Você está na página 1de 4

Povos indígenas do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Ir para: navegação, pesquisa
Povos indígenas do Brasil

Índios respectivamente das tribos:


Assurini, Tapirajé, Kaiapó, Tapirapés, Rikbaktsa e Bororó

População total

421.000
aproximadamente 0,3% da população do Brasil[1]

Regiões com população significativa


Brasil, principalmente nas regiões Norte e Centro-Oeste
Línguas
Línguas indígenas e Português
Religiões
Religiões tradicionais e Cristianismo
Grupos étnicos relacionados
Povos ameríndios

Os povos indígenas no Brasil incluem um grande número de diferentes grupos étnicos


que habitam ou habitaram o território brasileiro, e cujas raízes remontam às Américas
desde antes da chegada dos europeus a este continente, em torno de 1500.

Estes povos compreendem uma grande variedade de tribos e nações, muitos deles com
laços culturais e territórios históricos que atravessam as fronteiras políticas atuais e
adentram os países vizinhos. Embora sua organização social tenha sido geralmente
igualitária e baseada em tribos pequenas, semi-nômades e independentes, houve
exemplos de nações super-tribais envolvendo milhares de indivíduos e ocupando
extensos territórios. Os indígenas do Brasil falavam e falam centenas de línguas
diferentes, cujas origens e conexões ainda são pouco conhecidas. Sua cultura material e
espiritual também é bastante diversificada, apesar de um fundo comum devido ao estilo
de vida.

Muitas das tribos que existiam no país à época de Cabral desapareceram, quer
absorvidas na sociedade dos colonizadores, quer dizimadas pela violência a que os
índios em geral foram submetidos durante os últimos cinco séculos. Nesse período,
nações inteiras foram massacradas ou escravizadas, explícita ou disfarçadamente, ou
morreram de doenças e fome depois que suas terras foram tomadas e seus meios de
sobrevivência foram destruídos. A catequização por missionários europeus levou ao
desaparecimento de suas crenças religiosas e outras tradições culturais; e a relocação
forçada provocou enorme mistura de povos. Muitas das comunidades indígenas que
ainda sobrevivem enfrentam miséria, doenças, descaso das autoridades e discriminação
pelo resto da sociedade.[2]

[editar] Origens e história

"Família de um chefe Camacã se preparando para a festa", por Jean-Baptiste Debret.

Pesquisas arqueológicas em São Raimundo Nonato, organizadas pela arqueóloga Niède


Guidon no interior do Piauí, registram indícios da presença humana datados como
anteriores a 10 mil anos.[3] A maioria dos pesquisadores acreditam que o povoamento da
América do Sul deu-se a partir de 20 mil a.C.[4]

Indícios arqueológicos no Brasil apontam para a presença humana em achados datados


de 16 mil a.C., de 14.200 a.C. e de 12.770 a.C. em Lagoa Santa (MG), Rio Claro (SP) e
Ibicuí (RS).[4] Em Lapa Vermelha, (Minas Gerais), foi encontrado um verdadeiro
cemitério com ossos datados em 12 mil anos, o primeiro dos quais encontrado por
Annette Laming-Emperaire na década de 1970 e que foi "batizado" de Luzia[3] e que
parecia mais aparentada com os aborígines da Austrália ou com negrito das Ilhas
Andaman.

Ficheiro:Mapapovos.JPG
Mapa dos povos indígenas que se encontravam no Brasil no século XVI

[editar] Extermínio
Nativos brasileiros, por Jean-Baptiste Debret.

Estimativas da população indígena na época do descobrimento apontam que existiam no


território Brasileiro, mais de mil povos, sendo cinco milhões de indígenas. Hoje em dia,
são 227 povos, e sua população está em torno de 400 mil. As razões para isso são
muitas, desde agressão direta de colonizadores a epidemias de doenças para as quais os
índios não tinham imunidade ou cura conhecidas.

Durante o século XIX, com os avanços em epidemiologia, casos documentados


começaram a aparecer, de brasileiros usando epidemias de varíola como arma biológica
contra os índios. Um caso "clássico", segundo antropólogo Mércio Pereira Gomes, é o
da vila de Caxias, no Sul do Maranhão, por volta de 1816. Fazendeiros, para conseguir
mais terras, resolveram "presentear" os índios timbira com roupas de pessoas infectadas
pela doença (que normalmente são queimadas para evitar contaminação). Os índios
levaram as roupas para as aldeias e logo os fazendeiros tinham muito mais terra livre
para a criação de gado. Casos similares ocorreram por toda América do Sul[5] As
"doenças do homem branco" ainda afetam tribos indígenas no Amazonas.[6]

[editar] Povos indígenas emergentes

Ver artigo principal: Povos indígenas emergentes

Da esquerda para a direita: Dona Tereza Kariri, Bida Jenipapo-Kanindé, Cacique


Pequena Jenipapo-Kanindé, Fernando Tremembé e Jamille Kariri. Participantes do II
Encontro do Povo Kariri, realizado em Crateús - Ceará, em junho de 2007.

A partir das últimas décadas do século XX, aparecem novas etnias quando populações
miscigenadas reivindicam a condição de povo indígena. Isto ocorre principalmente no
nordeste brasileiro. São exemplos desse processo:

• Náua, no Parque Nacional da Serra do Divisor (Acre)


Cultura

Índia guajajara e seu filho.

Há grande diversidade cultural entre os povos indígenas no Brasil, mas há ta