Você está na página 1de 49

NOÇÕES DE

CRIMINALÍSTICA
Criminalística - Parte I

SISTEMA DE ENSINO

Livro Eletrônico
DOUGLAS DE ARAÚJO VARGAS

Agente da Polícia Civil do Distrito Federal, apro-


vado em 6º lugar no concurso realizado em
2013. Aprovado em vários concursos, como Po-
lícia Federal (Escrivão), PCDF (Escrivão e Agen-
te), PRF (Agente), Ministério da Integração,
Ministério da Justiça, BRB e PMDF (Soldado –
2012 e Oficial – 2017).

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Introdução.................................................................................................4
1. Criminalística..........................................................................................6
1.1. Conceito..............................................................................................6
1.2. Histórico..............................................................................................8
1.2.1. Fase Pré-Científica..............................................................................8
1.2.2. Início da Sistematização dos Dados......................................................9
1.2.3. Medicina Legal e Criminalística........................................................... 10
1.2.4. Outras Disciplinas Relacionadas.......................................................... 11
1.2.5. A Criminalística Propriamente Dita...................................................... 12
1.2.6 Demais Desdobramentos Históricos..................................................... 14
2. História da Criminalística no Brasil........................................................... 14
3. Doutrina............................................................................................... 19
3.1. Postulados......................................................................................... 19
3.2. Princípios da Criminalística................................................................... 20
3.2.1. Princípio da Observação ou Princípio de Locard..................................... 20
3.2.2. Princípio da Interpretação ou Princípio de Kirk...................................... 20
3.2.3. Princípio da Análise.......................................................................... 22
3.2.4. Princípio da Descrição....................................................................... 22
3.2.5. Princípio da Documentação................................................................ 22
Resumo.................................................................................................... 25
Questões de Concurso................................................................................ 33
Gabarito................................................................................................... 38
Gabarito Comentado.................................................................................. 39

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 3 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Introdução
Olá, meu(minha) querido(a) aluno(a)!

Nesta aula, iremos estudar a primeira parte sobre criminalística prevista em

nosso edital.

Especificamente iremos tratar dos seguintes tópicos:

• definição;

• histórico;

• doutrina:

− princípios;

− postulados.

Na segunda aula sobe este assunto, iremos finalizar o tema, tratando dos se-

guintes tópicos:

• da requisição de perícia;

• prazo para elaboração do exame e do laudo pericial;

• principais perícias elencadas no Código de Processo Penal;

• locais de crime: conceituação, classificação, isolamento e preservação de lo-

cal de crime;

• cadeia de custódia: conceitos, etapas, fase interna, fase externa e rastreabi-

lidade;

• finalidades dos levantamentos dos locais de crime contra a pessoa e contra

o patrimônio;

• vestígios de interesse forense;

• levantamento papiloscópico;

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 4 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

• locais de morte: morte violenta; local de morte por arma de fogo; local de

morte por instrumentos contundentes, cortantes, perfurantes ou mistos; lo-

cal de morte provocada por asfixia.

Aproveito para informar que a aula de hoje possui uma lista de questões um

pouco menor, pois o assunto é bastante conceitual e menos cobrado pelas bancas.

No entanto, você verá que as questões se coadunam perfeitamente com a parte

teórica apresentada.

Na próxima aula, no entanto, se prepare, pois a parte de aplicabilidade prática

da disciplina permite a resolução de um maior número de questões.

Desejo a você uma excelente sessão de estudos.

Prof. Douglas.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 5 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

1. Criminalística

1.1. Conceito

Em tempos atuais, não são raros os filmes e as séries que retratam com bastan-

te romantismo o trabalho pericial. Há, sem dúvidas, um enorme charme na ativida-

de técnica e científica utilizada para elucidar crimes e, com o passar do tempo e a

evolução da tecnologia, cada vez mais os peritos ganham importância e destaque

na apuração criminal realizada pelo Estado.

É certo que a maioria de nós já teve algum contato com a natureza do traba-

lho da criminalística, desde a geração que assistiu ao Colecionador de ossos até a

geração fã de CSI. No entanto, será que sabemos conceituar, para fins de prova,

o que é criminalística?

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 6 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Segundo Gilberto Porto,

A criminalística é um sistema que se dedica à aplicação de faculdades de observação e


de conhecimento científico que nos levem a descobrir, defender, pesar e interpretar os
indícios de um delito, de molde a sermos conduzidos à descoberta do criminoso, possi-
bilitando à Justiça a aplicação da justa pena.
(PORTO, Gilberto, 1960, p. 28)

Outro conceito interessante nos é apresentado por Garcia, para o qual a crimi-

nalística:

Trata da pesquisa, da coleta, da conservação e do exame dos vestígios, ou seja, da


prova objetiva ou material no campo dos fatos processuais, cujos encargos estão afetos
aos órgãos específicos, que são os laboratórios de Polícia Técnica.
(GARCIA, 2002, p. 319).

E, por fim, temos o conceito um pouco mais didático contido na Enciclopédia

Saraiva de Direito:

Criminalística é o conjunto de conhecimentos que, reunindo as contribuições das várias


ciências, indica os meios para descobrir crimes, identificar os seus autores e encontrá-
-los, utilizando-se de subsídios da química, da antropologia, da psicologia, da medicina
legal, da psiquiatria, da datiloscopia, etc., que são consideradas ciências auxiliares do
Direito penal.
(Enciclopédia Saraiva de Direito, v. 21, 1997:486).

Veja que os conceitos, embora difíceis de memorizar, são bastante objetivos e

podem ser resumidos de uma forma relativamente simples: a criminalística é um

conjunto de conhecimentos reunidos de várias ciências com o objetivo de

possibilitar a coleta, a conservação e o exame de vestígios, de maneira que

se possa descobrir provas objetivas e materiais que auxiliem na elucida-

ção de crimes e na descoberta de seus autores.

Ótimo. Agora que compreendemos três boas definições sobre criminalística,

passemos à análise de seu histórico!

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 7 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

1.2. Histórico

Um ponto bastante interessante sobre a criminalística é que a influência da

evolução tecnológica sobre a disciplina é de suma importância em tempo atuais.

Entretanto, a criminalística nos dias de hoje é muito diferente do passado, haja

vista que a utilização de técnicas voltadas para elucidação de crimes re-

monta a épocas consideradas pré-científicas, segundo a literatura.

Nesse sentido, durante a exposição deste capítulo, você verá que a história da

criminalística (dentro e fora do Brasil) passa por diversas fases e que apenas na

modernidade é que disciplinas que hoje são de suma importância (como a Medicina

Legal e a Papiloscopia) se tornaram realidade.

1.2.1. Fase Pré-Científica

Muito embora a literatura apresente que a criminalística como conhecemos

hoje tenha surgido quando Hans Gross propôs a utilização da ciência moderna

para solucionar casos criminais, ao final do século XIX, a origem de práticas rela-

cionadas à criminalística remonta a tempos muito remotos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 8 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

De fato, a necessidade de utilizar conhecimentos técnicos para elucidar crimes

pode ser observada muito antes, na leitura de artigos do próprio Código de

Hamurabi (XVIII a.C.), além de estar presente em diversos outros relatos histó-

ricos, merecendo destaque dois deles:

a) a clássica história sobre o “Princípio de Arquimedes” (século III a.C.). De for-

ma bastante resumida, a história relata o seguinte:

O rei de Siracusa havia mandado fazer uma coroa de ouro e, quando a recebeu,

desconfiou que o material havia sido trocado por prata.

Para elucidar a situação, ordenou que Arquimedes investigasse o fato. Arquime-

des teria realizado diversos testes com a referida coroa, por meio da imersão do

objeto em água, o que acabou resultando na conclusão de que o objeto havia sido

feito com uma mistura de prata e ouro, e não unicamente com ouro, como havia

sido prometido ao rei de Siracusa.

A fraude, portanto, restou desvendada pelas técnicas utilizadas por Arquimedes

a pedido do governante.

b) Na Roma Antiga, relatos de Tácito apontam que, desde a antiguidade, eram

utilizados técnicas e exames com o intuito de elucidar crimes, incluindo até mesmo

o exame de local de possíveis delitos.

1.2.2. Início da Sistematização dos Dados

Somente no século XVI é que se começa a observar uma sistematização dos

dados para formar o que a literatura entende como um corpo de conhecimento

estruturado, o qual possibilitaria, posteriormente, a formalização de uma discipli-

na de criminalística.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 9 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Nesse sentido, merecem destaque os seguintes trabalhos:

1.2.3. Medicina Legal e Criminalística

Alguns autores, como Codeço, entendem que a criminalística é uma disciplina

filha da Medicina Legal. Já outros autores, como Dorea, entendem que a origem

de ambas as disciplinas se confunde, não sendo possível determinar que a Medicina

Legal precedeu a criação formal da criminalística.

Apesar dessa divergência, para fins didáticos, é  interessante tomar nota dos

seguintes momentos da evolução da criminalística e da Medicina Legal:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 10 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

1.2.4. Outras Disciplinas Relacionadas

Antes que possamos falar especificamente sobre o nascimento do termo crimi-

nalística e sobre como se deu a evolução da disciplina (o que ocorreu a partir do

século XIX, como veremos a seguir), é necessário ainda pontuar observações sobre

técnicas científicas que estavam em desenvolvimento e que vieram a influenciar

nos desdobramentos futuros da prática forense:

a) uso de impressões papilares para identificação de criminosos

A prática começa a ser sugerida na Índia, em 1877, com o trabalho de William

Herschel.

Paralelamente a isso, o médico escocês Henry Faulds, trabalhando no Japão, acaba

propondo um método de identificação baseado em impressões digitais.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 11 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Alguns anos depois, Francis Galton, um antropologista britânico, acaba sistematizan-

do os trabalhos de Herschel e de Faulds, publicando um livro chamado Fingerprints

(Impressões Digitais), o qual posteriormente acabou influenciando no desenvolvi-

mento dos sistemas de classificação de impressões digitais modernos.

b) Balística forense

Estudos sobre a disciplina de balística teriam se iniciado na França, em 1753, com

estudos de Boucher.

Em 1835, na Inglaterra, Henry Goddard comparou defeitos em um projétil reti-

rado de um cadáver com um molde encontrado na casa do suspeito. Seu trabalho

resultou na condenação do indivíduo pelo delito, sendo considerado o precursor dos

trabalhos da balística forense.

Por fim, merece menção o trabalho de Alexandre Lacassangne, que começou os

estudos sobre o estriamento de projéteis após os disparos. No entanto, tais técni-

cas passaram a ser aceitas de forma ampla nos Tribunais somente após a década

de 1920, com a criação do microscópio de comparação.

Por esse motivo, condutas nas quais o autor constrange a vítima a praticar
um ato libidinoso em si mesma, mesmo que sem contato físico entre ambos,

podem vir a caracterizar o delito de estupro. E como, em tempos modernos, é per-

feitamente possível que tal constrangimento seja perpetrado pela internet, surge a

figura do “estupro virtual”.

1.2.5. A Criminalística Propriamente Dita

Caro(a) aluno(a), finalmente chegamos ao ponto principal sobre o histórico da


criminalística: o surgimento do termo e da disciplina como a conhecemos hoje,
que, segundo a maioria dos estudiosos, se dá no final do século XIX, com os traba-
lhos de Hans Gross.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 12 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Guarde este nome: Hans Gross. É a ele que a literatura atribui a qualidade de fun-

dador da criminalística como a conhecemos hoje.

Hans Gross nasceu na Áustria, foi professor e também magistrado. Para ele,

os métodos de investigação e elucidação de crimes utilizados pela polícia de sua

época eram completamente ineficazes. Por esse motivo, propôs que a ciência mo-

derna fosse utilizada para solucionar crimes.

Gross era Juiz e, dessa maneira, tinha formação na esfera jurídica. Quando decidiu

sugerir o uso da ciência na elucidação de crimes, colocou-se a estudar química,

física, botânica, zoologia, microscopia e fotografia.

Após 20 anos, publicou um livro com os conhecimentos que acumulou sobre a dis-

ciplina, sendo este considerado o primeiro manual de criminologia científica.

A obra em questão era chamada Manual para Juízes de Instrução (Handbuch für

Untersuchunbsrichter) e teria sido editada em 1893, consolidando parte do conhe-

cimento sobre criminalística disponível à época e recebendo diversas novas edições

com o passar do tempo.

Cabe ainda asseverar que Gross editou diversas outras obras (como, por exem-

plo, uma chamada Arquivo de Antropologia Criminal e Criminalística) que tiveram

impacto nos trabalhos da época, bem como no desenvolvimento da criminalística

como um todo.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 13 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

1.2.6 Demais Desdobramentos Históricos

Após o protagonismo dos trabalhos de Gross, começam a surgir, ao redor do

mundo, diversas iniciativas relacionadas à criminalística. A seguir, esquematizamos

alguns eventos históricos que merecem destaque:

2. História da Criminalística no Brasil

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 14 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Até o momento, já apresentamos o conceito de criminalística, bem como a

história da evolução da disciplina ao redor do mundo. No entanto, para finalizar o

estudo do contexto histórico exigido em nosso edital, precisamos ainda tratar da

evolução da criminalística em nosso país.

Nesse sentido, é interessante notar que a literatura admite que a origem da ci-

ência forense no Brasil se confunde um pouco com o surgimento da Medicina Legal.

Segundo Fávero,

No período colonial praticamente não foram produzidos trabalhos científicos de Medicina


Legal. A primeira publicação nacional de Medicina Legal teria ocorrido em 1814, do autor
Gonçalves Gomide, médico e senador do Império: “Impugnação analítica ao exame
feito pelos clínicos Antônio Pedro de Sousa e Manuel Quintão da Silva.”

Só em 1839, começam a surgir as primeiras teses sobre Medicina Legal nas

faculdades brasileiras. No entanto, apenas após 1877 é que se inicia uma nova e

importante fase na Medina Legal em nosso país, por intermédio dos trabalhos de

Agostinho José de Sousa Lima, na UFRJ:

• criação do ensino prático de Medicina Legal; e

• desenvolvimento da parte de laboratório.

Após isso, um marco na história da criminalística em nosso país ocorreu em

1881, quando se inaugura o curso prático de tanatologia forense no necrotério

da Polícia da Capital Federal.

Oscar Freire

Um importante momento para o desenvolvimento da criminalística no Brasil

ocorreu em 1914, quando Oscar Freire fundou a Polícia Científica de Salvador, tra-

zendo, inclusive, um perito criminal suíço para auxiliar na instituição.

Em 1922, inaugura-se a pesquisa médico-legal no estado de São Paulo.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 15 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Nessa época, as  funções de Perito Médico-Legista e de Perito Criminal ainda se

confundiam. As instruções sobre a competência de cada um ainda misturavam atri-

buições sobre exame de local e coleta de vestígios.

O Primeiro Instituto de Criminalística

A literatura especializada entende, no entanto, que apenas em 1940 surge o

primeiro Instituto de Criminalística, o que se deu no Rio de Janeiro, no âmbito

da Diretoria Geral de Investigações:

Segundo Garrido e Gianovelli, o golpe militar de 1964 teria relegado a crimina-

lística à completa negligência por parte do poder público. Segundo os autores, esse

fato resultou na falta de investimentos na área, o que acabou deixando a maioria

dos Institutos de Criminalística em condições tecnologicamente atrasadas e que

perduraram por um longo tempo após a redemocratização do País.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 16 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Cronologia

Caro(a) aluno(a), seu professor sabe que são muitas datas e muitos marcos
históricos para conhecer. Por isso, vamos finalizar essa parte de nosso estudo com
dois esquemas que permitam a você revisar o assunto com mais facilidade!

História da criminalística – mundo:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 17 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

História da criminalística – Brasil:

Aspectos Jurídicos

Ainda sobre o ponto de vista histórico, devemos fazer um breve resumo sobre

a evolução da legislação brasileira no que se refere à criminalística. De forma bas-

tante direta, você precisa saber o seguinte:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 18 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

3. Doutrina
Caro(a) aluno(a), sei que a parte de história de qualquer disciplina costuma ser

um pouco (muito) maçante para se estudar. Entretanto, não se preocupe!

De agora em diante, passamos a analisar questões sobre a doutrina da cri-

minalística. Nesse sentido, iremos tratar de aspectos como postulados e prin-

cípios, os quais possuem uma natureza muito mais prática e simples de estudar.

Comecemos pelos postulados.

3.1. Postulados

Existem basicamente três postulados na criminalística, os quais podem ser co-

brados na sua prova:

1) Impessoalidade. O conteúdo do laudo pericial não deve variar com o pe-

rito que o produziu.

O primeiro postulado se relaciona à natureza técnica da criminalística. Como

os procedimentos realizados pelos peritos se baseiam em leis naturais e ex-

perimentos científicos, o resultado não pode variar de acordo com a pessoa

que os realiza.

2) Independência dos meios. As conclusões periciais não dependem dos

meios utilizados para alcançá-las.

O segundo postulado se relaciona aos meios utilizados pela perícia para al-

cançar suas conclusões. Desde que se utilizem meios adequados (compro-

vados) para se elucidar uma determinada verdade, não importa se o meio é

mais moderno, mais antiquado, mais preciso ou mais rápido, as conclusões

deverão ser compatíveis.

3) Independência do tempo. As conclusões periciais não dependem do tempo.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 19 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

O terceiro postulado se relaciona com a chamada perenidade da verdade, ou

seja: a verdade é imutável, não perece em relação ao tempo decorrido.

3.2. Princípios da Criminalística


3.2.1. Princípio da Observação ou Princípio de Locard

“Todo contato deixa uma marca.” (Edmond Locard)

O primeiro dos princípios que orienta o estudo da criminalística é o chamado

princípio da observação. Por força do princípio da observação é que o perito deve

examinar de forma cuidadosa o local e os objetos do crime para localizar

vestígios deixados pelos envolvidos (autor/vítima).

O princípio recebe esse nome em razão de Edmond Locard, um dos pioneiros

do estudo forense. Foi ele que cunhou a expressão “todo contato deixa uma mar-

ca”, a qual ficou posteriormente conhecida como o princípio de troca de Locard.

Admite-se o exame dos objetos e do local a olho nu e também mediante a utiliza-

ção de equipamentos especializados.

3.2.2. Princípio da Interpretação ou Princípio de Kirk

Dois objetos podem ser semelhantes, mas nunca iguais.

O segundo dos princípios é chamado de princípio da interpretação. A pre-

missa aqui é bastante simples: dois objetos relacionados a um determinado crime

podem ter características parecidas, mas não serão efetivamente iguais.

Segundo a literatura, a conclusão que se extrai do princípio de Kirk é de que dois

objetos podem ser indistinguíveis, no entanto nunca serão idênticos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 20 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Uma das decorrências mais importantes desse princípio está na possibilidade de


identificação de um objeto em três graus distintos.

Como mencionado anteriormente, é por força do princípio da interpretação que


a identificação de um objeto se dá em três níveis:

O esquema anterior está em ordem de detalhamento. Ou seja, a identifica-


ção genérica é a menos precisa das três, enquanto a identificação individual é a
mais precisa, mais detalhada.
A melhor maneira de diferenciar as três identificações é por meio de um exemplo:

Note que a identificação individual é aquela que permite efetivamente distinguir

a arma de fogo 1 da arma de fogo 2 (por meio do número de série)!

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 21 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

3.2.3. Princípio da Análise

A perícia se pauta no método científico.

O terceiro dos princípios que precisamos estudar é o chamado princípio da

análise. Segundo esse princípio, a perícia se pauta no método científico, por meio

de análise, formulação de hipóteses (ou teorias), testes e experimentos.

Em decorrência do princípio da análise é que se pauta a prática de realizar uma

criteriosa observação do local de crime, bem como a coleta de objetos e vestí-

gios do delito.

3.2.4. Princípio da Descrição

Rege a observação das normas científicas na descrição dos objetos.

O quarto dos princípios é o chamado princípio da descrição, segundo o qual a

descrição dos objetos e locais do crime deve ser realizada de forma sempre deta-

lhada e com a observação de normas, princípios e leis científicas vigentes.

Tal princípio preconiza uma exposição clara e concisa dos dados relacionados a

tais objetos.

3.2.5. Princípio da Documentação

Rege a documentação rigorosa e cronológica dos objetos e vestígios

coletados pela perícia.

O quinto e último princípio que precisamos estudar é o chamado princípio da

documentação, segundo o qual todo objeto, toda amostra e todo vestígio coleta-

do pela perícia deve ser documentado e armazenado de forma rigorosa.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 22 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Assim sendo, diz a literatura especializada que as etapas devem ser protocola-

das e registradas por escrito, o que abrange todos os momentos (desde o início

das investigações até o final do processo).

O princípio da documentação visa proteger a idoneidade da prova material,

dando credibilidade aos vestígios e evitando questionamentos sobre a va-

lidade das provas.

O princípio da documentação também é chamado de princípio da cadeia de custódia.

Aplicabilidade da Criminalística

Para finalizar a aula de hoje, precisamos apresentar, de forma breve, os objeti-

vos e a aplicabilidade prática da disciplina de criminalística.

Primeiramente, temos a importância da criminalística para auxiliar de forma

técnica a polícia, o Ministério Público, a Justiça e a própria defesa na eluci-

dação dos fatos.

Um laudo pericial pode, por exemplo, embasar a produção de provas para conde-

nação de um acusado ou ser meio idôneo para provar sua inocência!

Nesse sentido, um laudo emitido por um perito criminal pode ajudar a elucidar

diversos questionamentos das autoridades responsáveis pela persecução criminal:

• como o delito foi praticado?

• Onde o delito foi praticado?

• O que efetivamente aconteceu?

• Quem foi o autor do delito?

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 23 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

É claro que, a depender da situação fática, o laudo pericial poderá ser inconclusivo,

se não houver vestígios idôneos para chegar a uma ou mais conclusões. Entretanto,

diversos delitos são elucidados pelo trabalho técnico realizado pela equipe pericial.

De fato, não é raro que a persecução criminal siga os seguintes passos (não se

trata de regra absoluta, mas apenas um exemplo para facilitar o entendimento):

Querido(a) aluno(a), e assim finalizamos nossa aula inicial sobre o tema crimi-

nalística. Vamos revisar?

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 24 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

RESUMO
Criminalística: Conceitos

• A criminalística é um sistema que se dedica à aplicação de faculdades de ob-

servação e de conhecimento científico que nos levem a descobrir, defender,

pesar e interpretar os indícios de um delito, de molde a sermos conduzidos à

descoberta do criminoso, possibilitando à Justiça a aplicação da justa pena.

Trata da pesquisa, da coleta, da conservação e do exame dos vestígios, ou seja, da


prova objetiva ou material no campo dos fatos processuais, cujos encargos estão afetos
aos órgãos específicos, que são os laboratórios de Polícia Técnica.
Criminalística é o conjunto de conhecimentos que, reunindo as contribuições das vá-
rias ciências, indica os meios para descobrir crimes, identificar os seus autores e
encontrá-los, utilizando-se de subsídios da química, da antropologia, da psicologia,
da medicina legal, da psiquiatria, da datiloscopia etc., que são consideradas ciências
auxiliares do Direito penal.

Histórico

Fase Pré-Científica

• A necessidade de utilizar conhecimentos técnicos para elucidar crimes pode

ser observada muito antes, na leitura de artigos do próprio Código de Hamu-

rabi (XVIII a.C.)

• Somente no século XVI que se começa a observar uma sistematização dos

dados.

• Estruturação do conhecimento ao longo do tempo, com diversos estudos:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 25 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Medicina Legal

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 26 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Criminalística Moderna
• O surgimento do termo e da disciplina como a conhecemos hoje, segundo
a maioria dos estudiosos, se dá no final do século XIX, com os trabalhos de
Hans Gross.
• Gross publicou um livro com os conhecimentos que acumulou sobre a disci-
plina, sendo este considerado o primeiro manual de criminologia científica.

Demais Desdobramentos Históricos

História da Criminalística no Brasil


• Em 1839 começam a surgir as primeiras teses sobre Medicina Legal nas fa-
culdades brasileiras.
• 1877:
− criação do ensino prático de Medicina Legal; e
− desenvolvimento da parte de laboratório.
• 1881:
− inaugura-se o curso prático de tanatologia forense no necrotério da Polícia

da Capital Federal.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 27 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Oscar Freire

• Fundou a Polícia Científica de Salvador (1914).

• 1940: primeiro Instituto de Criminalística.

Cronologia Resumida

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 28 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Cronologia no Brasil

Aspectos Jurídicos

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 29 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Postulados

• Impessoalidade. O conteúdo do laudo pericial não deve variar com o pe-

rito que o produziu.

• Independência dos meios. As conclusões periciais não dependem dos

meios utilizados para alcançá-las.

• Independência do tempo. As conclusões periciais não dependem do tempo.

Princípio da Observação

• O perito deve examinar de forma cuidadosa o local e os objetos do crime para

localizar vestígios deixados pelos envolvidos (autor/vítima).

Princípio da Interpretação

• Dois objetos relacionados a um determinado crime podem ter características

parecidas, mas não serão efetivamente iguais.

Três graus de interpretação:

Princípio da Análise

• Segundo tal princípio, a perícia se pauta no método científico, por meio de

análise, formulação de hipóteses (ou teorias), testes e experimentos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 30 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Princípio da Descrição

• A descrição dos objetos e locais do crime deve ser realizada de forma sempre

detalhada e com a observação de normas, princípios e leis científicas vigentes.

Princípio da Documentação

• todo objeto, amostra e vestígio coletado pela perícia deve ser documentado

e armazenado de forma rigorosa.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 31 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

www.grancursosonline.com.br 32 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

QUESTÕES DE CONCURSO
Questão 1    (AOCP/PERTITO CRIMINAL/ITEP-RN/2018) Sobre os Postulados e Prin-

cípios da Criminalística brasileira, assinale a alternativa correta.

a) De acordo com o Princípio da Observação, também conhecido como Princípio

de Locard, o vestígio, como toda matéria, é ponderável e, portanto, cabe ao perito

criminal o reportar-se ao que vê (visum et repertum).

b) O Princípio da Interpretação, também conhecido por Princípio de Kirk, pode ser

enunciado pela frase “Dois objetos podem ser indistinguíveis, mas nunca idênticos”.

c) O Princípio da Documentação não se relaciona ao registro cronológico de um

vestígio, desde seu nascimento até sua disposição final, pois isso cabe à Cadeia

de Custódia.

d) Sendo a verdade mutável em relação ao tempo, não se permite postular que a

perícia criminal é independente do tempo.

e) Considerando que o teor de um laudo pericial é personalíssimo, então o conteúdo

de um laudo pericial será variante de acordo com o perito criminal que o produzir.

Questão 2    (IESES/AUXILIAR PERICIAL/GP-SC) Autor reconhecido como o pai da

Criminalística no mundo, publicou o livro Manual Prático de Instruções Jurídicas,

que deu início ao estudo do sistema de Criminalística, no qual as ciências naturais

e as artes eram usadas para a elucidação de crimes. A sentença acima se refere a:

a) Erwin Höpler.

b) Hans Gross.

c) Cesare Lombroso.

d) Enrico Ferri.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 33 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Questão 3    (CESPE/INMETRO) Dois objetos podem ser indistinguíveis, mas nunca

idênticos. Este princípio, também chamado de princípio da individualidade, preco-

niza que a identificação deve ser sempre enquadrada em três graus: a identificação

genérica, a específica e a individual, sendo que os exames periciais devem sempre

alcançar este último grau.

O princípio da perícia criminalística a que se refere o texto acima também é deno-

minado princípio da:

a) observação.

b) análise.

c) interpretação.

d) descrição.

e) documentação.

Questão 4    (CESPE/INMETRO) Assinale a opção correta acerca da definição da cri-

minalística.

a) Criminalística é um procedimento investigatório que utiliza métodos científicos

para analisar e interpretar evidências materiais.

b) Apesar de seu crescimento gradativo, não se pode dizer que a criminalística seja

uma disciplina autônoma.

c) Criminalística é um procedimento investigatório que se presta a auxiliar e infor-

mar exclusivamente as atividades policiais em uma investigação criminal.

d) A moderna criminalística restringe-se à fria estática narrativa, sem vida, da for-

ma como se apresentam os vestígios.

e) O propósito da criminalística se traduz em todos os vestígios, desde que suspei-

tos e encontrados no local do fato.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 34 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Questão 5    (FDRH/PERITO CRIMINAL/IGP-RS/2008) Sobre a definição de Crimina-

lística considere as seguintes afirmações.

I – É a ciência que estuda o crime e o criminoso em tudo que for aplicável à eluci-

dação de um crime ou de uma infração penal.

II – É a ciência que estuda as lesões corporais, visando a diagnosticar se ocorreu

homicídio, suicídio ou acidente.

III  – É  um sistema de conhecimentos técnico-científicos que estuda os locais de

crimes e os vestígios materiais, localizados superficialmente ou fora do corpo hu-

mano, visando a identificar as circunstâncias e a autoria da infração penal.

IV  – É  o sistema de conhecimentos científicos que estuda os vestígios materiais

extrínsecos à pessoa física, visando a esclarecer e identificar as circunstâncias do

crime e determinar a identidade do criminoso.

Quais estão corretas?

a) Apenas a I.

b) Apenas a II.

c) Apenas a II e a IV.

d) Apenas a III e a IV.

e) I, a II, a III e a IV.

Questão 6    (CESPE/PERITO CRIMINAL/PC-PB) A respeito da criminalística, assinale

a opção correta:

a) A criminalística não se enquadra como disciplina autônoma, pois não possui leis,

métodos e princípios próprios.

b) Se, em um exame de local onde se praticou alguma infração penal, a investiga-

ção policial necessite de esclarecimento seguro e objetivo acerca da natureza do

instrumento responsável pela provocação de uma marca de impacto presente em

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 35 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

determinado móvel, ela recorre aos conhecimentos físico-químicos englobados pela

criminalística, que analisa fisicamente as características da marca questionada,

bem como a reação química dos elementos restantes e agregados à marca.

c) Os peritos criminalísticos não podem se valer de subsídios técnico-científi-

cos fornecidos por outras ciências, utilizando os próprios métodos inerentes a

essas ciências.

d) A moderna criminalística restringe-se à fria estética narrativa, sem vida, da for-

ma como se apresentam os vestígios, isto é, ao simples visum et repertum.

e) O objeto da criminalística restringe-se aos vestígios suspeitos encontrados no

local do fato.

Questão 7    (CESPE/PERITO/PC-PB) Criminalística é:

a) a transposição, para o inquérito, do resultado dos exames técnicos realizados no

local do delito, determinando a materialidade e apontando a autoria.

b) a ciência que visa ao estudo das armas de fogo, da munição e dos fenômenos e

efeitos próprios dos disparos dessas armas, no que tiverem de útil ao esclarecimen-

to e à prova de questões de fato, no interesse da justiça, tanto penal como civil.

c) a ciência que trata do estudo dos documentos que contém um registro gráfico.

d) o conjunto de conhecimentos médicos e paramédicos que, no âmbito do direito,

concorrem para a elaboração, a interpretação e a execução das leis existentes e

ainda permite, por meio da pesquisa científica, o seu aperfeiçoamento.

e) o sistema que se dedica à aplicação de faculdades de observação e de conheci-

mento científico que levem a descobrir, defender, pesar e interpretar os indícios de

um delito, com vistas à descoberta do criminoso.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 36 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Questão 8    (CEFET-BA/DELEGADO/PC-BA) Assinale a alternativa correta.

a) A Criminalística não estuda as circunstâncias do crime cometido.

b) A Criminalística se relaciona com todas as ciências, menos com Medicina Legal.

c) A Criminalística se relaciona com todas as ciências.

d) A Criminalística não é necessária nas investigações policiais.

e) O exame de local de crime não revela vestígio.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 37 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

GABARITO
1. b

2. b

3. c

4. a

5. d

6. b

7. e

8. c

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 38 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

GABARITO COMENTADO
Questão 1    (AOCP/PERTITO CRIMINAL/ITEP-RN/2018) Sobre os Postulados e Prin-

cípios da Criminalística brasileira, assinale a alternativa correta.

a) De acordo com o Princípio da Observação, também conhecido como Princípio

de Locard, o vestígio, como toda matéria, é ponderável e, portanto, cabe ao perito

criminal o reportar-se ao que vê (visum et repertum).

b) O Princípio da Interpretação, também conhecido por Princípio de Kirk, pode ser

enunciado pela frase “Dois objetos podem ser indistinguíveis, mas nunca idênticos”.

c) O Princípio da Documentação não se relaciona ao registro cronológico de um

vestígio, desde seu nascimento até sua disposição final, pois isso cabe à Cadeia

de Custódia.

d) Sendo a verdade mutável em relação ao tempo, não se permite postular que a

perícia criminal é independente do tempo.

e) Considerando que o teor de um laudo pericial é personalíssimo, então o conteúdo

de um laudo pericial será variante de acordo com o perito criminal que o produzir.

Letra b.

Questão excelente. Vejamos cada alternativa:

a) Errada. O princípio de Locard rege que todo contato deixa um vestígio, e não

de que todo vestígio é ponderável.

b) Certa. É exatamente isso! Existem vários níveis de interpretação sobre um ob-

jeto, o qual pode ser considerado indistinguível de outro, mas nunca idêntico.

c) Errada. Pelo contrário, o princípio da documentação efetivamente se relaciona

ao registro cronológico do vestígio. Além disso, princípio da documentação é sinô-

nimo de princípio da cadeia de custódia.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 39 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

d) Errada. Conforme estudamos, a verdade não varia com o tempo, diferente-

mente do que afirma a assertiva.

e) Errada. O teor do laudo pericial não deve variar com o perito (é impessoal).

Questão 2    (IESES/AUXILIAR PERICIAL/GP-SC) Autor reconhecido como o pai da

Criminalística no mundo, publicou o livro Manual Prático de Instruções Jurídicas,

que deu início ao estudo do sistema de Criminalística, no qual as ciências naturais

e as artes eram usadas para a elucidação de crimes. A sentença acima se refere a:

a) Erwin Höpler.

b) Hans Gross.

c) Cesare Lombroso.

d) Enrico Ferri.

Letra b.

Conforme estudamos, a questão se refere ao Juiz e acadêmico Hans Gross, o qual,

após anos de estudos em diversas áreas do conhecimento, editou o Manual Prático

de Instruções Jurídicas, dando início ao estudo da criminalística moderna e sendo

efetivamente reconhecido como o pai da criminalística no mundo.

Questão 3    (CESPE/INMETRO) Dois objetos podem ser indistinguíveis, mas nunca

idênticos. Este princípio, também chamado de princípio da individualidade, preco-

niza que a identificação deve ser sempre enquadrada em três graus: a identificação

genérica, a específica e a individual, sendo que os exames periciais devem sempre

alcançar este último grau.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 40 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

O princípio da perícia criminalística a que se refere o texto acima também é deno-

minado princípio da:

a) observação.

b) análise.

c) interpretação.

d) descrição.

e) documentação.

Letra c.

Conforme apresentamos, o princípio que trata sobre a possibilidade de distinção entre

dois objetos (os quais podem ser indistinguíveis, mas nunca idênticos) e que preco-

niza a identificação por meio de três graus distintos é o princípio da interpretação.

Questão 4    (CESPE/INMETRO) Assinale a opção correta acerca da definição da cri-

minalística.

a) Criminalística é um procedimento investigatório que utiliza métodos científicos

para analisar e interpretar evidências materiais.

b) Apesar de seu crescimento gradativo, não se pode dizer que a criminalística seja

uma disciplina autônoma.

c) Criminalística é um procedimento investigatório que se presta a auxiliar e infor-

mar exclusivamente as atividades policiais em uma investigação criminal.

d) A moderna criminalística restringe-se à fria estática narrativa, sem vida, da for-

ma como se apresentam os vestígios.

e) O propósito da criminalística se traduz em todos os vestígios, desde que suspei-

tos e encontrados no local do fato.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 41 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Letra a.

Questão um pouco mais complicada de responder, pois o examinador foi bastante

vago. Porém, vejamos:

a) Certa. De fato, a  criminalística é um procedimento investigatório que utiliza

métodos científicos para analisar e interpretar evidências materiais. Exatamente

conforme apresentamos na aula de hoje!

b) Errada. A criminalística é reconhecidamente uma disciplina autônoma, já bas-

tante consolidada no meio científico.

c) Errada. A criminalística pode servir aos trabalhos policiais, do Judiciário e até

mesmo da defesa, posto que suas conclusões podem, inclusive, inocentar alguém

de falsas acusações.

d) Errada. A criminalística não se restringe à narrativa estática dos vestígios.

O perito criminal realiza estudos e interpreta o conjunto probatório em busca de

conclusões.

e) Errada. Mais uma vez, essa definição restringe muito o propósito da crimina-

lística, que não está unicamente na análise dos vestígios, mas de todo o contexto

relevante para a elucidação do crime.

Atualmente, por exemplo, existem procedimentos até mesmo de autópsias psi-

cológicas que podem ser realizadas fora do escopo das evidências encontradas no

local do crime.

Questão 5    (FDRH/PERITO CRIMINAL/IGP-RS/2008) Sobre a definição de Crimina-

lística considere as seguintes afirmações.

I – É a ciência que estuda o crime e o criminoso em tudo que for aplicável à eluci-

dação de um crime ou de uma infração penal.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 42 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

II – É a ciência que estuda as lesões corporais, visando a diagnosticar se ocorreu

homicídio, suicídio ou acidente.

III  – É  um sistema de conhecimentos técnico-científicos que estuda os locais de

crimes e os vestígios materiais, localizados superficialmente ou fora do corpo hu-

mano, visando a identificar as circunstâncias e a autoria da infração penal.

IV  – É  o sistema de conhecimentos científicos que estuda os vestígios materiais

extrínsecos à pessoa física, visando a esclarecer e identificar as circunstâncias do

crime e determinar a identidade do criminoso.

Quais estão corretas?

Apenas a I.

Apenas a II.

Apenas a II e a IV.

Apenas a III e a IV.

I, a II, a III e a IV.

Letra d.

Muito cuidado com pegadinhas como as encontradas nessa questão. Estudar o crime

e o criminoso (item I) é competência da criminologia, e não da criminalística.

Ademais, o item II está errado, pois a criminalística não é mero estudo das le-

sões corporais, mas engloba toda uma gama de conhecimentos aplicáveis ao

trabalho investigativo.

Os itens III e IV, por sua vez, se adéquam ao que estudamos, sendo a letra d a

resposta da questão!

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 43 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Questão 6    (CESPE/PERITO CRIMINAL/PC-PB) A respeito da criminalística, assinale

a opção correta:

a) A criminalística não se enquadra como disciplina autônoma, pois não possui leis,

métodos e princípios próprios.

b) Se, em um exame de local onde se praticou alguma infração penal, a investiga-

ção policial necessite de esclarecimento seguro e objetivo acerca da natureza do

instrumento responsável pela provocação de uma marca de impacto presente em

determinado móvel, ela recorre aos conhecimentos físico-químicos englobados pela

criminalística, que analisa fisicamente as características da marca questionada,

bem como a reação química dos elementos restantes e agregados à marca.

c) Os peritos criminalísticos não podem se valer de subsídios técnico-científicos for-

necidos por outras ciências, utilizando os próprios métodos inerentes a essas ciências.

d) A moderna criminalística restringe-se à fria estética narrativa, sem vida, da for-

ma como se apresentam os vestígios, isto é, ao simples visum et repertum.

e) O objeto da criminalística restringe-se aos vestígios suspeitos encontrados no

local do fato.

Letra b.

Veja como os examinadores gostam de atacar os mesmos pontos da nossa disci-

plina. Vejamos:

a) Errada. Como você já sabe, a  criminalística pode, sim, ser considerada uma

disciplina autônoma.

b) Certa. O examinador quis complicar, porém toda a narrativa do item se coaduna

com o trabalho pericial e com a aplicabilidade da criminalística.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 44 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

c) Errada. Ao contrário do que afirma a assertiva, os peritos se valem, sim, de sub-

sídios técnicos de diversas ciências em sua atuação (química, física, entre outras).

d) Errada. Mais uma vez: a criminalística não se restringe à apresentação dos ves-

tígios, mas à sua análise técnica para permitir extrair conclusões importantes para

a persecução criminal.

e) Errada. Basicamente a mesma justificativa da questão anterior: a criminalística

não se restringe unicamente à análise de vestígios encontrados no local do fato.

Questão 7    (CESPE/PERITO/PC-PB) Criminalística é:

a) a transposição, para o inquérito, do resultado dos exames técnicos realizados no

local do delito, determinando a materialidade e apontando a autoria.

b) a ciência que visa ao estudo das armas de fogo, da munição e dos fenômenos e

efeitos próprios dos disparos dessas armas, no que tiverem de útil ao esclarecimen-

to e à prova de questões de fato, no interesse da justiça, tanto penal como civil.

c) a ciência que trata do estudo dos documentos que contém um registro gráfico.

d) o conjunto de conhecimentos médicos e paramédicos que, no âmbito do direito,

concorrem para a elaboração, a interpretação e a execução das leis existentes e

ainda permite, por meio da pesquisa científica, o seu aperfeiçoamento.

e) o sistema que se dedica à aplicação de faculdades de observação e de conheci-

mento científico que levem a descobrir, defender, pesar e interpretar os indícios de

um delito, com vistas à descoberta do criminoso.

Letra e.

O examinador descreveu diversos conceitos incompletos, que remetem a áreas que

integram as práticas da criminalística. No entanto, o  único conceito que efetiva-

mente se adéqua ao entendimento da literatura (dessa forma, mais completo que

os demais) está na letra e.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 45 de 49
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA
Criminalística – Parte I
Prof. Douglas Vargas

Questão 8    (CEFET-BA/DELEGADO/PC-BA) Assinale a alternativa correta.

a) A Criminalística não estuda as circunstâncias do crime cometido.

b) A Criminalística se relaciona com todas as ciências, menos com Medicina Legal.

c) A Criminalística se relaciona com todas as ciências.

d) A Criminalística não é necessária nas investigações policiais.

e) O exame de local de crime não revela vestígio.

Letra c.

Conforme estudamos, a criminalística se relaciona com todas as ciências, haja vista

que diversos conhecimentos técnicos são aplicáveis de uma forma ou de outra na

elucidação de práticas criminosas.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 46 de 49
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 47 de 49
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 48 de 49
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

Você também pode gostar