Você está na página 1de 15

Diagnóstico por imagem

trabalhar com imagens em 2D e 3D


QUAIS SÃO AS TÉCNICAS DE DIAGNÓSTICO
tomografia
RADIOLOGIA CONVENCIONAL
Radiação ionizante;
Cortes transversais;
Exame rápido;
+ Sensibilidade para osso e pulmão;
Visualizar de ângulos diferentes uma
Exposição do filme a radiação; avaliação estrutural e anatômica, mas
Processamento químico na câmera escura precisa do meu paciente
(revelação, fixação, lavagem e secagem); Exame um pouquinho mais refinado do que
Desvantagens: Não é possível uma radiologia um raio x convencional Ex:
modificações na imagem; Exame mais lento. fratura é melhor fazer a solicitação de uma
Na imagem estruturas ósseas estruturas de radiografia ou tomografia
tecidos moles
Radiologia opção de trabalhar com a RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

diversidade grande de espécies


Conhecer anatomia, pois a radiografia ela
revela basicamente anatomia do animal
normal, quando houver alguma alteração
no exame radiológico Sem radiação ionizante;
Cortes em todos planos;
RADIOLOGIA -TOMOGRAFIA Exame longo;
+ Sensibilidade p/ tec. Moles;
Intensidade de sinal
Feita por campos magnéticos e pulsos de
Trabalhar também com a parte de raio x e radiofrequência
raios gama, onde tem a disponibilidade de

Liliane Gomes 1
Imagem uma alta definição com qualidade que é um raio-x onde e como ele é
precisão não perde detalhes pode dividir o produzido como os raios-x são usados
paciente horizontalmente verticalmente em formato imagem são os fatores que
camadas interferem na formação de uma imagem
Pode fazer cortes longitudinais, cortes para que dessa forma a gente tem um bom
transversos do meu paciente e consegue diagnóstico radiológico
fazer cortes na relação milímetros imagem Quais são os principais fatores que vão
muito mais detalhada interferir na formação de uma imagem?
→ A metragem e o tempo de o princípio da
ULTRASSONOGRAFIA
radiografia
→ Entender a forma de onda a quantidade de
pulso radiográfico para entrar naquele objeto
transformar imagem em texto sobre a
espessura do objeto quanto maior a espessura
Vai criar uma onda a princípio da
do objeto vai diferenciar
ultrassonografia chega no órgão e aí a
→ Na quantidade de Raios que tem que passar
formação da imagem a formação gráfica
para formar a imagem mesma coisa para
A constituição daquele tecido para que a
densidade um número atômico do objeto
possa interpretar da melhor forma
também interfere em sabe que o nosso
Mais versátil ela não é invasiva gente pode
organismo tomado, então de nitrogênio e
realizar dentro do hospital e a Campo
oxigênio que tem no nosso organismo e isso vai
Anatomia topográfica o exame físico do
tá interferindo na formação da imagem
paciente saiba aplicar as técnicas, a parte
radiográfica uso de contrastes nós temos esse
de inspeção, palpação, percussão,
recurso em relação à utilização de contraste de
auscultação e o faça a semiologia.
externos e até mesmo com cachaça
Raio X a Campo eu preciso de saber direito
Qual é o objetivo aqui descrever o órgão a
incidência, potência, o tempo de exposição,
área está envolvida na radiografia
a distância que irá colocar o aparelho para
que tenha uma imagem de qualidade → Para saber o que tá acontecendo com o paciente
radiologia é importante a gente entender o para que possa focar o órgão de maneira

Liliane Gomes 2
adequada e ter uma boa imagem em contraste
com as estruturas que estão em volta em
seguida

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO
Onde o raio entra ao é onde o raio sai é o
paciente vai estar né com dorso as costas
Posicionamento do paciente quando for
voltadas para cima o ventre encostado na
posicionar o paciente preciso ter cuidado
mesa e aí vai ter a sensação ela vai entrar
para colocar posição confortável esse
na coluna e vai sair no abdômen, posição
paciente ele tem que estar contido,
ventro dorsal o paciente está com verde
imobilizado de maneira adequada para ele
para cima o dorso apoiado na mesa raio
não ficar rodando mudando de posição
vai entrar no ventre e vai sair no do outro

EIXOS E PLANOS DO CORPO certo então normalmente

Raio entra e outro raio sai para fazer o


animal ficar nessa posição administra
algumas medicações nessa posição ventro
dorsal se o paciente não sente dor é
tranquilo e dorsoventral é só o paciente em
Importante que pense no animal e que decúbito normalmente para fazer uma
possa traçar o que plano que eu posso radiografia Ortopédica para lauda para
passar no medial que posso traçar o que é displasia negativa a posição ventro dorsal
um plano transverso, um plano horizontal,
Então as laterais deitam lado lateral
um plano transversal, lembra das
esquerda, então quando eu penso em
estruturas
lateral é o meu paciente deitado de lado o

NOMENCLATURA E POSICIONAMENTO raio-x vai entrar de um lado, vai sair do


lado direito do paciente

Liliane Gomes 3
Paciente em decúbito lateral direito o raio é Dorso-palmar/plantar e palmo/planto-
esquerdo e sai do lado direito lateral dorsal usados a partir do carpo/tarso
esquerdo do paciente em decúbito lateral fazer nessa região do carpo e das falanges
esquerdo ou do Tarso e das falanges

É importante ficar ao seu lado lateral


Crânio-caudal e Caudocranial caudal ele
vai ser utilizado usados para membros da
porção proximal até o carpo ou tarso A nomenclatura ele está associado à onde

Para membros tá fica para membros até entra e a onde o raio sai

onde dos carros que quando eu chego nos Região médio-palmar e ela vai sair na

carros eu já te chamo mais de crânio e região Palmar

caldo caudal e caudo cranial tá então eu Obliqua médio-lateral levemente inclinado

vou utilizar no membro até onde até a então o posicionamento inclinado

região do carpo tá posição crânio-caudal


como incidência eu vou insistir nessa região
cranial em sentido caudal essa posição
crânio-caudal

Apendicular são os membros é padronizado


é necessário que faça no mínimo duas pela incidência e pela incidência crânio caudal
projeções e que faça duas formas de dessa forma o raio bate não é penetra na
incidência do raio naquele membro para estrutura ele forma a imagem atrás no filme
que possa deixa a formação de uma visão

Liliane Gomes 4
Assim consegue visualizar sobre dois região dos osteoclastos osteoblastos
ângulos um membro ou a região a ser sofreram algum tipo de lesão de
examinada vai manter inflamação
Em volta na região da articulação tem então
AGRESSIVIDADE DE UMA LESÃO ÓSSEA
a cápsula articular sinovial e quando vê
bem nessa região do centro tem aqui o
momento é de radiolucidez está bem
pretinho indicando a presença de gás
normalmente está associado a com
processos inflamatórios e muitas vezes é
computação bacteriana

REAÇÃO PERIOSTEAL
Osteomielite não são respostas a processos
Podem acontecer naquele paciente nos
inflamatórios quando tem uma reação está
processos né de infecção fúngica
associada com a deposição de osso de
Associada com processos agressivos essa
forma aleatória nos tecidos moles de tendão
região descreve os raios de sol como se fosse
em volta daquele osso está uma perioral em
realmente os raios de sol saindo do
forma amorfa gente ela está associada a
periódico ela é muito comum norte sarcoma
processos malignos as neoplasias
para entender o processo liminar imagem
Radiografia pegou da região Medial para abaixo
a região lateral na articulação do joelho
certo e aí a gente vê então que a gente pode
observar que o osso ele tem uma
característica né uma radiopacidade bem
marcante da gente consegue ver uma
Imagem do osso bem branquinha nessa
região tem uma diferença de radiopacidade
a seta preta vai observar perdas de
Estrutura do córtex do osso do animal tem
densidade do osso e informa que essa então o periódico repetindo essas cordas tem

Liliane Gomes 5
uma relação em forma de lâmina é como se Descreve os raios de sol como se fosse
tivesse formando várias camadas realmente os raios de sol saindo do
mostrando essa região está passando para periódico ela é muito comum no Norte
algum tipo de irritação na ação do periósteo sarcoma aqui no esquema para entender no
A região do punho então a região do corte processo laminato então nós temos aqui a
do osso e remodelamento desse osso pode estrutura do córtex do osso do animal
representar de processos crônicos ou estágio podemos
final do processo de cicatriz de uma lesão Então o período dessa corda quando a gente
Quando tem uma reação periosteal que é tem uma redação em forma de lâmina é
classificada como laminar ou em casca de como se tivesse formando essa região
cebola indica que aquele o osso está passando por algum tipo de também nos
sofrendo episódios repetitivos de irritação é processos de
vai tentando formar novas lâminas
CLASSIFICAÇÃO FRATURA
paralelas ao seu corpo é muito comum nas
osteopatias Calcificação óssea pela estimulação das

Hipertrófica em cães jovens que estão células conexão ele pela atividade do

crescendo muito rápido quais mais aspectos periósteo

Reação de forma de espículas né


FRATURA PATOLÓGICA
informando gente pequenas espículas como
fosse radiações para formar ali um novo Está associada pela fragilidade do tecido

osso no momento vai correr e peões na da ósseo quando está associada normalmente

lesão nosso associado com processos as neoplasias

agressivos essa região


PATOLÓGICAS INCOMPLETAS

Acometido e as na linha de crescimento


consegue visualizar isso com frequência
muito grande em filhotes

POR ESTRESSE

Aquelas fratura de trauma continuo numa


região do osso está associada ao processo

Liliane Gomes 6
de reparação pelo processo inflamatório
aqui é a cintilografia ela vai dar para
TIPO 2
gente dar uma imagem Clara dessas zonas
de stress quando a gente fez tipo de Tem a separação da partida e pise em

suspeito com dúvida no raio-x tá eu não relação a metáfase com leve deslocamento

coloquei aqui para vocês mensagem onde a na projeção é uma projeção crânio caudal

gente tem aqui o histórico né de uma linhas de fissura indicando o deslocamento

suspeita de lesão óssea o que que a gente de uma fratura então pelo deslocamento

precisa nessa região aqui do o pelo do aumenta a sobrecarga no eixo do osso esse

animal uma grande perda de cidade né a gira sobre ele mesmo morrendo aí as lesões

gente tem uma cidade reduzida e se os por fissura no momento

passa por um processo de mineralização de


TIPO 3
pé a parte mineral do osso ele fica frágil e
nós temos então que uma Uma lesão parcial vai perder aqui a
comunicação de uma das extremidades da
FRATURA COMPLETA epífise

Pega toda estrutura do corpo separando o


TIPO 4
osso em dois fragmentos está associada ao
processo aqui patológico de mineralização e Vai ter a separação de parte da região da

por isso a gente tem uma fratura completa metáfase e as fraturas incompletas na

patela linha de crescimento consegue visualizar


isso com frequência muito grande em
SALTER HARRIS filhotes
Bem em cima das faturas estão aqui a tipo
é uma separação e pizzaria simples que a
gente percebe que bem aqui na gente então
uma fratura completa
Projeção craniocaudal percebe claramente a
luxação é a posição que a médio-lateral e
normalmente ela já é uma posição pouco
mais difícil de ver a peça nessa posição

Liliane Gomes 7
porque tem a sobre a sobreposição e não Associada a alterações degenerativas tanto
consegue nem visualizar alteração faz em duas etapas promovendo uma
Coxa femoral alterações associadas a alteração na cartilagem que recobre como
trauma a cabeça do fêmur ela vai estar também uma má-formação cabeça do fêmur
deslocada dorsalmente e cranialmente como para promover o encaixe então
se ela subisse ele um pouquinho a cabeça do
PADRÃO PULMONARES-AFECÇÃO PULMONAR
fêmur o deslocamento ele pode ser ventral
ou imediatamente ao nascer tal PADRÃO VASCULAR
deslocamento ventral ou imediatamente ao
Vasos que estão dentro do pulmão então os
nascer tal sempre fazer duas projeções
vasos pulmonares eles vão ter uma
Central é mais difícil e mais contundentes é
superfície uniforme e eles tem um diâmetro
sempre importante fazer duas projeções
comparativo de acordo com o tamanho do
normalmente
animal os vasos percebe que o paciente que
Articulação do acetábulo da cabeça uma
não é o padrão vascular vai estar com
posição paciente ainda na posição de
alterações no diâmetro desse vaso
flexionar as pernas de rã gente consegue
visualizar melhor o acetábulo é muito
comum também lesões por fratura de
avulsão onde tem o que a ruptura de
ligamento redondo da cabeça do fêmur
O que percebe na fratura por avulsão é
O vaso pulmonar aumentado de tamanho
comum que ocorra os conectivos na borda do
ou diminuído de tamanho tem alteração no
acetábulo o arrancamento dessa lesão
diâmetro do vaso pulmonar chama se de
problema é que tem as doenças
padrão vascular
degenerativas que são as displasias
Quando o paciente tem histórico de
coxofemorais é uma doença associada com
problemas cardíacos como cardiomiopatia
aprendiz posição hereditária muito comum
insuficiência de válvula mitral ela costuma
em cães de raças grandes labrador Golden
ter sobrecarga pulmonar então os vasos
Retriever São Bernardo rottweiler
pulmonares ingurgitados e tortuosos

Liliane Gomes 8
Observe olha o diâmetro desse vaso
parecendo uma raiz aqui na imagem
radiográfica um grande o vaso percebe que
muda o diâmetro desse vaso

Então nessas imagens nessa primeira


imagem é a região do hilo então vão ver um
padrão bronquial onde tem uma mudança
em relação a arte da irrigação sanguínea e
Vasos tortuosos vasos ingurgitados dá o
do padrão pulmonar é consegue ver os
nome de padrão vascular aumenta no
brônquios do paciente essas bolinhas
paciente desidratado baixa volemia, baixa
pedaços da árvore bronca desse paciente na
quantidade de líquido na corrente
radiografia
sanguínea diminuir o calibre dos vasos no
Segunda imagem de um padrão vascular
caso de uma hipovolemia, de uma
observe o calibre dos vasos aumentados
hemorragia, de uma desidratação em vez
da gente ter vasinhos gordinhos tem PADRÃO BRONQUIAL
vasinhos magrinhos
Também um padrão vascular e está
alterando a dinâmica vascular do pulmão
nessas imagens aqui é um corte não é
diferente onde vocês vão ver o vaso não um
corte longitudinal, mas não corte
transversal então vai ver o que em vez do
caminho do vaso vai ver o diâmetro do vaso Dos brônquios os broncos como parente
certo cortes diferentes pulmonar eles não são distinguidos na
radiografia normal um brônquio quando
está doente quando a sua parede tá

Liliane Gomes 9
estressada tá então essa parede por um Segunda imagem a árvore bronca do
processo de inflamação ou presença de paciente em vários pontos formados pode
fluído ou até mesmo é certo de ar na região ter um padrão bronquial esse paciente tem
peri bronquial que vai substituir as células histórico de doenças alérgicas infecção
ou fluídos é muito comum em casos de bacteriana ou parasitária qualquer
bronquite processo inflamatório crônico, edema
Bronquite é a inflamação do brônquio e pulmonar e poucas vezes um tumor difuso,
também animais mais velhos então então essa é a característica de um padrão
alteração comum também animais mais bronquial consegue ver a árvore bronca no
velhos vai tornar a estrutura do bronca mas paciente
evidente mais branquinha mais radiopaca e
PADRÃO INTERSTICIAL
pode ver ela de duas formas ela
arredondar ou ela pode ser linear Pode ser de duas formas estruturado ou

parecendo gente trilhos não estruturado

Então dependendo do corte se ele for Estruturado a denominação de nodular ele

transversal irá ver estrutura arredondada já descreve como vai ser a alteração que vai

se ele for longitudinal uma estrutura ver é um nódulo é uma massinha

parecendo trilhos aqui não temos então o arredondada lá no nosso pulmão

padrão bronquial arredondada Então percebe um nódulo bem redondinho no

Então um corte transversal mostrando para pulmão e ele tem uma característica

a árvore bronca indicando que pode ser um radiopaca é muito comum nos casos de

paciente com processo inflamatório na metástases de câncer espalhando no

árvore brônquica ou um paciente idoso mais pulmão, pneumonia embolia, tumores

uma radiografia aqui para ver se fica mais primários no pulmão, doenças parasitárias

fácil de vocês visualizar quando tem doenças que vão causar alterações bolhas

alteração gente tem formato de trilho tem no pulmão tudo isso podem estar

ela arredondar então tanto padrão associados a esse formato de nódulo no

bronquial no formato de rosquinha quanto padrão intersticial

no formato de trilho de trem mostrando


paciente alteração bronquial

Liliane Gomes 10
intersticial difuso a sensação lembra
quando a televisão ela saia fora do ar
então aquela imagem toda craquiada de
contrastes de cinza é aquela sensação onde

Consegue ver um nódulo bem grande de 4 no pulmão é como se tivesse a imagem do

cm na parte do pulmão direito na região pulmão que deveria ser todinha transluz

caudal essa característica de opacidade ela Parece fora do ar então tem o padrão

é radiopaca é possível formar arredondar pulmonar intersticial não estruturado que

chama de padrão intersticial estruturado ou ele tá todo cheio de granulometria ele tá

nodular indo na escala de cinza toda de uniforme

Padrão intersticial não estruturado quer Então é importante que saiba identificar se

dizer que não é organizado que não tem foi a técnica que usou está errada ou seu

aquele mesmo aspecto de nódulo então essa tem realmente uma doença no parênquima

característica quando tem um problema É importante que tenha o domínio da técnica

relacionado com a técnica que utilizou com radiográfica no raio-x regula novamente a

excesso de fluido um crescimento de células máquina e repete a radiografia se tiver

com infiltração, a alterações na estrutura apresentado a mudança no padrão

intersticial do pulmão intersticial foi a técnica que usou errado,

Pode utilizar uma técnica adequada se tem continuando a alteração intersticial precisa

uma imagem borrada devido a agora identificar o que a causa

administração é de maneira inadequada Exemplos pneumonia bacteriana viral

distribuindo ar no pulmão pode aparecer bronquite e a enfisema pulmonar então a

um padrão intersticial um animal muito pneumonia bacteriana a produção de

gordo também vai interferir no padrão secreção essa secreção ela vai ocupar o

intersticial que o raio não vai passar de lugar que tinha que teria líquido e tem

maneira adequada, pacientes que têm fluido, então espera uma mudança de

linfoma densidade, se tem catarro vai ter a perda de

Infiltração no pulmão metástase é tumor, ganho de coloração opacidade nesse

micoses profundas e no caso dos edemas pulmão então é comum que esse pulmão

cardiogênicos pode ter um padrão esteja rádio ele está pretinho como essa

Liliane Gomes 11
primeira parte aqui nessa região cranial a A um padrão intersticial nodular então tem
gente percebe um pulmão tomado de a presença de um padrão alveolar cheio de
secreção com radiopacidade secreção e ao que se chama de um padrão
misto na imagem radiográfica isso é o mais
comum tem secreção alteração dos alvéolos
brônquicos, alteração vascular é uma
mistura de padrões de acordo com a
secreção do paciente
Normalmente as pneumonias bacterianas
Caso de bronquite então a inflamação dos
vão vir pelo nariz para que então toma teu
brônquios é muito comum em cães e também
primeiro foco de mudança de opacidade na
em felinos essa alteração ela vai se
região da base do coração, do íleo onde
tornando crônica é um ramo é um padrão
começa então instalar os parasitas
bronquial inflama os brônquios a estrutura
Não começa normalmente é opacidade da
dos brônquios espessados ou um formato
pneumonia nesta região e ela vai esperando
de rosquinha ou no formato de trilho de
que os outros lobos do pulmão região da
trem e tem também um padrão intersticial
traqueia é um bronco principal que ele vai
aquele padrão difuso as rosquinhas
ter então a distribuição brônquios,
formando inflamação brônquica
bronquíolos é alvéolos as estruturas da
O pulmão ele não está todo pretinho tem
pleura relembra vários pontos importantes
áreas no rádio que as regiões tem secreção e
na imagem radiográfica ex: um padrão
então é o famoso padrão misto onde tem
intersticial está falando da parenquima no
alteração bronquial e também alteração
intestino, do pulmão é um ex: quando tem
intersticial
um padrão reticulado é muito comum gente
enfisema está associado com grande esforço
nas doenças que está na fase inicial então
respiratório quando olha para esse pulmão
começa a espalhar e causar efeito como se
percebe ele tá todo pretinho né ele tá errado
tivesse tudo meio fora do ar meio
lúcido só que ele tá errado não gosto de
craquelado e tem também a presença de
mais gente cadê a árvore brônquica cadê
nódulos observam imagens radiográficas
aquela estrutura e de vaso então tem o quê
ou associados
uma alteração no padrão na rádio

Liliane Gomes 12
Lucidez desse pulmão é um normalmente O raio-x mas pretinho nossa imagem vai
está associado com o enfisema tem o quê ficar consequentemente mais radiolucida
uma grande com ação de ar fora da árvore áreas que tem muita absorção de raio-x
brônquica por isso que ele fica assim então onde elas vão chocar na região da chapa
pretinho é esse não é o problema que está vai vamos ter né aí então imagem mas
muito associado, com fumantes é o enfisema radiopacas mais clarinha
pulmonar Consegue ver o ar que tem uma densidade
Quando menos denso exemplo a gordura né de baixinha como ele é pretinho como ela é
menos ela absorve raio-x e mais radiolucido quando a gente compara com
radiolucida ou a estrutura menos densa que osso todo formado aí para o cálcio forte
nós temos no nosso organismo então ele tem uma densidade mais alta e tem o que
absorve pouco raio-x e nós vamos ter uma uma imagem branquinha radiopaca
imagem radiolúcida é importante a gente Digestivo humano um contraste grande com
entender como calibrar o aparelho de raio-x as estruturas parenquimatosas como
fígado e a compara com as alças intestinais
FATORES TÉCNICOS
principalmente a parte do sistema
Colimação ela a intensidade com que o raio digestório a
vai atingir a chapa ela pode causar uma O raio é formado lá dentro da máquina
maior queima das estruturas ou menor que uma radiação ionizante que de acordo com
uma das estruturas quanto mais denso ou a densidade do animal do tecido que vai
mais intensa essa colimação, mas ele vai avaliar tem o coração não o rádio luz ou
queimar radiopacas

Sistema que tem mais informação porque


DISPLASIA DE COTOVELO
tem muitas articulações e estrutura óssea
Displasia de cotovelo necrose asséptica da para dar a sustentação ao corpo
cabeça do fêmur e hiperparatireoidismo Osso tem uma densidade diferente do
secundário nutricional t músculo tem uma densidade diferente do
tendão percebe o osso ele vai formar sempre
aquela imagem o eixo radiopaca que é bem

Liliane Gomes 13
branquinha e consegue avaliar estrutura a em vários pontos associados a anatomia
articulação vai dar o eixo densas de estrutura
coloração de acordo com a densidade das Então para promover o eixo em movimento
estruturas tem tendões, tem ligamentos envolvidos nas
Osso não tem dinâmica o osso tem vida articulações, tem a cápsula articular não
reposição e retirada de cálcio pense na dinâmica da imagem radiográfica
constantemente têm uma grande atividade uma função daquela estrutura flexão-
então vai responder algumas alterações extensão movimento e estabilidade do
principalmente aquelas alterações de esqueleto
periósteo estudar as alterações de periósteo Necrose asséptica da cabeça do fêmur e o
elas são proliferativas células causa paciente que tem hiper para ti Quais são as
algum tipo de lise ou de desorganização da possíveis alterações que a gente vire e qual
estrutura quando pensão de um osso é o prognóstico do paciente para a gente
encontra com outro vai formar um eixo em pensar né primeira coisa ela tá falando de
uma articulação na circulação cotovelo quando a gente pensa em cotovelo
Tem cápsula articular lá dentro tem cotovelo é formado por Quais estruturas
ligamentos, tem a articulação recobrindo a ósseas Olha aí o cotovelo de vocês e falem
extremidade do osso articular e a para mim é o encontro de quais ossos rádio
articulação que recobre a extremidade do una com quem número né Qual é o processo
osso normalmente não consegue visualizar que a gente tem aqui que manter uma boa
na radiografia vai observar o articulação processo na Coronel então para
distanciamento entre as extremidades começar a gente tem que lembrar toda essa
ósseas estrutura e o desenho dessas estruturas
Osso tem uma dinâmica, tem uma histologia anatômicas é isso que permite a gente fazer
e o osso ele é importante para o crescimento flexão e extensão do nosso tu vê lá certo
que tem áreas de crescimento e o osso ele então a gente tá falando de uma
tem a parte do periósteo e endósteo articulação
Periósteo ele é importante nos processos de Uma articulação ela vai ter uma cápsula
regeneração de tecido a tão alterações de articular envolvendo essas três estruturas
descontinuidade do periósteo fraturas é tem ósseas vai ter um preenchimento de líquido

Liliane Gomes 14
sinovial para um outro raspar com outro suavemente um osso sobre o outro essa
na extremidade do rádio, da una e do finalidade de uma articulação
úmero e tem uma cartilagem para promover Solicitar uma radiografia pensando no
um bom deslizamento onde esses ossos vão cotovelo gente tem que ter pelo menos duas
se encaixar para permitir que flexione visões desse cotovelo para conseguirem ver
Cotovelo quando acontece algum problema todas as estruturas anatômicas desse
no funcionamento dessa articulação então cotovelo fazer uma lateral direita quando a
pode ser uma má formação ou uma fala de membro na articulação do cotovelo
disfunção dessa articulação e ela pode vai chamar essas radiografias é lateral
estar associada com o processo ancôneo Radiografia médio-lateral é incidência da
uma fragmentação do processo coronoide região Medial tem contato o raio vai entrar
medial da una um problema de nela e vai sair lateralmente os membros e
osteocondrose um problema no côndilo do com em flexão ou fricção posso fazer uma
úmero ou um problema de incongruência radiografia também craniocaudal
articular de uma artrose articulação não Projeção médio-lateral então essa parte
faz o encaixe direito e o paciente apresenta aqui que a gente tá vendo é a Medial e essa
desconforto nessa palpação desconforto na parte aqui é a lateral certo eu vou apagar
hora de flexionar e estender a articulação aqui que eu escrevi bem em cima da
do cotovelo no momento vai ter inflamação radiografia
,se tem inflamação tem edema e
espessamento e irregularidades de tecidos
moles em volta da articulação, tem a
claudicação que quando põe peso naquela
articulação doente e tem uma limitação no
movimento desse membro e pode ter
crepitação articular é um croqui eu sei que é
um croqui é o rádio um esfregando o úmero
crepitando fazendo croque não é normal a
articulação ela tem que deslizar

Liliane Gomes 15

Você também pode gostar