Você está na página 1de 14

Revisões 10º ano

Células eucarióticas e procarióticas


Células eucarióticas
O que são?

As células eucarióticas são células que têm núcleo. Dividem-se em células eucarióticas animais
e células eucarióticas vegetais que apresentam constituintes diferentes.

Quais os constituintes que as caracterizam?

Células eucarióticas animais

 Núcleo
 Retículo endoplasmático rugoso
 Retículo endoplasmático liso
 Membrana plasmática
 Complexo de Golgi
 Mitocôndria
 Lisossoma
 Centríolo

NOTA: As células eucarióticas animais também


apresentam vacúolos, mas são vacúolos digestivos
que têm funções diferentes que os vacúolos
centrais presentes nas células eucarióticas
Figura 1: Célula eucariótica animal
vegetais.

Células eucarióticas vegetais

 Núcleo
 Retículo endoplasmático rugoso
 Retículo endoplasmático liso
 Membrana plasmática
 Complexo de Golgi
 Mitocôndria
 Vacúolo central
 Cloroplasto
 Parede celular

NOTA: Existem mais plastos para além


dos cloroplastos, nomeadamente os
leucoplastos e os cromoplastos. Figura 2: Célula eucariótica vegetal

1
Organismos que contêm células eucarióticas

As células eucarióticas podem constituir seres unicelulares como por exemplo a ameba ou
seres pluricelulares, mais especificamente: animais, plantas, fungos e protistas.

Funções dos constituintes

 Núcleo: Contém o material genético da célula.


o Nucléolo - estrutura presente no núcleo das células. Coordena os processos de
reprodução celular através da síntese de proteínas.
 Retículo endoplasmático rugoso: Ajuda na síntese de proteínas, está associado aos
ribossomas.
 Retículo endoplasmático liso: Participa na produção de lípidos.
 Complexo de Golgi: Armazena, modifica e liberta substâncias (proteínas e lípidos).
Também origina os lisossomas
 Membrana plasmática: Delimita a célula sendo responsável pela saída e entrada de
substâncias. Tem a função de proteger as estruturas celulares internas.
 Ribossomas: Estruturas responsáveis pela produção e síntese de proteínas.
 Mitocôndria: Estrutura responsável pela respiração celular e produção de energia
 Lisossoma: Estruturas responsáveis pela digestão celular.
 Centríolo: Estrutura celular que auxilia na divisão celular (mitose e meiose).
 Vacúolo central: Responsável pela reserva energética e armazenamento de
substâncias.
 Cloroplasto: Organelos que armazenam clorofila e onde ocorre a fotossíntese.
 Parede celular: Protege a célula contra danos mecânicos e mantém a sua forma.
 Citoplasma: Onde se encontra o núcleo e os organelos celulares.

NOTA: Nas células eucarióticas vegetais não existem flagelos nem cílios, nas células
eucarióticas animais podem estar presentes estes constituintes.

Características típicas das células eucarióticas

 Maior estrutura que as células procarióticas


 Têm um funcionamento mais complexo que as células procarióticas
 Possuem organelos com membranas
 O material genético está dentro de um núcleo
 Molécula de DNA longa e filamentar
 Reproduzem-se por mitose e meiose
 Formam seres unicelulares ou pluricelulares

2
Células procarióticas
O que são?

As células procarióticas são células sem núcleo. Dividem-se em bactérias e cianobactérias que
apresentam constituintes diferentes e funcionamento diferente.

Quais os constituintes que caracterizam as bactérias e as cianobactérias?

Cianobactérias

 Envoltório viscoso
 Parede celular
 Membrana celular
 Ribossomas
 Nucleoide
 Membrana fotossintética
 Cianossomas

NOTA: Maior parte das cianobactérias


agrupam-se em colónias para persistir
no ambiente. No entanto não são seres
multicelulares porque não partilham
funções/não há trocas entre elas. As Figura 3: Cianobactéria
cianobactérias trabalham para si
mesmas.

Bactérias

 Parede celular
 Cápsula
 Citoplasma
 Membrana plasmática
 Nucleoide
 Flagelo
 Fímbrias

Figura 4: Bactéria
Funções dos constituintes

 Envoltório viscoso: Protege a célula contra a dessecação.


 Parede celular: Protege a célula contra danos mecânicos e mantém a sua forma.
 Membrana celular: Delimita a célula sendo responsável pela saída e entrada de
substâncias. Tem a função de proteger as estruturas celulares internas.
 Ribossomas: Estruturas responsáveis pela produção e síntese de proteínas.
 Nucleoide: Contém o material genético das células procarióticas. Tem forma irregular.
 Membrana fotossintética: Participa no processo de fotossíntese
 Cianossomas: Contêm os pigmentos fotossintéticos mais especificamente clorofila A
(verde), ficobilinas (vermelho) e ficoetrinas (azul).

3
 Cápsula: Participa na resistência à ingestão e à digestão pelas células fagocitárias nos
processos infeciosos. Participa na aderência dos organismos.
 Citoplasma: Onde se encontra os constituintes das células.
 Flagelo: Locomoção da bactéria
 Fímbrias: Função de aderência

Diferentes formas de bactérias

As bactérias apresentam formas diferentes e são classificadas de acordo com essas formas.
Assim podemos verificar entre as diferentes bactérias:

 Cocos: Relativamente esféricos. Formam


frequentemente agrupamentos. (A)
 Bacilos: Ligeiramente alongados com
extremidades hemisféricas. Podem ter flagelos.
(B)
 Vibriões: São encurvados, em forma de arco ou
vírgula com um flagelo numa das extremidades.
(C)
 Espiroquetas: São alongadas e helicoidais,
podendo dispor de vários flagelos. (D)

Figura 5: Diferentes tipos de bactérias

Biomoléculas
Glícidos
Tipos de elementos químicos

São compostos ternários, ou seja, são compostos por carbono, oxigénio e hidrogénio.

Grupos característicos (perguntar a professora)

Os grupos característicos dos glícidos são o grupo aldeído e o grupo cetona.

Figura 6: Grupos característicos dos glícidos

NOTA: Apesar da ligação glicosídica se realizar entre os grupos hidroxilo dos monómeros este
não é um grupo característico dos glícidos.

4
Monómeros

Os monómeros dos glícidos são os monossacarídeos. Os monossacarídeos podem ser


classificados conforme o número de átomos de carbono que possuem, podem ser trioses (3
carbonos), tetroses (4 carbonos), pentoses (5 carbonos), hexoses (6 carbonos), etc.

Alguns exemplos de monómeros são:

Figura 7: Exemplos de monossacarídeos

Polímeros

Os polímeros dos glícidos são os oligossacarídeos e os polissacarídeos.

Os oligossacarídeos possuem entre duas a dez moléculas de monossacarídeos, como por


exemplo a sacarose, a maltose e a lactose.

 Sacarose: Resulta da ligação de uma molécula de glicose a uma molécula de frutose.


 Maltose: Resulta da união de duas moléculas de glicose.
 Lactose: Resulta da ligação entre uma molécula de glicose e uma molécula de
galactose.

Figura 8: Formação da sacarose

Figura 9: Formação da maltose

5
Figura 10: Formação da lactose

Os polissacarídeos são formados por cadeias lineares ou ramificadas de muitos


monossacarídeos. Temos como exemplo a celulose, o amido e o glicogénio.

Figura 11: Polissacarídeos nas células

Tipo de ligação entre monómeros

A ligação presente entre os monossacarídeos denomina-se de ligação glicosídica.

Esta ligação realiza-se entre os grupos hidroxilo dos monossacarídeos e há libertação de uma
molécula de água por cada ligação glicosídica.

Funções dos glícidos

Os glícidos têm uma função energética e estrutural.

A função energética relaciona-se com a sacarose, o amido e o glicogénio enquanto que a


função estrutural se relaciona com a celulose e a quitina.

NOTA: O glícido mais usado pelas células para obter a energia é a glicose.

6
Relação com a membrana

Os glícidos estão localizados na face externa da membrana. Integram constituintes como os


glicolípidos e as glicoproteínas que executam mecanismos de reconhecimento de substâncias.

Figura 12: Representação de glicolípidos e glicoproteínas na membrana

Efeitos do excesso de glícidos nos seres vivos

O excesso de glícidos pode levar a doenças como a obesidade, doenças cardiovasculares, etc.

NOTA: Os alimentos principais que contêm glícidos são a massa, o pão, batata, milho, entre
outros.

Lípidos
Características

Os lípidos são moléculas estruturalmente heterogénea, ou seja, existem vários tipos de lípidos
como por exemplo fosfolípidos e triglicéridos.

Têm fraca solubilidade na água, como por exemplo, a água e o azeite que não se misturam.

Figura 13: Água e azeite

Os lípidos têm facilidade em dissolver-se em solventes orgânicos como por exemplo o éter e o
benzeno.

Tipos de elementos químicos

São compostos ternários, ou seja, são compostos por carbono, oxigénio e hidrogénio.

7
Grupos característicos

Os grupos característicos dos lípidos são o metilo (B) e o carboxilo (A) no caso dos ácidos
gordos e hidroxilo (C) no caso do glicerol.

Figura 14: Grupos característicos dos ácidos gordos e do glicerol

Monómeros

Os monómeros dos lípidos são os ácidos gordos e um álcool, o glicerol.

Os ácidos gordos diferem entre si pelo tamanho da cadeia hidrocarbonada e pelos tipos de
ligações que se estabelecem. Nos ácidos gordos saturados, todas as ligações entre os átomos
de carbono da cadeia são ligações simples. Nos ácidos gordos insaturados, verifica-se a
presença de ligações duplas entre os carbonos da cadeia.

Polímeros

Os polímeros dos lípidos são os triglicerídeos, os fosfolípidos e os esteroides, mas o esteroide


mais importante é o colesterol.

Triglicerídeos

Na síntese de um triglicerídeo unem-se três moléculas de ácidos gordos a uma molécula de


glicerol.

Figura 15: Formação dos triglicerídeos

8
Fosfolípidos

Os fosfolípidos mais comuns resultam da ligação de duas moléculas de ácidos gordos, uma
molécula de glicerol, um grupo fosfato e um composto R, geralmente um composto azotado.

Os fosfolípidos são moléculas anfipáticas, isto quer dizer, são constituídos por duas cadeias
hidrocarbonadas, sendo uma delas hidrofóbica pois é apolar e a outra hidrofílica pois é polar.

Figura 16: Constituição de fosfolípidos

Esteroides – colesterol

O principal esteroide é o colesterol, que é também uma


molécula anfipática. Possui 17 carbonos dispostos em 4
anéis. Não está presente nas células eucarióticas
vegetais.

NOTA: As ligações existentes entre os monómeros dos


lípidos são denominadas de ligações éster. Realizam-se
entre o grupo hidroxilo do glicerol e o grupo carboxilo Figura 17: Colesterol
dos ácidos gordos e a 3 moléculas de água formando as enzimas.

Relação com a membrana

Os lípidos entram no funcionamento da membrana de


diferentes maneiras nomeadamente através dos
fosfolípidos e do colesterol.

Se os fosfolípidos tiverem caudas curtas, ou seja, ácidos


gordos insaturados, a membrana tem maior fluidez. Se os
fosfolípidos tiverem caudas longas, ou seja, ácidos gordos
saturados, a membrana tem menor fluidez.

Podemos afirmar que o colesterol diminui a fluidez da


membrana. Como já foi referido anteriormente as células
eucarióticas vegetais, então a membrana é mias fluida.
Figura 18: Membrana plasmática

9
Funções dos lípidos

Os lípidos têm várias funções:

 Reserva energética: As gorduras constituem uma importante fonte de energia, como


por exemplo, nos ursos polares.
 Função estrutural: Relacionam-se com as funções desempenhadas na membrana.
 Função protetora: Há lípidos, como os óleos ou as ceras, que revestem folhas e frutos
de plantas, bem como a pele, pelos e penas de muitos animais, tornando essas
superfícies impermeáveis à água.
 Função vitamínica e hormonal: Algumas vitaminas como as vitaminas E e K, bem como
algumas hormonas, nomeadamente hormonas sexuais, são também de natureza
lipídica.

Prótidos
Tipos de elementos químicos

São compostos quaternários, ou seja, são compostos por carbono, oxigénio, hidrogénio e
azoto.

Grupos característicos

Os grupos característicos dos prótidos são o grupo amina (NH2) e o grupo carboxilo (COOH)

Grupo amina -

Grupo carboxilo -

Figura 19: Grupos característicos de um aminoácido

Monómeros

Os monómeros dos prótidos são os aminoácidos. Há um total de 20 aminoácidos como por


exemplo serina, ácido aspártico, leucina, entre outros.

Polímeros

Os polímeros dos prótidos dividem-se de acordo com a quantidade de aminoácidos que


possuem. Assim podemos observar:

 Péptidos: Possuem entre 2 e 20 aminoácidos ligados entre si por uma ligação


peptídica.
o Exemplos: dipéptidos (2 aminoácidos) tripéptidos (3 aminoácidos)…
 Polipéptidos: Possuem mais do que 20 aminoácidos ligados entre si (mais de quatro
ligações de aminoácidos)
 Proteínas: Possuem muitos aminoácidos ligados entre si, por vezes centenas ou
milhares. São constituídas por uma ou mais cadeias polipeptídicas.

NOTA: Uma ligação peptídica é uma ligação química que ocorre entre duas moléculas quando
o grupo carboxilo de uma molécula reage com o grupo amina de outra molécula.

10
Estrutura das proteínas

 Estrutura primária: Uma


sequência de aminoácidos unidos
por cadeias polipeptídicas.
 Estrutura secundária: As cadeias
polipeptídicas podem formar,
estabelecidas por pontes de
hidrogénio, uma estrutura em a-
hélice ou b-pregueada.
 Estrutura terciária: A cadeia, junto
com a estrutura secundária,
enrola-se e dobra se sobre si
mesmo, tornando-se globular. As
Figura 20: Estruturas das proteínas
dobras são estabelecidas por ligações,
incluindo, pontes de hidrogénio e de
dissulfito.
 Estrutura quaternária: Várias cadeias
polipeptídicas globulares organizam-se
e interagem.

NOTA: A estrutura quaternária não é essencial ao funcionamento da proteína. Existem


proteínas que só precisam de uma cadeia, logo a estrutura terciária é a estrutura funcional da
proteína.

Fatores que afetam a funcionalidade da estrutura terciária da proteína

 Ph: As proteínas atuam num ph ideal, se for mais alto ou mais baixo diminuem a sua
atuação até serem desnaturadas.
 Temperatura: A temperatura alta leva à desnaturação da proteína e a temperatura
baixa leva à inativação da proteína.
 Radiações

NOTA: A desnaturação da proteína ocorre quando a estrutura se desorganiza e a proteína


perde funções. No caso da estrutura terciária (nível funcional da proteína) esta desenrola-se.

11
Ácidos nucleicos
Os ácidos nucleicos são as biomoléculas mais importantes do controlo celular, pois contêm a
informação genética.

Tipos de elementos químicos

Os ácidos nucleicos são compostos quaternários, ou seja, são constituídos por oxigénio,
hidrogénio, carbono e nitrogénio.

Grupos funcionais

 Grupo amina *
 Grupo acetona *
 Grupo metilo *
 Grupo hidroxilo *
 Grupo fosfato *

Figura 21: Grupos funcionais dos ácidos nucleicos presentes nas pentoses

Figura 23: Grupo fosfato

Figura 22: Grupos funcionais dos ácidos nucleicos presentes


nas bases azotadas

Monómeros

Os monómeros dos ácidos nucleicos são os nucleótidos. Cada nucleótido é constituído por três
componentes diferentes:

 Grupo fosfato: Constitui aos ácidos nucleicos as suas características ácidas. Está
presente no DNA e no RNA.
 Pentose: Há dois tipos de pentoses presentes em diferentes tipos de ácidos nucleicos:
a desoxirribose e a ribose.

Figura 24: Pentoses - desoxirribose e ribose

12
 Base azotada: Há cinco bases azotadas diferentes divididas em dois grupos:
o Bases de anel duplo (purina): Adenina (A) e guanina (G)
o Bases de anel simples (pirimidina): Timina (T), citosina (C) e uracilo (U)

Figura 25: Bases azotadas

Os nucleótidos são designados pela base azotada da sua constituição, logo há 5 categorias de
nucleótidos:

 Nucleótido adenina
 Nucleótido guanina
 Nucleótido citosina
 Nucleótido timina
 Nucleótido uracilo

Polímeros

Há dois tipos de ácidos nucleicos: o DNA e o RNA.

Os constituintes do DNA são:

 Grupo fosfato
 Pentoses: Desoxirribose
 Bases azotadas: Adenina, timina, guanina e citosina.

NOTA: O DNA é formado por duas características nucleotídicas unidas por pontes de
hidrogénio que criam uma dupla hélice.

Figura 26: DNA

13
Os constituintes do RNA são:

 Grupo fosfato
 Pentoses: Ribose
 Bases azotadas: Adenina, uracilo, guanina e citosina.

NOTA: Uma molécula de RNA é um polímero de nucleótidos, geralmente em cadeia simples.

Figura 27: RNA

14

Você também pode gostar