Você está na página 1de 7

AS MODIFICAÇÕES OCORRIDAS NA ESTRUTURA PATRIMONIAL E

SEUS ASPECTOS POSITIVOS EM NOME DA TRANSPARÊNCIA:


A LEI 11638

Lidianne Stelman Monsores


Graduando no Curso de Ciências Contábeis da Universidade Presidente Antônio Carlos–
UNIPAC Juiz de Fora – MG.
stelmanjf@yahoo.com.br

INTRODUÇÃO

Com a internacionalização da economia e a perspectiva de um único mercado, tem


evidenciado a necessidade de desenvolver um sistema de informação que harmonize as
práticas contábeis e que seja compatível para seus diversos usuários e interesses.
Foi nesse ambiente que os padrões internacionais de contabilidade foram
fortalecidos, e a busca pela convergência das praticas contábeis brasileiras pelas praticas
contábeis internacionais se fez necessária.

A CONTABILIDADE FRENTE ÀS MUDANÇAS

A Contabilidade caminha junto com o mercado econômico, por isso está sempre
em constante mudança, em decorrência da mundialização dos mercados. No entanto,
sua principal finalidade ainda permanece, conforme Iudícibus1 (2000, p.20): “sua
finalidade é prover os usuários dos demonstrativos financeiros com informações que os
ajudarão a tomar decisões.”.
No entanto, a Contabilidade já não é só considerada como mero instrumento
decisório, mas como informações que possam ser vistas e entendidas
internacionalmente.
Assim com a aprovação da Lei 11638/2007 é que de fato se consagrou a
convergência, pois a mesma veio para alinhar as práticas contábeis do Brasil ao cenário
internacional, de forma que a divulgação das demonstrações contábeis sejam
padronizadas, em linguagem especificas e fácil, dentro de uma estrutura transparente
direcionada aos interessados.

1
IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. 6ª edição. São Paulo: Atlas, 2000.
ALGUMAS DAS PRINCIPAIS MODIFICAÇÕES

As mudanças que a Lei 11638 introduziu no país seguem os padrões do IASB


(International Accounting Standards Board), órgão internacional que emite normas e
pronunciamentos internacionais de Contabilidade, que são as IFRS (International
Financial Reporting Standards), contudo compete aos Órgãos Nacionais a normalizar de
forma mais detalhadas de tais regras.
Deste modo as principais modificações ocorreram nas: Demonstrações Contábeis,
especificamente na estrutura do Balanço Patrimonial e no critério de avaliação da contas
patrimoniais em relação a “primazia da essência sobre a forma”.

• DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS, ESPECIFICAMENTE O


BALANÇO PATRIMONIAL:

1. Na escrituração contábil

De modo que após a elaboração das demonstrações contábeis, deverão ser feitos

alguns ajustes para atender ao fisco, fazendo registros em livros auxiliares. Conforme a

CVM, em Comunicado ao mercado2 em janeiro deste ano (2008), “Foi criada uma nova

possibilidade, além da originalmente prevista em lei societária, de segregação entre a

escrituração mercantil e a escrituração tributária,....”. Conforme o artigo 177, parágrafo

2º inciso II da Lei 11638:

II – no caso da elaboração das demonstrações para fins tributários,


na escrituração mercantil, desde que sejam efetuados em seguida
lançamentos contábeis adicionais que assegurem a preparação e a
divulgação de demonstrações financeiras com observância do
disposto no caput deste artigo, devendo ser essas demonstrações
auditadas por auditor independente registrado na Comissão de
Valores Mobiliários.

2
CVM. Comunicado ao Mercado. 14.01.2008.
2. Na elaboração e publicação das Demonstrações Contábeis

A Lei nº11638 ampliou a abrangência da Lei nº6404, estendendo às sociedades de


grande porte, questões relativas à elaboração e divulgação das demonstrações contábeis,
bem como da obrigatoriedade de auditoria independente por auditor registrado na CVM.
Deste modo foi incluída no rol das demonstrações obrigatórias para publicação a
Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) em substituição da Demonstração de Origem e
Aplicação de Recursos (DOAR), e a Demonstração do Valor Adicionado (DVA), para
as Sociedades Anônimas de capital aberto. No entanto, em relação às Sociedades
Anônimas de capital fechado não estão obrigadas a elaborar a Demonstração do Valor
Adicionado.
Destacamos que: “Excepcionalmente, para o exercício de 2008, a Demonstração
de Fluxo de Caixa e a Demonstração do valor adicionado, poderão ser divulgadas sem a
indicação de valores correspondente ao ano anterior.” , conforme palestra do CRCMG
(2008), sobre a Lei em questão.

2.1 Balanço Patrimonial

O Balanço Patrimonial foi segregado em circulante e não circulante, já


regularizado pela instrução da CVM nº488. E que sofreu alterações em sua estrutura,
principalmente no Ativo Permanente e no Patrimônio Liquido.
Em relação ao Ativo Permanente, no que se refere à estrutura, sofreu um
deslocamento dos bens intangíveis, que antes eram classificados na categoria de Ativo
Imobilizado, agora estão em categoria própria, em “Ativo Intangível”, conforme artigo
178, parágrafo 1º, alínea “c”, da Lei 116383 porém já regulada pela deliberação da
CVM nº488/2005.
O Patrimônio Liquido sofreu maiores mudanças, a conta de “reservas de
reavaliação” foi extinta, criou-se a conta de “ajustes de avaliação patrimonial”, que
agruparão as contrapartidas referentes a aumentos ou diminuições de valor tanto do
Ativo quanto do Passivo em decorrência de avaliações a preço de mercado; já a conta de

3
BRASIL.Lei nº11638, de 28 de dezembro de 2007. Institui normas relativas a contabilização e dá outras
providências.
“lucros e prejuízos acumulados” para “prejuízos acumulados”, não desapareceu
totalmente, apenas deixou de permanecer no Balanço Patrimonial, de modo que todo o
resultado deverá ser destinado; houve também a inclusão das “ações em tesouraria”.
Além dessas alterações a lei 11638 criou também a “Reserva de Incentivos Fiscais”, que
poderá ser realizada por parcela do lucro liquido que decorrer de doações ou subvenções
governamentais para investimentos, conforme o artigo 195-A da referida podendo assim
ser excluída da base de cálculo dos dividendos obrigatórios.
A nova lei das sociedades por ações em relação aos critérios de avaliação do ativo
estão disciplinados no artigo 183 da Lei 11638, em relação ao Ativo Financeiro, mas
precisamente os títulos e valores mobiliários, devem ser avaliados pelo valor de
mercado ou de aquisição. Já o passivo, especificamente as obrigações, encargos e riscos
classificados no passivo exigível a longo prazo deverão ser ajustados a valor presente.

• A “PRIMAZIA DA ESSÊNCIA SOBRE A FORMA”

Embora já estivesse mencionada nos Princípios Fundamentais de Contabilidade e


pela Deliberação nº488/05 da CVM, veio de forma mais atuante frente à nova lei.
Assim, para se classificar um item como Ativo, Passivo ou Patrimônio Liquido
deverá levar em consideração a essência das transações para que ela se sobreponha à
sua forma legal.
De acordo com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis4, no Pronunciamento
Conceitual (item 51, p.16-17):

Ao avaliar se um item se enquadra na definição de ativo,


passivo ou patrimônio liquido, deve-se atentar para a sua
essência e realidade econômica e não apenas sua forma legal.

4
Contábeis, Comitê de pronunciamentos.Pronunciamento Conceitual Básico – Estrutura Conceitual para a
elaboração e apresentação das demonstrações contábeis. item 51, p.16-17).jan.2008.
ASPECTOS POSITIVOS

A alteração legal levará a uma harmonização entre as normas contábeis nacionais


com as internacionais, e deste modo o “grau de transparência” nas demonstrações
contábeis permitirá uma maior credibilidade entre os mercados, pois refletirá a real
situação econômica das empresas.
Assim, uma mesma prática contábil, sendo aplicada em vários mercados,
possibilitará que a divulgação sobre a situação patrimonial e financeira seja mais
compreensível, ou seja, tornará mais fácil o entendimento pelos diversos usuários.
Desta forma, a divulgação de demonstrações transparentes, conforme Madeira5
(2004, p.79), “aumentam o nível de confiança do publico em geral, e essa é uma
questão essencial no mercado de capitais.”, pois assim reduz as incertezas fortalecendo
o mercado interno e servira de estímulo para o ingresso de recursos externos no país.
A CVM, em comunicado ao mercado (2008, p.1), considera que: “... a Lei
11638/07, ao possibilitar essa convergência internacional, irá permitir, no futuro, o
beneficio do acesso das empresas brasileiras a capitais externos a um custo e a uma taxa
de risco menor”.
Com a adoção de normas padronizadas, reduzirá o custo das transações
internacionais, pois serão confeccionadas uma única demonstração atendendo tanto o
mercado interno como o externo.
Na educação profissional de Contabilidade tenderá a reestruturação, em face da
Lei 11638, enquadrando as novas normas contábeis ao processo educacional.
Contudo, conforme estudo, acredita-se na valorização do profissional de
Contabilidade, em face da adoção da lei, tendo em vista às novas tendências e
procedimentos que o mesmo terá que adotar e deste modo, conforme, Eliseu Martins,
em entrevista feita ao Jornal Valor Econômico6 (2008, G1), “A credibilidade da
Contabilidade vai aumentar muito.”.

5
MADEIRA, Geová José. Harmonização de Normas Contábeis: um Estudo sobre as Divergências entre normas
Contábeis Internacionais e seus Reflexos na Contabilidade Brasileira. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília:
Conselho Federal de Contabilidade, v. 33, n. 150, p. 74-83, il, color. nov./dez. 2004.
6
JORNAL VALOR ECONOMICO. Especial Balanços. Ganhos de Eficiência. Segunda-feira, SP, 29 de setembro de
2008.
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante desse novo cenário econômico-social que estamos vivendo, com suas
novas exigências, e principalmente com o advento da Lei 11638, percebe-se a mudança
de foco da Contabilidade brasileira com o abandono da normalização Norte-Americana
para o ingresso das normas contábeis internacionais que é de origem Européia.
Em relação ao Balanço Patrimonial, foco do presente estudo, com sua nova
estrutura e métodos de avaliação visou a transparência e a essência dos fatos, pois as
normas de contabilidade brasileira são muito formais, deste modo não retratando de
maneira tão evidente sobre a realidade patrimonial e financeira de uma entidade quanto
pela norma internacional, por isso ser internacionalmente aceita.
Entendendo desta forma, que a profissão do Contador passa a ser mais respeitada,
pois deste modo, reduz a objetividade que estamos acostumados e aumentando a boa
formação de julgamentos por parte dos Contadores.
Do mesmo modo, com a obrigatoriedade de publicação de novas demonstrações
contábeis, como o DVA e o DFC, que também aumenta o nível de transparência e
confiabilidade, características essenciais no mercado de capitais
Considera-se que, as alterações que a Lei 11638 trouxe, trarão benefícios a esse
mercado e a classe contábil, mas que de certa forma as empresas enfrentarão muitos
desafios durante a implementação.

REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA

AZEVEDO, Osmar Reis. Comentários às Novas Regras Contábeis Brasileiras. 1ªed.


São Paulo: IOB, 2008.
BRASIL.Lei nº11638, de 28 de dezembro de 2007. Institui normas relativas a
contabilização e dá outras providências.
CONTÁBEIS, Comitê de Pronunciamentos.Pronunciamento Conceitual Básico –
Estrutura Conceitual para a elaboração e apresentação das demonstrações contábeis.
item 51, p.16-17).jan.2008. Disponível em: <www.cpc.org.br/conceitual-basico.html>
Acesso em: 11 fev. 2008.
CVM. Comunicado ao Mercado. 14.01.2008. Disponível em: <www.cvm.com.br>.
Acesso em: 11 fev. 2008.
IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. 6ª edição. São Paulo: Atlas, 2000.
IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARTINS, Eliseu; GELBCKE, Ernesto Rubens. Manual de
contabilidade das sociedades por ações: aplicável às demais sociedades. 5. ed. rev. e
atual. São Paulo: Atlas, 2000.
IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARTINS, Eliseu; GELBCKE, Ernesto Rubens. Manual de
contabilidade das sociedades por ações: aplicável às demais sociedades. Suplemento.
1.ed. 3.reimpr. São Paulo: Atlas, 2008.
JORNAL VALOR ECONOMICO. Especial Balanços. Ganhos de Eficiência. Segunda-
feira, SP, 29 de setembro de 2008.
MADEIRA, Geová José. Harmonização de Normas Contábeis: um Estudo sobre as
Divergências entre normas Contábeis Internacionais e seus Reflexos na Contabilidade
Brasileira. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília: Conselho Federal de
Contabilidade, v. 33, n. 150, p. 74-83, il, color. nov./dez. 2004.
NIYAMA, Jorge Katsumi. Contabilidade Internacional. São Paulo: Atlas, 2005.