Você está na página 1de 6

Aula de de filosofia sobre arte.

Cartas de schiller sobre a educação estética da humanidade. (De 1 a 9)

Revoluçao francesa. O ambito das primeiras cartas e contem a tese principal de schiller. Pela
educaçao estetica forma-se o homem politico, a formaçao politica. O objetivo é exatamente uma
retomada do mundo grego, platao e aristoteles, no sentido de uma leitura do homem pelo viés
politico. Etomada da ideia grega de paideia – Bildung – Formação.

Texto critério 112 (revista de filosofia)

Formação do politico e do moral.

A resposta schilleriana para essa formaçao é de que deveria ser estetica, todo o processo de
enobrecimento do sensível.

O segundo conjunto de cartas, foi escrito entre nov e dez , e trava do conceito de beleza a partir da
carta dez.

O tema do terceiro conjunto vai da carta 17 a 27.

a primeira carta diz p 36 primeiro paragrafo.


Visao da fiosofia kantiana. Refere-se a kant.
Logo no primeiro parágrafo na carta dois, ( praxiz difere de poesis = fabricar, fazer.
Para aristotelessao dois dominios distintos. O Estado, a verdadeira liberdade politica é a obra de arte
por excelencia.) Obra politica como obra de arte. TEXTO – entre o passado e o fturo. Ana arent
mostra como seria um absurdo os gregos não conhecerem fídeas, um grande escultor. Um artista
nunca pode ser dado como exemplo etico. Para aristoteles na poiesis a obra deve estar em estado
material. Esta em jogo a ideia do objeto, que seria alvo da eficiencia.

Na praxis a perspectiva é do agente. Aristóteles pôe dentro da pratica a política não somente a ética.
O estetico vai ter que aperfeiçoar o agente. Nao é educaçao do artista, mas sim do cidadão.
Educaçao estetica não é do fazer, mas sim um alvo politico. Arte e política andam juntas, se
intercorrem. Schiller esta tentando intervir na sua época. Transformaçao no mundo em que ele vive,
da sua época, do seu tempo.

“A arte e filha da liberdade e quer ser legislada pela liberdade de espirito...”

As fronteiras da arte vao se estreitando ao momento em que a ciência amplia.

Schiler distribui as faculdades ao longo da historia em suas predominancias. Como com só gregos
que tinham a sensibilidade. No mundo moderno seria o entendimento. Schiller critica a hipertrofia
da ciencia, um avanço que ocupa todas as areas estreitando os limites da imaginaçao.

Fazer- tekné- eficiencia-ciencia-movida pela veloidade, rapidez. A utilidade é o grande ídolo da


nossa época, utilitando todos os talendo e submetendo ao prórprio enobrecimento da imaginação.
A arte não tem que cumprir com determinadas finalidades. Esse principio kantiano do belo é um
principio caro para schiller, pois ele ao questionar o principio da utilidade como o mais importante
da época, diz de um outro ângulo da arte, que não chega a um fim, de atender necessidades. Schiller
abraçava o principio do progresso, aufklerer, o mundo vai progredir. Schiller critica que o mundo
não vai caminhar para o melhor. Ha uma hipertrofia da ciencia, e com ela não vamos chegar a um
bom resultado.

A relaçao exploratoria que o homem manteem com a natureza é extremamente oposta do que
schiller pensava. Diferente do que a ciencia pensa, a utilizaçao da natureza pela ciencia é de
utilizaçao. Ele questiona o caminho que o ocidente tomou, de privilegio da exploraçao da força da
natureza.

explraçao da natureza- exploraçao da mulher- exploraçao do feminino- exploraçao do que se


contempla, do que se espera, do que se doa.*

Ha uma preocupaçao diante do futuro da humanidade, enquanto a sociedade não valoriza a arte.
A ideia de pensar por si mesmo é uma ideia do aufklarung de autonomia. Aufklarung –
esclarecimento. Aufklarung – ilustração = iluminismo (refere-se a uma época) Esclarecimento esta
livre de qualquer historia, de qualquer época. ESCLARECIMENTO tem o sentido de busca pessoal.

A ideia de pensar por si mesmo sem a tutela do outro. AUFKLARUNG.

O indivíduo (subjetividade) passa a espécie (objetividade). Do egoismo a democracia, há uma


trajetoria de iniciaçao ä cultura.

Passagem do homem fisico ao moral (homem objetivo, que conduz sua açao sgundo a lei e não
segundo aos seus caprichos de indivíduo egoista.) A lei, diante dela o indivíduo se vê nela. Relaçoes
entre Estado e indivíduo (relaçào pai e filho???) Vemos desenvolver em schiller uma protodialetica,
pois ele não chega ao terceiro movimento. Schiller tem uma escrita relativamente paradoxal.

PARA A LIBERDADE. A alcançamos pelo estético.o cerne da tese de Schiller é extremamente


tributária à Kant. Preferível ser um homem de gosto do que ser um artista. Os gregos admiravam
fídeas, mas nunca o apontaram como ético.

A autonomia das esferas é uma coisa da modernidade. O mundo grego não estava fragmentado, o
moderno sim.

A açao etica da tragedia é o heroi.

Praxis – politica e etica

O mundo grego privilegia a polis.e a justiça é a virtude máxima da polis.

Mito da caverna – a própria aparência é a obra de arte.

Mundo grego idealizado pelos alemães.

Carta 3 Dialogo com Rousseau.

A naturea toma o lugar do homem e age no sentido de resolver as necessidades do homem e a razao
regressivamente caminha no percurso do que foi feito e torna aquilo liberdade. Freud se inspira em
passagens como essa para dizer que onde o isso estava o eu há de vir. Wo es war, soll Ich werden.”
Eis aí o verbo. A natureza percorreu o caminho, e você transforma a obra da natureza em obra de
liberdade. O homem livre é aquele que não renega a natureza. O que ele foi é o que ele gostaria ser,
trabalho para a liberdade. Carta de schiller sobre as reflexoes de Rousseau. Rousseau enaltecia o
homem natural. O Estado é a objetivaçao do homem.

O costume e enobrecimento do carater pode embelezar a carencia do amor sexual,a cutura entra
para estetizar as nossas necessidades.

Ha uma dificuldade na passagem do homem físico para o moral. P41 A vida Ética e racional é
descontínua. A entrada da razão se da em momentos. Cuidado para não tirar a natureza do
indivíduo antes de ter construído a moral, ou seja, tirá-lo a escada do sentido da vida. A sociedade
moral se forma na idéia de que o homem não pode correr perigo pois há dignidade. Ninguém pode
ser exigido pagar com sua vida em prol de dignidade. A dignidade não pode contrariar a natureza
mínima que é a nossa sobrevivência. A sua vida é um principio que há de se manter. A Ética não
pode exigir o sacrifício da própria natureza.

Ha de se encontrar um suporte na sociedade para que o estado natural do indivíduo possa se


resolver.

Particular x Universal.
Real x Ideal.

A moralidade é essa vontade do estado do dever ser que não pode ignorar a própria existência. O eu
sujeito e o eu coletivo.

Um ideal nunca pode sobrepor o indivíduo. O coletivo nunca pode sobrepor o coletivo. (o que há no
caso das guerras?)

o suporte não esta no caráter destrutivo e egoísta do homem.

A PSICANALISE NAO É UMA BUSCA PELO EGO, PELO O QUE JA SE SABE, MAS SIM É
UMA BUSCA POR SABER. Revelar o inconsciente gera movimento. O MOVIMENTO SEMPRE
SE ALTERA, EM ORDEM E MAGNITUDE, PORÉM A PSICANALISE DOSA NA
OPORTUNIDADE DE ESCUTA A CONSTRUÇAO E METAMORFIZAÇAO DO INDIVIDUO.

Como a psicanalise afeta enquanto produçao cultural constante a subjetividade atual? Quais os
impactos no curso da historia dessa forma de conhecimento?

MOVIMENTO.

O querer sublime sacrifica a natureza do homem, como o bombeiro que salvou a criança. Tornar
essa vontade o mais natural possível é uma forma de mediar tal querer sublime.

Homem individual, homem puro. Homem temporal, homem real. Homem ideal é o homem fora do
tempo, das leis.
Insociavel sociabilidade (kant), porco espinho para esquentarem-se sem se machucarem.s
A sociedade transforma em antagonismo o que vem da natureza. As criancas vêem a sua existencia
como urgente. Na maioridade você supera o egoísmo, a maioridade é uma superação do egoismo
em função da razão.

O caráter ético só se afirma como principio da supressão da multiplicidade. O reino da liberdade é


invisível, pois o das intenções a gente nunca sabe. A moral não tem o direito de despovoar o reino
do fenômeno. A liberdade não se da no fenômeno, mas é mediada pela açào. Ha uma insistência do
reino dos fenômenos para Schiller. A beleza é liberdade no fenômeno.

Artista mecânico faz do objeto util (violenta)


Artista do belo não mostra a violencia ao qual o artista submeteu a materia. (pode violentar mas
não deve mostrar a violencia) A forma se da natural, não violenta. O genio age com a esponaidade
dos objetos. Artista pedagogo e politico faz do homem sua materia.

DECIDI TREINAR EM OBJETOS A ARTE DE TRANSFORMAÇAO ANTES DE CLINICAR


NUMA PROPOSTA DE DESVIO DO OLHAR DO HUMANO À SUA PRÓPRIA IDENTIDADE.

Subjetivo => Objetivo


Egoismo => Racional
Eu => Outro

O Estado depende desse suporte que é o próprio indivíduo racional para escolher.

Escravo do seu escravo = bárbaro = pior do que o selvagem. O homem bárbaro despreza a
sensibilidade.

Trocar o estado da privaçao pelo estado da liberdade.

Ler carta 5 a 9.
Apresentação sobre o projeto de mestrado.

John Cage.

Por um tônus da presença. Fluxus.

Experiencia estetica com todas as coisas. Gumbrage

pra kant fala de sentimento do belo e do sublime. O sentimento do belo é de prazer. Experiencia de
conhecimento. Perplexidade, devaneio. Não se fala em experiência estética em Kant.
Documenta de cassia, exposição artistica.

MEUS DEUS , COMO A EXPERIENCIA ESTETICA SE LIMITA AO VISUAL? A ARTE TEM A


VER COM IDENTIFICAÇAO. O ENCONTRO QUE DESLOCA O HUMANO PARA MAIS
PROXIMO DA NATUREZA. PARA KANT A EXPERIENCIA ESTETICA É A EXPERIENCIA
DE PRAZER. INSIGHT, perplexidade?

IAUTZER- prazer reflexivo.

Estado de presença zen

estar em plenitude. A luz para o conhecimeto.

A pratica da meditaçao há a iluminaçao. A experiência tonificada relaciona-se ao músculo.

Sutra do coração e da sabedoria.

Sera que sou eu somente quem tem uma visao não tao especfica, quando coloco em movimento...o
que esta acontecendo? As pessoas querem ter uma visão sobre a arte? FALTA MINHA PALAVRA.

PETER BURGER TEORIA DAS VANGUARDAS.

Helio Oiticica

Supra sensorial.

Retorno ao sensível.

Performance, movimento, vida, representação.

FENOMENOLOGIA DA PERCEPÇÃO.

Jauss estetica da recepção.

PARA EDIFICAR CONHECIMENTO


Relaçao da experiencia estetica na apropriaçao do corpo pelo sujeito em um estado de relaçao com
o todo, com a realidade.

Paul Zumthor teoria da performance, poesia oral. Reconstrução do poético pelo sensível.

A própria percepção instaurando o sentido.

Obra de arte total WAGNER nietche, designando a tragedia. Opera wagneriana foi concebida como
uma obra de arte total, consumo de todos os sentidos.

O QUE É ARTE, AQUILO QUE PONTUA HISTORICAMENTE OU AQUILO QUE APROPRIA


SEU CORPO E UM DESLOCAMENTO. DESLOCAMENTO.

A EXPERIENCIA DO SENSIVEL COMO EXPERIENCIA ESTETICA DA REALIDADE. SUA


APROPRIAÇAO GERA MOMENTOS DO BELO, EXPERIENCI ARTISTICA NO CORPO. O
CORPO ENQUANTO SUPORTE? OU O SER ENQUANTO SUPORTE.