Você está na página 1de 98

Ventilador oscilatório de alta

freqüência 3100A®
Manual de operação
ii 3100A HFOV

Este documento é protegido por leis de direitos autorais dos Estados Unidos e
internacionais.

Este documento não pode ser copiado, reproduzido, traduzido, armazenado


em um sistema de recuperação, transmitido de qualquer forma ou reduzido
para nenhum meio eletrônico ou formato legível por máquina, integralmente
ou em partes, sem a permissão por escrito da CareFusion. As informações
constantes deste documento estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Este documento tem fins apenas informativos e não deve ser considerado
como substituto ou complementar aos termos e condições do Contrato de
Licença.

© 1991–2010 CareFusion Corporation ou uma de suas subsidiárias. Todos os


direitos reservados. 3100A é uma marca registrada da CareFusion
Corporation ou de uma de suas subsidiárias. Todas as outras marcas
registradas são propriedades de seus respectivos donos.

EUA Representante Autorizado na Europa


CareFusion CareFusion GmbH
22745 Savi Ranch Parkway Leibnizstrasse 7
Yorba Linda, California 92887-4668 97204 Hoechberg
Alemanha
District Court Wuerzburg HRB7004
Telefone:(800) 231-2466 Telefone: (49) (931) 4972-0
(1) (714) 283-2228 Fax: (49) (931) 4972-423
Fax:(1) (714) 283-8493

carefusion.com

Número da literatura: 767124–106 Revisão P

767124-106 Rev. P
Manual de Operação iii

Histórico de Revisões
Data Revisão Mudanças
Fevereiro de A Lançamento Inicial
1991
Maio de 1991 B Correção dos números das páginas no Índice. Correção das referências das
figuras. Modificação do Conjunto do Circuito do Paciente. Aviso adicionado.
Inclusão das instruções para alteração do circuito do paciente. Inclusão da tabela
de intervenções.
Junho de 1991 C Alteração do intervalo de substituição de filtro para cada 500 horas. Alteração no
número de peça do filtro.
Julho de 1991 D Atualização das etiquetas para componentes descartáveis. Atualização da figura
de novos filtros. Alteração do braço de apoio pela barra de suporte. Atualização da
figura da barra de suporte. Adição da barra de suporte à instalação. Correção do
filtro ausente. Alteração do aviso. Repaginação. Correção dos ajustes do novo
circuito de paciente. Adição do novo circuito do paciente para verificações de
desempenho. Adição do N/P do tubo umidificador.
Agosto de 1991 E Correção dos limites de ajustes do circuito do paciente. Atualização da etiqueta
dos limites de ajuste. Alterações nos requisitos de alimentação elétrica para
acomodar a alteração no interruptor do circuito.
Novembro de F Aprovação do IEC 601-1 e BSI removidos. Alteração de 50 para 56 na etapa H.
1991 Descrição corrigida dos filtros para pacote com 10.

Maio de 1995 H Adição de indicações de utilização pediátrica. Atualização do aviso de IR.


Correção nas referências de tamanho dos tubos endotraqueais. Adição do gráfico
pediátrico. Correção da referência do umidificador. Correção da referência do fluxo
de gás. Adição da codificação de cores. Correção das instruções de limpeza pré-
utilização. Adição das diretrizes clínicas pediátricas. Reformatação dos Avisos &
Precauções.
Setembro de J Remoção do selo da cidade de Los Angeles. Adição da nova fonte de alimentação
1996 elétrica. Atualização do painel de controle do Suporte Técnico DC. Procedimento
da fonte de alimentação elétrica. Atualização da etapa 7-g do procedimento de
inicialização.
Março de 2002 K Reformatado de acordo com o formato do Manual de Operação da Divisão de
Cuidados Intensivos. Reordenação dos Capítulos. Revisão da numeração das
páginas. Adição da Etiqueta da Lista de Verificação e de Substituição do Propulsor
a cada 6.000 horas. Adição da entrada de ar de resfriamento no propulsor de 3
ohms. Adição do diagrama de blocos pneumáticos com o PR7. Atualização do
diagrama com o PR1 para a revisão atual. Adição de referência para manutenção
programada de 6.000 e 12.000 horas. Adição do N/P do circuito do paciente
flexível. Explicação dos sistemas de sucção em linhas. Alteração de todas as
referências para PRESSÃO EXPIRATÓRIA para PRESSÃO MÉDIA
RESPIRATÓRIA. Alteração de “neonato” para “paciente” onde apropriado. Adição
de texto no princípio para adequação aos padrões de Cuidados Intensivos.
Modificação nas diretrizes de sucção.
Abril de 2006 L Revised for ECR 61201.
Adição da manutenção programada do Módulo do Conjunto de Alimentação
Elétrica.
Fevereiro de M Este manual foi revisado para ficar em conformidade com as Diretrizes de
Dispositivos Médicos 2007/42/EC.
2010
Maio de 2010 N Adicionado o seguinte à seção Requisitos de alimentação: 220 VCA, 4,0 A, 60 Hz.

Junho de 2010 P Manual revisado para o estilo CareFusion.

767124-106 Rev. P
iv 3100A HFOV

Deixado em branco intencionalmente

767124-106 Rev. P
Manual de Operação v

Conteúdo
Histórico de Revisões .................................................................................................. iii
Garantia ....................................................................................................................... vii
Avisos ......................................................................................................................... viii
Informações de Segurança .......................................................................................... x
Capítulo 1 Introdução, Sistemas & Características de Segurança............................ 1
Diagramas do Sistema .................................................................................................................. 1
Introdução ao Sistema 3100A ...................................................................................................... 3
Funções de Segurança ............................................................................................................... 10
Capítulo 2 Montagem e Instalação............................................................................. 13
Desempacotamento .................................................................................................................... 13
Montagem .................................................................................................................................... 13
Limpeza Pré-Utilização ............................................................................................................... 17
Capítulo 3 Controles, Indicadores e Conexões ........................................................ 19
Painéis Frontal e Lateral – Painel de Controle.......................................................................... 19
Painel Traseiro – Painel de Controle ......................................................................................... 25
Coluna do Sistema e Circuito do Paciente................................................................................ 27
Capítulo 4 Verificação Operacional e de Inicialização ............................................. 31
Procedimentos de Inicialização ................................................................................................. 31
Verificação de Funcionamento .................................................................................................. 36
Capítulo 5 Diretrizes Clínicas ..................................................................................... 37
Estratégias de Tratamento ......................................................................................................... 37
Variações Específicas para Doenças para as Estratégias Clínicas Gerais ...................................... 43
Efeitos Adversos ......................................................................................................................... 43
Freqüência de monitoração recomendada ............................................................................... 44
Diretrizes de Sucção ................................................................................................................... 45
Capítulo 6 Manutenção e Resolução de Problemas ................................................. 47
Limpeza Externa .......................................................................................................................... 47
Procedimentos de Manutenção do Operador ........................................................................... 47
Calibração do Circuito do Paciente ........................................................................................... 50
Outras Calibrações Periódicas Programadas........................................................................... 50
Manutenção Periódica Programada .......................................................................................... 55

767124-106 Rev. P
vi 3100A HFOV

Resolução de Problemas ............................................................................................................ 57


Apêndice A Informações de Contato e Pedidos........................................................ 63
Suporte Técnico........................................................................................................................... 63
Pedido de Peças e Suprimentos ................................................................................................ 63
Apêndice B Especificações ........................................................................................65
Controles ...................................................................................................................................... 65
Indicadores................................................................................................................................... 67
Medida da Pressão ...................................................................................................................... 69
Alarmes......................................................................................................................................... 69
Especificações Elétricas ............................................................................................................. 71
Conexões Pneumáticas............................................................................................................... 72
Especificações Físicas ................................................................................................................ 73
Gráficos de Desempenho............................................................................................................ 74
Índice ............................................................................................................................81

767124-106 Rev. P
Manual de Operação vii

Garantia
Os sistemas de ventilação 3100A (o equipamento) são garantidos quanto a defeitos de material e
fabricação por um (1) ano após a data da entrega do equipamento ao comprador original.
Exceções:
A CareFusion (a empresa) não será responsável por qualquer dano ou falha causada direta ou
indiretamente pela utilização do equipamento fora das especificações e limites de eletricidade,
temperatura e outros limites ambientais determinados pela empresa, ou por falhas em serviços ou
suprimentos fornecidos pelo cliente.
O equipamento é fornecido com alguns componentes e acessórios que por sua natureza não
foram feitos para, e não vão, funcionar por mais de um ano. Se algum desses componentes ou
acessórios, fabricados pela empresa e fornecidos junto com o equipamento, não operarem de
maneira ou por um período razoável, a empresa, de acordo com seus critérios, irá substituir ou
trocar tal componente ou acessório. O que constitui operação e período razoável será determinado
pela empresa depois que esta possuir todo o fatos relativos a tal componente ou acessório e
depois que tal componente ou acessório seja devolvido à empresa, com custos de transporte
pré-pagos.
A empresa não dá nenhuma garantia relativa a componentes ou acessórios não fabricados pela ou
para a empresa.
A empresa fica isenta de todas as obrigações sob esta garantia, caso consertos ou modificações
ao equipamento sejam feitas por pessoas que não tenham sido treinadas e/ou autorizadas pela
empresa. Qualquer autorização feita pela empresa para conserto ou modificação pelo Comprador
deve ser feita por escrito, para prevenir que esta garantia seja invalidada. Sob nenhuma hipótese,
a empresa será responsabilizada pela perda de lucros do Comprador, perda de uso, dano
conseqüente ou danos de qualquer tipo com base em um pedido de invalidação da garantia além
do preço de compra de qualquer produto defeituoso coberto por esta garantia.
Reparo Exclusivo:
A responsabilidade da CareFusion (a empresa) sob a esta garantia se limita à substituição, reparo
ou concessão de crédito, à sua vontade, de peças que se tornarem defeituosas ou não atinjam as
especificações publicadas durante o período de garantia. A empresa não será responsável
conforme os termos desta garantia a menos que (A) a empresa seja notificada prontamente por
escrito pelo Comprador assim que for descoberto o defeito ou não conformidade com as
especificações publicadas; (B) a unidade ou peça defeituosa seja devolvida à empresa, com
custos de transporte pagos pelo Comprador; (C) a unidade ou peça defeituosa seja recebida pela
empresa para ajuste não mais do que quatro semanas antes do último dia do período de garantia;
e (D) o exame feito pela empresa de tal unidade ou peça não descubra, conforme métodos
próprios, que tal falha ou defeito não tenham sido causados por má utilização, negligência,
instalação imprópria, conserto sem autorização, alteração ou acidente.
Limitações de Responsabilidade
A CareFusion fornece as garantias descritas neste Manual, e estas não serão ampliadas, restritas
ou afetadas, e nenhuma obrigação ou responsabilidade surgirá ou será expandida de forma alheia
ao fornecimento de assistência ou aconselhamento técnico pela CareFusion, ou seus agentes,
relacionados à ordem do Comprador dos produtos fornecidos.
Os dispostos anteriores substituem qualquer garantia, explícita ou implícita, incluindo, sem
limitação, qualquer garantia de comerciabilidade, exceto em relação ao próprio título, e só pode
sofrer emendas por escrito por representante propriamente autorizado da CareFusion.

767124-106 Rev. P
viii 3100A HFOV

Avisos
CEM
Este equipamento gera, utiliza, e pode radiar energia de freqüência de rádio. Se não instalado e
utilizado conforme as instruções deste manual, pode haver interferência eletromagnética. Este
equipamento foi testado e aprovado para atender aos limites determinados pela EN60601-1-2 para
Produtos Médicos. Estes limites oferecem proteção razoável contra interferência eletromagnética
quando operados nos ambientes de utilização previstos neste manual.

RMI
Este equipamento contém componentes eletromagnéticos cuja operação pode ser afetada por
intensos campos eletromagnéticos.
Não opere o respirador em um ambiente de RMI ou próximo a um equipamento de diatermia
cirúrgica de alta freqüência, desfibriladores ou equipamento de terapia de ondas curtas. A
interferência eletromagnética pode interromper a operação do respirador.

Utilização
O Respirador de Alta Freqüência CareFusion 3100A (HFOV) é indicado para auxiliar na ventilação
e tratamento de insuficiências respiratórias e barotrauma em recém-nascidos. As condições
específicas do paciente tratadas pelo aparelho são a síndrome do desconforto respiratório (SDR)
ou insuficiência respiratória causada por enfisema intersticial pulmonar (EIP) ou vazamento de ar
(VA).
Os modelos CareFusion 3100/3100A também são indicados para utilização no auxílio na
ventilação e tratamento de pacientes pediátricos selecionados que, na opinião de seus médicos,
apresentam insuficiências na ventilação convencional. O tamanho do paciente e outros fatores são
importantes na seleção de pacientes a serem tratados com a utilização deste respirador.
O Respirador CareFusion 3100A não possui contra-indicações específicas.

Restrições
Leis federais restringem a venda deste dispositivo exceto por um médico ou a pedido deste.
Os benefícios do tratamento médico com aparelhos de suporte respiratório superam os
aspectos negativos da possibilidade remota de exposição a ftalatos.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação Informações de Segurança ix

Declaração de Conformidade
Este equipamento médico obedece a Diretiva de Dispositivos Médicos, 93/42/EEC, e as seguintes
Normas Técnicas para as quais sua Conformidade é declarada:
EN60601-1
EN60601-1-2
O Sistema de Qualidade do Fabricante possui certificações:
ISO 9001
EN 46001
Conselho Oficial da UE:
Instituto de Padrões Nacionais da Irlanda (NSAI)
Tipo de Equipamento: Equipamento Médico, Respirador Pulmonar
Nomes Comerciais: 3100 e 3100A
Caso você tenha alguma pergunta em relação à Declaração de Conformidade deste produto, por
favor contate a CareFusion.

Classificação da IEC (Comissão Eletrotécnica Internacional)


• O Respirador 3100A é apropriado para utilização em ambientes institucionais.
• Equipamento comum, não protegido contra a penetração de líquidos.
• Não protegido/não adequado para uso na presença de gases anestésicos
inflamáveis.
• Classe 1, Equipamento Tipo B:

767124-106 Rev. P
x 3100A HFOV

Informações de Segurança
Consulte as seguintes informações de segurança antes de operar o respirador. Estas contém
instruções referentes à operação segura do respirador. Uma tentativa de operar o respirador sem o
entendimento completo de suas características e funções pode resultar em condições operacionais
inseguras.
Caso tenha alguma pergunta sobre a instalação, configuração, operação ou manutenção do
respirador, entre em contato com o Suporte Técnico indicado no Apêndice A, Informações para
Contato e Pedidos.

Efeitos Adversos
No ensaio pediátrico aleatório, os efeitos adversos identificados foram sobredistensão pulmonar,
vazamento de ar e hipotensão. Não houve qualquer diferença estatística em quaisquer dos efeitos
adversos em comparação com pacientes tratados convencionalmente, com exceção da
hipotensão. O grupo tratado com o Respirador apresentou um número ligeiramente maior (mas
estatisticamente significante) de incidências de hipotensão, porém, sem evidências de alteração
séria de seu estado cardiovascular.
No ensaio aleatório com recém-nascidos, entre os efeitos identificados encontrou-se
sobredistensão pulmonar, vazamento de ar, hemorragia intraventricular (HIV), bradicardia, muco
obstruindo o tubo endotraqueal e hipotensão. Não houveram diferenças estatísticas em quaisquer
dos efeitos adversos em comparação aos pacientes tratados convencionalmente.
Ventilação de alta freqüência, da mesma forma que a ventilação de pressão positiva convencional,
tem riscos inerentes neste grupo de pacientes. Entre os possíveis efeitos adversos podemos citar:
sub/sobreventilação, sub/sobre-umidificação, hemorragia intraventricular (HIV) no recém-nascido,
displasia broncopulmonar (DBP), bronquite traqueal necrotizante (BTN), atelectasia, hipotensão e
pneumotórax, pneumopericárdio, pneumomediástino e pneumoperitôneo e enfisema intersticial
pulmonar (EIP). A freqüência relatada destas ocorrências é semelhante à ventilação convencional.

Termos
AVISOS identificam condições ou práticas que podem resultar em reações adversas
sérias ou possíveis ameaças à segurança.
CUIDADOS identificam condições ou práticas que podem resultar em danos ao respirador ou
a outro equipamento.
NOTAS identificam informação suplementar que ajuda a entender melhor o
funcionamento do respirador.

Avisos
Os seguintes avisos devem ser lidos e compreendidos antes de se tentar operar o Respirador
Modelo 3100A:
• Reparos deste instrumento só podem ser feitos por técnicos treinados pela fábrica.
• Eventos bradicardíacos súbitos inexplicados associados sem quaisquer outras
alterações clínicas são possíveis em neonatos que estão sendo liberados ou prestes
a serem liberados do tratamento com o respirador. Estes eventos podem sinalizar
possíveis melhorias rápidas no quadro pulmonar do paciente, relacionadas à
sobredistensão durante o tratamento com o Respirador e podem requerer a liberação
imediata da Paw ou a mudança para a ventilação convencional.
• Não tente desligar a conexão adequada do fio-terra pois, isto pode causar danos ao
dispositivo ou aos equipamentos interconectados e pode ser prejudicial ao paciente

767124-106 Rev. P
Manual de Operação Informações de Segurança xi

ou àqueles associados à utilização do dispositivo. Este dispositivo é equipado em


fábrica com plugue de tomada AC do tipo hospitalar. A confiabilidade do aterramento
só pode ser assegurada quando este estiver conectado a um receptáculo classificado
como “Tipo Hospitalar”.
• Não utilize transmissores de rádio em um raio de pelo menos 6 metros de distância
deste instrumento. Isto pode resultar em leituras de pressão errôneas, conduzindo a
falsos alarmes e desligamento automático.
• Não encurte o tubo de fluxo expiratório de 75 cm fornecido com o circuito do
paciente, pois isto pode reduzir a ∆P máxima ao permitir que as pressões oscilatórias
sejam atenuadas por estarem mais próximas do volume do recipiente umidificador.
• Não tente instalar outra configuração de circuito, pois isto pode prejudicar o paciente
e/ou operador ou causar danos ao equipamento. O Circuito do Paciente descrito
neste manual é especificamente projetado para uso do paciente com o Respirador
Modelo 3100A.
• Os procedimentos de verificação operacional e inicialização devem ser seguidos
antes que se comece a ventilação de um paciente. Se em qualquer momento durante
os procedimentos de verificação operacional e inicialização qualquer funcionamento
anormal do Respirador Modelo 3100A for notada, não prossiga com a ventilação do
paciente, pois isto pode ser prejudicial ou até causar a morte do paciente. Contate o
Suporte Técnico da CareFusion antes de prosseguir.
• Um alarme sonoro indica a existência de uma condição que pode ser prejudicial ao
paciente; e este nunca deve ser desconsiderado. A falha em responder aos alarmes
pode causar ferimentos (incluindo a morte) do paciente e/ou danos ao respirador.
• Devido à possibilidade de explosão, o respirador não deve ser usado na presença de
anestésicos inflamáveis.
• Em hipótese alguma, a temperatura de proximidade da entrada de ar deve exceder
41°C. Isto pode ser prejudicial às membranas superiores das vias
respiratórias do paciente.
• A não observância aos procedimentos recomendados de manutenção indicados
neste manual pode ser prejudicial ao paciente, operador ou causar danos ao
equipamento.
Cuidados
Os avisos a seguir devem ser lidos e compreendidos antes de se tentar operar o Respirador
Modelo 3100A:
• Siga atentamente as recomendações contidas no Capítulo 5, Diretrizes Clínicas,
sobre a utilização de radiografias torácicas e ultra-som cerebral para monitorar a
condição do paciente. Durante a ventilação, assim como com todos os respiradores,
a relação entre melhoria na atividade pulmonar, aumentos inadvertidos no volume
pulmonar, aumento na pressão pleural, e redução do retorno venoso é uma questão
de preocupação, uma vez que isto pode resultar em uma menor atividade cardíaca e
um possível aumento no risco de HIV.
• O peso do paciente é um fator importante para o volume pulmonar e espaço morto
anatômico, assim como a demanda metabólica colocada sobre a ventilação. Embora
o volume máximo de deslocamento dos modelos 3100/3100A seja de
aproximadamente 365 ml, o volume real fornecido ao paciente, depende do ajuste de
potência, freqüência, tamanho do tubo endotraqueal e atividade do sistema
respiratório do paciente. Portanto, é necessário prestar atenção especial às
exigências de ventilação e PaCO2 em crianças maiores. Consulte o Capítulo 5 deste
manual – “Diretrizes Clínicas.”

767124-106 Rev. P
xii 3100A HFOV

• O tcPCO2 e tcPO2 ou SPO2 do paciente devem ser monitorados continuamente para


assegurar que os níveis de gases no sangue estão corretos. É importante que seja
mantida uma via respiratória irrestrita e desobstruída no paciente durante a
ventilação. Para assegurar uma via respiratória livre, utilize sempre os procedimentos
adequados de sucção, conforme a Seção Diretrizes de Sucção do Capítulo 5,
Diretrizes Clínicas. Como apenas a pressão respiratória de proximidade é medida,
nenhum alarme será acionado no caso de obstrução ou restrição.
• Certifique-se de que a torneira do coletor de água esteja fechada antes de executar a
Calibração do Circuito do Paciente. Se a torneira for deixada aberta, a Calibração do
Circuito do Paciente (39-43 cmH2O) pode não ser possível, e a Paw fornecido será
reduzido.
• Métodos de montagem diferentes dos descritos neste manual podem danificar o
Modelo 3100A, torná-lo mecanicamente instável ou causar seu mau funcionamento.
Em caso de dúvidas em relação à montagem, contate o Suporte Técnico da
CareFusion antes de prosseguir.
• Deve-se tomar cuidado para não amassar ou perfurar quaisquer dos tubos de
controle ou sensores (entrando ou saindo do Circuito do Paciente) durante a
montagem, operação ou limpeza do respirador, uma vez que isso resultará no mau
funcionamento dos Alarmes de Segurança, Alarmes de Aviso, Alarmes de Cuidado e
Controles de Limite de Pressão.
• Ao conectar o Circuito do Paciente, certifique-se de que este esteja seguro
apropriadamente pelo braço de apoio. A não observância deste procedimento pode
resultar na desconexão inesperada do Circuito do Paciente devido a alimentações
elétricas oscilatórias na formação de condensação do umidificador na via respiratória
do paciente.
• Se o sensor de temperatura for limpo com álcool, deixe que o álcool evapore
completamente antes de inseri-lo no circuito. Álcool residual pode debilitar o
adaptador acrílico e causar fissuras.
• O correto funcionamento do respirador deve ser verificado antes de cada utilização.
Consulte o Capítulo 4, Verificação Operacional e Procedimentos de Inicialização. As
funções de alarme testadas neste procedimento verificam a capacidade do
dispositivo de detectar e indicar as condições que podem ter efeito prejudicial ao
paciente.
• Toque no gabinete de metal exterior do instrumento antes de tocar em qualquer outro
componente para evitar possíveis danos aos componentes do instrumento por
Descarga Eletrostática.
• Quando o respirador estiver conectado a um paciente, o mesmo deve estar sempre
sendo observado, para atender aos alarmes ou outras indicações de problemas.
• Os Cartuchos do Filtro de entrada para o gás misturado e as entradas de ar do
respirador devem ser trocados a cada 500 horas de operação pelo menos, conforme
descrito no Capítulo 6, Manutenção e Resolução de Problemas. A não substituição
de um Cartucho do Filtro ou substituição de um cartucho incorreto pode ser
prejudicial ao paciente e/ou o equipamento. Utilize apenas Cartuchos do Filtro de
Entrada de Ar CareFusion.
• O corpo do cartucho do filtro deverá ser bem fixado com os parafusos. A instalação
solta ou em cruz acarretará vazamentos e possível deslocamento do corpo do
cartucho. O respirador NÃO FUNCIONARÁ se a base do cartucho estiver solta.
• A cobertura do painel de controle, coluna, ou qualquer outra parte do respirador não
deve ser removida pelo usuário. Para evitar riscos de choque elétrico, favor

767124-106 Rev. P
Manual de Operação Informações de Segurança xiii

encaminhar qualquer reparo que exija a remoção de tampas à um técnico de serviço


de equipamentos biomédicos treinado pela fábrica.
• Conferir novamente e reajustar os nível de limites após qualquer mudança da ∆P. Se
a amplitude oscilatória (∆P) for alterada após o nível de limite ter sido fixado, o nível
de limite propriamente dito, mudará ligeiramente, na mesma direção em que a ∆P
tenha sido alterada.
• O diagnóstico de problemas do 3100A deve ser feito “SEM PACIENTE”, para evitar
quaisquer situações de risco, como mudanças abruptas na Paw .
• Não usar acoplamentos de circuitos de respirador estranhos (tais como porta de
sucção) sem um alarme externo secundário capaz de detectar a desconexão do
respirador. Devido às características em linhas da pressão, tais extensões podem
impedir que o alarme Paw detecte uma desconexão acidental do circuito de
ventilação.
• Concentração fracional de oxigênio expirado deve ser verificada com um monitor de
oxigênio. Administração de oxigênio excessivo para um paciente pode ser prejudicial.
É importante que a mistura de gás prescrita seja entregue pelo sistema misturador.
• O coletor de água deve ser esvaziado em intervalos conforme descrito no Capítulo 6,
Manutenção e Resolução de Problemas. Se o respirador estiver operando, deixe
uma pequena quantidade de água no fundo do recipiente do Coletor de Água para
agir como vedação de fluxo e pressão entre o respirador e a saída do dreno.
• Para ajudar a prevenir danos ao paciente devido ao mau funcionamento do
umidificador, a utilização de um umidificador com as seguintes características é
altamente recomendada:
(a) Aquecedor termicamente protegido;
(b) Alarmes para reservatório de água cheio demais;
(c) Alarmes para reservatório de água vazio demais;
(d) Alarmes para circuito aberto ou sonda de temperatura em curto;
(e) Alarmes para temperaturas de sonda > 41°C;
(f) Alarmes para remoção do sensor de temperatura.
• Não coloque acessórios que contenham fluidos, que pesam mais de cinco quilos ou
que se estendem por mais de quinze centímetros sobre a parte eletrônica do
respirador ou suas laterais, no Painel de Controle do respirador. Isto pode causar
danos ao respirador ou fazer com que tombe, resultando em danos ao paciente ou
usuário e/ou o equipamento.
• Não force ou gire demais o parafuso de ajuste de Calibração do Circuito do Paciente,
pois isto pode causar danos ao dispositivo. Quando ele estiver se aproximando de
seu limite de ajuste, alcançará um limitador mecânico.
• Não permita que líquidos penetrem o revestimento do respirador, pois isto pode
resultar em falhas de operação da máquina ou mau funcionamento.
• Não utilizar agentes líquidos de esterilização na parte externa do respirador, pois isto
pode causar danos.
AVISO: Leis federais restringem a venda deste dispositivo exceto por um médico ou a pedido
deste.
AVISO: Não é adequado para utilização na presença de gases anestésico inflamáveis.
Reparos no instrumento podem ser feitos apenas por Técnicos Treinados pela Fábrica.

767124-106 Rev. P
xiv 3100A HFOV

Símbolos
Símbolos Certificação Significado

Símbolo Nº 03-02 IEC 60878 Indica ATENÇÃO, consulte DOCUMENTOS ANEXADOS

Símbolo Nº 5016 IEC 60417 Este símbolo indica um FUSÍVEL.

Símbolo Nº 5019 IEC 60417


Este símbolo indica ATERRAMENTO protetor (fio-terra).
Símbolo Nº 01-20 IEC 60878

Este símbolo indica equipamento do TIPO B, o qual indica equipamentos que


Símbolo Nº 5333 IEC 60417 possuem certo grau de proteção contra choques elétricos, especialmente em
Símbolo Nº 02-03 IEC 60878 relação ao vazamento permitido de corrente e confiabilidade da conexão de
aterramento protetor.

Símbolo Nº 5032 IEC 60417


Este símbolo indica o equipamento é apropriado para corrente alternada.
Símbolo Nº 01-14 IEC 30878

Símbolo Nº 5007 IEC 60417


Indica LIGADO (Alimentação Elétrica)
Símbolo Nº 01-01 IEC 60878

Símbolo Nº 5008 IEC 60417


Indica DESLIGADO (Alimentação Elétrica)
Símbolo Nº 01-02 IEC 60878

Trava de Posionamento. A rotação no sentido horário trava a parte superior


do instrumento. A rotação no sentido anti-horário destrava a parte superior do
Símbolo CareFusion
instrumento, permitindo que ele seja girado para melhor visualização de seus
controles e indicadores frontais.

Símbolo CareFusion Este símbolo indica que o produto contém ftalatos

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 1

Capítulo 1 Introdução, Sistemas &


Características de Segurança
Diagramas do Sistema

Figura 1.1. Diagrama do Sistema Pneumático para a Peça Número 770860.

767124-106 Rev. P
2 3100A HFOV

Figura 1.2 Diagrama do Sistema Pneumático para a Peça Número 766526.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 3

Introdução ao Sistema 3100A


O Sistema do Respirador 3100A é formado por oito subsistemas interligados. Seis deles estão
incluídos como parte do Modelo 3100A entregue ao cliente, porém dois deles devem ser instalados
pelo usuário.
Os dois subsistemas a serem instalados pelo usuário são:
• Misturador Externo de Ar/O2
• Umidificador Externo
Os subsistemas incluídos com o respirador são:
• Sistema lógico pneumático e de contrôle;
• Circuito do paciente;
• Subsistema oscilador;
• Sistema de monitoramento da pressão respiratória;
• Controles eletrônicos e alarmes;
• Fonte de alimentação elétrica.

Misturador Externo de Ar/Oxigênio


São necessárias fontes de ar e oxigênio para o 3100A. Estas fontes alimentam um Misturador de
Ar/Oxigênio fornecido pelo usuário. A fonte de ar também faz o esfriamento do Oscilador através
de um sistema de controle pneumático especial. Os requisitos de fluxo para o misturador e o
resfriador de ar do Oscilador são descritos no Apêndice B – Especificações.

CUIDADO
Concentração fracional de oxigênio expirado deve ser verificada com um monitor de oxigênio.
Administração de oxigênio excessivo para um paciente pode ser prejudicial. É importante que a
mistura de gás prescrita seja entregue pelo sistema misturador.

Umidificador Externo
Embora funcione com o circuito do paciente, o umidificador externo é tratado como um subsistema
separado por ser fornecido pelo usuário. O umidificador utilizado deve ser um umidificador
aquecido fabricado especialmente para uso pediátrico/em recém-nascidos. Deve ser capaz de
prover fluxos de até 40 LPM. O controle de temperatura pode ser fechado ou aberto; porém, a
temperatura do gás de proximidade às vias respiratórias deve ser monitorada. Há duas portas para
o sensor de temperatura no Circuito do Paciente. Estas serão discutidas mais adiante.

AVISO
Em hipótese alguma, a temperatura de proximidade da entrada de ar deve exceder 41°C. Isto
pode ser prejudicial às membranas superiores das vias respiratórias do paciente.

767124-106 Rev. P
4 3100A HFOV

CUIDADO
Para ajudar a prevenir danos ao paciente devido ao mau funcionamento do umidificador, a
utilização de um umidificador com as seguintes características é altamente recomendada:
a. Aquecedor termicamente protegido;
b. Alarmes para reservatório de água cheio demais;
c. Alarmes para reservatório de água vazio demais;
d. Alarmes para circuito aberto ou sonda de temperatura em curto;
e. Alarmes para temperaturas de sonda > 41°C;
f. Alarmes para remoção do sensor de temperatura.
A conexão com o umidificador é descrita em maiores detalhes no Capítulo 2, Montagem e
Instalação. Dois adaptadores padrão são fornecidos para conexão dos tubos ID de 3/8" que
entram e saem do umidificador.

Sistema Lógico Pneumático e de Controle.


Os misturador envia a mistura de gás pressurizada ao Subsistema Lógico Pneumático e de
Controle do Modelo 3100A por um acessório DISS de oxigênio. Quatro controles pneumáticos
formam este subsistema:
• Controle de Fluxo Expiratório (Bias Flow)
• Ajuste de Pressão Média
• Controle de Limite da Pressão Média
• Ajuste de Calibração do Circuito do Paciente

Controle de Fluxo Expiratório (Bias Flow)


Este controle determina o fluxo do gás misturado que é injetado continuamente na via respiratória
do paciente.

Ajuste de Pressão Média


Este controle ajusta o nível de pressão média respiratória na qual o oscilador é sobreposto. Este
ajuste de pressão média respiratória, em conjunto com as características de onda, determina a
Paw resultante. Este controle determina o nível da Válvula de Controle expiratória do Circuito
Paciente como descrito na seção Circuito do Paciente abaixo.

Limite da Pressão Média


Este controle determina o limite da Paw de proximidade dentro do Subsistema do Circuito do
Paciente. Este controle se comunica com a Válvula de Limite de Pressão do Circuito do Paciente
através de um tubo de controle pneumático como descrito na seção Circuito do Paciente abaixo.

Ajuste de Calibração do Circuito do Paciente


Este controle é um ajuste feito com chave de fenda para fixar a pressão média máxima que pode
ser atingida em um Circuito do Paciente específico sob condições específicas (vide Capítulo 6,
Manutenção e Resolução de Problemas.) Este controle só é utilizado quando o Circuito do
Paciente é substituído ou o diafragma da válvula de controle da Paw do Circuito do Paciente
existente é substituído. O controle é necessário porque as características elásticas e dimensionais
individuais do diafragma da válvula de controle da Paw interagem com o controle da válvula de
pressão do tubo para determinar o ajuste máximo do botão de controle.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 5

CUIDADO
Não force ou gire demais a Calibração do Circuito do Paciente, pois isto pode causar danos ao
dispositivo. Quando ele estiver se aproximando de seu limite de ajuste, alcançará um limitador
mecânico.
A variação, resolução, e precisão dos controles pneumáticos bem como as características das
várias conexões pneumáticas são descritas no Apêndice B – Especificações. O Capítulo 3,
Controles, Indicadores e Conexões, descreve detalhadamente as funções e utilização de cada
controle.

AVISO
Não tente instalar outra configuração do circuito, pois isto pode ser prejudicial ao paciente e/ou
operador ou causar o mau funcionamento do equipamento. O Circuito do Paciente descrito neste
manual é especificamente projetado para uso do paciente com o Respirador Modelo 3100A.

Circuito do Paciente
O Circuito do Paciente combina os três elementos necessários para ventilação do paciente usando
técnicas de ventilação por oscilação de alta freqüência:
• fluxo/pressão expiratória (Bias Flow/Pressure);
• oscilações de pressão; e
• limitação de pressão.
O Circuito do Paciente está ilustrado aqui na Figura 1.3 e mostrado esquematicamente na
Figura 1.1.

Portas do
Sensor de
Temperatura

Válvula
Limitador

Acoplador “Y”
Válvula de
Controle
Membrana Válvula de
Foles de Descarga
Expiração
Membrana
de Inspiração
Tubos do Acoplador “Y” –
Inspirado/Expirado

Ajuste do Bico de 3/8" do Porta de conexão


fluxo expiratório de entrada do tubo ET

Tubo do Fluxo
Expiratório
Coletor de Água
Torneira

Figura 1.3. Detalhes do Circuito do Paciente.


Durante a operação normal, um gás expiratório umedecido e misturado vai até o tubo de fluxo do
gás expiratório a partir do umidificador externo. Este gás vai até a membrana de inspiração do
Circuito do Paciente, pelo acoplador “Y” e então, para a membrana expiratória do Circuito do

767124-106 Rev. P
6 3100A HFOV

Paciente. Ao atravessar o acoplador “Y”, o novo gás troca oxigênio e dióxido de carbono na
conexão tubo ET/paciente.
Um tubo sensor da pressão respiratória de proximidade de 1/8" feita de PVC vai do acoplador “Y”
para o Monitor de Pressão Respiratória por uma conexão Luer de anteparo branca do Circuito do
Paciente. O sinal de pressão é processado para determinar as várias medidas de pressão e
condições de alarme. O Monitor de Pressão Respiratória e sua tubulação são discutidos na seção
seguinte.
A membrana expiratória leva o gás trocado à Válvula de Controle da Paw . Esta válvula permite
duas passagens de fluxo expiratórios. Uma das passagens é uma restrição variável controlada
pelo tubo de controle da Válvula de Controle da Paw que se estende do Subsistema Lógico
Pneumático e de Controle Subsistema por um tubo verde próximo à conexão do Circuito do
Paciente. A outra passagem de fluxo é um orifício fixo que requer que um fluxo expiratório mínimo
seja mantido pelo Circuito do Paciente para assegurar um fluxo de Gás Expiratório novo, sem levar
em consideração o ajuste da Válvula de Controle da Paw .
Quando a Válvula de Controle da Paw é ajustada, ela ajusta a pressão média respiratória na
conexão do tubo ET/paciente após,aproximadamente, cinco constantes de tempo do sistema
terem passado, porém apenas se o fluxo expiratório ajustado e as características do oscilador
permanecerem inalteradas durante o mesmo período. Cinco constantes de tempo podem variar de
aproximadamente um segundo até 30 segundos. Esta constante de tempo é diretamente
proporcional à Paw e inversamente proporcional ao fluxo expiratório (bias flow).
As características elásticas e dimensionais individuais do diafragma da Válvula de Controle da
Paw interagem com a pressão do tubo do controle da válvula o ajuste máximo do botão de
controle. O ajuste de Calibração do Circuito do Paciente controla a pressão média máxima que
pode ser atingida em um Circuito do Paciente específico sob condições específicas. Este controle
só é utilizado quando o Circuito do Paciente é substituído ou o diafragma da válvula de controle da
Paw do Circuito do Paciente existente é substituído. Consulte o Capítulo 6, Manutenção e
Resolução de Problemas para obter o procedimento completo de instalação.
A Válvula de Limite de Pressão limita a Paw . Quando uma condição anormal existe ou quando a
pressão média do sistema aumenta devido a uma mudança de controle não esperada ou
desejada, esta válvula age para limitar a pressão média de proximidade respiratória.
Tanto a Válvula de Controle da Paw e a Válvula de Limite de Pressão são válvulas em forma de
cogumelo que devem ser substituídas periodicamente. Consulte o Capítulo 6, Manutenção e
Resolução de Problemas para instruções de substituição.
A Válvula de Descarga só é ativada por Controles Eletrônicos e Pneumáticos quando os seguintes
alarmes de segurança são ativados:
1. Paw > 50 cmH2O
2. Paw <20% da “Reg. Máx. Paw ”
A Válvula de Descarga, quando ativada, abre o Circuito do Paciente para a entrada de ar
ambiente. Quando os alarmes de segurança estão ativados, isto permite ao paciente respirar
espontaneamente à pressão atmosférica normal. Em uma situação de emergência, a Válvula de
Descarga ajuda a prevenir a diminuição da atividade cardíaca devido a uma pressão do Circuito do
Paciente elevada contínua ou atelectasia devida à pressão do Circuito do Paciente negativa.
A Válvula de Descarga é uma válvula em forma de cogumelo que deve ser substituída em
intervalos regulares, conforme descrito no Capítulo 6.
Há duas portas para a inserção do sensor de temperatura do umidificador externo. Uma delas está
próxima ao paciente “Y”; a outra está próxima da Válvula de Limite de Pressão.
A membrana inspiratória age como o meio de propagação para as oscilações de pressão geradas
pelo oscilador. Uma onda oscilatória típica de pressão respiratória está ilustrada na Figura 1.4.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 7

Alarme de Segurança
Ativado 50 cm

Botão de Reinicialização
Pressionado
Aumento da Pressão
Expiratória

< 20% da “Reg. Máx. Error!


Objects cannot be created

Válvula de
Descarga
Aberta

Diminuição da
Pressão Botão de
Expiratória Reinicialização
Pressionado

< 20% da “Reg. Máx. Error!

Válvula de
Descarga
* Aberta

Figura 1.4. Ondas Típicas de Pressão de Proximidade Respiratória


com Ativação da Válvula de Descarga.
Esta figura também ilustra a ativação da Válvula de Descarga devido à Paw ser maior que o limite
de 50cmH2O ou menor que o limite Máximo definido de 20% da Paw .

CUIDADO
O coletor de água deve ser esvaziado em intervalos conforme descrito no Capítulo 6, Manutenção
e Resolução de Problemas.
O funcionamento dos controles e dos alarmes de segurança mostrados aqui será discutido em
maiores detalhes no Capítulo 3, Controles, Indicadores e Conexões. A Montagem do Circuito do
Paciente sobre seu braço de montagem e sua conexão com o resto do sistema do Respirador é
discutida no Capítulo 2, Montagem e Instalação.

Oscilador
Os componentes do Oscilador estão ilustrados na Figura 1.5. O projeto agrega um circuito de
controle eletrônico (gerador de onda quadrada) que comanda um motor linear que, por sua vez,
aciona um conjunto de pistões. É bastante parecido com um alto falante com ímã permanente.
Regulador de
Ar Comprimido Pressão

Amplificador de Ar
Ar Ambiente
Carregado

Diafragma Flexível –
“Foles”
Invólucro Plástico
dos “Foles”
Bobina Porta do Circuito
do Paciente

Diafragma

Tubo de Drenagem
de Condensação

Propulsor de Onda Coletor de Água


Quadrada

Figura 1.5. Detalhes do Oscilador.

767124-106 Rev. P
8 3100A HFOV

Um das principais características do design é não haver nenhum contato físico entre o ímã
permanente e a bobina elétrica que é suspensa por “aranhas” dentro do ímã permanente. Isto
resulta em um sistema de oscilação sem atrito muito eficiente com uma vida operacional de mais
de 4.000 horas.
Quando o gerador de onda quadrada tem a polaridade positiva, ele aciona a bobina elétrica e o
pistão conectado para frente na direção do paciente (inspiração). Quando a polaridade é negativa,
ele aciona a bobina elétrica e o pistão conectado na direção oposta (expiração).
A distância em que o pistão é empurrado em cada direção é determinada pelos seguintes fatores:
• magnitude da voltagem de polaridade alternada aplicada à bobina elétrica;
• a pressão do Circuito do Paciente encontrada pela base do pistão;
• a corrente da contra alimentação elétrica na bobina do pistão desenvolvida pelo
Controle de Centralização do Pistão;
• e a freqüência da onda quadrada.
A voltagem de saída do gerador de onda quadrada é controlada pelo Controle de Alimentação
Elétrica do Controle Eletrônico e do Subsistema de Alarme.
Há duas paradas mecânicas que determinam o deslocamento máximo do pistão nas direções de
inspiração e expiração. O curso máximo do pistão definido por estas paradas é de
aproximadamente 365 mililitros. Um sensor infravermelho é utilizado para monitorar o
deslocamento da cabeça de pistão entre as paradas mecânicas para exibição em um gráfico de
barras no painel dianteiro do Controle Eletrônico e Subsistema de Alarmes. Um controle neste
subsistema também determina a freqüência das oscilações.
O percentual do tempo de inspiração é determinado por outro controle do Controle Eletrônico e
Subsistema de Alarmes. Este controle determina a duração relativa das polaridades sucessivas
positivas e negativas do gerador de onda quadrado que aciona a bobina elétrica e o pistão.
Conforme mencionado anteriormente, o deslocamento da bobina elétrica e pistão é determinado
pela magnitude da voltagem aplicada à bobina elétrica. O tempo de trânsito total necessário para
este deslocamento é apenas uma questão de milisegundos. Portanto, nas freqüências mais baixas
de oscilação, o pistão permanecerá estático em sua posição de deslocamento máximo na maior
parte da fase de respiração (inspiração ou expiração).
Com o aumento da freqüência de oscilação, o tempo de trânsito da bobina elétrica e pistão para
atingir seu deslocamento total, se tornará uma porcentagem maior da duração de fase respiratória
total. Embora determinado precisamente pelas condições do Circuito do Paciente, conforme a
freqüência é aumentada, a bobina elétrica e o pistão não conseguem completar o deslocamento
total antes do gerador de onda quadrada trocar de polaridade, exigindo a inversão da direção do
deslocamento. Portanto, a amplitude do deslocamento do pistão do oscilador diminuirá na medida
em que a freqüência de oscilação é aumentada.
Consulte o Apêndice B – Especificações, para detalhes sobre variação, resolução, e precisão das
várias funções de controle que afetam o Oscilador. Consulte o Capítulo 3, Controles, Indicadores e
Conexões, para uma descrição completa da utilização destes controles.
Como a maior parte do Oscilador é um motor linear, algum tipo de mecanismo de resfriamento
deve ser fornecido para a bobina elétrica. A fonte de resfriamento do Modelo 3100A é um fluxo de
ar obtido por uma tomada de ar de parede padrão de 50 psig. Um regulador dentro do Subsistema
de Oscilação manda uma corrente de ar para um amplificador de ar do tipo Venturi a 15 LPM que
então capta o ar ambiente a 45 LPM, fornecendo 60 LPM de ar resfriador em volta da bobina
elétrica.
Um circuito de interrupção térmica foi incorporado ao oscilador para desligá-lo caso haja
superaquecimento causado por falha no sistema de resfriamento. Se tal falha ocorre sem o
desligamento do oscilador, isto pode resultar na destruição das aranhas de suporte da bobina do
oscilador. O sistema de interrupção térmica utiliza um termistor na bobina do oscilador para

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 9

detectar a elevação de temperatura. A interrupção térmica ocorre quando a temperatura da bobina


excede 190°C.
Antes do desligamento térmico do oscilador, o operador recebe uma indicação que a bobina está
aquecendo demais. Um LED amarelo de aviso acende no painel dianteiro de controle quando a
temperatura da bobina alcança aproximadamente 175°C.

Monitor de Pressão Respiratória


O Monitor de Pressão Respiratória é um subsistema fundamental dentro do Respirador Modelo
3100A. A maioria dos alarmes de segurança e avisos se baseiam nas determinações da pressão
média respiratória do Monitor de Pressão Respiratória.
O Monitor de Pressão Respiratória mede a pressão dentro do circuito do paciente por meio de um
tubo de 1/8" que vai do acoplador “Y” do Circuito do Paciente até o transdutor do monitor de
pressão respiratória. Um fluxo de 500 ml/min de gás seco do misturador flui constantemente dos
3100A ao paciente “Y” para fazer com que o vapor de água não obstrua parcialmente esta
passagem do sensor.

AVISO
A não-execução dos procedimentos de manutenção recomendados no Monitor de Pressão
Respiratória como descrito no Capítulo 6 poderá acarretar ferimentos ao paciente ou ao operador
ou poderá causar danos ao equipamento.
Os Monitor de Pressão Respiratória processa as medidas instantâneas de pressão do seu
transdutor de pressão para produzir o seguinte:
1. Pressão média respiratória ( Paw )
2. Pico oscilatório, menos pressão oscilatória de passagem (∆P)
A Pressão Média Respiratória é essencialmente a média aritmética da medição da pressão
respiratória. É obtida filtrando o sinal de pressão instantânea com uma corrente contínua em um
filtro de passagem baixa de 0,5 Hz.
A leitura da ∆P é obtida subtraindo a pressão do pico oscilatório pela pressão oscilatória de
passagem.
As especificações do Monitor de Pressão Respiratória estão no Apêndice B. Uma descrição
detalhada da utilização de seu controle e indicadores está no Capítulo 3.

Controles Eletrônicos e Alarmes


Este subsistema contém os controles do oscilador e as funções de alarme. Este é formado por
vários circuitos eletrônicos e elementos lógicos. Integra as informações recebidas do Monitor de
Pressão Respiratória e faz o respirador reagir de uma forma mais segura para o paciente. Ele
utiliza estas informações para controlar a atividade do Subsistema Oscilador e do Subsistema
Lógico Pneumático e de Controle .
A seguir temos os controles do Oscilador que fazem parte do Subsistema de Controle Eletrônico e
Alarme:
1. Alimentação Elétrica
2. Percentual do tempo de inspiração
3. Freqüência – Hz
4. Iniciar/Parar
A operação e utilização destes controles é descrita em detalhes no Capítulo 3.

767124-106 Rev. P
10 3100A HFOV

O subsistema também contém os seguintes indicadores de estado do Subsistema Oscilador:


1. Gráfico de barra de Posicionamento e Deslocamento do Pistão
2. LED Iniciar/Parar
3. Medidor digital da ∆P
4. Medidor digital de % de Tempo de Inspiração
5. Medidor digital de freqüência
A coordenação destes indicadores com o Subsistema Oscilador é descrita em detalhes no
Capítulo 3.
Os seguintes controladores e indicadores de alarme fazem parte desta seção:
1. LED e seletor giratório da Paw máximo excedido
2. LED e seletor giratório da Paw mínimo excedido
3. Paw > 50 cmH2O LED
4. Paw < 20% da “Reg. Máx. Paw ”
5. Botão e LED Silencioso de 45 Segundos
6. Botão de Reinicialização
7. LED de Bateria com Carga Baixa
8. LED de Baixo Suprimento de Gás
9. LED de Superaquecimento do Oscilador
10. LED de Parada do Oscilador
11. LED de Falha na Alimentação Elétrica
A variação, resolução, e precisão destas funções de alarme são descritas no Apêndice B. Uma
descrição detalhada da utilização destes alarmes, controles e indicadores pode ser encontrada no
Capítulo 3.
A função dos alarmes é influenciada pela entrada no Monitor de Pressão Respiratória, Subsistema
Oscilador, e Subsistema Lógico Pneumático e de Controle.

Fonte de Alimentação Elétrica


A Fonte de Alimentação Elétrica converte a voltagem de corrente alternada em voltagem de
corrente contínua necessária para o funcionamento do Subsistema de Controle Eletrônico e
Alarmes, o Monitor de Pressão Respiratória e o Subsistema Oscilador.
Especificações detalhadas são descritas no Apêndice B. Os procedimentos de manutenção são
discutidos no Capítulo 6.

Funções de Segurança
O sistema do Respirador Modelo 3100A foi projetado com várias funções de segurança para evitar
danos aos pacientes e proteger o equipamento. Estas são as funções de segurança incorporadas
ao design dos vários subsistemas:
1. Alarmes de Aviso
2. Alarmes de Segurança
3. Alarmes de Falha na Alimentação Elétrica
4. Alarme de Parada do Oscilador

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 11

5. Alarmes de Cuidado
6. Interrupção Térmica do Oscilador
7. Coletor de Água para Condensação
8. Válvulas de liberação de pressão para proteger o equipamento contra danos de
sobrepressão
9. Lógica de inicialização do oscilador para prevenir aplicação de pressões oscilatórias
excessivamente altas ou baixas no paciente

Alarmes de Aviso
Há dois alarmes de aviso. Estes são os ajustes e indicadores de Paw Máximo e Mínimo
Excedido. Estes alarmes são desativados automaticamente após a correção da condição de
alarme. Estes são indicados por LEDs vermelhos e por um som modulado de 3kHz. A máquina
não executa nenhuma ação, mas a intervenção pelo usuário é necessária.

Alarmes de Segurança
Os Alarmes de Segurança são os alarmes Paw > 50 cmH2O e Paw < 20% da “Reg. Máx. de
Paw ”. Eles são indicados da mesma maneira que os Alarmes de Avisos descritos acima. Se
qualquer um destes alarmes da Paw for ativado, o oscilador para (fluxo expiratório continua) e a
Válvula de Descarga abre o Circuito do Paciente para obter pressão atmosférica. O alarme
Paw >50cmH2O só pode ser desativado pressionando o Botão de Reinicialização uma vez que a
condição de pressão alta tenha sido corrigida. O alarme Paw < 20% da “Reg. Máx. de Paw ” será
desativado imediatamente após a correção da condição de baixa pressão. O alarme Paw
>50cmH2O está presente, mas o ajuste do alarme < 20% da “Reg. Máx. de Paw ” estará sempre a
20% do nível de ajuste do botão do alarme da Paw Máx. Excedido.

Alarme de Falha na Alimentação Elétrica


Quando o Alarme de Falha na Alimentação Elétrica é ativado, nenhuma outra ação é tomada pela
máquina além do acendimento de um LED vermelho e a emissão de um som modulado de 3kHz.
O Alarme de Falha de Alimentação Elétrica é desativado ao pressionar o botão de Reinicialização
com ou sem a correção (remoção de ou colocação de fonte de alimentação elétrica inadequada
para o Subsistema de Controle Eletrônico e Alarmes) da condição do alarme. Para reiniciar o
oscilador, será necessário pressionar o Interruptor Iniciar/Parar. É normal que o LED de Bateria
com Carga Baixa quando o botão de Reinicialização é pressionado.

Alarmes de Cuidado
Os Alarmes de Cuidado ativam apenas um LED amarelo; nenhum alarme sonoro é emitido. Os
Alarmes de Cuidado são os seguintes: Bateria com Carga Baixa, Baixo Suprimento de Gás,
Superaquecimento do Oscilador e Silencioso de 45 segundos. Os Alarmes de Cuidado de Bateria
com Carga Baixa, Baixo Suprimento de Gás e Superaquecimento do Oscilador são desativados
apenas por correção da condição de cuidado pelo usuário. O indicador Silencioso de 45 Segundos
ficará iluminado por toda a duração do alarme Silencioso de 45 segundos. Durante este período de
45 segundos, o alarme audível será silenciado, seja qual for a condição do alarme. Todos os
indicadores visuais de alarme vão operar normalmente.

Alarme de Parada do Oscilador


O Alarme de Parada do Oscilador é acionado quando a ∆P é < 5 a 7 cmH2O. Um LED vermelho é
aceso e um sinal de 3kHz é emitido. A máquina não executa nenhuma ação e o alarme é
desativado automaticamente com a correção da condição de alarme. Note que o oscilador pode

767124-106 Rev. P
12 3100A HFOV

estar operando na realidade, mas a ∆P resultante está abaixo de 5 a 7 cmH2O. Se o oscilador for
desligado pelo botão Iniciar/Parar, o alarme de Parada do Oscilador é desabilitado.

AVISO
Um alarme audível indica a existência de uma condição potencialmente perigosa para o paciente e
não deve ser ignorado. A falha em responder aos alarmes pode causar ferimentos (incluindo a
morte) do paciente e/ou danos ao respirador.

CUIDADO
Quando o respirador estiver conectado a um paciente, é imperativo que alguém esteja sempre
observando, para responder aos alarmes ou outras indicações de problemas.

Sistema de Segurança de Interrupção Térmica


Uma função de interrupção térmica de segurança foi adicionada ao Subsistema Oscilador. Esta
característica desliga o oscilador se houver superaquecimento. Se o oscilador não for desligado,
isto pode resultar na destruição das aranhas de suporte da bobina do oscilador. O sistema de
interrupção térmica utiliza um termistor na bobina do oscilador para detectar a elevação de
temperatura. A interrupção térmica ocorre quando a temperatura da bobina excede 190°C.
Antes da interrupção térmica do oscilador, o operador recebe uma indicação que a bobina está
aquecendo demais. Um LED amarelo de aviso acende no painel dianteiro de controle quando a
temperatura da bobina alcança aproximadamente 175°C.

Coletor de Água
Um coletor de água está incorporado ao subsistema do Oscilador para ajudar a eliminar
condensação do Circuito do Paciente. O coletor de água pode ser esvaziado facilmente conforme
descrito no Capítulo 6, Manutenção e Resolução de Problemas.

CUIDADO
O coletor de água deve ser esvaziado em intervalos conforme descrito no Capítulo 6, Manutenção
e Resolução de Problemas. Se o respirador estiver operando, deixe uma pequena quantidade de
água no fundo do recipiente do Coletor de Água para agir como vedação de fluxo e pressão entre
o respirador e a saída do dreno.

Válvulas de Liberação da Pressão


Há dispositivos mecânicos de liberação da pressão para proteger o equipamento contra danos.
Um válvula mecânica de liberação da pressão de 75 psig protege as conexões de “Entrada do
Misturador” e “Entrada de Ar de Resfriamento”. A conexão “Saída para o Umidificador” é protegida
por uma válvula mecânica de liberação da pressão de 5 psig . Estes dispositivos funcionam se o
Respirador Modelo 3100A estiver energizado eletricamente ou não.

Inicialização do Oscilador
O oscilador não será iniciado a menos que os controles sejam usados na seqüência apropriada e
ajustados dentro dos limites corretos. O procedimento de inicialização está descrito no Capítulo 4,
Verificação Operacional e Procedimentos de Inicialização.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 13

Capítulo 2 Montagem e Instalação


Este capítulo trata do desempacotamento, montagem e instalação de seu Sistema Respirador
3100A.

Desempacotamento
O Respirador Modelo 3100A é transportado em um engradado, contendo o instrumento (painel de
controle pré-montado, coluna e pedestal) e várias caixas de papelão menores contendo:
• Braço de apoio do Circuito do Paciente;
• Quatro circuitos do paciente completos, divididos em três segmentos e embalados
quatro por caixa;
• Mangueiras e adaptadores de entrada e saída do umidificador;
• Uma caixa com dez cartuchos do Filtro de Entrada para as entradas de ar e gás
misturado;
• Manual de Operação;
• Adaptadores dos suportes de montagem do umidificador.
Se você, ao desempacotar seu respirador, notar algo danificado ou faltando, contate o Suporte ao
Cliente da CareFusion nos números fornecidos no Apêndice A.

Montagem
CUIDADO
Métodos de montagem diferentes dos descritos neste manual podem danificar o Modelo 3100A ou
causar seu mau funcionamento. Em caso de dúvidas em relação aos procedimentos de
montagem, contate o Suporte Técnico da CareFusion antes de continuar.
O Painel de Controle, a Coluna e o Pedestal são pré-montados na fábrica. Remova-os
cuidadosamente da embalagem de remessa e coloque-os em uma superfície plana e nivelada.
Trave as rodas.

Braço de Apoio do Circuito do Paciente.


Usando uma chave de fenda, monte o braço de apoio do Circuito do Paciente antes de conectá-lo.
Prenda a barra ajustável verticalmente na extremidade do braço de apoio, de forma que este
apoie, em sua extremidade curvado, o tubo principal do Circuito do Paciente. Aperte a cruzeta do
parafuso para fixá-lo na altura desejada.

Nota
O ângulo do circuito do paciente também pode ser controlado soltando o parafuso na barra de apoio, deslizando-a para
cima ou para baixo. Certifique-se de sempre apertar novamente o parafuso.

767124-106 Rev. P
14 3100A HFOV

CUIDADO
Ao conectar o Circuito do Paciente, certifique-se de que ele está apoiado corretamente pelo braço
de apoio. A não observância deste procedimento pode resultar na desconexão inesperada do
Circuito do Paciente devido a alimentações elétricas oscilatórias na formação de condensação do
umidificador na via respiratória do paciente.

Portas do
Sensor de
Temperatura

Válvula
Limitador

Acoplador “Y”
Válvula de
Controle
Membrana de Válvula de
Foles Expiração Descarga
Membrana
de Inspiração
Tubos do Acoplador “Y” –
Inspirado/Expirado

Ajuste do Bico de 3/8" do Porta de conexão


fluxo expiratório de entrada do tubo ET

Tubo do Fluxo
Expiratório
Coletor de Água
Torneira

Figure 2.1 Detalhes do Circuito do Paciente.

Montagem do Circuito do Paciente


Use figura 2.1 como orientação ao montar o circuito do paciente.
1. Conecte o corpo do circuito do paciente ao conjunto foles/coletor de água e fixe os
três conjuntos idênticos de tampa/diafragma nos três corpos dos válvulas localizados
no corpo do circuito do paciente.
2. Prenda o circuito do paciente montada na face do compartimento do oscilador
usando a manivela de 4 Ts, e os ferrolhos de quarto de volta.
3. Prenda os três tubos codificados por cor às suas tampas de válvula correspondentes,
utilizando o seguinte esquema de codificação de cores:
Cor do Tubo Fixado À
Azul Paw Válvula
Limitadora
Verde Paw Válvula de
Controle
Vermelho Válvula de Descarga
Transparente Porta do Sensor Paw

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 15

Os comprimentos diferentes e codificação de cor dos tubos e a disposição física das válvulas
dentro do Circuito do Paciente minimizam a possibilidade de ligações erradas.

CUIDADO
Deve-se tomar cuidado para não franzir ou perfurar quaisquer dos tubos de controle ou sensores
(indo ou vindo do circuito do paciente) durante a montagem ou operação do respirador, uma vez
que isso acarretará mau funcionamento dos Alarmes de Segurança, Alarmes de Aviso, Alarmes de
Cuidado e Controles de Limite de Pressão.
4. Prenda o tubo sensor de pressão de PVC de 1/8" (pertencente ao Circuito do
Paciente “Y”) à conexão luer de anteparo marcado “Pressão Respiratória”.
5. Finalmente, insira o sensor de temperatura do umidificador na se abertura perfilada
perto do paciente “Y”. Note que um porta idêntica com um plugue removível está
situada na extremidade oposta do Circuito do Paciente. Este local alternativo para a
sonda de temperatura é para utilização em pacientes que estão em um Isolette.
Sempre inserir o plugue na porta não utilizada.

CUIDADO
Se o sensor de temperatura for esfregado com álcool, permita que o álcool evapore
completamente antes de inseri-lo no circuito. Álcool residual pode debilitar o adaptador acrílico e
causar fissuras.

Nota
Insira sempre o plugue fornecido na porta não utilizada do sensor. A não observação deste
procedimento acarretará em um vazamento suficientemente grande para que a mínima P aw
necessária para o ativamento do oscilador não seja atingida.

Use o ajuste de barra do apoio descrito anteriormente para manter o circuito do paciente em altura
e ângulo corretos. O ângulo correto permitirá que a condensação desça para o coletor de água
fixado na coluna.

AVISO
Não tente outra configuração de circuito. Isto pode ser prejudicial ao paciente e/ou operador ou
danos ao equipamento. O Circuito do Paciente descrito neste manual é especificamente projetado
para uso do paciente com o Respirador Modelo 3100A.

Incorporação de Misturador e Umidificador no Sistema


Providencie um Misturador de Ar/O2 Externo e um Umidificador Externo para incorporação ao
sistema. Prenda estes dispositivos no Circuito do Paciente usando os acessórios de fixação
fornecidos, conforme as Figuras 2.1 e 2.2. As seguintes conexões devem ser feitas:
Dispositivo Conexão de Entrada de Conexão de Saída Para
Misturador de Ar/O2 (a) Ar do Hospital Parte traseira do Painel de Controle
Conexão DISS painel “ENTRADA DO
(b) Oxigênio do Hospital MISTURADOR” conexão DISS
Conexão DISS
Umidificador Parte traseira do Painel de Controle Circuito do Paciente
“SAÍDA PARA O UMIDIFICADOR” Conexão do Fluxo Expiratório
adaptador farpado de 3/8" conexão de bico de 3/8"

767124-106 Rev. P
16 3100A HFOV

Há uma conexão adicional à conexão DISS de Ar do Hospital para a conexão DISS de Ar da


Coluna, marcada “RESFRIAMENTO DE AR”.

Adaptador Farpado de
3/8" “Saída para
Umidificador”

Conexão DISS
“Entrada do Misturador”

Figura 2.2. Conexões do Painel Traseiro.

AVISO
Não encurte o tubo de fluxo expiratório fornecido com o circuito do paciente, pois isto pode reduzir
a ∆P máxima, permitindo que as pressões de oscilação sejam atenuados por maior proximidade à
recipiente do umidificador.

CUIDADO
Os cartuchos do filtro de entrada para o gás misturado e as entradas de ar do respirador devem
ser trocados a cada 500 horas de operação, conforme descrito no Capítulo 6, Manutenção e
Resolução de Problemas. A não substituição de um cartucho do filtro ou colocação de um cartucho
incorreto pode ser prejudicial ao paciente e/ou o equipamento. Utilizar somente o N/P 767163
CareFusion, caixa com 10.
Ache uma tomada de alimentação elétrica conveniente para o Modelo 3100A que possua
especificações compatíveis com os requisitos de energia do Respirador, descritas no Apêndice B.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 17

AVISO
Não tente anular a conexão correta do fio terra. Isto poderá causar danos ao dispositivo ou aos
equipamentos conectados e pode causar ferimentos ao paciente ou às pessoas associadas ao
dispositivo em uso. Este dispositivo é equipado em fábrica com plugue de tomada AC do tipo
hospitalar. A confiabilidade do aterramento só poderá ser assegurada quando conectada a uma
tomada testada de “grau hospitalar”.

CUIDADO
O funcionamento apropriado do respirador deve ser verificado antes de cada utilização. Consulte o
Capítulo 4, Verificação Operacional e Procedimentos de Inicialização.

AVISO
Não utilize transmissores de rádio em um raio de pelo menos 6 metros de distância deste
instrumento. Isso pode resultar em leituras de pressão errôneas, conduzindo a falsos alarmes e
desligamento automático.

Limpeza Pré-Utilização
Os Respiradores 3100A não necessitam de nenhuma limpeza preliminar antes da utilização inicial.
Os componentes do Circuito de Respiração do Paciente, embora limpos, não são enviados
esterilizados. Se desejado, o corpo do circuito pode ser desinfetado antes da utilização de com as
instruções da seção “Alteração do Circuito do Paciente” do Capítulo 6, Manutenção e Resolução
de Problemas.
O Respirador de Alta Freqüência 3100A está agora pronto para a Verificação Operacional e
Inicialização (ver Capítulo 4). Recomendamos que você se familiarize com a localização e
funcionamento dos controles (ver Capítulo 3) antes de ligar o respirador.

767124-106 Rev. P
18 3100A HFOV

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 19

Capítulo 3 Controles, Indicadores e Conexões


Este capítulo descreve a localização, função, e utilização de cada controle, indicador e conexão do
Respirador Modelo 3100A. Eles possuem números de referência nas ilustrações contidas neste
capítulo. As especificações detalhadas de resolução e precisão dos controles e indicadores estão
no Apêndice B. A teoria de operação do sistema 3100A e cada de seus subsistemas é explicada
Capítulo 1, Introdução, Sistema e Características de Segurança.

CUIDADO
O funcionamento apropriado do respirador deve ser verificado antes de cada utilização. Consulte o
Capítulo 4, Verificação Operacional e Procedimentos de Inicialização. As funções de alarme
testadas neste procedimento verificam a capacidade do dispositivo de detectar e indicar as
condições que podem ter efeito prejudicial ao paciente.

Painéis Frontal e Lateral – Painel de Controle

(de lado)

Figura 3.1. Controles e Indicadores do Painel Dianteiro.


Os números da Figura 3.1 correspondem às seguintes descrições numeradas.

1. Fluxo Expiratório (Bias Flow)


Controla e indica a taxa de fluxo contínuo de gás umedecido misturado através do Circuito do
Paciente. O botão de controle é uma válvula pneumática de 15 voltas que aumenta o fluxo a
medida que é girada à esquerda.
A taxa de fluxo é indicada por uma bola flutuante dentro do tubo de vidro de um rotâmetro
graduado de 0 a 60 LPM em incrementos de 5 LPM. A leitura do fluxo é feita alinhando-se o centro
bola flutuante com a marca na escala do rotâmetro correspondente ao fluxo ajustado. O fluxo
máximo realizável de fluxo é limitado internamente a 40 LPM.

767124-106 Rev. P
20 3100A HFOV

2. Ajuste da Pressão Média


Ajusta a pressão média respiratória ( Paw ) controlando a resistência da Válvula de Controle da
Paw . (Ver Figura 3.2 para detalhes do Circuito do Paciente). Este controle é uma válvula
pneumática de 1 volta de sentido horário.
O ajuste afetado por este controle é exibido no Monitor de Pressão Média (8).
Como este controle não é fechado, a Paw mudará se o ajuste do fluxo expiratório for alterado. O
aumento no fluxo expiratório aumentará a Paw . Além disso, como a onda de pressão oscilatória
introduzida pelo Subsistema Oscilador é assimétrica, o ajuste dos controles do oscilador também
alterará a Paw .
Quando ajustado, este controle determina a pressão média respiratória na conexão tubo
ET/paciente depois que aproximadamente cinco constantes de tempo do sistema tenham passado,
mas só se o fluxo expiratório ajustado e as características do oscilador permanecem inalteradas
durante o mesmo período de tempo. Cinco constantes de tempo podem variar de
aproximadamente de um segundo até 30 segundos. Esta constante de tempo é inversamente
proporcional à resistência da Válvula de Controle da Paw e o ajuste de fluxo expiratório.
Alterações seguintes controles do oscilador podem necessitar de reajusta da pressão média para
manter uma Paw constante:
• Freqüência;
• % de Tempo de Inspiração;
• Alimentação Elétrica (e resultante alteração de ∆P); e
• Centralização do Pistão.
Freqüência afeta ligeiramente o ajuste de Paw , mas em freqüências mais altas, a amplitude do
movimento do pistão do oscilador pode ser atenuada devido a uma limitação na curva de aumento.
(O tempo de trânsito do pistão é maior que o tempo do ciclo necessário ao ajuste de Freqüência.)
Uma vez que o ajuste da % do Tempo de Inspiração afeta a simetria da onda oscilatória, ela
causará uma mudança direta na Paw quando reajustada.
Uma mudança na ∆P causará uma mudança na porcentagem da Paw determinada por uma onda
oscilatória não simétrica. Assim, a Paw sofrerá alteração e precisará ser reajustada se uma Paw
inalterada for desejada.
Com o oscilador desligado, o controle do Ajuste de Pressão Média controle é capaz de alcançar 41
cmH2O Paw em um Fluxo Expiratório de 20 LPM com o circuito do paciente calibrado ao sistema.
A Paw geralmente aumentará moderadamente com o funcionamento do oscilador.
Consulte o Capítulo 4, Verificação Operacional e Procedimentos de Incialização para uma
explicação do procedimento de ajuste da pressão média respiratória.

3. Limite da Pressão Média


Controla o limite acima do qual a Paw proximal não é aumentada com o aumentado da pressão
de controle da Válvula de Limite de Pressão. Este controle é uma válvula pneumática de 1 volta de
sentido horário. Seus intervalo de valores é de aproximadamente 10 a 45 cmH2O.
O Controle de Limite da Paw deve ser fixado em um nível mais alto do que o intervalo normal
operacional da Paw . O controle é usado para ajudar a proteger o paciente se uma situação de
sobrepressão acidental ocorrer dentro do Circuito do Paciente.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 21

CUIDADO
Conferir novamente e reajustar os nível de limites após qualquer mudança da ∆P. Se a amplitude
oscilatória (∆P) for alterada depois que nível de limite foi fixado, o nível do limite atual mudará
ligeiramente, na mesma direção em que a ∆P foi alterada.

4. Alimentação Elétrica/∆P
Determina a quantidade de alimentação elétrica que movimenta o pistão de oscilador para frente e
para trás. O controle de Alimentação Elétrica é um potenciômetro elétrico de 10 voltas, que cobre o
intervalo de alimentação elétrica de 0 a 100%. A escala do botão é um disco com trava de 10
voltas que não é calibrado em % da alimentação elétrica, mas marcado para o estabelecimento de
pontos de referência.
O efeito deste controle é a alteração do deslocamento do pistão do oscilador e,
conseqüentemente, a pressão oscilatória ∆P.
O ajuste de Alimentação Elétrica interage com as condições da Paw existentes dentro do Circuito
do Paciente para produzir a ∆P resultante. A ∆P é exibida numericamente no indicador digital
adjacente ao controle de Alimentação Elétrica e o movimento causativo do pistão é exibido
graficamente no gráfico de barras de 17 segmentos chamado “Posição e Deslocamento do Pistão”.
A exibição gráfica permite ao usuário determinar se o pistão do oscilador foi centralizado
corretamente ou se está atingindo a parada mecânica para a inspiração ou expiração completa.
Estes limites estão exibidos nos gráficos de barras “Limite Máx Insp.” e “Limite Máx Exp.”
respectivamente.
Permitir que o pistão atinja a parada mecânica durante um período estendido de tempo pode
reduzir a vida útil do mecanismo oscilador, devendo ser evitado. A condição pode acontecer se o
controle de Alimentação Elétrica estiver ajustado em um valor muito alto para as condições de
Paw desejadas ou o controle de Alimentação Elétrica está inalterado e a Paw estiver reduzida.
Consulte o Controle de Centralização do Pistão (30) neste capítulo.
Consulte o Capítulo 4, Verificação Operacional e Procedimentos de Inicialização para uma
descrição da técnica de ajuste do controle de Alimentação Elétrica.

5. % da Tempo doe Inspiração


Determina a porcentagem de tempo do ciclo oscilador em que o pistão anda para frente o dica na
posição de inspiração final. O controle é um potenciômetro elétrico de 10 voltas que cobre o
intervalo 30% a 50%. O ajuste é exibido numericamente no indicador digital adjacente ao controle.
A alteração do controle da % do Tempo de Inspiração pode ter um efeito sobre a posição do pistão
do oscilador. Em freqüências mais altas, a alteração da % do Tempo de Inspiração de cerca de
50% para 30% pode diminuir o deslocamento. Isto se deve ao fato que a fase mais curta da
oscilação de inspiração pode não dar ao pistão tempo suficiente para fazer seu movimento total.
Uma vez que este controle afeta a simetria da forma de onda oscilatória, ele afetará a Paw ou a
∆P, dependendo se o controle do Limite da Paw (3) estiver sendo usado.

6. Freqüência
Define a freqüência do oscilador em Hertz. O botão de controle é um potenciômetro elétrico de
10 voltas, que cobre o intervalo de 3 a 15 Hertz. A freqüência definida é exibida numericamente no
indicador digital.

7. Iniciar/Parar
Alterna manualmente o estado do oscilador entre habilitado e desabilitado. Se o LED verde do
botão estiver aceso, o oscilador está habilitado, o oscilador será desabilitado se o botão for

767124-106 Rev. P
22 3100A HFOV

pressionado. Se o LED verde não estiver aceso, então o oscilador está desabilitado; se o botão for
pressionado, ele fará com que ele comece a oscilar – desde que o procedimento de inicialização
tenha sido executado corretamente.
Este procedimento de inicialização está explicado no Capítulo 4. Se não for feito corretamente, o
sistema não que permitirá o oscilador seja iniciado. Isto impede que o paciente seja submetido a
uma Paw muito alta ou baixa.

8. Pressão Média Respiratória


Exibe a Paw em um indicador digital em cmH2O.

9. Reg. Máx. de P aw
Determina o nível em cmH2O no qual o Alarme de Aviso de Paw Máxima Excedida será
acionado. O nível de Máximo de Paw é determinado por meio de um seletor giratório, que cobre o
intervalo de 0 a 49 cmH2O. Uma parada mecânica foi inserida na coluna decimal da chave do
botão para prevenir que o disco seja girado além do número 4.
A ativação do alarme é indicada por um som modulado de 3kHz e um LED vermelho adjacente à
chave do seletor giratório.
O alarme será desativado automaticamente depois da correção da condição. O indicador sonoro
pode ser silenciado por 45 segundos apertando-se o botão Silêncio de 45 Segundos.
Este alarme não inicia qualquer resposta da máquina além da ativação dos indicadores visuais e
sonoros.
O nível de Paw Máxima definido na chave do seletor giratório também determina a que ponto o
Alarme de Segurança Paw < 20% da “Reg. Máx. de Paw ” (12) é ativado. Isto está explicado
detalhadamente abaixo.

10. Reg Mín. de P aw


Determina o nível em cmH2O no qual o Alarme de Aviso de Paw Mínima Excedida era acionado.
O nível de Paw Mínima é determinado por meio de um seletor giratório, que cobre o intervalo de
0 a 49 cmH2O. Uma parada mecânica foi inserida na coluna decimal da chave do botão para
prevenir que o disco seja girado além do número 4.
A ativação do alarme é indicada por um som modulado de 3kHz tom modulado e um LED
vermelho adjacente à chave do seletor giratório.
O alarme será desativado automaticamente depois da correção da condição. O indicador sonoro
pode ser silenciado por 45 segundos apertando-se o botão Silêncio de 45 Segundos.
Este alarme não inicia qualquer resposta da máquina além da ativação dos indicadores visuais e
sonoros.

11. P aw > 50 cmH2O


O LED vermelho indica a ativação deste Alarme de Segurança pré-configurado. Ele também é
indicado por um som modulado de 3kHz. O alarme só é desativado apertando-se o botão de
Reinicialização depois que a condição de alarme é corrigida. O botão Silencioso de 45-segundos
pode ser apertado para silenciar o aviso sonoro, no entanto, o LED vermelho permanecerá acesa
e a Válvula de Descarga permanecerá aberta.
Quando este alarme for acionado, o Modelo 3100A fechará o oscilador automaticamente, mas
fluxo expiratório continuará. A Válvula de Descarga estará aberta e manterá a pressão de via
respiratória próxima da atmosfera. Isto protege o paciente da pressão elevada e permite a ele
respirar espontaneamente. (Veja a seção Circuito do Paciente no Capítulo 1 para explicações
detalhadas desta função.)

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 23

Por causa da ativação da Válvula de Descarga, o Alarme de Segurança da Paw < 20% da “Reg.
Máx. de Paw ” também será ativado.
Após a correção da condição que ativou o Alarme de Segurança, o procedimento de inicialização
do oscilador deve ser executado. Isto está explicado no Capítulo 6.

12. < 20% da “Reg Max. de P aw ”


O LED vermelho indica a ativação deste Alarme de Segurança. Ele também é indicado por um
som modulado de 3kHz. Este alarme é ativado quando o nível da Paw é igual a 20% do ajuste do
seletor giratório do Aviso de Alarme “Reg. Máx. de Paw ” (9). Este alarme será desativado depois
que a condição for corrigida.
Os botão de Silêncio por 45 Segundos podem ser pressionado para silenciar o aviso sonoro; no
entanto, o LED vermelho permanecerá aceso.
Quando este alarme for acionado, o Modelo 3100A fechará o oscilador automaticamente, mas
fluxo expiratório continuará. A Válvula de Descarga será aberta e manterá a pressão respiratória
próxima da pressão atmosférica. Isto permite ao paciente respirar espontaneamente. (Vide seção
Circuito do Paciente no Capítulo 1 para explicações detalhadas desta função.)
Após a correção da condição que ativou o Alarme de Segurança, o procedimento de inicialização
do oscilador deve ser executado. Isto está explicado no Capítulo 1.

13. Falha na Alimentação Elétrica


O LED vermelho indica perda de energia elétrica ou fornecimento de energia elétrica insuficiente
ou inadequado. Ele é acompanhado por um som modulado de 3kHz. As seguintes condições farão
este alarme ser acionado:
Erro no interruptor do circuito do Modelo 3100A;
Desligamento da Interruptor de Alimentação Elétrica (29);
Tomada tirada da parede;
Perda de energia no ramal do hospital no qual o Sistema Modelo 3100A está conectado;
Falha na fonte de alimentação elétrica interna do Sistema Modelo 3100A.
Depois de apresentar falha, os indicadores de alarme (LED vermelho e som modulado de 3kHz) só
podem ser desativado pressionando-se o botão de reinicialização (14) até que a condição de falta
de alimentação elétrica seja corrigida. Para reiniciar o oscilador, será necessário pressionar o
interruptor Iniciar/Parar.
A circuito de Alarme de Falha de Alimentação Elétrica é alimentado por uma bateria (25),e será
discutido em detalhes na próxima seção, que trata da operação dos controles, indicadores e
conexões do painel traseiro do Painel de Controle.

14. Reinicialização
Este botão de contato momentâneo reajusta todos os Alarmes de Segurança e o Alarme de Falha
de Alimentação Elétrica.
As condições de alarme que ativam os Alarmes de Segurança > 50 cmH2O e < 20% da “Reg. Máx
de Paw ” (11 e 12) devem ser corrigidas primeiro antes que aconteça o reajuste. Considerando
que estes alarmes fazem com que Válvula de Descarga seja aberta, a Reinicialização deve ser
feita com o botão Iniciar/Parar acionada até que a Válvula de Descarga seja fechada e pressão
respiratória se estabeleça acima de 20% da Reg. Máx. de Paw .
O Alarme de Falha de Alimentação Elétrica (13) será desativado se a condição de alarme for
corrigida ou ainda persistir.

767124-106 Rev. P
24 3100A HFOV

É normal que o LED de Bateria com Carga Baixa acenda quando o botão de Reinicialização é
pressionado.

15a Bateria com Carga Baixa


Indica que a bateria do alarme de Falha de Alimentação Elétrica (25) no painel traseiro do Painel
de Controle deve ser substituída o mais rápido possível, de forma a assegurar a operação correta
continuada do alarme de Falha de Alimentação Elétrica.

15b Baixo Suprimento de Gás


Indica a pressão de gás nas conexões “Entrada do Misturador” ou “Ar de Resfriamento” caiu para
abaixo de 30 psig.
Como os alarmes Bateria com Carga Baixa e Baixo Suprimento de Gás são classificados como
alarmes de cuidado, LEDs amarelos são usados e não há nenhum aviso sonoro. Estes alarmes só
serão desligados depois que a bateria for substituída por uma nova ou a fonte de pressão do gás
aumente para mais 30 psig, respectivamente.
O usuário deve investigar a causa do alarme. Se o problema for uma perda da pressão do
misturador, os Alarmes de Aviso ou Segurança logo serão ativados. Se o problema for uma perda
no ar de resfriamento do oscilador, o alarme de Superaquecimento do Oscilador também será
ativado. Este alarme pode ser ativado se um Cartucho do Filtro de Entrada sujo estiver instalado.
Consulte a seção de Manutenção do Operador no Capítulo 6 para instruções sobre como mudar
os Cartuchos do Filtro de Entrada.
A bateria será discutida em detalhes na próxima seção, que trata da operação dos controles,
indicadores e conexões do painel traseiro do Painel de Controle.

16. Superaquecimento do Oscilador


Indica que a bobina do oscilador está superaquecida e alcançou uma temperatura aproximada de 175°C.
Considerando que este é um Alarme de Aviso, o LED amarelo é usado, e não há nenhum alarme sonoro.
Este alarme só será desativado depois que a condição for corrigida. O operador deve determinar se o
problema é uma perda ou diminuição da pressão do gás de resfriamento. Isto pode ser causado por uma
baixa pressão de gás na fonte, uma oclusão (como um tubo retorcido ou Cartucho do Filtro de Entrada
tampado) ou uma conexão interna ou externa de tubo solta. Consulte a seção de Manutenção do Operador
no Capítulo 6 para instruções sobre como mudar os Cartuchos do Filtro de Entrada.

17. Oscilador Desligado


Indica que o oscilador está habilitado (LED verde do botão Iniciar/Parar acesa) mas ∆P < 5 a
7 cmH2O. Um LED vermelho é acompanhado por som modulado de 3kHz. A máquina não executa
nenhuma ação, além dos indicadores que são automaticamente desativados quando a condição é
corrigida.

18. Silêncio de 45 Segundos


Ativa e indica a supressão do alarme sonoro por um período de 45 segundos. Este controle é um
botão de luz e indica um aviso com seu LED amarelo quando pressionado. Uma vez ativado, o
Silêncio de 45 Segundos não pode ser desativado, seu tempo deve transcorrer.

19. Calibração do Circuito do Paciente


Ajusta a pressão média máxima que pode ser obtida com um determinado Circuito do Paciente.
Este ajuste de chave de fenda é usado para calibrar a pressão média máxima depois que o
Circuito do Paciente ou o diafragma de Controle da Paw são alterados. Um procedimento de
ajuste completo está explicado em detalhes no Capítulo 6, Manutenção e Resolução de
Problemas.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 25

Painel Traseiro – Painel de Controle

Figura 3.2. Controles, Indicadores e Conexões do Painel Traseiro.


Os números da Figura 3.2 correspondem às seguintes descrições numeradas. Uma descrição
mais detalhada de características de projeto específicas pode ser encontrada no Apêndice B –
Especificações.

20. Entrada do Misturador


Adaptador DISS de oxigênio para conexão a um Cartucho do Filtro de Entrada e, então, à saída do
Misturador Ar/O2. A pressão nominal de saída de gás do misturador deve ser de 50 psig. O LED
amarelo de Baixo Suprimento de Gás acenderá caso a pressão na entrada caia abaixo de 30 psig
±5%.
Esta conexão de entrada é protegida de sobrepressão por um válvula mecânica de liberação de
pressão de 75 psig. Mais detalhes relativos a esta proteção estão listados no Apêndice B.

21. Saída para o Umidificador


O conector que fornece fluxo expiratório à entrada do Umidificador Externo do Paciente. Este é um
adaptador farpado de 3/8" protegido de sobrepressão por um válvula mecânica de liberação de
pressão de 5 psig. Os procedimentos de montagem do Circuito do Paciente associados a este
conector estão explicados no Capítulo 2.

22. Ajuste de Zero do Transdutor de Pressão


Consulte o Capítulo 6, Manutenção e Resolução de Problemas

23. Ajuste de Alcance do Transdutor de Pressão


Consulte o Capítulo 6, Manutenção e Resolução de Problemas

24. Medidor de Tempo Transcorrido


Indica o tempo total acumulado em horas de operação com alimentação elétrica do Modelo 3100A.
Especificações detalhadas deste medidor são dadas no Apêndice B.

767124-106 Rev. P
26 3100A HFOV

25. Bateria do Alarme de Falha na Alimentação Elétrica


Uma tampa de metal (fixada por 2 parafusos) atrás da qual está uma bateria alcalina de 9 volts. O
LED de Bateria com Carga Baixa no painel frontal indica quando esta bateria precisa ser
substituída. Ela pode ser substituída por qualquer bateria de 9 volts de boa qualidade.

Nota
Retire a bateria de 9 volts se o instrumento não for utilizado por um período prolongado.

26. Trava de Posionamento


Este botão trava o Painel de Controle na posição rotacional selecionada pelo usuário. Quando esta
trava é girada em sentido anti-horário (destravado), pode-se girar o Painel de Controle em um arco
de aproximadamente 360°. Isto permite que se visualize o painel frontal a partir de um ângulo
independente da posição da saída do Circuito do Paciente.
Após selecionar a posição desejada, gire o botão no sentido horário para travar na posição de
fechamento.
Uma ligeira rotação do botão no sentido anti-horário a partir da posição totalmente travada causará
atrito para prevenir que o fecho seja facilmente girado sem de fato fixar-se.
Mais informações sobre posicionamento de controles são discutidas no Capítulo 2, Montagem e
Instalação.

27. Entrada do Ar de Resfriamento


Um adaptador de ar DISS para conexão através de um Cartucho de Filtro de Entrada para o
suprimento de ar hospitalar que fornece gás de resfriamento ao oscilador. A pressão nominal do ar
hospitalar deve ser 50 psig em 15 LPM para propulsores de 1,5 ohms e 50 psig em 10 LPM para
propulsores de 3,0 ohms. O LED amarelo de Baixo Suprimento de Gás acenderá caso a pressão
na entrada caia abaixo de 30 psig ±5%.

28. Substituição do Filtro de Gás Resfriador/Misturador


Durante a manutenção normal como descrito no Capítulo 6, registre a leitura no Medidor de Tempo
Transcorrido para referência rápida.

29. Registro de Substituição do Propulsor


Durante a manutenção normal como descrito no Capítulo 6, registre a leitura no Medidor de Tempo
Transcorrido para referência rápida.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 27

Coluna do Sistema e Circuito do Paciente

Figura 3.3 Controles e Conexões da Coluna do Sistema e do Circuito do Paciente


Os números exibidos na Figura 3.3 correspondem aos números das descrições que se seguem.

CUIDADO
Deve-se tomar cuidado para não amassar ou perfurar nenhum dos tubos de controle ou sensores
(que entram ou saem do Circuito do Paciente) durante a montagem, operação ou limpeza do
respirador, uma vez que isso resultará no mau funcionamento dos Alarmes de Segurança, Alarmes
de Aviso, Alarmes de Cuidado e Controles de Limite de Pressão.

30. Centralização do Pistão


Determina a posição central do pistão do oscilador. Este é um controle de 10 voltas sem indicador
de escala marcado.
Este controle ajusta uma força oposta no pistão do oscilador, o qual atua em oposição à Paw na
frente do pistão resultando em um efeito de centralização.
Conforme o controle é girado no sentido horário com Paw constante, a posição central do pistão
é alterada para mais próximo ao “Limite Exp. Máx” no gráfico de barra de Posição do Pistão e
Deslocamento de 17 segmentos. A rotação do controle em sentido anti-horário altera o centro para
“Limite Insp. Máx”.
Uma mudança na Paw causará alteração na centralização do pistão. Para evitar que o pistão do
oscilador sofra uma parada mecânica, recentralize o pistão utilizando o Controle de Centralização.
Permitir que o pistão sofra uma parada mecânica por um longo período pode reduzir a vida do
mecanismo do oscilador e deve ser evitado.
A Centralização do Pistão afetará a ∆P para uma dada alimentação elétrica. De um modo geral, o
ajuste para o limite inspiratório reduz o volume geral do circuito do paciente e resulta em um ∆P
mais alto com o mesmo deslocamento do pistão. De forma oposta, o ajuste para o limite
expiratório aumenta o volume e diminui a ∆P.
Consulte o Capítulo 4, Verificação Operacional e Procedimentos de Inicialização, para instruções
referentes à configuração inicial e verificação funcional para este controle.

767124-106 Rev. P
28 3100A HFOV

31. Interruptor de Alimentação Elétrica


Liga e Desliga a energia do Sistema do Modelo 3100A. O interruptor de alimentação elétrica
também funciona como um disjuntor em caso de sobrecarga. Se o disjuntor abrir, certifique-se de
localizar o problema que esteja causando a sobrecarga antes de restabelecer o interruptor. Este
interruptor é um interruptor de balancim padrão, que abre para os dois lados da linha de
alimentação elétrica, como o faz o disjuntor embutido.

32. Compartimento do Oscilador


Fixa a extremidade inspiratória de identificação 1 ¼" do circuito do paciente e é presa por quatro
prendedores de um quarto de volta.

33. Válvula de Controle da P aw


Uma tubulação verde para conexão de tubo ID 1/16" que vai à entrada da Válvula de Controle da
Paw do Circuito do Paciente. Consulte o procedimento de montagem no Capítulo 2 para detalhes
de fixação desta linha de controle à sua válvula. Esta linha deve ser substituída periodicamente
durante a manutenção preventiva programada do Respirador.

34. Controle da Válvula de Descarga


Uma tubulação vermelha para conexão ao tubo ID 1/16" que vai à entrada da Válvula de Descarga
no Circuito do Paciente. Consulte o procedimento de montagem no Capítulo 2 para detalhes de
fixação desta linha de controle à sua válvula. Esta linha deve ser substituída periodicamente
durante a manutenção preventiva programada do Respirador.

35. Sensor da P aw
Uma tubulação para conexão ao tubo ID 1/8" transparente que vai da Porta de Pressão de Ar do
Circuito do Paciente para transmissão do sinal da Paw para o transdutor de pressão no Painel de
Controle. Consulte procedimento de montagem no Capítulo 2 para detalhes de fixação.

36. Válvula de Limite da P aw


Uma conexão Luer de anteparo azul para conexão ao tubo ID 1/16" azul que funciona para
controlar a entrada da Válvula de Limite de Paw no Circuito do Paciente. Consulte o
procedimento de montagem no Capítulo 2 para detalhes de fixação desta linha de controle à sua
válvula. Esta linha deve ser substituída periodicamente durante a manutenção preventiva
programada do Respirador.

37. Coletor de Água


A condensação deve ser drenada para o coletor de água caso o Circuito do Paciente esteja
devidamente posicionado. Há um pequeno orifício (0,025" de diâmetro) na parte superior do
coletor de água permitindo que o ar escape conforme este se enche.

38. Dreno do Coletor de Água


Permite a drenagem de água condensada. A água é drenada a partir do fundo quando o registro é
fechado. O conteúdo do coletor de água pode ser drenado enquanto o Modelo 3100A ainda estiver
em funcionamento, desde que a vedação de água entre o respirador e o fundo do dreno não esteja
interrompida. Isto pode ser realizado deixando-se sempre uma pequena quantidade de água no
fundo do coletor de água após a drenagem. Siga as instruções do Capítulo 6 referentes à limpeza
e desinfecção do coletor de água e mecanismos da válvula.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 29

CUIDADO
Certifique-se que o registro esteja fechado antes de realizar a Calibração do Circuito do Paciente.
Caso a Torneira do Coletor de Água seja deixada aberta, a Calibração do Circuito do Paciente
(39–43 cmH2O) pode não ser realizada, e a Paw fornecida será reduzida.

39. Fixador de Fole


Quatro prendedores de um quarto de voltas que prendem o fole (Compartimento do Oscilador) no
lugar em frente ao pistão do oscilador.

40. Barra do Circuito do Paciente


Para fixação do Circuito do Paciente. Consulte o Capítulo 2 para instruções de montagem e ajuste.

41. Tubo Umidificador


O umidificador externo é conectado entre a “Saída para o Umidificador” na parte traseira do Painel
de Controle e a Entrada do Fluxo Expiratório (Bias Flow) no Circuito do Paciente. Na Figura 3.3, o
tubo do umidificador é mostrado conectado ao circuito do paciente sem umidificador em linha.
Apenas o tubo de 3/8" fornecido com o Circuito do Paciente deve ser utilizado.

42. Conexões Luer de Anteparo


Há quatro conexões luer de anteparo na frente do compartimento do oscilador para conexão para
conexão às três tampas de válvulas e portas sensoras de pressão no circuito do paciente.

43. Tira de Fixação


Fixa o circuito do paciente à Barra do Circuito do Paciente. Isto mantém o circuito rígido em uma
posição perpendicular estável.

767124-106 Rev. P
30 3100A HFOV

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 31

Capítulo 4 Verificação Operacional e de


Inicialização
Este capítulo engloba a verificação operacional adequada e os métodos de inicialização da
ventilação para o Respirador Modelo 3100A.
Consulte o Capítulo 2 para as instruções sobre a desembalagem, montagem e instalação do
Respirador Modelo 3100A antes da inicialização e da verificação operacional.

AVISO
O procedimento de inicialização e de verificação operacional deve ser seguido antes que se inicie
a ventilação do paciente. Se, em qualquer momento durante os procedimentos de verificação
operacional e de inicialização, for verificado um funcionamento anormal do Respirador Modelo
3100A não prossiga com a ventilação do paciente, pois isto pode ser prejudicial ou até causar a
morte do paciente; contate o Suporte Técnico da CareFusion antes de qualquer outro
procedimento.

CUIDADO
O funcionamento apropriado do respirador deve ser verificado antes de cada utilização. As funções
de alarme testadas neste procedimento verificam a capacidade do equipamento de detectar e
indicar as condições que podem ter efeito prejudicial ao paciente.

CUIDADO
Toque no gabinete de metal exterior do instrumento antes de tocar em qualquer outro componente
para evitar possíveis danos aos componentes do instrumento por Descarga Eletrostática.

AVISO
Não utilize transmissores de rádio em um raio de pelo menos 6 metros de distância deste
instrumento. Isso pode resultar em leituras de pressão errôneas, conduzindo a falsos alarmes e
desligamento automático.

Procedimentos de Inicialização
Uma etiqueta “Lista de Verificação Rápida” para verificação antes da utilização no paciente está
fixada ao respirador. Vide figura 4.1 abaixo.

767124-106 Rev. P
32 3100A HFOV

CareFusion
MODELO 3100A ~~~ ETIQUETA 'LISTA DE VERIFICAÇÃO RÁPIDA’
Lista de verificação pré-utilização
(Consulte a Seção Verificação no Manual de Operação)
1. Conecte os gases fonte ao sistema.
2. Conecte a alimentação elétrica ao sistema.
3. Verifique se o apoio do circuito do paciente está instalado no sistema.
4. Conecte o circuito do paciente e o umidificador ao sistema.
5. Conecte o controle do circuito do paciente e as linhas de sensor de pressão ao sistema.
6. Ligue a alimentação elétrica.
7. Verifique se as luzes dos gases fonte estão desligadas.
8. Verifique se a luz liga/desliga está desligada.
9. Verifique se a luz do alarme de silêncio está ligada.
10. Execute a calibração do circuito do paciente.
11. Execute a verificação de funcionamento.
12. Execute o procedimento de verificação de alarme.
13. Verifique a calibração do monitor de pressão.
14. Defina previamente o fluxo, freqüência, % de tempo de inspiração, alimentação elétrica, média de
funcionamento da pressão de ar e limite de pressão de ar.
15. Regule os interruptores de Paw Máx. e Mín.
16. Configure os controles do misturador e do umidificador para a operação desejada.
17. Remova o tampão do circuito do paciente. Conecte o tubo ET do paciente.
P/N 768939A

Figura 4.1 Etiqueta de Verificação Rápida

Procedimentos de Inicialização
1. Conecte os gases fonte ao Sistema do Respirador Modelo 3100A:
• Linha de oxigênio para o oxigênio da conexão de entrada do Misturador Externo
de Ar/O2;
• Linha de ar para a conexão de entrada de ar do Misturador Externo de Ar/O2 e o
oscilador do conector de entrada do “Resfriador de Ar”;
• Saída do Misturador Externo de Ar/ para o Painel de Controle do painel traseiro
do adaptador DISS de oxigênio com etiqueta “Entrada do Misturador”.
2. Conecte o Circuito do Paciente e o Umidificador do Paciente Externo ao Modelo
3100A seguindo os procedimentos de montagem descritos no Capítulo 2.

AVISO
Não tente substituir outra configuração do circuito, pois isto pode ser prejudicial ao paciente e/ou
operador ou causar o mau funcionamento do equipamento. O Circuito do Paciente descrito neste
manual é especificamente projetado para uso do paciente com o Respirador Modelo 3100A.

CUIDADO
Ao conectar o Circuito do Paciente, certifique-se que este está devidamente apoiado pelo braço de
apoio como descrito no Capítulo 5, Montagem e Instalação. A não observância deste procedimento
pode resultar na desconexão inadvertida do circuito do paciente devido às forças oscilatórias ou
pode resultar na coleta de condensação do umidificador nas vias aéreas do paciente.
3. Conecte todas as Linhas do Controle do Circuito do Paciente codificadas por cores e
a Linha do Sensor de Pressão transparente aos seus locais apropriados no Circuito
do Paciente como descrito no Capítulo 2.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 33

CUIDADO
Deve-se tomar cuidado para não amassar ou perfurar quaisquer dos tubos de controle ou
sensores (que entram ou saem do Circuito do Paciente) durante a montagem, operação ou
limpeza do respirador, uma vez que isso resultará no mau funcionamento dos Alarmes de
Segurança, Alarmes de Aviso, Alarmes de Cuidado e Controles de Limite de Pressão.
4. Bloqueie ou obstrua a porta de conexão ET no Circuito do Paciente usando o
acessório oferecido, tampão de borracha número 1.
5. Ligue o Interruptor de Alimentação Elétrica Principal (o LED verde do botão
Iniciar/Parar deve estar apagada). Alguns LEDs de alarme se acenderão, mas o som
audível de 3kHz estará em modo silencioso devido à inicialização automática da
função Silenciosa de 45 Segundos quando a alimentação elétrica é ligada primeiro.
Esta função de alarme silencioso pode ser ligada novamente durante o procedimento
de verificação e inicialização, apertando o botão Silêncio de 45 Segundos.

AVISO
Um alarme audível indica a existência de uma condição potencialmente perigosa para o paciente e
não deve ser ignorado. A não observância dos alarmes pode ser prejudicial (inclusive causar a
morte) ao paciente e/ou danos ao respirador.

CUIDADO
Certifique-se que o registro esteja fechado antes de realizar a Calibração do Circuito do Paciente.
Caso a Torneira do Coletor de Água seja deixada aberta, a Calibração do Circuito do Paciente
(39–43 cmH2O) pode não ser realizada, e a Paw fornecida será reduzida.
6. Calibre o circuito do paciente ao sistema. Instruções para este procedimento também
podem ser encontradas em uma etiqueta na lateral do Painel de Controle.
• Ligue a pressão de gás fonte e estabeleça o Fluxo Expiratório (Bias Flow) em
20 LPM na % do nível de oxigênio desejada. Certifique-se de ler o fluxo no
centro da esfera, verificando o nível no medidor de fluxo.
• Configure ambos os controles de Ajuste da Pressão Média e de Limite da
Pressão Média em Máximo (CW total).
• Pressione e segure RESET (Reinicialização) enquanto observa a leitura digital
da Pressão Média. É normal que o LED de Bateria com Carga Baixa quando o
botão de Reinicialização é pressionado.
• Ajuste a Calibração do Circuito do Paciente no lado direito do painel de controle
para alcançar uma Paw de 39 para 43 cmH2O. Não gire excessivamente; caso
a pressão especificada não possa ser obtida, localize o vazamento.
• Solte o botão de Reinicialização; o LED de Bateria com Carga Baixa deve
apagar.

CUIDADO
Não gire excessivamente o parafuso de ajuste de Calibração do Circuito do Paciente, pois isto
pode causar danos ao equipamento. Quando ele estiver se aproximando de seu limite de ajuste,
alcançará um limitador mecânico.
7. Execute o procedimento de Verificação de Funcionamento do Respirador da seção
“Somente Sem Paciente”. (Instruções para este procedimento também podem ser
encontradas em uma etiqueta na parte superior do Painel de Controle.)
• Configure a Freqüência para 15, % I-Tempo para 33, e Alimentação Elétrica para
0,0.

767124-106 Rev. P
34 3100A HFOV

• Regule o Fluxo Expiratório (Bias Flow) em 20 LPM.


• Ajuste o controle de Limite da Pressão Média para Máx. (CW total).
• Ajuste o interruptor do seletor giratório para “Reg. Máx de Paw ” em 30 e o
interruptor do seletor giratório para “Reg. Mín de Paw ” em 10.
• Pressione o botão RESET (Reinicialização) por tempo suficiente para permitir o
aumento de Paw acima de 6 cmH2O.
• Com o controle de Ajuste de Pressão Média, estabeleça uma Paw de 19 a
21 cmH2O.
• Pressione o botão START/STOP (Iniciar/Parar) para acionar o oscilador.
• Aumente a configuração do controle de POWER (Alimentação) para 6,0
enquanto simultaneamente centraliza o pistão com o controle de Centralização
do Pistão.
• Quando uma leitura de ∆P estável for obtida com o pistão em funcionamento na
parte central de sua escala, verifique que as leituras ∆P e Paw estejam dentro
da escala especificada para sua altitude correspondente (vide Figura 6.1).
8. Pressione o botão START/STOP (Iniciar/Parar) para parar o oscilador.
9. Com a Ajuste da Pressão Média e/ou Ajuste do Fluxo Expiratório (Bias Flow),
obtenha uma pressão média de entrada de ar de até 2 cmH2O do nível desejado.
Certifique-se que o Fluxo Expiratório (Bias Flow) seja suficiente (vide Capítulo 6).
10. Verifique a função do interruptor do seletor giratório para “Reg Máx. de Paw ” e “Reg
Mín. de Paw ”, ajustando o seletor giratório Máx. abaixo da pressão média de
entrada de ar estabelecida, e regulando o seletor giratório Mín. acima da pressão
média de entrada de ar estabelecida.
11. Ajuste estes interruptores de alarme do seletor giratório nas regulagens desejadas.
Este está normalmente 2-5 cmH2O acima (Máx. do seletor giratório) e abaixo (Mín.
do seletor giratório) da pressão média de entrada de ar estabelecida.
12. Com os dedos e polegar(es), aperte para fechar a extremidade do tubo expirado no
circuito do paciente para verificação do funcionamento do alarme “ Paw >
50 cmH2O”.
13. Pressione o botão RESET (Reinicialização) até que Paw <20% do LED de “Reg.
Máx. de Paw ” apague para restabelecer a pressão média da entrada de ar.
14. Gire o controle de Limite da Pressão Média para aproximadamente o meio da escala.
15. Novamente, aperte o tubo expirado no circuito do paciente e observe a pressão na
qual o indicador de Pressão Média permanece. Gire o controle Limite da Pressão
Média na direção apropriada para que o Paw permaneça na posição desejada.
16. Posicione o respirador para conectá-lo ao paciente. Afrouxe o controle da Trava de
Posicionamento e ajuste o ângulo do Painel de Controle para uma melhor visão e
acesso relativo ao paciente. Reaperte a Trava de Posicionamento.
17. Ajuste a % de oxigênio, pressão média de entrada e a ∆P desejado para o paciente.
A ∆P afetará a Paw dependendo da proporção da Taxa de Fluxo/ Paw . Quanto
mais baixa a proporção, mais forte o efeito.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 35

PRECAUÇÃO
A concentração fracional de oxigênio expirado deve ser verificada com um monitor de oxigênio. A
administração excessiva de oxigêncio para um paciente pode ser prejudicial. É importante que a
mistura de gás prescrita seja entregue pelo sistema misturador.
18. Remova o Tampão do Circuito do Paciente. Ajuste o Umidificador do Paciente
Externo para estabelecer a temperatura de gás desejada na porta da temperatura de
entrada de ar do paciente. Conecte o Circuito do Paciente ao tubo ET do paciente.

AVISOS
Em hipótese alguma a temperatura proximal do gás deve exceder 41°C. Isto pode ser prejudicial
às membranas superiores das vias respiratórias do paciente.

CUIDADO
Quando o respirador estiver conectado a um paciente, é imperativo que alguém esteja sempre
observando, para responder aos alarmes ou outras indicações de problemas.
19. Pressione o botão Reset (Reinicialização) até que Paw <20% do LED de Reg Máx.
de Paw se apague para restabelecer a pressão média da entrada de ar.
20. Regule o controle de Alimentação Elétrica para a ∆P desejada (vide Capítulo 5).
21. Ajuste o controle de Centralização do Pistão para mantê-lo centralizado e para que
não haja possibilidade de paradas mecânicas em “Limite Insp. Máx.” e “Limite Exp.
Mín”, como indicado no Posicionamento do pistão e Visualização do Deslocamento.
22. Reajuste a Freqüência, % de Tempo Inspiratório, Alimentação Elétrica, Pressão
Média de Entrada de Ar, Fluxo Expiratório (Bias Flow) e controles de Centralização
do Pistão de acordo com a necessidade durante a ventilação do paciente.

AVISO
Em hipótese alguma o respirador deve ser usado na presença de anestésicos inflamáveis devido
ao risco de explosão.

CUIDADO
Não coloque no Painel de Controle do respirador acessórios que contenham fluídos, cujo peso
seja superior a 5 quilos ou acessórios que sejam maiores que quinze centímetros sobre o
recipiente eletrônico do respirador em suas laterais. Isto pode causar a queda do respirador,
resultando em danos ao paciente ou usuário e/ou danos ao equipamento.

767124-106 Rev. P
36 3100A HFOV

Verificação de Funcionamento

VERIFICAÇÕES DE FUNCIONAMENTO DO RESPIRADOR


Estes gráficos ilustram o funcionamento típico esperado do Modelo 3100A:
ÄP Mínimo vs ALIMENTAÇÃO ELÉTRICA Escala da ajuste da Pressão MÉDIA Estática vs
FLUXO EXPIRATÓRIO (BIAS FLOW)
PRESSÃO – cmH2O

Paw – cmH20
ESCALA

Ajuste da Alimentação Elétrica Fluxo Expiratório (Bias Flow) – LPM

SEM PACIENTE
1. Insira o Tampão no Circuito do Paciente “Y” e gire ambos os gases fonte.
2. Ajuste “FLUXO EXPIRATÓRIO (BIAS FLOW)" em 20 LPM e gire o Limite da Pressão média para “Máx.”.
3. Pressurize o sistema, pressionando e mantendo os botões "RESET" (Reinicialização) e
"ADJUST"(Ajuste)” para uma Pressão Média de 19-21 cmH2O.
4. Regule a "FREQÜÊNCIA" em 15, % do Tempo de Inspiração em 33, e pressione "START'STOP"
(Iniciar/Parar) para ligar o oscilador.
5. Ajuste o "POWER" (Alimentação Elétrica) em 6,0 e “centralize o pistão”.
6. Observe os parâmetros a seguir, na escala de altitude de seu local, e verifique se estão de acordo com
as escalas especificadas.

ALTITUDE (M) MÉDIA (cm H2O) Ä P (cmH2O)


0-600 15-23 56-75
600-1.200 15-23 52-70
1.200-1.800 15-23 48-65
1.800-2.400 15-23 44-80
2.400-3.000 15-23 41-56

Figura 4.1. Verificações de Funcionamento do Respirador


Os dois gráficos mostrados na Figura 4.1 têm por finalidade orientar o operador a configurar
Alimentação Elétrica, Ajuste da Pressão Média e controles de Fluxo Expiratório (Bias Flow) e
auxiliar na verificação de que o 3100A esteja funcionando de maneira correta sem problemas.
O gráfico à esquerda indica a configuração próxima ao controle de Alimentação Elétrica exigida
para obter uma pressão ∆P específica. O gráfico à direita ilustra o Fluxo Expiratório (Bias Flow)
exigido para obter uma escala de pressões médias com um controle de Ajuste da Pressão Média
de volta única.
Ao estabelecer uma pressão média de entrada de ar específica, você deve encontrar o Fluxo
Expiratório (Bias Flow) exigido o que permitirá que a pressão média seja regulada acima e abaixo
da desejada. Regule o controle de Ajuste da Pressão Média para aproximadamente “meio dia” e
configure o Fluxo Expiratório (Bias Flow) como indicado no gráfico, para um nível o qual insira o
nível Paw desejado em sua escala média. Quando o sistema está em funcionamento, seja COM
ou SEM Paciente, os ajustes dos controles relativos às pressões que estão sendo desenvolvidas e
exibidas darão rapidamente uma indicação de que o desempenho do sistema é nominal.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 37

Capítulo 5 Diretrizes Clínicas


Estratégias de Tratamento
As diretrizes clínicas descritas neste capítulo refletem as estratégias de tratamento desenvolvidas
pelo Dr. Robert deLemos e seus colegas do Wilford Hall Medical Center, Lackland Air Force Base,
Texas. Seu trabalho inicial com babuínos prematuros foi seguido por um refinamento das
estratégias durante o curso do tratamento de centenas de neonatos em um amplo espectro de
doenças pulmonares. Foram adotadas as estratégias básicas aqui apresentadas, e
subseqüentemente validadas em Estudos Controlados de Centro Múltiplo.
As estratégias pediátricas foram desenvolvidas durante um estudo randominazo controlado
potencial em ARDS pediátrica. Estas estratégias são apenas abordagens sugeridas, e podem
haver outras abordagens igualmente benéficas.
No estudo controlado randomizado, a “falha na ventilação convencional” foi definida como um
paciente ventilado com um índice de oxigênio (100 x FIO2 x MAP/PaO2) maior que 13 em dois
gases de sangue arterial tomados como amostras, durante um período de seis horas.
O estudo randomizado potencial do 3100A em crianças incluiu principalmente pacientes que
pesavam menos de 20 kg. Embora o estudo também tenha demonstrado a capacidade de ventilar
e oxigenar crianças com até 30 kg, estes resultados isolados não foram numericamente
significativos. A faixa etária de pacientes pediátricos tratados com o 3100A neste estudo foi de
11 anos de idade até 16 anos de idade nos resgates informados.

Ajuste dos controles do 3100A para executar as estratégias de tratamento


As estratégias de tratamento aqui apresentadas são de fácil implementação pois, na maioria das
emergências clínicas, somente dois dos seis controles do 3100A são habitualmente regulados.
São:
• pressão média respiratória e
• amplitude de pressão oscilatória (∆P).
Os outros quatro controles,
• Fluxo Expiratório (Bias Flow),
• Centralização do Pistão,
• Freqüência e
• % de Tempo de Inspiração,
raramente mudam durante o curso do tratamento, conforme explicado abaixo.

Fluxo Expiratório (Bias Flow)


Para o 3100A, um fluxo contínuo de um gás fresco e umidecido de um umidificador de ar
neonatal/pediátrico e um misturador de ar/oxigênio são necessários para reabastecer o oxigênio e
remover o gás carbônico do circuito do paciente. Além de um nível mínimo de sustentação, o
excesso de fluxo expiratório (bias flow) tem efeito nulo, ou seja, nem positivo nem negativo sobre a
oxigenação, embora as mudanças no Fluxo Expiratório (Bias Flow) causem mudanças na Paw .
Na prática, as seguintes configurações são adequadas:
Prematuro 10-15 lpm Criança pequena 15-25 lpm
Quase a termo 10-20 lpm Criança grande 20-30 lpm
Caso sejam prescritas altas amplitudes oscilatórias (próximas a ∆P >70cmH2O), o fluxo expiratório
(bias flow) deve ser aumentado para garantir um fluxo livre no circuito do paciente, maior que o

767124-106 Rev. P
38 3100A HFOV

fluxo oscilatório do mesmo. Se o fluxo expiratório (bias flow) for inadequado, o espaço morto
efetivo do circuito do paciente aumenta. Isto reduz o efeito de ventilação de aumento da amplitude
oscilatória (∆P).
Se os sinais de retenção de dióxido de carbono persistirem, aumente o fluxo expiratório (bias flow)
em incrementos de 5 lpm a cada 15 minutos. Lembre-se que, ao fazer isso, o controle de ajuste de
Paw deve ser girado em sentido anti-horário para manter a Paw desejada.

Centralização do Pistão
A posição de descanso normal do pistão oscilatório é no centro de um espaço cilíndrico de uma
polegada de comprimento que o envolve. Se deslocado para fora do centro em qualquer direção, o
movimento máximo oscilatório que pode ser produzido será limitado pelos tampões mecânicos
mais próximos na parede dianteira e traseira de seu cilindro. O controle de Centralização do Pistão
é usado para manter esta posição centralizada. Este funciona aplicando a corrente direta ajustável
à bobina do oscilador. Isto cria uma força oposta para contrabalancear os vários níveis de pressão
média respiratória para os quais a frente do pistão, na lateral do paciente, podem ser expostos.
Como quaisquer alterações nas regulagens podem afetar a posição do pistão, ele deve ser
regulado e centralizado conforme necessário. A não centralização do pistão pode levar a danos às
bobinas no pistão e reduzir a vida do acionador. Se a unidade estiver na configuração máxima,
talvez não seja possível centralizar o pistão devido à distorção do sinal do indicador na parte
posterior do pistão. Tentar centralizar o pistão durante esta distorção pode causar
descentralização do pistão e, conseqüentemente, danificar as bobinas.

Freqüência
Na maioria das situações terapêuticas, uma faixa de freqüência de 10-15 Hz é considerada eficaz
para pacientes neonatos e quase a termo. Na prática, com o aumento de peso dos pacientes, a
freqüência inicial é reduzida. Freqüências entre 6-10 Hz são comuns em crianças, com freqüências
mais baixas sendo usadas mais freqüentemente em crianças maiores.
Na maioria das vezes, o controle de freqüência permanece inalterado ao longo da terapia. Os
casos excepcionais que melhor respondem à redução da freqüência são descritos posteriormente.

% de Tempo de Inspiração
Para a maioria das situações terapêuticas, uma % de tempo de inspiração de 33% é considerada
muito eficaz. Em grande parte do tempo, este controle permanece em 33% durante toda a terapia.
Há casos excepcionais que respondem melhor quando a % de tempo de inspiração é aumentada
gradualmente para 50%.

FIO2
A estratégia básica empregada com o 3100A para a ajuste da concentração de oxigênio inspirado
(FIO2), é igual à estratégia de ventilação convencional, que é reduzir gradualmente a
concentração, conforme a tolerância.

Pressão Respiratória Média e Amplitude da Pressão Oscilatória


Estes dois controles são o núcleo da estratégia para o tratamento do paciente com o 3100A.
Pressão Respiratória Média ( Paw ) – As mudanças de pressão respiratória médias são obtidas
por um controle de uma só volta que varia quanto se infla uma válvula em forma de cogumelo. A
válvula então bloqueia parcialmente a saída do fluxo expiratório (bias flow) do membro expiratório
do circuito do paciente, causando um aumento na pressão média. A administração da pressão
respiratória média é fundamental para controlar a oxigenação. Os aumentos na pressão
respiratória média aumentam o volume do pulmão, e logo, a área da superficie alveolar. Em
qualquer nível de amplitude de pressão oscilatória (∆P), a oxigenação é intensificada aumentando-

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 39

se a pressão respiratória média, e vice-versa. Estratégias específicas de enfermidades para a


manipulação da pressão respiratória média estão descritas abaixo.
A Paw mostrará pequenas flutuações com alterações de temperatura e umidade. O operador
deve estar pronto para fazer pequenos ajustes à Paw , à medida em que a temperatura do circuito
aumentar e diminuir (por exemplo, quando o recipiente do umidificador é abastecido com água
fresca).
Amplitude da Pressão Oscilatória – Alterações na amplitude da pressão oscilatória (∆P) são
realizadas com o controle de “Power” (Alimentação elétrica) de dez voltas. Este controle regula o
nível da corrente elétrica aplicada à bobina condutora do motor linear que desloca o pistão do
diafragma vedado. Na medida em que o pistão é deslocado rapidamente, para frente e para trás
em uma onda quadrada pela corrente de onda quadrada na bobina condutora, flutuações de alta
amplitude de pressão (também parecidas com uma onda quadrada) são simetricamente
superimpostas no nível da pressão média anteriormente estabelecida no circuito do paciente como
descrito acima (a uma % de Tempo de Inspiração de 50%).
Embora o 3100A possa gerar uma pressão oscilatória de até 90 cmH2O, pico a pico, no ponto do
tubo endotraqueal proximal fixado ao circuito paciente, tais pressões não são desenvolvidas na
traquéia, pois o impedimento do sistema respiratório (do qual o tubo endotraqueal é elemento
dominante) atenua consideravelmente estas ondas de pressão de alta freqüência e ao mesmo
tempo distorce suas formas de onda em um formato quase que triangular. Por exemplo, a 15 Hz e
uma conformidade de 1 ml/cmH2O, as perdas são:
90% Tubo ET de 2,5 mm
80% Tubo ET de 3,5 mm
60% Tubo ET de 4,5 mm
47% Tubo ET de 5,5 mm
34% Tubo ET de 6,5 mm
Portanto, na configuração clínica um tubo ET maior resultará em ondas de pressão distal maiores
e uma maior redução de PCO2 arterial.
Para esclarecer melhor este fenômeno da amplitude da pressão oscilatória, considere o exemplo a
seguir:
Um neonato com 1 ml/cmH2O é ligado ao circuito do paciente do 3100A com um tubo ET de
2,5 mm.
O 3100A está funcionando a 15 Hz, 33% de Tempo Inspiratório, uma pressão média de
entrada de ar de 25 cmH2O e uma ∆P de 60 cmH2O, portanto, o pico de pressão proximal
da entrada de ar é de 55 cmH2O e uma abaixo de -5 cmH2O. A pressão traqueal das
entradas de ar tem um pico de aproximadamente 28 cmH2O e um mínimo de 22 cmH2O
devido à atenuação de 90% causada pelo tamanho deste tubo ET a 15 Hz.
Com a adaptabilidade do paciente a 1 ml/cmH2O, esta ∆P de respiração de 6 cmH2O cria
um volume respiratório de alta freqüência de 6 ml em um suporte pulmonar a uma constante
próxima, de nível bem inflado por pressão média de entrada de ar de 25 cmH2O.
Em um dada uma pressão respiratória média e freqüência, o único mecanismo pelo qual a
ventilação (remoção de dióxido de carbono) é obtida é o volume respiratório periódico de alta
freqüência criado pelos impulsos da pressão oscilatória (∆P). Portanto, na medida que o controle
de "POWER"(Alimentação elétrica) aumenta, o deslocamento do pistão aumenta assim como a
∆P, o volume respiratório e a ventilação.
Embora a grande maioria dos neonatos e crianças possa ser ventilada com este método direto de
ajuste de ∆P para cima para um alto nível de PaCO2, há alguns pacientes que requerem uma ∆P
ainda maior.

767124-106 Rev. P
40 3100A HFOV

Neste caso, a estratégia é aproveitar a natureza dependente da freqüência da atenuação causada


pelo tubo ET. Na medida em que a freqüência é reduzida, a atenuação diminui e uma maior ∆P
distal ocorre, resultando em um aumento do volume respiratório produzido. Reduzir a freqüência
de 15 Hz para 10 Hz, em incrementos de 1 Hz , é geralmente suficiente para controlar altos níveis
persistentes de PaCO2 em neonatos, porém em alguns casos a freqüência teve que ser reduzida
em incrementos de 1 Hz para 5 Hz. Em casos raríssimos, a freqüência teve que ser reduzida para
3 Hz.
Freqüências mais baixas são comumente usadas em crianças grandes.

Objetivos Terapêuticos
Assumindo-se que o pico da pressão alveolar seja o fator que causa a ruptura das vias
respiratórias, a principal vantagem do Respirador é sua capacidade de manter a ventilação e a
oxigenação adequada em picos mais baixos de pressões alveolares.
Devido ao fato da ventilação ser rapidamente obtida com amplitudes de pressão oscilatória
relativamente baixas, os pacientes podem ser tratados com pressões respiratórias médias mais
elevadas enquanto simultaneamente operam em pressões alveolares de pico mais baixas do que
os respiradores convencionais. Isto melhora a oxigenação aumentando o recrutamento
alveolar/sucular e a reinsuflação de espaços pulmonares atelectáticos, nesse caso melhorando a
ventilação/ajuste de pulverização. Os objetivos terapêuticos na utilização do 3100A são de
aproveitar ao máximo estas características únicas.

Aspectos Gerais de Estratégia Clínica


Embora existam algumas variações em estratégias que são específicas de doenças, os aspectos
gerais de tratamento de pacientes com o 3100A são os mesmos para todas as formas de doenças
do pulmão para as quais demonstrou ser eficiente. Esta estratégia é apenas uma sugestão de
abordagem; outras abordagens podem ser igualmente benéficas.

Considerações Especiais em Crianças Grandes


CUIDADO
O peso do paciente é um fator importante para o volume pulmonar e espaço morto anatômico,
bem como demanda metabólica estabelecida para ventilação. Enquanto o deslocamento máximo
do 3100A é de aproximadamente 365ml, o real volume entregue ao paciente depende da ajuste da
alimentação elétrica, freqüência, tamanho do tubo endotraqueal e sistema respiratório do paciente.
Entretanto, atenção especial deve ser dada aos requisitos ventilatórios e PaCO2 em crianças
maiores.
Os gráficos de desempenho no Apêndice B deste manual podem ser utilizados como um guia para
estas relações, mas podem variar de alguma forma com pacientes e instrumentos distintos.

Ventilação
1. Primeiro cuide da ventilação (remoção do dióxido de carbono) regulando a amplitude
da pressão oscilatória (∆P). Aumentar a ∆P melhora a ventilação. No início do
tratamento, ajuste a ∆P elevando-a o suficiente para produzir movimentação
perceptível da parede torácica.
2. Se a ∆P máximo não for capaz de melhorar a ventilação de maneira suficiente,
empregue uma estratégia secundária de redução da freqüência para aproveitar a
atenuação reduzida do tubo ET em freqüência mais baixa, aumentando o volume
respiratório entregue.
3. Caso ainda persista o PaCO2 elevado, reinicie a redução da freqüência. Um 3 Hz
baixo normalmente será suficiente.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 41

4. Se ainda assim o PaCO2 permanecer elevado, obtenha um aumento de até 10% do


volume respiratório de alta freqüência aumentando o % de Tempo de Inspiração para
50%.

Administração de Oxigênio
1. Primeiro administre o oxigênio, mantendo a Paw em um nível necessário para obter
insulflação pulmonar satisfatória (tipicamente 10 a 30 por cento mais alto que o nível
usado no respirador convencional). Uma radiografia torácica que apresenta nove
costelas posteriores acima do nível do diafragma foi usada como indicador de
insulflação satisfatória. Havendo, subsequentemente, melhora da atividade pulmonar,
será necessário reduzir a Paw para evitar insulflação pulmonar. A exceção de usar
Paw mais alta para normalizar a área da superfície alveolar é a síndrome do
vazamento de ar. Aqui é prudente aceitar a Paw semelhante para ventilação
convencional (volume pulmonar mais baixo) e utilizar FIO2 mais alto.
2. Dê prioridade à liberação de FIO2 para menos de 0,6 antes de liberar pressões
respiratórias médias mais baixas. Uma vez que o FIO2 é menos que 0,6, altera-se a
importância da liberação mais baixa da pressão respiratória média, enquanto ainda
mantém insulflação pulmonar e PaO2 normais.

Liberação
Libere para ventilação convencional quando todas as seguintes condições tiverem sido atendidas:
1. Pneumotórax e/ou enfisema intersticial pulmonar (PIE) foi curado, se presente.
2. Pressão respiratória média foi liberada para variação 6–12 cmH2O.
3. ∆P foi liberada para menos de 30 cmH2O.
4. Gases do sangue arterial foram estabilizados nas seguintes variações:
pH = 7,25–7,45
PaCO2 = 35–50
PaO2 = 50–80

Configuração de Média e Variação do 3100A


Para fazer uma melhor avaliação dos ajustes de controle de variações e valores médios do 3100 a
serem esperados durante utilização clínica, o gráfico abaixo resume a experiência dos Estudos
Multicentralizados neonatal e pediátricos.

Ajustes de Média e Variação do 3100A a partir do Estudo de Centro Múltiplo


TEMPO FIO2 FREQUÊNCIA Paw ΔP % T-Isnp.
No Início 0,85 (0,53–10,0) 15 (10–15) 17 (11–35) 45 (26–75) 33 (33–33)
Durante o 0,81 (0,3–10,0) 15 (4–15) 15 (6–35) 41 (11–80) 33 (33–50)
tratamento
Na liberação 0,30 (0,22–0,41) 15 (15–15) 10 (7–19) 31 (10–43) 33 (33–33)

767124-106 Rev. P
42 3100A HFOV

Resumo de Estratégias de Tratamento do Respirador


Como um cuidado adicional para realizar estas estratégias de ventilação e oxigenação, o gráfico
usado nos Estudos Multicentralizados é reproduzido abaixo.
Resumo de Intervenção Terapêutica e Lógica do Respirador
Indicadores Intervenção Terapêutica Lógica do Tratamento
FIO2 acima de 0,60
PaCO2 alto com:
PaO2 = bom Aumento de ΔP Aumento de ΔP para obter melhor PaCO2
PaO2 = baixo Aumento de Paw , ΔP, FIO2 Ajuste de Paw e FIO2 para melhorar entrega de
O2
PaO2 = alto Aumento de ΔP, diminuição de FIO2 Diminuição de FIO2 para minimizar exposição de
O2

FIO2 acima de 0,60


PaCO2 normal com:
PaO2 = bom Sem ação Sem ação
PaO2 = baixo Aumento de Paw , FIO2 Ajuste de Paw e FIO2 para melhorar entrega de
O2
PaO2 = alto Diminuição de FIO2 Diminuição de FIO2 para minimizar exposição de
O2

FIO2 acima de 0,60


PaCO2 baixo com:
PaO2 = bom Diminuição ∆P Diminuição de ∆P para obter melhor PaCO2
PaO2 = baixo Aumento de Paw /FIO2, diminuição Ajuste de Paw e FIO2 para melhorar entrega de
de ΔP O2
PaO2 = alto Diminuição de FIO2, ΔP Diminuição de FIO2 para minimizar exposição de
O2

FIO2 abaixo de 0,60


PaCO2 alto com:
PaO2 = bom Aumento de ΔP Aumento de ∆P para obter melhor PaCO2
PaO2 = baixo Aumento de FIO2, aumento de ΔP Aumento de FIO2 para melhorar PaO2
PaO2 = alto Aumento de ΔP, diminuição de Paw Diminuição de Paw para reduzir PaO2

FIO2 abaixo de 0,60


PaCO2 normal com:
PaO2 = bom Sem ação Sem ação
PaO2 = baixo Aumento de FIO2 Aumento de FIO2 para melhorar PaO2
PaO2 = alto Diminuição de Paw , FIO2 Diminuição de Paw e FIO2 para reduzir PaO2

FIO2 abaixo de 0,60


PaCO2 baixo com:
PaO2 = bom Diminuição ΔP Diminuição de ∆P para obter melhor PaCO2
PaO2 = baixo Aumento de FIO2, diminuição de ΔP Aumento de FIO2 para melhorar PaO2
PaO2 = alto Diminuição de Paw , diminuição de ΔP Diminuição de Paw

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 43

Variações Específicas para Doenças para as Estratégias Clínicas Gerais


Doença Pulmonar Homogênea Sem Vazamento de Ar Significante
Os diagnósticos pulmonares básicos que são associados com este padrão de doença pulmonar
são: pneumonia e síndrome de deficiência respiratória.
Para estes diagnósticos, siga as estratégias gerais descritas anteriormente neste capítulo.

Doença Pulmonar Não Homogênea,


Síndromes de Vazamento de Ar e Doenças Respiratórias
Os primeiros diagnósticos neste grupo de doenças são: síndrome de aspiração do mecônio,
enfisema intersticial pulmonar (EIP) e pneumotórax severo recorrente. Os principais processos
patofisiológicos são: vazamento persistente de gás das vias respiratórias e alvéolos no interstício
do pulmão ou no espaço pleural, e acúmulo de gás no pulmão.
Para estes diagnósticos, siga também as estratégias gerais destacadas acima, mas com as
importantes alterações em ênfase e níveis de pressão a seguir:
• a. Quando o FIO2 está acima de 0,6, a importância da liberação mais baixa da pressão
respiratória média é a mesma, mesmo que isso signifique aceitar níveis de PaCO2 mais
altos e níveis de PaO2 mais baixos (principalmente em paciente prematuros), para que
mais adiante a pressão do pico de insulflação reduza e, desta forma, o risco de
vazamento de ar acumulado e recorrente.
• b. Inicie o tratamento com uma freqüência baixa (normalmente 6-10 Hz) para oferecer um
tempo de expiração maior e, então, subsequentemente, reduzir o risco de acúmulo de
gás.

Efeitos Adversos
A ventilação de alta freqüência juntamente com ventilação de pressão positiva convencional tem
riscos inerentes neste grupo de pacientes. Entre os possíveis efeitos adversos podemos citar:
super/sub ventilação, sub/super umidificação, hemorragia intraventricular (HIV), displasia
broncopulmonar (DBP), bronquite traqueal necrotizante (BNT), atelectasia, hipotensão,
pneumotórax, pneumopericárdio, pneumomediatino, pneumoperitôneo e enfisema intersticial
pulmonar (EIP).

CUIDADO
Siga atentamente as recomendações contidas neste Capítulo sobre a utilização de radiografias
torácicas e ultra-som cerebral para monitorar a condição do paciente. Durante a ventilação, assim
como com todos os respiradores, a relação entre melhoria na atividade pulmonar, aumentos
inadvertidos no volume pulmonar, aumento na pressão pleural, e redução do retorno venoso é
uma questão de preocupação, uma vez que isto pode resultar em uma menor atividade cardíaca e
um possível aumento no risco de HIV em neonatos.

AVISO
Eventos bradicardíacos súbitos inexplicados associados sem quaisquer outras alterações clínicas
são possíveis em neonatos que estão sendo liberados ou prestes a serem liberados do tratamento
com o respirador. Estes eventos podem sinalizar possíveis melhorias rápidas no quadro pulmonar
do paciente, relacionadas à sobredistensão durante o tratamento com o respirador e podem
requerer a liberação imediata da Paw ou a mudança para a ventilação convencional.

767124-106 Rev. P
44 3100A HFOV

CUIDADO
O tcPCO2 e tcPO2 ou SPO2 do paciente devem ser monitorados continuamente para assegurar
que os níveis de gases no sangue estejam corretos. É importante que seja mantida uma via
respiratória irrestrita e desobstruída no paciente durante a ventilação. Para assegurar uma via
respiratória livre, utilize sempre os procedimentos adequados descritos na Seção Diretrizes de
Sucção do Capítulo 5, Diretrizes Clínicas. Como apenas a pressão respiratória proximal é medida,
nenhum alarme será acionado no caso de obstrução ou restrição.

Freqüência de monitoração recomendada


A freqüência recomendada para a principal monitoração dos parâmetros da condição pulmonar é a
seguinte:

Gases do Sangue Arterial


a. A cada 45–60 minutos imediatamente após o início do tratamento de ventilação para cor-
relacionar aos valores transcutâneos.

b. A cada 2 horas durante um período de 8 horas

c. A cada 4 horas durante um período de 16 horas

d. A cada 8–12 horas dependendo de política institucional durante a continuação do


tratamento
Nota: os valores de gás de sangue arterial devem ser verificados em até 1 hora após uma
alteração importante de configuração, ou conforme indicação clínica

Gases de Sangue Arterial Não Invasivos


(tcPO2, tcPCO2 e SpO2)
Os valores de gases em sangue não-invasivos devem ser verificados regularmente. Isto é
particularmente importante em crianças maiores que têm mais espaço morto e uma demanda
metabólica maior por ventilação.

Radiografia Torácica
a. Em até 4 horas da iniciação do respirador.
b. A cada 12 horas nas 24 horas seguintes.
c. A cada 24 horas nols 5 dias seguintes.
d. A cada 48 horas nos 8 dias seguintes.
e. A cada semana subseqüente durante a continuação do respirador, ou conforme indicação
clínica.
f. Sempre que houver suspeita de insulflação do pulmão.

Ultra-som Cerebral
Um inicialmente em neonatos após uma bateria de tratamento, depois conforme o necessário. Os
ultra-sons cerebrais geralmente não são indicados para crianças.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 45

Diretrizes de Sucção
A necessidade de sucção durante uso do respirador deve ser determinada com base na política
institucional e sinais clínicos, da mesma forma que para a Ventilação Convencional (VC). Os
Estudos de Centros Múltiplos não acharam nenhuma diferença na freqüência de sucção entre
pacientes do respirador e de VC. Todavia, alguns apontaram que a sucção mais freqüente é
indicada durante o tratamento de crianças mais doentes, especialmente após sua estabilização
Um sistema de sucção em linha fechado ou um adaptador de sucção podem ser utilizados se não
interferirem com a função de alarme Paw . Vide CUIDADO abaixo.

CUIDADO
Não usar acoplamentos de circuitos de respirador estranhos (tais como porta de sucção) sem um
alarme externo secundário capaz de detectar a desconexão do respirador. Devido às
características de pressão em linha, tais acoplamentos podem impedir a função de detecção de
alarme de Paw de uma desconexão acidental do circuito do respirador.

767124-106 Rev. P
46 3100A HFOV

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 47

Capítulo 6 Manutenção e Resolução de


Problemas
Este capítulo abrange os procedimentos de manutenção e solução de problemas do Modelo
3100A, com os quais o operador e o técnico de serviço devem estar familiarizados.
A CareFusion ou seu representante oficial disponibilizarão, mediante solicitação, os diagramas de
circuitos, lista de peças de componentes, descrições, instruções de calibração ou outra informação
que possa auxiliar a equipe técnica com Qualificação da Fábrica para reparar tais peças do
equipamento, classificadas como reparáveis. Se estiver interessado em treinamento de fábrica,
entre em contato com o Departamento de Atendimento da CareFusion para programação e preços
de nossos cursos de treinamento biomédico

AVISO
O não cumprimento dos procedimentos de manutenção recomendados descritos nesse capítulo
pode resultar em lesões ao paciente, operador ou danos ao equipamento.

Limpeza Externa
Para limpar a superfície do 3100A , recomendamos usar um líquido desinfetante fraco para limpar
o exterior do exterior do instrumento. Não borrife produtos de limpeza líquidos diretamente sob a
superfície externa; aplique o produto em um pano limpo e depois torça bem antes de aplicar na
superfície do equipamento

CUIDADO
Não derrame líquidos no interior do instrumento.

Nota
Não use álcool ou líquidos de esterilização na superfície externa do 3100A, inclusive no diafragma do acionador.

Não use limpadores abrasivos ou solventes na superfície externa do 3100A, inclusive no diafragma do acionador.

Procedimentos de Manutenção do Operador


O Operador é responsável pelos procedimentos de manutenção descritos a seguir:
• Esvaziamento do coletor de Água;
• Troca de elementos do cartucho do filtro de gás comprimido;
• Troca de bateria do alarme de queda de energia;
• Limpeza do filtro de pó da coluna;
• Substituição do circuito do paciente.

Esvaziamento do Coletor de Água


O coletor de água deve ser esvaziado conforme a descrição abaixo.

767124-106 Rev. P
48 3100A HFOV

CUIDADO
O coletor de água deve ser drenado regularmente. Se o respirador estiver operando, deixe uma
pequena quantidade de água no fundo do recipiente do coletor de água para agir como vedação
de fluxo e pressão entre o respirador e a saída do dreno.
Para abrir a válvula de drenagem, gire-a para baixo. Esvazie o conteúdo do coletor de água em um
copo descartável ou recipiente, que possa ser depois desinfetado.
Quando o Modelo 3100A não estiver em operação, o recipiente do coletor de água pode ser
esvaziado completamente.

CUIDADO
Certifique-se que o registro da torneira esteja fechado antes de realizar a Calibração do Circuito do
Paciente. Caso a torneira esteja aberta, a Calibração do Circuito do Paciente (39–43 cmH2O) pode
não ser concluída e a Paw resultante será reduzida.

Troca de Elementos do Cartucho de


Filtro de Entrada do Gás Comprimido.
Os Cartuchos do Filtro de entrada de 0,1 mícron são colocados na conexão “Entrada do
Misturador de Oxigênio DISS” e da “Conexão de Entrada de Ar DISS de Resfriamento de Ar”. Sua
finalidade é capturar qualquer partícula de sujeira ou umidade antes da entrada no Modelo 3100A
HFOV.

CUIDADO
Os cartuchos de filtro de entrada para gás misturado e as entradas de ar para o respirador devem
ser substituídos a cada 500 horas de operação como descrito neste capítulo. O não cumprimento
dos procedimentos recomendados de troca do cartucho do filtro ou a substituição por um cartucho
não autorizado pode resultar em lesões ao paciente e/ou danos ao equipamento. Use somente
cartuchos CareFusion (P/N 767163 caixa com 10).
O intervalo mínimo de troca indicado é a cada 500 horas de operação. Porém, o nível de
contaminantes nas linhas de gás de seu hospital pode ser mais alto do que normal. Se o
Respirador Modelo 3100A for usado pela primeira vez em um local novo dentro de seu hospital, os
cartuchos do filtro devem ser conferidos quando aos contaminantes limitadores de fluxo após
100 horas de operação, e conseqüentemente, a cada 300 horas de operação, para determinar se
um intervalo de troca de 500 horas é adequado ou não.
Um cartucho de filtro que tenha acumulado contaminantes limitadores de fluxo provocará a
redução da pressão de fornecimento naquele encaixe DISS particular. Eventualmente, o Alarme de
gás de alimentação elétrica baixo será acionado. Consulte o Capítulo 3 para uma descrição desta
indicação de alarme.
O procedimento para troca do cartucho é dado a seguir:
1. Desligue e desconecte as linhas de ar e de gás de fornecimento de oxigênio;
2. Desparafuse o corpo de filtro de entrada;
3. Remova o cartucho usado;
4. Instale o novo cartucho. Dois cartuchos sobressalentes são fornecidos com o
respirador 3100A;
5. Recoloque os parafusos do filtro;
6. Registre a leitura do medidor de tempo decorrido na etiqueta de Registro de Troca de
Filtro presa na parte traseira do 3100A (veja figura 6.1).

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 49

REGISTRO DE TROCA DO FILTRO DE GÁS DE


RESFRIAMENTO DO MISTURADOR
Os filtros deverão ser substituídos
a cada 500 h de operação.
SUBSTITUÍDO SUBSTITUÍDO SUBSTITUÍDO SUBSTITUÍDO

__________h __________h __________h __________h


__________h __________h __________h __________h
__________h __________h __________h __________h
__________h __________h __________h __________h
__________h __________h __________h __________h
__________h __________h __________h __________h
__________h __________h __________h __________h
__________h __________h __________h __________h
__________h __________h __________h __________h
__________h __________h __________h __________h
P/N 767159 A

Figura 6.1 Registro de Troca do Filtro

CUIDADO
O corpo do cartucho do filtro deverá ser bem fixado com os parafusos. A instalação solta ou em
cruz acarretará vazamentos e possível deslocamento do corpo do cartucho. Caso o corpo do
cartucho se desloque o respirador parará de funcionar.

Substituição da Bateria do Alarme de Falha de Alimentação Elétrica


Quando o LED amarelo de Bateria fraca no painel frontal do Painel de controle
estiver aceso, substitua a bateria do Alarme de falha de alimentação elétrica o mais
rápido possível. A bateria é acessada por meio da porta de acesso no painel traseiro.
Deverá ser utilizada uma bateria alcalina de 9V de boa qualidade (consulte a
figura 6.3). Figure 6.2

BATERIA
A orientação de instalação da bateria está indicada na Etiqueta de instalação da ALCALINA DE
bateria (consulte a figura 6.2). 9V 6LR61

Figura 6.3
Limpeza do Filtro de Pó da Coluna
Verifique e limpe o filtro de pó na Coluna do Respirador Modelo 3100A, após cada paciente.
Remova o elemento do filtro de seu suporte na parte traseira da coluna. Sacuda-o para que a
sujeira saia, lave em água morna com sabão, seque e reinstale-o no suporte. Caso este
procedimento não seja executado, poderá ocorrer uma restrição significativa no fluxo de ar de
resfriamento para o propulsor do oscilador de ondas quadradas. Isto poderá acarretar o
superaquecimento do propulsor e eventual mau funcionamento do oscilador.

767124-106 Rev. P
50 3100A HFOV

Substituição do Circuito do Paciente


Substitua o circuito do paciente com a regularidade exigida pelas normas de sua instituição para
pacientes convencionalmente ventilados. Descarte os três Diafragmas/Tampas de pressão e o
Conjunto do Fole/Coletor de água, estes itens não poderão ser reutilizados. Recomendamos
que o corpo do circuito do paciente seja utilizado somente uma vez. Caso deseje reutilizar o corpo
do circuito do paciente, siga o método-padrão de sua instituição para desinfecção das peças
plásticas dos circuitos do respirador.

CUIDADO
O corpo do circuito do paciente é feito de acrílico, policarbonato e cloreto de polivinila (PVC). NÃO
UTILIZE quaisquer soluções de desinfecção que possam danificar esses componentes. Verifique
cuidadosamente as especificações de qualquer solução de desinfecção antes de utilizá-la.

Calibração do Circuito do Paciente


Antes de serem utilizados em um paciente, todos os circuitos do paciente do Modelo 3100A devem
ser calibrados de acordo com o procedimento mostrado na Etiqueta de calibração do paciente
abaixo.

PROCEDIMENTO DE CALIBRAÇÃO DO CIRCUITO DO


PACIENTE SEM PACIENTE
IMPORTANTE – Antes de serem utilizados em um paciente,
todos os circuitos do paciente do Modelo 3100A devem ser
calibrados de acordo com este procedimento:
1. Insira o Circuito do paciente “Y” de bloqueio de íons e ligue o fluxo de
gás expiratório;
2. Gire os controles de ADJUST (REGULAGEM) e LIMIT (LIMITE) de
pressão média para a posição “Máx.”;
3. Ajuste o fluxo expiratório para 20 LPM;
4. Pressione o botão RESET (REINICIALIZAÇÃO) (oscilador
DESLIGADO);
5. Observe o indicador da Pressão média e ajuste o parafuso de
Calibração do Circuito do Paciente para uma leitura de 39-43 cm H2O.
765759D

Figura 6.4 Etiqueta de Calibração do Circuito do Paciente

CUIDADO
Não gire demais o parafuso de ajuste da Calibração do circuito do paciente pois isto poderá
danificar o dispositivo. Quando ele estiver se aproximando de seu limite de ajuste, alcançará um
limitador mecânico.

Outras Calibrações Periódicas Programadas


Existem três outras funções do Respirador Modelo 3100A que necessitam de calibração periódica:
1. Alimentação Elétrica de CC do Painel de Controle;
2. Calibração do Transdutor de Monitoramento da Pressão Respiratória;
3. Posicionamento do Pistão e Visualização do Deslocamento.
A manutenção adequada da calibração dessas funções é vital para o bom funcionamento do
Respirador Modelo 3100A. Caso ocorra alguma discrepância que não possa ser solucionada pelos
procedimentos normais de calibração descritos abaixo, não tente tratar um paciente com o HFOV.
Ligue imediatamente para a CareFusion para obter ajuda.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 51

O intervalo de calibração para essas funções é rastreado pelo Contador de tempo (24) no Painel
Traseiro do Painel de Controle. Deverá ser feita uma calibração pelo menos a cada 2000 horas ou
quando for notada qualquer discrepância. São necessários um voltímetro digital rastreável e um
transdutor de medida de pressão do National Institute of Standards and Technology para a
calibração adequada da Fonte de alimentação elétrica e do Monitor de Pressão Respiratória.
Todas as calibrações periódicas deverão ser feitas com o Respirador Modelo 3100A em
temperatura ambiente e antes de um funcionamento prolongado do oscilador para assegurar a
regulagem precisa. Caso o oscilador esteja quente devido à operação anterior, deixe um intervalo
de resfriamento sem funcionamento de pelo menos uma hora antes de iniciar a calibração.

CUIDADO
A tampa que compõe o Painel de Controle, a Coluna ou qualquer outra parte do respirador não
deve ser removida pelo usuário. A fim de evitar o risco de choques elétricos, recorra sempre a um
técnico da manutenção de equipamentos biomédicos qualificado para qualquer serviço que exija a
remoção da tampa.

Calibração da Fonte de Alimentação Elétrica de CC do Painel de Controle


O procedimento de calibração da fonte de alimentação elétrica CC do painel de controle é o
seguinte:
1. Desligue a alimentação elétrica do HFOV 3100A e tire a unidade da tomada de CA;
2. Remova a tampa da coluna traseira;
3. Conecte o HFOV 3100A na tomada e ligue-o;
4. Consulte as figuras 6.5 e 6.6 para verificar qual fonte de alimentação elétrica 5/15V
foi instalada no HFOV 3100A. A fonte de alimentação elétrica está localizada
imediatamente abaixo da parte eletrônica do propulsor do oscilador;

Figura 6.5. Potenciômetros de Ajuste da Fonte de Alimentação Elétrica

767124-106 Rev. P
52 3100A HFOV

Figura 6.6 Potenciômetros de Ajuste da Fonte de Alimentação Elétrica

5. Conecte o terminal negativo de um voltímetro digital ao terminal +5V Com da Fonte


de alimentação elétrica CC;
6. Conecte o terminal positivo do voltímetro digital ao terminal +5V da Fonte de
alimentação elétrica CC;

Nota
Caso seja necessária alguma regulagem, remova primeiro a tampa frontal da coluna.

7. Caso necessário, ajuste o R12/R9 para uma leitura de +5 volts ±0,25 volts no
voltímetro digital;
8. Conecte o terminal negativo do voltímetro ao terminal ±15V Com;
9. Conecte o terminal positivo do voltímetro ao terminal -15V;
10. Caso necessário, ajuste o R25/R57 para uma leitura de -15 volts ±0,75 volts;
11. Conecte o terminal positivo do voltímetro ao terminal +15V;
12. Caso necessário, ajuste o R26/R82 para uma leitura de +15 volts ±0,75 volts;
13. Quando a calibração estiver completa, instale novamente as tampas da coluna.

Transdutor de Monitoramento da Pressão Respiratória


O procedimento de calibração do Transdutor de monitoramento da pressão respiratória é o
seguinte:
1. Localize os controles reguláveis com chave de fenda de pressão ZERO do transdutor
e SPAN (AMPLITUDE) no painel traseiro do Pacote de controle abaixo do
compartimento da bateria (consulte a Figura 4.2). Tenha à mão uma chave de fenda
pequena adequada para fazer as regulagens necessárias;
2. Conecte o medidor do transdutor de pressão de leitura digital à “ponta” inferior do
conector em “T” de 1/8". Conecte um dos “braços” da conexão em “T” diretamente à
conexão de medição de pressão do “Y” do paciente. Conecte o tubo de medição de
pressão de PVC de 1/8" do 3100A diretamente ao outro “braço” da conexão em “T”;
3. Tampe a extremidade do circuito “T” do paciente com um tampão de borracha nº. 1.
Ligue a pressão de gás do fluxo expiratório, pressione restabelecer até que Paw
apareça e crie uma pressão média de 39-43 cmH2O (lida no medidor do transdutor)
utilizando os controles de Fluxo expiratório e Pressão média (como explicado na
seção Procedimentos de inicialização do Capítulo 4);

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 53

4. Remova o tampão de borracha nº. 1 e verifique que a leitura da PRESSÃO MÉDIA


esteja entre –0,5 e +0.5 cmH2O. Ajuste o controle ZERO no painel traseiro até que a
leitura da Pressão média seja a mesma que a leitura do medidor do transdutor de
pressão com uma precisão de ±0,3 cmH2O. Essa leitura geralmente está entre 0,2 e
0,3 cmH2O;
5. Coloque novamente o tampão nº. 1 e pressione restabelecer até que apareça Paw ,
e restabeleça a leitura de pressão média em 39-43 cmH2O no medidor do transdutor
como explicado no Item 3, acima;
6. Ajuste o controle SPAN (AMPLITUDE) no painel traseiro até que a leitura de
monitoramento da pressão média seja a mesma que a leitura do medidor do
transdutor de pressão com uma precisão de ±0,3 cmH2O;
7. Caso o controle de SPAN (AMPLITUDE) não necessite de regulagens, o
procedimento de calibração estará completo. Caso o controle de SPAN
(AMPLITUDE) tenha necessitado de ajustes, então os itens 4,5 e 6 deverão ser
repetidos (geralmente duas vezes) até que o nível próximo de zero e o nível 39-
43 cmH2O estejam iguais com uma variação de ±0,3 cmH2O;
8. O procedimento de calibração do transdutor de pressão está completo.

Calibração da Posição do Pistão e do Deslocamento


O procedimento de calibração da posição do pistão e do deslocamento é o seguinte:
1. Desligue a alimentação elétrica do 3100A e tire a unidade da tomada de CA;
2. Remova os quatro parafusos e retire a tampa do Painel de controle;
3. Ligue o 3100A na tomada e ligue-o;
4. Ligue a pressão de alimentação elétrica de gás somente para fluxo expiratório;

Nota
Não ligue o ar de resfriamento.

5. Deixe a conexão do tubo ET do circuito do paciente aberto para começar, mas tenha
à mão um tampão de borracha nº. 1;
6. Consulte a Figura 7.1 para localizar os potenciômetros de ajuste com chave de fenda
R1, R4 e R7 do Painel do indicador de deslocamento dinâmico (DDI) dentro do painel
de controle;

767124-106 Rev. P
54 3100A HFOV

Vista Superior (Sem a Tampa)


Painel de Alarmes Transdutor de Pressão

Painel Visualização de Alarmes Painel de Deslocamento (DDI)

Figura 6.7. Layout dos Componentes e Placas do Painel de Controle.

7. Gire os controles de ADJUST (REGULAGEM) e LIMIT (LIMITE) de pressão média


para a posição “Máx.” (totalmente no sentido horário);
8. Ajuste o fluxo expiratório para 20 LPM;
9. Ajuste o seletor giratório “Ajustar máx. Paw ” para 00;
10. Certifique-se que o oscilador esteja desligado;
11. No painel DDI, ajuste P7 de modo que o segmento central do gráfico de barras esteja
aceso;
12. Insira o tampão nº. 1 na conexão do tubo ET do circuito do paciente e observe o
indicador da Pressão média;
13. A Pressão média deverá subir imediatamente. Observe que ela estabiliza na faixa de
39-43 cmH2O;
14. Ajuste P1 para acender o segmento mais distante à direita do indicador do gráfico de
barras (segmento próximo ao “Limite exp. máx.”);

Nota
Para P7 e P1, a ajuste no sentido horário deslocará o segmento aceso da direita para a esquerda.

15. Repita os itens 11 a 14 acima tantas vezes quantas forem necessárias até que P1 ou
P7 não necessite mais ajuste. Sempre ajuste P7 sem o tampão. Sempre ajuste P1
com o tampão inserido e a pressão média em 39-43 cmH2O;
16. Deixe o tampão na conexão do tubo ET;
17. Ajuste o Fluxo Expiratório para 15 LPM;

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 55

18. Ajuste o seletor giratório “Ajustar máx. Paw ” acima de 20;


19. Ligue a pressão de alimentação elétrica de gás somente para resfriamento;
20. Ajuste a Freqüência para 15 e % Tempo-I em 33;
21. Pressione RESET (Reinicialização) e ajuste a pressão média respiratória para
20 cmH2O;
22. Ligue o oscilador por meio do botão START/STOP (Iniciar/Parar);
23. Enquanto observa a leitura da pressão de ∆P, ajuste o painel de controle para uma
∆P de 30 e simultaneamente centralize o pistão por meio do controle de
Centralização do Pistão;
24. Ajuste P4 no painel DDI de modo que três segmentos estejam acesos no gráfico de
barras;
25. Quando a calibração estiver completa, monte novamente a tampa do Painel de
controle e restabeleça para as regulagens de operação.

Manutenção Periódica Programada


Existem outros quatro intervalos de manutenção programada sugeridos pela CareFusion,
baseados em dados de testes de vida acelerada, históricos de utilização clínica e no tipo de
subconjunto do oscilador instalado em seu 3100A. São:
1. A cada 4.000 horas de funcionamento, substitua o Subconjunto do oscilador
(“Propulsor”) de 1,5 ohm por uma unidade nova ou reformada que tenha diafragmas
e adaptadores de suporte novos (as peças sujeitas à fadiga por flexão). Esta
substituição deverá ser feita por um técnico treinado pela fábrica.

Registro de substituição do propulsor


Os propulsores deverão ser substituídos
a cada 4.000 h de operação.
Substituído N/S do Propulsor Substituído Por Data

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

P/N 768938A

Figura 6.8 Etiqueta de Registro do Propulsor de 4000 h


2. A cada 8.000 horas de operação do HFOV 3100A com propulsor de 1,5 ohm
(oscilador) , solicite que um técnico treinado pela empresa faça uma revisão geral do
equipamento. Essa revisão inclui a substituição do propulsor de 1,5 ohm e também a
substituição de todas as outras peças sujeitas ao desgaste e envelhecimento (por ex.
válvulas solenóides, reguladores, tubos de plástico e respiradores de resfriamento).
3. A cada 6.000 horas de operação substitua o conjunto do propulsor de 3,0 ohm
(oscilador) por uma unidade reformada. Os componentes pneumáticos selecionados
também deverão ser substituídos. Esta manutenção deverá ser feita por um técnico
treinado pela fábrica.

767124-106 Rev. P
56 3100A HFOV

Registro de substituição do propulsor


Os propulsores deverão ser substituídos
a cada 6.000 h de operação.
Substituído N/S do Propulsor Substituído Por Data

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

___________H __________ __________ __________

P/N 773940A

Figura 6.9 Etiqueta de Registro do Propulsor de 6.000 h

4. A cada 12.000 horas de operação faça uma revisão completa do 3100A com o
conjunto do propulsor de 3,0 ohm (oscilador). Essa revisão incluirá a substituição do
propulsor de 3,0 ohm e dos componentes pneumáticos (ou seja: reguladores,
tubulações, conexões e válvulas). O respirador de resfriamento, disjuntor e seletores
giratórios também serão substituídos. Esta revisão deverá ser feita por um técnico
treinado pela fábrica.
5. A cada sete anos, substitua o módulo de alimentação elétrica do propulsor. O módulo
de alimentação elétrica do propulsor é um conjunto que consiste da placa do
controlador do propulsor, placa da bobina e o modulador de largura de pulso. Esta
manutenção deverá ser feita por um técnico treinado pela fábrica.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 57

Resolução de Problemas
Esta seção tem o objetivo de ajudar o operador a identificar e corrigir quaisquer falhas aparentes
do Sistema 3100A. Para obter ajuda, consulte o Apêndice A para as informações de contato do
atendimento a clientes da CareFusion e para obter os telefones do suporte técnico.

Considerações Ambientais Especiais


Quantidades excessivas de pó e poeira nas proximidades do 3100A poderão bloquear a fluxo do
respirador de resfriamento na base da unidade e causar falhas. Recomendamos manter o
ambiente em que se encontra o instrumento o mais limpo e bem ventilado possível, além de fazer
a manutenção normal do filtro do respirador de resfriamento, como descrito anteriormente neste
capítulo.

Descarga Eletrostática
O 3100A foi projetado e testado para suportar quantidades normais a altas e ocorrências de
descargas eletrostáticas (ESD). Sob certas circunstâncias, entretanto, é possível que a ESD cause
danos aos componentes do 3100A. A ESD ocorre quando uma pessoa acumula uma quantidade
de eletricidade estática tal em seu corpo e roupas que ocorre um “choque” quando ela toca em
algo condutor, como metal ou outra pessoa. Isto pode causar danos aos componentes do
instrumento se a descarga tiver alimentação elétrica suficiente. Para evitar que isto aconteça,
especialmente sob condições de umidade muito baixa, quando os níveis de ESD geralmente são
mais altos, toque o gabinete externo de metal do instrumento antes de tocar em qualquer outro
componente.

Interferência Eletromagnética
O 3100A também foi projetado e testado para suportar quantidades normais e ocorrências de
interferência eletromagnética (EMI). Sob certas circunstâncias, entretanto, é possível que a EMI
afete os componentes do sistema. A EMI consiste em ondas eletromagnéticas de um dispositivo
eletrônico que interferem com o funcionamento de outro dispositivo. Essas ondas podem ser
irradiadas pelo ar ou conduzidas pela fiação elétrica. As causas mais comuns de problemas
causados pela EMI em um hospital incluem (mas não se limitam a) sistemas MRI, lasers,
equipamentos de diatermia, cauterizadores, computadores transmissores e transmissores de rádio
portáteis.
A operação de transmissores de rádio (por ex. walkie-talkies, celulares, etc) a uma distância de
6 m do instrumento poderão causar leituras de pressão erradas, que podem acarretar alarmes
falsos e desligamento automático. Essas leituras erradas de pressão não são causadas por
flutuações na pressão real, porém são efeitos da EMI sobre os componentes dos circuitos de
medição. Assim que a perturbação parar, a leitura voltará ao normal. Caso a condição de
interferência seja forte o suficiente e dure tempo suficiente, os alarmes de >50 cmH2O ou o <20%
de regulagem máx. poderão disparar, o que fará com que a válvula de descarga se abra e o
oscilador desligue. Quando a perturbação EMI cessar ou for removida, pressione o botão de
reinicialização para reiniciar o oscilador. Geralmente essa situação pode ser remediada
localizando o dispositivo causador e distanciando-o pelo menos 6 m do equipamento.
Além da EMI radiada descrita acima, a EMI conduzida também pode causar os mesmos
problemas perturbando a linha de alimentação elétrica CA. Os dispositivos mais comuns que
provocam esse fenômeno são os computadores e outros dispositivos que dependem de eletrônica
de comutação de alta velocidade. Este tipo de interferência pode ser difícil de localizar caso haja
vários destes dispositivos nas proximidades do equipamento. Sem contar com caros equipamentos
eletrônicos de detecção, a única maneira disponível para localizar o dispositivo causador é desligar
os sistemas nas proximidades um de cada vez até que a interferência seja removida.

767124-106 Rev. P
58 3100A HFOV

É importante observar que a interferência radiada por transmissores de rádio portáteis é a mais
comum e fontes como estas deverão ser isoladas primeiro. A maior parte dos dispositivos
utilizados em um ambiente hospitalar foram verificadas quanto a emissões conduzidas e somente
por falhas do dispositivo poderá ocorrer um problema de interferência.

Tabela de Resolução de Problemas


As tabelas abaixo devem ser utilizadas como guias para correção de problemas que poderão
aparecer durante a utilização do 3100A. Para problemas não cobertos por esta lista, ou caso tenha
qualquer pergunta ou dúvida, entre em contato com a Divisão de Atendimento aos clientes da
CareFusion pelos telefones listados no Apêndice A.

CUIDADO
A solução de problemas do 3100A sempre deverão ser feitas “SEM PACIENTE” a fim de evitar
situações perigosas em potencial tais como alterações abruptas da Paw .

Tabela 6.1 Disparo de Alarme visual/audível


Condição Causas Prováveis Soluções Prováveis
É exibido o alarme 1. Paciente com Paw alta e 1. Fluxo expiratório possivelmente
Paw > 50 cmH2O respiração espontânea. insuficiente, ajuste novamente
2. Obstrução da extremidade Paw utilizando uma fluxo maior.
expiratória. Leve em consideração o estado
3. Obstrução na linha sensora de clínico do paciente.
pressão 2. Substitua o circuito do paciente.
4. Interferência de um rádio 3. Substitua o circuito do paciente.
transmissor. 4. Remova a fonte de interferência.
É exibido o alarme do 1. Paciente respirando 1. Fluxo expiratório possivelmente
seletor giratório espontaneamente. insuficiente, ajustar novamente
Paw > Reg Máx 2. Regulagem inadequada do seletor Paw utilizando uma fluxo maior.
Paw giratório. Leve em consideração o estado
3. Obstrução da extremidade clínico do paciente.
expiratória. 2. Altere a regulagem.
4. Obstrução na linha sensora de 3. Substitua o circuito do paciente.
pressão 4. Substitua o circuito do paciente.
5. Aumento da temperatura do 5. Verifique e corrija a temperatura
circuito do paciente. do circuito
6. Interferência de um rádio 6. Remova a fonte de interferência.
transmissor.
É exibido o alarme do 1. Paciente respirando 1. Fluxo expiratório possivelmente
seletor giratório espontaneamente. insuficiente, ajustar novamente
Paw < Reg. Mín. 2. Regulagem inadequada do seletor Paw utilizando um fluxo maior.
Paw giratório. Leve em consideração o estado
3. Regulagem inadequada do ajuste clínico do paciente.
de Paw ou do medidor de fluxo. 2. Altere a regulagem.
4. Queda da temperatura do circuito 3. Altere a regulagem.
do paciente. 4. Verifique e corrija a temperatura
5. Ajuste inadequado do Limite de do circuito
Paw . 5. Altere a ajuste.
6. Vazamento do circuito do paciente 6. Elimine o vazamento ou substitua
ou do umidificador. o circuito.
7. Vazamento do diafragma-tampão. 7. Substitua o diafragma-tampão.
8. Interferência de um rádio transmissor. 8. Remova a fonte de interferência.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 59

Condição Causas Prováveis Soluções Prováveis


É exibido o alarme do 1. Regulagem inadequada do seletor 1. Altere a regulagem.
seletor giratório giratório. 2. Altere a regulagem.
Paw < 20% da reg. 2. Regulagem inadequada do ajuste 3. Altere a regulagem.
máx. de Paw ou do medidor de fluxo. 4. Elimine o vazamento ou substitua
3. Regulagem inadequada do Limite o circuito.
de Paw . 5. Substitua o diafragma-tampão.
4. Vazamento do circuito do paciente 6. Remova a fonte de interferência.
ou do umidificador, incluindo
7. Feche o registro de escoamento
desconexão do paciente.
do coletor de água.
5. Vazamento do diafragma-tampão.
6. Interferência de um rádio
transmissor.
7. O registro de escoamento do
coletor de água está aberto.
Oscilador desligado 1. Ajuste de alimentação elétrica 1. Regule o ajuste para a ∆P
sem que ocorra muito baixa e ∆P é inferior a desejado.
qualquer outro alarme 6 cmH2O. 2. Ajuste novamente a centralização
2. Oscilador não está centralizado. do oscilador.
3. Falha do oscilador 3. Ligue para o Serviço da
CareFusion.
Alarme de gás de 1. Pressão de entrada inferior a 1. Verifique as linhas de entrada de
alimentação elétrica 30 psi, no misturador ou no ar de gás.
baixo resfriamento. 2. Substitua os filtros.
2. O filtro de entrada deve ser 3. Substitua as linhas de
substituído alimentação elétrica.
3. Restrição da fluxo nas linhas de 4. Ligue para o Serviço da
alimentação elétrica de gás. CareFusion.
4. Vazamento interno.
Alarme de bateria 1. A tensão da bateria está abaixo da 1. Substitua a bateria.
com carga baixa tensão ótima. 2. Conecte a bateria
2. Bateria desconectada. adequadamente.
Alarme agudo alto. 1. O respirador da parte eletrônica 1. Ligue para o Serviço da
Sem indicação parou. CareFusion.
luminosa
Alarme de 1. Não existe fluxo de gás de 1. Certifique-se que a mangueira de
superaquecimento do resfriamento. alimentação elétrica do gás de
oscilador 2. O oscilador superaqueceu devido a resfriamento está conectada.
uma baixa fluxo do gás de 2. Verifique se a fluxo de gás de
resfriamento. resfriamento não está bloqueada
3. O oscilador superaqueceu à pelo elemento do filtro ou pela
descentralização por ajustes de ∆P mangueira de alimentação elétrica
extremamente altos. obstruída – substitua caso
4. O oscilador superaqueceu devido a necessário.
uma falha mecânica do 3. Ajuste novamente a centralização
subconjunto do oscilador. enquanto monitora Paw .
4. Ligue para o Serviço da
CareFusion.

767124-106 Rev. P
60 3100A HFOV

Tabela 6.2 Falha durante a verificação


Condição Causas prováveis Soluções prováveis
Falha no reinicialização / 1. Fonte de alimentação elétrica CA 1. Verifique o cabo. Se estiver OK,
alimentação elétrica removida do sistema ou teste outros equipamentos na
interrupção da energia elétrica. mesma tomada. Se o outro
2. Falha interna de alimentação equipamento estiver OK, pode
elétrica. ser uma falha interna. Entre em
contato com o Serviço da
CareFusion.
2. Para iniciar o oscilador após
corrigir o problema, ligue o
sistema, pressione e mantenha
pressionado o botão de Reset
(Reinicialização) para estabelecer
Paw , e então pressione o
interruptor Iniciar/Parar.
3. Ligue para o Serviço da
CareFusion.
Falha na calibração do 1. Vazamento nas conexões do 1. Elimine o vazamento ou substitua
circuito do paciente circuito do paciente ou do o circuito do paciente.
umidificador. 2. Ajuste o medidor de fluxo para
2. Regulagem inadequada do 20 LPM, observando o centro da
medidor de fluxo. esfera.
3. O registro de escoamento do 3. Feche o registro de escoamento
coletor de água está aberto. do coletor de água.
4. Vazamento interno ou ajuste 4. Ligue para o Serviço da
inadequada. CareFusion.
Falha na verificação do 1. Calibração incorreta do circuito 1. Execute a calibração do circuito
desempenho do do paciente do paciente
respirador — Paw fora 2. Não foi utilizado o centro da 2. Ajuste o fluxo a partir do centro
da escala (BAIXA) esfera do medidor de fluxo para da esfera.
ajustar os 20 LPM. 3. Utilize a escala de altitude correta
3. Está sendo utilizada uma escala para sua instalação.
de altitude incorreta. 4. Centralize o pistão de maneira
4. Oscilador não está adequada utilizando o controle de
adequadamente centralizado. centralização.
5. Falha interna. 5. Ligue para o Serviço da
CareFusion.
Falha na verificação do 1. Calibração incorreta do circuito 1. Execute a calibração do circuito
desempenho do do paciente do paciente
respirador — Paw fora 2. Não foi utilizado o centro da 2. Ajuste o fluxo a partir do centro
da escala (ALTA) esfera do medidor de fluxo para da esfera.
ajustar os 20 LPM. 3. Utilize a escala de altitude correta
3. Está sendo utilizada uma escala para sua instalação.
de altitude incorreta. 4. Centralize o pistão de maneira
4. Oscilador não está adequada utilizando o controle de
adequadamente centralizado. centralização.
5. Paw Regulado com o Limite de 5. Corrija a regulagem.
Paw e não com a Ajuste de 6. Ligue para o Serviço da
Paw CareFusion.
6. Falha interna.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 61

Condição Causas prováveis Soluções prováveis


Falha na verificação do 1. Tubulação do fluxo expiratório do 1. Utilize a tubulação de fluxo
desempenho do umidificador para o circuito foi expiratório fornecida com o
respirador — ∆P fora da cortada com menos de 76 cm, ou circuito e não diminua seu
escala (BAIXA) a tubulação não foi fornecida com comprimento.
o circuito do paciente em uso. 2. Centralize o pistão de maneira
2. Oscilador não está adequada utilizando o controle de
adequadamente centralizado. centralização.
3. Alimentação Elétrica não está 3. Ajuste a alimentação elétrica para 6.
regulada em 6. 4. Deixe o umidificador fora do
4. Características de compressão circuito para fazer uma
do umidificador permitiram a verificação de desempenho,
queda de ∆P. depois reconecte-o.
5. Falha interna. 5. Ligue para o Serviço da
CareFusion.
Falha na verificação do 1. Oscilador não está centralizado. 1. Centralize o pistão.
desempenho do 2. Oscilador não foi aquecido. 2. Permita que o Oscilador aqueça
respirador — ∆P fora da 3. Está sendo utilizada uma escala por 5 minutos.
escala (ALTA) de altitude incorreta. 3. Utilize a escala de altitude correta
4. Falha interna. para sua instalação.
4. Ligue para o Serviço da
CareFusion.

Tabela 6.3 Operação inexplicável


Condição Causas prováveis Soluções prováveis
O oscilador desliga e a 1. Seletor rotativo de ajuste máx. 1. Volte o seletor giratório para uma
válvula de descarga se ajustado muito alto. Paw > 20% ajuste mais baixa, mais próxima a
abre durante a Reg. Máx. Paw alvo.
operação. 2. Mudança drástica na Paw 2. Restabeleça Paw e faça
devido a uma alteração de regulagens finas de Paw
controle excessivamente utilizando a Ajuste do medidor de
agressiva usando o Ajuste de fluxo. Nota: consulte o capítulo de
Paw . Diretrizes clínicas para obter as
3. O tubo ET está desconectado. exigências mínimas de fluxo.
4. Interferência de radiofreqüência 3. Reconecte o tubo ET.
4. Localize e distancie o dispositivo
causador.
O oscilador não liga 1. Seletor giratório de ajuste máx. 1. Volte o seletor giratório para uma
após uma parada ajustado muito alto. ajuste mais baixa, mais próxima a
temporária (como por 2. Para reiniciar o oscilador, Paw Paw alvo.
exemplo para sucção de deverá ser >20% da Reg. Máx., 2. Reduza temporariamente a ajuste
rotina). porém para atingir Paw >20% do seletor giratório de Máx. até que
da Reg. Máx., o oscilador deve o oscilador ligue. Caso ele não ligue,
estar ligado. reduza a potência e aumente Paw
3. Falha interna. até o nível-alvo utilizando o medidor
de fluxo e a válvula de controle
Paw —então aumente a potência
enquanto mantém Paw no nível-
alvo regulando o medidor de fluxo
ou a válvula de controle Paw para
baixo.
3. Ligue para o Serviço da
CareFusion.

767124-106 Rev. P
62 3100A HFOV

Condição Causas prováveis Soluções prováveis


Paw instável – com 1. Água acumulando-se na válvula 1. Ajuste a altura do circuito para
saltos de 2 a 3 cmH2O de ajuste Paw . melhorar a drenagem.
2. Paciente respirando 2. Fluxo expiratório possivelmente
espontaneamente. insuficiente, ajustar novamente
3. Diafragma-tampão desgastado Paw utilizando uma fluxo maior.
ou com defeito. Leve em consideração o estado
4. Falha interna. clínico do paciente.
3. Substitua os diafragmas-tampão.
4. Ligue para o Serviço da
CareFusion.
Paw com saltos > 1. Diafragma-tampão instalado 1. Substitua os diafragmas-tampão.
5 cmH2O ao tentar incorretamente ou desgastado. 2. Ligue para o Serviço da
ajustar com a Válvula de 2. Falha interna. CareFusion.
Ajuste Paw .
Não é possível 1. ∆P extremamente alta. 1. Comportamento normal com ∆P
centralizar 2. Vazamento ou obstrução do gás extremamente alta.
de resfriamento. 2. Verifique a alimentação elétrica
3. Falha interna. do gás de resfriamento e o
cartucho do filtro, se necessário
substitua.
3. Ligue para o Serviço da
CareFusion.
Oscilador rangendo 1. Válvula limitadora muito baixa. 1. Ajuste novamente a válvula
2. Diafragma-tampão com defeito. limitadora para um ajuste um
pouco mais alto.
2. Substitua o diafragma-tampão.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 63

Apêndice A Informações de Contato


e Pedidos
Suporte Técnico
Para obter ajuda, o Departamento de Atendimento ao Cliente da CareFusion pode ser contatado
24 horas por dia, sete dias da semana, pelo telefone dos EUA:
1 (800) 520-4368 ramal 8500

Pedido de Peças e Suprimentos


As peças e suprimentos podem ser pedidos no Departamento de Serviço aos Clientes da
CareFusion pelo telefone 1-800-520-4368 ramal 8600. O Representante de Serviços aos Clientes
poderá responder suas dúvidas quanto a peças corretas, configurações e preços para seu
respirador.

Número de Peça Descrição


766895 Corpo do Circuito do Paciente 3100A (caixa com 4)
766896 Conjunto de Tampa/Diafragma (caixa com 4)
766897 Fole/Coletor de Água (caixa com 4)
767163 Elemento do Cartucho do Filtro de Gás (Pacote com 10)
765734-104 Conjunto do Tubo de Conexão (comprimento de 0,2 m, azul)
765734-105 Conjunto do Tubo de Conexão (comprimento de 0,2 m, verde)
765734-107 Conjunto do Tubo de Conexão (comprimento de 0,9 m, vermelho)
766595 Tubo do umidificador
766798 Elemento do Filtro de Pó da Coluna
765742 Tira de Fixação, Circuito do Paciente
463202 Barra Regulável, Circuito do Paciente
768965 Suporte de Montagem, Umidificador, 77 mm (RCI ConchaTherm)
768968 Suporte de Montagem, Umidificador, 30 mm (Fisher and Paykel)
771375 Circuito do Paciente Flexível com Fio Aquecido F & P 730 (caixa com 4)
771374 Circuito do Paciente Flexível com Fio Aquecido F & P 730 (caixa com 4)
480045 Cabo Adaptador para Umidificadores F & P MR600
480044 Cabo Adaptador para Umidificadores F & P MR700
771464 Circuito do Paciente Flexível com Fio Aquecido de 1,3 m
(para Umidificador Hudson RCI 380-90) (caixa com 4)
771463 Circuito do Paciente Flexível com Fio Aquecido de 1,0 m (Hudson RCI 380-90) (caixa com 4)
771466 Circuito do Paciente Flexível com Fio Aquecido de 1,3 m (somente para Hudson RCI 380-88)
(caixa com 4)
771465 Circuito do Paciente Flexível com Fio Aquecido de 1,0 m (Hudson RCI 380-88 e Concha IV)
(caixa com 4)
773996 Circuito do Paciente Flexível c com Fio Aquecido de 1,0 m para F & P 850 (caixa com 4)
773997 Circuito do Paciente Flexível c com Fio Aquecido de 1,3 m para F & P 850 (caixa com 4)
466952 Cabo Adaptador para Umidificadores F & P 850

767124-106 Rev. P
64 3100A HFOV

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 65

Apêndice B Especificações
Controles
Fluxo Expiratório (Bias Flow)
0 – 40 litros por minuto (LPM) Contínuo, controle de 15 voltas.
Resolução: 2,5 LPM.
Precisão: ±10% do fundo de escala nas seguintes condições: ar ou oxigênio
a 21°C e 760 Torr.

Ajuste da Pressão Média


Média mínima de aproximadamente 3–45 cmH2O; depende do fluxo expiratório.
Resolução: 0,1 cmH2O no medidor de pressão digital das vias respiratórias,
controle de uma volta.
Precisão: Botão de controle não-calibrado.

Limite da Pressão Média


Pressão média proximal das vias respiratórias de aproximadamente 10–45 cmH2O.
Resolução: 0,1 cmH2O no medidor de pressão digital das vias respiratórias,
controle de uma volta.
Precisão: Botão de controle não-calibrado.

Alimentação Elétrica
Na potência de 100%, ∆P >90 cmH2O da amplitude máxima da pressão
proximal das vias respiratórias.
Resolução: Mostrador graduado com trava de 10 voltas, não-calibrado em % de potência.

Freqüência – Hz
Freqüência do oscilador 3–15 Hz.
Resolução: 0,1Hz no medidor digital , controle de 10 voltas.
Precisão: ±5% do fundo de escala.

% de Tempo Inspiratório
30–50% do ciclo oscilatório.
Resolução: +/- 1% na leitura do medidor digital
Precisão: ±5% do fundo de escala.

Iniciar/Parar
Oscilador habilitado/não-habilitado.

767124-106 Rev. P
66 3100A HFOV

Seletor Giratório de Alarme de Reg. Máx. de P aw


0–49 cmH2O pressão média respiratória .
Resolução: 1 cmH2O
Precisão: ±2 cmH2O.

Seletor Giratório de Alarme de Reg. Mín. de P aw


0–49 cmH2O pressão média respiratória.
Resolução: 1 cmH2O
Precisão: ±2 cmH2O.

Silêncio de 45 Segundos
Inibe o funcionamento do alarme audível por 45 segundos (±5 segundos).

Reinicialização
Restabelece os alarmes de Paw >50 cmH2O e <20% da Reg. Máx. de Paw se a condição foi
corrigida, sempre restabelece o alarme de falha de alimentação elétrica.

Centralização do Pistão
Controle de 10 voltas – aplica uma alimentação elétrica ajustável contrária à bobina do oscilador
para superar a tendência da pressão média respiratória de descentralizar o pistão — o efeito da
centralização é mostrado no gráfico de barras de Posição do pistão e Deslocamento e é operado
pelo nível de Paw .

Calibração do Circuito do Paciente


Regula a pressão média máxima que pode ser obtida com um circuito do paciente específico
(consulte o capítulo 2 para o procedimento de ajuste).

Alimentação Elétrica CA
Liga/desliga.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 67

Indicadores
Oscilador Habilitado
LED (Diodo Emissor de Luz) verde no botão Iniciar/Parar.

Oscilador Desligado
LED vermelho.

Silêncio de 45 Segundos
LED amarelo no botão.

P aw > 50 cmH2O
LED vermelho.

P aw <20% da “Reg. Máx. P aw ”


LED vermelho.

Reg. Máx. de P aw foi Excedida


LED vermelho.

Reg. Mín. de P aw foi Excedida


LED vermelho.

Falha na Alimentação Elétrica


LED Vermelho (Falha de Alimentação Elétrica / Botão de Reinicialização).

Superaquecimento do Oscilador
LED Amarelo.

Bateria com Carga Baixa


LED Amarelo.

Baixo Suprimento de Gás


LED Amarelo.

∆P
Leitura do medidor digital de ∆P no cmH2O mais próximo.

767124-106 Rev. P
68 3100A HFOV

% de Tempo de Inspiração
Leitura do medidor digital da ajuste da % do tempo inspiratório.

Freqüência – Hz
Leitura do medidor digital da ajuste da freqüência do oscilador em Hertz.

Posicionamento do Pistão e Deslocamento


Monitor de gráfico de barras com 17 segmentos do deslocamento do pistão do oscilador.

Monitoramento da Pressão Média


Leitura do medidor digital da pressão média das vias aéreas no décimo de cmH2O mais próximo.

Tempo Decorrido
Leitura digital das horas de alimentação elétrica aplicada ao Respirador Modelo 3100A ao décimo
de hora mais próximo.

Reg. Máx. de P aw
Seletor giratório marcado em cmH2O.

Reg. Mín. de P aw
Seletor giratório marcado em cmH2O.

Alarme (audível)
Tom modulado de 3kHz.

Alimentação Elétrica CA
Indicação visual de alimentação elétrica CA aplicada (E/S).

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 69

Medida da Pressão
Média: –130 a +130 cmH2O da pressão respiratória.
Resolução: 0,1 cmH2O
Precisão: Dentro do intervalo de leitura ±2% ou ±2 cmH2O, o que for maior, assumindo
que é executada a calibração periódica como descrita no Capítulo 6.
Transdutor
Limite de pressão 20 psig.

AVISO
A não-execução dos procedimentos de manutenção recomendados no monitor de pressão das
vias aéreas como descrito no Capítulo 6, poderá acarretar ferimentos ao paciente ou ao operador
ou poderá causar danos ao equipamento.

Alarmes
Alarmes de Segurança
Indicadores audíveis e visuais, intervenção da máquina.

P aw > 50 cmH2O
Quando o limite é excedido os indicadores são ativados, o oscilador desliga-se e a válvula de
descarga abre.
Resolução: Pré-ajustado
Precisão: ±2% da leitura do monitor de pressão ou ±2 cmH2O, o que for maior.

P aw >20% da “Reg. Máx P aw ”


Quando o limite é excedido os indicadores são ativados, o oscilador desliga-se e a válvula de
descarga abre.
Resolução: Pré-regulado em 20% do ajuste do seletor giratório de Reg. Máx de Paw .
Precisão: ±2% da leitura do monitor de pressão ou ±2 cmH2O, o que for maior.

Alarmes de Aviso
Indicadores audíveis e visuais, intervenção do operador.

Reg. Máx. de P aw foi excedida


Quando o limite regulado é excedido então os indicadores ativam-se.
Faixa: 0–49 cmH2O.
Resolução: 1 cmH2O
Precisão: ±2% da leitura do monitor de pressão ou ±2 cmH2O, o que for maior.

767124-106 Rev. P
70 3100A HFOV

Reg. Mín. de P aw foi excedida


Quando o limite regulado é excedido então os indicadores ativam-se.
Faixa: 0–49 cmH2O.
Resolução: 1 cmH2O
Precisão: ±2% da leitura do monitor de pressão.

Alarmes de Cuidado
Alarme visual, intervenção do operador.

Superaquecimento do Oscilador
O indicador é ativado quando a temperatura da bobina do oscilador atinge 175 ºC.
Precisão: ±5%.

Bateria com Carga Baixa


O indicador é ativado quando a bateria que opera o alarme de falha de alimentação elétrica está
com carga baixa e deve ser substituída.

Baixo Suprimento de Gás


O indicador é ativado quando a pressão da fonte de gás mesclado ou do ar de resfriamento do
oscilador cai abaixo do limite de 30 psig.
Precisão: ±5% no modo de fonte de gás.

Silêncio de 45 Segundos
Quando o botão é pressionado o indicador é ativado por 45 s.
Precisão: ±5 segundos.

Falha na Alimentação Elétrica


Os indicadores audíveis e visuais são ativados quando o interruptor de alimentação elétrica é
desligado, a tomada é desconectada ou a tensão no pacote eletrônico é insuficiente.

Oscilador Desligado
Indicadores visuais e audíveis são ativados quando o ∆P das vias respiratórias do paciente cai
abaixo de 5 a 7 cmH2O.

AVISO
Um alarme audível indica a existência de uma condição potencialmente perigosa para o paciente e
não deve ser ignorado. A falha em responder aos alarmes poderá causar ferimentos (incluindo a
morte) do paciente e/ou danos ao respirador.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 71

Especificações Elétricas
Alimentação Elétrica
115 VCA, 7,5A, 60 Hz
100 VCA, 7,5A, 50 Hz
220 VCA, 4,0A, 50 Hz
220 VCA, 4,0A, 60 Hz
240 VCA, 4,0A, 50 Hz

Corrente de Vazamento
<100 Microamperes.

Proteção Contra Sobrecargas


Disjuntor eletromagnético duplo.

Conexão à Linha de Alimentação Elétrica


Tomada hospitalar aterrada de 3 fios.

Normas de Segurança
Projetado para:
CSA C22.2 N°.125
UL-544.
Listado na ETL (EUA e Canadá 3100A).
IEC 601-1.

AVISO
Não tente anular a conexão correta do fio terra. Isto poderá causar danos ao dispositivo ou aos
equipamentos conectados e pode causar ferimentos ao paciente ou às pessoas associadas ao
equipamento em uso. Este dispositivo vem equipado de fábrica com uma tomada de alimentação
elétrica CA de grau hospitalar. A confiabilidade do aterramento só poderá ser assegurada quando
conectada a uma tomada testada de “grau hospitalar”.

767124-106 Rev. P
72 3100A HFOV

Conexões Pneumáticas
Entrada do Misturador (ar/O2)
Conexão de Oxigênio DISS
Média de Pressão: 40–60 psig.
Fluxo Máximo 40 LPM ±10%.
Proteção Contra Sobrepressão Válvula de liberação de 75 psig ±15%.

Entrada do Ar de Resfriamento
Conexão de ar DISS
Média de Pressão: 40–60 psig.
Fluxo 15 LPM +/-10% para conjunto de propulsor de 1,5 ohm
10 LPM +/-10% para conjunto de propulsor de 3,0 ohm
Proteção Contra Sobrepressão Válvula de liberação de 75 psig ±15%.

Saída para o Umidificador


Adaptador farpado de 3/8"
Proteção Contra Sobrepressão Válvula de liberação de 5 psig ±15%.

P aw Válvula de Controle
Código verde, Luer de anteparo.

P aw Válvula Limitadora
Código azul, Luer de anteparo.

Válvula de Descarga
Código vermelho, Luer de anteparo.

P aw Sensora
Código branco, Luer de anteparo.

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 73

Especificações Físicas
Materiais
Todos os materiais utilizados na fabricação do instrumento 3100A e seu circuito respiratório são
atóxicos e não apresentam riscos de segurança ao paciente ou operador.

Dimensões da Coluna e do Painel de Controle


Altura: 1,4 m
Largura: 0,5 m
Profundidade: 0,3 m
Peso: 65 kg

Pedestal
5 pernas com rodas de travamento de 10 cm de diâmetro, largura da extremidade do pedestal de
71 cm.

CUIDADO
Não coloque nada contendo fluidos sobre o painel de controle do respirador, nem quaisquer
acessórios com peso superior a 4,5 kg ou que se estendam mais de 15 cm acima do pacote
eletrônico do respirador ou além de suas laterais. Isto poderá danificar o respirador ou poderá
fazer com que o respirador caia, acarretando ferimentos ao paciente ou ao usuário e/ou danos ao
equipamento.

Condições Ambientais & Operacionais Necessárias


1. Temperatura: 5 – 40°C
2. Umidade: 15% – 95% (sem condensação)
3. Alguns fatores ambientais como a descarga eletrostática (ESD) e a interferência
eletromagnética (EMI) exigem cuidados especiais do operador. Consulte a seção
Resolução de problemas do Capítulo 6, Manutenção e Resolução de Problemas para
obter mais detalhes sobre esses fatores.

767124-106 Rev. P
74 3100A HFOV

Gráficos de Desempenho
Volume distal respiratório x Freqüência na potência máxima
• Dois Ajustes da % do tempo de inspiração
• Tamanho do Tubo ET Único
• Conformidade Unitária

3,0 ETT
C= 1,02 ml/cm H2O
Volume Respiratório – ml

50% do Tempo-I

33% do Tempo-I

Freqüência – (Hz)
Figura B.1

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 75

Volume Distal Respiratório x Freqüência a 15 Hz e 33% do Tempo-I


• Três Tamanhos de Tubo ET
• Conformidade Unitária

C= 1,02 ml/cm H2O 3,5 ETT


Volume Respiratório – ml

3,0 ETT

2,5 ETT

Ajuste da Alimentação Elétrica

Figura B.2

767124-106 Rev. P
76 3100A HFOV

Raio ΔP x Freqüência na Potência Máxima e 50% do Tempo-I


• Três Tamanhos de Tubo ET
• Conformidade Unitária

C= 1,02 ml/cm H2O


ΔP Distal / ΔP de Proximidade

Tubo ET 3,5

Tubo ET 3,0

Tubo ET 2,5

Freqüência – (Hz)
Figura B.3

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 77

Volume Distal Respiratório x Freqüência na Potência Máxima e 33% do Tempo-I


• Três Tamanhos de Tubo ET
• Conformidade Unitária

C= 1,02 ml/cm H2O

Tubo ET
Volume Respiratório – ml

35

Tubo ET 3,0

Tubo ET 2,5

Freqüência – (Hz)

Figura B.4

767124-106 Rev. P
78 3100A HFOV

Volume Distal Respiratório x Freqüência na Potência Máxima e 33% do Tempo-I


• Tamanho do Tubo ET Único
• Três Conformidades

C= 2,01 Tubo ET 2,5


Volume Respiratório – ml

C = 1,02

C = 0,52

Freqüência – (Hz)

Figura B.5

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 79

Volume Distal Respiratório x Freqüência na Potência Máxima e 33% do Tempo-I


• Três Tamanhos de Tubo ET
• Conformidade Unitária

C= 13,24 ml/cm H2O


Volume Respiratório – ml

Tubo ET Tubo ET 6,5


55

Tubo ET
45

Freqüência – (Hz)

Figura B.6

767124-106 Rev. P
80 3100A HFOV

Raio ΔP x Freqüência na Potência Máxima e 33% do Tempo-I


• Três Tamanhos de Tubo ET
• Conformidade Unitária
ΔP Distal / ΔP de Proximidade

C= 13,24 ml/cm H2O

Tubo ET Tubo ET 6,5

Tubo ET 4,5

Freqüência – (Hz)

Figura B.7

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 81

Índice
condição de pressão baixa, 11
A conexão
entrada do misturador, 25
administração de oxigenação, 41 saída para o umidificador, 25
administração de ventilação, 40 conexão do misturador, 15
ajuste da haste do barra, 15 conexão do umidificador, 15
alarme de falha de alimentação elétrica, 11 conexão dos gases fonte, 32
alarme de oscilador desligado, 11 conexões
alarme de Pa > 50 cmH2O, 58 painel traseiro, 16
alarme de Pa > que o máximo regulado para Pa no seletor conexões das tubulações, 28
giratório, 58 conexões do painel traseiro, 16
alarmes conexões luer de anteparo, 29
aviso, 11 conjunto
bateria com carga baixa, 24, 59 circuito do paciente, 14
cuidado, 11 braço de suporte do circuito do paciente, 13
Falha de alimentação elétrica, 11, 23 contador de tempo decorrido, 26
Fonte de gás baixa, 24, 59 contra-indicações, ix
oscilador desligado, 11, 24 controle de SPAN (AMPLITUDE), 53
Pa < 20 % do máximo regulado, 59 controles
Pa < que o mínimo regulado, 58 % de tempo inspiratório, 21
Pa > 50 cmH2O, 58 ajuste da calibração do circuito do paciente, 25
Pa > que o máximo regulado para Pa no seletor giratório, 58 ajuste da calibração do circuito do paciente, 4
pressão média respiratória inferior a 20% do máximo ajuste da pressão média, 4
regulado, 23 ajuste máx. da pressão média respiratória, 22
segurança, 11 ajuste mín. da pressão média respiratória, 22
superaquecimento do oscilador, 24, 59 botão de reinicialização, 23
alarmes de aviso, 11 botão de silêncio de 45 Segundos do alarme, 24
alarmes de cuidado, 11 centralização do pistão, 38
alarmes de segurança, 11 FiO2, 38
alimentação elétrica, 10 fluxo expiratório, 4, 19, 37
alternando a polaridade da tensão, 8 freqüência, 21, 38
amplitude da pressão oscilatória (∆P), 39 liga/desliga, 22
atelectasia, 43 limite da pressão média, 4, 20
avisos, x painel traseiro, 25
pressão média respiratória, 38
tempo inspiratório, 38
B controles do oscilador, 9
bateria do alarme, 26, 49 controles e indicadores
bronquite traqueal necrotizante (NTB), 43 painel frontal, 19
controles e indicadores de alarme, 10
cuidados, xi
C
calibração D
circuito do paciente, 33
calibração do circuito do paciente, 33, 50 delta P, 9
falha, 60. descarga eletrostática (ESD), 57
cartuchos do filtro de entrada , 48 diagrama de blocos do sistema pneumático
centralização do pistão, 27 diagrama de blocos do sistema pneumático
circuito do paciente, 27 para a peça número 770860, 1
circuito do paciente, 5 para a peça número 766526, 2
circuito de interrupção térmica, 8 diretrizes para dispositivos médicos, ix
condições de operação disjuntor, 28
umidade, 73 displasia broncopulmonar (BPD), 43
condições de operação
temperatura, 73 E
coletor de água, 12, 28
dreno, 28. efeitos adversos
esvaziamento, 47 pediátrico, x
coluna do sistema, 27 recém-nascidos, x
componentes do oscilador, 7 efeitos adversos possíveis, 43
condição de pressão alta, 11 enfisema pulmonar intersticial (PIE), 43

767124-106 Rev. P
82 3100A HFOV

ensaios controlados multicentralizados, 37


entrada de resfriamento do oscilador, 26
entrada do misturador, 25 M
especificações manutenção e solução de problemas, 47
alarmes, 69 misturador
controles, 65 entrada, 25
elétricas, 71 misturador ar/oxigênio, 3
físicas, 73 monitor de pressão respiratória, 9
gráficos de desempenho, 74 monitoramento, 44
indicadores, 67 gases do sangue arterial, 44
medição da pressão, 69 gases do sangue não-invasivos, 44
pneumáticas, 72. radiografia torácica, 44
estratégia clínica, 40
estratégias clínicas gerais, variações específicas de
doenças, 43 N
estratégias clínicas, 37
estudos multicentralizados, 44 nível de PaCO2, 40
eventos bradicardíacos, x
P
F PaCO2 elevada, 41
falha de alimentação elétrica / reinicialização, 60 painel traseiro, 25
falha na verificação do desempenho do respirador, 60 peças, 63
filtro de entrada em linha, 26 pistão do oscilador, 27
formato de onda oscilatória da pressão respiratória, 6 pistão, oscilador, 27
freqüência oscilatória, 8 pneumomediátino, 43
freqüência, 20, 21, 38 pneumonia, 43
funções de alarme, 9 pneumopericárdio, 43
pneumoperitôneo, 43
pneumotórax, 43
G pneumotórax, severo recorrente, 43
porta de testes do umidificador externo, 6
garantia, vii potência do oscilador, 21, 39
gases do sangue potenciômetros
arterial, 41 alimentação elétrica, 51
gases do sangue arterial, 41 pressão alveolar de pico, 40
pressão média respiratória, 9
H tubulação da válvula limitadora, 28
válvula de controle, 28
hemorragia intraventricular (IVH), 43 procedimento de calibração, 52,53
hipotonia, 43 alimentação elétrica CC, 51
posicionamento e deslocamento do pistão, 53
transdutor de monitoramento da pressão respiratória, 52
I procedimentos de inicialização, 31
indicador de alarmes procedimentos de manutenção, 47
pressão das vias aéreas média maior do que 50cmH2O, 22 projeto do oscilador, 8
informações de contato do suporte técnico, 63 propulsor de ondas quadradas, 7, 8
informações sobre segurança, x
inspiratório, 38 R
insuflação pulmonar satisfatória, 41
interferência eletromagnética (EMI), 57 rádios-transmissores, 57
interferência eletromagnética, viii recrutamento, 40.
interferência, eletromagnética, 57 recursos de segurança, 10
interruptor de alimentação elétrica, 28 reforma
intervalos de manutenção programada, 55 completa, programada, 55
reinsuflação, 40.
resfriamento do motor linear, 8
L resumo das estratégias de tratamento, 42
liberação, 41 retirando da embalagem, montagem e instalação, 13
limpeza da superfície, 47 RMI, ix
limpeza do filtro de pó, 49
limpeza, 17
linha sensora da pressão proximal das vias respiratórias, 6
linha sensora de pressão, 15, 28

767124-106 Rev. P
Manual de Operação 83

S
saída do umidificador, 25 U
serviço aos clientes, 63
símbolos, xiv ultra-som cerebral, 44
síndrome de aspiração do mecônio, 43 umidificador externo, 3
síndrome de insuficiência respiratória, 43 utilização pretendida, ix
sistema da lógica e de controle pneumático, 4
sistema de segurança do interrupção térmica, 12 V
sobredistensão, x
solução de problemas, 57 valores médios e faixas dos controles de ajuste, 41
subsistema de alarme, 9 válvula de controle de Pa, 6
subsistemas válvula de descarga, 6, 28
a serem fornecidos pelo usuário, 3 válvula de liberação, 12
inclusos no respirador, 3 válvula limitadora de pressão, 6
substituição do circuito do paciente, 49 válvulas mecânicas de liberação, 12
substituição do propulsor, 55 variações específicas de doenças nas estratégias clínicas
suprimentos, 63 gerais, 43
verificação operacional e início da ventilação, 31
verificações do desempenho, 33, 36
T
temperatura da bobina, 9
tira de fixação, 29
transdutor de ajuste do zero de pressão, 52
transdutor de pressão de ajuste da amplitude, 52
travamento
posição do painel de controle, 26
travamento da posição, 26
tubo do umidificador, 29
tubos com códigos coloridos, 14
tubos, códigos coloridos, 14

767124-106 Rev. P
84 3100A HFOV

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

767124-106 Rev. P

Você também pode gostar