Você está na página 1de 36

ENERGIA, NECESSIDADES NUTRICIONAIS E Prof.

José Aroldo Filho


goncalvesfilho@nutmed.com.br
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO
ENERGIA
 Tamanho corporal
A energia é definida como a “capacidade de realizar Pessoas altas e magras possuem maior TMB que
trabalho”. O Conselho de Especialistas em Necessidades indivíduos baixos e gordos.
de Energia e Proteína da FDA/OMS define as
necessidades de energia como “a necessidade de energia  Composição corporal
de um indivíduo que irá equilibrar o gasto de energia a O principal determinante da TMB é a massa magra (ou
partir do alimento e que irá equilibrar o gasto de energia Massa livre de gordura), principal tecido metabolicamente
quando o indivíduo possui um tamanho e composição ativo no corpo. Contribui com ~80% na variação do GER.
corporal e atividade física”.
 Idade
O peso corporal é um indicador de adequação ou Como a TMB é determinada pela massa magra e ocorre
inadequação de energia. perda da mesma com a idade, a TMB declina com a idade.
Após o início da idade adulta, há um declínio na TMR de 1
1. COMPONENTES DO GASTO DE ENERGIA a 2% por kg de massa livre de gordura.

Pode ser dividido em três componentes (mais comum):  Sexo


taxa metabólica basal (TMR ou TMB) ou gasto energético
de repouso (GER), efeito térmico do alimento e gasto com As diferenças metabólicas entre os sexos são decorrentes
atividade física. da alteração da composição corporal dos mesmos, pois
homens possuem mais massa magra que mulheres,
GASTO ENERGÉTICO BASAL E DE REPOUSO possuindo então maior TMB.

O gasto de energia basal (GEB) pode ser definido como a  Estado hormonal
quantidade de energia utilizada durante 24h enquanto Principalmente pelos hormônios tireoidianos, que em
descansa fisicamente (isto é, deitado) e mentalmente em elevadas concentrações aumentam a TMB e em
um ambiente termicamente neutro. concentrações diminuídas diminui a TMB. Além disso, a
TMB flutua com o ciclo menstrual, tendo seu ponto mais
As medidas de taxa metabólica basal (TMB) são alto, exatamente antes do início da menstruação. O
realizadas pela manhã, após jejum de 10 às 12h após a aumento médio é de 150 kcal por dia na segunda metade
ingestão de qualquer alimento, bebida ou nicotina. do ciclo menstrual.
Representa ~60 a 70% do Gasto energético total (GET).
 Temperatura corpórea
Caso uma das condições acima para aferição não seja A febre aumenta a taxa metabólica em cerca de 13% para
preenchida, será classificada com taxa metabólica de grau de elevação na temperatura corporal acima de 37 oC.
repouso. A taxa metabólica de repouso (TMR) é medida, A TMB também é afetada pelos extremos na temperatura
em qualquer horário do dia, após jejum de 4h com a ambiente, em climas tropicais, a TMR é superior 5 – 20%
última refeição pobre em proteína. Por razões práticas, as que naqueles em países temperados.
medidas de TMR são mais utilizadas e são 10 a 20%
superiores que a TMB. GASTO ENERGÉTICO INDUZIDO PELA DIETA (ETA)

Define-se gasto de energia em repouso (GER) como a Define-se efeito termogênico do alimento como o aumento
energia despendida nas atividades necessárias para no gasto de energia associado ao consumo de alimento. É
manter as funções corporais normais (respiração, responsável por aproximadamente 10% da taxa metabólica
circulação, bombeamento de íons, síntese de compostos diária média (ADMR ou VET).
orgânicos e atividade do SNC e manutenção de calor) e
homeostase. Quase 60% do GER podem ser Termogênese obrigatória  digerir, absorver e
responsáveis pelo calor produzido pelo fígado, cérebro, metabolizar nutrientes.
coração e rins. Termogênese facultativa  excesso de energia gasta,
além da obrigatória.
Fatores que afetam o gasto de energia em repouso

1
O uso de cafeína, nicotina e álcool estimula a taxa
metabólica. A ingestão de 200 – 350mg de cafeína em
homens e 240mg em mulheres aumenta a TMR em média
de 7 – 11% em homens e 8 – 15% em mulheres.

Nicotina aumenta em 3 - 4% em homens e em 6% entre


mulheres.

Lipídios são oxidados com apenas 4% de perda 


eficiência metabólica.

Chilli e mostarda podem aumentar a TMB em 33% ou mais


que as refeições condimentadas.

GASTO ENERGÉTICO INDUZIDO PELA ATIVIDADE


FÍSICA (AEE) Fig 1: Câmara calorimétrica.
A energia gasta em atividade física é o componente mais CALORIMETRIA INDIRETA
variável do gasto energético total, podendo variar de 10%,
no acamado, até 50% em um atleta. Estima o gasto de energia pela determinação do
consumo de oxigênio e produção de dióxido de carbono
Isso corresponde a um gasto de energia em 100kcal/dia no pelo corpo durante um período de tempo. Os dados
sedentário e até m 3000kcal /dia em um atleta. obtidos da calorimetria indireta permitem o cálculo de
quociente respiratório, onde:
O efeito EPOC ou COPE (consumo de oxigênio após o
exercício) afeta o gasto de energia. Mostrou-se que a QR = moles de CO2 expirados/moles de O2
duração e a magnitude da atividade aumentam o EPOC, consumidos
resultando em uma taxa metabólica elevada mesmo após
o exercício ter terminado. Esta determinação é convertida em kcal de calor
produzidos por metro quadrado de superfície corporal.
2. MEDIÇÃO DO GASTO ENERGÉTICO
QR = carboidrato 1,0; proteína 0,82; gordura 0,7 e dieta
A unidade de energia é a caloria ou energia necessária mista 0,85.
para elevar a temperatura de 1 mL de água a 15 oC em
1oC.
CUPPARI (2014)  O Joule é uma unidade de calor
mecânico que equivale a 4,1855 quilocalorias, portanto,
para conversão de kcal em kJ, multiplica-se o as
quilocalorias por, aproximadamente 4,2. Vários métodos
estão disponíveis para medição do gasto energético
humano e seguem:

CALORIMETRIA DIRETA

Monitora a quantidade de calor produzida por um indivíduo


situado dentro de uma estrutura suficiente para permitir
quantidades moderadas de atividade. O método é limitado
pelo alto custo e escassez de instalações apropriadas. Fig 2: Esteira ergométrica

ÁGUA DUPLAMENTE MARCADA (DLW)

2
O método da DLW é baseado no princípio de que a
produção de CO2 pode ser estimada pela diferença nas Sendo: P – peso atual em kg; A – altura em cm; e I – idade
taxas de eliminação de hidrogênio e oxigênio no corpo. em anos.

O indivíduo recebe uma dose de água marcada com dois CUPPARI (2014)  O Comitê das DRIs de energia
isótopos: oxigênio 18 e deutério, que são eliminados em 10 elaborou equações de predição de TMB para indivíduos
a 14 dias na urina, saliva ou plasma. saudáveis de 20 a 96 anos, com IMC entre 18,5 e 40kg/m 2.

As diferenças na taxa de eliminação de DLW é uma HOMEM:


medida de produção de CO2 e utilizando-se técnicas de TMB = 293 – (3,8 x I) + (10,12 X P) + (456,4 X A)
calorimetria indireta padrão, estima-se o gasto energético.
MULHER:
ESTIMATIVAS DAS NECESSIDADES DE ENERGIA TMB = 247 – (2,67 x I) + (8,6 X P) + (401,5 X A)

Inúmeras metodologias foram propostas e desenvolvidas Sendo: P – peso atual em kg; A – altura em m; e I – idade
para estimar o gasto energético em humanos, dentre eles em anos.
a validação de questionários de freqüência de consumo
alimentar semiquantitativos, recordatórios de 24h e NECESSIDADES NUTRICIONAIS
registros alimentares.
Necessidades nutricionais representam as menores
Com o decorrer dos anos, várias equações foram quantidades de um dado nutriente que devem ser
desenvolvidas para se medir a TMR, como as equações de consumidas por meio dos alimentos, quantidades estas
Harris & Benedict (1919), da FAO/OMS 1985 e suficientes para promover saúde e prevenir as
recentemente novas equações de previsão de GEB manifestações patológicas derivadas da carência de
(kcal/kg de massa corpórea total). determinado nutriente particular.

A maneira mais comum para predizer o REE para um A FAO e OMS propuseram o termo variação segura de
indivíduo na prática clínica é aplicar as equações de ingestão (safe range of intake) para designar níveis de
Harris-Benedict. ingestão que se situam entre o nível seguro (safe level) e o
nível acima do qual pode ser detectada evidência de efeito
HOMEM: adverso.
REE = 66,5 + (13,8 X P) + (5 X A) – (6,8 X I)

MULHER:
REE = 655,1 + (9,6 X P) + (1,8 X A) – (4,7 X I)

Fig 3: Níveis de ingestão e risco de inadequações dietéticas.


corresponde a mediana adicionada de 2 desvios-padrão e
CARACTERÍSTICAS 99% da população corresponde a mediana adicionada de
3 desvios-padrão.
As necessidades são maiores por unidade de peso
corporal durante os períodos de crescimento, quando RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS
novos tecidos estão sendo formados.
A RDA (Recommended dietary allowances) tornou-se
As necessidades aumentam durante a gestação e durante amplamente conhecida e aplicada, sendo usada para:
a lactação.
 Planejamento e efetivação de suprimento alimentar para
Com o avançar da idade, acima dos 40 anos, a massa subgrupos populacionais;
magra e a atividade declinam e consequentemente  Interpretação do consumo alimentar de indivíduos e
declinam as necessidades de energia, porém o mesmo populações;
parece não ocorrer com nutrientes essenciais (PTN,  Estabelecimento de padrões para programas de
tiamina, riboflavina e B12), que não são diferentes de assistência alimentar;
adultos jovens. Exceto ferro, as necessidades de  Avaliação da adequação do suprimento alimentar para
nutrientes por massa corporal total não diferem entre sexo. alcançar necessidades nutricionais em nível nacional;
 Designar programas de educação nutricional;
A distribuição de necessidades nutricionais segue o  Desenvolvimento de novos produtos na indústria.
modelo de Gauss (distribuição normal). 95% da população
3
Entretanto, para que a RDA fosse utilizada corretamente UL = NOAEL ou LOAEL
havia necessidade de algumas premissas serem UF
atendidas, como o critério de determinação das
necessidades nutricionais, nas quais a RDA se baseia. DISTRIBUIÇÃO DA INGESTÃO DIÁRIA DE REFERENCIA
(DRI)
Para se estabelecer os novos conceitos surgiu a estrutura
do Projeto DRI (dietary reference intake), substituindo as A figura abaixo mostra como as DRIs estão relacionadas à
revisões periódicas das RDAs. ingestão.

INGESTÃO DIÁRIA DE REFERÊNCIA

A Ingestão diária recomendada (DRI) refere-se a um


conjunto de pelo menos quatro valores de referência de
ingestão de nutrientes: EAR, RDA, AI e UL.

1) Necessidade média estimada (EAR)


“valor da ingestão de nutrientes que estimado para
alcançar as necessidades em 50% dos indivíduos em um
grupo por estágio de vida e sexo”. Fig 4: DIRs.

Assumindo uma distribuição normal, corresponde à GUIAS ALIMENTARES


mediana das necessidades.
Guias alimentares são orientações dietéticas para o
2) Quantidade dietética recomendada (RDA)
“Nível de ingestão diário de nutrientes suficientes para público e se constituem em componente da política de
alcançar a demanda de 97 - 98% dos indivíduos em um saúde. Estabelecem metas em termos de alimentos a
serem consumidos por indivíduos.
grupo por estágio de vida e sexo”.
Não necessitam ser quantificados, mas necessitam ser
Assumindo uma distribuição normal corresponde ao p95.
baseado em metas.
Para cálculo da RDA é fundamental a EAR do nutriente,
onde:
RDA = EAR + 2DP OBJETIVOS
1) aconselhar consumidores a selecionar dietas
adequadas para obterem melhores chances de saúde em
A RDA é o valor para ser usado para indivíduos e, em
longo prazo;
razão da grande variação de ingestão, muitas vezes é
2) orientar a alimentação para reduzir as chances de
apropriado para avaliação de ingestão de nutrientes ou
desenvolvimento de doenças crônico-degenerativas.
planejamento de dietas de grupos populacionais.
CARACTERÍSTICAS
3) Ingestão Adequada (AI ou IA)
1) estabelecimento de baixo custo e fácil
“se não houver disponibilidade de evidências para calcular
operacionalização;
a EAR, logo, não tem-se dados para cálculo de RDA, logo,
a IA é usada em substituição”. 2) incluem orientação de consumo de não nutrientes (como
fibras) e de nutriente não essencial (como colesterol);
3) apresentam orientações gerais, sem especificação para
Baseia-se na ingestão média de nutrientes observados de
diferentes segmentos sociais (sexo, idade e estados
forma experimental que parece sustentar o estado
fisiológicos);
nutricional. A AI supera a RDA em termos de adequação
4) Metas a serem alcançadas para o futuro;
nutricional.
5) expressos como alimentos e em linguagem de fácil
compreensão.
É baseada em médias observadas ou ingestão derivada da
ingestão média de um dado nutriente, por uma
METAS
população/grupos específicos e que parece sustentar um
Um grupo de estudo da OMS propôs metas alimentares
estado nutricional definido, evidenciado por indicadores de
para populações do mundo todo, que foram expressas em
adequação nutricional (níveis circulantes normais de
variações do valor energético total:
nutriente e velocidade de crescimento adequada).
 Lipídeos entre 15 e 30% VCT, sendo:
o Saturados entre 0 e 10%;
4) Limite Superior Tolerável de Ingestão (UL)
o Polinsaturados de 3 a 7% da gordura total.
“nível máximo de ingestão de nutrientes que é improvável
de colocar riscos adversos à saúde de quase todos os  Proteínas de 10 a 15% do VCT;
indivíduos”.  Carboidratos de 55 a 75% VCT, sendo;
o Complexos de 50 a 70%;
o Simples/Açúcares de 0 a 10%.
O termo tolerável foi escolhido para evitar implicação de
 Fibras 16 a 24g/dia;
efeito benéfico. É um teor que pode ser tolerado
 Frutas e vegetais  consumo superior a 400g/dia;
biologicamente. Refere-se ao valor máximo à ingestão a
 Sal de 0 a 6g/dia.
partir dos alimentos, alimentos fortificados, água e
suplementos.
O Guia Alimentar para a população brasileira  confecção
da Pirâmide Alimentar Brasileira (Sônia Tucunduva
A UL é determinada levando-se em consideração: NOAEL
Philippi).
– nível máximo de segurança de ingestão (não observa-se
efeito adverso), a LOAEL – limite de segurança mínimo de
O Guia brasileiro foi realizado tomando-se como base a
ingestão (observa-se o primeiro efeito adverso) e a UF –
pirâmide americana e o planejamento de três dietas
fator de incerteza (variação populacional).
padrões:
1) 1600kcal  mulheres sedentárias e idosos;
4
2) 2200kcal  crianças, adolescentes do sexo feminino,
mulheres com atividade intensa e homens sedentários; Na base da pirâmide encontra-se a atividade física, como
3) 2800kcal  Adolescentes do sexo masculino, homens estímulo de prática de 1 a 2 vezes por semana, além de
com atividade intensa e mulheres com atividade física consumir de 2 a 3L de água por dia. Com base na pirâmide
muito intensa. alimentar, foram definidas algumas recomendações
básicas visando complementar a orientação nutricional:
As dietas possuíam distribuição de macronutrientes da
seguinte maneira: 10 – 15% proteínas; 20 – 30% lipídeos e  Escolher uma dieta variada com alimentos de todos os
50 – 60% carboidratos. grupos da pirâmide;
 Consumir grãos integrais (arroz, farinha e pães);
Fig 5: PIRÂMIDE AMERICANA (USDA)  Dar preferência aos vegetais, como frutas, verduras e
legumes;
 Consumir alimentos com baixo teor de gordura e dar
preferência às gorduras insaturadas, leite desnatado e
carnes magras;
 Usar, com moderação, açúcar, doces, sal e alimentos
ricos em sódio;
 Dar preferência aos alimentos em sua forma natural, às
preparações grelhadas, assadas e cozidas em água ou
vapor, para garantir melhor valor nutritivo;
 Ler os rótulos dos alimentos industrializados para
conhecer o valor nutritivo e escolher melhor o alimento que
será consumido;
 Se fizer uso de bebidas alcoólicas, fazer com
moderação;
Fig 6: PIRÂMIDE ALIMENTAR BRASILEIRA  Beber, no mínimo, de seis a oito copos de água por dia;
(PHILIPPI)  Mudar os hábitos alimentares indesejáveis
gradativamente, pois medidas radicais não são
recomendadas;
 Considerar sempre o estilo de vida para atingir o peso
ideal: estimular atividade física regular de 30min ao dia.

USO E APLICAÇÕES DAS DRIs

As DRIs podem ser usadas para planejamento e avaliação


de dietas tanto para indivíduos como para grupos
conforme ciclo de vida e gênero.

DISTRIBUIÇÃO MÉDIA ACEITÁVEL DE NUTRIENTES


(AMDR) A possibilidade de verificar a adequação dos nutrientes,
inclusive daqueles que não possuem EAR, facilita a
Para redução do aparecimento de doenças crônicas, avaliação e o planejamento de dietas tanto para indivíduos
segundo a DRIs uma dieta deve fornecer: quanto para grupos. Entretanto, as DRIs podem não ser
aplicadas para estados específicos de doenças, por isso,
CHO 45 – 65% VET, sendo: os profissionais de nutrição devem ajustá-las de acordo
<25% açúcares simples; com o quadro patológico e verificar os fatores que
Fibras 14g/1000kcal. contribuem para a variabilidade das necessidades (sexo,
LIP 20 – 35% VET (crianças jovens, entre 25 e 40%). atividade física etc).
PTN 10 – 35% VET (0,8g/kg para adultos de proteínas
de AVB).
5
EXERCÍCIOS DE NUTRIÇÃO HUMANA
9)O adoçamento não calórico que NÃO está aprovado pela
1)É(são) absorvido(s) SOMENTE pela difusão facilitada FDA (Food and Drug Administration) – E.U.A é a/o
o(s) seguinte(s) monossacarídio(s) (EAOT 2002): (EAOT 2003):

(A) frutose. (A) sacarina.


(B) glicose. (B) aspartame.
(C) galactose. (C) alitame.
(D) os citados em a, b e c. (D) acesulfame K.

2)A água é o constituinte mais importante do corpo 10)A síntese de creatina é realizada no fígado, rins e
humano, e se encontra no meio intracelular e pâncreas, e tem como precursores três aminoácidos
extracelular (sangue, linfa, secreções, etc). O distintos, a saber (EAOT 2005):
percentual de água na mulher e no homem são,
respectivamente, de (EAOT 2002):
(A) metionina, arginina, glicina.
(A) 60% - 60%. (B) leucina, isoleucina, metionina.
(B) 50% - 65%. (C) glicina, leucina, metionina.
(C) 78% - 70%. (D) isoleucina, leucina, glicina.
(D) 65% - 62%.
11)O GER (gasto energético no repouso) representa a
3)Só é INCORRETO afirmar que é uma enzima proteolítica energia gasta por uma pessoa em repouso sob
o/a (EAOT 2002): condições de neutralidade térmica. A principal
característica biológica relacionada ao gasto
(A) amilase.
(B) tripsina. energético é (EAOT 2005):
(C) quimotripsina.
(D) ribonuclease. (A) altura.
(B) sexo.
4)A fibra dietética pode desempenhar papel importante no (C) idade.
controle da obesidade uma vez que (EAOT 2002): (D) massa corpórea magra.

(A) aumenta a taxa glicêmica. 12)A fibra dietética é um componente estrutural


(B) dificulta e diminui a mastigação.
vegetal não digerido pelas enzimas do trato
(C) não secreta hormônio na digestão.
(D) aumenta a excreção de gordura nas fezes. gastrointestinal. As seguintes fibras são consideradas
solúveis em água (EAOT 2005):
5)A privação de BORO afeta o (EAOT 2002):
(A) fígado e o baço. (A)cutinas, gomas, ligninas.
(B) cérebro e os ossos. (B)pectinas, ceras, mucilagens.
(C) fígado e o cérebro (C)ligninas, cutinas, pectinas.
(D) pâncreas e os ossos.
(D)mucilagens, gomas, pectinas.
6)A hipovitaminose A é um dos grandes problemas
carenciais em estudos populacionais. Nos estudos de 13)Estudos recentes indicam o efeito redutor de
prevalência desta carência, o ponto crítico para se lipídeos, relacionando a modificação das
considerar a concentração de retinol plasmático concentrações sangüíneas de colesterol à vitamina
deficiente, ocorre quando a mesma, em mcg/100ml, é (EAOT 2005):
menor que (EAOT 2002):
(A) riboflavina.
(A) 10.
(B) acido fólico.
(B) 15.
(C) 20. (C) tiamina.
(D) 23. (D) niacina.

7)Os sinais e sintomas MAIS característicos da anemia 14)Analise estas afirmativas concernentes aos
ferropriva são, além da palidez (EAOT 2002): carboidratos e assinale com V as verdadeiras e com F
as falsas:
(A) fotofobia e blefarite. ( ) A galactose não é encontrada na forma livre na
(B) hiperqueratose folicular e piodermite. natureza, sendo obtida a partir da hidrólise da lactose,
(C) aumento da tiróide e fígado palpável. açúcar do leite, no processo digestivo.
(D) deficiência de peso e atrofia das papilas. ( ) Os carboidratos representam a mais importante fonte
de energia proveniente da dieta, originando-se,
8)A colecistocinina é um importante hormônio fundamentalmente, de alimentos vegetais.
multifuncional que tem, entre outras, a função de ( ) Os polissacarídeos são menos solúveis e mais
(EAOT 2003): estáveis que os açúcares simples, sendo o amido e o
glicogênio, de modo geral, completamente digeríveis.
(A) estimular a ingestão de alimentos. ( ) Os principais dissacarídeos encontrados nos
(B) acelerar o esvaziamento gástrico. alimentos são a glicose e a frutose.
(C) estimular as secreções e a motilidade gástrica. Assinale a alternativa que apresenta a seqüência de letras
(D) estimular a contração da vesícula biliar, do cólon e do CORRETA. (EAOT 2006):
reto. (A)(F) (V) (V) (F)
6
(B)(V) (F) (F) (V) 19)Numere a COLUNA II de acordo com a COLUNA I,
(C)(V) (V) (F) (V) associando corretamente cada tipo de vitamina à
(D)(V) (V) (V) (F) respectiva caracterização (EAOT 2006):
COLUNA I
15)Analise estas afirmativas concernentes a proteínas e ( ) Sua deficiência leva à pelagra.
aos aminoácidos e assinale com V as verdadeiras e ( ) É efetiva no tratamento da anemia perniciosa.
com F as falsas (EAOT 2006): ( ) Instável ao calor, é destruída pelo armazenamento.
( ) É denominada riboflavina.
( ) A base da estrutura das proteínas são os
( ) Tem sua absorção inibida pelo álcool.
aminoácidos, que se combinam por meio de ligações
( ) É uma vitamina lipossolúvel.
peptídicas, unindo o grupo carboxílico de um aminoácido
COLUNA II
ao grupo amino de outro.
1. Vitamina A
( ) A caseína do leite e a albumina do ovo são proteínas
2. Vitamina B1
fibrosas, que se caracterizam por várias cadeias peptídicas
3. Vitamina B2
helicoidais torcidas juntas, formando uma haste rígida.
4. Vitamina C
( ) A lisina é o aminoácido limitante das leguminosas.
5. Vitamina B12
( ) Treonina, triptofano, histidina, lisina, leucina,
6. Niacina
isoleucina, metionina, valina e fenilalanina são
aminoácidos essenciais por terem síntese inadequada no
Assinale a alternativa que apresenta a seqüência de
organismo e devem ser fornecidos pela dieta.
números CORRETA.
Assinale a alternativa que apresenta a seqüência de letras
(A) (2) (6) (1) (5) (3) (4)
CORRETA.
(A) (F) (V) (V) (F) (B) (3) (4) (2) (6) (5) (1)
(B) (V) (F) (F) (V) (C) (5) (1) (2) (3) (4) (6)
(C) (V) (F) (V) (F) (D) (6) (5) (4) (3) (2) (1)
(D) (V) (V) (F) (V)
20)Os minerais são elementos inorgânicos que exercem
16)Analise estas afirmativas concernentes aos lipídeos e diversas funções. Como não podem ser sintetizados
aos ácidos graxos e assinale com V as verdadeiras e pelo organismo, devem ser obtidos de fontes
com F as falsas (EAOT 2006): exógenas, sendo encontrados naturalmente nos
( ) A maioria dos lipídeos existentes nos alimentos alimentos. Assim, a dieta constitui umas das principais
apresenta-se sob a forma de triglicerídeos. vias de ingestão desses nutrientes (EAOT 2006):
( ) O ácido oléico é um ácido graxo polinsaturado
encontrado no azeite, óleo de canola, óleo de amendoim e Analise estas afirmativas concernentes a minerais:
nozes. I. A maioria do cálcio ingerido é excretado pelas fezes e
( ) Os ácidos graxos polinsaturados contêm duas ou mais pela urina, excreção que diminui na menopausa.
duplas ligações e o ácido linoléico é predominante na II. A presença de fibras ou fitatos, assim como altas
dieta. ingestões de cálcio e ferro, aumentam a absorção de
( ) Os fosfolipídeos são encontrados em altas zinco.
concentrações no tecido nervoso. III. A biodisponibilidade de um mineral é a proporção do
Assinale a alternativa que apresenta a seqüência de letras nutriente na dieta que é absorvido e utilizado.
CORRETA. IV. Cálcio, fósforo, sódio, potássio, cloro, magnésio e
(A) (F) (V) (F) (F) enxofre são macrominerais essenciais, necessários ao
(B) (V) (F) (F) (V) adulto em quantidades maiores ou iguais a 100mg por dia.
(C) (V) (F) (V) (F) V. O enxofre é encontrado nos aminoácidos cistina,
cisteína e metionina e, estando presente nas proteínas, é
(D) (V) (F) (V) (V)
mais prevalente na insulina, na queratina da pele, cabelo
e unhas.
17)Com base nas propriedades físicas e nos papéis VI. O estágio final da deficiência de ferro é a anemia
fisiológicos, os componentes das fibras na dieta hipocrômica e microcítica, caso em que é indicada a
podem ser categorizados como solúveis e insolúveis. suplementação de ferro na forma de sulfato ferroso (EAOT
Considerando-se as seguintes substâncias, é 2006):
CORRETO afirmar que aquela que se inclui no grupo
de fibras insolúveis é a (EAOT 2006): A partir desta análise, pode-se concluir que
(A)apenas as afirmativas I, V e VI estão corretas.
(A) celulose.
(B)apenas as afirmativas I, II, IV e VI estão corretas.
(B) goma.
(C)apenas as afirmativas II, III, IV e V estão corretas.
(C) mucilagem.
(D)apenas as afirmativas III, IV, V e VI estão corretas.
(D) pectina.
21)A sacarase é uma enzima intestinal que hidrolisa
18)Sabe-se que a concentração calórica de um alimento é
sacarose em (EAOT 2007):
fornecida por carboidratos, proteínas e lipídeos.
(A)glicose e frutose.
Suponha uma porção de 100 g de um alimento que
(B)lactose e frutose.
contém 5% de carboidrato, 4% de proteína e 3% de
(C)frutose e maltose.
lipídeo. Assim sendo, é CORRETO afirmar que o valor
(D)glicose e maltose.
calórico dessa porção de alimento é de (EAOT 2006):
(A)48 Kcal.
22)A substância que converte o pepsinogênio (forma
(B)63 Kcal.
inativa) em pepsina (forma ativa) no estômago é
(C)69 Kcal.
(EAOT 2007):
(D)72 Kcal.
7
(A)bicarbonato. III. Ácidos Graxos são ácidos orgânicos com moléculas
(B)sais biliares. lineares que podem ter de 8 a 22 carbonos em sua
(C)lipase gástrica. estrutura. São classificados em saturados,
monoinsaturados e polinsaturados.
(D)ácido hidroclorídrico.
Qual(is) das opções acima está(ão) correta(s) (EAOT
2008):?
23)A digestão das proteínas se inicia: (A)Apenas a II.
(A)na boca. (B)Apenas II e III.
(B)no estômago. (C)Apenas a I.
(C)no intestino grosso. (D)Apenas I e II.
(D)no intestino delgado.
31)O exame físico é um método clínico utilizado para
24)As substâncias citadas são monossacarídeos, EXCETO detectar sinais e sintomas associados à desnutrição.
(EAOT 2007): Esses sinais e sintomas apenas se desenvolvem em
(A)frutose. estágios avançados de depleção nutricional e que por esta
(B)glicose. razão, o diagnóstico da deficiência nutricional não deve
(C)maltose. basear-se exclusivamente neste método. Sabe-se também
(D)galactose. que algumas enfermidades apresentam sintomas
semelhantes aos apresentados na desnutrição e, por este
25)O escorbuto é uma doença associada à deficiência de
motivo, deve-se conhecer a história clínica do paciente
(EAOT 2007):
para evitar um diagnóstico nutricional incorreto (EAOT
(A)niacina.
2008).
(B)vitamina C.
Considerando o texto acima, unhas quebradiças, rugosas,
(C)vitamina E. coiloníquas são sinais associados à desnutrição e
(D)colecalciferol. podem indicar uma possível deficiência de
(A)Vitamina A.
26)A carnitina pode ser sintetizada no organismo humano (B)Ferro.
a partir do aminoácido (EAOT 2007): (C)Vitamina B12.
(A)lisina. (D)Fósforo.
(B)arginina.
(C)alanina. 32) Numere a segunda coluna de acordo com a primeira,
(D)ácido glutâmico. associando a vitamina ao sinal de deficiência (EAOT 2008)
I. Vitamina E
27)É CORRETO afirmar que a produção da bile se dá II. Riboflavina
(EAOT 2007): III. Vitamina B6
IV. Folato
(A)nos rins.
( ) anemia megaloblástica
(B)no fígado. ( ) neuropatia periférica
(C)no pâncreas. ( ) fotofobia
(D)na vesícula biliar. ( ) convulsões

28)O aminoácido que intensifica a massa celular, a A seqüência correta na segunda coluna, de cima para
altura das vilosidades e é combustível principal baixo, é
para os enterócitos na mucosa intestinal, (A) III I IV II.
especialmente durante o estresse, é (EAOT 2007): (B)IV I II III.
(A)lisina. (C)I III II IV.
(B)alanina. (D)II IV III I.
(C)arginina.
(D)glutamina. 33) Qual das opções abaixo apresenta sintomas de
deficiência de zinco (CSM 2004)?
29)A laxação e a atenuação do colesterol e da (A)Alopécia e vômitos
glicose sangüínea são efeitos fisiológicos (B)Náuseas e distúrbios de comportamento
associados ao consumo de: (C)Alterações no paladar e lesões de pele
(A) lipídios. (D)Diminuição de imunidade e obesidade
(B) proteínas. (E)Retardo no crescimento e hemorragias
(C) carboidratos.
(D) fibras alimentares. 34)Assinale a opção INCORRETA em relação à digestão e
absorção de nutrientes.
(A)B12 com fator intrínseco, sais biliares, vitamina D e
30) Analise as seguintes afirmações:
tiamina são absorvidas a nível de íleo distal.
I. Os Ácidos Graxos Polinsaturados de Cadeia Longa
(B)A absorção de glicose, sódio, potássio e magnésio se
ômega3 têm um efeito favorável na redução dos
dá por meio de transporte ativo.
triglicérides plasmáticos, mas somente demonstrado em
(C)As proteínas intactas podem ser absorvidas em
doses superiores a 1g/diária.
pequenas quantidades por pinocitose.
II. Os diferentes óleos e gorduras comestíveis utilizados
(D)A fase final da digestão de proteínas ocorre na borda
no consumo humano têm diferentes concentrações de
em escova, onde os di e tripeptídeos são hidrolisados
ácidos graxos. Os ácidos graxos de C8 a C18 são
a aminoácidos.
comuns nas gorduras de animais terrestres.
8
(E)As micelas facilitam a passagem dos lipídeos do lúmen 42) O TCM natural é encontrado nos seguintes alimentos
intestinal para a borda em escova. (FESP 2009):

35)O maior determinante da TMB é (CSM 2005): (A)Óleo de canola e milho


(A)Atividade física (B)Óleo de palma e soja
(B)Massa magra (C)Gordura do leite e óleo de coco
(C)Percentual de gordura corpórea (D)Óleo de palmeira e babaçu
(D)Variação da hidratação (E)Óleo misto e girassol
(E)Metabolismo basal
43) Achados clínicos característicos de deficiência de
36)Assinale a opção que apresenta um fator que NÃO oligoelementos devem também ser reconhecidos no
interfere nas necessidades calóricas (CSM 2006): exame físico. Anemia, hipoproteinemia e leucopenia
(A)Trauma podem indicar deficiência de: (Prefeitura Municipal de São
(B)Febre Leopoldo – 2006)
(C)Estresse (A)zinco
(D)Restrição ao leito (B)cobre
(E)Hidratação (C)cromo
(D)selênio
37)Qual o principal aminoácido que participa da (E)manganês
gliconeogênese (CSM 2006):
(A)Glutamina
(B)Glicina 44) O aminoácido precursor da síntese de tirosina é a:
(C)Metionina (FUNECE – 2003)
(D)Alanina (A) Leucina
(E)Leucina (B) Lisina
(C) Fenilalanina
(D) Valina
38) O controle neural da atividade secretória e contrátil
gastrintestinal consiste de um sistema local que se 45) A vitamina que atua na síntese de carnitina é a:
encontra na parede intestinal, o sistema nervoso (FUNECE – 2003)
entérico e de um sistema externo de fibras nervosas a (A) B2
partir do sistema nervoso autônomo. Nesse contexto, (B) C
alguns neurotransmissores atuam na regulação da (C) A
atividade gastrintestinal, sendo um deles a somatostatina. (D) B6
São funções atribuídas a esse neurotransmissor,
EXCETO (EAOT 2009):
(A) Inibição da liberação de hormônios gástricos e 46) Qual a principal deficiência vitamínica que ocorre na
pancreáticos. síndrome de realimentação devido ao seu rápido consumo
(B) Inibição da contração da vesícula biliar. na glicólise? (CSM 2009)
(C) Inibição da produção de acido gástrico. (A) Tiamina
(D) Diminuição da produção de enzima pancreática. (B) Niacina
(C) Cobalamina
39) Assinale a alternativa que correlaciona corretamente (D) Folato
a enzima, seu local de secreção, o substrato no qual (E) Riboflavina
atua e o(s) produto(s) de sua ação (EAOT 2009):
(A) Elastase; pâncreas; proteína fibrosa; peptídeos e 47) Qual o mineral que atua como componente da enzima
aminoácidos. glutationa-peroxidase, impede lesões ocasionadas pelos
(B) Renina; cavidade oral; caseína; caseína coagulada. peróxidos oriundos da oxidação de lipídeos e age como
(C) Ptialina; cavidade oral; amido; monossacarídeos. antioxidante poupador de vitamina E? (CSM 2009)
(D) Colesterol esterase; cólon; colesterol; ésteres de (A) Selênio
colesterol e ácidos graxos. (B) Zinco
(C) Molibdêmio
(D) Cromo
40) A vitamina de grande importância para José, cuja (E) Ferro
deficiência limita a utilização do piruvato, é (Residência
HUPE 2009): 48) Em relação aos lipídeos, assinale a opção
(A) tiamina INCORRETA. (CSM 2009)
(B) piridoxina (A) O ácido alfa-linolênico é convertido, de forma lenta,
(C) ácido fólico em EPA e DHA, precursores de mediadores inflamatórios
(D) cianocobalamina menos potentes.
(B) A deficiência de AG n3 e n-6 causam retardo de
41) Para que uma dieta não seja considerada cetogênica a crescimento.
National Academy of Science preconiza, pela DRI (Dietary (C) Em nutrição enteral, a quantidade de TCM não deve
References Intakes), para indivíduos saudáveis acima de ultrapassar 17% do VCT.
um ano, a ingestão mínima diária de carboidratos, em g, (D) Os AGCC podem ser sintetizados pelos colonócitos,
de (Residência HUPE 2009): que atuam na fermentação de fibras de polissacarídeos
(A) 70 não digeríveis e nos CHO da dieta que escapam do
(B) 100 processo digestivo.
(C) 130 (E) O coco, cacau e palma são fontes de AGS.
(D) 160

9
49) A deficiência de vitamina A não é comum entre idosos, (D) vitamina B12.
principalmente, pela freqüente suplementação. No entanto, (E) tiamina.
o seu excesso pode comprometer a função hepática e
facilitar a ocorrência de: (CSM 2009) 55) (PETROBRAS 2010) As vitaminas são necessárias
(A) Diarréia para o bom funcionamento de muitos processos
(B) Fraturas fisiológicos e, quando não ingeridas em quantidades
(C) Formação de cálculo renal suficientes, podem causar deficiências nutricionais, tais
(D) Fraqueza muscular como, a(o)
(E) Depressão (A) pelagra causada pela baixa ingestão de tiamina.
(B) anemia megaloblástica causada pela baixa ingestão de
50) Coloque F ou V nas afirmativas abaixo, em relação aos ácido pantotênico.
fatores que interferem na biodisponibilidade de minerais, (C) estomatite angular causada pela baixa ingestão de
assinalando, a seguir, a opção correta: (CSM 2009) riboflavina.
( ) o alto teor de Zn na dieta agrava os sinais de carência (D) hiperceratose folicular causada pela baixa ingestão de
nutricional de Cu. vitamina E.
( ) alimentos com alto teor de fitato e de fibra interferem (E) beribéri causado pela baixa ingestão de vitamina B12.
de forma positiva na solubilidade de Zn.
( ) alta ingestão de cálcio pode inibir a absorção de Fe 56) (PETROBRAS 2010) Os oligossacarídeos são
heme e não-heme. pequenas cadeias de monossacarídeos que podem ser
( ) dietas hiperglicidicas facilitam a absorção de Mg. denominados de tri a pentassacarídeos, de acordo com o
( ) a enzima lactase aumenta a absorção de Ca. número de monossacarídeos presentes na molécula e,
como exemplo,
(A) F,F,V,F,V cita-se o(a)
(B) V,F,V,V,F (A) amido.
(C) V,F,V,F,F (B) glicogênio.
(D) F,V,V,V,V (C) maltodextrina.
(E) V,V,F,F,F (D) sacarose.
(E) celulose.
51) Quanto à doença pelagra, assinale o INCORRETO.
(CSM 2009) 57) (PETROBRAS 2010) A absorção dos minerais é
(A) É causada pela deficiência de niacina influenciada por vários fatores. O mineral que tem a
(B) É caracterizada por dermatite fotossensível absorção facilitada pela presença de alimentos com alto
(C) Não ocorrem manifestações psiquiátricas teor de proteína é o
(D) Pode haver diarréia (A) cálcio.
(E) A pelagra não tratada pode ser fatal (B) selênio.
(C) enxofre.
52) Com relação à função do zinco no processo de (D) cobre.
cicatrização de feridas, assinale o INCORRRETO. (CSM (E) zinco.
2009)
(A) Age como co-fator em mais de 100 reações 58) (PETROBRAS 2010) A digestão do amido inicia-se na
enzimáticas. cavidade oral pela amilase salivar, que é capaz de digerir
(B) Participa na síntese proteica e replicação celular. parcialmente a amilose em
(C) Sua perda urinária aumenta com o estresse (A) dextrina.
metabólico e a perda de peso. (B) manose.
(D) Sua deficiência reduz a função fibroblástica e a taxa (C) maltose.
de epitelização. (D) isomaltose.
(E) Atua como co-fator na ação de várias colagenases e (E) galactose.
na coagulação sanguinea.
59) (PETROBRAS 2010) O magnésio desenvolve papel
53) Analise as afirmativas abaixo, em relação a fundamental no organismo humano e sua absorção pode
biodisponibilidade do ferro dietético. ser inibida por dietas
I – o ferro presente nos ovos, grãos e vegetais é muito (A) hiperlipídicas.
mais absorvido que o ferro heme. (B) hiperproteicas.
II – quando tomado às refeições, o chá pode reduzir a (C) hiperglicídicas.
absorção de ferro. (D) hipolipídicas.
III – o ferro presente na gema de ovo possui baixa
absorção. 60) (PETROBRAS 2010) A absorção do ferro não heme é
Assinale a opção correta. muito influenciada pela dieta. A esse respeito, analise as
afirmativas abaixo.
(A)I e II corretas I – Aminoácidos que contêm enxofre melhoram a absorção
(B)I e III corretas do mineral.
(C)I, II e III corretas II – Açúcares presentes no intestino diminuem a absorção
(D)II e III corretas de ferro.
(E)III correta III – A vitamina C melhora a absorção de ferro, pois é
responsável pela quelação ferro ferroso.
54) (PETROBRAS 2010) As vitaminas são uma classe de Está correto o que se afirma em
compostos orgânicos complexos encontrados na maioria (A) I, apenas.
dos alimentos. A vitamina hidrossolúvel que apresenta (B) II, apenas.
uma perda pequena durante o processo de cocção é o(a) (C) III, apenas.
(A) ácido fólico. (D) I e III, apenas.
(B) ácido pantotênico. (E) I, II e III.
(C) ácido ascórbico.

10
61) (PETROBRAS 2010) As principais funções da vitamina muscular e tem como precursores os seguintes
D, no organismo, estão ligadas à mineralização óssea. aminoácidos:
Com relação às suas propriedades químicas, essa (A) metionina, valina e lisina.
vitamina é (B) arginina, lisina e triptofano.
(A) solúvel em água. (C) arginina, tirosina e leucina.
(B) insolúvel em álcool. (D) glicina, valina e treonina.
(C) insolúvel em clorofórmio. (E) glicina, arginina e metionina.
(D) destruída pelo oxigênio.
(E) estável na presença de luz. 69) (PETROBRAS 2010) A deficiência de vitamina A é
sempre um problema relevante do ponto de vista coletivo.
62) (PETROBRAS 2010) As fibras alimentares estão A presença de material esbranquiçado espumoso, na
presentes na maioria dos alimentos, em proporções superfície do olho, é característico de
diferentes de fibras solúveis e insolúveis. O alimento que (A) mancha de Bitot.
apresenta maior teor de fibras solúveis é o(a) (B) xerose da córnea.
(A) feijão. (C) cegueira noturna.
(B) banana. (D) úlcera ocular.
(C) amêndoa. (E) ceratomalácia.
(D) farinha de milho.
(E) farinha de centeio. 70) (PETROBRAS 2010) O efeito glicêmico do alimento
está relacionado com a velocidade com que este é digerido
63) (PETROBRAS 2010) A piridoxina é uma vitamina do e absorvido no período pós-prandial. Os alimentos
complexo B que desempenha papel importante no dispostos a seguir, em ordem crescente de Índice
metabolismo de aminoácidos e pode ser encontrada em Glicêmico, são:
grande quantidade no(a) (A) melancia, banana, leite integral, batata assada, arroz
(A) germe de trigo. branco.
(B) chocolate. (B) banana, leite integral, arroz branco, batata assada,
(C) leite integral. melancia.
(D) mel. (C) banana, leite integral, batata assada, arroz branco,
(E) laranja. melancia.
(D) leite integral, melancia, banana, arroz branco, batata
64) (PETROBRAS 2010) A digestão de proteínas pode ser assada.
dividida em fase gástrica, pancreática e intestinal. A (E) leite integral, banana, arroz branco, melancia, batata
substância secretada pelas células epiteliais presentes no assada.
intestino delgado, responsável pela promoção da digestão
de proteínas, é denominada 71) (PETROBRAS 2010) O exame físico é um método
(A) quimiotripisonogênio. clínico usado para detectar alteração no estado nutricional.
(B) colecistoquinina. Sinal de seborréia nasolabial pode estar associado à
(C) pepsinogênio. deficiência de
(D) tripsinogênio. (A) ferro.
(E) proelastase. (B) zinco.
(C) niacina.
65) (PETROBRAS 2010) O zinco é um mineral essencial (D) ácido fólico.
para o funcionamento de várias enzimas. A absorção (E) ácidos graxos essenciais.
desse mineral ocorre em todo o intestino delgado e pode
ser facilitada pela presença de alimentos com alto teor de 72) (EMGEPRON 2010) Na estimativa das necessidade
(A) manganês. energéticas, paciente com febre, para cada grau superior a
(B) proteínas. 37º.C tem-se aumento na TMB em cerca de :
(C) ferro. (A)7%
(D) cálcio. (B)13%
(E) vitamina C. (C)18%
(D)22%
66) (PETROBRAS 2010) O cálcio é um mineral importante
para a manutenção de ossos e dentes. Um dos fatores que 73) (EMGEPRON 2010) Para absorção de B12 são
diminuem a absorção do cálcio no intestino, é a necessários o fator intrínseco, cálcio e ácido clorídrico. O
(A) secreção elevada de ácido clorídrico. principal sítio de absorção de B12 é em:
(B) ingestão de alimentos com alto teor de lactose. (A)Duodeno
(C) presença de aminoácidos arginina no intestino. (B)Jejuno
(D) presença de aminoácidos lisina no intestino. (C)Íleo
(E) presença de ácidos graxos saturados de cadeia longa. (D)Colon

67) (PETROBRAS 2010) A hidrólise de carboidratos 74) (PMERJ 2010) A importancia da vitamina D na saude
digeríveis presentes nos alimentos apresenta, como do ser humano tem sido descrita no presente seculo. Leia
resultado final, moléculas dos seguintes monossacarídeos: atentamente as afirmativas abaixo sobre a vitamina D e
(A) glicose, galactose e manose. assinale a alternativa correta.
(B) glicose, lactose e maltose. I. O ergocalciferol (vitamina D2) e formado a partir do
(C) glicose, frutose e galactose. ergosterol, pro-vitamina encontrada nos alimentos de
(D) frutose, glicose e manose. origem
(E) sacarose, galactose e maltose. vegetal.
II. O calciferol (vitamina D3) e sintetizado pelo proprio
68) (PETROBRAS 2010) A creatina, um composto organismo a partir do 7-desidro-colesterol.
nitrogenado sintetizado no fígado, rim e pâncreas, é III. A forma 25- (OH) D3 sofre hidroxilacao no rim formando
considerado um importante fator no processo de contração o calcitriol, a forma biologicamente ativa da vitamina D.

11
IV. A vitamina D associada ao paratormônio regula os (B) O trato gastrointestinal atrofia-se após,
niveis sericos de calcio. aproximadamente, duas semanas de inanição. A área de
V. A vitamina D regula a secrecao de insulina pelas celulas superfície declina acentuadamente e as secreções, as
b-pancreaticas. funções sintéticas e a capacidade absortiva são reduzidas.
(A) I, II e IV sao verdadeiras. (C) A produção de vitamina K, por ação bacteriana, ocorre
(B) I, II, III e IV sao verdadeiras. no cólon, onde a mesma é absorvida, juntamente com
(C) II, III, IV e V sao verdadeiras. sódio, potássio e água.
(D) I, II, III, IV, V sao verdadeiras. (D) Todas as gorduras são digeridas na boca pela ação da
lipase lingual e, no intestino delgado, através da lipase
75) (PMERJ 2010) Os micronutrientes ferro, cobre, zinco e pancreática.
magnesio sao importantes para o corpo humano. Assinale
a alternativa correta a respeito desses minerais. 79) (Residência UFF – 2010) Marque a alternativa correta
(A) A adicao de ate 500 mg de cálcio determina diminuicao sobre a vitamina B1(tiamina).
de 50-60% na absorcao de ferro nao heme. (A) A deficiência de tiamina pode causar beribéri seco, que
(B) A agua potavel pode ser considerada fonte de cobre, é caracterizado por neuropatia periférica, edema e
sendo sua concentracao influenciada pelo conteudo do insuficiência cardíaca.
mineral natural, do pH e da materia prima da tubulacao. (B) Dentre os alimentos com baixo teor de tiamina estão a
(C) Altas proporcoes de ferro e zinco na dieta resultam em carne de porco e a levedura, enquanto boas fontes são os
maior eficacia de absorcao de zinco. produtos lácteos e os frutos do mar.
(D) A proporcao adequada de calcio e magnesio na dieta e (C) A deficiência de tiamina em alcoolistas crônicos pode
de 4:1; abaixo dessa proporcao ha risco de osteoporose e ser causada por ingestão diminuída ou absorção intestinal
coagulacao intravascular. alterada.
(D) A tiamina é rapidamente destruída acima de pH 8.
76) (PMERJ 2010) As fibras sao necessarias para a Dessa forma, não se deve acidificar leguminosas para que
manutencao das funcoes normais do trato gastrintestinal. mantenham a coloração verde.
As fontes de fibras variam na estrutura quimica, nas suas
propriedades fisiologicas e na composicao da matriz que 80) (Residência UFF – 2010) As fibras alimentares são
contem a fibra nos alimentos. Leia as afirmativas com definidas como uma classe de compostos de origem
atencao e marque com V as verdadeiras e com F as vegetal que, quando ingeridos, não sofrem hidrólise,
falsas. digestão ou absorção pelo intestino delgado dos humanos.
I. ( ) A inulina, FOS e GOS tem função prebiotica e A respeito das fibras, podemos afirmar:
estimulam o crescimento de bifidobacterias e lactobacilos. (A) A fibra do trigo é solúvel e bem reconhecida no
II. ( ) Os carboidratos prebioticos produzem acidos graxos tratamento da diarreia e da hiperglicemia.
de cadeia curta (AGCC). (B) Os principais produtos do metabolismo bacteriano das
III. ( ) O colon proximal age principalmente como uma fibras são os ácidos graxos de cadeia curta: acetato,
camara de fermentacao e de absorcao, ja o colon distal e propionato e glutamato.
um (C) Os Frutooligossacarídeos (FOS) resistem à ação
orgao de armazenamento e de absorcao. hidrolítica das enzimas salivares e intestinais, atingem,
IV. ( ) Os AGCC sao a principal fonte de energia da intactos, o cólon e são chamados de probióticos.
mucosa no colon, estimulando a proliferacao celular da (D) Os ácidos graxos de cadeia curta produzidos pela
mucosa. fermentação das fibras são a principal fonte de energia dos
Assinale a alternativa que apresenta a ordem correta. enterócitos e exercem papel fundamental na fisiologia
(A) V, F, V, F. normal do cólon.
(B) V, V, V, V.
(C) F, V, F, V. 81) (Residência UFF – 2010) O transportador dependente
(D) V, V, F, V. de insulina e especializado no transporte das hexoses,
através das membranas celulares é o:
77) (PETROBRAS 2010) A avaliação do estado nutricional
tem como objetivo identificar os distúrbios nutricionais. O (A) GLUT 1.
exame físico é um método utilizado para avaliar carências (B) GLUT 2.
nutricionais e deve ser associado a outros métodos para a (C) GLUT 3.
definição do diagnóstico nutricional. Sinais de petéquias (D) GLUT 4.
podem estar associados à deficiência de
82) (Residência UFF – 2010) O amido é o carboidrato
(A) ferro. mais abundante na alimentação humana e é composto por
(B) zinco. dois homopolímeros: amilose e amilopectina. Com relação
(C) vitamina A. a eles, podemos afirmar:
(D) vitamina C. (A) Somente a amilopectina precisa da enzima isomaltase
(E) vitamina K. para sua degradação.
(B) A amilose representa a maior parte da composição do
78) (Residência UFF – 2010) O sistema digestivo é amido.
responsável não só por reduzir partículas e moléculas (C) A amilopectina é uma estrutura helicoidal.
grandes, como também por converter as moléculas (D) A amilose é uma estrutura ramificada.
insolúveis em formas solúveis. O funcionamento
apropriado dos mecanismos absortivo e de transporte é 83) (IABAS 2010) Correlacione as fibras com suas
crucial para evitar deficiências nutricionais. Com base respectivas funções:
nessa afirmativa, assinale a alternativa correta quanto à I.Celulose
digestão, à absorção, ao transporte e à excreção de II.Hemicelulose e lignina
nutrientes. III.Gomas
IV.Pectinas
(A) A digestão de proteínas inicia-se no estômago pela
ação da gastrina, que é ativa apenas em meio ácido.
12
( ) Alta capacidade de retenção de água, aumentando 87) (Residência INCA 2010) Marque a opção que
assim o volume fecal e diminuindo o trânsito intestinal. apresenta os fatores que afetam o gasto de energia em
( ) Se ligam a minerais, lipídeos e ácidos biliares, repouso.
aumentando assim sua excreção, diminuindo colesterol (A) Efeito térmico do alimento e idade.
sérico. (B) Febre e clima.
( ) causam formação de gel, diminuindo esvaziamento (C) Estado hormonal e composição corporal.
gástrico, digestão lenta, tempo de tr6ansito intestinal e (D) Gênero e composição da dieta em lipídios.
absorção de glicose.
( ) a fermentação produz AGCC associados a risco 88) (Residência INCA 2010) Marque a opção correta.
diminuído de formação de tumor.
(A) A presença de pectinas, beta glicanas e gomas reduz a
(A)I, IV, III, II eficiência de hidrólise enzimática de carboidratos e torna
(B)IV, III, II, I mais lenta a velocidade de absorção.
(C)IV, I, III, II (B) As fibras solúveis lignina e quitina se ligam aos sais
(D)II, III, IV, I biliares e reduzem a absorção de gorduras.
(E)II, II, I, IV (C) Os taninos, saponinas e fitatos interagem com
componentes da dieta sem prejudicar sua absorção.
84) (FIOCRUZ 2010) Com relação à taxa metabólica de (D) A inulina reduz a absorção de cálcio.
repouso, assinale a afirmativa incorreta.
(A) é a energia gasta para a manutenção das funções 89) (Residência INCA 2010) Assinale a opção em que
corporais normais e a homeostase. TODOS são aminoácidos essenciais:
(B) representa a maior porção do gasto energético total.
(C) é expressa como quilocaloria por quilograma de peso (A) Tirosina, glicina e lisina.
corporal por hora. (B) Leucina, triptofano e treonina.
(D) é a medida da taxa metabólica basal no período de (C) Valina, alanina e isoleucina.
24horas. (D) Glutamina, metionina e fenilalanina.
(E) pode ser de até 10 a 20% maior que a taxa metabólica
basal, considerando o efeito térmico do alimento ou do 90) (Residência INCA 2010) São nutrientes que também
consumo excessivo de oxigênio após o exercício. desempenham função antioxidante:

85) (FIOCRUZ 2010) A carga glicêmica estimada dos (A) Niacina, alfa tocoferol e cobre.
alimentos, das refeições e dos padrões dietéticos é (B) Vitamina C, beta caroteno e cobalamina.
calculada: (C) Vitamina E, C e selênio.
(A) pela multiplicação do índice glicêmico pela quantidade (D) Piridoxina, cálcio e zinco.
de carboidratos em cada alimento, seguido pela soma dos
valores de todos os alimentos em uma refeição ou padrão 91) (Residência INCA 2010) O folato é descritor de uma
dietético. família de vitaminas descobertas no decorrer de
(B) pela área sob a curva da glicemia pós-prandial após a investigações das causas das anemias nutricionais.
ingestão de 50 gramas de carboidratos digeríveis em Marque a opção em que TODAS as reações o folato
comparação com 50 gramas de um alimento-padrão, participa como cofator:
glicose ou pão branco.
(C) pela multiplicação ao dobro da medição do índice (A) Transaminação de aminoácidos e síntese de colágeno.
glicêmico sobre a glicemia pós-prandial. (B) Síntese de ácido desoxirribonucleico (DNA) e
(D) pela área sob a curva da glicemia pós-prandial após a metionina a partir da homocisteína.
ingestão de 150 gramas de carboidratos digeríveis em (C) Síntese de hemoglobina e manutenção da homeostase
comparação com 50 gramas de um alimento-padrão, do cálcio.
glicose ou pão branco. (D) Ativação de ácidos graxos e descarboxilação oxidativa.
(E) pela área sob a curva da glicemia pós-prandial após a
ingestão de 50 gramas de carboidratos digeríveis em 92) (Residência INCA 2010) Relacione a 1ª coluna de
comparação com 200 gramas de um alimento-padrão, acordo com a 2ª e marque a opção correta:
glicose ou pão branco.

86) (Residência INCA 2010) Para que os alimentos


exerçam sua função nutricional é necessário que sofram o
processo de digestão. Relacione a 1ª coluna de acordo
com a 2ª e marque a opção correta.

(A) 2; 1; 4; 5; 3.
(B) 2; 4; 1; 5; 3.
(C) 4; 5; 1; 2; 3.
(D) 5; 3; 2; 1; 4.

93) (Residência HUPE 2011) Dermatite e língua magenta


(A) 4; 5; 2; 3; 1. são carências específicas dos seguintes micronutrientes,
(B) 4; 5; 1; 3; 2. respectivamente:
(C) 4; 2; 5; 3; 1. (A)AGE e niacina
(D) 4; 1; 2; 3; 5. (B)Vitamina A e B6
(C)Zn e riboflavina
(D)Se e folato

13
94) (EAOT 2010) Quanto à digestão, absorção, transporte
e excreção de nutrientes, julgue as assertivas, assinalando
V, se forem verdadeiras e F, se forem falsas.

( ) A digestão química ativa se inicia na porção superior do


estômago onde é secretada uma média de 1.500 a
2.000ml de suco gástrico diariamente.
( ) O órgão primário da absorção é o intestino delgado, que
se caracteriza pela sua enorme área absortiva.
( ) O Intestino delgado é o local de absorção de água, sais
e de vitaminas sintetizadas neste órgão por ação
bacteriana.
( ) Quase todas as proteínas são absorvidas no intestino
grosso, e apenas 10% das proteínas ingeridas são
encontradas nas fezes.
Assinale a alternativa que contém a sequência correta de
letras, de cima para baixo.
(A) V – F – F – V
(B) F – V – F – F
(C) F – V – V – V
(D) V – F – V – F

1–A 2–B 3–A 4–D 5–B


6–A 7–D 8–D 9–C 10 – A
11- D 12 – D 13 – D 14 – D 15 – B
16 – D 17 – A 18 – B 19 – D 20 – D
21- A 22 – D 23 – B 24 – C 25 – B
26 – A 27 – B 28 – D 29 – D 30 – D
31 – B 32 – B 33 – C 34 – A 35 – B
36 – E 37 – D 38 – C 39 – A 40 – A
41 – C 42 - C 43 – A 44 – C 45 – B
46 – A 47 – A 48 – D 49 – B 50 – B
51 – C 52- E 53 - D 54 – D 55 – C
56 – C 57 – E 58 – C 59 – A 60 – D
61 – D 62 – A 63 – A 64 – B 65 – B
66 – E 67 – C 68 – E 69 – A 70 – E
71 – E 72 – B 73 – C 74 – D 75 – B
76 – B 77 – E 78 – C 79 – C 80 – D
81 – D 82 – A 83 – A 84 – E 85 – A
86 – B 87 – C 88 – A 89 – B 90 – C
91 – B 92 – C 93 – C 94 – B

14
RASTREAMENTO NUTRICIONAL Prof. José Aroldo Filho
goncalvesfilho@nutmed.com.br

RATREAMENTO NUTRICIONAL (DAN 2009)


Triagem (até 72h após admissão) detecta o Risco
O risco aumentado de morbidade e mortalidade é medido Nutricional  cuidados nutricionais adequados e
pelo risco nutricional, que é avaliado por questionário acompanhamento nutricional pelo nutricionista impedem a
incluindo perguntas sobre o estado nutricional atual e desnutrição.
gravidade de doença.
Para escolha da ferramenta de triagem deve-se
Variáveis avaliadas: IMC, percentual de perda de peso considerar:
(ocorrido nos últimos 3 e 6 meses) e ingestão de alimentos Se houve validação previa na população a que se
na semana anterior à admissão do hospital. destina;
Escolha da ferramenta que se destina ao publico em que
O IMC não detecta o percentual de perda de peso corporal será aplicada;
e não prediz isoladamente risco nutricional. Treinamento da equipe multiprofissional;
Preferência por ferramenta de triagem de baixo custo e
Perda de peso maior que 2% em uma semana pode ser
considerada grave, mesmo em indivíduos com IMC normal de rápida aplicação;
ou em excesso de peso. Capacidade em detectar percentual de perda de peso,
baixo peso corpóreo e sobrepeso, inclusão de doentes
CLASSIFICAÇÃO DA PERDA DE PESO PONDERAL com distúrbios de fluidos e que não possam ser
CONFORME O PERÍODO, segundo DAN (2009) pesados ou medidos.
PERÍODO PERDA MODERADA (%) PERDA GRAVE (%)
A triagem permite selecionar indivíduos a serem
1 semana <2% >2%
submetidos a avaliação nutricional (completa e detalhada).
1 mês <5% >5%
3 meses <7,5% >7,5% FERRAMENTAS DE TRIAGEM NUTRICIONAL
6 meses <10% >10%
a.MUST (FERRAMENTA UNIVERSAL DE TRIAGEM DE
HISTÓRICO DE RASTREAMENTO NUTRICIONAL DESNUTRIÇÃO)
Em 1993, a BAPEN formou um conselho composto por
Pode ser aplicada em diferentes pacientes adultos, como
nutricionista e enfermagem, com o objetivo de prevenir a
idosos, cirúrgicos, ortopédicos, em cuidados intensivos,
incidência de úlceras de pressão em pacientes
podendo ser adaptada até mesmo em gestantes e
hospitalizados. Conforme pontuação, o paciente receberia
lactantes.
suplementos alimentares a fim de impedir o risco de
desnutrição.
Recomendada para uso na nutrição clínica e em saúde
pública.
A definição de rastreamento nutricional ou triagem baseia-
se na seleção prévia e encaminhamento do paciente em
Variáveis: IMC; percentual de perda de peso de 3 a 6
risco nutricional para avaliações nutricionais mais
meses e interrupção da ingestão alimentar. Não leva em
sensíveis que possam classificar seu estado nutricional e
conta o estresse metabólico.
direcionar o planejamento da terapia nutricional.
Vantagem: rápida e engloba todos os pacientes.
Dados objetivos de triagem: altura, peso corporal atual e
habitual, alteração de peso nos últimos 3 a 6 meses,
doença e presença de comorbidade.

15
b.NRS 2002 (TRIAGEM DE RISCO NUTRICIONAL) ingestão e absorção de alimentos e doença. Idade acima
de 70 anos é risco adicional.
Foi desenvolvida para uso hospitalar. Utiliza as variáveis:
IMC, percentual de perda de peso, apetite, habilidade na

16
c.MNA-SF (MINI AVALIAÇÀO NUTRICIONAL REDUZIDA) triagem e avaliação nutricional, fornecendo informações
necessárias à terapia nutricional.
Desenvolvida inicialmente para idosos, mas atualmente é
amplamente utilizada em adultos. Preenche critérios de Assim como a MUST, considera o IMC isoladamente como
fator de risco nutricional.

d.MST (FERRAMENTA DE TRIAGEM DE medidas objetivas. Pode ser respondida pelo paciente ou
DESNUTRIÇÃO) pelo seu acompanhante, se torna inespecífica e pouco
abrangente quanto ã doença e estado geral do paciente.
Foi desenvolvida para adultos em sua admissão hospitalar.
Utiliza dados subjetivos de perda de peso, alteração na
ingestão alimentar e apetite, não sendo necessárias

17
e.URS (ÍNDICE DE RISCO DE DESNUTRIÇÃO) exames que talvez não estejam disponíveis no prontuário
do paciente ou de difícil realização pela necessidade de
Objetiva identificar pacientes cirúrgicos em risco de recursos específicos.
desnutrição no momento de sua admissão. Conta com

18
f.NRS (PONTUAÇÃO DE RISCO NUTRICIONAL) dos últimos 3 meses, IMC, ingestão alimentar (apetite e
capacidade de se alimentar) e estresse metabólico de
Foi desenvolvida para determinar o risco nutricional de doença.
pacientes hospitalizados. Utiliza critérios de perda de peso

g.NSI DETERMINE – IDOSOS


Não envolve dados laboratoriais ou antropométricos.
Desenvolvida com o objetivo de melhorar a qualidade de
vida e promover saúde.

19
h.NRI (ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL) – PACIENTES 100 – 97,5 = limite;
CIRÚRGICOS E CLINICOS 97,5 – 83,5 = risco leve;
<83,5 = risco grave
Aplica valores de albumina sérica e percentual de perda de
peso em uma equação de risco nutricional. Validada para i.NNST (FERRAMENTA DE TRIAGEM NUTRICIONAL DE
pacientes idosos cirúrgicos, e pacientes clínicos e ENFERMAGEM) – IDOSOS
cirúrgicos em geral.
Foi desenvolvida para ser aplicada por enfermeiros na
NRI = 1,519 x albumina + 0,417 x (peso atual/peso usual) primeira semana de internação de idosos.
x 100
Considera variáveis de peso, apetite, ingestão de
Escore NRI: alimentos e líquidos e condição clinica.
>100 = sem risco;

Facilmente aplicado e menos propenso a erro quando


j.NRAS (ESCALA DE AVALIAÇÃO DO RISCO comparada com a Mini Avaliação Nutricional original.
NUTRICIONAL) – IDOSOS
SRM = IMC + 15 x Perda de peso – 10 x cirurgia – 6 x
A escala consiste de avaliação de desordens GI, doença perda de apetite
crônicas, mobilidade, alterações de peso corporal, apetite,
dificuldade de alimentação, problemas cognitivos ou Valores para cada situação:
emocionais, medicações, habito de fumar ou bebida Perda de peso (sim = 0; não = 1)
alcoólica e situação social. Cirurgia recente (sim = 1; não = 2)
Perda de apetite (sim = 1; não = 2)
k.SRM (MODELO SIMPLIFICADO DE DESNUTRIÇÃO) SRM <35  risco de desnutrição

20
AVALIAÇÃO NUTRICIONAL Prof. José Aroldo Filho
goncalvesfilho@nutmed.com.br

O processo de triagem nutricional começa com o processo especificidades de cada paciente. Dentre os principais
de avaliação nutricional. Uma triagem nutricional é o empecilhos encontrados para a avaliação do consumo
processo que identifica características que se sabe alimentar, destacam-se:
estarem associadas a problemas nutricionais (KRAUSE).
- falta de conhecimento sobre os alimentos e as medidas
Características de uma triagem nutricional: normalmente utilizadas para o consumo desses;
a) Simples e rápida; - inexperiência com o preparo de alimentos;
b) Dados rotineiros; - pouca familiaridade com os ingredientes de preparações
c) Facilita a conclusão de metas de intervenção preliminar; que incluem diversos alimentos;
d) Inclui dados relevantes sobre fator de risco e dados para - desinteresse pelos aspectos da própria alimentação;
intervenção e tratamento; - falta de tempo e atenção ao responder o inquérito;
e) Determina a necessidade de avaliação nutricional - baixa escolaridade.
detalhada e tem custo-benefício.
A escolha de determinado inquérito alimentar deve levar
TIPOS DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL em consideração os seguintes aspectos:
- gênero e idade do paciente;
- nível socioeconômico;
Não há um método específico capaz de avaliar
- tempo disponível para aplicação do método;
adequadamente o estado nutricional. Sendo assim,
- estado clínico do paciente (ambulatorial, consultório ou
recomenda-se a utilização de diferentes métodos, que
internação);
incluem:
- variabilidade do consumo alimentar.

Métodos objetivos Objetivo da avaliação do consumo alimentar  avaliação


de consumo habitual ou atual.
Consumo habitual  questionário de frequência de
consumo ou diário habitual;
Consumo atual  recordatório de 24h ou registro
alimentar de 3 dias;
Observar a relação entre dieta e doença  questionário
de frequência de consumo alimentar.

Métodos quantitativos: como o nome sugere se prestam


a avaliar a QUANTIDADE de calorias, macro e
micronutrientes (recordatório de 24h e registro alimentar)

Métodos qualitativos: objetivam avaliar não a quantidade


especificamente, mas a qualidade e freqüência dos
alimentos consumidos (freqüência alimentar e anamnese)

Distorções no auto-relato do consumo alimentar


(subrelato):

Obesos tendem a subestimar o consumo de alimentos


calóricos
Mulheres subrelatam mais que homens
Idosos apresentam lapso de memória
As pessoas tendem a oferecer respostas mais aceitáveis
socialmente
Os alimentos mais sub-relatados são os ricos em
carboidratos e gorduras.

MÉTODOS RETROSPECTIVOS

Métodos subjetivos A.1 RECORDATÓRIO ALIMENTAR DE 24H

Método rápido, fácil de ser administrado e de baixo custo.


Objetiva quantificar o consumo de todos os ALIMENTOS E
BEBIDAS nas últimas 24h.

Não reflete a ingestão habitual ou as diferenças entre dias


de semana e dias de final de semana se realizado apenas
1 vez. Para se obter um consumo habitual recomenda-se:

Para indivíduos: pelo menos 2 recordatórios 24h


A.INQUÉRITOS ALIMENTARES (incluindo 1 dia de final de semana)
Para grupos: 2 vezes em um período de 6 meses a 1
Os inquéritos dietéticos podem ser destinados a todos os ano.
estágios de vida, devendo ser consideradas as

21
Recomenda-se iniciar o questionário da última refeição  nenhuma das formas sobre adição mostrou maior
para primeira. precisão (adição de açúcar ao café, por exemplo).

Um único recordatório pode ser utilizado para estimativa ATENÇÃO: Seu uso não é recomendado para avaliar a
média da ingestão de nutrientes de grupos, mas não de adequação de ingestão de NUTRIENTES de indivíduos ou
indivíduos. grupos, já que a lista por ser pré-definida, pode não
contemplar todos os alimentos ingeridos pelo
Depende da memória do entrevistado (Krause, DAN e indivíduo/grupo.
CHEMIN&MURA), ocorrendo sub-relatos de ingestão, em
especial de lanches e bebidas. Fatores que se A.3 HISTÓRICO DIETÉTICO / ANAMNESE / DIÁRIO
apresentam associados com sub-relato de consumo: HABITUAL
massa corporal, sexo, qualidade social desejada, restrição
alimentar, nível educacional, percepção do estado de Associa vários métodos incluindo recordatório de 24h e
saúde, raça e etnia. QFCA associado a outras informações como preferências,
hábitos, aversões, intolerâncias, crenças e tabus, apetite,
A.2 QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA DE CONSUMO padrão das refeições e hábitos de atividade física,
ALIMENTAR (QFCA) condição socioeconômica, mudanças recentes de peso,
uso de medicamentos/suplementos, sintomas no TGI e
Permite obter estimativas de ingestão usual. Consistem em saúde oral e dental.
listas de alimentos (100 a 150 ítens) ou grupos para os
quais o entrevistado (auto-administrado) ou o entrevistador MÉTODOS PROSPECTIVOS
deve anotar a freqüência com que o alimento é consumido
em unidades de tempo,(diário, semanal, mensal, quinzenal A.4 REGISTRO ALIMENTAR
ou anual).
Consiste no registro diário de todos os ALIMENTOS E
A porção do alimento utilizada pode ser padronizada (mais BEBIDAS ao longo do dia, realizado pelo próprio avaliado
comum) ou em aberto. A porção e a freqüência permitem a ou representante por 1 a 7 dias. Recomenda-se a
estimativa da ingestão de nutrientes ou o consumo de utilização de 3 dias alternados incluindo um dia de final de
alimentos específicos. Ë um método de baixo custo e semana.
rápido.
Desde que aplicado várias vezes é o método de escolha
É um excelente método para obtenção de padrões de para estimar a ingestão inadequada de nutrientes por
ingestão ou para identificação de consumo de nutrientes indivíduos ou grupos. Requer a participação ativa do
ou alimento específico além de fornecer resultados entrevistado que, obrigatoriamente deve saber ler e
padronizados. Pode ocorrer superestimação de consumo escrever. Requer tempo e treinamento do entrevistado,
ou tédio (listas muito grandes > 100 alimentos) ou principalmente sobre o modo de preparo dos alimentos e
subestimação (se os alimentos de consumo habitual não medidas caseiras utilizadas.
estiverem na lista ou se a lista for muito pequena <50
alimentos). A.5 REGISTRO ALIMENTAR PESADO
A precisão do método é maior quando: Semelhante ao registro alimentar, entretanto tem-se a
 perguntas foram feitas separadas de cada alimento pesagem direta dos alimentos e gêneros. Fornece
selecionado; informações bastante precisas.
 alimentos do mesmo tipo forem agrupados;

Tabela 14: VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS INQUÉRITOS (KRAUSE)

22
Tabela 15: VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS INQUÉRITOS (DAN WAITZBERG 2009)

Classificação proposta pelo Ministério da Saúde para


B.ANTROPOMETRIA crianças até 7 anos de idade  Peso/Idade onde tem-se a
distribuição da curva nos percentis que seguem:
Método diagnóstico que se fundamenta na investigação •<p0,1 = muito baixo peso para idade;
das variações nas dimensões físicas e na composição do •p0,1 |– 3 = baixo peso para idade;
corpo humano, visando à predição do estado nutricional •p3 |– 10 = situação de risco ou alerta nutricional;
e/ou doenças nutricionais, de acordo com a natureza e •p10 |– p97 = peso adequado para idade;
gravidade. •p≥97 = risco para sobrepeso.

Vantagens: Índice estatura para a idade  percentil 3 como limite


- simplicidades do uso de instrumentos; abaixo do qual a criança pode ser considerada como de
- facilidade e rapidez da coleta e interpretação dos dados; baixa estatura (stunting/nanismo).
- facilidade de padronização da técnica;
- não-invasiva; O índice peso para a estatura é importante na detecção de
- boa aceitabilidade; desnutrição aguda ou wasting/emaciação (< p3) e
- aplicabilidade nos ciclos de vida; sobrepeso (>p97). Expressa a proporcionalidade ou
- baixo custo; harmonia das dimensões do corpo ou a harmonia do
- maior cobertura populacional e reprodutibilidade; processo de crescimento. A limitação reside no fato de
- níveis adequados de sensibilidade e especificidade. classificar como eutrófico o indivíduo de baixo peso,
mas que teve anormalidade de crescimento em altura.
Medidas mais utilizadas: peso, estatura (comprimento ou
altura), perímetro cefálico, perímetro braquial e medidas de CLASSIFICAÇÃO PROPOSTA PELA OMS – ESCORE Z
segmentos corporais (em indivíduos com limitações
físicas). Por essa classificação, são consideradas desnutridas ou
obesas as crianças que estiverem dois desvios-padrão
Essas medidas permitem a construção de índices acima ou abaixo do percentil 50 (mediana) para o índice
antropométricos: peso para a estatura, sendo consideradas desnutridas
- estatura para idade (E/I); graves aquelas situadas três desvios-padrão abaixo do
- peso para a idade (P/I); percentil 50.
- peso para a estatura (P/E ou P/A);
- perímetro cefálico para a idade; e
-perímetro braquial para a idade.

A partir dos índices antropométricos são construídos


indicadores, definindo-se níveis de corte que permitam Essa medida é mais precisa, pois leva em consideração
situar o indivíduo dentro de uma faixa aceita como normal, medidas de tendência central e de dispersão das
de acordo com a referência de crescimento utilizada. população.

23
B.1 PESO Percentual do peso atual em relação ao ideal (KRAUSE)
- medida facilmente obtida;
- muito eficaz; % do peso corporal ideal = peso atual x 100
- medida de adequação nutricional mais sensível que a peso ideal
altura;
- reflete a ingestão nutricional recente. Tabela 5: Classificação do estado nutricional segundo
o percentual do peso ideal
Tipos de Peso em avaliação nutricional: Percentual Classificação
90 - 110% Eutrófico
 Peso atual (PA)  encontrado no momento da 80-90% Desnutrição leve
avaliação; Deve ser avaliado em uma balança 70-79% Desnutrição moderada
antropométrica, em geral pela manhã após esvaziamento <69% Desnutrição severa
da bexiga. Deve ser realizado com roupas de hospital ou
comuns, nesse caso desconta-se o peso delas.  Percentual de peso usual (KRAUSE)

 Peso Usual (PU)  considerado normal, quando o Permite identificar o grau de desnutrição a partir do peso
indivíduo está hígido e mantendo suas atividades usuais; atual em relação ao usual
Deve ser considerado como referência na impossibilidade
de medir o atual. % do peso corporal usual = peso atual x 100
peso usual
 Peso Ideal (PI)  calculado de acordo com o sexo,
altura e estrutura óssea do indivíduo e obtido através de Tabela 6: Classificação do estado nutricional segundo
tabelas. Ou fórmula abaixo o percentual do peso usual
Percentual Classificação
PI = IMC médio x estatura² 95 - 110% Eutrófico
85-95% Desnutrição leve
IMC Masculino Feminino 75-84% Desnutrição moderada
Médio 22,0 20,8 <74% Desnutrição severa
Normal 20,1 – 25,0 18,7 – 23,8
Obeso 30,0 28,6 SITUAÇÕES ESPECIAIS

Peso ajustado (PA) usado quando a adequação do Existem situações especiais onde deve ser realizado o
peso for < 95% ou > 115% ajuste de peso. Um exemplo é para indivíduos amputados,
que devemos considerar a parte amputada (% amputação)
PA = (peso ideal – peso atual) x 0,25 + peso atual no cálculo do peso corpóreo corrigido, conforme figura
abaixo:
GRAVIDADE DE PERDA DE PESO

A gravidade da perda de peso pode ser avaliada de acordo


com Blackburn et al. (1977) em que o percentual de perda
de peso é comparado ao tempo em que ocorreu essa
alteração ponderal.

Classificação da gravidade da perda de


peso relativa ao tempo.
Tempo Perda significativa Perda de peso
de peso % grave %
1 semana 1-2 >2
1 mês 5 >5
3 meses 7,5 > 7,5
6 meses 10 > 10

O peso mínimo para sobrevivência é 48 a 55% do peso


habitual.

Pacientes com peso de 85 a 90% do peso habitual


possuem desnutrição leve; com peso entre 75 e 84%
desnutrição moderada e pacientes com peso <74% Percentual de amputação (Cuppari, 2014)
possuem desnutrição grave.
Para pacientes acamados, na impossibilidade de
Outro método para determinar a porcentagem de perda de verificação do peso e na ausência de cama-balança,
peso é determinar o peso atual do indivíduo como a estima-se o peso corpóreo de acordo com o preconizado
porcentagem de peso habitual. O peso mínimo para por Chumlea (1985):
sobrevivência é 48 a 55% do peso habitual.

Pacientes com peso de 85 a 90% do peso habitual


possuem desnutrição leve; com peso entre 75 e 84%
desnutrição moderada e pacientes com peso <74%
possuem desnutrição grave.

24
- indiretos  envergadura do braço, altura deitado
(recumbente), altura do joelho são opções para aqueles
que não conseguem ficar de pé, como indivíduos com
escoliose, paralisia cerebral, distrofia muscular, contraturas
ou paralisias.

Fórmula para estimar a altura a partir da altura do joelho

Homem Mulher
64,19 - (0,04 x idade) + 84,88 - (0,24 x idade) +
(2,02 x altura do joelho) (1,83 x altura do joelho)

ESTIMATIVA DA ESTATURA EM CRIANÇAS E


ADOLESCENTES COM LIMITAÇÕES FÍSICAS

Peso corpóreo de acordo com o preconizado por Existe a estimativa de altura de crianças e adolescentes
Chumlea com limitações físicas  uso das medidas de membros
superiores (CSB), do membro inferior a partir do joelho
Em pacientes edemaciados, deve-se descontar do peso (CJ) e do comprimento tibial (CT).
atual valor referente a água acumulada de acordo com o
grau a localização do edema, conforme a tabela abaixo: MEDIDA DO ESTATURA ESTIMADA DP (cm)
SEGMENTO (cm)
CSB E = (4,35 X CSB) + 21,8 +1,7
CT E = (3,26 X CT) + 30,8 +1,4
CJ E = (2,69 X CJ) + 24,2 +1,1
Tabela 2: Estimativa de altura em crianças e
adolescentes com limitações físicas segundo CHEMIN
& MURA.

B. 3 IMC

Nos últimos anos tem sido bastante utilizado o IMC como


critério de diagnóstico nutricional. Seu uso tem sido
Tabela 7: Desconto em kg de massa corpórea por observado em todas as faixas etárias dos distintos ciclos
retenção hídrica (DAN WAITZBERG 2009). de vida, da infância à senilidade, com exceção nos
menores de 2 anos. È um indicador de estado nutricional
MÉTODOS ESPECÍFICOS PARA AVALIAÇÃO DE atual.
MASSA CORPÓREA TOTAL
Vantagens:
- Pesagem hidrostática (princípio de Arquimedes) ou - não-invasivo;
hidrodensitometria: - fácil obtenção;
- boa precisão e confiabilidade;
É baseada na força do empuxo e considera padrão-ouro - alta correlação com estatura, DCT, DCSE, DCSI e
para pesagem. Está relacionada à diferença entre o peso somatório das dobras, área de gordura braquial e CB.
corporal fora e submerso. Deve ser colocado cinto de
mergulhador em pessoas muito obesas para evitar IMC = Peso corporal (kg)
flutuação. Temperatura da água de 27 a 32ºC. Anota-se a Altura2 (m2)
temperatura da água. Após submersão interrompe-se a
respiração por 5 a 10 segundos em expiração máxima O IMC ou índice de Quetelet será classificado da seguinte
forçada. Repete-se de 8 a 12 vezes o procedimento, com forma:
média das três pesagens semelhantes.
 Desnutrição Grave = IMC< 16;
 Desnutrição Moderada = IMC entre 16|– 16,99;
Desvantagens: erros no procedimento, alterações na
 Desnutrição Leve = IMC entre 17|– 18,49.
hidratação e peso corporal, como no período pré-
menstrual, horário do dia, prática de atividade física,  Adequado = IMC entre 18,5 |– 24,99;
doenças e medicamento sem uso, aversão à imersão em  Sobrepeso = IMC entre 25,0 |– 29,99;
água e alterações de densidade.  Obesidade leve = IMC entre 30,0 |– 34,99;
 Obesidade moderada = IMC entre 35,0 |– 39,99;
- Pletismografia por deslocamento de ar (BOD POD):  Obesidade grave = IMC ≥40,0.

Considera mais acessível que a hidrodensitometria. Estão B. 4 ÍNDICES DERIVADOS DE CIRCUNFERÊNCIAS


relacionados ao volume e pressão na câmara, antes e
depois da entrada do indivíduo. Sua validação ainda Circunferência braquial (CB)
apresenta contradições.
Bom indicador de desnutrição atual, por expressar a
B.2 ALTURA massa muscular do braço e que está relacionada com a
massa muscular total.
Métodos de verificação:
- direto o indivíduo deve ficar de pé, descalço, com Grande limitação do uso da CB  padrões de referência e
calcanhares juntos, costas retas e braços estendidos ao pontos de corte específicos e sensíveis para os distintos
longo do corpo. Deve inspirar profundamente e neste grupos etários e sexos.
momento o examinador baixar a haste do estadiômetro.

25
Guia para interpretação dos parâmetros do braço B.5 DOBRAS CUTÂNEAS
(CUPPARI, 2014)
Percentil Tecido adiposo Tecido muscular
<5 Magro/baixa reserva
5 a 15 Abaixo da média
16 a 85 Média
86 a 95 Acima da média
≥95 Excesso de gordura Boa nutrição

Circunferência muscular do braço (CMB)

É um índice antropométrico derivado das medidas


corporais CB e dobra cutânea tricipital (DCT). Expressa a
quantidade de massa muscular do braço e uma
aproximação a massa muscular total. A OMS recomenda
seu uso apenas para adultos.

Outros índices seriam a área muscular do braço e área


adiposa do braço, embora seu uso seja considerado
apenas para avaliar desnutrição entre adultos.

CMB = CB – (DCT x 0,314)

Circunferência de cintura (CC) e relação cintura-quadril


(RCQ)

Essas medidas possibilitam estimativas do acúmulo de


gordura abdominal, a qual está relacionada à quantidade Dobra triciptal (DCT)  mais usada na prática clínica,
de tecido adiposo visceral e intra-abdominal. Está pois a região do tríceps é a mais representativa da
associada ao aumento do risco de doenças associadas à gordura corporal subcutânea. Deve ser medida no
obesidade (DCV, dislipidemias, HAS, DM2 etc). ponto médio entre o acrômio e olecrano, na parte
posterior do braço.
OMS  RCQ ≥1,0 para homens e RCQ ≥0,85 para Dobra biciptal (DCT)  Deve ser medida 1 cm acima do
mulheres  risco de DCV. local marcado para DCT, na parte anterior do braço.

Em relação à circunferência de cintura, a OMS recomenda Dobra do peitoral (DCP)  Deve ser medido 1 cm abaixo
os seguintes pontos de corte: da dobra axilar.
Risco aumentado  CC ≥94cm para homens e CC Dobra abdominal (DCA)  medida 3cm lateral e 1cm
≥80cm para mulheres. inferior à cicatriz umbilical
Risco muito aumentado  CC >102cm para homens e Dobra subescapular (DCSE)  É medida logo abaixo do
ângulo inferior da escápula.
CC >88cm para mulheres.
Dobra supra-ilíaca (DCSI)  logo acima da crista ilíaca
em diagonal
CUPPARI (2014)  Diâmetro abdominal sagital (DAS):
Dobra coxa (DCC)  medida na parte anterior da coxa,
indicador de gordura visceral. Diâmetro superior a 20cm
no ponto médio entre linha inguinal e borda proximal
tem sido considerado valor de risco para alterações
da patela, com a perna levemente flexionada e
metabólicas. Parte do princípio que a gordura visceral
relaxada.
mantém a altura do abdômen na direção sagital.
A precisão das dobras diminui com o aumento da
Circunferência de panturrilha (CP) obesidade.
É uma medida corporal recomendada pela OMS para o Aplicabilidade das dobras cutâneas
diagnóstico nutricional de desnutrição entre gestantes e
idosos.
Aplicabilidade Dobras
Usada em equações de
As vantagens estão associadas às condições onde não é
predição de gordura DCC, DCB, DCP
possível a obtenção das variáveis peso e altura.
corporal
Área Muscular do Braço (AMB) Indicador de % gordura
corporal DCT, DCSE, DCSI
Apresenta maiores mudanças com a idade do que CMB Acompanhamento de perda
de peso DCA
AMB = [CB (mm) -  DCT (mm)]²
B.6 CONSIDERAÇÕES SOBRE ANTROPOMETRIA NO
4
IDOSO (CUPPARI 2014)
 = 3,14
Há redução de 1 a 2 cm por década na estatura, em
Área adiposa do braço (AAB)
função do achatamento de discos intervertebrais,
lordose, cifose ou escoliose, arqueamento de MMII e
AB (mm²) = /4 x d²  d = CB (mm)/ 
achatamento de arco plantar
AAB (mm²) = AB - AMB

26
Ocorre redução do peso corporal bem como do IMC, Realização da BIA:
havendo neste ultimo um declínio em torno dos 70 a
75 anos, sendo maior em homens comparado às - evitar ingestão de alimentos e bebidas 4h antes
mulheres. Segue abaixo a tabela de interpretação do - não fazer exercício físico 12h antes
IMC em idosos, que É DIFERENTE DE ADULTOS - urinar 30min antes
NÃO IDOSOS, ATENÇÃO! - não consumir álcool 24h ante
- não usar diuréticos por 7 dias antes.
CLASSIFICAÇÃO DE IMC EM IDOSOS
IMC CLASSIFICAÇÃO Condições ideais para avaliação de BIA:
<22 Magreza - Jejum absoluto >8h;
22 – 27 Eutrofia - Esvaziar a bexiga antes do exame;
>27 Excesso de peso - ausência de atividade física por pelo menos 8h;
- anotar horário de avaliação;
- anotar ciclo menstrual;
As dobras cutâneas DCT e DCSE são as de esolha por
- temperatura ambiente;
serem menos afetadas pela redução de água corporal
- higienização de pelo com álcool.
nos idosos.
A CMB associada à perda de peso é um indicador de
OBS.: eletrodos colocados nos mesmos lados e sempre
desnutrição no idoso
nos mesmos pontos
A circunferência da panturrilha é a medida MAIS
SENSÍVEL da massa muscular nos idosos (OMS – Existem condições clínicas que algumas considerações
1995). devem ser observadas:
- Insuficiência cardíaca: edema interfere na avaliação;
B.7 BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA (BIA) - Insuficiência hepática: ascite/edema interferem na
avaliação;
Definições: - Insuficiência renal: edema/alterações hidroeletrolíticas
- BIA – mede passagem de corrente elétrica de baixa interferem na avaliação – a avaliação deve ser realizada
intensidade (800NA), freqüência fixa (50kHz) determinando 20 – 30min após diálise.
valores de resistência (R), reactância (Xc) e impedância
(Z).
C.ÍNDICES DE PROGNÓSTICO NUTRICIONAL
- Resistência: sofre influência da água corporal total,
Os índices prognósticos são empregados para
gordura corporal e massa magra.
identificação de pacientes com comprometimento
- Reactância: é a fonte de oposição ao fluxo elétrico.
nutricional que poderão beneficiar-se da terapia nutricional.
Ângulo de fase = Arco tangente [Xc /R] x [180/π]
C.1 AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL (ASG)
Varia de 5º. a 15º. Quando aumentado é sinal de boa
Método simples, de baixo custo e com boa
saúde e a Xc é alta, quando diminuído associa-se a
reprodutibilidade e confiabilidade, inicialmente
existência ou agravamento de doença e a Xc é baixa
desenvolvido para avaliação do estado nutricional de
(ASSOCIA-SE COM MORTE CELULAR).
paciente hospitalizado no pré-operatório e que vem sendo
utilizado em diversas condições clínicas.
Principais fatores que alteram os valores de resistência e
reactância
Considera-se a história clínica e o exame físico,
 Resistência (R):
contemplando:
 Grau de hidratação (quanto maior, menor a resistência);
 Gordura corporal (quanto maior, maior a resistência);
- Alteração no peso corporal: o percentual de perda de
 Tecido muscular (quanto maior, menor a resistência).
peso nos 6 meses precedentes é caracterizado como
suave (<5%), moderado (5-10%) e grave (>10%).
 Reactância (Xc): Questiona-se também a perda de peso nas últimas 2
 Celularidade e integridade de membrana celular (quanto semanas;
maior a integridade celular, maior a reactância). Indica a - Alteração na ingestão alimentar: avalia-se tanto a
quantidade de massa intracelular ou celular corporal. duração quanto o tipo de modificação, que pode ser
qualitativa ou quantitativa;
CONDIÇÕES R CONDIÇÕES Xc
- Presença de sintomas gastrointestinais: anorexia,
Atrofia muscular ↑ Crescimento celular ↑ náusea, vômitos, diarréia, que somente serão significativos
Hipertrofia muscular ↓ Gestação ↑ caso ocorram por mais de 2 semanas;
Obesidade Inflamação - Capacidade funcional: relata alterações nas atividades
↑ ↓ diárias, que devem ser avaliadas por sua duração e pelo
Edema ↓ Lesão celular ↓ grau de comprometimento da atividade física;
Desidratação ↑ Sepse ↓ - Demandas metabólicas: doenças de alto estresse
Caquexia Infecção (queimaduras, sepse e neoplasias)
↑ ↓ - No exame físico: avaliar perda de gordura subcutânea,
Alterações em variáveis de BIA. perda de massa muscular, presença de edema e ascite,
dor óssea e fraturas e alterações da pele.
Aplicabilidade: o método não é indicado para avaliar
composição corporal nas seguintes situações: De posse destas informações na história e no exame
- vigência de alterações metabólicas e estados críticos; físico, os pacientes são classificados como: (A) – bem
- presença de doença degenerativa; nutrido, (B) – desnutrido moderadamente ou com suspeita
- presença de quadro inflamatório; e (C)- gravemente desnutrido.
- indivíduos em crescimento.

27
Segundo Detsky, a ASG no pré-operatório foi o melhor demonstrou-se maior número de complicações e
índice de prognóstico para complicações infecciosas pós- mortalidade e custos hospitalares associados aos
operatórias. pacientes identificados como desnutridos graves.
Assim, a ASG seria um instrumento tanto para o
prognóstico quanto para o diagnóstico, através do qual

28
D.AVALIAÇÃO DO ESTADO IMUNOLÓGICO Valor Interpretação
Normal > 3,5 g/dl (3,5-5,5 g/dl)
D.1Linfocitometria global ou contagem total de Depleção leve 3,0-3,5 g/dl
linfócitos periféricos (CTLP) - indicador de mecanismo Depleção moderada 2,4-2,9 g/dl
de defesa celular Depleção grave <2,4 g/dl

Contra-indicado para pacientes em uso de esteróides, RT,  Transferrina


QT ou doença autoimune.
 Proteína de síntese hepática relacionada com o
CTL = leucócitos x % linfócitos transporte sérico de ferro;
100  Vida média  7-8 dias;
 Mais sensível nos casos de desnutrição aguda e no
800 a 1199/ mm³: depleção moderada controle de intervenções dietoterápicas do que a
< 800/ mm³: depleção grave albumina;
 Aumenta: carência de ferro, gravidez, fase precoce
Valor mínimo aceitável (CHEMIN & MURA): 1200/mm³ das hepatites agudas e por perdas hemáticas
Valor mínimo aceitável (KRAUSE): 1500/mm³ crônicas;
 Reduz: várias anemias, nas infecções crônicas,
D.2 Testes de hipersensibilidade cutânea tardia (HCT doenças hepáticas crônicas, nas neoplasias e na
ou RHR) sobrecarga de ferro. Nestes casos, não deve ser
utilizada para avaliação nutricional.
- Injeção de antígenos de memória - tuberculina (PPD),
estreptoquinase-estreptodornase (SK/ SD), tricofitina e Valor Interpretação
candidina e leitura em 24-48 horas Normal 200-400mg/dl
Depleção leve 151-200 mg/dl
Interpretação Depleção 100-150 mg/dl
>5mm de enduração- RESPOSTA POSITIVA moderada
< 5mm de enduração- depleção grave Depleção grave <100 mg/dl
Obs.: como sofre influencia da doença de base, constitui  Transtiretina ou Pré-albumina
parâmetro questionável para a avaliação do estado
nutricional.
 Transporta a tiroxina;
 Vida média  2-3 dias;
- Anergia cutânea total = sem resposta imunológica,
freqüente em desnutridos grave.  Sintetizada no fígado e com níveis de reserva muito
pequenas no organismo
E.EXAMES LABORATORIAIS EMPREGADOS NA  Diminui rapidamente quando a ingestão de calorias
e/ou proteínas é insuficiente. É um indicador sensível
AVALIAÇÃO NUTRICIONAL
de deficiência proteéica e retorna rapidamente seus
níveis quando a terapia nutricional é adequada.
Proteínas do Plasma - a avaliação da síntese protéica  Infecções, traumatismo - quando há demanda súbita
ou da “reserva” protéica visceral é realizada através desta de síntese protéica, deprimem-se os níveis séricos
dosagem. pré-albumina;
 É melhor indicador de estado de proteína visceral e
 Albumina balanço nitrogenado positivo do que a albumina ou a
transferrina
 Síntese hepática e meia-vida de 18-20 dias
Valor Interpretação
 O uso da albumina total na avaliação do estado Normal >15-35 mg/dl
nutricional é questionável, pois sua produção hepática Depleção leve 11-15 mg/dl
pode ser influenciada por inúmeros fatores adicionais ao Depleção 5-10 mg/dl
estado nutricional, como função hepática, perda de moderada
proteínas, hidratação prejudicada com grande troca de Depleção grave <5 mg/dl
fluídos, infecção e inflamação. Porém, a albumina sérica é 
um excelente fator prognóstico em várias situações  Proteína trasnportadora de retinol
clínicas, pois a baixa concentração de albumina sérica está
relacionada com aumento da morbimortalidade em várias  Proteína específica para o transporte da vitamina A do
condições clínicas como doença crítica, renais, linfoma, tecido hepático para outros tecidos-alvo de seu papel
HIV entre outras. fisiológico
 Metabolizada pelo rim;
 O uso da albumina na avaliação nutricional baseia-se na  Elevada nas nefropatias;
sua correlação com mudanças na circunferência muscular
 Baixas concentrações: pacientes com fibrose cística,
braquial, na facilidade de dosagem e no baixo custo.
desordens hepáticas, hipertireoidismo e deficiência de
zinco.
 Baixas concentrações de albumina não estão envolvidas
 Vida média = 10 a 12 horas - reflete melhor as
a gênese da desnutrição protéico-calórica, podendo
alterações agudas na desnutrição protéica.
apenas indicar que a ingestão dietética de proteínas não
 Valores normais: 3 a 5mg/dl. Valores abaixo de 3mg/dl
adequada para manter a síntese protéica.
podem ser indicativos de desnutrição.

29
Tabela 13: Características e pontos de corte e proteínas plasmáticas segundo CHEMINA & MURA.

- Classificação do BN e sua associação metabólica:


Avaliação do Compartimento Protéico Somático Positivo  anabolismo
Igual a zero  equilíbrio
a. Índice creatinina-altura Negativo  catabolismo

- Utilizada para medir a massa magra corporal ou tecido - Limitações do BN:


metabolicamente ativo dos pacientes, acreditando-se que a
excreção urinária Poderá ocorrer coleta de urina de 24h incompleta
subestimando o nitrogênio urinário e o catabolismo e o
- Maior parte da creatinina está armazenada no músculo sob catabolismo protéico, por isso, torna-se necessária a coleta
a forma de creatina-fosfato, constituindo um depósito de 3 dias consecutivos, fazendo a média dos valores a fim
energético solicitado durante a gliconeogênese e cujo de minimizar o problema.
produto de degredação é a creatinina
Doenças – a IR pode promover retenção de uréia e
- Considerando-se que a creatinina é 100% excretada na subestimar o nitrogênio urinário e o catabolismo protéico; as
urina, a medição de creatinina excretada na urina de 24h (de hepatopatias graves podem promover prejuízo na
3 dias consecutivos) reflete diretamente a concentração de transformação de amônia em uréia, subestimando as perdas
creatinina corporal total e, indiretamente a massa muscular de nitrogênio; a doenças intestinais inflamatórias podem
total provocar perdas intestinais de nitrogênio por mal absorção,
presença de fístulas intestinais e/ou enteropatia provocam
- Atenção: esta medida só é válida se a função renal estiver perda de proteína; os casos de acidose metabólica a medida
preservada que provocam aumento da excreção de amônia, com
conseqüente diminuição do percentual de nitrogênio urinário,
- Excreção média para o sexo feminino me 18 mg/kg e para produzem subestimação do BN.
o sexo masculino 23 mg/kg
c.Dosagem de Urinária de 3-Metil-Histidina
ICA = Volume urinário 24h x [Creatinina urinária] A 3-metil-histidina é um aminoácido liberado da actina e
Excreção de creatinina esperada na urina 24h miosina do músculo esquelético, não é reutilizada, sendo
excretada inteiramente na urina. Consequentemente, a
Valor Interpretação determinação de 3-metil-histidina na urina de 24 horas
Normal >80% aproxima-se do tournover muscular total durante o período
Depleção leve 60 – 80% de coleta. Para realização deste teste o paciente deve
Depleção moderada 40 – 60% receber dieta sem carne por 24-48 horas.
Depleção grave <40%
d.Dosagem de Somatomedina C (IGF1)
CUPPARI (2014)  valores menores de 60% apostam Mediador da ação do hormônio do crescimento utilizado
depleção grave de massa muscular. como indicador do estado nutricional protéico.

b.Balanço Nitrogenado (BN)

- Pode avaliar a necessidade de aumento de oferta


energética e avaliar a conduta nutricional empregada

- Convém avaliar se o paciente não tem doença renal nem


perdas anormais de nitrogênio como nos quadros de
queimaduras e fístula.

BN= g proteína ingerida/ 6,25 - (Uréia Urinária +4)/2,14

30
DIETAS HOSPITALARES Prof. José Aroldo Filho
goncalvesfilho@nutmed.com.br

DIETAS HOSPITALARES POR VIA ORAL (TIPOS E INDICAÇÕES), SEGUNDO DAN (2009)

DIETA NORMAL/GERAL

DIETA BRANDA

DIETA PASTOSA

31
DIETA LEVE

DIETA LÍQUIDA

32
DIETA LÍQUIDA RESTRITA

DIETA ZERO

33
EXERCÍCIOS DE RASTREAMENTO E AVALIAÇÃO (A)No sangue, em jejum
NUTRICIONAL (B)Na primeira urina do dia
(C)Na urina de 8 horas
1) A avaliação subjetiva global é feita por meio da (D)Na urina de 24 horas
aplicação de um questionário em que contam anamnese e
exame físico. A anamnese contempla o seguinte dado: 9)Na Avaliação Nutricional Subjetiva Global (ANSG)
(Residência HUPE) adaptada de Detsky e cols.(1987), bastante utilizada no
(A) porcentagem de perda de peso Brasil, a perda de peso investigada é considerada
(B) registro alimentar de 24h significativa quando for, nos últimos 6 meses, maior que:
(C) IMC (NutMed)
(D) balanço nitrogenado (A) 2%
(E) relação peso-altura (B) 5%
(C) 8%
2) A avaliação retrospectiva do consumo de alimentos (D) 10%
através do questionário de freqüência de consumo
alimentar tem como principal desvantagem: (Residência 10)Um paciente foi atendido num hospital publico no
HUPE - 2004) município de Teresina com diagnóstico de hipertensão
(A) gerar resultados padronizados arterial. Na avaliação clinica, foi detectada a presença de
(B) requer nutricionista treinado edema nos membros inferiores. Os parâmetros
(C) depender da memória do entrevistado antropométricos que você utilizaria na avaliação deste
(D) não fornecer informações quantitativas paciente são: (NutMed)
(A) peso atual e circunferência da cintura;
3) A avaliação bioquímica pode ser utilizada na (B) peso usual e área gordurosa do braço;
determinação da reserva protéica corporal. (C) peso ideal e circunferência da coxa;
Alto conteúdo de triptofano e meia vida de dois dias são (D) circunferência braquial e circunferência do quadril;
características de seguinte proteína visceral: (Residência (E) área muscular do braço e prega cutânea da
HUPE - 2003) panturrilha.
(A) albumina
(B) transferrina 11) Qual a proteína a seguir tem menor tempo de vida
(C) pré-albumina média ? (Nutmed)
(D) proteína ligada ao retinol (A) albumina
(B) pré-albumina
4) A OMS recomenda a avaliação da desnutrição da (C) proteína transportadora de retinol
criança através dos seguintes indicadores peso/idade; (D) transferrina
altura/idade e peso/altura.
O ponto de corte, em escore Z, que classifica as formas 12) Considera-se para a realização da ANSG (Avaliação
moderada e leve de desnutrição é: (Residência HUPE - Nutricional Subjetiva Global) (NutMed)
2002) (A) alteração no peso do paciente e dobras cutâneas
(A) -1,0 (B) alteração na ingestão alimentar e balanço nitrogenado
(B) -1,5 (C) capacidade funcional física e sintomas gastrointestinais
(C) -2,0 (D) exame físico e balanço nitrogenado
(D) -2,5
13) A perda de peso considerada como significância clínica
5) A ASG é feita por meio da aplicação de um questionário corresponde a: (Nutmed)
em que consta anamnese clínica, alimentar e exame físico. (A) 5% em 1 mês
Considera-se fator de risco para desnutrição perda (B) >7% em 6 meses
ponderal involuntária na seguinte situação: (Residência (C) 10% em 1 ano
HUPE) (D) 5% em 3 meses
(A) >5% PI, com ganho nas últimas duas semanas
(B) >10% do peso habitual em 6 meses 14) Deficiências calóricas e protéicas podem levar à perda
(C) <5% do peso habitual em 6 meses de peso, refletindo mudanças na massa corporal magra e
(D) >10% do peso ideal em 24 meses gorda. Para discriminar mudanças nestes dois
(E) <5% do peso ideal em 6 meses compartimentos são utilizadas, respectivamente, as
seguintes medidas: (Nutmed)
6) Na avaliação nutricional por impedância bioelétrica, os (A) peso e altura
valores de reatância são indicadores: (Residência HUPE - (B) peso e circunferência muscular do braço
2004) (C) peso e índice creatinina-altura
(A) massa corporal total (D) índice creatinina-altura e pregas cutâneas
(B) tecido adiposo
(C) massa magra 15) A precisão das medidas de espessura e pregas
(D) tecido ósseo cutâneas: (NutMed)
(A) diminui com diminuição da obesidade
7)Dentre as medidas de prega cutânea, as que podem (B) aumenta com a diminuição da obesidade
conjuntamente definir gordura corporal são: (NutMed) (C) aumenta com o aumento da obesidade
(A) Biciptal, triciptal, subescapular, supra-ilíaca (D) diminui com o aumento da obesidade
(B) Panturilha, subescapular, supra-ilíaca, supra-umbilical
(C) Biciptal, supra-umbilical, panturilha, coxa 16) Amaro tem 66 anos, diagnóstico confirmado de cirrose
(D) Subescapular, supra-umbilical, biciptal, coxa hepática e reinterna na enfermaria de clínica médica com
febre e dor abdominal de forte intensidade, acompanhada
8)Para a determinação do índice creatinina-altura em de vômitos, colúria e acolia fecal. Relata início de dor
avaliação nutricional determina-se a eliminação de epigástrica há 15 dias. Apresenta no exame clínico:
creatinina: (NutMed) icterícia, edema de membros inferiores e ascite. Você é o

34
nutricionista responsável pela clínica. Dentre os ( ) O estado nutricional pode ser avaliado apenas pelo
parâmetros abaixo relacionados aqueles que podem ser IMC uma vez que este índice possui alta correlação com a
utilizados de forma confiável e segura para avaliação do quantidade de gordura corporal.
estado nutricional de Amaro são (Residência HUPE 2008): ( ) os valores médios de IMC para homens e mulheres
(A) albumina e índice creatinina/altura são, respectivamente, 20, e 22,0lg/m2.
(B) CTL e transferrina
(C) IMC e BIA (A)V; V; F; F
(D) DCT e CMB (B)V; V; V; F
(C)V ; V; V; V
17) Classifique, em ordem decrescente, os indicadores (D)V; F; V; F
para análise de proteína visceral, considerando os de (E)V; F; F; F
maior precisão (EAOT 2002).
(A) Pré-albumina, albumina, transferrina. 23)Coloque V ou F nas afirmativas abaixo, em relação aos
(B) Albumina, fibronectina, pré-albumina. métodos de Avaliação Nutricional, assinalando a seguir
(C) Proteína carreadora de retinol, transferrina, albumina. a opção correta (CSM 2004).
(D) Transferrina, proteína carreadora do retinol, ( ) DC podem ser úteis para avaliar mudanças a longo
somatomedina. prazo nas reservas de tecido adiposo subcutâneo em
pacientes que recebem Terapia Nutricional.
18) Assinale a alternativa que apresenta o método ( ) a utilização de DC é bastante confiável como método
antropométrico utilizado para obter uma mensuração de Avaliação Nutricional em pacientes graves internados
da quantidade e da taxa de variação da proteína em CTI.
muscular esquelética (EAOT 2003) ( ) a albumina sérica é padrão-ouro em pacientes
(A) Medida de pregas cutâneas. politrauma (na primeira semana do trauma) uma vez que
(B) Medidas musculares dos membros. possui meia vida de 20 dias.
(C) Índice de massa corporal. ( ) os testes cutâneos permitem avaliar a imunidade
(D) Peso e altura. celular por meio da hipersensibildade cutânea tardia à
antígenos específicos.
19) O Índice de Quetelet, ou Índice de Massa Corporal
(IMC), é um método simples de se mensurar e se (A)V; F; F; V
classificar a obesidade. Considerando-se o estado (B)V; V; F; V
nutricional de um indivíduo adulto com IMC de 29 kg/m2, é (C)F; V; V; V
CORRETO afirmar que seu estado nutricional é de (EAOT (D)F; F; V; V
2006) (E)F; F; F; V
(A) desnutrição moderada.
(B) eutrofia. 24)Assinale a opção que apresenta o parâmetro
(C) obesidade mórbida. antropométrico mais utilizado para avaliação da
(D) sobrepeso, ou pré-obesidade. depleção de massa magra. (CSM 2005).
(A)DCT
20) A obesidade mórbida é o estado de adiposidade no (B)BN
qual o peso corporal está acima do peso ideal, na (C)Proteínas totais e frações
porcentagem de (EAOT 2007) (D)CB
(A) 70%. (E)CMB
(B) 80%.
(C) 90%. 25) O principal fator que altera o valor da reactância no
(D) 100%. método de bioimpedância elétrica (BIA) é o (a)
(Residência HUPE 2009):
21) O IMC (índice de massa corporal) é uma forma útil e
muito prática de avaliar a obesidade, contudo tem o (A) tipo de tecido muscular
inconveniente de não distinguir o aumento de gordura ou (B) nível de hidratação e eletrólitos
músculo. Segundo os critérios da OMS (Organização (C) localização da gordura corporal
Mundial da Saúde) em relação à classificação da (D) integridade das membranas celulares
obesidade e risco de co-morbidade, para um adulto com
menos de 40 anos com um IMC de 56,09 podemos 26) A proteína sérica de vida média curta que é um bom
classificá-lo como (EAOT 2008): indicador de restrição protéica ou energética é a
(A) pré-obeso e com risco de co-morbidade moderado. (INCA 2009):
(B) obeso classe II com um risco de co-morbidade severo. (A)Pré-albumina
(C) obeso classe III com um risco de co-morbidade muito (B)Albumina
severo. (C)Caseína
(D) obeso Classe I, com um risco de co-morbidade
(D)Transferrina
aumentado.

22)Coloque V ou F nas afirmativas abaixo, em relação ao 27)Considerando os parâmetros bioquímicos na Avaliação


IMC, assinalando a seguir a opção correta (CSM Nutricional, assinale verdadeiro (V) ou falso(F) para as
2004). assertivas abaixo (INCA 2009):
( ) Indivíduos com grande quantidade de massa muscular
e baixo percentual de gordura podem apresentar IMC ( )A pré-albumina que possui vida média curta é um
acima da faixa da normalidade e serem classificados, índice bastante sensível para identificação da restrição
erroneamente, como obesos. proteica ou energética
( ) pacientes com IMC < 18,5 são classificados como ( )A dosagem da creatinina urinária de 24 horas identifica
desnutridos graves e possuem alto risco de co- as concentrações da massa muscular do organismo
morbidades. ( ) A albuminemia com valores entre 3-3,5g/dl indica
depleção moderada

35
( ) A contagem total de linfócitos auxilia a identificação de (E)Grave, entre 70-80%
alterações nutricionais
32) (FIOCRUZ 2010) Na classificação da desnutrição
Assinale a alternativa CORRETA: moderada, segundo o Ministério da Saúde- 2005, o
(A)V, F, V, F peso/estatura e a estatura/idade devem ser,
(B)F, V, V, F respectativamente:
(C)V, V, F, V (A) maior ou igual a -3 e menor ou igual a -2
(emagrecimento moderado) e maior ou igual a -3 e menor
(D)F, F, F, V
ou igual a -2 (déficit linear moderado).
(B) menor -3 (emagrecimento moderado) e menor -3
28) Os índices mais utilizados na avaliação (déficit linear moderado).
antropométrica de adultos são: (UFRJ 2009) (C) maior ou igual a -4 e menor ou igual a -2
(A) Peso, dobras cutâneas e Relação Cintura Quadril (emagrecimento moderado) e maior ou igual a -2 e menor
(RCQ); ou igual a -1 (déficit linear moderado).
(B) Índice de Massa Corporal (IMC) e Dobra Cutânea (D) maior ou igual a -2 e menor ou igual a -1
Suprailíaca; (emagrecimento moderado) e maior ou igual a -2 e menor
(C) Dobra Cutânea Tricipital, circunferência do braço e ou igual a -1 (déficit linear moderado).
circunferência da cintura; (E) maior ou igual a -3 e menor ou igual a -2
(D) Dobra Cutânea Tricipital e Dobra Cutânea Suprailíaca; (emagrecimento moderado) e maior ou igual a -4 e menor
(E) Índice de Massa Corporal (IMC); Circunferência da ou igual a -3 (déficit linear moderado).
Cintura e Relação Cintura-Quadril (RCQ).
33) (Residência HUPE 2011) Em rotina de avaliação
29) (Residência UFF – 2010) A doença ou lesão pode nutricional em pré-operatório pode ser utilizada a BIA e
levar à rápida deterioração do estado nutricional. Para sabe-se que neste método de avaliação, existe associação
avaliá-lo, é necessário observar mudanças nos índices entre valores das medidas de reactância com o
antropométricos, na história dietética e nos marcadores comprometimento da função celular e que a medida de
laboratoriais. Quanto aos marcadores laboratoriais, é resistência varia inversamente com a quantidade de:
correto afirmar: (A)Massa celular e gordura
(A) O balanço de nitrogênio é a única medida bioquímica (B)Gordura e eletrólitos
que reflete tanto o pool de proteínas somáticas quanto (C)Tecido ósseo e água
viscerais. Para indivíduos saudáveis, esse balanço é (D)Água e eletrólitos
próximo de zero.
(B) O nível alto de proteína C-reativa é utilizado como 34) (EAOT 2010) É a medida do tamanho corporal e de
marcador para iniciar Terapia Nutricional mais intensa no suas proporções. Trata-se de um dos indicadores diretos
paciente internado. do estado nutricional, sendo as medidas mais utilizadas
(C) A albumina é a proteína plasmática mais abundante e nesta avaliação: o peso, a estatura, as pregas cutâneas
um ótimo marcador do estado nutricional. Seus valores se (bicipital, tricipital, subescapular e suprailíaca) e as
elevam após uma semana de dieta hipercalórica e circunferências (braço, cintura e quadril). Considerando a
hiperproteica. avaliação do estado nutricional, assinale a única alternativa
(D) O ferro sérico é um teste relativamente fácil de correta, correspondente ao método de avaliação citado na
executar e, por isso, é um ótimo indicador do estado de descrição acima.
ferro, cuja variação diária é pequena. (A) Exame físico.
(B) Avaliação global subjetiva.
30) (Residência UFF – 2010) O estado nutricional reflete o (C) Composição corporal.
grau com que as necessidades fisiológicas de nutrientes (D) Antropometria.
estão sendo atendidas. A respeito da avaliação nutricional
dos adultos, marque a opção correta. 35)A circunferência muscular do braço é a medida do
(A) A medida de circunferência da panturilha pode ser seguinte compartimento corporal (CEPERJ 2011):
usada sozinha para estimar o peso ideal nos idosos. (A) adiposo
(B) A área muscular do braço é uma boa indicação da (B) proteico somático
massa corporal magra e, dessa forma, de massa protéica (C) proteico visceral
esquelética de um indivíduo. (D) proteico adiposo
C) A quantidade de gordura avaliada a partir de pregas
cutâneas pode se alterar no intervalo de uma semana.
1–A 2–D 3–C 4–C 5–B
(D) É considerada como perda de peso grave quando
6–C 7–A 8–D 9–D 10 –B
superior a 3% no período de um mês.
11 – C 12 – C 13 – A 14 – D 15 - D
31) (IABAS 2010) O ICA reflete a massa muscular 16 - D 17 – C 18 – B 19 – D 20 – D
corporal, sendo usado com marcador de depleção: 21 – C 22 – E 23 – A 24 – E 25 – D
(A)Leve, entre 50-75% 26 – A 27 - C 28 - E 29 – A 30 – B
(B)Leve, entre 45-65% 31 – D 32 – A 33 – D 34 – D 35 – B
(C)Moderada, entre 30-55%
(D)Moderada, entre 60-80%

36

Você também pode gostar