Você está na página 1de 4

CURSO DE SERVIÇO SOCIAL COM FOCO EM

TRIBUNAIS, MINISTÉRIOS PÚBLICOS E


DEFENSORIAS
PROF. WELBER GONTRAN

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO SOCIAL

PLANEJAMENTO TRADICIONAL E NORMATIVO

CARACTERÍSTICAS

• Trabalha em uma perspectiva em que o planejamento é definido como


mecanismo por meio do qual se obteria o controle dos fatores e das variáveis
que interferem no alcance dos objetivos e resultados almejados.

• Assume um caráter determinista em que o objeto do plano, a realidade, é


tomada de forma estática, passiva, pois, em tese, tende a se submeter às
mudanças planejadas.

• Ênfase nos procedimentos, nos modelos já estruturados, na estrutura


organizacional da instituição, no preenchimento de fichas e formulários, o que
reduz o processo de planejamento a um mero formalismo.

• O planejador é visto como o principal agente de mudança, desconsiderando-se


os fatores sociais, políticos, culturais que engendram a ação, o que se traduz
numa visão messiânica daquele que planeja. Essa visão do planejador
geralmente conduz a certo voluntarismo utópico.

• Ao mesmo tempo em que, por um lado, há uma secundarização das dimensões


social, política, cultural da realidade, por outro lado, prevalece a tendência de
se explicar essa realidade e as mudanças que nela acontecem como
resultantes, basicamente, da dimensão econômica que a permeia.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

ELEMENTOS BÁSICOS

• O planejamento estratégico vem sendo entendido como a forma


contemporânea da planificação.
• Processo organizacional compreensivo de adaptação através da aprovação,
tomada de decisão e avaliação.

• Conforme Teixeira, absorver a noção de estratégia implica, no caso das


instituições governamentais e não governamentais, absorver um sentido
político para a gestão pública, concebendo-se a unidade a ser gerida como uma
unidade plural (não consensual), onde a inconformação está presente e a
utopia é o horizonte. Além disso, a sociedade a quem se destinam as ações
planejadas é também uma sociedade plural e multiétnica.

• A categoria “estratégia”, além de conferir um sentido político para a gestão


pública e para o planejamento, resgata a noção de combate. A partir dela,
pode-se reconhecer as instituições como trincheiras específicas de luta,
naturalmente, com mediações.

• A noção de estratégia no planejamento surge para desvendar o seu caráter de


concepção e ação (institucional ou não), que busca efetividade em um
ambiente não homogêneo, onde diferentes interesses e diferentes posições
disputam o alcance de resultados e da hegemonia.

CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS

1- Orientado para o futuro

 Seu horizonte de tempo é o longo prazo;

 Mais voltado para os problemas do futuro do que os de hoje;

2- É compreensivo

 Envolve a organização como uma totalidade;

 A resposta estratégica da organização envolve um comportamento global,


compreensivo e sistêmico;

3- Se assenta sob três parâmetros: VISÃO DO FUTURO, OS FATORES AMBIENTAIS


EXTERNOS E OS FATORES ORGANIZACIONAIS INTERNOS.

PLANEJAMENTO TÁTICO

• Ao contrário do planejamento estratégico que se volta para a organização


como um todo, este foca apenas uma parte da organização, um departamento
desta;

• Representa a decomposição do planejamento estratégico em cada setor da


empresa/organização
• Tem aplicabilidade no médio prazo;

PLANEJAMENTO OPERACIONAL

• Tem aplicabilidade no curto prazo (3 a 6 meses);

• Envolve cada tarefa ou atividade isoladamente e preocupa‐se com o alcance de


metas específicas.

• Coloca em prática os planos táticos dentro de cada setor da empresa.

• O planejamento operacional cria condições para a adequada realização dos


trabalhos diários da empresa.

ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIALISTA

• No patrimonialismo, o aparelho do Estado funciona como uma extensão do


poder do soberano. Aqui a corrupção e o nepotismo são características
frequentes.

ADMINISTRAÇÃO BUROCRÁTICA

• Caráter legal das normas e regulamentos;

• Caráter formal das comunicações;

• Impessoalidade nas relações;

• Hierarquia da autoridade;

• Rotina e procedimentos padronizados;

• Competência técnica e meritocracia;

• Profissionalização dos participantes;

• Previsibilidade do seu funcionamento;

ADMINISTRAÇÃO GERENCIAL

• Insere-se dentro na lógica da contrarreforma do Estado;

• Descentralização de decisões;

• Flexibilidade de gestão;

• Horizontalização de estruturas ;

• Descentralização de funções;
SUGESTÃO BIBLIOGRÁFICA

• ARTIGO: Avaliação de políticas, programas e projetos sociais. Ivanete Boschetti;

• CHIAVENATO, Idalberto. Administração Geral e Pública. Provas e Concursos. SP:


Manole, 2012;

• BAPTISTA, Miriam Veras. Planejamento Social: Intencionalidade e


Instrumentação. SP: Veras, 2013.

Você também pode gostar