Você está na página 1de 6

c

cc  c

p 
   
   c

Você sempre quis fazer suas próprias poesias, mas não sabia
nem por onde começar? Seus problemas acabaram!
Acompanhe nossas dicas para fazer desabrochar seu talento
poético.

 

0m bom assunto é aquele que está mexendo com você


ultimamente. Pode ser qualquer coisa, qualquer sentimento.
Poesia é uma forma de comunicação. Pode ser romântica,
engraçada, de suspense... Você manda!

    

Pegue um papel e vá anotando várias palavras


que tenham a ver com o assunto. Tente achar
rimas para elas. Não precisa pensar muito.
Brinque de rabiscar palavras. Quanto mais,
melhor. Depois você escolhe as preferidas.

   

Você não precisa acertar logo de cara. É justamente a


vontade de acertar de primeira que ³emperra´ o
pensamento. Você é livre para escrever e apagar o que
quiser, mudar tudo de lugar... Solte o verbo! Não tenha
medo...

 

Existem vários jeitos de combinar rimas.


Podemos, por exemplo, numa poesia de quatro
linhas (A, B, C, D), rimar:
A com B e C com D (primeira com segunda e
terceira com quarta), ou
A com C e B com D (primeira com terceira e
segunda com quarta), ou
Apenas B com D (segunda com quarta linha).

Veja este exemplo:


?  ?  ? 

    ?
? ?  
?  
(Evelyn Heine)

O truque para deixar mais legal uma poesia é procurar


palavras de tipos diferentes para rimar. ³Irmão´ é um
S0BSTANTIVO e ³não´ é um ADVÉRBIO. (Viu como é bom
saber Português?)
Não precisa ser na poesia inteira, mas, se conseguir, ótimo.

Veja como ficaria mais pobre deste outro jeito:


?  ?  ? 

    
? ?  
?  
(Evelyn Heine)

Reparou? "0nião" (S0BSTANTIVO) com "Irmão"


(S0BSTANTIVO) não dá o mesmo efeito, não é?
Além disso, inventar novos papéis para as palavras
enriquece sua poesia. 0m ³mundo sim´ serve de exemplo
porque transformamos o ³sim´ (ADVÉRBIO) em adjetivo.

‘ 
Vamos tentar, agora, uma poesia mais curtinha, só de três
linhas, rimando A com C (primeira com terceira).

?   ?


 
  ?  ?
??? ? ?
(Evelyn Heine)

Primeiro tive a idéia de rimar ³AI´ (onomatopéia de dor) com


a palavra em inglês ³BYE´ (que se pronuncia ³bai´). Não é
legal?
Então... fui imaginando o que combinaria com ³AI´.
Pensei na dor de uma paixão não correspondid a.
Depois inventei a última linha (Ele me disse bye = foi
embora) e ficou faltando a do meio.
Dei um jeito de ligar as duas com a que faltava.
Primeiro imaginei ³isso tudo só porque´... mas aí veio uma
frase mais forte ± D   
 ... ± e outra melhor
ainda (mais sentimento!):   
.
Viu só? A gente vai mudando até gostar do conjunto! Você
precisa ficar contente com sua obra!

!"#‘
Chover é um verbo que não tem sujeito. Por isso mesmo
D   causa impacto.
É impossível que as coisas chovam! Mas isso exprime a
tristeza da situação. Por isso a poesia emociona mais do que
dizer apenas: D 
 
 .

'!$   

O nome do ³ritmo´, em poesia, é %&.


Resumindo, sem complicar muito, você
precisa ver se a leitura fica gostosa ou não.
Os poetas costumam calcular sílabas, ver
como elas se juntam nas palavras vizinhas e tal.
Faça o seguinte: sua poesia não ³encaixou´ direito? Parece
que fica uma ³ponta´ sobrando em alguma parte?
Então troque palavras, inverta a ordem... até seu ouvido
ficar satisfeito.
Os poetas de antigamente tinham até que escrever números
exatos de sílabas.
Veja o ANTES e DEPOIS a seguir. Compare!

!
     ??
 
   
     ??

? 
     ??
 
   
    ??

Reparou? 0m mínimo detalhe fez M0ITA diferença na hora


de falar.
³Para´ tem duas sílabas e ³pra´ tem uma só. Só isso já muda
todo o ritmo. VEJA:
     ??
    ??
MESMO NÚMERO DE SONS!

   

Comece a prestar mais atenção às letras de


música que ouve. Veja porque algumas rimas
parecem melhores que outras.

' 

0ma rima feita com palavras do mesmo tipo


(mesma classe gramatical), chama-se %(‘.
Já uma outra feita com palavras de tipos diferentes, chama-
se %.
Melhor ainda se você rimar palavras com estruturas
totalmente diferentes. Aí o nome é %(‘ (³vê-
lo´ com ³cabelo´, por exemplo).
c

Estrofe de nove versos. Apresenta esquema variável de rima e não é de uso muito
generalizado.c
cc
|ão tem nome especial, embora alguns autores lhe proponham a denominação de nona
Ex.: c
c
O mostrengo que está no fim do mar |a noite de breu ergueu -se a voar; c
c
A roda da nau voou três vezes, c
Voou três vezes a chiar, c
E disse, "Quem é que ousou entrar c
|as minhas cavernas que não desvendo, c
Meus tetos negros do fim do mundo?" c
E o homem do leme disse, tremendo, c
"El-Rei D. João Segundo!" c
(Fernando Pessoa) c
c
Esquema de rima: aabaacdcd. Há um verso solto, pois não rima com nenhum outro. c
Décima. É a estrofe de dez versos apresentando esquema de rima variável. c
Em geral, a décima resulta da justaposição de uma quadra (ou quarteto) a uma sextilha,c
ou da justaposição de duas quintilhas. Ex.: c
c
º      
  c
Para crescer, criar, subir, c
O |ovo Mundo nos músculos c
Sente a seiva do porvir. c
- Estatuário de colossos -c
Cansado doutros esboços, c
Disse um dia Jeová: c
"Vai, Colombo, abre a cortina c
"Da minha eterna oficina ... c
"Tira a América de lá." c
(Castro Alves) c
c
Esquema de rima: abcbdeffe. Há dois versos soltos ou sem rima correspondente: a e c. c
c
Sem nome especial são as estrofes de mais de dez versos,c
como nos mostra este exemplo de Tasso de Oliveira , apresentando quatorze versos: c
c
CA| O c
Em sala antiga deu hora c
um pêndulo familiar. c
Som tão morto que lá fora c
ninguém o pôde escutar: c
nem uma alma recolhida, c
nem a rua adormecida, c
nem a cidade vencida c
de tanto sofrer e amar. c
|o entanto, a hora assim perdida c
que em surda voz, ainda agora,c
esse pêndulo bateu c
foi uma hora, uma santa hora c
da vida que Deus nos deu. c
Ah! foi uma hora da Vida! c
c
Esquema de rima: ababcccbcadadc. c
cc
Estrofes isométricas e heterométricas c
c
Convém notar ainda que se dá a denominação de estrofe simples ou isométricac
à estrofe que se forma de versos de igual medida. Ex.: c
c
Eu deixo a vida como deixa o tédio c
Do deserto o poento caminheiro; c
Como as horas de um longo pesadelo c
Que se desfaz ao dobre de um sineiro; c
c
Como um desterro de minha alma errante, c
Onde fogo insensato a consumia c
Só levo uma saudade - é desses tempos c
Que amorosa ilusão embelecia. c
c
Só levo uma saudade - é dessas sombras c
Que eu sentia velar nas noites minhas c
De ti, ó minha mãe, pobre coitada, c
Que por minha tristeza te definhas! c
c
Descansem o meu leito solitário c
|a floresta dos homens esquecida, c
À sombra de uma cruz - e escrevam nela: c
Foi poeta, sonhou e amou na vida... c
(Álvares de Azevedo) c
c
|o poema acima, todas as estrofes são isométricas,c
pois os quartetos se formam com versos de igual medida (versos regulares). c
cc
Estrofe composta ou heterométrica é a que se forma de versos desiguais, mas
combinados.c
cc
Eis as combinações mais freqüentes: c
c
E, longe, luz mais pura c
Que a extinta luz daquele dia morto c
Xenócrates procura: c
- Imortal claridade, c
Que é proteção e amor, vida e conforto, c
Porque é a luz da verdade. c
(Olavo Bilac) c
c
Hendecassílabo e pentassilabo: c
c
?      
   c
Tão pálido, diz : c
Meu pobre Menino! que |ossa Senhora c
Fez tão infeliz... c
(Antônio |obre) c
c
Alexandrinos com hexassílabos: c
c
|unca morrer assim! |unca morrer num dia c
Assim! de um sol assim! Tu despenhada e fria, c
Fria.! postos nos meus os teus olhos molhados, c
E apertando nos teus os meus dedos gelados... c
(Olavo Bilac)) c
c
Heptassílabos com versos de três ou quatro sílabas: c
c
Quis fazer uma canção c
não sei porque, c
que dissesse ao coração c
não sei o quê; c
(Guilherme de Almeida) c
c
Versos de cinco com versos de três sílabas: c
c
|oite de bruxedos, c
Entre os arvoredos c
um repuxo c
de cristal, que é a vara c
de um bruxo. c
(Guilherme de Almeida)c
cc
Fim deste tema ESTROFE c
c