Você está na página 1de 59

Aparelho urinário

Anatomofisiologia
Funções do Aparelho urinário

• Filtragem do sangue;

• Regulação do volume sanguíneo;

• Regulação da concentração de solutos no sangue;

• Regulação do pH do liquido extracelular;

• Regulação da síntese de glóbulos vermelhos;

• Síntese vitamina D.
Anatomia do Rim
O aparelho urinário compreende os órgãos responsáveis
pela formação da urina:

•Os rins (2)


•Vias urinárias
•Ureteres
•Bexiga
•Uretra
Anatomia do Rim
Anatomia do Rim
Localização
Espaço retroperitoneal
Parede abdominal posterior
Gordura perirrenal

Estrutura externa
Faces, bordas e polos
Seio renal -> Pelve renal
Cápsula fibrosa
Gordura Perirrenal
Fáscia renal
Anatomia do Rim
Cada rim está dividido
- zona cortical

-zona medular

existem cerca de um
milhão de unidades
microscópicas – os
nefrónios
Anatomia interna do Rim
Camadas
Cortical – Colunas renais
Medula – Piramides renais
- Papilas
Seio Renal
Calices maiores (2 a 3)
Bacinete
Calices menores (8 a 20)
Pelve Renal ou bacinete
Pediculo – Vasos
- Nervos
- Corpo adiposo
Ureter – Tubo muscular (25 cm)
Anatomia do Rim
Anatomia do Rim-nefrónio

Nefrónio:
Corpúsculo renal ou de Malpighi
Anatomia do Rim-nefrónio
Nefrónio:
Mácula densa
Mácula densa
Anatomia do Rim-nefrónio
• Cada rim possui cerca de 1,3 milhões de nefrónios,
medindo, a maioria cerca de 50 a 55mm.

• Os nefrónios cujo corpúsculo renal está junto a


medula chamam-se nefrónios justamedulares.
Apresentam ansas de Henle muito compridas que
penetram profundamente na medula.

• São apenas 15% os nefrónios justamedulares, os


restantes são denominados nefrónios medulares.
Organização do Nefrónio
Organização do Nefrónio
Organização do Nefrónio
Longa estrutura tubular, microscópica;
numa das extremidades, uma expansão em forma de taça,
denominada cápsula de Bowman.
Conecta-se com o túbulo contorcido proximal, que continua pela
alça de Henle e pelo túbulo contorcido distal; que desemboca em
um tubo coletor.
Organização do Nefrónio

Vários tubos uriníferos desaguam num tubo colector, que abrirá no


bacinete, uma zona central do rim, donde partem os ureteres em
direcção á bexiga. Esta abre para o exterior através da uretra.
Organização do Nefrónio
Na parte vascular do nefrónio o sangue, vindo da artéria renal, entra
na cápsula de Bowman pela arteríola aferente, que se capilariza
formando o glomérulo de Malpighi no interior da cápsula.
Estes capilares reúnem-se na arteríola eferente, que se irá
novamente capilarizar em volta dos tubos contornados e da ansa de
Henle, formando a rede peritubular.
Estes capilares formam vénulas que
irão terminar na veia renal.
Organização do Nefrónio
A arteríola eferente apresenta um diâmetro menor que a aferente,
aumentando a pressão no interior do glomérulo e forçando uma
filtração abundante. Por este motivo, o sangue flui passivamente e
com baixa pressão para a rede peritubular, facilitando os fenómenos
de reabsorção e secreção.
Cápsula de Bowman
Zona inicial em fundo de saco e em forma de taça, que se localiza
na região cortical do rim.
Aqui ocorre a filtração, através do endotélio do capilar do
glomérulo e da parede da cápsula, que impedem a passagem de
células e macromoléculas.
O resultado é o filtrado glomerular, uma mistura de água, sais
minerais, ureia, glicose, AA, vitaminas, etc., tudo em concentrações
iguais ás que tinham
no plasma;
Tubo contornado proximal
Imediatamente a seguir á cápsula de Bowman, há uma porção do
tubo bastante enrolada e ainda localizada no córtex renal. As suas
paredes realizam transporte activo de sais e nutrientes (glicose,
AA, Na+, Cl -, etc.) para o meio interno, o que causa a reabsorção
de água por osmose pois a pressão osmótica no tubo baixa;
Ansa de Henle
Porção do tubo em forma de U, subdividida em zona descendente e
ascendente, que mergulha na medula do rim. A porção descendente
da ansa é permeável á água (que passa para os capilares
peritubulares) mas pouco permeável aos sais e á ureia, pelo que há
uma concentração da urina. O inverso ocorre na porção ascendente,
onde o tubo é impermeável á água mas permeável aos sais, que
saem por difusão e transporte activo, aumentando a pressão
osmótica dos fluidos intersticiais da medula renal;
Tubo contornado distal
Zona terminal do tubo urinífero, novamente bastante enrolada e de
volta ao córtex renal. Aqui ocorrem importantes fenómenos de
secreção, com transporte activo sobretudo de K+ e H+, o que
mantém o pH sanguíneo adequado. Outras substâncias, como
venenos e drogas, podem ser segregadas para a urina a este nível;
Tubo colector
Embora não fazendo parte do tubo urinífero, está aqui considerado
devido a ainda ser um importante interveniente na formação da
urina. Este tubo é muito permeável á agua, impermeável aos iões e
atravessa a medula (zona muito hipertónica do rim) dá-se a
reabsorção de grandes quantidades de água ainda presente na
urina, tornando-a muito concentrada.
Vasos sanguíneos

GLOMÉRULO
Funções do rim
Filtração: Pressão hidrostática do sangue sobre as paredes do
glomérulo. São barradas as células sanguíneas e proteínas
plasmáticas, passando água e alguns solutos – Filtrado Glomerular
Reabsorção: água, NaCl, glicose e aminoácidos.
Secreção: algumas moléculas estranhas passam directamente do
sangue para os túbulos como as drogas.
1,2L de sangue/min passa pelos rins=1800L por dia, dos quais 180L
deixam o sangue para fazer parte do filtrado, mas são produzidos 1-
2L de urina/dia: 178L são reabsorvidos.
Funções do rim
Clearance Renal
• Refere-se à capacidade dos rins de depurar os solutos do plasma.
• O clearance da creatinina é uma excelente medida da função
renal; à medida que a função renal diminui, o clearance da
creatinina diminui.
• Valores de referência creatinina sérica: 0,40 – 1,30 mg/dl.
Anatomia do Rim
URETER
Anatomia do Rim
URETER

Relações anatômicas
- situa-se posteriormente aos
vasos renais
- anteriormente ao músculo
psoas e artéria ilíaca comum na
pelve
- Direito faz relação com a 2a
porção do duodeno, cruza com a
raiz do mesentério e vasos
gonadais
- Esquerdo faz relação com os
vasos gonadais e sigmóide
Artérias e veias dos rins
• As artérias renais são ramos
da aorta abdominal;
• As artérias segmentares
divergem da artéria renal
para formar as artérias
interlobares que ascendem
do interior das colunas renais
até ao córtex.
• Na base de cada pirâmide
dividem-se e formam as
artérias arciformes.
• Artérias interlobulares para
dentro do córtex.
Artérias e veias dos rins
Vasa recta
• Porções especializadas dos capilares peritubulares que
rodeiam os tubulos proximais e distais que penetram
na medula acompanhando as ansas de Henle
regressando depois ao córtex.
Anatomia da Bexiga

Localização
Bacia ( Cavidade pelvica)
Capacidade – 500ml
No homem: á frente do reto
Na mulher: entre o útero o reto

Função
Armazenar urina
Anatomia da Bexiga
Camadas
Mucosa
Musculo detrusor (3 camadas)
Faces
Superior, inferolaterais
Fundo, colo
Relações anatómicas
Prostata
Vesiculas seminais
Ductos deferentes
Anatomia da Bexiga - interna
Trigono Vesical
Ostios ureterais
Ostio interno da uretra
Prega interuretérica
Uvula da bexiga
Pregas mucosas
Parede vesical
Uretra prostática
Seio prostatico
Coliculo seminal
ultriculo prostatico
Ductos prostáticos
Ductos ejaculatórios
Esfíncteres da Uretra
ESFÍNCTER ESFÍNCTER
INTERNO EXTERNO

TIPO DE MÚSCULO Liso Esquelético

NERVO Hipogástrico Pudendo

TIPO DE INERVAÇÃO Autonómica Somática

38
Reflexo Da Micção

• Estimulação de receptores de estiramento na parede da bexiga


(em particular, na uretra posterior)

• Condução à medula sagrada através dos nervos pélvicos

• Estimulação reflexa da bexiga, através dos mesmos nervos, pelo


S N Parassimpático, causando contracção da bexiga

39
Produção de urina

• Os nefrónios são as unidades funcionais do rim;

• A filtração, a reabsorção e a secreção são os


principais processos implicados na formação de
urina.
Filtração
Fracção renal – o débito cardíaco que passa pelo rim (+ 21%);
Débito renal Médio – 1176ml/min;
Fracção de filtração – plasma circulante filtrado p/Cápsula de
Bowman;
Taxa de Filtração glomerular (TFG) - Taxa de Filtrado por min,
+ 180l /dia.

• Cerca de 99% do filtrado é reabsorvido no nefrónio.


• 1% é tranformado em urina.
GLOMÉRULO
Taxa Filtração Glomerular = 125ml/minuto  180L de sangue/dia

balanço de pressões
Poncótica + Phidrostática = Poncótica + Phidrostática
cap. Bowman capilares capilares cap. Bowman

Depende: taxa de fluxo sanguíneo no glomérulo


permeabilidade dos capilares
área de superfície de filtração

Ultrafiltrado – constituição semelhante ao plasma, mas sem


proteínas.
Reabsorção tubular

• Faz-se ao longo do tubo entre a cápsula de Bowman e o tubo


colector;
• Difusão, difusão facilitada, transporte activo, co-transporte e a
osmose são as formas de reabsorção;
• Os solutos reabsorvidos incluem aa, glicose, frutose, Na+, K+,
Ca2+, HCO- e Cl-.
• O filtrado que compõe a urina contem concentrações altas de
ureia, ácido úrico, creatinina, e K+
Reabsorção no tubulo proximal
Reabsorção na Ansa de Henle
Reabsorção no tubulo distal
Reabsorção no tubulo distal
Alterações da concentração dos
solutos
• A ureia entra no filtrado glomerular com uma
concentração igual á do plasma;
• Ao longo do nefrónio a água é reabsorvida e aumenta a
concentração de ureia. Apenas 40-60% é reabsorvida;
• Com a ureia são reabsorvidos uratos, creatinina, sulfatos,
fosfatos e nitratos;
• São substs tóxicas se acumuladas no organismo;
• A sua acumulação no filtrado e eliminação na urina ajuda
a manter a homeostase.
Ciclo do Reflexo da Micção
• 1) Progressivo e rápido aumento de pressão
– a partir de uma determinada pressão basal
• 2) Período de pressão constante (alguns segundos a mais de 1
minuto)
• 3) Retorno à pressão basal da bexiga

Quando ocorre um reflexo sem sucesso em esvaziar a bexiga, em


geral o reflexo é inibido por alguns minutos a uma hora, até que
ocorra novo reflexo

- Inibição ou facilitação pelos centros superiores

49
Uretra
Uretra
Eliminação da urina
Formação da urina no nefronio
Local Processo Substâncias envolvidas
Corpúsculo renal A pressão do sangue força à Água, glicose, aminoácidos, sais,
filtração no glomerulo com ureia, ácido úrico, etc.
passagem de substancias para a
cápsula renal

Tubulo contornado proximal Difusão e transporte activo Agua, glicose, amináciodos e


executado pelas células dos sais
túbulos devolvam substancias
do filtrado para os capilares
sanguíneos

Alça néfrica Osmose e reabsorção da água Água e sais


do filtrado para os capilares
sanguíneos
Túbulo contornado distal Transporte activo executado Ácido úrico, amónio, iões
pelas células dos tubulos, hidrogénio, etc.
remove excreções dos capilares
sanguíneos
Fisiologia
Eliminação da urina
• ADH – hormona anti-diurética

• Produzida:
– Hipotálamo/Hipófise
Função:
Reabsorção de H20
Regula concentração urinária
Eliminação da urina
Principais distúrbios do sistema
urinário
Uretra masculina
Mede cerca de 20 cm
A uretra masculina é formada pelas porções:
Prostática
Membranosa
Cavernosa ou peniana
A prostática situa-se muito próximo da bexiga e a parte
inicial da uretra está no seu interior. Os ductos que
transportam a secreção da próstata abrem-se na uretra
prostática.
Na parte dorsal da uretra prostática há uma elevação que
faz saliência para o seu interior, o verumontanum. Nos
lados do verumontanum abrem-se os dois ductos
ejaculatórios, pelos quais passa o sémen.
Hormonas que regulam o volume
de sangue e a pressão sanguínea
Hormona paratiroideia ou paratormona
È segregada nas glândulas paratiroides
Não afecta o equilíbrio hídrico mas possui uma função
importante na regulação de dois electrólitos o cálcio e o
fosfato
A paratormona eleva o calcio no plasma através dos seus
efeitos sobre três órgãos :
Ossos
Aparelho digestivo
Rins
Também estimula os tubulos renais a reabsorver cálcio e
excretar fosfato.