Você está na página 1de 26

APOSTILAS

MON'A'XÍ

SAÍDA DE
SANTO
(CANDOMBLÉ ANGOLA)
AO LEITOR

Apostilas Mon'a'xí mais uma vez trazendo informação para você.


De forma simples e prática, fazemos seu intendimento ser muito mais preciso e
complexo.
Em nosso material focamos sempre a informação de modo que incentive o estudo e
aperfeiçoamento de conhecimento dentro da religião, procuramos utilizar uma
linguagem ''informal'', ou seja, uma linguagem fora da gramática linguística culta.
Mas não para desmoralizar os dialetos, e sim, fazer que o entendimento seja
satisfatório.
Não adianta criar um documento totalmente dotado de palavras formais e até mesmo
utilizar os verdadeiros dialetos, pois, muitas pessoas não teriam noção do que
realmente está escrito ali.
Dentro deste conceito que desenvolvemos então nosso material, simples, mas preciso.
Ao decorrer da leitura, você observará todos os registros sobre o assunto referido e ter
a certeza de como fazer e proceder com o mesmo.
É importante lembrar sempre que, ninguém faz nada igual a ninguém e logo, pode
acontecer de algumas informações serem adversas de outras que você já possui
conhecimento. Porém sempre deve ser visado que conhecimento nunca é demais, e
tudo o que aprendemos na vida há ela deve ser agregado.
Nosso material é produzido a partir de depoimentos de pessoas antigas da religião,
não com o intuito de banalizar a mesma, mas sim, de propagar o conhecimento para
evitar que ela se perda e que seja praticada de forma errada.
Sugiro que para tornar sua assimilação mais precisa agregue o conteúdo de uma
apostila com o de outra, pois existem informações que estão divididas em outros
exemplares.

Boa leitura.
NOTA

No material a seguir falaremos de um assunto não


muito complexo, mas muito importante para uma casa
ir para frente e levar sua raiz a sério. Na apostila
Saída de Santo (candomblé angola) mostraremos
detalhes da sala do candomblé desta nação tão bela.

O intuito e fazer que zeladores que não possuem


muito conhecimento de cantigas e fundamentos que se
deve fazer na hora de apresentar um título na sala
fique mais informado e posso honrar sua casa.

Muitos sacerdotes as vezes tem um grande axé e um


grande conhecimento de fundamentos, mas por terem
dificuldade em tocar uma sala acabam fechando as
portas de sua casa para fazer um candomblé fechado.

Vamos então entender como tudo isso funciona.

Boa leitura.
A SALA DO CANDONBLÉ

Muitos tem o costume de dizer que sala de candomblé é o de menos, pois o que
interessa realmente é o que se faz nos bastidores. É certo que isso seja muito
importante também, só que temos que entender que não adianta fazer todo
procedimento e não saber apresentá-lo ao mundo.

As cantigas que são entoadas durante as saídas tem todo um significado e são
essenciais para as divindades aceitarem o que está sendo feito.

Sua função é levar junto ao som dos atabaques a mensagem de que aquilo se
concretizou.

Veremos então as principais cantigas que existem dentro de uma casa angola.

SAÍDA DE INICIAÇÃO DE MUZENZAS (IAO)

A primeira saída de uma iniciação é aquela onde mostra que a muzenza passou pelos
atos da nação e está reverenciando Oxalá com o adobá e o paó em todos os cantos da
casa, porta, mina, atabaques, trono do dono da casa e nos pés do sacerdote.
Deve vir vestido de branco, pintado de branco, com o adoxú e deve ser guiado com
um alá branco.

(Barra vento)

E MUZENZA MAÓ
MUZENZÁ
MUZENZÁ AKEBÁ
E MUZENZÁ

A segunda saída mostrará que a muzenza passou pelos ritos e está sendo apresentada
a casa como uma muzenza que se tornou iao, mostra também as pinturas contra
doenças. Continua com roupa branca, não toma mais adobá e nem paó, só
cumprimenta os mesmos locais, usa-se pinturas coloridas e continua com o adoxú.

(Barra vento)

MUZENZÁ DIA LEKONGO


IAO
MUZENZÁ DIA LEKONGO
IA IA IAO
AE ZENZE
AE ZENZÁ
MUZENZA DIA LEKONGO
MUZENZÁ REUÁ

Na terceira saída, a muzenza vai mostrar que passou pelos ritos de iniciação e vai
então gritar o nome (ORUNCÓ), Virá sem nenhuma pintura, com roupas coloridas, e
com as penas do pombo que foi cortado para retirar o adoxú na cabeça. Será a partir
desta saída que tudo se concretizará e o iniciado passa a ser reconhecido de vez.

(Congo)

AE AE KAZENZE
AE AE KAZENZE KATULONDIRÁ
AE MUZENZÁ
KAZENZE KATULONDIRÁ
AE MUZENZÁ
KAZENZE KATULONDIRÁ

SAKE LAZENZÁ E MAÓ


E SAKE SAKE
SAKE LAZENZÁ E MAÓ
EUANANGUÊ

Apresentar qual e o santo que está nascendo, escolher um padrinho ou madrina para
dar o nome.
O padrinho deve levar o orixá no meio da casa, pedir para que o mesmo fale o oruncó
em seu ouvido três vezes perguntando sempre se alguém escutou. Após então a
terceira pergunta o padrinho deve então pedir para o santo girar três vezes e gritar seu
oruncó bem alto.

O orixá deverá então rodar três vezes e na terceira o padrinho deve dizer em bom tom

ZUÉLA DJINA AUETO !!!

O orixá vai pular e gritar seu oruncó.

Neste mesmo momento devem todos começar a cantar para apresentar a zambi que
aquele nasceu e vem pedir tudo de bom para sua vida.
(Congo)

ZAMBE MONA ZACUTALÁ


ZAMBE MUZAMBE

(Barra vento)

EUA ZAMBI
EUA ZAMBI
EUA ZAMBE
BO KUIZA TO IZO
EUA ZAMBE

ZAMBE KEUALÁ
ZAMBE KEUALÁ
ZAMBE KEUALÁ
O BENGUELA
ZAMBE KEUALÁ

ZAMBE NAKUATESÁ
AUETO
ZAMBE NAKUATESÁ
AUETO

Neste momento todos com menos de sete anos de santo estarão virados, colocar todos
para dançar para zambi.

Cantar então para a muzenza entrar e em seguida os demais que virarão.

(Congo)

BROCOIÓ
BROCOIÓ
BROCOIÓ ARUANDE
BROCOIÓ
BROCOIÓ
BROCOIÓ ARUANDA

Na quarta saída, virá o orixá com sua roupa de luxo, com seus adornos e tudo que tem
direito.

Para santos homens (boró) canta-se:


(Congo)

MAIANGO
MAIANGO
KE SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com o rum.

No caso de orixás mulheres (iabas) canta-se:

(Cabula)

A
KI MEME SUE
XIMBENGANGA
E DA POXI
KEUAME MAMETO IO
XIMBENGANGA

E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ
E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ

(Barra vento)

DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEÃ
DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEUANGÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com o rum.

No caso de sair um barco com iabas e borós cantar então a cantiga do mais velho do
barco, ou seja do primeiro pela hierarquia, porém antes de começar a dar rum nas
iabas sempre se deve cantar o que vimos acima e depois prosseguir com o rum .
A quinta parte e a entrada para o roncó. Fazer o santo cumprimentar toda a casa e
entrar de frente para o público.

Canta-se então:

(Barra vento)

XALE
XALE
OIO MI
BROKOIZA
XALE
XALE
OIO MI
BROKOIZA

SAÍDA DE INICIAÇÃO DE KAMBONDO E MAKOTA (OGÃ E EKEDJI)

Ogãs e ekedjis não passam pelos mesmos ritos de saída na sala, o que sempre é feito
é uma primeira apresentação e depois a entrega do cargo, veja como acontece.

Na primeira saída, o iniciado deve vir com uma roupa bem simples, sem nada na
cabeça, usar apenas uma pena de acordo com o que a casa manda, geralmente usa-se
ecodidé. As roupas devem ser brancas e usar apenas um fio de conta simples branco.
Apresentar o mesmo a todos os cantos da casa e levar direto para o roncó.

Não se canta nada, apenas toca-se um CABULA e vai saldando o orixá que o mesmo
pertence.

Ao entrar, o escolhido a vestir o orixá para tirar o nome do iniciado deve entrar na
roda para ser tomado pelo seu santo, este deve ser um ebomi. Deve então cantar para
o mesmo entrar em transe:

(Barra vento)

KONGO EUÁ TALA


KONGO EUÁ TALA
KONGO EU AME
PROKOIZA NU KONGO EUAME
Após acontecer o transe, levar o santo para dentro.
Fazer o santo cumprimentar toda a casa e entrar de frente para o público.

Para isso se canta:

SALE
SALE
BOIO MI BROKOIZA
SALE
SALE
BOIO MI BROKOIZA

Na segunda saída o iniciado deve vir com sua roupa de gala de acordo com o que a
casa predomina, com a faixa que possui o nome de seu cargo e guiado pelo santo que
deverá já estar paramentado. Esta saída será para apresentar o ogã ou ekedji na sala,
mostrar seu cargo, dar seu nome e cantar para o mesmo.
Canta-se então:

Para santos homens (boró) canta-se:

(Congo)

MAIANGO
MAIANGO
KE SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com a apesentação.

No caso de orixás mulheres (iabas) canta-se:

(Cabula)

A
KI MEME SUE
XIMBENGANGA
E DA POXI
KEUAME MAMETO IO
XIMBENGANGA

E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ
E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ

(Barra vento)

DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEÃ
DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEUANGÁ

Apresentar o iniciado(os) nos cantos da casa e prosseguir com a apresentação.

No caso de acontecer uma saída de ogã e ekedji ao mesmo tempo a cantiga de saída é
de acordo com o santo que está guiando ambos. A hierarquia continua predominando
como acima.

Fazer então a apresentação de quem é o iniciado, falar qual será o seu cargo na casa.
Neste caso para dar o nome não precisará de padrinho ou madrinha, basta pedir para
o orixá que conduziu o mesmo até a sala ir ao centro do barracão, girar e gritar o
nome.

Após o nome ser rogado canta-se:

(Congo)

ZAMBE MONA ZACUTALÁ


ZAMBE MUZAMBE

(Barra vento)

EUA ZAMBI
EUA ZAMBI
EUA ZAMBE
BO KUIZA TO IZO
EUA ZAMBE

ZAMBE KEUALÁ
ZAMBE KEUALÁ
ZAMBE KEUALÁ
O BENGUELA
ZAMBE KEUALÁ

ZAMBE NAKUATESÁ
AUETO
ZAMBE NAKUATESÁ
AUETO

O santo e o iniciado deve então dançar juntos, todos devem começar a cantar para
apresentar a zambi que aquele nasceu e vem pedir tudo de bom para sua vida.

Da mesma forma todos com menos de sete anos já estarão virados, pedir então que
desvire-os.

Logo o orixá deve colocar o iniciado no trono, o orixá vai dar adobá nos pés do
iniciado e trocará benção com o mesmo. Isso mostra que aquele é um pai ou mãe que
cuidará deles.

Após então isso acontecer cantar para o cargo do iniciado de frente para ele(a) que
deverá estar sentado.

Para ogã canta-se:

(Cabula)

FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE
DIA TATA KAMBONDO
E DA POXI
A LODIDE
DIDE O
OIA E
OIA E
FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE O

Prosseguir com as seguintes cantigas, porém o mesmo deve levantar do trono e


deverá dançar junto com o orixá.
Para isso se canta:

(Cabula)

OIA JAMBRA
JAMBRA MATARE
OIA JAMBRA
JAMBRA MATARE
KAMBONDO
ZUELA NGOMA
OIA JAMBRA
JAMBRA MATARE
KAMBONDO
ZUELA NGOMA
OIA JAMBRA
JAMBRA MATARE

E TATA KAMBONDO E
E TATA KAMBONDO A
E TATA KAMBONDO E
E TATA KAMBONDO A

Sentar então o iniciado e colocar o santo para tomar rum.


Durante o rum os demais participantes da casa e visitantes devem tomar a benção do
iniciado de acordo com a hierarquia.

Para ekedji canta-se:

FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE
DIA MAKOTA
E DA POXI
A LODIDE
DIDE O
OIA E
OIA E
FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE O

Prosseguir com as seguintes cantigas, porém o mesmo deve levantar do trono e


deverá dançar junto com o orixá.

Para isso se canta:

(Barra vento)

A IA MAKOTA ZINGUE
A IA MAKOTA ZINGA
MAKOTA DIA LEKONGO
DIA LEKONGO E
MAKOTA DIA LEKONGO
DIA LEKONGO A

(Cabula)

MAKOTA DIA ANGOLA


MAFU JERERE
MAKOTA DIA ANGOLA
MAFU JERESSE

Sentar então o iniciado e colocar o santo para tomar rum.


Durante o rum os demais participantes da casa e visitantes devem tomar a benção do
iniciado de acordo com a hierarquia.

Após o rum terminar, cantar para o santo ir embora junto com o iniciado.
Fazer o santo cumprimentar toda a casa e entrar de frente para o público.

Canta-se:

(Barra vento)

XALE
XALE
OIO MI
BROKOIZA
XALE
XALE
OIO MI
BROKOIZA
ORIGAÇÃO DE 1 E 3 ANOS

Cada casa tem um ritual certo de como fazer, mas, em geral, pode ser feito da forma
que apresentaremos.

O obrigacionado(os) deve estar no roncó o tempo todo. Começar a festa e ir cantando


para todos os orixás, na hora de cantar para o santo do mesmo trazê-lo para a sala
cantando:

(Congo)

MONA ANGOLA
MUSSURU
AE AE AE
MONA ANGOLA
MUSSURU
AE AE AE

Nesta saída o obrigacionado deve estar com roupa de festa branca, tomar adobá de
toda a casa e dos mais velhos.

Após isso apresentar para o público qual obrigação está sendo empregada e colocar o
mesmo em seu lugar na roda.

Prosseguir a festa com a cantiga para o santo do mesmo, o obrigacionado deve tomar
adobá novamente, pois este será para seu orixá. Na hora que este entrar em transe,
levar para o roncó sem nenhuma cantiga. Deve dar continuidade na festa.

Na hora da saída o obrigacionado vem virado de santo, que já deve estar vestido.
Para isso se canta:

Para santos homens (boró) canta-se:

(Congo)
MAIANGO
MAIANGO
KE SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com o rum.

No caso de orixás mulheres (iabas) canta-se:

(Cabula)

A
KI MEME SUE
XIMBENGANGA
E DA POXI
KEUAME MAMETO IO
XIMBENGANGA

E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ
E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ

(Barra vento)

DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEÃ
DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEUANGÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com o rum.

No caso de uma saída com iabas e borós cantar então a cantiga do mais velho do
barco, ou seja do primeiro pela hierarquia, porém antes de começar a dar rum nas
iabas sempre se deve cantar o que vimos acima e depois prosseguir com o rum .

Terminado então o rum, cantar para o santo ir embora.


Fazer o santo cumprimentar toda a casa e entrar de frente para o público.

Canta-se:

(Barra vento)

XALE
XALE
OIO MI
BROKOIZA
XALE
XALE
OIO MI
BROKOIZA

OBRIGAÇÃO DE 7 ANOS (DEKÁ)

Está é uma obrigação complicada, pois cada casa faz um procedimento diferente ou
de acordo com sua raiz. Aqui vou demonstrar uma forma, mas convém a cada um
apurar como é feito na sua família de axé.

1° parte:

Nesta saída o iniciado vem de iao, careca dançando uma última muzenza, no caso
deve estar virado.
Deve-se então cantar todas as cantigas de uma saída de iniciação, fazer o santo tomar
adobá de todo o barracão.

Para isso se canta:

(Barra vento)

E MUZENZA MAÓ
MUZENZÁ
MUZENZÁ AKEBÁ
E MUZENZÁ

MUZENZÁ DIA LEKONGO


IAO
MUZENZÁ DIA LEKONGO
IA IA IAO

AE ZENZE
AE ZENZÁ
MUZENZA DIA LEKONGO
MUZENZÁ REUÁ

(Congo)

AE AE KAZENZE
AE AE KAZENZE KATULONDIRÁ
AE MUZENZÁ
KAZENZE KATULONDIRÁ
AE MUZENZÁ
KAZENZE KATULONDIRÁ

SAKE LAZENZÁ E MAÓ


E SAKE SAKE
SAKE LAZENZÁ E MAÓ
EUANANGUÊ

Após isso, apresentar então o que está acontecendo. Tirar todos os fios de contas,
mocam, senzala e o pano que estará no ombro ou no busto do santo. Fazer então uma
trouxa com tudo e pedir para o santo entregar ao padrinho ou madrinha de oruncó.
Caso o mesmo(a) não se encontre presente, deve-se entregar a uma pessoa da casa
que já tenha mais de sete anos de santo tomado. Este será o padrinho de deká.

Para isso se canta:

(Cabula)

GUIA K'UNZAMBE
GUIA KUNSALE
SALERU KUTA
LEMBE
LEMBE
A GUIA MAMA
O GUIA MAMA

Após isso o escolhido, junto do zelador devem levar o santo para dentro com a
mesma cantiga.
Fazer o santo saudar toda a casa, pois está será sua despedida do mundo de iao, levá-
lo para dentro sem dar as costas para o público.
O mesmo deve ser muito aplaudido.
2° parte:

Nesta saída o iniciado então receberá seu título de sacerdote, ele virá vestido com sua
roupa de luxo, torço no caso de mulher e filá no caso de homem, com sandálias e
tudo que a casa tenha costume de usar. Só não deve vir com fio de conta algum, pois
isso será recebido na hora do ato.

Junto deve vir o padrinho de deká com a cuia que tem todos os objetos pertencentes
ao novo sacerdote, ekedjis, e o zelador.

Fazer o mesmo saudar toda a casa, mas sem colocar o ori no chão, apenas
cumprimentar e depois sentar o mesmo no trono.

Para isso se canta:

(Congo)

A INGUE INGUEA
INGUE AME
A INGUE INGUEA
INGUE AME

Após sentar o mesmo no trono, todos devem fazer silêncio. Fazer então um discurso,
dar conselhos e apresentar tudo que o mesmo está recebendo.
Tirar então de dento da cuia todos os fios de conta que o sacerdote passará a usar, e
pedir para que todos os ebomes de confiança que estejam presentes colocar em seu
pescoço desejando seus votos.
A apresentação deve ser feita como de costume de cada um.
Por último você deve colocar o runjebe ou fio de conta de máximo grau de sua casa
no pescoço do novo sacerdote.
Pedir então para que o padrinho de deká confirme o obi em um prato com uma
quartinha.
Feito isso então, você deve pegar a cuia e entregá-la nas mãos do novo sacerdote que
entrará em transe na mesma hora.

Feito isso deverá levantar o santo, tirar a cuia de suas mãos e colocar as mesmas para
as costas, ali será definitivo. Tirar as sandálias e começar a cantar para seu cargo. Dar
a cuia novamente na mão do santo para ele dançar com ela

e começar a cantar:

Se for homem (TATA NKISI):

(Cabula)
FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE
DIA TATETO
E DA POXI
A LODIDE
DIDE O
OIA E
OIA E
FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE O

BANDA GIRA E
BANDA GIRA
BANDA GIRA E TATETO
BANDA GIRA E TATETO

(Barra vento)

E TATA
E TATA
E TATA E
E TATA
E TATA
E TATA E
E TATA DIA NKISI
E TATA E
E TATA DIA NKISI
E TATA E

EU ANANGUE
EU ANANGUE
EUA ANANGUE

Com esta mesma cantiga fazer então o santo entrar para o roncó para se vestir, fazer o
mesmo cumprimentar toda a casa e entra de frente para o público.

Se for mulher (MAMETU NKISI):


(Cabula)

FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE
DIA MAMETU
E DA POXI
A LODIDE
DIDE O
OIA E
OIA E
FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE O

BANDA GIRA E
BANDA GIRA
BANDA GIRA E MAMETO
BANDA GIRA E MAMETO

MAMA ANGOLA E
E DIA ANGOLA E
E DIA ANGOLA E
E DIA ANGOLA

EU ANANGUE
EU ANANGUE
EUA ANANGUE

Com esta mesma cantiga fazer então o santo entrar para o roncó para se vestir, fazer o
mesmo cumprimentar toda a casa e entra de frente para o público.

3° parte:

Nessa parte é a hora do rum, o santo vai vir com sua roupa de luxo.
Para isso cantar:

Para santos homens (boró) canta-se:


(Congo)

MAIANGO
MAIANGO
KE SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com o rum.

No caso de orixás mulheres (iabas) canta-se:

(Cabula)

A
KI MEME SUE
XIMBENGANGA
E DA POXI
KEUAME MAMETO IO
XIMBENGANGA

E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ
E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ

(Barra vento)

DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEÃ
DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEUANGÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com o rum.

No caso de uma saída com iabas e borós cantar então a cantiga do mais velho do
barco, ou seja do primeiro pela hierarquia, porém antes de começar a dar rum nas
iabas sempre se deve cantar o que vimos acima e depois prosseguir com o rum .
Terminado então o rum, cantar para o santo ir embora.
Fazer o santo cumprimentar toda a casa e entrar de frente para o público.

Canta-se:

(Arrebate)

TATA E
TA E TATETO
EUI
MAMA E
MA E MAETO
UEI

4° parte:

Trazer o novo sacerdote acordado, muito bem-vestido para cumprimentar todos que
estão presentes e fazer sala.

Tocar apenas um CABULA.

SAÍDA DE 14 E 21 ANOS

Nestas obrigações não se tem muito o que fazer, deve apenas trazer o obrigacionado
para o barracão, fazer o mesmo(a) bater cabeça em toda a casa e nos pés do seu
zelador.

Para trazê-lo(a) cantar:

Homens:

BANDA GIRA E
BANDA GIRA
BANDA GIRA E
TATETO
BANDA GIRA E
TATETO
Mulheres:

BANDA GIRA E
BANDA GIRA
BANDA GIRA E
MAMETO
BANDA GIRA E
MAMETO

Feito isso, deve-se então fazer um discurso e apresentar a obrigação que está sendo
empregada, sentar o mesmo no trono e cantar para o cargo:

(Cabula)

FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE
DIA TATETO
E DA POXI
A LODIDE
DIDE O
OIA E
OIA E
FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE O

BANDA GIRA E
BANDA GIRA
BANDA GIRA E TATETO
BANDA GIRA E TATETO

(Barra vento)

E TATA
E TATA
E TATA E
E TATA
E TATA
E TATA E
E TATA DIA NKISI
E TATA E
E TATA DIA NKISI
E TATA E
EU ANANGUE
EU ANANGUE
EUA ANANGUE

Se for mulher (MAMETU NKISI):

(Cabula)

FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE
DIA MAMETU
E DA POXI
A LODIDE
DIDE O
OIA E
OIA E
FUNGU LAGANDÚ
O MIZAMBA
DIDE O

BANDA GIRA E
BANDA GIRA
BANDA GIRA E MAMETO
BANDA GIRA E MAMETO

MAMA ANGOLA E
E DIA ANGOLA E
E DIA ANGOLA E
E DIA ANGOLA

EU ANANGUE
EU ANANGUE
EUA ANANGUE

Feito isso então, levantar o mesmo(a) do trono e começar a cantar a roda para chamar
o seu santo. Tanto para homens ou mulheres, cantar a mesma cantiga:
(Barra vento)

KONGO EUÁ TALA


KONGO EUÁ TALA
KONGO EU AME
PROKOIZA NU KONGO EUAME

Está cantiga vai virar todos da casa, desde o mais novo até o mais velho.
Após acontecer o transe, levar os santos para dentro por hierarquia.
Fazer os santos cumprimentar toda a casa e entrar de frente para o público.

Não precisa de cantiga, basta tocar um CABULA.

Trazer o santo vestido para tomar o rum, cantar:

Para santos homens (boró) canta-se:

(Congo)

MAIANGO
MAIANGO
KE SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ
MAIANGO KÉ KÉ KÉ KÉ
SEREUÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com o rum.

No caso de orixás mulheres (iabas) canta-se:

(Cabula)

A
KI MEME SUE
XIMBENGANGA
E DA POXI
KEUAME MAMETO IO
XIMBENGANGA

E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ
E DA POXI KEUANGÁ
KEUAME
AIA DUNDURÊ

(Barra vento)

DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEÃ
DUNDURE
DUNDURE
DA POXI KEUANGÁ

Apresentar o orixá em toda a casa e prosseguir com o rum.

No caso de uma saída com iabas e borós cantar então a cantiga do mais velho do
barco, ou seja do primeiro pela hierarquia, porém antes de começar a dar rum nas
iabas sempre se deve cantar o que vimos acima e depois prosseguir com o rum .

Terminado então o rum, cantar para o santo ir embora.


Fazer o santo cumprimentar toda a casa e entrar de frente para o público.

Canta-se:

(Arrebate)

TATA E
TA E TATETO
EUI
MAMA E
MA E MAETO
UEI

Trazer o novo sacerdote acordado, muito bem-vestido para cumprimentar todos que
estão presentes e fazer sala.

Tocar apenas um CABULA.

APOSTILAS MON'A'XÍ

Você também pode gostar