Você está na página 1de 80

30

Veículo Oficial de publicação dos atos oficiais do Município de Maricá | www.marica.rj.gov.br | Edição Especial nº 14
Dezembro

Poder Executivo Atos f) Secretaria Municipal de Articulação Política;


g) Secretaria Municipal de Assuntos Federativos;
h) Secretaria Municipal de Controle Interno;
LEI COMPLEMENTAR Nº 178, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008. i) Secretaria Municipal de Segurança Pública com Cidadania;
j) Ouvidoria Municipal.
Altera a Lei Complementar nº 139, de 24 de março de 2006. II – ÓRGÃOS DE ATIVIDADES MEIO:
a) Secretaria Municipal de Fazenda;
O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal de Maricá, b) Secretaria Municipal de Planejamento;
aprovou e o Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei Complementar:
c) Secretaria Municipal de Administração.
III – ÓRGÃOS DE ATIVIDADES FIM:
Art. 1º Os Anexos II, III e IV constantes da Lei Complementar nº 139, de 24 de março de 2006, que
dispõe sobre a Estrutura Organizacional, Plano de Cargos e Salários da Câmara Municipal de a) Secretaria Municipal do Ambiente e Urbanismo;
Maricá, passam a viger de acordo com os Anexos, que fazem pare integrante da presente Lei.. b) Secretaria Municipal de Assistência Social, Cidadania e Participação Popular;
c) Secretaria Municipal de Educação;
Art. 2º O Parágrafo único do Art. 21, passa a viger com a seguinte redação: d) Secretaria Municipal de Cultura;
e) Secretaria Municipal de Esportes;
“Art. 21. ... f) Secretaria Municipal de Saúde;
Parágrafo único. A gratificação tratada não gera direito à incorporação sob qualquer forma e fica limitada ao g) Secretaria Municipal de Turismo e Lazer;
percentual de até 100% (cem por cento) dos vencimentos do servidor beneficiado.”
h) Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos;
i) Secretaria Municipal de Transportes;
Art. 3º As despesas decorrentes da presente Lei Complementar correm por conta do orçamento do
Poder Legislativo Municipal. j) Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Petróleo;
k) Secretaria Municipal do Trabalho e Emprego.

Art. 4 Esta Lei Complementar entra em vigor na data de sua publicação, com efeitos financeiros a partir de
o Art. 3º Os cargos de Secretários do Município serão remunerados através de subsídio mensal fixo, símbolo
01 de janeiro de 2009. SM, na forma da legislação em vigor, e os demais cargos estabelecidos nesta Lei serão remunerados pelos
símbolos abaixo e da seguinte forma e ordem:
Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2008.
I – Subsecretário – Símbolo SSM;
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO
II – Subprocurador – Símbolo SSM;
III – Superintendente – Símbolo SG;
LEI COMPLEMENTAR Nº 179, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008.
IV – Assessor – Símbolo CC1;
V – Gerente Executivo – Símbolo CC2;
Dispõe sobre a estrutura administrativa do Poder Executivo do Município de Maricá, criando cargos,
definindo suas competências básicas, seus respectivos órgãos, e revoga a Leis Complementares nºs.116, de VI – Assistente Executivo – Símbolo CC3.
22/12/ 2004, 120, de 11/01/2005, 126, de 29/06/2005, 137, de 17/01/2006 e a 162, de 27/06/2007. Parágrafo único. As remunerações referentes aos cargos de que trata este artigo estão definidos no Anexo
O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o I desta Lei.
Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO II
Art. 1º Esta Lei Complementar dispõe sobre a estrutura e atribuições dos órgãos da administração direta do DAS ATRIBUIÇÕES DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA
Poder Executivo do Município de Maricá e dos cargos de livre nomeação e exoneração do Prefeito Art. 4º São atribuições básicas dos órgãos da administração direta do Município de Maricá, aquelas
Municipal. definidas neste Capítulo.
CAPÍTULO I SEÇÃO I
DA ESTRUTURA DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA Do Gabinete do Prefeito
Art. 2º A estrutura da administração direta do Poder Executivo do Município de Maricá compõe-se dos Art. 5º Ao Gabinete do Prefeito compete assistir ao Chefe do Executivo Municipal no desempenho de suas
seguintes órgãos: funções.
I – ÓRGÃOS DE ASSESSORAMENTO: § 1º As atribuições do Gabinete do Prefeito serão exercidas pelos Subsecretários e Superintendentes
a) Gabinete do Prefeito; ligados ao Gabinete.

b) Gabinete do Vice-Prefeito; § 2º São órgãos vinculados ao Gabinete do Prefeito:

c) Procuradoria Geral do Município; I – Subsecretaria Municipal de Comunicação Social;

d) Secretaria Municipal Executiva; II – Subsecretaria Municipal de Habitação;

e) Secretaria Municipal de Gestão das Metas de Governo; III – Subsecretaria Municipal de Energia e Iluminação Pública;
2 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

Sumário Poder Executivo Atos


Atos do Prefeito .................. 01 ÓRGÃOS DA CHEFIA DO IV – Subsecretaria Municipal de Defesa Civil;
PODER EXECUTIVO V – Subsecretaria Municipal de Tecnologia da Informação;
Poder Executivo
Atos dos Órgãos ........................... 53 VI – Subsecretaria Municipal de Relações Internacionais;
Leis e decretos ............................. 01 Prefeito VII – Subsecretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
Editais e avisos ............................. — Ricardo José Queiroz da Silva VIII – Subsecretaria Municipal de Pesca;
Órgãos Públicos IX – Subsecretaria Municipal para Assuntos Institucionais;
Informativo ..................................... — Gabinete do Prefeito / Sup. Chefe do Gabinete do Prefeito X – Subsecretaria Municipal da Coordenação do Conselho Político;
Rosana de Oliveira dos Santos Hadba
XI – Subsecretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras;
Poder Legislativo
Resoluções e decretos .................. 79 XII – Subsecretaria Municipal da Chefia do Gabinete;
Procuradoria Geral do Município
Atos ................................................ — Dr. Josemir Veloso de Oliveira XIII – Subsecretaria Municipal de Infra-estrutura e Atendimento à População;
Editais e avisos ............................. — XIV – Subsecretaria Municipal de Mobilização Social;
Secretaria Executiva e de Integração Municipal XV – Superintendência de Segurança do Prefeito;
Outras instâncias
Vicente de Paulo de Souza Nogueira XVI – Consultoria Jurídica.
Ordens, convocações, consultas,
orientações etc. ............................. — § 3º À Subsecretaria Municipal de Comunicação Social compete promover a
Secretaria Municipal de Administração interação entre o governo e a sociedade, bem como se relacionar com o corpo
Paulo Sergio Lima Imbrósio funcional, buscando maior rapidez nas ações do governo; tratar, de modo institucional,
com os diversos meios de comunicação, dando conseqüências à política de trans-
parência do governo; organizar o cerimonial público; divulgar, através de impressos
Expediente Secretaria Municipal de Controle Interno e outros meios, as atividades do Poder Executivo, estabelecendo, inclusive, cam-
Valéria Ferreira da Silva panhas e promoções para este fim; produzir e distribuir veículo próprio para a
divulgação dos atos oficiais do Poder Municipal; executar outras tarefas correlatas
Jornal Oficial de Maricá que lhe forem delegadas, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário
Veículo Oficial de publicação dos atos Secretaria Municipal de Cultura Municipal de Comunicação Social – Símbolo SSM; e composta por:
oficiais do Município de Maricá. Walter Guedes

Órgão Responsável I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Comunicação Social – SSM;


Secretaria Municipal de Desen. Social da Família e do Trabalho
Prefeitura Municipal de Maricá Maria do Amparo Ferreira Queiroz da Silva II – 01 (um) Superintendente de Comunicação Social – SG;
Superintendência de Comunicação Social III – 01 (um) Superintendente de Comunicação Institucional – SG;
Secretaria Municipal de Educação da Juventude e de Esportes IV – 01 (um) Superintendente de Cerimonial – SG;
R. Álvares de Castro, 346 - Centro - Maricá/RJ
Tel.: (21) 2637-8575 / jom@marica.rj.gov.br Ana Maria Ignácio dos Reis V – 01 (um) Assessor de Comunicação Social – CC1;
CNPJ nº: 29.131.075/0001-93
VI – 01 (um) Assessor de Comunicação Institucional – CC1;
Jornalista Responsável Secretaria Municipal de Fazenda e Planejamento Orçamentário
Luiz Carlos Bittencourt Coelho VII – 01 (um) Assessor de Cerimonial – CC1;
Dayse Ribeiro - Reg. 29.827/RJ
VIII – 02 (dois) Gerentes Executivos – CC2.
Jornalista / Redação Secretaria Municipal de Saúde e Qualidade de Vida § 4º À Subsecretaria Municipal de Habitação compete elaborar e executar ações
Dayse Ribeiro de desenvolvimento da Política Municipal de Habitação; planejar, promover e editar
Sandro dos Santos Ronquetti
normas e fiscalizá-las; promover ações referentes aos assentamentos de interes-
Diagramador se social; executar outras atividades correlatas, sendo suas atribuições exercidas
Ricardo Torres Homem Secretaria Municipal de Segurança. pelo Subsecretário Municipal de Habitação – Símbolo SSM, e composta por:
Impressão Cel. PM Carlos Alberto Victoriano Guedes I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Habitação – SSM;
4 Pressus Gráfica Ltda - ME II – 01 (um) Superintendente de Administração e de Convênios – SG;
CNPJ nº 04.065.444/0001-66 Secretaria Municipal de Turismo, Lazer, Industria e Comércio
III – 01 (um) Superintendente de Habitação e Interesse Social – SG;
Tiragem Laerte Rocha Ferreira
IV – 01 (um) Superintendente de Planejamento e Organização Urbana – SG;
1.000 exemplares
Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos V – 01 (um) Assessor de Convênios – CC1;
Distribuição Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente
Órgãos públicos municipais VI – 01 (um) Assessor de Habitação – CC1;
Luiz Henrique Coelho Vianna
Chefe do Executivo VII – 01 (um) Assessor de Planejamento e Organização Urbana – CC1;
Ricardo Queiroz ISSM – Instituto de Seguridade Social de Maricá. VIII – 03 (três) Gerentes Executivos – CC2.

www.marica.rj.gov.br Presidente: Uilton Alvarenga § 5º À Subsecretaria Municipal de Energia e Iluminação Pública compete elaborar
e executar o plano municipal de iluminação pública; exercer outras atividades
correlatas; sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Energia
e Iluminação Pública – Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Energia e Iluminação Pública – SSM;

Hospital Municipal Disque Energia II – 01 (um) Superintendente de Iluminação Pública – SG;


III – 02 (dois) Assessores de Projetos – CC1;
(21) 2637-1713 0800 282 1724 IV – 02 (dois) Assessores de Iluminação Pública – CC1;
V – 01 (um) Gerente Executivo de Iluminação Pública – CC2;
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 3
VI – 01 (um) Gerente Executivo de Iluminação de Próprios Municipais – CC2; Instituições a nível Municipal, Estadual e Federal; além de exercer outras atividades correlatas; sendo suas
atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal para Assuntos Institucionais – Símbolo SSM, e será
VII – 01 (um) Assistente Executivo de Projetos – CC3; composta por:
VIII – 02 (dois) Assistentes Executivos de Iluminação Pública – CC3. I – 01 (um) Subsecretário Municipal para Assuntos Institucionais – SSM;
§ 6º À Subsecretaria Municipal de Defesa Civil compete coordenar e executar as ações de defesa civil; II – 01 (um) Assessor – CC1.
assessorar ao Prefeito Municipal no estabelecimento e na execução da Política Municipal de Defesa Civil;
bem como exercer outras atividades correlatas, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário § 12. À Subsecretaria Municipal da Coordenação do Conselho Político compete assessorar ao Prefeito
Municipal de Defesa Civil – SSM, e composta por: Municipal com relação às ações político-administrativas, coordenando o trabalho de criação e manutenção
das atividades do Conselho Político, econômico e social do município bem como exercer outras atividades
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Defesa Civil – SSM; correlatas, sendo exercida pelo Subsecretário Municipal da Coordenação do Conselho Político – Símbolo
II – 02 (dois) Superintendentes – SG; SSM, e será composta por:
III – 05 (cinco) Assessores – CC1; I – 01 (um) Subsecretário Municipal da Coordenação do Conselho Político – SSM;
IV – 16 (dezesseis) Gerentes Executivos – CC2; II – 01 (um) Assessor – CC1.
V – 03 (três) Assistentes Executivos – CC3. § 13. À Subsecretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras compete promover o desenvolvimento
regional, através da elaboração e execução de projetos que visem à integração, o apoio e o aprimoramento
§ 7º À Subsecretaria Municipal de Tecnologia da Informação compete planejar, viabilizar e executar a do trabalho das subprefeituras, bem como executar outras atividades correlatas, sendo exercida pelo
Política de Informatização do Poder Executivo Municipal; desenvolver o Sistema de Informação para todos Subsecretário Municipal de Coordenação das Subprefeituras – Símbolo SSM, e será composta por:
os segmentos da Prefeitura, proporcionando rapidez e transparência à Informação, bem como exercer
outras atividades correlatas, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Tecnologia I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Coordenação das Subprefeituras– SSM;
da Informação – Símbolo SSM, e composta por: II – 05 (cinco) Superintendentes de coordenação distrital – SG;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Tecnologia da Informação – SSM; III – 02 (dois) Superintendentes gerais de apoio institucional – SG;
II – 01 (um) Superintendente de Desenvolvimento de Soluções Corporativas – SG; IV – 07 (sete) Assessores – CC1;
III – 01 (um) Superintendente de Tecnologia em Ambiente Web – SG; V – 14 (quatorze) Subprefeituras; às quais compete o atendimento à população da Região onde estiverem
IV – 01 (um) Superintendente de Infra-estrutura e Suporte Técnico – SG; situadas, de forma descentralizada dos serviços da Prefeitura, funcionando como Centros Administrativos,
Políticos, Culturais, Esportivos, Sociais e Educacionais, e serão administradas por um Superintendente
V – 01 (um) Superintendente de Banco de Dados e Segurança da Informação – SG; Regional – Símbolo SG, sendo cada uma delas composta, respectivamente, por:
VI – 05 (cinco) Gerentes Executivos – CC2; a) 01 (um) Superintendente Regional – SG;
VII – 05 (cinco) Assistentes Executivos – CC3. b) 01 (um) Assessor – CC1.
§ 8º À Subsecretaria Municipal de Relações Internacionais compete assessorar o Prefeito em contatos § 14. As Subprefeituras mencionadas no parágrafo acima serão assim denominadas e distribuídas:
internacionais com Governos e entidades públicas ou privadas; estabelecer e manter relações e parcerias
com organismos internacionais multilaterais, cidades-irmãs do Município de Maricá, entidades voltadas à I – Subprefeitura do Centro 1;
organização de cidades, organizações não governamentais internacionais, representantes diplomáticos de II – Subprefeitura do Centro 2;
Governos, representantes de trabalhadores e de empresários internacionais, empresas internacionais
estabelecidas ou não neste Município, e outras entidades afins; fornecer suporte técnico aos órgãos da III – Subprefeitura de Ponta Negra;
Administração Direta e Indireta do Município de Maricá em contatos internacionais, bem como no desenvol-
vimento e elaboração de convênios e projetos de cooperação internacional, sendo suas atribuições exercidas IV – Subprefeitura de São José;
pelo Subsecretário Municipal de Relações Internacionais – Símbolo SSM, e composta por: V – Subprefeitura de Inoã;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Relações Internacionais – SSM; VI – Subprefeitura de Itaipuaçu;
II – 01 (um) Superintendente Geral – SG; VII – Subprefeitura do Jardim Atlântico;
III – 03 (três) Assessores – CC1; VIII – Subprefeitura do Spar;
IV – 03 (três) Gerentes Executivos – CC2; IX – Subprefeitura de Manoel Ribeiro;
V – 03 (três) Assistentes Executivos – CC3. X – Subprefeitura de Bambuí;
§ 9º À Subsecretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento compete promover ações de XI – Subprefeitura da Barra de Maricá;
desenvolvimento agrícola e pecuário do Município; administrar o Mercado Municipal e desenvolver ações
voltadas para o abastecimento e a segurança alimentar dos munícipes, bem como executar outras ativida- XII – Subprefeitura da Mumbuca;
des correlatas, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Agricultura, Pecuária e XIII – Subprefeitura de Nova Metrópole;
Abastecimento – Símbolo SSM, e composta por:
XIV – Subprefeitura de Ubatiba.
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento – SSM;
§ 15. À Subsecretaria Municipal de Chefia de Gabinete compete providenciar o encaminhamento das
II – 01(um) Assessor de Agricultura – CC1; matérias destinadas à apreciação e decisão do Prefeito, bem como exercer outras funções que lhe forem
III – 01 (um) Assessor de Pecuária – CC1; designadas, sendo suas atribuições exercidas pelos Subsecretário Municipal Chefe de Gabinete - Símbolo
SSM, sendo composta por:
IV – 01 (um) Assessor de Abastecimento e Segurança Alimentar – CC1;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal Chefe de Gabinete – SSM;
V – 01 (um) Gerente Executivo – CC2;
II – 10 (dez) Superintendentes de gabinete – SG;
VI – 01 (um) Assistente Executivo – CC3.
III – 10 (dez) Assessores – CC1.
§ 10. À Subsecretaria Municipal de Pesca compete executar as ações previstas no plano de governo voltado
para o desenvolvimento pesqueiro no Município, bem como executar outras atividades correlatas, sendo § 16. À Subsecretaria Municipal de Infra-estrutura e Atendimento à População compete coordenar o
suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Pesca – Símbolo SSM, e composta por: atendimento à população nas audiências públicas ordinárias e extraordinárias do Prefeito, sendo suas
atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Infra-estrutura e Atendimento à População – Símbolo
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Pesca – SSM; SSM, sendo composta por:
II – 01 (um) Assessor – CC1; I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Infra-estrutura e Atendimento à População – SSM;
III – 01 (um) Gerente Executivo – CC2; II – 02 (dois) Superintendentes – SG;
IV – 01 (um) Assistente Executivo – CC3. III – 05 (cinco) Assessores – CC1.
§ 11. À Subsecretaria Municipal para Assuntos Institucionais compete realizar a interlocução entre as § 17. À Subsecretaria Municipal de Mobilização Social compete acompanhar e organizar as ações popula-
4 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

res, que darão suporte às propostas políticas do governo, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecre- – Símbolo SM.
tário Municipal de Mobilização Social – Símbolo SSM, sendo composta por:
§ 2º São órgãos vinculados à Procuradoria Geral do Município:
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Mobilização Social – SSM;
I – Subprocuradoria Geral do Município;
II – 02 Superintendentes – SG;
II – Subprocuradoria do Administrativo Fiscal;
III – 05 (cinco) Assessores – CC1.
III – Subprocuradoria de Patrimônio e Apoio Jurídico;
§ 18. À Superintendência de Segurança do Prefeito compete coordenar a execução das atividades neces-
sárias à segurança e proteção do Prefeito Municipal, sendo exercida pelos Superintendentes de Segurança IV – Subprocuradoria da Dívida Ativa.
do Prefeito – Símbolo SG, sendo composta por: § 3º À Subprocuradoria Geral do Município, compete providenciar o encaminhamento das matérias destina-
I – 04 (quatro) Superintendentes – SG. das à apreciação e decisão do Procurador Geral; providenciar o encaminhamento dos assuntos de pessoal
e de natureza administrativa recebidos; efetuar a designação de lotação de servidores nos órgãos da
§ 19. À Consultoria Jurídica compete prestar Assessoramento Jurídico ao Município representando-o Procuradoria; assistir ao Procurador Geral nas suas representações funcionais e sociais; bem como
sempre que para tal lhe for outorgado mandado expresso pelo Prefeito; orientar Juridicamente a realização executar outras atividades correlatas, sendo assim composta:
de Processo Administrativo; emitir parecer quando solicitado; examinar previamente Contratos e Convênios
em que o Poder Executivo Municipal seja parte; estudar, interpretar e propor alterações na Legislação I – 01 (um) Subprocurador Geral da Procuradoria – SSM;
Municipal; ingressar em juízo defendendo os interesses do Poder Executivo Municipal, quando determinado II – 01 (um) Assessor da Subprocuradoria Geral – CC1;
pelo Prefeito; coordenar o Serviço de Consultoria; e outras atividades correlatas que lhe forem atribuídas,
sendo exercida pelo Consultor Jurídico – Símbolo SSM, e será composta por: III – 02 (dois) Assistentes Executivos da Subprocuradoria Geral – CC3.

I – 01 (um) Consultor Jurídico – SSM; § 4º À Subprocuradoria do Administrativo Fiscal, compete expedir pareceres; prestar assessoria e consultoria
nas áreas administrativas e tributária, coordenando inclusive as atividades referentes à execução judicial
II – 02 (dois) Assessores – CC1. dos executivos fiscais; bem como exercer outras atividades correlatas, sendo composta por:
SEÇÃO II I – 01 (um) Subprocurador do Administrativo Fiscal – SSM;
Do Gabinete do Vice-Prefeito
II – 01 (um) Assessor Jurídico Tributário – CC1;
Art. 6º Ao Gabinete do Vice-Prefeito compete assistir ao Prefeito no desempenho de suas funções,
substituindo-o em seus eventuais afastamentos; articular as relações entre o Poder Executivo e o Legislativo III – 01 (um) Assessor Jurídico Administrativo – CC1.
no âmbito municipal; executar outras atividades correlatas. § 5º À Subprocuradoria de Patrimônio e Apoio Jurídico, compete expedir pareceres; prestar assessoria e
§ 1º As atribuições do Gabinete do Vice-Prefeito serão exercidas pelos Subsecretários ligados ao Gabinete consultoria nas questões relativas a defesa do patrimônio público; prestar apoio jurídico aos Conselhos
do Vice-Prefeito – Símbolo SSM. Municipais e órgãos do Município, bem como exercer outras atividades correlatas, sendo composta por:

§ 2º São órgãos vinculados ao Gabinete do Vice-Prefeito: I – 01 (um) Subprocurador de Patrimônio e Apoio – SSM;

I – Subsecretaria Municipal Executiva; II – 01 (um) Assessor para as questões relativas ao Patrimônio Municipal – CC1;

II – Subsecretaria Municipal do COMPERJ e CONLESTE; III – 01 (um) Assessor de Apoio Jurídico – CC1.

III – Subsecretaria Municipal de Apoio aos Condomínios. § 6º À Subprocuradoria de Dívida Ativa compete expedir pareceres; prestar assessoria e consultoria na área
da Dívida Ativa, coordenando inclusive as atividades referentes à execução Judicial; bem como exercer
§ 3º À Subsecretaria Municipal Executiva do Gabinete do Vice-Prefeito compete providenciar o encaminha- outras atividades correlatas que lhe forem delegadas; sendo composta por:
mento das matérias destinadas à apreciação do Vice-Prefeito, sendo exercida pelo Subsecretário Municipal
Executivo do Gabinete do Vice-Prefeito, Símbolo SSM, sendo composta por: I – 01 (um) Subprocurador da Dívida Ativa – SSM;

I – 01 (um) Subsecretário Municipal Executivo – SSM; II – 01 (um) Assessor da Dívida Ativa – CC1;

II – 01 (um) Assessor – CC1. III – 01 (um) Gerente Executivo da Dívida Ativa – CC2.

§ 4º À Subsecretaria Municipal do COMPERJ e CONLESTE compete acompanhar as ações envolvendo


assuntos de interesse do Município junto ao COMPERJ e ao CONLESTE, sendo exercida pelo Subsecre- SEÇÃO IV
tário Municipal do COMPERJ e CONLESTE – Símbolo SSM, sendo composta por: Da Secretaria Municipal Executiva
I – 01 (um) Subsecretário Municipal do COMPERJ e CONLESTE – SSM; Art. 8º À Secretaria Municipal Executiva compete assistir ao Prefeito no desempenho de suas atribuições
II – 01 (um) Assessor – CC1; quanto aos assuntos alusivos à coordenação administrativa e aos atos de gestão da Chefia do Poder
Executivo Municipal; articular as relações entre o Poder Público e os órgãos governamentais; administrar o
III – 01 (um) Gerente Executivo – CC2. aeroporto municipal, bem como a coordenação das demais secretarias municipais; coordenar e acompanhar
§ 5º À Subsecretaria Municipal de Apoio aos Condomínios compete desenvolver ações integradas para a execução das diretrizes políticas estabelecidas no plano de governo da administração; bem como executar
otimizar os serviços públicos junto aos condomínios, sendo exercida pelo Subsecretário Municipal de Apoio outras atividades correlatas que lhe forem delegadas.
aos Condomínios – Símbolo SSM, sendo composta por: § 1º As atribuições da Secretaria Municipal Executiva serão exercidas pelo Secretário Municipal Executivo
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Apoio aos Condomínios – SSM; – Símbolo SM.

II – 01 (um) Assessor – CC1; § 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal Executiva:

III – 01 (um) Gerente Executivo – CC2. I – Subsecretaria Municipal Executiva;


II – Subsecretaria Municipal de Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor;

SEÇÃO III III – Subsecretaria Municipal de Assuntos Jurídicos;


Da Procuradoria Geral IV – Subsecretaria Municipal de Controle do Aeroporto;
Art. 7º À Procuradoria Geral do Município cabe: V – Subsecretaria Municipal de Gestão Interna;
I – exercer as funções de consultoria e representação jurídica da administração direta e indireta do Poder VI – Agência de Desenvolvimento Municipal;
Executivo do Município;
VII – Subsecretaria Municipal de Informações Estratégicas e Apoio Logístico.
II – emitir parecer sobre a constitucionalidade e legalidade de proposições e atos administrativos;
§ 3º À Subsecretaria Municipal Executiva compete providenciar o encaminhamento das matérias destinadas
III – realizar estudos visando a adequação da legislação municipal à realidade e às necessidades da à apreciação e decisão do Secretário Municipal Executivo; providenciar o encaminhamento dos assuntos de
administração, bem como o acompanhamento da tramitação de proposições no Legislativo Municipal; pessoal e de natureza administrativa recebidos; efetuar a designação de lotação dos servidores nos órgãos
IV – cobrar amigável ou judicialmente a dívida ativa dos contribuintes para com o Município; da Secretaria; assistir ao Secretário nas suas representações funcionais e sociais, bem como exercer
outras funções que lhe forem delegadas, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal
V – exercer outras atividades correlatas. Executivo – Símbolo SSM, e composta por:
§ 1º As atribuições da Procuradoria Geral do Município serão exercidas pelo Procurador Geral do Município
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 5
I – 01 (um) Subsecretário Municipal Executivo – SSM; I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM;
II – 03 (três) Assessores – CC1. II – 02 (dois) Assessores – CC1.
§ 4º À Subsecretaria Municipal do Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor compete promover
ações de proteção ao consumidor no Município e estabelecer programas e atividades de conscientização
dos Direitos do Consumidor, bem como exercer outras atribuições que lhe forem delegadas, sendo suas SEÇÃO VI
atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal do PROCON – Símbolo SSM, e composta por: Da Secretaria Municipal de Articulação Política

I – 01(um) Subsecretário Municipal do PROCON – SSM; Art. 10. À Secretaria Municipal de Articulação Política compete colaborar com o Chefe do Poder Executivo
no intercâmbio com o Poder Legislativo Municipal, no que tange ao equilíbrio político dos poderes, acompa-
II – 01 (um) Assessor – CC1. nhando a atividade legislativa municipal e a tramitação de todas as proposições, requerimentos, indicações
e encaminhamento de pedidos de informações; promover entendimentos com o Governo do Estado, com a
§ 5º À Subsecretaria Municipal de Assuntos Jurídicos compete subsidiar as ações do Secretário Municipal Assembléia Legislativa, com a Câmara de Deputados, o Senado Federal e o Executivo Federal, e onde
Executivo nas questões de natureza jurídica, bem como exercer outras funções correlatas, sendo suas couber sobre assuntos provenientes da discussão política que se reflitam nos planos e programas de ação
atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Assuntos Jurídicos – Símbolo SSM, e composta por: e metas do Governo Municipal, acompanhando e assessorando os interesses da Administração Municipal;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM; aumentar o número de eleitores no município; promover a articulação do contexto municipal, no sentido de
assegurar a proximidade de interesse comum, para fortalecer as reivindicações junto ao Governo Estadual
II – 01 (um) Assessor – CC1. e Federal no que diz respeito à administração pública; incentivar o intercâmbio e a celebração de convênios,
§ 6º À Subsecretaria Municipal de Controle do Aeroporto compete administrar o Aeroporto Municipal, bem entre municípios, destinados ao estudo e discussão dos problemas administrativos e socioeconômicos,
como exercer outras atribuições correlatas, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal mediante instalação e desenvolvimento de cursos, seminários e simpósios, dando publicidade à determinante
de Controle do Aeroporto – Símbolo SSM, e composta por: coloquial; promover o maior entrosamento entre a Administração Municipal e os órgãos do Governo Estadual
em relação às obras e serviços realizados em conjunto, para, em nível conceitual e institucional, facilitar e
I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM; acelerar o processo operacional da ação, a fim de liberar os administradores dos envolvimentos de interes-
II – 01 (um) Assessor – CC1. ses políticos; manter organizado e atualizado o cadastro dos Prefeitos, Vice-Prefeitos, Presidente de
Câmaras Municipais e Vereadores, bem como dos Municípios pertencentes ao CONLESTE e ao COMPERJ
§ 7º À Subsecretaria Municipal de Gestão Interna compete encaminhar e acompanhar todas as publicações com dados pessoais e socioeconômicos fornecidos pelas entidades representativas dos municípios e do
oficiais do Governo, bem como exercer outras funções correlatas, sendo suas atribuições exercidas pelo Complexo; cadastrar informações sobre todos os órgãos governamentais sediados no município de Maricá,
Subsecretário Municipal de Administração – Símbolo SSM, e composta por: na Capital e nos Municípios do CONLESTE mantendo informações que possam favorecer a Prefeitura, no
campo social, econômico e jurídico; coordenar a análise política da ação governamental bem como de
I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM;
assuntos políticos e partidários; colaborar na manutenção da unidade de visão e ação política do governo;
II – 01 Assessor – CC1. bem como desempenhar outras atividades correlatas.
§ 8º À Agência de Desenvolvimento Municipal compete implementar as políticas públicas voltadas para o § 1º Às atribuições da Secretaria Municipal de Articulação Política serão exercidas pelo Secretário Municipal
desenvolvimento e integração do Município, bem como exercer outras funções correlatas, sendo suas de Articulação Política – Símbolo SM.
atribuições exercidas pelos Superintendentes – Símbolo SG, e composta por:
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Articulação Política:
I – 04 (quatro) Superintendentes – SG.
I – Subsecretaria Municipal para Assuntos Políticos Municipais;
§ 9º À Subsecretaria Municipal de Informações Estratégicas e Apoio Logístico cabe assessorar o Secretário
II – Subsecretaria Municipal para Assuntos Políticos da Federação.
na obtenção de informações estratégicas e organizar a logística de apoio os órgãos da administração
municipal, de modo a tornar mais ágeis as decisões e melhorar o desempenho de todo o governo, sendo suas § 3º À Subsecretaria Municipal para Assuntos Políticos Municipais compete, coordenar as ações adminis-
atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Informações Estratégicas e Apoio Logístico – Sím- trativas e operacionais decorrentes das atribuições do Secretário de Articulação Política; substituir o
bolo SSM, sendo composta por: Secretário nas suas atribuições quando do seu impedimento; elaborar a agenda do Secretário adequando-a
as necessidades deste no cumprimento de suas funções junto ao Legislativo Municipal; criar projetos da
I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM;
Secretaria, elaborar todos os projetos de lei de competência exclusiva do Poder Executivo, consolidar a
II – 01 (um) Assessor – CC1. legislação municipal e promover a digitalização do conjunto de leis do Município, assim como todos os atos
normativos e regulamentares inerentes à legislação municipal, bem como auxiliar ao Gabinete do Secretário
na consecução das mais diversas ações, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal
SEÇÃO V para Assuntos Políticos Municipais – Símbolo SSM e composta por:
Da Secretaria Municipal de Gestão das Metas de Governo I – 01 (um) Subsecretário Municipal para Assuntos Políticos Municipais – SSM;
Art. 9º À Secretaria Municipal de Gestão das Metas de Governo compete coordenar e acompanhar a II – 01 (um) Assessor – CC1.
execução dos projetos estabelecidos no Plano de Metas do Governo Municipal; estabelecer estratégias com
vistas a alcançar as metas de governo, participando, junto com as Secretarias Municipais, da organização § 4º À Subsecretaria Municipal para Assuntos Políticos da Federação compete, coordenar as ações
de cronogramas, estabelecendo prioridades, identificando as dificuldades e contribuindo para solucioná-las; administrativas e operacionais decorrentes das atribuições do Secretario no que diz respeito às relações
viabilizar a inter-relação entre as diversas Secretarias envolvidas nas Metas do Governo; desenvolver ações com outros entes da federação e com o COMPERJ; substituir o Secretário nas suas atribuições quando do
que proporcionem ampla divulgação, discussão e avaliação dos projetos apresentados no Programa de seu impedimento; elaborar a agenda do Secretario adequando-a às necessidades deste no cumprimento de
Metas do Governo, buscando o seu aprimoramento através da Participação Popular; aperfeiçoar, treinar e suas funções exceto no que diga respeito ao Legislativo Municipal; criar projetos da secretaria, bem como
avaliar os gestores e as metas do Governo, bem como executar outras atividades correlatas. auxiliar ao gabinete do Secretario na consecução das mais diversas ações; esta Subsecretaria Municipal
também é responsável por manter organizado e atualizado o cadastro dos Prefeitos, Vice-Prefeitos,
§ 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Gestão das Metas de Governo serão exercidas pelo Presidente de Câmaras Municipais e Vereadores, dos Municípios pertencentes ao CONLESTE bem como
Secretário Municipal de Gestão das Metas de Governo – Símbolo SM. do COMPERJ, com dados pessoais e socioeconômicos fornecidos pelas entidades representativas dos
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Gestão das Metas de Governo: municípios e do Complexo, bem como as informações sobre todos os órgãos governamentais sediados no
município de Maricá, na Capital e nos Municípios do CONLESTE mantendo informações que possam
I – Subsecretaria Municipal para Monitoramento de Projetos e Planejamento Estratégico; favorecer a Prefeitura, no campo social, econômico e jurídico, sendo suas atribuições exercidas pelo
II – Subsecretaria Municipal de Treinamento e Avaliação dos Gestores. Subsecretário Municipal para Assuntos Políticos da Federação – Símbolo SSM e composta por:

§ 3º À Subsecretaria Municipal de Monitoramento de Projetos compete acompanhar a execução dos I – 01 (um) Subsecretário Municipal para Assuntos Políticos da Federação – SSM;
projetos estabelecidos no Plano de Metas do Governo, bem como exercer outras funções correlatas, sendo II – 02 (dois) Assessores – CC1.
suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal – Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM;
SEÇÃO VII
II – 01 (um) Assessor – CC1. Da Secretaria Municipal de Assuntos Federativos
§ 4º À Subsecretaria Municipal de Treinamento e Avaliação dos Gestores compete desenvolver ações com Art. 11. À Secretaria Municipal de Assuntos Federativos compete articular com as demais Secretarias no
vistas à capacitação e treinamento dos gestores e avaliação no desempenho das funções relacionadas às que concerne à execução de projetos especiais que visem à captação de recursos externos, oriundos de
Metas de Governo, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal – Símbolo SSM, e
composta por:
6 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

programas federais, emendas parlamentares, para atender a demanda de desenvolvimento do Município de voltados para a Segurança Pública, principalmente através de parcerias com a SENASP; coordenar as
Maricá. atividades da Guarda Municipal; fomentar a participação da comunidade na formulação e aplicação das
políticas de segurança; implementar programas de capacitação e qualificação de pessoal; fiscalizar a gestão
§ 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Assuntos Federativos serão exercidas pelo Secretário de recursos humanos e administrativo-financeiro conforme a legislação em vigor; exercer outras atividades
Municipal de Assuntos Federativos – Símbolo SM. correlatas.
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Assuntos Federativos: § 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Segurança serão exercidas pelo Secretário Municipal de
I – Subsecretaria Municipal de Assuntos Federativos; Segurança – Símbolo SM.
II – Subsecretaria Municipal de Projetos Especiais. § 2º São órgãos vinculados à Secretária de Segurança:
§ 1º À Subsecretária de Assuntos Federativos compete negociar, acompanhar e reformatar, se preciso, I – Superintendência da Guarda Municipal;
todos os projetos em Brasília; executar outras atividades correlatas que lhe forem delegadas, sendo suas II – Superintendência de Direitos Humanos e Cidadania;
atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Assuntos Federativos – Símbolo SSM, e composta
por: III – Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM; § 3º A Superintendência da Guarda Municipal tem por finalidade planejar, projetar e regulamentar o trânsito
de veículos, motorizados ou não, de pedestres e de animais; realizar controle sobre transporte e tráfego no
II – 01 (um) Assessor Político – CC1. Município; realizar levantamentos estatísticos, criar e administrar banco de dados com informações, obtidas
§ 2º À Subsecretaria Municipal de Projetos Especiais compete elaborar e encaminhar propostas e projetos pela fiscalização, controle, avaliação, pesquisas e estatísticas e outros elementos úteis à consecução de
de cunho estratégico para o Município, principalmente projetos para os canais de financiamento externo; seus objetivos; implantar, manter e operar o sistema de sinalização, os dispositivos e equipamento de
dialogar diretamente com representantes escolhidos em cada Secretaria que irão compor grupos de discus- controle viário; fiscalizar o cumprimento das normas nacionais, especialmente a contida no art. 24 do Código
são e trabalho; elaborar diagnósticos e um banco de projetos recebendo propostas e sugestões da adminis- de Trânsito Brasileiro, aplicando as penalidades e arrecadando as multas nele previstas; desenvolver
tração municipal, ONGS e da sociedade civil; acompanhar junto dos demais órgãos e entidades as programas e promover a educação para o trânsito; articular com as áreas de educação públicas e privadas
propostas e encaminhamentos realizados; sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal para a promoção da educação no trânsito; realizar operações de fiscalização de trânsito e transportes dentro
de Projetos Especiais – Símbolo SSM, e composta por: do Município; supervisionar a atuação dos fiscais de trânsito e coordenar a aplicação de penalidades a
condutores; administrar pátios para guarda de veículos apreendidos; promover cobrança de diárias devidas
I – 0l (um) Subsecretário Municipal – SSM; pelo uso do espaço público nos pátios de veículos; preservar os veículos colocados sob sua guarda;
II – 01 (um) Superintendente – SG; fiscalizar as atividades dos agentes de trânsito do Município; arrecadar os valores de estada e remoção de
veículos de carga superdimensionados ou perigosas; preservar todo o patrimônio público municipal sob sua
III – 02 (dois) Assessores – CC1; responsabilidade; auxiliar os Órgãos de Segurança Pública em suas missões constitucionais; efetuar a
IV – 01 (um) Assessor Especial de Gabinete do Secretário – CC1; guarda e conservação dos logradouros públicos; Suas atividades serão exercidas pelo Superintende da
Guarda Municipal – Símbolo SG, sendo composta por:
V – 01 (um) Assessor Contábil – CC1;
I – 01 (um) Superintendente Comandante da Guarda Municipal – SG;
VI – 01 (um) Assessor Especial de Projetos – CC1;
II – 01 (um) Assessor de Operações – CC1;
VII - 01 (um) Gerente de Relatoria de Projetos – CC2;
III – 01 (um) Assessor Administrativo – CC1;
VII – 01 (um) Assistente de Documentação – CC3;
IV – 01 (um) Gerente de Operações – CC2;
VIII – 01 (um) Assistente Técnico – CC3;
V – 01 (um) Gerente Administrativo CC2;
IX – 01 Assistente Administrativo – CC3.
VI – 01 (um) Assistente Executivo de Planejamento Operacional – CC3;
VII – 01 (um) Assistente Executivo de Inteligência – CC3;
SEÇÃO VIII
Secretaria Municipal de Controle Interno e Fiscalização VIII – 01 (um) Assistente Executivo de Inspetoria – CC3;

Art. 12. À Secretaria Municipal de Controle Interno e Fiscalização compete acompanhar e fiscalizar a gestão IX – 01 (um) Assistente Executivo de Recursos Humanos – CC3;
administrativa e financeira dos órgãos da administração direta; prestar as informações necessárias aos X – 01 (um) Assistente Executivo de Logística – CC3.
organismos de controle fiscal e financeiro do Estado e da União; executar e controlar a gestão orçamentária
e fiscal do Município; fazer o acompanhamento da Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF; bem como § 4º A Superintendência de Direitos Humanos e Cidadania tem por finalidade prestar assessoria direta e
executar outras atividades correlatas que lhe forem delegadas. imediata ao Secretário Municipal de Segurança do Município, na formulação de políticas e diretrizes voltadas
à promoção dos direitos da cidadania, da criança, do adolescente, do idoso e das minorias e à defesa dos
§ 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Controle Interno e Fiscalização serão exercidas pelo direitos das pessoas portadoras de deficiência e promoção de sua integração à vida comunitária; promover
Secretário Municipal de Controle Interno e Fiscalização – Símbolo SM. os direitos humanos e cidadania, em articulação com os Órgãos e entidade da administração federal e
§ 2º Vinculado à Secretaria Municipal de Controle Interno e Fiscalização há a Subsecretaria Municipal de estadual, bem como com entidades não governamentais; articular iniciativas e apoiar projetos voltados para
Controle Interno. a proteção e promoção dos direitos humanos em âmbito municipal; criar um canal de comunicação entre a
Secretaria Municipal de Segurança Pública com a cidadania e a comunidade. Suas atividades serão
§ 3º À Subsecretaria Municipal de Controle Interno compete assistir o Secretário em todas as suas funções, exercidas pelo Superintendente de Direitos Humanos e Cidadania – Símbolo SG, sendo composta por:
sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Controle Interno – Símbolo SSM, e
composta por: I – 01 (um) Superintendente de Direitos Humanos e Cidadania – SG;

I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM; II – 01 (um) Assessor de Ouvidoria – CC1;

II – 01 (um) Assessor de Gabinete – CC1; III – 01 (um) Assessor de Comunicação Social – CC1;

III – 01 (um) Assessor Geral – CC1; IV – 01 (um) Assessor de Programa Especial – CC1.

IV – 01 (um) Assessor de Saúde – CC1; § 5º A Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico tem por finalidade prestar assessoramento
ao Secretário nos assuntos ligados à pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Suas atividades serão
V – 01 (um) Assessor de Licitação – CC1; exercidas pelo Assessor de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico – Símbolo CC1, sendo composta por:
VI – 01 (um) Assessor de Educação – CC1. I – 01 (um) Assessor de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico – CC1;

SEÇÃO IX SEÇÃO X
Da Secretaria Municipal de Segurança Pública com Cidadania Da Ouvidoria Municipal
Art. 13. A Secretaria Municipal de Segurança Pública com Cidadania tem como atribuições assessorar o Art. 14. À Ouvidoria Municipal compete acolher as demandas dos munícipes, encaminhar aos órgãos
Governo Municipal em tudo que diz respeito à segurança pública, conforme o previsto no artigo 144 da C.F. competentes e acompanhar as providências adotadas, dando ciência aos requerentes, bem como desempe-
e na elaboração das políticas e diretrizes no campo da Segurança Pública com Cidadania do Município; nhar outras atividades correlatas.
viabilizar o entrosamento do Poder Público Municipal com os Órgãos de Segurança Pública de outros níveis
federativos que atuem no Município; auxiliar a obtenção de linhas de créditos específicos para programa § 1º As atribuições da Ouvidoria Municipal serão exercidas pelo Ouvidor – Símbolo SM.
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 7
§ 2º A Ouvidoria Municipal é constituída dos seguintes cargos: § 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Administração serão exercidas pelo Secretário Municipal de
Administração – Símbolo SM.
I – 01 (um) Assessor de Atendimento via telefone – CC1;
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Administração:
II – 01 (um) Assessor de Atendimento via internet – CC1;
I – Subsecretaria Municipal de Gestão de Pessoas e Recursos Humanos;
III – 01 (um) Assessor de Atendimento em balcão – CC1;
II – Subsecretaria Municipal de Gestão de Bens Públicos;
IV – 01 (um) Assessor de Atendimento externo – CC1;
III – Superintendência do Almoxarifado Central;
V – 01 (um) Assessor de Relatórios – CC1;
IV – Assessoria de Gabinete.
VI – 01 (um) Assessor Especial – CC1.
§ 3º À Subsecretaria Municipal de Gestão de Pessoas e Recursos Humanos compete à administração e
controle de pessoal do Poder Executivo, articulando-se com as demais Secretarias; exercendo a coordena-
SEÇÃO XI ção do sistema de admissão e demissão, do recrutamento quando necessário, da educação corporativa, do
Da Secretaria Municipal de Fazenda acompanhamento da aplicabilidade da legislação no que concerne ao servidor público municipal, efetuando
os registros funcionais necessários a confecção da folha de pagamento, sendo suas atribuições exercidas
Art. 15. À Secretaria Municipal de Fazenda compete executar as atividades relativas aos assuntos fiscais pelo Subsecretaria Municipal de Gestão de Pessoas e Recursos Humanos - Símbolo SSM, e composta por:
e financeiros do Município; lançando, arrecadando e controlando os tributos e as receitas transferidas;
executar a inscrição da Divida Ativa, providenciando sua arrecadação; exercer a fiscalização tributária; I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM;
processar a despesa pública, executando a contabilização orçamentária, financeira e patrimonial, bem como II – 01 (um) Assessor – CC1.
desempenhar outras atividades correlatas.
§ 4º À Subsecretaria Municipal de Gestão de Bens Públicos compete a administração e o controle dos bens
§ 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Fazenda serão exercidas pelo Secretário Municipal de patrimoniais do Poder Executivo; do patrimônio imobiliário, da atualização do inventário dos bens móveis e
Fazenda – Símbolo SM. imóveis, dos materiais constantes no almoxarifado, do gerenciamento dos veículos da prefeitura, bem como
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Fazenda: executar outras atividades correlatas que lhe forem delegadas; sendo suas atribuições exercidas pelo
Subsecretaria Municipal de Gestão de Bens Públicos – Símbolo SSM, e composta por:
I – Subsecretaria Municipal de Tributos;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Gestão de Bens Públicos – SSM;
II – Subsecretaria Municipal do Tesouro.
II – 01 (um) Assessor – CC1.
§ 5º À Superintendência do Almoxarifado Central, compete à administração e o controle do movimento do
§ 3º À Subsecretaria Municipal de Tributos compete coordenar e controlar as atividades sob a responsabi- material existente no almoxarifado central e a organização do Cadastro Geral de Fornecedores, sendo suas
lidade dos Departamentos de Receitas; de Tributos; e de Fiscalização, sendo suas atribuições exercidas atribuições exercidas pelo Superintendente do Almoxarifado Central – Símbolo SG, e composta por:
pelo Subsecretário Municipal de Tributos – Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Superintendente – SG;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Tributos – SSM;
II – 01 (um) Assessor – CC1.
II – 01 (um) Assessor – CC1.
§ 6º À Assessoria de Gabinete da Secretária de Administração compete o controle da agenda e compromis-
§ 4º À Subsecretaria Municipal do Tesouro compete coordenar e controlar as atividades sob a responsabi- sos do Secretário, o encaminhamento das matérias destinadas à apreciação e decisão do Secretário, o
lidade dos Departamentos de Finanças e de Contabilidade, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecre- controle do fluxo e agilização dos documentos circulantes na Secretaria, a elaboração de ofícios e documen-
tário Municipal do Tesouro – Símbolo SSM, e composta por: tos em geral; o controle da limpeza e manutenção do edifício sede, a observância do bom andamento das
I – 01 (um) Subsecretário Municipal do Tesouro – SSM; atividades do Protocolo de Processos e Arquivo Geral e do Núcleo de Telefonia, bem como executar outras
atividades correlatas que lhe forem delegadas, sendo suas atribuições exercidas pelo Assessor de Gabinete
II – 01 (um) Assessor – CC1. do Secretário Municipal de Administração – Símbolo CC1, e composta por:
I – 01 (um) Assessor de Gabinete – CC1.
SEÇÃO XII
Da Secretaria Municipal de Planejamento
SEÇÃO XIV
Art. 16. À Secretaria Municipal de Planejamento compete elaborar, em coordenação com os demais órgãos Da Secretaria Municipal do Ambiente e Urbanismo
e entidades da administração pública municipal as Diretrizes Orçamentárias, de acordo com as políticas
estabelecidas pelo Executivo Municipal, assim como acompanhar a sua execução; exercer o controle Art. 18. À Secretaria Municipal do Ambiente e Urbanismo compete planejar, promover, editar e fiscalizar as
orçamentário municipal através do acompanhamento físico-financeiro das receitas e despesas; promover a normas referentes ao Ambiente; planejar e promover ações de desenvolvimento Urbano; exercer outras
participação da população no processo de planejamento e construção dos orçamentos, através da realização atividades correlatas.
de Audiências Públicas periódicas, bem como executar outras atividades correlatas. § 1º As atribuições da Secretaria Municipal do Ambiente e Urbanismo são exercidas pelo Secretário
§ 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Planejamento serão exercidas pelo Secretário Municipal de Municipal do Ambiente e Urbanismo – Símbolo SM.
Planejamento – Símbolo SM. § 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal do Ambiente e Urbanismo:
§ 2º Vinculado à Secretaria Municipal de Planejamento há a Subsecretaria Municipal de Planejamento. I – Subsecretaria Municipal de Gabinete;
§ 3º À Subsecretaria Municipal de Planejamento compete coordenar, acompanhar e avaliar a elaboração do II – Subsecretaria Municipal de Planejamento Urbano;
planejamento orçamentário do município; coordenar, analisar e prestar orientação a todos os órgãos da
administração pública municipal, quando da elaboração das Propostas Orçamentárias; controlar a Execução III – Subsecretaria Municipal de Conservação e Recuperação Ambiental;
Orçamentária das receitas e despesas, informando através de Relatórios Gerenciais a sua evolução em IV – Subsecretaria Municipal de Gestão Ambiental;
comparação às metas estabelecidas, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de
Planejamento – Símbolo SSM, e composta por: V – Subsecretaria Municipal de Programas Ambientais;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal – SSM; VI – Coordenadoria Integrada de Combate a Crimes Ambientais;
II – 02 (dois) Assessores – CC1. VI – Assessoria Jurídica;
VII – Diretoria de Administração e Finanças;
SEÇÃO XIII VIII – Diretoria Especial de Recursos Hídricos.
Da Secretaria Municipal de Administração
§ 3º À Subsecretaria Municipal de Gabinete compete assessorar a Secretaria e fazer a articulação institucional
Art. 17. À Secretaria Municipal de Administração compete a centralização do Sistema de Gestão de com o Conselho de Meio Ambiente e com o Conselho Municipal da Cidade, sendo suas atribuições exercidas
Pessoas e Recursos Humanos, de Patrimônio Público (bens móveis e imóveis), de Protocolo de Processos pelo Subsecretário Municipal de Gabinete – Símbolo SSM, e composta por:
e Arquivo Geral (recebimento, andamento e arquivamento de processos), da Limpeza, Manutenção, Conser-
vação e Segurança do Edifício sede e dos demais prédios municipais, do Serviço de Telefonia, do Cadastro I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Gabinete – SSM;
de Fornecedores, do gerenciamento dos veículos da prefeitura, assim como o assessoramento aos demais II – 01 (um) Assessor – CC1.
órgãos da Prefeitura quanto aos assuntos pertinentes a administração.
8 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

§ 4º À Subsecretaria Municipal de Planejamento Urbano compete á responsabilidade pelo controle, ocupa- § 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Assistência Social, Cidadania e Participação Popular serão
ção e o uso do solo, orientando a população; realizar o planejamento urbano; formular leis e fiscalizar o seu exercidas pelo Secretário Municipal de Assistência Social, Cidadania e Participação Popular – Símbolo SM.
cumprimento, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Planejamento Urbano –
Símbolo SSM, e composta por: § 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Assistência Social, Cidadania e Participação Popular:

I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Planejamento Urbano – SSM; I – Subsecretaria Municipal Executiva;

II – 02 (dois) Assessores – CC1. II – Subsecretaria Municipal de Participação Popular;

§ 5º À Subsecretaria Municipal de Conservação e Recuperação Ambiental compete conservar e recuperar III – Subsecretaria Municipal de Assistência Social;
o Meio Ambiente através de obras e reflorestamentos, também tendo como prioridade o saneamento da IV – Subsecretaria Municipal de Políticas para o Idoso;
cidade, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Conservação e Recuperação
Ambiental – Símbolo SSM, e composta por: V – Subsecretaria Municipal de Políticas da Diversidade Racial;

I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Conservação e Recuperação Ambiental – SSM; VI – Subsecretaria Municipal de Cooperativismo e Economia Solidária;

II – 02 (dois) Assessores – CC1. VII – Subsecretaria Municipal de Políticas para o Deficiente;

§ 6º À Subsecretaria Municipal de Gestão Ambiental compete responsabilizar-se pelo licenciamento ambiental VIII – Subsecretaria Municipal de Políticas para as Mulheres;
e licenciamento das obras, bem como a sua fiscalização; tratar dos resíduos sólidos identificando a maneira IX – Subsecretária de Políticas da Sexualidade;
ambientalmente correta para tratar do lixo da cidade, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário
Municipal de Gestão Ambiental – Símbolo SSM, e composta por: X – Subsecretaria Municipal de Políticas da Diversidade Religiosa;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Gestão Ambiental – SSM; XI – Subsecretaria Municipal de Programas de Transferência de Renda;
III – 03 (três) Assessores – CC1. XII – Assessoria para Projetos Especiais;
§ 7º À Subsecretaria Municipal de Programas Ambientais compete ser responsável pelo mais importante XIII – Assessoria Especial da Infância e Juventude;
compromisso sócio-ambiental em prol do desenvolvimento sustentável firmado na convenção da ONU Rio- XIV – Subsecretaria Municipal de Prevenção e Combate à Dependência Química.
92, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Programas Ambientais – Símbolo
SSM, e composta por: § 3º À Subsecretaria Municipal Executiva compete a Gestão Administrativa de Recursos Materiais e
Pessoal, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal Executivo – Símbolo SSM, e
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Programas Ambientais – SSM; composta por:
II – 01 (um) Assessor – CC1; I – 01 (um) Subsecretário Municipal Executivo – SSM;
III – 01 (um) Gerente Executivo – CC2. II – 01 (um) Assessor – CC1.
§ 8º À Coordenadoria Integrada de Combate a Crimes Ambientais compete à responsabilidade pela ação § 4º À Subsecretaria Municipal de Participação Popular compete o fomento à mobilização popular e
integrada com demais órgãos ambientais que possibilitem a intervenção antecipada, com o objetivo de coibir participação política, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Participação Popu-
e dissuadir ações que representem ameaças ao meio ambiente, sendo composta por: lar – Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Superintendente – SG. I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Participação Popular – SSM;
§ 9º À Assessoria Jurídica compete à responsabilidade pela aprovação dos pareceres sobre os licenciamentos II – 01 (um) Assessor – CC1.
ambientais e de obras efetuados pela Secretaria Municipal do Ambiente e Urbanismo, sendo composta por:
§ 5º À Subsecretaria Municipal de Assistência Social compete á promoção de políticas públicas de
I – 01 (um) Superintendente – SG; assistência e proteção social, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Assistência
II – 01 (um) Assessor – CC1. Social – Símbolo SSM, e composta por:
§ 10. À Diretoria de Administração e Finanças compete a responsabilidade pela administração do orçamento I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Assistência Social – SSM;
da Secretaria, bem como do Fundo Municipal de Conservação Ambiental criado pelo art. 334 da LOM, sendo II – 01 (um) Assessor – CC1.
composta por:
§ 6º À Subsecretaria Municipal de Políticas para o Idoso compete o desenvolvimento de programas e ações
I – 01 (um) Superintendente – SG; de atenção à Terceira Idade, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Políticas
II – 01 (um) Assessor – CC1. para o Idoso – Símbolo SSM, e composta por:
§ 11. À Diretoria Especial de recursos Hídricos compete a responsabilidade por todas as ações que I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Políticas para o Idoso – SSM;
envolvem os recursos hídricos de Maricá, criando condições do abastecimento próprio de água para a II – 01 (um) Assessor – CC1.
Cidade, sendo composta por:
§ 7º À Subsecretaria Municipal de Políticas da Diversidade Racial compete o desenvolvimento de progra-
I – 01 (um) Superintendente – SG; mas e ações para a promoção da igualdade racial, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário
II – 01 (um) Assessor – CC1. Municipal de Políticas da Diversidade Racial – Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Políticas da Diversidade Racial – SSM;
SEÇÃO XV II – 01 (um) Assessor – CC1.
Da Secretaria Municipal de Assistência Social, Cidadania e Participação Popular § 8º À Subsecretaria Municipal de Cooperativismo e Economia Solidária compete o fomento às práticas de
Art. 19. À Secretaria Municipal de Assistência Social, Cidadania e Participação Popular compete a economia solidária, cooperativismo e autogestão, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário
efetivação da assistência social como política pública de garantia de direitos de prevenção e proteção social Municipal de Cooperativismo e Economia Solidária – Símbolo SSM e composta por:
ao cidadão, além do desenvolvimento das atividades econômicas do Município, incumbindo-lhe: subsidiar o I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Cooperativismo e Economia Solidária – SSM;
Poder Executivo Municipal na formulação e implementação de políticas sociais, e da Política Municipal de
Defesa Social; promover ações sócio-assistenciais de proteção social básica e de proteção social especial II – 01 (um) Assessor – CC1.
de média e alta complexidade; assegurar à criança e ao adolescente em situação de risco pessoal e social
§ 9º À Subsecretaria Municipal de Políticas para o Deficiente compete o desenvolvimento de programas e
os serviços de proteção, prevenção e medidas sócio-educativas; desenvolver ações e programas dirigidos
ações de atenção ao portador de deficiência, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal
à promoção da cidadania, especialmente quanto às minorias sociais e étnicas, às pessoas com deficiência,
de Políticas para o Deficiente – Símbolo SSM, e composta por:
ao idoso e à mulher; desenvolver ações que visem fomentar o trabalho, o emprego e a renda no município,
bem como promover, direta ou indiretamente, a qualificação profissional dos trabalhadores; assegurar a I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Políticas para o Deficiente – SSM;
manutenção e funcionamento dos Conselhos Municipais de Assistência Social, de Direitos da Criança e do
Adolescente, da Pessoa Idosa, Tutelares e outros que vierem a se formar, relacionados à questão social; II – 01 (um) Assessor – CC1.
gerir recursos do Fundo de Assistência Social nos termos da legislação vigente; incentivo às práticas de § 10. À Subsecretaria Municipal de Políticas para as Mulheres compete à formulação, coordenação e
economia solidária diversas, organizadas sob forma de cooperativas, associações, clubes de troca, empre- articulação de políticas para as mulheres, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de
sas autogestionárias e redes de cooperação; estímulo à mobilização popular e formação política através do Políticas para as Mulheres – Símbolo SSM, e composta por:
fomento à criação de associações de moradores, sindicatos e cooperativas que orientem as comunidades
sobre os direitos do cidadão, bem como executar outras atividades correlatas.
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 9
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Políticas para as Mulheres – SSM; o Secretário Municipal de Educação, pela formação das relações com as diversas Secretarias Municipais,
objetivando a integração das mesmas para a realização das metas da “Cidade Educadora”, sendo suas
II – 01 (um) Assessor – CC1. atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal da Cidade Educadora – Símbolo SSM, e composta por:
§ 11. À Subsecretaria Municipal de Políticas da Sexualidade compete a elaboração de programas e ações I – 01 (um) Subsecretário Municipal da Cidade Educadora – SSM;
de garantia ao direito à diversidade sexual, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal
de Políticas da Sexualidade – Símbolo SSM, e composta por: II – 01 (um) Assessor – CC1;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Políticas da Sexualidade – SSM; III – 06 (seis) Assistentes Executivos – CC3.
II – 01 Assessor – CC1. § 5º À Subsecretaria Municipal de Gabinete compete representar o Secretário quando de sua ausência ou
sua impossibilidade de comparecimento aos compromissos fora da Secretaria, bem como colaborar com a
§ 12. À Subsecretaria Municipal de Políticas da Diversidade Religiosa compete à elaboração de programas inter-relação com os demais órgãos da Secretaria, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário
e ações de garantia à diversidade de manifestações religiosas, sendo suas atribuições exercidas pelo Municipal de Gabinete – Símbolo SSM, e composta por:
Subsecretário Municipal de Políticas da Diversidade Religiosa – Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Gabinete – SSM;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Políticas da Diversidade Religiosa – SSM;
II – 01 (um) Superintendente da Educação Profissionalizante – SG.
II – 01 (um) Assessor – CC1.
§ 6º À Subsecretaria Municipal de Ciência, Tecnologia, Programas e Projetos Especiais, compete a
§ 13. À Subsecretaria Municipal de Programas de Transferência de Renda compete à coordenação de elaboração de projetos que possibilitem a obtenção de recursos necessários à execução de programas e o
programas de renda mínima, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Programas desenvolvimento da ciência e da tecnologia no nível da Educação do Município, através de convênios com
de Transferência de Renda – Símbolo SSM, e composta por: instituições públicas e privadas, inclusive visando um melhor gerenciamento do processo educacional,
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Programas de Transferência de Renda – SSM; sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Ciência, Tecnologia, Programas e Proje-
tos Especiais – Símbolo SSM, e composta por:
II – 01 (um) Assessor – CC1.
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Ciência, Tecnologia, Programas e Projetos Especiais – SSM;
§ 14. À Assessoria para Projetos Especiais compete elaborar programas e projetos de captação de
recursos, sendo exercida pelo Assessor para Projetos Especiais, Símbolo CC1, sendo composta por: II – 02 (dois) Assessores – CC1;
I – 01 (um) Assessor para Projetos Especiais – CC1. III – 04 (quatro) Assistentes Executivos – CC3.
§ 15. À Assessoria Especial da Infância e Juventude compete desenvolver programas e ações de Atenção § 7º À Subsecretaria Municipal de Administração, Planejamento e Finanças, compete a responsabilidade
à Criança e ao Adolescente, sendo composta por: pela gestão de pessoal, assim como pelo zelo com o seu patrimônio; cuidar da administração da merenda
escolar; administrar suas finanças; sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de
Administração, Planejamento e Finanças – Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Assessor Especial da Infância e Juventude – CC1. I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Administração, Planejamento e Finanças – SSM;
§ 16. À Subsecretaria Municipal de Prevenção e Combate à Dependência Química compete articular e II – 02 (dois) Assessores – CC1;
coordenar as atividades de prevenção do uso indevido, a atenção e a reinserção social de usuários e
dependentes químicos, sendo composta por: III – 06 (seis) Assistentes Executivos – CC3.

I – 01 (um) Subsecretário de Prevenção e Combate à Dependência Química – SSM; SEÇÃO XVII


Da Secretaria Municipal de Cultura
II – 01 (um) Assessor Especial de Prevenção e Combate à Dependência Química – CC1.
Art. 21. À Secretaria Municipal de Cultura compete planejar, normatizar, coordenar, executar e avaliar a
política cultural no âmbito do Município, compreendendo o amparo à cultura, a promoção, documentação e
SEÇÃO XVI difusão das atividades artísticas e culturais, a intensificação do desenvolvimento da cultura a fim de
Da Secretaria Municipal de Educação possibilitar o acesso de todas as camadas da população aos bens culturais, a promoção e a educação para
a cultura, e a defesa do patrimônio histórico e cultural material e imaterial de Maricá: arqueológico, etnográfico,
Art. 20. À Secretaria Municipal de Educação compete promover o pleno desenvolvimento da pessoa e a arquitetônico, documental, artístico e popular. São instrumentos desta Secretaria: projetos, relatórios,
formação do cidadão, através do ensino; elaborar e executar um projeto educacional que dote nossa infância correspondências, propostas de espetáculos, programação, pesquisas, material de divulgação, obras,
e juventude de uma atitude crítica diante da vida, transformando a escola em um espaço de construção do formulação de editais públicos e concursos e o estudo e a proposição de convênios com entidades públicas
conhecimento e de reconstrução da vida e da história do povo do Município, através do enriquecimento do e privadas para a implantação de programas especiais de cultura; exercer outras atividades correlatas.
currículo escolar; implantar um novo projeto de escola e educação, tendo como inspiração o conceito de
tempo integral; firmar convênios com instituições federais e estaduais para o desenvolvimento do ensino § 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Cultura serão exercidas pelo Secretário Municipal de Cultura
técnico em Maricá; exercer outras atividades correlatas. – Símbolo SM.

§ 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Educação serão exercidas pelo Secretário Municipal de § 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Cultura:
Educação – Símbolo SM. I – Subsecretaria Municipal de Produção de Eventos;
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Educação: II – Subsecretaria Municipal de Administração Cultural;
I – Subsecretaria Municipal de Desenvolvimento da Educação Básica; III – Subsecretaria Municipal de Planejamento Estratégico em Cultura;
II – Subsecretaria Municipal da Cidade Educadora; IV – Subsecretaria Municipal de Difusão Cultural.
III – Subsecretaria Municipal de Gabinete; § 3º À Subsecretaria Municipal de Produção de Eventos compete a produção executiva de todos os
IV – Subsecretaria Municipal de Ciência, Tecnologia, Programas e Projetos Especiais; eventos, cerimoniais e projetos da secretaria, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Munici-
pal de Produção de Eventos – Símbolo SSM, e composta por:
V – Subsecretaria Municipal de Administração, Planejamento e Finanças.
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Produção de Eventos – SSM;
§ 3º À Subsecretaria Municipal Desenvolvimento da Educação Básica compete a coordenação dos progra-
mas, estratégias e metas de ensino dentro da Secretaria Municipal de Educação; elaborar, junto à sua equipe II – 01 (um) Assessor – CC1;
e ao Secretário, o planejamento estratégico da educação básica, sendo suas atribuições exercidas pelo § 4º À Subsecretaria Municipal de Administração Cultural compete a assessoria orçamentária e contábil,
Subsecretaria Municipal de Desenvolvimento da Educação Básica – Símbolo SSM, e composta por: administração e gestão dos espaços culturais (Lonas Culturais, CCCP’s, Anfiteatro, Casa de Cultura,
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Desenvolvimento da Educação Básica – SSM; Mercado Cultural, Museu da Pesca Artesanal, Centro de Convenções, Casa Darcy Ribeiro, Centro Cultural
Henfil e outras incorporações), patrimônio material, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário
II – 02 (dois) Assessores – CC1; Municipal Administração Cultural – Símbolo SSM, e composta por:
III – 09 (nove) Assistentes Executivos – CC3. I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Administração Cultural – SSM;
§ 4º À Subsecretaria Municipal da Cidade Educadora compete a coordenação do projeto da Cidade II – 01 (um) Assessor do Subsecretário Municipal – CC1;
Educadora, sendo o responsável por sua organização e execução; articular, junto aos outros subsecretários,
a viabilização do projeto, inclusive no que tange aos recursos necessários; é o responsável, juntamente com III – 01 (um) Coordenador de Artes Cênicas – CC1;
10 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

IV – 01 (um) Coordenador de Musica – CC1;


V – 01 (um) Coordenador de Poesia e Literatura – CC1; SEÇÃO XIX
Da Secretaria Municipal de Saúde
VI – 01 (um) Coordenador de Artes Plásticas – CC1;
Art. 23. À Secretaria Municipal de Saúde, com fulcro nas Leis Federais nºs 8.080/90, 8.142/90, 8.689/93,
VII – 01 (um) Coordenador de Artes Visuais – CC1. nas Instruções Normativas expedidas pelo Ministério da Saúde (NOBS e NOAS), bem como na Lei
§ 5º À Subsecretaria Municipal de Planejamento Estratégico em Cultura compete a elaboração e formatação Orgânica Municipal, tem as seguintes atribuições:
de projetos, leis de incentivo à cultura, busca e preparação de editais, designer gráfico, acompanhamento I – planejar, organizar, dirigir, coordenar, controlar e desenvolver planos, programas, projetos e atividades que
dos projetos e registros, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Planejamento visem à melhoria da qualidade de vida e do nível de saúde da população do Município de Maricá;
Estratégico em Cultura – Símbolo SSM, e composta por:
II – promover, integrada a outros órgãos do Município, do Estado e da União, ações para melhoria de meio
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Planejamento Estratégico em Cultura – SSM; ambiente e das condições de saúde da população do Município de Maricá;
II – 01 (um) Assessor – CC1. III – elaborar e executar a Política Municipal de Saúde, integrando-se com organismos de âmbito regional,
§ 6º À Subsecretaria Municipal de Difusão Cultural compete a divulgação das atividades e produtos da estadual, federal e internacional, que possibilitem a realização de objetivos visando a melhoria da qualidade
secretaria ao público alvo, a implantação e a administração de bolsas e intercâmbios, sendo suas atribuições de vida do cidadão;
exercidas pelo Subsecretário Municipal de Difusão Cultural – Símbolo SSM, e composta por: IV – planejar e coordenar as atividades de controle e avaliação e auditoria dos serviços de saúde de do
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Difusão Cultural – SSM; Município de Maricá;
II – 01 (um) Assessor – CC1. V – planejar e coordenar as atividades de controle e avaliação do sistema de vigilância sanitária no Município
de Maricá;
VI – planejar e coordenar as atividades de controle e avaliação do sistema de vigilância epidemiológica e
ambiental no Município de Maricá;
VII – controlar o exercício das atividades profissionais ligadas a saúde e higiene e o funcionamento dos
SEÇÃO XVIII estabelecimentos que, direta ou indiretamente, se relacionem com exercício de suas profissões, observada
Da Secretaria Municipal de Esportes a legislação pertinente;

Art. 22. Á Secretaria Municipal de Esportes compete ser um veículo fomentador de qualidade de vida, VIII – planejar, coordenar, orientar e executar programas de estudo, capacitação, treinamento, aperfeiçoa-
inclusão social, prevenção à criminalidade e capacitação para ascensão social e exercer outras atividades mento e especialização de recursos humanos;
correlatas. IX – propor normas jurídicas complementares a legislação estadual, assim como regular condições formais
§ 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Esportes serão exercidas pelo Secretário Municipal de e exigências a que ficam submetidas profissões e bens no interesse da saúde, da higiene individual e
Esportes – Símbolo SM. coletiva;

§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Esportes: X – dirigir e coordenar as atividades da secretaria como definir, no seu nível de atuação, a política de
utilização das verbas alocadas ao órgão;
I – Subsecretaria Municipal de Projetos Esportivos para a Rede Municipal de Ensino;
XI – exercer outras atividades correlatas.
II – Subsecretaria Municipal de Fomento da Prática Esportiva;
§ 1º Às atribuições da Secretaria Municipal de Saúde serão exercidas pelo Secretário Municipal de Saúde
III – Subsecretaria Municipal de Fomento ao Desporto; – Símbolo SM, e pelo Subsecretário Municipal Geral de Saúde – Símbolo SSM.
IV – Subsecretaria Municipal de Fomento da Melhoria da Saúde através do Esporte; § 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Saúde:
V – Assessoria do Secretário Municipal de Esportes. I – Gabinete do Secretário Municipal de Saúde;
§ 3º À Subsecretaria Municipal de Projetos Esportivos para a Rede Municipal de Ensino compete a criação, II – Subsecretaria Municipal Geral;
elaboração e coordenação de projetos voltados para alunos das escolas da Rede Municipal em consonância
com a meta da Cidade Educadora, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de III – Subsecretaria Municipal da Atenção Hospitalar;
Projetos Esportivos para a Rede Municipal de Ensino – Símbolo SSM, e composta por: IV – Subsecretaria Municipal de Gestão Financeira e Administrativa;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Projetos Esportivos para a Rede Municipal de Ensino – SSM; V – Subsecretaria Municipal da Atenção Básica e Saúde Coletiva;
II – 01 (um) Assessor – CC1. VI – Subsecretaria Municipal de Desenvolvimento de Recursos Humanos.
§ 4º À Subsecretaria Municipal de Fomento da Prática Esportiva compete fomentar a prática desportiva para § 3º O Gabinete do Secretário Municipal de Saúde será composto por:
todos os seguimentos da sociedade de Maricá organizando o esporte como objeto de ação social, lazer,
saúde, entretenimento, inclusão, qualificação e capacitação; apoiar a organização de competições comuni- I – 01 (um) Assessor de Controle Interno – CC1;
tárias e a criação de associações desportivas; apoiar atividades que proporcionem a inserção do atleta II – 01 (um) Assessor de Ouvidoria – CC1;
maricaense no cenário esportivo estadual, nacional e internacional, sendo suas atribuições exercidas pelo
Subsecretário Municipal de Fomento da Prática Esportiva – Símbolo SSM, e composta por: III – 01 (um) Assessor da Central de Regulação – CC1;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal Fomento da Prática Esportiva – SSM; IV – 02 (dois) Assistentes Executivos da Secretaria Municipal de Saúde – CC3.
II – 01 (um) Assessor – CC1. § 4º A Subsecretaria Municipal Geral de Saúde tem por finalidade assessorar o Secretário em todos os
níveis de atuação: integrar as ações técnicas e administrativas da Secretaria; controlar, avaliar, fiscalizar e
§ 5º À Subsecretaria Municipal de Fomento ao Desporto compete apoiar e incentivar o Desporto no âmbito auditar os serviços de saúde, públicos e conveniados; suas atividades serão exercidas pelo Subsecretário
municipal, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Fomento ao Desporto - Municipal Geral de Saúde, sendo composta por:
Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Subsecretário Municipal Geral de Saúde – SSM;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal Fomento ao Desporto – SSM;
II – 01 (um) Assessor de Auditoria – CC1;
II – 01 (um) Assessor – CC1.
§ 5º A Subsecretaria Municipal de Atenção Hospitalar tem por finalidade coordenar, fiscalizar e acompanhar
§ 6º À Subsecretaria Municipal de Fomento da Melhoria da Qualidade de Saúde através do Esporte compete o desenvolvimento das ações de Saúde da rede de serviços municipais, em consonância com as orienta-
desenvolver articulações por toda a população, visando à melhoria da condição de saúde, pela atividade ções programáticas; desenvolver atividades de integração institucional e comunitária; realizar estudos e
física, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Fomento da Melhoria da Qualidade análise das atividades desenvolvidas pelas Unidades de Saúde; proporcionar a assistência integral, ambulatorial
de Saúde através do Esporte – Símbolo SSM, e composta por: e de internação em regime de urgência durante 24 horas; estabelecer os serviços de apoio técnico e
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Fomento da Melhoria da Qualidade de Saúde através do Esporte – administrativo de modo a possibilitar o acompanhamento durante todo o atendimento do hospital; bem como
SSM; exercer outras funções que lhe forem atribuídas; suas atribuições serão exercidas pelo Subsecretário
Municipal de Atenção Hospitalar, sendo composta por:
II – 01 (um) Assessor – CC1.
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Atenção Hospitalar – SSM;
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 11
II – 01 (um) Direção Técnica do Hospital Conde Modesto Leal – SG; introdução de novas técnicas e instrumentos de ação executiva nas atividades de zoonoses, vigilância,
inspeção e fiscalização sanitária, bem como exercer outras funções que lhe forem atribuídas; suas atribui-
III – 01 (um) Assessor da Administração do Hospital Conde Modesto Leal – CC1; ções serão exercidas pelo Subsecretário Municipal de Atenção Básica e Saúde Coletiva, sendo composta
IV – 01 (um) Assessor do Laboratório Central – CC1; por:
V – 01 (um) Assessor do Serviço de Enfermagem do HMCML – CC1; I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Atenção Básica e Saúde Coletiva – SSM;
VI – 04 (quatro) Assessores de Supervisão Hospitalar – CC1; II – 01 (um) Assessor de Vigilância Sanitária – CC1;
VII – 01 (um) Gerente Executivo do Centro de Reabilitação – CC2; III – 01 (um) Assessor de Atenção Básica e Ações Programáticas – CC1;
VIII – 01 (um) Gerente Executivo do Centro de Imagem – CC2; IV – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa de Imunização e Vigilância Epidemiológica
– CC2;
IX – 01 (um) Gerente Executivo do Serviço de Nutrição do HMCML – CC2;
V – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação de Vigilância Ambiental – CC2;
X – 01 (um) Gerente Executivo do Serviço de Emergência – CC2;
VI – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação Geral do Programa de Saúde da Família – CC2;
XI – 01 (um) Gerente Executivo do Serviço de Arquivo Médico – CC2;
VII – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa de Controle da Tuberculose – CC2;
XII – 01 (um) Gerente Executivo do Serviço de Ambulatório – CC2;
VIII – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa do Controle da Hanseníase – CC2;
XIII – 01 (um) Gerente Executivo do Serviço da Farmácia – CC2;
IX – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa de Saúde Bucal – CC2;
XIV – 01 (um) Gerente Executivo do Banco de Sangue – CC2;
X – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa de Doenças Crônico-Degenerativas e de
XV – 01 (um) Gerente Executivo de Laboratório DST/AIDS – CC2; Saúde do Idoso – CC2;
XVI – 01 (um) Gerente Executivo de Manutenção e Zeladoria – CC2; XI – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher,
XVII – 03 (três) Assistentes Executivos de Serviços de Saúde Hospitalar – CC3. da Criança e do Adolescente – CC2;

§ 6º A Subsecretaria Municipal de Gestão Financeira e Administrativa tem por finalidade organizar, dirigir XII – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa de DST/AIDS – CC2;
coordenar e controlar contabilidade das despesas orçamentárias e extraordinárias dos bens patrimoniais; XIII – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa de Saúde Mental e Centro de Atenção
escriturar e controlar os recursos postos a disposição da Secretaria Municipal de Saúde; organizar e expedir Psicossocial – CC2;
os balancetes, emitir notas de empenho promover as tomadas de contas dos ordenadores agentes recebe-
dores, tesoureiro ou pagadores, inclusive dos responsáveis pelo almoxarifados; acompanhar e controlar os XIV – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação de Educação em Saúde – CC2;
resultados da gestão orçamentária, financeira e patrimonial da Secretaria Municipal de Saúde; acompanhar XV – 01 (um) Gerente Executivo da Coordenação do Programa de Controle do Tabagismo e do Sedentarismo
a execução orçamentária, contabilizando a despesa de acordo com a documentação recebida; controlar os – CC2;
resultados da gestão orçamentária e patrimonial, gerenciar e controlar as atividades de administração de
material e suprimentos; coordenar as atividades ligadas a compra de materiais, bens e contratos de serviços XVI – 01 (um) Gerente Executivo da Farmácia Básica- CC-2;
coordenar as atividades ligadas à manutenção de equipamentos e instalações das unidades da rede; suas
atribuições serão exercidas pelo Subsecretário Municipal de Gestão Financeira e Administrativa, sendo XVII – 01 (um) Gerente Executivo do Centro de Diagnóstico e Tratamento – CC2;
composta por: XVIII – 01 (um) Gerente Executivo do Posto de Saúde Central – CC2;
I – 01 (um) Subsecretario de Gestão Financeira e Administrativa – SSM; XIX – 01 (um) Gerente Executivo do Posto de Saúde de Santa Rita – CC2;
II – 01 (um) Assessor de Faturamento – CC1; XX – 01 (um) Gerente Executivo do Posto de Saúde de Ino㠖 CC2;
III – 01 (um) Gerente Executivo do Almoxarifado Central – CC2; XXI – 01 (um) Gerente Executivo do Posto de Saúde de São José – CC2;
IV – 01 (um) Gerente Executivo de Contabilidade – CC2; XXII – 01 (um) Gerente Executivo do Posto de Saúde do Recanto – CC2;
V – 01 (um) Gerente Executivo de Tesouraria – CC2; XXIII – 01 (um) Gerente Executivo do Posto de Saúde de Ponta Negra – CC2;
VI – 01 (um) Gerente Executivo do Serviço de Transportes – CC2; XXIV – 01 (um) Assistente Executivo do Posto de Saúde do Espraiado – CC3;
VII – 01 (um) Gerente Executivo de Compras – CC2; XXV – 01 (um) Assistente Executivo do Posto de Saúde do Caju – CC3;
VIII – 01 (um) Gerente Executivo de Patrimônio – CC2; XXVI – 01 (um) Assistente Executivo do Posto de Saúde da Barra – CC3;
IX – 01 (um) Assistente Executivo de Gestão Financeira e Administrativa – CC3. XXVII – 01 (um) Assistente Executivo do Posto de Saúde de Ponta Grossa – CC3.
§ 7º A Subsecretaria Municipal de Recursos Humanos tem por finalidades: planejar, organizar, coordenar o
processo de administração de Recursos Humanos na Secretaria Municipal de Saúde; criar, manter e
desenvolver condições organizacionais de aplicação, desenvolvimento e satisfação plena dos recursos SEÇÃO XX
humanos e alcance dos objetivos individuais; manter o sistema de avaliação de desenvolvimento das Da Secretaria Municipal de Turismo e Lazer
programações da área de saúde; estabelecer parâmetros que visem atingir a eficiência e a eficácia de suas Art. 24. À Secretaria Municipal de Turismo e Lazer compete desenvolver atividades que tenham relação
atribuições, bem como exercer outras funções que lhe forem atribuídas; suas atribuições serão exercidas direta com o fomento do turismo como agente econômico de desenvolvimento, capaz de promover empre-
pelo Subsecretário Municipal de Recursos Humanos, sendo composta por: gos, educação, renda e bem-estar social, de forma sustentável.
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Recursos Humanos – SSM; § 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Turismo e Lazer serão exercidas pelo Secretário Municipal de
II – 01 (um) Assessor de Administração de RH – CC1; Turismo e Lazer – Símbolo SM.

III – 01 (um) Assessor de Planejamento e Informação – CC1; § 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Turismo e Lazer:

IV – 01 (um) Gerente Executivo de Estatística – CC2; I – Subsecretaria Municipal de Eventos de Turismo e Lazer;

V – 01 (um) Assistente Executivo de Gestão Financeira e Administrativa – CC3. II – Subsecretaria Municipal de Políticas de Desenvolvimento do Turismo.

§ 8º A Subsecretaria Municipal de Atenção Básica e de Saúde Coletiva tem por finalidade planejar, § 3º À Subsecretaria Municipal de Eventos de Turismo e Lazer compete aglutinar os instrumentos neces-
coordenar, acompanhar, avaliar e supervisionar o desenvolvimento das ações de Saúde nas Unidades da sários para alavancar o processo de desenvolvimento turístico local, através de mecanismos e práticas
rede básica de saúde, com ênfase nos aspectos gerencial e administrativo normatizar as ações programáticas sócio-culturais, inerentes à produção de atividades que possibilitem a captura de turistas em todos os
de saúde, acompanhar e avaliar sua implantação; padronizar normas, condutas, métodos e técnicas âmbitos, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Eventos de Turismo e Lazer –
relativos às ações de saúde estabelecer o perfil de atendimento das unidades de saúde de acordo com seus Símbolo SSM, sendo composta por:
níveis de complexidade, com o objetivo de estruturar uma rede de serviços hierarquizada e articulada I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Eventos de Turismo e Lazer – SSM;
consolidar e analisar dados de importância epidemiológica para atuação da Secretaria Municipal de Saúde;
organizar e coordenar as ações de vigilância epidemiológica e ambiental no Município; promover executar e II – 01 (um) Assessor de Turismo – CC1;
apoiar pesquisas, inquéritos e investigações epidemiológicas e operacionais de interesse para as ações de
saúde no Município; realizar estudos visando a elaboração e o aprimoramento de normas e rotinas e a
12 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

III – 01 (um) Assessor de Lazer – CC1; V – 03 (três) Assistentes Executivos – CC3.


IV – 01 (um) Assessor Financeiro – CC1.
§ 4º À Subsecretaria Municipal de Políticas de Desenvolvimento do Turismo compete criar estratégias
políticas, com enfoque logístico e diagnóstico, tendo como meta, o desenvolvimento do turismo local de
forma racional, tanto no âmbito econômico-social, quanto ambiental, sendo suas atribuições exercidas pelo SEÇÃO XXII
Subsecretário Municipal de Políticas de desenvolvimento do Turismo – Símbolo SSM, sendo composta por: Secretaria Municipal de Transportes

I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Políticas de Desenvolvimento do Turismo – SSM; Art. 26. À Secretaria Municipal de Transportes compete dar conta do planejamento, ordenamento, controle
e fiscalização tanto da área de transportes públicos quanto do trânsito, bem como exercer outras atividades
II – 01 (um) Assessor de Eco turismo e Turismo Rural – CC1; correlatas.
III – 01 (um) Assessor Receptivo – CC1; § 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Transportes serão exercidas pelo Secretário Municipal de
Transportes – Símbolo SM.
IV – 01 (um) Assessor de Marketing e Produtos – CC1;
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Transportes:
V – 01 (um) Assessor Especial – CC1.
I – Subsecretaria Municipal de Transporte Complementar;
SEÇÃO XXI
Da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos II – Subsecretaria Municipal de Área Técnica;
III – Subsecretaria Municipal de Trânsito;
Art. 25. À Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos compete prestar os serviços de pavimentação IV – Subsecretaria Municipal de Transportes;
e manutenção de vias e logradouros, parques e jardins; executar projetos e programas de obras e infra-
estrutura urbana; coordenar os serviços de saneamento básico, limpeza urbana, resíduos sólidos, controlar V – Superintendência Geral.
a disponibilidade de máquina e equipamentos, bem como executar outras atividades correlatas que lhe forem § 3º À Subsecretaria Municipal de Transporte Complementar compete fazer o ordenamento, os itinerários
delegadas; sendo suas atribuições exercidas pelo Secretário Municipal de Obras e Serviços Públicos – das Vans e assemelhados, bem como exercer outras atividades correlatas, sendo suas atribuições exercidas
Símbolo SM. pelo Subsecretário Municipal de Transporte Complementar – Símbolo SSM, e composta por:
§ 1º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos: I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Transporte Complementar – SSM;
I – Chefia de Gabinete; II – 01 (um) Assessor – CC1.
II – Comissão de Licitação; § 4º À Subsecretaria Municipal de Área Técnica compete responder pela elaboração de estudos sobre o
III – Subsecretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos; tráfego no Município, apresentando sugestões sobre alteração de sinalização, mão de direção, inversão e
adoção de mão única de direção, modificações em arruamentos para melhora do fluxo e quaisquer soluções
IV – Subsecretaria Municipal de Parques e Jardins. que envolvam os conhecimentos de engenharia civil; prestar serviços de elaboração de contratos, consultoria
jurídica sobre os temas de trânsito e transportes, concessões e análise dos contratos, para que a Secretaria
§ 2º À Chefia de Gabinete compete providenciar o encaminhamento das matérias destinadas à apreciação adote as medidas cabíveis diante dos fatos que se apresentarem, sendo suas atribuições exercidas pelo
e decisão do Secretário; providenciar o encaminhamento dos assuntos do pessoal e de natureza administra- Subsecretário Municipal de Área Técnica – Símbolo SSM, e composta por:
tivas recebidos; efetuar a designação de lotação de servidores nos órgãos da Secretaria; assistir ao
secretário nas suas representações funcionais e sociais; coordenar a agenda do Secretário coordenar e I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Área Técnica – SSM;
apoiar as subprefeituras, bem como exercer outras funções que lhe forem atribuídas, sendo suas atribuições
exercidas pelo Assessor de Gabinete – Símbolo CC1, sendo composta por: II – 01 (um) Assessor – CC1.

I – 01 (um) Assessor Chefe de Gabinete – CC1; § 5º À Subsecretaria Municipal de Trânsito compete responder pelo ordenamento e controle do trânsito,
inclusive com o uso de câmeras de CFTV, sinalização, fiscalização e aplicação de multas por infração de
II – 01 (um) Assessor de Controle de Pessoal – CC1. trânsito, controle e estabelecimento de locais de estacionamentos, reboque de veículos infratores e sua
guarda em depósito próprio, sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Trânsito –
§ 3 A Comissão de Licitação é composta por: Símbolo SSM, e composta por:
I – 01 (um) Presidente e Pregoeiro – CC1; I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Trânsito – SSM;
II – 01 (um) Assessor da Secretaria da Comissão de Licitação – CC1. II – 01 (um) Assessor – CC1.
§ 4º À Subsecretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos compete coordenar projetos e execução de § 6º À Subsecretaria Municipal de Transportes compete responder pela área de concessões para ônibus,
obras viárias; prestar serviços de manutenção de vias; coordenar projetos e execução de obras públicas e táxis, transportes de turismo, veículos complementares como VANS e similares, veículos de carga,
efetuar sua conservação; coordenar os trabalhos de drenagem pluvial e saneamento básico; manter a infra- transporte de materiais de construção e assemelhados, instalação e manutenção de terminais de passagei-
estrutura de apoio aos seus trabalhos; administrar os serviços funerários, sendo suas atividades exercidas ros; pela normatização para circulação, registro e fiscalização de veículos de transporte não particulares no
pelo Subsecretário Municipal de Obras e Serviços Públicos – Símbolo SSM, sendo composta por: Município, com aplicação de multas e apreensão de veículos aqui enquadrados;. estabelecer os itinerários
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Obras e Serviços Públicos – SSM; das linhas de transportes públicos, pontos de táxis e demais veículos complementares;. estabelecer os
padrões de idade e vida útil da frota de transportes públicos;. responder pela emissão e atualização das OSO
II – 01 (um) Superintendente de Planejamento, Projetos e Obras – SG; – Ordem de Serviço Operacional onde constam as principais obrigações do concessionário como itinerários,
III – 01 (um) Superintendente de Máquinas e Equipamentos – SG; horários, número de veículos por linha e outras determinações contratuais; sendo suas atribuições exercidas
pelo Subsecretário Municipal de Transportes – Símbolo SSM, e composta por:
IV – 01 (um) Superintendente de Pavimentação e Manutenção – SG;
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Transportes – SSM;
V – 01 (um) Superintendente de Convênios e Fiscalização – SG;
II – 01 (um) Assessor – CC1.
VI – 15 (quinze) Assessores – CC1;
§ 7º À Superintendência Geral compete assessorar o Secretário Municipal de Transportes na distribuição de
VII – 03 (três) Gerentes Executivos – CC2; tarefas sobre todos os assuntos da área, sendo suas atribuições exercidas pelo Superintendente Geral –
VIII – 05 (cinco) Assistentes Executivos – CC3. Símbolo SG, e composta por:

§ 5º À Subsecretaria Municipal de Parques e Jardins compete coordenar a construção e conservação de I – 01 (um) Superintendente Geral – SG;
parques e jardins; coordenar projetos paisagísticos da cidade, incluindo o plantio de arborização pública II – 01 (um) Assessor – CC1.
executar os serviços de limpeza de ruas; parques e jardins; estabelecer atos normativos referente a
questões relativas a praças e jardins, sendo suas atividades exercidas pelo Subsecretário Municipal de
Parques e Jardins – Símbolo SSM, sendo composta por: SEÇÃO XXIII
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Parques e Jardins; Da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Petróleo

II – 01 (um) Assessor de Coordenação de Limpeza Urbana – CC1; Art. 27. À Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Petróleo, compete
formular e executar a política municipal de desenvolvimento nas áreas de logística, indústria,
III – 01 (um) Assessor de Coordenação de Manutenção de Praças e Vias – CC1; comércio e serviços; realizar e incentivar estudos e pesquisas nas áreas afins, supervisionando a
IV – 01 (um) Assessor – CC1; coordenação e execução de planos, programas e projetos; fomentar os assuntos de interesse do
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 13
município relativos às áreas afins, em conjunto com órgãos e entidades públicas e privadas; Parágrafo único. Os ocupantes de cargos estabelecidos nesta Lei Complementar, sendo servidor público
manter permanentemente intercâmbio com os órgãos públicos e entidades privadas visando a do Município de Maricá, terão que optar pela remuneração do cargo de provimento em comissão ou do cargo
geração de importantes oportunidades para a cidade que sejam a origem de mais empregos, mais de provimento efetivo.
especializações técnicas e o início para o crescimento e desenvolvimento econômico e social do
Município; articular-se junto às concessionárias de serviços públicos, visando a otimização des- Art. 30. Estão revogadas, in totum, as Leis Complementares nºs 116, de 22/12/2004; 120, de 11/01/2005;
ses serviços no que tange aos projetos econômicos que venham a se implantar no município; 126, de 29/06/2005; 137, de 17/01/2006 e 162, de 27/06/2007.
incentivar e apoiar as atividades da iniciativa privada ligadas à indústria, comércio e serviços; Art. 31. Esta Lei Complementar entra em vigor na data de sua publicação, com a sua eficácia iniciando-se
promover a competitividade das entidades instaladas no município para que isso gere uma a partir de 1º de janeiro de 2009.
importante aceleração econômica para o município; captar investimentos nas áreas de turismo e lazer,
na indústria do petróleo e gás, nos grandes investimentos da indústria imobiliária, bem como trazer investi- Prefeitura Municipal de Maricá, 19 de dezembro de 2008.
dores nacionais e estrangeiros, com vistas ao crescimento do Município, proporcionando geração de
emprego para a população, bem como exercer outras atividades correlatas.
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA
§ 1º As atribuições da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Petróleo
serão exercidas pelo Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Petróleo PREFEITO
– Símbolo SM.
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e ANEXO I
Petróleo: Ao Projeto de Lei Complementar nº 21/2008.
I – Subsecretaria Municipal de Indústria e Comércio; Tabela de Remunerações
II – Subsecretaria Municipal de Desenvolvimento e Petróleo.
§ 3º À Subsecretaria Municipal de Indústria e Comércio compete promover ações integradas de desenvol- Símbolo Cargo Remuneração
vimento da Indústria e do Comércio local, bem como outras funções que lhe forem atribuídas, sendo suas
atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Indústria e Comércio, Símbolo SSM, sendo compos- SSM SUBSECRETÁRIO MUNICIPAL / SUBPROCURADOR 3.300,00
ta por:
SG SUPERINTENDENTE 1.900,00
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Indústria e Comércio – SSM;
CC1 ASSESSOR 1.250,00
II – 02 (dois) Assessores – CC1.
CC2 GERENTE EXECUTIVO 870,00
§ 4º À Subsecretaria Municipal de Desenvolvimento e Petróleo compete desenvolver ações que proporcio-
nem a atração de investimentos a partir do COMPERJ, bem como outras funções que lhe forem atribuídas, CC3 ASSISTENTE EXECUTIVO 650,00
sendo suas atribuições exercidas pelo Subsecretário Municipal de Desenvolvimento e Petróleo, Símbolo
SSM, sendo composta por: LEI Nº 2280, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008.
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Desenvolvimento e Petróleo – SSM;
II – 01 (um) Assessor – CC1. Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Maricá para o Exercício de 2009.

SEÇÃO XXIV O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o
Da Secretaria Municipal do Trabalho e Emprego Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei:
Art. 28. À Secretaria Municipal do Trabalho e Emprego compete formular e executar as políticas públicas
de geração de trabalho e emprego, bem como promover a qualificação profissional dos trabalhadores, e
outras atribuições correlatas. Titulo I

§ 1º Às atribuições da Secretaria Municipal do Trabalho e Emprego serão exercidas pelo Secretário DAS DISPOSIÇÕES COMUNS
Municipal do Trabalho e Emprego, Símbolo SM.
§ 2º São órgãos vinculados à Secretaria Municipal do Trabalho e Emprego: Art. 1º Esta Lei estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Maricá para o exercício de 2009,
I – Subsecretaria Municipal do Trabalho; compreendendo:

II – Subsecretaria Municipal de Emprego.


§ 3º À Subsecretaria Municipal do Trabalho compete promover e desenvolver ações programáticas de I – o Orçamento Fiscal, referente aos Poderes do Município, seus fundos, órgãos e entidades da Adminis-
defesa dos direitos dos trabalhadores, do apoio a sua formalização, do estabelecimento de políticas contra tração Pública Municipal direta e indireta;
a precarização do trabalho, bem como outras funções correlatas, e será exercida pelo Subsecretário
Municipal do Trabalho, Símbolo SSM, sendo composta por:
II – o Orçamento da Seguridade social, abrangendo todas as entidades e órgãos da Administração direta e
I – 01 (um) Subsecretário Municipal do Trabalho – SSM; indireta a eles vinculados.
II – 01 (um) Assessor – CC1.
§ 4º À Subsecretaria Municipal de Emprego, compete desenvolver ações voltadas para a geração de Título II
emprego, a qualificação profissional dos trabalhadores do município, bem como outras funções correlatas,
e será exercida pelo Subsecretário Municipal de Emprego, Símbolo SSM, sendo composta por: DOS ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL
I – 01 (um) Subsecretário Municipal de Emprego – SSM;
II – 01 (um) Assessor – CC1. CAPÍTULO I
CAPÍTULO III DA ESTIMATIVA DA RECEITA
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 28. Sem prejuízo das atribuições determinadas nesta Lei complementar, que não provoque aumento de Seção Única
despesa, fica o chefe do poder Executivo autorizado a expedir normas, regulamentares e regimentos
referentes às unidades administrativas. Da Receita Total
Art. 29. Os valores das remunerações aqui estatuídas, conforme prevê a norma constitucional em vigor, não
se incorpora aos vencimentos dos servidores que assumirem a titularidade dos cargos criados por esta lei
Art. 2º A Receita Orçamentária, a preços correntes e conforme a legislação tributária vigente, é
complementar, sob nenhuma forma ou título, bem como não se equipara ou se estende a qualquer outro
estimada em R$ 142.367.113,00 (cento e quarenta e dois milhões, trezentos e sessenta e sete mil,
vencimento ou provento ou pensão já existente.
14 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

cento e treze reais), desdobrada nos seguintes agregados:


§ 1º A utilização dos recursos da Reserva de Contingência será feita por ato do Chefe do Poder Executivo
Municipal, observado o limite e a ocorrência de cada evento de riscos fiscais especificados no anexo II.
I – Orçamento Fiscal, em R$ 122.872.262,00 (cento e vinte e dois milhões, oitocentos e setenta e dois mil,
duzentos e sessenta e dois reais);
II – Orçamento da Seguridade Social, em R$ 19.494.851,00 (dezenove milhões, quatrocentos e noventa e § 2º Não se efetivando até o dia 10/12/2009 os riscos fiscais relacionados aos eventos, especificados no
quatro mil, oitocentos e cinqüenta e um reais). Anexo I, os recursos a eles reservados poderão ser utilizados por ato do Chefe do Poder Executivo
Municipal para abertura de créditos adicionais suplementares nas dotações que se tornarem insuficientes ao
longo de cada execução orçamentária.
Art. 3º As receitas são estimadas por Categoria Econômica, segundo a origem dos recursos, conforme o
disposto no Anexo II.
§ 3º Os recursos da Reserva de Contingência destinados ao evento “Dotações não Orçadas ou Orçadas a
Menor” serão utilizadas por ato do Chefe do Poder Executivo para abertura de créditos adicionais suplemen-
Art. 4º A Receita será realizada com base no produto do que for arrecadado na forma da legislação em vigor, tares para as dotações que se tornarem insuficientes ao longo da execução orçamentária.
de acordo com o desdobramento constante do Anexo II.

CAPÍTULO II TÍTULO III


DA FIXAÇÃO DA DESPESA

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS


Seção Única
Da Despesa Total Art. 10. As receitas de convênio, operações de crédito e outras, somente serão consideradas para efeito de
apuração do excesso de arrecadação para fins de abertura de créditos adicionais suplementares e especiais
para as despesas a elas vinculadas.
Art. 5º A Despesa Orçamentária, no mesmo valor da Receita Orçamentária, é fixada em R$ 142.367.113,00
(cento e quarenta e dois milhões, trezentos e sessenta e sete mil, cento e treze reais), desdobrada nos
termos da Lei de Diretrizes Orçamentárias 2008, nos seguintes agregados: Art. 11. Fica o Poder Executivo autorizado a realizar operações de crédito por antecipação de receita, com
a finalidade de manter o equilíbrio orçamentário e financeiro do Município, observados os preceitos legais
aplicados à matéria.
I – Orçamento Fiscal, em R$ 107.312.093,00 (cento e sete milhões, trezentos e doze mil, noventa e três
reais).
Art. 12. Fica o Poder Executivo autorizado a adotar medidas necessárias para, em virtude de alteração na
estrutura organizacional ou na competência legal e regimental de órgãos da Administração Direta e de
II – Orçamento da Seguridade social em R$ 35.055.020,00 (trinta e cinco milhões, cinqüenta e cinco mil e Entidades de Administração Indireta, adaptar o Orçamento aprovado pela presente Lei, à modificação
vinte reais). ocorrida, inclusive, criando unidades orçamentárias, programas de trabalho e elementos de despesas,
necessária à redistribuição do equilíbrio orçamentário.

CAPÍTULO III
DA DISTRIBUIÇÃO DA DESPESA POR ÓRGÃO TÍTULO IV

Art. 6º A Despesa Total, fixada por Função, Poderes e Órgãos, está definida no anexo VI desta Lei. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 13. Fica o Poder Executivo autorizado a contratar e oferecer garantias a empréstimos voltados para o
saneamento e habitação em áreas de baixa renda.
CAPÍTULO IV
DA AUTORIZAÇÃO PARA ABERTURA DE CRÉDITO
Art. 14. Fica o Poder Executivo autorizado a contrair financiamento com agências nacionais e internacionais
oficiais de crédito para aplicação em investimentos fixados nesta Lei, bem como a oferecer garantias
Art. 7º Ficam os Poderes Executivo e Legislativo, respeitadas as demais prescrições constitucionais e nos necessárias à obtenção de garantia do Tesouro Nacional para a realização deste financiamento.
termos da Lei nº 4320/64, autorizados a abrir crédito adicional suplementar ate o valor correspondente a 30%
(trinta por cento) dos orçamentos Fiscal e da Seguridade Social, com a finalidade de incorporar valores que
excedam as previsões constantes desta Lei, criando, se necessário, naturezas de despesa dentro das Art. 15. O Prefeito, no âmbito do Poder Executivo, poderá adotar parâmetros para utilização das dotações,
unidades orçamentárias existentes, mediante utilização de recursos provenientes de: de forma a compatibilizar as despesas à efetiva realização das receitas, para garantir as metas de resultado
primário, conforme previsto na Lei de Diretrizes Orçamentária.

I – incorporação de Superávit e/ou saldo financeiro disponível;


Art. 16. Esta Lei entrará em vigor na data da sua publicação, gerando seus efeitos a partir de 01 de janeiro
II – excesso de arrecadação ou provável excesso de arrecadação, observada a tendência do exercício; de 2009.
III – anulação parcial ou total de dotações.

Art. 8º Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a remanejar dotações de um grupo de despesa para Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2008.
outro, dentro de cada projeto, atividade ou operações especiais.

Art. 9º Os recursos da Reserva de Contingência serão destinados ao atendimento de riscos fiscais


representados por passivos contingentes, outros riscos e eventos fiscais imprevistos, abertura de créditos RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA
adicionais para despesas não orçadas ou orçadas a menor e Superávit Orçamentário do Regime Próprio de PREFEITO
Previdência.
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
15
Ano II • Edição Especial nº 14
16 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
17
Ano II • Edição Especial nº 14
18 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
19
Ano II • Edição Especial nº 14
20 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
21
Ano II • Edição Especial nº 14
22 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
23
Ano II • Edição Especial nº 14
24 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
25
Ano II • Edição Especial nº 14
26 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
27
Ano II • Edição Especial nº 14
28 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
29
Ano II • Edição Especial nº 14
30 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
31
Ano II • Edição Especial nº 14
32 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
33
Ano II • Edição Especial nº 14
34 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
35
Ano II • Edição Especial nº 14
36 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
37
Ano II • Edição Especial nº 14
38 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
39
Ano II • Edição Especial nº 14
40 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
41
Ano II • Edição Especial nº 14
42 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

LEI Nº 2284, DE 19 DE DEZEMBRO de 2008. Art. 1º Fica denominada ESCOLA MUNICIPAL DIRCE MARINHO GOMES a Escola Municipal localiza-
da no bairro de Ponta Grossa, no 1o Distrito de Maricá - RJ.

ALTERA O § 2º DO ART. 2º DA LEI 2128, 21 DE JULHO DE 2005, QUE TRATA DO PARCELAMENTO


DAS MULTAS DE TRÂNSITO NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ. Art. 2 º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2008.
Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei:
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO

Art. 1º Altera o § 2º do art. 2º da Lei nº 2128, de 21 de julho de 2005, que trata do parcelamento das multas LEI Nº 2287, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008.
de trânsito no âmbito do Município de Maricá, que passa a viger com a seguinte redação:

DISPÕE SOBRE A DENOMINAÇÃO DE PRAÇA PEDRO AGUIAR COELHO, ENTRE O FINAL DA


“Art. 2º ... RUA KLEBER FIGUEIREDO COM A AVENIDA IVAN MUNDIM, LOCALIZADA NO BAIRRO
BOQUEIRÃO, PRÓXIMO AO CENTRO DA CIDADE DE MARICÁ.

§ 2º O proprietário de cada veículo infrator, devidamente caracterizado e identificado através do nº de placa


e chassis, somente poderá beneficiar-se do reparcelamento no prazo máximo de 30 (trinta) dias de vencida O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o
a parcela e apenas uma única vez, desde que tenha efetuado o pagamento de 50% (cinqüenta por cento) do Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei:
parcelamento. (NR)”

Art. 1º Fica denominada PRAÇA PEDRO AGUIAR COELHO, entre o final da Rua Kleber Figueiredo com
Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. a Avenida Ivan Mundim, localizada no bairro Boqueirão, próximo ao centro da Cidade de Maricá.

Município de Maricá, 19 de dezembro de 2008. Art. 2º A Prefeitura Municipal se encarregará de colocar placas com o nome do homenageado, objeto
CAPUT do Artigo anterior.
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO

LEI Nº 2285, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008. Art. 3º As despesas desta Lei correm por conta do orçamento financeiro de 2009.

DISPÕE SOBRE A FIXAÇÃO DOS SUBSÍDIOS DOS SECRETÁRIOS MUNICIPAIS PARA OS Art. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
EXERCÍCIOS E 2009 A 2012 E REVOGA “IN TOTUM”, A LEI 2269, DE 29 DE OUTUBRO DE 2008.

O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o


Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei: Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2008.
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO

Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a fixação dos subsídios dos Secretários Municipais, nos termos dos Artigos
29, V, 37, X e XI, 39, parágrafo 4o, 15, II, 153, III e 153, parágrafo 2o, I, da Constituição Federal, Constituição LEI Nº 2288, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2008.
Estadual e Lei Orgânica Municipal.

Art. 2º O Secretário Municipal perceberá subsídio mensal, nos termos desta Lei, para os exercícios de 2009 Revoga o § 2º do art 1º e inseri alínea “e” a este artigo e modifica o art. 4º da Lei 2039G, de 30/12/2002.
a 2012, observando os dispositivos legais, na importância de R$ 6.000,00 (seis mil reais).

Art. 3º As despesas da presente Lei correrão por conta da dotação orçamentária própria.
O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o
Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei:
Art. 4º Fica totalmente revogada a Lei 2269, de 29 de outubro de 2008.

Art. 1º Revoga o parágrafo 2º do art. 1º da Lei 2039G.


Art. 5º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, contando seus efeitos a partir de 1 o de
janeiro de 2009.
Art. 2º Inseri a alínea “e” ao art. 1º da Lei 2039G, com a seguinte redação:

Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2008.


“e) ainda que parcialmente, dentro de círculos, cujos centros estejam em um raio de 100m (cem metros) do
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO
poste dotado de Iluminação Pública.”

LEI Nº 2286, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008.


Art. 3º Modifica o art. 4º da Lei 2039G, revogando seus incisos e parágrafos, que passa a ter a seguinte
forma e redação:
DENOMINA COMO ESCOLA MUNICIPAL DIRCE MARINHO GOMES A ESCOLA RECÉM
CONSTRUÍDA, NO BAIRRO DE PONTA GROSSA.
“Art. 4º A Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública – COSIP, será devida em razão do
custo dos serviços de manutenção, ampliação e melhoria do sistema de iluminação das vias e logradouros
O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o públicos, calculada de modo específico e cobrada de acordo com a faixa de consumo, sobre o valor da tarifa
Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei: básica de energia elétrica fixada pelo governo federal para iluminação pública de acordo com a tabela abaixo:
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 43
GRUPO “B” LEI Nº 2289, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2008.

CLASSE: 01 – RESIDENCIAL Autoriza a Concessão de Áreas Públicas, para a CEDAE – Companhia Estadual de Águas e Esgotos,
como Direito Real de Uso, uma medindo 91.002,06m2 e outra medindo 115.438,58m2, integrantes do
Consumo em Kwh % domínio do Município de Maricá, situadas no Loteamento São Bento do Bananal, 2º Distrito de Maricá.
0 – 50 3,00
51 – 100 4,00 O POVO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e o
101 – 200 6,00 Prefeito Municipal, em seu nome, sanciona a seguinte Lei:
201 – 300 7,00
301 – 400 7,50 Art. 1º Autoriza a Concessão de Área Pública, para a CEDAE – Companhia Estadual de Águas e
Esgotos, como Direito Real de Uso, medindo 91.002,06m2, pertencente à PMM, situada no
401 – 500 7,50 Loteamento São Bento do Bananal, 2º Distrito de Maricá, confrontando pela frente, com 119,52m,
Acima 501 8,00 em linha curva, com a Estrada de Ponta Negra; pelo lado direito, em três segmentos retos de
100,00m e 129,14m com área do campo, e 219,49m com parte do lote nº 10; pelos fundos, em dois
segmentos retos de 130,00m e 215,10m para parte do lote nº 14; e pelo lado esquerdo, em 8 (oito)
CLASSE: 02 – INDUSTRIAL segmentos retos de 110,23m, 40,14m, 56,91m, 48,52m, 47,20m, 21,81m, 39,47m, e 39,41m, com
terras da Companhia Vidreira do Brasil.
Consumo em Kwh %
0 – 50 6,00
Art. 2º Autoriza a Concessão de Área Pública, para a CEDAE – Companhia Estadual de Águas e
51 – 100 7,00 Esgotos, como Direito Real de Uso, medindo 115.438,58m2, pertencente à PMM, situada no
Loteamento São Bento do Bananal, 2º Distrito de Maricá, medindo de frente para a Estrada de
101 – 200 8,00
Itaipuaçu, em dois segmentos de 135,50m e 220,00m; de extensão de frente a fundo pelo lado
201 – 300 9,00 direito 266,90m confrontando com o lote 2; pelo lado esquerdo em dez segmentos de 143,42m,
48,35m, 15,93m, 20,21m, 34,80m, 49,61m, 65,25m, 43,97m, 28,17m e 40,31m, confrontando com área
301 – 400 11,00 da Companhia Vidreira do Brasil; e tendo na linha de fundos dois segmentos de 113,00m e
401 – 500 12,00 115,00m, confrontando com Reserva Florestal.
Acima 501 13,00
Art. 3º As concessões autorizadas por essa lei se darão pelo prazo de 15 (quinze) anos, renováveis
por iguais períodos se os objetivos dessa lei estiverem sendo cumpridos.
CLASSE: 03 – COMERCIAL
Consumo em Kwh %
Art. 4º É a seguinte a qualificação do concessionário:
0– 50 6,00
I – concessionário: CEDAE – Companhia Estadual de Águas e Esgotos;
51 – 100 7,00
II – CNPJ: 33.352.394/0001-04;
101 – 200 8,00
III – Inscrição Estadual: 84.780.707
201 – 300 10,00
III – endereço: Rua Sacadura Cabral nº 103 – Saúde – Rio de Janeiro – Rj;
301 – 400 11,00
IV – responsável: Diretor Presidente Wagner Granja Victer.
401 – 500 11,50
501 –1.000 12,00
Art. 5º A presente concessão destina-se à construção de unidades de serviço de tratamento e
acima de 1.001 13,00 distribuição de água potável pela CEDAE, para o abastecimento de moradias do bairro de Ponta
Negra.

GRUPO “A” § 1º Se no prazo de 01 (um) ano da data da celebração do Termo de Concessão a obra não houver
sido iniciada, a Prefeitura poderá tornar sem efeito a concessão realizada em conseqüência dessa
Lei.
CLASSES: RESIDENCIAL, INDUSTRIAL, COMERCIAL § 2º Ocorrendo o término da concessão de exploração da área pela concessionária – CEDAE –
Companhia Estadual de Águas e Esgotos ao curso da vigência desta Lei, a mesma volta ao
Consumo em Kwh %
domínio e posse do Município.
0 – 200 25,00
201 – 500 40,00
Art. 6º Com fulcro no § 1º do art. 155, da Lei Orgânica do Município, fica dispensada da realização
501 – 1.000 60,00 do certame licitatório as concessões autorizadas por essa lei, considerando-se a relevância dos
equipamentos a serem construídos nas áreas concedidas, que serão empregados para os objeti-
Acima de 1.001 80,00 vos descritos no art. 5º desta Lei.

Parágrafo único. O Grupo “A” corresponde aos consumidores de serviços de alta tensão e o Grupo “B” Art. 7º O Poder Executivo Municipal deverá efetivar em até 30 (trinta) dias da entrada em vigor desta
corresponde aos consumidores de serviços de baixa tensão.” Lei dos termos de concessão com o concessionário.

Art. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação produzindo seus efeitos a partir de 1º de Janeiro Art. 8º Esta Lei entra em vigor na data da sua publicação, revogando-se o Anexo I, da Lei nº 2142,
de 2009. de 9 de dezembro de 2005.

Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 26 de dezembro de 2008. Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 26 de dezembro de 2008.
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO
44 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

PORTARIA Nº 0741/2008. PORTARIA Nº 0747/2008.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO o O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e,
disposto no Inciso II do Art. 37 da Constituição Federal, bem como Art. 53, Inciso II da Lei Orgânica do
Município e a Lei Complementar n. º 150 de 30.11.2006, e ainda, com base no Regulamento do Concurso CONSIDERANDO o disposto no Inciso II do Art. 37 da Constituição Federal, bem como Art. 53, Inciso II
Público Municipal realizado em março de 2007; da Lei Orgânica do Município e a Lei Complementar n.º 150 de 30.11.2006, e ainda, com base no Regulamen-
to do Concurso Público Municipal realizado em março de 2007;
CONSIDERANDO, também, o Memorando nº 147/08 da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio
Ambiente, de 16.12.2008, CONSIDERANDO o Memorando s/nº da Secretaria de Fazenda e Planejamento Orçamentário, de 16.12.2008,

R E S O L V E: R E S O L V E:

Nomear SANDRO WAGNER COELHO CALDAS, aprovado e classificado no Concurso Público Municipal Nomear WALDEMAR RIBEIRO, aprovado no Concurso Público realizado em março de 2007 para
realizado em março de 2007 para o Cargo Efetivo de TÉCNICO EM EDIFICAÇÃO, com lotação na o Cargo Efetivo de AGENTE ADMINISTRATIVO, com lotação na Secretaria Municipal de Fazenda
Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente, a partir de 01.12.2008. e Planejamento Orçamentário a partir de 01.12.2008.

Publique-se!PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, RJ, EM 19 DE DEZEMBRO DE 2008. Publique-se! PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, RJ, EM 22 DE DEZEMBRO DE 2008.

RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO

PORTARIA Nº 0744/2008. PORTARIA Nº 0748/2008.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ no uso de suas atribuições legais, nos termos do artigo nº 127,
V da Lei Orgânica do Município de Maricá,
CONSIDERANDO o disposto no artigo 103 da Lei Complementar nº 01 de 09.05.90, bem como o solicitado
no Processo nº 2105 de 12.02.2008, R E S O L V E:
Exonerar, a partir de 31.12.2008, os ocupantes de cargos comissionados lotados nas respectivas Secreta-
rias, a saber:
R E S O L V E:
Conceder LICENÇA PRÊMIO ao Servidor do Quadro Permanente JORGE AUGUSTO P. DE
ALCÂNTARA, Guarda Municipal lotado na Secretaria Municipal de Segurança sob matrícula nº 05693, pelo GABINETE DO PREFEITO
período de 03 (três) meses a partir de 01.11.2008.
  SUPERINTENDENTE - SG
Publique-se! PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, EM 19 DE DEZEMBRO DE 2008.
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO Rosana Oliveira dos Santos Hadba Superintendente Chefe de Gabinete do Prefeito
Pedro Ferreira Superintendente de Apoio ao Prefeito
PORTARIA Nº 0745/2008.
Jairo Môro Superintendente de Apoio ao Prefeito
Antonio Gama do Amaral Superintendente de Articulação Parlamentar
O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ no uso de suas atribuições legais, nos termos do artigo nº 127,
IX da Lei Orgânica do Município de Maricá e, Renison Silva Pita Superintendente de Segurança do Prefeito

CONSIDERANDO o solicitado no Processo nº 25610 de 24.11.2008, Dayse Deolinda de Souza Ribeiro Superintendente de Comunicação Social
Anderson de Assis de Souza Superintendente de Informática

R E S O L V E: Marcos Sarto Bastos Superintendente da Defesa Civil

Exonerar, a pedido, ANTONIO E. MONTEIRO FERNANDES do Cargo Efetivo de MÉDICO


ANESTESISTA, com lotação na Secretaria Municipal de Saúde e Qualidade de Vida, a partir de 17.11.2008.   ASSESSOR - CC-1

Publique-se!PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, RJ, EM 19 DE DEZEMBRO DE 2008. Monique Ferreira Antunes dos Reis Assessor da Chefia de Gabinete
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO Débora Faria Andrade Assessor da Chefia de Gabinete
Antonio de Abreu Assessor da Chefia de Gabinete
PORTARIA Nº 0746/2008.
Maysa Cavalcante Ventilari Assessor de Cerimonial
Sebastião Matias Rezende Assessor de Publicidade Institucional
O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ no uso de suas atribuições legais, nos termos do artigo nº 127,
IX da Lei Orgânica do Município de Maricá; Lécio Jorge da Cruz Assessor de Redes e Manutenção
Flávio Cavalleiro Frohnknecht Assessor de Desenvolvimento de Software

R E S O L V E:  

Exonerar, a pedido, WALDEMAR RIBEIRO do Cargo em Comissão, Símbolo CC-2, de Gerente Executivo
de Fiscalização Tributária da Superintendência de Tributos, da Secretaria Municipal de Fazenda e Planeja-   GERENTE EXECUTIVO - CC-2
mento Orçamentário, a partir de 01.12.2008.

Sebastião Lazarino Gomes Gerente Executivo da Superintendência de Gabinete do Prefeito


Publique-se!PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, RJ, 22 DE DEZEMBRO DE 2008.
Paulo Fernando de Oliveira Costa Gerente Executivo da Superintendência de Gabinete do Prefeito
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO
João Carlos Machado Gerente Executivo da Superintendência de Segurança do Prefeito
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 45
Argeu José Parreiras Gerente Executivo da Superintendência de Segurança do Prefeito   ASSESSOR - CC-1
Paulo Roberto R. de Oliveira Gerente Executivo da Superintendência de Segurança do Prefeito
Paulo Sérgio Pereira Machado Gerente Executivo da Superintendência de Segurança do Prefeito Claudio Maurício de Oliveira Carvalho Assessor da Superintendência de Serviços Públicos
Marcos Eduardo da Silva Campos Gerente Executivo da Superintendência de Segurança do Prefeito João Manoel Tzoulas Assessor de Projetos da Superintendência de Energia
Marcia Coelho da Fonseca Gerente Executivo da Superintendência de Comunicação Social Jair Ribeiro da Silva Assessor Iluminação Pública da Superintendência de Energia
Valtair Ferreira da Fonseca Gerente Executivo da Superintendência de Defesa Civil Carlos Alberto Crespo da Silva Assessor de Obras e Serviços Públicos da Sub-Prefeitura do
Centro
Odimar Antunes de Souza Assessor de Obras e Serviços Públicos da Sub-Prefeitura de
  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3 Ponta Negra
José Ferreira Andrade Filho Assessor de Obras e Serviços Públicos da Sub-Prefeitura de
Cátia Regina de Alcântara Assistente Executivo da Superintendência de Gabinete do Prefeito Itaipuaçú
Rodrigo Ribeiro da Silva Freitas Assistente Executivo da Superintendência de Gabinete do Prefeito
Sonia Maria da Silva Mafra Assistente Executivo de Acompanhamento Legislativo   GERENTE EXECUTIVO - CC-2
Carla Azevedo Nóbrega Assistente Executivo da Superintendência de Comunicação Social
Fernando Antonio da Silva Assistente Executivo da Superintendência de Comunicação Social Adilson Ribeiro de Andrade Gerente Executivo de Serviços Públicos da Superintendência de
Serviços Públicos
Leonardo Alex Tibau Gonçalves Assistente Executivo da Superintendência de Defesa Civil
Valmir Marins Gerente Executivo de Serviços Funerários da Superint. de Serviços
Nadiê Milarde Barbosa Assistente Executivo da Superintendência de Defesa Civil Públicos
Angela da Silva Assistente Executivo da Superintendência de Defesa Civil Euci José Pinheiro Gerente Executivo da Usina de Asfalto da Superintendência de
Ricardo de Oliveira Torres Homem Diagramador do Setor de Imprensa da Superintendência de Serviços Públicos
Comunicação Social Derly Mail José da Costa Gerente Executivo de Iluminação Pública da Assessoria Executiva
de Iluminaçã Pública

  AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4 Paulo Sergio Machado da Silva Gerente Executivo da Sub-Prefeitura do Centro
Marcos Antonio Santos Andrade Gerente Executivo da Sub-Prefeitura de Ponta Negra

Simone de Oliveira Alves Auxiliar Executivo da Superintendência de Gabinete do Prefeito


Elza Alves Costa Auxiliar Executivo da Superintendência de Gabinete do Prefeito   ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3

Eliane Pereira Paulo Auxilar Executivo da Superintendência de Defesa Civil


Janete Aparecida Alves Rosa Auxilar Executivo da Superintendência de Defesa Civil Carlos André Alves dos Santos Assistente Executivo da Superintendência de Serviços Públicos
Marcelo Moreira Lobo Assistente Executivo da Superintendência de Serviços Públicos

  ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5 André Luiz de Souza Assistente Executivo da Assessoria Executiva de Iluminação Pública
Paula Cristina Pereira Brito Assistente Executivo da Assessoria Executiva de Iluminação Pública

Artur Antonio Pereira Vianna Assistente de Serviço da Superintendência de Gabinete do Prefeito Milton Pereira dos Santos Assistente Executivo da Sub-Prefeitura de Ponta Negra

Janeth dos Santos Alcoforado Assistente de Serviço da Superintendência de Gabinete do Prefeito André Luiz de Jesus Carvalho Assistente Executivo da Sub-Prefeitura de Itaipuaçú

Vilson Antonio Legentil Assistente de Serviço da Superintendência de Gabinete do Prefeito João Claudio Belizário Santos Assistente Executivo da Sub-Prefeitura do Jardim Atlântico

  AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4

SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS


Marcos Fernando de A. Bezerra Auxiliar Executivo da Superintendência de Serviços Públicos

LUIZ HENRIQUE COELHO VIANNA SECRETÁRIO - SM Jorge de Oliveira Auxiliar Executivo da Superintendência de Serviços Públicos
Lucineide Barbosa Auxiliar Executivo de Iluminação Pública da Assessoria Executiva de
Iluminação Pública
  SUPERINTENDENTE - SG
Ernestina Rosa de Souza Azevedo Auxiliar Executivo de Iluminação Pública da Assessoria Executiva de
Iluminação Pública
Mauricio Dutra da Silva Superintendente de Serviços Públicos João Alvares Paulo Auxiliar Executivo da Sub-Prefeitura do Centro
Luiz Claudio de Moraes Lemos Superintendente de Energia Elizabeth de Oliveira Costa Auxiliar Executivo da Sub-Prefeitura de Ponta Negra
Oswaldo Williams dos Santos Sardinha Superintendente Regional da Sub-Prefeitura do Centro Keite Guedes Rangel Auxiliar Executivo da Sub-Prefeitura de S. José de Imbassaí
Jerônimo Rodrigues Gomes Filho Superintendente Regional da Sub-Prefeitura de Ponta Negra Rosangela Mendes de Azevedo Auxiliar Executivo da Sub-Prefeitura de Inoã
Francisco Roberto da Silveira Palmieri Superintendente Regional da Sub-Prefeitura de São José de José Anderson Afonso Viana Auxiliar Executivo da Sub-Prefeitura de Itaipuaçú
Imbassaí
Angélica Antunes de Souza Auxiliar Executivo da Sub-Prefeitura do Jardim Atlântico
Marcio José Pinheiro Superintendente Regional da Sub-Prefeitura de Inoã
Oscar Abritta Rodrigues Superintendente Regional da Sub-Prefeitura de Itaipuaçú
  ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5
Renato Ribeiro Superintendente Regional da Sub-Prefeitura do Jardim Atlântico

Manoel Francisco Neves Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura do Centro


46 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

Elcimar Marques da Silva Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura do Centro Felipe Vieira Kalmar Gerente Executivo de Abastecim. e Segur. Alimentar da Superint.de
Agricultura, Pecuária e Pesca
Ivo Cesar Costa de Souza Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura do Centro
Nilzete de Abreu Bastos Santos Pais Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura do Centro
  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3
Marcelo da Silva Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura do Centro
Lenita da Costa dos Santos Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Ponta Negra
Fábio da Costa Silva Assistente Executivo da Superintendência Geral
Amaury Gonçalves dos Santos Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Ponta Negra
Anna Maria da Silva Pinto Assistente Executivo da Superintendência do Aeroporto Municipal
Vanilda Santos Mataruna Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Ponta Negra
Leandro de Abreu Alves Assistente Executivo da Superintendência de Agricultura, Pecuária
Marli Trindade dos Santos Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Ponta Negra e Pesca
Reginaldo Rodrigues dos Santos Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Ponta Negra Paula Marinho da Silva Figalo Assistente Executivo da Superintendência do Programa de Orientação e
Tamires Monteiro Ferreira Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de S. José de Imbassaí Proteção ao Consumidor
Francisco Chagas Barbosa Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de S. José de Imbassaí
Viviane Correa dos Santos Bernardo Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de S. José de Imbassaí   ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5
Fernanda do Carmo Lima Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Inoã
Solimar de Souza Leite Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Itaipuaçú Marivaldo Sant’Anna da Silva Assistente de Serviço da Superintendência Geral
Salvador dos Santos José Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Itaipuaçú Sueli de Oliveira Diniz Assistente de Serviço da Superintendência Geral
Francisco Alvarez Antunes Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Itaipuaçú Heloiza de Almeida Figalo Assistente de Serviço da Superintendência Geral
Décio Rangel Ferreira Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Itaipuaçú Rita de Cassia Soares do Nascimento Assistente de Serviço da Superintendência Geral
Renato Gomes da Silva Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura do Jardim Atlântico Raimundo Moreira de Souza Assistente de Serviço da Superintendência Geral
Marcos José Cardoso Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura do Jardim Atlântico Marcio dos Santos Melo Assistente de Serviço da Superintendência Geral
Josenilda Mendes de Araujo Pessanha Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura do Jardim Atlântico
Rita de Cássia Costa Silva  Assistente de Serviço da Sub-Prefeitura de Itaipuaçu   PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO
JOSEMIR VELOSO DE OLIVEIRA PROCURADOR GERAL - SM
SECRETARIA EXECUTIVA E DE INTEGRAÇÃO MUNICIPAL
VICENTE DE PAULO DE SOUZA NOGUEIRA SECRETÁRIO - SM   SUPERINTENDENTE - SG

  SUPERINTENDENTE – SG Newton Carlos da Rocha Magalhães Superintendente de Gabinete do Procurador Geral do Município
Manoel Ramos Moura Superintendente de Patrimônio e Apoio Jurídico
Francisco de Paulo Vieira Superintendente Geral da Secretaria Executiva e de Integração
Alcimar da Costa Miranda Superintendente Geral da Secretaria Executiva e de Integração   ASSESSOR - CC-1
Carlos Soares de Oliveira Superintendente do Aeroporto Municipal
Alessandro Andrade de Souza Superintendente de Agricultura, Pecuária e Pesca José Pepe Rodino Landeiro Assessor da Superintendência de Gabinete do Procurador Geral
Luiz Antonio da Silva Carvalho Superintendente do Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor Douglas Fernandes Assessor Jurídico Tributário da Superint. do Administ. Fiscal
André Luis Reis Porto Assessor Jurídico Administrativo da Superint. do Administ. Fiscal
  ASSESSOR - CC-1 Leandro da Silva Oliveira Assessor da Dívida Ativa da Superint. da Dívida Ativa

Rodrigo Araújo Rezende Assessor da Superintendência Geral


Hernani Henrique Ramires Nunes Assessor da Superintendência de Projetos Especiais SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO
   
  GERENTE EXECUTIVO - CC-2 PAULO SÉRGIO LIMA IMBRÓSIO SECRETÁRIO – SM
  SUPERINTENDENTE – SG
João Mauricio Rutowitsch Gerente Executivo da Superintendência Geral
Leonardo Alvarenga da Silva Gerente Executivo da Superintendência Geral Haroldo dos Santos Fortes Superintendente de Administração
Alexandre de Oliveira Antônio Gerente Executivo da Superintendência Geral Raquel Martins de Abreu Silvano Superintendente de Administração de Pessoal
Marco Antonio Vieira Pinto Gerente Executivo de Contratos, Convênios e Licitações da Superint.de
Projetos Especiais   GERENTE EXECUTIVO - CC-2
Jorge Augusto Soares Gerente Executivo de Serviços Administrativos da Superint.de Projetos
Especiais
Celso Martins Gomes Gerente Executivo dos Veículos da Prefeitura da Superintendência de
Marcio Dias Alves Gerente Executivo de Desenvolvimento Pecuário da Superint. de Administração
Agricultura, Pecuária e Pesca
Roberto Silva Barreto Gerente Executivo dos Bens Móveis da Superintendência de Administração
Karyl de Barros da Silva Gerente Executivo de Desenvolvimento Pesqueiro da Superint.de Agri
cultura, Pecuária e Pesca
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 47
João José Fernandes Tato Gerente Executivo de Almoxarifado da Superintendência de   ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3
Administração
Efigenia Cristina Faillace Torres Gerente Executivo de Recursos Humanos da Superint. de
Administração de Pessoal Janete Pinheiro de Souza Assistente Executivo de Controle Administrativo e Apoio Jurídico

Fernanda Moura Viana Gerente Executivo da Superintendência Geral do Gabinete

  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3 SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA E PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO


 

Marceli Mendes dos Santos Assistente Executivo da Superintendência de Administração LUIZ CARLOS BITTENCOURT COELHO SECRETÁRIO - SM

Vanessa Vianna Velasco de Oliveira Assistente Executivo da Superintendência Geral do Gabinete


  SUPERINTENDENTE – SG

  AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4


Carlos Augusto Bezerra de Faria Superintendente Geral de Gabinete do Secretário

Genésio José Ribeiro Auxiliar Executivo da Superintendência de Administração Jaderval de Sá Rego Monteiro Superintendente de Tributos

Aline da Silva Pinto Auxiliar Executivo da Superintendência de Administração Marco Antonio Vieira da Costa Superintendente do Tesouro Municipal
Vera Lucia Ahnert dos Santos Superintendente de Planejamento Orçamentário

  ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5


  ASSESSOR - CC-1

Eduardo Luis Cardoso Neri Assistente de Serviço da Superintendência de Administração


Cristiely Moura da Silva Assistente de Serviço da Superintendência de Administração Ronald Prata Moura Assessor de Gabinete da Superint. Geral de Gabinete do
Secretário
Giane Mattos da Silva Assistente de Serviço da Superintendência de Administração
Carla Barone Fernandes Figueira Assessor de Tributos da Superintendência de Tributos
Maria Costa da Silva Assistente de Serviço da Superintendência de Administração
Gleico da Silva Bezerra Assessor de Tesouraria da Superint. Geral do Tesouro Municipal
Jorge Guerra de Figueiredo Assessor da Superintendência de Planejamento Orçamentário
SECRETARIA MUNICIPAL DE CONTROLE INTERNO
  VALERIA FERREIRA DA SILVA SECRETÁRIO - SM
  GERENTE EXECUTIVO - CC-2
  SUB-SECRETÁRIO – SSM
Leonardo Azevedo Mozer Sub-Secretário de Controle Administrativo e Apoio Jurídico
Fábio Damião Menezes Ferreira Gerente Executivo de ITBIM da Superintendência de Tributos
Regina Fátima da Silva Santos Gerente Executivo de Dívida Ativa da Superintendência de Tributos
  SUPERINTENDENTE - SG
José Augusto Batista campos Gerente Executivo de Receitas Diversas da Superintendência de Tributos

Glauco da Silva Bezerra Superintendente de Execução Orçamentária


  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3
Almir Cardoso de Oliveira Superintendente de Controle Interno

Carolina da Silva Mota Assistente Executivo da Superintendência Geral da Secretaria


  ASSESSOR - CC-1
Angela Maria Franco Silva Assistente Executivo da Superintendência de Tributos
Luiz Claudio da Silva Gusmão Assistente Executivo de Tesouraria da Superintendência do
Dirce Rangel Ferreira das Chagas Assessor de Controle Interno da Superintendência de Controle Tesouro Municipal
Interno
Paulo Rogério Mendes Peixoto Assessor de Controle Administrativo e Apoio Jurídico
  SECRETARIA MUNICIPAL DE SEGURANÇA

  GERENTE EXECUTIVO - CC-2


CARLOS ALBERTO VICTORIANO GUEDES SECRETÁRIO - SM

Letícia dos Santos Pereira Gerente Executivo de Auditoria da Superintendência de Controle Interno
  SUPERINTENDENTE – SG
Juliana da Silva Barbosa Gerente Executivo de Expediente e Prazos da Superintendência de
Controle Interno
José Carlos Alvarenga Gomes Gerente Executivo de Informações e Relatórios da Superint.de Execução Luiz Carlos Pereira Pinto (Ten. Cel. PM) Superintendente Comandante da Guarda Municipal
Orçamentária Almir Andrade Gomes Superintendente de Trânsito e Transportes Urbanos
José Antônio Frasson Fulgênio Gerente Executivo de Controle Operacional e de Fundos Especiais da
Superint.de Controle Interno
  ASSESSOR - CC-1
Francilene Tomaz da Silva Gerente Executivo de Controle Patrimonial da Superint.de Controle Interno
Ana Paula Soares Peixoto Gerente Executivo de Controle Administrativo e Apoio Jurídico
Regina Scharf Reis Assessor de Apoio Administrativo da Superintendência da Guarda Municipal
Helio Partelli Assessor de Operações da Superintendência da Guarda Municipal
48 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

  GERENTE EXECUTIVO - CC-2   GERENTE EXECUTIVO - CC-2

Urani de Souza Gusmão Gerente Executivo de Apoio Administrativo da Therezinha de Lourdes Pereira da Silva Gerente Executivo de Convênios da Superint. Geral de Gabinete
Superintendência da Guarda Municipal do Secretário
Artur Francisco de Souza Ribeiro Gerente Executivo de Operações da Superintendência Marcus José Figueiredo de Almeida Gerente Executivo de Unidades de Conservação da Superint. de
da Guarda Municipal Meio Ambiente
Antonio Carlos Gonçalves do Nascimento Gerente Executivo de Planejamento e Projetos da Wilson José da Silva Gerente Executivo de Fiscalização de Obras da Superint.de
Superint.de Trânsito e Transportes Urbanos Licenciamento de Obras e Posturas
Mario Vance Sagulo Gerente Executivo de Fiscaliz.de Transportes Urbanos Diana Lúcia Alves Guimarães Gerente Executivo de Fiscalização de Posturas da Superint.de
da Superint.de Trâns.e Transp.Urbanos Licenciamento de Obras e Posturas
Paulo Alberto de Oliveira Gerente Executivo de Cadastro Técnico da Superint.de
Licenciamento de Obras e Posturas
Marcos dos Santos Figueiredo Gerente Executivo de Projetos da Superintendência de
  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3 Habitação

Rosana Rosa da Silva Sperling Assistente Executivo de Informática da Superintendência   ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3
da Guarda Municipal
Alam Pereira da Silva Assistente Executivo de Informações da Superint.da Guar
da Municipal André dos Santos Costa Assistente Executivo da Superintendência de Licenciamento de
Obras e Posturas
Ezio Gomes da Nobrega Júnior Assistente Executivo de Planejamento Operacional da
Superintendência da Guarda Municipal
Rodrigo Klein de Souza Assistente Executivo de Logística da Superintendência da   AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4
Guarda Municipal
Jorge Roberto Brant de Oliveira Assistente Executivo de Inspetoria da Superintendência da
Guarda Municipal Renata Guimarães Amorim Auxiliar Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário

Alessandro Gomes Mendes Assistente Executivo de Inspetoria da Superintendência da Gilson S. Bezerra Júnior Auxiliar Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário
Guarda Municipal Marcirene Xavier da Costa Auxiliar Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário
Renato Luiz Moreira Assistente Executivo de Inspetoria da Superintendência da Andrea Iguassú da Fonseca Auxiliar Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário
Guarda Municipal
Rosimery dos Santos Machado Assistente Executivo de Inspetoria da Superintendência da
Guarda Municipal
Paulo César dos Santos Bastos Assistente Executivo da Superintendência de Trânsito e SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DA FAMÍLIA E DE TRABALHO
Transportes Urbanos    
MARIA DO AMPARO FERREIRA QUEIROZ DA SILVA SECRETÁRIO - SM
  AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4

  SUPERINTENDENTE – SG
Pérsio Fabiano de Azeredo Santos Auxiliar Executivo da Superintendência da Guarda Municipal

Sidneia de Oliveira Carvalho Superintendente Geral de Gabinete do Secretário


  ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5 Eneida Alves Bitencourt Coelho Superintendente de Trabalho e Projetos

Sonia Costa da Silva Assistente de Serviço da Superintendência da Guarda Municipal   ASSESSOR - CC-1

SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E MEIO AMBIENTE Marcia Helena Palomba de Alcântara Assessor da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário
  Regina Célia Barbosa de Melo Assessor da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário
LUIZ HENRIQUE COELHO VIANNA RESPONDENDO - SECRETÁRIO – SM Carlos Felipe Iacovino Assessor de Projetos para a Juventude da Superint.Geral de
Desenv. Social

  SUPERINTENDENTE – SG Marly Siqueira de Mendonça Assessor de Políticas para Terceira Idade da Superint.da Terceira
Idade

Paulo Tadeu Barcelos de Meneses Superintendente Geral de Gabinete do Secretário


  GERENTE EXECUTIVO - CC-2
Ronaldo Goulart da Cunha Superintendente de Licenciamento de Obras e Posturas

Sandra da Silva Pinto Rangel Gerente Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do


  ASSESSOR - CC-1 Secretário
Marcia Cristina Figueiredo Miranda Gerente Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do
Daniel Sacramento da Cunha Assessor da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário Secretário

Anderson da Silva Rangoni Assessor da Superintendência Geral de Licenc.de Obras e Posturas Luciana Gramião Muniz Gerente Executivo de Projetos da Superintendência de Trabalho
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 49
Cledinéa Silva Soares da Rocha Gerente Executivo de Projetos da Superintendência de Nicolas Matheus Ribeiro Macabu Gerente Executivo da Superintendência da Casa do Futuro
Trabalho
Ester Magalhães Soares Gerente Executivo da Superintendência de Esportes
José Celso de Almeida Gerente Executivo de Projetos da Superint. de
Desenvolvimento Social
  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3

  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3


Ruan Azeredo Gonçalves Assistente Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do
Secretário
Irany Cordeiro de Souza Assistente Executivo da Superintendência Geral de Gabinete
do Secretário Maria José de Oliveira Gonçalves Assistente Executivo de Orientação Escolar da Superintendência
de Ensino
Yenai Fernandes Martins Venturelli Assistente Executivo da Superintendência Geral de Gabinete
do Secretário Cristiano Queiroz Figueira Assistente Executivo de Projetos e Convênios da Superintendência
de Ensino
Rosana Souza Dias Assistente Executivo de Estatísticas Educacionais da
Superintendência de Ensino
  AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4 Claudia Ribeiro de Souza Assistente Executivo de Pessoal da Superintendência de
Administração e Finanças
Mônica Ribeiro da Silva Assistente Executivo de Finanças da Superintendência de
Marlene de Brito Araujo da Conceição Auxiliar Executivo da Superint.Geral de Gabinete do Administração e Finanças
Secretário
Adailton Fidélis da Silva Assistente Executivo de Nutrição Escolar da Superin.de
Ivonete Coutinho Ferreira Auxiliar Executivo da Superint.Geral de Gabinete do Administração e Finanças
Secretário
Rodolfo da Costa Figueira Assistente Executivo Facilitador de Acesso da Superintendência
Sueli de Almeida Antunes Auxiliar Executivo da Superint. Geral de Gabinete do da Casa do Futuro
Secretário
Elaine Costa Souza Assistente Executivo Facilitador de Acesso da Superintendência
  ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5 da Casa do Futuro
Tatiana Alves de Oliveira Assistente Executivo Facilitador de Acesso da Superintendência
Rosair C. Reis Assistente de Serviço da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário da Casa do Futuro
Nelson Rosa Assistente de Serviço da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário Andréa Antunes de Souza Assistente Executivo Facilitador de Acesso da Superintendência
da Casa do Futuro
Anderson Durão de Araújo Assistente Executivo da Superintendência de Esportes

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA JUVENTUDE E DE ESPORTES


  AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4
ANA MARIA IGNÁCIO DOS REIS SECRETÁRIO - SM

Alexandro Rodrigues da Costa Auxiliar Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário


  SUPERINTENDENTE - SG
Diléa da Costa Andrade Auxiliar Executivo da Superintendência Geral de Gabinete do Secretário
Maria Estela F. de Barros Auxiliar Executivo da Superintendência de Esportes
Marcia Alvares Ferreira e Silva Superintendente Geral de Gabinete do Secretário
Dirce da Costa Figueira Superintendente de Ensino
Marco Polo da Silva Superintendente de Administração e Finanças
  ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5
Nelio Amparo Macabu Superintendente da Casa do Futuro
Ruy Ribeiro de Castro Neto Superintendente de Esportes
Nazaré Monteiro Ferreira Assistente de Serviço da Superintendência Geral de Gabinete do
Secretário
  ASSESSOR - CC-1 Nair Mendonça Monteiro da Silva Assistente de Serviço da Superintendência Geral de Gabinete do
Secretário
Eliane Andrade Calado Assessor da Superint. Geral de Gabinete do Secretário Edna Elpidia Alves de Freitas Assistente de Serviço da Superintendência Geral de Gabinete do
Secretário
Gabriel Antônio de Souza Assessor de Administração e Manutenção da Superint. de
Administração e Finanças

  GERENTE EXECUTIVO - CC-2   SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA

Claudia Fátima Mercadante Freitas Nogueira Gerente Executivo de Pedagogia da Superintendência WALTER GUEDES DE ALMEIDA SECRETÁRIO - SM
de Ensino
Yonne Cunha Gerente Executivo de Ensino da Superintendência de
  ASSESSOR - CC-1
Ensino
Frederico de Melo Quinan Gerente Executivo de Recursos Humanos da Superint.
de Administração e Finanças Gabriela Valente de Almeida Assessor de Gabinete do Secretário
Katia Cunha de Souza Gerente Executivo de Administração e Finanças da Lúcia Helena de França Assessor de Gabinete do Secretário
Superint. de Administração e Finanças
50 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

  GERENTE EXECUTIVO - CC-2 Olímpio do Rego de Souza Neto Assessor de Atenção Básica e Ações Programáticas da Superint.
de Saúde Coletiva

Elizabeth Crespo Morgado Gerente Executivo da Superintendência de Cultura


  GERENTE EXECUTIVO - CC-2
Maria do Amparo Alves de Almeida Gerente Executivo da Assessoria Executiva do Gabinete do
Secretário
Ingrid Valente de Almeida Assessor de Cultura Bruno Pereira Machado Gerente Executivo do Centro de Reabilitação da Superint.de
Serv.de Saúde Hospitalar
Franklim Muniz de Melo ( s/ ônus) Gerente Executivo do Centro de Imagem da Superint.de
Serviços de Saúde Hospitalar
  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3 Erica Vital da Silva Gerente Executivo do Serv.de Nutrição do HMCML da
Superint.de Serviços de Saúde Hospitalar
José Edvaldo de Araujo Filho Assistente Executivo da Superintendência de Cultura Raphael Dias de Mello Pereira (sem ônus) Gerente Executivo do Serv.de Emergência da Superint.de
Serviços de Saúde Hospitalar
Micheli da Costa de Sá Assistente Executivo da Assessoria Executiva de Gabinete do
Secretário Cátia Ramos Chica Gerente Executivo do Serv. de Arquivo Médico da Superint.de
Serviços de Saúde Hospitalar
Hermínia Rosa dos Santos Gerente Executivo do Serviço de Ambulatório da Superint.de
  ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5 Serviços de Saúde Hospitalar
Jamille Santos Dias da Silva Gerente Executivo do Serviço da Farmácia da Superint.de
Alzira da Silva Mattos Assistente de Serviço da Superintendência de Cultura Serviços de Saúde Hospitalar

Marcio França Figalo Assistente de Serviço da Superintendência de Cultura Célia Walquíria Costa de Mello Gerente Executivo do Serv.do Banco de Sangue da Superint.de
Serviços de Saúde Hospitalar
Ezequiel Andrade dos Santos Gerente Executivo de Laboratório DST/AIDS da Superint.de
  SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Serviços de Saúde Hospitalar
  SANDRO DOS SANTOS RONQUETTI SECRETÁRIO - SM Amélia Machado da Silva Gerente Executivo de Manutenção e Zeladoria da Superint.de
Serviços de Saúde Hospitalar

  SUPERINTENDENTE – SG Henrique Braga dos Santos Gerente Executivo do Almoxarifado Central da Superint.de
Gestão Financeira e Administrativa
Guilherme Ferreira das Chagas(sem ônus) Gerente Executivo de Contabilidade da Superint.de Gestão
Ailson Cleide Corte Real Superintendente de Serviços de Saúde Hospitalar Financeira e Administrativa
José Luis Franco dos Santos Superintendente de Serviços de Saúde Hospitalar Fernando da Costa Azevedo Gerente Executivo de Tesouraria da Superint.de Gestão
Financeira e Administrativa
Guilherme Ferreira das Chagas Superintendente de Serviços de Saúde Hospitalar
Sonia Camacho Miranda Gerente Executivo de Estatística da Superint.de Gestão
Marcelo dos Santos Figueiredo Superintendente de Serviços de Saúde Hospitalar
Financeira e Administrativa
Odmar Getúlio Frederico Ramos Superintendente de Gestão Financeira e Administrativa
Edson Alves Cabral Junior Gerente Executivo do Serv.de Transportes da Superint.de
Laura Maria Vieira da Costa Superintendente de Atenção Básica e Saúde Coletiva Gestão Financeira e Administrativa
Marcelo Oliveira dos Santos (s/ônus) Gerente Executivo do Serviço de Compras da Superint.de
Gestão Financeira e Administrativa
  ASSESSOR - CC-1
Miriam Oliveira de Carvalho Gerente Executivo do Serviço de Patrimônio da Superint.de
Gestão Financeira e Administrativa
José Vicente Machado Assessor de Controle Interno da Sub-Secretaria de Saúde e José Paulo da Costa Gerente Executivo da Coorden.do Progr.de Imunização e
Qualidade de Vida Vigil.Epidemiol.da Superint.de Saúde Coletiva
Marcelo Oliveira dos Santos Assessor de Auditoria da Sub-Secretaria de Saúde e Qualidade Kelly Valeshka Alvarenga Baquero Gerente Executivo da Coordenação de Vigilância Ambiental
de Vida da Superint.de Saúde Coletiva
Marcos Vinicius Marins Assessor de Ouvidoria da Sub-Secretaria de Saúde e Qualidade Monica de Azevedo Jambor Gerente Executivo da Coorden.do Programa de Controle de
de Vida Tuberculose da Superint.de Saúde Coletiva
Sandra Caetano Susin Assessor da Direção Técnica do HMCML da Superint.de Mitsuco R. Costa Gerente Executivo da Coorden.do Programa de Controle de
Serviços de Saúde Hospitalar Hanseníase da Superint.de Saúde Coletiva
Aguinaldo Coutinho Ferreira Assessor da Administração do HMCML da Superint.de Serviços Ilsa C. de Souza Gerente Executivo da Coorden.do Progr.de Doenças Crônico-
de Saúde Hospitalar Degenerat.e de Saúde do Idoso da Superint.de Saúde Coletiva
Carlos José de Araújo Silva (sem ônus) Assessor de Supervisão Hospitalar da Superint.de Serviços de Marcia David (Sem Ônus) Gerente Execut.da Coord.do Progr.de Assist.Integ.à Saúde da
Saúde Hospitalar Mulher,da Criança e do Adolescente da Superint.de Saúde Coletiva
Sylvio José Vilardo Neto Assessor de Supervisão Hospitalar da Superint.de Serviços de Claudia dos Santos Rodrigues Gerente Executivo da Coorden.do Programa de DST/AIDS
Saúde Hospitalar da Superint.de Saúde Coletiva
Marco Aurélio Queiroz dos Santos Assessor de Administração e Rec.Humanos da Superint.de Ricardo Martins Meyer Gerente Execut.da Coorden.do Progr.de Saúde Mental e
Gestão Financ.e Administrativa Centro de Atenção Psicossocial da Superint.de Saúde Coletiva
Rodrigo Elizeu da Fonseca Assessor de Faturamento da Superint.de Gestão Financeira e Vania Maria Ramos Monaldi Gerente Executivo da Coorden.de Educação em Saúde da
Administratvia Superint.de Saúde Coletiva
Marcia Valéria Rangel Sperling Assessor de Vigilância Sanitária da Superintendência de Saúde Gilcinea Belizário Aguiar dos Santos Gerente Exec.da Coorden.do Progr.de Controle do Tabagismo e do
Coletiva Sedentarismo da Superint.de Saúde Coletiva
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 51
Angela Maria de Oliveira Gerente Executivo da Farmácia Básica da Superint.de Saúde Leandro Espíndola da Silva Auxilar Executivo de Manutenção da Superintendência de
Coletiva Turismo e de Lazer
Vanesca Rangel de Araújo Sá Gerente Executivo do Centro de Diagnóstico e Tratamento da
Superint.de Saúde Coletiva
  ASSISTENTE DE SERVIÇO - CC-5
Cezar Nilo José Antunes Gerente Executivo do Posto de Saúde Santa Rita da Superint.de
Saúde Coletiva
Ana Lucia do M. Paulo Gerente Executivo do Posto de Saúde de Inoã da Superint.de Luiz Henrique Muniz de Andrade Assistente de Serviço da Superintendência de Turismo e Lazer
Saúde Coletiva
Jorge Luis de Oliveira Jardim Gerente Executivo do Posto de Saúde de S. José da Superint.de INSTITUTO DE SEGURIDADE SOCIAL DE MARICÁ
Saúde Coletiva
Antonio Luiz de Andrade Filho Gerente Executivo do Posto de Saúde do Recanto da Superint.de
Saúde Coletiva UILTON JOSÉ DE ALVARENGA PRESIDENTE - SM

Amália S. Silva Gerente Executivo do Posto de Saúde de Ponta Negra da


Superint.de Saúde Coletiva SUPERINTENDENTE – SG

Daniela Rangel Silva Superintendente de Seguridade


  ASSISTENTE EXECUTIVO - CC-3 Maximiliano Silva Lima Superintendente de Controle Interno
Carlos José de Araújo Silva Assessor Jurídico
Edna Francisca da Silva Assistente Executivo da Sub-Secretaria de Saúde e Qualidade de
Vida
Publique-se!
Reneci Silva Pita Sodré Assistente Executivo da Superintendência de Serviços de Saúde
Hospitalar
Francis dos Santos Poli Assistente Executivo da Superintendência de Serviços de Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, RJ, EM 23 DE DEZEMBRO DE 2008.
Hospitalar
Alessandro da Costa Machado Assistente Executivo da Superintendência de Gestão Financeira e RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA
Administrativa
PREFEITO
Marcia José Cardoso Assistente Executivo da Superintendência de Gestão Financeira e
Administrativa
PORTARIA Nº 0749/2008.
José Célio de Souza Assistente Executivo do Posto de Saúde do Espraiado da
Superint.de Saúde Coletiva
Gilmax Sá Rego Silva Assistente Executivo do Posto de Saúde da Barra da Superint.de O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e,
Saúde Coletiva

CONSIDERANDO o disposto no Inciso II do Art. 37 da Constituição Federal, bem como Art. 53, Inciso II
  AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4 da Lei Orgânica do Município e a Lei Complementar n.º 150 de 30.11.2006, e ainda, com base no Regulamen-
to do Concurso Público Municipal realizado em março de 2007;
R E S O L V E:
SECRETARIA MUNICIPAL DE TURISMO, LAZER, INDÚSTRIA E COMÉRCIO
Nomear para o Cargo Efetivo de AGENTE DE DEFESA CIVIL, Nível I, 1a. classe, os candidatos
  LAERTE ROCHA FERREIRA SECRETÁRIO - SM aprovados no Concurso Público realizado em março de 2007, admitidos em 29.12.2008, para ter
exercício na Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, subordinados ao Gabinete do Prefeito, a
saber:
  SUPERINTENDENTE – SG

CANDIDATO CLASSIFICAÇÃO
Pedro Correa da Silva Superintendente de Turismo e Lazer
ALEX MENDES DE CARVALHO 13O
Jorge Manoel Ramalho MonteiroSuperintendente de Indústria e Comércio
BERLON FERNANDES HERMÍNIO 12O
CARLOS ALBERTO ROCHA E SILVA 22O
  ASSESSOR - CC-1
CARLOS EDUARDO PEREIRA B. PEIXOTO 20O
Fábio Renato Aparecido de Oliveira Assessor de Indústria e Comércio da Superintendência de
Indústria e Comércio CARLOS HENRIQUE SANTOS COUTINHO 17O
CARLOS VINÍCIUS DA FONSECA COSTA 10O
  GERENTE EXECUTIVO - CC-2 CLEBER MOURA BASTOS NETO 16O
CRISTIANO ARAÚJO DE JESUS 1O
Elson Ribeiro dos Santos Gerente Executivo de Informações Turísticas e Lazer da Superintendência DANIEL DO NASCIMENTO SILVA 3º
de Turismo e Lazer DIOGO PEIXOTO DUARTE 14O
Paulo Ernesto Fernandes Gerente Executivo de Projetos Turísticos e Lazer da Superintendência FREDERICO VER GONÇALES 28O
de Turismo e Lazer
GUSTAVO DA SILVA INAGAKI 23O
  AUXILIAR EXECUTIVO - CC-4
JEFFERSON LIMA DE SOUZA 19O
Sandro Mafra Saldanha Rocha Auxilar Executivo de Manutenção da Superintendência de
Turismo e de Lazer LUCIANO MANOEL CABRAL DE OLIVEIRA 21O
52 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

PEPE COUTINHO LANDEIRO 27O D E C R E T A:


RAPHAEL BARBOSA DA COSTA 7O

ROBSON MOURA MARINS 24O Art. 1o Fica aberto ao Orçamento da Seguridade do Fundo Municipal de Saúde, no valor de R$ 112.615,72
(Cento e doze mil, seiscentos e quinze reais e setenta e dois centavos), para reforço de dotação a ser
RODRIGO ROBOREDO COOPERMAN 5O
consignada no orçamento em vigor.
THACIO SILVA MAIA 25O

Art. 2o Os recursos adicionais de trata o artigo anterior, serão compensado de acordo com o inciso III, do
Publique-se!PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, RJ, EM 29 DE DEZEMBRO DE 2008. § 1º do artigo 43 da Lei nº 4.320 de 17 de março de 1964, com anulação de dotações, na forma do anexo I
deste decreto.
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO

PORTARIA Nº 0750/2008. Art. 3o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de 16 de setembro
de 2008.
Maricá, 16 de setembro de 2008.
O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais, conforme previsto no inciso
VII do Art. 127 da L.O.M.;
Valéria Ferreira da Silva Ricardo José Queiroz da Silva
RESOLVE:
Secretária Municipal de Controle Interno Prefeito Municipal
Art. 1º Desconstituir, a partir de 31.12.2008, a COMISSÃO DE INQUÉRITO ADMINISTRATIVO formada
através da PORTARIA Nº 0419/05.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando as disposições contrárias.
ANEXO I
Publique-se!PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, EM 29 DE DEZEMBRO DE 2008.
Decreto 523/08 de 16/09/2008
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO

PORTARIA Nº 0751/2008.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais, nos termos do Inciso II do art.
37, da Constituição Federal, combinado com o Inciso II do art. 53, da Lei Orgânica do Município e a Lei
Complementar nº 150 de 30.11.2006 e, ainda, com base no Regulamento do Concurso Público Municipal
realizado em março de 2007, bem como o solicitado no Ofício nº 477/2008 do ISSM,
R E S O L V E:
Nomear para os cargos abaixo relacionados, os candidatos aprovados no Concurso Público realizado em
DECRETO Nº 536 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2008.
março de 2007, com lotação na Secretaria Municipal de Saúde e Qualidade de Vida, a partir desta data, a
saber:
Declara de Utilidade Pública e Autoriza a Desapropriação do Lote de Terreno nº 29, da Quadra 610, do
Loteamento Jardim Atlântico, para fins de instalação de unidade de serviço de abastecimento de água
ENFERMEIRO (A)
potável.
ANA PAULA COSTA ALVES
FABIANO CESAR DINIZ ROCHA
O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas
pelos artigos 49, inciso XVIII; 147, alínea “e”; 246, § 1º; e 247, inciso II, alínea “b” da Lei Orgânica
do Município, combinados com os artigos 5º, letra “h” e 6º do Decreto–Lei Federal nº 3.365, de 21
TÉCNICA DE ENFERMAGEM de junho de 1.941;
ROBERTA NASCIMENTO VILARES SOARES DECRETA:
Art. 1º Fica declarado de Utilidade Pública, a fim de ser desapropriado, por via administrativa ou judicial, o
FONOAUDIÓLOGA Lote de Terreno nº 29, da Quadra 610, do Loteamento Jardim Atlântico, de propriedade da empresa
Comércio e Indústria Atlântico, com o registro no C.N.P.J. nº 33.467.465/0001-06, com a seguinte caracte-
ADRIANA MARTINS LOPES PINTO rística:

Publique-se! I – LOTE 29 – Medindo 1.050m2, fazendo frente para a Rua 191, por onde mede 20m; medindo da linha dos
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, RJ, EM 29 DE DEZEMBRO DE 2008. fundos 20m, confrontando-se com os lotes 25 e 26; pelo lado direito medindo 53m, confrontando-se com o
Lote 30 e pelo lado esquerdo medindo 48m confrontando-se com o Lote 28;
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA
PREFEITO
II – INSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA: 3 2893441 20 0844 000-635;

DECRETO Nº 523/2008
III – VALOR VENAL: R$ 27.789,30 (vinte e sete mil, setecentos e oitenta nove reais e trinta centavos).

Abre crédito adicional especial ao orçamento da seguridade do fundo municipal de saúde no valor de R$
112.615,72 (cento e doze mil, seiscentos e quinze reais e setenta e dois centavos), para reforço de dotação Art. 2º Fica autorizada a Procuradoria Geral do Município a proceder a desapropriação via administrativa ou
consignada no orçamento em vigor. judicial, do Lote de Terreno descrito no artigo anterior deste Decreto.

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, no uso da atribuição e tendo em vista a autorização contida Parágrafo único. O imóvel a ser desapropriado será utilizado para a implantação de unidade de serviço de
no art. 7º da Lei 2234/07 de 21 de dezembro de 2007, e aprovada pela Lei 2.244 de 15 de Setembro de 2008, abastecimento de água potável.
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 53
Declara de Utilidade Pública e Autoriza a Desapropriação do Lote de Terreno nº 31, da Quadra 610, do
Loteamento Jardim Atlântico, para fins de instalação de unidade de serviço de abastecimento de água
Art. 3º As despesas decorrentes da desapropriação autorizada por este Decreto, correrão por conta potável.
Orçamento em vigor.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas
Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em pelos artigos 49, inciso XVIII; 147, alínea “e”; 246, § 1º; e 247, inciso II, alínea “b” da Lei Orgânica
contrário. do Município, combinados com os artigos 5º, letra “h” e 6º do Decreto–Lei Federal nº 3.365, de 21
Publique-se!Prefeitura Municipal de Maricá, em 17 de novembro de 2008. de junho de 1.941;

Ricardo José Queiroz da Silva-Prefeito DECRETA:


Josemir Veloso de Oliveira-Procurador Geral Art. 1º Fica declarado de Utilidade Pública, a fim de ser desapropriado, por via administrativa ou judicial, o
Lote de Terreno nº 31, da Quadra 610, do Loteamento Jardim Atlântico, de propriedade da empresa
Comércio e Indústria Atlântico, com o registro no C.N.P.J. nº 33.467.465/0001-06, com a seguinte caracte-
DECRETO Nº 537 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2008. rística:

I – LOTE 31 – Medindo 1.379m2, fazendo frente para a Rua 191, por onde mede 20m; medindo da linha dos
Declara de Utilidade Pública e Autoriza a Desapropriação do Lote de Terreno nº 30, da Quadra 610, do fundos 25m, confrontando-se com os lotes 23 e 24; pelo lado direito medindo 64m, confrontando-se com o
Loteamento Jardim Atlântico, para fins de instalação de unidade de serviço de abastecimento de água Lote 32 e pelo lado esquerdo medindo 59m confrontando-se com o Lote 30;
potável.
II – INSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA: 3 2893441 20 0804 000-853;
O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas
pelos artigos 49, inciso XVIII; 147, alínea “e”; 246, § 1º; e 247, inciso II, alínea “b” da Lei Orgânica
do Município, combinados com os artigos 5º, letra “h” e 6º do Decreto–Lei Federal nº 3.365, de 21 III – VALOR VENAL: R$ 30.657,16 (trinta mil, seiscentos e cinqüenta e sete reais e dezesseis centavos).
de junho de 1.941;

Art. 2º Fica autorizada a Procuradoria Geral do Município a proceder a desapropriação via administrativa ou
DECRETA: judicial, do Lote de Terreno descrito no artigo anterior deste Decreto.

Art. 1º Fica declarado de Utilidade Pública, a fim de ser desapropriado, por via administrativa ou judicial, o Parágrafo único. O imóvel a ser desapropriado será utilizado para a implantação de unidade de serviço de
Lote de Terreno nº 30, da Quadra 610, do Loteamento Jardim Atlântico, de propriedade da empresa abastecimento de água potável.
Comércio e Indústria Atlântico, com o registro no C.N.P.J. nº 33.467.465/0001-06, com a seguinte caracte-
rística:
Art. 3º As despesas decorrentes da desapropriação autorizada por este Decreto, correrão por conta
Orçamento em vigor.
I – LOTE 30 – Medindo 1.082m2, fazendo frente para a Rua 191, por onde mede 20m; medindo da linha dos Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
fundos 20m, confrontando-se com os lotes 24 e 25; pelo lado direito medindo 59m, confrontando-se com o contrário.
Lote 31 e pelo lado esquerdo medindo 53m confrontando-se com o Lote 29;

Publique-se!
II – INSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA: 3 2893441 20 0824 000-744;
Prefeitura Municipal de Maricá, em 17 de novembro de 2008.
Ricardo José Queiroz da Silva
III – VALOR VENAL: R$ 41.839,57 (quarenta e um mil, oitocentos e trinta e nove reais e cinqüenta e sete
centavos). Prefeito

Art. 2º Fica autorizada a Procuradoria Geral do Município a proceder a desapropriação via administrativa ou Josemir Veloso de Oliveira
judicial, do Lote de Terreno descrito no artigo anterior deste Decreto. Procurador Geral

Parágrafo único. O imóvel a ser desapropriado será utilizado para a implantação de unidade de serviço de DECRETO Nº 539 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2008.
abastecimento de água potável.

Declara de Utilidade Pública e Autoriza a Desapropriação do Lote de Terreno nº 32, da Quadra 610, do
Art. 3º As despesas decorrentes da desapropriação autorizada por este Decreto, correrão por conta Loteamento Jardim Atlântico, para fins de instalação de unidade de serviço de abastecimento de água
Orçamento em vigor. potável.

Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelos
artigos 49, inciso XVIII; 147, alínea “e”; 246, § 1º; e 247, inciso II, alínea “b” da Lei Orgânica do Município,
combinados com os artigos 5º, letra “h” e 6º do Decreto–Lei Federal nº 3.365, de 21 de junho de 1.941;
Publique-se!Prefeitura Municipal de Maricá, em 17 de novembro de 2008. DECRETA:
Art. 1º Fica declarado de Utilidade Pública, a fim de ser desapropriado, por via administrativa ou judicial, o
Ricardo José Queiroz da Silva-Prefeito Lote de Terreno nº 32, da Quadra 610, do Loteamento Jardim Atlântico, de propriedade da empresa
Comércio e Indústria Atlântico, com o registro no C.N.P.J. nº 33.467.465/0001-06, com a seguinte caracte-
Josemir Veloso de Oliveira-Procurador Geral rística:
DECRETO Nº 538 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2008. I – LOTE 32 – Medindo 2.474m2, fazendo frente para a Rua 191, por onde mede 24m em trecho de semi-
reta e semi-curva; medindo da linha dos fundos 60m, confrontando-se com os lotes 19, 20, 21 e 22; pelo lado
direito medindo 70m, confrontando-se com o Lote 33 e pelo lado esquerdo medindo 64m confrontando-se
54 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

com o Lote 31;


Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.
II – INSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA: 3 2893441 20 0784 000-002;
Publique-se!
Prefeitura Municipal de Maricá, em 17 de novembro de 2008.
III – VALOR VENAL: R$ 55.000,58 (cinqüenta e cinco mil reais e cinqüenta e oito centavos).
Ricardo José Queiroz da Silva
Prefeito
Art. 2º Fica autorizada a Procuradoria Geral do Município a proceder a desapropriação via administrativa ou
judicial, do Lote de Terreno descrito no artigo anterior deste Decreto. Josemir Veloso de Oliveira
Procurador Geral
Parágrafo único. O imóvel a ser desapropriado será utilizado para a implantação de unidade de serviço de
abastecimento de água potável. DECRETO Nº 541 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2008.

Art. 3º As despesas decorrentes da desapropriação autorizada por este Decreto, correrão por conta Declara de Utilidade Pública e Autoriza a Desapropriação do Lote de Terreno nº 65, da Quadra 06, do
Orçamento em vigor. Loteamento Vivendas de Itaipuaçu, para fins de instalação de unidade de serviço de abastecimento de água
potável.

Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelos
Publique-se!
artigos 49, inciso XVIII; 147, alínea “e”; 246, § 1º; e 247, inciso II, alínea “b” da Lei Orgânica do Município,
Prefeitura Municipal de Maricá, em 17 de novembro de 2008. combinados com os artigos 5º, letra “h” e 6º do Decreto–Lei Federal nº 3.365, de 21 de junho de 1.941;
Ricardo José Queiroz da Silva DECRETA:
Prefeito Art. 1º Fica declarado de Utilidade Pública, a fim de ser desapropriado, por via administrativa ou judicial, o
Lote de Terreno nº 65, da Quadra 06, do Loteamento Vivendas de Itaipuaçu, de propriedade da empresa
MIRANAS Imobiliária e Agropecuária Ltda., com o registro no C.N.P.J. nº 32.555.948/0001-08, com
Josemir Veloso de Oliveira Compromisso de Compra e Venda com Raimundo Renato Martins da Costa, com RG nº 07274920-3 IFP e
com CPF-MF nº 943.447.017-04, e com Matrícula no R.G.I. nº 73.012, com a seguinte característica:
Procurador Geral

DECRETO Nº 540 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2008. I – LOTE 65 – Medindo 916,07m2, com 12m de frente para a Rua 07; 18,51m pelo lado direito confrontando
com o lote 66 da quadra 06; 25,86m pelo lado esquerdo confrontando com o lote 64 da quadra 06 e 26m +
22,71m + 17,50m pelos fundos confrontando com o leito da Antiga Estrada de Ferro e com a Área Verde;
Declara de Utilidade Pública e Autoriza a Desapropriação do Lote de Terreno nº 64, da Quadra 06, do
Loteamento Vivendas de Itaipuaçu, para fins de instalação de unidade de serviço de abastecimento de água
potável. II – INSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA: 3 2891434 36 1651 000-046;

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelos III – VALOR VENAL: R$ 22.256,51 (vinte e dois mil, duzentos e cinqüenta e seis reais e cinqüenta e um
artigos 49, inciso XVIII; 147, alínea “e”; 246, § 1º; e 247, inciso II, alínea “b” da Lei Orgânica do Município, centavos).
combinados com os artigos 5º, letra “h” e 6º do Decreto–Lei Federal nº 3.365, de 21 de junho de 1.941;
DECRETA: Art. 2º Fica autorizada a Procuradoria Geral do Município a proceder a desapropriação via administrativa ou
Art. 1º Fica declarado de Utilidade Pública, a fim de ser desapropriado, por via administrativa ou judicial, o judicial, do Lote de Terreno descrito no artigo anterior deste Decreto.
Lote de Terreno nº 64, da Quadra 06, do Loteamento Vivendas de Itaipuaçu, de propriedade da empresa
MIRANAS Imobiliária e Agropecuária Ltda., com o registro no C.N.P.J. nº 32.555.948/0001-08, com
Compromisso de Compra e Venda com Lúcia de Fátima Tavares Surcin, com RG nº 04494145-8 IFP e com Parágrafo único. O imóvel a ser desapropriado será utilizado para a implantação de unidade de serviço de
CPF-MF nº 635.386.797-20, e com Matrícula no R.G.I. nº 73.041, com a seguinte característica: abastecimento de água potável.

I – LOTE 64 – Medindo 377,30m2, com 14,42m + 3,74m de frente para a Rua 07; 25,86m pelo lado direito Art. 3º As despesas decorrentes da desapropriação autorizada por este Decreto, correrão por conta
confrontando com o lote 65 da quadra 06; 29,64m pelo lado esquerdo confrontando com o lote 63 da quadra Orçamento em vigor.
06 e 26,74m pelos fundos confrontando com a área verde e parte do lote 41 da quadra 06;

Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
II – INSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA: 3 2891434 36 1639 000-545;

Publique-se!
III – VALOR VENAL: R$ 22.334,40 (vinte e dois mil, trezentos e trinta e quatro reais e quarenta centavos). Prefeitura Municipal de Maricá, em 17 de novembro de 2008.
Ricardo José Queiroz da Silva
Art. 2º Fica autorizada a Procuradoria Geral do Município a proceder a desapropriação via administrativa ou Prefeito
judicial, do Lote de Terreno descrito no artigo anterior deste Decreto.

Josemir Veloso de Oliveira


Parágrafo único. O imóvel a ser desapropriado será utilizado para a implantação de unidade de serviço de
abastecimento de água potável. Procurador Geral

Art. 3º As despesas decorrentes da desapropriação autorizada por este Decreto, correrão por conta DECRETO Nº 542 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2008.
Orçamento em vigor.
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 55
06 (seis) veículos.
Declara de Utilidade Pública e Autoriza a Desapropriação do Lote de Terreno nº 66, da Quadra 06, do
Loteamento Vivendas de Itaipuaçu, para fins de instalação de unidade de serviço de abastecimento de água
potável. Parágrafo Único – Ficam autorizados, no máximo, 10 (dez) carros estacionados nos respectivos
pontos.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelos
artigos 49, inciso XVIII; 147, alínea “e”; 246, § 1º; e 247, inciso II, alínea “b” da Lei Orgânica do Município, Art. 2º A utilização do aparelho TAXÍMETRO encontra-se autorizada, objetivando a cobrança do
combinados com os artigos 5º, letra “h” e 6º do Decreto–Lei Federal nº 3.365, de 21 de junho de 1.941; serviço de transporte individual de passageiros (TÁXI).

DECRETA:
Art. 1º Fica declarado de Utilidade Pública, a fim de ser desapropriado, por via administrativa ou judicial, o Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições contrárias.
Lote de Terreno nº 66, da Quadra 06, do Loteamento Vivendas de Itaipuaçu, de propriedade da empresa
MIRANAS Imobiliária e Agropecuária Ltda., com o registro no C.N.P.J. nº 32.555.948/0001-08, com
Compromisso de Compra e Venda com Nilson Silveira Leal, com RG nº 836417 IFP e com CPF-MF nº Publique-se!Prefeitura Municipal de Maricá, Rio de Janeiro, em 19 de dezembro de 2008.
250.979.467-15, e com Matrícula no R.G.I. nº 73.978, com a seguinte característica: RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO

I – LOTE 66 – Medindo 657,29m2, com 12m de frente para a Rua 07; 30m pelo lado direito confrontando com DECRETO Nº 0556, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008.
o lote 67 da quadra 06; 18,51m pelo lado esquerdo confrontando com o lote 65 da quadra 06 e 35,84m +
11,68m pelos fundos confrontando com o leito da Antiga Estrada de Ferro e com parte da Área Verde;
DISPÔE SOBRE FUNCIONAMENTO DE PONTO DE TAXI.

II – INSCRIÇÃO IMOBILIÁRIA: 3 2891434 36 1663 000-661;


O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais;
CONSIDERANDO o disposto no inciso IV do Art. 1o e Art.3o da Lei nº 2183 de 13.12.2006;
III – VALOR VENAL: R$ 32.608,22 (trinta e dois mil, seiscentos e oito reais e vinte e dois centavos).
CONSIDERANDO, ainda, o solicitado no Processo nº 26996 de 12.12.2008,
DECRETA:
Art. 2º Fica autorizada a Procuradoria Geral do Município a proceder a desapropriação via administrativa ou
judicial, do Lote de Terreno descrito no artigo anterior deste Decreto. Art. 1º Fica autorizado o funcionamento de PONTO DE TAXI da COOPERATIVA DE TAXI
COOOPERPRATA DE MARICÁ LTDA, com sede na Rua Doralice Cristina de Abreu, 62, Flamengo,
Maricá, RJ, nos seguintes locais:
Parágrafo único. O imóvel a ser desapropriado será utilizado para a implantação de unidade de serviço de
abastecimento de água potável.
- EMBARQUE: Terminal Jacintho Luiz Caetano.

Art. 3º As despesas decorrentes da desapropriação autorizada por este Decreto, correrão por conta
Orçamento em vigor. Parágrafo Único – Ficam autorizados, no máximo, 10 (dez) carros estacionados no respectivo
ponto.

Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Art. 2º A utilização do aparelho TAXÍMETRO encontra-se autorizada, objetivando a cobrança do
serviço de transporte individual de passageiros (TÁXI).
Publique-se!
Prefeitura Municipal de Maricá, em 17 de novembro de 2008. Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições contrárias.
Ricardo José Queiroz da Silva
Prefeito Publique-se!Prefeitura Municipal de Maricá, Rio de Janeiro, em 19 de dezembro de 2008.
Josemir Veloso de Oliveira RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO
Procurador Geral
DECRETO Nº 0557, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008.
DECRETO Nº 0555, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008.

DISPÔE SOBRE FUNCIONAMENTO DE PONTO DE TAXI.


DISPÔE SOBRE FUNCIONAMENTO DE PONTO DE TAXI.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais;


O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais; CONSIDERANDO o disposto no inciso IV do Art. 1o e Art.3o da Lei nº 2183 de 13.12.2006;
CONSIDERANDO o disposto no inciso IV do Art. 1 e Art.3 da Lei nº 2183 de 13.12.2006;
o o
CONSIDERANDO, ainda, o solicitado no Processo nº 26997 de 12.12.2008,
CONSIDERANDO, ainda, o solicitado no Processo nº 27232 de 17.12.2008,
DECRETA: DECRETA:
Art. 1º Fica autorizado o funcionamento de PONTO DE TAXI da COOPERATIVA DE MOTORISTAS Art. 1º Fica autorizado o funcionamento de PONTO DE TAXI da COOPERATIVA DE TAXI
DE TAXI COOOPEROURO DE MARICÁ, com sede na Rua Domício da Gama, lote 28, casa 3, COOOPERPRATA DE MARICÁ LTDA, com sede na Rua Doralice Cristina de Abreu, 62, Flamengo,
Centro, Maricá, RJ, no seguinte local: Maricá, RJ, nos seguintes locais:

- EMBARQUE: Rua Domício da Gama, esquina com Rua Álvares de Castro, em frente ao - EMBARQUE: Praça Conselheiro Macedo Soares, no trecho compreendido entre o nº 168 ao
Laboratório Sérgio Franco, com extensão de aproximadamente 25 metros, com capacidade para nº 186.
Parágrafo Único – Ficam autorizados, no máximo, 10 (dez) carros estacionados ns respectivo ponto.
56 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

Art. 2º A utilização do aparelho TAXÍMETRO encontra-se autorizada, objetivando a cobrança do Art. 4º - No exercício de suas atribuições legais, compete à Guarda Municipal:
serviço de transporte individual de passageiros (TÁXI).

I – Proteger os bens públicos, serviços e instalações do Município;


Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições contrárias.

II – Proteger o patrimônio Histórico, Cultural e Paisagístico, bem como defender as áreas de proteção
Publique-se!Prefeitura Municipal de Maricá, Rio de Janeiro, em 19 de dezembro de 2008. ambiental, a fauna, a flora e seus recursos naturais, no âmbito de sua circunscrição;
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO
III – Atuar em conjunto com a Defesa Civil Municipal nos casos de calamidades públicas ou quando for
DECRETO Nº 567, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008. solicitada;

Aprova o Regimento Interno da Guarda Municipal de Maricá. (RIGMM). IV – Atuar em auxilio ao Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro nas buscas e salvamentos no
complexo lagunar e na orla marítima do município, de acordo com as diretrizes operacionais do Comando da
referida corporação, desde que devidamente preparados tecnicamente e equipadas para tal função;
O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas
pelos arts. 49, I; 51 e 127, III, VII da Lei Orgânica do Município
V – Orientar a população quanto ao direito de utilização de bens e serviços públicos;

DECRETA :
VI – Auxiliar as autoridades Federais e Estaduais, sempre que solicitada;

Art. 1º Fica aprovado o Regimento Interno da GUARDA MUNICIPAL DE MARICÁ.


VII – Atuar em conjunto com as atividades das Secretarias e Superintendências da organização municipal,
e ainda, com a fiscalização municipal na aplicação da legislação relativa ao exercício do poder de Polícia
Art. 2º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições contrárias. Administrativa, quando solicitada;

RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA-PREFEITO VIII – Manter interligação com os órgãos de Segurança Pública;

REGIMENTO INTERNO DA GUARDA MUNICIPAL DE MARICÁ (RIGMM) IX – Proteger e prestar segurança aos membros do Poder Executivo e Legislativo, quando por determinação
do Prefeito Municipal, ou solicitação do poder Legislativo;
TÍTULO I
DAS GENERALIDADES X – Auxiliar a Defesa Civil e os órgãos de Segurança do Estado na prevenção e no combate a animais
nocivos e aos que, em vias públicas, ofereçam risco à segurança da população, desde que devidamente
CAPÍTULO I preparados tecnicamente e equipados para tal função;
DA FINALIDADE E DA APLICAÇÃO

XI – Preservar a moralidade e o sossego público;


Art. 1º - O Regimento Interno da Guarda Municipal de Maricá (RIGMM) através do presente Regulamento
prescreve a organização da GM, destinando a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a
liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a qualidade e a justiça como valores supremos da
sociedade, visando a harmonia social, valorizando a manutenção da qualidade quanto à ordem interna e
TÍTULO II
social, neste ficam assegurados os serviços gerais da Guarda Municipal, as especialidades dos serviços
prestados pelos seus grupamentos, estabelecendo normas relativas às atribuições, às responsabilidades e DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL
ao exercício das funções de seus integrantes.

CAPÍTULO I
Capítulo II
DA ESTRUTURA INTERNA DA GUARDA MUNICIPAL
Das Disposições Preliminares

Art. 5º - A Guarda Municipal de Maricá obedecerá a seguinte organização:


Art. 2º - A Guarda Municipal de Maricá atuará conforme o prescrito no art. 144, § 8º; art. 23, I e art.225 da
CRFB/1998 e art.50, I, III, IV e VII; art. 49, XXXII, da Lei Orgânica do Município, cujo Regimento Interno
da Guarda Municipal esta embasado na Lei Complementar nº 173, de 29/02/2008. I - Gabinete do Comando, vinculado à Secretaria Municipal de Segurança;

Art. 3º - A Guarda Municipal é força destinada à proteção dos bens publico Municipais, serviços e instala- II – Assessoria de Operações;
ções, conforme dispuser a lei.

III – Assessoria de Administração e Recursos Humanos;


§ 1º - A Guarda Municipal será parte integrante da Secretaria Municipal de Segurança;

IV – Assessoria Jurídica;
§ 2º - A Guarda Municipal, no âmbito de suas atividades de Polícia Administrativa, objetivará a disciplina, os
direitos e liberdades individuais em favor do interesse público;
§ 3º - Dentro do que emana a Constituição Federal e as demais Legislações Infraconstitucionais, poderá o SEÇÃO I
Poder Executivo armar a Guarda Municipal de Maricá para o exercício de suas atribuições legais.
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 57
DO GABINETE DO COMANDO
Art. 9º – A Assessoria de Justiça e disciplina é o órgão responsável em assegurar a assistência jurídica,
tendo como principais atribuições:

Art. 6º - O Gabinete é representado pela pessoa do Comandante, tendo como atribuições:


I - Efetuar, quando determinadas diligências e sindicâncias que sejam necessárias aos esclarecimentos de
fatos, através da prestação da R.D. (Razão de Defesa) conforme modelo em anexo;
I – O planejamento em geral, visando à organização em todos os seus pormenores, as necessidades de
pessoal e material e ao emprego da Corporação para o cumprimento de suas missões;
II – Balizar a Guarda Municipal sobre as matérias de natureza jurídica e atos normativos no âmbito Federal,
Estadual e Municipal;
II - O acionamento por meio de diretrizes e ordens a assessoria de administração, recursos humanos, de
operações e justiça e disciplina;
III – Assegurar os direitos e interesses do Guarda Municipal, quando de serviço, em juízo ou fora dele,
assegurando valores iguais para todos, nos interesses profissionais e sociais;
III – A coordenação, o controle e a fiscalização destes órgãos;

IV - Submeter ao Comandante matéria destinada à publicação em Boletim Interno, bem como informar sobre
IV – Promover o bem estar de toda Corporação, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, religião, idade normas e determinações do Comandante;
e quaisquer outras formas de discriminação.

V - Providenciar a escrita do Boletim Interno;


SEÇÃO II
DA ASSESSORIA OPERACIONAL VI – Prestar contas ao Gabinete do Comando sobre suas atribuições.

Art. 7º - A assessoria de operações é órgão responsável pela atividade operacional da corporação, tendo
como principais atribuições:

CAPÍTULO II
I – Organizar e coordenar o Centro de Operações;
DOS ÓRGÃOS AUXILIARES
SEÇÃO I
II - Planejar, organizar, dirigir e controlar o emprego das operações especiais com vistas às finalidades da
corporação; DAS COMISSÕES

III – Prestar contas ao Gabinete do Comando sobre sua competência e atribuições;

Art. 10 – Fica criada a comissão Disciplinar por nomeação do Prefeito Municipal, presidida pelo Comandante
da Guarda Municipal e integrada pela Comissão de Ética.
SEÇÃO III
DA ASSESSORIA DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS
I - Compete à Comissão Disciplinar.

Art. 8º - A assessoria de Administração e Recursos Humanos é responsável pelo suporte administrativo e


de pessoal, tendo como principais atribuições: a) Apreciar e julgar as sanções disciplinares e analisar os recursos de revisão disciplinar, cabendo-lhes
anular, reduzir ou manter a punição aplicada;

Art. 11 – A critério do Prefeito Municipal e do Gabinete do Comando da Guarda Municipal, poderão ser
I – Coordenar as atividades administrativas, financeiras e assistenciais; criadas outras comissões com a finalidade de desenvolver estudos, pesquisas, programas, atividades,
avaliações e projetos sobre assuntos ligados a Corporação e a comunidade, cujas atribuições e competên-
cias serão definidas em Decreto e na forma da Constituição Federal.
II – Organizar e coordenar a administração dos Recursos Humanos;

III – Organizar e coordenar o centro de estudos quanto à capacitação, assegurando o conhecimento e a


informação, relativas aos Guardas Municipais;
TÍTULO III
IV – Prestar contas ao Gabinete do Comando de suas atribuições. DA ORGANIZAÇÃO, COMPETÊNCIA E ATRIBUIÇÕES.
SEÇÃO I
DOS MEMBROS DA CORPORAÇÃO
SEÇÃO IV
DA ASSESSORIA DE JUSTIÇA E DISCIPLINA
Art. 12 - O quadro funcional da Guarda Municipal de Maricá compreende cargos de provimento em comissão
e empregos públicos, especificados no parágrafo único deste artigo e identificados pela denominação,
58 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

referência salarial e jornada de trabalho.


01 - Seção de Recursos Humanos - SERH;
02 - Seção de Processamento de Dados - SPD;
I - Cargos em comissão de livre provimento;
03 - Seção de Protocolo e Expediente - SEPROTE;
a) Comandante com nível de Superintendente Municipal; 04 - Seção de Serviços Gerais - SESGER;
05 - Seção de Logística – SELOG;
b) Assessorias executivas;
· Assessor Operacional; IV - Assessoria Executiva Operacional;

· Assessor Administrativo;
a) Centro de Operações – COP;
· Assessor de Justiça e disciplina; b) Divisão Operacional – DOP.

01 - Seção de Planejamento Operacional - SEPLAN;


02 – Seção de Inteligência e Contra-inteligência - SICI;
b) Chefes de divisões;
03 - Seção de Operações Especiais – SOE;
· Operacional;
04 – Seção de Grupamentos Operacionais – SGO;
· Administrativo;
4.1* Grupamento de Ronda Escolar – GRE;
II - Funções Públicas; 4.2* Grupamento Especial de Defesa Ambiental – GEDAM;
4.3* Grupamento de Segurança Física de Instalações – GSFI;
4.4* Grupamento Especial Ostensivo de Trânsito – GEOTRAN;
a) Inspetor; 4.5* Grupamento Especial de Operações com Cães – GESOC;
b) Subinspetor;
c) Chefe de equipe;
V - Assessoria de Justiça e disciplina – AJUD.

III – Cargos Públicos;


Parágrafo Único - Em conformidade com o Art.15º deste RI as atribuições e as alterações posteriores, serão
aplicadas à Guarda Municipal e estender-se-á as suas Inspetorias Distritais, a serem criadas de acordo com
a necessidade de serviço.
a) GM V;
b) GM IV;
c) GCM III; SEÇÃO II
d) GCM II; DO GABINETE DO COMANDANTE DA GUARDA MUNICIPAL
e) GCM I.

Art. 15 - O Gabinete do Comando da Guarda Municipal será exercido:

Parágrafo Único: O RIGM fixará os cargos em comissão e empregos públicos a que se refere o “Caput” I - Pelo Comandante da Guarda - SG;
deste artigo.

Art. 16 - É de livre provimento a exoneração pelo Prefeito, por sua livre escolha, dentre os cidadãos de
Art. 13 - O provimento do emprego público dar-se-á mediante Concurso Público, para os de classe inicial e reputação ilibada no município e que, preferencialmente, Guarda Municipal de carreira, ou cidadão que tenha
Promoção Gradual através de processo seletivo interno. exercido atividade profissional análoga àquelas necessárias ao desenvolvimento das atividades da Guarda
Municipal, após referendo da maioria absoluta da Câmara Municipal.
Parágrafo Único: As funções de chefia, cargos em comissão de livre provimento, funções públicas da
Guarda Municipal de Maricá, enquanto não houver processo seletivo interno, não poderão ser ocupadas por Parágrafo Único: O Comandante estará sujeito ao voto de desconfiança da Câmara Municipal, que por
funcionários com o comportamento inferior ao “ÓTIMO”. decisão de 2/3 (dois terços) dos seus membros implicará sua Nomeação.

CAPÍTULO II SUBSEÇÃO I
DAS COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DOS ÓRGÃOS DO COMANDANTE DA GUARDA MUNICIPAL

SEÇÃO I
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 17 - Compete ao Comandante da Guarda Municipal dirigir a Corporação, na sua parte técnica, Adminis-
trativa, de Apoio Operacional, Assistencial e Disciplinar, e em especial nos seguintes aspectos:
Art. 14 - Na organização de suas atribuições, à Guarda Municipal obedecerá ao organograma apresentado
no Anexo I e II, prevista com a seguinte organização: I - Zelar para que sejam cumpridas nas Instituições, as Políticas e Diretrizes traçadas pelo Prefeito;

I - Comandante - SG; II - Assessorar seu superior em assuntos referentes à sua área de competência, suprindo-o dos elementos
II – Assessoria Executiva Operacional - AEO; básicos de informação, recomendando os planos de trabalho, as normas gerais e as ações preventivas
III - Assessoria de Administração e Recursos Humanos - AARH; julgadas necessárias;

a) Centro de estudos – CE; III - Estabelecer elo, em conjunto com o Secretário Municipal de Segurança, entre os diversos Órgãos do
Município e Órgãos de Segurança, estreitando o vínculo necessário, intermediando pessoas para que sejam
b) Divisão Administrativa - DA. levadas a conter as missões da mais alta relevância para o interesse público;
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 59
V - Orientar e acompanhar todos os trabalhos de cada seção da Guarda Municipal aconselhando e instruindo
IV - Obter dos responsáveis pelos Órgãos que lhe são diretamente subordinados, assessoria em assuntos seus responsáveis, visando maior eficiência e rapidez nas execuções das missões;
relacionados às áreas de competência;
VI - Recomendar ao seu superior imediato à realização de estudos visando ao aprimoramento da organiza-
V - Avaliar atos meritórios de seus colaboradores que possam servir de exemplos e informar a todos para ção, procedimentos e métodos de trabalho, sempre que julgar necessário a redistribuição de atividades e a
promover a motivação dos Órgãos; racionalização do trabalho executado.

VI - Prover os meios para que seus subordinados façam do cumprimento do dever seu objetivo principal VII - Assessorar o Comandante na coordenação, preparação e execução de cursos, treinamentos, pales-
zelando sempre pela boa conduta e pela moral; tras, seminários, congressos, reciclagem, especialização e formação de pessoal;

VII - Fiscalizar o fiel cumprimento de todas as disposições regulamentares entre os componentes da Guarda
Municipal; SUBSEÇÃO III
DA ASSESSORIA OPERACIONAL
VIII - Delegar autoridade aos Assessores sempre que se fizer necessário;

IX - Estimular e orientar os seus colaboradores diretos na execução das respectivas atribuições, delegando- Art. 19 - Compete à Assessoria Operacional:
lhes o grau de autoridade conveniente, criando e dando-lhes condições que possibilitem o seu desenvolvi-
mento pessoal e avaliado o seu desempenho;
I - Coordenar todas as atividades de supervisão dos Guardas; e confeccionar Escalas de Serviço para
emprego de pessoal;
X - Aprovar ou submeter à decisão, de acordo com os limites de autoridade estabelecidos, as propostas de
estudos de organização, procedimentos e métodos de trabalho de seu gabinete, submetidas pelas Asses-
sorias e Chefias que lhe estiverem diretamente subordinadas;
II - Confeccionar e atualizar roteiros e supervisão, setores e postos de serviços e submetê-los a apreciação
do Comandante;
XI - Apresentar relatório semestral das atividades da Guarda Municipal ao Secretario Municipal de Seguran-
ça;
III - Coordenar a Instituição de manutenção da Guarda Municipal confeccionando os quadros de trabalhos
semanais, submetendo-o ao Comandante;
XII - Analisar, discutir e aprovar, para cada Órgão que lhe é diretamente subordinado, o respectivo programa
de planejamento de atividades e os resultados a serem alcançados, controlando o seu progresso;
IV - Elaborar as ordens de serviço para as operações a serem executadas, bem como as demais ordens de
serviços, quando determinado;
XIV - Estabelecer as normas gerais de ação da corporação, respeitando o princípio da legalidade;
V - Acompanhar as atividades diárias dos Guardas, orientando sempre quando necessário, a execução dos
mesmos;
XV - Promover a atualização dos manuais de Instrução;
VI - Discutir problemas de serviço com os Inspetores da Guarda e apresentar sugestões para melhor
XVI - Atender as ponderações justas de todos os seus subordinados, quando feitas a termo desde que execução dos serviços, submetendo-as a apreciação do Comandante;
sejam de sua competência;
VII - Planejar e coordenar as atividades relacionadas à elaboração de serviços diários e extras, submetendo-
XVII - Imprimir a todos os seus atos, a máxima correção, pontualidade e justiça; a a apreciação do Comandante;

XVIII - Promover e presidir reuniões periódicas com todo pessoal diretamente subordinado. VIII - Assessorar o Comandante no comando de operações preventivas, ostensivas ou repressivas, ou
comandá-las quando determinado;
XIX - Ao Comandante da Guarda Municipal cabe resolver os casos omissos que se verificarem na aplicação
deste Regimento. IX - Planejar, organizar, controlar as atividades relacionadas com a elaboração do planejamento estratégico
da Guarda Municipal;

X - Controlar e coordenar o emprego do pessoal destacado para as operações;


SUBSEÇÃO II
DO ASSESSOR EXECUTIVO OPERACIONAL XI - Desenvolver pesquisas para estabelecer doutrina de emprego;

XII - Coordenar as atividades de telecomunicações;


Art. 18 - Compete ao Assessor Executivo Operacional da Guarda Municipal:
XIII - Controlar a implantação, utilização e manutenção e o estabelecimento das normas operacionais de
utilização dos serviços da Guarda;
I - Colaborar com o Comandante na coordenação e fiscalização de tudo que se refere à vida da Guarda
Municipal;
XIV - Planejar sobre o emprego de pessoal nas diversas atividades avaliando sobre o aspecto de custo e
benefício;
II - Assessorar seu superior imediato em assunto referente à sua área de competência, suprindo-o dos
elementos básicos de informação produzidos pela superintendência, recomendando os planos de trabalho e
as ações preventivas julgadas necessárias; XV - Estudar cada posto de trabalho, estabelecendo medidas a serem tomadas a fim de que haja a
execução, controle e manutenção do recurso humano a ser aplicado;
III - Assinar documentos internos na ausência ou impedimento ocasional do Comandante;
XVI - Apresentar relatório de realização das operações avaliando o grau de eficiência do efetivo aplicado e
propor soluções para os problemas encontrados;
IV - Coordenar com o Comandante, as formas de desenvolvimento das atividades estabelecidas para o seu
gabinete, assessorando-o nos assuntos relacionados à sua área de competência;
XVII - Coordenar e organizar o Centro de Operações.
60 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

Parágrafo Único - Deverá a Divisão Operacional manter uma Central de Telecomunicações, baseada na
XVIII - Assessorar o Comandante na coordenação, preparação e execução de cursos, treinamentos, Sede da Guarda Municipal com objetivo de assessorar e centralizar os Grupamentos Especiais, mantendo
palestras, seminários, congressos, reciclagem, especialização e formação de pessoal; comunicação ininterrupta 24 (vinte e quatro) horas por dia.

CENTRO DE OPERAÇÕES - CeOp SEÇÃO DE PLANEJAMENTO OPERACIONAL - SEPLAN

Art. 20 - Compete ao Centro de Operações:


Art. 22 - Compete à Seção de Planejamento Operacional:
I - Organizar e controlar a implantação, operação e manutenção do sistema de telecomunicação;
I – Planejar e coordenar as atividades relacionadas à elaboração do planejamento das operações;
II - Planejar e fiscalizar a utilização da rede de telecomunicação em geral;
II – Acompanhar a elaboração das escalas de serviço e sugerir mudanças de pessoal de acordo com a
necessidade operacional;
III - Definir programas para o treinamento dos operadores de equipamentos;

III – Auxiliar na elaboração das ordens de serviço e assegurar o cumprimento de todas as determinações
IV - Manter atualizado o cadastro de outros meios disponíveis de comunicações e a lista telefônica de nelas prescritas;
autoridades e órgãos;

IV – Auxiliar no que for necessário, seu superior imediato.


V - Controlar a operação de uma central de atendimento ao público;

VI - Receber a comunicação de ocorrência de fatos adversos ou de sinistros que seja nocivo aos interesses
da população e ao Governo Municipal, anotá-la as autoridades e órgãos competentes; SEÇÃO DE INTELIGÊNCIA E CONTRA INTELIGÊNCIA - SICI

VII - Confeccionar o registro das ocorrências e relatórios; Art. 23 - Compete à Seção de Inteligência:

VIII - Comunicar o andamento das ações em desenvolvimento decorrentes de atividades rotineiras ou I - Desenvolver atividades de informações de modo a permitir a coleta permanente de dados sobre movimen-
especiais; tos sociais que afetem as atividades da Guarda Municipal;

IX - Orientar os usuários quanto ao correto procedimento no envio e transmissão de mensagens, via rádio. II - Coletar dos órgãos diários da Imprensa, notícias de fatos que possam interessar direta ou indiretamente,
encaminhando-os através de resenha para o Comandante;

DIVISÃO OPERACIONAL – DOP


III - Informar ao Comandante sobre as queixas, denúncias ou reclamações a cerca dos desvios de conduta
dos componentes da Guarda Municipal, através de relatório;

Art. 21 - Compete ao Chefe de Divisão Operacional: IV - Ouvir e registrar queixas, denúncias e reclamações do público externo, mediando conflitos, sempre
fundamentado na diplomacia e no sigilo;
I - Coordenar reuniões semanais ou mensais com os Inspetores, Subinspetores e Chefes de Equipe a fim
de minimizar problemas oriundos do serviço operacional; V - Executar atividades relacionadas às investigações do público externo, mediando conflitos na medida do
possível;
II - Fiscalizar o emprego do pessoal em serviço, planejando e propondo normas para melhor realização do
serviço; VI - Manter intercâmbio de informações com órgãos Federais, Estaduais, Municipais e outros municípios;

III – Assessorar seu superior imediato em ações de vigilância e proteção aos bens e aos cidadãos, em VII - Criar Informativo (jornais, revistas, folder, folheto ou etc.) e registrar assuntos gerais da Guarda
situações de características peculiares; Municipal.

IV – Dirigir e controlar a execução das operações especiais para as quais for designado; SUBSEÇÃO IV
DO ASSESSOR DE JUSTIÇA E DISCIPLINA
V – Elaborar relatório das atividades desenvolvidas;
Art. 24 - Compete ao Assessor de Justiça e Disciplina:
VI – Supervisionar o serviço dos Inspetores, orientando e estimulando na execução das respectivas
atribuições, viabilizando melhores condições que possibilitem melhor desempenho pessoal;
I - Assessorar o Comandante e se necessário promover aos membros da Corporação recursos nas questões
de justiça e disciplina que envolvam a Guarda Municipal;
VII – Recomendar o aprimoramento técnico e/ou reciclagem do pessoal;
II - Avaliar sobre matéria jurisdicional e atos normativos;
VIII – Percorrer sempre que possível, a área do Município, informando ao superior imediato as necessidades
de emprego de efetivo e prioridades a serem atendidas;
III - Acompanhar matérias pertinentes as Guardas Municipais no âmbito Federal, Estadual e Municipal;

IX – Recolher necessidades logísticas para consecução dos serviços, elaborar relatório e apresentar ao seu
chefe imediato. IV - Cooperar com os diversos Órgãos internos da Guarda Municipal sobre qualquer assunto de natureza
jurídica.

X - Registrar no Banco de Dados para demonstração de estatística e controle das atividades realizadas pelo
Grupamentos Especiais. SUBSEÇÃO V
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 61
DA ASSESSORIA DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS (ADRH) VI - Organizar treinamentos, palestras seminários e congressos para a preparação e formação de pessoal;

VII - Administrar a seleção dos inscritos matriculados nos cursos a serem ministrados;
Art. 25 - Compete a Assessoria de Administração e Recursos Humanos:
VIII - Providenciar certificados dos cursos ministrados;
I - Coordenar as atividades relacionadas à Administração dos Recursos Humanos e materiais da Guarda
Municipal; IX - Providenciar a confecção, controle e distribuição dos recursos didáticos a serem utilizados para a
instrução;
II - Elaborar e apresentar para aprovação do Comandante à proposta orçamentária anual;
X - Providenciar certificados dos cursos ministrados;
III - Apresentar mensalmente as necessidades logísticas, para apreciação do Comandante;
XI - Emitir listagens dos aprovados em curso e a devida seleção aos cursos ministrados;
IV - Acompanhar, através de relatório, a vida funcional da Guarda Municipal, fornecido pelo Órgão diretamen-
te subordinado; XII - Elaborar programas de desenvolvimento e atualização de conhecimento técnico-profissional para
integrantes nas áreas administrativa e operacional;
V - Controlar através de planilha as despesas da Secretária apresentando ao Comandante relatório bimestral
do seu movimento orçamentário, propondo adequação de despesas; XIII - Realizar treinamento de pessoal;

VI - Executar os processos de despesas, formalizando e acompanhando-os junto a Prefeitura do município XIV - Elaborar planejamento de ensino para cursos, plano de aula, apostilas e provas.
de Maricá;
V - Preparar procedimentos administrativos que sejam de sindicância ou inquéritos, encaminhando-os para
o Comandante;
DIVISÃO ADMINISTRATIVA - DA
VI - Propor ao Comandante procedimento administrativo, que sejam sindicâncias ou inquéritos, encaminhan-
do-os para o Secretário Municipal de Segurança. Art. 27 - Compete ao chefe da Divisão Administrativa;
VII - Acompanhar a confecção e evolução de projetos da Secretaria estabelecendo indicadores de controle
no que tange aos aspectos de custo-benefício; I - Desenvolver e controlar o desenvolvimento das ações relacionadas à higiene de todas as unidades da
Guarda Municipal;
VIII - Assessorar e acompanhar as atividades desenvolvidas pelos Órgãos nos quais são diretamente
subordinados, avaliando sua eficiência; II - Controlar e manter atualizada as fichas funcionais de todos os componentes da Guarda, bem como
arquivos e fichários com fotos dados históricos funcionais;
IX - Assessorar o Comandante nas atividades de sua competência no âmbito Psicológico, Social, Humanista,
na área de Relações Públicas; e aos integrantes da Guarda Municipal, na defesa e na preservação dos seus III - Acompanhar os períodos de férias e licenças da Guarda Municipal;
interesses em benefício da coletividade;
IV - Desenvolver mapa anual e encaminhá-lo ao Comandante para decisão;
X - Propor e acompanhar programa de Avaliação e Desenvolvimento de Pessoal, a fim de melhoria na sua
adequação e diminuição nas falhas operacionais;
V - Expedir identificação para todos os funcionários da Guarda;

XI - Assessorar o Comandante na coordenação, preparação e execução de cursos, treinamentos, palestras,


seminários, congressos, reciclagem, especialização e formação de pessoal; VI - Informar nas pastas funcionais dados referentes a férias, freqüência, direitos e vantagens, obrigações
e punições;

XII - Assessorar o Comandante na aplicação de testes Psicológicos de aptidão vocacional aos grupos de
emprego às áreas especializadas e a reciclagem; VII - Desenvolver e controlar as atividades de recepção e distribuição de processos, ofícios, documentos,
correspondência e comunicações administrativas no âmbito da Guarda;

XIII – Organizar e coordenar o Centro de Estudos.


VIII - Desenvolver relatório mensal de efetivo e controlar a Administração dos Recursos Humanos;

CENTRO DE ESTUDOS
IX - Estabelecer elo constante com o Recurso Humano da Prefeitura a fim de atualizar-se e desenvolver
uma política de relações humanas dentro dos padrões da administração pública;
Art. 26 - Compete ao Centro de Estudos:
X - Desenvolver procedimento de organização para o arquivamento de todos os documentos da Instituição;
I - Planejar, organizar e coordenar as atividades de ensino e instrução;
XI - Desenvolver e coordenar as atividades relacionadas à Administração interna da Guarda Municipal;
II - Apresentar propostas de plano de ensino para cursos de formação, ingresso e ascensão e reciclagem dos
Guardas Municipais;
XII - Apresentar minuta para publicações oficiais pelo órgão competente, formulando semanalmente o
Boletim Interno;
III - Coordenar novos cursos de extensão e especialização;
SEÇÃO DE PROTOCOLO E EXPEDIENTE – SEPROTE
IV - Controlar a freqüência dos Instruendos e Instrutores, e atividades correlatadas;

V - Elaborar calendário e programação dos cursos; Art. 28 - Compete à seção de Protocolo e Expediente:

I - Desenvolver as atividades de recepção, registro, classificação, edição, preparação, expedição e arquivo


62 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

da documentação da Guarda Municipal; X – Providencias a limpeza, lavagem e lubrificação dos veículos, junto aos motoristas;

SEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - SERH XI – Providenciar a recuperação dos pneus, estofamentos e aos equipamentos em perfeitas condições de
uso;

Art. 29 - Compete à Seção de Recursos Humanos: XII – Pesquisar mercado, material e fontes de fornecimento;

I - Organizar fichários, mapas, relação e outros documentos relativos ao efetivo; XIII – Manter arquivo atualizado quanto a preços e padrão dos materiais, equipamentos e bens de serviço
com suas especificações;

II - Manter em ordem e em dia o arquivo de documentação sob sua responsabilidade, assegurando a


atividade interna; XIV - Inventariar, trimestralmente os estoques de material sob sua guarda.

III - Organizar e manter em dia a relação nominal do efetivo da Guarda Municipal, com os respectivos Parágrafo Único - Deverá a Seção de Logística fazer as distribuições do material em anexo XI, conforme as
endereços, telefones para efetivo de eventuais contatos; necessidades dos Grupamentos.

IV - Executar todas as atividades de Administração de Pessoal da Guarda Municipal, de acordo com as


diretrizes adotadas pelo chefe de divisão, no qual esta subordinada. DOS INSPETORES, SUBINSPETORES E CHEFES DE EQUIPE.

SEÇÃO DE PROCESSAMENTO DE DADOS - SPD


Art. 32 - Competem aos Inspetores, Subinspetores e chefes de Equipe:

Art. 30 - Compete à seção de Processamento de Dados: DOS INSPETORES

I - Planejar, Organizar, dirigir e controlar as atividades de informática; I – Verificar, antes da saída do pessoal da Guarda Municipal, para serviço externo, se estão corretamente
uniformizados;
II - Assessorar ao Comandante, ao Assessor Executivo de Operações e ao Assessor executivo de
Administração no desempenho de atividades relativas à área de Informáticas; II – Fiscalizar os serviços de policiamento, auxiliando e comunicando ao chefe imediato às irregularidades
observadas nos serviços, tomando as medidas cabíveis para a solução;
III - Prestar assistência técnica aos demais Órgãos em sua área;
III – Zelar no sentido de que os Guardas se apresentem asseados e devidamente uniformizados;
IV - Operar os equipamentos de Informática; IV - Zelar pela disciplina e boa harmonia entre os Guardas;
V – Apresentar-se sempre identificado, uniformizado, asseado e com máxima compostura;
V - Solucionar problemas relacionados à rede e os serviços de processamentos de dados; VI – Comparecer a todos os atos de serviços de que devam participar;
VII – Comunicar e auxiliar ao seu chefe imediato todas as ocorrências que presenciar ou tiver ciência,
buscando solucioná-las;
VI - Executar rotinas elaboradas para o controle de recursos de comunicação e de instalação de rede;
VIII – Assegurar o bom atendimento das atividades diárias;
IX – Manter-se atualizado sobre escalas e comunicado internos.

SEÇÃO DE LOGÍSTICA – SELOG

Art. 31 – Compete a Seção de Logística:


DOS SUBINSPETORES

I – Receber, Armazenar, Distribuir e Controlar todo o material da Guarda Municipal;


X – Verificar se os equipamentos a serem utilizados estão em perfeitas condições;

II – Fiscalizar e adotar providências com relação á manutenção dos materiais distribuídos;


XI – Zelar no sentido de que os Guardas se apresentem asseados e devidamente uniformizados;

III – Manter em dia a documentação relativa ao patrimônio;

XII – Preparar relatórios de suas atividades solicitados pelos Órgãos nos quais estão subordinados;
IV – Controlar a frota de veículos e providenciar as manutenções preventivas e reparos que se fizerem
necessários;
XIII – Assegurar o exato cumprimento das distribuições e regulamentações e ordens vigentes;
V – Receber e conferir o material adquirido;
XIV – Apresentar-se sempre identificado, uniformizado, asseado e com máxima compostura;
VI – Elaborar os relatórios demonstrativos das entradas e saídas de material;

VII – Fazer projeções de estimativas de consumo; XV – Comunicar e auxiliar ao seu chefe imediato todas as ocorrências que presenciar ou tiver ciência,
buscando solucioná-las;

VIII – Elaborar normas e manuais de procedimento relacionados á sua área de atuação;


XVI – Assegurar o bom atendimento das atividades diárias;

IX – Controlar o consumo de combustível e lubrificante dos veículos;


XVII – Orientar, Controlar e Fiscalizar os trabalhos dos Guardas;
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 63

XVIII – Manter-se atualizado sobre escalas e comunicado internos. Art. 35 - Compete à seção de Operações Especiais:

DOS CHEFES DE EQUIPE I - Promover ações de vigilância e proteção aos bens e aos cidadãos, em todo território municipal, em
situações de características peculiares;
XIX – Cabe aos Chefes de Equipe auxiliar os serviços dos seus superiores e atuar especificamente para
o que for designado. II - Dirigir e controlar a execução das operações especiais para as quais for designado;
XX – Apresentar-se sempre identificado, uniformizado, asseado e com máxima compostura;
XXI – Manter-se atualizado sobre escalas e comunicado internos. III - Recomendar o aprimoramento técnico e / ou reciclagem de seu pessoal;

DOS MOTORISTAS IV - Elaborar relatórios das atividades desenvolvidas;

Art. 33 – Compete aos Motoristas da Guarda Municipal: V - Quando solicitado, pelo Chefe do Executivo, Vereadores ou Secretários Municipais, formará por tempo
indeterminado o grupo que realizará a atividade de Segurança de Dignitário. Desde que seus componentes
tenham sido aprovados em curso de especialização.
I – Dirigir a viatura que lhe for designada, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro e obedecer,
rigorosamente, às normas de segurança e prevenção de acidentes;
Art. 36 - Os Grupamentos Especiais de que trata esta subseção estarão subordinadas diretamente ao
Comandante da Guarda Municipal, e suas ações, metas e planejamentos estarão sendo executados de
II – Zelar pela conservação, pelo acondicionamento e pela correta utilização dos equipamentos da viatura; acordo com as atribuições especiais de cada grupamento, estando incluso neste artigo o Grupo de Proteção
a Autoridades Municipais (GPAM). Devidamente cursados para a atividade especifica. Conforme Art. 36,
III – Manter, em ordem e em dia, as fichas e outros documentos de sua alçada relativos à viatura que lhe for inciso V.
designada;
I - Serão designados pelo Comandante de Guarda Municipal por Portarias os Guardas Municipais que
IV – Proceder à escrituração referente às viaturas; atuarão nos Grupamentos Especiais, satisfazendo as seguintes exigências:

V – Participar, por escrito, ao chefe de seção de logística, tão logo tome conhecimento: a) Nível de Escolaridade - 2º Grau Completo; (no mínimo )

a) Toda e qualquer indisponibilidade verificada nas viaturas, e; b) Habilidade comprovada nas áreas afins;
b) Qualquer acidente ocorrido com uma das viaturas.
c) Aptidão Psicológica e Física através de avaliações e psicoteste de acordo com o perfil psicológico
VI – Inspecionar, freqüentemente, os acessórios e as ferramentas das viaturas sob sua guarda, participan- e físico necessário para o desempenho das atividades específicas;
do, imediatamente ao chefe do setor, qualquer falta ou avaria;
d) Curso de especialização no Grupamento que deseja atuar;
VII – Impedir que os motoristas, em qualquer caso, executem nas viaturas outros serviços que não os de
manutenção; e) Bom aproveitamento e aprovação nos Cursos de Especialização;

VIII – Impedir que sejam executados, nas viaturas sob sua guarda trabalhos de manutenção não autoriza- f) Curso de Especialização de Primeiros Socorros;
dos.
g) Boa Dicção;
IX - O motorista não deverá passar o plantão com a viatura de seu uso no decorrer do serviço, sem a mesma
limpa. Se por algum motivo não houver condições de limpeza na sede, o motorista deverá informar ao setor
de operações antes do término do seu expediente de serviço, ou providenciar a limpeza em órgão externo
como bem lhe convier. GRUPAMENTO ESPECIAL DE OPERAÇÕES COM CÃES - GESOC.

X – O motorista não deverá se deslocar na viatura sem um par ou Superior Hierárquico, exceto nos casos
de emergência lançados em L.P.D. Art. 37 - São atribuições do Gesoc:

XI – O motorista deverá conduzir a viatura uniformizado, de cobertura, por se tratar de estar em atendimento I – A proteção do Bem Público Municipal, as Autoridades e demais funcionários;
a qualquer momento ao munícipe, e, portanto devidamente uniformizado, bem como os passageiros da
mesma. II - O patrulhamento Preventivo e Ostensivo de área, sempre que possível;
III – Apoio as Secretarias Municipais nas ações de reintegração de posse e ações de fiscalização;
XII – O plantão deverá ter ciência dos locais de destino das viaturas, devendo ser informado previamente por IV - Policiamento ostensivo com cães em apoio às demais Unidades Policiais Militares e Civis, no âmbito
seus respectivos motoristas. de todo o Município de Maricá, ou até mesmo por necessidade do serviço em auxilio a outros municípios
quando solicitado e conforme autorização do chefe do executivo;
V- Policiamento em praças públicas e desportivas;
VI - Ações de Controle de Distúrbios Civis e Operações de Faro na busca de entorpecentes, em apoio as
Art. 34 - As viaturas utilizadas pelos grupamentos especiais, serão de uso exclusivo em seus serviços e polícias, busca de pessoas desaparecidas e cadáveres em apoio ao Corpo de Bombeiros;
seus motoristas operarão em tais grupamentos de acordo com as normas prescritas no Art. 34.
VII- Demonstrações de adestramento junto ao Grupamento de Ronda Escolar e em projetos com crianças
portadoras de necessidades especiais;

Art. 38 - O adestramento será prestado continuamente pelos Guardas integrantes do Gesoc. O canil terá
viatura especifica. A ração do semovente canino será indicada pelo Gm mais antigo do canil com a avaliação
SEÇÃO DE OPERAÇOES ESPECIAIS - SOE. do profissional veterinário competente para tal. Cada GM na função de condutor, que terá treinamento
especializado, será o responsável direto pelo seu cão em missão. Qualquer cão que sair em operação
policial, ou qualquer outra função, será sempre acompanhado pelo seu condutor. O efetivo do Gesoc devera
ser especializado, capacitado por curso de especialização nas forças armadas, forças auxiliares estaduais
64 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

ou guardas municipais. IV - Justiça e disciplina;


V - Comunicação Social.
Parágrafo Único – O Gesoc funciona integralmente, no regime diuturno em plantões determinados através § 2º - O boletim interno será publicado diariamente ou não, conforme os dados e o vulto do serviço.
da necessidade do Grupamento e atuarão especificamente em atividades que envolvam operações com
cães.
Art. 43 – Do Boletim constará, especialmente:

I - discriminação do serviço a ser feito pelo efetivo;

GRUPAMENTO DE SEGURANÇA FÍSICA DE INSTALAÇÕES - GSFI.


II - ordens e decisões do Comandante, mesmo as que já tenham sido executadas;

Art. 39 - São atribuições do GSFI:


III - determinações das autoridades superiores, mesmos a já cumpridas com a citação do documento de
transmissão;
I - Proteger os bens públicos, serviços e instalações;
IV - alterações ocorridas com o pessoal e o material do efetivo;
II - Orientar a população quanto ao direito de utilização de bens e serviços públicos;
V - ordens e disposições gerais que interessem ao efetivo e referência sucintos a novos regulamentos ou
III - Colaborar com as atividades das Secretarias; instruções, com indicação do órgão oficial em que forem publicados;

IV - Manter interligação com o órgão de segurança pública. VI - referências a membros do efetivo falecidos, que, pelo seu passado e conduta, mereçam ser apontados
como exemplo;
GRUPAMENTO DE RONDA ESCOLAR - GRE.
VII - apreciação do Comandante ou da autoridade superior sobre a instrução do efetivo e referências a
documentos de instrução recebidos ou expedidos;

Art. 40 - São atribuições do GRE:


VIII - fatos extraordinários que interessem ao efetivo, assim como o que deva ser publicado por força de
regulamentos e disposições em vigor.
I - Atender de forma integral e contínua a todas as unidades Escolares do Município, realizando patrulhamento
Preventivo e Ostensivo de área, sempre que possível;
Parágrafo Único – Não serão publicadas neste boletim:

II - Zelar pela Segurança dos discentes e docentes e toda comunidade escolar no interior e periferias das
unidades escolares, bem como na preservação dos prédios públicos onde estão situadas as unidades; I - as ocorrências cujo conhecimento tenha sido dada ao efetivo em caráter sigiloso, bem como quaisquer
alusões a essas ocorrências;

III - Executar palestras que ressaltem a importância da prevenção sob os vários aspectos como o princípio
básico da Cidadania; II - as ocorrências não relacionadas com o serviço da Guarda Municipal, salvo se tiverem dado lugar à
expedição de alguma ordem ou estiverem ligadas a comemorações de caráter cívico.

IV - Formular e propor diretrizes para a formação de uma Política Municipal de Segurança Escolar;
Art. 44 – Do original do Boletim serão extraídas tantas cópias, todas autenticadas pelo Subcomandante,
quantas forem necessárias à distribuição às unidades e subunidades, às dependências internas e à autori-
V - Acompanhar a evolução e propor medidas para a redução de crimes conexos com o tráfico ilícito de dade a que estiver o efetivo imediatamente subordinado, observando-se, a respeito, as seguintes disposi-
atribuições; ções:

I - O original do aditamento da Unidade será assinado pelo respectivo Comandante, sendo o original
VI - Executar projetos. arquivado pelo Setor de Informações;

II - Uma cópia do aditamento da Unidade será enviada ao Comandante do efetivo, a título de participação das
Art. 41 - O GRE funciona integralmente, no regime diuturno em plantões determinados através da necessi- providências tomadas e ordens expedida;
dade do Grupamento e atuarão especificamente em atividades que envolvam a segurança escolar
III - O boletim e o aditamento serão lidos em formatura especial de todo o pessoal, ao toque respectivo;

IV - O Boletim deverá ser conhecido no mesmo dia de sua publicação por todo o efetivo, e o aditamento
pelos da respectiva Unidade; em hora fixada pelo respectivo Comandante;
TÍTULO VII – DOS SERVIÇOS GERAIS.
V - O desconhecimento do boletim não justifica falta;
CAPÍTULO I – DO BOLETIM INTERNO.
VI - Os originais dos boletins e seus aditamentos, com a assinatura autografada do Comandante do efetivo
serão colecionados e periodicamente encadernados ou brochados em um volume com índice de nomes e
outro de assuntos, organizados pela 1ª Secção, sendo o volume arquivado na Secretaria;
Art. 42 – O Boletim interno é o documento em que o Comandante publicará todas as suas ordens, as ordens
das autoridades superiores e os fatos de que deva o efetivo ter conhecimento.
VII - Procedimento análogo ao previsto no número anterior terão as Unidades, relativamente às cópias dos
boletins que lhes forem distribuídos, bem como em relação aos originais dos respectivos aditamentos.
§ 1º – O Boletim é dividido em 5 partes:
I -     Serviços diários; Art. 45 – Normalmente o boletim deverá estar pronto uma hora antes do termino do expediente do ultimo dia
II -   Operações e Instruções; útil da semana, havendo acúmulo de matéria, a parte que não exija conhecimento imediato poderá constituir
III - Assuntos Gerais e administrativos; assunto do boletim seguinte.
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 65
Parágrafo Único – O boletim será distribuído antes do término do tempo de instrução como consta no artigo
anterior. II - Alojamento.

Art. 46 – Nos domingos e feriados poderá ser publicado boletim quando houver expediente na Corporação, Art. 52 - O refeitório da Guarda Municipal será local exclusivo para realizar refeições nos horários determi-
motivado por situações extraordinárias. nados.

I - Expediente - Café da Manhã, até as 08h45min da manhã.


SEÇÃO I - DO EXPEDIENTE. Almoço, até as 14h30min da tarde.

Art. 47 - O expediente é a fase da jornada destinada à preparação e execução dos trabalhos normais da II - Guarda Municipal em plantão de acordo com as normas reguladas pelo superior imediato do plantão.
administração da Guarda Municipal e ao funcionamento das dependências internas.

§ 1º O refeitório da Guarda será utilizado exclusivamente para o armazenamento e aquecimento de


Parágrafo Único - Os serviços de escala e outros de natureza permanente, independem do horário do refeições, exceto em casos autorizados pelo Comandante da Guarda.
expediente da Guarda Municipal, assim como todos os trabalhos e serviços em situações anormais.

§ 2º A conservação da limpeza do refeitório é de exclusiva responsabilidade de quem faz uso do mesmo.


Art. 48 - Todos os assessores e Gerentes permanecerão na Guarda Municipal durante o expediente, de onde
só poderão afastar-se, mediante permissão do Comandante.
Art. 53 - Serviço de escala e serviço é todo não atribuído permanentemente à mesma pessoa ou fração de
pessoal, e que não importe em delegação pessoal ou escolha, obedecendo as seguintes regras:
§ 1º Durante o expediente, manter-se-á com o uniforme previsto.

I - O serviço externo é escalado antes do interno e em cada caso, o extraordinário, antes do ordinário, tendo
§ 2º Durante as horas de expediente, todos se devotarão, exclusivamente, ao exercício de suas funções e se bem em vista a perfeita equidade na distribuição;
aos misteres profissionais.

II - A designação para o serviço ordinário será feita pelo menos com 5 dias de antecedência e, para o
§ 3º A entrada e permanência de pessoas estranhas à Guarda Municipal, nos horários de expediente, ou fora extraordinário, de acordo com a urgência requerida;
de expediente serão reguladas em BI.

III - As folgas oriundas de serviço extra não poderão ultrapassar a 72 horas/mês, devendo as mesmas ser
§ 4º Os membros da Guarda Municipal em dias de folga, só poderão permanecer em suas dependências compensadas no mesmo mês;
com autorização dos superiores e Gerentes.

IV - A troca de serviço só poderá ser realizada com preenchimento de formulário próprio, com pelo menos
§ 5º É vetado ao funcionário ou pessoas estranhas transitarem com short, minissaias, bermudas, camisetas 48 horas de antecedência e devidamente autorizado pelo seu superior hierárquico imediato;
ou top nas dependências internas da Guarda Municipal.

V - Poderão ser organizadas escalas especiais paralelas à comum desde que cumpra o Inciso III deste
artigo;
SEÇÃO II - DAS ESCALAS DE SERVIÇO.
VI - Só depois de apresentado pronto à Guarda Municipal, poderá ser escalado para qualquer serviço.

Art. 49 - A escala de serviço é a relação do pessoal ou das frações de pessoal que concorrem no exercício Art. 54 - Ao serviço de escala concorrem:
de determinado serviço, tendo por finalidade a distribuição eqüitativa de todos os serviços da Guarda
Municipal.
I - Inspetores, Subinspetores, Chefes de Equipe e Guardas Municipais.
§ 1º As escalas respectivas serão reunidas em um só documento, devendo cada uma delas conter os
esclarecimentos necessários relativos à sua necessidade. § 1º Concorrem a serviço de expediente, os Guardas Municipais, Subinspetores ou Inspetores que traba-
lhem nas respectivas repartições internas.
§ 2º Todas as escalas são rigorosamente escrituradas e mantidas em dia pelas autoridades responsáveis,
sendo nelas conveniente registrados os serviços escalados e executados, bem como as alterações verificadas § 2º Os serviços executados pelos Grupamentos Especiais terão suas escalas de efetivo afixado no quadro
por ordem ou motivo superior. da seção de Operações Especiais e serão de acordo com o planejamento operacional de cada grupamento.

Art. 50 - As escalas serão elaboradas conforme o funcionamento dos postos e conforme a necessidade de § 3º Os Guardas Municipais integrantes dos Grupamentos Especiais só cobrirão eventos extras em acordo
serviço. com suas atribuições específicas:

Art. 51 - Os funcionários que trabalham em expediente deverão cumprir o horário das refeições em rodízio, Art. 55 - A fiscalização dos serviços de escala compete:
sendo concedido pelo Chefe Imediato.
I - Ao Gerente de Operações, ao Inspetor de dia, ao Subinspetor escalado e Chefe de Equipe, se for o caso.
§ 1º Ficará vetado a confecção e realização de refeição no interior do setor.

§ 2º O Período que compreende o almoço não deverá ultrapassar a 01(uma) hora. SEÇÃO III - DO INSPETOR DE DIA

§ 3º O Descanso relativo ao almoço não poderá ser gozado no próprio setor; salvo em caso de necessidade
urgente do serviço em que este deverá ser interrompido. Art. 56 - O Inspetor de dia, fora do expediente, e na ausência de um superior hierárquico, é o representante
do Comandante e tem como principais atribuições, além das previsões em outros artigos de acordo com sua
§ 4º Só serão autorizados os seguintes locais para descanso das refeições; competência:

I - Dependências externas da Guarda; pátio lateral e dianteiro; I - Assegurar, durante o seu serviço, o êxito cumprimento de ordens da Guarda Municipal e das disposições
regulamentares, relativas ao serviço diário;
66 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

II - Verificar ao assumir o serviço, em companhia de seu antecessor, se todas as dependências da Guarda Art. 60 - São serviços externos:
Civil Municipal estão em ordem;
I – Guarda, escolta de honra e proteção a autoridades;
III - Participar ao Comandante, todas as ocorrências extraordinárias havidas depois de seu último encontro
com essa autoridade, mencionando-as, ainda, na parte diária;
II - Paradas, desfiles e outras solenidades;

IV - Ter sob responsabilidade os objetos existentes nas dependências privativas da Guarda Municipal;
III - Honras Fúnebres;

V - Estar ciente da entrada, permanência e saída de quaisquer pessoas estranhas à instituição.


IV - Escolas, rondas e patrulhamento;

VI - Inspecionar, freqüentemente, as dependências da Guarda Municipal, verificando se estão sendo


regularmente cumpridas as ordens em vigor e tomando as providências que não exijam a intervenção de V - Representações;
autoridade superior;
VI - Cobertura de eventos, desde que cumpridas as exigências.
VII - Conservar em seu poder, durante a noite e a partir das vinte e uma horas, as chaves das dependências
e de todas as entradas da Guarda Municipal; § 1º O serviço é escalado pelo Comandante, por iniciativa sua e por interesse da Guarda Municipal, ou
conforme o caso, por determinação do Secretário Municipal de Segurança ou o Chefe do Executivo.
VIII - Passar, ou fazer passar pelo seu adjunto, quando não possa fazê-lo pessoalmente, as revistas
regulamentares, a relação das faltas, tudo fazendo constar de parte diária; § 2/ As escoltas, rondas e patrulhas obedecerão a ordens e instruções especiais do Comandante, conforme
o caso.
IX - Providenciar a substituição de Guardas que não compareçam ao serviço, adoeçam ou se ausentem;

X - Atender com presteza, na ausência do Comandante, ás determinações de autoridade ou superiores SEÇÃO VI - DOS POSTOS DE SERVIÇO.
hierárquicos que tenha ação de comando sobre a instituição, empregando todos os meios para dar conheci-
mento de tais determinações, no mais curto prazo possíveis; Art. 61 - São considerados postos de serviço essenciais àqueles que se averigua intensa necessidade
operacional do efetivo serviço da Guarda Municipal.
XI - Impedir a saída de viaturas ou outro material sem ordem de autoridade competente, fazendo constar da
parte diária as saídas extraordinárias, assim como o regresso, mencionando as horas; Art. 62 - Os postos de serviço essenciais serão especificados em escala mensal ou extraordinária, de
acordo com a necessidade do serviço.
XII - Permanecer na instituição durante as horas determinadas, sempre prontas e uniformizadas para
atender a qualquer eventualidade; § 1º Os postos de serviços essenciais serão cobertos de acordo com a necessidade operacional de cada
posto e serão incluídos dentre atividades específicas, os serviços de proteção patrimonial, a segurança
XIII - Fazer registrar e assinar, no respectivo livro de partes, todas as ocorrências havidas no serviço; física das instalações e proteção às autoridades nelas existentes.

XIV - Ficar responsável pela disciplina nas dependências internas da Guarda Civil municipal; § 2º Os postos de serviços deverão ser cobertos mediante apresentação das condições necessárias ao
funcionamento logístico e operacional da Guarda Municipal.
XV - Impedir a abertura de qualquer dependência fora das horas de expediente, sem ser pelo respectivo
chefe ou mediante ordem escrita deste, com declaração do motivo. Art. 63 – As condições necessárias para o funcionamento operacional dos postos serão avaliados pela
Assessoria de Operações.
SEÇÃO IV - DA ORDEM DE SERVIÇO
SEÇÃO VII - DAS FORMATURAS.
Art. 57 - As ordens de serviço são confeccionadas pela Assessoria de Operações da Guarda Municipal de
Maricá. Art. 64 - Formatura é toda reunião do pessoal em forma e pode ser:

Parágrafo Único - Os integrantes dos Grupamentos Especiais cumprirão as ordens de serviço emanadas I - Geral ou parcial;
por seu superior imediato, que deverão estar relacionadas com suas atribuições específicas e com ciência
do Setor de Operações. II - Ordinária ou Extraordinária.

Art. 58 - As ordens de serviço correspondentes a cobertura de eventos pela Guarda Municipal deverão § 1º No efetivo diário , seja de expediente e serviço de escala, durante a semana, haverá pelo menos, uma
cumprir as seguintes exigências: Formatura Parcial para o início das atividades do dia, ocasião em que será cantado o Hino Nacional, ou outro
Hino.
I - eventos inteiramente realizados pelo executivo;
§ 2º O horário da Formatura da Guarda Municipal poderá, a critério do Comandante, ser alterado por eventual
II - processo formalizado com no mínimo de 10 (dez) dias de antecedência; necessidade do serviço.

III - averiguar o local do evento, com amparo legal, para devidas providências com até 2 (dois) dias de § 3º Todo o efetivo da Guarda Municipal terá, pelo menos uma vez por mês, uma Formatura Geral.
antecedência (este ato deverá ser realizado pelo superior de operações).
§ 4º As Formaturas Ordinárias são as destinadas às revistas normais do pessoal dos Grupamentos
IV - eventos relacionados aos Grupamentos Especiais serão sujeito à averiguação junto ao Inspetor do Especiais, da fração de pessoal, a leitura do Boletim Interno e a instrução.
Grupamento.
Art. 65 - As Formaturas Extraordinárias podem ser previstas ou inopinadas.
Art. 59 - Serviço externo é todo serviço prestado fora da Sede, interessando a Guarda Municipal ou a
Administração Pública. § 1º As Formaturas Extraordinárias previstas são as determinadas no Programa específico ou ordenadas
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 67
em Boletim Interno, destinada às solenidades internas ou externas. Art. 73 - Nenhum documento será encaminhado para uma autoridade:

§ 2º As Formaturas Extraordinárias inopinadas são impostas pelas circunstâncias do momento, em virtude I - Sem que esta o instrua convenientemente, de acordo com as leis e os regulamentos em vigor;
de anormalidades ou em função de medidas comuns de caráter interno.
II - Sem estar redigido em termos convenientes;

SEÇÃO VIII - DAS PUBLICAÇÕES, DAS CORRESPONDÊNCIAS. III - Quando não forem respeitados o princípio da subordinação hierárquica e as normas regulamentares.
SUBSEÇÃO I - DAS PUBLICAÇÕES.

Art. 74 - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.


Art. 66 - Os exemplares de regulamentos, manuais de instrução e outras publicações da Guarda Municipal,
distribuído às chefias, não podem, sob pretexto algum. Constituir propriedade pessoal.
MUNICÍPIO DE MARICÁ, EM 29 DE DEZEMBRO DE 2008.
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA
§ 1º Os exemplares dos documentos referidos no presente artigo serão mantidos em dia pelos responsáveis
que irão introduzindo as sucessivas alterações, a medida que forem publicadas oficialmente. PREFEITO

§ 2º Os Assessores, Gerentes deverão possuir os regulamentos e manuais a fim de manter a par de todas DECRETO Nº 569, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008.
as disposições regulamentares e, especialmente, das que interessem diretamente ao exercício de suas
funções. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de
Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e da Valorização dos Profissionais da Eduação –
Art. 67 - Exemplares de regulamentos, manuais de instrução e outras publicações revogadas, desde que FUNDEB.
perfeitamente identificadas, poderão ser mantidos na Assessoria Administrativa da Instituição para efeito de
consultas e pesquisas. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas
pelos arts. 49, I; 51 e 127, III, VII da Lei Orgânica do Município
Art. 68 - As publicações e outros documentos de caráter sigiloso, distribuídas a divisões, ficarão sob DECRETA :
responsabilidade dos Chefes das mesmas, mantidos em arquivo especial, sob o controle do referido setor. Art. 1º Fica aprovado o Regimento Interno do CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DA
EDUCAÇÃO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA
SUBSEÇÃO II - DAS CORRESPONDÊNCIAS. EDUCAÇÃO BÁSICA E DA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO – FUNDEB.

Art. 69 - A correspondência Oficial em uso da Instituição é regulamentada por instruções baixadas pelo Art. 2º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições contrárias.
Comandante da Guarda Municipal.
RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA
Parágrafo Único - Nas Correspondências Oficiais da Guarda Municipal, empregar-se-ão as abreviaturas PREFEITO
conforme prescrevem as específicas instituições.
REGIMENTO INTERNO
Art. 70 - A correspondência oficial da Guarda Municipal pode ser:
DENOMINAÇÃO FINS E COMPROSIÇÃO
I - Quanto ao trânsito:
Ar. 1º - O Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo e Manutenção e Desenvol-
a) Interna; vimento da Educação Básica e da Valorização dos profissionais da Educação - FUNDEB, instituído pela Lei
b) Externa. Municipal n.º 159, de 12/04/2007 é um órgão consultivo, fiscalizador e deliberativo tendo como finalidade
acompanhar e controlar a distribuição, a transferência e a aplicação dos recursos dos fundos, no Município
de Maricá.
II - Quanto à natureza:
Ar. 2º Compete ao Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB (CMACS-
a) Sigilosa; FUNDEB):
b) Ostensiva. I- Acompanhar e controlar a transferência e observar a correta aplicação dos recursos do FUNDEB;
II- Supervisionar o censo escolar e a elaboração da proposta orçamentária anual, no âmbito de suas
III - Quanto à tramitação: respectivas esferas governamentais de atuação, com o objetivo de concorrer para o regular e tempestivo
tratamento e encaminhamento dos dados estatísticos e financeiros que alicerçam a operacionalização dos
a) Normal; Fundos;
b) Urgente; III- Acompanhar a aplicação dos recursos federais transferidos à conta do Programa Nacional de Apoio ao
c) Urgentíssima. Transporte do Escolar – PNATE e do Programa de Apoio aos Sistemas de Ensino para Atendimento à
Educação de Jovens e Adultos e, ainda, receber e analisar as prestações de contas referentes a esses
Programas, formulando pareceres conclusivos acerca da aplicação desses recursos e encaminhando-os ao
Art. 71 - A correspondência sigilosa é aquela que trata dos assuntos que, por sua natureza, devem ser de Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE;
conhecimento restrito e, portanto, requer medidas especiais de salvaguarda para sua divulgação, identifica-
ção, expedição, recebimento, registro, manuseio, custódia, arquivo eliminação, conforme a legislação em IV- Exigir o fiel cumprimento do plano de carreira e remuneração do Magistério da rede municipal de ensino;
vigor e outras instruções e normas baixadas pelo Comandante de Guarda Municipal. V- Acompanhar o processo de elaboração orçamentária da prefeitura para verificar se foram destinadas
doações próprias (atividades e projetos específicos) para utilização dos recursos do FUNDEB e se valores
Art. 72 - A correspondência ostensiva é aquela cujo conhecimento por outras pessoas, além dos destinatá- estão calculados corretamente;
rios, não prejudica o sigilo, a administração interna, a administração pública, não sendo, entretanto permitida VI- Realizar o controle social da aplicação dos recursos do FUNDEB.
sua publicação na imprensa oficial, salvo em Boletim Interno, ou quando autorizada pelo Comandante da
Guarda Municipal. Art. 3º - O CM ACS-FUNDEB será composto por 11 (onze) membros titulares, sendo:
I) 2 (dois) representantes do Poder Executivo Municipal, dos quais pelo menos 1 (um) da Secretaria
Municipal de Educação ou órgão Educacional equivalente;
68 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

II) 1 (um) representante dos professores da educação básica pública;


III) 1 (um) representante dos diretores das escolas básicas públicas; Art. 10 - Por meio de deliberação o conselho definirá os relatórios e demonstrativos orçamentários e
financeiros que deseja receber, bem como ter acesso aos registros contábeis, demonstrativos gerenciais,
IV) 1 (um) representante dos servidores técnico-adiministrativos das escolas básicas públicas; mensais e atualizados, relativos aos recursos do FUNDEB.
V) 2 (dois) representantes dos pais de alunos da educação básica pública; Art. 11 – Alternativamente a solicitação de providências ao chefe do Executivo, nos casos de falhas ou
VI) 2 (dois) representantes dos estudantes da educação básica pública, sendo 1 (um) indicado pela irregularidades, o conselho poderá, a seu critério, encaminhar representação ao Tribunal de Contas do
entidade de estudantes secundaristas; Estado, à Câmara Municipal e ao Ministério Público.
VII) 1 (um) representante do Conselho Municipal de Educação; Art. 12 – Os casos omissos e as dúvidas surgidas na aplicação deste Regimento serão solucionados por
deliberação do Conselho, em qualquer de suas reuniões, por maioria de seus membros presentes.
VIII) 1 (um) representante do Conselho Tutelar.

RICARDO JOSÉ QUEIROZ DA SILVA


Parágrafo 1º: Para cada membro titular deverá ser nomeado um suplente, e terão os membros titulares e
suplentes o mandato de dois anos, permitida uma única recondução para o mandato subseqüente por apenas PREFEITO
uma vez ;
Decreto n. º 533/07 23/10/08
Parágrafo 2º: A composição dos membros ocorrerá a partir da indicação ou eleição por parte dos segmentos
ou entidades previstas neste artigo,
ABRE CRÉDITO ADICIONAL SUPLEMENTAR AO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE DE
DIVERSAS SECRETARIAS DA PREFEITURA MARICÁ, NO VALOR DE R$ 850.139,82 (OITOCEN-
TOS E CINQUENTA MIL CENTO E TRINTA E NOVE REAIS E OITENTA E DOIS CENTAVOS), A
Ar. 4º - São impedidos de integrar o Conselho: SER CONSIGNADO NO ORÇAMENTO EM VIGOR:
I- Cônjuge e parentes consangüíneos ou afins, até terceiro grau, do prefeito, do vice-prefeito e dos
secretários municipais;
O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, no uso das atribuições e tendo em vista a autorização
II- Tesoureiro, contador ou funcionário de empresa de assessoria ou consultoria que prestem serviços contida no art. 7º da Lei nº 2234/07 de 21 de dezembro de 2007.
relacionados à administração ou controle interno dos recursos do FUNDEB, bem como cônjuges, parentes
consangüíneos ou afins, até terceiro grau, desses profissionais;
III- Estudantes não emancipados; Art. 1º Fica aberto ao orçamento fiscal e da Seguridade de diversas secretarias da Prefeitura Municipal de
Maricá, Crédito Adicional Suplementar no valor de R$850.139,82 (oitocentos e cinquenta mil cento e trinta
IV- Pais de alunos que: e nove reais e oitenta e dois centavos) a ser consignado no orçamento em vigor.
a. Exerçam cargos ou funções públicas de livre nomeação e exoneração no âmbito dos órgãos do Art. 2º Os recursos adicionais de que trata o artigo anterior serão compensados de acordo com o inciso III
respectivo Poder Executivo gestor dos recursos, ou do §1º do Artigo 43 da Lei 4.320 de 17 de março de 1964 e a Lei Municipal 2234 Artigo 7º de 21 de dezembro
b. Prestem serviços terceirizados, no âmbito do Poder Executivo em que atua o respectivo Conselho. de 2007;
Art. 3º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de 23/10/08,
revogadas as disposições em contrário.
Parágrafo 1º: Os Conselhos do FUNDEB terão um presidente e, opcionalmente, um vice-presidente, ambos
eleitos por seus pares, estando impedidos de ocupar tais funções os conselheiros representantes do Poder
Executivo, gestores dos recursos do Fundo. MARICÁ, EM 23 DE OUTUBRO DE 2008

DOS TRABALHOS E REUNIÕES

Art. 5º - As reuniões ordinárias do conselho serão realizadas mensalmente, por convocação de seu
presidente, cabendo à Secretaria Municipal de Educação destinar local adequado para a realização da
mesma.
I - O Conselho poderá se reunir extraordinariamente por convocação do seu presidente ou de um terço dos
seus membros;
II - De cada reunião realizada será lavrada, em livro próprio, a competente ata, que deverá ser assinada por
todos os membros presentes;
III - Para início das reuniões o quorum será de maioria absoluta;
IV - Nas reuniões os trabalhos serão secretariados por um dos membros, escolhido pelo presidente, a quem
competirá a lavratura das atas;
V - Nas reuniões as deliberações serão tomadas por maioria simples, salvo para os casos em que for exigido
outro quorum;
VI – O Presidente do conselho só poderá votar nos casos em que se requeira quorum qualificado ou nos
casos de desempate;
Art. 7º - Pela participação no conselho e nas reuniões, seus membros não farão jus a qualquer tipo de
remuneração.
Art. 8º - O membro do conselho que faltar a três reuniões ordinárias, no mesmo ano calendário, estará sujeito
à perda do mandato, a critério do plenário. Caberá ao presidente convocar e dar posse ao suplente para
completar o mandato, inclusive no caso de renúncia do titular.
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 9º - O Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB não se constitui em
unidade administrativa da prefeitura e não pode reivindicar dotações próprias no orçamento municipal para o
seu funcionamento. Valéria Ferreira da Silva Ricardo José Queiroz da Silva
Secretária Municipal de Controle Interno Prefeito Municipal
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 69
ESTADO DO RIO DE JANEIRO Ricardo José Queiroz da Silva
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ Prefeito
GABINETE DO PREFEITO
Luiz Henrique C. Vianna
DECRETO Nº 558 DE 22 DEZEMBRO 2008 Secretário Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o que foi Ronaldo G. da Cunha
decidido no processo n.º 26599/2007, requerido por Ferreira Lucas Empreendimentos Imobiliários.
Superintendente de Licenciamento de Obras e Posturas
DECRETA:
DECRETO Nº 566 - DE 26 DE DEZEMBRO 2008.
Art. 1º - Fica aprovado o CONDOMÍNIO RESIDENCIAL PEDRA DE INOÃ com área de 233.085,51 m 2

(duzentos e trinta e três mil, oitenta e cinco metros quadrados e cinqüenta e um centímetros quadrados),
situado à Estrada dos Cajueiros, Inoã, 3º Distrito do Município de Maricá - Maricá – RJ, conforme análise O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais;
e parecer da Superintendência de Licenciamento de Obras e Posturas.
Art. 2º - Passa a integrar o domínio do Município uma área de 12.619,76m2 (doze mil, seiscentos e dezenove DECRETA:
metros quadrados e setenta e seis centímetros quadrados) perfeitamente descrita e caracterizada no
Memorial Descritivo, a qual o empreendedor fica obrigado a transferir a referida área para a municipalidade
arcando com todas custas dessa transferência, perante o competente Registro Geral de Imóveis desta Art. 1º - Fica aprovado o CONDOMÍNIO PEDRA VERDE RESIDENCIAL, com área de 308.686,85m2
Comarca no prazo de 90 (noventa) dias, a partir da data da publicação deste Decreto. (trezentos e oito mil, seiscentos e oitenta e seis metros quadrados e oitenta e cinco centímetros
Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras: quadrados), situado na área denominada Gleba “C” – Sitio Nossa Senhora da Saúde, 2º distrito deste
Município, Maricá – RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de Licenciamento de Obras e
1 – Serviços de terraplenagem; Postura, através do processo administrativo nº 24264/08.
2 – Arruamento, conforme projeto aprovado; Art. 2º - Passa a integrar o domínio do Município uma área de 49.353,95m2 (quarenta e nove mil, trezentos
3 – Rede de drenagem de águas pluviais, conforme projeto aprovado; e cinqüenta e três metros quadrados e noventa e cinco centímetros quadrados) identificada na prancha nº
01, a qual o empreendedor fica obrigado a transferir a referida área para a municipalidade arcando com todas
4 – Colocação de meio-fio e sarjeta, conforme projeto aprovado; as custas dessa transferência, perante o competente Registro Geral de Imóveis desta Comarca no prazo de
90 (noventa) dias, ficando sujeito à suspensão da devida aprovação do Condomínio Residencial a partir da
5 – Pavimentação das vias internas, em paralelepípedos, blocos de concreto ou asfalto;
data da publicação deste Decreto, em caso do não cumprimento deste compromisso.
6 – Demarcação de todas as unidades, conforme projeto aprovado;
Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras:
7 – Demarcação de todas as áreas de uso comum e área de doação à P.M.M., conforme projeto aprovado
1 – Serviços de terraplenagem, conforme projeto aprovado;
e memorial descritivo;
2 – Arruamento, conforme projeto aprovado;
8 – Rede de abastecimento de água, inclusive reservatórios superiores e castelo d’ água, conforme projeto
aprovado e memorial descritivo;
9 – Rede coletora e sistema de tratamento de esgoto sanitário, conforme projeto aprovado e memorial 3 – Rede de drenagem de águas pluviais com a preocupação de encaminhar as águas pluviais, obedecendo
descritivo; aos leitos naturais da bacia de microdrenagem da região onde será realizado o empreendimento.
10 – Portaria, conforme projeto aprovado; 4 – Colocação de meio-fio e sarjeta, conforme projeto aprovado;
11 – Arborização; 5 –Demarcação de todas unidades e identificação com placas,conforme projeto aprovado;
12 – Área(s) de lazer, conforme projeto aprovado; 6 – Demarcação e identificação com placas de todas as áreas de uso comum e área de doação à P.M.M.,
conforme projeto aprovado e memorial descritivo;
13 – Fechamento de todo perímetro do terreno do Condomínio;
07 – Portaria, conforme projeto aprovado;
14 – Rede elétrica de alta e baixa tensão.
08 – Arborização;
Art. 4º - Ficam todas as disposições do Memorial Descritivo e do Memorial de Incorporação, parte integrante
do processo de aprovação, inalterados, como disposição de Ordem Pública, não podendo ser alterados pela 09– Área(s) de uso comum, destinada à implantação da área de lazer e apoio;
vontade dos condôminos.
Art. 5º - Ficam caucionados, nos termos das Leis nº 6766/79 e nº 463/84, a ser averbado no Registro Geral
de Imóveis os seguintes lotes: 222 a 234, 282 a 288 e 291 a 310, para garantia das obras previstas neste 10- Fechamento de todo perímetro do terreno do Condomínio;
Decreto. 11– Rede elétrica de alta e baixa tensão;
Art. 6º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que
só serão permitidas construções residenciais unifamiliares, sendo proibidas edificações multifamiliares,
comerciais, mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste Artigo. Art. 4º - Ficam todas as disposições do memorial descritivo, parte integrante do Processo de Aprovação,
inalterados, como disposição de ordem Pública, não podendo ser alterados pela vontade dos Condôminos;
Art. 7º - O empreendedor se obriga a expressar claramente no documento de venda das unidades, que o
Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras ou benfeitorias, manuten- Art. 5º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que
ção de vias internas, coleta de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área particular só serão permitidas construções residenciais unifamiliares, sendo proibidas edificações multifamiliares,
o espaço interno do Condomínio. comerciais, mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste Artigo, como também as
escrituras públicas definitivas de transferência de domínio só poderão ocorrer após o Aceite definitivo das
Art. 8º - Fica resguardado, a qualquer tempo, o acesso do Poder público ao interior do condomínio para obras de infra estrutura que se obrigam o empreendedor, Aceite este que deverá ser emitido por esta
fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra ou serviço. municipalidade, enquanto não, as escrituras públicas que venham a se proceder deverão ser atos de
Art. 9º - O descumprimento de qualquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do promessa de compra e venda;
mesmo e aplicação das sanções previstas na Legislação em vigor. Art. 6º - O empreendedor se obriga a expressar claramente no documento de venda das unidades, que o
Art. 10º - Este Decreto entrará em vigor na data da sua publicação, revogando-se as disposições em Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras ou benfeitorias, manuten-
contrário. ção de vias internas, coleta de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área particular
o espaço interno do Condomínio;
Art. 7º - Fica resguardado, a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do condomínio para
Maricá, 22 de Dezembro de 2008.
70 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra ou serviço; Art. 4º - Ficam todas as disposições do Memorial Descritivo e do Memorial de Incorporação, parte Integrante
do Processo de Aprovação inalterados, como disposição de Ordem Pública, não podendo ser alterado pela
Art. 8º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do vontade do Condomínio.
mesmo e aplicação das sanções previstas na Legislação em vigor;
Art. 9º - Este Decreto entrará em vigor na data da sua publicação, revogando-se as disposições em
contrário. Art. 5º - Ficam caucionados, nos termos das Leis nº 6766/79 e nº 463/84, a ser averbado no Registro Geral
de Imóveis os seguintes Lotes 01 à 20 da Quadra J e 1 à 21 da Quadra M para garantia das Obras previstas
Maricá, 26 de Dezembro de 2008 . no Decreto.

Ricardo José Queiroz da Silva Art. 6º - O empreendedor se obriga a expressar claramente no documento de venda das unidades, que só
Prefeito serão permitidas construções Residenciais Unifamiliares, sendo proibidas edificações Multifamiliares. Co-
merciais, Mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste artigo.

Luiz Henrique Coelho Vianna


Art. 7º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades que
Secretário Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente o Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras e benfeitorias,
manutenção de vias internas, coletas de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área
particular o espaço interno do Condomínio
Ronaldo G.da Cunha
.
Superintendente de Licenciamento de Obras e Postura
Art. 8º - Fica resguardado a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do Condomínio para
fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra do serviço.
DECRETO N 561 de 22 de dezembro de 2008

Art. 9º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do
mesmo e aplicação das Sanções previstas na legislação em vigor.
O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e
CONSIDERANDO o que foi decidido no Processo 25621/2008, requerido pela empresa ZRC EMPRE-
ENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA, CNPJ 10.386.644/0001-13. Art. 10o - Este Decreto entrará em vigor na data da sua Publicação, revogando-se as disposições em
contrário.
Maricá, 22 de dezembro de 2008.
DECRETA:

Ricardo José Queiroz da Silva


Art. 1º - Fica aprovado o "CONDOMÍNIO PRIVILLÉGE - RESIDENCIAL & GOLFE", com Área de
208.227,55M2 (duzentos e oito mil, duzentos e vinte e sete metros quadrados e cinqüenta e cinco centíme- Prefeito
tros quadrados), situado no lugar denominado Estrada do Espraiado nº 2.301, lugar Posse, Espraiado 2º
distrito do Município de Maricá -RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de Urbanismo.
Luiz Henrique Coelho Vianna
Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente
Art. 2º - Passa a integrar ao domínio do Município de Maricá, uma área de 125.911,06M2 (cento
e vinte cinco mil novecentos e onze metros quadrados e seis centímetros quadrados), referente ao
desmembramento da fazenda Santa Fé que deu origem a referida área de doação de acordo com planta da Ronaldo Goulart da Cunha
área doação constante no processo nº 25621/2008 de 24 de Novembro de 2008, a qual o empreendedor
fica obrigado a transferir a referida, perante o competente Registro Geral de Imóveis desta Comarca no Superintendente Geral de Licenciamento Obras e Posturas
prazo de 90 (noventa ) dias, a partir da data da publicação deste Decreto.
DECRETO N 559 de 22 de dezembro de 2008
Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras:
01 - Serviço de Terraplenagem; O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas
atribuições legais e CONSIDERANDO o que foi decidido no Processo 27045/2008.
02 - Arruamento, conforme projeto aprovado;
03 - Rede Drenagem de Águas Pluviais, conforme Projeto Aprovado;
DECRETA:
04 - Colocação de Meio Fio e Sarjeta, conforme Projeto Aprovado;
05 - Pavimentação das vias interna em paralelepípedos ou blocos de concreto;
Art. 1º - Fica aprovado o "CONDOMÍNIO VIVERE JARDIM RESIDENCIAL", com Área de 88.545.00M2
06 - Demarcação de todas as unidades, conforme Projeto; (oitenta e oito mil quinhentos e quarenta e cinco metros quadrados) , situado no lugar denominado São José
07 - Demarcação de todas as áreas de uso comum e área de doação a PMM, conforme projeto Aprovado de Imbassai, 3º distrito do Município de Maricá - RJ. Conforme análise e parecer da Superintendência de
e Memorial Descritivo; Urbanismo.
08 - Rede de abastecimento de água, inclusive reservatórios superiores e castelo d'água, conforme projeto Art. 2º - Passa a integrar ao domínio do Município de Maricá, uma área de 2.833,44M2 (dois mil oitocentos
aprovado no Memorial Descritivo; e trinta e três metros quadrados e quarenta e quatro decímetros quadrados) perfeitamente descrita e
caracterizada no Memorial Descritivo, a qual o empreendedor fica obrigado a transferir a referida, perante o
09 - Rede Coletora e sistema de tratamento de esgoto sanitário.; competente Registro Geral de Imóveis desta Comarca no prazo de 90 (noventa ) dias, a partir da data da
10- Portaria, conforme projeto aprovado. publicação deste Decreto.

11- Arborização, no mínimo uma árvore por cada unidade. Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras:

12- Áreas de Lazer, conforme Projeto Aprovado; 01 - Serviço de Terraplenagem;

13- Fechamento de todo perímetro de terreno do Condomínio; 02 - Arruamento, conforme projeto aprovado;

14- Rede Elétrica de Alta e Baixa Tensão. 03 - Rede Drenagem de Águas Pluviais, conforme Projeto Aprovado;
04 - Colocação de Meio Fio e Sarjeta, conforme Projeto Aprovado;
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 71
05 - Pavimentação das vias interna em, paralelepípedos,blocos de concreto ou asfalto; DECRETO N 562 de 23 de dezembro de 2008
06 - Demarcação de todas as unidades, conforme Projeto;
07 - Demarcação de todas as áreas de uso comum e área de doação a PMM, conforme projeto Aprovado
e Memorial Descritivo;
O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERAN-
08 - Rede de abastecimento de água, inclusive reservatórios superiores e castelo d'água, conforme projeto DO o que foi decidido no Processo 26100/2008, requerido pela empresa CACHOEIRA EMPREENDI-
aprovado no Memorial Descritivo; MENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA, CNPJ 03.988.124/0001-15.
09 - Rede Coletora e sistema de tratamento de esgoto sanitário.;
10- Portaria, conforme projeto Aprovado. DECRETA:
11- Arborização, no mínimo uma árvore por cada unidade.
12- Áreas de Lazer, conforme Projeto Aprovado; Art. 1º - Fica aprovado o “CONDOMÍNIO CACHOEIRA I”, com Área de 29.206,71M2 (vinte e nove mil,
duzentos e seis metros quadrados e setenta e um centímetros quadrados), situada no lugar denominado
13- Fechamento de todo perímetro de terreno do Condomínio;
São José de Imbassai, 3º Distrito de Maricá-RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de
14- Rede Elétrica de Alta e Baixa Tensão. Urbanismo.
Art. 2º - Passa a integrar ao domínio do Município de Maricá, uma área de 548,29M2 (quinhentos e quarenta
e oito metros quadrados e vinte nove centímetros quadrados) perfeitamente descrita e caracterizada no
Art. 4º - Ficam todas as disposições do Memorial Descritivo e do Memorial de Incorporação, parte Integrante Memorial Descritivo, a qual o empreendedor fica obrigado a transferir a referida, perante o competente
do Processo de Aprovação inalterados, como disposição de Ordem Pública, não podendo ser alterado pela Registro Geral de Imóveis desta Comarca no prazo de 90 (noventa ) dias, a partir da data da publicação
vontade do Condomínios. deste Decreto.

Art. 5º - Ficam caucionados, nos termos das Leis nº 6766/79 e nº 463/84, a ser averbado no Registro Geral Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras:
de Imóveis os seguintes Lotes 01 ao 10 e 38 ao 59 para garantia das Obras previstas no Decreto.

01 – Serviço de Terraplenagem;
Art. 6º - O empreendedor se obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que só
serão permitidas construções Residenciais Unifamiliares, sendo proibidas edificações Multifamiliares. Co- 02 – Arruamento, conforme projeto aprovado;
merciais, Mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste artigo.
03 – Rede Drenagem de Águas Pluviais, conforme Projeto Aprovado;
04 - Colocação de Meio Fio e Sarjeta, conforme Projeto Aprovado;
Art. 7º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades que
05 – Pavimentação das vias interna em, paralelepípedos,blocos de concreto ou asfalto;
o Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras e benfeitorias,
manutenção de vias internas, coletas de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área 06 – Demarcação de todas as unidades, conforme Projeto;
particular o espaço interno do Condomínio
07 – Demarcação de todas as áreas de uso comum e área de doação a PMM, conforme projeto Aprovado
. e Memorial Descritivo;
Art. 8º - Fica resguardado a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do Condomínio para 08 – Rede de abastecimento de água, inclusive reservatórios superiores e castelo d’água, conforme projeto
fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra do serviço. aprovado no Memorial Descritivo;
09 – Rede Coletora e sistema de tratamento de esgoto sanitário.;
Art. 9º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do 10- Portaria, conforme projeto Aprovado.
mesmo e aplicação das Sanções prevista na legislação em vigor.
11- Arborização, no mínimo uma árvore por cada unidade.
12- Áreas de Lazer, conforme Projeto Aprovado;
Art. 10o - Este Decreto entrará em vigor na data da sua Publicação, revogando-se as disposições em
contrário. 13- Fechamento de todo perímetro de terreno do Condomínio;
14- Rede Elétrica de Alta e Baixa Tensão.

Prefeitura Municipal de Maricá, 22 de dezembro de 2008.


Art. 4º - Ficam todas as disposições do Memorial Descritivo e do Memorial de Incorporação, parte Integrante
do Processo de Aprovação inalterados, como disposição de Ordem Pública, não podendo ser alterado pela
vontade do Condomínios.
Ricardo José Queiroz da Silva
Prefeito Art. 5º - Ficam caucionados, nos termos das Leis nº 6766/79 e nº 463/84, a ser averbado no Registro Geral
de Imóveis o Lote 05 para garantia das Obras previstas no Decreto.

Art. 6º - O empreendedor se obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que só
serão permitidas construções Residenciais Unifamiliares, sendo proibidas edificações Multifamiliares. Co-
Luiz Henrique Coelho Vianna merciais, Mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste artigo.
Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente
Art. 7º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades que
o Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras e benfeitorias,
manutenção de vias internas, coletas de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área
particular o espaço interno do Condomínio
Ronaldo Goulart da Cunha .
Superintendente Geral de Licenciamento Obras e Posturas Art. 8º - Fica resguardado a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do Condomínio para
fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra do serviço.
72 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

Art. 9º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do Art. 7º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades que
mesmo e aplicação das Sanções prevista na legislação em vigor. o Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras e benfeitorias,
manutenção de vias internas, coletas de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área
Art. 10o - Este Decreto entrará em vigor na data da sua Publicação, revogando-se as disposições em particular o espaço interno do Condomínio
contrário.
.
Art. 8º - Fica resguardado a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do Condomínio para
Maricá, 23 de dezembro de 2008. fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra do serviço.

Ricardo José Queiroz da Silva


Prefeito Art. 9º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do
mesmo e aplicação das Sanções prevista na legislação em vigor.
Luiz Henrique Coelho Vianna
Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente
Art. 10o - Este Decreto entrará em vigor na data da sua Publicação, revogando-se as disposições em
Ronaldo Goulart da Cunha contrário.
Superintendente Geral de Licenciamento Obras e Posturas

DECRETO N 564 de 23 de dezembro de 2008. Maricá, 23 de dezembro de 2008.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas Ricardo José Queiroz da Silva


atribuições legais e CONSIDERANDO o que foi decidido no Processo 26102/2008, requerido pela Prefeito
empresa CACHOEIRA EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA, CNPJ 03.988.124/0001-15.
Luiz Henrique Coelho Vianna
Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente
DECRETA:
Ronaldo Goulart da Cunha
Superintendente Geral de Licenciamento Obras e Posturas
Art. 1º - Fica aprovado o “CONDOMÍNIO CACHOEIRA II”, com Área de 45.045,22M2 (quarenta e cinco
mil, quarenta e cinco metros quadrados e vinte e dois centímetros quadrados), situada no lugar denominado DECRETO N 565 de 23 dezembro de 2008.
São José de Imbassai, 3º Distrito de Maricá-RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de
Urbanismo.
Art. 2º - Passa a integrar ao domínio do Município de Maricá, uma área de 2.625,002 (dois Mil, seiscentos O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERAN-
e vinte cinco metros quadrados ) perfeitamente descrita e caracterizada no Memorial Descritivo, a qual o DO o que foi decidido no Processo 26101/2008, requerido pela empresa LUMA 1000 EMPREENDIMEN-
empreendedor fica obrigado a transferir a referida, perante o competente Registro Geral de Imóveis desta TO E PARTICIPAÇÕES LTDA, CNPJ 07.618.122/0001-95.
Comarca no prazo de 90 (noventa ) dias, a partir da data da publicação deste Decreto.
Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras: DECRETA:
01 – Serviço de Terraplenagem;
02 – Arruamento, conforme projeto aprovado; Art. 1º - Fica aprovado o “CONDOMÍNIO CACHOEIRA III”, com Área de 100.126,37M2 (cem mil, cento
03 – Rede Drenagem de Águas Pluviais, conforme Projeto Aprovado; e vinte e sete metros quadrados e trinta e sete centímetros quadrados), situada no lugar denominado São
José de Imbassai, 3º Distrito de Maricá-RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de Urbanis-
04 - Colocação de Meio Fio e Sarjeta, conforme Projeto Aprovado; mo.
05 – Pavimentação das vias interna em, paralelepípedos,blocos de concreto ou asfalto; Art. 2º - Passa a integrar ao domínio do Município de Maricá, uma área de 12.335,67 (doze mil, trezentos
e trinta e cinco metros quadrados e sessenta e sete centímetros quadrados) perfeitamente descrita e
06 – Demarcação de todas as unidades, conforme Projeto; caracterizada no Memorial Descritivo, a qual o empreendedor fica obrigado a transferir a referida, perante o
07 – Demarcação de todas as áreas de uso comum e área de doação a PMM, conforme projeto Aprovado competente Registro Geral de Imóveis desta Comarca no prazo de 90 (noventa ) dias, a partir da data da
e Memorial Descritivo; publicação deste Decreto.
08 – Rede de abastecimento de água, inclusive reservatórios superiores e castelo d’água, conforme projeto Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras:
aprovado no Memorial Descritivo; 01 – Serviço de Terraplenagem;
09 – Rede Coletora e sistema de tratamento de esgoto sanitário.; 02 – Arruamento, conforme projeto aprovado;
10- Portaria, conforme projeto Aprovado. 03 – Rede Drenagem de Águas Pluviais, conforme Projeto Aprovado;
11- Arborização, no mínimo uma árvore por cada unidade. 04 - Colocação de Meio Fio e Sarjeta, conforme Projeto Aprovado;
12- Áreas de Lazer, conforme Projeto Aprovado; 05 – Pavimentação das vias interna em, paralelepípedos,blocos de concreto ou asfalto;
13- Fechamento de todo perímetro de terreno do Condomínio; 06 – Demarcação de todas as unidades, conforme Projeto;
14- Rede Elétrica de Alta e Baixa Tensão. 07 – Demarcação de todas as áreas de uso comum e área de doação a PMM, conforme projeto Aprovado
Art. 4º - Ficam todas as disposições do Memorial Descritivo e do Memorial de Incorporação, parte Integrante e Memorial Descritivo;
do Processo de Aprovação inalterados, como disposição de Ordem Pública, não podendo ser alterado pela 08 – Rede de abastecimento de água, inclusive reservatórios superiores e castelo d’água, conforme projeto
vontade do Condomínios. aprovado no Memorial Descritivo;
09 – Rede Coletora e sistema de tratamento de esgoto sanitário.;
Art. 5º - Ficam caucionados, nos termos das Leis nº 6766/79 e nº 463/84, a ser averbado no Registro Geral 10- Portaria, conforme projeto Aprovado.
de Imóveis o Lote 05 para garantia das Obras previstas no Decreto.
11- Arborização, no mínimo uma árvore por cada unidade.
12- Áreas de Lazer, conforme Projeto Aprovado;
Art. 6º - O empreendedor se obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que só
serão permitidas construções Residenciais Unifamiliares, sendo proibidas edificações Multifamiliares. Co- 13- Fechamento de todo perímetro de terreno do Condomínio;
merciais, Mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste artigo.
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 73
14- Rede Elétrica de Alta e Baixa Tensão. 02 – Arruamento, conforme projeto aprovado;
03 – Rede Drenagem de Águas Pluviais, conforme Projeto Aprovado;
Art. 4º - Ficam todas as disposições do Memorial Descritivo e do Memorial de Incorporação, parte Integrante 04 - Colocação de Meio Fio e Sarjeta, conforme Projeto Aprovado;
do Processo de Aprovação inalterados, como disposição de Ordem Pública, não podendo ser alterado pela
vontade do Condomínios. 05 – Pavimentação das vias interna em, paralelepípedos,blocos de concreto ou asfalto;
06 – Demarcação de todas as unidades, conforme Projeto;

Art. 5º - Ficam caucionados, nos termos das Leis nº 6766/79 e nº 463/84, a ser averbado no Registro Geral 07 – Demarcação de todas as áreas de uso comum e área de doação a PMM, conforme projeto Aprovado
de Imóveis o Lote 05 à 09 para garantia das Obras previstas no Decreto. e Memorial Descritivo;
08 – Rede de abastecimento de água, inclusive reservatórios superiores e castelo d’água, conforme projeto
aprovado no Memorial Descritivo;
Art. 6º - O empreendedor se obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que só
serão permitidas construções Residenciais Unifamiliares, sendo proibidas edificações Multifamiliares. Co- 09 – Rede Coletora e sistema de tratamento de esgoto sanitário.;
merciais, Mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste artigo. 10- Portaria, conforme projeto Aprovado.
11- Arborização, no mínimo uma árvore por cada unidade.
Art. 7º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades que 12- Áreas de Lazer, conforme Projeto Aprovado;
o Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras e benfeitorias,
manutenção de vias internas, coletas de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área 13- Fechamento de todo perímetro de terreno do Condomínio;
particular o espaço interno do Condomínio 14- Rede Elétrica de Alta e Baixa Tensão.
.
Art. 8º - Fica resguardado a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do Condomínio para Art. 4º - Ficam todas as disposições do Memorial Descritivo e do Memorial de Incorporação, parte Integrante
fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra do serviço. do Processo de Aprovação inalterados, como disposição de Ordem Pública, não podendo ser alterado pela
vontade do Condomínios.

Art. 9º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do
mesmo e aplicação das Sanções prevista na legislação em vigor. Art. 5º - Ficam caucionados, nos termos das Leis nº 6766/79 e nº 463/84, a ser averbado no Registro Geral
de Imóveis os seguintes Lotes 06 à 11 para garantia das Obras previstas no Decreto.

Art. 10o - Este Decreto entrará em vigor na data da sua Publicação, revogando-se as disposições em
contrário. Art. 6º - O empreendedor se obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que só
serão permitidas construções Residenciais Unifamiliares, sendo proibidas edificações Multifamiliares. Co-
merciais, Mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste artigo.
Maricá, 23 de dezembro de 2008.

Art. 7º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades que
Ricardo José Queiroz da Silva o Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras e benfeitorias,
Prefeito manutenção de vias internas, coletas de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área
particular o espaço interno do Condomínio
Luiz Henrique Coelho Vianna
Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente .
Art. 8º - Fica resguardado a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do Condomínio para
Ronaldo Goulart da Cunha fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra do serviço.
Superintendente Geral de Licenciamento Obras e Posturas

DECRETO N 563 de 23 de dezembro de 2008 Art. 9º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do
mesmo e aplicação das Sanções prevista na legislação em vigor.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO


o que foi decidido no Processo 26103/2008. Art. 10o - Este Decreto entrará em vigor na data da sua Publicação, revogando-se as disposições em
contrário.

Maricá, 23 de dezembro de 2008.


DECRETA:

Art. 1º - Fica aprovado o “CONDOMÍNIO CANAAN”, com Área de 62.903,26M2 (sessenta e dois mil,
novecentos e três metros quadrados e vinte e seis centímetros quadrados), situada na estrada do Rio Fundo Ricardo José Queiroz da Silva
no lugar denominado Caxito, 1º Distrito de Maricá-RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de Prefeito
Urbanismo.

Art. 2º - Passa a integrar ao domínio do Município de Maricá, uma área de 3.002,14M2 (três mil, e dois
metros quadrados e quatorze centímetros quadrados) perfeitamente descrita e caracterizada no Memorial Luiz Henrique Coelho Vianna
Descritivo, a qual o empreendedor fica obrigado a transferir a referida, perante o competente Registro Geral Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente
de Imóveis desta Comarca no prazo de 90 (noventa ) dias, a partir da data da publicação deste Decreto.

Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras:


Ronaldo Goulart da Cunha
Superintendente Geral de Licenciamento Obras e Posturas
01 – Serviço de Terraplenagem;
74 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

DECRETO N 560 de 22 de dezembro de 2008 Art. 10o - Este Decreto entrará em vigor na data da sua Publicação, revogando-se as disposições em
contrário.

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas


atribuições legais e CONSIDERANDO o que foi decidido no Processo 18137/2008, requerido pela Prefeitura Municipal de Marica, 22 de dezembro de 2008.
Empresa KAMAL BRASIL EMPREENDIMNTOS IMOBILIÁRIOS E PARTICIPAÇÕES LTDA.

Ricardo José Queiroz da Silva


DECRETA: Prefeito

Luiz Henrique Coelho Vianna


Art. 1º - Fica aprovado o CONDOMÍNIO RESIDENCIAL “GAN ÉDEN”, com Área de 449.830,00M2 Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente
(quatrocentos e quarenta e nove mil e oitocentos e trinta metros quadrados) Situado no lugar denominado
Silvado 2º distrito do município de Maricá - RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de Ronaldo Goulart da Cunha
Urbanismo. Superintendente Geral de Licenciamento Obras e Posturas
Art. 2º - Passa a integrar ao domínio do Município de Maricá, uma área de 20.583.46M2 (vinte mil quinhentos
e oitenta e três metros quadrados e quarenta e seis decímetros quadrados) perfeitamente descrita e ESTADO DO RIO DE JANEIRO
caracterizada no Memorial Descritivo, a qual o empreendedor fica obrigado a transferir a referida, perante o
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ
competente Registro Geral de Imóveis desta Comarca no prazo de 90 (noventa ) dias, a partir da data da
publicação deste Decreto. GABINETE DO PREFEITO
Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras:
DECRETO Nº 554 DE 17 DE DEZEMBRO 2008.
01 – Serviço de Terraplenagem;
02 – Arruamento, conforme projeto aprovado;
03 – Rede Drenagem de Águas Pluviais, conforme Projeto Aprovado; O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais;
04 - Colocação de Meio Fio e Sarjeta, conforme Projeto Aprovado;
05 – Pavimentação das vias interna em, paralelepípedos,blocos de concreto ou asfalto; DECRETA:
06 – Demarcação de todas as unidades, conforme Projeto;
07 – Demarcação de todas as áreas de uso comum e área de doação a PMM, conforme projeto Aprovado Art. 1º - Fica aprovado o CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TRÊS REIS 1, com área de 600.898,56m2
e Memorial Descritivo; (seiscentos mil, oitocentos e noventa e oito metros quadrados e cinqüenta e seis centímetros quadrados),
situado na área denominada área “A” – Situada a Estrada Rio Fundo- Caxito 1º distrito deste Município,
08 – Rede de abastecimento de água, inclusive reservatórios superiores e castelo d’água, conforme projeto
Maricá – RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de Licenciamento de Obras e Postura, através
aprovado no Memorial Descritivo;
do processo administrativo nº 24214/08.
09 – Rede Coletora e sistema de tratamento de esgoto sanitário.;
Art. 2º - Passa a integrar o domínio do Município uma área de 14.228,75m2 (quatorze mil duzentos e vinte
10- Portaria, conforme projeto Aprovado. e oito metros quadrados e setenta e cinco centímetros quadrados), identificada na prancha nº 01, a qual
o empreendedor fica obrigado a transferir a referida área para a municipalidade arcando com todas as custas
11- Arborização, no mínimo uma árvore por cada unidade. dessa transferência, perante o competente Registro Geral de Imóveis desta Comarca no prazo de 90
12- Áreas de Lazer, conforme Projeto Aprovado; (noventa) dias, ficando sujeito à suspensão da devida aprovação do Condomínio Residencial a partir da data
da publicação deste Decreto, em caso do não cumprimento deste compromisso.
13- Fechamento de todo perímetro de terreno do Condomínio;
Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras:
14- Rede Elétrica de Alta e Baixa Tensão.
1 – Serviços de terraplenagem, conforme projeto aprovado;
2 – Arruamento, conforme projeto aprovado;
Art. 4º - Ficam todas as disposições do Memorial Descritivo e do Memorial de Incorporação, parte Integrante
do Processo de Aprovação inalterados, como disposição de Ordem Pública, não podendo ser alterado pela 3 – Rede de drenagem de águas pluviais com a preocupação de encaminhar as águas pluviais, obedecendo
vontade do Condomínios. aos leitos naturais da bacia de microdrenagem da região onde será realizado o empreendimento.
4 – Colocação de meio-fio e sarjeta, conforme projeto aprovado;
Art. 5º - Ficam caucionados, nos termos das Leis nº 6766/79 e nº 463/84, a ser averbado no Registro Geral 5 –Demarcação de todas unidades e identificação com placas,conforme projeto aprovado;
de Imóveis os seguintes Lotes 1 à 40 para garantia das Obras previstas no Decreto. 6 – Demarcação e identificação com placas de todas as áreas de uso comum e área de doação à P.M.M.,
conforme projeto aprovado e memorial descritivo;
Art. 6º - O empreendedor se obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que só 07 – Portaria, conforme projeto aprovado;
serão permitidas construções Residenciais Unifamiliares, sendo proibidas edificações Multifamiliares. Co- 08 – Arborização;
merciais, Mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste artigo.
09– Área(s) de uso comum, destinada à implantação da área de lazer e apoio;
10– Fechamento de todo perímetro do terreno do Condomínio;
Art. 7º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades que
o Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras e benfeitorias, 11– Rede elétrica de alta e baixa tensão;
manutenção de vias internas, coletas de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área
Art. 4º - Ficam todas as disposições do memorial descritivo, parte integrante do Processo de Aprovação,
particular o espaço interno do Condomínio
inalterados, como disposição de ordem Pública, não podendo ser alterados pela vontade dos Condôminos;
.
Art. 5º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que
Art. 8º - Fica resguardado a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do Condomínio para só serão permitidas construções residenciais unifamiliares, sendo proibidas edificações multifamiliares,
fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra do serviço. comerciais, mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste Artigo, como também as
escrituras públicas definitivas de transferência de domínio só poderão ocorrer após o Aceite definitivo das
obras de infra estrutura que se obrigam o empreendedor, Aceite este que deverá ser emitido por esta
Art. 9º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do municipalidade, enquanto não, as escrituras públicas que venham a se proceder deverão ser atos de
mesmo e aplicação das Sanções prevista na legislação em vigor. promessa de compra e venda;
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 75
Art. 6º - O empreendedor se obriga a expressar claramente no documento de venda das unidades, que o comerciais, mistas ou qualquer outra utilização diferente da estabelecida neste Artigo, como também as
Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras ou benfeitorias, manuten- escrituras públicas definitivas de transferência de domínio só poderão ocorrer após o Aceite definitivo das
ção de vias internas, coleta de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área particular obras de infra estrutura que se obrigam o empreendedor, Aceite este que deverá ser emitido por esta
o espaço interno do Condomínio; municipalidade, enquanto não, as escrituras públicas que venham a se proceder deverão ser atos de
promessa de compra e venda;
Art. 7º - Fica resguardado, a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do condomínio para
fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra ou serviço;
Art. 8º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do Art. 6º - O empreendedor se obriga a expressar claramente no documento de venda das unidades, que o
mesmo e aplicação das sanções previstas na Legislação em vigor; Município não realizará em tempo algum, sob qualquer pretexto, quaisquer obras ou benfeitorias, manuten-
ção de vias internas, coleta de lixo ou qualquer prestação de serviço público, por tratar-se de área particular
Art. 9º - Este Decreto entrará em vigor na data da sua publicação, revogando-se as disposições em o espaço interno do Condomínio;
contrário.
Maricá, 17 de Dezembro de 2008 .
Art. 7º - Fica resguardado, a qualquer tempo, o acesso do Poder Público ao interior do condomínio para
fiscalizar e acompanhar qualquer tipo de obra ou serviço;
Ricardo José Queiroz da Silva
Prefeito Art. 8º - O descumprimento de quaisquer um dos artigos deste Decreto será passível de cancelamento do
mesmo e aplicação das sanções previstas na Legislação em vigor;
Luiz Henrique Coelho Vianna
Secretário Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente Art. 9º - Este Decreto entrará em vigor na data da sua publicação, revogando-se as disposições em
contrário.

Ronaldo G.da Cunha


Maricá, 17 de dezembro de 2008 .
Superintendente de Licenciamento de Obras e Postura

DECRETO Nº 553 – DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008. Ricardo José Queiroz da Silva


Prefeito

O PREFEITO MUNICIPAL DE MARICÁ, no uso de suas atribuições legais; Luiz Henrique Coelho Vianna
Secretário Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente

DECRETA: Ronaldo G.da Cunha


Superintendente de Licenciamento de Obras e Postura

Art. 1º - Fica aprovado o CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TRÊS REIS 2 , com área de 644.984,70m2 Decreto n. º 545/07 01/12/08
(seiscentos e quarenta e quatro mil, novecentos e oitenta e quatro metros quadrados e setenta centímetros
quadrados), situado na área denominada “2” da Gleba Três Reis, situada a Estrada Rio Fundo- Caxito 1º
distrito deste Município, Maricá – RJ, conforme análise e parecer da Superintendência de Licenciamento de
Obras e Postura, através do processo administrativo nº 24213/08.
ABRE CRÉDITO ADICIONAL SUPLEMENTAR AO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE DE
Art. 2º - Passa a integrar o domínio do Município uma área de 15.228,25m2 (quinze mil duzentos e vinte oito DIVERSAS SECRETARIAS DA PREFEITURA MARICÁ, NO VALOR DE R$ 5.733.039,86 (CINCO
metros quadrados e vinte e cinco centímetros quadrados), identificada na prancha nº 01, a qual o empreen- MILHÕES SETECENTOS E TRINTA E TRES MIL TRINTA E NOVE REAIS E OITENTA E SEIS
dedor fica obrigado a transferir a referida área para a municipalidade arcando com todas as custas dessa CENTAVOS), A SER CONSIGNADO NO ORÇAMENTO EM VIGOR:
transferência, perante o competente Registro Geral de Imóveis desta Comarca no prazo de 90 (noventa)
dias, ficando sujeito à suspensão da devida aprovação do Condomínio Residencial a partir da data da
publicação deste Decreto, em caso do não cumprimento deste compromisso. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ, no uso das atribuições e tendo em vista a autorização
Art. 3º - Fica o empreendedor obrigado a executar as seguintes obras: contida no art. 7º da Lei nº 2234/07 de 21 de dezembro de 2007.

1 – Serviços de terraplenagem, conforme projeto aprovado;


2 – Arruamento, conforme projeto aprovado; Art. 1º Fica aberto ao orçamento fiscal e da Seguridade de diversas secretarias da Prefeitura Municipal de
Maricá, Crédito Adicional Suplementar no valor de R$5.733.039,86 (cinco milhões setecentos e trinta e tres
3 – Rede de drenagem de águas pluviais com a preocupação de encaminhar as águas pluviais, obedecendo mil trinta e nove reais e oitenta e seis centavos) a ser consignado no orçamento em vigor.
aos leitos naturais da bacia de microdrenagem da região onde será realizado o empreendimento.
4 – Colocação de meio-fio e sarjeta, conforme projeto aprovado;
Art. 2º Os recursos adicionais de que trata o artigo anterior serão compensados de acordo com o inciso III
5 –Demarcação de todas unidades e identificação com placas,conforme projeto aprovado; do §1º do Artigo 43 da Lei 4.320 de 17 de março de 1964 e a Lei Municipal 2234 Artigo 7º de 21 de dezembro
6 – Demarcação e identificação com placas de todas as áreas de uso comum e área de doação à P.M.M., de 2007;
conforme projeto aprovado e memorial descritivo;
07 – Portaria, conforme projeto aprovado; Art. 3º Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de 01/12/08,
08 – Arborização; revogadas as disposições em contrário.

09– Área(s) de uso comum, destinada à implantação da área de lazer e apoio;


10– Fechamento de todo perímetro do terreno do Condomínio; MARICÁ, EM 01 DE DEZEMBRO DE 2008

11– Rede elétrica de alta e baixa tensão;

Art. 4º - Ficam todas as disposições do memorial descritivo, parte integrante do Processo de Aprovação,
inalterados, como disposição de ordem Pública, não podendo ser alterados pela vontade dos Condôminos; Valéria Ferreira da Silva Ricardo José Queiroz da Silva
Art. 5º - Fica o empreendedor obrigado a expressar claramente no documento de venda das unidades, que Secretária Municipal de Controle Interno Prefeito Municipal
só serão permitidas construções residenciais unifamiliares, sendo proibidas edificações multifamiliares,
76 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

ONDE SE LÊ
Extrato Nº 253/2008

INSTRUMENTO: TERMO ADITIVO 07 AO CONTRATO 30/05


PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E MULTIPROF COOPERATIVA MULTIPROFISSIONAL DE SER-
VIÇOS
FUNDAMENTO LEGAL:ART 65 II ALÍNEA “A” DA LEI 8666/93.
DO OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LIMPEZA EM ÁREAS INTERNAS E CONSERVA-
ÇÃO DAS ESCOLAS, VARRIÇÃO E CAPINA DAS VIAS PÚBLÍCAS.
VALOR: R$ 619.894,64 ( SEISCENTOS E DEZENOVE MIL, OITOCENTOS E NOVENTA E QUATRO
REAIS E SESSENTA E QUATRO CENTAVOS
DATA: 20/11/2008.
PROCESSO: 187/05
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 77
LEIA-SE EXTRATO – 046/08
Extrato Nº 255/2008
INSTRUMENTO: TERMO ADITIVO 07 AO CONTRATO 30/05 INSTRUMENTO: PREGÃO PRESENCIAL Nº 003/08.
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E MULTIPROF COOPERATIVA MULTIPROFISSIONAL DE SER- PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E ESPECIFARMA COM. DE MEDICAMENTOS E PRÓ-HOSPI-
VIÇOS TALARES LTDA.
FUNDAMENTO LEGAL:ART 65 II ALÍNEA “A” DA LEI 8666/93. FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
DO OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LIMPEZA EM ÁREAS INTERNAS E CONSERVA- VALOR: 107.636,00 (CENTO E SETE MIL, SEISCENTOS E TRINTA E SEIS REAIS).
ÇÃO DAS ESCOLAS, VARRIÇÃO E CAPINA DAS VIAS PÚBLÍCAS.
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA ABASTECIMENTO DO HMCML E
VALOR: R$ 619.894,64 ( SEISCENTOS E DEZENOVE MIL, OITOCENTOS E NOVENTA E QUATRO DEMAIS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO.
REAIS E SESSENTA E QUATRO CENTAVOS) MENSAIS, PERFAZENDO UM TOTAL ANUAL DE
R$ 7.438.735,73(SETE MILHÕES, QUATROCENTOS E TRINTA E OITO MIL, SETECENTOS E DATA: 13/10/2008.
TRINTA E CINCO REAIS E SETENTA E TRES CENTAVOS). PROCESSO: 434/SESAU/2008.
DATA: 20/11/2008.
PROCESSO: 187/05 EXTRATO – 047/08
INSTRUMENTO: PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/08. PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E
Extrato Nº 252/2008 TELEMEDIC DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS LTDA.

INSTRUMENTO: CONVITE. FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.

PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E WALPRINT GRÁFICA E EDITORA LTDA VALOR: 150.708,61 (CENTO E CINQUENTA MIL, SETECENTOS E OITO REAIS E SESSENTA E
UM CENTAVOS).
FUNDAMENTO LEGAL: ART 23, INCISO II ALÍNEA “a” DA LEI FEDERAL 8.666/93.
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAIS MÉDICOS-HOSPITALARES, PARA ABASTECI-
DO OBJETO: SERVIÇO DE ARTE, DIAGRAMAÇÃO E IMPRESSÃO DE REVISTA CONTENDO AS MENTO DO HMCML.
REALIZAÇÕES DO GOVERNO, DE 2001 A 2008.
DATA: 17/11/2008.
VALOR: 29.360,00 ( VINTE E NOVE MIL, TREZENTOS E SESSENTA REAIS ).
PROCESSO: 428/SESAU/2008.
DATA: 29/12/2008.
PROCESSO: 26223/08. EXTRATO – 048/08
INSTRUMENTO: PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/08.
Extrato Nº 254/2008
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E PROLIFARMA FARMACEUTICA LTDA.
INSTRUMENTO: TERMO ADITIVO 01 AO CONTRATO 74/08 – PRAZO
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E R.C. VIEIRA ENGENHARIA LTDA.
VALOR: 35.770,00 (TRINTA E CINCO MIL, SETECENTOS E SETENTA REAIS).
FUNDAMENTO LEGAL: LEI FEDERAL 8.666/93.
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAIS MÉDICOS-HOSPITALARES, PARA ABASTECI-
DO OBJETO: LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE MENTO DO HMCML E DEMAIS UNIDADES DE SAUDE DO MUNICÍPIO.
DIVERSOS LOGRADOUROS PÚBLICOS.
DATA:. 17/11/2008
DATA: 22/12/2008.
PROCESSO: 428/SESAU/2008.
PROCESSO: 23794/08
EXTRATO – 049/08
Extrato Nº 253/2008
INSTRUMENTO: PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/08.
INSTRUMENTO: TERMO ADITIVO 07 AO CONTRATO 30/05
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E VIC MED. DA TIJUCA DISTRIBUIDORA DE PRODUTOS
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E MULTIPROF COOPERATIVA MULTIPROFISSIONAL DE SER- HOSPITALARES E MEDICAMENTOS LTDA.
VIÇOS
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
FUNDAMENTO LEGAL:ART 65 II ALÍNEA “A” DA LEI 8666/93.
VALOR: 242.865,60 (DUZENTOS E QUARENTA E DOIS MIL, OITOCENTOS E SESSENTA E
DO OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LIMPEZA EM ÁREAS INTERNAS E CONSERVA- CINCO REAIS E SESSENTA CENTAVOS).
ÇÃO DAS ESCOLAS, VARRIÇÃO E CAPINA DAS VIAS PÚBLÍCAS.
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAIS MÉDICOS-HOSPITALARES, PARA ABASTECI-
VALOR: R$ 619.894,64 ( SEISCENTOS E DEZENOVE MIL, OITOCENTOS E NOVENTA E QUATRO MENTO DO HMCML E DEMAIS UNIDADES DE SAUDE DO MUNICÍPIO.
REAIS E SESSENTA E QUATRO CENTAVOS).
DATA:. 17/11/2008 PROCESSO: 428/SESAU/2008.
DATA: 20/11/2008. PROCESSO: 187/05
EXTRATO – 045/08 EXTRATO – 050/08
INSTRUMENTO: PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/08.
INSTRUMENTO: PREGÃO PRESENCIAL Nº 003/08. PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E ESPECIFARMA COM. DE MEDICAMENTOS E PRÓ-HOSPI-
TALARES LTDA .
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E TELEMEDIC DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS LTDA.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
VALOR: 26.454,90 (VINTE E SEIS MIL, QUATROCENTOS E CINQUENTA E QUATRO REAIS E
VALOR: 1.243.245,38 (UM MILHÃO, DUZENTOS E QUARENTA E TRÊS MIL, DUZENTOS E QUA-
NOVENTA CENTAVOS).
RENTA E CINCO REAIS E TRINTA E OITO CENTAVOS).
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAIS MÉDICOS-HOSPITALARES, PARA ABASTECI-
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS, PARA ABASTECIMENTO DO HMCML E
MENTO DO HMCML E DEMAIS UNIDADES DE SAUDE DO MUNICÍPIO.
DEMAIS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO.
DATA:. 17/11/2008
DATA: 13/10/2008.
PROCESSO: 428/SESAU/2008
PROCESSO: 434/SESAU/2008.
78 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

EXTRATO – 051/08 EXTRATO – 056/08


INSTRUMENTO: CONVITE Nº 028/08. INSTRUMENTO: CONTRATO Nº 049/08.
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E I.R GOMES VILLAR ME. PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E I.R GOMES VILLAR ME.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93. FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
VALOR: 9.714,31 (NOVE MIL, SETECENTOS E QUATORZE REAIS E TRINTA E UM CENTAVOS). VALOR: 27.834,55 (VINTE E SETE MIL, OITOCENTOS E TRINTA E QUATRO REAIS E CINQUENTA
E CINCO CENTAVOS)
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAIS DE EXPEDIENTE, PARA ABASTECIMENTO
DE DIVERSOS SETORES DA SMSQV. DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE LIMPEZA E DESCARTÁVEL DE FORMA
EMERGENCIAL PARA MANUTENÇÃO DO HMCML, DA SUSC, DO CENTRO DE DIAGNÓSTICO,
DATA: 01/08/2008 DOS POSTOS DE SAÚDE, DOS PSF´S E DA SMSVQ.
PROCESSO: 268/SESAU/2008 DATA:.03/09/2008
PROCESSO: 593/SESAU/2008
EXTRATO – 052/08
INSTRUMENTO: TOMADA DE PREÇOS Nº 026/08. EXTRATO – 057/08
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E I.R GOMES VILLAR ME. INSTRUMENTO: TERMO ADITIVO Nº 011/07.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93. PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E EDUARDO BITTENCOURT GOMES.
VALOR: 227.607,95 (DUZENTOS E VINTE E SETE MIL, SEISCENTOS E SETE REAIS E NOVEN- FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
TA E CINCO CENTAVOS).
VALOR: 1.500,00 (UM MIL E QUINHENTOS REAIS)
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE LIMPEZA E DESCARTÁVEL PARA MANU-
TENÇÃO DO HMCML, DA SUSC, DO CENTRO DE DIAGNÓSTICO, DOS POSTOS DE SAÚDE, DO OBJETO: REF. A RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE ALUGUEL DO IMOVEL ONDE ESTÁ
DOS PSF´S E DA SMSQV. INSTALADO O POSTO DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE CHÁCARAS DE INOÃ DA SMSVQ.
DATA:.20/09/2008 DATA:.01/07/2008
PROCESSO: 284/SESAU/2008 PROCESSO: 355/SESAU/2007

EXTRATO – 053/08 EXTRATO – 058/08


INSTRUMENTO: TOMADA DE PREÇOS Nº 028/08. INSTRUMENTO: CONTRATO Nº 012/08
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E I.R GOMES VILLAR ME. PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E HÉLIO DE SÃO GONÇALO SERVIÇOS AUTONOMOS LTDA-
ME.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
VALOR: 278.042,38 (DUZENTOS E SETENTA E OITO MIL E QUARENTA E DOIS REAIS E TRINTA
E OITO CENTAVOS). VALOR: 15.200,00 (QUINZE MIL E DUZENTOS REAIS).
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE GENEROS ALIMENTÍCIOS PERECÍVEIS E NÃO PERECÍ- DO OBJETO: REF. A EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETI-
VEIS PARA O SERVIÇO DE NUTRIÇÃO DO HMCML DA SMSQV. VA NOS EQUIPAMENTOS DO SETOR DE LAVANDERIA DO HMCML.
DATA:.07/11/2008 DATA:.28/05/2008
PROCESSO: 453/SESAU/2008 PROCESSO: 288/SESAU/2008

EXTRATO – 054/08 EXTRATO – 059/08

INSTRUMENTO: TERMO ADITIVO Nº 001/08. INSTRUMENTO: CONVITE Nº 033/08


PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E POSTO MAR AZUL LTDA. PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E G.M MENDONÇA COMÉRCIO ME.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93. FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES, PELOS VEÍCULOS VALOR: 71.990,00 (SETENTA E UM MIL E NOVECENTOS E NOVENTA REAIS).
DA SMSQV, HMCML, VIGIL/ÃNCIA EPIDEMIOLÓGICA, POSTOS DE SAÚDE, SETOR DE VIGIL/
ÃNCIA SANITÁRIA, DST/AIDS E SAMU 192. DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE GENEROS ALIMENTÍCIOS (PÃO E LEITE) PARA ABASTE-
CIMENTO DO SETOR DE NUTRIÇÃO DO HMCML DA SMSQV.
DATA:.15/05/2008
DATA:.20/08/2008
PROCESSO: 012/SESAU/2007
PROCESSO: 315/SESAU/2008

EXTRATO – 055/08
EXTRATO – 060/08
INSTRUMENTO: CONTRATO Nº 036/08.
INSTRUMENTO: CONVITE Nº 036/08
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E PRO-RAD CONSULTORES EM RADIOPROTEÇÃO S/S
LTDA. PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E VICTER COMERCIAL LTDA.

FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93. FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.

VALOR: 1.830,00 (UM MIL, OITOCENTOS E TRINTA REAIS) VALOR: 23.227,22 (VINTE E TRÊS MIL, DUZENTOS E VINTE E SETE REAIS E VINTE E DOIS
CENTAVOS).
DO OBJETO: REF. A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ASSESSORIA E MONITORAMENTO
DESIMÉTRICO DOS PLANTONISTAS DO SETOR DE RADIOLOGIA DO HMCML DA SMSVQ DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAIS DE INFORMÁTICA PARA ABASTECIMENTO
DOS DIVERSOS SETORES DA SMSQV.
DATA:.09/12/2008
DATA:.10/09/2008
PROCESSO: 619/SESAU/2008
PROCESSO: 285/SESAU/2008
Jornal Oficial
de Maricá www.marica.rj.gov.br
30 dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 79
EXTRATO – 061/08
Poder Legislativo Atos
INSTRUMENTO: CONVITE Nº 036/08
DECRETO LEGISLATIVO Nº 001 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2008.
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E POSTO MAR AZUL LTDA.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES, UTILIZADOS PELOS
VEÍCULOS DA SMSQV, HMCML, VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA, POSTOS DE SAÚDE, SETOR FICAM APROVADAS AS CONTAS DA GESTÃO DOS EXCELENTÍSSIMOS SENHORES PREFEI-
DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA, DST/AIDS E SAMU 192. TO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ E DO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MARICÁ,
ESTADO DO RIO DE JANEIRO, REFERENTES AO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2006.

DATA:.15/05/2008
A CÂMARA MUNICIPAL DE MARICÁ, expressão legítima da Democracia representativa, aprovou e o seu
Presidente promulga o seguinte Decreto Legislativo:
PROCESSO: 012/SESAU/2007
Art. 1º Ficam aprovadas as Contas do Excelentíssimo Senhor Prefeito do Município de Maricá, do Estado
do Rio de Janeiro, referentes ao exercício financeiro de 2006, na forma do Parecer Prévio do Tribunal de
EXTRATO – 062/08 Contas do Estado do Rio de Janeiro.
Art. 2º Ficam aprovadas as Contas do Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Maricá,
do Estado do Rio de Janeiro, referentes ao exercício financeiro de 2006, na forma do Parecer Prévio do
INSTRUMENTO: CONVITE Nº 022/08 Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E BAZAR COSTA MONTEIRO DE SÃO GONÇALO LTDA. Art. 3º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93. contrário.
VALOR: 14.290,75 (QUATORZE MIL, DUZENTOS E NOVENTA REAIS E SETENTA E CINCO CEN-
TAVOS) Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2008.
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PERMANENTES E DE CONSUMO PARA A
IMPLANTAÇÃO DO POSTO DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE CHÁCARAS DE INOÃ E DO CENTRO DE
REFERÊNCIA DA MULHER, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO POSTO DE SAÚDE CEN-
TRAL.
VEREADOR PAULO MAURICIO DUARTE DE CARVALHO
PRESIDENTE
DATA:.01/08/2008

Ata/2008
PROCESSO: 215/SESAU/2008
DECRETO LEGISLATIVO Nº 002 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2008.
EXTRATO – 063/08

INSTRUMENTO: CONVITE Nº 034/08


FICAM APROVADAS AS CONTAS DA GESTÃO DOS EXCELENTÍSSIMOS SENHORES PREFEI-
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E INÁCIO L. RODRIGUES BEBIDAS ME. TO DO MUNICÍPIO DE MARICÁ E DO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MARICÁ,
ESTADO DO RIO DE JANEIRO, REFERENTES AO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2007.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
VALOR: 27.360,00 (VINTE E SETE MIL, TREZENTOS E SESSENTA REAIS)
A CÂMARA MUNICIPAL DE MARICÁ, expressão legítima da Democracia representativa, aprovou e o seu
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE GALÕES DE ÁGUA MINERAL COM 20 LITROS, PARA Presidente promulga o seguinte Decreto Legislativo:
ABASTECIMENTO DO HMCML, DA SUSC, DOS POSTOS DE SAÚDE, DOS PSF´S E DEMAIS
UNIDADES DA SMSQV, PARA O CONSUMO DE FUNCIONÁRIOS E PACIENTES INTERNADOS Art. 1º Ficam aprovadas as Contas do Excelentíssimo Senhor Prefeito do Município de Maricá, do Estado
NO HMCML. do Rio de Janeiro, referentes ao exercício financeiro de 2007, na forma do Parecer Prévio do Tribunal de
Contas do Estado do Rio de Janeiro.
Art. 2º Ficam aprovadas as Contas do Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Maricá,
DATA:.05/09/2008 do Estado do Rio de Janeiro, referentes ao exercício financeiro de 2007, na forma do Parecer Prévio do
PROCESSO: 299/SESAU/2008 Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.
Art. 3º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
EXTRATO – 064/08 contrário.

INSTRUMENTO: CONVITE Nº 031/08 Município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2008.
PARTES: MUNICÍPIO DE MARICÁ E HUMANAS DISTRIBUIDORA BIOMÉDICA LTDA.
FUNDAMENTO LEGAL: LEI 8.666/93.
VALOR: 25.295,00 (VINTE E CINCO MIL, DUZENTOS E NOVENTA E CINCO REAIS) VEREADOR PAULO MAURICIO DUARTE DE CARVALHO
DO OBJETO: REF. A AQUISIÇÃO DE KIT´S PARA ATENDER A DEMANDA DOS TESTES FEITOS PRESIDENTE
PELO LABORATÓRIO DE DST/AIDS DO HMCML.

DATA:.11/08/2008 Ata/2008
PROCESSO: 295/SESAU/2008
80 30 de dezembro de 2008
Ano II • Edição Especial nº 14 www.marica.rj.gov.br
Jornal Oficial
de Maricá

Você também pode gostar