
Com essa perspectiva, a avalição do cotidiano resulta em um número de elementos do dia a dia,
elementos subjetivos sobre a vida e até sua forma de agir perante doenças e enfermidades (ALMEIDA;
GUTIERREZ; MARQUES, 2012).

O termo qualidade de vida tem sido utilizado desde os anos 1960, principalmente com força política.
O primeiro a utilizar essa expressão foi o presidente dos Estados Unidos, Lyndon Johnson, em seu discurso,
ao relatar que “os objetivos não podem ser medidos através de balanços de bancos. Eles só podem ser
medidos através da qualidade de vida que proporcionam às pessoas” (PIRES, 2007).

O conhecimento popular se apropriou dessa expressão como uma forma de simplificar a melhora ou
um padrão elevado de bem-estar nas vidas dos indivíduos, seja de ordem social, emocional ou econômica
(ALMEIDA; GUTIERREZ; MARQUES, 2012). Todavia, a compreensão sobre a qualidade de vida remete a
inúmeras variáveis do conhecimento humano, nos âmbitos biológico, médico, social, econômico, político
entre outros, portanto, há inter-relações de inúmeras variáveis.

De acordo com Seidl e Zannon (2004), o termo qualidade de vida é utilizado em duas vertentes
de pensamentos:

• Na linguagem cotidiana, representando a população de uma forma geral, jornalistas, políticos,


profissionais de diversas áreas e gestores de políticas públicas.

55
Unidade II

• Em pesquisas científicas, em diferentes áreas de conhecimento, como Economia, Sociologia,


Educação, Medicina e demais áreas da saúde.

Qualidade de vida é um pressuposto totalmente humano e está relacionada ao grau de satisfação


que é encontrado nos contextos da vida familiar, social, amorosa, estética e ao ambiente em que se está
inserido. Com isso, a qualidade de vida irá refletir uma síntese da cultura, com os diversos elementos que
a sociedade determina como padrão de conforto e bem-estar (MINAYO, 2000).

O grupo de estudos sobre qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL GROUP) definiu
que a qualidade de vida é a percepção do indivíduo de sua posição na vida no contexto da cultura e sistemas
de valores e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações (WHOQOL GROUP, 1995).
Há seis domínios considerados principais, quais sejam: saúde física, estado psicológico, níveis de dependência,
relacionamento social, características ambientais e padrão espiritual (DANTAS; SAWADA; MALERBO, 2003).

Guiteras e Bayés (1993) delimitam que qualidade de vida está relacionada à saúde como uma valorização
subjetiva que o paciente faz de diferentes aspectos de sua vida quanto ao seu estado de saúde.

Para Cleary, Wilson e Fowler (1995), o termo se refere a vários aspectos da vida de uma pessoa que
são afetados por mudanças no seu estado de saúde e que são significativos para a sua qualidade de vida.

Já Patric e Erickson (1993) conceituam que qualidade de vida é o valor atribuído à duração da
vida, modificado pelos prejuízos, estados funcionais e oportunidades sociais que são influenciados por
doenças, danos, tratamentos ou políticas de saúde.

Com uma visão mais generalista, Martin e Stockler (1998) percebem que a noção de qualidade de
vida pode ser mensurada pela distância das expectativas individuais e a realidade vivida, ou seja, quanto
menor for essa distância, melhor será a qualidade de vida.

A distância ou noção de distância entre a expectativa e a realidade remete a um plano individual,


não ao coletivo, sendo determinado por três referenciais (MINAYO, 2000):

• Histórico: ligado ao tempo de desenvolvimento econômico, social e tecnológico. Porém os


parâmetros de qualidade de vida diferem de sociedades diferentes e também em uma mesma
sociedade em tempos históricos diferentes.

• Cultural: refere-se aos valores e necessidades dos povos ou sociedades, revelando assim seus
costumes e suas tradições.

• Classes sociais: em sociedades que apresentam uma grande desigualdade entre classes, o padrão
de qualidade de vida se relaciona ao bem-estar das camadas superiores e ascensão de classes
inferiores para superiores.

Além dessa percepção individual de qualidade de vida, esse conceito é intrínseco, isto é, próprio de
cada indivíduo e sofre influências de propagandas da mídia, dos alimentos e das campanhas políticas.
56
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Assim, cria-se a ideia de que elevar a qualidade depende somente dos esforços do sujeito (ALMEIDA;
GUTIERREZ; MARQUES, 2012).

Satisfação
pessoal
Estabilidade
Trabalho financeira

Ambiente de
Saúde qualidade

Relações Qualidade Envolvimento


sociais de vida emocional

Figura 29 – Diagrama das diversas variáveis que compõem a qualidade de vida

Pela diversidade de domínios que estão relacionados ao termo, não existe uma concordância para
um conceito único e definitivo, já que alguns destacam a importância de um bem-estar econômico,
outros o sucesso pessoal ou o desenvolvimento social (PIRES, 2007). Portanto, se faz necessário ter
atenção a uma multiplicidade de fatores que envolvem o universo da qualidade de vida.

Conforme mencionado anteriormente, a qualidade de vida sempre esteve presente na vida humana,
pois está relacionada ao interesse pela vida, tanto individual como socialmente.

Dessa forma, a abordagem da qualidade de vida está relacionada à percepção de como as pessoas
vivem, sentem e compreendem seu cotidiano, envolvendo questões como educação, saúde, transporte,
moradia e participações nas decisões que lhe dizem respeito (ALMEIDA; GUTIERREZ; MARQUES, 2012).

Mas para alguns autores a qualidade de vida tem uma ligação estreita com o desenvolvimento
do ser humano, que representa as diversas combinações que um indivíduo está apto a fazer, ou seja,
as diversas funcionalidades que compõem e que representam o estado da pessoa, abrangendo os
diversos componentes que permeiam o cotidiano do indivíduo ou o modo como age em sua história e
desenvolvimento (HERCULANO, 2000).

Com essas definições, a qualidade de vida é avaliada de acordo com a capacidade para alcançar as
funcionalidades, como as funções elementares, por exemplo, de se alimentar adequadamente, assim
como de obter e manter a saúde, e ainda as funções que envolvem autorrespeito e integração social. Essa
capacidade está vinculada a um conjunto de diversos valores, como a personalidade, e principalmente às
características e às possibilidades sociais (HERCULANO, 2000).

Retornando a definição dada pela Organização Mundial da Saúde (1995) de que a qualidade de
vida é “a percepção do indivíduo de sua inserção na vida do contexto da cultura e sistemas de valores
nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações”, é possível
estabelecer alguns aspectos para se conceber os indicadores de esferas objetivas e subjetivas, sempre
tendo como perspectiva a visão do indivíduo (ALMEIDA; GUTIERREZ; MARQUES, 2012).
57
Unidade II

A análise sobre a perspectiva objetiva está relacionada aos elementos passíveis de serem quantificados
e concretos, que podem sofrer transformações pelo ser humano. São considerados elementos objetivos
fatores como alimentação, moradia, acesso à saúde, emprego, ou seja, necessidades que garantem a
sobrevivência do indivíduo na sociedade.

Tomando por base esses aspectos objetivos são traçados índices de referência sobre características
sociais e econômicas da população, e a partir desses índices criam-se políticas e ações voltadas para a
melhoria da qualidade de vida da população (ALMEIDA; GUTIERREZ; MARQUES, 2012).

Já na compreensão da qualidade de vida tendo como referência os elementos subjetivos, também


são considerados aspectos concretos, no entanto, têm-se as variáveis históricas, sociais, culturais e de
interpretação individual sobre as condições de bens materiais e de serviços do indivíduo.

Nesse sentido, a caracterização da qualidade de vida não se dá somente por aspectos objetivos,
mas também leva em consideração fatores subjetivos e emocionais, expectativas e possibilidades de
um grupo social ou de um indivíduo quanto a suas realizações e percepção de sua vida, considerando
inclusive questões referentes a prazer, felicidade e tristeza (ALMEIDA; GUTIERREZ; MARQUES, 2012).

Para a utilização dos elementos subjetivos, é necessário a caracterização sociocultural prévia do


ambiente em que o grupo ou o sujeito vive.

Percepção
objetiva

+ Qualidade
de vida

Percepção
subjetiva

Figura 30 – Qualidade de vida é formada pelas percepções objetiva e subjetiva do indivíduo

Existe uma relação muito estreita entre os elementos objetivos e subjetivos, e nenhuma análise
ou compreensão da qualidade de vida de um sujeito pode ser contextualizada sem antes estabelecer
a qualidade de vida coletiva, observando o que é representado na definição da OMS, que contempla
aspectos subjetivos e objetivos.

Um exemplo de tratamento de aspectos objetivos e subjetivos refere-se ao sistema de bem-estar da


Escandinávia, baseado em três verbos básicos à vida humana: ter, amar e ser (HERCULANO, 2000).

O verbo ter está relacionado às condições necessárias para uma sobrevivência fora da situação de
miséria, como habitação, emprego, condições físicas de trabalho, saúde e educação.

O verbo amar diz respeito a relacionar-se com outras pessoas e, assim, formar uma identidade social.
58
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

E o último verbo, ser, refere-se às necessidades de integração da sociedade em harmonia com a


natureza, tendo como princípios a participação das pessoas nas decisões coletivas e atividades que
influenciam a vida, como atividades políticas, tempo de lazer, oportunidades profissionais, contato com
a natureza, atividades lúdicas e contemplativas (HERCULANO, 2000).

Esses indicadores podem ser mensurados tanto em aspectos objetivos quanto subjetivos:

Quadro 3

Indicadores objetivos Indicadores subjetivos

Ter (condições materiais) Medidas de níveis de condições Sentimentos de satisfação/


ambientais e vida. insatisfação com as condições.
Felicidade/infelicidade nas
Amar (necessidades sociais) Medidas de relações interpessoais. relações sociais.
Ser (necessidades de Medidas das relações das pessoas Sentimentos de alienação ou
crescimento pessoal) com a sociedade e a natureza. crescimento pessoal.

Fonte: Herculano (2000, p. 8).

A divisão das esferas de percepção tem como objetivo minimizar a problemática da


multidisciplinariedade da qualidade de vida, visto que é um tema com grande abrangência. Além disso,
esses indicadores proporcionam uma linha metodológica para obter uma análise da percepção objetiva
e subjetiva, porém não se pode observá-las de uma forma separada, pois elas apresentam relações.

5.1 A percepção objetiva da qualidade de vida

A esfera de percepção objetiva de qualidade de vida está relacionada à garantia e satisfação em ter
acesso aos elementos essenciais e necessários para a sobrevivência do ser humano, como: água potável,
alimentos, vestuário, serviço de saúde, trabalho digno, lazer, entre outros (MINAYO, 2000).

Pelo fato de serem bens de consumo (água, alimentos etc.) e atividades concretas (trabalho, serviços
de saúde) não dependem, em princípio, de uma avaliação subjetiva ou interpretação do indivíduo
(ALMEIDA; GUTIERREZ; MARQUES, 2012).

Figura 31 – A percepção objetiva não depende de uma avaliação subjetiva – Rio de Janeiro, Brasil

59
Unidade II

Os indicadores de percepção objetiva incluem três características:

• Aquisição de bens materiais.


• Avanços educacionais.
• Condições de saúde.

Esses indicadores têm como objetivo refletirem as características gerais de uma população, e não
levam em consideração características históricas e culturais, e sim apenas questões socioeconômicas em
relação aos bens de consumo (GONÇALVES; VILARTA, 2004).

Nessa abordagem é possível realizar uma comparação objetiva de uma mesma população em
diversas épocas históricas ou entre diferentes sociedades. É possível classificar os grupos por critérios
mais quantitativos e excluir as “percepções individuais e especificidades culturais dos sujeitos e das
coletividades”, sendo utilizado como índices gerais, com sentido político e mostrando hegemonia
(ALMEIDA et al., 2012, p. 25).

A percepção objetiva tem pontos positivos pela facilidade de obtenção de dados, criando um índice
geral das condições de qualidade de vida, pois esses dados estão ligados a elementos como saúde,
moradia, educação, transporte, entre outros seguimentos, sendo esse enfoque quantitativo, ou seja, lida
com a presença ou ausência de determinado elemento em uma população.

Um instrumento muito utilizado para a aferição da percepção objetiva é o Índice de Desenvolvimento


Humano (IDH). Ele tem como objetivo apresentar uma perspectiva sobre o desenvolvimento humano,
porém não compreende todas as vertentes pertencentes à complexidade do desenvolvimento do ser
humano, principalmente a percepção subjetiva do indivíduo.

Segundo o PNUD (2016), o IDH é formado por três pilares: saúde, educação e renda, que são avaliados
da seguinte forma:

• Uma vida longa e saudável (saúde) – mensurada pela expectativa de vida.

• Acesso ao conhecimento (educação) – medida por alguns fatores:

— Média de educação dos adultos, que é avaliada pela média de anos de estudos recebidos
durante a vida após os 25 anos de idade.
— Expectativas de anos de escolaridade para crianças na idade de iniciar a vida escolar.

• Padrão de vida (renda) – avaliada pela renda nacional bruta per capita, que é expressa em poder
de paridade de compra.

A classificação para determinar se um local tem um alto ou baixo desenvolvimento humano varia de
0 a 1. Quanto mais próximo do 1, maior é o desenvolvimento humano (PNUD, 2015):
60
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

• 0 a 550 – desenvolvimento humano baixo;

• 0,550 a 0,699 – desenvolvimento humano médio;

• 0,700 a 0,799 – desenvolvimento humano alto;

• 0,800 a 1 – desenvolvimento humano muito elevado.

Tabela 1 – Nações com melhor e pior IDH (2014)

Posição País IDH


1º Noruega 0,944
2º Austrália 0,935
3º Suíça 0,930
4º Dinamarca 0,923
5º Países Baixos 0,922
6º Alemanha 0,916
7º Irlanda 0,916
8º Estados Unidos 0,915
9º Canadá 0,913
10º Nova Zelândia 0,913
75º Brasil 0,755
179º Mali 0,419
180º Moçambique 0,416
181º Serra Leoa 0,413
182º Guiné 0,411
183º Burquina Fasso 0,402
184º Burundi 0,400
185º Chade 0,392
186º Eritreia 0,391
187º República Centro-Africana 0,350
188º Níger 0,348

Fonte: PNUD (2015, p. 232-233).

Figura 32 – Oslo, capital da Noruega, país com maior IDH do mundo

61
Unidade II

Figura 33 – Niamey, capital do Níger, país com o menor indicador de IDH mundial

1
0,9
0,8
0,7
0,6
IDH

0,5
0,4
0,3
0,2
0,1
0
1990 2000 2010 2011 2012 2013 2014
Ano
IDH Brasil IDH Noruega IDH RCA

Figura 34 – Comparativo da evolução do IDH, de 1990 – 2014, entre


Brasil, Noruega e República Centro-Africana (RCA)

Apesar de ser um instrumento muito utilizado e reconhecido internacionalmente, o IDH apresenta


limitantes metodológicos, pois ele se aplica à população em nível nacional, porém as realidades de cada
região dos países não são retratadas, e é possível não ser visualizada a realidade em menor proporção
ou regional.

Um exemplo disso é a aplicação de IDH para a esfera municipal no Brasil, realizado com os dados do
IBGE, segundo o qual a nação apresenta municípios com altíssimos escores de IDH, como São Caetano
do Sul – SP (0,862), Brasília – DF (0,824) e Florianópolis – SC (0,847), e, em contrapartida, escores muito
baixos, como Melgaço – PA (0,418), Fernando Falcão – MA (0,443) e Japorã – MS (0,526) (PNUD, 2013).

Conforme os dados apresentados identifica-se que o IDH nacional não reflete a verdadeira realidade
ou as verdadeiras realidades que um país comporta, ou seja, a qualidade de vida de uma população,
tendo como parâmetros somente a percepção objetiva de elementos concretos.

Por essa razão, a percepção da qualidade de vida somente por critérios objetivos, muitas vezes, é
utilizada como propaganda política, dando uma visão generalista e homogênea de uma realidade que
ainda apresenta muita desigualdade e é extremamente heterogênea principalmente no Brasil. Com isso,
os dados que compõem essa percepção acabam englobando diferentes sujeitos em um mesmo contexto.
62
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Apesar de identificar os níveis de qualidade de vida como uma percepção do indivíduo, não
apresentando o que ocorre em um contexto mais global, a análise objetiva é importante para determinar
uma melhor intervenção em áreas que necessitam de um melhor desenvolvimento, como saúde e ações
sociais, direcionando uma melhoria para um determinado grupo.

A esfera de percepção objetiva é importante em dois aspectos: como instrumento de avaliação


das condições de vida de um grupo ou população, indicando principalmente as áreas de carência de
serviços, e por fornecer uma base de grupos com relação às características socioeconômicas em que
estão inseridos (ALMEIDA et al., 2012).

5.2 A percepção subjetiva da qualidade de vida

A esfera de percepção subjetiva em um primeiro momento trabalha com as ações individuais diante
da vida do próprio sujeito, como a expectativa de seus próprios níveis de qualidade de vida (ALMEIDA
et al., 2012).

Por percepção subjetiva se compreende o estilo de vida do sujeito, caracterizado pelos hábitos
aprendidos e adotados durante a vida, que têm relação com a realidade social, ambiental e familiar. Desse
modo, as ações que refletem na vida desse indivíduo, como os valores e as oportunidades, devem estar
relacionados ao bem-estar do sujeito, como o controle do estresse, a nutrição, a prática de atividades
físicas regulares, os cuidados com a saúde e o convívio social.

Essa percepção está relacionada a três questões: o bem-estar dentro das experiências individuais; a
presença de aspectos positivos na vida do indivíduo (não apenas de aspectos negativos); uma medida
global, não somente um único aspecto da vida (GIACOMONI, 2004).

Além disso, essa percepção relaciona-se com os valores não materiais como amor, felicidade,
inserção social e realização social. Como é uma percepção subjetiva, é preciso levar em consideração
as possibilidades de uma conceituação e valorização individual de muitas variáveis não possíveis de
mensuração, e isso irá refletir no cotidiano do sujeito (MINAYO, 2000).

Ainda, essa percepção subjetiva, como a felicidade, a satisfação, o “estado de espírito”, entre outras,
de uma forma geral vai criar a perspectiva de como os sujeitos avaliam suas vidas, ou seja, se as pessoas
experimentam suas vidas positivamente (GIACOMONI, 2004). Assim, a esfera subjetiva está muitas vezes
atrelada à ideia de felicidade.

Por conseguinte, a felicidade está ligada a questões externas, não como algo subjetivo, mas uma
qualidade desejada. Um segundo ponto está relacionado à forma como as pessoas avaliam os termos
positivos da vida e uma terceira categoria considera a percepção positiva se sobrepondo a uma percepção
negativa de satisfação da vida (GIOCOMONI, 2004).

Com isso, o ambiente e a cultura que o sujeito incorpora e as condições de desenvolvimento possíveis
do sujeito são muito importantes para a formação da esfera de percepção subjetiva, que envolve
sentimentos e valores de juízo, direcionando as diversas possibilidades de ações na sociedade, dentre
63
Unidade II

elas, a percepção e o julgamento de sua vida que estão atrelados a expectativas e ao entendimento de
bem-estar do grupo ou da sociedade em que ele está inserido.

Cada sociedade irá determinar, por meio de sua cultura, quais são seus padrões de vida e assim
direcionar as expectativas e os níveis de satisfação dos indivíduos que a compõem, e isso refletirá sobre
o que é ou não é uma boa qualidade de vida, como o grau de satisfação pelas realizações dos indivíduos
ou acesso a bens de consumo. Isso pode variar de acordo com a sociedade e os valores pessoais.

Um exemplo de como a cultura interfere nas escolhas pessoais e repercutirá na percepção subjetiva
de uma população são as medidas tomadas pela Suécia, que em 2014 recusou ser uma das candidatas
a receber as Olímpiadas de 2022, pois seus representantes no governo tinham outras prioridades para
investir os recursos provenientes dos impostos. “Não é possível conciliar um projeto de sediar os Jogos
Olímpicos com as prioridades de Estocolmo em termos de habitação, desenvolvimento e providência
social” (DEARO, 2014).

Pelo fato de a percepção subjetiva ser mais complexa, as expectativas e os gostos dos indivíduos irão
variar de acordo com a sua classe social; essa perspectiva influenciará de forma direta a sua percepção
individual a respeito da vida. Além das divisões de classes sociais, questões como diferenças culturais,
separadas pela história ou grupos étnicos, fazem com que o tipo de percepção também se altere
(ALMEIDA et al., 2012).

Conseguir quantificar ou mensurar as variáveis da esfera de percepção subjetiva da qualidade de vida


é complexo, pois ela é composta de uma multiculturalidade, e compreender essa realidade apresenta
muita dificuldade. Os instrumentos da esfera de percepção objetiva apresentam uma maior facilidade
para serem aplicados, porém excluem as diversas faces da cultura de uma sociedade, colocando em
dúvida os resultados e os índices obtidos.

Para conseguir mensurar os fatores culturais que constroem a percepção sobre a qualidade de vida
e com isso a esfera subjetiva, é necessário a análise da percepção do indivíduo a respeito da satisfação
e das expectativas que irão considerar as diversas primícias culturais da sociedade contemporânea em
que ele está inserido.

Os indicadores de natureza subjetiva respondem como pessoas sentem ou o que


pensam das suas vidas, ou como percebem o valor dos componentes materiais
reconhecidos como base social da qualidade de vida (MINAYO, 2000, p. 17).

Só é possível falar e compreender a qualidade de vida tendo como ponto inicial a percepção do
indivíduo sobre a sua própria vida.

Mesmo que a variável seja constituída de uma percepção, isto é, uma visão subjetiva de um indivíduo,
ela caracteriza a sua realidade histórica, econômica e de saúde, e isso é construído em relação à carga
cultural, a qual é derivada das relações do homem com os bens materiais que exercem algum tipo de
interferência em sua vida. Logo, a esfera subjetiva é válida e de extrema importância para as discussões
e o entendimento a respeito da qualidade de vida.
64
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Percepção do
indivíduo

Características
da sociedade

Contexto
cultural

Figura 35 – As relações entre o indivíduo, a sociedade e a cultura são importantes para


o desenvolvimento da percepção do indivíduo dentro de um contexto sociocultural

5.3 A relação entre as esferas das percepções objetiva e subjetiva

A qualidade de vida é um campo de conhecimento que envolve diversas áreas de conhecimento,


denotando várias formas de ser abordada. Por isso é preciso compreender como as esferas objetiva e
subjetiva relacionam-se entre si para a construção de uma percepção mais completa da qualidade de
vida de um sujeito ou da população.

Há dois tipos de perspectivas – uma objetiva e outra subjetiva –, e ambas não podem ser mensuradas
de maneira segregada, pois elas se complementam, formando assim o conhecimento da qualidade de
vida. Contudo, se faz necessário saber quais são as diferenças entre essas duas esferas de percepção, pois
essa divisão se apresenta de maneira muito sútil. A questão é que a qualidade de vida lida com inúmeros
fatores que afetam a vida do sujeito, e esses fatores estão relacionados entre si.

Pelo fato de ocorrer essa interdependência entre os fatores que compõem as esferas objetiva e
subjetiva, é difícil definir em qual esfera determinado fator se encaixa, ou seja, as relações são inevitáveis,
por causa da influência entre as esferas de percepção (ALMEIDA et al., 2012).

A relação confusa entre essas esferas pode estar relacionada ao conceito de qualidade ambiental
que, de acordo com Barbosa (1998), é constituído por um conjunto de juízo de valores relacionados
ao estado ou às condições que o ambiente proporciona, ou seja, a forma como o ambiente influencia
a qualidade de vida dos sujeitos. O ambiente, então, irá refletir o contexto social em que o sujeito
está inserido, sendo um determinante para suas possibilidades de desejos, necessidades e realizações
(ALMEIDA et al., 2004).

Perante essa reflexão, a posição que o sujeito ocupa na sociedade, seus hábitos e seu comportamento
serão delimitados pela hierarquia social; o que os sujeitos de determinado grupo consomem e utilizam,
além de seus bens, diferenciarão as estruturas sociais. E para assumir as características simbólicas
de determinado grupo, o indivíduo precisa ter as condições que lhe permitam realizar esses desejos
(ALMEIDA et al., 2012).

65
Unidade II

Em reportagem do portal UOL economia, foram divulgadas as marcas consumidas pela camada
mais elitizada da população e que começam a ser utilizadas pelas pessoas que compõem as camadas
economicamente “inferiores” da população, excluindo o caráter exclusivo e elitista dos produtos em
questão. Por outro lado, tais marcas não querem ser vistas com essa “parcela da sociedade”:

Boa parte das marcas tem vergonha de seus clientes mais pobres. São marcas
que historicamente foram posicionadas para a elite, e o consumidor que
compra exclusividade pode não estar muito feliz com essa democratização
do consumo [...] Algumas empresas me procuram dizendo “minha marca
está virando letra de música, febre na periferia e não quero estar associado
a esse pessoal” (NEUMAN, 2014).

Essa diferenciação entre as classes ou estruturas sociais irá reproduzir diversas possibilidades e
expectativas de realizações para a obtenção de bem-estar e conforto na sociedade. Isso se deve porque
os indivíduos que integram cada camada social têm objetivos e necessidades diferentes, as quais são
exteriorizadas no estilo de vida – construção histórico-social do sujeito que influencia seus hábitos
(ALMEIDA et al., 2004).

O estilo de vida é representado por um conjunto de ações que repercutirá em atitudes, valores
e oportunidades na vida de um indivíduo (NAHAS, 2003); essas ações mostrarão a carga cultural do
sujeito, interferindo em seu cotidiano. Também estão ligadas às possibilidades de escolhas e adoções ou
não de práticas em seu dia a dia (ALMEIDA et al., 2012).

Como as estruturas ou classes sociais apresentam diferentes padrões de forma de consumo e


matérias, é possível determinar que nem todos têm as mesmas oportunidades de escolhas, dependendo
de uma série de situações para se ter a chance de ações na vida, que estão atreladas a características
socioeconômicas, de subsistência, saneamento, dentre outras.

As condições monetárias e de manutenção da subsistência de alguns indivíduos são melhores que


as de outros, assim, os indivíduos com melhores condições monetárias e de subsistência terão uma
possibilidade maior de escolhas em relação a suas ações para a adoção de um estilo de vida. Essas
possibilidades são desenvolvidas de acordo com o modo de vida das pessoas, que irá permitir fazer
escolhas que direcionem o estilo de vida (GONÇALVES; VILARTA, 2004).

Na sociedade contemporânea, a escolha por um estilo de vida saudável é um fator determinante para
as situações de saúde e de vida do indivíduo, porém muitas vezes essa escolha não é possível por causa de
problemas nas condições socioeconômicas. Alguns fatores, como nutrição adequada, horas de descanso,
acesso ao sistema de saúde, práticas de atividade física, não são possíveis ou acessíveis a todas as pessoas,
em decorrência das condições de vida que possam possibilitar tais ações (ALMEIDA et al., 2004).

Minayo (2000) discorre que em sociedade divididas em classes, os padrões de bem-estar vêm das
classes superiores, que são as possuidoras de grande parcela da economia e têm acesso às inovações
tecnológicas, estabelecendo uma percepção positiva sobre a vida ou o que seria um nível adequado de
qualidade de vida.
66
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Pelo processo de transmissão cultural, a sociedade atual cria os padrões de qualidade e estilo de vida
que devem ser seguidos, de uma forma consciente ou não, e isso é absorvido e incorporado pelo sujeito,
construindo assim sua percepção e expectativas sobre sua própria vida.

Mesmo se tratando de uma visão mais individual ou da percepção individual, a qualidade


de vida não é apenas uma questão individualista, mas tem influência na sociedade em sentido
amplo, pois está ligada às condições de sobrevivência e confortos dos sujeitos. Desse modo, o
fenômeno da qualidade de vida passa a exprimir a ideia de uma questão social, e isso remete
a ações adotadas pelo Estado, as quais se estendem a adoções do sujeito, com a finalidade de
realizar práticas saudáveis (ALMEIDA et al., 2004).

Não é possível entender ou conceber uma qualidade de vida não atrelada a uma política de Estado
ou mesmo do mercado econômico, uma vez que seria uma visão mínima sobre o conceito. Muitas vezes,
o emprego dessa temática remete a uma atenção a determinada demanda de mercado ou de produtos
específicos e promessas políticas, principalmente em épocas eleitorais. Assim, tem-se a ideia de que a
qualidade de vida está atrelada a determinado produto ou determinado acesso a uma ação política ou
programa político.

O Estado, então, assume a ideia mínima de responsabilidade, em que somente ele tem de ofertar as
condições ou a melhoria em determinados setores de serviços para a população, como saúde, transporte
e educação, melhorando a qualidade de vida; essas ações, porém, têm de possibilitar que os indivíduos
adquiram e incorporem estilos de vida mais saudáveis (ALMEIDA et al., 2012).

Ter uma boa perspectiva de qualidade de vida dependerá de quais possibilidades o sujeito tem para
satisfazer as suas necessidades fundamentais, e isso está relacionado com a capacidade de realização do
indivíduo, o qual depende das oportunidades reais para que as ações ocorram – em outras palavras, o
sujeito deve ser o principal ator social, isto é, alguém que atua, que age na sociedade. Segundo Almeida
et al. (2012), a construção de uma boa ou má percepção de qualidade de vida está ligada:

• À percepção relativa à qualidade do ambiente em que o indivíduo se encontra.

• Ao oferecimento de oportunidades e condições para realização de satisfação das necessidades


básicas as quais a própria sociedade estipula como essenciais.

Essas supostas necessidades o sujeito incorpora ou não como uma verdade para sua própria vida.

Um sujeito, para considerar que está vivendo com qualidade de vida, provavelmente consegue realizar
as expectativas criadas pela sociedade em que ele vive e pelas escolhas determinadas em consonância
com as possiblidades que o sistema social lhe proporcionou.

Assim, a percepção de diferentes níveis de qualidade de vida irá se tornar ampla, o que não pode
ser determinado por uma análise global e homogênea. Convém mencionar que os indicadores objetivos
são determinantes para traçar o perfil de grupos sociais, e são muito utilizados com a finalidade de
determinar ações necessárias em uma área deficiente. Todavia, indicadores objetivos não refletirão
67
Unidade II

a percepção dos indivíduos como os principais beneficiários para a incorporação dessa melhoria de
qualidade de vida (ALMEIDA et al., 2004).

A percepção da qualidade de vida – boa ou ruim – vai depender da compreensão do sujeito em


relação ao ambiente em que está inserido, juntamente com as ações que realiza para a manutenção de
suas necessidades e expectativas.

6 INSTRUMENTO PARA MEDIÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA

A qualidade de vida vem recebendo uma crescente atenção, principalmente dentro das áreas das
ciências biológicas e humanas, com o objetivo de criar um amplo controle das variáveis de estudos
dessas áreas.

Como dito anteriormente, a expressão qualidade de vida passou a ser usada cotidianamente como
uma noção de satisfação geral com a vida, seja de maneira global, seja dividida em esferas, que, quando
estão agrupadas, podem indicar uma aproximação ao conceito mais geral. Essas esferas são abordadas e
estão ligadas aos interesses do que será mensurado ou por quem será mensurado, como uma abordagem
jornalística, uma pesquisa de mercado ou avaliação e operacionalização de uma ação social (ALMEIDA
et al., 2012).

A qualidade de vida abrange muitos fatores – de percepção objetiva e subjetiva – e a sua medição,
muitas vezes, não contempla a realidade, principalmente a de cada indivíduo. A qualidade de vida é
apresentada como um conceito de difícil compreensão e tem diversas delimitações que possibilitam a
completa medição em qualquer tipo de trabalho.

Os estudos sobre essa temática, segundo Almeida et al. (2012), podem ser classificados de acordo
com quatro abordagens:

• Econômica: tem como principais elementos os indicadores sociais, como renda, transporte, acesso
aos serviços públicos, entre outros.

• Biomédica: refere-se às condições de se oferecer melhoria na vida dos enfermos, principalmente


em relação à saúde e níveis de funcionamento social.

• Psicológica: busca indicadores que tratam das reações subjetivas do indivíduo com suas
experiências sobre qualidade de vida, sendo avaliado por sua própria vida, felicidade e satisfação.

• Geral: abordagem multidimensional que apresenta uma organização mais complexa e dinâmica dos
componentes. Valores, inteligência e interesses pessoais são fatores que devem ser considerados.

A representação social, que retrata a qualidade de vida, é criada tendo parâmetros objetivos e subjetivos
referentes à satisfação das necessidades básicas e das necessidades criadas pelo desenvolvimento
econômico e social de determinada cultura (ALMEIDA et al., 2012).

68
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Sendo assim, os parâmetros mais complexos estão relacionados às ideias de ser, pertencer e transformar.
O ser se relaciona com as habilidades individuais, a inteligência, os valores e as experiências de vida; o
pertencer se associa às ligações interpessoais, às escolhas, além da participação em grupos e da inclusão em
programas sociais; o transformar trata das práticas, como trabalho, programas educacionais, oportunidades
de desenvolvimento das habilidades em estudos formais e informais (ALMEIDA et al., 2012).

Esses parâmetros apresentam uma organização de muito dinamismo entre si, que considera a pessoa
e o ambiente, bem como as oportunidades e os obstáculos.

Ser
Pertencer

Transformar

Qualidade de vida
Figura 36 – Representação do dinamismo da organização da qualidade de vida

Gutierrez e Almeida (2006) ainda qualificam que a noção de qualidade de vida remete à relação
entre o sujeito e a sociedade, tendo como parâmetros alguns referenciais:

• Desenvolvimento econômico, social e tecnológico da sociedade.

• Valores, necessidades e tradições.

• Separações sociais, pois as ideias de qualidade de vida se relacionam aos ideais de bem-estar das
camadas superiores e à passagem para essas camadas.

Os instrumentos que são utilizados para a avaliação e a mensuração da qualidade de vida variarão
de acordo com a abordagem e os objetivos dos estudos. O IDH e o WHOQOL são uma tentativa de
padronização de medida, permitindo a comparação entre sociedades (ALMEIDA et al., 2012).

6.1 Índice de Desenvolvimento Humano – IDH

Uma das formas mais tradicionais e usadas como classificação em nível mundial para avaliar a
qualidade de vida em grandes populações ou nos diversos países é o Índice de Desenvolvimento Humano.

O IDH é um instrumento que tenta obter uma visão da realidade global de um país, e tem como
parâmetros os âmbitos de saúde, educação e renda, porém não abrange os componentes relacionados
ao desenvolvimento do ser humano.
69
Unidade II

O IDH não consegue quantificar os níveis de felicidade do indivíduo, os níveis de democracia, de


participação da população na sociedade nem as desigualdades sociais presentes, ou quanto os sujeitos
conseguem ter sua sustentação garantida (PNUB, 2016).

O próprio PNUB (2016) considera que o desenvolvimento humano não pode ser aferido somente
pela perspectiva econômica, pois se relaciona com a renda ou os recursos que um indivíduo ou uma
sociedade pode gerar. Essa renda é importante para a manutenção das condições básicas de sobrevivência
e a aquisição de bens materiais, entretanto:

O conceito de Desenvolvimento Humano também parte do pressuposto de


que [para] aferir o avanço na qualidade de vida de uma população é preciso
ir além do viés puramente econômico e considerar outras características
sociais, culturais e políticas que influenciam a qualidade de vida humana
(PNUD, 2016).

Com isso, é reforçado que a qualidade de vida de um indivíduo ou população não pode ser medida
somente de uma perspectiva objetiva, como a renda, por exemplo, mas também é necessária a perspectiva
subjetiva da pessoa a respeito da forma como ela concebe e entende o contexto social.

Logo, essa qualidade é construída a partir da relação entre diversos fatores, como biológicos, sociais
e psicológicos, além da integração entre o sujeito e a sociedade, considerando-se o período da vida e o
meio sociocultural em que ele está inserido (REIS JUNIOR, 2008).

A avaliação da qualidade de vida envolverá aspectos físicos, psicológicos, sociais e espirituais, e


para se ter uma mensuração confiável é necessário incluir diversos domínios independentes e que são
aspectos de extrema importância para obter uma concepção integral da qualidade de vida de um sujeito
(FERRO, 2012).

Lembrete

Nem todos os instrumentos de medição de qualidade de vida têm a


capacidade de medir as esferas objetivas e subjetivas.

6.2 Os instrumentos WHOQOL - 100 e WHOQOL - bref

Durante os anos de 1990, ocorreu um crescimento muito grande de instrumentos, a fim de mensurar
a qualidade de vida e seus componentes – com destaque para os Estados Unidos da América, com
um interesse em traduzir esses instrumentos para outros países. Porém somente replicá-los em outras
culturas dificilmente refletiria a realidade dessa cultura, pois se correria o risco de que os aspectos
aferidos nos instrumentos não a retratassem adequadamente (FLECK, 1998).

Desta forma, o WHOQOL Group, um grupo de estudos e pesquisa em qualidade de vida da Organização
Mundial de Saúde, em um trabalho colaborativo multicêntrico, ou seja, abordando diversas culturas,
70
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

desenvolveu o WHOQOL-100, que é um instrumento de qualidade de vida composto de 100 itens,


divididos em seis domínios e 24 facetas.

Quadro 4 – Domínios do WHOQOL-100

Domínios e facetas do WHOQOL-100


Domínio I – Físico
1. Dor e desconforto
2. Energia e fadiga
3. Sono e repouso
Domínio II – Psicológico
4. Sentimento positivo
5. Pensar, aprender, memória e concentração
6. Autoestima
7. Imagem corporal e aparência
8. Sentimentos negativos
Domínio III – Nível de dependência
9. Mobilidade
10. Atividades da vida cotidiana
11. Dependência de medicação ou tratamentos
12. Capacidade
Domínio IV – Relações sociais
13. Relações pessoais
14. Apoio social
15. Atividade sexual
Domínio V – Ambiental
16. Segurança física e proteção
17. Ambiente no lar
18. Recursos financeiros
19. Cuidados sociais e de saúde: disponibilidade e qualidade
20. Oportunidades de adquirir novas informações e habilidades
21. Participação em/e oportunidades de recreação/lazer
22. Ambiente físico: poluição/ruído/trânsito/clima
23. Transporte
Domínio VI – Aspectos espirituais/religião/crenças pessoais
24. Espiritualidade/religião/crenças pessoais

Adaptado de: Fleck (1998).

A construção desse instrumento ocorreu em quatro estágios, que vão desde a tentativa da construção
de um conceito ou um consenso para a qualidade de vida por experts (peritos) da área, passando pela
confecção de um instrumento piloto e a testagem em campo.
71
Unidade II

Mesmo não apresentando um conceito sobre qualidade de vida, três pilares referentes ao constructo
desse termo foram definidos, por meio dos especialistas na temática de diversas culturas. Os três aspectos
fundamentais são (FLECK, 1998):

• Subjetividade.

• Multidimensionalidade.

• Presença de dimensões positivas e negativas.

Quadro 5 – Estágios para o desenvolvimento do WHOQOL-100

Estágio Métodos Produto Objetivos

- Estabelecimento de
- Definição de qualidade um consenso para a
1. Clarificação dos - Revisão por experts de vida. definição de qualidade
conceitos internacionais. de vida e para uma
- Definição de um abordagem internacional
protocolo para o estudo. da avaliação de qualidade
de vida.

- Revisão por experts. - Definição de domínios e - Exploração do conceito


2. Estudo piloto – Grupos focais. subdomínios. de qualidade de vida
qualitativo - Elaboração de um através das culturas e
- Painel escrito de geração de questões.
experts e leigos. conjunto de questões.

- Administração do - Refinamento da estrutura


WHOQOL piloto - Padronização de um do WHOQOL.
3. Desenvolvimento em 15 centros para questionário de 300
de um piloto - Redução do conjunto de
250 pacientes e 50 questões.
“normais”. questões.

- Estrutura comum de
domínios.
- Aplicação em grupos - Conjunto de 100 - Estabelecimento de
4. Teste de campo homogêneos de questões. prioridades psicométricas
pacientes. do WHOQOL.
- Escala de respostas
equivalentes em
diferentes idiomas.

Adaptado de: WHOQOL Group (1995).

Com a observação do quadro a respeito dos estágios em que foi composto o trabalho de
desenvolvimento do WHOQOL-100, fica evidente a preocupação em se criar um instrumento que
contemplasse qualquer perspectiva cultural.

A construção dos domínios e subdomínios (facetas) foi discutida com os grupos focais, em diferentes
centros, tendo como parâmetros indivíduos normais, portadores de doenças e profissionais da saúde
(FLECK, 1998).

72
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Os centros urbanos utilizados para a construção do instrumento foram (FLECK, 1998):

• Melbourne – Austrália – Oceania

• Zagreb – Croácia – Europa

• Paris – França – Europa

• Nova Delhi – Índia – Ásia

• Madras – Índia – Ásia

• Beer-Sheeve – Israel – Ásia

• Tóquio – Japão – Ásia

• Tilburg – Holanda – Europa

• Panamá – Panamá – América Central

• São Petersburgo – Rússia – Europa

• Barcelona – Espanha – Europa

• Bangkok – Tailândia – Ásia

• Bath – Reino Unido – Europa

• Seattle – Estados Unidos – América do Norte

• Harare – Zimbábue – África

A função dos grupos focais era questionar os participantes de como cada domínio e subdomínio
interfere em sua qualidade de vida e qual seria a melhor forma de realizar a pergunta para
obter um melhor entendimento. Com o encontro de 15 realidades culturais distintas, formularam
as questões com uma linguagem natural e compreensível, não aos profissionais, mas sim aos
indivíduos leigos.

A ideia de se utilizar uma diversidade cultural na construção desse instrumento mundial é, a partir
dessas realidades diferentes, tentar ao máximo reduzir as interferências culturais, principalmente
pertencentes à perspectiva subjetiva dos sujeitos – diferentes de um instrumento formado em uma
única realidade, como a dos Estados Unidos.

O instrumento utiliza uma escala de respostas do tipo Likert, em três escalas: escala de
intensidade (nada; muito pouco; mais ou menos; bastante; extremamente); escala de frequência
73
Unidade II

(nunca; raramente; às vezes; repetidamente; sempre); escala de avaliação (muito ruim; ruim; nem
ruim/nem bom; bom; muito bom, e muito insatisfeito; insatisfeito nem satisfeito/nem satisfeito;
satisfeito; muito satisfeito).

Em seguida, são apresentados exemplos de como as perguntas no WHOQOL-100 são formuladas,


com suas respostas possíveis (FLECK, 1998):

• Escala de intensidade:

Tabela 2

F1.2 Você se preocupa com sua dor ou desconforto (físico)?

Nada Muito pouco Mais ou menos Bastante Extremamente

1 2 3 4 5

• Escala de frequência:

Tabela 3

F1.1 Com que frequência você sente dor (física)?

Nunca Raramente Às vezes Repetidamente Sempre

1 2 3 4 5

• Escala de avaliação:

Tabela 4

F2.3 Quão satisfeito(a) você está com o seu meio de transporte?

Muito Nem satisfeito, nem


Insatisfeito Satisfeito Muito satisfeito
insatisfeito insatisfeito

1 2 3 4 5

Tabela 5

G1 Como você avaliaria sua qualidade de vida?

Muito ruim Ruim Nem ruim, nem boa Boa Muito boa

1 2 3 4 5

74
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Observação

A escala tipo Likert é medida de 5 a 7 pontos, com intervalos iguais entre


eles, com o objetivo de se avaliar o grau de concordância ou discordância
das afirmações. É muito utilizada em inventários de atitudes.

A tradução desse instrumento para o português foi realizada pelo Departamento de Psiquiatria e
Medicina Legal da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, respeitando os parâmetros
e a metodologia propostos pela OMS (FLECK et al., 1999).

O detalhamento da metodologia é (FERRO, 2012, p. 19):

I. Tradução por um tradutor com entendimento detalhado do


instrumento.

II. Revisão da tradução por um grupo bilíngue composto de


entrevistadores, médicos e antropólogos.

III. Revisão por um grupo monolíngue representativo da população na qual o


instrumento vai ser aplicado.

IV. Revisão pelo grupo bilíngue para incorporação das sugestões do grupo
monolíngue.

V. Retrotradução por tradutor independente.

VI. Avaliação da retrotradução pelo grupo bilíngue. Qualquer diferença


significativa é revisada interativamente.

O instrumento WHOQOL-100 pode ser aplicado em diversas situação e realidades, com prática
clínica, aprimoramento da relação médico-paciente, avaliação e comparação de respostas em diferentes
tratamentos médicos e como parâmetros para avaliação de serviços e políticas públicas (FERRO, 2012).

No entanto, esse instrumento que apresenta 100 questões tem a característica de ser longo e sua
aplicação exige um tempo maior por parte do entrevistado e do entrevistador. Portanto, diante dessa
realidade e da necessidade de um questionário mais conciso, o grupo de Qualidade de Vida da OMS
desenvolveu uma versão abreviada do WHOQOL-100, criando o WHOQOL-bref (FLECK, 1998).

O instrumento WHOQOL-bref é composto de 26 questões, sendo duas com aspectos gerais e 24


representando as 24 facetas do instrumento original – todas as facetas foram contempladas e extraídas
do teste de campo em 18 países (FLECK, 1998). O instrumento abreviado é composto de quatro domínios:
físico; psicológico; relações sociais; meio ambiente (FLECK et al., 2000).

Com essa versão, preserva-se a abrangência da qualidade de vida e apresenta-se uma alternativa de
grande utilidade para as situações em que a aplicação da versão original (WHOQOL-100) torna-se difícil,
devido principalmente à restrição de tempo (FERRO, 2012).
75
Unidade II

Quadro 6

Domínios e facetas do WHOQOL-bref


Domínio 1 – Físico
1. Dor e desconforto
2. Energia e fadiga
3. Sono e repouso
9. Mobilidade
10. Atividades da vida cotidiana
11. Dependência de medicação ou de tratamentos
12. Capacidade de trabalho
Domínio 2 – Psicológico
4. Sentimentos positivos
5. Pensar, aprender, memória, concentração
6. Autoestima
7. Imagem corporal e aparência
8. Sentimentos negativos
24. Espiritualidade/religião/crenças pessoais
Domínio 3 – Relações sociais
13. Relações pessoais
14. Suporte (apoio) social
15. Atividade sexual
Domínio 4 – Meio ambiente
16. Segurança física e proteção
17. Ambiente do lar
18. Recursos financeiros
19. Cuidados de saúde e sociais: disponibilidade e qualidade
20. Oportunidades de adquirir novas informações e habilidades

Adaptado de: Ferro (2012); Fleck (1998).

Saiba mais
Para conhecer mais sobre o grupo de estudos em qualidade de vida da
UFRGS, bem como os instrumentos WHOQOL-100 e WHOQOL-bref, acesse:
Disponível em: https://www.ufrgs.br/qualidep/qualidade-de-vida.
Acesso em: 23 nov. 2016.

Tanto o IDH como os WHOQOL-100 e WHOQOL-bref têm suas metodologias e validades comprovadas,
permitindo comparações entre os estudos, porém ambos apresentam limitações, uma vez que cada um
pretende avaliar uma esfera e especificações de uma sociedade e do indivíduo em cada contexto.
76
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

No Brasil, a produção de conhecimento é relativamente nova, e a cada ano tem aumentado não
apenas em alguns grupos determinados, mas também em indivíduos com alguma patologia determinada,
levando em consideração o conhecimento de como a enfermidade compromete a vida dos indivíduos,
focalizando na qualidade de vida relacionada à saúde.

7 QUALIDADE DE VIDA E CORPOREIDADE

Qual a relação existente entre a qualidade de vida e a corporeidade? Em um primeiro momento é


difícil relacioná-las, mas é preciso uma reflexão sobre os conceitos que compõem a qualidade de vida e
a corporeidade, a fim de se realizar a associação entre eles.

Quando se reflete sobre a construção da corporeidade, principalmente na sociedade ocidental, temos


a separação ou a dicotomia de corpo e mente, passando pelo cartesianismo (proposta de René Descartes),
até chegar ao conhecimento mais aprofundado e contemporâneo de Foucault e Merleau-Ponty, que
consideram a corporeidade como a dinâmica de um indivíduo dentro de um mundo, interagindo e
modificando-o por intermédio e aprendizado do corpo integral:

O mundo não é aquilo que eu penso, mas aquilo que eu vivo; eu estou aberto
ao mundo, comunico-me indubitavelmente com ele, mas não o possuo, ele
é inesgotável (MERLEAU-PONTY, 1994, p. 14).

Quanto à ideia de qualidade de vida, também tem um caráter abrangente, que pode ser
abordado por diversas áreas de estudo e conhecimento; todavia, para obter um entendimento da
qualidade de vida de uma maneira integral, não se pode ter uma compreensão apenas a partir de
dados estatísticos, os quais podem propiciar uma interpretação reducionista da realidade de certa
população ou de uma sociedade heterogênea, como é possível de acontecer mediante os índices
produzidos pelo IDH.

Lembrete

O indivíduo deve ser estudado e compreendido de uma maneira


integral; não se pode subestimar qualquer esfera de sua vida, incluindo-se
sua qualidade de vida.

Esses indicadores refletem uma percepção objetiva da realidade social, sem observar as características
individuais dos sujeitos que compõem o grupo. A percepção do sujeito ou a percepção subjetiva é
caracterizada pela compreensão do indivíduo sobre sua realidade e as possibilidades de desenvolvimento
por meio de suas ações, sendo um autor ativo nas alterações de sua qualidade de vida.

É interessante observar que a corporeidade e a qualidade de vida aludem ao indivíduo para que ele
seja um ser de transformação, mediante o corpo e a cultura em que está inserido, e não apenas um mero
reprodutor de uma cultura, de um poder ou de paradigmas sociais.

77
Unidade II

Santin (2002) tem como convicção que a qualidade de vida e a corporeidade não são uma
única ideia ou concepção abstrata, mas que cada indivíduo as constrói e que essas duas esferas
do ser humano acontecem “aqui e agora”, sendo uma construção existencial, vivencial, e não mera
representação científica.

Moreira et al. (2006) atribuem o conceito de um corpo ativo, sendo isso uma corporeidade vivida,
de um ser que percebe e concebe o mundo, os outros corpos e a si mesmo, na tentativa de reaprender
a viver no mundo ou na sociedade em que ele se insere:

O conceito de corpo ativo/corporeidade requer considerar a educação como


uma experiência profundamente humana, a aprendizagem da cultura. O
corpo do ser humano não é um simples corpo, mas o corpo humano, o qual
só pode ser compreendido a partir de sua integração na estrutura global
(MOREIRA et al., 2008, p. 140).

A qualidade de vida e, principalmente, os aspectos pertinentes à esfera de percepção subjetiva


estão estreitamente relacionados às experiências do corpo humano no mundo em que ele vive. No
entanto, para que essa experiência seja de fato uma transformação do ser humano e do mundo, é
necessário que se tenha uma educação que se fundamente na noção de que o homem não é um
ser composto apenas de sua inteligência, mas de seu corpo, sua sensibilidade e sua imaginação
(MOREIRA et al., 2008).

Pela corporeidade, o homem tem de compreender de uma forma significativa os aspectos culturais,
pois a qualidade de vida também está relacionada com uma caracterização, uma delimitação e com o
reflexo cultural da sociedade. O corpo não é “nada mais” que um símbolo da sociedade em que ele vive;
o corpo reproduz em escala menor os perigos e poderes que são atribuídos à estrutura social vigente
(SANTIN, 2002).

Em face disso, a qualidade de vida é um processo que deve ser incorporado pelo sujeito, por meio
da corporeidade, que tenta entender o ser humano em seu sentido mais amplo, relacionado com sua
história e sua cultura. Entretanto, para que isso ocorra, não é possível reduzir o ser humano a uma única
esfera de compreensão ou somente a uma visão/interpretação objetiva.

A questão da qualidade de vida começou a tomar importância para o homem principalmente


no início da Era Industrial e, posteriormente, na Era Pós-Industrial, quando passa a ser usada com
constructo e a ser indagada, com a finalidade de se compreender o ser humano, que é submetido
a diversas condições que desfavorecem a manutenção mínima da vida. Convém considerar que a
qualidade de vida não é um atributo para uma nova vida, e sim para obter a manutenção da vida
(SANTIN, 2002).

Essa manutenção da vida acaba levando a uma sobrevivência forçada, em um ambiente com
muita diversidade de padrões sociais, os quais são supostamente aceitos em uma sociedade
globalizada. Nessa sociedade, o corpo está relacionado à estética e ao serviço de produtividade,
traduzido em uma qualidade de vida aparente, negando, muitas vezes, as questões originárias
78
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

da vida, como a cultura social, as características familiares e a própria identidade corporal


(MACHADO, 2011).

Na sociedade atual, os valores da pós-modernidade e a noção da qualidade de vida estão


relacionados ao consumo de bens, ou melhor, aos sonhos de consumo, como o consumo estético e
o consumo material, por exemplo, e isso acaba por afastar o sentido de que a qualidade de vida e a
corporeidade estão intimamente ligadas, pois sem essa relação o processo para o desenvolvimento
de ambas perde o sentido dos conjuntos e das marcas culturais que compõem o sujeito e a
sociedade em que se relaciona.

A busca por uma qualidade de vida é ter como objetivo uma vida sem sofrimento, com felicidade, sem
dor, um convívio social harmônico e com igualdade de oportunidades às pessoas, bem como condições
que propiciem o desenvolvimento e uma participação ativa nas decisões sociais dos sujeitos.

Diante disso, a qualidade de vida está ligada – vem juntamente – com a corporeidade, o corpo vivo,
o corpo vivido, pois uma pessoa só irá compreender e identificar a sua qualidade de vida sabendo como
é a corporeidade (SANTIN, 2002).

Tal qualidade não é pertencente exclusivamente a uma esfera conceitual e objetiva, pois essa
noção é percebida pelo sujeito por diversos processos, inclusive emocionais, não podendo ser regidos
exclusivamente pelo conhecimento científico, mas por percepções subjetivas também. No entanto,
tendo a consciência de que a busca da qualidade de vida percorre um caminho de desenvolvimento que
tem como objetivo a transcendência, ou seja, superar seus limites, uma vez que é esse o sentido de se
incorporar uma vida de qualidade.

O conceito de corpo ativo, segundo Moreira et al. (2006), é de uma corporeidade vivida, que concebe
um entendimento do sujeito a respeito do mundo, dos outros e de si mesmo, em uma investida de
interpretar as relações, de aprender novamente a observar a vida e o mundo. A vida, que representa o
corpo ativo, tem a pretensão de ver o que os seres que integram o mundo tentam lhe mostrar, pois esses
estão encobertos uns pelos outros e pelo próprio sujeito.

O corpo ativo, em busca de uma qualidade de vida, em sua essência, tenta compreender a sua
realidade, necessitando de uma reflexão para incorporar suas características, aprender sobre as coisas
em diversas perspectivas e, assim, promover um desenvolvimento de suas habilidades.

Para o desenvolvimento desse corpo ativo se faz necessário construir uma educação apropriada,
pois esse desenvolvimento está relacionado com a experiência humana que esse próprio corpo
carrega: a aprendizagem de uma cultura. Dessa forma, o corpo humano não pode ser concebido
com um conjunto de órgãos e sistemas, mas deve ser compreendido como uma estrutura global
em que ocorrem interações (MOREIRA et al., 2006).

Segundo Gonçalves (2012), a qualidade de vida se relaciona a uma aparente dicotomia de pensar e
agir, em que o ambiente e o estilo de vida influenciam a vida, e que essa vida tem que estar centrada em
79
Unidade II

uma seguridade, para a sua manutenção, saúde e desenvolvimento, trazendo um conceito e a prática
de protagonismo social.

Assim, a corporeidade parte de um processo de aprendizagem pelo corpo, que tem como objetivo
compreender o ser humano, pois a relação com o corpo é com outro ser humano, dando sentido a
sua existência, sua história e a sua cultura, trazendo este protagonismo social que a qualidade de
vida proporciona.

E a corporeidade, juntamente com a incorporação de uma qualidade de vida significante, promove


uma transcendência, que irá exigir um processo de entendimento e aprendizado significativo da
cultura, pois com isso se constrói a história, a partir disso se perpetua a cultura que auxilia na
construção do corpo.

Incorporar a dimensão de corpo ativo e qualidade de vida em um processo de educação requer


pensamento e trabalho complexos, uma vez que não existe um caminho, uma receita como resposta,
mas sim uma motivação e um desafio de reflexão, tendo como ideia de que é um conhecimento
multidimensional que é preciso adquirir, sabendo que surgirão dificuldades e incertezas de que as
respostas não serão claras (MOREIRA et al., 2006).

Esse trabalho não será realizado de uma maneira passiva, sem a oportunidade para que o
indivíduo possa desenvolver sua forma de interagir com o mundo e com aqueles que o habitam;
esse conhecimento multidimensional tem de se relacionar com um desenvolvimento em uma
realidade do homem com a sociedade, pois essa realidade contém as dimensões individual, social
e biológica (MOREIRA et al., 2006).

Para Morin (2000), o conhecimento tem de ser adequado e refletir o contexto global, multidimensional
e complexo, bem como as informações e o saber devem ser completos, e não isolados. Quando o contexto
é global, abordando as diversas esferas da construção do conhecimento, será revelado um conjunto de
ideias e de contextos organizados, refletindo na sociedade (MOREIRA et al., 2006).

Um aprendizado por meio da corporeidade legitima todas as formas verdadeiras do desenvolvimento


humano, como o desenvolvimento integrativo das autonomias individuais, das participações sociais e
do sentimento de pertencer a uma sociedade completa e atuante. Para que isso ocorra, deve-se deixar
uma concepção unidimensional que determina o homem como um ser racional, um ser técnico, por sua
utilidade e necessidade obrigatórias (MOREIRA et al., 2008).

A fim de se compreender o ser humano, é preciso ter a consciência da complexidade da interação


entre os elementos, que são inseparáveis e interferentes entre si: indivíduo, sociedade e espécie.

Para se ter uma corporeidade plena, e que isso se reflita na qualidade de vida e vice-versa, é
necessário inserir uma ética com o intuito de transformar a intencionalidade em ações de cidadania para
uma sociedade democrática, com diversidades de interesses e ideias. Assim, se faz necessário conviver
com uma diversidade de espécies dentro do próprio mundo em que o ser humano habita, dando uma
proteção ao meio ambiente (MOREIRA et al., 2008).
80
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Espécie

Sociedade

Indivíduo

Figura 37 – Relação entre sociedade, indivíduo e espécie

Porém, nas últimas décadas, vem ocorrendo uma redução de corpos ativos, principalmente para
a realização de tarefas cotidianas, aumentado as patologias ligadas ao sedentarismo (LAMBERTUCCI
et al., 2006).

O corpo em movimento é um fator importante para a prevenção e o tratamento de doenças, bem


como garantir melhorias nos estados físicos e emocionais do indivíduo. Entretanto, é necessário ter
ciência de algumas variáveis a fim de garantir um movimento de acordo com idade, sexo, condições
socioeconômicas, entre outras, para saber como orientar essa prática.

Segundo Lambertucci et al. (2006, p. 110), a atividade física “representa parte da preparação do
homem para a atividade profissional ou alguma outra atividade”. Perante isso, a atividade física pode
ser caracterizada como um instrumento em que o indivíduo pode modificar e adaptar seu corpo para,
assim, obter melhoria em sua qualidade de vida.

8 EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E QUALIDADE DE VIDA

A prática de exercícios físicos e a qualidade de vida sempre tiveram uma relação bem estreita,
independentemente do conceito adotado, ambos conectam aspectos físicos, emocionais e de
relacionamento, sempre associados ao bem-estar (ALMEIDA et al., 2004).

Nos últimos anos, têm-se observado um aumento expressivo no interesse pela prática de exercícios
físicos, com os mais diversos objetivos, sendo eles estéticos, de promoção ou manutenção da saúde.
Perante esse panorama, a educação física estabeleceram-se relações entre a prática de atividade física e
intervenções fisioterapêuticas com a promoção da saúde e do bem-estar (MODENEZE; VILARTA, 2010).

A cultura de uma sociedade em que o sujeito está inserido determinará como se dá a relação entre a
atividade física e a qualidade de vida, e isso definirá suas ações pessoais e as possibilidades criadas pelo
ambiente, como programas ligados à melhoria da condição de vida da população (ALMEIDA et al., 2004).

Vários fatores vão influenciar a percepção de qualidade de vida de um indivíduo, tanto os componentes
ligados à esfera de percepção objetiva quanto à esfera de percepção subjetiva. O acréscimo em qualquer

81
Unidade II

componente deve considerar uma dinâmica que possibilite o acesso a bens de consumo e as escolhas
disponíveis (MARQUES; GUTIERREZ; MONTAGNER, 2010).

Esses valores podem ser exemplificados, como a educação, o mercado, além das diversas possibilidades
de consumo, e o componente que mais compreende ou se relaciona com a qualidade de vida na sociedade
contemporânea é a saúde (MARQUES; GUTIERREZ; MONTAGNER, 2010).

A noção de saúde, segundo Minayo (2000), é determinada pela resultante social da construção
coletiva dos padrões de conforto e tolerância que determinada sociedade estabelece, sendo que o estado
de saúde de um indivíduo sofrerá interferência de numerosas variantes, como os domínios funcionais,
até os elementos físicos, sociais, ecológicos e de hábitos pessoais (ALMEIDA et al., 2004).

Com isso, a saúde e a doença de uma pessoa não podem ser relacionadas somente a um único
aspecto, pois se configuram por uma relação contínua, a qual dependerá de ações individuais do
ambiente e das políticas públicas.

No tocante ao ambiente, a qualidade de vida está relacionada aos aspectos socioeconômicos


da população, que determinarão as condições de vida dos indivíduos que as detêm; esses aspectos
apresentam relação com as condições de saúde, que podem ser mensuradas em instrumentos e
indicadores de percepção objetiva (GONÇALVES; VILARTA, 2004).

A mensuração das condições de saúde irá determinar as possibilidades de acesso aos bens e serviços
relacionados à saúde, os quais são disponibilizados à população. A organização desse acesso pode ser
dividida em duas abordagens: a prevenção em saúde e a promoção da saúde.

A prevenção em saúde está ligada ao encorajamento da associação direta e predominante da relação


entre os hábitos do sujeito e sua condição de saúde.

A promoção de saúde apareceu a primeira vez na 1 a Conferência Internacional sobre


Promoção da Saúde de Ottawa, em 1896 – quando foi apresentada uma responsabilidade
múltipla –, e tem a união de interesses com foco na promoção da saúde do Estado, por meio de
políticas públicas, da sociedade cível, dos indivíduos, do sistema de saúde e da parceria entre
os setores (ALMEIDA et al. , 2012).

Com essas duas abordagens, a saúde apresenta um sentido mais amplo e uma questão social mais
extensa, que vai além da perspectiva individual. Logo, o estilo de vida positivo é determinante para a
promoção da saúde, assim como a prática regular de atividades físicas e a manutenção de posturas
adequadas na escola, no trabalho e no domicílio, fazendo parte de um processo que integra diversos
fatores, não sendo eles, somente, a solução dos problemas de saúde (ALMEIDA et al., 2012).

Os hábitos saudáveis dos indivíduos e os estilos de vida, que compreendem principalmente a esfera
de percepção subjetiva de cuidados à saúde, interferem nas atitudes cotidianas. Para Gonçalves e Vilarta
(2004), os comportamentos saudáveis são:

82
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Adotar hábitos alimentares que respeitem as necessidades biológicas de


regularidade de ingestão de nutrientes; respeitar as necessidades específicas
de nutrientes para cada etapa da vida; praticar atividades apropriadas à
própria condição fisiológica e com regularidade; controlar o estresse físico
e emocional com técnicas específicas às expectativas e os objetivos de cada
pessoa; envolver-se em ações comunitárias estabelecendo laços de apoio e
convívio familiar e social; dedicar-se ao lazer não sedentário, baseado em
ações que envolvam atividades esportivas, hobbies ou trabalhos voluntários
(GONÇALVES; VILARTA, 2004, p. 47).

Percebe-se que os hábitos que interferem no cotidiano englobam ações, como alimentação,
relacionamentos interpessoais e prática de atividade física. Em face disso, é inegável que a incorporação
de hábitos saudáveis advém do comprometimento do indivíduo a uma rotina apropriada, desde que as
suas condições de vida favoreçam essas escolhas.

Na sociedade atual, é atribuída uma colocação privilegiada para a atividade física, a fim de conquistar
uma situação melhor de saúde, denotando uma função ampliada, embora advinda de um único conceito
e, por consequência, resumindo as diversas dimensões que permeiam o ser humano.

Assim como a qualidade de vida, é necessário conceituar o que vem a ser a atividade física. Segundo
Carvalho (2001, p. 69) a atividade:

carrega toda e qualquer ação humana que comporte a ideia de trabalho


como conceito físico [...] quando existe gasto de energia [...] quando o
indivíduo se movimenta. Tudo que é movimento humano.

Para Nahas, Barros e Francalacci (2001, p. 30):

é uma característica humana que representa qualquer movimento corporal


produzido pela musculatura que resulte num gasto energético acima dos
níveis de repouso.

Lovisolo (2002, p. 281) defende que a atividade física se refere:

a motivos e intenções ou considerações das capacidades físicas, e implica


um plano de ações racionalizadas ou sistematizadas.

Com essas definições, é possível observar que a atividade física está relacionada ao movimento humano,
realizado pelo próprio corpo e seus componentes, gerando um gasto energético, independentemente de
ser uma atividade sistematizada ou até mesmo uma atividade da vida cotidiana.

Nesses conceitos explicitados pelos três autores mencionados existe a noção de que atividade física
está associada à saúde e de que são interdependentes – preceito esse explorado principalmente pela
mídia e diversos meios de comunicação.
83
Unidade II

Saiba mais

A respeito de uma era de um corpo ativo, na qual a qualidade de vida


está ligada à corporeidade do individuo, indica-se a seguinte leitura:

MOREIRA, W. W. (Org.). Século XXI: a era do corpo ativo. Campinas:


Papirus, 2006.

Em razão disso, é “vendido” um paradigma de que a atividade física está sempre conectada com
a saúde, gerando estereótipos de saúde e boa forma. Em diversos estudos já se comprovou que a
prática de atividade física regular auxilia na manutenção da saúde, porém não se pode descartar
que o processo para se adquirir saúde é complexo e sofre influência de diversos componentes
(ALMEIDA et al., 2004).

A atividade física, assim como a saúde, apresenta um composto de variáveis e opções existentes, e
cada uma dessas opções apresenta certa influência no bem-estar do indivíduo, para uma continuidade
ou manutenção da saúde; contudo, é preciso ter as primícias de que a prática dessa atividade está de
acordo com as características e as expectativas do indivíduo, assim como o local e as metodologias nela
empregadas (ALMEIDA et al., 2004).

O predomínio por atividade “A” ou “B” muda com o passar dos anos. Na década de 1970 havia
predominância pelas atividades da ginástica aeróbica, que conquistou grande parte da população na
época, porém sofreu forte resistência da sociedade médica, em razão da alta incidência de lesões por
desgastes e traumas de seus participantes, chegando ao ponto de a comunidade médica desaconselhar
a prática dessa atividade (MODENEZE; VILARTA, 2010).

Já nos anos de 1980, a atividade predominante era o treinamento de força, principalmente pelo
aumento no número de fabricantes de máquinas e equipamentos para academia. Essa ideia permanece
até hoje, pois se uma academia não tiver os últimos equipamentos e recursos disponíveis no mercado
ela será considerada defasada (MODENEZE; VILARTA, 2010).

Também nessa época, em decorrência desse tipo de atividade e do local onde ela era desenvolvida,
surgia a indústria fitness, com o aparecimento de cursos para o desenvolvimento de técnicos com
qualidade questionável e a venda de mercadorias, como roupas e suplementos alimentares (MODENEZE;
VILARTA, 2010).

Enquanto a fisioterapia já se encontrava sólida como profissão desde 1969, na década de 1990, a
educação física no Brasil se tornava uma profissão regulamentada, recebendo um maior investimento
em qualificação, credibilidade e profissionalismo (MODENEZE; VILARTA, 2010). No entanto, o movimento
fitness ainda conseguia angariar e sensibilizar a sociedade a respeito do combate ao sedentarismo,
principalmente por ações vinculadas nas mídias, com discursos motivacionais redundantes e sem
embasamento científico. Esse movimento também é responsável por instaurar alguns conceitos de que
84
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

para se ter um grande ganho, ou seja, benefícios fisiológicos, é preciso “treinar bastante” – enfatizando
a ideia de “quanto mais, melhor”. Muitas vezes, essa abordagem é acompanhada por um número muito
elevado de dias e horas de treinamento, assim como o uso indiscriminado de agentes anabolizantes e
praticantes lesionados.

Figura 38 – Mulher praticando pilates

Atualmente, em oposição ao estilo fitness, que ainda apresenta grande influência, foi desenvolvida a
abordagem de wellness, a qual tem como fundamento filosófico o conceito de bem-estar, em oposição
à ideia fitness. Assim, passa a ser atribuído um valor maior aos ideais de como o indivíduo se sente
ao fazer uma atividade. A ioga, o tai chi chuan e o pilates, por exemplo, ganharam muito adeptos
(MODENEZE; VILARTA, 2010).

Para a adesão de um estilo de vida saudável, a adoção de exercícios físicos regulares e sistematizados
não deve acontecer baseada em modismo ou por imposição de algum sistema, mas considerar as
características e as condições de vida do indivíduo. Entretanto, a realidade nem sempre reflete o que
deveria ser o ideal, principalmente pela dificuldade de acesso a alguns tipos de atividades físicas e por
condições socioeconômicas desfavoráveis (ALMEIDA et al., 2004).

Mesmo apresentando alto índice de sedentarismo, as camadas sociais com maior poder econômico
nem sempre vão adotar um estilo de vida mais saudável (LOVISOLO, 2002).

Um dos motivos para o aumento do sedentarismo pode estar ligado às facilidades de acesso aos
bens tecnológicos – que de certo modo também promovem um aumento da qualidade de vida por
torná-la mais ágil e dinâmica. Contudo, convém notar que isso provoca a substituição da atividade
motora humana pela atividade de máquinas (ALMEIDA et al., 2004).

Por outro lado, os avanços tecnológicos podem ser benéficos ao desenvolvimento e à adesão a
uma prática de atividade física, uma vez que a tecnologia está incorporada ao cotidiano da sociedade
contemporânea e o seu uso pode ser um aliado ao estilo de vida mais saudável, assim como à manutenção
desse hábito.

85
Unidade II

Figura 39 – Uso da tecnologia para uma melhor adesão na atividade física

É inegável que a tecnologia influencia os hábitos e os costumes em vários aspectos da interação


do ser humano com a qualidade de vida, necessitando de uma maior reflexão e questionamentos sobre
como isso interfere na saúde e na atividade física e de que forma elas podem se relacionar.

A aptidão física também é uma variável referente à prática de atividade física, que pode auxiliar no
desempenho físico-motor, contribuindo para uma melhor execução das atividades de vida diárias (ADV)
ou esportivas e de lazer, além de auxiliar na prevenção de doenças e aumentar a disposição para realizar
tarefas cotidianas (ALMEIDA et al., 2004).

Essa ideia pode ser relacionada à criação do treinamento funcional, cujo objetivo é obter melhora
nas aptidões da capacidade física para a execução adequada de atividades rotineiras (MODENEZE;
VILARTA, 2010).

A partir das aptidões físicas que os indivíduos possuem, pode-se identificar que a atividade é
diferenciada, tendo um sentido de acordo com o tipo de prática, à qual o indivíduo atribui significado e
pode se sentir mais motivado a realizar.

De acordo com Almeida et al. (2004, p. 48), é possível enumerar duas categorias que influenciam a
aptidão do indivíduo para essas práticas:

• Atividade física incorporada ao estilo de vida: prática que não tem o objetivo de alcançar os limites
físicos do organismo, focando no antissedentarismo, no prazer pela prática e na socialização. As
atividades podem ou não ser sistematizadas, não excluindo a sensação de cansaço e esforço.

86
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

• Atividade física ligada ao treinamento e melhoria de performance atlética: busca o rendimento


atlético máximo para uma excelente performance. Sempre acontece de uma forma sistematizada,
com variáveis de controle relacionadas ao objetivo determinado. Engloba-se às situações de
treinamento esportivo e estético.

Com essas duas abordagens é possível verificar uma variação muito grande, uma heterogeneidade
de práticas, porém ambas ainda tentam trabalhar o bem-estar dos indivíduos, independentemente do
objetivo específico de prática.

Pelo fato de haver esse panorama, a escolha por uma atividade física que não esteja adequada às
características do indivíduo pode gerar um esforço além do ideal e produzir efeitos negativos para o
praticante, como as lesões.

Figura 40 – Independentemente da atividade física, as características e os limites do corpo devem ser levados em consideração

Diante disso, para relacionar a atividade física com a saúde, deve-se considerar os seguintes aspectos
(ALMEIDA et al., 2004):

• Características do sujeito.
• Aptidão física.
• Patologias.
• Problemas ortopédicos.
• Sentido da prática.
• Objetivo da prática.

87
Unidade II

O profissional que trabalha com a atividade física motiva as práticas e os hábitos saudáveis,
no entanto, é preciso ter a consciência de considerar as características de vida do sujeito e o seu
corpo. Caso isso ocorra, ele proporcionará uma prática adequada à realidade do indivíduo, que
promoverá uma melhoria na qualidade de vida (ALMEIDA et al., 2004).

Trabalhar com alguma esfera da qualidade de vida possibilita desenvolver a autonomia do sujeito,
e a atividade física favorece a melhoria do bem-estar, mas exige a atenção dos profissionais aos
impactos causados por essa prática nos aspectos social, emocional e de saúde (em sentido amplo).

O profissional também tem de ser crítico quanto às exposições que a mídia proporciona a respeito
de práticas saudáveis, pois ela semeia uma possibilidade quase infinita de práticas, com objetivos
aparentemente corretos e saudáveis, contudo, sem considerar as características complexas que compõem
a relação entre atividade física, qualidade de vida e saúde.

Na atividade física, como em qualquer atividade, ocorrem trocas de informações e, com elas,
alterações em preceitos morais e éticos, influenciadores da formação e do desenvolvimento a respeito
da qualidade de vida do sujeito.

A prática regular da atividade física, quando desenvolvida de uma forma que respeite as
características do indivíduo – incluindo-se seus aspectos culturais – acarreta benefícios para os diversos
sistemas que integram o organismo, assim como é importante para o tratamento de algumas patologias
(LAMBERTUCCI et al., 2006).

No tocante ao sistema respiratório, a asma é uma das patologias mais comuns na infância,
diminuindo a capacidade de realizar exercícios, em que o próprio exercício pode desencadear o
processo asmático, principalmente se ocorrer atividades de alta intensidade que necessitem de um
elevado consumo de oxigênio (LAMBERTUCCI et al., 2006). Atividade de intensidade moderada e
prática regular de atividade física aeróbia reduzem a sensação de dispneia (falta de ar) e aumentam
a tolerância ao esforço físico, melhorando a qualidade de vida.

Observação
Na atividade aeróbia com intensidade de baixa a moderada, o oxigênio
está presente na produção de energia.

O sistema ósseo tem como funções a sustentação e a proteção do corpo, e constantemente passa
por processos de remodelamento, por causa da atividade das células ósseas.

A prática de atividade física por crianças, adolescentes e jovens aumenta a densidade óssea,
tornando-os mais resistentes a traumas relacionados a ações mecânicas. Todavia, com o envelhecimento,
principalmente nas mulheres, após a menopausa, ocorre um desequilíbrio entre a produção e a absorção
de massa óssea, aumentando a possibilidade de surgimento da osteoporose; entretanto, a atividade
física desenvolvida de modo regular faz com que os ossos continuem fortes, minimizando os riscos de
doenças (OCARINO; SERAKIDES, 2006).
88
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Quanto ao sistema cardiovascular, a hipertensão arterial é tida como uma das principais patologias.
Essa doença é uma condição na qual a pressão do sangue no interior dos vasos sanguíneos se encontra
mais elevada do que os padrões indicados para os indivíduos de acordo com a sua idade e tamanho,
exigindo um maior trabalho por parte do coração, principalmente para bombear sangue para todo o
corpo, possibilitando o desenvolvimento de outras patologias, como infarto do miocárdio e acidente
vascular encefálico (AVE, também conhecido como AVC) (BARROSO et al., 2008).

A atividade física vem sendo usada como tratamento para a hipertensão arterial, pois durante o
exercício tem-se uma necessidade maior de nutrientes e de oxigênio para os músculos, ocorrendo um
fluxo sanguíneo mais intenso, o que acaba removendo produtos que podem ser tóxicos à estrutura
muscular, como o lactato. Portanto, com a adesão a uma prática regular e com intensidade de esforço
adequada, aumenta-se a capacidade de contração dos vasos sanguíneos, diminuindo a pressão arterial
(BARROSO et al., 2008).

No que se refere ao peso corpóreo, ele é resultado do equilíbrio entre a quantidade de alimentos
consumidos e a energia gasta. Quando se ingere alimentos com grande quantidade de calorias, mas
a energia gasta é menor do que a consumida ocorre aumento de peso (no caso, aumento de massa
gorda), em razão do depósito de gordura nas células adiposas (MENDONÇA; ANJOS, 2004). A obesidade
é o excesso de sobrepeso (de acordo com índices advindos de cálculos referentes a cada indivíduo), e
os riscos que ela proporciona podem ser elencados, como dificuldades no funcionamento do coração,
doenças renais, pulmonares, degeneração articular e distúrbios psicológicos associados principalmente
à autoimagem (LAMBERTUCCI et al., 2006).

A redução no consumo de calorias e o aumento do gasto calórico proporcionado pela atividade


física são altamente recomendados para reduzir a obesidade e minimizar os fatores de risco a
ela associados – lembrando sempre de respeitar as características e as necessidades individuais
(MENDONÇA; ANJOS, 2004).

Figura 41 – A obesidade é umas das doenças que mais crescem no mundo devido
à diminuição da atividade motora e ao aumento do consumo calórico

89
Unidade II

A diabetes, outra patologia associada ao sistema endócrino, está relacionada ao aumento de


glicose no sangue em decorrência da diminuição na produção de insulina ou por dificuldade na
ação desse hormônio.

Observação

A insulina, produzida pelo pâncreas, é responsável pela redução da glicemia


(taxa de glicose no sangue), ao promover a entrada de glicose nas células.

Os riscos da diabetes são variados, como hipertensão arterial, doenças coronarianas, retinopatia
(doença nos olhos) e distúrbios renais – distúrbios esses que podem levar à falência renal crônica. O
exercício físico é eficiente no controle da diabetes, ajudando a normalizar a concentração de glicose no
sangue: quando ocorre a contração muscular, aumenta a utilização da glicose (uma vez que ela é fonte
de energia), levando à necessidade de a insulina (um hormônio) ser utilizada para facilitar a entrada de
glicose nas células musculares (COLBERG, 2003).

De acordo com esse breve panorama da importância da prática de atividade física nos vários sistemas
de funcionamento corporal, nota-se que a atividade física irá interferir de um modo muito positivo, se
adequadamente ministrada, os seus efeitos são muito benéficos. Nesse sentido, o desenvolvimento de
programas adequados pode prevenir doenças e melhorar a qualidade de vida de um indivíduo ou de toda
sociedade. Convém destacar que os efeitos são benéficos desde que sejam respeitadas as características
individuais, as quais estão intimamente associadas ao ambiente e à carga cultural que o corpo carrega.

8.1 Esporte e qualidade de vida

O esporte, uma das atividades físicas que tem muita influência na qualidade de vida do indivíduo e
até de sociedades inteiras, pode favorecer mudanças no modo e condições dos sujeitos (de uma forma
profissional ou não).

Para Almeida e Rose Júnior (2010), o esporte tem função para a vida do homem em sociedade,
principalmente na questão da socialização, em que são transmitidos valores, diversas formas de
sociabilização, educação e saúde. Embora possa ser considerado como expressão de uma arte, ele
também tem sido usado como palco para banalização e violência social.

Logo, o esporte é a manifestação de uma cultura; ele passou por diversas épocas, vocações distintas
e reflexos das características acolhidas e desenvolvidas pelas sociedades em que está introduzido. Dessa
forma, o esporte apresenta uma característica “heterogênea, polissêmica e polimorfa” (MARQUES;
GUTIERREZ; MONTAGNER, 2010).

O esporte também sofre uma imensa influência mercadológica e da mídia; consequentemente,


acaba sofrendo processos de discriminação por parte de uma parcela dos profissionais que trabalham
com atividade física e qualidade de vida, ou seja, o esporte apresenta muitas facetas que possibilitam
um acréscimo de valores que buscam incorporar uma melhor qualidade de vida.
90
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

O esporte atual apresenta a característica de uma construção, que é consequência de diversas


transformações da sociedade, principalmente após a Guerra Fria, e é caracterizado por suas
diversas formas de manifestações, compondo uma relação com a sociedade em que é praticado e
desenvolvido (MARQUES; GUTIERREZ; MONTAGNER, 2010).

Pela flexibilidade de ser praticado em diversos ambientes, o esporte apresenta uma variedade de
sentidos, que são marcados por normas e valores próprios, ligando-se com a temática de qualidade de vida,
também de uma forma ambígua ou com sentidos variados, gerando muitas vezes a noção de deseducação
para a conquista de desempenhos excelentes ou, em contrapartida, que possa contribuir para a melhoria
da saúde.

Mediante a cultura de uma sociedade, o esporte acaba por incorporar as diversas facetas desses
costumes e, em decorrência disso, torna-se um agente produtor de cultura para essa sociedade.
Por conseguinte, a qualidade de vida promove a possibilidade de obtenção de bens culturais e a
integração de hábitos saudáveis.

A prática do esporte propõe um relacionamento interpessoal que transfere um significado de extrema


importância à sociedade contemporânea e deve ser enaltecido como porta-voz para a promoção da
saúde e a busca pela qualidade de vida.

Figura 42 – A prática de esporte vem agregada de valores e conceitos


que compõem as mais diversas esferas da qualidade de vida

Segundo Almeida e Rose Júnior (2010), o esporte possui algumas dimensões, a saber:

• Papel histórico, sua racionalização e a ligação com os capitais simbólicos, artísticos e de poder.

• Dimensão científica.

• Ligação com a industrialização e a profissionalização.

• Mídia, políticas públicas, preconceito e violência.

• Transmissão de valores integrados às ações culturais de um grupo social.


91
Unidade II

Como mencionado anteriormente, o esporte pode ser tratado com um fenômeno social, principalmente
após a Segunda Guerra Mundial, pois as circunstâncias políticas mundiais se alteraram e, consequentemente,
o esporte também se transformou, ganhando nova forma, em especial para o ensino de uma educação
voltada ao movimento, agregando aspectos pedagógicos às questões técnicas e táticas de diversas
modalidades esportivas que o compõem (ALMEIDA; ROSE JÚNIOR, 2010).

A quantidade de participantes de diversos esportes, sobretudo durante o século XX, aumentou


principalmente pelo número crescente de modalidades esportivas; além disso, o esporte era tido
somente na perspectiva do alto rendimento, havendo, contudo, uma mudança de panorama após a
Carta Internacional da Educação Física da Unesco (1978), que proclamou:

O desenvolvimento da educação física e esporte a serviço do progresso


humano, promovendo seu desenvolvimento e instando governos,
organizações não governamentais competentes, educadores, famílias e as
pessoas em geral se guiarem por ela, a disseminá-la e colocá-la em prática.
Todo ser humano tem o direito fundamental ao acesso à educação física
e ao esporte, que são essenciais para o pleno desenvolvimento da sua
personalidade (UNESCO, 1978, p. 2-3).

No Brasil (1998), através da Lei nº 9.615/1998, ficou reconhecido que as manifestações do


esporte são:

• Esporte educacional: praticado nos sistemas de ensino e em formas assistemáticas de educação,


evitando-se a seletividade, a hipercompetitividade de seus praticantes, com a finalidade de
alcançar o desenvolvimento integral do indivíduo e a sua formação para o exercício da cidadania
e a prática do lazer.
• Esporte participação: caracterizado pela prática voluntária, compreendendo as modalidades
desportivas com finalidade de contribuir para a integração dos praticantes na plenitude da vida
social, na promoção da saúde e educação e na preservação do meio ambiente.
• Esporte rendimento: praticado segundo regras nacionais e internacionais, com a finalidade de
obter resultados, integrar pessoas e comunidades do país e estas com as de outras nações.
• Esporte formação: caracterizado pelo fomento e conquista inicial dos conhecimentos esportivos, que irão
garantir a competência técnica esportiva, com objetivo do aperfeiçoamento qualitativo e quantitativo da
prática dos esportes no que se refere à competição, à recreação e ao alto rendimento.

A relação do esporte com a saúde está estreitamente ligada aos seus conceitos, sendo fundamental
recordar que o esporte reflete a sociedade e a cultura que foi construída, no entanto, o esporte, por si
só, não consegue desenvolver a saúde por completo.

Portanto, esporte e saúde ainda têm “um caminho a percorrer” para se conseguir estabelecer uma
relação entre ambos, pelo fato de diversas modalidades proporcionarem efeitos diferentes no organismo,
o que pode não atender ou se adequar à realidade ou à carência de um indivíduo ou sociedade.
92
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Nesse sentido, os diversos ambientes em que os esportes são realizados e desenvolvidos e também
as suas diversas manifestações podem contribuir para se ter efeitos positivos e negativos na saúde
(MARQUES; GUTIERREZ; MONTAGNER, 2010).

A diferença entre a relação esporte-saúde e atividade física-saúde é que o primeiro não apresenta
apenas a característica de se movimentar como o segundo, levando o esporte a outro nível de colaboração
para a saúde, sempre tendo em vista as carências e as perspectivas do indivíduo e mostrando os
princípios da prática que o ambiente proporciona. Entretanto, existem princípios e valores questionáveis
das atividades esportivas que geram a perda de uma boa saúde, como, por exemplo, a ocorrência de
contusões e uso de doping (MARQUES; GUTIERREZ; MONTAGNER, 2010).

As ocorrências de contusões no esporte, bem como em qualquer atividade física, podem acontecer
caso o praticante não tenha uma mínima preparação e aptidão física, o que inclui alimentação
adequada, regularidade na prática, local apropriado, entre outros. Porém as pessoas com preparação
física satisfatória não estão isentas de contusões.

Doping é o uso de recursos anabólicos para obter um desempenho maior do que se conseguiria
por meio de treinamento, além de ser resultado de um conjunto de princípios e valores que exige
um desempenho de excelência no nível de denominado esporte de alto rendimento. A busca por uma
constante superação de recordes e marcas, em associação com as premiações, gera uma atmosfera
favorável para essa prática. Por outro lado, esse tipo de situação não se restringe somente ao alto
rendimento; muitos indivíduos não atletas buscam os recursos ergogênicos para fins de superação
estética e autossatisfação (MARQUES; GUTIERREZ; MONTAGNER, 2010).

O caso mais recente de doping no esporte de alto rendimento foi o esquema de adulteração
de amostras de sangue e urina que aconteceu na Rússia, principalmente na Federação Russa de
Atletismo (Rusaf), gerando uma suspensão por parte da Federação Internacional de Atletismo
(IAAF), das competições internacionais e também dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016
(TERRA, 2016).

Mesmo recebendo um treinamento específico e, alguns atletas, atenções de grandes grupos


interdisciplinares para potencializar seu desempenho e tentar alcançar os melhores resultados, a
ocorrência de lesões e o uso de substâncias ilegais se fazem presentes no esporte de alto rendimento.

E é nesses esportes de alto rendimento que ocorre popularização do esporte, igualdade de acesso,
especialização, racionalização do movimento, burocracia motora e quantificação de rendimento e
recordes, integrando as práticas de movimento em uma escala mundial, já que a competição de uma
modalidade no Brasil é igualmente realizada no Japão, mesmo com diversas diferenças econômicas,
culturais e sociais entre os países (ALMEIDA; ROSE JÚNIOR, 2010; ALMEIDA et al., 2010).

Com isso, o esporte passa a constituir um fenômeno mundial e acarreta uma série de crises éticas,
especialmente quando há outros objetivos, ou seja, deixam de ser uma prática com significados e metas
próprios, mas são incorporados a fins políticos e econômicos.

93
Unidade II

Figura 43 – O Estádio Olímpico de Berlim, sede dos Jogos Olímpicos de Verão de 1936, foi usado para a promoção da ideologia
nazista, principalmente com a tentativa de comprovação da soberania do ideal ariano sobre as outras raças

Figura 44 – O americano Jesse Owens venceu a prova de 200 metros rasos no atletismo, nos Jogos Olímpicos de 1936,
diante de Adolf Hitler, contradizendo os ideais de que a raça ariana era superior aos demais seres humanos

Com o acesso aos grandes eventos esportivos, o esporte passa também por uma transformação no
próprio sentido de sua prática: a busca de um rendimento máximo, independentemente do ambiente
em que ele é desenvolvido, até mesmo no esporte em nível de participação escolar.

Outra transformação refere-se aos investimentos que as nações promoveram e continuam a realizar
nos esportes – não somente no alto rendimento, mas também na incorporação de políticas públicas
e planejamento urbano para a esfera esportiva, além do desenvolvimento científico para a área do
esporte, possibilitando um avanço contínuo no entendimento desse fenômeno.

No tocante à questão da relação entre esporte e saúde, com vistas ao desenvolvimento de uma
qualidade de vida por parte de um sujeito ou até mesmo de uma sociedade, a manifestação do
94
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

“esporte‑participação” tem essa pretensão, porém na cultura brasileira existe uma monocultura esportiva
em que, muitas vezes, acontece uma separação entre os mais capacitados e os menos capacitados para
a atuação em determinada modalidade esportiva.

O esporte-participação apresenta como fundamento o ideal de que o indivíduo tenha aderência a uma
prática esportiva regular, sem a necessidade de uma hipercompeticão, isto é, de atingir resultados máximos em
determinado tempo. Além do mais, sem ter exclusivamente o espelhamento no esporte de alto rendimento
e na espetacularização midiática, isso pode fazer com que a sociedade acabe por adotar uma participação
esportiva incorporada ao seu cotidiano (ALMEIDA; ROSE JÚNIOR, 2010; ALMEIDA et al., 2010).

Com a exposição do esporte pela mídia, valores que normalmente pertencem ao alto rendimento
são incorporados a outras manifestações esportivas, como competição, beleza, originalidade, vitória,
recompensas, alegrias, frustrações e relações sociais, tornando-se uma prática com um número quase
inestimável de valores.

Por causa da constituição desses valores pelo esporte e também outros valores de fácil acesso a
todos, como o estético e a veiculação da violência, a vertente educacional que o esporte proporciona
tem de ser discutida e trabalhada em diversos ambientes, tanto de uma educação formal como não
formal (ALMEIDA; ROSE JÚNIOR, 2010; ALMEIDA et al., 2010).

Pelo fato de o esporte proporcionar um relacionamento interpessoal, acaba por ocorrer uma
transmissão não apenas de valores entre os sujeitos, que são pertencentes a sua formação humana, mas
também os valores que a prática e o ambiente trazem. Por esses motivos, é necessário ter uma educação
para a prática esportiva.

O início da vivência em uma educação com esporte é voltada ao ensino de aspecto tático, gestual
(motor) e de controle emocional para uma competição e, em um segundo momento, para aspectos mais
conceituais, como valores a respeito da competição, da cooperação e da vinculação do alto rendimento
com a exposição midiática (ALMEIDA; ROSE JÚNIOR, 2010).

Além dessas questões tratadas anteriormente, o desenvolvimento dos sistemas fisiológicos na busca
ou na manutenção da saúde pela prática do esporte tem de ser reiterado. Essa busca e essa manutenção
da saúde só serão possíveis caso o esporte seja praticado de forma adequada às características do
indivíduo, como as condições de vida, a idade e o condicionamento físico.

Questões de saúde, relacionamentos pessoais positivos e respeito ao adversário (fair play) são tendências
de valores trabalhados no esporte, principalmente no século XXI, mesmo ainda sofrendo forte influência
da espetacularização do esporte, que leva as pessoas a aderirem a uma prática de esportes por causa de
valores mercadológicos, como o consumo de produtos ligados a esse fenômeno histórico‑social que é o
esporte; porém a prática tem de atender às carências, às possibilidades, às limitações e aos objetivos dos
indivíduos que a ela se submetem (MARQUES; GUTIERREZ; MONTAGNER, 2010).

Com isso, fica claro que o esporte tem como enfoque o movimento do ser humano, um movimento
com intencionalidade, em que não pode ocorrer a separação do corpo em segmentos ou
95
Unidade II

partes. Esse movimento, quando sistematizado, pode levar a desenvolver benefícios à saúde e,
consequentemente, potencializar a adoção de um estilo de vida saudável.

O esporte não está relacionado somente ao rendimento esportivo, ao atingir metas e recordes mundiais,
mas também às modalidades esportivas serem utilizadas como uma possiblidade de movimentos diversos,
com uma intencionalidade e uma relação entre as potencialidades dos corpos dos seres humanos, tendo
assim uma interação social, em que isso faz parte de um processo de desenvolvimento da cidadania.

Figura 45 – Diversos valores são transmitidos pelo esporte, possibilitando uma melhor qualidade de vida

Resumo

Quais aspectos compõem a qualidade de vida? Como uma pessoa pode


considerar e quantificar a sua percepção de qualidade de vida?

Falar em qualidade de vida e relacioná-la com a corporeidade pode


acarretar diversos tipos de conceitos. Para isso, é necessário refletir sobre os
valores e as experiências individuais e coletivas, considerando o momento
histórico, a classe social e a cultura de cada sujeito.

Todavia, quando se questiona sobre a qualidade de vida, o primeiro


pensamento que ocorre é em relação aos aspectos associados à saúde.
No entanto, qualidade de vida também é vista sob uma perspectiva
multidisciplinar; assim, a observação sobre a qualidade de vida dependerá
do objetivo do estudo e das possíveis variáveis que serão determinadas a
partir desse objetivo.

O conceito de qualidade de vida é utilizado por duas vertentes de


raciocínio: a primeira é pela linguagem cotidiana ou do senso comum, que
relaciona a qualidade de vida a elevados padrões de consumo e bem-estar;
a segunda vertente está relacionada à pesquisa científica, que, dependendo
da área de estudo, dá enfoque em determinada perspectiva da qualidade

96
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

de vida, por exemplo: a Medicina foca na saúde e a Economia nas relações


de distribuição de renda.

Assim, qualidade de vida é a percepção do indivíduo em relação a


seu contexto cultural e sistema de valores referentes aos seus objetivos,
expectativas, padrões e preocupações, incluindo seis domínios principais:
saúde física, estado psicológico, níveis de dependência, relacionamento
social, características ambientais e padrão espiritual.

Vários aspectos da vida de uma pessoa são afetados por mudanças


no seu estado de saúde e são significativos para a sua qualidade de
vida. Essa qualidade, porém, pode ser mensurada pela distância entre
as expectativas individuais e a realidade vivida, ou seja, quanto menor
a distância entre elas, melhor será a qualidade de vida. Os referenciais
histórico, cultural e de classes sociais poderão até determinar a
distância entre a realidade e a expectativa.

Pela diversidade de domínios que estão relacionados ao termo, não


existe uma concordância para um conceito único e definitivo de qualidade
de vida, uma vez que alguns destacam a importância de um bem-estar
econômico, e outros, o sucesso pessoal ou o desenvolvimento social.
Portanto, é necessária a atenção a uma multiplicidade de fatores que
envolvem o universo da qualidade de vida.

Esses fatores podem ser divididos em esferas de percepção objetiva


e subjetiva. A análise sobre a perspectiva objetiva está relacionada a
elementos concretos, passíveis de serem quantificados e que podem sofrer
transformações pelo ser humano. São considerados elementos objetivos
fatores como alimentação, moradia, acesso à saúde, emprego, ou seja,
necessidades que garantem a sobrevivência do indivíduo na sociedade.

Com esses aspectos objetivos, são traçados índices de referência sobre


características sociais e econômicas da população e a partir desses índices
são criadas políticas e ações voltadas para a melhora da qualidade de vida
da população.

A esfera de percepção objetiva de qualidade de vida está relacionada


com a garantia e a satisfação em ter acesso a elementos essenciais à
necessidade e sobrevivência do ser humano, como: água potável, alimentos,
trabalho digno, lazer e saúde. Pelo fato de ser um bem de consumo
e uma utilização concreta, não depende de uma avaliação subjetiva ou
interpretação do indivíduo pela sua própria vida. Os indicadores de
percepção objetivo incluem três características: aquisição de bens matérias,
avanços educacionais e condições de saúde.
97
Unidade II

Diferentemente, em uma compreensão da qualidade de vida tendo como


referência os elementos subjetivos, também são considerados aspectos concretos,
entretanto, tem-se variáveis históricas, sociais, culturais e de interpretação
individual sobre as condições de bens materiais do indivíduo e serviços a ele
destinados. Para a utilização dos elementos subjetivos, é preciso a caracterização
sociocultural prévia do ambiente em que o grupo ou o sujeito vivem.

Portanto, a caracterização da qualidade de vida não engloba somente


aspectos objetivos, mas se leva em consideração fatores subjetivos e
emocionais, expectativas e possibilidades de um grupo social ou de um
indivíduo quanto a suas realizações e percepção de suas vidas, considerando,
inclusive, questões como prazer, felicidade e tristeza.

A percepção objetiva tem pontos positivos pela facilidade de


obtenção de dados, criando um índice geral das condições de qualidade
de vida, pois esses dados estão ligados à saúde, à moradia, à educação, ao
transporte, entre outras áreas, sendo esse enfoque predominantemente
quantitativo, ou seja, lida com a presença ou ausência de determinado
elemento em uma população.

A esfera de percepção subjetiva, num primeiro momento, trabalha com


as ações individuais diante da vida do próprio sujeito, como sua expectativa
e a percepção de seus próprios níveis de qualidade de vida. Tal percepção é
compreendida pelo estilo de vida do sujeito, que é caracterizado pelos hábitos
aprendidos e adotados durante a vida, tendo relação com a realidade social,
ambiental e familiar. Com isso, as ações refletem os valores e as oportunidades na
vida desse indivíduo, em que devem estar relacionados a elementos pertencentes
ao seu bem-estar, como o controle do estresse, a nutrição, a prática de atividades
físicas regulares, os cuidados com a saúde e o convívio social.

Além disso, essa percepção relaciona-se aos valores não materiais,


como: amor, felicidade, inserção social, realização social e felicidade. Como
é uma percepção subjetiva, tem de levar em consideração as diversas
possibilidades de percepção, conceituação e valorização individual,
havendo muitas variáveis não possíveis de mensuração, e isso irá refletir
no cotidiano do sujeito.

O ambiente e a cultura que o sujeito incorpora, bem como as condições


de desenvolvimento possíveis do sujeito, são muito importantes para a
formação da esfera de percepção subjetiva, que envolve sentimentos e
valores de juízo. E assim são direcionadas as possibilidades de ações na
sociedade, dentre elas, a percepção e o julgamento de sua vida, que estão
atrelados às expectativas e ao entendimento de bem-estar do grupo ou da
sociedade em que ele está inserido.
98
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

Os dois tipos de perspectivas, uma objetiva e outra subjetiva, se


complementam, formando o conhecimento da qualidade de vida, porém é
necessário saber que as diferenças dessas duas esferas de percepção apresentam
uma linha muito sutil. A questão é que a qualidade de vida lida com inúmeros
fatores que afetam a vida do sujeito e estão relacionados entre eles.

Pelo fato de ocorrer essa interdependência entre os fatores que


compõem as esferas objetiva e subjetiva, em alguns momentos é difícil
estabelecer em qual esfera determinado fator se encaixa, ou seja, as relações
são inevitáveis por causa dessa influência entre as esferas de percepção.

Qual a relação existente entre a qualidade de vida e a corporeidade?


Em um primeiro momento, é difícil construir essa relação, porém é
necessário refletir sobre os conceitos que compõem a qualidade de vida e a
corporeidade e, assim, elaborar a relação entre elas.

A ideia de qualidade de vida também tem um caráter abrangente, que


pode ser abordado por diversas áreas de estudo e conhecimento.

Todavia, para um entendimento da qualidade de vida de uma


maneira integral, não se pode ter uma compreensão apenas a partir de
dados estatísticos, que, por sua vez, acabam apresentando uma realidade
reducionista de uma população ou sociedade heterogênea, como os
indicadores produzidos pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Esses índices refletem uma percepção objetiva da realidade social, sem


observar as características individuais dos sujeitos que compõem o grupo.
Conforme discutido anteriormente, a percepção do sujeito, ou a percepção
subjetiva, é caracterizada como o que o indivíduo percebe em sua realidade e
as possibilidades de desenvolvimento por meio de suas ações, sendo um autor
ativo para alterações em sua qualidade de vida.

É importante observar que a corporeidade e a qualidade de vida atestam


que o indivíduo é um ser de transformação por meio do corpo, da realidade
e da cultura em que está inserido – e não apenas um mero reprodutor: seja
de uma cultura, uma forma poder ou de paradigmas sociais.

A corporeidade e a incorporação de uma qualidade de vida significante,


que promove uma transcendência, irão exigir um entendimento e
aprendizado significativo da cultura, pois com isso se faz história, ou seja,
se perpetua a cultura que constrói o corpo e que o corpo constrói.

Incorporar a dimensão de corpo ativo e qualidade de vida em um


processo de educação requer um pensamento e um trabalho de difícil
99
Unidade II

compreensão, uma vez que não existe um único caminho, uma receita
certa como resposta, mas sim uma motivação e um desafio de reflexão,
tendo a ideia de que é preciso adquirir um conhecimento multidimensional,
sabendo que surgirão dificuldades e incertezas.

A atividade física representa parte da preparação do homem para


a atividade profissional ou alguma outra atividade. Já o esporte é
definido como parte da cultura da sociedade e cuja essência representa
a atividade orientada para a competição e a obtenção da vitória. Diante
isso, a atividade física pode ser caracterizada como um instrumento
em que o indivíduo pode modificar e adaptar seu corpo para obter
melhoria em seu estado de saúde e satisfação pessoal.

Nos últimos anos, tem aumentado o interesse pela adesão ou aderência


à prática regular de atividades físicas, com os mais diversos objetivos:
estéticos, de promoção ou manutenção da saúde. Perante esse panorama, a
educação física estabeleceu uma relação entre a prática de atividade física
e a promoção de saúde e do bem-estar.

A cultura de uma sociedade em que o sujeito está inserido irá determinar


como se dá a relação entre a atividade física e a qualidade de vida, e isso definirá
suas ações pessoais e as possibilidades criadas pelo ambiente, como programas
ligados à melhoria da condição de vida da população (ALMEIDA et al., 2004).

Vários fatores apresentarão influência sobre a percepção de qualidade


de vida do indivíduo, tanto os componentes ligados à esfera de percepção
objetiva quanto os ligados à esfera de percepção subjetiva. Deve-se
considerar a dinâmica que possibilite o acesso a bens de consumo e de
escolhas disponíveis.

Esses valores podem ser exemplificados, como: a educação, o mercado e


as diversas possibilidades de consumo etc. No entanto, o componente que
mais compreende ou se relaciona com a qualidade de vida na sociedade
contemporânea é a saúde.

O esporte é uma das atividades – entre as diversas disponíveis – que


tem mostrado grande influência na qualidade de vida do indivíduo e até de
sociedades inteiras, favorecendo mudanças no modo e nas condições das
pessoas (incluindo-se, em certos casos, a profissionalização).

Logo, ele é uma manifestação de uma cultura que passou por diversas
épocas, vocações distintas e reflexos das características acolhidas pela
sociedade em que está introduzido. Assim, o esporte apresenta uma
característica heterogênea, polissêmica e polimorfa.
100
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

No âmbito da educação física, é imprescindível ao professor e


profissional que reflitam constantemente sobre as dimensões da prática
esportiva, sendo elas: esporte-educação; esporte-participação; esporte-
rendimento; esporte-formação.

Essa distinção das diversas possibilidades associadas ao esporte


não limita sua importância como uma das formas de contribuir para a
qualidade de vida do indivíduo, pois ele pode vir a auxiliar na sensibilização
e compreensão da importância da prática de atividade física em muitos
aspectos da sua vida. Nesse sentido, o esporte pode também ampliar as
possibilidades de desenvolvimento de uma identidade psíquica, social,
cultural e de participação política do indivíduo, na busca de sua autonomia
corporal expressiva, consciente e crítica – um verdadeiro autor de sua
história e influenciador de tantas outras, mutuamente.

Exercícios

Questão 1. (Enade 2010) O mapa a seguir representa as áreas populacionais sem acesso ao
saneamento básico.

mais de 50%
de 31% a 50%
As áreas populacionais sem acesso ao saneamento, em média mundial
porcentagem do total da população em 2004, estão de 5% a 30%
representadas no mapa, conforme a legenda:
menos de 5%
dados não disponíveis

Figura 46

Philippe Rekacewicz (Le Monde Diplomatique). Organização Mundial da Saúde, 2006.

101
Unidade II

Considerando o mapa apresentado, analise as afirmações que se seguem:

I – A globalização é um fenômeno que ocorre de maneira desigual entre os países, e o progresso


social independe dos avanços econômicos.
II – Existe relação direta entre o crescimento da ocupação humana e o maior acesso ao saneamento básico.
III – Brasil, Rússia, Índia e China, países pertencentes ao bloco dos emergentes, possuem percentual
da população com acesso ao saneamento abaixo da média mundial.
IV – O maior acesso ao saneamento básico ocorre, em geral, em países desenvolvidos.
V – Para analisar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de um país, devem-se diagnosticar
suas condições básicas de infraestrutura, seu PIB per capita, a saúde e a educação.

É correto apenas o que se afirma em:

A) I e II.
B) I e III.
C) II e V.
D) III e IV.
E) IV e V.

Resposta correta: alternativa E.

Análise das afirmativas

I – Afirmativa incorreta.
Justificativa: infelizmente a globalização acaba por trazer desigualdade entre algumas regiões;
isso fica claro quando se observa o mapa comparando o continente africano e o continente europeu.
Porém, o progresso social está diretamente ligado aos avanços econômicos de uma nação.

II – Afirmativa incorreta.
Justificativa: geralmente, quando ocorre um grande crescimento populacional em uma região,
este não é ordenado, e isso provoca uma escassez de serviços essenciais para a manutenção de uma
qualidade de vida mínima. O acesso ao saneamento básico em países com grande densidade habitacional,
normalmente, não é considerado ideal.

III – Afirmativa incorreta.


Justificativa: os países emergentes Brasil e Rússia têm acesso ao saneamento básico acima da média
mundial, ficando na faixa de 5% a 30%. Já os países Índia e China, por apresentarem uma alta densidade
102
CORPOREIDADE E MOTRICIDADE HUMANA

habitacional, possuem um índice menor que a média mundial: mais de 50% da população não têm
acesso ao serviço de saneamento básico.

IV – Afirmativa correta.

Justificativa: está correto, pois os países ditos desenvolvidos possuem um IDH mais elevado, tendo
uma economia mais equilibrada, podendo reverter isso em serviços para a população, incluindo o serviço
de saneamento básico.

V – Afirmativa correta.

Justificativa: os pilares que compõem o cálculo do IDH são renda per capita, saúde e educação.

Questão 2. (Enade 2011) A frequência de comportamentos sedentários na população brasileira tem


aumentado rapidamente nas últimas décadas, independentemente da faixa etária. Dada a relação entre
comportamento sedentário e aumento de doenças crônicas degenerativas, o incentivo à prática de atividade
física passa a ser uma ação permanente, entre outras, para a prevenção de doenças e de agravos à saúde.

Nesse contexto, avalie as asserções a seguir:

As aulas de educação física podem seguir um modelo que garanta a participação de todos os alunos,
em ações reflexivas que possibilitem a experiência diversificada de práticas motoras, pois a escola é
um local estratégico para intervenções em saúde, sendo possível atingir grande parcela de crianças,
adolescentes e jovens.

PORQUE

Além do desenvolvimento das habilidades motoras, as aulas de educação física promovem a


sociabilização e incentivam a adesão à prática de atividade física prazerosa que possa ser mantida em
todas as fases da vida.

Acerca dessas asserções, assinale a opção correta:

A) As duas asserções são proposições verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira.

B) As duas asserções são proposições verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira.

C) A primeira asserção é uma proposição verdadeira, e a segunda é uma proposição falsa.

D) A primeira asserção é uma proposição falsa, e a segunda é uma preposição verdadeira.

E) As duas asserções são proposições falsas.

Resposta correta: alternativa A.

103
Unidade II

Análise das alternativas

A) Alternativa correta.

A primeira asserção coloca a educação física escolar como um local para se desenvolver diversos tipos
de experiências motoras, com diferentes enfoques, e utiliza a segunda asserção como uma justificativa
para incluir a temática da saúde nesse espaço educacional.

B) Alternativa incorreta.

A segunda asserção é uma justificativa da primeira, pois a educação física tem de criar a consciência
nas crianças, nos adolescentes e nos jovens sobre a importância da prática de atividade física para a
manutenção e a conquista de uma boa saúde.

C) Alternativa incorreta.

A segunda asserção também está correta, complementando e justificando as informações contidas


na primeira asserção.

D) Alternativa incorreta.

A primeira asserção está correta, pois a educação física escolar é uma local onde se tem de promover
as práticas motoras, que devem incluir todos aqueles que estão participando.

E) Alternativa incorreta.

As duas asserções contêm informações e afirmações corretas de como se deve trabalhar a temática
saúde nas aulas de educação física para o desenvolvimento de uma percepção da qualidade de vida.

104
FIGURAS E ILUSTRAÇÕES

Figura 3

PLATAO.JPG. Disponível em: http://www.escritas.org/autores/platao.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 6

SANZINO, R. Escola de Atenas, 1511. Afresco. 500 cm x 700 cm.

Figura 7

ARISTOTELES.JPG. Disponível em: http://www.escritas.org/autores/aristoteles.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 10

RENE-DESCARTES.JPG. Disponível em: http://www.escritas.org/autores/rene-descartes.jpg. Acesso em: 15


dez. 2016.

Figura 11

FIGUEIREDO A. As concepções de educação física no ocidente. Millenium, v. 3, n. 10, abr. 1998.


Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/ect10_abel.htm. Acesso em: 15 nov. 2016.

Figura 12

FRIEDRICH-NIETZSCHE.JPG. Disponível em: http://www.escritas.org/autores/friedrich-nietzsche.jpg.


Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 13

KARL-MARX.JPG. Disponível em: http://www.escritas.org/autores/karl-marx.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 14

IMAGEM59.JPG. Disponível em: http://www.objetivo.br/conteudoonline/imagens/conteudo_3986/


imagem59.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 15

IMAGEM60.JPG. Disponível em: http://www.objetivo.br/conteudoonline/imagens/conteudo_3986/


imagem60.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

105
Figura 16

Frame do vídeo TEMPOS modernos. Dir. Charles Chaplin. Estados Unidos: Charles Chaplin Productions,
1936. 89 minutos.

Figura 17

MAURICE-MERLEAU-PONTY.JPG. Disponível em: www.escritas.org/autores/maurice-merleau-ponty.jpg.


Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 18

MICHEL-FOUCAULT.JPG. Disponível em: http://www.escritas.org/autores/michel-foucault.jpg. Acesso em: 15


dez. 2016.

Figura 19

1431023733UG0E2.JPG. Disponível em: http://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/h/HB28/05/


l/1431023733ug0e2.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 20

FILE5661262570231.JPG. Disponível em: http://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/j/jdurham/


preview/fldr_2010_01_03/file5661262570231.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 21

FILE3431250743603.JPG. Disponível em: http://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/k/kconnors/


preview/fldr_2009_08_19/file3431250743603.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 22

FILE8221314982253.JPG. Disponível em: http://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/s/seemann/


preview/fldr_2011_09_02/file8221314982253.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 23

1362536958QDVHF.JPG. Disponível em: http://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/p/phaewilk/03/l/


1362536958qdvhf.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 24

1381796411H98KK.JPG. Disponível em: https://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/l/larryfarr/


10/l/1381796411h98kk.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.
106
Figura 25

FIGUEIREDO A. As concepções de educação física no ocidente. Millenium, v. 3, n. 10, abr. 1998.


Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/ect10_abel.htm. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 26

CYBORGS.JPG. Disponível em: http://media.medicalbag.com/images/2016/02/09/cyborgs.jpg.


Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 31

FILE000546355870.JPG. Disponível em: http://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/r/rmpinho/


preview/fldr_2005_04_17/file000546355870.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 32

OSLO_PANORAMA-90KB.JPG. Disponível em: https://www.oslo.kommune.no/getfile.php/Innhold/Oslo_


Panorama-90kb.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 33

NIAMEYCART.JPG. Disponível em: https://www.arm.gov/images/cms/niameycart.jpg. Acesso em: 15 dez.


2016.

Figura 34

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Relatório de Desenvolvimento Humano


2015. O trabalho como motor do desenvolvimento humano. PNUD, p. 233, 2015. Disponível em:
http://www.undp.org/content/dam/brazil/docs/RelatoriosDesenvolvimento/undp-br-hdr_ptBR-2015.
pdf?download. Acesso em: 15 nov. 2016.

Figura 39

1432568876O3IVZ.JPG. Disponível em: https://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/p/


PercyPants/05/l/1432568876o3ivz.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 40

1368388513MS712.JPG. Disponível em: https://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/k/


Karpati%20Gabor/05/l/1368388513ms712.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

107
Figura 41

1459578449PBK4J.JPG. Disponível em: https://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/d/


DodgertonSkillhause/04/l/1459578449pbk4j.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 42

14288417526PHQ9.JPG. Disponível em: http://cdn.morguefile.com/imageData/public/files/g/


GaborfromHungary/04/l/14288417526phq9.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 44

3A28453R.JPG. Disponível em: http://cdn.loc.gov/service/pnp/cph/3a20000/3a28000/3a28400/3a2845


3r.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

Figura 45

1DF0292928C4D7C841F0E99377D508CC.JPG. Disponível em: https://cdn.morguefile.com/imageData/public/


files/l/lauramusikanski/08/p/1df0292928c4d7c841f0e99377d508cc.jpg. Acesso em: 15 dez. 2016.

REFERÊNCIAS

Audiovisual

TEMPOS modernos. Dir. Charles Chaplin. Estados Unidos: Charles Chaplin Productions, 1936. 89 minutos.

Textuais

AGOSTINHO, S. Confissões. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

ALMEIDA, C.; PETRAGLIA, I. Estudos de complexidade 2. São Paulo: Xamã, 2008.

ALMEIDA, F. S.; BELLO, O. D. Experiência estética e corporeidade: a arte como espaço de significação do
corpo. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRABALHO DOCENTE E PROCESSOS EDUCATIVOS, 3., 2015,
Uberaba. Anais... Uberaba: Uniubes, 2015.

ALMEIDA, M. A. B.; GUTIERREZ, G. L. Políticas públicas de lazer e qualidade de vida: A contribuição


do conceito de cultura para pensar as políticas de lazer. In: VILLARTA, R. Qualidade de vida e políticas
públicas: saúde, lazer e atividade física. Campinas: Ipes, 2004.

ALMEIDA, M. A. B.; GUTIERREZ, G. L.; MARQUES, R. Qualidade de vida: definições, conceitos e interfaces
com outras áreas de pesquisa. São Paulo: EACH/USP, 2012. Disponível em: http://each.uspnet.usp.br/
edicoes-each/qualidade_vida.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

108
ALMEIDA, M. A. B.; ROSE JÚNIOR, D. Fenômeno esporte: relações com a qualidade de vida. In: VILARTA,
R.; GUTIERREZ, G. L.; MONTEIRO, M. I. Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século
XXI. Campinas: Ipes, 2010.

ALVES, E. et al. Prevalência de sintomas de anorexia nervosa e insatisfação com a imagem corporal em
adolescentes do sexo feminino do município de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Caderno de Saúde
Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 503-512, 2008.

ALVIM, M. B. Ato artístico e ato psicoterápico como experimentação: diálogos entre a fenomenologia
de Merleau-Ponty, a arte de Lygia Clark e a Gestalt-Terapia. 2007. Tese (Doutorado em Psicologia) –
Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

BARBOSA, S. R. C. S. Qualidade de vida e ambiente: uma temática em construção. In: ___. A temática
ambiental e a pluralidade do ciclo de seminários do Nepam. Campinas: Unicamp, 1998.

BARROSO, W. et al. Influência da atividade física programada na pressão arterial de idosos hipertensos
sob tratamento não farmacológico. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 54, n. 4,
p. 328-333, jul./ago. 2008.

BOSI, M. L. M. et al. Autopercepção da imagem corporal entre estudantes de nutrição: um estudo no


município do Rio de Janeiro. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 55, n. 2, p. 108-113, 2006.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.615, de 24
de março de 1998. Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. Brasília, 1998.
Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9615consol.htm. Acesso em: 3 nov. 2016.

CAMARGO, T. P. P. et al. Vigorexia: revisão dos aspectos atuais deste distúrbio de imagem corporal. Revista
Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 2, n. 1, jun. 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/
scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-91452008000100003. Acesso em: 3 nov. 2016.

CARDIM, L. N. Corpo. São Paulo: Globo, 2009.

CARVALHO, Y. M. O mito da atividade física e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001.

CAVALCANTI, D. R. M. O surgimento do conceito corpo: implicações da modernidade e do individualismo.


Revista Eletrônica de Ciências Sociais, Salvador, n. 9, p. 53-60, set. 2005.

CESTARI, M. E. Agir comunicativo, educação e conhecimento: uma aproximação ao pensamento de


Habermas. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 55, n. 4, p. 430-433, jul./ago. 2002.

CLEARY, P. D.; WILSON, P. D.; FOWLER, F. J. Health-related quality of life in HIV-infected persons: a
conceptual model. In: DIMSDALE, J. E.; BAUM, A. Quality of life in behavioral medicine research. New
Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1995.

109
COI confirma suspensão do atletismo russo. Terra, 21 jun. 2016. Disponível em: https://noticias.terra.
com.br/coi-confirma-suspensao-do-atletismo-russo,6bb35f46160a7e49c8a2fe0f28b33a96v4dgq0ig.
html. Acesso em: 3 nov. 2016.

COLBERG, S. Atividade física e diabetes. Barueri: Manole, 2003.

CONDRADE, T. V. L. et al. Humanização da saúde na formação de profissionais da fisioterapia.


Revista Equilíbrio Corporal e Saúde, v. 2, n. 2, p. 25-35, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.
net/11449/114960. Acesso em: 4 nov. 2019.

DANTAS, R. A. S.; SAWADA, N. O.; MALERBO, M. B. Pesquisa sobre qualidade de vida: revisão de produção
científica das universidades públicas do estado de São Paulo. Revista Latino-Americana de Enfermagem,
Ribeirão Preto, v. 11, n. 4, p. 532-538, jul./ago. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0104-11692003000400017. Acesso em: 3 nov. 2016.

DEARO, G. Suécia recusa Jogos de 2022 para não usar dinheiro público. Exame, 23 jan. 2014.
Disponível em: http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/suecia-recusa-jogos-de-2022-para-nao-
usar-dinheiro-publico. Acesso em: 3 nov. 2016.

DENTZ, R. A. Corporeidade e subjetividade em Merleau-Ponty. Intuitio, v. 1, n. 2, p. 298-307, 2008.


Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/4238/3356.
Acesso em: 3 nov. 2016.

DESCARTES, R. Discurso del método. Buenos Aires: Colihue, 2009.

DEZAN, F. F.; MACHADO, A. A. Vigorexia e rede social virtual. Coleção Pesquisa em Educação Física,
v. 10, n. 6, p. 153-160, 2011.

DUBY, G. Idade Média, idade dos homens: do amor e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

FEITOSA FILHO, O. A. Vigorexia: uma leitura da psicanalítica. 2008. Dissertação (Mestrado em Psicologia)
– Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2008. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/
riufc/6787/1/2008-DIS-OAFFILHO.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

FERRO, F. F. Instrumentos para medir a qualidade de vida no trabalho e a ESF: uma revisão de literatura.
2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família) –
Universidade Federal de Minas Gerais, Brumadinho, 2012.

FIGUEIREDO, A. As concepções de educação física no ocidente. Millenium, v. 3, n. 10, abr. 1998.


Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/ect10_abel.htm. Acesso em: 31 out. 2016.

FLECK, M. P. A. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida


“WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 178-183, abr. 2000. Disponível em:
http://www.revistas.usp.br/rsp/article/viewFile/25001/26829. Acesso em: 3 nov. 2016.
110
FLECK, M. P. A. Qualidade de vida (WHOQOL). Programa de Pós-Graduação em Psiquiatria da Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, 1998. Disponível em: https://www.ufrgs.br/qualidep/qualidade-de-vida.
Acesso em: 3 nov. 2016.

FLECK, M. P. A. et al. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da


Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100). Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 198-205,
abr. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v33n2/0061.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

FLECK, M. P. A. et al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de


vida da Organização Mundial de Saúde (WHOQOL-100). Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 21, n.
1, jan./mar. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-
44461999000100006. Acesso em: 3 nov. 2016.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FRANCO, M. A.; MENDES, M. I. B. Fenomenologia e educação física: uma revisão dos conceitos do corpo e
motricidade. Motrivivência, v. 27, n. 45, p. 209-218, set. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.
php/motrivivencia/article/viewFile/2175-8042.2015v27n45p209/30206. Acesso em: 3 nov. 2016.

GALLO, S. Corpo ativo e a filosofia. In: MOREIRA, W. W. Século XXI: a era do corpo ativo. Campinas:
Papirus, 2006.

GIACOMONI, C. H. Bem-estar subjetivo: em busca da qualidade de vida. Temas em Psicologia-SBP,


Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 43-50, 2004. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v12n1/
v12n1a05.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

GONÇALVES, A.; VILARTA, R. Qualidade de vida: identidades e indicadores. In: ___. Qualidade de vida e
atividade física: explorando teorias e práticas. Barueri: Manole, 2004.

GONÇALVES, A. WHOQOL: antes, durante, depois e agora. In: VILARTA, R.; GUTIERREZ, G. L.; MONTEIRO,
M. I. Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século XXI. Campinas: Ipes, 2010.

GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar, agir: corporeidade e educação. 15. ed. Campinas: Papirus, 2012.

GUITERAS, A. F.; BAYÉS, R. Desarollo de um instrumento para la medida de la calidad em enfermidades


crônicas. In: FORNES, M.; ANGUERA, M. T. Aportaciones recientes a la evaluación psicológica.
Barcelona: Universitas, 1993.

GUTIERREZ, G.; ALMEIDA, M. Conflito e gestão da qualidade de vida nas organizações. In: VILARTA, R.
Qualidade de vida e fadiga institucional. Campinas: Ipes, 2006.

HERCULANO, S. C. A qualidade de vida e seus indicadores. In: HERCULANO, S. C. et al. Qualidade de


vida e riscos ambientais. Niterói: Eduff, 2000.

111
HUIZINGA, J. O declínio da Idade Média. 2. ed. Lisboa: Ulisseia, [s.d.].

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). O índice de desenvolvimento humano


municipal brasileiro. In: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Brasília: PNUD, Ipea, FJP,
2013. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/130729_AtlasPNUD_2013.pdf.
Acesso em: 15 nov. 2016.

JOÃO, R. B.; BRITO, M. Pensando a corporeidade na prática pedagógica em educação física à luz do pensamento
complexo. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 263-272, jul./set. 2004.
Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rbefe/article/viewFile/16567/18280. Acesso em: 3 nov. 2016.

KLUTHCOVSKY, A. C. G. C.; TAKAYANAGUI, A. M. M. Qualidade de vida: aspectos conceituais. Revista


Salus, Guarapuava, v. 1, n. 1, p. 13-15, 2007.

LAMBERTUCCI, R. H. et al. Corpo ativo e saúde. In: MOREIRA, W. W. Século XXI: a era do corpo ativo.
Campinas: Papirus, 2006.

LIMA, L. D.; MORAES, C. M. B.; KIRSTEN, V. R. Dismorfia muscular e o uso de suplementos ergogênicos
em desportistas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 16, n. 6, p. 427-430, nov./dez. 2010.
Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922010000600006&lng=
pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 3 nov. 2016.

LOVISOLO, H. Atividade física e saúde: uma agenda sociológica de pesquisa. In: MOREIRA, W. W.;
SIMÕES, R. Esporte como fator de qualidade de vida. Piracicaba: Unimep, 2002.

MACHADO, B. F. G. Visão e corporeidade em Merleau-Ponty. Argumentos, v. 2, n. 3, p. 82-88, 2010.


Disponível em: http://periodicos.ufc.br/index.php/argumentos/article/download/208/208. Acesso em: 3
nov. 2016.

MACHADO, R. F. Humanidade, saúde e crise de corporeidade na pós-modernidade. Teocomunicação,


Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 315-324, jul./dez. 2011. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/
index.php/teo/article/view/9760/6690. Acesso em: 3 nov. 2016.

MARQUES, R. F. R.; GUTIERREZ, G. L.; MONTAGNER, P. C. Esporte e qualidade de vida: perspectiva para
o início do século XXI. In: VILARTA, R.; GUTIERREZ, G. L.; MONTEIRO, M. I. Qualidade de vida: evolução
dos conceitos e práticas no século XXI. Campinas: Ipes, 2010.

MARTIN, A. J.; STOCKLER, M. Quality of life assessment in health care research and practice. Evaluation
& Health Professions, v. 21, n. 2, p. 141-156, 1998.

MARX, K.; ENGELS, F. O manifesto comunista. São Paulo: Contraponto, 1998.

MELANI, R. Mundo, corpo e fragmentação. In: ZOBOLI, F.; BARRETO, S. J. Motricidade humana: a práxis
do possível. São Cristóvão: UFS, 2011.
112
MENDONÇA, C. P.; ANJOS, L. A. Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do
crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 698-
709, maio/jun. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v20n3/06.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

MERLEAU-PONTY, M. Estrutura do comportamento. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MINAYO, M. C. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, v. 5, n. 1,
p. 7-18, 2000.

MODENEZE, D. M.; VILARTA, R. A evolução das abordagens conceituais sobre a prática da atividade
física relacionada à saúde e qualidade de vida. In: VILARTA, R.; GUTIERREZ, G. L.; MONTEIRO, M. I.
Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século XXI. Campinas: Ipes, 2010.

MORAIS, J. F. R. Consciência corporal e dimensões do futuro. In: MOREIRA, W. W. Educação física e


esportes: perspectiva para o século XXI. 15. ed. São Paulo: Papirus, 2008.

MOREIRA, W. W. Educação física e esportes: perspectiva para o século XXI. 15. ed. Campinas: Papirus, 2008.

MOREIRA, W. W. Século XXI: a era do corpo ativo. Campinas: Papirus, 2006.

MOREIRA, W. W. et al. Corporeidade aprendente: a complexidade do aprender a viver. In: MOREIRA,


W. W. Século XXI: a era do corpo ativo. Campinas: Papirus, 2006.

MOREIRA, W. W.; NÓBREGA, T. P. Fenomenologia, educação física, desporto e motricidade: convergências


necessárias. Cronos, Natal, v. 9, n. 2, p. 349-360, jul./dez. 2008. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/
cronos/article/view/1781/pdf_31. Acesso em: 3 nov. 2016.

MOREIRA, W. W.; SIMÕES, R. Educação física, esporte e o fenômeno corporeidade. In: GAIO, R.; SEABRA
JÚNIOR, L.; DELGADO, M. A. formação profissional em educação física. Várzea Paulista: Fontoura, 2013.

MOREIRA, W. W; SIMÕES, R.; CARBINATTO, M. V. Corporeidade e esporte: exigências na formação


profissional na área da educação física e esportes. In: MOREIRA, W. W. et al. Educação Física, Esportes,
Saúde e Educação. Uberaba: UFTM, 2010.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida
ativo. 3. ed. Londrina: Midiograf, 2003.

NAHAS, M. V.; BARROS, M. V.; FRANCALACCI, V. L. O pentáculo do bem-estar: base conceitual para
avaliação do estilo de vida de indivíduos ou grupos. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde,
v. 5, n. 2, p. 48-59, 2001. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBAFS/article/
download/1002/1156. Acesso em: 3 nov. 2016.
113
NASCIMENTO, S.; BAUAB, F. P. As novas relações entre o homem, a técnica e a natureza no renascimento.
Perspectiva Geográfica, n. 6, p. 91-110, 2010. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/
pgeografica/article/download/8373/6191. Acesso em: 3 nov. 2016.

NEUMAN, C. Marcas de grife têm vergonha de seus clientes mais pobres, diz Data Popular. UOL Economia.
3 fev. 2014. Disponível em: http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2014/02/03/marcas-de-grife-
tem-vergonha-de-clientes-mais-pobres-diz-data-popular.htm. Acesso em: 3 nov. 2016.

NEVES, L. A. Corporeidade: uma filosofia de atuação na educação física. 2009. Trabalho de Conclusão de
Curso (Graduação em Educação Física). Universidade Federal de Juiz de Fora (MG), Juiz de Fora, 2009.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 1987.

NIETZSCHE, F. Vontade de potência. Petrópolis: Vozes, 2011.

NÓBREGA, T. P. Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos da Psicologia,


Natal, v. 13, n. 2, p. 141-148, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-
294X2008000200006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 3 nov. 2016.

NÓBREGA, T. P. Merleau-Ponty: o filósofo, o corpo e o mundo de toda a gente! In: CONGRESSO


BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 15., 2007, Recife. Anais eletrônicos... Recife: Conbrace, 2007.
Disponível em: http://www.cbce.org.br/docs/cd/resumos/129.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

OCARINO, N. M.; SERAKIDES, R. Efeito da atividade física no osso normal e na prevenção da osteoporose.
Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 12, n. 3, p. 164-168, maio/jun. 2006. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922006000300011&lng=pt&nrm=iso
&tlng=pt. Acesso em: 3 nov. 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Carta
internacional da educação física e do esporte da Unesco. Unesco, 1978. Disponível em: http://unesdoc.
unesco.org/images/0021/002164/216489por.pdf. Acesso em: 15 nov. 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Carta de Ottawa. Promoção da saúde nos países
industrializados. Biblioteca Virtual em Saúde. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO
DA SAÚDE, Ottawa, 17-21 nov. 1986. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/carta_
ottawa.pdf. Acesso em: 15 set. 2016.

PAPALIA, D. E.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento humano. 12. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

PATRICK, D. L.; ERICKSON, P. Concepts of health-related quality of life. In: MURRAY, C. J. L. Designing
and implementing a national burden of disease study. New York: Harvard Center for Population and
Development Studies, 1993.

114
PEREIRA, R. J. et al. Contribuições dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade
de vida global de idosos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 28, n. 1, p. 27-38,
jan./abr. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
81082006000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 3 nov. 2016.

PERINI, T. A. et al. Transtornos do comportamento alimentar em atletas de elite de nado sincronizado.


Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 15, n. 1, p. 54-57, jan./fev. 2009. Disponível em: http://
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100012. Acesso em: 3 nov. 2016.

PIRES, C. A. Qualidade de vida: estudo comparativo entre idosos que frequentam e não frequentam
centros de convívio. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia) – Universidade
Fernando Pessoa, Porto, 2007.

PLATÃO. Fédon. São Paulo: Nova Cultura, 1999.

PLATÃO. República. 3. ed. Belém: UFPA, 2000.

POPE JUNIOR, H.; PHILLIPS, K.; OLIVARDIA, R. O complexo de Adônis: obsessão masculina pelo corpo.
Rio de Janeiro: Campus, 2000.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Desenvolvimento Humano e


IDH. PNUD, 2016. Disponível em: http://www.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0.html. Acesso em:
15 nov. 2016.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Relatório de Desenvolvimento


Humano 2015. O trabalho como motor do desenvolvimento humano. PNUD, 2015. Disponível em:
http://www.undp.org/content/dam/brazil/docs/RelatoriosDesenvolvimento/undp-br-hdr_ptBR-2015.
pdf?download. Acesso em: 15 nov. 2016.

QUEIROZ, J. J. Educação e corporeidade: contribuições do pensamento complexo. In: ALMEIDA, C.;


PETRAGLIA, I. Estudos de complexidade 2. São Paulo: Xamã, 2008.

RECHINELI, A.; PORTO, E. T. R.; MOREIRA, W. W. Corpos deficientes, eficientes e diferentes:


uma visão a partir da educação física. Rev. Bras. Educ. Espec., Marília, v. 14, n. 2, p. 293-310,
ago. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
65382008000200010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 4 nov. 2019.

REIS JUNIOR, D. R. Qualidade de vida no trabalho: construção e validação do questionário QWLQ-78.


2008. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Tecnológica do Paraná, 2008.

RIBEIRO, L. G.; VEIGA, G. L. Imagem corporal e comportamentos de risco para transtornos alimentares em
bailarinos profissionais. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 99-102, 2010.

115
SAIKALI, C. J. et al. Imagem corporal nos transtornos alimentares. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo,
v. 31, n. 4, p. 164-166, 2004.

SANTIN, S. Cultura corporal e qualidade de vida. Revista Kineses, Santa Maria, v. 27, p. 116-186, 2002.

SANTIN, S. Educação física e desportos: uma abordagem filosófica da corporeidade. Revista Kineses,
Santa Maria, p. 143-156, 1984.

SANTIN, S. Perspectiva na visão da corporeidade. In: MOREIRA, W. W. Educação física e esportes:


perspectivas para o século XXI. 15. ed. Campinas: Papirus, 2008.

SCHERER, F. C. et al. Imagem corporal e adolescentes: associação com a maturação sexual e sintomas
de transtornos alimentares. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 59, n. 3, p. 198-202, 2010.

SCORSOLINI-COMIN, F.; AMORIM, K. S. Corporeidade: uma revisão crítica da literatura científica.


Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 189-214, jun. 2008.

SEIDL, E. M. F.; ZANNON, C. M. L. C. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos.


Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 580-588, mar./abr. 2004.

SÉRGIO, M. Motricidade humana: uma ciência do homem. Lisboa: MEC/DGO, 1986.

SILVA, L. R. T. A corporeidade expressa pela dança no catolicismo. In: SEMINÁRIO NACIONAL CORPO E
CULTURA, 4., 2013, Goiânia. Anais... Goiânia, 2013.

SILVEIRA, F. A. Corpos enredados – germinados: a questão do corpo em Foucault e Merleau-Ponty.


Memorandum, Ribeirão Preto, n. 13, p. 73-87, 2007.

SILVEIRA, F. A.; FURLAN, R. Corpo e alma em Foucault: postulados para uma metodologia da psicologia.
Psicologia USP, v. 14, n. 3, p. 171-194, 2003.

SOLER, P. T. et al. Vigorexia e níveis de dependência de exercício em frequentadores de academias e


fisiculturistas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 19, n. 5, p. 343-348, set./out. 2013.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6. ed. Porto
Alegre: Artmed, 2012.

TOJAL, J. B. A motricidade humana no Brasil: perspectivas futuras. In: ZOBOLI, F.; BARRETO, S. J.
Motricidade humana: a práxis do possível. São Cristóvão: UFS, 2011.

VECCHIA, R. D. et al. Qualidade de vida na terceira idade: um conceito subjetivo. Revista Brasileira de
Epidemiologia, Botucatu, v. 8, n. 3, p. 246-252, set. 2005.

VIEIRA, J. L. L. et al. Distúrbios de atitudes alimentares e distorção da imagem corporal no contexto


competitivo da ginástica rítmica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 15, n. 6, p. 410-414,
nov./dez. 2009.
116
VILELA, E. M.; MENDES, I. J. M. Interdisciplinaridade e saúde: estudo bibliográfico. Revista Latino-Americana
de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 11, n. 4, p. 525-531, jul./ago. 2003.

WHOQOL. Programme on mental health. WHOQOL: measuring quality of life. Division of mental health
and prevetion of substance abuse. World Health Organization, 1997. Disponível em: http://www.who.
int/mental_health/media/68.pdf. Acesso em: 15 dez. 2016.

WHOQOL GROUP. The world health organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper
from the world health organization. Social Science & Medicine, v. 41, n. 10, p. 1.403-1.409, 1995.

ZOBOLI, F.; BARRETO, S. J. Introdução. In: ZOBOLI, F.; BARRETO, S. J. Motricidade humana: a práxis do
possível. São Cristóvão: UFS, 2011.

Site

https://www.ufrgs.br/qualidep/qualidade-de-vida

Exercícios

Unidade I – Questão 1: INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO


TEIXEIRA (INEP). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2007: Educação física.
Questão 14. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/enade/2007/provas_gabaritos/
prova.EF.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

Unidade I – Questão 2: INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO


TEIXEIRA (INEP). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2007: Educação física.
Questão 19. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/enade/2007/provas_gabaritos/
prova.EF.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

Unidade II – Questão 1: INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO


TEIXEIRA (INEP). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2010: Serviço social.
Questão 5. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/provas/2010/servico_
social_2010.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

Unidade II – Questão 2: INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO


TEIXEIRA (INEP). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2011: Educação física.
Questão 18. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/provas/2011/
EDUCACAO_FISICA.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

117
118
119
120
Informações:
www.sepi.unip.br ou 0800 010 9000

Você também pode gostar