Você está na página 1de 9

Mensagem para o Mestre Uma vez, no passado distante, ou talvez fosse o futuro (é difícil dizer com

certeza), o Universo esqueceu-se. Ninguém sabe porque. É simplesmente a natureza dos universos que, de
tempos em tempos, se esquecem de si mesmos. Ela provavelmente cochilou e não conseguia lembrar seu
sonho quando acordou. O que existia antes do sonho dela? O sonho antes disso Talvez? Talvez o universo
fosse o sonho. De um jeito ou de outro, o sonho que não conseguia se lembrar foi transformado em Nada.
Poderia ter sido de outra forma? "Quem sou eu?" Nada se perguntou. "Você é um espelho ... Espelho ...
Espelho ..." Reflexo respondeu em um gazilhão de manchas de luz. "Quem é você?", Perguntou Mirror.
“Eu sou a Reflexão em você.” “De onde você veio?” “Eu nasci da sua pergunta.” “Mas eu não posso ver
você. Eu nem consigo me ver. Como posso ser um espelho? Eu não sou nada! ”“ Exatamente, ”respondeu
Reflexão. “O vazio é, em essência, o espelho mais primordial e infinitamente multidimensional de todos,
porque, no vazio, nada reflete nada.” “Como eu pareço?” “Você não se parece com nada.” grande ou
pequeno? ”“ Sim. ”“ O que você quer dizer, sim? ”“ Vocês são ambos. Você é como você se imagina.
Vocês são infinitamente grandes e infinitamente pequenos ao mesmo tempo, porque o infinito e o ponto
são a mesma coisa. ”“ Que estranho. Então, onde estou? ”“ Neste momento, você está no espaço das
variantes ”, respondeu Reflexão. “Variantes de quê?” “Qualquer coisa. O espaço também apareceu como
resultado da sua pergunta. Tudo o que você pensa passa a existir, pois você é um espelho infinitamente
multidimensional. Para todas as suas perguntas, existe um número infinito de respostas ”

“Por que eu existo?” “Ser.” “O que eu posso fazer?” “Qualquer coisa.” O mundo foi
criado no diálogo entre o Espelho, que chamamos de Deus, e Reflexão. Bem vindo,
querido Mestre. Estou lhe escrevendo esta mensagem porque você está lendo estas
linhas, o que significa que você pretende se tornar o governante de seu próprio mundo
e destino. Nos tempos antigos, todos eram mestres, pois sabiam que há dois lados da
realidade: um físico, o outro metafísico. Os mestres viram e compreenderam a
natureza do mundo dos espelhos. Eles sabiam como criar sua própria realidade com o
poder do pensamento. As coisas não ficaram assim por muito tempo. Com o tempo, a
atenção dos mestres ficou bloqueada na realidade material. Eles pararam de ser
capazes de ver e desaprender seu poder. No entanto, seu conhecimento não foi
perdido. Das profundezas do tempo, sobreviveu por milênios até os dias atuais. Os
feiticeiros da antiguidade, os portadores do conhecimento, foram capazes de controlar
a realidade pelo poder do pensamento, porque a realidade é criada principalmente
como um reflexo da consciência no espelho do mundo. Aqueles cuja consciência é
limitada a uma cosmovisão material têm que se contentar com adorar deuses
inventados e recorrer aos serviços de astrólogos e adivinhos. Se você não quer se
contentar com um futuro substituto, em que uma cartomante afirma que pode dar uma
espiada, se você pretende dominar seu destino de acordo com sua vontade,
certamente terá sucesso. Transplantando, conhecimento universal de como moldar a
realidade, é projetado para ajudá-lo. Não há mágica para o Transurfing. Magia, como
tal, não existe. É realmente apenas conhecimento dos princípios do mundo do
espelho. O conhecimento em si é bastante autoexplicativo. De fato, é tão simples e
banal que não pode ser considerado "mágica" por qualquer extensão da imaginação.
E ainda assim, a Lâmpada de Aladim parecia ser apenas uma lata velha e o Santo
Graal não era feito de ouro. Tudo realmente grande é insondável e simples e não
precisa se mostrar ou se esconder. Em contraste, coisas que são superficiais e sem
valor real tendem a ser mascaradas sob um véu de magnificência e mistério. Quando
a magia é despojada de seus atributos de conto de fadas e embutida na vida
cotidiana, ela deixa de pertencer ao reino do místico e do inexplicado. Perde sua
fascinante mística porque é estrondo no meio do cotidiano
vida. A beleza da transformação é que a vida cotidiana não parece mais tediosa e
comum. Ele se transforma em uma nova realidade que pode ser moldada contanto
que você siga certas regras. Este livro descreve o conjunto de princípios básicos
essenciais para criar sua própria realidade. Os princípios do Transurfing se enquadram
em duas categorias básicas relacionadas a pensamentos e ações. Quando essas
categorias refletem no espelho dual do nosso mundo, elas dão origem aos seus
opostos. Assim, em ambos os lados do espelho dual há Razão (lógica) e Alma
(coração), Ação (intenção interna) e Passividade (intenção externa). A motivação,
pensamentos e ações do sujeito a ser refletido devem estar em equilíbrio com esses
quatro elementos. Razão e Ação se relacionam com o mundo físico; A alma e a
passividade se relacionam com o mundo metafísico, que é uma realidade não menos
objetiva que sua contraparte material. Se você considerar apenas uma faceta do
mundo dual, nunca conseguirá moldar sua própria realidade. É por isso que os
materialistas ocupam-se de superar os obstáculos que basicamente criaram e os
idealistas flutuam num mundo de nuvens e sonhos. Nenhum deles pode moldar com
sucesso sua realidade. Mas você pode aprender como. Mesmo que você não esteja
familiarizado com os princípios do Transurfing, você pode concluir este curso prático
para criar sua própria realidade dentro de 78 dias. Todas as manhãs, leia um princípio
e sua interpretação e tente implementá-lo durante o resto do dia. No dia seguinte,
passe para o próximo princípio, lembrando-se de praticar os princípios que você
abordou anteriormente. Continue desta maneira até ter assimilado todos os princípios
consecutivamente. É claro que este é um processo relativamente extenso, mas é a
maneira mais eficaz de assimilar os princípios. Criando sua própria realidade, na
maioria das vezes, vem a prática. Ao aplicar os princípios, ouça a sua intuição e confie
na sua intuição. Boa sorte!

Realidade em um disfarce desconhecido.


Desde tempos imemoriais, as pessoas entenderam que o mundo se comporta de maneira
dual. Por um lado, tudo o que acontece no nível material é mais ou menos claro e pode ser
explicado do ponto de vista das leis das ciências naturais. Por outro lado, quando encontramos
fenômenos originados nos planos sutis, essas leis não são mais aplicáveis. Por que nunca foi
possível unir diferentes manifestações da realidade em um único sistema de conhecimento?
Estranhamente, é como se o mundo estivesse brincando de esconde-esconde conosco, não
querendo revelar sua verdadeira essência. Assim que os cientistas descobrem uma nova lei
para explicar um fenômeno, outro parece contradizê-lo. Essa busca da verdade é tão ilusória
quanto uma sombra e continuará para sempre. O interessante é que o mundo não apenas
esconde sua verdadeira face; aceita de bom grado qualquer aparência que lhe atribuamos. Isto
é claramente evidente em todos os ramos da ciência. Por exemplo, se você imaginar que um
microcosmo consiste de partículas, não haverá falta de experimentos para apoiar essa
suposição. Se você assumir que o microcosmo não é uma partícula, mas uma onda
eletromagnética, o mundo não se oporá e prontamente se manifestará de acordo. Você poderia
perguntar ao mundo se consistia em matéria sólida com o mesmo sucesso. Ele responderia
"sim". Ou talvez consista em energia? Mais uma vez, responderá afirmativamente. Como
sabemos, as micropartículas no vácuo são constantemente criadas e aniquiladas à medida que
a energia é transformada em matéria e vice-versa. Seria inútil perguntar ao mundo o que veio
primeiro, matéria ou consciência. Isso mudaria sua máscara tão astuciosamente, revelando-nos
qualquer lado do mundo que desejássemos ver. Representantes de vários ensinamentos
discutem uns com os outros, cada um tentando provar um ponto de vista oposto, mas a
realidade sempre passará por um veredicto desapaixonado porque, em essência, eles estão
bem. O mundo concorda conosco e nos desvia ao mesmo tempo. Em outras palavras, age
como um espelho. Reflete literalmente todas as nossas noções de realidade, sejam quais
forem. Então, onde isso nos deixa? Se o mundo sempre concorda com o que pensamos sobre
isso, ao mesmo tempo, constantemente evitando uma resposta direta, não são todas as nossas
tentativas de explicar a natureza da realidade em vão? O fato é que tudo é muito mais simples
do que isso. Não faz sentido buscando uma verdade absoluta nas manifestações individuais de uma
realidade multifacetada. Nós apenas temos que aceitar o fato de que a realidade como um espelho tem
dois aspectos. Um aspecto físico, que você pode tocar, e um aspecto metafísico, que está além dos limites
da percepção e, no entanto, não é menos objetivo por natureza. No presente, a ciência lida com o lado da
vida que se reflete no espelho, enquanto o esoterismo tenta olhar para a vida fora do espelho. Todo o
debate basicamente se resume a uma diferença de foco. Então, o que exatamente fica do outro lado do
espelho? O transurfing, como qualquer ensinamento esotérico, oferece uma das muitas respostas possíveis
para essa questão. Do outro lado do espelho existe o "espaço de variantes", uma estrutura de informação,
que armazena os scripts em todos os eventos possíveis. O número de variantes é infinito, tão infinito
quanto o número de posições possíveis de um único ponto em uma grade. O espaço das variantes é um
registro de tudo que já foi e de tudo que será. Isso também significa que o acesso ao espaço de variantes
oferece a oportunidade para a clarividência. O único revés é que, como o número de variantes é infinito,
pode-se ver eventos que não serão realizados na realidade física. É por isso que os clarividentes
costumam cometer "erros" em suas previsões. No espaço das variantes, você pode ver coisas que nunca
aconteceram, bem como coisas que nunca acontecerão. Nesse sentido, você pode ficar tranquilo.
Ninguém pode verdadeiramente conhecer o seu futuro porque ninguém pode determinar qual versão
potencial do mesmo será jogada no plano material. Da mesma forma, não há garantia de que o que você
vê em um sonho é o setor atual do espaço de variantes que será incorporado à realidade. Esta é uma
notícia maravilhosa. Se o futuro não é predeterminado, sempre há motivo para esperar o melhor resultado
possível. A tarefa do Transurfing não é olhar com pesar para o passado ou mesmo apreender
apreensivamente um amanhã que ainda está por vir, mas moldar intencionalmente a sua própria realidade.
Pode parecer difícil de acreditar. Apenas onde está o espaço das variantes? Como isso pode ser possível?
Do ponto de vista da nossa percepção tridimensional do mundo, o espaço das variantes está em toda parte
e, ao mesmo tempo, em nenhum lugar. Poderia estar além do universo visível, ou poderia estar em sua
xícara de café. Uma coisa é certa; não está na terceira dimensão. Paradoxalmente, visitamos o espaço das
variantes todas as noites. Nossos sonhos não são ilusões no sentido usual da palavra. As pessoas atribuem
de bom grado seus sonhos ao reino da fantasia, não suspeitando que elas refletem eventos reais, que
podem ter ocorrido no passado ou ainda podem ocorrer no mundo real.

futuro. Sabemos que as pessoas às vezes vêem imagens em sonhos que não parecem se
originar neste mundo. Ou, pelo menos, está bem claro que o sonhador não pode ter visto o
conteúdo dos seus sonhos na vida real. Se um sonho é a maneira de o cérebro imitar a
realidade, de onde vêm todas essas imagens e narrativas extraordinárias? Se nós atribuímos
grosseiramente todos os aspectos conscientes da psique humana à mente, e todos os seus
aspectos subconscientes à alma, então poderíamos dizer que um sonho é a fuga da alma
através do espaço de variantes. A mente não imagina sonhos; ele realmente os vê. A alma tem
acesso direto ao campo de informações, onde todos os "scripts e projetos de conjunto" são
permanentemente armazenados como quadros em uma tira de filme. O fenômeno do tempo só
se manifesta quando a "película de filme" está se movendo. A mente age como um observador
e "gerador de ideias". A memória também está diretamente relacionada ao espaço de
variantes. Já foi provado que o cérebro não é fisicamente capaz de armazenar todas as
informações que uma pessoa acumula durante sua vida. Então, como o cérebro se lembra das
coisas? O cérebro não armazena a informação em si; Ele armazena algo semelhante a um
endereço para onde os dados são mantidos no espaço de variantes. A razão pela qual as
pessoas não se lembram de suas vidas passadas é que quando o corpo físico morre esses
endereços são perdidos. Sob certas condições, no entanto, os arquivos de endereço podem
ser restaurados. A mente não é capaz de criar algo fundamentalmente novo. Ele simplesmente
constrói uma nova versão de uma casa a partir de blocos de construção antigos. O material
para qualquer descoberta científica ou obra-prima da arte vem do espaço das variantes e é
recebido pela mente através do coração. A clarividência e o conhecimento intuitivo vêm do
mesmo lugar. "Uma descoberta na ciência", escreveu Einstein, "não é realizada de nenhuma
maneira lógica. Só toma forma lógica depois, no decorrer da exposição. Uma descoberta,
mesmo a mais pequena, é sempre um insight. A solução vem de fora, tão inesperadamente
como se alguém tivesse sussurrado isso em seu ouvido. «O conceito do espaço de variantes
não deve ser confundido com o conceito bem conhecido de um campo de informação comum,
através do qual os dados podem ser transferidos de um objeto para outro. O espaço das
variantes é uma matriz estacionária, uma estrutura que determina tudo o que pode
potencialmente acontecer em nosso mundo. Quando aceitamos a existência simultânea de dois
aspectos da realidade, o
físico e metafísico, então nossa imagem do mundo se torna muito clara. Quando esses dois
aspectos da realidade entram em contato na superfície do espelho, surgem fenômenos que
geralmente são atribuídos aos mistérios paranormais ou inexplicáveis. O dualismo de onda
corpuscular, no qual um objeto microscópico é percebido como uma onda ou uma partícula, é
um exemplo vívido dessas duas realidades que entram em contato umas com as outras. No
entanto, os seres humanos são o exemplo mais incrível desse fenômeno, as criaturas vivas,
que combinam simultaneamente o material e o espiritual. De certo modo, estamos vivendo na
superfície de um gigantesco espelho duplo, de um lado do qual reside o nosso universo
material, e do outro lado, o infinito negro do espaço das variantes. Ao nos encontrarmos nessa
posição única, seria, no mínimo, míope confinar-nos a viver dentro dos confins da cosmovisão
convencional, fazendo uso de apenas um aspecto da realidade, o aspecto físico. Dadas as
condições certas, a energia do pensamento humano é capaz de materializar qualquer setor do
espaço de variantes. No estado de referência no contexto do Transurfing como unidade de
coração e mente, nasce um poder mágico e insondável, o poder da intenção externa. Tudo o
que é normalmente atribuído à magia está ligado à intenção externa. Esse é o poder que os
antigos magos usaram para erguer as pirâmides egípcias e criar outros milagres. A intenção é
chamada de "externa" porque existe externa ao ser humano individual e, como resultado, está
além do controle da mente. Dito isso, as pessoas são capazes de obter acesso a ele em certos
estados de consciência. Qualquer um que subordine sua vontade a essa força poderosa torna-
se capaz de coisas incríveis. No entanto, no mundo contemporâneo, a maioria das pessoas há
muito perdeu as habilidades aprimoradas pelos habitantes de civilizações antigas como a
Atlântida. Fragmentos do conhecimento antigo foram preservados até os dias atuais na forma
de ensinamentos e práticas esotéricas dispersas, mas é muito difícil aplicar esse tipo de
conhecimento na vida cotidiana. Apesar da complexidade de sua realização prática, o segredo
para dominar a intenção externa é bastante simples. A resposta ao enigma está no fenômeno
conhecido como sonho lúcido. Em um estado de sonho comum, os eventos se desenvolvem
independentemente da vontade da mente. Até que o sonhador se conscientize do fato de que
está sonhando, não consegue controlar o que acontece. O sonhador ésta totalmente
sob o poder do sonho não-lúcido em que o sonho apenas "acontece" com eles. O momento em
que o sonhador se conscientiza do fato de que tudo é apenas um sonho; eles descobrem que
eles têm habilidades incríveis. O impossível é possível em um sonho lúcido. Você pode
controlar eventos no sonho pelo poder da intenção e fazer coisas incríveis, como voar. A
capacidade de controlar o sonho de alguém é adquirida no momento em que uma pessoa se
torna consciente de si mesma no mundo dos sonhos em comparação com a realidade física.
Nesse estágio da consciência, o sonhador tem sua realidade física como um ponto de
referência para o qual pode retornar no momento em que acorda. A realidade física, por sua
vez, é como um sonho não lúcido ao acordar. O sonhador está sob o poder das circunstâncias
e a vida simplesmente "acontece". Eles não se lembram de suas vidas passadas e, portanto,
não têm um ponto de referência em relação ao qual possam alcançar o próximo nível de
conscientização. No entanto, nem tudo está perdido. Existe um método alternativo no
Transurfing, que você pode usar para obter a intenção externa de trabalhar. As pessoas são
capazes de criar sua própria realidade, mas isso significa seguir certas regras. A mente
humana comum tenta influenciar o reflexo no espelho, mas não tem sucesso. É a própria
imagem que precisa ser mudada, e a imagem é criada pelo foco e natureza dos pensamentos
de uma pessoa. O desejo sozinho não é suficiente para trazer o que você quer para a
realidade. A imagem ou forma de pensamento em um lado do espelho tem que coincidir com
certos parâmetros do setor correspondente do espaço de variantes, localizado do outro lado do
espelho. Mas isso não é tudo. Você tem que saber se comunicar com o espelho, o que, deve
ser dito, é muito estranho e complexo. Imagine este cenário incomum. Você está em pé na
frente de um espelho, mas não há nada no reflexo, apenas vazio. A imagem gradualmente
começa a aparecer, mas só depois de algum tempo, como em uma fotografia que está sendo
desenvolvida. Em algum momento, você começa a sorrir, mas o espelho ainda reflete a antiga
expressão séria em seu rosto. É exatamente assim que o espelho do espaço de variantes
funciona, apenas o fator de atraso é incomparavelmente maior e, portanto, as mudanças que
ocorrem não podem ser claramente percebidas. A realização material é inerte, mas se você
preencher certas condições, uma nova reflexão aparecerá, o que significa que um sonho pode
se tornar uma realidade. Sua forma de pensamento age como um objeto físico existente que
está em pé

frente de um espelho. Sua reflexão, que não tem substância material, é imaginária, metafísica e, ao
mesmo tempo, tão real quanto a própria forma. Ao contrário do cenário com um espelho comum, em
Transurfing, o mundo material é o reflexo. As imagens nele contidas, que são servidas pela intenção e
pensamentos de Deus, assim como todos os seres vivos, são Suas manifestações. O espaço das variantes é
uma espécie de matriz, um modelo para "cortar" e "costura", bem como um formato para o "desfile de
moda", o movimento de toda a matéria. Ele armazena informações sobre o que deve acontecer no mundo
material e como. Cada variação possível da realidade potencial representa um setor diferente do espaço de
variantes, que contém scripts e projetos de conjuntos para a trajetória e a forma da matéria em
movimento. Em outras palavras, o setor determina, em cada caso individual, o que deve acontecer e como
deve ser. Portanto, o espelho divide o mundo em duas metades, o real e o imaginário. Tudo o que adquire
forma material reside na metade real e se desdobra de acordo com as leis da ciência natural. A ciência e a
percepção comum do mundo lidam apenas com o que acontece "na realidade". Por realidade, é
geralmente aceito significar tudo o que pode ser observado e influenciado diretamente. Quando
rejeitamos o lado metafísico da realidade e só levamos em conta o mundo material, as atividades de todos
os seres vivos, incluindo o homem, são reduzidas a movimentos primitivos dentro dos limites da intenção
interna. A intenção interna nos ajuda a alcançar nossos objetivos, influenciando diretamente o mundo ao
nosso redor. Para conseguir alguma coisa, temos que dar alguns passos, empurrar, empurrar, seguir
adiante e geralmente executar um tipo específico de trabalho. A realidade material responde
instantaneamente à ação direta, que cria a ilusão de que os resultados só podem ser alcançados por
influência direta. No entanto, no contexto do mundo material, a gama de metas que são realisticamente
alcançáveis usando esta abordagem é grandemente reduzida. Aqui, só podemos confiar no que já está
disponível para nós. Tudo se resume a recursos materiais que, em regra, nunca são suficientes e que são
severamente limitados. Neste mundo, tudo está imbuído do espírito de rivalidade. Há muitas pessoas
querendo alcançar a mesma coisa. Claro, dentro dos limites da intenção interna, não há realmente o
suficiente. Então, onde podemos encontrar as condições e circunstâncias necessárias para alcançar nossos
objetivos? A resposta é apenas no espaço de variantes.

Do outro lado do espelho, tudo existe em abundância e não há competição. Nenhum dos produtos está em
estoque, mas a beleza é que você pode escolher qualquer coisa como se fosse um catálogo e fazer um
pedido para o que você deseja. Mais cedo ou mais tarde, seu pedido será entregue e você nem precisará
pagar por ele; você só tem que cumprir certas condições simples, e é isso. Soa como um conto de fadas?
De modo nenhum! É mais que realista. A energia do pensamento nunca desaparece sem deixar vestígios.
É capaz de materializar qualquer setor do espaço de variantes cujas características correspondem à
qualidade das ondas de pensamento emitidas. Parece-nos apenas como se tudo no mundo fosse resultado
da interação entre objetos materiais. Igualmente importante aqui é o papel desempenhado pelos processos
que ocorrem nos planos sutis, quando as variantes virtuais da realidade potencial se tornam incorporadas
na realidade física. As relações causais envolvidas nos processos sutis nem sempre podem ser percebidas
e, no entanto, juntas, elas constituem a melhor metade da realidade. A incorporação física de setores
dentro do espaço de variantes ocorre, via de regra, independentemente da vontade individual, já que as
pessoas raramente usam a energia do pensamento de uma maneira proposital, para não falar de seres
menos intelectualmente desenvolvidos. Uma pessoa firmemente ancorada nas "realidades da vida" é
como um comprador, que vagueia pelas prateleiras vazias em uma loja que se estende para alcançar
mercadorias que já estão marcadas como "vendidas". Existem apenas produtos de baixa qualidade e
mesmo aqueles são caros. Em vez de apenas olhar para o catálogo e fazer um pedido, eles se apressam em
procurar coisas aleatoriamente, esperando em longas filas, lutando desesperadamente para se espremerem
na multidão e se envolverem em conflitos com os donos de lojas e outros clientes. Como resultado, eles
não conseguem o que querem e acabam com mais problemas do que começaram. Enquanto isso, essa
sombria realidade germina na consciência dessa pessoa e gradualmente acaba se materializando em
realidade. Todos os seres vivos criam a camada de seu mundo pessoal com suas ações, de um lado, e seus
pensamentos, do outro. Todas essas camadas individuais se organizam, uma em cima da outra, como todo
ser vivo contribui para a criação da realidade mais ampla. Cada camada é composta por um conjunto
específico de condições e circunstâncias que produzem o estilo de vida de uma pessoa. As condições
individuais da vida de cada pessoa são diferentes. Podem ser favoráveis ou desfavoráveis, confortáveis ou
severas, convidativas ou agressivas. Naturalmente, o ambiente em que uma pessoa nasce tem algum
significado. No entanto, como a vida de uma pessoa se desenvolve

dependerá, na maior parte, do relacionamento dessa pessoa com eles mesmos e com seu
ambiente. A atitude de uma pessoa em relação à vida é em grande parte determinada por
mudanças subsequentes no estilo de vida. O setor, os roteiros e os projetos de conjuntos que
mais correspondem ao foco e à qualidade dos pensamentos de uma pessoa são aqueles que,
em última análise, se manifestarão na realidade material. Dois fatores desempenham um papel
no processo de criação de uma camada individual: intenção interna de um lado do espelho e
intenção externa do outro. As pessoas podem influenciar objetos no mundo material através da
ação; com seus pensamentos, eles trazem para a realidade física coisas que ainda não estão
lá. Quando uma pessoa está convencida de que o melhor deste mundo já se esgotou, suas
prateleiras permanecerão vazias. Quando pensam que comprar um item de alta qualidade
significará ficar em uma fila enorme e depois se separar com uma grande soma de dinheiro,
então é exatamente isso que vai acontecer. Se as expectativas de uma pessoa são pessimistas
e cheias de dúvidas, elas serão, sem dúvida, justificadas. Se uma pessoa espera encontrar um
ambiente hostil, suas dúvidas se tornarão realidade. No entanto, tudo o que uma pessoa
precisa fazer é abraçar o pensamento inocente de que o mundo salvou o melhor para eles e,
por algum motivo, isso também funciona. É assim que as pessoas moldam a camada do seu
mundo pessoal com o poder do pensamento. Na maioria das vezes, as pessoas não entendem
como tudo funciona. As pessoas tentam fazer tudo "exatamente como eu quero", aplicando o
princípio básico de "onde quer que eu vire, é para onde vou, e onde quer que eu coloque meu
pé no acelerador, é aí que vou fazer uma descoberta" . No entanto, por alguma razão, o mundo
não quer ceder a esse princípio. Além disso, quando uma pessoa se volta em uma direção, a
vida a carrega em outra completamente diferente. Isso faz você pensar. Dado que a realidade
se comporta de uma maneira tão estranha, talvez devêssemos adotar uma abordagem
diferente. E se a vida funcionar de acordo com leis completamente diferentes? No entanto, as
pessoas não querem parar e olhar em volta, de modo que continuem a avançar com afinco. O
resultado desse tipo de "criatividade" é que você acaba com uma camada do mundo na qual
"nada é como eu quero que seja". Na verdade, muita coisa acaba sendo "como eu não queria".
Quão estranha, temperamental e desinteressante é a realidade! Muitas vezes, temos a
sensação de que o mundo está fazendo isso por maldade. O problema parece ser atraído para
nós por alguma força magnética inexplicável. Nossos medos são percebidos e nossas piores
expectativas justificadas. Somos persistentemente seguidos pelas mesmas coisas às quais
somos adversos e, portanto, tentamos evitar. Por quê? A teoria do Transurfing explica por que
muitas vezes acontece que “vc conseguira o que você não queria ", especialmente se você não
quisesse desesperadamente. Há algo que você odeia ou teme de todo o coração? A intenção exterior lhe
dará em abundância. A energia dos pensamentos, nascidos da unidade do coração e da mente, transforma
o potencial em realidade. Em outras palavras, o setor no espaço de variantes que corresponde à qualidade
de nossas ondas de pensamento pode ser materializado, se os sentimentos do coração forem um com os
pensamentos da mente. Esta não é a única razão pela qual nossas piores expectativas são percebidas. Uma
vida sem problemas é, na verdade, a norma. Tudo na vida deve se desenvolver suavemente se você seguir
o fluxo de variantes e não perturbar o equilíbrio. A natureza não gosta de desperdiçar energia e não tem
vontade de criar intrigas. Circunstâncias e eventos infelizes ocorrem como resultado do excesso de
potencial, o que introduz um elemento de distorção no ambiente energético. Relacionamentos
dependentes apenas exacerbam o problema. O excesso de potencial surge quando alguma qualidade ou
outra é atribuída à importância excessiva e inflacionada. Relacionamentos dependentes são criados
quando as pessoas começam a se comparar, a compartimentar e a definir condições como: "Se você fizer
isso, eu farei isso". Excesso de potencial não é necessariamente um problema, desde que a avaliação
distorcida exista apenas em relação a si mesma. Assim que a avaliação artificialmente elevada de um
objeto é colocada em relação comparativa a outra, surge uma polarização que cria um vento de forças de
equilíbrio. Forças de equilíbrio tentam neutralizar a polarização e, na maioria dos casos, seu impacto é
focado na pessoa que a cria. Esses são exemplos de potencial incondicional: amo você; Eu me amo; Te
odeio; Eu não gosto de mim mesmo; Eu sou bom; você é mau. Esses julgamentos são auto-suficientes.
Eles não são baseados em comparação ou contradição. Aqui estão alguns exemplos de potenciais
construídos em relacionamentos dependentes: Eu amo você desde que você me ame; Eu me amo porque
sou melhor que o resto de vocês; você é ruim porque eu sou melhor que você; Eu estou bem, porque você
é ruim; Eu não gosto de mim porque sou pior que qualquer outra pessoa; Você me repulsa porque você
não é como eu. Existe uma enorme diferença entre o primeiro grupo e o segundo. Julgamentos de valor
baseados em comparação criam polarização. Forças de equilíbrio tentam neutralizar a heterogeneidade
pela colisão de opostos. É exatamente o mesmo que quando os pólos opostos de um ímã atraem. É por
isso que o problema entra em nossas vidas de maneira tão intrusiva, como se de propósito. Por exemplo,
indivíduos aparentemente incompatíveis se unem como um casal

como se estivessem tentando punir um ao outro. Em qualquer equipe, sempre haverá


uma pessoa particularmente irritante. A lei de Murphy ou o que chamaríamos de "lei
do sod" é o mesmo princípio. A polarização distorce o ambiente energético e gera
vórtices de forças de equilíbrio, em conseqüência das quais a realidade é mal refletida
como se estivesse em um espelho distorcido. As pessoas não parecem entender que
o problema surgiu por causa de algo que está perturbando o equilíbrio, e assim eles
decidem lutar contra o mundo exterior, ao invés de eliminar a fonte de polarização.
Tudo o que realmente precisa é cumprir a regra básica do Transurfing: dar a si mesmo
permissão para ser você mesmo e permitir que os outros sejam diferentes. Você tem
que deixar o mundo ir completamente, onde quiser. Solte o seu aperto. Quanto mais
você insiste em seus próprios desejos e reivindicações, mais forte é o ímã que atrai o
oposto. Isto é o que acontece, literalmente: você agarra o mundo pela garganta e por
isso luta, tentando se libertar. Não faz sentido insistir e exigir. Isso só agrava ainda
mais a situação. Em vez disso, a regra do Transurfing exige que você
conscientemente mude sua atitude em relação à situação. O fato de a Lei de Sod
existir é um pouco estranho, não acha? Por que o mundo deveria se comportar de
uma maneira tão vadia? Ou tudo se resume a especulação e preconceito? Não há
como fugir disso; a tendência existe. Felizmente, o modelo Transurfing não apenas
revela o motivo desse padrão, mas explica como ele pode ser evitado. A regra do
Transurfing funciona perfeitamente, e qualquer um que siga esta regra estará livre de
experimentar os tipos de problemas que parecem aparecer em nossas vidas sem
qualquer razão particular. Tudo o que você precisa fazer é afrouxar o controle, parar
de "agarrar a vida pela garganta" e descobrirá que isso instantaneamente se torna
amigável e disposto. Aqueles que não "soltam" continuarão como um ímã, atraindo o
oposto. A lei da má sorte não é a única coisa. No momento em que os opostos se
encontram, sua oposição se esforça para se intensificar ainda mais. A conhecida lei da
unidade e do conflito de opostos, cujo título é auto-explicativo, é agora um
conhecimento básico de livro didático, assim como "o Volga flui para o mar Cáspio e o
Mississipi para o Golfo do México". Mas não é assim tão simples. Pergunte a si
mesmo, por que essa lei deveria existir? A razão para a união onipresente de opostos
é clara: ao fazê-los colidir, as forças de equilíbrio restauram o equilíbrio. Então, por
que elementos opostos estão em constante estado de conflito? Você pensaria que
seria o oposto; colidem, neutralizam cada
outro e acalme-se, mas não, opostos vão "provocando" uns aos outros até que eles tenham a oportunidade
de "lutar". A menos que o valentão seja arrastado, a luta continuará para sempre. Não há falta de
exemplos. Você sabe que a vida às vezes lhe dá nos nervos um pouco. Todo mundo experimenta isso de
maneira variada. Basicamente, a essência é a seguinte: se agora há algo que é capaz de desequilibrá-lo,
parecerá que vai te irritar. Isto é o que acontece: Se você está ansioso, preocupado ou deprimido com
alguma coisa, seus nervos ficarão tensos, mesmo que apenas um pouco. Então, como se estivesse
diretamente conectado, um palhaço aparece e começa a pular e sacudir, te enrolando ainda mais. Você
fica ainda mais irritado e o palhaço pula ainda mais freneticamente. Há muitas maneiras de aumentar sua
tensão. Por exemplo, você está com pressa e com medo de se atrasar. O palhaço aplaude e esfrega as
mãos e grita: «Vamos!» A partir deste momento, tudo começa a ir contra você. As pessoas bloqueiam o
seu caminho. Eles caminham junto com o decoro, mas você ainda não consegue passar por eles. Você
corre para passar por uma porta, mas há literalmente uma fila formando as pessoas mais preguiçosas do
mundo que mal colocam um pé na frente do outro. Os carros na estrada estão fazendo a mesma coisa. É
como se todos eles tivessem concordado de antemão para entrar no seu caminho. Claro, algumas coisas
podem ser colocadas na percepção. Quando você está com pressa, o resto do mundo parece ficar mais
lento, mas os sinais são quando o elevador quebra, o ônibus está atrasado e há um engarrafamento. Em
tudo isso, há alguma tendência objetiva mal-intencionada. Eu poderia citar outros exemplos. Se você está
preocupado com algo e tenso, as pessoas ao seu redor sempre farão exatamente o que o irrita e elas
parecem saber fazê-lo agora, quando você mais gostaria de ficar sozinho. As crianças começam a se
comportar mal, embora estivessem bem antes. Alguém sentado ao seu lado começa a chupar e engolir em
voz alta. Vários indivíduos ficam sob seus pés e pressionam você com seus problemas. Interferência
importunamente se arrasta em todos os lugares. Se você esperar impacientemente, vai esperar por anos.
Se houver alguém, você particularmente não quer ver, eles aparecerão e assim por diante. Quanto mais
irritado você se torna, mais a pressão externa se intensifica. Quanto mais você estiver tenso, mais as
pessoas vão chegar até você. O interessante é que eles não estão realmente fazendo isso deliberadamente.
Nunca lhes ocorreria que pudessem estar incomodando alguém. Então, por que esse comportamento?

por que eles deveriam se importar com o que você quer passar? Talvez o pedestre sinta alguém se
aproximando por trás e instintivamente pare seu "rival" de passar e seguir em frente? Essa explicação
parece viável, mas, mesmo assim, não é isso. Na natureza, se você pensa em termos de instinto, a
rivalidade é sempre expressa em situações em que ambas as partes estão frente a frente. O que faz o
pedestre virar de um lado é o pêndulo. As pessoas simplesmente andam sem pensar onde estão colocando
os pés ou como manter uma linha perfeitamente reta. Nesse sentido, as pessoas estão dormindo e, de
tempos em tempos, a linha de seus passos se desvia espontaneamente para um lado ou outro. A
motivação, a escolha de se mover em uma direção ou outra se origina no subconsciente, que naquele
momento não está sendo controlado pela mente, o que significa que está aberto ao pêndulo. Então você
vem e tenta ultrapassar o pedestre na sua frente. Essencialmente, este é um conflito, ainda que muito
escasso. O objetivo do pêndulo é aumentar a energia do conflito e, assim, ele cutuca o pedestre para dar
um passo involuntário para o lado, para bloquear seu caminho, agravando ainda mais a situação. Você
não pode dizer que o pêndulo está agindo deliberadamente porque não é capaz de intenção consciente.
Forças de equilíbrio agem tão inconscientemente. Devo enfatizar que estamos falando de certos processos
cujo mecanismo preciso ainda não está claro e não sobre o comportamento racional dos seres conscientes.
Estamos simplesmente observando tendências e padrões individuais no mundo da informação energética.
Não faz sentido analisar que tipo de pêndulo está funcionando neste tipo de situação, de onde vem, como
consegue fazer o que faz e o que realmente está acontecendo em um nível energético. Nós nunca
chegaríamos ao fundo disso. Apenas uma conclusão principal nos interessa aqui: quando as forças de
equilíbrio fazem os opostos colidirem, os pêndulos fazem de tudo para inflamar a energia do conflito
crescente. Essa é a lei do pêndulo. Batalhas intermináveis de pêndulo, sejam elas discussões domésticas
ou conflitos armados, todas correm de acordo com essa lei. Quando a oposição surgir, os eventos sempre
se desenvolverão para intensificar o conflito e isso inclui tentativas temporárias e fingidas de
reconciliação. Quando a lei do pêndulo está em jogo, o senso comum não tem peso algum. É por isso que
muitas vezes o senso comum parece não ter relação com as ações de indivíduos ou estados. Em situações
de conflito, os motivos de uma pessoa estão sob o poder do pêndulo. É por isso que quando você olha
para trás como você se comportou no passado, muitas vezes você se vê pensando em como tudo era
estranho e imaginando o que aconteceria.

Terra aconteceu com o seu senso comum. Você se pergunta: “O que poderia ter me feito para fazer uma
coisa dessas?” A resposta é que às vezes saímos do subconsciente sem estar plenamente conscientes do
que estamos fazendo. Só mais tarde, quando nossa consciência está livre de influência externa, os eventos
podem ser avaliados mais objetivamente. As pessoas que foram próximas começam a discutir e depois se
separam porque acham que são incompatíveis apesar de terem compartilhado muitos momentos felizes
juntos quando tudo era maravilhoso entre eles. De repente, uma pessoa muda e seu comportamento se
torna hostil. Eles não são como costumavam ser, mesmo em tempos relativamente recentes. Soa familiar,
certo? Na realidade, não é uma questão de um parceiro ou o outro mudou. A razão pela qual uma pessoa
se comporta de maneira que seu parceiro acha totalmente inaceitável é porque o pêndulo está forçando-a a
se comportar dessa maneira. O pêndulo controla as motivações subconscientes das pessoas que se
encontram em um confronto. O controle é projetado para aumentar a energia do conflito. Geralmente, as
pessoas não sabem o que as leva a atacar. Uma pessoa pode se comportar de forma totalmente ilógica ou
anormal. Este efeito é evidente em crimes inexplicáveis e brutais. Mais tarde, quando eles estão sentados
no banco dos réus, o criminoso se lembra do crime em horror se perguntando: "O que diabos veio sobre
mim?" Eles não estão mentindo também. Muitas vezes o crime é uma surpresa completa para o
criminoso, que se lembra do que fez como se fosse um terrível pesadelo. O sono é particularmente
profundo quando a atenção de uma pessoa cai em uma armadilha. Em certas comunidades, como no
exército, um clube ou seita, é criado um ambiente que suporta um certo tipo de estereótipos de
pensamento e de comportamento. Isso "acalma a pessoa para dormir", o que torna seu subconsciente
suscetível à influência zombificante do pêndulo. Então certas coisas acontecem que pareceriam
totalmente incompreensíveis para qualquer observador objetivo. Por que as pessoas matam os outros de
forma tão cruel, simplesmente porque adoram deuses diferentes? Eles não estão entrando no caminho de
mais ninguém. As pessoas sofrem privações de guerra e morrem em dezenas, centenas, milhares e
milhões. Onde está seu instinto de preservação? Lutar pela riqueza e pela terra é compreensível, mas
como você explica matar por causa da fé? A ideia de paz está próxima do coração de todos e, no entanto,
as guerras continuam. A ideia de um Deus único é bem clara. As noções de bondade, justiça, igualdade
(uma pode durar para sempre) são as mesmas. Todo mundo entende, mas

O bom senso não parece funcionar e o mal triunfa. De onde vem o mal? O pêndulo é a
fonte universal do mal. Em uma situação de confronto envolvendo qualquer coisa ou
alguém, você não precisa observar por muito tempo antes de se tornar óbvio que os
eventos estão se movendo em direção a um aumento da energia conflituosa. Se a
batalha cessar, então não será por muito tempo e apenas para que ela possa
incendiar-se novamente mais tarde com força renovada. Claro, os pêndulos vêm em
todos os tipos de formas, mas são todos destrutivos em graus variados. Alguns são
relativamente inofensivos. O objetivo do pêndulo da Transurfing, por exemplo, é fazer
com que o maior número possível de pessoas pense sobre o que realmente está
acontecendo. Não é uma questão de nos libertarmos completamente dos pêndulos.
Isso dificilmente seria possível. O principal é não se deixar ser um fantoche, estar
ciente de suas ações e usar essas estruturas em seu próprio benefício. Então, como
podemos nos libertar de sua influência? Acordar e ter consciência de como um
pêndulo está tentando manipulá-lo e entender o que realmente está acontecendo já é
metade da batalha. O poder da influência do pêndulo é inversamente proporcional à
consciência. O pêndulo só tem poder sobre você enquanto você adormece no estado
de vigília. Mais importante ainda, não se envolva em batalhas destrutivas com
pêndulos, a menos que isso sirva a você pessoalmente de alguma forma. Se você
está no meio da multidão, você precisa descer do palco de ação para o auditório, olhar
ao seu redor e acordar. Pergunte a si mesmo: “O que estou fazendo aqui? Estou
plenamente consciente do que está acontecendo? ”“ Por que estou aqui? ”O momento
de acordar do sono ao acordar deve ser absolutamente claro, como a frase usada
acima:“ Neste momento, estou acordado e plenamente consciente do que estou
fazendo, e por que e como estou fazendo isso. ”Se você mantiver esse nível de
consciência, tudo ficará bem. Se você não o fizer, então, em qualquer conflito, mesmo
o menor, você será o fantoche. As coisas ficam muito mais difíceis quando algo te
incomoda. Neste caso, o palhaço continuará pulando até que seus nervos estejam
tensos. Isso geralmente significa que o pêndulo chamou sua atenção em uma
armadilha. Para se libertar do pêndulo, você precisa se tornar indiferente, embora isso
possa ser difícil de fazer. Por exemplo, a música dos vizinhos está deixando você
louco. Sua tarefa é "desprender-se" do pêndulo a todo custo. É quase impossível se
forçar a reagir. Não há sentido em tentar suprimir o seu

emoções. Em vez disso, volte sua atenção para outra coisa. Tente ouvir sua própria
música, não muito alto, mas alto o suficiente para abafar a música dos vizinhos. Pense
em outras maneiras de se distrair. Se você conseguir ocupar seus pensamentos com
outra coisa, os vizinhos vão gradualmente amadurecer. O mesmo princípio se aplica
em outras situações também. Se o "palhaço está dançando", sua atenção foi
capturada em algum tipo de armadilha. Você foi pego no jogo do pêndulo, cujo objetivo
é aumentar a energia do conflito. Para libertar-se da armadilha, você precisa desviar
sua atenção. De um modo geral, as coisas não são tão ruins assim. Nada vai
acontecer "para te irritar", desde que você não esteja dormindo na vida. Você pode
pensar que tudo isso soa ridículo. Não é fácil se acostumar com a ideia de que certas
entidades podem controlá-lo. Se você aceita esse conhecimento ou não, é uma
questão de escolha pessoal. Você não precisa acreditar. Simplesmente observe e
depois tire suas próprias conclusões. Esse é um breve resumo do conceito de
Transurfing. Se, no processo de trabalhar com os princípios da Transurfing, você se
deparar com algo que não entende, pode sempre consultar o material de origem, o
livro em cinco volumes, Transurfing Reality.

Você também pode gostar